Page 1

CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO

TRABALHO DE CONCLUSรƒO DE CURSO

CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO FABIANA MIWA MORI RGM 11151103418 10ยบ SEMESTRE

CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO

COM DESENHO UNIVERSAL

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES DEZEMBRO, 2019


UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO FABIANA MIWA MORI RGM 11151103418 10ยบ SEMESTRE

CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO Prof. Orientador Paulo Pinhal

Trabalho de Conclusรฃo de Curso apresentado ao curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Mogi das Cruzes como parte dos requisitos para o 10ยบ semestre.


“QUANDO DESCOBRIU QUE NÃO PODIA MAIS ANDAR, ELE COMEÇOU A CORRER”

-Age Isobar (ADD)


SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS...............................05 05 LISTA DE FIGURAS..................................06 E 07

LOCAL DE INTERVENÇÃO......................................33 A 36

AGRADECIMENTOS.......................................08

CLIMAS E VENTOS.........................................................38

RESUMO........................................................09

ZONEAMENTO (LOUS)...........................................39 E 40

INTRODUÇÃO................................................10

PERFIL DO CLIENTE........................................................41

JUSTIFICATIVA................................................11

CONCEITO...............................................................42 E 43

REVISÃO HISTÓRICA..............................12 Á 16

PARTIDO ARQUITETONICO.............................................44

FUNCIONAMENTO GENÉRICO TEMA.....19 E 18

DIRETRIZES URBANÍSTICAS............................................45

DIRETRIZES E PREMISSAS......................19 Á 23

PROGRAMA DE NECESSIDADES...............................46 A 53

ESTUDO DE CASO

ORGANOGRAMA.............................................................54

PARQUE OLÍMPICO....................24 ESTÁDIO DE PEQUIN...................25 SPORT AND FITNESS...................26 JAMAL LARJALAH BAZZI.............27

VISITA TÉCNICA CENTRO DE TREINAMENTO PARAOLÍMPICO BRASILEIRO..................28 E 29

CENTRO DESPORTIVO PROF. CID TORQUATO............................................30 E 31 ALLIANZ PARQUE.....................32

TERRENO......................................................................37

FLUXOGRAMA................................55 A 56 AGENCIAMENTO.................................57 PROCESSO CRIATIVO...........................58

ESTUDO PRELIMINAR..........................59 O PROJETO................................60 A 108

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS.......109 A 114


LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

05

COI Comitê Olímpico CPB Comitê Paralímpico Brasileiro BCCB Federação Brasileira de Basquete em Cadeira de Rodas ADA Americans with Disabilities ONG Organização não governamental ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas NBR Norma Brasileira ZDU Zona de dinamização Urbana CPM Centro Principal de Mídia IBC Centro Internacional de Transmissão APACD Associação Pontadrossense Assistência à Criança com Deficiência APAE Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais APDEF Administração da Associação Pontagrossense de Esportes para Deficientes Físicos PCD Pessoa com Deficiência JSL Júlio Simões Logística


LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Futebol na Itália em 1530 Figura 2 – Primeiras competições aquáticas Figura 3 - Princípios da competição de atletismo

06 Figura 24 – Piscina descoberta Figura 25 – Fachada Principal

Figura 4 – Inicio do Basquete

Figura 26 - Equipamentos adaptados

Figura 5 – Volei em 1948

Figura 27 – Playground

Figura 6 - Atletas na Paralimpíadas de Pequim, em 2008 Figura 28 – Piscina Coberta Figura 7 - Copa América disputada por Brasil e Argentina Figura 29 – Ondulações do assoalho Figura 8 – Olimpíadas de 1896

Figura 30 – Mapa de localização

Figura 9 – Estádio Panatenaico 2018

Figura 31 – Exterior do CTE

Figura 10 – Estádio Olímpico 1928

Figura 32 – Quadras do CTE

Figura 11 – Estádio Olímpico 2012

Figura 33 – Piscina do CTE

Figura 12 – Estádio Coliseum, em 1932

Figura 34 – Implantação CTE

Figura 13 – Estádio Coliseum, em 19847 Figura 14 – Projeto Parque Olímpico Figura 15 – Vista Ampla do Parque

Figura 16 – Mapa de localização do Parque Figura 17 – Parte interna do Estádio Figura 18 - Estrutura do Estádio

Figura 19 – Vista externa do Estádio

Figura 35 - Fachada principal com as lonas Figura 36- Comprovante Fotográfico Figura 37 – Mapa de localização Figura 38 – Circulação com piso tátil

Figura 39 – Arquibancada Figura 40 – Quadra interna

Figura 20 – Fachada Principal

Figura 41 – Fachada principal

Figura 21 – Parede de escalada

Figura 42 – Refeitório

Figura 22 – Quadra Poliesportiva

Figura 43 – Pista de Atletismo

Figura 23 – Pista de Altletismo

Figura 44- Comprovante Fotográfico


LISTA DE FIGURAS Figura 45– Vista externa

Figura 62 - Referencia fachada (brises)

Figura 46 – Mapa de localização

Figura 63 - Referencia fachada

Figura 47 – Espaço para aquecimento

Figura 64 - Conceito da forma/erguer taça

Figura 48 – Panorâmica interna

Figura 65 - Conceito na implantação

Figura 49 – Estudo de insolação do terreno

(referência de projeto)

Figura 50 – Limite do terreno

Figura 66 – Referência materiais (brise)

Figura 51 – Face 01 Figura 52 – Face 02 Figura 53 – Face 03 Figura 54 – Face 04

Figura 67 – Entorno do terreno Figura 68 – Ruas com ausência de pavimentação Figura 69 – Ruas com ausência de pavimentação

Figura 55 – Face 05

Figura 70 – Película climatizada

Figura 56 – Face 06

Figura 71 – Película climatizada

Figura 57 – Face 07

Figura 72 – Desenho esquemático da telha térmica

Figura 58 – Face 08

Figura 73 – Telha térmica detalhada

Figura 59 – Locação das faces do terreno Figura 60 - Temperaturas máximas e

Figura 74– Brises lineares de madeira Figura 75– Brises lineares de madeira

mínimas de Mogi das Cruzes Figura 61 - Níveis de conforto de umidade de Mogi das Cruzes

Figura 76 – Laje nervurada detalhes Figura 77 – Laje nervurada Figura 78 – Piso emborrachado para esportes Figura 79 – Piso emborrachado acabamentos

07


AGRADECIMENTOS Minha sincera gratidão, primeiramente a Deus, por me fortalecer todos os dias e por ter guiado os meus passos durante todos esses anos na faculdade, á minha mãe por estar cem porcento presente no meu percurso acadêmico me concedendo motivos para jamais desistir, a todos os meus familiares e amigos que participaram indiretamente deste trabalho me incentivando positivamente, aos mestres professores que agregaram muitos conteúdos que serão essenciais na nossa vida profissional, ao professor orientador Paulo Pinhal, que me auxiliou do início ao fim do processo de TCC2 e pôr fim a Instituição, Universidade de Mogi das Cruzes, no qual ofereceu o início de tudo isso.

08


RESUMO

09

Este trabalho tem como intuito demonstrar que com uma simples prática esportiva pode integrar uma sociedade que está sempre à procura de um refúgio. Além da realização de atividades esportivas, que proporcionam benefícios à saúde do usuário, há ressalva no decorrer deste trabalho, a importância de locais que dispõe equipamentos acessíveis no meio social, aumentando e melhorando o convívio da população. O esporte pode ser uma alternativa tanto para o lazer, quanto para um atleta que se move através dessa prática, é através dela que as pessoas, em diversos momentos, encontram uma forma de vencer. Palavras Chaves: Esportes, Acessibilidade e Inclusão Social.


INTRODUÇÃO

10

O projeto prevê um Centro de Treinamento Esportivo – CTE com desenho universal, abrangendo assim, o incentivo a prática esportiva para todas as pessoas. Com uma infraestrutura adequada, suficiente para atender as necessidades de todos os atletas, o CTE também irá disponibilizar um alojamento no local, aumentando o conforto e poupando o deslocamento dos esportistas, sendo assim não há desperdício de tempo que ocorreria em casos de locomoção necessária, além de auxiliar no descanso dos mesmos, consequentemente aumentando a disposição em dias de jogos decisivos. O local foi propositalmente escolhido devido principalmente a necessidade de empreendimentos sociais no bairro. A principal finalidade desse projeto é alcançar o máximo que sonhos incompletos, e torná-los realidade, contando com o esforço, dedicação e comprometimento daqueles que procuram por algo maior, oferecendo apoio, espaços e equipamentos adequados que lhe servirão como armas de aperfeiçoamento pessoal


JUSTIFICATIVA

11

O maior erro do ser humano é pensar que não é capaz de realizar seus sonhos, seja por condições financeiras ou por alguma deficiência, porém a incapacidade se torna nula quando o objetivo é maior. É diante desse pensamento, que a ideia do Centro de Treinamento Esportivo - CTE com o desenho universal surgiu. O esporte é um dos mecanismos de auxílio, onde as pessoas procuram um aconchego, um refúgio para seus problemas, a prática esportiva torna-se essencial na vida de um indivíduo quando é executada com amor e dedicada como uma fonte de esperança. A grande demanda destes espaços que dispõe equipamentos necessários para essa prática, é uma das questões que devem ser consideradas para a implantação deste projeto, a cidade inspira e está sempre procurando novos empreendimentos relacionados ao esporte, é nessa linha de raciocínio que se pode citar o encontro da prática esportiva com a importância da inclusão social.


REVISÃO HISTÓRICA - ESPORTE

12

O esporte não nasceu repentinamente, ele se iniciou quando o homem dos tempos antigos, fugiam de animais e realizavam grandes brigas devido ao seu território, tendo como precursor os gregos e os persas,

podendo ser considerado uma modalidade esportiva, uma vez que cada qual tinha seus propósitos a sobrevivência, afinal realizar ações como correr, lutar e saltar, contribuíram para a formação de militares e

soldados. Os jogos e competições, eram realizados para fins religiosos, incluía principalmente a caça, sendo que a oficialização da profissão de deu em 580 a.C. quando surgiu premiações aos ganhadores, Já nos tempos modernos, a prática esportiva não se aceitava mais atos violentos, como os de antigamente. Foi feito algumas restrições nos esportes e aperfeiçoamento da prática. Atualmente o esporte são praticados com mais autoridades, com regras mais exatas e concretas, sem contar a utilização da tecnologia em algumas modalidades esportivas

em competições maiores.


13

REVISÃO HISTÓRICA – ESPORTES OLÍMPICOS NATAÇÃO

FUTEBOL O futebol é um dos esportes mais praticados

O ideia parcial do esporte aquático, popularmente

no mundo, se deu um início parcial na China, em

conhecida como natação, se deu desde quando os

meados de 2500 a.C., onde os militares realizavam

homens caçavam em lagos ou rios e quando

jogos que consistia em chutes com o crânio do

avistavam

soldado inimigo, porém com o passar do tempo, foi

movimentar os braços e pernas para escapar dos

sendo substituído por uma bola de couro coberto de

predadores.

cabelos, o principal esporte da época que teve

aprimoramento pessoal e foi a partir do século XVII

grande contribuição no futebol atual é o gioco del

que o mesmo se tornou uma modalidade esportiva,

cálcio. Com o passar do tempo, as regras do futebol

sendo uma obrigatoriedade a sua prática para os

foram

estudantes japoneses

concretizadas,

com

a

criação

do

impedimento, dos pênaltis, com a determinação do tempo regulamentar

Figura 1 - Futebol na Itália em 1530

algum

A

perigo,

natação

era

obrigados

considerada

a

um

Figura 2 – Primeiras competições aquáticas

da época. Na Grécia, acreditavam que

de cada jogo,

a prática desse esporte,

equivalente a

proporcionavam

90 minutos.

um desenvolvimento harmonioso para o corpo.

Fonte: Farenze Online (2017)

eram

Fonte: Manancial natação (2011)


REVISÃO HISTÓRICA – ESPORTES OLÍMPICOS BASQUETE ATLETISMO O

atletismo

O basquete, se deu início em 1891, quando o professor começou

desde

as

primeiras Olímpiadas que aconteceram na Grécia Antiga, onde se disputavam a corrida

e arremesso de peso. Em alguns casos, como especificamente da maratona, podiam ser realizados em vias públicas. Atualmente o esporte abrange todos os tipos de corridas, saltos e arremessos. Figura 3 - Princípios da competição de atletismo

canadense de Educação Física, James Naismith, pensou na necessidade de um esporte coletivo, onde sua prática fosse em áreas cobertas para se proteger do frio que atuava nos invernos

do local e que evitasse a violência. Figura 4 – Inicio do Basquete Fonte: ACM

VOLEIBOL O volibol se deu no ano 1895 nos Estados Unidos, pelo americano William George Morgan que pensou na prática Figura 5 – Volei em 1948

esportiva sem muito contato físico entre os jogadores, evitando a possibilidade de

lesões dos atletas. Fonte: Travinha (2010) Fonte: FP VOLEIBOL

14


15

REVISÃO HISTÓRICA – ESPORTES PARAOLÍMPICOS A prática do esporte só foi adaptada após a

Segunda Guerra Mundial, pelas consequências que a

BOCHA ADAPTADA

guerra proporcionava aos soldados, que por ventura,

A bocha adaptada, de início foi criada para pessoas

foram mutilados, a ideia surgiu quando o neurologista

com paralisia cerebral, com comprometimento motor

alemão, Ludwig Guttmann, que cuidava de vítimas de

nos membros.

alguma lesão medular ou amputação dos membros, incentivou a prática de atividades físicas para os seus pacientes.

FUTEBOL DE CINCO Figura 7 - Copa América disputada por Brasil e Argentina

ATLETISMO

O futebol de 5 surgiu quando alguns

deficientes

visuais

praticavam o futebol com latinhas

O atletismo pode ser praticado tanto para deficientes

ou

físicos, visuais ou intelectuais, se deu na Inglaterra,

envolvidas em sacolas plásticas,

em 1952, inicialmente com cadeiras de rodas e foi se

algo que soasse algum som para

aperfeiçoando. Figura 6 - Atletas na Paralimpíadas de Pequim, em 2008

Fonte: Escola Educação

que

garrafas

os

ou

jogadores

com

bolas

pudessem

localizar a bola.

GOALBOL O goalbol foi surgido em 1946, sendo o principal objetivo auxiliar na reabilitação de soldados que acabaram Fonte: Corre Mulherada (2016)

perdendo a visão durante a Segunda Guerra Mundial.


16

REVISÃO HISTÓRICA – TEMA Os treinamentos destinados a fins esportivos foram se aperfeiçoando de acordo com a época em que os atletas

viviam, adaptando assim, seus corpos. Na Grécia Antiga os principais treinamentos feitos pelos atletas era de sobrecargas, corridas, lutas e preparações específicas de cada esporte. Antigamente, os treinamentos esportivos eram muito exaustivos, com poucos intervalos de repouso, atualmente com o auxilio da tecnologia, os treinamentos são mais didáticos, continuam sendo intenso, porém respeitando o limite do corpo do atleta.

Primeiro palco a receber competições esportivas no mundo Fonte: Tudo por Email

Reformado com melhores revestimentos, e aumento da sua capacidade Figura 9 – Estádio Panatenaico 2018 Fonte: Terra Santa Viagens (2018)

Figura 12 – Estádio Coliseum, em 1932

Figura 10 – Estádio Olímpico 1928

Fonte: Ar redação

Palco das Olimpíadas de 1928, com capacidade para 34 mil pessoas.

ESTÁDIO MEMORIAL COLISEUM

Figura 8 – Olimpíadas de 1896

ESTÁDIO OLÍMPICO DE AMSTERDÃ

ESTÁDIO PANATENAICO

REVISÃO HISTÓRICA – TIPOLOGIA

Criação de anel superior, aumentando a sua capacidade para 64mil. Oferece o espaço para Figura 11 – Estádio Olímpico 2012 outras atividades Fonte: Blog Olimíadas

Palco de 2 Olimpíadas, inicialmente comportando 75 mil espectadores. Fonte: Editing Luke (2016)

Posteriormente passou a comportar 105 mil espectadores, Realizando eventos e Figura 13 – Estádio em 1984 shows. Fonte: Editing Luke (2016)


FUNCIONAMENTO GENÉRICO DO TEMA Um centro de treinamento esportivo, consiste em um espaço com instalações destinadas a prática esportiva,

que ficam à disposição de atletas ou até mesmo amadores que tem o esporte como um hobby. SETOR VEÍCULOS ✓ ✓ ✓ ✓

SETOR SOCIAL

SETOR ADMINISTRATIVO

✓ ✓ ✓

✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓

Praça de convivência coberta/descoberta Refeitório Playground

Vagas de estacionamento para veículos Vagas de estacionamento para motos Vagas de estacionamento para gestante/PCD SETOR DE SAÚDE Guarita ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓

SETOR ESPORTIVO

✓ ✓

✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓

Sala de triagem Sala de exames Enfermagem Sala de recuperação Sala de fisioterapia Sala de clínico geral Sala de retirada de medicamentos (Farmácia) Sala de psicologia Sala de Massoterapia Sala de nutrição Sala de ortopedia Sala de raio-x Espaços para hidromassagem

Quadra de Tênis em cadeira de rodas Piscina Olímpica/semiolímpica Quadra de Rugby em cadeira de rodas Quadra para Vôlei sentado ✓ Quadra para basquete em ✓ cadeira de rodas ✓ Quadra para futebol de 5 ✓ Quadra para Goalboll ✓ Salas de judô ✓ Quadra de Bocha adaptada SETOR DE APOIO - ESPORTIVO Sala para tênis de mesa Salas de Esgrima para cadeira ✓ Cabine para avaliação em vídeos de rodas ✓ Vestiários feminino e masculino Sala paraekwondo ✓ Sanitários feminino e masculino Campo de futebol de 7 ✓ Sanitários PCD e acompanhante Pista de atletismo ✓ Espaço para descanso Academia ✓ Depósito de material esportivo ✓

SETOR DE HOSPEDAGEM

Arquibancadas

✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓

Dormitórios coletivos (inclusos sanitários) Dormitórios individuais (inclusos sanitários) Salão de jogos Recepção Lavanderia Refeitório Cozinha Sala de eventos

SETOR DE FUNCIONÁRIOS

✓ ✓ ✓ ✓ ✓

Sala de descanso Vestiário feminino e masculino Sanitários feminino e masculino Copa Refeitório

✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓ ✓

Sala de administração Sala de Recursos Humanos Recepção Sala de assistência social Salas de reuniões Auditórios Arquivos Sala de coordenação Sala de direção Sala de financeiro Sala de arquitetura/obras

SETOR DE SERVIÇOS

Cozinha industrial Lavanderia Casa de máquinas (ar condicionado) Casa de máquinas (elevadores) Doca de abastecimento Carga e descarga Depósito de limpeza Sala de manutenção Depósito de lixos Área de manutenção da piscina Almoxarifado Reservatório inferior e superior Medidores

17


ORGANOGRAMA

FLUXOGRAMA

FUNCIONAMENTO GENÉRICO DO TEMA

18


DIRETRIZES E PREMISSAS NBR 9050 A largura mínima para deslocamento em linha

Corrimãos e barras de apoio devem ter um

reta de um cadeirante é de 0,90m, considera-se

afastamento de no mínimo 40mm da parede de

1,20m a 1,50m para circulação de um pedestre

qualquer outra superfície e deve ter uma seção de

juntamente com uma pessoa utilizando a cadeira

formato circular com um diâmetro de 30mm a

de rodas e uma largura mínima de 1,50m a

45mm. Em casos de escadas e rampas com largura

1,80m quando a circulação é destinada para

igual o maior a 2,40m, deve ser instalada um

duas

O

corrimão intermediário deixando uma circulação de

dimensionamento mínimo para manobras de

1,20m. As maçanetas devem ser do tipo alavanca

cadeiras de rodas sem o deslocamento da

com 100mm de comprimento, sendo recurvados

mesma, considera-se para a rotação de 90º um

nas suas extremidades, sua distância da porta deve

espaçamento de 1,20x1,20, para uma rotação de

ser de 40mm, com uma altura de 0,80 á 1,10m do

180º, considerar 1,50x1,20m e para uma rotação

piso.

pessoas

em

cadeiras

de

rodas.

360º, uma área de diâmetro igual a 1,50m.

19


20

DIRETRIZES E PREMISSAS NBR 9050

Todos

os

complexo As portas e passagens devem conter uma informação visual, associada a sinalização tátil ou sonora. Deve estar

locada em uma faixa de altura entre 1,20m e 1,60m em orientação vertical e considerando 10cm de distância da

porta. Em caso de instalações com

acessos devem

do ser

acessíveis, a distância entre

um acesso e outro, não deve ser superior a 50m, além de ser vinculados à circulação principal e as circulações de emergência

altura de 0,90 á 1,20m, deverá estar no lado da maçaneta. As sinalizações táteis

A inclinação transversal deve ser de 2% e a longitudinal de 5% para

dos

pelos

pisos de ambientes internos e de até 3% transversal e inferior a 5%

corrimãos das escadas, especificamente

longitudinal para ambientes externos. Inclinações igual ou superior a

na geratriz superior do prolongamento

5% são consideradas rampas. Os pisos de até 5mm dispensam a

horizontal do corrimão, a sinalização na

inclinação do piso, superiores a 5mm até 20mm devem possuir uma

pavimentos

são

feitas

parede deve ser visual e opcionalmente tátil

inclinação de 50% e superiores a 20mm são considerados degraus. Deve-se prever uma área de descanso a cada 50m para pisos de até 3% de inclinação, ou a cada 30m para pisos de 3% a 5% de inclinação


DIRETRIZES E PREMISSAS NBR 9050 Em escadas com rotas acessíveis, devem Para a inclinação entre 6,25% e 8,33% deve ter áreas de descanso a

estar associadas a rampas ou elevadores.

cada 50m de percurso da rampa. Além de obrigatoriamente ter 2

Dos degraus não podem conter espelhos

corrimãos de alturas distintas, a mais alta com 0,92m do piso e a mais

vazados e devem ter uma largura mínima

baixa com 0,70m do piso acabado.

livre de 1,20m. O primeiro e o último degrau

A guia de balizamento deve ser de alvenaria com altura mínima de 5cm.

de um lance de escada devem estar a 0,30m de distância da área de circulação do pavimento.

