Page 1

EDIÇÃO N.º 56 NOVEMBRO DE 2018 Fonte: http://www.presidencia.pt/?idc=10&idi=156861

Jornalistas no Palácio de Belém

p. 3 e 4

ES D. Pedro V

Novembro 2018


2

Mercado de Benfica

ES D. Pedro V

Por Valeria Liubymova, Turma 11º 8, ESDPV

Visitas de estudo

No dia 22 de novembro, os alunos da turma 8 do 11º ano realizaram uma visita de estudo ao Mercado de Benfica no âmbito da disciplina de Geografia. A turma foi acompanhada pela professora de Geografia, Deolinda Rodrigues e pela professora de Português e Diretora de Turma, Teresa Pimpão. A visita teve como objetivo observar os produtos vendidos no mercado e reali-

zar um inquérito aos vendedores e aos compradores. No início da atividade os alunos sentiram-se envergonhados, mas aos poucos ganharam coragem e interesse pela tarefa acabando por gostar da

Mercado de Alvalade Por EB1 das Laranjeiras – 3º A, 3ºB e 3ºC. Notícia enviada por Dulce Pires Nós, as turmas do 3º ano, da escola das Laranjeiras, fomos com as nossas professoras, no 1º período fazer uma visita de estudo, ao Mercado de Alvalade, em Lisboa, no âmbito do Programa “Vamos Todos ao Mercado”.

EB1/JI Laranjeiras com bom gosto, onde apresentam os produtos frescos, ou alguns congelados, numas bancadas limpinhas. Cada um de nós adorou esta visita de estudo, porque aprendemos que no mercado podemos passar bons momentos.

Recordámos a Pirâmide Alimentar, para fazermos uma dieta alimentar mais saudável. Brincamos às compras e vendas de produtos, numa bancada a fingir. Aprendemos a embalar o produto, a receber o dinheiro e a dar o troco em euros. Vimos o interior do Mercado de Alvalade, agora um pouco diferente de 2017, porque imaginem só, foi criado um parque infantil, agora este espaço está mais animado. Agora também há uma zona de descanso, as instalações sanitárias estão mais bonitas e a iluminação também Os vendedores têm umas bancadas

FICHA TÉCNICA Conceção e implementação do projeto: Ana Vilela, Lígia Arruda e Lucinda Marques (Professoras bibliotecárias do AEL) Montagem gráfica: Lígia Arruda e na sua impossibilidade Carla Rodrigues e Alexandre Rodrigues Periodicidade: mensal (exceto julho e agosto) Email: viva.voz@ael.edu.pt Textos: Responsabilidade dos autores ou de quem os envia. Novembro 2018


3

Jornalistas no Palácio de Belém Por Lígia Arruda

O Presidente da República decidiu promover em Belém um ciclo de Encontros com Jornalistas após ter recebido escritores e cientistas. Durante nove semanas, o Palácio recebeu, todas as terças-feiras, nomes conhecidos dos media, que responderam a perguntas de alunos de todo o país sobre o que é ser jornalista. Começou na terça-feira, dia 23 de outubro, com José Alberto Carvalho, da TVI. Seguiram-se Aura Miguel, da Rádio Renascença, Fátima Campos Ferreira, da RTP, Maria Flor Pedroso, que recentemente transitou da Antena 1 para assumir as funções de diretora na RTP, Fernando Alves, da TSF, Rodrigo Guedes de Carvalho, da SIC, Manuel Carvalho, do Público, Eduardo Dâmaso, da Sábado e Mafalda Anjos, da Visão. A professora de Português, Lígia Arruda, foi convidada a levar os seus alunos e, assim, o 12.º 3 da ES D. Pedro V esteve presente na sessão com Rodrigo Guedes de Carvalho, no dia 27/11/2018, acompanhados pelos professores da turma Pedro Curveira de Matemática e Ana Sofia Tojo de Educação Física. Eu gostei muito da visita, tendo sido muito interessante e cativante, também devido ao jornalista em questão. Considero que foi uma atividade que nos atentou para assuntos atuais da comunicação social devido às questões colocadas e ao mundo que é o jornalismo. Com os melhores cumprimentos, Ana Mateus

ES D. Pedro V evitar um pouco o stress das aulas (embora com 2 testes no dia seguinte), como também para nos dar a conhecer mais sobre as "pessoas que nos representam", neste caso o jornalista Rodrigo Guedes de Carvalho e, adicionalmente, o professor Marcelo Rebelo de Sousa, juntamente com um pouco do palácio. Diogo Ferreira

Atividades

A meu ver, considerei esta visita de estudo extremamente interessante e única. Achei o palácio, o museu e as suas vistas lindas. A minha ideia do jornalista Rodrigo Guedes de Carvalho foi de ser um homem extremamente cativante e bom orador. Penso que a visita não teve nada de desagradável. Miguel Rosa Foi uma grande honra poder ir ao palácio de Belém, uma experiência única sem dúvida. Estava na dúvida se o tema discutido me iria interessar mas depois o jornalista Rodrigo Guedes de Carvalho despertou logo o meu interesse. Porém, o melhor de tudo foi, sem dúvida, conhecer e ser abraçada pelo nosso grande presidente Marcelo! Beatriz Vasconcelos Relativamente à visita, foi, sem dúvida, uma experiência única e de difícil repetição. Foi, de facto, um momento extremamente enriquecedor já que através do projeto do Palácio de Belém nos foi permitido conhecer um pouco melhor a vida e as dificuldades diárias de um jornalista e escritor, conhecido por todos nós. Inês Silveira Apreciei bastante a visita realizada ao Palácio de Belém, e sinto que foi uma oportunidade de aprender com alguém que tem uma perspetiva tão diferente da nossa. Porém, não apreciei alguns comentários feitos pelo jornalista. Como é óbvio estou ciente de que não é possível concordar com a opinião de todos, por isso utilizei esta ocasião para entender e aceitar pontos de vista diferentes. Por último, quero

