Page 1

Março 2014 nº 233

ORGÃO OFICIAL da FEDERAÇÃO de MOTOCICLISMO de PORTUGAL

Federação de Motociclismo de Portugal, Largo Vitorino Damásio, 3 C - Pavilhão 1 - 1200 - 872 Lisboa Tel: 213936030/Fax: 213971457 www.fmportugal.pt fmp-geral@netcabo.pt

Editorial O Relatório de Gestão e Contas relativos ao exercício de 2013 da Federação de Motociclismo de Portugal foi aprovado em Assembleia Geral Ordinária realizada em Lamego. Aqui reitero os meus agradecimentos à Câmara Municipal e ao Clube Automóvel de Lamego pela boa organização e amável recepção. Iniciámos os nossos eventos internacionais de 2014 em Portugal com a prova do Campeonato do Mundo de Enduro em Vale de Cambra. Foi com grande satisfação que acompanhei a prova

e com muito orgulho que recebi felicitações de várias pessoas e entidades, nacionais e internacionais, pela excelente organização do evento. Bem evidente a competência e experiência do Sport Clube de Cambra. Parabéns ao Paulo Gonçalves que abriu a época de 2014 com uma brilhante vitória no “Abu Dhabi Desert Challenge”, primeira prova do campeonato do mundo de “Cross-Country Rallies”, em que o nosso Campeão ostenta o número “1” por todos desejado. Manuel Marinheiro


Noticiário

“Speedy” vence no Abu Dhabi

PAULO GONÇALVES começou da melhor maneira a defesa do seu título de Campeão do Mundo de Todo-o-Terreno, ao vencer a primeira prova do campeonato, o Abu Dhabi Desert Challenge. O piloto português começou a semana da prova no 3º posto, subindo um degrau na 4ª e penúltima etapa, com a desistência de Sam Sunderland, e colocando-se a 1m31s do líder Marc Coma. O espanhol, que tinha sido segundo na 4ª etapa , atrás de Barreda e na frente de Gonçalves, partiu assim para o último dia dois minutos antes do piloto português. Coma e Barreda abriram a pista, e foram alcançados por Paulo Gonçalves ao segundo check point. A partir daqui, bastava ao português não deixar fugir Marc Coma, mesmo que terminassem lado a lado, e foi o que aconteceu. Contas feitas à derradeira etapa, Gonçalves vencia a tirada com 1m51s de avanço sobre Coma, e ganhava o rali por 20 segundos ao cabo de cinco dias de prova. Joan Barreda foi 3º e Hélder Rodrigues foi 4º, terminando em 7º da geral, após uma prova bastante condicionada pelo problema elétrico sofrido na sua moto logo na etapa inaugural. No final, Paulo Gonçalves considerou esta uma “excelente conquista alcançada pelo Team HRC, contra grandes pilotos, valorizo muito esta vitória, mas temos de continuar a trabalhar. O Campeonato é longo, à semelhança daquilo que foi o ano passado, os adversários têm um nível elevadíssimo, mas estamos confiantes porque temos equipa, temos pilotos e tudo aquilo que precisamos para continuar a vencer”.

Altos e baixos para Oliveira MIGUEL OLIVEIRA teve um início de Campeonato de altos e baixos, com o 4º posto no Qatar e o 15º lugar em Austin. O piloto português, que alinha pelo segundo ano com a Mahindra no Mundial de Moto3, esteve em altíssimo nível na abertura do campeonato, na corrida noturna de Losail, e chegou a passar pelo 2º posto na última volta, acabando por descer para o quarto lugar na ponta final, perdendo o pódio por escassas milésimas de segundo. Na prova seguinte, no circuito das Américas, não se conseguiu encontrar

a afinação ideal para a Mahindra, e, após ter partido do 18º posto da grelha, teve de sair de pista e regressar em penúltimo, encetando depois uma grande recuperação que o levou a salvar o último dos lugares pontuáveis, o 15º lugar um resultado que Oliveira considerou “longe do objetivo previsto, foi a segunda pior classificação de toda a minha carreira desportiva. Dos treinos para a corrida mudámos toda afinação da moto, mas não foi suficiente para poder fazer uma recuperação como já tenho feito em outras corridas.”

FICHA TÉCNICA Edição: Direção da Federação de Motociclismo de Portugal; Fotografia: Arquivo Motociclismo; Produção: Motorpress Lisboa. Impressão e distribuição: Lidergraf 2 motoportugal


Assembleia Geral em Lamego LAMEGO acolheu mais uma Assembleia Geral da FMP, tendo sido aprovado o Relatório de Gestão e as Contas referentes ao exercício de 2013. O Clube Automóvel de Lamego foi o digno anfitrião desta Assembleia, no Salão Nobre da Câmara Municipal daquela cidade beirã. Compareceram delegados de 13 clubes, que apreciaram os documentos em análise, apresentados pelo Presidente da Direcção da FMP, Manuel Marinheiro. No que respeita ao Relatório de Gestão, dois dados merecem saliência: em 2013 verificou-se uma ligeira redução na emissão

Moto-rali dos Motards do Ocidente O TROFÉU NACIONAL de Moto-ralis Turísticos da FMP-BMW-Michelin prossegue a 10 e 11 de Maio, sob a batuta dos Motards do Ocidente. Este ano o clube de Sintra convida-vos a conhecer o interior do nosso país. O concelho de Sardoal é um dos concelhos do Médio Tejo mais a norte do distrito de Santarém. Faz fronteira com os Municípios vizinhos de Abrantes, Mação e Vila de Rei. Pela sua localização geográfica pode considerar -se na confluência de três regiões distintas: Ribatejo, Alentejo e Beira Baixa, a que foi buscar as raízes da sua identidade cultural. Segundo o MCMO, “escolhemos para este Moto -Rali locais em que o percurso tem como elementos dominantes a

paisagem, a cultura e a beleza natural destas terras. A zona do Sardoal é também conhecida por presentear os seus visitantes com uma cozinha rica e variada, fruto dos saberes e sabores ancestrais e das múltiplas influências que decorrem da sua localização geográfica. Venham conhecer o que o interior de Portugal tem de melhor! A boa disposição, já sabem, está garantida! Atrevam-se e desfrutem, porque no Sardoal ninguém é de fora! Inscrições até 8 de maio para o endereço de e-mail motardsocidente@ gmail.com Mais informações: Pedro Alves – 967536153 e Pedro Morais – 912325859, ou na página do Facebook do Moto Clube Motards do Ocidente.

de licenças desportivas face ao ano anterior, apenas de 0,7 % – pois passou de 890 para 884 licenças – o que pode significar o início da inversão da queda verificada desde 2010. Por outro lado, a FMP tutelou 80 provas integradas em Campeonatos e Troféus Nacionais, tal como tinha sucedido em 2012. Apesar da conjuntura financeira desfavorável a FMP continuou a prestar apoio a clubes e associações, contribuindo para a viabilização de eventos e assegurando uma forte dinâmica do motociclismo em Portugal, seja em termos desportivos ou de mototurismo.

