Page 1

Residencial Palonvitas

O terreno está localizado na rua Jardim Botanico, n. 568 e faz esquina com a rua Oliveira Rocha e com as Rua Conde de Afonso Celso, a de principal acesso.

Vista Aerea do Edificio

A implantação previlegia a vista e marca o ponto mais importante do terreno, a esquina.

Evolucao da Forma privilegiando o fluxo de pedestres e a relacao rua-edificio.

QUADRO GERAL DE AREAS Áreas Total do Terreno Permitida Projetada

ATE ATE

1.493,68 m2

2.427,25 m2 2.396,74 m2

Área Total Construída Área Total Construída

970,90 m2 878,11 m2

Numero de Pavimentos 8 Pavimentos Projetados Altura Máxima da Edificação Permitida Projetada

Unidade Tipo 2 Quartos 3 Quartos

25,00 m 23,70 m Unidades Residenciais Quantidade 10 10

% Projetado 48,70 % 32,60 %

Corte Esquematico1 - Rua Jardim Botanico

Vista do Outro Lado da R ua

Corte Esquematico 2 - Rua Conde de Afonso Celso

A proposta de implantação do projeto proporciona a vista privilegiada da Lagoa Rodrigo de Freitas e do Corcovado, locais estes mais bonitos do entorno. Alinhado com as outras fachadas, o projeto se integra as características do bairro, mantendo a concepção de rua e calçada.A solução para a fachada, seriam de venezianas móveis que além de proteger contra a insolação intensa, também permite a contemplação total da paisagem. E as chapas metálicas para marcar a horizontalidade, como na referencia. Com um caráter vertical imponente e predominante na forma, a solução para conectar as áreas livres foi recuar o embasamento do prédio, criando uma área de pilotis que permite o fluxo de pedestres de uma maneira mais fluida.

Vista Panoramica da Encosta Verde do bairro.

Vista do Observador - Sentido Humaiatá

Vista do Observador - Sentido Gávea

Referencia Compositiva

C

laura Guimarães DRE 109105565

Trabalho Integrado_1|2011_2

PA2 Luiz Felipe Cunha PP Mario Ceniquel DIG Rodrigo Cury CESTPaulo Fernando SAP Aristóteles

P3

Residencial palonvitas

1


Residencial Palonvitas O Projeto Paisagístico para o edíficio foi inspirado no MEC (atual Palácio Gustavo Capanema) já que a forma e os espaços livres dos edifícios se assemelham, como o pilotis e o terraço livre. Projetado por Roberto Burle Marx, tem como característica a predominancia de canteiros curvos proporcionando um percurso fluido ao pedestre contemplando sempre a vegetação nativa.

Programa e Zoneamento - Pavimento Terreo Espaco Privado de Uso Publico 1. 1. ESPAÇO PRIVADO DE USO PUBLICO ITENS

DENOMINAÇÃO

USUÁRIO

1

Espaço Cultural

Artistas de rua, jovens, ativistas

2

Pilotis

Transeuntes

Permanência

Idosos, boêmios

3

4

Circulação

HORA

Consumidores

% PERCENTAGEM

ÁREA M2

NÍVEIS DE MOVIMENTAÇÃO

20,00

113,75

Permanência circulação

54,00

309,00

Movimentação ativa

ASPECTOS QUALITATIVOS

TIPO DE ATIVIDADES

T/N

Sol filtrado/ assentos as curvos

Apresentações artísticas, encontros, circulação, circulação ponto de encontro

M/T

Área coberta e ventilada

Descanso e passagem

M/N

Bancos e mesinhas / privacidade /acessibilidade / boa iluminação

Jogos de mesa, leitura, conversar, alimentação

13,00

70,00

Permanência

M / T /N

Bancos lineares / vista ampla do espaço livre / acesso rápido / pequenas coberturas

Esperar, alimentação rápida, caminhar

13,00

75,70

Movimentação ativa

Total

100%

568,45

14%

PAUTAS FUNCIONAIS

Espaco Cultural

Permanencia Circulacao 52%

Espaços

2. SETORES PRIVADOS DE USO PUBLICO

PA PA

DENOMINAÇÃO

1 assentos curvo 3 bancos (3 assentos)

Setor passivo restrito

1

EQUIPAMENTOS

ESTRATO VEGETAL USADO E/OU PROPOSTO

% PERCENTAGEM

PISOS

Arvores de copa rala Arbustos ornamentais pequenos Gramados e forrações Arvores floridas

Placas de cimento Calcada com desenho de pedra portuguesa branca

20,00

Calcada com desenho de perda portuguesa vermelha, branca e preta.