A meu ver, foi uma atividade bastante interessante e exclusiva, exclusividade essa que tornou a visita muitíssimo proveitosa e a qual para sempre recordarei. Caso exista possibilidade, marcarei com agrado presença noutras atividades deste género. Ricardo Amaro

agradecer pela generosidade de nos terem oferecido o lanche. Indira Pinto De facto, a visita que fizemos na passada terça-feira ficará na nossa memória para sempre. Acho que foi uma ótima experiência para todos os colegas, tivemos bastante sorte em ter esta oportunidade e gostei muito de ouvir tudo o que foi falado. Obrigada Professora por confiar em nós. Mafalda Marques Fernandes Queria agradecer desde já a oportunidade que a professora nos deu ao visitar o famoso Palácio de Belém. Foi muito enriquecedora a experiência e ouvir o Senhor Rodrigo Guedes de Carvalho foi algo de extraordinário que guardarei para a vida. Filipe Casimiro A minha opinião sobre a visita é bastante positiva. Vou ser sincero: não tinha grandes expectativas na visita, mas foi uma surpresa bastante agradável. Foi bastante educativo e engraçado, espero que se consiga repetir algo do género no futuro. Não tenho aspetos negativos, só um pequeno reparo para o meu (ainda que pequeno) atraso, ao que peço desculpa. Diogo Silva Eu gostei bastante da viagem, foi extremamente interessante e diferente do que estou habituado. Definitiva-

Achei bastante boa, na medida em que foi não só boa para espairecer e

Continua na pág. seguinte Novembro 2018


4

Jornalistas no Palácio de Belém mente uma oportunidade única, da qual estou muito contente de ter podido desfrutar. Se tivesse que criticar algo, seria o facto de ter gasto ainda uma quantia decente no transporte, mas isso também era inevitável, e de maneira nenhuma algo preocupante ou que me impede de querer participar mais. Obrigado pela oportunidade Professora. Duarte Fernandes Nº 10, 12º3 Creio que a visita foi oportuna, na medida em que os temas da atualidade foram os mais abordados, o que me satisfez, pois são os temas de maior interesse. No plano mais pessoal entendi que o trabalho de um jornalista é muito mais abrangente do que é visto na televisão, por fim num ponto de vista mais geral penso que a visita estava muito bem organizada pois não existiram tempos mortos, isto é, de espera, o que a tornou muito menos cansativa. António Luís Achei a visita muito interessante. O senhor jornalista foi muito esclarecedor e o nosso Presidente é uma simpatia. Os pastéis de Belém eram bons como sempre. Repetiria a experiência. Alexandre Rodrigues, 12° 3, N°1 Devo dizer que gostei bastaste da ida ao palácio de Belém e de todo o evento. Tanto o espaço como o ambiente da visita foram agradáveis. Acredito que a conversa com o jornalista foi não só interessante como importante. Tenho que mencionar que vejo a parte inicial do discurso na qual ele fala sobre o seu percurso como jovem que o levou a ter a sua profissão como útil e relevante para a minha pessoa, tendo que a destacar. José Murteira Queria agradecer por esta oportunidade única de ir ao palácio de Belém. Gostei bastante de ouvir a opinião do jornalista Rodrigo Guedes de Carvalho acerca de vários temas especialmente sobre o jornalismo. Joana Fatela Queria deixar um obrigado à Presidência da República pela oportunidade dada e também à professora por terme deixado acompanhar a turma. O encontro com o Sr. Rodrigo Guedes de Carvalho foi muito bom. Permitiunos conhecer um pouco de como foi a sua infância e o caminho até à chegada ao "telejornal". Gonçalo Monteiro

cont.

ES D. Pedro V

Em relação à visita de estudo, achei bastante interessante o discurso do orador e achei que foram bem conseguidas as perguntas feitas ao mesmo. Concluindo, aprendi algumas coisas sobre o mundo do jornalismo e, por consequência, do mundo do trabalho, reaprendi que se gostamos de algo arranjaremos sempre tempo e que para se progredir na vida precisa-se de ter uma boa atitude. Foi de facto uma boa visita. Obrigado pela oportunidade, mesmo que não seja bem aproveitada por um aluno como eu. Filipe Mendes Na minha opinião a visita foi bastante importante porque deu-nos uma forma de conhecer melhor como o jornalismo funciona, e deu-nos a chance de visitar o Palácio de Belém e conhecer o Presidente da República, algo que é extremamente raro. António Rebelo Gostei muito da visita, até porque foi uma oportunidade única e que possivelmente nunca se repetirá, mas também didática. O diálogo com o jornalista foi bom e acredito que ambos os lados puderam retirar algo dele. Finalmente gostava de agradecer à professora por nos ter proporcionado este momento diferente. Filipe Costa A visita ao Palácio de Belém foi uma experiência única e muito agradável. Gostei bastante da conversa com o jornalista Rodrigo Guedes de Carvalho. Gabriel Dias

Atividades As perguntas que formam feitas adequaram-se ao momento e depois o lanche que nos forneceram foi a cereja no topo do bolo. Rafael Oliveira O encontro com o jornalista Rodrigo Guedes de Carvalho no âmbito da iniciativa jornalistas no palácio de Belém foi em toda a sua extensão bastante interessante, esclarecedor e educativo tendo sido, sem dúvida, um momento para recordar em memória futura. Mário Antunes A ida ao Palácio de Belém e a possibilidade de ouvir um dos melhores jornalistas de Portugal foram oportunidades únicas, foi uma experiência educativa e inesquecível. João Assunção Quero em primeiro lugar agradecer o facto de nos ter oferecido esta oportunidade de visitar o Palácio de Belém, uma vez que foi a professora que foi convidada. Gostei muito desta visita de estudo que de certa forma marcou-me. O jornalista Rodrigo Guedes de Carvalho falou de vários aspetos do dia-a-dia com os quais me identifiquei e mudei a minha maneira de pensar e de ver as coisas. Foi muito interessante e o lanche no final com o Presidente Marcelo foi relaxante. André Martins

