Issuu on Google+

Novembro 2011 Faz parte integrante do Ensino Magazine n.º 165 Produção: RVJ - Editores

www.ensino.eu centro ciência viva da floresta

Experimentar a Floresta é preciso

Florestas com Ano Internacional

P II

C

Investigadores Europeus no Centro C

P II

centro ciência viva da floresta em Proença-a-nova

A hora do reconhecimento 6 Não se pode descrever Proença-a-Nova ou pensar o seu futuro sem passar pela floresta, que ocupa boa parte do território e durante anos foi muito relevante para a economia local. A proximidade da natureza é uma maisvalia do concelho, que tem conseguido preservar os sabores tradicionais e os diferentes cheiros emanados da paisagem diversificada. A importância económica, social e ambiental da floresta nacional é fácil de mensurar: basta olhar para os números do emprego que cria, para o peso de 13% nas exportações nacionais e para os benefícios ambientais que nos dá. Sabemos bem o que a floresta tem feito pelo país, mas a terminar 2011, proclamado pela ONU como Ano Internacional das Florestas, talvez seja legítimo questionarmos o que tem o país feito pela floresta. Não têm faltado debates e reflexões sobre o despovoamento e a desertificação, mas não há fórmulas mágicas para fixar pessoas, tornando o interior sustentável sem desvirtuar a sua identidade. A desvalorização da floresta é um factor relevante a ter em conta neste debate, já que representava, tradicionalmente, uma mais-valia e rendimento alternativo para muitas famílias.

Criar condições para o aumento do emprego está na primeira linha da intervenção do Município e um dos caminhos passa pela dinamização de novos investimentos que possibilitem a transformação e consumo dos pro-

dutos e subprodutos resultantes da floresta. A investigação e conhecimento científico são essenciais para se conseguir esta valorização da fileira florestal e é inegável o contributo que o Instituto Politécnico de Castelo Branco, parceiro da Associação Ciência Viva da Floresta, tem dado neste campo. A instalação do Centro Ciência Viva da Floresta no concelho não é fruto do acaso, mas a consequência natural de uma relação que é incontornável, apesar do declínio de algumas actividades estruturantes num passado recente, como foi a exploração da resina. Em Proença-a-Nova procuramos o futuro sem esquecer o legado do passado e a importância da sustentabilidade ambiental. Por isso valorizamos a floresta em todas as suas vertentes, desde o sequestro de carbono à biodiversidade, passando pelo papel que desempenha nos ecossistemas e na retenção de água no solo. No Centro Ciência Viva propõe-se esse olhar agregador para a floresta e para todas as suas riquezas, cuja preservação a todos deve comprometer. K João Paulo Catarino _ Presidente da Câmara de Proença-a-Nova

Espaço Rural precisa valorização C

P II

CCVFloresta em escolas e feiras NOVEMBRO 2011 /// C

P IIV


Centro ciência viva da floresta

Ciência Viva com Floresta no Centro 6 O Centro de Ciência Viva de Proença-a-Nova acaba de iniciar o quarto ano de actividade e tem um programa ambicioso dirigido a toda a sociedade dos mais jovens aos menos jovens. No ano que agora termina, as actividades desenvolvidas chamaram milhares de pessoas ao Centro. Conheça aqui essas actividades. K

Ano Internacional das Florestas

Festas de Aniversário

6 Ao mesmo tempo que em Nova Iorque era assinalado o início do Ano Internacional das Florestas, o Centro Ciência Viva da Floresta foi palco, no dia 2 de Fevereiro da sessão nacional de lançamento das iniciativas que, ao longo de 2011, promoveu a defesa de um recurso que representa 11% das exportações nacionais. Na sessão de lançamento estiveram presentes, entre outros, o secretário de Estado das Florestas, Rui Barreiro, Fernando Andresen Guimarães, presidente da Comissão Nacional da Unesco e Rosalia Vargas, presidente da Agência Ciência Viva. K

6 O Centro Ciência Viva da Floresta é também uma excelente opção para a realização de festas de aniversário. Preços acessíveis e um programa variado com activi-

dades experimentais, jogos, pinturas faciais, insufláveis e a visita à exposição do CCVFloresta fazem destas festas a primeira escolha das crianças e dos seus pais. K

O Futuro da Floresta em discussão 6 O Centro Ciência Viva da Floresta tem tido um papel importante enquanto promotor do debate sobre o futuro da floresta no nosso país. Este ano, em parceria com a Escola Superior Agrária de Castelo Branco promoveu as Jornadas de Tecnologia e Sustentabilidade dos Sistemas Florestais, que tiveram lugar a 25 de Fevereiro e 28 de Outubro, respectivamente. Os caminhos a seguir para que os espaços rurais sejam valorizados e tenham rentabilidade económica foram os temas centrais em discussão. K