54,00

ÁREA M2

113,75

4 jardineiras 7 fradins

Arbustos ornamentais médios

PC PC

3

Setor publico adulto

3 mesas de jogos 3 conjunto de bancos agrupados 2 bancos (10 assentos)

Arvore de copa rala Arbustos ornamentais pequenos Arbustos altos fechados

Placas de cimento Calcada com desenho de pedra portuguesa vermelha

13,00

70,00

PD PD

4

Setor Ativo Geral

4 jardineiras

Arbustos pequenos e fechados

Pedra portuguesa vermelha

13,00

75,70

Total

100%

568,45

2

ESTRUTURA FUNCIONAL IDEAL

Espaço Teen

Setor Hiper Ativo

PB PB

309,00

Pilotis

15%

Espaço Cultural

SETOR

19%

3

1

Permanência

4

2

Circulação

Descrição - Espaços Livres públicos Esta área tem como objetivo ser o ponto focal do espaço livre, pois concentra os atuais e futuros fluxos de pedestres. Características que favoreçam a permanência e o bem estar estão presentes, tanto na vegetação quanto no mobiliário. Por ser o centro, este local destina-se a apresentações artísticas e propicia um ambiente para isso, pois possui bancos alternativos e desnível no piso que poderão ser utilizados com pequenos palcos. Não só para esta finalidade, mas o espaço também tem a finalidade de favorecer encontros e permanência, já que a arborização filtra o sol e cria um clima agradável. Situado a margem do espaço de projeto e próximo a uma escola, este espaço possui uma relação forte e atrativa com os estudantes e transeuntes, sua característica linear permite a formação de pequenos grupos de espaços, que geram em pequenas atividades. Com os níveis de insolação variados, o espaço não permite uma estadia longa e repele moradores de ruas e outros. Estar à beira da rua proporciona ao local, a segurança de estar sendo sempre vigiado e movimentado. Este espaço visa favorecer aos moradores locais um local de permanência publica aconchegante, atraente e versátil, já que se encontra no inicio de uma área residencial e próximo ao comercio gastronômico. Desta forma, este espaço favorece a dois públicos, idosos e boêmios. Seu mobiliário permite a utilização tanto para jogos ou leitura, quanto para apoiar bebidas e papear com os amigos. De dia iluminação filtrada pela vegetação e de noite iluminação aconchegante e alternativa. Com a finalidade se ser um suporte para o comercio, este espaço possui uma característica de passagem rápida. Seu mobiliário propicia uma pequena parada e estadia apenas para o que forem suporte, vendedores ambulantes. Muito mais que um corredor para apreciar vitrines, este espaço possibilita o acesso ao principal espaço da área livre, o espaço cultural.

Programa e Zoneamento - Pavimento de Uso Espaco Privado de Uso Coletivo

1. ESPAÇO PRIVADO DE USO COLETIVO ITENS DENOMINAÇÃO 1

Praça Salão de Festas

2

Churrasqueiras

3

Varanda

4

Espaço teen

5

Solarium

USUÁRIO Adultos, jovens

Adultos, jovens Idosos, Adultos, Jovens Crianças, jovens e responsáveis responsáveis, Bebes, Idosos, Adultos

HORA

ASPECTOS QUALITATIVOS

% PERCENTAGEM

TIPO DE ATIVIDADES

ÁREA M2

NÍVEIS DE MOVIMENTAÇÃO

187,00

Permanência Circulação

Anexo do salão de festas/ boa ventilação/ ventilação espaço para mesas Mesas para alimentação/ privaci privacidade moderada / sombra Vista privilegiada / boa ventilação / privacidade / amplidão