As janelas devem ser operadas por um movimento único, onde o usuário consiga realizar o movimento de abrir e fechar com apenas uma das mãos, sua altura pode variar entre 0,60 a 1,20m.

21


22

DIRETRIZES E PREMISSAS NBR 9050

Os sanitários e vestiários devem estar localizados em locais próximos a circulação principal, sem estar muito isolado, para que em casos de emergência, o auxílio

Em casos de portas instaladas em sequência, o espaço

possa

entre elas deve ter de no mínimo uma área com diâmetro

antiderrapantes, não ter nenhum tipo de desnível, nem

de 1,50m, juntamente com o espaçamento da largura da

mesmo na entrada e os ralos devem estar instalados

porta, ou seja, ela aberta. Deve-se considerar um

fora da área de manobra. As barras de apoio que

espaçamento de 0,60m de cada lado da porta. As portas

auxiliam na transferência da bacia sanitária, devem ter

devem ter um vão livre de no mínimo 0,80m de largura e uma altura mínima de 2,10m, considera-se o mesmo para portas de 2 ou mais folhas, ou portas de correr. Quando

instaladas em locais de prática esportiva, as portas devem ter no mínimo 1,00m de vão livre.

ser

repentino.

Os

pisos

devem

ser

um comprimento mínimo de 0,80m a 0,75m de altura do piso acabado, a 0,40m de distância do eixo da bacia

até a face da barra, além de uma barra instalada na posição vertical a 0,10m da barra horizontal com 0,70m de comprimento.


23

DIRETRIZES E PREMISSAS NBR 9050

Nos casos de dormitórios devem ser considerados um espaçamento de circulação com 0,90m, além

Quando houver anteparo na frente da área destinada para

das áreas de manobras com diâmetro de 1,50m.

cadeiras de rodas, este não poderá bloquear a linha de visão

Com portas com vão livre de no mínimo 0,80m.

do telespectador de 30º, sendo considerado 1,15m de altura

do piso. O espaçamento destinado para as pessoas com cadeiras de rodas devem ser de 0,80x1,20m, deixando um espaço livre posterior de 0,30m.

As bordas, degraus, corrimãos e barras devem ter

acabamento arredondado, o piso do seu entorno não deve der escorregadia. O acesso a piscina deve ser feito através de bancos de transferências com altura entre 0,40

a

0,48m,

ter

extensão

de

no

mínimo

1,20m

e

profundidade de 0,45m, serem instaladas barras de apoio com distância entre elas de 0,60m


ESTUDOS DE CASO - PARQUE OLÍMPICO Figura 16 – Mapa de localização do Parque

Palco das Olimpíadas de 2016, o conjunto das suas construções, possui um formato geométrico triangular, se encontra com a Lagoa de Jacarepaguá, o seu acesso principal acontece no seu Norte, onde passa a Avenida Embaixador Abelardo Bueno. Figura 14 – Projeto Parque Olímpico

Ficha Técnica Nome: Parque Olímpico Arquitetura: Escritório AECOM Localização: Rio de Janeiro, Brasil Data de Início do Projeto: 2012 Data de finalização da obra: 2016 Construtora: Carvalho Hosken Área: 118 hectares

Fonte: Aplicativo Mapa (2016)

O local oferece espaços adequados para 16 modalidades olímpicas e 10 modalidades Paralímpicas, além de eventos e shows, tendo como instalações a Arena Carioca 1,2 e 3, o velódromo, o centro olímpico de tênis, Centro internacional de transmissão, Centro Aquático, Arena do futuro e Parque aquático Maria Lenk. Fonte: Rio de Janeiro Aqui

O conceito do seu projeto visava o uso do Parque Olímpico após a realização dos jogos, para a população carioca implantando prédios comerciais, escolas e conjuntos residenciais, em áreas de instalações temporárias durante os jogos. Figura 15 – Vista Ampla do Parque As fachadas são parcialmente abertas para aproveitamento da iluminação e ventilação natural cruzada, oferecendo ao local melhor conforto térmico.

Fonte: Folha de São Paulo (2016)

SWOT

24


25

ESTUDOS DE CASO – ESTÁDIO NACIONAL PEQUIM Figura 19 – Vista externa do Estádio

Ficha Técnica Nome: Estádio Nacional de Pequim Arquitetura: Jacques Herzog e Pierre de Meuron Localização: Pequim, China Data de Início: dezembro de 2003 Data de finalização: março de 2008 Construtora: Arup & Partners Área: 254 mil m²

Palco das Olimpíadas de 2008, o Ninho do pássaro, como é popularmente conhecido devido aos elementos metálicos cruzados e entrelaçados, presentes no entorno das suas fachadas, foi utilizado para a realização das fachadas, foi utilizado para a realização das competições de Futebol, atletismo, arremessos de peso e discos, além de dispor o espaço para a abertura e encerramentos dos jogos olímpicos. Figura 17 – Parte interna do Estádio

Fonte: Mega engenharia

Uma das exigências que o governo chinês solicitou foi que o local necessitaria de uma estrutura capaz de suportar um terremoto com magnitude de 8,0, além de resolverem o problema das condições térmicas do local, na qual, há uma variação climática abundante, com isso, implantou o Sistema de Bomba de Calor Geotérmica, onde é absorvido calor do solo durante o período de inverno e invertido para a parte interna do estádio, auxiliando no aquecimento e no verão é feito o mesmo processo, porém é armazenado o frio do solo, ao invés do calor. Figura 18 - Estrutura do Estádio

Fonte: Mega Engenharia

A estrutura presente no telhado é um filme de bolha de ar semitransparente, por onde passa a luz natural externa e esse elemento permite a captação necessária para a parte interna do estádio, além de proteger de chuvas e ventos fortes.

Fonte: Wikiarquictetura

SWOT


ESTUDOS DE CASO – SPORT AND FITNESS CENTER Figura 20 – Fachada Principal

Ficha Técnica

Uma das primeiras instalações esportivas com infraestrutura adaptada no oeste dos Estados Unidos, o Centro de Esportes e fitness destinado para as pessoas com deficiência, sem fins lucrativos. Figura 21 – Parede de escalada

Nome: Sport and Fitness Center for Disabled People Arquitetura: Estúdio Arquitetônico Baldinger Localização: Pjoenix, Arizona – Estados Unidos Data de Início do Projeto: 2011 Data de finalização da obra: março de 2012 Construtora: Caliber Contractors Área: 45.000 ft²

Fonte: GARCIA, Raul - Arch Daily

Figura 24 – Piscina descoberta

Sendo uma das principais atrações do local, as duas quadras poliesportiva pode ser utilizada tanto para o basquete, como para o futebol ou até mesmo o rugby todos adaptados e uma academia equipada com as máquinas adaptáveis. Há a implantação de uma parede de escalada com o pé direito duplo, e a sua pista de atletismo fica suspenso Fonte: GARCIA, Raul - Arch Daily no pavimento acima. Figura 22 – Quadra Poliesportiva

Figura 23 – Pista de Altletismo

Fonte: GARCIA, Raul - Arch Dailyv Fonte: GARCIA, Raul - Arch Daily

SWOT

Fonte: GARCIA, Raul - Arch Daily

26


27

ESTUDOS DE CASO – JAMAL FARJALLAH BAZZI Figura 25 – Fachada Principal

Ficha Técnica

O Centro Esportivo de Jamal Nome: Jamal Farjallah Bazzi Farjallah Bazzi, é destinado Arquitetura: Leticia Peret Antunes Hardt principalmente para as pessoas Localização: Ponta Grossa, Paraná portadoras de deficiência. O ginásio Data de finalização da obra: 2009 é composto por dois pavimentos, Área: 2.130,25m² que se dividem em uma quadra poliesportiva, uma piscina coberta, Figura 27 – Playground salão de jogos, uma área de administração do complexo, Figura 26 Equipamentos adaptados vestiários, sala de ginástica, Fonte: Diário dos Campos

Estacionamento, pista de atletismo e playground, que tem à disposição alguns brinquedos adaptado para as crianças que utilizam a cadeira de rodas. Porém com menos de um ano de uso, o ginásio passou a receber reclamações, pela não utilização de verniz no piso da quadra, dificultando o uso da cadeira de rodas no local, que após 3 anos, devido a fortes chuvas o assoalho criou ondulações no piso, impossibilitando qualquer pratica no local.

Fonte: Prefeitura de Ponta Grossa Fonte: HAMPF, Edgar – Prefeitura de Ponta Grossa

Fonte: RAMOS, Rafisa – Prefeitura de Ponta Grossa

SWOT

Figura 29 – Ondulações do assoalho

Figura 28 – Piscina Coberta

Fonte: HAMPF, Edgar – Prefeitura de Ponta Grossa


28

VISITA TÉCNICA CENTRO DE TREINAMENTO PARAOLÍMPICO Figura 30 – Mapa de localização

Ficha Técnica Nome: Centro de Treinamento Paraolímpico Brasileiro Arquitetura: L+M Gets Localização: Jabaquara, SP - Brasil Data de Início do Projeto: maio de 2016 Data de finalização: março de 2012 Construtora: OAS Área: 140 mil² de área e 95 mill m² de área construída

O Centro de Treinamento Paraolímpico é o principal centro de excelência da América Latina e faz parte dos quatro países que disponibilizam um centro de treinamento para as paraolimpíadas ao lado da China, Coréia do Sul e da Ucrânia. Fonte: Google Maps (2017)

O principal objetivo da implantação desse centro esportivo, era de oferecer um espaço adequado para que os atletas pudessem se preparar para a Paraolimpíadas, mas além disso, a inclusão social por meio do esporte, era importante. O CTE disponibiliza espaços para 15 modalidades

paraolímpicas, além de um alojamento, refeitórios, área de convivência, setor coorporativo e auditório. A iluminação natural e a ventilação cruzada acontecem nas quadras através de sheds nas coberturas e venezianas translúcidas.

Adotaram o Sistema de Steel Frame para a cobertura das piscinas aquecidas, considerando um vão de 43m.

Figura 31 – Exterior do CTE

Figura 32 – Quadras do CTE

Fonte: Comitê Paralímpico Brasileiro Figura 33 – Piscina do CTE

Fonte: Arch Daily (2016)

Fonte: Google Maps (2017)

Figura 34 – Implantação CTE

Fonte: Arch Daily (2016)


29

VISITA TÉCNICA CENTRO DE TREINAMENTO PARAOLÍMPICO Para a composição da fachada, mais especificamente na face oeste (voltada para a Rodovia) se destaca as lonas extensíveis perfuradas com formato orgânico, também conhecida como uma pele translúcida, que forma sombras nas aberturas das quadras e com isso, se cria uma identidade visual no complexo.

Figura 35 - Fachada principal com as lonas

SWOT Fonte: Arch Daily (2016)

Levando em consideração a sustentabilidade, podemos citas os painéis fotovoltaicos, compondo juntamente com o teto verde no último pavimento, melhorando assim, o conforto térmico, evitando o uso do ar condicionado. COMPROVANTE FOTOGRÁFICO Figura 36- Comprovante Fotográfico

A visita técnica foi realizada dia 14 de março de 2019, direcionada e orientada pela arquiteta do local, Sueli Caramello. . Fonte: Próprio autor (2019)


VISITA TÉCNICA Ficha Técnica

30

PARADESPORTO PROF. CID TORQUATO

3

Nome: Centro Municipal de Paradesporto Professor Cid Torquato Arquitetura: Prefeitura de Mogi das Cruzes Localização: Mogi das Cruzes, SP de finalização: Junho de 2014 Construtora: Prefeitura DE Mogi Das Cruzes Área: 1.500m²

O Centro Municipal Paradesporto Professor Cid Torquato, são frequentados principalmente por funcionários de empresas que contratam através da Lei de cotas, as principais atividades realizadas no local é o Basquete, voleibol, tênis de mesa, badminton, bocha adaptada, atletismo e

atividades corporativas. A circulação é feita através de corredores regularmente largos, passível de apenas uma passagem para um cadeirante, sendo elas, sinalizadas por piso tátil, que consiste em placas em alto relevo fixadas no chão, que auxiliam em uma boa locomoção do deficiente visual. O contorno da quadra esta implantado uma rede de proteção, evitando assim o contato da bola, com a circulação de pessoas ou até mesmo os espectadores que estão na arquibancada. Figura 41 – Fachada principal

Figura 37 – Mapa de localização

Fonte: Google Maps (2016) Figura 38 – Circulação com piso tátil

Figura 39 – Arquibancada Figura 40 – Quadra interna

Fonte: Próprio autor (2019) Fonte: Próprio autor (2019) Fonte: Próprio autor (2019) Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes


31

VISITA TÉCNICA PARADESPORTO DR. CID TORQUATO

Figura 42 – Refeitório

Mesmo sendo destinado para o uso de pessoas com alguma deficiência, o centro paradesportivo possui algumas questões a serem aperfeiçoados, como a pista de atletismo que se encontra cimentada, sem nenhuma proteção lateral, podendo causar acidentes, sem contar que o projeto não previa um depósito para armazenamento de equipamentos e uma sala para realizar a fisioterapia, sem esses espaços necessários, os profissionais improvisaram, utilizando um dos vestiários para a retenção dos equipamentos e uma parte do refeitório para a fisioterapia. Fonte: Próprio autor (2019) COMPROVANTE FOTOGRÁFICO

A visita técnica foi realizada dia 08 de março de 2019, direcionada e orientada pelo profissional Paulo Santos

SWOT

Figura 44- Comprovante Fotográfico

Fonte: Próprio autor (2019)

Figura 43 – Pista de Atletismo

Fonte: Próprio autor (2019)


32

VISITA TÉCNICA Ficha Técnica Nome: Allianz Parque Arquiteto: Edo Rocha Localização: Rua Palestra Itália, 200 – Água Branca - SP Data de Início do Projeto: 2010 Data de finalização da obra: novembro de 2014 Construtora: WTorres Properties Área: 140 mil m² de área construída

ESTÁDIO ALLIANZ PARQUE O Allianz Parque, também conhecido como Arena Palestra ou Palestra Itália, como era nomeado antes da sua reconstrução, é uma arena destinada para diversos eventos, o principal e mais frequente é os jogos de futebol do clube paulista Sociedade Esportiva Palmeiras, mas além deles, o local tem capacidade e estruturas adequadas para receber grandes eventos como shows, espetáculos e corporações. Figura 46 – Mapa de localização

Este estádio tem capacidade para 43,6 mil espectadores em cadeiras cobertas, sem contar 160 unidades destinadas para o setor de camarote. A disposição deles são divididas em 3 anéis, contornando todo o estádio. O subsolo oferece o espaço para concentração ou preparação daqueles que irão utilizar o espaço multiuso, como vestiários, sanitários, pequeno espaço para aquecimentos antes dos jogos e área para concentração.

Figura 45– Vista externa

Fonte: Google Maps (2016) Fonte: Torcedores.com Figura 47 – Espaço para aquecimento

Figura 48 – Panorâmica interna

Fonte: Próprio autor (2019)

Fonte: Próprio autor (2019)

São 2 vestiários para clubes distintos, para que a concentração não interfira no rendimento do adversário e por uma questão de privacidade. Cada um oferece banheiras, espaço de higiene, trocas de roupas e para a realização de preleções.


33

LOCAL DE INTERVENÇÃO O distrito de Jundiapeba, onde está localizada o terreno de implantação do

JUNDIAPEBA

projeto esportivo, inicialmente era chamada de Campos de Santo Ângelo, sua alteração se deu em 1950, devido aos rios que cortam o distrito, Rio Jundiahy e

Figura 50 – Limite do terreno

Rio Tayaçupeba. Considerando a junção desses nomes, se resultou em Jundiapeba. Desde então, sua mancha urbana só vem crescendo, devido principalmente á demanda de moradia, somam 2 mil projetos de residências

entregues nos últimos 5 anos. É muito conhecido pela sua topografia plana, mas devido a isso, muitos problemas são ocasionados na região, como no sistema de esgoto e águas pluviais, além de obter algumas ruas sem pavimentação, como no entorno do terreno do projeto.

Figura 49 – Estudo de insolação do terreno

Fonte: Google maps alteração do autor

O terreno se encontra na região oeste de Jundiapeba, onde a concentração de residências é muito grande. As ruas que contornam o terreno, não são asfaltados,

sendo que a o movimento da Avenida Bélgica e da Rua Manoel Fernandes é quase inexistente no seu entorno. Árvores de torres de transmissões estão Fonte: Google maps alteração do autor

presentes nas suas redondezas.


34

LOCAL DE INTERVENÇÃO Figura 57 – Face 07

Figura 58 – Face 08

07

08

COND. VISUAIS Figura 52 – Face 02

02

Figura 59 – Locação das faces do terreno

Figura 56 – Face 06

Figura 51 – Face 01

01

06 Figura 55 – Face 05 Figura 53 – Face 03

Figura 54 – Face 04

05

04

03


35

LOCAL DE INTERVENÇÃO USO E OCUPAÇÃO

ANÁLISE ENTORNO

GABARITO DE ALTURA

O bairro que está localizado o terreno, é cortado pelo Rio Tietê, Rio Taiaçupeba, pela região oeste e o Rio Jundiaí pela

Com relação ao gabarito de altura, indicando

Leste. O distrito é votado principalmente pelo setor residencial,

a pavimentação de cada uma das construções do

porém, conta com implantações essenciais como a Unidade

entorno do terreno, percebe-se que grande parte

Básica de Saúde Vila Nova Jundiapeba, o complexo hoteleiro

deles, possuem apenas 1 pavimento. Dentre o raio

luxuoso Paradise Resort, local que foi destinada a hospedagem

de

da seleção de futebol masculina da Bélgica, na Copa do Mundo

condomínio com mais de 5 pavimentos, além das

de 2014, a Unidade Clínica Ambulatorial.

instalações industriais e um ginásio esportivo.

influência,

podemos

citar

apenas

um


36

LOCAL DE INTERVENÇÃO SISTEMA VIÁRIO

ANÁLISE ENTORNO CHEIOS E VAZIOS

O terreno é conectado por uma via coletora ao seu Leste, ao seu

O terreno escolhido para a implantação do

Norte, uma estrada de terra, mas que se encaixa como uma via local. Em um raio de 400m de distância do terreno, não é possível encontrar uma via arterial, porém, as vias coletoras

indicadas abaixo, são ligadas por uma via arterial chamada Rua Dolores de Aquino, é umas das principais vias de Jundiapeba, sendo um dos principais acessos para o distrito. Nota-se que não há muito fluxo de veículos especificamente neste bairro.

Centro Esportivo, fica a 1,8km da Estação de trem de

Jundiapeba,

o

deslocamento

pode

ser

calculado com 5 minutos de carro ou 20 minutos a pé. Há uma grande quantidade de espaço no seu

entorno, evitando assim aglomerações de carros e pessoas, porém não possui muitas opções de comércios e lazer, nem mesmo na educação.


TERRENO O terreno conta com uma área de aproximadamente 22.553m², com suas laterais medindo 105m a sua face norte, 215,85m na sua face leste, 101m no sul e 221,57m ao seu oeste.

Mogi das Cruzes conta com um dia mais curto de luz solar no dia 21 de junho com 10h41m e já o dia mais longo compõe 13h35m de luz solar no dia 22 de dezembro. A cidade de Mogi das Cruzes, onde se encontra o terreno de estudo para a implantação do complexo esportivo, está localizada a uma latitude de - 23º 31’ 7” a sul e – 46º 11’ 31,2” à oeste.

PROJEÇÃO SOLAR

37


38

CLIMA E VENTOS PREDOMINANTES Figura 60 - Temperaturas máximas e mínimas de Mogi das Cruzes

Com um clima subtropical úmido, Mogi se caracteriza por

ter um verão pouco quente e chuvoso e no inverno o clima se torna ameno e subseco, porém a temperatura média anual da cidade é de 16,8ºC. No decorrer do ano, a temperatura média varia entre 19,8ºC indicando o início e o final do ano e 8,1ºC marcando o meio do ano. Figura 61 - Níveis de conforto de umidade de Mogi das Cruzes

Fonte: Weather Spark

A

umidade

relativa

do

ar

média

anual,

é

de

aproximadamente 82,2%. A época mais abafada do ano vai de

outubro até o mês de maio, com uma umidade de pelo menos 21% do tempo e o dia menos abafado é 21 de julho. O vento varia de direção no decorrer do ano, sendo que do final de maio até o final de julho, o vento se encontra ao norte e no restante do ano, a direção se altera para o leste, Fonte: Weather Spark

sendo que de agosto ao final de dezembro, é a época que Mogi dispõe de ventos mais fortes e de dezembro para agosto, são dias com ventos mais fracos.


39

LOUS ZONEAMENTO O terreno, segundo a Legislação de Ordenamento do Uso e Ocupação do Solo de Mogi das Cruzes, está dentro das normas da ZDU-2, indicado de rosa na imagem abaixo. Os índices Urbanísticos recomendados e condicionados pela Legislação de Ordenamento do Uso e Ocupação do Solo de Mogi

das Cruzes, indicam a taxa de ocupação do terreno equivale a 50% da área total, o coeficiente de aproveitamento básico indica área total de 1 terreno, e o coeficiente de aproveitamento máximo considera 1,5 do terreno. Considerar também que a taxa de permeabilidade mínima do projeto deve ser de 20% do terreno o local proposto para a implantação do projeto

tem

permissão

para

empreendimentos de lazer e recreação, de alto fluxo ou seja, podem produzir algum tipo de ruído, trepidações, poeiras ou conurbações no tráfego e induções à implantação de atividades urbanísticas

não desejáveis, que venham incomodar a vizinhança local.