Quad-Cross e MX a norte NUMA JORNADA que englobou a primeira ronda do Campeonato Nacional de QuadCross, e ainda uma ronda do Regional Norte de Motocross PentaControl, em São Mamede do Coronado, Trofa, João Vale venceu no QX, com Nelson Silva a impor-se nas duas rodas. Na primeira corrida João Vale liderou todo o tempo, sempre seguido desde a 2ª volta por Firmino Salazar, acabando separados por 24s. Na 2ª manga Diogo Campos ainda andou à frente durante quatro voltas – ele que na corrida anterior se atrasou devido a várias quedas – mas depois João Vale passou adiante para bisar triunfo, com 3s de vantagem sobre Campos. Pedro Silva também repetiu o 3.º posto. Apenas 3 Iniciados estiveram em pista. Na primeira manga mantiveram sempre as mesmas posições relativas, com João Delgado a ganhar diante de Eduardo Santos – que arrancou mal – e Rafael Sousa. Na outra corrida Santos esteve melhor, deixando Delgado a 4,1s. Passando ao Regional Norte de MX, 21 pilotos alinharam na classe Elite, incluindo o único “Pro” presente, Nélson Silva. E foi este, precisamente, que ganhou destacado as duas mangas. Na primeira delas o 2.º colocado foi Rui Azevedo, seguido de João Gomes. Na 2ª manga Gomes e Elias atrasaram-se logo após o arranque. Rui Azevedo ainda andou quatro voltas à frente, mas depois Nélson Silva ditou a sua lei. A classe de MX Promoção reuniu 27 concorrentes. Na primeira ida à pista, Eduardo Rocha comandou boa parte da corrida, mas atrasou-se por queda. Na penúltima volta Filipe Gomes chegou ao comando para vencer, diante de Filipe Souto e Eduardo Rocha. Na outra corrida saiu vencedor Tomás Barros, apenas com 0,8 sobre Filipe Soto.


Noticiário Nacional TT:

Campeões vencem na abertura Rui Gonçalves foi 6º no Brasil DEPOIS DE UM INÍCIO pouco conseguido no Qatar, e de uma prova mais consistente na Tailândia, o português Rui Gonçalves continuou a demonstrar a sua subida de forma na terceira ronda do Mundial de Motocross, na classe MXGP (antes denominada MX1). O piloto da BikeIT Cosworth Yamaha foi sexto da geral, após ter assegurado um 10º e um 7º lugar nas duas mangas disputadas no traçado de Beto Carrero, Brasil. As duas mangas de MXGP foram ganhas pelo campeoníssimo Antonio Cairoli (KTM), que já comanda o campeonato com 30 pontos de avanço sobre Gautier Paulin (Kawasaki), após somente três jornadas do Mundial. Rui Gonçalves é o atual 11º colocado, com 8 pontos a separá-lo de uma

entrada no top 10. Na primeira manga o português entrou bem na ação, pois era sexto na primeira passagem pela meta. Depois desceu alguns lugares, e a partir da sétima volta foi oscilando entre 11.º e 10.º, acabando precisamente no 10.º posto. A história foi outra na segunda corrida. Rui Gonçalves começou por surgir em 11.º, mas melhorou gradualmente o posicionamento, e na derradeira volta ascendeu mesmo ao 7.º lugar em que terminaria. Em MX2, o suíço Arnaud Tonus (Kawasaki) dividiu os triunfos com o holandês Glenn Coldenhoff (Suzuki), e é Tonus que comanda o Mundial da categoria, somente dois pontos na frente de Coldnhoff.

Regional Sintra MX A SEGUNDA RONDA do Campeonato Regional Sintra MX teve lugar na pista de La Vacada, na Marisol, Charneca da Caparica, com vitória de Miguel Gaboleiro na classe Open, que juntou 66 pilotos. Nesta prova que encerrou o programa, Gaboleiro dominou as operações para triunfar com 1m11s de vantagem sobre Ricardo Ayres. No 3.º posto ficou Jorge Leite, a minuto e meio do vencedor, vindo depois Gregory Pierre e Rogério Barrancos. No Troféu Sintra, destinado a pilotos dessa região, impôs-se Tiago Duarte. Nas Clássicas, Sandro Freire e Paulo Cardoso protagonizaram animado despique na 1ª manga, terminando separados por 0,9s, com Freire na dianteira. Na corrida seguinte inverteram o posicionamento, com Cardoso a levar a melhor por 15,6s. Os pilotos de 80cc e 50cc Livre partilharam a pista. Bruno Charrua ganhou destacado as duas mangas, enquanto João Salema foi o segundo mais pontuado da tarde nas 80cc. Quanto às 50cc, Miguel Guimarães foi o melhor na 1ª corrida, e João Miguel na 2ª. Finalmente, entre os Infantis Miguel Coelho venceu folgadamente nas duas idas à pista. Na 1ª foi secundado por Ruben Ferreira, e na outra por Afonso Froufe, com Ferreira em 3.º. 4 motoportugal

O RAID TT DA FERRARIA, que abriu o Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno tendo a vila de Gavião como seu centro nevrálgico, viu os campeões nacionais de 2013 confirmarem o seu estatuto ao vencerem esta prova inaugural do Campeonato Nacional. Numa prova onde se esperava assistir a novo duelo Patrão vs Maio, infelizmente para António Maio e para a corrida, o piloto da Yamaha voltou a sofrer uma violenta queda, que acabaria por condicionar a corrida de vários pilotos que pararam para o socorrer e que apesar de o novo sistema GPS ter permitido que o tempo de paragem lhes fosse descontado, o certo é que muitos partiram psicologicamente condicionados para os quilómetros que se seguiram. Aos comandos da sua Suzuki, o atual campeão nacional Mário Patrão foi claramente o mais rápido nas duas rodas, seguido do jovem Sebastian Buhler, colega de equipa de Maio na Yamaha, que de forma notável levou a sua moto da Classe TT1 a um brilhante lugar no pódio. Terceira posição para o também vencedor da classe TT3, Fauto Mota (KTM). O atual campeão TT1, Domingos Santos (Damotor) terminou a prova na 4ª posição, à frente de Hélder Rodrigues (Honda), enquanto Ruben Faria (KTM) terminou na 7ª posição. De salientar que foram estes dois consagrados pilotos os primeiros a parar para socorrer António Maio e que junto dele permaneceram durante largos minutos. De acordo com as mais recentes informações a queda de António Maio, apesar de violenta e de ter deixado o piloto bastante combalido, não originou nenhuma fratura. Crónico vencedor na competição destinada aos Quad, Roberto Borrego (Yamaha), o atual campeão, confirmou a seu grande favorito. A sua prova ficaria todavia marcada por um acidente, logo na fase inicial do percurso, que deixou a sua Yamaha sem travões nas rodas dianteiras. Isso não o impediu de ir alargando a sua vantagem para o piloto que terminou na segunda posição, o regressado Ricardo Carvalho (Yamaha), antigo campeão da modalidade, que se cifrou no final em 5m42s. Com 3m39ss de desvantagem para o 2º classificado terminou Rui Cascalho (Yamaha) no derradeiro lugar do pódio. Na competição destinada aos Buggy & UTV, a terceira corrida do fim-de-semana a ser disputada e toda ela sob uma forte carga de água, o triunfo acabou por pertencer ao campeão Nuno Tavares (Polaris 900) que se impôs face aos irmãos espanhóis Robert e Teo Viñaras, ambos em Polaris 1000. Depois de uma primeira etapa marcada por uma má escolha de pneus a dupla campeã de 2012, João Lopes/Bruno Santos (Polaris 1000) rubricou o 2º melhor tempo na etapa de Domingo e ascendeu ao 4º lugar, a apenas 10s da derradeira posição do pódio.


