Page 1

Exposição de trabalhos do resultado da reflexão decorrente do I Workshop - Alburrica e Quinta do Braamcamp

ALBURRICA

EXPOSIÇÃO PROMOVIDA PELO PROJETO DE INVESTIGAÇÃO ESTEJO APOIO DA CÂMARA MUNICIPAL DO BARREIRO


Área de estudo: ALBURRICA E QUINTA BRAMCAMP

BARREIRO


FICHA TÉCNICA TITULO: ALBURRICA E QUINTA DO BRAAMCAMP ANO: 2013 PARTICIPANTES DO WORKSHOP: ANTÓNIO CARNEIRO BODGAN MIHAILA BRUNO SILVA CLÁUDIA MARTELLI RAQUEL FONSECA RUI PEDRO GOMES SARA RODRIGUES SILVINO MACHADO ORIENTADORES: ANTÓNIO NEVES ANTÓNIO ANTUNES DIAS ANTÓNIO MAIA NABAIS EMANUEL SANTOS JOSÉ BARBOSA RODRIGO DIAS COORDENAÇÃO: FÁTIMA SILVA RODRIGO OLLERO APOIO COORDENAÇÃO: ABRAHAM ARAÚJO FILIPE FREITAS JOÃO BENTES MARTA ROQUE RAQUEL FONSECA TIAGO COELHO

3


4


ÍNDICE 1. 2. 3.

4.

Introdução e Enquadramento da área de intervenção Identificação do património histórico e elementos marcantes Estudo do Plano de Requalificação de Alburrica 3.1 Frente urbana 3.2 Nova praça de Nª Sr.ª do Rosário e Quinta Braamcamp 3.3 Percursos ciclo pedonais e Clube Naval Reportagem fotográfica do inicio e desenvolvimento do I Workshop

p.6 p.12 p.20 p.26 p.32 p.40 p.43


12345

INTRODUÇÃO Enquadramento ao Workshop O trabalho que aqui se apresenta é o resultado do 1º programa de workshop Estejo e constitui mais um passo na metodologia gizada para o desenvolvimento do projeto de investigação; “ O Estuário do Tejo e as suas áreas ribeirinhas: estratégia para a sua sustentabilidade”. Inserindo-se no âmbito da candidatura REPARA proposta pela Autarquia do Barreiro e ao abrigo de uma parceria de colaboração realizado entre esta Instituição e o Centro de Investigação Arquitetura Território e Design (CITAD) da Fundação Minerva-Universidade Lusíada de Lisboa, a área ribeirinha de Alburrica foi assim indicada como espaço de estudo, contemplada no referido programa de reabilitação urbana, definindo para o efeito estratégias de reabilitação urbana com a especificidade daquele lugar. O caso de Alburrica pela evidente singularidade paisagística, outrora apresentando uma harmonia entre a natureza do lugar e o espaço humanizado do sistema estuarino, apresenta-se como um exemplo significativo de simbiose entre ação transformadora do homem e o recurso natural. A sua delicada posição ribeirinha no sistema estuárino, com especial expressão dentro da dinâmica do sistema ecológico, na sua biodiversidade, espaço de habitat e banco de nutrientes, somado ao valor da caracterização antrópica reconhecida na identidade do edificado agroindustrial que num passado próximo lhe conferiu e ainda lhe confere, um caráter único, dentro desta unidade de paisagística. Este trecho da orla ribeirinha, integrado na sua 1ª coroa, pelas suas características de valor e pelo estado de degradação paisagística a que foi votado pela desativação funcional das indústrias aí edificadas, ressalta como um caso de estudo que reúne os principais “argumentos” na procura de estratégias e critérios para a sustentabilidade desta paisagem estuarina com a identidade de um rio; o Tejo, na História do desenvolvimento de toda uma área territorial e humana envolvente.