ZONEAMENTO - TERRENO O terreno conta com uma área de aproximadamente 22.553m², com suas laterais

medindo 105m a sua face norte, 215,85m na sua face leste, 101m no sul e 221,57m ao seu oeste. Levando em consideração que a taxa de ocupação permitida na zona de implantação do projeto é de 50% da área total do terreno, pode considerar que a taxa de ocupação do mesmo equivale à metade do terreno, correspondendo a 11.276,5m². A lei de zoneamento de Mogi das Cruzes, solicita os seguintes recuos para a Zona de Dinamização Urbana (ZDU-2), para o Recuo de Alinhamento Predial

considerar 5m de distância das projeções horizontais externas, já dos Recuos de divisa das laterais, deve-se considerar uma distância de 2m cada lado e por fim, o Recuo de divisa do fundo, onde é solicitado um afastamento de 2m de recuo. Feito as indicações dos recuos, o terreno passa a ter uma área de 21.000m², sendo assim, a taxa de ocupação solicitada neste terreno deve ser de 10.500m².Com relação ao Coeficiente de Aproveitamento do terreno, devemos

considerar uma soma de todas as áreas de cada pavimento do complexo, e segundo a Lei de Zoneamento de Mogi das Cruzes, essa conta deve se resultar entre 1 área total do terreno, que condiz ao Coeficiente de Aproveitamento Básico, ou 1 terreno e meio, indicado pelo Coeficiente de Aproveitamento Máximo. Levando em consideração que o terreno, já descontado com os recuos e a taxa de ocupação, tem uma área equivalente a 11.276m², o resultado da soma das áreas de todos os pavimentos, deve ter entre 22.552m², que consiste ao Coeficiente de Aproveitamento Básico a 33.828m², indicando o Coeficiente de Aproveitamento Máximo.

40


PERFIL DO CLIENTE A prática esportiva está diretamente presente na vida do ser humano, seja ela direta ou indiretamente, grande parte da população mundial está apto para tal realização. O complexo esportivo de treinamento, pode oferecer espaços e equipamentos adequados tanto para as pessoas que possuem algum tipo de deficiência ou não, assim podemos chama-lo de desenho universal, ou seja, a acessibilidade deve

estar presente em todos os campos de um determinado local, independentemente de suas particularidades pessoais, incluído sua idade, raça, características físicas, mentais ou visuais. Mogi das Cruzes é uma cidade em que investe uma grande porcentagem no setor esportivo, obtendo assim, o aumento de pessoas que procuram por esses espaços, porém poucos possuem acessibilidade. Diante disso, o Centro de Treinamento - CT deverá atrair cidadãos que desejam praticar algum tipo de esporte, seja ele destinada apenas ao lazer ou

treinamentos para disputar competições. Em sua grande maioria pessoas portadoras de alguma deficiência e que necessitam desse suporte que o Centro de Treinamento - CT oferecerá, já que a região disponibiliza poucos espaços como este. Não é definido ao certo uma faixa etária para frequentar este tipo de local, ele é adaptado para todos os tipos de pessoas e idades, porém a demanda maior que se tem para práticas esportivas são crianças e jovens do sexo masculino entre 10 a 30 anos. Porém, atualmente, o número de mulheres atuando na área esportiva vem aumentando excessivamente,

influenciando e encorajando meninas que possuem o mesmo desejo, a praticar suas atividades necessárias. Localizado em um bairro carente de Mogi das Cruzes, o projeto poderá atender principalmente aos moradores de

Jundiapeba, como de todo o município e sua região.

41


42

CONCEITO A principal finalidade deste projeto é a inclusão social através da prática esportiva, para que isso ocorra é

necessário que todas as instalações sejam acessíveis para os diversos tipos de pessoas. Em muitas ocasiões os

portadores de alguma deficiência não desfrutam de espaços adequados e que atendam às suas necessidades, causando constrangimentos e evitando muitas das vezes, dos mesmos realizarem tal atividade que pretendia. Com relação a arquitetura, deverá ser algo estimulante na prática esportiva, podendo caminhar juntamente com os atletas, demonstrando formas dinâmica e não estáticas. Além dos espaços destinados para as atividades esportivas, o Centro de Treinamento também deve contar com áreas de convivência, deste modo, todas as pessoas

que frequentarem o local, possam ter algum contato, apesar de não

Figura 62 - Referencia fachada (brises)

praticarem o mesmo esporte, a importância do convívio entre os atletas reflete diretamente na sua vida pessoal, criando vínculos de amizades e compartilhando histórias de superação que cada um carrega, auxiliando na autoestimados atletas ou lhe servindo de

incentivo, não apenas no mundo esportivo, mas para toda a vida. Figura 63 - Referencia fachada

Fonte: Archdaily Fonte: Pinimg


43

CONCEITO A integração com a natureza reflete positivamente no contexto da arquitetura. O local é propício de cansaço e estresse devido à rotina de treinos pesados, e este elemento poderá transmitir tranquilidade e harmonia para os atletas.

O esporte é algo acolhedor, por isso, a forma pensada do projeto, remete a lembrança de braços abertos como significado que o Centro de Treinamento está a dispor de braços abertos para receber a todos, e

também pode-se citar a forma dos braços quando um atleta comemora ou levanta uma taça de campeão. Figura 64 - Conceito da forma/erguer taça Figura 65 - Conceito na implantação (referencia de projeto)

Fonte: Yohana p news Fonte: Pinterest


PARTIDO ARQUITETÔNICO Em um empreendimento esportivo que o desenho universal é implantado, deve-se levar em consideração diversos tópicos. Dentre ele, e a mais importante, a acessibilidade, onde engloba rampas e elevadores como circulação vertical, barras de apoio, sanitários e vestiários adaptados, já a acessibilidade para a prática esportiva, podemos considerar o isolamento acústico, em locais onde o som deve ser voltado apenas para bola, como vemos no futebol de 5, com isso, grande parte da estrutura do Centro de Treinamento, deve ser a telha com termoacústico Outro recurso que auxilia neste processo de isolamento acústico,é a presença das vegetações que compõe a implantação do complexo, além disso, regula a temperatura e a umidade do ambiente, filtra grande parte da poluição atmosférica, interferindo

diretamente na estética externa e interna do local. Nos ambientes de circulação do empreendimento deve ser instalado o piso tátil para auxílio aos deficientes visuais, para que possam identificar sua localização e se locomover desacompanhado. E nos locais que são realizados as práticas esportivas devem conter uma manta borrachuda anti impactos acima dos pisos, com função de amortecimento para as quedas que ocorrerem durante os treinamentos. As formas e cores distintas podem se destacar, tanto arquitetonicamente como na função de estimulante para a prática

esportiva, além de ser aplicado de acordo com a setorização e níveis do complexo

Figura 66 – Referência materiais (brise)

A utilização de brises que compõe a fachada, para amenizar todo o calor que invade o complexo devido as fachadas com vidro, possuem formatos de triângulos, remetendo a idéia de destino, caminhos a seguir, que sentido a vida nos levará, através do esporte,

Fonte: Pinterest

44


DIRETRIZES URBANÍSTICAS O local onde vai ser instalado o Centro de Treinamento, fica á 1,7km da

Figura 67 – Entorno do terreno

estação de trem de Jundiapeba, cerca de 7 minutos realizando o percurso com algum veículo. Se o trajeto for realizado através de ônibus, uma das linhas que

passam próximo ao local, é o Parque São Martinho via Jundiapeba, onde se dá a partida no Terminal Central (8,5km do terreno). Com relação ao estado das vias, deve ser realizado a pavimentação das mesmas, devido tanto a acessibilidade dos veículos e dos pedestres quanto a estética do entorno que valoriza diretamente o complexo esportivo.

Para melhor acesso ao Centro de Treinamento, podemos considerar a disponibilidade de vans e micro-ônibus que circulam diariamente do terminal e da estação até o complexo esportivo.

Fonte– Maps

Figura 69 – Ruas com ausência de pavimentação

Figura 68 – Ruas com ausência de pavimentação

Fonte– Maps

Fonte– Maps

45


PROGRAMA DE NECESSIDADES

46


PROGRAMA DE NECESSIDADES

47


PROGRAMA DE NECESSIDADES

48


PROGRAMA DE NECESSIDADES

49


PROGRAMA DE NECESSIDADES

50


PROGRAMA DE NECESSIDADES

51


PROGRAMA DE NECESSIDADES

52


PROGRAMA DE NECESSIDADES

53


ORGANOGRAMA

54


FLUXOGRAMA

55


FLUXOGRAMA

56


AGENCIAMENTO

57


PROCESSO CRIATIVO Para o desenvolvimento do projeto foi feito alguns croquis para uma ideia inicial de volumetria e setorização, pensando

desde já no funcionamento do fluxo e como ele se encaixa no terreno proposto.A ideia inicial era utilizar formas geométricas que lembre o movimento de corrida, de velocidade e posteriormente, uma ideia valorizando a rampa como o principal ambiente do projeto, que através dele é possível integras todos os ambientes além de ter a função de circulação.A volumetria se deu por conta de o terreno ser comprido, e devido a isso pode-se ter melhor aproveitamento do terreno quando ele esta sendo acompanhado pela sua forma. Além de auxiliar no fluxograma e consequentemente na sua

circulação. Tendo em vista esse esquema, a sequência da ideia foi de valorizar uma simples volumetria acrescentando um detalhe que se destacasse.

58


ESTUDO PRELIMINAR MAQUETE 3D

TÉRREO

1º PAV.

IMPLANTAÇÃO 2º PAV.

3º PAV.

59


O PROJETO

60

O PROJETO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO COM DESENHO UNIVERSAL


MEMORIAL JUSTIFICATIVO - PROJETO

61

O Projeto consiste em um Centro de Treinamento Esportivo, onde disponibiliza espaços necessários para tal prática, que é conhecida por ser essencial na vida do ser humano, principalmente pelas vantagem que ela oferece para quem realiza essas atividades, dentre elas, se destaca com relação a saúde, fortalecendo da musculatura, ossos e articulações, auxilia na flexibilidade e também no sistema respiratório e cardíaco, além da melhoria do fluxo sanguíneo cerebral, com isso, ameniza a ansiedade, estresse e depressão, consequentemente o auto estima torna-se favorável para o atleta.

Visando a integração social, através do esporte, pode-se citar o respeito, empatia, amizade e união como alternativas para essa realização. O projeto implantou o desenho universal como forma de inclusão social, sem limitar o uso do mesmo, com o objetivo de superação e determinação para todos os atletas.


MEMORIAL JUSTIFICATIVO - LOCAL

62

O local de implantação do Centro de treinamento esportivo, foi propositalmente escolhido principalmente pela ausência de empreendimentos sociais e esportivos no local. O bairro é conhecido pelo grande número de pessoas com baixas condições financeiras, isso muitas vezes, pode levar o jovem ao pior caminho a seguir. O esporte é uma alternativa para que isso evite a acontecer. Com ele, há possibilidade das pessoas se encontrarem e descobrir seu verdadeiro futuro. Os esportes envolve muito mais que uma competição, são sonhos que entram em jogo, onde cada um deles, demonstram a sua superação de alguma forma.


MEMORIAL JUSTIFICATIVO - SETORES SETOR ESPORTIVO O CTE oferece quadras dos principais esportes como Futebol, Volei, Basquete e Bocha, além de pistas de

atletismo e uma piscina Olímpica coberta. Todos esses elementos são essenciais

para o treinamento de um

atleta, é ali onde todos os problemas são deixados de lado para que seu foco se concentre em apenas um objetivo.

63

SETOR DE APOIO ESPORTIVO Para que os espaços de prática esportiva funcionem de modo adequado, é necessário alguns equipamentos de

apoio para tal prática, como vestiários feminino e masculino para o uso dos atletas durante o pré e pós treino para o uso

de higiene pessoal, assim como sanitários públicos ou privativos e PCD (Pessoa com Deficiência), arquibancadas para o uso de visitantes ou torcedores, no projeto comporta aproximadamente 900 espectadores e sendo, 155 para cadeiras de rodas, depósito de material esportivo, onde são

armazenados todos os equipamentos esportivos, como bolas, redes, tacos e afins, além de uma academia adaptada,

com

equipamentos

fortalecimento muscular.

de

musculação

e


MEMORIAL JUSTIFICATIVO - SETORES SETOR ADMINISTRAÇÃO Todo complexo para ser bem sucedido, conta com uma boa administração, neste caso, podemos citar a implantação neste setor, a sala de administração, onde são realizadas os cadastros dos frequentadores do CTE, a sala de assistência social, onde são realizadas os auxílios para os atletas de baixa renda, podendo estar utilizando os alojamentos temporariamente, em alguns casos, uma sala de Recursos Humanos, para gerenciamento dos profissionais do complexo, sala de reuniões e a sala da diretoria.

64

SETOR LAZER Toda a concentração de um atleta é essencial durante um treinamento ou competição, porém é necessário que ele não se sinta pressionado, para isso, existem ambientes de lazer e convivência, para que haja interação entre os frequentadores, tornando assim um ambiente mais leve.

SETOR DE HOSPEDAGEM No projeto esta implantado 27 alojamentos, sendo 9 dormitórios quádruplos, 9 triplos e outros 9 duplos, totalizando a hospedagem de 81 atletas durante as competições. O alojamento se deu para evitar o deslocamento dos atletas em dias de competições, economizando tempo e evitando o desgaste. Nele o atleta pode se concentrar totalmente para as suas atividades.


MEMORIAL JUSTIFICATIVO - SETORES

65

SETOR SERVIÇOS

SETOR SAÚDE O esporte esta totalmente relacionada a

O setor de serviço, inclui tudo aquilo que envolve o

saúde, por isso, foi previsto no projeto um

funcionamento genérico de um complexo, como almoxarifado,

setor

de

DML, vestiários dos funcionários, cozinha industrial, sala de

para

manutenção, medidores, reservatório de água e casa de

da

área,

enfermagem,

sala

constando de

sala

fisioterapia

pequenas recuperações de lesões físicas, Sala de exames para realizações de exames rápidos sem muita complexidade, sala de psicologia pois

o esporte, competições,

treinamentos pesados, sempre invade a

mente e as emoções de um atleta, sala de nutrição, para acompanhamento alimentar e

massoterapia,

para

realizações

de

massagens aos atletas que ultrapassam seus limites nos treinamentos.

máquinas e depósito de lixo, doca de abastecimento.


MEMORIAL JUSTIFICATIVO - MATERIAIS PELÍCULA CLIMATIZADA

Figura 70 – Película climatizada

Pode se observar que em ambientes com vantajosas aberturas de vidro, se entra muito

calor e luz, ficando desse modo muito abafado. Nesse sentido a possibilidade de se

fazer

é

a

aplicação

de

uma

película

climatizada que impede a entrada de raios UV em ate 99%, ela pode ser aplicada em qualquer tipo de vidro. Entre as vantagens

Fonte: Dicas de arquitetura Figura 71 – Película climatizada

podemos notar uma diminuição do calor

interno em relação ao ambiente externo de até 10 graus e uma economia de 15 a 27%

na conta de energia.

Fonte: Dicas de arquitetura

66


MEMORIAL JUSTIFICATIVO - MATERIAIS

67

TELHA TÉRMICA A telha térmica sanduiche é composta por duas telhas de aço, serve tanto para edifícios industriais como para os comerciais, seu sistema é formado por duas camadas: a primeira montam-se as telhas metálicas

Figura 73 – Telha térmica detalhada

inferiores, que serão base para fixação de espaçadores de aço com aproximadamente a mesma altura da manta isolante escolhida. Sobre os espaçadores, que sustentam a manta, são montadas e fixadas as telhas superiores. Deste modo o isolante é sustentado pelo espaçador e protegido pelos dois perfis metálicos. Figura 72 – Desenho esquemático da telha térmica

Fonte: Catálogo de arquitetura

Fonte: Catálogo de arquitetura


MEMORIAL JUSTIFICATIVO - MATERIAIS BRISE DE MADEIRA FREIJÓ

68

Figura 74 – Brises lineares de madeira

A utilização de brise, além de ter a função

decorativa, também controla a radiação solar que incide no interior da edificação, o que causa a

diminuição

de

gastos

em

relação

a

climatização dos ambientes. A madeira freijó apresenta durabilidade e

resistência aos

intemperes do ambiente externo, no entanto, necessita de manutenção e limpeza, dentre as características dessa madeira, há o aspecto de boa trabalhidade, ou seja, é de fácil manuseio, principalmente para realizar acabamentos.

Figura 75– Brises lineares de madeira


MEMORIAL JUSTIFICATIVO - MATERIAIS

69

Figura 76 – Laje nervurada detalhes

LAJE NERVURADA A laje nervurada é constituída por nervuras conectadas em uma capa de compressão, que permite excluir o concreto que não contem

função

economia

de

estrutura

leve,

estrutural, material.

no

causando

Possui

entanto,

tem

uma

alta

capacidade para estruturar grandes vão e suportar

elevadas

cargas.

proporciona espaços livres maiores.

Logo,

Figura 77 – Laje nervurada


MEMORIAL JUSTIFICATIVO - MATERIAIS PISO EMBORRACHADO Dentre

as

encontradas

principais

características

no

emborrachado

piso

podemos

destacar que este tipo de

material

possui

uma

pintura

Figura 78 – Piso emborrachado para esportes

PU

Autonivelante sobre Borracha aplicada sobre manta amortecedora de borracha SBR. Esta manta ( 3 a 11 mm) garante excepcional amortecimento ao piso.

Pintura de alta espessura - 2 a 6 mm. Piso acabado ( incluindo a manta ) com

espessura de 5 a 17 mm.

Figura 79 – Piso emborrachado acabamentos

70


71

CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO

Dentre

as

encontradas

principais

caracterĂ­sticas

no

emborrachado

piso

podemos

destacar que este tipo de

material

possui

uma

pintura

PU

Autonivelante sobre Borracha aplicada sobre manta amortecedora de borracha SBR. Esta manta ( 3 a 11 mm) garante excepcional amortecimento ao piso.

Pintura de alta espessura - 2 a 6 mm. Piso acabado ( incluindo a manta ) com

espessura de 5 a 17 mm.

Figura 79 – Piso emborrachado acabamentos

TORRE 1


72

CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO TORRE 1


73

CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO TORRE 2


74

CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO TORRE 2


75

ALOJAMENTO


PLANTA DE IMPLANTAÇÃO RUA NITO SO

NA

ACESSO VEÍCULOS

ACESSO VEÍCULOS

SAÍDA VEÍCULOS ACESSO PEDEST RES

32 31 30 29 28 27 26 25 24 23 22 21 20 19 18 17 16 15 14 13 12 11 10 09 08 07 06 05 04 03 02 01

VIDRO COM PELÍCULA

ACESSO VEÍCULOS

RESERVATÓRIO DE ÁGUA

ACESSO PEDESTRS

54 53 52 51 50 49 48 47 46 45 44 43 42 41 40 39 38 37 36 35 34 33

+10,00m

SAÍDA VEÍCULOS

EMBARQUE E DESEMBARQUE ACESSO PEDESTRS

PL A CO TIB M AN CA DA LH A

TELHA METÁLICA TERMOACÚSTICA SOBRE LAJES PRÉ MOLDADAS - h-20cm i=5%

PLATIBANDA COM CALHA

ESTRUTURA METÁLICA EM ARCO

TELHA METÁLICA TERMOACÚSTICA SOBRE LAJES PRÉ MOLDADAS h-20cm i=5%

+9,6m

+4m

+4m

+9,6m

+9,6m

PLATIBANDA COM CALHA

ACESSO PEDESTRS

PLATIBANDA COM CALHA

VIDRO COM PELÍCULA

10,95

PLATIBANDA COM CALHA

TELHA METÁLICA TERMOACÚSTICA SOBRE LAJES PRÉ MOLDADAS - h-20cm i=5%

ALÍCIO DE CARVALHO

ACESSO PEDESTRS

PLATIBANDA COM CALHA

101,49

TELHA METÁLICA TERMOACÚSTICA SOBRE LAJES PRÉ MOLDADAS h-20cm i=5%

6,15

AVENIDA BÉLGICA

PL CO ATIB M AN CA DA LH A

+9,6m

+11,1m

TELHA METÁLICA TERMOACÚSTICA SOBRE LAJES PRÉ MOLDADAS i=5%

35,40

60,00

8,03

6,29

5,95 6,57

+6,40m

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

i=8%

i=8%

+0,15m +0,30m

PATAMAR

i=8%

+0,0m

i=8,33%

+0,45m

+0,00m

+0,60m +0,75m +0,90m

i=8,33%

+0,2m

ESPELHO D'AGUA

9,28

+0,50m +1,2m

+1,0m

+4,40m

55

25,00 TELHA METÁLICA TERMOACÚSTICA SOBRE LAJES PRÉ MOLDADAS h-20cm i=5%

58 59

ALÍCIO DE CARVALHO

57

PLATIBANDA COM CALHA

56

60 154 155

62

156

66

PLATIBANDA COM CALHA

AVENIDA BÉLGICA

67 68

TELHA METÁLICA TERMOACÚSTICA SOBRE LAJES PRÉ MOLDADAS h-20cm i=5%

69

153

158

152

159

151

160

150

161

149

162

148

163

147

164

146

165

145

166

144

167

143

168

44,75

64 65

CAMPO FUTEBOL DE 7

157

63

5,99

60,18

+9,6m

61

+1,05m +1,0m

+1,10m

+11,1m

SAÍDA VEÍCULOS

DA A AN H IB AL AT C PL OM C

108109110 111112113114115116117118119120

10,50

82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94

ACESSO VEÍCULOS

70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81

142 141 140 139 138 TELHA METÁLICA 137 TERMOACÚSTICA SOBRE LAJES PRÉ 136 MOLDADAS h-20cm 135 i=5% 134 49,94

A AND A TIB H PLA M CAL CO

VAGA CAMINHÃO PARA DESCARGAM

121122123124125126127128129130 131132133 5,68

32,50

95 96 97 98 99 100101102103104105106107

RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS PERMITIDA - 50% DO TERRENO 11.000m² APROXIMADAMENTE PROJETO - 9.340m² - 42,45% DO TERRENO

TAXA DE PERMEABILIDADE MÍNIMA PERMITIDA - 20% DO TERRENO PROJETO - 22% DO TERRENO

COEFICIANTE DE APROVEITAMENTO MÁXIMA PERMITIDA - 1,5 DO TERRENO 33.000m² APROXIMADAMENTE PROJETO - 26.948m²

ESCALA

1:400 FOLHA 76

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ASSUNTO PLANTA DE IMPLANTAÇÃO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA


PLANTA DE ARQUITETURA - TÉRREO B

A J1 J1 J2

J1 ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1 J1

J1 J1

J1 J1

J2 TRA ÁRE NSF A DE ERE NCIA

J1 J1 J1 J1

7.21

J1

ÁREA=64,6m²

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

6.90

P1

2.30

J1

0.88

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

J1

6.60 VEST. FEM. TIME VISITANTE

P1 J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J2 ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J2

J1 7.00

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=64,8m²

6.60 ÁREA DE TRANSFERENCIA

1.59

VESTIÁRIO FEMININO TIME CASA

P1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

9.40

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J2

ÁREA DE TRANSFERENCIA

1.50

J2 J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J2

J2

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=46,2m² ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1

J2

14.12

ÁREA=76,6m²

1.50

J2 TRA ÁRE NSF A DE ERE NCIA

VESTIÁRIO MASCULINO TIME CASA

J1

COBOGÓ

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1 J1

J1 J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

13.93

J1

VESTIÁRIO MASCULINO TIME VISITANTE

ÁREA DE TRANSFERENCIA

3.53

J1

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1

2.63

DEPÓSITO DE MATERIAIS P1 ESPORTIVOS

+0,00m

ÁREA=18,1m²

P3

P2

9.10

P3

3.00

6.80

P3 6.00

P3

2.50

HALL

RECEPÇÃO P3

P3 P3

QUADRA BOCHA

+0,00m

ÁREA=75m² SUBIDA

i=8,33%

P3

i=8,33%

12.50

i=8,33%

6.00

P3

i=8,33% i=8,33%

P3

i=8,33%

6.00

COBOGÓ

QUADRA DE VOLEI ADAPTADA ÁREA=60m²

P3

ALMOXARIFADO 10.00

A=115m²

P3

9.00 P3

P1 P1

QUADRA DE VOLEI

SALA DE MANUTENÇÃO A=42m²

COBOGÓ

ÁREA=162m²

8.47

P1 10.00

CASA DE MAQUINAS PISCINA A=34m²

P3

P3

P3

P3

-2,0m

MEDIDORES PISCINA A=48m²

4.78

P1 7.80

P1

4.80

P2

+0,00m

J1

P1

5.41

28.00

18.00

P1

PÉ DIREITO DUPLO

15.00

VEST. MASC. A=33m² FUNCIONÁRIOS J1

2.00

DML

3.47

2.00

A=6,9m²

P2

J1

VEST. FEM. FUNCIONÁRIOS A=30m²

LAVA PÉS

ÁREA=1.250m²

QUADRA FUTEBOL DE 5 / QUADRA POLIESPORTIVA

J1

J1

J1 10.00

PISCINA OLÍMPICA

J1

J1

VESTIÁRIO FEMININO

J1

J1

P1

J1

4.00

J1 J1

J1

ÁREA=40m²

P1

J1

8.33

J1

J1

SANIT. FEM.

