Page 1

e-saber O seu conhecimento a um clique.

Curso de oito horas ministrado pelo Prof. Me. Nuno Manuel Frade de Sousa

Estude e faça do download de outras aulas:

www.esaber.wordpress.com Download do material cientĂ­fico deste curso: http://www.divshare.com/download/14909130-55c


CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO

2. PROCESSO DE ENVELHECIMENTO / ENVELHECIMENTO FISIOLÓGICO

3. EXERCÍCIO FÍSICO NA TERCEIRA IDADE

3.1. TREINAMENTO AERÓBIO 3.2. TREINAMENTO DE FORÇA

3.3. TREINAMENTO COMBINADO 3.4. TREINAMENTO DE EQUILÍBRIO / FLEXIBILIDADE


ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO

IDOSO

PAÍSES DESENVOLVIDOS: MAIOR QUE 65 ANOS DE IDADE PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO: MAIOR QUE 60 ANOS DE IDADE OMS


2000

68,6 anos 2010

73,1anos

81,3 anos

4,8%

5,9%

7,4%

2050

IBJE, 2010


INTRODUÇÃO Envelhecimento - Andar - Segurar objetos - Fragilidade

- Baixa Mobilidade - Dependência

Roos et al., 1997


Capacidade Funcional

Deterioração Física

Atividade Física

Idade

INATIVIDADE FÍSICA

Menos Ativo

Atividade Física

Habilidade Sentimento Velho Envelhecimento

Morbidade

Beger & Hecht, 1989


PROCESSO DO ENVELHECIMENTO

FATORES INTRÍNSECOS

FATORES EXTRÍNSECOS

Genética Género Metabolismo Radicais lives Outros

Ambiente Sedentarismo Tabagismo Drogas Radiações Outros


ENVELHECIMENTO FISIOLÓGICO

2009


SISTEMA MUSCULAR E ENVELHECIMENTO


SISTEMA CARDIOVASCULAR E ENVELHECIMENTO


SISTEMA RESPIRATÓRIO E ENVELHECIMENTO


COMPOSIÇÃO CORPORAL E ENVELHECIMENTO


ACSM – NÍVEIS DE EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS


DECLÍNIO ESTRUTURAL E FUNCIONAL A idade avançada está associada a alterações fisiológicas que resultam em reduções na capacidade funcional e alteram a composição corporal – Evidência de categoria A


DECLÍNIO DA ATIVIDADE FÍSICA A idade avançada está associada ao declínio no volume e intensidade da atividade física – Evidência de categoria A/B


AUMENTO DO RISCO CRÔNICO DE DOENÇA A idade avançada está associada ao aumento do risco para doenças crônicas. No entanto, a atividade física reduz significativamente o risco – Evidência de categoria B Importância da força e potência muscular


ATIVIDADE FÍSICA E O PROCESSO DE ENVELHECIMENTO Atividade física regular aumenta a esperança média de vida através da sua influência na atenuação de doenças crônicas e das alterações relacionadas com o envelhecimento, preservando a capacidade funcional – Evidência de categoria A;

Os idosos apresentam especificidade no processo de envelhecimento e adaptação a um programa de exercício. É provável que uma combinação de fatores genéticos e estilo de vida contribuem para a grande variabilidade observada em adultos mais velhos – Evidência de categoria B;


ATIVIDADE FÍSICA E O PROCESSO DE ENVELHECIMENTO Idosos saudáveis são capazes de praticar exercícios agudos aeróbios e de resistência e vivenciar adaptações positivas ao treinamento físico – Evidência de categoria A; Atividade física regular pode influenciar favoravelmente vários sistemas fisiológicos e se apresentar como um fator que diferencia dos indivíduos com envelhecimento desfavorável – Evidência de categoria B/C; Atividade física regular reduz o risco de desenvolvimento de um grande número de doenças crônicas e é válida como tratamento para outras doenças – Evidência de categoria A/B;


TREINAMENTO AERÓBIO


TREINAMENTO AERÓBIO Capacidade aeróbia Programas de TA com intensidade ≥ 60% VO2max, frequência ≥ 3x sem e duração ≥ 16 sem podem aumentar significativamente o VO2max em idosos saudáveis – A; Efeitos cardiovasculares Três ou mais meses de TA com intensidade moderada promove adaptações cardiovasculares em idosos, que são evidentes em repouso e em exercício dinâmico agudo – A; Composição corporal TA com intensidade moderada reduz o total de massa gorda (obesos). Sem efeito na massa magra – A/B; Efeitos metabólicos TA pode induzir adaptações metabólicas favoráveis, como controle da glicemia, clearence dos lipídios pósprandial e utilização de gorduras durante exercício submáximo – B; Saúde óssea TA pode ser efetivo em agir contra a perda de massa óssea – B.


