Page 1


Divisao Sul-Arn~ricana Ministerio de Desbravadores - Udolcy Zukowski

Unio~s Uniio Argentina - Carlos Campitelli Uniio Boliviana - Alfredo Santa Cruz Musnier Uniio Central Brasileira - Ronaldo Arco Uniio Centro-Oeste Brasileira - Max Schuab b Uniio Chilena - Juan Fernandez Uniio Equatoriana - Juan Cancino Uniio Leste Brasileira - Herbert Cleber Uniio Norte Brasileira - Helbert R. Almeida Uniio Nordeste Brasileira - Sosthenes Andrade Uniio Noroeste Brasileira - Lelis Silva U n i i o Paraguaia - Daniel Benitez U n i i o Peruana d o IVorte - Jaime Perez Uniio Peruana d o Sul - Andy Esqueche Uniio Sudeste Brasileira - lvay Pereira Araujo Uniio Sul Brasileira - Elmar Borges Uniio Uruguaia - Daniel Garay

A u t o r ~ sE

~EV~SO~ES

Harley Souza Costa Burigatto Alberto Souza Jr. ~ v e nAgustinho i Silveira de Souza lsmael Sena Chagas lvay Pereira AraQjo Leticia Verissimo Bueno Burigatto Marcos Eduardo Gomes de Lima

Cola b o r a d o r ~ s Areli Barbosa Bruno Marquart Carlos Roberto Alvarenga Edneide Maria de Oliveira Erickson Danese Mateus Barros e Silva Campos Mauricio Junior


Sup~rvilsao Udolcy Zukowski

R ~ v i s a ofinal Udolcy Zukowski Tsnia Fanti ,

P r o j ~ t oGrafico Editora Sobre Tudo Produtor Autorizado - DSA

Artâ‚Ź

Diagramaqao

E

Anne Ferreira

Ano

www. desb.i.avadores.org.br I


Fundamentos dos Desbravadores 1 . Fundamentos dos Desbravadores........................................................................................................................1 0 1 .l . Origem historica................................................................................................................................................10

1.2. Filosofia ................................................................................................................................................................ 14 1.3. Objetivos prioritarios.......................................................................................................................................25 1.4. Simbolos do Clube ..........................................................................................................................................26

1 .4.1 . ldeais ............................................................................................................................................................26 1 .4.2. Hino ..............................................................................................................................................................29 1.4.3. Emblemas..................................................................................................................................................31 1.4.4 Bandeira....................................................................................................................................................... 31 1.4.5. Bandeirim ................................................................................................................................................... 32 1.4.6. Uniforme..................................................................................................................................................... 32 1.4.7. Manual do Uniforme

.............................................................................................................................32

Desenvolvimento do Adolescente e da Lideranqa 2. Desenvolvimento do adolescente e da lideranqa.......................................................................................... 34 2.1.0 desenvolvimento do juvenil de 9 e 10 anos - entre a infincia e a puberdade ......................35 2.2. Desenvolvimento do adolescente - o juvenil de 1 1 e 12 anos ........................................................37 2.3. Desenvolvimento do adolescente - o adolescente de 13 e 14 anos ............................................. 41 2.4. 0 desenvolvimento do adolescente - 15 e 16 anos .............................................................................44 2.5. 0 comportamento do Desbravador -"indisciplina?"...........................................................................45 2.6. Dificuldades de comportamento do adolescente que podem ser confundidas com indisciplina ........................................................................................,..........................................................................47

2.6.1 .Transtorno de deficit de atenqiolhiperatividade ........................................................................48 2.6.2. Depressio infantil ...................................................................................................................................48 2.6.3. Bullying .......................................................................................................................................................49 50 2.7. Sexualidade do Desbravador......................................................................................................................... 2.8. Consideraqees finais acerca da psicologia infantoadolescente ....................................................... 50 2.9. Lideranqa ..............................................................................................................................................................51 2.1 0. Prevenqao de abuso .....................................................................................................................................55 2.1 0.1. Comportamentos caracteristicos de pais que maltratam seus filhos ................................ 56 2.1 0.2. Sinais apresentados pelos juvenis que sofrem abuso .............................................................56 2.1 0.3. ProvidPncias a serem tomadas em caso de suspeita de abuso ...........................................58


Administraq50 e Planejamento \

3. Administraqzo e Planejamento ............................................................................................................................. 64 3.1 . Planejamento ..................................................................................................................................................... 6 4 3.2. Sistema d e Unidades ....................................................................................................................................... 70 3.2.1 . A identidade da Unidade .................................................................................................................... 70 3.2.2. 0 s oficiais da Unidade ........................................................................................................................... 71 3.3. Organizaqiio d o Clube ..................................................................................................................................... 76 3.3.1 . Diretor e Diretores Associados ........................................................................................................... 77 3.3.2. Secretario ................................................................................................................................................... 78 3.3.3. Tesoureiro ................................................................................................................................................... 79 3.3.4. Capelso ....................................................................................................................................................... 80 3.3.5. Conselheiros e Instrutores.................................................................................................................... 80 3.3.6. Comissdes .................................................................................................................................................. 82 3.4. Secretaria ............................................................................................................................................................. 83 3.4.1 . Arquivos ...................................................................................................................................................... 84 3.4.2. Cadastro ...................................................................................................................................................... 84 3.4.3. Livro d e Atas .............................................................................................................................................. 85 3.4.4. Livro d e Atos

.............................................................................................................................................

86

3.4.5. Pasta d e campori .....................................................................................................................................86 3.4.6. Livro d e ouro ............................................................................................................................................ 86 3.4.7. Oficios .......................................................................................................................................................... 87 3.5. Seguro anual ....................................................................................................................................................... 87 3.6. Finanqas ................................................................................................................................................................ 90 3.6.1 . Recursos...................................................................................................................................................... 90 3.6.2. Filosofia d o Clube d e Desbravadores sobre vendas ................................................................... 91 3.6.3. Despesas ..................................................................................................................................................... 93 3.6.4. Registros ..................................................................................................................................................... 93 3.6.5. Patrim8nio ................................................................................................................................................. 9 4

.-

3.7. Reg~oese distritos ............................................................................................................................................. 94

...................................................................................... 95 3.7.2. Requisites, eleiqzo e funqdes d o Regional ..................................................................................... 97 3.7.3. Requisites, eleiqzo e funqdes d o coordenador geral ................................................................. 101 . s 3.8. Campos e U n ~ o e.............................................................................................................................................. 103 3.9. Diviszo .................................................................................................................................................................. 104 3.7.1. Requisites, eleiqzo e funqdes d o Distrital

w

Programa do Clube 4. Programa d o Clu b e ................................................................................................................................................... 106 4.1 . Classes ..................................................................................................................................................................106 4.1 .1 . Instruqzo ....................................................................................................................................................108


4.1.2. Planejamento do c u r r i c ~ ~................................................................................................................. lo 109 4.1.3. Metodologia de ensino ........................................................................................................................110 4.1.4. Avaliaqio ...................................................................................................................................................112 4.1.5. 0 programa das Classes de lideranqa ............................................................................................ 113 4.2. Especialidades..................................................................................................................................................115 4.2.1 . Planejamento d o curricula .................................................................................................................116 4.2.2. Metodologia de ensino ........................................................................................................................117

....................................................................................................................................................118 4.3. Cantinho da Unidade......................................................................................................................................124 4.3.1 . Atividades sociais ...................................................................................................................................126 4.4. Civismo ................................................................................................................................................................126 .4.4.1 . Abertura e encerramento da reunlao ............................................................................................126 4.4.2. Uso das bandeiras ..................................................................................................................................127 4.5. Ordem Unida .................................................................................................................................................... 130 4.5.1 . Conceitos basicos...................................................................................................................................131 4.5.2. Formas e vozes de comando ..............................................................................................................135 4.5.3. Comandos a pe firme ............................................................................................................................136 4.5.4. Voltas a pe firme .....................................................................................................................................141 4.5.5. Movimentos em marcha ......................................................................................................................141 4.5.6. Voltas em marcha ...................................................................................................................................142 143 4.5.7. Consideraqbes finais .............................................................................................................................. . 4.6. Estrutura das reunloes....................................................................................................................................143 4.7. Insignia de excelencia .................................................................................................................................... 145 4.7.1 . SeleqZo ...................................................................................................................................................... 145 4.7.2. Entrega ........................................................................................................................................................ 146 4.8. Capelania ............................................................................................................................................................146 4.8.1 . Devotional ................................................................................................................................................146 4.8.2. Classe bCblica............................................................................................................................................148 4.8.3. Batismo ......................................................................................................................................................149 4.8.4. Atividades especiais ............................................................................................................................151 4.8.5. Projetos missionarios ............................................................................................................................152 4.9. Atividades campestres ...................................................................................................................................154 4.9.1. Caminhadas ..............................................................................................................................................154 4.9.2. Pernoites ...................................................................................................................................................156 4.9.3. Acampamentos .......................................................................................................................................157 4.9.4. Excursbes...................................................................................................................................................174 175 4.1 0. Cerim6nias e eventos .................................................................................................................................. 4.1 0.1 . Abertura ..................................................................................................................................................177 4.1 0.2. Admissio .................................................................................................................................................177 4.1 0.3. Dia do Desbravador ............................................................................................................................181 4.2.3. Avaliaqio

. I

4.1 0.4. Condecoraqio de Especialidades .................................................................................................. 184


I

I

I

II

....................................... .

4.1 0.5. Investidura..........................................................................................

I 4.1 0.7. Event0.s.........................................................................................................

1

184

................................ 189

;

Fundando urn Clube de ~esbravadbres

. . .

I

14

I

......................................... 196 5.1 . ~rocedimentospara se fundar urn Clube de $esbravadores.............. ..........:................................. 196

5; Fundando um Clube de Desbravadores............................................................ il

. -.. . - I ... . ...................................................... .............................................. 202 0 I 6.1 . Marketing e ,publicidade.......;:...................................................................................................................... 202 dC 6.2. Atividades comunitarias ....:................... ....................................................................................................... 205 l i '6.3. Visitas a autoridades ....:....... ...............;........................................................... ........................................... 207

6. 0 Clube e a comunidade..........................1.

-P

,1

",

a

.

!

1 B ............................................................................................................................. :

. -

I

.

+

.

Formularips e Anexos -. ir!

Formulario A - Ficha de cadastro 210 Formulario B - Ficha de saude................................................................................................................................... 2-12 Forrnulirio C - FiCha de diagn6itico do Clube......... .................: .................................................................... 213 . ............................... 215 Formulario D - Cobpra de em'blemas................................................................................... . 4 Formulario E ZFicha de avaliaCio da Unidade .................................................................................................... 216 ,.. 1 . Anexo A - Modelo de o f ~ c ~ I .......................... o :......................................... ................................................................ 21 7 Anexof3 - Modelo de oficio II..;..................................................................................................................... :...: .......219 Anexo C - Modelo de oficio Ill ..........................................II.................:...................................................................... 221 AnexoD - Planilha de controle das taxas do CIU be,'!........................................................................................ 223 AnexoE - Carta derecomendaqio ..................... ;............................................................................ ..................... 225 li Anexo-F- Autorizaqio de saida .......................................................................... ...................................................... 226

-A 1-

r

.

I

I

I

<

i

6

. .

.

, . <

.

.

-

!I

.

- IT- . . , . Refergncias bibli6graficas..................................................................................................... I

'I . I

It

I

Anotas6es . -

..

*

I

*

-

............................ 2

2 8


0 Clube de Desbravadores e um movimento mundial, organizado e dirigido pela lgreja Adventista do Setimo Dia. Tem uma longa trajetoria historica e sua identidade e definida pela sua filosofia, objetivos prioritarios e sim bolos.

I I I

0 s DESBRAVADOTES N A AMERICA

D O SUL

0 Clube de Desbravadores foi oficializado em nivel mundial no ano de 1950 pela Associaqio Geral da lgreja Adventista do Setimo Dia. Enquanto os Clubes recebiam nos EUA o nome de Pathfinder Club, em outros lugares receberiam um nome compreensivel na lingua local, como Desbravadores no Brasil, e Conquistadores em paises de fala hispana, e muitos outros nomes ao redor do mundo, porem, sempre usando os mesmos sim bolos e programa. Assim ocorreu em 1955, quando o primeiro Clube Sul-American0 teve irlicio na cidade de Lima, Peru, sob a lideranqa do casal Nercida e Armando Ruiz. Ja no segundo ano de atividades, o Clube peruano levou dez Desbravadores ao batismo, atraves da classe biblica. Era o inicio de uma parceria evangellstica entre os Desbravadores e as classes batismais que faria dos Clubes uma das mais poderosas ferramer~tasde evangelizaqio da igreja. No final da decada de 50, o Pastor Jairo Tavares de Aralljo, Lider da juventude adventista da Divisio Sul-Americana, com sede ainda no Uruguai, preparou um pequeno manual sobre como organizar um Clube de Desbravadores para incentivar a formaqio de novos Clubes.

PERU w

n

3

0 0

2

2 .-Icn .w

.-

E

TI

-m 3

c

2

No inicio de 1955, o Diretor Departamental dos MV (Missionaries Voluntarios), da entio U r ~ i i o lncaica (hoje Uniio Peruarla do Sul), e o Pr. Donald J.Von Pohle apresentaram a novidade de que nos Estados Unidos fora organizado o"Club Patfhinderl: um Clube com metas e objetivos que seriam de grande ajuda no trabalho missionario em pro1 dos MV. Assim, entusiasmados, eles se interessaram pela tarefa de organizar, na lgreja de Miraflores, um Clube similar. Mas qua1 seria o nome? Em uma reuniio com os dirigerltes da lgreja Adverltista do Setimo Dia de Miraflores e com o Pr. Pohle, foi escolhido o nome de "Conquistadores': para o Clube e assim, em 4 de abril de 1955, com as Classes MV, foi organizado o Club de Conquistadores da lgreja de Miraflores, Lima, Peru. A primeira Diretora do Clube de Desbravadores foi a i r m i Nercida de Ruiz. 0 s Conselheiros fundadores, juntamente com Nercida, foram: Armando Ruiz, Segundo Guerra, Enrique Velasco,


Lorenzo Ruiz, Josefa Rojas, Carmen Villalobos, F. de Ruf e J. de Phill. Como integrantes fundadores acresenta-se, entre outros: Edwin Montenegro, Edith Ruiz, Esther Galvez, Nira Ruiz e Raul Carrillo.

CHILE 0 Pastor Youngberg, que residia nos Estados Unidos, foi chamado, na decada de cinquenta, como Departamental JA da Associaqio do Sul do Chile. Ao chegar ao Porto de Valparaiso, foi recebido, entre outros Jovens, por Jorge Moyano el posteriormente, levado para a cidade de Temuco, onde estava localizado o escritorio central da Associaqio. 0 Pastor Youngberg impregnou a mente dos Jovens rnissionarios da igreja central da cidade com a ideia de iniciar o Ministerio dos Desbravadores err1 favor dos Jovens e crianqas, como um "apendice" da Sociedade de Jovens. 0 objetivo era buscar mante-10s em comunhio com Cristo e ativos na igreja el ao mesmo tempo, pregar o evangelho de Jesus a outros de sua geraqio. De acordo com a informaqio cornpilada, foi assim que, em 1956, nasceu o primeiro Clube de Desbravadores, no Chile, com o nome de "Club de Conquistadores de la lglesia Temuco Central1'.0 primeiro Diretor foi Carlos Pontigo, com a matricula de 20 juvenis e com o apoio do casal Villalobos, como Conselheiros. Posteriormente, o irm3o Luis Fuentealba assumiu a direqdo do Clube. Em 1984, o Clube foi dirigdo por Alex Gonzalez, criador do nome "Fuego del Llaima': nome que permanece ate hoje.

ARGENTINA

1-

Na primavera de 1959, teve inicio o primeiro Clube de Desbravadores na lgreja de Florida, Buenos Aires, Argentina. A primeira diretora foi Elvira Weiss de Schmidt. Em 26 de outubro de 1960, foram iniciadas as atividades do Clube do C.A.P. Libertadolr San Martin, Entre Rios. Seu Diretor foi Lucas Schulz. 0 dia 21 de julho de 1962 e considerado como a data da fundaqdo do Club Cachorros e Centinelas em Libertador San Martin, Entre Rios, Argentina, formando o Clube C.C.C. De 12 a 15 de outubro de 1972, foi realizado o primeiro Campori de Conquistadores do Campo, na Associaqio Argentina Central, C.C.C., Libertador San Martin, Entre Rios, Argentina. 0 Departamental era o Pr. Eloy Martinez. De 12 a 15 de outubro de 1978, foi realizado o primeiro Campori da Uniio Austral, em Tandil, Buenos Aires, Argentina. 0 Departamento da UA era o Pr. Victor Peto. I

If-

No final da decada de 50, o Pr. Jairo T. Araujo, Lider da juventude Adventista da Divisio SulAmericana, com sede ainda no Uruguai, preparou um pequeno manual sobre como orgar~izarum Clube de Desbravadores, e isso provocou o desenvolvimento paralelo de Clubes de Desbravadores em lugares do Brasil como Santa Catarina, Sio Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Em Santa Catarina e Sio Paulo, nasceram em 1959 os primeiros Clubes de Desbravadores do Brasil. Em 1958, o Pr. Henry R. Feyrabend veio como missionario do Canada para Santa Catarina. Trabalhou como Departamental de Jovens utilizando material em ingles que havia trazido de seu pais e comeqou a visitar as igrejas de Santa Catarina falando sobre a importdncia do Clube de Desbravadores. Do inicio de 1959 ate 1960 ele fundou 7 Clubes, sendo o primeiro o Clube Vigilantes, de Lajeado Baixo, e o primeiro Diretor foi Haroldo Fuckner. Alguns anos mais tarde, foi a primeira vez que a Revista Adventista, em dezerr~brode 1975, noticiou um Campori. 0 s mais de 300 Desbravadores estiveram sob a lideranqa dos Prs. Jose Maria Barbosa e Jason MacCraken. Em Ribeirio Preto, os membros que comporiam a diretoria do Clube foram escolhidos, e a primeira reuniio oficial aconteceu num doming0 pela manhi, no patio da antiga igreja central,

UI

u m > 2 n UI UI

4

UI 0

E

m

a

L

II


quando foram inscritos 23 juvenis no Clube que foi chamado de Pioneiros e cujo primeiro Diretor foi Luiz Roberto Freitas. Em 1961 o Pr. Wilson Sarli, Departamental MV de S5o Paulo, trouxe para Ribeir5o Preto o lenqo, as insignias, o voto e a lei dos Desbravadores, oficializando o Clube.

URUGUAI 0 primeiro Clube de Desbravadores do Uruguai foi fundado na lgreja do lnstituto Adventista do Uruguai, na cidade de Progreso, Departamerrto de Canelorres, ern 1961, pelo pastor Johrt Youngberg, que era o Departamental de Jovens. 0 s primeiros dirigentes do Clube foram: Alda de Geisse, professora da escola do IAU, Maria Ester de Lutz, Bartolo Marcos e Eduardo Gordienko. 0 primeiro Campori foi por volta de 1964, em Montevideu, no parque La Republicana, com outros Clubes que tambem acabavam de comeqar suas atividades, como Las Acacias y Central, de Montevideu.

Em julho de 1970, na lgreja Adventista de Villa Copacabana, na Cidade de La Paz, nasceu o primeiro Clube de Desbravadores, "LUCERO': que contava com nove Desbravadores. 0 primeiro Diretor do Clube foi o Professor Mario Orellana. A abertura do Clube foi autorizada pelo Departamento de Jovens Missionaries Voluntarios (JMV) da Miss50 Boliviana Adventista, cujo departamental era o Professor Alfredo Quiroz. A primeira investidura foi realizada no mesmo ano, 1970, e esteve a cargo do Professor Pocoaca e da irm5 Elizabeth de Pocoaca. Foram investidos oito participantes do Clube nas Classes preliminares: Abelhinhas Laboriosas, Raios de Luz, Construtores e M5os Ajudadoras. 0 primeiro acampamento do Club Lucero foi realizado entre Unduavi e Chulumani, "Chirca", de 4 a 7 de agosto de 1971. 0 primeiro Campori da Uni5o Boliviana foi realizado em agosto de 1998, em Tuscapugio Cochabamba, corn a participaqzo de 550 Desbravadores, liderados pelo Pr. Amarrdo Pardo.

EQUADOR U1

!

,O U1

z w

u

X u

Em 1973, o Pr. Robert Holbrook chegou a Guayaquil como Departamental, e seu objetivo foi desenvolver o Ministerio de Desbravadores no pais. Realizou seminarios de como fundar um Clube. Ele ministrou cursos de lideranqa, apresentou os cartBes das Classes, organizou caminhadas e orientou os Desbravadores na realizaqio das Especialidades. Em 1974, o primeiro Clube de Desbravadores organizado foi o Eben Ezer, em Guayaquil, com a presenqa do Pr. Robert Holbrook. Em 1998, de 30 de setembro a 2 de outubro, foi reallzado no CADE, o I Campori National, com o lema "Vira urn NovoTempo", contando com a presenqa do Pr. Jose Maria Barbosa, Departamental da DSA.

A EXPANSAO DOS CLUBES .c L,

.-U1C .E

3 c m

Muitos herois colaboraram nos primordios e no desenvolvimento dos Desbravadores.Alguns deles foram herois an6nimos que lutaram sem muito reconhecimento apesar de sua inestimavel contribuiq50; outros s5o personalidades mais conhecidas devido ao momento e express50 pliblica de sua participaqzo.


A

ct-

*>.

DOS ACAMPAMENTOS DE VERAO AOS CAMPORIS Q

.4

I=-

?=+

/+,.

-

A

.L-

m

6==

-.-

1 . "

,.* F

Pode-se aprender muito com a historia dos acamparnentos para juvenis e Desbravadores da lgreja Adventista do Setimo Dia. Sua historia se mistura com a propria historia dos Clubes. Assim como as peregrinaqbes do povo de Deus, esses acampamentos sio repletos de historias de oraqio, superaqio, lideranqa colocada sob prova, persistencia e fe. A historia do primeiro acampamento de verio, alem de preceder os futuros acampamentos de Clubes de Desbravadores, nos serve como inspiraqio para que n i o desanimemos diante das dificuldades de estabelecer o programa dos Desbravadores. Em 1926, o Pr. Grover Fattic, Secretario MV em Michigan, decidiu que era o momento para a igreja ter um programa de acampamentos de verio voltado a meninos e meninas. Fattic levou o pedido de um acampamento muitas vezes a Associaqio do Leste de Michigan, que sempre respondia negativamente, mas depois de tanta insistencia dele, a Associaqio concordou em permitir, desde que a responsabilidade financeira fosse apenas de Fattic. Sem apoio, mas com a permissio da Associaqio, o Pr. Fattic recoltou a promessa de 200 dolares de dois merr~brosda igreja, finalmente, convidou o Pr. Gordon Smith, Secretario MV da Uniio Lake, para ajuda-lo. Fattic encontrou um local para o acampamento no lago Town Line, de bela natureza, mas sem estrutura de camping ou para ferias. Havia apenas uma pequena e velha cabana que poderia servir de cozinha, mas nenhum local para dormir, e Fattic n i o possuia barracas. John Hancock, historiador e pioneiro dos Desbravadores, escreveu que o pastor Fattic era um homem baixinho, mas t i o determinado que quando tinha uma ideia ninguem podia detP-lo. Sabendo que a comissio da Associaqio tinha expressamente determinado que eles n i o ajudariam em nada, ainda assim Fattic procurou o presidente para pedir as tendas de evangelism0 pi~blico emprestadas. A historia diz que ele humildemente clamou pelas tendas como querrl pede por sua vida e comoveu o presidente Pr. J. F. Piper, que n i o so Ihe deu as tendas, mas um caminhio da Associaqio para transporta-las. Durante os preparativos, mais pessoas se uniram a equipe de Fattic para ajudar a cuidar das crianqas d ~ ~ r a not everio; agricultores deram muitos gPneros alimenticios e ajudaram a montar as tendas. Naquele primeiro acampamento, somente meninos participaram, devido a pouca estrutura que se podia oferecer. Durante a longa jornada ao acamparnento, os pastores Fattic e Smith estenderam-se noite adentro percorrendo uma trilha que fez o caminhio atolar duas vezes. Cada vez que atolava, um enorme esforqo tinha que ser desprendido para descarregar tudo, aliviar o peso, desatolar e carregar tudo novamente. Na marlhi seguinte, muitos pais viram a situaqio precaria e ficaram assustados com a possibilidade de seus filhos adoecerem, perderem-se no mato, se afogaram e ate de passarem fome. Desconfiados, muitos pais simplesmente levaram embora seus filhos, e Gordon Fattic ficou com apenas dezoito garotos naquele mes de junho de 1926. Apesar de tudo, aquele foi um acampamento maravilhoso onde os garotos exploraram a natureza e se divertiram no lago. No entanto, um dial quando Fattic tocou o apito para chamar os garotos, trPs deles estavam faltando. Depois de muito procurar, o temor de que o pior podia ter acontecido chegou a todos, mas Fattic os achou depois de um tempo, em plena seguranqa, deitados embaixo de uma plantaqio de amoras de um terreno vizinho, empanturrados! Fattic e os garotos tambem descobriram o poder da oraqio quando clamaram para Deus remover uma nuvem de mosquitos que ameaqava o local. Este primeiro acampamento virou noticia e deu oportunidade para outros surgirem, inclusive perto dali, em Julian, no acanlpamento dirigido por Guy Mann, John MacKin e o Pr. L. A. Skinner, local onde surgiria a historia e o nome dos Desbravadores. Quando os Desbravadores surgiram, n i o demorou muito para que os Clubes tivessem seus primeiros encontros. Primeiro, vieram as feiras, como em Dinuba, California, em 23 de setembro de

*

,, ? 2

*

8c w

c

13


1951, ate que, em 1954, a ideia de camporis foi introduzida em Idyllwild, no sudeste da California, evento coordenado pelo Lider de Joverrs da Associaqio local, Charles Martin, e seu Associado, Harry Garlick. Antes disso, ja haviam ocorrido acampamentos com mais de um Clube, mas ainda n i o no formato e com o nome de campori. As primeiras experiencias com acampamentos de Desbravadores estiveram presentes nos primordios dos Clubes e do entendimento deste programa por nossos pioneiros. Essas experiencias, produzidas em nossos primeiros camporis, deram inicio a dezenas de outras que se seguiram diante do crescimento dos Clubes, at6 que o fim dessa fase pioneira ocorreu com o amadurecimento do programa ao ser celebrado o I Campori da Divisio Sul-Americana, organizado pelo Pr. Claudio Belz, em Foz do Iguaqu, PR, Brasil, entre os dias 28 de dezembro de 1983 e 4 de janeiro de 1984.

A historia dos Desbravadores no mundo e na America do Sul foi feita por homens e mulheres que amavam os juvenis e desejavam sua salvaqio; homens e mulhe,res que viram no Clube um metodo promissor de evangelism0 juvenil e que anteviram a formaqio de toda urna geraqio de lideres. Esta historia e construida com a m2o de Deus levando Seus servos atraves das "florestas" do medo e da incompreensio, onde estes prirneiros herois literalmente desbravaram novos rulnos para a igreja e pagaram com sacrificio pessoal, entregando seus anos de Ministerio, seu tempo livre, dinheiro e por vezes a atenqio de sua propria familia. Alguns deles sio mais conhecidos, mas o legado que nos foi deixado tambem vem de centenas de desconhecidos que dedicaram tardes de sabado, rnanhis de domingo, ferias e seus feriados no prograrna rnais cornpleto e abrangente que a lgreja Adventista do Setimo Dia ja produziu.

m w

$ u n

UI

w

w

' 0

s .+ F + f .-

E

C

2 14

0 homem e a obra-prima do Deus Criador aqui na terra. Foi criado a Sua imagem e semelhanqa, o que significa que e especial diante de toda a criaqio. Ao contrario dos vegetais e animais, o homem tem vida ativa e intencional. E capaz de agir com intencionalidade, com proposito, pode aprender a fazer coisas novas e coisas velhas de um jeito novo. Tern criatividade e pode agir com base rra experiencia, no planejamento, no raciocinio. Por vezes age por impulso, mas a sucessio de aqdes que formam sua vida, suas escolhas e o resultado de tudo o que e e faz aponta para urna forma de pensar e ver o mundo. Como seres hum.anos,as pessoas agem baseadas em suas crenqas e visio de mundo. Essas crenqas sio essenciais, pois elas norteiam, d i o rum0 e significado para o que fazem. Por isso, existe urna disciplina, um ram0 dos estudos que se aplica em discutir o que as pessoas sio, o que e o mundo ao seu redor, o que e e como e possivel aprender esta realidade ao redor, alem de tentar desvendar o que 6 e como 6 possivel ensinar, urna vez que os homens sio seres que aprendem e ensinam ao rnesmo tempo. Esta discipli~iae a filosofia. 0 s Desbravadorestem urna filosofia, ou seja, tudo o que o Clube de Desbravadoresfaz tem um sentido, urna base, um alicerce de conceitos e principios imutaveis que sio extraidos da Palavra de Deus. Da Biblla, e somente dela, e tirada a visio de mundo do movimento do Clube de Desbravadores. Assim, o que e feito no Clube todos os domingos, em todos os acampamentos, caminhadas, desfiles, camporis, congressos, com as Unidades ou ainda individualmente ern cada lar e trabalho, enfirn, tudo o que e feito deve estar embasado num firme alicerce filosofico. Se essa base filosofica n i o for respeitada, o Clube corre o risco de se tornar um clube de aventura, de escotismo ou um simples


departamento social da lgreja e nada mais. 0 Clube so sera relevante se aprender a pensar de maneira relevante. A filosofia t e m seis areas tradicionais e m que se subdivide: a metafisica, a epistemologia, a Iogica, a etica, a estetica e a politica. Apesar das palavras dificeis, todo Lider de Desbravador deve conhece-las e entender o seu significado. Pensar el pensar com clareza de ideias, com profundidade, ql-lerer saber e pesquisar sobre aquilo que se ama e urna atitude sensata e es.perada da lideranqa dos juvenis. A seguir e s t i o definidos cada u m dos termos acima e se refletira u m pouco sobre o que deve ser o sentido da a q i o d o Cl~,~be d e Desbravadores.

'

PC-

Se u m Desbravador pergunta ao seu Conselheiro: "vocP realmente acredita em Deus? VocP nunca 0 viu e Ele obviamente nunca falou com vocP de maneira que vote pudesse ouvir como eu estou falando com vocP.. ." Como ele deveria responder? Ndo se deve responder como as pessoas e s t i o acostumadas a responder, automaticamente. E necessdrio pensar! A palavra metafisica quer dizer "alPm d a fisica", isto el aquilo que existe e se conhece alem d o que os sentidos p o d e m captar. Ndo s i o vistos, n i o s i o tocados, ndo s i o cheirados, n i o s i o escutados e nZo s i o degustados, mas ainda sim e possivel ter certeza. "Metafisica vem a ser um sistema de ideias e de teses que pretende explicar o m u n d o p o r meio de principios gerais e abstratos." (Ant6nio Teles, Introduqio ao estudo d e filosofia, p. 58). A sociedade atual vive n u m m u n d o materialista, onde so se acredita n o que se ve o u toca. Entretanto, a Biblia diz que da boca d o Senhor Jesus saiu as seguintes palavras: "bem aventurados os que ncio viram e creram"Jo%o 20:29. lsto prova, c o m certeza advinda da Palavra d e Deus, q u e ha urna existencia alem das apar6ncias. 0 s Desbravadores acreditam e m m u i t o mais d o que e revelado pelos sentidos e pela ciencia. Falando desta q u e s t i o fundamental da filosoiia d o Clube d e Desbravadores, o teologo e filosofo adventista George Knight pergunta: "por que as igrejas cristcis gastam milhbes de dolares a coda a n o e m sistemas privados de educaqdo quando os sistemas educacionais publicos estdo disposiqdo? devido as diferentes concepqbes d a natureza d a realidade definitiva, a existPncia de Deus, o papel de Deus nos assuntos humanos, e natureza e papel dos seres humanos como filhos de Deus. Homem e mulher, e m seu mais profundo nivel, scio motivados p o r crenqas metafisicas. Estdo ansiosos p o r viver e morrerpor estas convicqbes'l (George Knight, Filosofia e educaqio: urna introduqio da perspectiva cristi, p. 18). Logo, torna-se claro que o Clube de Desbravadores entende que o planetaTerra foi criado pelo Deus triljno, como e revelado a nos na Biblia. (Genesis 1 e 2). 0 Clube aceita tambem que a sua realidade e permeada por urna guerra cosmica, chamada d e Grande Conflito, como explicitada e m Apocalipse 12:7 e que essa guerra alcanqou o planeta Terra (Genesis 3) e que isso levou a urna luta sem quartel, urna luta aberta e sem trincheiras, mas com lados definidos, como esta descrito d e maneira esquematizada e profetica n o livro de Daniel, sobretudo n o capitulo 7, versos 21 e 25; capitulo 8, versos 9 a 12. 0 s Desbravadores compreendem que essa guerra cosmica acontece tambem e m cada coraq i o humano, d e maneira espiritual e continua, sem treguas. 0 patriarca Jo se preocupava com seus filhos, pois sabia que alem das demonstraqbes fisicas d e adol-aqio, era n o coraqio d o h o m e m que se dava a verdadeira guerra entre o b e m e o ma1 (Jo 15). E por isso que o salrnista diz q u e deve-se esconder a Palavra n o coraqio (Salmo 1 19:l I), pois desta forma as pessoas estardo protegidas. Jesus ainda afirma que sao os limpos d e coraqio que v e r i o a Deus (Mateus 5 8 ) e os verdadeiros vencedores e m Cristo, numa Nova Alianqa com Ele, t e r i o a Lei d e Deus e m seus coraq6es (Hebreus 8:lQ). 0 Clube de Desbravadores entende a realidade que e possivel sentir apenas como parte da grande realidade de Deus. 0 que setoca, vC, ouve, cheira e degusta, t u d o t e m a ver com a realidade

f

u m >

2

+

c c

;


de Deus. Ele criou, Satanas tenta destruir e cada pessoa e chamada a escolher entre o bem o mall entre o odio e o amor. As palavras ditas n i o sio apenas vocabulos da lingua, sio benqio ou maldiqio, os olhares n i o sio apenas foco visual, contemplam a Deus ou ao seu inimigo. 0 que se come n i o e apenas alil-nento, ou se rrutre o templo do Espirito ou o templo da idolatria. Como os seres humanos n i o sio bons por natureza, devem reconhecer que possuem urna inclinaqio para o pecado (Genesis 6:5). Com essa realidade em vista, tern que se agarrar ao unico meio de salvaqio, Jesus. Para se agarrarem a Cristo, devem diariamente negar seu proprio coraqio, suas opinibes, sua natureza e o seu eu, aceitando seguir a Cristo, mesmo em meio ao sacrificio (Mateus 16:24-27). Nada e neutro, nada e irrelevante ou pequeno na realidade do Grande Conflito. A recreaqio, o vestuario, o discurso, o programa, os eventos, tudo que e feito no Clube de Desbravadores deve existir para adorar a Deus.

EPISTEMOLOGIA

g

w

$

8

n w w

n

G w

B

Um lider,ao instruir urna Especialidade, se depara com a seguinte pergunta de um Desbravador: "como vocP sabe que isto esta certo?". Um lider medi'ocre responderia: 'barque sim!". Urn lider razoavel responderia: "porque eu estudei!". Urn lider de verdade responderia: "Vamos descobrirjuntos!". A palavra epistemologia quer dizer "estudo d o conhecimento", ou seja, e urna parte da filosofia interessada em estudar como aprender, o que aprender e se o que se aprendeu tem alguma validade, utilidade e se condiz com a realidade. Algumas pessoas, e isto n i o sera dificil de encontrar mesmo entre os juvenis, nZo acreditam em mais nada, s5o ceticos. Outros se tornam absolutamerrte credulos e acabam se torrrar~do"Maria-vai-com-as-outras': o que e conderravel biblicamente (Efesios 4:14). Alguns adotam urna postura ambigua, chamada de "agnostico': crer ou n i o crer n i o faz diferenqa, concordam com tudo e n i o aceitam nada. Talvez estas posturas sejam muito comuns pelo numero excessivo de explicaqbes falsas sobre tudo. E ai que o lider deve ter urna visio clara a respeito da verdade. 0 que e a verdade? E possivel corrhece-la? E possivel transmiti-la? Se um lider tem duvidas a respeito disso, precisa ler a Biblia com dedicaqio e oraqio. 0 Clube de Desbravadorestem urna epistemologia, ele sabe o que e a verdade, como pode conhece-la e como transmiti-la. Em primeiro lugar, a verdade n i o e relativa. "A verdade e a expressGo exata da realidade", conforme ensina Gersorr Pires de Araujol . A frase quer dizer que a verdade e o que a realidade e e n i o urna opiniio do ser humano. Opiniio e verdade sio coisas diferentes. 0 que pode ser relativo e a opiniio, o ponto de vista, mas jamais a verdade. Contudo, existem realldades provisorias, por exemplo, a idade, a residencia, o conhecimento. Assim, a verdade, ou seja, as expressbes, as imagens ou as descriqbes destas realidades podem mudar. Por outro lado, as realidades eternas sernpre expressario verdades eterrtas e imutaveis. Outro aspect0 fundamental e a questio da realidade pessoal. As pessoas sio mas porque est i o longe de Deus. Longe fisicamente, longe volitivamente (por sua vontade), longe afetivamente e longe racionalmente. Assim, distantes da fonte da vida, estio morrendo. Contudo, essa realidade e provisoria, em Cristo essa realldade pode mudar. 0 conhecimento da verdade e a decisio consagrada

P

E

aP 16

Professor e doutor, Gerson Pires de Aralijo 6 um pastor adventista, que por anos foi um firme defensor da Filosofia Adventista de Educa~io.Passou por varios colegios adventistas, sobretudo como professor no UNASP campus Sio Paulo (antigo IAE) e UNASP campus Engenheiro Coelho. E filosofo e proferia esta frase em suas aulas de filosofia na Faculdade Adventista de Educa~io(hoje pedagogia).


de se aproximar da verdade podem alterar essa realidade, ellevando-os a uma imagem mais apurada de Deus em si. lsto se da atraves do processo de salvaqdo, que e o mesmo processo de educaqdo, processos que sdo, em ultima analise, o objetivo do Clube de Desbravadores. w

"Restaurar no homem a imagem de seu Autor, leva-lo de novo a perfeiqio ' em que fora criado, promover o desenvolvimento do corpo, espirito e alma para que se pudesserealizar o propositodivino da sua criaqio - tal deveria sera obra da redenqio. Este e o objetivo da educaqio [do Clube dos Desbravadores], o grande objetivo da vida."(Ellen White, EducaqSo, p. 15). --

-

-

-

- -

-

-

-

-

-

--

-

A

.hl.

-

-c

_ _ <

+

#+;

d A . :

Embora a realidade seja a base da verdade, nem todas as realidades estdo a disposi~do.Existem coisas que sdo reais e muitos simplesmente ndo sabem e nunca saberdo. Entretanto, existem realidades que se abrem as pessoas e destas pode-se extrair a verdade. Assim, o conhecimento para o Clube de Desbravadores e algo possivel e desejavel, pois saber a verdade e se aproximar da realidade, ensinar e conduzir os juvenis a realidade. 0 curricula do Clube esta repleto de conhecimentos uteis ao Desbravador, mas quais destes conhecimentos sdo os mais importantes? Ora, Jesus disse: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida" (Jodo 14:6). Assim, o conhecimento mais importante e Jesus Cristo, a verdade ,eterna. Contudo, sabe-se que a Palavra de Deus e verdade. Cristo afirmou: "a Tua palavra e a verdade" (Jodo 17:17), logo, Jesus e a verdade e o que Ele afirma tambem o e. Sera que apenas o Novo Testamento seria verdade entdo? Ndo. Sua Lei e verdade, afirma o salrrrista no Salmo 119:142, bem como os escritos do AntigoTestamento, pois o salmista tambem afirma no Salmo 119:160 que "a Tuapalavra & a verdade desde o principio, e cada um dos Teusjuizos dura para sempre". Mas existem outras verdades? Sim. Tudo o que conduz a Cristo e verdade. Paulo diz que "o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus Iho manifestou. Porque as suas coisas invisiveis, desde a criaqdo do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se veem pelas coisas que estdo criadas, para que eles fiquem inescusaveis" (Romanos 1:I 8-20). Assim e possivel perceber que a natureza criada e uma revela~dode Deus e, portanto, uma verdade. Nisto encontra-se o fundamento ultimo de como deve se usar a natureza no c ~ ~ r r i cdo ~ ~Clube l o de Desbravadores. Pelo que foi descrito acima, e possivel entender que a verdade comeGa com Cristo, criador, redentor e mantenedor da vida. Esta verdade pode ser encontrada em Sua palavra de maneira muito clara e inequivoca. No entanto, e possivel se valer ainda desta verdade encontrada na natureza, embora em parte desfigurada pelo pecado.

>

F

n

UI

B Ele faz de Si propriot: (Ellen White, Educaqio, p. 16).

VI o

u VI

0


Fontes da Verdade

Dai o fato de estudarmos as Especialidades de natureza. Como e possivel ensinar a ver-

tempo em que era terno e cuidadoso, era energico e tinha autoridade no que falava (Mateus 7:29; Marcos 1:22). 0 ensino pessoal ni3o r~ecessariamenteera direto, pois Cristo enviava e envia seus discipu10s hoje (Mateus 10:5; 28:19,20). Contudo, em Cristo, os lideres podem ser o rosto e as m5os do Salvador na vida de cada juvenil. Hoje podemos ver esse metodo reproduzido em uma Unidade de Desbravadores e seu Conselheiro.

UI

fo

u

9

'Yl ilustraqio mais completa dos mktodos de Cristo como ensinador encontra-se no Seu preparo dos doze primeiros discrj7ulos. Sobre estes homens deviam repousarpesadas responsabilidades. Escolhera-os como homens a quem Ele poderia infundir Seu Espirito e que poderiam ficar habilitados a levar avante Sua obra nu Terra, quando Ele a deixasse. A eles, mais do que a todos os outros,

2 n

ni! w

u w n

3

G

0

u

? P L

w

.-UIe .-

E

2 -m 3

e

1 8

0 ensino deve ser pratico: a ideia de dissociar teoria e pratica n i o e tipica da forma dos antigos hebreus transmitirem o conhecimento. E uma forma mais ocidental, de heranqa grega. A educaqi3o a que Cristo se submeteu em seu lar e a que ele ofereceu aos seus discipulos sempre foi essencialmente pratica. Ensina-se e aprende-se fazendo. 0 grande sermi3o das Bem-aventuranqas e mais uma descriqi30 de atitudes de conceitos abstratos (Mateus 5,6 e 7). Deus, em seu infinito amor, proveu liqbes de Sua preciosa graqa atraves de praticas simbolicas, demonstrando ser esta uma forma superior de ensino.


"Averdadeira educacdo ndo consiste em forqar a instrucdo a um espirito ndo preparado e indocil. As faculdades mentais deverdo ser despertadas e o interesse suscitado. E isto o metodo divino de ensinar havia tomado em consideraqdo. Aquele que criou a mente e estabeleceu suas leis, providenciou para o seu desenvolvimento de acordo com aquelals leis. No lor e no santudrio, mediante as coisas do natureza e da arte, no trabalho e nus festas, no construqdo sagrada e pedras comemorativas, por meio de metodos, ritos e simbolos inumeraveis, deu Deus a Israel liqbes que ilustravam Seus principios e preservavam a memoria de suas maravilhosas obras. Entdo, quando surgiam perguntas, a instruqdo que era dada impressionava o espirito e o coraqiio':

1 1

1a -- -

Cristo utilizou sistematicamente esse metodo ao ensinar por parabolas e extrair da vida pratica os exemplos para suas instru~bes(Mateus 13:34 e 35). (Ex. Especialidade de Arte de contar historias crist3s). Alem do que e chamado de teorizac30 pratica, encontra-se na Biblia uma enfase na pratica em si, como metodo de aprendizagem. Jesus realizava milagres em publico, enviava os discipulos para organizarem as coisas, ia com eles a s sinagogas e ao terr~plo,comia e festejava com as pessoas, enviava seus discipulos ao trabalho de cura e pregas3o e depois os recebia e avaliava o trabalho el ainda, por fim, perdoou pessoalmente seus agressores.

"Ensinai as coisas fundamentais. Ensinai aquilo que e pratico. N60 deveis fazer grande alarde perante o mundo, dizendo o que esperais fazer, como se estivesseis a planejar algo maravilhoso. Ndo, certamer~te.Ndo vos orgulheis nem dos ramos de estudos que esperais ensinar, nem dos trabalhos industriais que esperais fazer; mas dizei a todo que perguntar, que tencionais fazer o melhor que possais a fim de dar a vossos estudantes[Desbravadores]um preparo fisico, mental e espiritual que os habilite a serem uteis nesta vida, e os prepare para a vida futura, imortal."(Ellen White, Conselhos aos professores, pais e estudantes, p. 205).

0 ensino deve ser continuo: o lider nao ensina apenas em ocasides especiais, antes ele deve compreender e aceitar a perspectiva crist3 de ensino continuo. Deuteron6mio 6:6-8 orienta que o ensino deve ser em todo o tempo, em todo o lugar e em todas as situasbes da vida. "Quando se desperta um verdadeiro amor pela Biblia, e o estudante [Desbravador] comeqa a compenetrar-se de qudo vasto 6 o campo e quiio precioso seu tesouro, desejara lanqar mdo de toda oportunidade para se familiarizar com a Palavra de Deus. Seu estudo n60 se limitara a qualquer tempo ou lugar especial. E este continuo estudo e um dos melhores meios de cultivar amor pelas Escrituras." White, Conselhos aos professores, pais e estudantes, p. 463). - - (Ellen --.--:i:--17-1---. - - . ---G. Z- . ----A-

-.-C..

----\

:-4

-a

--i

. -


0

0 ensino deve ser progressivo: n i o e plano de Deus que todo o conhecimento possivel entre na mente dos Lideres e Desbravadores de uma vez. A pacihcia, o metodo, a perseveranqa e a disciplina d o atributos desejaveis da verdadeira instruqio no Clube de Desbravadores. Existem misterios do amor de Deus que n i o foram revelados ainda e muitos outros levario a eternidade para se tornarem conhecidos. Ex. Classes regulares de 10 a 15 arros.

"A santidade, ou seja, a semelhanqa com Deus C o alvo a ser atingido. A frente do estudante existe aberta a senda de um conthuo progresso. Ele tem um objetivo a realizar, uma norma a alcanqar, os quais incluem tudo que e bom, puro e nobre. Ele progredira tho depressa, e tanto quanto for possivel em cada ramo do verdadeiro conhecimento': (Ellen White, Conselhos aos professores, pais e estudantes, p. 24).

--

-

.

- -

---s- ---f==-.. -*.. --.=- -: -c

-- ->- x

.

-

v

- - h-d

0 sa bio afirmou: "Mas a vereda dosjustos 6 como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais at6 ser dia perfeito" (Proverbios 4: 1 8). Cristo, na parabola dos talentos, afirma que a fidelidade no pouco podera levar a abunddncia (Mateus 25:21 e 23). Paulo reconheciaque o conhecimento de Deus e progressivo. Desta forma aconselhou aos tessalonicenses que " h i m andai, para quepossaisprogredircada vezmais'! (ITess. 4:l). Em outras versdes aparece a expressio "abundar': dando o sentido de expansio, aumento paulatino.

0 ensino deve ser equilibrado: o conceito de temperanqa e equilibrio e um fundamento epistemologico do Clube de Desbravadores. A passagem bibllca que resume este conceito se encontra em Lucas 2:52: "E crescia Jesus em sabedoria, e em estatura, e em graca para com Deus e os hornens': % ' verdadeira educaqio significa mais do que avanqar em certo curso de estudos. E muito mais do que a preparaqho para a vida presente. Visa o ser todo, e todo o period0 da existencia possivel ao homem. E o desenvolvimento harmbnico das faculdades fisicas, intelectuais e espirituais. Prepara o estudante [Desbravador] para a satisfaqiio do serviqo neste mundo, e para aquela alegria mais elevada por um mais dilatado serviqo no mundo vindouro': (EllenWhite, EducagSo, p. 13).


Contudo, a epistemologia do Clube de Desbravadores assume como base de ensino as atividades fisicas ao ar livre, pois o Clube e um programa educacional-recreativo.

0 ensino deve se apoiar nas tres fontes basicas do conhecimento da verdade: a natureza ndo descreve o plano da salvaqdo. A Biblia ndo descreve todas as leis naturais que podemos encontrar no estudo das ciencias modernas. 0 conhecimento da vida de Jesus ndo 6 um relato minucioso de todas as questdes eticas de nosso tempo, mas de principios eternos. Assim, o verdadeiro lider guiara seus Desbravadores pelos interessantes caminhos do conhecimento, partindo dos"lil.ios do campo", como Jesus fez (Mateus 6:28), passando pelas Escrituras, como Jesus fez (Lucas 24:27; Jodo 5:39),avanqara ate desvendar diante de toda a sua Unidade ou Clube a eterna e maior de todas as verdades, Jesus, o Filho de Deus, como o proprio Jesus fez ao revelar-se ao povo (Lucas 4:28). E possivel resumir graficamentea epistemologia do Clube de Desbravadores da seguinteforma: A Biblia deve ter o primeiro lugar I:..

da natureza imediato em

3

importiincia."

Quanto mais as pessoas conhecem a Verdade, mais tern condiqdes de se tornarem parecidas com Ela.

LOG ICA

? m

UI

8 o UI C,

C

Ao se deparar, por parte de um Desbravador, com a seguinte afirmaqao: "Deus e amor, logo, Ele me ama. Assim, ndo importa o que eu faqa, no final Ele mesalvara!"como um lider deveria argumentar com ele?

w

=5k


Uma das disciplinas da filosofia que mais da trabalho e a Iogica. 0 que e Iogica? E o estudo sobre a coerencia das coisas. Ou seja, o estudo sobre as leis do pensamento e do raciocinio.

Um Clube de Desbravadores precisa de algo t i o profundo?Sim. Pensamento incoerente gera atitudes incoerentes. Pais e lideres precisam evitar tais atitudes com os filhos e liderados. 0 s que se dedicam a critica das a~deshumanas jamais se sentem t i o embara~adoscomo quando procuram agrupar e harmonizar sob uma mesma luz todos os atos dos homens, pois estes se contradizem comumente e a tal ponto que n i o parecem provir de um mesmo individuo. Acreditamos que a constdncia seja a qualidade mais dificil de se encontrar no homem, e a mais facil a inconstincia. Por isso precisamos estar mais aptos a dizer e viver a verdade. Quando a incoerencia da fala e da atitude dos pais e lideres se manifestam, essas questdes entram na cabe~ados juvenis e eles, um dial simplesmente acham que tudo o que o Clube/lgreja falam n i o passam de falacias e coisas sem sentido. Por que? Porque tendem a ser incoerentes. Assim, apresentamosalguns principios Iogicos sobre a forma de pensamento de um Desbravador:

VI

w

5 'El

9 2

P

VI

p" w

'El

X3

' 0 'El 0

3 2

.c,

.-

Deus valoriza e aprecia uma vida racional: nRogo-vos,pois, irmdos, pela compaixdo de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrificio vivo, santo e agradavel a Deus, que 6 o vosso culto racional" (Romanos 12:l). 0 pensamento Iogico para o cristio se baseia num forte senso da presenGa de Deus. " 0 temor do Senhor e o principio da sabedoria e o conhecimento do Sunto 6 prud@nciaM (Proverbios 9:10). 0 cristio deve desenvolver a logica da ca usa e efeito: "Ensinaivossos filhos [Desbravadores] a raciocinar da causa para o efeito" (Ellen White, Conselhos aos professores, pais e estudantes, p. 126). Nem tudo o que e Iogico para o mundo e para o cristio: "porquea sabedoria deste mundo 6 IOUcura diante de 0eus;pois esta escrito: Ele apanha os sabios nu sua propria astucia" (I Corintios 3:19). A Iogica do Clube de Desbravadores esta baseada numa firme decisio pela obediencia. 0 raciocinio e um dom de Deus, rnas a obediencia e urn imperativo na Iogica cristi. "De tudo o que se tem ouvido, o fim e: teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto e o dever de todo o homem" (Proverbios 12:13). A Iogica interna do cristio exige obediencia, mas uma obediencia baseada na fe. "Ora, sem fe e impossivel agradar a Deus" (Hebreus 11:6).

ETICA Um desbravador indaga: "numa s i t u a ~ i ocritica, seria correto matar para sobreviver?"Quem sabe o desbravador pergunte: "numa s i t u a ~ i ocritica, uma pequena mentira salvaria a vida de alguem, o ma1 menor seria toleravel para se evitar um ma1 maior?': Cuidado! Muitas vezes os lideres respondem aos Desbravadores o que, de fato, n i o fariam ... Urn Desbravador perguntariaesse tip0 de coisa?A verdade e que sim, pois se n i o fizerem estas perguntas, fario outras com o mesmo teor - o que e considerado certo ou errado em cada situa~io.

E

a-m

3

e

educasiio: uma introdus50 da perspectiva cristii, p. 29).


No dia a dia de atividades, o Clube se depara com muitas decisbes morais e eticas para serem tomadas. Um lider deve ter um profundo senso do que Deus e Sua lgreja espera dele nesses momentos. 0 principio maior que deve permear a etica do cristdo e o amor. 0 s procedimentos morais e eticos do Clube devem partir da premissa %mar a Deus sobre todas as coisas e o proximo como a ti mesmo". (Mateus 22: 37-40). Sem esta base, as decisdes morais se baseardo em sentimentos e experiencias individuais e voluveis, o que acarretara numa vida de Clube incoerente, pois as situacdes ser5o tratadas de maneira desequilibrada e assimetrica, hoje de um jeito e amanhd de outro.Tudo o que for feito deve ter um profundo conteudo etico. Se um Desbravador roubar um objeto num acampamento, o que deve serfeito?0 amor a Deus e ao Desbravador exige uma correqdo. Mas essa correcdo deve ser publica?Como ficaria o amor ao proximo?Contudo, o Desbravador, apos diversas orientaqbes, advertencias e aconselhamento n%ose afasta do mau caminho. Como se deve proceder?Qual e o limite etico da tolerincia? Questdes como essas ocorrem no dia a dia do Clube. Assim, existem juvenis sem recursos financeiros, meninos e meninas que sdo frutos de lares destruidos e conturbados, Desbravadores que foram abandonados ao desenvolvimento violento e sem amor. Como trata-las?Como resolver problemas que permeiam a vida da direcdo do Clube?Afinal, todos sio humanos. Como a humanidade ndo tem uma mente perfeita "por misturar o ma1 com o bem, sua mente se tornou confusa, e entorpecidas suas faculdades mentais e espirituais" (Ellen White, Educaqdo, p. 25) os lideres devem ter a humildade de admitir que precisam do conselho divino para discernir entre o bem e o mal. Devem aceitar queMaquiesta a unica salvaguarda a integridade individual, pureza do lar, bem-estar da sociedade ou estabilidade da naqdo. Por entre as perplexidades, perigos e exigencias contraditorias da vida, a unica seguranqa e regra certa e fazer o que Deus diz: "Ospreceitosdo Senhor sdo retosff.(Sal. 19:8). Novamente o Clube se encontra ndo com um sistema de regras (leis e preceitos), mas com um sistema de regras baseadas no amor a Deus e ao proximo, pois Vestes dois mandamentos depende toda a lei e os profetas" Mateus 22:40.

"Por que ndo posso usar tatuagem, piercing ou um cabelo estilo punk? Eu acho bonito!:' AS vezes, muitos juvenis fazem esses questionamentos. Qual resposta eles ouvem? Alexander Gottlieb Baumgarten (1 714-1 762), filosofo que foi considerado por muitos estudiosos como o"fundador"da estetica como verdadeira disciplina academics, disse certa vez que o belo seria a perfeicdo apreendida pelos sentidos. 0 Clube de Desbravadores ndo pode concordar com est a definicdo. Embora os sentidos humanos, principalmente a visdo, possam captar o belo e e possivel aprecia-lo, o belo e mais que uma sensacdo, e I.lm principio divino, pois Deus e o criador do belo.

providenciou para as suas necessidades sociais, para a associaqiio amavel e edificante, que tanto faz para que se cultive a simpatia e se ilumine e dulcifique a

"Ele4 o autor de toda a beleza, e, unicamente ao nos conformarmos com Seus ideais havemos de aproximar-nos da verdadeira norma de beleza." "Aquele que p6s as perolas no oceano e a ametista e o cris6lito entre as rochas e um amante do belo." (Ellen White, Ciencia do Born viver, p. 292 e 41 2).

(1

.

4

L;


t72 'lapod op 0!3!3laxa ap sopour sassa e e~!g!sode!3ualajal no oA!gua3u! urnyuau snaa ap elA -eled eu souraA oeN .so3!~s!eu sop o u l a ~ o 6:e!3enognld'sa~oylaur sop o u ~ a ~ o :e!3enogs!lt/ 6 iso~nodap o u ~ a ~ o :e!nb~e6!10, 6

3 c

2 op ,03!nble6!lo no lenp!A!pu! o!3!3~axao e!pndal salopeAelqsaa ap aqt-113o a e[a16! v .sop!y3uaald ogs sa~5un4a s o 6 m so ( ~ : solv) g ey l o ~ ap a 03!lenourap eurals!s urn ~ o ad(El :oalour!l~) ~ oy l a 6 u e ~ a op e!3u?!~adxae og5e~ap!suo3ula as-e~al'(2 1 so!pl-l!lo3 1) s!enq~!dsasuop a s!elnleu sol -ualel so as-urel!adsau .op!ugap las ap elall03 eurlo~eurn ural 03!lse!sapa lapod o 'oss!p uralv .apep!unuro3 e eled og5u?q eurn a apep!ssa3au eurn our03 o3!nble~a!yoluaureu -aplo o e y a snaa ~ ap e[al61 e 'ur!ssv .(L:E1 soueurou) ,,snaa lod s ~ p ~ u a pui or ~ l opy j anb sapDp!loJno so a !snaa ap ~ y u opu a anb apDp!lojnD py ogu anblod !salo!ladns s a p ~ p -!loJnD sp ~ ~ ! a / ~ n s/ a ~ DUID s a D DPO~,, -e!3u&~alol ens ap no snaa ap eueura lapod o p o l .lapod a apep!lolne 'eSuelap!l ens ap o!3!3~axaou sapnype sens az!lewlou ewal alsap e3gosolg ogsuaa~dwo3e anb eled 'epy ens ura sop!Alolruasap so!d!x.~!~d sassa la1 amp lapy opol 'ur!ssy .lapod op o!3!3~axaa olepueur oe oluenb elel3 egosolg eurn ural salopeAelqsaa ap aqnl3 0 .lapod op elell anb e3gosolg eu!ldps!p e a e3!ylod v jsa~5e6epu!sessa uro3 leledap as oe laze4 a m p lapjl urn anb 0 ;,jlaZt34 anb o y u a ~na anb o ' / ~ u o ! 6 urn a ~ fas ap D ~ D J S n3, O ~ ;,jD!P urn ( ~ ) l o ~ a llas ! a ~ m 0d3 ~ 4na o u r o ~ ,

- --

O ~ A V =rvl A ~ op apvp!qaj D v

~ vo d p ~ ! n q ! ~ j u'S!D!D~!JAV o~ sou~opvso anb spur oynur

2 *sajuv~6v~j sa~ouno 'sopyou sojsnq~v'v~qurosap s a ~ o n ~ svurn6/v p 'opvwv~6 ap ohpad urn svpv~oursvns ap ~ o p or, a ~ urv!~apod'sa~qodanb uraq as 'odurv~ op sa~opv~our so sopot asvno -s!vAnjvusvs!o~svp vzalaq v u r o saq5vqqv ~ y svssou sourapunDAp anb vlasap a13 *no!ADanb svs!o~svu soyly snas ap aqalap o vldurajuo~ l v u ~ a ~ v!~6a/v vd WOD a 'vzalaq ap n?D o a D A A D ~ n!gsanau ~ -0laq o DUD snaa,,

vzalaq D vpv!~ua6!16auopot ap asvnb noDy o~uvnbua'vpvxnq !oj anb Ao!Aatxa s!a~v~uauyadxa 'sopot ap s v ~ u osv~ svpv~snlvura~ojanb ura v!p ON,, :elun6lad ayyM ua113 .sogls!n saloleA ap ele3sa eu lepuassa oluaurala o a lalele3 op ezalaq e 'saluv -0pe3adap opunur ou le!~uassaoluaurala urn a ogu ela 'ou~apouro3gosolg ewals!s ou l o p urn efas e3!s!4 ezalaq e eloqura 'opnluo3 -leu!6!~0ezalaq ens e o-opuelnelsal 'urauroy ou snaa ap ura6eur! ep og5e~nelsa~ e uro3 J!~~!JIUO~ efaurle s!od '03!lalsa oluaur!Aour urn a uraqurel salopeAelqsaa ap aqnl3 0

2.

5 '3

% !

3' n 0

9 c

K 2.

P

UI

Y

pl

2 UI


ser mantidos, mas renunciados. Nunca deve um obreiro considerar virtude a persistente conservagdo de sua atitude de independhcia, contrariamente a decisdo do corpo geral."

0 poder e para servir e n i o para ser servido. Jesus ensinou esta licdo por preceito e exemplo (Mateus 20:27; 23:11). Ao terminar o servico do lava pes perguntou: 'tompreendeis o que vos fiz?" (Jodo 133 2). No tratamento com o outro, a politica do Clube de Desbravadores e considerar o outro mais importante que ele mesmo. "Ninguem busque o proveito proprio; antes cada um o que e de outrem" ( I Corintios 10:24). "Nada faqais por contenda ou por vangloria, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo" (Fi lipenses 2:3).

Sio objetivos prioritarios do Clube de Desbravadores: 1. Ajudar os juvenis e adolescentes a compreenderem que Deus e Sua lgreja se interessam por eles, os amam e apreciam. Se os Desbravadores forem aceitos e receberem afirmacio, passardo a amar e a apreciar o amor de Deus revelado na lgreja e em seu ministerio, e sentirio uma necessidade de estarem mais comprometidos e envolvidos com seu programa. 2. Encorajar os Desbravadores a descobrirem seu proprio potential, concedido por Deus e a empregarem seus dons e capacidades para cumprir as expectativas que Deus tem para eles e a parte que podem desempenhar no grande plano da salva~do. 3. lnspirar os juvenis e adolescentes a darem expresslo pessoal a seu amor por Deus ao associa-10s i s varias atividades de acdo missionaria.

4. Tornar a salvaglo pessoal de cada Desbravador a prioridade numero um do programa do Clube. A faixa etaria dos Desbravadores e um periodo em que muitas decisdes estdo sendo tomadas e que afetardo seus relacionamentosfuturos e seu desenvolvimento pessoal. 0 pic0 do periodo para as descobertas e para estabelecer um relacionamento com Deus ocorre por volta dos 12 anos de idade. 5. Edificar na vida do Clube de Desbravadores uma apreciagao saudavel e amor pela criaglo de Deus ao participaremde atividades ao ar livre (acampamentos, caminhadas, Especialidades sobre a natureza, etc.). 0 s Desbravadores experimentardo um senso de admiracio e adoracdo ao observarem e explorarem a beleza. majestade e poder criativo na natureza. A comunhio com Deus passara a ser mais significativa!

6. Ensinar habilidades especificas e hobbies aos Desbravadores que trario maior satisfaglo a vida e ocupario seu tempo com realizacdes proveitosas. 0 s juvenis e adolescentes experimentam satisfacio e prazer ao empregarem suas mios para modelar artigos de madeira, plastico, aco, barro, feltro e fios e ao descobrirem como as coisas funcionam e operam.

,, > n

!I

ti

,, 0

u

8c w

E -

7. Animar os Desbravadores a manterem a boa forma fisica. Este e urn rneio importante para evitar a ociosidade e o tedio. Ensine as crianqas e adolescentes a cuidarem de seu corpo 25


e a estabelecerem habitos que lhes propiciem felicidade e utilidade futuras (cf. Ellen White, Testemunhos Seletos, v. 2, p. 536,537; Ellen White, Educas30, p. 195). 8. Dar oportunidade para o desenvolvimento do dom de lideransa ao animar os mernbros do Clube a trabalharem juntos e a partilharem suas responsabilidades de lideransa. lsso ira leva-10s a aprenderem as lisbes da obediencia, da disciplina, da troca de ideias, do patriotism0 e do process0 das dinarnicas de grupo. 9. Procurar cultivar o desenvolvimento harm6nico da vida fisica, social, intelectual e espiritual do Desbravador. 0 revigoramento da mente e do corpo e a promos%ode um espirito altruists prover30 estimulos para o crescirnento pessoal e auxiliario a usar para o bem as errergias que estariarn sendo gastas em entretenimentos nocivos.

1.4. SIMBOLOS DO CLUBE

1

0 Clube de Desbravadores possui os seguintes sirnbolos: os ideais, o hi~io,os emblemas, a bandeira e o UI-liforme.Criados ha rnais de meio seculo, pelos fundadores do movimento, eles refletem a filosofia dos Desbravadores e constituem a sua identidade.

w ul

Como pedras angulares do Clube de Desbravadores, os ideais s%oo fundamento de todo o seu programa. 530 metas de excelencia para os juvenis e adolescentes e ajudam essas mentes em formasdo a encontrarem um sentido para a vida. Viver os ideais a cada dia far20 com que a pessoa n3o seja apenas urn bom Desbravador ou um excelente lider, e sim um cidadso do ceu. Preciosas verdades e nossa maior esperanga, a volta de Jesus, estiio contidas nesses sete ideais. Cada membro do Clube deve ter todos eles gravados em sua mente e em seu coraq%o.0 s ideais devem ser recitados em todas as reunities e atividades especiais. A posis%odos Desbravadores no mornento de recita-10s e regida pelo Regularnerlto de Uniformes do Ministerio de Desbravadores da Divisso Sul-Americana. Em programasbes especiais ou em cultos na Igreja, devem-se levar copias impressas ou projetar os ideais para que toda a congregas%opossa acompanhar.

6 u

I/

1. Pela graga de Deus - Aperlas quando confiamos que Deus pode nos ajudar, podemos cumprir a Sua vontade. 2. Serei puro - Ocuparei minha rnente com aquilo que e correto e verdadeiro e passarei o tempo em atividades que edifiquem um carater forte e puro. 3. Bondoso - Terei considera~30e serei bondoso n%oapenas com meus amigos, mas tambem com toda a ~ r i a de ~ Deus. % ~ 4. Leal - Serei honesto e integro no estudo, no trabalho e no brir~care sempre farei o meu me1hor. 5. Guardarei a Lei do Desbravador - Procurarei compreender o significado da Lei e me empenharei para viver em conformidade com seu espirito, entendendo que a obediencia a lei e essencial a toda organizas30.

b\

.-.w

3

2

Y

.-cul .-

E

3m 3

c

9 26


6. Serei servo de Deus - Prometo servir a Deus como o primeiro, o ultimo e o melhor em tudo que for chamado a ser e a fazer. 7. E amigo de todos -Viverei para ser uma biinqdo aos outros e farei a eles o que gostaria que

fizessem cornigo.

Deus, ajudarei aos outros e cumprirei meu dever de forma honesta, independente do que for. 4. Cuidar de meu corpo - Serei temperante em tudo e me empenharei por alcanqar um

elevado padr2o no condicionamentofisico. 5. Manter a consciCncia limpa - N2o mentirei, engartarei e n2o participarei de conversas im-

puras ou gastar tempo com maus pensamentos. 6. Ser cortgs e obediente - Serei bondoso com os outros, refletindo o amor de Jesus em todos

os meus relacionamentos. 7. Andar com revergncia na casa de Deus - Em todos os momentos devocionais serei reve-

rente para obter os beneficios de estar na presenqa especial de Deus. Respeitarei o templo como sendo a casa de Deus. 8. Ter sempre um cdntico no cora@o - Serei alegre, sempre buscando o lado positivo da vida e permitirei que a influencia de minha vida seja um raio de sol aos outros. 9. Ir aonde Deus mandar - Cumprirei toda a vontade de Deus para a minha vida, independente de onde eu estiver ou para onde for chamado.

mente e coraq2o de cada ser humano de tribo lingua e povo, Ap. 14:6-14, porque sabe-se que somente quando a mensagem chegar a cada ouvido, vira o finn de todas as coisas e a redenq2o final.

$

5

a


e esse amor deve mover a obediencia e o ser-

vice cristdo de cada pessoa. 0 Clube de Desbravadores so tera sucesso nessa terra quando for verdadeiramente tocado por esse amor sem igcral, amor que foi dado dental maneiraMqueo proprio Filho Unigenito de Deus veio a essa terra dar "salvacdo a todos que nEle crer"

pelo amor fraternal e sincero, pela obra da igreja e pelo proximo, atendendo a s suas necessidades e mostrando o Evangelho de Salvacdo de Cristo Jesus.

do Clube de Desbravadores deve guiar cada atividade e cada programa do mesmo, fie1 nos propositos de mostrar ao mundo a mensagem de Jesus, nosso Salvador, e do plano que Ele tem para a redencao da humanidade.

A palavra de Deus e a unica regra de fe e pratica. Conhecer a mensagem de Deus, atraves das paginas da Escritura Sagrada, deve ser um dos objetivos prirnordiais do Clube de Desbravadores. Somente e possivel conhecer a vontade de Deus atraves da Biblia. 0 s Desbravadores devem aprender desde cedo a serem fieis a ela e a mensagem de Jesus e da salvacdo que Ele proporciona.


dos Desbravadoresfoi oficializado em 1952. 0 hino deve ser cantado em todas as reunities e programaqties especiais do Clube. Todos devem estar na posiqao de sentido. Ele pode ser cantado com ou sem acompanhamento de instrumentos ou playback, mas e interessante incentivar os Desbravadores q ue toca m algum instrumento aprenderem a toca-lo.

HINO DOS DESBRAVADORES congregaqIo e piano

G

N6s

so - mos os des - bra-va

D7

G

Go

-

do G

Henry Bergh

-

res os

ser-vos do Rei dos

reis

f

C F A m

~7(b13)


0

>

9w w

u w n a

o 0

?

=m L

E .-C

6a

Y a C 34

A fase da adolescencia tem sido objeto de estudo das mais diferentes disciplinas: sociologia, psicologia, pedagogia, biologia, medicina, direito.. . Do ponto de vista da psicologia do desenvolvimento, o inicio da adolescencia e marcado pelo inicio do amadurecimento sexual (puberdade) e o seu fim n2o se define apenas pelo desenvolvimento corporal, mas, sobretudo, pela maturidade social - que inclui, entre outras coisas, a entrada no mercado de trabalho e o assumir do papel social de adulto. As alteraq6es introduzidas na vida moderna promoveram mudanqas no comportamento humano e alteraq6es no entendimento de adolescencia. Ha, ainda, variaq6es para cada sex0 e de um individuo e outro. A adolescencia n2o e, no entanto, uma fase homogenea. Pelo contrario, e uma fase dinsmica que, para o seu estudo, exige uma maior diferenciaq20. N2o ha consenso entre os estudiosos na definiq20 da idade inicial ou final. Ha definiq6es de 11 anos para o inicio da adolescencia e 29 anos para o final. 0 Estatuto da Crianqa e Adolescente (ECA) brasileiro estabelece adolescencia como a fase compreendida entre os 12 e os 18 anos de idade, coincidindo com a maioridade. Para fins de conhecimento e compreens20 das caracteristicas do desenvolvimento que envolvem os participantes do Clu be de Desbravadores, ser2o analisados aspectos relevantes das idades entre os 9 e 16 anos, que coincidem com a entrada (10 anos incompletos) e a saida (apos 15 anos completos) do Desbravador de seu Clube. E essencial que o lider entenda essa fase de transformaq6es cognitivas, fisicas, psiquicas e sociais, que tornam esse um


periodo da vida t i o distinto. E importante, ainda, que o lider, o Conselheiro, estabeleqa vinculo com a familia, pois favorecera o entendimento mais amplo de quem e o Desbravador e quais s i o suas necessidades.

2.1. 0 DESENVOLVIMENTO DO JUVENIL DE) 9 E 1 0 ANOS ENTRE A INFANCIA E A PUBERDADE

-

I

PENSAMENTO E AFETlVlDADE 0 ser humano passa por varias fases de desenvolvimento fisico, intelectual, emocional e social desde o nascimento. Na puberdade, essas mudanqas tornam-se mais evidentes, especialmente as fisiologicas, promovendo tensdes e ansiedades que estavam em um periodo de latencia. Ocorre a reelaboraqio dos intimos conflitos afetivos. Nessa fase. o juvenil ja adquiriu uma singularidade para se relacionar, para se comunicar, para aprender e para brincar. Esta propenso a variaqbes de humor com muita facilidade. Ja tem inicio a capacidade de compreensio de alguns conceitos e valores abstratos. As leis, normas, regras e ordens comeqam a adquirir significado e sentido. 0 processo de socializaqio encontra-se no seu apice. As experiencias anteriores sdo reelaboradas em funqzo das novas coordenadas psiquicas. Seus interesses afetivos, que exigiam sal:isfaq2o imediata, s2o transferidos ao intelectual e ao simbolico, que permitem uma aproximaqio progressiva com as leis da sociedade. Essa renuncia as satisfaqdes imediatas pode favorecer a preferencia por maiores niveis de dificuldades em atividades como os jogos, leitura, atividades manuais e artisticas. E oportuno aproveitar essa caracteristica, se surgir, oferecendo Especialidades como musica, arte ou esporte para favorecer o desenvolvimento da crianqa.

A automotivaqdo e uma caracteristica marcante. 0 juvenil torna-se mais capaz de aplicar sua inteligencia a s coisas que a cercam, que nao necessariamente sejam estimulantes. Apresenta uma maior capacidade de assimilaqio. Esta em um periodo de expansio, querendo experimentar tudo com muito entusiasmo. Ja aprendeu a se valorizar e a valorizar o proximo. Comeqa a ter consciencia daquilo que deve fazer. 0 senso de justiqa passa de uma noqso rigida e inflexivel do bem e do ma1 para um sentido de equidade nos julgamentos morais, levando em consideraqao a situaqio concreta. 0 que antes parecia errado pode encontrar jusl:ificativa, em determinadas circ~,~nst$ncias. 0 afeto que o juvenil recebe dos pais e dos educadores tem grande importbncia no processo de amadurecimento da consciPncia, pois os mecanismos que aparecem na origem do desenvolvimento da consciencia s3o a identificaqdo e o medo a perda do amor ou da aprovaqao. Ha adultos que n i o conseguem compreender o conceito de justificaqio pela fe, porque nessa fase nao foi possivel desenvolver essa flexibilidade, fixando-se apenas na existencia do conceito de reciprocidade.

m

$

3 m

u w

{w

u

-9 0

2 2i=

g

E

0

zw VI

a"


DESENVOLVllVlENTO DA SEXUALIDADE Nesse momento, meninos e meninas parecem estar mais proximos de um mesmo nivel de desenvolvimento e maturidade sexual. As meninas, porem, mais proximas da adolescencia do que os meninos, o que pode ser constatado com base nos sinais fisiologicos. Mesmo corn tais caracteristicas, poucas sio as meninas que menstruam nessa fase. Elas ja apresentam consciencia do seu corpo e demonstram constrangimento em mostra-lo a pessoas do sex0 oposto. Nessa fase, costumam apresentar curiosidade em relaqio aos papeis desempenhados por ambos os sexos na procriaqio. As primeiras "relaqdes arnorosas" constituem parte do process0 de socializaqio, porem, em alguns casos, tornam-se preocupaqdes que assumem demasiada importincia. N i o 4 bom que os lideres ridicularizem os juvenis, devendo permanecer em segundo plano, pois a intervenqio, quando n i o solicitada pelo juvenil, pode apresentar-se intempestiva, sem medida ou reveladora.

0 DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR Na idade de nove/dez anos, o juvenil possui mais dominio de si, adota uma atitude reflexiva frente aos pais, a escola, as responsabilidades, as pessoas maiores e aos companheiros de jogos, passando sem transiqio da expansio e do atrevimento a timidez. E necessario que o lider esteja atento as anomalias respiratorias - respiraqio curta, alterada, entrecortada, pela boca, etc., quando o Desbravador realiza exercicios mais intensos.

