Page 1

e apresentam


Fruto do desejo de radicalizar a troca e a colaboração na criação teatral, de transformar-se a partir do encontro com o outro, de criar um evento idealizado a partir da perspectiva de grupos teatrais, de criar um intercâmbio que identifique, diferencie e reinvente seus convidados, e ao mesmo tempo, do desejo de compartilhar isso tudo com quem participa deste Encontro, apresentamos a segunda edição do ACTO, dando prosseguimento ao intercâmbio entre três companhias sediadas em estados brasileiros distintos: Espanca!, de Belo Horizonte (MG), Companhia Brasileira de Teatro, de Curitiba (PR) e Grupo XIX de Teatro, de São Paulo (SP). Na primeira edição, realizada em abril de 2007 em Belo Horizonte, cada coletivo apresentou um espetáculo de seu repertório (Por Elise, Hysteria e Suíte1) e propôs aos demais presentes um diálogo sobre sua história e seus processos de criação. A edição de lançamento do projeto contou ainda com a participação do crítico e professor Kil Abreu, tendo sido finalizada com uma série de apontamentos para a segunda edição do encontro. Dando continuidade a sua proposta inicial, ACTO 2 apresenta os espetáculos Vida e Descartes com Lentes, ambos da Companhia Brasileira, Hygiene, do Grupo XIX de Teatro, Congresso Internacional do Medo, do Espanca!, além de encontros, oficinas ministradas pelos coletivos integrantes e, por fim, apresenta o espetáculo Marcha para Zenturo. Concebido em parceria pelo Espanca! e Grupo XIX de Teatro, e viabilizado por projetos de residência dos dois coletivos, dentre eles o ACTO, Marcha para Zenturo é o primeiro resultado artístico fruto da parceria e intercâmbio entre as companhias que integram esse evento. Sejam bem-vindos a esse encontro, sejam bem vindos ao outro.


Rede Vivo EnCena - FETO e ACTO 2 Criar um ambiente fértil para a experimentação e compartilhamento de conhecimento, estimulando o desenvolvimento profissional e a inovação no teatro. Reunir projetos e profissionais de diferentes perfis na área das artes cênicas: montagens teatrais profissionais e amadoras, oficinas de formação técnica e artística, estímulo à produção de novas dramaturgias, pesquisas de linguagens, formação de público e acessibilidade no teatro, além da construção e articulação de redes culturais nacionais em diferentes segmentos artísticos. É o que une estas iniciativas que integram a Rede Vivo EnCena que chega às Minas Gerais. O FETO e o ACTO são projetos complementares a uma mesma idéia, um mesmo desejo: fortalecer a cultura brasileira e semear novos processos artísticos e culturais. ACTO 2 é realizado em parceria com o Festival Estudantil de Teatro e compartilha com este evento ações de sua programação.


FETO – Festival Estudantil de Teatro O FETO – Festival Estudantil de Teatro é um evento idealizado pela Associação No Ato Cultural e realizado desde 1999. Ao longo dos seus 12 anos de existência, o festival recebeu estudantes, arteeducadores e artistas que juntos possibilitaram a construção do festival e a formação de debates essenciais para o teatro. O FETO 2010, uma edição celebrativa das dez edições, será realizado entre os dias 20 e 30 de outubro em vários pontos da cidade de Belo Horizonte, com ações inéditas em sua história. A programação da décima edição do FETO contempla 15 espetáculos nas categorias de Teatro na Escola e Escola de Teatro de seis estados brasileiros, além de oficinas, análises dos espetáculos, debates, circuito de encontros e a parceria com o projeto ACTO 2. Desde sua primeira edição, o FETO vem girando uma cadeia produtiva entre grupos, estudantes e arte-educadores que ajudaram a edificar essa história em torno do teatro estudantil. Idealizado sob os pilares de ações colaborativas, o festival promove a formação de público, o desenvolvimento cultural e a construção de diálogos efetivos e afetivos. A 10ª edição, a maior da história do festival, fecha um ciclo e inicia outro com novos horizontes a alcançar.


foto: adalberto lima


CIA BRASILEIRA DE TEATRO Curitiba - PR companhiabrasileira.art.br


VIDA Galpão Cine Horto – 24 de outubro – 20h

Texto e Direção: Marcio Abreu Dramaturgia: Giovana Soar, Marcio Abreu e Nadja Naira Músico: Gustavo Proença Trilha sonora: André Abujamra Preparação Vocal: Babaya Iluminação: Nadja Naira Assistente de iluminação e produção: Erica Mityko Cenário e Figurino: Fernando Marés Cenotécnico: Sérgio Richter Contra-regra e assistente de produção: Rodrigo Hayalla Captação e edição de vídeo: Marlon de Toledo Tradução dos textos: Anna Podlesna Guarize, Irina Starostina e Giovana Soar Produção Executiva: Cássia Damasceno Criação, Realização e Produção: Companhia Brasileira de Teatro Elenco: Giovana Soar, Nadja Naira, Ranieri Gonzalez, Rodrigo Ferrarini Duração: 1h40 Classificação etária: 14 anos