Na minha perspetiva, a visita de estudo foi bastante interessante. Gostei do facto do jornalista referir pontos importantes e atuais, fez com que despertasse um maior interesse da nossa parte. Espero que noutra altura possamos realizar outra visita. Alexandre Romana A meu ver a possibilidade, de ir ao palácio de Belém estar em contacto com o jornalista Rodrigo de Guedes Carvalho e o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa é uma oportunidade única e que sem dúvida aproveitei. Fotografias: Presidência da República: http://www.presid encia.pt/?idc=10&i di=156861 Ana Sofia Vieira e Lígia Arruda

Novembro 2018


5

Ida ao Teatro

ES D. Pedro V

Atividades

Por Ana Catarina Francisco Nº 1, 11º11, Curso Profissional Técnico de Apoio à Gestão Desportiva No dia 29 de Outubro de 2018, a turma 11º11 do Curso Profissional Técnico de Apoio à Gestão Desportiva, da Escola Secundária D. Pedro V, visitou o Auditório Santa Joana Princesa pelas 10:00h e 30 minutos com o intuito de assistir à peça “Frei Luís de Sousa” de Almeida Garrett, que faz parte do programa de Português do 11ºano, para poder ajudar os alunos a perceberem melhor a peça. A representação acabou pelas 12:00h e, no fim, os atores ficaram para falar com os alunos. A turma foi acompanhada pela professora de Português, Teresa Pimpão e pela Diretora de Turma, Cláudia Empadinhas.

Festa de lançamento do livro da Ajudaris—2018 Por 4º ANO – TURMA A - EB1JI DAS LARANJEIRAS A Ajudaris é uma associação de solidariedade social que ajuda crianças e idosos carenciados. Para obter fundos financeiros promove iniciativas para gerar dinheiro e poder ajudar crianças e idosos através dos seus projetos. A iniciativa de 2018 foi um concurso de textos inéditos e criativos para as escolas do 1º e 2º Ciclos de Portugal Continental e Insular (Açores e Madeira), S. Tome e Príncipe e Galiza. O tema era “A Natureza”. As Professoras da Biblioteca Escolar lançaram-nos este desafio e nós aceitámos. Inventámos um texto colectivo “Estatutos de uma Árvore Feliz” sobre os direitos das árvores e o respeito que devemos ter com a Natureza.

EB1/JI Laranjeiras acompanharam-nos e assistiram ao espectáculo. No final, fomos para o jardim e festejámos com um bolo que a mãe da Julieta nos ofereceu. Tinha como decoração uma árvore feliz. Foi um dia diferente!

O nosso texto foi seleccionado e publicado em livro (volume VII) com outros textos de crianças de Évora, Beja e Lisboa. Os textos foram ilustrados por vários artistas solidários que colaboraram nesta iniciativa. A ilustra dora do nosso texto foi Carla Pina. A Ajudaris convidou-nos para a festa de lançamento do livro na GulbenKian, no dia 20 de outubro de 2018. A nossa participação na festa foi com uma apresentação em palco do nosso texto, os adereços eram árvores criativas, ilustradas por nós e, no final, cantámos a canção “Sou a Escola”.

Muitas pessoas compraram o livro por 5 euros e ainda há mais para venda. O dinheiro que angariarem vai contribuir para concretizar sonhos de outras crianças como nós. Finalmente, podemos dizer que somos um grupo de crianças solidárias.

Os nossos pais, Professora e Coordenadora da nossa escola das Laranjeiras

Oficina Inclusiva I

EB 2. 3. Prof. Delfim Santos

Por Olga Siva professora de EV/ET Entre 12 e 24 de novembro esteve patente no átrio do Bloco A, da Escola Delfim Santos, a exposição «Oficina Inclusiva I» que apresentou à comunidade escolar um repositório de trabalhos individuais e coletivos realizados nas aulas de Expressão Plástica pelos alunos do Centro de Apoio à Aprendizagem ao longo do 1º período.

Novembro 2018


6

Thanksgiving

EB1/JI Laranjeiras

Por Lidiane Araújo, EB1/JI das Laranjeiras Give thanks! Ser agradecidos é uma virtude que nos ajuda a manter uma atitude positiva em nossa vida cotidiana, além de manter o bom humor e a paciência necessários para chegar a ter uma convivência mais saudável e feliz.

Atividades

Assim sendo, os alunos do 3ºB e a Professora de Inglês, Lidiane Araújo da EB das Laranjeiras elaboraram um painel sobre o Thanksgiving Day e aprenderam a valorizar as pequenas coisas do nosso dia-a-dia.

Literacia 3Di – prova de Matemática

EB 2. 3. Prof. Delfim Santos

Por equipa da BE Professor Delfim Santos

Durante a semana de 19 a 23 de novembro as nove turmas do 5.º Ano da Escola Prof. Delfim Santos participaram na Literacia 3Di - O desafio pelo conhecimento promovido pela Porto Editora. Os alunos realizaram a prova, que avalia as competências a Matemática, na sala Multimédia da Biblioteca, sendo acompanhados pelos professores de

Matemática e pela equipa de Biblioteca.

disponibilizada através da plataforma online Escola Virtual.

Foi organizado o horário da prova num bloco da 90 minutos para cada turma porque a sala apenas dispõe de 12 computadores. É uma prova interativa

Aguardamos os resultados para a prova distrital. Parabéns a todos os concorrentes!!!

