Issuu on Google+

Universidade Aberta

Mestrado em Pedagogia do ELearning

Processos Pedagógicos em ELearning Docente: José Mota

Matriz de Análise de Conteúdo da Entrevista a Lúcia Amante

Discente: Estela Gomes Dezembro 2011

1


Subcategorias A.1- Educação Online A.2- Ensino Online

Categorias A. Educar e Ensinar em EAD

PROCESSOS PEDAGÓGICOS EM ELEARNING

Tema

Matriz de Análise de conteúdo da Entrevista a Lúcia Amante

Indicadores/ Unidades de Registo

O que entende por Educação Online Aspetos relevantes a considerar

O que entende por Ensino Online Aspetos relevantes a considerar

Unidades de Contexto

(…) entendo que educação online é mais abrangente e remete para uma concepção do processo de aprendizagem mais ampla, onde esta ocorre através de diversas formas não sendo exclusivamente determinada pelo acto de ensinar, associado à acção de um professor.

Na minha perspectiva ensino online é uma expressão mais restritiva, dado que se centra não no processo global de formação, mas põe a tónica no processo de ensinar. Claro que só se ensina quando alguém aprende alguma coisa, mas (…)

2


Subcategorias B.3- O que se considera uma B.2- O que se considera um professor promotor da aprendizagem do aluno boa prática pedagógica

B. Perfil do Professor Online

B.1- Quais as principais características do professor online

Categorias

Tema PROCESSOS PEDAGÓGICOS EM ELEARNING

Indicadores/ Unidades de Registo

Indicar algumas funções do professor online Importância do papel do professor online

Identificar alguns aspetos relevantes na prática pedagógica que podem determinar maior sucesso na aprendizagem Qual o papel da interação entre professor e aluno

Identificar aspetos que considere relevantes Necessidades sentidas na prática pedagógica

Unidades de Contexto

(…) Eu diria que, para se ser um bom professor online, tem de se ser, antes de mais, um bom professor, incluindo aqui a competência quer científica, quer pedagógica. Depois há que saber transpor isso para o contexto online, designadamente ao nível da natureza das actividades propostas e da comunicação estabelecida (…)

(…) Um professor online tem de ser criativo e tem de saber aproveitar o potencial do grupo favorecendo a sua dinâmica interna. Tem de fazer sentir que está atento, que está presente, mas fazer sentir aos alunos que eles são agentes da sua própria formação e que são coresponsáveis pelo seu processo de aprendizagem e pela aprendizagem do grupo (…)

(…) O aluno online precisa de sentir o professor, precisa que a presença social do professor contribua para facilitar a comunicação de modo a ultrapassar inibições e a percepcionar um clima de trabalho que potencie a interação (…)

Ver B.2 (…) Educação a distância não é, de todo, fácil. Exige mais do professor do que a educação presencial. Assim como também exige mais do aluno, em geral.

3


Subcategorias C.1- O que se considera uma estratégia pedagógica eficaz C.2- Algumas estratégias exemplificativas

Categorias C. Estratégias Pedagógicas

Tema PROCESSOS PEDAGÓGICOS EM ELEARNING

Indicadores/ Unidades de Registo

Indicar aspetos relevantes

Indicar exemplos de formas de atuação, por parte do professor online, com bons resultados pedagógicos

