Issuu on Google+

Distribuição gratuita

Che Guevara

acesse: www.vilanoticia.com.br Informação com qualidade e clareza para todos.

Ano II | Edição IV | Bairro Vila Velha | Fortaleza | Julho 2009

Direitos sociais

“Somos mesmo o esgoto da cidade?” O descaso das autoridades em períodos de chuva é um dos principais problemas enfrentados pelas famílias da Favela da Muriçoca, conjunto São Francisco, bairro Quintino Cunha. [pg4]

Entrevista com a Escritora Fátima [pg4]

entrevista

Foto: Daniel Gauber

Vila Velha continua sem Agência Bancária [pg8]

Editorial pg2 Emprego pg2 Esporte pg3 Protagonismo pg3 Direitos sociais pg4 Entrevista pg4 Charge pg6 Cinema pg6 Culturarte pg6 Cantinho literário pg7 Meio ambiente pg7 Apelo pg8 Artigo pg8

Foto: Antônio Marcos

Nesta edição

Foto: Antônio Marcos

Distribuàs ição gratuita 8851.1528 ou 3282.9095 de segunda a sexta de 10h 16h

Anuncie serviços nos Classificados a partir de R$ 5,00

“Se você é capaz de tremer de indignação a cada vez que se comete uma injustiça no mundo, então somos companheiros.”


2

Foto: Márcio Lima

Vila Velha | Fortaleza - CE, Julho 2009 | Ano II | nº 4

Emprego

18 dicas para se dar bem numa entrevista

Passou na primeira etapa do processo seletivo? Seu currículo cumpriu o papel de vender sua imagem de forma positiva e você foi chamado para participar de uma entrevista? Veja algumas recomendações para tornar a entrevista ainda mais tranquila, natural e agradável. 1. Pense em quais são seus objetivos, suas maiores habilidades e as que podem ser melhor desenvolvidas. Tarciano Albano | Evaldo Paulino | Olga Branco | Sérgio Barros | Antônio Marcos

Editorial Nesta quarta edição priorizamos chamar a atenção não somente das autoridades, mas de cada um de nós, para problemas que estão além do bairro Vila Velha. Comunidades também carentes, conjuntos aqui vizinhos, como o caso do Conjunto São Francisco com precariedades e problemáticas similares as nossas. Ousamos voltar a reclamar atenção para a degradação visível das áreas manguezais do Rio Ceará. A carência de uma agência bancária para o Vila Velha. No entanto, vimos também enfatizar valores que contribuem para o crescimento cultural de nossa comunidade, podendo citar a prática do xadrez, o nascimento de um grupo de homens em defesa da mulher, chamar a atenção das escolas públicas para a oportunidade de levar crianças

a conhecer universos artísticos por meio de exposições, e explorar um pouco mais da cultura cearense com a literatura de Antônio Gonçalves da Silva, o glorioso Patativa do Assaré. Trabalhar para o desenvolvimento de um jornal comunitário é a certeza de atuar para a melhoria de vida da população. Trabalho este que se torna mais interessante quando há a participação ativa dos leitores e colaboradores que entram em contato, dos internautas que acessam nosso site, enfim, sua participação, que, se utilizando do Vila Notícia, intervém conosco para a transformação coletiva e social do bairro. Redação Vila Notícia

Expediente Jornal Vila Notícia O Jornal Vila Notícia é uma publicação gratuita organizada e desenvolvida por estudantes de áreas distintas, atuantes e residentes no Grande Vila Velha. Coordenação Geral Hélio Castro Coordenação de Organização e Controle da Qualidade Evaldo Paulino Coordenação Financeira Sérgio Barros

Edição Evaldo Paulino, Sergio Barros, Olga Branco e Antônio Marcos Redação Evaldo Paulino, Sérgio Barros, Antônio Marcos e Tarciano Albano Articulistas Helayne Serafim, João Correia e Raphael Barros

