Page 1

S

abe aquela desculpa “hoje não, amor, estou com uma dor de cabeça”. Pois saiba que se você quer ter uma vida sexual feliz, ativa e saudável existem diversos motivos para deixar esse argumento de lado. Para começar, uma pesquisa da Universidade de Münster, na Alemanha, descobriu que o sexo pode ajudar, inclusive, a aliviar as dores de cabeça, então, realmente a dor de cabeça não é mais desculpa. Isso acontece, porque segundo os pesquisadores, fazer sexo aumenta a produção de endorfina – e uma das funções desta substância é aliviar qualquer tipo de dor. Para a ginecologista e obstetra Clícia Quadros, de Rio Preto, o sexo pode realmente ajudar a amenizar diferentes dores. Ela explica que já foi comprovado através de pesquisas que a prática sexual entre duas a três vezes na semana ajuda a prevenir problemas cardíacos e até mesmo a melhorar o condicionamento físico. “O sexo traz sensações de satisfação, eliminando hormônios que são parecidos com morfina e através deles traz boas sensações e ameniza dores crônicas e musculares”, diz. E os pontos positivos do sexo não param por aí. “Os benefícios da prática sexual abrangem desde melhorias na circulação sanguínea até fortalecimento do sistema imunológico, relaxamento mental e depressão”, explica a ginecologista e obstetra Clícia Quadros, de Rio Preto. A sexóloga Mônica Soares ressalta que a prática sexual libera diversos hormônios, neurotransmissores e outras substâncias que são benéficas para a saúde. A endorfina e ocitocina podem, além de diminuir dores, amenizar o estresse e melhorar o sistema imunológico. “Ainda melhora a qualidade do sono, a sensação de bem-estar, provoca uma redução de diversos sintomas de algumas doenças psíquicas e melhora a autoestima. Entre casais pode melhorar o relacionamento e aumentar a cumplicidade”, afirma. Segundo as especialistas, a qualidade é mais importante que a quantidade. Clícia diz que é importante aproveitar os momentos de maneira que o faça se sentir bem e confortável consigo mesmo, para que seja praticado de maneira satisfatória e frequente. A ginecologista explica que o sexo pode ser considerado ainda uma atividade física de baixo impacto, o que pode favorecer a perda calórica. E para as mulheres que sofrem com a perda de hormônios no período da menopausa, o sexo irá evitar a atrofia vaginal e manter a lubrificação do canal vaginal, segundo Clícia.

Estresse e autoestima O sexo também é um grande aliado para aliviar a tensão e o estresse. Isso acontece, segundo a sexóloga Mônica, devido a liberação das substâncias e a sensação de relaxamento. “Muitas pessoas que se tornam compulsivas se-

xualmente é devido a busca da sensação de relaxamento. O que acaba se tornando muitas vezes um problema”, explica. Além disso, a atividade sexual pode ainda ajudar a amenizar o nível de ansiedade, e, segundo Mônica, pode melhorar até alguns sintomas de depressão. Sabe aquele up na autoestima, o sexo também pode ajudar. “Na verdade, o sexo como um todo melhora a autoestima, inclusive o que acontece antes das preliminares, como a ‘paquera’, muitos casais esquecem de paquerar, de seduzir. Seduzir e ser seduzido melhora muito a autoestima de qualquer pessoa. Sentir-se desejado faz bem para qualquer pessoa”, diz Mônica. Para a sexóloga, a atividade sexual melhora de maneira significativa os índices de felicidade e qualidade de vida. “O que podemos afirmar com certeza é que problemas e dificuldades nessa área da vida traz grande sofrimento. Podendo inclusive desencadear depressão e outras doenças.” Uma vida sexual ativa e saudável é possível desde que a prática seja tranquila e proporcione prazer. “É importante não exigir muito de si e do parceiro, para evitar frustrações. A dica principal é desfrutar os momentos com intensidade”, finaliza a ginecologista Clícia. V&A

Como ter uma vida sexual ativa e saudável 1 - Ficar menos conectado, mandar mensagens provocantes é interessante, mas precisamos estar no mundo real para estar com o outro. Deixar o celular de lado e abraçar o parceiro é fundamental 2 - Hábitos saudáveis (não fumar, dormir bem, etc) ajudam bastante 3 - Álcool com moderação, um pouco de álcool pode desinibir, mas o excesso faz com que a pessoa não consiga ter relações sexuais prazerosas 4 - Arrume o quarto, a casa. Ambientes agradáveis são estimulantes 5 - Não se preocupe tanto com o corpo, muitas pessoas ficam excessivamente preocupadas com o que outro está achando ou com vergonha do próprio corpo, o que faz com que a pessoa fique travada e sinta menos a vontade na hora do sexo 6 - Relaxe e aproveite sem se preocupar com o orgasmo, muito casais ficam tão preocupados com o orgasmo que acabam não tendo uma relação prazerosa, é importante aproveitar a relação como um todo, independente do orgasmo 7 - Beije, namore, abrace, diga coisas boas. Não existe nada mais estimulante que o carinho Fonte - Mônica Soares, sexóloga

REVISTA Vida&Arte 33

Sexo saudável - Dra. Clícia Quadros  
Sexo saudável - Dra. Clícia Quadros  
Advertisement