Page 1

Artes Visuais

05

/

2011

http://exposicoesfbp.blogspot.com


Todas as imagens aqui reproduzidas são propriedade exclusiva dos artistas e, em alguns casos, propriedade do espaço expositivo da Fábrica Braço de Prata. As imagens não podem ser reproduzidas sem autorização dos autores. O co n te ú do de ste catálo go é da re spo n sabilidade do s v ár io s au t o r e s .


C olectivo BU

“Série Totipotencial” - Técnica mista

D avid R osado

“Aliasing” - Técnica mista Simona Accattatis

- Desenho

P atricia G eraldes “O

grande rio coberto de barcas mortas”

Prémio 2010 de Fotojornalismo

ESTAÇÃO IMAGEM | Mora


C olectivo BU “S T ” érie

otipotencial - Técnica mista

www.colectivobu.blogspot.com

colectivobu@gmail.com


Todas as palavras se formam de outras palavras, de outras letras, de outros olhos, de outros gestos… A partir de uma criação, novas criações, novas poesias. Totipotencial como primordial, como encaminhador, não como partida, mas como caminho. Caminhos abertos às potencialidades… A partir de textos já cristalizados, damos-lhes uma nova vida, um novo sentido, estes novos sentidos serão também construídos pelo público, uma vez que as obras não são “fechadas”, não são rígidas.As reinterpretações dão, elas próprias, azo a novas interpretações por parte de quem as vê. Essa homenagem é feita através de reescrita, de mudança, de criação de múltiplos sentidos entre a obra e o contexto que a rodeia. Nesta linha são criados os nossos trabalhos. Aproveitando-nos da plasticidade da palavra, levamo-la ao seu limite. Exploramo-la como organismo vivo que é, com o fim de encontrar todos os sentidos que lhe estão inerentes. Assim, atribuindo toda a liberdade à palavra, esta pode disseminar-se como um vírus, perdendo a sua significação banal, primordial. Dentro da liberdade do poema/obra, estas tornam-se atemporais, espaciais. As palavras aparecem-nos como objectos consumíveis, à mercê da gula de quem as tomar - palavras-coisas.


“Diferentes maneiras de digerir a Literatura” Vídeo

Uma tertúlia literária onde vários sentidos se tocam.Vídeo experimental de um tête-à-tête poético. As letras são o início, o veículo e o fim desta conversa.


COLECTIVO BU - breve C.V. 2011 Performance/instalação – Sussurros de poesia - Poéticas para unha vida – III Festival Internacional de Poesia Experimental e de acción, Vigo, Espanha. Perfomance/instalação – Epipiderme, Lisboa. 2010 FIAR XI – Trilhos Palavreados ; Palmela, Julho/Agosto. Poepandemia ; Lisboa. 2009 Se esta rua fosse minha – “…eu seria o Rei”; “… as palavras estariam tão acessíveis e suculentas como frutos nas árvores” ; Outubro Organigrama no fuencarral ; Madrid, Espanha. El globo de Juan – Organigrama Poético Multicaótico ; Braga.

www.colectivobu.blogspot.com

colectivobu@gmail.com


D avid R osado “A ” liasing - Técnica mista

http://davidrosadonet.blogspot.com

davidrosado33@gmail.com


Desde que homem teve a ousadia de delimitar o seu território com marcas submersas em superstições mágicas, nunca mais conseguiu abandonar essa vontade de querer possuir o que não é seu! David Rosado procura no hoje, essas marcas territoriais que não se restringem a status sociais, políticos ou culturais mas que coabitam nos percursos que circunscrevem uma sociedade contemporânea. Nesta exposição poderemos confrontar-nos com uma das afirmações de Michael Archer, quando este se debruça sobre os pós-modernismos, acreditando que “tudo já havia sido feito; o que nos restava era juntar fragmentos, combiná-los e recombiná-los de maneiras significativas”. Aqui o artista apresenta uma série de obras - pintura e escultura – que partem deste processo construtivo de recombinações, readaptações e reestruturações sobre um olhar critico e atento da cultura contemporânea. Inês Valle