Mais um ano à descoberta O MotoCruzeiro de Bragança deu o pontapé de saída para o Troféu de Moto-ralis Turísticos 2014. PELAS FABULOSAS ESTRADAS DO PARQUE NATURAL DE MONTESINHO, essencialmente no concelho de Vinhais, começou o 18º Troféu Nacional de Moto-ralis Turísticos BMW-Michelin 2014 da FMP, sob organização do MotoCruzeiro de Bragança, clube veterano mas a dar os primeiros passos na área do verdadeiro mototurismo. Sob a batuta do esforçado Miguel Sampaio, 37 equipas de todo o país, constituindo um animado de grupo de cerca de 60 mototuristas, deliciaram-se pelos soutos e carvalhais do Nordeste Transmontano. E regressaram deste fim de semana de 29 e 30 de março de barriga cheia de paisagens e… presunto, alheira, chouriça, queijo, carne… De facto, o que faltou em surpresas organizativas, cuidados e requintes mototurísticos, pormenores de road-book ou interpretação da paisagem, encarnação das gentes, usos e costumes, etnografia e arquitectura tradicional, entre muitos outros items desta tão querida actividade motociclística, sobejou em comida e mais comida, algumas das vezes servida em bonitos ambientes de aldeias transmontanas. Pouco após a partida da sede do MotoCruzeiro, no sábado de manhã (um dia muito tristonho, por sinal mas que nunca beliscou a disposição dos participantes), os mototuristas começaram-se a aperceber da incrível simplicidade do road-book, do quão naif eram os “controladores” mas que, em contrapartida, de 30 em 30 minutos havia paragens para comer, de aldeia em aldeia. Foi assim todo o santo sábado que, para além do almoço e jantar, teve mais 5 lanches! Ou seja, se contarmos com o

pequeno-almoço, neste dia tivemos 8 (!) refeições! Então o que aconteceu? Os participantes, de muitos motoclubes, mudaram o chip, alhearam-se das poucas e fáceis perguntas colocadas, esqueceram tempos, difíceis de cumprir devido aos atrasos causados pela comida que ia aparecendo à mesa para surpresa até do próprio clube organizador, juntaram-se em grandes grupos e foram gozando as fantásticas estradas de Montesinho, esquecendo autenticamente o facto de estarem num moto-rali pontuável para o troféu FMP. E assim foram felizes no fim de semana. O tempo chuvoso não ajudava à fotografia, mas os rijos e escarpados vales do Rio Rabaçal ficaram na retina de todos. Encostados à fronteira espanhola, os motociclistas conheceram excelentes estradas, novas ou arranjadas, que quebram agora o isolamento de aldeias como Casares, Espinhosela, Parâmio, Tuizelo, Santalha, Gestosa e Lomba, Dine, Fresulfe e Mofreita. Isto só para referir as cujas Juntas de Freguesia apoiaram o evento. Após um sábado em que a organização narrou uma data de lendas locais, dando ideia de que este moto-rali se poderia chamar “As Mouras de Bragança”, o domingo trouxe ensinamentos: a comprida, interessante e divertida visita guiada ao Parque Biológico de Vinhais mostrou a fauna e flora local e a importância de não causar desequilíbrios no sempre frágil ecossistema que nos rodeia, tão importante para o bem estar da humanidade.

O Parque Biológico de Vinhais é uma obra inspirada no seu congénere de Gaia, mas com as adaptações próprias para Trás-osMontes. Inclusivamente tem casinhas de madeira para receber o visitante. E foi aí que dormiu metade da caravana, entre javalis e corços. Um luxo, adormecer ao som da coruja-do-mato. O domingo ainda traria outra surpresa: a Lorga de Dine, uma gruta natural habitada por antepassados e agora por morcegos incomodados pela nossa presença nas imediações desta bonita aldeia transmontana. Resumo: grande passeio pelo Parque Natural de Montesinho. Regressamos a casa mais gordos e satisfeitos. Para o ano lá estaremos novamente, mesmo sabendo que o MotoCruzeiro não vai evoluir em nenhum aspecto organizativo. Deixem-se estar assim que têm clientela! No pódio final, em Mofreita, Fernando e Carla Silva regressaram às “vitórias”, secundados pelo Tomás Reis e Marco Dias, graças à tentativa de regularidade entre tanta comida e com muita sorte à mistura devido às constantes alterações de horários. Receberam os primeiros Vouchers BMW do ano, neste troféu também patrocinado pela Michelin. Com o interregno do fundador MC Porto que transformou o seu MR num pioneiro evento de mototurismo a 26 de abril próximo, o Troféu FMP continua a 10 e 11 de maio “por Terras Vicentinas”. Não confundam com a costa alentejana. Dedicado a Gil Vicente, o passeio decorrerá no Sardoal sob organização dos Motards do Ocidente: motardsocidente@gmail.com

