Page 1

Ensaio sobre a solidĂŁo

Rio de Janeiro, RJ, 2012


Personagens: Homem jovem Mulher alva e de longo cabelo negro

Chalé isolado no alto de uma serra. Apesar de se situar entre o final do século vinte e início do século vinte e um, não necessita de um recorte temporal exato, devido à universalidade dos temas abordados.


Prólogo A peça que aqui se inicia deve ser chata. Durante toda sua duração não ocorrerá nenhuma fala ou grunhido humano. O tema será a solidão. Por isso o silêncio, a monotonia e a repetição darão o tom da peça. Espero que não desista antes do final. A peça não é interativa.

Segundo Ato [O cenário deve reproduzir o interior de um chalé rústico, austero e elegante. As paredes e as portas devem ser indicadas no chão. O chalé deve conter uma sala com uma grande janela representada por um retângulo de metal dependurado no canto esquerdo do cenário. O mobiliário desta sala será austero e com aspecto antigo. Deverá ter uma poltrona ao lado da janela. A pouca mobília deve ser escura e composta por um sofá, outra poltrona, uma mesa de centro e uma cristaleira que estará sendo utilizada como bar, por isso deve haver taças e copos de cristal e garrafas de licores e uísque organizados na prateleira do meio; também haverá nela um gramofone e discos de vinil. Haverá livros espalhados pela sala e empilhados pelos cantos e sobre as mesas. O ambiente deve transmitir uma certa desordem, devido aos livros, jornais e revistas espalhados pelo recinto, porém a elegância deve ser mantida. Um pequeno lustre semicircular de vidro colorido coroa a sala. No fundo da sala deve haver um balcão que a divida de uma pequena cozinha. A cozinha deve conter uma geladeira e um fogão de metal branco e um baixo balcão de metal que conterá uma fruteira e uma pia. O canto direito do cenário deve ser dividido entre um quarto ao fundo e um banheiro na frente. A mobília do quarto


deve ser composta por uma cama, um criado mudo e uma cômoda. A cama deve estar disposta com a sua lateral paralela ao público. Do seu lado esquerdo estará o criado e em frente a ela estará a cômoda. O banheiro deve ser composto por uma pia e uma privada de louça branca, um chuveiro de metal e uma cadeira de madeira. No canto esquerdo do cenário deverá haver uma faixa lateral após a janela, onde deverão ficar várias árvores dependuradas de cabeça para baixo simulando um bosque invertido. ]

Cena I HOMEM (O homem deve estar sentado na poltrona próxima à janela. Seu cabelo deve estar um pouco desarrumado, porém com um corte austero. Ele deverá trajar calça, camiseta, camisa, colete e mocassim; as peças devem ser de cores neutras e terrosas. Toda sua movimentação deve ser calma e ritmada. As luzes se acendem. Ele permanece sentado lendo um livro por um tempo de aproximadamente quarenta segundos. Levanta-se, anda lentamente para a cozinha, lá ele pega um bule no armário superior. Debaixo da pia pega algumas ervas. Coloca-as dentro do bule. Abre a torneira da pia como se estivesse pegando água, fecha a torneira. Coloca o bule sobre o fogão. Enquanto o bule está sobre o fogão, ele pega um bombonier com amanteigados no armário superior e o coloca na mesa da sala. Encosta-se no balcão e espera o chá ficar pronto. Serve uma xícara e deixa o bule sobre o balcão. Vai para a poltrona próxima ao sofá. Apanha um jornal e começa a lêlo sentado no sofá. Enquanto lê o jornal, bebe o chá e come alguns biscoitos. Após algum tempo ele deixa o jornal e apanha um livro. Lê por algum tempo,


em seguida olha para o relógio e dirige-se para o banheiro. Lá ele se despe lentamente. Cada peça de roupa tirada deve ser dobrada o colocada sobre a cadeira; por fim, ele tira também o relógio. Dirige-se para o chuveiro, abre a torneira, a luz do banheiro fica um pouco mais fraca e um foco de luz o ilumina perpendicularmente. Ele lava-se com gestos amplos e robóticos. Fecha o torneira, a luz do banheiro volta ao normal. Sai do chuveiro, enxuga-se, enrolase em uma toalha e vai para o quarto; lá ele veste uma cueca e um roupão. Senta-se na cama, pensativo. Após algum tempo ele levanta-se e vai para sala. Procura um livro específico em meio a todos os outros na sala; encontrao. Coloca-o sobre a mesa de centro. Vai até à cozinha e serve-se de uma taça de vinho. Volta para a sala, senta-se em uma poltrona e lê o livro por um tempo longo. Enquanto lê, bebe o vinho. Acabada a leitura e o vinho, ele fecha o livro e o deixa sobre a mesa ao lado da taça. Vai para o quarto. Tira o roupão e deita-se. As luzes se apagam.)