CAPACIDADE AERÓBIA

TREINAMENTO DE ENDURANCE E MUDANÇAS NO VO2MAX EM IDOSOS: META ANÁLISE


IDADE: 67,1

AUMENTO 3,8 ml(kg.min)-1 16,3%


ADAPTAÇÕES CARDIOVASCULARES AO EXERCÍCIO DE ENDURANCE EM MULHERES E HOMENS IDOSOS Homens: aumento de DC e dAVO2 VO2 = DC x dAVO2

Mulheres: aumento da dAVO2


CAPACIDADE AERÓBIA CONCLUSÕES

Aumento do VO2máx (16%) comparado com pessoas da mesma idade após TA de 16-20 semanas; Maior período de treinamento maior o aumento do VO2máx Aumentos bem menores para idosos acima de 75 anos; Diferenças no aumento do VO2máx entre géneros.


EFEITOS CARDIOVASCULARES

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO A BAIXA E ALTA INTENSIDADE NA PA E FATORES DE RISCO CARDIOVASCULARES EM IDOSOS


Exercício: 60’, 3x por semana durante 12 semanas

LI – 33% da FCR HI – 66% da FCR


CONCLUSÕES DO ESTUDO 1. TA de 12 semanas é suficiente para reduzir a PAS, PAD e FC de repouso e durante exercício submáximo;

2. Apesar de maiores diminuições durante HI, diminuições também são encontradas durante LI


MUDANÇAS NO VO2MÁX, LIPÍDIOS SANGUÍNEOS E CIRCUNFERÊNCIA CINTURA EM RESPOSTA AO TA MODERADO EM FUNÇÃO DA IDADE OVARIANA


Exercício: 90’ com FC entre 100 a 140 bpm durante 12 semanas


Exercício: 90’ com FC entre 100 a 140 bpm durante 12 semanas


CONCLUSÕES DO ESTUDO 1. TA de 12 semanas é suficiente para reduzir a concentração de colesterol total, LDL e TG no sangue;

2. Existe também a redução do IMC, %gordura e circunferência da cintura;

3. A redução da gordura visceral pode chegar a 20%.


EFEITOS METABÓLICOS

EXERCÍCIO E AUMENTO DA SENSIBILIDADE À INSULINA EM MULHERES IDOSAS: EVIDÊNCIAS DOS BENEFÍCIOS DO TA EM ALTA INTENSIDADE


CONCLUSÕES DO ESTUDO 1. TA de alta intensidade aumenta o transporte de glicose para o músculo, assim como a ação da insulina em todo o corpo;

2. Apesar do treinamento de baixa intensidade também trazer benefícios, acabam por regredir mais rapidamente.


PRESCRIÇÃO DO TA PARA IDOSOS Modalidade: caminhada, corrida, natação, ciclismo Intensidade: 50 a 70% da FCR (sedentários) ou 80% FCR (treinados) ou 40 a 50% VO2max Progressão: inicialmente 20’ contínuos ou intervalados progredindo a 60’. Grupos musculares: necessários para a AVD’s dos idosos Freqüência: 3x por semana em dias alternados American College of Sports Medicine, 2000


INSTRUMENTOS DE TRABALHO Limiar Anaeróbio Percentual do VO2max

MÉTODOS DIRETOS

Menor QR

Percentual da FC FC alvo PSE - BORG Pedômetro

MÉTODOS INDIRETOS


Duração

12 sem

Frequência

3x sem (60’)

Intensidade

33% ou 66% da FCR

Andar ou jogging na esteira; bicicleta ergomêtrica; stepping (5 min de aquecimento e intervalo de 1 min entre exercícios). FCex = FCrep + [(FCmax – FCrep) x 0,33 ou 0,66] FCmax → Teste incremental máximo em cicloergômetro A carga de trabalho era constamente ajustada através da FC


Duração

12 sem

Frequência

3x sem (90’ de Nordic Walking)

Intensidade

Entre 100 a 140 bpm


Duração

9 meses

Frequência

4x sem

Intensidade

Alta intensidade – 80% VO2max Intensidade moderada – 65% VO2max

Atividade principal – esteira; Outras atividades remoergômetro, jog em mini-trampolins, steps.

