Issuu on Google+

....•.. .:

,;

:r

I

,:,

~

(J

,

r

F rgu ;,!.oas __

dese::;pe:-ad2S

J ._'~~.---

Eu sou Brasi

---

Tu és Brasil ,.,. ,

Ele.s _

••

Br a s i

J

8r

S;.l-

Vós sais ara .......-...,. .....••••.....-.ELES SÃO

il

N~l?mO~

/

I ,I

1

,/

•••

••

I"

f"

~r

l

FUTEBOL CARNAVA

M~os

do Brasil

ICorrendo

na selva

MergUlhadO

I Fugindo

imensa

na ,descrença no nrorrio

p3gão

N~,

primitivo

lar

e decadente

Abandonado

doente

8

I

,I f

t

1

t

(l

t ~ 1 1 'C A

t

-

~

;~ r 1 ,:' ~ d r (~ .s : ~ t:' i r ~:::

\'/ v ,: ("'~1

}-::

l'

~·-;:..I

,

r'

i

,

.

~,;.'

. f'

:

_·~:;.[';t:s

t. ~;:' ,\ ;, ~

c ~

~ 5 L:

rI

..

ri 8 ;íl3!

rj:

·i~)

~~~~t <.1

r :.:. ~:#1 5 ;1

p

;.'(

,~.,.. ..J ~ l C"

d'')'~\I' f.#·

r .~~ r .: .~ ~

1,;:

'l

[: , , c

d2 ,

r'·.:-i.(~~j

[...

,~':~c:' ~.(~

:: .•

2. :

.~

:"!

:",:

-., ~ r'.

':.

~.,

11)

f

(!

<-••

'

'. .(

.J

~

F?

(~:.~'. .' C :;

r~

;",,; :_: . ' ••••

-; êt

r;

1:

P.

r :

\:',\_~r? "

C

09

}

;1'f

i

t[:-~d(

r a JC8~

; e:::--G-:J c i

P r .P r t cS l e p r .~r ç 1. -Njo o r oc c r a re i ::i ;:a I ~; -: i' ,-' ;; S

rl C, C' "l

i


,.

'-

., a r e i

r~ m: tJ Tr~i'dll};Hl'Jre',~ r';é1r~.o /H1G

,. .'

f ..•.

J •..a

<;l (0,,1-_[·3

'.a

-

"ia

I;

;r'l:.·íJV,.ji~nri"1

-

, ~,a'.i (J8

d o '·I·j"~A t r s b a J r,.1,j o r e s,

l~ilO,

~'XlR(

pa r ;

.. I"

I;r'·a(l'<

~~,

aqui

v'V]

l' "!;>83"'as i Lu s o r p·'~a J i t a ~cl8 UT a :' I B J í? ;11 S tj n 1 i ,!sro s,strJfli3 (;'Ie ~

COI,'

CO[1,j

d,":.r:::ur:,ar,

ies ,

nJ

mn)"(Jf

:j'3

t ;

!1f,:,

,li

Ana

.i

r .. F R

n fi

r,

-Tr

..

n

5,

r

r.u

I';

"o'Jariu3,

:...:

i ma

,

da

r)U',,,)n;;s.

l .

'I

10

rf; '103

"

r:

"('r,'s

dl;;,1" fj

1

;l~i

í.·.

(J~

;"..,,;.

~ f. :v ..,. r D r~

a o cure pedI!' a\,

Vp~,ho

Vé1IT'

:;;I ~t.(d,1

!...l.r

I TO.

i

J'

Um ••• oo i s ••• um •• dois ••• ilto!! o e s c a n s a r! 'leus '1;nlpnºoe~ O que t'ocês pen a m que é aqui? A casa da Jj;()m~E:::7.: flha ["üi to fora barriga pr dentro. Aqui voces nao sao ~ada, nao ~ao n i ngur nãg tem s en t i me i t o , não tE:fJ1 amor a ninguém, não rr:;:õveitar:n n i nç us alem de seus su eriares. Entenderam bem? Sim senhor! Nós entendemos. Muito bem, aqui a ordem e" a d i s c i p Li n a e a d i s c i p l ioa e a ordem. Quem sair dos t ihhos o trem pega 8 esmaga. Certo? Sim, senhor! Nó enteno8mos! Muito bem, mais .lto! Sim senhor, c omn: e e nd i d o I fYJai sal ".o! Sim sennort com reendido! Muito bem, ass.i. ~ que eu gosto de ver, seus moleng;es, pamaC3S. esqueçam nunca, respeito, obediência, disciplina, Aqui vocês não são nada. Atenç o! SENTIDO ••• meia volta vol ••• l ••• ver! Em frentf marche ••• Um••• ois ••• um ••• dois ••• A

~

_

_

_

A

,

;.?

"