Comemorações, alimentação, alimentação convívio social, controle visual

14,00

Namorar, contemplar vista, conversar

10,00

M/T

Sol filtra filtrado / assentos alternativos

Jogos, conversar, encontro

15,00

66,00

Permanência

M / T /N

Vistas / boa ventilação / privacidade /boa insolação /

Estar, bronzear, socialização, socialização namorar, pergolas

16,00

65,00

Permanência

Total

100%

385,00

M/T/N

T/N

M/T/N

Expansão do salão, comemorações,, brincadeiras

45,00

28,00

PAUTAS FUNCIONAIS

16%

CA CA CB CB

CC CC

CD CD

DENOMINACAO

EQUIPAMENTOS

Setor Festas/ Reuniões

2 mesas (4 lugares)

3

Setor Passivo

2 bancos confortáveis (2 assentos)

4

Setor Adolescente

1+2

5

Setor Estar

1 bancos alternativos

3 pergolas

ESTRATO VEGETAL USADO E/OU PROPOSTO Arbustos médios fechados Arbustos decorativos pequenos Flores Forrações e gramados Arvores globulares copa difusa Arbustos ornamentais pequenos forrações e gramados

PISOS

Piso de pedra São Tome

Piso de pedra São Tome

Calcada com mosaico pedra portuguesa vermelha

14,00

39,00

10%

Permanência

AREA M2 M2

Espaços

Solarium

Praça Salão de Festas

Churrasqueiras

Esta área e protegida do sol a maior parte do dia pela sombra do edifício, e depois pelo mobiliário, que proporciona comodidade aos usuários do ambiente. A amplitude deste espaço proporciona fácil acesso a qualquer outro ambiente do PUC e uma privacidade moderada.

Varanda

Um dos ambientes mais privilegiados do pavimento, este espaço possui vista direta para a lagoa e a encosta verde do Jardim Botânico. Alem da vista, a vegetação também cria um ambiente romântico e torna um local reservado e ideal para atividades tranqüilas, de contemplação e meditação.

Espaço teen

A versatilidade entre todas as idades esta presente neste espaço, no que se refere a vegetação, que cria espaços de sombra e de sol e a mobiliário, alternativo para diferentes usos.

Solarium

Local reservado a contemplação, contato com a natureza e descanso, esta e a área do PUC mais reservada e com maior insolação , o que permite o uso a diferentes públicos.

187,00

28,00

1

3

39,00

4

Mosaico de pedra portuguesa branca

29,00

150,80

Total

100%

385,00

Descrição - Espaços Privado de Uso Coletivo Com a finalidade de servir de apoio ao próprio salao de festas, essa área possui o essencial para uma festa em local aberto. Sombra, boa ventilação e vista. Alem do mobiliário suporte, o que favorece qualquer acontecimento no local.

ESTRUTURA FUNCIONAL IDEAL

5 10,00

Varanda

14%

% PERCENTAGEM 45,00

Churrasqueiras

Espaco teen

1. SETORES PRIVADOS DE USO COLETIVO

SETOR

45%

15%

Permanência

Praca Salao de Festas

2

C

laura Guimarães DRE 109105565

Trabalho Integrado_1|2011_2

PA2 Luiz Felipe Cunha PP Mario Ceniquel DIG Rodrigo Cury CESTPaulo Fernando SAP Aristóteles

Programa e Zoneamento

2

P3


Residencial Palonvitas

PISOS TIPOLOGIA

INDICAÇÃO NA PLANTA

METRAGEM

COR

Pedra Portuguesa

25m2

Branca

Pedra Portuguesa

88m2

Vermelha

Cimentado

1060m2

Cinza

REFERENCIA

MOBILIARIO DENOMINACAO

QUANTIDADE

MATERIAL

Banco curvo

3

Madeira

Mesa de jogos

3

Cimento

1

Ferro

Escultura Estatua Franz Weissmann

Poste

INDICACAO NA PLANTA

6

REFERENCIA

------

C

laura Guimarães DRE 109105565

Trabalho Integrado_1|2011_2

PA2 Luiz Felipe Cunha PP Mario Ceniquel DIG Rodrigo Cury CESTPaulo Fernando SAP Aristóteles

