Page 1

ÓRGÃO INFORMATIVO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE TONDELA

A N O

NESTA EDIÇÃO: Blogue OPINA AI

4

Debates em AI

6

Actividades TRB

8

Marchas Santo António

11

Festa de Halloween

13

Dia do Caloiro

14

Parlamento dos Jovens

15

Electricista de Instalações

18

Novas Oportunidades

21

Empreendedorismo

25

Actividades Mecânica-Auto

29

9

*

N U M

I

DEZ

2010


PÁGINA

2

Dinamizar o empreendedorismo e promover a criação de Empresas

À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos desafios à sua capacidade de assegurar um crescimento sustentável ĞŐĂƌĂŶƟƌŽďĞŵ-estar.

Ficha Técnica Propriedade Escola Profissional de Tondela Director Miguel Rodrigues Director Adjunto José António Dias Montagem e paginação Ricardo Silva Contactos Rua Visconde de Tondela, nº28 3460-526 Tondela [t] (+351) 232 819 410 [f] (+351) 232 819 417 [e] geral@eptondela.net GPS ## 40.517557 ## -8.080187

No essencial, reconhecese que estes desafios decorrem dos movimentos associados ao processo de globalização, ao desenvolvimento das novas tecnologias de e às ŵƵĚĂŶĕĂƐĐŽŶơŶƵĂƐŶŽƐ comportamentos dos consumidores. Reconhece-se, no entanto, que estes fenómenos de tensão, acabam por influenciar a ĐĂƉĂĐŝĚĂĚĞ ĐŽŵƉĞƟƟǀ Ă dos indivíduos e organizações, determinando um reposicionamento

estratégico face às novas regras que lhes são impostas – novos mercados, consumidores cada vez mais exigentes, ŶŽǀ ĂƐ ĂĐƟǀ ŝĚĂĚĞƐ ŽŶĚĞ as fronteiras sectoriais são cada vez mais ténues e agentes económicos com estratégias concorrenciais cada vez mais ousadas.

empreendedorismo e à generalização de uma “cultura empreendedora” na sociedade portuguesa, na medida em que se assume tratarse de uma dinâmica de detecção e aproveitamento económico de oportunidades, por parte de indivíduos que exibem determinadas Surge, assim, como ĐĂƌĂĐƚĞƌşƐƟĐĂƐĞĂƟƚƵĚĞƐ consensual a ideia de favoráveis à inovação de que o desenvolvimento ideias ou projectos. económico, depende, essencialmente, do E ĞƐƚĂ ƉĞƌƐƉĞĐƟǀ Ă͕  processo de renovação ĞƐƟŵƵůĂƌ Ă ĐĂƉĂĐŝĚĂĚĞ das pessoas e das empreendedora parece empresas, capazes de passar por induzir promover uma evolução comportamentos tecnológica ao serviço de favoráveis à inovação, o um crescimento que se configura como ƋƵĂŶƟƚĂƟǀ Ž͕  ƋƵĂůŝƚĂƟǀ Ž uma tarefa tão relevante e diversificado da oferta como complexa e de bens e serviços à pressupõe uma sociedade e de contribuir intervenção e ƉĂƌĂ ƵŵĂ ĐŽŶơŶƵĂ mobilizadora de toda a geração de comunidade. oportunidades de valorização individual e Não obstante a ĐŽůĞĐƟǀ ĂĚŽƐĐŝĚĂĚĆŽƐ͘ dificuldade de encontrar métodos e instrumentos É neste contexto que se consensuais para medir insere a crescente os níveis de capacidade atenção dedicada à empreendedora, é promoção do ƉŽƐƐşǀ Ğů ŝĚĞŶƟĮ ĐĂƌ


A N O

9

*

N U M

I

PÁGINA

3

Dinamizar o empreendedorismo e promover a criação de Empresas alguns factores que se admitem capazes de influenciar a capacidade empreendedora de uma determinada sociedade como uma envolvente ĞŵƉƌĞƐĂƌŝĂů ĐŽŵƉĂơǀ Ğů ou um ambiente cultural favorável.

Valorizar o conhecimento, privilegiar estratégias de inovação, apostar em novas formas de gestão e de organização, na diversificação, na qualidade e na requalificação dos recursos, são factores  ŝĚĞŶƟĮ ĐĂĕĆŽ ĚĞƐƚĞƐ determinantes de uma factores leva-nos a estratégia ajustada aos reconhecer a desafios das sociedades importância de focar a contemporâneas, intervenção em devendo ser estes os domínios como a princípios que presidem educação e formação ă ŝŶĚƵĕĆŽ ƐĞůĞĐƟǀ Ă ĚĂ que devem contribuir criação de empresas. para o aperfeiçoamento das qualidades Devemos apostar, individuais dos fortemente, em criar empreendedores e para condições para a que a envolvente ŝĚĞŶƟĮ ĐĂĕĆŽ ĚĞ empresarial seja mais detentores de ideias ĞƐƟŵƵůĂŶƚĞ͕  inovadoras, com reconhecendo e adequada valia valorizando o mérito, a ĞĐŽŶſ ŵŝĐĂ͕ ƐƵƐĐĞƉơǀ ĞŝƐ ambição e a ousadia do de se transformarem em empreendedor. empresas viáveis e, por outro, facilitar a Nestes termos, estamos prestação de apoio perante uma tarefa qualificado aos essencial da sociedade, empreendedores a quem compete gerar o seleccionados e contexto cultural reconhecidos como mobilizador dos agentes potenciais criadores de Ğ͕ ŵƵŝƚŽĞŵƉĂƌƟĐƵůĂƌ͕  empresas - visando a ĚĂƐ Ěŝǀ ĞƌƐĂƐ ĞŶƟĚĂĚĞƐ consolidação dos seus vocacionadas para projectos e a induzir comportamentos sustentabilidade do seu empreendedores, entre desenvolvimento. elas, as escolas.

Também aqui, cumprenos destacar as escolas profissionais como ĞŶƟĚĂĚĞƐ ƋƵĞ ƐĞ ĐŽŶƐƟƚƵĞŵ Ğŵ “ambiente propício à manifestação do espírito empreendedor”, face ao relacionamento privilegiado que estabelecem com o tecido empresarial. Debater, promover e explicar o empreendedorismo, dentro das empresas ou fora delas, no campo económico ou social, é assim também uma forma de traçar o nosso futuro a longo prazo, de resolver os actuais desequilíbrios e de, ĐŽůĞĐƟǀ ĂŵĞŶƚĞ͕  encontrar sustentabilidade para a nossa evolução. De um modelo esgotado, temos todos de contribuir com ŝŶŝĐŝĂƟǀ ĂƐŝŶƐŝŐŶŝĮ ĐĂŶƚĞƐ para que renasça uma nova forma de viver. É também este o nosso humilde contributo! Dr Miguel Rodrigues

[…] cumpre-nos destacar as escolas profissionais como entidades que se constituem em “ambiente propício à manifestação do espírito empreendedor ” […]


PÁGINA

4

[…] deixarem ficar o vosso contributo neste importante projecto realizado na nossa escola […]

A N O

No inicio do módulo 5 – Fronteiras e Conflitos aquando da sensibilização dos ĂůƵŶŽƐ ă ƌĞƐƉĞĐƟǀ Ă ƚĞŵĄƟĐĂ͕ ĨŽŝƐƵŐĞƌŝĚĂĂ ideia na turma TIG08 de criarmos um Blogue sobre esse tema. A verdade é que a ideia se tornou real e assim se implementou o Blogue OPINA AI. Quem visitar o site da nossa escola tem acesso ao Blogue OPINA AI e aí poderá aceder à publicação de posts, os

quais contêm uma variadíssima ŝŶĨŽƌŵĂĕĆŽ͗  ĂƌƟŐŽƐ ĚĞ opinião, videoclips, vídeos, reportagens… Felizmente, já são várias as opiniões dos nossos alunos ali registadas, nomeadamente os alunos das turmas TEC08, TME08, TIG08, TAP09…, o que simboliza o desenvolvimento do seu ĞƐƉşƌŝƚŽĐƌşƟĐŽ͕ ĚĞƋƵĞ muito me orgulho enquanto professora deles.

