Page 1

cadernos ƒ/508

CA #2

Espaço f/508 de Fotografia Núcleo de pensamento imagético

2013 ∙ f508.com.br


colaboradores

Humberto Lemos, fotógrafo há cerca de 30 anos, é coordenador do Espaço f/508 de Fotografia, e editor do Cadernos f/508. Nem pensem em aparecer com postes, lixeiras, beija-flores e florzinhas na frente dele.

Raquel Pellicano, fotógrafa responsável pelo Estúdio, entre outras coisas, Raquel é pau pra toda obra.

Rose May Carneiro, doutoranda e coordenadora do Núcleo de Cinema do Espaço f/508. Rose é um conjunto ordenado de fotogramas, quase como um roadie movie.


Julia Salustiano, é fotógrafa, jornalista e mão na roda do f/508.

Tainá Seixas, estudante de Audiovisual pela Universidade de Brasília (UnB), é hippie chic e Che Guevara de plantão.

Isabela Brito, estagiária, é estudante de Design pela Universidade de Brasília (UnB), entusiasta da fotografia analógica e responsável pelo visual do Cadernos f/508.


cadernos ƒ/508 CA #2 6 Rose May 14 Aice Prina 20 Clarice Gonçalves 32 Galeria f/508: Antonio Nepomuceno 36 Fábio Baroli 50 Raquel Pelicano 54 Bete Coutinho 62 Glenio Lima 70 Humberto Lemos 78 Julio Lapagesse 90 Hermusche


editorial Na segunda edição dos Cadernos f/508, Brasília é o nosso foco. Fizemos uma compilação de trabalhos de artistas brasilienses que, assim como a cidade, são híbridos por natureza. Por aqui, pinturas que transitam pela foto e pelo cinema, com quadros que pedem licença à fotografia para criação de um realismo irônico, criado a pinceladas. No trabalho de Clarice Gonçalves, a pintura vira suporte para uma reivenção da memória. Memória essa distante no realismo frio das fotografias de Rose May, que vão ao encontro da geometria Bauhaus, gelada nas linhas, mas quente na utilização voraz da luz. Memória também remexida e latente na aberta caixa de Pandora da série de Devaneios de Bete Coutinho, que trazem não só as lúdicas lembranças do imaginário infantil, mas também as sombrias. Nas pinceladas de Fábio Baroli, o realismo fotográfico faz contraponto com a estética da tinta escorrida e fragmentos de imagem, que direcionam a atenção para detalhes e pedaços de fantasmas que vagam pelas telas.

Já nas curiosas pinturas de Glenio Lima, o misto de culturas está representado em momentos que nos proporcionam uma viagem visual de sensações - que não precisam ser figurativas para nos transportarem. Mas tudo que é sólido se desmancha no mar... em um mar de imagens. Navegaremos por fotografias pictóricas e desmembradas que, técnicas à parte, desconstroem a realidade almejada pelo momento fotográfico, desarticulando a relação causal entre o sujeito principal e o resultado final. Este, aliás, quase sempre inesperado. Imagens que, fotografias ou pinturas, flutuam como espectros e conseguem pertencer, ao mesmo tempo, às duas realidades que construímos ao nosso bel-prazer. As incansáveis experiências de desconstrução e reconstrução imagética criam visões que não deixam espaço para tecnicismo, e a fruição da obra, o sentir sinestésico, pedem passagem. Fiquem à vontade para se aventurar. Agradecemos à todos que enviaram material para seleção da segunda edição do CA f/508. Equipe ƒ/508


Porto inseguro Por Rose May Carneiro

6


Nem o lugar da ida, nem mesmo a volta. No fluxo das marĂŠs, o barco segue errante, ao sabor dos ventos e das intempĂŠries.

7


8


Ao longe, s贸 nos resta observar a partida. O porto 茅 cada vez mais inseguro.

9


10


Um lugar de ancorar e abraçar o barco. Mas o barco, com o seu coração de metal, se deixa enferrujar e parte deixando rastros de fuligem.

11


As ondas abrem o caminho. O sol e a lua são cúmplices do barco, do porto e de algumas vidas que já foram entregues ao amor, mas que hoje, se lançam ao mar.

12


13


14


alice prina Por pĂĄgina: 14 Estampa: Deer 16 Estampa: OrquĂ­dea 17 Willy, variante 18 Willy

15


16


17


18


19


20


clarice gonçalves Por página: 20 Por ser mulher e por ousar não ser mulher, óleo sobre tela, 100x90cm, 2012. 22 Na areia nua das solidões, óleo sobre tela. 24 O cadeado elabora sua ferrugem (the lock produces its rust), óleo sobre tela, 70x89cm, 2012. 25 O simultaneo e o sucessivo high, óleo sobre tela. 26 Que cada gênero de nuvens tenha sua zona de flutuação (Each genre of clouds has its floating zone), óleo sobre tela, 95x45cm, 2012. 28 Num vazio infinito causado pela colisao das particulas solares (In an infinite void caused by the collision of solar particles), 50x40cm, 2012. 30 Bordando labirintos brancos, óleo sobre tela, 160x200cm, 2012.

