Issuu on Google+

Abstraรงos

Revista digital Eric Oliveira


Ponto

É o elemento mínimo da comunicação visual. Não pode ser reduzido a nenhum outro e, combinado com outros pontos, forma todos os demais elementos a serem estudados. Retícula: malha de pontos usada em reprodução gráfica de imagens, permitindo a utilização de meio-tom.

Linha

As linhas são dinâmicas, sugerem trajetória e ritmos. Podem ser: Onduladas e curvas: associam-se a leveza, suavidade, harmonia. Retas: são mais associadas à racionalidade e à precisão. Angulosas: podem traduzir a noção de choque e conflitos. Horizontais: associadas a estabilidade. Diagonais: dinamismo, movimento ou instabilidade.

Formas básicas:

FORMA

A linha descreve a forma. Na linguagem das artes visuais, a linha articula a complexidade da forma. Existem três formas básicas: o quadrado, o círculo e o triângulo equilátero. Cada uma das formas básicas tem suas características especiais, e a cada uma se atribui uma grande quantidade de significados, alguns por associação, outros por vinculação arbitrária, e outros, ainda, através de nossas próprias percepções e fisiologias.

1


DIREÇÃO

As formas básicas expressam três direções visuais e significativas: o quadrado, a horizontal e a vertical; o triângulo, a diagonal; o círculo, a curva. Cada uma das direções tem um forte significado associativo e é um valioso instrumento para a criação de mensagens visuais.

TOM

Tom ou tonalidade consiste na variação claro/escuro em determinada imagem. É comum confundir tonalidade com luz e sombra. São dois recursos relacionados, mas não significam exatamente a mesma coisa. A tonalidade é qualquer variação entre claro/escuro. Exemplo de tonalidades:

COR

A cor pode ser percebida, quanto à sua natureza, em dois tipos básicos: cor-pigmento e cor-luz. Cor-pigmento (opacas): é aquela que se manifesta na superfície de qualquer objeto, produzida pela reflexão da luz quando esta incide sobre ele. É a cor materializada como pigmento, sejam naturais ou artificiais. São as cores utilizadas em qualquer tipo de impressão gráfica: revistas, jornais, etc. Cor-luz: é a cor presente na emissão direta de uma fonte luminosa, ou seja, está na própria luz. Por exemplo: as cores em qualquer meio que utiliza monitores, como TV, vídeo ou computador. Cor-luz (RGB):

Cor-pigmento (CMYK):

2


Características da cor: matiz, brilho, saturação

Matiz: O matiz é determinado pela posição exata de uma cor no espectro de luz. Na linguagem comum, é aquilo que se denomina como cor (vermelho, amarelo, azul, laranja, verde), etc. A variação de matiz ocorre quando uma cor vai se aproximando da visualidade de outro matiz. Por exemplo, um azul que vai esverdeando. Brilho: Definido pela quantidade de claros e escuros presentes na cor. Sua variação abrange da tonalidade mais escura (preto) à mais iluminada possível. A variação de brilho corresponde a de tonalidade. É a variação do claro e do escuro na mesma cor.

ESCALA

Todos os elementos visuais são capazes de se modificar e se definir uns dos outros. O processo constitui, em si, o elemento daquilo que chamamos de escala. A medida é parte integrante da escala, mas sua importância não é crucial. Mais importante é a justaposição, o que se encontra ao lado do objeto visual, em que cenário ele se insere; esses são fatores mais importantes. A escala pode ser estabelecida não só através do tamanho relativo das pistas visuais, mas também através das relações com o campo ou com o ambiente.

Exemplo de escala:

Saturação: Intensidade ou pureza da cor, quanto mais se aproxima do cinza. A variação de saturação faz com que a cor vá se aproximando dos cinzas, dos marrons. A cor vai perdendo a sua pureza, a sua intensidade.

3


DIMENSÃO

Exemplo de dimensão:

A representação da dimensão em formatos visuais bidimensionais também depende da ilusão. A dimensão existe no mundo real. Não só podemos senti-la, mas também vê-la, com o auxílio de nossa visão. Mas em nenhuma das representações bidimensionais da realidade , como o desenho, a pintura, a fotografia, o cinema e a televisão, existe uma dimensão real; ela é apenas implícita. A ilusão pode ser reforçada de muitas maneiras, mas o principal artifício para simulá-la é a convenção técnica de perspectiva. Os efeitos produzidos pela perspectiva podem ser intensificados pela manipulação tonal, através do claro-escuro.

MOVIMENTO

Como no caso da dimensão, o elemento visual do movimento se encontra mais frequentemente implícito do que explícito no modo visual. O movimento talvez seja uma das forças visuais mais dominantes da experiência humana. A sugestão de movimento nas manifestações visuais estáticas é mais difícil de conseguir sem que ao mesmo tempo se distorça a realidade, mas está implícita em tudo aquilo que vemos, e deriva de nossa experiência completa de movimento na vida.

