Page 1

revista do hospital santa joana | Nº01 2013



Lazer em família Os momentos de lazer fazem bem para a saúde e ajudam a estreitar os laços familiares

HOSPITAL INTERNACIONAL Santa Joana obtém a mais importante certificação hospitalar do mundo | pág. 06 CIRURGIA SEGURA Melhores resultados a partir da adoção do protocolo internacional | pág. 40 DOENÇAS DO FRIO Basta o clima mudar que elas aparecem | pág. 48


CUIDAMOS Tテグ BEM DA NOSSA EST


Novo prédio para a Unidade Clínico-Cirúrgica Estamos sempre evoluindo para fazer a diferença na sua vida. Por isso, agora o Complexo Hospitalar Santa Joana está ainda maior e mais moderno, com um prédio totalmente novo. Toda essa estrutura conta com acesso independente às instalações, além de elevadores panorâmicos e serviços exclusivos de hotelaria. Seguindo as tendências da arquitetura contemporânea, a valorização da arte foi o conceito utilizado para oferecer um ambiente ainda mais humanizado, acolhedor, através do uso de cores e texturas. Tudo isso somado a uma capacitada equipe médica e de enfermagem que segue normas e padrões internacionais de qualidade e segurança. Todas essas novidades são resultado da nossa constante evolução para que você continue sempre em boas mãos.

www.santajoanape.com.br | 81 3216.6666

agência

RUTURA QUANTO CUIDAMOS DE VOCÊ


sumário

52 acreditação

06.

estrutura

26.

40.cirurgia segura

GESTÃO HOSPITALAR O foco no planejamento estratégico para obter bons resultados

14.linha do tempo

same A estratégia do Serviço de Arquivamento Médico e Estatística

28.

22.

DEPOIMENTOS O reconhecimento das autoridades médicas e do Governador Eduardo Campos

lazer em família Programas familiares diminuem o estresse

gestão

Acreditação O Santa Joana prioriza a segurança do paciente ao adotar normas internacionais da JCI

Uma trajetória de sucesso na medicina desde 1979

CAPA

30.

Gerência de risco A prevenção do risco ambiental, assistencial e do controle de infecções

Protocolo internacional reforça a segurança dos procedimentos cirúrgicos

42.nova farmácia Os medicamentos são rastreados da farmácia até o leito do paciente

44.diagnóstico

Santa Joana Diagnóstico também segue protocolos internacionais

bem-estar

48.

saúde Saiba como prevenir as doenças que chegam com o frio

58.

diversão Remadas sobre a prancha, a moda que veio do Havaí

60.nutrição

Conheça mais sobre a pimenta e a quinoa

62.opinião

Quebrando paradigmas na gestão hospitalar

expediente Diretora de redação Luciana Nunes Lewis

Atendimento Juliana Pessoa

Editora Marianne Brito

Repórteres Amanda Nóbrega, Yuri Assis e Juliana Coimbra

04 ago/set 2013

Revisores Bruno Marinho e Juliana Outtes Editora de arte Ana Elisa Ribeiro

Designer Juliana Delgado Fotografia Dani Neves, Guilherme Veríssimo e Rafael Bandeira

Exclusiva!BR Rua da Guia, nº 99 Recife Antigo, Recife-PE 81.33669666 www.exclusivabr.com


dani neves

palavra do presidente

Coragem e ousadia

O

Hospital Santa Joana representa, para nós, um sonho acalentado desde 1965, quando inauguramos a nossa primeira unidade hospitalar, a Casa de Saúde Santa Helena. Foi, sem dúvida, um grande marco na atividade hospitalar regional e nacional. As nossas iniciativas no Santa Joana foram presididas pelo espírito pioneiro em várias áreas, como a moderna concepção de arquitetura hospitalar, projetada pelo arquiteto Guilherme Albuquerque e pela renomada arquiteta Janete Costa. Fomos o primeiro hospital privado de Pernambuco a ter uma UTI, a primeira maternidade com pediatra e o primeiro serviço de radiologia 24 horas em regime de plantão. A revista Você com Saúde traz na sua estreia reportagens que contam todos os caminhos trilhados pela equipe do Hospital Santa Joana para obter a Acreditação Hospitalar da Joint Commission International (JCI-EUA). Trata-se do mais importante e conceituado certificado internacional da área hospitalar, que é almejado por muitos, mas que apenas 22 instituições no Brasil conseguiram alcançar até hoje. Ao lado do nosso coirmão, o Hospital Memorial São José, nos tornamos os dois primeiros e únicos hospitais do Norte e Nordeste até o momento a obter a Acreditação da JCI. Não se pode exaltar esta importante conquista sem enaltecer o passado e reverenciar a história que o HSJ construiu desde a sua inauguração, em 1979. O reconhecimento da sociedade, dos clientes e da classe médica nos assegura que a coragem e a ousadia de quebrar paradigmas e trazer para o Recife novos conceitos mundiais de medicina hospitalar levou o Santa Joana a ter o seu espaço entre os centros hospitalares mais modernos do País. Nossa principal meta é oferecer cada vez mais serviços diferenciados com excelência de qualidade. As conquistas também são fruto do compromisso dos nossos colaboradores, que zelam pelo bem maior do ser humano, a vida. Outro motivo de orgulho são os dedicados médicos que integram as equipes próprias do Santa Joana, todos profissionais de grande prestígio. Preservamos assim a conduta presidida pelo apreço e pela valorização profissional dos nossos funcionários. Embora o caminho, desde 2009 até a Acreditação, tenha sido árduo e a jornada longa, temos a certeza de que o melhor para o Santa Joana ainda está por vir.

Dr. Francisco Eustácio Fernandes Vieira Diretor-presidente do Hospital Santa Joana

expediente Diretor-presidente Dr. Eustácio Vieira

Diretor Administrativo Marcelo Vieira

Diretora Executiva Juliana Vieira Maranhão

Diretora Administrativa do Santa Joana Diagnóstico Fernanda Vieira Castro e Silva

Conselho Editorial Juliana Vieira Maranhão Marcelo Vieira Fernanda Vieira Castro e Silva Dr. Filipe Lima Rosalvo Mafra

Av. Joaquim Nabuco, 200 Graças, Recife - PE CEP: 52011-000 www.hospitalsantajoana.com.br PABX: (81) 3216.6666

ago/set 2013 05


06 ago/set 2013


O HSJ e a Acreditação JCI

A cidade em boas mãos O MAIS IMPORTANTE CERTIFICADO DE QUALIDADE HOSPITALAR do mundo ATESTA QUE O santa joana SEGUE NORMAS e protocolos internacionais em assistência à saúde

guilherme veríssimo

O

Recife ganhou um hospital internacional que não veio de fora do País. Foram quatro anos de preparação, em constante aperfeiçoamento, para oferecer mais segurança ao paciente e melhor qualidade do atendimento hospitalar. A meta foi conquistada em novembro de 2012, quando o Hospital Santa Joana (HSJ) obteve a Acreditação Hospitalar concedida pela Joint Commission International (JCI). A organização norte-americana é representada no Brasil pelo Consórcio Brasileiro de Acreditação (CBA), que possui os mais exigentes e abrangentes padrões de certificação. Diferentemente do Certificado, a Acreditação tem foco mais técnico e operacional e segue normas desenvolvidas com envolvimento

das comunidades científica, técnica e clínica. É um padrão internacional praticado da mesma forma nos mais renomados hospitais do mundo, que seguem os princípios da gestão e da melhoria contínua da qualidade e segurança do paciente. Apenas 22 hospitais do Brasil integram o seleto grupo que possui o selo dourado da JCI, entre eles está o Hospital Santa Joana. “O alinhamento da tecnologia com recursos humanos capacitados tem como resultado o mais alto nível internacional em medicina hospitalar. O certificado da Joint Commission International para a nossa cidade e para a nossa região é uma proeza que se compara à conquista de um prêmio que poucos conseguem alcançar”, assegura o médico Eustácio Vieira, Diretor-presidente do Hospital ago/set 2013 07


acreditação

Gestores envolvidos na Acreditação

Santa Joana e presidente do Grupo Fernandes Vieira, que recebeu, em 2013, o título de Administrador Emérito, na categoria Hospital Privado, da Federação Brasileira de Administradores Hospitalares. Fundado em 1979, o Hospital Santa Joana conquistou as mais importantes certificações do setor hospitalar. Entre elas, o ISO 9001 nas áreas de Multiemergência, Enfermagem, Controle de Infecção Hospitalar e UTI Coronária. “Conseguir a acreditação é reafirmar nosso permanente compromisso com os avanços da medicina”, afirma Dr. Eustácio Vieira. Mais de três décadas se passaram e hoje o Santa Joana é reconhecido como um dos complexos hospitalares mais importantes do País. Grandes mudanças e adequações foram realizadas para conquistar a Acreditação Hospitalar da JCI, com destaque para as novas políticas do prontuário, a identificação de pacientes, a administração de medicamentos, o fortalecimento da Gestão de Risco 08 ago/set 2013

e o investimento em equipamentos e na modernização das instalações físicas. No prontuário, que é o registro médico do paciente, as informações estão mais detalhadas e abrangentes. Para acompanhar e monitorar o preenchimento correto desse documento, o HSJ

Foram realizados investimentos em infraestrutura, na compra de modernos equipamentos e na qualificação da equipe

criou o Serviço de Arquivamento Médico e Estatística (Same). “A JCI destaca, no Manual Internacional da Acreditação, 61 itens que devem ser criteriosamente avaliados no prontuário do paciente, cujas subdivisões somam, em média, mil tópicos”, informa a Diretora Executiva do HSJ, Juliana Vieira Maranhão. Em 2010, o Santa Joana começou a trabalhar com a Gestão de Risco, ampliando e fortalecendo

O alinhamento da tecnologia com recursos humanos capacitados tem como resultado o mais alto nível internacional em medicina hospitalar. O certificado da Joint Commission International para a nossa cidade e a nossa região é uma proeza que se compara à conquista de um prêmio que poucos conseguem alcançar Dr. Francisco Eustácio Fernandes Vieira, Diretor-presidente do HSJ


dani neves

diretores do Hospital Santa Joana: Fernanda Vieira Castro e Silva, Dr. Eustácio Vieira, Juliana Vieira Maranhão e Marcelo Vieira

seus protocolos, que antes eram direcionados de maneira mais forte para o controle da infecção hospitalar. Dois novos pilares foram adotados: o ambiental e o assistencial. O objetivo é garantir maior segurança aos colaboradores, pacientes e visitantes, minimizando os efeitos dos riscos e reduzindo os danos pessoais, materiais, de segurança ou ambientais. Além disso, um sistema de rastreabilidade eletrônica de medicamentos permite o controle da medicação, do momento em que ela entra na farmácia até ser aplicada no paciente. Uma pulseira com código de barras, contendo o nome e o número do prontuário (Same), identifica o paciente. Esse controle garante a segurança de que todo e qualquer procedimento será conferido, seja medicação, alimentação, exames ou procedimentos cirúrgicos e invasivos. Além disso, o HSJ

reforçou sua cultura de prevenção de acidentes, com a criação da brigada de incêndio, implantação de rotas de fugas e treinamentos para atuar diante de situações de calamidades e catástrofes. Rondas e auditorias de qualidade e processos foram implementados para que os gestores possam identificar, com antecedência, possíveis falhas nos processos.

Joint CoMmission international (jci) Criada em 1994 pela The Joint Commission, a JCI tem presença em mais de noventa países. No Brasil, 22 hospitais receberam a Acreditação dessa renomada instituição, até novembro de 2012. Entre eles, apenas dois no Norte e Nordeste: o Hospital Santa Joana e o Memorial São José, ambos do Grupo Fernandes Vieira. A Joint Commission

"Conseguir a Acreditação da JCI é reafirmar nosso permanente compromisso com os avanços da medicina"

International trabalha com organizações

Dr. Eustácio Vieira, médico e Diretor-presidente do HSJ

desempenho, visando a segurança

de cuidados de saúde, governos e defensores internacionais na oferta de soluções para atingir o máximo do paciente. Os especialistas ajudam as organizações de três maneiras: acreditação, educação e consultoria

INVESTIMENTOS Para receber a Acreditação da JCI, foram realizados investimentos em infraestrutura, na compra de equipamentos e na qualificação da equipe, que somaram cerca de

técnica. Esse enfoque nos mais elevados padrões de cuidado ao paciente e na melhoria de processos voltados para resultados ganhou o respeito de líderes em cuidados de saúde.

ago/set 2013 09


fotos: dani neves

acreditação

Dr. Carlos Brito, diretor Clínico, Dra. Lígia Arruda, diretora de Relações Médicas e Dr. Filipe Lima, diretor Técnico

R$ 12 milhões. Um prédio foi construído para abrigar a Unidade Clínico-Cirúrgica, com novos leitos para internamento que seguem os mais modernos conceitos de arquitetura e hotelaria hospitalar. Um andar inteiro, com 750 m², abriga o novo Centro de Tratamento Intensivo. Para atender a alta demanda de procedimentos cirúrgicos, foi criado o Centro de Materiais e Esterilização (CME). O setor de Farmácia está maior e totalmente reestruturado. A Multiemergência expandiu sua área, dobrando o número de leitos para adultos e separando o atendimento pediátrico, que passou a ser realizado em prédio exclusivo. Já o parque tecnológico do Santa Joana Diagnóstico, além de ser ampliado, foi modernizado, oferecendo os mais modernos equipamentos do mercado mundial para a prevenção e o diagnóstico dos pacientes. 10 ago/set 2013

