Issuu on Google+

Instituto de Ensino Superior do Espírito Santo Faculdade de Castelo- Facastelo Curso de Medicina Veterinária 1° Periodo

Camila Lemos Siva, Daniela Falquero Alves da Cruz Debora Colli Bonadiman Miguel Thomaz Silveira Paula Sansão Rômulo Miranda

Evolução da Medicina Veterinária

Castelo 2012


Camila Lemos Siva, Daniela Falquero Alves da Cruz Debora Colli Bonadiman Miguel Thomaz Silveira Paula Sansão Rômulo Miranda

Evolução da Medicina Veterinária

Trabalho acadêmico apresentado á disciplina de Informática na faculdade de Castelo, como requisito parcial de avaliação. Professor: Valderedo Sedano Fontana

Castelo2 2012


Instituto de Ensino Superior do Espírito Santo SUMÁRIO INTRODUÇÃO........................................................................................................................04 DESENVOLVIMENTO: 1.A VERDADEIRA ORIGEM DA VETERINÁRIA.....................................................................05 2.VETERINÁRIA DENTRO DO EXERCITO............................................................................06 3.A CRIAÇÃO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA.............................................................................07 4.EVOLUÇÃO DOS APARELHOS (FOTOS)...........................................................................08 5.A IMPORTANCIA DA DEFESA SANITÁRIA ANIMAL......................................................09-10 6.SEMPRE MELHORANDO A VIDA ANIMAL..........................................................................11 7.APARELHO QUE AJUUDAM OS ANIMAIS..........................................................................12 8.NOVIDADES........................................................................................................................13 9.CÉLULAS TRONCO NA VETERINÁRIA..............................................................................14 CONSIDERAÇÕES FINAIS.....................................................................................................15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS........................................................................................16 Castelo 2012


Instituto de Ensino Superior do Espírito Santo

IINTRODUÇÃO A Medicina Veterinária existe desde 1910, mas somente no final de 1933 foi normatizada por Getúlio Vargas no Brasil a atuação dessa profissão. Com o passar do tempo ala vem evoluindo a partir de novas tecnologias e conhecimentos. Em 1910 foram criadas as primeiras escolas de Medicina Veterinária: a Escola de Veterinária do Exército e a Escola Superior de Agricultura e Veterinária, ambas no Rio de Janeiro. Antigamente eram considerados veterinários os profissionais que atendiam os animais em casa ou no campo e apenas davam uma receita ou uma injeção. Em 1762 quando Claude Bourgelat criou, em Lyon, na França, a primeira Escola de Veterinária, instalando, ele próprio, a segunda Em Maison Alfort, nos arredores de Paris, em 1765. Essas duas escolas se constituíram em verdadeiros polos irradiadores para as demais nações do mundo.

Castelo 2012 Claude Bourgelat

04


A verdadeira origem da veterinária... A Medicina Veterinária nasceu quando o homem primitivo começou a domesticar o primeiro animal. Os mais antigos registros de nossa atividade profissional datam do Século XVIII AC.

Castelo 2012

05


Veterinária dentro do exército A fase militar tem seu início no primeiro século da era cristã. A expansão das nações levou aos esforços no controle de doenças animais em larga escala. Houve a criação de estruturas organizadas de pessoas que curavam os animais dentro dos exércitos, pela importância militar que o cavalo assumia. Durante esse longo período de serviços veterinários que abrangeu a Idade Média e o Renascimento, os avanços no controle de doenças se limitaram ao aperfeiçoamento das técnicas básicas do diagnóstico clínico com o desenvolvimento da habilidade de diferenciar as combinações dos sinais de doenças específicas.

Castelo 2012

06


A criação da inspeção sanitária O serviço de Defesa Sanitária Animal do Ministério da Agricultura foi organizado em 1910 por um medico militar, Capitão Dr. João Moniz Barreto de Aragão, fundador da Escola Veterinária do Exercito na cidade do Rio de Janeiro. Duas táticas para o controle de enfermidades animais adotadas foram: a higiene, e o controle sobre o abate de animais. O controle sanitário incluía os locais de produção de animais e os matadouros, com o objetivo de combater as doenças animais e também as enfermidades humanas que estavam sendo associadas a alimentos de origem animal. Essas ações forneceram diretamente a base para os primeiros esforços direcionados à saúde pública. A aplicação dessas táticas representou uma oportunidade para o trabalho educacional dos proprietários de animais. Observou-se que uma das principais falhas dos programas veterinários para o controle de enfermidades não estaria nas deficiências técnicas dos programas, mas nas deficiências da comunicação com o público.