6


12345 Não sendo objetivo último do PI Estejo atuar diretamente no desenho dos lugares ribeirinhos entendeu-se no entanto um exercício académico como resposta concreta à atuação de revitalização por intermédio do desenho, poderia servir de pretexto ativo para um reconhecimento mais concreto do “espirito… ” destes lugares ( ) no seu potencial, servindo como exercício pedagógico para quem no seu futuro profissional terá que lidar com estas questões, no âmbito do desenho e do planeamento dos espaços e da paisagem, sensibilizando-os sobre as principais questões que se colocam nas opções programáticas e sobre a importância do seu desenho na qualificação sustentável da paisagem, sempre numa perspetiva integrada. A proposição desenvolve-se com base no programa traçado pelo programa REPARA construindo um argumento programático e de redesenho do espaço de Alburrica, numa ação de requalificação e reintegração económica/social, na dinâmica do Barreiro enquanto espaço de interação direto e na estrutura ribeirinha do estuário, como unidade de Paisagem. O trabalho desenvolvido procurou assim partir das diversas sensibilidades disciplinares que reconhecem no seu conjunto o caráter morfológico deste lugar, e desenvolver uma estratégia de regeneração urbana integrada, da cidade do Barreiro. Com base numa definição em três níveis de leitura; a unidade de paisagem Estuário do Tejo, a subunidade estuarina, o lugar Alburrica na sua caracterização antrópica e ecológica. A estratégia adotada , no seu desenvolvimento, passou sempre pelo entendimento de que a sustentabilidade física passa também pela sustentabilidade económica e funcional, colocando-se como necessidade vital o encontrar um programa funcional adequada ao caráter natural do espaço, compatível com a sua posição relativa dentro do sistema territorial e administrativo. O exemplo do passado funcional deste lugar, permitiu ainda entender que a dinâmica de uma da ação programática, cuida e mantem a vitalidade do espaço físico e qualifica a paisagem integrando-a no seu “Genius locci”( ). A forma e imagem de Alburrica é o resultado direto desta adequação de uma estrutura natural às necessidades da indústria humana de produção de bens e riquezas, inserindo-se numa estrutura circunstancial de organização económicosocial de uma comunidade humana que habita as margens deste espaço de água. Esta identidade que Alburrica ainda reconhece, pertence a um tempo no qual o espaço do estuário e do seu rio, o Tejo, serviam de suporte e de elo unificador à vida e ritos das comunidades que nas suas margens se desenvolveram, em particular o Barreiro. Nesta fase, este espaço estuarino era gerido e ordenado com centro nesse imenso plano de água e na dependência político/administrativa da cidade de Lisboa, pese embora cada parte fosse adquirindo uma função própria dentro do sistema natural. Alguns exemplos deste entendimento e gestão territorial encontram-se nos relatos e descrições de rituais católicos que se organizavam como roteiros unificadores dos vários pontos dentro da orla ribeirinha do estuário; caso da igreja de Nossa Senhora do Rosário, da estrutura de quintas de produção agrícolas, assim como o sistema de gestão e administração destes vários territórios centrados na dinâmica de desenvolvimento de Lisboa, localizados em lugares estratégicos ao longo desta bordadura.