David Rosado

Nasceu em Évora, Portugal, 3 de Maio 1976. Licenciado em Artes Plásticas na Universidade de Évora 2004 Pintura / Multimédia. Exposições individuais: 2011• “AAAMAZING”, Galeria Artelection (São Bento), 07 Maio, Lisboa. “Aliasing”, Fabrica do Braço de Prata, 05 Maio, Lisboa. 2010•“Inside the belly of the beast”, Drop d (Contemporary), 18 Novembro, Lisboa. “Höhle”, Nogo (project-room for architecture, contemporary art & experimental cinema), 18 Março, Lisboa. 2009•“The Rebirth of Lazarus”, Galeria Pedro Serrenho, Lisboa. “Bears make Money, pigs get slaughtered, and you?”, Galeria Atlântida, Vilamoura. 2008•“High Speed ”, Galeria Carlos Carvalho, Lisboa. 2007•“De Profundis”, Galeria Sopro – projecto de arte contemporânea, Lisboa. “De Profundis, Profundis ”, Galeria Símbolo, Porto. 2006•“Opus Modularis”, Reitoria da Universidade de Lisboa. 2004•Monsaraz Museu Aberto, Monsaraz. 2002•“56080099”, Galeria INATEL, Évora Exposições colectivas: 2010•Artzine // Sala da Nora // 03. Dez. 2010 // Castelo Branco, Portugal. Artzine // Teatro da Malaposta // 05. Nov. 2010 // Lisboa, Portugal. Beast // Lyons Wier Gallery // 15. Oct. 2010 // Galeria Lyons Wier Gallery, Ny , U.S.A. Morar mais, // 18.Ago. 2010 // Galeria Belizário, Belo Horizonte, Brasil.Art fair Buenos Aires 2010, with Galeria Belizário, in Buenos Aires, Argentina. Confrontos, // 3. jul. 2010 // Galeria Kompass , Aveiro, Portugal. React, Artslab Agência de Arte contemporânea, Matosinhos, 28 Maio, Porto. Scattered Spaces, // Galeria Carlos Carvalho // Zoom Projects // Janeiro, Lisboa, Portugal. 2009•Red, // Galeria Pedro Torres, Dezembro, Logroño, Espanha. Collec.tiff lisboa // 3/4.oct.2009 // sure we had reasons but we had no goal //. Crewhassan - cooperativa cultural, Lisboa. Arte Lisboa 09 – Feira de Arte Contemporânea, Galeria Pedro Serrenho, Lisboa. “Porno Start”, Galeria Voghera 11, Milão, Italia. “Collect.tiff Barcelona”, Collect.tiff, Barcelona, Espanha. “Roland the butcher boy”, Galeria Voghera 11, Milão, Italia. 2008•Arte Lisboa 08 – Feira de Arte Contemporânea, Galeria Pedro Serrenho, Lisboa. “Red”, Galeria Pedro Torres, Logroño, Espanha. “Colectiva Novos ao 8itavo Mês”, Galeria Pedro Serrenho – Arte Contemporânea, Lisboa. 9ª Bienal de Artes Plásticas cidade de Montijo – Prémio Vespeira, Montijo. 2007•Exposição concurso Ariane Rothschild, Lisboa. Arte Lisboa 07 – FAC, Galeria Sopro – projecto de arte contemporânea, Lisboa. Prémio Salúquia às Artes, Igreja de Nossa Senhora da Assunção - Castelo de Moura, Moura. 2003•“Museu do Esquecimento” Exposição na Sociedade Nacional de Belas Artes Lisboa, Lisboa. 2002•Galeria 21 – 1º Aniversário, Évora. 2000•Artes Elásticas, Edifício S. Pedro, Évora. 1995•Gesto Criador, exposição nos Paços do Concelho, Évora. 1993 •Pintura e Desenho, Palácio D. Manuel, Évora. Colecções: Banco Ariane Rothschild, Lisboa. Alcatel – Lucent, Portugal. Sousa Machado, Ferreira da Costa e Associados - Sociedade de Advogados, Lisboa Prémios: 2008•Mensão Honrosa 9ª Bienal de Artes Plásticas cidade de Montijo – Prémio Vespeira, Montijo. 2007•3º Prémio no concurso Ariane Rothschild, Lisboa. Mensão Honrosa Concurso Vila Sol 2007, Vilamoura.