Escola amiga da criança Por equipa da BE Professor Delfim Santos

EB 2. 3. Prof. Delfim Santos projeto "Ler para Mim Ler para Ti", dinamizado pela equipa da Biblioteca, no ano letivo 2017/2018, ao qual foi atribuído do selo " Escola Amiga da Criança" - 2018. Achamos que os objetivos que definimos e as atividades que desenvolvemos íam ao encontro do regulamento do projeto da Editora Leya, cujos objetivos são os seguintes:

A equipa da Biblioteca concorreu ao projeto divulgado pela Editora Leya «Escola Amiga da Criança» - Ideias Extraordinárias, na categoria de "Projetos Extracurriculares". Escolhemos e enviamos a concurso o

 Partilhar ideias extraordinárias das escolas que contribuem para um desenvolvimento mais feliz da criança no espaço escolar.  Distinguir e reconhecer publicamente as escolas que levam a cabo iniciativas concretas que melhoram

Novembro 2018

a vida dos seus alunos e tornam a experiência escolar mais feliz. Incentivar as escolas a incluírem no seu projeto educativo ações que melhorem a Segurança, os Espaços de recreio e convívio, a Alimentação, a Higiene, o Ambiente, a Formação Cívica, o Envolvimento da família e comunidade educativa e os Projetos Extracurriculares disponibilizados aos seus alunos.

Já afixamos na parede da Biblioteca o selo “ESCOLA AMIGA DA CRIANÇA” que nos foi atribuído pela editora Leya


7

Oficinas Pais na Escola Por equipa da BE Professor Delfim Santos

EB 2,3 Prof. Delfim Santos tida, Arquitetura; Nutricionismo. 5 oficinas; 5 turmas: 5.ºE; 5.ºE, 6º.B, 8.ºG, 6.ºI.

Durante a Semana do Patrono, os temas das Oficinas Pais na Escola, realizadas pelos encarregados de educação foram tão diversos que achamos conveniente divulgá-los, bem como as turmas envolvidas. Alguns encarregados de educação repetiram a oficina para várias turmas, ao longo do dia ou da semana, de acordo com a disponibilidade Na 6.ª feira realizade cada um. ram-se as oficinas de: Apresentação Assim, de um Museu; SuNa 2.ª Feira realizaram-se oficinas de: porte Básico de Design Jornalismo, Teatro, Nutricionis- Vida; Nutricionismo, Ver a Arte, O que quero ser quan- mo, Biologia Gedo for grande? 9 oficinas para 9 tur- nética; Costura e mas: 5.º C, 5.º H, 6.º C, 6.º E, 6.º H, 5.ºG, Colagem. 6 ofici8.ºB, 5.º D, 8.ºH, 9.ºF. nas; 5.º I, 5.ºI, 6.ºA, 8.ºH, 5.ºA, 6.ºC.

Na 3.ª Feira realizam-se as oficinas de: Instrumentos Musicais Tradicionais; Arquitetura; Desertificação, Ver a arte; Cuidados de Saúde; Robótica. 7 oficinas para 7 turmas: 5.º C, 5.ºA, 5.ºB, 7.ºE, 9.ºC; 5.ºG; 6.º C.

Aos Encarregados de Educação, Ana Gonçalves, Maria Caetano, Susana Silva, Clara Sofia, Ana Fernandes, Isabel Simões, Cláudia Rosenbusch; Paulo Marinho; Luís Correia; Cristina Oliveira; Ana Filipe; Maria João Saraiva; Cláudio Ferreira; Alexandre Antunes; Frederico Pinto; Sofia Martins; Margarida Salgado, Cláudia Gonlçaves; Joana Vaz. Muito Obrigada!!! Opinião dos Encarregados de Educação Damos destaque à opinião de alguns Encarregados de Educação e de alunos que participaram na actividade Pais na Escola.

(…) foi um prazer poder dar o meu contributo. Muito obrigada! Maria João Saraiva, mãe da Marta Baptista do 6º Na 4.ª feira realizaram-se as oficinas de: Jornalismo; Nutricionismo; Segurança; Teatro; Arquitetura. 6 oficinas para 6 turmas: 6.ºF; 5.ºE; 6.ºD; 6.ºD; 5.ºC; 5.ºH.

Olá a todos e todas, Gostei imenso de participar nesta iniciativa. Adorei a experiência de estra com os miúdos e o feedback que tive deles foi muito positivo. Fico com muita vontade de continuar. Em conversa com outros pais percebi que há uma grande vontade de poder fazer parte da comunidade escolar desta forma mais ativa, partilhando em sala de aula o que sabemos e fazemos pelo que deixaria aqui a sugestão de que se organizassem outros momentos deste tipo ao longo do ano. Um abraço, Na 5.ª feira realizaram-se as oficinas de: Susana Gomes da Silva Aprender Química de uma forma diver- Bom dia! Novembro 2018

Atividades Faço minhas as palavras da Susana Gomes da Silva. Adorei estar com a turma do meu filho e também tive um bom feedback por parte dos alunos. Seria muito positivo se existissem outros momentos como estes ao longo do ano, por exemplo - uma semana por período :) Os meus melhores cumprimentos, estou ao dispor! Isabel simões Boa noite. Gostei de participar nas oficinas. Foi desafiante. Participaria novamente. Muito obrigada. Clara Sofia Covões Boa tarde, A palestra dada por mim, relativo à PSP, o feedback dos meninos e meninas foi muito bom, tendo os mesmos efetuado perguntas pertinentes. Da minha parte, se assim o entenderem estou disponível a efetuar o mesmo a outras turmas. Sem mais assunto: Claudio Ferreira Boa Tarde Tive muito gosto em participar na iniciativa. A minha actividade correu razoavelmente bem : os alunos gostaram mas mostraram-se irrequietos o que prejudicou um pouco. Foi pena a professora não poder estar presente. Estou disponível para outra iniciativa semelhante. Com os melhores cumprimentos Paulo Tato Marinho Olá e boa tarde: Sou a Cláudia Gonçalves e fui à escola na semana do Patrono fazer a Oficina de SBV (suporte básico de vida). Adorei o contacto com os pequenos e o interesse pelo tema. De um modo descontraído conseguimos falar de assuntos sérios e, o feed-back dos pais desses mesmos meninos foi extremamente positivo. Conseguimos que conseguissem falar com a família sobre este tema nesse mesmo dia! Sabendo que de acordo com os últimos estudos bastariam 2 horas por ano para que uma criança com 12 anos pudesse ser autónoma na realização das manobras de suporte básico de vida e que no nosso país esta formação é escassa, é com enorme gosto que verifiquei o entusiasmo da equipa Continua na pág. seguinte


