Page 1


TRADUÇÃO: RICHELLE QUEEN REVISÃO INICIAL: RAÍSA QUEEN REVISÃO FINAL: MEL QUEEN LEITURA FINAL: LÚCIA QUEEN CONFERENCIA: JÉSSICA QUEEN FORMATAÇÃO: MEL DUSK


Este é para minha irmãzinha que foi levada cedo demais. Este é para os sonhos que você nunca viverá, o amor que você nunca será capaz de cair, e para a vida que você teria. Mesmo nos dias mais difíceis, eu vivo para você. Dominique Amelia Bass 14 de setembro de 1992 - 9 de dezembro de 2000


Lost One – Jay-Z Shout out to My Ex- Little Mix That Don’t Impress Me Much -Shania Twain Spice Girl - Amin The Vapors – Jhene Aiko Worst Enemy – Gucci Mane Bad Lil Vibe – Kid Ink Uh-Huh – Julia Michaels When We – Tank U Got It Bad – Usher Fine Lines – Jorja Smith Facts – H.E.R. Don’t Blame Me – Taylor Swift Faithful – Phora Heaven – Julia Michaels You Got Me – The Roots ft. Erykah Badu No Not You – K. Michelle Please Return My Call – Trey Songz Consequences – Camila Cabello Better Man – PARTYNEXTDOOR ft. Rick Ross Good to You – Ryland James


Eu ouço o sinal sonoro, as vozes baixas no canto da sala, a máquina de respiração zombando das minhas emoções. Meu coração bate com cada respiração ofegante tomada. Meus olhos estão ardendo, mas eu me recuso a deixar as lágrimas caírem. Eu ainda tenho esperança; eu ainda tenho os sonhos. Nossos sonhos. Os mesmos que tínhamos antes de podermos atirar ou driblar uma bola de basquete. Uma mão pálida chega para mim, chamando minha atenção. "Cu..." Meu nome é interrompido, para que ele possa recuperar o fôlego. Eu vejo meu melhor amigo de vinte anos lutando para falar. Jackson e eu crescemos juntos, bem, é o que nossos pais dizem. Nós nos mudamos para o Emmett quando eu tinha dois anos e nossos pais se tornaram amigos rapidamente, a amizade deles nos forçou a ser melhores amigos. Não havia nada que não fizéssemos juntos. Inferno, nós fomos para a mesma faculdade, jogamos no mesmo time de basquete. Fomos para a mesma faculdade, jogamos no mesmo time de basquete. Pretérito. Seis meses atrás, não foi. Seis meses atrás,


estávamos gravando aros e falando merda, foi aí que ele caiu e parou de respirar do nada. Lamento dizer que ele não estava fingindo no momento em que caí de joelhos pedindo ajuda e tentando o meu melhor para realizar a RCP1. Ele não saiu do hospital naquele dia. Ele nunca voltou para a faculdade ou para a academia. Ele nunca jogou outro jogo. Ele nunca voltou para o apartamento que compartilhamos. Um tumor em seu cérebro, do tamanho de uma bola de golfe, é o que os médicos disseram. É tarde demais, eles disseram. Nada que eles pudessem fazer além de tentar operar e até isso não era uma garantia. Dez horas em cirurgia e mal conseguiram o tumor para testá-lo. Câncer. Maldito câncer. Eu sei que você ouve de crianças da nossa idade tendo câncer o tempo todo, mas isso não deveria acontecer com Jackson. Recuseime a acreditar quando ele me contou pela primeira vez. Disse a ele para parar de brincar comigo, que isso não era engraçado. Seus tristes olhos azuis me disseram que ele não estava brincando. "Cuba". Sua voz abafada quebra meus pensamentos. Piscando minhas lágrimas, eu olho para ele, seu cabelo loiro normalmente estiloso agora se foi, seus vibrantes olhos azuis estão sem brilho e afundados em seu rosto agora muito magro. Esse cara deitado aqui não é o mesmo cara feliz que ele era. Ele era uma casca de si mesmo, e eu não aguentava. "Ei cara", eu digo, através da espessura na minha garganta. 1

Reanimação Cardiopulmonar ou Reanimação Cardiorrespiratória.


Ele tenta me dar um sorriso torto, mas mal consegue levantar o l|bio. “Nós vamos para os quatro finalistas, cara?” Ele quer falar sobre basquete? Sério? Os médicos disseram que é apenas uma questão de tempo e ele quer falar de basquete? Meu coração aperta, há um milhão de coisas que eu quero falar e bola não é uma delas, mas se é isso que ele quer, então o que mais eu posso fazer? Balançando a cabeça, dou uma risada triste. "Não sem você, perdemos a segunda rodada." A verdade é que perdemos porque parei de aparecer para a prática no dia em que descobri que ele tinha câncer. Eu mal chegava às minhas aulas se estivesse sóbrio o suficiente. Inferno, eu raramente estou sóbrio. Jackson tosse e balança a cabeça. "Eu sei que você parou de jogar." Ele respira fundo. "Cub..." ele luta com outro fôlego. "Jack..." ele me corta. "Não estrague o nosso sonho, Cue. Eu sempre estarei lá, você sabe. Brincando com você.” Ele consegue um pequeno sorriso. “Nós podemos vencer, cara. Você pode vencer." Eu balancei minha cabeça rapidamente. “Não, não sem você, cara. Eu não posso viver o sonho sem você. Esse é o nosso sonho. NCAA Champs2 e indo para o campeonato.” Eu tento sorrir, porque se eu não fizer, eu vou quebrar. Os pais dele e os meus concordaram que se eu aguentasse e, se fosse visitar, deveria estar sóbrio. Então aqui estou eu, sóbrio, tentando manter minhas emoções guardadas A Divisão I da NCAA Basketball Championship é um torneio de eliminação simples entre 68 times universitário dos EUA 2


enquanto meu melhor amigo morre na minha frente, me dizendo para ir atrás do nosso sonho. Sem ele. “Eu espero que você mude de ideia, cara. Você poderia ser ótimo.” Eu pego minha cadeira de volta, não posso fazer isso. "Não. Nós podemos ser ótimos. Eu não posso fazer isso sem você, Jack! Pare de fazer parecer que vai ser fácil. Sempre foi você e eu. Jackson e Cuba. A equipe do sonho. Não há NBA sem você.” Eu seguro minha cabeça e olho para o chão. Meu coração está se despedaçando, meu peito se abrindo. Eu ouço os passos antes de sentir as mãos me agarrando e me puxando de volta, palavras caladas me dizendo para ficarem juntas ou deixar invadir meu ouvido. Eu estou perdendo isso. Jackson é mais do que meu melhor amigo; ele é meu irmão. O yin para o meu yang. Minha mão direita. Meu parceiro no crime. Minha cabeça dispara e meus olhos encaram os dele. "Eu sinto muito", eu engasgo. "Eu simplesmente não consigo fazer isso. Eu te amo cara. Você é meu irmão.” Eu sussurro: “Meu irmão.” Os olhos de Jackson incham ficando vermelhos. "Eu também te amo, mano." Ele mal diz; quando uma lágrima escorrega de seu olho. "Por favor, fique." Eu olho para quem está me segurando. O pai dele. Eu olho para ele com uma pergunta e ele apenas balança a cabeça, mas ele me envia uma advertência através de seus olhos. Assentindo, eu sento no meu lugar com o coração pesado. Tanto quanto eu quero espreitar este quarto e afogar minhas mágoas em uma garrafa de tudo o que eu posso encontrar, eu não faço. Eu me sento lá, segurando sua mão fria


e pálida que ele estende para mim. Eu entendo isso com tudo em mim. A esperança de que ele viva e melhore. A esperança de que ainda possamos ter o nosso sonho, mas, no fundo, sei que isso não vai acontecer. Jackson e eu conversamos por horas, bem; Eu falo principalmente sobre basquete e garotas. Nós assistimos o novo Dave Chappelle na Netflix, e eu tento rir nos momentos certos. Jackson sorri enquanto os créditos rolam e roça meu braço com a mão. "Obrigado." É quase um sussurro quando ele toma outro fôlego, mas este parece diferente, o apito das máquinas começou a soar diferente. Mais rápido, urgente. Seus pais correm para o outro lado da cama enquanto os meus vêm atrás de mim, minha mãe segurando meus ombros. Não, não pode ser. É muito cedo. Ele estava sorrindo. Eu ouço o barulho que eu ouvi nos filmes tantas vezes, o som que você não quer ouvir, o som que acabou. Os gritos da Sra. Emmett são um eco, um som distante. Estou sendo puxado de volta por enfermeiras, forçando-me a deixar de lado a mão fria de Jackson. Eu não quero deixar ir, eu não posso deixar ir. "Solte, filho." Meu pai gentilmente me diz, puxando minha mão. Finalmente soltando, eu me viro para a porta, eu não posso olhar para trás. Eu não aguento isso. Minha mãe me agarra, mas eu me afasto, preciso de uma bebida. Eu preciso da garrafa inteira. Eu preciso abafar a dor.


Eu preciso sair. Sete dias depois, eu não fui ao funeral. Eu não pude sair da cama, muito menos saber meu nome, eu me certifiquei de que não conseguiria. O álcool me fez esquecer, a erva me manteve em uma névoa. Eu estava perdido e não queria ser encontrado. Eu perdi meu melhor amigo. Meu irmão. Meu companheiro de equipe. Eu me perdi.


Um ano depois

Por muito tempo, acreditei que casais que tivessem casamentos grandes, bonitos e extravagantes nunca durariam. Que eles gastaram todo esse dinheiro para compensar o amor que lhes faltava. Eu pensei que tinha descoberto, mas, novamente, meus pais pediram o divórcio quando eu era jovem, e eu sabia que não importava o quanto você gastou no casamento, nem todo mundo conseguia. Meus pais se casaram no tribunal um ano antes de eu nascer e bem antes de meu pai se tornar sócio da firma dele. Durante anos, pensei que eles estavam loucamente apaixonados. Mamãe é uma hippie moderna com seus modos excêntricos e sua necessidade de se sentir livre. Papai é o oposto completo, ele gosta das coisas de certa maneira. Ele colecionou certo tipo de controle e minha mãe não aguentou. Eu não vi, mas, de acordo com meus pais, isso vinha vindo há anos. Eles afirmam que ainda se amam, mas são melhores separados. Eu morava com minha mãe em Palm Springs e visitava papai em Los Angeles no verão, mas agora, nos últimos dois anos, eu moro em tempo integral em Los Angeles, perto do meu pai, enquanto começo meu terceiro ano na faculdade. Uma voz desconexa me traz de volta à realidade e eu olho para Dex, meu agora ex-namorado. Quero dizer, eu realmente olho para ele enquanto ele explica porque eu o encontrei com suas calças ao redor de seus tornozelos e uma menina em seus lindos joelhos dez


minutos atrás em sua sala de estar. Por que eu estou o ouvindo explicar? Nenhuma idéia. Talvez porque agora eu esteja vendo que teríamos sido um grande casal de casamento. Definitivamente. Eu deveria ter conhecido melhor. Meu pai me disse para ficar longe dos garotos da faculdade, ele realmente me avisou sobre atletas. Dex é fofo, com toda a coisa do garoto americano acontecendo, olhos azuis e cabelos loiros. Jogador de beisebol, isso é apenas um jogador em geral e um desperdício do meu tempo. Eu pego um fiapo invisível da minha regata de nata. “Então, terminamos aqui? Porque eu tenho uma sessão de tutoria em cerca de trinta minutos.” Seus olhos se arregalam de surpresa. “Então, estamos bem? Eu errei, querida, mas apenas me dê uma chance.” Sim, eu ouvi isso antes, em todos os filmes em que o cara trapaceia. "É, não. Ainda está acabado. Eu apenas tenho que ir. Então, você pode parar de explicar agora. Seu botão caiu e você não tinha um cinto, então suas calças caíram junto com as suas boxers. Você só teve alguma dificuldade e ela só estava ajudando você a procurar o botão. Certo? Está faltando alguma coisa?” Eu inocentemente inclino minha cabeça para o lado, batendo meus cílios. Suas sobrancelhas franzem. “Eu tenho um 4.0, Dex. Não insulte minha inteligência. Parece estúpido quando você o ouve de volta, não é?” Eu respiro fundo. “Bem, eu devo estar a caminho. Boa sorte ao encontrar aquele botão!” Virando-me, saio pela porta da frente e entro no calor de L.A.


O verão é lindo no sul da Califórnia, e eu morreria sem a brisa. Depois de visitar Nova York em um verão, nunca mais tomarei minha cidade natal de novo. Umidade não faz nada pelo meu cabelo. Eu desço as escadas correndo, antes que Dex tenha a chance de me pegar, eu vou atirar na minha cabeça se ele tentar explicar mais do que ele já fez. Ele realmente acha que eu sou burra, porque meu cabelo é loiro? Eu não sou nem uma loira de verdade, você pode dizer pelas minhas raízes escuras. Embora, eu tenha dito a ele esse fato um milhão de vezes. Olhando para a hora no meu celular, vejo que mal tenho tempo para pegar um café gelado, antes de ir à biblioteca para minha nova sessão de tutoria com um cara misterioso. Seus pais são os que me procuraram. Depois que perceberam que eu não tinha ideia de quem era o filho deles, fui contratada para ser sua tutora. Ah, sim, eu recebi três pequenas regras também. Um, nunca fale sobre basquete. Dois, nunca fale sobre um cara que nem me lembro, porque não tenho ideia de quem ele é. Três, dizer-lhes se ele estiver sempre sob influência. Eu acho que posso gerenciar os dois primeiros, mas a terceira é um pouco difícil. Eles estão me pagando para ajudá-lo a se formar este ano, não para ser sua babá. Felizmente, meu ex mora perto do campus e eu já estou no meio do caminho. Mudando de lugar através dos campos de grama, vejo um dos meus vendedores de café favoritos e, felizmente, ele não tem fila. Ele me vê chegando e oferece um sorriso. Nick é um cara legal, mesmo depois que minha melhor amiga o chutou para o meio-fio com as notícias de ontem. A India é daquelas


garotas que, ou você ama ou você odeia e o pobre Nick se apaixonou por seu charme sulista. "Mocha duplo shot café gelado vindo para cima." Nick pisca para mim, enquanto ele pega um pouco de gelo. “Música para os meus ouvidos, tenho uns cinco minutos para chegar à minha sessão de tutoria. Espero que ele esteja atrasado.” Nick ri enquanto faz minha bebida. "Quem é a alma da sorte desta vez?" Eu sorrio, ele conhece todo mundo. "Cuba Knight, eu acho que é o sobrenome dele." Café espirra sobre seu avental. "Merda, desculpe." "Você está bem?" Eu franzo a testa enquanto ele limpa a bagunça e começa a refazer minha bebida. "Sim. Sim, desculpe.” Ele não olha para cima. "Então, você conhece esse cara, Cuba?" Eu pressiono. Nick geralmente me conta tudo sobre meus novos clientes, mas ele ficou estranhamente silencioso. Colocando um top no meu café, ele olha para mim, sem sorriso. "Não há muito a dizer sobre isso, apenas tenha cuidado." “Cuidado como? Ele é perigoso?” Entrego o meu cartão e ele acena, como de costume. Nick franze a testa como se estivesse pensando em como explicar isso. “Eu não diria perigoso, ele tem sido um tipo de pessoa sumida


por um tempo. Apenas não pergunte sobre nada pessoal. Mantenhao estritamente de tutoria.” Tomando um gole muito necess|rio do meu café, eu aceno. “Sim, eu tenho algumas regras a seguir. Nenhuma conversa sobre basquete e um cara, não consigo lembrar o nome dele.” "Jackson." Nick olha para longe. “Não o levante. Olha, só não fique pessoal com Cuba. Confie em mim.” Ele olha para trás. "Você precisa ir e eu tenho mais café para fazer." Virando a cabeça, vejo uma fila se formando, opa. Eu volto a olhar para Nick e pego meu café das mãos dele. "Até a próxima." Seguindo seu conselho, continuo em minha curta viagem até a biblioteca, onde logo encontrarei esse homem misterioso. Eu só preciso fazer meu trabalho de tutoria neste verão e provavelmente nunca mais o verei quando as aulas começarem no outono. Geralmente é assim que acontece. Entrando pelas portas da frente, o cheiro de livros e café estragado me atingiu, e eu me sinto em casa. Eu vivi na biblioteca, crescendo, sempre lendo coisas aleatórias. Eu amo a história, sou mais obcecada com isso, aprendendo como a história foi feita e moldada. Os pequenos pedaços que se encaixam em todo o mundo. Como as guerras começaram e terminaram. É tudo incrível de uma maneira. Acho que foi assim que me tornei major3 da história. Meus pais não piscaram quando eu disse a eles que eu ia ser professora de história. Meu pai esperava que eu mudasse de ideia e fosse para a escola de enfermagem, para a faculdade de direito, para o inferno, 3

Major é um dos nomes em inglês dados a uma graduação ou bacharelado.


até para a faculdade de medicina, mas não, estou a um ano de ser professora. A Sra. Scott, a bibliotecária, me dá um sorriso caloroso enquanto passo por ela até a sala de conferências que costumo usar. Eu acho que estar ao ar livre é uma distração e na maioria das vezes os amigos param e interrompem minhas sessões. E essa merda é chata. Então, eu me inscrevo para usar uma sala privada para menos distrações. A porta da minha sala está entreaberta e eu respiro fundo e rezo para as estrelas para que isso dê nada de errado. Droga Nick, eu nunca deveria ter contado a ele. Esfregando meu pingente de flecha no meu colar, eu abro a porta e paro de repente em meus pés. Ele não estava mentindo quando disse que eu fosse cuidadosa. Esse homem na minha frente, batendo em seu telefone, é problema na carne. Tomando em sua suave e leve pele de mocha, estrutura magra construída, eu engulo. Uma camiseta branca se agarra ao peito largo e os braços tatuados, uma fina corrente de ouro pendurada em seu pescoço. Calças jeans desgastadas cobriam as pernas compridas que paravam em seus tênis brancos muito caros. "Bliss?" Uma voz suave traz meus olhos para cima. Oh Deus. Ele está falando. A cadeira recua, e meus olhos seguem enquanto ele está em sua altura total. Agora eu entendo a regra do basquete. Ele tem que ter uns dois metros, pelo menos. Sua mandíbula forte e seus olhos cor de avelã e amendoados olham para mim. Piscando, eu me atrapalho com a aba da minha bolsa, tirando o papel com todas as informações dele. "Hum, Cuba?" Eu olho para ele.


"Sim, eu sou Bliss." Eu odeio o meu nome hippie. Por que meu pai concordou, está além de mim. Ele sorri e eu quase desmaio. "Eles enviaram alguma garota do Coachella4 para me ensinar?" O que diabos ele acabou de dizer? Eu empurro minha cabeça para trás. "Com licença?" Cuba balança a cabeça e pega sua mochila. “Você é seriamente uma tutora ou apenas uma groupie5? Eu disse a eles que queria alguém que não me conhecesse.” Calor sobe para minhas bochechas. “Primeiro de tudo, eu não sou uma groupie. Então, obrigada por me insultar. Segundo, eu não sei quem você é ou por que você se sente no direito de falar comigo dessa maneira, e terceiro, eu nunca fui ao Coachella. Então, você quer aprender sobre Alexandre, o Grande, ou não, porque eu odeio perder meu tempo.” Ele está completamente acabado. Quem diabos ele pensa que é? Eu procuro seus olhos, mas eles são claros como o dia. Infelizmente, ele é um verdadeiro idiota e não está sob influência. Colocando uma mão no meu short jeans coberto no quadril, eu estreito meus olhos e o encaro. Seus olhos olham de volta para mim e eu levanto uma sobrancelha.

Coachella é uma cidade localizada no estado da Califórnia e é conhecida por sediar desde 1999 um festival anual de música, o Coachella Valley Music and Arts Festival 5 Groupie é um termo em inglês utilizado para caracterizar jovens mulheres que admiram um cantor de música pop ou rock, seguindo-o em suas viagens, em busca de um envolvimento emocional ou sexual com seu ídolo 4


"Então, o que vai ser?" Eu pressiono. Minha outra mão aperta meu café, e eu respiro fundo para me acalmar e o solto, porque se eu derramar isso, vou ficar mal-humorada. Ele puxa a cabeça para trás e inclina-a, seus olhos não se estreitam mais para mim. "Você realmente não sabe quem eu sou?" "Não", eu bufei. "E eu realmente não estou de bom humor. Eu acabei de pegar meu namorado me traindo e meu café está diluindo a cada minuto. Eu preciso dessa cafeína forte.” Passei por ele, colocando meu café e agora papel molhado na mesa. Puxando minha alça da bolsa sobre a minha cabeça, eu caio na cadeira de madeira. Eu olho para cima para ver Cuba olhando para mim com os olhos arregalados, sua mochila caindo no chão, e ele toma o assento do outro lado da mesa. "Quer que eu bata na bunda dele?" Ele pergunta casualmente, enquanto tira seu MacBook de sua bolsa junto com seu livro de história, bloco de notas e caneta. Eu quase sorrio, mas balanço a cabeça. "Não vale a pena." Eu puxo minhas coisas para fora da minha bolsa, abrindo meu MacBook e ligando-o. "Então, seus pais disseram que dependia de você quantas vezes nos encontramos." Eu olho para a borda do meu laptop. Ele encolhe os ombros e esfrega a parte de trás do seu pescoço. "Hum, não tenho certeza. Talvez duas vezes por semana?” Eu concordo. “Claro, o que for melhor para você. Que tal você passar por cima da pasta de trabalho e me avisar se tiver alguma dúvida?”


Ele balança a cabeça e começa a folhear o livro enquanto eu pego meu telefone. Dex tem mandado mensagens de texto sem parar, e acabo bloqueando suas ligações e textos. Em seguida, eu mando um texto para India, deixando-a saber que Dex está morto para nós. Eu não espero pela resposta dela e coloco meu celular de volta na minha bolsa. Eu tento não ter isso durante as minhas sessões porque é rude. Puxando o Google para o meu navegador, eu debato sobre procurar por Cuba. Aparentemente, ele queria alguém que não o conhecesse, mas por quê. Ele era realmente um grande problema para pensar que eu seria uma groupie? Será que procurá-lo seria uma invasão de privacidade? Quero dizer, se é do conhecimento público, tudo bem, certo? Então eu penso nas regras. Se eu ler alguma coisa, isso me fará querer fazer perguntas. Perguntas que eu provavelmente não deveria perguntar. Curiosidade matou o gato e tudo isso. "O que há com todas as flechas?" Cuba pergunta, e meus olhos voam para o seu. É como se ele soubesse que meus dedos estavam coçando para digitar o nome dele. Confusa, inclino a cabeça: "O quê?" Ele acena para o meu laptop, depois para mim. “Você tem flechas em todos os lugares. Seu colar, parece que você nunca tira isso, do jeito que você continua esfregando. Você as tem em seu laptop, sua bolsa e há uma pequena tatuagem atrás da sua orelha direita.”


Como o inferno? Minha mão conscientemente voa para o meu pescoço e esfrega o pequeno charme na base. Engolindo, limpo minha garganta. "Para alguém que pediu que eu não fizesse perguntas pessoais, você com certeza não pode seguir suas próprias regras." Eu arqueio uma sobrancelha. Seus lábios cheios puxam em um sorriso sexy. "Touché, Arrow6." "Você acabou de me chamar de Arrow?" Outro sorriso sexy. "Sim, Bliss não parece realmente se encaixar em você. Você é afiada como uma flecha.” Eu empurro minha cabeça ligeiramente para trás. "Por quê? Porque você me chamou de groupie e eu não estou mais impressionada com você?” Seu sorriso se transforma em um sorriso completo mostrando seus dentes perfeitos. "Você ficou impressionada comigo?" "Foi, pretérito." Eu rolo meus olhos. "E fiquei um pouco impressionada até você abrir a boca." O sorriso de Cuba cai e ele esfrega o pescoço. “Sim, desculpe por isso. Foi um ano difícil e eu não estive muito por perto, então eu não tinha certeza para o que eu estava voltando. Eu só quero ser discreto agora, então se você pudesse manter nossas sessões no mínimo, eu realmente apreciaria isso.”

6

Arrow significa flecha


Apertando os olhos para ele, bato meus dedos na mesa. “Posso te procurar no Google? Eu me sinto melhor perguntando do que atrás de você.” "Eu prefiro que você não o faça." Seus olhos prendem nos meus. "Por quê?" “Porque prefiro que você não me julgue pelo que est| escrito sobre mim. Eles acham que me conhecem, não sabem. Depois deste verão, você nem vai me conhecer também.” Eu ignoro o impacto na minha alma; ele deixou muito claro que ele não queria que eu soubesse nada sobre ele. Tudo bem, como se eu quisesse conhecê-lo de qualquer maneira. Ele é um idiota. Sacudindo meus olhos para longe dele, eu tomo um longo gole do meu café. "Então, o que você sabe sobre Alexandre, o Grande?" Eu não olho de volta para ele enquanto eu passo minhas anotações. "Ele é gay certo?" Eu bufo. "A maioria dos homens gregos foram, diga-me outra coisa." Silêncio. Eu olho para ele. "Sério? Você faltou a aula de história do mundo?” Cuba encolhe os ombros. "Eu acho que eu estava doente naquele dia." Xingando, eu estabeleço minhas anotações. "Alexander o terceiro da Macedônia, maior comandante do seu tempo." Eu tento


movimentar sua memória, mas ele balança a cabeça. "Mas você lembra que ele era gay, mais chocante." Ele encolhe os ombros novamente. "Bem, é por isso que estamos aqui, certo?" "O que você está fazendo em sua carreira?" Estou fazendo isso porque sou formada em história e tenho um interesse especial na civilização antiga. "Isso importa?" Sua mandíbula corre e ele se inclina para trás. "Eu preciso da aula, então aqui estamos nós." Nós nos encaramos. Como isso vai funcionar quando eu não posso nem mesmo fazer algumas perguntas simples? Temos um mês até o próximo semestre começar, oito sessões. Eu vou ter que cortar este curto hoje, eu preciso ir para casa e me organizar, chegar a um plano de jogo sobre como abordar nossas sessões. Eu posso admitir que Cuba é sexy, mas ele é um idiota. Eu vejo porque eles queriam alguém que não o conhecesse. Além disso, ele deixou claro que eu nunca o conheceria. Verificando a hora, vejo que estamos aqui há apenas quarenta e cinco minutos. "Então, que tal nos encontrarmos na quinta-feira, mesma hora?" "O que?" Ele leva a cadeira para trás. "Nós mal fizemos nada." De pé, coloco a mão no meu quadril. "Esta foi apenas uma sessão, eu estava vendo onde você estava", eu minto. "Que tal você ler as páginas dez a quarenta e sete e podemos discutir na quinta-feira?"


Ele se levanta e dá de ombros em sua mochila. "Eu acho, mesma hora?" Eu aceno quando eu recolho minhas coisas. "Certo. Eu vou te ver então.” Cuba se vira para sair, mas para e olha para mim. "Devemos trocar números ou algo assim, e se eu não conseguir aparecer quintafeira?" Normalmente eu não tenho nenhum problema em dar meu número por razões de tutoria, mas algo está me dizendo que dar a ele o meu número seria desastroso. Mordendo meu lábio, eu rapidamente o liberto. Quer dizer, eu sempre poderia dar meu email, mas raramente dou uma olhada. Eu interiormente gemo. "Sim." Eu dou a ele meu número e ele rapidamente programa em seu telefone. "Legal, então eu vou te ver na quinta-feira." Ele ajusta sua mochila, desajeitadamente. "Sinto muito pelo que disse antes, não volto ao campus há algum tempo e estou apenas tentando manter a calma." Eu arqueio uma sobrancelha. “Sim, me chamando de groupie est| sendo discreto. Você é apenas um idiota.” Meus olhos se arregalam um pouco. Eu não disse isso em voz alta. Mas o olhar surpreso em seu rosto que me diz que sim. Acabei de chamar meu cliente de idiota. Seus olhos castanhos estreitam-se levemente e seus lábios cheios se enchem de um sorriso. "Sim, esse foi o idiota em mim, espero que você não segure isso contra mim. Mais uma vez, sinto muito. Você não é uma fã do Coachella.” Seus olhos percorrem meu corpo, seus


dentes puxando seu lábio inferior enquanto seus olhos encontram os meus novamente. "Eu vou te ver mais tarde, Bliss." Meu nome escorrega de sua língua enquanto ele desaparece pela porta. Eu soltei um grande fôlego. O que diabos aconteceu? Claro, eu já ensinei caras gostosos antes, mas nenhum como Cuba. O ar na sala é diferente com ele, e eu respiro um pouco mais leve. Todos os ossos do meu corpo dizem-me para dar um Google em tudo sobre ele, ou espremer a informação de Nick, mas o olhar em seus olhos me rendeu, me deu um aviso para não ir longe demais. Balançando a cabeça, me recomponho e saio da sala. Cuba não está à vista, sem dúvida ele tirou o traseiro daqui, esperando que ninguém o visse, sendo discreto e tudo. Eu aceno para a Srta. Scott no meu caminho para fora, ela levanta uma sobrancelha grisalha, mas sorri. Ela sabe quem é Cuba e que eu sou sua tutora? Provavelmente. Sorrindo de volta, corro para as portas. Eu tenho que criar um plano mestre. A Missão Tutora de Cuba está agora em processo. No momento em que entro no meu apartamento, sinto o cheiro de alguma coisa queimada, acho que é queijo. Ah não. "Maldição India, não queime o lugar." Eu coloco minha bolsa no sofá e ando até a cozinha, onde minha melhor amiga está pulando segurando seus dedos. Seus olhos verdes água me encaram. "Eu tenho uma queimadura." Ela solta a mão para me mostrar as pontas dos dedos vermelhas.


Olhando para o fogão, vejo o que parece ser um queijo grelhado ainda na frigideira. "Então, você esqueceu de usar uma espátula de novo?" Eu amo minha melhor amiga e colega de quarto, eu realmente amo, mas às vezes me pergunto como ela entrou na faculdade. Claro, ela está aqui em uma bolsa de estudos de alegria, mas às vezes eu me pergunto como ela chegou até aqui ao longo da vida sem nenhum osso quebrado. Ela é uma querida, e fofa com seus longos cabelos castanhos, pele caramelo e brilhantes olhos verdes. Ela é pequena com curvas mortais, que os garotos ficam loucos. Ela suspira. "Eu não posso encontrá-la." Ela pega a panela e joga o sanduíche no lixo e a panela na pia. "Como foi sua sessão, e o que diabos aconteceu com Dex?" Agarrando uma garrafa de água da geladeira, foi minha vez de suspirar. "Eu peguei Dex em uma posição comprometedora, com uma morena muito peituda." “Foda-se, você é melhor do que isso. Você merece alguém que pode pelo menos atingir seu ponto G e fazer você gozar, garota.” Ela se irrita. "E a sessão, quem é a última vítima, alguém que eu conheço?" Eu brinco com a tampa da minha garrafa de água. "Provavelmente, mas se eu te disser, você tem que prometer não dizer nada a ninguém e não me dizer nada sobre ele", eu digo devagar. Indi franze a testa, confusa. "Ok, prometo." "É Cuba Knight."


Seus olhos se arregalam, mas rapidamente voltam ao normal. "Cale a boca", ela sussurra em choque. "Ele voltou?" Meus olhos se enchem de confusão. "Voltou? Quando ele foi embora?” Eu paro. "Você sabe o que, não responda a isso. Estou decidida a não saber nada sobre ele, e acho que perguntar sobre ele conta.” Indi puxa seu cabelo escuro em um coque bagunçado. "Bem, ele nem sempre foi um idiota." Ela encolhe os ombros e começa a limpar a bagunça que ela fez. "Se alguém pode lidar com Cuba 'Depois de Jackson', é você." Esse nome novamente. Jackson. Cuba disse que preferia que eu não o procurasse, porque ele não quer que eu o julgue pelo que está escrito sobre ele. Eles não o conhecem e eu também não. Então, há as regras, não posso perguntar. Essas paredes que ele construiu farão a tutoria difícil. Eu não estou tentando sair com o cara, apenas certificando-me de que ele esteja em dia. Ter alguma conversa amigável ou apenas algum tipo de familiaridade tornaria isso muito mais fácil, talvez seja capaz de respirar em torno dele. Empurrando o balcão. "Obrigada, eu definitivamente amo um desafio." Tutoria Cuba Knight definitivamente vai ser um desafio.


O fedor de paredes recém-pintadas enche meu nariz. Eu odeio o cheiro. Nos últimos seis meses, meu terapeuta sente a necessidade de pintar as paredes todos os meses. Eu acho que ele faz isso para me incomodar, ou inferno, talvez ele precise de um terapeuta. Eu não ficaria surpreso se meu psiquiatra precisasse de um psiquiatra. Oliver. Ele insistiu que eu o chamasse pelo seu primeiro nome, já que raramente o chamo de alguma coisa. Eu não quero estar aqui, mas faz parte do acordo com meus pais. Eu devo muito a eles. A noite em que me encontraram... Não vou esquecer aquela noite. Meus pais bateram o martelo. Eles exigiram que, se eu quisesse ficar nesta família, eu tinha que ir à terapia. Eu tinha que voltar para a faculdade. Eles sabiam que não deviam empurrar o basquete para mim. E honestamente, não acho que eles se importavam se eu jogasse ou não. Oliver bate a caneta rapidamente contra o bloco de notas, esperando que eu responda, suponho. Eu inclino minha cabeça e olho para ele. Ele é um cara jovem, parece que ele acabou de obter


seu diploma na semana passada. Oliver é o que eu chamaria de hipster com sua calça cáqui, camisa de botões xadrez e óculos de Clark Kent emoldurados em preto. Ele até tem um coque empoleirado no meio da cabeça para completar. “Então, como foi a sessão de tutoria? Estar de volta ao campus?”, Ele pergunta novamente. Olhos cinza tempestuosos brilham com o pensamento da minha tutora, e eu sorrio. "Foi tudo bem." Ela não é minha maior fã. Com razão, quando eu soube que teria uma professora, eu estava pensando em uma nerd desmazelada vestindo uma camisa de gola alta até os olhos. Eu não estava esperando longas pernas bronzeadas em um par de shorts cortados e uma blusa baixa o suficiente para ver o inchaço de seus seios perfeitos. Seus lábios normalmente picados de abelha foram pressionados em uma linha dura, e seus olhos cinzentos se estreitaram de uma forma tão impressionante, quando eu a chamei de groupie. Além disso, eu não estava preparado para ela me colocar na minha bunda. Bliss era linda, inteligente, e não dava a mínima para quem eu era, nem parecia que ela iria aguentar minha merda. É como se alguém a tivesse empurrado para a minha vida para me arruinar ainda mais, porque Bliss é o que meus melhores sonhos são feitos, e o que meus pesadelos são mortos. Ela é a pior distração na carne. Uma distração que não posso ousar tocar. Pela primeira vez desde a morte de Jackson, não estou entorpecido.


Deixei claro que ela nunca me conheceria, porque, se o fizesse, olharia para mim com mais repulsa do que já faz. Pelo menos eu posso cobiçá-la nas próximas quatro semanas, então ela provavelmente nunca mais me verá. É melhor assim, eu só tenho que fazer meu pau concordar. Oliver concorda com a cabeça. “Ela sabia quem você era? Eu sei que isso foi um bom negócio.” Eu sacudo minha cabeça. "Não, ela não sabe." Suas sobrancelhas se erguem. "Ela?" Eu concordo. “Sim, ela é legal. Ela não d| a mínima para quem eu sou” eu paro “ou fui.” Eu dou de ombros. "Você quer dizer quem você é" Oliver me corrige. Aqui vamos nós mais uma vez. Eu costumo discutir com ele sobre isso, porque eu não sou quem eu costumava ser, eu sou uma versão de quem eu fui uma vez. Pretérito. Eu dou de ombros novamente como se estivesse dizendo o que quer que fosse e ele suspira. Ele sempre suspira nessa parte. A parte em que minha autopiedade entra em ação e me recuso a acreditar que não sou essa casca do meu passado fodido. Que eu ainda estou lutando para lamentar a perda do meu melhor amigo, ainda lutando para deixar ir e aceitar o fato de que minha vida deve continuar. Voltar para a faculdade deveria ajudar... Um passo... Voltando para uma rotina normal.


"Você já respondeu a Cameron sobre sair?" Oliver muda de assunto. Passo dois, saia com os amigos. Ou amigo. Cameron não era exatamente o nosso terceiro mosqueteiro, mas ele ficou com Jackson e eu mais do que um punhado de vezes, e ele é bem legal. Ele tem me mandado mensagens perguntando se eu quero sair, fazer alguma coisa, qualquer coisa para me tirar do meu apartamento. Já faz quase um mês e eu ainda não respondi. Eu posso ter deixado escapar que eu estava voltando para a faculdade no segundo semestre do ano passado em uma breve conversa que tivemos. Agora ele quer sair. Eu sacudo minha cabeça. "Não." Eu paro. “Mas talvez eu v|. Veremos." Ele sorri brilhantemente como se tivéssemos feito algum avanço. Talvez para ele, mas um avanço para mim é pegar uma bola de basquete de novo. Isso será um grande avanço, que eu não vejo acontecer.

*****

JacksonEu conheci essa garota, bem, tem essa garota que é minha tutora. Você sabe o que meus pais me fizeram ficar. Ela não tem ideia de quem eu sou ou sequer se importa. Quão louco é isso? Ela até me chamou de idiota na minha cara. Seu nome é Bliss, ela é louca, inteligente e linda, cara. Espero que na próxima sessão eu não seja


muito idiota. A terapia está indo bem, Oliver está desesperado para me trazer de volta de onde eu estava, você sabe, antes de tudo acontecer. Eu quero fazer nossos sonhos se tornarem realidade, Jack. Eu realmente sei que você gostaria disso para mim, mas é difícil. Ainda estou aceitando tudo. Eu só preciso começar a viver de novo, Oliver diz, talvez ele esteja certo. Veremos. Eu sinto sua falta, cara. Sempre. -Cuba Eu olho para a carta antes de dobrar e colocá-la na caixa com o resto delas. Oliver me fez começar a escrever para Jackson depois da nossa primeira sessão, e eu odeio admitir, ele estava certo sobre alguma coisa. Escrever minhas cartas diárias facilitou. Não, isso não me faz sentir que ele está aqui comigo, mas isso me faz sentir mais perto dele em certo sentido. Fechando a tampa da caixa, eu a deslizo debaixo da minha cama. Eu não sei porque eu escondo, porque ninguém vem e ninguém, com certeza, vem no meu quarto. Eu procuro uma garota aleatória de vez em quando, deixo ela me chupar no sofá e mando-a embora, sem amarras, apenas uma liberação física. Passei a maior parte do ano passado muito bêbado ou muito drogado para querer sexo.... Qualquer coisa além de um boquete aleatório era mais intimidade do que eu poderia suportar. Agora há Bliss, a coisinha mal-humorada é a única mulher que fez meu pau se contorcer no ano passado. Preciso ter muito cuidado com ela, posso dizer que ela não é um tipo de garota sem compromisso.


Puxando meu celular para fora, eu envio para Cameron um texto rápido. Eu: Eu vou te encontrar quinta-feira, no Dixie. O Dixie's é um bar com barra de café no campus. Eu realmente não deveria estar perto do álcool, mas eu posso tomar um café ou algo assim. Eu não sou fraco, posso controlar minha bebida, ao contrário do que todo mundo parece pensar. O álcool me ajudou. Sim, eu me tornei imprudente com isso, mas eu não sou alcoólatra e não sou viciado de qualquer tipo. Mas, foda-se, eu não tenho tempo para discutir com eles. A única coisa que meus pais me deixam fazer é fumar maconha, mas só porque Oliver disse que me ajudaria. Eu só tenho permissão para fumar certa variedade, sem a merda da rua para mim, e mesmo assim, eu mal fumo mais. Só quando estou tendo uma noite ruim e não consigo dormir, mas isso está melhorando. Meu telefone vibra na minha mão, assustando a merda fora de mim. Cameron: Inferno Sim, já era tempo mano. Sim, está na hora. Jackson iria querer isso para mim. Isso é o que meu psiquiatra me diz, pelo menos. Em vez de responder, chamo a minha mãe. Eu não falo com ela em poucos dias, e sei que ela se preocupa, mas ela tenta me dar espaço. O telefone nem toca uma vez antes de sua voz suave chegar na linha. "Ei, menino" Eu não a corrijo como eu costumo fazer, ela só vai me dizer que eu sempre serei seu bebê.


"Ei, mãe." Eu sorrio. "Como você está?" "Eu estou bem, você sempre pode vir nos visitar e ver por si mesmo, estamos a apenas uma hora de distância." Diz Mamãe, eu sei que preciso visitar, mas é difícil. Os pais de Jackson ainda moram ao lado e uma visita aos meus pais pode significar que eu iria encontrálos. Não consegui olhar nos olhos do Emmitt durante muito tempo. Meu sorriso desaparece. “Eu sei, mãe. Em breve, prometo." Nós dois sabemos que não irei, mas jogamos esse jogo toda vez. Ela suspira. “Como você está, Cuba? Como é o tutor?” Bliss pisca em minha mente. "Eu estou bem e ela é ótima." "Ela?" Sua voz engata. "Eu pensei que nós pedimos por um cara?" "Tudo bem, ela não tem idéia de quem eu sou, e posso dizer que ela não dá nenhuma merda." "Linguagem", mamãe dispara, mas então sua voz fica suave. "Então, ela é uma garota legal?" Essa é a maneira da minha mãe perguntar se ela é uma garota livre. “Sim, ela é uma garota muito legal. Não se preocupe, eu não estou no radar dela.” Ela parece estar feliz com isso e não faz mais perguntas. Conversamos por vinte minutos, antes de dizer a ela que vou para a cama. Um dia eu vou para casa e enfrento os pais de Jackson.


Eu respiro fundo enquanto passo meu rímel favorito. "Eu tenho isso." Eu digo a mim mesma dando-me um aceno reconfortante. Minha segunda sessão com o idiota é em uma hora. Eu fiquei meio surpresa que ele não cancelou, exigindo outro tutor. Puxando meu vestido de verão verde, eu olho de volta para o espelho dando outro aceno de cabeça. Meu cabelo está com ondas, cortesia da minha adorável cama. A Indi sempre pergunta como eu puxo a cabeça da cama como uma super modelo. O que posso dizer, eu literalmente acordo assim. Minha maquiagem é leve, desta vez não sobrecarreguei o contorno, e duvido que meu iluminador atraia os segredos de Cuba. Girando em minhas sandálias de tiras nude, eu pego minha bolsa de mensageiro, deslizando-a por cima do meu ombro. Indi está deitada no sofá quando eu saio, ela olha para cima quando eu pego minhas chaves. "Você não parece uma refeição leve." Ela sorri para mim. "Encontro quente?"


Franzindo a testa, olho de volta para o meu vestido, as cordas amarradas em laços no topo dos meus ombros, a cintura enrolada com o meu cinto marrom fino favorito, a bainha parando no meio da coxa. Meu colar de flechas fica na base do meu pescoço, desta vez unido a outros pequenos colares de ouro. Pulseiras de ouro empilhadas no meu pulso direito batendo umas nas outras. Eu pareço normal, não sai do meu caminho para me vestir muito, não para ele. Encolhendo os ombros, olho para ela. “Sem encontro quente, eu tenho uma sessão. É só um vestido.” “E é apenas Cuba Knight. Vamos l|, garota.” Indi ergue uma sobrancelha, franzindo os lábios. "Você quer o D." Eu a corto. "Eu não sou você, enxada." Então um pensamento vem para mim. "A menos que..." "Claro que não." Ela me cortou. “Eu poderia estar dando muito com minha vagina, mas ela não foi tão abençoada em sua viagem. Meninas...“ Segurando a mão, eu a paro. "Shh, lembre-se, eu não quero saber." Eu não quero ouvir sobre sua vida sexual. Ela morde um sorriso e acena os dedos para mim. “Bem, divirtase, espero que ele não seja muito idiota. Você tem isso, B Money.” Balançando a cabeça, abro a porta da frente. “Pare de assistir Wild'n Out. Vejo você mais tarde."


Eu saio antes que ela possa responder. Recuso-me a admitir para ela ou para qualquer um que eu acho Cuba atraente. Se ele não fosse tão idiota, ele ficaria ainda melhor e isso poderia ser perigoso. O campus fica quieto quando eu chego lá, geralmente é durante o verão, mas com quatro semanas até setembro, os alunos começarão a aparecer em breve. Isso me lembra, nós só temos mais seis sessões, mais três semanas e tudo acabará. Eu provavelmente nunca mais o verei de novo, e espero que ele possa pelo menos ser cordial, ao contrário da semana passada. Eu paro em um vendedor que está perto da biblioteca e pego uma garrafa de água. Acho que vou pular o café hoje, além disso, tomei pelo menos três xícaras mais cedo, esta manhã e não preciso de mais cafeína. "Bliss". Uma voz familiar chama meu nome. Eu me viro e vejo Dex parado a poucos metros de mim, com as mãos nos bolsos. Ele parece ter acabado de sair do ginásio, sua camisa cinza tem marcas de suor. Eu não falo com ele desde a semana passada. Claro, ele está ligando e mandando texto, mas o que há para dizer? Eu arqueio uma sobrancelha. "Dex." Ele dá alguns passos para mais perto de mim, e eu aperto a alça da minha bolsa. "Eu tenho tentado falar com você." Ele tem a coragem de parecer triste. "Você realmente vai jogar os últimos seis meses no lixo?"


Balançando a cabeça, não posso acreditar que saiu da boca dele. “Uau, você est| realmente enganado. Lembro-me de você ter jogado os últimos seis meses fora, não eu.” Seus olhos azuis estreitam. "Você disse que me perdoou." Oh garoto, ótimo, isso aconteceria agora. Forçando um pequeno sorriso, eu cerro meus dentes. "Não, eu não fiz." Ele dá outro passo, estende a mão e agarra o pulso do meu braço livre com força. "Baby, você deve ter esquecido, antes de sair nós conversamos sobre isso, você disse que sim quando eu perguntei se estávamos bem." Eu calmamente olho para o meu pulso, onde ele ainda me segura. “Eu me soltaria se fosse você, Dex.” Sacudindo meus olhos para os dele e os segurando lá. "Deixei-me. Ir. Agora." Dex sorri, mas não solta. Estou a dois segundos de colocá-lo em sua bunda, quando ouço outra voz familiar e eu gemo por dentro. Eu olho para trás de Dex e respiro fundo quando vejo olhos castanhos brilhando para nós. "Ela disse para você soltá-la." As mãos de Cuba seguram suas alças da mochila. Dex deixa cair meu pulso e gira ao redor. "Cuide da sua própria..." Ele recua, quase me empurrando. "Merda, Cuba, eu não sabia que você estava de volta", ele diz casualmente, como se ele não estivesse apenas agindo como louco um segundo atrás.


Cuba da um encolher de ombros. "Você é tão observador, Dex." Seus olhos se voltam para mim, em seguida, para Dex. "Você acabou de assediar minha tutora?" Ele quase parece entediado. "Eu não terminei de falar com a minha namorad...", Dex começa, mas eu o interrompo. "Ex-namorada, e nós acabamos de falar." Eu olho para ele, e ele olha de volta. "Legal". Cuba passa por Dex e para a poucos passos de mim. "Esta pronta?" Assentindo, eu olho para longe de Dex, eu só quero bater em seu rosto estúpido. "Sim, eu estou pronta." Ajeitando a minha bolsa, eu me afasto. Eu ouço Dex dizer alguma coisa para Cuba, mas eu não entendo a resposta dele, só sei que ele está perto de mim porque eu posso ouvir seus passos seguindo-me até a biblioteca fria. Agora eu gostaria de ter trazido uma jaqueta, mas sabia que caminhar até o campus me deixaria quente e eu não queria carregá-la. Meus pés já estão lamentando a caminhada de quase um quilometro. Nós caminhamos calmamente para a nossa sala, eu não sei se eu deveria agradecê-lo por ter se aproximado de mim lá fora, ou não, porque eu tinha isso totalmente coberto. Então, novamente, isso poderia funcionar a meu favor. Eu espero a porta se fechar atrás de nós para dizer alguma coisa. "Hum, obrigada...", eu começo, mas Cuba me corta quando ele tira sua mochila. "Dex Collins, realmente?" Ele desliza em uma cadeira à mesa. "Eu pensei que você fosse inteligente, Arrow."


Eu fico lá por um segundo, congelada, ele acabou de me chamar de idiota? Ele fez, ele está dizendo que sou idiota. Bufando, me sento em frente a ele, puxando a alça da minha bolsa de mensageiro por cima da cabeça. “Eu ia agradecer antes de você abrir a boca e me lembrar que você é mesmo o idiota da semana passada.” Puxa, qual foi o seu acordo? Ele é quente e frio, é chato. Ele apenas dá de ombros, essa parece ser sua resposta normal até agora. Eu olho para ele enquanto ele pega seu livro e laptop, claramente ignorando meu olhar mortal. Toda essa missão que conjurei na minha cabeça estava começando a parecer impossível, trabalhar com ele vai se arrastar porque ele não pode decidir se quer ser um idiota ou não. Respirando fundo, faço o mesmo e pego meu laptop, livro e anotações. "Então, onde você está, você leu as páginas?" Eu me estabeleço, é o silêncio dele que finalmente me faz olhar para ele. "Sério?" Eu posso dizer pelo olhar em seu rosto que ele não leu. Cuba olha para longe do meu olhar. "Eu simplesmente não consegui, é chato." Minha mão voa para o meu peito. "Chato?" Me ouço engasgar. “A história é tudo menos chata. A história faz tudo o que fazemos ter sentido. Há muita coisa que faz do mundo o que é hoje.” Seus olhos se arregalam e seus lábios se contraem como se ele quisesse rir. "Eu acertei um nervo?"


Eu quase volto sobre a história do basquete, mas não sou tão mesquinha, diferente dele. "Nenhum golpe nervoso, Cuba." Eu sorrio brilhantemente para ele. Ele me dá um olhar estranho, mas eu me arrependo. “Você quer tentar ler essas p|ginas novamente ou gostaria de se sentar na minha frente e eu posso ler para você como uma criança.” É claro que nenhum nervo foi atingido, é apenas minha paixão que ele insultou. Seu pequeno sorriso caiu. "O que você acabou de dizer?" Ele parecia mais chocado do que qualquer coisa, mas eu não estava recuando, então eu arqueei uma sobrancelha. "Você me ouviu." Meus olhos se prendem a ele. Do jeito que Dex mudou todo o seu comportamento quando percebeu que estava atrás de Cuba, me disse que Cuba é alguém que não está acostumado com pessoas que falam com ele de certa maneira. Eu bati de frente com ele. Bom. Seus músculos da mandíbula ficam tensos e seus olhos se estreitam, mas, em vez de dizer qualquer coisa, ele abre o livro e afasta os olhos de mim. Ele lê em silêncio, parando com o texto em seu telefone aqui e ali. Eu tento me concentrar em me preparar para minhas aulas de outono, mas não posso deixar de olhar para Cuba. Ele literalmente faz meu sangue ferver, mas caramba, se eu ainda não me sinto atraída por sua pele macia, mocha, coberta de tatuagens e olhos cor de avelã. Eu realmente não deveria estar pensando em nenhum cara, especialmente depois de Dex, mas podese esmagar certo? Mesmo que minha paixão seja um idiota que não gosta de mim.


Seu telefone vibra na mesa, ele está mandando mensagens para alguém, e é claro que estou curiosa para saber se ele está falando com uma garota. O pensamento me incomoda. Ele deixa uma garota safada conhecê-lo e ele nem consegue ser legal por cinco segundos para mim. Estou começando a ficar irritada com a minha atração por ele. Eu ouço meu celular vibrar na minha bolsa, e geralmente não o pego durante uma sessão, mas quando alguém não leu o material de leitura, é meio difícil de ensinar. Agarrando meu telefone, vejo que é Indi. Indi: Então, tem esse cara e ele quer me levar para sair, mas o primo dele está na cidade. Topa um encontro duplo? Por favor. É o Alex do time de hóquei, ele é gostoso, então eu tenho certeza que o primo dele, de Nova York, também é gostoso. Eu gemo, da última vez que fui em um encontro duplo com Indi, o cara era como dois mil libras, e continuava me chamando de Daisy, porque ele não conseguia lembrar o meu nome. "Esse é seu namorado, bom Dex?" Ele deixa cair o telefone na mesa. "Ex-namorado", eu o corrijo. "E não, eu tenho um encontro, na verdade." Cuba zomba. "Mesmo? Qual o nome dele? Dex número dois?” Oh, ele está julgando a minha seleção de homens? Eu penso depressa. "Chris, não que isso deva importar para você." Ele sorri. "Oh, isso não importa."


Eu quero jogar meu celular na cara dele. "Bom. Volte a mandar mensagens para qualquer garota com clamídia que você estava falando.” Seu sorriso fica ainda maior. "Oh, mas isso é importante para você." É isso aí. Eu tiro do meu lugar. "Veja, acabou o tempo." Ele olha para mim, ainda sorrindo, me observando colocando minhas coisas na minha bolsa. "Assim parece." Balançando a alça por cima do ombro, me volto para Cuba. "Eu vou te ver segunda-feira." Eu não espero por ele para responder. Ele está literalmente ficando sob a minha pele da pior maneira. Ele pede desculpas na semana passada, e depois age como um idiota de novo. Talvez Indi esteja errada. Eu não posso lidar com ele. O ar quente me atinge quando eu abro as portas da biblioteca, desço os degraus. Uma vez na calçada, eu tiro meu celular da bolsa, e eu mando uma mensagem de texto para Indi, informando que pode marcar o encontro. Ele não precisa ser fofo nem um idiota. Eu ignoro meus pés doloridos quando começo a fazer meu caminho para casa, desejando ter dirigido. Eu não o entendo, de jeito nenhum. Se ele não vai se aplicar, então não precisamos perder nosso tempo, tenho certeza que os outros professores são tão bons quanto eu. Bem, eu era a melhor quando se tratava de História, mas ainda assim, ele pode levar sua bunda rude em outro lugar. Eu nem percebo que há um SUV branco ao meu lado, estou muito ocupada passando por cima de tudo na minha cabeça, o quanto ele me deixa louca, que a buzina me faz pular.


Eu ando por aí, pronta para ver quem é e qual é o problema dele. Falando no diabo. Cuba está sentado ao volante do Mercedes GWagon com janelas escurecidas e aros pretos foscos. Claro, ele dirige isso. "Quer uma carona?" Ele tem a coragem de me dar um pequeno sorriso. Meus pés estão me dizendo para dizer sim, mas sou teimosa. "Não, obrigada." Continuo andando ignorando meus pés doloridos. Ele me acompanha. "Arrow, pare de ser teimosa e pegue a carona." Eu não paro de andar e ele continua a viajar ao meu lado. "Então, você pode me dizer o quão estúpida eu sou?" "Eu nunca te chamei de idiota." Parando, viro-me para encará-lo, ele freia bem na hora de encontrar o meu olhar. "Você disse que achava que eu era mais esperta do que isso" "Sim, porra, Dex é um palhaço." Ele me corta, um braço sobre o volante e o outro gesticulando para eu ir até ele. "Entre no carro, a menos que você realmente queira andar, é claro." Eu olho para ele. Aqui vai ele de novo, ele está sendo gostoso, e eu tenho certeza que no momento que eu entrar no carro ele vai ficar frio de novo. Eu pondero a ideia, eu não quero pegar a carona dele, mas meus pés vencem, e eu vou até a porta deixando eles saberem que eu não estou feliz com isso, de jeito nenhum.


Abrindo a porta, eu deslizo para o couro preto macio, meus pezinhos suspirando de alívio. Ele espera até eu fechar a porta e colocar o cinto de segurança antes de se afastar do meio-fio. Eu não olho para ele, mas posso senti-lo me encarando. "Posso ter o lado esquerdo do meu rosto de volta?" Cuba ri levemente, em voz baixa. "Você vai me dizer onde você mora ou vai continuar sendo uma burra difícil, quero dizer, é meio fofo." Eu agito minha cabeça ao redor. “Uma burra difícil? Você me faz assim, porque você é tão idiota.” Seu sorriso desaparece e seus olhos voltam para a estrada. "Eu sei", ele diz baixinho, em seguida, limpa a garganta. "Então, as direções seriam boas.” Voltando para frente, eu caio no banco. "Eu moro fora de 9th e Deck." Ele acena, mas não diz nada, o ar muda e ele volta a ser frio novamente. Nós andamos em silêncio, e eu me incomodo com o meu colar de flecha, observando a linha de palmeiras passar, desejando que pudéssemos chegar ao meu apartamento mais rápido. Eu ouço música rap tocando baixo, eu conheço essa música, olhando para a tela grande, eu sabia que é Drake e YG. Eu começo a cantarolar a música e o volume aumenta. Eu olho para Cuba, mas ele não está olhando para mim, mas eu posso ver a sugestão de um sorriso em seus lábios.


Balançando a cabeça, eu olho para longe. “Apenas admita já, você tem planos para fazer isso, garoto nós já fizemos isso. Tenho alguns DMs que eu já fiz, já perguntei ao YG se ele já tinha acertado.” Eu canto junto, balançando a cabeça na batida. O carro para e vejo que estamos do lado de fora do meu apartamento; eu me viro para ver Cuba olhando para mim, os olhos arregalados em choque. Esse é o visual que eu recebo de muitas pessoas quando vejo que eu conheço as palavras de uma música de hip-hop. Eu acho que eles esperam que eu saia em uma música pop. "Sim, eu sei" Eu começo, mas ele começa a rir, me cortando. "Só quando eu pensei que você não poderia ser mais básica." Ele balança a cabeça, sua risada desaparecendo lentamente. Agora eu sou básica? "Não segure a minha conta, e obrigado pela carona, imbecil." Enquanto eu me esforço para liberar o cinto de segurança, os dedos longos roçam contra os meus, e se eu não estivesse tentando o meu melhor para fugir, eu teria sentido o leve tilintar de eletricidade que crepitava entre nós. Assim que ouço o clique do cinto de segurança, empurro a porta, um pé já fora. "Bem, talvez Chris vá gostar de básico, assim como Dex." Eu o ouço dizer quando eu fecho a porta e rapidamente caminho até a minha porta. Eu nem sequer a abro e meus dedos do meio estão coçando para disparar. Esqueça-o, vou nesse encontro e espero esquecer o cliente do inferno que parece disposto a ficar sob a minha pele com qualquer chance que ele tenha. Ele não pode decidir se pode ser um ser


humano decente ou não, mas não posso enfatizar isso agora. Missão Cuba está temporariamente sob controle, por agora. Ele não só me chamou de estúpida, ele me chamou de malditamente básica, e ele chamou a história de chata. Com sorte, não pode ficar pior do que já está, mas então é do cara misterioso que eu estou falando aqui. Cuba - 2 Bliss - 0 Por enquanto, pelo menos.


Jackson, Eu fui um idiota novamente. Toda vez que tento dizer algo legal, acabo insultando-a. Eu consegui não só chamá-la de idiota, mas eu a chamei de básica quando eu realmente quis dizer que ela era esperta demais para ter namorado Dex Collins, e que eu acho que ela fez um rap mais sexy para uma das minhas músicas favoritas. Ela diz que tem um encontro, mas eu não acredito nela, ou eu não quero acreditar. Eu sei que não posso tê-la, mas o pensamento de outra pessoa com ela, cara, meio que me irrita. Mas o que me irrita um pouco mais é que Dex a teve, como diabos isso aconteceu? De qualquer forma, eu tenho que ir ver Oliver. Mais tarde. -C

Minha sessão com Oliver é sempre a mesma, ele me pergunta como eu estou, ele pergunta sobre a faculdade, sobre minha família e amigos, ele até pergunta sobre minha sessão com Bliss. Eu mantenho todas as minhas respostas, tudo está bem, estou


melhorando. Exceto quando os olhos de Arrow piscam na minha cabeça, e eu me lembro de que uma parte de mim ainda está com raiva, e essa emoção está sendo usada na pessoa errada. Mas eu não digo isso a Oliver, ele apenas tenta ler sobre isso, e chegar a algumas besteiras que eu não posso lidar agora. Eu me recuso a deixá-lo saber que ele pode estar certo sobre mim segurando alguma raiva da morte de Jackson. Eu fui tão idiota para ela hoje de manhã e eu não pretendia ser, mas quando vi Dex segurando seu pulso e a ouvindo dizer para ele soltar, algo se transformou em mim e minhas boas intenções diminuíram. Eu não queria aquele pau tocando ela. Quando ela disse que ele era seu ex, eu estava tão chateado porque ela merece coisa melhor do que ele, definitivamente melhor do que alguém como eu. Então, uma vez que os comentários maliciosos começaram, eu não conseguia parar, mas ela me colocou no meu lugar. Aqueles olhos tempestuosos me seguraram no lugar até eu deixá-la ganhar, seu pequeno vestido e saltos não ajudaram em tudo, eles só me fizeram querer puxá-la para o meu colo e bagunçar aquele cabelo sexy. Ela está me deixando louco. Depois da minha sessão normal, eu decidi me encontrar com Cameron em uma pizzaria perto do campus, nós deveríamos nos encontrar na próxima quinta, mas eu estou morrendo de fome, e ele mandou uma mensagem perguntando se eu queria pegar uma pizza com ele e Ash, outro cara da equipe que eu usei para sair. Eu preciso voltar a viver, um passo de cada vez. Quando estaciono do lado de fora da pizzaria de Anna, vejo o Mustangue vermelho de Cameron e sei que eles já estão aqui. Agarrando meu boné de beisebol, eu o puxo para baixo na minha


cabeça, bem acima dos meus olhos. Eu ainda não quero que as pessoas me notem. Não é como se eu fosse algum tipo de celebridade, mas eu era muito popular, e não quero que ninguém pergunte onde eu estive. Eu não quero ver pena nos olhos deles. Quando eu ando pelas portas vejo automaticamente os dois caras em um canto de trás. Ignorando a anfitriã bonitinha, eu faço o meu caminho até eles. Cameron me vê em primeiro lugar, um grande sorriso de bunda se espalha em seu rosto, e ele se levanta para fazer o aperto de mão da equipe, como nos velhos tempos, exceto que não é, Jackson não está mais aqui. "E aí, cara, é bom ver você." Ele se senta e faz um gesto para eu sentar. Cameron parece que ele poderia ser o irmão mais novo do cantor Tyrese, eu juro que eles têm a mesma cor escura, bunda grande e sorriso com dentes brancos brilhantes. Ele é até o brincalhão da equipe. "Igualmente". Eu aceno olhando para Ash. "Quando você conseguiu um coque de homem?" Ele ri. “Eu estava apenas esperando que você dissesse alguma coisa. Minha garota gosta do meu cabelo comprido, então eu nunca o cortei.” A maioria das pessoas fica surpresa ao saber que Ash é um jogador de basquete e não um surfista profissional, mas o cara mata na quadra. "Ainda namorando Amanda?" Eles estão namorando desde que éramos calouros. "Sim, a porra do amor da minha vida." Ele sorri com carinho. “Mas como você esteve?”


Eu engulo. "Estou bem, tentando voltar no próximo semestre." Antes que Ash possa dizer qualquer coisa, uma garçonete vai até nossa mesa, o cabelo ruivo dela balançando. "Eu sou Nikki, o que eu posso pegar para vocês beberem?" Seus olhos verdes nos levam, e ela morde o lábio. "Vamos tomar três águas e um jarro de Blue Moon." Cameron nem sequer olha para ela enquanto ele bate no telefone. "E uma grande calabresa." Ele olha para cima e pisca um dos seus sorrisos. "Obrigado, Nikki." Ela sorri e acena com a cabeça. "Claro, eu vou estar de volta." Ela pula fora. "Definitivamente recebendo o seu número mais tarde." Ele ri. Ash apenas balança a cabeça. “De qualquer forma, você j| pensou em voltar?” Ash olha para a mesa, limpando as migalhas invisíveis. Eu sei o que ele está pedindo, até Cameron se aproxima. "Eu não sei ainda, eu não sei se posso." Esfregando a parte de trás do meu pescoço, eu balanço minha cabeça. Ash concorda, entendendo. “Ele gostaria que você voltasse. Eu não estou dizendo isso porque queremos que você volte, mas porque você pertence lá.” Eu sei que Jackson gostaria que eu voltasse, para tornar nossos sonhos uma realidade. É difícil envolver minha mente em torno disso. Eu sei que a prática começa em um mês, o treinador entrou em contato com a programação, acho que espero poder aparecer.


