Page 1


Editorial Ano 8 – Edição 72 – Jaú, Junho de 2017 Tiragem: 10.000 exemplares Revista Energia é uma publicação da Rádio Energia FM Diretora e Jornalista responsável Maria Eugênia Marangoni mariaeugenia@radioenergiafm.com.br MTb. 71286

A sabedoria consiste no uso consciente e equilibrado da internet, lembrando que atrás das telas há pessoas e valores a serem observados e respeitados

Diretor artístico: Márcio Rogério rogerio@radioenergiafm.com.br Edição e Revisão de textos: Heloiza Helena C. Zanzotti revisao@revistaenergiafm.com.br Criação de anúncios: Moinho Propaganda atendimento@moinhopropaganda.com.br

Diagramação Moinho Propaganda (14) 3416.7290 Projeto gráfico: Revista Energia

Comercial Ana Cláudia Rondon Geraldo Pessutti Sérgio Bianchi Silvio Monari Impressão: Real Gráfica Editora Distribuição: Pachelli Distribuidora Revista Energia Rua Quintino Bocaiúva, 330 | 2º andar CEP: 17201-470 | Jaú - Fone: (14) 3624-1171 www.energianaweb.com.br

Foto: Cláudio Bragga

Social Club social@revistaenergiafm.com.br

Colunistas Alexandre Garcia Ana Marta C. Atique Piovesana Edson Copi Evelin Sanches João Baptista Andrade Jonas Coimbra V. Della Tonia Lilian Pellizzon Ribeiro Luciano Tane Luís Filipe Nazar Maria Ceci Toffano Maria Lúcia de A. E. Madalena Paulo Sérgio de A. Gonçalves Professor Marins Rachel Soares de Brito Roberto Carlos Capelli

S

egundo levantamento realizado pela Adobe através do relatório Adobe Digital Insights (ADI), os países que responderão pelo maior número de usuários de smartphones no mundo até 2018 são Brasil e China. Quando se fala em usuários ativos no whatsapp, o Brasil é o segundo colocado, perdendo apenas para a Índia.

Fotografia: Daniel Jorjin

Colaboraram nesta Edição Bárbara Milani Letícia Koehler

Educação digital

Com o acesso mais fácil aos smartphones, o tempo de uso do celular dobrou nos últimos quatro anos no Brasil. E é tanta informação na rede, que muitas vezes selecionar informação de qualidade é um verdadeiro exercício de paciência. Um bom exemplo é o caso da “Baleia Azul”, que tomou conta das redes e influenciou o comportamento de muitos jovens nas últimas semanas, sendo inclusive tema de debate na Câmara dos Deputados, reforçando a necessidade da educação digital como forma de prevenir e evitar a disseminação de conteúdos nocivos. Importante esclarecer que Educação Digital refere-se ao bom uso das tecnologias, recursos, instrumentos, redes sociais e outras ferramentas. Especialmente com relação às redes sociais, não podemos nos esquecer de que atualmente são vitrines, através das quais vemos e somos vistos, e onde atualmente empresas buscam informações para fazer negócios, contratar ou demitir pessoas. O desafio é saber o que fazer com aquilo que chega até nós, filtrar as informações e compartilhar o que for realmente significativo. Aproveito para compartilhar com você mais uma edição da Revista Energia com muita informação, gente bonita, dicas de moda, boa comida e empresas que se destacam em Jaú e região. Aproveite, é toda sua!

Elogios, críticas e sugestões leitor@revistaenergiafm.com.br Quero anunciar comercial@revistaenergiafm.com.br A Revista Energia não tem responsabilidade editorial pelos conceitos emitidos nos artigos assinados, anúncios e informes publicitários.

Maria Eugênia


Revista Energia 5


16

08 Perfil 10 Radar Gente 13 Pense Nisso Fina 14 Medicina 15 Moda: Verão o ano todo 16 Gente Fina 20 Adote um Pet 22 Sociedade 26 Profissões 27 Direito 28 Capa 32 Direção Segura 33 Bairros de Jaú 34 Saúde Bucal 35 Modernize Bem-Estar 37 Consultoria 38 Bem-estar 44 Look de Artista 47 Comportamento 48 Vida Profissional 50 Segurança 54 Social Club 65 Seguros e Previdência 66 Saúde 71 Vida Saudável Nossa Capa: Safira semijoias Modelo: Francine Pantaleão 72 Varal Foto: nt/M 75 Educação 76 Vitrine Presentes 77 Legislação 78 Boa Vida 79 Glamour 80 Água na Boca 82 Parada Obrigatória

52

ÍNDICE

44

Look de Artista

NESTA EDIÇÃO


Revista Energia 7


Perfil

Superando limites Deficiente visual, Gabriel é uma das grandes promessas do esporte paraolímpico Texto Heloiza Helena C Zanzotti