9

*

N U M

I

Agradeço o envolvimento do aluno Daniel Leal da turma TIG08, pois sem o seu contributo e infindável predisposição este blogue não funcionaria. Obrigado Daniel! Fica aqui o convite para visitarem o Blogue OPINA AI, e deixarem ficar o vosso contributo neste importante projecto realizado na nossa escola. Professora Carmo Rebelo


A N O

9

*

N U M

I

ƋƵŝ ŶĞƐƚĞ ĂƌƟŐŽ͕  ĐŽŶƐŽĂŶƚĞŽĂƌƟŐŽƋƵĞ constam ainda algumas nele são expostos.” opiniões de alunos que Armindo Anjos Cabaças visitaram o blogue: Nº1 TEC08 “O blogue “Opina ai ͞ ŝŶŝĐŝĂƟǀ ĂĚĞĐƌŝĂĕĆŽ Fronteiras e Conflitos”, deste blogue “Opina Ai” acho muito é de louvar, sendo que interessante, isto no meu ver este vem porque no blogue são para promover e publicados os principais dinamizar opiniões dos temas actuais dos alunos quando a grandes conflitos e ƚĞŵĄƟĐĂĚĞ͞ &ƌŽŶƚĞŝƌĂĞ descriminação que tem Conflitos”. estado a acontecer no nosso planeta, onde os Josimar Cassandra alunos vão lá deixar as Nº12 TEC08 ƐƵĂƐĐƌşƟĐĂƐĞŽƉŝŶŝƁĞƐ “O “opina ai” é um ƐŽďƌĞ ŽƐ ĂƌƟŐŽƐ blogue que teve grande publicados. importância para mim. Por isso é de louvar a Foi muito bom o ideia dos alunos do TIG ambiente que se criou 08 junto a professora em volta do mesmo, as Maria de Carmo da ŶŽơĐŝĂƐ Ğ ŽƐ criação deste blogue. comentários, tenho a Meus parabéns.” certeza que as ƚĞŵĄƟĐĂƐ ĚŽ ŵſ ĚƵůŽ João Paulo Cassandra foram bem passadas Nº8 TEC08 aos alunos graças ao “A criação deste blogue blogue.” “Opina Ai” foi um Silvino Jesus TEC08 projecto muito interessante criado “Para mim foi uma pelos alunos do 3º ano ĂĐƟǀ ŝĚĂĚĞ ŵƵŝƚŽ que dá para dinamizar enriquecedora. No por toda a gente blogue do opina Ai

PÁGINA

5

podemos ter várias ƉĞƌƐƉĞĐƟǀ ĂƐ ĚĞ ǀ ĄƌŝĂƐ situações que se passam do mundo e deste modo trocar opiniões.” Daniel Simões nº6 “O blogue foi uma boa ĂĐƟǀ ŝĚĂĚĞƵŵĂǀ ĞnjƋƵĞ podemos ter acesso a situações que nos passam ao lado, e posteriormente comentá-las. &ŽŝƵŵĂĚĂƐĂĐƟǀ ŝĚĂĚĞƐ que mais gostei de fazer.” ŚƌŝƐƟĂŶRodrigues nº4 TME08 “Na minha opinião este ďůŽŐƵĞƐſ ǀ ĞŝŽŵŽƟǀ Ăƌ todos os alunos a terem uma postura mais ĂĐƟǀ ĂĞŝŶƚĞƌĞƐƐĂĚĂŶŽ que diz respeito aos ƚĞŵĂƐ ĚĞďĂƟĚŽƐ ŶĂ disciplina A.I e não só. Acho que todos ficamos a ganhar com esta ĂĐƟǀ ŝĚĂĚĞ enriquecedora.” Ricardo Ventura nº18 TME08

[…] O blogue foi uma boa actividade uma vez que podemos ter acesso […]


PÁGINA

6

A N O

9

*

N U M

I

Na opinião do TEC08…

[…] todos os alunos participassem de uma forma activa e dessem individualmen te as suas opiniões […]

No módulo cinco Fronteiras e Conflitos, na disciplina de Área de Integração a turma do 3º ano de TEC (Técnico Automação e Comando) realizou dois debates relacionados com esta ƚĞŵĄƟĐĂ͕  nomeadamente após ter visualizado alguns filmes e documentários. Numa primeira parte debatemos acerca do filme “Green Zone”, este debate foi moderado pelo aluno Hélder Marques e secretariado pelos alunos Josimar Cassandra, Vítor Rodrigues e Diogo Marques. Posteriormente realizámos outro debate acerca da visualização do documentário “A Teoria da Conspiração” de Jimmy Walker, ao qual o moderador foi Micael Barbosa e em que todos os restantes ĂůƵŶŽƐƉĂƌƟĐŝƉĂƌĂŵŶŽ debate.

Com este projecto conseguiu-se que todos ŽƐĂůƵŶŽƐƉĂƌƟĐŝƉĂƐƐĞŵ ĚĞƵŵĂĨŽƌŵĂĂĐƟǀ ĂĞ dessem individualmente as suas opiniões acerca ĚĞƐƚĂ ƚĞŵĄƟĐĂ͘  ƐƚĞ projecto foi bastante enriquecedor, pois todos nós nos deixámos envolver por elem, e deste modo teve um

grande sucesso. Os alunos João Miroto e João Vitor TEC08

Na opinião do TME08… No âmbito da disciplina de Área de Integração, foi-nos solicitado a ƌĞĂůŝnjĂĕĆŽ ĚĞƐƚĞ ĂƌƟŐŽ para demonstrar à


A N O

9

*

N U M

I

PÁGINA

7

uns dos outros, o que deu um debate interessante sem se tornar monótono. O primeiro debate realizado foi sobre a invasão das tropas americanas no Iraque, no qual visualizámos o filme “Green Zone”, também foi bastante interessante mas não tão polémico, talvez por este tema não nos ter “tocado tanto” ou ƚĂůǀ ĞnjƉŽƌŶĆŽƚĞƌƟĚŽ tanta divulgação nos meios de comunicação social. Estes dois debates ĨŽƌĂŵ ĐŽŶƐƚƌƵƟǀ ŽƐ para a opinião geral da turma, a visualização dos filmes e documentários reverteu-se de grande comunidade escolar, constatamos que o importância para como correram os segundo debate em que desenvolver o nosso debates feitos pela ĞƌĂĚŝƐĐƵƟĚŽĂ͞ ƚĞŽƌŝĂ ĞƐƉşƌŝƚŽĐşǀ ŝĐŽĞĐƌşƟĐŽ͘  turma do TME08. da conspiração interna”, Luís Guilherme Nº13 foi mais polémico e com Em ambos os debates TME08 ŵĂŝƐ ƉĂƌƟĐŝƉĂĕĆŽ ĚŽƐ foi notável a Fábio Gomes Nº8 ĂůƵŶŽƐ ƋƵĞ ƟŶŚĂŵ ƉĂƌƟĐŝƉĂĕĆŽ Ğ Ž TME08 opiniões bem formadas interesse dos alunos e também diferentes ƉĞůŽƐƚĞŵĂƐĚĞďĂƟĚŽƐ͕ 

[…] reverteu-se de grande importância para desenvolver o nosso espírito cívico e crítico […]


PÁGINA

8

[…] aderiram com gosto a esta iniciativa, sublinhando a grande qualidade dos doces […]

A N O

Magusto no parque Urbano No dia 11 de Novembro a turma de curso de Técnico de Restauração Mesa/Bar iniciada em 2008 (TRB08), colaborou com o Magusto no Parque Urbano, realizando uma mesa com as devidas decorações relacionadas com a época e servindo a todos os convidados, doces de castanhas confeccionados pela turma TRB10. dŽĚŽƐ ŽƐ ƉĂƌƟĐŝƉĂŶƚĞƐ aderiram com gosto a ĞƐƚĂ ŝŶŝĐŝĂƟǀ Ă͕  sublinhando a grande qualidade dos doces servidos e felicitando as

9

*

N U M

I

de queijos. Anteriormente, estes mesmos alunos com os seus formadores, ĂĚƋƵŝƌŝƌĂŵĂůŐƵŶƐƟƉŽƐ de queijos e onde os formadores adquiriram queijos, tostas, bolachinhas de água e sal, tâmaras, nozes e uvas brancas. Já na sala de formação, turmas que com a ajuda dos ƉĂƌƟĐŝƉĂƌĂŵ͘ professores, e com os ǀ ĄƌŝŽƐƟƉŽƐĚĞƋƵĞŝũŽƐ Serviço de Queijos adquiridos, como o Os alunos do Curso de Requeijão, Brie, Restauração variante Roquefort, Queijo da Mesa e Bar, no decorrer Serra, Holandês, ĚĂƐ ĂƵůĂƐ ƉƌĄƟĐĂƐ ĚŽ Emmental e módulo 19” Serviço de Cammenbert, Queijos”, com os realizámos então os formadores, Joana espelhos de queijos, Oliveira e Júlio Nunes usando toda a realizaram dois espelhos imaginação e


A N O

9

*

N U M

I

PÁGINA

9

da decoração do espaço, onde as frutas foram servidas pelo TRB09. A comunidade escolar aderiu de forma muito ƐĂƟƐĨĂƚſ ƌŝĂ Ă ĞƐƚĂ ŝŶŝĐŝĂƟǀ Ă͘ Realizados por TRB08

ĐƌŝĂƟǀ ŝĚĂĚĞ ƋƵĞ ŽƐ TRB 08 ficou encarregue alunos possuem para que estes ficassem verdadeiras obras de arte. Dia Mundial da Alimentação No dia 15 de Outubro, decorreu na Escola Profissional de Tondela ƵŵĂ ĂĐƟǀ ŝĚĂĚĞ ĂůƵƐŝǀ Ă ao Dia Mundial da Alimentação. Os alunos do Curso de Técnico de Restauração variante: Mesa e Bar, colaboraram nesta ĂĐƟǀ ŝĚĂĚĞ ĐŽŵ Ă Câmara Municipal de Tondela que forneceu maças e pêras a todos os alunos da escola. Assim sendo, a turma do

