Page 1

NOVONOVO CAMPO CAMPO DE FORMAÇÃO DE FORMAÇÃO E TREINO E TREINO

José Augusto de Carvalho 1 Presidente da ENB


RISCO SÍSMICO EM PORTUGAL


LOCALIZAÇÃO


PLANTA DE IMPLANTAÇÃO


NOVO CAMPO DE FORMAÇÃO E TREINO

Um campo de formação e treino em busca, localização e resgate não se resume a um monte de escombros.


NOVO CAMPO DE FORMAÇÃO E TREINO

A sua construção tem que obedecer às boas práticas de engenharia civil a fim de assegurar a devida estabilidade das estruturas.


NOVO CAMPO DE FORMAÇÃO E TREINO

Trata-se de conceber uma desorganização aparente que permita treinar a organização no caos característico de situações em ambiente

real.


NOVO CAMPO DE FORMAÇÃO E TREINO As obras a realizar, no que respeitam a estruturas a instalar, definem-se por: 1- Construção de galerias e passagens através de tubos e outras estruturas de betão; 2- Edificação de poços verticais; 3- Construção de edifícios simulando danos provocados por sismos; 4- Veículos soterrados por escombros.


CONCEPÇÃO DE GALERIAS E TÚNEIS


CONCEPÇÃO DE GALERIAS E TÚNEIS

No caso de tubos e outras estruturas soterradas, a largura, a profundidade, o revestimento e os graus de compactação das valas são essenciais, assim como é fundamental o estudo das cargas que irão suportar. É também de importância relevante a análise do tipo de solo, bem como acautelar o controlo de águas subterrâneas, prevenir inundações e deslizamentos de terra no interior dessas estruturas.


DIFERENTES TIPOS DE GALERIAS/TÚNEIS


EDIFICAÇÃO DE POÇOS VERTICAIS

Os poços verticais são utilizados para entrada e saída das galerias que se encontram soterradas.


CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS E ESTRUTURAS DANIFICADAS

Construção de edifícios simulando danos provocados por sismos.


VEÍCULOS SOTERRADOS

Os veículos são soterrados com betão, simulando escombros. Sob os veículos existem galerias que funcionam como abrigos de protecção de vítimas.


CARACTERÍSTICAS DO CAMPO DE FORMAÇÃO E TREINO

•O campo permite múltiplas combinações dos elementos formativos viabilizando a execução de diferentes programas de formação. •A continuidade do espaço e a comunicação entre os diversos elementos construtivos, permitem a realização de diferentes tipos de exercícios. •Haverá condições adversas que se encontram em catástrofes desta natureza, no respeitante ao resgate de vítimas por colapso de estruturas e movimentos de carácter sísmico, proporcionando itinerários formativos com diferentes níveis de dificuldade.


CARACTERÍSTICAS DO CAMPO DE FORMAÇÃO E TREINO

•Os circuitos de práticas caracterizam-se por apresentar resistência ou dificuldade na deslocação, de tal modo que permita desenvolver nos formandos capacidades para se movimentarem neste tipo de cenários. Os elementos a utilizar devem ter em conta este requisito procurando não facilitar, na medida do possível, o trânsito no seu interior.

•O labirinto subterrâneo deve incluir a simulação de estruturas colapsadas por movimentos de origem sísmica, com condições adversas reais de falta de visibilidade, mobilidade e orientação.


CARACTERÍSTICAS DO CAMPO DE FORMAÇÃO E TREINO

•As estruturas simulando edifícios de diferentes alturas estão ligadas à rede de galerias e comunicam entre si mediante passagens a diferentes níveis. No interior de tais estruturas existem elementos que, permitem a deslocação vertical entre os diferentes níveis ou alturas. •Os materiais empregues, a sua disposição e estrutura facilitam a manutenção e exploração da instalação.


FORMAÇÃO E TREINO EM BUSCA E SALVAMENTO • Técnicas de busca, localização e resgate de vítimas;

• Escoramento de valas; • Escoramento de edifícios (fachadas e interiores); • Sinalização internacional em avaliação de estruturas/perigos; • Corte de estruturas colapsadas (ferramentas eléctricas e ferramentas hidráulicas); • Socorro e salvamento de vítimas em altura (salvamento em grande ângulo); • Socorro e salvamento de vítimas com recurso a monopés, bipés e tripés; • Levantamento e movimentação de cargas.


