Issuu on Google+

O carvalho faz anos Mariana Ferreira e Silva nยบ 19 5ยบB


Era uma vez um Carvalho, com a sua capa verde e o tronco acastanhado, ele ainda era novinho e estava sozinho.


Ele passeou à procura de algum amigo para brincar, mas não encontrou ninguém, porque ele, nesse dia, fazia anos e pensava que o tinham esquecido, mas não, os amigos estavam a preparar uma festa surpresa, sem ele saber.


Ele passou pela sua amiga Raposa e perguntou-lhe: - Queres vir brincar comigo?


E a Raposa muito atrapalhada respondeu: - Eu agora n達o posso, Carvalho, estou com muita pressa, desculpa!


Ele continuou a andar e viu lá uns sinais que tinham balões ilustrados, ele achou muito estranho e pensou: «Que estranho! Que será isto?»


Ele pensou em seguir aquelas ilustrações muito invulgares. O que ele não sabia é que os amigos tinham posto aqueles sinais só para ele os seguir. O Carvalho foi muito depressa e encontrou lá os amigos todos que disseram:


- Parabéns, meu amigo! Ele com as lágrimas nos olhos disse: - Muito obrigada, do fundo do meu coração!


De nada amiguinho, nós fizemos isto porque gostamos muito de ti e de te ter aqui, nós sabemos que tu no nosso lugar também farias o mesmo! - Pois faria, não tenham dúvidas, mas agora é que percebi porque é que a raposa não queria brincar comigo.


- Eu queria, mas não podia, tinha que preparar a tua festa surpresa e eu estava muito apressada, porque tinha saído só para ir buscar as decorações e o bolo, peço desculpa, amiguinho!


- Ora essa, não tens que pedir desculpa! Eu estou muito orgulhoso por ter uns amigos como vocês, vocês são os melhores amigos que algum Carvalho pode ter!


- Obrigada Carvalho! Agora tenho uma ideia, que tal irmos cantar os parabéns para depois abrirmos as prendas? - Boa ideia, vamos lá! - Três, dois, um… comecem! Todos em coro:


“Parabéns a você nesta data querida, muitas felicidades muitos anos de vida, hoje é dia de festa, cantam a nossas almas, para a árvore carvalho, uma salva de palmas”


- Obrigada a todos, vamos Ă s prendas! A Raposa disse: - Abre a minha, primeiro!


Depois o Coelho sugeriu: - Não, abre a minha que é mais engraçada! - Oh, amigos! Eu só abro uma de cada vez, eu só tenho dois ramos.


O carvalho abriu primeiro a da Lebre, depois a da Raposa, de seguida a da Borboleta e, por fim, a do Coelho. Jรก estava a escurecer e o Carvalho disse: - Amigos, estรก a ficar tarde, tenho que me ir embora.


- Ok, nós também vamos, já está a ficar tarde. - Ok, então até amanhã! - Até amanhã, Carvalho. E foram os amigos todos para as suas casas.


O carvalho faz anos