Unidades de Contexto

(…) Eu diria que, para se ser um bom professor online, tem de se ser, antes de mais, um bom professor, incluindo aqui a competência quer científica, quer pedagógica. Depois há que saber transpor isso para o contexto online, designadamente ao nível da natureza das actividades propostas e da comunicação estabelecida. O aluno online precisa de sentir o professor, precisa que a presença social do professor contribua para facilitar a comunicação de modo a ultrapassar inibições e a percepcionar um clima de trabalho que potencie a interacção. Um professor online tem de ser criativo e tem de saber aproveitar o potencial do grupo favorecendo a sua dinâmica interna. Tem de fazer sentir que está atento, que está presente, mas fazer sentir aos alunos que eles são agentes da sua própria formação e que são co-responsáveis pelo seu processo de aprendizagem e pela aprendizagem do grupo (…) (…) O aluno online precisa de sentir o professor, precisa que a presença social do professor contribua para facilitar a comunicação de modo a ultrapassar inibições e a percepcionar um clima de trabalho que potencie a interacção. Um professor online tem de ser criativo e tem de saber aproveitar o potencial do grupo favorecendo a sua dinâmica interna. Tem de fazer sentir que está atento, que está presente, mas fazer sentir aos alunos que eles são agentes da sua própria formação e que são co-responsáveis pelo seu processo de aprendizagem e pela aprendizagem do grupo.

4


Subcategorias D.1- Desafios colocados no presente D.2- Desafios colocados no futuro

Categorias D. Desafios colocados ao professor online

Tema PROCESSOS PEDAGÓGICOS EM ELEARNING

Indicadores/ Unidades de Registo

Identificar alguns desafios que o professor online enfrenta no atual momento

Avançar com algumas previsões sobre os desafios futuros colocados ao professor online

Unidades de Contexto

(…) Julgo que há muito ainda aprender sobre a educação online. Há muita investigação por fazer e é importante que se avance nessa área de modo a contribuir para a adequada formação de professores online. Os desafios que se colocam à educação online e a estes docentes são imensos. Desde logo o acompanhar da evolução tecnológica, de modo a que esta possa ser posta ao serviço da sua actividade. O mobile learning, por exemplo. Também a oferta de educação online em larga escala, que parece ser uma tendência a considerar, coloca questões sobre a relação entre essa “massificação” e a qualidade dos cursos; será outro desafio a enfrentar. Por outro lado, o saber usar a tecnologia, mas não ser usado por ela. Ou seja, retirar dela o que interessa sem se deixar levar por modernismos e pseudo-inovações estéreis ou superficiais, do ponto de vista da aprendizagem (…)

(…) Desde logo o acompanhar da evolução tecnológica, de modo a que esta possa ser posta ao serviço da sua actividade. O mobile learning, por exemplo (…) (…) Por outro lado, o saber usar a tecnologia, mas não ser usado por ela. Ou seja, retirar dela o que interessa sem se deixar levar por modernismos e pseudoinovações estéreis ou superficiais, do ponto de vista da aprendizagem (…)

5


Subcategorias E.1- Redes Sociais e Aprendizagem E.2- A necessidade do professor em contextos a distância

Categorias E. Novas Tecnologias

Tema PROCESSOS PEDAGÓGICOS EM ELEARNING

Indicadores/ Unidades de Registo

Como podemos integrar as redes sociais em contextos de aprendizagem Quais as vantagens e desvantagens de tal integração

Opinião sobre a importância ou não do professor em contextos online

Unidades de Contexto

(…) Penso que é como em tudo. O professor pode integrar as redes sociais, sempre que isso possa constituir uma mais valia. Essa mais valia não terá a ver propriamente com a melhoria da qualidade de ensino, poderá ter a ver com a melhoria da aprendizagem, designadamente se as redes sociais forem um meio habitualmente usado pelos alunos envolvidos. Provavelmente essa melhoria da aprendizagem opera de forma indirecta. Ou seja, se uso instrumentos que me permitem um maior acesso à informação, se esses instrumento/espaços congregam utilizadores que têm interesses de aprendizagem idênticos aos meus, se me estimulam a contribuir também para alargar esses conhecimentos, se o que faço e disponibilizo assume um carácter público, tudo isto pode potenciar e favorecer a aprendizagem. Mas são necessários estudos mais específicos que permitam saber mais sobre esta questão, permitindo-nos entender quais os reais contributos que estas redes podem, ou não, dar no desenvolvimento de processos de aprendizagem e se todos os sujeitos podem beneficiar desses contributos, ou se há perfis específicos de alunos que beneficiam e outros não (…)

----------------------------

6


E.3- A “rede” como promotora da aprendizagem E.4- Usar a tecnologia ou ser usado por ela?

