Issuu on Google+

Ano 02

São Paulo - Maio de 2014

Ipea erra e internet confirma dados Depto de Política do CAMRN

Número 06

Nova vivência do CA p. 02

Em março desse ano, o IPEA (Instituto de pesquisa Econômica Aplicada) divulgou uma pesquisa que gerou grande Eleições para RD p. 03 polêmica, pois afirmava que, no Brasil, 65% das pessoas defendiam que "Mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas". Pois bem, alguns dias depois o instituto Esclarecimento do Aluguel de foi obrigado a soltar uma retificação da pesquisa, pois inverteu Salas p. 04 sem querer os gráficos dos dados. Os 65% se referem na realidade às pessoas que concordam com a afirmação "Mulher que é agredida e continua com o parceiro gosta de apanhar", e aqueles EJAV p. 04 que concordam com "Mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas", que gerou tanta repercussão, correspondem a 26% dos entrevistados. Com isso, muitos Agenda afirmaram que “as feministas em geral são alarmistas”, “o Brasil p. 05 não é um país que alimenta a cultura de estupro”, “machismo é coisa do passado”, etc. Mas se colocarmos a cabeça pra pensar um Carta de Reivindicações do DCE pouco, podemos ver que as coisas não são bem assim, pois 26% e CAs à Reitoria dos brasileiros entrevistados concordam que a culpa pelo estupro p. 06 pode ser dada à vítima, que se vestia de forma a “merecer” ser atacada, e isso é praticamente uma em cada quatro pessoas! Faça Dica do Mês as contas e verá que, seguindo esta proporção, no seu círculo de p. 08 amigos muitos poderiam defender este tipo de situação. Outro ponto da pesquisa que não teve tanta repercussão dizia que "Se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupros" teve nada menos do que 59% de concordância entre os entrevistados. Ou seja, “só” 26% acham que a roupa que a mulher estiver vestindo justifica o fato de ela ser estuprada ou não, mas 59% atribuem ao comportamento da mulher a culpa por ter sido estuprada. Sou só eu, ou parece que estamos falando a mesma coisa com palavras diferentes? Deixando um pouco de lado os números da pesquisa, vale a pena observar a repercussão que os resultados tiveram. Muitos devem ter ouvido falar ou visto na sua timeline a hashtag #NãoMereçoSerEstuprada associada a fotos de pessoas indignadas com os resultados da pesquisa. Pois bem, esta campanha começou na internet e pautou o assunto da mídia tradicional naquela semana. Legal, né?! Teve uma adesão tão grande que até no Fantástico teve matéria, saiu na Folha, no Estadão e em tanto lugar que de repente até aquela pessoa que você não considera a mais politizada dos seus amigos do facebook tirou foto apoiando. Traduzindo, apesar de a pesquisa do IPEA poder ter todos os seus erros metodológicos, levantou entre os brasileiros o questionamento sobre a realidade da violência contra a mulher e muitos deles resolveram apoiar a causa feminina, 1


Ano 02

São Paulo - Maio de 2014

Número 06

colocando a mão na consciência e saindo de sua zona de conforto para se manifestar. Por outro lado, é possível notar que o resultado divulgado corresponde à realidade quando vemos que a página que começou o movimento #NãoMereçoSerEstuprada foi hackeada por opositores a ela e tirada do ar por alguns momentos; várias imagens de participantes foram alteradas para “Eu mereço ser estuprada” e as organizadoras foram ameaçadas de estupro. Adulterando fotos da campanha e recheando o face de comentários e posts misóginos, eles provaram que além da campanha estar próxima da realidade, a impunidade com crimes de gênero é tanta, como tudo no Brasil, que qualquer jornalista pode berrar à vontade que Fulana merece ser estuprada, que nada vai acontecer com ele. Além disso, muito antes do IPEA admitir o erro, a Veja publicou um artigo inflamado dizendo que o instituto buscava manipular as pessoas. Porque afinal há uma grande vantagem em se fazer o povo acreditar que o brasileiro é muito mais machista do que realmente é... certo? Oi? Não existe bancada feminazi nem politicagem que justifique isso. E até este tema ser abordado, o IPEA sequer era conhecido pela maioria das pessoas que se envolveu no debate; logo, quem tinha o quê a ganhar manipulando este tipo de dado? Enfim, passamos por um momento de transição: nossa juventude não atura mais certas posturas, e nossa economia não é mais de Terceiro Mundo.