[…] A comunidade escolar aderiu de forma muito satisfatória a esta iniciativa. […]


PÁGINA

10

A N O

9

*

N U M

I

É habitual ser grande o entusiasmo na realização do Magusto anual realizado na nossa Escola, na altura do ^͘D ĂƌƟŶŚŽ͘

[…] Entre castanhas, bolos, sumos e chouriça assada, a animação é grande. […]

A mobilização de toda a comunidade escolar é notória, conforme ilustram as fotografias. Entre castanhas, bolos, sumos e chouriça assada, a animação é grande. Este ano, no dia 12 de Novembro, com o S. Pedro a ajudar, dando uma trégua na chuva, o Magusto realizou-se no átrio exterior da Escola, contando com a presença dos membros da Direcção da Escola e dos Vereadores da Autarquia Cecília Fragoso e Pedro Adão. A cada turma foi dada a possibilidade de decorar uma mesa a seu gosto. As surpresas foram muitas, passando pelas mais diversas iguarias apresentadas até à original carrinha da turma TMA09, que serviu também para

assar castanhas da forma mais tradicional, ƵƟůŝnjĂŶĚŽĂĐĂƌƵŵĂ͘ O convívio entre todos foi muito bom, bem ĐŽŵŽƚŽĚŽƐŽƐƉĞƟƐĐŽƐ que puderem ser degustados em cada mesa.

Estamos todos de parabéns pela forma ordeira como decorreu este evento. Uma palavra de agradecimentos às Sras. da cozinha na colaboração prestada com as castanhas assadas.


A N O

9

*

N U M

I

Mais uma vez e à semelhança dos anos anteriores, a Escola Profissional de Tondela ƉĂƌƟĐŝƉŽƵŶĂƐD ĂƌĐŚĂƐ de Santo António. A marcha fez-se representar por quarenta e seis alunos de diferentes cursos da EPT, que com muito empenho, dedicação e vontade, ensaiaram a coreografia, para que tudo corresse bem, no momento da sua apresentação.

PÁGINA

camisas dos ƉĂƌƟĐŝƉĂŶƚĞƐ͕  Ğŵ combinação perfeita e harmoniosa com a estrutura e cores dos arcos, bordeaux e branco. Os padrinhos da marcha foram os Professores Rui Fonte e Carmo Rebelo. Momentos antes da apresentação, foi feita uma declamação de um poema pelo Prof. Rui Fonte subordinado ao tema “Saudade”.

Em seguida, deu-se A coreografia, a letra e início à apresentação, ŽƐ ĂƌĐŽƐ ĞƐƟǀ ĞƌĂŵ Ă com a largada dos arcos. cargo do Prof. Rui Fonte Nessa altura, o público com a colaboração do ficou admirado por ver Prof. Luís Leitão. A os arcos a subirem no ar indumentária esteve a e a desaparecerem no cargo da Prof. Sandra horizonte, uma vez que Rodrigues em colaboração com a Prof. Carmo Rebelo e a confecção ficou a cargo da D. Julieta, a quem queremos agradecer pela sua dedicação e empenho. As cores predominantes da marcha foram o bordeaux e o verde ƉƌĞƐĞŶƚĞƐŶŽƐǀ ĞƐƟĚŽƐĞ

11

foram concebidos com balões de modelar a Hélio. Em relação à actuação, os nossos alunos conquistaram o público, pela sua energia e vitalidade. Parabéns a todos os intervenientes. Prof Sandra Rodrigues

[…] os nossos alunos conquistaram o público, pela sua energia e vitalidade. […]


PÁGINA

12

A N O

Decorreu no Auditório da Escola Profissional de Tondela, durante a manhã do passado dia 15 de Novembro, mais uma dádiva de sangue.

[…] à valorização deste acto que vai muito para além do mero estender de braço […]

dadores é um pouco elevada, entre os 55-60 ƐƚĂ ŝŶŝĐŝĂƟǀ Ă ƋƵĞ Ġ anos, sendo necessário realizada, de há alguns passar a mensagem aos anos para cá, na Escola jovens porque a média de Profissional de Tondela, dadores de sangue, no considerando a vocação país, está específica deste excepcionalmente alta. estabelecimento de ensino, pretende Dar sangue é um acto igualmente sensibilizar e seguro e simples, durante a consciencializar os jovens, dádiva não existe nenhuma em especial, para a possibilidade de contrair ƉƌŽďůĞŵĄƟĐĂĚĂĚĄĚŝǀ ĂĚĞ qualquer doença. sangue. Antes de efectuar a dádiva, Várias centenas de jovens, um médico vai realizar uma foram alertados para a entrevista confidencial, importância da dádiva de para avaliar as suas sangue, com especial condições de saúde e enfoque para a grande descartar qualquer aspecto responsabilidade que que o impeça de doar, sobre todos eles impende, preservando a saúde do ŶŽƐĞŶƟĚŽĚĞŐĂƌĂŶƟƌĂŵ ĚĂĚŽƌ Ğ ŐĂƌĂŶƟŶĚŽ ƵŵĂ e, se necessário, transfusão segura para os aumentarem a actual doentes. média de dadores de Na entrevista é realizado sangue do País. ƵŵƋƵĞƐƟŽŶĄƌŝŽŵĠĚŝĐŽ͕ Ġ Actualmente, não se pode feita a medição do pulso e dizer que o país tenha da tensão arterial, assim poucas reservas de sangue, como é feita uma pequena mas a média de idade dos gota de sangue (teste da

9

*

N U M

I

hemoglobina) para despistagem duma possível anemia. Em pouco mais de 10 minutos a dádiva terá finalizado. O volume de sangue extraído (cerca de 450 ml), é recuperado duas horas após a colheita, devendo de seguida ser feita uma refeição ligeira. Trata-se assim de uma acção cultural que exige consciência, para que nunca se esgote a enorme corrente humana de solidariedade e amor ao próximo dos que, através do seu sangue, contribuem para que mais doentes ƉŽƐƐĂŵĐŽŶƟŶƵĂƌĂǀ ŝǀ ĞƌĞ ŵĂŝƐĐƌŝĂŶĕĂƐĐŽŶƟŶƵĂƌĂ sorrir. A Escola Profissional de Tondela, enquanto estabelecimento de ensino, tem pois o dever de se associar a esta ƉƌŽďůĞŵĄƟĐĂ͕  designadamente no que respeita à valorização deste acto que vai muito para além do mero estender de braço. Miguel Rodrigues


A N O

9

*

N U M

I

PÁGINA

13

No passado dia 29 de Outubro, realizou-se na Escola Profissional de Tondela a festa de Halloween, dinamizado pela nossa turma TAP09. K  ŶŽƐƐŽ ŽďũĞĐƟǀ Ž ĞƌĂ proporcionar a todos os nossos colegas, professores e funcionários um momento descontraído movimentavam ao som ĚĞ Ěŝǀ ĞƌƟŵĞŶƚŽ͕  ďĞŵ de ruídos e flashes… ĐŽŵŽĂƐƵĂƉĂƌƟĐŝƉĂĕĆŽ Para além disso, houve a ĂĐƟǀ ĂŶĞƐƚĂĂĐƟǀ ŝĚĂĚĞ͘ Festa dos Horrores, que Fizemos a Casa do decorreu no Pavilhão Terror, na sala 001  ĞƐƉŽƌƟǀ Ž ŽŶĚĞ ƐĞ onde, habitualmente, é desenvolveram possível vermos as ĂĐƟǀ ŝĚĂĚĞƐ ĂůƵƐŝǀ ĂƐ ĂŽ formas e as cores desta. Halloween, testando a Esta sala deu lugar ao capacidade dos alunos. escuro… onde as Basicamente, o Medo pessoas se esteve presente no rosto de cada um… A turma TAP09 mostrou-se interessada e empenhada na realização desta ĂĐƟǀ ŝĚĂĚĞ Ğ

as restantes turmas ƉĂƌƟĐŝƉĂƌĂŵ ĐŽŵ entusiasmo, correspondendo, assim, ĂŽƐŽďũĞĐƟǀ ŽƐ͘ Agradecemos à Direcção da Escola as ajudas disponibilizadas, pois, de facto sem a sua ajuda não nos teria sido possível a realização ĚĞƐƚĂĂĐƟǀ ŝĚĂĚĞ͘ Esperamos que na nossa ƐĐŽůĂĐŽŶƟŶƵĞĂŚĂǀ Ğƌ ƉƌŽũĞĐƚŽƐ Ğ ĂĐƟǀ ŝĚĂĚĞƐ nestes âmbitos, pois através delas há a possibilidade de uma maior cooperação entre todos nós. Maria Adelaide, nº15 Marisa Correia, nº16 TAP09

