Page 1

Agrupamento de Escolas de Miranda do Corvo Biblioteca do Centro Educativo Ano letivo 2012/13

GLOSSรRIO DE TERMOS MARINHOS

Turma do 4ยบ A - Centro Educativo de Miranda do Corvo


ANIMAIS MARINHOS


Ficha Técnica Conceção e elaboração do e-book: Alice Alves, professora bibliotecária

Apoio: Paula Redondo, professora titular de turma do 4º A do Centro Educativo de Miranda do Corvo

Seleção/elaboração dos textos e das imagens: Alunos da turma A do 4º ano do Centro Educativo de Miranda do Corvo


Sumรกrio

Prefรกcio

Glossรกrio de termos marinhos


Prefácio Este trabalho surge no âmbito do projeto “O livro convida-te a partilhar o mundo”, concebido e desenvolvido pela professora bibliotecária Alice Alves com o apoio das professoras do 1º CEB do Centro Educativo de Miranda do Corvo. O projeto tem como finalidade dar protagonismo ao livro, pois, apesar de estarmos na era digital, estamos cientes de que o livro continua a ser o objeto crucial para o desenvolvimento das literacias dos alunos e um móbil forte para melhor pensar, conhecer e dizer o mundo, quer humano, quer natural. Assim, tomando como pretexto o livro de Luís Represas “A coragem de Tição”, algumas turmas desenvolveram competências de pesquisa a partir das personagens e dos elementos do fundo do mar, cenário onde decorre a história. Apresentamos neste trabalho a pesquisa realizada pela turma do 4º A. No entanto, a análise da obra não se limitou a este tipo de pesquisa, tendo sido posteriormente direcionada para uma reflexão sobre os valores, nomeadamente éticos e políticos, temática que acompanhou a intervenção da professora bibliotecária até ao final do ano letivo, com introdução de novas histórias.

Alice Alves Professora Bibliotecária do Agrupamento de Escolas de Miranda do Corvo


Glossรกrio de termos marinhos


BALEIA-AZUL O maior animal do mundo, a baleia-azul, consome mais de 6 toneladas de pequenos crustáceos de que se alimenta quase exclusivamente. Pensa-se que migra para latitudes mais baixas e quentes no inverno, altura em que as fêmeas dão à luz. As crias da baleia-azul têm 7 metros de comprimento e 2,5 toneladas quando nascem, e são amamentadas até aos 6 a 8 meses de idade.

O som emitido pela baleia-azul é o mais alto de qualquer criatura.

Quando mergulha, o corpo fica de cabeça para baixo e a barbatana caudal ergue-se para fora da água. Depois desce a profundidades de cerca de 200 metros.

Ao regressar à superfície, a baleia emite um sopro espetacular, de quase 9 metros de altura, composto por ar quente e húmido saído dos pulmões, muco e água do mar.


BARRACUDAS Peixe de corpo alongado com manchas negras.

O grupo inclui 25 espécies que se distribuem pelas zonas tropicais e subtropicais de todos os oceanos.

As barracudas podem viver isoladas, entretanto, a maioria das espécies formam cardumes numerosos.

São predadores muito vorazes que atacam em emboscadas e contam com a sua rapidez para dominar as presas.


CAVALO-MARINHO Os cavalos-marinhos ou hipocampos são peixes notáveis com as suas bocas alongadas, cabeças de cavalo e corpos cobertos por placas ósseas. Alimentam-se

de

animais

planctónicos

e

nadam

na

vertical,

impulsionados por barbatanas minúsculas.

Os cavalos-marinhos vivem entre plantas aquáticas e algas, às quais se prendem com as suas caudas.

Estes animais têm hábitos de reprodução invulgares, a fêmea deposita os ovos numa bolsa existente na base da cauda do macho, que os transporta até à eclosão.


CORAL Os recifes são feitos de pequenas criaturas chamadas corais. O seu corpo mole está protegido por uma camada óssea exterior. Novos corais crescem por cima dos “esqueletos” de outros corais mortos. Milhões de corais mortos e vivos formam um recife.