7


12345

8


12345

ENQUADRAMENTO DA AREA DE INTERVENÇÃO ALBURRICA NO ESTUÁRIO DO TEJO

9


12345 O conceito incontornável de sustentabilidade económica e paisagística, reconhecido hoje como basilar no quadro do Ordenamento do Território, nas suas três valências: Ecologia, economia e cultura, faz-nos sublinhar a importância destes lugares na sustentabilidade global das comunidades humanas. Lugares como Alburrica são o testemunho do engenho humano, permitem (ainda com alguma visibilidade) reavivar memórias e reconhecer uma identidade comum que possibilita reestabelecer a continuidade interrompida, como caminho capaz de gerar novamente riqueza. Com algum tempo de obsolescência por desadequação económica e marginalização da malha urbana da cidade do Barreiro, esta área ribeirinha de Alburrica que ainda num passado próximo, acolheu uma última indústria de produção (significativa para a dinâmica económica local a Industria Corticeira com a Fábrica de Cortiça da Sociedade Nacional de Cortiça) desativada em 2008 por declaração de insolvência e posteriormente vítima de incêndio, soma-se às demais ruinas de um legado industrial; moinhos de maré, que neste momento constroem e caracterizam a imagem deste lugar. Alburrica apesar de estar hoje votada a uma situação de obsolescência no seu património edificado, continua a ser um lugar vivido por uma população que lhe reconhece o potencial paisagístico, potencial económico e ecológico. Zona de sedimentação marinha e de grandes aluviões oferece à pesca artesanal abrigo e matéria-prima, e aos tempos livres um espaço de lazer pelas condições de zona ribeirinha e praia fluvial que continua a ser frequentada por um número significativo de pessoas na época Balnear. Este lugar abriga ainda uma outra área de interesse ligada aos desportos náuticos: vela, canoagem e circunstancialmente, até ao Surf; O trabalho desenvolvido em regime de workshop pelos alunos, sendo prepositivo ao nível do programa e do próprio desenho do espaço, é desenvolvido e apresentado essencialmente numa perspetiva de reflexão e identificação dos valores paisagísticos em presença, sendo esta leitura, com que a equipa de investigação pretende, sempre que possível, realizar em regime de Workshop, envolvendo desta maneira os futuros arquitetos , sensibilizando-os para a necessidade de um reconhecimento mais completo dos lugares onde serão chamados a intervir, contribuindo assim para a sua formação. O caderno que agora se apresenta reúne os conteúdos teóricos apresentados nas conferências pelos oradores convidados especialmente como apoio ao trabalho de workshop, que se veio a desenvolver em duas fases: A primeira fase de proposição programática para a reabilitação arquitetónica e paisagística deste trecho ribeirinho de Alburrica, que correspondeu à semana de trabalho em regime de workshop e foi desenvolvido no espaço da Universidade Lusíada de Lisboa, a segunda fase correspondeu à fase de concretização da proposta e transmissão e tratamento gráfico, para realização da exposição do trabalho. Esta fase igualmente desenvolvida no espaço da Universidade, pela equipa que participou no workshop. Fátima Silva

10


12345

Área de intervenção

11


MOINHOS DE VENTO

12345

12


MOINHOS DE MARÉ

12345

13


CLUBE NAVAL

12345

14


IGREJA DE Nª SRª DO ROSÁRIO

12345

15


QUINTA DO BRAAMCAMP1 2 3 4 5

16


ESTALEIRO NAVAL

12345

17


ESTAÇAO FERROVIÁRIA

12345

18


19


12345 PONTOS FORTES

PONTOS A MELHORAR Frente urbana ribeirinha com edificios voltados para dentro; cidade voltada para si mesma; a frente-urbana ignora a zona de Alburrica, efeito 'traseiras'. Barreiras fisicas e visuais entre a cidade, Alburrica e o seu rio/ribeira. Abandono/ruina do património cultural e paisagístico deste lugar. Zonas balneares descuidadas sem infraestruturas de apoio. Sem espaços públicos de qualidade. Falta de bons acessos aos pontos mais distantes (moinhos e praias).

Ambiente natural e biodiversidade única. Património histórico a valorizar (moinhos de maré, moinhos de vento, Quinta Braamcamp). Proximidade com a ribeira de Coina e o Estuário do Tejo. Proximidade com o interface importante da cidade (fluvial, bus e ferroviário). Potencial turístico pela singularidade da paisagem de Alburrica. Potencial económico humano com atividades primárias. Vocação do território para desenvolver energias renováveis e consequentemente procederes sustentáveis e exemplares para a comunidade local.