Atençao, s nhores! Silencio no Tribunal, esta entrando a ]UIza da' 14º vara criminal para iniciar o julgamento. '~ •.. , .Juiza Voc o as ta sendo acusado de ircD::;tra o ,si s t e rna (capitalist<;l_,;De acordo com a nossa Constituiçao sera julgado. lem algo a declarar? , Reu Eu só queria dizer .•• P r o m , - Excelentfssima juIza! Uma pessoa que faz o que este c.da~~o

.I: I

! .

fez, nao merece nem que se ouça uma SÓ palavra de s ua b o c e Todo ser humano tem o cir8ito a se defender. - Protesto. r Sr.Promotor. JUIza Protesto negado, Prossiga, Prom. Excelent15sima juIza, este homem r.ometeu O mais vil dos cri mes. Adv. Protesto f,sretíssima. · .r Protesto i nc o nc e d i do . Pr v s s i q a , Sr. (ITom9tor~ _ JUiZa E s t e h o m m q LI e r a p r 8 n de ;- 2 S C G i 5 <1J ri' r ~:, i [1 r o p r i o, i s t o n a o Prom.

Adv.

Adv. ·. JlIlza (

Adv. ·

(

ju i z a I~

.l o ili •

.p o d e a c o t e c e r Mas todo ,homem

~l o

v.

Pi,)rr.

m nos

S

.• i '3 t

o

8:r:J

te ~ ~)lJa bc rcade , S i 1~n c i o n o t r i b una 1. (i'. a i S l' 1112 rr ~ n i f e s t 3; ã o sua i r.t E: r r o m p E ·0 s t r a ba 110 S das ('s .., ã o " s ;;;-p j o D i rJ a (1;; d r e l i r á -1 o • i-tt ~ r , O esculpe IIBrO~13S1ma. Prossiga 3r. Promotpr~ r~';r+'Jr ~3 li n 8 C 3 ~ . <~ 1 P.'..' d r t L â::....:.~ t -~i. rru ro nb o u r i s a o ao l-. ,.,

e A d lj • o ' 'lYJ3Q'3

F

.•. ~

~

..•.. .:

Protesto

l?

e

(I 8 ~

o

í\,eretl:>t;

- Culpado. I noc 8 nt 8

!; ó D P

"r É uma:OJcura! C;jl~·dr.io. ,0: t. e ~l(; '2 (i " o S . ~~ él."\J S

dÍIHJl

rol

fi1 o

ao

tem

8,

;

unes

!

t

~,~

reL

'

..... u5êu

•••

"

e-

~O

r;!

·,;a. )S

P l )(~ l

,! " ~ i.l

l,! S ~ ') ,> [i ~.: l r.c cv r.t e .

J' { () ,_i o s :

L

;'i v ~

.')-

,

1

r

!

ti li : :;•

~ ~

td) ()

,

....

(

I ••

l

,

,,~

. I

1

7

:.~ ,

_."

.;

r


raHil nem t-

a~. r

rir.: 1)18ve s ab e

Ja faz

f1e,j: r

a un.e nt o

j8 f a

~) f r i flH, nto •

o lJ 8 m o

carte

i,

~ Vluaf.

M~os rovoltadas das Pilas enGr~es dos dpsempregado5, deentes e reus ã c s que b 1 a 5 f e ma m, iTI a 1 d j z e m e ;71 a t a m - s desgraçadas, :,erdirld5, ~e~ Oeus.

A{

leacher ••• n6s vamos aprender mesmo essa llncua ' e a oente OG~ todos os dias, o português?A ' claro, se a rende portugues desde a 1º serie e c~~ga no vestibu]ar é um fracasso t o t a l •.• T 9 a c ~,e r! v 3 mo s ver s e e u e n t e r, di? e X i s tem v á r i os p o r t u 9 u ê s e n tão. u r.; chique, c ut r rns i s e s r.or t i vo , outro mais n o o u l a r •.• __ Sim c 1 a r o. V c ê í1ã o que r q Li e e u vá f a 1 a r o ~ o O i t ' L o r d a q L e : a i ri' du s t r a a Li , por e x e plo, mal vestido e alando de :l"alquer j ei não é? ~io entendi 5sa! era, se for alar com algu~m t~o importan~e çrcciso falar corret~mente, usand oalavras bonitas e gramaticalmente bem colocadas •••