Exemplo de movimento:

4


Anatomia da mensagem Visual: Representação, abstrato e simbólico

REPRESENTAÇÃO:A realidade é a experiência visual básica e predominante. ABSTRAÇÃO: O processo de abstração é um processo de destilação, de redução dos fatores visuais múltiplos aos traços mais essenciais e característicos daquilo que está sendo representado. SIMBÓLICO: o vasto universo de sistemas de símbolos codificados que o homem criou arbitrariamente e ao qual atribuiu significado.

Contraste de Tom Dinâmica do Contraste

Em todas as artes, o contraste é uma poderosa ferramenta de expressão, o meio para intensificar o significado e, portanto, para simplificar a comunicação. O contraste é também uma contra-força à tendência do equilíbrio absoluto, ele desequilibra, sacode, estimula e atrai a atenção.

Com o tom, a claridade ou a obscuridade relativas de um campo estabelecem a intensidade do contraste. O tamanho ou a proporção não é a única coisa a ser levada em conta. A divisão de um campo em partes iguais pode também demonstrar o contraste tonal. Contraste tonal:

5


Contraste de Cor

O tom supera a cor em nossa relação com o meio ambiente, sendo, portanto, muito mais importante que a cor na criação do contraste. Depois do tonal, talvez o mais importante contraste de cor seja o quente-frio, que estabelece uma distinção entre as cores quentes, dominadas pelo vermelho e pelo amarelo, e as frias, dominadas pelo azul e pelo verde. A natureza recessiva da gama azul - verde sempre foi usada para indicar distância, enquanto a qualidade dominante da gama vermelho-amarelo tem sido usada para expressar expansão. Essas qualidades podem afetar a posição espacial, uma vez que a temperatura da cor pode sugerir proximidade ou distância. O contraste complementar é o equilíbrio relativo entre o quente e o frio. De acordo com a teoria da cor de Munsell, a cor complementar se situa no extremo oposto do círculo cromático.

Contraste de Forma

A necessidade que todo o sistema perceptivo do ser humano tem de nivelar, de atingir um equilíbrio absoluto e o fechamento visual é a tendência contra a qual o contraste desencadeia uma ação neutralizante. Através da criação de uma força compositiva antagônica, a dinâmica do contraste poderá ser prontamente demonstrada em cada exemplo de elemento visual básico que dermos. Se o objetivo for atrair a atenção do observador, a forma regular, simples e resolvida, é dominada pela forma irregular, imprevisível.

Contraste de forma:

6


Contraste de Escala

A distorção da escala, por exemplo, pode chocar o olho ao manipular à força a proporção dos objetos e contradizer tudo aquilo que, em função de nossa experiência, esperamos ver. Como técnica visual, o contraste pode ser ainda mais intensificado através da justaposição de meios diferentes.

Técnicas Visuais

Equilíbrio: Os elementos visuais são mutuamente distribuídos nas áreas da imagem. Não é necessário que a imagem apresente exatamente os mesmo elementos. Instabilidade:É muito comum utilizar linhas inclinadas para sugerir instabilidade. Simetria: É um tipo específico de equilíbrio, ocorrendo quando as unidades visuais se distribuem igualmente em torno de um eixo central. Assimetria:Equilíbrio obtido com variação de elementos e posições. Trata-se de uma técnica mais complexa que a simetria, exigindo a distribuição de pesos e forças de maneira mais elaborada. Regularidade: Distribuição uniforme de elementos, apresentando uma maneira constante e invariável. 7


Irregularidade: Inclui elementos inesperados, variando e quebrando a repetição de padrões ao longo da imagem. Simplicidade: utilização de formas elementares, sem maiores ornamentação ou elaborações detalhistas. Complexidade: presença de múltiplos elementos da linguagem visual, com relações mais elaboradas entre si. Unidade: os elementos componentes formam uma totalidade percebida de imediato pelo observador. Fragmentação: Os elementos da imagem são decompostos em várias partes separadas. Economia: Elaboração da imagem com elementos mínimos, em geral aproveitando o próprio vazio do suporte. Profusão: A imagem apresenta-se carregada de elementos visuais como, por exemplo, na ornamentação exagerada Minimização: Apresentação dos elementos em condições mínimas. Por exemplo: dimensões reduzidas. Exagero: Ampliação e intensificação do componente da mensagem visual. Previsibilidade: Convencional, sendo possível prever de antemão como vai ser toda a mensagem visual.