8

Oficinas Pais na Escola docente e da turma. Tal como manifestado nesse mesmo dia, sim, estou disponível para dar a conhecer a “Josefina” (manequim utilizado para a simulação) a mais turmas. Cláudia Gonçalves Olá Boa tarde, Ter a possibilidade de estimular o gosto pela ciência (em particular pela química) nesta faixa etária foi para mim uma experiência muito gratificante e desafiante. Como tenho dois filhos na escola, a minha única pena foi que esta experiência só tivesse decorrido na turma do meu filhote mais novo. Como mãe, considero muito positiva esta partilha entre pais e escola, Estarei sempre disponível para participar em iniciativas similares. Muito obrigada! Alexandra Antunes

EB 2,3 Prof. Delfim Santos ção do mundo real que nos rodeia. A jornalista foi muito simpática e respondeu às nossas questões muito claramente. Foi uma iniciativa muito gira! Teresa Moura 8ºH N minha opinião a visita da jornalista foi bastante interessante e educativa. Através dessa visita consegui aprender mais sobre as notícias e sobre o jornalismo em si. Eu gostei bastante e espero que haja mais oportunidades deste género. Maria Sofia Silva 8ºH Na minha opinião, foi uma actividade interessante visto que estamos numa fase da vida em que temos que começara a pensar no que queremos fazer no futuro. Acho que a vinda de pais com várias profissões dá-nos a conhecer cada profissão e os prós e os contras das mesmas. Ana Catarina 8ºH

Boa tarde, Grata pela experiência. Sempre disponível para outras possibilidades. Cumprimentos, Sofia Martins Para mim, o tema falado na minha sala foi interessantíssimo e muito importante, pois, nas aulas de português estamos a dar o mesmo tema: o jornalismo. Foi tudo muito bem explicado, sem confusões e todas as dúvidas ou perguntas foram esclarecidas e respondidas. O tema principal foi as notícias falsas, um assunto que nos ajuda a reconhecer o que é real e o que é falso e, desse modo podemos proteger-nos e ficarmos sempre correta e devidamente informados. Outros assuntos foram discutidos, igualmente importantes, de uma forma lúdica e divertida. João Pereira 8ºH Gostei muito da intervenção de uma das encarregadas de educação sobre o jornalismo e as notícias falsas. Acho que foi muito importante e educativo, pois ajudou-nos a ter uma no-

A Associação de Pais apresentou à biblioteca o interesse em colaborar na aquisição de livros e propôs uma lista, privilegiando os temas relacionados com Direitos Humanos e Cidadania. A equipa da biblioteca achou-a ade-

safio: «falar com os alunos sobre temas relacionados com a sua atividade profissional». Os formulários com os temas e a disponibilidade dos EE começaram a chegar. Desafio Aceite! A seguir, estabelecemos o primeiro contacto com os EE, definimos os temas das oficinas, o calendário e o horário [45 m ou 90 m], os materiais ou os equipamentos necessários e os professores inscreveram-se. Tivemos a participação de 30 encarregados de educação que realizaram 40 oficinas, envolvendo cerca de 800 alunos do 5.º ao 9.º Ano. Tentámos acompanhar todas as oficinas e registámos com muito agrado o empenho dos EE,a interação com os alunos, a variedade de temas abordados e a qualidade das oficinas. Da parte dos alunos e professores envolvidos recebemos opiniões muito positivas o que nos leva a concluir que foram momentos gratificantes de partilha de aprendizagem. Recebemos algumas opiniões dos Encarregados de Educação que confirmam a opinião da equipa de BE que organizou e dinamizou este projeto.

Na semana de 5 a 9 de novembro comemorámos a Semana do Patrono e dinamizamos um projeto a que chamámos Pais na Escola. O projeto foi apresentado na reunião dos Diretores de Turma no início do ano e disponibilizamos um formulário de inscrição dirigido aos Encarregados de Educação. Na primeira reunião, Os DT convidaram os Encarregados de Educação a aceitar o de-

Oferta de livros Por equipa da BE Professor Delfim Santos

Atividades

Para a escola é cada vez mais importante estabelecer estas colaborações para que os pais participem e conheçam, de uma forma diferente, o ambiente escolar em que os seus filhos crescem. Foi, desta forma, que em jeito de homenagem ao Professor Delfim Santos, juntamos a comunidade escolar num projeto de partilha de saber e aprendizagem.

EB 2,3 Prof. Delfim Santos quada para os nossos leitores e também porque estão relacionados com a disciplina de Cidadania. Os livros já começaram a chegar à Biblioteca e a estante da Classe 3 vai ficar mais atualizada e mais completa. Mais uma vez a biblioteca, os alunos e os professores agradecem esta iniciativa à AEEDS.