[…] mostrou-se interessada e empenhada na realização desta actividade e as restantes turmas participaram com entusiasmo […]


PÁGINA

14

A N O

Será o primeiro dia de muitos? Será o dia da chegada? Não! Na Escola Profissional de Tondela é um dia muito especial. É o dia em que se dá as boas-vindas aos Alunos do 1º Ano. É o dia “socialização”! […] Vestidos e pintados a rigor pelos Alunos do 3º Ano, e com os demais acessórios da praxe […]

da

É o dia em que se mostra à comunidade os novos Alunos. s ĞƐƟĚŽƐ Ğ ƉŝŶƚĂĚŽƐ Ă rigor pelos Alunos do 3º Ano, e com os demais acessórios da praxe, lá vão eles fazer o tradicional cortejo pelas ruas da cidade. Que emoção! E a hora ĚŽďĂƉƟƐŵŽ͍  ŝŶĚĞƐĐƌŝơǀ Ğů͊ ͊ ͊

9

*

N U M

I


A N O

9

*

N U M

I

PÁGINA

15

No passado dia 22 de Novembro, realizou-se a abertura do “Parlamento dos Jovens”, com a presença do Deputado João Carlos Figueiredo. ƐƟǀ ĞƌĂŵ ƉƌĞƐĞŶƚĞƐ ƚƌġƐ turmas do segundo ano: TAP09, TEC09 e TRB09, cujos Alunos compõem as três listas que irão concorrer ao debate escolar, que irá realizar-se em Janeiro do próximo ano. O Dr. João Carlos fez uma pequena apresentação sobre a Assembleia da República e seu funcionamento. De seguida, foi feita a apresentação informal de ĐĂĚĂůŝƐƚĂĞŽƐƌĞƐƉĞĐƟǀ ŽƐ ŽďũĞĐƟǀ ŽƐ ƋƵĞ ƐĞƌĆŽ ĚĞďĂƟĚŽƐ ŶŽ ĚĞďĂƚĞ descolar. Após uma pequena troca de ideias, o Dr. João Carlos ŝŶĐĞŶƟǀ ŽƵ ŽƐ ůƵŶŽƐ Ă ƉĂƌƟĐŝƉĂƌŶŽ͞ WĂƌůĂŵĞŶƚŽ

dos Jovens” e a pensar numa educação para os Alunos, onde esteja sempre presente o empreendedorismo, tema

que, segundo ele, será fundamental para o futuro dos jovens de hoje. Foi

uma abertura em grande do “Parlamento dos Jovens” e espero ƋƵĞ Ă ĂĐƟǀ ŝĚĂĚĞ decorra com sucesso e que ganhe o melhor. Marisa Correia TAP09

[…] TAP09, TEC09 e TRB09, cujos Alunos compõem as três listas que irão concorrer ao debate escolar […]


PÁGINA

16

A N O

Em cumprimento do WůĂŶŽĚĞĐƟǀ ŝĚĂĚĞƐ da Escola Profissional de Tondela (EPT) realizou-se, entre os dias 31 de Agosto e 4 de Setembro, mais uma edição da peregrinação, Ă ƉĠ͕  Ă ^ĂŶƟĂŐŽ ĚĞ ŽŵƉŽƐƚĞůĂĐŽŵƉĂƌƟĚĂ na vila de Valença do Minho.

[…] Cada peregrinação é sempre cheia de altos e baixos, como uma autêntica metáfora das nossas vidas […]

Ao longo de 4 dias, alunos, professores, funcionários e membros da direcção da EPT, percorreram a distância de 116 km que separa a fronteira portuguesa daquela cidade galega classificada pela UNESCO como Património da Humanidade. ƐƚĂ ŝŶŝĐŝĂƟǀ Ă ŝŶƐĞƌĞ-se no âmbito do protocolo celebrado entre aquele estabelecimento de ĞŶƐŝŶŽ͕  ĞŶƟĚĂĚĞƐ ƌĞƉƌĞƐĞŶƚĂƟǀ ĂƐĚĂƌĞŐŝĆŽ (Município de Tondela, algumas freguesias do nosso Concelho, Associação Comercial do Distrito de Viseu, Centro ƵůƚƵƌĂů͕ ZĞĐƌĞĂƟǀ Ž Ğ  ĞƐƉŽƌƟǀ Ž ĚĞ ^ĂŶƟĂŐŽ de Besteiros) e a OSPEA

– Organização Supranacional das pequenas e médias empresas do eixo ƚůąŶƟĐŽ– com sede em Oviedo, Espanha.

9

*

N U M

I

final da tarde, o grupo rumou, de autocarro, até Valença, onde ficou alojado em albergue, durante a noite de 31 de Agosto para dia 1 de Setembro.

Ao longo de 4 dias de caminhada - ƋƵĞƟǀ ĞƌĂŵ o seu inicio pela madrugada do dia 1 de No referido protocolo, Setembro - os peregrinos ĐĞůĞďƌĂĚŽ Ğŵ ^ĂŶƟĂŐŽ pernoitaram nos de Besteiros, no dia 2 de ƌĞƐƉĞĐƟǀ ŽƐĂůďĞƌŐƵĞƐŽƵ Agosto de 2008, o nosso em pavilhões estabelecimento de ĚĞƐƉŽƌƟǀ ŽƐ͕  ĂŽ ŵĞƐŵŽ ĞŶƐŝŶŽĐŽŵƉƌŽŵĞƟĂ-se a tempo que estabelecem estabelecer contactos de contacto com a realidade proximidade com grupos social e cultural da realizando intercâmbios Galiza. culturais bem como Ao realizar esta promover acções que peregrinação, a Direcção possibilitem o contacto da Escola, para além de com a Cultura Xacobea, dar cumprimento a um de forma a consolidar compromisso firmado conhecimentos. ĐŽŵ ŽƵƚƌĂƐ ĞŶƟĚĂĚĞƐ͕  A escolha deste período pretende proporcionar do ano prendeu-se com momentos de convívio e o facto de este ano se aprendizagem com tratar de um ano alguns dos nossos Xacobeo e, como tal, ser alunos, para que se Ěŝİ Đŝů Ğŵ ŵŽŵĞŶƚŽƐ ĐŽŶƐƟƚƵĂ ĐŽŵŽ Ƶŵ anteriores, conseguir marco das suas vidas que albergues para os nossos potencie, em cada um, peregrinos. novas aprendizagens, culturais e sociais, No dia 31 de Agosto, ao contribuindo para a sua


A N O

9

*

N U M

I

PÁGINA

formação quer académica quer cívica.

postura com começaram.

Cada peregrinação é sempre cheia de altos e baixos, como uma ĂƵƚġŶƟĐĂ ŵĞƚĄĨŽƌĂ ĚĂƐ nossas vidas…

Inevitavelmente não só o caminhante passa pelo Caminho, como o próprio Caminho atravessa o espírito do peregrino.

Momentos muito bons e momentos menos bons. Cada um momentos faz sempre crescer cada peregrino no conhecimento de si próprio, na sua relação com os outros, peregrinos ou habitantes das diferentes terras por onde passa. Actualmente o Caminho é percorrido por muitos que caminham sem ƐĞŶƟĚŽ religioso, mas mesmo esses não chegam ao fim da peregrinação com a mesma

desses

que

a

17

consolidação dos laços de amizade entre todos – a reflexão que quisemos ŝŶĐƵƟƌ ŶŽƐ ƋƵĞ ƉĂƌƟĐŝƉĂƌĂŵ ŶĞƐƚĂ ŝŶŝĐŝĂƟǀ Ă͘ Miguel Rodrigues

Foi exactamente esta – para além claro está da

[…] Cada um desses momentos faz sempre crescer cada peregrino no conhecimento de si próprio […]


PÁGINA

18

A N O

No dia 14 de Junho teve início o novo curso de Educação e Formação de Adultos – Electricista de Instalações (curso de ĚƵƉůĂ ĐĞƌƟĮ ĐĂĕĆŽͿ͘  K  curso terá a duração de um ano e três meses e terminará com &ŽƌŵĂĕĆŽ WƌĄƟĐĂ Ğŵ Contexto de Trabalho.

[…] O curso tem como objectivo global permitir que os formandos estejam aptos a executar a instalação e a manutenção de instalações eléctricas de baixa tensão […]

Museu do Caramulo, no âmbito do Tema de Vida – As Energias Renováveis.