0 JOG0 COMO INTERESSE PRINCIPAL E INSTRUMENTO REGULADOR DO COMPORTAMENTO 0 jog0 e a ocupaqio que mais retem o interesse dos juvenis. Nessa idade os jogos coletivos comeqam a ser regidos por um conjunto de regras de certa eficacia e complexidade que, alem dessas caracteristicas, sio aceitas pelos participantes. Com a existencia de um regulamento, os Desbravadores descobririo uma forma mais eficaz de organizar as relaqdes interpessoais. Do mesmo modo, serve para que os jogadores aprendam a exercitar o autocontrole e aos poucos adquirem dominio sobre seus comportamentos sociais. Ja adquiriram a habilidade para desenvolver todo tip0 de atividade manual e energia para as atividades fisicas. As atividades preferidas escolhidas pelas meninas, em grupo, geralmente, envolvem brincar, conversar, gracejar. 0 s meninos preferem brincar de lutar ou praticar algum esporte. Promover a cooperaqio e uma necessidade nesse periodo, inclusive nos jogos, pois ha uma tendencia natural para a competiqio, especialrnente, entre meninos e meninas.

w

u w

0

Surgem nesse momento os grupos de amigos, dentro dos quais os interesses que prevalecem sio os coletivos em detriment0 dos individuais. A figura do lider aparece e se caracteriza especialmente pela extroversio, fortaleza, seguranqa, inteligencia e habilidade.

CI

u

.+ + 2 UI

-2 .-

6

-m c

DESENVOLVIMENTO ESPlRlTUAL Nessa fase, os juvenis gostam de expor suas ideias, de discutir, de perguntar, de ouvir historias e de dizer coisas que provoquem o riso. 0 s lideres devem aproveitar esse interesse natural para contar historias biblicas de uma forma atual, contextualizada. 0 s desafios sio um incentivo para o trabalho. Ja compreendem o que e consagraqio. Conscientize-os do fato de que foram chamados por Deus. E o momento oportuno para incentiva-10s a trabalhar para Cristo, pois apresentam desejo e interesse para o trabalho.


2.2. DESENVOLVIMENTO DO ADOLESCENTâ&#x201A;Ź JUVENIL DE II E 12 ANOS

- 0 "1

DESENVOLVIMENTO DA AFETlVlDADE E SOCIALIZACAO Nessa fase, e necessario que os lideres recorram as estatisticas para situar, n i o como norma, mas apenas como orientaqio o momento da puberdade. Assim, chega-se ao entendimento que a maioria das meninas chega a puberdade em uma idade situada entre 10 e 12 anos, enquanto a maioria dos meninos a experimenta entre 12 e 14 anos. As mudanqas proprias da puberdade sio manifestaqbes fisiologicas do organismo em crescimento, que quer dizer, trata-se de mudanqas fisicas. N i o obstante, e devido a sua intensidade, a sua envergadura e a rapidez com que ocorrem, perturbam profundamente o equilibrio psiquico infantil, que se manteve t i o tranquilamente durante os anos de latencia. Embora exista uma atitude mais critica em relaqio aos pais e seja mais forte o sentimento de independencia e de afirmaqao pessoal, os sentimentos de apego e lealdade para com a familia costurnam ser intensos aos 11/12 anos. 0 juvenil sente-se atraido pelo grupo farrliliar e costuma procurar nele proteqao e companhia. A relaqio entre os dois sexos. Por volta dos 11 anos, ate mesmo um pouco antes, em alguns casos, inicia-se Lima fase de desenvolvimento sexual que, alem de aproxima-10s do amadurecimentodefinitive e modificar o funcionamento do seu organismo, influi na visio que cada um tem do sexo e favorece o surgimento da primeira aproximaqio. E provavel que surjam interesses por festas e reunibes de todo tipo, nas quais n i o deixarao passar a oportunidade de estabelecer amizades, nem de ensaiar as primeiras tentativas de aproximaqio. Com frequencia, essas primeiras relaqbes afetivas tem mais eco dentro do grupo de colegas. 0 lider e os Conselheiros devem manter a atenqio sobre os grupos com supervisio em segundo plano, com intervenqbes diretas so quando se fizerem necessarias.

AS BRINCADEIRAS E PASSATEMPOS As brincadeiras predominantes um ano antes se dimensionam agora no plano das relaqbes interpessoais. Ocupam agora a maior parte do tempo livre com o grupo de amigos ou colegas que participam das brincadeiras. Permanece o interesse por atividades motoras ao ar livre, diminuindo a necessidade de exercitar constantemente o corpo. E comum que prefiram passeios a pe com os colegas a passeios de bicicleta. Nesta idade, sio comuns os grandes desentendimentosentre os colegas e tambem as grandes reconciliaqbes, o que e esperado, devido principalmente as mudanqas bruscas de humor.

A PERSONALIDADE Estar no process0 de desenvolvimento juvenil significa estar nos portais da adolescencia e nos proximos meses se manifestara uma serie de condutas e sintomas comportamentais em geral, alem de mudanqas orginicas, que sinalizario seus progressos psicoafetivos no caminho para a maturidade. Agora a crianqa adota, em tentativa de afirmar sua personalidade cada vez mais forte, atitudes proprias de uma crianqa maior. Demonstra maior inquietaqao e instabilidade, alem de curiosidade e sociabilidade. Interessa-se por ampliar seus conhecimentos e experiencias. Sua principal preocupaqio e assimilar o m ~ i n d odos adultos e desempenhar seu papel nesse mundo. Ja consegue expressar com mais facilidade suas opinibes do que ouvir e levar em consideraqio o ponto de vista do seu interlocutor.

$ $

5

m u

w w C w

CI

; w

5

u

4

+ .-

2

0

>,w VI

d 37


0 s aspectos que sio mais comuns e marcantes dessa fase, que sdo consenso entre os estudiosos, sio as rapidas mudancas de humor e certa instabilidade no estado geral de saude. Experimenta mudanqas bruscas em seu estado de inimo. 0 s que convivem com ela sabem que ela pode passar em pouco tempo da alegria para a colera e do riso espontineo para urna profunda tristeza. Sua instabilidade na saude, assim como as variaqdes emocionais ou as atitudes de silnulada prepotkncia, requer por parte dos educadores, lideres e Conselheiros a compreensio de que essas caracteristicas ndo constituem um sintoma de debilidade orginica.

A AFIRMACAO DO "EU": REBELDIA E EMANCIPACAO As transformaqdes vivenciadas nessa fase, orginicas e afetivas, geram urna serie de reajustes profundos em suas relacdes com as pessoas e coisas. Ou seja, novas formas de relaqio com o ambiente que a cerca. 0 juvenil devera estar preparado para definir sua personalidade, demonstrando que e capaz de perlsar e atuar por si so. Recusa-se a obedecer em determinadas ocasides, dernonstrando rebeldia. Tudo isso se relaciona com as primeiras manifestaqdes do process0 de afirmaqio da personalidade. Ha, ainda, momentos em que manifestaqdes de urna valorizaqdo narcisista de si mesmo podem aflorar acompanhadas de comportamentos com mudanqas radicais e imprevisiveis de hul-nor. Em algumas ocasides a convivkncia pode tornar-se mais dificil. 0 s l~deresdevem mostrar-se bem dispostos, dispensando tratamento afetivo, mas com firmeza e clareza em suas aqdes e valoraqdes. Diante de suas inquietudes os lideres devem manter a pacikncia, transmitindo seguranqa e confianqa. Devem, ainda, evitar qualquer atitude ou comentarios que possam expor ou ridicularizar esse adolescente. As situaqdes de tensdo, ambivalencia e instabilidade que o comportamento dos puberes apresenta nada mais e do que reproduqao dos conflitos de origem interna e inconsciente.

OS SEMTIMENTOS DE DEFORMIDADE

111

w

m

5

' h111 w w

G 0 ~7

P

z

-w

.-111C .-

E

3m =1 C

2

As mudanqas apresentadas costulnarn vir acompanhadas de urna grande preocupaqio, que pode gerar ansiedade ou urna reaqio de inconformidade e iliadequaqdo com o proprio corpo. 0 sentimento de deformidade, conhecido como dismorfismo, e observado em especial nos jover~sque atravessam a puberdade e ao longo da primeira fase da adolescOncia (entre 1 1 a 14 anos). Pode apresentar-se de diferentes formas e com sir~tomassempre referidos ao corpo: sentimento de ser muito feio, convicqdo de deformidade fisica e etc. Em geral, trata-se de um prejulgamento negativo sobre o peso el em especial, da forma do rosto e dos caracteres sexuais. A preocupaqio com defeitos minimos na aparkncia podem levar o adolescente a comportamentos estranhos: uso de casacos ern dias quentes, com o objetivo de esconder o corpo; cabelo no rosto para escondk-lo, por achar que ha defeitos enormes nele; ou ar~orexia,bulirnia, porque a pessoa se acha gorda, quando na verdade encontra-se dentro do peso e das medidas adequadas. No menino, o sentimento de deformidade reside no receio de ndo ser viril, enquanto a menina parece organizar-se em torno de um certo receio as formas femininas adultas. Algumas circunstincias sugerem desempenhar papel fundamental nesse sentimento de deformidade: a n i o aceitaqio da puberdade por parte da familia el em especial, a rejeiqio materna. Ha ainda o "culto ao corpo" nas sociedades ocidentais, que na atualidade e disseminado por veiculos de comunicaqdo, difundindo padrdes estereotipados de beleza e proporqdes fisicas, associando-os ao sucesso pessoal, sexual, esportivo el mesmo, profissional e cultural. 0 receio de parecer ridi'culo e a necessidade de aceitaqdo podem chocar-se com a angustia de urna imagem corporal pouco definida diante dos padr6es de perfeiqio, ditados pela sociedade.


As modificaqdes do equilibrio hormonal, por outro lado, afetam certos sinais sexuais externos, podendo aparecer caracteres secundarios do sex0 oposto: crescimento das mamas, o aumento de gordura nos quadris do menino, aparecimento de penugem e musculatura na menina. Tudo isso pode desencadear crises de angustia entre os adolescentes, que sendo produto de um desequilibrio hormonal momentineo tPm curta duraqio, porem e necessario recorrer a uma avaliaqio medica. Mesmo assim, os adolescentes sio levados a um sentimento de deformidade. No contato com outros jovens e que encontram, alem de seguranqa, prestigio e o padrio que serve de comparativo entre si e os outros. As diferentes manifestaqdes dismorficas (distorqdesda imagem corporal) sio proprias da adoIescPncia e devem ser consideradas normais, a menos que se convertam em obsessio ou ideia fixa que sufoque o jovem, inibindo-o e causando-lhe angustia, caso em que sera tambem necessario consultar um especialista.

DEPRESSAO E MELANCOLIA N O ADOLESCEN'TE As subitas oscilaqdes de inimo e do humor n i o sio raras durante a adolescPncia. Ha ocasi6es em que a persistPncia de sintomas como tristeza, desinteresse e sentimentos de culpa associados, com maior ou menor intensidade, a manifestaqdes somaticas~s6nia1 anorexia, amenorreia, transtornos digestivos, etc.) faz pensar em transtornos psiquicos. Embora essa possibilidade n i o deva nunca ser descartada, a tristeza profunda que as vezes acomete o adolescente deve-se geralmente a uma crise de melancolia, na qua1 ressaltam principalmente inibiqio e abulia (dificuldade acentuada de fazer escolhas ou tomar decisdes), debilidade fisica, astenia (fraqueza orghica presente em problemas de saude como depressio, ansiedade, hipotireoidismo, e outras) e baixo rendimento intelectual. Frente a presenqa dessas crises, e recomendavel consultar um profissional em psicopedagogia. Alguns especialistas sustentam que a origem se deve ao conflito pela perda da identidade infantil. E importante estar atento aos comportamentos apresentados nessa fase para orientar e alertar os responsaveis e familiares.

Esse e um period0 em que os lideres, educadores, professores e mesmo os familiares costumam apresentar muita dificuldade em lidar e auxiliar o adolescente, quando se trata de timidez. 0 s jovens percebem a si mesmos, em diferentes momentos, como pessoas inseguras, cheias de duvidas, carentes de recursos para estabelecer relaqdes frutiferas e gram-tes nos planos social, afetivo, sexual, escolar ou de trabalho. Essa percepqio angustiante costuma cTder diante da evidPncia de que, em outras ocasides, o contrario tambem e verdadeiro: os sucessos obtidos em situaqdes propicias (no meio do grupo de amigos, em uma competiqio esportiva, etc.) tPm a virtude de compor uma autoimagem que pouco antes estava francamente deteriorada. 0 receio que coibe o adolescente timido n i o e de fracassar diante de si mesmo, porem, diante dos outros. 0 adolescente se sente vulneravel, ridiculo e inseg~~ro diante dos outros. E no minimo contraproducente que os adultos tentem fazer o jovem "superarnasua timidez por meio da forqa. Sio muitos os que ainda acreditam na eficacia de uma aqio repulsiva: obrigar a pessoa timida a falar ou exibir-se em publico, exorta-la a fazer aquilo que teme ou estabelecer comparaqdes com pessoas que sio bem-sucedidas em situaqdes similares. 0 enfrentamento da situaqio com provas dramaticas corre o risco de fazer transbordar a angustia e desencadear reaqdes desesperadas que, sem duvida, abalariam a sua debil autoestima. 0 s Conselheiros e os lideres do Clube de Desbravadores devem ter cuidado especial para n i o colocar deliberadamente os adolescentes timidos em situaqio de exposiqio constrangedora.

c

2

%

J

w + C

5

-$0

2 0

u

+

E

-

m5

> o C

g 39


-

-!ugap e u o j ap uez!l!qelsa as soue E 1a 1 allua sope5ueqe saloleA so 'soxas so soque u 3 .sou!uau sop .~!uede 'lela6 opou aa so anb apep!3!lsela lo!eu ~ a l u e uueunlso3 seuyau se 'soue

tl010WO3ISd OlN3WIAlOAN3S3a

E

g

3. 2.

% 7

%!

*sollnoalluap (g-S:Esasuassolo3),,-~jo/op! anb 5 'opupuo6 o a snow sorasap 'opx!ad 'ozalndw! lonxas apop!/olou?, :sipon ap ouallaj ozalnjou p a ~ u a ~ l a d 8 anb o opnj l a ~ l o w woJoj 'w!sso,, a (8 1-9 ~ : le9) 8 olues ol!.~!ds3op elqo e aodo as anb 'aule3 ep O!~!A fi C u n a 'aule3 ep opelapou! ofasap o a anb 'e!3uax!dn3uo3 e anb z!p snaa ap el~elede a '(062 d3w I) g ;ow/o o say/-noy~uow a ajuaw L, say/-noj/!no o!ldo.id osnqo op oj!qpy 0 "-oJ~oj ons o w o as-wa~a/oj.~oj ~ p a ojuawpsa~~ nas o UIOJ w a x a sajuax!dn~uo~ ~~ saqx!od so 'souo wa walaJsa.n OD a lopJoqlnjsow op In o ~ j o o~woJawo3 d SDJUD!.~ s o w n 6 / ~:z!p ~ aqyM ua113 'sol!nu e ~ e dogesap u n las ap ~esady

F

z oi

.odn~6u a og5eq~nlseue u e ~ l e sala ~ d sazaA sy .o!lel!los o p o u ap 'le~a6u a 'epe3 -!geld 'og5eq~nlseue u a ~ l o 3 a'sofasap l snas sop apep!sualu! e aluay ' u y o d '!a1 e a ~azeldo allua ol!uuo3 aluaueu~adu n u a soslauqns as-USA eu!uau e a ou!uau o 'apep~aqnde aluelna

-sel!xe seu a a3e4 eu solad sop oluau~6.1ns o a a ~ e eulol ~ 6 as anb 'ZOA ep alqu!g ou e5uepnu e 'zap!del l o u a u no lo!euJ U J O ~' u a q u ~ eall030 l 'od~o3op loyadns a l ~ e deu ezlleal as eaugln3qns elnplo6 ep og5!nq!~~s[p e a leln3snu oluau!AloAuasap aluellodu! u n as-znpold .apep -~aqndep o!qu! o ue3leu se3!leuladsa sao5eln3efa s e ~ ! a u ! ~ s yd .soulalxa s!el!ua6 so uaA1oAuasap as a e ~ q n dua6nuad e aluauep!de~a3a~edy.easso elnlnllsa eu sao5e3g!pou ap opeyueduo3e (e~nlleap u 3 p l e g ap) o3!s!4 oluau!3san IaAelou ap opojlad u n uessaAelle sou!uaur so .apep!A!le ens uessa3 ( o u ! ~sellno ) oluenbua 'so!lessa3au so!ugu - ~ o yso opue6al6as lode^ opol e ~euo!x1n4 e ue5au~o3(asgod!y) seu!.nopua selnpuq6 sella3 .eA!g -!ugap og5!sod ens elope a e!ldu~eas eAlnA e a ua3san soulalxa a soulalu! yequa6 sog61o so -0dlo3 op lo!la4u! ailed eu as-~elnun3eap epuapual e u a l l a y l n u eu anb 'eau$ln3qns e~r1plo6 ep og4!nq!~ls[pe a so!as sop oluau!AloAuasap o u o 3 '(e3~euau)og5enllsuau el!au!ld ep epe6ay3 e u o 3 elalduo3 as .sops sop oluaune op opju! o u o 3 'e!3u~nbasuo3u a 'a ( s o ! ~ e ~s!enxas o) sel -npuq6 sep oluau!3a~npeueo u o 3 e y u ! as 'el!p a l u a u e ! ~ d o ~'eu!u!uq d apeplaqnd y

.znpold elsa-1e u olu e l an b og5enqs essa leluaqua e u a ~ ooflepnfe essod anb (0606epado3!sd) leuo!ssgo~du n ~eq.lnsuo3 e ell!ue4 e lelua!lo uessod alua3salope o ueyueduo3e a r ~ b seossad se a r ~ b aluellodu! o y n u 3 .alue!psn6ue souau le6nl u n eled ollno op ley lo o opueuo!3a~!pal'lesse3e~4ap a oln3!p!~.waled ap o ! a m olad ep!znpo~dogsual e I!nu!u -!p e ~ ! l ! u ~ asollno d so aluelad a sollno solad sope6!lsu! ualas uas s!eossad sapep!l!qesuodsa~ sel~a3aluaueaueluodsa a am1 l!unsse ap apep!unl~odoe lal.ope.~o!lalapous!s!3leu op og5!nl -!gsuo3a~e ogla3a~o~e4 ' e p ! ~ep sase4 se sepol u a 'anb sosse3e.q souanbad a sossa3ns souanbad ap e~!ssa3nsogssal6old e elas 'ossa3ns ap (epeuopalas) apep!unl~odo e apa3uo3 ay 1 a ~ d u a s a alau el!pa~3e'eguo3 o~!aylasuo3nas anb ap ogsuaa~duo3e u a ~ oof e ~ e do~!l!sod3 -0ssa3ns ap sapep!l!q!ssod seoq u o 3 ~elual4uauessod a ueq!es sap anb senold 'sopenbape s!eu soluauour sou 'aluaulel!sodo~d'opueuo!3alas 'eu!lsaolne a e5ueyuo3olne ens la3alo~e4 o~!aylasuo3o anaa

5

n

gm

UI


No juvenil de 11 anos e esperado que o equilibrio normal tenha sido adquirido e em vias de consolidaqio. Com a idade, o equilibria evolui da mesma forma em ambos os sexos, sem que seja possivel registrar diferenqas significativas.

0 ADOLESCENTE E 0 ESPORTE Para o jovem, os esportes durante muito tempo constituem a continuaqio dos jogos infantis, sendo, como aqueles, importantes na estruturaqio da sua personalidade. Para o adolescente, a pratica do esporte constitui-se numa oportunidade para evadir-se do meio familiar, livre da pressio dos pais, liberar energia e descarregar agressividade. Com o acompanhamento de um especialista, a pratica do esporte possibilita ao jovem experimentar novas condutas, como cooperaqio e competiqio, equilibrar os conl-litose aumentar a confianqa em si mesmo.

A CONVIVENCIA ENTRE 0 GRUPO, 0 CONSELHEIRO E A LIDERANCA Durante as saidas, acampamentos e passeios, a vivPncia entre o grupo costuma ser muito intensa. Essa circunstancia da maior coesio tanto a Unidade, quanto ao Clube, favorecendo os intercimbios relacionais entre todos os seus membros. Nesses dias, o Lider no Clube estara mais proximo de todos eles, passando a ser um companheiro a mais, que compartilha das experiPncias do grupo, se soma as atividades comuns, propondo e organizando novas atividades. Esse e o momento mais favoravel a aproximaq20 de Desbravadores que n i o estio inseridos no grupo e isolam-se ou sentem-se rejeitados pelos subgrupos que se formam e se consolidam nessa idade. 0 papel do Conselheiro sera de aproveitar seu relacionamento positivo com o grupo e favorecer o clima de dialogo e participaqiio, favorecendo a formaqio de uma autoimagem positiva de todos os integrantes.

APRENDIZADO ESPlRlTUAL Nessa idade, os juvenis iniciam a fase final do desenvolvimento da inteligPncia (cognitivo). Nesse momento, a crianqaladolescente ja deve ser capaz de compreender conceitos abstratos. a ser compreendidos com maior clareza. Conceitos como "fe"e "salvaq~o"come~am

2.3. DESENVOLVIMENTO DO ADOLESCENTE ADOLESCENTE DE 13 E 14 AN05

-0

De acordo com alguns estudiosos, a idade entre 13 e 14 anos el talvez, o momento mais representativo quanto ao aparecimento dos primeiros tracos que correspondem a adolescPncia propriamente dita. Alem das modificaqdes fisicas, a aproximaqso progressiva da sexualidade adulta, os grandes e decisivos movimentos na esfera afetiva e sentimental, o paulatino e inevitavel afastamento do circulo familiar, a rejeiqso as ideias estabelecidas, a busca da originalidade, as primeiras reflexdes serias referentes ao futuro profissional e ao seu fut~lropessoal... estes sso alguns aspectos qlJe conformam o carater adolescente tipico. Se na infincia o jovem teve dores profundas, na adolescPncia elas assurnirio outra magliitude, sendo muito importante, para nso dizer essential a saude, poder dar atenqiio a elas. Tambem nesse primeiro momento da crise podem surgir certos devaneios e fantasias, totalmente catastroficos e desproporcionais e que, por um lado, trazem como tema ideias de morte, fuga e suicidio; e por outro, amplificam triunfos imaginarios, nos Smbitos sexual, cultural ou esportivo.


Norrnalmente, essas fantasias n i o se transformam em atos, cumprindo sua funqio, mantendo-se no imaginario. Porem, em caso de intervenqbes radicais repressoras nesse sentido, pode ter consequencias indesejaveis. Crianqas carentes de normas de conduta criticas e valorativas eficazes podem chegar a adolescencia cheias de duvidas e receios, mostrando-se vacilantes e indefesas diante da agressio provocada por seus proprios desejos ir~conscier~tes, ou ainda, por ocasiio do menor fracasso nas relaqbes corn outras pessoas. Ja os rnenil-10se rneninas que durante a infincia tiveram a oportunidade de gozar e sofrer no dmbito dos seus proprios desejos, movendo-se com autonomia e limitados apenas pelas crises necessarias, que por n i o terem sido evitadas de maneira artificial, propiciaram o progresso, aprenderam a tolerar frustraqbes e a situar-se com relativo conforto, em cornpasso de espera, diante da prornessa de satisfaqbes mais elevadas. Uma educaqio equilibrada favorece a superacio exitosa da crise da adolescencia, comum entre os 13 e 15 anos de idade. A identificaqio com os adultos de seu proprio sexo torna-se efetiva n i o de maneira superficial, mas sim progressivamente, interiorizando as regras e as normas de conduta oferecidas pela figura dos pais. E frequente o desleixo, a indolencia e a rnelar~coliaalterr~arem-secom a crueldade e o egoisrno na conduta do adolescente. Na rnedida do possivel, e conveniente evitar o enfrentamento direto e intervencionismo excessivo, que favorecem o afloramento da raiva e radicalizaqdo da rebeldia.

0 ADOLESCENTE E OS AFETOS

w

5

u m >

k

g

0 w UJ

0

u

o

> z .w

.g

.-C

A rrecessidade anterior de estar em movirnentacio constarlte foi substituida, em parte, por outra necessidade distinta: a de conversar, expressar sentimentos, compartilhar impressbes, pois as amizades adquiriram um carater mais solido. 0 amigo e mais que um apoio eficaz ou um companheiro para preencher as horas vagas, converte-se em um aliado valioso, junto ao qua1 pode enfrentar as novas exigencias do mundo exterior, deixando definitivamente para tras os tempos da infdncia. Apesar do valor conferido a amizade, as relaqbes nem sempre sio t i o cordiais corno seria esperado. As brigas e discussbes tomam dimensbes de espetaculo, rompendo relaqbes com muita facilidade, frequencia e solenidade. As reconciliaqbes tambem sio comuns nessa fase. Nas situacbes de grupo tambem existe uma tendencia acentuada a promover interaqbes nega1 tivas entre os proprios cornporlentes, tais corno i~icomodar,irlsultar, boicotar os cornpanhelros, assiln corno uma forte tendencia ao compl6 e a traqar planos e projetos dos quais alguns serio excluidos. Nesse momento, quando o bullying ainda e muito frequente, e necessario estar atento a tais manifestaqbes, que podem ser confundidas e n i o devem ser entendidas corno naturais ou parte de um desenvolvimento saudavel. 0 relacionamento com o sexo oposto adquire novo formato, o interesse entre os jovens e ampliado rlessa fase, chegarldo a surgirem convites para diversio, etc. Neste rnornento, podern surgir as primeiras experiencias no terreno da sexualidade, por isso e necessario redobrar a atenqio em caminhadas e acamDamentos. 0 s educadores sabem da vulnerabilidade desses sentimentos nessa idade e que, por esse motivo, pode ser simples e e natural que aconteqam desenganos. 0 s lideres n i o deverio ridicularizar, nem tentar convence-10s de que e algo passageiro ou que n i o se trata de amor de verdade, nem criticar ou buscar defeitos na pessoa escolhida. I

E

3m

3

C

A PERSONALIDADE Nos ultimos tempos, a cor~scienciaque merlilias e meninos vem desenvolvendo de sua propria pessoa e de seus tracos de carater os leva a considerar cada vez mais a opiniio que outras pessoas


tem sobre eles. Costumarn prestar mais atenqio a determinados aspectos concretos do carater ou da personalidade do que a forma fisica ou outras caracteristicas materiais das pessoas, ainda que sejam do sex0 oposto.

COMPORTAMENTO 0 s adolescentes dessa idade sio mais conscientes das diferenqas individuais e isso os faz captar expressdes e imitar ou personificar os outros. Tam bem procuram se identificar com personagens de filmes ou literatura. Demonstram grande senso de humor. 0 grupo e a cultura adolescente sio elementos que Ihe conferem laqos fortes de convivencia que auxiliam a se desprenderem dos laqos familiares. Apesar do desejo de independencia, busca aprovaqio da fami'lia e do grupo de colegas. Enquanto busca independencia da fami'lia, desenvolve um forte sentimento de dependencia. Pode demonstrar fanatismo por alguma atividade, como tambem demonstrar apatia em outras, como a escola.

LAZER E PREFERENCIAS Entre 11 e 14 anos, o adolescente de ambos os sexos demonstra preferencia por participar de atividades como excursdes, acampamentos ou colbnia de ferias, demonstrando interesse por desenvolver atividades em grupo. Esta propenso a se apaixonar por atividades como fazer coleqdes. Seriados e flmes deTV sdo os espetaculos preferidos. Podem surgir ainda mania de escrever, poemas ou confissdes literarias, etc. Por volta dos 13 aos 17 anos, o interesse pelos jogos ou esportes grupais pode diminuir dando lugar aos individuais, como nataqio, tenis, pingue-pongue. 0 s jogos de mesa continuam atraindo principalmente as meninas. A mllsica pode vir a se constituir uma nova mania, quando os jovens passam a se interessar por shows, recitais, etc. e podem vir a frequentar bares ou locais pljblicos como centros sociais e ate mesmo a rua para reur~idescom seu grupo nesses locais. 0 adolescente pode, ainda, apresentar tendencia a introspecqio, ao fechamento em si mesmo, o que n i o significa um isolamento da realidade. E necessario que o adulto compreenda, respeite e possa ser considerado alguem pronto a contribuir, caso surjam duvidas e possiveis demandas. E comum nessa idade que haja fuga de casa, quando o relacionamento entre pais e filhos torna-se conflituoso, devido a mudanqa de uma crianqa com temperamento tranquil0 e docil para um personagem con~flituoso,com respostas prontas e com necessidade de fazer valer sua vontade e opiniio. 0 s pais muitas vezes sentem dif culdade em lidar com essa mudanqa, talvez por falta de empatia.

RELIGIAO E MORAL w

A adolescencia traz consigo importantes crises. Uma crise significativa e a que coloca em questdo os valores religiosos e as doutrinas morais que o acompanham, desde a infincia. Se esses valores foram impostos autoritariamente, podem ser apenas superficiais e n i o interiorizados, portanto, e normal que sejam os primeiros a ruir. Entio, no momento da busca da propria identidade, ele questiona e repele qualquer imposiqio moral e religiosa. 0 espirito critic0 entra em aqio para julgar valores, normas, doutrinas. E assim, pode sofrer desde o misticismo fervoroso ao ateismo intolerante. Esse tip0 de rejeiqio violenta ou a submissio incondicional possivelmente tem a ver com questdes vinculadas ao conceit0 de autoridade interiorizado na infincia. A figura da divindade "todo-poderosangarantea imagem paterna muito idealizada anteriormente e agora em declinio.

c

g

4 0

u

a u u

c

!.

w c

Ill


*o!Ajleap a ~ a z e ~ apd opelsa u n l e q u o ~ apod ~ a apuo '0!6njal ap le6nl u n e odnl6 ap op5e~y $ -!luap! ap oluauala u n apsap A!uapod anb 'soslan!p sope~y!u6!su a l el3 .eysnu ap epeyueduox a 2 E uazej anb op w e d apueq .saluaxalope ap sodnl6 sou o~!le~y!u6!s 1e6nl uln e d n ~ o P~!S~ t/ U J - u a u o s u o anb ~ sola[qo sop o u s a u ale a ua6en6u!l a o!~elnqe= 1. -OAap osn op 'lealuad as ap '~!psa~ ap o p o u op l!yed e apep!guap! ens u a o ~ l s u o sua~or ~ so 2.

$

B 0

-so~uau!3alu03e sassa e a l u a u e ~ ! s r ~ l ~ uanap x a as ogu 'opoyad alsa e sepeposse eloqua 'lenxas a p e p ! n ~ ! u o l de a og5!nl!lsold 'se6o~pap e!~uapuadapa o u n s u o ~ .. o 'e!~uanbu!lape 'sapepln~y!psessap olduaxa ow03 *ollnpe opunu op i!lled e sepelnu!lsa ogs sapepln~ypseynu 'e!~uanbasuo~ u 3 -uaAlonuasapas anb u a apepa!~osep soluau~!~aluo3e solad m s ! a ~ e ! ~ u a n09s ~ u !lenb olad o ~ ! g o u'apep!l!qe~auln~ ap mod? eunu uaA!A saluaxalope so 0 .apep!luap! eydold ens l e ~ n 6 y u o ap~seA!lelual sep ailed uazej p u a q u e l odnl6 oe ogSeln~u!nesualu! e 'sous!pou solla3 e oesape e 'as-~!lsanap el!aueu ella3 ap f op5ope 'salualayp sa~5enqswed epenbape elnuloj e l e ~ l u o x ~ apasalue sold!g.lnu soluauellod 2n -uo3 e!esua a og5e~npa opnaluo~u a seslaA!p 'sedela salua~aj!pessanelle 'se!6~auasens ap ayed 4m apue~6 auosuo~ alua3salope o 'eqnpe apep!luap! e u n ap alue!gsn6ue alduas asenb exnq e~ ln .apep!l!qelsu! a o!~q!l!nbasapap opelsa u a alua3salope o lex!ap uapod anb sesolaunu a sepe!leA ogl ogs sels3 .sey601o!sy a se~!nb!sds a ~ 5 e u ~ o j s u sep e ~og5a~xa ~ u o 's!euo!~ ~ -oua soluau!Aou sopunjo~dap a ogSez!ue6~oalap o s s a ~ o ~udn e ! ~ ~ a x a l o p euela/\ as-a~aa

On

- ---

I

-. _

-

-- - --

-

-

SONV 91 3 51 - 3 1 N 3 3 5 3 1 0 a V O a --OlN3VUIAlOAN353~ 0 'V'2 ..--

-

-1aAepnes Ienxas a lenl!~!dsaoluau!qonuasap u n wed 'apep!lenxas ens e wed snaa ap oueld o ~enba ogls!n els!A ap oluod o qos sa~5elua!loe q a m aluaxalope o anb leluauepunj a 'lenyl!dsa og5eu~oje~ .apep!lenxas e og5ela~u a saluaxalope sop se!gsn6ue se opua~a~onej 'ol~adseassau aluaualuanba.~jopey lej u a l 'ualod 'soy ly sop Ienxas op5e~npae l a ~ o u o l elljuej d ep laded 3 -0p5en~lsuaue a uaujy o 'sops sop oyueuel a oluau!AloAuasap o o u o sagsanb ~ u a saloual a seppnp ueluasa~de'ualod '!s u a s e p e ~ l u aogl ~ oglsa opu 'sopnlsa opun6as 'seu!uau sv .sep!nnp a s e s l a ~ u o ap~ 'epu!e 'seual as-ueu~ol sao5edn~oaldsess3 .apep!l!l!A ep epuassa e Jas uaodnssa~danb op ue!~e(odsapso og5lodo~dsapno oqajap lanblenb anb lel!pa.oe u~azej so anb se!seluej lod no layos ap u e l e q e x anb se~!s!jsag5elalle se op!Aap '(eu~nlouop5rqod) uauas ap se!lelunloAu! saoss!ua a op5a.m u a quad op s!elalel so!Asap 's!uad op oyueuel :so~!s!j sol3adse sou u e ~ l u a ~ as u oanb ~ sao5edn~oalda so!a~aluaq6lns u n u o a ~ sou!uau SON -3la 'aluae~lea alua6llalu! 's!euap solad epel!uJpe 'elaq Jas :las op OUJOJ u a ep as eu!u!uaj e!lsn6ue v -3la 'ol!ayu!p ' o l l e ~'olou la1 ' l o l e ~ no epepne la1 'ouanbad no apuel6 s!usd u n la1 :la1 op o u ~ oul a e46 ou!uau op e!gsn6ue v .la1o a las o :lenxasso~!sdog5ez!ue6~0 ap s e u ~ osenp j ap oulol u a u~eq6aluaxalope op sao5edn~oa~d a so5~ojsaso 'asej essaN

.ey l o x a ens e wed a l u a ! x u o ~a epelq!l!nba ogxaUal e eled soluauala u a ~ a u l ose~nle!.n j sens u o 3 oluaueuo!~ela.~ nas a snaa ap oyadsa~e sop!los soluau!~ayuo3u r o ~ a 94 ens e sol-eled -uo3 a salualaj!p elsp ap soluod le!leAe wed o x g ! ~osuas ~ u o ogls!n ~ u n ap op5euloj v


INTERESSES, MOTIVACAO E PENSAMENTOS ,m

F

r P

m

f-

P.

F

.--r

-

0 nivel intelectual alcanqado pelos jovens nesta etapa final do desenvolvimento cognitivo situa o pensamento abstrato, pela primeira vez, em um lugar de destaque, permitindo que os adolescentes estabeleqam novos valores e os conceitos agora sio melhores compreendidos. Conseguem ir alem das regras especificas ditadas por outros e seguir aquelas que fazem parte do seu conjunto de convicqdes e do seu proprio julgamento. Demonstram com frequencia falta de motivaqio e interesse por muitas atividades, inclusive pela escola. No Clube de Desbravadores a situaqio n i o acontece diferente. E comum ouvir comentarios: /'isto ndo e divertido". Para lidar com este comportamento, o lider deve conduzir o adolescente a motivaqio, com base em algumas condiqdes: Oferecer objetivos claros, conhecidos e desejados pelos Desbravadores; Criar no grupo um ambiente adequado ao tip0 de trabalho realizado - o uso de dindrnicas de grupo mostra-se um aliado importante; Programar atividades que correspondam as necessidades do Desbravador; 0 componente afetivo deve fazer parte da vida do grupo; Favorecer a responsabilidade e a participaqio na dindmica do Clube; Inspirar, estimular, anima-10s levando em conta o que conquistario; Confiar em cada Desbravador e respeitar tempos e estilos individuais; Manter uma atitude de dialogo e saber ouvir.

I

I

-

-7-

2.5. 0 COMPORTAMENTO DO DESBRAVADOR

-

r-

r f-

r

0 lider depara-se com questdes e con-rportamentos proprios da crianqa e do adolescente, como a indisciplina, que em alguns momentos pode vir a dificultar e ate mesmo inviabilizar o desenvolvimento das atividades previstas, alem de causar desgaste no relacionamento LideranqaDesbravador. Para atuar de maneira eficaz sobre a indisciplina e necessario refletir sobre ela, buscar alternativas, experimentar e ajustar-se a novas situaqdes. A indisciplina e a transgress20 de dois tipos de regras:

Morais, que sio construidas socialmente com base em principios eticos (exemplo: n i o xingar; n i o bater); Convencionais: definidas por um grupo, com objetivos especificos (exemplo: acordos institucionais - entregar relatorios na data marcada; ser pontual). A aqio sobre o sintoma n i o obtem resultados significativos, e necessario atuar sobre as principais causas: Falta de autoridade; Metodologia inadequada; Regras in- posta as.

C

h w 2 m

w

UJ

-o w 4

0

TI

Nio ha regra absoluta para resolver determinados problemas, mas ha caminhos que favorecem a soluqio e podem ser decisivos na transformaqio da situaqio. E necessario acreditar. Para resolver a indisciplina em sua Unidade o I-ider deve: Distinguir as regras e discuti-las com os Desbravadores; Equilibrar de maneira justa sua reaqio a um problema;

_oC

.->E 0 2w

ln

d


Ter como objetivo criar um ambiente alegre e cooperativo; Agir na hora certa, sempre rnanter~doa calma; Orar em favor do ambiente que deseja e por cada Desbravador; Permanecer alerta, pois a indisciplirra nunca acaba; lncentivar e respeitar a autonomia do Desbravador. Quando um lider falar sobre indiscipllna deve pensar em autoridade. 0 Ilder deve revestir-se de algumas posturas e atitudes para favorecer o comportamento do Desbravador: Conquistar a participac20 com atividades pertinentes; Explicar com clareza os objetivos do tema abordado; Demonstrar motivac20 para o trabalho com o Clube e a Unidade; Procurar adequar os metodos as necessidades de sua Unidade; Valorizar o conteudo ensinado na construc20 do conhecimento e na formac50 espiritual do Desbravador; Adaptar os conteudos aos objetivos e a realidade do Desbravador; Cumprir suas responsabilidades e dar bons exemplos; Demonstrar firmeza (atraves de sua voz, postura corporal e do seu olhar), transmitindo a certeza do cumprimento do seu comando; Ver o Desbravador como um ser humano, criado a imagem e semelhanca do Criador, digno de seu respeito e amor. Ha ainda outras medidas que favorecem a disciplina e o cumprimento das regras: 0 Clube de Desbravadores deve elaborar urn Regulamento Interno, que em momento oportu1io devera ser analisado com os pais, que dever2o ter acesso a ele; Realizar, no inicio de cada ano/semestre, a confecc20 de "combinados" com a Unidade, dirigindo a confecc20 e solicitando a participac2o do grupo no que se referir a itens que o lider considere importantes para ela borar regras; Nos momentos destinados a recreac20, planejar jogos cooperativos e jogos com regras, que preferencialmenteser2o analisadas antes e depois pelo grupo; Revisar os combi~iadosda Unidade, no il-~iciode cada reuni2o e no decorrer da mesrna, sempre que uma regra estiver prestes a ser descumprida. A indiscipllna, alem de transgress20 de regras, pode ser uma das maneiras que os juvenis e os adolescentes tPm para comunicar que algo n2o vai bem. Por tras desse comportamento, pode haver problemas emocionais, familiares ou ainda ser um aviso de que o Desbravador n2o esta integrado ao process0 de ensino e aprendizagem. E importante transformar a contestae20 em aliada, dando atenc2o ao jovem e ajudando-o a entender o que o incomoda. E, tambem, impossivel falar de indisciplina sem pensar em autoridade. 0 lider deve lembrar-se:

Sempre que um novo Desbravadorfor inscrito, ele, bem como os responsaveis, devera tomar ciPncia de todas as clausulas do Regulamento, assinando um termo de compromisso; Nos casos em que o Clube de Desbravadores prevP em seu Regulamento que o desligamento do desbravador torna-se inevitavel, pode-se sugerir a este e sua familla que facam a matricula em outro Clube, realizando a transferPncia, evitando depreciar o adolescente, porem, buscando alternativas para que este possa ajustar sua conduta; Em caso de descumprimento do Regulamento, as implicac6es/punic6es sempre dever2o estar de acordo com as normas e principios estabelecidos pelo Estatuto da Crianca e do Adolescente, orientac6es biblicas e do Espirito de Profecia;


Quando os juvenis e adolescentes participam da elaboraczo das regras, tornam-se capazes de identificarem-secom elas, tornando mais eficaz seu cumprimento; 0 s jogos com regras sio um recurso importante para auxiliar seus participantes a cumprirem regras fora do espaco Iudico;

f--

P

0 Regulamento devera prever e contemplar todas as normas de conduta que o Clube de Desbravadores considera necessarias para reger os comportamentos, os direitos, os deveres de todos os seus membros e as proibiqbes estabelecidas, incluindo os procedimentos disciplinares para descumprimento das normas de comportamento e relacionadas ao namoro e a conduta sexual. E necessario que, periodicamente, os Desbravadores participem de palestras e discussbes em rodas de conversas dirigidas pelos lideres e pessoas capacitadas, atendendo os assuntos de seus interesses e relevantes a sua educacio. Alem dessa conscientizaqio, da reflexzo, das regras e normas de conduta, os familiares e a equipe da lideranqa devem manter com clareza e amor a postura em relaqio ao descumprimento das regras em relaqio ao tema do namoro, com contato fisico, dentro do Clube e de suas programaqees, pois a exposiqio aos apelos da midia e as ideologias da sociedade tem causado contaminaqio dos principios cristzos dos jovens e mesmo de adultos, sendo necessario manter a pureza dos principios cristios e evitar o comportamento que favoreqa o pecado. Em caso de descumprimento das regras, sera de grande utilidade o envolvimento das familias no desenvolvimento de suas funqbes de orientar e instruir o adolescente. Se o comportamento nao for corrigido, torna-se necessario a aplicaqzo de advertGncia, suspensio temporaria dos envolvidos e, em ultimo caso, o afastamento dos envolvidos com a promoqio possivel transferencia de Clube. Ao realizar essa atividade o lider devera ter em mente o sabio conselho do Espirito de Profecia: 'C*

'As regras devem ser poucas e bem consideradas; e uma vez feitas, ' cumpre que sejam executadas. 0 que quer que se verifique impossivel de 'C se mudar, a mente aprende a reconhecer, e a isso adaptar-se': (Ellen White, 4 '#.: EducaqSo, p. 290). $ .'

--

:.

-

--

A

-

r P

F ,

r h

---- - - - ..

-

- - -. . --g

I,qw-l-+.-:

---

--

----

C

-

__

:

L

a

.

.

I.'

: ~ l --<.

1

2.6. DIFICULDADES DE COMPORTAMENTO DO ADOLESCENTâ&#x201A;Ź QUE PODEM SER CONFUNDIDAS COM INDISCIPLINA

g

w w

c necessario que os membros do Clube de Desbravadores tenham conhecimentos das dificul-

CI

dades que costumam sobrevir ao adolescente que podem afetar seu comportamento e desempenho, evitando-se assim que o seu desenvolvimento seja prejudicado e injustiqas sejam cometidas. fundamental conhecer o que esta sob o dominio do juvenil e o que ele n i o pode controlar sozinha, sem o auxilio adequado e profissional. Quando possivel, convidar profissionais especializados no desenvolvimento da crianqa e do adolescente para realizar palestras e reunibes com lideres e familiares, pode apresentar-se de grande utilidade para os envolvidos na tarefa de educa-10s.

-8Q

c

TI A

2 -o>

s

w ul

d


E um transtorno neurobiologico, de origem genetica, que persiste por toda a vida. Suas principais alteraq6es sio: impulsividade; desatencio; hiperatividade. As principais caracteristicas da pessoa com o transtorno sio: Inquietaqio inapropriada; N i o reflete sobre os seus atos; Dificuldade para inibicso de impulses, no comportamento social e em tarefas cognitivas; Dificuldade para controlar a atividade, a atencio e intera~eessociais; l nstabilidade ernocional; Prevalencia no sexo masculino; lrla bilidade rnotora; Pode manter-se por horas em atividade que aprecia e na qua1 apresenta bom desempenho; Inteligencia dentro ou acima da media. 0 TDAH tem influencia genetica; historic0 familiar; incidencia aumentada de persorlalidade antissocial, alcoolismo e abuso de drogas nos pais e histeria. i

ALERTA: Problemas emocionais, dificuldades sensoriais, medicaqiio (para asma e alergia), problemas da tireoide, alem de transtornos psiquicitricos, como depressiio, transtorno bipolar e quadro de ansiedade podem confundir-se com TDAH, pois podem causar inquietaqiio, desatenqcio e impulsividade.

g

0 Transtorno Depressivo lnfantil e um transtorno do humor capaz de comprometer o desenvolvimento do juvenil ou do adolescente e interferir com seu processo de maturidade psicologica e social. Sio diferentes as manifestacees da depressio infantil e dos adultos, possivelmente devido ao processo de desenvolvimento proprios da infincia e adolescencia.

L

0

u

n w

u n 3 b u 0

6 111

.-

E

a-m

3 C

48

Embora na maioria dos juvenis a sintomatologia da depressio seja atipica, alguns podem apresentar sintomas classicos de depressio, tais corno tristeza, ansiedade, expectativa pessimista, mudancas no habit0 alimentar e no sono ou, por outro lado, problemas fisicos, como dores inespecificas, fraqueza, tonturas, ma1 estar geral que ndo respondem ao tratamento medico habitual. No juvenil e adolescente a depressio, em sua forma atipica, esconde verdadeiros serltimentos depressivos sob uma mascara de irritabilidade, de agressividade, hiperatividade e rebeldia. 0 s juvenis mais novos, devido a falta de habilidade para uma comunicacio que demonstre seu verdadeiro estado ernocional, tambem manifestam a depressio atipica, notadamente com hiperatividade. A depressio no juvenil elou adolescente pode ter seu inicio marcado pela perda de interesse pelas atividades que habitualrnente eram interessantes, manifestando-se como uma especie de aborrecimento constante diante dos jogos, brincadeiras, esportes, sair com os amigos e familiares, alem de apatia e reducio significativa da atividade. AS vezes pode haver tristeza. 0 s sintomas mais frequentes da Depressio na Infincia e Adolescencia costumam ser os seguintes: insbnia, choro, baixa concentracio, fadiga, irritabilidade, rebeldia, tiques, rnedos, lentidio psicomotora, anorexia, problernas de memoria, desesperanca, ideac6es e tentativas de suicidio. A tristeza pode ou n i o estar presente.


2.6.3.BULLYING 0 s lideres do Clube de Desbravadores devem estar atentos a qualquer manifestaqao de bullying, nao entendendo como brincadeiras de mau gosto, indisciplina ou agressividade, pois essa violencia precisa ser combatida. Bullying e um conjunto de comportamentos agressivos, intencionais e repetitivos que sao adotados por um ou mais Desbravadores/alunos contra outros colegas, sem motivaqdo evidente. Em principio, pode parecer uma simples brincadeira, mas ndo deve ser visto desta forma. A agressdo moral, verbal e ate corporal sofrida pelos Desbravadores provoca dor, angustia e sofrimento na vitima da "brincadeira".As principais formas de maus-tratos:

Fisico (bater, chutar, beliscar); Verbal (apelidar, xingar, zoar); Moral (difamar, caluniar, discriminar); Sexual (abusar, assediar, insinuar); Psicologico (intimidar, ameaqar, perseguir); Material (furtar, roubar, destroqar pertences); Virtual (zoar, discriminar, difamar, por meio da internet e celular). Sinais de que um juvenil e/ou adolescente e vitima de bullying: Apresenta, com frequencia, desculpas para faltar as aulas ou indisposiqbes como dores de cabeqa, de est6mag0, diarreias, v6mitos antes de ir a escola; Pede para mudar de sala ou de escola, sem apresentar motivos aceitaveis; Apresenta desmotivaqio com os estudos, queda do rendimento escolar e dificuldades de concentraqdo e aprendizagem; Volta da escola irritado ou triste, machucado, com as roupas ou materiais sujos ou danificados; Apresenta aspect0 contrariado, deprimido, aflito, ou tem medo de voltar sozinho da escola; Possui dificuldades de relacionar-se com os colegas e fazer amizades; Vive isolado em seu mundo e ndo quer contato com outras pessoas que ndo faqam parte da famllia. Segundo um estudo encomendado pela Secretaria de Educaqdo da Inglaterra, a popularizaqdo de equipamentos eletr6nicos e o acesso a web agravou os casos de bullying. Na pesquisa, 70% das crianqas, entre 12 e 15 anos, afirmou ter sido vitimas de ciberbullying, que pode sera publicaqao de foto montagens na internet, a divulgaqdo de videos da crianqa sendo ofendida ou agredida por colegas entre outras formas de constrangimento. No texto, os pesquisadores afirmam que o bullying e registrado em diversos paises e culturas e pode gerar disturbios graves nas crianqas vitimas deste tip0 de assedio. Entre as consequencias estdo o isolamento da crianqa, a piora no seu nivel de aprendizado e a formaqdo de pessoas violentas. 0 estudo sugere uma aqdo mais ativa por parte das instituiqbes de ensino para identificar e punir alunos que agridem colegas e sugere que o tema seja discutido em sala de aula, a fim de gerar uma cultura contra o bullying. 0 que fazer se o Desbravador pratica bullying: Entrar em contato imediatamente com a familia; Observar atentamente o comportamento e os sentimentos expressos pela crianqa ou adolescente; Manter tranquilidade e calma. Conversar, objetivando encontrar os motivos que o levam a agir desta maneira; Evitar aplicar castigos demasiadamente severos. lsso poderi promover raiva e ressentimentos. Procure profissionais que possam auxilii-lo a lidar com esse tip0 de comportamento;

5 C 2 2

g

-UIw0

a 0

TI .I-'

c

w

.E>

0

6


05

z :anb o g 5 ~ ! ~ au assalalu! o~ ol!apeplan olad 'apep -!la~u!s'apep!ualas elad as-la6al uaAap s!enp!A!pu! so5~04saso sopol-aroy o a o!ljxne l a ~ o u o l d ap oluauou 0 .e~essede!x~axalopee anb ~ e ~ a p ! s uuaAaa o ~ -eSue~n6as a snaa wa e5uequo~' e u l e ~ ap alua!que u n - eluasa~da~ oss! anb apeplnyp ep m a d e - a~duaslalueu~uJaAap salapy so ' u ~ q ~ o *o!ode d assa l a ~ o u o l d eled epeledald lelsa amp salopeAelqsaa ap aqn(3 op e5uelapll v .snaa u a eSuelr16as efasap a espald .eulalu! a eulalxa apep!leal e el-enbape eled a apep!leuos~ada~uel!xoens e lez!l!q -elsa lod elnl eu e!ledu!s a o!ode ap apep!ssa~auapuel6 u a l . o ! ~ d o ~ !sdap o!ujuop ap apeppede~ eqdul! lenb o 'ousau !s ap o l u a u ! ~ a y u oaodns ~ olsl -eA!laje e!~uspuadapu!e q 6 a s u o ~o u o ~ a sesne~sens se ' o l u a u e l ~ o d u onas ~ o lapuaalduo~ap apep!ssa~aualuas aluaxalope 0

i,va

5 C

pr

g

z.2. 5 7

g d fi

C

P

v3tl33v SIVNIJ s309vtl3a1s~03 '8'2i5 ------- -- -- - -- -.--- - -----

n

~ p e l 6 e sellqja e o u o u~a q 'els!gua~pvera161 ep lenueu a seu!llnop se sep!n6as oyas 'aluaule!~adsa'eual alsaN :lenxaS og5elua!~oa oluaueuo!~e~au 'og5do * '(2 l : u~l 1 ) ; p z a ~ n d DU a ?J DU lour^ ou 'DAADI - ~ DU d 'olduraxa ou o p ~ p ~as,, d .apep!lapq a o s s ! u o ~ d u o 'salole~ ~ 'o~!la[qo'og5eu!u~alaplogy u n u -03 'ezalnd :aluaxalope o eled og5e~!dsu!eun las amp so6!ue snas a p u e a ap olduaxa 0 .sell!ue4 se eled 'our03 u a q 'alua~ -salope a e5ue!n ep og5elua!~oe eled sepeuo!~al!p- apnes ap eale ep s!euo!ssqo~d 'so606epado~ -!sd 'so601o~!sd'(s!euo!~e~npa salopelua!~~) so606epad :pale eu sopez!le!~adsas!euo!ssqo~du o ~ se~lsaled'soylq snas sop apep!lenxas e eled snaa ap apeluoA e uanbojua anb saoulas opuaAou -old 'e!laxed u a ley leqell u a m p aqnl3 o a era161 e 'oglu3 'ogJun4 essa eled sopeq~ede~ ualuas as ogu souJsau so s!od ' a l l o ~ oO ~ I Joss! se!l!uej sep e!lo!euJ eu 'u~alod'salole~s!el I!J~DLI!eled sop -eledald ueralsa sled so anb o!~essa~au 3 .sopeploqe sap lod seual sop aluaueA!gaja w e d laze4 amp 'sol~adsesnas so sopol u a 'eza~ndv - l o p e ! .olad ~ sop!nl!psu! saloleA so lele6sal ap ogSun4 e u e l d u n salopeAelqsaa ~ ap aqnl3 o a e(al61e anb o!~essa~au 3 .eueuny e lo!laju! snaa ap apeluoA e opue~ap!suo~ 'lenxas a lelou og5epel6ap ap oluau!Aou a l u a ~ aul n ~op!~ouo~ ud a l opunu 0 . o p a ~oqnu apsap ' s o g l s ! ~sop ~ aluau eu sopelueldu! las u a m p eza~ndap sacyped so

-led e ol-e~!gua~u! a salopeAelqsaa ap aqnl3 olad solsodold so!lep!los sola[old lez!leau !z!(a~u! a esonl!lap ep!A eun e ~ ! z n p u apod o ~ o l u a u e l ~ o d u oassa ~ odual o u o anb ~ as-alqual .sapnl!le sens se eled sedln~sapl e y ~ e no ole4 o lelou6! o g ~ !zed uJa euqA e lex!ap ap oss!u -0lduo3 o l!unsse a sedln~sap11pad a o 5 a u o ~u o q u n -sapnygeap e5uepnu l e ~ ! l u a ~ u l

4 UI m


'A mais bela o braja empreendidapor homens emulheres e lidar com espriitos jovens. 0 maximo cuidado deve ser tomado, nu educaqiio da juventude, para variar de tal maneira a instruqiio, que desperte as nobres e elevadas faculdades da mente. Pais e mestres [Irlderes] acham-se igualmente inaptos para educar devidamente as crianqas, se niio aprenderam primeiro a liqiio do dominio de si mesmos, a paciPncia, a toleriincia, a brandura e o amor. Que importante posiqiio para os pais, tutores e professores [lrlderes]! Bem poucos ha que compreendam as mais essenciais necessidades do espirito, e a maneira por que devam dirigir o intelecto em desenvolvimento, o pensar e sentir crescentes dos jovens. "Ha um tempo para instruir as crianqas, e um tempo para educar os jovens; e e essential que essas duas coisas sejam combinadas em alto grau nu escola [no Clube de Desbravadores]. As crianqas podem ser preparadas para o serviqo do pecado ou para o serviqo da justiqa. A educaqiio em tenra idade molda-lhes o carater tanto nu vida secular, como nu religiosa. Diz Sa1omiio:'instrui o menino no caminho em que deve andar, e, ate quando envelhecer, niio se desviara dele: Prov. 22:6. Esta linguagem e positiva. 0 ensino recomendado por Salomiio e dirigir, educar e desenvolver. Para que os pais e mestres [lideres] faqam essa obra, devem eles proprios compreender 'o caminho'em que a crianqa deve andar. lsto abrange mais que mero conhecimento de livros. Envolve tudo quanto e bom, virtuoso, justo e santo. Compreende a pratica da temperanqa, da piedade, bondade fraternal, e amor para com Deus e de uns para com os outros. A fim de atingir esse objetivo, e precis0 dar atenqiio a educaqiio fisica, mental, moral e religiosa da crianqa - - [Desbravador]': (Ellen White, Conselhos sobre Educa~go,p. 1 e 2). .

=..-*.. -*-:- ..&-

- -

-

-

-

-- .---=--

--4- '= i.- u - .

--.

-4:

- -------

& L

-

A lideranqa no Clube de Desbravadores P uma honra que Deus da a certas pessoas, de diretamente se envolverem no period0 mais interessante e estimulante da vida de um ser humano: sua juventude. Se Deus, atraves de sua Igreja, faz um chamado a um jovem ou adulto, e porque Ele v& nele capacidade e outros elementos fundamentais para o bom exit0 no trabalho. Aqueles a quem Deus chama, Ele capacita. 0 s juvenis da lgreja sofrem hoje uma grande carencia de atendimento, por sua complexidade, inocencia e demora de resultados. Diante disto, aca bam sendo deixados a merce da influencia secularizada, da televisio, dos amigos, da musica, enfim, da sociedade. Na adolesc6ncia, a mente esta totalmente aberta a s influencias e muitas vezes os lideres deixam de canalizar influencia do Espirito Santo a estes coraq6es. 0 adolescente ainda n i o sabe procurar por si o caminho, tem de ser guiado e P responsabilidadedo Clube de Desbravadores guia-lo. Participar de um Clube n i o traz beneficios apenas aos Desbravadores, mas principalmente a quem os lidera. 0 lider faz um trabalho para Deus e ao mesmo tempo volta a ser crianqa, participa de grandes eventos, desenvolve o espirito de aventura, v6 os meninos e meninas se desenvolvendo e muitas vezes sendo resgatados do pecado. Mais do que isso, ele sente a realizaqio de estar dedicando sua vida a Deus. Se estiver em suas mios e em seu coraqio a responsabilidadede um Clube de Desbravadores, o lider n i o deve hesitar. As palavras de Ellen White convocam:

"Niio hesiteis em trabalhar pelo Senhor, por pensardes que pouco podeis fazer. Fazei com fidelidade o vosso pouco; pois Deus cooperara com os vossos


"0Senhor chama voluntaries que assumam firmemente posiqiio ao seu lado e faqam o voto de unirem-se a Jesus de Nazare, para fazer justamente o serviqoqueprecisaser feito agora, eexatamenteagora"(E1lenWhite, Mensagens aos Jovens, p. 198). -- .&. "...:,

--- 4 .4 - .

<-&e=---5-

-- -

. d

3

-FC

- --

A filosofia da lideranqa do mundo sugere esperteza, raciocinio rapido na busca por alcanqar as metas n i o importando os meios. 0 s mais ageis, e em muitas vezes inescrupulosos, vencem e sio ovacionados e colocados no hall dos maiores homens desse mundo. Mas quando se fala de lideranqa cristi, e necessario ter em mente o estilo de lideran~ade Jesus. 0 mestre inverteu a "pirimide" da Ilderanqa. Ele foi claro: para ser um bom Ilder, sirva! 0 melhor e servir alguem do que ser servido por muitos. A filosofia cristi adventista sempre sera o serviso. A meta sempre sera a salvas50. Essa e bandeira do Ministerio de Desbravadores, salvar do pecado e guiar em uma vida de crescimento fisico, mental, espiritual, cognitivo, de carater social que leve a servir antes de ser servido, a dar antes de receber, a dividir antes de ganhar, a empatia pelo ser humano e pela necessidade que o mesmo tem de ser redimido. Ao o lider observar urn juvenil, cheia de falhas e pecados, que muitas vezes aprendeu da pior forma possivel com seus pais a viver sem regras e sem Deus, o que ele pode fazer por ele? Ai esta o imago da questio da lideranqa no Clube de Desbravadores. Ser lider e muito mais do que um distintivo, um lenqo diferente. Ser lider e um estilo de vida. Baseado em que? Naquilo que Deus quer que eles facam: salvar vidas.

COMPORTAMENTO DE L~DERESCRISTAOS Muitas sio as caracteristicas da lideranqa cristi. 0 s lideres devem refletir o mestre Jesus e, para isso, devem passar mais tempo com Ele. Quanto mais perto dEle, mais parecidos com Ele ficario. Alguns comportamentos devem estar visiveis na lideranqa no Clube de Desbravadores: Vida cristocgntrica. So lideres cristios podem produzir homens e mulheres cristios, pois a lideranqa deve ser centrallzada ern Cristo e n i o em si rnesmo. Cristo deve aparecer, Cristo deve sera estrela, Cristo deve ser o heroi e n i o o ser humano. Quando o lider reflete Jesus na vida das crianqas, eles serio transformados. Amar os Desbravadores. 0 amor deve ser o motivo maior. Amar a ponto de querer transformar vidas deve ser o fator impulsionador. 0 s juvenis e adolescentes precisam de alguem que se interesse de verdade em seu futuro, agindo amoravelmerrte ern seu presente. Otimismo e entusiasmo. "0 entusiasmo e contagiante". .. os juvenis seguem prontamente uma lideranqa otimista. Cultivar habitos de comentar so coisas positivas, lideranqa positiva, atitudes positivas exigira sempre a responsabilidade e o desafio, mas o programa dos Desbravadores e algo positivo na vida de todos os envolvidos. 0 lider precisa se manter focad0 nisso! Dominar as emos6es. 0 que urn lider construiu em meses ou anos pode ser destruido em segundos por urna explosio de mau genio. Existira sempre os momentos mais dificeis. Mas a calma no lidar com juvenis e adolescentes em desenvolvimento emotional, fisico e mental e o grande desafio do lider. Compreender os meninos e meninas. Essa faixa etaria e caracterizada pelo desenvolvimento fisico e cognitivo. Compreender cada crianqa de forma unica e um grande desafio. Alem disso, o lider precisa corlhecer sua familia para compreender suas atitudes. A arte: saiba lidar com suas mudanqas cor~stantes.


Amar a natureza e apreciar o ar livre. Muitas atividades do Clube de Desbravadores se

realizam em am bientes naturais. A me1hor sala de aulas para essa faixa eta ria e em acampamentos, cachoeiras, chuva, montanhas, lagos, caminhadas.. . 0 lider precisa apreciar estar em meio a isso, um fator essencial para o sucesso de sua lideranqa. Ser organizado e responsavel. A lideranqa pode se distinguir principalmente na maneira como o lider organiza e conduz as atividades do Clube. Ele precisa saber estabelecer alvos, traqar planos, delegar responsabilidades, motivar nos bons e maus momentos el acima de tudo, ter tat0 em supervisionar se as coisas estio bem encaminhadas. 0 bom lider assume suas responsabilidades e se dedica aos propositos do Clube. Born relacionamento. Essa e a maior arte do lider: se relacionar, tanto com os amigos, quanto com os mais distantes, nos momentos bons e nos momentos mais dificeis. No trato com as pessoas, o lider deve saber motivar e cobrar, tratar a todos com equidade, saber liderar e tambem saber ser liderado, cultivar um clima de dialogo e aproximaqio el acima de tudo, ser mestre em formar outros lideres. Ter senso de humor. 0 s juvenis sio peritos em descobrir o que irrita os membros da direqio. 0 lider n i o deve se preocupar com estas coisas e "levar na esportiva"serr~preque possivel, porem, quando que necessario, deve orienta-10s. 0 lider NUNCA DEVE fazer humor com historias biblicas ou coisas sagradas."~importante rir com as crianqas e n i o rir delasl'. "Conseg~.~ir o maximo de cooperaq50 com o minimo de oposig501:Esse talvez seja o mais conciso conceit0 de lideranqa. A diferenqa e que Deus esta ao lado do lider, porque essa obra e uma Obra Santa. Em resumo: o lider precisa saber ser amigo; reconhecer, admirar e elogiar; lidar com as suas limitaq6es e com a dos seus liderados; incentivar o desenvolvimento dos dons; aceitar as ideias, cumprir suas promessas e ser uma pessoa de aqio -"as palavras convencem, o exemplo motiva".

QUALIDADES DE UM BOM L~DERCRISTAO Em um mundo de pecado e de defeitos de carater, como e possivel liderar pessoas?0 desenvolvimento de qualidades deve ser a meta de cada lider. Apesar de alguns nascerem com talentos e habilidades para determinadas areas, a maioria das pessoas adquirem dons com o treino e experiPncia do tempo e da vida. A seguir estio algumas qualidades que o lider deve ter ao liderar um Clube de Desbravadores: 1. Amar a Deus acima de tudo. So lideres cristios podem produzir homens e mulheres cristios. Devem demonstrar o que esperam que os meninos e meninas se tornem: filhos de Deus para toda a eternidade. 2. Servir com entusiasmo. Como dito no inicio deste capitulo, liderar os Desbravadores e uma honra. 0 lider esta "ensinando a crianqa no camir~ ho em que se deve andar.. Uma personalidade alegre e agradavel 6 essencial nessa tarefa. 0 entusiasmo e contagioso e os meninos e meninas seguem depressa o lider otimista. 3. Possuir estabilidade emocional. A demonstraqio da personalidade revela equilibrio. lsso se alcanqa pela autodisciplina, por uma vida sobria, pela fe e confianqa em Deus e no senso de responsabilidade. Qualquer explosio de mau giinio, ira, ou depressio destruira a devida imagem do lider que o menino ou a menina deve possuir. 4. Conhecer as caracteristicas dos juvenis e suas etapas de desenvolvimento. A faixa etaria foco de trabalho do Clube de Desbravadores e muito abrangente e complexa, pois trabalha com a transformaqio fisica, intelectual, espiritual e social de crianqas em jovens. E necessario que o lider de Pxito compreenda os fatores e press6es que afetam os juvenis e adolescentes e as caracteristicas

% 2

$

z m

rn w

. I :

CI

6 U

-

UI ~n

4 4 0

CI

C

mi > 5

6 In

d

53


comuns do grupo dessa idade. E muitissirno proveitoso ler livros, fazer observacbes e procurar trabalhar em harmonia com a incllnacio prevalecente, em vez de em direta oposicio a ela. 5. Aprender varias habilidades.Toda habilidade dominada pelo lider e urna chave adicional que pode ser usada para motivar seus Desbravadores. E desejavel que o lider va muito alem das atividades em que lidera seus Desbravadores. 0 lider deve descobrir a alegria de novas experiencias. Nada motivara mais um Desbravador a cumprir suas Classes do que ver os distintivos alcancados pelo seu lider. Nada o motivara mais a fazer Especialidades do que ver urna faixa repleta delas em seu ICder. 6. Saber delegar e estimular os dons. 0 s lideres devem saber delegar as responsabilidades, para seu proprio bem e para o bem do desenvolvimento dos seus liderados. Organizar, coordenar e acreditar em seus Diretores e Conselheiros, eis a tarefa mais bonita do discipulado. lsso e algo que se aprende pela pratica. 0 grande Iider estimula isso, ele sempre deve ter em mente a missio de passar seus cor~heci~ner~tos e habilidades a outras pessoas. 7. Manter a ordem e disciplina. 0 lider deve inspirar confianca e amizade. E desastroso ter bondade sem firmeza. E completamente fora de lugar ter firmeza sem bondade. As pessoas devem seguir o lider por amor e respeito, nunca pelo temor e medo. Deus e um Deus de ordem e disciplina. A obediPncia deve ser estimulada. As criansas precisam de novos herois, de verdade, que se destaquem pelo carater, pela amizade, pela honra e pelo amor. 8. Criatividade. E indispensavel que o lider seja capaz de alcansar seus objetivos mesmo que haja obstaculos e dificuldades no caminho. 0 expediente habilita-10-6 a ter planos alternados, caso a maneira mais desejavel seja bloqueada. Observara com rapidez, pensara com Iogica. 0 verdadeiro Il'der no momento dificil n i o abandona sua Missio. 0 li'der motiva e surpreende.

:

w m > m m

ur

u ur n

6 o

u >

P

b.-m .

3m

=I

c

54

Muito se fala nos estilos de Ilderansa. Existem atualmente muitas classifica~bes,novos nomes para os estilos e formas de se classi.fic6-10s.Um lider pode ser: autoritario quando ele esta acima das decisbes do grupo e n i o permite que o mesmo se desenvolva; politico quar~doele tenta agradar a todos, sem ter urna linha de opiniio e atitude a ser seguida; analitico quando ele desenvolve a pratica de analisar mais as coisas do que agir; participante quando ele se envolve com seus liderados e os permite participar das decisbes do grupo; e permissivo quando "nio tem pulso" e segue o momento e a ocasiio, mesmo que precise mudar constantemerlte de opiniio (charnadotambem de "Laissez-Faire: urna palavra francesa q ue significa "deixar fazer"). 0 lider experiente usa muitos meios sutis para exercer influencia e estimular os seus liderados, para que criem e produzam esforsos. Da complexa serie de tipos de comportamento de lider, e possivel avalla-lo no seu padrio de centralizac$io em si mesmo ate o centralizado na vida em gruPO: destaca-se o enunciador, que consegue identifiicar o problema, considerar as solucbes alternativas, escolher urna delas e dizer aos outros o que fazer, podendo ou n i o levar em consideracio o que os membros do grupo i r i o pensar sobre a decisio; o articulador, que manobra a situacio e toma a decisio sem consultar o grupo, tentando persuadir os membros do grupo a aceita-la; o avaliador, que identifica urn problema e propbe ulna solu~io,verificando as reacbes daqueles que i r i o coloca-la em pratica, dando chance para opinibes e discussbes, tomando a decisio depois de ouvir o grupo; o consultor, que da ao grupo urna chance de influenciar a decisio desde o comeso, quando apresenta o problema, as informa~besrelevantes sobre o assunto, e pede as ideias dos membros para solusio, convidando o grupo a aumentar o numero de alternativas a serem consideradas; e o renunciador, um tip0 de lider que participa na discussio como apenasmummembro a mais: concordando e levando avante qualquer decisio que o grupo tome. Existe uma nociio de lideranca mais antiga, resumindo em trPs estilos a lideranca: a autoritaria (autocrata, ditadora), do lider que determina regras e principios, e espera que o grupo aceite


os objetivos que ele escolheu, sendo agressivo e tomando decisdes a despeito do ponto de vista dos outros, chamando a atenqio mais para si e tratando como marionete os membros liderados, deixando transparecer hostilidade, resistencia e ressentimento, atitudes descontentes e agressivas; o permissivo, deixando que as pessoas sigam seu proprio caminho, provocando a desuniio atraves de disciplina fraca e falta de seguranqa, sendo pouco orientador e participativo; e o democratico (centralizado no grupo), que aceita o fato de que lideranqa e trabalho de todo o grupo e n i o somente de um individuo, consegue com partilhar a responsabilidade de lideranqa acreditando nas outras pessoas, permitindo que outros membros tenham oportur~idadede liderar orientando as tomadas de decisdes, sendo sensivel as carencias dos outros e permitindo a iniciativa individual e o crescimento da personalidade. lndependente do estilo, o lider deve ser encorajador, amigo, receptivo, atencioso. Deve aceitar os outros bem como suas contribuiqdes no process0 de lideranqa. Ele da aos demais a oportunidade de reconhecimento. Transmite e expressa sentimento de grupo. Chama a atenqio para o grupo reagir a ideias e sugestdes. Compartilha sentimentos e como esses afetam os membros. Quando necessario, e pacificador, procurando reconciliar as desavenqas e reduzir as tensdes. Leva as pessoas a explorarem suas diferenqas. Admite quando erra. Mantem o grupo coeso. Estabelece padrdes para o grupo atingir e aplica regras de avaliaqio e produqio. Pede opir~idespara ver se o grupo esta pronto para tomar alguma decisio. Mesmo sendo lider, sabe a hora de seguir a decisio do grupo e aceita ideias dos outros. Age como parte de uma audiencia interessada. Para ser um bom lider e necessario responsabilidade, saber liderar e ser liderado e, acima de tudo, tentar mesclar os diversos estilos para diversas ocasides em que precisara tomar as decisdes e influenciar pessoas.

Abuso contra a crianqa ou adolescente e qualquer tratamento, dispensado a eles, que lhes ameace a seguranqa ou marque as suas vidas com cicatrizes fisicas ou emocionais. Envolve qualquer contato indevido, seja fisico, sexual ou qualquer tip0 de comunicaqio por parte de um adulto mediante abuso de sua autoridade sobre eles. 0 abuso tambem pode ocorrer entre duas crianqas, dois adolescentes ou uma crianqa e um adolescente. Mesmo que esse comportamento seja por ignorincia, inocencia ou medo, ainda assim e abuso. 0 abuso fisico e um dano infligido a crianqa ou adolescente causado por um meio que n i o seja acidental, incluindo qualquer ferimento que n i o tenha uma explicaqio plausivel. 0 abuso ernocional e qualquer comunicaqio verbal ou n i o verbal que prejudica a crianqa ou adolescente, como degradar, menosprezar, usar nomes pejorativos e terminologia humilhante, linguagem violenta ou obscena, etc. 0 abuso sexual viola a privacidade sexual da crianqa ou adolescente, seja por caricias ou observaqdes visuais ou verbais. lnclui acariciar partes intimas; penetraqio oral, genital elou anal com qualquer objeto; relaqio sexual genital, oral ou anal; incitaqio da crianqa ou adolescente a masturbaqio; exibiqio das partes genitais; permissdo para que a crianqa ou adolescente vejam ou assistam a qualquer forma de atividade sexual, material pornografico, etc. E objetivo do Clube de Desbravadores evitar e identificar qualquer forma de violencia - fisica, ernocional ou sexual - contra a crianqa ou adolescente e proteger os membros da direqio de falsas acusaqdes.

% c 2w

9 m

D w Y

6U

-

4 a 0

=.-i 0

-> 0

3 Extraido de: SANTOS, Benedito Rodrigues do, et. al.; IPPOLITO, Rita (Coord.). Guia escolar: metodos para identifica~aod e sinais d e abuso e exploraqao sexual d e c r i a n ~ a se adolescentes. 2. ed. Brasilia: Secretaria Especial dos Direitos Humanos e Ministerio da Educa~%o, 2004.

2

$

d w

55


2.10.1. COMPORTAMENTOS CARACTERISTICOS DE PAlS QUE MALTRATAM SEUS FILHOS ABUSO F~SICO Escondem o ferimento da crianca. Parecem nZo se preocupar c o m a crianca. Descrevem a crianca c o m o ma, diferente, egoista. Advogam a disciplina severa. Tern expectativas irrealistas. Sofrem d e baixa autoestima. SZo viciados e m bebidas alcoolicas o u drogas. Transferem culpa para os outros. Foram maltratados quando criancas.

ABUSO SEXUAL Tern sentimento d e posse e cilimes da crianca. Relatam historias d e abuso sexual na infsncia. Consomem bebidas alcoolicas e drogas. Isolam-se socialmente. Tem m a u relacionamento c o m o c6njuge. SZo imaturos e demonstram impulsos infantis. Creem que a crianca gosta d o relacionamento sexual. Er~tendemq u e o relacionarnento sexual entre pai e filho e indicio d e amor e afeicZo.

ABUSO EMOCIONAL E NEGLIGENCIA

%

6 u

m

>

m

w

u w n

a

5 0

Q

0

>

Tem expectativas irrealistas para c o m a crianqa. Representam ameaca a crianca. Xingam o u diminuem. Tratarn os irmZos d e forma desigual. Sofrem d e baixa autoestima. Parecem nZo se preocupar c o m a crianca. Negam o amor c o m o uma forma d e punicZo.

Apaticos o u passivos. Depressivos. Socialmente isolados. Tem baixa autoestima. Cor~dicbesinseguras d e vida.

P

m

+' L

.-ul-e .-

E

2 m

a c

56

2.10.2.SlNAlS APRESENTADOS PELOS JUVENIS QUE SOFREM ABUSO 0 s juvenis p o d e m demonstrar e m maior o u menor grau os sinais e sintomas exemplificados a seguir: -


ABUSO F ~ S ~ C O Ferimentos inexplicaveis no rosto. Ferimentos que estampam a fivela de um cinto. Juvenis que tem muitos ferimentos e n i o querem contar o que aconteceu ou a historia que contam n i o faz sentido. Cortes inexplicaveis no rosto, olhos, gengiva, pernas e bracos. Queimaduras com cigarro. Queimaduras com agua quente nos pes, mios, nadegas, que se parece com imersio em agua. Queimaduras provocadas por cordas ao redor do pescoqo, pur~hoou tornozelos. Medo do pai ou da m i e ou do responsavel. Mancar ou apresentar dificuldade para caminhar. Crianqa indiferente, desatenta.