motoportugal 5


Mundial de enduro Texto: MP/G.I. da prova Fotos: Manuel Magalhães

Domínio laranja O Campeonato do Mundo de Enduro visitou Vale de Cambra, numa prova dominada pelos pilotos oficiais da KTM. FOI UM “OSSO DURO DE ROER”, aquele que a caravana do Mundial de Enduro encontrou em Vale de Cambra, onde o Sport Clube de Cambra colocou de pé a segunda ronda do Campeonato. O percurso era bastante seletivo, ou não estivéssemos a falar dos melhores do Mundo na especialidade, com um piso muito pedregoso, com 48 km a cumprir por quatro vezes em cada dia, e três especiais cronometradas por volta. Os pilotos oficiais da KTM foram os grandes dominadores desta jornada, fazendo um pleno nas três classes principais, que lhes tinha escapado por pouco na semana anterior em Espanha. Antoine Meo triunfou nos dois dias na classe E2, sendo também o melhor em termos absolutos, Christophe Nambotin venceu na E1 também em ambos os dias, tal como Ivan Cervantes fez na E3. Apenas na classe Junior o domínio escapou às motos austríacas, pois voltou a ser a Beta de Daniel McCanney a controlar as operações. Entre os pilotos portugueses, Luís Correia (Beta) voltou a estar em destaque e, depois dos dois quartos lugares em Espanha, voltou a deixar fugir o pódio por pouco. No primeiro dia, Correia entrou na segunda passagem pela Extreme em 4º lugar, mas viu a sua classificação descer para 9º quando a moto ficou presa numa subida, perdendo mais de um minuto só neste percalço. No domingo, o piloto oficial da Beta foi 4º a somente 7 décimas de segundo de um lugar no pódio da classe E3. O piloto ribatejano é agora o 5º colocado do Mundial E3. Quanto a Diogo Ventura (Gas Gas), que também disputará o Mundial na íntegra, foi 6º colocado na classe Júnior nos dois dias, e ocupa idêntica posição na tabela do Campeonato. Presentes estiveram também Gonçalo Reis (KTM), 9º e 10º ma E2, e Joaquim Rodrigues (KTM), que foi desclassificado no primeiro dia por ter recebido auxílio exterior fora da zona de assistência, e abandonou com problemas mecânicos no domingo. Quem, ao contrário do previsto, não esteve presente, foi Luís Oliveira, devido a não ter conseguido assegurar as 6 motoportugal

condições ideais na moto com que iria competir. A prova do Campeonato Mundial atraiu milhares de pessoas à região, e a organização estima que tenham passado em cada dia mais de 15.000 pessoas ao longo das especiais. Também os pilotos elogiaram Vale de Cambra, e a sensação de dever cumprido era bem patente no rosto dos elementos do clube organizador, o Sport Clube de Cambra, nomeadamente em António Carmo, o seu presidente. “Provámos que é possível organizar uma prova com a exigência que uma etapa do Mundial de Enduro exige, satisfazendo o promotor do circuito e os pilotos, bem como as expectativas dos patrocinadores. Foi a terceira vez que o Mundial veio a Vale de Cambra e estou certo que não será a última, assim se voltem a encontrar as vontades de todas as partes envolvidas na tomada de decisão. Uma nota final para o apoio que sentimos por parte da autarquia, em que o seu presidente literalmente vestiu a nossa camisa.” Para José Pinheiro, Presidente da Câmara, “estes eventos permitem trazer até ao nosso concelho milhares de pessoas que assim ficam a conhecer-nos. Quer a nossa habitual cordialidade mas também as potencialidades turísticas que oferecemos. Com a exposição mediática através dos meios de comunicação estrangeiros que aqui estiveram, é, não só Vale de Cambra, mas também Portugal, que vê o seu nome difundido e elogiado. Mas não é só na imagem e notoriedade que estes eventos geram ganhos, pois calculamos que estes dois dias tenham tido um impacto directo na economia da região de vários milhares de euros, e não apenas em Vale de Cambra. A hotelaria registou uma taxa de 100% em Vale de Cambra e também nos concelhos vizinhos de S. João da Madeira, Arouca e Oliveira de Azeméis, ao que devemos somar toda uma actividade adicional do comércio local.” O Campeonato do Mundo de Enduro prossegue na Grécia, a 10 e 11 de Maio.


CLASSIFICAÇÕES – VALE DE CAMBRA Classe E1 – 1.º Dia: 1.º Christophe Nambotin (KTM) 1h19m20,53s; 2.º Eero Remes (TM) a 24,91; 3.º Cristobal Guerrero (KTM) a 30,31; etc.2.º Dia: 1.º Nambotin, 1h16m09,15s; 2.º Remes, a 1.20,64; 3.º Guerrero, a 1.26,47; etc Classe E2 – 1.º Dia: 1.º Antoine Meo (KTM) 1h17m11,11s; 2.º Pierre-Alexandre Renet (Husqvarna) a 4,13; 3.º Alex Salvini (Honda) a 20,29; … 9.º Gonçalo Reis (KTM) a 5.01,13; etc. 2.º Dia: 1.º Meo, 1h16m09,15s; 2.º Renet, a 4.37; 3.º Slvini, a 1.25,10; … 10.º Reis, a 6.06,43; etc. Classe E3 – 1.º Dia: 1.º Ivan Cervantes (KTM 1h18m47,45s; 2.º Matthew Phillips (KTM) a 28,91; 3.º Mathias Bellino (Husqvarna) a 54,46;… 9.º Luís Correia (Beta) a 2.15,94; etc. 2.º Dia: 1.º Ivan Cervantes, 1h17m13,60s; 2.º Matti Seistola (Sherco) a 17,45; 3.º Matthew Phillips, a 19,03; 4.º Luís Correia, a 19,74; etc.

Os pilotos portugueses estiveram em bom nível na nossa prova, com posições dentro do Top 10

Classe Júnior – 1.º Dia: 1.º Daniel McCanney (Beta) 1h20m00,84s; 2.º Giacomo Redondi (Beta) a 24,89; 3.º Jamie McCanney (Husqvarna) a 1.42,69; … 6.º Diogo Ventura (Gas Gas) a 1.58,07; etc. 2.º Dia: 1.º Daniel McCannney, 1h18m29,48s; 2.º Giacomo Redondi, a 37,16; 3.º Loic Larrieu (Husqvarna) a 53,80; … 6.º Diogo Ventura, a 2.32,04; etc. Troféu Youth 125 – 1.º Dia: 1.º Nicolas Pellegrinelli (KTM) 1h23m16,42s; 2.º Jeremy Miroir (Yamaha) a 17,65; 3.º Benjamim Herrera (TM) a 22,58; etc. 2.º Dia: 1.º Mikael Persson (KTM) 1h21m49,27s; 2.º Albin Elowson (Husqvarna) a 30,11; 3.º Davide Soreca (Yamaha) a 37,37; etc. CAMPEONATO Classe E1: 1.º Christophe Nambotin, 80 pontos; 2.º Eero Remes, 60; 3.º Cristobal Guerrero, 60; … 13.º Joaquim Rodrigues, 7; etc. Classe E2: 1.º Antoine Meo, 77; 2.º Pierre-Alexandre Renet, 69; 3.º Johnny Aubert, 58; … 10.º Gonçalo Reis, 21; etc. Classe E3: 1.º Ivan Cervantes, 80; 2.º Matthew Phillips, 64; 3.º Matti Seistola, 57; 4.º Mathias Bellino, 51; 5.º Luís Correia, 46; etc. Classe Júnior: 1.º Daniel McCanney, 80; 2.º Giacomo Redondi, 66; 3.º Loic Larrieu, 60; … 6.º Diogo Ventura, 41; etc. Troféu Youth 125: 1.º Davide Soreca, 65; 2.º Jeremy Miroir, 52; 3.º Michele Marchelli, 51; etc.