20


ESTUDO DE REQUALIFICAÇÃO DE ALBURRICA E QUINTA DO BRAAMCAMP

12345

21


ACESSIBILIDADES

12345

CIRCUITOS CICLOPEDONAIS reorganiza o território ligando pontos distantes percurso continuo e dinâmico circundando zonas de valor paisagistico percurso de material de madeira sobre estacas não interferindo com o coberto vegetal ESTRUTURA VIÁRIA com orientação seguindo as vias da cidade, direcionada para o Clube Náutico, Quinta-Hotel e apoios de praia zonas condicionadas apenas para transito de mercadorias ou em emergencia bolsas de estacionamento ESPAÇOS PUBLICOS/MIRADOURO praças e grandes zonas de espaço publico sao pontos de paragem para observação/comtemplação material diferenciado e mais resistente

22


EQUIPAMENTOS reabilitação e reconversão de edificios estratégicos na dinâmica do novo circuito de cariz pedagógico de Alburrica(museu CP, estaleiro naval, centro de artes, escola tecnológica) criação de um equipamento singular e emblemático no Estuário do Tejo - Clube Náutico

PROGRAMA

12345

ZONA HABITACIONAL/PESCADORES realojamento dos pequenos aglomerados de habitações precárias nova localização na proximidade das atuais zonas de aglomerados ZONA TURISTICA E ZONAS ENVOLVENTES Á QUINTA-HOTEL DO BRAAMCAMP reabilitação e expansão do edifício principal da Quinta reconvertida para Hotel - receção e serviços edifícios mais pequenos reconvertidos para armazéns de apoio ao Hotel zona turística complementar com alojamentos unifamiliares T3 - agrupados ou singulares - e zona de agroturismo

ÁREAS VERDES PROPOSTAS unificam e ligando as zonas verdes existentes requalificam e vão diversificando os espaços públicos ao longo da frente urbana e Alburrica CALDEIRAS caldeira do Braamcamp - atividades desportivas 3 caldeiras de Alburrica - reativação do antigo sistema de moinhos de maré e pesca.

23


CORTE GERAL DA PROPOSTA

12345

24


CORTE GERAL DA PROPOSTA

12345

25


FRENTE URBANA

12345

O objetivo da Proposta é melhorar a relação entre a Cidade do Barreiro e o Rio, através de uma série de pequenas intervenções de requalificação da área de estudo. A ideia principal é criar um espaço público na margem do rio, que começa na frente ribeirinha e estende-se até Alburrica, tornando-se parte de um sistema integrado que inclui áreas verdes diferenciadas, percursos, espaços de exposição, etc, tendo sempre como referência a água como elemento unificador.

O sistema permite um jogo de espaços, para diferentes usos criando uma dinâmica num ambiente em mudança ao longo do tempo. O Projeto assenta em dois percursos pedonais distintos, um de contemplação e outro de ação: - O percurso de contemplação mais longo, liga-se à paisagem e às atividades náuticas, dando dinamismo e fluidez à frente ribeirinha; - O percurso de Acão com duas vertentes, liga-se às atividades físicas e ao programa cultural criado, salientando o Museu Ferroviário/Hostel, a Casa da Muleta (centro cultural), a Escola e o Estaleiro Naval, a Requalificação do Moinho/Café. Ao longo do rio requalificam-se os edifícios existentes mais significativos do local, dando-lhe novos usos, mantendo-os integrados através de um equilíbrio perfeito com a área da paisagem circundante. Os caminhos são a estrutura que suporta o projeto de intervenção. Os percursos fluidos ligam pontos de intensidade programática gerando novos espaços ao longo do seu desenvolvimento estático e dinâmico, complementados por pequenos equipamentos.