ABUSO SEXUAL Dificuldade para caminhar ou sentar. Incontinencia fecal. Sangramento vaginal em meninas que ainda ndo menstruam. Sangramento anal. Doenca venerea. Crianca reclamando de dor, coceira ou inchaco na area genital. Conhecimento de comportamento sexual improprio para a idade do juvenil. Falta de autoestima. Depressio. Revelacio feita pela crianca de que e abusada sexualmente. 0 juvenil pode temer o pai ou a m3e e ser relutante em ir para casa. 0 juvenil pode falar de segredos; pode dizer que tem algum segredo que n i o pode contar.

ABUSO EMOCIONAL E NEGLIGENCIA Desenvolvimentofisico retardado. Depressio. Reac6es improprias a situac6es cotidianas. Desordem na fala como, por exemplo, gaguejar. Crueldade com outros juvenis ou animais. Baixa autoestima. Dificuldade de concentraqio. Dificuldade de formar lacos com outros juvenis ou adultos. Comportamento antissocial extremo como, por exemplo, atear fogo, vandalismo.

NEGLIGENCIA F~SICA E considerado abuso paterno apenas quando pode ser prevenida; do contrario, trata-se de um problema social. Abaixo do peso, fome, palidez. Olhar Iinguido, fundo, olheiras. Falta de higiene, corpo e roupas sujos, mau cheiro.

m

w C

tw

E J m

u w w

CI

c w

-ulw0u

a rn O 0

'E

.-E

-> 0

2w ul

0"


Roupas antigas, rasgadas, calqado fora de taman ho. Necessidades medicas n i o atendidas. Juvenis pedintes. Furto ou pegar alimentos escondidos. 0 juvenil conta que foi deixada sozinha em casa por muito tempo. 0 juvenil esta sernpre fatigada, desatenta, preocupada. 0 juvenil assume responsabilidades adultas.

2.10.3. PROVIDâ&#x201A;ŹNCIAS A SEREM TOMADAS E M CASO DE SUSPEITA DE ABUSO Como previsto em lei, mesmo nos casos de suspeita, a notificaqdo do abuso deve ser feita ao Conselho Tutelar. No errtanto, e irnportarrte furrdamentar as suspeitas com solida avaliaqio social e psicologica. Baseados nas evidkncias de abuso, a direqio pode optar por fazer ela mesma a abordagem da crianqa ou oferecer denuncia de suspeita de abuso as autoridades responsaveis e deixar que a propria autoridade competente se encarregue de abordar o juvenil e proceder as apuraqbes.

0 QUE FAZER QUANDO 0 JUVENIL RELATA UMA SITUACAODE ABUSO? Quando um juvenil ou adolescente relatar urna situaqio de abuso, observe as recomendaqbes abaixo para conduzir a conversa com ele e encaminhar a denuncia as autoridades competentes. E muito importante explicar a crianqa ou adolescente como vock pretende ajuda-lo, de forma que ele n i o seja surpreendido com aqbes dos orgios competentes, n i o se sinta traido em sua confianqa e permitindo que ele participe das decisbes quanto aos proximos passos, com clareza das implicaqbes de cada um deles, sempre que a faixa etaria e as condiqbes psicologicas assi~no permitirem.

MANEIRAS DE ABORDAR 0 JUVENIVADOLESCENTE

m

w

b u fu

A abordagem e peqa fundamental para derrubar o "muro do silkncio". Se o lider, pela proximidade que tem do menino ou menina, quer contribuir abordando-a antes de oferecer a denuncia, mas ndo se sente preparado para conduzir a conversa, pode pedir ajuda a orgarlizaqbes que desenvolvem trabalhos de proteqdo ao juvenil e ao adolescente. Aqui v i o algumas recomendaqbes de entidades com muita experiencia em ajudar juvenis abusadas:

>

1. Busque um ambiente apropriado. Se estiver conversando com um juvenil que, possivelmente, esta sendo abusada, lembre-se de Ihe propiciar um ambiente tranquil0 e seguro. 0

n

juvenil/adolescente deve ser ouvido sozinho, pois e fundamental o respeito a sua privacidade, todavia, procure ter outro adulto por perto para transmitir-lhe mais confianqa.

E n tC w

u w n

3

E 0 u 0 >

P

2

w

.-e .-

ul

E

3fu 3

e

a

2. Ouqa, atenta e exclusivamente, o juvenil ou adolescente. N i o se permitam interrupqbes, caso cor~trario,corre-se o risco de fragmentar todo o process0 de descontraqdo e confianqa ja adquiridas. Se necessario, converse primeiro sobre assuntos diversos, podendo inclusive contar com o apoio de jogos, desenhos, livros e outros recursos Iudicos. 3. Leve a serio tudo que disserem. A violkncia sexual e um fenbmeno que envolve medo, culpa e vergonha. Por isso, e fundamental n i o criticar o adolescente nem duvidar de que esteja falando a verdade. Por outro lado, adolescente sentir-se-a encorajado a falar sobre o assunto se demonstrado o interesse do lider pelo relato. 4. Fique calmo, pois reaqbes extremas poder3o aumentar a sensaqio de culpa, e evite "rodeios" que demonstrem inseguranqa por parte do lider. 0 lider n3o pode deixar que sua ansiedade


ou curiosidade leve-o a pressionar o adolescente para obter informagbes. Procure n i o perguntar diretamente os detalhes da violCncia sofrida nem faze-lo repetir sua historia varias vezes, pois isso podera perturba-la e aumentar seu sofrimento. 5. Faca o minimo de perguntas e n i o conduza o que ele diz, pois perguntas sugestivas poderio invalidar o testemunho do juvenil. Deixe que ele se expresse com suas proprias palavras, respeitando seu ritmo. Perguntas a serem evitadas: quest6es fechadas do tip0 "sim" e "nio", perguntas inquisitorias e perguntas que coloquem o adolescente como sujeito ativo do fen6men0, reforcando seu sentido de culpa. Esse tip0 de pergunta pode dificultar a express20 do adolescente. Perguntas que obriguem a precis20 de tempo devem ser sempre associadas a eventos comemorativos, como natal, pascoa, ferias, aniversarios, etc.

6. A linguagem deve ser sirr~plese clara para que o adolescente entenda o que esta sendo dito. Utilize as mesmas palavras que o juvenil (para identificar as diferentes partes do corpo, por exemplo). Se o juvenil perceber que voc@reluta em empregar certas palavras, ele podera tambem relutar em usa-las. Confirme com o juvenil se vocP esta, de fato, compreendendo o que ele esta relatando. E jamais desconsidere os sentimentos do adolescente com frases do tip0 "isso niio foi nada': "niio precisa chorar': pois, no momento que fa lam so bre o assunto, revivem sentimentos de dor, raiva, culpa e medo.

7 . Proteja o adolescente e reitere que ele n i o tem culpa pelo que ocorreu. E comum juvenil sentir-se responsavel por tudo que esta acontecendo. Seu relato deve ser levado a serio, ja que e raro um juvenil men1:ir sobre essas quest6es. Diga a ele que, ao contar, agiu corretamente. Lembre-se de que e precis0 coragem e determinacio para um juvenil contar a um adulto se esta sofrendo ou se sofreu alguma violCncia. 0 s juvenis podem temer a ameaqa de violencia contra eles mesmos ou contra membros de sua familia, ou temer serem levados para longe do lar. 0 lider so deve expressar apoio e solidariedade por meio do contato fisico com o juvenil se ele assim o permitir. 0 toque pode ser um grande fortalecimento de vinculos e, principalmente, para transmitir seguranca e quebrar ansiedade. N i o trate o juvenil como um "coitadinho"; ele quer ser tratado com carinho, dignidade e respeito. Anote o mais cedo possivel tudo que Ihe foi dito: esse relato podera ser utilizado em procedimentos legais posteriores. E importante tambem anotar como o juvenil se comportou e como contou o que aconteceu, pois isso podera indicar como estava se sentindo. No relatorio, deverio constar as declarac6es fieis do que Ihe foi dito, n i o cabendo ali o registro de impress6es pessoais. Porter carater confidencial, essa situacio devera ser relatada somente a pessoas que precisam ser informadas para agir e apoiar o juvenil que foi abusado. A confianqa do juvenil podera aumentar o peso da responsabilidade dos lideres, especialmente se ele deseja que a violencia seja mantida em segredo. VocC devera dizer a ele que, se esta sofrendo violCncias, vocC tera que contar isso a outras pessoas - assim, vocC o estara protegendo. E essential n i o fazer promessas que vocC n i o possa cumprir, nem prometer guardar segredo antes de saber o que vai ser revelado. Esteja atento a realidade de seu Desbravador e a sua propria realidade. Como ja foi mencionado, ao ouvir o relato de uma violencia sexual ou ao perguntar ao juvenil sobre uma les2o fisica, e importante facilitar a conversa. 0 juvenil podera estar se sentindo confuso, deprimido, c ~ ~ l p a d ou o assustado e ficar muito aliviado ao contar a alguem o que esta acontecendo. VocC precisa permitir que ele conte a historia livremente. Explique ao Desbravador o que ira acontecer em seguida, como vocC ira proceder, ressaltando sempre que ele estara protegido. Proteger a identidade do adolescente abusado deve ser um compromisso etico. As informasees referentes ao adolescente so deverio ser socializadas com as pessoas que puderem ajuda-10s.

% c

2w

9 J

u

8c 111

; 0

3 0

u

+ w c

:.-o

z

;

59


Mesmo assim, use codinomes e mantenha o nome verdadeiro do juvenil restrito ao menor numero possivel de pessoas.

Mais uma vez, e importante ressaltar que o lider que ouvir relato de abuso ou suspeitar da sua ocorrencia deve procurar ajuda. Ouvir juvenis que sofrem violencias pode ser angustiante. Ajuda-10s podera ser dificil sem apoio de uma equipe qualificada. E preferivel que a direq5o do Clube assuma a tarefa da notificaq50. Caso a direq2o do Clube se omita ou decline de faze-lo, e importante lembrar que a notificaq50 e obrigatoria e a respor~sabilidadedo lider e intransferivel e pode ser legalmente cobrada.

0 CONTATO COM A FAM~I-IA E aconselhavel que o Clube contate imediatamente a familia. Como principio geral, e importante ser aberto e honesto ao lidar com os pais. 0 s pais tem responsabilidades basicas na educaq5o de seus filhos el na maioria das vezes, dever5o ser informados o rnais breve possivel sobre preocupaqdes que lhes dizern respeito. 0 lider deve explicar claramente que a familia podera beneficiar-se de ajuda competente. Alem do mais, a familia precisa acompanhar os desdobramentos da notificaqso. Se o agressor e alguem proximo do adolescente, circunstdncias poderao ocorrer em que n5o sera conveniente informar imediatamente os pais, por ser prejudicial a investigaqao. Se o juvenil estiver sofrendo violencia sexual de alguem de seu lar, a farnilia podera pressiona-lo para que negue ou retire o que disse. 0 Desbravador podera sofrer riscos ainda maiores. Caso o lider decida contatar os familiares, procurara faze-lo de mod0 estrategico, por exemplo, entrando em contat0 com membros n5o agressores, de preferencia com o consentimento ou indicaqdes do juvenil. Caso o lider sinta o ambiente favoravel, a orientas50 educativa e fundamental nessas situaqees, evitando julgamentos e atribuiqdes de culpa (o que n5o quer dizer que vote vai aceitar a situaq5o). 0 agressor tambem precisara ser alvo de atenq5o e ajuda. E importante orientar os familiares, explicando, em linguagem apropriada, as graves consequencias de maus-tratos e abuso sexual para o crescimento e o desenvolvimento saudavel do adolescente e o importante papel que ter5o em mudar essa situaqzo. Se a farnilia n5o quiser ou nso puder assumir a notificaqzo, o lider devera informar a familia que, por forqa da lei, tera que notificar o fato aos org5os competentes.

PROCEDIMENTOS PARA REALIZAR A NOTIFICACAO L

n

In

w

u

x

3

0

u 0 .-> w

mL 5 ..E E

2m 3

c

60

As notificaqdes poder5o ser encaminhadas de tres maneiras aos org5os competentes: por telefone, por escrito ou visita. Por telefone. 0 denunciante pode telefonar para o org5o competente (conselhos tutelares, delegacias especializadas), para serviqos de ajuda, como SOS-Crianqa ou Disque-denuncia, comunicando suspeita ou ocorrencia de violencia sexual. Por escrito. Em alguns estados e municipios, ja existe ulna ficha padronizada para fazer essa notificaqso. Caso n5o haja esse tip0 de formulario, sugere-se ao lider fazer um relatorio. Por meio de visitas ao org%ocompetente. 0 denunciante podera tambem ir, so ou acompanhado da crianqa abusada, ao org5o responsavel pelo registro e apuraqao do fato ocorrido. La sera ouvido e assinara um boletim de ocorrencia. Lembre-se de que a denuncia pode ser feita de forma publica ou sigilosa. Muitas pessoas preferem notificar a ocorrencia de abuso sem ter sua identidade revelada. 0 ideal, porem, e que o lider assuma a denuncia por escrito ou visite o org5o responsavel, de preferencia acompanhado de membros n l o agressores da familia que possam dar seguimento tanto


a denuncia quanto ao encaminhamento do adolescente abusado ao serviqo educacional, medico e psicologico. Lembre-se de que qualquer que seja a opqio tomada, substanciar a denuncia e muito importante pelas seguintes razdes: uma boa descriqio do caso contribuira para o orgio competente agilizar seu papel e evitar que precise solicitar do lider complementa~i?io das informaqbes. E ainda, essa boa descriqio pode evitar que o adolescente seja convocado pelos orgios competentes para falar novamente sobre a situaqio de viol@ncia,aumentando ainda mais seu sofrimento e prevenindo assim possivel retrataqio.

COMO PROTEGER A DIRECAODO CLUBE DE FALSAS ACUSACOES? 0 s lideres deverio evitar ficar a sos com um juvenil. lsso protege ambos de possiveis acusaqdes. 0 juvenil n i o sera auxiliado a usar as instalaqdes sanitarias a menos que haja um segundo adulto perto da area, o qua1 esteja ciente do motivo do auxilio. Nenhum juvenil sera disciplinado a menos que haja contato visual com outro adulto que esteja a par da situaqio que exige a disciplina. E proibida qualquer forma de castigo corporal. Pessoas que tenham sido condenadas, acusadas ou reconhecidas como tendo cometido abuso fisico ou sexual n i o podem trabalhar em qualquer atividade ou programa promovido pela lgreja para crianqas, adolescentes ou adultos. Qualquer comportamento que pareqa abusivo ou inconveniente deve ser relatado ao pastor1 administrador da Igreja. 0 s Desbravadores serio supervisados o tempo todo. Nenhum juvenil sera entregue a algum adulto que n i o seja seu pail sua m i e ou guardiio legalmente designado, sem permissio expressa e escrita.


I

li:

i

1 I

il I1 II

I!

- .

I ] .

%

c

il '1 li 4

-

;i II

1

I


0 planejamento e fundamental para o correto funcionamento do programa do Clube de Desbravadores. Mesmo Deus, um Ser perfeito, planejou toda a obra da criaqzo e redenqzo antes de executa-las! 0 s lideres precisam de especial atenqzo a este ponto, para "cumprirem fielmente a parte que l hes corresponde." Para se alcanqar o objetivo do Clube de Desbravadores, ha todo um programa especial preparado e, para isso, toda uma estrutura administrativa. "Porque, assim como o corpo e um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, sSro um so corpo, assim e Cristo tambem" ( I Corintios 12:12). Assim, cada membro tem a sua funqzo especifica para que o corpo, o Clube de Desbravadores, funcione em harmonia.

3.1. PLANEJAMENTO

1

Sem planejamento, alguma coisa pode dar certo, mas o lider ndo tera controle e a minima seguranca sobre as atividades, o processo, o conteudo e os resultados. Planejar e uma atividade essencialmente humana, pois torna a ac3o rational, baseada e m principios e c o m objetivos claros. Sem planejamento ndo ha ordem. "A ordem e a primeira lei d o Ceu e toda escola [Clube] deve, a esse respeito, ser um modelo d o Ceun(Ellen White, Conselhos aos Professores, Pais e Estudantes, p. 175). Planejar e antever situaqbes, prever as necessidades, arquitetar as solucbes e criar as condicbes para se alcancar determinado objetivo. "Tudo que e serio, util e interessante da trabalho; t u d o que e serio, util, interessante e conduz ao Ceu da trabalho e exige sacrificio': 0 plar~ejamer~to d o Clube envolve muita gente e muitas variaveis. Toda a direcdo d o Clube deve participar, pois quando todos se envolvem, todos se sentem responsaveis. Assim, o Diretor, os Diretores Associados, o Secretario, o Tesoureiro, o Capel30, Ancido Conselheiro, os Instrutores e os Conselheiros devem participar d o planejamento e m suas diferentes etapas, contudo, a conducdo d o planejamento, sua execuc30, adaptac3o e avaliac3o devem estar a cargo d o Diretor. 0 que se deve planejar? As reuniees ordinarias (regulares); 0 cumprimento das Classes regulares e avanqadas; 0 ensino das Especialidades; As atividades especiais:


Participaqio em cursos Cerimdr~iasde adrrrissio, recebimento e investidura Dia do Desbravador e culto de aqio de graqas Semana de oraqio/voz dos juvenis Programa para o dia das mies e dos pais Acampamentos e caminhadas Desfiles civicos Feira de artesanato Campanhas solidarias 0 orqamento: Taxas ou mensalidades Uniformes oficial (gala) e de atividades Compra de equipamentos: barracas, ferramentas, material de primeiros socorros, cordas, manuais, livros, instrumentos musicais, etc. Eventos do Campo I Uniio / Divisio: inscriqio, transporte, alimentaqio. Inscriqbes em cursos Campanhas financeiras Seguro obrigatorio anual Reunides de avaliaqio e adaptaqio do planejamento geral.

0 planejamento deve ser pensado em trPs sessdes distintas: uma para o anual, uma para o mensal e outra para o diario. Estas sessdes podem economizar muitas horas de planejamento e esforqo por parte da direqio. E necessario que todas as etapas estejam concluidas antes do inicio das atividades do Clube local. Eventualmente cada reuniio podera ser adaptada conforme a evoluqio do planejamento, que por ser muito dinimico, devera ser reavaliado mensalmente. Agenda anual: E um cronograma com as datas de reunides regulares, reunides especiais, eventos especiais, acampamentos e eventos do Campo (Associa~io/MissZo,Uniio, Divisio) da regiio e igreja local, bem como feriados. E um esqueleto do programa. Geralmente uma reuniio de duas horas e suficiente. E necessario listar tambem, para cada atividade, o local e o responsavel por ela. Esta etapa depende muito do planejamento do Campo, da regiio e da lgreja local. Obrigatoriamente esta agenda deve ser aprovada pela Comissio da Igreja. Exemplo sugestivo:

MESES

JANElRO

DATA

ATlVl DADES

LOCAL

RESPONSAVEL

08

Planejamento geral

lgreja

Diretor

15

Planejamento geral

lgreja

Diretor

22

Planejamento geral

lgreja

Diretor

27-29

Treinamento basico de direto ria

Centro Adventista de Treinamento e Recreaqio

Associaqio

04

Lanqamento das inscriqbes na lgreja

lgreja

Secret6 rio

05

Dia de inscriqdes na sede

Escola Municipal X

Secretario

FEVEREIRO


MESES

DATA

ATlVlDADES

LOCAL

RESPONSAVEL

12

Dia de inscric6es na sede

Escola Municipal X

Secretario

19

Acampamento de verZo

Chacara TaI

lgreja

26

Abertura do Clube: primeira reuniZo

Escola Municipal X

Diretor

04

Reuniiio regular

Escola Municipal X

Diretor

11

ReuniZo regular

Escola Municipal X

Diretor

18

Reuniiio regular

Escola Municipal X

Diretor

24

Projeto Comunitario

Asilo

Diretor

FEVEREIRO

MARGO

Livre4

25

ABRlL

01

Reuniiio regular

Escola Municipal X

Diretor

01-08

Projeto Comunitario: Evangelism0 Semana Santa

lgreja

Diretor

08

ReuniZo regular

Escola Municipal X

Diretor

15

Reuniiio regular

Escola Municipal X

Diretor

20-22

Curso de Lideranca e Curso de Lider Master e Master Avancado

Centro Adventista de Treinamento e RecreacZo

AssociacZo

28

Dia do Desbravador

lgreja

Diretor

Livre

29

MA10

-

66

06

Reuniiio Regular e Laneamento da Classe Biblica no Clube

Escola Municipal X

Diretor

13

Dia das MZes: Homenagem Especial do Clube

Parque

Diretor

20

Reuniiio Regular

Escola Municipal X

Diretor

25-27

Curso Regional

Escola Estadual Y

Regional

E comum alguns Clubes e Campos respeitarem uma folga mensal para que os Desbravadoresfiquem com as familias, bem como a direqzo possa gozar de um tempo para atividades pessoais efamiliares tambem. E uma boa sugestzo e a prudiincia recomenda que isto seja discutido com a igreja e/ou familias.


MESES

JUNHO

DATA

ATIVIDADES

LOCAL

RESPONSAVEL

03

Reuniio Regular

Escola Municipal X

Diretor

07-10

Acampamento d o Clube

Chacara Y

Diretor

17

Reuniio Regular

Escola Municipal X

Diretor

23

Projeto comunitario

Orfanato

Diretor

24

Reuniio Regular

Escola Municipal X

Diretor

30

Culto de A q i o de Graqas

Igreja

Diretores Associados e Capelio

FERIAS

JULHO 24-29

Campori

Parque Estadual Z

Associaqio/Uniio

05

Reuniio Regular

Escola Municipal X

Diretor

12

Dia dos Pais: Homenagem Especial d o Clube

Parque

Diretor

19

Reuniio Regular

Escola Municipal X

Diretor

AGOSTO

Livre

26

SETEMBRO (Enfuse no Batismo da Primavera)

02

Reuniio Regular

Escola Municipal X

Diretor

07

Feriado da Indepiincia: Desfile Civico

Avenida Tal

Diretor

09

Reuniio Regular

Escola Municipal X

Diretor

16

Reuniio Regular

Escola Municipal X

Diretor

23

Reuniio Regular

Escola Municipal X

Diretor

Livre

30

OUTUBRO

07

Reuniio Regular

Escola Municipal X

Diretor

14

Reuniio Regular

Escola Municipal X

Diretor

20

Projeto Comunit61-io

Praqa Comunitaria

Diretor

21

Reuniio Regular

Escola Municipal X

Diretor

Livre

28

IVOVEMBRO

02

Projeto BalsamoIDia de Finados

Cemiterio Municipal

Capelio

04

Reuniio Regular

Escola Municipal X

Diretor

11

Reuniio Regular

Escola Municipal X

Diretor

~


MESES

I

DATA 15-18

NOVEMBRO

I

LOCAL Feriado Proclamacio da RepljblCca: Acampamento do Clube

Chacara Y Livre

18

DEZEMBRO

Diretor

25

Reuniio Regular

Escola Municipal X

Diretor

01

Cerim6nia de lnvestidura e Encerramento das atividades

lgreja

Diretores Associados

Progsama Mensal: Deve ser planejado o que havera em cada reuniio e seus respectivos responsaveis. E essential que nesta sessio a Comissio Regular tenha em vista os requisitos dos cartees, os requisitos das Especialidades, os programas de cada acampamento, cerim6nias e reuni6es ordinarias. Nesta etapa, o planejamento fica mais complexo, pois cada Classe organiza um planejamento distinto uma da outra, mas integrado no plarrejamerrto anual do Clube. Exemplo sugestivo: (MarqoIClassede Pesquisador)

DATA

04

ATlVl DADES 1. Planejamento da abertura do Clube

REQUlSlTO

RESPONSAVEL

VI. 1

lnstrutor Fularro

11. 2

Capelio

Efeitos do alcool no organism0

V. 1

lnstrutor Fulano

1. Dirigir abertura do Clube

VI. 1

2. Discussio sobre pressio de

IV. 1

2. Dinarnica dos versos

11

18

grupo

24

Projeto comunitario

111. 1

lrrstrutor Fularro Pr. Cicrano

Diretor


Programa Diario: Nesta sessio o planejamento e refinado em cada aspecto, cada atividade. Fazer a lista de contatos com as pessoas que serio Instrutoras, o local para cada atividade e escolhido, bem como as condi~despara se disponibilizar os materiais necessaries para cada uma delas. Cada Classe e estruturada, requisito por requisito, nos minimos detalhes. As atividades das Classes devem estar no centro do programa diario e basico do Clube. Exemplo sugestivo (11 de marqo1Classe de Pesquisador): Local: Escola Municipal X

HORARIO 7h30min

8h00min

8hlOmin

ti. I

ATlVl DADES Reuniio de d i r e ~ i o Abertura Unidades em forma Apresenta~iode cada Unidade Hasteamento Ideais Hino dos Desbravadores Ora~io . Boas-vindas Ordem do dia Medita~io: "Buscai primeiro o reino de Deus" Ilustra@o do pote cheio e do chocolate

MATERlAS

RESPONSAVEL

Planejamento e agenda

Diretor

Bandeiras (Brasil, Estado, Desbravadores, Municipio e Clube).

Diretor

Bandeirins de cada Unidade CD Player e CD com o Hino dos Desbravadores Lista de atividades gerais do dia

Unidade X sob a lideran~ado Conselheiro

Diretor

Biblia, pote, arroz e um chocolate.

Capeldo: Pr. Cicrano

8h15min

Ordem Unida: por niveis

Quadra de esportes

Nivel 1: Fulano de Tal Nivel 2: Beltrano Nivel 3: Joio

8h45min

CLASSE B~BLICA:Por niveis

Sala de aula, quadro, Biblia, projetor, computador, cadernos da Classe biblica

Nivel 1: Pedro Nivel2: Maria

9h15min

CAN-TINHO DA UhIIDADE Filme

Televisio, projetor, computador, DVD

Conselheiro

10hOOmin

CLASSES 1 ESPECIALIDADES Efeitos do alcool no organism0

Sala de aula, televisio, DVD, cornputador, Cartazes, giz, apagador

lnstrutor

10h50min

Recrea~io: Queimada Pique bandeirir~ha

Bola Giz, galho

Diretor Associado


HORARIO

ATlVlDADES

11h20min

Encerramento: Unidades em forma Arriamento ~ltimas informacbes . Oracio Gritos de Guerra: Clube e Unidade

MATERIAS

Lista dos recados

RESPONSAVEL

Diretor e Unidade X sob lideranca do Conselheiro

E importante que a Comissio Regular do Clube se reuna semanalmente para manter o planejamento em execucio, cuidando de cada detalhe para a reuniio seguinte. Para que n i o haja surpresas negativas, toda reuniio deve ser precedida por urna rapida reuniio da direcio para a verificacio dos detal hes e para urna rapida solucio de eventuais fa1has.

0 sistema de Unidades e o nucleo principal do funcionamento do Clube de Desbravadores. Toda a sua estrutura, programa e atividades sio desenvolvidas para se trabalhar nesse sistema. Assim, ele deve ser adotado e apllcado da maneira correta, para que todo o Clube cresca. Caso contrario, se o sistema de Unidades for deficiente, o Clube perdera o seu foco. Todos os Desbravadores devem ser divididos em Unidades, agrupados por sexo e faixa etaria aproximada. Ela deve ter de 6 a 8 Desbravadores, pois e o numero apropriado para se adotar o programa do Clube e atingir os seus objetivos. 0 ideal e que o Clube tenha 12 Unidades, sendo 6 masculinas e 6 femininas, urna para cada idade. Quando isso n i o for possivel, o Clube deve trabalhar para que haja, pelo menos, 6,3 masculinas e 3 femininas, seguindo a seguinte distribuicio de idades: 10 e 1 1 anos, 12 e 13 anos e 14 e 15 anos. 0 padrio de 6 a 8 Desbravadores deve sempre ser seguido, por isso, quando esse numero for excedente, o Clube vai precisar de mais de urna Unidade para a mesma idade. Caso o numero seja insuficiente e n i o seja possivel encaixar o Desbravador em outra Unidade por incompatibilidade de faixa etaria, o Clube deve realizar campanha com seus membros para inscrever rlovos Desbravadores para suprir esta falta. Toda Unidade e coordenada por um Conselheiro e, no maximo, um Conselheiro Associado.

I DENTIDADâ&#x201A;Ź

UNIDADE

-I

G 0

u

?

z

.-In .E

2m

70

A Unidade precisa ter sua identidade, precisa de um nome, de um Bandeirim, de um grito de guerra, de suas tradicdes. Elas sio instituidas pela Comissio Executiva do Clube e devem ser fixas, ou seja, urna Unidade jamais deixa de existir, por mais que esteja inativa. 0 s nomes tambem sio defir~idospela Cornissio Executiva do Clube e devem ter relacio com o nome do Clube. Para que a Unidade n i o perca a sua identidade, estes nomes nunca devem ser alterados, nem a idade dos Desbravadoresda Unidade, para que os Desbravadorestenham que passar por todas elas, aprendendo com os costumes e as emocbes de cada uma. Quando o numero de Unidades nZo for mais suficiente, a ComissZo Executiva do Clube deve instituir novas, com nova identidade, e nZo sobrecarregar as existentes excedendo o numero limite de Desbravadores, prejudicando sua estrutura.


Caso n i o haja mais Desbravadores da faixa etaria de urna das Unidades, ela ficara inativa, e n i o extinta, ou seja, assim que o Clube matricular Desbravadores com a idade correspondente, ela volta a ser ativa, com o mesmo nome, grito de guerra e Bandeirim. 0 Bandeirim e regido pelo Regulamento de Uniformes do Ministerio de Desbravadores da Divisio Sul-Americana e deve estar em conformidade com o nome da Unidade, n i o necessitando de alteracdes futuras, a menos que seja para melhora-lo. Neste caso, e necessaria urna autorizacio da Comissio Executiva do Clube. 0 grito de guerra constitui um item importante na Ur~idade,pois ele une os Desbravadores e os arlima para as atividades, alem de criar neles um sentimento de carinho e gosto por ela. Porem, a escolha de um grito de guerra n i o e facil, por isso muitas Unidades n i o tem um. Neste caso, o Conselheiro deve reunir-se com os Desbravadores para criar um grito criativo, e que esteja de acordo com os ideais do Clube. Este grito deve ser submetido a aprovacio da diretoria do Clube. A Unidade tambem precisa de urna secretaria organizada e devera preparar urna pasta. A pasta devera ser ornamentada de acordo com o nome da Unidade: Nela devem conter os seguintes itens: Ficha completa do Desbravador, com fotos, preferencias (comidas, mljsica, filmes, tempo livre, jogos, etc.), boletins escolares, lista de Especialidades e Classes; Relatorio das visitas feitas aos pais, com a data da proxima visita ja agendada; Relatorio das atividades realizadas pela Unidade, como festas, acampamentos, visitas, caminhadas; Relatorio de cada reuniio do Clube durante o ano, inclusive de acampamentos e eventos do Campo, como Camporis e Olimpiadas; Relatorios dos livros do Clube do Livro lidos pelo Desbravador; Copia de todos os certificados de Classes, Especialidades e cursos; Copia das fichas do Cantir~hoda Unidade; Documento de identificacio dos Desbravadores. Essa pasta sera um registro historic0 de todo o funcionamento da Unidade, com a historia de todos os Desbravadores que ja passaram por ela. Tambem sera uma fonte de consulta quando o Desbravador precisar de urna comprovacio das Classes e Especialidades concluidas. Alem disso, atraves dela o Conselheiro tera um feedback do seu trabalho em comparacio ao realizado anteriormente, podendo melhorar os pontos falhos.

UNIDADE 0 grande segredo do sistema de Unidades e a atribuicio de responsabilidades aos juvenis e adolescentes. Dessa maneira, eles passam a viver a vida sob nova optica, aprendendo que devem "cumprir fielmente a parte que lhes correspondel'. Cada Desbravador pode assumir urna funcio especifica na Unidade, sendo que as principais sio o Capitio e o Secretario. Outras funqdes, como Tesoureiro e almoxarife, ficam a criterio da Unidade institui-las ou nio. 0 Conselheiro deve ser o grande maestro da Unidade e trabalhar sempre junto aos Diretores Associados.

0 CONSELHEIRO

0

w

E

-F o am

U1

A funcio mais importante no Clube de Desbravadores e a do Conselheiro. 0 Conselheiro esta colocado numa posicio de grande responsabilidade, p o i esta ~ em intimo contato com a mente e o coracio juvenil.

2

g .-

.E E

3


As qualificaqbes sio altas e ninguem deve aceitar esta posicio a menos que tenha amor por meninos e meninas e esteja desejoso de representar devidamente os elevados principios do ceu. Ser um Conselheiro rrio e ter um escape para entreter-se; e um dever da mais alta ordem, este de treinar os jovens a fim de se tornarem verdadeiros soldados do Serrhor Jesus Cristo. Um Conselheiro deve ser um cristio convertido e dedicado; deve ter, no minimo, 18 anos de idade e ser membro batizado da lgreja Adventista do Setimo Dia. 0 s meninos e as meninas captam rapidamente a insinceridade daqueles com quem se associam. Ele deve trabalhar diligentemente para formar urna amizade sincera e compreensivel com cada um de sua Unidade. Para poder p6r em pratica o sistema de Unidades, o Conselheiro necessita de intima coopera~ i dos o pais. Para isso, ele deve visita-10s periodicamente, urna vez a cada um ou dois meses. Essa visita deve ser previamente marcada, com urna antecedencia minima de urna semana. Uma carta deve ser enviada aos pais, pelos Desbravadores, informando sobre a visita. Na visita, o Conselheiro devera perguntar sobre o comportamento do Desbravador, as notas na escola, informar sobre as atividades do CIube, o desempenho do Desbravador, etc. Alem disso, deve estar sempre preparado para fazer urna pequena mensagem biblica e urna oraqio. Quando o Conselheiro sentir a abertura dos pais a religiosidade, e o momento de comeGar a ensinar a eles as verdades biblicas. lsso mudara a vida rrio apenas dos Desbravadores do CIu be, mas tam bem da familia deles! Assim, efetivamente, cumpre-se o proposito do sistema de Unidades. Caso isso rrio seja possivel, o Corrselheiro deve ser sutil e n i o tentar insistir com eles. 0 s juvenis necessitam de lideranca:"aquele que coopera com o proposito divino ao transmitir a juventude o conhecimento de Deus, e ao lhes moldar o carater em harmonia com o Seu, realiza urna elevada e rrobre missio, suscitando o desejo de atingir o ideal de Deus apresentando urna educa~io que e t i o alta como o ceu e t i o extensa como o universo" (Ellen White, Educa~io,p. 19). 0 s Conselheiros devem ser fieis em assistir a todas as reunides do Clube e da diretoria, marcadas pelo Diretor. 520 funqdes do Conselheiro: Coordenaqio das Unidades. 0 Conselheiro n i o deve fazer todo o trabalho da Unidade, se assim o fosse n i o seria necessario um Capitio, Secretario e muito menos existiria Unidade. A sua funqio e coordenar todo o trabalho. Ele deve providenciar todos os meios necessarios para o cumprimento das atividades da Unidade, deve incentivar a participa~io de cada membro, ajudando-os a desenvolver seus aspectos fisico, mental e espiritual. Ele precisa estar a frente de tudo, ao passo que todos vejam que quem trabalha e a Unidade e n i o ele. Quanto menos os meritos forem creditados ao Conselheiro e sim a Unidade, melhor esta o trabalho dele! Coordenaqio do Cantinho da Unidade. 0 Cantinho da Unidade e o principal programa do sistema de Unidades. E funqio do Conselheiro coordena-lo e torna-lo o momento mais atrativo da reuniao. Auxiliar no planejamento e execuqio do programa do Clube. 0 s Conselheiros fazem parte da direqio do Clube e devem estar envolvidos com todo o seu programa, atuando de maneira ativa no seu planejamento e execuqio. Para isso, precisam trabalhar em contat0 direto com os Diretores Associados e tambem com o Diretor. Devem mostrar interesse e estar sempre dispostos ao trabalho. Auxiliar no desenvolvimento do projeto social. Essa e urna atividade que sem o Corrselheiro o Clube n i o conseguiria realizar. Seria impossivel a um Diretor e sua equipe sair com 20, 30140, 50 ou mais Desbravadores para um projeto ou evento sern a figura do Conselheiro. N i o teria quem cuidasse dos garotos e muitos males poderiam ocorrer.


Assim, o Conselheiro deve sempre conduzi-la em todos os programas e eventos, mantendo-a organizada para o bem-estar do Clube e de todos. Essa a t r i b u i ~ i onunca deve ser negligenciada, para que os Desbravadores n i o sejam expostos a grandes perigos.

Montar juntamente com os lnstrutores um programa para o cumprimento das Classes. 0 Conselheiro n i o e a pessoa responsavel por instruir as Classes. No Cantinho da Unidade n i o h i tempo para cumprir o programa do sistema de Unidades e instrr-~ir uma das Classes. Mas isso n i o exclui o trabalho do Conselheiro de monitorar o curr~primentodas mesmas e ajudar o trabalho dos Instrutores. Eles devem trabalhar juntos, pois e o Conselheiro quem incentiva os garotos a cumprir os requisitos das Classes e pode informar ao lnstrutor o desenvolvimento de cada um, inclusive o seu trabalho dentro de casa e tambem na escola. Criar e manter atualizada uma listagem com os nomes dos Desbravadores e a Classe em que eles estio. IVesta listagem os Conselheiros devem colocar a data de inicio e marcar uma data para a conclusio da Classe. Essa lista deve ser anexada a pasta da Unidade, para que o Consel heiro possa ter um me1hor controle sobre o seu tra balho e tambem para deixar registrado por anos, decadas, quais Classes foram concluidas pelos Desbravadores em cada ano, por Unidade. Fazer um relatorio bimestral sobre o desenvolvimento dos Desbravadores em seu cartio e entregar para a diretoria. Como parte de seu monitoramento no trabalho das Classes, o Conselheiro deve fazer um relatorio destacando todos os itens cumpridos por eles, o que esta faltando e a qualidade do trabalho de cada um. Esse relatorio deve ser entregue para o lnstrutor e para a diretoria, para que todos saCbam como esta o desenvolvimento de cada Desbravador, permitindo ao Clube ajuda-10s de maneira personalizada. Liderar a Unidade, ensinando, trabalhando e permanecendocom eles durante todas as atividades e programaq6es. Dar bom exemplo em comportamento, presenGa, pontualidade, uniforme, etc. 0 Conselheiro nunca vai conseguir levar os Desbravadores aos pes de Jesus e faze-10s andar em Seus caminhos se ele mesmo n i o anda. 0 melhor jeito de ensinar 4 demonstrar isso na pratica. E testemunhar. Dessa maneira, ele prova para os garotos que e possivel viver em conformidade com a Biblia. Como ele pode exigir que seus Desbravadorescumpram a Classe se ele mesmo n i o se irr~portacom a dele?Jesus veio ao mundo tambem para nos mostrar que e possivel sim viver ao lado de Deus e devemos seguir o Seu exemplo. Da mesma maneira, voluntaria ou involuntariamente, os Desbravadoresv i o seguir o exemplo dos Conselheiros, por isso, eles devem ser imitadores de Cristo! Participar da Ordem Urrida com sua Unidade. IVao e o fato de ser membro da d i r e ~ i o que exime o Conselheiro de participarda Ordem Unida. Pelo contrario, ele deve participar junto com seus meninos e meninas, dando a eles um bom exemplo e mostrando que todos precisam saber obedecer e liderar. Ajudar os membros da Unidade em quaisquer problemas que possam surgir e manter os lideres informados. Se a Unidade esta passando por problemas, cabe ao Conselheiro intervir e manter a ordem. Se o Conselheiro n i o conseguir resolver sozinho, ele deve comunicar ao Diretor para que este tome as providCncias necessirias. Mesmo que ele consiga resolver, o Diretor deve estar sempre a par do que esta acontecendo em cada Unidade. 0 trabalho do Conselheiro deve ser transparente a d i r e ~ i odo Clube. Assistir as reuni6es da diretoria sempre que solicitado. Participar das reunides de diretoria e a melhor maneira de o Conselheiro estar a par de todo o programa do Clube e tomar parte ativa nele.

o c

.v

;

.$

6 w

'% 2

3c

-i

3


Avisar ao Diretor com antecedencia se n i o puder comparecer a reuniio. Para que a Unidade n i o fique sozinha e o Diretor tenha tempo de providenciar um substituto. Montar um programa de visitas20 e convidar, pelo menos, um membro da diretoria para Ihe acompanhar na visita. Essa e principal funsiio do Conselheiro. Ele so estara apt0 a aconselhar, caso saiba o que acontece com o Desbravador. A melhor forma de se fazer isso e ir na casa dele e manter uma amizade com seus pais. Assim, o Clube ultrapassa as barreiras do local de reunides e comeqa a agir tambem na familia dos seus membros. 0 s Desbravadores e Conselheiros se tornario mais amigos e os Conselheiros saberio como ajuda-los, quando houver necessidade. 0 Clube ganha creditos com os pais e eles passam a apoiar mais as atividades, alem do fato que eles podem recomendar o Clube para amigos. Muito cuidado deve ser tomado principalmente ao lidar com pais n i o adventistas. 0 Conselheiro deve trata-10s com muito respeito e jamais tentar impor a religiio a eles. Quando sentir que eles estio receptivos, o conselheiro deve compartilhar algumas mensagens biblicas e fazer uma oraqio corn eles.Tambem deve estar preparado para ministrar um estudo biblico, caso os pais solicitem, ou indicar alguem da lgreja para faze-lo. Recepcionar os novatos. Enquanto o Clube estiver cumprindo o programa corretamente, tera sempre novos membros no inicio das atividades. Quanto mais Desbravadores entrarem no Clube, mas treinada deve estar a equipe. Uma boa recepqio e a chave para ganhar a confianqa dos pais e dos garotos. 0 Conselheiro deve integrar os novatos nas atividades da Unidade, mantendo sempre a harmonia dos trabalhos e desenvolvendo um espirito de amizade e companheirismo. Ele deve ajuda-lo a alcanqar os Desbravadores veteranos para que todos possam andar ao mesmo passo. Esse tarnbern e o rnomertto de trabalhar com os r~ovatoso programa de admissio, ensinando-os os ideais, a historia, emblemas e o programa do Clube, preparando-os para receberem o lenqo. Entregar mensalmente para a secretaria do Clube a ficha de avaliasZo de cada Desbravador devidamente preenchida. Cada Clube deve determinar as diretrizes pelas quais os membros serio avaliados. A avaliaqio do desempenho dos Desbravadores e funq3o do Conselheiro, de acordo com o definido pelo Clube. Entio, ele deve preencher uma ficha d'e avaliaqio (formulario E) com os itens propostos e entregar para a secretaria do Clube, para que fique registrado todo o trabalho realizado por cada um.

0 CONSELHEIRO ASSOCIADO >

2

8

0

0 ConselheiroAssociado geralmente e um aprendiz na lideranqa do Clube (com 16 anos ou mais). Ele deve atuar juntamente com o Conselheiro no desempenho de suas funqdes e auxilia-lo no que for necessario. Na ausencia do Conselheiro, a diretoria assume a Unidade, com o auxillo do Associado.

U

0 V

Q

r'

P

2

.I-'

.-In-. .

am 3

c

2

0 Capitio da Unidade e um membro (de 10 a 15 anos) do Clube escolhido pela Unidade para animar o seu grupo a cumprir com sucesso o programa, por meio do proprio exemplo e da ir~fluencia pessoal, ir~spirandocada rnembro a fazer o seu melhor. 0 period0 de sua atuaqio varia de tres meses a um ano, dependendo do tempo aprovado pela Comissio Executiva do Clube. Ele deve ser eleito na primeira reuniio do ano, por votaqso de todos os membros da Unidade, dirigida pelo Conselheiro. Durante todas as atividades do Clube o Capitio usa uma insignia indicando sua funqio. Para ser urn Capit30 de sucesso, o Desbravador precisa ser organizado, ter lideranqa e comando, disciplina, honestidade, fidelidade el acima de tudo, humildade e disposiqio para aprender.


Sio funq6es do Capitio: Auxiliar os Conselheiros e cuidar da Unidade quando requisitado. Na ausencia do Conselheiro e do Conselheiro Associado, o Capit20 assume o comando da Unidade. Ele deve ajudar o Conselheiro no cumprimento de todas as suas atividades e estar sempre pronto para ajuda-lo no que ele precisar. Portar e segurar o Bandeirim da Unidade de maneira correta. lndependente de onde estiver, o Capitio e o responsavel por cuidar do Bandeirim. Portanto, ele deve cuidar para que ele n i o fique em qualquer lugar ou sujo. 0 Bandeirim deve estar sempre a frente da Unidade, seja em acampamento (na frente da barraca), em Ordem Unida ou qualquer atividade do Clube. Ser responsavel pela presensa da Unidade no momento convocado. Ninguem melhor para incentivar os Desbravadores a chegarem cedo do que o Capitio, pois ele 6 muito mais amigo dos colegas do que qualquer membro da direqio. Por isso, assim como o Conselheiro, ele deve dar o exemplo em tudo o que fizer, para que consiga que a Unidade o copie e obedeqa ao que solicitou. Apresentar a Unidade no inicio das reuniiies. E o Capitio que deve apresentar a Unidade ao Diretor no inicio das atividades do Clube, conforme especificado no capitulo 4.4 "Civismo".

0 Secretario da Unidade e o membro escolhido pelos outros membros da Llnidade para desempenhar uma variedade de tarefas especiais. 0 period0 de atuaqio varia de tres meses a um ano, dependendo do padrio adotado pela Comissio Executiva do Clube. Ele deve ser eleito na primeira reuniio do ano, por votaqio de todos os membros da Unidade, dirigida pelo Conselheiro. Durante todas as atividades do Clube o Secretario usa uma insignia indicando sua funqao.

Sio funq6es do Secretario da Unidade: Cumpriras funsees do Capit50 em sua aus6ncia.O Secretario e o segundo lider da Unidade, portanto, na ausencia do Capitio, e ele quem assume as responsabilidadesda Unidade. Servir como mensageiro entre a Unidade e o Diretor, quando solicitado pelo Conselheiro da Unidade. 0 Secretario e o responsavel por estar em contato com a direqio do Clube e Ihe prestar quaisquer tipos de esclarecimentos, sobre pontualidade, frequencia, uso do uniforme, dentre outros. Preencher a ficha do Cantinho da Unidade. 0 Secretario deve manter em dia a ficha de avaliacio semanal de cada Desbravador, sendo honesto em suas marcaqbes. Manter atualizada a pasta da Unidade. Em conjunto corn o Conselheiro, o Secretario deve manter a pasta da Unidade sempre atualizada.

OUTRAS FUNCOES A fim de cumprir o proposito do sistema de Unidades, pode ser necessario instituir outros cargos na Unidade, a depender da necessidade do Clube e habilidades dos Desbravadores, conforme exemplos a seguir: Tesoureiro. E o responsavel por recolher a mensalidade de todos os membros da Unidade e entregar para o Tesoureiro do Clube, prestando contas e fazendo o devido registro na pasta da Unidade.

+ w c

E m

'3 c

-am w

lm u m L

5 .E .C

3

75


Almoxarife. E o responsavel por cuidar de todos os pertences da Unidade, como livros, apostilas, ferrarnentas de acampamento, etc., incluindo sua adequada conservac50, emprestimos e devoluq6es. Coordenador de recreaqgo. Responsavel pela recreacao no Cantinho da Unidade, trabalhando juntamente ao Conselheiro elaborando campeonatos e trazendo novidades e desafios. Padioleiro. Responsavel pela caixa de primeiros socorros, pelos primeiros cuidados com os membros, como fornecer repelente, ataduras, protetor solar, bones para protee50 do sol, oculos etc., a s s i ~ ncomo ajudar o enfermeiro do Clube nos procedimentos. Capelgo. Trabalha em profunda sintonia com o Capeldo do Clube. Lidera os momentos espirituais da Unidade, incentiva o programa do ano biblico, trabalhando como um pastor na Unidade. Alem desses, outros cargos podem ser instituidos, desde que sejam importantes para o crescimento da Unidade e aprovados pela Comissdo Executiva do Clube.

3.3. ORGANIZACAO DO CLUBE ! 0 Clube de Desbravadores e um programa mundial, organizado e dirigido pelo Ministerio de Desbravadoresda Associacdo Geral da lgreja Adventista do Setirno Dia. Ele oferece uma ampla gama de experiencias de aprendizagem para os juvenis e adolescentes de 10 a 15 anos. Cada Clube de Desbravadores eadministrado por um Diretor, DiretoresAssociados,Consel heiros, Instrutores, Capeldo, Secretario e Tesoureiro. 0 Clube e internamente dividido atraves do sistema de Unidades.


3.3.1. DIRETOR E DIRETORES ASSOCIADOS A indicaqio do Diretor e Diretores Associados e realizada anualmente pela Comissio de Nomeaqbes da lgreja local. Em caso de desistencia, mudanqa de cidade ou qualquer fator que os irnpeqa de exercer o cargo, cabe a Comissio da lgreja local definir seus substitutos. 0 diretor deve ser uma pessoa madura e membro regular da lgreja Adventista do Setimo Dia. Ele deve concluir o curso de treinamento basico de diretoria e, de preferencia, ser investido em Iider. Caso ele ainda n i o seja, deve iniciar imediatamente o cartio de Classes Agrupadas el em seguida, o de Lider. 0 sucesso e a moral de qualquer Clube dependerio em grande escala da lideranqa do diretor. Deve ser um exemplo de espiritualidade, pureza, prontidio, amabilidade, temperanqa, pontualidade, organizaqio e asseio pessoal, incluindo o uso adequado do uniforme. 0 diretor deve estar inteiramente interessado nos juvenis e jovens, e compreender com simpatia seus problemas. Sua vida deve demonstrar o que Deus pode operar na vida dos Desbravadores. Ele tambem precisa ser estudioso e entusiasmado, assumir responsabilidades, ser avido em reconhecer novas ideias e demonstrar iniciativa em suas atividades. E imprescindivel se relacionar bem com as pessoas, especialmente com a direqio, e atender aos Conselheiros e lnstrutores em quaisquer problemas que possam surgir com suas Unidades e Classes. Sio funqbes do diretor do clube de Desbravadores: Ser membro da Comiss5o da Igreja. Por ter sido eleito pela Comiss5o de Nomea~bes, oficialmente o diretor do Clube e um membro da Comiss5o da Igreja. Ele deve representaro Clube perante os demais lideres e apresentar suas propostas, projetos e disponibilizar o Clube para ajudar em todos os departamentos. Deve defender os interesses do Clube, objetivando o bom andamento do programa, e sempre informar a lgreja os resultados dos trabal hos realizados. Manter contato com o lider de Jovens da Associaq5olMiss~oe enviar os relatorios solicitados. 0 diretor deve estar em contato com-odepartamento de Desbravadores do seu Campo atraves do Regional ou Distrital. Deve se inteirar dos projetos e programas oficiais e trabalhar ativamente para cumprir as 'metas determinadas. Deve enviar os relatorios de atividades ao DistritalIRegional dentro dos prazos. Exercer, com o auxilio dos Diretores Associados, a direq5o superior da administraqiiodo Clube. A diretoria do Clube e a responsavel pela direqio de todas as atividades do Clube e correto de todo o programa. 0 diretor deve estar inteirado deve garantir o c~~mprimento de tudo o que acontece no Clube e manter toda a sua equipe trabalhando de maneira a cumprir os propositos e objetivos do movimento. Convocar e presidir a Comiss5o Executiva e a Comiss5o Regular. 0 diretor e o presidente de ambas as comissbes do Clube e e sua funs20 convocar suas reunibes e presidi-las, elaborando previamente a pauta de discussio e dirigir a deliberasio de todos os assuntos. Providenciar todo o material necessario e local para a realizaq50 de eventos, instru~bes e demais atividades realizadas pelo Clube. A intendencia, ou seja, a funqio de providenciar todos os materiais e locais para o adequado cumprimento do programa do Clube e uma das principais funqbes do diretor. Para isso, e necessario que o diretor saiba exatamente o que vai acontecer em cada reuniio e quais sio os planos dos Conselheiros e Instrutores.Em eventos, deve providenciar o transposte, alimentaqio, materiais de camping e cozinha e tudo o que for necessario para cumprir as atividades.

2C

.i C

E $ U1 2 + .g C

m~

u

a

77


Definir as diretrizes e metas do Clube para o ano corrente. Todo diretor deve ter, ao inicio de cada ano, o seu plano de metas ou diretrizes de trabalho. Qual sera o foco das atividades daquele ano?Aumerrtal. o nurnero de mernbros?lnvestir novos lideres?Batizar porcentagem x dos membros? Firmar parceria com algum orgio da sociedade? Realizar um projeto comunitario por mes? lndependente do foco o PROGRAMA do Clube (principalmente as Classes e Especialidades) nunca deve ser deixado de lado, ainda que seja para preparar o Clube para algum evento do Campo, Urriio ou Divisio. 0 plano de metas deve ser discutido e aprovado pela Comissio Executiva para ser posto em pratica na primeira reuniio do Clube. Dirigir todas as reuni6es do Clube. As reunibes regulares do Clube devem ser administradas pelo diretor. Ele deve definir o que vai ser feito em cada uma, qua1 o tempo para cada atividade e coordenar o funcionamento de todo o prograrna. 0 s Diretores Associados sio o braqo direito e o esquerdo do diretor. Eles sio responsaveis pelo cumprimento do programa do Clube el por isso, sio os coorder~adoresdas Classes, Especialidades e Unidades. Assim, devem gerenciar todo o trabalho dos lnstrutores e Conselheiros, garantindo que tudo ocorra conforme o planejamento anual. Sio no minimo dois, uma mulher responsavel pela ala feminina e um homem responsavel pela ala mascullna. 0 inverso nunca pode acontecer. Caso o Clube seja grande e necessite de mais Diretores Associados, a Comissio de Nomeaqbes da lgreja local deve defini-10s. Eles devem possuir as mesmas elevadas qualidades de lideranqa definidas para o diretor. Devem ser atribuidos o mais elevado respeito e consideraqio para com o diretor, trabalhando todos na mais absoluta harmonia. Sio funqbes dos Diretores Associados: Coordenar e fiscalizar todo o trabalho com as Unidades. As Unidades do Clube sio de responsabilidade dos Diretores Associados: as femiliirras da diretora associada e as masculinas do Diretor Associado. Devem coordenar o trabalho dos Conselheiros, visitando-os e observando como trabalham o sistema de Unidades, de forma a assegurar o seu correto cumprimento. No final do ano, devem, juntamente com a Comissio Executiva, definir planos e diretrizes para o trabalho com as Unidades e forma a facilitar o seu funcionamento. Para mais informaqbes ver o capitulo 3.2 "Sistema de Unidades". 111

TI

9 2

n

111

z W

TI W

4 -

Coordenar o esquema de instruq5o de Classes e Especialidades junto aos Instrutores. Tambem e funqio dos Diretores Associados coordenar o funcionamento de todas as Classes e Especialidades. E sua responsabilidade preparar os Desbravadores para a investidura, atraves do trabalho dos Instrutores. Para isso, devem exigir o planejamento de instruqbes e garantir que ele seja cumprido.Tambem devem verificar a qualidade delas e propor melhorias, de forma que o Desbravador realmente aprenda o conteudo ensinado. Para mais informaqbes, ver os capitulos 4.1 "Classes"e 4.2 "Especialidades".

d

u

u

0

Substituir o diretor em sua ausGncia ou solicitaq50. Sempre que o diretor precisar se ausentar, um dos Diretores Associados, previamente escolhido, devera substituir as suas

.-.wB

funqbes.

2

E

2 $ C

0 Secretario sera responsavel por todos os registros e relatorios do Clube, alem dos que sio do encargo do Tesoureiro. Um Secretario eficiente e bem organizado tera um valor incalculavel para o programa do Clube de Desbravadores.


S i o funqbes d o Secretario: Registrar todos os pontos e demeritos na ficha de registro permanente. Cada Clube deve adotar o seu sistema d e disciplina d e acordo com a sua realidade. A melhor maneira d e incentivar os juvenis e adolescentes a cumprirem as atividades d o Clube e atraves d e u m sistema d e meritos. E f u n ~ i do o Secretario d o Clube manter as anotaqbes da pontuaqio d e cada Desbravador. Preencher o relatorio trimestral. 0 Campo precisa saber como esta o funcionamento dos seus Clubes e o instrumento q u e utiliza para isso e o relatorio trimestral. Seja online o u fisicamente, e f u n q i o d o Secretario o seu correto preenchimento dentro d o prazo, para q u e o diretor entregue ao DistritalIRegional para aprovaqio final e envio a AssociaqioIMissio. Notificar o diretor se um Desbravador comeqa a faltar com certa frequsncia. De posse das fichas d e avaliaqio das Unidades, o Secretario d o Clube deve observar a frequPncia e assiduidade dos Desbravadores. 0 diretor precisa ter esse controle para criar u m plano d e atenqio especial, juntamente c o m os Conselheiros, aqueles q u e estzo faltando o u chegando sempre atrasados. Ser responsavel por montar e manter um sistema de comunicaqio com o Clube, seja quadro de anljncios, mural, boletim informativo ou meio eletr6nico. A lgreja e os proprios Desbravadores e direqio precisam saber o que esta acontecendo c o m o Clube. E f u n q i o d o Secretario elaborar e manter u m sistema d e comunicaqio atualizado, para informar sobre todas as atividades e projetos d o Clube. Requisitar materiais e formularios de relatorio da Associaqio quando necessario. Quando o Clube estiver precisando d e algum material especifico d o Campo local, e f u n q i o d o Secretario fazer essa solicitaqio, via DistritalIRegional. Ser responsavel pela biblioteca do Clube.Todos os Clubes devem incentivar a criaqio de uma biblioteca. Todos os livros devem ser cuidadosamente catalogados e deve-se criar u m sistema para emprestimos. 0 Secretario d o Clube e o responsavel por t o d o esse sistema. Manter em dia o livro de atas, atos e o software de secretaria, quando for o caso, com todos os dados dos membros do Clube. A principal f u n q i o d o Secretario e manter atualizados todos os registros d o Clube, principalmente os livros d e Ata e Atos.

3.3.3.TESOUREI RO OTesoureiro e o responsavel geral por todas as finanqas d o Clube. Deve trabalhar e m conjunto como ~ T e s o u r e i r oda Igreja, d e forma a manter t o d o o caixa d o Clube conjunto c o m o caixa da Igreja. Nos Clubes menores, os cargos d e Tesoureiro e o Secretario p o d e m ser assumidos p o r u m a so pessoa, embora o trabalho seja melhor realizado quando funcionam e m separado. OTesoureiro precisa gerenciar os fundos d o Clube c o m honestidade e grande cuidado. 0 ideal e q u e o Tesoureiro seja alguem q u e ja possui alguma experiencia e m contabilidade. U m Tesoureiro consciencioso e confiavel podera ajudar o Clube d e Desbravadores a usar seus recursos sabiamente.

0

w

5

'g m.

520 funq6es d o Tesoureiro: Controlar e manter registros de todos os fundos, tais como contribuiqees dos membros, taxas, ofertas, vendas, doaqees. Qualquer receita e l o u despesa q u e o Clube tiver, desde o recebimento de u m a mensalidade ate a aquisiqzo d e u m grande bem, deve estar devidamente registrada c o m as notas fiscais e l o u comprovantes financeiros anexados. 0 Tesoureiro deve emitir mensalmente u m balanqo das finanqas para a Comissio Executiva.

iF w

Imw

2 .-

.E E

3


Transferir os fundos para a tesouraria d a Igreja, q u e ficam guardados c o m o reserva para uso exclusivo d o Clube d e Desbravadores. Toda receita d o Clube deve ser transferida imediatamente para a tesouraria da Igreja, que fica reservada para uso exclusivo d o Clube d e Desbravadores. Estar sempre p r o n t o para a coleta d e fundos e m projetos dessa natureza e conservar acurado registro d e tais fundos. E f u n q i o d o Tesoureiro a elaboraqio d e projetos para a arrecadaqio d e verbas para o Clube. Para isso, com a autorizaqio da Comissio Executiva, ele pode rnontar uma equipe para a sua execuqio. Receber valores d e vendas, uniformes, mensalidades, doaqbes, taxas e destina-10s apropriadamente. E sua f u n q i o receber todas as receitas, oriundas d e todas as fontes e transferi-las para a tesouraria da Igreja. Emitir comprovantes para todas as transaqbes realizadas. Com todos os registros devidamerlte preer~chidose atualizados, deve estar apt0 a emitir comprovar~ted e qualquer transaqio realizada.

0 Capelio desempenha u m papel m u i t o importante n o Clube, dirigindo e oferecendo oportunidades para o desenvolvimento espiritual a todos os Desbravadores e membros da direqio. 0 Capelio deve ser u m membro batizado da lgreja Adventista d o Setimo Dia, e m situaqio regular com a igreja onde o Clube e organizado. Devera ter a capacidade d e organizar, b e m como d e liderar, efetivamente as atividades espirituais d o Clube, descritas n o capitulo 4.9 "Capelania". S i o funqties d o Capelio:

Aconselhar e trabalhar e m conjunto d o diretor n o preparo das atividades espirituais. Todas as atividades espirituais d o Clube s i o d e cornpetencia d o Capelio, sendo a pril-~cipal delas a Classe biblica. Para a execuqio d e todas elas, o Capelio deve trabalhar e m conjunto com a Comissio Executiva, d e forma que todos estejam inteirados da realidade d e cada Desbravador e suas necessidades especificas, para se criar u m programa de alcance personalizado. ul

u

T

5

n

8

0 w

u UI

n

3

G

-0 .+' P

m+' L -

.-ulC .-

E

2m 3

c

80

Coordenar o m o m e n t o devocional d e todas as reunibes. 0 momento devocional e obrigatorio e m todas as reunities d o Clube. Organizar e liderar atividades missionarias e m cooperaqiio c o m a Comissiio Executiva. Todas as atividades missionarias d o Clube devem ser dirigidas e organizadas pelo Capelio, c o m apoio da Comissio Executiva. Atuar c o m o um Conselheiro espiritual especial e m conjunto corn os Conselheiros. 0 Capelio deve estar apt0 a aconselhar espiritualmente qualquer Desbravador que esteja precisando, seja por motivos pessoais, familiares, saljde, doutrinas, etc. Conhecer pessoalmente cada Desbravador e m e m b r o d a direqiio e anima-10s e m seu relacionamento c o m Jesus. 0 Capelio deve desenvolver u m plano d e aqio, juntamente com os Conselheiros, para aproxirnar os Desbravadores d e Deus, d e maneira persor~aIIzada. 0 mesmo e v a l i d ~ para os membros da direqio.

3.3.5. CONSELHEIROS E INSTRUTORES 0 s Cor~selheiross i o os responsaveis pelo f u ~ ~ c i o r ~ a m ednet ot o d o o sistema d e Urlidades (ver capitulo 3.2 "Sistema d e Unidades").


Sio funqdes do Conselheiro: Coordenaqio das Unidades; Coordenaqio do Cantinho da Unidade; Auxiliar no planejamento e execuqio do programa do Clube; Auxiliar no desenvolvimento do projeto social; Montar j~~ntamente com os Instrutores um programa para o cumprimento das Classes; Criar e manter atualizada uma listagem com os nomes dos Desbravadores e a Classe em que eles estio; Fazer um relatorio bimestral sobre o desenvolvimento dos Desbravadores em seu cartio e entregar para a diretoria; Liderar a Unidade, ensinando, trabalhando e permanecendo com eles durante todas as atividades e programaqdes; Dar bom exerr~ploem comportamento, presenqa, pontualidade, uniforme, etc.; Apoiar a Ordem Unida da sua Unidade; Ajudar os membros da Unidade em quaisquer problemas que possam surgir e manter os lideres informados; Assistir as reunides da diretoria sempre que solicitado; Avisar ao diretor com antecedencia se n i o puder comparecer a reuniio; Montar um programa de visitaqio e convidar, pelo menos, um membro da diretoria para Ihe acom panhar na visita; Recepcionar os novatos; Entregar mensalmente para a secretaria do Clube a ficha de avaliaqio de cada Desbravador devidamente preenchida. Em alguns casos, o Conselheiro pode precisar de um assistente, o Conselheiro Associado. Ele geralmente e um aprendiz na lideranqa do Clube e deve atuar juntamente com o Conselheiro no desempenho de suas funqdes e auxilia-lo no que for necessario. Na ausencia do Conselheiro, o Associado assume a Unidade. 0 lnstrutor e um membro da diretoria do Clube que atua diretamente com os Conselheiros e Diretores Associados. Em geral o seu trabalho e ser responsavel por uma Classe especifica. 0 Clube tambem deve ter um grupo de lnstrutores responsaveis pelas Especialidades, que deverio procurar, alem das Especialidades obrigatorias das Classes, Especialidades que sejam interessantes para os Desbravadores e pessoas que possam instrui-las. 0 s lnstrutores n i o sio apenas pessoas do Clube, eles podem ser convidados para ministrar materia especifica, como nos e amarras, nataqio, habilidades manuais, etc. A Policia Militar, o Corpo de Bombeiros, artesios e profissionais de saude sio instituiqdes e pessoas que geralmente aceitam de bom grado ajudar o Clube. Nesses casos, eles nem precisam ser adventistas, mas precisam ser chamados somente com a autorizaqio do diretor. Sio funqdes dos Instrutores: Ser respons6vel por ministrar urna das Classes. Como mencionado acima, ele e o responsavel para que no final das atividades os meninos sejam investidos, providenciando a instruqio de todo o cartio. Para mais informaqdes, ver o capitulo 4.1 "Classes". Avaliar os itens do cartzo. Como foi ele ou um convidado que deu a instruqio, deve ser ele quem deve assumir a responsabilidade de avaliar o garoto e dizer se este cumpriu o

0 + C

w

-3

6

ZT w

tm

exigido satisfatoriamente ou nio.

+ L

Preparar os garotos para a avaliaqzo Regional. A palavra final de quem vai ser investido ou

.C

n i o e do Distrital/Regional, portanto, o lnstrutor deve cuidar para que seus Desbravadores

.-m

E

3


.e~!pn3axgogss!uo3 elad sepelaq!lap las oglaAap se~!ge~ls!~~!urpe saqsanb se sepol0on!3eA3s!u!urpeo~!qurgou sagspap AeuAol .salopeAelqsaa so uro3 1e6alopep!n3 olad o~uenbeuel6old olad oluel 'olua~ano apep!A!pe lanblenb u a aqnl3 olad la~esuodsale a e~!pn3axgogss!uro3 v *soJuana a sapep!n!ye sens se sepo3 ura aqnlD op sapep!l!qesuodsa~se A!urnssv .urn epe3 ap sapepyqey a sapep!ssa3au se uo3 oplo3e ap 'e~!gn3axgogss!uo3 elad sopeauou ogs aqnl3 op s!e!3yo s!euap so sopol 'e[a.161elad sopeaurou ogs sopepossv so a lolal!p o seuadv *oqadeD o a oA!aAnosal 'sa~o3n~3sul 'soA!aylasuoD so AeauroN .eure~6o~d o opol ap oluaueuo!3unj openbape o aluaurelal~o3le!3uala6 essod anb eled aqnl3 op sapepy!pe se sepol ap led e lelsa amp el3 ~eln6auogss!uo3 elrl sope~oldea sop!~n3s!p'aluaulo!~ -alsod 'a e~!ln3axgogss!uo3 elad solsodold las u a m p aqt-113op lenue oluaureaueld o a selau ap oueld 0 *saAopeneAqsaa ap aqnlD op sapep!n!pe se sepoa ~ ! 6 ! ~ a! pAeuapAooD -elalod o p e ~ o ~ as d eJoleA o y a l os a o~ss!uo3elsa ~ o lessed d uaAap aqnl3 op soA!pells!u!upe sossa3old so sopol *aqnl3op sapepyle se sepol leuaploo3 a og5e!uald ap seuloj se alqos lelaq!lap !sapep!un a sapepile!3adsg 'sassel3 sep oluaueuo!3unj o lezele3sy !se~!le~ls!u!upe saqsanb se sepol alqos lelaq!lap eled s s u oe zaA eun 'souau olad '~a3aluo3euaAap saqunal sens -lel!lls!a lolsed a ' o ~ ~ e ~ a ~ ~ a ~ ' s o p e ~ ~ solad o s s 'lolal!p ~ s a ~ olad o ~ aepeulojalv~uO1gula ~~p no1e~!gn3axg ogss!uo3v .aqnl3 op euel6 -old op saAelle salopeAelqsaa snas sop og5e~lese :unuo3 u a q urn e opues!A solquau snas sop so5~ojsaa sapepyqey aun a lapod o ez!lellua3sap sa~ss!uo3sep oluaur!3alaqe1sa o 'u!ssv '(â&#x201A;Ź2-15:8 1 opoxg),,oj!ajs!jos D S D ~DAD^ q.i~j10nonod ajsa opoj a 'sap~pln2y!p SD ~ ~ j ~ o d apnzs~ d m pas p o n 'louap~osnaa ur!ss~as a 'lazy ur!ss~ ?2on as .pan uro2 op.i!p!n!p o sala anb~od' 0 p . i ~ nas ~ o anal S!DU q.i~u.iojossl .soyu!zos op~!ppapsaldur!s s!~urSD !s!a2!j!p sagjsanb SD S D U ~ p~ oDn D 0 p . i -sagjsanb ~ ~ ~ SD . i ~ 6 / n f ~ .onod i ~ d op opj!sods!p p a~duras opmdsa sa13 .zap ap a ~ ~ u a n b u app 'ura2 ap '/!ur ap sajay2 our02 s o - ~ 3 a l a q ~ ~-odsauosap s3 o y u ~ ap 6 so6 -!U!U! a ~ J u ~ y u o ap2 sou6!p 'snaa D sajuauraj ' s a z ~ d m suauroy onod o o p o ~a.ijuap Dyloxa S D W ~ ~ :sas!oyy ap e6~e~alqos e l!nu!u!p eled p e l s 1 u a salapjl s o ~ o un!nq!lJe 'allay ap oylasuo3 op saAeJle 'snaa o!ldold 0 .seuade seossad senp no e u n alqos anby aqnl3 op og5a.up e epol anb uroq a o g -aqnl3 ~ op oluaueuo!3unj u o q o eled aluel~odur!u a l ! u n a 'leln6au ogss!uo3 a e~!ln3axgogss!uo3 ep og5euloj v

-0p1rla3a~uo3e elalsa anb eualqold IenluaAa un61e uro3 lepy laqes eled 'so~!aylasuo3 sop o u ! x o ~ do q n u lelsa amp lolnllsul o 'sassel3 sep oluau!pual l o y l a u uln eled loss! ~ o d .urn epe3 uo3 opua3aluo3e elsa anb o u a q o y n u aqes u a u ala sazaA seynu a r ~ bopuas 'ogJnllsu! ep eloy eu aluauos a salopeAelqsaa so uro3 u a l lolnllsul o anb oleluor, 0 *sa~ope~elqsaa so Aeyene ~ o laur y e~ed oA!ay lasuoD o u r o o ~ ~ u n [ u ooy ~ leqeA3 urn Aaaueyy .aqnl3 olad sop!3alaqelsa s e u e ~ 6 o ~ uo3 d anboy3 ogu o!lepuale3 o anb e~edopeuol las amp lepadsa opep!n3 un .elnp!gsaAu! ep e!p o ale op!npuo3 e[alsa opnl anb e u l o j ap 'oue op o6uol oe lep !eA ? ~ Oanb A sa~5n~lsu! se sepol ap e u r e ~ 6 o u ourn ~ ~l e l u o u amp lolnllsulo *sopepossvsaAojaA!a soe 01-ey u!ure~uaa og5n~~su! ap o ! ~ e p u a l e urn ~ ~e~uoyy .sop!lsaAu! las ualapod ogu lod sop!6ue~lsuo3uanby oeu anb eled 'ala uo3 o@e!le~ee eled sope~eda~d ue[alsa aluauleal


Deliberar sobre as formas de premiaciio do CIi~be.0 sistema de meritos deve ser proposto pela Comissio Executiva e cabe aos seus membros deliberarem sobre as formas de premiar os Desbravadores e quais Desbravadores receberio esses prPmios. Instituiqio de Unidades.Todas as Unidades do Clube devem ser instituidas pela Comissio Executiva e seu nome deve manter relaqio ao nome do CIube. Mais informaq6es no capitulo 3.2 "Sistema de Unidades". Sele@o dos Desbravadores que receberiio a lnsignia de Excelencia. A Comissio Executiva deve, ao final das atividades do Clube, definir, apos consulta a Comissio Regular, quais os Desbravadores que cumpriram todos os requisitos do programa da lnsignia de ExcelPncia. Deverio analisar todos os casos e conferir se realmente alcanqaram o padrio de excelPncia.Tambem deve definir em qua1 das cerim6nias sera a entrega, de forma que seja apenas uma vez ao ano, valorizando o programa. A Comissio Regular, ou DIRECAO, e formada pelos membros da Comissio Executiva e por todos os demais membros da direqio: Conselheiros, Instrutores, Capelio e Tesoureiro. Suas reuni6es devem acontecer, pelo menos, uma vez ao mPs para deliberarem sobre o diagnostic0 do Clube. Sio funq6es da Comissio Regular: Avaliar o correto cumprimento do programa do Clube. Com toda a direqio do Clube rel-~nida,e possivel avaliar, internamente, se o programa do Clube esta sendo executado da maneira correta ou nio. A Comissio Regular e um forum de discussio, ou seja, todos devem expor seus pontos de vista de forma que as suas decis6es sejam de comum acordo a todos. Caso seja constatado algum problema, devem discutir as possiveis soluq6es e coloca-las em pratica. Na reuniio seguinte, devem avaliar a efetividade das medidas adotadas. lndicar os Desbravadores para receberem a lnsignia de Excelencia. Somente a Comissio Regular tem autonomia para indicar os Desbravadores para a lnsignia de ExcelPncia, pois e o ljnico momento no Clube onde os lnstrutores e Conselheiros estio juntos. Assim, os nomes sio discutidos por todos e os aprovados serio avaliados de maneira final pela Comissio Executiva, (o pastor Distrital deve ser o Conselheiro neste momento). Avaliar o desenvolvimento dos Desbravadores. 0 programa do Clube e muito complexo e, por isso, torna-se impossivel a um membro da direqio, sozinho, fazer uma correta avaliaqio de um Desbravador. 0 s Desbravadores precisam ser avaliados como um todo, levando-se em consideraqio suas atitudes e atividades em todos os programas e eventos do Clube. Assim, a Comissio Regular e o momento adequado para se fazer essa avaliaqio, pois todos podem dar a sua contribuiqio sobre aquele garoto ou garota el juntos, ajuda-10s a crescer de maneira personalizada. Um Clube so consegue funcionar bem e implementar adequadamente todo o programa proposto pela Divisdo se toda essa estrutura e organizaqio estiverem bem definidas e delimitadas. Assim como na Igreja, cada membro tem a sua funqio, que e importante e indispensavel para todo o Clube. Se um falhar na sua funqio, todo o Clube sofre. Assim, todos devem se esforqar ao maximo para cumpri-las com &xito, pois a Obra que Deus nos confiou e muito preciosa: a salvaqio de juvenis e adolescentes. "Tudo quanto te vier h mdo para fazer, faze-o conforme as tuas forqas, porque na sepultura, para onde tu vais, ndo ha obra nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma" (Eclesiastes 9:10).

3.4. SECRETARIA

1 I

A secretaria e um raio X do Clube, pois atraves dela e possivel analisar a estrutura do Clube, a sua organizaqio, disciplina e compromisso com sua propria memoria.

2 C

.i Ew +' In .C

-E

2


Para u m b o m funcionamento da secretaria, primeiramente e necessario q u e o Secretario atribua prioridades e estabeleqa o q u e deve ser realizado irnediatamente. Assim, ele deve procurar melhorar o aspect0 d o Clube, pois ele exerce irrflu&rrcia sobre o desempenho d e suas atividades. Deve t a m b e m verificar t u d o o q u e pode ser melhorado, q u e procedimentos p o d e m ser elimiliados o u simplificados. 0 Secretario precisa sempre estar atualizado e adquirir sempre mais conhecimentos. Suas principais funqdes s i o a manutenqio e atualizaqio dos livros d e atas, atos, cadastro, registros d e correspondencia, etc.