9

*

N U M

I

aproveitamento de energia; contactar com os diferentes mecanismos de protecção de A visita foi bastante electricidade; ĂŐƌĂĚĄǀ Ğů ;ƟƌĂŶĚŽ ŽƐ visualizar e consolidar os ǀ ĞŶƚŽƋƵĞƐĞĨĂnjŝĂƐĞŶƟƌ conhecimentos sobre os junto às eólicas!!!). sistemas de Formandos e transformação dos Formadores puderam vários níveis de tensão conhecer melhor esta eléctrica e conhecer o O curso tem como forma de sistema de ŽďũĞĐƟǀ ŽŐůŽďĂůƉĞƌŵŝƟƌ interligação de que os formandos uma central estejam aptos a eléctrica com a executar a instalação e a rede manutenção de eléctrica. Como instalações eléctricas de forma de dar baixa tensão, de acordo ƐĞŶƟĚŽ ĂŽ com as normas de de EFA – EI 10 conceito higiene, segurança e educação ao longo ambiente e dos da vida, visitámos regulamentos em vigor. o Museu do Caramulo, onde WĂƌƟĐŝƉĂĕĆŽŶĂƐ pudemos observar ĐƟǀ ŝĚĂĚĞƐ e apreciar as Os formandos, desde colecções de arte, logo, se mostraram de brinquedos e ƉĂƌƟĐŝƉĂƟǀ ŽƐ ŶĂƐ de automóveis. ĂĐƟǀ ŝĚĂĚĞƐ ƉƌŽŵŽǀ ŝĚĂƐ Desde já pela escola, tendo a agradecemos a caminhada anual sido o atenção e primeiro evento que amabilidade com acompanharam. que fomos No dia 21 de Setembro recebidos pelas ŽƐ ƌĞƐƉĞĐƟǀ ŽƐ ĚƵĂƐ ĞŶƟĚĂĚĞƐ͘  formandos e formadores Ainda no que se realizaram uma visita de refere ao Tema de estudo ao Parque Eólico Vida, os do Caramulo e ao formandos, nas 0 /1 6 0 / 8 1


A N O

9

*

N U M

I

diferentes áreas de formação, têm desenvolvido projectos que vão de encontro à ƚĞŵĄƟĐĂ ĞƐĐŽůŚŝĚĂ͕  sendo um deles a construção de uma maquete com instalação eléctrica.

PÁGINA

ĐƟǀ ŝĚĂĚĞƐWƌĄƟĐĂƐ

ĨŽƌŵĂŶĚŽƐ ũĄ Ɵǀ ĞƌĂŵ formação ao nível da A área de Formação aplicação de cabos à Tecnológica, para além vista fixos, por das sessões teóricas, abraçadeiras e em tubo. tem uma componente K ƵƚƌĂƐ ĂĐƟǀ ŝĚĂĚĞƐ ƉƌĄƟĐĂ͕ ŽƋƵĞƉĞƌŵŝƚĞ ƉƌĄƟĐĂƐ ƋƵĞ ŽƐ aos formandos formandos estão a aprender, aplicar e desenvolver na escola desenvolver são a manutenção da Ɛ ĂĐƟǀ ŝĚĂĚĞƐ ƋƵĞ ƐĞ competências que lhes instalação eléctrica para seguiram foram o permitam autonomia na a “Vários” e “Halloween”, no dia 29 realização de trabalhos implementação e de Outubro. Os ƉƌĄƟĐŽƐ͘ formandos interagiram Os formandos têm com a comunidade efectuado alguns ĞƐĐŽůĂƌ Ğ Ěŝǀ ĞƌƟƌĂŵ-se trabalhos de num ambiente manutenção eléctrica descontraído e de na escola, tendo assim convívio entre todos. a oportunidade de No dia 12 de Novembro, aplicarem em contexto formandos e formadores real os conhecimentos ƉĂƌƟĐŝƉĂƌĂŵ ŶŽ que adquirem. Magusto promovido Para além da pela escola. manutenção, os

19

[…] Os formandos têm efectuado alguns trabalhos de manutenção eléctrica na escola […]


PÁGINA

20

[…] Gostei muito de entrar neste curso, aprendo muito e é sempre bom aprender cada vez mais […]

A N O

execução da instalação que tudo vai correr bem ĞůĠĐƚƌŝĐĂ ĚĞƐƟŶĂĚĂ ă até ao fim.” cozinha para o curso de Idalécio Coelho restauração - variante “Estou a gostar desta cozinha – pastelaria. experiência, pois A nossa experiência… aprendo coisas novas e também me relaciono “O curso foi algo que me com pessoas que têm “caiu do céu”, pois personalidades estava desempregado. diferentes. Gosto Tenho a oportunidade bastante desta minha ĚĞ ƟƌĂƌ Ž ĐƵƌƐŽ ĚĞ nova fase.” electricista, curso este Ilda Pinto que sempre quis e ainda fico com equivalência ao “Gostei muito de entrar 9º ano.” Álvaro neste curso, aprendo Figueiredo muito e é sempre bom aprender cada vez ͞ ƵŵĂŝŶŝĐŝĂƟǀ ĂĚĞ mais.” louvar. Temos a Luís Almeida ŽƉŽƌƚƵŶŝĚĂĚĞĚĞƟƌĂƌŽ 9º ano e um curso de “Gosto de estar a formação profissional. frequentar este curso Adquirimos também porque para além de outros conhecimentos, nos ajudar a ser relacionamo-nos com melhores cidadãos, novas pessoas e conhecemos pessoas enriquecemos a nossa novas e fazemos novas cultura geral. É muito amizades. Acho que os ƉŽƐŝƟǀ ŽĞƐƚĞƐĐƵƌƐŽƐ cursos não deviam ĞdžŝƐƟƌĞŵ͘ ͟ acabar, porque mantêmJoão Rodrigues nos ocupados e aprendemos muita “Gosto de frequentar coisa.” Lurdes Silva este curso, está a superar as minhas “Estou a gostar muito ĞdžƉĞĐƚĂƟǀ ĂƐ͘ ͟ desta oportunidade que Helena Ferreira me deram e está a correr bem.” “Tenho pena de não ter Ricardo Ferreira ingressado neste mesmo curso há vinte anos “O curso é interessante atrás. Estou convencido porque permite obter

9

*

N U M

I

mais informação e conhecimento. É bom ter formação na área da electricidade, mas mais importante é a obtenção do 9º ano.” Rui Santos “Este curso está a surpreender-me, está a ser entusiasmante. O mais engraçado é voltar ao tempo de escola.” Sónia Gomes “É um curso muito importante, tanto pelas aprendizagens que fazemos na área profissional como os conhecimentos que obtemos nas outras áreas, o que nos abre novos horizontes.” Vasco Rodrigues

Às formandas e formandos do Curso EFA – Electricista de Instalações, parabéns pelo vosso empenho e dedicação! “Não paramos de nos Ěŝǀ ĞƌƟƌƉŽƌĮ ĐĂƌŵŽƐ velhos. Envelhecemos porque paramos de nos Ěŝǀ ĞƌƟƌ͘ ͟ (Desconhecido) A Mediadora Sandra Oliveira


A N O

9

*

N U M

I

 ŝŶŝĐŝĂƟǀ Ă E Žǀ ĂƐ Oportunidades pretende facilitar o acesso à escolaridade por parte da população, visando diminuir o número de alunos que desistem da escola, mas sobretudo procura dar, àqueles que ŶĆŽƟǀ ĞƌĂŵĂƉŽƐƐŝďŝůŝĚĂĚĞ de estudar, uma oportunidade de verem as suas competências reconhecidas com um grau escolar (equivalência ao 4º, 6º, 9º ou 12º anos).

PÁGINA

ƉŽŝƐĠĚĞůĂƐƋƵĞƌĞƟƌĂŵŽƐ o saber, que após uma reflexão cuidada irá integrar o nosso mapa conceptual.

21

lendo e interiorizando o conteúdo dos textos para depois fazer o seu próprio trabalho.

Enquadrando esta informação, sempre que possível na sua história de vida, irá assim somar conhecimentos aos muitos que já possui, a vários Ao contactar com os níveis. Contudo, verifica-se adultos que procuram que as aprendizagens e fazer o seu processo RVCC- conhecimentos alcançados (Reconhecimento, ao longo da vida, estão Validação e ĞƌƟĮ Đ ĂĕĆŽĚĞ sempre acima de qualquer Poder-se-á dizer que esta Competências) ŝŶŝĐŝĂƟǀ Ă ĂƐƐĞŶƚĂ ŶĂ conhecimento teórico. máxima do educador e compreendemos a real filósofo Paulo Freire, que acepção destas palavras, ŵĂŝŽƌƐĂƟƐĨĂĕĆŽĐŚĞŐĂ também nós no final do processo, afirmava: “Não há saber pois aprendemos com as suas maior ou menor. Há quando o adulto é histórias, vivências e saberes diferentes.” ƋƵĞƐƟŽŶĂĚŽƐŽďƌĞŽƋƵĞ sobretudo competências. sente e a resposta vem Nada me parece mais O Processo de RVCC pronta e vigorosa: “Valeu a certo, ao trabalhar com assenta no adultos cujas experiências pena; Sinto que aprendi!” das de vida os tornam únicos reconhecimento ŶŽ ŵĞŝŽ ĚĂ ŵƵůƟĚĆŽ͘   competências adquiridas Por isso gostaria de através dessas experiências na Escola da Vida, de quem terminar citando Richard de vida e pelo exercício do se viu impossibilitado/a de Bach no seu livro “Fernão pensamento que prosseguir estudos e teve Capelo Gaivota” – a desenvolvem de entrar precocemente no história de uma gaivota conhecimentos. que queria voar mais alto, mercado de trabalho. Cada individuo vive, viveu e ser diferente das e viverá experiências Por vezes, sobretudo no restantes – a corrida para a únicas e é aí que se processo de equivalência aprendizagem acaba de estabelecem as diferentes ao 12º ano, o adulto irá começar, basta dizer: Sim, formas de saber. pesquisar, estudar e eu quero voar, e deixar de Se pensarmos nisto aprofundar alguns temas, o ser mais um no meio da verificamos que devemos ƋƵĞƉŽĚĞƐĞƌŵƵŝƚŽƷƟůŶĂ ŵƵůƟĚĆŽ͕  ƉĂƌĂ ƐĞ ƚŽƌŶĂƌ valorizar ao máximo todas aquisição de único! as experiências do dia a conhecimentos, pois assim dia, quer elas sejam o adulto irá aprender, Conceição Videira ƉŽƐŝƟǀ ĂƐŽƵŵĞŶŽƐďŽĂƐ͕  Assim sendo, devemos valorizar todas as pessoas com as quais contactamos, pois cada uma delas tem algo de diferente para ensinar.