Nikki volta com nossas águas e o jarro de cerveja, ela também coloca uma cesta de pães na mesa antes de balançar novamente. Cameron serve cerveja e eu debato com a bebida. Já faz algum tempo desde que eu bebi, e eu posso me controlar, eu estou em um lugar melhor, eu me lembro. Este é meu último ano, não posso me esconder de tudo, mesmo se eu quiser. Durante a hora seguinte, comemos pizza, bebemos cerveja e conversamos sobre as outras equipes esportivas da escola. O time de futebol está um lixo, e o time de beisebol é um sucesso ou um fracasso. Nós nem sequer entramos no time de hóquei; esses filhos da puta acham que suas bundas desdentadas são um presente de Deus para as mulheres. O time de basquete foi até os quatro finalistas no ano passado e a elite oito neste ano. Eles têm segurado isso desde que tudo se desfez. A equipe não me abandonou como eu fiz, eles me deram o meu espaço, e eu não poderia nem mesmo dar a eles um texto de volta até agora, pouco mais de um ano depois. Os olhos de Cameron se arregalam. "Que porra, não pode ser quem eu acho que é." Ele joga sua terceira fatia. "O que ele está fazendo aqui fora?" Ash olha por cima do meu ombro e depois para mim. "Cuba não diga uma merda, foda-se ele." Franzindo a testa e confuso, eu giro em torno do meu banco, é quando eu vejo Aaron fodido James, o armador da NCU. Digamos que eu seja Larry Bird7 e ele é Magic Johnson8, nossa carne é bem 7

: Larry Joe Bird é um ex-jogador e treinador de basquete norte-americano, considerado um dos maiores e

melhores da história 8 : Earvin "Magic" Johnson Jr. é um ex-basquetebolista norte-americano que atuou como armador pelo Los Angeles Lakers na National Basketball Association


conhecida. O que diabos ele está fazendo na costa oeste? Ele se vira para falar com uma loira que está andando ao lado dele. Eu conheço aquelas ondas loiras e olhos tempestuosos. Minha mandíbula cerra. Chris minha bunda. Ela mentiu. Mais dois rostos familiares aparecem, Indi Daniels, a líder de torcida, e Alex James, do time de hóquei. "Alex é seu fodido parente?" Eu olho para Cam e Ash. "Foda-se, se eu sei." Cam encolhe os ombros. "Parece que ele está em um encontro, maldição, ela é sexy, não é a ex-namorada de Dex? Ouvi dizer que ela o pegou recebendo seu pau sugado por Amber.” Eu me afasto e olho de volta para onde o grupo está sentado a cerca de cinco mesas de distância. Agarrando minha cerveja, eu escorrego do banquinho. "Eu vou dizer olá." Eu ouço Cam e Ash lutando para sair de suas banquetas para me seguirem. Eu os ouço sussurrar, gritar meu nome, mas os ignoro. "Arrow." Eu deslizo no assento livre ao lado dela, meus olhos em Aaron. "O que eu te disse sobre namorar palhaços, pensei que você aprendeu com o último." “Cuba, porra Knight, ouvi dizer que você se foi”, diz Aaron antes que Bliss possa dizer qualquer coisa. "Eu não vi você no ano passado ou neste ano, o que aconteceu?" Ele olha para onde Cam e Ash que estão sentados ao lado dele. "Onde está seu parceiro no crime, oh, espere" "Eu não terminaria essa frase", eu cerro os dentes em aviso,


Uma mão segura minha coxa debaixo da mesa. "O que você está fazendo aqui?" Bliss fala, forçando-me a olhar para ela. Ela não parece chateada, como hoje cedo, ela parece curiosa como se ela soubesse que algo está errado. "Comendo", eu digo, e me arrependo quando percebo o sarcasmo. "Então eu vi você aqui tomando decisões ruins." "Parece que a única decisão errada que ela tomou foi te conhecer", Aaron entra. "O que diabos está acontecendo?" Indi se inclina para frente me olhando. Eu a conheço desde o primeiro ano, mas nunca nos falamos. "Quero dizer, é bom ver vocês, mas o que está acontecendo?" Cam se levanta. "Nada, nós estávamos apenas dizendo oi." Ele pisca um sorriso e olha para mim. Eu aceno e olho para Bliss. “Até a próxima semana, Arrow. Chris parece muito legal.” Sim, eu estou sendo um idiota porque o pensamento desse pau tocando ela vai foder comigo. Seus olhos encontram os meus, alargando-se lembrando o que ela me disse. "Vejo você, então." Ela engole e olha para baixo em suas mãos. Levantando-me, dou a Aaron outro olhar. Não toque nela. Ele apenas sorri, e leva tudo em mim para me afastar, e não acertá-lo na boca. Eu nem sequer volto a olhar para Bliss, ela poderia ter me dito para ir para o inferno, ou ir atrás de mim depois de como eu agi antes. Em vez disso, ela apenas sentou lá, e isso me jogou fora.


"Eu sei que ela é a ex de Dex, mas merda, ela é sua ex também ou algo assim?" Cam pergunta, uma vez que estamos no estacionamento. "Claro, parecia que vamos ver de quem é o pau maior no momento." Ash se inclina contra o meu G-Wagon. Encarando-os, eu balanço minha cabeça. "Eu só queria foder com ele", eu minto. "Eu estou fora, obrigado pelo convite." Eles não dizem nada quando eu entro. Ash se afasta e fica ao lado de Cam, ambos dão um pequeno aceno quando eu saio com o carro. Eu preciso correr ou fazer qualquer coisa para tirar essa raiva. Meu primeiro pensamento é bater em uma garota para vir, mas meu pau não pode ficar duro para qualquer uma agora. Eu só quero um par de olhos olhando para mim e, agora, eles ainda estão naquele restaurante. Foda-se.

*****

A coisa que eu mais amava era a liberdade de jogar basquete, só de estar na quadra me dava paz. O eco da bola quicando no chão de madeira polida agora traz mágoa, mas uma calma segue, fluindo através do meu sangue, e eu corro pela quadra que eu costumava usar mais da metade do ano. A bola passa de mão a mão, sob e sobre as pernas em movimento no caminho para a cesta. Respirando pesadamente, faço meu caminho pela corte pela centésima vez na última hora. Depois de deixar o restaurante eu não pude ir para casa, eu estava muito chateado de ver Aaron, e ainda


mais chateado que Bliss estava sentada em frente a ele em um encontro fodido. Eu queria mandar uma mensagem para ela depois que eu saísse, para pedir desculpas sobre como eu agi, mas depois me lembrei que ela ainda está perto daquele idiota. Como diabos ela o conhece? Parando na linha de três pontos, dobrei os joelhos, pulei para acertar o tiro e pousei de volta quando observei a bola passar rapidamente pela rede. O basquete sempre me acalmou, foi meu lugar feliz por tanto tempo.... Até que deixou de ser. Mas agora estou lentamente me apaixonando pelo esporte que foi a minha vida. Afundando no chão, eu coloco meus braços sobre os joelhos dobrados, em volta de mim os estandartes dos dois primeiros campeonatos que ganhamos no nosso primeiro e segundo anos, eu fui o MOP9 duas vezes. Não há como eu ter conseguido isso se não fosse por Jackson sempre ter minhas costas. Já faz meses desde que pisei nesta quadra, a princípio, eu apenas me esgueirava à noite e sentava na linha lateral, deixando as lembranças passarem por mim. Comecei a jogar algumas semanas atrás, parte de mim está pronta para sentir a liberdade de novo, mas me juntar à equipe novamente é uma história totalmente diferente. Sem Jackson, eu não sei se posso ser o mesmo jogador. Esse vazio que eu tenho vivido está lentamente desaparecendo, mas eu tento viver de novo, ser normal de novo, mas se perder esse vazio significa que vou perder Jackson, eu não sei se posso fazê-lo. Eu sei que todo mundo acha que basta, e eu preciso superar isso, mas como superar a morte de alguém que era basicamente meu

9

MOP (Most Outstanding Player). É um prêmio para o melhor jogador da temporada no NCAA


irmão. Ninguém entendeu o vínculo que tínhamos, ele era meu irmão de alma. Eu quase perdi a cabeça quando Aaron começou a trazer Jackson na frente de Bliss. O mundo do basquete universitário está ciente do que aconteceu, surpreendentemente equipes em todo o país fizeram um fundo para ele, enviaram cartões e flores quase toda semana. Disseram-me que alguns voaram para o seu funeral. Esse é outro arrependimento que tenho em mim, que eu não mostrei meu rosto porque eu estava muito bêbado e drogado, eu não conseguia sair do chão. A vergonha vai me assombrar para sempre. Eu ouço meu telefone tocar no banco. Levantando, eu ando para pegá-lo e olho para o nome da pessoa que enviou o texto. É Bliss. Arrow: Você está bem? Eu sou um completo idiota para ela e ainda assim ela estende a mão para mim. Eu quero mandar uma mensagem de texto, dizer a ela que estou bem, mas o outro lado de mim quer dizer a ela para cuidar de seu próprio negócio. Eu também não digo. Em vez disso, coloco meu celular no bolso do short de basquete e pego minhas chaves. "Baby, essa é uma pergunta carregada", eu digo para mim mesmo. Ela não tem ideia de quão longe estou de estar bem.


Eu olho para o meu telefone cinco vezes desde que eu mandei uma mensagem para Cuba dez minutos atrás. Algo estava errado, antes que ele se afastasse, parecendo que queria matar alguém, e eu não sentia falta do que Aaron estava tentando dizer. Eu não tenho idéia do que aconteceu com Jackson, mas o que aconteceu foi um assunto delicado. Mesmo que ele seja um babaca, e ele não deveria ter batido meu encontro, eu queria alcançá-lo. Eu não sei o que eu teria dito, mas eu queria ver se ele estava bem, especialmente vendo que ele deixou meia cerveja na mesa. Ele não deveria estar bebendo, eu acho. Eu olho para o meu telefone novamente, ainda nada. O que eu esperava? Que ele enviaria uma mensagem de texto? Uma mão fria roça meu braço nu e meus olhos se fixam em olhos castanhos escuros, Aaron. "Você está bem, Baby?" Baby, sério? Aaron é fofo com sua pele bronzeada, cabelo castanho brilhante e sorriso encantador, mas eu posso sentir o mau


ao redor dele. Eu fiz isso como um favor para Indi, eu nem sei quem ele é, apenas que Cuba o odeia. “Sim, apenas ficando tarde. Obrigado pela carona para casa.” Estamos sentados em seu carro alugado nos últimos quinze minutos, ele continuou falando sobre basquete e equipes profissionais que estão olhando para ele. Eu o bloqueei para enviar a Cuba um texto que ainda não foi respondido. Indi saiu com Alex, e Aaron me ofereceu uma carona desde que eu estava com ela. Eu vou abrir a porta, mas ele me para. "Então, Cuba é como um ex ou algo assim, eu deveria me preocupar com ele?" Eu olho confusa. "Por que você precisa se preocupar com ele?" Um lento sorriso cruza seu rosto. "Porque eu quero conhecer você." Meu estômago revira enquanto tento escolher minhas palavras com cuidado. "Na verdade, estou saindo de uma confusão." Não é totalmente mentira. "E, no que diz respeito a Cuba, não é da sua conta." Não tenho ideia do que me fez dizer isso, porque eu poderia facilmente dizer que ele não era ninguém para mim, mas suas vibrações me afastam. Aaron se afasta, seu sorriso desaparecendo. "Não diga mais. Quero dizer, você é bonita, mas essa boca espertinha não é fofa. Mais tarde.” Ele se vira para olhar em frente, e eu tomo isso como minha sugestão para sair, e eu faço isso alegremente. Caras como Aaron gostam de garotas que ficam quietas e bonitas, e eu não sou assim. A porta mal se fecha e ele já está acelerando. Ele


realmente me mostrou quem é, eu revirei os olhos e fiz meu caminho para dentro do meu apartamento. Eu estou feliz que Indi esta fora a maior parte da noite, me dá espaço para vagar em meus pensamentos. Depois de tirar a roupa e tirar o cheiro de Aaron, me visto com meu pijama de abacaxi rosa favorito e afundo em minha cama com minha caixa mágica no colo. Depois desta noite, eu preciso disso. Abrindo a tampa, deixo que o cheiro de erva verde e fedorenta insulte meu nariz, mesmo que eu tenha passado para comestíveis e vapes, mas minha caixinha ainda cheira a boa Mary Jane. Caindo contra os meus travesseiros, eu olho para o teto, pressionando o topo de metal do vape10 para os meus lábios e inalando. Fumaça enche minha boca, eu seguro e deixo sair devagar, sentindo a calma tomar conta do meu corpo. Minha mente vagueia para Cuba esta noite, ele estava com outros dois caras, todos os três sexy de diferentes maneiras, mas Cuba tinha uma aura totalmente diferente para ele. Aaron nunca teve uma chance. Eu estou esmagando meu cliente, que tem uma tonelada de bagagem, e é um babaca certificado, mas tem algo lá e eu não consigo me livrar disso. Eu meio que não quero. Adormeço com olhos castanhos e não sei como me sinto sobre isso.

***** Também apelidado de e-cigarro ou vaporizador, o VAPE apresenta-se como o mais fiel simulador dos cigarros tradicionais. Oferece ao fumador a opção de satisfazer a sua necessidade por nicotina de um modo mais saudável e seguro 10


Três dias se passaram e Cuba nunca me mandou uma mensagem e agora está atrasado, quase vinte minutos. Ele não me mandou uma mensagem ou ligou para me avisar se ele estava ou não indo. Eu sempre posso ligar para os pais dele, mas ele é um homem adulto, ele pode assumir a responsabilidade, e se ele não for, eu ficarei muito chateada. Não só ele é um idiota, ele bateu no meu encontro, e agora ele está de pé comigo. O único som na sala são minhas unhas pintadas de nude, batendo contra a mesa de madeira e minha respiração irritada. Eu olho para a hora no meu laptop, se ele não estiver aqui em mais cinco minutos eu estou fora, e estou enviando uma pequena mensagem que ele precisa encontrar outra pessoa. Ele pode ser alguém para muitas pessoas, mas eu não conheço a pessoa que eles conhecem, e eu não vou deixar ele perder o meu tempo. A porta de repente se abre e Cuba entra como se estivesse no horário. Olho para ele de cima a baixo. Eu odeio o quão sexy ele é, vestindo um par de bermudas cargo cinza, camiseta preta e vermelha, Chuck Taylors e um boné preto e vermelho cobre a cabeça. Seu olho encontra o meu. Estou olhando. “Olha quem decidiu aparecer. Eu espero que você saiba que eu não posso ficar além da hora.” Eu viro meu olhar em um clarão. Seus olhos se afastam de mim e ele dá de ombros para fora da mochila antes de deslizar no assento em frente a mim.


"Tráfego." Ele pega suas coisas, e eu fico irritada que ele não olha para mim. Eu cruzo meus braços. "Você poderia ter enviado um texto, era para isso que você queria o meu número certo?" Eu arqueio uma sobrancelha. Ele me ignora enquanto continua a ligar seu laptop. Mesmo quando ele está pronto, ele não olha para mim, muito menos age como se ele me ouvisse. Aqui vai ele de novo. "Você sabe que sempre pode ter outro tu..." Eu começo, mas sou cortada. "Eu li o seu texto, como você pode ver, eu estou perfeitamente bem." Ele olha para mim e de volta para sua tela. "E meu telefone morreu, então não pude deixar você saber que me atrasaria." Agora eu me sinto um pouco mal, só um pouco, eu não senti falta do sarcasmo na primeira parte. Eu solto meus braços e suspiro. "Então, você só quer ler, e eu vou estar aqui se você tiver alguma dúvida?" Pode ser melhor, nós não falaremos muito porque parece que um de nós está sempre dizendo algo errado. Ele acena, mas não olha para cima. Revirando os olhos, olho para minha própria tela. Eu ainda tenho aquele papel que preciso terminar antes do início das aulas, e quero ajustar o que escrevi até agora. Nós nos sentamos em um silêncio confortável o que parece uma eternidade, eu só sei que ele está aqui pela sua respiração, eu não ousaria olhar para ele.


"Como foi o seu encontro?" Eu ouço ele se inclinar para trás. Olhando para cima e para trás na minha tela, reviro os olhos. "Você quer dizer depois ou antes de você chegar lá?" “Uh, desculpe por isso. Eu não deveria ter atrapalhado mesmo se você estivesse com um palhaço.” Meus lábios se contraem, não para rir, porque Aaron era um palhaço. "Não se preocupe com isso." Eu paro. "Você acha que eu tenho uma boca inteligente?" Eu lamento automaticamente perguntar, eu me preparo para o seu insulto. Cuba franze a testa em seu lugar. "O que você quer dizer?" Caindo de volta no meu lugar, eu mordo o canto do meu lábio. "Ele disse que eu sou bonita, mas que minha boca espertinha não é fofa." Eu me lembro de suas palavras. Ele balança a cabeça como se fosse louco. “Por que ele diria isso? Você foi má para ele também?” Minha mão atira no meu peito. "O que? Eu sou muito legal.” Um riso profundo ondula de seu peito e eu amo o som. "Claro, então o que ele disse para te chatear?" "Ele perguntou se você era meu ex ou algo assim e se ele tem que se preocupar com você." Meus olhos se prendem aos dele. "Eu disse a ele, no que lhe dizia respeito, que não era da conta dele." Cuba não olha para longe de mim, seus lábios se enchem de sorriso. "Eu vejo por que isso iria deixá-lo louco." Eu rio levemente. "Sim, talvez."


Ele volta a ler e eu simplesmente não consigo desviar o olhar. "Então, podemos chamar isso de uma trégua, pelo menos até o nosso tempo acabar?" Eu pergunto. "Não precisamos conversar a menos que você queira, e não vou forçar conversa. Combinado?" Seus olhos castanhos estreitam suavemente como se estivesse pensando, ele lentamente balança a cabeça. "Acho que posso lidar com isso, vou tentar não ser tão idiota e atrapalhar seus encontros." Isso me faz sorrir. "Certo, nunca se sabe quantos encontros eu vou ter." E assim, seu sorriso desaparece e seus olhos se afastam de mim. O que foi que eu disse? Ele estava sendo um ser humano normal e agora está de volta ao rádio silencioso. Eu mordo meu lábio para me impedir de perguntar se eu disse algo errado. É como se eu fizesse um progresso apenas para perceber que eu apenas andava em um círculo. Estou chegando a lugar nenhum.


Eu não podia esperar pelos quarenta minutos, eu não podia esperar para ficar longe dela ainda mais. Eu não poupei seu olhar enquanto arrumava minhas coisas e saía de lá. Eu tentei, eu realmente tentei, até que ela trouxe mais encontros. Ela indo a um encontro com o fodido do Aaron foi mais do que suficiente para mim. Embora, me dê muita alegria saber que ele acha que Bliss está ou estava envolvida comigo, e a resposta dela foi ainda melhor, porque ela não tinha ideia do que ela disse. Não é até que eu estou deitado na cama esta noite que eu começo a me sentir mal por sair do jeito que eu fiz. Puxando meu telefone, eu envio um texto que eu não deveria estar enviando, mas eu faço. Eu: Hey Sim, estou fora do jogo se tudo o que posso dizer é Hey. Eu gostaria de poder pegar esse texto de volta. Meu telefone vibra.


Arrow: Deixe-me adivinhar, você já está cancelando nossa próxima sessão. Eu não esperava que ela respondesse tão rápido, e não achei que ela tinha salvado meu número na semana passada. Então, o texto dela depois da corrida com Aaron, foi um choque completo, para mim. Eu: Na verdade, eu esperava movê-lo para outro lugar. Não tenho uma simpatia realmente pela biblioteca. Arrow: Você é alérgico a livros? Eu sorrio. Eu: Você é engraçada. Existe algum outro lugar que possamos fazer isso? Talvez o meu apartamento? O texto é enviado antes que eu possa repensá-lo. Eu nunca convido uma garota para nada além de um favor sexual. Não só isso, eu fui um idiota para ela, e basicamente disse a ela que ela nunca iria me conhecer, e agora eu a convido. Tenho certeza que ela vai pensar que eu sou um doente mental. Arrow: Eu acho que não. Eu: Apenas para estudar, prometo. Agora estou tentando convencê-la, ótimo. Eu deveria apenas deixar isso em paz. Demora alguns minutos para o meu celular vibrar novamente. Arrow: Tudo bem, mas sob uma condição. Eu: E o que seria, Arrow?


Arrow: Cada sessão eu recebo um fato aleatório sobre o misterioso Cuba. Claro. Eu devo dizer que não e eu vou ficar com a biblioteca, mas eu não faço. Eu: Tudo bem. Te vejo na quinta. Eu não posso acreditar que fiz isso. Eu percorro a pequena conversa duas vezes e me deparo com a palma da mão. Bem, isso estava prestes a acontecer. Eu sabia que não seria capaz de ficar longe dela, agora só preciso me concentrar em não bater nela e arrastá-la para minha autopiedade. Deitado na minha cama, eu olho para o teto. Isso pode ser fácil, ela me ajuda e eu a informo com informações inúteis sobre mim mesmo. Simples. Okay, certo. Isso vai dar merda antes mesmo de começar.


Tudo machuca. Há músculos que estão se contraindo que eu nem sabia que tinha. Eu sinto como se eu tivesse caído de um prédio e fui atropelada por um caminhão. Essa dor foi tudo graças à aula de pole dance que Indi me convenceu a ter esta manhã, com ela. Sim, eu acho que dançar em um poste de metal realmente tira a vida de você. Eu tenho um novo apreço por strippers, elas têm a força de uma mula para se recompor. Depois de um banho quente, eu caio na minha cama, com toalha ainda firmemente enrolada em volta de mim. Eu não tenho energia para me vestir. Sair da banheira já era bastante difícil, meus pobres braços pequenos. Olhando para o relógio, vejo que tenho duas horas para me vestir e ir até a casa de Cuba para nossa sessão de estudos. Eu quero cancelar, mas o pensamento de aprender mais sobre ele era muito tentador. Neste ponto, estou intrigada. Indi tem mordido o lábio desde que eu lhe disse para onde estava indo. Eu sinto que se ela sentisse que eu estava em algum tipo de perigo, ela teria me dito, talvez Nick estivesse apenas sendo dramático. Cuba saiu como um idiota, mas perigoso? Não, no mínimo.


Eu fico aqui por mais alguns minutos e gemo com o pensamento de ter que me mover. Talvez eu possa empurrar o tempo de volta um pouco, eu começo a me convencer. Dê tempo ao meu corpo para curar. Sim, certo, então eu nunca vou sair da minha cama. Como sempre. Gemendo, eu rolo de lado e me levanto no cotovelo. Eu rapidamente desmorono. Isso é ridículo, não tem como eu ficar tão dolorida. A única vez que preciso da ajuda de Indi, ela não está em casa. Prostituta. Reunindo alguma força, eu me esforço para me sentar. Vai ser um dia longo, um dia muito longo. Levei quase quarenta e cinco minutos para me vestir com minhas leggings cinza-claras favoritas e meu top preto de gola que eu tirei de uma das camisetas de beisebol de Dex. Pelo menos ele foi bom para alguma coisa. Olhando no espelho, eu franzo a testa para mim mesma. Eu preciso tingir meu cabelo em breve, todo o novo crescimento e desbotamento do loiro está começando a parecer uma bagunça. Prendendo meu cabelo em um rabo de cavalo alto, eu penso se eu deveria colocar maquiagem, eu vou passar. Ignorando meus contatos, eu deslizo em meus tênis pretos de glitter. Eu os peguei em uma noite bêbada quando eu era caloura e me recuso a me separar deles. Meu pai tentou me comprar um novo par, mas não, eles têm caráter, não é como se eu os usasse fora de casa até agora. Sorrindo, eu levanto as sobrancelhas para mim mesma no espelho. Você é gostosa, Bliss. Colocando meus pingentes de glitter, eu pego minha bolsa. Eles costumavam ser brancos em um ponto, e eu não queria jogá-los fora,


o Pinterest salvou o dia. Eu posso vir do dinheiro, mas eu nunca demonstro isso. Eu vivo de necessidades e não de desejos. Eu dirijo um maldito Prius verde-limão, meu jeito de dizer vai verde. Eu sou praticamente metade hippie, bem, apenas metade porque eu amo um cheeseburger de bacon, tanto quanto a próxima pessoa e Chickfil-A é a vida. Agarrando minhas chaves, eu deslizo para fora da porta, trancando atrás de mim. Espero que Indi tenha sua chave, eu não posso encurtar a sessão de Cuba novamente, ele pode ficar arrogante e pensar que estou evitando ele. Deixei escapar que fiquei impressionada até que ele abriu a boca, tudo o que ele ouviu é que fiquei impressionada, o resto voou bem acima de sua cabeça. Ainda não acredito que concordei em ir até ele. Eu quero conhecê-lo assim tão mal? Sim, sim, eu realmente quero. Eu culpo a parte do meu cérebro que precisa saber tudo e não o fato de que Cuba é além do sexy. Eu chego ao seu lugar dez minutos depois, eu não sabia que ele morava tão perto até que eu coloquei seu endereço no Google Maps. O condomínio em que ele mora fica mais perto da praia, eu posso ver o calçadão á distancia enquanto estaciono na rua. Se não fosse pela minha câmera, eu nunca seria capaz de estacionar em paralelo. Agarrando minha bolsa de mensageiro, saio do carro e espero até ouvir os dois bips confirmando que minhas portas estão trancadas. Seu lugar era fácil de encontrar, pois ficava a poucos metros da rua. Eu me pergunto se ele tem um companheiro de quarto, esses condomínios são grandes para uma pessoa. Batendo na porta, respiro fundo e espero. Eu nunca venho ao lugar ou ao dormitório dos meus clientes, então estou fora do meu habitual.


A porta se abre e eu fico cara a cara com o peito nu e molhado de Cuba. Eu não posso deixar de seguir um gotejamento de água enquanto ele desliza pelo abdômen rasgado até os quadris estreitos de onde uma toalha está pendurada. Oh, por que você deve tentar? Jogando fora meu pequeno olhar, eu balanço minha cabeça e encontro seus olhos. "Você perdeu sua camisa ou algo assim?" Eu tento parecer irritada, mas minha voz é tudo menos isso. Seus olhos cor de avelã brilham e seus lábios perfeitos estão no sorriso de "eu peguei você". "Acabei de voltar da academia, o tempo deve ter fugido de mim." Ele não parece muito triste por eu estar vendo ele assim. “Certo, então você quer se vestir? Meu tempo é precioso, você sabe.” Nós dois sabemos que não tenho aonde ir, mas arqueio uma sobrancelha como se estivesse aborrecida. Pisando de lado, ele acena para eu entrar. "Sinta-se em casa." Ele fecha a porta e desaparece pelas escadas à esquerda. "Eu volto já." Meus olhos deixam suas costas nuas e tatuadas e olham para o seu lugar. Você pode dizer muito pelo espaço pessoal de alguém. Onde eles estiveram, quem são e para onde estão indo. Cuba me deixando aqui está me dizendo mais do que eu aposto que ele quer que eu saiba. O cheiro de linho fresco e o cheiro pessoal de musk de Cuba enchem meus sentidos. Camisas de basquete assinadas estão em molduras de vidro penduradas na parede. Eu não sei muito sobre o esporte, mas o nome das equipes parece familiar. Embaixo deles está um sofá de couro marrom escuro. Aposto que se moldaria ao


meu corpo, é assim que parece macio e confortável, uma namoradeira correspondente fica à direita, com uma mesa de centro de vidro escuro no meio. As revistas esportivas ficam perfeitamente embaixo do vidro e uma bola de basquete fica na mesa de canto. Ele é desafiadoramente um fã de basquete. Eu sabia que não deveria trazer o esporte, mas isso não está facilitando. Virando-me, continuo a espreitar, uma enorme tela plana está pendurada na parede, com a notícia tocando tão baixo que eu nem sabia que uma TV estava ligada. Mais duas jersey's ficam do outro lado da Tv, desta vez eu conheço a equipe, é o time de basquete da escola. Os sobrenomes Knight e Emmett estão em letras brancas costuradas na parte de trás da camisa azul e amarela, números um e dois sob os nomes. Ele jogou pela escola, não é de admirar que Indi e Nick o conhecessem. Eu vou adivinhar que Emmett é o sobrenome de Jackson. Indi disse que era Cuba depois de Jackson. O que isso significa? Jackson foi embora? Eu ouço os passos de Cuba na escada e corro para o sofá, tirando minha bolsa, me sento no sofá e gemo. Esqueci-me de como estou ferida e estava certa, o sofá é tão confortável que eu poderia me acomodar aqui durante toda a sessão. "Você está bem? Eu pensei ter ouvido você gemer.” Ele vem do corredor. Os shorts de ginástica agora estão pendurados nos quadris e uma camiseta preta abraça os ombros largos e se estende contra o peito. Seus olhos cor de avelã mostram preocupação.


"Sim, estou bem. Apenas dolorida com essa aula estúpida que minha colega de quarto me fez tomar hoje de manhã.” Eu aceno para ele e começo a tirar meu laptop e caderno. "Que tipo de aula?" Eu quase não digo a ele que tipo, mas já que ele quer abrir a porta meio nu eu poderia muito bem jogar seu joguinho, porque eu estaria mentindo se dissesse que não havia nenhum tipo de atração entre nós. "Pole dance". Eu olho para ele inocentemente. "Quem sabia que era como um treino." Seus olhos ficam escuros e varrem meu corpo rapidamente, então ele sorri. "Eu tenho um pouco de gelo, precisa de mim para esfregar você?" Revirando os olhos, coloco meu laptop na mesa de café. "Por mais tentador que pareça, prefiro começar nossa sessão." Ele encolhe os ombros. “Sua perda, Sra. McQueen. Você come pizza, certo? Você não é vegana ou o que seja?” Ele tira o telefone do bolso. "Estou faminto." "Sim, eu como carne, Cuba." Eu rolo meus olhos. "Nós poderíamos pedir do Niko em vez disso, eu poderia comer um hambúrguer agora." Seus olhos se arregalam. "Desde quando Niko entrega?" Apertando meus olhos, eu empurro minha cabeça para trás. "Desde há cinco meses, onde você esteve?" Todo mundo sabia que


eles começaram a entregar. Niko tem o melhor hambúrguer do campus. Eles quase dão uma chance ao In N Out por seu dinheiro. "Bem, eu não tenho estado muito por perto." Ele sai para a cozinha que está escondida atrás da parede que a TV está pendurada. "Quer algo para beber?" Ele é sensível em estar de volta. "Claro, o que você tiver." Eu ouço a geladeira abrir e os sons dele movendo as coisas ao redor. "Calças de moletom, cabelo amarrado, relaxando sem maquiagem, é quando você está mais bonita, espero que você não leve a mal." Inclinando minha cabeça, tento ouvir o que mais ele está dizendo. "O que foi isso?" Um pequeno sorriso puxa meus lábios. "O que foi o quê?" Ele volta com dois Gatorades. "Azul ou branco?" "Branco, esse é o melhor." Eu pego quando ele joga para mim. "Você disse algo na cozinha, algo que soou estranhamente semelhante a uma linha de Drake." Cuba apenas encolhe os ombros e senta do outro lado do sofá, deslizando seu laptop de debaixo do sofá e colocando-o na mesa de café. "Então, onde você quer começar?" Ele simplesmente me ignorou totalmente. Eu tento não olhar para ele, porque toda vez que eu faço, é difícil desviar o olhar, e eu não preciso dele para ficar mais arrogante. Então, em vez disso, vou para a página do Niko para iniciar um pedido on-line. "O que você quer comer?"


"O que quer que você consiga, só não cebolas." Eu o sinto mudar e um cartão de crédito cai ao lado da minha mão. "Pegue algumas fritas de queijo também, com um rancho extra." Pegando o cartão eu olho para ele e minha respiração engata, ele está olhando para mim, sem sorriso no rosto, mas há uma espécie de tristeza em seus olhos, da mesma forma que havia um toque de tristeza em sua ordem. Eu queria perguntar se ele estava bem, mas antes que eu pudesse abrir a boca, ele desviou o olhar e tirou o livro de sua mochila que eu não vi ao lado dele. Depois de pedir nossa comida, eu entrego seu cartão de volta para ele e ele o coloca na carteira. "Estará aqui em vinte minutos." Ele apenas balança a cabeça e eu tiro meu livro e meu laptop ao lado dele. Tanto quanto seu sofá é confortável, eu deslizo para o chão e cruzo as pernas, eu preciso estar no nível dos olhos com a minha tela e me curvar está matando meu corpo dolorido. Cuba não comenta, mas seus olhos piscam para mim e de volta para sua tela. Parece que o ar muda tão rapidamente com ele. Um momento ele parece normal, como se estivesse tentando, mas outra respiração depois ele desliga e volta a ser indiferente. Eu me lembro que me convidar para sua casa é um grande negócio, ele está tentando, e eu não posso esperar mais. “Então, o pai dele era um idiota e a mãe dele era uma vadia de cobras, eu me sinto mal pelo cara”, diz Cuba do nada. Leva-me um momento para processar o que ele estava falando quando eu olho para cima e seus olhos cor de avelã prendem nos


meus, seus lábios se abrindo em um sorriso torto. Veja, o ar muda novamente e ele é alguém diferente, quente e frio, mas eu vou pegar. Eu pisco, quebrando o olhar. "Um, sim. Dizia-se que Olympia, sua mãe, estava grávida de Zeus e disse que Alexander era meio deus.” Dei de ombros: “Todo mundo achava que ela era louca, mas Zeus dormia com suas irmãs Hera e Hestia, então quem sabe, poderia Acontecer." Cuba empurra a cabeça para trás e olha para mim como se eu fosse louca. "Como você sabe disso? Isso é uma merda de incesto doente.” Eu guardo meus lábios para não rir. "Bem, você não pode ajudar por quem você se apaixona", eu digo mordendo meu lábio. "É uma loucura porque Hera não queria se casar com Zeus. Ele a enganou desde que ele estava apaixonado por ela, e ela recusou sua proposta. Então, ele brincou com seu amor por animais e transformou-se em um pássaro, um pássaro ferido, para que ela pudesse levá-lo e cuidar dele. Quando isso aconteceu, ele voltou para si mesmo e se aproveitou dela.” Cuba se inclina para frente, interessado. “Bem, Hera estava tão envergonhada que foi enganada, que concordou em se casar com ele. Zeus a amava, mas muitas vezes ele se esgueirava para a Terra e tinha casos com humanos, então eu não duvidaria que ele é o pai de Alexander.” Ele olha para mim e eu não posso deixar de ficar presa em seu olhar. Tem algo sobre ele que eu não consigo entender, mas sinto que preciso conhecê-lo, mais do que ele está disposto a dar. O que há de errado comigo? "Você vai ser uma ótima professora, Arrow", ele diz sinceramente.


Calor se espalha pelas minhas bochechas e eu sorrio, olhando para longe dele. "Pare, não é nada." A campainha toca antes que eu possa dizer qualquer outra coisa. Cuba atira a seus pés. "Isso é provavelmente a comida." O ar mudou de novo.


Se ela pensasse que sua pequena roupa iria me jogar fora, ela está claramente em negação. Se qualquer coisa, todo o rosto livre de maquiagem e os óculos Clark Kent fazem meu pau pular da pior maneira, e não me faça começar em seu cérebro, nada é mais sexy do que uma mulher que conhece sua merda. Meninas aqui pensando que é fofo agir de forma boba, a única coisa boa para elas é chupar meu pau, porque além disso, aquelas garotas não têm mais nada a oferecer. Uma garota má só é ruim se ela é ruim por dentro, ela precisa ter metas, sonhos e planos para o futuro dela. Esses caras são tão rápidos em se casar com uma garota bonita, quando sua única ambição era ser o próximo modelo de IG. O corpo desaparece, mas a inteligência é para sempre. É por isso que Bliss me excita tanto. Ela é inteligente como o inferno e sexy. O que é ainda melhor é que ela nem sabe o quanto é sexy. Se eu ficar trancando os olhos com ela, não sei se vou conseguir evitar morder o lábio inferior, que ela continua mastigando. Dou uma gorjeta ao entregador e chuto minha porta com o pé. O cheiro de suas famosas batatas fritas de queijo me atinge e me traz de volta quando Jackson e eu íamos ao Niko depois do treino e


comíamos três pratos de batatas fritas com bacon. Eu sacudo a memória quando viro e vejo Bliss de joelhos, arqueando as costas e deslizando para frente em suas mãos. Lambendo meus lábios, eu não posso deixar de vagar meus olhos sobre as curvas de seus quadris para seu traseiro redondo e tonificado. A bainha de sua camisa se ergue, mostrando as covinhas no mergulho de suas costas. Porra, tê-la vindo aqui foi a melhor e pior coisa que fiz. Somos apenas nós, e por mais que ela queira agir como se eu a irritasse, até ela não pode negar a faísca no ar. Então eu lembro que ela é uma boa menina, eu não sou o cara que ela precisa. Eu tenho uma mala de bagagens. Eu limpo minha garganta fazendo-a rapidamente sentar-se de joelhos, estremecendo de dor. “Precisa de ajuda?” As bochechas de Bliss ficam vermelhas quando ela se levanta. Eu balancei minha cabeça, fazendo sinal para ela não se levantar. "Eu entendi, eu vou pegar alguns pratos." Colocando a sacola na mesa de café, eu me viro para a cozinha. Quando estou fora de vista, me arrumo, tentando esconder minha ereção crescente como se tivesse 13 anos. Eu preciso me recompor, ela é minha tutora, eu não posso bater na minha tutora. Não importa o quanto ela me excite, eu só preciso passar por essa sessão e então as próximas fodidas quatro, isso é muito tempo. Agarrando pratos, guardanapos e garfos, respiro fundo antes de sair. Bliss está sentada de pernas cruzadas, ela está digitando em seu telefone, bufando e balançando a cabeça. "Problemas com os meninos?" Eu pergunto, colocando os pratos para baixo. Ela já tirou e separou nossa comida.


Ela joga o celular na bolsa e balança a cabeça. "Não, apenas meu companheiro de quarto." Aborrecimento me deixa. "Você mora com um cara?" Ela sacode a cabeça, pegando um prato, desembrulhando o hambúrguer e jogando as batatas fritas nele. "Não, eu moro com uma garota." Bliss sorri, sacudindo seus olhos tempestuosos para mim, e de volta para o hambúrguer agora em suas mãos. "Ela esqueceu sua chave, mas está hospedada na casa de alguns caras." Ela dá uma mordida gigante, e, justamente quando eu pensei que ela não poderia ficar mais sexy, ela vai e come como um ser humano. As garotas que eu peguei no passado sempre escolheram uma salada, mas não estamos namorando, nem somos amigos. Ela é apenas minha tutora que está tentando fazer seu trabalho o que eu acho atraente. Bliss geme enquanto engole sua mordida e meu pau se contrai novamente. “Eu amo esses hambúrgueres. Obrigada por isso.” Eu apenas aceno porque há muito que eu poderia dizer, mas nada disso é apropriado. Nós comemos em um silêncio confortável, o aborrecimento de seu ex possivelmente mandando mensagens para ela ainda dentro de mim. Eu não deveria me importar, não deveria nem ter um pensamento na minha cabeça, mas tenho, e eu não sei o que isso significa ou como eu deveria me sentir sobre isso. Bliss começa a falar mais sobre esse cara Alexander, e eu pretendo ouvir, enquanto eu pego minhas batatas fritas com queijo. O que eu realmente estou fazendo é roubando olhares em seus lábios macios e seus olhos tempestuosos, que se iluminam como um raio quando


ela fica animada com todos esses detalhes. A maneira como ela fala é apaixonada, como se os conhecesse pessoalmente. É incrível. “Algum desse clique? Alguma pergunta até agora?” Ela olha para mim enquanto desliza seu laptop em sua bolsa de mensageiro. Ela já está saindo? Eu olho para a hora, porra ela esteve aqui bem acima de sua hora, e está começando a ficar escuro. De pé, eu pego os pratos, enquanto ela pega o lixo. "Sim, não, eu entendi", eu minto. Eu mal estava prestando atenção, vou fazer algumas leituras hoje à noite, para poder contribuir para a próxima sessão. Bliss me segue até a cozinha, jogando tudo no lixo, “Legal. Quer que eu ajude com isso?” Colocando os pratos na pia, eu me viro para ela, apertando minhas mãos contra o balcão, porque se não, eu poderia apenas puxá-la para mim. "São apenas dois pratos, Arrow." Eu dou de ombros. "Eu acho que posso gerenciar." Ela morde o lábio inferior balançando a cabeça. "Tenho certeza. É melhor eu ir embora.” Ela faz um gesto com o polegar. Eu meio que não quero que ela vá embora, faz muito tempo desde que eu tive companhia, um tempo ainda maior desde que eu tive uma companhia feminina não sexual. Eu não consigo pensar em nenhum motivo para ela ficar, ela vai questionar. Ela vai pensar que eu vou me abrir com ela, e não vou. Eu esfrego a parte de trás do meu pescoço. "Certo, deixe-me levála ao seu carro."


Ela sorri. "É apenas ao redor da passarela, eu acho que posso gerenciar." Ela se vira, indo embora, e eu vejo sua bunda balançar para longe de mim antes de balançar a cabeça e andar atrás dela. "Eu vou andar com você." Minha voz não deixa espaço para ela discutir comigo. Agarrando sua bolsa, eu entrego a ela, eu sei que ela provavelmente ainda está dolorida. "Obrigada." Ela tira isso da minha mão, nossos dedos pastam um contra o outro, e ela rapidamente se afasta. Deslizando para dentro dos sapatos, abro a porta e deixo-a passar por mim enquanto fecho a porta atrás de nós. Eu coloco minhas mãos nos bolsos do meu casaco enquanto eu silenciosamente caminho atrás de Bliss, tentando descobrir o que diabos eu estou fazendo. O sol já está se pondo, dando ao céu um brilho de laranja e rosa. "Isso é tão bonito, eu gostaria de poder ver isso todos os dias", ela diz baixinho, olhando para mim, e percebo que estou olhando para ela. Mudando meus olhos, eu olho por cima da cabeça dela para onde ela estava olhando. Eu tive uma visão incrível da praia. É a razão pela qual este lugar atraiu Jackson, ele estava passando por uma fase de surf quando éramos calouros e nossos pais começaram a procurar um lugar para nós em algum lugar perto da praia. Minha mãe queria que eu me mudasse depois da morte dele, mas eu não pude fazê-lo, ansiava pelas memórias que tínhamos. Elas não me deixaram mais triste, mais em paz do que qualquer coisa. Eu dou de ombros. "É muito legal."


"Bem, este é meu." Ela aponta para um Prius verde-limão ofuscante. "Você tem que estar me fodendo, Arrow?" Eu sufoco uma risada. "Essa merda é brilhante, eu preciso de óculos apenas para olhar para ele." Bliss me lança um olhar feio. "Ha Ha, você é tão original." Ela revira os olhos, mas um sorriso puxa seus lábios. "Eu tento." Eu sorrio para ela. Eu não sorrio tanto há algum tempo, e a coisa é que ela nem está tentando me fazer isso, está acontecendo. Seus olhos cinzentos se prendem aos meus e ela chupa o lábio inferior. Ela olha para mim como se estivesse esperando por algo de mim. Merda. "Vou tomar meu fato aleatório agora." Ela sorri. Eu mordo meu lábio, sorrindo, balançando a cabeça. "Claro, tudo bem." Eu bato meu queixo com o dedo indicador como se estivesse pensando. Eu sei o que vai sair da minha boca, há duas maneiras que isso pode acontecer, eu só espero que esteja certo e não seja deixado. Soltando minha mão ao meu lado, inclino minha cabeça. "Eu quero beijar você." E então eu espero. Sua respiração engata um pouco e seus lábios macios se separam. "Isso não é um fato, isso é um desejo." Eu dou um passo mais perto dela, respirando seu doce perfume. "Uma coisa que é indiscutivelmente o caso, essa é a definição de fato,


e eu querendo beijar você é um fato." Eu me aproximo, ela dá um passo para trás, agora pressionada contra seu carro, seus olhos nunca deixando os meus. Eu estendo a mão, meus dedos deslizando pelo seu rosto e parando em seu queixo. "E também é um fato que eu vou beijar você agora." Eu não espero que ela responda, antes de fechar o pequeno espaço entre nós, meus lábios rapidamente descendo sobre os dela. Assim como eu pensei, eles são tão macios e doces quanto parece. Seus lábios se separam um pouco, permitindo que minha língua passe para a sua boca quente. Minha mão desliza pelo seu corpo macio parando em seu quadril. Os braços de Bliss envolveram meu pescoço me puxando para mais perto, seus lábios trabalhando magicamente contra os meus, sua língua macia provocando a minha. Isso está indo tão bem, mas é tão errado, eu não deveria estar beijando ela, eu não deveria estar segurando ela, mas foda-se se eu conseguir parar. Mas deixe para Arrow parar, seus braços caem no meu peito e ela me empurra suavemente. "Nós..." Ela balança a cabeça. “Eu não entendo você. Você não quer que eu saiba nada sobre você, mas você quer me beijar. Nós não deveríamos estar fazendo isso.” Ela suspira. "Talvez..." "Você me beijou de volta", eu a cortei. “H| uma atração desde o primeiro dia. Eu não sabia que você precisava conhecer os segredos mais escuros de alguém para beijá-lo.” Bliss olha para mim, seus dedos esfregando o colar de flecha que está pendurado em volta do pescoço dela. Ela está pensando demais.


Ela respira fundo. "Talvez devêssemos manter isso na biblioteca." Ela não espera que eu responda, antes de andar em torno de seu carro para o lado do motorista. Eu me amaldiçôo. "Estou re-aprendendo como deixar alguém entrar." Ela para na porta e olha por cima do carro para mim. "Por que você parou?" Eu sorrio com tristeza. "Você disse um fato." Ela balança a cabeça, retornando o sorriso. "Isso é um fato, Bow." "Arco?" Eu olho para o apelido, então eu sorrio. "Você é engraçada, arco e flecha." Bliss apenas encolhe os ombros, abrindo a porta. "Vejo você segunda-feira?" "Sim, eu acho que na biblioteca então?" Eu acho que eu errei desde que eu não posso manter minhas mãos para mim mesmo. "Você pode se comportar?" Ela levanta uma sobrancelha. "Claro que não posso." Bliss balança a cabeça rindo. "Então a biblioteca." Eu a vejo entrar no carro e se afastar do meio-fio, sem dúvida tentando me afastar. Caminhando de volta para minha casa, subo para o meu quarto e puxo minha caixa de cartas debaixo da cama. A cama se afunda quando eu me sento na borda, colocando o bloco de papel nas minhas pernas e pressionando a ponta da caneta nele.


JacksonEntão, eu posso ter estragado tudo. Lembra da minha professora de que falei? Bem, eu a convenci a vir ao nosso lugar, má ideia. Eu a beijei. Eu sei, eu não beijo, nunca tive uma namorada de verdade. Que porra eu estou fazendo? C. Eu gostaria que ele estivesse aqui para me dar conselhos, mas tenho certeza que se ele estivesse aqui, eu não a teria conhecido. Eu provavelmente iria muito profundo em alguma groupie, não esmagando minha tutora. Minha linda, inteligente tutora de merda. Eu poderia sentar aqui e pensar nela a noite toda, mas estou me encontrando com Cam no Dixie's. Ele acha que é bom me tirar da casa duas vezes já sem eu cancelar, mas eu vejo o que ele está fazendo, ele acha que se eu começar a sair mais eu posso voltar para a equipe. Eles não estão sendo agressivos e eu agradeço. Deslizando a caixa de cartas de volta para debaixo da cama, levanto para me vestir. Já faz algum tempo desde que eu pisei no Dixie. Eu estou supondo que é a mesma multidão de jogadores de bola de todas as equipes e as meninas que querem ser a próxima esposa em um desses reality shows de TV. Troco meus moletons por jeans pretos e camiseta branca por uma Ralph Lauren preto com o cavalo vermelho. Agarrando meu Jordan vermelho, preto e cinza do armário, eu ando até a parede mais distante do meu quarto, onde minha coleção de bonés está colocada do outro lado da parede.


Decidindo sobre um boné preto da Bulls, eu o deslizo e borrifo um pouco de Dolce e Gabbana Light Blue. Minha mãe compra para mim todos os anos; eu sou uma criatura de hábitos. Jackson costumava falar sobre isso o tempo todo, mas entrava no meu quarto e usava. Balançando a cabeça, eu sorrio com a lembrança, eu daria qualquer coisa para ele ainda estar aqui usando minha colônia.

*****

O cheiro de café e fumaça enche meu nariz enquanto o DJ local toca os 100 melhores sucessos da Billboard. O Dixie's está lotado e eu esqueço que é quinta-feira à noite. Única coisa nova aqui é o karaokê, e agora um grupo de garotas bêbadas está cantando uma música de boy band. Volto minha atenção para a mesa de sinuca onde Cam, Ash e eu estamos jogando. J.R., outro cara da equipe, acabou de se juntar a nós. Estou esperando que todos os outros apareçam agora, como se fosse uma reunião maldita. Inclinando-me, nivelei o bastão da minha jogada e observei minha bola mal perder o curso. "Você está enferrujado, mano." Ash ri, circulando a mesa à procura de um tiro. Eu pego minha água e abro. Eu não vou beber esta noite no caso de precisar levar alguém para casa. Ash perde seu tiro. "Eu estava fora, qual é a sua desculpa?"


Ele ri e se vira para a namorada, Amanda. "Eu tenho estado ocupado também." Ela ri e eles se beijam. Eu volto para a mesa de bilhar e vejo como Cam procura por um tiro, de alguma forma, todos nós estamos jogando este jogo, e nós nem estamos em equipes. A cabeça vermelha da pizzaria está sentada no banquinho atrás dele, eu não me lembro de Cam ter conseguido o número dela, mas aqui está ela rindo de tudo o que ele diz. Eu devo ter sido o único que não recebeu o memorando porque a namorada do J.R. está aqui também. Estou solitário, nunca fui solitário. Então, novamente, eu não tenho saído em quase um ano. Estou na sétima roda esta noite, e não me importo. Garotas continuam me olhando, mas ninguém tem coragem de andar até mim, e nenhuma delas está me dando qualquer razão para me aproximar delas. Eu tenho uma garota em minha mente e elas não são ela. "Cuba, baby". Exceto esta, ela tem coragem. Eu giro ao redor para ver Amber encostada no meu banquinho. Bem, ela não parece abatida. Ela costumava ser sexy como o inferno, longos cabelos castanhos brilhantes e grandes olhos castanhos brilhantes para combinar. Agora seu cabelo está agitado e sem graça, e seus olhos estão afundados. Em que diabos ela está? Seu corpo uma vez batendo parecia um pouco flácido, mas de alguma forma, ela ainda conseguiu erguer seus seios tristes. "Amber." Eu aceno. "Você não parece bem."


Ela nem piscou com o meu insulto. "É tão bom ver você de novo, faz muito tempo." Ela tropeça mais perto, mas eu dou um passo para trás. "Aparentemente não é o suficiente." Eu franzo a testa. Mais uma vez, meu insulto passa por cima de sua cabeça. "Nós devemos compensar o tempo perdido." Ela lambe seus lábios vermelhos desbotados. Então, é com isso que Dex foi pego. Ele traiu Bliss por isso? Eu luto para envolver minha cabeça, eu simplesmente não consigo ver. "Bow, o que eu te disse sobre vagabundas montadas em Chlamydia?" Sua voz suave faz meu lábio tremer. Bliss passeia ao meu lado, seus olhos tempestuosos em Amber, dando-me tempo para pegar seus pequenos shorts brancos e uma blusa azul-clara de seda que mostra sua barriga bronzeada e lisa. Ela está usando aqueles saltos de tiras sexy que ela usava no dia em que eu dei a ela uma carona para casa. O cabelo loiro geralmente ondulado de Bliss está em suas costas, parando em sua cintura. Eu noto a pilha de pulseiras de ouro em seu pulso, assim como seu colar, eu não a vi sem eles. Estou começando a perceber muitas coisas sobre minha pequena tutora. "Ainda amarga?" Amber coloca a mão em seu quadril ósseo. Bliss sorri. “Nunca amarga, grata. Você deveria realmente seguir em frente agora, ele claramente não está mordendo, e você está apenas se envergonhando.” Amber fica vermelha e olha para mim. Eu apenas sorrio e dou de ombros, inclinando-me para frente, equilibrando-me no taco.


Amber rapidamente se vira e vai até a próxima pobre alma. "Eu acho que estamos quites até agora, você quebra meu encontro e eu com o seu." Bliss se vira para mim, sorrindo. Eu quase me engasgo com o ar. "Amber?" Eu balancei minha cabeça. "De jeito nenhum. Ela acabou de se aproximar. Eu estou aqui com alguns amigos.” Eu aceno com a cabeça em direção ao grupo. Ela parece divertida. "Eu também." Ela faz um gesto para onde eu vejo Indi e um cara sentado, seus olhos em nós. "Quem é o cara?" Eu tento perguntar casualmente, mas sai como um grunhido. "Ciumento?" Ela arqueia uma sobrancelha. Eu zombei. "Eu não fico com ciúmes." Apenas sobre você, parece. "Eu acho que você está, um beijo e você já está reivindicando.” Suas bochechas ficam vermelhas. “Não estou reivindicando. Você parecia desconfort|vel, eu estava apenas sendo uma amiga.” Ai. Zona da amizade. "Amigo?" Eu pergunto. Ela acena com a cabeça. Me aproximo dela, lentamente. Inclinando-me para baixo, meus lábios mal tocam a ponta da orelha e eu inalo seu perfume de lavanda. "Eu não quero ser seu amigo." Amigos não querem fazer o que eu quero fazer com ela. Bliss rapidamente recua. "E eu aqui pensei que seríamos civilizados, mas não pode deixar de ser um idiota." Ela se vira e vai


embora antes que eu possa dizer qualquer coisa. Como eu estou sempre bagunçando tudo? Ela nem me deixou terminar. Eu não quero ser seu amigo, só quero os benefícios. Não há como qualquer coisa mais sair disso. Então, eu a vejo se juntar com os amigos e eu volto para os meus.


"Ele está totalmente em você." Patrick joga uma batata frita para mim. Eu pego e coloco na minha boca. “Sério, B Money,“ Indi entra em sintonia. “Eu nunca vi Cuba assim. Ele quase teve uma competição de mijo com Aaron na outra noite, e então ele te beijou mais cedo, e agora aqui está ele de novo.” "Você beijou aqueles l|bios incríveis?" Patrick ofega. “Você, cadela sortuda. Quero dizer, olhe para ele. Olhe para todas as pequenas vadias babando sobre ele. Cuba Knight está de volta e todos sabem, agora.” Eu aceno, Cuba não está nem pensando em mim, e eu não estou pensando sobre como seus lábios se chocaram contra os meus nem cinco horas atrás. "Eu não posso acreditar que você não disse nada todo tempo no salão." Ele olha para mim. Logo depois que saí do apartamento de Cuba, fui ao salão de Patrick, para que ele pudesse retocar minha raíz e arrumar meu cabelo. Eu dou de ombros. "Eu acho que esqueci, não é grande coisa."


Ele bate na mesa fazendo nossas bebidas tremerem, cabeças batendo em nosso caminho, mas isso não impede Patrick de gritar de susto para mim, “Cadela, Cuba porra Knight te beijou e você esqueceu. Você não sabe quem ele é?” Seus olhos verdes se arregalam em choque quando eu balanço minha cabeça. "Nenhuma idéia. Ele parece gostar desse jeito, e deixou claro que quer que continue assim.” Eu bebo minha bebida, meus olhos rapidamente passando para onde Cuba e seus amigos estão jogando sinuca e bebendo. Eu noto que ele é o único cara lá sozinho. Eu também não posso deixar de notar quantas garotas andam por ele tentando chamar sua atenção, mas ele nem olha para elas. Ele estava certo, houve atração entre eles desde o primeiro dia. Talvez eu não precise saber o segredo mais obscuro de alguém para beijá-lo. E oh, como eu queria beijar aqueles lábios novamente, mas eu me recusei a ser como todas as garotas desse lugar, ofegando por sua atenção. Ele não quer ser meu amigo; o sentimento é mútuo. "Devemos dançar." Patrick sorri. "Sim, nós devemos." Indi nos acena, ela está muito ocupada fazendo sexo ocular com a cabeça vermelha no bar. "Vocês vão, eu vou segurar o forte." "Ou levantar sua saia no banheiro dos homens." Ele bufa, de pé e estendendo a mão para mim. "Devemos?" Indi lhe lança um olhar, mas sorri. "Não seja ciumento."


"Nunca, eu gosto de me manter puro." Eu abaixo minha bebida. "Chega, vocês dois." Eles lutam como irmãos o tempo todo. "Vamos". Eu pego sua mão e sigo para a pista de dança improvisada. O Dixie's é um daqueles lugares que não podem decidir se querem ser um café, um bar ou um clube, então, de alguma forma, eles conseguiram chegar aos três. Sofás de pelúcia se acomodam até o fundo, onde há um barista, depois no meio há um bar, mesas de sinuca e algumas cabines, e mais perto da porta há algumas mesas altas, uma pista de dança improvisada e a cabine do DJ. É estranho, mas de alguma forma funciona. O DJ toca “OMG” de Camila Cabello e meus quadris balançam com a batida, meu corpo não está mais dolorido do treino da manhã, mas eu aprendi alguns movimentos de dança. Patrick se move atrás de mim, suas mãos nos meus quadris, seu corpo se movendo junto com o meu no ritmo, mergulhando quando eu faço. A melhor coisa sobre dançar com um cara gay é, não importa o quanto eu esfregue a minha bunda contra ele, eu nunca tenho que me preocupar com um convidado indesejado me cutucando. Eu sinto seus olhos queimando em mim antes mesmo de encontrá-los, Cuba está apoiado em seu taco de sinuca, seus olhos queimando buracos em mim enquanto eles se movem para cima e para baixo em meu corpo. Os arrepios preenchem meu estômago, há algo na maneira como os braços tatuados se flexionam quando ele agarra o bastão com mais força, a maneira como a língua dele cobre seus lábios cheios, e seus olhos cor de avelã ficam um pouco mais escuros a cada segundo.


"Porra, a maneira como ele está olhando para você está me deixando quente", Patrick sussurra no meu ouvido. "Espero que ele saiba que sou gay, que é uma luta que não posso vencer.” Eu sacudo minha cabeça. "Não se preocupe." Caindo, eu subo lentamente contra ele. "Ele não está nem pensando em mim." Eu vejo uma linda garota de cabelos negros com uma rica pele escura indo até ele, suas mãos deslizando por seus braços. Assim, seus olhos são puxados de mim para ela. Eu tento não deixar isso me perturbar, mas eu não sei qual jogo estamos jogando, mas eu preciso conseguir aderência. Eu sou tutora dele, isso é tudo, e esse beijo não significou nada, eu sou apenas outra garota bonita que ele gosta de ver. Quando a música começa a acabar, misturando-se com outro topper gráfico, eu me afasto de Patrick. "Eu preciso de um pouco de ar." Sem esperar por sua resposta, eu me afasto, passando por outros dançarinos. O ar frio é um resfriado bem-vindo quando saio. Existem alguns grupos de estudantes rondando em círculos e fumando cigarros. Encostada na parede de tijolos respiro fundo. Cuba com outra garota não deveria me incomodar. Eu nem me senti assim quando Dex e eu começamos a conversar um com o outro. Inferno, eu nem senti nada quando o peguei me traindo. O que há de errado comigo e essa atração estúpida por Cuba? Ele é um idiota completo para mim sempre que ele tem uma chance. Quando acho que podemos ser civilizados, ele me mostra que não podemos. “Quer alguma companhia?”


Falando do diabo, Cuba está encostado na parede ao meu lado, com as mãos enfiadas nos bolsos. "E se eu disser não?" Eu arqueio uma sobrancelha. "Eu não estou precisando de companhia de um idiota." "Ele é hétero?" Ele ignora o meu comentário. "O cara que você estava dançando?" Eu me volto para ele. "E é importante por quê?" Ele se vira para mim. "Oh, isso importa." "Você parecia ocupado." Ele ri levemente. "Eu não poderia estar muito ocupado se estou aqui com você." "Então, por que você está aqui comigo?" Eu inclino minha cabeça para ele. "Todas aquelas garotas morrendo por sua atenção." "Eu meio que só quero a sua, Arrow." Ele se aproxima de mim até que ele está a poucos centímetros de distância, eu posso sentir o leve cheiro de sua colônia cara. "Veja, eu não sei o que há sobre você, mas eu simplesmente não consigo manter distância, e eu acho que você me quer, do jeito que você estava dançando. O jeito que você estava olhando para mim.” Seus lábios roçam minha orelha e descem pelo arco do meu pescoço. "Então, me diga, você estava dançando para mim ou para ele?" Ele? Quem é ele? Eu mal consigo pensar com ele tão perto de mim, me inspirando como se eu fosse a mais nova fragrância e ele quisesse me comprar.


E se eu não quiser que ele me prove. Uma tosse me faz pular para longe. Patrick está parado ali parecendo todo convencido. Cuba dá um passo atrás para ver quem nos interrompeu. Falando dele. “Indi é uma puta e vai para casa com o deus loiro. Estou saindo, posso deixá-la no caminho.” Seus olhos verdes saem de mim para Cuba, seu sorriso se alargando. "Sim..." "Eu posso levar você para casa", Cuba me corta, enfiando as mãos nos bolsos e se balançando para trás em seus pés. "Eu estava indo de qualquer maneira." Patrick está enviando todos os sinais silenciosos para pegar a carona, ele está dizendo tudo em voz alta. Sua cabeça acena rapidamente e levanta dois polegares para cima. “Perfeito. Eu te vejo mais tarde. Me escreva, ” ele diz por cima do ombro. Eu apenas pisco, ele me abandonou, forçando-me a fazer outra viagem com Cuba. Eu olho para as costas de Patrick enquanto ele foge. Ele nem se certificou de que eu estava bem com isso. A última coisa de que preciso é estar aos cuidados de Cuba de novo, perto dele, respirando o mesmo ar, sentindo seus olhos castanhos em mim. Meus nervos estão empacotados apenas pensando nisso.


"Eu posso pegar um Uber, você não deveria ter que deixar seus amigos por minha causa." Eu deslizo meu telefone do meu bolso de trás e clico no aplicativo. "Você sempre pode simplesmente sair com a gente, e eu posso te levar para casa depois", diz ele lentamente, como se escolhesse o que dizer com cuidado. Eu balancei minha cabeça rapidamente. "Ah não. Tudo bem.” Cuba era o único sozinho. Eu não queria que as pessoas pensassem que eu era sua próxima conquista, eu não deveria me importar com o que alguém pensa, mas eu me importo, quando se trata dele, eu importo. "O que? Você é boa demais para meus amigos?” Ele parece irritado. Estou surpresa. "Não. Eu só não quero..." “Não quer que alguém pense que estamos juntos?”, Ele pergunta. "Arrow, estamos apenas saindo." Suspirando, eu me afasto em pedir o Uber. “Eu não entendo você. Você me disse que eu nunca conheceria você. Você age como um idiota, depois me beija e flerta comigo. Você diz que quer se calar, mas de repente você est| em toda parte.” Eu balanço minha cabeça. "Eu só não sei o que esperar com você, você me desestabiliza." Seus olhos castanhos se estreitam em pensamentos, ele balança a cabeça lentamente. "Entendi. Sinto muito pela primeira sessão e por todas as coisas idiotas que eu disse a você.” Ele faz uma pausa, lambendo os l|bios. “Estou tentando voltar para onde eu costumava estar. Vamos começar de novo, sim?”


Seus olhos me imploram e sou uma otária para eles, mas primeiro. “Onde você estava, então?” Cuba franze a testa. "Uma coisa de cada vez." Ele pega minha mão e faíscas disparam no meu braço. Sua respiração falha e eu me pergunto se ele pode sentir isso também. “Deixe-me comprar uma bebida para você, podemos ficar um pouco mais e eu vou te levar para casa, é só uma carona. Eu prometo." "Tudo bem", eu gemo. "Se eu devo." Um sorriso puxa seus lábios. "Eu insisto." Sorrindo de volta, eu balanço minha cabeça ligeiramente, deixando-o me levar de volta para o Dixie. Parece estar mais cheia e os olhos nos seguem. Cuba não parece se importar enquanto ele nos navega pelos corpos, seus dedos entrelaçados nos meus. Eu me lembro de que isso não significa nada. Eu vejo os mesmos caras da outra noite, ainda nas mesas de bilhar, garotas ao redor deles. Eu não perco a forma como eles olham para mim, com curiosidade. Seus olhos vão para nossas mãos unidas, e quando paramos, eu rapidamente puxo minha mão para longe. Cuba olha para mim, mas não diz nada. "Esta é Bliss", diz ele. "Bliss, este é Cam, Ash, sua namorada Amanda, JR, e sua namorada Maya." Ele acena com a cabeça em cada um, antes de colocar a mão na parte inferior das minhas costas nuas, outra faísca dispara através de mim, enquanto ele me guia para um banquinho em uma mesa alta. "O que eu posso trazer para você beber?", Ele pergunta uma vez que estou sentada.


"Eu só vou tomar um Sprite." Eu não preciso beber em torno dele, eu posso admitir que eu sou um peso leve, e eu já tenho um pequeno burburinho da minha primeira bebida. Cuba acena e vai para o bar. Eu não posso deixar de sentir olhos em mim. Maya e Amanda estão chegando até mim. Amanda é uma bonita loira pixie, ela me lembra de Tinkerbell em seu vestido amarelo pálido e grandes olhos azuis. Maya é o oposto, sua pele dourada parece beijada pelo próprio sol, cachos escuros emolduram seu rosto em forma de coração e olhos escuros brilham. Um sorriso puxa seus lábios carnudos. "Você é linda." Imediatamente, eu pego o sotaque espanhol de Maya. Eu estou surpresa com o comentário dela e eu coro. "Obrigada." Amanda sorri. "Prazer em conhecê-la. Você é a ex de Dex, certo? Eu odeio quando as pessoas se referem a mim como sua ex. "Ele é realmente meu ex." Elas riem disso e eu sorrio. “H| quanto tempo você est| namorando Cuba? Ninguém o viu há algum tempo, desde... Você sabe.” A voz de Maya desaparece. Isso me faz carrancuda. “Hum, não estamos namorando. Somos amigos.” Isso quase sai como uma pergunta. Nós somos amigos? Agora é a sua vez de franzir a testa, como se elas não entendessem. "Eu sou sua tutora", eu explico.


"Oh." Amanda balança a cabeça como se agora ela conseguisse entender. Ambas as meninas compartilham um olhar e trocam de pé. Felizmente, Cuba aparece ao meu lado, meu refrigerante na mão e uma Coca-Cola para ele. "Eles só tinham 7-up, espero que esteja tudo bem." Sorrindo para ele, eu aceno. "Sim, perfeito. Obrigada." Maya e Amanda aproveitam para se apressar a voltar para seus namorados, e estou feliz, queriam me questionar mais, descobrir por que Cuba me tem por perto. Eu gostaria de saber também, mas tenho a sensação de que é porque ele quer entrar na minha calcinha, não para me conhecer. "Elas estavam sendo legais?" Ele se inclina contra a parede ao meu lado. Eu tomo um gole da minha bebida antes de concordar. "Sim, elas perguntaram há quanto tempo estamos namorando.” Ele ri, como uma gargalhada profunda. Eu acho que o pensamento de namorar comigo é engraçado. Ele precisa entender que não estou achando graça no momento em que olha para o meu rosto, e engasga com o som prestes a romper sua garganta. Meus olhos se estreitam em um clarão enquanto eu pego o canudo na minha boca e dou um gole. Seus olhos escurecem, concentrando-se nos meus lábios, e arqueio uma sobrancelha, não tão engraçada agora. Cam chama sua atenção antes que ele possa dizer qualquer coisa para mim, e eles começam outro jogo de sinuca. Cuba rouba olhares para mim enquanto ele dá a volta na mesa procurando o próximo tiro.