r

c

í

í

Mesmo se vo ~ for lá pra dizer a ele que os sal~rio5 8st~O horríveis, que i todo mundo passando fome, enquanto ele viaja dp mercedes, voce anda a pe, que a ind~stria dele joga todo dia esse cheiro de b sta no nariz de todo mundo ••• ,,L f a 1ar d i1Voce.." 6a est baixando o nlvel. l claro que voce preClsa reitinho ••• até para reclamar. R2clamar,! ~' Eara isso?! Nao. Se VOC8 nao souber falar e escrever direito, corrRtamente, você não· arranja um emprego com borr. salário, não passa num concurso, vai ser gari." lavador de carro. Ah, agora e tr.ndi: estes milhões de desempregados que estão por ai foram despe idas por que não sabiam escrever e falar corretamente. Essas quest e~ nio dizem respeito ao ensino de portuqu~s ••• todos devem saber o português padrão. " - Al( tchurma, eu vai abrir um curso preTvestibular ••• isso da money •. Bem, chega, não quero mais conversa com voc~s hoje. Est~o muito agressivos complicados .•• - Você pode e ~ender muito de educaçãe, mas não entende nada de valor~2açao de os, como seres humanos. ~s9se ponto voc~ est~ pior de nos que nem sabemo ler e escrever direito. A,

&

a~tL

;1fÍ .c ~ do tlctP€Jre ...f-~2é;/:. (/MA TRABAL -

qüün Í'uuuuu } .• , ,

-

S(~',h

1151"'10

)r8Fc~~

empregl

fYa

e não trabalho"

oc "taR., ,..IC ~~ e:-r ll4

(;(lf#,

lei

no~a

que

.II~

o empregado

favorec8

a empre-

es.

,

~,al c (11

dal.

ii'd

V J IfI 09

.r O~adnr

-

"Quero

'JOu

-

dar

,! • • •• ~;.J,.

P. ~ C I! ri

..

A.Ll o .Q.r:~8iro: horas ••• (vaias) p 01 S r, r. ri e h a ver P o .~8~ f? ri qui r; a r ..• fr::ri<.:s

(iaré1

L~

t

,.1r- •

I f~

f"' I ~

a r •. "O 1';/lL'rfHJado ,ipve H A V E" N O O t),",) a t, r a S O d ',', " n j t LS, 1 ~

mel,

l

~~

~jP.!.>:)('Ttc!

~

ur

a n

t

r a r

tolc....r<~J', ~

a

, ,r'

, '.:l

nü ,-) Li

a c

::;d~\:~Ç;G

",)'80'0

<>

O

r

".J

u

S

G~tG

h Or 3 S ,

I

ci:'~'3 p C r t a c o r


Ore de r

Ar t i o., o ,_. S~VU(idu; ._:t._ .., ._ ..,."•.. a n t a r t .i o 9 H r i~..

-

~. ,

"';;,:1'

C

i

silo

rX1,Jir..•

limite

t tl

Ü? -:

C

O s s r v i c (I .rn",',vd\Jd,:) o n v o r s a r t P S c' L ,\ r o c

te}nfonar~'

car'j/'fd)(J,

1'11 l)(

i (TI o d eS

rn i 11 U

U

q'I.~

r'I:!,:,le

t

9 i é C' i u L l; rn • 1

(J

s a ,-- q:)

, "

'ri U

1 'O

rd

(j Q

r - ~1,.~_L.9~~g!.~~.to:

!

D li U :5

t e r e s e Jo p a L r a o , f a r f' r a 9 r a o que

:i f . l L t r ) r. í; ( , : 1 m~)tj', ('ll C; (: ,]

j' .<,

Ç()i'""

-"

:) r

I .1

~....

" '2,

i

I

t

l~liI í)

5 ~J

e 'j

(1 ' ;

'J

iar

(

vOI1l fie

<l

v

.'

~·I.,

v.; r

r',,(J

j,

L d r; A

i3 ~ .'

o

da

"~

tos.

palmas. fi r a do r - ~~.!:,L99, ~Xc S'! L~~: p~\ra o 81-oç.c, ,,'

l"'~r a

ç

P o li e f <i Z e r