Gestão de Pessoas No total, mais de duzentos funcionários foram contratados para atuar nas áreas médica, de farmácia, fisioterapia e enfermagem. Um dos grandes focos do processo de certificação internacional foi o de gestão de pessoas. Contratações,

Foram realizados investimentos em infraestrutura, na compra de equipamentos e na qualificação da equipe

treinamentos e capacitações passaram a fazer parte da rotina diária dos colaboradores. “Desenvolvemos treinamentos e capacitações para todo o Hospital. Para a área assistencial, criamos um departamento dentro do RH, a Educação Continuada, com foco

Todos os colaboradores do Hospital foram capacitados para atuar no atendimento à catástrofes, política de acesso à Instituição, prevenção de incêndios e a utilizar rotas de fuga" Therezinha Vieira, Superintendente Administrativa do Hospital Santa Joana

exclusivo nesses treinamentos assistenciais”, comenta Ana Cláudia Maciel, gerente de Recursos Humanos. Novas rotinas e processos foram implantados na área de Hospitalidade, por exemplo, e os funcionários que desenvolvem atividades em contato direto com o paciente foram treinados pelo RH. "Todos os colaboradores do Hospital foram capacitados para atuar no atendimento a catástrofes, política de acesso à Instituição, prevenção de incêndios e a utilizar rotas de fuga", diz Therezinha Vieira, Superintendente Administrativa do Hospital Santa Joana. “Produzir e despertar nas pessoas essa nova cultura, fortalecer o espírito de equipe e identificar as melhores


ferramentas para desenvolver essa visão de gestão foi nosso foco”, finaliza a Superintendente. O SANTA JOANA E A ANAHP O Hospital Santa Joana (HSJ) é fundador e titular da Associação Nacional dos Hospitais Privados (Anahp) desde 2001, quando a diretoria provisória foi atribuída da criação e organização da associação. Na primeira diretoria, o médico Francisco Eustácio Fernandes Vieira, Presidente do HSJ, participou de todas as etapas de estruturação da Instituição. Dr. Eustácio exerce o quinto mandato como representante da entidade nas regiões Norte e Nordeste, sendo o único que fez parte de todas as diretorias sem nenhuma interrupção. Entre os objetivos da Anahp está o de expandir as melhorias alcançadas pelos hospitais associados, através de um calendário

periódico de reuniões de grupos de melhorias. Os profissionais do Santa Joana participam de alguns desses grupos: o de Organização Assistencial, por exemplo, foi criado para assegurar a excelência dos serviços prestados com foco no paciente e na prática dos melhores protocolos assistenciais. O grupo de estudos de Melhores Práticas, reúne médicos para a discussão de conhecimentos técnicos e científicos, com o objetivo de alavancar as melhores práticas e protocolos assistenciais. Já o Comitê de Relações com os Fabricantes e Fornecedores de Produtos Hospitalares realiza compras conjuntas, garantindo medicamentos de melhor qualidade e grande importância para os hospitais. Com ações como essas, cada profissional pode disseminar os resultados obtidos nos mais diversos grupos de suas próprias instituições.

pioneirismo  rquitetura Hospitalar e Hotelaria - 1979 A O Santa Joana inovou ao usar cores e revestimentos nobres, como a cerâmica Brennand, e passou a oferecer serviços de hotelaria. Maternidade com pediatra - 1979 As gestantes passaram a contar com neonatologistas e berçaristas de plantão, que dão atenção exclusiva aos bebês.  omissão de Controle de Infecção C Hospitalar - 1988 Foi o primeiro hospital do Norte/ Nordeste a criar uma Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH), antes mesmo de o Ministério da Saúde torná-la um requisito obrigatório entre os estabelecimentos hospitalares.  TI privada - 1979 U Primeiro hospital particular do Nordeste a oferecer uma unidade específica para atender os casos de politraumatismos.

Francisco Balestrin, Fernando Figueira, Eustácio Vieira e André Longo

Radiologia 24 horas - 1979 Havia poucos equipamentos disponíveis no mercado quando o Santa Joana passou a oferecer os exames a qualquer hora do dia. ago/set 2013 11


12 ago/set 2013


ago/set 2013 13


linha do tempo

A história desde a fundação o Constante investimento em qualidade e o crescimento exponencial marcam a trajetória do Hospital santa joana desde a sua inauguração

E

m seus 34 anos de história o Hospital Santa Joana não para de se aperfeiçoar. As novas Unidade Clínico-Cirúrgica, Centro de Materiais e Esterilização e o Centro de Terapia Intensiva integram o projeto de ampliação do Santa Joana, focado em, cada vez mais, manter-se como um centro hospitalar de referência no

Norte e Nordeste. Para a implantação das três unidades foram investidos cerca de R$ 12 milhões em infraestrutura e equipamentos. A Acreditação Internacional da JCI atesta que o Santa Joana, que desde o primeiro ano prima pelo alto padrão de qualidade dos seus serviços, segue as mesmas normas dos mais importantes hospitais do mundo.

1979

1988 o início O Hospital Santa Joana é inaugurado no Recife, a partir do apoio de prestigiados médicos e do arrojo familiar. O HSJ nasceu com moderno projeto arquitetônico que agrega conceitos de hotelaria. Sua filosofia já era a união entre tecnologia, segurança e qualidade assistencial.

PLANTÃO 24H Desde a inauguração, o Santa Joana oferece o serviço de Emergência, de UTI e de Radiologia 24h, ação até então inédita entre os hospitais particulares de Pernambuco.

1996

1995

Café turim Criação do Café Turim. O restaurante, decorado no estilo francês, é um espaço agradável à disposição dos visitantes e clientes do hospital. 14 ago/set 2013

PIONEIRISMO Implantação da primeira Comissão de Controle de Infecção Hospitalar em um hospital particular de Pernambuco, muito antes da legislação sobre o tema entrar em vigor.

DIAGNÓSTICO e prevenção Um marco na história do Santa Joana foi a inauguração do Santa Joana Diagnóstico, então chamado de Topimagem, dentro do complexo hospitalar. Ele foi a primeira unidade do Santa Joana especializada em diagnósticos por imagem.

Unidade de apoio e Oncologia O Santa Joana torna-se o único hospital particular do País a oferecer uma unidade específica para tratamento com quimioterapia. A unidade dispõe de modernos sistemas de tratamento e acolhimento dos pacientes e acompanhantes.


1999

DAY CLINIC Inauguração do primeiro espaço exclusivo, entre os hospitais do Norte e Nordeste, para pacientes que se submetem a cirurgias programadas e com curta permanência.

nova EMERGÊNCIa Ampliação da Emergência que, entre as suas especialidades, tornou-se referência no atendimento para politraumatismos. Nesse aspecto o Santa Joana foi o pioneiro entre os hospitais particulares da região.

2000

REMOÇÃO médico-AÉREA O Santa Joana passa a ser o primeiro hospital do Brasil a oferecer o serviço de remoção aérea de pacientes, usando jato e helicóptero Bell 407 próprios.

angiografia e hemodinâmica Aquisição do primeiro angiógrafo biplanar tridimensional da América Latina, que permite a realização de exames e intervenções com maior rapidez e alta qualidade de visualização.

2005

medicina preventiva e diagnóstica Inaugurada a unidade avançada do Santa Joana Diagnóstico, centro de referência em medicina preventiva e diagnóstica no País.

UNIDADE coronariana Ampliação do Centro de Cardiologia, com a duplicação do número de leitos.

inauguração do medcenter Novo prédio com estrutura independente destinado a cirurgias de pequena e média complexidade. Abriga Centro Cirúrgico e Unidade Pediátrica.

2001

CERTIFICAÇÃO iso O Santa Joana foi o primeiro hospital do País a receber o certificado ISO:9001:2000 atribuído a um serviço de cardiologia. Também foram certificados o Controle de Infecção Hospitalar, a Multiemergência, a Emergência Coronariana e a UTI do Coração.

2006

nova maternidade Instalação de nova Maternidade, ocupando um andar inteiro do prédio, além de Berçário, Unidade Neonatal e o Baby Lounge/Vip Lounge (espaço para comemorações). ago/set 2013 15


linha do tempo

2007

PROMOÇÃO DE SAÚDE E SUSTENTABILIDADE O Santa Joana inicia a campanha educativa Verão com Saúde. O intuito é alertar a população sobre cuidados com a saúde e meio ambiente. Em 2007 é criado o Inverno com saúde.

Central de Acolhimento e Relacionamento internacional (CARE) Primeira central de relacionamento e serviços para acompanhamento do paciente com atendimento bilíngue em um hospital do Nordeste.

2009

ampliação da estrutura Expansão da estrutura física, com aquisição de novos prédios e ampliação dos serviços oferecidos aos clientes.

nova unidade de oncologia Ampliação e renovação completa da Unidade de Oncologia, que ganhou um ambiente mais moderno, novos equipamentos e manteve o atendimento que é referência desde a fundação.

2008

Início do processo de Acreditação Internacional O Santa Joana inicia a preparação para obter a mais renomada certificação internacional na área de saúde, conferida pela Joint Commission International (JCI).

2010

avanço tecnológico Aquisição dos mais modernos equipamentos, entre ressonâncias magnéticas abertas, tomógrafo e angiógrafo.

2011

restaurante casarão - lounge e cyber café Inauguração do imóvel de estilo neoclássico do início do século XX, que oferece restaurante, áreas de acolhimento e lounge para eventos, que se comunica com a Maternidade através de videoconferência. 16 ago/set 2013

RASTREABILIDADE de medicamentos Controle e acompanhamento dos medicamentos desde a entrada na farmácia até o leito do paciente.

padrão internacional Prescrição eletrônica e identificação do paciente são alguns dos padrões internacionais adotados pelo HSJ.


2012

Unidade Clínico-Cirúrgica (UCC) A expansão da UCC representou um aumento de 20% no número total de leitos para pacientes que necessitam de tratamento ou internamento, seja clínico ou cirúrgico.

novo Centro de Terapia Intensiva Um andar inteiro de 750m2, com equipamentos de última geração. Dois leitos foram projetados para pacientes que necessitam de isolamento e fluxo de corrente de ar diferenciado.

Centro de Materiais e Esterilização Foi construído um novo Centro de Materiais e Esterilização. O setor é responsável pela higienização e esterilização dos materiais de uso médico-hospitalar.

2013

Acreditação Internacional JCI Obtém a Acreditação Internacional da Joint Commission International (JCI), o mais importante certificado do setor hospitalar, que prioriza a segurança do paciente e a qualidade do atendimento em saúde.

uti pediátrica com o dobro de leitos Além de dobrar o número de leitos, o espaço ainda contará com novos equipamentos e manterá a equipe médica especializada no atendimento do público infantil.

UNIDADE DE ONCOHEMATOLOGIA E TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA Oferece espaço físico adequado e equipe capacitada, seguindo normas internacionais de segurança do paciente, além de atender todas as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e do Ministério da Saúde.

AMPLIAÇÃO Do centro cirúrgico Novo espaço vai oferecer área exclusiva para avaliação pré-anestésica, conferindo mais segurança para o procedimento cirúrgico.

UNIDADE DE dor torácica Vai oferecer vigilância especial para o paciente, preenchendo espaço existente entre os apartamentos privados e a Unidade de Cuidados Intensivos Coronarianos (unidade fechada).