J1

A=83m²

J1

J1

10.09

ÁREA=576m²

8.33

19.00

7.80

5.00

4.80

J1

1.20

QUADRA DE BASQUETE ÁREA=420m²

ÁREA=1,8m²

J2

PCD P1ÁREA=1,8m²

J2

4.00

P1

P3

P3

J1

SANIT. MASC.

J1

ÁREA=41m²

J1

P1

5.00

4.80

J1

J1 J1

J1 J1

J1

J1

J1

J1

32.00

8.33

P1

PCD

J1

J1

VESTIÁRIO MASCULINO

J1

J1 10.29

15.00

P4

57.60

P3

P4

J1

J1

50.00

28.00

A=83m²

J1 25.00 J1

J1

J1 J1

J1

B

SUBIDA

+6,40m

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 77

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ARQUITETURA - TÉRREO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


i=8%

i=8%

i=8%

PLANTA DE ARQUITETURA - TÉRREO +4,40m

J1

J1

J1

J1

J1

J2 P2

PATAMAR

P1

9.00

P1

ÁREA=9,8m²

2.50

+1,0m

P3

i=8,33%

PNE

SANIT MASC. P1

6.60

i=8,33%

RECEPÇÃO

SANIT FEM.

ÁREA=9,8m²

3.60

SUBIDA

i=8,33%

SUBIDA

3.00

J1 PATAMAR

i=8,33%

2.25

i=8,33%

+1,0m

P3

i=8,33%

i=8,33%

CAIXA

i=8,33%

SUBIDA

+1,0m

RESTAURANTE

P3

ÁREA=550m²

SUBIDA

PATAMAR

P1

ÁREA=40m²

P1

ÁREA=40m²

ÁREA=52m²

8.00

+1,0m

HALL

LOJA 3 ARTIGOS ESPORTIVOS

8.00

J3

5.00 6.60

P1

LOJA 2 ARTIGOS ESPORTIVOS

LOJA 1 ARTIGOS ESPORTIVOS

J3

8.00

i=8,33%

i=8,33%

SUBIDA

J4

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

5.00

J3

J3

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO ÁREA=57,6m²

P1

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

A=4,7m²

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1 J3

J1

A=4,7m² P1

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=57,6m²

J4

J4

J3

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO ÁREA=57,6m²

P1

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

A=4,7m²

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1

J1

A=4,7m²

6.00

P3

P1

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO ÁREA=57,6m² ÁREA DE TRANSFERENCIA ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=40m²

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE PREPARO DE ALIMENTOS

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

COCÇÃO

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

6.80

P1

6.00

J4

P1

10.60 6.00

6.00

ÁREA=57,6m²

J3

A=4,7m²

P1 +1,0m

LAVAGEM

P1

i=8,33%

P1 i=8,33%

6.00

J1

i=8,33%

ÁREA=36m²

J3

6.00 P1 P3

ARMAZENAGEM SECA

J3

J3

P1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

J4

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

3.70

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

13.00

ÁREA=78m²

+1,0m

J3

P1

ARMAZENAGEM FRIA

i=8,33% i=8,33%

ÁREA=36m²

i=8,33%

6.00

ÁREA=36m²

P1

P3

6.00

CARGA E DESCARGA DE ALIMENTOS

J3

P1

P1

P3

A SU

A

P4

BID

P3

J4 J3

IA

P1

A DE

NCI

A

NSF ERE ÁRE

DE NC A ERE ÁRE NSF TRA

DE NCI A ÁRE ERE NSF

TRA

A

0 3.7

9 3.9

J1

A=4,7m²

J1

DE NCI A ÁRE ERE NSF TRA

A

IA DE NC A ERE ÁRE NSF TRA

TRA A

P1

10 .6

DE NCI A ÁRE ERE NSF TRA

J3

0 3.7

0

A=4,7m²

J4

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

J4

ÁREA=57,6m² A

J3

DE

NCI

A

ÁRE

ERE NSF ERE NSF TRA

A NCI

A

DE NCI A ÁRE ERE NSF

TRA

DE

P1

DE

A ÁRE

IA NC ERE NSF TRA

A NCI

ERE

A

DE

NSF

DE

NCI TRA

A

ERE

ÁRE

P1

J1 A=4,7m²

J1

ÁRE

P1

10 .6 0

TRA A ÁRE

ÁREA=57,6m²

A

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

IA DE NC A ERE ÁRE NSF

IA

J3

DE

ÁRE

IA DE NC A ÁRE ERE NSF TRA

P1

TRA

DE NC A ERE ÁRE NSF

A A

TRA

NCI ERE NSF

TRA

NSF TRA

A=4,7m²

J4

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO ÁREA=57,6m² A

DE

NCI

A ÁRE

ERE

NSF

DE NCI A ÁRE ERE NSF TRA DE

NCI

A

ÁRE

P1

A

ÁREA=57,6m²

ERE

P1

A

TRA

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

NSF

IA DE NC A ERE ÁRE NSF TRA

TRA

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 78

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ARQUITETURA - TÉRREO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA DE ARQUITETURA - 1º PAV. B

A

+3,2m

+3,2m SUBIDA

i=8,33% i=8,33% i=8,33%

i=8,33% i=8,33%

0,98

1,03

1,00

i=8,33%

1,00

1,00

1,00

1,00

0,88

1,03

1,00

1,00

1,00

1,00

0,98

1,03

1,00

1,00

1,00

1,00

PÉ DIREITO DUPLO

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 79

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ARQUITETURA - 1º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


i=8%

i=8%

i=8%

PLANTA DE ARQUITETURA - 1º PAV. +4,40m

3.00

PATAMAR

i=8,33%

P3

P3

PATAMAR

SUBIDA

SUBIDA

i=8,33%

i=8,33% i=8,33%

i=8,33%

i=8,33%

LOJA ÂNCORA 7 ARTIGOS ESPORTIVOS

SUBIDA

ÁREA=144m²

12.20

i=8,33%

i=8,33%

i=8,33%

i=8,33%

ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA

+4,20m

ÁREA=146m²

9.60

+4,20m

SUBIDA

SUBIDA

PATAMAR

P1

ÁREA=359m²

2.40

P1

LOJA 5 ARTIGOS ESPORTIVOS

LOJA 4 ARTIGOS ESPORTIVOS

REFEITÓRIO

+4,20m

8.00

P1 J3

LOJA 6 ARTIGOS ESPORTIVOS

8.00

J3

5.00

6.00

4.89 3.70

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

5.00

J3

J4

9.40 P2

DORMITÓRIO TRIPLO

+1,0m

ÁREA=53m²

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

6.00 P1 J3

J1

P1

+4,20m

DORMITÓRIO TRIPLO

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2

J4

J4

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=53m²

P2

DORMITÓRIO TRIPLO ÁREA=53m²

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1

J1

P1

17.94

DORMITÓRIO TRIPLO ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2

J4

J4

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=53m²

J3

P2

DORMITÓRIO TRIPLO ÁREA=53m²

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

10.25

P1

P1

J1

i=8,33%

i=8,33%

i=8,33% i=8,33% i=8,33% i=8,33%

ESPAÇO DE JOGOS

A

+4,20m

P2

9.4 0

J4

SU

A BID

P1

IA

P1

J1 NSF

DE

NC ERE NSF TRA

TRA

A ÁRE

A

IA

ERE

NC

IA

TRA

A

DE NCI A ÁRE ERE NSF TRA

DE NC A ERE ÁRE NSF

0 3.7

J1

DE

ÁRE

P2

IA DE NC A ERE ÁRE NSF TRA

P1

J4

0 6.0

DORMITÓRIO TRIPLO

IA NC ERE NSF

J1 TRA

DE NC A ERE ÁRE NSF TRA

DE

ÁRE

P1

DE NC A ERE ÁRE NSF

TRA

A

DE NCI A ÁRE ERE NSF

TRA

IA NC

TRA

ERE

DE

ÁRE

J4

P2

DE NC A ERE ÁRE NSF

TRA

IA

P1

NSF TRA

A

IA DE NC A ÁRE ERE NSF

IA

TRA

A

J1 DE NC A ERE ÁRE NSF TRA

DE

NCI

ÁRE

IA

A

ÁREA=53m²

NSF ERE

P1

DORMITÓRIO TRIPLO

A

P1

IA

P2

J4

ÁREA=53m²

DORMITÓRIO TRIPLO

P1

IA

ÁREA=53m²

A DE

NCI

A

ÁRE

NSF ERE

P1

DORMITÓRIO TRIPLO

DE NC A ERE ÁRE NSF TRA

ÁREA=53m²

DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

IA

TRA

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 80

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ARQUITETURA - 1º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA DE ARQUITETURA - 2º PAV. B

4.19

A

RECEPÇÃO

14.70

+6,40m

3.00 DESCIDA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1

J1

J1 J1

A=68m²

1.72

J1

J2

J1

i=8,33%

9.00

ESPAÇO ESPERA DESCANSO

4.20

0.83

J1 ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

1.50

2.20 P1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

6.00

5.80

COPA

J2 J2

J1

7.70

J5

J1

A=44m²

J1 J1

+6,40m

J5

SANITÁRIO FEMININO

5.80

P1

6.00 P1

J5

7.70

SALA DE DESCANSO

J1

4.00

P2

7.70

J5

J1

A=24m²

P1

J5

i=8,33% i=8,33%

J1

J2

D

i=8,33%

J1

J1

J2

i=8,33%

2.25

VESTIÁRIO MASCULINO

2.40

J2 ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

1.50

6.00

9.21

J2 ÁREA DE TRANSFERENCIA

2.00

J1

A=68m²

6.60

J1

FEMININO

J1 J1

i=8,33%

J1

6.80

J1

8.00 VESTIÁRIO

J1

1.20

PCD

J2

PCD

J2 J1

P1 SANITÁRIO MASCULINO

J1

A=24m²

A=83,4m²

J1 J1

J5

J1 6.00

4.00 12.00 P2

P2

J1

6.00 J5

J5 J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5 +6,40m

6.00

A=66m²

SALA EXAMES

11.77

SALA DE MASSOTERAPIA

A=81m²

SALA DE NUTRIÇÃO

SALA DE PSICOLOGIA A=42m²

A=42m²

7.20 +6,40m

P2

SALA DE ENFERMAGEM

A=42m²

7.00

P2

7.00

P2

P2

P2

ÁREA DE ESPERA/CONVIVÊNCIA

J1

SANITÁRIO MASC.

P2

P2

P2

P2

P2

J1

P2

20.80

2.80

A=32m²

17.00

9.55

J1

J1

J1

7.99

J1 P1

4.00

J2

PCD FEM.

J2

PCD MASC.

SALA DE FISIOTERAPIA

9.58

A=294m²

P1 SANITÁRIO FEMININO P1 PCD

J1

A=3,7m²

P1

7.20

7.20 P1

1.50

A=32m²

P1

J3

VEST. MASC. J3 VEST. FEM

J1

A=30m²

2.50 PCD

A=3,7m²

A=30m²

5.20

J1

17.78

A=289m²

ACADEMIA J1

J1

4.00 J1

J1

P3

P4

P3

2.00

J1

7.99

J1 6.40 J1

J1

J1

J1

J1

J1

J5

J5

J5

J1

J1

J1

J1

J1

J1

J5

J5

J5

J5

J5

J5

2.05 SUBIDA

+6,40m

2.00

4.12

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 81

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ARQUITETURA - 2º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


i=8%

i=8%

i=8%

PLANTA DE ARQUITETURA - 2º PAV. +4,40m

6.80

J3 i=8,33%

i=8,33%

SANITÁRIO FEMININO

i=8,33%

A=17m²

SANITÁRIO MASCULINO

P1

A=16m²

P1

i=8,33%

SALA DE ASSITENCIA SOCIAL

J3

3.60

4.76

i=8,33%

J3

A=120m²

+7,40m

i=8,33%

17.94

D

6.44

SUBIDA

J3

SALA DE ADMINISTRAÇÃO A=62,7m²

J3

6.44

9.80

J3

ÁREA DE CONVIVÊNCIA/ SALA DE ESPERA

SALA DE RH A=63m²

7.62

4.2 8

ARQUIVO

P1 3.95

A=27m²

+7,40m

J3

A=63m²

6.09 2.60

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

3.00

9.80

SALA DE REUNIÃO 2 J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

6.00

RECEPÇÃO 8.00

VARANDA A=9,6m²

A=48m²

3.70

P2

DORMITÓRIO DUPLO J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

6.44

P2

P1

SALA DE REUNIÃO 1

J3

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

J1

P2 A=4,7m²

DORMITÓRIO DUPLO A=48m²

3.70

A=63m²

ÁREA DE TRANSFERENCIA

VARANDA A=9,6m²

J3 8.00

2.60 J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

6.00 7.17

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2 J3

VARANDA A=9,6m²

P2

SALA DE COORDENAÇÃO DORMITÓRIO DUPLO

A=70,2m²

A=48m²

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1 9.80

J1

P2 A=4,7m²

17.94

DORMITÓRIO DUPLO A=48m²

P2

ÁREA DE TRANSFERENCIA

A=170m²

J3

VARANDA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

SALA DE DESCANSO

A=9,6m²

J3

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

VARANDA A=9,6m²

P2

DORMITÓRIO DUPLO A=48m²

J3

J3

J3

J3

J3

P2 A=4,7m²

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

10.15

J3

P1 i=8,33%

J3

i=8,33%

i=8,33% i=8,33% i=8,33% i=8,33%

A

+7,40m

P1

BID A SU

J3

0

3.7

VARANDA P2

A=9,6m²

0

2.6 0

J1 A=9,6m² DE

8.0

A

J1

NCI

P2

A ÁRE

NSF ERE TRA A

DE

NCI

A ÁRE

ERE

A

NSF

NCI

DE

TRA

NSF ERE

A ÁRE

A=9,6m²

DORMITÓRIO DUPLO

P2

TRA

A=48m²

A

DE

NCI

J3

A

NSF ERE

ÁRE

VARANDA

TRA

P2

A=9,6m²

J3

0 6.0

DORMITÓRIO DUPLO A=48m²

VARANDA P2

P1

A=9,6m²

J1 DE

A

ÁRE

DE NC A ERE ÁRE NSF

NCI

TRA

A

J1

ERE

P1

IA

A=9,6m² P2

NSF TRA A

DE

A

ÁRE

A NCI

ERE

ÁRE

NSF ERE TRA

A

DE

NCI

DORMITÓRIO DUPLO

A=9,6m²

NSF TRA

A=48m²

P2

A

DE

NCI

J3

NSF ERE

A ÁRE

VARANDA

TRA

P2

A=9,6m²

DORMITÓRIO DUPLO A=48m²

IA

P1

DE NC A ERE ÁRE NSF TRA

P1

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 82

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ARQUITETURA - 2º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA SETORIZADA - TÉRREO B

A J1 J1 J2

J1 ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1 J1

J1 J1

J1 J1

J2 TRA ÁRE NSF A DE ERE NCIA

J1 J1 J1 J1

7.21

J1

ÁREA=64,6m² ÁREA DE TRANSFERENCIA

6.90

P1

J1 2.30

J1

0.88

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

J1

6.60 VEST. FEM. TIME VISITANTE

P1 J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J2

J1 7.00

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

DEPÓSITO DE MATERIAIS P1 ESPORTIVOS 2.63

J1 6.80

+0,00m

ÁREA=18,1m²

P3

P2

9.10

P3

3.00

ÁREA=64,8m²

6.60 ÁREA DE TRANSFERENCIA

1.59

VESTIÁRIO FEMININO TIME CASA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

9.40

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J2

ÁREA DE TRANSFERENCIA

1.50

J2 J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J2

J2

J2

ÁREA=46,2m² ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1

J2

ÁREA DE TRANSFERENCIA

14.12

ÁREA=76,6m²

1.50

J2 TRA ÁRE NSF A DE ERE NCIA

VESTIÁRIO MASCULINO TIME CASA

COBOGÓ

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1 J1

J1 J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

13.93

J1

VESTIÁRIO MASCULINO TIME VISITANTE

ÁREA DE TRANSFERENCIA

3.53

J1

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1

P3 6.00

P3

2.50

HALL

RECEPÇÃO P3

P3 P3

QUADRA BOCHA

+0,00m

ÁREA=75m² SUBIDA

i=8,33%

P3

i=8,33%

12.50

i=8,33%

6.00

P3

i=8,33% i=8,33%

P3

i=8,33%

6.00

COBOGÓ

QUADRA DE VOLEI ADAPTADA ÁREA=60m²

P3

ALMOXARIFADO 10.00

A=115m²

P3

9.00 P3

P1 P1

QUADRA DE VOLEI

SALA DE MANUTENÇÃO A=42m²

COBOGÓ

ÁREA=162m²

8.47

P1 10.00

CASA DE MAQUINAS PISCINA A=34m²

P3

P3

P3

P3

-2,0m

MEDIDORES PISCINA A=48m²

4.78

P1 7.80

P1

4.80

P2

+0,00m

J1

P1

5.41

28.00

18.00

P1

PÉ DIREITO DUPLO

15.00

VEST. MASC. A=33m² FUNCIONÁRIOS J1

2.00

DML

3.47

2.00

A=6,9m²

LEGENDA

P2

J1

VEST. FEM. FUNCIONÁRIOS A=30m²

LAVA PÉS

ÁREA=1.250m²

QUADRA FUTEBOL DE 5 / QUADRA POLIESPORTIVA

J1

J1

J1 10.00

PISCINA OLÍMPICA

J1

J1

VESTIÁRIO FEMININO

J1

J1

2515.09

J1

J1 J1

P1

J1

4.00

J1 J1

J1

ÁREA=40m²

P1

8.33

10.09

J1

SANIT. FEM.

SETOR PÚBLICO

J1

A=83m²

J1

ÁREA=576m²

8.33

19.00

7.80

5.00

4.80

J1

1.20

QUADRA DE BASQUETE ÁREA=420m²

2515.09

J2

PCD P1ÁREA=1,8m²

J2

4.00

P1

SETOR PÚBLICO/PRIVADO

ÁREA=1,8m²

P3

P3

J1

SANIT. MASC.

J1

ÁREA=41m²

J1

P1

5.00

4.80

J1 J1

J1

J1

J1

J1 J1

J1

SETOR PRIVADO

J1 J1

J1

32.00

8.33

P1

PCD

VESTIÁRIO MASCULINO

J1

15.00

J1 10.29

2515.09

P4

57.60

P3

P4

J1

J1

50.00

28.00

A=83m²

J1 25.00 J1

J1

J1 J1

J1

SUBIDA

B

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 83

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO SETORIZAÇÃO - TÉRREO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA SETORIZADA - TÉRREO

J1

J1

J1

J1

J1

J2 P2

PATAMAR

SANIT MASC. P1

P1

9.00

P1

2.50

+1,0m

P3

i=8,33%

PNE

ÁREA=9,8m²

6.60

i=8,33%

RECEPÇÃO

SANIT FEM.

