Page 106

Produção, Transporte e Distribuição de Energia Eléctrica – Energia Eólica Espanha concedem incentivos semelhantes a este tipo de instalações e muitas vezes directamente como subsídios de instalação a fundo perdido. Note-se, todavia, que a maior parte dos factores apresentados são conjunturais e podem sofrer alterações a curto prazo. Refere-se, apenas a título de exemplo, a subida contínua, ainda que lenta, do preço do petróleo nos últimos 6 meses com o preço do barril a aproximar-se dos 24/25 USD, isto apesar de o Iraque ter sido autorizado a iniciar as suas vendas aumentando pois a oferta no mercado; a necessidade de controlo da inflação em Portugal por forma a permitir cumprir os critérios de convergência, uma vez que como se sabe o preço da energia desempenha um papel importante nesta questão; a necessidade de aumentar a competitividade das nossas empresas num mercado cada vez mais aberto; a constituição de um verdadeiro Mercado da Energia na UE e a entrada em vigor da chamada Carta da Energia, em que figura um apoio explícito à produção de energia eléctrica a partir de fontes renováveis; a importância crescente que têm os aspectos ambientais, nomeadamente a possível introdução da chamada taxa de carbono, associada à utilização dos combustíveis fósseis e os compromissos assumidos na Conferência do Rio; sem deixar esquecida a questão do aumento continuado do consumo mundial de energia, para além do próprio crescimento populacional, que começa a pôr em evidência as limitadas reservas de combustíveis fósseis. Em nosso entender isto significa que num prazo relativamente curto (3 a 5 anos) os preços de venda de energia eléctrica de origem renovável subirão em Portugal, dando aos investimentos hoje feitos taxas de rentabilidade significativas. Isto é, na nossa perspectiva, mesmo não sendo a remuneração imediata do investimento das mais atractivas (apesar dos apoios), os riscos reduzidos (dentro das limitações decorrentes da bondade e extensão dos dados de vento utilizados nas previsões da produção) e as possibilidades das condições económicas deste tipo de projectos melhorarem significativamente a médio (5 anos) longo prazo (mais de 10 anos) tornam-nos interessantes. No entanto as principais restrições em Portugal ao estabelecimento deste tipo de instalações decorre um pouco surpreendentemente das posições assumidas pelas organizações e entidades ligadas ao ambiente que têm muitas vezes defendido posições reduzidas exclusivamente ao vértice ambiente do Tetraedro Tecnológico, de que atrás se falou, não fazendo intervir qualquer avaliação do tipo custo benefício.

- 2000/2001 – ESTV – ISPV -

Ricardo Silva, Rui Cabral, Henrique Carvalho

Página 106 de 108

5A1S - Energias Renováveis - A Energia Eólica  

Instituto Superior Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Produção, Transporte e Distribuição de Energia Eléctrica Ricardo Silva...

5A1S - Energias Renováveis - A Energia Eólica  

Instituto Superior Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Produção, Transporte e Distribuição de Energia Eléctrica Ricardo Silva...

Advertisement