NOVA MULTIEMERGÊNCIA Com mais espaço, mais médicos e mais tecnologia, a nova Multiemergência vai contar com o sistema Pacient Inteligent Identification para controle de permanência. ago/set 2013 17


2012

2012: um ano para entrar na história Atendimento humanizado Na busca por oferecer uma estadia mais confortável, humana e segura ao paciente, o Hospital Santa Joana utilizou modernos conceitos de humanização e arquitetura hospitalar no novo Centro de Terapia Intensiva (CTI), que ocupa um andar inteiro do prédio principal do Hospital, o que equivale a uma área de 750m2. Cada um dos vinte leitos possui todos os equipamentos necessários para atender aos pacientes em estado clínico grave e infraestrutura para a realização de exames e procedimentos. Dois leitos foram projetados especialmente para receber doentes que necessitem de isolamento, oferecendo maior controle contra possíveis infecções para outros pacientes, porque utiliza fluxo de corrente de ar diferenciado. O CTI dispõe de uma central de monitorização, que permite acompanhar os parâmetros de cada paciente através de monitores instalados em pontos estratégicos, visíveis por toda a equipe multidisciplinar. Com isso, é possível acompanhar dados fisiológicos, como batimentos cardíacos, pressão arterial, temperatura e oxigenação, de todos os pacientes de forma simultânea e, até mesmo, aferir a pressão ao toque de um botão. 18 ago/set 2013

guilherme veríssimo

As novas CTI, UCC e CME integram o projeto de ampliação do Santa Joana, com investimento de mais de R$ 12 milhões em infraestrutura e equipamentos

Vista panorâmica e direito a acompanhante

O grande diferencial da unidade é oferecer ao paciente o acompanhamento de um familiar além dos horários de visita. Essa liberação é concedida caso a caso, segundo orientação médica, e contribui, comprovadamente, para a recuperação mais rápida do paciente. Ao todo, são seis apartamentos com banheiros privativos para visitas prolongadas, que possibilitam a presença do acompanhante entre 7h e 19h. Além disso, todos os leitos da CTI possuem televisores de LCD, que permitem que parentes e amigos se comuniquem através

de fotos, mensagens e imagens. O paciente ainda pode interagir com o mundo externo, através das janelas que são voltadas para a cidade. O grande objetivo desse investimento é auxiliar a recuperação do paciente, encurtando ao máximo o período de internação.

novo prédio da Unidade ClínicoCirúrgica ocupa área de mais de 1.000 m2 Inaugurado em abril de 2012, o novo prédio do Hospital Santa Joana possui mais de 1.000 m2 de área e


novo Centro de Materiais e Esterilização reforça segurança aos procedimentos cirúrgicos A seção cirúrgica foi fortalecida com um novo Centro de Materiais e Esterilização (CME), que recebeu investimento de R$ 2 milhões. No CME é feita a higienização e esterilização dos materiais de uso médico-hospitalar. O departamento também é responsável pelo recebimento desses materiais. No processo de assistência ventilatória, realiza a limpeza de ventiladores e nebulizadores para que possam ser reutilizados. A cada ciclo de esterilização, são realizados testes para validar o material que está sendo higienizado. O CME cumpre todas as normas e parâmetros indicados pela Agência Nacional de

elizabeth leal

Modernas instalações da UCC

fotos: rafael bandeira

teve investimento superior a R$ 3 milhões. A Unidade Clínico-Cirúrgica (UCC) ocupa dois andares do imóvel, com moderna arquitetura hospitalar, hotelaria e tecnologia, além dos mais rigorosos conceitos de qualidade em segurança internacional assistencial para garantir o bem-estar dos pacientes. O prédio é independente do edifício central, com acesso diferenciado, equipes de atendimento e assistenciais próprias e postos de enfermagem exclusivos. Com a UCC é possível transferir os pacientes com maior conforto e velocidade após o atendimento ou cirurgia. Essa expansão significa um aumento de 20% no número total de leitos do Hospital.

Sala de higienização e esterilização

Vigilância Sanitária (Anvisa). O foco em segurança também foi reforçado junto aos colaboradores do setor, que passaram por capacitação. Garantir a segurança de todos os materiais que saem do CME para os blocos cirúrgicos é tão importante quanto a segurança dos colaboradores no desenvolvimento desses processos. Por isso, a gestão do Centro envolve todos os aspectos: tecnologia, processos e pessoas.

Equipe capacitada

ago/set 2013 19


2013

2013: um ano de grandes novidades para o paciente Transplante de Medula Óssea, Unidade de Dor Torácica e nova Multiemergência, são as próximas realizações

UNIDADE DE ONCOHEMATOLOGIA E TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA A Unidade especializada no tratamento de doenças do sangue, como linfomas e leucemias, foi construída dentro dos padrões internacionais de segurança do paciente e seguirá todas as exigências físicas e técnicas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Ministério da Saúde. As equipes são formadas por profissionais multidisciplinares na área de Oncohematologia, Enfermagem, Nutrição e Higienização. Profissionais de enfermagem treinados e capacitados vão trabalhar no posto de enfermagem exclusivo da TMO. A equipe médica é formada por intensivistas, contando ainda com plantonistas 24 horas. São sete amplos apartamentos, com banheiros privativos e filtro High Efficiency Particulate Air (HEPA), que proporciona o mais eficiente sistema de filtragem de microorganismos. Um diferencial importante é o serviço próprio de Hemoterapia do Santa Joana, que garante o suporte necessário aos pacientes da unidade. DOR TORÁCICA O Hospital Santa Joana, que já dispunha da Unidade de Emergência Cardiológica e da Unidade de 20 ago/set 2013

Hemácias (glóbulos vermelhos)

Cuidados Intensivos Coronarianos (UCOR), passa a oferecer a melhor forma de atendimento para os casos de dor de origem cardíaca: a Unidade de Dor Torácica. Pacientes que exigem vigilância permanente, seguindo o critério médico, terão atendimento especializado durante 24 horas. A Unidade de Dor Torácica do Hospital Santa Joana dispõe de 5 leitos privativos e humanizados, equipe de enfermagem e médicos especializados no diagnóstico e tratamento da doença arterial coronariana (comprometimento das artérias do coração por placas de gordura) em sua forma aguda, ou seja, a angina do peito instável ou infarto do miocárdio (ataque cardíaco).

Dor de origem cardíaca


Mais espaço, mais médicos e mais tecnologia com conceito Patient Inteligent Identification suportado pelo sistema radio frequency identification (identificação por radiofrequência – RFID), ferramentas que vão proporcionar mais agilidade e eficácia no registro, identificação, localização, monitoração e assistência multiprofissional ao paciente, desde sua admissão na Multiemergência até o momento da sua alta ou encaminhamento para internamento na instituição. “Não medimos esforços para termos e oferecermos aos nossos clientes o que existe de mais moderno em tecnologia. Buscamos as melhores ferramentas utilizadas no mercado nacional e internacional,

rafael bandeira

nova multimergência Atento ao mercado de saúde e com a preocupação constante com a excelência em qualidade assistencial oferecida aos seus clientes, o Hospital Santa Joana tem direcionado seu foco para minimizar as dificuldades apresentadas nos serviços de emergência, não apenas em Recife, mas em todo o Brasil, seja no que diz respeito à superlotação ou aos elevados tempos de espera. Por isso, desde o final de 2012 vem sendo desenvolvido um projeto arrojado para sua Multiemergência, com o foco em disponibilizar mais espaço, mais médicos e mais tecnologia, com um novo sistema de atendimento e monitoração do paciente. Nesse contexto, o Santa Joana desenvolveu o conceito de Patient Inteligent Identification (PID),

Multiemergência ampliada

até chegarmos ao nosso conceito de Patient Inteligent Identification", explica o médico Eustácio Veira, Diretor-presidente do HSJ. Uma inovação importante é que todo o processo está amparado em uma mudança no conceito de atendimento, assim como na utilização de tecnologias para otimização do mesmo. A primeira mudança está na avaliação inicial, que será realizada por um médico e equipe de enfermagem, os quais prestarão atendimento individualizado, definindo a complexidade e as necessidades de cada paciente. Além disso, haverá ampliação da recepção do setor, da área de suporte avançado, do número de boxes para atendimento e repouso, e a criação de uma sala exclusiva para recepção e espera de exames complementares. Assim, a Multiemergência passará a atender seguindo um modelo internacional, criteriosamente avaliado, estudado e adequado ao Santa Joana. “Essa mudança visa uma maior resolutividade na assistência ao paciente, atendendo de forma mais rápida não apenas os pacientes

Atendimento médico na triagem

mais graves, mas também os casos menos complexos, com definição de suas necessidades específicas feita por um médico desde o início do atendimento”, explica Dr. Gustavo Trindade, Gerente da Multiemergência. O início do atendimento no modelo PID está previsto para setembro de 2013. "Estamos seguros que esse novo formato contribuirá e muito com nosso fluxo de atendimento e atenderá à demanda crescente que temos. Esse é um avanço em atendimento e tecnologia, e um grande diferencial para o nosso mercado de saúde", assegura Juliana Vieira Maranhão, Diretora Executiva do Santa Joana. ago/set 2013 21


depoimentos

Palavras de reconhecimento o governador de pernambuco e alguns dos mais renomados gestores da saúde pública e privada do país escreveram sobre a conquista da acreditação pelo hospital santa joana

U

m hospital do Recife que segue rigorosas normas internacionais, sempre em busca do aperfeiçoamento para melhor atender os seus pacientes. É assim que o hospital Santa Joana é conhecido em todo o Brasil. Essa vocação de fazer cada vez melhor, investindo em tecnologia e recursos humanos, é percebida pela sociedade,

pelo Poder Público e pelas entidades que representam os médicos e os empresários do setor hospitalar. Um exemplo desse reconhecimento são as mensagens de congratulação recebidas pela direção do Hospital Santa Joana, após a conquista da Acreditação da Joint Commission International (JCI).

rafael bandeira

Registro a Vossa Senhoria o reconhecimento do Governo de Pernambuco pela obtenção dessa relevante certificação de qualidade, que entendo como decorrência natural da seriedade e do alto padrão de qualidade dos serviços prestados — por mais de três décadas — à medicina e à saúde em nosso Estado. Ao longo de sua existência, o Hospital Santa Joana tem sido uma referência e uma marca de qualidade na assistência médico-hospitalar, em Pernambuco e em toda a Região Nordeste, investindo em procedimentos de alta complexidade, nas mais variadas especialidades, e ratificando o seu pioneirismo como indutora do polo médico em que se transformou a cidade do Recife. Por tudo isso, e ciente de que apenas 2 hospitais do Norte/Nordeste detêm essa certificação — Hospital Santa Joana e Hospital Memorial São José, ambos do Grupo Fernandes Vieira — apresento a Vossa Senhoria meus melhores cumprimentos por mais esta conquista e pelo seu merecido reconhecimento internacional. Eduardo Campos, Governador do Estado de Pernambuco

Parabenizamos o Hospital Santa Joana pela conquista, que é resultado de um atendimento humanizado e de qualidade oferecido a seus pacientes. Buscar a acreditação é muito importante, pois, além do reconhecimento internacional, é uma oportunidade para a implantação de ferramentas e processos mais modernos de gestão hospitalar. Na rede pública do Estado, o Barão de Lucena já está em fase bem adiantada para a aquisição do selo, e o HGV já iniciou o processo de acreditação, o que é motivo de satisfação para gestores e profissionais do SUS. Antonio Carlos Figueira, Secretário de Saúde de Pernambuco

22 ago/set 2013


A conquista de acreditações tornou-se um diferencial importante, almejado por um número cada vez maior de instituições de saúde em todo o mundo. Nos hospitais não é diferente. Buscar um selo de acreditação vai muito além de obter um certificado. É um investimento que requer a instauração de ferramentas de aperfeiçoamento da gestão, com o intuito de garantir a eficiência e eficácia de serviços e práticas de assistência médica, assim como a manutenção de um padrão de excelência e qualidade. No Hospital Sírio-Libanês, embora o processo de acreditação tenha gerado expectativas e ansiedade, trouxe também benefícios permanentes e entusiasmo, o que materializou ainda mais nossa cultura de qualidade e segurança. Paulo Chapchap, Superintendente do Hospital Sírio-Libanês

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) incentiva a qualidade da atenção à saúde e a adoção das melhores práticas gerenciais e assistenciais por parte das operadoras de planos de saúde e da sua rede credenciada, desenvolvendo condições para o estabelecimento da competição qualitativa no setor. Para isso, vários programas da ANS convergem para o estímulo à qualificação do setor, como por exemplo, os Programas de Qualificação da Saúde Suplementar; de Divulgação da Qualificação de Prestadores de Serviços na Saúde Suplementar; de Monitoramento da Qualidade dos Prestadores de Serviços na Saúde Suplementar; de Acreditação Operadoras e do Monitoramento Assistencial. O objetivo desses Programas de Qualificação do setor é o melhor atendimento ao beneficiário de planos de saúde. Por meio deles, a ANS busca também oferecer informação capaz de dar ao consumidor maior percepção sobre a qualidade de uma operadora de plano de saúde, aumentando dessa forma sua capacidade de escolha. Nesse sentido, a acreditação do Hospital Santa Joana, em Pernambuco, com o nível de excelência fornecido pela Joint Comission International (JCI), vem ao encontro da busca por uma atenção à saúde de qualidade para o beneficiário de plano privado de saúde e para a população brasileira. André Longo, Presidente da ANS

As grandes tarefas sempre nos remetem a épicas realizações. Conquistas importantes como uma acreditação internacional nos remetem ao poema de Antonio Gonçalves Dias, a Canção do Tamoio, em que o pai buscando infundir estoicismo em seu filho canta: "Não chores, meu filho; / Não chores, que a vida / É luta renhida: / Viver é lutar. / A vida é combate, / Que os fracos abate, / Que os fortes, os bravos / Só pode exaltar." Para a Anahp, a acreditação é sinônimo de transparência, que permite ao paciente eleger com mais critérios a instituição de saúde em que irá ser tratado. É sinônimo também de muita dedicação e trabalho constante. Um selo de qualidade internacional é fundamental para garantir a excelência de gestão e da prática clínica dos hospitais, assim como o equilíbrio do setor. O hospital Santa Joana, do Recife, ao conquistar a Acreditação JCI (Joint Commission International), se une hoje aos outros treze hospitais associados à Anahp, certificados por essa organização. Tal conquista além de um esforço conjunto de todos os seus colaboradores, mostra o compromisso de sua liderança com as práticas médico-hospitalares focadas na qualidade e na segurança assistencial. Parabéns à Família Santa Joana. A Anahp orgulha-se de ter entre seus membros uma instituição de classe mundial. Francisco Balestrin, Presidente do Conselho Anahp ago/set 2013 23


Sabemos apro bem o tempo Para que cada segundo nos renda sempre grandes conquistas. INAUGURAÇÃO DO SANTA JOANA DIAGNÓSTICO UNIDADE DOM BOSCO CONQUISTA DO ISO 9000:2001

1979

INAUGURAÇÃO DA PRIMEIRA UNIDADE DO SANTA JOANA DIAGNÓSTICO

INAUGURAÇÃO DO HOSPITAL SANTA JOANA

INAUGURAÇÃO DE CLÍNICAS ESPECIALIZADAS

INAUGURAÇÃO DO MEDCENTER

RESTAURANTE CAFÉ TURIM

CENTRAL DE A COLHIMENTO

INAUGURAÇÃO DO RESTAURANTE CASARÃO TECNOLOGIA

24 ago/set 2013

UNIDADE DE ONCOLOGIA

Porque investir na sua saúde


veitar 2012

2014

2013

CONSTRUÇÃO DE UMA NOVA TORRE AMPLIANDO O ATENDIMENTO HOSPITALAR

CRESCIMENTO

INAUGURAÇÃO DA UNIDADE CLINICOCIRÚRGICA EM PRÉDIO EXCLUSIVO

NOVIDADES: INAUGURAÇÃO DO NOVO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA OCUPANDO UM ANDAR INTEIRO DO PRÉDIO PRINCIPAL

• UNIDADE DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA (TMO); • UNIDADE DE DOR TORÁCICA (UDT); • AMPLIAÇÃO DA UTI PEDIÁTRICA; • AMPLIAÇÃO DO CENTRO CIRÚRGICO;

INAUGURAÇÃO DO NOVO PRÉDIO DO CENTRO DE MATERIAIS E ESTERILIZAÇÃO (CME)

ACREDITAÇÃO INTERNACIONAL PELA JCI

• AMPLIAÇÃO DA MULTI-EMERGÊNCIA, COM PATIENT INTELLIGENT IDENTIFICATION (NOVA TECNOLOGIA); • BANCO DE SANGUE EM FUNCIONAMENTO DENTRO DO COMPLEXO HOSPITALAR.

