Page 1

JUL / AGO / SET 2012

Prêmio Prêmio

PUCPR PUCPR é é uma uma das das 50 empresas mais 50 empresas mais inovadoras inovadoras do do Sul Sul

pesquisa Sistema promove economia de combustível para trens

Dib Daher Selouan, diretor-presidente da Softdib

LEIS incentivam a INOVAÇÃO


ao leitor

O desenvolvimento econômico de um país está diretamente ligado à sua autonomia tecnológica. Por isso, mecanismos que promovam a aproximação entre o Estado, a universidade e a empresa, a chamada tripla hélice, são fundamentais. Apesar de o Brasil ter despertado para a temática recentemente, existem diversos mecanismos à disposição das empresas que desejam investir em projetos de inovação tecnológica em parceria com instituições de ensino e pesquisa. Nesta edição, esclarecemos quais são esses mecanismos e citamos o exemplo da Softdib, empresa instalada no PUCPR Tecnoparque que desenvolve, em parceria com o nosso Escritório de Transferência de Tecnologia, um projeto para se enquadrar no programa ISS Tecnológico. Prof. Luiz Márcio Spinosa Diretor da Agência PUC e do PUCPR Tecnoparque

A Softdib é um exemplo de como as empresas devem despertar para a importância da relação entre universidade e empresa, assim como para a necessidade de uma gestão estratégica da inovação que esteja em consonância com os mecanismos indutores disponibilizados pelos governos federal e municipal. É importante lembrar que em breve também contaremos com uma legislação estadual favorável à inovação tecnológica. Não podemos ainda deixar de ressaltar o recente prêmio Campeãs da Inovação. É fruto da determinação da Reitoria em consolidar a Agência PUC e o PUCPR Tecnoparque como referência no Brasil. Boa leitura!

expediente Jornalista responsável Fabiana Ferreira (MTB 4148/16/188) Edição e textos Danielle Sasaki (MTB 4731) REVISÃO DE CONTEÚDO Editora Universitária Champagnat Fotos João Borges Projeto gráfico e diagramação espresso design Impressão Gráfica APC

2

Agência PUC de Ciência, Tecnologia e Inovação Rua Iapó, 1225 - Prado Velho CEP: 80215-900 - Curitiba/PR Telefone: (41) 3271-1389 E-mail: agenciapuc@pucpr.br

Comentários, sugestões e críticas Rua Imaculada Conceição, 1155 Prado Velho - CEP: 80215-901 - Curitiba/PR Telefone: (41) 3271-1515 E-mail: imprensa@pucpr.br

A revista PUC_Inovação é uma publicação trimestral com distribuição dirigida, produzida pela Assessoria de Comunicação do Grupo Marista – Divisão APC.


r e p o r ta g e m

Campeã da inovação PUCPR é eleita uma das 50 empresas mais inovadoras do Sul do país

A

Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) conquistou o prêmio Campeãs da Inovação, promovido pela revista Amanhã e pela Edusys, consultoria especializada em inovação. A Universidade foi eleita uma das 50 empresas mais inovadoras do Sul do Brasil, ao lado de organizações como Whirlpool, Grendene, Grupo Weg e PUCRS. Em sua oitava edição, o prêmio é considerado o levantamento mais consistente da imprensa brasileira sobre inovação empresarial. A premiação tem como base o Innovation Index, método criado pelo consultor norte-americano Edward DeBono, especialista mundial, e conta com apoio da Fundação Dom Cabral. Para chegar aos 50 finalistas, as 500 maiores empresas do Sul

listadas no ranking Grandes & Líderes, elaborado pela Amanhã e pela PwC, foram convidadas a responder um questionário com 43 questões sobre diferentes aspectos relacionados à construção de um ambiente criativo, desde a cultura organizacional até os resultados concretos oriundos de novas ideias. As perguntas foram divididas em seis dimensões, com pesos distintos. A mais relevante é a dimensão “Resultados da Inovação na Organização”, que expressa a capacidade de a empresa obter dividendos concretos de seus projetos inovadores. Para o reitor da PUCPR, Clemente Ivo Juliatto, uma das mais importantes funções da Universidade é servir à sociedade. Essa ligação se faz por meio

do ensino, com a formação de profissionais; da pesquisa, que promove o progresso da sociedade e da economia; e da extensão universitária, com a oferta de serviços à comunidade. “Uma universidade deve se inovar e

servir à sociedade, para que ela se inove também. Iniciativas como a do PUCPR Tecnoparque e o direcionamento de nossas pesquisas para as necessidades atuais e futuras refletem na conquista deste importante prêmio”. _