Meu celular vibra no meu bolso de trás e eu levanto um pouco para deslizá-lo para fora. É India. Indi: Ficando a noite com o deus loiro do bar. Você está em casa? Eu: Não, Pat me abandonou. Ainda no bar. Eu sorrio quando ela manda outra mensagem. Indi: Claro que ele fez. Você está sozinha?? Eu: Não :) Indi: Cadela, com quem você está? Você não tem amigos. Ouch, eu tenho muitos amigos. Isso é mentira, eu não tenho. Eu: Tudo bem, eu estou com Cuba e seus amigos e ele está me levando para casa. Há uma longa pausa e momentos passam sem um texto, e depois vem. Ela enviou um gif de Beyoncé dançando. Indi: Eu sabia que você queria o D. Eu não posso deixar de rir em voz alta. Os olhos de Cuba se voltam para mim, e ele perde o tiro, a ponta do taco deslizando contra o feltro verde. "Sinto muito." Eu gesticulo com a boca e volto para o meu telefone, rapidamente batendo um texto de volta. Eu: Não. É só uma carona para casa. Eu me senti mal por fazê-lo sair cedo, então ainda estou aqui. Fim da história.


Indi: Certo, se você diz. Vejo você amanhã. Aproveite sua viagem a Cuba. Eu posso imaginá-la agora, rindo de sua própria piada. Revirando os olhos, eu desligo a tela sem responder a ela. Não haverá nenhuma viagem a Cuba. Não para mim, pelo menos, e não por sua falta de tentativa. Pela próxima hora eu vejo os caras atirarem na sinuca, Maya e Amanda saíram cerca de vinte minutos atrás, as duas me deram abraços de despedida e até trocamos números, dizendo que esperam me ver mais vezes. Estou um pouco chocada, pois elas mal me conhecem, mas talvez eu deva me reunir e conhecer novas pessoas. As meninas ainda estão vergonhosamente cobiçando Cuba, mas ele não lhes presta atenção, ele parece estar contente apenas com seus amigos, rindo e o que parece estar se aproximando. Vê-lo assim faz algo comigo e eu não posso colocar o dedo nisso. Seu boné de beisebol agora está virado para trás, mostrando mais de seu rosto macio de bebê, seus olhos cor de avelã acendendo cada vez que ele fala, e eu simplesmente não consigo desviar o olhar. Eu entendo por que as garotas o bajulam, ele é claramente algo para se olhar e às vezes ele é mesmo um cara legal, ele está tentando, e eu estou deixando, pelo menos pelas próximas semanas. Está ficando tarde e meu corpo está começando a se encher de cansaço. Cuba está prestes a acumular as bolas novamente, e eu realmente não quero que ele tenha que sair ainda, mas eu preciso ir para casa, eu planejo sair para Palm Springs pela manhã, para ver minha mãe.


Eu escorrego do banquinho, colocando meu copo vazio na mesa, meu movimento deve ter chamado sua atenção porque ele já está na metade do caminho para mim, o taco de bilhar na mão. "Você está pronta?" Ele aborrecimento em sua voz.

pergunta,

não

havia

nenhum

Assentindo, franzo a testa um pouco. “Sim, estou cansada e tenho planos pela manhã. Eu realmente posso pegar um Uber, você não precisa sair” eu insisto, em parte porque eu não quero estragar o tempo dele, e eu também não sei se eu poderia lidar com uma carona para casa. Eu só moro a cinco minutos de distância, mas tenho a sensação de que vai parecer muito mais. Cuba balança a cabeça, antes de virar o boné para frente, abaixar a aba até os olhos. “Arrow, pare. Estou te levando, vamos dizer tchau e podemos ir embora.” Ele pega minha mão, mais uma vez seus dedos entrelaçados com os meus e meu coração pula um pouco. Acalme seus nervos Bliss. Ele está apenas segurando sua mão. "Talvez da próxima vez você fale mais." Cam pisca para mim quando nos aproximamos, e eu não posso deixar de corar. Eu normalmente não sou uma pessoa tímida, mas não deixei meu banco nenhuma vez. "Se houver uma próxima, eu vou." Eu pisco de volta. “Ei, pare com essa piscadela.” Cuba, brincando empurra seu amigo.


Cam pisca para mim de novo e eu não posso deixar de rir. "Ele não é bonitinho ciumento?" Cuba ciumento? Não é provável, mas eu não digo nada e nem ele. Eu não tenho certeza do que pensar sobre isso enquanto dizemos adeus aos outros caras. Ele me conduz através da multidão novamente, garotas estão cortando os olhos para mim, e se olhares pudessem matar, eu estaria morta. Relaxem. Não sou uma ameaça para nenhuma de vocês. "Você tem uma boa base de fãs", eu digo quando estamos em seu SUV, e clico o meu cinto de segurança. Ele aperta o botão e liga o motor, seus olhos em mim, em confusão. "O que?" "Posso te perguntar uma coisa?" Eu mordo meu lábio. "Sobre o seu passado", acrescento. Ele se inclina para trás em seu assento, visivelmente respirando fundo. "Depende, você pode perguntar, mas eu posso não responder." Eu aceno antes de respirar fundo. "Você estava no time de basquete?" Bem, é claro que ele estava em um ponto. Eu imaginei que com a maneira como sua sala de estar é decorada, além de seu problema com Aaron, eles tinham que ser rivais. Eu sei que eu não deveria falar de esporte, mas se ele está tentando ser quem ele é, então talvez eu possa ajudar de alguma forma. Ele olha para mim por um momento e sua boca se contorce. "Sim."


“E você não est| mais.” Não é uma pergunta. Eu os ouvi falar sobre a próxima temporada, e como eles gostariam que ele voltasse. Ele tentou se esquivar das perguntas e eles permitiram. Ele concorda. "Não, eu não estou." "Por quê?" Eu nem sequer penso antes de perguntar, e seu rosto fica frio. Seus olhos se afastando de mim e olhando para frente. Ele se atrapalha com os faróis, ligando-os. Eu automaticamente desejo que eu não tivesse perguntado. Ele me disse repetidamente que não está pronto para se abrir totalmente e, é claro, encontro novas maneiras de perguntar sem sequer pensar. "É a razão pela qual você parou e a razão pela qual você esteve longe pelo mesmo motivo?" Eu rapidamente pergunto, novamente me amaldiçoando. Jesus, Bliss, cale a boca. Cuba não diz nada quando ele sai do estacionamento, seus dedos tocando na tela do rádio mudando de música rapidamente até ele pousar na Caroline de Amine, o volume baixo, mas com o silêncio entre nós, pode muito bem ser estridente. Suspirando em derrota, eu pressiono mais contra o assento de couro macio e inclino minha cabeça para olhar pela janela, observando as luzes da rua passarem em um borrão. Eu não deveria ter dito nada, então talvez esse passeio de carro fosse diferente. Cuba continua tão quente e frio como sempre. Hoje à noite, ele estava flertando e todo sorrisos, agora ele está em silêncio e frio. Desta vez eu sei que sua mudança de humor é minha culpa.


Nós não dizemos nada durante todo o caminho, e eu murmuro as letras enquanto as músicas mudam para não deixar escapar qualquer outra coisa. Quando ele estaciona na calçada em frente ao meu apartamento, eu não perco tempo pulando para fora. "Obrigada pelo carona." Eu me recuso a olhar para trás quando fecho a porta, mas o motor desliga e uma porta se fecha atrás de mim. Virando, vejo Cuba andando na frente do carro dele na minha direção. Minhas sobrancelhas se juntam em confusão quando ele pega minha mão, seus dedos entrelaçando os meus, dando um pequeno puxão. "Eu vou acompanhá-la", diz ele suavemente. Eu não sei o que fazer com isso, então, em vez disso, vou até a minha porta. Eu sou grata que eu moro no andar de baixo. Ele segue ao meu lado em silêncio até estarmos à minha porta. Ele literalmente deu dez passos, mas foi legal da parte dele. Eu não tenho certeza se devo convidá-lo para entrar. Eu quero convidá-lo para entrar? O que ele espera? "Sim", diz ele, seus olhos castanhos fechando com os meus. "Eu estive fora e parei de jogar basquete pela mesma razão." Eu respiro e aceno. "Você vai me dizer algum dia?" Eu não queria empurrar novamente. Um pequeno sorriso puxa seus lábios. "Tenho certeza que India pode preencher as lacunas ou você pode usar o Google."


Meu sorriso combina com o dele e eu balanço as mãos unidas, suavemente. “Sim, bem, você me disse uma vez que eles não te conhecem. Eu quero que você me diga quando estiver pronto. Eu quero te conhecer.” Sim, a ideia de pesquisá-lo passou pela minha cabeça quando nos conhecemos, mas, como ele disse, preferia que eu não soubesse, e não vou. Ele concorda. "Eu disse isso." Sua outra mão levanta e seus dedos roçam minha bochecha. Eu me inclino contra o toque dele sem pensar. "Obrigado por ficar e sair comigo, mesmo que você estivesse entediada." Eu estava entediada, mas não concordo. "Foi divertido." E foi divertido vê-lo tão despreocupado e não um idiota. "Mesmo com o seu fã-clube olhando para mim." Ele ri. "Eu não tenho um fã-clube." "Por favor, você não é cego." Reviro os olhos. Cuba balança a cabeça. “De qualquer forma, obrigado por sair. Eu acho que te vejo na segunda.” Eu aceno com a cabeça, uma sensação estranha caindo no meu estômago. "Sim, segunda-feira." Eu me viro para a minha porta, puxando minha mão da dele, mas ele puxa forte o suficiente para que eu acerte seu peito. Olhando para ele, nossos olhos se encontram e suas mãos descansam na minha cintura. Seus polegares pressionando minha pele nua. Eu não me afasto quando seus lábios descem sobre os meus, beijando-me suavemente, fazendo meus lábios se separarem,


convidando sua língua quente para acariciar a minha. Uma mão percorre minhas costelas enquanto nosso beijo se aprofunda, nossas bocas famintas se movendo avidamente, eu não me afasto como fiz antes, ao invés disso eu envolvo meus braços em volta de seu pescoço e empurro minhas pontas dos pés, aproximando-o. Um gemido escapa da minha boca e há uma dor súbita entre as minhas coxas. Suas mãos acariciam minha pele nua e eu tremo com o toque. Ele tem gosto da Coca-Cola que ele estava tomando a noite toda, e eu sou viciada nisso. Cuba me apoia contra a minha porta da frente. Minha pele em chamas acolhe a mordida fria da madeira. "Você é fodidamente perigosa, Arrow", diz ele contra meus lábios. "Você está me deixando louco." Eu não posso dizer nada antes de sua língua deslizar de volta na minha boca, em seguida, para fora, seus dentes beliscando meu lábio inferior antes de ele puxar seus lábios para longe, apenas nossas testas se tocando. Nós dois ofegando por ar. "Você deveria ir para dentro." Sua respiração faz cócegas na minha bochecha. Eu aceno, tentando me recompor. "Sim, eu deveria", eu digo sem fôlego. Meu braço desliza de seu pescoço até seu peito, enquanto suas mãos caem da minha cintura. Ele dá um passo para trás e automaticamente sinto falta dele estar no meu espaço. Cuba morde o lábio inferior e esfrega a nuca. "Segunda-feira?"


Segunda-feira? Eu não posso nem pensar agora. "Hã?" Seus lábios se contraem. "Você e eu, segunda-feira, a biblioteca", diz ele lentamente. Eu pisco rapidamente, saindo da zona em que eu estava. "Sim, a mesma hora de sempre." Quão coxa eu sou? Eu me viro, puxando minha chave que guardei no bolso de trás. "Vejo você então." Eu corro para dentro de casa e fecho a porta na cara dele. O que eu fiz? Eu não deveria estar beijando ele, eu não deveria gostar do jeito que me sinto quando as mãos dele tocam no meu corpo e eu não deveria ter essa dor entre as minhas pernas, mas droga, eu sinto. Cuba vai me deixar louca. Ele diz que eu estou deixando ele louco, o sentimento é mútuo.


Meus dedos enluvados batem suavemente contra meus lábios, e não posso deixar de sorrir para mim mesma. Ele me beijou de novo, e foi, caramba, foi legal. Eu não deveria comparar, mas beijar Cuba fez Dex parecer um novato. Cada mordiscada e varredura de sua língua está embutida na minha memória desde a noite passada. Pensei na hora e meia de carro até a casa da minha mãe em Palm Springs. Quando digo, pensei sobre isso, realmente quero dizer que estou obcecada por cada toque, cada respiração, tentando dissecá-lo e descobri-lo. Meu desejo de conhecê-lo está crescendo, e agora que ele está disposto a se abrir lentamente para mim, não consigo pensar em mais nada, incluindo minha tarefa em mãos. Polvilho de terra bateu no meu rosto, me sacudindo dos meus pensamentos. Eu olho para a minha mãe que está ajoelhada ao meu lado com sua pá de mão. "Você deveria estar me ajudando, não sonhando acordada", ela brinca, com um sorriso. Eu sorrio de volta e continuo enchendo de terra ao redor das flores que estou trabalhando. "Desculpe", eu murmuro, envergonhada. Eu raramente sou pega sonhando acordada e ultimamente tem se tornado um hábito. Eu culpo o jogador de basquete tatuado de olhos castanhos.


Ela cantarola e continua a plantar o resto das flores ao lado dela, e eu relaxo apenas estando perto dela. Eu morei com minha mãe o tempo todo quando estava crescendo e ia ver meu pai nos fins de semana, mesmo agora que moro em Los Angeles, não posso ficar muito tempo sem ver minha mãe aos sábados, e minhas noites de domingo costumam ser gastas, jantando com Papai. Às vezes, eu costumava desejar que eles voltassem a ficar juntos, todo garota deseja isso, mas agora que estou mais velha, vejo que eles estão felizes. Eles nunca dizem uma coisa ruim um do outro e às vezes até fazemos uma refeição juntos. Nenhum deles se casou novamente, eles namoram aqui e ali, mas nunca é nada sério. Eu me pergunto se eles se sentem solitários. Eu não gostaria de envelhecer sozinha e nunca mais encontrar o amor. Eu limpo o suor da minha testa com as costas da minha mão. Nós estivemos no sol a tarde toda, plantando as novas flores que a mãe comprou esta manhã antes de eu chegar. Fazemos isso às vezes, e fico feliz que estou usando jeans e camiseta. "Então, quem é o rapaz?" Sua pergunta me assusta. "Que tem você sonhando acordada, é um rapaz certo?" Meus lábios tremeram, meus pais odiavam Dex e não foi surpresa quando eu disse a eles que terminamos, eles perguntaram se eu queria comemorar. "Não, eu não estou pensando em Dex", eu asseguro a ela. "Não é nada, mãe." "Eu pareço estúpida?" Ela abaixa suas ferramentas e se inclina sobre os joelhos.


"Sério, apenas um cara que eu estou ensinando." Um cara que me beija até perder meu fôlego. Um cara que eu preciso colocar os freios na segunda-feira, porque isso não pode acontecer novamente. Mamãe cantarola outra vez tirando as luvas. "Qual o nome dele?" "Cuba." "Que ano ele está?" Essa é uma ótima pergunta, eu não tenho ideia. Então dou de ombros. "Não tenho certeza, acho que ele é um veterano este ano." Uau, eu realmente não sei muito sobre ele, mas deixei ele devorar minha boca na noite passada. Ótimo. Suas sobrancelhas levantam. "Mas você está atraída por ele." Não é uma pergunta e eu odeio quando ela sabe dessas coisas. "É complicado." Isso é um eufemismo porque eu nem sei o que está acontecendo comigo mesmo. "Quer explicar durante o almoço?", Ela pergunta. "Eu fritei um pouco de bacon esta manhã, podemos ter BLTs." Meu estômago ronca com a menção de bacon. “Não h| muito a explicar, mas o almoço parece ótimo, estou morrendo neste sol.” Nós nos levantamos e nos limpamos, deixando nossas ferramentas de jardinagem no chão para mais tarde. Eu sigo a mãe pela casa até a cozinha, onde ela começa a preparar o almoço, eu pego pratos e copos na prateleira. Eu sempre amei esta casa, mesmo quando era uma garotinha e meu avô morava aqui antes de meus pais se divorciarem. É simples e acolhedora, com seus quartos menores e cores quentes, não se encaixa no bairro glamoroso com


todas as árvores e plantas de fantasia, mas tem um jardim simples na parte de trás, que eu amo. Eu costumava visitar todo o tempo e vovô me contava sobre Roma antiga, ele é a razão pela qual eu estudo história, seu amor por ela transferido para mim. Passamos muitas noites abraçados no sofá com uma tigela de pipoca assistindo aos mais novos documentários ou especiais de TV sobre qualquer coisa relacionada à civilização antiga, às vezes até sobre a realeza britânica medieval. Eu tinha uma queda pelo rei Henry oitavo o achei fascinante para um homem louco. Sinto falta dele, meu avô, Alzheimer é uma vadia. Observar o homem com a mente mais bonita perder tudo, quase me matou. Já faz dois anos, e de vez em quando, eu só queria que ele estivesse aqui, para ver que estou seguindo meus sonhos. Sacudindo meus pensamentos, encontro minha mãe na mesa onde ela colocou os sanduíches e o chá gelado. Colocando os pratos e copos, eu deslizo na cadeira em frente a ela. "Então, me fale sobre esse rapaz, Cuba." Ela não perde tempo, hein? O único namorado sério que tive foi Dex. Eu namorei brevemente no ensino médio, apenas o tempo suficiente para ter um encontro para o baile. Um sorriso estúpido curva meus lábios enquanto conto a ela sobre o cara mais sexy que eu já ensinei, entre mordidas. Quanto mais eu falo sobre ele, mais perguntas eu tenho, como quantos anos ele tem? Ele está se formando este ano? Tudo o que sei é que ele jogou basquete, e ele é claramente popular, todo mundo o conhece. Eu também sei que ele é assombrado, e tenho a sensação que tem a ver com esse outro cara, Jackson.


"Parece que ele não sabe se gosta de você ou não." Mamãe limpa a boca com um guardanapo, "Ele parece complicado, e você não tem tempo para isso, menina. Deixe isso ir embora.” Franzindo a testa, empurro meu prato para longe. “Sim, mas..." Ela me corta levando meu prato embora. “E ele é um atleta. Você não foi enganada por um?” Ela está certa, Dex me enganou. Claro, eu sei que não posso julgar cada atleta com base no meu último relacionamento, mas parte de mim faz. Eu não tenho ideia do que está acontecendo entre Cuba e eu, então antes de eu fazer algo em nada, eu fechei a idéia, porque o que eu vi na noite passada é que as garotas o querem, garotas lindas. Eu não estaria pensando de forma realista se eu acho que ele é um homem de uma só mulher. Eu forço um sorriso falso que tenho certeza que ela pode ver. “Como eu disse mãe, não h| nada acontecendo. Ele é fofo, é isso.” Ela arqueia uma sobrancelha escura. "Sim, tudo bem. Eu só não quero que você seja enganada por algum atleta, de novo.” Eu quero argumentar que Cuba não é como Dex, mas como eu sei disso com certeza? Eu não sei, eu preciso mantê-lo no comprimento do braço, porque eu não posso passar por isso de novo, e com Cuba, pode realmente doer. Então, eu concordo com a cabeça, nenhum ponto em entrar em meus sentimentos com a minha mãe quando eu posso dizer que ela não está impressionada com Cuba. Continuamos a falar sobre o pai e o quão ocupado ele está ultimamente trabalhado em algum caso, ele até teve que cancelar nossos planos para o jantar de domingo, com


promessas de jantar na segunda-feira. Isso não me incomoda, porque ele geralmente nunca é assim, o pai sempre tem tempo para mim. O que me incomoda são meus sentimentos por Cuba, e minha confusão piora. Empurrando Cuba longe da minha mente, eu passo o resto do dia de jardinagem com a mãe e suando sob o sol escaldante. Embora eu precisasse disso, estava pronta para ir para casa e evitar India o máximo possível. Ela vai querer falar sobre a noite passada, perguntar se alguma coisa aconteceu entre Cuba e eu. Como posso responder isso se eu nem sei o que está acontecendo conosco?

*****

Eu consegui evitar India por pelo menos duas horas esta manhã desde que ela não estava em casa quando cheguei lá ontem à noite. Na verdade, Indi quase nunca está em casa, minha colega de quarto e melhor amiga é estranha. Às vezes, eu me pergunto de onde ela realmente veio, porque há momentos em que o leve sotaque de seu país escapa, mas eu nunca digo nada porque quando ela estiver pronta, ela vai me dizer de que planeta ela realmente é. Isso é o que eu estou pensando enquanto ela se aconchega ao meu lado na minha cama enquanto passamos o vape de um lado para o outro. Nunca é cedo demais para ficar no alto em um domingo, especialmente com a minha mente correndo de volta para Cuba. Eu inalo profundamente em frustração porque nunca tive esse problema. Claro, eu gostei do meu ex, ele era tolerável, mas eu nunca


pensei tanto nele, nem me lembro dos nossos beijos. Com Cuba eu me lembro de tudo, do jeito que seus olhos se estreitam quando ele está confuso ou tentando escolher as palavras certas para dizer, a maneira como ele estremece quando sabe que ele disse algo errado, e a maneira como ele muda de quente para frio, porque provavelmente, ele não sabe como está se sentindo. Eu tenho ensinado muitos estudantes nos últimos dois anos e meio, muitos deles atletas bonitos que são charmosos, e eu nunca senti aquela conexão instantânea até que o vi sentado lá quando eu passei pela porta. “Então, como foi { visita a Cuba?” Indi pega o vape da minha mão. "É tão lindo como todo mundo diz que é?" Eu franzo a testa com o pensamento dele com outras garotas e eu tomo o vape de volta e inalo. "Eu não sei, eu ainda estou no barco." Fumaça grossa escapa da minha boca aberta. "Como uma lancha?" "Não, eu estou em um pedalinho e ainda posso ver a costa de Miami." Indi começa a tossir fumaça, rindo. "Oh meu Deus", ela tosse e tenta recuperar o fôlego. “Sério, você quer visitar Cuba?” Eu me viro para encará-la. "Claro que sim, mas é tão complicado e eu não preciso de complicações." Ela balança a cabeça, as sobrancelhas franzidas juntas. "Eu entendo depois de Dex, esse idiota não está em nenhum lugar no nível de Cuba."


Eu aceno rapidamente. "Como Dex é definitivamente um plebeu humilde e Cuba é como a realeza." Indi ri. "Você é tão nerd, mas eu amo o seu rosto." Eu também rio. "Mesmo. Nós estamos tão altas.” "Acho que é cedo demais para pedir pizza?" Eu inalo o vape profundamente, a fumaça queimando a parte de trás da minha garganta. "Não." India rola da minha cama. "Traga o vape para a sala de estar, eu vou pedir comida." Rolando nas minhas costas, eu pego meu telefone da mesa de cabeceira. Eu teria pensado que pelo menos uma vez ele teria me enviado uma mensagem, mas nada. Por que ele iria me mandar uma mensagem? Ele só gosta de me beijar e fazer sinais mistos que eu penso demais. Gemendo, eu saio da cama vestindo apenas uma camiseta preta que cortei, mostrando meu estômago, e minha calcinha shorts favorito que têm laços rosa neles. Eu faço minha rotina matinal, e uma vez que estou sentada em nosso sofá e puxando o cobertor branco macio sobre minhas pernas, eu rolo pelo Instagram e depois pelo Facebook. É incrível ver o que todo mundo tem feito com sua vida desde o colegial, não que eu fale com a maioria deles, mas eu gosto de julgar silenciosamente todas as garotas populares que já foram minhas amigas, irem para Vegas em vez de me apoiar no funeral do meu avô, mas isso não é nem aqui nem lá.


Indi vem do corredor, ela agora está usando leggings e uma blusa, seu cabelo castanho em um nó em cima de sua cabeça. “A pizza est| encomendada e estará aqui em trinta minutos. O que vamos ver hoje?” Ela cai perto de mim e liga a TV. Jogando meu telefone para baixo, vejo quando ela coloca na Netflix. "The Tudors." “Não, assistimos no último final de semana. Você não é escorregadia.” Ela me empurra: “Nada que tenha a ver com a história.” "Tudo tem a ver com a história, é por isso que se chama história." Reviro os olhos. "Duh" "Bem, você sabe o que quero dizer." Indi começa a passar pelos novos lançamentos. “Narcos. Nós não vimos a terceira temporada.” Eu luto com um sorriso, não vou lembrar a ela que Narcos também é história. Há uma batida na porta e eu olho para Indi, que está digitando em seu telefone. "Não passou trinta minutos já." Eu não posso estar tão alta. Ela tira um golpe do vape e encolhe os ombros. "Provavelmente é Patrick, ele disse que poderia aparecer." A batida vem de novo e India não se move. Bem. Eu jogo meu cobertor e vou até a porta, abrindo-o sem olhar através do olho mágico, meus olhos estão pesados demais para isso.


Não são os olhos verdes de Patrick olhando para mim, são castanhos e os olhos estão trancados nas minhas pernas. Claro, eu abri a porta de calcinha. Eu mentalmente me atiro. "O que você está fazendo aqui?" Eu estalo fazendo com que os olhos dele voem para os meus. "Você sabe que é rude parar sem avisar." Eu odeio que pareço uma vadia, mas estou enlouquecendo. Não só estou de pé aqui de calcinha, estou alta e estou tentando não rir disso. Cuba ergue uma sobrancelha e sorri, sem se afetar pela minha atitude. "Eu gosto dos laços." O calor sobe pelo meu rosto e tenho certeza de que estou vermelha. "Eu não usei para você." Seu sorriso vacila, "O fato de que eles estão aí me diz que você usou para não chegar tão longe." "Oh, não se preocupe, eu estou cuidando", eu minto. "Então porque você está aqui?" Cuba muda de pé e enfia as mãos nos bolsos de seu moletom, e eu finalmente consegui me concentrar o suficiente para levá-lo para dentro. Ele deve ter acabado de sair do treino, ele tem tênis de corrida pretos e seu moletom de basquetebol da universidade, um boné preto cobre sua cabeça. Ele parece sexy mesmo no meu estado alto. Eu nem noto que estou olhando até que ele pigarreia e meus olhos se voltam para os dele. "Arrow". Ele sorri. "Você está chapada?"


Eu tento agir chocada, mas falho e afasto uma risada. “Hum, não. Por que você acha isso?” Ele sorri, balança os calcanhares e lambe os lábios, lábios que eu me lembro de sentir contra os meus. "Seus olhos estão apertados, e você tem esse sorriso bobo no rosto, e sejamos honestos, eu não coloquei lá." Eu reviro meus olhos. "A última vez que verifiquei a erva era legal no estado da Califórnia." Ele levanta as mãos em sinal de rendição. "Ei, eu não disse que havia algo errado com isso. Você sempre me surpreende.” Sim, você me surpreende também. "Então, o que você está fazendo aqui?" Eu pergunto de novo, quando vejo seus olhos vagarem pelo meu corpo, e lembro que estou de pé lá em nada além da minha calcinha e da camisa pequena demais. Ele olha de volta para mim. "Hum" "Hum não é uma resposta", eu digo colocando uma mão no meu quadril. "Tudo bem, juiz Judy", ele zomba e tira algo do bolso de seu casaco. "Você deixou isso no meu carro." Ele balança uma das minhas pulseiras de ouro na minha frente. Agarrando minha pulseira, eu deslizo meu pulso através dela. "Obrigada, mas você poderia ter levado amanhã."


Cuba encolhe os ombros e olha em volta antes de olhar de volta para mim. "Sim, bem, eu estava em torno da área e merda." Eu seguro um sorriso e levanto uma sobrancelha. “Claro, você estava. Tem certeza de que não queria apenas me ver?” Ele tem a coragem de parecer envergonhado e é meio fofo. "Eu não queria esquecer." Ele dá outro encolher de ombros e agita com o boné. "Você precisa entrar em casa, você não deveria estar aqui onde qualquer um pode ver você." Cuba típico. Ele está ficando desconfortável comigo de novo e está correndo. Eu respiro fundo. "Eu vou te ver amanhã, obrigada por trazer para mim." Ele dá um passo para frente e eu prendo a respiração. Seus olhos estão nos meus lábios e eu já sei onde está sua mente, no mesmo lugar que a minha. Juro, sua boca poderia tirar minha calcinha agora. "Hum, eu tenho uma entrega." Nós dois balançamos a cabeça para a voz, o entregador está parado ali, com uma sacola de pizza na mão. Seus olhos redondos estão trancados no meu traseiro, como se ele nunca tivesse visto uma garota de calcinha antes, e pelo jeito dele, eu posso ver o porquê. Cuba estala os dedos. "Olhos para cima aqui, mano." Ele pisa na minha frente e pega sua carteira de suas calças. "Quanto?" Ele estala.


Eu começo a protestar, mas ele balança a cabeça como se soubesse. "Entendi." "Quinze e trinta", o entregador gagueja. "Você é Cuba Knight." Mudando um pouco, eu olho em volta do corpo de Cuba para o cara, ele não poderia ser mais velho do que nós. Huh, então ele é famoso? Cuba pega uns vinte dólares de sua carteira. "Sim," Ele entrega o dinheiro, e espera pela caixa de pizza. "Você pode ir agora", ele grita. Entregador não perde tempo para dar o fora. "Caramba, você não precisava assustar o garoto." Ele gira em minha direção, ele não está sorrindo. "Coloque sua bunda para dentro, Bliss." Ele segura a caixa e eu a agarro. "Eu vou te ver amanhã, Cuba." Eu rolo meus olhos, me virando. Essa coisa quente e fria está ficando velha. Se ele não fizer algo sobre isso, então eu vou, a partir de amanhã. Operação Cuba está de volta em movimento. Eu chuto a porta fechada sem olhar para trás.


Jackson, Se você pudesse me ver perdendo a cabeça sobre uma garota, eu mencionei que eu não fiz sexo com ela? Nós apenas nos beijamos e eu já estou possessivo. Eu estava pronto para tirar os dentes de algum entregador ontem por causa do jeito que ele olhava para ela. Eu juro que posso te ouvir rindo de mim, J. Eu não tenho ideia do que fazer aqui. Eu quero afastá-la, quero ela perto. Ela me disse que eu a desestabilizo e não há uma palavra para o que ela está me dando, exceto bolas azuis. Claro, eu sei que há um grupo de mulheres dispostas a deixar suas calcinhas para mim, mas eu só quero as dela. Talvez seja a perseguição, talvez seja mais. Quem sabe? De qualquer forma, Cam continua tentando me convencer a voltar ao time, ele até recrutou Ash e J.R. para sua causa. Eu não sei cara, eu simplesmente não consigo ver sem você. Eu sinto falta do jogo, mas o jogo me lembra de você, e eu simplesmente não posso. Isso é algo que eu ainda estou trabalhando. -C Oliver me estuda atrás de seus óculos de aro preto. Ele diz que vê uma mudança em mim, eu insisto que não tenho ideia do que ele


está falando, e eu não sei. Nada mudou, exceto minha linda tutora e minha atração por ela. "Então, como foi seu fim de semana?" Ele começa. "Você saiu?" Esqueci que lhe contei sobre o convite de Cam para o Dixie. "Foi legal, e sim, eu encontrei alguns amigos." Ele sorri enquanto acena com a cabeça e escreve algo em seu pequeno bloco de anotações. Eu me pergunto se eles sabem o quanto isso frustra seus pacientes, verem alguém escrever em um bloco e depois não dizer o que escreveram. Então, agora eu vou passar o dia todo imaginando o que diabos ele escreveu sobre mim, e espero não atrapalhar a Bliss porque, eu não posso me concentrar. Ou talvez eu precise mover minhas sessões para os dias que eu não vejo Oliver, isso seria melhor. "Como foi isso?" Eu dou a ele meu encolher de ombros habitual. "Tudo bem, nós apenas jogamos algumas partidas de bilhar, e foi isso." Ele balança a cabeça e anota algo. "E como está a tutoria?" Eu mudo, de repente desconfortável, ele vai anotar esse movimento também? "Está bem." "Muito bem?" Ele empurra, sentando-se para frente. Meu maxilar se contrai, ele quer que eu fale com ele sobre Bliss, mas como ele sabe?


“Sua linguagem corporal d| isso. Você pode dizer que est| tudo bem, mas seu corpo diz que é tudo menos isso.” É como se ele lesse minha mente e eu odeio quando ele faz isso. Nós olhamos um para o outro pelo que parece ser para sempre, nós sempre fazemos isso, e ele sempre vence. Meus pais pagam-lhe muito para ajudar a me "consertar", e ele sabe o que está fazendo porque me faz falar o tempo todo. "Eu beijei ela, sexta-feira, duas vezes." Agora ele pode analisar e escrever pequenas notas com todas as suas teorias. Seus olhos se arregalam de surpresa e ele não esconde. "Duas vezes? Em uma sessão?” Eu sacudo minha cabeça. "Uma vez no final da sessão e, novamente, depois que eu dei a ela uma carona para casa do bar." "Você estava em um bar?" Claro, ele ouviu isso. "Eu não bebi", eu grito. "Eu não sou alcoólatra, eu posso me controlar." Oliver franze a testa. "Não é isso que eu estava pensando, sabemos que você não é um viciado ou um alcoólatra, é por isso que você não está mais na reabilitação." Meu estômago revira com as lembranças do meu tempo na reabilitação em Malibu, não posso voltar para lá. "Volte para a sua tutora", diz ele suavemente. "Qual é o nome dela?" "Bliss". Eu mudo de novo.


Ele balança a cabeça e novamente anota, o nome dela provavelmente. "Quer me dizer sobre Bliss?" Na verdade, não. Eu mudo de novo. "Hum, ela é, uh..." Eu não consigo nem dizer as palavras, como posso descrevê-la? "Ela deve ser alguma coisa", ele reflete enquanto escreve algo. "Vamos começar com o que te atrai para ela?" Pensando na primeira sessão, sorrio. “Ela tem uma boca esperta e não tem problema em me insultar. Ela é linda e louca, inteligente, ela é como um livro de história ambulante é uma loucura.” O sorriso de Oliver cresce, me fazendo tossir, limpando a garganta e encolhendo os ombros. "Quero dizer, ela é legal." "Então, vocês dois se beijaram e como isso fez você se sentir?" Eu pisco meus olhos. "Parecia um beijo, que diabos?" Seus lábios se contraem. "Houve alguma emoção?", pergunta ele. "Você quer sair com ela?" "Nós dois sabemos que não estou em posição de namorar ninguém, especialmente Bliss." Eu descarto a ideia. Não há nenhum ponto em fazer um grande negócio com isso. “E você acha isso por causa de Jackson?”, Ele pergunta. "Você tem medo de deixar alguém perto de você?" Cauteloso? Que porra é essa?


É por causa de Jackson? Ele é o motivo do meu calor e frio? Ou a razão pela qual eu nem entretenho a idéia de um relacionamento? Claro, ele é a razão pela qual eu não posso ou não vou voltar para a quadra, mas ele poderia ser a razão pela qual eu mantenho Bliss na distância de um braço? "Eu não entendo o que você está dizendo", eu admito. Oliver concorda com a cabeça. "O que eu estou dizendo é que talvez você esteja com medo de gostar muito da Bliss, se acostumar com ela. Namorar faria você começar a ter sentimentos, você talvez se apaixonasse, e eu sinto que isso te assusta, deixando alguém entrar, se apegando.” Ele continua antes que eu possa dizer qualquer coisa: “Jackson era seu melhor amigo, quase como um irmão. Ele foi o único que você deixou entrar, agora ele não está aqui. Você tem uma garota linda que você acha incrível, mas não se permite namorar com ela, por quê?” Eu mudo no meu lugar. "Eu não estou pronto para deixá-la entrar, eu não posso." "E por que você acha que não pode, Cuba?" Ele pergunta gentilmente. Eu dou de ombros. "Eu não sei." "Você está com medo de deixar alguém entrar, e você os perder também?" Eu me levanto rapidamente, Oliver salta para trás com o movimento, "Eu acho que estamos acabados por hoje", eu digo.


Eu sabia que isso aconteceria, temos falado sobre pequenos tópicos leves nos últimos dois meses. Eu sabia que ele iria começar a perguntar, começar a analisar como a morte de Jackson está me afetando, minha vida e por que fiz o que fiz naquela noite. Eu sabia, eu sabia que iria acontecer e não estou pronto. Eu não quero ver o quão longe eu caí, eu não quero ver quem eu sou agora, mal conseguindo manter isso, mal conseguindo minha vida de volta. Eu devo parecer que estou bem para todos, exceto para duas pessoas. Bliss e Oliver, e apenas um sabe a verdade enquanto o outro está aguardando o tempo dela. Ela quer saber o que aconteceu comigo e para onde eu fui. Mas se eu contar a ela, ela ainda vai olhar para mim do mesmo jeito, ela ainda vai me querer por perto? Eu duvido muito. Eu sou um caso de cesta emocional. Oliver também está. "Eu vou te ver na próxima sessão." Eu não respondo quando me viro e saio. Se houver uma próxima vez, porra, eu sei que haverá. Não importa o quanto eu odeie isso às vezes, eu não posso pular uma maldita sessão, nós dois sabemos disso. Então, eu o abro antes que a porta se feche atrás de mim. Estou marcando minha consulta com Sadie, a secretária de Oliver, quando meu telefone vibra no meu bolso e eu o desloco para fora. Hmm. Arrow: Alguém roubou nossa sala, me encontre na quadra de basquete. Você sabe a laje grande de madeira que você usava para jogar? Que porra é essa? O tribunal?


Eu: Porque lá? Apenas venha ao meu apartamento. Ela ainda está chateada por eu aparecer ontem? Então, o que, eu a vi em sua calcinha bonitinha, e talvez assustei o cara da pizza, ele não deveria estar olhando para ela daquele jeito. Arrow: Você não pode ser confiável. Vamos. Eu posso ser confiável. Sadie me entrega meu cartão de compromisso e eu agradeço a ela antes de sair do escritório e entrar no estacionamento. Por que diabos ela escolheria aquele lugar em todos os lugares de Los Angeles? Eu nem sinto vontade de ir e voltar com ela no telefone, eu vou ter que ir lá e arrastar a bunda dela para fora.

*****

Eu já estou irritado quando chego à entrada do estádio. O estacionamento foi uma puta hoje e isso me lembra que o semestre está perto de iniciar. Ninguém me viu, felizmente, e sei que a quadra está vazia, já que a equipe não começa a se reunir até algumas semanas. Como ela conseguiu isso? A porta se fecha atrás de mim, o som de sua trava ecoando nas paredes do terminal, o cheiro de pisos de madeira recém-polidos e borracha enchem meu nariz e as memórias de Jackson me atingem como todas as outras vezes que estou aqui. Depois da minha sessão com Oliver, o último lugar que quero estar é nesta quadra, mas aqui estou porque ela está aqui, e apesar de estar aqui está me deixando


ansioso agora, o pensamento dela me mantém um pouco equilibrado, e isso me assusta, merda. Ainda estou irritado com a mudança de local. Ela não sabe, eu continuo me lembrando. Paro quando a vejo... Toda vez que a vejo, juro que ela fica mais bonita, sem saber se isso é possível. Bliss está livre de maquiagem, como eu gosto dela, seu cabelo longo está amarrado em um rabo de cavalo que oscila em suas costas. Meus olhos viajam para baixo até o sutiã preto que está segurando seus seios perfeitos, para baixo de sua barriga lisa e bronzeada, onde um pequeno short rosa se encaixa em seus quadris e bunda. Foda-se, meu pau quer dizer olá. Eu me reajusto antes de fazer minha presença conhecida. "Onde está o resto de suas roupas ou você apenas gosta de usar menos quando estou por perto." Eu viro meu boné para trás e sorrio enquanto caminho até ela. Olhos tempestuosos se estreitam em mim. "Eles são chamados de roupas de trabalho, idiota." Estou ficando cansado dela me chamando de idiota. "E o que exatamente você tem trabalhado?" Eu levanto uma sobrancelha olhando para ela. "Você está tentando me chamar de gorda?" Ela levanta a própria testa e coloca a mão em seu quadril. "Nunca." Ela rola seus lindos olhos. "Onde estão seus livros?"


"No carro, não tinha certeza de que seriam necessários para esta lição." Eu aceno para a bola de basquete a seus pés. "Para que é isso?" Bliss se inclina para pegar a bola, e eu tento não olhar para ela novamente, mas é uma boa bunda. "Nós vamos jogar um jogo." Ela sorri orgulhosamente. "A melhor maneira de aprender algo é conectá-lo com algo que você gosta." Só que eu não gosto de estar aqui, mas não posso dizer isso porque ela vai querer saber o porquê, e eu não posso dizer a ela sem ela me fazer perguntas, além disso, ela parece orgulhosa de si mesma, e eu não posso estourar sua bolha. Eu concordo. "Ok", eu digo devagar. “E que jogo é esse, exatamente?” Ela aperta adoravelmente. "É como cavalo?" Ela não parece muito certa, e eu quero rir. "Você sabe alguma coisa sobre basquete, Arrow?" Eu balanço de volta nos meus calcanhares. Bliss franze a testa. "Um sim. O objetivo do jogo é atirar a bola na rede.” Meus lábios se contorcem. "Sim, essa é a versão do livro, mas você assiste ao jogo?" Ela exala em voz alta. "Bem, não. Não pode ser tão difícil conseguir isso em um buraco.” Ela levanta a bola. "Sim, é o que ela disse." Eu acabei de fazer uma piada?


Os olhos de Bliss se arregalam de surpresa e ela ri: "Você é um cara assim." “Última vez que verifiquei. Então, vá em frente, vamos ver o seu melhor tiro.” Eu aceno para o aro. "Não pode ser tão difícil." Bliss faz uma careta e caminha até a linha de três pontos. "Pode querer se aproximar um pouco mais." Ela me lança um olhar sujo, mas dá alguns passos para frente. Dobrando os joelhos, vejo como ela usa as duas mãos para balançar a bola entre as pernas e solta-a no caminho para cima. É claro que a bola mal toca a rede e bate na parede acolchoada. Bliss fica lá, ambas as mãos em seu quadril como seu pé minúsculo bate rapidamente contra o chão de madeira. É como se ela estivesse esperando a bola voltar e se explicar. Olhando para mim, o constrangimento está em todo o seu rosto vermelho brilhante. "Não diga nada", ela avisa. Segurando minhas mãos em sinal de rendição, dou-lhe um pequeno sorriso. "Eu não estou." Eu deixo cair as mãos e vou para a bola, pegando-a e jogando-a entre as minhas mãos. "Vá para a linha de lance livre." Bliss olha em volta e volta para mim. Merda, isso é muito engraçado. Eu pego a mão dela e a puxo mais alguns passos para a linha. "Esta é a linha de lance livre, você estava tentando atirar a partir da linha de três pontos, e baby, você não é Steph Curry."


Ela me dá uma olhada, mas se foi no segundo seguinte, então não penso muito nisso. Ela está sempre me dando olhares engraçados, eu não tenho certeza se ela está ciente de que ela faz isso às vezes. "Aqui." Eu lanço-lhe a bola e ela pega, mal. Chegando atrás dela, eu coloco minhas mãos em seus quadris. "Abra suas pernas, Arrow." Eu a sinto tremendo sob o meu toque. "Hum", ela grita para fora. "Hum não é uma resposta", eu me viro para ela. "Agora abra suas pernas." Bliss inclina a cabeça para olhar para mim. "Eu costumo fazer uma refeição antes desta parte." "Sim? Bem, se você fizer bem, eu posso te alimentar depois.” Ela sorri. “Se eu fizer, podemos fazer uma checagem de chuva? Eu já tenho um jantar hoje à noite.” Minha mandíbula aperta e meus dentes pressionam juntos, mas eu a ignoro. "Seus pés precisam estar separados na altura dos ombros." Deslizando minha mão sobre a curva de sua bunda, eu ouço sua respiração engatar enquanto a minha mão desliza entre as pernas sobre sua pele lisa. "Eu disse abertas." Bliss faz o que eu digo, suas pernas se espalhando, e ela coloca os pés no comprimento certo separados. Minha mão volta ao seu lugar no quadril. “Agora cambaleie seus pés, seu direito deve estar um pouco acima do esquerdo, já que sua mão direita é a sua mão de tiro.”


Mais uma vez, ela escuta. "E agora?" Seus olhos se movem para o meu e ela morde o lábio inferior. Eu nem acho que ela sabe como ela é sexy. Eu tenho que desviar o olhar. "Agora levante seus braços assim." Eu levanto o meu, para que ela possa ver. "Você está atirando com a sua mão direita e sua mão esquerda vai guiá-la, faz sentido?" Eu nunca tentei ensinar alguém a atirar uma bola antes. "Sim." Bliss acena e copia minha postura. Eu dou um passo para trás, já sentindo falta do cheiro e da sensação dela. "Tudo bem, olhe sua linha de visão com o aro, entendeu?" Eu a vejo apertar os olhos e eu quero rir, mas eu não faço. "Sim." "Bom, agora, não pule muito, mas apenas o suficiente para que você esteja a poucos centímetros do chão. Então você vai querer apertar seu pulso direito, mas certifique-se de que não é demais jogar a bola no chão em vez de subir.” Derrubando a bola, ela gira para me olhar. "Ok, eu preciso ver você primeiro, isso só passou pela minha cabeça." Tomando minha posição, eu finjo atirar em uma bola de basquete invisível, certificando-me de fazer uma pausa na maneira como meu pulso se inclina para trás e depois para frente. "Não é muito, apenas um pequeno movimento do pulso." Seus olhos cinzentos brilham e um sorriso atrai seus lábios. "Entendi." Ela se volta para o aro, olhando para os pés para se


certificar de que eles estão bem antes de dobrar os joelhos e levantar os braços para cima. "Ok, aqui vai." Ela pula e atira como eu mostrei a ela, nós dois assistimos a bola voar pelo ar e bater na tabela, a bola quica uma vez e passa pela rede. Bliss salta para cima e para baixo, em seguida, corre para mim, jogando-se em mim, seus braços em volta do meu pescoço, as pernas nuas em volta da minha cintura. Minhas mãos imediatamente agarram sua bunda, então ela não cai. "Oh meu Deus, você viu!" Ela sorri na minha cara e me foda se isso não faz algo para o meu coração. Meu coração? Ah não. “Sim, Arrow.” Eu sorrio de volta. Seus olhos vão para os meus lábios e de volta para os meus olhos. "Obrigada por me mostrar e não rir." Ela se inclina para frente, seus seios pressionados contra o meu peito e seu aroma de lavanda invade meus sentidos. Os lábios de Bliss pressionam contra os meus e eu felizmente chupo seu lábio inferior em minha boca, provando-a, ela tem o mesmo gosto de seu nome, maldita felicidade. O beijo é leve, nada como as duas últimas vezes, é mais um beijo profundo. Ela me deixa ir deslizando pelo meu corpo, ainda sorrindo para mim. "Vamos fazer de novo!" Ela se vira e pega a bola. Eu a vejo, meu sorriso ainda no meu rosto.


Pelos próximos quinze minutos, eu vejo Bliss levar tiro após tiro, ela faz alguns, perde alguns, alguns deles nem sequer tocam na rede ou na tabela, mas ela não liga. Ela ri, depois dá de ombros e corre atrás da bola. Eu estou aproveitando cada minuto, tenho certeza que ela esqueceu tudo sobre a nossa sessão e o jogo que deveríamos estar jogando. Não que eu me importe, prefiro vê-la correr de shortinho e a forma como a bunda dela salta quando ela salta para um tiro não é uma maneira ruim de passar parte do meu dia, mas meu pau implora, discordando. "Que tal você me mostrar alguns dos seus movimentos." Bliss rebate para mim, segurando a bola. Ela está sem fôlego e ficando vermelha. "Eu posso estar um pouco fora de forma", acrescenta ela, puxando uma mecha de cabelo solto atrás da orelha. "Você só quer me checar," eu provoco, pegando a bola dela. "Retornando". Ela mostra a língua para fora e pega uma garrafa de água de sua bolsa. "Você está enferrujado." "Eu nunca estive escondendo isso." Eu começo a driblar a bola e piscar para ela. Sua boca está aberta, mas eu já estou descendo a quadra, cruzando a bola entre as minhas pernas antes de fazer um layup, nada extravagante. "Fique encharcado!", ela grita, sorrindo e batendo palmas. "Vamos lá, Bow." Bow? Eu lembro que ela me chamou assim antes.


Driblando a bola entre as minhas pernas, eu sorrio de volta. "O que? Como o Jordan?” Ela sacode a cabeça. "Não, como Cuba." Como eu? Eu não sou eu há muito tempo. Eu começo a correr pela quadra, minha mão direita com controle total de cada salto da bola, minhas pernas dando passos largos em direção à rede. É uma sensação de liberdade que sinto falta na quadra, que todo problema, pensei, apenas evapora no momento em que sua mão toca a bola. Não dói que haja uma garota gostosa na lateral aplaudindo para mim. Eu não sou quem todo mundo pensa que eu sou. Ela está batendo palmas porque está feliz de estar perto de mim, falar comigo, me empurrar, e ela não conhece meu passado, ela não conhece a minha escuridão. Eu driblo a bola mais forte e mais rápido. Eu subo, empurrando até os dedos dos pés para fazer o salto, o ar deslizando através de meus dedos quando meu braço vem por trás de mim, minha mão bate a borda empurrando a bola através da rede. Eu seguro, balançando da borda até cair no chão em meus pés. Estou respirando pesado, gotas de suor começam a se formar na minha testa. Pegando a bola, viro-me apenas para soltá-la novamente, Bliss está envolvida em torno de mim, meus braços em volta dela. Esta é a segunda vez que ela faz isso, eu não estou reclamando, é legal. Eu nunca tive uma garota tão feliz assim. Quer dizer, eu tive groupies, mas isso é diferente, eu quero Bliss ao meu redor.


"Isso foi incrível, Cuba." Ela sorri, antes de me dar um beijo rápido em meus lábios. Esse show de afeto parece normal.... Assim é normal. É tudo menos isso. "Por que você parou de jogar?" Ela desliza para fora de mim. "Você é tão bom." Meu sorriso escorrega. "Bliss", eu passo para trás. Ela parece confusa. "O quê?" Ela levanta as mãos. "Você é bom, eu só quero entender por que você parou.” "Eu pensei que você me daria tempo?" Estou cansado de fazer isso com ela. "Eu não entendo Bliss, você diz uma coisa e faz outra." "Porque eu só quero..." ela começa, mas eu a interrompo. "Quer saber o que aconteceu?" Eu estalo. "Eu disse que você vá perguntar a sua amiguinha, mas você diz não, você quer que eu diga e você vai esperar, mas agora estamos de volta a essa merda de novo. Você quer me conhecer?” Estou chateado. Bliss pisca rapidamente e eu estou rezando para que ela não chore. Seus olhos tempestuosos se encobrem, mas eles se estreitam. "Sim, eu quero conhecer você", ela responde. Ela não fica chateada. "Então, porra, não me empurre, porque então você nunca vai querer." Meus olhos se encontraram com os dela antes de eu sair.


Eu a ouço chamar, mas não consigo lidar com isso. Nós estávamos nos divertindo. Eu realmente precisava disso depois da minha sessão com Oliver, e ela teve que ir e acabar com tudo. Eu pego minhas chaves e telefone no banco, mas continuo andando, andando pelo caminho errado. Foda-se. Este dia já foi para a merda porque não colocar a cereja no topo, quando entro no vestiário. O vestiário que eu estava em último lugar quando Jackson estava vivo e ainda jogando. As lembranças me atingiram a cem milhas por hora. O jogo do cavalo, as comemorações do pós-jogo, tudo. Eu não posso, tudo me lembra de tudo que eu não sou mais. Eu olho para cima para descobrir que estou sentado na minha cadeira dobrável em frente ao meu armário de madeira polida, meu nome iluminado da luz de fundo. Como se eu ainda estivesse aqui, ainda separado da equipe. O armário de Jackson ainda está ao lado do meu, o nome dele ainda está lá e parte de mim está revivendo porque eu não sei como me sentiria se não fosse. Eu a sinto, antes de vê-la. "Eu sinto muito", diz ela suavemente, quando a porta se fecha atrás dela. Seus passos perto, mas eu não olho para trás, eu olho para frente, ainda olhando para o meu armário. Eu quero abri-lo, ver se tudo ainda está lá. As coisas de Jackson ainda estão lá? Estou prestes a me inclinar para frente quando Bliss se move na minha frente, subindo no meu colo e me atravessa. Seus olhos encontram os meus e, embora eu esteja chateado com ela, sinto-me um pouco à vontade. Eu não tenho espaço suficiente no cérebro para processar como isso me faz sentir.


"Eu sinto muito", diz ela novamente, sua mão suave corre pelo meu rosto e cobre minha bochecha. "Por favor, não fique com raiva de mim." Meu lábio contorce-se, irritado, mas eu simplesmente não tenho energia para continuar chateado. "Não se preocupe com isso", digo a ela. “Eu j| estava tendo um dia de merda, e estava melhorando, mas você perguntou isso. Eu entendo que você quer saber, eu entendo que você quer me conhecer, mas baby, deixe-me ir até você. Estou tentando", enfatizo. “Só me deixe tentar. Eu não posso prometer ou dar a você nenhuma falsa esperança de que algo virá disso, mas eu gosto de estar perto de você, vamos apenas dar ao final de nossas sessões.” Me dê duas semanas, deixe-me ser egoísta por mais 14 dias. Isso é tudo que posso dar e é tudo o que estou disposto a levar.


Bliss está quieta por um momento, eu posso senti-la processando o que eu disse, o que eu preciso, o que eu estou pedindo dela. O que eu disse a Oliver é verdade, nós dois sabemos que não estou em posição de estar em um relacionamento. Eu gosto de Bliss? Sim, eu gosto dela. Eu posso ir embora agora? Sim eu posso. Eu quero? De jeito nenhum. Ela morde o lábio e se inclina para frente. "Ok, eu não vou fazer isso de novo." Seus lábios quentes pressionam contra os meus, e de bom grado recebo sua língua em minha boca, meus dedos apertam sua cintura antes de subir em sua pele nua enquanto meus dentes mordiscam seu lábio inferior. Ela geme quando meus polegares varrem seus mamilos duros, meu pau começa a endurecer com os sons que ela faz. Bliss balança em mim e eu tenho que engolir meu próprio gemido. Nosso beijo se aprofunda e meus dedos deslizam por baixo do sutiã esportivo, beliscando o mamilo. Ela geme novamente contra a minha boca, balançando mais rápido contra mim. "Você está me deixando louco, Arrow." Eu puxo seu rabo de cavalo com a mão livre, puxando sua boca para longe de mim.


Bliss pisca inocentemente quando ela se abaixa e puxa o sutiã esportivo sobre a cabeça, deixando-o cair perto dos meus pés. Eu mordo duro no meu lábio, foda-se, seus seios perfeitos estão olhando para mim, toda a pele leitosa e mamilos rosados. Inclinando minha cabeça, eu chupo um mamilo na minha boca e Bliss estremece contra mim. "Isso é tão bom." Sua cabeça inclina para trás, minha mão ainda envolvida em torno de seu rabo de cavalo expondo seu pescoço para eu mover minha boca de seu peito até ele, lamber e morder sua clavícula, o gosto de sua pele é ainda mais viciante que a boca dela. Eu não posso esperar para provar sua boceta. "Baby, levante-se." Minha boca deixa sua pele e eu bato na bunda dela. "Tire esses shorts." Bliss lambe os lábios, seus olhos tempestuosos escurecem enquanto ela levanta e sai do short rosa, só para parecer comestível pra caralho em uma tanga preta. "Esse pedaço de material também, baby." Meus olhos vagam seu pequeno corpo perfeito. "Não". Ela sorri. "Sua camisa precisa ir primeiro." Eu nem sequer pisco quando tiro meu boné com a camiseta, jogando-o no chão. "Gosta do que você vê?" Desta vez eu lambo meus lábios e sorrio. Seus olhos examinam meu torso nu tatuado, eu sei que minhas tatuagens ligam as garotas. Até garotas como a minha doce e pequena Arrow. Ela balança a cabeça com um sorriso.


"Bom, agora tire-os", repito. "Não me faça pedir novamente." Bliss prende o polegar em sua calcinha. "Ainda assim um idiota." Ela está jogando e meu pau não está interessado em sua insensatez. Desdobro meu corpo da cadeira, de pé a toda a minha altura, todos os um e noventa e seis de mim e vou até ela. "Você gosta dela?" Eu passo o dedo sobre o tecido de seda, olhando para ela. "Não", ela sussurra. "Bom." Eu arranco-as dela, jogando-as no chão. Eu mergulho minha mão entre suas coxas, meus dedos deslizam através de seus lábios quentes, sua umidade me encontra. "Tão molhada." Ela acena com a cabeça no meu peito. "Mais", ela geme. "Mais o que, baby?" Eu mergulho minha cabeça beijando seu pescoço. "Me diga o que você quer." Ela balança contra meus dedos, empurrando-os mais profundamente dentro de seu calor gotejante. "Eu quero você." Meus dedos entram e saem dela, molhando meus dedos, correndo para a minha mão. "Você está tão molhada. Eu quero te provar tão mal, mas isso vai ser rápido e difícil, você está pronta para mim?” Bliss acena rapidamente. "Tão pronta." Seus dedos engancham no meu short de basquete e cuecas puxando-os para baixo para os meus pés, eu passo fora deles no momento em que sua pequena mão envolve o meu comprimento.


"Foda-se." Eu trabalho meus dedos mais rápido, meu polegar trabalhando em seu nó liso. “Eu preciso de você, Arrow. Agora." "Então me leve, Bow." Ela envolve seus braços em volta do meu pescoço. Deslizando meus dedos para fora de seu calor eu coloco meus braços ao redor de suas coxas e a levanto, suas pernas se envolvem em torno de mim, me puxando para mais perto, minha ponta empurra seus lábios, e eu não posso segurar. Batendo as costas contra o meu armário, eu deslizo para dentro dela, suas paredes me chupando e me ordenhando com seu pulso. Eu sei agora que não vou durar, já faz muito tempo. Bliss é muito menor do que eu, e estou surpreso com o quão bem estamos alinhados, ela é perfeita. Eu vou profundo e rapidamente em sua boceta apertada, o som de seus sucos, nossa respiração e seus gemidos sexy é tudo que ouço, tudo que eu preciso ouvir para me deixar mais louco. Meu polegar encontra seu mamilo novamente, esfregando em círculos, seu corpo tremendo. "Por favor", ela geme. "Por favor, o que?" Eu diminuo meus golpes, provocando-a lentamente. "Cuba", ela geme meu nome, e meu pau contorce dentro dela. "Me faça vir." Puxando para fora um pouco, eu bato de volta nela, mais forte. Bolas de basquete que cobrem o topo dos armários caem ao nosso


redor, mas eu não paro de bombear nela, deixando-a louca com o polegar. Os dentes afundam no meu ombro e as unhas cavam no meu pescoço, o suor escorre de nós misturando-se ao cheiro do nosso sexo. Eu amo isso. Meus dedos cravam em sua bunda enquanto eu apressei meu passo, sentindo minha liberação se acumulando. Porra, eu sabia que não duraria. "Foda-se, baby." Eu puxo seu rabo de cavalo para trás, esmagando minha boca contra a dela, minha língua deslizando, ela morde meu lábio. "Eu vou...." Ela começa a gemer, mas minha boca come seu grito que se segue. Bliss balança embaixo de mim, e eu a abraço forte quando ela desmaia no meu pau pulsante, e eu não posso mais segurar. Eu bombeei forte e puxei para fora, minha liberação pintando seu estômago. "Merda." Eu coloco a mão no meu armário, ainda segurando-a. "Eu não usei camisinha, me desculpe." Bliss coloca as mãos no meu peito. "Está tudo bem. Eu estou tomando pílula.” Ela recupera o fôlego. "Existe algum lugar que eu possa limpar?" Ela me dá um sorriso tímido. Eu dou-lhe um beijo rápido antes de colocá-la em pé. "Sim, os chuveiros são por aquela porta, e há toalhas e merda." Ela balança a cabeça, pegando suas roupas e depois passa para os chuveiros. "Então, você vem ou o quê?" Eu mordo meu lábio assistindo sua bunda nua mover de um lado para o outro enquanto ela se afasta, ela olha para trás, seus olhos


cinzentos tempestuosos trancando nos meus, porra, ela vai me arruinar. Duas semanas, eu me lembro antes de andar atrรกs dela. Tem piedade de mim.


Eu giro meu garfo na minha massa com um sorriso bobo ainda grudado no meu rosto. O calor se espalha pelas minhas bochechas lembrando Cuba e meu banho horas atrás. Eu só quero correr e fazer manobras, mas não posso, então faço uma pequena dança em minha mente. Cuba parecia um pouco chateado quando eu disse que tinha planos para o jantar, ele queria que eu viesse depois de terminarmos de nos vestir, mas eu não pude cancelar. Talvez eu devesse ter aliviado sua mente e dito a ele que eu estava apenas jantando com meu pai, mas parte de mim gosta de pensar que ele está com ciúmes. Embora, ele não tenha razão para estar, porque, caramba, essa sessão de tutoria foi melhor do que todas as outras porque elas nunca terminaram em explodir em orgasmos. "Bliss, você ouviu o que eu disse?" Eu saio e olho para o meu pai, suas sobrancelhas salgadas e salpicadas juntas. "Huh?" Eu não ouvi nada. "Não", eu admito. Ele toma um gole de seu vinho. "Eu disse que talvez você devesse tentar a faculdade de direito novamente."


Aqui vai ele, ele ainda não consegue superar o fato de que eu vou ser professora. Ele quer que eu vá para a faculdade de direito, siga seus passos, mencionei a faculdade de direito quando tinha oito anos e ele não a deixou partir desde então. É a minha vez de tomar um gole do meu vinho, mas em vez disso tomo um gole e engulo. “Pai, eu não quero ser uma advogada. Nós passamos por isso.” "Sim, mas você já considerou ser uma advogada de propriedade cultural?" Ele está pesquisando novamente. "Eu estava conversando com o filho de Brian, Kevin, e ele estava me dizendo que estava aprendendo sobre essa opção na aula." Ele continua a divagar. Meu pai torce para Kevin, um cara que eu conheci uma vez em uma festa da empresa, ele não está nem perto do meu tipo. Ele é muito parecido com meu pai e eu sou muito parecido com a minha mãe. Eu preciso ser capaz de respirar e ser livre. Kevin me sufocou com apenas uma conversa. "Pai", eu paro e dou-lhe um sorriso triste. "Por que não podemos simplesmente concordar em discordar? Você não me quer feliz?” Ele parece chocado. “Claro, menina. Eu só quero o melhor para você.” “Eu sei, mas nem a faculdade de direito nem o Kevin são os melhores para mim.” Eu nem sei se Cuba é o melhor para mim. "Eu não trouxe Kevin assim, apenas o que ele estava me dizendo. Ele tem namorada, de qualquer maneira. ”Ele revira os olhos. "Eu falei com sua mãe."


Eu dou de ombros. "OK." "Como estão indo suas sessões de tutoria?" Minha mãe tem uma boca grande. "E como eu disse à mamãe, ele não é ninguém." Ninguém que eu possa dizer que é meu namorado, e não posso dizer que é complicado. Embora seja tão complicado ele me chamar de baby, e eu gosto demais disso. Ele não está me prometendo nada, preciso manter meus sentimentos na linha. "Bem, se ele se tornar alguém, espero que ele seja melhor do que o jogador de beisebol, ele era um idiota." Eu rio. "Sim, ele ainda é." Nós mudamos de assunto para o trabalho dele e ele me fala sobre os novos casos que ele está lidando. Ver meu pai falando sobre seu trabalho é o que eu imagino quando falo sobre meus estudos, o rosto dele se ilumina e ele não consegue parar de divagar. Então seu telefone toca e eu posso dizer pelo olhar em seu rosto que provavelmente é trabalho. Por mais que meu pai adore seu trabalho, ele adora passar mais tempo comigo, é o que ele sempre me diz. Eu sou sempre mais importante. Eu aceno, deixando-o saber que está tudo bem em responder e ele sai da mesa com o telefone pressionado contra o ouvido. Aproveitando esse momento, eu tiro meu celular da bolsa e fico surpresa ao ver um texto de Cuba, ele raramente me envia mensagens de texto. Cuba: Como vai o seu encontro? Eu: Terminando cedo. O que você está fazendo?


Eu olho para cima para ver meu pai ainda no telefone do lado de fora do restaurante, há muito movimento de cabeça, e eu só posso supor que ele precisa voltar para o escritório, pelo menos ele tem um pouco de comida nele. Meu celular vibra na minha mão trazendo minha atenção de volta para a tela. Cuba: Outro palhaço? Cuba: Nada, assistindo TV. Eu: Sozinho ou você está em um encontro? Eu deleto isso. Eu: Qualquer coisa boa? Cuba: Venha descobrir. Formigamentos se espalharam para minhas partes femininas e eu aperto minhas coxas; um sorriso puxa meus lábios. Ele quer me ver. Meu pai ainda está no telefone, ele me vê olhando, e levanta um dedo para dizer mais um minuto. Eu: Aw, você quer ver Netflix e ficar quente? Sua resposta é imediata. Cuba: Não, estou tentando Netflix e comer você. Estou tentando o Hulu e o Fuck. O calor sobe no meu rosto enquanto eu respondo. Eu: E se eu quiser o Amazon Prime e compromisso?


Cuba: Eu posso te dar um teste gratuito de 14 dias, então você tem que pagar, baby. Eu não posso deixar de rir, eu gosto desse Cuba, ele é fácil e espirituoso. Ele me dá borboletas no estômago. "Desculpe, menina." Meu pai desliza para trás em sua cadeira e eu tento conter meu sorriso. "Tudo bem?" Eu pergunto deixando meu telefone de volta na bolsa. Ele acena e sinaliza ao garçom. "Sim, eu só tenho que voltar para o escritório." Ele franze a testa. "Eu sinto muito." Eu aceno para ele. “Pai, por favor. Eu não tenho mais seis anos. Você não precisa se desculpar.” Depois que ele paga a conta, saímos para onde ambos os nossos carros estão esperando, ele deve ter dito ao manobrista que estávamos saindo no caminho de volta. Papai me dá um beijo na bochecha antes de fechar a porta do lado do motorista depois de me certificar de que coloco meu cinto de segurança. "Dirija em segurança e me mande uma mensagem quando chegar em casa." Ele bate a mão no capô do meu carro. "Eu vou, te amo." Agora a questão é: para onde estou indo? Casa ou Cuba?