Muitos milhares de espectadores acorreram à região para acompanhar as especiais cronometradas ao longo do percurso

motoportugal 7


Nacional de Enduro Texto: Comissão Enduro FMP

Enduro na Régua Segunda jornada do Campeonato Nacional, o Enduro da Régua foi uma muito boa jornada de promoção da modalidade. UM PADDOCK de fazer inveja, um parque fechado colocado em local muito visível, bonito e muito bem recheado, e, a complementar tudo isto, um percurso de uma beleza natural fora do comum, marcaram esta 2ª jornada do Campeonato Nacional de Enduro, que teve lugar na Régua. No percurso de 42 km, que alternava entre zonas técnicas de pedra e as conhecidas vinhas da região, estavam incluídas uma EX (700 m) em Fontelo de São Domingos, uma ET (2.800 m) na Quinta da Seara, uma CT (3 km) no Cais da Junqueira e dois CH's (um no paddock e outro em Fontelo). No primeiro fazia-se um percurso de cerca de 25 km em 51minutos, onde estava incluída a CT, existindo dois desvios para a Open, três para os Verdes e quatro para as Senhoras, Super Veteranos Enduro Cup e Hobby. No segundo, com os restantes 17 km e 50 minutos, estava a EX e a ET, seguindo depois os pilotos directamente para o Paddock onde tinham a única assistência permitida. O percurso não tinha dificuldades, principalmente para as Classes Elite, Open e Verdes, sendo muito melhor escalonado para as Classes Super Veteranos, Senhoras, Enduro Cup e Hobbys. Obviamente que, com a passagem das motos, este se tornaria um pouco mais difícil de progredir, mas com maior ou menor dificuldade conseguiram-se suplantar as dificuldades. Com o decorrer da 2ªvolta e uma excelente gestão das alternativas existentes, foram-se abrindo os diversos desvios, aliviando a passagem dos pilotos (principalmente Enduro Cup, Super Veteranos e Hobby). Em relação às especiais, a CT foi aproveitar o local outrora utilizado para a Super Especial, junto ao leito do Douro, onde se desenhou uma especial de belo efeito, mormente por ser de pequena dimensão. A ET foi feita onde estava programada a EX aquando da verificação, e, embora um pouco curta, surtiu também ela uma boa especial. No final da 1ª volta abriu-se uma alternativa já pensada por causa de dois “lameiros”, e utilizou-se para a Enduro Cup a alternativa “extra”. A EX era, sem dúvida, o “ex-libris” da prova, situando-se 8 motoportugal

num local muito bem escolhido e que tem “pano para mangas” para as futuras edições. Toda ela 100% natural, um pouco branda mas algo técnica, proporcionou lindas imagens e diferentes cronos. Foi uma muito boa jornada de Enduro! Apesar de todos os problemas que surgiram nos 15 dias antes da prova, esta acabou por ser do agrado da generalidade dos pilotos, ficando apenas um pouco aquém de dureza para os Elites e Opens. Um total de 189 pilotos à partida e 165 à chegada. Para Paddock e Parque Fechado foi utilizado o já conhecido parque da cidade, que apresentava condições de fazer inveja a provas internacionais. As verificações documentais e todo o secretariado da prova foram efectuados numa estrutura adjacente ao paddock, enquanto que para as técnicas foram montadas estruturas amovíveis que serviriam depois como CH durante a prova. Esta prova marcou também o início do Troféu Enduro Cup, onde marcaram presença 7 pilotos – Nuno Barradas, Mikaela Zatta, Rodrigo Belchior, João Amado, Bruna Antunes, Nuno Silva e Tomás Clemente. Dos sete pilotos, cinco conseguiram concluir todas as dificuldades apresentadas, desistindo os dois elementos femininos. Para a Lousã, mais cuidado vamos ter nos percursos escolhidos para esta jovem e promissora classe. No primeiro confronto, Nuno Silva levou de vencida por 6 segundos João Amado, ficando Rodrigo Belchior a 44s Tanto Nuno Barradas como Tomás Clemente penalizaram bastante nesta primeira prova, esperando-se muito mais destes pilotos na Lousã. Infelizmente, nem Mikaela Zatta nem Bruna Antunes conseguiram terminar. Os meus sinceros agradecimentos a todos envolvidos bem como aos elementos da Comissão e parabéns pelo trabalho e resultados alcançados por todos os pilotos. Um último agradecimento às empresas Irmãos Sousa Lda./Conde Saúde, RM Graphics, Red Bull, AJP, Polisport, Eni, Drenaline, Kenny, Cross Pro, Midland e Beira Net, por se terem associado ao Campeonato. Viva o Enduro!


motoportugal 9


Motocross Texto e fotos: Comissão MX FMP

O regresso O arranque do Campeonato Nacional de Motocross 2014 foi marcado pelo regresso dominador de Rui Gonçalves. O NOSSO “MUNDIALISTA” Rui Gonçalves regressou a Portugal para disputar na íntegra o Nacional de Motocross, ao mesmo tempo que continua a sua campanha no Mundial de MXGP, com a sua nova equipa BikeIt Yamaha Cosworth. O piloto de Vidago não deixou os seus créditos por mãos alheias, e dominou amplamente as duas primeiras rondas do Campeonato, em Freixo de Espada à Cinta e em Marinha das Ondas, em ambos os casos ganhando as mangas de MX1 e Elite. Na ronda de abertura em Freixo de Espada à Cinta compareceram 84 pilotos, distribuídos por várias classes para esta ronda inaugural do Campeonato 2014, que disputaram um total de nove mangas a marcar pontos, sob boas condições climatéricas num traçado com 1800 metros de perímetro. A corrida de Elite fechou o programa em Freixo de Espada à Cinta, e Rui Gonçalves imprimiu ritmo superior para obter um triunfo folgado. Mais atrás, Hugo Basaúla e Miguel Gaboleiro também concluíram isolados, respectivamente em 2.º e 3.º lugar, vindo depois Hugo Santos. No 5.º posto absoluto ficou Sandro Peixe, melhor representante da classe MX2 diante de Daniel Pinto e Pedro Carvalho. Referência para o abandono de Joaquim Rodrigues sensivelmente a meio da prova, com um pneu furado. Joaquim Rodrigues, precisamente, antes tinha ganho a prova da classe MX2, a qual comandou sempre, acabando com 8,6s de vantagem sobre Sandro Peixe. Na luta pelo 3.º posto, Daniel Pinto impôs-se a Henrique Nogueira por 5 segundos, e 10 segundos relativamente a Fábio Maricato. Na manga de MX1, Rui Gonçalves também saiu vencedor, neste caso com 17,7s de avanço sobre Hugo Basaúla. Miguel Gaboleiro terminou sozinho em 3.º, e já com uma volta de atraso ficaram os classificados a seguir, Carlos Alberto e Gonçalo Reis. Hugo Santos foi apenas 8.º, porque partiu a roda traseira quando era 3.º colocado. Na classe de Iniciados, houve animados despiques entre os homens da frente. Na primeira manga André Sérgio bateu Bruno Charrua por 1,0 e João 10 motoportugal