Referência em inovação A criação da Agência PUC de Ciência, Tecnologia e Inovação é o principal motivo para a PUCPR ter se constituído como referência em inovação tecnológica. Junto com as Diretorias de Pesquisa e Pós-Graduação, a Agência PUC atua como facilitadora da cadeia de conhecimento, desde a geração até a disponibilização desse conhecimento para as empresas. A Agência PUC articula as seguintes iniciativas:

 ecnoparque, com 14 T empresas instaladas; • Programa de Intraempreendedorismo, com a participação da Endeavor; • Central de Prospecção de Oportunidades; • Escritório de Gestão de Projetos; • Rede de competências (RedePUC), que atua em parceria com as escolas acadêmicas; • Escritório de Transferência de Tecnologia. •

3


r e p o r ta g e m e s p e c i a l

Empresas que investem em inovação tecnológica podem se beneficiar com incentivos fiscais

P

aíses que são efetivos na criação de meios para a interação eficaz entre universidade e setor produtivo tendem a sobressair na concorrência pela produção e difusão do conhecimento tecnológico. “Como via de regra, países desenvolvidos são mais eficientes na gestão do apoio financeiro às empresas, além de terem uma disponibilidade maior de recursos. Há também mais flexibilidade no escopo de atividades apoiadas. Mas, pensando no curto prazo, é possível afirmar que o Brasil conta com instrumentos que o colocam num grupo seleto de países”, afirma o gerente do Núcleo de Capital Inovador da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Felipe Couto. No Brasil, as primeiras iniciativas para promover e incentivar a inovação tecnológica aconteceram em 2004 e 2005, quando foram publicadas a Lei da Inovação (n. 10.973) e a Lei do Bem (n. 11.196), respectivamente. O responsável pelo Escritório de Transferência de Tecnologia da Agência PUC de Ciência, Tecnologia e Inovação, Eduardo Agustinho, explica que ambas as leis têm como foco

estimular a inovação por meio da maior interação entre universidade e empresa. Ele aponta, ainda, que a Lei do Bem oferece incentivos fiscais para as organizações que investem em P&D. Antes da criação das leis nacionais, Curitiba já possuía, desde 2001, por meio da Lei Complementar n. 39, o programa ISS Tecnológico, que prevê a utilização de até 50% do Imposto sobre Serviços (ISS) recolhido na aquisição de equipamentos, softwares, livros técnicos e capacitação. Em 2007, o município criou outro programa, o Tecnoparque Curitiba, por meio da Lei Complementar n. 64. O programa delimitou uma área para concentrar os ativos de ciência e tecnologia, justamente com o objetivo de permitir a maior interface entre a academia e a empresa. Dentro desse espaço é que nasceu o PUCPR Tecnoparque. Felipe Couto pontua que, além dos benefícios fiscais que valem para empresas tributadas pelo regime de Lucro Real, há Linhas de Financiamento Reembolsável, com menores taxas e maiores prazos, e Editais de Recursos Não Reembolsáveis (Subvenção), anteriormente conhecidos >>

“ Os incentivos permitem que a empresa possa, estrategicamente, realizar investimentos em P&D sem que estes gastos se tornem um peso para a própria instituição”.

Eduardo Agustinho, responsável pelo Escritório de Transferência de Tecnologia da Agência PUC

4


“ É fundamental que governos

incentivem as empresas por meio de benefícios fiscais e financeiros, subsidiando projetos inovadores, para que estas pesquisas sejam contínuas e passíveis de execução”.