*****


Eu deveria ter me trocado, eu olho para as minhas leggings pretas favoritas, você sabe, aquelas que são elegantes com a camisa e os sapatos certos? Sim, aquelas que eu emparelhei com um top preto amarrado na parte superior do ombro e salto de couro vermelho. Eu não esperava estar do lado de fora de sua casa, esfregando o colar de flecha na base do meu pescoço, pensando se deveria ou não bater ou sair. Batendo meu pé, eu decido bater na porta e ela se abre logo depois. "Eu me perguntei quanto tempo você ficaria lá." Cuba não está usando nada além de um par de shorts pretos, pendurado baixo em seus quadris, todas as suas tatuagens em exibição. "Há quanto tempo você está me observando?" Eu passo por ele no corredor, ele fecha a porta atrás de mim. "Tempo suficiente para ver você falando sozinha." Eu não estava falando comigo mesmo. "Você quer algo para beber?" Ele pergunta, apontando para a cozinha com o polegar. "Estou no andar de cima assistindo a um filme, se você não se importa." Eu me volto para ele. "De modo nenhum. Vou tomar uma água, tomei um pouco de vinho no jantar.” Algo passa por seu rosto e eu esqueci que ele ainda acha que eu estava em um encontro.


Olhando para ele, empurro minhas pontas dos pés e pressiono um beijo contra sua boca, ele me dá um pequeno beijo antes de eu dar um passo para trás. "Eu estava jantando com meu pai." Seus olhos castanhos se estreitam. "Tentando me deixar com ciúmes?" Ele sorri. Eu dou-lhe um pequeno encolher de ombros, batendo meus olhos. "Funcionou?" Cuba sorri. "Meu quarto é a última porta à direita, deixei algumas roupas para você, fique confortável." Ele se vira e vai para a cozinha. Ele não vai admitir, mas ele estava totalmente ciumento. Subo as escadas e lembro por que India e eu passamos por uma casa; nós nos mataríamos com escadas. Minhas coxas já estão queimando; estou tão fora de forma. Há três portas quando chego ao topo, duas estão abertas e a da esquerda está fechada. A sala do meio é uma pequena lavanderia, um cesto de roupas fica na frente da lavadora, além de estar limpa. Eu passo e passo pela última porta à direita, o quarto dele. Está escuro apenas com a luz da TV de tela plana que está montada na parede. É apenas o suficiente para que eu possa ver a grande cama no meio do quarto, os lençóis de veludo preto em uma confusão emaranhada e os travesseiros empilhados onde ele provavelmente estava deitado. Do outro lado da cama, há uma elegante cômoda preta abaixo da Tv. Há garrafas de colônia alinhadas com alguns troféus. As paredes estão vazias, exceto a da direita, literalmente cheia de cima a baixo com bonés que ficam nas prateleiras pretas. Ele roubou a MLB? Existem até bonés que parecem edições limitadas.


Voltando para a cama, vejo onde ele colocou uma cueca cinza e uma camiseta preta simples. Sentada na beira da cama, desfiz as tiras dos saltos, puxo-as para fora, puxo minha blusa por cima da cabeça, mantenho minha camisa preta, solto o sutiã, puxo as alças sobre os braços e puxo do fundo na minha camisa. Levantando-me, saio de minhas leggings e puxo sua cueca sobre minha calcinha rosa. Eu tenho que enrolá-los tanto que agora eles parecem calções de menino em mim. Eu ouço Cuba subindo os degraus quando me acomodo no lado esquerdo de sua cama, meu telefone na mão. Eu envio um texto rápido para meu pai, avisando-o que estou segura, ele não precisa saber que eu não estou em casa. Eu também envio um texto para India informando que provavelmente não voltarei para casa hoje, algo que raramente faço, mesmo com meu ex. "Então, eu acho que fiquei sem água, mas eu tenho Gatorade e refrigerante." Ele segura uma garrafa vermelha e uma lata de Sprite. "Eu preciso ir à loja mais cedo ou mais tarde." Ele se dirige para a cama, e não posso deixar de me perguntar como isso aconteceu, quero dizer, eu sei como isso aconteceu, mas se alguém tivesse me dito que eu estaria sentada na cama de Cuba há duas semanas, eu teria rido na cara deles. Mas aqui estou eu, sentada em sua cama, em sua cueca, quente e pronta para ele ter o seu caminho comigo. "Gatorade", eu digo, ele entrega para mim enquanto se senta ao meu lado, suas longas pernas esticadas.


Cuba pega o controle remoto e começa o filme de onde ele foi pausado. Seu braço serpenteia ao redor do meu ombro e me puxa para o peito dele. É louco que pareça tão normal? "Obrigada pelo meu novo short", eu digo a ele abrindo a tampa da garrafa e tomando um gole. Sua outra mão alcança e sobe minhas pernas nuas. "Eles ficam bem em você." Eu olho para a tela e rio. "Eu amo esse filme!” “Quase irmãos?” "Claro que sim, é um dos meus filmes quando eu..." Eu paro de falar. Eu não quero que ele saiba que eu sou uma espécie de maconheira. É claro que tenho que acalmar isso quando me tornar professora, pelo menos até meus anos de novata acabarem. Cuba desloca e pega algo da sua mesa de cabeceira, eu sendo intrometida tento inclinar a cabeça para ver o que ele está pegando. É um preservativo? Ele se senta novamente, um baseado pendurado na boca, o polegar sacudindo um isqueiro, trazendo a chama para o papel. Jogando o isqueiro em sua mesa de cabeceira, ele inala, seus dedos puxando o baseado de sua boca. Ele segura isso para mim. "Você quer uma tragada?" Fumaça grossa escapa entre seus lábios. Ele é tão sexy que dói.


Eu levo o baseado dele, trazendo-o aos meus lábios e inalando profundamente, eu tento inalar sexy, mas eu começo a engasgar com a fumaça, Cuba esfrega minhas costas enquanto tusso. "Acalme-se, Arrow", ele diz no meu ouvido, tirando o baseado. "O que você faz normalmente? Edibles?” Pegando meu fôlego, tomo um grande gole da minha bebida, minha garganta está em chamas. "Eu uso o vape, aparentemente ele não bate tão forte quanto um baseado." "Aparentemente", diz ele, tomando outras duas tragadas antes de passar de volta para mim. Nós passamos o baseado para frente e para trás, assistindo ao filme. Eu descubro que enquanto estou rindo de todas as partes do filme, Cuba está relaxado, seus olhos vermelhos e baixos. Meu ex e eu nunca fumamos juntos, eu nem acho que ele sabia que eu fumo. Os créditos começam a tocar e ele aperta um botão, o logo da Netflix aparece na tela preta. "O que você quer assistir?", Ele pergunta quando o menu aparece. Eu nem penso nisso. "The Tudors." Cuba não diz nada enquanto ele procura o programa e toca a primeira temporada. Ele não diz nada enquanto se move entre as minhas pernas, inclinando-se, ele coloca um braço de cada lado de mim. Ele ainda não diz nada enquanto sua boca pressiona contra a minha e eu me derreto nele. Minha brisa tomou conta de todos os meus sentidos e todo seu toque parece ampliado. Cada trilha de seus dedos contra a minha perna envia calafrios através do meu corpo e


meu corpo congela até que sua boca se move para o meu pescoço, sua língua me deixa em chamas. Ele levanta, puxando minha camisa e levantando-a sobre a minha cabeça, fazendo meus seios caírem livremente, meus mamilos endurecerem enquanto sua boca quente suga um enquanto seus dedos apertam e puxam o outro. Um gemido escapa da minha boca e minha cabeça cai para trás. Meus joelhos se dobram, minhas costas se arqueiam, empurrando meu mamilo mais fundo em sua boca. "Oh, meu Deus", eu grito, sua outra mão está subindo pela parte interna da minha coxa até que seus dedos deslizam sobre a minha fenda coberta, arrepios subindo pelo meu corpo. Eu estou ficando louca, sua boca saindo do meu mamilo agora frio, ele desce pelo meu corpo, sua língua girando, os dedos de Cuba me provocando, arrastando para frente e para trás contra os meus lábios latejantes e molhados. Ele se senta e engancha seus dedos no elástico, ele puxa as cuecas para baixo junto com minha calcinha. Eu não posso ver sua ereção dura como pedra, mas eu sinto o calor e o comprimento contra a minha coxa, eu estremeço com a lembrança de como isso me encheu. Nós fechamos os olhos e ele lambe os l|bios. “Tão linda, querida. Tão molhada.” Seu dedo mergulha na minha umidade e desliza para fora e de novo, lentamente. "Tão quente e pronta." Minhas costas arqueiam mais e estou empurrando contra seus dedos, minha cabeça cai de volta quando um gemido alto sai dos meus lábios.


"Você é tão sexy, Arrow." Seu polegar desliza sobre o meu clitóris sensível. "Eu quero você no meu rosto." Seus dedos me deixam quando ele está ao meu lado. "Venha aqui." Eu nunca fiz isso antes, sentada no rosto de alguém. "Agora", ele diz, e eu percebo que não me mudei. Subindo em seu corpo, eu escarrancho seu rosto, meus joelhos de cada lado de sua cabeça. "Coloque suas mãos contra a parede e não as mova." Seus braços se fecham em volta das minhas coxas. Estou tremendo de antecipação. Cuba me puxa para baixo e sinto sua respiração quente embaixo de mim. No momento em que sua língua me toca, eu sei que ele vai me matar. Eu me forço a não tirar minhas mãos da parede, eu quero segurar o seu cabelo. Cuba suga e lambe em um padrão alucinante, com cada golpe que atinge meu clitóris, eu sinto que vou me desfazer. Dois dedos escorregam para dentro de mim, meus olhos reviram de prazer. Seus dedos me trabalham enquanto sua boca me deixa no limite. Ele corre a outra mão sobre meu quadril viajando em direção aos meus seios. Quando ele alcança seu alvo, ele começa a beliscar meu mamilo, e eletricidade dispara para o meu clitóris. Eu não posso mais segurar. Lentamente, começo a balançar contra sua boca, movendo-me em círculos ao redor de sua língua. Quanto mais rápido eu balanço, mais rápido seus dedos bombeiam em mim, me deixando louca. Meus gemidos ficam altos e eu posso senti-lo gemer em mim, o som vibrando contra os meus lábios.


"Oh!" Eu grito. "Oh, minha, merda, Deus, oh!" Eu não consigo nem falar quando sinto a minha liberação se construindo. Seus dedos deixam meu mamilo para apertar uma das minhas coxas enquanto seus outros dedos continuam a trabalhar, até que eu sinto um choque de eletricidade através de mim fazendo meu corpo tremer de prazer. Cuba me segura, lambendo cada gota do meu orgasmo. Meu corpo se sacode, mas ele não me deixa levantar. Sua língua me lambendo. Finalmente, ele me deixa ir e eu me inclino para trás para sentar em seu peito, recuperando o fôlego. Nossos olhos se encontram entre as minhas pernas, ele está vestindo um sorriso líquido branco claro. "Você tem um gosto tão bom quanto eu pensava." Cuba lambe os lábios. "Então, bom pra caralho." Eu posso sentir o rubor subir nas minhas bochechas. Balançando a cabeça, eu me movo para sair dele, mas ele me segura no lugar. "Eu não terminei com você ainda, baby." Ele bate na minha bunda. "Eu quero você de joelhos." Eu rolo de joelhos, arqueando as costas. "Assim?" Olhando para cima, meus olhos se arregalam, Cuba está de pé no final da cama, seu short sumiu. Sua mão está envolvida em torno de seu pau grosso, minha boceta se vira ao vê-lo. Seus olhos castanhos encobertos escurecem a cada golpe. A cama se afunda atrás de mim e eu o sinto entre as minhas pernas. Uma mão pressiona o arco das minhas costas.


"Arqueie suas costas, Arrow e não corra." Eu olho para trás. "Eu nunca corro." Cuba sorri, pressionando a ponta contra mim. "Veremos.” Querida vagina, Eu sinto muito. Com amor, Eu


Cam está me implorando para dar um soco em sua boca. Faz uma semana desde que Bliss e eu começamos a dormir juntos. Tem sido incrível, quem saberia que minha pequena tutora é tão esquisita. Ela é elegante pra caralho, mas quando ela está na minha cama, ela é uma megera, minha gostosa sexy. Pensar nela me deixa um pouco aborrecido, já que não vou vê-la hoje à noite. Ela e a India estão tendo algum tipo de noite das garotas. Talvez eu possa convencê-la a vir depois. "Então, você não vai me dizer?" Cam joga meu boné para mim. O boné que eu não notei faltando a semana toda e, porque Jackson costumava roubar meus bonés, todos eles têm meu nome dentro. Eu pensei que eu limpei o vestiário depois da nossa pequena sessão de foda, mas aparentemente não, porque Cam está segurando uma rasgada tanga preta na mão, girando em torno de seu dedo. Pegando o tecido dele, eu empurro seu ombro. "Não há nada para contar", eu digo. "Desde quando você se transformou em uma cadela e quer fofocar?" Cam me joga fora. "Foda-se." Ele toma um gole de sua cerveja. "Você fodeu uma garota no vestiário, contra seu armário, você quebrou a propósito, não vai fechar." Eu apenas sorrio.


É sábado à noite e estamos de volta ao Dixie's esperando Ash para jogar. Eu preferia estar em casa com a boca de Bliss enrolada no meu pau, mas, graças à India, isso não vai acontecer. "Eu a conheço?" Cam tenta. "Deixe ir, eu não estou dizendo." Eu tomo um gole da minha cerveja. Ele olha para mim e d| uma mordida em sua asa quente. “De qualquer forma, a sua tutora é solteira? Eu a vi no outro dia e.... Droga. ” Meu aperto em torno da minha cerveja é forte. "Não se preocupe com ela." Cam ri, balançando a cabeça. "Porque você está transando com ela", ele acusa. "Aquelas calcinhas sensuais é dela?" "Cam, cale a boca antes que eu quebre sua mandíbula." Eu terminei com esta conversa. Ele levanta as mãos. "Meu mal, C." Cam muda de assunto e nós acumulamos algumas bolas. Dixie's está lotado de novo, parece que este será o ponto quente deste ano. As garotas já estão se aproximando de nós, e Cam está dando a elas seu sorriso de molhar calcinhas. Quanto a mim, elas não existem. Eu tenho a Bliss e não estou namorando, mas fizemos um acordo que, enquanto estamos envolvidos, não vamos dormir com mais ninguém, não que ela tenha que se preocupar, ela é a única garota que faz meu pau alerta de qualquer maneira.


Mais uma semana e vamos embora. Ela não trouxe o meu passado, não fez mais perguntas, e eu agradeço, porque estar com ela me acalma... apenas por um tempo. Eu não quero pensar com ela, só quero sentir. Bliss é perfeita, e se as coisas fossem diferentes, talvez eu pudesse nos ver sendo algo mais, talvez eu pudesse ser o homem que a merece. Eu sacudo o pensamento da minha cabeça, não adianta ir até lá. Eu sabia que teria que ir embora no momento em que eu deslizasse para ela, no momento em que ela gemeu meu nome, eu sabia. "Então, você já pensou se vai voltar?" Eu quase sinto falta do meu bolso. "Não", eu minto, procurando o meu próximo tiro. A verdade é que eu realmente estive pensando sobre isso, não pensando demais, mas passou pela minha cabeça mais do que algumas vezes esta semana. Vendo meu armário provocou algo em mim, fazendo-me sentir que eu preciso voltar, eu preciso terminar isso. Eu não fui capaz de abalar o sentimento. Depois dessa semana, depois que eu parar com Bliss, eu planejo falar com o treinador se eu volto ou não. Eu sinto que devo a ele, isso é uma desculpa. “Espero que você reconsidere, mano. Nós sentimos saudades de você." Eu não respondo a Cam. Se estou sendo honesto, também sinto falta deles. Quanto mais tempo eu gasto com Bliss, mais me sinto normal. Ash aparece alguns minutos depois, seu coque se foi, e seu cabelo loiro sujo está cortado nas laterais, um pouco mais no topo. Seus


olhos estão vermelhos e ele está com uma carranca como se ele tivesse nascido com isso. "O que rastejou na sua bunda?" Cam pergunta. "E o que aconteceu com o seu cabelo?" Ash agarra minha cerveja e a embala. Ok, eu realmente não queria de qualquer maneira. "Devemos encomendar outra rodada?" Eu pergunto, olhando em volta, em seguida, de volta para Ash. "Você está bem?" Ele sacode a cabeça. "Cara, essas garotas não são leais." Ele ri amargamente. “Dê a elas seu coração e alma, e elas querem mais, então elas vão ter mais.” Eu atiro a Cam um olhar "Que porra é essa?" Ele balança a cabeça e encolhe os ombros. Movimento para a garçonete mais uma rodada. “Eu preciso ficar bêbado e foder alguma coisa. Nessa ordem." "Hum, onde está Amanda?" Cam pergunta lentamente. Eu sinto que essa foi a pergunta errada para perguntar no momento em que os olhos verdes de Ash escurecem e seus lábios pressionam em uma linha fina. Talvez Amanda seja um nome que não devêssemos mais dizer. “Bem, eu acho que ela ouviu seus pais e largou o vagabundo do Vale. Obteve-se um verdadeiro vencedor agora, seu pai é dono de metade da cidade.”


Cerveja não vai ser forte o suficiente. Ele vai precisar de uma garrafa de algo, algo muito forte. Cam provavelmente está pensando a mesma coisa. "Precisamos de tiros", Cam diz a garçonete enquanto ela abaixa o novo jarro de cerveja com alguns copos. "Na verdade, nos arranje uma garrafa de Ciroc." Eu tenho a sensação de que isso está indo na minha conta, geralmente acontece. A garçonete sorri, balançando a cabeça e rapidamente se afasta. "Desde quando você tem dinheiro para o serviço de garrafa?" Eu cortei meus olhos em Cam. Ele me acena. "Desde que você começou a andar de novo, nosso menino está precisando, C." Ash está engolindo sua cerveja. "Malditos quase três anos e ela simplesmente joga fora." Não sei o que dizer a ele, não estou em condições de dar conselhos a ninguém. Eu tenho minha própria merda para lidar, como minha situação com Bliss. “Cara, foda-se, você está na liga da NBA, vai haver um aperto de cadelas. Não se preocupe com isso. Se ela é tão rápida em partir agora, imagine se a merda foi para o sul depois que você for convocado. Estou dando o fora dessa merda.” Ash acena com a cabeça. “Sim, foda-se ela. Quem diabos ela pensa que é? Eu sou o fodido Ash Miller”, ele diz como se estivesse tentando se animar e eu estou com isso.


As garçonetes voltam com duas bandejas na mão. Um carrega a vodka e três jarras de suco para misturar, a outra segura um balde de gelo e copos. As garçonetes sorriem quando arrumam rapidamente em nossa seção perto da mesa de bilhar. Eu não posso nem lembrar da última vez que eu tive serviço de garrafa, Jackson e eu raramente fizemos isso e se o fizemos, foi para um aniversário. "Na verdade, não vamos mais precisar disso." Dou a garçonete e um sorriso de desculpas, tiro uma nota de cinquenta da carteira e entrego a ela. "Para o problema." Essas meninas trabalham fora dicas. Cam ergue as mãos. "Que porra, eu estava prestes a pegar algumas garotas." Eu gesticulo para Ash. “Ele não precisa de garotas, ele precisa de tempo longe delas. E você, um dia seu pau vai cair.” Ele me vira e sorri. “Você consegue uma namorada e agora você tem todos os conselhos.” A cabeça de Ash se levanta. "O que? Você tem uma namorada?" Aqui vamos nós. "Não. Cala a boca, Cam.” Ele faz uma careta zombando de mim. "Vamos voltar para o meu lugar, pedir comida, fumar algumas ervas e jogar 2k." Cam e Ash compartilham um olhar e sorriem. "Eu estou para baixo." Ash diz abaixando o resto de sua cerveja e se levantando. "Eu prefiro whoop ya bunda em 2k."


"Aqui vai você, falando merda já." Cam acena para ele tirar as chaves do bolso. "Vamos parar e pegar um pouco de cerveja e encontrá-lo lá." Nós saímos depois de acertar as nossas abas, e eu estou feliz que eles concordaram, porque a última coisa que eu queria era estar perto de um grupo de garotas que quer ir para casa com a gente, e isso não está nas cartas para mim. Depois que eu ligo o G-Wagon, eu passo o dedo pelo celular procurando o número dela e clico no ícone de conversa. A chamada é conectada através do meu Bluetooth e começa a tocar pelos altofalantes. "Hey". A voz suave de Bliss responde. Um sorriso puxa meus lábios. "Como está a noite das garotas?" "Como está o Dixie?", ela responde com uma pergunta. "Deve estar morto, se você está me chamando." "Estou a caminho de casa, na verdade, espertinha. A garota de Ash o deixou, então vamos apenas relaxar na minha casa e jogar um pouco de PS4.” Eu paro. "A menos que você esteja vindo, vou dizer a esses perdedores para se perderem." Ela ri. “Não, eu não estou indo. É legal que você esteja ajudando ele a terminar o namoro.” Eu dou de ombros mesmo que ela não possa me ver. "Sim, eu acho." Eu mudo de assunto. "Então, você já sente minha falta?” "Só se você sentir a minha."


Eu tamborilo meus dedos no volante enquanto paro no sinal vermelho. Eu nunca vou admitir que sinto falta dela. "Quando eu vou te ver de novo?" Eu pergunto em seu lugar. Eu a ouço suspirar, e sei que ela esperava que eu dissesse que sentia falta dela, mas não quero dar a ela nenhuma esperança de que nosso acordo se torne mais. "Quinta-feira, eu vou trazer o jantar." É só sexta-feira. “Arrow, é sexta-feira. Quinta é a nossa última sessão.” Estou confuso. "O que aconteceu com segunda-feira?" Ela está quieta e eu posso ouvir sua respiração. "Eu tenho que cuidar de algumas coisas, eu estarei fora da cidade até quarta-feira." Eu aperto o volante. "E você não ia me dizer?" "Sim, claro", diz ela rapidamente. “Eu ia mandar uma mensagem para você, mas você ligou primeiro.” De repente, estou aborrecido e não quero mais falar. "Sim, bem, até a quinta-feira." Eu apertei o botão de final da chamada no volante. Eu sei que sou um idiota, mas porra, eu já estou chateado por não poder estar com ela hoje à noite antes de ela ir para Palm Springs amanhã, agora ela está me dizendo que eu não vou vê-la até a nossa última sessão? A sessão em que isso termina entre nós. Eu realmente aprendi alguma coisa com ela? Sim, quando posso prestar atenção e não pensar quando posso afundar dentro dela. Talvez eu deva revisar meus livros, apenas no caso. Eu não quero que ela se


sinta como se eu não me importasse, porque eu me importo um pouquinho mais com a boca dela. Quando chego a minha casa, ainda não vejo o carro de Cam, e tenho a sensação de que eles estão comprando mais do que um pacote de cerveja. Uma vez que a temporada começar, as bebidas e paradas altas não são uma opção, então eu posso ver por que eles querem ficar bêbados. Esfregando minha testa, eu me deixo entrar, faz um tempo desde que eu tinha algum dos meus companheiros de equipe aqui. Como de costume, minha sala de estar está limpa porque passo a maior parte do tempo no meu quarto. Subindo as escadas de dois em dois, eu entro no meu quarto, o que é a porra de uma bagunça. Eu realmente deveria começar a ter a empregada aqui, porque mesmo quando adulto, eu ainda não consigo fazer minha cama ou levar os pratos de volta para a cozinha. Quando Bliss está aqui, eu a deixei vergonhosamente limpa. Veja, eu mal sou namorado. Agarrando meu PlayStation e dois controles, fecho a porta atrás de mim apenas para parar e encarar a porta fechada do outro lado do corredor, o quarto de Jackson. Eu ainda não construí a coragem de ir lá e seus pais não têm empurrado a questão de mover suas coisas. Um passo de cada vez, é isso que Oliver diz, ele acha que eu preciso estar estável primeiro antes de cavar o passado. Por enquanto, eu seguro essa desculpa. As batidas na minha porta da frente me afastam dos meus pensamentos, e eu desço as escadas correndo para abrir a porta. Cam e Ash empurram a porta carregando duas caixas de pizza e uma caixa de cerveja.


"Sua casa está suspeitamente limpa", diz Cam, entrando na cozinha com a cerveja. "Sua mãe ainda está limpando seu lugar?" "Não, idiota." Eu fecho a porta da frente e vou ligar o PlayStation na TV. Ash enrola no sofá, colocando as pizzas na mesa de café. "Tudo bem, eu estou prestes a chutar sua bunda neste tribunal." "Você pode até vencê-lo um a um, idiota." Cam entra com três cervejas e pratos abertos, ele olha para mim. "Sua cozinha esta muito limpa, e sua pia é toda brilhante e merda." Eu rolo meus olhos e empurro minha cabeça para trás. "Por que diabos vocês estão todos na minha merda?" Eu me sento do outro lado do sofá e entrego a Ash um controle, depois pego um baseado e um isqueiro da mesa lateral. Acendendo, eu dou um golpe profundo e passo para o Ash. Cam me entrega uma cerveja. "Tão delicado." Ignorando-o, eu começo a folhear os times de basquete, decidindo sobre o meu favorito, o time que deveria me preparar, o time pelo qual eu deveria estar jogando. Ash pega o seu e Cam ri quando ele dá um soco no baseado e então entrega para mim. "Por que você está sempre escolhendo essa equipe?” "Foda-se", ele estala. "Por que você não volta a mandar a pobre garota uma foto de pau?"


Algumas merdas não mudaram, eles ainda argumentam como irmãos. Eu não tenho ideia de como eles ainda são amigos, mas funciona. Minha mente volta para Bliss. Eu não posso acreditar que não a verei até a próxima semana. Mais uma noite com ela e é isso. É tudo que recebo. Levou uma semana para ela se tornar um vício, um vício que eu não podia me dar ao luxo de ter agora. A noite continua com nós três ficando chapados, comendo pizza e falando merda enquanto jogamos videogame. Pela primeira vez, eu me sinto normal, estando em casa com alguns amigos, uma garota que meu cérebro não consegue parar de pensar. Eu me sinto como um cara normal da faculdade em seus vinte anos. O passado não está me arrastando para baixo, mas eu ainda sinto isso lá, aparecendo na escuridão apenas esperando para me confrontar. Um passo de cada vez.

*****

Jackson, Assim que eu acho que está ficando um pouco mais fácil, não está. Eu me vejo constantemente encontrando distrações. Ash e Cam estão tentando ajudar em seu próprio caminho, mas eles não são você. Eu não posso falar com eles sobre coisas, você sabe, sobre o que aconteceu comigo. Eles provavelmente pensariam que eu enlouqueci ou assisti a cada movimento meu. Eu ainda não criei coragem para contar a Bliss. Inferno, eu ainda não me deixei pensar sobre o que você


pensaria sobre o que eu fiz. Eu sei que você quer mais para mim e, como você pode ver, estou tentando. Espero que isso te faça feliz, Jack. Eu realmente espero que um dia eu possa te deixar orgulhoso. -C Oliver cancelou nossa sessão hoje, e eu estou feliz por saber como a última terminou. Eu não vou ver Bliss também. Ela me enviou alguns textos desde sexta-feira que eu não respondi, a maioria apenas um simples Oi. Eu não quero texto, eu quero ela aqui comigo, na minha cama. Eu não quero texto como se fossemos amigos de fodas, eu não quero me acostumar a ver o nome dela aparecendo no meu telefone, e eu com certeza não quero me acostumar com o sentimento que isso me dá. Meu celular vibra no sofá ao meu lado, e o nome na tela para meu coração por um segundo. Mrs. E Mãe de Jackson. Ela é basicamente minha tia, o sangue não nos conecta, mas você não sabe disso, ela sempre esteve lá mesmo quando eu não merecia isso. Eu pego o telefone, apenas segurando na minha mão, sentindo a vibração através do meu corpo, me provocando. Eu tenho evitado eles por um tempo, ela geralmente me chama pelo menos uma vez por semana, e eu sei que um dia as ligações vão parar, ela eventualmente desistirá. A vibração para e eu seguro minha mão ao redor dela com força. Meu coração bate mais rápido e minha respiração fica pesada, eu não estou pronto. Eu não acho que vou estar pronto para lidar com os Emmett. Ainda não consigo encarar a


mim mesmo e meus próprios erros. E eu não posso nem visitar seu local de descanso e até encarar isso, nunca serei capaz de encarar seus pais. O ícone do correio de voz aparece no meu telefone e eu rapidamente o ignoro, como todos os outros. Eu sou um idiota, eu sei. Eu sou um idiota para todos que querem me ajudar, e eu realmente odeio isso, mas eu estou com raiva há tanto tempo que é difícil para eu me abrir, e é assim que eu pousei na reabilitação. Eu não me abriria para a minha família, mas eu me abrirei para álcool e drogas. Eu só queria seus abraços, suas palavras, eles só queriam minha alma.


"Então, eu não entendo", diz Patrick quando ele prancha meu cabelo. "Por que você mentiu sobre sair da cidade?" Estamos na minha sala, Patrick no sofá enquanto eu me sento entre as pernas dele. India está descansando no sofá, passando pelos canais. É quarta-feira à noite e mal falei com Cuba, exceto por alguns textos. Ele está de volta a ser frio comigo e eu sinceramente não sei como nossa última sessão vai dar certo. Eu não sabia que pular nossa sessão de segunda-feira o deixaria tão chateado. Parte de mim espera que ele esteja ansioso pelo nosso tempo juntos e sinta minha falta, mas a outra parte acha que pode não ser o caso. Poderia ser apenas o sexo, o que é incrível, mas estou sentindo que é mais para mim e uma grande parte não quer chegar a um acordo que não há sentimentos em seu fim, mesmo que ele me chame de baby verdade. "Porque, eu preciso de espaço", eu digo. "Ele é tudo que eu pensei que ele não seria e estou confusa. Vocês sabem que não posso fazer nada casual”, digo, frustrada. Eu pensei que poderia lidar com isso e não posso. Eu me apaixonei por Cuba, segredos e tudo mais. "E Cuba só faz casual, na verdade ele mal faz isso, mais como de hora em hora." Indi joga o controle remoto sobre a mesa e suspira.


"Uau, vadia, maneira de ser solidária." Patrick bate nela e puxa uma mecha do meu cabelo com seu movimento. "Isso não é o que ela precisa ouvir agora. Nós vimos o jeito que ele olha para ela, pode ser mais do que casual.” Indi revira os olhos. "Estou apenas sendo realista. É a porra de Cuba Knight, não vamos esquecer isso. Eu não quero que ela se machuque.” "Ela está bem aqui", eu os lembro. "E eu estou plenamente ciente de que isso pode ser casual para ele, está aí o porque eu pulei segunda-feira." Patrick desliza a chapinha pelo meu cabelo. "E como ele levou isso de novo?" Mordendo meu l|bio, eu franzo a testa. “Ele desligou e mal respondeu aos meus textos.” "Huh". India se senta. "Então, ele está chateado." Não é uma pergunta. "Provavelmente porque ele não vai fazer sexo." "B, se ele quisesse sexo, ele poderia chamar alguém facilmente", diz ela. Eu sacudo minha cabeça. "Nós concordamos em dormir apenas um com o outro durante este tempo, foi idéia dele." A sala fica quieta e as mãos de Patrick continuam no meu cabelo, eu olho para eles. Eles estão compartilhando um olhar que eu não consigo decifrar.


"O quê?" Pergunto devagar. Indi olha para mim. "Nada, B. Apenas ao contrário dele, mas, novamente, ele se foi por um tempo." Ela encolhe os ombros. Isso me lembra que ainda não falamos sobre o hiato dele. Ele tem habilmente evitado o assunto com suas habilidades sexuais alucinantes. Agora eu me pergunto se ele vai se incomodar, já que tudo termina depois de amanhã, e como seria se nos cruzássemos novamente. Ele vai dizer alguma coisa para mim ou agir como se ele não me conhecesse? Oh, minhas estrelas, estou pensando nisso, vou enlouquecer. Patrick volta a fazer meu cabelo e India está de volta a folhear canais. Aqui estou com meus pensamentos porque tenho sentimentos por alguém que talvez não tenha o mesmo por mim. Ele me avisou. Eu sabia no que estava me metendo, e não sei por que pensei que isso mudaria. Eu não sei porque eu pensei que ele sentiria minha falta do jeito que eu sinto falta dele. Eu deveria me salvar e terminar agora, cancelar amanhã e esperar que ele vá embora tendo aprendido algo sobre Alexandre, o Grande. Se não, eu falhei, porque pela primeira vez, eu não conseguia manter minhas pernas fechadas, elas estavam muito ocupadas em torno de uma cintura tatuada. Eu mentalmente encaro a palma da minha mão, sou tão estúpida. Eu passei o dobro do tempo com Dex e meus sentimentos por ele não estavam nem perto do que sinto por Cuba. Isso é loucura e não faz sentido. Apenas mande um texto para ele, termine. Eu digo a mim mesma. Deixe ele ir.


Pegando meu telefone, eu abro nossa conversa, principalmente unilateral desde a última sexta-feira. Respirando fundo; eu digito, excluo e digito novamente. Eu: Hey, eu realmente gostei de sair com você, mas acho que devemos apenas pular amanhã e terminar agora. Espero que você esteja feliz com a tutoria que recebeu e se, no futuro, achar que precisa de mais ajuda, fico feliz em recomendar alguém. Isso parece bastante amigável. Quero dizer, não sei exatamente o que dizer, nunca estive nessa situação antes. Meu polegar paira brevemente antes de apertar enviar. "É assim que você está acabando com isso?" Minha cabeça se levanta para ver as sobrancelhas perfeitas de Patrick juntas, seus olhos verdes focados na minha tela. "Tenho certeza de que ele está mais do que feliz com a tutoria que recebeu. Eu não posso acreditar que você est| desistindo tão f|cil.” "Desistindo?" Eu pergunto com uma risada. “O que mais eu devo fazer, Pat? Ele disse duas semanas, é o que ele conseguiu.” Ele acena com as mãos no ar. "Que tal dizer a ele como você se sente, talvez?", Ele sugere. "Você gosta dele, então diga a ele." "Dizer a Cuba que eu tenho sentimentos por ele, depois que ele deixou claro que isso é tudo o que era, é implorar para ele entrar no modo imbecil. Ele vai rir bem no meu lindo rostinho." Eu não vou me colocar nessa posição, eu não tenho muita fé na minha buceta para acreditar que isso poderia mudar sua mente. Claro, eu adoraria que minha buceta curasse tudo, mas vamos lá.


"Nunca se sabe", ele murmura, mas eu o ignoro porque sei. Cuba não se sente da mesma maneira e, mesmo que o fizesse, nunca admitiria isso e não faria nada a respeito. Meu celular vibra na minha mão, me assustando. É Cuba. Meus dedos pairam sobre a tela, meu estômago afunda, eu varro meu polegar sobre o ícone da mensagem. Meus olhos estreitam na mensagem. "Que idiota!" Eu grito, levantando-me de pé, acenando meu telefone. “Ele disse que é real. Você está brincando comigo?" "Isso é tudo que ele tem a dizer?" Patrick cruza o braço. "Ousado." "Novamente". Indi revira os olhos e passa o controle remoto em minha direção. “Isso é Cuba. Eu não estou tentando ser uma vadia, mas é verdade. Todos nós sabemos que ele gosta de você, mas ele não far| nada a respeito.” Eu penso sobre o que ela está dizendo, e eu fico mais irritada, eu dei espaço a ele, e tentei deixá-lo vir até mim. Se ele realmente não se importa, então tudo bem, eu também não. Sim, eu sei que é uma mentira que eu digo a mim mesma, mas eu não vou correr atrás dele. Eu não respondo a ele. Ele disse o suficiente para matar a nossa conversa, ele não me deixou espaço para dizer qualquer coisa decente de volta para isso. Apertando meu celular na minha mão, eu silenciosamente faço beicinho. "Eu vou tomar um banho e encerrar a noite", eu digo através dos meus dentes.


"Ah, vamos lá, não deixe ele te chatear", implora Patrick. "Saia com a gente para jantar." Esqueci-me dos planos para o jantar e, francamente, duvido que fosse uma boa companhia. "Eu não estou chateada", eu minto. "Vou tomar um banho, divertam-se e por favor não briguem." “Bem, então diga a ele para se afastar dos caras que eu me interesso” Indi começa. Patrick revira os olhos. "Porque você claramente não sabe quem está no seu time e quem está no meu time." Lentamente, eu recuo e deixo que eles discutam sobre o gaydar quebrado de India. Fechando a porta do meu quarto suavemente, uma lágrima escapa e eu rapidamente a limpo. Isso é estúpido, eu sou estúpida. Todos os meus conhecimentos de livros não significam nada agora se meu senso comum esta faltando. Lição aprendida, sexo casual não é para mim. Eu sou um tipo de garota de relacionamento. Indo para o meu banheiro, eu começo o meu banho, despejo metade do meu frasco de banho de espuma de lavanda, então eu vou acender minhas velas favoritas de lavanda e baunilha, colocando-as na minha cômoda e mesa de cabeceira. Eu amo lavanda, isso me relaxa e, agora, preciso relaxar e não pensar em Cuba. Depois de ligar o meu iPod na minha mesa de cabeceira, eu me dispo quando Lana Del Rey canta ao fundo. Entrando na água fumegante, eu amarro meu cabelo em um nó antes de afundar até o meu queixo. Eu fecho meus olhos e absorvo o perfume e a música


suave, inspirando e expirando, tentando relaxar meu coração acelerado. Não está funcionando.


Bang Bang Bang Meu punho bate contra a porta de madeira novamente até que ela se abre e um par de olhos castanhos e outros verdes me encaram. "Que diabos, Cuba", diz India. "Batendo como a maldita polícia." "Ela está aqui?" Eu ignoro o tom dela. Ela levanta uma sobrancelha. "Não." "Eu digo que é besteira, o carro ofuscante dela está aqui." Eu me inclino contra o batente da porta. “A menos que ela esteja fora, eu preciso saber quem é o palhaço e onde eles estão.” Ela sorri, colocando a mão no quadril. "Você sabe, para alguém que não quer que ela saiba alguma coisa, você com certeza espera muita informação." Eu levanto minha própria sobrancelha. "Você sabe, para uma belle sulista, você com certeza perde muito seu sotaque." O cara de pé ao seu lado, arregala os olhos em choque quando ele se vira para a India, que está ficando vermelha.


"Então, ela está aqui ou você vai me apontar para o lugar certo?" Eu sorrio inocentemente. Ela sabe que se eu realmente quisesse, eu poderia dizer uma palavra e acabar com ela, mas já que ela é a melhor amiga de Bliss, eu darei a ela um pequeno aviso. Seu sotaque é falso, notei há um tempo, Jackson é realmente o único que apontou. Ela sopra para fora, mas se move para o lado, olhando para mim. "Ela está no quarto dela." "Ela está no banho", acrescenta o cara. "Eu sou Patrick, a propósito, nós não nos conhecemos oficialmente." Ele me dá um pequeno aceno. Eu dou-lhe um pequeno sorriso porque ele é legal, se não fosse por ele, Bliss não teria ficado comigo naquela noite. "Faça algo certo, tenho certeza que você vai descobrir que quarto é o dela, e deixe-a saber que estamos indo embora", diz India atrás de mim. Eu a ignoro novamente e faço o meu caminho pelo corredor. O apartamento delas cheira a perfume e torta de maçã, e eu me pergunto se realmente há torta em algum lugar quando passo pela sala de estar muito chique. Há uma cortina cinza claro ao longo da parede, um tapete de pele branca que fica sob uma mesa de centro de prata e vidro coberta de revistas e livros. Uma TV de tela plana fica em um suporte de vidro ladeado por velas verdes acesas, e é daí que vem o perfume. Isso significa que não há torta, droga. Grandes letras douradas de B & I estão penduradas no corredor junto com fotos emolduradas em ouro. India e Bliss em festas, em


férias e algumas tomadas em sua sala de estar. Eu arrasto meus olhos para longe das fotos que mostram o corpo de Bliss vestido de biquíni e continuo pelo corredor. Acho que a porta com a flecha de glitter dourado é dela, a porta do outro lado tem um coração de prata. Girando a maçaneta devagar, abro a porta, o cheiro de baunilha e lavanda enche meu nariz, o cheiro dela. Entrando em seu quarto, fecho a porta atrás de mim com um clique suave. A porta da direita está aberta, e eu posso ouvila na banheira, cantando junto a uma triste música country que está tocando no alto-falante. Essa garota é a única pessoa que conheço que conhece todas as músicas, não importa o gênero; ela vai de Gucci Mane para Brittany Spears muito rápido, é incrível. Me afastando da porta, eu olho para seu quarto. Ela tem prateleiras flutuantes que cobrem uma parede, cada uma cheia de livros e bugigangas. Uma cama de tamanho natural, coberta de rosa, dourado e branco, está encostada na parede. Uma TV está pendurada na parede em frente à cama. Sua cômoda chama minha atenção; Frascos de perfume e imagens alinham o acabamento polido branco brilhante. Eu pego uma foto que chama minha atenção. Biss está sentando com um homem mais velho em uma cadeira de rodas, ambos focados em um livro que está aberto em frente a eles, ele está apontando para algo e ela está sorrindo, eles têm os mesmos olhos tempestuosos e eu sei que eles estão relacionados. Eu quase acho que este é o pai dela até que eu coloco a foto ao lado de outra que é a formatura do colégio de Bliss, seus pais sorrindo em cada lado dela. Ela se parece com os dois, ela tem a pele bronzeada da mãe e o sorriso do pai dela. "O que você está fazendo aqui?”


Sua voz me assusta, fazendo-me esbarrar na cômoda fazendo suas fotos tremerem. Girando, Bliss está do lado de fora da porta do banheiro, uma toalha roxa enrolada em volta dela, seus olhos vermelhos como se estivesse chorando. Engolindo, eu movimento para as velas acesas. "Esperando outra pessoa?" A verdade é que eu não tenho ideia do porquê de estar aqui e tenho a sensação de que sou a razão pela qual ela está chorando. "Por que você não pode simplesmente admitir que queria me ver em vez de tentar me afastar?" Ela joga de volta para mim. "E as velas devem aliviar o estresse." Empurrando sua cômoda, eu sento na beirada da cama dela, de costas para ela, porque não posso olhá-la em uma toalha e não poder tocá-la, e ela está me dando a impressão de que não quer o meu toque. "Por que você está estressada?" Por que eu me importo? Eu a ouço se vestindo o mais rápido possível, duvido que ela tenha secado todo o corpo. "Por que você apenas não diz que queria me ver?" Admitir que eu queria vê-la é o mesmo que admitir que senti falta dela? Porque eu nunca vou admitir sentir falta dela, então ela vai pensar que há algo entre nós, é como as garotas pensam, mas, novamente, Bliss não é a maioria das garotas. Eu viro minha cabeça na direção dela, e foda-se, eu acho que eu preferia a toalha em vez de sua blusa e shortinho que não deixa nada para a imaginação.


Ela levanta uma de suas sobrancelhas perfeitas, o que ela faz comigo com frequência. "Tudo bem, eu meio que queria ver você, você sabe, antes de me soltar." Ela empurra a cabeça para tr|s. “Com licença, Sr. Duas Semanas. Você já tinha planos de me soltar. Eu acho que é diferente quando eu faço isso, certo?” Meu pau contorce, sua boca é outra coisa, me pega o tempo todo. "Touché, Arrow." O canto do meu lábio puxa para um pequeno e triste sorriso. Ela está sempre certa, sempre me lendo silenciosamente e isso não me incomoda, não tanto quanto deveria. A cama se afunda atrás de mim. "Então, o que você está realmente fazendo aqui?" Subindo na cama, eu me viro para ela, ela está a apenas alguns centímetros de distância, suas costas contra a cabeceira da cama, pernas cruzadas sob ela. Eu quero tocá-la, abrir suas pernas e provar cada centímetro, fazendo com que ela diga meu nome, mas eu não posso, ainda não. "Eu te prometi um fato a cada sessão", eu começo. "Vamos ser honestos, você só teve um." Bliss sorri e acena com a cabeça. Eu olho para as minhas mãos, eu não vim aqui para derramar minha coragem, eu não sei porque eu vim para cá. Eu só sei que ela me cortou com algum texto de besteira e não deu certo para mim. Eu não quero pensar demais, mas não posso ficar lá.


"Tenho certeza que você ouviu o nome de Jackson jogado ao redor, visto em meu lugar. Ele era meu melhor amigo.” Eu paro. “Mais como um irmão. Nós crescemos juntos, tínhamos dois anos e mal andamos.” Sorrindo, as memórias se movem para frente do meu cérebro. “Nós fizemos tudo juntos, especialmente basquete. Nós tivemos sonhos, Arrow. Nós quase chegamos lá, estávamos na fronteira da NBA.” Meu sorriso desaparece e consigo encontrar seus olhos tempestuosos. “Aconteceu tão rápido, você sabe. Num minuto estávamos jogando um jogo de pick-up e no próximo ele estava no chão lutando para respirar. Seis meses depois, ele se foi. Eu assisti meu irmão morrer nas mãos de algum maldito câncer raro.” Lágrimas se formam em meus olhos, e eu rapidamente começo a piscar e desviar o olhar. Suas mãos quentes pegam as minhas, passando seus dedos pelos meus e apertando. "Eu sinto muito." Eu ouvi muitas pessoas dizerem que sentem muito, tenho muitos cartões, textos e mensagens de voz, mas nenhum me afetou como aquelas três palavras de sua boca. Sinto que elas reais, porque além de Jackson, eu a deixei entrar um pouco. Ela viu flashes de mim, não a estrela do basquete, mas apenas eu. Meu polegar esfrega as costas da mão dela. "Mas não é isso", continuo. "Depois que ele morreu, eu não consegui lidar com isso. Eu me perdi em drogas e álcool, eu nem fui ao funeral dele, eu estava tão fodido. Isso nem é o pior, uma noite eu desmoronei.” Eu começo a lembrar. “Foi a noite dos quatro finalistas, um grande negócio, último jogo antes do campeonato. Nós deveríamos estar lá, jogando, e nossa equipe não tinha Jackson e eu fui embora. Eu os abandonei, meu time, quando eles precisavam de mim. Então, eu tomei mais


pílulas de Xanax que eu deveria, joguei para dentro uma garrafa de Hennessy e cheirei algumas linhas de cocaína. Eu acordei no hospital com um maldito tubo na minha garganta. Se não fosse a minha mãe me checando, eu teria morrido. Eu saí por um tempo porque estava em reabilitação por alguns meses, depois fiz tratamento ambulatorial e agora vejo um terapeuta.” Merda, aí está. Agora ela vai ver que eu sou totalmente fodido e fico feliz que acabou. Biss se inclina em minha direção e seus lábios estão a centímetros dos meus. Ela não deveria querer me beijar, mas seus lábios pressionam contra os meus de qualquer maneira. Sua mão acaricia meu rosto enquanto sua língua desliza entre meus lábios, e eu lentamente chupo, respirando seu perfume de lavanda. Eu poderia pegá-la em qualquer lugar apenas em seu perfume. "Eu só preciso de mais uma noite com você", eu digo contra seus lábios, beijando-a suavemente de volta. Bliss se afasta um pouco, seus olhos cinzentos estão procurando, querendo, e eu sei o que ela quer, mas eu não sei porque. "Isso é tudo que eu posso te dar." Eu respondo sua pergunta silenciosa. Ela lentamente balança a cabeça, morde o lábio e se recosta nas pernas. "Conte-me sobre ele?” Ela pergunta. Sentando, inclino minhas costas contra a cabeceira da cama. "Jackson?" Ela balança a cabeça e se move para sentar entre as minhas pernas, colocando a cabeça no meu peito. "Ele era um cara muito legal, você teria gostado dele e ele era o encantador." Ela sorri para mim. "Eu prefiro o idiota."


Balançando a cabeça, eu luto contra um sorriso. Eu realmente preciso sair daqui ou nunca vou desistir dela. Essa tem que ser a última noite. "Então, você parou de jogar depois", ela diz, não é uma pergunta. "Ele teria desejado isso para você?" Eu sei a resposta para isso, eu sempre soube a resposta. "Não." Eu balanço minha cabeça. “Ele queria que eu continuasse, seguisse nosso sonho de merda.” Eu posso sentir a amargura aumentando. “Quero dizer, como posso fazer isso quando era a nossa coisa? Nós éramos como Kobe e Shaq, Curry e Thompson, Dewayne e LeBron, Jordan e Pippen. Nós éramos um grande negócio. Eu não posso ser o Jordan sozinho.” Bliss aperta os olhos como se estivesse pensando, ela provavelmente não tem ideia de quem eu acabei de mencionar. "Eu sei que Curry, Golden State é a equipe do meu pai." Ela encolhe os ombros. Claro que sim, eles são uma equipe sensacional agora. "Eu sei que parece difícil, ou talvez impossível, mas você pode fazer isso, sabe?" Ela se senta para me encarar, cruzando as pernas embaixo dela, eu já odeio que eu não esteja tocando nela de alguma forma. Ela continua: "Você já pensou que se você começar a jogar novamente, você pode se sentir mais perto dele?" Eu penso em todas as minhas sessões com Oliver, e nenhuma vez ele me fez ver dessa maneira, e é uma pergunta tão simples. "Na verdade, não", eu admito. "Eu construí esta parede onde eu não


penso sobre isso. Eu sinto falta do basquete, sinto falta do meu time, mas também sinto falta dele, e ele está conectado a tudo, então coloquei na caixa ‘não está acontecendo’.” Ela balança a cabeça, entendendo antes de se levantar e caminhar até a cômoda, meus olhos vão direto para sua bunda naqueles shorts antes de se virar para trás, subindo na cama com um porta-retratos na mão. É o dela e o homem mais velho. "Este é o meu avô Eddie." Ela me mostra quando ela se senta novamente. "Ele morreu no ano passado." Sua voz racha e ela tem que piscar algumas vezes. “Ele era meu melhor amigo, est|vamos sempre juntos, até eu começar a faculdade, e eu voltava para casa todo fim de semana para passar um tempo com ele. Ele é a razão pela qual estou me formando em história. Era nossa coisa, você poderia dizer.” Ela sorri para a foto com carinho. "Nós lemos velhos livros de história e assistimos documentários, até planejamos uma viagem à Grécia e ao Oriente Médio. Então ele começou a esquecer coisas, coisas importantes. Ele foi diagnosticado no estágio cinco do Alzheimer no final do meu primeiro ano. Naquele verão eu dobrei as aulas e fiz uma pausa de um semestre para ficar com ele. Eu lia para ele e assistia a todos os nossos documentários favoritos. Ele não tinha ideia de quem eu era no final do verão.” Uma lágrima escapa de seu olho, e eu rapidamente limpo-a, e ela me dá um sorriso triste. "Ele morreu um ano depois." Bliss respira fundo. “O que estou tentando dizer é que ele era minha conexão com minha paixão, o estudo me faz sentir mais perto dele. Eu sei que todo mundo sofre de forma diferente, mas seus outros métodos não parecem funcionar. Talvez você possa parar de fugir e correr para ele.”


Eu puxo Bliss em meus braços porque eu não posso formar as palavras para dizer a ela, ela sempre me pega de surpresa com a maneira como ela pensa e age. Ela tem o coração mais gentil, mas ela também não me deixa deslizar. Bliss merece alguém melhor que minha alma quebrada e eu, mas eu a beijo de qualquer maneira, eu acaricio suas pernas nuas de qualquer maneira, e eu respiro em sua bondade, de qualquer maneira. Ela se move para me abraçar enquanto nosso beijo se aprofunda, meus dedos emaranhados em seus cabelos, suas mãos suaves embalando meu rosto. "Sinto muito pelo seu avô, ele ficaria orgulhoso de você." Eu puxo minha boca para longe. “Você me surpreende, Arrow.” Seus olhos brilham e ela sorri. "Obrigada, baby", diz ela inclinando-se para trás, recuperando a minha boca, e eu não perco tempo mordendo o seu lábio. Eu endureci debaixo dela, segurando seus quadris, eu me viro de costas para ela. Bliss começa a puxar minha camisa, puxando-a sobre a minha cabeça e deixando-a cair no chão. Em seguida, sinto seus pezinhos empurrando meu short de basquete para baixo. "Com pressa, baby?" Eu sorrio, levantando para tirar meus shorts depois de chutar meus sapatos. Meus dedos se prendem a seus shorts, deslizando-os devagar. Foda-se, sem calcinha, apenas sua linda boceta rosa. "Droga." Bliss pisca inocentemente e morde o lábio. Suas pernas se abrem mostrando-me como ela já está molhada. "Como eu vou deixar você ir?" Eu murmuro para mim mesma.


"Então, não deixe." Ela me pega de surpresa, eu não acho que ela me ouviu. "Deixe-me ser a Lola para seus insetos." Bliss chega a tocar meu rosto, mas eu me abaixei e me inclinei para beijá-la. Levando o filme que assistimos uma noite, eu nunca poderia ser seus insetos e ela nunca poderia ser minha Lola. Não importa o quanto eu gostaria que pudéssemos ser. Eu sei que ela quer mais, mas eu não posso dar isso a ela, então ao invés de dizer isso de novo, eu a silencio com um beijo e meus dedos, entrando e saindo de seu calor. Ela geme contra meus lábios e eu sei que eu ganhei. Eu não quero mais falar, só quero senti-la e saboreá-la uma última vez.

*****

Bliss está dormindo; suas cobertas rosa mal cobrindo seu corpo nu. Eu não consigo tirar meus olhos dela, absorvendo seu cabelo loiro recém fodido, seus lábios inchados. Ela está linda e eu quero lembrar disso. Pegando meu celular, tiro uma foto. Eu nunca mantenho fotos de nenhuma garota no meu celular, mas ela não é uma garota qualquer. Ela é a garota que eu deixo fugir. Ela me quer, arestas e tudo, mas tomei a decisão por ela. Andando até a cômoda, eu encontro nosso horário e viro do outro lado. Pegando uma caneta de um suporte, rabisco algumas palavras, parece que é tudo o que posso fazer. Eu não sou uma merda e aceito isso.


Colocando a nota ao lado dela na cama, eu apago as velas, inalando o cheiro dela uma última vez antes de sair de seu quarto e fechar a porta atrás de mim, suavemente. Eu tenho que forçar meus pés a se mexer, porque tudo que eu quero fazer é voltar atrás, rasgar aquela nota, voltar para a cama e segurá-la. Não é uma opção para mim, então vou embora. Felizmente, o apartamento é tranquilo e não há sinal da India ou Patrick quando chego à porta da frente. Infelizmente, quando vou abrir a porta ela já está abrindo. India recua assustada. "Você assustou a merda fora de mim." Ela me encara. "Esgueirando-se à meia-noite?" Seus olhos verdes estreitam. Eu ignoro a pergunta dela. "Minha culpa. Vejo você por aí.” Saio porta afora. Eu já me sinto como um idiota, mas sabendo que amanhã Bliss não vai acordar comigo faz meu estômago doer. Ela merece uma pessoa melhor.


Já se passaram três dias desde que deixei Bliss. Eu gostaria de poder dizer que estou surpreso por não ter ouvido dela, nem um texto ou uma ligação. Nada. Bliss não é uma daquelas garotas que vai me assediar por atenção ou respostas. Eu não a vejo desde o início das aulas, mas eu já vi India, e digamos que ela não é minha maior fã. De fato, seus olhos verdes estão queimando buracos em mim quando passo pelas líderes de torcida a caminho do vestiário. Eu mantenho minha cabeça baixa mesmo quando Priscilla, a capitã, chama meu nome. Ela não me vê desde que visitou Jackson no hospital, eles se separaram alguns meses antes de ele desmaiar, mas ela estava lá para ele até que ele a proibiu de ir vê-lo, disse que não poderia fazer isso com ela... Ele é melhor que eu. Eu paro na porta do vestiário, eu posso ouvir os caras do outro lado. Meu batimento cardíaco acelera, a última vez que estive aqui foi quando tive Bliss pela primeira vez, e antes disso, quando Jackson estava vivo. As palavras de Bliss repetem em minha cabeça: "Comece a correr para ele, não dele." Eu posso não ter dado nada a ela, mas ela me deu tanto, ela me deu força mesmo que ela não saiba disso.


Respirando fundo, eu abro a porta e toda a conversa para. Todos os olhos estão em mim, há alguns rostos novos, mas a maior parte do meu time está aqui. Cam é o primeiro a dar um passo à frente, depois Ash. Meu queixo está nervoso, não sei o que dizer. Cam deve ver isso e sorri. “Bem, olhe quem é. Eu acho que você finalmente se cansou de eu te incomodar.” Ele caminha até mim e estende a mão. Meus lábios tremem e eu desisto, sorrindo, estendendo a mão e fazendo o aperto de mão da equipe. "Você está de volta?" Ele pergunta seriamente. Eu olho para a porta aberta do treinador e volto para ele. "Só há uma maneira de descobrir." Eu dou de ombros. Ele acena e se afasta. "Nós temos as suas costas." Assentindo, eu aperto meu saco de ginástica e faço meu caminho para o meu destino. "Traga sua bunda aqui e feche a porta." A voz do treinador Jay explode no pequeno escritório. Eu não olho para trás quando entro e fecho a porta atrás de mim. O treinador Jay se recosta no banco enquanto olha para mim. Seus lábios em uma linha firme e os braços cruzados sobre o peito. Sua pele marrom enruga em torno de seus olhos escuros quando ele me leva para dentro. Eu não tenho certeza do que pensar, o treinador sempre foi difícil de ler. Não sei dizer se ele quer sair comigo ou me receber, mas duvido que seja o último.


"O que você quer?" Ele finalmente pergunta. "Não te vi em quase um ano." Treinador nunca vai admitir isso para ninguém, mas ele precisa de mim tanto quanto eu preciso dele e dessa equipe. "Eu não estou esperando nenhum braço aberto, senhor." Eu começo a tentar controlar o tremor na minha voz. “Eu falhei com você, falhei com meu time, mas, acima de tudo, falhei com Jackson. Eu não estou esperando voltar e começar, eu estou bem ficando no banco, se for preciso, mas sinto falta do meu time, sinto falta do jogo, sinto falta de ser quem eu era.” Eu prendo a respiração, eu não planejei o que eu ia dizer, mas nunca pensei que seria tão honesto. Claro, eu não quero ficar no banco, mas se for preciso, é o que é. Treinador descruza seu braço e apoia suas mãos contra a borda de sua mesa, seus olhos nunca deixando os meus. "A morte de Jackson foi dura para todos nós, filho." Ele faz uma pausa. “Mas é como se você tivesse morrido também, e isso nos atingiu ainda mais. Somos uma família, não abandonamos nossa família, nos voltamos um para o outro. Você se virou e abandonou a família.” Eu pisco de volta às suas palavras. Ele está certo, eu os abandonei. Eu não mereço estar aqui. Eu não mereço nada. Assentindo lentamente, dou um passo para a porta. "Eu entendo." Eu engulo. "Obrigado treinador." Ele me dá um pequeno aceno de cabeça e olha para longe, eu tomo isso como minha deixa para sair.


Cam e Ash ainda estão lá sentados em frente a seus armários, com alguns caras da equipe. Eles olham para mim com esperança, mas eu apenas aceno com a cabeça e dou o fora dali. Eu não sei o que eu esperava, eu sabia que não seria fácil, mas eu nunca esperei ser rejeitado. Talvez eles não precisem de mim, eles estão bem sem mim. Sou eu quem precisa deles. Evito passar o esquadrão de torcida cortando o corredor dos fundos. Eu não posso lidar com Priscilla agora, muito menos o brilho de India me lembrando que eu deixei outra pessoa para baixo, Bliss. Eu quero ligar para ela, contar a ela o que aconteceu porque ela sempre sabe o que dizer, mas eu não consigo depois do que eu fiz. Eu sei que ela me odeia. Aparentemente, todo mundo me odeia. Eu estou quase no final do corredor quando ouço meu nome sendo chamado, parte de mim não quer parar, mas eu faço. Virando, fico surpreso ao ver não apenas o técnico, mas a equipe. Cam ri do meu rosto confuso. "Você pensou que nós realmente íamos deixar você ir?" Ash sorri. “Rapaz, traga sua bunda aqui e troque de roupa. Nós temos uma pr|tica para começar.” Eu olho para o treinador Jay, que balança a cabeça e sorri. "Não se sente muito bem, não é?" Filho de um... "Sério?" Eu rio. "Isso é tão confuso, mas eu entendo." Eu ando de volta em sua direção. "Eu não vou fazer isso de novo", digo ao meu time. "Eu estraguei tudo, isso não vai acontecer de novo."


Cole, uma das segundas cordas, levanta as mãos. "Bro, você sabe que não poderíamos fazer isso sem você." Cam pula em mim, me dando um abraço e Ash segue. "Nós, pai de família, agora vamos ver como você está fora de forma." Empurrando-os de mim, eu rio. "Eu fiquei em forma." O treinador apenas balança a cabeça e caminha de volta para o vestiário.

*****

Eu menti. Aquelas pequenas sessões de madrugada que eu costumava ter não eram merda nenhuma. Meu corpo está doendo e com raiva. Merda, quanto tempo passou desde que eu tive um verdadeiro trabalho feito. Eu acho que o técnico estava tentando provar um ponto durante a prática, o que quer que fosse, funcionou. Eu estou miserável e dolorido, novamente, Bliss vem à mente. Parece que tudo que acontece eu quero compartilhar com ela. Duas semanas de luta com ela e outras duas semanas de degustação de cada centímetro dela fizeram algo para mim. Até mesmo o pensamento de outra garota me desanima, mas outra garota vai me superar. "Quer pegar um pouco de comida?" Cam puxa uma camisa sobre a cabeça. Como ele pode pensar em comida depois de uma prática que acabamos de suportar? Tudo o que posso pensar é ir para a minha


cama e me masturbar com a foto que tirei de Bliss, e mal tenho energia suficiente para isso. "Eu vou passar." Eu amarro meus sapatos e me levanto lentamente. Porra, tudo dói. "Você está bem?" Ele sorri. "Eu pensei que você estava em forma?" Eu o encaro. “De verdade, você ainda est| matando, cara. É bom ter você de volta.” Ele me d| um tapinha nas minhas costas e eu estremeço por dentro. Jogo minha bolsa de ginástica dentro o meu armário, foda-se, fica no mesmo lugar até amanhã. Eu pego minhas chaves e telefone do meu armário e bato fechado, mas ele abre de volta. Aquele dia corre de volta para mim, quebrando-o enquanto eu fodia Arrow contra ele. Porra ela está em todo lugar. Balançando a cabeça, volto para Cam. "Obrigado cara, eu vou te ver amanhã." Eu me viro para sair, mas ele me para. "Sua tutora está solteira, certo?" Desligando-o, continuo andando. Cam está fodendo comigo, ele não é idiota. Ele sabe que eu mexi com ela, merda, ele pode até saber que eu gosto dela. Eu acabei de admitir que eu gosto dela? Bem, eu posso admitir que gosto dela um pouco mais do que ela, ela está ligada à minha mente. Quanto mais eu penso sobre isso, o pior que eu sinto sobre deixá-la, não ajudou India, sendo a boa amiga que ela é, estava


atirando punhais fora de seus olhos durante o treino. Eu decidi sair pelo corredor dos fundos para evitá-la a todo custo. A última coisa que preciso é um lembrete de como eu estraguei tudo e não quero saber se causei lágrimas novamente. Não acho que eu poderia lidar com isso. Eu tenho uma coisa de volta, mas ter alguém perto de novo, isso é outra coisa, eu sei que tenho que pegar uma coisa de cada vez.


Ele pintou novamente. Pelo menos desta vez, em vez de paredes brancas, são agora um amarelo pálido. Oliver diz que deveria ser calmante, mas não é. É irritante se alguma coisa. Tem sido outra semana depois que deixei Bliss e eu estou aborrecido, exceto no treino, uma vez que a bola fica na minha mão, isso me dá um pouco de paz, mas eu estou sozinho de novo, e eu não posso falar com ela. Talvez eu deva sair com os caras e encontrar uma ou duas groupies. Inferno, eu posso puxar uma garota andando para a aula, mas eu não faço. Na maioria das vezes, eu ignoro a atenção e ando para a aula com meus fones de ouvido, metade do tempo eu não toco música, só não quero que ninguém fale comigo. Chegou a notícia de que não só estou de volta ao campus, como também estou de volta à quadra. Parece que os filhotes estão saindo da madeira para me fazer olhar em sua direção. Eu não as quero, elas acham que me conhecem, mas apenas uma garota me conhece, e eu arruinei isso. "Você parece estar perdido em pensamentos." Oliver bate a caneta contra seu caderno. "Quer compartilhar?" Ele sabe muito bem que eu não me importo em compartilhar, mas eu respiro fundo e me inclino para trás na cadeira. "Eu sinto que as coisas estão voltando aos eixos, mas algo não parece certo, algo está faltando."


"Claro, você está começando sua vida sem Jackson, vai levar algum tempo para se acostumar." Ele balança a cabeça em compreensão. "Como vai o basquete?" Não é isso, eu franzo a testa. "Está indo tão bem quanto pode ir. Ainda estou ganhando a confiança da minha equipe.” Oliver inclina a cabeça para o lado. "Parece que há algo mais incomodando você." Mastigando o interior da minha bochecha, eu aceno. "Eu disse a Bliss sobre Jackson e a reabilitação." Suas sobrancelhas sobem ligeiramente de surpresa. "Esse é um grande passo, deixando-a entrar." "Sim, eu sei." Eu me inclino para frente, descansando meus cotovelos em meus joelhos. “Mas eu a fechei logo depois. Saí enquanto ela dormia. Ela merece uma pessoa melhor.” Ele franze a testa e escreve algo no bloco de anotações. "E por que você acha que ela merece alguém melhor?" Sentando de volta, eu bufo. "Eu sou um desastre emocional. Eu não posso nem admitir que sinto falta dela.” Oliver sorri. "Você acabou de fazer." Eu sacudo minha cabeça. "Não, eu não posso admitir isso para ela. Ela queria mais, e você sabe o que eu fiz?” Ele balança a cabeça. "Eu saí quando ela estava dormindo porque eu não conseguia olhar nos olhos dela quando eu fosse dizer adeus. Que tipo de namorado eu seria?”