CORRENTES DE ÁGUA FRIA E DE ÁGUA QUENTE A Corrente de Benguela é uma corrente oceânica larga que se move predominantemente para Norte e se forma na zona Oeste do Atlântico Sul parte do Giro oceânico. A corrente estende-se desde o Sul na costa oeste da África, até uma posição de frente de corrente Angola-Benguela no Norte, por volta 16oS. Na frente desvia-se para Oeste em direção à linha do Equador, onde se torna parte da corrente rotativa do Giro oceânico, que eventualmente passa pelas costas do Brasil. A corrente é formada pelos alísios de Sudeste. Na zona costeira da corrente são os ventos de terra que causam afloramentos, formando o sistema de afloramento da corrente de Benguela. As águas frias e ricas em nutrientes ascendem de profundidades de 200-300 metros promovem o desenvolvimento do fitoplâncton que, por sua vez, sustenta o ecossistema produtivo da Benguela. Até se desviar para a esquerda em direção à linha do Equador, onde se torna parte das correntes equatoriais.


ESPINHA As espinhas, na verdade, são ossos finos e pontiagudos que compõem o esqueleto de 90% das espécies de peixe. “Assim como os ossos dos mamíferos, as espinhas dos peixes são compostas, basicamente, de carbonato de cálcio”.

O esqueleto dos peixes ósseos tem três estruturas principais: crânio articulado, com maxila e mandíbula, coluna vertebral e raios que sustentam e dão forma às nadadeiras.


ESTRELA-DO-MAR A estrela-do-mar tem um corpo que pode ser liso, granuloso ou com espinhos.

O seu corpo também é duro.

O animal consegue dobrar-se e girar os braços. Se um dos braços do animal for cortado pode desenvolver uma estrela-do-mar nova.


GOLFINHO ROAZ-CORVINEIRO O Golfinho Roaz-Corvineiro é o maior dos golfinhos com bico, este é o artista dos parques aquáticos.

Nas costas Tropicais, o Roaz-Corvineiro tem, em média, 2 metros de comprimento e barbatanas peitorais, caudal e dorsais grandes. Nos oceanos abertos, mais frios, têm cerca do dobro do comprimento e extremidades proporcionalmente mais pequenas.

O Roaz-Corvineiro é espécie muito adaptável e bem-sucedida. Alimentase de peixes, moluscos e crustáceos, que captura com os 18-27 pares de dentes pequenos e cónicos de ambas as maxilas.


GORGÓNIAS As Gorgónias ou Gorgonários são parentes das anémonas do mar e dos corais.

Estes “corais moles”, com uma forma ramificada, como se fossem arbustos, são na realidade não uma planta, nem um só animal, mas colónias de dezenas, centenas ou milhares de animais, chamados pólipos. Os pólipos dispõem-se uns ao lado dos outros, sobre uma base que produzem, e é ao multiplicarem-se, ao longo dessa “base” que vão formando os ramos que dão a forma típica às gorgónias. As estruturas que conhecemos como “recifes de coral” são, na realidade os esqueletos de milhões e milhões de pólipos de “corais duros” e das suas bases, que ao longo de gerações foram crescendo uns sobre os outros, até formarem as imensas colónias animais que são, ainda hoje, as maiores estruturas vivas do planeta.

Estes encontram-se geralmente em fundos rochosos, geralmente abaixo dos 10m. Ocorrem apenas em meios completamente salinos. O crescimento destas colónias estima-se em cerca de 6 milímetros por ano, podendo ocorrer variações entre colónias e mesmo entre os ramos de uma mesma.


LAGOSTA A lagosta é um crustáceo, caracterizado por ter grandes antenas e uma cauda em forma de leque. Pode atingir tamanhos grandes e tem uma grande importância económica, uma vez que são considerados alimentos de luxo.

As lagostas vivem em todos os mares intertropicais, desde as rochas costeiras, até grandes profundidades.

O seu revestimento é de quitina.


LENÇOL DE ÁGUA Parte da água que cai no solo torna a evaporar. Outra parte escorre pela superfície, atingindo rios e mares. Uma certa quantidade de água se infiltra na terra e forma os lençóis de água subterrâneos. Estes, por sua vez, acabam abastecendo rios, mares, lagos e fontes, fechando assim o ciclo.


MANTA Manta é o nome dado pelos pescadores à raia grande.

Encontra-se nas regiões tropicais de todos os oceanos, tipicamente perto dos recifes de coral.