Dib Daher Selouan, diretor-presidente da Softdib

Conheça o escritório de transferência de tecnologia da agência puc O Escritório de Transferência de Tecnologia é fruto de um processo de fortalecimento da Agência PUCPR. Tem como objetivo oferecer suporte aos pesquisadores da Universidade na identificação de meios legais que facilitem a realização de pesquisas em cooperação com empresas, permitindo que estas utilizem os benefícios fiscais existentes para quem investe em inovação. O Escritório oferece os seguintes serviços: • Suporte para a realização de contratos de transferência de tecnologia, tais como licenciamento de patentes e de prestação de serviços técnicos especializados; • Adequação dos projetos de Pesquisa e Desenvolvimento realizados em cooperação com empresas aos critérios definidos pela Lei da Inovação e Lei do Bem, de modo que a empresa parceira possa pleitear os benefícios fiscais existentes.

Entre em contato com o Escritório de Transferência de Tecnologia pelo telefone (41) 3271-1389. 5


r e p o r ta g e m e s p e c i a l

Foto Divulgação

“ O Brasil conta com

instrumentos que o colocam num grupo seleto de países”.

Felipe Couto, gerente do Núcleo de Capital Inovador da Fiep

como “Fundo Perdido”. “Nosso desafio, antes de aumentar a disponibilidade de recursos, é garantir a aplicação adequada dos montantes já orçados. O Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico Tecnológico teve arrecadação, em 2011, de R$ 3,5 bilhões; porém, por conta dos contingenciamentos, o montante efetivamente empenhado foi de R$ 2,7 bilhões.” Para Agustinho, o conhecimento dos mecanismos de

incentivo à inovação

6

incentivo pelas empresas são tão essenciais quanto a inovação em si. “Os incentivos permitem que a empresa possa, estrategicamente, realizar investimentos em P&D sem que esses gastos se tornem um peso para a própria instituição”.

Case Uma das empresas instaladas na unidade da PUCPR, a Softdib, está enquadrada desde 2008 no projeto Tecnoparque, da Prefeitura

Municipal de Curitiba, e se beneficia com a redução do ISS, que, de 5%, passa para 2% do faturamento da empresa. Segundo o diretor-presidente da Softdib, Dib Daher Selouan, o recurso gerado por esse incentivo é aplicado na ampliação do quadro e na capacitação de seus colaboradores. Em conjunto com a Agência PUC, a Softdib desenvolve, agora, um projeto para se enquadrar também no ISS Tecnológico. “Inovar demanda conhecimentos

de tecnologia de ponta, científico e de mercado. É preciso uma equipe de profissionais inteiramente focada em uma ideia que pode ou não ter êxito. Esse processo envolve tempo e recursos financeiros. É fundamental que governos incentivem as empresas por meio de benefícios fiscais e financeiros, subsidiando projetos inovadores, para que essas pesquisas sejam contínuas e passíveis de execução”, considera Selouan. _

legislação

principais benefícios

Lei Federal n. 10.973/2004 (Lei da Inovação)

Segurança jurídica para a inovação, com a definição do Marco Legal para maior interação entre universidade e empresa.

Lei Federal n. 11.196/2005 (Lei do Bem)

Incentivos fiscais: ••  possibilidade de dedução dos gastos em P&D do Lucro Tributável, para fins de pagamento de IRPJ e CSLL; ••  redução do IPI na compra de máquinas e equipamentos para P&D; ••  depreciação e amortização acelerada de bens tangíveis e intangíveis adquiridos para P&D.

Lei Complementar Municipal n. 39/2001 (Programa ISS Tecnológico)

Incentivos fiscais: ••  possibilidade de dedução dos gastos em P&D do valor devido a título de ISS.