Pela primeira vez Oliver deixa cair o bloco de notas. "E você decidiu isso por ela, que ela está melhor sem você?" Meus olhos se estreitam. "Sim, como eu disse, que tipo de namorado eu seria? Nós dois sabemos que não estou pronto." "Não, só você pensa isso", ele responde suavemente. "Você está pronto, mas está tentando se convencer de que não está." Ele suspira. “Cuba, você é muito duro consigo mesmo. Olhe para você, você está de volta ao time, o que você nunca imaginou que aconteceria.” "Por causa dela", eu digo derrotado. Ele apenas me olha como se dissesse: ‘Eu te disse’. No restante da sessão, falamos sobre os pais de Jackson e como sua mãe ainda está tentando me alcançar. Eu só aceito uma tarefa de cada vez. Eu sei que meus pais disseram que eu estava de volta ao time. Eles se sentem traídos? Eles estão chateados? Eu vou falar com eles eventualmente, eu só não posso agora.

*****

Jackson, Eu a vi novamente hoje. Ela não me viu, claro, bem, eu não acho que ela tenha, pelo menos. Oliver acha que eu deveria falar com ela, mas eu não vejo o ponto. De qualquer forma, entre eu, você e agora Oliver, sinto falta dela. Mais do que deveria. Talvez eu tenha coragem de falar


com ela, merda, ou pelo menos mandar uma mensagem para ela. Cara, eu queria que você estivesse aqui, você saberia o que dizer. Cam prefere me enganar e Ash é anti-feminino agora. Ah, e eu vi Priscilla, eu tenho evitado ela. Ela vai querer falar sobre você, descer a porra da memória e eu prefiro não fazer. Eu sou um idiota, eu sei. Basquete está indo bem, é bom estar lá fora na quadra de novo, cara, vivendo nosso sonho. Eu estou fazendo isso por nós e Bliss está certa, isso me faz sentir mais perto de você. Eu sinto sua falta, cara. -C

Eu me inclino para trás no sofá, acendo um baseado e inalo profundamente. Pensando sobre o que meu terapeuta estava dizendo há alguns dias. Eu a vi no dia seguinte, saindo da aula dela. Ela estava tão bonita como sempre, vestida de jeans e um moletom com capuz, com o cabelo puxado para cima em um rabo de cavalo. Seu rosto se maquiou de graça, mas ela parecia triste. Eu me perguntei se isso era por minha causa. Eu digo a mim mesmo que não tenho como causar tanto impacto nela, mas algo me incomoda, que seja. Eu não tenho ideia do que estou fazendo, nunca estive em um relacionamento que não fosse puramente sexual. E se eu estragar tudo? Então ela vai realmente me odiar. Por que isso é tão difícil? Eu só preciso juntar meus sentimentos e colocá-los em palavras de algum tipo. Sim, eu poderia recitá-los repetidamente e ainda ser um idiota completo para ela. Eu prefiro o idiota. Eu ouço sua voz.


Eu posso dar a ela o idiota, mas eu quero dar a ela mais, eu quero ser um idiota gentil, sรณ para ela, embora.


Com cada pincelada do meu pincel de base, fico um pouco mais aborrecida. Eu não quero ir a essa festa, mas India insiste que eu vá com ela. Eu não tenho certeza porque, uma vez que ela coloca os olhos em um cara, ela certamente irá para casa com ele. Então eu vou ficar sozinha, Patrick disse que ele tentaria se encontrar com a gente se ele terminasse com seus clientes cedo, o que eu duvido que aconteça. Festas de fraternidade não são realmente minha xícara de chá, festas em geral não são minha coisa, mas pela India eu vou. Ela diz que eu preciso seguir em frente e pegar um pau de rebote, mas duvido muito que isso aconteça hoje à noite, numa festa de fraternidade. Terminando minha maquiagem, eu deslizo para o meu jeans skinny rasgado favorito e um top croped verde, com o novo par de botas castanhas que eu vi no outro dia. A maioria das garotas vai se empinar por aí com minúsculas saias e quase sem roupas, não eu. Falando sobre esses trajes, India invade meu quarto com o mais ínfimo macacão que eu já vi, abraçando todas as suas pequenas curvas. "Você não parece modesta." Eu sorrio, me dando uma última olhada no espelho antes de pulverizar perfume.


"E você não parece uma cadela presa", ela brinca de volta tomando meu perfume e se pulverizando. "Você está pronta?" Gemendo, eu me afasto do meu espelho. "Não realmente, por que não podemos simplesmente ir ao Dixie's?" Indi revira os olhos. "Porque ninguém vai estar lá, todos estarão nesta festa." "Isso é ainda melhor." Ela franze a testa. "Você está apenas preocupada que Cuba vai estar lá." Ela me chama para fora. "Eu ouvi que ele não estaria, mas mesmo se ele for apenas o ignore." Eu não teria que ignorá-lo, ele faria isso por mim, como tem feito há semanas. Eu o vejo em todos os lugares, parece, mas ele não me vê, se ele me vê, ele nunca me deu uma dica que ele fez. Eu não sei o que dói mais, a nota que ele deixou na última noite que estivemos juntos ou ele agindo como se eu nunca tivesse existido. Ambos. Ambos machucam. Você merece uma pessoa melhor. Isso é tudo o que ele pode dizer, é tudo o que valho, algumas palavras. Não demorou muito para eu ouvir que ele estava de volta ao time de basquete, India me mandou uma mensagem no momento em que aconteceu. Estou feliz por ele, eu estou. Eu lhe dei esperança e ele me deu algumas palavras para dizer adeus. Ele age como se nunca tivéssemos acontecido. Eu sinto falta dele, e ele nem pensa duas vezes sobre mim. Sinto falta das nossas noites juntos, sinto falta do seu toque e da suavidade dos seus lábios contra a minha pele. Acima de tudo, sinto falta dele olhando para mim como se eu


fosse a única garota do mundo. Ele me disse várias vezes que nunca poderia me dar mais, mas lá estava eu, ainda esperando com cada beijo. Eu pisco de volta as lágrimas, eu passei muito tempo neste delineador alado para estragar tudo sobre um homem que nem sequer pode me reconhecer. "Vamos lá, não derrame uma lágrima por esse idiota." India tenta me consolar, mas eu dou de ombros. "Eu não vou, vamos apenas sair daqui eu preciso de uma bebida." Eu pego minha bolsa de corpo cruzado e me certifico de colocar meu batom e cartões. A India faz um pouco de dança. "Sim garota, vamos tomar uma bebida." Eu balancei minha cabeça, rindo dela. Quando nosso Uber encosta na casa da fraternidade, eu começo a me arrepender disso tudo de novo. Os caras estão do lado de fora sendo virados de cabeça para baixo sobre uma linha de barris, uma corrida aparentemente, de quem vai se afogar primeiro. Eu dou a India um olhar lateral e ela apenas encolhe os ombros, sacudindo a cabeça. Os caras já estão se reunindo para ela enquanto caminhamos pela calçada, e eu a deixo. Eu preciso de uma bebida, espero que eles tenham mais do que cerveja quente. Dentro da casa não é melhor, a música toca nos alto-falantes ao redor da sala fazendo com que o chão vibre a cada batida. Como eu imaginava, meninas mal vestidas estão dançando na pista de dança improvisada na sala de estar, os sofás empurrados contra a parede e


cheios de casais se beijando. Evitei festas de fraternidade nos últimos dois anos por esse motivo. Eu empurro corpos para entrar na cozinha, que está surpreendentemente despovoada. "Bem, olhe quem subiu em seu cavalo alto", alguém insulta. Minha atenção vai para o dono da voz e eu franzo a testa. “Oi, Dylan.” Dylan é o companheiro de equipe de Dex, eu não os chamaria de amigos, pois eles se odeiam. Não sei por que, mas Dylan não é minha pessoa favorita. Ele tinha me abordado antes de eu começar a namorar Dex, mas eu recusei, há algo sobre como seus olhos escuros permanecem em mim por muito tempo. Ele pula para fora do balcão, passando a mão pelo cabelo castanho desleixado. "Bliss, você é uma visão para os olhos doloridos." Ele caminha até a mesa segurando todo o licor. "Posso pegar uma bebida para você?" "Hum, claro." "Qual é o seu veneno, querida?" Ele sorri. "Vodka, Hennessy, tequila?" Eu olho nas garrafas. "Eu acho que Vodka." Dylan começa a fazer minha bebida quando alguém aperta meu lado nu, pulando, eu balanço ao redor. India sorri para mim segurando uma cerveja. "Você sempre reclama que eu deixo você e você é a única que me deixou."


Eu aceno minha mão. "Eu tenho que beber, se devemos estar aqui." Virando-me, Dylan está segurando minha bebida em um clássico copo solo vermelho, seu sorriso se transformou em um sorriso muito cheio. "Obrigada." Eu tomo isso dele. "Existe uma taxa?" "Não, se você me der seu número." Ele morde os lábios e seus olhos brilham quando percorrem meu corpo. "Hum, eu tenho um namorado." A mentira sai tão fácil que eu quase me sinto mal, mas então eu lembro que Dylan é um idiota. Seus olhos estreitam ligeiramente, como se ele pudesse dizer que estou mentindo, mas depois ele dá de ombros e sorri. "Não poderia doer perguntar." Felizmente, alguém chama o nome dele e ele sai. Voltando-me para India, ela ri. "As mentiras que você conta." Ela ri. Eu tomo um gole da minha bebida e estremeço. "Deus, isso é forte." Eu estarei embriagada depois dessa bebida. Indi inclina a garrafa para mim. "Deveria ter ficado na cerveja." Balançando a cabeça, voltamos para a sala de estar, está mais cheia do que quando cheguei, mas vejo um par de olhos castanhos olhando diretamente para mim. Meu coração para, e é como se tudo diminuísse. Claro, eu o vejo no campus, mas não estamos olho no olho desde a nossa última noite, e agora ele está olhando diretamente para mim. Seu boné de beisebol cinza escuro está baixo para os olhos, uma camiseta preta se estende por seu peito, jeans


cinza cobrem suas longas pernas. Seus lábios cheios sorriem e eu rapidamente me afasto. "Ignore-o", diz India. Eu começo a engolir a minha bebida rapidamente, a vodka queima minha garganta. "Devagar, menina." Colocando o copo vazio, eu bato minha boca para ter certeza que eu não peguei em todos os lugares. “Eu não posso estar sóbria. Preciso te lembrar como ele saiu e agora ele está sorrindo para mim?” Ela ri, balançando a cabeça. "Você precisa relaxar, eu não estou dizendo que vá dar-lhe uma lap dance. Apenas ignore-o." Quando olho por cima do ombro, Cuba não está mais olhando para mim, em vez disso, ele está conversando com uma garota com Ash e Cam. Ela revira os olhos enquanto se afasta, e eu me pergunto se ele é um idiota, eu não duvido disso. Cam me vê olhando e pisca para mim com um sorriso. "Cam é tão chato", diz India. "Ele flerta com todas." “Soa como alguém que eu conheço.” Ela me cutuca. "Cale a boca." Engolindo o resto de sua cerveja. "Isso é nojento." "So Good", de Big Sean e Kash Doll, começa a tocar e a bebida está começando a me atingir. Indi pega minha mão e se dirige para a pista de dança improvisada, nossos corpos se movendo para a


batida, ela vem atrás de mim e eu me movo contra ela com a mão no meu quadril. Eu posso sentir seus olhos em mim e eu não sei o que fazer com isso. Eu não posso deixar de olhar para ele. Ele está encostado na parede com Cam e Ash, três pares de olhos em nós. Meninas passam por eles, tentando chamar a atenção deles, mas os únicos olhos que conseguem são os de Ash, Cam e Cuba não mudam o olhar quando India cai, suas mãos descendo pelas minhas pernas e voltando devagar. O calor se espalha através de mim apenas pelo seu olhar e eu quase esqueço que estou brava com ele. Eu quase me esqueço de como ele me machucou.... Quase. A música termina, misturando-se a uma música do Drake, e eu aproveito esta abertura para pegar outra bebida. Eu nem olho em seu caminho quando saio, Indi atrás de mim. "Eu peguei sua bebida, vi você vindo para cá." Dylan sorri, encostado no batente da porta da cozinha, segurando um copo. "Eu nunca vi você dançar antes. Pena que você tem um namorado.” Seus olhos escuros brilham e ele se vira. "Porra, ele tem isso ruim para você." India enche um copo de cerveja. "Não é como um código de irmão onde ele não pode flertar com você?" Balançando a cabeça, eu tomo um gole, não é tão forte quanto da última vez, mas h| algo fora, talvez seja o suco de cranberry. “Não, ele e Dex não são amigos, nem perto disso. Ele tentou falar comigo antes de eu conhecer Dex.” "Vamos sair, eles têm uma fogueira onde podemos relaxar."


O deck traseiro tem apenas algumas pessoas sentadas ao redor do fogo, então pegamos o banco, ainda podemos ouvir a música tocando. "Este é o momento errado para lhe dizer que ele ainda quer você?" Eu franzo a testa e tomo um gole da minha bebida. "Ele só quer fazer sexo comigo e sabemos que não posso lidar com casual. Veja o que aconteceu quando tentei.” Ela encolhe os ombros. "Eu amo casual", diz ela suavemente. "Ninguém pode me machucar." Estou perguntando a ela quem a machucou, mas um cara chama o nome dela e ela pula sorrindo. "Eu volto já." E lá vai ela. Eu termino minha bebida e tiro meu celular. Patrick enviou um texto dizendo que ele não pode fazer isso, mas quer fazer um brunch amanhã. Eu sabia que ele não viria, festas em casa também não são a dele. O lampejo do fogo chama minha atenção e eu vejo as faíscas enquanto ouço a rachadura da madeira. Como eu vou estar aqui com Cuba? Eu sei que se eu der a ele a chance ele vai tirar minha calcinha, e então eu voltarei onde estou, querendo mais do que ele não pode me dar. Eu forço meus olhos a se moverem do fogo, mas não consigo. Eu me sinto presa, entorpecida, nem sinto o calor do fogo. Algo está errado. Eu tento pegar meu telefone, mas minha mão não se move. Minha boca fica seca quando começo a perceber o que está acontecendo.


Ela está com raiva de mim ainda. Claro que ela estaria, mas sua pequena provocação de dança com India me jogou fora. Então ela foi embora. Ash se afastou de Cam e eu quando descobriu que Amanda estava aqui, agora não temos ideia de onde ele está. Nós montamos juntos para que ele não possa estar longe. Nós fazemos o nosso caminho para a cozinha, garotas nos pegando tentando nos fazer parar e conversar, mas eu me afasto. Eu não estou interessado e a última coisa que quero é que Bliss me veja com outra garota. Quando chegamos na cozinha, vemos Dylan no improvisado bar fazendo uma bebida, mas o que me chama a atenção é o pó branco de uma cápsula de pílula que ele está misturando. Cutucando Cam, eu aceno com a cabeça na direção de Dylan. "Ei, Dylan", Cam chama. "Desde quando você precisa drogar uma garota para molhar o seu pau." Assustado, Dylan derruba a taça, o conteúdo salpicando o chão, ele range sob a respiração. “Que porra é essa, Cam. Cuide da sua própria merda de negócios.”


"Este é o meu negócio quando se trata de caras como você que querem drogar uma garota para transar", diz ele pisando no copo, ele racha sob seu peso. Dylan fica vermelho. "Ela quer, ela só não sabe. Afirma que ela tem namorado, mas eu sei que a cadela é solteira.” "Se ela está mentindo sobre ter um namorado significa que ela não está interessada, Bro." Eu estreito meus olhos. "Quantas bebidas você deu a ela?" Essa é uma coisa com a qual o time de basquete não brinca, nós não toleramos garotas drogadas, seja nossa festa ou não. Todo mundo sabe disso, Dylan sabe disso, então não vejo por que ele está tentando justificar isso. Dylan não me responde. "Quantos?" Eu pergunto novamente. "Só dois." Cam empurra-o contra o balcão. "Quem diabos é ela?" "Você não vai estragar a minha noite." Dylan se endireita. "É apenas uma coisinha para deixá-la mais confortável." Ele sorri. Este filho da puta está pedindo para obter sua bunda hoje à noite. "Olha, diga-nos quem ela é, e não vamos acabar com você", eu ofereço. "É muito simples." Nós vamos encontrar a garota e levá-la para casa em segurança, esta não seria a primeira vez que eu fiz isso. Jackson e eu tivemos que fazer isso antes.


Dylan fechou a boca em uma linha dura quando a porta dos fundos se abre. India empurra Cam para fora do caminho e dá um soco no rosto de Dylan, fazendo a cabeça dele retroceder. "O que diabos você deu a ela!" Ela grita, seus olhos selvagens de medo. "Diga-me agora!" O rosto de Dylan fica vermelho de raiva. Cam a agarra para chamar sua atenção. "Quem?" Meu estômago se afunda. "Bliss". Ela tenta se libertar para balançar em Dylan. "Algo está errado com ela." Só então, Ash entra e eu estou entregando-lhe as minhas chaves, ele olha para mim confuso. "Leve Bliss para o meu carro, agora." Ele não diz nada quando ele segue India pela porta dos fundos. Meus olhos não saem de Dylan. Ele está encurralado com Cam do outro lado. A cozinha fica quieta e eu o vejo engolir visivelmente. Há uma multidão se formando, e eu não dou a mínima quando eu venho a centímetros dele. Eu posso sentir o cheiro do Hennessey em sua respiração. "Você sabe qual foi seu primeiro erro, Dylan?" Eu pergunto a ele lentamente, a raiva está correndo pelo meu corpo e eu estou tremendo. Ele tem a coragem de sorrir. "Ser pego por vocês, idiotas?" Ele encolhe os ombros. "Você está de volta ao campus e acha que está executando as coisas de novo, mas os tempos mudaram, Knight."


"Resposta errada", diz Cam, seu punho se conectando a sua mandíbula. "Tente novamente." O sangue escorre pelo canto da boca de Dylan e seus olhos se estreitam, mas ele não faz um movimento ou diz qualquer coisa. "Seu primeiro erro foi não acreditar que ela tinha um namorado", digo-lhe calmamente. “Ela não tem, eles terminaram tem um tempo", ele cospe para mim. "Como eu estava dizendo, você deveria ter acreditado nela, porque o namorado dela está na sua frente." Seus olhos se arregalam, mas eu não deixo ele tentar responder antes de meu punho se quebrar contra sua mandíbula. Eu não dou a ele uma chance de reagir antes de meu punho bater em seu nariz, fazendo com que o sangue jorra de suas narinas. Ele grita de dor, afundando no chão. "Você quebrou a porra do meu nariz!" Dylan grita, enquanto segura as mãos no rosto. Eu me agacho e ele recua, me fazendo sorrir. "Eu vou quebrar mais do que o seu nariz se eu te pegar drogando uma bebida novamente. Eu não dou a mínima para quem ela é", eu digo a ele. "Não só foi drogar uma bebida o seu erro, o maior deles é você drogar a minha namorada." O tênis de Cam colide com o estômago de Dylan, fazendo-o grunhir. "Porra, garoto." "O que diabos está acontecendo?"


Eu me viro para ver Kevin, o presidente da fraternidade, se aproximar de nós, seus olhos em mim, em seguida, Dylan. "Que diabos, Cuba?" Eu não dou a mínima se eles são irmãos da fraternidade. "Pegue seu filho porque, se eu o pegar drogando outra bebida, não posso ser confiável." Os olhos de Kevin se estreitam em seu irmão. "Você está brincando comigo?", Ele diz. “Quem foi? Onde ela est|?" "Minha namorada." Essa é a segunda vez que eu a chamo de minha namorada, na frente de todos nessa festa e Bliss nem sabe ainda. Apenas sai tão fácil e eu não me arrependo. "Foda-se, cara", Kevin começa. "Eu vou lidar com isso." Eu dou a Dylan mais uma olhada antes de empurrar através da multidão para chegar a Bliss. Ninguém diz merda para mim a caminho da porta, e uma vez eu estou do lado de fora, a música não pode ser ouvida. Pessoas intrometidas. "Namorada, hein?" Cam diz atrás de mim, eu ouço o sorriso em sua voz. Eu não respondo enquanto ando pela rua até o meu carro. Porra, espero que ela esteja bem. Minha mente está correndo quando vejo as portas do passageiro abertas. Ash está inclinado na abertura do banco da frente, India tentando espreitar por cima do ombro. Sinto o cheiro de vômito antes de alcançá-los, e sei que tem que ser de Bliss.


"Ela está bem?" Eu empurro passando Ash que está limpando a boca com uma toalha que ele provavelmente encontrou no banco de trás. Seus olhos normalmente tempestuosos estão escurecidos e fora de foco, lágrimas escorrendo pelo rosto dela e ela está tremendo. Eu quero voltar e matar Dylan. De cócoras no meio-fio, acaricio o lado do rosto dela. "Baby, você pode me ouvir?" Seus olhos nunca se movem para mim, como se ela nem soubesse que estou aqui. De pé lentamente, eu me volto para India. "Quantas bebidas?" Eu mal posso tirar a pergunta. Eu tenho que ter certeza que Dylan estava me dizendo a verdade. India pisca as lágrimas. "Duas, apenas duas, mas Ash conseguiu que ela vomitasse." Ela faz um gesto para a poça pelo meu pneu. "Devemos levá-la ao hospital?" "Não", diz Ash, com os dedos pressionados para o interior de seu pulso. “O pulso dela est| firme, acho que conseguimos a maior parte. Ela precisa dormir com isso.” Eu agarro a parte de tr|s do meu pescoço. “Foda-se”. Olhando para trás, para a minha garota, eu notei seus olhos se fechando. "Eu vou levá-la para casa." Ash a enrosca e fecha a porta. "Mantenha-a hidratada, toda vez que ela acordar, ela deve beber água." "E nós vamos levar India para casa." Cam dá tapinhas nas minhas costas.


Para ser honesto, eu não dou a mínima para India ou como ela chega em casa. Como ela não viu essa merda acontecer? Como diabos elas duas são tão descuidadas? O que teria acontecido se eu não estivesse lá ou se a India saisse com aquele cara? Eu não posso nem pensar nisso. "Sim, eu vou bater em você mais tarde." Eu nem sequer olho para eles antes de eu deslizar para o banco do motorista e dar o fora dali. Eu estou segurando firme a mão flácida de Bliss o caminho todo para o meu condomínio. Eu penso em todas as maneiras que eu vou arruinar sua porra de vida. Dylan disse que eu não dirijo o campus, agora eu vou mostrar a ele que eu ainda faço e ninguém nunca deveria foder com o que é meu.

*****

Meus dedos correm através de seu cabelo sedoso enquanto ela dorme ao meu lado. Dizer que tivemos uma noite difícil é um eufemismo. Eu mal a atravessei pela porta da frente antes que ela vomitasse novamente no vestíbulo; felizmente, eu me esquivei e a levei ao meu banheiro sem outros incidentes. Decidindo passar em um banho, tirei suas roupas arruinadas e joguei sua bolsa na cadeira. Bliss não acordou, mas tremeu, e eu me apresso para limpála com uma toalha quente antes de vesti-la com uma cueca e uma camiseta.


Eu a levei para a cama, deitando-a suavemente para baixo e cobrindo-a com cobertores, puxando meu cesto de lixo para o lado dela, apenas no caso. Eu quase vomito, limpando a bagunça no vestíbulo, mas consegui limpar a bagunça e jogar suas roupas na lavadora sem perder minha merda. Agora eu fico aqui olhando para ela, ela não tem ideia do que ela significa para mim, e eu planejo contar a ela no momento que ela acordar. Eu não posso acreditar que quase a deixei escapar de mim. Pensar que eu fui tão idiota. Eu soube no momento em que a vi na festa que ela era minha, e vendo o que aquele filho da puta fez, só me fez ver mais claro. Eu preciso dela. Ela é minha. Eu só espero que quando a manhã chegar ela não me afaste, que ela me perdoe e ainda queira que eu seja seu idiota. Pressionando meus lábios em sua testa, eu me deixo cair, mas eu não a deixo ir.


O som de uma porta se fechando me acorda, minhas pálpebras estão pesadas, e leva mais energia do que parece ter que abri-las. Minha cabeça está latejando e minhas mãos pressionam contra minhas têmporas para parar a pressão, mas não funciona. Empurrando-me para cima, eu balanço meus pés sobre a cama. Por que está tão brilhante? O sol está escorrendo pela rachadura de sombras escuras, tons que estão longe das minhas máscaras cor-derosa. Estes são cinza escuro e preto. Meus olhos viajam até os lençóis que me cobrem, preto, não branco. Levantando minha cabeça, eu vejo em meu entorno. Eu devo estar sonhando, não há nenhuma maneira que eu esteja no quarto de Cuba, minha mente está jogando um truque horrível em mim. Fecho bem os olhos, reabro-os, ainda estou no quarto dele. Eu devo estar sonhando. Eu tomei muitas bebidas ontem à noite, é isso. Meu estômago se aperta de dor, fazendo-me pular de pé e me apressar do quarto até o banheiro. Caindo de joelhos, eu agarro os lados do vaso sanitário, minha boca aberta, mas nada sai, e estou secando na tigela de porcelana, meu corpo sacudindo com cada


arremesso vazio. Meu peito arfa de dor e não consigo me mover do chão. Isso não é um sonho, isso é muito real. Tentar lembrar da noite passada é uma falha, não me lembro de nada, não me lembro de nada depois de sair do Uber com India. Eu fiquei bêbada e voltei para casa com Cuba? Eu sou tão fraca assim? Deus, sou tão idiota. Recolhendo força suficiente, puxo-me para cima agarrando a borda da pia e, uma vez que olho no espelho, quero cair de volta no chão. Eu pareço um guaxinim enlouquecido, um guaxinim perigoso e selvagem. O delineador e o rímel estão borrados em volta dos meus olhos cinzentos.... Manchando minha bunda. Meu cabelo loiro está em uma confusão emaranhada emoldurando meu rosto pálido. Eu pareço doente, não, eu pareço com a morte. Não há como encará-lo assim. Virando a torneira, espero a água quente correr antes de espirrar meu rosto, esfregando minha maquiagem e passando meus dedos pelo meu cabelo. Eu ainda pareço pálida, mas não há muito que eu possa fazer sobre isso. Eu noto uma escova de dentes novinha na pia e me sinto grata por ele colocar uma, porque eu não gosto de vomitar. Eu não quero pensar sobre o que eu poderia ter feito. Depois de escovar os dentes, volto para o quarto dele para procurar minhas roupas, mas não as encontro. Sua camisa bate nos meus joelhos, então eu pego a bainha e dou um nó ao meu lado, tentando parecer o mais apresentável possível. Uma vez que eu chego ao topo da escada, o cheiro de bacon bate no meu nariz e meu estômago se afunda e náuseas sobem na minha garganta. Eu devo ter bebido muito para me fazer odiar o cheiro de bacon.


Quando chego à sala, não há sinal dele. A TV ligada no ESPN, mostrando destaques de algum jogo na noite passada. O tilintar dos pratos me leva para a cozinha e paro no meu caminho. Cuba está no balcão, sem camisa, usando apenas um moletom. Ele está cantarolando para si mesmo enquanto corta algo na frente dele. Ele não me notou, e aproveito esse tempo para me satisfazer com esse deus tatuado antes que ele possa me afastar de novo. "Bom dia, baby", ele diz virando-se para mim. "Como você está se sentindo?" Seus olhos vasculham meu corpo como se ele estivesse procurando por algo. Eu ainda estou presa a ele me chamando de baby "Eu poderia estar muito melhor", eu admito. Ele vai até mim. "Tenho certeza." Seus dedos acariciam minha bochecha e meu corpo me trai, inclinando-me em seu toque. "Vá para o sofá, eu vou trazer um pouco de suco e torrada." Sinto algo sobre isso. "Cuba, o que está acontecendo?" Ele pisca, surpreso. "O que você quer dizer?” "Eu estou aqui, em suas roupas, e você está fazendo café da manhã", eu digo devagar. “Não nos falamos h| semanas e agora estamos aqui.” Ele balança para trás em seus calcanhares. "O que você lembra sobre a noite passada?" Balançando a cabeça, sinto-me tonta. "Nada", eu digo sem fôlego.


O braço de Cuba vem ao redor da minha cintura, me estabilizando. "Vamos lá, baby, vamos levá-la para o sofá." Eu não discuto com ele enquanto ele me leva para fora da cozinha e me senta no sofá. "Obrigada", eu murmuro, trazendo meus joelhos para o meu peito. O sofá afunda ao meu lado. "Baby, você realmente não se lembra da noite passada?" Aqui ele vai me dizer de novo. "Estou supondo que fizemos sexo." Ele levanta uma sobrancelha. “Parece que fodemos?” O rubor sobe na minha bochecha. "Não", eu admito. Se o fizéssemos, eu não estaria andando direito, e ficaria dolorida entre as minhas pernas. "Quer preencher os espaços em branco?" Cuba esfrega a nuca, ele faz isso quando está nervoso. Eu duvido que ele acha que eu posso dizer, mas notei tudo durante nossas poucas semanas juntos. "Você deveria realmente prestar mais atenção em quem faz suas bebidas", ele grita. "Poderia ter sido muito ruim." Eu franzo a testa, confusa. "O que você está me dizendo agora?" Tenho a sensação de que sei o que ele está tentando me dizer, mas quero que ele diga as palavras para confirmar minhas suspeitas. Ele pega minha mão e me puxa para seus braços, e eu não protesto, me inclino em seu calor e o deixo me abraçar porque senti falta disso.


"Você estava drogada, baby", ele me diz baixinho. "Mas eu estava lá, eu estou feliz que eu estava lá." Eu ouço o que ele não quer dizer, o que eu não quero pensar. E se ele não estivesse lá? Onde eu teria acordando.... Se eu acordasse? Eu engulo um soluço. "Oh meu Deus." Os braços de Cuba se apertam em volta de mim, me acalmando. "Eu tenho você, baby, eu cuidei disso." Ele beija minha testa. "Eu tenho você." Ele me embala em seus braços e me segura apertado, mesmo enquanto eu molho seu peito nu com minhas lágrimas, minhas unhas cravam nele enquanto eu desmorono em seus braços. Como eu poderia deixar isso acontecer? Quem teria feito isso comigo? Eu não pergunto enquanto eu caio no sono.

*****

Quando eu acordo de novo, estou de volta em sua cama e Cuba ao meu lado, folheando canais na TV. Ele está vestido com short de corredor preto e camiseta preta combinando. Seu braço tatuado atrás da cabeça. Eu ainda não consigo acreditar que estou aqui com ele. Que ele me salvou apesar de ter se afastado de mim. Agora que eu tive esse pensamento me lembra, e agora? Ele está me chamando desses nomes carinhosos porque sente pena de mim? Eu não quero a sua pena, quero que ele se preocupe comigo como eu faço com ele. Ele vai terminar comigo mais uma vez? Dizendo que eu mereço uma


pessoa melhor? Porque depois da noite passada, acho que podemos concordar que ele é melhor. "Você só vai olhar para mim?" Sua voz é baixa, mas me leva de volta à realidade. "Eu não estou olhando, estou pensando." Cuba se vira para mim do seu lado. "Sobre o que?" "Tudo." Eu lambo meus lábios. Ele franze a testa e se vira, pegando algo do chão. "Aqui, beba isso." Ele se vira para mim com uma garrafa de água. Eu não perco tempo rachando a tampa e derrubando metade da garrafa. Eu não percebi o quão sedenta eu estava. Fechando a garrafa, eu deito de volta. "Eu deveria ir para casa", eu digo a ele, e ele franze a testa novamente. "Você não me disse o que estava pensando." "Por que isso importa?" Eu pergunto. "Você deixou claro que não éramos nada. Que nunca seríamos mais.” Cuba respira fundo. "Que tal você tomar um banho, e eu vou pedir algo para comer. Podemos conversar então, ok?” Por que ele está tentando me manter aqui? Eu apenas aceno, porque mesmo sabendo que é uma perda de tempo, eu ainda quero ouvir o que ele tem a dizer, mesmo que não seja o que eu quero ouvir.


Cuba rola para fora da cama e pega uma bolsa de glitter familiar do chão. "India deixou algumas roupas para você e seu telefone está carregado na mesinha de cabeceira." Empurrando para fora da cama, eu ando até a minha bolsa, meus dedos arrastando sobre ela. Por que ele não me acordou para sair com ela? "O que você acha que seu estômago pode aguentar agora, baby?" Eu olho para ele, ele está na porta esperando. "Um, sopa de brócolis e cheddar da Panera com um chá verde seria incrível." Ele me dá um pequeno sorriso. "Eu voltarei, tente não fugir antes disso." "Parece que você está tentando me manter aqui." Eu olho para longe dele. "Você não precisa sentir pena de mim." Eu não o ouço vindo em minha direção quando sinto suas mãos apertarem meus ombros, virando-me para encará-lo, seu dedo levantando meu queixo. "Isso não me faz sentir pena de você, Arrow. Isto é eu me importando com você. Agora, tome um banho e se vista.” Seus lábios roçam suavemente contra os meus. "Nós precisamos conversar." Antes que eu possa responder, ele está saindo pela porta e fechando atrás dele. O que está acontecendo? Eu tento não pensar demais quando fico sob a água quente, sem me lavar com o seu sabonete de corpo, mas não posso evitar, ele está agindo de forma estranha. Não posso deixar de pensar que é


por causa do que aconteceu na festa. E se isso nunca tivesse acontecido, eu ainda teria acabado em sua cama? Mesmo enquanto eu puxo meu pijama de algodão roxo favorito, as mesmas perguntas passam pela minha cabeça. Isso vai me deixar louca. Ele provavelmente sabe que isso vai me deixar maluca até ele voltar. Puxando minha blusa sobre o sutiã esportivo, pego meu telefone. Como esperado, tenho dez mensagens de texto e três chamadas perdidas, sendo uma delas minha mãe. É sábado e eu não estou lá. Envio rapidamente a ela uma mensagem informando que não me sinto bem e ligo para ela mais tarde. Em seguida, eu respondo a India deixando-a saber que estou bem. O próximo texto me joga fora. Patrick: Cadela, você está namorando Cuba e não me contou? Uau. Precisamos fazer o jantar ou algo assim! Eu li de novo. Por que ele pensaria isso? Balançando a cabeça, decido não responder e vou para o próximo. Dex. Aqui vai ele de novo. Dex: Uau, você está com Cuba agora? Aposto que você estava transando com ele, em vez de ensiná-lo. Não se preocupe em tentar voltar quando ele deixar cair sua bunda para a próxima garota. O que. No. Inferno. Esta. Acontecendo? Agarrando meu telefone firmemente na minha mão, eu desço as escadas e entro na sala de estar, mas ele ainda não voltou. Eu caio no sofá e olho para o teto. Foda-se.


Eu toquei meu telefone e coloquei no meu ouvido. Ele toca uma vez. "Olá querida, como você está se sentindo?" India canta pelo telefone. "Além de drogada?" Eu mordo. "Estou bem. Agora você tem algumas explicações para dar Lucy.” Eu a ouço se mover. "Eu sinto muito", ela sussurra. "Eu deveria ter notado." Mordendo meus lábios, eu aceno, embora ela não possa me ver. "Tudo bem, felizmente você me tirou de lá." "Não, garota. Cuba tirou você de l| ”, ela diz. "Ele quebrou o nariz de Dylan." Minha respiração engata, Dylan fez isso comigo? Eu deveria saber melhor. Deus, todos os sinais estavam no meu rosto em pânico. "Eu sou tão idiota." "Você sentiu falta da parte em que você é menina...", ela começa quando Cuba entra pela porta. "Vou ligar de volta." Termino a ligação, observando-o enquanto ele leva uma sacola para a mesa de café. Seus olhos cor de avelã prendem nos meus. "Você está bem, baby?"


Sentando-me, inclino a cabeça para o lado, estudando-o. Cuba muda nervosamente. "Eu tive alguns textos interessantes hoje", eu começo. "Quer explicar por que algumas pessoas acham que estamos namorando?" Colocando a bolsa no chão, ele bate palmas e sorri nervosamente. "Essa é uma ótima pergunta, Arrow.”


Bliss arqueia uma sobrancelha perfeita, esperando que eu explique. Eu me pergunto quem mandou uma mensagem porque, agora, estou chateado. Eu queria falar com ela antes da notícia, mas claramente, meu status de relacionamento é a primeira página. "Então, ontem à noite eu estava um pouco louco e eu posso ou não, ter dito que você era minha namorada", eu tento explicar. "Ou você fez, ou você não fez, Cuba", ela diz calmamente, e eu me pergunto se eu deveria ter medo da minha vida. Me sentando no sofá ao lado dela eu suspiro. “Baby.” “Cuba.” “Arrow.” “Bow.” Meus lábios puxam para um sorriso, mas desaparece quando me viro para olhar para ela, olhos tempestuosos já focados em mim. "Eu sinto sua falta", eu admito. "Eu pensei sobre o que você disse, e você sendo minha Lola não começou a parecer tão ruim. Eu ia até você, então eu te vi na festa e tudo que eu podia fazer era olhar para você.”


Eu respiro. “Eu fui pegar uma bebida, juntar minhas coisas antes de procurar você e foi quando eu vi aquele filho da puta drogando uma bebida. Nós o confrontamos, e a próxima coisa que sei é que sua amiga estava batendo nele. Eu perdi a minha merda quando percebi que era você, ele continuava falando de você mentindo sobre ter um namorado, e eu não pensei... Eu disse que era seu namorado antes de eu quebrar o nariz dele.” Uma lágrima escorrega de seu olho e escorre pela sua bochecha, e ela a limpa antes que eu tenha uma chance. "Obrigado por me defender", ela diz suavemente. "Você sabe que todo mundo acha que estamos namorando agora." Eu apenas dou de ombros. "Então." Eu não dou a mínima. Os olhos de Bliss se estreitam em confusão. "Eles vão descobrir que era uma mentira." "Não tem que ser." Eu não hesito ou pulo uma batida. Eu pensei sobre isso várias vezes, eu sei o que eu quero e é ela. Ela pisca lentamente, seus olhos nunca deixando os meus. "Você está dizendo o que eu acho que você está dizendo?" Eu concordo. "Sim, estou dizendo o que você acha que estou dizendo." Bliss desabou. "Huh". Ela pega o saco de comida e começa a tirar os itens, separando os meus dos dela. Ela não diz nada enquanto tira a tampa da sopa e mergulha o pão para dar uma mordida. Ela não diz nada enquanto toma seu chá verde. Bliss não diz nada. Não querendo ser um babaca e continuar


olhando para ela, eu desembrulho meu sanduíche, pegando o controle remoto, ligo a TV e depois o Netflix. Estou prestes a clicar em retomar no último episódio de The Tudors que assistimos quando ela começa a rir baixinho. "Então, deixe-me ver isso direito." Ela abaixa a sopa. “Você me ignora por semanas depois de deixar um pouco de besteira na minha cama. Então você tem um momento de Jesus e quer estar comigo. Você também diz a todos que estamos namorando enquanto eu estou drogada. Você supõe que eu vou apenas cair de volta em seus braços e concordar.” Sua voz está cheia de sarcasmo. "Isso está certo?" Agora é minha vez de piscar de volta. Puta merda "Eu não ignorei você." É a primeira coisa que veio à mente. Bliss parece estupefata. "Sério?" "Bem, da última vez que chequei, não tinha textos nem chamadas para ignorar." "Você é tão idiota." Ela balança a cabeça. "Inacreditável." "O que?" Eu jogo meus braços para cima. "Ok, talvez eu tenha reivindicado você..." Ela arqueia uma sobrancelha ao reclamar. “Bem, nós fomos um casal do jeito errado. Eu nunca tive uma namorada. Você quer que eu escreva uma nota e desenhe caixas para verificar sim ou não?” "Você parece ser bom em escrever notas", ela responde.


Corro minhas mãos sobre a cabeça em frustração. "Puta merda, Bliss, você quer ficar comigo ou não porque eu estou perdido." Ela olha para mim como se eu tivesse perdido a cabeça, e estou começando a pensar que sim. "Claro, que eu quero estar com você." Ela balança a cabeça e movimenta para a TV. "Empurre o jogo e me dê parte do seu sanduíche." Eu apenas olho para ela e ela pisca para mim. “Bem-vindo à sua nova vida, segure firme.”

*****

O som do meu celular vibrando me acorda. Piscando, meus olhos começam a se ajustar à escuridão, a única luz é lançada na tela de visualização do Netflix. Esfregando a cabeça, olho para baixo para ver Bliss dormindo, com a cabeça no meu colo. Eu nem me lembro de adormecer. Depois que comemos, assistimos a alguns filmes que não incluíam sotaques ingleses, porque quando assistimos aqueles passamos metade do filme explicamos o que diabos está acontecendo. Quer dizer, eu posso ouvir minha garota falar por horas, mas seria bom para nós dois não falar durante um filme. A tela do meu telefone acende novamente, vibrando contra a mesa de vidro. Sem mexer muito e acordar ela, eu pego meu telefone e franzo a testa. Mrs. E


Ela está ligando há meses e eu ainda não atendi ou liguei de volta. Tenho certeza que minha mãe disse a ela que estou de volta ao time. Eu sei que preciso encarar seus pais. O telefone vibra na minha mão e meu polegar passa sobre o ícone de recusar. "Você vai responder ou não?" Bliss murmura com os olhos fechados. Passando meu polegar sobre o ícone de recusar, eu jogo meu telefone de volta na mesa. Jogando minha cabeça contra o sofá, suspiro. Eu preciso apenas acabar com isso, eu não posso evitar para sempre. "Você está bem?" Bliss está olhando para mim. "Quem chamou?" Eu sacudo minha cabeça. "Ninguém, baby." Ela levanta uma sobrancelha. "Realmente, ninguém?" "Sim, não foi ninguém." Eu faço sinal para ela se levantar, para que eu possa me mover. Ela me dá uma olhada antes de sentar e balançar as pernas sobre o sofá. "Bem, você parece muito rasgado por não ser ninguém." Ela se alonga. Eu não respondo e começo a limpar os recipientes na mesa, levando-os para a lata de lixo na cozinha. Eu sei que ela está atrás de mim, eu posso sentir ela. Seu braço desliza em volta da minha cintura e me viro para ela. Seu cabelo loiro bagunçado de sono e ela


tem uma marca de minhas calças em sua bochecha por dormir no meu colo. Ela franze a testa para mim quando me sente tenso. "Quer falar sobre isso?" Bliss pergunta suavemente. Eu sacudo minha cabeça. "Quer me levar para casa?", ela pergunta. Agitando minha cabeça, eu digo: "Não, baby. Você está pronta para ir para casa?” Eu não quero que ela vá embora, mas eu não quero falar sobre isso também. Eu sei que vai incomodá-la se eu não der nada a ela, e eu deveria estar tentando fazer isso funcionar, para ser o que ela precisa. Ela sacode a cabeça. "Não, quer subir?" Sua língua corre sobre o lábio superior e meu pau já está endurecendo. "Claro que sim, eu quero." Faz semanas que eu estive com ela e ela é tudo que eu tenho pensado. Nós não perdemos tempo no momento em que passamos pela porta do meu quarto, eu estou chutando tudo. Meus lábios estão nos dela e eu nunca quero arrancá-los, mas Bliss não parece se importar quando ela se afasta para puxar minha camisa sobre a minha cabeça, suas pequenas mãos percorrem minha pele nua até o cós da minha calça. "Com pressa, Arrow?" Eu puxo suas mãos para longe. "Calças." Bliss faz beicinho, mas faz o que eu digo, lentamente enganchando seus polegares em seu cós e deslizando sua calça de pijama para baixo de suas pernas. Eu não posso deixar de morder meus lábios


quando vejo que ela não estava usando calcinha o tempo todo. Ainda bem que eu não sabia, porque eu teria transando com ela no sofá, na verdade, eu teria empurrado sua calcinha para o lado de qualquer maneira, mas eu queria que ela viesse a mim. A próxima é a regata minúscula que continua subindo com todos os seus movimentos, e eu sei que no momento em que estiver fora eu não serei capaz de manter minhas mãos para mim mesmo. Agarrando meu pau duro através das minhas calças, dou-lhe um puxão áspero quando tomo seu corpo nu, todo meu. Cada curva é minha, cada centímetro de sua pele bronzeada e cremosa é minha, cada marca de beleza e sardas, eu a possuo. Bliss McQueen é minha. Seus lábios se curvam em um sorriso enquanto ela sobe na minha cama de quatro, me dando a visão perfeita de sua bunda e lindos lábios cor-de-rosa. Ela é tão provocadora, mas eu amo essa merda. "Você só vai olhar para ela ou você vai vir buscá-la?" Ela olha por cima do ombro para mim. "Diga-me o que você quer, baby", eu digo, deslizando minha mão pelas suas costas, seguindo a curva de sua bunda e deslizando dois dedos em sua umidade. Gemendo, ela empurra para baixo sobre eles. "Conte-me." Deslizando dentro e fora dela, eu a vejo respirando com cada movimento e meu pau endurece ainda mais. Se eu a levar agora eu sei que não vou durar. "Eu quero sua boca", ela mal geme.


Um sorriso puxa meus lábios. "Eu criei um monstro." Puxando meus dedos para longe, eu caio de joelhos. “Cara pra baixo, baby.” Ela faz o que disse, baixando o rosto para o colchão, a bunda dela subindo com o arco das costas. Ela muda para ampliar as pernas para mim, me dando acesso perfeito. Minha língua desliza entre os lábios, sentindo meu primeiro gosto de seus sucos doces. Eu posso beber ela a noite toda, mas agora, eu preciso prepará-la para mim. Circulando em torno de seu clitóris, Bliss se contorce, mas eu seguro suas coxas, eu não dou a mínima para que sua bunda esteja na minha cara. Eu chupo e lambo até que ela está empurrando contra a minha boca, seus gemidos nos deixando loucos, eu preciso lembrá-la do que ela estava perdendo. Só eu posso fazê-la assim, só eu que a tenho no meu rosto. “Cuba!” Ela grita meu nome antes de começar a tremer incontrolavelmente, tentando me afastar, mas eu não a deixo enquanto sugo tudo o que ela está dando. Eu deixei-a ir e ela se esforça para se virar para mim, seu rosto vermelho brilhante, os olhos brilhando. Bliss se joga em mim, me jogando no chão nas minhas costas. Seus lábios estão nos meus, sua língua quente deslizando pelos meus lábios. "Eu amo o meu gosto em você", ela geme contra meus lábios, me abrangendo. Minhas mãos deslizam para sua cintura, em seguida, sua bunda, agarrando as duas bochechas. "Sim?" Eu belisco seu lábio inferior. "Eu também amo o seu gosto." Bliss empurra o meu peito e mói sua boceta nua contra o meu pau duro como uma pedra. "Você sentiu a minha falta?" Ela pergunta


inocentemente, como se estivesse me provocando, meus dedos cavando em sua pele macia. "Foda-se amor, inferno, sim, eu senti sua falta." Eu nem me importo, eu preciso estar nela. "Seja uma boa menina, Arrow e tireo." Ela sorri maliciosamente e revira os lindos olhos, mas se move o suficiente para prender seus dedinhos sob o cós e puxa meus shorts de corredores para baixo, enquanto eu levanto meus quadris, minha cueca vai com eles. Consigo chutá-los o resto do caminho, meu comprimento duro se ergue e bate contra seu estômago. Bliss me agarra com sua pequena mão. "Por que parece maior?" "Acaricie meu pau, não meu ego, Arrow." Eu mordo meu lábio inferior. Ela desliza as mãos pelo meu peito, levantando e deslizando para baixo em mim lentamente, me levando para dentro dela, eu sufoco um gemido quando suas paredes de seda morna apertam em torno de mim. "Que tal eu acariciar ambos." Ela está me provocando com seus movimentos lentos para cima e para baixo do meu pau latejante. Agarrando sua cintura, eu me viro, agora ela está de costas e agora estou lentamente deslizando para dentro e para fora dela. "Baby, oh." Sua cabeça cai para trás com um gemido. "Você joga muito, Arrow." Eu bati de volta para ela. "Eu não gosto de jogos quando isso envolve você."


Ela grita quando eu bato na sua coxa, batendo em sua umidade mais e mais. "Por favor... Baby", Bliss ofega. "Me faça vir." Meu polegar varre seu clitóris. "Assim, baby?" Ela consegue um pequeno aceno de cabeça. "Sim." Varrendo meu polegar em seu clitóris novamente, circulando ao redor enquanto eu acaricio e desço, sentindo minha própria liberação subindo. Eu sei que não vou durar com ela gemendo meu nome, só isso me faz querer vir, mas eu continuo acariciando. Eu continuo deixando ela selvagem com meu polegar. "Não pare. Por favor, não pare,” Bliss geme, seus quadris empurrando contra mim, me puxando mais para dentro dela. Inclinando-me, belisco o ombro dela. "Eu não pretendo, baby." Suas pernas em volta da minha cintura, as unhas cravam em meus bíceps. "Porra, estou prestes a vir." Eu sinto suas paredes apertarem em torno de mim, me sugando, me ordenhando. Sim, eu não vou durar. Já faz semanas desde que eu a senti e mal estou aguentando. As pernas de Bliss começam a vibrar ao meu redor e eu sei que ela está no limite. Eu estou bem aí com ela. Eu me sinto deixando ir, assim quando ela está tremendo embaixo de mim enquanto eu a preencho com tudo de mim. Porra, eu amo a sensação de ela ter uma parte de mim nela, ela é realmente minha. Caindo ao lado dela no tapete, recuperamos o fôlego. Suor esfriando na minha pele.


"Eu acho que tenho um tapete queimado." Meus joelhos estão queimando, Bliss começa a rir. "Tenho certeza que minhas costas estão vermelhas." Ela se vira para mim. "Mas vale a pena." Eu lambo meus lábios. "Vale?" Ela se levanta em seu cotovelo, olhando para mim. "Oh sim." Ela sorri. "Você não acha que valeu a pena?" "Foda-se, vale a pena." Bliss esfrega seu colar de flecha na base de sua garganta. "Você nunca me disse qual é a sua coisa com as flechas." Eu aceno para o colar dela. Ela pisca e olha para a mão dela. "Eu nem noto quando eu esfrego." "Normalmente, quando você está nervosa." Eu dou de ombros. Eu notei isso há um tempo. Ela está nervosa agora? Bliss cantarola e se levanta. "Devemos tomar um banho." Ela está evitando falar sobre a flecha e tudo bem. Eu evitei muitas coisas, agora é minha vez de esperar. Então, deixo ir e levanto, seguindo-a para o meu banheiro. Quando eu a vejo dobrando sobre a banheira, preparando a água, meu pau começa a endurecer novamente. Eu não acho que vou conseguir o suficiente dela agora que ela é minha garota. Este é definitivamente um benefício que eu vou aproveitar.


Eu sinto o rubor subindo pelas minhas bochechas enquanto eu tomo um gole da minha mimosa. É domingo à tarde e estou apenas tomando um brunch com meus melhores amigos porque eles me imploraram. Se dependesse de mim, eu estaria de volta à cama de Cuba até que ele me obrigasse a sair, mas planejamos passar a noite na casa dele e irmos para a aula juntos amanhã. Enquanto estou aqui para uma sessão de fofocas, meu namorado, sim, namorado, está na praia jogando basquete. Bem, ele chamou de um jogo de pick-up, com Cam e Ash. Além de ser drogada, este fim de semana foi irreal. Ainda estou esperando alguém bater palmas e tudo sumir em uma nuvem de fumaça. "Você parece bem descansada." Patrick estreita os olhos para mim, mas sorri. "Como se sente por ser a garota mais odiada no campus?" "Você quer dizer mais invejada." India sorri, enchendo um pedaço de waffle em sua boca. Isso é algo que eu tenho que me acostumar. Dex era muito popular, mas ele não estava indo pra qualquer coisa. Cuba é o cara no campus, ele está em um nível totalmente diferente. A única coisa que impede minha mente de vagar para ele, possivelmente traindo,


é que ele mal me deixa entrar. Ele ainda tem muita fumaça em seu passado e até agora, eu sou a única a passar por isso. Estou preocupada com quanta atenção ele recebe? Claro. Estou preocupada que ele seja o único a partir meu coração? Sim, mas espero como uma louca, que ele não o faça. "Eu não acho que eu também seja." Eu abaixei minha mimosa. "Ninguém realmente me conhece." "Ainda", diz Indi. "Confie em mim, essas cadelas estão fazendo o dever de casa, elas descobrirão quem finalmente conseguiu Cuba." Franzindo a testa, eu pego no meu guardanapo. "Elas ficarão muito desapontadas", digo a ela. "Esta é a faculdade não é o ensino médio, por que isso importa?" Patrick segura a mão no peito. “Bliss, baby, essas garotas da faculdade são piores. Elas são selvagens. Nós vivemos em um mundo cheio de pessoas que querem ser Kardashians, elas estão procurando por um ticket de refeição ou seu próximo encontro.” “O que ele est| dizendo é que todas essas garotas querem uma passagem só de ida para Cuba”, Indi diz indiferente. "Obrigado, vocês com certeza sabem como me fazer sentir melhor." Reviro os olhos, tomando outro gole da minha bebida. "Então, você está dizendo que eu não deveria estar com ele?" Patrick pega minha mão do outro lado da mesa. "O que? Claro que não. Estamos felizes por você”, ele insiste com um sorriso. “Cuba é uma atualização. Ele é a atualização de todas as atualizações.”


Então por que estou começando a repensar isso agora? Meus amigos estão certos, ele é um grande negócio e eu não sou. Ele está se tornando profissional e eu vou ser uma professora de história, dois estilos de vida muito diferentes. As rodas agora estão girando e India sabe disso. Ela cutuca Patrick. "Cale a boca." Ela olha para mim. “Pare de pensar demais. Vocês são perfeitos juntos. Equilíbrio perfeito.” Ela tenta me convencer. “Ninguém viu ele ter uma namorada. Serão notícias antigas em breve.” Quanto mais rápido for a notícia antiga, melhor, embora eu ainda ache que posso acordar e isso ser um sonho. Eu não quero gastar meu sonho pensando sobre o que é e o que pode ser. Se Cuba não quisesse isso ou eu, ele diria. Eu não respondo a ela, eu apenas aceno e tenho o resto da minha bebida. O resto do brunch, nós falamos sobre nossas aulas, exceto Patrick, que apenas ouve principalmente a India reclamar sobre a ajuda do professor que está ignorando ela. Às vezes eu me pergunto se algum cara quebrou seu coração para fazê-la nunca querer pegar sentimentos ou se acalmar. Indi é minha melhor amiga e me pergunto tantas coisas sobre ela. Eu faço uma anotação mental para ter uma noite de garotas em breve. Meu telefone vibra ao lado do meu prato e não posso evitar o sorriso que aparece no meu rosto. "Ugh, você já me deixa doente." Patrick joga um guardanapo para mim. “Mas inferno, eu também estaria sorrindo como um tolo se ele fosse meu namorado. Diga-me, ele tem tatuagens onde não podemos ver?”


Agora é minha vez de jogar o guardanapo de volta nele. "Você só vai ter que continuar imaginando." Eu sorrio, pegando meu telefone, e deslizando o meu polegar pela tela para desbloqueá-lo. Cuba: Onde está a minha namorada? Eu faço uma pequena dança no meu assento, praticamente tonta, quando eu digito de volta. Eu: Ainda no brunch. Onde está meu namorado?? "Você acabou de fazer uma dança feliz?" India franze os lábios para não rir. “Oh meu Deus, você est| tão longe. Poderia tê-lo feito persegui-la um pouco mais.” Recostando-me no meu lugar, levanto a minha bebida para os meus lábios e sorrio. "O que posso dizer. Eu gosto do meu homem como gosto de minha erva daninha, sedativo, edificante, dominante, e quando você acende no fogo, isso me faz sentir tão bem.” Levantando minha sobrancelha, eu tomo um gole. Patrick ri. "Bem, caramba, você vai passá-lo?" "Não", eu digo, pegando meu telefone quando ele começa a vibrar. Cuba: Ainda na quadra, prestes a pegar outro jogo. Eu estou morrendo aqui. Eu: Sim, certo, eu aposto que você está indo bem. :) Tenho certeza que tem que ser difícil para ele, voltar a jogar basquete depois de estar fora por cerca de um ano. Seria difícil para qualquer um, mas eu sei que é difícil sem Jackson estar lá com ele.


Cuba: Eu não disse que estávamos perdendo, Arrow. Só que eu tive essa garota sexy na minha cama na noite passada. Eu não dormi muito. Eu sei que estou corando como uma menininha da escola, eu posso sentir o calor aumentando, Eu: Bem, talvez ela devesse ficar fora da sua cama esta noite. Então você não vai se distrair. Ele não responde, ele me liga. Meu celular está vibrando na minha mão. Eu olho para os meus amigos e eles olham para o meu telefone. India sorri amplamente. "Você vai responder isso ou apenas parecer assustada?" Revirando os olhos, roubo a resposta e ponho o telefone no ouvido. "Olá?" "Não me alimente, baby." Eu posso ouvir gritos no fundo e o som de uma bola quicando. "O que você estava dizendo sobre não estar na minha cama hoje à noite?" Eu dou de ombros, embora ele não possa me ver. "Eu acho que assumindo que eu sou a garota sexy em sua cama." Eu paro sorrindo. Patrick e Indi fazem caretas enquanto fingem vomitar. Colocando a língua para fora, eu os encaro. Cuba está no meu ouvido. "Você é a única garota sexy que já esteve na minha cama, Arrow." "Sério?" Eu sorrio. "Tenho certeza que você diz a todas as garotas bonitas a mesma coisa."


Ele ri para o telefone e meu corpo estremece com o som. "Não é possível, você é a única garota bonita que eu conheço." Meu coração dispara um pouco, mas eu rapidamente o acalmo. "Agora você está apenas me provocando." Eu ouço o nome dele ser chamado ao fundo, e sei que ele vai desligar em breve. "Você é a única garota bonita que importa", diz ele. “Olha, querida. Eu tenho que ir antes que Cam faça birra. Eu esqueci que Ash está fazendo algo para o jantar de hoje à noite. Quer ir?" Um passeio público com Cuba? Eu não tinha certeza se estava pronta para isso. Então, lembro que é domingo e geralmente janto com meu pai. Ele não me mandou uma mensagem para mudar isso ou me dizer onde nos encontrar. "Hum, eu costumo jantar com meu pai aos domingos", digo a ele. "Eu esqueci, sábado com sua mãe e domingo com seu pai." Ele se lembra. "Bem, eu te tirei de sua mãe neste fim de semana, seria justo tirá-la do seu pai também." Eu mordo meu lábio para não sorrir. "Eu não posso, ele realmente vem à minha casa para me checar." "Tudo bem, mas você vai vir depois, certo?" Ele soa chateado, e me sinto mal. "Claro", eu digo rapidamente. "Legal, eu vou te ver mais tarde."


Ele desliga, me deixando confusa. Nossa conversa passou de bonitinha para desajeitada em questão de segundos. Ele está quente e frio de novo. Ótimo, eu nem sei onde eu errei. Eu disse algo errado? Ou ele está chateado porque não posso me juntar a ele hoje à noite? Eu me arrepio, colocando um sorriso no rosto quando coloco meu celular na bolsa. Eles querem perguntar se eu estou bem, mas eles não dizem nada e estão falando sobre querer ter um retorno com alguns amigos. Nós não temos amigos, então seria apenas como sempre. Patrick sugere que eu convide Cuba e seus amigos, mas eu disse a ele que duvido que eles apreciem filmes de garotas ruins, comam quatorze caixas de doces variados e garrafas de champanhe barato. Nós gostamos de festejar. "Basta perguntar." Indi se levanta, pegando sua bolsa. "Não seria tão ruim crescer nosso pequeno círculo." Patrick e eu a seguimos para fora do restaurante. "E o que faz você pensar que eu quero estar ao redor dele o tempo todo?" Porque eu quero estar perto dele o tempo todo agora. Ambos riem de mim como se eu fosse adorável. India me dá uma cara de louca. "Cadela, você é dickmitized." Eu quase me engasgo com o ar. "O quê?" Eu tusso e acaricio meu peito. Patrick dá um tapinha nas minhas costas gentilmente. "Acontece com o melhor de nós, baby."


India começa a dançar como um robô no meio do estacionamento e eu quero morrer, todo mundo está olhando. "Pau é tão bom que você hipnotiza", ela canta. "Isso significa que você dickmitized, baby, baby". Patrick está rindo tanto que está se curvando e estou horrorizada com o que está acontecendo. Ela teve muitas mimosas. "Biggie, Biggie você não pode ver, às vezes, seu pau apenas me hipnotiza", ela canta, não se importando que as pessoas estão olhando para nós. Patrick não ajuda, ele ainda está rindo. "Eu te odeio agora." Eu pego sua mão. "Vamos." "Oh meu Deus, você está louca?" India lamenta. "Não fique com raiva de mim, B Money." Revirando os olhos, sorrio. "Eu não estou brava." Eu clico no meu chaveiro para destrancar as portas do meu carro. "Bom", diz ela deslizando para o banco de trás. "Não é minha culpa ele ter abracadabra com seu pau.” Eu bato a porta dela. "India, cala a boca." Quando estou no banco do motorista, olho para Patrick, que está vermelho de tanto rir, depois para a India através do espelho retrovisor. Ela balança o dedo indicador no ar como uma maldita varinha. Eu não posso deixar de rir. "Você é tão chata", digo a ela. "Se eu não te amasse, deixaria sua bunda aqui. Não h| mais mimosas para você.”


Ela apenas ri e Patrick segue o exemplo. Eu juro, eles me deixam tão brava, mas eu os amo. Eles me pegam, eles são meu povo. Mesmo que eles me envergonharem em público.

*****

Meu pai me surpreende com o lugar para o jantar. Ultimamente, temos ido a esses lugares extravagantes e, enquanto desfruto de um bom bife e vinho, eu também poderia ir para uma margarita e um hambúrguer. Então, quando ele disse que estávamos nos encontrando no Burger Island, eu não estava reclamando. Além disso, eu não tenho que me vestir, eu posso realmente usar jeans hoje à noite. Então, quando eu deslizo no meu jeans streach favorito, estou no paraíso. Perfeito para o jantar, em seguida, indo para Cuba. Eu não falo com ele desde mais cedo, e acho que ele ainda está fazendo beicinho. Ele vai superar isso. Depois de puxar um creme macio e fino, e deslizar para dentro dos meus tênis converse brilhantes, eu termino de arrumar minha bolsa, esperando que eu não esqueça de nada. Eu raramente ficava no Dex's, e ele mal vinha ao meu lugar. Nossa vida sexual já estava morta, talvez por isso ele tenha trapaceado. Eu vou tentar não pensar sobre isso. Uma vez que eu tenho minhas malas no banco de trás do meu carro, envio a meu pai um rápido texto avisando-o que estou a caminho. Então eu debato sobre mensagens de texto para Cuba, eu poderia muito bem no caso de ele mudar de idéia sobre eu vir. Eu


lanço meu telefone no porta-copos depois de mandá-lo, um texto rápido. Felizmente, o local que meu pai escolheu não estava muito longe de mim, o que me faz pensar que ele realmente estará indo para casa e não de volta ao escritório. Ele precisa conhecer alguém, eu disse isso a ele, mas ele apenas me acena e diz que está bem. Mesmo com a minha mãe, ela não vai namorar também. Eu me pergunto por que eles realmente se divorciaram quando ainda estão ligados um ao outro, mas eles vão negar isso. Quando eu chego ao restaurante e estaciono, eu pego meu telefone com uma mensagem, meu pai, dizendo que ele tem um estande, mas nada do meu namorado. Eu não vou lidar com isso hoje à noite. Este fim de semana foi incrível, e eu senti que cobrimos algum terreno, mas agora ele está de volta a como ele estava. Ele está se fechando. Se ele não responder de volta quando eu for embora, eu irei para casa e poderemos voltar a ser o que éramos antes. Nada. Verificando meu rosto no meu espelho compacto, respiro fundo. Eu não quero que meu pai pegue em algo que possa estar errado. Eu ia contar a ele sobre Cuba hoje à noite, mas vou esperar, já que ele está em silêncio. Nenhum ponto de dizer nada quando eu poderia estar solteira amanhã. A recepcionista me direciona direto para o meu pai e me dá um olhar engraçado. Estou acostumada com garotas caindo sobre o meu pai, ele parece jovem para a idade dele, então às vezes as pessoas pensam que estamos namorando. É realmente nojento.


"Ei, pai", eu digo em voz alta o suficiente para fazer a anfitriã corar enquanto ela foge. Meu pai ri. "Ei, menina." Eu deslizo no banco em frente a ele. "Obrigado por escolher um lugar normal pela primeira vez." Eu pego o cardápio mesmo sabendo que vou pedir a mesma coisa de sempre. "Sim, eu percebi que eu mereço um hambúrguer." Ele sorri. "E eu sabia que você não recusaria." "Nunca recuse uma refeição grátis", eu digo antes que a garçonete venha pegar nossos pedidos de bebida, e já que já sabíamos o que queríamos, colocamos nosso pedido ao mesmo tempo. "Então, como vai o seu caso?" Pergunto quando a garçonete se foi. Ele estremece e ri. "Isso é ruim?" "Poderia ser pior, mas você sabe que eu tenho isso, menina", ele me garante. "Eu tenho certeza que você tem, pai." Eu nunca duvido dele. Ele começa a perguntar sobre a faculdade e se eu ainda estou planejando dar aulas no meu tempo livre. Estou prestes a responder quando vejo algo no canto do meu olho. Eu posso ver a porta do restaurante aberta, com um monte de gente espremendo-a, rindo alto, algumas garotas rindo. Então vejo três rostos muito familiares, um deles claramente ignorando meus textos. Meu novo namorado está aqui com Ash, Cam, outro cara e três garotas, a ruiva curvilínea


parece muito tomada por ele. Meus olhos se estreitam em sua mão que está correndo pelo seu braço, em seguida, sorrio quando o vejo afastá-la. Ainda assim, ele está me ignorando. "Você está bem?" Meu pai pergunta quebrando meu olhar e eu pisco, olhando de volta para ele. "Sim, só vi alguém que eu conheço." De jeito nenhum eu vou dizer a ele que meu namorado está aqui com um monte de vadias. Quando olho para trás, eles se foram. Agora eu vou me distrair sabendo que ele está aqui e não está falando comigo.