Novembro 2018


9

Voluntariados da leitura

EB1/JI das Laranjeiras

Atividades

Por equipa da BE Professor Delfim Santos Nas três escolas do 1.º ciclo já começou o projeto Voluntários da Leitura. As nossas voluntárias Virgínia e Clara acompanham alunos do 2.º Ano na leitura a par, dois dias por semana. O horário foi definido com as professoras titulares de turma. Os alunos envolvidos no projeto estão a desenvolver competências de leitura com as voluntárias, o que irá beneficiar o seu aprovei-

Aulas de projeto

EB1/JI António Nobre

Por 2º A – EB1 António Nobre enviado por Fátima Moita

No âmbito das aulas de Projeto de Português, as turmas do 2º ano fizeram trabalhos a partir de textos de autor, nomeadamente os poemas Onde está o gato?, de Eugénio de Andrade e Patachu, o gato matreiro, de António Torrado, bem como os versos de Luís Ducla Soares, Pastor, pastorzinho. Aqui ficam alguns trabalhos: O que sabemos sobre os gatos? Os gatos usam os dentes e as garras para se defenderem. (Francisco) Os gatos conseguem ver no escuro. (Inês) Os bigodes dos ratos são como radares. (Eduardo)

As aves EB1/JI das Laranjeiras

Os gatos conseguem saltar muito alto porque são ágeis. (Mariana) Os gatos adoram brincar. (Carmo) Os gatos são da família dos tigres, dos leões e das chitas; são felinos. (Sofia) Os gatos têm sentimentos. (Daniela) Os gatos ficam com o pelo eriçado quando se assustam ou zangam. (Miguel) Os gatos usam a sua fantástica língua e saliva para se lavarem. (Gustavo) Os gatos têm visão no escuro. (Flora) Os gatos saltam muito alto. (Vicente) Os gatos usam as garras para trepar. (Rafael) Quando os gatos saltam para o chão caem em pé. (Eduardo) Os gatos usam as garras e os dentes para se defenderem. (Duarte)

Erro crasso

Por PB da ES D. Pedro V Por Florbela da EB1/JI António Nobre, sala 1 Significado: Erro grosseiro. Na sala 1, com a educ a d o r a Florbela, estivemos a fazer um projeto sobre as aves.

Os bigodes dos gatos nunca se devem cortar porque lhes dão equilíbrio. (Luís) Os bigodes dos gatos ajudam-nos a perceber o que há à sua volta. (Maria) Os gatos são da família dos felinos. (Marta) Os gatos gostam muito de brincar. (Isabel) Os gatos cabem em espaços muito pequenos porque têm um corpo muito flexível. (Beatriz) Os gatos mexem as orelhas para saberem de onde vem o som. (Salvador) Os gatos têm almofadinhas fofinhas nas patas, por isso conseguem andar em silêncio. (Bruna) Há diferentes raças de gatos. (Miguel Dinis) Quando têm medo, os gatos ficam com o pelo eriçado. (Maria)

Origem: Na Roma antiga havia o Triunvirato: o poder dos generais era dividido por três pessoas. No primeiro, tínhamos: Caio Júlio, Pompeu e Crasso. Este último foi incumbido de atacar um pequeno povo chamado Partos. Confiante na vitória, resolveu abandonar todas as formações e técnicas romanas e simplesmente atacar. Ainda por cima, escolheu um caminho estreito e de pouca visibilidade. Os partos, mesmo em menor número, conseguiram vencer os romanos, sendo o general que liderava as tropas, um dos primeiros a cair.

Novembro 2018

ES D. Pedro V

Expressões Desde então, sempre que alguém tem tudo para acertar, mas comete um erro estúpido, dizemos tratar-se de um "erro crasso".


10

MIBE Por equipa da BE Professor Delfim Santos Na EB 1 das Laranjeiras, o Mês Internacional das Bibliotecas Escolares foi festejado pelos alunos a partir tema definido pela IASL e traduzido pela RBE. No início de outubro, a equipa da BE divulgou o tema (MIBE) e as atividades

EB1/JI das Laranjeiras aos professores e, nas aulas, os alunos escreveram frases e fizeram corações em origami. Algumas turmas selecionaram os trabalhos que foram afixados no painel colocado na entrada principal da Escola. Esta atividade foi também divulgada em algumas aulas de inglês e os alunos escreveram as frases em Inglês. O projeto Bookmark Exchange 2018 foi, também um dos preferidos pelos professores e alunos e tivemos quatro turmas a participar. Os marcadores de livros foram feitos na aula depois enviados para as Escolas parceiras neste projeto.

Cartuchos e Magusto Por Maria Eduarda Gomes professora da EB1/JI das Laranjeiras No âmbito do Plano Anual de Atividades, a turma 1 do JI das Laranjeiras explorou e celebrou o dia de S. Martinho, entre os dias cinco e doze de novembro.

EB1/JI Laranjeiras A par dos festejos, a postura ecológica esteve de mão dada com a brincadeira, pelo que as famílias foram convidadas a construir um cartucho de castanhas para exposição no JI, com materiais recicláveis. O dia doze foi dedicado às tradições, num espírito de partilha e amizade entre todos, comendo castanhas assadas que adquiriram ao vendedor que se deslocou à nossa escola.

S. Martinho Por PB da ES D. Pedro V Apesar de o dia de S. Martinho ter sido num Domingo, a biblioteca da ES D. Pedro V registou o dia com o cartaz sobre a lenda e com marcadores alusivos ao tema. No Magusto de São Martinho, os amigos e famílias juntam-se à volta de uma fogueira onde se assam castanhas, sardinhas, ou até bolotas. Bebese jeropiga, água-pé ou vinho novo, já que o São Martinho está historicamente associado à abertura e à prova do vinho produzido em Setembro ("No dia de S. Martinho vai-se à adega e provase o vinho”). Fazem-se, também, brincadeiras, cantam-se cantigas ou contam-se histórias. Infelizmente, muitas destas tradições vão-se perdendo, devido a muitos fatores: a deslocação da maioria da população para cidades e centros urbanos onde estas práticas, muito

Efemérides

Por as docentes Patrícia Marques e Ana Curado Foi no dia 12 de outubro que os grupos das salas 2 e 3 vivenciaram com muita satisfação o Dia de são Martinho, todos participaram no magusto. As famílias elaboraram cartuchos com material reutilizável os quais decoraram a entrada do JI.