Castelo 2012

07


Evolução dos aparelhos

X Aparelho de Ultra som antigo

Aparelho de Ultra som atual Castelo 2012

08


ATUALMENTE A importância da Defesa Sanitária Animal

Com a compreensão pela ciência da origem e propagação de diversas doenças, tendo como vetores animais domésticos ou silvestres, bem como para assegurar a própria integridade física dos animais, a medicina veterinária passou a ser importante coadjuvante nas políticas de saúde pública dos países. A propagação de doenças epidêmicas, humanas ou animais, encontra na instalação de barreiras veterinárias que evitam sua propagação um meio eficaz de controle. A Medicina Veterinária tem uma grande importância no setor de Defesa Sanitária Animal, cujos objetivos são justamente prevenir a ocorrência de doenças exóticas, que podem ter graves impactos em saúde pública ou econômicos nos animais, e controlar ou erradicar doenças endêmicas..

Castelo 2012

09


Vigilância Sanitária em ação.

Castelo 2012

10


Sempre melhorando a vida dos animais Acupuntura: um ótimo tratamento alternativo na recuperação de pequenos animais. A Acupuntura Veterinária, assim como a Fisioterapia estão sendo muito indicadas, atualmente como tratamento alternativo e auxiliar, em pequenos animais para que tenham qualidade de vida e longevidade. Complementam as terapias convencionais, no alívio de quadros agudos e crônicos de dores, em processos de recuperação em pós-operatórios, principalmente em ortopedia, e na manutenção de doenças crônicas e degenerativas.

Castelo 2012

11


Aparelhos que ajudam os animais.... O problema mais comum nos cães é a hérnia de disco, principalmente nos animais que têm corpo comprido e distância grande entre as pernas. Em geral, eles perdem o movimento nas patas traseiras. O cachorro Ringo parou de andar em dezembro de 2008. O aparelho segura o corpo e permite fazer exercícios com as patas deficientes. O cão pode voltar a andar em um ano. Mesmo para animais que não recuperam os movimentos, o carrinho já é uma grande mudança.

Castelo 2012

12


Novidades: Aparelhos odontológicos na Veterinária.... Cães e gatos também podem precisar de aparelhos odontológicos, pois ambas as espécies apresentam problemas de oclusão errada associadas ou não a deformidades ósseas do crânio e sua relação com a mandíbula. É possível que estes problemas tenham crescido muito devido a uma falha de supervisionamento dos cruzamentos. Isto fez com que algumas raças atuais apresentem frequentes problemas de oclusão. Para algumas delas, porém, estas alterações são aceitas e consideradas normais. É o caso, por exemplo, dos Buldogs.

Castelo 2012

13


Células tronco na Veterinária

Tratamento para animais é indolor e (em tese) seguro 1. COLETA Usando uma agulha, o veterinário coleta células-tronco mesenquimais - que podem ser encontradas na polpa dos dentes, na medula óssea ou no tecido adiposo da barriga do animal. O animal fica sob anestesia geral durante o procedimento. 2. MANIPULAÇÃO As células-tronco vêm misturadas com colágeno. Para separá-las, ele é colocado numa centrífuga e tratado com uma enzima. Em seguida, as células são imersas numa s olução de nutrientes e armazenadas durante 3 semanas, para que se multipliquem.

3. INJEÇÃO Uma injeção de células-tronco é aplicada diretamente no órgão doente, como nas articulações (em caso de artrite), no coração (problemas cardíacos), ou nos ossos (fraturas). São necessárias de 1 a 3 aplicações. 4. RECUPERAÇÃO As células-tronco começam a assumir o formato das demais células do organismo. Se elas forem injetadas num osso, por exemplo, se transformam em células ósseas. Com isso, o órgão ou tecido doente vai se regenerando. 5. CURA Os efeitos benéficos começam a ser sentidos horas depois da aplicação - e algumas lesões, como fraturas, saram totalmente em dois meses. Segundo os veterinários, os efeitos colaterais são modestos (enjoo e queda de pelos).

Castelo 2012

14


CONSIDERAÇÕES FINAIS Com a pesquisa realizada tivemos a oportunidade de aprimorar meu conhecimento em relação à Medicina Veterinária de antigamente e a atual. Ela vem se expandindo pelo fato de haver uma melhor disponibilidade de técnicas avançadas de diagnóstico e de terapia para a maioria das espécies animais, bem como pelos avanços científicos em outras áreas, como a genética, a biotecnologia, a fisiologia, que proporcionam melhoramentos nos sistemas de produção animal. "A Saúde Pública Veterinária compreende todos os esforços da comunidade que influenciam e são influenciados pela arte e ciência médico-veterinário, aplicados à prevenção da doença, proteção da vida e promoção do bem-estar e eficiência do ser humano"

Castelo 2012

15


REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS http://www.portaleducacao.com.br/veterinaria/artigos/4043/historia-damedicina-veterinaria-e-do-medico-veterinario http://www.revistapetcenter.com.br/medicina_veterinaria_evolui_cada_ vez_mais.php Revista Clinica Veterinaria, Guarรก, 2012.

Castelo 2012

16


Evolução da Medicina Veterinaria