Projeto Gráfico | Design Editorial e Direção de Arte Publicitária Antônio Marcos

Colaboração Germano Silveira, Helano de Sousa, Jarbas Vasconcelos, Van-nadir Vidal Wiliam de Brito e Xiko (ilustrador)

Assessoria de Coordenação Lorena Cintia

Promoção de Vendas Tarciano Albano e Sérgio Barros

Relações Públicas Responsável Léo Andrade

Impressão Expressão Gráfica

Revisão Márcia Regina Fotografia Daniel Gauber, Antônio Marcos e Márcio Lima

Esta Edição 5 mil exemplares | Julho 2009 falavilanoticia@gmail.com www.vilanoticia.com.br 85 3282.9095 | 8851.1528

2. Avalie quais os motivos que o tornam um ótimo candidato para a vaga. Faça um planejamento antes de ir à entrevista. Reflita sobre os objetivos da entrevista, saiba que terá que responder questões como: “Quem é você?”, “O que já fez?”, “O que seu último empregador acha de você?”, “Quais os resultados que você conseguiu para a empresa?” e “O que você pode fazer pela nova empresa?”. 3. Pesquise o máximo de informações sobre a empresa. Você não está apenas sendo escolhido, você também está escolhendo. 4. Preste bastante atenção no que irá usar. Prefira roupas discretas (nada de cores extravagantes, jeans, bermuda e camiseta). Mantenha o cabelo cortado e as unhas em ordem. 5. Leve um currículo impresso, embora já o tenha enviado anteriormente. 6. Chegue no horário. Chegar 20 minutos antes da hora marcada é melhor ainda, pois demonstra interesse e respeito para com o entrevistador.

demonstre ansiedade durante a entrevista. Se você foi chamado, é porque já passou pela primeira fase: a análise do currículo. Então não tenha medo. 10. Olhe nos olhos. Olhe para a pessoa com quem está falando. É bastante comum que mais de uma pessoa o entreviste ao mesmo tempo. 11. Não fale mal da empresa anterior, dos seus ex-colegas e claro, do seu ex-chefe. 12. Deixe o celular desligado. 13. Durante a entrevista, fique atento para não deixar nenhuma pergunta sem resposta. Também não é aconselhável desculpar-se pelas falhas que cometeu ao longo da sua vida profissional. 14. Não fume, não masque chicletes e nem use óculos escuros. 15. Faça perguntas sobre o cargo, sobre a empresa. Não tenha vergonha, pode perguntar! 16. Não fique na dúvida, pode dizer que não entendeu a questão e peça para o entrevistador repetir. Isso não significa que você é uma pessoa menos qualificada para o cargo. 17. Pergunte se há previsão para definir a vaga. 18. Confie em você. E se a resposta não for positiva, não se sinta mal. Foi apenas um processo que não deu certo, mas que serviu como treino para a próxima vez.

7. Respire fundo e fique calmo. 8. Irradie entusiasmo. 9. Seja natural e espontâneo. Não

Helano de Sousa Consultor


Vila Velha | Fortaleza - CE, Julho 2009 | Ano II | nº 4

Foto: Daniel Gauber

Xadrez no Vila Velha

Em primeiro plano, Washington e Célia com amigos concentrados nas partidas de xadrez em casa.

lógico. Durante uma partida, a capacidade de concentração, a segurança nas tomadas de decisões e o aprendizado que se tem em uma vitória ou em uma derrota são lições muito importantes não só para o jogo, mas principalmente para a vida de qualquer pessoa.

Protagonismo

Grupo de Homens em Defesa da Mulher Tendo em vista muitos casos de violência, descasos, lutas e conquistas no que se refere à mulher, temos em nossa comunidade um grupo de homens, que atua em articulação com os órgãos competentes e de maneira voluntária contribui com a promoção deste seguimento social. O surgimento do GHDM (Grupo de Homens em Defesa da Mulher) se