Oliveira por 1,9s. Na segunda manga o ordenamento alterou-se, com Oliveira a ganhar com 1,3s sobre Sérgio e 25,2s para Charrua. Quanto aos Infantis, no escalão B (pilotos do 8 aos 12 anos de idade), Ricardo Rocha ganhou as duas mangas, enquanto Miguel Coelho e Ruben Ferreira alternaram nos lugares seguintes, sendo que na segunda prova Ferreira ficou apenas a 1,4s do vencedor. No que toca ao escalão A (dos 6 aos 8 anos), também Sandro Lobo bisou vitória, sempre com 1 volta de avanço sobre Luísa Miranda. O campeonato prosseguiu na pista de Marinha das Ondas, com piso de areia, um tipo de terreno que Rui Gonçalves particularmente aprecia. O transmontano confirmou o favoritismo, ganhando folgadamente as duas corridas (MX1 e Elite) que disputou nesse circuito, perto da Figueira da Foz, onde compareceram 54 pilotos seniores e 15 Iniciados. Regresso esporádico concretizou Paulo Alberto, actualmente a competir no Brasil, mas que participou nesta prova. A final Elite encerrou a jornada, proporcionando interessantes movimentações. Rui Gonçalves surgiu inicialmente na frente durante três voltas, mas nas cinco seguintes Hugo Basaúla chefiou o pelotão. Depois, Gonçalves retomou em definitivo o comando, e entretanto Basaúla passou a debater-se com um furo no pneu traseiro – a quatro voltas do fim acabou desalojado do 2.º posto por Paulo Alberto, que até aí tinha rodado sistematicamente em 3.º. Sandro Peixe chamou sempre seu ao 4.º lugar, e também muito cedo Pedro Carvalho se instalou em 5.º. Azarado esteve Hugo Santos, pois a sua moto teve um problema eléctrico quando seguia para a grelha, e o piloto arrancou atrasado, apenas conseguindo recuperar até ao 17.º posto. Antes destas peripécias, Rui Gonçalves já tinha dominado a manga da classe MX1, a qual liderou sistematicamente para terminar com quase um minuto


À direita: arranque de uma manga com Rui Gonçalves na frente. Aqui, Sandro Peixe (373)

André Sérgio, vencedor nos Iniciados. Em baixo, o pódio da manga de Elite disputada no Freixo

de avanço sobre Hugo Basaúla. Mais atrás, Hugo Santos e Miguel Gaboleiro alternaram no 3.º posto em animado duelo, até que sensivelmente a meio da corrida Gaboleiro desistiu com uma mão lesionada devido a queda. Como tal, Hugo Santos ficou sozinho para arrebatar o 3.º lugar, já a uma volta do vencedor, enquanto o 4.º classificado, Carlos Alberto, ficou a 3 voltas. Na manga da classe MX2, Sandro Peixe ainda encabeçou o pelotão na volta inaugural, mas depois Paulo Alberto passou ao ataque para obter um êxito expressivo, pois cruzou a meta 1m07s antes de Peixe. Os lugares seguintes foram sempre ocupados pelos mesmos pilotos, com Pedro Carvalho em 3.º diante de André Marques. Já Daniel Pinto recuperou de mau começo, e a meio da corrida instalou-se no 5.º lugar, diante dos irmãos Maricato, Fábio e Jorge. Este último foi o melhor da classe Júnior, seguido de Gonçalo Gil. Os jovens do escalão de Iniciados também proporcionaram boas corridas. Na primeira manga, Luís Outeiro liderou na volta inaugural, mas na seguinte teve contratempos e baixou para 10.º. A partir daí, os dois primeiros lugares conheceram os definitivos proprietários, com João Oliveira a bater Bruno Charrua por 21s. Luís Outeiro conseguiu recuperar até ao 3.º posto, terminando diante de André Sérgio e Fábio Freire. Na segunda manga, João Oliveira comandou durante a primeira metade da corrida, até ser ultrapassado por André Sérgio. Pouco depois, a moto de Oliveira deixou de funcionar durante algum tempo, ditando significativo atraso, pois terminaria a prova apenas no 9.º lugar. Assim, Sérgio ficou à vontade para ganhar destacado, com Luís Outeiro, Bruno Charrua e Renato Silva nas posições seguintes. Após estas duas primeiras provas, Rui Gonçalves lidera a Elite com 50 pontos, na frente de Hugo Basaúla (42), e Sandro Peixe (34). Na MX1 é também Gonçalves o comandante, 12 pontos na frente de Basaúla e com mais 28 que Carlos Alberto. Em MX2 o líder é Sandro Peixe com 91 pontos, seguido de Pedro Carvalho (75) e Fábio Maricato (63). Jorge Maricato comanda a MX2 Júnior, e André Sérgio está no topo da tabela do campeonato de Iniciados.

Hugo Santos e Hugo Basaúla continuam a ser dos principais animadores na classe de MX1 e Elite

motoportugal 11


Nacional de Trial Texto: Gabinete de Imprensa FMP

Arranque em Cinfães

Diogo Vieira venceu a primeira prova do Campeonato Nacional de Trial, disputada em Cinfães, com a chuva a marcar presença nesta jornada de abertura. NA FEIRA DA MALHADA, a cerca de uma dúzia de quilómetros de Cinfães, compareceram 16 concorrentes de diversas classes para esta primeira ronda do Campeonato Nacional de Trial. Chuva intensa, frio e vento forte acompanharam os pilotos na função, que consistiu em quatro voltas ao percurso com oito zonas de obstáculos, com grande pedras graníticas para transpor e terra bastante escorregadia. O Campeão em título, Pedro Sousa, não compareceu em Cinfães. Como tal, entre quatro concorrentes na Elite, Diogo Vieira patenteou clara superioridade, bem expressa na diferença pontual. O piloto de Gaia averbou apenas 9 pontos de penalização, contra 44 do 2.º classificado, o espanhol Xavier Piñero, e 85 do 3.º, Filipe Paiva, enquanto Miguel Rodrigues fechou a tabela, mesmo com uma clavícula fraturada à beira do fim, devido a queda. A tabela do Campeonato Elite, como é óbvio, pauta-se pelas mesmas posições desta primeira prova. No Troféu de Consagrados houve algum despique entre Rita Vieira e Luís Carvalho. Rita esteve normalmente melhor – só perdeu pontos para o opositor na terceira volta – e ganhou com 60 pontos, enquanto Carvalho