Lei Complementar Municipal n. 64/2007 (Programa Curitiba Tecnoparque)

Incentivos fiscais: ••  Alíquota de 2% de ISS, mediante aprovação de projeto.


radar

TECPRON no PUCPR Tenoparque A TECPRON, empresa que atua há 19 anos na área de desenvolvimento de produtos utilizando softwares de modelagem, cálculo estrutural e simulação, é a mais nova parceira da PUCPR. No dia 12 de junho, foi assinado o contrato de cooperação entre a empresa e a Universidade, garantindo a instalação do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento da TECPRON no PUCPR Tecnoparque. “Vamos trazer as demandas do mercado para a academia e já podemos começar com o lançamento de produtos incrementais. Temos, por exemplo, dois softwares patenteados que serviam bem para nossas necessidades, mas que podem e devem ser aprimorados com o trabalho que será desenvolvido no Tecnoparque”, afirma o presidente da TECPRON, Devanir Campos. _ O coordenador do Núcleo de Engenharias da PUCPR, Pablo Deivid Valle; o decano da Escola Politécnica, Vidal Martins; o presidente da TECPRON, Devanir Campos; e o pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, Waldemiro Gremski

Domenico De Masi na PUCPR O sociólogo italiano Domenico De Masi, professor de Sociologia do Trabalho na Universidade La Sapienza, de Roma, esteve no Câmpus Curitiba da PUCPR, no dia 10 de maio, ministrando palestra com o tema “Criatividade, inovação e futuro do trabalho”. A palestra, destinada a gestores da Volvo e professores do Núcleo de Excelên-

cia Pedagógica (NEP) e do Núcleo Docente Estruturante (NDE) da PUCPR, promoveu a reflexão sobre o futuro da educação e do trabalho. Além de professor, Domenico De Masi é diretor da Escola de Especialização em Ciências Organizativas S3 Studium e autor de obras como Ócio criativo, O futuro do trabalho e A emoção é a regra. _

Novos convênios internacionais Em abril, durante a Conferência das Américas de Educação Internacional, realizada no Rio de Janeiro, a PUCPR firmou novos acordos de cooperação com a McGill University, de Montreal, e a Université Laval, de Québec. “São universidades de elevada reputação internacional, seletivas e interessadas principalmente na cooperação na área de pesquisa”, explica o diretor de Relações Externas da PUCPR, Alvaro Amarante. Ele

O reitor da PUCPR, Clemente Ivo Juliatto, e a reitora da McGill University, Heather Munroe-Blum, assinam o convênio

cita que a PUCPR já desenvolve projetos em conjunto com as duas universidades. A cooperação com a McGill University é realizada pela equipe do professor Marcelo Mira, do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, na área de Biologia Molecular. Com a Université Laval, é desenvolvido um projeto de gestão urbana coordenado pelo professor Fábio Duarte, do Programa de PósGraduação em Gestão Urbana. _

7


e n t r e v i s ta

União de

conhecimentos

P

ara desenvolver o seu grande projeto de gestão de conhecimento, a binacional Itaipu, maior produtora de energia elétrica do mundo, buscou a parceria com duas universidades, a PUCPR e a Universidade Nacional del Este (UNE). Nesta entrevista, o engenheiro civil e ouvidor-superintendente da Itaipu, Miguel Sória, detalha como foi o desenvolvimento do Processo Corporativo de Gestão do Conhecimento (PCGC), realizado entre 2004 e 2007, que permitiu a elaboração das diretrizes que agora orientam as ações de gestão do conhecimento da Itaipu. A equipe de pesquisadores da PUCPR no Projeto Itaipu foi composta pelos professores Sérgio Gouvêa, Marco Busetti, Edson Pinheiro, Heitor Pereira, Alex Ferraresi, Fernando Deschamps e Eduardo Damião. Além disso, contou com a participação dos alunos do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas (PPGEPS), Marlene Zangiski e Gilvan Costa.