Porra. Da. Minha. Vida. No momento em que Cam me disse que viu Bliss e que ela me viu, e não parecia muito feliz em ver a mão de Angela em mim. Agora eu me sinto um lixo porque eu ignorei o texto dela e ela me vê aqui. Não é como se eu estivesse aqui com apenas Angela, estou aqui com um grupo de pessoas. Eu não trouxe ninguém, eu dirigi até aqui sozinho. Eu fiz a minha missão de sentar do lado oposto da Angela, ela já perguntou se o boato era verdade, eu tenho uma namorada? Ela não gostou da minha resposta, mas ela claramente não estava querendo uma resposta. Ash, compreensivelmente, não queria passar seu aniversário sem companhia feminina, mas ela tinha que trazer suas amigas para as refeições? Eu olho para o meu telefone, tentando decidir se eu deveria responder de volta e agir como se não tivesse ideia de que ela está aqui. Tenho vergonha de admitir que agi como uma criança quando ela não veio comigo e deixou o jantar com o pai. É um sentimento assustador, o que sinto por ela, o que tenho sentido por ela. Então agora eu estou sentado aqui pensando no que devo fazer, ela não está feliz comigo, e eu não posso ter isso.


"Droga, apenas vá até lá", Cam diz tomando um gole de sua cerveja. "Você é como a sétima roda de qualquer maneira." Eu nunca fui a roda de nada e nem me importo. Eu olho para Ash e ele apenas ri. "Eu nunca pensei que veria o dia." Ele sorri. "Cara, vá embora, mas volte para ter um tiro comigo." Angela amua ao lado dele, jogando o cabelo vermelho sobre o ombro nu. "Você não é engraçado." Eu não hesito, deslizando para fora do estande. "Oh, ele é divertido só não com você." Cam sorri e ela o vira. "Eu voltarei para aquele tiro", digo a Ash antes de procurar minha namorada. Então eu lembro que ela está com o pai dela. Eu nunca conheci o pai de alguém com quem eu estava dormindo, muito menos namorando. Eu faço uma varredura rápida da minha roupa. Apenas uma camisa de botão cinza de manga curta, jeans pretos e meu par favorito de Jordan's preto e cinza. Eu debato em colocar ou tirar minha corrente de ouro e os brincos de diamante da minha orelha. Estou pensando muito nisso, porra, eu deveria me juntar aos meus amigos e mandar um rápido texto pedindo desculpas. Não, vá até ela, minha mente sussurra e meus pés estão se movendo. Meu coração está bombeando como um louco, e eu gostaria de ter tomado uma bebida pelo menos. Eu circulo o bar oval no meio do restaurante, e já posso ouvi-la rir e isso me faz sorrir. Eu sei que pareço um inseto olhando para todos os estandes quando passo. Eu a ouço novamente e paro em frente ao


último reservado. Um par de olhos cinzentos e castanhos me encontra. "Cuba?" Bliss pisca para mim surpresa, mesmo sabendo que eu estava aqui. "Hey, Arrow." Eu sorrio. Seu pai tosse e Bliss desvia o olhar. "Pai, este Cuba Knight", diz ela. "Cuba, este é meu pai, Keith." Nervosamente, eu estendo minha mão e ele a sacode, firme e definido enquanto seus olhos tomam meus braços tatuados. Eu nunca me importei com o que alguém pensou da minha tattoo até agora, eu me importo com o que ele pensa. Eu preciso que ele goste de mim. "Sr. McQueen, é um prazer te conhecer.” Eu tento tirar a minha mão do aperto dele, mas ele continua sacudindo lentamente. "Me chame de Keith", diz ele. "Você parece familiar, você joga bola?" Ele finalmente deixa minha mão ir. Eu concordo. "Sim, eu jogo basquete para o estado." Minhas mãos estão suando. Acalme-se, C. Keith estala os dedos. “Sim, eu ouvi que você estava de volta. Aposto que a equipe está feliz. Com o tempo vocês ganham aquele troféu.” "Eu sinto o mesmo", eu digo e olho para Bliss, que está evitando o contato visual comigo. Ela não quer que ele saiba sobre nós. "Sente-se, Cuba", ele me diz, e pede que sua filha se mude.


Ela faz, e eu deslizo ao lado dela. "Eu não quero me intrometer." Ele acena para mim. "Bobagem, eu deveria conhecer o namorado dela." Ele ri. "Eu não sou cego. Você é seu namorado ou amigo com benefícios. Eu espero que seja o primeiro.” Eu nem dou a Bliss a chance de deixar isso de lado. "Definitivamente o primeiro." Primeiro para mim, de qualquer maneira. Ela me cutuca, mas a garçonete aparece com suas bebidas e pergunta se eu vou pedir. Keith me pede para pedir algo e jantar com eles. Eu olho para Bliss, que me dá um pequeno aceno de cabeça. Peço minha comida e uma bebida, claro, sem álcool, com um sorriso. Keith olha para mim para dizer algo, mas seu telefone toca no bolso e ele relutantemente pega, ele suspira enquanto coloca o telefone no ouvido. "McQueen", diz ele e escuta. "Espere, Jack." O pai dela estremece. "Desculpe, eu tenho que aceitar isso, eu já volto." Ele não está olhando para nós, ele está olhando para ela. Bliss sorri e acena com a cabeça. "Claro." Keith assente e sai, falando ao telefone a caminho da porta. "Então", eu digo voltando-me para olhar para ela. "Você está louca?” Ela sacode a cabeça e sorri. "No começo, eu estava enlouquecendo por dentro, eu não achei que você teria coragem."


Eu rio. "Eu quase me acovardei lá atrás, mas eu realmente queria ver você." Eu pego a mão dela. "Sinto muito por ter agido como uma criança de dois anos antes. Isso é novo para mim, Arrow.” Ela acena com a cabeça. "Está bem. Só não me ignore de novo”, ela me diz. "Eu realmente não gosto de ser ignorada." "Feito." Eu me inclino e pressiono meus lábios nos dela, dando-lhe um beijo rápido. "Eu não vou te ignorar." "Bom". Ela sorri contra meus lábios. "Mas eu não gosto de outras garotas tocando em você." Eu não posso deixar de deixar meu sorriso crescer, eu juro que não sorrio muito a muito tempo. “Eu gosto de você com ciúmes, baby. Mas você não tem nada com o que se preocupar, eu não vejo ninguém além de você.” "Lá vai você de novo, me dizendo o que você diz a todas as garotas bonitas." Eu puxo meu rosto do dela e olho para aqueles olhos tempestuosos. "Como eu disse antes, você é a única garota bonita que eu conheço." Bliss dá uma risadinha e balança a cabeça. "Eu sei que você é novo nisso, mas não me faça me apaixonar por você se você não for capaz de me pegar." Eu franzo a testa, confuso, e quero perguntar a ela o que ela quer dizer, mas Keith está de volta se desculpando pela ligação, mas é o caso em que ele está trabalhando. Eu suponho que ele é um advogado porque ele não me dá vibrações de detetive, e ele continua


dizendo palavras como "júri" e "a defesa". Nossa comida vem e, na maior parte, nós comemos em silêncio. Acontece que Keith gosta de basquete e gosta de assistir jogo de faculdade, ele ainda sabe quem eu sou e minhas estatísticas. Ele também sabe sobre Jackson, não sobre as coisas sombrias, apenas que ele faleceu. Bliss segura minha mão embaixo da mesa, e agradeço que ela saiba o que eu preciso sem que eu mostre ou conte a ela. Eu falo nos momentos certos e compartilho o que minha mente me deixa quando se trata de Jackson. Eu também digo a Keith quando ele quiser vir a um jogo, eu vou comprar alguns ingressos para a família. "Espere". Ele franze a testa e meu estômago cai, é como se ele estivesse lembrando de algo, ele sabe? "Você é filho de Sam Knight?" Isso me pegou desprevenido, meu pai é um ex-jogador profissional de beisebol, ele era bom, mas eu não diria que ele é uma lenda em Los Angeles, mesmo que ele seja uma lenda para mim. "Sim". Eu aceno. "Esse é o meu pai." Bliss não parece perturbada e eu acho que ela já ouviu isso. "Uau." Ele olha para sua filha. "Eu gosto mais dele do que do último, não parece o seu tipo, mas eu gosto disso." Supondo que o último foi Dex, não tenho certeza de como aceitar a honestidade de Keith, mas eu deixo para mais tarde e não digo nada. "Ele é muito melhor, então eu acho que é uma coisa boa que eu mudei um pouco." Bliss sorri e me cutuca. Eu a empurro de volta. Ele sorri. "Como eu disse, eu gosto disso."


Passamos mais vinte minutos terminando nossos hambúrgueres e batatas fritas, e Keith paga a conta depois que eu me ofereci para pagar por ela. Ele riu e disse que o cavalheirismo feliz não está morto, porque sua princesa merecia isso. Bliss cora, mas eu sei que é verdade. Estou determinado a não estragar tudo. Meu telefone vibra e eu pego enquanto estamos nos despedindo. Ash: Vamos lá, hora de tiros de aniversário, cadela! Eu não posso dizer ao pai dela que tenho que dar um tiro no aniversário dos meus amigos quando ele sabe que eu dirijo. "Ei, Bliss, eu tenho que ir desejar feliz aniversário para Ash," eu digo a eles quando chegamos à frente, eu não tenho certeza do que ela planeja fazer. Ela vai agir como se estivesse indo para casa? Em vez disso, ela sorri. “Oh sim, ele est| aqui. Eu vou com você.” Ela olha para o pai. "Eu vou te ver na próxima semana?" Ele sorri. “Claro, menina. Me escreva quando chegar aonde for esta noite.” Ele olha para mim e de volta para ela. Porra, Keith não está jogando; ele quer que eu saiba que ele sabe o que estamos fazendo. Depois que ele beija sua bochecha e se despede, eu pego sua mão e ando até onde o grupo está sentado. Os olhos verdes de Ash se iluminam. "Olha quem está aqui e viva." Ele sorri para Bliss, mas isso me incomoda, sabendo que poderia ter sido pior.


Ela não parece se importar em sentar ao lado de Cam e eu me sento em frente a ela ao lado de JR, um dos nossos companheiros de equipe. "Feliz Aniversário Ash", diz ela e sorri. "E eu?" Cam a cutuca e pisca. Aqui vai ele com a merda piscando de novo. "Hey Cam". Bliss revira os olhos, mas não deixa cair o sorriso. Na hora certa, uma garçonete aparece com uma bandeja cheia de tiros, parece ser tequila com sal e limão. Bliss enruga o rosto enquanto os tiros são dados. "Baby, você não precisa virar", digo a ela. "Eu vou tomar o dela", ronca Angela. "Eu dou conta disso." Ignorando-a, mantenho meus olhos em Bliss, mas ela balança a cabeça. "Tudo bem." Ou ela não ouviu Angela ou está ignorando-a como eu estou. Bliss sorri e pega minha mão sobre a mesa, mas eu sou pego de surpresa quando ela lambe o espaço entre o meu polegar e o meu dedo indicador. Em seguida, ela sacode o sal na minha pele lisa, com seus olhos nunca deixando os meus, ela se inclina para baixo e lambe o sal de cima de mim e atira seu tiro de volta, lentamente chupando o limão depois. Eu acho que meu pau apenas se contraiu. "Porra, eu preciso de uma namorada", JR murmura ao meu lado. "Claro que sim", Ash e Cam dizem em uníssono.


Eu pisco em foco, agarro meu tiro, e o lanço de volta. "Feliz aniversário", digo a Ash. "Temos que ir, vejo você no treino de amanhã." Eles riem, mas eu estou falando sério. Bliss ainda não desviou o olhar, e eu também não posso. Porra, estou tão fodido.

*****

"Cuba", diz ele, e eu giro em direção a ele, pronto para a bola pousar em minhas mãos no momento em que ele lança para mim. Meus pés estão se movendo, mas parece que estou flutuando, embora eu possa ouvir meus sapatos batendo contra o chão de madeira. Não vejo nada, não ouço nada, limito a visão para o aro. A bola salta de mão em mão quando eu me aproximo da minha marca. Então eu sinto, no momento em que o corpo dele cai, agora eu ouço o nome dele chamar, e estou derrapando até parar. Eu me volto para a comoção e depois o vejo. Jackson está no chão, ofegando por ar. A bola cai da minha mão, rolando para longe enquanto eu corro em direção a ele. "Jackson, pare de brincar, levante-se", digo a ele uma vez que eu atravesso a multidão.


Priscilla olha para mim de onde está sentada no chão ao lado dele, segura a mão dele. "Cuba, ligue para a porra da ambulância, ele não pode respirar", ela grita para mim. Em qualquer outro momento eu a lembraria de seu lugar. Ela e Jackson não estão namorando, eles estão fodendo. Mas deixo para lá e olho para Jackson, que está ofegando, sua pele bronzeada está ficando pálida e seus olhos estão esbugalhados. Amaldiçoando sob a minha respiração, eu luto para tirar meu telefone do meu bolso, tentando abrir a porta. Eu bato 911 com os dedos trêmulos e coloco o telefone no meu ouvido. Meus olhos nunca deixam Jackson. "911, qual é o endereço da emergência?" Uma voz masculina aparece. "Quadras de basquete de praia de Veneza", digo a ele, não sei o endereço real para qualquer lugar. "O que está acontecendo?" Eu corro minha mão pelo meu cabelo suado. “Nós estávamos jogando um jogo de pick-up e ele simplesmente desmaiou, ele não consegue respirar. Ele está pálido.” "Sim senhor. Eu preciso que você se acalme,” ele diz em uma voz suave. Como diabos eu deveria me acalmar? Jackson está lutando para respirar. "A ajuda está a caminho", diz ele. "Você sabe como dar CPR no caso de ele parar de respirar?"


Ele está tão calmo. Tenho certeza de que eles têm que fazer o trabalho deles, mas isso é irritante. "Não." Eu balanço minha cabeça. Eu olho para Priscilla. "Você sabe CPR?" Seus olhos castanhos brilhantes olham para cima e ela balança a cabeça. "Sim." "Tem alguém aqui que sabe como." Já posso ouvir as sirenes ao longe e isso me deixa um pouco à vontade. Eu desligo sem agradecer e vou para o lado de Jackson. "Ei cara, eles estão a caminho." Eu tento parecer calmo, mas eu sei que soa qualquer coisa, menos isso. Ele consegue balançar a cabeça entre os suspiros de ar, uma lágrima escorrega de seu olho, e eu sei que ele está com medo, merda, é claro que ele está com medo. Jackson é a vida despreocupada e do tipo de cara vivo. Onde eu sou anti social e só falo com pessoas que conheço, ele é sociável. Todo mundo ama Jackson, ele nunca está de mau humor. Mas ao vê-lo assim, eu não aguento. Eu não posso protegê-lo do que está acontecendo e isso me deixa com raiva. Eu quero sacudi-lo e dizer-lhe para bater essa merda para fora, não é engraçado. Ninguém está rindo embora. Não é engraçado como eu sou empurrado para longe dele pelo paramédico, não é engraçado como eu os assisto trabalhar sobre ele, colocando uma máscara de oxigênio em torno de seu rosto. Não é engraçado quando eles o apressam em uma maca. Não é engraçado quando as portas da ambulância se fecham na frente do meu rosto. Priscilla está puxando meu braço, e eu não consigo tirar meus olhos da ambulância, levando meu melhor amigo embora.


“Cuba, vamos lá. Eles o estão levando para Marina Del Rey.” Ela está me puxando de novo. Piscando, eu puxo o meu braço e vou para o banco, pegando as chaves do meu carro. Eu tenho que chegar até ele. Preciso ligar para nossos pais, só preciso ir até ele. Priscilla está em meus calcanhares, e eu quero estalar e dizer a ela que ela não está andando comigo, mas isso vai levar muito tempo, então eu deixei ela entrar no meu carro. Felizmente, ela não fala comigo, mas em vez disso usa o telefone e faz ligações, para quem? Eu não tenho ideia, porque Jackson não sai com ninguém além da equipe e eu. Eu ligo para os pais dele no meu celular através do meu carro, e fico feliz que Priscilla mantenha a boca fechada. Este não é o caminho para conhecer seus pais. O trânsito de Los Angeles parece estar do nosso lado hoje e conseguimos ficar perto da ambulância. Eles não me deixam ver ele, dizem que eu tenho que esperar na sala de espera. Disse que eu não sou da família, mas eu sou. Eu digo a eles que ele é meu irmão, e ele é, mas eles olham para minha pele e me dizem, mais uma vez, que apenas a família pode entrar agora. Priscilla me puxa de volta, me dizendo para me acalmar e que seus pais estarão aqui em breve, eles vão me deixar entrar. Então, deixei que ela me levasse para uma cadeira na área de espera lotada. Parece que anos se passaram até eu ver a Sra. E o Sr. E passando pelas portas da sala de emergência, minha mãe e meu pai logo atrás deles. Eu vejo as perguntas em seus olhos, e tudo que posso fazer é deixar cair a cabeça enquanto Priscilla os preenche. Eles não a conhecem, eu posso dizer pelo olhar em seus rostos, eles estão confusos sobre como ela conhece o filho deles, mas os Emmett são


muito educados para perguntar sua relação com Jackson. Minha mãe, por outro lado, não é. "E quem é você?" Os lábios da minha mãe pressionam em uma linha. Quando se trata do sexo oposto, ela é como uma mamãe assustadora, suas garras estão fora. Priscilla pula e olha para mim, mas eu ignoro o olhar dela. "Eu sou sua namorada." Eu não a corrijo porque eu não dou a mínima. Tudo o que me importa é meu melhor amigo... meu irmão. "Eles não me deixaram ir com ele, disseram que eu não era da família." Sra. E não perde tempo me puxando para seus braços. "Nós vamos deixá-lo entrar lá, Cuba", ela promete, em seguida, olha para Priscilla. “Obrigado por estar aqui, mas este é um assunto de família. Você precisa de um táxi ou alguém pode vir buscá-la?” As bochechas de Priscilla ficam vermelhas, mas ela dá um aceno rápido e se afasta. Bom. Seus pais vão para o filho deles enquanto os meus ficam comigo. Eu posso ouvir minha mãe e meu pai sussurrando sobre o que aconteceu, tentando se convencer de que não pode ser nada sério, ele é muito jovem. Eu tento me convencer da mesma coisa, mas a visão dele no chão, ficando pálido, ofegando por ar, volta para mim. A lágrima que escapou de seu olho me faz pensar demais. Jackson Emmett estava com medo. E isso me assustou. As horas devem ter passado e estou sendo sacudido. "Ei amigo. Ele está esperando para te ver.”


Eu pisco para ver o Sr. E acima de mim. Seus olhos azuis vermelhos e inchados, seu cabelo loiro uma bagunça. Eu acho o pior. "Ele está..." Minha voz racha. "Ele não está...", eu estou quebrado. Ele sacode a cabeça. "Ele está acordado e esperando por você." Eu me levanto e estou pronto para ir até ele quando percebo que ninguém vem comigo. Os pais de Emmett e meus pais estão falando baixinho, minha mãe tem a mão pressionada contra a boca enquanto ouve. "Ele está no quarto 203." E acena em direção às portas. Algo parece estranho, a tensão está cheia de emoção, e eu não posso colocá-lo. Meus pés arrastam-se pelos atarefados corredores estéreis, sempre odiei hospitais. O cheiro deles deixa meu estômago enjoado e eu fico tonto. Eu alcanço a porta dele, está fechada. Eu bato uma vez e me deixo entrar. Jackson está deitado na cama, lençóis brancos cobrem-no da cintura para baixo. Ele está ligado a um soro e oxigênio, em vez de uma máscara, ele tem dois pequenos tubos através de suas narinas. Seus olhos azuis passam para os meus e ele tenta sorrir, mas falha. "Ei, cara", ele murmura. Ele tenta se mover para a cadeira ao lado dele, mas seu braço mal sai da cama. Lentamente, eu ando até a cadeira, meus olhos nunca o deixando. O quarto está frio e velho, e ele parece fora do lugar. Ele espera que eu me sente antes de dizer qualquer coisa.


"Você sabe que você é meu melhor amigo, cara, você é como meu irmão de outra mãe." Ele tenta sorrir novamente, e isso dura um segundo antes de cair. "Obrigado por chamar ajuda." Eu tento dar de ombros. “Com Priscilla gritando comigo, eu tive que fazer.” É uma tentativa fraca de leveza. "Ela disse a sua mãe que ela era sua namorada." Ele balança a cabeça levemente. "Priscilla e eu somos complicados, e agora ela ser minha namorada é ainda pior." "Sim, porque eu não acho que nossas mães ficaram impressionadas com seus shorts e sua minúscula bunda." Quero dizer, eu amo roupas minúsculas tanto quanto o próximo cara, mas eu nunca traria uma garota como ela para casa. Priscilla é a capitã da equipe de líderes de torcida, ela pensa com seu cérebro um pouco lento que ela deveria estar com um atleta, e o boato é que ela dormiu com metade do time de beisebol. "Bem, isso também." Ele sorri, mas fica sério. "Eu tenho um tumor no meu cérebro, Cuba." Ele me estuda, absorvendo minha reação. Eu sei que ele não está mentindo, embora eu gostaria que ele estivesse. Agora, o olhar nos rostos de seus pais faz sentido. Eu tento analisar o que ele quer dizer, mas minha mente está se recusando. "Eles vão tentar obter uma amostra disso", continua ele. Jackson me conhece bem o suficiente para saber que eu ainda estou resolvendo isso na minha cabeça. "Eles disseram que vai ser difícil conseguir tudo, mas espero que eles consigam o suficiente para testar. Pode ser canceroso.”


Eu tenho que forçar uma risada sem humor. "Cala a boca, J, o que realmente está acontecendo?" Ele estreita os olhos. "Eu não estou brincando. Eu tenho tumor no meu cérebro e há uma chance de câncer.” Um nó se forma na base da minha garganta e eu não posso engolir. "Jackson, pare de brincar." Minha voz racha. "Não brinque comigo assim. Você está bem, cara.” Eu tenho que me convencer de que ele está bem, então eu preciso convencê-lo também. Jackson respira fundo; seus lábios pressionam em uma linha fina. "Esta é a minha maldita vida, Cuba", ele grita. "Eu posso morrer. Isso não é brincadeira.” Seus olhos azuis estão encobertos e meu coração para. Ele pode morrer. Mas ele é jovem demais. Nós somos apenas crianças, acabamos de celebrar seu vigésimo primeiro aniversário há alguns meses. “Não, cara. Você não vai morrer.” Uma lágrima desliza pela minha bochecha e eu rapidamente a enxugo. "Você não está morrendo, J." Jackson reprime um soluço, lágrimas escorrendo pelo rosto. "Eu não quero morrer." Agarrando sua mão, eu balancei minha cabeça. "Você não vai morrer, cara." "Temos muitas garotas para foder, C." Ele tenta brincar, mas cai de cara. "Nós temos sonhos." "E eles vão se tornar realidade", digo a ele. "Você vai ficar bem."


Ficamos em silêncio, mas eu não solto a mão dele. Eu deixo ele chorar e não digo nada. Ele não precisa de mim, ele só precisa que eu fique perto. Minha mente ainda está tentando processar o que está acontecendo. Mas apenas quatro palavras estão se repetindo na minha cabeça. Tumor. Canceroso. Câncer. Morrer. Eu acordo e levanto, o suor se forma na minha testa, com as mãos trêmulas, eu limpo com as costas da minha mão. Que porra é essa? Eu não sonhei com esse dia em meses. Eu esfrego meus olhos, me ajustando à escuridão, estou no meu quarto. Claro, que estou, onde mais eu estaria? Uma mão desliza contra meu estômago nu e eu pulo para trás, caindo da beira da minha cama. Eu amaldiçôo sob a minha respiração, tentando me equilibrar em uma mão no chão. "Baby, você está bem?" Bliss olha para a borda, seu cabelo loiro em um nó bagunçado em sua cabeça. "Baby", ela diz novamente, bocejando. De alguma forma, consigo me colocar na cama e em pé. Bliss está deitada de lado, olhando para mim na escuridão. Agarrando meu telefone, vejo que são três da manhã, mas sei que não vou conseguir voltar a dormir. Inclinando-me, acaricio seu rosto e ela se inclina em meu toque. "Estou bem, durma um pouco." Ela balança a cabeça lentamente enquanto seus olhos se fecham. Eu a observo por mais alguns momentos antes de sair da cama e descer as escadas. Minha mente está uma bagunça, eu não tenho


ideia de por que esses sonhos estão começando a voltar, e eu realmente gostaria que eles não voltassem, pelo menos não agora. Caindo no meu sofá, eu esfrego meu rosto e gemo. Não ajuda, eu estou cercado por ele. Recusei-me a redecorar ou mover qualquer uma das coisas dele porque não consegui lidar com a mudança. Eu ainda não posso. Meu peito aperta, dolorosamente... sinto muito a falta dele. Sinto falta de estar nesta sala, de estar jogando videogame e falando merda. Eu sinto falta de Jackson me acordando ao raiar do dia para me obrigar a fazer um treino matinal. Eu só sinto falta dele estar aqui, sendo o cara bom para o meu mal. Não é justo. Não é justo que eu siga em frente enquanto ele não. Não é justo que eu esteja me apaixonando por essa ótima garota, enquanto ele nunca vai se apaixonar por ninguém. Eu consigo viver nossos sonhos enquanto ele assombra os meus. Não é justo, e eu quero gritar. Eu quero bater em algo. Erguendo meu punho, eu fecho meus olhos, as lágrimas escapam quando eu bato nas almofadas do sofá. Eu seguro meu grito, fazendo meu peito parecer que vai explodir com a pressão. "Bow." Eu a ouço antes de senti-la deslizar para o meu colo, me abraçando, seus braços em volta de mim, e eu deixei ela me aquecer em seu calor. "Você está bem?" Eu balanço minha cabeça contra o peito dela. Seus dedos deslizam contra minhas bochechas molhadas para secá-las. "É sobre Jackson?" Ela pergunta, e eu aceno. "Você quer falar sobre isso?"


Mais uma vez, eu balanço minha cabeça, envolvendo meus braços firmemente em torno de sua cintura pequena. Bliss me deixa segurála enquanto ela me abraça, e não me lembro da última vez que fiquei tão calmo desde que perdi Jackson. Eu preciso dela e eu odeio isso.


India estava certa. Cuba e eu somos notícias antigas depois de uma semana. Com certeza, mulheres aleatórias me encararão a caminho da aula, mas, além disso, ninguém disse nada para mim. Bem, exceto Nick quando eu estava tomando, café esta manhã. Ele parecia chocado por estarmos juntos, mas ele me desejou boa sorte. Eu entendo que Cuba nunca esteve em um relacionamento, ele era um jogador, mas a reação de todos é um pouco irritante. Como se meu namorado não pudesse ser um cara legal, quando ele não é um idiota, ele pode ser um cara decente. Eu me preocupo com ele, embora. Ele não teve outro sonho que eu saiba e se ele tivesse, ele não me contaria. Eu sabia que Cuba, estando de volta ao time de basquete, provavelmente despertaria algumas memórias, mas eu não achava que ele iria mantê-las para si. Se ele não está falando comigo, então espero que ele esteja pelo menos conversando com seu terapeuta. Ele tem treino até as seis e eu tenho uma sessão até então, então eu disse a ele que o esperaria perto de seu SUV. Meu sortudo cliente é um cara chamado Ryan Ellis, um estudante que o professor Jax me recomendou, o semestre acabou de começar. Então, ou ele realmente não está entendendo, ou ele simplesmente


não se importa. Eu não sei com qual eu prefiro lidar. Tecendo pela biblioteca, faço meu caminho para a minha sala. Está vazia e eu franzo a testa porque estou alguns minutos atrasada. Ótimo, ele provavelmente será um no show. Vou dar a ele mais alguns minutos, sei como seria difícil encontrar a biblioteca se você nunca a usasse. Sentando-me, sorrio, não muito tempo atrás, Cuba e eu estávamos aqui brigando um com o outro. "Merda". A porta se abre. "Desculpe, estou atrasado. Eu tive que sair do treino cedo.” Ryan é alto e bronzeado, com cabelos escuros, olhos mais escuros e sorriso Colgate. Ele está vestido com calças e moletom, o cabelo molhado de um chuveiro, eu acho. Eu forço um sorriso. "Tudo bem. Eu vou ter que te dar o meu número, caso você esteja atrasado nas próximas semanas, ”eu digo a ele. "Eu sou Bliss, sua tutora." Eu estendo minha mão e ele balança suavemente. "Ryan, obrigado por me aceitar no último minuto, Jax disse que você era difícil de conseguir, mas você é a melhor." Embora, eu não me chamasse de melhor, eu gostava dele dizendo isso. "Eu tento." Eu espero que ele se estabeleça em frente a mim, puxando seu laptop e livro de sua bolsa. "Parece que você está precisando de ajuda sobre o Império Romano." Eu olho para a minha folha de informação. "Um dos meus tópicos favoritos." Ele sorri. “De acordo com Jax, a História é o seu tema favorito.”


Assentindo, eu sorrio. "Ele está certo. Principalmente história antiga.” Puxando o material do curso que Jax enviou para o meu email, eu o examino. "Então, o que você pode me dizer sobre Commodus?" Ryan se inclina para frente, nos cotovelos. "Ele é o primeiro herdeiro do Império Romano, geralmente o imperador escolheria um homem para sucedê-lo, mas Marco Aurélio quebrou a tradição com seu filho." "Então, você está definitivamente recebendo o material", eu digo impressionada. "Por quê você está aqui?" Ele me d| um sorriso tímido. “Eu entendo a essência disso, você sabe. É só a aula que é tão cedo e às vezes a prática atrasa. Metade do tempo eu fico atordoado porque estou cansado.” Eu não quero dizer a ele que, se meu namorado pudesse fazer isso, ele também poderia, mas ao mesmo tempo, Cuba tem aulas de meio-dia. Talvez da próxima vez, Ryan faça o mesmo. "Então, você gostaria de usar o nosso tempo mais como uma reciclagem?" Eu pergunto. Eu não me importo, mas isso é facilmente algo que outro professor poderia fazer, e isso me abriria para alguém que realmente precisa de ajuda. Ele concorda. "Algo parecido." “Eu conheço um ótimo professor que pode te ajudar com isso, se isso é tudo que você precisa, ele provavelmente poderia trabalhar melhor em sua agenda com pr|tica e tudo mais.” Eu sempre gosto de dar a opção desde que ele estava atrasado hoje.


"Não." Ele dá um tapinha na mesa duas vezes. "Você é a melhor, quem sabe, eu poderia até aprender outra coisa." Não tenho certeza do que mais eu poderia ensinar-lhe que Jax não tenha dado. Mas eu apenas sorrio e aceno com a cabeça, sem sentido em perder tempo tentando mudar de ideia. Então, nós pulamos para a última aula. Na maior parte, Ryan está conseguindo, mas eu posso ver onde ele está perdendo algumas informações que seriam vitais para um teste. De todos os atletas que eu ensinei, incluindo meu namorado, Ryan é o mais fácil. O único em seu caminho é ele mesmo, ele só precisa mover suas aulas para um tempo que funcione em torno de sua agenda. Ele recebe o material e não está tendo problemas com os cronogramas, o que bagunça a maioria dos alunos. No final da nossa sessão, acho que estamos bem com isso. Ele responde bem ao feedback positivo. Nós embrulhamos nossas coisas e empacotamos tudo. A biblioteca está quase morta, exceto por alguns alunos. Ryan anda atrás de mim em silêncio até a entrada. Um sorriso puxa meus lábios quando vejo Cuba encostado na parede, batendo em seu telefone. Ele está todo de preto, do boné de beisebol ao moletom até os shorts de corredores e tênis. Sua mochila de ginástica está pendurada no ombro. Porra, meu homem parece bom. Cuba olha para cima quando nos aproximamos e seus olhos se estreitam em Ryan. Eu não ficaria surpresa se eles se conhecessem. "Baby", ele murmura enquanto caminha até mim, seu braço serpenteando ao redor dos meus quadris, sua cabeça mergulhando para pressionar um beijo suave contra os meus lábios.


Meu estômago revira. Eu ainda não estou acostumada com isso, acostumada a estarmos juntos. Eu quero fazer uma dança feliz toda vez que eu o vejo. "Hey" eu digo contra seus lábios e sorrio. Eu quase me esqueço que Ryan está ao meu lado até ele fingir tossir para chamar minha atenção. Dando um passo para trás, olho para ele. "Ryan este é Cuba, meu namorado", digo a ele. "Cuba, Ryan." O ar muda um pouco e eu não tenho certeza se é bom ou ruim. É Ryan quem diz algo primeiro. "Sim, eu ouvi que você estava de volta ao campus." Ryan acena uma vez e depois olha para mim. "Vejo que você já pegou a garota mais bonita." Ele ri levemente. Eu vejo a mandíbula de Cuba apertar e ele força um sorriso. "Sim, ela é incrível." Ele aperta minha mão. O sorriso de Ryan aperta. "Sim, ela é. Ela é muito inteligente. Enfim.” Ele olha para mim. "Vou mandar uma mensagem para você se estiver atrasado novamente." Felizmente, ele não olha para trás enquanto se afasta. Cuba não diz nada enquanto nos leva na direção oposta para onde ele estacionou. Eu nem preciso perguntar; eu sei que ele não está feliz com Ryan. É algo pessoal? Eu não faço ideia. Cuba nunca fala de outras equipes além do basquete. "Então, como foi o treino?" Eu pergunto uma vez que estamos em seu G-Wagon, e eu clico meu cinto de segurança.


Ele aperta o botão de partida e se inclina para trás em seu assento. "Por que ele tem o seu número?" Cuba não olha para mim e começa a tamborilar seus longos dedos contra o volante. Demoro um segundo para processar sua pergunta. “Eu dou a todos os meus clientes meu número, caso eles tenham perguntas, ou se atrasem, ou se precisarem mudar de horário. Você sabe disso." "Eu pensei que você não ensinava atletas, frequentemente?" Ele me ignora, e isso me atrapalha o caminho errado. “Eu não sei porque você est| chateado, Cuba. Eu tutorio muitas pessoas, algumas delas atletas, como você.” Eu não entendi o problema. "Tudo bem quando foi você?" Suas mãos batiam contra o volante, o som ecoando pelo SUV, me fazendo pular. “Claro, tudo bem comigo. Eu não preciso de caras aleatórios andando com o número da minha garota. Falando sobre ‘você tem a garota mais bonita’.” Ele faz uma careta, zombando de Ryan, e eu quero rir, mas sei que não é um bom momento. "Diga a ele para te mandar um e-mail." Ele é louco. "Eu nunca lembro de verificar o e-mail e isso ficaria ruim." Seus olhos castanhos se estreitam para mim. "Você precisa que eu mostre como ligar as notificações no seu telefone?" Esta vai ser uma batalha perdida. Ele não está me impedindo de dar o meu número. "Bem, Dex não se importava." Ele sai antes mesmo de eu pensar as palavras.


"Oh, meu mal, talvez eu não devesse me importar e trair você em vez disso", ele morde de volta, seus dedos cavando no volante. "Isso faria você se sentir melhor, Bliss?" Meu rosto se aquece e eu tiro meus olhos para longe e olho pela janela da frente. "Leve-me para casa." Eu paro. "Não, eu apenas vou para casa." Eu desato o cinto de segurança, mas o carro começa a se mover. "Pare." "Não", é tudo o que ele diz. Revirando os olhos, inclino a cabeça contra a janela fria e observo enquanto ele sai do estacionamento da faculdade. Eu sou grata que suas janelas são tão escuras porque o que as pessoas diriam se nos verem discutindo? E sobre algo tão estúpido, bem, pelo menos para mim. Parece um grande negócio para ele. Eu quero perguntar a ele sobre o treino, mas a tensão entre nós mantém minha boca fechada. Se ele quer ser um idiota, tudo bem, mas trazer Dex me traindo foi um golpe baixo. Lamento dizer a ele no primeiro dia que nos conhecemos, só para ele usar isso contra mim. O volume do som aumenta ligeiramente, o som de uma música de rap preenchendo o silêncio entre nós. Eu conheço a música e normalmente faço rap, mas não estou de bom humor, e me pergunto por um momento se ele está testando o quão zangada eu estou. Eu nem balanço a cabeça com a batida, deixe ele bater nisso. Quando ele estaciona no meio-fio do lado de fora do meu apartamento, eu me solto e pego minha bolsa nos meus pés. Eu não olho para ele quando abro a porta e deslizo para fora. Ele não diz nada e eu fecho a porta atrás de mim. Eu nem dou três passos à frente antes que ele se afaste. Ele geralmente espera até


que eu esteja na minha porta. Tudo isso por que dei o meu número para Ryan, que eu estou ensinando. Ele é uma criança. India está deitada no sofá, folheando canais na TV quando eu entro, ela ainda está vestida com roupas de ginástica. Eu caio ao lado de sua cabeça e ela olha para mim. "O que há de errado?", ela pergunta olhando para a TV. "Essa carranca parece feia em seu rosto bonito." Meu lindo rosto, o motivo dessa bagunça. Se Ryan não tivesse me chamado de bonita ainda teríamos lutado? Quem sabe? "Cuba está sendo um idiota", começo a contar o que aconteceu. "Ele está sendo ridículo por nada." Indi se levanta do sofá rapidamente, me pegando desprevenida. "Cadela, você ouviu o que você me disse?" Ela olha para mim como se eu tivesse três cabeças. "Seu namorado está chateado porque você deu a um cara o seu número de celular, um sexy jogador de futebol de merda, e você está realmente perdida?" Apertando meus olhos, eu empurro minha cabeça para trás. "Eu sou sua tutora, e se ele precisar entrar em contato comigo?" Eu ignoro a parte sexy porque, Ryan é atraente. Ela pisca para mim como se eu fosse idiota, e ela não tem ideia de por que ela está falando comigo. "É chamado de e-mail, é o que os profissionais usam. Tente." "Isso é o que ele disse", eu resmungo. Eu lanço minha cabeça exasperada. "Ainda não desculpa o jeito que ele jogou sobre Dex."


"Ele estava fazendo um ponto." Indi me atira. "Eu comprei coisas para fazer taco e Patrick vem com mistura de tequila e marguerita." Esqueci que estamos fazendo Taco na terça-feira esta semana e convidamos Cuba e seus amigos. Cachorrinha, lá vai, já que ele está chateado, e eu deveria estar brava, mas, quanto mais eu penso sobre o que India está dizendo, mais eu me sinto como uma cadela completa. Se os papéis fossem invertidos, como eu me sentiria? Eu me sentiria do mesmo jeito se fosse ele dando a uma menina linda o seu número. Já vejo a diferença entre meu último relacionamento e agora. "Pare de fazer beicinho e diga a ele para vir por volta das oito." Eu olho para ela. "Eu não estou fazendo beicinho." Ela corta os olhos para mim. "Cadela, por favor." Ugh. Puxando meu telefone da minha bolsa, envio um texto para Ryan, avisando-o, daqui para frente, o e-mail será nosso principal contato, a menos que seja uma emergência. Depois eu mando uma mensagem para o meu namorado adorável e o lembro do jantar. Jogando meu telefone na mesa de café, levanto-me e vou para o meu quarto. Eu preciso me trocar antes de começar a cozinhar, já que a única coisa que a India ajuda é basicamente nada. Enquanto ando no meu quarto, lembro que esqueci de colocar o frango no pote do jarro de barro mais cedo, vou ter que jogá-lo na panela de pressão enquanto cozinho a carne moída. Trocando minha calça jeans por minhas novas calças de unicórnio que encontrei na semana passada, e colocando uma nova camiseta,


volto para a sala de estar. India não está mais no sofá e está acendendo velas. "Você sabe que isso não deveria ser uma noite romântica, certo?" Eu pergunto sorrindo. Ela encolhe os ombros, mas parece estressada. “Então, quem ele est| trazendo de novo?” "Cam e provavelmente Ash." Eu a observo de perto. "Por quê?" Isso é tão estranho; minha melhor amiga geralmente é despreocupada e cheia de diversão. Ela nunca fica angustiada ou de mau humor. Ela morde o lábio inferior. "Então, lembra da noite quando você ficou na festa? Ok, então Cam me levou para casa e..." "Oh meu Deus, você fez sexo com Cam?" Minha boca cai e eu rapidamente me recupero. "Quero dizer, hum, então..." Eu nem consigo juntar minhas palavras. Indi revira os olhos. "Não, eu não fiz. Nós saímos.” Ela parece muito incomodada com isso. "E isso é uma coisa ruim?" Ela me d| uma olhada e franze a testa. “Nós conversamos a maior parte da noite e nos beijamos. Foi assim...” Sorrindo, eu a cortei. "Você gosta dele.” India olha para mim. "Veja, é por isso que eu não deveria ter dito nada. Não, eu não gosto dele.” "Você gosta dele", eu canto. "Você quer beijá-lo e segurá-lo."


"Cale-se senhorita Simpatia". Ela me empurra, passando. "Eu não gosto dele, é só, eu não faço essas coisas, e agora eu o vejo o tempo todo. Ele quer me tirar daqui.” Eu a sigo até a cozinha, onde ela está tirando os legumes para os tacos da geladeira. "Seria tão ruim ir a um encontro?" Eu pergunto a ela. "Você vai sobre eles o tempo todo." Puxando uma faca, ela bate no balcão. “Com a intenção de voltar para o lugar deles e foder, Bliss. Não para conhecê-los.” Seu sotaque cai e nós duas estamos quietas por um momento. Eu quero perguntar sobre o sotaque dela, por que ela faz isso? Ela não precisa esconder isso de mim, mas ela está escondendo alguma coisa. India não se aproxima de ninguém além de mim e há coisas sobre as quais não tenho idéia. Como ela mal fala sobre sua família ou de onde ela realmente é. É uma loucura o que você percebe depois de anos de amizade. Antes que eu possa dizer qualquer coisa, ouvimos a porta da frente abrir e fechar. "Cadelas, eu estou aqui, hora de tiros!" Patrick grita. Eu dou a ela um olhar que diz que vamos conversar mais tarde, porque eu duvido que Patrick saiba, ele daria a ela merda. Ela acena com a cabeça uma vez e coloca um sorriso antes de entrar. No momento em que Cuba e Cam aparecem, já estamos todos com cinco doses e três margueritas. E todo mundo sabe que eu sou um peso leve, nunca vou conseguir segurar meu licor. Felizmente para Cuba, eu não estava muito bêbada e fiz o prato dele. Fazendo meu próprio prato de tacos, eu me sento ao lado dele na mesa com


Patrick, Cam e India. Os caras recusaram a oferta de bebidas de Patrick, por causa do início da temporada, e até diminuíram quando a India retirou minha caneta de vapor de maconha. "Onde está Ash?" Eu pergunto antes de dar uma mordida no meu taco. Cuba limpa a boca. "Inferno, se eu sei." Ele parece estar com um humor melhor, e ele não trouxe o texto que eu enviei para ele mais cedo. Só espero que ele esteja feliz e possamos passar por isso. Eu peguei Cam olhando furtivamente pela mesa para India, mas ela está habilmente evitando ele falando com Patrick que está ao lado dela. Cam me vê e pisca e eu apenas balanço minha cabeça. "Ele provavelmente está com alguma groupie." Cam joga seu guardanapo em seu prato vazio. “Isso foi bom, senhoras. Ele ficou de fora.” De pé, pego os pratos vazios de Cam e Cuba para levar para a cozinha. Cuba se levanta, pega os copos e me segue. Colocando os pratos na pia, me viro para pegar os copos de Cuba, mas ele os coloca no balcão ao lado da pia. "Arrow", diz ele enquanto me apoia contra a borda do balcão. "Sinto muito pelo que eu disse sobre Dex, foi um golpe baixo." Eu dou de ombros. "Sim, mas sinto muito por não entender seu ponto de vista." Ele sorri. "Eu não fiz exatamente isso fácil. Eu estou tentando," ele diz, sério.


Estendendo a mão, eu seguro sua bochecha com a minha mão. "Eu sei, Baby. Vamos argumentar e ter desentendimentos, mas não vou a lugar algum a menos que você me obrigue.” Inclinando-se, seus lábios escovam os meus. "Eu não quero que você vá a lugar nenhum." Meu coração estremece com suas palavras. Eu amo ele, eu amo. Mas eu não posso dizer isso a ele, ainda não. Ele está levando isso dia a dia, e ele ainda tem problemas que precisa superar antes mesmo de saber se pode me amar de volta. O pensamento dele não ser capaz de me amar dói e eu tenho que recuperar rapidamente o controle das minhas emoções. "Eu nunca quero ir a lugar nenhum." Eu empurro os dedos dos pés e o beijo levemente. Algo passa por seu rosto, mas se foi em um piscar de olhos. Ele aprofunda nosso beijo, não posso deixar de me derreter nele. Beijar Cuba é como acender o meu mundo, então ele pode ser o único a apagá-lo. Estava quente, mas frio e arrepiante. Ele enviou chamas pelo meu corpo para ser perseguido pela geada. Beijar Cuba era a vida. Uma vida que eu não sabia que estava faltando. As borboletas no meu estômago cantam com cada suave carícia das pontas dos dedos, meu cérebro se derrete até o líquido com cada mordida em meu lábio, e meu coração bate ao som da respiração dele contra a minha pele. Meu coração só o conhece, só o deixa entrar, porque somos estupidamente tolos de amor por ele.


Ele se foi. Jackson está morto e eu nunca mais o verei. Nós nunca vamos jogar outro jogo juntos. Nunca mais estaremos no mesmo espaço. Faz sessenta dias, doze horas, vinte e oito minutos e três segundos desde que ele se foi. Deixando-me para trás para me afogar nas memórias. Minha mão aperta o gargalo do meu frasco de Hennessey com mais força enquanto coloco algumas pequenas pílulas brancas na boca e as engulo com o licor marrom. Eu preciso sentir a dormência, preciso que meu cérebro fique quieto e pare as reprises de minhas memórias. Olhando as pílulas espalhadas na minha mesa de café, eu me concentro nelas como se elas estivessem gritando meu nome, implorando para que eu as deixasse entrar na festa. Parte do meu cérebro está tentando acabar com essa ideia, mas o outro lado quer que os pensamentos parem. Sem pensar mais, eu varro o resto das pílulas e engulo em um gole. Eu nem sinto mais a queimadura da bebida. Eu não quero sentir isso, eu não quero sentir nada. Eu só quero ficar dormente e meus olhos se fecham.


É o som de bip que me acorda e eu começo a procurar o meu telefone, não querendo abrir meus olhos. Mas tudo que sinto são lençóis frios. Não me lembro de ter lençóis no sofá, mas, novamente, não me lembro de mais nada. O sinal sonoro apaga novamente e há sussurros suaves perto de mim. Que porra é essa? Eu tento forçar meus olhos abertos, mas eles estão tão pesados. Quem está na minha casa? Finalmente, meus olhos se abrem e eu tenho que piscar para minha visão entrar em foco. Eu não estou em casa, estou no hospital. Engolindo o nó na garganta, olho para a esquerda. Minha mãe está sentada na cadeira, sua mão chegando para pegar a minha. Ela geralmente nunca tem um cabelo fora do lugar, mas sua pele cremosa de chocolate ao leite está livre de maquiagem, e seu cabelo comprido está puxado para trás em um rabo de cavalo bagunçado. A culpa me atinge no momento em que meus olhos se fixam em seus olhos castanhos escuros e lacrimosos. Ela parece que chora há horas e sei que sou o motivo de suas lágrimas. Sua mão voa até a boca. "Baby boy", ela engasga. "Oh, obrigado Jesus." Então vejo meu pai se aproximando atrás dela, a mão no ombro trêmulo. Seus olhos cor de avelã estão vermelhos, mas eles também estão com raiva. Não há dúvida de que ele está chateado. Eu não preciso saber por que estou aqui, a decepção no rosto dele me diz. Eu quase morri. Minha mãe me diz através de seus soluços o que aconteceu. Meus pais vieram me checar como costumam fazer. Eles me encontraram no sofá, minha garrafa de bebida no chão, vazia, e o frasco de remédio


não marcado derrubado. O momento em que eles foram me alcançar é o momento em que parei de respirar. Ela engasga, me dizendo que os paramédicos precisavam me dar CPR para reiniciar minha respiração. Isso explica o meu peito dolorido. Tudo foi um borrão quando me levaram para o pronto-socorro. Aparentemente, meu estômago foi bombeado por causa da minha overdose. Não é até que minha mãe sai do quarto para fazer uma ligação que meu pai tome seu lugar no assento. Ele passa a mão pelos cachos escuros e curtos e a pele verde-oliva ao redor dos olhos enruga para estreitar o olhar para mim. Eu me preparo para as palavras dele, porque sei que elas não serão boas. "Maldição, Cuba." Ele suspira. "Você quase deu a sua mãe e eu um maldito ataque cardíaco", ele diz baixinho. Eu não digo nada, apenas desvio meus olhos dele para as minhas mãos. "Que diabos você estava pensando?" Eu posso ouvir a decepção em sua voz. "Eu não estava pensando", eu sufoco. Minha voz está rouca e minha garganta está me matando. "Claramente. Merda. Porra. Droga” ele divaga. Meu pai sempre amaldiçoou, mas ele nunca disse três ao mesmo tempo. “Isso não pode acontecer novamente, Cuba. Eu não vou perder meu filho. Eu não vou te perder.” Sua voz tensa com convicção e emoção.


Eu aceno porque não suporto falar de novo. Eu não confio em mim mesmo. Ele estala os dedos. "Olhe para mim." E eu faço. Eu vejo as lágrimas escaparem de seus olhos tristes e não posso aguentar. Eu deixo as minhas próprias caírem também, eu não luto contra elas nem as enxugo. A cama afunda e eu pisco através das minhas lágrimas quando vejo meu pai me puxar para o seu peito, me balançando como se eu fosse um bebê de novo. Seu peito treme sobre mim, nós estamos chorando. Eu quase morri, ele quase perdeu o filho. Eu fiz isso para eles quando tudo o que eles tentaram fazer foi estar lá para mim. Tudo o que fiz foi afastá-los. Ele esfrega minhas costas, me calando para me acalmar. "Nós vamos te ajudar, mas apenas se você quiser. Você pode ir para a reabilitação ou está sozinho, não posso deixar você arruinar sua mãe. Eu simplesmente não posso.” Eu nem sequer penso nas minhas escolhas, eu rapidamente aceno contra o peito dele. Jackson ficaria desapontado se ele me visse assim. Fraco. "Eu vou", eu me esforço para dizer. Eu não tive escolha. Eu tive que ir porque não podia colocar meus pais nisso novamente. Eu não quero ser acordado no hospital depois de uma overdose ser recorrente, porque se um dia eu não acordar? Eu vou estar vendo Jackson atrás de um portão branco perolado. Porra.


Eu atiro na cama, aperto meu peito para descobrir que a dor não está lá. Respirando profundamente, eu olho para ver Bliss dormindo ao meu lado. Agarrando a garrafa de água na mesa de cabeceira, eu engulo rápido para tentar acalmar meu corpo. Deitando para trás, eu puxo Bliss no meu peito e a seguro. Ela sempre me acalma, só ela estar aqui. Respirando seu perfume de lavanda, eu lentamente volto a dormir.

*****

Oliver está sentado em frente a mim, batendo a caneta no queixo antes de colocá-la na almofada que está em seu colo. “Então, esse é o segundo sonho em três semanas?” Ele pergunta. Eu concordo. "Sim. O primeiro é quando ele foi diagnosticado, e o segundo foi a overdose.” Eu nunca contei a Oliver sobre o primeiro sonho, e eu poderia dizer que ele o incomodava um pouco. Ele acena e escreve em seu bloco. "Vamos voltar para isso", ele me diz. "Como está o seu relacionamento com a Bliss?" “Ótimo.” E essa é a verdade, ela é absolutamente perfeita. Além da pequena discussão que tivemos há algumas semanas sobre Ryan, o idiota, foi ótimo. "Vamos jantar com a mãe dela neste fim de semana." E estou nervoso de novo. O pai dela, Keith, é legal, mas eu ainda não conheço a sua mãe.


"Isso é ótimo." Ele sorri. “Ela j| conheceu seus pais? Vocês parecem estar ficando sérios.” Meu estômago cai com a menção dos meus pais. Eu não os vejo há meses. Nós conversamos muito, e eles estão felizes por eu estar de volta ao time, mas fiquei quieto sobre Bliss. Isso faz de mim um namorado de merda? Esfregando a parte de trás do meu pescoço, eu estremeço. "Eu ainda não lhes falei sobre ela, na verdade." Seus olhos se arregalam de surpresa. “Importa-se de explicar?”, Ele pergunta. "Você está com ela há algum tempo." Ele não precisa me lembrar há quanto tempo estamos juntos. "Só não surgiu uma oportunidade." Mas vai acontecer. Eu já conheci o pai dela e agora estou conhecendo a mãe. No entanto, eu não mencionei de ela conhecer meus pais. "Eu vejo." Ele escreve no bloco e eu fico irritado. "Como vai a bola de basquete, você tem seu primeiro jogo chegando, certo?" "Sim, temos um jogo fora de casa para chutar a temporada." É uma droga, porque Bliss não será capaz de vê-lo, mas ela disse que vai estar lá para o próximo jogo que será em casa, e estou animado para esse. Oliver olha para o bloco por um momento, depois olha para mim. "Então, sobre esses sonhos", ele começa. "Você já visitou o túmulo de Jackson?"


Eu balancei minha cabeça, eu não fui. Eu ainda não consegui chegar lá. Eu tenho as instruções guardadas no porta-luvas do meu carro, só não as usei ainda. "Talvez esses sonhos sejam um sinal de que você precisa enfrentá-lo." Ele dá de ombros. "O tempo está aqui." Isso é o que eu estava pensando quando acordei de novo esta manhã. Talvez seja a hora de eu finalmente encará-lo e ter minha paz, para que eu possa ir. Eu penso sobre isso no resto da nossa sessão. Jogando para frente e para trás entre ir e não ir. Oliver continua circulando de volta para Bliss conhecer meus pais e minha mente não consegue lidar com tudo isso. Depois que eu marco minha próxima consulta, eu saio, mandando uma mensagem para minha namorada para que ela saiba que eu vou buscá-la na biblioteca depois do treino. Ela me manda de volta rapidamente, perguntando se estou bem. Eu minto e digo a ela que estou bem quando não estou, mas não quero preocupá-la. Eu sei que ela sabe que eu tive outro sonho, mas ela não mencionou isso e eu estou feliz. Não demoro muito para navegar pelo cemitério e estacionar ao longo do meio-fio. Eu nunca pensei que estaria aqui, no seu túmulo. Ele era muito jovem para estar em uma maldita sepultura, mas aqui estamos nós. Eu poderia facilmente estar ao lado dele no ano passado. Empurrando minha porta aberta, eu saio, fechando-a atrás de mim. Meus pés estão pesados, e é difícil movê-los para frente, mas preciso fazê-lo. Eu tenho que fazer isso. Oliver está certo, é hora. Eu tenho que encarar Jackson.


Demoro alguns minutos para encontrar a lápide dele e fico envergonhado. Eu deveria estar lá em seu funeral, mas eu estava muito ocupado me matando ao invés de viver para ele. Eu não penso duas vezes antes de sentar no chão na sua frente, há mais sujeira do que grama, mas foda-se. Puxando meus joelhos para o meu peito, eu balanço de volta. Não sei por onde começar, mas respiro fundo. "Desculpe, eu demorei tanto, J. Eu deveria estar aqui há muito tempo." Eu não sei porque espero ouvir sua voz idiota, mas espero, ouvindo o vento soprar entre as árvores. "Eu sinto sua falta cara", eu começo de novo. “A equipe sente sua falta também. Nós falamos muito sobre você no treino. E Bliss teria te amado,” eu digo pensativo. “Inferno, você teria amado ela também. Eu contei a ela sobre você e não foi fácil.” "Você acha que nossas mães enlouqueceriam se eu trouxesse uma garota para casa?" Eu rio ao pensar na reação delas. "Inferno, se eu levar uma garota que eu estou me apaixonando para casa?" Merda. Eu amo ela? Foda-se sim, eu amo. Eu poderia negar até ficar com o rosto azul, mas Arrow é o meu maldito coração. Talvez seja por isso que não contei aos meus pais sobre ela. Eu nunca trouxe nenhuma garota para casa, agora eu devo levar a minha namorada que eu sou louco por ela, que, a propósito, eles não têm idéia. Eles provavelmente morreriam de choque. Eu rio novamente. "Sim, eu posso definitivamente ver isso acontecendo." Meu riso morre. "Eu não a mereço, ela merece o melhor. Eu só espero poder dar a ela.”


Eu falo com Jackson por muito tempo. Eu falo sobre tudo o que posso pensar, principalmente sobre os nossos tempos juntos. Nós tivemos bons momentos desde que tínhamos dois anos de idade. Como as garotas da escola nos dublariam o leite e o chocolate e, às vezes, o leite com chocolate... todos queriam provar. Mas Jackson não era um homem prostituta como eu. Ele realmente gostava de estar com uma garota, mesmo que não fosse oficial. Meu telefone vibra no meu bolso e eu o retiro. Merda, é o meu alarme para o treino. Tenho vinte minutos para chegar ao ginásio, talvez com cinco minutos de sobra. Levantando-me de pé, bato na lápide dele. "Eu vou te ver mais tarde, cara." Levei um momento para puxar minha mão. É como perdê-lo de novo, mas estou feliz por ter vindo. Ainda bem que finalmente o enfrentei e pedi desculpas. Isso era melhor do que escrever cartas para ele mesmo que ajudassem. Mas sentar aqui é como se ele estivesse comigo e eu pudesse senti-lo. Sinto falta dele, mas tenho que viver para ele agora. Eu tenho que fazer o que ele nunca será capaz. Há o nosso sonho para realizar, existe a garota que eu amo, há um futuro para mim. Eu tenho que deixá-lo orgulhoso, e espero que não o decepcione. Afastando-me de seu túmulo levantou um peso dos meus ombros, ele está lá há tanto tempo que eu esqueci o quão pesado era. É bom ser capaz de respirar de novo.


Cuba não está me esperando quando eu saio da minha sessão com o Ryan. Ele tem me esperado de todos os compromissos desde uma semana atrás. Agora ele não está aqui, e eu não tenho uma mensagem de texto ou uma ligação perdida dele. A última coisa que ele disse foi que ele me encontrará. Eu tento não parecer confundida enquanto Ryan caminha ao meu lado. Ele foi muito legal sobre a coisa toda de e-mail e me disse que ele estava chegando. Eu aposto que ele fez, mas ele tem sido um cliente incrível até agora, e nós realmente nos divertimos. Ele não é um grande idiota, ele é muito esperto e é um viciado em história também. Então, às vezes falamos sobre um tópico de um programa que assistimos no canal Histórico. Eu não mencionei isso para Cuba porque ele é Cuba, e ele enlouquecerá. E não me entenda mal, eu amo que ele seja louco por mim, mas eu gostaria que ele diminuísse o ciúme, deixei claro que não vou a lugar nenhum. Ryan para uma vez lá fora e se vira para mim, esfregando o pescoço. "Então, devo esperar até que ele chegue aqui?", pergunta ele. "Eu não quero te deixar aqui sozinha, a menos que você tenha dirigido hoje."


Eu pego meu telefone e vejo que ele deve sair do treino a qualquer momento, então ele vai tomar banho. Talvez eu deva dirigir, mas ele gosta de me pegar e eu amo fazê-lo feliz. Esta é a única vez que isso aconteceu. "Não, eu vou até a arena. Ele deve estar saindo do treino.” Eu aceno para ele. "Não há necessidade de ficar por aqui." Ryan franze a testa e seus olhos escuros se estreitam. “Não, est| escuro. Deixe-me deixá-la lá. Eu moro lá de qualquer maneira.” A arena fica do outro lado do campus, e pode levar quinze minutos para chegar até lá e está ficando escuro. "Se não for muito problema." Ele rapidamente balança a cabeça. "Claro que não." Meu celular vibra na minha mão e vejo que é Cuba. Eu levo o dedo até Ryan antes de me virar para atender a ligação. "Hey", eu respondo. Ele parece sem fôlego. "Eu estou no meu caminho, o treino durou mais tempo do que o habitual." Eu posso ouvir a porta do carro dele abrir e fechar. "Eu sinto Muito." "Não sinta, não é grande coisa", digo a ele. "Eu vou encontrá-lo no meio-fio." Desligando, eu volto para Ryan. "Ele já está a caminho, mas obrigada mesmo assim." Ele quase parece chateado, mas sorri. "Legal, vou esperar com você."


Assentindo, eu coloco um cabelo solto atrás da minha orelha. "OK." Andamos em silêncio até o estacionamento perto da biblioteca. Um grupo de garotas rindo está caminhando em nossa direção. Eu as vejo olhando de esguelha para Ryan e ele as ignora. Ele nunca fala sobre uma namorada ou uma garota, mas não é como se falássemos de nossa vida pessoal. Ele já sabe que eu tenho namorado. "Ela não está namorando Cuba Knight?" Eu ouço uma delas sussurrar enquanto passamos por elas. "Sim, ouvi dizer que ela é uma tutora e digamos que ela estivesse ocupada fazendo outras coisas com ele", diz outra. Calor sobe nas minhas bochechas, mas eu não deixo transparecer que eu possa ouvi-las. É isso que as pessoas pensam? Como elas sabem que eu estava mesmo ensinando ele? Provavelmente Dex ou qualquer um que nos viu na biblioteca. "Ele vai acabar logo com ela", uma sussurra. “Ele não tem relacionamento sério, nunca teve." "Ela nem é tão bonita". A outra ri. “Cuba definitivamente ficar| entediado. Talvez eu devesse mandar uma mensagem para lembrálo do bom momento que passamos juntos.” A risada delas diminui quando elas se afastam e é preciso muito para eu não fazer contato visual. Elas sabiam que eu podia ouvi-las. Patrick disse que essas garotas podiam ser selvagens, mas eu achava que éramos notícia antiga. Eu acho que só porque é antigo não significa que todo mundo aceitou. Ah, e eu não perdi ela dizendo que estaria mandando mensagens para ele. Eu me pergunto se ele ainda


tem o mesmo número. E se ele tiver? Ele responderia? Ótimo, agora estou na minha cabeça questionando a lealdade de Cuba. "Não as escute. Algumas mulheres são simplesmente loucas porque não são elas.” Ryan me cutuca. Eu sinto o rubor se espalhar pelas minhas bochechas de novo, ele também as ouviu. Eu apenas aceno porque não quero falar sobre isso, eu não quero expressar as mesmas perguntas na minha cabeça para ele. "Sério, não dê ouvidos a elas", ele diz de novo, virando para mim quando chegamos ao meio-fio do estacionamento. "Você é tão bonita." Eu olho para ele através dos meus cílios e olho para longe. "Obrigada", é tudo o que digo antes de um par de faróis brilhar em nós. Ryan segura as alças da mochila e sorri. "Eu vou te ver na próxima semana." Eu dou-lhe um pequeno aceno e me viro para onde Cuba parou. Mesmo com seu tom escuro, sei que seus olhos estão estreitos em Ryan, e assim que abro a porta, eu o pego. "Seja legal", eu digo uma vez que eu fechei a porta e cliquei no meu cinto de segurança. "Ele não queria que eu esperasse sozinha, já que estava escurecendo.” Cuba se inclina e aperta um beijo rápido nos meus lábios. "Eu não disse nada, baby." Ele sorri inocentemente. "Você não precisava." Reviro os olhos. "Como foi o treino?"


"Longo". Ele se afasta do meio-fio. "Como foi sua sessão?" Eu sei que ele realmente não quer saber, mas ele pergunta porque sabe que eu gosto do que faço. "Foi boa. Ele só precisa de uma atualização.” Ele concorda. "Legal." Balanço a cabeça e sorrio porque ele não se importa com Ryan. Aposto que ele estaria muito mais interessado se eu estivesse ajudando uma mulher. Na verdade, eu sei que ele faria. Seu telefone vibra no porta copos entre nós e minha mente volta para aquele grupo de garotas, imaginando se é uma delas, lembrando a ele o tempo maravilhoso que tiveram uma vez. Eu odeio que eu ainda esteja pensando sobre isso, e eu odeio que eu esteja tentando discretamente olhar para a tela dele enquanto ele pega. Ele não olha para isso até que paramos em um sinal vermelho, e eu tento o meu melhor para agir como se eu estivesse percorrendo as redes sociais. Cuba abre o telefone e franze a testa, estreitando os olhos para a tela. A luz fica verde e ele joga seu telefone de volta no porta copo e se estica para pegar minha mão, seus dedos entrelaçando os meus. Não importa, digo a mim mesma. O que elas disseram não deve importar, e Ryan me dizendo que eu sou bonita não deveria me fazer sentir melhor. Cuba me quer quando ele poderia ter escolhido estar com uma garota diferente a cada noite, ele escolheu ficar comigo. "Você está bem, Arrow?" Ele aperta minha mão. Olhando para ele, sorrio. "Sim, apenas cansada."