Evaldo Paulino | Redação Foto: Arquivo

Considerado por muitos historiadores como um dos jogos mais antigos do mundo, praticado por muitas gerações seja para passar o tempo ou por mera diversão, o xadrez pode ser encarado como uma forma divertida de desenvolver a concentração e o raciocínio

enxadristas, foi transformar um local de sua residência em um agradável espaço para a prática do xadrez nas tardes dos finais de semana. Segundo Célia, a idéia começou em um projeto de xadrez feminino na E.E.M. Liceu Vila Velha. Posteriormente o projeto continuou em sua casa e aos poucos foi chegando novos participantes, até que atualmente mais de 25 pessoas frequentam para “bater um rachinha”, pequena partida de xadrez, e se descontraírem um pouco. Questionada por quais benefícios o xadrez trouxe a sua vida, dona Célia afirmou “minha memória, meu equilíbrio emocional e minhas amizades são, sem dúvida, o que mais me fez bem”. Aos Interessados na prática do xadrez, o endereço é: Rua 18, nº 581 – Conj. Planalto da Barra, Bairro Vila Velha. Procurar por Célia ou Washington.

No bairro Vila Velha, o xadrez vem cada vez mais ganhando popularidade e adeptos entre os moradores graças a iniciativas como a da Associação dos Enxadristas do Estado do Ceará, presidida atualmente pelo professor de história e geografia, Ari Maia Junior. Fundada em 28 de março de 1999, a associação é de suma importância para a difusão do esporte não só no bairro, mas em todo o estado do Ceará. Para o presidente da associação que é morador do Vila Velha desde 1974 e há 25 anos praticante assíduo do xadrez, o importante é tornar o esporte o mais popular possível para que todos possam ter a oportunidade de jogar. Um dos veículos de comunicação que ajudará muito com esse objetivo é o site da associação (www.aeecxadrez.com.br), onde os enxadristas poderão manter-se informados quanto a torneios e novidades sobre o xadrez. Outra iniciativa bem interessante tomada por Célia Rocha e seu marido Washington Farias, ambos

Encontro de membros do GHDM (Grupo de Homens em Defesa da Mulher).

deu em novembro de 2008 durante os encontros de desenvolvimento social realizado pelas lideranças da comunidade em parceria com o SESC/ SENAC. Apesar do pouco tempo de

VENDE-SE CASA Pequena área, sala, quarto, cozinha, área de serviço coberta e quintal acimentado. Rua do Canal - Vila Velha IV

8795.6227

existência podemos destacar alguns eventos realizados, tais como: a passeata em defesa da mulher, no dia 8 de março, tendo início no colégio Liceu Vila Velha e término na Capela

de Santa Edwiges; também a audiência pública, realizada no auditório do colégio Liceu Vila Velha, com a participação de autoridades políticas, alunos, professores, artistas e a comunidade. Conhecido por suas atuações artísticas em eventos da Prefeitura de Fortaleza, o GHDM tem assessoria do Laço Branco – grupo de homens em defesa da mulher pioneiro no Canadá. Interessados em conhecer mais sobre o trabalho, acessem o blog: ghm2.blogspot.com ou visitem no CIS (Centro de Integração Social) todos os sábados 9h, rua E – Vila Velha II – Fone: 85 8611.4606 Tarciano Albano | Redação

Sua Beleza em evidência

Hidratação Grátis*

Apresetente este cupom no corte de cabelo e ganhe uma hidratação!

Av. Ten. Eliezer Costa, 205 Lj. 1 Esq. da praça do Conj. Polar Fones: 3485.5257 | 8793.4681

* Promoção válida até 30/07

Esporte

3


4

Vila Velha | Fortaleza - CE, Julho 2009 | Ano II | nº 4

Apelos na Favela da Muriçoca Fotos: Antônio Marcos

Direitos sociais

Ponte improvisada pelos moradores para acesso ao outro lado do córrego.