é planejar o nosso futuro.

ago/set 2013 25

www.santajoanape.com.br | 81 3216.6666


gestão hospitalar

Estratégia e qualidade GUIADO PELA QUALIDADE E SEGURANçA, O SANTA JOANA FOCA NO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA OBTER OS MELHORES RESULTADOS

E

ntre os grandes investimentos de um hospital que segue padrões internacionais de qualidade, está a permanente capacitação da sua equipe. O Hospital Santa Joana prioriza a modernização da gestão hospitalar, seja promovendo cursos de capacitação, contratando profissionais com experiência de mercado ou adotando consultorias que estimulam o pensamento estratégico na busca da qualidade e dos bons resultados. Foi seguindo este viés, que o Grupo Fernandes Vieira (Hospital Santa Joana e Hospital Memorial São José), de forma pioneira no País, implantou o sistema de gerenciamento ERP/SAP. O programa alinha estratégias e operações, trazendo maior produtividade e visibilidade sobre toda a organização. Para fortalecer estes conceitos, o Hospital Santa Joana adotou, em 2009, um modelo de gestão que segue a linha do Instituto Nacional de Desenvolvimento Gerencial (INDG), atual Consultoria Falconi. O modelo tem como base o planejamento estratégico, o trabalho de gestão em metas, indicadores e resultados. “A área de Planejamento e Gestão foi criada para desenvolver e acompanhar todos esses processos, para que as metas definidas e os indicadores sejam acompanhados de forma efetiva. Dessa forma, é possível garantir não só o cumprimento das metas financeiras, 26 ago/set 2013

Dra. Fernanda Vieira, Diretora Administrativa do SJD, Dr. Eustácio Vieira, Diretor-Presidente do HSJ e do SJD e Juliana Vieira, Diretora Executiva do HSJ.

mas, principalmente, o plano estratégico com foco na qualidade do serviço”, assegura Vanessa Oliveira, Coordenadora de Planejamento e Gestão. A área acompanha o cumprimento das metas orçamentárias e qualitativas, como se cada setor fosse uma unidade de negócio. “O trabalho, realizado em parceria com os gestores de todas as áreas do hospital, trouxe um novo panorama com foco no resultado. Os conceitos foram difundidos com os integrantes da equipe, envolvendo da base operacional à alta gestão”, explica Juliana Vieira Maranhão, Diretora Executiva do HSJ e responsável pela direção estratégica do projeto de

Gestão em metas, indicadores e resultados


fotos: dani neves

Indicadores Mais de 200 indicadores são acompanhados. Entre eles: Satisfação de clientes Protocolos médicos Acidente vascular cerebral  irurgia segura com marcação de C lateralidade Higienização das mãos Tempo de espera na Multiemergência

Dra. Fátima Sampaio, Dr. Filipe Lima, Taciana Diniz e Vanessa Oliveira

certificação internacional. Para que o hospital funcione de forma integrada, cerca de duzentos indicadores e metas administrativas e assistenciais foram definidos, além dos indicadores de Melhores Práticas Assistenciais, que foram traçados com base em avaliações de benchmarking com as mais renomadas instituições do Brasil e do mundo. O passo seguinte foi avançar rumo aos processos e protocolos internacionais. “O processo da Joint Commission International diz onde você deve chegar para conseguir o selo de qualidade. O caminho fomos nós que construímos”, explica o responsável pela Coordenação Médica no processo de Acreditação Hospitalar, o diretor técnico do Santa Joana, o Dr. Filipe Lima. Um dos pontos principais foi a criação inicial de um comitê de gestores para avaliar, adequar e implantar os cerca de oitenta projetos do Manual da Acreditação Internacional. “Os projetos tinham interfaces com vários departamentos e, muitas vezes, com outros projetos

em andamento. Se uma etapa falhar, todo o processo vai junto. Estamos num nível de interação em que esses processos são fundamentais e precisam ser monitorados constantemente”, enfatiza o Dr. Filipe Lima. Foram necessários investimentos na estrutura física e humana do HSJ. “Tanto faz um hospital funcionando aqui quanto

O Hospital Santa Joana se baseia no modelo do INDG, focado em planejamento estratégico nos EUA, em Londres ou em qualquer outro lugar. As normas, o manual, os procedimentos são os mesmos”, esclarece o Diretor-presidente do HSJ, Dr. Eustácio Vieira. Outra exigência considerada fundamental está ligada às atividades desenvolvidas pelo corpo de enfermagem. Rotinas, novos processos assistenciais e remodelagem de alguns já existentes, cultura de indicadores

Preenchimento correto do prontuário Capacitação das equipes Além dos indicadores de Melhores Práticas Assistenciais, que são tratados diretamente com a equipe médica da Instituição

na assistência e de avaliação e, ainda, capacitação profissional foram alguns dos itens reforçados na área de enfermagem do HSJ. Cada integrante da equipe assistencial de enfermagem conhece os indicadores traçados para facilitar a identificação e a resolução de problemas. Por exemplo, o profissional identifica em quais situações uma queda pode acontecer. “Com essa visualização, é possível monitorar, avaliar e colher dados sobre o assunto. A partir daí, as implementações serão feitas”, informa Fátima Sampaio, Gerente Multidisciplinar Assistencial. Para ela, é impossível entrar no processo e não se adequar às mudanças. “Hoje, as pessoas trabalham muito mais integradas, nas áreas médica, farmácia, nutrição. Os profissionais estão mais motivados, qualificados e conhecedores de seus processos e obrigações”, finaliza. ago/set 2013 27


SAME

Um novo olhar para os prontuários dos pacientes O Same é como um guardião da informação assistencial relacionada ao paciente

28 ago/set 2013

rafael bandeira

O

prontuário é o documento que contém toda a vida assistencial do paciente durante seu internamento. Nele estão registradas as informações que são a base para os levantamentos dos índices e indicadores necessários ao acompanhamento do paciente. O modo de preencher e monitorar o prontuário foi aperfeiçoado no Hospital Santa Joana durante o processo de Acreditação Internacional. Para atender essa nova demanda, foi criado, há 3 anos, o Serviço de Arquivamento Médico e Estatística (Same), setor que funciona como um guardião da informação assistencial relacionada ao paciente. “Treinamentos são realizados constantemente para toda a equipe assistencial, com o objetivo de orientar os profissionais a respeito do correto preenchimento e arquivamento desse documento”, explica a Coordenadora do Same, Dra. Érica Sousa. O gerenciamento da informação passou a ser essencial e parte integrante desse novo olhar para o prontuário do paciente. Diversos indicadores passaram a ser monitorados, incluindo os 61 itens preconizados no Manual da Acreditação, como confidencialidade e acesso ao prontuário, legibilidade, o correto e completo preenchimento do documento, revisão regular,

Equipe de avaliação de prontuários

O gerenciamento da informação passou a ser essencial e parte integrante desse novo olhar para o prontuário do paciente informações adequadas para documentar a evolução e os resultados do tratamento, entre outros. O Same passou a avaliar os prontuários em seu conteúdo, preenchimento e, acima de tudo, nos dados médicos, como diagnósticos de doenças mais frequentes. As estatísticas e indicadores gerados passam a ser

monitorados pela equipe e funcionam como base para o desenvolvimento de planos de ação e de atividades como as reuniões de Melhores Práticas. A partir dos dados levantados pelo Same, uma equipe médica avalia e estuda os melhores caminhos, tratamentos e acompanhamentos para os diagnósticos registrados gerando protocolos assistenciais. A elaboração desses protocolos passa, basicamente, por duas etapas: a identificação do procedimento e a escolha das melhores práticas multidisciplinares assistenciais para cada patologia.


“Usamos uma empresa terceirizada para guardar documentos antigos”, reforça Érica Sousa. Além disso, o acesso à informação tornou-se mais eficaz. Com o controle desenvolvido para o sistema de arquivamento do Same, o resgate do prontuário está mais rápido. O HSJ criou ainda uma comissão que se reúne mensalmente para avaliar as informações contidas nos prontuários e gerar indicadores numéricos sobre as internações, além de dados sobre os diagnósticos recorrentes. Esses dados são estudados pelos gestores, que elaboram planos de ação para melhoria contínua dos resultados considerados não satisfatórios, além de permitir que se conquiste os indicadores estabelecidos como meta.

guilherme veríssimo

Três protocolos criados no Santa Joana se destacaram: o de Infarto Agudo do Miocárdio, Dengue (que foi adotado como modelo pelo Ministério da Saúde para o atendimento de casos em todo o Brasil) e o de Acidente Vascular Cerebral. Este último tem padrões mundiais de etapas de atendimento, cuidados e exames. Quando o paciente é incluído no protocolo, após atendimento na Multiemergência, o tempo de cada etapa da assistência é monitorado para que o paciente tenha o mínimo de sequelas neurológicas. A estrutura física do arquivo médico também passou por melhorias. O período de armazenamento dos prontuários, por exemplo, foi reduzido de dois anos para três meses.

A Acreditação pede não só que implantemos os novos protocolos, como também exige um gerencimanto dos processos Dra. Érica Sousa, Coordenadora do Same

ago/set 2013 29


gerência de risco

Segurança e prevenção Além de fortalecer o seu sistema de Gerenciamento de Risco, o Santa Joana criou dois novos pilares de atuação: Assistencial e Ambiental

30 ago/set 2013

fotos: rafael bandeira

V

er o que é invisível para o paciente. Estar preparado para qualquer evento, inclusive os mais improváveis. A cultura de prevenção é comum em países desenvolvidos, sendo adotada em todos os hospitais que conseguem passar pelo rigoroso sistema de avaliação da norteamericana Joint Commission International, instituição que concedeu a Acreditação Hospitalar ao Santa Joana em 2012. Faz parte dessa cultura saber agir durante uma catástrofe, reduzir o índice de queda dos pacientes e, até mesmo, prevenir a contaminação da água usada no Hospital. Estas são algumas das atribuições da equipe de Gerenciamento de Risco, que é responsável por planejar, organizar, dirigir e controlar os recursos humanos e materiais do Hospital. O objetivo é prevenir danos materiais, pessoais, de segurança e ambientais. O Hospital Santa Joana sempre atuou fortemente no controle da infecção hospitalar, sendo pioneiro nesse serviço em toda a Região Nordeste, com a implantação, em 1988, da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. A partir de 2010, ampliou a atuação da gerência de risco, acrescentando dois pilares: o assistencial e o ambiental. O trabalho em equipe facilita a integração dos serviços, e todos os setores do Hospital se envolvem para proporcionar

Mais segurança na identificação de pacientes

o melhor para a segurança do paciente e também do colaborador. “Realizamos acompanhamentos diários para garantir o máximo em segurança. Há uma necessidade de treinamento contínuo”, explica a infectologista Dra. Ana Paula Henriques, responsável pela Gerência de Risco. O HSJ desenvolveu um modelo que identifica os riscos inerentes à Instituição e estabelece procedimentos preventivos, como a criação de barreiras físicas que podem ser mais ou menos rigorosas, dependendo dos setores do Hospital que precisam de maior controle de acesso. É necessário monitorar, checar e atuar sobre estes procedimentos preventivos.

Tem alergia a algum tipo de medicamento? Parece uma pergunta simples, mas entre o paciente e o tratamento médico correto existem detalhes minuciosos no atendimento, considerados fundamentais para evitar que erros sejam cometidos. A equipe de enfermagem e o médico são as primeiras barreiras para identificar os cuidados que devem ser prestados. Os riscos podem ser identificados através de informações colhidas durante a visita diária nos setores (busca ativa) e nos prontuários (busca passiva), documento onde ficam registradas as informações sobre o tratamento que está sendo realizado no paciente. Em seguida, os riscos são separados


por categorias: assistencial, sanitário, ambiental e ocupacional. Para isso, o setor trabalha com foco constante em indicadores e protocolos. Esses dados foram determinados com base em estudos do histórico do Hospital e benchmarking com Instituições nacionais e internacionais, além de determinação do próprio Manual Internacional de Acreditação da Joint Commission International. Constantemente, é feito o monitoramento e acompanhamento dos índices. Caso eles não sejam alcançados, é realizado um plano de ação para que o nível de prestação de serviço esteja de acordo com o indicador e com a meta estabelecida “No plano de ação, agregamos valores para trabalharmos essas ocorrências com a Educação Continuada, que é a área responsável pelo treinamento de toda equipe assistencial”, pontua Ana Henriques.

