Page 1

Espaço 10anos Rua Infante D. Henrique, 246 /248 4785-353 Trofa t | 252 416 336/1 f | 252 416 337 espaco-trofa@espacot.pt horário: Segunda a Sexta-feira 10:00h às 18:00h

“Beauty Remains in the impossibilities of the body”

Exposição Individual de Raquel Costa 21 de Abril >> 13 de Maio 2011


participe neste projecto divulgando-o!

“Beauty Remains in the impossibilities

of the body”

(A beleza permanece nas impossibilidades do corpo)

A temática das funções corporais tem-se desenvolvido e metamorfoseado ao longo de vários anos, emergindo de uma íntima relação com as referências líricas e plásticas que povoam o imaginário da artista: cada imagem é uma recriação de uma rede de metáforas em que o corpo serve de suporte ao simbolismo. “Beauty remains in the impossibilities of the body” é um verso de uma canção de Einstürzende Neubauten. “The woman who could not live with her faulty heart” é o título de um poema de Margaret Atwood. Ambos se ramificam, simbolicamente, a partir de uma outra frase antiga, de Louise Bourgeois, cuja impressão é tão forte que se faz sentir até hoje: “Rouge est la couleur du sang” uma evidência tão literal, e, no entanto, tão desconcertante. Tudo são versos roubados, mastigados, reinterpretados. A utilização do simbolismo da anatomia justifica-se pela ampla subjectividade que esta carrega: da poesia à linguagem quotidiana, as metáforas do corpo sempre procuraram circunscrever o indescritível da psique, das emoções, do sofrimento, da complexidade humana. O coração é só um músculo, um naco de carne, mas é onde depositamos todo o peso simbólico da nossa vida. Esta série de ilustrações, realizadas entre 2007 e 2010, reflecte a tentativa da artista de apaziguar esse coração insatisfeito, complexo, muito dado a insónias.

Raquel Costa nasceu em 1979. Concluiu o curso de Artes Plásticas – Escultura, na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, em 2002. Em 2010, adquiriu o grau de Mestre em Ensino de Artes Visuais. Nos últimos 10 anos, participou em inúmeras exposições de artes plásticas, individuais e colectivas, e publicou trabalhos nas revistas Periférica e Águas Furtadas. Mais recentemente, tem-se dedicado à sua paixão mais antiga: a ilustração. Hedonista de nascimento, epicurista em formação, gosta de sol, de livros, de ler livros ao sol, do tempo lento, de ser ociosa. Gosta de árvores e de fazer desenhos, e quanto ao trabalho, é mais bartlebyana que situacionista... preferia de não.

Exposição Individual de Raquel Costa  

Beauty remains in the impossibilies of the body

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you