FORMAÇÃO E TREINO EM BUSCA E SALVAMENTO


FORMAÇÃO E TREINO EM BUSCA E SALVAMENTO


FORMAÇÃO E TREINO EM BUSCA E SALVAMENTO


FORMAÇÃO E TREINO EM BUSCA E SALVAMENTO


FORMAÇÃO E TREINO EM BUSCA E SALVAMENTO


FORMAÇÃO E TREINO EM BUSCA E SALVAMENTO


FORMAÇÃO E TREINO EM BUSCA E SALVAMENTO


FORMAÇÃO E TREINO EM BUSCA E SALVAMENTO


FORMAÇÃO E TREINO EM COMBATE A INCÊNDIOS URBANOS E INDUSTRIAIS

O campo será equipado com um conjunto de estruturas que permitem praticar em diversos cenários, construídas de acordo com a norma DIN 14097. Haverá duas áreas de formação com simuladores de fogo abastecidos a gás natural: •Uma interior permitindo a simulação de fogos em habitações e edifícios industriais; •Uma exterior contemplando os equipamentos necessários para simulação de fogos de exterior e/ou industriais.


FORMAÇÃO E TREINO EM COMBATE A INCÊNDIOS URBANOS E INDUSTRIAIS •Simuladores módulo Porta "Backdraft" (explosão de fumo) e Escada em Chamas


FORMAÇÃO E TREINO EM COMBATE A INCÊNDIOS URBANOS E INDUSTRIAIS

•Simuladores módulo “Flashover” (combustão generalizada)


FORMAÇÃO E TREINO EM COMBATE A INCÊNDIOS URBANOS E INDUSTRIAIS

•Simuladores módulos Flange, Bidão e Esteira de Cabos


FORMAÇÃO E TREINO EM COMBATE A INCÊNDIOS URBANOS E INDUSTRIAIS •Simuladores módulos Garrafa de Gás e Quadro Eléctrico


PROCESSO ADMINISTRATIVO - CRONOLOGIA Outubro de 2010 •Esclarecimentos obtidos junto do International Center for Emergency Techniques (ICET) para uma possível certificação da ENB como um pólo CITO (Certified ICET Training Organization) na vertente USAR (Urban Search and Rescue), à semelhança do que sucede na área de salvamento e desencarceramento. •Início de elaboração de estudos técnicos. Novembro de 2010 •Requerimento à Câmara Municipal de Sintra para o relevante interesse público municipal do empreendimento (constrangimentos do PDM). •Aprovação unânime da Câmara Municipal e Assembleia Municipal de Sintra.


PROCESSO ADMINISTRATIVO - CRONOLOGIA Março 2011 •Processo entregue na CCDR/LVT para reconhecimento governamental de relevante interesse público. •Aprovação da alteração do regulamento do eixo III do Programa Operacional de Valorização do Território (POVT) incluindo a Escola Nacional de Bombeiros como entidade beneficiária.

Maio 2011 •Celebração de contrato-programa com a Câmara Municipal de Sintra no valor de 300 mil euros para apoio à obra (cerca de 10% do custo). •Celebração de protocolo de cooperação com o Governo Civil de Lisboa para utilização partilhada de camião com sistema multi-lift e outro equipamento – ambiente formativo e cenários operacionais (candidatura POVT). •Celebração de protocolo de cooperação ANPC/ENB homologado pelo Ministro da Administração Interna, implicando participação administrativa, sem custos, da Autoridade Nacional de Protecção Civil, na candidatura ao POVT (comparticipação a 85%).


PROCESSO ADMINISTRATIVO - CRONOLOGIA Maio/Junho de 2011 •Diligências para a venda antecipada de formação a empresas e municípios com bombeiros profissionais em ordem a reforçar a capacidade de investimento da ENB. Junho de 2011 •Publicação do Despacho nº 8183/2011 dos Secretários de Estado da Protecção Civil e do Ordenamento do Território reconhecendo o interesse público relevante do empreendimento. •(____ de 2011) •O envio da Candidatura ao Eixo III – Prevenção e Gestão de Riscos, do POVT, está dependente da abertura da fase de candidaturas.


A ENB encontra-se a preparar um dossier de apresentação pública do Projecto de Implantação do novo Campo de Treinos. Este documento estará brevemente disponível no site: www.enb.pt

Apresentação Jornadas Internacionais “Cães Busca e Salvamento"  

Os Bombeiros Voluntários de Amarante promoveram, de 24 a 26 de Junho, as suas primeiras Jornadas Internacionais “Cães Busca e Salvamento”. D...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you