- esta ~ ~:ra o Zpca . ca~G2do~ , ' - viva, j a ganhou ••• Ja gar,nou ••• Cradar - Arti o (:.Ü nto,..;. D e mp r e q a do

o '1 p i: c i li U cJ L' ~: 1

c

\

•\

o é",

f' ,) r ,\ ", , . I1Rl~ :::.' i',

.'3 rn \) f1

,

,

:·l r 1

t [\

I

LJ:1 i (';I r

a

ha.

,

n~o DodBr~ (

que

quer

I'eyar

ser acordado

em hip~tese

o Brasil

for

"O

sono

durante

alguma,

a Nio

,

a salda. leis

estas

puxa! seí

não

ra r a frente,

então

eu

é

a n 81 h or do u i: fI::1 o •.• viva a nova leI ••.

vi va~-Mãos

dos

antIgos

empurrados lutam pela

para

donos

desta

terra

os confins

sua integridade costumes, hábitos des~ntegrados Dor seu ambiente ser destruIdo.

pelos

ja n-,o são Em numero, harmoniap convivendo "

mais os mesmos e pureza sabedoria com a morta

natureza.

OS fNDIOS vem exigir exp~icações do homem branco. Porque destrui, nossa floresta, ossos rios, levou a, nossa, riquezat massacrou o nos , povo, eramos mi~hares, hoje, quem s orr o s nos? Pc,vo p a o u e nc , A nossa terra ainda esta para ser demarcada. Vivemos de esmolas de homem br2 co. E~ nome de q em tudo isto foi feito, se voc~s Mesmos nos ensinaram um Deus de a ar, paz e justiça? lndio

-r-.

Onde est~o os antepassados? Donos deata terra? N6s sabemos qu eles? Ou não nos interessa? Por que sabemo mais de PIatão.,_ 5~crat85t do que de nosSOS E a tradiçio d nossos pais: gauchos, sertanejos ••• - alemães, dos i igrantes ••• _ p o 1cc n e S 8 S, a f r i. c a nos • •., ...Por que a eul t r a americana e ma i s importanterara nós? Um velho chín~ vale mais do que meu vovô

Tupi

»> ~

TRADIÇ1\o t

t ... " h ~.-.'I ,_ L ad .• ''i30.

r a o i ao ] o qu ç

tRADIÇ1io É rOR A VIVA ultura, ( arte moral, ~, f a r t u ra A re, a grande I) a h i s t r i a de nos s J Que r e v i y emo s 'e novo

ó

porque

nao

mor

~)o V I]

e e perdur~

. i

( a própria v

iv a

f)

r1 : e

alma i t fJ

traz o pas~a~o

da

raça da 9enta 30

Dles~nt8

para orlen~ar o futuro [ o bras' leito pelo duro leva o 8r2sil para frente.

"


/ f.; e n S a

e r r a o q u o il.; :.:;. ;I [J u e o c u I tas :. r a : ; '. '. f·

Quer Para

Ir ~9 8~'

deetr volta

O~ julga ~' a o o e i x

V r~j ~ Ir ~2 lil U u e G do 'lt..l,êll tr<l"il:i,' \:. ~i~o vi i t:ofILr':i C I~~r,d{·;· [1 (I :.~S il n '.I 'J 1 'j i "; i; t. o (' c fi t 4 fi i. Li q LI e r: ,'';, i ,I r t~ U ~ r li;) ""'"' <, e (} ~~; ~I •. !', t 1 ~

S

~.: (.'~:' r~_.i.'~ q

,i t

p

<1 il>C-3rr~ o 'r,:, í ()

,

,

'JO

r.

o

i

a r d a nrí o

2

tr a

11

,j

i')

-

o i 1;20

se p,da faznr o pTngresso , O o c Ii n t r c; r \ o ,1.1 i r e o ,=J lJ es s o perde

a orQanlcidarle

e tudo

~~DS

que

02 [1

p'ssoas

s pe r

rn

iH'J

o q:J/? ser

pode

um

~ novidélcie r n

t r o c e ss o

dependentes s

e

1

i

e

. ~

J

t,

os

que diminlem os preços d06 princ pais alimentos A esperan a deles nunca morre , pois semp 8 ha uma promessa de que a ida melhore.