Noite Europeia dos Investigadores 6 A 23 de Setembro realizouse em diversos países da Europa Comunitária e em 320 cidades a Noite Europeia dos Investigadores. Esta é uma iniciativa apoiada e financiada pela Comissão Europeia que se repete anualmente desde 2005. Em Portugal, um consórcio organizador, constituído por diversas instituições científicas (Ciência Viva, CAUP, IBMC INEB, IGC – FCG, UPIN) e 15 centros da rede Ciência Viva, participaram nesta acção de promoção da actividade científica junto da população em geral e da comunidade estudantil em particular, de forma descontraída e informal. O CCVFloresta, em parceria com o Instituto S. Tiago, a UTAD, o CBE e ESACB, associou-se ao

II

/// NOVEMBRO 2011

evento, desenvolvendo diversas actividades, tais como colóquios com cientistas, actividades experimentais e um lanche convívio. Estiveram presentes, entre público e cientistas, mais de cem visitantes. Os investigadores convidados

foram Rui Claro da UTAD, Cláudia Sousa do CBE e Nuno Rocha Pedro da ESACB, todos ligados a investigação na área da Biomassa, um tema actual, com enorme importância energética, ambiental e económica. K

Tempos livres ocupados 6 Durante o tempo de férias dos mais jovens o Centro Ciência Viva da Floresta tem sido uma boa solução para ocupação de tempos livres. Em parceria com a Câmara Municipal oferece desde há vários anos programas de férias, dos 6 aos 12 anos, diversos e equilibrados nas vertentes ciência, desporto e arte. Este ano, numa parceria com a agência nacional Ciência

Viva, o CCVFloresta promoveu pela primeira vez “Campo de Férias Floresta Viva”, um programa de férias para jovens dos 12 aos 16 anos que recebeu jovens de todo o país. Actividades radicais como slide e canoagem, saídas de campo e workshops variados fizeram deste campo de férias uma experiência inesquecível para os que nele participaram. K

1º Festival Solar 6 Este ano o Centro Ciência Viva da Floresta promoveu pela primeira vez um Festival Solar. Oficinas, exposições, concursos e cozinha com energia solar foram algumas das atracções que, no dia 22 de Maio, trouxeram ao Centro dezenas de alunos de escolas da região para celebrar o dia do Sol. K


Ateliers científicos

Ciência Viva no Verão

6 Os ateliers científicos de fim-de-semana são já uma marca do CCVFloresta. São pequenas actividades experimentais dirigidas aos mais novos que acontecem todos os sábados e domingos. Em cada fim-de-semana há uma actividade e um conceito diferente a explorar. A construção de foguetes, oficinas de reciclagem e reutilização de materiais, fabrico de sabonetes e sais de banho e extracção de óleos essenciais de plantas são alguns exemplos das actividades desenvolvidas. K

6 O programa Ciência Viva no Verão é um programa de divulgação científica promovido pela agência Ciência Viva desde 1996 e que visa colocar actividades de cariz científico no programa de férias de verão dos portugueses. O programa tem várias vertentes de acordo com o tema a explorar em cada actividade: Astronomia, Biologia, Engenharia, Geologia, Faróis e Castelos. O Centro Ciência Viva da Floresta associou-se desde o início a esta iniciativa, este ano com 3 actividades. A 15 de Julho o CCVFloresta realizou uma sessão de observação no âmbito do Programa Astronomia no Verão promovida pelo astrónomo e divulgador de ciência José Matos. “Do Ouro das Portas de Almourão à Jóia” foi outra das iniciativas, esta incluída no programa Geologia no Verão – uma

Contos da Floresta 6 Ao longo do ano passam pelo CCVFloresta alguns dos principais contadores de histórias e animadores do nosso país. Os Contos da Floresta são sessões de contos para crianças abertos ao público com artistas convidados. Clara Haddad, Projecto Faunas e Saphir Cristal são exemplos de contadores que este ano passaram pelo CCVFloresta. K

Cafés de Ciência 6 Como forma de promover o contacto e aproximação entre os investigadores e o público em geral, o CCVFloresta promove desde a sua génese encontros informais, convenientemente chamados de cafés de ciência. Estes encontros, que acontecem mensalmente, na última sexta-feira do mês têm promovido o debate sobre varia-

dos temas actuais e, em muitos casos, controversos. As energias alternativas, a eficiência energética e as perspectivas para o futuro do abastecimento energético no nosso país foram temas centrais nos encontros deste ano que abordaram também temas ligados à floresta como a problemática da reflorestação. K

Informação

taram algumas pepitas de ouro. Já no âmbito da Biologia no Verão os participantes tiveram a oportunidade de descobrir um pouco sobre as plantas Invasoras numa saída de campo guiada por Hélia Marchante. K