ES D. Pedro V ligadas à agricultura, não têm lugar e a progressiva perda das memórias antigas, que dão lugar a novos interesses e vivências - compreensíveis, sem dúvida, mas que significam também (e é isso que lamentamos) alguma perda da identidade cultural de um povo: o povo português. Por isso, é que relembramos contigo esta data e estas informações tão interessantes.

Novembro 2018


11

Halloween

EB1/JI Laranjeiras

Efemérides Por Dulce Pires Os alunos do 3º ano, turmas A e B e do 4ºano, turmas A, B, C e D da EB das Laranjeiras participaram com empenho e criatividade da construção de cartazes alusivos ao Halloween na disciplina de Inglês. Foi uma atividade muito divertida e o resultado alegrou a todos. Have fun!

Halloween

EB 2. 3. Prof. Delfim Santos

Por Grupo de Inglês e enviado por Mar- Uma festividade que não foi deixada lene Amaral ao acaso na Escola Delfim Santos, pelo grupo de Inglês, nem pelos alunos do 5ºC, 5ºD, 5ºE, 5ºF e 5ºI. Foi organizado um concurso e expostos os trabalhos dos alunos. Os vencedores dos 3 primeiros lugares irão receber um prémio surpresa. Até ao final da semana, de 5 de Novembro, procedeu-se a A festa do Halloween é comemorada uma votação, votação aberta a todos no último dia do mês de outubro os alunos. (31.10). O Halloween ou Hallowe’en, que quer dizer Eve of all Houve imensos trabalhos: trabalhos em saints “noite de todos os Santos” tem cartaz, em relevo, em 3D, e deseorigem numa antiga celebração Celta, nhos. Todos eles feitos com grande no qual marcava o fim do verão. entusiasmo e empenho. Desde hands,

Halloween MONSTRINHOS FELIZES Por Turma 4 A – EB 1/JI das Laranjeiras Era uma vez uma turma de monstrinhos felizes e alegres... Até que chegou o Halloween e ficaram todos ainda mais esquisitos! Tiveram muito azar e ficaram deformados. O Tomás transformou-se em diabo que tinha o poder de deitar fogo pelo nariz. Às vezes enfurecia-se e parecia um espetáculo de fogo de artifício! Havia três assassinos, Simão, Santiago e Dinis, que matavam sempre a felicidade porque tinham inveja das alegrias dos outros. A turma também tinha um pequeno grupo de quatro dráculas: a Sara, a Joana, a Inês e a Soraia. Gostavam de encontrar pessoas desprevenidas para lhes sugar o sangue para se alimentarem. Claro está... que tinha de haver bruxinhas de cara simpática mas maléficas! À noite faziam as suas poções em grandes caldeirões. São elas: a Maria, a Carolina e a Raffaella. Tinham duas gatas, a Daniela e a Fernanda, que bebiam as poções mágicas e ficavam tão transtornadas que rasgavam as

hunted houses, witches, lots of spiders, pumpkins, scary pumpkins, graves, and monsters. Foi uma semana de brincadeira onde muitos disseram doce ou travessura - Trick or treat.

EB1/JI Laranjeiras roupas delas. Viviam numa medonha floresta, escura e fria, onde se ouvia os uivos dos lobos. Mas, quando aparecia a Marta Esqueleto, os lobos paravam de uivar. Por tudo isto, o pobre menino Pan assustava-se, trepava e escondia-se no topo de um pinheiro. Mesmo assim não estava a salvo porque vagueavam na floresta quatro morta-vivas, figuras fantasmagóricas que alimentavam o medo da imaginação das crianças que por ali passavam: Maria Inês, Beatriz, Lara e Julieta. O que valeu, para acabar com este susto, foi aparecer o Homem-estrada da cor do alcatrão, o Guilherme. Além disso, vinha com um serrote na cabeça, o que lhe permitiu cortar o tronco da árvore e o menino Pan conseguiu descer e ser orientado pelo Homemestrada. Com a ajuda de um herói Ninja, chamado Luís, regressou a casa são e salvo. Por fim, concluindo esta história, apareceu o palhaço Mateus, colecionador de caveiras, que se aproveitava disso para mostrar aos colegas monstrinhos e eles “mataram-se” a rir. À meia-noite acordaram e o novo dia Novembro 2018

nasceu. Todos perceberam que a magia do Halloween tinha terminado e eles voltaram a ser uns meninos divertidos! Estas fantasias tinham ajudado na diversão da festa...


12

Origem do Conto do Vigário Por PB da ES D. Pedro V

Vivia há já não poucos anos, algures, num concelho do Ribatejo, um pequeno lavrador, e negociante de gado, chamado Manuel Peres Vigário. Da sua qualidade, como diriam os psicólogos práticos, falará o bastante a circunstância que dá princípio a esta narrativa. Chegou uma vez ao pé dele certo fabricante ilegal de notas falsas, e disse-lhe: «Sr. Vigário, tenho aqui umas notazinhas de cem mil réis que me falta passar. O senhor quer? Largolhas por vinte mil réis cada uma.» «Deixa ver», disse o Vigário; e depois, reparando logo que eram imperfeitíssimas, rejeitou-as: «Para que quero eu isso?», disse; «isso nem a cegos se passa.» O outro, porém, insistiu; Vigário cedeu um pouco regateando; por fim fez-se negócio de vinte notas, a dez mil réis cada uma. Sucedeu que dali a dias tinha o Vigário que pagar a uns irmãos negociantes de gado como ele a diferença de uma conta, no valor certo de um conto de réis. No primeiro dia da feira, em a qual se deveria efetuar o pagamento, estavam os dois irmãos jantando numa taberna escura da localidade, quando surgiu pela porta, cambaleando de bêbado, o Manuel Peres Vigário. Sentou-se à mesa deles, e pediu vinho.