Entrevista A equipe do Jornal Vila Notícia vai até a residência da Maria Fátima da Silva popularmente conhecida como Fátima Escritora. E com seus 58 anos, 35 deles vividos no Conj. Nova Assunção no bairro Vila Velha, é cega há 5 anos e mora com sua filha Angélica, o genro Júnior e o neto Yuri. Ex-auxiliar de contabilidade antes da cegueria, nos surpreende com sua entrevista e deixa uma grande lição de vida. Confira. JVN: Hoje, qual a sua grande paixão? Fátima: Mais do que nunca, Jesus Cristo, por não ter deixado a cegueira abalar

Não diferente do bairro Vila Velha, inúmeros outros bairros em períodos de chuva, de fevereiro ao fim de junho, padecem com o grande fluxo de água junto ao lixo que corre pelas ruas. Entupindo esgotos e enchendo lugares desprovidos de saneamento básico. Por tais dificuldades, tão

a minha estrutura espiritual. JVN: Que benefícios a escrita trouxe para a sua vida? Fátima: Através de um texto que escrevi em homenagem a uma pessoa querida que falecera, Dr. Waldo Pessoa de Almeida, fui reconhecida dentro da Sociedade de Assistência aos Cegos – SAC – como escritora, o que me deu motivação para mostrar os meus trabalhos literários. Com uma semana depois fui convidada para ser Membro da Academia de Letras e Artes da Sociedade de Assistência aos Cegos – ALASAC – onde fui empossada no dia 19/9/2008. A partir daí uso a minha criatividade em cima de qualquer assunto para descrever, >

Uma Escola ajudando a construir um ideal para seu filho.

comuns em áreas periféricas, e recebendo tantos pedidos de atenção dos moradores da comunidade Vila Velha com seus parentes no Conjunto São Francisco, é que nos dirigimos a Favela Muriçoca no bairro Quintino Cunha para evidenciar a reclamação da população que ali reside.

Foto: Daniel Gauber

v

Antônio Marcos (Jornal Vila Notícia), Fátima Escritora e a filha Angélica em entrevista.

> Ensino fundamental > Creche c/ tempo integral e parcial > Oferecemos reforço escolar

Rua 20, 570 - Planalto da Barra

Fone: 3282.9435


Vila Velha | Fortaleza - CE, Julho 2009 | Ano II | nº 4

5

Matéria também exposta no VC Repórter site do Terra - Confira em www.vilanoticia.com.br Vista panorâmica da Favela da Muriçoca, bairro Quintino Cunha.

Andando rapidamente pelo conjunto, são notórias as dificuldades. Com o apoio dos residentes foi constatada uma quantidade aproximada de 30 famílias nas piores condições de moradia, vivendo às margens do esgoto que passa sob a Rua Pio Saraiva (principal rua do Conjunto São

Francisco). “Aqui quando chove é horrível, a água avança por dentro das nossas casas, alaga tudo e deixa todo mundo em pânico. Será que somos mesmo o esgoto da cidade?”, questiona Dona Ivone da Silva, preocupada com os filhos mais novos e moradora há mais de 9 anos da fa-

vela. “Sou catador de lixo, chefe de uma família de 5 pessoas, e não consigo sair de casa nessas chuvas, pois tenho que ficar para subir as tralhas com medo da água acabar com o resto”, reclama o Sr. Manoel Matias que diz já ter visto a Defesa Civil chegar, olhar, anotar algumas coisas, tirar

fotos do lugar, mas não ter voltado para tomar providências. E assim a vida na Favela Muriçoca vai sendo levada com seus esgotos a céu aberto, lixo exposto, má qualidade de moradia e muito descaso.

narrar ou dissertar, às vezes indo mais além, ou seja, escrevendo poesias. JVN: Como você faz para escrever? Fátima: Através do Sistema de Voz Dosvox da UFRJ instalado no computador da minha casa. JVN: Qual a sua opinião a respeito do software que você utiliza atualmente? Fátima: Para o trabalho que eu exerço é satisfatório. JVN: O que você modificaria e/ou acrescentaria neste software? Fátima: Dentro dos conhecimentos que tenho sobre o programa não tenho nada a alterar. JVN: Quais as dificuldades e benefícios que a cegueira lhe trouxe?

