Issuu on Google+

Conto Natalício

Francisco Santos, nº 11


Na vĂŠspera de Natal fazia muito frio e passeava uma menina pela rua onde via muitas casas decoradas com enfeites de Natal.


As pessoas abrigavam-se nas suas casas aquecidas e atravĂŠs das janelas viam-se as luzes acesas do Natal.


O aroma do peru assado e do bacalhau cozido escapavam, assim como o cheirinho das rabanadas. O frio e a neve tambĂŠm faziam parte de tudo isso.


Apenas uma menina chamada Joana passava por essa ruas, à procura que alguém lhe desse alguma coisa, pois ela trazia pouca roupa vestida, andava descalça e com muita fome e frio, mas como era uma menina muito envergonhada (tímida), não sabia como havia de pedir.


Ent達o encheu-se de coragem, bateu a uma porta, mas foi mal recebida. A pobre Joana ficou muito desiludida, caminhou mais uns bons passos e encontrou uma senhora que foi o seu anjo da guarda e recebeu-a na sua casa, onde lhe perguntou o que ela mais queria.


Ela respondeu que queria uma famĂ­lia onde pudesse viver sem tais dificuldades. A senhora, a partir desse momento, tratou-a como uma filha.


Moral da histĂłria:

Devemos mostrar o nosso amor na ĂŠpoca natalĂ­cia.


Conto natalicio