A jamanta tem o corpo em forma de losango e uma cauda longa sem espinho e pode atingir oito metros de envergadura e mais de duas toneladas de peso.

Estes peixes não têm verdadeiros dentes e alimentam-se de pequenos peixes, sendo portanto inofensivos.


PEIXE O peixe é um animal vertebrado, aquático, com o corpo coberto de

escamas,

respira

por

transformados em barbatanas.

brânquias

e

os

membros


PEIXE-TROMPETE A cabeça, comprida e afunilada, deste peixe confere ao corpo uma forma conspícua

que

lembra

um

trompete.

O

bodião-trompeteiro

é

hermafrodita. As fêmeas podem transformar-se em machos. Quando isto sucede, a sua coloração muda de cinzento amarelado, para azulesverdeado, com as pontas das barbatanas amarelas. Vive em recifes de coral, até aos 30 m, onde se alimenta de pequenos invertebrados.


RAIA

Peixe com parte do corpo achatada e larga.


RECIFES O recife de coral é uma estrutura rochosa, rígida e que resiste às ondas e correntes marinhas. São mais frequentes em áreas rasas, claras e quentes. Uma das importâncias do recife é a grande densidade de biodiversidade marítima, mantendo o oceano bastante rico em relação às espécies de peixes e também podem servir de abrigo para pequenos peixes e moluscos que se protegem dos predadores se abrigando nos corais.

Recife Barreira – recife separado de um continente ou ilha por uma terra profunda em uma lagoa, Grande barreira de Corais.


SARGAÇO O sargaço é uma alga marinha comum em regiões tropicais. Costuma crescer agarrado a rochas à beira-mar, mas pode se espalhar pelo oceano. Flutua graças a pequenas vesículas flutuadoras que funcionam como pequenos balões cheios de ar.

Existem lendas que dizem que na Era dos Descobrimentos, algumas embarcações ficaram presas no Mar dos Sargaços, no norte do Caribe, onde existem muitas destas plantas.

Hoje em dia sabe-se que o Mar dos Sargaços é um santuário para muitos animais porque os protege dos predadores e os alimenta.


TARTARUGA-GIGANTE As tartarugas-gigantes são as maiores tartarugas do mundo, têm carapaças, enormes membros pesados e longos pescoços. A forma da carapaça e o tamanho variam consoante a ilha onde nasceram e as condições ambientais a que tiveram de se adaptar.

Embora muitas destas tartarugas ultrapassem os 100 anos, são indivíduos vulneráveis. A principal ameaça que enfrentam é o facto de os jovens serem perseguidos por espécies introduzidas, como ratazanas e gatos.


TRÓPICOS Em geografia chamam-se trópicos (do grego "tropikos" que significa "uma volta completa") aos paralelos geográficos que delimitam as zonas por onde a projeção zenital dos raios do Sol cobrem, no correr do ano, os solstícios e representam a trajetória máxima dos raios do Sol sobre a superfície terrestre .

Devido à inclinação do eixo do planeta permanecer sempre unidirecional em relação às estrelas de fundo, no período de uma órbita completa em torno do sol, a Terra possui regiões em que a inclinação dos raios de sol se modifica diariamente a ponto de interferir na duração do dia.

O trópico

de

Câncer é

23.4378°ao norte do equador terrestre

o paralelo situado (23º26’16" de latitude norte),

delimita a zona tropical norte. Correspondendo à declinação mais setentrional da elítica solar para o equador celeste.


TUBARÃO-GATO O tubarão-gato também pode ser chamado de tubarão-cego. Ele é fácil de identificar pela grande mancha negra por detrás de cada barbatana peitoral; em todo o corpo há pintas pretas mais pequenas.

Frequenta recifes de coral e águas superficiais e usa as suas barbatanas ventrais e peitorais espessas e musculosas para se deslocar sobre a areia do fundo do mar.

Captura caranguejos, camarões e minhocas no leito oceânico, bem como peixes escondidos em fendas, usando a sua rapidez e a sua camuflagem como defesa.

Acasala entre julho e setembro e a fêmea produz ovos aos pares.


IM

Glossário termos marinhos 4º a  

Pesquisa realizada pelos alunos do 4º A do Centro Educativo de Miranda do Corvo, a propósito do livro de Luís Represas "A coragem de Tição",...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you