FC –

Duração – 300 kcal/sessão (estimado pelo VO2max e peso corporal) VO2max → Teste incremental máximo em esteira


DETERMINAÇÃO DA CARGA DE TRABALHO TESTE DE BALKE EM ESTEIRA METODOLOGIA: velocidade constante (5,4 km/h), acréscimo de 1% na inclinação a cada minuto, até a exaustão (t = tempo máximo do teste)

CÁLCULO: VO2 máx = 11,826 + 1,62 . (t - 1) Exemplo: 10 min. VO2max = 26,4 ml . (kg . min)-1

FCmax = 150 bpm

60% VO2max ≈ 60% FCmax

Carga de trabalho - 90 bpm


DETERMINAÇÃO DA CARGA DE TRABALHO TESTE DE ASTRAND-RHYMING Baseia-se na relação entre FC de estabilização e uma carga submáxima de trabalho. Utiliza-se o nomograma de A-R, com correção para a idade.

Relação linear entre:

Intensidade do exercício e FC Intenisdade do exercício e VO2

Relação linear entre FC e VO2

Permite identificar o VO2max, carga máxima e % de carga de trabalho através de um exercício SUB-MÁXIMO


TREINAMENTO DE FORÇA


PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO DE FORÇA DESENHO APROPRIADO DO PROGRAMA Variáveis agudas do treinamento

Princípios chaves do treinamento

Ação muscular

Intervalo de recuperação

Sobrecarga de treinamento

Especificidade do treino

Carga e Volume

Velocidade da repetição

Progressão do treinamento

Individualização do treinamento

Seleção e Ordem

Freqüência de treinamento

Adaptação ao treinamento

manutenção

Resultados específicos do treinamento Resistência Muscular Localizada

Hipertrofia

Força

Potência


TREINAMENTO DE FORÇA Força muscular Idosos podem aumentar substancialmente a força após TF – A; Potência muscular Aumento substancial após TF em idosos – A; Qualidade muscular (performance por volume ou massa muscular) Aumentos similares aos jovens e aparentemente não dependentes do gênero – B;

Endurance muscular Aumentos em protocolos de TF com moderada a alta intensidade. Baixa intensidade não aumenta a endurance muscular – C;


TREINAMENTO DE FORÇA Composição corporal Alterações favoráveis na composição corporal, incluindo aumento da massa magra e diminuição da massa gorda através de TF com moderada a alta intensidade – B/C; Saúde óssea TF de alta intensidade preserva ou melhora a densidade óssea, com relação direta entre adaptações musculares e ósseas – B; Efeitos metabólicos e endócrinos Os efeitos do TF em variáveis metabólicas é variado. Existem algumas evidências que o TF pode alterar a fonte energética usada em repouso, mas evidências inconsistentes em relação ao TF e TMB. O efeito do TF em diferentes hormônios tem aumentado significativamente. Ainda não existem relações bem estudadas – B/C.


Força muscular

Indivíduo treinado em força

Normal

0

20

40 60 Idade em anos

80

100


MANUTENÇÃO DO TAMANHO E FORÇA MUSCULAR APÓS TREINAMENTO RESISTIDO EM IDOSO


MÉTODOS 12 semanas de TF progressivo, executado com extensão dos joelhos a 80% de 1RM;

2-3s na concêntrica e 2-3s na fase excêntrica, 1RM foi avaliada a cada 2 semanas; TF era realizado 3x semana, 2 séries de 10Rep + 1 série até a fadiga, com 2 minutos de intervalo entre as séries;

Depois de 12 semanas de TF, o grupo DT parou com treinamento; O grupo TR continuou o TF por mais 12 semanas, porém, apenas 1x semana; TF era realizado 1x semana, 3 séries de 10rep, a cada 4 semanas 1RM era testada.