Cena II HOMEM (As luzes se acendem. O homem deve estar sentado na cama. Ele se levanta tira a calça e a coloca sobre a cama. Vai ate a cômoda, pega uma calça, uma camiseta e uma camisa, estas devem seguir o mesmo padrão do figurino já descrito. Calmamente, ele veste peça por peça. Ao terminar, ele volta à cômoda e apanha um suspensório, que veste. Vai ao banheiro e faz seu toalete. Dirige-se lentamente para a cozinha, lá fica parado olhando para o nada por cinquenta segundos. Abre a geladeira, fita-a por um longo tempo, fecha-a. Apanha um croissant no armário superior da cozinha, coloca-o no


forno. Volta na geladeira, pega um pote de cristal com manteiga, coloca-o sobre o balcão. No pequeno fogão, ele prepara um bule de café italiano, o café deve realmente ser preparado em cena. Enquanto o café não fica pronto ele vai até o gramofone e coloca um vinil, a música deve tocar apenas em sua imaginação. Quando o café ficar pronto, ele deverá apanhar uma caneca e servir-se. Ele a coloca próximo à manteiga. Senta-se, espera algum tempo e pega o croissant que está no forno. Coloca-o também sobre o balcão e calmamente toma seu café. O ator deve comer todo o croissant e tomar o café. Ao terminar, ele se levanta e coloca a louça suja na pia. Dirige-se para a poltrona ao lado da janela e fica lá assentado por aproximadamente dois minutos, olhando para fora. Lentamente ele adormece. Ao acordar dirige-se ao gramofone e tira o disco, desligando a música. Vai para a cozinha, bebe um copo d’água. Retira da geladeira uma larga fatia de torta de carne, a come sentado ao balcão. Volta para seus livros. Senta-se no sofá e começa a ler. Lê por um longo tempo. Quando termina, levanta-se e vai para o banheiro. Todas as outras luzes se apagam. Ele se despe lentamente, repetindo o mesmo ritual do dia anterior. Liga a torneira, a luz do banheiro fica um pouco mais baixa e um foco de luz ilumina a área abaixo do chuveiro. Logo quando ele começa a banhar-se, uma mulher alva e de longos cabelos negros e soltos entra nua no banheiro. Ele se surpreende e abre a boca, com os dedos tocando os lábios do homem, a mulher o silencia. Ela apanha a bucha e começa a lavá-lo. O banho deve durar pelo menos cinco minutos. Ela deve ensaboá-lo em diversas posições, tornando a fotografia da cena agradável. Ele deve aceitar e reagir aos estímulos dela. Quando ela termina, subitamente sai do banheiro e desaparece. As luzes se apagam.)


Terceiro Ato HOMEM (Acendem-se as luzes, o homem está deitado de pijamas. Ele se levanta e veste-se. Vai até a sala, coloca um vinil no gramofone. Serve-se de uma dose de uísque. Senta-se no sofá e bebe sua dose calmamente. Apanha um livro qualquer e o lê. Impaciente, o fecha. Vai para o banheiro, despe-se. Entra debaixo do chuveiro. As luzes se apagam. Um balde de água cai sobre o homem. As luzes se acendem. Ele fica estático, mirando a plateia. As luzes se apagam novamente por alguns segundos. As luzes de todo o cenário se acendem. O homem, calmamente, atravessa o cenário e se atira da janela. Crescentemente, ouve-se o Nocturno Opus número 2 de Chopin. Um rastro de água fica no chão. As luzes se apagam.)

FIM

Ensaio sobre a solidão lucas lima rios feres rio de janeiro  

Um dos textos vencedores do Concurso Jovens Dramaturgos - 2012

Ensaio sobre a solidão lucas lima rios feres rio de janeiro  

Um dos textos vencedores do Concurso Jovens Dramaturgos - 2012

Advertisement