[…] assenta no reconhecimento das competências adquiridas na Escola da Vida, […]


PÁGINA

22

[…] A iniciativa teve por objectivo reflectir sobre assuntos que dizem actualmente respeito a todos os Centros Novas Oportunidades […]

A N O

Pela primeira vez, o Centro Novas Oportunidades da Escola Profissional de Tondela, a funcionar nesta cidade desde Junho de 2008, realizou um encontro de Centros Novas Oportunidades, sob o tema “Valorizar Competências”.

ĞƐƟǀ ĞƌĂŵ ƉƌĞƐĞŶƚĞƐ alguns representantes de Centros Novas Oportunidades da região: Escolas Secundárias de São Pedro do Sul, Castro Daire, Emídio Navarro e ůǀ ĞƐD ĂƌƟŶƐ͕ ĚĞs ŝƐĞƵ͕  Felismina Alcântara, de Mangualde, Centro de Formação Profissional  ŝŶŝĐŝĂƟǀ Ă ƚĞǀ Ğ ƉŽƌ de Viseu, AIRV e ainda a ŽďũĞĐƟǀ ŽƌĞŇĞĐƟƌƐŽďƌĞ APPACDM de Viseu e as assuntos que dizem Juntas de Freguesia de actualmente respeito a Nagozela e Beijós, com todos os Centros Novas quem o Centro Novas Oportunidades, tendo Oportunidades da Escola em conta a realidade Profissional de Tondela ĂĐƚƵĂů͕ ƉĞƌƐƉĞĐƟǀ ĂŶĚŽ tem vindo a trabalhar, também o futuro, numa no âmbito do processo reflexão que se de RVCC – pretendeu ser Reconhecimento, ƉĂƌƟůŚĂĚĂ͘  s ĂůŝĚĂĕĆŽĞĞƌƟĮ ĐĂĕĆŽ Por isso mesmo, de Competências, nas

9

*

N U M

I

ŝƟŶĞƌąŶĐŝĂƐ͘ O encontro contou com as presenças de Carlos Ribeiro e Luís Alcoforado, enquanto oradores. A opinião de Carlos Ribeiro “As competências associam-se a processos de mudança e ao desenvolvimento”, afirmou Carlos Ribeiro, presidente da ANOP – Associação Nacional das Oficinas de Projectos, ƋƵĞ ĐĞƌƟĮ ĐŽƵ ŽƐ primeiros adultos em Portugal, quer de nível básico, quer de nível secundário, no âmbito do RVCC.


A N O

9

*

N U M

I

O também administrador da FECBOP – Federação Europeia dos Centros de Balanço e Orientação Profissional, sublinhou que a ideia central das Novas Oportunidades é que “a aprendizagem realizada por cada adulto tem exactamente o mesmo valor que os processos de aprendizagem realizados nas escolas, o que se traduz num novo direito social – o direito ao reconhecimento de competências adquiridas ao longo da vida”. Quanto ao futuro dos Centros Novas Oportunidades, Carlos Ribeiro considerou que ele deverá passar por “uma prestação de serviços à comunidade, por intermédio de acções directas em empresas e outras ĞŶƟĚĂĚĞƐ͟ ͕  aludindo a uma ideia futura de “RVCC ao Domicílio”, isto imaginando os Centros numa lógica de prestação de serviços e numa

PÁGINA

ĚĞ ƉŽƐŝƟǀ Ž͘  ͞ s ĞŝŽ introduzir um factor de As notas de Luís ũƵƐƟĕĂ ƵŵĂ ǀ Ğnj ƋƵĞ Alcoforado aquilo que se aprende Já Luís Alcoforado fora da escola é tão considerou muito importante como o que ƉĞƌƟŶĞŶƚĞ Ă ĚŝƐĐƵƐƐĆŽ se aprende na escola, em torno da valorização veio colocar a educação e a formação de adultos das competências. no centro do debate e “Neste momento é ĞĨĞĐƟǀ ĂŵĞŶƚĞ͕  ĂƐ ŶŽƐƐĂŽďƌŝŐĂĕĆŽƌĞŇĞĐƟƌ pessoas, no final deste sobre estas matérias”, processo, são outras, referiu o especialista, uma vez que passam a doutorado em Educação ĂƌƟĐƵůĂƌ ƵŵĂƐ ĐŽŵ ĂƐ Permanente e Formação outras de maneira de Adultos pela diferente”. Faculdade de Psicologia e de Ciências de Em jeito de conclusão Educação da Luís Alcoforado frisou Universidade de que “os Centros Novas Coimbra, onde é, Oportunidades têm que ƐĞĐŽŶƐƟƚƵŝƌĐŽŵŽƉſ ůŽƐ também Professor. dinamizadores e centros Alcoforado apresentou, de aprendizagem”. em linhas gerais, o que o Prof Marta Rosa Programa Novas Oportunidades trouxe

23

lógica empresarial.

[…] frisou que “os Centros Novas Oportunidades têm que se constituir como pólos dinamizadores e centros de aprendizagem” […]


PÁGINA

24

A N O

O CNO - Centro Novas Oportunidades da Escola Profissional de Tondela ĐŽŶƟŶƵĂĂŝƌĂŽĞŶĐŽŶƚƌŽ das populações, não só das diferentes freguesias do concelho de Tondela, onde está sedeado, mas também das freguesias de concelhos vizinhos como Viseu, Santa Comba Dão e Carregal do Sal.

[…] O objectivo destas sessões de esclarecimento é apresentar, de uma maneira geral, o Centro Novas Oportunidades […]

K  ŽďũĞĐƟǀ Ž ĚĞƐƚĂƐ sessões de esclarecimento é apresentar, de uma maneira geral, o Centro Novas Oportunidades e, dentro deste, o processo de RVCC – Reconhecimento, Validação e ĞƌƟĮ ĐĂĕĆŽ ĚĞ Competências, que existe sobretudo para “valorizar aquilo que as pessoas aprenderam ao longo da vida e as suas diferentes experiências nos diversos contextos”. A experiência das ŝƟŶĞƌąŶĐŝĂƐƚĞŵǀ ŝŶĚŽ a dar frutos uma vez que, após a realização das sessões de esclarecimento/ informação, têm

vindo a ser criados grupos de trabalho. Inclusive, há um número ƐŝŐŶŝĮ ĐĂƟǀ Ž ĚĞ ĂĚƵůƚŽƐ que já concluíram os seus processos em Barreiro de Besteiros, São João do Monte e Caparrosa, e que já ĨŽƌĂŵĐĞƌƟĮ ĐĂĚŽƐ͘  Actualmente, o processo de RVCC decorre nas freguesias de Ferreirós

9

*

N U M

I

do Dão (Tondela) e Oliveira do Conde (Carregal do Sal). Em breve, terão início novos grupos em Castelões e Vila Nova da Rainha (Tondela), em Nagozela (Santa Comba Dão) e em Beijós (Carregal do Sal). Prof Marta Rosa


A N O

9

*

N U M

I

“Ser empreendedor é ƚĞƌ ĂƟƚƵĚĞ͕  Ġ ƐĞƌ ĞƐƉĞĐƵůĂƟǀ Ž͕ ĐƌŝĂƟǀ Ž͕ Ġ acreditar”.