21


22


A pintura como eterno retorno por Clarice Gonçalves

Num repositório de memórias inventadas, a pintura confidencia cenas, vontades, divagações de memórias antepassadas e revive personagens. Como se ao perder a memória e tendo a oportunidade de refazê-la através de imagens, tateio dentre imagens de fontes diversas, os sussurros de minhas avós, mães, tias, vizinhas, filhas, sobrinhas, enteadas, cunhadas: íntimas desconhecidas. A tinta as dá corpo emocional, clausura de si e do outro, se adapta a sensações, não só da imagem ou o manejo desta, mas em conjunto com o formato de seu suporte, distorcendo as proporções em que normalmente se vê imagens (15x21, A4 entre outras), propiciando outras formas de composição dentro da imagem bidimensional e em relação as outras pinturas e o espaço. Os títulos são trechos, frases, traduções literárias, expressões antes lidas nas mais diversas fontes e também ouvidas em pale-

stras, discussões, filmes ou contextos cotidianos dos mais diversos, leituras e diálogos que são consumidos por muitos de nós nas pausas ou durante as expirações e afazeres, são belezas jogadas ao vento que nada mais fiz que separá-las de seu contexto, descartando-o e agregando a minhas elucubrações imagéticas, numa tentativa de cons-truir um haicai de palavra, tinta e imagem. O corpo da obra, a afinidade entre estas imagens, se dá de forma cíclica, produzindo diálogos e narrativas das mais diversas, ao serem dispostas, avizinhadas, inquilinas umas das outras.  As pinturas dialogam entre si com vozes advindas de diferentes épocas de produção. O assunto ao invés de se esgotar na massificação da produção, (visando uma montagem/apresentação “uniforme”), amadurece, e ressurge em uma oitava acima, em meio a produção mais recente, o “dito” de antes ressurge e acrescenta sua fala, como um adágio, ou conselho de vó.                                                                                                 

23


24


25


26


27


28


29


30


31


galeria ƒ/508 Antonio Nepomuceno da série Gênesis

32


tiragem: 7 60x90cm

33


34


tiragem: 7 60x90cm

35


f

Por página: 36 Piroca do doido, Óleo sobre tela (díptico), 150x220cm, 2011. 38 Brucutu, Óleo sobre tela (díptico), 100x160cm, 2011. 40 Dois cara véio apagando o fogo do curtiço da vizinha, Óleo sobre tela, 150x260cm (díptico), 2013. 42 Gênesis3, Óleo sobre tela, 110x230 (díptico), 2013. 44 Meu Matuto Predileto., Óleo sobre tela, 150x260 (tríptico), 2013. 46 Uno zero ou uma Parati arregaçada, Óleo sobre tela, 100x160cm (díptico), 2013. 48 Big Brasil, Óleo e carvão sobre tela (díptico), 150x220cm, 2011.

36


fรกbio baroli

37


38


39


40


41


42


43


44


45


46


47


48


49


raquel pellicano

50


51


52


53


be

54


ete coutinho

55


Devaneios: Entre o real e o imaginário Impulsionada por memórias latentes, a série Devaneios — Entre o real e o imaginário da fotógrafa Bete Coutinho reinventa, de forma intuitiva, sensações, percepções, sentimentos, momentos remanescentes da infância. Vultos, objetos, paisagens... manchas, que se mesclam como pintura, fundem-se em camadas de significados e questionam o limite entre o real e o imaginário. As imagens, estruturadas em composições incomuns — como num jogo de lembranças —, transformam, reconstroem, preservam e transcendem a própria memória. O passado salva-se do esquecimento em novas formas de sentido interior.

56


57


58


59


60


impressão fine art Em uma sala aconchegante, com iluminação adequada, as impressões são realizadas em papeis museológicos das marcas Hahnemühle e Canson, que atestam sua conservação e qualidade por cerca de 200 anos. O uso de pigmentos minerais, em impressora HP de 12 cores, garante alta fidelidade de matizes e detalhes na imagens, ideais para trabalhos fotográficos, reproduções, desenhos e ilustrações. Projetos, exposições e montagem de portfólio dispõem de descontos especiais. + infos: f508.com.br/impressao impressao@f508.com.br

61


glenio lima

62


Por página: 62 Sem Título, Técina mista e Acrílica sobre tela, 200x200cm, 2010. 64 Sem Título, Técina mista e Acrílica sobre tela, 200x200cm, 2010. 66 Sem Título, Técina mista e Acrílica sobre tela, 200x200cm, 2010. 67 Sem Título, Técina mista e Acrílica sobre tela, 200x200cm, 2010. 68 Sem Título, Técina mista e Acrílica sobre tela (díptico), 200x400cm, 2010.