ÁREA=9,8m²

3.60

SUBIDA

i=8,33%

SUBIDA

3.00

J1 PATAMAR

i=8,33%

2.25

i=8,33%

+1,0m

P3

i=8,33%

i=8,33%

CAIXA

i=8,33%

SUBIDA

+1,0m

RESTAURANTE

P3

ÁREA=550m²

SUBIDA

PATAMAR

P1

LOJA 2 ARTIGOS ESPORTIVOS

LOJA 1 ARTIGOS ESPORTIVOS

J3

ÁREA=40m²

P1

LOJA 3 ARTIGOS ESPORTIVOS

ÁREA=40m²

ÁREA=52m²

8.00

+1,0m

HALL

8.00

J3

5.00 6.60

P1

8.00

i=8,33%

i=8,33%

SUBIDA

J4

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

5.00

J3

J3

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO ÁREA=57,6m²

P1

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

A=4,7m²

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1 J3

J1

A=4,7m² P1

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=57,6m²

J3

J4

J4

J3

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO ÁREA=57,6m²

P1

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

A=4,7m²

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1

J1

A=4,7m²

P3

6.00

P1

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO ÁREA=57,6m² ÁREA DE TRANSFERENCIA ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE PREPARO DE ALIMENTOS

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3 ÁREA=40m²

ÁREA DE TRANSFERENCIA

6.80

P1

6.00

COCÇÃO

J3

J4

6.00

10.60 6.00

ÁREA=57,6m²

J3

A=4,7m²

P1 +1,0m

LAVAGEM J3 P1

i=8,33%

P1 i=8,33%

6.00

J1

i=8,33%

ÁREA=36m²

6.00 P1

ARMAZENAGEM SECA

J3

J3

P1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

J4

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

3.70

J3

P1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

13.00

ÁREA=78m²

+1,0m

J3

P3

P1

ARMAZENAGEM FRIA

i=8,33% i=8,33%

ÁREA=36m²

i=8,33%

6.00

ÁREA=36m²

P1

P3

6.00

CARGA E DESCARGA DE ALIMENTOS

J3

P1

P3

P1

A

P4

BID SU

P3

A

LEGENDA

J4 J3

A

IA

P1

ERE

NC

DE NC A ERE ÁRE NSF

IA

IA ERE

NC DE

ÁRE

IA

10

.6

J3

0

P1

0

TRA

NSF

A=4,7m²

3.7

DE NC A ERE ÁRE NSF TRA

TRA

TRA

NSF

DE

A

J1 TRA

A

ÁRE

DE NCI A ÁRE ERE NSF

J1

A=4,7m² DE

2515.09

ÁRE A

NC ERE NSF TRA

IA

0

9

3.7

3.9

SETOR PÚBLICO

J4

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

J4

IA DE NC A ÁRE ERE NSF TRA

J1 J1

IA IA

A=4,7m²

J3

SETOR PRIVADO

J4 TRA

DE NC A ÁRE ERE NSF

IA

P1

TRA

DE NC A ÁRE ERE NSF TRA

DE NC A ÁRE ERE NSF

IA

DE NC A ERE ÁRE NSF

IA

TRA

P1

IA DE NC ÁRE ERE NSF TRA

DE NC A ERE ÁRE NSF

A=4,7m²

TRA

TRA

DE NC A ÁRE ERE NSF

IA

TRA

J3

A

ÁREA=57,6m²

IA

P1

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

DE NC A ERE ÁRE NSF

2515.09

TRA

P1

SETOR PÚBLICO/PRIVADO

10 .6 0

DE NC A ERE ÁRE NSF

IA

ÁREA=57,6m²

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

2515.09

IA DE NC A ERE ÁRE NSF

TRA

ÁREA=57,6m²

A

DE

P1

NCI

IA

A

ÁRE IA DE NC A ERE ÁRE NSF TRA

TRA

DE NC A ERE ÁRE NSF

ERE

ÁREA=57,6m²

NSF

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

TRA

P1

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 84

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO SETORIZAÇÃO - TÉRREO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA SETORIZADA - 1º PAV. B

A

+3,2m

+3,2m SUBIDA

i=8,33% i=8,33% i=8,33%

i=8,33% i=8,33% i=8,33%

0,98

1,03

1,00

LEGENDA 1,00

PÉ DIREITO DUPLO

1,00 1,00

1,00

2515.09

1,00

SETOR PRIVADO

1,00

0,88

1,03

1,00

2515.09

1,00

SETOR PÚBLICO/PRIVADO

1,00

0,98

1,03

1,00

1,00

2515.09

1,00

SETOR PÚBLICO

SUBIDA

+6,40m

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 85

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO SETORIZAÇÃO - 1º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


i=8%

i=8%

i=8%

PLANTA SETORIZADA - 1º PAV.

+4,40m

3.00

PATAMAR SUBIDA

i=8,33%

P3

P3

PATAMAR SUBIDA

i=8,33%

i=8,33% i=8,33%

i=8,33%

ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA

i=8,33%

LOJA ÂNCORA 7 ARTIGOS ESPORTIVOS

SUBIDA

ÁREA=144m²

12.20

i=8,33%

i=8,33%

i=8,33%

i=8,33%

+4,20m

ÁREA=146m²

9.60

+4,20m

SUBIDA

SUBIDA

PATAMAR

P1

2.40

P1

LOJA 5 ARTIGOS ESPORTIVOS

LOJA 4 ARTIGOS ESPORTIVOS

REFEITÓRIO

+4,20m

8.00

P1 J3

LOJA 6 ARTIGOS ESPORTIVOS

ÁREA=359m²

8.00

J3

5.00

6.00

4.89 3.70

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

5.00

J3

J4

9.40 P2

DORMITÓRIO TRIPLO

+1,0m

ÁREA=53m²

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

6.00 P1 J3

J1

P1

+4,20m

DORMITÓRIO TRIPLO ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2

J4

J4

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=53m²

J3

P2

DORMITÓRIO TRIPLO ÁREA=53m²

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1

J1

P1

17.94

DORMITÓRIO TRIPLO ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2

J4

J4

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=53m²

J3

P2

DORMITÓRIO TRIPLO ÁREA=53m²

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

10.25

P1

P1

J1

i=8,33%

i=8,33%

i=8,33% i=8,33% i=8,33% i=8,33%

ESPAÇO DE JOGOS

A

BID

A

P1

+4,20m

SU

LEGENDA

P2

9.4 0

J4

J1

0 3.7

SETOR PÚBLICO

DE NCI A ÁRE ERE NSF

TRA

P1

NC DE

J4

P2

TRA

DE NC A ÁRE ERE NSF

IA

P1

DE NC A ÁRE ERE NSF TRA

IA

DE NC A ÁRE ERE NSF TRA

IA

ERE NSF

J1

TRA

ÁRE A

IA

A

2515.09

0 6.0

DORMITÓRIO TRIPLO

SETOR PÚBLICO/PRIVADO

ÁREA=53m²

J4

DE

J1

DE NC A

A ÁRE

ERE

NSF

IA

TRA

P1

DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA A

DE NCI A ÁRE ERE NSF DE

DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

A NCI

SETOR PRIVADO

TRA

IA

J1

TRA

DE NC A ERE ÁRE NSF

IA

DE NC A ÁRE ERE NSF TRA

ÁREA=53m²

IA

P1

A

DORMITÓRIO TRIPLO

NCI

P1

ÁRE ERE NSF TRA

IA

P2

2515.09

A ÁRE

ERE

P1

J4

NSF TRA

2515.09

A

DE

NCI

P2

A

ÁRE

ERE

NSF TRA

DORMITÓRIO TRIPLO

DE NC A ÁRE ERE NSF

P1

DE NCI A ÁRE ERE NSF

TRA

ÁREA=53m²

A

DE NC ÁRE ERE NSF TRA

IA

P1

A

DORMITÓRIO TRIPLO

TRA

IA

ÁREA=53m²

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 86

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO SETORIZAÇÃO - 1º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA SETORIZADA - 2º PAV. B

4.19

A

RECEPÇÃO

14.70

+6,40m

3017.68 3.00 DESCIDA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1

J1 J1

A=68m²

A=68m²

1.72

J1

J1

J1

J2 J2

ÁREA DE TRANSFERENCIA

4.20

0.83

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

1.50

2.20 P1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

6.00

5.80

COPA

ESPAÇO ESPERA DESCANSO

J2 J2

J1

A=44m²

J1 J1

+6,40m

J5

SANITÁRIO FEMININO

7.70

J5 5.80 6.00

P1

J5

7.70

J1

4.00 P1

SALA DE DESCANSO

J1

A=24m²

P2

P1

J5

i=8,33%

9.00

J1

7.70

J5

i=8,33% i=8,33%

J1

J2

D

i=8,33%

J1

1.50

J1

i=8,33%

2.25

VESTIÁRIO MASCULINO

FEMININO

J1

1.20

2.40

9.21

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1

i=8,33%

J1

J2

6.00

8.00 VESTIÁRIO

J1

J2

2.00

J1

6.60

J1

6.80

J1

PCD

J2

PCD

J2 J1

P1 SANITÁRIO MASCULINO

J1

A=24m²

A=83,4m²

J1 J1

J5

J1 6.00

4.00 12.00 P2

P2

J1

6.00 J5

J5 J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5 +6,40m

6.00

A=66m²

SALA EXAMES

11.77

SALA DE MASSOTERAPIA

A=81m²

SALA DE NUTRIÇÃO

SALA DE PSICOLOGIA

A=42m²

7.20 +6,40m

LEGENDA

P2

SALA DE ENFERMAGEM

A=42m²

A=42m²

7.00

P2

7.00

P2

P2

P2

ÁREA DE ESPERA/CONVIVÊNCIA

J1

SANITÁRIO MASC.

P2

P2

P2

J1 2515.09

P2

P2

20.80

17.00

J1

9.55

SETOR PÚBLICO

P2

2.80

A=32m²

J1

J1

P1

4.00

PCD FEM.

J2

PCD MASC.

SALA DE FISIOTERAPIA A=289m²

ACADEMIA P1 SANITÁRIO FEMININO P1

7.20

2515.09

J1

A=3,7m²

P1

7.20

PCD

P1

1.50

A=32m²

P1

J3

VEST. MASC. J3 VEST. FEM

J1

A=30m²

2.50 PCD

A=3,7m²

A=30m²

5.20

J1

9.58

A=294m²

J1

SETOR PRIVADO

17.78

SETOR PÚBLICO/PRIVADO

7.99

J1

J2

2515.09

J1

4.00 J1

J1

P3

P4

P3

2.00

J1

7.99

J1 6.40 J1

J1

J1

J1

J1

J1

J5

J5

J5

J1

J1

J1

J1

J1

J1

J5

J5

J5

J5

J5

J5

2.05 SUBIDA

+6,40m

2.00

4.12

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 87

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO SETORIZAÇÃO - 2º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


i=8%

i=8%

i=8%

PLANTA SETORIZADA - 2º PAV. +4,40m

6.80

J3 i=8,33%

i=8,33%

SANITÁRIO FEMININO

i=8,33%

A=17m²

SANITÁRIO MASCULINO

P1

A=16m²

P1

i=8,33%

SALA DE ASSITENCIA SOCIAL

J3

3.60

4.76

i=8,33%

J3

A=120m²

+7,40m

i=8,33%

17.94

D

6.44

SUBIDA

J3

SALA DE ADMINISTRAÇÃO A=62,7m²

J3

6.44

9.80

J3

ÁREA DE CONVIVÊNCIA/ SALA DE ESPERA

SALA DE RH A=63m²

7.62

8

ARQUIVO

P1 3.95

A=63m²

6.09 2.60

8.00 J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

3.00

SALA DE REUNIÃO 2

ÁREA DE TRANSFERENCIA

9.80

6.00

RECEPÇÃO

J3

4.2

A=27m²

+7,40m

J3

VARANDA A=9,6m²

A=48m²

J3

3.70

P2

DORMITÓRIO DUPLO

ÁREA DE TRANSFERENCIA

6.44

P2

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1

SALA DE REUNIÃO 1

J3

J1

P2 A=4,7m²

DORMITÓRIO DUPLO A=48m²

3.70

A=63m²

ÁREA DE TRANSFERENCIA

A=9,6m²

J3 2.60 J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

6.00

VARANDA 8.00

ÁREA DE TRANSFERENCIA

7.17

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2 J3

VARANDA A=9,6m²

P2

SALA DE COORDENAÇÃO DORMITÓRIO DUPLO

A=70,2m²

A=48m²

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1 9.80

J1

P2 A=4,7m²

17.94

DORMITÓRIO DUPLO A=48m² ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

A=170m²

ÁREA DE TRANSFERENCIA

SALA DE DESCANSO

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2 J3

VARANDA A=9,6m²

J3

J3

VARANDA A=9,6m²

P2

DORMITÓRIO DUPLO A=48m²

J3

J3

J3

J3

J3

P2 A=4,7m²

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

10.15

J3

P1 i=8,33%

J3

i=8,33%

i=8,33% i=8,33% i=8,33% i=8,33%

A

P1

+7,40m

A SU BID

LEGENDA

J3

0

3.7

VARANDA P2

A=9,6m²

2.6 0

J1 DE NC A ERE ÁRE NSF

IA

A=9,6m² P2

J1

DE NC A ERE ÁRE NSF

A=9,6m²

DORMITÓRIO DUPLO

IA

TRA

IA

DE NC A ERE ÁRE NSF TRA

IA

2515.09

TRA

8.0 0

SETOR PÚBLICO

P2

J3

DE NC A ÁRE ERE NSF TRA

A=48m²

VARANDA P2

A=9,6m²

J3

DORMITÓRIO DUPLO A=48m²

VARANDA A=9,6m²

P2

P1

J1 A=9,6m² IA

DE

DE NC A ERE ÁRE NSF

J1

TRA

IA

TRA

A

ÁRE

P1

A NCI

ERE

NSF

P2

DORMITÓRIO DUPLO

DE

NCI A

ÁRE

ERE A

A=9,6m²

NSF TRA

A=48m²

SETOR PRIVADO

DE NC A ERE ÁRE NSF

2515.09

TRA

0 6.0

SETOR PÚBLICO/PRIVADO

P2

DE

NCI A

J3

ÁRE

A

NSF ERE TRA

2515.09

VARANDA A=9,6m²

P2

DORMITÓRIO DUPLO A=48m²

DE NC A ERE ÁRE NSF TRA

P1

IA

P1

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 88

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO SETORIZAÇÃO - 2º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA ESTRUTURAL - TÉRREO 1.1 A1

1.2 J1 J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ESTRUTURAL METÁLICO

J1 J1

J1 J1

J1 J1

TRA ÁRE NSF A DE ERE

J2 J1 J1 J1 J1

7.21 ÁREA DE TRANSFERENCIA

1.50

P1

3,03

A4

TRA ÁRE NSF A DE ERE NCIA

J1 J1 ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

J1

35,00

J2

2.30

0.88

8,70

9,00

6.90 J1

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=76,6m²

J1

J1

ÁREA=64,6m²

P1 J1

6.60 VEST. FEM. TIME VISITANTE

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J2 ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J2

J1 7.00

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=64,8m²

P1

A1

6.60 ÁREA DE TRANSFERENCIA

1.59

9.40

VESTIÁRIO FEMININO TIME CASA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J2

ÁREA DE TRANSFERENCIA

1.50 ÁREA DE TRANSFERENCIA

J2 J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J2

A5

J2

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=46,2m² ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1

A

J2

J1

COBOGÓ

5,60

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

VESTIÁRIO MASCULINO TIME CASA

13.93

J1

VESTIÁRIO MASCULINO TIME VISITANTE

ÁREA DE TRANSFERENCIA

3.53

A3

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1

9,00

J1

NCIA

A2

VÃO=36m ESPAÇAMENTO=6m FLECHA=5,6m

PLATIBANDA

1.3

J1 J2

DEPÓSITO DE MATERIAIS P1 ESPORTIVOS ÁREA=18,1m²

2.63

B

A

P3

P3

3,44

P3 1.00

P3

HALL

2.50

B

C

P2

9.10

3.00

6.80

6,00

RECEPÇÃO P3

P3 P3

QUADRA BOCHA ÁREA=75m²

D

SUBIDA

C

i=8,33%

P3

12.50

5,79

i=8,33% i=8,33%

E

6.00

P3

i=8,33% i=8,33%

P3

i=8,33%

D

P3

28.82

ÁREA=60m²

33.20

M

B

E

G

N

COBOGÓ

6,21

F

A

6.00

QUADRA DE VOLEI ADAPTADA

ALMOXARIFADO 10.00

6,00

L

9.00

F

H

A=115m²

P3

C

P3

6,00

P1

K

P1

QUADRA DE VOLEI

I

SALA DE MANUTENÇÃO A=42m²

ÁREA=162m²

D

3,78

COBOGÓ

G

P1

J

P1

G1

J

CASA DE MAQUINAS PISCINA

3,79

A=34m²

P3

P3

P3

H

K

P3

I

E MEDIDORES PISCINA

4,43

A=48m²

28.00

J1

P1

F

PÉ DIREITO DUPLO

15.00

P2

6,00

LAJE NERVURADA

P1

18.00

P1

I

P1

J1

J1 A=6,9m²

J1

LAVA PÉS

K

H

ÁREA=576m²

6,00

J1 J1

J1

P1

D

J2

P1

P3

J2

6,00

P1

P3

J1

SANIT. MASC.

J1 P1

J1

M

J1

J1

J1 J1

28.00 75.21

32.00

K

P4

J1

J1 J1

J1

5,98

2

4,40

3

6,00

4 4.1

6,00

6,00

6

5

6,00

7

6,00

8

6,00

9

J1

A

J1

1

J1

6,02

B

J1 J1

J1

P4

57.60

1

VESTIÁRIO MASCULINO

J1 15.00

C

J1 J1

J1

J1

N

J1

J1

J1

J 32.00

SUBIDA

ESTRUTURAL METÁLICO

J1

J1

J1

ÁREA=420m²

6,00

ESTRUTURAL LAJE NERVURADA

E

J1

J1 J1

J1

I

QUADRA DE BASQUETE

J1

J1

SANIT. FEM. P1

L

F

J1

VESTIÁRIO FEMININO

J1

P1

ESTRUTURAL CONCRETO

J1

J1 J1

QUADRA FUTEBOL DE 5 / QUADRA POLIESPORTIVA

G

VEST. FEM. FUNCIONÁRIOS A=30m²

19.00

ESPESSURA LAJE=8cm ALTURA LAJE=24cm (6x4%)

DML

G

J 6,00

1 (15 )

H

VEST. MASC. A=33m² FUNCIONÁRIOS

2

3

7,60

10

11.1

11

12

12.113

13.1 14

1515.1

16

16.1

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 89

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ESTRUTURAL - TÉRREO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA ESTRUTURAL - TÉRREO A

B

C

6,20 J1

J1

6,20 J1

J1

J1

F

G

6,00

SUBIDA

SANIT FEM.

P1

P1

H

4,80

I

8,30

7,50 P3

i=8,33%

P2

PNE

SANIT MASC.

i=8,33%

P1

6,65

SUBIDA

E 3,20

J2

PATAMAR

RECEPÇÃO

VÃO=36m ESPAÇAMENTO=6m FLECHA=5,6m

PATAMAR

D

5,74 J1

1

i=8,33%

ESTRUTURAL METÁLICO

i=8,33% i=8,33%

P3

i=8,33%

i=8,33%

CAIXA

5,12

SUBIDA

3,03

SUBIDA

9,00

8,70

9,00

PLATIBANDA

5,60

2

i=8,33%

i=8,33%

i=8,33%

RESTAURANTE

P3

SUBIDA

3

PATAMAR

P1

P1

35,00

LOJA 2 ARTIGOS ESPORTIVOS

LOJA 1 ARTIGOS ESPORTIVOS

J3

A

P1

HALL

LOJA 3 ARTIGOS ESPORTIVOS

6,20

J4

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

B

ÁREA DE TRANSFERENCIA

4

16,03

J3

J3

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO ÁREA=57,6m²

P1 ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3 P1

C

P1 J3

J1

P1

6,20

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=57,6m² ÁREA DE TRANSFERENCIA

D

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

5

J4

6,20

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

6

E

J4

J3

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO ÁREA=57,6m²

P1 ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3 P1

P1

F

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

7

J1

P1

P1

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO ÁREA=57,6m² ÁREA DE TRANSFERENCIA ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE PREPARO DE ALIMENTOS

COCÇÃO

ÁREA DE TRANSFERENCIA

6,20

P3 J3 J3

J4

J3 J3

P1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

8

G

6,20

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1

9

J1

LAVAGEM J3 P1

i=8,33%

P1 i=8,33%

2,85

i=8,33%

10

I

P1 J3

P1

P3

ARMAZENAGEM SECA

ARMAZENAGEM FRIA

i=8,33% i=8,33%

6,20

i=8,33%

CARGA E DESCARGA DE ALIMENTOS

J3 P1

J

J3

ÁREA=57,6m²

J3

H

J4

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

11

P1

P3

P3

K P1

P4

BID SU

A

P3

J4

LAJE NERVURADA

J1

IA

P1

DE NCI A ÁRE ERE NSF

TRA

DE NCI A ÁRE ERE NSF

TRA

A

TRA

IA

J3 J4

A

DE NC ÁRE ERE NSF TRA

IA

P1

IA DE NC A ERE ÁRE NSF

J1

TRA

ESPESSURA LAJE=8cm ALTURA LAJE=24cm (6x4%)

DE NC A ERE ÁRE NSF

A

TRA

DE NC A ERE ÁRE NSF

J3

1 (15 )

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

J4 DE NCI ÁRE ERE NSF TRA

A

ÁREA=57,6m² A

J3

IA DE NC A ERE ÁRE NSF

TRA

DE NC A ÁRE ERE NSF

DE NCI A ÁRE ERE NSF

TRA

P1

DE NCI A ÁRE ERE NSF TRA

A

IA

J1

TRA

DE NC A ERE ÁRE NSF

A

A

TRA

J1

IA

DE NC A ÁRE ERE NSF

J3 P1

A

TRA

DE NC ERE ÁRE NSF TRA

IA

DE NCI A ÁRE ERE NSF

P1

13

ÁREA=57,6m²

TRA

P1

IA

12

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

J4 TRA

DE NC A ÁRE ERE NSF

IA

ESTRUTURAL CONCRETO

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO ÁREA=57,6m²

DE NCI A ÁRE ERE NSF

TRA

A

14

M

A

A

ÁRE A

DE NCI A ÁRE ERE NSF TRA

L

DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

IA

15

P1

DE

P1

NCI

ERE

ÁREA=57,6m²

NSF

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

TRA

ESTRUTURAL LAJE NERVURADA

16

K

ESTRUTURAL METÁLICO 17

J

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 90

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ESTRUTURAL - TÉRREO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA ESTRUTURAL - 1º PAV. ESTRUTURAL METÁLICO