Nova vivência do CA! Em 2011 trocamos a nossa sede, que esteve lá por mais de 30 anos, por uma promessa de sede perto da nossa faculdade. A princípio parecia perfeito ter tudo aquilo que tínhamos perto da gente, mas vimos que não é bem assim. Em 2012 viemos para essa sede provisória e tivemos que encarar a realidade de não ter um secretário e um escritório que funcione todos os dias, de não ter um associado que venda cerveja, comida e salgados o dia todo e nossos novos vizinhos que, em seu total direito, se incomodam com o som após as 22h. Desde então o C.A. vem trabalhando para se adaptar a isso e para fazer desse “novo” espaço, a nossa casa. A partir do esforço das últimas gestões pegamos a casa já mais organizada e então pudemos focar em novas conquistas. E é com imenso orgulho que nós oficializamos nossa vivencia! Agora o C.A. possui: • Mesa de pebolim que será estreada com um campeonato muito em breve; • Televisão com videogames e tevê por assinatura; • Uma bateria acústica que está à disposição de todos os alunos e suas bandas que queiram ensaiar e tocar em nossos H.H.; • Um retroprojetor com tela de projeção que será utilizado para passar os jogos da Copa!!! Isso mesmo, a Copa do Mundo é nossa. Além das novas aquisições, também refizemos nosso escritório. Agora todos nossos documentos, materiais e produtos estão organizados e acessíveis, o que facilita muito o nosso trabalho administrativo. 2


Ano 02

São Paulo - Maio de 2014

Número 06

O C.A. é feito pelos alunos para os alunos, contamos e precisamos da ajuda de todos para continuar crescendo. Suas ideias, criticas e sugestões são bem vindas e necessárias. A reunião é aberta a todos e ocorre toda segunda-feira, 12h30min no C.A. Esperamos vocês lá! Por Karina Membribes Ferreira

Eleições para Representante Discente (RD) No dia 02/06 começam as inscrições para R.D!!! Mas, o que é isso?! Eu posso me candidatar?? R.Ds - ou Representantes Discentes - são alunos eleitos por alunos para representar e defender os seus direitos dentro dos diversos departamentos, comissões e conselhos que compõem a estrutura da FMVZ. Na verdade, eles existem em todas as faculdades da USP, estão previstos pelo estatuto da universidade e são regidos pelo mes¬mo. Ou seja, um RD ocupa um cargo dentro da universidade. Os RDs são responsáveis por informar os demais alunos sobre o que acontece nos departamentos, comissões e conselhos, além de serem pessoas a quem os alunos podem recorrer caso neces¬sitem esclarecer dúvidas relacionadas à vida acadêmica dentro da faculdade. • Na FMVZ os R.Ds da graduação estão presentes: • Nos conselhos dos departamentos (VPT, VPS, VCI, VCM, VNP e VRA), • Nas comissões (Comissão de Graduação – CG, Comissão de Cultura e Extensão Univer¬sitária – CCEx, Comissão de Estágio, Comissão de Cursos – Coc-MV, Comissão de Bioética, Comissão de Biblioteca), • Grupo de apoio pedagógico • No Conselho Consultivo e Conselho Hospitalar (referentes ao HOVET), • No Conselho Técnico Administrativo (CTA) • Na Congregação. As inscrições para R.D serão feitas dos dias 02 a 06 de junho das 12h30 às 13h45 no saguão! Procure se informar melhor sobre os cargos e a importância deles na sua faculdade e se inscreva! Departamento de Política do C.A.M.R.N. 3


Ano 02

São Paulo - Maio de 2014

Número 06

Esclarecimento aos alunos sobre o aluguel de salas Os membros do CTA aprovaram em reunião a cobrança pelo uso das dependências da faculdade aos finais de semana. Os valores variam entre uso do saguão por período, uso do anfiteatro por período, uso da sala de aula por período e hora extra de funcionários da limpeza por dia de uso. Agora tanto os grupos de estudo como as instituições EJAV, C.A. e Atlética deverão pagar para realizar cursos e atividades extracurriculares aos finais de semana. Além disso, como estamos recebendo os alunos da EACH no período noturno nos foi solicitado uma redução das atividades durante a semana. Em reunião com o Diretor, tentamos revogar a cobrança argumentando que nossos grupos de estudo não têm fins lucrativos e pagar o valor que está sendo cobrado não é viável, prejudicando e comprometendo nossas atividades. A posição da direção é manter a cobrança. Assim, algumas atividades serão adiadas até que possamos usar as salas de aula novamente. Karina Membribes Ferreira