Exilados numa cidade imaginária, dois homens e duas mulheres fazem parte de uma banda que ensaia para uma apresentação comemorativa do jubileu da cidade. Fechados numa sala vazia, convivem entre si e revelam comportamentos, relações, conflitos e histórias de suas vidas prosaicas, repletas de humor, sensibilidade e um sentido de transformação. Vida é o resultado de uma pesquisa sobre a obra de Paulo Leminski, com texto original escrito a partir da experiência de leitura e da convivência criativa com referências e textos do poeta curitibano.


foto: Elenize Dezgeniski


CIA BRASILEIRA DE TEATRO Curitiba - PR companhiabrasileira.art.br


DESCARTES COM LENTES Sede do Espanca! - 25 e 26 de outubro – 21h

Elenco: Nadja Naira Texto: Paulo Leminski Direção/ Operador de som: Marcio Abreu Figurino: Fernando Marés Produção Executiva/ Operador de luz: Cássia Damasceno Criação, Realização e Produção: Companhia Brasileira De Teatro Duração: 45min Classificação etária: 14 anos

Exercício cênico que faz parte de uma série de estudos realizados acerca da obra de Paulo Leminski. Escrito em meados da década de 60, Descartes com Lentes é considerado o embrião gerador de Catatau, a obra mítica do poeta curitibano. No texto, Leminski imagina uma hipotética vinda do filósofo francês René Descartes ao Brasil, a convite do conde Maurício de Nassau. Junto com sua comitiva, repleta de cientistas, naturalistas, desenhistas e pintores, Descartes tenta desvendar e descrever as excentricidades e belezas do país tropical, buscando filosofar sobre o Brasil e o modo de vida do seu povo.


OFICINA DRAMATURGIA E CONSTRUÇÃO DA CENA 25 a 27 de outubro (seg a qua 9h às 13h) Sede do Espanca!

Oficina multidisciplinar de criação teatral ministrada por Marcio Abreu, onde será abordado o universo de referências teóricas e práticas que formam o repertório da Companhia Brasileira, além da abordagem de referências clássicas, dramaturgia contemporânea e exercícios práticos de escrita e criação da cena sob a perspectiva do trabalho do ator.


foto: adalberto lima


GRUPO XIX DE TEATRO S達o Paulo - SP grupoxixdeteatro.ato.br


HYGIENE Praça Duque de Caxias - Sta Tereza - 29 e 30 de outubro – 16:00

Pesquisa e Criação: Grupo XIX de Teatro Direção: Luiz Fernando Marques Adereços e Figurinos: Renato Bolelli Produção: Grupo XIX de Teatro Produção Executiva: Mayara Sartori Elenco: Janaina Leite, Juliana Sanches, Paulo Celestino, Rodolfo Amorim, Ronaldo Serruya, Tatiana Caltabiano Duração: 1h40 Classificação etária: 14 anos

Encenada à luz do dia, originalmente, nos prédios históricos da Vila Operária Maria Zélia (1917), a peça é baseada em uma pesquisa sobre o processo de higienização urbana no Brasil do fim do século XIX, onde um grande contingente de culturas e idéias dividem o mesmo teto - o cortiço. Desse caldeirão de misturas surgem os embriões de importantes manifestações de nossa identidade, assim como as desigualdades sociais que marcam profundamente os nossos dilemas atuais.


OFICINA ATOR CRIADOR – CONSTRUINDO NARRATIVAS 26 a 28 de outubro (ter a qui 9h às 13h) Sede do Espanca!

Calcada nos pilares de pesquisa do grupo: a dramaturgia colaborativa, a investigação do espaço não convencional e a interatividade. Partindo de um tema, uma pergunta, um autor ou obra específica, a oficina pretende trabalhar com o ator investigando e propondo seu material dramatúrgico, sua arquitetura cênica e espacialidade, consubstanciando sua interpretação com a cenografia, figurino, direção e dramaturgia, com o intuito de conquistar uma criação de responsabilidade artística coletiva.


foto: Alexandre Ramos


ESPANCA!