3.4.1. ARQU IVOS A secretaria d o Clube e a sua propria historia. Em uma secretaria organizada e possivel saber quand o o Clube foi furrdado, quais os seus diretores, quais os Desbravadores que ja passaram por la, quais Classes cada u m foi investido, quais os projetos que o Clube participou, etc. Para isso, todo o rnaterial da secretaria deve ser cuidadosamente guardado e organizado, d e forma a preservar essa historia. Para facilitar, o Secretario deve guardar o material que n i o esta sendo utilizado, formando u m arquivo morto; os materiais que estio e m uso devem ser guardados e m lugar visivel e d e facil acesso. Uma secretaria deve ter: Arquivo Morto. Todos os arquivos antigos q u e n i o s i o mais utilizados. Devem ser catalogados e arquivados d e maneira a facilitar o acesso as i~iformaqdesquando for necessario. Pastas individuais para cada membro. Cada membro deve ter a sua pasta individualizada e nela deve conter toda a historia d o Desbravador naquele Clube, c o m o a ficha d e avaliaq i o da Unidade, copias dos certificados d e Classes, Especialidades e cursos, fotos, fichas d e saude, receitas medicas, etc. Pastas das Unidades. As pastas das Unidades devem ser armazenadas na secretaria d o Clube e retiradas apenas para atualizaqdes o u para acesso a alguma informaqio. Correspond6ncias enviadas e recebidas (pais, Campo, Igreja, oficios, etc.), formularios, relatorios e fotografias. Assi~ncomo cada Urridade t e m a sua pasta, c o m o registro da sua historia, o Clube t a m b e m precisa ter a sua e arquivar nela correspondencias, formularios, relatorios, fotografias, etc., d e forma q u e depois d e 5,10,20,40 anos, alguem possa ler essa pasta e saber toda a trajetoria daquele Clube ate ali. .-

hul

3.4.2. CADASTRO

d w

u

0 Secretario d o Clube e o responsavel pelo cadastro d e todos os seus membros, assim como pela atualizaqio d e todos os dados. 0 cadastro e feito atraves d e formulario personalizado (conforme

w

0 0

> .+

2 +

formulario A) e deve haver u m a copia d e todas as fichas na pasta d o Clube. Ainda q u e o cadastro seja virtual, e necessario haver u m a copia fisica na secretaria d o Clube. Alem dos dados pessoais, escolares e informaqdes d o Clube, t a m b e m e necessario acrescentar ao cadastro u m a ficha d e saude d e cada Desbravador (conforme formulario 6)para averiguar se algum Desbravador t e m alguma doenqa crbnica, alergia o u necessita d e algum medicamento. Caso o Desbravador necessite tomar algum m e d i c a m e n t ~n o horario das reunides d o Clube, essa informag o deve constar na ficha d e saude e u m a copia da prescriqio medica ser anexada a ela.

-! .E u

4

-m

LA-


0 livro de atas e o registro dos pontos de discussdo e resultados de todas as reunides das Comissdes Executiva e Regular. Pode ser feito manualmente ou digitado, tendo os dois a mesma utilidade. 0 mais importante e guarda-10s em um lugar adequado e ndo rasurar.

Termo de Abertura

ATA MANUSCRITA Este livro contem folhas enl-~meradasde 1 a 50, onde serio registradas todas as reunides administrativas d o Clube de Desbravadores

Cidade, Estado, 01 de janeiro de 2012.

Existem livros proprios para fazer o livro de atas. As paginas devem ser enumeradas e na primeira pagina deve conter um termo de abertura com a descriqdo do uso a que ele se destina.

As anotaqdes devem iniciar na primeira linha, sem paragrafo e sem saltar linhas, de mod0 que ndo haja como acrescentar nenhum conteljdo posteriormente. Depois de tudo registrado, o secretario do CIube deve, juntamente com o diretor, datar, assinar e manter em arquivo. Este modelo geralmente faz uma narraqdo de todos os fatos, conforme exemplo a seguir:

Aos vinte e um dias do mes de maio de 2012, reuniu-se a Comissio Executiva do Clube de Desbravadores X, com a presenqa dos seguintes membros: Fulano de Tal - diretor, Cicrano da Silva - secretirio, Beltrano Sousa e Fulanildo Pereira. A reuniio teve inicio as 13h30min com um devocional dirigido pelo pr. Beltrano Sousa, com base no texto de Daniel 8:14. ltens propostos: 12/001 - aprovada saida do Clube de Desbravadores para o acampamento nos dias 7 a 10 de junho; 12/002 - aprovado orqamento para projeto comunitirio a ser realizado em 21 de junho;

IVio havendo mais nada a tratar, a reuniio encerrou-se as 16h00min com uma oraqio proferida pelo diretor. Eu, secretario deste Clube, lavrei a presente ata e proponho que a mesma seja aceita. Data Assinaturas (secretarioe diretor)


CLUBE DE DESBRAVADORES COMISSAOREGULAR REUNIAOORDINARIAno 112012, de 21 de maio de 2012 MEMBROS PRESENTES: Fulano de tall Cicrano da Silva, Beltrano Sousa, Fulanildo Pereira.

ATA DlGlTADA Esse modelo de ata mostra de uma maneira mais objetiva os itens tratados na reuniiio, fazendo menciio, na narraciio, apenas dos votos, conforme exemplo ao lado:

ORACAOINICIAL: Fulano de Tal. VOTOS: Voto 121001 - Aprovado acampamento interno do Clube nos dias 7 a 10 de junho.

Voto 121002 -Votado orSamento para o projeto comunitario a ser realizado em 21 de junho. ORACAOFINAL: Pr. Beltrano.

Assinaturas Secretario e Diretor

ATOS

ln w

6 u

5

h n

E a w w

6 0 0

.+ + >

.-.C

E

a-

Este e um historic0 que o Clube deve manter de todas as atividades que ja realizou em sua existencia. Para isso, o Clube adota um modelo de pasta ou caderno el apos cada evento, faz um pequeno relatorio dos pontos principais. 0 relatorio pode ser manuscrito ou digitado, sendo muito interessante o uso de fotos do evento para enriquecer o material. Niio necessita de formalidades e cada Clube pode adotar o seu modelo de escrita e forma padriio.

3.4.5. PASTA DE CAMPORl Este e um dos itens mais importantes do Clube, visto que num Campori, grande percentagem dos pontos destina-se a pasta de secretaria. Compete ao Secretario a elaboraciio dessa pasta, que deve conter todos os itens do manual do Campori expostos em ordem e com a descriciio da atividade e as devidas assinaturas. E importante ressaltar que deve haver relatorios para todos os requisitos e todos devem estar assinados. 0 s itens indispensaveis ao se redigir o relatorio siio: data, horario e local da atividade; descriciio da atividade, detalhando o que foi realizado e quantidade de membros participantes. As fotos enriquecem e diio credibilidade ao que esta escrito, mas, em nenhuma hipotese, devem substituir o relatorio.

3.4.6. ClVRO DE O U R 0

m =I

c

86

0 livro de our0 e destinado ao registro de todos os padrinhos e parceiros do Clube. Deve ser um caderno ornamentado, na cor dourada, onde o Secretario ir6 registrar o nome de todos aqueles


que colaboraram financeiramente com o Clube, com a respectiva data da parceria. A frente, deve-se deixar um espaqo para a assinatura do colaborador.

0 oficio e um documento de comunicaqao oficial entre o Clube de Desbravadores e qualquer

entidade, empresa ou orgio publico. Destina-se, principalmente, para solicitaqio de bens ou ser-

vices, como solicitar o espaco de uma escola para as reuni6es regulares, ou ajuda financeira para adquirir material de camping, etc. (Anexos A, B e C).

3.5. SEGURO ANUAL No ano de 2010 ficou determinado entre a Divisio Sul-Americana e o Ministerio de Desbravadores que o Seguro deixa de ser opcional para ser [,[ma obrigatoriedade, visto a necessidade de proteger o nome da IASD no territorio Sul-American0 atraves da ARM SUL-AMERICANA e amparar todos os Clubes em suas atividades internas ou externas. Descriqio Este seguro e um produto que garante cobertura contra acidentes pessoais ocorridos com membros ativos de Clubes de Desbravadores, Aventureiros e Clube de Jovens, durante as atividades promovidas ou desenvolvidas pelas entidades. Este serviqo garante proteqio para as crianqas e jovens que faqam parte dos programas do Mirlisterio de Desbravadores da lgreja Adventista do Setimo Dia. Vigkncia: 1 ano 01/04/2012 a 31/03/2013 Forma de Contrataqio: Sistema on-line a) 0 prazo para o clube cadastrar os seus membros no sistema e ate o dia 15/03 para o novo periodo, a fim de ser gerada a Apolice. Movimentaqio de Segurados: Sistema on-line b) Durante o periodo de 02/04 ate 01/08, o sistema estara disponivel para novas inclus6es; c) A partir de 02/08 o sistema sera travado, isto el n20 estara mais disponivel para aIteraq6es ate a contrataqio do proximo periodo vigente. d) A partir de lo de janeiro do ano seguinte, o sistema estara disporlivel para novos cadastros. e) No periodo em que o sistema estiver bloqueado, a emiss2o de relatorios ficara disponivel. Modalidade de apolice Acidentes Pessoais. Grupo Seguravel a) Todo o membro regular e ativo, com cadastro atualizado no Clube de Desbravadores (Regionais, Coordenadores Regionais, Diretoria do Clube, Mem bros). b) N i o podem ser incluidas no seguro, pessoas que estio na equipe de apoio do clube, tais como pais que acompanham o clube, anciaos e outros. Faturamento a) Semestral: Abril e Agosto. Coberturas a) Morte Acidental (MA) Indenizaqao por morte causada por acidente em atividades do Clube, devidamente autorizada pela Comissio da IASD local.

+ c

E

.3 m c

K

UI

o ~m LY,

2 + .VI c

3


b) lnvalidez Permanente Total por Acidente (IPTA) Indenizaqio por invalidez total ou parcial causada por acidente ocorrido em alguma atividade do clube, devidamente autorizada pela Comissio da IASD local. Despesas Medicas, Hospitalares e Odontologicas (DMHO) Garante o reembolso, limitado ao capital segurado, de despesas medicas, hospitalares e odontologicas efetuadas pelo segurado para seu tratamento em decorrencia de acidente ocorrido em atividade do Clube, devidamente autorizada. C)

d) Resgate Emergencial Transporte emergencial para remoqio em caso de acidente. e) Repatriaqao Cobertura para despesas, ate o limite estabelecido, de transporte do falecido (segurado) para o local de sua residencia e despesas diversas de funeral. Condiqees para Atendimento a) Somente membros ativos e regulares do Clube; b) Cobertura somente para reunides regulares e eventos autorizados pela igreja; c) Somente enquanto estiverem participando ou assistindo a qualquer atividade do Clube elou Unidade, devidamente aprovado pela comissio da lgreja Local; d) Enquanto estiverem em viagem para participar de atividades do clube, desde que estejam juntamente com os outros membros do Clube elou Ur~idadee sob supervisio do Lider; e) Enquanto o membro do Clube percorrer o trajeto de sua casa ate o local da atividade, com o exclusive proposito de participar das reunides planejadas pelo Clube elou Unidade; Procedimentos em Caso de Sinistros Para analise e pagamento de sinistros, e obrigatoria a apresentaqio dos documentos em cada tip0 de cobertura, conforrne relaqio abaixo: a) Morte Acidental Aviso de sinistro preenchido, assinado pelo Diretor ou responsavel pelo clube; 0 sinistro devera ser comunicado pelo (a) Diretor (a) do Clube em ate 20 dias (corridos) da data do acidente; Certidio de obito; Boletim de Ocorrencia Policial; Laudo do lnstituto Medico Legal (IML); Certidio de Nascimento ou RG do segurado; CPF, RG dos responsaveis; Carta do Diretor ou Responsavel pelo clube, descrevendo o fato; Ficha de Cadastro do membro do clube; Relatorio do Evento. b) lnvalidez Permanente Total ou Parcial por Acidente (IPTA) Aviso de sinistro preenchido, assirlado pelo Diretor ou responsavel pelo Clube; 0 sinistro devera ser comunicado pelo (a) Diretor (a) do Clube em ate 20 dias (corridos) da data do acidente; Boletim de Ocorrencia Policial, quando houver necessidade; Laudo medico; Certid5o de Nasci~ner~to ou RG do segurado; CPF, RG dos responsaveis; Carta do Diretor ou Responsavel pelo Clube, descrevendo o fato;


Ficha de Cadastro do membro do Clube; Relatorio do Evento; A invalidez parcial e paga conforme tabela apresentado no item 8.b. c) DMHO - Despesas Medicas Aviso de sinistro preenchido, assinado pelo Diretor e responsavel; 0 sinistro devera ser comunicado pelo (a) Diretor (a) do Clube em ate 20 dias (corridos) da data do acidente; Laudo medico ou prontuario do primeiro atendimento, assinado e carimbado pelo medico; Notas fiscais ou recibos originais; Conta hospitalar; Para reembolso de medicac2o e exames, .anexar o receituario medico; 0 reembolso sera emitido em nome do segurado e sera pago via associaciol missio; Carta do Diretor ou Responsavel pelo Clube, descrevendo o fato; Ficha de Cadastro do membro do clube; Relatorio do Evento. d) Resgate e Remocio Aviso de sinistro preenct-lido,assinado pelo Diretor e responsavel; 0 sinistro devera ser comunicado pelo (a) Diretor (a) do Clube em ate 20 dias (corridos) da data do acidente; Laudo medico ou prontuario do primeiro atendimento, assinado e carimbado pelo medico; Notas fiscais ou recibos originais; Carta do Diretor descrevendo o fato; Ficha de Cadastro do Desbravador; Relatorio do Evento. e) Repatriacio Aviso de sirristro preenchido, assinado pelo Diretor e responsavel; 0 sinistro devera ser comunicado pelo (a) Diretor (a) do Clube em ate 20 dias (corridos) da data do acidente; Certid2o de Obito; Boletim de Ocorrencia; Laudo IML; Certidio de Nascimento ou RG do segurado; CPF, RG dos responsaveis; Carta do Diretor descrevendo o fato; Ficha de Cadastro do Desbravador; Relatorio do Evento. Pagamento do Sinistro a) Todos os pagamentos de sirbistro s2o por reembolso; b) 0 clube ou o segurado precisa dispor de fundos (dinheiro, cheque ou cartio de credito) para o pagamento das eventuais despesas e depois solicitar reembolso pelo process0 de sinistro. Exclus6es a) Suicidio; b) Doencas pre-existentes; c) Acidente aereo;

o c

C,

!

m '3 C

E


06

.olsn3 uJn uJal e p ! eu ~ euad e ale/\ anb o opnl anb se5 o lose3 alsaN .apep!lesuaur - u e p se JeJlsuouJap e ~ e daAJas ossl *03!loqu!s Jas amp e ~e~qo o!~essa3au 3 a 'alua~e3oynur ogj6a~eurn ura opezlle3ol e[alsa aqnl3 o a r ~ bepulv .e!JolaJ!p ep soJquraur so a~!snpu! 'apep!lesuaur e ~ e 6 e duraAap sopol.aqnl3 op soJquraur sop e~!a3ueuyapep!leaJ e uro3 op~o3e ap Jelsa amp epe~qo3apep!lesuaur v :apep!lesuaW -sopun4ap ogSepe3a~~e ap sey ued -ure3 ap a so!u!3o~led'efa~61ep o!p!sqns 'sapep!lesuaur ap sepun!Jo ogs aqnl3 op sepeJlua sv saqnp op uraes a ureJlua a r ~ bsos~n3a~ ap oluaur!Aour op ~ep!n3a aqnp op oJ!aJnosal op ogjunj (ed!3u!~d v

-0dure3 op eyelnosal e epu!e no ogss!~/og~e!3ossv ep saJopeAeJqsaa ap o!~?ls!u!l/\(JolaJ!a oe J ~ J J O as-apod ~ ~ J '~!ls!s~ad epu!e euralqo~do as 'lel!Jls!a ~olsedop epnfe e uro3 ep!AlosaJ Jas amp ogjenys e 'sos~n3a~ sop ogje~aqeleu apepln3y~peurn6le ejaluo3e ose3 .e[a~61ep oJ!aJnosalo uro3 oluaureuo!3ela~uroq urn equal aqnl3 op oJ!aJnosalo anb o!~essa3aua oss! ~ o ;,leDol d era161 ep e!JeJnosa$ elad ~esseda m p salopeiielqsaa ap aqnp op oJ!aDueug o$uau!r\ou opol,, ;,s!op ex!e3/! urn Jajueur aqnI3 o la~el!a3eu!3 iaqnl3 op o.qay u!p o uro3 ~ e 3 y~ o la~esuodsa~ d o ogu aqnl3 op oJ!aJnosal o '~a3a~ed essod anb lexope~edspur J O ~ .senp sep eurny uau u a q ~ euadurasap y ~!n6asuo3ogu oursaur no 'ope1 ap ellno e Jex!ap a eaJe eurn e exp pap as eossad e a ~a3aluo3eapod anb 0 .oy IeqeJl aluelseq urepueurap senp se 'suye seaq uraJas ap ~esadv.oJ!aJnosala o ! ~ e l a ~ ap ~ a0s 6 ~ o~ ~elnurn3e 3 opey lasuo3esap a ' o ~ e a ~e!p ura afoy oss! a 'odural aluelseq ap ey uods!p anb eossad eurn elas anb souaur v .oJ!ay u!p uro3 Jey IeqeJl e ~ e d sapep -!l!qey ey ual anb a efa~61ep salapy s!euap so uro3 oluaureuo!3ela~uroq ey ual anb 'la~esuodsa~ eos -sad euJn efas anb a aluel~odur!0 .sope!3ossv saJolaJ!a sop urn Jas no aqnl3 ou ogjunj elsa seuade ~ a ~ a 'aluaurle!3ua~aja~d xa lapod anb 'o~!a~nosal o a aqnl3 op sejueuy selad la~esuodsa~ 0 .epez!ue6~0a epeJnlnJlsa uraq e!JeJnosal eurn Jal leluaurepunj a aluaur -ep!Aap auopunj aqnl3 o anb wed loss! ~ o -le!3uassa d 9 oqay u!p o salap a l ~ e d Jo!eur ep ogj!s!nbe e eJed 'sos~n3a~ ap saluaJaj.!p sod!^ s o ! ~ Jal e ~o!~essa3au9 aqn13op e u r e ~ 6 o ~odJalueur wed

-0~n6asop e ~ n l ~ a q oe 3~ e dsepu?6!xa se Japuale ogu apod a 'aluappe ez!~al3e~e3 o ~ 'eur!3e u epe3ypadsa ogu ~ ! ~ U ? J J~O a n~bO l e n o(3 !sow3 so sopol ura aJlsauJ axlode elad ep!6a~ems ouns -aJ alsau epe3y!3adsa ogu e ~ n l ~ a q o~anbleno 3 .aqlode ep ournsaJ urn seuade a als3 (q !se~q!un/wuve uro3 aluaurelaJ!p no o g s s ! ~ / o g ~ e ! ~ eo uro3 ss~ oleluo3 ura JeJlua paAap aqnp o 'so~ls!u!sno ogjele~luo3aqos sepynp ap ose3 ur3 (e s!eJag sao5eur~o~ul aaqnp op sapep!A!pe se wed seuade uraAJas se~nl~aqo3 se 'lenuv o~n6aso equal ope~n6aso a r ~ boursaw (! !asvl ep soluaurel~edapsoJlno e ~ e d apualsa as ogu lenuv o~n6as0 (y iaqnp op sepez!Jolne sapep!A!le ura eralsa ogu anb epe~n6aseossad (6 !apepa!3os/aqnp op sa~eln6a~ soJquJaur urelas ogu anb seossad (4 iseqa3a~uro3 oursaur ' S ~ S ~ I O J seJlno ~ ~anbs!enba soin30 ap ogj!nl!lsqns uro3 sesadsaa (a ! ( a ~ l s a ~a~l ~a ol d s u eap ~ l leu ope^ epua6v) 1 1elad ~a o~y s u ~ap ~ leu l ope^ o6!p03 olad ope~uaureln6a~ ogu aJIsaJJa1 a ~ ~ o d s u(p e~l

5a c

E

P n

3. 2.

$ %

g n o

-nc


Todavia, o Clube ndo deve deixar nenhum juvenil de fora porque ele nao tem condiqbes de pagar. A direqdo deve encontrar patrocinadores ou padrinhos que "adotem" financeiramente o Desbravador e deixar bem claro para a crianqa que alguem que se interessa muito pelo seu bemestar esta custeando as suas despesas. OTesoureiro deve estipular clma data para a cobranqa da mensalidade, como, por exemplo, ate o dia 10 ou no segundo doming0 de cada mes. IVessa responsabilidade, o Tesoureiro do Clube deve ser auxiliado pelos Tesoureiros das Unidades. lsso facilitara a organizaqdo da tesouraria. Nada impede que o Tesoureiro faca acordos personalizados com os pais. Para manter o controle do dinheiro recebid0 deve haver uma planilha com o nome de cada membro do Clube (ver sugestao no anexo D). Se algum membro ndo acertar o valor da mensalidade na data estipulada, o Tesoureiro deve, com toda a delicadeza e educaqao, fazer a cobranqa. Deve ser tomado um cuidado muito especial para ndo deixar o Desbravador constrangido. E necessario esclarecer que se a familia estiver passando por problemas .hnanceiros, o Desbravador ou responsavel deve comunicar a situaqao para que, juntos, o problema possa ser resolvido. Novamente, deve-se enfatizar que ninguem deixara de participar do Clube por ndo poder pagar a mensalidade. deve ser feito em publico, mas particular. Este acordo em nenhuma t-~ipotese Subsidio da Igreja: A lgreja local deve, anualmente, determinar em Comissdo seu orqamento. Nesta oportunidade, deve decidir qua1 porcentagem das ofertas ira para cada departamento. Esse valor deve ser obedecido por ambas as partes, tanto pela tesouraria da lgreja quanto pelo Clube de Desbravadores. Ou seja, a lgreja deve fazer o repasse da verba para o caixa do Clube e o Clube ndo pode ficar pressionando a lgreja para obter uma verba maior se nao ha condiq6es para isso. Obs: Se porventura, a igreja local ndo fizer distribuiqdo orqamentaria, deve-se manter o controle e fidelidade das entradas referentes ao Clube de Desbravadores. Lembrando que ndo deve haver desvio de finalidade sem previo acordo entre diretoria do Clube e a comissdo da igreja. Patrocinios: 0 Clube pode obter patrocinios de membros da Igreja, pais de Desbravadores, amigos, empresarios, etc. A funqao de obter patrocinio deve ser de toda a direqdo, mas ca be ao Tesoc~reiroorganizar as estrategias para a obtenqao deste. Uma boa estrategia e listar todas as necessidades do Clube (exemplo: barracas, inscriqbes para eventos, equipamentos de cozinha, etc.), fazer um orqamento e pedir auxilio para a aquisiqdo de um daqueles itens especificamente. Assim, o patrocinador tera conhecimento das necessidades do Clube e sabera exatamente como seu dinheiro sera empregado ou, caso prefira, ele pode fazer a doaqdo daquele item. Campanhas para arrecada~iiode fundos: a organizaqdo dessas campanhas tambem e juntamente com a direcio do Clube. Todo o projeto deve responsabilidade do Tesoc~reiro estar de acordo com a filosofia da lgreja e do Clu be de Desbravadores. E importante ressaltar que todo dinheiro recebido, atraves de qualquer um dos meios acima, devera ser repassado ao Tesoureiro da Igreja, que deve fornecer um recibo.

3.6.2. FlLOSOFlA DO CLUBE DE DESBRAVADORES SOBRE VENDAS

0

.P

c

! *F m Ew 0

Visando dar uma orientaqdo apropriada para nossos Clubes e lgrejas no que concerne a vendas para obtenqdo de recursos, seguem orientacbes deixadas por Ellen G. White, de Arthur L. White (Secretario do PatrimBnio das Publicaqbes de Ellen White em 1957) e nos votos tornados pela lgreja quanto as vendas para a arrecadaqdo de recursos devem seguir as seguintes orientaqbes:

~m

h a ..E E

2


Para fins religiosos n2o se deve recorrer a venda de alimentos, festas ou algo parecido. lsto e sacrilegio, oferta manca que Deus n2o aceita e nem pode abencoar. No entanto, os escritos revelam que ha excecdes para alguns tipos de vendas (nunca para fins religiosos) que foram aprovados por ela. Estas excecdes est2o relacionadas com a obra medico-missionaria (a express20 obra medico-missionariae empregada por Ellen White para se referir a servicos profissionais de medicos e enfermeiros consagrados, e tambem a todos os atos de misericordia e desinteressada bondade). Esta excec2o tem base biblica. Levitico 22:17-22 enfatiza que o Senhor n2o aceita ofertas defeituosas para serem oferecidas sobre o altar. Contudo, no verso 23 do mesmo capitulo, os israelitas s2o lembrados de que poderiam trazer anirnais imperfeitos. 0 Comentario Biblico Adventista argumenta que estas dadivas eram destinadas aos pobres. Analisando as declarac6es de Ellen G. White, entende-se que ao desaconselhar as vendas ela demonstra duas preocupacdes principais: a) A realizac20 de atividades degradantes, incluindo glutonaria, dancas e festivais (Beneficencia Social, p. 289). Essa era a pratica de muitas igrejas protestantes da epoca que entendiam que o dizimo era pratica do Antigo Testamento findada na cruz el valiam-se destes meios aviltantes para manter suas atividades. b) A substituic20 do apelo a raz2o e corac2o pelo apelo ao estbrnago.

As ver~dasrealizadas pela igreja, se acontecerem, devem seguir os seguintes criterios:

w

4 b 0

u

0

.->

.w

2

.w

.C

a

a) Nunca para fins religiosos; b) Nunca no local de culto; C) Nunca de produtos que contrariem os principios adventistas do setimo dia (incluindo carne). Devem ter finalidade educativa e se transformar numa atividade ganhadora de almas. Sernpre que possivel, uma atraente exposic20 de livros e revistas devera ser feita em combinac20 com cada venda ao qua1 o publico e convidado. Folhetos e revistas devem ser entregues gratuitamente. Aulas sobre saude e de arte culinaria poder2o ser dirigidas por pessoas competentes. Por meio destas atividades, muitos contatos poder2o ser feitos com os que possivelmente nunca seriam alcanqados por uma serie de confersncias evangelisticas; d) Jamais com preqos exorbitantes; e ) Nunca devem ser feitos bingos, rifas, apostas, jogos ou qualquer outro metodo contrario aos principios da lgreja Adventista do Setimo Dia. f) Ao vender allmento, deve-se evitar cautelosamente a pratica usada, algumas vezes, por outras igrejas para apelar para a concupiscencia do apetite e para divertimentos carnais, a fim de influenciar o corac2o a empenhar-se em obras de beneficPrrcia. g) E legitima a venda de produtos preparados nos cursos e oficinas ministrados pela lgreja. h) No caso de artigos n2o alimentares, sempre deve ter-se cautela para que aquilo que foi doado para ser distribuido gratuitamente n2o seja vendido sem autorizaq20 do doador.

A pratica das vendas NUNCA deve tornar-se SUBSTITUTA do espirito de amor, solidariedade e desprendimento que caracterizam o viver cristzo. Por ultimo, e importante mencionar que as atividades desenvolvidas pelo Clube de Desbravadorestambem s2o de carater social, estando assim enquadradas dentro dos mesmos criterios descritos acima. Por esta raz20, a Diviszo Sul-Americana considera a pratica de vendas, seguindo-se as orientacdes acima, como ope20 de fonte de recursos para os Clubes.


3.6.3. DESPESAS As despesas d o Clube podem ser classificadas e m despesas regulares e ocasionais. As despesas regulares sao aquelas invariaveis ano apos ano e envolvem artigos d e papelaria, emblemas para investidura, materiais didaticos para ensino das Classes e Especialidades, decoraqao para as programaqbes especiais, seguro anual, despesas d e acampamentos e etc. Devem sempre constar n o orqamento anual. Deve haver u m equilibrio entre este t i p 0 d e despesa e as entradas regulares d o Clube. As despesas ocasionais s%oos gastos c o m equipamentos, como barracas, fogdo, bandeiras e inscriqbes para os eventos d o C a r r ~ p o l U n i d o l D i v i s ~por o ~ exemplo. Esse t i p 0 d e despesa geralmente e alto e tambem deve constar n o orqamento. Todavia, n e m sempre as entradas regulares d o Clube seriio suficientes para cobri-las. Para esse t i p 0 d e despesa e que se deve buscar os patrocinios e as campanhas de arrecadaqao d e fundos. Qualquer material o u serviqo adquirido, seja u m lapis o u u m freezer o u a contrataqao d e u m drribus, deve ter nota fiscal. Essa n2o e uma e x i g h c i a apenas d o Clube de Desbravadores, mas tamb e m uma exigPncia legal. 0 Tesoureiro d o Clube deve fazer uma copia das notas fiscais e deixa-las arquivadas na tesouraria d o Clube e entregar a original para o Tesoureiro da Igreja. Todas as compras e contrataqdo de serviqos devem ser feitas usando-se o CNPJ d o Campo local e nunca o CPF d o membro. 0 numero d o CNPJ a ser utilizado deve ser consultado na tesouraria d o Campo. Quando for necessario fazer alguma aquisiq%o, o Clube t e m duas formas de ter acesso ao dinheiro [do Clube] que esta n o caixa da Igreja. 0 responsavel pela compra paga c o m seu proprio da lgreja dinheiro e depois, mediante apresentaqao da nota fiscal, e reembolsado o u o Teso~~reiro repassa o valor para o responsavel que, apos fazer a compra, leva a nota fiscal ao Tesoureiro. Ambas as formas siio aceitaveis, mas devem ser combinadas previamente para evitar desentendimentos.

0 registro de entradas e saidas pode-ser feito atraves d e u m livro caixa, daqueles simples comprados e m papelarias, atraves d e planilhas eletrdnicas o u mesmo atraves d e sistemas online. 0 importante e que TODAS as entradas eTODAS as saidas devem estar registradas. No caso d e planilhas o u livro caixa, pode-se utilizar o modelo abaixo (cada mPs deve ser feito e m uma paginalplanilha separada): As copias das notas fiscais devem ficar arquivadas, organizadamente, mes a mPs.

DATA

ENTRADAS

1210312014

RS 200,OO

1510031214

HISTORICO

SA~DAS

Su bsidio da lgreja

Lona

R$ 30,OO

SALDO

d

RS 500,OO

c m

R$450,00

16 V1 m


DATA

I

-.

- r - -

ENTRADAS -

-

10/4/2014

.

R$300,00

,

-

- L L - -

12/4/2014 - --

i-

-

.L

.

--

I

17/4/2014 - .. .

--

--

-

-

.--

SALDO

- -. .- -

.

I

Mensalidades

R$200,00 -

-

SA~DAS

HISTORICO

.

-

-.--

I

.

---..

s

-

- - --.

1 Barracas.--.

,-L-

,

- - ,

----

- -

I . --

-

.

Desbravadores ---

-

--

-

-1

. .-

I

ll Lanche Dia dos -

-

RS 500.00-. --] -

R$400,00

.-.

Ornamentacio Dia dos Desbravadores

,I 20/4/2014 I!

.-

RS 900,OO

Subsidio da lgreja -- .

.

R$ 700.00

I

-.

1

R$ 150,OO J

R$250,00 .. , ,,

0 patrim6nio do Clube deve estar devidamente registrado e votado pela Comissio da lgreja local, anualmente, por varios motivos. 0 principal deles e para que, durante as mudarrcas de direcao, nada se perca! Mas outro motivo importante diz respeito ao seguro patrimonial da Igreja. Geralmente os equipamentos do Clube ficam guardados em uma sala no predio da Igreja. Se ocorrer um furto a Igreja, um dos documentos necessarios para que o seguro possa ressarcir o valor daquele bem e o registro de patrim6nio votado pela Comisszo da Igreja. Portanto, sempre que o Clube fizer aquisiczo de um bem de maior valor, a lCsta deve ser atualizada e passada na Comisszo, irrdeperrderrte do mes que isso ocorrer. 0 s dados basicos do registro patrimonial devem ser:

Nome do item Descriq50 Estado de conservac50 Valor estimado Data de aquisiczo ltens que nso tem valor comercial, como livro de atas, Ilvro de atos, trofeus, a1buns fotograficos e pastas de secretaria tambem devem estar llstados no patrim6nio. Neste caso, obviamente, nzo e necessario colocar o valor estimado.

3.7. REGIOES E DISTRITOS Para um acompanhamento personalizado aos Clubes e para garantir que todos estzo cumprindo o programa do Clube adequadamente, o Campo deve dividir o seu territorio geografico em regi6es e, em cada uma delas, determirrar urn Regional para ser o seu representante oficial. Quando a regizo for muito extensa para o Regional, o Campo pode dividi-la em uma regizo menor, um distrito, e determinar um Distrital para representa-la. 0 s Distritais estarzo sob supervisso do Regional que deverzo estar ligados em um elo de amizade e respeito. Um corrjunto de regi6es forma uma macroregizo e o Campo definira quais dos regionais daquela macroregizo coordenara os trabalhos. Essa coordenaczo deve ser rotativa, para que todos os regionais assumam os trabalhos por um period0 de tempo de, no minimo, um ano.


As macroregi6es1regi6es e distritos devem ser numerados de maneira fixa, de forma a padronizar a identificaqdo de cada um deles. Todas as atividades dos regionais e Distritais s2o coordenados diretamente pelo Diretor do Ministerio de Desbravadores da AssociaqdoIMissdo que pode ter como auxiliar um coordenador geral. A Comissdo Administrativa Regional e formada pelo Diretor do Ministerio de Desbravadores AssociaqdoIMissdo (presidente) e demais integrantes, Secretario da AssociaqdoIMissdo, coordenador geral, regionais e secretaria da AssociaqdoIMissdo.

3.7.1. REOUISITOS. ELEICAO E FUNCOES DO DlSTRlTAL Ao eleger os seus Distritais, o Campo deve adotar os seguintes criterios: a) Preferencialmente, ser investido em lider. b) Ter, pelo menos, tres anos de experiencia com Desbravadores, incluindo um ano de responsabilidade a nivel administrativo. c) Morar na area ou regi2o onde vai atuar. d) Ndo ter qualquer cargo ou funqdo no Clube de Desbravadores de sua Igreja. e) Estar pelo menos 02 finais de semana na igreja local. f) Ter uma carta de recomendaqdo da lgreja da qua1 e membro (anexo E).

Qualquer exceqdo as qualificaq6es acima deve ser aprovada pelos Diretores dos Clubes de Desbravadores da regido envolvida e pelo departamental do Ministerio de Desbravadores da AssociaqdoIMissdo. A eleiqdo obedece aos seguintes procedimentos: a) 0 tempo de atividades deve ser de dois anos, podendo ser reeleito. b) 0 pastor Distrital ira cons~~ltar as Comiss6es Executivas dos Clubes do distrito e far6 a indicaqdo dos candidatos a Comissdo Administrativa Regional. c) Com o nome dos candidatos, a Comissdo Administrativa Regional se reunira, com a presenqa do departamental, e elegera, dentre eles, o que mais se aproxima ao perfil desejado. d) 0 nome do Distrital sera submetido a Comissdo Diretiva da AssociaqdoIMissdo, para aprovaqdo. e) 0 Distrital, recem-eleito, ira assumir suas responsabilidades imediatamente apos a aprovaqdo da Mesa do Campo local.

Sdo funq6es do Distrital: Cumprir o plano de metas do Regional no seu distrito. 0 Distrital e um assessor direto do Regional. Ele foi eleito pelo Campo para representa-lo oficialmente naquele distrito, tendo como Coordenador o Regional. Assim, ele deve cumprir o plano de metas do Regional para o desenvolvimento do seu distrito e de toda a regido. Visitar todos os Clubes do seu distrito 6 vezes ao ano em media. Conferir o topico VISlTA AOS CLUBES, na seqdo 3.7.2 "Requisitos, eleiqdo e funq6es do Regional".

,O c

Ajudar os Clubes locais nas atividades, tais como Dia do Desbravador, acampamentos, atividades comunitarias, atividades missionarias, etc. As atividades comunitarias, missionarias, acampamentos e programaq6es especiais, conforme determina este Manual, sdo de funqdo do Clube. Assim, o Distrital elou Regional so participa caso seja convidado, seja para ministrar aulas, palestras, etc. ou apenas para acompanhar. lndependente disso, ele devem estar inteirado de todo o programa dos seus Clubes e sempre fazer a avaliaqdo de todas as atividades.

'g

w E m

f w

:,U1

2 .g .w

L

E

3


Realizar a avaliaqio final das Classes, Especialidades e admissio em lenqo quando solicitado pelo Regional. A funqio de avaliaqio das Classes, Especialidades e admissio em lenqo e, primariamente, do Regional. Porem, quando solicitado, o Distrital pode assumir a funcio. Conferir o topico AVALIACAO DE CLASSES, ESPECIALIDADES E ADMISSAO, na seqio 3.7.2 "Requisitos, eleiqio e funqdes do Regional': Trabalhar nas igrejas da regido que airlda ndo tern Clube e traqar uma estrategia para fundar novos Clubes. E funqio do Distrital n i o apenas dar suporte aos Clubes ja existentes no seu distrito, mas tambem criar estrategias para a fundacio de novos Clubes. Para isso, ele deve sempre visitar todas as lgrejas do distrito e estar em contato com o pastor Distrital, para saber das necessidades de cada urna. Deve, sempre que surgir a oporturridade, apresentar o Clube para elas el no momento oportuno, iniciar o procedimento de fundaqio, conforme especifica o capitulo 5.1 "Como fundar um Clube de Desbravadores". Promover e dirigir as atividades do distrito tais como acampamentos, eventos esportivos, cursos de treinamentos e reunides de lideres. Para envolver os Clubes do distrito e promover atividades para auxillar no desenvolvimento fisico, mental e espiritual dos Desbravadores, o Distrital pode promover e dirigir atividades Distritais, como acampamentos, atividades esportivas, cursos, reunides, etc. Em todos os casos, os eventos devem ser determinados no final do ano anterior e o planejamento deve ser votado pela Comissio da lgreja a qua1 faz parte. 0 seu calendario de atividades deve ser entregue a todos os Clubes no final do ano, para que eles possam montar o planejamento anual ja considerando todos os eventos Distritais. 0 Distrital deve convidar o Regional para todos os seus eventos. Promover a participaqso dos Clubes em atividades da comunidade, como desfiles e feiras. E furrqdo do Distrital envolver os seus Clubes com a comunidade. Atividades comunitarias e eventos civicos s2o otimas oportunidades de desenvolver relacionamentos com as autoridades locais. Nestes casos, o Distrital deve coordenar os Clubes na participaqio desses eventos. Promover e dirigir projetos missionarios em todo distrito. Tambem faz parte do plano de metas do Distrital a promoqio de eventos missionarios para o distrito. Para isso, deve estar em contato direto com o pastor Distrital, para que os projetos estejam de acordo com as necessidades da lgreja local. Ser um motivador dos Clubes do seu distrito. 0 s Clubes de Desbravadores, ao longo do ano, estio sujeitos a varios problemas, sejam sociais, firrarrceil*osou com membros da propria Igreja. Esses problemas, na maior parte das vezes, desanimam a direqio do Clube, o que pode prejudicar o desenvolvimento do programa oficial. 0 DistritalIRegional tem um papel muito importante nesse contexto, pois ele deve motivar o Clube a superar as dificuldades, encontrar soluqdes para vencer os desafios e, assim, continuar firmes com as atividades regulares. Ele deve sempre lembrar a direqio que o rninisterio e de Deus, entio e precis0 confiar inteiramente nEle para que Ele possa ajudar a solucionar os problemas. Participar em quaisquer outras atividades propostas pelos Diretores dos Clubes ou Regional. Sempre que solicitado pelos Clubes, pelo Regional ou Campo, o Distrital deve dar o devido suporte. Corlsiderando a hierarquia eclesiastica o Distrital deve trabalhar em harmonia com o pastor Distrital.


3.7.2. REQUISITOS. ELEICAO E FUNCOES DO REGIONAL Ao eleger os seus regionais, o Campo deve adotar os segl-~intescriterios: a) Ser investido em lider. b) Ter, pelo menos, cinco anos de experiencia com Desbravadores, incluindo tres anos de responsabilidade a nivel administrativo. c) Morar na area ou regiio onde vai atuar. d) N i o ter qualquer cargo ou funqio no Clube de Desbravadores de sua Igreja. e) Estar pelo menos 02 finais de semana na igreja local. f ) Ter uma carta de recomendaqio da lgreja da qua1 e membro (anexo E). Qualquer exceqio as qualificaq6es acima deve ser aprovada pelos Diretores dos Clubes de Desbravadores da regiio envolvida e pelo departamental do Ministerio De Desbravadores da Associaqio/Missio. A eleiqio obedece aos seguintes procedimentos: a) 0 tempo de atividades deve ser de dois anos, podendo ser reeleito. b) 0 pastor Distrital ira consultar as Comissdes Executivas dos Clubes da regiio e far6 a indicaqio dos candidatos a Comissio Administrativa Regional. C) Corn o nome dos candidatos, a Comissio Administrativa Regional se reunira, com a presenqa do departamental, e elegeri, dentre eles, o que mais se aproxima ao perfil desejado. d) 0 nome do Regional sera submetido a Comissio Diretiva da Associaqio/Missio, para aprovaqdo. e) 0 Regional, recem-eleito, ira assumir suas responsabilidadesimediatamente apos a aprovaqio da Mesa do Campo local. Sio funqdes do Regional: Estar disponivel para dar assistencia ao pastor local elou lideran~ado Clube, promovendo e apoiando as metas e programas locais, da Uniso, da Divisio e da Associa<io Geral. 0 Regional e um representante oficial da Associaqio/Missio para aquela regiio geografica. Assim, ele deve promover e apoiar todas as metas eclesiasticas da Igreja, sejam do Campo, Uniio, Divisio ou Associaqio Geral. Como lider, deve sempre estar a disposiqio da Igreja, para servi-la "aonde Deus mandart: Visitar todos os Clubes, 4 vezes ao ano em media, dando todo o suporte e treinamento para o correto funcionamento do programa do Clube. Conferir o topico VISITA AOS CLUBES. Participar das reunides da Comissio Administrativa Regional, bem como do programa geral dos Desbravadores. Essas reunibes devem ser realizadas, pelo menos, uma vez a cada tres meses. 0 Regional e membro ativo da Comissio Administrativa Regional, porC tanto, e automaticamente convocado para todas as suas reunides. Nestas, deve defender m os interesses dos seus Clubes e ser a ligaqio entre eles e o Campo Local. ' 7 C As reunides da Comissdo Administrativa Regional devem ser promovidas pelo Can-~po 2 P pelo menos uma vez a cada tres meses. w

;

Auxiliar o departamental nos eventos oficiais do Campo, como camporis, feiras, cursos de treinamento e todas as fungdes do Departamento relacionadas com os Desbravadores.Tambem e funqio da Comissio Administrativa Regional a promoqio de todos os eventos locais, como camporis, feiras, olimpiadas, congressos, treinamentos de diretoria, treinamentos para lideres, lideres master e lideres master avanqado, etc. Assim,

,g

3 C

m~

3 97


.s!e~olseral61 sep sapep!ssa~ause u o 3 o p ~ o ~ e ap ueralsa solarold so an b eled '(s!e)lel!~ls!a(sa)~olsed(s)o u o 3 olalep oleluo3 u a lelsa amp loss! eled .og!6a~e eled soyeuo!ss!u soluaAa ap og5ouold e 1euo!6auop selau ap oueld op ailed ze4 u a q u e l *og!6a~e epoj wa so!Jeuo!ss!w sojafo~d1!6!~!pa JaAowoJd -soluaAa sassap og5edp!gled eu saqnl3 so leuaploo3 amp 1euo!6auo 'sose~salsaN .s!eDol sapep!lolne se u o 3 soluaueuo!3ela~JaAloAuasap ap sapep!unl~odoseu!lo ogs SOD!A!D soluaAa a se!lel!u -nu03 sapep!A!gv -apep!unwoDe UJOD saqnl3 snas so JaAloAua leuo!6au op og5unj 3 *seJ -!a4 a salysap o w o 'apep!unwoD ~ ep sapep!A!pe wa saqnI3 sop oe5ed!xp~ede lanowold -s!euo!6a~ soluaAa so sopol opuelap!suoD er Ienue oluaueraueld o l e l u o u uessod sap anb eled 'oue op leu9 ou s!e:l!lls!a so sopol e an6allua las amp sapep!A!le ap oyepuale3 nas 0 -ayed ze4 lenb e era161 ep ogss!uo3 elad opelo/\ las amp oluaue[aueld o a lo!lalue oue op leu9 ou sopeu!ulalap las uaA -ap soluaAa so 'sose~so sopol u 3 -3ja 'sagunal 'sosln3 'se~!l~odsa sapep!A!je 'soluau - e d u e ~ eouo3 's!euo!6a~sapep!A!pe 1!6!~!pa l a ~ o u o l d apod 1euo!6auo 'sa~ope~e~qsaa sop ~enq~!dsa a Ieluau 'o~!s!4oluaul!AloAuasap ou le!l!xne eled sapep!A!le l a ~ o u o l da og!6al ep saqnl3 so JaAloAua eled *saJapjl ap saq!unaJ a sojuaweu!aJj ap sosJnD 'son -!j~odsasojuana 'sojuawedwe~eOUIOD s!ej og!6a~ep sapep!n!je se 1!6!~!pa JaAowoJd .s!el!lls!a soe eya~ledu a ley leqell amp 'ossa3old assa eled ;,salopeAelqsaa ap aqn(3 u n lepunj o u o ~ , ,1.5 olnqde3 o e3y~adsaaulojuo3 'ogJepun4 ap oluau!pa3o~d o le!D!u! 'ounl~odoo l u a u o u ou 'a sela eled aqnl3 o ~eluasalde'apep!l~nl -lodo e 461ns anb alduas ' a ~ a a-cum epe3 ap sapep!ssa~ausep laqes e ~ e d'(s!e)lel!~ls!a (sa)lolsed (s)o u o 3 ole~uo3u a lelsa a og!6al ep seral6l se sepol lel!s!A alduas amp ala loss! eled -saqnlD s o ~ o uap og5epun4 e eled se!6a~ellsaley3 u a q u e l seu 'og!6a~ens eu saluals!xa e C saqnl3 soe auodns lep seuade ogu 1euo!6auop ogJun4 3 -saqnlD sonou Jep -unj e ~ e d e!6a~e~~ ewn sa ~eSe~ aqnl3 3 U J ?oeu ~ epu!e anb o y 6 a ~ ep sefa~6! seu JeyleqeJl - o g s s ~ ~ / o g J e ~e~elnp!lsaAu! oss~ e ogu no JepuauoDal amp 'as!leue eso!la~!l3sode aluauos .elnp!gsaAu! e olep!pueD op ep!A ep Ie -n~!l!dsaopadse o les!leue 'oss!p e u p e 'a so!lolelal so sopol lelleAe aAaa .og!6al ens ep salapjg sop e5uelap!g ap sassel3 se sepo) ap o ~ u a u ! ~ d u n o3 ley u e d u o ~ amp e leuo!6au 0 *ope5uen~Jajsew Jap!1 a Jajsyyy Jap!g 'rap!l wa seJnp!jsaAu! se JepuawoDau -elnp!jsaAu!ap OJOA o lez!leal a seualqua sop e6allua e 4 6 y p '~e!xjoauloj!un o u o 3 lelsa aAaa -olnl!gsqns u n leauou apod 'le~a6lopeuaploo3 op og5ez!~olneu o 3 's!e!~adsasose3 u a seuade 'a sepol u a aluas - a d lelsa amp a13 -og!6al ens ep saqnl3 sop elnp!lsaAl,l! ap se!ugu!laD se J ~ ! ~ Lleuo!6au JO op lamp a 'sassel3 sep Ieuq og5e~o~de e sodv *eJnp!jsanu! ap se!ugw!JaD se JepyO

'oyss~wav3 s3avanv133ds3's3sstn3 3a oy3vnv~vo ~ ! d o ~ o J ! J ~ J U*oh.!al O ~ lua ogss!lupe a sapeplle!~adsj'sassel3 sep leug ogjeele~ee Jez!leau -sapep!A!gese sepol ap og5elle~e e laze4 alduas a saqnl3 snas sop euel6old o opol ap sopel!alu! lejsa u a m p sala 'oss!p aluapuadapu~.ley u e d u o ~ e eled seuade no -3la 'se~lsaled'seine lells!u!u eled eras 'sopep uefas ose3 u e d ! ~ ! l l e dos 1euo!6auno/a lel!lls!a o 'u!ssv -aqnlD op og5un4 ap ogs 'lenuew alsa eu!ulalap aulo4uo3 's!e!~adsasao5eue~6o~d a soluauedue3e 'se!lg?uo!s -s!u 'se!lel!unuo3 sapep!A!ge sv *Dja 'se!Jeuo!ss!w sapepyje 'se!~ej!unwo~ sapep!A!je 'so~ualuedluex'~opeAe~qsaa op e!a OUOD s!eJ'sapep!n!pe seu s!eDol saqnl3 so ~ e p n f v - o j s ! ~ aop ~ doquap uello3o soluaAa so anb eulo4 ap 'lela6 lopeuaploo3 op epu?js!sse uo3 'sol-e!3ua~a6a solquau snas sop u n epe3 e sao5un4 se ~e6alapamp leluawpl~edapo


Ter urn meio de comunicaqiio oficial corn os Clubes da regiiio. 0 Regional precisa maliter um meio de comunicaqio oficial com os Clubes e Distritais da regiio, seja por meio de cartas, email, grupo virtual, blog, jornal, etc., para mantP-10s informados das aqbes e projetos da regiio e/ou Campo, Uniio, Divisio. Ser urn motivador dos Clubes da sua regiiio. 0 s Clubes de Desbravadores, ao longo do ano, estao sujeitos a varios problemas, sejam sociais, financeiros ou com membros da propria Igreja. Esses problemas, na maior parte das vezes, desanimam a direqzo do Clube, o que pode prejudicar o desenvolvimento do programa oficial. 0 DistritaVRegional tem um papel muito importante nesse contexto, pois ele deve motivar o Clube a superar as dificuldades, encontrar soluqbes para vencer os desafios el assim, continuar firmes com as atividades regulares. Ele deve sempre lembrar a direqdo que o ministerio e de Deus, entio e precis0 confiar inteiramente nEle para que Ele possa ajudar a solucionar os problemas. Participar em quaisquer outras athiidades propostas pelos Diretores dos Clu bes da regiiio. Sempre que solicitado pelos Clubes, pelo coordenador geral ou Campo, o Regional deve dar o devido suporte. Considerando a hierarquia eclesiastica o Regional deve trabalhar em harmonia corn o pastor Distrital.

VlSlTA AOS CLUBES A visita aos Clubes e uma das principais funqbes do DistritaVRegional. E atraves dela que e possivel conferir se os Clubes estio adotando corretamente o programa oficial dos Desbravadores, conforme estabelece este manual. 0 s Distritais, por estarem em uma regiio geografica menor, devem visitar seus Clubes, em media seis vezes ao ano, ao passo que os regionais devem visitar quatro vezes em media. A data de todas as visitas deve estar no planejamento anual de cada um, devidamente aprovado pela Comissio da lgreja em que e membro. Eles devem enviar lembretes aos Diretores, pelo menos uma semana antes, para informar sobre a visita, para que todos estejam preparados. No caso dos Distritais, em tres dessas visitas, ele deve realizar o diagnostico do Clube, conforme formulario anexo (formulario C). 0 objetivo desse formulario e direcionar a visita do Distrital/Regional, de forma que eles observem todos os topicos de funcionamento do Clube. 0 seu preenct-~imento deve ser feito em duas vias, para que o Clube tenha acesso as observaqbes levantadas e possa trabalhar nelas para solucionar os devidos problemas. Ao final do seu preenchimento, o DistritaVRegional deve recolher as observaqbes dos Conselheiros, Diretores Associados e Diretor el apos, fazer as suas observaqbes. Em seguida, assinam, juntamente com o Diretor, e marcam a data da proxima visita, conforme planejamento anual. 0 Distrital deve relatar ao Regional o diagn6stico do Clube, para que juntos possam formular aqbes para solucionar os possiveis problemas. Em seguida, o Distrital deve se reunir com a Comissio Regular do Clube para detalhar os pontos observados e propor as aqbes para a soluqiio dos pontos falhos, que serio reavaliados na reuniio seguinte. No caso dos regionais, o diagnostico do Clube deve ser realizado em duas das suas visitas, seguido o mesmo procedimento que o Distrital, porem, ele mesmo rellne a Comissio Regular do Clube para o detalhamento dos pontos observados e propbe as soluqbes dos possiveis problemas, que serio reavaliados na reuniio seguinte. Alem de realizar o diagnostic0 do Clube, os Distritais/regionais devem dar aos Clubes o suporte solicitado (previamente combinado), como instruqio de requisites de Classes e Especialidades, Ordem Unida, pioneirismo, treinamentos especificos, etc.

2 6 E

m w

c,

h

CYI

tm

$:g E B 99


AVALIACAO DE CLASSES, ESPECIALIDADES E ADMISSAO funqdo privativa dos regionais, e dos Distritais quando por eles autorizados, avaliar o cumprimento das Classes, Especialidades e requisitos para a admissio em lenqo e aprovar o recebimento dos devidos emblemas. 0 principal objetivo desta avaliaqio e conferir se os Desbravadores cumpriram corretamente todos os requisitos. Assim, primeirarnente, as perguntas devem ser objetivas, por exemplo: "voce leu o livro?","voc6 participou desse projeto?': Em caso afirmativo, o DistritalIRegional deve conferir a que qualidade do cumprimento do requisito, perguntando, por exemplo:"qual a historia do livro?","~ voce fez nesse projeto?".Em caso de itens praticos, como, por exemplo, coleqio de folhas de arvores, sementes, nos e amarras, deve solicitar a sua apresentaqio. 0 s Desbravadores so podem ser aprovados e receber a insignia se TODOS OS REQUlSlTOS foram devidamente cumpridos. Esse e um momento que exige bastante delicadeza. 0 DistritalIRegional deve tomar todo o cuidado possivel para que os Desbravadores n i o associem o momento da avaliaqio a algo ruim. Devem sempre tratar todos com muito carinho e respeito el acima de tudo, entender as diliculdades e desafios de cada um. Para isso, a avaliaqio deve ser feita com a presenqa do Diretor do Clube e do lnstrutor do Desbravador, de forma que o Desbravador se sirlta mais confortavel. 0 DistritalIRegional deve sempre ter em mente que a avaliaqio faz parte do process0 educativo, ou seja, ela deve acrescentar conhecimento ao Desbravador e n i o ser apenas um metodo inquisitivo. As avaICaq6es devem ser reallzadas com, pelo menos, tres semanas de antecedencia da cerim6nia de i~ivestidura/recebimer~to/admissio, para que haja tempo habil aos Desbravadores para corrigirem os possiveis detalhes. SOLUCIONANDO CONFLITOS

In

g

; > 2

n

~n

d w

u w n a u 0 u

0

> .+' 2 +' .-Icn .-

Como todo ICder, o DistritalIRegional esta sujeito a enfrentar conflitos com os seus liderados. Muitas vezes, a direqio do Clube n i o esta cumprindo corretamente o programa, como Classes e Especialidades, por exemplo, ou n i o permite ao DistritalIRegional realizar o seu trabalho. Nestes casos, o DistritalIRegionaldeve tomar como base o conselho de Jesus em Mateus 18:1517: "Se o seu irmdo pecar contra vocg, va e, a sos com ele, mostre-lhe o erro. Se ele o ouvir, voce ganhou seu irmiro. Mas se ele niro o ouvir, leve consigo mais u m ou dois outros, de mod0 que 'qualquer acusaqdo seja confirmada pelo depoimento de duas ou tres testemunhas: Se ele se recusar a ouvi-los, conte a igreja; e se ele se recusar a ouvir tambPm a igreja, trate-o como pagiro o u publicano:' Assim, aplicando-se a regra do grande Lider Jesus, seguem algul-nas orientaqees: 1. ldentificar as pessoas envolvidas, e havendo possibilidade tratar o conflito de forma particular. 2. Caso o problema n i o seja resolvido particularmente, o Regional deve corlvocar o mais breve possivel uma reuniio com a Comissio Executiva do Clube. No caso dos Distritais, o Regional tam bem deve estar presente. 3. lnicie sempre a reuniio com uma oraqio, pedindo a orientaqio de Deus para o que for discutido e que todos os problemas sejam resolvidos. 4. Na reuniio, explique que um problema foi observado e peqa para que a diretoria do Clube

a

se manifeste primeiro. 5. Todos devem ter a oportunidade de se manifestar, sem interrupq6es. 0 DistritalIRegionalso deve fazer as suas consideracees no final da reuniio. 6. Anote todos os pontos levantados.

2

7. Apos a manifestaqio de todos, confira se ha mais algum ponto a ser levantado.

E

2m

C


8. Em seguida, discuta com eles cada ponto; de forma a solucionar os problemas. 9. Caso tenha errado em um ou mais pontos, seja humilde, peqa desculpas e se comprometa a n i o comete-lo(s) novamente. 10. Antes de cada resposta, reflita na seguinte pergunta: "o que Jesus faria no meu lugar?". 11. Tenha sempre em mente que o ministerio do Clube de Desbravadores e de Deus e Ele espera que a sua obra seja feita com muito zelo e dedicacio.

0 ideal e encerrar a reuniio com todos os conflitos solucionados. Caso isso n i o seja possivel, o DistritalIRegional deve convocar nova reuniio, porem, com a presenqa do pastor Distrital e de outro lider que seja neutro ao problema (e que n i o seja membro de nenhum dos Clubes da regiio), de preferencia o coordenador da macrorregiio ou o coordenador geral. Neste caso, deixe o pastor conduzir a reuniio. Caso o problema n3o seja solucionado, ele deve ser levado a Comissio da Igreja, com a presenca da diretoria do Clube e do pastor Distrital. Como presidente da Comissio da lgreja e maior lider eclesiastico, e o pastor Distrital quem deve conduzir a reuniio el ao final, a Comissio deve propor a soluqio ao conflito. Em todos os casos, o DistritalIRegional deve sempre manter o Diretor do Ministerio de Desbravadores (AssociaqioIMissio) informado do que esta acontecendo.

3.7.3. REQUISITOS. E L E I ~ A OE

FUNGOES

DO

COORDENADOR GERAL Esta funqio esta sob a lideranca do departamental de campo. Ao nomear o seu coordenador geral, o Campo deve adotar os seguintes criterios: a) Ser investido em lider master. b) Ter, pelo menos, cinco anos de experiencia como Distrital elou Regional. c) N i o ter qualquer cargo ou funqio no Clube de Desbravadores de sua Igreja. d) Ter uma carta de recomendaqio da lgreja da qua1 e membro (anexo E). Qualquer excecio as qualificaqees acima deve ser aprovada pela Comissio Administrativa Regional. A nomeacio obedece aos seguintes procedimentos: a) 0 tempo de atividades deve ser de dois anos, podendo ser reeleito. b) A indicaqio do coordenador deve ser feita exclusivamente pelo Diretor do Ministerio de Desbravadores da AssociaqioIMissio. C) 0 nome do coordenador geral sera submetido a Comissio Diretiva da Associa~ioIMissio, para aprovac20. d) 0 coordenador geral, recem-eleito, ira assumir suas responsabilidades imediatamente apos a aprovacio da Mesa do Campo local.

o

4J

Sio funqees do coordenador geral: Coordenar, subordinado ao Diretor do Ministerio de Desbravadores da Associaqiol Missio, o trabalho de todos os regionais e Distritais. 0 coordenador geral deve gerenciar todo o trabalho dos regionais e Distritais do Campo, oferecendo treinamento e suporte sempre que necessario.Tambem deve, em conjunto com o departamental, criar coordenacdes funcionais no campo, conforme item ADMIWISTRACAOFUNCIONAL DOS REGIONAIS. Estar disponivel para dar assistsncia a qualquer Clube de Desbravadoresdo Campo que esteja sem distrital ou Regional. E funcso do coordenador geral dar o suporte aos Clubes que, porventura, estejam sem DistritalIRegional ate que o Campo nomeie um substituto.

C

w

E

-3 C

E :,

X

C

-s 3 a

101


-3la'ope5ue~elalseu salapjl a lalseu salapy 'salapjl eled soluaueu!all 'e!~ola~!p ap soluaueu!all 'sossa~6uo~ 'sepe!du!lo 'sel!aj 's!~odue3our03 lodue3 op soluaAa so sopol ~euap~oo3 a l a ~ o u o l lod d la~esuodsala og5euaploo3 v:so~uaLu!pa~o~d ap 0 ~ 5 e u a p ~ o o D .eue3!lauv-ln~ ogs!~!aep salopeAelqsaa ap o!~als!u!yyop egosol9 e s a p ~a3alel~o4 e euloj ap 'salapjl sop lenl!~!dsaa leluau 'o~!s!joluau!AloAuasap o eled sapepyge lez!ue6lo a l a ~ o u o l damp salapjl ap og5euap~oo3e 'sag5~1n4 sessap u a l v .selnp!gsaAu! sep og5ep!le~a~ ap oluau!pa3o~dop ogJe!le~ee apep!l!qesuodsal ens ap a u a q u e l .opez!lenle 01-gueu a salapy sop le.1a6ollsepe3 uln ley3 aAaa .se.lnp!g -saAu! sep og5e~o~de elad a so~ep!pue~ sop og5e!le~eelad la~esuodsa~ a u a q u e l 'u!ssv .sos.~n~ sop apep!lenb e lalueu eled 'sa~olnllsul leqxde3 a leu!all og5unj ens a uaquel'eue3!~auv-ln~ ogs!~!aelad epeu!ulalap leln3!~ -1n3 ape16 e qn6as amp sosln~sop opnaluo~0 -salolnllsul a so~!aylasuo3'so!~ela.nas 'sag~!de~ ap sos~n3so ua~ez!ue6~o e s!euo!6a~so lepnre amp uaquel'ope5ue~eJalseu lapy eled osln3 a lalseu lap!l eled osln3 'eSue~ap!(eled osln3 '(ope5ue~ea o~!seqp ! u ) e!lolal!p ap oluaueu!all ap osln3 :odu~e3op apep~l!qesuodsalap soluaueu!all so sop -03 lez!ue6lo amp oluaueu!all ap og5euaploo3 v :oJuaLueu!all ap o g 5 e u a p ~ o o ~ :ogs s!edpuyd se a 0due3 op sapep!ssa~ausep uapuadap s!euo!~unj sao5euap~oo~ sv .eale ens eu u n epe3 ap sapep!l!qey a solualel 'suop s!ed!3u!~dso leya~oldea o~!la[qo0 -sapep!ssa3ausens se au~ojuo3 lodue3 o eled s!euo!3unj sao5euap~oo3~ez!ue6loapod leluauelled -ap o 'eu!3e sel!.nsap lela6 ~opeuaploo3a s!euo!6a~'s!el!lls!a sop se3tpadsa sao5un4 sep ualv

*lej!l3s!a l o ~ s e d o UJOD e!u -oLuley Lua leyleqel3 a m p l e ~ a 6 JopeuaplooD o eD!pse!sapa e ! n b ~ e ~ ae! yopuelap!suoD -o!lessa~au oluaueu!all a allodns o opol la3a~ajoamp lopeuaploo3 o a 1e3olleuo!6au/lel!~ls!ao u 0 3 O ~ U ~ [uU aO opez!leal ~ las amp oyleqell o opol -sol!~ls!pno/a sag6al ual!unsse eled salapjl s o ~ o uap og5eu~o4e a lela6 lopeuap~oo3op sao5unj s!edpuyd sep eun *so~!l~s!p a sacy6al seAou Lual!Lunsse e ~ e dsaJap!l s o ~ o uap 0~5eLulojeu leyleqell .ols!~a~ op d olluap u e ~ ~ o soluaAa 3o so anb eu~o4 ap 'lela6 ~opeuap.1003 op e!3ugs!s -se u 0 3 'sol-y!3ua~a6a solquau snas sop u n epe3 e sag5unj se ~e6alapamp leluauel -ledap o 'u!ssv -3la 'ope5ue~elalseu salapy a lalseu salapjl 'sa~ap!leled soluaweu!all 'e!lola~!pap soluaueu!all 'sossa~6uo3'sepe!dullo 'sel!aj 's!~odue30 u 0 3 's!e3ol soluaAa so sopol ap og50uo~de 1euo!6aueA!lells!u!upv ogss!uo3 ep og5unj 3 -saJopeAelqsaa so MOD sepeuopelal o ~ u a l u e ~ l e d aop a s a ~ 5 u n jse sepo3 a oJuaLueu!alj ap soslnD 'seqaj 's!~odLue~ OUIOD lodue3 op s!e!Dyo so3uaAa sou l e ~ u a u e ~ ~ e doa le!l!xnv p

-sasaur s+l e p e ~ e zaA eun 'souau olad 'ogss!uo3 e l!unal aAap odue3 0 .el-euap~oo3 'leluawelledap o uo3 aluauelun[ 'amp a leuo!6au eA!pells!u!upv ogss!uo3 ep leln6al o l q u a u a lela6 lopeuaploo3 0 .sasau s + ~epe3 e zaA eun 'souau olad 'sepez!lea~las LuaAap saqunal sess3 *leuo!6au eA!gel3s!u!Lupt/ ogss!luo~ep sayunal sep led!D!pled ;llepueu snaa apuoe,, el-!Alas eled 'era~61ep ogS!sodslp e lelsa a~duasamp 'lapjl ouo3 'IelaE) og5~!30ssvno ogs!~!a'og!un lodue3 op ueras 'era~61ep se3!lse!sapa selau se sepol ~e!odea JaAou -old amp ala 'u!ssv - 0 ~ ~ ~ e ~ o!lol!llal 6 o a 6 nas o opol e~edogss!l/y/og5e!3ossv ep lep -90 alueluasa~da~ u n a lela6 lopeuaploo3 0 -1elaD og5e!~ossvep a ogs!A!a ep logun ep 's!eDol s e ~ u e ~ 6 oa~se3aLu d se o d l u e ~op saqnlD so sop03 Lua ~ e ! o d ea JaAoLuold


A Coordenaqio e responsavel por toda a produqao de materiais para o Campo, seja de Classes, Especialidades, atividades campestres, cursos, etc. No caso do material para cursos, deve trabalhar em conjunto com a Coordenaqio de Treinamento. Tambem e responsavel pela definiqio de procedimentos, quando estes couberem ao campo. A publicaqao de materiais para Classes e Especialidades esta sujeita a analise e aprovaqao da Divisao Sul-Americana. Ao publicar os materiais, a Coordenaqio de Materiais e Procedimentos deve conferir se n i o esta entrando em funqbes privativas da Divisio Sul-Americana. ACoordenaqioe responsavel porgerenciaras midias sociais do Ministeriode Desbravadores do Campo e mante-las sempre atualizadas. Tambem deve desenvolver estrategias digitais para que "a mensagem do advent0 a todo o mundo em minha geraqio" seja tambem atraves da internet. Estas duas Coordenaqbes estio sob supervisio do Diretor do Ministerio de Desbravadores. Elas devem ser instituidas pelo Campo el se necessario, devem ser por ele extintas. Cada Coordenaqio deve ter um lider, que sera nomeado pelo Diretor do Ministerio de Desbravadores dentre os regionais/Distritais e ele (coordenador) devera montar a sua equipe. Em casos especiais, lideres que n i o sejam Distritais/regionais podem participar das Coordenaqbes, mas e necessaria uma aprovaqio do Diretor do Ministerio de Desbravadores.

,--

3.8.CAMPOS E UNIOES

1

0 s Campos eas Unibes sao os orgaos maximos da administraqio do Clube de Desbravadoresem seus respectivos territorios geograficos. Em cada nivel, se n i o houver um departamental especifico do Ministerio de Desbravadores, o departamental do Ministerio Jovem e o lider dos Desbravadores.

E funqio da Associaqio/Missio: Aprovar e oficiar a investid~~ra de lideres; Criar, macroregibes, regibes e distritos de forma a atender as necessidades locais; Presidir a Comissio Administrativa Regional; Nomear os Distritais, regionais e coordenador geral apos aprovaqio pela Mesa Diretiva do Campo; Coordenar e atribuir funqbes, quando necessarios, aos membros da Comissio Administrativa Regional, de forma a aproveitar as habilidades individuais de cada um; Desenvolver treinamentos para os Distritais, regionais e coordenador geral; Promover, anualmente, todos os cursos de treinamento exigidos nos curriculos das Classes de lideranqa; Realizar, a cada dois anos, pelo menos um campori de Desbravadores; Desenvolver estrategias, juntamente com a Comissio Administrativa Regional, para o crescimento e fortalecimento dos Clubes; Desenvolver projetos, estrategias e eventos de forma a incentivar os Clubes a cumprirem adequadamente o programa do Clube; Desenvolver manuais e submete-10s a aprovaqao da Divisio Sul-Americana para o suporte aos Clubes locais; Manter um meio oficial e atualizado de comunicaqio com todos os diretores de Clube. Sio funqbes das Unibes: a

Aprovar e oficiar a investidura de lideres master; Desenvolver treinamentos para os departamentais de Campo, de forma a manter todos

3 7

C

w

-3 c

m

h w

0

'8

mL ..w

.-CUI E

3 103


padror~izadoscom as determinaqbes da Divisio; Realizar, a cada cinco ou seis anos, um campori de Desbravadores; Desenvolver estrategias, juntamente com os Campos, para o crescimento e fortalecimento dos Clubes; Desenvolver projetos, estrategias e eventos de forma a incentivar os Clubes a cumprirem adequadamente o programa oficial; Desenvolver manuais e submetP-10s a aprovaqio da Divisio Sul-Americana para o suporte aos Campos locais; Manter um rneio oficial e atualizado de comunicaqio com todos os Departamentais e Associados de Campos. E vetado aos Campos e Unibes: Substituir, suprimir ou adaptar qualquer requisito de Classes elou Especialidades; Publicar materiais oficiais que tratem sobre administraqio, Classes, Especialidades, uniforme e Ordem Ur~idasem a previa autorizaqio da Divisso Sul-Americana; Modificar o curriculo elou carga horaria dos cursos de treinamento; Criar e conferir distintivos honrosos sem a previa autorizaqio da Divisio Sul-Americana; Criar formas alternativas ao cumprimento das Classes elou Especialidades. Modificar, suprimir ou acrescentar qualquer parte do uniforme oficial e suas insignias.

3.9.DIVISAO

,

A Divisio Sul-Americana e o orgio maximo da administraqio do Clube de Desbravadores em oito paises da America do Sul: Argentina, Bolivia, Brasil, Chile, Equador, Paraguai, Peru e Uruguai. 0 departamental do Ministerio de Desbravadores e o lfder dos Desbravadores. Sio funqbes privativas da Divisio Sul-Americana, em acordo com a Associaqio Geral:

~n

u m > 2' n In

d w

u w n 3 b o u

.-B h .r

.-In

-E E

u

a 3

c

2 104

Aprovar e oficiar a investidura de lideres master avanqado; Revisar e reformular o Manual Administrativo; Revisar e reformular o Manual de Especialldades; Revisar e reformular o curricula das Classes Regulares, Avanqadas e de Lideranqa; Revisar e reformular o Regulamento de Uniforrnes do Ministerio de Desbravadores; Definir o curricula dos cursos de treinamento, em todos os niveis; Criar e outorgar distintivos honrosos; Elaborar anualmente as guias de ano bibllco e os estudos para as classes biblicas; Realizar, a cada 10 anos, um campori de Desbravadores; Aprovar materiais que tratem sobre administraqao, Classes, Especialidades, uniforme e Ordem Unida; Editar e publicar as Notas Expllcativas e as Orientaqbes do Ministerio de Desbravadores. As Notas Explicativas (NE) sio um veiculo oficial da Divisio Sul-Americana para a soluqio de casos omissos elou duvidas em quaisquer areas do Clube de Desbravadores. As Orientaqbes do Ministerio de Desbravadores (OMD) sio um veiculo oficial da Divisio SulAmericana para a regulamentaqlo de procedirnentos oficiais. Ambas serio nurneradas de maneira continua, sucedidas pelo ano que foram publicadas. Seu conteudo tem efeito normativo, ou seja, deve ser seguido por todos os Desbravadores e lideres no territorio.


Um Clube de Desbravadores saudavel e sustentado pelos seguintes pilares: classes, Especialidades, Cantinho da Unidade, Ordem Unida, Civismo, atividades espirituais e comunitarias e atividades campestres. Cada um deles e de extrema importdncia e devem estar vinculados e em perfeito equilibrio. 0 programa do Clube e fixo, ou seja, essas atividades devem funcionar plenamente em todos os Clubes, independentemente das preferencias pessoais dos mem bros da dires2o. Nen hum desses pilares pode ser negligenciado, sob pena de enfraquecer o Clube e prover uma formas20 deficitaria aos Desbravadores.

-- - - - - .

- -

-

--

- -

.

. --

.

-

4.1. CLASSES -

--

-

- - - -

3

= - - - - -

. - .

Todas essas atividades estio sintetizadas no programa das classes regulares e Classes Avanqadas, pois dentre os requisitos propostos em cada uma delas ha o desenvolvimento de atividades espirituais, sociais, comunitarias, aprendizado de Especialidades, organizaqio e lideranqa, estudo da natureza, arte de acampar, dentre outras. In

59 2 n

D

n w

w 3

0

w

.+' +' 2 .-111C

.E u < m

3

c

i 106

"As crianqas devem ser treinadaspara se tornarem missionarias; devem serajudadas a compreender o que devem fazer para serem salvasr (Ellen White, Conselhos aos Pais, Professores e Estudantes, p. 168). E a me1hor prepa raqio 4 o "desenvolvimentoharmonioso das forqas fisicas, mentais e espirituais. Ele prepara o estudante para a alegria de servir neste mundo, e para a suprema alegria do mais amplo serviqo no mundo por vir: (Ellen White, Educaqio, p. 13).

Tudo isso ajuda a juventude a encontrar verdadeira felicidade em testernunhar e se tornar membro do grande exercito dos Jovens Adventistas, cujos talentos e energia sio dedicados a Cristo. Eles serio aqueles cujas mios estdo prontas para contornar qualquer emergencia e transforma-la em oportunidade de glorificar o grande Lider. Existem 12 Classes para os Desbravadores, agrupadas em regulares e avanqadas, da seguinte rnaneira: Classes Regulares: Amigo (10 anos - azul), Companheiro (11 anos -vermelho), Pesquisador (12 anos - verde), Pioneiro (13 anos - cinza), Excursionista (14 anos - roxo) e Guia (15 anos - amarelo). Classes Avanqadas: Amigo da Natureza, Companheiro de Excursionismo, Pesquisador de Campo e Bosque, Pioneiro de Novas Fronteiras, Excursionista na Mata e Guia de Exploraqio (seguindo a idade da Classe Regular correspondente).


-

--- -

-

m

-

-- ----

- - - m e

Pesquisador de Campo e Bosque 11 12 anos

. .-.

.

--.

3-

Pioneiro de Novas Fronteiras --

'

-

.-

-

_.

13anos

1--Cinza

-*

Excursionista na Mata -- - --

-- --

Guia de Exploraqio

de Classe

- - IRegular Verde

15 anos

Amarelo

Insignia de Classe Avanqada

Cada Classe foi planejada e preparada para uma faixa etaria, levando-se em conta o grau de desenvolvimento fisico, intelectual e espiritual do juvenil. Assim tem-se, em sintese: Amigo e Amigo da Natureza: Jesus no Antigo Testamento, testemunho, principios de salide, trabalho para Deus. Companheiro e Companheiro de Excursionismo: Jesus no Novo Testamento, males do cigarro e outras drogas, testemunho, o que Deus espera deles. Pesquisador e Pesquisador de Campo e Bosque: Jesus nos evangelhos, prevenir o uso de alcool e drogas, testemunho, o que podem fazer para Deus. Pioneiro e Pioneiro de Novas Fronteiras: Relacionamentocom Jesus, criacionismo, mente e corpo de Deus, fazer sua parte no trabalho de Deus. Excursionistae Excursionista na Mata: doutrinas (sabado, Espirito Santo e volta de Jesus), voto de abstinencia (cigarro, alcool e drogas), forte envolvimento com a natureza, como ser util a sociedade. Guia e Guia de Exploraqio: doutrinas (santuario, mordomia, discipulado); ser temperante; cada um tem dons, talentos e habilidades dados por Deus; desenvolver habilidades de lideranca. 0 s membros que n i o concluiram as Classes Regulares e Avancadas com a idade respectiva, poderio optar por conquistar as Classes atraves do cartio de Classes Agrupadas. Classes Agrupadas: Sistema de conclusio de Classes por idade, para facilitar e ajudar os Desbravadores que iniciam no clu be depois dos 10 anos e que desejam completar as Classes anteriores, (vide nota ao final a pagina). Este sistema nada mais e do que a juncio de todos cartdes de acordo com o programa ja existente. As Classes estao distribuidas por coluna e por idade, da seguinte maneira: 1. Desbravadores com a idade de 11 anos = Classes de Amigo e Companheiro 2. Desbravadorescom a idade de 12 anos = Classes de Amigo a Pesquisador 3. Desbravadores com a idade de 13 anos = Classes de Amigo a Pioneiro 4. Desbravadores com a idade de 14 anos = Classes de Amigo a Excursionista 5. Desbravadores com a idade maior ou igual a 15 anos = Classes de amigo a guia Portanto, o Desbravadorcom 16 anos ou mais, que deseja ser investido em todas as Classes, devera cumprir os requisitos correspondentes a coluna de 21 5 anos, Ao final do cartio de Classes Agrupadas, estio inseridas todas as Classes Avancadas de acordo com a idade respectiva da coluna. Atendendo tambem aos aspirantes a I-ider Master, que precisario obter todas as Classes Avancadas. NOTA -Tempo para completar os requisitos: 11 anos (minimo 6 meses, maximo 1 ano e 6 meses), 12 anos (minimo 8 meses, maxim0 1 ano e 6 meses),l3 anos (minimo 1 ano, maximo 2 anos), 14 anos (minimo 1 ano, maximo 2 anos), 15 anos ou mais (minimo 2 anos, maximo 3 anos).


