Page 80

Produção, Transporte e Distribuição de Energia Eléctrica – Energia Eólica

(II) FINANCIAMENTO DESIGUAL O custo final da electricidade, qualquer que seja a fonte utilizada, depende fortemente da forma como o investimento é financiado. A produção a partir de combustíveis fósseis é normalmente um investimento do Estado; pelo contrário, os investimentos em geradores e parques eólicos têm, até agora, sido fundamentalmente feitos por privados sem acesso aos empréstimos de longo prazo a baixo juro de que o sector público beneficia. Aqui o caso português é algo invulgar, confirmando ao mesmo tempo a ideia atrás expressa já que, até ao momento, apenas a empresa de capitais públicos proprietária do parque de Fonte da Mesa conseguiu concretizar as intenções de investimento nesta tecnologia. A comparação dos custos para as diferentes soluções não é por isso feita numa base justa.

(III) DESCONFIANÇA DO PÚBLICO A energia eólica é "nova" e há falta de informação sobre a segurança, viabilidade económica e disponibilidade das tecnologias para a sua utilização. Existem vastas áreas e muitos locais que reúnem boas características para a implantação dos aproveitamentos, mas a sua concretização dependerá sempre da aceitação que mereçam por parte das pessoas. Este é um dos principais problemas a resolver, sobretudo em zonas muito povoadas ou que por qualquer outra razão apresentem maior sensibilidade a este aspecto. (iv) interesses estabelecidos Como qualquer outra "inovação" a energia eólica tem. que lutar contra os interesses, económicos e sociais, estabelecidos neste caso por mais de um século de tradição na produção a distribuição de electricidade por vias ditas convencionais. A "contra-informação" e as dificuldades criadas no acesso à rede de distribuição são alguns dos problemas que os produtores têm que enfrentar.

(V) DIFICULDADES DE MERCADO (NORMALIZAÇÃO) O facto de os fabricantes de turbinas terem, até agora, trabalhado no seu desenvolvimento de forma mais ou menos individual, faz com que surjam dificuldades na circulação dos equipamentos entre os diferentes países a na resposta aos cadernos de encargos dos projectos a concurso.

- 2000/2001 – ESTV – ISPV -

Ricardo Silva, Rui Cabral, Henrique Carvalho

Página 80 de 108

5A1S - Energias Renováveis - A Energia Eólica  

Instituto Superior Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Produção, Transporte e Distribuição de Energia Eléctrica Ricardo Silva...

5A1S - Energias Renováveis - A Energia Eólica  

Instituto Superior Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Produção, Transporte e Distribuição de Energia Eléctrica Ricardo Silva...

Advertisement