Tal como tem sido habitual, a Conferência, que contou com a especial colaboração da Professora Maria do Esta foi a principal ideia Carmo Rebelo e dos ƚƌĂŶƐŵŝƟĚĂ ĂŽƐ ŵĂŝƐ alunos Ana Andrade da jovens, durante a Turma TIG08 e Carlos realização da Henriques da Turma Conferência sobre o TEC08, teve início com tema: “O Ensino Técnico uma apresentação em Profissional e o PowerPoint dos Empreendedorismo”, resultados dos inquéritos que decorreu no passado feitos aos alunos da dia 26 de Novembro, no Escola acerca da Auditório Municipal de ƚĞŵĄƟĐĂ ĚŽ Tondela, e que teve empreendedorismo. como convidados o Eng. Francisco Pegado do No final, ainda houve IAPMEI – /ŶƐƟƚƵƚŽ ĚĞ tempo para debate e, a Apoio às Pequenas e finalizar a sessão, o Dr. Médias Empresas e à José António Jesus, viceInovação e o Dr. João presidente da Câmara ŽƩ Ă͕  ĚĂ /Zs  – Municipal de Tondela, Associação Empresarial frisou que “a reflexão em torno do da Região de Viseu.

PÁGINA

empreendedorismo é ĂůƚĂŵĞŶƚĞƉŽƐŝƟǀ ĂƉĂƌĂ ƌĞĨŽƌĕĂƌŽĞƐƉşƌŝƚŽĐƌşƟĐŽ ĐŽŵƉĞƟƟǀ Ž ĚĞ ƵŵĂ região”. Por outro lado, o responsável concluiu que “temos que acreditar que a nossa capacidade, a nossa energia e a nossa ĐƌŝĂƟǀ ŝĚĂĚĞ ĨĂƌĆŽ Ă diferença”. Com esta Conferência está aberto mais um Ciclo de debates que a Escola Profissional tem vindo a promover nos ƷůƟŵŽƐĂŶŽƐ͕ ĞƋƵĞƚĞƌĄ ĐŽŶƟŶƵŝĚĂĚĞĚƵƌĂŶƚĞŽ ƐĞŐƵŶĚŽƉĞƌşŽĚŽůĞĐƟǀ Ž͕  já em 2011. Prof Marta Rosa

25

[…] Com esta Conferência está aberto mais um Ciclo de debates que a Escola Profissional tem vindo a promover nos últimos anos […]


PÁGINA

26

A N O

A aposta na qualificação de

*

N U M

I

ĐŽŵƉĞƟƟǀ ŝĚĂĚĞ ĚĂ ŶŽƐƐĂ ƉƌŽĮ ƐƐŝŽŶĂů͕ ĂƐ ĞŶƟĚĂĚĞƐ

ũŽǀ ĞŶƐĞĂĚƵůƚŽƐĐŽŶƐƟƚƵŝ͕  economia.

formadoras e os agentes

actualmente, um desafio

económicos,

inigualável entre

que

outros,

conceito

remete, para

um

extremamente

importante:

a

aprendizagem ao longo da vida. […] A aprendizagem ao longo da vida pressupõe a aquisição prévia das designadas competências básicas, essenciais ou críticas para todos, jovens e adultos […]

9

A aprendizagem ao longo da

vida

pressupõe

a

aquisição

prévia

designadas

competências

básicas,

essenciais

das ou

ĐƌşƟĐĂƐƉĂƌĂƚŽĚŽƐ͕ ũŽǀ ĞŶƐĞ adultos. Portugal

apresenta

uma

elevada taxa de população

O acesso à qualificação e à ĐĞƌƟĮ ĐĂĕĆŽ

ĚĞ

de

qualificação

ĨŽƌŵĂů͘/Ŷǀ ĞƐƟƌŶŽĂƵŵĞŶƚŽ da qualificação escolar e profissional dos recursos humanos

nacionais

ĐŽŶƐƟƚƵŝƵŵĚŽƐĐĂŵŝŶŚŽƐ de evolução possível para resolver o problema da incongruência presente

entre

estrutura

a das

qualificações da população ĂĐƟǀ Ă Ğ Ă ƉƌŽŵŽĕĆŽ ĚĂ

e

culturais.

competências parece ser

De

entre

uma das principais metas

modalidades de educação e

as

várias

ĚĞƐƚĂ/ŶŝĐŝĂƟǀ Ă͕ ƐŽďƌĞƚƵĚŽ formação, o Sistema de quando nos referimos à

Reconhecimento, Validação

população adulta.

Ğ

 ĞĞŶƚƌĞŽƐĚŝƐƉŽƐŝƟǀ ŽƐĚĞ educação,

formação

e

ŽƌŝĞŶƚĂĕĆŽƉĂƌƟĐƵůĂƌŵĞŶƚĞ dirigidos aos adultos, os Centros

Novas

K ƉŽƌƚƵŶŝĚĂĚĞƐĐŽŶƐƟƚƵĞŵ-

ĞƌƟĮ ĐĂĕĆŽ

ĚĞ

Competências é aquele que mais se destaca quando queremos

realçar

a

importância

da

aprendizagem ao longo da vida.

se como agentes centrais na

Durante

resposta

da

aprendemos em todas as

adultos

situações. A aprendizagem

ao

qualificação

desafio de

ĞŵŝĚĂĚĞĂĐƟǀ ĂĐŽŵďĂŝdžŽƐ ĐŽŶƐĂŐƌĂĚŽ ŶĂ /ŶŝĐŝĂƟǀ Ă ĨŽƌŵĂů͕ níveis

sociais

Novas Oportunidades. Os

Centros acção

Novas para

desenvolvimento

o e

mobilização de respostas diferenciadas em função do perfil e do percurso dos adultos, bem como a sua complementaridade

nossa

vida,

ŽďƟĚĂ

Ğŵ

ŝŶƐƟƚƵŝĕƁĞƐĞƐƉĞĐŝĮ ĐĂŵĞŶƚĞ

Oportunidades orientam a sua

a

e

ĂƌƟĐƵůĂĕĆŽĐŽŵĂƐĞƐĐŽůĂƐ͕  os centros de formação

criadas para esta finalidade tem, nas nossas sociedades, Ƶŵ ĐĂƌĄĐƚĞƌ ĚŝƐƟŶƟǀ Ž͘  Contudo, o individuo é também

alvo/agente

de

aprendizagens inscritas em ambientes não-formais que lhe

permitem

obter

competências várias a que não tem sido atribuído o devido valor (competências


A N O

9

*

N U M

I

PÁGINA

de comunicação, sociais,

ĚŝƚĂĚĂƐ͕ ƋƵŽƟĚŝĂŶĂŵĞŶƚĞ͕ Ă estes

culturais, entre outras).

nível profissional e social.

A aprendizagem não formal

Actualmente, muitos dos

efectuada por todos, em

jovens e adultos inscritos

situações

nos

de

trabalho,

Centros

convívio, em momentos de

Oportunidades

formação (organizados nos

encaminhados

locais

processo

de

trabalho

ou

Novas têm para

sido

não

sendo

Ğ

ĞƌƟĮ ĐĂĕĆŽ

passa

obrigatoriamente

por

processos

formais

de

reconhecimento, validação Ğ

ĐĞƌƟĮ ĐĂĕĆŽ

ĚĞ

competências.

o

E ĞƐƚĞ ƐĞŶƟĚŽ͕  ƉŽĚĞŵŽƐ

de

considerar que os Centros

ĨƌĞƋƵĞŶƚĂĚŽƐƉŽƌŝŶŝĐŝĂƟǀ Ă Reconhecimento, Validação própria),

saberes

Novas

Oportunidades,

e

ĚĞ ƉĂƌƟĐƵůĂƌŵĞŶƚĞŽƉƌŽĐĞƐƐŽ

reconhecida pelo sistema

Competências, pelo valor

de

de educação e formação

que

s ĂůŝĚĂĕĆŽĞĞƌƟĮ ĐĂĕĆŽĚĞ

formais é, no entanto, uma

aprendizagem experiencial,

Competências, poderão ser

realidade e um importante

a qual acontece todos os

uma

factor de desenvolvimento

dias, em todos os contextos

extremamente importante

pessoal, tornada única para

de vida, ao longo da vida e

na adaptação à transição,

se

reconhece

na

ĂƋƵĞůĞƐ ƋƵĞ ŶĆŽ Ɵǀ ĞƌĂŵ com a vida. acesso, pelas mais variadas razões, a um quadro de educação formal. Nestes casos, é a aprendizagem em contextos única

não-formais

responsável

a

pelas

competências que o adulto revela possuir.