Fátima: Fora da minha residência é que encontro dificuldades, como: ajuda de terceiros nos transportes coletivos, em bancos e até em consultórios médicos. Pois falta o esclarecimento de como lidar com a pessoa cega. Pelo aprendizado e desenvoltura que obtemos nas escolas de reabilitação (andar, falar em público, lidar com atividades domésticas, etc.) gera a dúvida nas pessoas se realmente somos cegos ou não, ou seja, a dúvida da nossa capacidade. Até porque perdemos um sentido, mas os outros quatro permanecem acrescidos da inteligência humana. A cegueira de início gera um ócio, que podem trazer duas vertentes: a depres-

são, por falta de conformação com o diagnóstico; ou, como no meu caso, que aguçou a vontade de maiores conhecimentos literários, culturais na verdade sentir-me útil tanto na vida doméstica, quanto na social. JVN: O que é fundamental e o que é supérfluo para a felicidade de um cego? Fátima: O fundamental é aceitar a sua limitação de pessoa cega. O supérfluo é não se deixar abater pelo estado de comiseração, ou auto piedade. JVN: Que mensagem você gostaria de deixar para pessoas que ficaram cegas recentemente? Fátima: A dor da cegueira é impactante nos primeiros dias ou até meses. Mas

se a pessoa buscar forças no seu interior e em Deus já é um grande passo. No mundo da escuridão o ser humano tem capacidade para colorir seu dia a dia, superar obstáculos, vencer o preconceito e derrubar as barreiras da limitação visual. Até porque, mais escuro é o isolamento dentro de um quarto, fazendo com que se perca o contato com o mundo exterior , sabendo que isso não vai alterar o duro diagnóstico, ou seja, temos que saber que a vida não acabou apenas iniciou-se uma nova realidade.

Embalagens descartáveis, Isopor, Caixas p/ pizzas e cadeiras, Artigos para festas, Aluguel de mesas temáticas: lembrancinhas em EVA, gesso, biscuit, cama elástica e pula-pula.

Aluguel de kits de aniversário todos os temas infantis R$ 59,99 Av. Mozart Lucena, 1990A

Fone: 3284.4577

Antônio Marcos Redação

Antônio Marcos Redação


6

Vila Velha | Fortaleza - CE, Julho 2009 | Ano II | nº 4

Charge

cinema Curso de

Apreciação de Arte

As Formas do Documentário Dias 21, 22, 23 e 24, de terça a sexta-feira, das 14h às 17h Profª: Daniela Duarte Dumaresq O objetivo do curso é apresentar e discutir as formas do documentário, suas diferentes estratégias narrativas e as implicações éticas e estéticas de cada tipo através de análise de cenas de filmes. Este curso propõe contribuir para uma melhor apreciação do filme documentário de forma mais consciente e crítica. Inscrições: a partir do dia 7 de julho na recepção do CCBNB. Vagas: 80. Carga-horária: 12 horas-aula. Fonte: www.bnb.gov.br

Projeto leva Escolas Públicas à exposição de Iberê Camargo no Espaço Cultural Unifor

Jovens estudantes de escolas da rede pública seguindo para exposição na Unifor.

Foto: Daniel Gauber

Culturarte O Projeto Arte-Educação da Fundação Edson Queiroz, propicia a visita de estudantes de escolas públicas (rede municipal e estadual) à exposição “Iberê Camargo – uma experiência da pintura”. Grande artista plástico e mestre do expressionismo brasileiro. Por meio de agendamento, a Unifor disponibiliza transporte gratuito para jovens, que provavelmente nunca tiveram esta oportunidade, a apreciar e aprender mais sobre o estilo de pintura da exposição. Com o projeto, a Fundação Edson Queiroz pretende ampliar mais uma vez o contato de estudantes cearenses e o público em geral com o melhor da arte mundial. Esse tipo de evento é importante para democratizar o conhecimento artístico.