O objetivo é prevenir danos materiais, pessoais, de segurança e ambientais

O pilar mais importante reforçado pela Gerência de Risco foi o de controle da infecção hospitalar. Os pacientes que são internados e sujeitos a procedimentos invasivos ou cirurgias são acompanhados de perto, para que os procedimentos sejam realizados dentro de diretrizes de segurança. Tudo é meticulosamente monitorado, e as evidências do controle das diretrizes são visualizadas no prontuário e na assistência. São realizadas visitas constantes aos pacientes para prevenção e monitoramento das infecções. “Ficamos atentos desde a

Prontuário clínico do paciente

higienização das mãos, antes e após o contato com o paciente até o uso de equipamentos de proteção individual como luvas, máscaras e capote, nos certificando de que são utilizados sempre que indicados”, comenta Dra. Ana Paula Henriques. A Gerência de Risco possui como filosofia a cultura acirrada da prevenção em todas as atividades do Hospital, sejam assistenciais ou ambientais. O setor conta com uma equipe de onze profissionais com diferentes especialidades, médico infectologista, biomédico, enfermeiros e técnicos de enfermagem. “Nosso trabalho consiste, inicialmente, no fortalecimento da cultura da prevenção dentro do Hospital. Trabalhamos de forma integrada com as mais diversas áreas, o que fortalece e sedimenta o nosso trabalho. O segundo passo é o monitoramento da realização correta das atividades e o retorno aos setores do andamento de cada uma. Atuamos com base nos indicadores, que somam cerca de cinquenta, acompanhados diariamente para garantir a excelência na prestação de serviços”, complementa Dra. Ana Paula Henriques.

Liberação de medicamento

GERÊNCIA DE RISCO A gerência de risco é dividida em: Segurança Assistencial (risco assistencial e risco sanitário) Segurança Ambiental (risco ocupacional e risco ao ambiente) Infecção Hospitalar Para combater as ocorrências, são criados planos de ação e treinamentos contínuos para os funcionários. O objetivo é identificar os riscos inerentes à instituição, estabelecer procedimentos preventivos (barreiras), além de monitorar, checar e atuar sobre esses procedimentos.

ago/set 2013 31


gerência de risco

O trabalho da prevenção do risco ambiental O DESAFIO DE ESTAR PREPARaDO PARA RECONHECER OS RISCOS, EVITAR OS ACIDENTES E REDUZIR OS DANOS

Simulação de catástrofe

O

ambiente que cerca o paciente, seus acompanhantes e os profissionais que trabalham no hospital também é alvo de cuidados especiais para evitar o risco de acidentes. Preocupado com as questões ambientais, o Santa Joana criou, em 2003, o Núcleo de Atenção à Saúde Ambiental (Nasa), departamento responsável por reciclar 100% dos resíduos hospitalares. Este novo modelo de gestão ambiental garantiu ao Santa Joana o prêmio Ação Empresarial pela Cidadania, na categoria Respeito ao 32 ago/set 2013

Meio Ambiente. O reconhecimento da população, ONGs e empresas parceiras motivou o Santa Joana a iniciar projetos socioambientais

Na preparação para situações de catástrofe, o Santa Joana realizou o maior treinamento prático já visto no Recife além das instalações médicas. Os projetos Verão com Saúde e Inverno com Saúde, realizados desde 2006, levam à população informação sobre

saúde, conservação do meio ambiente e atividades voltadas para inserção social. Mais de 9 mil pessoas já foram atendidas e 27 mil exames realizados gratuitamente, tendo os colaboradores do Santa Joana como voluntários. Os projetos renderam o segundo prêmio Ação Empresarial pela Cidadania, dessa vez na categoria Relação com a comunidade. O HSJ ainda conquistou o Prêmio Chico Mendes, uma certificação nacional de desenvolvimento sustentável da sociedade. Durante o processo para alcançar o principal certificado internacional de


Barreira eletrônica de acesso

segurança do paciente, a Acreditação, novas diretrizes foram definidas para antecipar o reconhecimento dos riscos e garantir a possibilidade de analisá-los. “O processo da Acreditação nos fez alcançar o nosso objetivo final: ampliar a segurança de todos os ocupantes do Hospital”, comenta a Gerente de Risco

Inicialmente, apenas dez indicadores eram verificados. Hoje cerca de cinquenta itens são monitorados constantemente Ambiental, Dra. Lívia Albuquerque. Inicialmente, apenas dez indicadores eram verificados. Hoje cerca de cinquenta itens são monitorados constantemente. Eles englobam tudo o que diz respeito a eletricidade, resíduos hospitalares, água, infraestrutura, acesso à Instituição e segurança. Nas primeiras etapas do trabalho, a equipe de Gestão Ambiental

estratificou todos os riscos do Hospital e classificou suas consequências como catastróficas, críticas, moderadas e leves, para ir baseando a análise das situações adversas. “Estudamos ferramentas contínuas de investigação do ambiente e, hoje, realizamos visitas diárias sistematizadas e padronizadas através de check lists de qualidade e segurança”, comenta Dra. Lívia. Os check lists são revisados e avaliados trimestralmente com o objetivo de manter os dados de todos os setores atualizados. Entre as novas ações implementadas, estão o atendimento em situações de calamidades ou catástrofe, o controle de acesso a Instituição e o controle e acompanhamento da infraestrutura e segurança predial. Com grande investimento tecnológico, foram instaladas barreiras eletrônicas nas principais entradas do Santa Joana para identificação e direcionamento dos que circulam no Complexo Hospitalar. Para os médicos,

Preparado para qualquer demanda

prêmios 2003 Criado o Núcleo de Atenção à Saúde Ambiental (Nasa), com foco na gestão ambiental, que conquistou o Prêmio Ação Empresarial pela Cidadania na Categoria Respeito ao Meio Ambiente 2006 Projetos Verão com Saúde e Inverno com Saúde, com apoio da diretoria do Hospital e dos colaboradores como voluntários, disseminam o modelo de Gestão sustentável do HSJ. Premiado na categoria Relação com a Comunidade, do Prêmio Ação Empresarial pela Cidadania. Também recebeu o Prêmio Internacional Chico Mendes, que é uma das mais importantes organizações voltadas para a questão socioambiental e o desenvolvimento sustentável ago/set 2013 33


gerência de risco foram estabelecidos critérios de cadastramento que comprovam sua titularidade junto aos órgãos reguladores. Até o acesso ao heliponto do Hospital ganhou um protocolo de segurança relacionado ao acesso aéreo. Na preparação para situações de catástrofe, o Santa Joana realizou o maior treinamento prático já visto no Recife. Os profissionais foram conduzidos a pensar no impensável, seguindo a cultura de prevenção comum nos Estados Unidos. “Realizamos uma grande simulação realística de catástrofe onde prestávamos atendimento simultâneo a trinta estudantes, que teriam se ferido quando o teto da escola onde estudavam desabou.

Treinamento de profissionais da Multiemergência

O Santa Joana cumpre a NR-10 e possui o prontuário das Instalações elétricas da Instituição Tínhamos que estar preparados para atender qualquer demanda, seja de apenas um paciente ou de inúmeros, garantindo a total segurança e prestação da assistência com qualidade e de forma igual pra todos”, comenta Lívia. Outro campo de atuação é o Gerenciamento do Ambiente Seguro a todos. Nesse protocolo pode ser inserido tudo o que se refere à infraestrutura do Hospital, como extintores, brigada de emergência (que conta com cem colaboradores), saídas de emergência com portas corta-fogo, sinalizações de segurança, planos de evacuação, controle da qualidade do ar, da energia 34 ago/set 2013

Identificação

elétrica e da água. “O controle da água utilizada, por exemplo, é uma referência. Nossa equipe faz o acompanhamento diário da avaliação do PH e do cloro, verificando e garantindo a potabilidade da água”, explica a Dra. Therezinha Vieira, Superintendente Administrativa do Hospital Santa Joana. “Além disso, as análises físico-químicas, microbiológicas e toxicológicas seguem as avaliações periódicas

previstas em lei”, complementa a Superintendente. O HSJ está preparado para atender a eventuais contingências da falta de energia. Quatro geradores em sistema de comutação atendem à essa necessidade. “Nos orgulha destacar que nossos geradores têm a capacidade de abastecer um pouco mais que a necessidade diária da Ilha de Fernando de Noronha. Há 34 anos sempre estivemos à frente e atuando


da forma mais moderna nos cuidados e na prevenção, desenvolvendo um trabalho minucioso com foco na segurança humana, finaliza a Dra. Therezinha Vieira. O Santa Joana cumpre uma norma regulamentadora da área, conhecida por NR-10, e possui o prontuário de instalações elétricas que funciona como um raio-X da empresa, apresentando um panorama geral de tudo o que envolve eletricidade dentro do Hospital. O resultado de todo esse esforço é que a Joint Commission International reconhece que as novas ferramentas estão sendo bem aplicadas, de forma proativa, na proteção e prevenção de acidentes.

Brigada de incêndio

Quando o assunto é estacionamento, fique com o líder. Quando você firma parceria para um projeto ou gestão do seu estacionamento, precisa ter a tranquilidade do melhor serviço. Com 31 anos, a Estapar é líder na América Latina, administrando mais de 900 estacionamentos.

São mais de 4 milhões de metros quadrados por onde passam cerca de 10 milhões de veículos.

Antes de fechar negócio, consulte a Estapar.

(11) 2161-8000 • comercial@estapar.com.br • www.estapar.com.br

ago/set 2013 35


gerência de risco

Segurança assistencial: trabalho integrado Os indicadores são constantemente monitorados pela equipe multidisciplinar

A

ndar de cadeira de rodas pelo hospital não é só uma questão de conforto para o paciente. Tratase da prevenção de um risco grave, que deixa médicos e enfermeiros em constante estado de alerta: a queda. A gerência de risco assistencial está focada em monitorar eventos ou situações adversas que podem ocorrer no processo de atendimento ao paciente, com equipamentos e medicamentos, por exemplo. A prevenção do número de lesões decorrentes das quedas e o impacto que isso traz ao paciente fazem parte do trabalho de monitoramento. A enfermagem do Santa Joana, mesmo antes do processo da acreditação hospitalar, já tinha rotinas e processos assistenciais definidos e monitorados. “Fomos o primeiro hospital da rede privada do Nordeste a estabelecer junto ao hemocentro de Pernambuco (Hemope), os procedimentos ligados à transfusão de sangue”, esclarece a Gerente de Segurança Assistencial, Magaly Maia. Nos últimos anos, um dos serviços aprimorados foi o da tecnovigilância, que é o sistema de vigilância de queixas técnicas em relação a equipamentos, materiais e artigos médico-hospitalares. “Se uma luva rasga, nós relatamos ao setor responsável, cobramos as providências e monitoramos o resultado”, enfatiza 36 ago/set 2013

Cuidado com a assistência traz segurança ao processo

a gerente de Segurança Assistencial. No Santa Joana, já se percebe uma redução considerável em relação a outro índice monitorado: o controle da flebite, que é a inflamação da parede das veias, que pode ser provocada

Protocolos assistenciais exigem trabalho integrado e foco de toda a equipe do Hospital Santa Joana

da veia”, explica Magaly Maia. Outro ponto reforçado foi a prevenção de úlceras por pressão, que é um tipo de lesão de pele

os sete “certos” A aplicação de medicamentos deve ser baseada na política dos 7 certos:  paciente certo droga certa dosagem certa

durante as injeções intravenosas de medicamentos. “Para uma melhor observação dos pacientes que estão com veia puncionada para medicação, utilizamos uma cobertura transparente, que permite uma melhor observação

via certa tempo certo validade certa histórico de alergia de medicamentos certa


causada pela interrupção sanguínea em uma determinada área, podendo acontecer com pessoas que passam muito tempo imobilizadas no leito. Se for identificada a probabilidade de o paciente desenvolver a úlcera por pressão, a equipe de enfermagem inicia as medidas preventivas desde o momento do internamento. Nos casos de alto risco, são utilizados colchões pneumáticos, que massageiam e estimulam os tecidos inativos. A Comissão de Prevenção e Tratamento de Feridas do Santa Joana adotou um relógio ilustrativo, com as posições indicadas para os pacientes e os horários em que elas devem ser alteradas, garantindo assim o melhor tratamento.