Empresa Junior de Assistência Veterinária (EJAV) Já pensou em ser um empreendedor ao final da graduação? Mas o que é ser empreendedor? O conceito de ser um empreendedor está muito além de ser o dono do seu próprio negócio. Mais que administrar sua própria empresa o empreendedor é aquele capaz de identificar e avaliar oportunidades onde ninguém as enxergar e de maneira criativa transformar suas ideias em negócios, com responsabilidade e organização. Em resumo, o empreendedor deve estar atento às oportunidades oferecidas pelo mercado, observando momento correto e condições adequadas para o desenvolvimento das suas ideias. Um bom empreendedor além de criatividade, otimismo, pró-atividade, espírito de liderança e um bom relacionamento interpessoal dentro e fora da empresa deve ter um bom conhecimento em conceitos básicos de administração, como planejamento, organização controle e direção para poder levar seu estabelecimento à diante e com sucesso. Conversamos com a Médica Veterinária Angela Ramos, que montou seu estabelecimento com sua sócia Ana Paola Cottini há 20 anos e ela nos contou sobre as vantagens e desvantagens em ser ter seu próprio estabelecimento. Entre as vantagens estão, a autonomia, flexibilidade no trabalho em relação a horários e família e poder colocar as ideias e projetos em prática sem autorização de superiores. Porém, existem desvantagens que segundo ela são: os gastos fixos no final do mês que devem ser pago independente da retirado do salário do dono, responsabilidade técnica sobre o estabelecimento, financeira e tem com os encargos. Equipe EJAV Fonte: http://www.sebrae.com.br/momento/quero-melhorar-minha-empresa/comece-porvoce/empreendedorismo / http://www.crmv-pr.org.br/?p=imprensa/artigo_detalhes&id=24

4


Ano 02

São Paulo - Maio de 2014

Número 06

AGENDA

Evento

Tipo

Avesui 2014

Aves e Suínos

Enriqueciment o Ambiental em Petsilvestres Diagnóstico por Imagem do Sistema Urinário Congresso da Sociedade de Zoológicos e Aquários do Brasil Odontologia em Lagomorfos e Roedores Curso de emergências cardiovascular es em cães e gatos Simpósio de Dermatologia Felina Encontro de Toxicologia de Pequenos Animais Abordagem clínica de aves de granja