Espontaneidade: Caracteriza-se pela liberdade e soltura na aplicação dos elementos visuais, sugerindo a ausência de planejamento rígido Atividade: Procura refletir o movimento através da representação ou sugestão. Estase: Representação estática, passividade, apresentando um efeito de repouso, tranquilidade ou mesmo de falta de atividade Sutileza: Segundo Dondis, uma técnica que sugere “uma abordagem visual delicada e de extremo requinte”. Ousadia: Segundo Dondis, técnica visual que, de alguma forma, sugere “audácia, segurança, confiança” na própria articulação dos elementos visuais. Enfase: Predomínio de um assunto ou elemento numa mensagem visual, chamando sua atenção em relação aos outros componentes da imagem. Neutralidade: Pouca atração do olhar para elementos isolados, predominando a imagem como um todo. Transparência: Utilização de recursos visuais que permitem ao observador ver figuras e objetos que se situam atrás dos mesmos, em termos de profundidade. 8


Opacidade: A mensagem envolve elementos visuais que cobrem, ocultam outras que parecem atrás Estabilidade: Segundo Dondis, “a estabilidade é a técnica que expressa a compatibilidade visual e desenvolve uma composição dominada por uma abordagem temática uniforme e coerente” Variação: Técnica sugerindo diversidade e variações em torno de um mesmo tema. Exatidão: Técnica de criação de imagens procurando reproduzir exatamente as características do objeto ou modelo representado. Distorção: Modificação da visão realista , representando o modelo ou objeto como uso de efeitos. Profundidade: Técnica com utilização de recursos como perspectiva, luz e sombra e outros que sugerem tridimensionalidade. Planura: Ênfase no aspecto bidimensional da imagem, eliminando a aparência de volume e profundidade. Singularidade: Enfoque num tema isolado e independente, Justaposição: técnica que consiste em colocar estímulos visuais lado a lado, provocando a comparação.

Sequencialidade: Ordenação seguindo um padrão rítmico, sugerindo uma ordem lógica Acaso: Técnica marcada pela casualidade, sugerindo a ausência de planejamento e um processo acidental na criação da imagem. Agudeza: Utilização de contornos precisos e rígidos Difusão: Contornos difusos, suaves, diminuindo nitidez Repetição: Repetição de elementos visuais, formas ou padrões, sugerindo forte conexão entre os mesmos. Um bom exemplo é a modularidade: composição da imagem com módulos que se repetem. Episodicidade: técnica que sugere pouco ou nenhuma conexão entre os elementos componentes da imagem. Angularidade: Predomínio de linhas ou formas angulosas Rotundidade: Predomínio de linhas ou formas curvas ou redondas Intersecção: formas diferentes formam uma intersecção, ou seja, estão próximas e compartilham áreas que as compõem. Paralelismo: formas afastadas, sem compartilhar áreas.

9


Psicologia da Gestalt

O postulado da Gestalt, no que se refere a relações psico-fisiológicas, pode ser assim definido: todo o processo consciente, toda forma psicologicamente percebida, está estreitamente relacionada com as forças integradoras do processo fisiológico cerebral. A hipótese da Gestalt, para explicar a origem dessas forças integradoras, é atribuir ao sistema nervoso central um dinamismo auto-regulador que, à procura de sua própria estabilidade, tende a organizar as formas em todos coerentes e unificados. Essas organizações, originárias da estrutura cerebral são, pois, espontâneas, não arbitrárias, independentes de nossa vontade e de qualquer aprendizado. A escola da Gestalt, colocando o problema nesses termos, vem possibilitar uma resposta a muitas questões até agora insolúveis sobre o fenômeno da percepção.

Análise das Forças Que Regem a Percepção da Forma Visual- Forças Externas e Forças Internas

Koffka, quando estuda o fenômeno da percepção visual, isto é, quando procura explicar “por que vemos as coisas como as vemos” estabelece, inicialmente, uma primeira divisão geral entre forças externas e forças internas. As forças externas são constituídas pela estimulação da retina através da luz proveniente do objeto exterior. Essas forças têm origem no objeto que olhamos, ou melhor; nas condições de luz em que se encontra. As forças internas são as forças de organização que estruturam as formas numa ordem determinada, a partir das condições dadas de estimulação, ou seja, das forças externas. As forças internas têm a sua origem, segundo a hipótese da Gestalt, num dinamismo cerebral que se explicaria pela própria estrutura do cérebro.

10


Princípios Básicos que Regem as Forças Internas de Organização

Através de suas pesquisas sobre o fenômeno da percepção, feitas com grande número de experimentos, os psicólogos da Gestalt precisaram certas constantes nessas forças internas, quanto à maneira como se ordenam ou se estruturam as formas psicologicamente percebidas. Essas constantes das forças de organização são o que os gestaltistas chamam de padrões, fatores, princípios básicos ou leis de organização da forma perceptual. São essas forças ou esses princípios que explicam por que vemos as coisas de uma determinada maneira e não de outra. As forças iniciais mais simples, que regem o processo da percepção da forma visual são as forças da segregação e unificação. As forças de unificação agem em virtude da igualdade de estimulação. As forças de segregação agem em virtude de desigualdade de estimulação. Evidentemente, para a formação de unidades, é necessário que haja uma descontinuidade de estimulação (ou contraste). Se estivermos envolvidos numa estimulação homogênea (sem contraste), como uma densa neblina, nenhuma forma será percebida.