Cuidado com a assistência traz segurança ao processo

ago/set 2013 37


38 ago/set 2013


ago/set 2013 39


cirurgia segura

Cirurgia ainda mais segura para os pacientes O Protocolo Internacional de Cirurgia Segura reduz as infecções e a necessidade de outras cirurgias

A

preocupação com a segurança dos procedimentos cirúrgicos fez com que o Hospital Santa Joana adotasse o Protocolo de Cirurgia Segura. Trata-se de um conjunto de normas que permite avaliar detalhadamente o panorama da intervenção cirúrgica, garantindo melhor resultado para os pacientes. A implantação do Protocolo foi um passo importante para o Santa Joana obter a Acreditação Hospitalar, concedida pela Joint Commission International (JCI). 40 ago/set 2013

A aplicação do Protocolo ocorre por meio de um check list, que reúne itens importantes relativos a todas as fases do processo operatório. Ele foi lançado em 2008 pela Organização Mundial de Saúde (OMS), após a divulgação dos bons resultados de um estudo piloto realizado em nove cidades. O índice de complicações pós-cirúrgicas nos hospitais que adotaram a ferramenta diminuiu em 37%. As infecções caíram pela metade, e o número de novas operações provocadas

por sangramento ou complicações teve queda de 25%. “O check list é um instrumento de garantia do cumprimento do Protocolo para, antes do procedimento cirúrgico,

a cirurgia segura reduz: 36% complicações cirúrgicas; 50% infecções;  5% de re-operações por sangramento 2 ou complicações técnicas.


A Cirurgia Segura reduz as infecções em 50% e as complicações pós-cirúrgicas em 37%

checar as etapas que envolverão a cirurgia e, assim, evitar falhas ou complicações durante o transoperatório”, ressalta o Dr. Filipe Lima, Diretor Técnico do Hospital Santa Joana. Três procedimentos compõem a realização do Protocolo: o checkin, que é a checagem dos dados do paciente, bem como das informações sobre o procedimento que será realizado. Neste momento, confere-se até o local correto da cirurgia; o time-out, que ocorre exatamente antes da cirurgia, na presença do cirurgião e do anestesista, tratandose de uma conferência em voz alta da identificação do paciente, se o paciente aprovou o procedimento, se tem alergias, além da garantia do material estéril, profilaxia de antibióticos e a duração estimada da cirurgia; e o check-out, que consta de uma nova checagem com os principais cuidados no pósoperatório para assegurar a melhor recuperação do paciente. Desde 2010, o Protocolo tornou-se um procedimento-padrão no Santa Joana, reforçando os

os passos do Check list, que compõe o Protocolo de Cirurgia Segura, são realizados: 1. Check-in: c onfirmação sobre o paciente e o procedimento a ser realizado  efinir o lado correto onde será feito o d procedimento checar equipamentos v erificar se o paciente tem alergia e se há risco de perda de sangue 2. Time-out: confirmar verbalmente a identidade do cirurgião, anestesista e equipe de enfermagem

cuidados que o Hospital sempre teve nos procedimentos cirúrgicos. “O HSJ formalizou esse Protocolo e criou indicadores de controle e acompanhamento para trazer ainda mais segurança”, afirma Filipe Lima. Em cada sala cirúrgica, foi afixado um quadro com o check list, a fim de facilitar o preenchimento de todos os dados e a checagem mais atenciosa. O sucesso na realização de um procedimento cuidadoso, que

analisar se podem ocorrer eventos críticos  arantir que medicamentos foram g administrados e que exames estão disponíveis 3. Check-out: A enfermagem confirma verbalmente se: a contagem de compressas, instrumentos e agulhas está correta  iópsias estão identificadas e com b nome do paciente  ouve algum problema com h equipamentos que deve ser resolvido

prioriza a segurança do paciente, é o comprometimento da equipe multidisciplinar. É por isso que o HSJ também investiu na adesão aos protocolos, na melhoria da integração entre as equipes médica e de enfermagem e na formalização dos processos e rotinas. Após a consolidação dos métodos, tornou-se possível analisar o impacto dos resultados trazidos pela Cirurgia Segura. ago/set 2013 41


nova farmácia

Rastreabilidade de medicamentos Os medicamentos são controlados com tecnologia de ponta desde a entrada na farmácia até chegar ao paciente

Atenção rigorosa no controle do medicamento

A

hora de aplicar a medicação é uma rotina que se repete várias vezes ao dia dentro de um hospital. O soro, a ampola e a injeção chegam ao quarto do paciente pronto para serem usados, mas antes disso passam pelo controle rigoroso da equipe de enfermagem e da farmácia. Por isso o Hospital Santa Joana ampliou a estrutura de segurança de todos os processos que envolvem os medicamentos, num investimento de cerca de dois milhões de reais. O modo de monitorar os medicamentos, que já eram 42 ago/set 2013

identificados com códigos de barra desde 2008, foi intensificado com a inclusão de novos grupos, como os produtos de alta vigilância.

Confrontando as informações e os códigos, é possível garantir o remédio certo, na dosagem correta e na hora precisa, seguindo exatamente o que foi prescrito pelo médico Existem ferramentas de gestão que são utilizadas para esse controle e monitoramento, desde

a chegada do medicamento na farmácia até a dispensação no leito do paciente. Um sistema de cores, por exemplo, gerencia categorias de medicamentos com vários sinalizadores, que podem ser etiquetas, sacos e gavetas. Cada medicamento, até o menor dos comprimidos, possui um código específico. Já o paciente é identificado através de pulseiras com seu nome e com códigos de barras. Confrontando as informações e os códigos, é possível garantir o remédio certo, na dosagem correta e na hora


fotos: rafael bandeira

precisa, seguindo exatamente o que foi prescrito pelo médico. A rastreabilidade do medicamento é mais uma prática que reforça a política de segurança do HSJ. “Nossos processos já cumpriam os mais rigorosos padrões. Com a chegada da certificação internacional, conseguimos definir melhor os parâmetros para dar início às modificações e alcançar nossos objetivos”, comenta a Gerente de Farmácia do Hospital Santa Joana, Maria Arcuri. Outro processo implantado foi a estruturação da prescrição eletrônica do MedView. O sistema faz o monitoramento da farmácia em tempo real, permitindo uma maior integração com as equipes assistenciais. No momento em que o médico faz a solicitação de um medicamento através do processo de prescrição eletrônica, o pedido chega à farmácia automaticamente e é recebido pelos farmacêuticos, que trabalham em sistema de plantão 24 horas. Ao receber a solicitação, o farmacêutico realiza a análise e a validação dos medicamentos. O transporte até a unidade onde o remédio foi solicitado é feito em pequenos carros, que circulam sempre identificados e lacrados. O sistema ainda informa, de imediato, se há possíveis interações graves. O monitoramento de todos esses processos é realizado através de rondas realizadas pela equipe de farmácia, avaliando pessoalmente como os medicamentos estão sendo

Controle por código de barras

Armazenamento de medicamentos

identificados e usados, o processo de prescrição eletrônica e sua interação com a farmácia. A última etapa é a do Cuidado Continuado, que funciona como um processo educativo. Nessa atividade, os pacientes recebem uma visita no momento da alta e são orientados sobre a melhor maneira de tomar os remédios. Assim, fica mais fácil para o paciente dar sequência ao tratamento em casa, contribuindo com o processo de recuperação.

Rastreabilidade eletrônica de medicamentos O sistema em funcionamento no Hospital Santa Joana segue três etapas: 1. O lote e a data dos produtos são registrados em um sistema interno, assim que eles chegam ao Hospital 2. C  ada unidade do medicamento ganha um código de barras e cada paciente é identificado pelo seu número de prontuário (Same) e nome 3. S ó após conferir todas as informações de identificação e código de barras, o paciente pode receber o medicamento ago/set 2013 43


DIAGNÓSTICO

Diagnóstico, suporte essencial na assistência ao paciente Processos e rotinas de padrão internacional foram implementados no Santa Joana Diagnóstico

P

Investimento em equipamentos 44 ago/set 2013

or trás do agendamento do exame e dos cuidados na hora do atendimento, existe uma série de procedimentos que os pacientes não costumam perceber, mas que são fundamentais para o bom resultado do trabalho. Os protocolos de risco e segurança de acidentes são praticados pelo Santa Joana Diagnóstico (SJD) desde a inauguração das suas duas unidades: Dom Bosco e unidade Hospitalar. Mas os cuidados passaram a ser redobrados com novas normas e rotinas. Um capítulo inteiro voltado exclusivamente para a área de diagnóstico por imagem está destacado no Manual da Acreditação da Joint Commission International. Para atender a todas as especificações e alcançar os resultados desejados, as equipes do Hospital e do Santa Joana Diagnóstico trabalharam em sintonia. Os esforços somados proporcionaram o melhor para o paciente em termos de continuidade do cuidado e realização dos exames, desde o mais simples ao mais complexo. “Implementamos processos, rotinas e obedecemos a padrões internacionais. Foi


uma verdadeira mudança cultural que considero importante para as instituições. As equipes foram fortalecidas, assim como os procedimentos”, ressalta a Diretora Administrativa do Santa Joana Diagnóstico, Fernanda Vieira Castro e Silva. Para manter os padrões internacionais, um comitê formado por profissionais do SJD reúne-se semanalmente para pontuar o que melhorou na instituição e o que

Moderna ressonância magnética aberta

Todos os protocolos e assistência da JCI são seguidos pelo Santa Joana Diagnóstico

precisa de atenção por parte dos gestores. É exigido, por exemplo, observar constantemente o controle de indicadores. A partir deles, são monitorados dados internos para aumentar o nível de segurança do paciente. O SJD sempre investiu em inovação e já possui o selo de qualidade do Colégio Brasileiro de Radiologia. Uma grande reforma foi realizada na unidade que funciona dentro do Hospital para receber os novos equipamentos,

Unidade no Hospital Santa Joana

entre eles os de medicina nuclear (SPECT-CT) e os de ressonância magnética aberta, além de capacitar toda a equipe da Instituição. “Procuramos os melhores médicos, que sempre buscam fomentar seus conhecimentos, inclusive no exterior. Nossa equipe de enfermagem possui um cronograma

de treinamento forte, atuando em todas as metas internacionais de segurança”, detalha Fernanda Vieira. Para a Gerente Administrativa do Santa Joana Diagnóstico, Daniele Nunes, a Instituição ganhou muito com visões sistêmicas de todos os setores. “Fizemos e seguimos planos ago/set 2013 45


DIAGNÓSTICO

Implementamos processos, rotinas e obedecemos padrões internacionais. Foi uma verdadeira mudança cultural

Exame sem claustrofobia

Fernanda Vieira Castro e Silva, Diretora Administrativa do SJD

de ação, indicadores por área, novos documentos de controle, mapeamos setores para identificar como poderíamos aplicar os padrões internacionais e implantar as melhorias necessárias”, explica. “O que destaco com a Acreditação é o desenvolvimento da gestão e a integração das equipes. O paciente é o maior beneficiado com a qualidade do atendimento e a segurança reforçada”, completa. Como nos centros urbanos mais desenvolvidos do País, o atendimento ao público não é restrito aos horários convencionais. O fluxo do atendimento para realização dos exames no Santa Joana Diagnóstico passou por algumas modificações. Segundo a a Gerente de Atendimento do SJD, Ana Estrela, durante o processo de 46 ago/set 2013

Equipamento suporta até 250 quilos

preparação para a certificação, o SJD teve como foco a reavaliação de processos e o fortalecimento de pilares como atendimento e novos protocolos. Na parte assistencial da área de enfermagem, por exemplo, os treinamentos são essenciais. É um processo de melhoria contínua.

“Quando novas medicações são recebidas, o farmacêutico aplica treinamentos específicos para o manuseio correto. Estamos sempre nesse processo de conhecimento, e os equipamentos utilizados para a realização de exames são os mais atualizados em termos de tecnologia em Pernambuco”,


enfatiza a Supervisora de Enfermagem, Priscila Moura. A padronização dos processos é um dos maiores ganhos com a Acreditação. Em termos de tecnologia, a Gerente Técnica de Radiologia, Bruna Lago, explica que todos os equipamentos, passam por um processo periódico de manutenção preventiva e corretiva. O sistema digital de radiologia, o RIS, faz com que o resultado do exame chegue mais rápido ao médico, por acesso remoto. Além disso, há um outro sistema de armazenamento de imagens, que também é acessível para os médicos. Isso garante mobilidade e agilidade para a visualização dos resultados.