Ele me dá uma olhada, mas deixa passar. De jeito nenhum eu estou dizendo a ele o que aconteceu. "Então, temos mesmo que ir jantar no sábado com a sua mãe?", Ele pergunta devagar, quando estaciona do lado de fora de sua casa. "Sim.” Ele está cancelando? Isso é cedo demais para ele? Oh Deus, é muito sério. "Eu estava pensando que talvez pudéssemos almoçar com ela e jantar com meus pais", diz ele lentamente, me chocando. Eu não falo em conhecer seus pais, eu não quero que ele se sinta como se eu tivesse que conhecer os seus desde que ele conheceu os meus. Cuba encontrando meu pai não foi planejado. Ele fez tudo por conta própria. Ele está esperando que eu diga alguma coisa. "Sim, vou deixar minha mãe saber." Agora, não só ainda estou pensando em mais cedo, agora estou preocupada em conhecer seus pais. Eu nunca conheci os pais de um namorado, nem mesmo os de Dex, ele é de Washington. Cuba aperta minha mão novamente antes de soltar e sair. Eu faço o mesmo que ele, pega sua bolsa de ginástica e minha bolsa de noite. "Eu posso pegar minha bolsa, você parece meio ridículo carregando uma bolsa com glitter da Victoria Secrets." "Eu não me importo como eu pareço, aqui." Ele me entrega uma chave que ele tira do bolso. "Abra a porta."


Eu tiro da mão dele. "Você sabe que você deve realmente colocar isso no seu chaveiro ou você vai perdê-la", eu digo a ele quando abro a porta da frente. "É sua." Ele passa por mim e olha para trás. "Você deveria realmente colocar isso em um chaveiro ou você vai perdê-la." Ele pisca e continua entrando na casa. E estou sorrindo de novo. Acho que nunca sorri tanto assim na minha vida, mas Cuba faz isso comigo. Ele me transforma em uma garota risonha sem sequer tentar. Assim, essas preocupações anteriores se foram, o que aquelas garotas disseram não é mais nem um pensamento. Cuba Knight é meu e ele nunca me deixa duvidar.

*****

"Isso é estúpido." Eu ouço Cuba murmurar, fazendo-me olhar para cima do meu livro. Estamos sentados à mesa jantando, espaguete e salada que eu joguei juntos assim que entramos e fizemos o dever de casa. Esta é uma noite típica para nós. Ou eu estou aqui na casa dele ou ele na minha. India diz que podemos morar juntos, ela pode estar certa. Ela também diz que eu estou perdendo meus anos de faculdade, que a faculdade é toda sobre tentar "paus diferentes", suas palavras, não minhas. Eu tive que lembrá-la que a faculdade é se tornar um ser


humano decente para entrar no mundo real. Nós concordamos em discordar. "O que é estúpido?" Eu pergunto, girando meu garfo ao redor do meu macarrão antes de dar uma mordida. "Por que eu tenho que ler sobre esse rei com as centenas de esposas, quando eles têm uma série sobre isso?" Ele empurra seu prato vazio para longe. "Você sabe que é vagamente baseado em fatos históricos, certo?" Eu sorrio. "Eu só assisto porque os caras são quentes, e eu amo histórias de amor trágicas." "Porque você está doente assim." Ele pisca para mim. "Espero que você não esteja desapontada por não ser uma história de amor trágica." Eu mordo meu lábio. "De modo nenhum." Ele faz meu coração bater mais rápido apenas com um único olhar. Eu estou tão louca por ele que dói. Às vezes eu ainda não consigo acreditar que estamos aqui juntos, especialmente depois de nossa primeira reunião. Nós estamos sempre juntos. Bem, exceto quando temos aula ou ele está no treino. Ele se levanta e pega seu prato junto com o meu. "Então, eu fiz uma coisa hoje." Ele os coloca na pia, virando para mim. "Eu fui ver Jackson." Meu coração para, eu sei que isso é grande. A culpa tem comido ele todo esse tempo, e agora posso ver que ele está respirando um pouco mais claro.


"Foi bom, você sabe?" Ele balança a cabeça como se estivesse respondendo, ele ainda está processando. "Eu aposto. Eu sinto que você precisava fazer isso”, eu digo. "Estou orgulhosa de você, baby." Deslizando para fora do banquinho, eu vou até ele, envolvendo meus braços em volta da sua cintura. Eu respiro ele, eu amo o seu cheiro, mesmo que seja apenas sua colônia. "Estou orgulhoso de mim mesmo." Ele envolve o braço em volta da minha cintura. "Foi sentir e ir lá por um minuto, eu quase não fui." "Mas você fez", eu respondo rapidamente. "E isso é o que importa." Ele fica quieto e seus olhos cor de avelã encontram os meus, levantando meu queixo com o dedo. "O que eu faria sem você?" Meu coração incha. "Provavelmente auto-implodir." Eu sorrio. "Você ficaria bem sem mim, Bow." Ele balança a cabeça levemente e franze a testa. “Eu duvido muito disso, Arrow. Eu duvido muito disso.” Inclinando-se ele escova seus lábios suavemente contra os meus. "Devemos nos preparar para dormir." Eu aceno, pressionando meus lábios nos dele. "Eu acho que devemos." Meus dedos se prendem na minha cintura enquanto eu sorrio para ele. "Ou nós poderíamos apenas..." Eu paro, deslizando lentamente minhas leggings pretas pelas minhas pernas. Eu mal


consigo tirá-las antes de eu estar no ar, minhas pernas nuas trancadas em torno de seus quadris. Ele belisca a base do meu pescoço com os dentes. "Eu definitivamente estou prestes a auto-implodir." Eu não posso evitar me contorcer e rir dele e ele morde e chupa meu pescoço, nos levando pelas escadas até o seu quarto. Seus beijos fazem meu coração bater. Seu toque acaricia minha mente. O orgasmo que ele dá é vida. Estar com Cuba é viver.


Eu sei que a amo. Eu tenho que amar, essa é a única justificativa para fazer sentido eu ter deixado ela dirigir meu bebê para Palm Springs. Bliss tentou me convencer a entrar na máquina verde limão, mas eu disse a ela que era um inferno de um não. Eu não iria entrar naquele carro brilhante, além de estar dirigindo. Ela nunca teve que nos levar a lugar algum, eu dirijo. Mas quando ela bateu o pé esta manhã eu rachei, fazendo um acordo que ela poderia dirigir meu carro para a casa de sua mãe, e eu dirigia para meus pais mais tarde, hoje à noite. Ela concordou no momento em que minha cabeça ficou entre as suas pernas. Agora eu assisto enquanto ela canta, balançando a cabeça ao som de alguma música pop que ela colocou. Ela ligou o telefone assim que entrou, como sempre, seu gosto musical me surpreende. Hoje ela parece estar em top pop anos quarenta. Qualquer outro dia eu imploraria para ela desligar, mas hoje eu não me importo. Eu sei que ela está meio nervosa por eu conhecer a mãe dela. Ela não disse nada, mas eu posso sentir. O pai dela disse que eu não era seu tipo habitual, e meu palpite é que eu sou o primeiro namorado negro dela. Se eu tiver alguma coisa a ver com isso, serei seu último namorado.


Uau. Eu preciso diminuir a velocidade. Vamos passar por hoje primeiro. Conhecer os pais. Eu mando um texto para minha mãe dizendo que eu estou chegando hoje a noite. Eles estão acostumados comigo desmarcando no último minuto, mas não dessa vez. Eu até disse a ela para convidar os Emmett, também. Ela não tem ideia de que eu estou trazendo minha namorada. Não tenho certeza se essa é uma boa ideia ou uma má ideia, ainda. Além disso, Bliss não sabe que eles não sabem. "Você está quieto." Bliss abaixa a música. "Você está bem?” "Sim, por que eu não estaria?" Eu pergunto enquanto eu mando para minha mãe outro texto. Eu: Estou trazendo minha namorada. Eu cedi nos poucos segundos em que pensei sobre isso. Bliss me mataria se eu a levasse para lá sem que eles soubessem. Ela encolhe os ombros. "Talvez porque este seja um grande passo em nosso relacionamento." Meu celular vibra na minha mão. Mãe: Cuba, não brinque comigo. Eu: Eu não estou. Eu dou de ombros. "É, mas eu já conheci seu pai, então eu acho que estou bem para conhecer sua mãe, baby." Eu olho para ela. "Você está bem?"


Bliss ri. "Estou nervosa como o inferno", ela admite. "Não por você conhecer minha mãe, mas por conhecer seus pais." Estendendo a mão, dou-lhe uma leve pressão na coxa. "Não fique nervosa." Eu tento tranquilizá-la, mas estou ficando nervoso agora, também. Minhas emoções estão em todo lugar. "Certo, eu sou a primeira garota que você leva para casa." Ela levanta uma sobrancelha. "E você não está nervoso?" Eu sacudo minha cabeça. "Não, você é a última garota que vou levar para casa", eu a corrijo. "Então, pare, eles vão te amar." Eu posso vê-la visualmente relaxar um pouco. "Veremos." Sorrindo, dou-lhe outro aperto enquanto meu telefone vibra novamente. Mãe: Meu Deus. Vou dizer ao seu pai para jogar outra fatia de costela na grelha. Ela come carne direito? Eu rio enquanto eu mando mensagem de volta. Eu: Sim, mãe. Ela come comida de verdade. Eu vejo que eles estão animados, eu estou voltando para casa, papai já está na grelha. Bliss disse que a mãe dela provavelmente faria algum tipo de salada e sanduíches, então eu não me sinto tão mal enchendo meu rosto hoje à noite. Eu tenho tentado comer melhor desde que voltei ao time. Minha primeira semana foi uma checagem de realidade que eu não posso viver de hambúrgueres e pizza.


Eu reclinei meu banco para trás um pouco mais enquanto ela dirigia pelo deserto cantando junto com suas canções pop novamente. Vai ficar tudo bem. Hoje vai ser tudo bem. O que realmente poderia dar errado? No momento em que ela olha para mim, posso dizer que a ex-Sra. McQueen ainda não confia em mim. Seus olhos castanhos me varrem rapidamente no momento em que ela nos cumprimenta no foyer de sua casa. Ela permanece nos meus braços tatuados antes de desviar o olhar, eu estou acostumado com isso. Bliss me disse que esta é a casa de seu avô, e que depois que sua mãe e seu pai se divorciaram, sua mãe voltou para casa com o pai. "Mãe, este é Cuba." Bliss coloca seus dedos nos meus. "Cuba, esta é minha mãe." Eu estendo minha mão para ela. "É um prazer conhecer você, senhora." Ela me dá um sorriso apertado e aperta minha mão levemente. "Me chame de Beth." Bliss disse que sua mãe era livre de espírito. Eu achava que pessoas de espírito livre eram mais amigáveis. Beth solta minha mão e vai abraçar sua filha. "Estou tão feliz por você estar aqui", diz ela. "Você pode me fazer um favor e pegar um limão no jardim?" Meu estômago mergulha quando Bliss aperta minha mão. "Sim, eu já volto." Eu não quero soltar a mão dela. Por favor, não me deixe


com ela, quero dizer, mas é claro, deixei-a ir e segui Beth até sua cozinha. O cheiro de especiarias e ervas enche meu nariz. “Cheira muito bem aqui. Você precisa de ajuda?” Ofereço, mas ela balança a cabeça enquanto amarra um avental em volta da cintura pequena. “Não, obrigada. Estou quase terminando.” Ela contorna a ilha e pede que eu me sente no banquinho em frente a ela. "Posso trazerlhe alguma coisa para beber?" Limpando minha garganta, eu aceno. "Água. Obrigado." Ela sorri e vai pegar um jarro de água da geladeira. Eu olho em volta e vejo Bliss pela janela da cozinha no que parece ser o jardim. Ela deve parecer fora de lugar em seus jeans escuros e na camiseta de ombro, mas ela não parece. Eu posso dizer o jeito que ela se move que ela passa muito tempo lá quando visita sua mãe. Eu quase pulo quando um copo de água aparece na minha frente. Beth vê onde minha atenção estava. "Ela é linda." "Ela é", eu concordo. Minha garota é linda. "Ela tem uma mente bonita também", acrescento, tomando um gole da minha água. "Isso também", diz Beth suavemente antes de ir para o outro lado da ilha. "Então, a última vez que Bliss falou de você, parecia que você não sabia se gostava dela ou não." Ah, Keith não é o único franco. Eu tenho que escolher minhas palavras com muito cuidado com Beth. "Eu serei honesto. Eu tive um ano difícil no ano passado e estava tentando colocar minha vida de volta nos trilhos. Eu não a vi chegando. Eu não esperava a influência


que ela teria em mim." Eu olho Beth nos olhos, porque eu sei que ela acha que vou quebrar o coração de sua filhinha. "Eu não planejei me apaixonar por ela, mas eu fiz." Ela parece surpresa. "Ela sabe?" "Ainda não." Eu balancei minha cabeça. "Eu vou contar a ela em breve." Ela sorri, desta vez é um sorriso real. "Eu serei honesta com você. Eu não tinha certeza de como eu me sentia com a minha filha estando com você, com você sendo um atleta. Tenho certeza que você sabe sobre o ex dela.” Ela revira os olhos e eu aceno. "Ela só merece o melhor." "E eu pretendo tentar..." "Tentar o que?" Bliss vem através da porta. Ela está carregando uma cesta cheia de limões. "Você nunca disse quantos você precisava." Beth pega a cesta dela. "Eu só precisava de um, mas talvez eu possa fazer uma limonada." Bliss desliza no banquinho ao meu lado. "Eu não sabia que você sabia o seu caminho em torno de um jardim." Eu a empurro sorrindo. Ela cora. "Não é como se eu tivesse um polegar verde ou algo assim." Beth joga uma toalha para ela. "Você está sendo modesta. Ela e meu pai ficavam l| por horas, no verão.”


Sua mãe acaba de fazer o almoço e começa a encher os pratos enquanto ela continua a me contar tudo sobre como Bliss começou a jardinagem. Percebo que há quatro pratos em vez de três e olho para Bliss para ver se ela percebeu, mas ela está ocupada espremendo todos os limões que trouxe para a limonada. Ela nunca mencionou mais ninguém se juntando a nós e também não mencionou à mãe dela que eu era agora o namorado dela. Eu tento chamar sua atenção quando Beth se vira, jogando um guardanapo nela. Ela levanta a cabeça e olha para mim confusa. Eu aponto para as quatro placas que já têm saladas nelas. "Quatro pratos." Eu bato e levanto quatro dedos para o caso de ela não entender. O rosto de Bliss se torce e encolhe os ombros. "Eu não sei." Ela responde com a boca. Ela não parece muito preocupada, então eu apenas dou de ombros sem saber o que dizer de volta. Quero dizer, é a mãe dela. Beth se vira e começa a colocar metades de sanduíche nos pratos. "Eu espero que você goste de salada de frango, eu esqueci de perguntar a Bliss." Eu dou-lhe um sorriso. "Eu amo comida". Não é mentira. Não há muito que eu não vou comer. Ela sorri de volta. Engraçado como ela quase me esnobou na porta, mas agora ela está sorrindo para mim. Provavelmente porque confessei meu amor por sua filha e porque ela odeia Dex. Eu também não sou fã dele e ele sabe disso.


Beth pega uma grande bandeja floral e começa a colocar as placas nela. "Cuba, você se importa de levar isso para a mesa na parte de trás?", Ela pergunta. "Está um dia muito legal hoje, então pensei que poderíamos comer no jardim." Deslizando do banco, ando pela ilha. "Sim, eu levo." Eu espero até que ela ponhar quatro copos e quatro xícaras na bandeja também. Parece que ela não vai mencionar a configuração extra. Bliss chama minha atenção e balança suavemente a cabeça com um sorriso, ela está amando que eu realmente quero saber o que está acontecendo. Eu rolo meus olhos para ela, mas sorrio, pegando a bandeja. "Nós vamos estar bem atrás de você, temos que ter uma conversa de menina." Sua mãe pisca com um sorriso. "Eu posso sentir minhas orelhas queimando já." Eu rio antes de caminhar pela porta aberta. Eu sigo o caminho que parece levar ao jardim que eu vi pela janela da cozinha. Eu me pergunto se elas estão olhando para mim, provavelmente. Espero que ela não esteja lá derramando todos os detalhes. E definitivamente não sobre a nossa vida sexual. A mesa está ao lado da janela, e Beth já colocou guardanapos de pano laranja. Eu vejo onde Bliss recebeu suas escolhas coloridas de cores, felizmente ela deixou em seu carro porque ela se veste principalmente em tons de terra. Sim, estou tão apaixonado que realmente presto atenção ao que ela usa. Ela poderia entrar com uma faixa de cabelo amarela e eu notaria.


Colocando a bandeja sobre a mesa, eu tento ganhar pontos colocando os pratos, xícaras e copos na mesa. Há duas cadeiras em cada lado da mesa de ferro com, claro, almofadas laranja brilhantes combinando. O som de uma abertura de porta me chama a atenção, mas não é Bliss e sua mãe, desde que deixei a porta aberta. Virando, fico chocada ao ver o pai dela, Keith, ali com uma garrafa de vinho. Ela disse que eles se divorciaram desde que ela era uma criança ou algo assim, mas eles ainda são amigáveis. Por que ela não disse nada sobre ele vindo depois? "Sr. McQueen.” Eu assentei o último prato, confuso. Ele quase parece envergonhado, passando a mão pelo cabelo grisalho “Keith”. Ele me lembra com um sorriso, colocando a garrafa de vinho na mesa. "Como você está?" "Bem." Eu balanço de volta nos meus calcanhares. "Como você está?" Seus lábios se contraem. "Bem. Eu vejo que você está surpreso em me ver aqui.” Eu solto uma risada. "Um pouco." Ele concorda com a cabeça. "Que bom que você está aqui porque..." "Papai?" Agora é a vez de Keith bater em seus calcanhares com um sorriso nervoso. "Ei, menina."


Seu rosto se contorce em confusão. "O que você está fazendo aqui?" Ela muda rapidamente o tom. "Quero dizer, eu amo ver você, mas..." Bliss sai dos trilhos. Beth envolve o braço em volta da filha e a leva para uma cadeira. “Que tal todos nós nos sentarmos e conversarmos?” Eu sinto que deveria sair, parece que vai ser uma conversa de família e eu sou uma pessoa de fora. Keith deve sentir minha relutância em sentar e me dá tapinhas nas costas. "Sente-se, tiro quente", diz ele levemente. Beth se ocupa enchendo copos com limonada fresca, quero perguntar se há vodka para acompanhar, porque essa conversa pode exigir. Eu alcanço a mão de Bliss, entrelaçando meus dedos com os dela, dando-lhes um aperto suave. Ela aperta de volta, deixando-me saber que ela sabe que eu a tenho. Isso obviamente não é o que ela planejou hoje. Seus pais se acomodaram na nossa frente, desajeitadamente, tentando não olhar um para o outro.

mudando

"Então o que está acontecendo?" Beth olha para Keith e cutuca ele, eu sei o que ele está prestes a dizer antes mesmo de dizer isso. Ele limpa a garganta e toma um gole de limonada. "Sua mãe e eu temos nos visto." Sabia. É a única coisa lógica que faz sentido. Eu não estou surpreso, mas o peso batendo na minha mão me faz saber que Bliss


é pega de surpresa. Bem merda. Agora estou mudando desajeitadamente tentando me tornar invisível. Bliss não diz nada por um momento, e eu sei que o silêncio os tem na beira da cadeira, mas se eu a conheço como eu acho que conheço, então eu sei que ela não está chateada. Ela está processando. Sua mão aperta a minha e eu aperto de volta. "Quanto tempo?" Ela pergunta, finalmente. "Cerca de cinco meses", Keith diz a ela, seus olhos nunca deixando os dela. "Queríamos contar a você, mas queríamos ter certeza de que é isso é o que queríamos." Bliss concorda com a cabeça. "Então, é por isso que vocês dois não saíram com outras pessoas." Beth sorri para Keith. “Sim, estamos nos vendo. Nós realmente queríamos te contar, querida, mas nós não queríamos ter esperanças.” Uma risada escapa de seus lábios, surpreendendo seus pais, até eu. “Uau, isso é engraçado. Eu trago meu namorado para conhecer minha mãe e ela também traz o namorado.” "Exceto que ele é seu pai." Eu dou de ombros, apontando isso. Levantando o sanduíche de salada de frango para a minha boca, eu dou uma mordida. "Este é o melhor de todos, Beth", eu digo entre mastigações. Bliss balança a cabeça e ri. Eu posso ver seus pais relaxarem. Isso é algo sobre o qual eles devem falar sozinhos, então, por enquanto, vou manter as coisas leves. E daí que seus pais estão vendo um ao


outro, enquanto eles estão felizes? Se Bliss estava chateada, ela iria mostrar isso, ela fica facilmente enlouquecida. Tenho certeza de que eles a conhecem melhor do que eu. Keith sorri para mim e me dá um pequeno aceno de cabeça, como se estivesse dizendo obrigado. Não admira que ele estivesse feliz por eu estar aqui. Logo eles seguem o exemplo e começam a comer. Bliss solta minha mão e já sinto falta, mas é difícil comer com uma mão. "Seu primeiro jogo está chegando, certo?" Keith pergunta. Limpando minha boca com um guardanapo, eu aceno. "Sim, é um jogo fora de casa, em San Diego." Keith olha para Bliss. "Você vai?" "Infelizmente eu não estou indo, eu tenho uma sessão naquela noite, mas eu vou estar assistindo." Ela franze a testa. Eu sei que ela queria ir e eu realmente queria ela lá. É o meu primeiro jogo depois da morte de Jackson e estou nervoso. O treinador tem um calouro chamado Kidd de Jersey. Ele é legal e ele tem habilidades, mas eu ainda não me aproximei dele e o pobre garoto realmente quer meu elogio. De volta para a minha namorada, no entanto. Eu quero falar sobre como ela pode cancelar a nossa sessão, mas não cancela a dela com o Ryan fodido Ellis, que está esperando nos bastidores para eu estragar tudo. Talvez precise lembrá-lo de que ele não pode ser um quarterback com um braço quebrado. "Isso é muito ruim, vamos ter que ir para o próximo jogo em casa", diz ele e olha para Beth. "Talvez eu possa finalmente fazer dela uma fã." Ela sorri para ele e é muito doce.


"Ah, vocês são tão fofos que eu não posso nem ficar brava, mas não vão partir meu coração de novo." Bliss sorri antes de dar uma mordida em sua salada. "Não planejamos." O sorriso de Beth se alarga, entrelaçando a mão dela com a de Keith. O resto do almoço é ótimo, e posso dizer que me sinto um pouco parte da família dela. Eles olham além da cor da minha pele e das tatuagens que a decoram. Eles olham além de mim sendo um atleta que pode quebrar seu coração, novamente. Eles gostam de mim como pessoa, e é um sentimento totalmente novo que eu posso me acostumar.


Eu sou muito apaixonada por esse cara, ele faz meu coração bater tão rápido, parece que vai pular no meu peito a qualquer momento. O almoço poderia ter acabado com a notícia de meus pais estarem juntos, mas tudo o que ele tinha que fazer era dizer algumas palavras e tudo parecia bobo para ficar chateada. Eles estavam felizes, e eu estou feliz por eles, mesmo que levassem vinte anos para descobrir. Eu me pergunto o que minha mãe vai fazer com a casa. Ela sabe que eu a quero, planejo voltar quando terminar a faculdade, e espero conseguir um emprego de professora em Palm Springs. Eu não disse exatamente a Cuba sobre esses planos. Eu só quero aproveitar esse momento e pensar sobre isso mais tarde. Podemos não durar, talvez nunca nos casemos, e os namorados da faculdade são basicamente um mito hoje em dia. Cuba navega pelas ruas de Los Angeles, o sol se pondo atrás de nós. Ele está segurando minha mão no console e eu amo o calor disso. Eu estava com Dex por seis meses e nunca me apaixonei por ele. Eu nunca senti nem um pouco do que sinto por Cuba, nem perto disso. Eu só espero que sua família goste de mim. Não só quebrei todas as regras, como também me apaixonei por ele.


Eu sabia que Cuba vinha do dinheiro, mas eu não esperava uma casa no tipo de dinheiro. Chegamos a um portão de metal branco e ele aperta um botão no volante, agora isso é fantástico. Nós dirigimos através dele uma vez que os portões estão abertos e uma grande casa de primeiro andar aparece. Meus nervos estão voltando quando eu puxo a bainha da minha camisa. Espero não estar mal vestida. Eu olho para Cuba e lembro-me que ele está vestindo apenas um par de shorts cinza escuro, uma camiseta preta e tênis. Ele está vestido casualmente, mas esta é a sua casa. Eu só preciso respirar fundo e me acalmar. Vai tudo ficar bem. Eu estarei bem. Cuba solta minha mão e me dá um sorriso, e me sinto pouco à vontade. "Pronta?" Tomando outro fôlego, eu aceno e sorrio de volta. "Sim." Ele olha para mim como se quisesse dizer alguma coisa, mas abriu a porta e saiu, fechando-a atrás dele. Eu o vejo andar pela frente e abrir a minha porta, estendendo a mão para mim. Eu pego e escorrego do assento. "Tão charmoso." Ele bate na minha bunda e me puxa para um beijo, seus lábios quentes contra os meus. "Só para você, Arrow." Só para mim. Insira a dança feliz aqui. Deixei que ele me leve até a porta da frente, olhando para mim antes de abrir a porta. Mais uma vez, parece que ele quer dizer


alguma coisa, mas não diz, e agora estará no fundo da minha mente a noite toda. O cheiro de churrasco e algo assando enche meu nariz, o cheiro é incrível aqui. Eu esperava que a casa fosse muito moderna, mas na verdade é muito aconchegante para um espaço tão grande. A sala de estar fica à esquerda com grandes sofás castanhos macios e duas poltronas reclináveis. Uma grande tela plana está pendurada na parede e está passando os destaques de um jogo. Um movimento chama minha atenção e me viro para ver quem eu suponho ser sua mãe. Ela é bonita com pele escura e cremosa, olhos amendoados e maçãs do rosto salientes. Seu corpo curvilíneo em um par de leggings e camiseta enorme. Eu definitivamente não estou mal vestida e isso me faz sentir um pouco melhor. "Mãe". Cuba sorri. Ela o puxa para um abraço assim que ela está na nossa frente, “Baby boy, é tão bom ver você. Deus, eu senti sua falta.” Ela o segura para dar uma olhada nele. "Você parece bem." Seus olhos escuros se movem para mim, seu sorriso nunca vacila. "Esta deve ser a namorada." “Mãe, está é Bliss”, Cuba me apresenta. Eu sorrio e estendo minha mão. "É ótimo finalmente conhecê-la, sra. Knight." Surpreendentemente, ela me puxa para um abraço também, seus braços quentes me envolvem com força, e não posso deixar de


abraçá-la de volta. "Por favor, me chame de Monica." Ela me deixa ir e olha para seu filho. "Ela é maravilhosa." Calor se espalha pelo meu rosto, me fazendo corar. "Obrigada." O ombro de Cuba me bate. "Ela é. Eu acho que vou mantê-la.” Ele ri. Algo passa sobre o rosto de Monica, e eu não posso identificar o que é, mas seus olhos começam a se encobrir antes que ela pisque rapidamente, olhando para longe. "Seu pai está lá atrás, por que você não lhe dá uma mão." Ela se vira, e nós a seguimos pelo corredor até a grande cozinha. Há um casal sentado na ilha, copos de vinho na frente deles. Ambos com pele branca suave e cabelos loiros. O homem se levanta assim que nos vê e sinto meu namorado tenso. "Cuba", ele mal diz. "Já faz muito tempo.” Cuba muda ao meu lado e passa meus dedos pelos dele e aperta. O movimento simples atrai seus olhos. "Oi, eu sou Bliss", eu digo com um leve sorriso. Monica tira três cervejas da geladeira, colocando-as no balcão. "Esta é a namorada de Cuba", diz ela. "Querida, esta é Sarah e Edward Emmett." Eu dou um pequeno aceno. Oh, os pais de Jackson. Ele sabia que eles estariam aqui? Aqui estava eu preocupada que seus pais não gostassem de mim quando ele tivesse que enfrentá-los. Eu sei o quão difícil tem sido para ele enfrentar o túmulo de Jackson e agora seus pais.


"Sr. e a Sra. E.”, ele consegue dizer, mas sua voz falha. Eu quero levá-lo embora, mas ele aperta minha mão, ele está bem. Ele precisa fazer isso, e eu vou estar aqui para apoiá-lo. Eu sou a flecha para o arco dele, ele precisa que eu funcione. Sarah se aproxima devagar, colocando o cabelo loiro curto atrás da orelha, os olhos azuis molhados. Meu coração vai para ela, esta será uma noite emocional. Ela se aproxima mais até que ela esteja a poucos metros de distância, ela quer se aproximar, mas continua soltando as mãos, então eu decido ajudar. Eu dou um passo à frente, puxando-o comigo, então eu solto a mão dele e coloco a minha nas costas, dando-lhe um pequeno empurrão. Felizmente, ele envolve seus braços em volta dela e ela soluça, agarrando-se a ele. "Eu sinto muito", diz Cuba. "Eu sinto muito por não estar lá." Eu pisco de volta para impedir que minhas próprias lágrimas se formem porque não posso imaginar o que eles estão passando. Dando um passo para trás, minha mão nunca deixa suas costas, mas permite que Edward se junte ao abraço. Eu posso sentir os olhos em mim, e eu olho para ver Monica com lágrimas nos olhos. "Obrigada." Ela diz com a boca e eu dou-lhe um pequeno sorriso com um meio aceno. Eu mal fiz nada, mas dei-lhe um pequeno empurrão. Mas o orgulho incha em mim, ser capaz de fazer parte de sua cura significa muito para mim. Ele percorreu um longo caminho, e para ele voltar a braços abertos é incrível. Ele precisava disso.


*****

Eu assisto Cuba através da porta de vidro, uma cerveja na mão. Ele parece feliz, sorrindo enquanto fala com Edward e seu pai, Samuel, que insistiu que eu o chame de Sam. Seu filho se parece com ele apenas com a pele mais escura. Eu vejo onde ele conseguiu seus olhos cor de avelã e sorriso sexy. Eu posso admitir que, para um homem mais velho, Sam é bonito, com pele bronzeada clara e cabelo castanho arenoso. Sam ri de algo que Cuba diz enquanto ele faz frango e costela. Após o momento muito emocional com os pais de Jackson, eu pude ver o peso levantar de seus ombros. "Como está o nosso menino?" A voz de Monica chama minha atenção, e eu me viro para encarar a ela e a Sarah enquanto ela coloca um copo de vinho na minha frente. "Ele est| bem", eu digo com cuidado. “Ele percorreu um longo caminho desde que nos conhecemos. Ele ainda tem seus momentos, mas principalmente ele tem bons dias.” Eu não quero mentir para elas e dizer que Cuba está todo consertado, porque ele não está. Ele ainda está tentando descobrir como viver de novo. Elas ficam quietas por um momento, absorvendo o que eu disse. Processando. Sarah é a primeira a falar.


"Eu acho que você pode ter muito a ver com isso, Bliss." Ela enxuga os olhos rapidamente. "Ele nunca trouxe uma menina para casa, e aqui está você trazendo-o de volta para nós, sorrindo." Eu me abano com uma mão rápida, as lágrimas se formando. "Por favor, pare e não me faça chorar. Eu não posso receber nenhum crédito por isso.” Monica vem para o meu lado e envolve seus braços em volta de mim, seu queixo descansa na minha cabeça. “Querida, você pode levar algum crédito. Ele não deixou ninguém entrar depois de Jackson, mas ele deixou você entrar. Nosso menino não estaria aqui sem você”, diz ela. "Ele não est| em casa h| quase um ano, você o trouxe de volta e sempre seremos gratos por isso." Estou chocada ao ouvir isso. Eles não o viram em quase um ano? Com certeza, ele nunca fala em vê-los, mas eu só pensei que ele estava sendo privado. Porque, mesmo com ele sendo mais aberto, ainda há coisas sobre as quais ele não fala, e eu levei os pais dele como sendo uma dessas coisas. Eu aprendi cedo não empurrá-lo. Minhas mãos seguram seus braços. "Eu sinto muito, eu não tinha ideia, ou eu teria arrastado ele aqui sozinho", eu tento brincar, e elas riem. "Vocês vão arruinar minha maquiagem com todas essas lágrimas, e seu filho não gosta de me ver chorar." Monica se afasta e sorri para mim. "Eu aposto que ele não gosta." Ela olha para fora da janela e de volta para mim. "Quer me ajudar a terminar?" "Eu adoraria." Eu engulo um pouco de vinho antes de levantar e tossir, isso é horrível.


Sarah ri. "Não é uma bebedora de vinho?" Eu rio. "Eu sou uma bebedora de vinho falso, gosto de vinho doce que me dá dor de cabeça." "Falou como uma garota de faculdade real." Ela sorri. Monica amarra um avental azul-escuro ao meu redor da cintura e me leva ao balcão. Eu estou no dever da salada enquanto ela verifica o macarrão com queijo no forno, o cheiro faz minha boca se encher de água, porque quem não ama macarrão caseiro? E eu não sinto falta do cheiro de pão de milho. Eu estou ganhando peso esta noite e vai valer a pena. Sarah e Monica pegam o vinho e não há mais lágrimas, apenas risos. Eu estava tão preocupada que sua mãe me odiaria, mas não há nada além de amor desde que eu entrei pela porta. "Teremos que tirar as fotos de bebês mais tarde, eles eram tão adoráveis quando eram crianças." Sarah termina seu copo de vinho. “Eles andavam nus apenas com suas capas de super-herói.” Eu rio enquanto corto os legumes. "Eu adoraria ver isso, então eu posso mexer com ele." A porta de vidro se abre e Cuba entra. “Elas já a colocaram para trabalhar?” Seus l|bios se contorcem. "Estou ajudando", eu corrijo. "Você não deveria estar ajudando?" Ele abre a geladeira e pega outra cerveja. "Estou ajudando." "Assistir seu pai fazer o trabalho não conta." Sua mãe e Sarah riem baixinho, e ele estreita os olhos para mim.


"Eu me sinto tão atacado agora, baby." Ele zomba ferido e vem até mim, seu braço serpenteando ao redor da minha cintura. Eu sorrio. "Pare com isso, você sabe que eu te amo." Sai antes que eu possa pará-lo, e eu o sinto tenso. Merda, merda. Monica e Sarah desviam o olhar, fingindo estar preocupadas. Incrível, deixei escapar na frente da mãe dele. Eu não posso voltar atrás agora, então continuo a minha tarefa, agindo como se nunca tivesse dito isso. Ele aperta um beijo na minha bochecha e sai, voltando para fora. Recuso-me a pensar que ele não disse de volta, que acabei de dizer que o amo e ele responde com um beijo. Ele está se arrependendo disso agora? Me trazer para a sua casa? "Eu acho que vou tomar o vinho agora." Eu tento rir, mas sai forçado. Sarah enche a taça e a desliza pela ilha, ela me dá um pequeno sorriso e tento devolvê-lo. Concentro-me na salada para o que parece ser uma eternidade enquanto as senhoras falam, e eu pulo a cada poucos minutos. Quero mandar uma mensagem para India e Patrick, mas deixei meu telefone no carro dele. Além disso, se eu disser eles vão pensar que preciso ser salva, o que eu não sei. O que eu realmente esperava? Esse é o cara que nunca teve uma namorada, ele nem trouxe uma garota para casa. Por que eu acharia que ele poderia estar apaixonado por mim depois de alguns meses juntos? Monica deixa os caras saberem que tudo está pronto enquanto Sarah arruma a mesa. A carne está pronta, e Sam está colocando a bandeja cheia de frango e costelas grelhadas no meio da mesa,


enquanto Monica traz o macarrão com queijo e pão de milho. Agarrando as duas garrafas de molho e a saladeira, vou até a mesa. “Precisa de ajuda?” Cuba anda atr|s de mim. Eu apenas balanço minha cabeça e abro meus itens, me sentando em frente a Sarah e Edward. Cuba desliza no assento ao meu lado e sua mão escova a minha, eu começo a puxar minha mão para longe, mas não faço. Eu não posso ficar com raiva, e eu não quero estragar o nosso dia sendo mesquinha porque estou em meus sentimentos. Nós nos revezamos fazendo nossos pratos e Cuba ofereceu para fazer o meu, o que eu deixei. Ele também me dá uma cerveja em vez de vinho. Eu acho que ele percebeu que eu não era fã de vinho. Ele carrega seu prato com costelas, frango e todas as guarnições, enquanto eu vou para o frango, pão de milho e macarrão. Se eu comer mais, ele terá que me expulsar daqui. "Então, Bliss, no que você está se formando?" Sam pergunta, limpando a boca. "Educação." Eu abaixo meu garfo. “Mas me especializo em história, principalmente história antiga.” “Você quer ser professora?” Monica parece surpresa, mas não de um jeito ruim. "Esse é o plano. Meu pai não está muito feliz com isso, mas eu não estou nisso pelo dinheiro, eu realmente adoro. Isso me fascina.” Eu dou de ombros. Edward se inclina para frente. "O que seu pai faz para viver se você não se importa de eu perguntar?"


"Ele é um advogado." Eu sorrio. “Ele continua tentando me fazer ir para a faculdade de direito, mas eu seria horrível com isso. Minha mãe só quer que eu seja feliz.” Cuba me cutuca. "Ela é uma ótima professora também, e foi assim que nos conhecemos. Eu realmente aprendi alguma coisa.” Sam sorri. "Tenho certeza que você fez." Monica bateu no seu peito e acena para ele. "Como se nunca tivéssemos tido a idade deles." Calor se espalha pelas minhas bochechas, oh meu Deus. Cuba engasga com sua cerveja. “Pai, vamos l|. Não a assuste.” E o jantar é assim, todo mundo fazendo-o envergonhado. No final, acho que estamos um pouco bêbados e seus pais insistem em que fiquemos a noite. Cuba não discute, ele é totalmente contra beber e dirigir. Estou até surpresa que ele tenha bebido hoje à noite, desde que ele começou a jogar basquete, ele evitou o álcool. Cuba me mostra seu quarto antes de dizer que ele precisa tirar algo do carro, deixando-me na porta aberta. Seu quarto é enorme, muito maior que o do seu apartamento. Embora seja maior, é decorado quase do mesmo jeito, uma cama enorme com capas azulescuras e cortinas combinando cobrem as janelas do chão ao teto. Uma tela plana está pendurada na parede de frente da sua cama. Andando até a mesa, vejo alguns porta retratos. É Cuba e outro menino, eles não poderiam ter mais de quinze anos, ambos magros, segurando bolas de basquete. Deve ser Jackson, ele tem os grandes olhos azuis de sua mãe e o sorriso de seu pai, junto com seus cabelos loiros dourados. A próxima foto não poderia ter sido tirada há mais de três anos, Cuba tem tatuagens e parece um pouco mais jovem,


ambos são mais altos e musculosos. Jackson tem um sorriso bobo, ele tem tudo de um surfista da Califórnia olhando para baixo, e eu não seria capaz de dizer que ele já jogou basquete um dia em sua vida olhando para ele. "Então, achei que provavelmente ficaríamos a noite, eu arrumei uma mala para nós." A voz de Cuba me faz pular da mesa, virandome para ele. Ele está carregando uma mochila preta e duas garrafas de água. "Pensou em tudo", eu penso, sorrindo para ele. Ele coloca a mochila na cama. "Você quer tomar um banho?" Ele está me dando aquele olhar e eu tenho que rir. "Nem pense sobre isso, estamos na casa dos seus pais." Eu dou um passo para trás balançando a cabeça. "Não." Ele está me dando olhos de cachorrinho sérios agora. "Baby, o quarto deles fica do outro lado da casa, e eles nem vão nos ouvir." Passando por ele, vou abrir a mochila, mas ele a puxa para longe. "Eu vou pegar." Ele tira o meu pijama e meu telefone. "Você esqueceu isso." Estreitando meus olhos, eu olho para a mochila, ele está sendo estranho. "Obrigada", eu digo devagar. "Já volto." Ele balança para trás em seus calcanhares. "Eu vou usar o banheiro de hóspedes." "Ou você poderia apenas esperar eu sair."


"Ou eu poderia te encontrar aqui." Ele me dá seu sorriso de menino, e eu nem me importo mais. "Tudo bem." Eu desisto. "Eu vou encontrá-lo aqui." Inclinando-se, ele me beija suavemente. "Estarei aqui.” O que eu vou fazer com ele?


Porra. Eu não estava pronto para ela dizer que me ama, e eu não acho que ela quis deixar isso escapar. Eu me sinto como um idiota pelo jeito que eu lidei com isso, mas minha mãe e a Sra. E estavam ali, e eu não queria dizer isso pela primeira vez para elas testemunharem. Ah, e eu não perdi o jeito que ela tentou agir como se isso não tivesse acontecido, e ela quase arrancou a mão dela quando nos sentamos. Ela segurou minha mão desde que entramos nesta casa, ela nunca saiu do meu lado enquanto eu enfrentava o meu passado, e eu congelei no minuto em que ela disse que me ama. Sim, eu merecia que ela roubasse a mão dela. Eu penso sobre isso o tempo todo que eu estou no chuveiro, como me sinto sobre ela. O que eu preciso dizer e como dizê-lo. Eu não quero que ela pense que eu estou dizendo isso porque ela me disse mais cedo. Eu tenho que mostrar isso e acho que tenho essa parte. Eu corro no meu banho para que eu volte para o quarto antes que ela termine, porque ela vai passar por aquela mochila, eu não quero que ela veja. Meu corpo está meio seco quando eu puxo minha cueca e calça de moletom, deixando minha camisa. Deslizando de volta para o meu quarto, eu relaxo quando ouço o chuveiro ainda ligado. Pego a caixa azul dentro da mochila e a


deslizo sob o travesseiro. Eu discuto sobre roubar uma garrafa de vinho do refrigerador de vinho da minha mãe, mas vou contra isso. Se estivéssemos na minha casa, eu realmente tentaria fazer algo romântico, tanto quanto eu conseguisse. Em vez disso, ligo a TV e vou para o Netflix enquanto abro as cobertas. Não é mentira, estou nervoso. Não só tenho que fazer as pazes com ela desde cedo, eu tenho que mostrar a ela que também a amo. A porta se abre e eu não fico desapontado ao ver que ela já está vestida com o pequeno short rosa que eu amo e uma das minhas velhas camisas de basquete que ela cortou, mostrando uma lasca de seu estômago bronzeado. Seu cabelo loiro está em um nó na cabeça, fios soltos caindo ao redor do rosto livre de maquiagem. Às vezes eu apenas olho para ela, como se ela fosse desaparecer, e eu voltarei ao meu apartamento escuro e para a minha depressão. Eu devo tudo a ela. Um sorriso puxa seus lábios. "Você está olhando." "Não posso ajudar." Eu aceno para ela entrar na cama. "Venha aqui." Ela aperta os olhos para mim, mas lentamente sobe na cama de quatro, e meu pau contorce, agora não menino. Ela se acomoda ao meu lado e eu coloco meu braço ao seu redor, puxando-a para o meu colo. Bliss me atravessa e eu tenho que forçar meu pequeno amigo a se comportar por agora. "Eu pensei que eu te disse não?" Seu sorriso está dizendo sim, e suas pequenas mãos no meu peito nu são muito convidativas, mas eu empurro isso de lado.


"Estamos apenas conversando, baby", eu asseguro a ela. "Eu só quero dizer obrigado por hoje, por estar lá para mim." Ela pisca de volta, surpresa. "Claro, eu sempre estaria aqui para você." "Porque você me ama?" Eu pergunto lentamente, observando-a de perto. Suas bochechas esquentam e sua mão vai para o seu colar, esfregando inconscientemente. Ela inclina a cabeça para o lado e acena com a cabeça. "Sim, porque eu amo você, Cuba." Não há incerteza ou dúvida em sua voz. Ouvi-la dizer isso de novo me sacode ainda mais, e com aqueles olhos tempestuosos em mim, eu sinto isso. Ela significa isso. Estendendo a mão atrás do travesseiro, sinto a caixa e retiro-a. Seus olhos se arregalam quando ela vê. "Cuba", ela sussurra. Segurando sua bochecha com a mão, acaricio com o polegar. “Arrow, eu também te amo, mais do que você jamais saber|. Eu não estaria onde estou agora sem você. Eu afastei você e você me puxou de volta.” Uma lágrima escapa de seus olhos e eu a enxugo. "Por sua causa, estou respirando de novo, Arrow." Ela joga os braços em volta do meu pescoço e esmaga seus lábios contra os meus. Sua língua deslizando pelos meus lábios e eu a recebo bem. Minha mão aperta sua cintura enquanto ela se inclina para mim, a caixa caindo da minha outra mão.


"Espere, você não quer ver o que eu tenho para você?" Eu me afasto. Claro, eu quero ficar com minha namorada sexy, mas eu também quero ver o rosto dela, eu estou nervoso com isso há dias. Bliss se senta e eu gemo quando meu pau duro desliza entre as bochechas de sua bunda. Ela mexe um pouco e eu belisco sua bunda, a fazendo gritar. "Pare de me provocar." Eu pego a caixa novamente e entrego a ela. Ela pega, as pontas dos seus dedos escovando os meus. Ela franze os lábios. "Ok, Sr. Knight." Seus lábios puxam em um sorriso. "Eu não sei o que eu fiz para merecer Tiffany’s.” "Sério?" Eu zombo. "Confie em mim, você merece isso." Bliss puxa o final da fita branca, desvendando o pequeno arco. Ela tira a caixa de jóias da caixa de presente. Ela olha para mim através de seus cílios grossos antes de olhar de volta para a caixa de veludo em sua mão. Ela respira fundo antes de abrir lentamente. Seus olhos se arregalam. "Uau, isso é lindo." Ela olha para mim. "É muito." “Nada é demais para você, baby. Nunca.” Eu tiro a caixa das mãos dela e levanto a fina corrente de ouro, o pingente de coração de ouro brilha com nossas iniciais gravadas com diamantes. Pode ter custado um bom dinheiro, mas ela valeu a pena. Ela se inclina para que eu possa colocar em volta do seu pescoço, e fica logo abaixo do seu colar de flecha. Eu não posso deixar de sorrir finalmente vendo isso. Minha. Ela é minha.


"Eu te amo." Ela pressiona seus lábios contra os meus novamente. "Obrigada." "Não, baby." Eu a beijo de volta. "Eu que agradeço, obrigado." Sua língua desliza entre meus lábios e eu não me afasto. Em vez disso, eu a puxo para mais perto, bebendo-a. Minhas mãos deslizaram sob sua camisa parando sob seus seios macios. Ela geme para mim quando meus polegares varrem seus mamilos endurecidos. Bliss balança para frente e para trás, moendo contra o meu comprimento endurecido. Foda-se. Eu preciso estar nela. Quanto antes melhor. Deslizando uma das minhas mãos até seus shorts minúsculos, estou surpreso quando encontro com a sua boceta nua, meu dedo livre para correr pelos lábios quentes e úmidos. "Droga, baby." Meu polegar circula em torno de seu clitóris e ela treme. “Você est| me dizendo não, mas sua boceta est| me dizendo sim. Claro que sim." Ela bate contra mim uma vez que dois dedos deslizam nela. "Por favor." Ela se endireita, sua cabeça caindo para trás enquanto geme. Seus quadris se movem e ela está fodendo meus dedos. "Por favor, o que, Arrow?" Meu polegar acelera em torno de seu clitóris. "Diga-me." Ela geme mais alto. "Eu. Necessito. De. Você. Agora." "Oh, mas você disse não", eu a provoco. As unhas de Bliss cavam no meu peito nu e eu assobio. "Sim, baby. Por favor,” ela implora.


Virando-a de costas, eu faço um rápido trabalho de deslizar seus shorts para baixo de suas pernas e no chão do meu quarto. "Mas você me disse que não", repito. Seus belos olhos estreitam e seus lábios sobem. "Você disse que eles não poderiam nos ouvir, certo?" Lambendo meu lábio inferior, eu chupo e aceno. "Isso mesmo, mas você ainda me disse que não, e eu não sei como me sinto sobre isso, Arrow." Seus lábios macios puxam em um sorriso e seus olhos tempestuosos dançam. "Isso é muito ruim." Seus dedos arrastam até a parte interna da coxa. "Eu só vou ter que tirar de mim mesma." Meu pau pulsa rapidamente dentro da minha calça, enquanto meus olhos não podem deixar de seguir seus pequenos dedos enquanto eles escorregam dentro da boceta que eu acabei de fazer suculenta para mim, não para ela. Um gemido passa por seus lábios e eu pisco para longe. "Mova seus dedos." "Mova a sua calça." Ela ergue uma sobrancelha piscando inocentemente. Eu lambo meus lábios novamente, meus olhos se estreitam nela enquanto eu me levanto da cama e fico na frente dela. "Venha movêlas para mim." O sorriso de Bliss aumenta, ela se senta e desliza para fora da cama. Ela se aproxima de mim, sua pequena mão no meu peito, a outra descansando no elástico da minha calça.


Seus dedos percorrem o meu cós, seus olhos nunca deixando os meus enquanto ela os puxa para baixo junto com a minha cueca, meu pau saltando livre enquanto ela abaixa de joelhos. Chutando-os para o lado, preparei-me para ajudá-la, mas quando ela me puxa para a boca, quase perco o equilíbrio. "Foda-se, baby", eu grito, meus dedos emaranhados em seus cabelos. Minha cabeça inclina para trás quando ela me leva mais em sua boca. Sua língua girando em torno de mim, balançando a cabeça lentamente. Ela me deixa louco em apenas alguns segundos, e eu nem me importo. Eu não estou nem um pouco envergonhado de que no segundo em que seus lábios tocam minha ponta, eu estou pronto para gozar. Eu quero agarrar seu cabelo mais apertado e foder sua boquinha, mas esta noite eu quero ir devagar, podemos ter jejum e calor todas as noites, mas esta noite eu quero tentar ir devagar, fazer amor com minha mulher. Inclinando a cabeça para trás, ela olha para mim através de seus cílios e me fode, se esta não é a visão mais sexy que eu já vi. Bliss de joelhos, com o cabelo loiro selvagem caindo de seu coque bagunçado, seus lábios de pelúcia enrolados em volta do meu pau, e bem ali, em volta de seu lindo e pequeno pescoço está o colar que eu coloquei lá. Puxando para fora de sua boca quente, eu aponto para ela subir. "Venha aqui." Eu a puxo para seus pés, e eu a levanto, suas pernas enrolam em volta da minha cintura, e eu a levo para a cama. "Eu fodidamente te amo", murmuro contra seus lábios enquanto eu a deito.


"Diga isso de novo." Meus lábios vão dos lábios até a clavícula. "Eu te amo", eu digo novamente contra o pescoço dela. "Eu preciso de você." Sua voz zumbe através de seu corpo e vibra contra mim. "Por favor baby." Meus dedos correm por sua parte interna da coxa. "Onde você precisa de mim?" Eu deslizo dois dedos nela. "Aqui?" Suas costas se arqueiam para fora da cama. "Oh sim, aí", ela geme. Seus tornozelos se prendem atrás das minhas costas, me puxando para mais perto. "Eu preciso de você em mim." Foda-se, podemos fazer o bem e desacelerar outra noite. Eu preciso estar nela tanto quanto ela quer que eu esteja. Meu pau é feito jogando jogos e palpita para enchê-la, esticá-la perfeitamente ao meu redor. "Pés para os meus ombros, Baby." "Eles não podem alcançar", ela faz beicinho, empurrando ainda mais contra os meus dedos. "Você é muito grande." Bliss sorri sexualmente. Meus lábios se contorcem, tentando não rir. "Experimente." Seus pés deslizam pelo meu peito lentamente, meus dedos entram e saem dela antes de eu substituí-los por algo muito mais grosso e mais longo. “Oh. Minhas. Fodidas. Estrelas”, ela grita com a mão em concha em sua boca.


"Não, baby." Eu balanço minha cabeça, mergulhando dentro e fora dela. "Deixe sair." Suas paredes se apertam em volta de mim, me sugando de volta a cada golpe. Nós dois sabemos que não posso durar quando ela faz isso. "Foda-se." Eu desço, um braço segurando-me enquanto meus golpes se aceleram. "Você não está jogando justo, baby." "Jogar. Justo. Nunca. Foi. Uma. Regra.”, ela mal consegue falar, antes de gemer sobre suas palavras. "Bem aí, não pare!" Eu não digo a ela que eu também não planejo, ao invés disso, eu acelero o meu ritmo, afundando mais nela, seu suco brilhando no meu pau todo golpe que eu tiro. Porra, sua boceta é tão boa, como uma droga, e dizer que sou viciado é um eufemismo. Eu sou um demônio, eu preciso dela diariamente. Meus lábios roçam seu pescoço e no ouvido dela. "Diga", digo a ela, meus dentes mordiscam seu lóbulo. As unhas cravam em minhas fricções. "É sua", diz ela sem fôlego balançando em mim. "Oh meu Deus, é sua para sempre." Pode ser brega para alguns caras, mas eu adoro ouvir ela me dizer isso. Eu quero essa boceta para sempre, eu quero toda essa merda para sempre, seis pés de profundidade para sempre. Bliss será minha para sempre. "Melhor ser minha", eu grunho. "Eu te amo, Arrow." Eu sinto suas pernas tremerem contra o meu peito, ela está perto. Bliss morde seus lábios, arqueando as costas, empurrando para


dentro de mim, seus olhos rolando para trás, e suas unhas estão arranhando meus lados. "Sim! OH! Eu também te amoooo!” Ela balança, sua liberação flui ao meu redor, fazendo minhas bolas apertarem com um último golpe antes de eu estar preenchendo-a. Eu pressiono beijos em sua pele úmida. "Melhor me amar." Ela cantarola contra mim: "Sempre." Sempre. Para sempre. Eu deveria estar correndo o mais rápido que puder, mas é isso. É isso, por uma vez eu não estou correndo ou me escondendo. Estou indo em frente.

*****

Jackson, Então eu fiz isso. Eu trouxe uma garota para casa e foi melhor do que eu esperava. Todo mundo a ama, e meu pai não a assustou ainda com o filtro dele. Eu queria que você estivesse aqui para conhecê-la também, ela teria te amado. Falando em amor, você acredita que eu disse essa palavra de quatro letras? Estou louco e apaixonado por Bliss. É assustador pra caralho, e se eu foder tudo isso? Eu estou voando a coisa toda, esperando que eu não tropece, mas eu sei que ela estará lá para me pegar de volta. Quão meloso eu pareço agora? Talvez eu devesse estar feliz por você não estar aqui, então você não pode rir de como eu estou nocauteado. Quem estou tentando enganar, você provavelmente já está rindo de mim. Nunca pensei que eu estaria


apaixonado, mas aqui estou eu, meu coração literalmente bate por ela e bate por causa dela. Eu até quero soar todo poético e merda, ela é o fim e o começo. Lá, agora você pode rir de sua bunda lá no céu de basquete, idiota. De qualquer forma, eu vou voltar a olhar para a minha garota, agora eu sou um idiota. Sério, porém, eu sinto sua falta J. -Cuba Dobrando a carta em quatro, coloco-a na minha mochila sob minhas roupas. Eu não sei porque eu escondo isso dela, talvez porque pareça um pouco bobo, mas conhecendo Bliss, ela vai me dizer como é ótimo. Às vezes, pergunto-me se mereço a sua positividade, talvez sim ou talvez não, mas aceito mesmo assim. Olhando para trás, vejo que ela ainda está dormindo, seu cabelo loiro uma bagunça contra a fronha azul escura. Ela está vestindo apenas minha camisa de basquete e nada mais. O resto do seu corpo escondido debaixo das cobertas. Esfregando meus olhos, eu olho para o relógio na mesa de cabeceira, são apenas nove. Eu duvido que meus pais já acordaram, eles pararam de acordar cedo depois que meu pai se aposentou do beisebol, eu tinha dez anos. Deslizando nas minhas calças, eu me estico e vou para a cozinha. A casa está quieta enquanto eu ando pelo corredor. Meu quarto fica do outro lado da casa dos meus pais e a sala junta as duas alas separadas. Estou surpreso de ver meu pai sentado na poltrona com uma xícara de café, seu cabelo castanho escuro desgrenhado do sono.


"Pai, você assustou a merda fora de mim." Eu seguro meu peito para efeito. Ele levanta uma sobrancelha. "Bem, certifique-se de limpar essa merda." Balançando a cabeça, eu rio. "Sim, tudo bem." Meu pai olha para cima e me estuda. "Você se lembra quando você tinha onze anos e vimos aquele filme de terror sobre Freddy?" "Como posso esquecer", eu respondo secamente. "Eu tive pesadelos por uma semana." Eu disse a ele que não queria assistir a esse filme idiota, mas ele disse que tudo ficaria bem, não estava nem perto de ser bom, foi horrível. "E você disse que gritou por mim, mas eu não fui para o seu quarto?" Eu me inclino contra o encosto do sofá e estreito meus olhos. "Sim, pai. Eu lembro, por que você está trazendo isso?” Seus lábios se contraem e ele toma um gole de café. "Eu menti." Ele encolhe os ombros. "Eu ouvi você, eu só gostava de foder com você." Eu deixei esse processo, ele podia me ouvir quando eu tinha pesadelos e gritava. Ele me ouviu esse tempo todo. Então vem para mim, foda-se. "Cale a boca." Meus olhos estão arregalados. "Por favor, me diga que você está fodendo comigo de novo."


Ele ri. “Desculpe. Eu posso ter ouvido algo ontem à noite. Parecia muito com gemido e talvez seu nome não tenho certeza.” Ele balança as sobrancelhas. Eu tenho certeza que meu rosto está tão vermelho quanto possível, porque eu posso sentir o calor na minha pele. "Pai, não é engraçado, por favor, me diga que você está brincando." Eu sei que ele não está, mas eu quero que ele finja, pelo menos pelo amor de Bliss. "Quem é Bow?" Ele ri e eu quero morrer. "Oh, eu acho que ouvi você a chamar de Arrow, então estou supondo que você seja Bow." Suas risadas se transformam em uma gargalhada total. "Que fofo é isso!" Na verdade, estou morrendo agora. "Não é engraçado", eu digo. "Por favor, me diga que a mãe não ouviu." Eu aperto a ponte do meu nariz, tentando me acalmar. Meu pai balança a cabeça, acomodando-se de tanto rir que ele tem que recuperar o fôlego. “Não, só eu. Você sabe que ela usa tampões para os ouvidos à noite.” Oh, graças a Deus, acho que se ela ouvisse, eu teria que nos tirar daqui e tentar fazer algo para Bliss sobre isso porque nunca mais poderíamos ver minha família. Vou ter que jogar a casa inteira fora. Ela me mataria se soubesse, mas eu não tinha ideia de que ele teria mentido para mim todos aqueles anos atrás. Na verdade, eu não posso ficar surpreso, meu pai é como uma criança e nesse momento me faz perceber o quanto senti sua falta.


Uma risada me escapa enquanto ando pelo sofá e me sento. "Pai, por favor, não diga nada. Bliss vai me matar.” Ele fica sério. "Eu nunca iria." Então ele sorri. “Não depois que você montou ela. Entendeu?” Ele ri de sua própria piada. Eu sigo em frente. "Sim, eu entendi, agora, por favor, pare." "Ok, tudo bem, eu vou ser sério." Ele toma outro gole de seu café. “Nós gostamos dela, ela parece boa para você. Ela é muito inteligente, mas ela escolheu você.” "Uau, obrigado, pai." Eu zombo ferido, olhando para ele. "Eu gosto de pensar que sou uma pegadinha." "Claro, que você é filho." Ele acena e pega o jornal. "Fico feliz em ter você de volta", acrescenta ele, e me sinto culpado. Eu fui um babaca por não visitá-los por tanto tempo, para colocálos nisso. Eles têm sido tão compreensivos, mesmo quando eu não atendia suas ligações, só porque eu estava cercado por minha própria autopiedade. Estou tentando todos os dias ser um namorado melhor, um amigo melhor, companheiro de equipe e filho melhor. Eu não quero que meus pais questionem minha gratidão, porque eu sou grato por eles nunca desistirem de mim. Eu sou grato porque eles gostarem de Bliss, e por causa dela, eu estou sorrindo de orelha a orelha, me trazendo de volta da escuridão. "Eu amo você, pai", eu deixo escapar. Ele abaixa o jornal lentamente, seus olhos cor de avelã piscando em choque, mas ele se recupera e sorri. “Eu também te amo, filho.”


Meus dedos deslizam pelas iniciais incrustadas de diamantes no meu novo colar de coração que Cuba me deu há algumas semanas, quando ele me disse que me ama. Eu não vou vê-lo hoje à noite e, quanto mais eu esfrego o colar, mais me sinto culpada por escolher minha sessão ao primeiro jogo dele. Eu deveria estar lá. Eu deveria tê-lo deixado no ônibus e dito a ele que eu estaria assistindo das arquibancadas. Mas aqui estou eu com Ryan. Ele tem falado sem parar sobre alguns documentários que geralmente me interessam, mas não hoje. Minha mente está em outro lugar e meu coração está a mais de cem milhas de distância. Ryan pigarreia. "Hum, você está bem?" Eu pisco, percebendo que tenho estado olhando fixamente para a tela do meu computador. Eu tenho o site para assistir ao jogo, mas ainda não começou. Se eu não posso estar lá, terei que pelo menos assistir a transmissão, embora não tenha ideia do que está acontecendo. "Sim, desculpe-me. Esperando o jogo começar.” Ryan franze a testa. “Eu esqueci que o primeiro jogo deles será hoje à noite. Estou surpreso que você não cancelou para estar lá.” Eu sorrio fracamente. "Sim, bem, estou lamentando isso agora, sem ofensa."


Ele sorri. "Nenhuma." Ele acena para a minha mão. "É um lindo colar." "Obrigada." Eu coro. "Cuba me surpreendeu com isso." Ryan acena com a cabeça e seu sorriso vacila. "Se você quiser ir tudo bem, podemos nos encontrar na próxima semana." Meus olhos se arregalam. "Você tem certeza?" Eu pergunto rapidamente. "Quero dizer. Provavelmente vou sentir falta disso.” "Então, surpreenda ele no hotel", diz ele lentamente, como se fosse óbvio. "Namoradas se esgueiram o tempo todo." Eu nunca pensei sobre isso, eu poderia apenas surpreendê-lo. Ele adoraria isso e, claro, nem sequer me veria chegando. Estou amando a ideia, mas e se ele não gostar? Ele não é o maior fã de surpresas, mas eu sou. A voz do locutor puxa meus olhos de volta para a tela, e Ryan leva sua cadeira para perto de mim, para que ele possa ver. É estranho, mas eu me esqueço dele no momento em que vejo Cuba entrando com sua equipe. Eu o vi em seu uniforme em fotos, mas meu Deus, eu quero lambê-lo em todos os lugares. O rosto de Cuba está sério, já que Cam fala com ele no assento ao lado dele antes do locutor chamar o nome de Cam. Ele corre pela pista alinhada por seus companheiros de equipe. Cuba é o único que ainda está sentado e eu estou preocupada. Ele está jogando, certo? Então ele se levanta, seu nome é chamado, e eu posso ver seu lábio tremer. Isso é tão importante e eu sinto falta dele. Ele provavelmente está nervoso, este é seu primeiro jogo sem Jackson. Finalmente, ele olha para cima e eu posso ver seus olhos castanhos


de vidro, meu coração aperta.... Quebrando. Este é um momento emocional para ele, para sua equipe. Eu estou observando cada passo que ele dá, passando por seus companheiros, eu posso ouvir os fãs gritando seu nome, e é incrível todo o amor que ele está recebendo. A câmera se move, aproximando o rosto dele e meu coração para. Cuba beija dois dedos antes de puxar o braço para trás, ele parece estar prestes a apontar uma flecha invisível. Eu não consigo respirar vendo ele mirar, desenhar e soltar essa flecha imaginária na multidão. Ninguém sabe o que isso significa, mas algumas pessoas e eu sim. Foi para mim. Um sorriso puxa seus lábios, como se ele soubesse que estou morrendo de falta de oxigênio. "Você está bem?" Eu esqueci que Ryan ainda estava aqui. Sem pensar, levanto-me, fecho o laptop e deslizo-o na bolsa. "Sim". Eu pego as minhas chaves. "Então, eu vou te ver em alguns dias, certo?" Eu não olho para cima ou espero por sua resposta. Eu estou fora da porta, dando dois passos de cada vez, rezando para que eu não caia e morra. De alguma forma, eu consegui enviar um texto à Índia, deixando-a saber, que estou surpreendendo Cuba, e preciso do número do quarto do hotel. Ele me disse onde, apenas não o quarto, e por que ele disse? Espero que ela me mande uma mensagem antes de eu chegar lá. Eu pareço bem? Eu não tenho tempo para me trocar. Meu cabelo está em um coque bagunçado, eu estou de legging e com moletom de


capuz, e não há um pingo de maquiagem no meu rosto. Ele viu o meu pior, eu dou de ombros para mim mesma. Eu acho que o importante é que eu estou lá, não como eu estou. Meu telefone dispara quando eu ligo meu carro, e o nome de Patrick aparece na tela do meu carro. Eu aperto o botão de resposta no meu volante. "Cadela, você viu?" Ele diz antes mesmo que eu possa dizer olá. "Posso ter ele, por favor?" Eu faço minha pequena dança feliz no meu lugar. "Sim!" Eu grito. "Estou no meu caminho para surpreendê-lo." “É melhor você está indo, merda. Ele é um guardião. Meu próprio coração est| quase derretido.” Eu reviro meus olhos. "Tenho certeza que o meu estourou no peito." "Aww", Patrick coaxa. "Eu amo isso. Eu tenho que ir, eu tenho um cliente, mas me mande uma mensagem quando você chegar l|.” Dizemos adeus e programo o endereço do hotel no gps. Eu devo chegar em duas horas se o tráfego estiver do meu lado, e o tráfego de Los Angeles é uma cadela volúvel. Encontrando uma música no meu celular, eu saio do estacionamento no caminho direto para o meu amante.