Esta proposta de intervenção, cria diferentes espaços verdes, com diferentes usos ao longo da frente ribeirinha, transmitindo ambiências distintas entre eles, como é o caso do jardim de Inverno e o jardim de Verão. Com a revitalização e requalificação dos espaços obsoletos existentes, criou-se uma nova dinâmica e identidade do local, restabelecendo o diálogo entre a cidade pré-existente e a nova proposta para a frente ribeirinha. 26


12345

1

27


12345

2

3

28


12345

4

6

5

29


12345

7

30


12345

31


NOVA PRAÇA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO

12345

- FAZ A LIGAÇÃO ENTRE ZONAS VERDES - CIDADE E ALBURRICA - O PASSEIO DE FRENTE URBANA E A NOVA ÁREA DE AGRO-TURISMO DA QUINTA-HOTEL DO BRAAMCAMP. - FAZ O PROLONGAMENTO DA FRENTE RIBEIRINHA DO PASSEIO AUGUSTO CABRITA COMO INTUITO DE TERMOS NOÇAO DA CONTINUIDADE DOS ESPAÇO VERDE - É UM PONTO DE PARAGEM E DE ENCONTRO ENTRE VISITANTES DA PRAIA , DA CIDADE, ESTUDANTES E PEREGRINOS - ZONA COM COMÉRCIO DE PRODUTOS LOCAIS, ÁREA DE EVENTOS E MERCADO SAZONAL - ZONA-MIRADOURO SOBRE O RIO TEJO COM ANCORADOURO DE PEQUENAS EMBARCAÇÕES, TAL COMO ACONTECIA OUTRORA NAS ROMARIAS DE NOSSA SRA DO ROSÁRIO

32


12345

33


12345

34


12345

QUINTA-HOTEL DO BRAAMCAMP REABILITAÇÃO E EXPANSÃO DO EDIFICIO PRINCIPAL PARA RECEÇÃO E SERVIÇOS DO HOTEL REABILITAÇÃO DO PALACETE DA QUINTA PARA CASA-MUSEU DO FABRICO DA SEDA

ATIVIDADES LIGADAS AO HOTEL: CAMPOS DE AGROTURISMO: REORGANIZAÇÃO DAS ZONAS VERDES PARA CAMPOS DE AGROTURISMO E JARDINS AROMÁTICOS INICIAÇÃO Á CANOAGEM: UTILIZAÇÃO DA CALDEIRA DO BRAAMCAMP TANQUE PISCICULTURA: PRODUÇÃO DE PEIXE ECO-VISITAS: VISITAS E OBSERVAÇÃO DO HABITAT DE NIDIFICAÇÃO DE GARÇAS

REABILITAÇÃO DE ANTIGOS EDIFICIOS NAS ZONAS VERDES PARA APOIO AO HOTEL E ARMAZENAMENTO DE MATERIAL DE CULTIVO

35


12345

36


12345

37


12345

ATIVIDADES RECREATIVAS NA QUINTA-HOTEL DO BRAAMCAMP

ECO-LODGES CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS E RESILIENTES Á SUBIDA DO NIVEL DAS ÁGUAS

38


12345

REQUALIFICAÇÃO DA ZONA DAS NAMORADEIRAS

39


CIRCUITOS CICLO PEDONAIS EM ALBURRICA

12345

40


HABITAÇÕES DE PESCADORES

12345

ALOJAMENTOS PISCATÓRIOS SOBRE ESTACAS resilientes á subida do nível das águas ancoragem de embarcações próprias

41


CLUBE NAVAL

12345

Elemento marcante e simb贸lico deste lugar, no enquadramento do Estu谩rio do TEJO

42


1234

Reportagem fotogrรกfica do inicio e desenvolvimento do I Workshop

VIAGEM A ALBURRICA

43


1234

DESENVOLVIMENTO DO WORKSHOP

44


1234

ELABORAÇÃO DA MAQUETE DA PROPOSTA

45


1234

MAQUETE DA FASE FINAL DA PROPOSTA

46


Área de estudo:

ALBURRICA E QUINTA BRAMCAMP

BARREIRO 47

Catalogo da exposição Alburrica | ESTEJO  

Exposição de trabalhos decorrente da reflexão do I Workshop ALBURRICA

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you