Issuu on Google+


Quando varria Bem a cozinha

Achou um escudo A Carochinha. “Ai, que estou rica, Sou milionária! Não vou ficar Mais solitária.”


A Carochinha Pôs-se à janela,

Cheia de enfeites, Para ser mais bela.

- Quem quer casar Com a Carochinha

Que é vaidosa Mas bonitinha?


Passou um porco: - Eu vou-te amar! - Que comes tu?

- O que calhar. - Arreda, porco, Eu n達o te quero,

Melhor marido Que tu espero.


- Quem quer casar Com a Carochinha Que 辿 vaidosa Mas bonitinha?

Passou um c達o: - Eu vou-te amar!

- Que comes tu? - O que calhar. - Arreda, c達o, Eu n達o te quero, Melhor marido Que tu espero.


- Quem quer casar

Com a Carochinha Que ĂŠ vaidosa Mas bonitinha?

Passou um galo:

- Eu vou-te amar! - Que comes tu? - O que calhar.

- Arreda, galo,

Eu nĂŁo te quero, Melhor marido

Que tu espero.


- Quem quer casar

Com a Carochinha Que ĂŠ vaidosa Mas bonitinha?

Passou um boi:

- Eu vou-te amar! - Que comes tu?

- O que calhar.

- Arreda, boi,

Eu nĂŁo te quero, Melhor marido

Que tu espero.


- Quem quer casar Com a Carochinha

Que é vaidosa Mas bonitinha?

Passou um rato: - Eu vou-te amar!

- Que comes tu? -Só um bom jantar.

- A ti, ó rato, A ti eu quero.

Melhor marido Já não espero.


L谩 se casaram Aqueles dois,

S贸 que o pior Veio depois.


Domingo à tarde Foram passear, Mas Carochinha

Deixou o colar.

- Falta-me o colar! O que não dirão! Vai-mo já buscar,

Meu João Ratão.


Voltou a casa O João Ratão. Cheirou-lhe a chouriço

Lá no caldeirão.

Muito guloso, Deitou-lhe a mão, Caiu na sopa,

Ai, que aflição!


A Carochinha Bem que esperou,

Mas o maroto Não mais voltou.

Correu as ruas, Foi à procura

Do maridinho Na casa escura.

Buscou no quarto E no salão

Foi à cozinha Ver no fogão.


- Ai, meu amado João Ratão,

Cozido, assado No caldeirão.

A triste esposa Pôs-se a chorar.

Todos à volta Foram perguntar:

- Ó, Carochinha, Que aconteceu?

- Meu João Ratão Cozido morreu.


- Ai, que desgraรงa, Que grande azar! O banco disse:

- Vou-me quebrar. - Ai, que desgraรงa, Que grande azar!

A porta disse: - Vou-me fechar. - Ai, que desgraรงa, Que grande azar! A fonte disse: - Vou jรก secar. - Ai, que desgraรงa,

Que grande azar! O garfo disse:

- Vou-me espetar.


- Ai, que desgraça, Que grande azar! -

Disse o rei Que ia a passar.

Meteu a espada No caldeirão. Por lá subiu O João Ratão.


- Que bela sopa! Gritou, contente.

- Ah, sรณ foi pena Nรฃo estar quente.

Deu um abraรงo Na Carochinha

E houve baile Lรก na cozinha.


A carochinha e o João Ratão