*****


Meu coração está batendo forte, não consigo me ouvir pensando com gritos dos torcedores nas arquibancadas. Nós fizemos isso. Nós vencemos. Eu ainda estou no mesmo local onde segundos antes de fiz o tiro vencedor. Mãos estão me agarrando e as luzes estão piscando, meus colegas de equipe me cercam. "O rei está de volta!" Ash balança o braço sobre os meus ombros me sacudindo. "Você fez essa merda cara!" Cam salta para nós com um enorme sorriso no rosto. "Como você está se sentindo, cara?" Pergunta ele. Ainda estou chocado, esqueci como era ganhar, e depois do primeiro trimestre tivemos um pouco de nervosismo. O treino é diferente do jogo real e levei algumas tentativas para me acostumar a jogar novamente. "É bom." Eu sorrio de volta. O que eu não digo é que teria sido melhor se Jackson estivesse aqui. Meus olhos examinam as arquibancadas, mas sei que ela não está aqui, e gostaria que ela estivesse. Se houvesse uma pessoa com quem eu quisesse compartilhar isso, seria ela... Sempre será ela. Depois de apertar as mãos do outro time, nós entramos no vestiário, a equipe está empolgada com a vitória e o treinador Jay tenta nos acalmar. Cam é o último ainda falando, e eu o cutuco para calar a boca. Ele se vira, mas fecha a boca com um sorriso. O treinador vai para um grande discurso que não devemos estar muito felizes ainda, é apenas um jogo, e como nosso primeiro trimestre foi


uma merda. Ele estava certo, foi, mas conseguimos. Não demora muito até que ele nos deixe sair para o ônibus, para que possamos chegar ao hotel para tomar banho. Estou um pouco surpreso por não estarmos voltando na mesma noite, acho que as coisas mudaram desde que eu parti. Quando chegamos ao hotel, Cam e Ash vão para a área do bar, onde vejo algumas das líderes de torcida, incluindo India. Ela sorri para mim e acena, dou-lhe um pequeno aceno e continuo indo para o elevador. Eu não sinto vontade de sair, eu só quero tomar um banho e entrar no facetime com minha garota o mais rápido possível. Estou ansioso para ver se ela assistiu o jogo como ela disse que faria. Quando estou no meu quarto, tiro minha camisa suada e pego meu celular na mochila. Há alguns textos de meus pais e dos Emmett me dizendo parabéns pela vitória, então há dois de Bliss, um sorriso puxa meus lábios enquanto eu abro. Arrow: Parabéns pela vitória baby, eu te amo! Arrow: Além disso, obrigado por fazer meu coração estourar, eu vi! Você é o meu tudo Bow. XOXO Estou prestes a mandar um de volta quando há uma batida na porta. Quem diabos é? Eu tenho esse espaço só para mim e não estou esperando ninguém. Jogando meu telefone na cama, ando até a porta. Eu olho através do olho mágico, mas um dedo está bloqueando a visão. Porra Cam, ele joga demais, mas quando eu abro a porta, não é Cam.


É Priscilla. Seu cabelo escuro está em grandes cachos ao redor do rosto. Shorts minúsculos e um sutiã esportivo substituem seu uniforme. Ela segura uma garrafa de bebida escura, sacudindo-a com um sorriso. "Parabéns pelo tiro, vencedor." Eu estreito meus olhos para ela. "Obrigado. O que você quer?" Nunca foi um segredo que eu não era fã dela. Ela pisca seus grandes olhos castanhos de volta para mim. “Eu apenas pensei que poderíamos ter algumas fotos e falar sobre Jackson. É o seu primeiro jogo sem ele”, ela diz inocentemente, e eu me sinto como um idiota. Eu tenho evitado ela, mas eu poderia usar um tiro para acalmar meus nervos. Segurando a porta aberta, deixei-a entrar. “Dez minutos, Priscilla. Isso é tudo que você ganha.” Ela sorri para mim quando a porta se fecha. "Isso é tudo que preciso." Meu estômago mergulha em seu sorriso e não em um bom sentido. Sempre houve algo nela que eu não confiava, mas Jackson gostava dela por algum motivo. Eu acho que ele gostaria que eu fosse legal com ela, mas algo não está certo. Priscilla pega as taças do banheiro e as leva para a mesa, ela as enche um pouco menos da metade e então me entrega um copo enquanto eu me sento na beira da minha cama. Ela pula na mesa e estende o copo. "Para Jackson." Ela sorri brilhantemente antes de virar o licor.


Eu a sigo, o licor marrom queima minha garganta no caminho para baixo. "Foi estranho vê-lo lá sem ele, mas sei que ele teria ficado orgulhoso", ela me diz. Eu não dou a mínima para o que ela acha que sabe, mas eu apenas aceno. Eu não tenho muito a dizer e ela parece entender isso. Então, ela nos serve outro e depois outro. Ela dá um brinde a ele e ao meu próximo. "Por ter o sexy Cuba knigt no Campus." Ela ri. "Isso é o que todas as meninas estão dizendo, pelo menos." Priscilla encolhe os ombros batendo os olhos. Estreitando meus olhos em confusão, eu empurro para cima da cama e vou até a mesa em que ela está sentada, colocando meu copo vazio perto do dela. "Eu acho que é hora de você sair", digo a ela friamente. Ela precisa sair agora. Priscilla faz beicinho, "Mas você disse dez minutos e mal foram cinco." Ela coloca a mão no meu peito nu. "Vamos, Cuba." Agarrando a mão dela, eu aperto meu aperto. "Eu não sei o que diabos você está fazendo, mas você precisa ficar longe de mim", eu cerro os dentes, olhando-a para baixo. Ela estremece em sua mão sob a minha quando a porta do quarto se abre lentamente. Minha cabeça se encaixa naquela direção, meu estômago cai, e eu me sinto mal quando vejo Bliss ali, seus olhos tempestuosos observando esta cena. Eu sem camisa, Priscilla com


quase nada, com a mão em mim e minha mão sobre a dela. Parece ruim, parece muito ruim. Não pode ficar pior do que isso, simplesmente não pode. Mas isso acontece, e não há nada que eu possa fazer para pará-lo. Eu me afasto de Priscilla, mas ela me puxa de volta. "Eu pensei que você disse que ela não era ninguém." Bliss suga uma respiração instável e meu coração está batendo enquanto eu a vejo virar e correr. A raiva corre através de mim, empurrando Priscilla contra a parede com força. "Eu vou arruinar você, quando eu voltar, é melhor você ir embora." Eu não dou a ela uma chance de responder, e eu não dou a mínima para o que ela tem a dizer, é melhor que ela fique longe das minhas vistas. Estou correndo atrás da minha garota, minha vida, meu coração. Minha prioridade agora não é pegá-la.


Não, não, isso não poderia estar acontecendo. Não para mim, não para nós. Como ele pôde fazer isso? Como ele pôde fazer isso comigo depois de tudo? As lágrimas ameaçam cair, mas eu as pisco de volta. Ele não me verá assim. Eu não consigo tirar a imagem da minha cabeça. A beleza de cabelos escuros com a mão no peito dele, ele perto dela, segurando a mão dela, olhando para ela do jeito que ele olha para mim. Dói muito respirar, mas continuo me movendo, tenho que sair daqui. Eu ouço seus passos se aproximando de mim assim que chego ao elevador, pressionando o botão desesperadamente, pedindo que ele se apresse. "Bliss, por favor." Eu o ouço implorar. "Não é o que parecia. Apenas me deixe..." "Deixar você explicar?" Eu me viro para encará-lo. "Eu sei o que vi Cuba, você não precisa explicar!" Ele realmente tem a audácia de parecer chateado, parecer que foi ele quem foi traído e decepcionado. Ele esfrega a nuca e passa a outra mão sobre o cabelo. "Baby..." ele começa.


Eu o interrompo. “Não me chame de baby. Não se atreva a me chamar de nada além do meu maldito nome.” Ele pisca de volta, chocado. Eu nunca amaldiçôo na frente dele, nunca. Eu mal faço isso. Mas ele merece. Ele não merece minhas lágrimas, ele nem merece estar perto de mim agora. Viro as costas para ele, apertando o botão de chamada novamente. Por que está demorando tanto? "Você deveria voltar para sua acompanhante, você está sendo rude." Eu só quero que ele vá embora. Eu preciso que ele fique longe de mim. Ele estende a mão para me agarrar, mas a empurro para longe. "Não me toque." Como ele se atreve depois que ele tocou a garota. Como ele ousa falar comigo depois de dizer a ela que eu não era ninguém? Ninguém. "Bliss, porra, apenas deixe-me explicar", ele implora novamente. "Por favor." A necessidade em sua voz quebra meu coração mais porque eu quero acreditar no que ele diz, mas eu não posso fazer isso. As portas do elevador finalmente se abrem e eu rapidamente entro e viro para apertar o botão do saguão que vai me levar para o meu carro, para que eu possa dirigir para longe daqui. Do hotel onde meu coração se partiu e se encolheu. Olhando para cima, eu fecho meus olhos nos dele. “Não h| nada para explicar. Acabou, mas acho que, como não sou ninguém, não há nada para terminar.” As portas começam a fechar, mas Cuba as bloqueia com a mão e elas reabrem.


"Deixe-me explicar", ele grita. "Só me ouça, por favor e eu vou deixar você ir." Ele engole. "Eu vou deixar você se afastar de mim." Eu não respondo, eu apenas fico lá tremendo a cada respiração, enquanto meu coração está se despedaçando. Lágrimas ainda estão ameaçando cair, e é preciso tudo em mim para não desistir agora na frente dele. Ele dá um passo à frente, mas eu balanço a cabeça e ele para, franzindo a testa. “Baby, nada aconteceu. Ela veio dizer parabéns e eu estava dizendo que ela precisava sair quando você entrou.” "Você a tocou", eu acuso. Suas sobrancelhas se juntam como se ele estivesse pensando no que ele vai dizer, como ele vai girar isso. "Ela me tocou e eu estava puxando a mão dela." Eu sufoco uma risada. "Uau, apenas uau, Cuba." Eu balanço minha cabeça. "Essa é a história que você quer levar?" Ele abre a boca, mas eu o interrompo. "Terminei." "Você está falando sério?" Grita Cuba, fazendo-me dar um passo para dentro do elevador. "Você só vai continuar me cortando e ir embora?” "Sim. Isso é exatamente o que eu vou fazer.” Eu olho para ele. “Você tinha uma garota seminua no seu maldito quarto e quer que eu deixe você explicar? Você está falando sério?" Sua mandíbula cerra. "Eu não fiz nada com Priscilla!" "Oh, então ela tem nome, ela deve ser alguém."


“Você vai parar, Bliss. Você não est| nem me deixando terminar de explicar..." Eu o interrompo novamente. "Eu não quero a sua explicação porque não importa o que você diz havia uma garota em seu quarto." Eu paro e cheiro. "E isso é álcool que eu cheiro?" Cuba se desloca de pé e desvia o olhar. "Você estava bebendo com ela?" Pergunto lentamente passando a mão pelo meu cabelo. Seu silêncio é a minha resposta e fecho os olhos, respirando fundo, antes de os reabrir devagar. "Eu espero que você esteja feliz, Cuba, eu realmente espero." Minha voz treme. "Você me avisou e eu caí de qualquer jeito, você venceu." "Não, baby." Sua voz é tão baixa que eu mal ouço. "Não, só estou feliz com você, só você." "Não." Eu balanço minha cabeça. “Você teve uma menina em seu quarto. Uma garota que não era eu. Eu deveria saber.” Meus olhos saem dele. "Acabou, por favor recue para que eu possa sair." "Então é isso?" A voz de Cuba fica fria. "Você vai jogar tudo fora porque não me deixa explicar?" É como um déjà vu quando olho para ele, seus olhos cor de avelã estão ficando vermelhos e as veias do pescoço estão pulsando.


"Você jogou tudo fora no momento em que a deixou entrar no seu quarto." Eu enfatizo, porque ele não está entendendo. "Por favor, mexa-se." Ele não se move. Ele fica lá olhando para mim, respirando pesado. "Você não consegue fazer isso", ele grita para mim. "Você não consegue quebrar minhas paredes, você não consegue conhecer meus segredos mais obscuros, você não consegue me fazer amar você e simplesmente ir embora." Sua voz engasga. "Você não consegue me deixar, Arrow." Minhas lágrimas me traem, e uma cai, eu rapidamente enxugo, mas mais caem. "E você", lágrimas escorrem pelo meu rosto, “você não consegue me matar depois que eu afastei todos os seus demônios", eu digo baixinho. "E você não consegue me quebrar." Seus olhos lacrimejam e eu quero limpar a lágrima que cai, mas eu não faço. Não me atrevo a tocá-lo. "Deixe-me explicar, por favor", ele tenta novamente. "Ela costumava namorar Jackson." Limpando as lágrimas das minhas bochechas, eu balanço minha cabeça. "Isso deveria fazer tudo melhor?" Eu sufoco uma risada. "Você não pode continuar jogando-o para cada desculpa!" Ele não diz nada, mas engole o nó visível na garganta. Minha mão vai para o meu colar de flecha e eu o esfrego como sempre faço. “Meu avô me deu esse colar, disse que era a flecha do cupido. Foi da minha avó. Ela usava quando se casou com meu avô, minha mãe


usou quando se casou com meu pai.” Eu sorrio com carinho. “Era a minha vez agora. Eu fiquei obcecada com flechas quando era pequena, minha flecha de cupido. Ele deveria atirar em um cara para mim.” Meu sorriso vacila. "Em vez disso, ele entregou a flecha para o cara errado, só para que ele pudesse atirar em mim no coração com ela." Nós não dizemos nada por um momento e eu não quero ouvir suas desculpas. "Eu tenho que ir." É quase um sussurro dos meus lábios encharcados de lágrimas. Cuba parece derrotado e acena com a cabeça, dando alguns passos para trás. Seus olhos se abrem e eu me forço a desviar o olhar. "Eu espero que ela vale a pena", eu digo antes de apertar o botão, as portas se fechando logo depois. Meu peito dói e minhas pernas cedem, fazendo-me cair no chão. Lágrimas estão correndo e eu não as enxugo. Eu quero gritar em agonia, eu quero vomitar, eu só quero deitar aqui e desmoronar. Ele me quebrou. Ele mentiu para mim. Ele me traiu. Amar ele tinha consequências, eu sabia que ele me machucaria. Eu só esperava como o inferno que ele não faria. Eu estava torcendo por ele. Eu estava torcendo por nós. Eu me levanto antes que o elevador se abra com um ruído. Cam e Ash estão parados ali, eles param de falar quando me notam. Eu não posso imaginar o que pareço. Desabotoando o colar que ele me deu do pescoço, eu o entrego para Cam. "Dê isso a ele, por favor."


Ele tira isso de mim, devagar. "O que aconteceu?" Ambos parecem preocupados, mas eles são seus amigos, não meus. "Pergunte a ele." Eu passo por eles, enxugando os olhos. "Obrigado pela chave." Mantendo minha cabeça baixa, eu passo para o resto do time, alguns deles me mandam olhares estranhos, outros dizem meu nome, mas eu não paro, e eu não digo nada de volta. A única coisa em que estou focada é em sair daqui, longe dele.

*****

Não me lembro de chegar em casa esta manhã. Não me lembro de subir na minha cama. Não me lembro de muita coisa, mas lembro que deixei meu coração partido em San Diego. A noite passada passa na minha cabeça repetidamente. Ele estava com outra pessoa. Talvez seja por isso que ele não insistiu para que eu estivesse no jogo, esperando que aquele pequeno gesto antes do jogo de alguma forma me deixasse à vontade. Eu estou tão confusa quanto a primeira vez que o vi meses atrás, e eu odeio isso. Quanto mais ele tentava explicar, pior ficava, e eu não conseguia acreditar nele. Não importa como ele tentou argumentar, o fato é que ele sabia melhor. Rolando do meu lado, eu olho para o relógio, é quase meio-dia. Eu deveria estar no meu caminho para ver meus pais, mas eu não quero que eles me vejam de olhos vermelhos e inchados. Além disso, eu não quero sua aparência preocupada ou ter que falar sobre o que


aconteceu. Quando eu estiver pronta para contar sobre o termino, eu vou, é muito cru agora. Eu rolo de volta e enfrento a parede. Eu não quero voltar, não quero fazer nada além de mentir aqui e tentar pensar em todas as bandeiras vermelhas que eu devo ter perdido ou ignorado. Claro, ele é um idiota, mas ele sempre foi gentil comigo, estávamos indo muito bem. Ou então eu pensei. Há uma batida suave na minha porta. Eu quero dizer a quem quer que seja para ir embora, mas eu não tenho energia. Minha porta se abre. "Hey." É India novamente. "Está com fome?" Esta é a terceira vez que ela me verifica desde que chegou em casa esta manhã. Ela ouviu, todo mundo sabe o que aconteceu, e eu me sinto tão estúpida. India se ofereceu para chutar a bunda dele, mas eu apenas balancei a cabeça negativamente. Eu só queria esquecê-lo, esquecer-nos, mas minha mente tinha outros planos. Ela tocou nas memórias de nós dois juntos durante toda a manhã, puxando as lágrimas junto com elas. Eu o amo tanto que dói. Tanto meu coração está em pedaços esfarrapados que eu não sei se vai montar de novo. “Bliss?” Ela diz meu nome. "Você tem que comer, querida." Eu balanço minha cabeça e me aconchego mais em minhas cobertas. Eu não posso comer, não assim, quando meu estômago está se contorcendo e puxando em direções diferentes. "Eu vou fodidamente matá-lo." Eu a ouço murmurar baixinho.


Eu quero dizer a ela que ele não vale a pena, mas eu pisco e fecho os olhos. Eu não quero pensar, falar ou comer. Eu só quero me enrolar em um casulo e nunca sair. Realisticamente, a vida continua, tenho que continuar, mas neste fim de semana meu mundo parou e ainda não estou pronta para reiniciá-lo. Lágrimas quentes rolam pelo meu rosto. Ele nunca deveria me fazer chorar.


Uma semana depois. Eu liguei, enviei uma mensagem de texto e até mandei um e-mail para Bliss na última semana, nada. Nem uma palavra. Eu quase enviei uma maldita coruja para a casa dela, qualquer coisa só para ouvi-la. Ela está me evitando como a porra da peste, com razão, eu acho. Eu esperei pelas aulas dela, pelo salão de estudantes, até mesmo pela biblioteca, ela é como um fantasma. Eu até tentei perguntar à India e isso foi tão bem quanto pensei que seria, ela ameaçou me matar. Mesmo ela, não me deixou explicar. Tudo em que posso me concentrar é a última vez que vi minha garota e a expressão em seu rosto. As lágrimas e a mágoa em sua voz me assombram há dias. Ela estava certa, eu nunca deveria ter tido Priscilla no meu quarto ou qualquer outra garota além de Bliss. Ela disse que eu usei Jackson como uma desculpa e eu usei, toda vez que eu fodo com algo, eu o uso. Sobrecarregado, Jackson. Abandonou a escola e largou o time de basquete, Jackson. Um babaca quando nos conhecemos, Jackson. Fiquei longe de casa, Jackson. Quebrou o coração dela, claro, Jackson. Ele era o motivo de tudo, mas ele não era. Eu sou apenas um idiota egoísta que pensa que o mundo gira ao meu redor, mas depois que ela saiu e explodiu


minha bolha, porque meu mundo gira em torno dela. Eu poderia culpar Cam por lhe dar uma chave, mas ele fez o que achava certo. Ele deu a minha namorada uma chave para me surpreender. Eu só estraguei tudo, sozinho. O som da caneta de Oliver contra o seu bloco sacode meus pensamentos. Ele pintou de novo, desta vez é um azul calmo, é assim que ele chama. Não está fazendo merda nenhuma para me acalmar. Estou ansioso e nervoso. "Então, você está evitando minhas ligações desde que ligou na semana passada, está pronto para falar sobre por que tentou me ligar às duas da manhã e depois não retornou minhas ligações?" Ele levanta uma sobrancelha. Quando Bliss me deixou, eu pensei que iria perder minha merda, então liguei para Oliver, que não atendeu depois de prometer que ele estava sempre disponível. "Ela me deixou", digo a ele através dos meus dentes cerrados. Ele faz uma pausa tocando sua caneta. "Quando? O que aconteceu?” Ele deve sentir minhas emoções porque estou tendo dificuldades para lidar com isso. Minhas noites são as piores. Eu deito sozinho na minha cama desejando que ela estivesse lá. Eu durmo melhor quando ela está pressionada contra mim. Sem ela, a inquietação está de volta. Eu corro a história para ele, começando o momento em que a cadela bateu na porra da minha porta. Ela é outra que está me evitando e isso é de seu interesse.


Oliver ouve, é claro, escreve em seu bloco o mais rápido que pode, mais rápido do que eu já vi. "Eu mencionei que a levei para casa para conhecer não apenas meus pais, mas também os pais de Jackson?" Eu preciso que ele saiba o quanto eu estou falando sério sobre ela, o quanto essa separação está me afetando. Nós nunca deveríamos terminar. Ela é o meu futuro, e eu estou esperando como o inferno, que eu ainda sou o dela. Suas sobrancelhas se erguem. "Espere, o quê?" Ele passa a mão sobre o coque de homem. “Ela conheceu sua família? Você foi para casa?” "Sim." Eu suspiro. "Eu fui para casa, e antes que você pergunte, sim, nós conversamos e nos abraçamos e toda essa porcaria de merda, agora voltando ao problema em mãos, Oliver." Esta é a primeira vez que eu disse o nome dele em voz alta. "Certo", ele murmura. "Nós vamos voltar a isso. Então, como você está se sentindo desde a separação?” Recostando-me na cadeira, franzo a testa. “Como merda. Como eu não posso respirar, meu peito dói toda vez que penso nela, e isso é o tempo todo.” Eu estou jogando meus sentimentos para fora e eu não me importo. A quem Oliver vai contar? Seu caderno? "Você estendeu a mão?" Levantando minhas mãos, faço uma careta. "Estou prestes a começar a persegui-la. Ela não atende minhas ligações ou textos. Ela nunca está onde ela normalmente está.” Minha mente começa a vagar. Onde ela está se encontrando com Ryan se ela não está na


biblioteca? Aquele filho da puta provavelmente está amando essa merda, eu não tenho escolha para quebrar o braço da NFL dele. "Bem, perseguir é ilegal", ele diz. "Você já pensou em tomar a abordagem de Jackson e talvez escrever uma carta para ela?" Hã? "Não. Isso não passou pela minha cabeça.” Ela iria mesmo ler? Como eu conseguiria isso com ela? India não vai fazer isso, tenho certeza. "Bem, essa é uma opção a considerar." Ele anota algo. “Além disso, você deve dar-lhe tempo para se acalmar, processar a separação ela mesma. Ela está sofrendo, assim como você, mas você tem que ver isso do ponto de vista dela. Você pode não ter trapaceado, e ela pode saber disso, mas não pode ver além de ter uma garota no seu quarto.” Eu deixei suas palavras afundarem mesmo que eu não gostasse delas. Já faz uma semana desde que eu a vi, ouvi a sua voz, mesmo que as palavras destruíssem meu mundo. Eu não queria mais esperar. Eu queria encontrá-la agora, sacudi-la e fazê-la me ouvir. Eu nunca iria traí-la, eu nunca faria isso. Eu estou apaixonado por ela, ela é tudo que eu vejo dia e noite. Ela é tudo que eu quero ver. Oliver continua a jogar fora outras opções e eu não tenho certeza sobre nenhuma delas, elas não parecem o meu estilo, mas, novamente, eu nunca tive que me desculpar antes. Eu nunca tive que ganhar uma garota. Mas para ela, farei qualquer coisa. Depois da minha sessão com Oliver, vou para o treino. Puxando a alça da minha bolsa de ginástica, decido não ignorar o outro


terminal para evitar as líderes de torcida. Eu disse a essa cadela para ficar longe de mim, mas nunca disse que eu não iria atrás dela. Priscilla nunca apareceu na sessão além de sua parte na minha queda, mas eu nunca disse o que aconteceria quando a visse novamente. Olhando para o meu relógio, vejo que tenho algum tempo. Ela realmente pensou que poderia arruinar meu relacionamento, espalhando rumores de que ela me fodeu, e eu não iria vir atrás dela? Uma vez que eu passo através das portas, eu posso ouvir o eco de seu grito do treino no corredor. Eu mando um texto para Cam, dizendo a ele para me encontrar, porque uma coisa que eu sei sobre ela é que ela é uma mentirosa, e eu serei amaldiçoado se ela mentir mais pra mim. Chamando a minha namorada, de ninguém é o que começou tudo. Era melhor ela manter a boca fechada. Quando viro a esquina, vejo as garotas no chão se estirando e rindo entre si. Mas elas param quando uma das garotas me vê. "Cilla, seu namorado está aqui." Carina, eu acho que é, canta com um sorriso estúpido. Eu sorrio de volta, mas mostro o meu dedo do meio pra ela. Seu sorriso cai e ela olha para mim. Priscilla se levanta e balança para mim com seu sorriso maligno. "Treino fechado, mas para você eu vou abrir uma exceção", ela ronrona.


Eu balanço de volta em meus pés assim que a porta se abre do outro lado do ginásio, Cam e Ash atravessam, já em uniforme. Priscilla olha de novo para mim. "O que é isso?" Eu sorrio brilhantemente. "Eu não sei, talvez porque você continua dizendo a todos que transamos no quarto de hotel quando eu realmente estava te expulsando." Ela cruza os braços e ri. "Sério? Sua namoradinha ainda está chateada, foi só uma piada? Pobre bebê” ela murmura. "Apenas mostra que ela não é a única para você." Uma piada? "Você é fodidamente doente mental?" Meu sorriso desaparece. “Você me custou a porra do meu relacionamento porque você queria usar Jackson para entrar na minha cama. Você mentiu para entrar no meu quarto. Para quê? Para correr de volta e dizer ao seu pelotão de putas que você me fodeu quando você não conseguiu que eu tocasse em você?” Gesticulo para o resto do esquadrão, fervendo. Seus olhos escuros se arregalam quando as garotas suspiram. "Homem, nem todas elas são putas." Cam me cutuca de lado, acenando para India, que agora está de pé, e ela não está feliz. Eu não sei dizer se sou eu ou não porque ela não está me olhando. “Meu mal, peço desculpas. A única puta que vejo é a sua capitã”, eu me corrijo. “Então, o que você tem a dizer por si mesma? Para o seu esquadrão, acredito que o círculo de confiança foi quebrado?” Ash ri ao meu lado e é difícil não rir, então eu belisco meus lábios e dou de ombros.


Todos os olhos estão sobre ela agora, algumas garotas estreitando os olhos em sua direção, outras parecem não se importar, elas são provavelmente aquelas que conhecem a verdade. Priscilla acena com um sorriso trêmulo. "Por favor, como se eu fosse fazer sexo com você." Tudo acontece tão rápido que, em um momento, India está de pé a alguns metros de distância, depois pega o longo rabo de cavalo de Priscilla e dá um soco no seu rosto, repetidamente. Algumas garotas gritam, enquanto algumas tentam tirar a India. Cam amaldiçoa ao meu lado antes de entrar em ação. A força da India no cabelo dela não diminui. "Você. Fodida. Cadela” rosna com cada soco. Há sangue no chão, e a visão disso me traz à realidade. Ash está no meio da multidão tentando fazê-las recuar, então Cam tira India. Eu só fico aqui olhando o que eu causei, e eu não dou a mínima. Ela mereceu. Finalmente, India solta e empurra Priscilla para o chão, segurando o nariz. "Sua cadela louca!" Ela grita através de sua mão. "Você está fora da porra da equipe!" India começa a ir em direção a ela, mas Cam rapidamente enlaça o braço em volta da sua cintura, balançando-a ao redor. "Foda-se cadela, e este esquadrão!" Ela grita de volta. "Você adora espalhar rumores, vá e diga a todos que eu venci sua bunda!"


Cam sussurra em seu ouvido e ela começa a se acalmar. O que é isso? Nós esperamos até que India pegue sua bolsa das arquibancadas e a levamos para fora. Ela ainda está tentando se acalmar e recuperar o fôlego, mas ela se vira para mim. Seus olhos verdes me estudam. "Então, não foi verdade?" Ela faz uma pausa. "Quero dizer que ela estava no seu quarto, mas não foi assim?" "É". Eu aceno. “Ela disse que queria falar sobre Jackson. Não muito." Eu não vejo a batida chegando, mas sinto a pontada do soco dela quando ela puxa o punho para trás. "Isso é por ter essa cadela em seu quarto." Ela revira os olhos. "Olha, eu vou falar com Bliss, ela ainda está muito confusa. Apenas dê a ela algum tempo, e eu vou ver o que posso fazer.” Eu odeio que ela esteja tão confusa com isso, que ela esteja tão quebrada e eu não consiga consertá-la. Eu não posso nem falar com ela e dizer o quanto eu a amo. "Obrigado." Eu engulo. “Isso significa muito, e sinto muito sobre a coisa toda lá dentro. Eu não quis dizer tudo isso para você ser expulsa ou qualquer coisa.” Um sorriso puxa seus lábios. "Não se preocupe com isso. Não foi para mim de qualquer maneira.” Claramente não, India é uma espécie selvagem, e fico feliz que minha garota a tenha como melhor amiga.


Ela me dá um sorriso tranquilizador. "Depois do treino, pegue algumas flores e venha, eu falo com ela." "Sim, pegue algumas flores", Ash responde sorrindo, eu quase esqueci que eles estavam lá. "Vamos, rapaz amante." Eu olho para ele. "Não me chame assim." Eu olho de volta para India. "Eu vou estar lá mais tarde." Mais tarde não pode vir rápido o suficiente.


Eu estou ignorando ele de novo, Ryan. Nossas últimas duas sessões foram na maior parte unilaterais. Ele fala e eu concordo ou discordo, mas nunca é uma conversa completa. Eu posso dizer que ele está cansado da minha piedade e da mudança de localização toda vez, no último minuto. Hoje, escolhi a Dixie's, que sabia que era tão cheio durante o dia quanto à noite. Ryan pegou uma mesa na parte de trás onde o café está, e ele ainda tinha meu café esperando por mim quando cheguei aqui. Ele acha que me anima, e deixo-o pensar, quando tudo o que quero fazer é deitar na cama o dia todo e sentir pena de mim mesma. Mas eu não posso, tenho que continuar me movendo, mesmo que seja difícil. Eu tive que mudar toda a minha rotina para evitar Cuba. Vou para a aula pelo menos vinte minutos antes e saio quinze minutos antes de terminar, com cuidado para não vê-lo. Eu não posso lidar com isso ainda. Ouvi dizer que ele está agora com essa garota e me recuso a perguntar à India se é verdade. Eu não quero saber "Seu café vai ficar frio." Piscando, olho para a voz. Ryan está olhando para mim, quase irritado, e eu não posso culpá-lo. Eu fui a pior professora desta semana. Levanto a caneca aos lábios, sorrio antes de tomar um gole. "Desculpa."


Ryan suspira e joga o guardanapo na mesa. "Não se desculpe. Estou preocupado com você, Bliss.” "Por quê? Eu estou bem,” eu insisto, mas estou mentindo, e nós dois sabemos disso. "Sim, tudo bem." Ele ri levemente. "Se você quiser acreditar nisso." Meu telefone vibra na mesa e vejo que é um texto da minha melhor amiga. Indi: Precisamos conversar quando você chegar em casa. Ah, não. Meu celular vibra novamente. Indi: Prometo, eu não queimei o lugar. Relaxe Eu a ignoro porque o que precisamos falar é provavelmente estúpido. Provavelmente outro plano para me deixar "melhor" que envolve Patrick trazendo bebida, eu de ressaca e ainda com o coração partido. Nós tentamos aquele domingo. A segunda-feira foi áspera. "Eu sei que você não quer falar sobre ele, mas..." Ele para quando eu olho para ele. "Venha, me ouça." Eu não tenho ideia do que ele poderia dizer, mas eu não quero discutir com ele. "Bem..." Ryan olha para mim com cuidado com seus olhos escuros. "Você o ama?" O que? Eu sou levada de volta pela pergunta. Eu amo Cuba? Claro que eu amo. É um impulso, amar ele, eu não posso controlar.


"Sim", eu respondo. Ele faz uma careta, mas acena. "Claro que você ama." Isso me faz ter uma carranca. "O que você quer dizer?" Ele passa a mão pelo cabelo. "Nada." Ryan balança a cabeça. "Olha, eu ouvi alguma coisa..." "Eu já ouvi", eu o interrompo. “Obrigado por olhar por mim. Nós deveríamos realmente começar esta reciclagem.” Eu puxo minhas anotações no meu laptop de sua última aula. Ele não se move, suas sobrancelhas estão confusas. "O quê?" Eu suspiro. "Nada, desculpe", ele começa. "É só que se você o ama, por que nem mesmo ouvi-lo? Especialmente depois do que todo mundo está dizendo." Ele realmente parece confuso. Colocando meu café para baixo, eu me inclino. "Desculpe, eu não acho que estou ouvindo você direito." Eu inclino minha cabeça. "A palavra é que ele está com ela agora." Ele ri e empurra a cabeça para tr|s. “Quem quer que você consiga sua informação está fumando crack. Ele a chamou aparentemente no treino, ela admitiu que nada aconteceu.” Meu coração pula uma batida. Ele não fez nada com ela? "Ela ainda estava em seu quarto", eu indico. "Poxa! Por que todo mundo está nisso? Todo mundo sabe o que aconteceu! É tão irritante."


Ryan encolhe os ombros. “Não faço ideia, eu tive a mesma coisa acontecendo comigo uma vez por ano pelo menos. Razão pela qual eu não namoro, ou pelo menos não tento namorar.” "Talvez eu devesse ser como você e nunca mais namorar." Eu tento sorrir. Ele aperta os olhos escuros. "Você é muito linda para ser solteira." Agora eu sorrio. "Eu acho que você está flertando comigo." Como eu estou percebendo isso? Sufocando outra risada, ele balança para trás em sua cadeira, em seguida, se inclina para frente, o rosto ficando sério. "Você é uma garota incrível, Bliss. Mas você não é minha para flertar e eu realmente gostaria de manter meu braço intacto.” Um sorriso puxa seus lábios. "Vá chamá-lo, ouvi-lo." Eu mordo meu lábio. "Eu não sei." A verdade é que eu sinto falta do meu namorado. Eu sinto falta dele como uma louca e eu odeio que acabamos do jeito que fizemos. Eu odeio o jeito que eu saí. Mesmo que eu esteja ferida e um pouco chateada, eu deveria tê-lo ouvido se explicar. Ryan levanta uma sobrancelha e eu gemo. Ele sabe que eu sei que quero ouvi-lo. Eu olho para o meu telefone, ele está no treino, então não há sentido em enviar um texto. Falando nisso, eu provavelmente deveria desbloqueá-lo. Isso pode ser um começo. Agora, como vou chegar a ele? Ele ainda vai estar lá esperando?


*****

Então, eu tenho uma ideia. Veio para mim quando deixei o Dixie's, depois que Ryan basicamente juntou minhas coisas e me empurrou para fora. Nós realmente nos tornamos bons amigos, e espero que, mesmo depois de terminadas as sessões ainda nos falemos. Veremos. De volta à minha ideia, eu vou preparar o jantar e convidálo e falar que ele precisa pegar suas coisas. É um plano básico de puta, mas é um começo e isso é o que realmente importa. Eu decido fazer lasanha e uma salada. Eu percebi que ele é fã de massas e eu não me importo de cozinhar. Além disso, é rápido de montar, e vai no forno, enquanto eu penso em como a noite irá, se ele vier. Vou mandar uma mensagem para ele quando chegar em casa. Agora, preciso ir ao mercado. Não temos nada em casa. Estamos vivendo de comida pronta a semana inteira. É triste. Como de costume, a mercearia está lotada, e eu quero me dizer para esquecer, mas eu já me comprometi com essa refeição. Por sorte, eu peguei o último carrinho, é um desses mini carrinhos, aqueles que garante que você não vai gastar demais. Eu amo essas pequenas coisas. Por natureza, eu ando pelos corredores, pegando ingredientes enquanto passo. Eu nunca fui capaz de entrar em um mercado pegar o que quero e sair. Não, eu apenas ando sem rumo até me cansar. Essa perambulação me levou a um corredor que eu meio que esqueci de tudo. Absorvente interno. Agora que penso nisso, eu


deveria estar no meu período. Eu gemo alto, meus ombros caem quando eu rapidamente penso. Testes de gravidez. Estou uma semana atrasada. Tudo bem, pode ser apenas estresse. Não é nada demais. Agarrando um pacote, eu o coloco no carrinho. É só estresse, essa é uma razão comum para o período de alguém atrasar. Então por que eu rolei meu carrinho até alguns metros, onde os testes de gravidez estão bem empilhados, olhando para mim. Quer dizer, um teste não vai doer, certo? Eu tomo meus comprimidos fielmente. Meu estômago torce, e se eu estiver grávida? Veja, aqui vou eu, pensando demais e pulando para mil cenários diferentes. Eu agarro uma das caixas rosa que parecem familiares, jogando-a no carrinho. Não faz mal checar, e então eu posso surtar depois que isso estiver acontecendo. Meu primeiro teste de gravidez desde que cheguei à faculdade há quase três anos, que incrível. Na verdade, não. Meus pais vão me matar. Sacudindo os pensamentos da minha cabeça, eu começo a dar uma olhada rápida no meu carrinho para ver o que estou perdendo. Eu acho que tenho tudo, exceto uma caixa muito indesejada. "Arrow?" Meu corpo fica tenso, e eu lentamente me endireito. Meus olhos se fecham depois que eu respiro fundo e quando os abro, lá está ele, de pé em shorts cinza, tênis preto, uma camiseta preta estendida no peito e braços tatuados. Quando o vi pela primeira vez naquele dia na biblioteca, pensei que ele fosse um problema em carne e osso, agora sei que ele é. Ele sempre foi um problema, mas ele será meu problema, espero.


Eu quase não vejo o buquê de lírios que ele está segurando com um cartão em uma mão e a outra vira o boné cinza para trás. Seus olhos castanhos encontram os meus e eu respiro novamente. Na última vez que vi, aqueles olhos estavam assustados, agora pareciam mais preocupados e percebi que ainda estou olhando para ele. "Cuba", digo de volta estupidamente. "O que você está fazendo aqui?" Um sorriso puxa seus lábios perfeitos. "É uma mercearia, baby." Agora meu coração estúpido está tremendo, mas eu tento não mostrar isso. Colocando uma mecha solta de cabelo atrás da minha orelha, eu aceno. "Sim." Seus olhos viajam pelo meu corpo e eu gostaria de usar algo mais sexy do que leggings simples e um moletom com capuz, eu nunca saio sem parecer bem, mas essa semana foi dura e eu não me importei. "Que porra é essa." As palavras saem tão rapidamente que eu pisco de volta. Ele estreita os olhos em mim e dá os poucos passos para fechar a lacuna entre nós. Ele se inclina, seus lábios roçando meu ouvido. "Você não ia me dizer?" Ele quase parece ferido. Dizer à ele? Dizer-lhe o que? Oh aquilo.


"Eu nem sei ainda, Cuba", tento tranquilizá-lo. Mas eu teria dito a ele se não houvesse uma chance de que o que aconteceu com Priscilla não fosse verdade? Eu não sei. Ele se inclina para longe de mim, seus olhos me levando mais uma vez. Eu posso sentir o cheiro das flores ao meu lado. Eu engulo em seco. "Para quem são essas flores?" Cuba olha para as flores e de volta para mim. "Precisamos conversar", afirma, analisando o resto do conteúdo do meu carrinho. "Na minha casa ou na sua? A menos que você esteja tendo companhia.” Sua mandíbula cerra. Ele está com ciúmes? Eu inclino minha cabeça. "Você era a companhia pretendida." Eu pressiono meus lábios juntos. "Precisamos conversar." "Sua casa então." Ele acena em direção ao meu carrinho. "Parece que precisamos fazer um teste também." Ah sim. Isso também.


Bliss gira em torno da cozinha tendo a lasanha pronta para ir ao forno. Ela realmente planejou me ter se ela está fazendo uma das minhas favoritas. Faz apenas uma semana e eu senti falta dela na minha cozinha, me fazendo jantar, inferno, às vezes as três refeições. Eu me acostumei com isso, muito usado e ligado à minha garota. Os lírios que eu comprei para ela estão em um vaso na minha frente, eu não sei muito sobre flores, na verdade eu não sei nada, mas a internet diz que os lírios significam desculpas. Não me segurei nisso. Eu sei que vou pedir desculpas, então eu posso aprender de maneiras diferentes. Bliss se aproxima com dois copos e se senta à minha frente. Eu a quero mais perto, mas eu não a empurro. Estou feliz por estar aqui, inferno. "Eu fiz limonada." Ela encolhe os ombros. Seus olhos tempestuosos olham para longe de mim. "Então, devemos conversar." Eu concordo. "Falar, teste, depois jantar." Ela concorda, acenando de volta. "Então, por onde devo começar?"


Ela levanta o copo para a boca. "O começo", ela oferece antes de tomar um gole. Certo, claro, o começo do show de merda. "Jackson costumava sair com ela, eu acho", eu esfrego a parte de trás do meu pescoço. "Eu não sei, ela nunca conheceu a família, então eu não a levei a sério, e ele nunca a trouxe para o nosso lugar. Depois do jogo ela apareceu no meu quarto com uma garrafa, alegou que queria falar sobre Jackson.” Eu deixo cair a mão e respiro. “Foi bom no começo, nós tomamos alguns tiros, mas ela disse algo que eu não gostei, e eu disse a ela que precisava ir embora, ela colocou a mão no meu peito, eu apertei a mão dela e disse pra ela dar o fora do meu quarto. Então você entrou e o resto você já sabe como aconteceu.” Bliss morde o l|bio e assente. “Então, por que você estava sem camisa e por que você a deixou entrar?” Dor passa por cima do seu olhar e eu odeio isso. "Eu estava prestes a entrar no chuveiro, então eu poderia ligar no facetime para você depois", eu digo a ela. "E honestamente, baby, eu nem sequer pensei. Eu não tenho interesse nela, e sabia que nada iria acontecer, apenas conversa. Eu não parei para pensar nas possíveis consequências. Mas eu nunca estive em um relacionamento. Não é uma desculpa, vou foder muito isso, apenas me dê uma chance.” Seus olhos finalmente encontram os meus e a insegurança serpenteia ao redor deles. Ela quer acreditar em mim, mas ela não sabe se deveria. Ela me quer de volta tanto quanto eu a quero, mas ela está com medo, e eu não posso culpá-la.


Eu valho o risco novamente? Eu gostaria de valer como o inferno. "Por que você me ama, Cuba?" Ela pergunta suavemente. Lambendo meus lábios, eu a movo para mim. "Venha aqui e eu vou te dizer porque eu te amo, Arrow." Ela parece insegura, mas depois se levanta lentamente e dá passos leves em minha direção, seus quadris balançando a cada passo até que ela está na minha frente. "Sente-se", eu digo a ela, guiando-a para me montar de modo que estejamos frente a frente. "Então, por que eu te amo?" Eu me ajusto sob ela, minhas mãos descansando em seus quadris, embora eu queira correr por todo o seu corpo. “Eu te amo porque você me empurrou. Eu te amo porque você ficou por perto quando eu não era o mais fácil de lidar. Eu te amo porque você me deu esperança, você acreditou em mim durante um tempo que nem eu acreditei em mim mesmo.” Uma lágrima escapa de seu olho, e desta vez eu posso enxugá-la, beijando a mancha molhada suavemente. "Eu te amo porque você me ajudou a viver novamente, Arrow, você me trouxe de volta à vida." Seus braços balançam em volta do meu pescoço, seus lábios encontrando os meus, pressionando firmemente contra mim. Minhas mãos correm pelas costas dela e ela estremece contra mim. Sua boca se abre, e eu aprofundo nosso beijo, nossas línguas acariciam e giram ao redor uma da outra. Bliss morde meu lábio inferior antes de se afastar. "Eu te amo", ela sussurra contra meus lábios. "Sinto muito pelo que eu disse sobre Jackson, que você o usa como desculpa."


Eu pressiono um beijo contra o canto do l|bio dela. “Você não tem nada para se desculpar, baby. Você estava certa, eu me escondi atrás dele, mas não mais.” Seus lábios pastam sobre os meus. "Ainda assim, me desculpe." "Não. Desculpe, eu errei e não pensei, estou feliz por ter você em meus braços novamente." Bliss sorri. "Ah, veja você nem sempre é um idiota." Ela ri. O timer do forno para, e eu bato na bunda dela fazendo-a guinchar. "Garota, levante-se e me faça um prato." “Ainda um idiota.”

*****

Jackson, Então, por alguma razão que eu nunca saberei, ela me perdoou. Para ela, me amar era a parte mais fácil, e eu estava partindo o coração dela. Eu nunca quis machucá-la, sabe? Eu só queria amá-la o melhor que pude, mas ser namorado é mais difícil do que eu pensava que seria possível. Bliss é um desafio pelo qual sempre estarei disposto. Eu não posso acreditar que me tornei esse cara. Eu costumava sempre tirar sarro de Ash e sua namorada..., mas ela é o amor da minha vida. Ela é perfeita para mim, e eu sei que sou menos que perfeito para ela, mas eu tento ser e, estranhamente, ela ainda me ama mesmo assim. De qualquer forma, para uma merda mais sacana, quando você me


disse que ainda estaria comigo na quadra, eu não acreditei em você, mas senti isso no último jogo. Obrigado por isso, eu precisava de você lá. Te amo J, -Cuba

Eu deito na cama ao lado de Bliss, traçando todas as suas curvas enquanto ela dorme. O teste foi negativo e, apesar de estarmos contentes, sei que ficaria feliz de qualquer forma. Mas é claro que um bebê não está no nosso futuro próximo, mas será incrível quando estiver. Primeiro, tenho que nos levar inteiros e felizes. Isso é tudo que eu quero, é para ela estar feliz. Se ela quisesse que eu a deixasse sozinha, e ela estivesse feliz, então eu faria isso. Não há muito que eu não faria por ela. Pressionando um beijo em sua testa, eu lentamente deslizo seu colar de volta. Quando Cam deu para mim naquela noite, eu pensei que realmente a tinha perdido, eu sabia que a tinha machucado horrivelmente se ela me deu meu coração de volta. Eu não dormi naquela noite, passei a maior parte tentando ligar para ela, implorando para ela voltar. Eu não deveria ter deixado ela ir. As iniciais de diamante brilham sob o luar que aparece em seu quarto. Ela é minha novamente. Eu sei que ainda temos mais para conversar. Eu sei que ainda tenho muito a fazer, mas isso é um começo. Eu vou levar. Passando meu braço em volta de sua cintura, eu a puxo para mais perto de mim, respirando seu perfume de lavanda que senti falta


durante minhas noites solitĂĄrias. Seu calor me envolve e meus olhos ficam pesados. Estar com Biss ĂŠ como estar em casa novamente. Meu amor, meu tudo.


“India, Vamos!” Eu grito pelo corredor até o quarto dela. Ela tem dito que está pronta nos últimos 30 minutos, mas ainda não saiu. Patrick está no sofá limpando as unhas enquanto ele balança a cabeça, sorrindo. Ele está de bermuda amarela, camisa de botão branca de manga curta e chapéu de abas bronzeado. "Você sabe que ela leva uma eternidade, nem todo mundo pode fazer o cabelo com uma rajada de dedos como você." Eu o ignoro, não é minha culpa que eu tenho um ótimo cabelo. Pego a camisa de basquete infantil que pedi semanas atrás com o nome e o número de Cuba nas costas. A escola não vendia camisetas femininas, então me decidi por um tamanho jovem e acabou se encaixando perfeitamente. Eu a combinei com jeans leves e sandálias prateadas e brilhantes que encontrei na parte de trás do meu armário. Cuba pensa que eu tenho uma sessão com Ryan e estaria atrasada para o jogo dele, mas eu cancelei ontem à noite. Acho que nós dois aprendemos a lição há uma semana. Mesmo que eu não tenha admitido, nunca mais vou escolher uma sessão sobre ele.


"Como está o meu look e maquiagem?" Eu me viro para Patrick. "Eu tentei não fazer isso." Ele faz uma careta. "Parece bom, você vai ser uma luz estroboscópica andando com todo esse iluminador." Eu o xingo quando India entra na sala de estar. É estranho não vêla em seu uniforme, e me sinto culpada por ela ter desistido por mim. Mesmo ela alegando que ela iria desistir de qualquer maneira, e a capitã era uma puta. O que quer que ela diga ainda me sinto mal, mas também feliz por tê-la em minha vida. Calça jeans preta abraça suas curvas e uma camiseta azul de basquete da escola está amarrada ao seu lado, mostrando uma lasca de sua barriga lisa de caramelo. "Você está realmente usando esses?" Eu aceno para seus sapatos negros. "Sim". Ela encolhe os ombros como se eu fizesse a pergunta mais estúpida. "Nem todos nós temos um namorado sexy, estou tentando me pegar também." Patrick ri. "Nenhum homem respeitável gostaria de ser seu namorado." Indi bate o dedo indicador nos lábios dela como se estivesse pensando. "Espere, não é isso que o último cara te disse?" Ela sorri docemente para ele. Ele olha para ela, mas volta a limpar as unhas. "Podemos apenas nos dar bem hoje à noite?" Eu pergunto. "Vamos para o jogo, comer cachorros quentes e tomar cerveja."


Ambos fazem uma careta. "Sim, para a cerveja, não para os cachorros quentes", dizem em uníssono. Eu não respondo quando meu telefone vibra na minha mão. "Nossa carona está aqui", eu digo a eles, pegando minha bolsa. Nossa carona não é outro senão meu pai. Ele perguntou se eu estava indo para o jogo hoje à noite, e quando eu disse que sim, ele estava indo de qualquer forma. Ele é uma groupie. Então, deixei ele acompanhar. Ele não tem ideia de que nós acabamos de terminar e voltamos a ficar juntos, o que me deixa feliz por eu não ter ido chorar para eles. Eles nunca o teriam perdoado, eu sou a princesa deles afinal. Meu pai está sentado em seu elegante Lexus pérola quando entramos, ele está digitando em seu telefone com um sorriso. "Mamãe?" Pergunto fechando a porta atrás de mim. Ele concorda. "Sim, eu quero levá-la para um encontro depois do jogo." "Olhe para isso", diz India. "O romance não morre depois de uma certa idade, afinal." Papai levanta uma sobrancelha. "E que idade é essa, Índia?" Ela sorri e encolhe os ombros. "É bom ver um homem da sua graciosa idade ainda querer conquistar sua mulher." Eu reviro meus olhos. "Por favor, pare."


"Sim, por favor, não desrespeite um homem tão bom", Patrick coaxa. Meu pai apenas ri, ele sempre ri quando está perto dos meus amigos. As coisas que saem da sua boca me fazem corar. E é assim que é o resto do caminho para a arena com meus melhores amigos falando sem filtro. Eu puxo India para o lado quando entramos. "Você mandou uma mensagem para Cam?" Ela revira os olhos e acena com a cabeça. "Sim, não se preocupe, ele vai ver você." Eu não estou preocupada, parece que ainda temos algumas coisas a resolver entre nós, e eu quero fazê-lo feliz. Eu quero que fiquemos felizes. Sorrindo, eu aceno e nos apressamos para alcançar meu pai e Patrick. Eu não podia esperar até ver seu rosto.

*****

O vestiário está louco agora. Ainda estamos empolgados com o último jogo e a energia é incrível. Cam tem seu telefone conectado a alguns alto-falantes Bluetooth, explodindo Kendrick Lamar. Ash e JR


estão tentando dançar no meio da sala. Metade de nós nem sequer está pronto, inclusive eu. Este será o primeiro jogo em casa sem o meu melhor amigo, e achei que seria horrível, mas não. Parece que ele está bem aqui conosco, quando nos lembramos dele. Eu ainda estou chateado que Bliss disse que ela não iria chegar a tempo por causa da porra de Ryan Ellis. Mas eu não disse nada, fiquei de boca fechada, ela disse que vai se atrasar. Eu não posso lidar com isso, mas não tenho escolha. Puxando minha camiseta, eu a substituo por minha camisa e o mesmo com minhas calças, enquanto aceno com a cabeça para a batida da música que está tocando. Eu abro a porta do meu armário e sorrio para a foto que eu tirei há algumas semanas. Bliss é uma garota tímida, então eu tive que implorar para ela tirar uma foto comigo. Não é uma foto perfeita, estamos em algumas roupas de descanso relaxando no meu sofá, e ela está olhando para mim como se eu fosse tudo dela e eu estou olhando para ela como se ela fosse o ar que eu respiro. Se ela não olharia para a câmera, então eu também não. De qualquer forma, no dia seguinte eu fui à loja e tive uma cópia impressa, e agora ela está no meu armário como se eu estivesse no ensino médio. Puxando meus tênis para fora, fecho a porta e me deito na cadeira enquanto Cam se senta ao meu lado. "Você está pronto?" Ele pergunta, puxando seus tênis. "Nasci pronto, irmão." Eu amarro meus cadarços e balanço para pegar meu celular na mochila.


Passando meu polegar pela tela, estou um pouco irritado por não ver um texto para me dar boa sorte. Eu debato se devo mandar uma mensagem de texto para ela, mas não, jogo meu celular de volta na mochila. Ela provavelmente perdeu a noção do tempo. A porta do vestiário se abre. “Desligue essa merda de música” o treinador Jay late, e Cam corta os alto-falantes, colocando o telefone longe. “Tudo bem, não vamos ficar arrogantes. Esse time nos derrotou no ano passado...”, ele começa. "Mas nós temos Cuba de volta", interrompe JR. O treinador acena para ele. “Ele é um grande jogador, mas ele é apenas uma pessoa. Precisamos chegar a eles como uma equipe.” Nós acenamos, e ele continua, "Mantenha seus olhos naquele calouro, Mack, ele é difícil de bloquear, então Cam, eu preciso de você e Ash na sua bunda, forçá-lo a fazer os três que ele alega que poder fazer, mas nunca faz." Alguns de nós rimos porque os calouros adoram começar a temporada falando sobre toda a merda que podem fazer, mas não podem, como esse garoto, Mack, ele não sabe nada melhor. O treinador olha para o relógio. "Tudo bem, diga suas pequenas orações e vamos garotos." O treinador nunca gosta de rezar, e ele não nos faz se não quisermos. Há alguns de nós com diferentes religiões, então fazemos nossas próprias coisas.


Eu ouço a multidão antes de vê-los enquanto eu corro para fora do vestiário. O locutor já está chamando os jogadores da equipe visitante. As luzes começam a brilhar para nós no momento em que entramos na quadra. Cam e Ash estão ao meu lado, eu sempre sou chamado por último. JR é anunciado primeiro e abaixo da linha, o resto dos jogadores sai. Cam se vira para mim antes de ser chamado. "Olhe para cima." Ele acena para as arquibancadas do outro lado da quadra. Entre os flashes das câmeras disparando, não tenho ideia do que ele está falando até que meu nome seja chamado pelo locutor e eu corro para a quadra. Eu olho para cima, puta merda. Eu posso vê-la através de uma multidão de qualquer maneira. Seu halo de cabelo loiro está em ondas e, porra, ela está sexy como o inferno em minha camisa, abraçando a curva de seus seios e mostrando um pouco de sua pele. Ela brincou comigo, sabendo que ela estaria aqui o tempo todo. Deus, eu amo essa mulher. Sorrindo, eu beijo dois dos meus dedos e os puxo de volta com meu arco invisível. Eu desenho, aponto e libero. Desta vez, quando a flecha do meu cupido voa, ela cai exatamente onde deveria estar. No coração dela.


Seis meses depois.

Se ele balançar o joelho mais uma vez eu vou o esfaquear com o que eu encontrar na minha bolsa. Quer dizer, eu meio que entendo, não sei como é estar nas três primeiras escolhas de draft11. Mas desde que chegamos à cidade de Nova York, ele está no limite. Ele nem queria falar sobre as possibilidades durante o jantar mais cedo, disse que iria apenas dar azar. Eu sei que ele quer ficar em Los Angeles, mas ele tem dúvidas, ele tem medo de acabar na Costa Leste, do outro lado do país. Eu tive que garantir que nada mudaria, eu só tinha mais um ano e voaria para onde ele fosse. Isso não pareceu aliviá-lo. Nós estamos bem desde o primeiro jogo fora de casa, eu já estive em quase todos os jogos desde então. Seus pais estão sentados em um lado da mesa redonda e os pais de Jackson no outro lado. Eu acho que os top melhores ganham O draft da NBA é um evento anual no qual os trinta times da National Basketball Association (NBA) podem recrutar jogadores que são elegíveis para ingressar na liga. Costumeiramente, esses jogadores são amadores oriundos do basquete universitário, mas jogadores internacionais também podem se escolhidos. 11


mesas no draft. Isso tudo é novo para mim, eu nunca vi um na TV. Até meus pais estão aqui, jantaram com a gente e depois decidiram assistir a um show da Broadway. Meu pai queria estar aqui, mas havia vagas limitadas, então ele foi para o show. Cuba se sentiu mal porque ele e meu pai se tornaram próximos, mas Cuba prometeu a ele um assento para qualquer time que ele recebesse no saque. Todos os nossos dedos estão cruzados que ele estará perto. Seu joelho salta novamente contra a minha perna nua, e eu o cutuco suavemente fazendo-o virar para mim. "O que há, baby?" Ele lambe os lábios nervosamente. Pobre menino. "Acalme-se." Ele puxa sua gravata cinza como uma criança fazendo birra. "Estou tentando", ele faz beicinho. "Por que eu estou usando essa coisa estúpida?" Eu compartilho um olhar com sua mãe antes de voltar minha atenção para o meu namorado. "Esse é um evento formal, se você está muito incomodado, tire-a e desabotoe apenas um botão." Ele não perde tempo antes de tirá-la e entregá-la para mim e abrir o botão preto. Tomando, eu dobro e coloco na minha bolsa. "Sentese melhor?" "Não." Ele toma um gole de água, seu joelho saltando de novo. Cuba passa a mão pelos cachos curtos e, embora esteja nervoso, ele ainda parece sexy em seu terno todo preto. Minha mão aperta seu joelho e ele se inclina para mais perto de mim. “Acalme-se, tudo ficará bem. Você está sendo convocado, baby.


Você trabalhou muito para isso, qualquer time tem sorte de ter você.” Seus olhos castanhos encontram os meus. "Mas eu quero estar onde você está, Arrow." Minha mão acaricia sua bochecha, tentando acalmá-lo. "E eu vou aonde você for, Bow", digo a ele novamente. "Eu posso ensinar em qualquer lugar." Seus lábios roçam nos meus. "Eu te amo." "Sempre." Beijo-o levemente. Quando nos sentamos em linha reta, todos os olhos ao redor da mesa estão sobre nós. O calor se espalha pelas minhas bochechas, ainda fico tímida em beijá-lo na frente deles. Especialmente o pai dele, Sam. "Vocês dois me deixam doente", diz ele. "Me faz querer vomitar em todos os lugares." Cuba enlaça os dedos nos meus e eu o sinto aliviar um pouco. "Como se você nunca beijasse a mãe." Sam levanta uma sobrancelha. "Eu faço muitas coisas para a mamãe." Estes comentários são porque eu tento evitar qualquer PDA12 quando ele está por perto. Monica bate nele, enquanto os Emmett apenas balançam a cabeça. Tenho certeza de que eles já estão acostumados com isso, pois eu ainda estou chegando lá. 12

PDA - Public Display of Affection ou Demonstração Pública de Afeto


Antes que Cuba possa responder, o draft começa, a primeira escolha está aqui em Nova York e ele aperta a mão ao redor da minha. Mas o nome dele não é chamado, é um cara do estado do Arizona, ele sobe os degraus e sobe ao palco, com um grande sorriso quando o comissário aperta a mão e tira uma foto com o boné da equipe. Agora, L.A. está no relógio e sei que provavelmente as balas de Cuba estão ao meu lado. Eu não solto a mão dele, eu nunca vou soltar a mão dele até que ele esteja pronto. Cuba está conversando com seu pai em silêncio e aproveito esse momento para olhar em volta. A maioria das mesas está cheia, e posso apontar os jogadores em cada uma delas, todos vestidos com o T de terno. Mas há um par de olhos escuros de chocolate me encarando, e eu dou uma olhada, Aaron. Seus olhos se estreitam quando ele vê com quem estou. Ele sorri, balançando a cabeça e eu não gosto disso, eu não gosto dele, especialmente agora que eu sei sobre Jackson. Como se atreve ele troll13 alguém que morreu? Então, eu faço um gesto muito pouco feminino e mostro a ele meu lindo dedo do meio. Cuba quase me flagra quando ele se vira, felizmente ele não vê, porque a última coisa que eu quero é que ele veja Aaron antes que ele precise. O tempo passa e ele aperta minha mão novamente, mas eu não me importo. Vou pedir para ele compensar depois. O comissário volta Troll é um termo utilizado como gíria na internet, designando uma pessoa cujo comportamento ou comentário desestabiliza uma discussão. Na internet, o troll é aquele usuário que provoca e enfurece as outras pessoas envolvidas em uma discussão sobre determinado assunto, com comentários injustos e ignorantes. 13


ao pódio e estamos todos na ponta do assento porque é isso que ele quer, e todos queremos que ele seja feliz. Ele merece isso, ele merece estar aqui. E assim como eu desejei, seu nome é chamado. Leva a Cuba um segundo para ficar de pé, ele está em choque quando ele abraça seus pais e depois os pais de Jackson. Por último, ele me puxa com os braços trêmulos e eu o envolvo com força. “Você fez isso, baby. Estou tão orgulhosa de você.” Eu levanto em meus em meus pés, mesmo em saltos, e pressiono um beijo suave em seus lábios. "Suba lá!" Ele me beija de volta antes de me deixar ir e correr até os degraus do palco. Ele sorri enquanto aperta a mão do comissário que entrega a ele seu boné de time ouro e roxo. Eu me esforço para abrir a câmera no meu celular, mas consigo tirar uma foto decente deles. Eu mando para o meu pai que eu sei que queria ver isso. Cuba se foi quando eu olho para trás. Eu olho em volta confusa, procurando por ele. "Ele está em entrevistas, logo ele estará de volta." Sam se inclina para me dizer. O orgulho brilha em seus olhos. "Ele fez isso, graças a você." Eu seguro a mão no meu peito. "Eu não fiz nada além de estar lá. Isso é tudo dele.” Sam pisca de volta, seu olhar por cima do meu ombro. "Eu acho que você está errada."


Pulando, eu me viro no meu lugar para ver meu namorado ali, parecendo sexy com seu novo boné e um sorriso nos lábios. Uma mulher com longos cabelos castanhos carrega um microfone e há um cinegrafista atrás dela. Ela me dá uma olhada uma vez e força um sorriso, mas não diz nada. "O que você quer dizer?" Eu olho para Cuba, tentando entender por que há uma câmera focada em mim quando ele é o escolhido. "Você diz que fiz tudo sozinho quando estou aqui por sua causa. Eu não teria ficado em uma quadra se você não tivesse me dado esperança.” Eu observo enquanto ele lentamente cai para um joelho. Oh. Meu. Deus. Isso não está acontecendo agora. Ele me leva a mão esquerda e a beija. “Bliss Star McQueen, eu te amei antes mesmo de saber que poderia amar alguém. Obrigado por nunca desistir de mim, por me dar outra chance de ser seu Alexander.” Ele desliza uma caixa de veludo vermelho do bolso do terno. “Eu só quero amar você para sempre, Arrow. Você quer se casar comigo?" Ele abre a caixa e o anel perfeito está lá. É um simples aro de ouro rosa com um diamante solitário de princesa. Minha boca está se mexendo, mas nenhuma palavra está saindo, mas eu não consigo me mexer. "Oh meu Deus, você está falando sério?" Lágrimas picam meus olhos e eu seguro minha mão direita em meus lábios. Cuba acena com a cabeça, seu sorriso crescendo. "Sim, baby."


Tremendo, eu aceno com a cabeça rapidamente. "Sim, vou me casar com você. Oh meu Deus, sim.” Ele desliza o anel no meu dedo e eu mal posso ouvir os aplausos no fundo porque eu estou apenas focada nele, meu noivo. Uma vez que ele está de pé, eu me jogo em seus braços e ele se inclina para me beijar gentilmente. "Eu te amo, Arrow", ele sussurra em meus lábios. "Eu também te amo, Bow." Eu me derreto nele, não me importando com quem está assistindo. Um ano atrás, eu o chamei de idiota, agora, ele é minha vida. Cuba diz que eu o salvei e talvez o tenha feito, mas ele me ensinou o que é o amor verdadeiro, esse amor louco inatingível. Eu o fiz respirar de novo, e ele fez meu coração pular uma batida. E eu queria que fosse pular para sempre.


Em primeiro lugar, ao meu marido por me dar as horas que eu precisava para concluir isso. Você é incrível e eu te amo muito. Para o meu filho, que me deixou escrever mesmo quando queria tocar, agora podemos tocar tudo o que você quiser. Para minha família, obrigada por sempre me apoiar e me dizer como estão orgulhosos. Essas palavras simples significam tudo para mim. Jessica Kennedy. Garota, você é minha rocha. Obrigado por estar lá deste desde o primeiro dia. Você é incrível. Obrigado por debater comigo em todos os momentos do dia, lendo minhas partes quebradas e pensamentos inacabados. Agora é a sua vez e fico feliz em ajudar na sua jornada enquanto você corrige seu romance. Eu amo seu rosto para sempre. Aos meus mentores não oficiais, A.M. Johnson e J. L. Drake. Não tenho certeza do que faria sem vocês dois. Obrigado por me guiar e por serem sempre honestos. Eu amo vocês dois. Minhas Betas - Anna, Taylor, Melissa, Mell e MG - Gigi. Vocês meninas são tudo! Obrigado por arranjar tempo para ler Bow & Arrow e dar sua opinião sincera. Kathleen Payne minha editora, posso agradecer até que eu esteja com a cara azul e ainda não ser suficiente. Eu não era fácil, mas nós saímos e este livro não seria o que é sem você. Obrigado para sempre.


Andrea Clark, estou tão feliz por te conhecer durante a fuga do escritor. Obrigado por seu apoio e por ser minha revisora. Você é a melhor. Brenda Wright, obrigado por fazer minhas páginas bonitas novamente. Aos meus melhores amigos e colegas de trabalho, obrigado por me apoiar e até mesmo por me dar ideias para trabalhar. Aposto que todos estão contentes porque finalmente acabou, mas há mais por vir. :) Agora para meus leitores. Quem eu seria sem todos vocês? Eu seria apenas outra garota com uma história. Obrigado pelo seu apoio. Eu espero que você tenha amado Bliss e Cuba tanto quanto eu amei escrevê-los. XOXO A.

Bow & Arrow - A. Cramton - LivroUnico  
Bow & Arrow - A. Cramton - LivroUnico  
Advertisement