Aprendizagem informal Avaliação de artefactos digitais

Bom senso na utilização das novas tecnologias?

(…) Mas são necessários estudos mais específicos que permitam saber mais sobre esta questão, permitindo-nos entender quais os reais contributos que estas redes podem, ou não, dar no desenvolvimento de processos de aprendizagem e se todos os sujeitos podem beneficiar desses contributos, ou se há perfis específicos de alunos que beneficiam e outros não (…)

(…) Por outro lado, o saber usar a tecnologia, mas não ser usado por ela. Ou seja, retirar dela o que interessa sem se deixar levar por modernismos e pseudoinovações estéreis ou superficiais, do ponto de vista da aprendizagem (…)

(…) Usar porque está na “moda”, ou porque supostamente é inovador, pode conduzir a uma superficialidade que será, pelo contrário, contraproducente ao que se pretende quando se pensa em aprendizagem (…)

7


Subcategorias F.1- Conselhos a aplicar em futuras práticas pedagógicas F.2-Investimento pessoal

Categorias F- Competências a Desenvolver

Tema PROCESSOS PEDAGÓGICOS EM ELEARNING

Indicadores/ Unidades de Registo

Indicar alguns conselhos práticos que possam ser utilizadas por professores e alunos candidatos a futuros professores online

Unidades de Contexto

(…) O futuro mestre em Pedagogia do ELearning, terá de ter a noção da teia de factores que estão associados à qualidade dos cursos nesta modalidade de modo a ter uma leitura holística das diferentes situações que se lhe deparem e possa nelas intervir considerando as várias dimensões que envolvem. Penso que um estudante online deve potenciar as suas capacidades de interacção e de cooperação, bem como as suas capacidades de pesquisa. Todavia não pode negligenciar a componente de trabalho individual, as leituras as reflexões, etc. Mas, mais do que qualquer outro estudante, tem de ser capaz de gerir o seu tempo, e de distinguir o essencial do acessório (…)

(…) Penso que um estudante online deve potenciar as suas capacidades de interacção e de cooperação, bem como as suas capacidades de pesquisa. Todavia não pode negligenciar a componente de trabalho individual, as leituras as reflexões, etc. Mas, mais do que qualquer outro estudante, tem de ser capaz de gerir o seu tempo, e de distinguir o essencial do acessório (…)

8


Subcategorias

Categorias

G.2- Potencialidades

Indicar algumas potencialidades da EAD que a indiciem como uma proposta futura de educação

G.1- Desafios

G. Futuro da EAD

Tema PROCESSOS PEDAGÓGICOS EM ELEARNING

Indicadores/ Unidades de Registo

Indicar alguns desafios que terão de ser enfrentados no futuro no ensino a distância

Unidades de Contexto

(…) O futuro da educação a distância é um futuro promissor. Cada vez mais a tendência será de recorrer a esta modalidade pois as suas potencialidades são enormes e cada vez mais se adequa ao mundo em que vivemos. A globalização, a necessidade de actualização constante dada a curta vida dos conhecimentos adquiridos e a consequente necessidade de aprendizagem ao longo da vida, a que se associam as crescentes possibilidades tecnológicas, prefigura uma acentuada evolução da educação a distância, designadamente com recurso a contextos online (…)

(…) Mas, não tenhamos dúvidas. Como em tudo surgirão muitas abordagens sérias e rigorosas, que serão uma mais valia. Mas surgirão também abordagens ligeiras, facilitistas, e desconexas, daqueles que entendem a educação a distancia como uma forma barata e fácil de fazer formação. Educação a distância não é, de todo, fácil. Exige mais do professor do que a educação presencial. Assim como também exige mais do aluno, em geral.

9


Matriz de Análise de Conteúdo da Entrevista a Lúcia Amante