12 motoportugal

obteve 75, sendo o 3.º desta classe Leonardo Coimbra. Na Promoção, Henrique Raposo bateu Sofia Porfírio por 6 pontos de diferença, enquanto Dinis Sá esteve melhor entre três Infantis presentes, e Leonor Moreira foi a única participante no escalão de Iniciados. A próxima prova do “Nacional” de Trial terá lugar no dia 4 de maio, em Torres Vedras. Assim vão os Troféus: Consagrados: 1.º Rita Vieira, 10 pontos; 2.º Luís Carvalho, 8; 3.º Leonardo Coimbra, 6; 4.º João Barbosa, 5, 12; 5.º Ruben Carvalho, 4. Promoção: 1.º Henrique Raposo, 10; 2.º Sofia Porfírio, 8; 3.º Bernardo Lopes, 6; Infantis: 1.º Dinis Sá, 10; 2.º Martim Garcia, 8; 3.º Madalena Moreira, 6; Iniciados: 1.º Leonor Moreira, 10. Campeonato Indoor: 1ª prova adiada O Campeonato Indoor de Trial deveria começar no dia 5 de abril, em Lamego. Porém, uma vez que ainda não estão concluídas as obras no Pavilhão Multiusos que iria receber a prova, o Clube Automóvel de Lamego decidiu adiar esta jornada para uma data ainda a designar.


motoportugal 13


Resultados desportivos Março 2014 INTERNACIONAIS Campeonato do Mundo de Motocross - MXGP 3ª prova – Brasil / Beto Carrero 10º/7º Rui Gonçalves (Yamaha)

Campeonato do Mundo de Velocidade 1ª prova – Qatar / Losail 4º Miguel Oliveira (Mahindra)

NACIONAIS Campeonato Nacional de Enduro

2ª prova – Régua ELITE 1 1º Joaquim Rodrigues (KTM) 4º absoluto 2º Hélder Rodrigues (Honda) 5º absoluto 3º João Ribeiro (Honda) 6º absoluto 4º Mário Patrão (Suzuki) 8º absoluto 5º Fábio Pereira (Yamaha) 10º absoluto 6º Bruno Santos (Kawasaki) 11º absoluto ELITE 2 1º Luís Correia (Beta) 1º absoluto 2º Gonçalo Reis (KTM) 2º absoluto 3º Diogo Ventura (Gas Gas) 3º absoluto 4º Hugo Santos (KTM) 7º absoluto 5º Fernando Ferreira (Beta) 9º absoluto OPEN 1 1º Jorge Leite (TM) 2º Hélio Santos (Kawasaki) 3º Bernardo Megre (KTM) 4º Carlos Pedrosa (Yamaha) 5º Fausto Frade (Yamaha) 6º David Megre (KTM) 7º José Pimenta (KTM) 8º Ricardo Santos (Sherco) 9º Aníbal Botelho (KTM) OPEN 2 1º Filipe Sampaio (Beta) 5º Enrique Vega (Husqvarna) 3º Fernando Sousa (Yamaha) 2º Diogo Valença (Sherco) 6º Ivo Pinto (Husqvarna) 4º Nuno Cação (Beta) 7º Jorge Brandão (KTM) 8º Tiago Cardoso (KTM) VERDES 1 1º João Lourenço (Honda) 2º João Araújo (Honda) 3º Hélder Ribeiro (Honda) 4º Fábio Gil (Yamaha) 5º Marco Lopes (Husaberg) 6º Pedro B. Leite (KTM) 7º Nuno Jorge (KTM) 8º Gonçalo Gil (KTM) 9º Filipe Saúde (Husaberg) 10º Paulo Barros (KTM) 11º Marcelo Lourenço (KTM) 12º André Silva (KTM) 13º Filipe Abreu (KTM) 14º Tiago Couto Gas Gas) 15º Tiago Silva (Husaberg)

14 motoportugal

VERDES 2 1º André F. da Costa(Husqvarna) 2º Nuno Pereira (Husqvarna) 3º Alexandre H. Guia (KTM) 4º Gonçalo Gomes (Yamaha) 5º Rui Almeida (Gas Gas) 6º Igor Domingos (Yamaha) 7º Alexandre Ferreira (Beta) 8º Filipe Conceição (KTM) 9º Patrício Ribeiro (Beta) 10º João R. Oliveira (KTM) 11º Jorge Ribeiro (TM) 12º Ricardo Ribeiro (KTM) 13º Marco Pereira (Kawasaki) 14º Guilherme Pinto (Husqvarna) 15º Luís Simões (Husaberg) VETERANOS 1º António Oliveira (Yamaha) 2º Arsénio Miranda (KTM) 3º Carlos Pinho (TM) 4º Jorge Peixoto (KTM) 5º Augusto M. Ferreira (Husaberg) 6º Mané Teixeira (KTM) 7º Albano Silva (KTM) 8º Sandro Carolino (KTM) 9º Nelson Cabeça (Yamaha) 10º Fernando Teixeira (KTM) 11º Pedro Oliveira (Gas Gas) 12º Ruben Perez Rey (Gas Gas) 13º Cristovão P. Teixeira (Kawasaki) 14º Bruno Mateus (KTM) 15º Paulo Amado (Beta) SUPER VETERANOS 1º João Saraiva (Honda) 2º Fernando Sousa (Yamaha) 3º Paulo V. da Silva (Honda) 4º José Brenha d'Almeida (TM) 5º António Silva (Yamaha) 6º Paulo Vicente (Husaberg) SENHORAS 1º Rita Vieira (AJP) 2º Flávia Rolo (KTM) 3º Sofia Araújo (AJP) ENDURO CUP 1º Nuno Silva (HM) 2º João Amado (AJP) 3º Rodrigo Belchior (AJP) 4º Nuno Barradas (Honda) 5º Tomás Clemente (Honda)

Campeonato Nacional de Motocross

1ª prova – Freixo de Espada à Cinta MX1 1º/1º Rui Gonçalves (Yamaha) 1º Elite 2º/2º Hugo Basaúla (Kawasaki) 2º Elite 3º/3º Miguel Gaboleiro (Yamaha) 3º Elite 4º/5º Carlos Alberto (Honda) 10º Elite 8º/4º Hugo Santos (KTM) 4º Elite 5º/6º Gonçalo Reis (KTM) 11º Elite 6º/7º Hélder Rodrigues (Honda) 13º Elite 10º/11º Rui Magalhães (Suzuki) 12º/10º João Moreira (Kawasaki) 11º/12º Daniel Nogueira (Kawasaki) 9º/18º Lars Risholm (Kawasaki)