CONCLUSÕES DO ESTUDO

TF de 12 semanas com 80% de 1RM é suficiente para aumentar e preservar a massa muscular e força em idosos;

Um dia de treinamento por semana (baixo volume) com alta intensidade (80% de 1RM) foi suficiente para atenuar o processo de sarcopenia.


PRESCRIÇÃO DO TF EM IDOSOS PARA FORÇA E HIPERTROFIA Repetições: 8 a 12 Intensidade: 60 a 80% de 1RM

Progressão: máquinas para pesos livres Grupos musculares: exercícios multiarticulares e monoarticulares Freqüência: duas a três vezes por semana em dias alternados Tempo de recuperação entre as séries: 1 a 2 minutos


INSTRUMENTOS DE TRABALHO TESTE DE CARGA MÁXIMA (1RM)

PREDIÇÃO DE 1RM ATRAVÉS DE NÚMERO DE REPETIÇÕES

ESCALA DE OMNI


TESTE DE CARGA MÁXIMA (1RM) Equipamento facilmente disponível, relativamente específico para o treinamento tipicamente executado;

barato,

Tem sido geralmente relatado como confiável. Abernethy et al., 1995

PROCEDIMENTO Atividade leve envolvendo os músculos a serem testados, aquecimento de 3 a 5 min; Aquecimento de 8 repetições a 50% da 1 RM estimada, seguida de 3 repetições a 70% 1RM. 3 a 5 tentativas; Intervalo de 3 a 5 minutos entre tentativas; Kraemer e Fry, 1991


PREDIÇÃO DE 1RM ATRAVÉS DO NÚMERO DE REPETIÇÕES Nº de repetições

% da carga máxima

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 15

100% 95% 93% 90% 87% 85% 83% 80% 77% 75% 70% 67% 65%

BAECHLE & EARLE, 2000.


http://www.exrx.net/Calculators/OneRepMax.html


ESCALA DE OMNI

0-2 40% 2-3 50% 4-5 60% 5-7 70% 7-8 80% 8-10 90-100%


Respostas fisiol贸gicas e funcionais a treinamento resistido de baixa-moderada intensidade versus alta intensidade em idosos fr谩geis


MÉTODOS TF progressivo consistiu de 10 semanas para extensores do joelho (cadeira extensora), 3 dias por semana;

3 séries de 8 reps, ações durando 6-8s e intervalo entre as séries de 1-2 minutos, 1RM era mensurada semanalmente;

Grupo de alta intensidade, 80% de 1RM, baixa intensidade 40% de 1RM e grupo PC, sem carga.


CONCLUSÕES DO ESTUDO TF de baixa-moderada intensidade não parece ser suficiente na perspectiva fisiológica funcional

Não oferece vantagens em termos de segurança e eficiência

TF de alta intensidade, (80% de 1RM) produz os melhores resultados na melhora da performance funcional de idosos


2009

HIPERTROFIA DO MÚSCULO ESQUELÉTICO APÓS O TF É ACOMPANHADO POR AUMENTO ESPECÍFICO DO CONTEÚDO DE CÉLULAS SATÉLITE EM HOMENS IDOSOS


METODOLOGIA


METODOLOGIA TF foi efetivo para aumentar massa muscular e força

O TF pode reverter a atrofia das fibras do tipo I e tipo II

O tecido muscular em idosos é ainda capaz de induzir a proliferação, diferenciação e fusão do novo mionúcleo na fibra muscular


CARGA ÓTIMA PARA AUMENTO DE POTÊNCIA MUSCULAR DURANTE TF EXPLOSIVA EM IDOSOS


METODOLOGIA Idosos com idade > 60 anos e não participantes de TF nos últimos 6 meses;

Treinamento 2x semana durante 12 meses, com 3 séries de 8 repetições; 5 exercícios: leg press horizontal, supino reto, flexão e extensão dos joelhos e rosca alternada; Fase concêntrica o mais rápido possível e fase excêntrica com duração de 3s; Os participantes descansaram 10-15s entre as séries, alterando os exercícios;