O

fato de não enxergar é uma grande limitação, um obstáculo e tanto para que muitas pessoas realizem seus sonhos. Mas para Gabriel Luan da Silva Nascimento, 14, a deficiência visual, apesar de tão difícil, não o impediu de conquistar medalhas em diversas competições. Gabriel não nasceu cego, ele perdeu a visão totalmente entre os oito e nove anos. VIDA ILUMINADA Ele é tímido, está cursando o nono ano do Ensino Fundamental no Caic e conta que, quando pequeno, adorava andar de bicicleta. Gabriel faz parte do projeto da AMAI Jaú (Associação e Movimento de Assistência ao Individuo Deficiente), que tem como principal finalidade a inclusão da pessoa com necessidade especial na sociedade 8 Revista Energia

e no mercado de trabalho. A AMAI, em parceria com a Associação Mulher Unimed, desenvolve o Projeto Vida Iluminada, com diversas atividades como informática, teclado, piano, Braile, coral e trabalhos artísticos. Sobre a AMAI, ele conta que realiza atividades em diversas áreas. “Eu fazia piano, mas parei; agora faço Braile, Krav Magá, que é uma luta de Israel; e faço pintura sensorial”. O jovem enfatiza que tem grande afinidade com a Aline Queiroz, da AMAI, e é ela quem fala sobre o Gabriel. “Quando ele começou era quieto, não levantava o rosto e nem abria os olhos. Não tinha autoestima, aos poucos fui trazendo o Gabriel para a vida normal. Como ele não nasceu cego, a mudança sempre é drástica, ainda mais quando se é criança! Hoje ele sorri de olhos abertos, parece que acendeu uma luz. Todos adoram o Gabriel e a família dele é muito amorosa”.


“Tudo o que eu quero fazer consigo me adaptar, então, não tenho grandes dificuldades” Gabriel também competiu no Circuito Paralímpico da Caixa, categoria absoluto (a partir de 14 anos). “Era o atleta mais novo competindo e obteve 5 medalhas, sendo 1 de prata e 4 de bronze”, explica o treinador. Agora ele está treinando para o Circuito Nacional da Caixa, Jogos Regionais e Jogos Abertos, todos ainda em 2017.

NATAÇÃO NÃO ESTAVA NOS PLANOS Um dia a natação mudou a vida do Gabriel. “Eu não nadava, nunca pensei em nadar, nem sabia o que era natação direito, até que há dois anos o Bill me convidou para fazer uma aula de natação, eu vim e gostei”. Reinaldo Luchesi, 52, o Bill, fala sobre o garoto. “Ele treina todos os dias, tem talento, facilidade em nadar e em aprender”. Bill conta que a AMAI busca e leva o Gabriel duas vezes por semana aos treinos, nos outros dias o próprio treinador se responsabiliza por transportá-lo de casa para a Academia, e vice-versa. “Atualmente trabalho com 18 atletas paralímpicos e o Gabriel tem evoluído muito”, afirma. É CAMPEÃO O jovem treina todos os dias, durante uma hora e quarenta minutos, inclusive aos sábados. Sua meta é participar de mais competições, conquistar medalhas e futuramente fazer parte de uma seleção paralímpica. Em 2016 ele foi campeão dos Jogos Regionais, dos Jogos Abertos e da Paralimpíada Escolar. Bill fala sobre a conquista das três medalhas de ouro na categoria de 12 a 15 anos: o Campeonato Paulista, o Brasileiro e o Parapan de Jovens, em março último.

GRATIDÃO Em nossa entrevista, Gabriel conta que torce pelo Corinthians e faz questão de citar algumas pessoas que são muito importantes em sua trajetória: “O Bill, a Coca (Siumara Luchesi, esposa do Bill) que sempre me dá conselhos, minha tia, minha irmã Tamires, meu cunhado Cleiton, a Aline por quem tenho grande carinho”. Além destes, ele pede que não deixemos de citar seus amigos da escola. “Tem a Lívia Silvéria, a Talita Vitória, o Guilherme Henrique, o Júlio César, a Júlia Lima e muitos outros”. EXEMPLO DE SUPERAÇÃO O atleta mostra que a doença não impede as pessoas de viver uma vida normal. Questionado sobre suas maiores dificuldades, ele afirma: “Na verdade não tenho nenhuma, porque tudo o que eu quero fazer consigo me adaptar, então, não tenho grandes dificuldades”. Gabriel diz que gosta muito de ver televisão, e explica: “Hoje a mídia pensa mais nos deficientes visuais, durante um programa fazem descrições detalhadas sobre pessoas, cenários, lugares, assim sou capaz de criar as imagens na mente”. NATAÇÃO E INCLUSÃO Considerado um dos esportes mais completos que existe, a natação é instrumento fundamental no desenvolvimento das potencialidades individuais, especialmente dos portadores de deficiência, uma vez que proporciona desenvolvimento afetivo, melhora da autoestima e da autoconfiança, além de possibilitar a inserção no esporte competitivo. 