http://davidrosadonet.blogspot.com

davidrosado33@gmail.com


Simona Accattatis

Desenho

http://simonaccattatis.blogspot.com/

simokit@gmail.com


Estas são as minhas personagens, adolescentes sensuais, assustados e desadaptados. Nascidos em corpos errados e mutáveis, transgender, ou melhor sem género. Melhores do que os outros prepotentes normalizados e poderosos, tão convencidos das suas próprias escolhas. E depois os meus ratos punk, coitados! Sempre enxotados. Inertes e com um gozo especial para os olhos esbogalhados, para o susto, dessa gente bem. Esta-me a olhar porquê? Há de chegar o dia de uma revolta dos ratos, dos coitados. Espero!


Simona Accattatis FORMAÇÃO ACADÉMICA: 2010: workshop– Banda Desenhada com Nuno Saraiva na Escola Arco, Centro de Arte e Comunicaçao Visual, Rua de Santiago, 18, Lisboa. 2009: curso Pós-laboral pintura, 1° semestre com Ângelo Encarnação, na Escola Arco, Centro de Arte e Comunicação Visual, Rua de Santiago, 18, Lisboa. 2008: licenciatura em Disciplinas das Artes, da Música e do Espectáculo pela Faculdade de Letras e Filosofia da Universidade de Bolonha, curso de licenciatura em filmologia. Discutiu a tese com o seguinte título: Fumetto portoghese, l’isola che non c’è. 2007: curso de Banda Desenhada no CIEAM, Centro de Investigação e de Estudos Arte e Multimédia, Faculdade de Belas-Artes de Lisboa. 2003-2004: curso de Banda Desenhada e Cinema de Animação no CITEN - Centro de Imagem e Técnicas Narrativas do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian - sob a direcção de José Pedro Cavalheiro (Zepe). 2002-2006: curso de Desenho, com duração de quatro anos na Sociedade Nacional de Belas Artes em Lisboa. EXPOSIÇÕES e PUBLICAÇÕES 2009: exposição pessoal de desenho na galeria Artefacto, Cç da Graça, 10, Lisboa, com o titulo: E as que comi fizeram-me mal. 2008: exposição pessoal de desenhos na galeria Bairro Arte, Rua das Salgadeiras, Lisboa, com o título: Eu não como coisas em forma de animal. 2005: publicação da banda desenhada A Vida por um Fio, no álbum colectivo Memórias 10; Ed. Citen, Centro de Imagem e Técnicas Narrativas; Centro de Arte Moderna José Azeredo Perdigão; Fundação Calouste Gulbenkian; Março / Fevereiro de 2005; Lisboa. http://www. bedeteca.com/cieam/cieam.html