Embora,

social

e ŽƐ

saberes que resultam da experiência (saber, sabersaber

viver

em

conjunto e saber-estar) não sejam

valorizados,

os

mesmos são indispensáveis

A aprendizagem não formal

ao

surge assim, em grande

ĐŝĚĂĚĂŶŝĂ ĂĐƟǀ Ă Ğ Ă Ƶŵ

parte dos casos, como a

desempenho

única

autónomo.

forma

de

aprendizagem, fruto de um exigências/necessidades

exercício

Reconhecimento,

estratégia

sobretudo nas transições

ŝŶƐƟƚƵĐŝŽŶĂůŵĞŶƚĞ͕ 

fazer,

27

de

uma pessoal

O valor social a atribuir a

não

antecipadas,

acontece

em

como

caso

de

desemprego, embora estas situações

não

correspondam necessariamente à maioria, tendo em conta o número de adultos inscritos em Centros

Novas

Oportunidades. Sara Santos

[…] os Centros Novas Oportunidades, e particularmente o processo de Reconhecimento , Validação e Certificação de Competências, poderão ser uma estratégia extremamente importante […]


PÁGINA

28

A N O

É de salientar que o excelente trabalho desenvolvido com os alunos de Mecânica não seria possível se a Oficina da Escola não ĞƐƟǀ ĞƐƐĞ ĚĞǀ ŝĚĂŵĞŶƚĞ Žŵ Ž ŽďũĞĐƟǀ Ž equipada. ƉƌŝŶĐŝƉĂů ĚĞ ƚƌĂŶƐŵŝƟƌ melhor os  ŶĞƐƚĞ ƐĞŶƟĚŽ ĚĄ-se conhecimentos na área ĐŽŶƟŶƵŝĚĂĚĞ ĂŽ da Mecânica Automóvel, trabalho desenvolvido nada melhor que lidar com a com situações reais, de montagem avarias, de simples das tubagens manutenção, que de ar possam aparecer em comprimido Oficina. A Comunidade até ao Escolar tem sido o elevador de público-alvo, que tem duas colunas, vez após vez aprovado o tendo este já trabalho desenvolvido. previsto um ŽŶƟŶƵĂĂĞŶǀ Žůǀ ĞƌŽƐ alunos dos cursos de Mecânica - Auto, simulando na Oficina da Escola o Dia a Dia de uma Empresa de Reparação Automóvel

[…] nada melhor que lidar com situações reais, de avarias, de simples manutenção, que possam aparecer em Oficina […]

9

*

N U M

I

engate para tal e da ŵŽŶƚĂŐĞŵĚŽǀ ĞŶƟůĂĚŽƌ e condutas de extracção de gases de escape em Oficina, para funcionar com cada um ou os dois elevadores em simultâneo. Coordenação MA/TMA Professores de Mecânica -Auto


A N O

9

*

N U M

I

ŽŶƟŶƵĂĂĚĞƐĂĮ ŽĚĂ ĐƌŝĂĕĆŽĚŽƐ>ŽŐſ ƟƉŽƐĚĞ turma para as turmas que iniciaram o seu percurso este Ano >ĞĐƟǀ Ž

Mecânica – Auto ĐŽŶƟŶƵĂŵ Ă ĐƌŝĂƌ D ŽĚĞůŽƐ  ŝĚĄĐƟĐŽƐ͕  quer para o estudo e compreensão dos mesmos, quer para mostrar sempre que ŝĚĞŝĂĐŽŶƟŶƵĂĂƐĞƌĂ oportuno. de ter uma imagem que ŝĚĞŶƟĮ ƋƵĞ ĂƋƵĞůĂ Desta vez são Modelos Turma, quer no dia a dia pertencentes ao Sistema onde se ache de Carga e Arranque do conveniente, ou em Automóvel. Pertencente ĂĐƟǀ ŝĚĂĚĞƐŵĂŝƐĚŝƚĂƐĚĞ ao Sistema de Carga do destaque. Automóvel, temos o Alternador, o qual foi A ideia foi bem recebida ĐŽƌƚĂĚŽĐŽŵŽŽďũĞĐƟǀ Ž pelas turmas que já de se verem todos os desenvolvem esforços componentes interiores nos seus tempos livres e a forma como eles por chegar a uma actuam entre si. Depois ŝŵĂŐĞŵ͕  Ƶŵ >ŽŐſ ƟƉŽ de cortado, todos os que reúna consenso de componentes serão toda a Turma. pintados de forma a As ideias são ĐĂƟǀ ĂƌŽƐŽďƐĞƌǀ ĂĚŽƌĞƐ interessantes, e é de e será adaptado pequeno salientar o empenho um demonstrado por criar motor eléctrico, algo diferente e nunca ƋƵĞƉĞƌŵŝƟƌĄĚĞ visto que marque a forma mais lenta diferença. Cada Turma simular a sua irá apresentar a sua rotação acoplado ideia e melhorá-la para ao Automóvel. só depois a dar a Pertencente ao conhecer. Sistema de Turmas de Mecânica – Arranque do ƵƚŽĐŽŶƟŶƵĂŵĂĐƌŝĂƌ Automóvel, D ŽĚĞůŽƐ ŝĚĄĐƟĐŽƐĞŵ temos o Motor Oficina de Arranque, o Como tem sido habitual, qual também foi os alunos das Turmas de cortado à

PÁGINA

semelhança do Alternador, com o ŽďũĞĐƟǀ ŽĚĞƐĞǀ ĞƌĞŵŽƐ seus componentes interiores e a forma como eles são montados e funcionam em conjunto. Também este será pintado de forma a ĐĂƟǀ Ăƌ Ž ŽďƐĞƌǀ ĂĚŽƌ Ğ de forma a simular o seu funcionamento no Automóvel, será acoplado um pequeno motor eléctrico. Coordenação MA/TMA Professores de Mecânica -Auto

29

[…] A ideia continua a ser a de ter uma imagem que identifique aquela Turma, quer no dia a dia onde se ache conveniente, ou em actividades mais ditas de destaque […]


PÁGINA

30

A N O

Turmas de Mecânica – Auto organizam ambiente Oficinal com novas soluções

[…] A organização e a gestão do espaço Oficinal é fundamental para o bom funcionamento e aproveitamento do mesmo […]

A organização e a gestão do espaço Oficinal é fundamental para o bom funcionamento e aproveitamento do mesmo. Por mais espaço que se tenha numa Oficina, ele é sempre pouco quando não se têm cuidados quanto à sua organização e gestão. Não menos importante é a organização de ferramentas e utensílios usados, assim como a gestão de resíduos criados. Tendo a ferramenta e utensílios locais fixos de colocação, é fácil de saber onde está o que precisamos, não perdendo tempo à procura das coisas, que por ali andam perdidas. Outra questão, também importante, são os resíduos criados em Oficina, que não devem de todo andar espalhados, sejam eles de que natureza forem, pois, além de criarem um mau ambiente, não facilitam as tarefas quando andam debaixo dos pés, ou misturados

com material novo, por exemplo. Tendo em vista estes aspectos, e sendo a Oficina um local de aprendizagem, é verdade que o ambiente encontrado vai servir de modelo para experiências futuras, para quem ali aprende. Neste contexto, os alunos desenvolveram um pequeno suporte para os diversos discos e utensílios que se usam com a rebarbadora que ali existe. Note-se que uma rebarbadora pode usar discos de corte ou rebarbar, conforme a operação a realizar, pormenor que não foi esquecido, tendo sido criado um pino para ĐĂĚĂƟƉŽĚĞ discos. Com esta solução, todos os discos deixaram de andar ao monte no meio de outro material que estava no armário onde se costumam guardar e

9

*

N U M

I

tornou-se mais fácil saber onde estão. Assim, é só deslocar o suporte para onde for necessário. Outro problema prendia -se com o facto de termos, sempre que se ƵƟůŝnjĂǀ Ă ƵŵĂ ĞdžƚĞŶƐĆŽ ou uma mangueira de ar comprimido, de a enrolar, apertar com dois fios para colocar nas prateleiras dentro do armário onde costumam ficar. Tentando colmatar estes dois problemas, criou-se um suporte para a extensão eléctrica e para a mangueira de ar comprimido. É possível


A N O

9

*

N U M

I

PÁGINA

31

deslocar esse suporte para qualquer ponto do espaço oficinal, graças às rodas que dispõe, sem exigir grande esforço İ ƐŝĐŽ͘ Na base da sua construção estão duas jantes de um automóvel, que permitem que se enrole tanto a extensão eléctrica como a mangueira de ar comprimido e que foram soldadas ĂƵŵĂŚĂƐƚĞǀ ĞƌƟĐĂů͘ Não menos importante, o material de protecção do automóvel aquando de uma intervenção. Falo das protecções laterais para os guarda – lamas, da protecção dos bancos, da protecção do volante, manete da caixa de velocidades e travão de mão, que por ali andavam num armário envolvidas com ferramentas e utensílios. De uma forma simples, criou-se um suporte para todo este material, ƋƵĞ ĐŽůŽĐĂĚŽ ŶŽ ƐşƟŽ definido e fixo,

[…] Não menos importante, o material de protecção do automóvel aquando de uma intervenção […]

disponibiliza sempre que necessário todo este material.

prateleiras sobre medida para organizar todo o material disponível. As ƉƌĂƚĞůĞŝƌĂƐƟŶŚĂŵĚĞƐĞƌ resistentes, pois os componentes e peças ainda têm algum peso ƐŝŐŶŝĮ ĐĂƟǀ Ž͘

Para além destes pequenos utensílios que organizam o espaço Oficinal, e não sendo o espaço muito grande, e ŶŽ ƐĞŶƟĚŽ ĚĞ Ž Coordenação MA/TMA rentabilizar ainda mais, Professores de Mecânica foram compradas umas -Auto


Jornal EProfissional Ano 9 Num 1  

Ano lectivo 2010/2011 - 1º periodo

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you