63


64


O conjunto de pinturas faz parte de um projeto de Residência Artística realizado no México em 2010. A proposta era criar uma série de pinturas envolvendo duas culturas indígenas, sendo os Yanomamis do Brasil o ponto de partida. No México a cultura indígena prehispânica Mixteca entrou como elemento de contraponto na criação das pinturas — o resultado foi a elaboração de telas de grandes formatos com o surgimento de cores e formas que me surpreenderam e me emocionaram. São 4 telas de 2x2 m e um díptico de 2x4 m na técnica mista e acrílica sobre tela.

65


66


67


68


69


humberto lemos da sĂŠrie IntempĂŠries

70


71


72


73


74


75


76


77


julio

78


o lapagesse Por página: 78 O Terceiro Aniversario. da série Every Sensible Child, 80 Every Sensible Child 1. 81 Every Sensible Child 2. 82 Every Sensible Child 3. 83 Esfinge – Crianças do Deserto. da série Assembleia Boreal, 84 Assembleia Boreal 1. 85 Assembleia Boreal 2. da série Peligrafia, 86 O Abraço 87 O Conforto 88 O Encantamento

79


80


81


82


83


84


85


86


87


88


89


hermusche

hermusc

Por pĂĄgina: da sĂŠrie Das Noites Brasilianas, 90 Bombax Longiflorum, pastel oleoso em papel preto, 110x240cm, 2010. 92 Eu espectro (I spectral), pastel oleoso em papel preto, 100x280cm, 2004. 94 Gari noturno (Night worker), pastel oleoso em papel preto, 100x210, 1980.

90


che

96 Janela (Bsb Window), pastel oleoso em papel preto, 70x200cm, 1980. 98

Neons, pastel oleoso em papel preto, 100x280cm, 2004.

100 Neons #2 pastel oleoso em papel preto, 70x200cm, 2004. 102 Sub Rod么 pastel oleoso em papel preto, 70x200cm, 1980.

91


92


93


94


95


96


97


Pela janela do carro, quem é ele? por Angélica Madeira

Os desenhos de Hermusche guardam uma grande unidade, apesar das três décadas que separam os primeiros dos últimos. São paisagens urbanas, noturnas. As escolhas estéticas do artista sintetizam uma longa convivência com outras matérias de expressão, a fotografia, o video, a ilustração, o graffite que imprimem ao desenho características próprias como a preferência por um tipo de lente, a grande angular, e o interesse pela iluminação e pelo movimento. São recursos mobilizados para encenar a gênese de um mundo autônomo e trazer à tona as fantasmagorias poéticas da cidade. Onde está a estranheza? Quem é o espectro que dirige o automóvel? Certamente um espectro que vê demais, que quer deixar um

98


registro da emoção, do impulso ao gesto que se resolve em manchas, linhas e ícones - carros, postes, túneis - sempre dentro de um quadro bem demarcado: parabrisa e moldura. O desenho, mesmo em grande formato, não perde sua tensão, a densidade intimista do grafismo, uma espécie de escrita da subjetividade. Cria-se assim um personagem, um cronista das noites brasilianas que vê a cidade a partir da janela de seu carro em movimento, ora mais lento, ora acelerado. Cria-se ao mesmo tempo um universo único, ­­­­feito de riscos e rabiscos, linhas sinuosas, enérgicas, verdes, cinzas, vermelhas, amarelas, tirando partido da fatura do pastel que, por não empastar completamente o suporte, mantém uma textura porosa e

permite a exploração das possibilidades poéticas da luz. O desenho intitulado Eu, espectro é uma figuração alegórica do desejo de narrar desse personagem que, atado por correntes ao volante de seu carro, vê os painéis de néon reservados à publicidade transformados em um poema visual feito de palavras como Sex, Doubt, Death, Carne, Liebe, Lust, Korrupt, Lie, Macht, Love, Vida, Loss, Greed, Freiheit. São idéias-força que provêm de línguas diferentes, reveladoras da trajetória nômade e da herança multiétnica e multicultural do artista.

99


100


101


102


103


CA #2 Espaço f/508 de Fotografia

Núcleo de pensamento imagético

2013


2013 ∙ f508.com.br

Cadernos f/508 #2  

Segunda edição da revista Cadernos f/508 do Espaço f/508 de Fotografia.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you