(CI ___ .~

-

.._..

I' J r (\',,-\, -,

I PRE5iDEN

'\

E ELEITO

"\

~,/

Co\

~

C~~lt,; IrÀ~

(x.V

.''./~}' {\t,/r

G

\..rf'

/

/rl

~,jJ(J ~~\ /It~ C ,fi-' e..

~"''i

\ rrt.;

4 ~ ,\,\.

~ / ' 11'

<;, \/ ~o. I/l/I' '\ \ ?ir;.: .s. / ~v

...._~ ._-- ...- ..)

6,\/;;/"

• Depois de um ano de meu governo_Brasil Novo, como s t a {no s num p r o c e 5 S o d 8 mo d e r n i z a i,' a o. M lJ i tas em p r e n S 3 5 . t 1men t os em nosso paIS. ( cnal estao com altos lnves ~dO m ao nosso povo para que tenham mais efici~ncia no trabalho, alegria no Iazer, com a tecnologia modern~ que esta che~ando Assim como JK p rone t e u avançar 50 anos em 5 anos, nos seremos, ate o final de n9sso go 8rno,,1994, um pais do primeiro munqo. Um país moderno, democratico, nde ha liberdade e igualdade. Este e o Brasil Novo. 8ras~!eiro t o dos p o de m ver, de nome internac~ portas que se abr

í

=J

Brasileiro. Estamos ainda em crise, mas precisamos a,VOJsa compreensão e até me mo o sacriffcio de seomentos da sociedade. O Brasil vai me l ho r a r , Vit ria sobre a inflação. ~ \ . NAC IC1NAL

CO NGRESS

__

~

_I

i-:

L...__

Senhores Senado economicas anunci Senhores! Nós p Os sacrif{cios Não concordo. P 1 a,t i va n:e n. t e b a i Nos precIsamos moderno ••• - são medidas que A

. ..:----,)

-

es e Deputados, sera colocado em debate as medidas , dos pelo governo. Esta aberto para discussao. ~ci~amos pensar um pouco naqueles que nos elegeram. ,a 6ao grandes ••• o povo ••• ecisamos apoiar nosso governo. O cr~dito j~ 05t~ reo, ainda mais, o povo ••• ~oiar estas medidas, pois elas tornam o paIs mais

paises

outros

.

desenvolvidos

,

tomaram

JB

anos ••• - Mas o povo ••• pr cisamos pensar ••• - Sil~ncio senado 8S e deputado8! Todos cientes des, de seus comp omissos, faremos a votaç~o.

a mais de 50 a

de suas responsabilida/

-~'

;t,f\

..••• '

;

)

~I

~lha a ~:~:~r;; ::ha as frutas ... os a xes... a carne

/~J..~~~~Jbud

p i

c orno

Assim

pOuco. -,

','C,,,,-

e ra

;,;

~.!~',

da maIS. O pessoal que agu'ntar, ouvir luz, do alimentos.

nao

ho :e~~.nem

rr8r~'fl, •

-

acha esses

fala

SI?

-

que somos oes a r oros

,#

nas com

que temos na, 0180, " - Os aumentos L,,,t· cal ••• U !IOSSO s a La r i o e desse U ma c o i 5 anã o e í +- e íl do: o p 8''; S o a 1 d a ro ç a .$ e q u p de s e u s p r o du t o s •.• n.a s aqui o "teço,~ alt[f;simo. 'i8ílH)S SI..' "I!i b ("1, c:oid"l9.,. u i de t i"r/!cj

to

o

m

o

r

~,

os

os aumentos

(

-

'_11,* ••._' culpadbs; 8 nos

t a n.a nho . j

urío

de

o s s o lj

<.

xa dos 'a Lx o s p ro ç c ;

n

ao

l):it~n(~í)

~:i-

I I I !

I'


v i c a s ••• ,

- O negocio

e

P!gél

,'aos de f desf.?strut p e l o rJyU! o n ue imp sendo o 1 Os meios fnrmaç~ 8,