L

-uodsal e l!ulnsse ~ o ~ n ~ )op s uog5unj l 'og5n~lsu!e nap anb OPPP!AUOD u n no ala opuas 'u!ssv !Z -sopeu!suaueras 2 3 sol!s!nba~so sopol anb i!gue,~e6~ o la~esuodsal d o a ala seu '01-azej eled uan6le e i!pad apod ala 2. alua!uaAuoD ~ e y anb ~ ealdua~ .sol!s!nbal so sop03 ap og5n~)su!e lep espald ala a~uaue!~essa~aum, 7 ogu anb opuas 'exj!~adsaassel3 eun ~ o la~esuodsa~ d las a lolnllsul op oyleqell o lela6 ur3 % g' .salolallp sop e5ue~ap!le qos alduas ' u a ~ o d'e!~uapuadapu!~ o ! e u ~o leyleqell ~ uessod anb sepel.ll!qey a sep!gsaAu! seossad ueyual as 8 anb ale 'sassel3 sep eue~60ldo opol ~euo!s!nladnsap l a m p o u a l 'ogss!uo~ewn lod oqala op!s la1~ o anb d 'lo$al!a o 'eossad ejsa opuaAey o g . ~ o p ! n l ~ u oey ~ ual e er anb uan61e ~ o epelua!lo d las elamp assel3 e 'op!lsaAu! lap!i u n opuas o g .lap!i ~ ap e ale assel3 ~anblenbleu!sse ap e ~ ! l e 6 o ~ - l a d euald ep elezo6 ala 'u!ssv .op!~sa~u! l a p j i u n eras assel3 ap ~ o l n ~ l seupl e ~ anb leap! 0 m D VI .oyIeqeJj nas o lelleAe a allodns lep 'ley u e d u o ~ e lod s!a~esuodsa~ so ogs sope!~ossvsalojal!a so .sope!~ossvsalolallp a so~!ay lasuo3 5 n so UOD aluaue$al!p enle anb aqnl3 op og5al!p ep o l q u a u u n a sassey ap lolnllsul 0 0 .lolnl]sul o a sol!s!nba~sop ou!sua olad lahesuodsal a uanb 'sa~ope~e~qsaa so leA!lou $ a~eyueduo~ a o~!aylasuo3 e op og5unj e 'sassel3 se og5ela~u 3 .oyu!,ue3 op o l u a u o u ou ol!s!nbal ollno no u n ~ ! n l ~ euJopeAelqsaa o~ o le!l!xne apod oqay lasuo3 0 .apep!un ep oy wpue3 ou eyaj las m a p ogu og5n~lsu!v .ass! eled sojnu!u 0s a~uauepeu!xo~de ap opojlad uln o!~essa~au 3 .sassel3 sep og5n~~su! e eled oxjpadsa oluauow u n JaAey amp aqnl3 op sagunal se sepal u 3

?

S

.salopeAelqsaa ap aqnl3 oe a snaa e o5!~laso eled sua~orso leu!all a o~!ga[qo0 -s!a~!ssod e ! ~ u a ~ ! ~ a ap ~ qseD!uDal os se sepol u a opeslaA 'leDlpej eossad e u n lap!i o leulo3 'a~uaue!~essa~au 'a ogu e~snqas anb o 'e5uelap!1 ap sassel3 sep sol!s!nba~sop s?Ael,e lelou la~jssoda o u o 3 'I~!DLJO aqs ou sopeqqnd u a q u e l ogs 'sac)$~e~ SOU s!a~!uods!pualelsa ap u?le 'so~!s!nba~ so 'Ins op e ~ ! l a u veu salopeAelqsaa ap aqnl3 op e ~ ! u ~ uapep!leal !p e so-opuel -depe 'sassel3 sep sol!s!nba~so elnulojal a es!Aal eueD!lauv-lnS ogs!~!ae 'aluaueD!po!lad .salap!i s!euap so o u o elnp!psaAl.l! ~ ap e!uqu!la~elad lessed u a m p 'og5e~o~de sodv .sa~Junj sessa eled o ~ y ! ~ a d s aanb ' o g ~ nas ~ e op ~ sol!s!nba~so sop -03 ~ ! n l ~ o!lessaDau uo~ a 'lapji uJa sop!psaAu! ueras s!e)!~ls!p/s!eu0!6ala salolsed so anb eled Ssaqnl3 s o ~ o usoe opep!n~ op a s!e!laleu ap og5npold ep saAelle salopeAelqsaa sop o!~als!u!y\( op sapep!ssa~ause ~ y d -ns a ope(nd!~s!p ap osuas o l a ~ a l e l l o'snaa j u o leal ~ e p u ~ ! ~ a d xeau n ~euo!modo~d a so!leu!l$nop s o l u a u ! ~ a y u oso ~ ~ e p u n j o ~ dee~ e n u ! l u o ~ope5ue~vlalsg?y\(lap!i ap assel3 ep 0304 0 .opelnd!x!p o leluauoj a so!leu!llnop s o l u a u ! ~ a y u oso~~epunjolde'aqnl3 op s e u e ~ 6 0 ~Sd! P ~ ! D USOU !J~ eJuelap!l e JaAloAuasap o~!ga[qoo u o ural ~ AalseW lap!i ap assel3 v .soue 9 so sode no JopeAelqsaa o~uenbuas e p ! ~ d u ~ uJeloj n ~ sela as o p u e ~ ~ o dogu u ! 'sa~eln6a~ sassel3 se sepol ap o ~ u a u ~ ! ~odol!s!nba~-a~d un~ o u o u~a l assel3 ejs3 -aqnI3op ogJal!p eu laded u n yunsse e u a ~ oo[ l e q ~ e d ap e ~oynlu! o UIOD so~sodoldueJoj lap!i ap assel3 ep soj!s!nba~so .ellno ep oys!nbal-ald a e u n 'a ols! 'se~!ssa~6o~d ogs e5ue~ap!iap sassel3 se 'apep! ens e epeuopel -al elanbep soys!nbal so u a l d u n sap ~ apuo 'sa~ope~e~qsaa sop sassel3 sep alualaj!a sassel3 ens e ~ ! ~ d uwa m n p ~ u a q u e l soue g ap salo!eu so 'seJue!~~ se o u o u!sse ~ 'oluellod .saluenje salapjl u a sua~o[leulojsuell a o~!garqoo [ n ~ - ope5ue~vJalsgVy l a p g a Jalsyy\(Jap!i '~ap!i- e5ue~ap1l ap sassel2 sail uals!xa 'sassel3 SP sepol u e ~ e l a l d u r op!~anb soup g~ ap salo!eu so eled


Porem, a palavra final de quem vai ser investido ou ndo e do regional ou distrital, portanto, o lnstrutor deve cuidar para que seus Desbravadores estejam realmente preparados para a avaliaqio com ele, para que ndo fiquem constrangidos por ndo poderem ser investidos. 0 contato que o instrutor tem com os Desbravadores geralmente e apenas na hora da instruqdo, sendo que muitas vezes ele nem sabe muito bem o que esta acontecendo com cada um. Por isso, para um melhor rendimento das Classes, ele deve estar muito proximo dos Conselheiros dos seus meninos, para saber lidar com algum eventual problema que esteja acontecendo. E funqdo do Clube oferecer instruqdo das Classes para todos os seus Desbravadores, de acordo com a faixa etaria de cada um deles. Para um bom aproveitamento, e necessario se trabalhar com turmas pequenas, de ate 8 Desbravadores, de forma que o lnstrutor possa dar atenqdo a todos os juvenis. 0 Clube pode trabalhar com Classes trristas, pois ndo ha necessidade de separar os merlinos e as meninas no momento da instruqdo. Em alguns casos, torna a instruqdo ate mais interessante. Todavia, se um lnstrutor achar que algum assunto vai causar constrangimento, para aquela instruqdo especifica meninos e meninas devem estar separados. 0 Clube deve oferecer um local apropriado para o momento de instruqdo, seja uma sala de aula ou um ambiente ao ar livre. 0 ideal e que tenha mesas e cadeiras disponiveis para cada um dos Desbravadores e recursos visuais adequados: quadro-negro, cartazes, apresentaqbes usando computador, pois e muito dificil prender a atenqdo do Desbravador sentando em circulo, com o papel no colo ou apoiado no chdo e o lnstrutor apenas falando ou ditando algo. Cada Desbravador deve cumprir, naquele ano, a Classe correspondente a sua idade, independente se ele tem ou ndo as Classes anteriores. Se o Desbravador faz aniversario ate o mes de junho, ele deve comeqar a Classe de acordo com a idade que ira completar. Caso seu aniversario seja no segundo semestre, deve cumprir a Classe correspondente a sua idade atual. 0 period0 ideal para se concluir os requisitos do cartdo e de um ano. Este e um prazo perfeitamente possivel de ser observado.Todavia, se por um motivo ou outro o Clube ou o Desbravador ndo conseguir cumprir todos os requisitos, ele pode ser investido ate o final do ano seguinte. Ou seja, os requisitos cutrlpridos tem validade de dois anos. Essa deve ser a exceqdo e ndo a regra! Todo juvenil de 10 a 15 anos de idade numa lgreja Adventista local deveria fazer parte do Clube de Desbravadores. Contudo, por diversos aspectos, um juvenil nem sempre tem condiqbes de fazer parte de um Cube. Assim, muitos juvenis se tornam Desbravadores com mais de 10 anos de idade e o que fazer com as Classes que ele ndo cumpriu? Devemos agir com prudencia. Ele deve comeqar a Classe de sua idade e ser incentivado a cumprir gradualmente os requisitos das anteriores. lsto exigira dele maior dedicaqdo, mas exigira do Clube e do Conselheiro elou lnstrutor da Classe maior dedicaqdo tambem. Este process0 exigira urn acompanhamento maior. Mais um lembrete importante, "exemplos siio motivadores, ordens niio". Direqdo que ndo se investe n i o tem "moral" para motivar seus Desbravadores.

PLANEJAMENTO E funqdo do Clube ensinar todos os requisitos das Classes regulares e avanqadas durante o ano. 0 Clube deve fazer um cuidadoso planejamento de forma que, ao final do ano, todos os requisitos tenham sido ensinados. Para isso, o Instrutor deve montar um cronograma de todas as instruqbes que vai ministrar ao longo do ano, de forma que tudo esteja concluido ate o dia da investidura. 0 planejamento deve estar pronto, pelo menos, duas semanas antes de o Clube comeqar as atividades. 0 primeiro passo para se montar o planejamento e pegar o calendario anual do Clube para saber todos os eventos e programaqdes especiais que o Clube vai participar. A partir dai, verifica-se quantos e quais sdo os dias que estardo disporriveis para ministrar os requisitos. Ele deve ter o cuidado

w

9 G

0

v

a

F0 9

n 109


0 1 1

'e~!lelda e!~oal-o3!leld a o ~ ! l o aopez!pualde l allua e5ua~a;l!pepeleu!sse eun e!Aey ogu pels1 o6!luv 3 PI ON -la~!ssodaluessa~alu!s!eu ewloj ep opeu!sua las y a ~ a p'assel3 epe3 ap lol!s!nbal epe3 3 c .assel3 ens ep salopenelqsaa sop wn epe3 D ap oluaur!3ayuo3 alsa la1 lolnllsu! o sode epeu!urlalap las amp ou!sua ap e!6olopolaur v a q a p sol!qey so uro3 opez!le!l!urej elsa a s!ed so wo3 opes~a~uo3 ' e s e ~ens e opeqs!~ opual 'lope~elqsaao ~ olaw y a3ayuo3 ef assa s!od 'ol!aylasuo3 olad opell!xne las $ amp lolnlau! o 'lope~elqsaaop apeplleal e lepalap ap ejalel eN .aqrtlD op sapep!n!le se le~!pap 4 7 0 as eled odural our!ssjnbnod uro3 o-opuex!ap ' ~ ! u a ~ r ~a[ owpl odural o opol asenb ewol anb osualu! a o ogl owl!^ urn ural JopeAelqsaa op e(o3sa e 'olsodo o aluaurelexa ~a3aluo3eapod s!e~o( sollno ur3 -sepez!laqejlealuawelalduro3 oelsa ogu anb soue 11 no 01 ap seSue!n ~e~luo3ua apod lolnllsu! o 'apuel6 oynur leuo!3e3npa lpyap urn uro3 salopeAelqsaa JaAey apod sacy6al sewn6le ur3 K .sope~ap!suo3Jas uraAap k soura~lxa50513 s!op 'oluelallua 'oue wn wa sop!ldwn~walas ap s!a~!ssodaluawel!ylad ogs sol!s g In -!nbal so ' o l s ! ~!o4 yf our03 -lolnllsu! olad opeqadsa~a opelelsuo3 las amp anb 'ura6ez!pua~deap ourl!~urn ural ~ ! u a ~epe3 n [ =lopeAelqsaaop ~enl!l!dsaa lenl3alal1.1!'o~!s!~ oluaur!AloAuasap ap laAju < PI a o a ol!s!nba~epe3 ap ou!sua ap oueld o laze4 ap eloy eu opeAlasqo las e ol~adseol!aur!ld 0 Saqnl3 ou sol!nsu! ap olawnu o uro3 o p l o ~ eap sag~e3so sopol 'e!3u?pa3alue epyap e wo3 'le~duro3amp lolal!a o loss! eled -sapep!A!lese laze4 e JopeAelqsaa o eA!low sogur ura oglle3 o ~al-el-!~dwn3 amp ala 'led!3!pled eled 'anb a aqnl3 op eure~6o~d op aluel~odu,~! ailed ogs sassel3 se anb epualua ala anb eled o!~essa3au a OSSI 'assel3 ap oglle3 nas o laqa3al amp JopeAelqsaa o oue op leln6al og!unal e~!aur!~d eN

$:

?

z

:-I

-1

- - . - --.--. .-. -1elo og5e!le~ea ogssn3slp eu oe5ed!,!lled 'espbsad ep ogSe,y!~a~ - - . ---- - - -- - -. . -- - . . .nasnur urn e el!s!A no s!assoj ap suabeur! !so!~eluaurn3opno /a saw1y ap og5eluasa~de!assel3 ura ogssn~s!p!ese3 ura 'lenp!~!pu!esjnbsad -. . -. --- - .. . --.-' --0~6au-olpenb 'z!6 's!del 'elaueS4ohape3'lolaio~d a ~opelnduro3no aAa ap oy lalede a ogs!Aalal 'SOJA!~ 'lau~alu!'e!lq!g - - .- - . .- - - . . - - - -

-

7

~

(s!assojsop opnlsa o eled 1 a o!Anl!p op opnlsa o eled 1) 2 - - - - - . - - -ogSez!l(ssojap ossa~o~d o a o!Anl!p op e!lols!y e lepnls3 - 1 :ezalnleN ep opnJs3 (ol!auo!d) --- - . -- - - . . - - - - -. .. -. --.-

:olduraxa ~ o d .og5e!le~eap opolaur (S !e!6olopolaur (v !s!e!~aleur(E !se!~essa3au seine ap apep!puenb (2 !ol!s!nbal ( 1 :soluod sayn6as so ~ a ~ a ~ 3 o!lessa~au sap a ogl~e3op ol!s!nbal epe3 Pled -ol!p aluaure!ldold oluawe[aueld o laze4 o!~g?ssa3au ? 'sogur ura o!lepuale3 o uro3 -1a~jnbaxa eras oluaure[aueld nas anb eled 'ou!sua ap e!6olopolaur ens e opyyap equal e[~oln~lsul o ar~bo!~yssa3aua oss! lod 'sep!ldurn3 uralas eled og!unal eurn ap s!eu ap ures!3a~d sa~5n~lsu! seurn6lv -aqnlDop sa~eln6alsagunal se wo3 o p l o ~ e ap sol!s!nba~s!eu -ap so !nq!lls!p lolnllsul o 's!epadsa selep se uro3 o p l o ~ eap sao5n~lsu!se le3leur ap s!odaa -0luauredure3euln wa sopjnpuo3 las wes!~>ald anb sol!s!nba~so sopol elep essa eled l e 3 -leu as-a~apogua 'oyunf wa oluauredwe3e urn elaAey 'olduraxa ~ o .s!e!3adsa d sapep!A!ge a soluaAa so uro3 op~o~>e ap sol!s!nba~so l!nq!llsep 'aluaure~!aw!~d 'amp ala 'sa~Jeur~oju! sessap assod aa -e~yj~adsa ogJnllsu! eurn6le leya~oldeeled aqnl3 op sapep!A!ge se leAJasqo amp 'eurloj ewsaur ea .aqnlD olad sop!~>alaqelsa seurel6old uro3 ol!~uo3equal o ~ o!~g?puale3 u nas o anb eled


na pedagogia israelita, andavam juntas. Outra coisa essencial e que a l i ~ d omoral e espiritual e a essencia de cada atividade. 0 instrutor deve pensar em cada atividade como se esta fosse a unica coisa que ele poderia fazer para apresentar Jesus ao seu Desbravador. Desbravadores sentados e um instrutor lendo e lendo, falando e falando, e urn exemplo do que deve ser evitado no cumprimento dos requisitos das classes. 0 primeiro passo para ensinar um requisito e ter um bom conhecimento sobre o assunto. Se o instrutor ndo tern esse conhecimento ele tem duas alternativas. A primeira e convidar outra pessoa para ensinar o item (por exemplo, pode-se convidar o pastor distrital para explicar o servi~odo santuario, ou o Corpo de Bombeiros para ensinar sobre resgate e primeiros socorros). Ndo basta que o instrutor convidado domine o assunto, e necessario que ele tenha didatica para transmitir o conhecimento para criancas e adolescentes. A segunda alternativa el se ndo for possivel convidar alguem, o instrutor buscar aprofundar o seu conhecimento sobre aquele assunto para poder ensinar aos Desbravadores. 0 s juvenis sdo muito espertos e conseguem perceber quando o instrutor ndo sabe o que esta falando. Alem disso, eles tambem notam os sinais de hipocrisia, por exemplo, quando aprendem sobre o que e cristianismo, automaticamente vdo comparar o que aprenderam com o estilo de vida da pessoa que esta ensinando; ou quando aprendem sobre os principios de saude vdo avaliar se o proprio instrutor pratica aqueles principios. Assim, o instrutor deve estar preparado para ensinar pelo preceito e pelo exemplo! Para transformar o ensino das classes em algo interessante e realmente relevante, os instrutores devem incentivar a pro-atividade dos Desbravadores. Eles devem inserir o Desbravador no seu proprio processo de aprendizagem. lsso deve ser feito gradualmente, ou seja, para os juvenis mais novos, o instrutor deve ser mais ativo, assumindo para si a maior parte dessa responsabilidade. Ja para os adolescentes da classe de Guia, o instrutor deve ser apenas urn facilitador, cabendo aos proprios Desbravadores a constru~dodo seu conhecimento. Para isso, o instrutor precisa analisar cada requisito do cart20 e descobrir quais sdo os objetivos de aprendizagem de cada urn deles. Por exemplo: (Pioneiro) Estudo da Natureza: 1 - Estudar a historia do diluvio e o processo de ----.fossiliza~iio. .- -Descrever a historia do Diluvio desde a pregacdo de Noe ate a saida da arca. -- -

Aprender o que e fossil. Descrever como se forma urn fossil.

--

- -

-- -.

--

- -

I !

- -- 1 ! -J -


Apos definir os objetivos de aprendizagem, o lnstrutor deve analisar quais deles sio mais complexos, que devem ser instruidos por ele e quais serio mais interessantes se o Desbravador descobrir por ele mesmo, atraves de pesquisa, recursos audiovisuais ou debates. Cada tarefa deve ser dada com tempo suficiente para que o Desbravador possa desenvolv&la bem. Na maioria das vezes, uma semana e suficiente. \lo dia da instruqio, deve ser dada oportunidade ao Desbravador para ele expor suas descobertas aos colegas. Este e o momento para o instrutor complementar e solidificar o conhecimento, trazendo novos topicos a discussio. Em seguida, ou na proxima instruqio, o instrutor termina o requisito corn os objetivos de maior complexidade que ficaram sob sua responsabilidade. Para essa tarefa, o instrutor precisa utilizar todos os recursos disponiveis e procurar ensinar cada atividade de acordo com o seu ambiente. Por exemplo: o ensino de amarras ou fogueiras se torna mais interessante se for fei1:o em um acampamento, orlde o Desbravador v@a utilidade pratica daquilo que esta aprendendo. Assim, apos concluir todos os objetivos de aprendizagem, o Desbravador de fato assimilou o conteudo proposto pelo requisito. Desta forma, o Clube foge completamente dos padrdes de ensino da escola tradicional e transforma o Clube de Desbravadores numa atividade instigante e util na vida diaria. Todo Desbravador deve ser incentivado a registrar o que aprerldeu em um caderno ou pasta. Esse registro pode ser feito atraves de relatorios, desenhos, colagens, fotos, poemas, composiqdes musicais. Mais uma vez, esse incentivo tera impact0 n i o apenas na vida do Desbravador dentro do Clube, mas o ajudara a desenvolver a sua capacidade de expressio, indispensavel em qualquer fase da vida.

ul

p

0

u

m

2

3 ul w

u 3

G

o

u

0

>

E

?! c, .-C .-

2m % 112

A avaliaqio e necessaria para que o instrutor saiba se sua metodologia de ensino esta sendo eficiente, verificando o quanto o Desbravador assimilou do conteudo ensinado. As avaliaq6es n i o necessariamente precisam ser escritas; elas podem ser praticas ou orais tarnbem. AS vezes, uma combinaqio dos metodos torna a avaliaqio rnais cornpleta. Assim, para cada requisito o rnetodo de avaliacio sera diferente. Por exemplo, um requisito que esta presente em todas as Classes e: ser membro ativo do Clube de Desbravadores. 0 instrutor vai avaliar se o Desbravador tem, no minimo, 75% de presenqa nas atividades do Clube, se contribuiu com a mensalldade e se ele se envolveu com todas as atividades propostas. Dessa rnaneira, so e possivel avaliar esse requisito no final do ano. Em requisitos teoricos, o instrutor pode solicitar um relato oral ou avaliar o conteudo registrado no caderno ou pasta do Desbravador. Neste ponto, o instrutor precisa estar bem atento para analisar se o texto foi realmente escrito pelo Desbravador e n i o apenas copiado e colado de algurna pagina da internet ou livro. Ja em relaqio aos itens praticos, o instrutor deve observar a habilidade, destreza e rapidez do Desbravador ao executar a atividade proposta, corno, por exemplo, nos, amarras ou fogueiras. Um ponto importantissimo e lembrar que no Clube existem garotos e garotas de diferentes niveis intelectuais. Na avallaqio deve-se usar o principio da equidade avaliando iguais corno iguais e diferentes corno diferentes. E rlecessario saber ate onde pode-se cobrar do Desbravador para que ele cresqa e n i o para que ele seja desestimulado e abandone a Classe. Esse trabalho, somente o instrutor, com um bom tempo na companhia deles, vai estar apt0 a fazer. Somente apos o requisito ter sido devidamente cumprido e avaliado e que o instrutor pode assinar o cartio. Esta assinatura atesta que ele concorda corn o cumprimento do requisito de forrna integral. Logo, se n%ofoi feita urna avaliacio justa e simplesmente assinou-se por assinar, os instrutores estario enganando a si mesmos e demonstrando aos Desbravadoresque o trabalho das Classes pode ser feito relaxadamente.


Ao final de cada avaliacio, o lnstrutor deve assinar o requisito no cartio. lsto motiva o Desbravadores a continuar cumprindo os requisitos. Apos o cumprimento de todos os requisitos de urna Classe, Regular ou Avancada, os Desbravadores deverio ser avaliados pelo RegionaI/distritaI, que far50 urna avaliaqio geral de todos os itens e aprovario a investid~~ra naquela Classe, assinando o cartio na parte final que e reservada para isso. A investidura de Classes deve ser realizada em urna cerim6r1iaespecial, ONDEO DESBRAVADOR OBRIGATORIAMENTE DEVE ESTAR DE UNIFORME DE GALA. E responsabilidade do Diretor do Clube providenciar todos os emblemas necessarios.

4.1.5. 0 PROGRAMA DAS CLASSES Como citado anteriormente, a direcio do Clube tambem possui um programa para Lideres constituido de tres Classes: Lider, I-ider Master e Lider Master Avancado. Diferentemente das Classes Regulares, onde os Desbravadores precisam apenas cumprir os requisitos para aprender o conteudo, as Classes de Lideranca exigem um comprometimento dos futuros Lideres, para que eles n i o apenas cumpram itens, e sim aprendam realmente a liderar. Para iniciar o estudo e treinamento em urna das Classes de Lideranca o aspirante deve escolher IJm Lider ja investido para orienta-lo. Na falta de um Lider investido no Clube, ele sera orientado pelo Regional. Mas independente do orientador, o Regional e o avaliador perante a Associa~io/Missio. 0 instrutor deve ajudar o aspirante a n i o apenas cumprir os requisitos do carti30, e sim exp6-lo a diversas situaqdes no Clube para que ele aprenda a Iidar com elas e assim desenvolva a sua capacidade de lideranca. Um cartio n i o faz um Lider, a experiencia e que faz. Mas um aspirante que concluiu seu cartio com qualidade certamente tera mais facilidade para se tornar um Lider, por isso esse tra balho jamais deve ser negligenciado. Em todas essas Classes o candidato a investidura deve preparar um arquivo digital (CD ou pendrive) e urna pasta com todos os relatorios de todas as atividades realizadas, seguindo os requisitos do cartio e as normas estipuladas no registro de Classe. A pasta deve conter os seguintes elementos: capa com identificacio do candidato, incluindo nome do Clube, Associaeio e Uniio; identificacio da Classe e registro completo de todos os requisitos do cartio (0s requisitos devem ter a explicacio de como foram os itens foram cumpridos, com a devida comprovacio: fotos, certificados, declaraedes, etc). Mas para um trabalho organizado e bem feito, ele pode ainda complementar com paginas separando as secdes do cartio, agradecimentos, dedicatoria, etc. A diagramacio da pasta e livre. E importante sempre iniciar um novo requisito numa pagina a parte, mesmo que o requisito anterior tenha acabado no inicio da pagina, para manter urna organizacio mais uniforme. A seguir, segue um esquema para orgarrizar a sua pasta: Capa Agradecimentos Dedicatoria Epigrafe Divisoria de see20 Requisitos Divisoria de secio Requisitos


Arquivo digital (CD ou pen-drive) do cartio) Folha de aprovaqio (copia da folha de aprova~io Autografos Ao cor~cluira Classe, o aspirante deve enviar a pasta ao Regional, que fara a avalia~iofinal e a recomenda~ioa investidura. Em seguida, o Regional encaminha a Associa~io,que, em caso de Lideres, ela mesma fara a avaliaqio final e a aprovaqio. Em caso de Lider Master, apos a avalla~ioda Associa~io,a pasta sera encaminhada a Uniio e, no caso de Lider Master Avanqado, apos a avalia~io da Uniio, sera encaminhada a Divisio. Avaliaqzo e aprovaqgo de i~ivestiduras

Classes Regulares e Avanqadas

Regional

Lider

Associa~ioIMlssio

Lider Master Lider Master Avanqado

I

Divisio

0 Regional deve ser o principal allado do aspirante a Lider no desenvolvimento de urna das Classes de Ilderan~ae quaisquer duvidas poderio ser discutidas com ele.

Abaixo seguem algumas orientaqees para a elabora~iodos relatorios da pasta: Faqa o relatorio assim que voce concluir a atividade. Quanto mais tempo passar entre o relatorio e o cumprimento do requisito, menos detalhes serio lembrados e mais pobre sera o trabalho. Se assil-n que voc@concluir o requisito voc@fizer o relatorio, certamente sera mais facil lembrar do que aconteceu e dificilmente faltario esses pequenos detalhes. NSo poupe os detalhes. Pode parecer desnecessario, mas quanto mais detalhes voc@ colocar, ainda mais rico ficara o seu relatorio. Lembre-se:o material que vote ira produzir n i o servira apenas para a sua investidura, mas tambem sera um material de consulta a outros Lideres, portanto, quanto mais detalhado for, melhor para urna pesquisa futura. Por exemplo, se voc@descreveu com detalhes o que foi feito no acampamento, quando voc@for fazer outro acampamento, talvez no ano seguinte, voc@pode consultar o anterior na sua pasta, o que facilitara o planejamento. Ande a segunda milha. Nio se prenda a pequenez do requisito. Eles sio o minimo que voc@precisa fazer para ser um Lider. Va alem, tanto no cumprimento quanto no relatorio. F a ~ apesquisas sobre o assunto, leia Ilvros, discuta com outros Lideres. Complemente seu relatorio com o resultado da sua pesquisa. Contextualize. Sempre procure contextualizar o relatorio, de forma que quem for avalia-lo possa entender perfeitarnente em que condi~eeso requisito foi cumprido. Nio esqueGa de citar locais, horarios, pessoas envolvidas, datas (completas, inclusive o ano). Quem for ler o relatorio deve entender exatamente o que aconteceu. Faqa urna aplicaqso pessoal 1espiritual. Ao final do relatorio, f a ~ aurna aplica~iopessoal elou espiritual sobre o que voc@aprendeu ao cumprir o requisito, como ele afetou a sua vida. Faqa tambem urna avaliaqio em llnhas gerais. Dessa forma voc@podera ver o que deu certo e o que pode ser melhorado, para que da proxima vez voc@f a ~ aum trabalho ainda melhor. Peqa a opinigo de outras pessoas. Algurnas falhas podem passar desapercebidas pelo aspirante a Lider e pelo seu Regional e podem ser corrigidas facilmente assim. Seria interessante mostrar o relatorio para alguem que tenha te acompanhado na execuqio do item, pois ele pode ter urna visio mais construtiva.


PERDA E REVALIDACAODE INVESTIDURA PERDATEMPORARIA DA INVESTIDURA: Em caso de inatividade, quando deixar de se envolver diretamente com o Clube de Desbravadores por um periodo de dois anos. Para voltar a sua condiqao de investido e poder usar o uniforme tera que revalidar a investidura atraves do cumprimento dos requisitos exigidos. Ndo precisando participar de urna nova cerim6nia de investidura. PERDA DA INVESTIDURA: Em caso de censura ou remoqdo (conforme abaixo) o investido perdera sua investidura e o direito de usar o uniforme. Para recuperar sua condiqzo de investido e voltar a usar o uniforme, tera que participar de urna nova cerim6nia apos cumprir os requisitos exigidos nos casos de: a) Censura: Quando receber censura por parte da igreja, somente podera comeqar a revalidaqdo apos vencer o prazo da censl-lra. b) Remoqdo: Quando for removido por parte da igreja, somente podera comeqar a revalidaqdo apos seu rebatismo. AUTORIZACAOPARA NOVA INVESTIDURA: Para reaver a investidura, sera necessario procurar o Regional, coordenador geral ou Diretor do Ministerio de Desbravadores para poder receber a autorizaqio para iniciar a Revalidaqdo de investidura. A REVALIDACAO acontecera apos o candidato completar os itens determinados no Cartdo de Lideranqa. REVALIDACAO DE INVESTIDURA: A revalidaqao acontecera apos o candidato completar, no periodo de I-rm ano, os reql-risitos propostos pelo cartao da Classe el apos isso, devera participar de urna nova investidura para voltar a usar o lenqo. NOTA: 0 proposito da renovaqdo e dar reconhecimento para aqueles que, atraves do seu treinamento, szo responsaveis por manter um alto padrdo de excelcncia moral, fisica e espiritual no Clube de Desbravadores. Esta ndo e urna tentativa para excluir urna pessoa qualificada que, durante muitos anos, serviu fielmente a lgreja e aos seus jovens nas suas varias organizaqbes; mas urna maneira de valorizar os que permanecemfieis e ativos aos propositos da Igreja. PERDA DEFlNlTlVA DE INVESTIDURA: Fica determinado por voto da lgreja Adventista do Setimo Dia que qualquer pessoa que tenha sofrido repreensdo, por envolvimento em qualquer instincia com algum tip0 de abuso sexual com menores, ndo podera mais reaver sua investidura. Manual da lgreja pg. 69.

4.2. ESPECIAL1DADES 0 estudo das Especialidadestem como finalidade al-rxiliar 110desenvolvimento do individuo, proporcionando aos Desbravadores e Lideres urna forma atraente de aprender sobre o que os cercam, expandir seus horizontes e proporcionar novas aventuras. 0 proposito de todas elas e ajudar a pessoa a 'trescerem sabedoria, estatura e graca diante de Deus e dos homens" (Lucas 2:52). As Especialidades sdo um conjunto de cursos rapidos de carater exploratorio e inicial sobre um assunto. 0 objetivo das Especialidades e oferecer ao Desbravador urna sondagem de suas aptid6es naturais e de dons espirituais. Com esse objetivo, urna Especialidade introduz o juvenil no universo daquele assunto especifico com requisitos praticos e teoricos, intelectuais, fisicos e espirituais. Quando um Desbravador recebe urna Especialidade, n i o e urn especialista ou profissional habilitado no pleno gozo de sua profissdo. Ele e um juvenil que conheceu algo maravilhoso do universo natural, humano ou espiritual criado por um Deus de amor.

5Ci 0

e

n 115


Todas as Especialidades e os requisitos minimos para a sua obtenqio estio descritos no Manual de Especialidades da Divisio Sul-Americana. Somente a Divisio tem autonomia para revisar elou substituir requisitos. Duvidas sobre a interpretaqio dos requisitos ou possibilidades de substituiqio de itens em situaqees especiais devern ser encaminhadas a Divisio.

4.2.1. PLANEJAMENTO DO CURRICULO 0 Clube deve oferecer anualmente aos Desbravadorestodas as Especialidadesexigidas nos cartees de Classes e, alem dessas, pelo menos mais tres. 0 Clube deve indicar um membro da direqio que sera o responsavel geral pela instruqio das Especialidades. E ele que deve, juntamente com os Diretores Associados, dar o suporte aos instrutores das Classes e providenciar os instrutores para as Especialidades. Esta pessoa deve pegar os cartees de todas as Classes e anotar quais sio as Especialidades obrigatorias para a investidura. Nos requisitos das Classes que apresentam opqees, ele deve escolher a Especialidade que mais se encaixa na realidade do seu Clube. Em seguida, deve selecionar previamente algumas Especialidades que o Clube e capaz de oferecer, alem das exigidas nas Classes, e apresentar essa relaqio aos Desbravadores, na reuniio do Clube, para descobrir quais sio as de maior interesse deles. Em seguida, ele deve fazer o planejamento para cada urna delas, que deve corrter: 1) il-rstrutor; 2) requisitos; 3) quantidade de aulas necessarias;4) materiais; 5) metodologia; 6) metodo de avaliaqio. 0 tempo para a instruqio das Especialidades varia de acordo com cada caso. Em geral, todas as Especialidades sio possiveis de serem cumpridas em, no maximo, tres meses. As que demandam maior tempo devern ser reservadas para os Desbravadores mais velhos. Existern Especialidades corn grau de dificuldade rnais elevado. Estas foram criadas tendo em rnente a lideranqa do Clube, que tambem deve ser desafiada a continuar seu desenvolvimento. Para todos os casos, e importante ter um bom planejamento de aulas e um bom metodo de avaliaqio. De posse dessas informaqbes, o responsavel deve elaborar um calendario especificando as datas em que cada uma vai ser ensinada. 0 proximo passo e providenciar instrutores para todas elas. 0 ideal e que a pessoa que va ensinar a Especialidade tenha um bom conhecimento do assunto. Assim evita-se que as Especialldades sejam ensinadas de forma errada, superficial ou ate mesmo aprofu~idadadernais. Alguem que tenha o conhecirnento da Especialidade pode definir melhor que profundidade dar a ela, de acordo com a faixa etaria e a escolaridade do publico, alem do conhecimento e do interesse sobre o assunto e do tempo disponivel para o ensino. Para isso, seria muito bom que dentro do Clube tivesse pessoas que tenham habilidade e conhecimento para ensinar todas as Especialldades necessarias, porem, a realidade para muitos pode r ~ i ser o essa. Caso n i o haja essa pessoa no Clube, essas sio algumas boas saidas, em ordern de preferencia: 1. Buscar membros da lgreja que tenham dominio sobre a Especialidade. 2. Buscar pessoas conhecidas fora da lgreja que dominem o assunto. Nesse caso, deve-se ter um cuidado especial para que a pessoa encarregada de ensinar a Especialidade n i o ensirre nada que va contra os principios da Igreja, por exernplo: falar sobre evoluqio ao ensinar Especialidades da natureza. 3. Em caso de indisponibilidade de horario da pessoa, pedir que ela capacite alguem para ser instrutor da Especialldade. 4. Escolher alguern do Clube que possua a Especialidade e tenha afinidade e facilidade com o assunto para ser o instrutor. Essa pessoa ira responder toda a Especialidade buscando em bibliografia confiavel.


4.2.2. METODOLOGIA DE ENSIMO 0 sucesso para a instruqio de urna Especialidade depende, fundamentalmente, da adequaqio do tema a faixa etaria, da qualificaqio do instrutor e de urna metodologia de ensino atrativa e interessante. Para que o Desbravador compreenda a importincia da Especialidade, TODOS os requisitos devem ser ensinados com dedicaqio e o Desbravador n i o pode receber a insignia se nao cumprir cada um deles. As Especialidadesdevem ser instruidas em grupos pequenos de Desbravadores, de acordo com a faixa etaria das Unidades, para um melhor aproveitamento. Nenhuma Especialidade deve ser instruida para todo o Clube de urna so vez! Uma Especialidade a cada Unidade e o ideal a ser alcanqado. No caso das Especialidades de Artes e habilidades manuais ou Atividades profissionais, deve-se ter ainda mais cuidado com a quantidade de Desbravadores. A turma tem que ser suficientemente pequena para que o instrutor tenha condiqbes de dar atenqio a todos os Desbravadores, o que, as vezes, pode ser dificil para uma Unidade com oito Desbravadores. Se o instrutor e um profissional da area, ele deve analisar e verificar qua1 sera a profundidade ideal de abordagem do conteudo para a faixa etaria da turma. Se ele n i o e um profissional da area, deve fazer urna ampla pesquisa de forma a aprender o conteudo a ser ministrado. Em geral, os livros sio os materiais mais confiaveis. Entretanto, nem todos tsm acesso a grandes bibliotecas onde se pode encontrar a maior parte do conteudo abordado pelas Especialidades. Revistas sobre o tema tambem sio opqbes interessantes, mas incorrem no mesmo problema da dificuldade da acessibilidade a informaqio. As instituiqbes de ensino superior, principalmente as publicas, geralmente possuem rico acervo bibliografico a berto a consulta da comunidade. As bibliotecas das escolas tambem podem conter materiais interessantes para a pesquisa. 0 s Desbravadores devem receber incentivo para conhecerem a biblioteca de sua escola e descobrir como ela pode ajuda-10s a curr~priros requisitos das Especialidades. 0 meio mais acessivel e mais democratico de acesso a informaqao e a internet. A quantidade de informaqbes disponiveis na internet e fantastical mas a qualidade da maioria e questionavel. Sem criterios e habilidade para selecionar as informaqbes, e ate mesmo formaqio profissionalespecifica, e dificil definir quais sio boas e quais sio ruins. Portanto, quanto mais treinado for o "filtro"dos instrutores, melhores sergo as pesquisas. Aqui estio algumas orientaqbes simples de como fazer urna boa pesquisa: 1. Utilize bem as ferramentas de busca. A boa utilizaqso dos recursos de pesquisa dos buscadores e essential para obter resultados mais precisos: Use mais de urna palavra para fazer a busca; Recorra ao sinal de menos para eliminar palavras que possam trazer sites com assuntos hom6nimos; Escreva tudo entre aspas se quiser achar urna .fraseexata; Empregue o * se n i o quiser especificar um termo no meio de urna frase, como em "universo tem * anos"; Use a "Pesquisa Avanqada" para restringir a busca; Formule frases em forma de resposta. Em vez de perguntarl'o que e um buscadorl', escreva "um buscador e .

2. Utilize mais que urna fonte. Dessa forma, a chance de cometer erros grotescos e menor. Compare a informas20 das fontes. Quando ha informaqbes conflitantes, e necessario definir qua1 delas e mais confiavel. Verifique a terminologia. A terminologia de um site, de urna forma indireta, define sua confiabilidade. A terminologia ".corn" refere-se a sites comerciais, ".erg" a sites de organizaqbes

P 3

G 0

u

i! zUI 117


811

*apep!le!3adsjeu euanbad e[as e(aanb ~ e 6 ( n [ ~'(e>!le~d od no e ~ ! ~ o a sal~ed l) sep eurn JezaJdsap a oyaj as apod ogu artb 0 *e3!le~d a l ~ e deu osad Jo!eur uro3 saoSe!le~e Jal mahap s o ~ p e ~ so~!s!nba~ d s!ew uro3 sapeplle!3adsj .og5e(le~e eu o=!~?al osad Jo!ew Jal uraAap so=!J?alsol!s!nba~spur uro3 sapep!le!=adsj .ogSe!le~eeu a apep!lepadsj eu e3!ge~da e!Joal aJlua o!~q!l!nbao a Jes!leueo!~essa~au a anb oluod opun6as 0 .ala e~edaluaureh!snpxa epesuad ogSe!lene ewn JaAey amp oglua ' o ~ ! I a J~ o d n ~ 6epe3 .saolsanb se opuepnur 0 s 'ogSe!le~e ap od!l oursaur o a~dwas~e3!ldeamp as ogN .el-yJoqela oe our03 e u o j ens e JayloDsa oe oluel saJopeAeJqsaa sou ~esuado!~essa~au a 'opez!pua~deo e~!ya[qouraqurel og5e!le~ee our03 .oyuadurasap o expnfa~d oss! s!od IeSeaure our03 sels!A Jas Manap ogu saoSe!le~ese 'oss!p walv .clap opez!pua~deou ~epnreamp apep!lepadsj e Je!leAe e~ed ep!ylo~saeuJJoj e 'eras n o .ossa3o~dassap seluaweJJaj saluel~odw!ogs waqurel 'opezlpua~deo ~!paure~edu r a ~ ! ~ ap ~ amale s 'saoJe!le~ese artb a aluaur ura J ~ I as amp anb oluod o~!aur!~d 0

'opexpu! sap ~ o uran6le d ~ o no d '~o!~adns nas olad s!eluaurel~edapso a leluaurel~edapnas olad s!euo!6a~so '1euo!6auolad sope!le~eJas uJaAap sap 'aqnl3 ap saJolaJ!a sop ose3 ou er 'lenueur alsau sol!~3sapogje~le~e ap SO!J?~!J~ so ~!n6as amp anb '01-e!le~ee~edo p e q x d e ~ uran6 -1e J ~ X P U aAap ! aqnl3 o 'sose3 salsaN .oyu!zos sapep!lepadsj J!Jd~n3'sapep!l!qey a sassaJalu! snas uro3 O P J O ~ Pap 'uraqurel apod JopeAeJqsaa urn 'aqnl3 olad sepeu!sua sapep!ye!3adsj sep uralv .a~~o!paur oluaur!3ay uo3 oursaur a l a n b e , ~ p l ~ a p l ~ aureqex ~ d ~ ~ ,SOPOJ a oluaurpay uo3 o as-eu6elsa 'e3!le~dessa e J!Jape ov .selsodsa~ sep apep!lenb elad oluenb es!nbsad ap oyleqeJl urnyuau aluaure3!pe~dureyual ogu saJopeAeJqsaa so anb uro3 Jazej ~ o oluel d (enl3alalu!oluaur!AloAuasap o u r e ~ ! p n a ~ sela d s!od 'JauJalu! eu sepeJl -uo3ua se aluaurled!3u!~d'sep!puodsa~sapep!(epadsjap osn O JaJJO30 apod v3NnN anb 0 .se!~essa3auselsodsa~se olxal ou aJluo3ua JopeAeJqsaa o anb e~ed'eldue eurJoj ap opnaluo~o ur!s a 'soqs!nba~soe selaJ!p selsodsa~Jal urapod ogu sel!psode sv .JolnJlsu! olad ep!3 -auJoj el!gsode ewn no ese:, ura epez!(eaJ es!nbsad 'og5n~lsu!e alueJnp oursaur ala ~ o seyaj d sao5 -eloue elas 'apep!lepadsj ep opnaluo~op oyJ3sa O J ~ Surn ! ~Jal ~J a~durasamp JopeAeJqsaa 0 .so-opuazej JolnJlsu! oe uraJ!ls!sse aluaursaldu!s ogu a sapep!lepadsj sep so3!le~dsuay so ura~eln3axa aluaurIeaJ ap apep!unl~odoe Jal uraAap selo~e6a solo~e6so .epeu aqej ogu og5n~lsu!ep oluawour ou anb e~ed'1?!3uapa3alue uro3 ope~eda~d Jas amp le!Jaleur o opol '(ep~03'elu!~'s!aded 'se~nosal's!a~u!d:olduraxa ~ o de)314!3 -adsa apep!l!qey elanbe Japua~dee~eda l u a ! ~ ~ n oJaurnu s ura a sopenbape s!e!Jaleur a saokloue Jazej essod JopeAeJqsaa o anb e~edseJ!ape3 a sesaur ur03 'opel!luaA 1e301 urn Jas :apep!lepadsj ep opez!pua~deo e~edsepenbape sao5!puo~JaDauJoj espa~dO ~ ~ ~ J J SeL e~ed I! alua!qure 0 .opnaluoD op alue5eur e~lsaledeurn Jazej seuade epup no uraJ -eloue saJopeAeJqsaa so e~edopnaluo3 o Jeqp aluaursaldur!~JolnJlsu! o a ~ a ~ a l u o 3 apod e e3unu anb 0 .oqurgu!p a aluessaJalu! spur ou!sua o JeuJol e~eds!ens!Ao!pne s!e!Jaleur S O ! J ~ A epuap -!/\old as-a~ap'la~jssod~ oogu j oss! opueno .opnlsa ap olarqo alanbe (eJnleuoe JeAJasqo uressod SaJopeAeJqsaaso anb sa~e6nlura sepeu!sua1aluaurle!3ua~aja~d as LuaAap ezaJnleu ep sapep!lepadsj 'oldwaxa ~ o '0301 d u! sepep Jas uraAap sapep!~epadsjsep sao5n~lsu!se 'la~!ssodanb a ~ d u r a ~ ~ S ! ~ A ~ Lsao5eur~oju! JIJO~ e ossax ural og5!nl!lsu! no eossad v jeural o urepnlsa og5!nl!lsu! no eossad v *se~un6.~ad sa~u!n6asse epuodsau .es!nbsad ap sao5!nl!lsu! a sapep!sJaA!un ap saqs e as-a~aja~ ' P J ~ ~ ap e ! :,~q;, ~ seuade a e!6olou!ur~ale opueno . o u ~ a ~ o op 6 saqs ell~06;,'s!e~uaureu~a~06 ogu

J

3 PI

2

g 2. 3.

$ %

n o

2 B o

m

vl


Todas as formas de avaliaq20 tem suas peculiaridades. A seguir esMo as formas mais comuns de avaliaqso que podem ser utilizadas no Clubes. -

- -

--

- - -

-

-- - -

-

-- -- ---

Serie de perquntas diretas, para respostas curtas, com apenas uma s o l u ~ i o l Avaliar quanto o Desbravador apreendeu sobre dados singulares e especificos do conteudo E familiar as crianqas, simpl~~s de preparar e de responder e pode abranger grande parte do exposto durante a instruqio Pode ser respondida ao acaso ou de memoria e sua analise n2o permite constatar quanto o Desbravador adquiriu de conhecimento .- .-

-.. . -

Selecione os conteudos para elaborar as questdes e faqa as chaves de correqio; elabore as instrucoes sobre a maneira adequada de responder bs Iperguntas " , , "

-

Defina o valor de cada quest20 e multiplique-o pelo numero de respostas

Liste os conteudos que os Desbravadores precisam memorizar; ensine estrategias que facilitem associaqdes, como listas agrupadas por ideias, relaqdes com elementos graficos e ligaqdes com conteudos ja assimilados

Extraidas de: GENTILE, Paola; ANDRADE, Cristiana. Avalia~Zonota 10. Disponivel em: <http://revistaescola.abril.com.br/ planejamento-e-avaliacao/avaIiacao/avaliacao-nota-l0-424569.shtml>. Acesso em: 15 mar. 201 2.

?


ledpu!ld oluauala o e[as og5e~oqelo~ e anb u a sapep!A!pe a ~ 0 6 0az!ue6~o [ 'og5ez!le!3os ap seualqold lamy ap ose3 u 3 -- -- -. -- - - ---- - - -- - . .- -- . -- - . x

--- - ---

-

-

--

- . - - - . -- - -- --------- - - - - - --sop og5n3asuo3 e eled so3!seq s!e!laleu so anb!pu! a so!l~ssa3au soluau!pa3o~dso au!sua 'eqn bsad ap saluoj e5aumj 'ope y leqell las e opnaluo3 oe sepeuo!3elal sapep!A!ge ap a!l?s eun ey uodo~d .. .- ---- --- - - - - - - .. -- - u

a

- .

.


ma. I.


Depois de escolher o tip0 (ou os tipos) de avalia~ioque vai ser utilizada na Especialidade, e hora de elaborar a avaliaqio. Para isso, siga as orientaqdes abaixo: Sempre elabore as questdes de acordo corn o que foi passado em aula e n i o apenas de acordo com o plano de aula. Alguns pontos podem ser esquecidos na aula e ou1:ros podem ser rnelhor explorados no rnomento da aula. Para isso, pode-se pegar emprestado as anota~desde algum Desbravador. As regras e orienta~desda avalia~iodevem sempre estar claras. 0 juvenil pode errar na avalia~iopor n i o haver orienta~desclaras sobre o que se pedia e n i o por falta de conhecimento do conteudo. As questdes devern ser objetivas, seja claro no que e pedido. Exclua terrnos como"comente'~ "dissertel:"o que voce acha?".Usando termos assim, nem o juvenil e nem o instrutor saber30 exatamente o que e a resposta certa, dificultando avalla~ioe correqio. 0 s enunciados devem ser claros. N i o utilize termos que possam dificultar a compreensio e l ou comprorneter o entendimento. So use"palavras dificeisMseelas forem o objeto da avalia@o. 0 tempo deve ser pensado tambem. Juvenis e adolescentes ndo mantem a concentra~io em uma coisa por muito tempo, evite longas provas. Pense no espaco para as respostas, assim se evita papeis e anexos em excesso. 0 juvenil pode esquecer de responder uma quest20 por r ~ a ohaver espaGo. 0 il-~strutortambem pode corrigir alguma quest30 incompletamente, pois a resposta estava dividida em dois lugares pela falta de espaGo. Uma dica que pode ajudar bastantea verificar se a avalia~iofoi bem elaborada e a chamada oficina de prova. Apos elaborar a avalia~io,passe-a para ou1:ras pessoas que conhe~am a Especialldade e a turma a ser avaliada (pode-se passar as anota~desdos juvenis para as pessoas).


Eles deverio ler a avaliaqio e verificar o seguinte: As perguntas se justificam diante do que o instrutor quer saber? As questdes estio claras? Ha espaso para as respostas? As orientasdes estio adequadas? Entio eles devolvem a avalia~ioa quem elaborou com observa~dese sugestdes de pontos a melhorar. Pode-se repetir o process0 ate que a avaliasio esteja no nivel desejado. Para a elaborasio das provas pode-se seguir os seguintes pardmetros para que elas fiquem equilibrada: 25% de questdes faceis 50% de questdes medias 25% de questdes dificeis Por questdes dificeis entenda q uestdes que exijam raciocinio e n i o apenas "decoreba". IVio entram tambem cobransas alem do que foi ensinado. Com esse criterio so os "muito bonsnvio conseguir a nota maxima; a maioria vai conseguir a nota "media"; ninguem se sentira desestimulado por encarar uma prova impossivel. Entre as vantagens de uma prova equilibrada e que mesmo os que aprenderam menos conseguem uma nota diferente do desagradavel zero; a maioria conseguira a nota intermediaria (a media); so os destaques da Classe atingem a nota maxima, valorizando o esfor~odeles. Assim, o procedimento correto para se receber a Especialidade e: Q

1. Ser aprovado no exame da Especialidade; 2. 0 instrutor da Especialidade assina o registro das Especialidades ou um certificado de Especialidades; 3.0 Regional Idistrital faz a avaliasio da Especialidade e tambem assina o registro ou o certificado; 4. A compra dos emblemas deve seguir o procedimento descrito abaixo; 5. A insignia e entregue ao Desbravador numa Cerim6nia de Recebimento de Especialidades.

?+

if-

,A-

,F-

REGULAMENTO PARA A COMPRA DE EMBLEMAS

'

fl-

A compra de emblemas para investiduras (Classes regulares, avansadas e de lideransa)e insignias de Especialidades deve seguir ao seguinte regulamento.

!

Cadastro do Regional: Todos os Campos da Divisio Sul-Americana devem fazer o cadastro dos seus regionais e coordenador geral, atribuindo a cada um deles uma matricula. A matricula deve seguir o seguinte padrio: Sigla da Uniiolsigla do Campo sucedidas pelo nljmero de cadastro, inicialmente, com tr&s digitos. A numerasio deve ser continua, iniciando-se em 001. Exemplos: UCOBIAPlaC 001, USBIANP 013, USEBIARJ 032, UBI MBC 005. Em seguida, o Campo deve fazer uma planilha (e mantP-la atualizada) com os seguintes dados: matricula, nome do Regional, data de ingresso, data de saida, status. ~ a t r i c " l a- -

I I

1

UNBIABA 001 UNBiABA 002 UNBIABA 003 UNBIABA 004

'

pG-l

Regional

Fulano deTal

11

1

Cicrano Silva

0110112012

1

01/0112008

1

01I0612010 01/06/2012

1

31/12/2012

1

Ativo Ativo

1 7 -

x2

U

o w

E

h rn


P21

ep oluauedue3e 'o~p~odsa o!aulol 'eue[!d op aqou 'olduaxa ~ o 'd0 ~ 0 3apep!un ep s!epos soluauou so salopeAelqsaa so u 0 3 opueu!qu03 'apep!un ep euel6o~do lessedal a laze4 as e oluod ollno c 3 .selo3sa seu .~a=aluo=e eunao3 ouo3 'saqunal s y l no senp wed ol-!p!~!p apod ol!aylasuo3 o s e u '9s elp u n u opnl ips!sse lanjssod elas ogu oglua 'solnu!u 0b anb saJo!ew uaq ogs sauly so -0pelle3sapaluauele!pau! las anap ala 'e[eq ose3 -sels!lua~pe so!d!3u!ld so e~luo3 eras anb 'aylelap u n seuade anb ousau ' ~ ~ 1 u3n07vn0 03 ey ogu as leh~asqoe~ed 'elalne3 alueaeq $ 3. u 0 3 aluaue!~a~d uels!sse o lolal!a o a o~!ay lasuo3 o anb 0!.1gssa3aua a u ~ u y n lay l o ~ as a ov .sapep!A!ge se ~ e l o ~ l u o wed 3 osuas u o q o lesn o~!aylasuo3oe opuaqe3 'oue op soyu!lueD n so sopol og~ay3uaald'sope~ls!u!upeu a q as 'anb suaq ogs ersalsg '3la '~eal~os eled sapuyq ' s o ~ ~ l lo ap elnl!al 'seue3u!6 'sapep!so!~n3'se~neled-eSe3'so6or 'saul y lazell amp o~!ay lasuo3 o 'aqnl3 op sapep!A!ge se wed ol-jelle a lopenelqsaa o wed aluessalalu! s!eu e u e ~ 6 o ~ o dleulol eled K ssaqn13 sop eu!lol e las apod ogu s e u 'oy u!pue3 op olluap soqaj 0 uefas '3la 'SOJA!~ ap elnqal 'saossn3s!p se 0 u 0 3 'ol!s!nba~u n no apep!lepads3 eun anb apadu! Q epeu anb ole13*ua.~es!3a~d anb soys!nba~so iydun3 e so-opuepn[e 'lope~elqsaaepe3 ap oluau -epue o leyueduo3e a o~!aylasuo3op oyleqell o 'sassel3 se oyadsa~z!p ar~bON .sassel3 se +dun3 2PI a. as wed oluauou o 3 o v- ~ yapep!un ep oyu!pueD o anb aluau u a la1 o!~essa3aua ol!au!ld yn6as e saoSelua!~o se ~ e ~ ~ a o!.~g.ssa=au sqo ln a 'oss! eled *s!enl!~!dsa a s!eluau 'se3!s!j sapepln3ej :salopeAelqsaa ap aqnl3 op s a q d so uayleqell anb sapep!A!pe ap s?Aelle 'apep!un ep oluau!AloAuasap o eled opesn las amp opojlad ass3 .apep -!A!ge ellno lad op!nl!psqns las no lellej apod V ~ N anb ~ Noluauou u n 3 'apep!un ep oy u!lue3 oe sope3!pap solnu!u op e OE 'souau olad ' ~ a ~ e amp y aqnl3 op sa~eln6a.1 sayunal se sepal uq 'la~epe~6e a [emleu eljaueu ap ~ . J . J O ~ossa3o~d O assa an b eled 'la~jssodoA!gelle s!eu o oluawour assa leulo1 eled apep!~!ge!.nens e lesn amp ol!ay lasuo3 o 'euloj essaa *snaaap soy u!ue3 sou solo~e6so ~euo!ssa~du! oqx? s!eu u 0 3 as-an6asuo3 apuo og!unal ep oluauou o 3 .sapep!un ap eulals!s op oluaueuo!3un~ o eled a~ey3oluod o opuas 'sa~ope~e~qsaa so a o~!aylasuo3o allua og5ela~ep lepadsa s!eu oluauou o a apep!un ep oyu!lueD 0

5

'

2

q

2

8

.oA!peu! no oA!ge elsa leuo!6au o as u a ~ e 3 -y!laA wed 'odue3 o U J O ~oplo3e ap sels!l se 1!~ajuo3uaAap JapuaA e sepez!lolne seossad sv .leuo!6au op oqu.1!.~e3a elnleu!sse e uo3 'apep!(e!3adsgep ogsr1puo3ap ope3y!g.~a3no e ~ d ~ ap ~ 0oyelnuloj 3 op ogSeluasa~de alue~p - a u epez!leal las apod os sapep!lepads3a elnp!lsaAu!ap se!u6!su! ap epuah v .eln~!~leu ap olaunu o a 0 6 ~ nas 3 o uey ual anb 'oqu!.~e3u n .~euo!~3ajuo~ u a m p s!euo!6a~so :epuaA '01-eu!sse a o(-equ!.~e3 'ogsnp -uo3 ap ope3y!l.~a3no (a o ! ~ e l n u ~ oelduo3 j) ap o!lelnuloj u n lay3uaald amp leuo!6au o 'apepllepads3 eun ap oluau!qa3a~no assel3 euln u a e~np!gsa~u! e~e~o~deo~:o!~p~nu~oj .sa~olnpold soe aluauele!pau! lepua amp odue3 o 'og5e~alleJaAnoy anb alduas .soA!peu! no soA!le oglsa as u a ~ ! ~ a j u a oodue3 ~ epe3 ap s!euo!6a~so ~ellnsuo3uessod anb wed ;,le!3yo olnpold,, lepyo olas o ualez!l!gn e sopez!logne a sopepuapa~~ sa~opa~au~oj/sa~olnpo~d soe epe!Aua las amp ey l!ueld ess3 :sopez!loJne a sopepuapan salopaDaulojlsaJoJnpold .eln3!.~~eu ap olaunu ousau o la3 e eqoA ela 'op!.~.103ap odual op aluapuadapu! 'leuo!6au las e aqon eossad essa ose3 *epeA!lesapa elnylew ens 'leuo!6au las ap ax!ap ala ose3 'oglu3 .eossad ellno ~ o epezyln d las apod e ~ n leuo!6au u u n ap eln3!lleu v

!


Unidade, fazer alguma refeiqio fora. A Unidade e livre para organizar os seus eventos, mas antes o Conselheiro precisa combinar as datas e obter a autorizaqio da Comissio Executiva do Clube. As atividades recreativas e esportivas sio as que mais agradam el por isso, devem integrar o Cantinho da Unidade. Porem, elas devem ser planejadas pelo Conselheiro, para que n i o se repitam em todas as reunibes, perdendo-se o foco do programa. Torneios esportivos, inclusive envolvendo outras Unidades, com regras bem delimitadas, sio excelentes opqbes para este momento. Infelizmente, a maior parte da populaqdo n i o gosta de ler. Porem, como a leitura e a grande porta para o sucesso na vida, em qualquer area do conhecimento, e obrigaqio do Clube desenvolver programas para o seu desenvolvimento. Um clube de leitura, ou clube do livro, e uma otima maneira de se cumprir essa meta. No clube de leitura, dedica-se um period0 do Cantinho da Unidade para que todos os Desbravadores leiam um dos livros disponi bilizados pela Comissio Executiva. Cada Desbravador deve ter o seu proprio livro, pois compartilhar o mesmo livro para dois ou mais Desbravadores ou mesmo o Conselheiro ler apenas um livro para todos os Desbravadores acompanharem n i o e eficaz el portanto, n i o deve acontecer. Ao final de cada mes, o Conselheiro faz a reuniio do clube de leitura, dentro do Cantinho da Unidade ou mesmo na casa de algum Desbravador. Nela, os Desbravadores terio que entregar um relatorio escrito e contar qua1 a historia do livro que leram. Assim que terminarem, trocam-se os livros, e inicia-se novo rodizio. 0 livro Pela graqa de Deus e o livro do clube do livro juvenil do ano devem fazer parte dessa biblioteca. Para esse momento se tornar ainda mais produtivo e eficaz, o Conselheiro deve corrigir as redaqbes escritas pelos garotos e garotas e fazer observaqbes em relaqio ao conteudo, ortografia, linguagem, etc. Ele nunca deve expor nenhum deles ou mostrar as observaqbes para outro Desbravador. E necessario deixar bem claro que essas redaqbes nao contam pontos ou fario eles perderem qualquer atividade do Clube, o objetivo e desenvolver neles a capacidade da escrita, o que far6 muita diferenqa na futura vida academics e profissional deles. Um item que n i o pode faltar NUNCA e a meditaqio. Mesmo existindo o devocional geral, no primeiro momento da reuniio, a meditaqio dentro do Cantinho da Unidade e ainda mais importante, pois assim os Desbravadores se sentirao mais a vontade para participar e tambem para soluciona r d uvidas. Dessa maneira, eles terio um crescimento espiritual ainda mais cornpleto. E tambem dentro do Cantinho da Unidade que o Conselheiro ensina aos Desbravadores os fundamentos do Clube, como os ideais, o hino, o grito de guerra, a historia dos Desbravadores, a historia do Clube local, como apresentar a Unidade, comandos basicos de Ordem Unida.. . E funqio do Conselheiro transformar os seus garotos em excelentes Desbravadores, ensinando tudo o que eles precisam para que possam desenvolver bem as suas a1:ividades. Outro item a ser cumprido e o incentivo i leitura do ano biblico. 0 Conselheiro, juntamente com o Capelio do Clube, deve criar planos e estrategias para cumprir esse objetivo. 0 cantinho da Unidade e o momento mais adequado para se trabalhar o sistema de meritos do CII- be. A ficha de presenqa e acompanhamento de cada Desbravador e item importante desse sistema e deve ser corretamente preenchida, pelo Secretario, em todas as reunibes. Para que o Cantinho da Unidade ocorra de maneira adequada, o Conselheiro deve se preparar semanalmente para ele. Dentro da proposta do programa, as atividades devem ser variadas, para que os Desbravadores desenvolvam habilidades em diversas areas e de diversas maneiras.Todas elas devem ser pensadas com antecedencia e todos os materiais providenciados. Em um tempo onde as crianqas estio acostumadas com amizades virtuais, o Cantinho da Unidade proporciona amizades reais, tanto com as crianqas da mesma idade quanto com Jesus.

z

3

G u

2EIl 2

n

125


921

selppueq :eJnllaqe e eled saluauoduro~salup6as so aluaureped!~aluel a ~ o l d ap ury e 'og!unaJ ep l e ~ ooe l oluenb s e ! ~ u a p ! ~ oseppap ~d se a u o l og!unal ep alua6!~!po no aqnl3 op lolal!a o anb o!~essa3auzej as 'oluel eled *aqnlIop og!unal ep oluaure~~ajua a elnuaqe ap o w s ! ~ou ! ~ aluaur -le!~adsa'sa~ope~e~qsaa ap aqng op eaq ~anblenbura la~esuads!pu!o!d!3u!~durn a ass3 .oluaw -e[aueld uroq urn o!~essa3aua ep!A essau zej as anb o opnl ura oyxa la1 as eled anb as-aqes

S QI

2

g

.!

2. Ln

-sellnoallua 'aqnl3 op sayunal 'sapep!~olnee og5eluasa~de' S O D ! salysap A~ :se!~uglsun3~!3 lanbs!enb qos uraplo eqajlad ura ura~e~olsap as ap a ura~el~-lasa~de as ap so!aur sapepyn se opueuo!3~odo~d 'se~!alya seu ureurloj salopeAelqsaa so ' s o l l n ~ so~l!ss!op a so6uol so~l!ss!op u r o ~ eos oqde o opueno .og!unaeu!ldps!p 'uraplo :apep!leuos~ade a l a y e 3 o u ~ a 6 aanb ~ so!dpu!ld sapue~6s a l l s!ua~nfsou JaAloAuasap 'sol -uaurnljsu! s!op sassa uro3 'lpej s!eu eulol as ar~bap ole4 olad op5uale e ueurey3 ours!np o a ep!un uraplo e 'sa~opeAe~qsaa opeurey3 oslaA!un ou sepelluo3ua sapep!A!pe sepe!JeA s!eu se alluaa

hapnes ep eurlojal ep a pjs!~3e!gsapour ep so!d!3u!ld so 1!n6as la~!pu!3sa~dur! a w q u r e j sojuana sassaN .seossad se ~eur!xo~de a apep!l!q!s!A le!l3 e urepn[e 's!ed sop a saeur sep e!p op og5e~ourauro3'solualel ap s!eA!jsaj '(seyxeur a epol ap se~!ape~u!lq u r o ~s!epos ) seloy ' ( e m ep 'o6ue~ourop 'oy l!ur op ejsaj) op!6a~ep se3!d!y sejsaj -aqnl3op og5e6ln~epe eled saze~yas!eu s o p u so ogs 'se!~el!unuo3a se!leuo!ss!ur sapep!A!ge sep ope1 oe 's!epos sapep!A!pe s t j .apep!unuro3 ep seossad a era161 ep solquraur uro3 S O I ~ ~ U ! Aeled J ~ apep!unl~odo !J~ e opueqa~oldelopol odn16 o uro3 laze4 as eled soluaAa sun6le ura uraqurel lesuad amp aqnl3 o 'apepyn ep s!epos sapep!A!ge sep uraltj .salopeAelqsaa sop lenl!~!dsa no leluaur 'o3!s!j ojuaur!AloAuasap o e~ed~!nq!~luo3 'eurloj eurn6le ap 'a~apapep!A!je tj iapnes ap so!dpu!ld sop a~!snpu! 'sogls!~3so!dpu!ld sop oJluap aluaurel!llsa lelsa amp apep!A!ge tj iajuasald lelsa amp opeposstj lojaJ!a no lojal!a o 'la~!ssodanb aldu~as iaqnl3 op sapeppye sellno sep o anb oursaur o a epjes ap og5ez!~o~ne ap oluaurlpa30.1d0 :apep!un ep leln~!g~ed lepos oluaAa urn lez!leaJ oe aluaur uralal amp as anb saluel~odur!soluod -sapez!ureseoq ~e3y!p!losa ~euo!3~odo~d eled n!nq!lluo3 oss! opnl 'eure[!d op aqou eurn laze4 'solun[ ogJ!aja~eurn laze4 'lepadsa assalalu! urn urey ual seuy -am no sou!uaur so anb apep!lepads3 eurn laze4 'opssed urn lefaueld 'solun[aurly wn qs!sstj -0dnl6 nas o l!un eled sapep!A!le saloy laur se ogs s!enb lepnlsa amp ala 'oluel~od'urn epe3 ap apep!leuos~ade uraq a3ayuo~a ollad elsa anb ala a 'salope~e~qsaa so allua og5euyxolde e ~ a ~ o u r ~o ~ od la~esuodsa~ d ledpu!ld o a oqay lasuo3 0 *apep!uneu a~uaurle!3adsa'opje~6aju!eu o~ypadsa0304 wo3 sapep!A!je Jez!leaJ ospald a elalduro3 elas epugladxa e anb eled seur '(e!3os og5elalu! ep epuale3 ep aued eoq uraldns aqnl3 op sa~eln6alsapepp!ge s t j *s!eaJsapez!ure ap s!eu zaA epe3 urespa~ds e j u e ! ~ se~'lenu!~s!eu zaA epe3 opunur urn ur3 -1aAepnesojuaur!qoAuasap urn erey anb eled lepos og5e~alu!ap o d ! ~ urn ap eyssa~aue!lela ex!ej epe3 'alua3salope op oluaur!AloAuasap alqos solnyde3 sou o l s ! ~ aur~ojuo3

P

o

u

m

% f VI

u

z

dP

2


(Pais, Estado, Desbravadores, etc.), corda de 4 ou 6 mm para o hasteamento, membros do Clube para o hasteamento e arriamento, pelotio de ideais (voto, lei, alvo, lema, proposito, objetivo, voto a Biblia e oraqio). Apos ser dado o sinal da abertura da reuniao, as Unidades sio formadas, sendo que o comando, automaticamente, esta com os capities. 0 s capities apresentam suas respectivas unidades ao Diretor ou ao dirigente da reuniio. Esse process0 deve ser feito serrlpre seguindo a sequ6ncia: Saudaqio Maranata, cargo (Capitio, Secretario, Conselheiro, etc.), o que esta representando (Unidade, ala masculina, ala feminina ou Clube) seguido do que se pretende (apresentaqio ou passagem de comando). A seguir e mostrado um exerr~plobastante simples da passagem de comando de um Capitio chamado Joio, da unidade Tubarees, do Clube de Desbravadores Reino Marinho, passando o comando para o Diretor Pedro, a fim de que se tenha melhor compreensio de como se deve funcionar o civismo de uma reuniio do clube.

---------

..

.

-- - --

--

0 Capitiio se aproxima do seusuperior e executa a saudaqiio Maranata (nu posiqiio de sentido levantar o antebraqo direito, miio espalmada, dedos unidos, polegar recolhido a palma da miio.0 antebraqo se desloca lateralmente em relaqiio ao corpo, ficando perfeitamente paralelo a ele. A miio fica a altura do rosto, o ijngulo entre o braqo e o antebraqo ti igual a 45"). 0 Diretor tambtim executa a saudaqiio Maranata, portim responde com '0 Senhor logo vem: 0 Capitiio fala: Capitiio 1060apresenta a Unidade Tubar6es, com todos os membros presentes, pronta para as atividades do dia. (Caso esteja faltando algutim, dizer quantos, por exemplo: Capitiio Joiio apresenta a Unidade Tubar6es, com quatro membros presentes e tres ausentes, pronta para as atividades do dia). 0 Diretor responde: Unidade apresentada, ao meu comando (fala isso olhando para a Unidade). Unidade Tubar6es, DESCANSAR. So se recebe o comando quando o grupamento/Unidade estiver em ordem e nu posiqiio de sentido. Em resposta, o Capitiio continua: Permissiio para entrar em forma. 0 Diretor responde: Permissiio concedida. Por fim, o Capitiio executa o comando meia-volta volver e rompe marcha com o p4 esquerdo.

1

%

--

------"

- "

-.

r

e

-

.

.

.,=

Essa sequencia se aplica para a apresentaqio e passagem de comando do Capitio ao Diretor na abertura da reuniio do Clube. A mudanqa acontece apenas nos cargos (Capitio, Conselheiro, Instrutor, etc.) e grupamento (Unidade, ala masculina, ala feminina, etc.).

DAS BANDEIRAS Logo em seguida, entra o pelotio de bandeiras para o hasteamento. 0 numero de membros desse pelotio deve ser compativel com o numero de bandeiras (dois Desbravadores por bandeira). A disposiqio das bandeiras e um item importantissimo e que muitos acabam confundindo. Mas n i o tem segredo: quando em numero impar, a bandeira Nacional deve ser a do centro e as demais dispostas em ordem de importdncia, alternadamente a direita e a esq~~erda da bandeira Nacional, ou seja, a esquerda e a direita de quem olha. Vejam o exemplo abaixo, com as bandeiras do Brasil, do Estado e dos Desbravadores.


:aqnl3 op a saJopeneJqsaa sop 'opelsg op 'l!seJg op seJ!apueq se uo3 'oxjeqe olduaxa o ue!a/\ -?Auanb ap ep~anbsae a el!aJ!p aluauepeuJa$le'eras no 'leuo!3e~eJ!apueq ep el!aJ!p e a ep~anbsae aluauepeu~alle'e!3uel~odu!ap uapJo ~ o se,sods!p d s!euap se a (an uanb ap op~anb -sa ope1 oe) oJlua3op ol!aJ!p ope1 oe Jelsaanap leuo!DeN eqapueq e 'led olaunu u a opueno


Desbravadores - BrasCl - Ministerio Jovem

Desbravadores - Estado - BrasCl - Municipio

Desbravadores - Municipio - Brasil- Estado - Ministerio

Clube Local - Ministerio Jovem - Estado -Brasil -

Jovem

Municipio - Desbravador

0 s Desbravadores que hasteario as bandeiras devem se posicionar de frente ao Clube e as bandeiras devem ser hasteadas enquanto se canta o hino nacional. Elas devem atingir o top0 em ordem de importincia, devendo coincidir com o termino do hino. Em hipotese nenhuma deve haver hasteamento sem a bandeira nacional. Em dias de luto, as bandeiras devem ser hasteadas a meio mastro. Para isso, elas devem atingir primeiramente o top0 e apos isso devem descer a meio mastro, coincidindo com o termino do hino. Em seguida, apos todas as bandeiras hasteadas, canta-se o hino dos Desbravadores.0 pelotio de porta-bandeiras pode se retirar e entrar em forma. Um segundo pelotio, formado por oito Desbravadores, deve se posicionar a frente do Clube, formando uma fileira. Eles deverio dirigir o momento dos ideais, na seguinte ordem, da direita para a esquerda: Voto, Lei, Alvo, Lema, Objetivo, Proposito e Voto de fidelidade a Biblia. 0 ultimo Desbravador faz a oraqio. Cada Desbravador que esta a frente para dirigir o momento dos ideais, deve anunciar o ideal, em seguida todos os presentes recitam juntos. Exemplo: Fulano diz "lei"; em seguida todos recitam "a lei dos Desbravador ordena-me.." No caso do Voto e do Voto de fidelidade a Biblia, e necesdrio fazer uma posiqiio especial, conforme estabelece o Regulamento de Uniformes do Ministerio de Desbravadores. 0 Diretor ou dirigente da reuniio da o comando FORA DE FORMA ao pelotiio dos ideais e os Desbravadores entram em forma. Com todo o Clube em formaqiio, o Capeliio faz o devocional. A seguir, o Diretor da as instruqbes gerais e dispensa o Clube para as atividades. No encerramento da reuniio, quando o Diretor ou dirigente da reuniiio der o sinal (dois silvos longos e dois silvos curtos), todos os Desbravadores se reunem de acordo com a mesma formaqio

x =I

ti TI

E

Ecn

e

a

129


da abertura. Contudo, n2o e mais necessario apresentar as Unidades, pois o cornando do Clube ja n2o esta com os capities. Assim que todo o Clube estiver em forma, entra o pelotao para o arriamento das bandeiras (que deve ser o mesmo que as hasteou no inicio da reuni2o) e arria as bandeiras com o Clube cantando o hino nacional. A ordem de descida deve ser por ordem de importincia, coincidindo com o termino do hino. As bandeiras devem ser dobradas da seguinte maneira: segurar a bandeira com o avesso para cima. Em seguida, dobrar a bandeira ao meio, de forma que a parte inferior da bandeira fique por cima. Depois, dobrar ao meio novamente, agora a parte superior da bandeira ficara por cima. Essa parte de cima n2o pode mais ser sobreposta e ela deve ser dobrada ern trPs, por baixo. Confiram o rnodelo:

s

P

2

u

.-

Todo esse cerimonial e encerrado com agradecimentos pela presenqa de todos os Desbravadores bem como os liltimos recados e uma oraqio final.

d 4.5.ORDEM UNIDA Q

IP 3

e

I

A Ordem Unida no Clube de Desbravadores tem como principais objetivos proporcionar aos Desbravadores e i s Unidades os meios de se apresentarem e se deslocarem em perfeita ordem, em


todas as circunstincias; desenvolver o sentimento de coesio e os reflexos de obediencia que sio fatores preponderantes; construir uma verdadeira escola de disciplina e permitir que o Clube apareca em publico, de forma elegante e marcial.