3,03

9,00

8,70

9,00

PLATIBANDA

5,60

VÃO=36m ESPAÇAMENTO=6m FLECHA=5,6m

35,00

A

A 3,44

B

B 6,00

C SUBIDA

C

i=8,33% i=8,33% i=8,33%

5,79

D

i=8,33% i=8,33% i=8,33%

E

A 6,21

D

F

B

E 6,00

G

C

F 6,00

H

G

D 3,78

I

G1 3,79

J

E

4,43

H K

F

G

1,03

1,00

6,00

J

K

1,00 1,00 1,03

1,00

6,00

H

PÉ DIREITO DUPLO

1,00

1 ESPESSURA LAJE=8cm (15 ) ALTURA LAJE=24cm (6x4%)

0,98

LAJE NERVURADA

6,00

I

I

J

1,00 1,00

6,00 6,00

1,00

0,88

M

1,00

ESTRUTURAL LAJE NERVURADA

1,03

1,00

1,00

1,00

1,00

0,98

L

ESTRUTURAL CONCRETO

K

N

ESTRUTURAL METÁLICO

SUBIDA

6,02

1

6,00

2

3

4 4.1

6,00

6

5

6,00

7

6,00

8

6,00

9

7,60

10

10.111

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 91

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ESTRUTURAL - 1ºPAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA ESTRUTURAL - 1º PAV. A

ESTRUTURAL METÁLICO VÃO=36m ESPAÇAMENTO=6m FLECHA=5,6m

B

C

1 PATAMAR

D

E

F

G

H

I

i=8,33%

P3

P3

PATAMAR

SUBIDA

SUBIDA

i=8,33%

i=8,33% i=8,33% i=8,33%

i=8,33%

i=8,33%

LOJA ÂNCORA 7 ARTIGOS ESPORTIVOS

SUBIDA

9,00

9,00

8,70

i=8,33%

2

5,60 3,03

i=8,33%

i=8,33%

PLATIBANDA

SUBIDA

35,00

SUBIDA

3

PATAMAR

P1

P1

A

P1

LOJA 5 ARTIGOS ESPORTIVOS

LOJA 4 ARTIGOS ESPORTIVOS

J3

LOJA 6 ARTIGOS ESPORTIVOS

J3

B

J4

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

4 P2

C

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

5 P1 J3

J1

P1

D ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2 J3

J4

6

E

J3

J4

P2

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

7

F

P1

J1

P1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

G

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2 J3

J4

8 J3

J4

P2

H

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1

9

J1

i=8,33%

J3 i=8,33%

I

i=8,33%

10

i=8,33% i=8,33%

J3

i=8,33%

J

J3

11

K ESPAÇO DE JOGOS

P1

BID

P2

J4

SU

A

LAJE NERVURADA 1 ESPESSURA LAJE=8cm (15 ) ALTURA LAJE=24cm (6x4%)

ERE

IA

P1 NCI

ERE

ÁRE

ÁRE

J1 TRA

A

DE

DE

A

A

NSF

NC

J1

NSF

IA DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

NC DE

ÁRE

P2 IA NC

IA

P1

DE NC A ERE ÁRE NSF

ERE NSF TRA

A

TRA

J1

DE

ÁRE

IA

P1

ERE

NC

NC

IA NC DE

P2

IA

IA

P1

M TRA

ESTRUTURAL LAJE NERVURADA

DE NC A ERE ÁRE NSF

14

DE NC A ERE ÁRE NSF

P1

ÁRE

TRA

J4

ERE NSF TRA

A

IA

ERE

A DE NCI A ÁRE ERE NSF TRA

NSF

NSF TRA

DE

ÁRE

13

TRA

A

IA

ERE

DE NC A ÁRE ERE NSF

NSF

DE

TRA

TRA

NCI

DE

ÁRE

ÁRE

A

P1

A

J1 A

12

P2

J4

DE NC A ERE ÁRE NSF

TRA

IA

P1

J4

ERE NSF TRA

A

IA

TRA

ESTRUTURAL CONCRETO

P1

A

DE

NCI

A

ÁRE

ERE

NSF

A

DE NCI ÁRE ERE NSF TRA

A

15

TRA

ESTRUTURAL METÁLICO

L

K

16

17

J

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 92

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ESTRUTURAL - 1º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA ESTRUTURAL - 2º PAV. ESTRUTURAL METÁLICO

3,03

9,00

8,70

9,00

PLATIBANDA

5,60

VÃO=36m ESPAÇAMENTO=6m FLECHA=5,6m

35,00

1.3 RECEPÇÃO

A 1.2

B 2482.72

1.1

C DESCIDA

J1

1

J1

J1

VESTIÁRIO FEMININO

J1

J2

J2

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1

J1

J1

i=8,33%

VESTIÁRIO MASCULINO

J1

A=68m²

A=68m²

J1 J1

J1

J1

J1

J1

J1

J2

J1

J2 J2

3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

i=8,33%

ESPAÇO ESPERA DESCANSO

i=8,33% i=8,33%

A

2

E

D

i=8,33%

J1

i=8,33%

D

J2 J2

F

J5

7.70

J1

COPA

7,90

J1 J1

SANITÁRIO FEMININO

J5

J1 P1

PCD

J2

PCD

J2

C

5.80

4

P1

J5

7,35

H

J1

A=68m²

P2

P1

G

B

J1

A=44m²

J5

SALA DE DESCANSO

J5

J1

P1 SANITÁRIO MASCULINO

J1 J1 J1

J5

D

J1 J1

5

I

P2

P2

6.00

5,77

J5

E

J5

J

J5

6

J5

J5

J5

J5

J5

J5

A=66m²

11.77

6,20

SALA DE MASSOTERAPIA

J5

J5

J5

J5

J5

J5

A=81m²

SALA DE NUTRIÇÃO

SALA DE PSICOLOGIA

P2

F

SALA DE ENFERMAGEM

A=42m²

A=42m²

A=42m²

7.20

7

7.00

P2

7.00

P2

P2

P2

G

9,70

8

J5

SALA EXAMES

K

LAJE NERVURADA

J5

6.00

ÁREA DE ESPERA/CONVIVÊNCIA

1 (15 )

J1 P2

9

P2

P2

P2

P2

P2

H

J1 3,00

ESPESSURA LAJE=8cm ALTURA LAJE=24cm (6x4%)

J1

10 J1 J1 J1

SANITÁRIO MASC. P1

J2

PNE FEM.

J2

PNE MASC.

I

9,78

11

SALA DE FISIOTERAPIA

ESTRUTURAL CONCRETO

A=289m²

ACADEMIA J1

P1 SANITÁRIO FEMININO

J1

P1

J1

P1

J3

VEST. MASC.

VEST. FEM

J1 5,20

J

P1

P1

12

ESTRUTURAL LAJE NERVURADA

J3

J1 J1 J1

13

P3

P4 J1

P3

J1

J1

J1

J1

J1

J1

J1

J5

J5

J5

J1

J1

J1

J1

J1

J1

J5

J5

J5

J5

K

J5

J5

SUBIDA

ESTRUTURAL METÁLICO

A

D

B1

B

E

F

G

H

I

J

K

L

M

N

O

P

C

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 93

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ESTRUTURAL - 2º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA ESTRUTURAL - 2º PAV. ESTRUTURAL METÁLICO

A

VÃO=36m ESPAÇAMENTO=6m FLECHA=5,6m

B

C

D

E

F

G

H

i=8,33% i=8,33% i=8,33%

J3

P1

5,60

9,00

9,00

2 8,70

P1

i=8,33% i=8,33%

3,03

SANITÁRIO MASCULINO

SANITÁRIO FEMININO

i=8,33%

SALA DE ASSITENCIA SOCIAL

J3

PLATIBANDA

I

J3

1

D

SUBIDA

J3

SALA DE ADMINISTRAÇÃO

J3

35,00

3

A

J3

ÁREA DE CONVIVÊNCIA/ SALA DE ESPERA

SALA DE RH

P1

ARQUIVO

J3

B

RECEPÇÃO

SALA DE REUNIÃO 2 J3

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

4

P2

C

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2

P1

P1

SALA DE REUNIÃO 1

J3

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

5

J1

P2

D ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2 J3

J3

6

E

J3

J3

P2

SALA DE COORDENAÇÃO J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2

P1

F

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

7 P1

J1

P2

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA ÁREA DE TRANSFERENCIA

SALA DE DESCANSO

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2 J3

G

J3

8 J3

J3

P2

H J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

9

I

J1

P2

J3

J3

J3

J3

J3

i=8,33%

J3

i=8,33%

i=8,33%

10

i=8,33% i=8,33% i=8,33%

J 11

P1

K

J3

A BID SU

LAJE NERVURADA

P2

1 ESPESSURA LAJE=8cm (15 ) ALTURA LAJE=24cm (6x4%)

J1

IA

DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

TRA

DE NC A ERE ÁRE NSF

IA

TRA

DE NC A ÁRE ERE NSF

IA

J1 P2

J3

IA

P2

P1

12

J3

P2

TRA

DE NC A ERE ÁRE NSF

P2

J1 J1 DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

IA

13

IA

P2

TRA

A DE NCI A ÁRE ERE NSF

IA DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

P1

ESTRUTURAL CONCRETO

J3

IA

P2

TRA

DE NC A ERE ÁRE NSF

P2

14

M P1

DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

IA

P1

ESTRUTURAL LAJE NERVURADA

15

L

K

16

ESTRUTURAL METÁLICO

17

J

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 94

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ESTRUTURAL - 2º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA DE ELÉTRICA - TÉRREO B

A J1 J1 J2

J1 ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1 J1

J1 J1

J1 J1

J2 TRA ÁRE NSF A DE ERE NCIA

J1 J1 J1 J1 J1 J1 J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

1.50

J1 J1

P1

S

ÁREA DE TRANSFERENCIA

0.88

J1

J2 NCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

VESTIÁRIO MASCULINO TIME CASA

VESTIÁRIO MASCULINO TIME VISITANTE

P1

J1

P1

VEST. FEM. TIME VISITANTE

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J2

ÁREA DE TRANSFERENCIA

9.40

ÁREA DE TRANSFERENCIA

1.59

P1

S

J1

DEPÓSITO DE MATERIAIS P1 ESPORTIVOS

P3

S

REFLETOR TETO

ÁREA DE TRANSFERENCIA ÁREA DE TRANSFERENCIA

J2

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

VESTIÁRIO FEMININO TIME CASA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J2 J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J2

J2

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1 J2

J2

S

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

COBOGÓ

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

TRA ÁRE NSF A EREDE

J1 J1

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

S

P2

P3

S

S

P3 P3

HALL

SPOT EMBUTIDO RECEPÇÃO P3

P3 P3

QUADRA BOCHA ÁREA=75m²

PLAFON RETANGULAR EMBUTIDO

SUBIDA

i=8,33%

P3

i=8,33% i=8,33%

TRILHO DE SPOTS

P3

i=8,33% i=8,33%

P3

i=8,33%

REFLETORES

COBOGÓ

QUADRA DE VOLEI ADAPTADA ÁREA=60m²

P3

LUSTRE ALMOXARIFADO S

P3

PENTENDE/ABAJUR

P3

P1 P1

QUADRA DE VOLEI

ARANDELA

S SALA DE MANUTENÇÃO

COBOGÓ

ÁREA=162m²

P1

CASA DE MAQUINAS PISCINA

P1

TOMADA BAIXA - H30cm S

A=34m²

P3

P3

P3

MEDIDORES PISCINA

P3

A=48m²

S

TOMADA MÉDIA - H90cm

P1

P1

J1

S

S

P1

PÉ DIREITO DUPLO

P2

VEST. MASC. A=33m² FUNCIONÁRIOS

P1

J1

S

TOMADA BAIXA - H220cm

J1

S

CAIXA DE FORÇA

DML P2

A=6,9m²

VEST. FEM. FUNCIONÁRIOS A=30m²

J1

J1

J1

PISCINA OLÍMPICA LAVA PÉS QUADRA FUTEBOL DE 5 / QUADRA POLIESPORTIVA

ÁREA=1.250m²

J1

J1

VESTIÁRIO FEMININO

J1

J1

J1

J1

ÁREA=576m²

J1 J1

SANIT. FEM.

J1

J1 J1

J1

P1

J1

S

P1

J1

J1

P1

QUADRA DE BASQUETE

PCD

P1 PCD

J2

P3

P3

J2

ÁREA=420m²

P1

J1

SANIT. MASC.

J1 J1

P1 J1

S

J1 J1

J1 J1

J1

J1

J1

J1 J1

J1

J1 J1 J1 J1

P4

57.60

P3

P4

J1

J1

VESTIÁRIO MASCULINO

J1 J1

J1

J1

SUBIDA

B

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 95

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ELÉTRICA - TÉRREO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA DE ELÉTRICA - TÉRREO J1

J1

J1

J1

J1

J1

J2 i=8,33%

P2

PATAMAR

SUBIDA

SUBIDA

S

i=8,33%

P1 i=8,33%

S

i=8,33%

S

P3

S

PNE S

SANIT MASC.

P1 S

RECEPÇÃO

SANIT FEM. S P1

i=8,33%

PATAMAR

P3

i=8,33%

S

i=8,33%

CAIXA

S

i=8,33%

i=8,33%

i=8,33%

SUBIDA

SUBIDA

P3

P3

S

SUBIDA

PATAMAR

P1

REFLETOR TETO

P1

P1

HALL

S

LOJA 2 ARTIGOS ESPORTIVOS

S

LOJA 1 ARTIGOS ESPORTIVOS

S

RESTAURANTE J3

LOJA 3 ARTIGOS ESPORTIVOS

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

S

ÁREA DE TRANSFERENCIA

S

J3

S J4

ÁREA DE TRANSFERENCIA

SPOT EMBUTIDO

J3

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

S

P1

P1

S

J3

P1

J1

S

J3

S

P1

S

PLAFON RETANGULAR EMBUTIDO TRILHO DE SPOTS

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

REFLETORES

J4

J4

J3

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO ÁREA DE TRANSFERENCIA

S

P3

J1

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO J3 ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

P1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

S

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE PREPARO DE ALIMENTOS J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

S

PENTENDE/ABAJUR

P1

P1

S

P1

S

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

COCÇÃO

S

P1

S

LUSTRE

J3

J4

J4

J3

ARANDELA

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO P1 ÁREA DE TRANSFERENCIA

S

J3

J3

P1

J1

LAVAGEM i=8,33%

P1

i=8,33%

P1

ARMAZENAGEM P1 SECA

P1

P3

ARMAZENAGEM FRIA

i=8,33% i=8,33%

S

S

J3

i=8,33%

J3

S

S

TOMADA BAIXA - H30cm

S

i=8,33%

CARGA E DESCARGA DE ALIMENTOS

TOMADA MÉDIA - H90cm

J3

S

P1

P3

P1

S

TOMADA BAIXA - H220cm

P3

S S

CAIXA DE FORÇA

P1

P4

A

A BID SU

P3

J4

J1

IA

TRA

P1

IA

IA

DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

J3 J4

A

IA DE NC ERE ÁRE NSF TRA

P1

TRA

IA

J1

S

DE NC A ERE ÁRE NSF

DE NC A ÁRE ERE NSF

IA

TRA

S

DE NC A ERE ÁRE NSF

J3

J4 IA

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

A

DE NC ÁRE ERE NSF TRA

J3

A

TRA

IA

A

ÁRE

IA DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

P1

DE NC A ÁRE ERE NSF

IA

J3

IA

J4 TRA

IA DE NC A ERE ÁRE NSF

P1

TRA

DE NC A ERE ÁRE NSF

S

DE NCI ÁRE ERE NSF TRA A

TRA

A DE NCI A ÁRE ERE NSF

TRA

TRA

J1

A

DE NC A ÁRE ERE NSF

IA

DE NC A ERE ÁRE NSF

DE

ERE NSF TRA

P1

NCI

J1

S

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

S

P1

DE NC A ÁRE ERE NSF

S

TRA

IA

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

A

DE

PP11

NCI A

A NCI

A

ÁRE DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

IA

NSF TRA

ERE

ERE NSF TRA

S

P1

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

DE

ÁRE

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 96

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ELÉTRICA - TÉRREO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA DE ELÉTRICA - 1º PAV. B

A

REFLETOR TETO

SPOT EMBUTIDO SUBIDA

PLAFON RETANGULAR EMBUTIDO

i=8,33% i=8,33% i=8,33%

TRILHO DE SPOTS

i=8,33% i=8,33% i=8,33%

REFLETORES

LUSTRE PENTENDE/ABAJUR ARANDELA TOMADA BAIXA - H30cm TOMADA MÉDIA - H90cm TOMADA BAIXA - H220cm CAIXA DE FORÇA

PÉ DIREITO DUPLO

SUBIDA

B

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 97

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ELÉTRICA - 1º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA DE ELÉTRICA - 1º PAV.

P3

PATAMAR

SUBIDA

S

PATAMAR

i=8,33%

P3

SUBIDA

i=8,33%

i=8,33% i=8,33% i=8,33% i=8,33%

i=8,33%

LOJA ÂNCORA 7 ARTIGOS ESPORTIVOS

SUBIDA

S

i=8,33%

i=8,33%

i=8,33%

ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA

ÁREA=146m²

SUBIDA

S

PATAMAR

REFEITÓRIO ÁREA=359m²

LOJA 4 ARTIGOS ESPORTIVOS

P1

P1

LOJA 5 ARTIGOS ESPORTIVOS

S

J3

S

P1

REFLETOR TETO

S

SUBIDA

LOJA 6 ARTIGOS ESPORTIVOS

J3

SPOT EMBUTIDO

S

S

J4

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

S

ÁREA DE TRANSFERENCIA

S

J3

P2

PLAFON RETANGULAR EMBUTIDO

DORMITÓRIO TRIPLO

ÁREA DE TRANSFERENCIA

S

P1

S

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1 J3

S

P1

J1

S

J3

TRILHO DE SPOTS

S

DORMITÓRIO TRIPLO ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2

REFLETORES

J4

J4

P2

S

DORMITÓRIO TRIPLO ÁREA DE TRANSFERENCIA

S

P1

S

P1

J1

S

P1

S

DORMITÓRIO TRIPLO

PENTENDE/ABAJUR

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

S

S

LUSTRE

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ARANDELA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2 J3

J4

J4

P2

S

DORMITÓRIO TRIPLO ÁREA DE TRANSFERENCIA

S

P1

S

J3 P1

TOMADA BAIXA - H30cm

J1

i=8,33%

i=8,33%

i=8,33% i=8,33% i=8,33% i=8,33%

TOMADA MÉDIA - H90cm

S

TOMADA BAIXA - H220cm S

S

CAIXA DE FORÇA

SU

BID

A

P1

A

ESPAÇO DE JOGOS

P2

J4

S

S J1 P1

DE NCI A ÁRE ERE NSF

TRA

IA

DE NC A ÁRE ERE NSF

IA

P2

TRA

DE NCI A ÁRE ERE NSF

A

P1

J4

TRA

S

DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

IA

TRA

DE NC A ERE ÁRE NSF

A

S J1

J4

S

DORMITÓRIO TRIPLO

IA DE NC A ERE ÁRE NSF

TRA

DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

TRA

P1

J1 DE NCI A ÁRE ERE NSF

IA

IA DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

J4

IA

P1

DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

S

DE NC A ÁRE ERE NSF TRA

TRA

A

TRA

ÁRE NSF

DE NCI A ÁRE ERE NSF

A

IA

IA TRA

DE NC ERE A

DE NC A ÁRE ERE NSF

J1

S

S

P1

S

P1

IA

P2

S DORMITÓRIO TRIPLO

P2

S

DORMITÓRIO TRIPLO S A

DE

A

NSF

DE NC A ÁRE ERE NSF DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

IA

TRA

IA

TRA

S

P1

ERE

ÁRE

P1

NCI

DORMITÓRIO TRIPLO

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 98

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ELÉTRICA - 1º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA DE ELÉTRICA - 2º PAV. B

A S

RECEPÇÃO

REFLETOR TETO

SPOT EMBUTIDO S S

PLAFON RETANGULAR EMBUTIDO

J1

J1

J1

VESTIÁRIO FEMININO

J1

J2

J2

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J1

J1

i=8,33%

J1

J1

J1

i=8,33%

ESPAÇO ESPERA DESCANSO

i=8,33%

J1

J1

D

i=8,33%

J1

i=8,33%

TRILHO DE SPOTS

DESCIDA

J1

VESTIÁRIO MASCULINO

J1 J1

J1

i=8,33%

3513.52

REFLETORES

J2 J2 J2

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

S

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1

S

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J2 J2

J1 J5

J1

COPA

LUSTRE

J1 J1 J5

SANITÁRIO SFEMININO

S

P1

PCD

J2

SS

PENTENDE/ABAJUR

J1

P2

J5

J1

P1

J5

P1

S

P1 SANITÁRIO SMASCULINO

SALA DE DESCANSO

J5

PCD

J2 J1 J1 J1

ARANDELA

J1 J5

J1 J1

S P2

P2 J5

TOMADA BAIXA - H30cm

J5 J5

TOMADA MÉDIA - H90cm

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

SALA EXAMES SALA DE MASSOTERAPIA SALA DE NUTRIÇÃO

SALA DE PSICOLOGIA

TOMADA BAIXA - H220cm

S P2

SALA DE ENFERMAGEM

S

P2

S

P2

S

P2

P2

CAIXA DE FORÇA ÁREA DE ESPERA/CONVIVÊNCIA

J1

SANITÁRIO MASC.

S

P2

P2

P2

S

J1

P2

P2

S

P2

S

J1

J1

S

J1

S

P1

J1 J2

PCD FEM.

SS J2

SALA DE FISIOTERAPIA

PCD MASC.