ES D. Pedro V dois chamou, com um olhar rápido, a atenção do irmão para as notas, que se via que eram de cem. Houve então a troca de outro olhar. O Manuel Peres, com lentidão, contou tremulamente vinte notas, que entregou. Um dos irmãos guardou-as logo, tendo-as visto contar, nem se perdeu em olhar mais para elas. O vigário continuou a conversa, e, várias vezes, pediu e bebeu mais vinho. Depois, por natural efeito da bebedeira progressiva, disse que queria ter um recibo. Não era uso, mas nenhum dos irmãos fez questão. Ditava ele o recibo, disse, pois queria as coisas todas certas. E ditou o recibo – um recibo de bêbedo, redundante e absurdo: de como em tal dia, a tais horas, na taberna de fulano, e «estando nós a jantar (e por ali fora com toda a prolixidade frouxa do bêbedo...), tinham eles recebido de Manuel Peres Vigário, do lugar de qualquer coisa, em pagamento de não sei quê, a quantia de um conto de réis em notas de cinquenta mil réis. O recibo foi datado, foi selado, foi assinado. O Vigário meteu-o na carteira, demorou-se mais um pouco, bebeu ainda mais vinho, e daí a um tempo foi-se embora. Quando, no próprio dia ou no outro, houve ocasião de se trocar a primeira nota, o que ia a recebê-la devolveu-a logo, por escarradamente falsa, e o mesmo fez à segunda e à terceira... E os irmãos, olhando então verdadeiramente para as notas, viram que nem a cegos se poderiam passar. Queixaram-se à polícia, e foi chamado o Manuel Peres, que, ouvindo atónito o caso, ergueu as mãos ao céu em graças da bebedeira providencial que o havia colhido no dia do pagamento. Sem isso, disse, talvez, embora inocente, estivesse perdido. Se não fosse ela, explicou, nem pediria recibo, nem com certeza o pediria como aquele que tinha, e apresentou, assinado pelos dois irmãos, e que provava bem que tinha feito o pagamento em notas de cinquenta mil réis. «E se eu tivesse pago em notas de cem», rematou o Vigário «nem eu estava tão bêbedo que pagasse vinte, como es-

Daí a um tempo, depois de vária conversa, pouco inteligível da sua parte, lembrou que tinha que pagar-lhes. E, puxando da carteira, perguntou se, se importavam de receber tudo em notas de cinquenta mil réis. Eles disseram que não, e, como a carteira nesse momento se entreabrisse, o mais vigilante dos Novembro 2018

Curiosidades

tes senhores dizem que têm, nem muito menos eles, que são homens honrados, mas receberiam.» E, como era de justiça foi mandado em paz. O caso, porém, não pôde ficar secreto; pouco a pouco se espalhou. E a história do «conto de réis do Manuel Vigário» passou, abreviada, para a imortalidade quotidiana, esquecida já da sua origem. Os imperfeitíssimos imitadores, pessoais como políticos, do mestre ribatejano nunca chegaram, que eu saiba, a qualquer simulacro digno do estratagema exemplar. Por isso é com ternura que relembro o feito deste grande português, e me figuro, em devaneio, que, se há um céu para os hábeis, como constou que o havia para os bons, ali lhe não deve ter faltado o acolhimento dos próprios grandes mestres da Realidade – nem um leve brilho de olhos de Macchiavelli ou Guicciardini, nem um sorriso momentâneo de George Savile, Marquês de Halifax. Contado por Fernando Pessoa. (publicado pela primeira vez no diário Sol, Lisboa, ano I, nº 1, de 30/10/1926, com o título de «Um Grande Português». Foi publicado depois no Notícias Ilustrado, 2ª série, Lisboa, 18/08/1929, com o título de «A Origem do Conto do Vigário».


13

Exposição do Prado

ES D. Pedro V

Por Nádia Raposo do Grupo de Espa- chega materializada numa perspetiva A atividade destinou-se a toda a comunhol pictórica. nidade escolar, com particular incidência para os alunos do agrupamento Entre os dias 21 de novembro e 5 de A exposição contemplou reproduções que têm a disciplina de Espanhol no seu dezembro decorreu na BECRE uma ex- de vários artistas europeus, consagra- plano curricular, porque aprender uma posição de reproduções de obras do dos no mundo da pintura, tais como língua estrangeira pressupõe, de forma Museu do Prado, o museu de arte mais Sandro Botticelli, Albrecht Dürer, El Gre- indissociável, conhecer a sua cultura. importante de Espanha e um dos mais co, Fra Angelico, Francisco de Goya, emblemáticos do mundo e que, em Rubens, Sorolla, Velásquez, entre outros. Em suma, a BECRE transformou-se, du2019, comemorará o seu bicentenário. As suas obras permitiram viajar por dife- rante alguns dias, numa janela para a Esta atividade teve como objetivo des- rentes movimentos estéticos desde o arte. pertar o gosto pela arte, a qual nos Gótico Tardio até ao Pós-Impressionismo.

Escola Secundária D. Pedro V

Estrada das Laranjeira, 122 1600-136 Lisboa

direcao@ael.edu.pt eb23delfimsantos@mail.telepac.pt

Escola Básica 2. 3. Prof. Delfim Santos EB1/JI António Nobre

Rua António Nobre, 49 1500-046 Lisboa

eb1antonionobre@gmail.com

EB1/JI Frei Luís de Sousa

Rua Raul Carapinha 1500-042 Lisboa

escola.freiluis49@gmail.com

EB1/JI Laranjeiras

Rua Virgílio Correia, 30 1600-224 Lisboa

eb1daslaranjeiras@gmail.com

Novembro 2018

Viva Voz, n.º 56, novembro 2018  

escola, agrupamento, notícias

Viva Voz, n.º 56, novembro 2018  

escola, agrupamento, notícias

Advertisement