> Qual era o objetivo da Itaipu com o projeto de gestão do conhecimento? Basicamente duas ações deram início à gestão do conhecimento na Itaipu: a execução dos processos da área de manutenção da usina, onde muitos empregados experientes estavam prestes a se aposentar, e a montagem das duas unidades adicionais de geração de energia dentro do complexo. A resposta para a pergunta “para onde irá o conhecimento acumulado em tantos anos de excelência técnica e avanço tecnológico, considerando que temos pela frente a inevitável sucessão de empregados?” veio na forma de um processo de intensificação do resgate de toda a experiência acumulada. O conhecimento de 8

engenheiros, técnicos, mecânicos e profissionais de outras áreas que trabalharam durante longos períodos e passaram por diversas fases de construção e operação da usina não poderiam simplesmente ser descartados quando eles encerrassem suas atividades. Com a sistematização e a disseminação das informações ao se aposentarem, esses profissionais deixarão para a Itaipu e para a sociedade o legado de sua história e de seu conhecimento.

> Por que a Itaipu buscou a PUCPR e a UNE para este projeto? Para sistematizar o acervo de conhecimento, a Itaipu buscou apoio metodológico na academia. Com essa parceria, a usina organi-

zou um grupo de trabalho interno binacional, composto paritariamente de brasileiros e paraguaios, que, primeiramente, fez um detalhado diagnóstico do acervo de informações sobre a usina. As atividades contaram com ampla participação de empregados, envolvendo, direta e indiretamente, aproximadamente 500 pessoas. A PUCPR e a UNE foram instituições que demonstraram ter as qualificações técnicas e institucionais necessárias para elaborar as diretrizes que orientariam as ações de gestão do conhecimento na Itaipu.

> Quais foram os resultados? A atividade contínua de gestão do conhecimento trouxe resultados, a exemplo das próprias

melhorias no Portal de Gestão do Conhecimento, como é conhecido o sistema de intranet; maiores demandas e investimento em educação, como a criação da Universidade Corporativa Itaipu (UCI), que funciona associada ao Parque Tecnológico Itaipu (PTI); estímulo à criação e/ou à manutenção de comunidades de práticas internas e externas de gestão do conhecimento; e o estabelecimento de vínculos de interesse com empresas estatais e privadas e com instituições de ensino e pesquisa. Mas seguramente o resultado mais relevante que está sendo alcançado consiste na assimilação gradual de uma cultura de gestão do conhecimento que a empresa está conseguin-


“ O intercâmbio permanente de informações, de conhecimentos e de experiências é que permite a necessária efetividade da interação entre a academia e o setor produtivo”.

do realizar, o que se configura em fator decisivo para o futuro como organização. O slogan “Gestão do Conhecimento: assegurando a Itaipu do futuro” revela com clareza o valor dessa estratégia de gestão para a empresa.

> O que foi decisivo para esses resultados? Foi fundamental a utilização de ferramentas de incentivo. Afinal, havia o risco de todo o acervo de conhecimento ser organizado, mas ficar esquecido, o que inviabilizaria o esforço e o investimento. Para evitar que isso acontecesse, a empresa criou mecanismos, incorporados ao cotidiano dos funcionários e prestadores de serviço, que os levassem a

acessar o Portal de Gestão de Conhecimento. Ao participarem de um treinamento, congresso ou evento semelhante, todos os envolvidos precisam colocar na intranet um relatório narrando o que aprenderam, além de anexar conteúdos ou indicar links para acesso na internet. Foi também criada uma guia de procedimentos para “retenção, sistematização e disseminação de conhecimentos de empregados”, como apoio contínuo à ação gerencial, associada ao Banco de Currículos e Talentos, que consiste em outra poderosa ferramenta eletrônica concebida e implantada na intranet, a partir dos conceitos de gestão por competências. Os pedidos de livros na biblioteca da usina também

só podem ser feitos por meio do portal, entre outros exemplos.

> A Itaipu já tinha experiência com outras instituições de ensino? Sim. A Itaipu, ao longo dos estudos, dos projetos, da construção e operação da usina, sempre contou com o apoio de universidades e institutos de pesquisa nacionais e estrageiros, como o Centro de Estudos Hidráulicos Prof. Parigot de Souza (CEHPAR/UFPR), o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), o Laboratório da Universidade de Brasília, o Istituto Sperimentale Modelli e Strutture (Ismes) e o Centro Sperimentale Elettrotécnico Italiano (Cesi), da Itália, a Societé Grenobloise d’Études Hidrauliques (SOGREAH),

da França, o Hydraulic Machine Institute of the Federal Institute of Technology of Lausanne (IMH), da Suíça, e outros.