A exposição realizada por meio de uma parceria entre a Fundação Edson Queiroz e a Fundação Iberê Camargo, conta com sessenta e sete obras (gravuras, guaches, pinturas e desenhos) expostas para visitação até 2 de agosto (de terça a sextafeira) das 10h às 20h e (sábados e domingos) das 10h às 18h, com entrada gratuita. Vale ressaltar que as visitas são guiadas por monitores da própria Universidade. Informações (85) 3477.3319 ou pelo site www.unifor.br Saiba mais sobre IBERÊ CAMARGO no site www.vilanoticia.com.br.

Evaldo Paulino | Redação

Centro Cultural Bom Jardim Inscrições abertas para os cursos:

Dança de Rua Turmas A e B Capoeira Grupos de Teatro Informática Básica p/ Idosos Turmas A e B Design de Moda Mód. III Introdução a Pintura Mód. III Pintura em Tecido Mód. III Mosaico Informações e Inscrições: Grupo de Fotografia Artesanal Centro Cultural Bom Jardim Técnico de Som Mód. II Rua Três Corações, 400 Coral da 3ª Idade Turmas A e B Bom Jardim - Fortaleza CE Coral Infanto-Juvenil Turmas A e B Telefones: (85) Técnica Vocal 3497.5981 / 3497.5991 Coral Adulto Turmas A e B ccbj@ccbj.org.br Percussão Int. ao Canto Lírico Criação Literária e Jornal Comunitário

Serviços: digitação, currículos, trabalhos escolares, contrato de aluguel. 2ª via: Telemar, Coelce, Cagece, IPVA, licenciamento e plano de saúde.

Mensalidade a partir de R$

23,00

Agora com turmas especiais para a melhor idade Rua 24, nº 25 - Conj. Beira Rio - Fone: 3286.4493

Tarciano Albano músico Aulas particulares

* História da música * Aulas práticas e teóricas * Harmonia e improvisação * Leitura e escrita de partitura

Fone: 85 8855.0041 violonistica.blogspot.com


Vila Velha | Fortaleza - CE, Julho 2009 | Ano II | nº 4

Meio ambiente

Depende de nós

O Jornal Vila Notícia aproveita este espaço para iniciar uma conversa sobre as obras do vestibular da UFC 2010. Levando em conta que estamos no aniversário de 100 anos de Patativa do Assaré, apresentamos a obra “Cordéis e Outros Poemas”. “Cordéis e Outros Poemas” é uma coletânea da obra de Antônio Gonçalves da Silva, o “Patativa do Assaré”, publicada pela editora da Universidade Federal do Ceará. A diferença reside na inclusão de dois poemas “Cante lá, que eu canto cá” e “A terra é naturá” -, a ausência do cordel “História de Aladim e a Lâmpada Maravilhosa” e dos textos introdutórios. A obra Cordéis e outros poemas se constitui de 15 cordéis e 2 poemas onde, do ponto de vista estrutural, predominam as sextilhas* e as décimas*, ambas com versos de 7 sílabas poéticas (redondilha maior*). Podemos observar textos de natureza dissertativa, reflexiva, ampliando o conceito tradicional que diz que “cordel é poema em forma de narração”. Isso mostra a versatilidade de Patativa do Assaré. O autor muitas vezes reflete, analisa, discute acerca das dificuldades de vida do homem sertanejo.

Seus temas também são ampliados, variados, indo além do conceito clássico de que “cordel fala de amor, sofrimento ou aventura”. Patativa, com sua profunda consciência social, também citou a desigualdade do Nordeste, os conflitos de terra, os problemas envolvendo o latifúndio, a profunda religiosidade e o misticismo do homem simples do sertão do Brasil. Portanto, os aspectos temáticos da obra são: a pobreza e o sofrimento do sertanejo, a felicidade e o infortúnio, o bem e o mal, o sertão e a cidade, o latifúndio e o agregado, o retirante, o social e o político, a ética e a honestidade, o perdão e a grandeza, a fé em Deus e na religião (Patativa sempre, como todo sertanejo, foi um homem de muita fé). *Sextilhas = 6 versos que apresentam rimas nos versos pares *Redondilha maior = Versos de 7 sílabas poéticas *Décimas = estrofe com 10 versos Leia a matéria na íntegra em: www.vilanoticia.com.br Márcia Regina Licenciada em letras UFC