Unidade da Avenida Dom Bosco

ago/set 2013 47


saúde

Doenças do frio Nesta época do ano, o sistema respiratório é mais afetado por infecções provocadas pela mudança do clima

T

ossir e espirrar são alguns dos verbos mais conjugados quando o clima muda. Nos lugares onde a temperatura não costuma cair, como nas cidades do litoral do Nordeste, os dias podem ter sol e chuva, o que já é suficiente para comprometer o sistema respiratório. Os idosos, portadores de doenças cardíacas, pulmonares e hematológicas são as principais vítimas das infecções respiratórias. Basta o céu ficar nublado para o estudante de direito Rafael Milhomens se preparar para uma sucessão de espirros. “Sempre foi assim. Toda vez que chove, eu tenho crises que não consigo evitar. Só melhoro quando os remédios começam a fazer efeito”, explica o jovem de 18 anos que, desde criança, sofre com rinite alérgica, doença que provoca coceira e irritação no nariz, coriza, espirros e congestão nasal. O frio e a umidade do Rio de Janeiro só pioravam o estado de saúde da carioca Juliana Gomes. Quando veio morar no Recife, as crises ficaram menos graves, mas continuaram. “Atividades como pegar sol e caminhar num parque sempre ajudaram a melhorar a alergia, mas, com a chuva, não consigo sair de casa”, lamenta Juliana. “Faço tratamento com remédios à base de corticoides regularmente e tenho cuidados em casa para não acumular 48 ago/set 2013

A mudança do clima afeta o sistema respiratório

poeira”, explica. Faça frio ou faça chuva, o comportamento das pessoas muda. Em vez de praia, parque ou caminhada, os ambientes fechados, principalmente shoppings e cinemas, passam a ser os locais preferidos para os momentos de diversão. O que não dá para evitar é o contato com as pessoas nos elevadores, nas salas de aula ou de trabalho, quase sempre ambientes com ar-condicionado. “O maior problema das doenças de inverno é o confinamento, pois é onde os vírus são compartilhados”, explica o pneumologista Alfredo Leite. Quanto

Gripe, resfriado e pneumonia  onhecer os sintomas pode ajudar a C evitar problemas. Resfriado — é o vírus mais simples. Em média, acaba em dois ou três dias e, normalmente, não há uma queda no estado geral do portador do vírus.  ripe — resfriado forte com queda na G imunidade, maior tempo de duração e presença de febre.  neumonia — considerada a mais P perigosa. Um dos sintomas da pneumonia é a mudança na cor da secreção da tosse. Outro sinal de alerta são tosses por mais de três semanas.


dicas de prevenção Atitudes bastante simples podem evitar surtos de gripe. Veja alguns exemplos: Lavar as mãos com frequência Ficar, a pelo menos, um metro de distância de alguém que está com gripe Evitar cumprimentos físicos, pegar objetos ou qualquer outro contato com as mãos do portador da gripe  uem estiver gripado deve usar Q máscaras cirúrgicas, vendidas na farmácia, ao sair de casa ou para ficar perto de outra pessoa Febre alta é um dos sintomas da gripe

mais pessoas respirando o mesmo ar, maior é o risco de contaminação, uma vez que o vírus é transmitido de uma pessoa para outra. Basta pegar em um objeto que foi tocado por alguém com a virose para correr o risco de ser contaminado. As doenças mais comuns são os resfriados e a gripe, que, quando não é tratada adequadamente, pode se transformar em pneumonia. O ar frio no clima seco forma uma combinação danosa para quem tem tendência a desenvolver problemas respiratórios. Em regiões com essas características, quando se realiza esforços físicos, como uma corrida ou caminhada, o ar resseca a via aérea, precipitando as crises de tosse e asma. No mês de junho, outro agravante é a fumaça dos fogos de artifício e das fogueiras de São João. Coceira nos olhos, dor de garganta, falta de ar e nariz congestionado são alguns dos sintomas que podem ser evitados com um tratamento preventivo.

Não se deve ir gripado para o trabalho ou para a sala de aula, porque aumenta as chances de novas contaminações

Sem medo das vacinas O Ministério da Saúde realiza campanha de vacinação em todo o País. O foco principal são as gestantes, os idosos, as mulheres até 45 dias após o parto, os indígenas, as crianças de seis meses a dois anos e os pacientes

Quanto mais pessoas respiram o mesmo ar, maior é o risco de contaminação, uma vez que o vírus é transmitido de uma pessoa para outra com doenças crônicas. Em 2013, cerca de 26 milhões de pessoas se vacinaram contra a gripe. O influenza, vírus da gripe, é o que mais preocupa os médicos. “Ele provoca sintomas mais intensos do que os resfriados e é o vírus de maior impacto na mortalidade dos pacientes”, assegura o médico

Alfredo Leite. Quando há o comprometimento do estado geral do paciente, como moleza, febre e dores no corpo, a evolução para infecções, como a sinusite, é maior. Para combater o influenza, os médicos recomendam a vacina contra a gripe, que é feita com vírus mortos e pode agregar muitos benefícios para os pacientes mais vulneráveis. De acordo com o Governo Federal, a vacinação pode reduzir em até 45% o número de pessoas hospitalizadas por pneumonia, entre outros benefícios. “A vacina é bastante eficaz, prevenindo até 70% das gripes. Ela ainda traz um benefício secundário, já comprovado por estudos, que é o de diminuir o risco de morte por infarto ou acidente vascular cerebral”, informa o pneumologista. ago/set 2013 49


saúde

Verão e Inverno com Saúde Mais de 24 mil exames já foram realizados durante as ações socioambientais promovidas em Pernambuco

Estande do Verão com Saúde em Porto de Galinhas

D

uas vezes por ano, os colaboradores do Hospital Santa Joana (HSJ) e do Santa Joana Diagnóstico (SJD) participam como voluntários do projeto socioambiental das instituições, que se destacam como referência nacional no atendimento médico-hospitalar e na realização dos mais sofisticados exames. O Verão com Saúde e o Inverno com Saúde oferecem ao público informações sobre saúde, promovem ações de conservação do meio ambiente e realizam exames básicos gratuitamente, beneficiando os pernambucanos e os turistas que visitam o Estado. Em oito anos, mais de nove mil crianças, adultos e idosos tiveram acesso à exames de anemia e glicemia, além de aferição da pressão arterial. 50 ago/set 2013

No total, mais de 24 mil exames já foram realizados pelos profissionais do HSJ. “O retorno é excelente, e a mensagem dos projetos é muito bem-recebida”, explica Rosalvo Mafra, Gerente de Acolhimento e Comunicação do Hospital Santa Joana. No verão, o projeto é desenvolvido nas praias de Boa Viagem e em Porto de Galinhas. Já na estação mais fria do ano, os voluntários do Santa Joana visitam os principais parques do Recife, Jaqueira e Dona Lindu, e também sobem a Serra das Russas, levando as ações do Inverno com Saúde para a cidade turística de Gravatá. O estande para atendimento ao público sempre é instalado em locais de grande circulação de pessoas e costuma ser um ponto de parada obrigatória para os moradores e

visitantes da região que querem cuidar da saúde. Lá eles recebem informações atualizadas sobre qualidade de vida. Diversas atividades educativas são realizadas com foco na melhoria do bem-estar, como oficina de alimentação, atividades físicas (ginástica, corrida, tai chi chuan), além

números Os números comprovam o sucesso do projeto: 24 mil exames realizados 8 mil pessoas atendidas 7 anos de projeto 6 semanas por ano Média de 250 voluntários por ano


de palestras com os mais variados temas de saúde. O cuidado com o meio ambiente é outro tema de destaque. A equipe do Núcleo de Atenção à Saúde Ambiental (Nasa), responsável pela reciclagem

O público tem acesso a exames de anemia e glicemia, além de aferição da pressão arterial

de todos os resíduos hospitalares do Santa Joana, também desenvolve uma programação especial para o projeto, como caminhadas ecológicas, recolhimento de lixo na areia da praia, orientação sobre coleta seletiva e oficinas de reciclagem, entre outros.

Pontos de coleta seletiva são instalados para reforçar o compromisso ambiental do projeto. Em cada local onde o Verão e o Inverno com Saúde são realizados é feita a arrecadação de objetos que são doados para cooperativas de catadores profissionais. No Hospital Santa Joana, essa prática também é adotada. Depois de separado, o lixo é destinado às associações que utilizam a reciclagem como meio de sustento. “Na hora em que encaminhamos o lixo para as cooperativas, geramos emprego e renda e retiramos os catadores e as crianças do lixão, gerando oportunidades dignas”, explica Lívia Albuquerque, coordenadora do Núcleo de Atenção à Saúde Ambiental (Nasa).

Exames gratuitos para a população

B. BRAUN E HOSPITAL SANTA JOANA: SHARING EXPERTISE B. BRAUN BRASIL | WWW.BBRAUN.COM.BR Siga a B. Braun nas Redes Sociais:

/bbraunbrasil | /bbraunbrasil | @bbraunbrasil

B|BRAUN SHARING EXPERTISE


cotidiano

52 ago/set 2013


Com saúde e com afeto

O lazer faz bem para a saúde

Programas familiares ajudam a liberar a tensão do dia a dia e a estreitar os laços entre os parentes

N

avegar na internet, ir ao cinema, viajar, realizar roteiros gastronômicos. A concepção de lazer é bastante variada e se define a partir de critérios pessoais. Contudo, algumas ocasiões dão chance para que as pessoas compartilhem seu tempo livre. É aí que surge o lazer em família, uma das principais opções para os feriados e fins de semana, principalmente os que comemoram datas como o Dia das Mães e o Dia dos Pais. Esses momentos são ideais para estreitar os laços familiares, mas, como toda atividade de lazer, têm também efeitos importantes para a saúde mental e física. Hábitos como pedalar e caminhar propiciam um bom condicionamento físico e são prescritos como soluções para o sedentarismo. Quando realizados

junto à família, seus benefícios se estendem para o campo psicológico, potencializando o bem-estar proporcionado por essas atividades, como indica a psicóloga Terêsa Schettini. “O lazer em família possibilita relações afetivas mais sólidas, permitindo uma melhora na autoestima e no sentimento de pertencimento”, explica. Entre essas vantagens, destaca-se a diminuição do estresse, um dos males do século XXI. A atividade prazerosa realizada em conjunto auxilia a liberar a tensão originada na rotina. Dessa forma, é possível encarar novamente a extensa agenda de compromissos. “O estresse acumulado durante a semana se origina no físico, com desgaste e tensão. No final de semana, é possível mobilizar essa energia ago/set 2013 53


cotidiano

O lazer em família é uma terapia complementar no tratamento do autismo e da depressão

Correr da rotina diminue o estresse

Prazer e satisfação compartilhada

54 ago/set 2013

negativa acumulada sem prejuízo à saúde, mas com recuperação das forças”, afirma a psicóloga. Assim, ocorre a prevenção de doenças como hipertensão, gastrite, doenças autoimunes, asma, fibromialgia, fadiga crônica e doenças cardíacas. Inclusive, o sistema imunológico se fortalece, deixando o corpo apto a combater infecções causadas por vírus e bactérias. O psiquiatra do Hospital das Clínicas da Universidade de Pernambuco José Albuquerque aponta que o lazer em família é uma terapia complementar no tratamento do autismo, da depressão e de demais transtornos psiquiátricos. “As diversas sensações do ser humano são medidas pelos chamados neurotransmissores cerebrais. É importante ressaltar o papel das endorfinas ou encefalinas na modulação da dor, na redução do estresse e na sensação de prazer. A realização de uma atividade que o indivíduo goste de fazer promove a liberação dessas substâncias responsáveis pela sensação de prazer e satisfação”, pontua o psiquiatra. Para se divertir com a sua família, uma série de opções estão ao dispor. Os programas ao ar livre são os mais indicados, pois, além de propiciar a convivência, adicionam o bem-estar trazido pelo contato com a natureza. A estudante de jornalismo Beatriz Pires busca aproveitar os fins de semana para estar com os pais. Moradora do Recife, Beatriz e seus familiares participam do projeto CicloFaixa Recife, iniciativa da Prefeitura para estimular o ciclismo na cidade. “É uma ótima oportunidade de juntar a família durante o domingo. Antes da ciclovia,


normalmente, cada pessoa fazia algo diferente no domingo: dormia até tarde, saía com os amigos, ia à praia, mas tudo separadamente. Com a CicloFaixa, reservamos esse tempo para fazermos algo legal, diferente, saudável e divertido, todos juntos”, conta. O projeto disponibiliza um circuito de ciclovias entre as zonas Norte e Sul do Recife, com cerca de 14 km, que funciona das 7h às 16h, nos domingos e nos feriados. O hábito de pedalar com a família vem cumprindo seu papel de melhorar a qualidade de vida de Beatriz. “Quando você chega em casa, tem gás para resolver o que tem que resolver, estudar ou fazer o que precisa. Sem falar que é um tempo de qualidade que se passa com a família”, afirma. Quem também se diverte bastante com a família sobre duas rodas é a dentista Patrícia Sampaio Carvalho. Mãe de duas crianças, Patrícia sempre procurou incentivar os pequenos a pedalar, até

O lazer em família é uma terapia complementar no tratamento do autismo e da depressão

para que estivessem todos juntos nos momentos de lazer. “Eu e meu marido sempre valorizamos o uso da bicicleta como meio de transporte. Mesmo antes do CicloFaixa Recife, já saíamos todos juntos para pedalar. O projeto facilitou bastante”, revela. “A bicicleta é um meio que faz você relaxar. Ela ajuda a olhar a cidade de outra maneira. Quando saímos em família, temos o momento de interação e uma oportunidade de relaxamento para as crianças”, explica Patrícia. Para os que não são fãs da magrela, ainda há outras formas de estar com a família e se divertir. ago/set 2013 55


cotidiano

Oficina Brennand

As praias de Boa Viagem e do Pina oferecem 7 km de areia e mar que convidam a estender a canga, montar o guarda-sol e a cadeirinha e curtir o visual impressionante. Os locais apresentam uma estrutura de quiosques, situados na calçada, que servem como pontos de apoio, além de comerciantes que vendem uma variedade de acepipes que vão de caldinhos a

O lazer em família é uma terapia complementar no tratamento do autismo e da depressão

espetinhos de queijo coalho, carne e frango. A praia ainda é mais uma forma de cuidar da saúde, pois os raios do sol são fontes importantes de vitamina D. Sabendo disso, a turismóloga Késia Leal leva sua filha de 1 ano para passear na praia todos os dias. “Além da paisagem, temos o hábito de passear porque sabemos da importância da vitamina D para a pele, para os ossos e para os músculos”, explica. Embora as praças da cidade sejam escassas, 56 ago/set 2013

Parque da Jaqueira

Mora no Recife e quer se divertir com sua família? Confira as opções: O projeto CicloFaixa Recife promove um circuito de ciclovias de 14 km entre as zonas Norte e Sul da cidade, durante os domingos e feriados, das 7h às 16h. Quem não tiver bicicleta pode se cadastrar no site www.ciclofaixarecife.com.br e alugar uma bicicleta por R$ 10. A magrela estará disponível em estações espalhadas pela cidade. O Parque Dona Lindu, única área verde de lazer na Zona Sul do Recife, oferece vista privilegiada para o mar, teatro com 587 lugares, galeria de arte, quadras poliesportivas e área para shows, que costumam reunir milhares de pessoas no local. O Instituto Ricardo Brennand apresenta acervo com obras e peças do colecionador, além de uma extensa área verde. O local está aberto de terça a domingo, das 13h às 17h, e a entrada custa R$ 15 (inteira) e R$ 5 (meia). O Parque da Jaqueira é o maior da cidade, ideal para quem gosta de andar, correr, pedalar ou simplesmente não fazer nada. A pista de cooper tem 1000 m; a de bicicross, 400 m; e a área de patinação chega a 600 m.