> O senhor considera importante a união entre empresa e academia? A união entre as empresas e as universidades é não só importante, mas essencial para o desenvolvimento da sociedade como um todo. Afinal, o intercâmbio permanente de informações, de conhecimentos e de experiências é que permite a necessária efetividade da interação entre a academia e o setor produtivo. A eventual dissociação desses dois setores, além de não fazer o menor sentido, só os enfraqueceria e os retardaria em seus progressos. _ 9


pesquisa

Economia

sobre os trilhos Pesquisa desenvolvida pela PUCPR resulta em sistema de piloto automático para locomotivas

O

consumo de combustível é o principal custo operacional das companhias ferroviárias. Segundo a América Latina Logística (ALL), concessionária que detém o direito exclusivo de explorar a malha ferroviária no Sul do Brasil, o gasto com combustível alcançou algo em torno de 260 milhões de dólares em 2010. Tais custos afetam o mercado interno e as exportações. Com essa problemática em mente, a PUCPR desenvolveu uma pesquisa que busca a economia do consumo de combustível em locomotivas, por meio de um sistema de piloto automático inteligente. Isso porque, segundo o coordenador da pesquisa, o professor do Programa de Pós-Graduação em Informática (PPGIa) Edson Emilio Scalabrin, o estilo de

10

condução reflete diretamente no consumo de combustível. O projeto denominado PAIL (Piloto Automático Inteligente para Locomotivas) é financiado pela Finep, executado pela PUCPR e coexecutado pela Daiken, e resultou no desenvolvimento de um software, chamado SDriver, que é capaz de conduzir um trem de carga intermunicipal de forma segura, econômica e rápida. Como resultado, o SDriver possibilitou a redução de até 32% do consumo de combustível e similaridade de 85% entre a ação do software e a do condutor real. O sistema pode beneficiar todas as locomotivas que permitem embarcar software de condução.

Inovação em tic O Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) envolve os cursos de Ciência da Computação, Engenharia da Computação, Sistemas de Informação e Tecnologia em Jogos Digitais, além do Programa de Pós-Graduação em Informática (PPGIa). Segundo a coordenadora do Núcleo, Joselaine Valaski, outros cursos e programas podem ser envolvidos, uma vez que a TIC é uma atividade-meio para diversas outras áreas. O Núcleo oferece assessoria, educação continuada, desenvolvimento de produtos e tecnologias inovadoras e serviços científicos e tecnológicos nas áreas das TICs, com a missão de apoiar o desenvolvimento competitivo do segmento. Entre em contato com o Núcleo de TIC: Coordenadora: Joselaine Valaski | joselaine.valaski@pucpr.br Telefone: (41) 3271-2424


A equipe de pesquisadores: Bráulio Coelho Ávila, André Pinz Borges, Edson Emilio Scalabrin, Fabrício Enembreck, Osmar Betazzi Dordal e Bruno Giacomet

Em março, a pesquisa foi apresentada em Atenas, na Conferência Internacional de Tecnologia Industrial, promovida pela IEEE Industrial Electronics Society, a maior associação mundial de profissionais dedicados ao avanço da inovação tecnológica. Além de Scalabrin, que é o coordenador do projeto, participam da pesquisa os professores Bráulio Coelho Ávila (PPGIa), Fabricio Enembreck (PPGIa) e James Baraniuk (Engenharia Elétrica). _

“ O SDriver é capaz de conduzir um trem

de carga intermunicipal de forma segura, econômica e rápida, possibilitando a redução de até 32% do consumo de combustível e similaridade de 85% entre a ação do software e a do condutor real”.

Edson Emilio Scalabrin, coordenador da pesquisa e professor do Programa de Pós-Graduação em Informática

11


Puc_Inovação #3  

puc inovação

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you