Leis da Gestalt

Unidade: Uma unidade pode ser entendida como um único elemento, que se encerra em si mesmo, ou como parte de um todo. O círculo, por exemplo, é uma unidade que encerra em si mesmo, porém se ele tiver em seu interior algum desenho, esse interior será as subunidades. Uma forma simples de entender também é a relação dessa lei com os substantivos coletivos, onde, por exemplo, diversos lobos são unidades quando analisados individualmente, mas que o grupo (ou alcatéia) também pode ser considerado uma unidade.

11


Segregação: Significa a capacidade perceptiva de separar, identificar, evidenciar ou destacar unidades formais em um todo compositivo ou em partes deste todo. Naturalmente, pode-se segregar uma ou mais unidades, dependendo da desigualdade dos estímulos produzidos pelo campo visual (em função das forças de um ou mais tipos de contrastes). A segregação pode se feita por diversos meios tais como: pelos elementos de pontos, linhas, planos, volumes, cores, sombras, brilhos, texturas e outros. Unificação: A unificação da forma consiste na igualdade ou semelhança dos estímulos produzidos pelo campo visual, pelo objeto. A unificação se verifica quando os fatores de harmonia, equilíbrio, ordenação visual e, sobretudo, a coerência da linguagem ou estilo formal das partes ou do todo estão presentes no objeto ou composição. Importante salientar que, obviamente, a unificação também se manifesta em graus de qualidade, ou seja, varia em função de uma melhor ou pior organização formal. Fechamento: O fator de fechamento é importante para a formação de unidades. As forças de organização da forma dirigem-se espontaneamente para uma ordem espacial que tende para a formação de unidades em todos fechados. Obtém-se a sensação de fechamento visual da forma pela continuidade numa ordem estrutural definida, ou seja, por meio de agrupamento de elementos de maneira a constituir uma figura total mais fechada ou mais completa. Continuidade: A boa continuidade, ou boa continuação, é a impressão visual de como as partes se sucedem através da organização perceptiva da forma de modo coerente, sem quebras ou interrupções na sua trajetória ou na sua fluidez visual. É também a tendência dos elementos de acompanharem uns aos outros, de maneira tal que permitam a boa continuidade de elementos como: pontos, linhas, planos, volumes, cores, texturas, brilhos e outros. Proximidade: Elementos ópticos próximos uns dos outros tendem a serem vistos juntos e, por conseguinte, a constituírem um todo ou unidades dentro do todo.

12


Semelhança: A igualdade de forma e de cor desperta também a tendência de se construir unidades, isto é, de estabelecer agrupamentos de partes semelhantes. Pregnância da Forma: A pregnância é a Lei Básica da Percepção Visual da Gestalt e, assim definida: "Qualquer padrão de estimulo tende a ser visto de tal modo que a estrutura resultante é tão simples quanto o permitam as condições dadas". "As forças de organização da forma tendem a se dirigir tanto quanto o permitam as condições dadas, no sentido da harmonia e do equilíbrio visual". Uma boa pregnância pressupõe que a organização formal do objeto, no sentido psicológico, tenderá a ser sempre a melhor possível do ponto de vista estrutural. Assim, para efeito deste sistema, pode-se afirmar e estabelecer o seguinte critério de qualificação ou julgamento organizacional da forma: 1) Quanto melhor for a organização visual da forma do objeto, em termos de facilidade de compreensão e rapidez de leitura ou interpretação, maior será o seu grau de pregnância. 2) Quanto pior ou mais confusa for a organização visual da forma do objeto, menor será o seu grau de pregnância. Para facilitar o julgamento da pregnância, pode-se estabelecer um grau ou um índice de pontuação como, por exemplo: baixo, médio, alto ou uma nota de 1 a 10.

A cor na Comunicação

A cor está particularmente arraigada nas emoções humanas. Em sua função prática, a cor distingue, identifica e designa um determinado status, em sua função simbólica. Pode refletir, por exemplo, amor, perigo, paz, etc., e finalmente dentro da função indicial e sinalética é aplicada tanto em sinais informativos, como proibições ou advertências, quanto em muitas outras aplicações. Os desenhistas usam a cor de forma estratégica para criar condições visuais de unidade, diferenciação, sequência, etc. Com a cor é possível gerar sentimentos, sugerir ações e criar efeitos. É também assim na criação de identidades visuais, embalagens e outras expressividades

13



Revista digital (eric oliveira)