Lama, árvores retorcidas, peixes, caranguejos e água salobra eram características marcantes do manguezal do Rio Ceará, num passado não muito distante. No presente, o caranguejo vem diminuindo sensivelmente, o lixo está presente em vários pontos da margem do rio. A lama possui cheiro forte, mas principalmente porque recebe esgotos originados de diversas residências. Quem de nós, moradores das proximidades da Barra do Ceará, Vila Velha ou Jardim Guanabara, não se lembra da satisfação de reunir os amigos no fim de semana, tomar banho de rio, jogar bola e aproveitar um dia de folga num espaço onde a vida se manifesta incrivelmente? E o que aconteceu ao longo dos anos que passaram? A necessidade de construção de moradias incentivou centenas de famílias a desmatarem a vegetação e ocuparem espaços que geralmente não oferecem condições de moradia digna. Faltam água e esgoto encanados, do solo brotam pequenas nascentes que desgastam os alicerces das residências e em dias de chuva forte as águas invadem as moradias.

Vários pensamentos invadem nossa mente quando realizamos um passeio pelo manguezal e vemos tantos trabalhadores felizes por ter um teto. No entanto, é notória a necessidade de cuidados urgentes com esse importante ecossistema, afinal, pessoas, plantas e animais são oriundos do mesmo berço: a mãe natureza! Além disso, o manguezal representa, para dezenas de famílias, o sustento retirado diariamente do lamaçal. Portanto, todos são convidados a participar do mutirão de preservação do nosso manguezal. Nós, pedreiros, eletricistas, catadores de lixo, estudantes, comerciantes, professores, pintores ou donas de casa, entre tantas outras ocupações, podemos dar nossa contribuição através de pequenos exemplos como não jogar lixo no meio da rua, ou ainda, quem sabe, solicitar junto aos órgãos públicos saneamento básico evitando que esgotos fiquem a céu-aberto. O desejo de cuidar pode partir de cada um e a responsabilidade também, mas é no trabalho em grupo que podemos encontrar muitas respostas. O manguezal é meu, é seu, é nosso. Então vamos lá! Convide seus familiares, amigos e vizinhos a participarem. Senão, o que será do manguezal e das pessoas que habitam lá? João Correia | Geógrafo

Foto: Antônio Marcos

Cantinho literário

7


8

Vila Velha | Fortaleza - CE, Julho 2009 | Ano II | nº 4

Apelo

Artigo

Bairro Vila Velha continua necessitando de Agência bancária

Jornalismo

Evaldo Paulino | Redação

Classificados Vende-se casa: 2 qtos, garagem, banheiro, cozinha, área de serviço e quintal. Rua Maria Neiva, 18, Vila Velha III. Toinha: 3481.9355 | 8879.5915 Vende ou troca casa: 10m x 20m, sendo 10m2 com colunas, vigas e lages. Apropriado p/ fábricações. Rua Paula Rúbia, 1165, Vila Velha III. Fone: 8838.1711

ato de comunicar-se, expressar-se? Como proibir um engenheiro de escrever, diagramar, apurar notícias, para o jornal de seu sindicato, ou melhor, por que se submeter, o engenheiro, ao aval de um jornalista responsável para que o seu jornal tenha maior credibilidade? Aí entra um outro questionamento: o título de jornalista é parâmetro para credibilidade? Quantos casos conhecemos de informações tendenciosas passadas por jornalistas? Seria o diploma universitário de jornalismo a pedra de toque da credibilidade? Além disso, muitos que saem dos cursos de jornalismo não conseguem se comunicar com o público. Não digo que isso seja falha dos cursos de Comunicação Social, talvez apenas o que eles se proponham não seja isso, e sim estudos acadêmicos. Jornalista se forma no batente, já dizia José Alcides Pinto, saudoso escritor cearense e exprofessor do Curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Ceará. Que o diga a velha-guarda do jornalismo, que ainda é lembrada e não possui diploma.