:\0

rAMfLIA

J:,idas que

mo

d

é

rta

pele' si stt:>ma t.o rno u c o o ta a liberdade •••

e comunicaç;o 8 arroximdade

levam

o povo

p e r o o n a Li rte o a

X ~ DIA

\

\

1

\I

t

.-

II

\

\

,

\

~'~vP-rt:' \ t

ff

r\

i,

, \I

r~ . \

tC::1P'1,

sua

,

(

r, um problema.

rr e suo

pe r da

a

p~[I ias

fi

tllkL

I _8\_f

0'~~'-~O:--'

- Pai, eu quero ve mais desenhe; Dai •.• paíii ••• (chora e vai na m: - Pedrinha, checa e u e r d e s er.ho h c j s , agora est~ na hora do meu je , nal. Va brincar um pouco •. - Alberto! Alberto com prohlemas ••• tu sabias que o pedrinha ! eSLola ••• a prores o ~a ••• - ~otfcia extraord naria! roi sequestrado nes~a tarde o grande empr s~rio , alemão ••• ls o aconteceu per volta das seis horas, ~uando o sr rrBsario com seu m rcedes diriªia-se para sua casa do trabalho. Ao r tr~s homens renderam seu motorista, soltando-o; rar numa sinaleira dali, levando apenas o empres~rio. ~ão h~ ~istas alguns quilometros O nosso report~r est~ ~o lado do chefe de \ rumo dus seouestra vestioações~ - Dr.-c~mo est~ a lluação do sequestro? informações sobre o paradeiro dos - O caso é que não temos grandes ma coisa podemos dizer: Toda policia est~ mobili questradores, mas Não h~ mais liberdade. da. Nós vamos comb ter tais atos criminosos. bandidos vão pagar por aquilo qre estão fazendo, ra o cidadão. Esse - A , sonuir, o dia o presidnnte. 7 ,. , - So ha violencias neste Pa1s ••. onde esta a educaçao que o povo dev receber ••• viol~nc as, 96 viol~ncias ••• A professora dele pediu ••• - Alberto você ouv u o que lhe falei? tadores! Estamos falando diretamente do lançamen - Senhores telespe do melhor t~nís qu j~ existiu. Vejam. senhores, eles dão suavidade seu caminhar. Você gato, a sua gatinha vai gamar no seu tênis. Olhafi só o caminhar ••• su ve ••• p2rfeito ••• charmoso ••• ~ o tênis mais sensaci, nal_que j~ existiu •1 assim ••• - mae, eu quero ~m ten~s minhas colegas vao ter e eu nao. eu também, se nã , todas sil~ncio a{ meni os" o j o r n a I e s t á r e c o me ç a n do ••• ColIor depois de um dia eXAustivo ~. - O presidente ele to rernando iais está realizando o S8U famoso coopero Al;~~ despachos presiden , . te R2ra manter a estabili6ade f{sica de nosso Cc o cooper e lmp'orta , est~ acompanhando o cooper do presidente ••• po. Nosso reporter e rum t r e c h o d e 4 K m e s t a m 03 c h e 9 a n d o e rn f r 8n te c - Depois de percor ~ua casa onde ele, o p r e s i d e n t e r.o s da [~ urna e n t r e \1 i 5 t a c o 1e t i v a • se :3Gqte depois do c o o p e r , r o rqu e eu se rresidente ••• presi ente,como t Ou exausto ••• , - Dem, sinto-me muito t\p.u'- .i\t.e [,e:rr-:,re liL8 (ntoL ,;r~ [':'1)(;0 mais lave • .o.inda mais a qo ra q e vo u tomar um suco 08 ma r a c uj a , ('J:'(' ~;l!CO que ac m~ o relaxa as t8n'~ns rio diR. , t - r o a In.en t e o i nc r li v o I a di~'posi';af) do prU··l·j(~ .re , ." '.. r ,. p 2. 