“Com a ciclofaixa, reservamos tempo para fazermos algo legal, diferente, saudável e divertido, todos juntos” Beatriz Pires, estudante

o Parque da Jaqueira e o Parque Dona Lindu compensam a falta. Situados, respectivamente, na Zona Norte e na Zona Sul, ambos trazem uma gama de opções para os visitantes, entre shows, projetos culturais, pista de skate, pista para patins, parquinhos e demais atrações. Ou, para apostar num programa mais simples inspirado pela convivência, só a estadia nos locais já é uma atração à parte. Piqueniques, jogos familiares e bate-papos encontram nos parques o local perfeito para a ocasião.

De malas prontas para viajar

ago/set 2013 57


diversão

Surfe com remo Stand up paddle junta a prancha e o remo em atividade que traz benefícios para a saúde física e mental

O

stand up paddle, também conhecido como SUP, é um esporte que surgiu na praia de Waikiki, no Havaí, depois ganhou o mundo e virou moda no litoral brasileiro. A atividade junta o item básico do surfe a um remo, com um detalhe importante: todo mundo consegue ficar de pé sobre a prancha, que é mais larga, comprida e espessa do que a do surfe. São quatro modalidades básicas: wave, race, freestyle e river, esta última também conhecida como rafting. A primeira é a que mais se 58 ago/set 2013

assemelha ao surfe, com a diferença que o remo está presente e auxilia a surfar as ondas. A segunda promove uma corrida de SUP, na qual vence

“O stand up paddle é um ótimo antiestressante, atuando como ansiolítico” Dr. Fábio Guimarães quem chegar primeiro ao fim do percurso. A terceira tem por objetivo avaliar a variedade de manobras realizadas sobre a prancha com a ajuda do remo. A última coloca o

SUP no páreo dos esportes radicais: o surfista tem que descer corredeiras de um rio. As competições de race já são hábito na agenda do empresário Sérgio Luís Monteiro. Praticante do SUP, Monteiro indica as travessias para quem não gosta de competir. “Minha última remada grande foi na República das Maldivas (pequeno país insular ao sul do Oceano Índico), fiz um percurso de 4h30”, conta. Além da melhoria do equilíbrio e da coordenação motora, o esporte tem efeito importante para a saúde


Mar calmo para iniciantes

mental. “O stand up paddle é um ótimo antiestressante, atuando como ansiolítico”, explica o pneumologista Fábio Guimarães, que também é praticante do esporte. “A paisagem e o contato com a natureza ajudam a pessoa a

O stand up paddle pode ser usado para pegar ondas, descer corredeiras ou realizar travessias

relaxar”, conclui. O pneumologista ainda ressalta que são treinadas a força e as resistências aeróbica e anaeróbica, o que contribui para o ganho cardiovascular e para a diminuição de riscos de doenças como infarto e AVC. Porém, chegar a esse quadro requer uma prática regular. “Pelo menos três sessões de SUP na semana, durante 30 minutos, são necessárias para fazer a diferença”, destaca o médico. Para quem quer manter a forma, 1 hora praticando o SUP pode queimar até 360 calorias, além de trabalhar braços, pernas e abdômen. O esporte já está sendo

praticado nos litorais Norte e Sul de Pernambuco. Quando a maré está baixa e o mar sem ondas, é a melhor hora do stand up paddle ser praticado. Muitos surfistas já aderiram à pratica, o que torna o mar atrativo a qualquer hora do dia. As praias pernambucanas mais recomendadas para a prática do SUP são Itamaracá, Porto de Galinhas, Maracaípe e Serrambi. “O esporte pode ser praticado em qualquer condição de maré, mas o mar parado favorece”, esclarece o médico e praticante.

Esporte em alta

Stand up paddle - SUP S emelhante ao surfe, o esporte utiliza uma prancha mais larga e mais espessa e um remo, com os quais o surfista navega pelas ondas. O ideal é praticá-lo na maré baixa, mas qualquer condição marítima permite a realização do SUP. O esporte não tem restrição de idade. Contudo, deve ser realizado após avaliação médica e sob a orientação de instrutor. A prática trabalha principalmente a

musculatura superior do corpo, com foco no equilíbrio e na coordenação motora, além de aumentar as resistências aeróbica e anaeróbica. O fortalecimento dos órgãos do sistema cardiovascular diminui a incidência de infartos, esquemias e problemas advindos do sedentarismo. Também é perceptível uma melhoria da postura global. O quadro de vantagens só é garantido com a prática regular, isto é, com, no mínimo, três sessões semanais de 30 minutos. ago/set 2013 59


nutrição

O grão que faz bem Originária dos Andes, a quinoa e os seus benefícios ainda são pouco conhecidos no Brasil

M

uito utilizada na culinária dos Andes, a quinoa é uma planta nativa do Peru, do Chile e da Colômbia. O vegetal, rico em vários nutrientes, é apontado pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura como uma das fontes de proteína mais completas. Apesar de ser conhecida como um grão, a quinoa é da mesma família do espinafre. As suas folhas também são comestíveis, mas foi a semente que ganhou fama em vários países. Como o alimento não é popular no Brasil, existem muitos mitos em torno dos seus benefícios, principalmente quando o assunto é dieta. Confira abaixo algumas informações sobre a quinoa.

verdadeiro Inserir a quinoa na alimentação, de forma balanceada, pode ser um aliado na prevenção do câncer de mama, da osteoporose e dos problemas cardíacos. O alimento tem micronutrientes com propriedades funcionais que aumentam a imunidade, aprendizagem e memória. Funciona como uma alternativa na dieta de pessoas que têm intolerância ao glúten. O grão não possui essa substância, e, por isso, as pessoas portadoras da doença celíaca podem ingeri-la. Os que sofrem desse mal não podem comer alimentos à base de centeio, cevada, trigo, aveia, entre outros. Não tem colesterol. Dessa forma, ela contribui para o controle do colesterol nas elevadas taxas plasmáticas, quando inserida numa dieta balanceada. O grão é uma excelente fonte de vários nutrientes. Entre eles: vitamina B, magnésio, fósforo, ferro, potássio e zinco.

60 ago/set 2013

falso A quinoa pode ser consumida livremente.  Justificativa: O alimento é rico em proteínas vegetais, podendo compensar o valor nutricional de aminoácidos contidos em uma porção de carne. Recomenda-se utilizar a quinoa como variedade para o feijão na dieta do dia a dia ou enriquecer a massa de pão com ela. É válido lembrar que o consumo excessivo pode ser prejudicial. A quinoa não tem muitas calorias. Justificativa: A quinoa é um alimento calórico e, por isso, deve ser consumida com parcimônia. A boa notícia é que ela tem a mesma quantidade de calorias do arroz integral. Cem gramas do grão têm cerca de 335 kcal, podendo variar de acordo com o tipo da semente. Essa mesma quantidade também contém 15 g de proteínas, 68 g de carboidratos, 9,5 mg de ferro, 286 mg de fósforo, 112 mg de cálcio e 5 g de fibras.


Tempero para a vida A pimenta DÁ SABOR aos pratos, faz bem para o coração e ainda emagrece. apimente-se!

V

elha conhecida da culinária brasileira, a pimenta é famosa pelo forte tempero que proporciona na gastronomia. Muito explorada nos pratos típicos baianos, a pimentinha tem um sabor todo especial e traz vários benefícios para a saúde. Conheça alguns:

verdadeiro  omer pimenta pode estar relacionado com a redução do risco C de doenças cardiovasculares. O fato foi estudado na Faculdade de Nutrição da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) em pesquisa com ratos que receberam uma dose pequena de extrato de pimenta dedo-de-moça. O resultado comprovou, entre outras coisas, a eficácia da pimenta nesse aspecto.  imenta ajuda a emagrecer. A capsaicina, substância responsável P pelo ardor da pimenta, estimula o metabolismo. Por essa razão, a pimenta é um aliado na perda de peso. De qualquer forma, só a ingestão do fruto não causa emagrecimento. É importante manter uma alimentação balanceada e praticar atividades físicas.

falso A pimenta é um alimento afrodisíaco. Justificativa: É verdade que comer pimenta ocasiona a liberação de endorfina — hormônio que causa bem-estar —, mas o fato não tem ligação direta com o desejo sexual. A pimenta, assim como o sexo, provoca a dilatação dos vasos sanguíneos, sudorese e aumento dos batimentos cardíacos.  dicionar a pimenta à alimentação diária pode causar úlceras ou A gastrite. Justificativa: A pimenta, pelo contrário, impede o crescimento da Helicobacter pylori, bactéria que atua nas duas doenças. É importante lembrar que o consumo do fruto deve ser moderado. ago/set 2013 61


opinião

Quebrando paradigmas por Juliana Vieira Maranhão

U

m hospital é uma instituição humana, onde decisões imprescindíveis precisam ser tomadas a todo momento para cuidar de vidas, para salvar vidas. Após mais de trinta anos buscando a excelência e superação dos resultados, decidimos bater novos recordes, aprimorando o nosso programa de gestão da qualidade. É como um maratonista, que persegue o tempo perfeito a cada prova. Em 2009, demos a largada em busca de um dos projetos mais ousados do Hospital Santa Joana. A meta era obter a Acreditação Hospitalar da Joint Commission International (JCI), a mais renomada em todo o mundo, e, para isso, seria necessário quebrar alguns paradigmas e mexer na cultura de gestão da organização. Só havia um caminho para chegar ao nosso objetivo: apostar na nossa expertise e na força do trabalho em equipe, investindo na qualificação e capacitação dos nossos colaboradores. Fomos em busca das práticas mais modernas em gestão nas empresas. Contratamos a Fundação Falconi (antigo INDG), que norteou nossa metodologia de acompanhamento de projeto e fluxogramação de processos, com foco em metas e resultados mensuráveis, tanto sob o ponto de vista qualitativo como econômico-financeiro. O Consórcio Brasileiro de Acreditação (CBA) também prestou uma importante colaboração, tendo o papel de nos orientar e capacitar sobre como melhor seguir as normas do manual da JCI, além de promover periodicamente auditorias educativas. No entanto, a receita para superar cada etapa não estava pronta, e foi preciso ir em busca de ingredientes próprios, dosando nossa experiência com os novos conhecimentos que chegavam. Durante o processo, imprimimos a nossa identidade, a partir da criação de uma área de Planejamento e Gestão da Qualidade, que atuou como multiplicadora de toda a informação adquirida. Identificar os líderes que assumiriam cada etapa do projeto foi um grande desafio. Foi preciso escolher entre os que já ocupavam cargos de gestão, ir em busca de novas lideranças e analisar as oportunidades disponíveis no mercado. Foi como montar um complexo quebra-cabeça humano, mas seguindo um rigoroso planejamento estratégico. Muito mais do que a busca por um título, esse projeto nos possibilitou realizar um diagnóstico objetivo do desempenho dos nossos processos, envolvendo todas as atividades de cuidado direto ao paciente além das de apoio administrativo. Assim foi possível desenvolver diversas ações capazes de promover a efetiva melhoria do desempenho da Instituição, abrangendo todos os seus serviços e segmentos existentes. No futuro, será provável que a acreditação hospitalar internacional deixe de ser vista como mero instrumento de diferenciação, como é hoje, e passe a ser uma exigência imposta pelo mercado como garantia de qualidade e segurança para os pacientes, acompanhantes, médicos, colaboradores e para a própria Instituição. Os investimentos em capacitação e promoção do conhecimento serão cada vez mais intensificados em todas as áreas do Hospital Santa Joana. Portanto, diferente de uma maratona que tem o seu ponto de chegada, o nosso percurso é contínuo, e a nossa corrida pela qualidade nunca chega ao fim. 62 ago/set 2013


Recife tem um hospital Internacional. E ele não é de fora do país. O Hospital Santa Joana recebeu o certificado de Acreditação Internacional pela JCI (Joint Commission International). Isso quer dizer que você encontra aqui os mesmos padrões de qualidade e segurança presentes nos melhores centros hospitalares do mundo. Mais que uma conquista, essa certificação reflete todo o carinho e cuidado que temos por nossos clientes. Afinal, somos especialistas em cuidar de vidas. Da sua vida.

81 3216.6666 | www.santajoanape.com.br

Você Com Saúde edição 01  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you