Data 13 a 15 de Maio

Local

Informações

Florianópolis, SC

www.avesui.com

Animais Silvestres

15 de Maio

Sede Anclivepa, SP

www.anclivepasp.com.br/anclivepa/index.php/eve ntos/ecos-programacao.html

Diagnóstico por Imagem

23 de Maio

Sede Anclivepa, SP

www.anclivepa-sp.com.br

Animais Selvagens e Exóticos

23 a 26 de Maio

Bauru, SP

www.congressoszbbauru2014.com.br

Animais Silvestres

24 de Maio

Sede Anclivepa, SP

www.anclivepasp.com.br/anclivepa/index.php/eve ntos/ecos-programacao.html

Pequenos Animais

31 de Maio e 01 de Junho

Auditório FAMESP, SP

www.cardiologiaveterinaria.com.b r

Pequenos Animais

31 de Maio e 01 de Junho

FMVZ, USP, SP

www.spmv.org.br

Pequenos Animais

06 a 08 de Junho

Unesp, Jaboticabal, SP

www.funep.org.br/mostrar_evento .php?idevento=413

Aves

19 de Junho

Sede Anclivepa, SP

www.anclivepasp.com.br/anclivepa/index.php/eve ntos/ecos-programacao.html

Viçosa, MG

www.simcorte.com

Anhembi (Santana), SP

www.fieramilano.com.br/fippa

Curitiba, PR

www.cfmv.org.br/

9º Simcorte

Gado de Corte

12ª Conpavepa e FIPPA Congresso Brasileiro de Bioética e Bem Estar Animal

Pequenos Animais Bem Estar Animal

19 a 21 de Junho 21 a 23 de Julho 05 a 07 de Agosto

5


Ano 02

São Paulo - Maio de 2014

Número 06

Carta de reivindicações do DCE e Centros Acadêmicos à reitoria ** É sabido por todos que a USP vive uma séria crise financeira e política, que já afeta diretamente o cotidiano de todos os estudantes. Além disso, há uma série de problemas que tem se a agravado como a segurança e a questão da EACH que precisam urgentemente de resposta. Por isso, o DCE, juntamente com Centros Acadêmicos de toda a USP, mesmo com discordâncias pontuais em alguns temas, vem por meio desta carta reivindicar uma reunião com a reitoria para que se discuta e se atendam as seguintes pautas estudantis aprovadas em Conselho de Centros Acadêmicos: 1 – Orçamento a) Transparência • Transparência na gestão financeira e abertura do livro de contas da universidade e livros-caixa das fundações • Auditoria das contas das últimas administrações • Fim dos supersalários, denunciados pelo TCE como inconstitucionais, com a devolução do pagamento ilegal. (especificar a denúncia) b) Investimento público em educação • Que a reitoria exija ao governo que esse repasse a quantia de verba correta, determinada por lei, para a universidade • Que a reitoria pressione o governo para que esse invista em educação e aumente o repasse do ICMS para 11,6%, conforme reivindicação do Fórum das Seis • Abertura da discussão do ICMS enquanto forma de financiamento da universidade e levantamento da importância da discussão sobre um piso mínimo de investimento para as universidades. c) Cortes • Não aos cortes orçamentários na graduação, pós, pesquisa, cultura e extensão e serviços na universidade. (PERMANÊNCIA, HU e HC) • Nenhuma demissão aos funcionários terceirizados • Nenhum arrocho salarial 2 – EACH a) Problemas ambientais • Resolução efetiva dos problemas ambientais na EACH • Garantia de abertura de matrículas no segundo semestre b) Osvaldo Nakao • Afastamento de Osvaldo Nakao da negociação com a EACH 3 - Processo Estatuinte e democracia na USP • Um real processo estatuinte, construído democraticamente com a participação de toda a comunidade universitária • Que os debates para a mudança do estatuto sejam feitos em parceria com as entidades estudantis, ADUSP e SINTUSP • A garantia da realização de um congresso estatuinte paritário, autônomo e democrático 6


Ano 02

São Paulo - Maio de 2014

Número 06

4 - Espaços estudantis e sede do DCE • Devolução do espaço de vivência do DCE aos estudantes • Implantação de água, internet e telefone na sede do DCE • Que a reitoria discuta os espaços estudantis de maneira global, nos diversos cursos 5 – Transporte • Que a reitoria pleiteie junto à SPTrans o retorno das linhas extintas e o aumento da frota de circulares • Que o acesso gratuito a circulares não seja restrito à comunidade USP, de forma a promover a participação do público externo e terceirizados nas atividades da universidade • Transporte circular gratuito inter-campi da capital 6 - Permanência Estudantil • Nenhum corte nas bolsas estudantis • Que a reitoria e o COSEAS solucionem o problema do atraso nas bolsas • A devolução dos blocos K e L do CRUSP para moradia, com mais vagas para estudantes com filhos • Aumento de vagas nas creches • Retirada da exigência de 12 créditos (…) • Abertura dos bandejões em todos os períodos (café da manhã, almoço e jantar), com a contratação necessária de funcionários para suprir tal necessidade • Abertura de mais postos de recarga • Mais opções vegetarianas • Que os funcionários terceirizados paguem o mesmo preço de funcionário concursado no restaurante universitário 7 – Acesso • Que se reabra a discussão do acesso à universidade, visando o avanço do debate sobre a implementação de cotas sociais e raciais. 8 – Segurança • Rediscussão do convênio USP-PM • Elaboração de um programa de segurança feito pela Comunidade Universitária e que esse contemple a questão das mulheres e LGBTs • Que a USP tenha efetivo feminino e treinado em direitos humanos • Reunião com a Professora Ana Lúcia Pastore • Fim das catracas e cancelas na universidade (Capital e interior) ** A Carta não se encontra em seu formato original. Para leitura completa e maiores informações, consulte o DCE.

Fonte: reitoria

www.dceusp.org.br/2014/05/carta-de-reivindicacoes-do-dce-e-centros-academicos-a-

7


Ano 02

São Paulo - Maio de 2014

Número 06

Dica do Mês São 2h47 da manhã, e o doutor Nick trout recebe uma ligação que faz com que outro dia agitado tenha início na clínica veterinária Angell Animal Medical Center. Sage, um pastor alemão de 10 anos, poderá morrer sem uma cirurgia de emergência por conta de um sério problema no estômago. Nas próximas 24 horas, o doutor Trout lutará pela vida de Sage. Entre uma batalha e outra no centro operatório, o doutor Trout soluciona diagnósticos duvidosos, reafirma a confiança dos donos de Sage e tenta usar de humor e inspiração para aliviar as tensões. E , agora, ele convida você a participar desta jornada. Inspirado em histórias emocionantes de luta e sobrevivência, Diga Trinta e Três apresenta contos hilários e prazerosos sobre o dia-a-dia de um cirurgião-veterinário para salvar a vida de seus pacientes e acalmar os respectivos donos. É um retrato fascinante da comédia e do drama, das complexidades e recompensas envolvidas no amor e cuidados com os animais

Diga Trinta e Três - Dr. Nick Trout Diga Trinta e Três: 24 horas de risos, lágrimas e muita emoção numa clínica veterinária. Ano: 2008. Editora: Ediouro. Willtirando

Níquel Náusea

8


Estábulo de São Paulo - Maio 2014