Belo Horizonte – MG espanca.com


Congresso Internacional do Medo Galpão Cine Horto - 20 (20h) e 21 de outubro (21h)

Direção: Grace Passô Dramaturgia: Grace Passô (em processo colaborativo com o grupo) Assessoria Dramatúrgica: Adélia Nicolete Assistência de Direção: Fernanda Vidigal Direção de Arte: Renato Bolelli Assistente de Cenografia: Viviane Kiritani Assistente de Figurinos: Gilda Quintão Iluminação: Nadja Naira Arranjos Sonoros: Alexandre de Sena Música da Tribo: Daniel Soares Diazepam Vídeo: Roberto Andrés e Leandro Araújo - superfície.org Preparação Vocal: Camila Jorge e Mariana Brant Técnico e Operador de Luz: Edimar Pinto Cenotécnico: Joaquim Pereira Costureira: Mércia Louzeiro Produção: Aline Vila Real Elenco: Alexandre de Sena, Gláucia Vandeveld, Gustavo Bones, Izabel Stewart, Marcelo Castro, Mariana Maioline, Marise Dinis, Sérgio Penna Duração: 1h Classificação: 14 anos Este espetáculo foi realizado através do II Projeto de Co-Produção do Núcleo dos Festivais Internacionais de Artes Cênicas do Brasil.


Convidados vindos de países imaginários integram um encontro internacional, na tentativa de conceituar questões que dizem respeito à humanidade. Entre as conclusões tiradas, está a amedrontadora constatação de que somos efêmeros e provisórios.

OFICINA PRÁTICAS DE IDEIAS TEATRAIS 21 a 23 de outubro (qui a sab 9h às 13h) Sede do Espanca!

Oficina que busca o estudo de princípios de atuação, cênicos e dramatúrgicos, utilizados nas criações do grupo Espanca!, através da proposição de “ideias teatrais” a serem desenvolvidas pelos participantes. Propõe-se também a reflexão da formação de um ator que reavalie freqüentemente em seu trabalho, os códigos do acontecimento teatral.


foto: Alexandre Ramos

ESTREIA::


e apresentam

Espanca! e Grupo XIX de Teatro Belo Horizonte - MG e S達o Paulo - SP


MARCHA PARA ZENTURO Galpão Cine Horto - 31 de outubro (20h), 1,2,3 novembro (21h)

Direção: Luiz Fernando Marques Dramaturgia: Grace Passô Iluminação: Guilherme Bonfanti Projeto áudio-visual: Pablo Lobato Treinamento de viewpoints: Miriam Rinaldi Oficina de interpretação: Ana Lúcia Torre Cenário: Luiz Fernando Marques, Marcelo Castro, Paulo Celestino, Rodolfo Amorim Figurino: Gustavo Bones, Janaina Leite, Juliana Sanches, Ronaldo Serruya Trilha Sonora: Luiz Fernando Marques Técnicos e Operadores de Luz: Amanda Magrini e Edimar Pinto Assistente de ensaio: Thiago Wieser Coordenação do Projeto Co-Habitação: Paulo Mattos Produção Executiva do Projeto Co-Habitação: Mayara Sartori  Produção do grupo Espanca!: Aline Vila Real Elenco: Grace Passô, Gustavo Bones, Janaina Leite, Juliana Sanches, Marcelo Castro, Paulo Celestino, Rodolfo Amorim, Ronaldo Serruya Duração: 1h20 Classificação etária: 14 anos


Espanca! (MG) e Grupo XIX de Teatro (SP) se unem para a criação de um único trabalho, em que uma turma de amigos se reencontra para celebrar uma festa de Ano Novo. Esse reencontro detona lembranças e reflexões sobre como o tempo transcorreu em suas vidas: como eram, o que desejaram ser, o que se tornaram, e o que ainda se tornarão. A peça é também uma reflexão sobre o estar vertiginoso de nosso tempo: tempo em que o presente é algo que continua sonhando estar vivo, tempo em que o passado é uma realidade que não adivinha o futuro; tempo em que o futuro  já chegou.


Que duração é essa de “estar”? Marcha para Zenturo, além de uma peça de teatro, é o resultado de uma vivência e convivência complexas, onde a intimidade, os procedimentos, as visões de duas companhias se escancaram na generosa experiência de encontrar, reconhecer e criar com o “outro”. A sala de ensaio tornou-se nesse trabalho a arena de um encontro estético e político onde o exercício da diferença, o olhar sobre o outro, a atração do desconhecido, se revelam como força não só para a realização de um projeto de arte, mas sobretudo para a possibilidade de pensar o homem e as relações que ele estabelece na diferença e na igualdade. Para sua realização, uma série de ações foram desenvolvidas ao longo de uma extensa trajetória de encontros entre Grupo XIX de Teatro (SP) e Espanca! (MG): Em 2006: apoiado pela Lei de Fomento ao Teatro para a cidade de São Paulo, o Grupo XIX promove uma série de reuniões-almoços chamadas de “Encontros Antropofágicos” onde grupos de teatro eram convidados a dividirem a mesa tendo como prato principal a discussão e troca a partir de suas trajetórias, projetos estéticos e modos de produção. Em um desses encontros, o XIX recebe o grupo Espanca! para um suflé de frango e uma deliciosa sobremesa de abacate. Em 2007: O Espanca!, apoiado pelas Leis Estadual e Federal de Incentivo a Cultura, convida o Grupo XIX e a Cia Brasileira para o ACTO1, edição de lançamento do Projeto ACTO. Em 2008: o Grupo XIX, apoiado pela Lei de Fomento, propõe ao Espanca! a realização de um mini-processo em que o resultado não seria mais fruto do trabalho nem do primeiro nem do segundo, mas um terceiro trabalho, híbrido, com a potência de um contato estabelecido sem hierarquias e feito do desejo de transformar-se a partir do encontro. Em dois meses de trabalho contínuo nasce o embrião “Barco de Gelo”, um working in progress que se mostra ao público em apresentações na Vila Maria Zélia em São Paulo e no Galpão Cine Horto em Belo Horizonte.