Plano de Cotas Térreo

3

P3


Residencial Palonvitas

VEGETACAO ESPECIFICACAO

NOME POPULAR

NOME CIENTIFICO

INDICACAO NA PLANTA

QUANTIDADE

TAMANHO

Arvore

Ipe-Roxo

Tabebuia Impetiginosa

A1

1

Altura 12m Ø 8m

Arvore

Oiti

Lincania Tomentosa

A2

3

Altura 15m Ø 8m

Arbusto

Viburno

Viburnum Sespensum

Ar1

1

Altura 0,8m Ø 0,50m

Arbusto

Pingo De Ouro

Duranta Repens 'Aurea'

Ar2

10

Altura 0,50m Ø 0,70m

Arbusto

Bromélia

Vriesea Hieroglyphica 'Maile Lei'

Ar3

5

Altura 0,40m Ø 0,50m

Forração

Maria- Sem -Vergonha

Impatiens Wallariana 'White'

For1

10

Altura 0,30m Ø 0,50m

Forração

Seixo Rolado

--------

For2

3,15m2

------

Forração

Grama Bermuda Celebration

Cynodon Dactylion

For3

5,40m2

Altura 0,02m

C

laura Guimarães DRE 109105565

Trabalho Integrado_1|2011_2

REFERENCIA

PA2 Luiz Felipe Cunha PP Mario Ceniquel DIG Rodrigo Cury CESTPaulo Fernando SAP Aristóteles

Plano de Plantio Térreo

4

P3


Residencial Palonvitas

PISOS TIPOLOGIA

INDICAÇÃO NA PLANTA

METRAGEM

COR

Pedra Portuguesa

25m2

Branca

Pedra Portuguesa

88m2

Vermelha

Cimentado

1060m2

Cinza

REFERENCIA

MOBILIARIO DENOMINACAO

INDICACAO NA PLANTA

QUANTIDADE

MATERIAL

Banco curvo1

3

Madeira

Banco Curvo 2

3

Cimento

Banco alternativo

1

Cimento

Pergola

1

Madeira

REFERENCIA

C

laura Guimarães DRE 109105565

Trabalho Integrado_1|2011_2

PA2 Luiz Felipe Cunha PP Mario Ceniquel DIG Rodrigo Cury CESTPaulo Fernando SAP Aristóteles

Plano de Cotas PUC

5

P3


Residencial Palonvitas

VEGETACAO ESPECIFICACAO

NOME POPULAR

NOME CIENTIFICO

INDICACAO NA PLANTA

QUANTIDADE

TAMANHO

Arvore

Espinho de Jerusalem

Parkinsonia Aculeata

A1

1

Altura 8m Ø 6m

Arbusto

Azaléia

Rhododendron Simsi ‘Christine Matton’

Ar1

12

Altura 0,5m Ø 0,60m

Arbusto

Pingo de Ouro

Duranta Repens 'Aurea'

Ar2

8

Altura 0,50m Ø 0,70m

Forração

Grama Bermuda Celebration

Cynodon Dactylion

For1

14m2

Altura 0,02m

Forração

Grama inglesa

Stenotaphrum Secundatum

For2

13,75m2

Altura 0,02m

Forração

Seixo Rolado

--------

For3

13m2

------

C

laura Guimarães DRE 109105565

Trabalho Integrado_1|2011_2

REFERENCIA

PA2 Luiz Felipe Cunha PP Mario Ceniquel DIG Rodrigo Cury CESTPaulo Fernando SAP Aristóteles

Plano de Plantio PUC

6

P3


Residencial Palonvitas

C

laura Guimar茫es DRE 109105565

Trabalho Integrado_1|2011_2

PA2 Luiz Felipe Cunha PP Mario Ceniquel DIG Rodrigo Cury CESTPaulo Fernando SAP Arist贸teles

Detalhes

7

P3


Residencial Palonvitas

C

laura Guimar茫es DRE 109105565

Trabalho Integrado_1|2011_2

PA2 Luiz Felipe Cunha PP Mario Ceniquel DIG Rodrigo Cury CESTPaulo Fernando SAP Arist贸teles

Pavimento Tipo e Unidades

8

P3


Residencial Palonvitas DIMENSIONAMENTO DOS RESERVATORIOS DIMENSIONAMENTO DOS RESERVATORIOS