A=289m²

ACADEMIA A=294m²

J1

S

P1 SANITÁRIO FEMININO

J1

P1

PCD

S P1

P1

J3

S

S

P1

J1

S

PCD

VEST. MASC. J3 VEST. FEM

J1 J1 J1 P4 J1

S

J1

P3

P3

J1

J1

J1

J1

J1

J1

J1

J5

J5

J5

J1

J1

J1

J1

J1

J1

J5

J5

J5

J5

J5

J5

SUBIDA

B

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 99

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ELÉTRICA - 2º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA DE ELÉTRICA - 2º PAV. J3 i=8,33%

i=8,33%

i=8,33%

S

P1

S

P1

i=8,33%

SALA DE ASSITENCIA SOCIAL

J3

SANITÁRIO MASCULINO

SANITÁRIO FEMININO

i=8,33%

J3

i=8,33%

S

D

SUBIDA

P3 J3

P2

S

SALA DE ADMINISTRAÇÃO

J3

REFLETOR TETO

SALA DE RH

J3

ÁREA DE CONVIVÊNCIA/ SALA DE ESPERA

P2

S

A=63m²

ARQUIVO

P1

A=27m²

S

J3

RECEPÇÃO

P2

J3

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

SPOT EMBUTIDO

SALA DE REUNIÃO 2

S

S

S

VARANDA P2

S S

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA ÁREA DE TRANSFERENCIA

REFLETORES

ÁREA DE TRANSFERENCIA

DORMITÓRIO DUPLO J3

J3

J3

VARANDA

P2

P2

S

P1

LUSTRE

S

P1

S

P3

P2 ÁREA DE TRANSFERENCIA

S

S DORMITÓRIO DUPLO

S

SALA DE COORDENAÇÃO

J3

P2

VARANDA

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

J1

S

TRILHO DE SPOTS

J1

P2 A=4,7m²

S

P2

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

S

SALA DE REUNIÃO 1

J3

P2

S

PLAFON RETANGULAR EMBUTIDO

P1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

DORMITÓRIO DUPLO

S

J3

J1

P2

S ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

PENTENDE/ABAJUR

ÁREA DE TRANSFERENCIA

SALA DE DESCANSO

ÁREA DE TRANSFERENCIA

DORMITÓRIO DUPLO

J3

P2

VARANDA J3

J3

VARANDA P2

S J3

J3

J3

J3

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1 J3

P2 A=4,7m²

S

ARANDELA

DORMITÓRIO DUPLO

S

J3

i=8,33%

J3

i=8,33% i=8,33%

TOMADA BAIXA - H30cm

i=8,33% i=8,33% i=8,33%

TOMADA MÉDIA - H90cm S

TOMADA BAIXA - H220cm S S A BID SU

P1

A

S VARANDA P2

J3

CAIXA DE FORÇA

S

J1 A

J1

NCI

DE

P2

ÁRE

A

ERE NSF

S

P2

DE NC A ÁRE ERE NSF DE NC A ÁRE ERE NSF TRA

IA

TRA

IA

A

DE NC ÁRE ERE NSF TRA

IA

TRA

S

DORMITÓRIO DUPLO

J3 VARANDA

S

J3

S

P2

DORMITÓRIO DUPLO

VARANDA P2

P1

DE

A

ÁRE

DE NCI A ÁRE ERE NSF

NCI

TRA

A

J1

ERE

S

P1

A

S

J1 P2

NSF

S

TRA A

A

ÁRE

IA

TRA

NSF TRA

S

DE NC A ÁRE ERE NSF

DE

NCI

ERE

DORMITÓRIO DUPLO

J3 VARANDA

TRA

DE NC A ÁRE ERE NSF

IA

P2

S

DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

S

P1

IA

P1

S

P2

DORMITÓRIO DUPLO

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 100

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ELÉTRICA - 2º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA DE HIDRÁULICA - TÉRREO A

SEGUE PARA REDE PÚBLICA

TRA ÁRE NSF A EREDE NCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

VESTIÁRIO MASCULINO TIME CASA

ÁREA=64,6m²

13.93

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=76,6m²

6.90

P1

2.30 3.53

ÁREA DE TRANSFERENCIA

TRA ÁRE NSF A EREDE NCIA

VESTIÁRIO MASCULINO TIME VISITANTE

ÁREA DE TRANSFERENCIA

CI

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1

CI

ÁREA DE TRANSFERENCIA

VEST. FEM. TIME VISITANTE

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=46,2m² ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

14.12

CI

6.60

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=64,8m²

COBOGÓ

VESTIÁRIO FEMININO TIME CASA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

2.63

ÁREA=18,1m²

P3

P2

9.10

P3

3.00

6.80 DEPÓSITO DE MATERIAIS P1 ESPORTIVOS

P3 6.00

P3

2.50

HALL

RECEPÇÃO P3

P3 P3

QUADRA BOCHA ÁREA=75m²

SUBIDA

CI

CI

i=8,33%

P3

i=8,33%

12.50

i=8,33%

6.00

P3

i=8,33% i=8,33%

P3

i=8,33%

6.00

COBOGÓ

QUADRA DE VOLEI ADAPTADA ÁREA=60m²

P3

ALMOXARIFADO 10.00

A=115m²

P3

9.00 P3

P1 P1

QUADRA DE VOLEI

SALA DE MANUTENÇÃO A=42m²

COBOGÓ

ÁREA=162m²

8.47

P1 10.00

CASA DE MAQUINAS PISCINA A=34m²

P3

P3

P3

P3

MEDIDORES PISCINA A=48m²

4.78

P1 7.80

J1

P2

P1

4.80

P1

5.41

28.00

18.00

P1

PÉ DIREITO DUPLO

15.00

VEST. MASC. A=33m² FUNCIONÁRIOS J1

2.00

DML

3.47

2.00

CI

A=6,9m²

P2

J1

A=30m²

J1

J1 10.00

PISCINA OLÍMPICA ÁREA=1.250m²

J1

VESTIÁRIO FEMININO

J1

A=83m²

J1

J1

SANIT. FEM.

J1

J1

ÁREA=40m²

P1

P1

J1

4.00

CI

8.33

J1

J1

10.09

ÁREA=576m²

8.33

19.00

LAVA PÉS

QUADRA FUTEBOL DE 5 / QUADRA POLIESPORTIVA

CI

VEST. FEM. FUNCIONÁRIOS 7.80

5.00

4.80

1.20

ÁREA=420m²

PCD

ÁREA=1,8m²

J2

PCD P1ÁREA=1,8m²

J2

4.00

P1

P3

P3

J1

SANIT. MASC. ÁREA=41m²

J1 P1

J1

5.00

4.80

8.33

P1

QUADRA DE BASQUETE

J1 J1 J1

32.00

VESTIÁRIO MASCULINO

J1

CI

10.29

J1

P4

57.60

P3

P4

CI

CI

J1

25.00

J1

J1

CI CI

SUBIDA

ESCALA

1:800 101

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA NITO SONA

ALÍCIO DE CARVALHO

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

PLANTA CHAVE

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

B

TABELA DE ESQUADRIAS ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

J1

50.00

28.00

A=83m²

15.00

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO HIDRAULICA - TÉRREO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA DE HIDRÁULICA - TÉRREO B

J1

J1

J1

J1

J1

J1

J2

SUBIDA

P1

P1

SANIT MASC.

CI

PNE i=8,33%

P1

RECEPÇÃO

SANIT FEM.

P3

i=8,33%

P2

PATAMAR

SUBIDA

i=8,33%

PATAMAR

i=8,33% i=8,33%

P3

i=8,33%

i=8,33%

CAIXA

i=8,33%

i=8,33%

i=8,33%

SUBIDA

SUBIDA

RESTAURANTE

P3

SUBIDA

PATAMAR

P1

P1

LOJA 1 ARTIGOS ESPORTIVOS

J3

P1

LOJA 2 ARTIGOS ESPORTIVOS

HALL

LOJA 3 ARTIGOS ESPORTIVOS

J4

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

J3

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO ÁREA=57,6m²

P1

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

A=4,7m²

CI

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1

A=4,7m²

J3

P1

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=57,6m²

J4

J4

J3

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO ÁREA=57,6m²

P1

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

A=4,7m²

J1

CI

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1

J1

A=4,7m² P1

P3

P1

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO ÁREA=57,6m² ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

P1

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

COCÇÃO

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE PREPARO DE ALIMENTOS

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3 J3

J4

J4

J3

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO ÁREA=57,6m²

J3

P1

A=4,7m² ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

P1

J1

LAVAGEM

CI

i=8,33%

J3 P1

J3

ARMAZENAGEM SECA

P3

P1

i=8,33%

P1

i=8,33%

P1

ARMAZENAGEM FRIA

i=8,33% i=8,33% i=8,33%

CARGA E DESCARGA DE ALIMENTOS

J3 P1

P3

P1

A

A

P4 SU

P3

BID

P1

P3

J4

I IA

P1

IA DE NC A ERE ÁRE NSF

A=4,7m²

J3 J4

TRA

DE NC A ÁRE ERE NSF

IA

P1

TRA

A DE NCI A ÁRE ERE NSF

TRA

IA

DE NC A ERE ÁRE NSF

TRA

A=4,7m²

TRA

DE NC A ERE ÁRE NSF

C

TRA

DE NCI A ÁRE ERE NSF

A

J3

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

J4

TRA

IA

J3

C

I

J1 TRA

A=4,7m² P1

ERE

A ÁRE

J1 TRA

DE NC A ÁRE ERE NSF

IA

DE NCI A ÁRE ERE NSF

A

DE NCI A ÁRE ERE NSF TRA IA DE NC A ERE ÁRE NSF

TRA

ÁREA=57,6m²

DE

P1

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

NCI A

P1

A

DE NC A ERE ÁRE NSF

ÁREA=57,6m²

DE

IA

A

A

ÁRE

DE NC A ERE ÁRE NSF

A ERE NCI

DE NCI A ÁRE ERE NSF TRA

TRA

NSF TRA

J3

TRA NSF

J4 TRA

DE NC A ÁRE ERE NSF

IA

P1

A=4,7m²

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO IA

ÁREA=57,6m²

DE NCI A ÁRE ERE NSF TRA IA DE NC A ERE ÁRE NSF

DORMITÓRIO QUÁDRUPLO

TRA

P1

P1

A

A

DE NC ERE ÁRE NSF TRA

ÁREA=57,6m²

A

DE

NCI

ÁRE

A

ERE NSF TRA

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 102

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO HIDRAULICA - TÉRREO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA DE HIDRÁULICA - 1º PAV. B

A

SUBIDA

i=8,33% i=8,33% i=8,33%

i=8,33% i=8,33%

0,98

1,03

1,00

i=8,33%

1,00

1,00

1,00

1,00

0,88

1,03

1,00

1,00

1,00

1,00

0,98

1,03

1,00

1,00

1,00

1,00

PÉ DIREITO DUPLO

SUBIDA

ESCALA

1:800 103

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA NITO SONA

ALÍCIO DE CARVALHO

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

PLANTA CHAVE

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

B

TABELA DE ESQUADRIAS ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO HIDRAULICA - 1º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA DE HIDRÁULICA - 1º PAV. PATAMAR

i=8,33%

P3

P3

PATAMAR

SUBIDA

SUBIDA

i=8,33%

i=8,33% i=8,33%

i=8,33%

i=8,33%

i=8,33%

i=8,33%

i=8,33% i=8,33%

ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA

LOJA ÂNCORA 7 ARTIGOS ESPORTIVOS

SUBIDA

ÁREA=144m²

ÁREA=146m²

SUBIDA

SUBIDA

PATAMAR

P1

REFEITÓRIO

P1

P1

LOJA 5 ARTIGOS ESPORTIVOS

LOJA 4 ARTIGOS ESPORTIVOS

J3

LOJA 6 ARTIGOS ESPORTIVOS

ÁREA=359m²

J4

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

P2

DORMITÓRIO TRIPLO ÁREA=53m²

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

J1

CI

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1 J3

J1

P1

DORMITÓRIO TRIPLO ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=53m²

P2

J4

J4

P2

DORMITÓRIO TRIPLO ÁREA=53m²

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

J1

CI

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1

J1

P1

DORMITÓRIO TRIPLO ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA=53m²

J3

P2

J4

J4

P2

DORMITÓRIO TRIPLO ÁREA=53m²

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1

J1

CI

i=8,33%

i=8,33%

i=8,33% i=8,33% i=8,33% i=8,33%

ESPAÇO DE JOGOS

A

A BID

ERE NSF

IA

DE

NCI

ERE

ÁRE

C J1

TRA

A

DE

ÁRE

A

A

P1

NC

J1

I

P2

J4

SU

P1

DE

ÁRE

IA DE NC A ERE ÁRE NSF

P2

DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

IA

P1

J4

A

A NCI ERE NSF TRA

TRA

NSF TRA

DORMITÓRIO TRIPLO

I C

A NCI ERE NSF

J1 TRA

DE NCI A ÁRE ERE NSF TRA

DE

ÁRE

IA

P1 DE

TRA

A

ERE

NSF

NCI

ERE

ÁRE

NSF

DE

A

J1 TRA

NCI

ERE

A

DE

ÁRE

NC

A

ÁREA=53m²

A

P1

A

DORMITÓRIO TRIPLO

ÁRE

P1

A

P2

J4

ÁREA=53m²

NSF

DE

IA

P1

ÁRE

P2

DE NCI A ÁRE ERE NSF TRA

A

J4

IA

DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

A NCI

TRA

ERE NSF TRA

A

DE NC A ERE ÁRE NSF

TRA

DORMITÓRIO TRIPLO

A DE NCI A ÁRE ERE NSF A

ÁREA=53m²

DE

NCI

A

ÁRE

ERE

P1

DORMITÓRIO TRIPLO

TRA

P1

ÁREA=53m²

NSF

IA DE NC A ERE ÁRE NSF TRA

TRA

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 104

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO HIDRAULICA - 1º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA DE HIDRÁULICA - 2º PAV. B

4.19

A

RECEPÇÃO

14.70

3.00 DESCIDA

CI

CI ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

A=68m²

1.72

A=68m²

1.20 i=8,33%

2.25

VESTIÁRIO MASCULINO

i=8,33%

ESPAÇO ESPERA DESCANSO

2.40

6.60

6.80

i=8,33%

9.00

6.00

i=8,33%

1.50

ÁREA DE TRANSFERENCIA

D

i=8,33%

2.00

ÁREA DE TRANSFERENCIA

FEMININO

i=8,33%

9.21

8.00 VESTIÁRIO

ÁREA DE TRANSFERENCIA

4.20 2.20 P1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

7.70

6.00

5.80

J5

COPA A=44m²

J5

SANITÁRIO FEMININO

7.70

5.80

A=24m²

4.00

P2

P1 J5

P1

PCD

6.00

SALA DE DESCANSO

7.70

J5

PCD

P1

J5

P1 SANITÁRIO MASCULINO A=24m²

A=83,4m²

J5 6.00

4.00 12.00 P2

P2

6.00 J5

J5 J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

J5

6.00

A=66m²

SALA EXAMES

11.77

SALA DE MASSOTERAPIA

A=81m²

SALA DE NUTRIÇÃO

SALA DE PSICOLOGIA

SALA DE ENFERMAGEM

A=42m²

A=42m²

A=42m²

7.20 P2

7.00

P2

7.00

P2

P2

P2

ÁREA DE ESPERA/CONVIVÊNCIA

SANITÁRIO MASC.

P2

P2

P2

P2

P2

P2

20.80

17.00

7.99

9.55

2.80

A=32m²

4.00

P1

PCD FEM.

SALA DE FISIOTERAPIA PCD MASC.

9.58

A=294m²

P1

7.20

PCD A=3,7m²

P1

P1

J3

VEST. MASC. 5.20

VEST. FEM A=30m²

P3

P4

P3

2.00

4.00

CI

P1

7.20 1.50

A=32m²

17.78

A=289m²

ACADEMIA P1 SANITÁRIO FEMININO

2.50 PCD

A=3,7m²

A=30m²

6.40 J5

CI

2.05

J5

J5

J5

J5

J5

CI

SUBIDA

2.00

4.12

ESCALA

1:800 105

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

B

TABELA DE ESQUADRIAS

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO HIDRAULICA - 2º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


PLANTA DE HIDRÁULICA - 2º PAV. 6.80

J3 i=8,33%

i=8,33%

3.60

SANITÁRIO FEMININO

i=8,33%

A=17m²

SANITÁRIO MASCULINO

P1

A=16m²

P1

i=8,33%

SALA DE ASSITENCIA SOCIAL

J3

CI

4.76

i=8,33%

J3

A=120m²

i=8,33%

17.94

D

SUBIDA

6.44 J3

SALA DE ADMINISTRAÇÃO A=62,7m²

J3

6.44

9.80

J3

ÁREA DE CONVIVÊNCIA/ SALA DE ESPERA

SALA DE RH A=63m²

7.62

4.2 8

ARQUIVO

P1 3.95

A=27m²

J3

A=63m²

6.09 2.60

8.00 J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

3.00

9.80

SALA DE REUNIÃO 2 J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

6.00

RECEPÇÃO

VARANDA A=9,6m²

A=48m²

3.70

P2

DORMITÓRIO DUPLO J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

6.44

P2

P1

SALA DE REUNIÃO 1

J3

J1

CI

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

J1

P2 A=4,7m²

DORMITÓRIO DUPLO A=48m²

3.70

A=63m²

ÁREA DE TRANSFERENCIA

VARANDA A=9,6m²

J3 2.60 J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

7.17

J3

8.00 ÁREA DE TRANSFERENCIA

6.00

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2

VARANDA A=9,6m²

P2

SALA DE COORDENAÇÃO DORMITÓRIO DUPLO

A=70,2m²

A=48m²

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P2

J1

CI

ÁREA DE TRANSFERENCIA

P1

P1 9.80

J1

P2 A=4,7m²

17.94

DORMITÓRIO DUPLO ÁREA DE TRANSFERENCIA

ÁREA DE TRANSFERENCIA

A=170m²

ÁREA DE TRANSFERENCIA

SALA DE DESCANSO

J3

ÁREA DE TRANSFERENCIA

A=48m²

J3

P2

VARANDA A=9,6m²

J3

J3

VARANDA A=9,6m²

P2

DORMITÓRIO DUPLO A=48m²

J3

J3

J3

J3

J3

P2 A=4,7m²

J1

ÁREA DE TRANSFERENCIA

10.15

J3

P1

CI

i=8,33%

J3

i=8,33%

i=8,33% i=8,33% i=8,33% i=8,33%

A SU

BID

P1

A

J3

0

3.7

VARANDA

DE NC A ÁRE ERE NSF

IA

ERE

IA TRA

DE NCI A ÁRE ERE NSF

A

DE

A ÁRE

A=9,6m²

DORMITÓRIO DUPLO

P2

A=48m²

J3 VARANDA

TRA

A DE NCI A ÁRE ERE NSF

NC

TRA

J1

NSF

P2

TRA

8.0

0

2.6 0

J1 A=9,6m²

C

P2

I

A=9,6m²

P2

A=9,6m²

J3

A=48m²

VARANDA P2

J1 DE NC A ÁRE ERE NSF

IA

ERE

IA A

DE

ÁRE

DE NCI A ÁRE ERE NSF TRA

NC

TRA

J1 NSF

DE NCI A ÁRE ERE NSF

TRA

P2

A

P1

A

A=9,6m²

CI

P1

A=9,6m²

DORMITÓRIO DUPLO

TRA

0 6.0

DORMITÓRIO DUPLO

A=9,6m²

A=48m²

J3 VARANDA

TRA

DE NCI A ÁRE ERE NSF

A

P2

P2

A=9,6m²

DORMITÓRIO DUPLO

DE NC A ÁRE ERE NSF

TRA

IA

P1

A=48m²

P1

TABELA DE ESQUADRIAS

ESCALA

1:800 106

RUA NITO SONA

FOLHA

ALÍCIO DE CARVALHO

AVENIDA BÉLGICA

RUA PROF. LUCINDA BASTOS

ALÍCIO DE CARVALHO

PLANTA CHAVE

CAMPO FUTEBOL DE 7

AVENIDA BÉLGICA

ITEM LARGURA ALTURA PEITORIL P1 1,10m 2,10m P2 1,80m 2,10m P3 4,00m 2,10m P4 2,20m 2,10m J1 0,80m 0,50m 1,50m J2 0,80m 0,80m 1,20m J3 1,00m 2,00m 1,00m J4 1,00m 0,90m 1,00m J5 1,00m 1,50m 1,00m

N RUA PEDRO PAULO DOS SANTOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO HIDRAULICA - 2º PAVIMENTO ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


ELEVAÇÕES FACE OESTE

FACE LESTE

FACE NORTE

FACE SUL

ESCALA

1:500 FOLHA 107

FACE SUL

FACE NORTEDE CURSO TRABALHO DE CONCLUSÃO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO ELEVAÇÕES ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


CORTES CORTE AA 9,60m

3,00

3,20

COBERTURA

6,40m 2º PAVIMENTO

1,00

10,60m

3,00

3,20

COBERTURA

7,40m

4,20m

6,20

3,00

3,20

2º PAVIMENTO

2,80

3,00

3,20

1º PAVIMENTO

1,00m

1,00

TÉRREO

CORTE BB 9,60m 3,20

COBERTURA

6,40

6,40m

3,20

3,20m 1º PAVIMENTO

3,20

3,20

6,40

9,60

2º PAVIMENTO

3,00

0,00m TÉRREO

2,00

TÉRREO

1,50

0,00m

3,00

1º PAVIMENTO

6,90

6,20

3,20m

-2,00m PISCINA

ESCALA

1:500 108

FOLHA

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO CORTE AA E BB ALUNA FABIANA MIWA MORI - RGM: 11151103418 ORIENTADOR ANO PAULO PINHAL 10ºSEMESTRE UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES TEMA

ASSUNTO


REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA BREGUEZ, M. O Esporte Moderno. 2011. Disponível em: <http://historiaeducacaofisica.blogspot.com/2011/11/o-esporte-moderno.html>. Acesso em: 31 mar. 2019. ZINE, Dica. A Evolução do esporte no Brasil. 2016. Disponível em: <https://www.dicazine.com.br/a-evolucao-do-esporte-no-brasil>. Acesso em: 31 mar. 2019. EDUCAÇÃO, Colonista Portal. A HISTORIA DO ESPORTE. 2016. Disponível em: <https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/educacao-fisica/a-historia-do-esporte/50997>. Acesso em: 31 mar. 2019. EDUCAÇÃO, Escola. Bocha adaptada ou paraolímpica – História, regras e classificação. 2017. Disponível em: <https://escolaeducacao.com.br/bocha-adaptada/>. Acesso em: 31 mar. 2019. REGRAS, Sport. Basquetebol em Cadeira de Rodas Source: https://sportsregras.com/basquetebol-cadeira-rodas-historia-regras/. Disponível em: <https://sportsregras.com/basquetebol-cadeira-rodas-historia-regras/>. Acesso em: 31 mar. 2019. LIMA, Bruno de. Basquete em cadeira de rodas. 2016. Disponível em: <http://www.brasil2016.gov.br/ptbr/megaeventos/paraolimpiadas/modalidades/basquete-em-cadeira-de-rodas>. Acesso em: 31 mar. 2019. EDUCAÇÃO, Escola. Futebol de 5 – História, Regras, Curiosidades, Campo e Como Jogar. 2017. Disponível em: <https://escolaeducacao.com.br/futebol-de-5/>. Acesso em: 30 mar. 2019. EDUCAÇÃO, Secretaria da. Goalball. 2011. Disponível em: <http://www.educacaofisica.seed.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=126>. Acesso em: 30 mar. 2019. ESPORTE.COM, Globo. Sob chuva, Rio lava a alma e dá adeus à Olimpíada que vai deixar saudade. 2016. Disponível em: <http://globoesporte.globo.com/olimpiadas/noticia/2016/08/sob-chuva-rio-lava-alma-e-da-adeus-olimpiada-que-vai-deixarsaudade.html>. Acesso em: 30 mar. 2019. PESQUISA.COM, Sua. Primeira Olimpíada da Era Moderna Atenas 1896. 2016. Disponível em: <https://www.suapesquisa.com/olimpiadas/primeira_olimpiada.htm>. Acesso em: 30 mar. 2019. ACM. CRIAÇÃO DO BASQUETE. 2014. Disponível em: <http://www.acm-rs.com.br/portal2/atividade/criacao-do-basquete/>. Acesso em: 30 mar. 2019. NATAÇÃO, Manancial. História da Natação. 2011. Disponível em: <http://manancialnatacao.blogspot.com/2011/02/historia-danatacao.html>. Acesso em: 30 mar. 2019. VON GROLL, Marcus. Origem e História do Futebol no Mundo. 2011. Disponível em: <http://travinha.com.br/2011/01/28/futebol-ahistoria/>. Acesso em: 30 mar. 2019.