4.5.1. CONCEITOS

BASICOS

Formas50 - E a disposicio dos elementos de um grupo em linha ou em coluna. Exemplo: Formac2o por 4 (em que sio formadas 4 colunas), Formacio por Unidades (em que os capities assumem as suas Unidades na testa e o restante se posiciona um atras do outro, do maior para o menor.

Linha - Quando os Desbravadores estio dispostos um ao lado do outro. Fileira refere-se a profundidade e linha a vista lateral, de um mesmo grupo.


n 0

4 C n

.sodn~6no so~olqaJJua oleAJaJu! uas 'epug~s!pep a~uapuadapu!'oJJno op s t y l e u n oqsa saJopeAeJqsaa so opueno - eunlo3

m 0 m UI

S

PI

d

.(OJJ~O op ope1 op u n ) eJ!aly eusau eu sopeDolo3 saJopeAeJqsaa s!op aJJua o5edsa o 3 - olenlaJul

.o~uodousau o e~edepeJloA aJuaJje sopo~opual 'o~lnoop ope1 oe u n 'eyu!l eusau eu s o p e ~ o l o ogjsa ~ saJopeAeJqsaaso anb u a oe5eu~oj e 3 - el!al!j


Cobertura - e o espaco entre dois Desbravadores,onde estes estio um atras do outro.

.

Cobertura

.

Testa - E o Desbravador a frente de cada coluna. A soma daTesta de cada coluna forma aTesta do grupamento.

Retaguarda ou Cauda - ultimo Desbravador ou ultima fileira de Desbravadores de uma formacio.


*e6alo3 o opu!n6as a opuanour b3erq op aqleaaa

*lanour uras 'o3erq op aqleaaa

.aseq-~ope~e~qsaa olad epel-l!LuJa1aa.soIuauJ!AouJa suos ap eso!uoLuJey ogssaDnS - epuSpe3

.oJJnoop ope1 oe Lun 'ogJa~!peLusaLu e e ~ e dsop -ello/\ sop01 ' e ~ eyu!l a ~ eLun Lua sopeJ!alyua saJopeAeJqsaa so!JeA ap ogJ!sods!a- oauaureyu!lv


E urn Desbravador pelo o qua1 o grupo regula a sua cobertura, alinhamento e marcha. Este e o Testa da coluna da direita. Desbravador-base-

Desbravador-base Direita

Distancia - E o espaqo entre dois Desbravadores, um atras do outro e voltados para a mesma frente.

Profundidade - Espaqo entre a Testa do primeiro e a retaguarda do ultimo Desbravador de cada formaqdo.

Relembrando: Cauda

Cobertura

Alinhamento

Fileira

Testa (lembrando Coluna

Coluna Base Frente

4.5.2. FORMAS E VOZES DE COMANDO w n

Ha quatro meios de comando que podem ser usados em Ordem Unida: a) Voz - e a maneira padronizada pela qua1 o lnstrutor exprime verbalmente sua vontade. A mais usada em Ordem Unida, pois permite execuqdo simultdnea e imediata.

b) Apito - comandos por meio de apitos serdo dados media~iteo emprego de silvos longos e curtos, longos p/ advertencia e curtos p/ execuqdo.

3

G

0

F-

2UI n 2 135


'

-'f

9E1

n f--

.9 p\

A

-5

5

opueDleu 0!6olal uJn ap so~!aluodso uJasso4 sad so as o u o ~sne~6 ) sp u a seuaqe sad sop seluod s~ -ex03 eu sepjgeq sogu~se a oqal!p l e y u e ~ l e op ~ laleq o MOD umun as s a ~ e y u e ~so le~ -o~!ayued L! -MODop e ~ n u e eled 'aluay e wed opuey lo 'o!~u?l!su a ' l a ~ o ue3y ! JopeAelqsaa 0 - op!puaS 2 -o!Du?l!su a as-ualueu a tlVSNVIS3a 3. ap 0g5!sod e 'aluaue~!leuolne'opessed a ep!n6as u a 0607 .ose~o lo4 as 'sa~eluaueln6a~ sole/\ 2. -lalu! a se!~ugs!pse euJol ' o ~ ~ - L N ap~ ogS!sod s eu 'a le6nl nas o eled aluau~ep!de~ as-e~olsap $ lopenelqsaa e p e ~ ' ~ V W ~ ~~3 O Jog5n~axaep op!n6as '(s)eqaly (-na'ssll 'senp) eun ap eyu(l no '(-=la 'ssllls!op) u n lod eunlo~ oluod lei eled alualj '(-3la'apep!un) aqt-113:opueuo~ oe - eurloj urg n

$ 0

-.

3IAltlld

3d V SOaNVWO3 'Em5'V

9 e

P n

- o p u e u o op ~ og5el -!u!sse e eled esned euanbad eun lep as-amp 'og5n~axaap ZOA e a o p u e u o ~ap ZOA e allu3 -0dnl6 u n ualepueuoD ap salue 'aluau -lenp!A!pu! uanb!leld se ep!un u a p l o ap salolnllsul so anb o!lessa~aua 'ols! eled -auloj!un a ~ d -Mas eras og5n~axae anb eled 'sepez!uo~pedaluaueso~o6!~ las u a m p o p u e u o ~ap sazoA s~ -aqnl3o eled epelloA a ~ eej MOD 'e!~u?u!puo~ e epelsald elas uanb e (oloqujs no) apep!lolne e elluo~uaas anb ope1 op o p u e u o ~ap sazoA se elep lolnllsul o 'salysap SON -salopeAelqsaaso sopol lod o l s ! ~ a op!Ano las essod anb u a l e ~ oul n ap a odnl6 o wed epelloA alualj e MOD '0~111~3s ap og5!sod eu o p u e u o ~ap sazoA se g u a elamp lolnllsul 0 -alua~!lds!p og5n~axa eun opel.lnsal o u o la1 ~ elapod os e5ua~aj!pu!MOD ep!l!ua o p u e u o ~ap ZOA eun -salopeAelqsaa ap olaunu oe l e u o ! ~ ~ o d apep!sualu! o~d ap a se~!6~aua 'selel~las u a m p o p u e u o ~ ap sazoA s~ ' 3 1 - ~ ~3 3 ~' 0~1 - 1 ~ '~H~-UW :olduax3 W -1euy eqeljs e e!~unuoldogu asenb lolnllsul o 'e~!ugleqeljs eu!glnuad e MOD 'eras no 'euol!xo~edel~eledeun a ZOA elsa opuenb yy 'UlU8-03 'UWS-NV3-S3a ' U ~ A - ~ :solduax3 OA .e~]6~aua elsa opuas 'eqeljs essap og5e!~unuae ~e6uoleamp lolnllsul o 'e~!ugl eqqs eu!pln e MOD 'eras no 'euoljxo e ~ ~ e l e eun d a og5n~axaap ZOA e opueno .opeln~axalas amp oluau!Aou o anb u a oluauou olexa o leu!ulalap apep!leuy lod u a l - og5n~ax3ap z o ~ .eu!~e opellsou !oj OUOD 'so!~oleled - a d soluau!Aou ap og5n~axae u a p u o d s a ~ ~ anb o ~sol!p aluaue!ldold sopueuo~u a alueuodu! aluau~eln~!g~ed a opep!n~als3 -0dnl6 olad og5n~axaap apep!uloj!un e e ~ a l a u o ~ d ols! u o ~anblod 'ope!~unualas amp ousau o anb MOD e!6laua e leqpn[ald ap ouallxa oe opemi las amp ogu ' u a ~ o d'05~ojsael-opueuo~ o u a ~ d u anb o ~ sel~eledse sepol aluau1e~6alu! a elallo~ ~e!~unue lod as-le5lojsa amp aluepueuo~0 -06uollas amp 'o!dj~u!~d u a 'oyp aluaue!ldold o p u e u o ~0 'itlVSNV3S3a i3WtllJ itlltl803 'iOaIlN3S :solduax3 'SaJopeAeJqsaasolad oPez!leaJJas e oluau,l!Aou o A ~ D ! ~apep!leuy LI! lod ualSol!paluaue!ldold o p u e u o ~ o a - opueuJo3 ap z o ~ -saluee!~u?lla~pe ap ZOA e qadal ap apep!ssa~ -au OgN itl3AlOA VllOA V13W itl3AlOA Vl13tlla itl3AlOA Vat13noS3 iOCIIlN3S i38fl13 :solduax3 -sopueuo~ap epu?nbas eun epunua as opuenb ep!g!uo las apod e!~u?lla~pe ap ZOA v iOlN3WVdntlT)O ~ ~ N ~ I i3aValNfl0y3~3lVi381113 V O ~ ~ N ~ I :olduax3 V '~!n6ase oPe!Dunue eJas ar~bo p u e u o ~o eled o-opu!ua~a~d 'odnl6 oe ep as ar~bellale eun a - e!DugJanpw ap z o ~ :sailed E u a sep!p!A!p ogs o p u e u o ~ap sazoA s~ .ZOA

eA!A uJa sopueu~o~ sop sa~5!puo~ JaAnoy ogu opuenb e!~ugls!pe opez!l!gn - o)saD (p

.ep!un u a p l o u a oluau!~ay u o ~ a ossa~6o~d opelueepe u a oglsa e l anb saqnp wed aluauos opepuauo~atl.sepeule se5~oj sep s e y ~ l e ua sanbol ap lenueu o ~ ! l ~ a d soa lMOD o p l o ~ eap sopezll!pn oglas - e)auJo3 (3

m

g UI f

2

:


1 hora e 50 minutos), as mios espalmadas na altura das coxas, mantendo os bracos levemente dobrados, com os cotovelos na direcio do corpo, retos. Busto aprumado e cabeqa e ombros erguidos. Esta posiqio e a base de todas as outras na Ordem Unida.

Olhar a frente, cabesa erguida. Ombros da mesma altura entre si, e um pouco para tras.

Brasos caidos e ligeiramente curvos.

-

MZos espalmadas, coladas a lateral, todos os dedos unidos.

0 s joelhos ficam naturalmente distendidos.

--

Calcanhares unidos, pontas dos p4s separadas. (formando 4!i0graus, popular "70min para ds 2 h )

Descansar - Este comando s o pode ser dado a partir da posiqio de SENTIDO. Com o mover e bater do pe direito para o lado, mantendo o corpo confortavelmente distribuido entre os dois pes a mesma dist3ncia entre um ombro e outro. Simultaneamente, a m i o esquerda segura o punho da m i o direita fechada na altura da cintura, em posiqio confortavel. 0 Desbravador permanece em sil@ncioe em forma. Esta e a posiqio usada para entrar em forma, bem como para os seguintes comandos: Frente para a direita, frente para a esquerda e frente para a retaguarda.

-

/

Detalhe das m%os.

A m i o esquerda segura a miio direita que mantem o punho fechado, na altura da cintura.

-

0 s joelhos fazem uma ligeira flex%oapoiando o corpo no pe direito enquanto afasta-se o p6 esquerdo.

0 desbravador afasta o pe entre 35 - 45 cm. Man tendo os 45째graus, mesmo estando com os pds separados.


A vontade - A partir da posic3o de DESCANSAR, mantendo a posic3o e em forma. lsto permite ao Desbravador ficar a vontade, podendo falar e se mexer, mantendo a posic3o do pe direito como base. A contraordem e ATENCAO, onde o Desbravador retorna a posic3o de DESCANSAR.

0 pe direito deve permanecer no local da posisSo de descansar, nSo se pode mov6-lo.

Para o voto, posis5o - 0 Clube de Desbravadores n3o adota o comando apresentar armas. Em lugar disto, adota a posicio para o voto. A partir da posic3o SENTIDO, o Desbravador levanta sua m30 direita, a frente, rente ao corpo, ate a altura do ombro, com a palma da m3o para a frente, os dedos unidos, e o polegar cruzando a palma. Esta e a posic3o de Maranata, os quatro dedos s3o os quatro As da palavra Maranata: amar, anunciar, apressar e aguardar a volta de Cristo. 0 polegar cruzado significa o crist3o curvado, em reverencia a Deus. A contraordem e DESCANSAR POSICAO.

Posis5o para oras50 - A posicao para oral30 e uma atitude de reverencia a Deus. Ela deve ser comandada a partir da posic3o DESCANSAR, ent2o o Desbravador segurara o punho direito (m3o direita fechada) com a m3o esquerda, a altura do cinto. Retira-se qualquer cobertura usada na cabeca e inclina-se a cabeqa, fechando os olhos. 0 s pes permanecem como estavam. Apos o termino da orac30, os Desbravadores retornam automaticamente para a posic3o DESCANSAR.

MARANATA


Cobrir - A partir da posicio de SEN'TIDO, todos estendem o braco esquerdo para frente, com excecio da Testa, que o estende para o lado, sendo o braco estendido a altura do ombro do Desbravador, independente do tamanho do Desbravador da frente ou ao lado. A palma esta para baixo. Este comando e usado para acertar o alinhamento e a cobertura. A contraordem e FIRME, onde o Desbravador abaixa o braso e volta a posisio de SENTIDO. Estendendo o braqo esquerdo a frente, com a palma da miio voltada para baixo, ate,tocar levemente o ombro do companheiro da frente.

0 s desbravadores que estiverem na Testa da formaqiio estenderiio o braqo esquerdo para lado, tocando levemente ombro do companheiro da esquerda.

\

0 s dedos tanto da miio esquerda como da direita devem estar unidos.

A cobertura estara correta quando o Desbravador, olhando para a frente, enxergar somente a nuca do companheiro que o precede. 0 alinhamento estara correto quando o desbravador, conservando a cabeca imovel, olhar para a direita e para a esquerda (no canto do olho, sem que seja necessario virar a cabeca) verificar que se encontra no mesmo alinhamento que os demais companheiros de sua fileira.

Cobrir sem interval0 - Segue o mesmo padrao do comando COBRIR, com a diferensa de que a Testa cobre com o braco esquerdo dobrado, com a m i o fechada tocando a cintura e o cotovelo tocando o braco direito do colega ao lado.


Perfilar - Partindo da posicio DESCANSAR e estando o grupo em linha, para retificar o seu alinhamento, sera dado o comando: BASE DESBRAVADORTAL (Nome do Desbravador), PELA DlRElTA (PELA ESQUERDA ou PELO CENTRO) PERFILAR! Apos enunciar: BASE DESBRAVADORTAL, o comando d6 uma pausa para que o Desbravador se identifique, dizendo em voz alta e energicamente seu nome e erguendo seu brae0 direito; apos abaixar seu braco, o comando continua: PELA DlRElTA (PELA ESQUERDA ou PELO CENTRO) e da nova pausa, para que o grupo tome posicio de SENTIDO e so entio o comando completa: PERFILAR! A execugio se faz com toda a Testa e a coluna do Desbravador base posicionando-se em COBRIR e, ao mesmo tempo, todos os que n i o sio da colur~a base voltario vivamente seu rosto na direcio do Desbravador da coluna base que estiver em sua mesma linha. Em seguida, corrigirio distincias e intervalos, sem erguer o braco esquerdo. Portanto, este comando e dado em tres tempos. Exemplo: 0 Desbravador base se chama Pedro e esta no centro: BASE DESBRAVADOR PEDRO (Espera ele erguer o braco direito e gritar PEDRO) PELO CENTRO (Espera o Grupo executar SENTIDO), PERFILAR! 0 s Desbravadoresda testa e da coluna base executario o comando COBRIR, inclusive o Desbravador PEDRO. Todos os demais Desbravadores que n i o sio da coluna do PEDRO devem, ao mesmo tempo, virar o rosto energicamente para a coluna base, olhando o Desbravador que esta em sua mesma linha na Coluna do PEDRO (inclusive os Desbravadoresda Testa). Caso o lnstrutor queira reduzir os intervalos, pode-se usar o comando: BASE DESBRAVADOR TALI SEM INTERVALO, PELA DIREITA (PELA ESQUERDA OU PELO CENTRO) PERFII-AR. 0 comando deve ser executado exatamente como o PERFII-AR convencional, a diferenqa e que os Desbravadores da Testa cobrem sem intervalo. Frente para a Retaguarda - com o grupo em DESCANSAR, apos o comando, todos d i o um pulo fazendo urn giro no ar de 1800 pela esquerda, dando um grito caracteristico (RAou alguma combinaqio do grupo, como, por exemplo, o nome do Clube ou Unidade), sem, no entanto, deixarem a posicio DESCANSAR. Frente para a Esquerda - segue o mesmo principio do comando FRENTE PARA A RETAGUARDA, so que o grupo da um giro de apenas 90째, tambem pela esquerda. Frente para a Direita - segue o rnesmo principio do cornando FRENTE PARA A ESQUERDA, so que o giro de 90째 e pela direita. UI

0

u m

> h

5 d

Fora de forma - apos o comando MARCHE, o Desbravador bate fortemente seu pe esquerdo no chio, a frente, rompendo marcha. Pode-se combinar um grito caracteristico antes de romper a marcha, como o nome do Clube, da Unidade 0 grupo sai de forma rompendo marcha com o pe esquerdo (batendo no chiio) ou mesmo Desbravadores.

Fora de Forma

Rompimento Levara frente o braso direito. flexionando-o para cima e projetando para tr6s o braso esquerdo. Elevara o calcanhar direito

t

2 m a

C

2

0 desbravador levara o pe esquerdo a frente com a perna distendida. batendo no solo.


Esquerda - apos o comando VOLVER, o desbravador voltar-se-a para o lado esquerdo, a um Angulo de 90째, sobre o calcanhar do pe esquerdo e a planta do pe direito.Terminando o movimento, assentara a planta do pe esquerdo no solo, unira depois o pe direito, batendo energicamente os calcanhares. Direita - apos o comando VOLVER, o desbravador voltar-se-a para o lado direito, a um Angulo de 90째, sobre o calcanhar do pe direto e a planta do pe esquerdo. Terminando o movimento, assentara a planta do pe direito no solo, unira depois o pe esquerdo, batendo energicamente os ca lca nhares. Meia volta - apos o comando VOLVER, o desbravador voltar-se-a para o lado esquerdo, a um Angulo de 180째, sobre o calcanhar do pe esquerdo e a planta do pe direito.Terminando o movimento, assentara a planta do pe esquerdo no solo, unira depois o pe direito, batendo energicamente os calcanhares. Oitava a esquerda - apos o comando VOLVER, o desbravador voltar-se-a para o lado esql-rerdo, a um Angulo de 45O, sobre o calcanhar do pe esquerdo e a planta do pe direito. Tern-~inandoo movimento, assentara a planta do pe esquerdo no solo, unira depois o pe direito, batendo energicamente os calcanhares. Oitava a direita - apos o comando VOLVER, o desbravador voltar-se-a para o lado direito, a um ingr-110de 450, sobre o calcanhar do pe direto e a planta do pe esquerdo. Terminando o movimento, assentara a planta do pe direito no solo, unira depois o pe esquerdo, batendo energicamente os calcanhares. Olhar a direitalesquerda - a partir da posiqlo de SEN-TIDO, apos a voz de execuq20, os Desbravadores girarlo a cabeqa energicamente para o lado direito/esquerdo, sem desviar a linha dos ombros e sem modificar a posiqlo. 0 contracomando e OLHAR FRENTE. Observaqlo: a Testa e a coluna base n l o executam o comando.

4.5.5. MOVIMENTOS EM MARCHA Marche - usado como VOZ DE EXECUCAO para os comandos em marcha. Pode ser precedido pelo tip0 de passo (ORDINARIO,ACELERADO, SEM CADENCIA)ou ainda pela direqlo a seguir (DIRECAO A DIREITA, DIRECAOA ESQUERDA). Sem cadencia - apos o comando MARCHE, os Desbravadores romper20 com o pe esquerdo, so que n l o precisam marchar, devendo apenas manter-se alinhados e em formaqlo. Acelerado - apos o comando ACELERADO, o grupo responde com "R6"eflexiona os antebraqos a altura dos cotovelos, entlo da-se o comando MARCHE e o grupo rompe marcha em ritmo acelerado, mas mantendo a cadencia e o alinhamento. Ordinario - apos o comando MARCHE, o grupo rompe marcha (sempre com o pe esquerdo) e mantem uma cadencia em ritmo de passo normal (em media 116 passos/minuto), porem com postura marcial, batendo os pes no chlo com a mesma forqa, os braqos deverlo fazer um movimento acon-rpanhando o movimento do corpo, sendo a m2o com os dedos espalmados e unidos e chegando a altura do cinto. Marcar passo - geralmente utilizado para marcar a cadencia. 0 s Desbravadores deverlo estender os braqos ao lado do corpo, mantendo os dedos unidos e espalmados. 0 desbravador ent2o

4 0

u

e

E 3 141


comeqa a marchar sem sair do lugar, elevando um pouco mais os pes, mas sem exageros. Pode ser desfeito com o comando ALTO ou EM FRENTE, onde os Desbravadores rompem marcha em passo ordinario.

Marcando Passo

Detalhe do braqo, sem mover. Em frente - este comando e dado quando o grupo esta executando o MARCAR PASSO. Deve ser dado sempre no pe esquerdo, ent5o o Desbravador marcara mais um passo com o pe direito e rompera marcha em passo ordinario com o pe esquerdo.

ul

m

5

2ul

z w

5

4

Alto - deve ser usada uma VOZ DE ADVERTENCIA antes, pois o ALTO e a VOZ DE EXECU~AO. Preferencialmentee dado no pe esquerdo, mas independentedisto conta-se dois passos a partir do pe direito, parando a marcha no segundo passo, ou seja, no esquerdo (SEMPRE).Ao parar, unem-se os pes, levando o direito energicamente junto ao esquerdo, e as palmas das maos batidas contra as coxas, retornando assim a posiq5o de sentido. No passo ACELERADO, contam-se quatro passos. ao inves de dois, parando no quarto. Passos em frente - o lnstrutor informara a quantidade de passos a serem dados, sempre em numero impar e, ap6s o comando MARCHE, os Desbravadores romper20 marcha, s6 que ao completar o numero de passos exigidos eles automaticarner~teexecutario o ALTO (no ultimo passo), sern que este seja dito pelo Instrutor. Este comando e usado para deslocamentos curtos. Exemplo: 5 PASSOS EM FRENTE, MARCHE.

0

.-> 2 .-ulc .iZ Y

Y

2 -m 2

2

4.5.6. VOLTAS EM MARCHA As voltas em marcha so dever2o ser executadas nos deslocamentos em PASS0 ORDINARIO. Direita - Ap6s o comando VOLVER, que devera ser dado no pe direito, com o pe esquerdo o Desbravador dara urn passo mais curto e volvera a direita, sobre as plantas dos pes, prosseguindo a marcha com o pe esquerdo, na nova direq2o.


Esquerda - apos o comando VOLVER, que devera ser dado no pe esquerdo, com o pe direito o Desbravador dara um passo mais curto e volvera a esquerda, sobre as plantas dos pes, prosseguindo a marcha com o pe direito, na nova direqio. Oitavo a direita - apos o comando VOLVER, que devera ser dado no pe direito, com o pe esquerdo o Desbravador dara um passo mais curto e volvera a direita em 4S0, sobre as plantas dos pes, prosseguindo a marcha com o pe esquerdo, na nova direqio. Oitavo a esquerda - apos o comando VOLVER, que devera ser dado no pe esquerdo, com o pe direito o Desbravador dara um passo mais curto e volvera a esquerda em 450, sobre as plantas dos pes, prosseguindo a marcha com o pe direito, na nova direqio. Meia volta - Apos o comando VOLVER, que devera ser dado no pe esquerdo, com o pe direito o Desbravador dara um passo mais curto e fara um giro de 1 80째, sobre as plantas dos pes, sempre pelo lado esquerdo, prosseguindo a marcha com o pe direito, na nova direqio. Olhar a direitalesquerda - AVOZ DE EXECUCAOe dada no pe esquerdo, depois o Desbravador dara mais um passo com o pe direito e no proximo passo esquerdo ele batera mais forte o pe no solo e girara a cabeqa para o lado direito/esquerdo, sem que isso interrompa a marcha. ATesta e a coluna base n i o executam o comando. 0 comando e desfeito pelo OLHAR FRENTE.

0 ensino da Ordem Unida para o novo Desbravador devera ser, inicialmente, individual. A instruqio coletiva so devera ser iniciada apos o Desbravador ter conseguido destreza na execuqio individual dos movimentos. As instruqdes deverio ter um desenvolvimento gradual, isto el comeqar pelas partes mais simples, atingindo progressivamente as mais dificeis. 0 s treinos devergo ser frequentes, mas de no maximo 30 minutos, para que os Desbravadores n i o cansem, pois isto pode fazer com que eles criem repulsa pelo exercicio el progressivamente, pelo Clube. A Ordem Unida sempre devera ser dirigida por um lnstrutor que siga os principios cristios defendidos pelos adventistas do setimo dial de forma a n i o ridicularizar e nem menosprezar ninguem, fazendo com que o Desbravador que errou o comando pague com alguns castigos fisicos. 0 Instrutor deve tratar todos de forma igualitaria e respeitando as limitaqdes individuais, mas mesmo assim mantendo uma postura firme de forma a obter o respeito do grupo. E PROlBlDO A QUALQUER CLUBE DE DESBRAVADORES REALIZAR OU PROMOVER instruqio, treino ou concursos de Ordem Unida nas horas sabaticas. Comandos errados n i o devem ser executados.

As reunides do Clube de Desbravadores devem ocorrer regularmente todas as semanas, aos domingos, e aos sabados ou outros dias de semana sempre que necessario e possivel. Nestas reunides o programa do Clube e executado, objetivos especificos sio alcanqados, os Desbravadores sio motivados, treinados e despedidos com muita vontade de voltar para a proxima. Elementos basicos de todas as reunides: Civismo, ideais, hino dos Desbravadores, boas-vindas; Devocional; Ordem Unida;

n

3

E o u

i!

2PI a2 143


Classe biblica; Cantinho da Unidade; Instru~io de Classes e Especialidades; Recreaqio; Civismo, encerramento.

0 tempo e a descriqio detalhada de cada um desses elementos encontram-se no topico PROGRAMA DIARIO,no capitulo 3.1 "Planejamento". As reunides do Clube de Desbravadores se enquadram basicamente em duas categorias: ordinarias ou regulares e extraordinarias ou especiais.

ORDINARIASOU REGULARES Estas reunides sio as que ocorrem na sede do Clube. 520 sempre aos domingos pela manhi, das 8h00min as 1 1 h30min. Estes horarios n i o sio fixos ou rigidos, contudo, e o recomendado para se cumprir adequadamente o programa do Clube. E possivel encontrar, com certa frequencia, uma varia ~ i do o horario para mais ou para menos, porem, o programa oficial NUNCA pode ser prejudicado. Ha muitos Clubes que tPm reunides regulares aos sabados a tarde (nunca no horario do culto jovem), onde um protocolo (cerimbnia) de abertura e encerramento e respeitado e as principais atividade sio: classe bibllca, concurso do ano biblico, realiza~iode uma Especialidade (Atividades missionarias e comunitarias ou ADRA) ou requisitos das Classes (Descoberta Espiritual ou Servindo a Outros), etc. Exemplo sugestivo (5 de maio): Local: Sala dos jovens -

- -- - - -

HORARIO

- _

-

I ,I

>

h

,

-

-.-

-

3

-

.

.- .-

-

!!! ,

m m

w L

.-c .-

-am a e

144

16h50min

-

-

-

'

-

- - - .- - - -. - -

I Computador, projetor, estudos biblicos, Biblia LL ---- L A

]I - RESPONSAVEL .

- -

I

1

-- . - .

Diretor

,I

I

-

e perguntas para todos os Desbravadores

- -.--.

do Clube -

--

Copias das cruzadinhas

I

--

--

I

1;

Encerramento

E

- --

~r --

Biblia, cofrinho, 'I tabelas dos dons e Especialidade de Mordomia Manual de '' Especialidades -.. . - -.-,.-----------

Oraqio-final . _

. - .

--

7 . -

--

---

rememorizaqdo da ljltima semana Pergur~tas da semana

I--- 7 .-w5

c

,

MATERIAIS

'I-

CD Player e CD com o Hino dos Desbravadores

-- .- . - . - -- - . - --Concurso do ano biblico: Cruzadinhas de

-!I

,

I

-

-

, ,

Abertura Hino dos Desbravadores Oraqio -

16h00min

- --

-

1

1 #,L,

ATlVl DADES

.

15h40min

n

- - --1

I;

15h00min -,--

_

Instrutor/Capelio

- - ---

I

-----'

II

:

1II

Tesoureiro da ' lgreja I --

.

.---

.- -

!

Desbravador voluntario -

-

_

_

.

-

.

CULT0 JOVEM -.m--

-

-

-

-

- ---

1

S3o nestas reunides ordinarias que o espirito do Clube se afirma, a disciplina e implementada e, portanto, devem ser sempre muito bem planejadas.


Estas reunides sdo essenciais para o treinamento mais pratico. Ocorrem ao ar livre, nas ruas, na Igreja, nas excursdes e em todos os lugares onde o Clube ministrara aos Desbravadores. Nesta categoria de reuniio entra a infinidade de opqdes que serdo escolhidas pelo planejamento: cerim6nias, acampamentos, caminhadas, campanhas, desfiles, projetos, noites recreativas e etc. Sio inumeraveis as possibilidades. Entretanto, muitos Clubes negligenciam estas reunides, n i o saindo da sede com seus Desbravadores, o que constitui um err0 fatal. Geralmente isto ocorre por falta de conhecimento e lideranqa da direqio. Clube de Desbravadores que funciona bem se reune fora da sede, pelo menos, uma vez por mes. H i a possibilidade de haver reunides especiais para ensaiar para um desfile, preparar uma cerimBnia no doming0 a tarde, etc. E possivel que estas reunides possam ser apenas para uma parcela do Clube, como uma ala, uma Unidade ou a fanfarra, pelotiio especial de Ordem Unida ou Classe reunida. Estas reunides n2o seguirzo um protocolo definido, dependeriio mais de seus objetivos e tempo disponivel. Todas as vezes que a reuniio especial for fora do perimetro urbano ou os Desbravadores tiverem que utilizar as estradas intermunicipais ou houver pernoite, o Clube devera exigir do Desbravador a autorizaqio dos pais ou responsaveis. 0 Desbravador n i o podera participar da atividade sem esta autorizaqiio por escrito. Sugestiio anexa (anexo F). Se o evento for fora do estado de origem, a assinatura do responsavel deve ser reconhecida em cartorio e uma autorizaqio junto ao Juizado de Menores do Mu~iicipiodeve ser conseguida, para amparar judicialmente e civilmente os Diretores durante a viagem.

4.7. INSIGNIA DE EXCELENCIA 1 A ExcelPncia e o alvo dos Conselheiros para os seus Desbravadores. A insignia foi desenvolvida para incentivar um alto padriio de conduta e desempenho do Desbravador como individuo, no periodo de um ano. Todos os Clubes devem adotar o programa da Insignia de ExcelPncia. Apenas aqueles que alcanqaram um elevado padriio de eficiencia como Desbravador podem recebe-la. Este deve ser um dos objetivos da Unidade, pois somente Desbravadores podem receber a insignia e deverio usa-la no uniforme somente por um ano. 0 uso em definitivo sera aos que receberam a insignia por mais de dois anos, consecutivos ou alternados, ou para aqueles que a receberam em seu ultimo ano de Desbravador, desde que seus atos estejam sempre em conformidade com os ideais e com a filosofia do Clube de Desbravadores. A insignia de excelencia tarnbem podera ser entregue, em carater definitivo, aos membros da direqio do Clube que se dedicaram ao movimento por, no minimo, cinco anos seguidos, desde que seus atos estejam sempre em conformidade com os ideais e com a filosofia do Clube de Desbravadores. A forma de uso no uniforme oficial e regida pelo Regulamento de Uniformes do Ministerio de Desbravadores da Divisao Sul-Americana. d

...:+

Por ocasiio do encerramento do ano, a Comissio Executiva do Clube faz a seleqdo daqueles que estao em condiqdes de receber a insignia, adotando os seguintes criterios: Ser membro ativo do Clube, por um ano ou mais. Ser exemplo: uniforme impecavel, pontualidade nas reunides e estar ativamente envolvido em sua Unidade. Crer e viver os ldeais dos Desbravadores. Aceitar voluntariamente as responsabilidades que Ihe sao designadas.

n

3

b o u

e2

0

0

L

n


Ter b o m relacionamento c o m todos incluindo a Unidade. Relacionar-se c o m todos d e uma forma cristi positiva. Ser u m b o m aluno e ter boas notas na escola. Concluir, n o ano e m curso, a Classe Regular e Avanqada correspondente a sua idade e fazer todas as Especialidades pedidas e m Classe. Declaraqio dos pais com os seguintes itens, obediencia, prestatividade e participaqio. Esses criterios s i o o rni17imoq u e o Desbravador precisa cumprir para receber a insignia e o n i o c u ~ n p r i m e n t od e qualquer u m deles impossibilita a sua entrega.

4.7.2. ENTREGA A insignia deve ser entregue ao Desbravador na cerimdnia d e encerramento das atividades, o u n o Dia d o Desbravador, pelo lider mais graduado o u pelo lider da investidura. A Comissio Executiva deve definir q u a r ~ d osera feita a entrega, para q u e esta so ocorra uma vez ao ano, tornando o momento ainda mais solene. Por ser u m sistema d e avaliaqio anual, a Insignia d e Excelencia t e m prazo de validade. A insignia pertence ao Clube e n i o ao Desbravador e ela so pode ser usada por ele por u m period0 d e u m ano. Assim, antes da cerimdnia d e encerrarnento o u Dia d o Desbravador, o Diretor d o Clube deve recolher a insignia d e todos os Desbravadores, mesmo daqueles q u e conquistaram-na novamente. Na cerimenia, ele faz nova entrega e assim sucessivamente. Dessa maneira, os Desbravadores entenderio a excelencia d o programa e Ihe d a r i o o devido valor, pois se eles n i o conseguirem alcanqa-lo, terdo q u e se esforqar n o ano seguinte e assim, cada vez mais, os Desbravadores estario se desenvolvendo. Este e o objetivo da Insignia d e Excelencia.

4.8. CAPELANIA

w n 3

I

0 que difere as atividades dos CIubes d e Desbravadores para os clubes de escotismo, e m geral, e a enfase q u e dada a parte espiritual d o crescimento dos seus membros. A direqio d o Clube e o Capelio precisam ter e m mente, de forma clara e precisa, os propositos espirituais d o Clube. 0 programa d o ano deve ajuda-10s n o desenvolvimento da experier~ciacristi. As crianqas devem receber orientaqbes para que possam compreender corn clareza o caminho da salvaqio e tambem compartilha-lo, como rnissior~arios.0 s lideres devem compreender o m u n d o d o juvenil, sua linguagem, descobrir seus interesses, estuda-los, para que o programa d o Clube possa realmente alcanqa-10s e motiva-10s. "0 melhor preparo e o desenvolvimento harm6nico das faculdades fisicas, intelectuais e espirituais. Prepara o Desbravador para o gozo d o serviqo rleste mundo, e para aquela alegria mais elevada por u m rnais dilatado serviqo n o m u n d o vindouro" (Ellen White, Educaqio, p. 13).

0

>

P

m

bUI

.-

.

E

a

-m g 146

A forma mais comuln d e estirnular o aspect0 espiritual dos Desbravadores e explorando o rnomento d o devocional aos domingos e nas classes biblicas. hlesse momento, que pode ser feito d e forma geral o u e m Unidades, deve-se aproveitar a atenqio das crianqas falando as coisas d e Deus de forma seria e criativa. 0 s devocionais devem ser feitos explorando a curiosidade dos juvenis e adolescentes. Por isso as tecnicas d e se contar as historias biblicas, explorando sua imaginaqio, devem ser usadas. Evite falatorios interminaveis, liturgias e m forma d e cultos, como se fossem adultos. 0 s juvenis precisam amar esse momento e os lideres devem explora-lo:


Use recursos audiovisuais, que chamam (prendem) mais a atenqio. N u m m u n d o posmoderno, onde as informaqdes s i o fragmentadas e a atenqio e menos concentrada, esses recursos ajudam os juverlis a prestarem mais atenqio e prepararem seu cognitivo para o ensinamento que vem a seguir. Use os dons de certas pessoas, que t e m mais habilidade d e contar e explorar as historias, alguem que consiga passar e m o q i o e criatividade n o falar, que leve os meninos e mer~inas a usarem a imaginaqio. Explore a capacidade que eles tern que aprender pela reflexio. Engana-se quem acha que os juverlis n i o conseguem compreender e tirar liqdes dos ensinamentos. Eles precisam ser estimulados. Nunca termine urna historia, urna meditaqio, u m trecho da palavra d e Deus sem u m apelo. N i o os leve para ambientes e m sala d e aula (eles ja e s t i o fartos disso durante a semana) o u os coloquem e m formaqio para a meditaqio. 0 ideal e que esse momento seja dinirnico, fora dos padrdes. Faqa os caminhar, interagir c o m a historia. Estimule que eles encenem a historia. Faqa-os aprenderem pela movimentaqio - quando for possivel, pela interaqio com a historia. Ela valera rrril vezes mais quando ele se sentir dentro da mesma, d o que ouvi-la sentado, c o m muitas coisas que desviam sua atenqio. Use a parte espiritual d o c a r t i o como inspiraqio para esse momento. Por exemplo: por que ndo contar a historia de Ester o u Jonas, e m quatro partes, urna e m cada semana, usando materiais audiovisuais, criatividade, interaqio e movimentaqio entre as Unidades?

0 devocional tambem permite q u e o Clube tenha apoio d e outros membros da Igreja, pais o u simpatizantes nos momentos d o Clube. AS vezes existe u m irmio, u m pai de u m Desbravador o u alguem que gosta d o Clube, mas n i o pode participar das reuni6es semanalmente, que ficaria feliz e m participar esporadicamente e m alguns momentos das re[-~nides.Aqui esta o momento d e unir o util ao agradavel: essa pessoa usa suas habilidades para ajudar o Clube, simpatizam-se por ele e os Desbravadores p o d e m ser surpreendidos pelo d o m e criatividade d e alguem que eles menos esperavam. Explore tambem as dinimicas d e grupo nesse momento. Hoje existem diversos materiais disponibilizados e m apostilas e livros, o u ate mesmo na internet, que auxiliam na execuqio de divertidas e criativas dinsmicas que podem ser feitas c o m os Desbravadores. Lembre-se que urna verdade pode ser b e m melhor fixada na mente das crianqas se elas executarem I-lma tarefa, ao inves de simplesmente ouvirem. Quanto mais usarmos todos os sentidos humanos, maior sera o poder d e o cerebro fixar o aprendizado. Para finalizar essa parte, aqui e s t i o algumas orientaqdes irrlportantes para se ter sucesso nessa area c o m Desbravadores e lideres: Jamais va despreparado para urna r e u n i i o nessa parte. Como lider d o Clube, voce sempre deve ter umal'carta na mangancom relaqio aos devocionais. Serrlpre terlha urna dinimica e u m devocional criativo separado para caso algo d e errado, como o responsavel n i o ir, por exemplo. Nunca use esse momento d e forma descartavel: "Chegou o momento d o devocional, n i o temos nada e n t i o vamos ler qualquer coisa da Biblia e preencher o vazio". Lembre-se que o que nos difere como Clube dos demais movimentos de escotismos e a espiritualidade. Lidamos com salvaqio. E mais importante alguem que tenha habilidade d e falar d e Deus aos juverlis dentro d o Clube d o que a l g ~ ~ eque m faqa wma centena de nos e amarras. Salvaqio e Serviqo, necessariamente nessa ordem.

=I

b

,O

E

2UI 2 0. 147


No comeqo do ano, a direqiio do clube deve sentar e montar estrategias de como salvar cada crianqa para Jesus naquele ano. Para os batizados, compete ao Clube discipula-10s e conserva-10s na Igreja. Para os ndo batizados, compete-nos pregar o Evangelho Eterno. A classe biblCca e um instrumento poderosissimo de transformacdo das vidas dos juvenis. Lembre-se que na idade de 9-1 2 anos acontecem muitas convers6es e eles sdo rnais susceptiveis ao Evangelho. Tambem e urna porta de entrada para o Ministerio Pessoal da lgreja conquistar seus pais ou responsaveis. De qualquer forma, em suma, pode-se dizer que a classe Biblia deve ser urna das mais - sendo a maior - atividade do Clube durante o ano. Exatamente isso que voc6 pensou: mais do que leva-lo a um Campori no final do ano, leva-lo a Canad Celestial deve ser nosso maior objetivo. A classe biblica dos adolescentes e juvenis n50 pode ter a mesma dinsmica da dos adultos. Precisamos de mui1:o mais dinsmica e criatividade para levar a mente deles a mesma informacdo que muito mais facilmente um adulto aceitaria. Por isso n i o deve ser um estudo biblico convencional, mas um momento de aprender a Biblia de forma dinsmica e criativa. Seguem algumas orientac6es: Tente evitar os discursos ir-~terminaveis, os apelos racionais e outras tecnicas e formas que levariamos a mesma mensagem a urna pessoa adulta. A crianca precisa de outras formas de aprendizado: a) Criatividade. Voce ndo conseguira ter o mesrno 6xito se for previsivel. Eles precisam ser

surpreendidos semanalmente com a forma de como vocP passa a mensagem. Use materiais, recursos e dinamize o aprendizado. Ao inves de contar a mensagem de Deus das Bem Aventuran~asem urna sala de aula, caminhe com eles de madrugada ate o pe de um monte perto de sua casa e o faca ao ar livre. Ao inves de contar a historia do batismo de Jesus em urna quadra coberta, deixe para fazer isso num acampamento, levando-os ate urn rio e cor~tandodetalhes de como foi aquele momento, e que um dia Deus quer que cada um deles passe.

b) Atenqiio. Um adulto consegue ficar 50 minutos escutando e meditando em urna serie racional de informac6es. A crianca ndo el por isso, a classe biblica n i o pode ser urn serm5o interminavel. Use recursos que os facam prestarem atencio o maior tempo possivel. Por isso o estudo deve ser dinamico sempre e devemos surpreende-10s a cada instante. Por exemplo: vocP esta falando sobre a Biblia como Palavra de Deus e como os escritores biblicos escreveram cada um dos 66 Ilvros.. . Quando o nivel de atencio deles diminuirem, rapidamente proponha urna atividade entre as Unidades para ver quem acha mais rapidamente um verso biblico ou leve os nomes dos livros da Biblia em forma de quebra cabeca ou em fichas e faca urna dinsmica onde em menor tempo eles devem coloca-10s em ordem. Recupere a atenc50, para que a fixac5o seja melhor. c) Apelo. 0 s Desbravadores precisam terminar cada estudo da Biblia com um apelo. 0 Espirito Santo guia suas jovens mentes ao entendimento e decisdo.0~apelos devem ser sistematicos e crescentes, ate que tornem a decisao ao lado de Jesus. 0 lnstrutor da classe biblica e as pessoas que ajudardo o Clube nessa area devem ter isso em mente sempre, a cada reunido.

Use os materiais que a Divisdo, Unido e Associa~do/Missdoproduzem para que as classes biblicas sejam feitas. Existem hoje licdes e materiais muito bor~sque auxiliam o lnstrutor a passar os ensinamentos da Biblla. Produza tambern seus proprios materiais. Emprestem do Ministerio da Crianca e Ministerio do Adolescente de sua Igreja os recursos audiovisuais


para esse momento de aprendizado. Use de forma criativa tudo que puder na hora de levar a mensagem do evangelho a cada juvenil e adolescente da forma mais dindmica possivel. Leve em consideraqio a forma como devemos passar os ensinamentos da classe biblica. 0 simples preencher dos requisitos do cartio ou do livreto do estudo biblico padrio de seu Campo n i o significa que ele aprendeu. Reforce essa aprendizagem de forma dindmica, fazendo gincanas entre as Unidades, criando provas para cumprir os requisitos biblicos, va in loco fazer a apresentaqao das historias, use as encenaqdes para que os meninos e meninas se sintam dentro da historia, divida-os em grupos menores que as Unidades para discutirem e expressarem suas opini6es sobre os ensinamentos biblicos.. . enfim, faqa mais do que apenas ler o verso e responder na liqio: seja criativo e dinimico na aprendizagem, para fixa-la me1hor na mente da crianqa. Use tambem os requisitos da parte espiritual do cartio, em conjunto com os Instrutores das Classes. Sobre o que estudar? Sobre o que discutir? 0 que fazer?0 s cartdes de registro das Classes, Regulares ou Avanqadas e de Lideranqa vem com varias orientaqbes. Estimule a leitura da Biblia atraves do ano biblico juvenil, usando o guia de marcaqao elaborado pela Divisio, disponibilizado pelo Campo. A classe biblica deve ser um programa fix0 dentro do planejamento anual do Clube, n i o apenas mais um programa a ser feito de vez em quando ou quando for necessario preencher o calendario com alguma atividade. Assim, a classe Biblia deve ser realizada semanalmente. 0 Capelio tambem deve estimular as Unidades a se encontrarem mais vezes durante a semana, formando Pequenos Grupos. Esses momentos de encontro para orarem, cantarem e estudarem a Biblia serio de grande valor no crescimento espiritual e na formaqio do carater de cada juvenil e adolescente, assim como de seus Conselheiros e lideres. Lembre-se sempre de alguns detalhes para se ter sucesso nessa atividade. No preparo espiritual, exige-se que vocP seja uma pessoa de oraqio, por isso, ore antes, durante e depois do estudo biblico e interceda a Deus pelos seus meninos e meninas. No preparo intelectual, vote deve conhecer e estudar o assunto a ser apresentado el se for necessario, tirar duvidas com pessoas mais experientes. Na hora que estiver em atividade, seja gentil e atencioso, chame os meninos e meninas pelo nome, fale de maneira clara e agradavel e jamais critique ou entre em discussio. Cuidado com sua pontualidade: cumpra fielmente o horario combinado. Crie um clima agradavel para o estudo e cuide para n i o desviar a conversa do objetivo. Quando possivel, d@seu testemunho pessoal, contando como aquela mensagem e importante para a sua propria vida.

0 objetivo do Clube de Desbravadores ensalvardo pecado e guiar no serviqo". 0 batismo e uma parte importante desse processo. Mas n i o e possivel colher onde n i o se plantou. Durante todo o ano o Clube precisa dedicar-se a pregar o evangelho para as crianqas e prepara-las para a decisdo do batismo. Ele deve fazer isso com muito carinho, oraqio e intercessio perante Deus. Todas as atividades do Clube devem ser destinadas a terem seus frutos no batismo. Devemos ter um cuidado especial com os pais n i o adventistas. Ninguem pode achar que estamosl'forqando a barrat: Com pais que n i o conhecem bem a lgreja e precis0 conversar com calma e saber dosar o aprendizado dos filhos. Se vocP oferece ao Desbravador n i o adventista uma quantidade muito grande de informaqbes, alem de deixi-lo confuso, pode desgostar os pais que professam outra religiio ou n i o tPm o desejo, no momento, de que seu filho ingresse numa igreja. Wio podemos correr o risco de o Desbravador ser retirado do Clube, pois e melhor pouco contato do que nenhum.

w

n

3

i5 u

2UI

e

a


$

2 2 n UI

; w

u w n

G u

b $UI .E

2 m a c

% 150

Use outros recursos no caso desses juvenis. Comece com material mais leve e promova a curiosidade em maior nivel do que a informacio. Quando ele mesmo sentir o desejo de entender rnais os assuntos que sio falados no ambiente do CIube, urna boa parte das barreheaspara a aceitaqioja terio sido depostas por ele mesmo. Ganhe a confiarrca do pai n3o adventista, deixando bem claro que a religiio e essential para o crescimento dele como pessoa. Nos estudamos a Biblia para que o padrio moral de Deus, contido em sua Palavra, transforme a vide de cada membro. No terceiro trimestre do ano, com a chegada do Batismo da Primavera, aumenta o interesse dos juvenis pelo batismo. Afinal, esta foi urna cerim6nia originalmente preparada para eles. Mas, enquanto aumenta o desejo deles, por outro lado surgem os questionamentos sobre a legitimidade deste tip0 de batismo, alguns acham que e muito cedo, que e urna deciszo sem muita profundidade, que urna decisio nessa fase n i o dura muito e vai acabar em apostasia, ou que a igreja esta diminuindo a importdncia do batismo ao aceita-10s t i o cedo. Deus aceita e enterrde a decisio de cada pessoa dentro de sua realidade. Um juvenil esta apenas comecando a entender a vida e e dentro deste context0 que ele faz sua entrega. Ela n i o pode ser comparada ao alcance da decisio de um adulto, ate porque esta longe dessa fase e n i o enfrenta a mesma realidade de vida. Ao tomar sua decis30, um juvenil esta declarando seu amor por Jesus, seu desejo de ficar ao lado dEle e seu compromisso com as coisas simples e praticas do evangelho. Ellerr White e clara quando diz que 'b batismo n i 0 torna cristis as crianqas, tampouco as converte; e apenas um sinal exterior que demonstra sentirem dever ser filhos de Deus, reconhecendo que creem em Jesus Cristo como seu Salvador e que daipor diante viverio para Ele" (Ellen White, Orientacio da Crianqa, p. 499). E preciso ter cuidado com o excess0 de cobranca. Conhecendo os principios basicos e se comprometendo com eles, o juvenil vai ter a oportunidade de continuar crescendo durante sua vida cristi. Esse crescimento vai depender principalmente da maneira como foi iniciada sua vida cristi. Se ele foi bem recebido, se foi estimulado, se Ihe foram ensinadas as coisas praticas, se foi envolvido e se sentiu aceito na Igreja, isso vai preparar o caminho para o crescimento, que vira com a experierrcia cristi e com a idade. 0 s juvenis e adolescentes tem um alto valor para Deus, por isso e preciso ter muito cuidado com as constantes negativas quanto ao batismo deles. Precisamos mostrar-lhe o batismo como um muro. Nzo um muro intransponivel, mas um muro de protecio, criando nele um desejo cada vez maior de recebe-10s. Constantes negativas, proibiq6es1exigencias ou dificuldades para autorizar o batismo acabam criando um sentimento de rejeiczo, formando urna barreira. 0 que um dia foi um sonho comeca a se tornar algo inc6modo. Seu raciocinio passa a ser: 5 e 6 t i o bom, por que eu nunca

posse?': A orientacio profetica, com Ellen White, ensirra que a partir dos oito anos de idade as crianqas ja comecam a entrar em urna nova fase da vida. A partir dessa fase, elas tambem ja deveriam comecar a ser preparadas para a decisio por Cristo, por isso nessa idade elas ja devem comeqar a ser conduzidas nesta direqio. Esse n i o e um tema a ser jogado para o futuro, mas urna quest30 que deve ser apresentada aos juvenis na primeira oportunidade em que eles puderem considera-la, pois, quando comecam a fazer suas decis6es mais serias, quando comecam a ter mais autonomia, quando ja devem ter alguma responsabilldade e responder por suas atitudes, precisam ser levados a decidir por Jesus. Mais do que os lideres da lgreja, cabe aos pais terem sabedoria para administrar essa questzo. Sua atitude deve ser sempre na direclo de apoiar e estimular a decislo de entregar a vida a Jesus. Ellen White orienta que I'ao tocar o Espirito Santo o coraqio das crianqas, cooperai com Sua obra. Ensinai-lhes que o Salvador as esta chamando, que coisa alguma /he podera causar maior alegria do que se entregarem a Ele nu floresc&nciae vigor de seus anos" (Ellerr White, Evangelismo, p. 580). Se um juverril quer ser batizado, mas ainda n i o esta na idade ideal, e importante nzo negar, mas mostrar que vai ser batizado dentro de mais algum tempo. E a oportunidade para comecar a


estudar as coisas praticas da vida cristi e criar atividades especiais que v i o lhe preparar ate a idade propria. 0 s pais devem avaliar, sempre, a capacidade de decisio e interesse, mas devem fugir de criar metas de perfeiqio para que sejam batizados, muito menos apresentar o batismo nos momentos de disciplina. 0 conselho inspirado e: "se errarem, n i o os critiqueis. Nunca os censureis de serem batizados e ainda estarem cometendo erros. Lembrai-vos de que eles ainda t&mmuito a aprender quanto aos deveres do filho de Deus': (Ellen White, Orientacio da C~pianqa,p. 500). A atitude da lideranca da igreja tambem deve ser sempre no sentido de apoiar a decisio pelo batismo. Mesmo que n i o tenha idade ou n i o esteja preparado, a lgreja deve demonstrar interesse em ajudar a molda-lo, estudar com ele, incentivar para que mantenha essa decisio viva. Alguns cuidados especiais devem ser tornados para apoia-10s nessa importante decisio: N i o minimizar ou ridicularizar sua decisio. Evite concentrar observaqbes negativas ou criar I,lm padrio inatingivel. Evitar argumentar que n i o podem ser batizados porque sio muito novos e v5o acabar apostatando. A apostasia, na maioria dos casos, e maior entre os adultos do que entre os juvenis. Se eles forem envolvidos e se comprometerem com a lgreja desde pequenos, t@mmuito menos possibilidades de sair. Avaliar o desejo e a situaqio da familia. E precis0 que a familia compreenda e apoie a decisio. "Consentindo com o batismo dos filhos, os pais contraem em relaqio a eles a responsabilidade sagrada de despenseiros para guia-10s nu formaqio do carater" (Ellen White, Orientaqio da Crianqa, p. 501). Havendo necessidade, buscar"padrinhos"espirituais. Ha muitos que ndo t6m urna familia estavel, ou vem de familia que n i o tem a mesma fe. E importante que um adulto, o Clube de Desbravadores ou Aventureiros ou a Escola Sabatina possam apoia-10s e orienta-10s nos primeiros passos. A preocupaqio de providenciar a liqio da Escola Sabatina, um convite para almoqar no Sabado ou para sentar junto nos cultos da lgreja pode fazer urna grande diferenqa. No caso de familias n i o adventistas, pode ser urna oportunidade para conquista-10s tambem. Ellen White garante que "or meio dos filhos, muitos pais serio alcanqados" (Ellen White, Evangelismo, p. 584).

4.8.4. ATIVIDADES ESPEClAlS Dentro do ano, os Clubes estario sendo incentivados pelo seu Can-lpo a desenvolverem atividades especiais, como a Escola Cristii de Ferias e as Semanas de Oraciio Juvenil e Adolescente, encontros regionalizados, congressos e outros projetos missionarios. lndependente disso, o Clube deve proporcionar aos seus membros programaqbes espirituais locais. Seguem algumas sugestbes: Pequenos Grupos. A Unidade ja el em si, um excelente Pequeno Gr~,~po. Mas aqui queremos explorar e sugerir outras atividades que devem ser feitas fora do Clube. As Unidades devem se reunir, esporadicamente, para crescer em sua espiritualidade. 0 Conselheiro e Diretoresdo Clube devem estimular esses encontros fora das atividades regulares do Clube, para que seus membros se visitem entre si e que tenham um tempo separado para orar, cantar e estudar mais a Biblia. Existem materiais disponiveis em seu Can-~poque ajudam na programac50 desses encontros. Peqa ao departamento de Evangelismo e Pequenos Grupos de sua Associaqio/Missio material necessirio para desenvolver essas atividades. Bivaques espirituais. Estamos acostumados a acampar para desenvolver habilidades campestres, fogueiras e cozinha ao ar livre, orientaqio, nos e amarras. Por que n i o estimular urna vez a cada semestre um bivaque (uma pernoite) para o Clube passar alguns momentos espirituais entre seus membros? 0 s bivaques geralmente sio baratos de se fazerem, pois gasta-se muito pouco, ja que e apenas urna noite. Geralmente se caminha

4G h DI 2 151


ate o local do evento e os custos podem ser arcados pelos seus proprios membros. A direqio deve programar esse evento, explorando os cartdes na sua area espiritual el assim, unimos o ljtil ao agradavel: os Desbravadores amam acampar e nos devemos amar estimular a parte espiritual do aprendizado deles. Atividades de testifica~iio.0 s cartdes das Classes pedem que nos criemos atividades que

demonstrem nossa fe as ou1:ras pessoas. "Para que a obra possa avanqar em todos os ramos, Deus pede vigor, zelo e coragern proprios dos jovens e juvenis. Ele escolheu a juventude para ajudar no progress0 de Sua causal'. (Ellen White, Obreiro Evangelicos, p. 67). Alguns passos para essas atividades: a) Programe com antecedencia a data e certifique que os acertos foram feitos com os juvenis, com seus pais (autorizaqio) e com o local onde irio visitar. b) Faqa desse momento uma ocasiao de reflexio para seus juvenis e adolescentes. Por exemplo, quando estiverem visitando um asilo, demonstre a eles como devemos tratar nossos pais, descrito no 50 mandamento da Lei de Deus; ou quando forem fazer um projeto comunitario, fale a eles como Deus espera que cuidemos do meio ambiente, usando historias biblicas para demonstrar isso.

4.8.5.PROJETOS MISSIONARIOS A Pnfase do Clube de Desbravadores, assim como de todo o Ministerio de Desbravadores, e a salvaqio e o serviqo. Para isso, o Clube deve oferecer, em seu programa regular, atividades que ofereqam a salvaqio tanto aos seus membros quanto tambem a comunidade. Varios sio os meios para se conseguir a salvaqio dos seus membros, pois esse proposito ja est6 diluido em todo o programa oficial, porem, para a salvaqio da comunidade que o cerca, 6 precis0 que os Desbravadores e lideres transponham as barreiras da sede e apresentem as pessoas o grande lider Jesus. "VocPs sao a luz do mundo. Nao se pode esconder uma cidade construida sobre um monte. E, tambem, ninguem acende uma candeia e a coloca debaixo

U1

que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocPs, que esta nos ceusr:

i

u !!

m; d

n

u w n

G 0

u

P ! .-

.+

U1

.E E

u

a m

2 152

0 s projetos missionarios integram o programa oficial do Clube de Desbravadores exatamente neste ponto, o de levar a luz diante dos homens. Sio atividades que envolvem a participaqio, direta ou indireta, de cada garoto e garota na grande obra da redenqio humana. Sio varias as formas de se alcanqar esse objetivo. 0 Clube deve escolher os projetos missionarios que mais se adaptam a sua realidade local, porem, algumas merecem destaque especial neste manual.

SEMANA D O CALVARIO A semana do calvario e urn momento muito propicio para o evangelismo, pois o coraqio das pessoas esti sensibilizado pela data em que se lembra o sacrificio de Jesus. E um evento oficial da lgreja Adventista do Setimo Dia, portanto, todas as lgrejas realizam uma programaqio especial. Nesse caso, o Clube de Desbravadores deve ser um cooperador da Igreja. 0 Diretor do Clube, no inicio do ano, deve dispor o Clube a Comissio da lgreja para trabalhar ativamente na assim charnadal'sernana santa". Deve formular o planejamentojuntamente corn os outros departamentos, de forma a envolver, de fato, os Desbravadores no programa.


0 Clube pode atuar, principalmente, na divulgaqio do programa, recepqio dos convidados na lgreja todas as noites, apresentaqio de mensagens musicais, etc. 0 s Desbravadores que estiverem escalades para o programa daquela noite devem estar com uniforme de gala. Todo o trabalho de Deus e muito serio e sua obra deve ser realizada com muito zelo e dedicaqio. Assim, e funqio do Capelio, do Conselheiro e do Diretor do Clube treinarem os Desbravadores para cada uma das atividades que participario, de forma que elas sejam muito bem executadas. N i o e o momento, por exemplo, de colocar os Desbravadores em atividades que nmca desempenharam, pois o evento recebe muitos visitantes.

PROJETO BALSAMO 0 Projeto Balsamo e um projeto missionario desenvolvido no dia de finados, de forma a confortar o coraqio das pessoas pela perda dos seus entes queridos.Tambem e uma excelente oportunidade de evangelismo, pois todos estio sensibilizados pela data. A doutrina da morte e diferencial na lgreja Adventista. Grande parte da populaqio n i o conhece a verdade biblica a esse respeito, por grande influencia das religides pagis e mesmo da midia. Assim, o Clube se torna um precioso agente de salvaqio, por apresentar a com~~nidade os maravilhosos oraculos de Deus. Dessa maneira, o projeto balsam0 vai muito alem da distribuiqio de folhetos no cemiterio. Essa deve ser apenas a porta de entrada para o projeto propriamente dito. Um programa especial na lgreja deve ser preparado. 0 Diretor do Clube deve providenciar o melhor orador para explanar o assunto da morte. As musicas devem confortar o coraqio daqueles que sofrem a perda de um amigo ou fan-riliar e a mensagem de Deus deve ser apresentada de maneira pura aos convidados. A distribuiqio de folhetos no cemiterio, que deve ser iniciada nas primeiras horas da manhi, deve, alem de oferecer mensagens biblicas de conforto, ser Llm convite a programaqio que acontecera a noite. 0 s Desbravadores devem estar uniformizados e com cordialidade convidarem cada pessoa para participar. Devem estar pontualmente na lgreja, para receber cada amigo visitante. Uma equipe deve estar preparada para, apos o culto, anotar os dados dos convidados e oferecer um curso biblico. Servir um lanche saudavel ajuda a socializar e a envolver aqueles que tanto precisam de conforto. 0 Clube deve compartilhar os nomes das pessoas com a lgreja para a instruqio dos cursos biblicos.

VOZ DO JUVENIL A Voz do Juvenil e uma serie de oito noites onde os Desbravadores tem a oportur~idadede pregar. Podem ser dias seguidos, em forma de semana de oraqio, ou por oito quartas ou don-ringos. Apesar de ser um evento especifico para desenvolver a oratoria dos juvenis, nenhum deles deve subir ao pulpito antes do devido preparo pessoal-espiritual. Essa tarefa importantissima compete ao Capelio e ao Conselheiro. Eles devem ser o suporte do Desbravador e ajuda-lo no que precisar para a apresentaqio da mensagem. Diferente dos demais projetos missionarios, a Voz do Juvenil tem um publico-alvo diferente, os proprios Desbravadores, que aprenderio, na pratica, os metodos para apresentar Jesus as pessoas.

DISTRIBUICAODE LITERATURAS A distribuiqio de literaturas e folhetos e um dos projetos mais executados no Clube de Desbravadores, provavelmente pela sua simplicidade. Apesar da simplicidade, n i o deve ;er feito de qualquer maneira. 0 s Desbravadores devem ser treinados a terem sempre uma boa palavra de inimo i s pessoas com quem entrar em contato. 0 projeto tem a sua importincia, porem, n i o pode se tornar o unico projeto missionario do Clube.

g

e

n


SEMANAS DE ORACAO As semanas de oracZo devem ser programas especiais onde o Clube promove mensagens musicais e espirituais de qualidade para a lgreja e convidados. Com o devido preparo e com a qualidade das apresentac6es1e urn arnbierlte acor~chegantee envolvente para receber amigos e vizinhos.

4.9. ATlVlDADES CAMPESTRES

I I

As atividades campestres nZo sZo uma possibilidade no programa do Clube de Desbravadores, antes, e um imperativo, ou seja, niio existe Clube de Desbravadores que nZo tenha um forte e bem estruturado programa de atividades campestres. E no campo, fora da cidade, que o Desbravador se encontra em seu local preferido; e no carnpo, nas rnatas, bosques e florestas que um lider de Desbravadores se sente a vontade, onde exerce sua lideranca por excelencia e onde meninos e meninas aprendem do Criador atraves da Revelacao Geral. "Muitas ilustraq6es da Naturezasio empregadas pelos escritores da Biblia; el observando nos as coisas do mundo natural, habilitamo-nos, sob a guia do Espirito Santo, para compreender mais amplamente as liq6es da Palavra de Deus. assim que a Natureza se torna uma chave do tesouro da Palavra." (Ellen White, EducacZo, p. 120). Ao planejar um ano de atividades, a CornissZo Executiva do Clube deve ter em rnente as palavras do sal mista, quando diz 'bs ceus declaram a gloria de Deus e o firmamento anuncia a obra das Suas mios. Um dia faz declaraqio a outro dial e uma noite mostra sabedoria a outra noite': Sa lmo 19:1 e 2. As atividades campestres oferecem a oportunidade de se experimentar um dos objetivos de Deus para nos. Ellen White afirma: '-2 designio de Deus manifestarpor meio de Seu povo osprincipios de Seu reino. A fim de que lhes seja possivel revelar esses princbios nu vida e no carater, Ele deseja separa-10s dos costumes, habitos e praticas do mundo. Procura leva-10s mais perto de Si, de mod0 a poder dar-lhes a conhecer Sua vontade'i (Ellen White, Conselhos aos pais, professores e estudantes, p. 321). Entretanto, uma advertencia deve ser feita a direcZo do Clube. As atividades campestres G o praticas recreativas, uma alternativa a diversao, rnas antes de tudo uma oportunidade de crescimento no conhecimento de Cristo Jesus e nurlca urn aliment0 a espiritos egoistas e desejosos de exibicao de forca fisica e brutalidade. "Deus nao reconhece os caqadores de prazer como Seus seguidores" (Ellen White, 0 lar adventista, p. 525), logo, ao planejarmos nossas caminhadas, acampamentos, acantonarnentos ou qualquer outra atividade, e necessario oracZo, estudo da Palavra e estudo tecnico das atividades e so bre o ser humano, pois "P necessario haver grande temperanqa nus diversees, bem como em qualqueroutra ocupaqLio': (Ellen White, Conselhos aos pais, professores e estudantes, p. 333). Todas as atividades que ocorrerem fora da sede do Clube precisam ser aprovadas pela ComissZo da Igreja. w

u

4.9.1.CAM lNHADAS

Xa

G $ B

2 a .z

.--Et

-2 IP

a E

g

154

Uma das atividades rnais desafiadoras el ao rnesmo ternpo, prazerosas do programa do Clube de Desbravadores sZo as caminhadas. Em tempos de sedentarismo, motivar os juvenis a participarem de caminhadas e um desafio para os lideres. Uma caminhada, para ser bem sucedida, deve ser planejada com a antecedencia necessaria. Este tempo sera determinado ao se levar em conta as respostas as seguintes perguntas: Quais os objetivos fisicos, mentais e espirituais? Para qua1 idade? Quantos quilbmetros? Qual o percurso?


Uma vez que isso deve ser o comeqo d o planejamento, devemos observar os seguintes elementos para o sucesso da empreitada:

it-

Estaqdo d o ano (no planejamento anual) e detalhes d o clima (alguns dias de antecedsncia); Tipo d e terreno predominante e acidentes naturais d o percurso; Conhecer o ecossistema d o percurso para poder respeita-lo; Equipamento; Vestuario; Plano d e emerghcia; Autorizaqdo dos responsaveis pelos menores d e idade; Treine seu Clube o u Unidade: como preparar u m lanche para a caminhada, como organizar a mochila, como escolher o vestuario e calqado. Quando o percurso permitir (estradas e pistas) u m carro deve acompanhar a marcha para providenciar u m recurso adequado para emerghcias.

REGRAS GERAIS DAS CAMINHADAS Todos devem ter documentos consigo e guardados de maneira apropriada; 0 trajeto deve ser longo o suficiente para cumprir o cartdo o u Especialidade e para manter a saude; DP atenqdo especial a mochila e a sua organizaqdo; Todos devem estar usando o lenqo d o Desbravador; Camir~hec o m as mdos livres o u c o m u m bastio, ele aliviara a carga sobre os joelhos; Deve-se caminhar e m fila indiana (um atras d o outro), d o menor para o maior. 0 menor na frente. Se o terreno permitir, e m fila dupla, para que as crianqas possam ter com q u e m conversar. Em meio a vegetaqdo, prefira a fila indiana, ela causa menor impact0 ambiental; Quando e m estradas e rodovias, ande na contramdo, vote evitara carros vindos as suas costas; Use roupas claras, diminuem a sensaqio d e calor e chamam mais a atenqio como fator de seguranqa; Use calqados confortaveis e apropriados. N i o se arrisque com uma bota o u t h i s novo, prefira os usados; Se a caminhada for noturna o u 1:iver ,trecho noturno, o primeiro deve usar uma luz sinalizadora branca e o ultimo uma luz vermelha; Sempre verificar a distancia na frente e na parte traseira d o grupo que caminha Mantenha sua forma natural de caminhar, respeitando o passo dos menores; Se o objetivo da caminhada for a contemplaqio e observaqio da natureza, imprima u m ritmo lento, se for o exercicio e fortalecimento fisico, prefira u m ritmo mais vigoroso; Planeje o t e m p o adequado para descanso; Leve agua suficiente e beba e m pequenos goles, n i o espere ter sede. Ndo tomar refrigerantes; Leve u m lanche leve se for uma caminhada de u m dia; Em caminhadas de longa duraqdo, se houver necessidade, prefira fog0 a gas a fogueiras (existem equipamentos adequados e m lojas especializadas); N i o permita barulho excessivo e indisciplina; Tenha uma caixa de primeiros socorros a m i o ; Desenvolva o habito de anotar, tenha L I caderninho ~ a disposiqdo.

w n

-U 3 0

u

z2

0

e

n 155


Uma das experiencias mais marcantes na vida de um Desbravador e a primeira noite fora de casa, na companhia de amigos da mesma idade e orientados por adultos cristios. Assim, se abre ao juvenil algumas possibilidades rnuito interessantes, tais como as noites do pijama, os acantonamentos e bivaques, para n i o falar num acampamento propriamente dito. Obviamente existem outras atividades que envolvem urn pernoite, mas abordaremos aqui algumas consideracbes e regras gerais para bem liderar essas atividades.

Sio eventos organizados pelos Conselheiros, geralmente na casa de um Desbravador, com a presenca dos pais destes, para um momento de brincadeiras, risos, conversas e planos com a Unidade. E excelente para um primeiro contato corn ulna familia e com os rneninos. As vantagens sio: um ambiente seguro e regulado, conforto, tempo para a troca de ideias, um bom momento para se conversar sobre os valores da Unidade. Em nenhuma hipotese deve haver um programa de noite do pijama com Desbravadores, juvenis ou jovens, de ambos os sexos, no mesmo lugar. Se possivel, nem ao mesmo tempo, ou seja, no mesmo final de semana, para que se evitem confusbes, rnal er~tendidose falatorios, principalmente se envolver as Unidades maiores. * Verifique se este programa e adequado para a sua regiio.

ACANTONAMENTOS A diferenca entre um acampamento e um acantonamento e que este e realizado em urna area coberta, tal como urna escola, barracio, celeiro, hoteis, centros de treinamentos ou casa. Nesta atividade n i o se dorme ao ar livre ou em barracas e desfrutam de comodidade como banheiros, cozinha e refeitorio, auditorio, quadras e etc. Pode-se ter atividades muito parecidas com as de um acampamento, tais como observacio de estrelas, o ensino de urna Especialidade, atividades espirituais em geral. E um excelente programa de preparo para urn acarnpamento. Portanto, n i o seria correto usar o termo acampamento quando n i o se esta acampando de barracas. lsto e um acantonamento. 0 termo camping vem de campo, estar no campo, estar acampado. Devemos fazer bem a diferenca entre estes dois eventos.

BIVAQUES Como a America do Sul e um continente imenso e com urna variedade cultural maravilhosa, algumas palavras tem significados diferentes de um lugar para o outro. Bivaque pode significar urna excursio de um dial urna jornada, caminhada, exploracio e etc., sem pernoite, ou um pernoite em si. Para efeitos de padrorliza~iode terrnos, neste Manual bivaque e UI-naatividade de pernoite. Contudo, n i o e um pernoite qualquer, antes e um pernoite ao relento, sem cobertura ou, no maximo, com urna cobertura improvisada, sem barracas fabricadas previamente. Esta e urna atividade de muito valor tecnico para um Clube ou Unidade. Ela exige um bom preparo e colabora para urna maior intimidade com a natureza. E um desafio moderado e emocionante para os juvenis e jovens do Clube. Algumas regras: Como urna atividade de pernoite, mesmo o programa estando contemplado no Planejamerlto Anual e aprovado no inicio do ano pela Comissio da Igreja, deve-se ter uma permissdo desta, proxima a data, para que o evento seja realizado. Se for de apenas urna


Unidade, a autorizaqio da Comissio Executiva do Clube basta, desde que com o devido conhecimento da Comissio da Igreja. 0 s menores de idade devem ter uma autorizaqio por escrito dos pais ou responsaveis; Quando o evento for de uma Unidade, a Comissio Executiva do Clube deve receber um planejamento por escrito do Conselheiro; 0 horario de sono deve ser respeitado de acordo com os principios de saude sustentados pela lgreja Adventista do Setimo Dia; Quando houver a participaqio de juvenis de ambos os sexos, as regras de comportamento devem ser as mesmas de acampamentos e outras atividades da Igreja.

4.9.3. ACAM PAME NTOS 0 que e um acampamento?"Paramuitos, acampamento e simplesmente um lugar. E ha muito de verdade nesse conceito. Realmente os aca mpamentos sio realizados em um lugar, geralmente belo [...I. 0 acampamento e um lugar onde podemos sentir de perto a grandeza de Deus na criaqio do mundo, o seu amor e o seu cuidado em fazer tudo belo e perfeitol'. (Alvin Hatton, Vamos acampar: orientaqio para aca wrpamentos eva ngelicos, p. 9). Essa definiqao e muito interessante, mas ainda ha que se pensar em acawrpamento como um programa ou atividade que acontece em um lugar definido e com caracteristicas definidas. Uma boa definiqio e a que diz: l'o acampamento e a base de operaq6es que permite desenvolver, a partir dele, muitas e variadas atividades em concorddncia com seus objetivos" (Elvio Pero, ManualExplorary acampar, p. 9). Logo, para os Desbravadores, acampamento e um local e um programa com atividades e caracteristicas especificas, tais como: Awrbiente rural, silvestre, campestre, fora da influencia urbana; Onde se aprende obter o maximo de conforto com o minimo de materiais industrializados e mesmo naturais, para se evitar a destruiqao; Onde se alcanqa maior contato com o Deus Criador; De onde o Desbravador volta para sua rotina com sua fe no Salvador renovada. Sem estas caracteristicas basicas, n i o ha acawrpamento. Assim, alem de um local, ,'para outros, Acampamento significa Programa Missionario. Estes vio direto ao plano do acampamento" (Elvio Pero, ManualExplorary acampar, p. 9).

A FlNALlDADE D O ACAMPAMENTO 0 Clube jamais far6 qualquer coisa so por fazer. Tudo deve estar dentro de um plano definido e corn objetivos claros. Assim, destacamos as seguintes finalidades de um acampamento:

Promover a proximidade com Deus atraves da criaqio; Aumentar a sociabilizaqio entre os membros do Clube; Familiarizar-se com o ambiente natural, silvestre, inospito el as vezes, hostil; Distanciar o juvenil da depend6ncia tecnologica; Ensinar o juvenil a ter confianqa propria e fortalecer sua autoestima; Desenvolver o vigor fisico; Satisfazer o espirito de aventura; Ensinar as habilidades para se enfrentar os elementos naturais; Desenvolver a capacidade de observaqio; Desenvolver a criatividade; Desenvolver o espirito de grupo.


Existem varios tipos de acampamentos, entre eles: Acampamento recreativo e sociabilizac20: as atividades sera0 para proporcionarem integrac%o,boas risadas, aumentar a confianca dos pais na diretoria, oferecer ambientaczo aos lideres novatos bem como motivar os juvenis. E um excelente "cart20 de visitasUaos aspirantes antes do recebimento do lenco. Este tip0 de acampamento geralmente e realizado num sitio ou chacara, com boa infraestrutura. Acarnpamento de irrstruciio: as atividades s3o basicamente de treino das habilidades campestres, tais como nos, amarras, montagem de abrigos, fogueiras, resgate e primeiros socorros, construcao de pioneirias e etc. Geralmente o local do acampamento e mais inospito, exigindo maior tecnica dos lideres e juvenis. a) Basico: utilizando barracas manufaturadas, recipientes de cozinha e outros apetrechos comprados. b) Avancado: quase nenhum equipamento manufaturado e utilizado. 0 dominio das tecnicas de sobrevivencia e empregado de acordo corn o rtivel dos acampantes. Uma pequena lembransa: o Clube de Desbravadores n i 0 realiza acampamentos paramilitares ou de sobrevivencia. Pode sim, realizar algumas experiencias e treinamentos com adultos dentro da estrita observincia dos valores da etica e da filosofia cristis. Muitas atividades avancadas s3o passadas para os juvenis como"sobreviv6ncia"e est2o longe disto. Acampamento fixo: realizado em um unico local por todo o periodo de acarnpamento. Acampamento movel ou volante: realizado de forma ambulante, pernoitando em diferentes lugares durante o periodo do acampamento. A mochila bem preparada e a maior aliada. Exige um nivel tecnico bastante apurado. Esses modelos se combinam e se misturam, contudo, servem para nortear o planejamento da atividade. Todos eles podem ainda ser realizados pelo Clube todo, por uma das alas, feminina ou masculina, e ainda por Unidade. 0 Clube devera, quando as condic6es permitirem, organizar os seguintes acampamentos:

ul

u m > m

hul

d

u -

X3

Com a direqiio e capitses; Um acampamento de todo o Clube com cozinha central; Um acampamento de todo o Clube com cozinha por Unidade; Acampamentos de Unidades e/ou Classes.