1, O q LJ13 !~, C O n e r, eu t a ;TIh 8 .; os s o r . 2 e r ! - :,f'~r/conr'8r e ••• '.')h o r p. 5, II '3 S i s t f11 I (J 9 o m ,1 i S L m ~ r o fJ ra rna s ,.n :;, d c:: ; r), , a I que u IT' c: .: n: r, f. r t l' rr>:;f \:1Z P ~ n t a na 1. A na tu r e z ;,1 n S h :.~i r ai s , os P 8 ; x:.' '1 .' d I () t': 8 di) '-, j.1d S S.) iJ Q, li I) f j !T~I ") '.J C. ' . ::" '." .' L i un ;.;- Li I) r é: ['",;:o ',I. ~.~,.

I \

,_0

-

(

q

t:

1

,

.1


". as estão co o tt-;- " .i e s s o a s f a z e n o COOp':í

Mãos 3 G

rias

m

PCr

I H]

ij

I)

~~ l'Ti

t

J ..

" Di-:-

ri

r,

f' '. I) ,1f.; Ü

n t-: '; t,

C

r ;

I

'I::; I

~}

fJ

[1';1

e

0., ,~

u

~=

D

r~,st

.

r

f)

,

"$pOC1,~JS

t

i

J

t; ; 1 l .. : .•. '

ti

I

I..

(nal~,

;3

'•

" (",~.'.

IT',.,

I'::

i

t8nif;~

nfJcr><'.<.~id:Hl~s i ri R r l i f i I " ,1 d l r rI r <,

LI

~

~f

(I

z

#,'

~,

l

r

ti'

.;

..! é1 •....•

t é.~11 b :

eu

n novo

COIÍI

fJ'!')!j();:':;

a

C

"lj.

o • •• 'i

f

I l

,e

t.II)!:,

t)" 1,;n.!=1

(

!

.

\

,L~ I ,l

r

• <.:

,"

íI

NO ÔN:8U ei gente ••• s bem duma coisa! •• tô meio do ~nibus, no corredor. bebado) - Olha o carro! - um por um sae do ~nibus, pisando, de costas •••

8a de qu se. Sa fa pa e

Ei, por que v O que vocês t Eu tenho uma voz - a justi der sindical 10 pov0.r e voce o gue - Bem, eu naa t - Como nada? te você trabalha. - Ar" sim. f"lilh fia em mim. - [ vocês querer - ,f'; a i s ? ? ? [5 s a nos. - A felicidade no trabalho, no - E eu?? com um mundo bebe, tem - l claro que t lute para mudar

muito

feliz •••

passando

por

cima

t a , Senhor, eu ficar de o r a çr s e s t e mãos geladas is estrelas apagadas brilho e sem luz ta, Senhor, por piedade e-me raio de tua claridade a mostrar-me ao pevo br~silairo ar uma nova nacionalidade.

ce s~ fala m nas mãos? nxada - eu a - o po d e r u tenho um

de

COisa

voca

de pegar

ar

iz

rl\'SSO

"o

[T. :,

i mp o r Lvr Scn11or.

.o o

\I (J

C

e

t8

na minha

explicar

poderia A

mais

'1;,05

voe e faz ••• a famllia",tua

st~~ al( nas mao~ d P. vaces: 1azer ••• Eu estou do lado deficiência a mais? tomo um lugarzi~ho conligo, m! Todos os que tem f~ a. de vida,eu te ~judo.

o

v.

..tI

casa

mao •••

melhor

81a

isso

con-

para

na fam{lia, amigos, - z nnc s , de vocês,confie~! rreu~ traguinhos ••• mas todo Rei? mÓ!m SdO meus amigos. Venha e í

í

() JrM

rf'

te

./

/

Ficancn

mãos??

gosta

mais? u não entendi?

que

dfle.

no

vassoura - a educaç;o um computador , - sou r e p !" e s e r. t a n t e '.1L. r o vo - sou um 11livro - eu, ••• sou o presidente eleito pe-

pequena

udo o

(cai

llma

em na mão?? nho nada. sim! alguma filha

nossas

feliz •••


Brasil novo