4 grupos diferentes: G80; G50; G20 e CON


CONCLUSÕES DO ESTUDO TF explosiva com cargas leves, moderadas e altas induzem a incrementos similares na potência muscular

No entanto, o TF com cargas altas induz a maiores aumentos na força e resistência muscular localizada

Por esta razão, este tipo de intensidade fornece a melhor estratégia para aumentos simultâneos nestas manifestações da força


TREINAMENTO COMBINADO


TREINAMENTO COMBINADO DE ENDURANCE E EXERCÍCIO DE RESISTÊNCIA MELHORAM A RIGIDEZ ARTERIAL, PA E FORÇA MUSCULAR EM MULHERES PÓS-MENOPAUSA


METODOLOGIA Mulheres menopausadas com idade entre 47 a 68 anos; Treinamento combinado 3x semana durante 12 meses;

Circuito de exercício resistido com aproximadamente 20 minutos. 1 série de 12 repeticões em 9 aparelhos: supino reto, leg press, remada, abdominais, cadeira flexora, cadeira extensora, extensão do tronco, rosca bíceps, extensão tríceps. Treinamento aeróbio em esteira por 20 minutos a 60% da FCmax predita.


CONCLUSÕES DO ESTUDO

Treinamento combinado é efetivo para melhorar a rigidez arterial, fatores hemodinâmicos e força muscular em mulheres após a menopausa;

Treinamento combinado com intensidade moderada previne a hipertensão em mulheres após a menopausa.


TREINAMENTO DE EQUILÍBRIO / FLEXIBILIDADE


TREINAMENTO DE EQUILÍBRIO / FLEXIBILIDADE

Equilíbrio Exercícios multimodais, incluindo exercício de força, equilíbrio e tai chi são efetivos na redução do risco de lesões por quedas em populações com elevado risco de quedas – C; Alongamento e flexibilidade Poucas pesquisas controladas examinaram o treinamento de flexibilidade na amplitude de movimento em idosos. Existem algumas evidências que a flexibilidade pode aumentar na maioria das articulações através de exercício de amplitude de movimento, no entanto, ainda não foram estabelecidos o tipo e quantidade de exercícios – D;


ENSAIO FATORIAL RANDOMIZADO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS ENTRE IDOSOS MORANDO EM SUAS PRÓPRIAS CASAS


O QUE É CONHECIDO SOBRE O ASSUNTO? Intervenções múltiplas previnem quedas entre os idosos, mas a sua relativa importância de diferentes estratégias é desconhecida

OBJETIVO Testar a eficácia de três diferentes intervenções para prevenção de quedas entre idosos e suas interações. DESENHO EXPERIMENTAL 1090 idosos com média de 60 anos acompanhados durante 18 meses.


CONCLUSÕES Um programa semanal de exercícios físicos com foco no equilíbrio, mais exercício em casa, ajuda a prevenir quedas de idosos; Manejo dos perigos em casa e desobstrução da visão não são tão eficazes para redução de quedas quando usados isoladamente. No entanto, quando adicionado um programa de exercício apresentam grande valor.


PREVENÇÃO DE QUEDAS POR 2 ANOS: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO EM MULHERES COM MAIS DE 80 ANOS DE IDADE


METODOLOGIA 233 mulheres com idade maior que 80 anos;

Exercício de força de de equilíbrio 3x sem realizados em casa; Plano de caminhada 3x sem;

Aumento do nível de dificuldade ao longo dos 2 anos de estudo

Grupo controle apenas com visitas sociais


Quedas e lesões podem ser reduzidas através de um programa de exercícios de força e equilíbrio, prescritos em casa;

A eficácia do treinamento durou os 2 anos e requer o mínimo de acompanhamento de um fisioterapeuta;


O efeito do exercício na performance física ainda não está totalmente compreendida e não parece ser linear. TR tem impacto favorável nas atividades de equilíbrio, de caminhada e de levantar de uma cadeira, mas são necessárias mais informações para entender a natureza da relação entre exercício e performance funcional – C/D.

nunosfrade@gmail.com

Atividade Física para a terceira idade  

Curso de oito horas ministrado no I Congresso Internacional de de Educação Física e Qualidade de Vida do Noroeste Paulista

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you