PLANEJANDO UM ACAMPAMENTO Uma vez observado o planejamento geral do Clube ou da Unidade e aproximando a data do acampamento, a Comissao Executiva do Clube ira: Escolher o modelo de acampamento, se recreativo, se de instrue20 ou outro;

G

Oferecer o adestramento necessario ao Clube: preparo fisico, psicologico, espiritual e tecnico;

0

Escolher o local:

u 0 .-> w

2

w

UI

a) Va ao local e explore-o. Ore, pedindo a Deus que os anjos comecem a ocupar o local, preparando-o para seu Clube e para os objetivos que foram tracados. Use o bom senso e ouca conselhos. b) Verifque a distdncia dos locais de socorro tais como hospitais, postos de policia e bombeiros. C) Observe: se ha agua potavel, a periculosidade das fontes de agua, tais como profundidade principalmente. Se ha arvores para sombra ou se s2o ameacadoras por estarern


podres ou serem frageis. Veja a posiqio do sol, se o terreno e muito inclinado, se ha lenha para cozinhar, se ha material para as pioneirias, se ha sinal de celular (ele pode ser o melhor equipamento de socorro), as rotas de socorro, o espaco em relac30 ao numero de participantes e principalmente a autoriza@o do proprietario ou responsavel. Divida as tarefas entre a direqio; Calcule os custos; Liste e comurrique claramente o que o Desbravador deve levar e o que n i o deve levar; Envie o comunicado aos pais, faqa uma reuniio com eles e orem juntos; Exija de cada participante menor de idade a autorizaqio assinada pelo responsavel, receitas medicas e medicamentos, bem como orientaqdes sobre qualquer necessidade especial e faqa uma pasta de seguranqa com todos estes documentos; Contrate o transporte de uma empresa iddnea e sempre contrate o seguro para todos; Ore ainda mais, ate o momento de sair com os juvenis, enquanto estiver com eles sob sua responsabilidade e depois, para agradecer e para pedir que a mensagem do acampamento .floresqa no coraqio de cada participante. Na coordenaqdo de Llm acampamento o lider encontra diversas situaqdes onde pode desenvolver de maneira pratica as habilidades que tem aprendido nas instruqdes teoricas da Classe. 0 que ele aprender, jamais esquecera! 0 modelo de planejamento abaixo e bastante util e didatico, pois delimita bem as atribuiqdes de cada um, facilitando a organizaqio geral. A Comissio Executiva do Clube deve explicar cada atribuiqio e fazer a divisio, conferindo, posteriormente, o andamento de cada Lima das seqdes. Para um melhor aproveitamento, e recomendado que este planejamento seja iniciado com, pelo menos, tres meses de antecedencia, para que haja tempo habil para todos cumprirem satisfatoriamente as suas funqdes. Lembrem-se que o planejamento adequado e a chave do sucesso! Sio oito as areas a serem trabalhadas: I - Programaqio espiritual; II - Provas; Ill - Instruqio; IV - Inspeqio e Disciplina; V - Civismo; VI - Infraestrut~~ra; VII - Intendencia,VIII - Secretaria. A seguir estio as atribuiqdes de cada uma: I - Programaqio espiritual a) Planejar e dirigir as meditaqdes matinais; b) Planejar e dirigir o programa de abertura; c) Planejar e dirigir o programa de encerramento; d) Planejar e dirigir as atividades de fog0 do conselho; e) Planejar e dirigir os cultos noturnos; f) Providenciar pessoas responsaveis em dirigir o momento de cintico das programaqdes; g) Providenciar um cantor para cada programa~io. II - Provas a) Planejar todas as provas do acampamento, sejam instrutivas, recreativas ou historias; b) Listar, para cada prova, o tempo necessario para a realizaqio, numero de pessoas envolvidas, objetivos, materiais necessarios; c) Dirigir e fiscalizar a realizaqio de todas as provas; d) Desenvolver as planilhas do sistema de pontuaqio. Ill - lnstruqio a) Listar todas as atividades das Classes possiveis de serem realizadas no acampamento; b) Planejar e desenvolver uma metodologia de ensino para cada uma destas atividades; c) Providenciar meios para o cumprimento das mesmas.

X3 G

0

D

m

E

20 n2. 159


IV - Inspeqio e disciplina a) Fazer a inspeqio d e toda a area d o acampamento, incluindo: barracas, uso d e pioneirias, cozinha, latrina; b) Fazer anotaqees referentes aos atos d e indisciplina cometidos pelos Desbravadores durante t o d o o period0 d o acampamento; c) Assegurar o cumprimento das normas estabelecidas para o b o m funcionamento d o acampamento; d) Deser~volveras planilhas a serem utilizadas na inspeqio. V - Civismo a) Providenciar urn local para o hastearnento das bandeiras; b) Coordenar o hasteamento e arriamento das bandeiras; c) Conduzir a apresentaqio dos ideais e hino dos Desbravadores; d) Providenciar e responsabilizar-se pelos materiais necessarios a realizaqio desta atividade. VI - lnfraestrutura a) De acordo c o m a realidade d o local d o acampamento, montar u m a planta d e toda a estrutura a ser montada; b) Providenciar os materiais necessarios para a construqio das cozinhas e dos sanitarios; c) Construir os sanitarios; d) Auxiliar as Unidades na montagem das cozinhas e d o acamparnento; e) Responsa bilizar-se pela seguranqa estrutural d e todos os locais onde sera realizada alguma atividade. VII - Intendencia a) Fazer u m levantamento d e t o d o o material q u e sera utilizado pelas outras equipes; b) Fazer u m orqamento deste material; c) Providenciar a aquisiqio destes materiais; d) Responsabilizar-se por eles durante t o d o o evento.

111

f

u

9

2

n

111

#

w

n

6 o u

o > s

2

+ 111

..s E

2m

2 160

Vlll - Secretaria a) Providenciar as aul:orizaq6es para a participaqio dos Desbravadores n o evento; b) Gerenciar o sistema d e pontuaqio d o acampamento; c) Cuidar d o equipamento d e primeiros socorros.

PROGRAMA A pril-neira coisa q u e e necessaria ter e m mente e q u e o programa d o acampamento precisa abranger c o m equilibrio as areas fisica, mental e espiritual. Uma n i o p o d e estar ern sobreposiqio a outra. Fisica: As atividades fisicas s i o as q u e mais impactam o Desbravador n o acampamento. S i o as provas e a recreaqio, que, se forem b e m elaboradas, independente d o q u e tenha acontecido d e ruim, eles v i o se lembrar d o evento como algo m u i t o bom! Ao planejar u m a prova, (tendo e m m i o s papel e caneta, e claro), voce precisa dar u m rlome a ela, descrever exatamente c o m o ela acontece, relacionar os materiais necessarios, quantos Desbravadores e s t i o envolvidos e c o m o sera a avaliaqio. A o final, qualquer pessoa, mesmo q u e n i o seja d o seu Clube, q u e pegar o planejamento entendera claramente o q u e deve ser realizado. Algumas das provas mais esperadas nos acarnpamer~tossio: torta na cara, caqa ao tesouro, circuitos, fogueiras, nos e amarras, barracas, Ordem Unida.. . Uma ideia para deixa-las ainda mais il-~teressantes e colocar algum f a t ~ r ~ ~ c o m p l i c a n tDesbravadores e". n i o gostam de coisas faceis! Entio, por exemplo, e m vez d e fazer uma corrida d e nos simples, por que n i o fazer uma corrida d e nos na i g u a ?


Confira o modelo abaixo: Obedigncia cega Participantes: toda a unidade Tempo: 5 minutos Descri~io.Todos os membros da unidade estardo vendados e deverao cumprir comandos de Ordem Unida que ser5o levantados em placas pelo fiscal. A cada err0 do grupo um membro sera escolhido aleatoriamente pelo fiscal e devera executar I.lm no da Classe de Amigo ou Companheiro ainda com os olhos vendados. A unidade so podera voltar a marchar depois de o no ser realizado corretamente. A prova termina quando a unidade executar todos os comandos propostos ou quando completar 5 minutos de prova. Pontuacio: 1" lugar - 100 pontos 2" lugar - 50 pontos 3" lugar - 25 pontos Comandos 1 Nos: Cobrir (direito), firme (cego), descansar (oito), sentido (Cirurgido), marcar passo (volta do fiel), em frente (catau), direita volver (lais de guia), esquerda volver (escota), meia volta volver (ordinario), frente para a retaguarda (pescador), alto (fateixa), descansar (volta da ribeira). Instru~6esao fiscal: A prova comeca assim que levantar o comando Cobrir. 0 s proximos 3 comandos serdo levantados depois de 5 segundos cada um. 0 s proximos serdo levantados a cada 10 segundos. Quando a unidade errar, deve-se escolher aleatoriamente um membro que deve executar o no correspondenteao comando que errou.

A recrea~zotambem faz parte das atividades fisicas e deve ser trabalhada nos acampamentos. Ela vai depender muito da estrutura que o Clube tiver a disposicio, por exemplo, se na fazenda onde estio acampados tem alguma cachoeira, n i o devem deixar de levar os Desbravadores I6 pelo menos um dia. E importante lembrar que o momento da recreaczo tambem deve ser planejado e dirigido, principalmente em relaqio a seguranqa dos Desbravadores. Mental: As atividades mentais sio basicamente as instrucdes e os concursos. E impossivel a um Desbravador ser investido numa Classe sem participar de um acampamento. Entio, sente com todos os seus lnstrutores e anote todos os requisitos de todas as Classes que precisam ser cumpridos la, inclusive Especialidades. Procure saber como ensinar cada um deles e quais os materiais que sio necessarios. 0 Desbravador precisa voltar do acampamento sabendo fazer bem o que e exigido na sua Classe. 0 s concursos sio usados em Camporis, como concurso de musica, oratoria, perguntas e respostas, clube do livro, ano biblico.. . mas nada impede de os utilizarmos nos nossos acampamentos internos tambem. Se o Clube planejar algum concurso, ele deve ser divulgado com bastante antecedencia, para que os Desbravadores possam se organizar para participar. Deixe bem claro, por escrito, todas as regras e quais serio os criterios avaliados, para evitar possiveis problemas. Bem conduzidos, sio uma otima opcio para as tardes de sabado e programas noturnos. Espiritual: E possivel verificar, em relaclo a espiritualidade no acampamento, uma grande discrepincia: por um lado, alguns lideres n i o a trabalham, ou B a mais ma1 planejada de todas; j6 no outro grupo estio aqueles que trabalham apenas a parte espiritual, n i o fazem nada de fisico e mental. Em qualquer atividade do Clube deve haver o equilibria entre as tres areas.

n 2

U

o

u

2pl P 2

161


g e l s op og!unau

O!DU?l!S lepqo eJnlJaqv 0gSnJlsul Jeluey oyueg sao5n~lsu!ap IassoJJeD OSOU~~

oluaweduce~eop wa6eluo~y epe6aq3 eP!eS apas eu J!unau

e op!pad Jas amp oss! s e u 'leuo!~o~ap oluawow o J!~!J!P weq!es sap anb aluel~odur!3 -leuo!DoAap 0 Jazejapep!un ewn e~ed (joluawedwe~eOIJ) pad a ~ a ~ a l u apod o ~ e VINnN anb es!o~ewn

-0lxaluo3o UaJapualua sap e oynw epnle 'na~aluo3eanb es!o~ ewn6le e no oluawedwe~eop l e ~ ooe l epeuopelaJ ogSel!paw ewn6le Jazej .ep!A ens e e~ed apnple elanbe Jelope aluaw(eaJessod JopeAeJqsaao anb e~ed(eluawepunja eD!le~dogSeqde eun

s!ua~n[so .se!seluej no sepej ap soluo~ap epeu 'e[as no 'OD!J~UC~DO~S!JD Jas amp IeuopoAap 0 .o~!lesue~ oluawow assa JeuJol ogu e~edopep!n~ oynw Jew01 anb s o u l SsaJopeAeJqsaasop ep!n eu eD!le~dogSeqde ewn Jal a anaAq 'e~el3Jas amp lenl!~!dsawa6esuau v ---le~!snw ogSeluas -a~de'apep!l!qey ewn6le opueJasuowap 'oyunwalsal lun opuep elas 'ewe~6o~d ou saAopeAeAqsaa

s!ew o oluawow assa JeuJoJ e~ed'so~!gug~ ap oluawow o ~!6!J!pe~edala e eSad .saJopeAeJqsaa so awpe anb '03!~eurs!~e3 Japy wn ogjewe~6o~d ep aluaJ4 e Jal aluel~odu!a o q n ~ON saoSel!pau se '(seu~njousaoSewe~6o~d) s o l l n ~so ogs sep!nlonua sapep!r\!le s!edpu!~dsv


I

I

?lm%%h

Desjejum

Conselheiros

Civismo Provas/Eventos

Oficial de Dia Diretores Associados

Almoqo

Conselheiros

Instruqio da Especialidade de Acam~amento1

lnstrutores

Banho

Conselheiros

-17

Par do sol

Capelio

1-

CivismoIJantar

Conselheiros

Fogo do Conselho

Diretor

zIamdhi1

Sil@ncio

Diretores Associados

22mmk.l

Reuniio do staff

Diretor

Alvorada e higiene pessoal

Diretor e Conselheiros

Devocional

Capelio

Desjejum

Conselheiros

Civismo

Oficial de Dia

Escola Sa batina

Conselheiros

CuIt0

Pastor

Almoqo

Conselheiros

Recreaqio sa batica

lnstrutores

Banho

Conselheiros

P6r do sol

Capelio

Civismo Jantar

Oficial de Dia Conselheiros

Fogo do conselho

Diretor

Silencio

Diretores Associados

Reuniao do staff

Diretor

'

-

1 -i: - d " b . :

-

30 dia (sa bado)

a:,

:

+.?

-

:

B

r

" . -

-

"

1

1.1

.+-

40 dia (domingo)

"

-

" $ $ $

8

I

.*

s

I

+

'"%\lrn

Alvorada e higiene pessoal

Diretor e Conselheiros

Devocional

Capelio

Desjejum

Conselheiros


Desmontar acarnpamento

Oficial de Dia Conselheiros e Desbravadores Diretor Conselheiros

Encerramento

Diretor

Operaqdo Pente Fino

Oficial de Dia e Conselheiros Diretor Diretor

0 SABADON O ACAMPAMENTO Deus completou toda a criaqdo em seis dias e descansou no sabado. Alem de ser um dia de descanso, Deus instituiu o setimo dia como dia santo e memorial da criaqdo. Esse deve ser o pensamerrto da direqdo do Clube ao planejar um acampamento que envolva o dia de sabado, o que ocorre em quase 100% das vezes. Deve-se ter em mente que o acampamento e uma oporturridade maravilhosa para incutir na mente dos juvenis o verdadeiro significado da observdncia do sabado. Para a crianqa que ndo e adventista, e a oportunidade de explicar sobre a santidade do setimo dia e diferencia-lo dos outros seis como um dia especial. A crianqa adventista geralmente ja conhece o dever de observsncia do sabado, todavia, em algumas familias este e o dia do "ndo pode': transforrnando o sabado em um fardo, em vez de deleite para o Desbravador. 0 mandamento ndo muda seu alcance ou seu significado por se estar no meio do mato em vez da cidade. As regras ndo ficam mais flexiveis por ndo se estar no conforto do lar, os mesmos principios aplicados quando se esta em casa devem ser aplicados tambem no acampamento. 0 culto do p6r do sol ndo deve ser negligenciado, os marcos do sabado devem ser respeitados. Deve-se ter pontualldade tanto no momerrto de receber o dia santo quanto para despedir-se dele. Muitos Clubes criam grande inimizade com a Comissdo da lgreja por nao respeitar o sabado, depois lamentam a falta de apoio da Igreja, mas ndo veem que a situaqdo ruim e uma consequitncia direta do pecado que estdo cometendo e levando os Desbravadores a cometer. Conforme menciona Ellen White, ninguem deve servir de corrsci@nciapara outrem, todavia, alguns principios sdo inegociaveis, o sabado e um deles. Veja alguns exemplos do que NUNCA pode ocorrer: w

u w n

3

J 0

u 0 >

Saidas para acamparnento ou outras atividades campestres no sabado; Saidas para o acampamento na sexta-feira a tarde que incluam montagem do acampamento na sexta-feira a noite; Caminhadas exaustivas; Instruq6es de atividades que ndo sejarn de cunho espiritual (exemplo: nos, Ordem Unida,

P

2

.w UI

.-e

.-E

2 m 3 C

fog ueiras); Brincadeiras na agua; Brincadeiras do t i p "hora ~ social"; Pratica de qualquer tip0 de esporte. A pratica dessas atividades no sabado far$ com que o Desbravador perca de vista o significado do sabado, portanto ndo deve ocorrer.


0 s Desbravadores devem aprender que a sexta-feira e o dia da preparac50 el portanto, t u d o deve ser aprontando antes. IVo deserto, recolhia-se o man6 d e sabado na sexta; n o acampamento, t u d o que for possivel deve ser providenciado antes. Por isso deve-se ter uma boa o r g a n i z a ~ i opara evitar ao maximo: Apanhar lenha; Montar barracas; Providenciar agua potavel; Cozinhar alimentos d e preparo dificil. Abstendo-se d e fazer essas coisas n o sabado se ganha t e m p o para fazer a principal atividade a ser desenvolvida nesse dia: passar t e m p o com o Criador. Portanto, sugere-se q u e se aproveite as horas sabaticas para: Cantar corinhos e m volta da fogueira; Contar historias biblicas; Estudar a l i c i o da escola sabatina; Fazer brincadeiras que envolvam a natureza; Cumprir requisitos da parte espiritual das Classes; Descansar (0s garotos e garotas nessa fase precisam de pouco t e m p o para isso, mas precisam. Uma o u duas horas depois d o almoqo ja seriam suficientes); Fazer u m culto especial e atrativo. Procurar servir alimentos mais sa borosos. 0 mais importante e tornar o sabado I-lm dia especial e agradavel para as criancas, elas tGm que voltar para casa com a forte impress50 de que Deus pensou nelas ao criar esse dia.

0 LOCAL PARA ACAMPAR Consideraqdes sobre o local apropriado: Deve haver fonte de agua potavel proxima; Alto, para evitar ao maximo a neblina da manhi; Lim po; Com pequena inclinaqio para escoar a agua, mas que permita dormir na horizontal; U m pouco arenoso, pois drena b e m a agua; Evite terreno argiloso, faz lama m u i t o facil; Evite terreno pantanoso o u poeirentos; Jamais acampe perto d e desfiladeiros o u leitos secos d e rios, s i o lugares d e inundacdes repentinas; 0 local deve ser protegido d e ventos fortes; De preferencia, deve haver arvores e arbustos nos lados norte e oeste, pois assim tera exposiqio d e sol pela m a n h i e sombra a tarde; Jamais monte barracas embaixo d e arvores, podem cair galhos, atrair raios. ter u m gotejamento forte apos o f i m d e chuva; 0 terreno n2o deve ser n o meio d e uma trilha; N o inverno opte por local aberto; No v e r i o aproveite locais mais arborizados, como bosques e matas; Verificar as leis da r e g i i o sobre construqio e m areas livres e demais atividades d e camping.

n

3

G

0

TI

! ehg 165


"0bom explorador deve saber acender o fog0 sob qualquer condiqio climatica e conhecer a fundo as regras de seguranqa para n60 produzir um incendio florestal" (Elvio Pero, Manual Explorar y acampar, p. 61). Um dos cuidados mais extrernados em um acampamento e com a utilizaqio de fogueiras. Para que a direcio se sinta segura ern levar um grupo de juvenis para o acampamento, existem algumas regras basicas quanto ao uso do fogo: Remova a grama ou capim para montar fogueiras e as replante ao final do acampamento (molhe as placas de grama durante o acampamento); N i o destrua a natureza fazendo fogueiras desnecessarias ou rnaiores que o necessario; Cerque o perimetro da fogueira com pedras e mantenha os Desbravadores a urna distincia segura; Tenha sempre urn balde com agua ou urna porqio de areialterra a mio; N i o va acampar sem antes ter treinado os Desbravadores nas tecnicas corretas de fogueiras.

Algo em comum entre todos os tipos de acampamento e a "cozinha", desde a mais rlistica ate a maisl'equipada". Quando alguns Clubes acampam, geralmente levam urna cozinheira que prepara as refeicbes para todos; em outros casos, cada Unidade e responsavel pelo seu alimento podendo ou n i o levar fogareiros ou fogbes de acampamento. N i o ha rrerrhul-nernpecilho para que o Clube tenha urna so cozinha, mas ao menos urna vez no ano deve haver um acampamento em que as Unidades cozinhem. Disso depende o cumprimento de varios requisitos de Classes e Especialidades que v i o desde fazer o cardapio ate dispor corretamente do lixo. Para ter urna alimentacio saudavel, higienica e gostosa no acarnpamerrto em que a Unidade vai cozinhar e necessario ensinar aos Desbravadores algumas tecnicas, sio elas:

m

!!

0

u

$

a u

X3 b 0

+ ?! ul

.-.E

8

-m a 3

E

Cardapio: No passado alguns Clubes ainda permitiam o uso de alimentos carneos no acampamento. Como Igreja, temos recomendacio de que esse tip0 de alimento n i o seja utilizado. 0 Clube de Desbravadores e um departamento da Igreja, portanto, DEVE OBSERVAR ESSA REGRA. 0 cardapio deve ser preparado com antecedhcia, as Unidades devem ter a oportunidade de, segundo as preferhcias de seus membros, elaborar o seu. Errtretanto, a direcio deve supervisionar o trabalho delas. No cardapio deve haver alimentos de todos os grupos: carboidratos, proteinas, leite e ovos, verduras e frutas e oleaginosas, alem dos alimentos energeticos, que devem ser utilizados com moderacao. Alirnentos desidratados sio aqueles que passaram por um process0 de secagem, onde a agua do alimento e retirada, aumentando assim a sua conservacio. Tambem utillzamos esse tip0 de allmento, pois ele e mais leve el portanto, mais facil de carregar. Sio exemplos de alimentos desidratados: leite em pol frutas em passas, proteina vegetal, sopas instantineas, etc. Em relacio ao macarrio instantineo e necessario ter cuidado para que ele n i o seja a principal refeicio do acarnpamento. Tanto o macarrio convencional quanto o instantineo sio carboidratos e devem fazer parte de urna dieta balanceada, por exemplo, n i o se deve colocar macarrio, arroz e batata em uma mesma refeicio. Assim o macarrio deveria ficar restrito a duas ou trCs refeicbes. Batata, beterraba, chuchu, cenoura, repolho, brocolis, couve flor, a bobrinha, vagem, milho, pimentio e tomate slo exemplos de alimentos de facil conserva@o e preparo, alem de possuir elevado


valor nutricional. Alface, cheiro verde, espinafre, agri20, enfim todas as folhas tendem a ficar murchas fora da geladeira, alem d e ser dificil transporta-las sem danifica-las, portanto e melhor substitui-las. Utensilios de cozinha: Quando se pensa nos utensilios, geralmente lembra-se das panelas, talheres, pratos e copos. Alem destes, e necessario lembrar tambem d e levar bacias para picar os alimentos e ate mesmo faca. Confira a lista dos utensi'lios indispensaveis para urn acampamento.

Faca - Deve ser boa d e corte. 0 s Desbravadores menores so devem usa-las sob a superv i s i o d o Conselheiro. Facas de serra s i o inapropriadas para descascar e cortar verduras, portanto evite-as. IVio utilizar a faca da cozinha para cortar madeira, sisal o u abrir latas. Conchas e colheres - E perigoso utilizar colheres e conchas de cab0 muito curto para preparar as refeicbes. Para saber se esta levando a quantidade certa conte quantos pratos havera e m cada refeiqio, deve haver urna para cada e mais urna de reserva. Panelas - tres costuma ser suficiente. 0 tamanho d e cada urna depende d o tamanho da Unidade, de preferencia que se encaixem entre si, assim ha urna melhor utilizaqio d o espaqo.Talvez possa incluir u m fervedor para facilitar na hora d e aquecer o leite o u preparar u m cha o u cevada. Ralador - e u m pouco incomodo para transportar, mas facilita m u i t o na hora d e fazer a salada o u urna farofinha de cenoura. Bacias - s i o indispensaveis para lavar e cortar os vegetais o u preparar uma salada. Pano d e prato - alem d e enxugar a louqa, serve para tirar as panelas quentes da fogueira, cobrir os alimentos e etc. Alem desses, e importante levar jarra, abridor d e latas, potes o u vasilhas corn tampa, fosforo e sacos para lixo. N i o podemos esquecer tambem d e levar bucha, s a b i o e esponja d e aqo. Higiene: Mesmo estando n o acampamento devemos manter os habitos higienicos como lavar as mios, lavar frutas e verduras e n i o deixar lixo acumulado. Alem destes, s i o necessarios tamb e m outros cuidados:

~ g u -a para cozinhar deve ser utilizada agua filtrada o u fervida. Mesmo q u e a agua venha d e urn riacho limpo e necessario purifica-la. Armazenamento - os alimentos n i o devem ficar expostos diretamente ao sol e muito menos n o c h i o . 0 mesmo e m relaqiio aos utensilios da cozinha. Mesa - deve haver urna pequena "mesa': u m lugar para colocar os alimentos depois d e prontos e servir d e apoio n o momento d e prepara-10s. Pode ser u m caixote virado para baixo o u urna pioneiria. Seja criativo. Lixo - para dispor d o lixo orgdnico (restos d e comida, cascas d e frutas e verduras) cavar urn buraco n o c h i o d e uns 20 c m d e largura por 40 c m de profundidade. Somente o lixo orgdnico deve ser depositado nele. Jogar urna camada d e terra para cobrir o lixo. 0 lixo seco deve ser levado de volta para casa. Para ndo gerar mau cheiro, enxague as embalagens e deixe t u d o e m urn saco b e m fechado. . deixada para depois fica mais dificil d e Louqa - deve ser lavada logo apos a r e f e i ~ i o Se lavar, alem de atrair insetos. Se for lavar a louqa e m urna fonte de agua corrente, usar s a b i o biodegradavel e n i o deixar restos d e alimentos por perto. Alimentos pereciveis - muito cuidado c o m maionese, iogurte, queijo, leite, molho de t o mate, etc., s i o alimentos que estragam facilmente fora da geladeira, principalmente depois de abertos.

,

n

G

o

TI

Especial atenqio deve ser dada a esta area das atividades campestres, sobretudo e m acampamentos, onde os sanitarios modernos d e alvenaria n i o s i o urna realidade.

ieZ

UI

e

n 167


ap salopeu~ojsue~l 'so!l!sualn ap salox!e~a sexy3 'sa~lanbsou'seplo~:soluaued!nb3 la ' l e y ap elpad a eu!l 'salo~~as 'elalleu 'seyu!pey3eu a sopey~eu'sacpej a s e x j 'seuall 'sa~pexua'sed 'sel!ape~e~ 'sepexua :seluauellaj iso~~o3os so~!au!~ apd ex!eD !-3la'eduel u 0 3 salod 'selel ap lop!lqe 'sex!eD 'selo~es 'o!u!unle laded ' ~ e ~ eled e l s!e!laleu 'se~!lseldesau ap seyleol 'sessa~ella sepeq 'sapleq 'senqel ' s e q 'sa~opele~ 'lela6 u a sa~ope6ada seyDuo3 'se~!apeunr>sa 'oleld ap soued 'sod03 'soleld 'se~!apesse'sesseu ap ~ o p a ~ ~ 'se~!ap!6!y o~sa 'selaued :ey u!zo:, ap so!~!sualn

E

PI 3

.

c

L!

g 3. 2.

% !7

% o c n

0

y a m 3 uod :eD!seq elsll eun an6as 'u!ssv -0luauedue3e ap oqseq le!laleu nas la1 amp JopeAelqsaa a apep!un 'aqnl~)opol

n tn

B$

s

di c n

PI

S O l N 3 W W d l n ~ 33 SIWIL131WW !og5ez!ua!6!y e eled openbape p o l u a a aluapyns en6e lamy aAaa -sapep!A!gesep ousau a ey u!zo~ep 'se3elleq sep eale e alqos salopo sneu e l e l l ogu 'u!sse 'seu!~lelsep eale e alqos s!odap a oluauedue~eo alqos o ~ ! a u ! ~ mdos d elamp als3 .oluaA op o@al!p e aAlasqo seu!llel se l!nllsuoD ov (a

.

.elnlosqe el!aueu ap ep!gueu eras 'seu!uau sep opnlalqos 's!ua~n[sop apeppe~!lde anb eled 'salua~edsue~l o ~ seuol u a oe5ela6a~ ~ o sep!6alo~d d 'oluauedue~eap eale ep eloj sepjnllsuoD las u a m p seu!llel sv (p - s e ~ e ~sep e q sollau 00 1 a e!r>ugls!pap soaau 5 1 souau olad s!epueueu sop aluelslp IeDol u a sep!nllsuoD las u a m p seu!llel sv (3 .olduaxa o lep oyaAap salapjl so .e~!6olo!qapep!~eln6a~ ens ap ogapuad -ap opez!pualde ap apeppede~aluanbasuo~a apnes ens s!od 'alua!que alsau seln6as l!guas as ues!3a~dse5ue!n sv .esdelal a epexelal el!aueu ap seyaj las oyaAap OEN (e iolduaxa o lep e s o ~ ! a u ! ~ sodoElas anb salapy solad ezaw -1y MOD sopelqoD a sopelua!lo las ogamp sals3 -saluedue~e so sopol lod sopeAlasqo las ogaAap opep!n~a uJaplo e a aluelsuo3 las amp ezadu!~e 'sol!ayueq laAnoy apuo !sep!n~lsuo3u a q seu!llel la1amp oxy oluauedue~e opol

.

:sep!nllsuoD tuaq sel!ax!I la1amp oxy oluauedu~eDeopol

.

:olunsse alsa alqos s!a~!pu!~sa~du! sel6al seun6le soual '0607 -ols!~3ap salue olnDas .v 1 op soppalaqelsa u a q a SO~LI!Z!A S O A O ~soe loyadns aluauelnlosqe apnes eun o u o u ~a q ' u a p ~ oa ezadull MOD o~od u n !oj opeqnsal 0 .apep!ueuny ep e!lols!y ep epe5ue~eog5nllsu! ap IaAou oluauedue~e loleu o aluelnp laelsl ap soy ly soe ous!leques alqos se~ypadsao y n u sac@nllsu!nap snaa

VI


voltagem, lanternas, lampiio a gas e etc.; Utensilios gerais: tambores para agua potavel e para agua de uso geral, lonas em diversos tamanhos, rolos de sisal, caixa de ferramentas, rolos de arame, sacos para lixo, etc.; Esses materiais devem estar claramente identificados com o nome do Clube, se possivel pintados com a cor ou cores do Clube. POR UNIDADE Utensi'lios de cozinha: trPs panelas medias e Lima grande; duas frigideiras; urna escumadeira, urna colher de cab0 cornprido, um garfo de cab0 comprido; urna faca de cozinha, urna tabua e um abridor de latas; fosforos de seguranqa; um escorredor de massas; um pote com boa tampa para levar louqas; trPs panos de prato; um balde; oito pratos e copos de plastico rigido. Ferramentas: urna machadinha, um facao e um canivete, um lampiao a gas, marreta e martelo, etc.; Uma caixa de primeiros socorros; Equipamentos: cordas e rolo de sisal, mosquet6esI lonas, velas, manuais, bussola cartografica, etc.; Um caixote da Unidade de 1m de altura, 2m de largura e I m de profundidade, com cadeado. POR DESBRAVADOR Uma mochila de capacidade adequada ao tamanho do Desbravador; Um cantil; Botas, tenis e chinelos (para tomar banho); Um cab0 solteiro de 6 metros de IImm de espessura; Um mosquetio com trava; Estojo de costura; Lanterna a baterias; Caderno de notas e lapis; Roupas em quantidade adequada para o acampamento; Equipamentos de higiene pessoal: escova e pasta de dentes, pente, papel higiknico, sabonete, toalha, bucha, desodorante, etc.; Biblia e liqao da escola sabatina.

REGRAS DE ACAMPAMENTO N i o destrua as arvores e arbustos; Use preferencialmentebambus para as pioneirias e preserve as touceiras destes; Remova a grama ou capim para montar fogueiras e as replante ao final do acampamento (molhe as placas de grama durante o acampamento); Ao abrir porteiras, feche-as imediatamente apos a passagem; Nao pisoteie terrenos plantados; Jamais deixe lixo espalhado; Mantenha todo o equipamento sempre limpo e organizado; Tenha urna delimitaqao fisica da area de acarnpamento, respeite e faqa respeita-la; N i o colham frutos de pomar sem a devida permissio;

23 b 0

u

!i

2pl

e

n 169


Cuide de rnaneira correta das fogueiras e trate-as como um elemento de alto risco; Cuide de maneira correta das ferramentas cortantes e trate-as como um elemento de alto risco; E expressamente proibido o contato fisico amoroso no acampamento, inclusive entre casados; 0 vocabulario devera ser o mesmo que utilizariamos se pudessemos ver os anjos que acampam conosco, mesmo quando precisarmos chamar a atenqzo de alguem; Tenha horarios definidos; Tenha responsaveis definidos pelas tarefas; Jamais faqa barulhos excessivos perto de fazendas, sobretudo a noite; Faqa um pente fino apos ter desrnontado tudo e colocado no veiculo de retorno; Ao sair, deixe o local absolutamente limpo e da melhor maneira, se possivel melhor que antes; Tudo deve ser feito com seriedade, mas com espirito recreativo, somos Desbravadores, nzo milltares.

AVALIANUO 0 ACAMPAMENTO A avaliaqzo faz parte do process0 de aprendizado. E atraves dela que e possivel verificar os erros, para se propor soluqbes e resolv&los. Assim, ao final do acampamento, em no maximo uma semana, quando as memorias ainda estdo bem frescas a mente, toda a Comiss5o Regular deve se reunir e avaliar todo o programa do acampamento. Abaixo segue um pequeno roteiro sugestivo, com base nas atividades das areas fisica, mental e espiritual: Fisica: As provas foram planejadas com antecedencia?Todo o material necessario para cada uma delas estava disponivel? Havia um programa detalhado de cada uma delas, de forma que qualquer pessoa poderia pegar e executa-las? Foram adaptadas para as capacidades de todos os Desbravadores? Foram seguras?Tin ham um objetivo? Teve algum momento de recreaqzo? Foi dirigido?Todos os Desbravadores puderam participar?Quais foram os resultados? ul

!

0

m

2

L

d

Mental: Todos os requisitos das Classes que precisavam ser cumpridos num acampamento foram ensinados? Foi feita uma lista antecipada de todos esses requisitos?Cada lnstrutor foi preparado para instrui-los?Todoo material necesdrio para a instruqzo estava preparado?Houve tempo suficiente para a instruqso satisfatoria de cada um deles? Houve algum tip0 de concurso? Se sim, qual? Foi divulgado com antecedencia?Quais foram os resultados?

w

u w n

' 0 0

2

2 ul

.-

-m c

170

Espiritual: Toda a programaqzo espiritual foi planejada cuidadosamente antes do acampamento? Havia um responsavel para cada um dos programas?Houve equillbrio entre as partes fisica, mental e espiritual? Em todas as programaqbes houve momento de louvor? 0 s programas noturnos tiveram conexdo com o tema do acampamento? Houve participaqzo dos Desbravadores? A mensagem espiritual foi clara, breve e teve uma aplicaqzo pratica na vida dos Desbravadores?A prograrnaqzo se tornou cansativa? 0 s devocionais foram cristocentricos? Foi pedido para alguma Unidade (no acampamento) fazer o momento devocional ou programaqao noturna? Foi pedido com antecedencia (de, pelo menos, trCs semanas) a alguma Unidade para dirigir algum momento espiritual no acampamento? Houve fog0 do conselho? A musica foi de qualidade e animada? Realizaram brincadeiras ao redor da fogueira; mornentos de humor; lernbranqa dos acampamentos passados?


0 fog0 do conselho e um momento imprescindivel de um bom acampamento. Ele pode ser realizado todas as noites, o que e o ideal, mas, caso n i o seja possivel, pelo menos na ultima noite de acampamento. E um momento onde todos os participantes se encontram unidos e, de fato, se sentem unidos, felizes por serem Desbravadores, sentados ou recostados ao redor de urna fogueira, ouvindo historias, cantando, rindo e participando de esquetes, pantomimas, apresentacdes musicais, louvando a Deus, se emocionando com a salvac2o e se reconsagrando a Cristo. E o momento aguardado da noite, onde celebram e se alegram contemplando as estrelas, o mar, montanhas, onde sentem o vento e o calor da fogueira. "0s nativos da Asia, os selvagens africanos, os peles-vermelhas da America e mesmo os colonizadores brancos reuniam-se a noite em torno do fogo que, com sua luz e calor, espantava a treva, o frio e os animais. Era o momento em que todos se encontravam para conversar, cantar, contar historias ou planejar ca<adas, ou a guerra e a paz. Muitas vezes essas reunides em torno do fogo revestiam-se de solenidade, quando se aproveitava a ocasido para levar a efeito cerimdnias ou conselhos onde eram discutidos os problemas da comunidade ..."( Luiz Horn, Fogo do Conselho, p. 3). 0 fog0 do conselho pode ser realizado de diversas maneiras e com diversos objetivos, porem, ele tera sempre um carater de tradicio e um significado muito importante para os participantes. Todo fog0 do conselho deve ser urna oportunidade para se tomar urna decisio, assim como eram os carbetos, reunides indigenas onde se transmitiam os valores da tribo, suas historias e principalmente realizavam seus "conselhos", isto e, tomavam as decisdes sobre a caca, a guerra ou sobre problemas do dia a dia da sociedade. N i o se cozinha ou assa coisa alguma no fog0 do conselho. N i o se desrespeita este momento. Assim temos os seguintes tipos de fog0 do conselho: Espiritual: e o mais conhecido hoje em dia. Neste tip0 de fogo, tudo gira em torno de temas espirituais: as musicas, as historias e, principalmente, devera haver urna meditacio que provoque a tomada de urna decisio clara, por parte dos Desbravadores, ao lado de Jesus. Cultural: e extremamente interessante, embora tenha sido negligenciado ultimamente. Em torno da fogueira os Desbravadores cantam can~desregionais, contam e ouvem historias do folclore, desvendam charadas e se emocionam com as aventuras dos lideres experientes. Ao final, sempre devera haver um momento de reflexio espiritual. Tematico: algo muito legal e organizar um fog0 onde todos estivessem vestidos a carater, conforme alguma epoca ou evento historico. Por exemplo, podemos ter um fog0 dos pioneiros da Igreja, medieval, bandeirante, indigena e etc. Neste fogo, tudo girara em torno do tema. Ao final, sempre devera haver um momento de reflexio espiritual. Cerimonial: e muito significativa urna cerim6nia de admissio em torno de urna fogueira. Podemos ainda ter urna cerim6nia de boas-vindas, urna entrega de Especialidades ou de outras comendas e medalhas e etc. Ao final, sempre devera haver um momento de reflexio espiritual. Administrativo ou de lideransa: este e um dos mais tradicionais objetivos de um fog0 do conselho para as antigas tribos nativas da ~ f r i c ae America. Num acampamento, eventualmente podem surgir quest6es que admitam urna decisio compartilhada entre os membros. Esta e urna grande oportunidade para se exercitar a lideranca, a democracia, o senso de pertinencia e tambem um momento de grande aprendizado espiritual. Ao final, sempre devera haver um momento de reflexio espiritual.

w

2 0

2

n.

171


Relaqbes publicas ( n i o e realizado em acampamentos): esta e uma grande cerimbnia publica, aberta a pais, amigos e autoridades. Pode ser realizado numa praqa ou parque da cidade. Deve ser extremamente bem elaborado, com todo o Clube uni,formizado e ensaiado. Neste tip0 de fog0 tudo e grande, sobretudo a fogueira. E excelente momento para expor aquilo que somos e o que acreditamos. Deve ter predominantemente um carater reverente, marcial, alegre e propositalmente espiritual. Para que um fog0 do conselho seja agradavel e alcance os objetivos, tr@scoisas sio imprescindi'veis: informaqio, materiais e programaqio definida. Programaqio: o programa, com horario definido para comeqar e terminar, deve estar no papel. As atividades devem ser alternadas entre mais animado e mais sereno, sempre partindo do mais animado e entusiasmante ate o mais sereno e reverente, preparando os Desbravadores para o momento espiritual ao final. Inforrnaqio: cada participante deve receber suas atribuiqdes com tempo suficiente para prepara-las. Materiais: os materiais necessarios para a realizaqio das partes devem ser separados e preparados para a hora do programa. 0 lider do fog0 deve saber que algumas coisas podem sair errado. Crianqas se envergonham, partes preparadas sio repetidas ou realizadas arrtes deixando o responsavel por ela encabulado, materiais podem falhar. Assim, o lider da fogueira deve ter sempre um suprimento de musicas, charadas, historias, aplicaqdes e ate mesmo um apresentador "estepel; que e o mais engraqado, animado e legal do Clube. Se algo falhar ele e acionado para entreter os juvenis ate que o programa se reorganize. Algumas dicas: Fuja de musicas enormes, cantadas sempre com playbacks, elas ficam ma1 cantadas, arrastadas e interminaveis a cappella. lnvista em cinticos animados, curtos e contagiantes. Tenha sempre cuidado com o fogo, tenha uma equipe so para isso, inclusive para cuidar com acidentes. N i o deixe o fog0 ficar muito alto ou fraco demais. Faqa, quando puder, um acendimento especial, diferente, mas n i o menospreze o simples e funcional. In w

b u

m

>

h

Use o tempo de trinta minutos ao maximo de uma hora e meia de programaqio, respeite o cansaqo dos juvenis. Num acampamento de Unidade, um programa mais curto pode surtir excelentes resultados.

DISPOSICAODE BARRACAS w

u a

g o

>

P

h ; .-;

.= E

2 a e a

172

0 s minimos detalhes de um acampamento sio muito relevantes para o sucesso do movimento juvenil na lgreja e na sociedade. Assil-n, a postura, o uniforme, a limpeza, o vocabulario, a comida, enfim, tudo deve ser bom, correto e apropriado, bem como ter a aparencia de ser bom, correto e apropriado. Logo, temos que cuidar com a disposiqio das barracas para evitarmos todo o tip0 de "ma1 entendidos" quanto a postura de nossos meninos e meninas. As barracas podem estar numa disposiqio quadrada, em circulo, ferradura, ou qualquer outra que seja pratica e adequada ao terreno, contudo, sempre e imperativo que a ala feminina e a ala masculina estejam separadas adequadamente.Tambem e imperativo que as barracas da direqio estejam estrategicamente dispostas entre as alas e entre as proprias barracas das Unidades, para evitar disturbios e garantir a seguranqa fisica e emociortal dos meninos e meninas. A disposiqiio das barracas deve ser pensada levando em consideraqio o vento, as possibilidades de chuva, espaqo e comodidade. Existem algumas disposiqdes basicas de barracas em um acampamento, como seguem:


Q Cerca e Portal !@

@ @ @ @

Mastros Fogueira Varal Feminino Varal Masculino Diretor Associado

@ Diretor (a)

@ @ @ @

Conselheira Diretora Associada lnstrutoras e Apoio Feminino Conselheira

@

Diretor (a) Diretora Associada @ Conselheira @ Conselheiro @ Direqdo do Vento

@ @ @ @

Conselheiro lnstrutores e Apoio Masculino Conselheiro Diretor Associado


@ Diretor (a)

@ Diretora Associada @ Diretor Associado

@ @ @ @

Barracas Femininas Barracas Masculinas Conselheira Conselheiro

Excursio e um terrno generic0 para toda atividade de saida do Clube de sua sede para outro lugar. Poderiamos entender excursio como passeios a pel bicicletas, barcos, bnibus, trem, entre outros, com a finalidade de lazer, desenvolvimento espiritual, social, fisico e tecnico, bem como simples turismo. Para efeitos de orgarrizaqio, tomaremos o termo em sentido restrito, ou seja, uma excursio sera entendida como um programa de saida do CIube para con hecer um Iugar especifico, visitar uma exposiqio, museu, parques naturais, zoologicos e etc., independentemente do meio de transporte. Toda excursio deve ser pautada por um objetivo geral e outros especificos. Deve-se considerar os seguintes aspectos no planejamento: Objetivos e finalidades, cumprimento de requisitos; Custo; Faixa etaria; Seguranqa; Autorizaqio dos pais ou responsaveis para os menores de idade; Aprovaqio da Comissio da Igreja; Seguranqa e conforto dos juvenis.

Ul

F

0

u

2

2

n

Ul

0" w

u w n

6 0

u

2 .+ 2 + .-UlC

miz

a m

L

2

Uma excursio para Desbravadores deve ser prioritariamente para se cumprir requisitos das Classes elou Especialidades. 0 Diretor do Clube, como guardiio da filosofia e dos ideais, deve ter uma llsta de prioridades ao se considerar um local e um meio de transporte para uma excursio. Quanto ao local, por ordern de afil-lidadefilosofica: a

â&#x20AC;˘

Natureza - campos, bosques, matas, etc.; Natureza manipulada - parques publicos, zoologicos, etc.; Museus e instituiqdes.

Essa hierarquia e dindmica, pois deve responder as necessidades do prograrna das Classes e Especialidades. Excursdes a parques de diversdes n i o sio parte do programa do Clube de Desbravadores. N i o ensinam nada de util, bom, virtuoso e de boa fama. Como um departamento da lgreja, um ministerio e um programa crist30, o Clube de Desbravadores n i o deve ir a estes lugares.


Desde os tempos imemoriais, o ser humano gosta de cerim6nias. Somos seres simbolicos e por isso apreciamos os ritos de passagem, os simbolos, as liturgias, enfim, nos emocionamos com um belo cerimonial que apela aos nossos sentidos. Na faixa etaria dos Desbravadores, o imaginario e um elemento a favor da fixacio do Plano da Redencao. 0 antigo Israel vivia a0 longo do ano com grandes manifestacbes festivas e cerimoniais que atraiam seus fil hos desde pequenos. "As cerimdnias testemunhadas em Jerusalem em conexdo com o culto pascoal - a assembleia noturna, os homens com seus lombos cingidos, pes calqados e borddo nus mdos; a refeiqdo apressada, o cordeiro, os pies asmos, as ervas amargosas, a repetiqdo da historia do sangue aspergido, em solene sil6ncio; o anjo da morte, e a grande marcha para a saida da terra do cativeiro - tudo era de molde a estimular a imaginaqiio e impressionar o espirito': (Ellen White, Educacio, p. 42). E por isso que a lgreja Adventista do Setimo Dia mantem, sob orientacio biblica, cerim6nias como batismos, ordenacbes, santa ceia, casamentos e outras. Uma cerim6nia n i o pode ser leviana ou inatingivel em seus significados. Deve ser formal o suficiente para inspirar reverencia aos significados, alegre para agradar as pessoas e de duracdo adequada para n i o cansar. 0 Clube de Desbravadores tem varias cerim6nias que devem ocorrer obrigatoriamente durante um ano, mas pode criar outras, conforme a necessidade e as possibilidades. Lembrando sempre que uma cerim6nia ma1 planejada e ma1ensaiada provavelmente gerara o efeito contrario, constrangendo as pessoas, denegrindo a imagem da instituiqzo e testemunhando ma1 sobre o carater de Deus. No Clube de Desbravadores as cerim6nias proveem maneiras de reconhecer com dignidade e seriedade o desenvolvimento dos individuos, tambem proveem modos formais de abertura e termino das atividades do ano. Elas envolvem, de certa maneira, todos os membros do Clube e permitem que os proprios Desbravadores tomem a direcao, tanto quanto possivel. As cerim6nias devem ser variadas, para que sejam interessantes. Dicas para uma boa cerim6nia: 1) Faqa e siga uma lista dos materiais e preparativos; 2 ) Convide lideres da igreja e autoridades civis para assistir ao programa; 3) Ensaie as partes da cerim6nia; 4) Busque o inspirador, em vez de o exageradamente dramatico; 5 ) N i o apresse a cerimbnia, mas cuide que ela se desenvolva fluentemente, sem demoras; 6 ) Mantenha a cerimdnia simples, breve e digna; 7 ) Fogueiras de acampame~ito(reais ou artificiais), iluminaqdo especial ou velas ajudam a criar ambiente; diminua ( n i o apague) as luzes se forem usadas velas. 8) Use a bandeira national, bandeira do estado, cidade e a bandeira dos Desbravadores. 9 ) Faqa com que os que receberio Especialidades, Classes, pr@mios,etc., fiquem de frente para o grupo.

PLANEJAMENTO Para que qualquer cerim6nia atinja seus resultados e necessario um bom planejamento, e este e o que vai determinar o sucesso ou n i o do seu programa. Ao planejar o lider deve ter em mente os seguintes criterios: 0 que queremos?(Focar ideias) Por que fazer? (Focar objetivos) Quando fazer? (Datas) Onde fazer? (Local e infra-estrutura)

UJ

P

3

G

o

'C]

!

2 UI 2

P

175


Como fazer? (Forma, mecanismos, recursos) Publlco?Quantidades(Caracteristicas, acomodaqdes) Quanto?(Orqamento, entradas e saidas, retorno) Ao cumprir com os quesitos acima, a direqio do Clube ja passa a ter uma ideia de como sera a sua programaqio e pode comeqar a por o projeto em pratica. Para evitar problemas e imprevistos e necessario que o planejarnento seja feito com bastante antecedencia, variar~dode acordo com a ocasiio. Para programaq6es de investidura, por exemplo, dois meses e um tempo adequado de planejamento. E interessante que a diretoria do Clube dlvida as tarefas, de forma que ninguem fique sobrecarregado e assim cada um passa a ter uma responsabilidade. Por exemplo: o Diretor fica responsavel por cor~seguiro lugar e comprar os materiais. 0 s Associados ficam responsaveis pela ornamentaqio do local. 0 Secretario deve fazer os convites para as outras lgrejas e Clubes. Esse ato ja vai criando um espirito de lideranqa na diretoria, pois eles passam a lidar com a responsabilidade ativamente. Eis algumas orientaq6es para tornar o seu programa mais interessante: Comunhiio com Deus: o mais importante. Ternos que ter ern mente que tudo o que estarnos fazendo e para louvar a Deus, neste caso, no cuidado desses garotos. Precisamos pedir a ajuda dEle para que o nome dEle seja exaltado por todos em todas as programaqbes do Clube. Tema para a cerim8nia: dessa maneira e possivel delimitar bem tudo o que vai ser feito: a mensagem espiritual, as mensagens musicais, a ornamentaqio. Local adequado: o Clube ndo precisa ficar restrito em fazer as programaq6es dentro da Igreja. Ele pode reservar patios escolares, quadras de esporte, dentre outros, a depender dos objetivos da cerimbnia. Importante: o dia do Desbravador deve ser feito, a principio, na Igreja, pois os seus objetivos sio diferentes dos de outras programaq6es. Ornamentaqgo: esse e um dos criterios mais significativos. Em qualquer lugar que vamos, se este agrada aos olhos, tudo se torna mais atraente. Da mesma forma deve ser nas cerimbnias, uma boa ornamentaqio gera expectativas no publico. 111

g

u

5 E

n

UI

0" w

u w

n 7

G

o u

s

.+ E .-UIc

C,

.-

E

-2m 7

c

176

Divulgaqiio: convide, sempre que possivel, os Clubes da sua regiioldistrito para prestigiar as cerimbnias do seu Clube, tambem as lgrejas do distrito, Clubes amigos, autoridades, amigos e familiares. Faqa com que a programaqio do seu Clube seja aquele evento esperado por todos e um momento marcante na vida dos Desbravadores. Preparar o material com antecedkncia: organize um local a frente, uma mesa, por exemplo, para colocar os materiais que serio usados dul-antea cerimbnia: os botons, as Especialidades, os lenqos (que devem ser previamente enrolados para ficarem prontos para usar, isto economiza muito tempo e os Desbravadores n i o ficario deselegantes durante toda a programaqio), os certificados, os premios etc., para facilltar o andamento da programaqio. Organize tambem, em outro local, a entrada, por exemplo, para expor ao publico o trabalho que foi realizado durante o ano, como fotos, trabalhos manuais, parte pratica das Especialidades, para que todos vejam que o trabalho que foi realizado durante o ano teve resultado positivo. Trilha sonora: numa cerimbnia de investidura, por exemplo, uma boa parte do tempo e usada para fazer a entrega das insignias. Se este tempo n i o for preenchido por um fundo musical, a parte mais esperada da programaqio vai se tornar entedlante e monotona, pois serio longos minutos de silencio que deixario os membros inquietos. Portanto, selecione


antecipadamente musicas de qualidade que possam ser tocadas nos momentos de investidura, entrada etc. Cantar o hino nacional e optional, principalmente no dia de repouso, portanto, cabe ao lider usar de bom senso para saber em quais ocasi6es usa-lo e em quais ocasi6es dispensa-lo.

ApresentagSo musical de qualidade: selecione com bastante criterio todas as participaq6es m~~sicais. As nossas cerim6nias sio um culto de louvor a Deus e o trabalho de Deus deve ser feito com mr~itahabilidade. PremiagSo: as cerim6nias sio momentos de festa para o Clube e boas festas precisam de boas premiaq6es. Prepare com antecedencia bons premios para aqueles que se destacaram no ano, para que eles continuem a se empenhar no ano seguinte e os que n i o ganharam se esforcem para conseguir na proxima ocasiio. Faga copias ou projete o hino e os ideais dos Desbravadores, para que toda a congregaqio presente possa participar desse momento. Interval0 de tempo: cuide para que niio haja momentos vagos na programaqio. Faqa um roteiro e entregue para todos que vdo participar, para que n i o haja espaqos entre uma parte e outra. Uniforme: todo o Clube deve estar uniformizado, portanto, deixe isso bem claro e faqa uma inspeqio antes para que todos estejam com os uniformes em conformidade com o Regulamento. Assim temos as seguintes cerim6nias basicas de um Clube: abertura das atividades, admissdo, Dia do Desbravador, investidura, encerramento das atividades e recebimento de Especialidades.

4.10.1.ABERTURA Se vote quiser despertar dnimo e fazer com que todos os juverris da lgreja desejem entrar no Clube, nada melhor do que realizar um bom programa no inicio das atividades do ano. Esta programaqiio deve ser bem objetiva, sem demoras e tem que ter algo que chame a atenqio de todos e mostre que o Clube esta preparado e animado para as suas atividades. Apresentaq6es de Ordem Ur~ida,fanfarra, habilidades manuais, mljsica e fogos de artificio sdo elementos marcantes para chamar a atenqio dos espectadores. Mostre as propostas para o ano, os lideres que v i o dirigir o Clube e faqam uma festa com os Desbravadores e convidados. Se possivel, servir algum lanche apos a programaqio. A cerim6nia e oficiada com o cerimonial da machadinha, onde o Diretor declara oficialmente abertas as atividades do Clube naquele ano e crava a machadinha no tronco.

A entrega do lenqo e rJm momento muito especial para os garotos, pois e quando eles sio reconhecidos oficialmente como Desbravadores. Deve ser muito significativa, especial, aconchegante e que impressione os juvenis. Pode ser ao ar livre, mas preferencialmente na Igreja, pois o elo entre o Desbravador e a lgreja Adventista do Setimo Dia deve ser sempre estimulado. Deve ter obrigatoriamente os seguintes elementos (podendo ser acrescentado outros): Hino dos Desbravadores; ldeais; Bandeiras;

X3 u o


Uniforme oficial (gala); Oraqio de dedicaqio. Para que um juvenil, adolescente ou adulto possa receber o lenqo, ele deve entender o basico do Clube, para isto ele precisa cumprir TODOS os requisitos do cartio "Nosso Clube: disponivel na Associaqio/Miss~oe no site oficial. Ele ja contem as informaqees que ele precisa saber e o que ele precisa fazer. Entio, quando o cartio for concluido, o Clube e o Regional fario uma avaliaqio com o candidato, e se ele for aprovado podera receber o lenqo. E importante lembrar que para receber o lenqo 0 DESBRAVADOR DEVE ESTAR DEVIDAMENTE UNIFORMIZADOCOM 0 UlVlFORME OFICIAL, em conformidade com o Regulamento, (este e o unico momento em que ele pode usar o uniforme sem o lenqo). Ele so pode usar o uniforme apos ter sido aprovado para a cerimbnia de admissio. A entrega do lenqo pode ser feita por um padrinho do Desbravador, como os pais, ou pelos Conselheiros, que devem ser preferencialmente membros do Clube e estarem com o uniforme de gala.

Exemplo sugestivo de cerim6nia 1 (sabado a tarde): lgreja ornamentada (use o bom gosto e considere o espaqo fisico, n i o amontoe coisas): flores, bandeiras do Brasil, estado, cidade, Desbravadores e Clube local em mastros e pedestal, flimulas dos ideais, uma mesa bem arrumada com os lenqos e prendedores arrumados com o norne de cada Desbravador aspirante. Todos os pais e amigos devem ser convidados, para prestigiarem esse momento marcante na vida do Desbravador.

16h30min

Oraqio e momentos de louvor.

16h45min

0 lider da cerirnbnia anuncia a entrada do Clube. 0 s Desbravadores entram em ordem, se posicionam nos primeiros bancos e permanecem em pe. (rnusica de fulldo). 0 lider da cerirnbnia convida a todos para se levantarem e juntos cantarem o Hino dos Desbravadores. ldeais Oraqio (dirigida por um Desbravador) Todos se assentam 0 Diretor do Clube explica a cerirnbnia de admissio, o valor do lenqo e a riqueza dos ideais.

I

w

n 3 u 0

u

0

> .e

7h00min

1

0 Secretario do Clube chama por nome os aspirantes a se posicionarem a frente, em posiqio de sentido. (musica de fundo) 0 Secretario do Clube chama por nome or aspirantes a re posicionarem B frente, em posiqdo de sentido. (musica de fundo) 0 lider da cerirnbnia explica o que os Desbravadores fizeram para merecerem o recebimento do lenqo, enquanto isso o Conselheiro ou o padrinho de cada Desbravador vai ate a mesa, pega o lenqo e prendedor e se posiciona na frente do Desbravador. Cumprimenta-o com a saudaqio Maranata. 0 Desbravador devera responder a saudaqio com a afirmaqio:


" 0 Senhor logo vem!". 0 Conselheiro ou padrinho coloca o lenqo e se assenta. 0 s Desbravadores admitidos permanecem em pe e em posiqio de sentido. (rnusica de fundo - suave)

0 Diretor do Clube explica o valor da luz em meio a escuridio e entrega urna pequena vela para cada aspirante. (rnusica de fundo) 0 Diretor chama o fog0 do Desbravador: entra um Diretor Associado ou Conselheiro, empunhand0 Lima tocha acesa6.(rnusica de fundo emocionante e vigorosa). 0 Desbravador mais antigo toma urna vela, acende na tocha e vai acendendo a vela de cada Desbravador recem-admitido. 0 s capities vPm atras cumprimentando e dando as boas-vindas aos novos Desbravadores. 0 Regional faz o voto de investidura. 0 pastor (se n i o for possivel pode ser o Regional ou um lider da preferencia da diretoria) faz urna breve reflexio e um apelo a toda a Igreja. Encerra com urna oraqio de consagraqio.

Saida organizada: primeiro os Desbravadores veteranos formam urna guarda de honra no corredor da igreja. Saem os novos Desbravadores. Sai todo o Clube. Sai a congregaqio. (rnusica de f~,~ndo)

Exemplo sugestivo de cerimbnia 2 (doming0 de manh5): Auditorio ornamentado: flores, bandeiras do Brasil, estado, cidade, Desbravadores e Clube local em mastros e pedestal, fldmulas dos ideais, urna mesa bem arrumada com os lenqos e prendedores arrumados com o nome de cada Desbravador aspirante, fotos dos Desbravadores. Todos os pais e amigos devem ser convidados, para prestigiarem esse momento marcante na vida do Desbravador.

X3 G Alguns acidentes t@msido presenciados por descuido, despreparo e irresponsabilidade no uso do fogo. Tanto em atividades campestres como em cerim6nias em lugares fechados, o fog0 e um elemento que embeleza e engrandece o espeticulo, contudo, exige da dire530 do Clube e do seu manuseador urna destreza apurada e um senso de responsabilidade muito grande. Existem materiais adequados para se produzir urna chama sem fumasa e sem cheiro forte. Estas duas caracteristicas s3o imprescindiveisnuma cerim6nia de Desbravadores.Jamais use combustivel liquid0 em tochas e piras. Quando usar velas, faca um aparador para a cera n5o pingar nas m3os dos juvenis e provocar sustos.

o

u

2"

e

P a

179


.salopeAelqsaa sop o u l o~ opelue3 las apod 'og5elo e sodv .salopeAelqsaa so sopol ap lap![ apue.16op alue!p e5aqe3 e souau!l3ul salopeAelqsaa ap aqnl3 oe sepu!~-seoqse souep say 1 e!ugu!la3 elsa lad -(!a1e a o l o o~uel!3a.1sopol) JopeAelqsaa op !a1 e a OJOA o soue6!a '(eluod eu sep~03sens l e l e u a m p anb 'sop!l!upe-ua3a~ soe le6nl lep eled o(n3~!:,o as-e6lele) salopeAelqsaa ap aqn(3op solquJau Jas ualanb anb so oln3q ossou op ailed laze4 uey uaA .(ep.103ep el!al!p apep!uallxa e e~~euesap) salopeAeJqsaa sop oln3~!3o l!lqe soueA :lap!i ;,u!S, :solep!pue3 jlopeAeJqsaa op !a1 ep a OJOA op so!dpu!ld so q 6 a s e as-ua~auo~duo~,:~ap!1 ;,u!S, :sOlepIpue3 ;ljsaJopeAelqsaa ap aqnl3 op solquau as-leulol ue[asaa .ua~ep~o3uo3 S ~ ~ a Os 'selun6~ad A saluln6as se u!s ~apuodsaluapod -salopenelqsaaap oln3.1!3ossou op ailed as-ualeulol a aqnl3 ossou oe ual!un as e S ~ ~ sopol O A souep!~uo3.salopeAelqsaa sop oln3~!3op olluap elo6e oglsa s93o~,,:~ap!i .ep.~o3eydold ens elnllaqe eu opuele loln3lp o elalduo3 lap!l o 'oln3.1pop ollua3 o eled sop!p!upt?-ua3a~ salopeAelqsaa so leAal ap s!odaa .elnllaqe eun os opuexpp 'ol!a~!pou o uo3 'ellno e eun 'sep.103se sepol a s - u e ~ ~ e -ollau uv 1 ap exa3 ap ep.103 euln aluaq ens e opueln6as aqnl3 op o l q u a u epe3 uo3 loln3~!3u n as-zed .(a~ens - opr-1n4ap e3!snu) .op!guas ap og5!sod u a a ?d u a ua3aueulad sop!p!upe salopeAelqsaa so -eluasseas a o5ual o e3olo3 oy uyped no ol!ay lasuo3 0 ;,juaA 0601 ~ ouas y o,,:og5eu~yee u 0 3 og5epnes e ~apuodsa~ elamp JopeAelqsaa 0 *eleueleyV og5epnes e uo3 o-eluau!~dun3.lopeAelqsaa op aluay eu euop!sod as a lopapuald a o5ual o e6ad 'esau e ale !eA JopeAelqsaa epe3 ap oyu!~ped o no ol!ay lasuo3 o oss! oluenbua 'o5ual op oluau!qa3al o uala3alau eled uelazy salopeAelqsaa so anb o e ~ l d x ae!ugu!laD ep lapy 0 .ey3.1euap e ~ ! s n ueun ap uos oe ~opa.1~03 olad uellua salue~jdseso .sel!apueq uo3 eluoy ap eplen6 eun zej 'leuy oe 'a eJlejue4 a ep!un u a p l o ap og5eluasalde eun zej aqnl3 op ap oglolad 0 -lopeAelqsaa op !a1 e a OJOA o opuellsnl! 'e5ad eun ueua3ua soueJalaA salopeAelqsaa so ueluasse as sopol (lope~elqsaau n ~ o ep!6!~!p) d og5elo s!eaPl -salopeAeJqsaasop o u l ~ o ua~elue3solun[a ualelueAa1as eled sopol e ep!Auo3 e!uguya3 ep lapy 0 .(opun~ ap eysnu) .ad u a ua3aueu~ad'so3ueq sol!au!ld sou ueuop!sod as a uaplo u a uellua salopeAelqsaa so .aqnl3 op epellua e epunue e!ugu!~a3ep lap110


0 pastor (se nao for possivel pode ser o Regional ou um lider da preferencia da diretoria) faz uma breve reflexdo e um apelo a toda a Igreja. Encerra com urns oraqao de consagraqao.

9hZOmin

9h25min

9h30min

1

Mensagem musical especial Saida organizada: primeiro os Desbravadores veteranos formam uma guarda de honra no corredor. Saem os novos Desbravadores. Sai todo o Clube. Sai a congrega~io.(musica de fundo)

4.10.3. DIA DO DESBRAVADOR Este e um dia especial e n%oapenas uma cerimbnia, embora o programa da Escola Sabatina, o Culto Divino e o Culto Jovem sejam especiais cada um ao seu modo. E um dia celebrado coletivamente por todos os Desbravadores no terceiro sabado de setembro. 0 dia do Desbravador e o momento de apresentar a lgreja (por isso a programaqio deve ser na Igreja) o seu trabalho. Por ser na Igreja, n i o ha muito o que mudar da doxologia padrso, mas os Desbravadores devem estar envolvidos em todas as atividades, como passar a liqao da escola sabatina, informativo, mensagem musical, recolher os dizimos e o sermao. Alem disso, as participaqbes devem ser interessantes e bem preparadas, para que a lgreja n i o classifique as programaqbes do Clube como cansativas. tambem, para aqueles que nao conseguiram Neste dia pode ser realizada uma investid~~ra ser investidos no final do ano, mas ela IVAO DEVE ACONTECER NA HORA DO CULT0 DIVINO. Por isso, faqa-a num horario diferenciado do culto divino, como no culto JA ou na sexta-feira a noite. 0 Ministerio Jovem da Divisao Sul-Americana disponibiliza, anualmente, um programa sugestivo, que pode ser baixado no site oficial ou em contato com a Associaqio/Miss~o. Este dia deve obrigatoriamente ter: Hino dos Desbravadores; Ideais; Bandeiras e ornamentaqao especial na Igreja; Ur~iformeoficial; Entrega da Insignia de Excelencia (caso o Clube nao opte por entrega-la na cerim6nia de encerramento); Participaqio dos Desbravadores em todo o programa: recepc20, liqzo da escola sabatina, momentos de louvor, recolhimento de dizimos e oferta, etc. Sermio no culto divino dos Desbravadores para a Igreja. Este dia pode ter tambem: Cerim6nia de admissao; Cerim6nia de recebimento de especialidades; Investidura; Apresentaqbes musicais; Culto Jovem de Acio de Graqas; Evento recreativo a noite.


Exemplo sugestivo 1 (sabado de manh5):

lgreja ornamentada: na entrada (hall) fotos e urn pequeno rnuseu do Clube com seus trofeus; flores, barrdeiras do Brasil, estado, cidade, Desbravadores, Clube local; pulpito com o escudo do Clube; barraca, rnochilas, cordas e equiparnentos; bandeirins e fl2mulas dos ideais. 8h30min

Oracao e mornerrtos de louvor.

8h45min

0 s Desbravadores da recepe20 estzo posicionados a porta da Igreja.

9h00min

Urn diretor Associado da as boas-vindas e dirige a escola sabatina dos adultos. Cada desbravador devera estar em sua sala ou unidade correspondente:juvenis, adolescentes, jovens e adultos. 0 s Cor~sellieiros, Instrutores e demais membros da direqzo devern participar da escola sabatirra e quando possivel, passando a liczo; os desbravadores devem ser estimulados a apresentar o "informativo missionario"e fazer apresentac6es rnusicais.

10h10min

" 0 Clube se reune fora da Igreja. 0 s componentes da plataforma se orgarrizam: todos devem estar uniforrnizados e com suas partes definidas. Desbravadores liderados por urn Conselheiro dirigem os momentos de c2nticos1:

1OhZOmin a

I 1 h30min

-fu =Ia

a

Entrada dos componentes da plataforma, dos porta-bandeiras e entrada do Clube ao som de uma rnusica de marcha: Desbravadores postados em seus lugares e em pe. Cada unidade com seu respectivo Conselheiro nos bancos. ldeais (sempre corn copia para todos os membros ou projetados). Hino dos Desbravadores. Oracso de invocacio do pregador. Boas-vindas. Ofertorio e recolhirnento das ofertas pelos Desbravadores diaconos Hirro irricial Oraczo de joelhos Adoraczo infantil - historia contada por um Conselheiro ou por uma unidade. Outorga da Insignia de Excelencia (caso o Clube tenha optado por nzo entregar na cerirnbnia de encerramento). Mensagern musical - Desbravadores Sermzo Hino final Oraczo e saida organizada: componentes da plataforrna, Desbravadores e congregacio Entrega de urna lembranca as familias da igreja

0 culto divino, por ser o mais tradicional culto da Igreja, nzo deve ser alterado radicalrnente. Contudo, pode ser realizado com a maxima participaczo dos juvenis.


Exemplo sugestivo 2 (sabado a tarde): lgreja ornamentada: Divida a frente da lgreja em tres ambientes: urna biblioteca (use sofas e coloque urna estante com livros); um espaco para ~euni2odo Clube (pode colocar o mastro e local para os Desbravadores ficarem em forma); urna sala de estar (coloque um sofa, um tapete e urna mesa de centro). 0 s Desbravadores da recepe20 est2o posicionados a porta da Igreja.

Oras20 e momentos de louvor. Se possivel, os momentos de louvor devem ser acorrrpanhados por instrumentacao musical, n2o necessariamente com Desbravadores tocando. A pessoa que for dirigir o louvor deve ser carismatica e envolver a lgreja com os hinos cantados. lnicio da encenac20. A historia consiste em urn juvenil que, olhando alguns livros da biblioteca da avo, encontra um com fotos antigas (pode jogar as fotos que o Desbravador esta vendo no tel2o). Sua avo entra e comeca a contar urna historia de alguns pioneiros da igreja: por exemplo, Guilherme Miller, que desbravou a mensagem de esperanca da volta de Cristo para sua gerac2o. A avo inicia a historia e em um dado momento ela para de falar e a historia acontece, com Guilherme Miller orando e seu sobrinho Irving indo chama-lo para pregar. Ent2o Guilherme sai e comeca a anunciar as verdades que aprendeu. Voltando na avo, ela cita exemplos de pessoas que desbravaram com esperanca em suas geracdes e incentiva o net0 a levar esta ideia para o seu Clube de Desbravadores. Dinsmica com a lgreja (concurso de nos com os membros, onde coloca-se um video ensinando e o membro tem que fazer igual; quiz de perguntas e respostas, etc.). Segundo a t 0 da enceriac20. No segundo quadro, os Desbravadores est2o em uma reuni2o do Clube e o diretor 0s convida a entregarem o material missionario para a comunidade. Ent2o o Clube faz urna oras20 e se dirige pela nave da lgreja entregando um cart20 aos presentes de agradecimento pela presenca no Dia do Desbravador. Pode ser urna lembrancinha feita pelos proprios Desbravadores. Acabando este quadro, o Desbravador chega em casa e encontra o pai e a m2e na sala de estar e conta a eles sobre o projeto missionario que fizeram. 0 s pais ficam maravilhados e falam da maravilha que e pertencer ao Clube de Desbravadores. Ent2o os pais e os Desbravadores se levantam e convidam a lgreja a participarem da cerim6nia de investidura. Explique que este e um momento que simboliza o preparo que os Desbravadores recebem para desbravarem com esperanca.

w

n

=I

G

0

u

!i

h u l 0

h


17h30min

Investidura. 0 Regional explica aos membros presentes o significado da cerim6nia e convida todos os Desbravadores que serio investidos a entrarem na lgreja ao som de uma marcha. Em seguida, ele convida todos os lideres investidos para participarem da entrega dos emblemas. Eles v i o ate a mesa, pegam o boton e se posicionam na frente do Desbravador. Cumprimentam-no com a saudacio Maranata. 0 Desbravador devera responder a saudacio com a afirmacio:"O Senhor logo vem!". 0 lider o investe, parabeniza e senta. 0 s Desbravadores permanecem em pe e em posicio de sentido. E feito o voto de investidura pelo Regional.

17h45min

0 pastor (se n i o for possivel pode ser o Regional ou urn lider da preferencia da diretoria) encerra com uma oracio de consagracio.

17h50min

Saida organizada.

E muito importe ser sucinto em cada quadro apresentado, para n i o cansar a lgreja. 0 segredo de qualquer programacio e o planejamento e ensaio, n i o deixe tudo para a ultima hora. Todas as cerim6nias devem ser devidamente documentadas com fotos e relatorio. Devem constar no historic0 do Clube.

4.10.4.CONDECORACAO DE ESPECIALIDADES

m

E0

u

9 2

n

B

De todas as cerim6r1ias~ esta deveria ser a mais corriqueira e simples, porem n i o desleixada e sem cuidados. Deve ser corriqueira, pois se espera que um Clube ofereca muitas Especialidades ao longo de um ano e que os Desbravadores consigam ser aprovados na maioria delas. Pode ser uma cerim6nia rapida na abertura da reuniio do Clube, no culto jovem ou parte de uma cerim6nia maior como a cerim6nia de encerramento ou no Dia do Desbravador. No entanto, a depender do numero de Especialidades a serem entregues, pode ser organizado um programa so para o recebimento de Especialidades.Deve ter obrigatoriamente os seguintes elementos (podendo ser acrescentado outros):

w

u w n 3 b o u

Todas as insignias e certificados; Uma breve explicacio sobre as Especialidades; A mencio honrosa aos juvenis que conquistaram a insignia; Uma entrega publlca e formal.

INVESTIDURA .-C

E

3 3

c

184

A investidura e urn rito especial que se reveste de reverencia e comprornisso espiritual. E a mais importante cerim6nia no programa dos Desbravadores, pois nela a lgreja confere algo em carater sagrado e espera um retorno na forma de servico abnegado a Deus e ao proximo. Deve ser o momento mais esperado dos Desbravadores durante o ano.


rip

0 programa das Classes e como uma escola, onde os meninos e meninas fazem as suas atividades de acordo com a idade pelo period0 de um ano. Entio, ao final desses trabalhos, eles devem ser reconhecidos por isso e entio serem investidos. A investidura deve acontecer, no maximo, duas vezes ao ano, sendo a principal programaqio ao final do ano, na cerimdnia de encerramento, pois e quando os Desbravadores conseguiram concluir o trabalho das Classes, e a outra no Dia do Desbravador ou no meio do ano, para os Desbravadores que ficaram com itens pendentes e n i o conseguiram se investir na cerimdnia de encerramento. Se ocorrerem mais programas de investidura no ano, ela perde o seu sentido e grandeza. Convide todos os Clubes da regiao e todas as lgrejas do distrito para participarem desse momento, para que o Desbravador entenda o seu valor e assim tenha vontade de continuar no Clube e continuar as atividades das Classes. A investid~~ra deve ser parte de um programa especial e nunca acontecer isoladamente. SOMENTE L~DERESINVESTIDOS PODEM COLOCAR OS DIS1-INTIVOS NOS DESBRAVADORES. As exceq6es precisam de autorizaqio do diretor do Ministerio de Desbravadores da Associaqio/Missio. Para ser investido, o Desbravador, o Lider que o investira e o Regional DEVEM ESTAR COM 0 UNIFORME OFlClAL (GALA) COMPLETO E DE ACORDO COM 0 REGULAMENTO DE UNIFORMES. Para a investidura nas Classes de Lideranqa, somente pode investir aquele que possui aquela Classe a qua1 esta investindo. Porem, os diretores do Ministerio de Desbravadores e pastores Ordenados, independente de sua investidura, podem realizar a investidura de todas Classes ate a Classe de Lider. A investidura de Lider Master so pode ocorrer com a presenqa do Departamental do Ministerio de Desbravadores da Uniio, ou com uma autorizaqio direta dele. Da mesma forma, somente o Departamental do Ministerio de Desbravadores da Divisio pode investir a Classe de I-ider Master Avanqado, ou alguem autorizado diretamente por ele. Apos a entrega dos emblemas, o lider da cerimdnia ou o Regional deve fazer a conjuraqio (o voto de investidura) aos Desbravadores, onde ele os consagra e exorta-os a manter sempre em mente os ideais dos Desbravadores e os encoraja a continuar esses trabalhos.