O que você procura pode estar aqui.

Emprego: Plano Esperança Eterna seleciona representantes de vendas com ou sem experiência. Trazer currículo. Rua Menezes de Oliveira, 449 Conj. Polar. Inform.: 3485.2563 Criação e impressão: cartões de visita, convites de aniversário personalizados e lembrancinhas 10x15cm c/ ou s/ fotos. Maria: 8831.8512

Vende-se casa: 3 qtos, sala, corredor, 2 banheiros, cozinha e quintal. Rua K, 290, Vila Velha III. Contato: 8838.1711 Point D’agua: Água a partir de R$ 1,99 Entregamos em domicílio. Mineral ou adicionada de sais. Fone: 3284.3101 Vende-se moto: Web Sundown 06/07. 8806.5415 | 3243.7298

Preserve o meio ambiente | Favor não jogar este impresso em via pública.

tempo para implantação”. O documento foi distribuído para comerciantes do bairro, mas até agora não se sabe de nenhuma ação concreta e a comunidade continua tendo que se deslocar para outros bairros para realizar transações bancárias. Vale ressaltar que o bairro está em constante crescimento, produzindo riqueza, gerando empregos e renda. Uma agência bancária na comunidade, seja qual for o Banco, será muito importante para o nosso desenvolvimento financeiro e social, pois o capital irá circular cada vez mais dentro do próprio bairro, possibilitando uma maior sustentabilidade no comércio local. O Jornal Vila Notícia entrará em contato com a Câmara Municipal de Fortaleza e com outros bancos, inclusive com o Banco Central, para averiguação de meios legais necessários para que a solicitação expressa nesta matéria seja atendida.

Querer comunicar-se, exprimir-se, é natural no ser humano. Desde tempos primordiais, quando os humanos nem falavam, já se sentia necessidade de se expressar. Tanto é verdade que as pinturas rupestres estão aí para comprovar. Com o passar do tempo a humanidade veio se tornando mais complexa, e essas pinturas nas cavernas já não abarcavam toda a ânsia de expressão de nossos ancestrais. Então outras linguagens foram surgindo, como a oralidade, a escrita e, mais recentemente, o audiovisual. Passando dessa pequeníssima retrospectiva impressionista sobre a expressão, vamos para o que interessa: a necessidade de um diploma para se expressar. “O meu papel, meu canudo de papel”, como diria Martinho da Vila. Não se fala de outra coisa, pelo menos no meio jornalístico e, também, acadêmico (futuros jornalistas), desde que o Supremo Tribunal Federal, por meio de seus ministros, decidiu que o diploma de jornalista não é obrigatório para exercer a profissão. O que seria o jornalismo, se não

Este impresso em papel reciclado tem custo extra de 20% se comparado ao papel branco comum.

“O sambista não precisa ser membro da academia, ao ser natural em sua poesia, o povo lhe faz imortal”. Candeia

Foto: Antônio Marcos

apoio

Há mais de um ano o Jornal Vila Notícia publicava sua primeira edição. Em matéria de capa, expressava um grande anseio da comunidade, especificamente dos comerciantes, que se queixavam da falta de uma agência bancária no bairro. Por conta da grande repercussão da matéria, em março de 2008 a Câmara Municipal de Fortaleza, por intermédio do vereador Walter Cavalcante, enviou um ofício para o presidente do Banco Brasileiro de Descontos (Bradesco), o senhor Márcio Artur Laurelli Cypriano, solicitando a abertura de uma agência bancária no Vila Velha. No mês seguinte, o Bradesco enviou uma nota em resposta à solicitação. A nota dizia: “Realizamos estudos das áreas de influência e aprovamos a abertura de agência na *Avenida Mozart Pinheiro de Lucena. Porém, a instalação da agência dependerá de autorização do Banco Central, da prospecção e adequação do imóvel, o que demandará

Por Raphael Barros Jornalista


Entrevista ao Jornal Vila Notícia em Julho/2009