13º/14º Lino Araújo (Kawasaki) 7º/- Gregory Riaux (TM) -/8º João Gomes (Suzuki) 14º Elite -/9º Diogo Pereira (Yamaha) 18º Elite 16º/16º Pedro Lobo (Kawasaki) -/13º Artur Amorim (Kawasaki) 19º/15º Luís Salustiano (Yamaha) 15º/19º Elias Rodrigues (Husqvarna) 14º/- Paulo Lopes (Suzuki) 20º/17º Marco Sampaio (Kawasaki) 17º/- Fausto Frade (Yamaha) 18º/- Mark Downer (Honda) MX2 2º/1º Sandro Peixe (Yamaha) 5º Elite 3º/2º Daniel Pinto (Kawasaki) 6º Elite 4º/4º Henrique Nogueira (Honda) 8º Elite 6º/3º Pedro Carvalho (Kawasaki) 7º Elite 5º/5º Fábio Maricato (Kawasaki) 9º Elite 1º/18º Joaquim Rodrigues (KTM) 8º/6º Jorge Leite (TM) 12º Elite 7º/7º Jorge Maricato (KTM) 15º Elite 10º/8º Oscar Downer (Honda) 16º Elite 11º/9º Miguel Peixoto (Kawasaki) 17º Elite 13º/11º Ricardo Freire (Suzuki) 20º Elite 15º/13º Vítor Simões (KTM) 9º/20º André Marques (Yamaha) 14º/15º Joana Gonçalves (Yamaha) 16º/14º Carlos Moreira (Honda) -/10º Francisco Salgado (Kawasaki) 19º Elite 19º/12º Samuel Amaral (Suzuki) 12º/19º Flávio Cardoso (KTM) 17º/16º Diogo Gil (KTM) 18º/17º Fábio Gil (Yamaha) 20º/- Miguel Gonçalves (KTM) INICIADOS 1º/2º André Sérgio (Yamaha) 3º/1º João Oliveira (KTM) 2º/3º Bruno Charrua (KTM) 4º/5º Renato Silva (TM) 6º/4º João Pinto (KTM) 5º/9º Fábio Freire (KTM) 7º/7º João Barcelos (KTM) 9º/8º Luís Outeiro (Kawasaki) 8º/10º Vasco Salema (KTM) 15º/6º Abel Carreiro (KTM) 10º/11º Duarte Jerónimo (Kawasaki) 12º/12º Hugo Dias (KTM) 11º/15º Gonçalo Fantasia (KTM) 13º/13º Tomás Salema (KTM) 14º/14º João Duarte (Yamaha) INFANTIS A 1º/1º Sandro Lobo (KTM) 2º/2º Luísa Miranda (KTM)

4º/3º Nuno Cunha (KTM) 3º/4º Rafael Caetanito (KTM) 5º/5º Duarte Margarido (KTM)

INICIADOS 1º Leonor Moreira (Oset)

INFANTIS B 1º/1º Ricardo Rocha Jr. (KTM) 3º/2º Ruben Ferreira (KTM) 2º/3º Miguel Coelho (KTM) 4º/4º Pedro Rino (KTM) 5º/5º Bruno Machado (KTM) 6º/6º Afonso Gomes (KTM) 8º/7º Diogo Salema (KTM) 7º/9º Rui Rodrigues (Husqvarna) 9º/8º Tiago Margarido (Kawasaki) 10º/10º Alex Almeida (Kawasaki)

1ª prova – Raid Ferraria MOTOS 1º Mário Patrão (Suzuki) 1º TT2 2º Sebastian Buhler (Yamaha) 1º TT1 3º Fausto Mota (KTM) 1º TT3 4º Domingos Santos (Damotor) 2º TT1 5º Hélder Rodrigues (Honda) 2º TT2 6º Luís Teixeira (Yamaha) 2º TT3 7º Ruben Faria (KTM) 3º TT2 8º Tony M. Miguel (KTM) 9º David Megre (KTM) 3º TT1 10º Bruno Santos (Kawasaki) 11º Pedro Afonso (KTM) 3º TT3 12º Luís Aguiar (Yamaha) 13º João Lourenço (KTM) 14º Pedro Miguel (Husqvarna) 15º Jorge Cardoso (KTM)

Campeonato Nacional Open de Quad-Cross 1ª prova – Trofa QX ELITE 1º/1º João Vale (Yamaha) 1º/1º QX1 2º/4º Firmino Salazar (Suzuki) 1º/2º QX2 3º/3º Pedro Silva (Yamaha) 2º/1º QX2 6º/2º Diogo Campos (KTM) 3º/2º QX1 4º/7º João Brissos (Honda) 2º/3º QX1 5º/6º Ricardo Duarte (Yamaha) 3º/4º QX2 7º/8º Nelson Silva (Suzuki) 4º/5º QX2 -/5º Jairo Alves (Suzuki) -/3º QX2 QX INICIADOS 2º/1º Eduardo Santos (Yamaha) 1º/2º João Delgado (Honda) 3º/3º Rafael Sousa (Yamaha)

Campeonato Nacional de Trial

1ª prova – Cinfães ELITE 1º Diogo Vieira (Ossa) 2º Javier Piñero (Gas Gas) 3º Filipe Paiva (Jotagas) 4º Miguel Rodrigues (Gas Gas) CONSAGRADOS 1º Rita Vieira (Gas Gas) 2º Luís Carvalho (Sherco) 3º Leonardo Coimbra (Sherco) 4º João Barbosa (Gas Gas) 5º Ruben Carvalho (Gas Gas) PROMOÇÃO 1º Henrique Raposo (Gas Gas) 2º Sofia Porfírio (Gas Gas) 3º Bernardo Lopes (Gas Gas) INFANTIS 1º Dinis Sá (Oset) 2º Martim Garcia (Oset) 3º Madalena Moreira (Oset)

Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno Open

QUADS 1º Roberto Borrego (Yamaha) 2º Ricardo Carvalho (Yamaha) 3º Rui Cascalho (Yamaha) 4º António Moreira (Yamaha) 5º Dinis Fortunato (Honda) 6º Miguel P. Nina (Suzuki) 1º Stock 7º Fábio Vilhena (KTM) 8º António Azevedo (Suzuki) 9º Tiago Dias (Yamaha) 2º Stock 10º José G. Carreira (Suzuki) 11º Vera Anselmo (Vara Kitty) 3º Stock 12º André Jesus (Kawasaki) 13º José Gaiato (Suzuki) 14º Bruno M. Ferreira (Yamaha) 15º Luís Engeitado (Yamaha) UTV/BUGGY 1º Nuno F. Tavares (IPS) 2º Roberto V. Gallart (Polaris) 3º Teófilo V. Gallart (Polaris) 4º J. Lopes / B. Santos (Polaris) 5º Jorge Monteiro (Can-Am) 6º Luís C. Morais (Polaris) 7º Bruno Martins (Rage) 8º J. Denis/J. Ferreira (Polaris) 9º João Monteiro (Polaris) 10º A. Ferreira/H. Barbosa (Rage) 11º A. Luís/D. Carmo (Polaris) 12º Bernardo Mendes (Polaris) 13º Juan Fidalgo (Polaris) 14º J. Dias/J. Miranda (Polaris) 15º Luís Caseiro (Polaris)

motoportugal 15


16 motoportugal


MotoPortugal, N º 233, Março 2014  

Federação de Motociclismo de Portugal

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you