109


REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA DANTAS, Tiago. A importância dos Jogos Olímpicos. 2012. Disponível em: <https://brasilescola.uol.com.br/educacao-fisica/a-importanciados-jogos-olimpicos.htm>. Acesso em: 30 mar. 2019. ELAIA. Olimpíadas da Antiguidade e da Modernidade. 2013. Disponível em: <http://olimpoantigomoderno.blogspot.com/2013/11/olimpiadas-modernas-parte2.html>. Acesso em: 30 mar. 2019. COUTO, Vanessa Rodrigues. Jogos Olímpicos. 2011. Disponível em: <https://www.infoescola.com/esportes/jogos-olimpicos-olimpiadas/>. Acesso em: 30 mar. 2019 MATERIA, Toda. Basquetebol. 2018. Disponível em: <https://www.todamateria.com.br/basquetebol/>. Acesso em: 30 mar. 2019. VON GROLL, Marcus. História da Natação. 2011. Disponível em: <http://travinha.com.br/2011/01/20/natacao-a-historia/>. Acesso em: 30 mar. 2019. MASSARANI, Luisa; CASTRO, J. Almeida. História do Futebol. 2012. Disponível em: <https://www.suapesquisa.com/futebol/>. Acesso em: 30 mar. 2019. DOLZAN, Marcio. Flamengo defende contêineres em CT: 'Era um alojamento confortável'. 2019. Disponível em: <https://esportes.estadao.com.br/noticias/futebol,flamengo-defende-conteineres-em-ct-era-um-alojamento-confortavel,70002714820>. Acesso em: 09 fev. 2019. DESENHO UNIVERSAL ESTILO. Sport e Fitness Center para pessoas com deficiencia. 2012. Disponível em < http://www.universaldesignstyle.com/sports-fitness-center-for-persons-with-disabilities/ > Acesso em 11 de março de 2019. NIRSA. Centro de esportes e fitness Ability 360. 2012. Disponível em < https://nirsa.net/nirsa/portfolio-items/ability360-sports-and-fitnesscenter/ > Acesso em 11 de março de 2019. ARCH DAILY. Esporte e fitness center para pessoas com deficiência / Baldinger Architectural Studio . 2015. Disponível em < https://nirsa.net/nirsa/portfolio-items/ability360-sports-and-fitness-center/ > Acesso em 11 de março de 2019. ARCH DAILY. Centro Paralímpico Brasileiro. Arquitetura Esportiva. 2016. Disponível em < https://www.archdaily.com.br/br/798670/centroparaolimpico-brasileiro-l-plus-m > Acesso em 10 de março de 2019. QUEIROZ, Guilherme. Veja, SP. Centro Paralímpico recebe competição internacional com entrada gratuita. Cidades. 2018. Disponível em < https://vejasp.abril.com.br/cidades/centro-paralimpico-recebe-competicao-internacional-com-entrada-gratuita/ > Acesso em 10 de março de 2019. DO PORTAL DO GOVERNO. SP inaugura Centro de Treinamento Paraolímpico Brasileiro. Audios. Disponível em < http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/ultimas-noticias/sp-inaugura-centro-de-treinamento-paraolimpico-brasileiro/ > Acesso em 10 de março de 2019. COMITÊ PARALÍMPICO BRASILEIRO. Centro de Treinamento Paraolímpico Brasileiro. Centro de treinamento. 2016. Disponível em < http://www.cpb.org.br/centro-de-treinamento > Acesso em 10 de março de 2019.

110


REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA REDE NACIONAL DO ESPORTE. Centro Paraolímpico Brasileiro: São Paulo. Rede nacional de treinamento. 2016. Disponível em < http://www.brasil2016.gov.br/pt-br/megaeventos/olimpiadas/instalacoes/rede-nacional-de-treinamento/centro-paraolimpico-brasileiro > Acesso em 10 de março de 2019. DO PORTAL DO GOVERNO. Centro Paraolímpico tem estrutura para abrigar 15 modalidades. Empreendimento é fruto de parceria entre o Governo do Estado de São Paulo e o Governo Federal, para incentivar o esporte. 2018 Disponível em < http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/ultimas-noticias/sp-inaugura-centro-de-treinamento-paraolimpico-brasileiro/ > Acesso em 10 de março de 2019. ROSSO, Rodrigo. REVISTA NACIONAL DE REABILITAÇÃO REAÇÃO. Centro Paraolímpico em São Paulo. 2018. Disponível em < https://revistareacao.com.br/centro-de-treinamento-paralimpico-em-sao-paulo/ > Acesso em 10 de março de 2019. PEREIRA, Caio. Steel Frame. 2019. Disponível em: <https://www.escolaengenharia.com.br/steel-frame/>. Acesso em: 24 mar. 2019. PITA, Mariana. Equipamento Público. 2011. Disponível em: <http://infraestruturaurbana17.pini.com.br/solucoes-tecnicas/9/praca-esportivaacessivel-projeto-paradesportivo-realizado-em-bauru-sera-241036-1.aspx>. Acesso em: 24 mar. 2019. JANEIRO, Prefeitura do Rio de. DESCRIÇÃO DAS OBRAS DE ADAPTAÇÃO E DOS SERVIÇOS. 2016. Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/documents/2887926/a706c8c0-a740-4249-9c6b-f43bba5745eb>. Acesso em: 31 mar. 2019. MORAES, Esther. Parque Olímpico é destinado para educação. 2015. Disponível em: <https://entretenimento.band.uol.com.br/melhordatarde/noticias/100000763795/parqueolimpico-e-destinado-para-educacao-.html>. Acesso em: 31 mar. 2019. OLÍMPICO, Aglo – Autoridade de Governança do Legado. ARENA CARIOCA 1. 2017. Disponível em: <http://aglo.gov.br/arena-carioca1/#1511898672030-5159068a-163c>. Acesso em: 30 mar. 2019. MESA, Cbtm - Confederação Brasileira de Tênis de. Projetista mostra maquetes do Parque Olímpico do Rio. 2012. Disponível em: <http://www.cbtm.org.br/projetista-mostra-maquetes-do-parque-ol%C3%ADmpico-do-rio.aspx>. Acesso em: 30 mar. 2019. INTRATOR, Simone. Herança olímpica para os cariocas. 2016. Disponível em: <https://epoca.globo.com/esporte/olimpiadas/noticia/2016/06/heranca-olimpica-para-os-cariocas.html>. Acesso em: 31 mar. 2019. RIO, G1. Como chegar ao Parque Olímpico para a Olimpíada 2016. 2016. Disponível em: <http://g1.globo.com/rio-dejaneiro/olimpiadas/rio2016/noticia/2016/07/como-chegar-ao-parque-olimpico-para-olimpiada-2016.html>. Acesso em: 31 mar. 2019. AQUI, Rio de Janeiro. Parque Olímpico do Rio | Projeto e Funcionamento. 2015. Disponível em: <https://www.riodejaneiroaqui.com/olimpiadas2016/parque-olimpico-rio.html>. Acesso em: 30 mar. 2019. RABELLO, Sonia. “Parque Olímpico” e os edifícios na beira da Lagoa de Jacarepaguá. 2011. Disponível em: <http://www.soniarabello.com.br/parque-olimpico-e-os-edificios-na-beira-da-lagoa-de-jacarepagua/>. Acesso em: 31 mar. 2019. ARQUITECTOS, Ccr. Parque Olímpico Rio 2016. 2015. Disponível em: <https://ccr-arquitectos.com/concursos/rio/>. Acesso em: 30 mar. 2019.

111


REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ALFANO, Bruno. Parque Olímpico abre as portas e suas quadras para os cariocas. 2018. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/rio/parqueolimpico-abre-as-portas-suas-quadras-para-os-cariocas-22643793>. Acesso em: 31 mar. 2019. JANEIRO, Prefeitura da Cidade do Rio de. Parque Olímpico. 2014. Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/web/subpe/parque-olimpico>. Acesso em: 31 mar. 2019. BATISTA, Rafael. Olimpíadas Rio 2016. 2016. Disponível em: <https://brasilescola.uol.com.br/educacao-fisica/olimpiadas-rio-2016.htm>. Acesso em: 31 mar. 2019. PESQUISA.COM, Sua. Olimpíadas do Rio de Janeiro 2016. 2015. Disponível em: <https://www.suapesquisa.com/olimpiadas2016/>. Acesso em: 31 mar. 2019. DELMAZO, Carol. Secretaria Especial do Esporte. 2016. Disponível em: <http://www.esporte.gov.br/m/index.php/ultimas-noticias/209-ultimasnoticias/54308-quadra-central-do-centro-olimpico-de-tenis-e-entregue>. Acesso em: 30 mar. 2019. OBRAS, Por Dentro das. Centro Internacional de Transmissão é entregue ao Comitê Rio 2016. 2015. Disponível em: <http://www.brasil2016.gov.br/pt-br/noticias/centro-internacional-de-transmissao-e-entregue-ao-comite-rio-2016>. Acesso em: 31 mar. 2019. MARAVILHOSA, Rio Cidade. Parque Aquático Maria Lek. 2016. Disponível em: <http://www.riocidademaravilhosa.com.br/riodejaneiro/destaque/rio2016/barra-olympic-park-marialenk-aquatics-centre.htm>. Acesso em: 31 mar. 2019. CONTEðDO, Estadão. Rio-2016 e CBDA confirmam que Maria Lenk será no Estádio Aquático Olímpico Fonte: Esporte - iG @ https://esporte.ig.com.br/olimpiadas/2016-03-16/rio-2016-e-cbda-confirmam-que-maria-lenk-sera-no-estadio-aquatico-olimpico.html. 2016. Disponível em: <https://esporte.ig.com.br/olimpiadas/2016-03-16/rio-2016-e-cbda-confirmam-que-maria-lenk-sera-no-estadio-aquatico-olimpico.html>. Acesso em: 31 mar. 2019. GELINSKI, Gilmara. FACHADAS CONTÍNUAS UNEM AS TRÊS ARENAS. 2016. Disponível em: <https://www.arcoweb.com.br/finestra/arquitetura/especial-rio-2016-fachadas-continuas-unem-tres-arenas>. Acesso em: 31 mar. 2019. SILVEIRA, Daniel. INFRAESTRUTURA RIO 2016: ACERTOS X ERROS. 2016. Disponível em: <http://especiais.g1.globo.com/rio-dejaneiro/olimpiadas/rio2016/2016/olimpiada/>. Acesso em: 31 mar. 2019. AMORIM, Kelly. CENTRO INTERNACIONAL DE TRANSMISSÃO É O PRIMEIRO EQUIPAMENTO CONCLUÍDO NO PARQUE OLÍMPICO, NO RIO DE JANEIRO. 2015. Disponível em: <http://www.hidraulicapotenza.com.br/noticia/centro-internacional-de-transmissao-e-o-primeiro-equipamentoconcluido-no-parque-olimpico-no-rio-de-janeiro>. Acesso em: 31 mar. 2019. MACEDO, Aline. Estrutura da Arena do Futuro será usada para construir quatro escolas em Caxias. 2018. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/rio/estrutura-da-arena-do-futuro-sera-usada-para-construir-quatro-escolas-em-caxias-22525627>. Acesso em: 31 mar. 2019. ESPORTE.COM, Globo. Sede da natação e do polo tem 98% de obras concluídas e piscina cheia. 2016. Disponível em: <http://globoesporte.globo.com/olimpiadas/noticia/2016/03/sede-da-natacao-e-do-polo-tem-98-das-obras-concluidas-e-piscina-cheia.html>. Acesso em: 30 mar. 2019.

112


REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA PRANDI, Jair. Estádio Nacional de Pequim – Ninho do pássaro. 2012. Disponível em: <https://megaengenharia.blogspot.com/2012/10/estadionacional-de-pequim-ninho-do.html>. Acesso em: 31 mar. 2019. 27S, Bird. Estádio olímpico de Pequim. 2012. Disponível em: <https://pt.wikiarquitectura.com/constru%C3%A7%C3%A3o/estadio-olimpico-depequim/#bird27s-nest-20>. Acesso em: 30 mar. 2019. WEBB, Michael. National Stadium in Beijing by Herzog and de Meuron. 2015. Disponível em: <https://www.architecturalreview.com/today/national-stadium-in-beijing-by-herzog-and-de-meuron/8690029.article>. Acesso em: 31 mar. 2019. SAYEGH, Simone. Ninho de aço. 2007. Disponível em: <http://techne17.pini.com.br/engenharia-civil/128/artigo285412-1.aspx>. Acesso em: 31 mar. 2019 LIMITED, Verdict Media. Beijing National Stadium, ‘The Bird’s Nest’. 2006. Disponível em: <https://www.designbuildnetwork.com/projects/national_stadium/>. Acesso em: 31 mar. 2019. (CBBC), Confederação Brasileira de Basquete em Cadeira de Rodas. Basquete em cadeira de rodas. 2016. Disponível em: <http://www.brasil2016.gov.br/pt-br/megaeventos/paraolimpiadas/modalidades/basquete-em-cadeira-de-rodas>. Acesso em: 31 mar. 2019. REGRAS, Sport. Basquetebol em Cadeira de Rodas [História, Regras, …] Source: https://sportsregras.com/basquetebol-cadeira-rodas-historiaregras/. 2017. Disponível em: <https://sportsregras.com/basquetebol-cadeira-rodas-historia-regras/>. Acesso em: 31 mar. 2019. BRASILEIRO, ComitÊ ParalÍmpico. Basquete em Cadeira de Rodas. 2016. Disponível em: <http://www.cpb.org.br/modalidades-visualizacao//asset_publisher/4O6JOgZOhDhG/content/id/22670>. Acesso em: 31 mar. 2019. BRASILEIRO, ComitÊ ParalÍmpico. Vôlei Sentado. 2016. Disponível em: <http://www.cpb.org.br/modalidades-visualizacao//asset_publisher/4O6JOgZOhDhG/content/id/22855>. Acesso em: 31 mar. 2019. SENTADO, Cbbc - ConfederaÇÃo Brasileira de Basquetebol. CBBC CALENDÁRIO ANUAL. 2017. Disponível em: <https://www.cbbc.org.br/>. Acesso em: 31 mar. 2019. ESPORTE, Rede Nacional do. Vôlei sentado. 2017. Disponível em: <http://www.brasil2016.gov.br/ptbr/megaeventos/paraolimpiadas/modalidades/volei-sentado>. Acesso em: 31 mar. 2019. ESPORTIVA, Arquitetura. Atletismo – Paralímpico. 2016. Disponível em: <http://www.winarquitetura.com.br/2015/07/06/atletismo-paralimpico/>. Acesso em: 31 mar. 2019. FRANCISCO, Portal SÃo. Atletismo Paraolímpico. 2017. Disponível em: <https://www.portalsaofrancisco.com.br/esportes/atletismo-paraolimpico>. Acesso em: 31 mar. 2019. LIVRE, Wikipédia A Enciclopédia. Atletismo paralímpico. 2019. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Atletismo_paral%C3%ADmpico>. Acesso em: 31 mar. 2019. PROTEÇÃO, Elasta - Pisos de. Entenda do que é composta a pista de atletismo. 2017. Disponível em: <https://www.elasta.com.br/pista-deatletismo/>. Acesso em: 31 mar. 2019. BRASILEIRO, ComitÊ ParalÍmpico. BOCHA. 2016. Disponível em: <http://www.cpb.org.br/modalidades/bocha>. Acesso em: 31 mar. 2019.

113


REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA CRISS, Professora. NATAÇÃO PARA DEFICIENTES VISUAIS. 2014. Disponível em: <http://tudosobrenatacao.blogspot.com/2014/05/natacaopara-deficientes-visuais.html>. Acesso em: 30 mar. 2019. COCCARELLI, Joana. Piscina Olímpica e Semi Olímpica: Medidas e Manutenção. 2001. Disponível em: <https://www.fazfacil.com.br/reformaconstrucao/piscina-olimpica-semi-olimpica/>. Acesso em: 30 mar. 2019. DUTRA, Priscila. Balanço adaptado para criança com deficiência. 2014. Disponível em: <http://reabinfantil.blogspot.com/2014/09/balancoadaptado-para-crianca-com.html>. Acesso em: 31 mar. 2019. SHIMOSAKAI, Ricardo. Playground pode ter brinquedos adaptados à criança deficiente. 2013. Disponível em: <https://turismoadaptado.com.br/playground-pode-ter-brinquedos-adaptados-a-crianca-deficiente/>. Acesso em: 31 mar. 2019. CONTAIFER, Matheus. Projeto para adaptar parquinhos para crianças com deficiência agrada. 2017. Disponível em: <http://www.amparedf.org.br/projeto-para-adaptar-parquinhos-para-criancas-com-deficiencia-agrada/>. Acesso em: 31 mar. 2019. VOITILLE, Nadine. Banheiro Adaptado. 2013. Disponível em: <https://www.cliquearquitetura.com.br/artigo/banheiro-adaptado.html>. Acesso em: 31 mar. 2019. PAIXÃO, Luciana. Como projetar banheiros adaptados. 2016. Disponível em: <https://www.aarquiteta.com.br/blog/projetos-dearquitetura/aprenda-a-projetar-banheiros-adaptados/>. Acesso em: 31 mar. 2019. FROTA, Thais. Vestiário e Cabine Individual. 2010. Disponível em: <https://thaisfrota.wordpress.com/2010/02/05/vestiario-e-cabine-individual/>. Acesso em: 30 mar. 2019. VOLEIBOL, Fp. HISTÓRIA DO VOLEIBOL EM PORTUGAL. Disponível em: <http://www.fpvoleibol.pt/historia/historiavoleibol-portugal.php>. Acesso em: 04 abr. 2019. MATÉRIA, Toda. Voleibol. Disponível em: <https://www.todamateria.com.br/voleibol/>. Acesso em: 04 abr. 2019. PESQUISA.COM, Sua. Atletismo. Disponível em: <https://www.suapesquisa.com/educacaoesportes/atletismo.htm>. Acesso em: 05 abr. 2019. IANNI, Fernando. A trajetória do treinamento desportivo: do empirismo ao cientificismo. 2008. Disponível em: <https://universidadedofutebol.com.br/a-trajetoria-do-treinamento-desportivo-do-empirismo-ao-cientificismo/>. Acesso em: 06 abr. 2019. MARTINS, Simone. ESTÁDIO PANATENAICO. 2018. Disponível em: <https://www.historiadasartes.com/sala-dos-professores/estadiopanatenaico/>. Acesso em: 05 abr. 2019. PEREIRA, Monica. 1928: Jogos de Amsterdã. 2016. Disponível em: <https://www.aredacao.com.br/colunas/72894/1928-jogos-de-amsterda>. Acesso em: 05 maio 2019. VINOKUROV, Aleksandr. Estádio Olímpico de Amsterdã. Disponível em: <https://pt.advisor.travel/poi/Estadio-Olimpico-de-Amsterda-1228>. Acesso em: 05 maio 2019. ANGELES, Discover Los. Los Angeles Memorial Coliseum. 2019. Disponível em: <https://www.discoverlosangeles.com/br/los-angeles-memorialcoliseum-a-hist%C3%B3ria-de-um-%C3%ADcone-de-los-%C3%A1ngeles>. Acesso em: 05 maio 2019 ESPORTE, Globo. Palco dos Jogos de Londres 2012, Estádio Olímpico tem foco de incêndio. 2014. Disponível em: <http://globoesporte.globo.com/olimpiadas/noticia/2014/10/palco-dos-jogos-de-londres-2012-estadio-olimpico-tem-fogo-de-incendio.html>. Acesso em: 05 maio 2019.

114

Profile for fabiana.miwa

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ARQUITETURA - CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO  

ESTE TRABALHO TEM COMO INTUITO DEMONSTRAR A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA ESPORTIVA NO MEIO SOCIAL, ENVOLVENDO A INCLUSÃO SOCIAL E A VALORIZAÇÃO D...

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ARQUITETURA - CENTRO DE TREINAMENTO ESPORTIVO  

ESTE TRABALHO TEM COMO INTUITO DEMONSTRAR A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA ESPORTIVA NO MEIO SOCIAL, ENVOLVENDO A INCLUSÃO SOCIAL E A VALORIZAÇÃO D...

Advertisement