http://simonaccattatis.blogspot.com/

simokit@gmail.com


M artinho C osta Da séria “VÖLKERWANDERUNG”- Pintura

http://martinho-costa.blogspot.com

martinhocosta77@gmail.com


Batalhas Atópicas e Sem Memória Integrada na nobre «Pintura de História» - o grand genre segundo a hierarquia académica formalizada no século XVII -, a cena de batalha serviu, desde a Antiguidade, de monumento comemorativo para narrar com dimensão épica as sagas militares factuais e míticas travadas pelos povos contemporâneos e ancestrais. Tal temática era tida em elevada consideração na medida em que exortava a edificação pública dos ideais civis mediante mensagens de índole moral e intelectual, invariavelmente veiculadas com um forte pendor pedagógico e propagandístico. Na série Völkerwanderung (Deambulação dos povos), Martinho Costa parece pintar batalhas históricas. No entanto, num segundo olhar compreendemos ser vão tentar determinar o local do evento mediante uma série de presenças significativas, testemunhais. São as cenas fabricadas digitalmente, aquelas que fascinam jovens e adultos aficcionados pelo mundo das consolas e jogos para PC. E atende-se que o pintor as quis compreender depois de ter visitado os sites que as catalogam, reconhecendo que já o eram pinturas per se de pleno direito. Porque é que os artistas contemporâneos não pintam as grandes batalhas do presente ou do passado com a dimensão edificante de outrora? Para ensaiar respostas teremos que nos debruçar sobre as superestruturas ideológicas que determinam a nossa época: pós-colonial e anti-imperialista. O relativismo cultural desencantado, que perpassa os discursos intelectuais e políticos dominantes, visa aplacar qualquer sujeito eleito pelos conhecidos messianismos providenciais que inspiraram, durante séculos, os ideários heróicos das nações (ainda que alguns deles continuem espreitando, à espera de um novo ensejo). Neste pano de fundo são sucessivamente convocadas as chagas abertas pela arte oficial que marcou o período entre guerras. Mais: a própria Guerra, sob o crivo colectivo tecido após o segundo grande conflito mundial, tornara-se monstruosidade, identificada com imperialismo, ditadura e fascismo. Vivendo sob o fantasma do Holocausto reitera-se o paradigma da des-idealização da imagem do advento militar. Fenómeno já seminal no século XIX, com Goya – Os Fuzilamentos de 1808 (1816) - e exacerbado, no século XX, por Picasso - Guernica (1937) e Massacre na Coréia (1951). Nasce então o arquétipo do artista como testemunha de acusação dos horrores e absurdos da guerra, representando-a já não com a glória do


fausto heróico, mas como carnificina e catástrofe.Torna-se vileza, atrocidade apocalíptica, aviso premonitório do fim da civilização. Contudo, nas batalhas que Martinho pinta não vemos a versão «pesadelo» do conflito armado visando retratar a brutalidade da barbárie e a ignomínia da degradação humana. Ainda que resolutamente desembaraçadas do sensacionalismo dramático e heróico de outrora, as suas cenas são inócuas pelo seu carácter de pura demonstração, vitrine cénica de eventos «fabricados» em concordância com as tipologias catalogadas na rede digital. Adquirem, ao invés, um sotaque escolar, de figura de manual de história ou de banda desenhada. Martinho surge como aquele que pretende rememorar esse passado longínquo da pintura, constatando a actualização de um olhar já não ferido pela dimensão ideológica. Instaura, com isto, uma assertiva tomada de posição frente à História de Arte. Herdeira da tapeçaria descrita na Ilíada que conta, em curiosa situação de mise en abîme, a guerra de Tróia ( fonte mítica dos modelos protocolares da conduta heróica que perpassou milénios em consecutivas remissões eruditas ), a cena de Batalha que Martinho apropria acaba por demonstrar como os antigos esquemas recuperados pelos jogos de computador são aparentemente «instrumento neutro», fora da época que o fabricou. Lembrando que não há instrumento de uma época (ou poder), mas quando muito uma utilização histórica do instrumento. Assumindo-se, assim, como denúncia de um ingénuo, e por isso perigoso, gesto de branqueamento ideológico das formas de representação do passado. Estas pinturas de batalhas não oferecem modelos. Mas pintá-las significa dar-lhes, irremediavelmente, um peso, uma consistência maior perante a coisa vista em pequeno formato, que logo se desvaneceu no desenrolar do jogo, em prol da mesma coisa pintada, que permanece, ao assumir a perenidade associada ao medium. Por oposição à dinâmica cinemática do jogo, Martinho recupera o silêncio eloquente da arte monumental. Contudo, a solenidade do tema é de imediato rebaixada depois de sabermos a sua proveniência... A indiferença ao histórico espreita para revelar a sua obstinação em seguir o destino da prestação, signo da máquina, como dispositivo de criação de realidades destinadas ao lazer, à aventura do imaginário actuante. De um ponto de vista céptico e desencantado, cínico e niilista, este empreendimento visa repensar as lógicas que subjazem a sociedade do entretenimento. Neste ponto, Martinho deslinda o seu dedo acusatório porque constata a futilidade do trânsito veloz das imagens. Tanto vale este como aquele momento, este ou aquele