DE AGUA

Volumediário diário de a)Volume de água (Vd) a) a) a) Temosque que Vd Vd = diversos (e) (e) Temos = CxD CxD++volumes volumes diversos Consumos: Consumos: 27ª região adm. – 480 L/dia 27ª região adm. – 480 L/dia Áreas verdes + garagens

Áreas verdes garagens 1,5 L/m2 +50 L/carro População: P = 5 andares x 4 apto/andar x 6 pessoas + 2(zelador) População: P = 122 pessoas

P = 5 andares x 4 apto/andar x 6 pessoas + 2(zelador) P = 122 pessoas Vd = 480 x 122 + 1,5 x 116,1 + 50 x 28 Vd = 60.134,15 L

b) b) Volume a ser armazenado: (V) Intermitência do distribuidor publico: 2dias + V = 2Vd b) b) V = 2 x 60.134,15 = 120.268,3 L c) Vd c) V d do reservatório inferior (cisterna) (VRI) NBR 5626 + VRI + 3/5 V (L) VRI = 3/5 x 120.268,3 L = 72.160,98 L = 72,16 m3

c) c) d) d) Volume do reservatório superior VRS = 2/5 x 120.268,3 + RTI [RTI = 6000 + 500 (7 – 4)] RTI = 7500 L VRS = 48.107,32 + 7.500 VRS = 55.607,32 = 55,60 m3

d) d) Volume do

e) e) Dimensões do do reservatório inferior 3 VRI = 72m VRI/2 = 36 m3 (2 câmaras) VRI = X x Y x H e) e) X/Y = ¾ H = X/2 Cálculos 36 = X x 4/3 x X x X/2 6 x 36 = 4 X3 X3 = 6 x 36/4 = 54 X = 5,4 m Y = 4/3 x 5,4 = 7,2 m H = 5,4 / 2 = 2,7 m (H menor que 4) f) f) Dimensões do reservatório superior: VRS= 55,6 /2 m3 = 27.8 m3 (2 câmaras) VRS = X x Y x H H= altura da casa de maquinas – 1,30 X/Y = ¾ ACM = 4,50 – 3 (altura do tipo) + 0,07 (laje) + 2,30 (altura da garagem) + 0,10 (laje) ACM = 3,94m (H menor que 4) 27,8 = X x 4/3X x 3,94 = 15,76 X2 = 83,4 X2 = 5,29 X = 2,30 m Y = 4/3 x 2,30 Y= 3,06 = 3m

C

laura Guimarães DRE 109105565

Trabalho Integrado_1|2011_2

PA2 Luiz Felipe Cunha PP Mario Ceniquel DIG Rodrigo Cury CESTPaulo Fernando SAP Aristóteles

Telhado e Subsolo

9

P3


Residencial Palonvitas

Dimensão dos Pilares

C

Pilar de Canto

Pilar de Centro

0,20m x 0,20m

0,20m x 0,45m

Pilar de Borda

Pilotis

0,20m x 0,25m

Ø 0,50m

laura Guimarães DRE 109105565

Trabalho Integrado_1|2011_2

PA2 Luiz Felipe Cunha PP Mario Ceniquel DIG Rodrigo Cury CESTPaulo Fernando SAP Aristóteles

10 P3

estruturas


Residencial Palonvitas

C

laura Guimar茫es DRE 109105565

Trabalho Integrado_1|2011_2

PA2 Luiz Felipe Cunha PP Mario Ceniquel DIG Rodrigo Cury CESTPaulo Fernando SAP Arist贸teles

11 P3

CORTES


Residencial Palonvitas

C

laura Guimarães DRE 109105565

Trabalho Integrado_1|2011_2

PA2 Luiz Felipe Cunha PP Mario Ceniquel DIG Rodrigo Cury CESTPaulo Fernando SAP Aristóteles

Inst. Elétricas, Sanitérias e Hidráulicas

12 P3


Residencial Palonvitas

C

laura Guimar茫es DRE 109105565

Trabalho Integrado_1|2011_2

PA2 Luiz Felipe Cunha PP Mario Ceniquel DIG Rodrigo Cury CESTPaulo Fernando SAP Arist贸teles

fachadas escala 1:125

13 P3

Laura Guimaraes  

Laura Guimaraes - Residencial Palonvitas

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you