Em 2009 e 2010: Os coletivos decidem encostar o barco e marchar em terra firme. Viabilizados pelo Programa Petrobras Cultural, durante o segundo semestre de 2009 e o primeiro de 2010, criam o espetáculo Marcha para Zenturo. Em julho de 2010, os grupos estréiam no FIT São José do Rio Preto, seguido de uma temporada no SESC Copacabana (RJ) e agora, a convite do grupo mineiro, integram a programação do ACTO 2. Marcha para Zenturo é uma busca pelo sentido do tempo, através de metáforas que o representam: um encontro entre amigos é o que metaforiza o “passado”, já que é tão emocionante, estranho e constrangedor encontrar-se com pessoas íntimas de um tempo que já se foi, nossas testemunhas. O tempo “presente” é representado pelo próprio ato teatral, e é bem simples entender o motivo: essa arte se ocupa de potencializar o presente enquanto ato e linguagem, além do fato de que isso de “apresentar, apresentar, apresentar e apresentar uma peça” é indubitavelmente uma metáfora precisa do “viver, viver, viver e viver todos os dias”. E diríamos que com certeza algum poeta já disse, diz e dirá que fazemos coisas muito parecidas todos os dias, e todos os dias essas coisas serão muito diferentes. O presente, dito “aqui-agora”, é uma sobreposição de passado e futuro, realidade e ficção, memória e projeção, espaço de conversão, transmutação. E, por fim, isso que se diz “futuro”, é aqui representado por um lugar desconhecido pelo qual se luta e se marcha. Este trabalho é também reflexão sobre como o homem se relaciona com o tempo na esfera contemporânea. Essa forma estranha e sensacional de multiplicar espaços, de multiplicar-nos, e vivermos nessa vertigem entre o atraso e o atropelo. Vertigem em que a humanidade avança e também adoece. pat rocínio

incen tivo PROJETO EXECUTADO POR MEIO DA LEI ESTADUAL DE INCENTIVO À CULTURA

pat rocínio

incen tivo


ENCONTROS ENCONTRO COM O PÚBLICO Nelson Bordello - 29 de outubro (19h)

Conversa aberta entre público e os grupos integrantes do ACTO 2: Espanca!, Grupo XIX de Teatro e Cia Brasileira.

ENCONTRO INTERNO Encontro entre os grupos integrantes para a elaboração dos intercâmbios que ocorrerão no ACTO 3.


ACTO 2 Criação e Realização: Espanca! [Aline Vila Real, Grace Passô, Gustavo Bones, Marcelo Castro] Coordenação de produção: Aline Vila Real Assistente de Produção: Dino Neto Coordenação Técnica: Edimar Pinto Administração: Silvia Batista Assessoria de Imprensa: A Dupla Informação Projeto Gráfico: 45Jujubas Registro Áudio Visual: TEIA Registro Fotográfico: Guto Muniz Cobertura: Daniele Ávila e Felipe Vidal [questaodecritica.com.br] Estagiários: Adeliane Melo, Adriana Januario , Ana Araújo , Bruno Cuiabano, Clécio Luiz, Denise Leal, Fabiana Loyola, Fabiano Rabelo, Fábio Ribeiro, Flávia Almeida, Guilherme Colina, Igor Leal, Juliana Birchal, Luciana Brandão , Mayara Dornas, Roberta Trajano.


a poio

re a liz ação

pa rceria

pat rocínio

incen tivo PROJETO EXECUTADO POR MEIO DA LEI ESTADUAL DE INCENTIVO À CULTURA


Programa Acto 2  

Fruto do desejo de radicalizar a troca e a colaboração na criação teatral, de transformar-se a partir do encontro com o outro, de criar...

Programa Acto 2  

Fruto do desejo de radicalizar a troca e a colaboração na criação teatral, de transformar-se a partir do encontro com o outro, de criar...

Advertisement