lugar, porque carecem de qualquer outro significado que não seja o da imagem por si mesma, simulacral, exaurida da sua função moral e pedagógica. (A embriaguez da amnésia aviltra sempre a desfundamentação do presente.) Ao usar fórmulas obsoletas que, apesar de tudo, ainda ecoam no imaginário popular mais prosaico, Martinho chega a uma irónica determinação da Pintura de História: a história não é mais facto memorável e exemplar, tampouco drama ou episódio, mas sobretudo palco de encenação/ficção incessante. A guerra que Martinho pinta já não é o evento ocorrido que se pode somente ilustrar ou recriar, mas uma virtualidade que pressupõe todos os seus possíveis desenvolvimentos e configurações, términos e resoluções, em aberto. O sujeito-jogador ao assumir de empréstimo todas as identidades - de cavaleiro, arqueiro, chefe militar, estratega - concentra em si todas as responsabilidades e todos os actos da narrativa. Este fascínio, algo nostálgico, assenta ainda na nossa ingénita aptidão para agir na história. Neles exercita-se esse campo de batalha onde se joga a sorte, se testa a pontaria ou se tenta engendrar planos de estratégia militar. A cena «recriada» não deve mais reflectir as ambiciosas fantasias dos soberanos, e sim responder ao deleite particular de cada um. O Homem contemporâneo não pode experimentar outro sentimento senão o das suas escolhas. Como que por louco acesso de soberba, pode imaginar-se assim já um qualquer general, bramindo a espada em grito de guerra, acabando de modo inconfesso por incitar as forças primárias que existem recalcadas em cada um de nós... (O visitante vê esta cegueira, encontra-se de fora, já não é jogador mas o seu juiz.)

Bruno Marques Doutorando em História de Arte (FCSH da UNL) e membro do projecto de curadoria independente inter-face / Arte Contemporânea


MARTINHO COSTA, Fátima, 1977 Vive e trabalha em Lisboa. Licenciado em Artes-Plásticas - Pintura, pela Faculdade de Belas-Artes de Lisboa, em 2002. Em 2003 completa o Mestrado em Teoria y Prática de las Artes Plásticas Contemporâneas na Universidad Complutense de Madrid. O seu trabalho maioritariamente em pintura, tenta reflectir sobre o modo como as imagens que nos rodeiam são incorporadas na pintura. Este processo de transformação sobre objectos do presente, ocorre sobre uma investigação da história da pintura.Tentando uma actualização dos principais géneros e temas da pintura. Das exposições individuais que realiza desde 2003, destacam-se: Máquina de Campanha, (2005) Sopro Projecto de Arte Contemporânea; Ruína (2008), Galeria 111, Lisboa. Participa em diversas exposições colectivas desde 2000, de onde se destacam: Respublica, 1910 e 2010 face a face, na fundação Calouste Gulbenkian, prémio de pintura Fidelidade, Culturgest, 2006, O Espelho de Ulisses (2005), Centro de Arte São João da Madeira; Paisagem e Limiar (2007), Centro Cultural de Sines.

http://martinho-costa.blogspot.com

martinhocosta77@gmail.com


Patricia Geraldes “O grande rio coberto de barcas mortas�

www.patriciageraldes.com

www.patricia-geraldes.blogspot.com


Site-specific

Projecto - ‘ O grande rio coberto de barcas mortas’ Fábrica Braço de Prata – Lisboa 2011 A ideia deste projecto surgiu quando observava as imagens do espaço a intervir, e me apercebi da imponência que o espaço contém, sendo como um grande corredor vertical. Imediatamente comecei a construir imagens imaginando uma serpente gigante que se ergue sobre os espectadores, envolvida por seis medalhões dourados, também eles desenhados mas desta vez com papel de veludo recortado. Os medalhões pintados directamente nas paredes e riscados por papel de veludo que envolvem o grande desenho, apresentam-se como pequenos graffitis e atribuem um elemento de glamour à intervenção. A intenção é tornar um espaço de passagem num momento de pausa e de contemplação. A intervenção consiste em 2 elementos: 1º Um grande desenho preto sobre fundo vermelho, 300 Cm x 200 cm, acrílico sobre papel colocado na parede do meio. 2º Seis círculos prateados sobre os quais seis desenhos feitos em papel de veludo, o diâmetro dos círculos é 20 cm, acrílico e papel de veludo montados nas duas paredes laterais.