EXORTACAOSUGESTIVA OU CONJURACAO "VocPs aca bam de concluir seu programa de estudo e de auto aperfeiqoamento, e a partir de agora estio prontos para assumirem novas responsabilidades na igreja e no Clube. Cada um de vocPs concl~~iu os requisites de uma ou mais Classes dos Desbravadores. A insignia que estio recebendo representa os mais elevados ideais do Ministerio de Desbravadoresda lgreja Adventista do Setimo Dia. Portanto, confiando em Deus, eu os responsabilizo a esforqarem-se cada dia no cultivo desses altos principios e no cumprimento dos mesmos, atraves de suas palavras e aqdes. Se, por qualquer razao, vocPs perderem de vista estes ideais e n i o mais os desejarem, nem os praticarem em sua vida diaria, sera um dever pessoal devolver a insignia a Associaqio e ao Clube que a concedeu. Entretanto, confio que Deus ira conserva-10s fieis a Ele e a esses ideais.'' A mensagem desse voto deve ser passada aos Desbravadores de forma que eles entendam que esse momento que eles estio participando e muito importante. Por isso, o Regional deve fazer o voto ser algo bem pessoal. Pode fazer corn que os Desbravadores repitam apos sua fala, frase apos frase prestando atenqio em cada palavra, por isto, elas NUNCA devem ser lidas, para n i o perder o foco principal. Ao final da programaqio de investidura deve ser feita uma oraqio de dedicaqio desses Desbravadores, preferencialmentepelo pastor. Agora eles estio prontos para continuar seus trabalhos no Clube e cada vez mais desenvolverem suas faculdades fisicas, mentais e espirituais.

23

G ,O m

E

E UI 2

n.

185


4.10.6. CERIMONIA DE ENCERRAMENTO A cerimbnia de encerramento deve ser a ultima atividade oficial do Clube no ano e culminar corn a investidura. Tarnbem deve haver a cerimbnia de recebimento de Especialidades e admissio, se houver candidatos. Alem da outorga dos emblemas, a cerimbnia de encerramento tambem deve ser o momento para a entrega da Insignia de Excel@ncia,caso essa tenha sido a opqio do Clube, e tambem para premiar os Desbravadores, Unidades, pais, amigos do Clube, etc. 0 Clube precisa fazer uma retrospectiva das suas atividades e tudo que puder ser exposto no hall de entrada, como coleq6es, artesanatos, fotos, etc., contribuira para enriquecer o evento. Deve obrigatoriamente ter: Hino dos Desbravadores; Ideais; Bandeiras e ornamentaqio especial na Igreja; Uniforme oficial; Entrega da Insignia de Excelsncia (caso o Clube n i o opte por entrega-la no Dia do Desbravador); Retrospectiva das atividades; CerimBnia de investidura, recebimento de Especialidades e admissSol conforme prevs este manual, com a entrega dos seus respectivos emblemas; Premios e agradecimentos. Assim como o Clube deve comeqar as atividades do ano com muita disposiqio e anirnaqio, termina-lo com uma cerimbnia marcante far6 com que todos os Desbravadores anseiem chegar o proximo ano para que comece tudo novamente. Entio a direqio do Clube deve ter um empenho e dedicaqio redobrados para fazer um bom programa. Exemplo sugestivo 1 (sexta ao p6r do sol):

lgreja ornamentada: siga os exemplos anteriores. Uma rnesa bem organizada com os emblemas: botons, Especialidades e lenqos com o nome dos Desbravadores. Bandeiras do Brasil, estado, cidade, Desbravadores e Clube local em mastros e pedestal. Mesa com tecidos nas cores das seis Classes e uma vela na cor de cada Classe em cima do tecido de cor correspondente. As lembrancinhas devem ser velas pequenas, com base em gesso, corn um pequeno cartio.

w

u w n 3 u

17h30min

Oraqio e momentos de louvor

0

17h45min

0 li'der da cerimbnia anuncia a entrada do Clube e das bandeiras. 0 s Desbravadores entrarn em ordem e se posicionam nos primeiros bancos, permanecem em pe. (musica de fundo)

u

I

0

.->

+' m +' L

.-cUI .-

E

3m

17h48min

I

0 lider da cerimbnia convida todos para se levantarem e juntos cantarem o Hino dos Desbravadores ldeais (recitados por Desbravadores) Oraqio (dirigida por um Desbravador) Todos se assentam


0 diretor pega a machadinha do Clube (ornamentada com as cores e nome do Clube), se dirige ao cepo (toco ornamentado) e entio com vigor diz:l1em nome dos Desbravadores do Clube ,eu declaro abertos os trabalhos da investidura!"e crava a machadinha no cepo. (tudo com uma bela musica de fundo).

Boas-vindas Mensagem musical especial Sermonete baseado em Mateus 5:14-16 "Luz do mundo"

18hl Smin

Entrega de prPmios Retrospectiva

Encenaqio Coordenados pelo lider da cerimdnia, os Desbravadores, individualmente ou em Classes, apresentam trabalhos e demonstram suas habilidades adquiridas ao longo do ano de trabalhos e estudos. (musica de fundo). Adrnissio e recebimento de Especialidades. As cerimdnias de admissio e recebimento de Especialidades devem seguir os procedimentos ja descritos anteriormente. lnvestidura 0 Regional explica aos membros presentes o significado da cerimdnia e convida todos os Desbravadores que serdo investidos a entrarem na lgreja ao som de uma marcha. Ele deve citar cada Classe e chamar os Desbravadores pelo nome. Se forem muitos, e necessario um local para que eles possam sentar, ficando em pe apenas uma das Classes. Conforme cada Classe e chamada, o lider da cerimdnia acende a vela correspondente. Em seguida, ele convida todos os lideres investidos para participarem da entrega dos emblemas. Eles v i o ate a mesa, pegam o boton e se posicionam na frente do Desbravador. Cumprimentam-no corn a saudaqio Maranata. 0 Desbravador devera responder a saudaqio com a afirmaqio:"O Senhor logo vem!". 0 lider o investe, o parabeniza e aguarda para investir os demais. 0 s Desbravadores se sentam enquanto a outra Classe e chamada. Depois de todos investidos, o Regional os convida para ficarem de pel em frente a todos e faz o voto de investidura. Todos os Desbravadores que foram investidos pegam uma vela, acendem na vela que esta a mesa e ao som da musica que se refira a luz ou a brilhar por Jesus, saem pela lgreja acendendo as velas de cada pessoa presente.


19h08min

0 pastor (se r12ofor possivel pode ser o Regional ou um lider da preferencia da diretoria) encerra com uma orac2o de consagrac2o.

19hlOmin

Saida organizada.

Exemplo sugestivo 2 (sabado a tarde):

lgreja ornamentada: siga os exemplos anteriores. Uma mesa bem organizada com as insignias: botons arrumados com o nome de cada Desbravador a ser investido. Bandeiras do Brasil, estado, cidade, Desbravadores e Clube local em mastros e pedestal.

16h30min

Orac2o e momentos de louvor

16h45min

0 li'der da cerim6nia anuncia a entrada do Clube e das bandeiras. 0 s Desbravadores entram ern ordem e se posicionarn rlos primeiros bancos, permanecem em pe. (musica de fundo)

16h48min

0 lider da cerim6nia convida a todos para se levantarem e juntos cantarem o Hino dos Desbravadores ldeais (recitados por Desbravadores) Oraciio (dirigida por um Desbravador) Todos se asserltam

16h55min

0 Diretor pega a machadinha do Clube (ornamentada com as cores e nome do Clube), se dirige ao cepo (toco ornamentado) e entiio com vigor diz:l1em nome dos Desbravadores do Clube ,eu declaro abertos os tra balhos da i~ivestidura!"e crava a machadinha no cepo. (tudo com uma bela musica de fundo).

16h56min

Boas-vindas Mensagem musical especial

17hOOmin

Sermonete

17h15min

Entrega de prernios Retrospectiva

17h25min

Coordenados pelo lider da cerimbnia, os Desbravadores, individualmente ou em Classes, apresentam trabalhos e demonstram suas habilidades adquiridas ao longo do ano de trabalhos e estudos. (musica de fundo).

17h35min

Admiss20 e recebimento de Especialidades. As cerim6nias de admiss20 e recebimento de Especialidades devem seguir aos procedimentosja descritos anteriormente. l nvestidura


Admissio e recebimento de Especialidades. As cerimdnias de admissio e recebimento d'e Especialidades devem seguir aos procedimentosja descritos anteriormente. Investid~~ra 0 Regional explica aos membros presentes o significado da cerimdnia e convida todos os Desbravadores que serio investidos a entrarerrr na lgreja ao som de uma marcha. Cita cada Classe e chama os Desbravadores pelo nome. Se forem muitos, tenha um local para que eles possam sentar, ficando em pe apenas uma das Classes. Em seguida, ele convida todos os lideres investidos para participarem da entrega dos emblemas. Eles v i o ate a mesa, pegam o boton e se posicionam na frente do Desbravador. Cumprimentam-no com a saudaqio Maranata. 0 Desbravador devera responder a saudaqio com a afirmaq2o:"O Senhor logo vem!". 0 lider o investe, o parabeniza e aguarda para investir os demais. 0 s Desbravadores se sentam enquanto a outra Classe e chamada. Depois de todos investidos, o Regional os convida para ficarem de pel em frente a todos e faz o voto de investidura.

17h55min

0 pastor (se n i o for possivel pode ser o Regional ou um lider da preferencia da diretoria) encerra com urrla oraqio de consagraqao. Saida organizada.

4.10.7.EVENTOS Alem das cerimdnias, os eventos fazem parte do programa do Clube de Desbravadores. Podem ser realizados a nivel local, distrital, Regional, Campo, Uniio e Divisio. 0 s principais sio: feiras, desfiles, camporis e congressos. A Divisio Sul-Americana recomenda que nenhum evento oficial para os Desbravadores, como camporis, feiras, etc., seja realizado em dias que obriguem o Desbravador a faltar aula, seja a nivel local, Carrrpo, Urriio ou Divisio; ou que os devidos arranjos sejam feitos nas escolas.

FEIRAS Uma feira de Desbravadores e um evento de grande potencial de relaqbes publicas, pois de fato os Clubes i r i o apresentar o que sio e o que fazem ao publico em geral e ainda poderio auferir algum lucro com a possibilidade de venda de alguns produtos, desta forma, ha ganhos de diversas maneiras. Uma feira pode ser apenas um evento de exposiqio de trabalhos ou um evento comercial. E interessante que ela terrha um tema geral em torno do qua1 serio realizados os trabalhos para a exposiqio. Cada Clube tera uma barraca ou estande para fazer sua apresentaqio. A direqio do evento deve cuidar para escolher uma data viavel, urn local apropriado e convidar a comunidade de maneira adequada, assim, os Desbravadores n i o serio frustrados por terem trabalhado em vio. 0 s beneficios da participaqio neste evento Go:

;

ao u

!

m

Ideias para o Clube; lncentivo para se uniformizar;


lncentivo para o cu~nprirnentodas Especialidades da seqzo Artes e habilidades manuais; Experiencia para o Clube e para o Desbravador que recebera um trunfo pela participaqio; A identidade do Clube e reforqada com o uso publico de seus emblemas; A instituiqzo saira fortalecida com a publicidade do evento; E um bom local para apresentaqbes musicais. de Ordem Unida, evoluqbes, fanfarra, bandas e outras atividades. Sugestbes para a exposiqgo: Artesanato: tra balhos com agulha, tra balhos em madeira, pintura em tecido, decou-page, arte de tranqar, fabricaqzo de velas, etc. Especialidades: Ordern Unida, Musica, Fanfarra, Arco e flecha, etc. Hobbies. Coleqbes: flores, selos, cartbes telef6nicos, postais, chaveiros, camisetas de Clube, etc. Habilldades domesticas: pzes, conservas, assados, receitas vegetarianas, minicursos de culinaria adventista. Cantinho da saude: aferiqzo de presszo, habitos de higiene, remedios naturais. Pioneirias e nos: quadros de nos, moveis de acampamentos, mini-arvorismo, etc. Atividades missionarias: arte de contar historias, lingua de sinais, etc.

UI

UI

b

0 s desfiles szo parte integral das atividades especiais de um Clube. No cumprimento de Especialidades, aproveitando a oportunidade para testemunhar e sempre valorizando a imagem do Clube diante da opinizo publica, um desfile e uma grande oportunidade para os Desbravadores. Eventualmente, o Campo ou regizo pode convidar os Clubes para se unirem num grande desfile numa cidade especifica. lsto pode ocorrer por varios motivos, mas basicamente para demonstrar a forqa do movimento, reforqar a presenqa numa localldade por objetivos evangelisticos, ajudar a popularizar os Desbravadores numa cidade estrategica e alavalicar a irnplantaqzo de um Clube. Um desfile jamais deve ser feito com desleixo ou com menor cuidado, pois "a natureza e a importtincia de nossa obra slio julgadas pelos esforqos que se fazem no sentido de apresenta-la ao publico. Quando estes esforqos s60 poucos, a impresslio dada e a de que a mensagem que pregamos nlio mereqa atenqlio." (Ellen White, Evangelismo, p. 128). 0 s desfiles devem ser bem aproveitados, portanto, a diretoria deve cuidar dos seguintes detalhes:

u

5

E u

Contempla-10s no planejarnento anual; Desenvolver um cronograma adequado de ensaios (se houver fanfarras ou bandas, os treinos szo ainda mais necessaries); Planejar a disposiqao do Clube no desfile, ou seja, a ordem dos blocos tematicos7, do pelotzo de Ordem Unida e eventuais demonstraqbes de habilidades em frente ao palarrque se houver autorizaqzo para isto; Uma placa ou faixa de identificaqso deve abrir o desfile do Clube; As bandeiras do Brasil, estado, municipio, Desbravadorese Clube devem ser portadas com dignidade e corretamente, conforme a legislaqzo do pais. Convidar o pastor para estar no palanque (reforqa a ilnagern da Igreja); Preparar uma lembranqa significativa do Clube para uma autoridade (se houver autorizaqzo para isso);

2

' 0 Clube pode se organizar para representar e m blocos tematicos muitas atividades: acampamento, escalada, ciclismo,

2 n

UI

d

UI

u UI n 3 b 0

u 0

.+ 2 + >

.-ulC

.I !

a m

%

a

primeiros socorros, esportes, habilidades manuais, Ordem Unida, etc.


Preparar faixas e banners com dizeres que representam os valores e principios do Clube de Desbravadores; Desfilar com uniformes impecaveis; Destacar a mensagem da Salvaqio e do Serviqo; Planejar o atendimento de agua e lanche para os j~~venis durante a espera para o desfile; Ter o apoio e presenqa dos pais.

Este e o evento mais esperado e provavelmente o mais amado pelos Desbravadores. Um campori e um acampamento de varios Clubes com o mesmo objetivo, reunidos sob a lideranca da regiao, Campo, Uniio ou Divisio e tendo atividades que giram em torno de um tema espiritual. Neste evento, os Clubes revelam sua capacidade de convivkncia e disciplina. Ele e fundamental para as relaqees publicas da lgreja e do Ministerio de Desbravadores com vistas ao evangelismo. ElIen White afirmou: "Maissabia orientagio deve ser posta em pratica no sentido de localizar as reunides campais [ ~ a m p o r i s ]Ndo ~ . devem ser efetuadas em lugares afastados, pois nus cidades ha pessoas que necessitam da verdade.As reunibes campais devem sercelebradas em lugares dos quais o povo de nossas grandes cidades possa ser atingido': (Ellen White, Evangelismo, p. 79). Embora o Clube de Desbravadores n i o deve viver para participar em camporis, e necessario reconhecer este evento como o grande elemento pratico de integraqio e motivaqio dos Clubes. Jamais um campori devera ser um fim em si mesmo ou um palanque para a lideranqa, antes ele devera ser um evento de celebraqio e louvor a Deus, uma oportunidade de demonstraqio de habilidades e uma oportunidade especial para jovens e juvenis receberem benqdo de grandes oradores da Palavra de Deus. Ellen White faz a seguinte admoestaqio sobre as grandes reuniees da Igreja: "Em nossas reunibes campais [camporis] devemos ter oradores que possum produzir boa impressio no povo. A capacidade de um homem, por mais inteligente 9ue ele possa ser, e insuficiente para atender a necessidade. Uma variedade de talentos deve ser usada nestas reunibes" (Ellen White, Evangelismo, p. 70).Alem da Boa Palavra ouvida nos camporis, eles sio um grande momento para os Desbravadores se encontrarem com seus "irmios de lenqo". 0 Clube devera participardo campori em plena conformidade com o guia de orientaqbes do evento.

0 s camporis sio de quatro niveis: Regiio: sio realizados com a autorizacdo ou a pedido do Campo. Sio liderados por regionais ou pelo coord'enador geral. N i o devem con-lpetir com eventos distritais ou do Campo. 0 s pastores distritais devem estar cientes, devem ser convidados e terem esse evento em seus planejamentos. Associaq~o/Missio:saoanuaisou bienais. Sao liderados pelo departamental da Associaqaol Missio e sempre esta contemplado no calendario eclesiastico de cada ano. Uniio: acontecem a cada cinco a sete anos. Sio liderados pelo departamental da Uniio e sempre esta contemplado no calendario eclesiastico do ano em que ocorre o evento. As vagas sio prioritarias aos Clubes participantes do Liltimo Campori de Associaqio/Missio e depois aos demais Clubes, de acordo com criterios estabelecidos pela Uniio e/ou Campos. 0 0

E

N ~ existiam o camporis na epoca da Sra'.White, contudo, pode-se aplicar aos camporis os mesmos conselhos em relac20 As reunises campais de outrora.

2UI

e

n


Divisao: sao decenais. E liderado pelo departamental da Divisao Sul-Americana e sempre esta contemplado no calendario eclesiastico do ano em que ocorre o evento. As vagas sio prioritarias aos Clubes participantes do ultimo campori da Uniao, depois aos participantes do ultimo Campori de Associaqio/Miss20 e depois aos demais Clubes, de acordo com criterios estabelecidos pela Divisiio, Unibes elou Campos.

UI

f

u m > 2 n 0

w

u w n

a

G

o

u 0 > P

2 .-ul . .w

E

-m 2

%

Um Clube de um Campo pode ser convidado para participar num evento de outro Campo que n2o seja o seu, porem, o convite deve ser feito oficialmente a Administraqao do Campo de origem do convidado. 0 Clube so recebe a liberaqzo para participar do evento apos essa aprovaqiio. 0 Clube que participar de um evento de outro Campo sem a devida autorizaqao podera ter seu cadastro suspenso ou receber outra sanqiio disciplinar de acordo com a deliberaqao da Mesa Administrativa de seu Campo de origem. 0 s Campos, Unibes e Divisao deverio divulgar, com a devida ar~teced$ncia,um manual de orientaqbes, com as informaq6es acerca do evento, como participar, as normas de conduta e discipli~iael principalmente, os pre-requisitos. A ideia dos pre-requisitos e apenas incentivar os Clubes a cumprirem o programa oficial, conforme descreve este manual. Com esse manual em maos, os Clubes devem fazer uma pasta de relatorios, conforme modelo disponibilizado pelo Campo. Esses pre-requisitos somam mais da metade dos pontos do campori. Mesmo sendo um evento festivo, o campori precisa ter um padriio de pontuaqao. N i o se trata de uma competiq~o,ate porque todos podem atingir o padrao maximo. Essa e apenas uma forma de incentivar e congratular os Clubes que estao culnprindo o programa oficial. Como participar do campori? Ao receber o planejamento do Campo, colocar a data do Campori no planejamentodo Clube; Orar; Planejar com a Comissio Executiva do Clube a participaqso no evento: Formular estrategias para o cumprimento dos pre-requisitos; Levantamento e revisao do equipamento do Clube, das Unidades e individual; Calculo financeiro; Formular estrategias para a arrecadaqio de fundos; Arquitetar o portal e a area de acamparnento; Deliberar a participaqio do Clube no evento na Comissao da lgreja local; Reunir os pais para o lanqamento do projeto; Enviar aos pais um comunicado por escrito com todas as informaq6es e a ficha de autoriza$20 de saida do menor; Arregimentar auxiliares de cozinha; Realizar a contrataqio do transporte; Organizar a estrategia de saida: Horario e local; Arrumaqio da bagagem; Sair com alegria e entusiasmo crendo que Deus estara sempre com o Clube.

CONGRESSOS Um congress0 e uma excelente maneira de o Campo ou regiio oferecerem aos Desbravadores e lideres das igrejas locais a oportunidade de terem contato com grandes pregadores e musicos da lgreja. Contudo, o objetivo maior deve ser sempre oferecer algum tip0 de treinamento e oportunidade para o serviqo: "nossas reuniees campais devem ser dirigidas de tal maneira que sejam escolas para a educaqiro de obreiros. Necessitamos ter melhor compreensiro da divisiro do trabalho, e educar todos nu maneira de desempenhar sua parte da obra com &xito." (Ellen White, Evangelismo, p. 473).


Depois de conhecer os fundamentos dos Desbravadores, o desenvolvimento do adolescente e da lideran~a,a administra~zoe planejamento e o programa do Clube, um membro da lgreja esta apt0 a iniciar os procedimentos para a f u n d a ~ z ode um novo Clube, conforme e descrito a seguir.

5.1. PROCEDIMENTOS PARA SE FUNDAR U M 1 CLUBE DE DESBRAVADORES ? 0 projeto para a fundasdo de um novo Clube ocorre, geralmente, de trPs maneiras: a lgreja ja conhece algum Clube vizinho e decide, em Comissdo, fundar um; algum llder muda-se para ulna lgreja que ndo tem Clube e faz a proposta a Comissdo; ou o distrital/Regional cria estrategias para apresentar o Clube a lgreja, treinar a equipe e, enfim, fundar o Clu be. A partir desse ponto, a Comissdo da lgreja deve escolher os lideres que atuardo na formasdo do Clube, alem de votar e aprovar a sua fundaqdo e escolher trPs sugestdes de nomes para ele. A lgreja precisa estar envolvida nesse processo, para dar respaldo legitimo ao Clube e se sentir parte envolvida nessa atividade, inclusive, podendo a diresdo do Clube cobrar tal apoio. As sugest6es de norne serdo enviadas ao Campo, em ordem de preferencia, para analise pelo Ministerio de Desbravadores.Apos analise, o departamental divulgara o nome oficial aprovado. Esses lideres, em seguida, deverdo seguir as seguintes orientasees: VI

w

2

n VI

UJ

u ur

-nu3

o u

>

P

2.-In .-c

E

-2m % a

196

1. Aconselharnento corn o Ministerio de Desbravadores da Associaq~o/Miss5o 0 lider do Ministerio de Desbravadores do Campo local e seus colaboradores - coordenador geral, regionais e distritais - sio responsiveis por todos os Clubes de Desbravadores da sua area geografica. Eles possuem conhecimento e disposiqdo para ajudar novos Clubes a se forrnarern. Devem ser consultados em primeiro lugar, pois auxiliardo a direqdo do novo Clube nos passos a serem dados a seguir. Para isto, o interessado deve ligar para a Associaqdo/Missdo e agendar com a secretaria do Ministerio de Desbravadores um horario para conversar com o departamental ou solicitar uma visita do RegionaVdistrital responsavel pela regitio. 2. Reunigo corn o pastor da lgreja local 0 pastor local deve ser urn motivador dos Clubes de seu distrito. Ele e o lider escolhido pela Associaqdo/Missdo para supervisionar toda e qualquer atividade da lgreja naquela area. Na maioria das vezes, esse pastor tem algum conhecimento que pode ajudar na formaqio do Clube. lndependente disso, ele deve ser consultado para que apoie o novo Clube. 3. Participar dos cursos de treinamento promovidos pela Associaq5o/Miss5o 0 Ministerio de Desbravadores local promove o Curso de Treinamento Basico para a Diretoria do Clube de Desbravadores e outros cursos de lideranqa. E imprescindivel que toda a direqdo participe. Uma das condiq6es essenciais para o funcionamento bem-sucedido do Clube e um nljmero adequado de lideres bem treinados.


4. Procurar interessados e m ajudar nas atividades d o Clube A Comissio da Igreja designa u m membro para ser o Diretor d o Clube. Ele deve escolher, dentre os membros da Igreja, seus principais colaboradores para atuarem como Associados - u m masculino e u m feminino, n o minimo - secretario, tesoureiro, Capelio, Conselheiros, Instrutores, etc. A Comissio deve estar b e m familiarizada com todos os objetivos, conceitos e necessidades financeiras da organizacio d o Clube e o papel que o Clube deve desempenhar n o evangelism0 juvenil e adolescente d e sua Igreja. Ela deve procurar pessoas cornprometidas, maiores d e idade, com espirito dindmico e que amem trabalhar com juvenis na faixa etaria d o Clube e que se disp6em, durante varias semanas d o ano, a estarem envolvidas nas atividades d o Clube, quer sejam dentro dele o u fora. Todos os nomes dos envolvidos ativamente na direcio d o Clube devem passar pela anuencia da Comissio da Igreja. 5. Comunicar a congregaqgo durante o serviqo d o culto

E importante que todos os membros da igreja sejam informados sobre o Clube d e Desbravadores, seus objetivos e seu programa. Alguem c o m experiencia para falar d o Clube e das necessidades dos j u v e ~ i i se adolescentes deve levar essas informac6es a igreja toda, d e preferencia durante o culto d o sabado d e manhs. Nesse culto, devera ser feito u m convite especial para pessoas interessadas e m apoiar e ajudar o Clube, quer seja na direcio, quer seja n o apoio moral e/ou financeiro. Aqui, impreterivelmente, a mensagem deve alcancar os pais dos juvenis e adolescentes da lgreja. Eles devem apoiar o Clube, ressaltando q u e as atividades d o mesmo contribuirio para o crescimento fisico e espiritual d e seus filhos. 6. Convocar r e ~ ~ n i d d ee s planejamento das atividades

Essa reuniio especial devera reur~irtodos os que estario envolvidos n o Clube d e Desbravadores. Convide todos os lideres e m primeiro lugar e planeje as atividades principais d o Clube para o ano, seus objetivos e alvos. Depois separe u m t e m p o para planejar como serio feitas as atividades e como alcancar tais objetivos. Analise a quantidade d e possiveis membros, custos, deslocamentos, regras de disciplina e convivencia e outros assuntos, d e forma que fique claro para os lideres como as atividades serio realizadas. Pode ser necessario ter varias reuni6es. Nunca comece o Clube primeiro para depois pensar aonde querem chegar. De acordo com a quantidade d e envolvidos na direcio d o Clube, estipule uma quantidade aceitavel d e Desbravadores, meninos e meninas, que o Clube pode suportar. Planeje os metodos de propaganda d o Clube, junto aos pais adventistas e junto a comunidade, com os d e fora da igreja. Procure adultos que tenham algum hobby interessante e habilidades, que podem ser d o interesse dos meninos e meninas, e outras pessoas interessadas q u e poderiam ajudar esporadicamente nas atividades praticas d o Clube. Lembre-se que essas pessoas devem estar d e acordo com os principios da Igreja. Nesta reuniao deve-se definir: Atividades e reuni6es regulares, que serio feitas aos domingos e aos sdbados, e as e m dias especiais; Participacio d o Clube nos eventos internos, regionais, d o Campo local, programas bimestrais, feiras, camporis, etc. Aqui tambem devem ser nomeados os Conselheiros, maiores d e idade, homem para cada Unidade dos meninos e mulher para cada Unidade das meninas. Quando o Clube for menor, os Diretores podem atuar tambem como Conselheiros, mas nso e o ideal. 0 passo mais importante d e toda a organizacio e elaborar o programa d o Clube para o ano. As atividades gerais d o Clube devem ser realizadas sempre de acordo com aqueles objetivos propostos. Cada r e u n i i o deve ser planejada detalhadamente semanas antes.

-

u

9

1 111

0" TI w

n

6

5

= = 0

m

3

lL

197


Depois de se comunicar com o Ministerio de Desbravadores do Campo, com o pastor distrital, de participar dos cursos de treinamerrto, de promover e encontrar pessoas dispostas a liderar os juvenis e adolescentes e, por ultimo, n i o menos importante, planejar as atividades do Clube, a diregiio esta pronta para divulgar e receber os membros do Clube, da faixa etaria dos 10 aos 15 anos.

7. As inscris6es A seguir segue um cronograma sugestivo de atividades para comeqar o Clube: 1. Quatro semanas antes do dia de inscriqbes, devem ser feitos anuncios no boletim da lgreja local, anuncios motivadores, videos, entrevistas com urn Diretor ou Desbravador de um Clube proximo, etc. Durante essa semana, receba atraves dos contatos uma projeqio da quantidade de membros de dentro da igreja que participario do Clube. lsso Ihe ajudara a ter uma ideia de quantas vagas podem ser dadas aos de fora da igreja. E ideal que um Clube tenha uma forte influencia adventista mas entendern-se que em alguns lugares e necessario ter um Clube missionario. 2. TrPs semanas antes do dia de inscri$bes, devem ser feitos convites por escrito, anuncios em sites e redes sociais, cartazes bem atraerltes no quadro de anuncios da lgreja e, de acordo com a projecio de inscriqio dos adventistas, visitas a escolas e instituiqbes que trabalhem com juvenis e adolescentes que n i o professam nossa fe. 3. Duas semanas antes do dia de inscriqbes, convide alguns Desbravadores ou um Clube vizinho para fazer um belo programa na lgreja (propaganda e fundamental!). Uma carta do Diretor aos pais dos Desbravadores em potencial e algo interessante. Nesse momento deve-se ter ja o local de reunibes e os horarios definidos para que seja anunciado.

4. Na sernana anterior ao dia de inscricbes intensifique a propaganda e faqa uma reuniiio com os pais/responsaveis, promovendo o programa do Clube para o ano e buscando deles apoio. A lgreja tambem deve apoiar. E interessante decorar a lgreja com algo que lembre o Clube, para que os membros sintam que existe um programa rlascendo na lgreja. No dia das inscriqbes, os componentes da direqio do Clube se reunem para algum ensaio antes do inicio das atividades do Clube. Dessa maneira, cada pessoa vai se familiarizando com seus deveres e o programa geral de atividades do Clube.Tenha os formularios de inscriqio a postos. Receba com animaqzo os novos Desbravadores e os pais/responsaveis. Atenda a todos eles, tire-lhes as duvidas, seja empolgante quando falar do Clube e das atividades. Faqa uma festa, passe videos, promova apresentaqbes de artes manuais ou Ordem Unida. A prirneira impress20 e a que fica! Programa sugestivo para o dia de inscriq6es: 1. Boas-vindas e introduqio do Clube de Desbravadores. Apresentar um video bem editado e fotos que enriquecerio o programa. 2. Explicaqbes diversas: a) Uniforme e demais requisitos; b) Taxa ou mensalldades - qua1 a finalidade a que se destil-lam; C) Explanaqio entusiastica do programa; d) Explicaqio sobre a direqio e apresentaqio da mesma; e) Normas de conduta que o Clube tem: namoro, separaqao de idades e sexo, disciplina, codigo de conduta, etc. 3. Preenchimento das fichas de inscriqio, que devern ser assinadas e entregues aos responsaveis.


4. 0 s Diretores Associados podem dirigir os Desbravadores num p e r i o d ~ de jogos, gincanas e brincadeiras, para criar uma interaqbo entre os membros. 5. Marcar, nesse dial uma reuniio de pais. Se possivel, faqa uma nesse dial a primeira, onde a direqbo do Clube possa se familiarizar com os pais dos meninos e meninas e vice e versa. Nessa reunibo, deve-se ressaltar a importdncia de: a) Entregar aos pais as normas do Clube e explica-las; b) Discutir as responsabilidades; c) Agendar com os pais uma visita, para que sejam tratados err1 particular assuntos do interesse do Clube, duvidas que os pais possam ter, explanar o programa anual do Clube, etc. 6. Encerramento: a) Todos os Desbravadores e pais se reunem para as palavras do Diretor, b) Oraqio.

8. Apos o dia de inscriq6es

Logo depois desse dial programe a visitaqdo aos lares, pelos Conselheiros, el se possivel, por um dos Diretores. Essa visita leva o Clube a ter conhecimento da familia dele(a), que o ajudara na hora de lidar com cada um deles. Se, por acaso, ficou alguma coisa do formulario de inscriqio incompleto, aproveite esta oportunidade. Relembre a familia sobre o horario das reunides do Clube, responda a todas as perguntas referentes a uniformes, acampamentos, programa, etc. Antes de se despedir, enfatize o fato de que, como Conselheiro, voce gostaria de contar com o apoio dos pais sempre que puder. Existe um tempo de adaptacio, geralmente 2-3 meses, onde o Desbravador descobrira se quer ou n i o continuar no Clube. Por isso, a direcio n i o deve se assustar se alguns desistirem durante esse periodo. 0 s juvenis que permanecerem deverio receber o lenqo na cerimbnia de admissio.


, '

I

-

m

.

' 1

7 ;

- - . .-' . -, .. ..- f

:

A

>

.

I

-

&

'>

t't"

"

:

'f.?

L

,

.

.

.-. ... --: L

::,

.

-

, d

-

. *

'.

*

5

.

i.

J

I,

7

7

,

-

r

.,

- 3 ,

- c

a

-

TI

.

-,

,

2

2

'I

!

.

t

I.' -h

- . , ,: 1 .-I I

!;*.z,

-,r-,r;.- 4 -.i>;

"I.;

c,

&

i-

J I'


(Galatas 5:14). --

Esse e o fundamento pelo qua1 os Clubes de Desbravadores devem ser um suporte a comunidade em que est2o inseridos. De que adianta acender urna luz e esconde-la debaixo de urna vasilha? A luz de Cristo deve refletir atraves das atividades do Clube, de forma que "a mensagem do advento" seja pregada "a todo o mundo em minha gera~so".

6.1. MARKETING E PUBLICIDADE lI 0 Clube de Desbravadores e urna organizacio mundial presente em mais de 160 paises, com mais de dois milh6es de participantes. Existe oficialmente desde 1950 como um programa oficial da lgreja Adventista do Setirno Dia. Mas, quar~doalguem fala /'sou Desbravador", a primeira reaciio do ouvinte e: Desbravador?0 que e isso? Podem ser dadas explicac6es para o fato de os Desbravadores em alguns lugares, serem menos conhecidos do que seus amigos escoteiros el talvez, a vinculacio com urna instituicio religiosa seja a maior deles. 0 proposito deste manual, e oferecer ferramentas para divulgar o Clube, seja em sua comunidade ou em sua cidade. 0 trabalho dos Desbravadores na formacio do cidadio pleno e como promotor de atividades saudaveis para juvenis de 10 a 15 anos precisa ser valorizado. Envolver os proprios Desbravadores, pais e lgreja na divulgacio ajuda muito. L

4E

COMO DIVULGAR 0 CLUBE?

0 w

Deve-se comecar com principios e ac6es basicas:

u

1. Comunicar-se com o Desbravador: a) 0 s lideres devem ter a m i o os e-mails dos seus Desbravadores e pais. Deve preparar

u -

P

3

b o

TI

o

>

z

2 .-ulc .+

E

-2m 3

e

a 202

informes e comunicados e enviar pela internet. b) Que tal enviar mensagens por celular com as novidades do Clube para as criancas? c) Motivar os juverris a criarem cartazes anu~~~ciando os eventos do Clube: um campori, uma campanha de arrecadacio e todas as atividades que precisam do apoio da lgreja ou comunidade. 2. Propaganda e a "alma do negocio': para os Desbravadores tambem. a) Anunciar sempre tudo o que o Clube vai fazer. b) A cada evento, fazer um mural de fotos na Igreja, abastecer e criar uma nova galeria da rede social do Clube.


c) Colocar informaqbes sobre os projetos do Clube no boletim da lgreja e no jornal da cidade. d) Cartazes, faixas e videos. Deixar a imaginaqdo"voarl'. e) Fazer propaganda antes, anuncios durante e mais informaqbes depois: que tal ao final de um acampamento fazer urna exposicdo dos moveis de pioneirias que as crianqas confeccionaram? 3. Usar a imprensa em favor do CIube: a) lnformar aos jornais, tvs e radios sobre o que o Clube esta fazendo (ver topico abaixo). 4. A comunicaqdo em rede e mais forte: a) Criar o site e a pagina do Clube nas redes sociais, como facebook, etc. b) Motivar as crianqas a usarem suas proprias paginas nas redes sociais para divulgarem as atividades e as conquistas do Clube. c) Usar os canais oficiais-daIgreja, enviar noticias e fotos do Clube para o site da Associaqdo

e regido. 5. Estar conectado a regido e Associacao: a) Ficar sempre em contato com o departamental e com o Regional. Eles terdo otimas dicas de como melhorar sua comunicaqdo e como fazer melhores propagandas do Clube.

DlCA 1 - TUDO COMECA COM UM BOM TEXT0 Jornalismo e urna tecnica aprendida na faculdade. Mas, escrever um bom texto que desperte a atenqdo do leitor para o que se pretende ndo e um trabalho muito rnisterioso. Ao abrir urna materia qualquer de um jornal ou revista e possivel perceber quetodo o texto tem um inicio parecido, tem um "lide", ou urna "cabeqa" no bom portugues. Para atrair a atenqdo do leitor, quem escreve procura responder, ja no primeiro paragrafo, algumas questdes basicas: QUEM?0 QUE?QUANDO?COMO?ONDE? PORQUE?.Esse resumo do que se pretende informar e fundamental para atrair a atenqio de quem esta lendo e informar, objetivamente, ja na primeira parte do texto. Exemplo: 0 Clube de Desbravadores A (QUEM?)realizou no ultimo dia 30/06 (QUANDO?), na cidade Xis, Estado Y (ONDE?),sua cerim6nia de investidura em Classes e entrega de Especialidades (0Qu~?).A novidade deste ano foi o tema "olimpiadas do cristdo",com direito a entrada da tocha e acendimento da pira olimpica, medalhas de our0 e podio para os Desbravadores investidos (COMO?). Nos paragrafos seguintes, deve-se fornecer detalhes sobre o evento (ja caso tenha acontecido), ou relatar o que se planeja fazer. Apresentar numeros tais como a quantidade de pessoas presentes, o volume de doaqbes (se for um projeto comunitario), quantas pessoas envolvidas ou beneficiadas. Explicar I-lm pouco o trabalho do Clube. Recomenda-se sempre encerrar os textos, principalmente quando enviados aos jornais, com urna explicaqdo retirada do site oficial ou Manual Administrativo do Clube de Desbravadores: " 0 Clube de Desbravadores esta presente em mais de 160 paises, com mais de dois milhdes de participantes. Existem oficialmente desde 1950, como um programa oficial da lgreja Adventista do Setimo Dia. Reunem-se urna vez por semana para aprender a desenvolver talentos, habilidades, percepqbes e o gosto pela natureza. As atividades sdo voltadas para meninos e meninas com idades entre 10 e 15 anos, de diferentes classes sociais, cor, ou religido.Trabalham em equipe procurando sempre serem uteis a coml-~nidade. Prestam, tambem, socorro em calamidades e participam ativamente de campanhas comunitarias para ajudar pessoas carentes. Em tudo o que fazem procuram desenvolver amor a Deus e a patria el alem disso, fazem muitos amigos. Para saber mais acesse: www.desbravadores.org.br':

UI

$3

5

u

UI n 3 3


v02 .laulalu! eu aqnl3 3 PI op eu!6ed e la1 a lelsod e leSauo3 as eled s!a~!uods!pseluaueuaj se sepol ap a leldepe ap s ! a q 2 solapou ap u a ~ d s ! panb 'lods60lg no ssaldploM op sapep!l!3ej sep ipled e '60lq u n no ~ y 3 ! lou j solo4 ap e!~ale6eun ' ~ a u ! ~ ~ 6 o l q oou n ! eu!6yd u eun 'yooqa3ej ou,,a6ed uej,, eun leluou la~jssod g a apep!lpej eqnu u o 3 .og5e~alu!a og5e3!unuo3 ap seluaue~~aj se~aunu!a3a~ajolaulalu! v 2. 3.

SIWI3OS S3a3U 3 13NU31NI - P W3la

% !7

% < 0

;log5elualsns ap lel!d ouo3 apeplaA e ~a3alaqelsaa asy3 eunu laze4 e es!o3 e ~ ! a u ! ~ d n 0 e,,:sal!r~bvap auolpu!S v O J Aou ! ~ 'esou o!lew eglle!3adsa op eqp eun seuade 3 .leqol6 e[a161 eun ap a le!punu og5ez!ue6~0eun ap s e u 'aqnl3 op no 'ousau alap e l e l l as ogu anb lelqual as amp & m lapy 0 .ogJelua!lo a o!ode le3snq 'og5epossv ep og5e3!unuo3 ap oluauelledap o 'le6nl ol!au!ld m u a '~eln3oldamp aqnl3 o loss! eled q a p leloluasap op ~ep!n3ogss!yy/og5e!~oss~ ep esualdu! ap eyossasse e ax!ap aqnl3 o anb a 'asy3 ap ose3 u a 'eue3!~auv-ln~ ogs!A!a ep og5epuauo3a~v UI -sopedln=so 'aluaue~nleua~d 'leluode a olepupsa u n i!~qo=sap opualanb sollno a ogSualu! eoq uo3 sun 'saylelap laqes opualanb sun :sels!leu~o[apaq3uele~eeun e~ed ~ e ~ e d aas l damp lapy o ' a l ~ o u ale ~ no a l u a p ! ~ uln ap ose3 u a 'e[as n o ~P!~!JOU = oso!6!la~aluau UI -0duo3 + s e j u e ! ~ a~ ua3aluo~esaluap!3e 'a~uauzllaju!'sew -sapep!A!pe sens u a sop!qoAua salua3 -salopea s!ua~n(sop e5ue~n6ase ~puele6eled alduas ey leqell salopeAelqsaa ap aqrll3 0

F f

aq

.oluaAa assa eled z o ~ - e ~ l o l ody l a u o elas ogje!~ossvep salopeAelqsaa ap o!~als!u!yy op ~olsed0 -0ssa3nso ~eyl!g~eduo3 a e[a161 e JaqoAua 'lolsed o uo3 lei -ej1(e3olog5epossv e ~ e u e y 3 aluessalalu! a ' s o ! ~ a ~sassa ! n sopol u a a x p u a as oluaAa o ose3 -(apepp ep leulo[ ou no o!py eu ' ~eu1qes papod anb opuaqes) els!leu~ofo uo3 lelej eled elnqoAuasap u a l anb a salopeAelqsaa so a oluaAa o u a q oqnw a~ayuo3anb ' s e ~ s ! ~ a ~yep ~ u aanb eossad e ;,ZOA el~od,, u n la3 'epu!e 'o!lessa3au 3 -0pe~n3axa u a q a oquoq 'lope~ou!'a~ua~aj!p las espald 'asselseq ogu as ouo3 3 .apep!unuo~e eled oA!gaja a o~!p!sodopeqnsal u n la1!(e!3!lod ep o!ode o la3 espald eleas -sed eun :olduaxa) salualaduo3 sog610 solad opezyolne las espald :epu!e s!ew .s!ua~nfso eled unyuau ox!^ la3alajo ogu a opez!ue6~ou a q lelsa ' l a ~ e ~ a dlas u ! espald o3uaAa 0 .a3a~edoluenb p e 4 ogl a ogu esualdu! e uo3 ' a p e p ~ a ap~ ' l e p ! ~-0g5ualee epol a ~ a l a walap s!odap waA anb o s e u 'saldu!s las apod ossed o l ! a u ! ~ d 0 jopep!n3 aluelseq l e u 0 1 u a m p salolal!a so oluod assaN -0ssa3oldousau o laze4 a ,,~olnpo~d,, opeuey3 ~euo!ssyo~d u n leln3o~d as-amp 'so!pe~a s ~se leled -a~aled anb op saldu!s s!eu 3 y a p ! e,,lapuaA,, eled els!leulo[ o u 0 3 J ~ S J ~ A U'~e6!) O ~ s!odap a ~!eu-a ~ o 01-e!~ua d amp lap11 o 'ogu3 'e3lp e ~ ! a u ! ~eu d ope3lldxa aulojuo3 'e~s!leu~o[ op og5ua~ee a u e y ~anb olxal u n laze4 as-amp 'ep!n6as u 3 =loqpaqns no lol!pa op o ~ e ~ u o ,,~3ava13,,ou~ape3 3 ou ~eln3old.ope[asap og5 - e ~ ! u n u oap ~olnqa~ op ogjuale e qelle eled ossed ol!au!ld o a olla3 ~ e 6 noe l elall03 og5eu~oju! e le!Au3 -33a 'l!seq 'e3!g!lod 'so!306au 'e!uouo3a :saossas u a op!p!~!pa leulo[ urn .og!6a~epeu!ulal -ap ap salopelou soe essalalu! anb o alqos ua~a.nsaanb se$s!leulo[so ogsa anb o5edsa alsau a 'urn u a l leulo[ opol ',,~3avc113,,ap oulape3 oe A!'leulo[ o Iyqe as-a~aaLoss! 1!n6asuo3 ouo3 .a$ualaj!p a ogu salopeAelqsaa so u o 3 -apep!unuo~ ens eled so!3!jauaq s!eal e6ell anb ola[old u o q u n la~ayuo3eled esua~du!e lep!~uo3amp a apod 'ogpepp our03 'eossad lanbleno ;,iapep!~e y q u ep s ~seul no s!eu~o[sou I!es eyapod anb u a q ossl,, :esuad a o!lel!unuo3 ola[old u n no o$uaAau n 'e~!ge!3!u!eun e!l3 salopeAelqsaa ap aqnl3 op (e)lo$al!a(e)o sazaA seqnyy


Fazer um blog com um layout criativo el por incrivel que pareqa, a parte mais facil. 0 s modelos ja vem prontos e vai-se ter pouco trabalho para conseguir urn endereqo eletr6nico. Mas, qualquer aqdo nas redes sociais precisa de continuidade e manutenqao. Caso um pai de Desbravador ou um juvenil entre no "www.meuclube.com.br"e veja urna imagem interessante, um relato da caminhada que ele fez ou urna dica do que levar em urna mochila, na segunda vez que ele procurar o site, blog, face ou twitter precisa ter novidade. Ter alguem que se dedique a postar coisas novas, criar agendas e eventos, estimular a participaqdo das crianqas e publicar novidades como urna rotina e fundamental, n%oadianta estar na internet apenas para "marcar presenqa". 0 s lideres devem fotografar as atividades do Clube, colocar enquetes para as crianqas responderem, colocar conteudos instrutivos no blog e nas gincanas do Clube fazer perguntas sobre esses temas (sem avisar para os Desbravadores com antecedhcia). No Facebook e um sucesso colocar fotos de todos os eventos e ate das reunides de rotina do Clube, os adolecentes "curtem", compartilham e mostram para os pais.

Um dos alvos do Clube de Desbravadores e promover a integraqao com a comunidade atraves de projetos comunitarios e missionarios. 0 s Desbravadores devem reconhecer e entender o alvo que tem de levarUamensagem do advent0 a todo o mundo em minha geraqdo': Eles sdo urna parte do movimento profetico ordenado por Deus e incumbidos de dar a ultima mensagem de misericordia a um mundo tao necessitado. Quando os juvenis seguem sua propria nat1,lreza tendem a centralizar-seem si mesmos e serem egoistas. E essential que aprendam a sentir alegria do ministerio abnegado, sendo urna benqio para os outros e descobrindo um novo mundo de felicidade e alegria. A ansiedade e preocupaqdo para com as necessidades e a felicidade de outros influenciara os membros para o bem e far6 com que o Clube se torne urna vantagem para a comunidade. 0 Desbravador se sentira, individualmente, muito mais disposto a servir a seus semelhantes quando for treinado nas habilidades que o capacitam para faze-lo. E imprescindivel que os meninos e meninas con heqam as bases biblicas de sua fe, sejam instruidos na cortesia, na maneira correta de entrar em contato com os vizinhos, nos primeiros socorros e no que tange a higiene e a seguranqa. Deve ser-lhes ensinado como ter confianqa e fidelidade. Quanto mais habilidades puderem conhecer e dominar, tanto mais bem preparados estardo eles para servir. Alem dos projetos da lgreja como a Missdo Calebe, Missdo Global, Voluntariado e ADRA, cada Clube deve criar seus proprios programas locais, projetos de serviqo a comunidade, a entidades filantropicas e ao Governo local em programas de saude, conscientizaqdo, projetos contra epidemias, campanhas de vacinaqbes, etc. 0 Clube de Desbravadores pode descobrir ao redor da lgreja ou dos terrenos da escola urna parte que muito necessita de um trabalho de limpeza. Nestes casos, deve oferecer-se voluntariamente para fazer esse trabalho. Esse projeto pode ser dado a comunidade em cooperaqao com urna semana de prevenqio contra incCndio, ou de limpeza civica. 0 s meninos e as meninas aceitardo com prazer os agradecimentos e o reconhecimento da lgreja e dos lideres civis. Outra atividade interessante e a de conserto e distribuiqdo de brinquedos em epocas de natal e dia das crianqas em orfanatos e regides mais pobres das cidades. 0 Clube tambem deve estar sempre pronto para prestar servip voluntario, como, por exemplo, para serem recepcionistas nas reunides publicas, como mensageiros nas reunides ou nas sessdes de congress0 de jovens. Eles devem estar prontos para atuar como servidores em programas da lgreja

P $3 E

0

u

m w

2

a 0 205


ise5e~dseu ezadur!~ap eyuedue3 !se!eld seu ezadur!~ ap eyuedure3 !seD!ls!lnl sey l!ll seu ezadurll ap ey uedure3 ileleu ap ogqnVy iolaz auroj ep ey uedure3 isaluay~uaseu a e m s ap se~odaura ey uedure~ ioylese6e op eyuedure3 !sag3 ap og5eupe~ap eyuedure3 iapep!~ no olqeq op sagur se lel!s!A : s a p sep e!a iapnes-old epey u!ure3

-1eleu o OUJOD 's!e!~adsaselep uJa aluaur -led!x~!~d 'sayrlale~se!ljurej e~edsednol a soluaurlle JepeDaue eled soluaAa ap og5ouro~d isour~ajuaeled saqleD a salolj ialualeD eossad eurn ap no osop! urn ap og5opv !so!p!sa~da s!eydsoy ' s a y ~ 'sol!se a ~ e sel!s!A !og3eu!~e~ ap seyuedure3 isa~5!nylsu!eled og5epe~alleap sey uedure3 ileurnj ap lex!ap OUOD osm3 isalua~e~ seossad eled og5eluau!lv iedury apepp olarold ienl no e5e~deurn ap og5opv isaluale~sao5!nypsu! u a so!lelunloA so5!~~as

:e!Ijurej :eale ~ o se!lel!unuroD d sapep!A!pe JaAloAuasap eled sagsa6ns seurn6le o g !nbv ~ -opaDapsap so!leuo!ss!ur leurloj a e(a161 ep o!leuo!ss!ur oluaw -euedap urn leulo1as eled la~!uods!ple!laleur alduras la1a sapep!unllodo se sepol leya~olde amp aqnl3 0 -aluaurlellsaur!q no aluaurlesuaur 'aluaure~!po!~ad JauoDo uraAap sela oss! eled 'og5a~xa eu.ln o ~ ausalopeAelqsaa ap aqnl3 orrl e16a.1euln leulo1as uraAap se!.~el!unuro~ sapep!A!le sv .an6asuo~ogu era61 e apuo sa~e6nl soqnur ura ,,sellaqe sellod,, elluoDua aqnl3 0 'apepapos ep olluap o!.~el!unuro~ a o!leuo!ss!ur lad -ed nas eldurn3 aqnl3 o anb eled alue6lodura a lelnleu s!eu oyu!ueD o ogs sola[o~dsass3 -1eDolapep!unuoD epeD ura o 5 ! ~ ~ a lelsald s ap sapep!unl~odosellno a sessa elaA ellale og5al!p v .apep!unuroD ep eso!leA w e d eurn salopeAelqsaa ap aqnl3 o ogleulol anb sapep!A!le ap solduraxa sun6le sassa o g ~ .apadsa lanblenb ap oS!~laslelsald eled uraleleda~das e a apep!unwoD ep no ap allsesap ap oseD wa e!~ua6~aura


i

- -

Em qualquer projeto desenvolvido NAO PODE HAVER, EM HIPOTESE NENHUMA, qualquer recompensa monetaria.

Alem d e ser u m requisito dos cartdes d e Classes, o contato c o m autoridades e uma importante forma d e divulgar as atividades dos desbravadores e dar boas licdes d e cidadania para juvenis e jovens. Prefeituras, Cdmaras d e Vereadores, Secretarias d e Governo d e Estado e Municipios, Delegacias, entre outras, toda cidade t e m autoridades que p o d e m e devem ser visitadas pelos Clu bes d e Desbravadores. 0 Clube n i o deve chegar d e m2os vazias: deve sempre levar uma carta d e apresentacdo el se for possivel, levar tambem u m folder da Associac%oo u r e g i i o que explique o trabalho dos desbravadores. Nas visitas as autoridades, deve-se fazer u m a programacio objetiva, 20 a 30 minutos s2o suficientes. E necessario lembrar q u e juizes, delegados, administradores, prefeitos e vereadores t e m u m a agenda apertada. Tirar fotos, n20 apenas daquelas posadas ao final da visita, mas alguma que mostre a autoridade interagindo c o m as criancas e interessante para promover a integracio d o Clube. 0 Clube deve deixar q u e o visitado fale u m pouco d e suas atividades el ao final, apresentar os seus projetos. 0 s lideres devem ser objetivos e respeitar os limites da autoridade. Deve-se prestar a t e n c i o n o tempo. Uma boa impressio e fundamental pois isso todos devem ir c o m o uniforme oficial. Modelo sugestivo d e carta:

I

Cidode, Dio

- M#s- Ano.

Apresente o seu Clube: 0 Clube de Desbravadores 'A" atua na.cidade 'X", no bairro Tal, promovendo atividades saudaveis para crian~asde 10 a 15 anos. Hoje somos 20 crian~ase 4 lideres e coordenadores. Fale sobre o objetivo da visita: Nossa visita tem como objetivo mostrar para os juvenis e jovens do Clube o importante trabalho realizado pelo Governo, como o projeto de reforma da P r a p 9 de Julho, a principal da cidade. Agrade~a:Agradecemos a cordial recep$%oe colocamos o Clube de Desbravadores "A" A disposiq%odesta administrap0 para futuros projetos que tenham como objetivo a promo$%oda cidadania e do protagonismo jovem. Para encerrar a carta: Deve-se usar o mesmo final sugerido para as notas que sera0 enviadas A imprensa e apresentar informaeees que mostrem que o Clube local far parte de uma organira~aomundial.

NOME CARGO

wEiLs'

-

NOME - TELEFONE BALL -

'

- ---

-

.-, - . - .- -


1

db

I

II

11

a'"

I

4

5 b

I


- CADASTRO

FORMULARIO A

FICHA DE CADASTRO CLUBE DE DESBRAVADORES DESBRAVADOR Nome:

I

Data de Nascimento:

I

Naturalidade:

Endere~o:

UF:

Bairrol Cidade: Telefone:

Email:

Nome do Pai: Nome da M3e: Escola: Serie:

Turno:

Tipo Sang-uineo:

Alergias:

Daericas Ct6nicasl Medicamenta~30: \,nve$duras: Regulares:

( ) Amigo ( ) Companheiro ( ) Pesquisador ( ) Pioneiro ( ) Excursionista ( ) Guia

Avanqada's: ( ) Amigo da natureza ( ) Companheiro de excursionista ( ) Pesquisador de campo e bosque ( ) Pioneiro de rlovas fronteiras ( ) Excursionista na mata ( ) Guia de exploras%o Especialidades (codigo): -

p

-

p

p

-

-

-

-

Compromzkso: "Comprometo-me a fazer o m m o possivel para seguir os prinn'pios do Voto e da Lei do Des6ravador, cooperar corn os lueres e o$ciais e o6edecer aos regulhrnentos do CCu6e de Des6ravadores". Assinatura do Desbravador As Informaqdes acima s5o verdadeiras, assumo qualquer risco por informaqgo n5o negligenciada. Como PailResponsAvel, me cornprometo a apoiar todas as atividades dos Desbravadores.

Assinatura do Pai ou Responsavel


sanvs sitil V -

m

#,

H ~ I ~


F O R M U ~ R I OC

-

DIAGN~STICODo CLUBE

FlCHA DE DIAGN~STICO bO CLUBE

I~ a t a :

Nome do Clube:

1 ~ 6 de s refergncia:

Rleuni6es

IN' reunides no Domingo

No reunides no sabado No reunides de diretoria

INO

reunides de pais

1% de Membros Presentes Reuniio Regular Abertura

Pontualidade da direeo

Pontualidade dos desbravadores Ulniformc

Uniforme da dire~Bo

Uniforme dos desbravadores s ldeais e ~ l n o d o DesJravadores

Posiq3o correta

l~extolletracorreto Iias'teamento

Realiza~3oadequada De\rocional Dura~Bo Tempo

Cantinho da Unidade l~tividades

l~hamada

Classes funcionando Desbravadores Matriculados Desbravadores Presentes Planejamento Ternpo

1 ~ualidade

An-rigo

Classes Comp.

Pesquis.

Pioneiro

Excurc.

Organiza~Bo Crialividade E!jpeci;llidades

Especialidades em andamento Planejarr~ento Ternpo

Organiza~30 Criatividade Clrdem Unida ~omandos

1

Tempo Tempo total de dura@o da reuni30

Classe Bibl ica Numero de desbravadores matriculados Separaq3o por idades

I~ e p a r a por ~ ~ niveis o Clube do liuro

IN' Desbravadores que ja concluiram a leitura

Node livros Metodologia de Leitura

Classe de lidcr Master

I

1

Node inscritos ~ider Node investidos No de Reunides realizadas

I

IMaster Avanqado

Guia


leuo!6aa op e~njeu!ssy

ej!s!A eur!xoJd

~ o j aop ~ e~njeu!ssy !~

leuo!6a~op s a ~ 5 e ~ a s q o Jo)aJ!p op s a g 5 e ~ a s q o sope!c~ossesaJo)aJ!p sop s a ~ 5 e ~ a s q o so~!ay lasuoc~sop sacj5e~asqo

sa~5e~~asqo SOpe)!S!A S!ed

sled soe eys!A s!en0

1

o)uawe[aueld ap asej w 3 se~ueny)

aJr\!IJe oe sapep!n!tv s!en~I s!e!:,os I se!Jguo!ss!lu I se!~g!un~uo:, s3pep!n~~

o)uaure!aueld ap asej ur3 se)ueng

seulalxg sapep!n!ly

sop!~durn3so]!s!nba~ap ura6elua3~od

so!~o)elaa

6u!yued o)uame6ed ou apep!len)uod

I

1

soJqwaur sop exel e[a~6!ep epeJnosa1e U J O ~o @ e ( a ~ ex!e3 OJAJ JOI~A

o!ugw!J)ed ap els!y e!lelnosal

JaueJluI (so]uaurn3op a o~lsepe3)eqsy e!~e]a~aas sele ap O J A ! ~

SO)^ ap O J A ! ~

aqnl3 op e ! ~ e l a ~ a a g

.]e!J3 a '610 elsed -]e!J3 a -Aped w!l!apuea suo3 aP ON qsaa aP oN

sapep!un sapep!un ap eurals!S

1

oelade3 so~!aqlasuo31

'InUsu l 1

-sal(

-1a~3as

sope!3ossy .a

elalduro3 e!lolaJ!a aqnl3 op eJnJnJls3

3anw oa omlcgNrrrla 3a W H ~ M

~o]a~!a


F O R M U ~ R I OD

- COMPRA DE EMBLEMAS

Nome: Cargo: ( ) distrital

( ) regional

Igreja:

Distrito:

AssociaqZio:

UniZio:

Quantidade

.,

7

-

( ) coordenador geral

Item

. . -.

Matricula: Data:

I

I

Assinatura

-.


- AVALIAWO

FORMUURIO E

DA UNIDADE

FICHA DE AVALIACAO DA UNIDADE Unidade:

Conselheiro:

I

A Presente a tempo

20

1 ~Fmordem

I

10 0

6. AIUDA COM~ITARLA

5.l.EmJadEUfCA AFm& BAbasadoatPlsemgla C Atraado

30 10 0

Ajudaaz&uhqueesteja 20 prwsartdo t *[Duranteasemanaahtafl

1 ACompleto 1 CSem material

I

10 0

7. MENSAUDADE AWdh 15 BAtragdo 0

1 Nenhumafalta durante a 1 Falta a ~ s s l n c ~ ~ 0

VERDE AMARELO VERMELHO

100 a 125 75 a 99 c75


ANEXO A

-

MODEL0 DE OFICIO I

Igreja Adventista do SCtimo Dia Clube de Desbravadores -

Ao Senhor kulano de all

Assunto: Uso das dependencias da escola para as reuniiies do Clube de Desbravadores e apresentaqiio do Clube para os alunos do 5" ao 9" ano Senhor Diretor,

0 Clube de Desbravadores, instituiq50 social e recreativa patrocinada pela Igreja 1. Adventista do SCtimo Dia, visa ao desenvolvimento fisico, mental, social e espiritual de juvenis e adolescentes de 10 a 15 anos, sendo uma organizaqiio mundial com mais de 2 milhaes de desbravadores em todo o mundo, presente em mais de 160 paises. Em continuidade ao crescimento das atividades do movimento mundial dos Desbravadores, informamos Vossa Senhoria que sera fundado um novo Clube em klunjc'fi, o Clube de Desbravadores . Suas atividades iniciam-se em

m.

As reuniaes ocorrem semanalmente aos domingos, das 8h00min as 1lh30min. 3. Entre as atividades desenvolvidas estiio habilidades manuais, civismo, estudos da natureza, arte de acampar, saude e aptid50 fisica, desenvolvimento de organizaqiio e lideranqa, alem de desenvolvimento de amizades e abordagem de temas de interesse social como: efeitos nocivos das drogas, tabagismo e Blcool, alimentaqiio saudhvel, gravidez na adolescencia, aborto, sexualidade, respeito a patria e ao prbximo, escolha da profiss50, entre outros. Faz parte tambCm do programa de atividades o desenvolvimento de projetos sociais como visita a orfanatos, hospitais, limpeza de praqas, distribuiqiio de impressos sobre saude e quaisquer outros projetos dernandados pela sociedade.

4.

5. Para um completo desenvolvimen emanal, solicitamos a Vossa : 4 salas de aula, quadra de Senhoria o uso das seguintes dependencias do esportes, 2 banheiros, patio, bebedouros e mastros, aos domingos das 8h00min as 12hOOmin. 6. Solicitamos tambkm um espaqo de 30 minutos, no dia @, para apresentar o projeto do Clube de Desbravadores aos alunos do 5" ao 9" ano do ensino fundamental e das dependencias supracitadas no dia das 18hOOmin as 20h00min, para apresentar o projeto aos pais dos alunos interessados.


ANEXO B

-

MODEL0 DE OF~CIOII

Igreja Adventista do SCtimo Dia Clube de Desbravadores -

Oficio no

Ao Senhor

Assunto: Disponibilizaqiio de Gnibus para Campori de Desbravadores Senhor Diretor,

0 Clube de Desbravadores, instituiqiio social e recreativa patrocinada pela Igreja 1. Adventista do SCtimo Dia, visa ao desenvolvimento fisico, mental, social e espiritual de juvenis e adolescentes de 10 a 15 anos, sendo uma organizaqiio mundial com mais de 2 milhdes de desbravadores em todo o mundo, presente em mais de 160 paises.

2. As reunides ocorrem semanalmente aos domingos, das 8h00min As 1lh30min. Entre as atividades desenvolvidas estiio habilidades manuais, civismo, estudos da natureza, arte de acampar, saude e aptidiio fisica, desenvolvirnento de organizaqiio e lideranqa, alkm de desenvolvirnento de amizades e abordagem de temas de interesse social como: efeitos nocivos das drogas, tabagismo e alcool, alimentaqiio saudavel, gravidez na adoleschcia, aborto, sexualidade, respeito A patria e ao proximo, escolha da profissiio, entre outros. 3. Faz parte tambCm do programa de atividades o desenvolvimento de projetos sociais como visita a orfanatos, hospitais, limpeza de praqas, distribuiqgo de impressos sobre saude e quaisquer outros projetos demandados pela sociedade. Em continuidade ao desenvolvimento das areas fisica, mental e social dos garotos e garotas, o Clube de Desbravadores do C participara de um Campori de r~acion Desbravadores, evento a nivel L\tad.~.L. I ~/:~.)nill reunira todos os desbravadores do c t ~ d RcriAo n paid.

4.

b[)n+~.

5. Entre os principais objetivos do evento esta integrar os desbravadores e envolv610s numa atividade sadia de recreaqiio e execuqiio de tarefas ao ar livre, alem do desenvolvimento de projetos comunithrios.

6. No entanto, para ser possivel a participaqiio do Clube Campori, solicitamos a Vossa Senhora o emprkstim passageiros para o transporte dos desbravadores de Cidade Destino, Estado, As horario do dia data, com do dia

m.


=

-

.-. 7. lnformamos que o - ~ i u b ede esta a inteira disposi~iiode ara o desenv6lvimento de projetos sociais, educacionais e sanitarios qu$ a precisar. li '

I

i

8. Por fim, convidamos Vossa Senhoria semanais caio haja maior interesse em conhecer o pr reunities siio 40s domingos, das 8h00min As 1lh30inin no

. .

de nossas reunities Desbravadores. As

Atenciosamente,

.

?

tr

1 .

r

r

I

.

:

I

.

D

, c

*

.

-

--

.

- -----

-


ANEXO C

-

MODEL0 DE OFICIO Ill

Igreja Adventista do Setimo Dia Clube de Desbravadores -

Oficio no l

a

Ao Senhor

Assunto: Passe livre Senhor Diretor, 1. 0 Clube de Desbravadores, instituiqiio social e recreativa patrocinada pela Igreja Adventista do Setimo Dia, visa ao desenvolvimento fisico, mental, social e espiritual de juvenis e adolescentes de 10 a 15 anos, sendo uma organizaqiio mundial com mais de 2 milhties de desbravadores em todo o mundo, presente em inais de 160 paises.

2. As reunities ocorrem semanalmente aos domingos, das 8h00min as 1lh30min. Entre as atividades desenvolvidas estiio habilidades manuais, civismo, estudos da natureza, arte de acampar, saude e aptidiio fisica, desenvolvimento de organizaqiio e lideranqa, alkm de desenvolvimento de amizades e abordagem de temas de interesse social como: efeitos nocivos das drogas, tabagismo e alcool, alimentaqiio saudavel, gravidez na adolesci?ncia, aborto, sexualidade, respeito a patria e ao proximo, escolha da profissiio, entre outros. Faz parte tambdm do programa de atividades o desenvolvimento de projetos 3. sociais como visita a orfanatos, hospitais, limpeza de praqas, distribuiqiio de impressos sobre saude e quaisquer outros projetos demandados pela sociedade. Para um completo desenvolvimento do programa semanal, especialmente para cumprir a parte pratica das especialidades de estudos da natureza, solicitamos a Vossa Senhoria o desbravadores (incluidos os membros da equipe de apoio) ao dia

4.

m.

5. Infonnamos que o Clube de Desbravadores borne do club4 esta a inteira disposiqiio de Vossa Senhoria ara o desenvolvimento de projetos sociais, educacionais e sanitarios que o bardim Zoologic


91 Ir I

'I

1:

I

1

13

-s.

6.

a

I

.

i'

L

L

-

'

-

Por fim, convidamos ~ o s s a . ~ e n h o rai i3r;estigiar uma de nodas reuniBesbsemanais &so Desbravadores. As reuniaes siio aos em conhecer o pr s 8h00min As 11h30min, no ? li

Atenciosamente,

1,

If li

I

.

I

I

Diretor do Clube de ~ e s b h v a d o r e s '

9

Coordenador Regional de Desbravadores

1; 19

,

1;

,

!!

El I8

li

i

I:

E l

li I$ a!

I/

I; 11 1 d

I 84

! r =

,

it

- 1 i,

,

,

I

Ij i!:

1

1

I,

.

1 I

.

II

.,

-

J'

:'

I

'

.:

- . >

I

r

3.

'c '4 =

1

! I I P I

z

,f

r

-

'

I

i

,

I

:I 12

, '

*

1:

+

1 It

E 1 I*

i1

I

QF

-

I

5

.


ANEXO D

-

CONTROLE DAS TAXAS DO CLUBE

CLUBE DE DESBRAVADORES An0

Livro caixa simpllficado do Clube

0 1

Il-1

Phgina

I

I

0 0

o n o n

I

O U I I U

0 0 I I

I I

I I O

nII-

I O U I I I U

0 0

n o

I I

0 0

O O

U U

Inn

0 0 0 0

I U D I I I U I I I I -

O D O D 0 0

I00 I

0 0

D

U

0 0 I O U 0 0 -

O 0 0 0 0

0 0 0 0

I

0 u I I I I U n o -

I

n o

I

I I

00 0 0

O D 0 0

I

0 0

n o n o 0 0 n o

o n o n O n n o

n

Inn

0 0 00 0 0

O 0 0 0 0

-

1~~~

hlstbfco

o n

O

-

I

I

U

n u n

-

I

:

I I I I O U I I I U -

I - I=U I I

O

U

I I O O

I I U U

m Visto da tesouraria do Clube

Visto do dimtor do Clube


- CARTA

ANEXO E

DE RECOMENDA@O

CARTA Candidato: Cargo: ( ) distrital

( ) regional

( ) coordenador geral

lgreja:

Distrito:

Associap30:

Uni%o:

-

Tem dado bom testemunho?

Tem sido assiduo aos cultos da igreja: sabado, culto jovem, doming0 e quarta-feira? r -----

I

-

'

%6<principios biblicos? Inclusive no que se refere i guarda do sabado, dizimos e fitih'send~ - . - .-,',)

'

\

I

\.

( ) nio

-I

-

I

( ) sim

Wofeitas? . . _- -. - L : - - - - e 4.1

- - 4;

.i

(,t ( )sim ( ) n%o '* , - { / < I , , .{I /--- , f ' ... . J&.m demops!iado uma boa influencia e tem lideranpa espiritual? ,

.

\

*.

.%.?

., .-.

-.

,f

..

( )sim

( ) n%o

kjdomp'rii'metido(a) com a programapao da lgreja Local? !..-. , .f +' ;,.' ( ) sim ( ) nao IV.

Voto em Ata no

Assinatura do secretario da lgreja

As Informapaes sobre o candidato acima sao verdadeiras e eu o recomendo a exercer a funp%o especificada nesta Associap%ono ano de .

Assinatura do Pastor

............................


CLUBE DE DESBWAVADORES Nome do Desbravador

-

Autorlza$%o dos pals ou responsavels

7

1

Evento Saida determinada

AS

Volta prevista

As

c'

J, /-; .-

T I

Data Nasc

m:[3

m:rI

I

Documento

0

dodla

n

nI

dodla

AUTORIZAGAO Eu, abatxo asslnado, A U T 0 R I Z 0 rneu filho acima identificado a participar do evento, nas datas referidas.

(Declaro que rneu filho esta em peifeitas wndiqdes de salide. (Declaro que rneu filho esta w m pmblemas de salide, que identificareino verso desta autoriza@o e peqo que db os rembdios wnforme indicarei. Declaro ainda que' 1. 2.

Conwrdo que ele seja guiado pelas normas e regularnentos do Clube, bem wmo as do Evento que ele participarA. Em caso de acidente, autorizo a Diretoria do Clube a tomar as devidas provid&ncias para o pronto restabelecimento da salide de rneu fil ho(a).

3.

Autorizo que rneu filho(a) seja wnduzido para fora dos limites deste rneu municipio, caso la owrra o Evento que o Clube participah.

.-de Asslnatura do pal

de -

/

responshvel

Documento de identidade

-Autoriza$Bo dos pais ou responsaveis Nome do Desbravador

-

) Data Nasc Salda detemlnada

As

Volta Prevista

AS

m:Il

m:n

n

do dla dodia

AUTORIZAGAO Eu, abaixo assinado. A U T 0 R IZ 0 rneu filho aclma ldentlflcado a partlclpar d o evento, nas datas referidas.

(Declaro que rneu tilho esta em peifeitas wndifles de salide. (Declaro que rneu tilho esta w m problemas de salide, que identificareino verso desta autoriza@o e peqo que d& os remkdios conforme Declaro ainda que: 1.

Conwrdo que ele seja guiado pelas normas e regulamentos do Clube, bem w m o as do Evento que ele partiu'pah.

2.

Em caso de acidente, autorizo a Diretoria do Clube a tomar as devidas providbncias para o pronto restabelecimento da saude de rneu

3.

Autorizo que rneu filho(a) seja wnduzido para fora dos limites deste rneu municipio, caso Is ocorra o Evento que o Clube participah.

Assinatura do pal

Documento de identidade

1

responslvel


REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS BORGES, Michelson. A chegada do adventismo ao Brasil. Tatui: Casa Publicadora Brasileira, 2005. CARDOSO, Luiz Fernando. CARDOSO, Ellsangela Simone L. Desbravando: as especialidades que todo Desbravador deve ter. Rio de Janeiro: ADOS, 2004.

DUDLEY, Roger. Passing on theTorch. Hagerstown, Maryland: Review and Herald Publishing Association, 1986.

GENERAL CONFERENCE OF THE SEVENTH DAY ADVENTIST CHURCH. Youth Ministries Department. Pathfinder Administrative Manual. [s.l.]: [s.n.], 2004.

GENTILE, Paola; ANDRADE, Cristiana. Avaliaqao nota 10. Disponivel em: <http://revistaescola.abril. com.br/planejamento-e-avaliacao/avaliacao/avallacao-nota-10-424569.shtml>. Acesso em: 15 mar. 2012.

HANCOCK, John. Historia dos Desbravadores. Curitiba: Grafica Regente, [ I 9-1.

HATTON, Alvin. Vamos acampar: orientaqao para acarnpamerltos evangelicos. 2" ed. Rio de Janeiro: Junta de Educaqao Religiosa e Publicaqiies, 1980.

VI

HORN, Luiz Cesar de Simas. Fogo do Conselho. 2" ed. Curitiba: Uniao dos Escoteiros do Brasil, 2007.

ur LEMOS, Francisco; UNGLAUB, Josiel. Aventuras ao ar Ilvre: guia para Desbravadores.Tatui: Casa PubICcadora Brasileira, 2001.

23

PERO, Elvio. Manual Explorar y acampar. v.1 y 2. Santiago: [s.n.], 1992.

G

0

w

o

$ .-VI .-c

SANTOS, Benedito Rodrigues do, et. al.; IPPOLITO, Rita (Coord.). Guia escolar: metodos para identificaqao de sinais de abuso e exploraqao sexual de crianqas e adolescentes. 2. ed. Brasilia: Secretaria Especial dos Direitos Humanos e Ministerio da Educaq~o.2004.

E

-m

WHITE, Ellen G. A CiPncia do Bom Viver.Tatui: Casa Publicadora Brasileira, 1990.

3 C

2

. Atos dos Apostolos. Santo Andre: Casa Publicadora Brasileira, 1957. -


. Conselhos aos Professores, Pais e Estudantes. 5a ed. Tatui: Casa Publicadora Brasileira, 2000.

1: I' I

I1 t I

. Educaqdo. 9a gd. Tatui: Casa ~ u b l i c a d o l aBrasileira, 2007.

1.

. Evangelismo. Tatui: Casa Publicadora Brasileira, 2007.

. Fundamentos da Educaqdo Cristd. Santo Andre: Casa P ~ ~ b l i c a d oBrasileira, ra 1975. . Mente, Carater e Personalidade - I.Tatui: Casa Publicadora Brasileira, 1989. . 0 Desejado d e Todas as Naqdes. Santo Andre: Casa Publicadora Brasileira, 1979.

I

. 0 Lar Adventista. Santo Andre: Casa Pyblicadora Brasileira, 1962. .0 Maior Discurso d e Cristo.Tatui: Casa!Publicadora f

Brasileirq, 2004.

. Orientaqdo da Crianqa. Santo Andre: Casa Publicadora Brasileira, 1975. . Parabolas d e Jesus. 4aed. Santo Andre: Casa Publicadora Brasileira, [I9-1. . Patriarcas e Profetas. Santo Andre: Casa Publicadora Brasileira, 1964.

YOUNGBERG, John and Millie. Heart Tuning: A Guide t o Better family Worship. Hagerstown, Maryland: Review a n d Herald Publishing Association, 1985.

/j I

1;


Profile for Fabiano Silva

Novo manual administrativo de desbravadores dsa 2014  

Novo manual administrativo de desbravadores dsa 2014  

Advertisement