Workshops e cursos de formação 6 O CCVFloresta recebe também nas suas instalações vários cursos de formação e oficinas. O Curso de Iniciação à Informática é um exemplo de uma acção realizada com frequência, dada a elevada procura que se tem revelado. O Curso de Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos, promovido pela Câmara Municipal de Proença-a-Nova e Escola Superior Agrária de Castelo Branco e a Formação de Bombeiros, pela Escola Nacional de Bombeiros são exemplos de outras acções de formação que decorrem no Centro. O CCVFloresta tem promovido também, com uma periodicidade

mensal, workshops de fim-desemana promovidos com temas muito variados. Talha Dourada, Fusing Plastic, Arte com Escamas

de Peixe, Tinturaria Natural, Bonsai, Cozinha Macrobiótica e Poda de Árvores Fruteiras são exemplos de oficinas já realizadas.K

Saídas de Campo

Como Chegar

6 As actividades do CCVFloresta não decorrem apenas dentro de portas. O Centro promove saídas de campo com regularidade. Os fungos são organismos muito importantes num ecossistema florestal, para além disso os cogumelos constituem uma importante iguaria e fonte de rendimento para muita gente ligada à Floresta. É por isso que o CCVFloresta tem promovido várias actividades que nos dão a conhecer estes organismos. Os

Contactos:

visita guiada pelos arredores da aldeia de Sobral Fernando em Proença-a-Nova que permitiu explorar o contexto geológico em que o ouro aparece e até realizar uma refrescante garimpagem nas margens do rio Ocreza da qual resul-

Horários:

Centro Ciência Viva Moitas Terça a Sexta 10h00 às 18h00 6150-345 Proença-a-Nova Sábados Tel: 274 670 220 / Fax: 272 670 228 Domingos e Feriados 11h00 às 19h00 info@floresta.cienciaviva.pt Encerra à Segunda-feira www.floresta.cienciaviva.pt consulte o programa completo em www.floresta.cienciaviva.pt/escolas

passeios micológicos conduzidos pelo Eng. Gravito Henriques, da DRAPC acontecem em Abril e Novembro, alturas mais propícias à ocorrência de cogumelos. O “Percurso Químico”, um passeio guiado por Sérgio Rodrigues, da Universidade de Coimbra, inserido no vasto programa nacional do Ano Internacional da Química que se assinala este ano, surpreendeu os participantes ao revelar a ubiquidade dos fenómenos químicos no nosso quotidiano.K

Exposições Temporárias 6 A exposição permanente é complementada com pequenas exposições temporárias com temas diversos, usualmente de acesso gratuito. Este ano o Centro já recebeu uma exposição de artesanato em madeira, exposições sobre apicultura e biomassa e mantém até ao verão uma mostra com obras de ilustração científica de Fernando Correia intitulada “Mundo Verde em Risco”. K

NOVEMBRO 2011 /// III


Actividades para Grupos Escolares 6 O CCVFloresta apresenta no seu Guia de Programas Escolares atividades diversas, em diferentes espaços e destinadas a diferentes níveis de escolaridade. Na Casa da Floresta as crianças aprendem a fazer queijo de cabra, bombons de mel e velas de cera natural. Ficam a conhecer a origem, as propriedades e a importância do leite e do mel na sua alimentação. Aprender a construir um herbário, semear uma árvore, descobrir a importância da clonagem, construir um minhocário ou perceber o que são fungos são as actividades que se realizam no Mini-viveiro. No Laboratório/Experimenteca, as essências da floresta permitem a execução de perfumes, sabonetes, pasta de dentes e sais de banho. Desvenda-se a química do frio com o poder de refrigeração do azoto líquido. Transforma-se papel velho em papel novo numa caldeirada de papéis. Descobre-se que a coziPublicidade

IV

/// NOVEMBRO 2011

Ciência na Aldeia 6 Ciência na Aldeia é uma iniciativa que começou em 2009 como uma parceria entre o CCVFloresta e a Bibliomóvel, biblioteca itinerante do Município de Proença-a-Nova. A iniciativa teve como objectivo levar às aldeias mais remotas do concelho várias actividades de comuni-

cação de ciência e de educação ambiental. Com base no sucesso da iniciativa em anos anteriores, que revelaram uma enorme receptividade por parte dos mais velhos, o CCVFloresta decidiu estender a iniciativa a vários Centros de Dia e lares de idosos da região. K

Centro em Feiras e Escolas 6 Ovibeja 2011, Agro-Agrária 2011, Semana da Floresta de Figueiró dos Vinhos, Escola Secundaria de Ferreira do Zêzere, Escola Secundaria de Fafe, foram algumas das mostras de ciência em que o Centro Ciência Viva esteve representado. K nha é um autêntico laboratório quando o leite se transforma em manteiga ou os bolos crescem sem parar…Os cientistas de palmo e meio, aprendem os cuidados a ter num laboratório e realizam actividades de iniciação à experimentação laboratorial.

As actividades realizadas no exterior, proporcionam aos mais pequenos serem bombeiros ou sapadores florestais por um dia, onde aprendem a defender e cuidar da Floresta e, nas saídas de campo no Geopark Naturtejo descobrem-se os segredos escondidos no Vale Mourão! K


Dossier