Patricia Geraldes 2000/2005 - Licenciatura Artes Plásticas – Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. 2010/2011 – Artista residente no Sunaparanta- Goa Centre For The Arts ao abrigo do programa Inov Art. Intervenções de Arte Pública 2011 – “Red Gallery – Panjim – Goa, Índia. 2010 – “Yatra” – Panjin – Goa, Índia. 2009 - “O Sol” – Sidi Bou Said – Tunis, Tunisia. 2007 – “Papel de Parede” – Rua Miguel Bombarda – Porto, Portugal Exposições individuais 2011 – “One Foreign Love” Sunaparanta Goa Centre For The Arts – Goa, Índia. 2010 – “My Golden Aquarium” Sput&nic (the Winthow) – Porto, Portugal. “Walls and Raining Drawings” Project room - Espacio Atlantico – Vigo, Espanha. 2009 – “Les Caisses de Dessins” – Sidi Bou Said – Tunis, Tunisia. Exposições colectivas 2009 – Galeria The Palace, Nova Delhi, Índia. 7º Printemps de La Marsa – Tunis, Tunisia. Artlet Almada - Project Room Almada – Porto, Portugal. 2008 – Rumar a Mar Alto - Fundação da Juventude – Porto, Portugal. 2007 - XIV Bienal Internacional de Arte de Vila Nova de Cerveira, Portugal V Bienal Internacional de Arte Jovem de Vila Verde, Portugal. Museu da cidade de Aveiro - Jovens criadores 2006 Aveiro, Portugal 2006 - Galeria do Palácio de Cristal, Projecto artístico «ArtskoolGozSouth» – Porto, Portugal. Galeria Artecore, Projecto artístico «ArtskoolGozSouth»Paris, França. 2005- Palácio de Cristal, Representação na Mostra de Ciência, Ensino, e Inovação da Universidade do Porto, Portugal. Museu da Faculdade de Belas Artes – Porto, Portugal. 2004 - Fundação Engenheiro António de Almeida – Porto, Portugal

www.patriciageraldes.com

www.patricia-geraldes.blogspot.com


PRÉMIO 2010 DE

FOTOJORNALISMO

ESTAÇÃO IMAGEM | Mora

http://www.estacao-imagem.com


O prémio, único nesta área em Portugal, promovido pela ESTAÇÃO IMAGEM com a parceria da Câmara Municipal de Mora, está aberto à participação dos fotojornalistas portugueses e dos PALOP, bem como aos estrangeiros residentes em Portugal ou nos PALOP. A RTP e a Agência Lusa foram os parceiros media da edição 2010. O objectivo do prémio é promover a reportagem fotográfica, género jornalístico em que os jornais e revistas nacionais cada vez apostam menos, e o elevado número de participações confirma a importância de que se reveste uma iniciativa deste tipo. Foram submetidas a concurso 636 reportagens de 190 fotojornalistas nesta primeira edição, resultantes de trabalhos produzidos para a imprensa em 2009. A presidente do júri do World Press Photo 2010, Ayperi Karabuda Ecer, acedeu em vir a Portugal para presidir ao júri do concurso. Ela é vice-presidente da Reuters Pictures, uma das mais importantes agências noticiosas mundiais. A seu lado teve o fotojornalista Francesco Zizola, premiado oito vezes no World Press Photo; a directora de fotografia da revista francesa Geo, Magdalena Herrera e a coordenadora europeia de fotografia do jornal The New York Times, Daphné Anglès. O júri reuniu-se em Mora entre 21 e 24 de Abril, e os vencedores foram anunciados numa cerimónia pública realizada naquela vila alentejana no dia 24 de Abril. No dia 25 o júri deu uma conferência em que explicou as razões das suas escolhas. O prémio estava dividido em sete categorias: Notícias, Vida Quotidiana, Retrato, Desporto, Artes e Espectáculo, Ambiente e Eleições. O vencedor de cada categoria recebeu 2.500 euros. De todas as reportagens a concurso, o júri escolheu a vencedora do prémio ESTAÇÃO IMAGEM | MORA, distinguida com 7500 euros. Coube também ao júri escolher, entre os 32 inscritos, qual o projecto que recebeu a bolsa ESTAÇÃO IMAGEM | MORA, no valor de 5.000 euros. O fotojornalista vencedor desenvolveu em 2010 um trabalho sobre o Alentejo, que será editado em livro e exposto na entrega dos prémios da edição 2011. Pela primeira vez em Portugal a apresentação dos trabalhos candidatos foi feita através da internet, no site da Estação Imagem. Entretanto o período de inscrição para a edição 2011 decorreu até dia 15 de Março, contando de novo com um júri de renome internacional. A RTP e a Agência Lusa mantiveram-se como parceiros media desta edição 2011, juntando-se-lhes o diário Público e o semanário angolano Expansão. Os vencedores das várias categorias e os vencedores do prémio e bolsa ESTAÇÃO IMAGEM | MORA serão anunciados dia 16 de Abril na vila


alentejana de Mora em cerimónia a que todos os concorrentes estão convidados a participar.“Fazer parte do júri de um prémio nacional de fotografia tem uma especial particularidade. Quase como um convite para jantar que por insistência dos donos da casa se transformasse em estadia prolongada, cria uma certa forma de intimidade que não se mereceu, uma familiaridade única, através do olhar, com tudo o que um país tem de esperanças e fracassos. Os membros do júri do prémio ESTAÇÃO IMAGEM | MORA 2010 têm enorme experiência de escolher e premiar fotografias. Mas este não foi só “mais outro” júri, o contacto com uma panorâmica completamente desconhecida por nós foi motivo de geral entusiasmo. Este prémio tem a particularidade de se cingir à reportagem, e o poder narrativo, a unidade de estilo e a pertinência do tema foram pois os elementos determinantes na escolha do júri. A falta de um deles levounos a excluir alguns trabalhos com estupendas imagens. Cheguei a Mora, evitando na viagem as cinzas do vulcão islandês, com a firme esperança de encontrar nas fotografias concorrentes as subtilezas de tonalidade que tanto admiro na literatura portuguesa. E assim foi. Embora não sendo ficção, as imagens que vi rasgaram horizontes. Como não imaginar o que será S. João da Madeira depois de mais umas tantas crises? Como evitar que se reflicta em mim, ou no que de mim dizem os objectos de que me rodeio, o suave retrato das gentes do Bouça? Como não achar que a campanha do PSD lhe daria a vitória, a não ser mesmo no fim da reportagem? E o “Sabor” tomou para sempre outro significado perante as inesquecíveis imagens de Paulo Pimenta. Fazemos votos para que o Alentejo e a fotografia continuem a progredir a par. Ao atribuir a bolsa em concurso a João Carvalho Pina, o júri do PRÉMIO ESTAÇÃO IMAGEM valoriza a fotografia como memória viva do tempo, mas não na óptica nostálgica do passado – antes projectando uma visão de futuro”.

AYPERI ECER PRESIDENTE DO JÚRI ESTAÇÃO IMAGEM | MORA 2010

Texto de Ayperi Ecer que está na abertura do livro do Prémio Fotojornalismo 2010


Premio Estação Imagem Paulo Pimenta Sabor


1º Premio Notícias Ricardo Meireles agência via visuals


2º Premio Notícias Nelson Garrido jornal público


1Âş Premio vida quotidiana joĂŁo carvalho pina colectivo kameraphoto


2Âş Premio vida quotidiana nacho doce agĂŞncia reuters


3º Premio vida quotidiana nelson d’aires colectivo kameraphoto


Premio retrato guillaume pazat colectivo kameraphoto


Premio Ambiente nuno andrĂŠ ferreira colaborador correio da manhĂŁ


Premio artes e espectรกculo gonรงalo rosa da silva editor da revista visรฃo


Premio desporto jorge monteiro agĂŞncia gestifoot media


Premio 2009 - ano de eleições nelson d’aires colectivo kameraphoto


Catรกlogo


Parceiro

Parceiros media

apoios


http://www.estacao-imagem.com


http://exposicoesfbp.blogspot.com

Catálogo 05-2011 ExposicõesFBP  

Catálogo 05-2011 ExposicõesFBP

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you