Radar Por Alexandre Garcia

ALEXANDRE GARCIA Jornalista, apresentador, comentarista de telejornais, colunista político e conferencista brasileiro. Atuou no Jornal do Brasil, no Fantástico e na extinta TV Manchete. Atualmente é comentarista político na Rede Globo de Televisão.

Joia da coroa O último Ministro do Exército e ex-comandante da Força Terrestre, General Gleuber Vieira, hoje na reserva, me disse outro dia que o Ensino é a joia da coroa do Exército

D

eduzo que graças a esse ensino que dá conhecimento e formação, a Instituição não se afeta pelas turbulências políticas e sociais do país, e muito menos pela decadência moral que nos destrói. Um ensino sempre atualizado, moderno e firme, com princípios e disciplina - que, aliás, é condição para êxito em qualquer atividade humana. Esse espírito está presente, entre outros e além dos quartéis, nos colégios militares, na preparatória de Campinas, na Academia Militar das Agulhas Negras, nos institutos como o Militar de Engenharia, o CEP (Centro de Estudos de Pessoal), as escolas de sargentos, a de Saúde, a de Administração, a de Aperfeiçoamento de Oficiais, a de Comando e Estado-maior, a Escola Superior de Guerra. Outro dia visitei a AMAN e fiquei encantado. Escolas de ponta e de excelência na formação. Basta ver os resultados das avaliações em escolas públicas; os jovens dos colégios militares estão sempre à frente. O mérito está presente sempre. Quem chega ao topo da carreira é porque é muito bom. Isso se passa no mesmo Brasil que tem escolas públicas quase abandonadas, desde a municipal do ensino básico até a universidade federal - e a droga presente em todo currículo, tão atuante quanto a militância política-partidária docente. Os resultados, em geral, são sofríveis e medíocres. Pesquisa

10 Revista Energia

recente do Movimento Todos pela Educação, entre o ensino médio, com jovens de 15 a 19 anos, mostrou que a maior preocupação dos alunos não é estudar, como se espera, mas com segurança: 85,2% dos entrevistados responderam que a aspiração deles na escola é ter segurança. Com 81,3% das respostas, outro atributo relevante na escola é ter professores sempre presentes. Segurança e professor presente é algo óbvio e uma necessidade inexistente no ensino militar brasileiro. Ou na escola pública do Uruguai, do Chile, de Portugal, só para citar alguns próximos na geografia e na cultura. A diferença acontece no mesmo país, com o mesmo povo brasileiro. Por que não é possível que o ensino público civil tenha as mesmas características do ensino público militar? Falta de vontade? Falta de percepção, preguiça, ou intuito deliberado de não combater a ignorância para convencer mais facilmente o eleitor? Se o ensino fosse a joia da coroa do Brasil, seríamos um país com o mesmo cerne da instituição militar, a mesma força moral. O índice de confiança da Fundação Getúlio Vargas aponta as Forças Armadas em primeiro lugar. Será por quê? A resposta é: o Ensino que as forma. 

“Quem chega ao topo da carreira é porque é muito bom“


Revista Energia 11


12 Revista Energia


nisso

Pense

Por Professor Luiz Marins

LUIZ MARINS Antropólogo e escritor. Tem 26 livros publicados e seus programas de televisão estão entre os líderes de audiência em sua categoria. Veja mais em www.marins.com.br

Como lidar com pessoas grosseiras? A pergunta acima me foi enviada por uma telespectadora de meus programas de televisão

S

egundo ela, as pessoas perderam a noção e o conceito de polidez e educação no ambiente de trabalho: “As pessoas são grosseiras em tudo”, afirma. “São grosseiras no falar, no comer, no sentar, na forma de responder, no reclamar”, continua a telespectadora. E ela não foi a primeira a me fazer o mesmo comentário. O que fazer? A falta de educação e de polidez está tornando difícil ou quase impossível o convívio entre chefes e subordinados, entre colegas de trabalho, entre colaboradores, clientes e fornecedores. A verdade é uma só: ou fazemos um pacto de civilidade em nossas empresas e organizações, ou a guerra surda ou declarada só irá piorar. E dentro desse pacto as empresas e organizações precisam, com urgência, realizar treinamentos de civilidade e boas maneiras para seus colaboradores. Conheço empresas que têm vergonha de fazer esse tipo de treinamento, acreditando que possa ofender os colaboradores. Puro engano! As pessoas hoje precisam e querem aprender o que seus pais e a escola não ensinaram. A forma de discutir boas maneiras tem que ser bem cuidada para que o tema não vire gozação ou afetação exagerada, nem constranger as pessoas. Podem ser utilizados vídeos, trechos de filmes, exercícios, tudo de forma leve e descontraída, explicando-se o conceito de civilidade, de dignidade e sua importância para o convívio saudável entre as pessoas, principalmente no ambiente de trabalho, onde não escolhemos as pessoas com quem convivemos. Pessoas “grosseiras” como descreveu a telespectadora, nem sempre têm culpa de sua grosseria. A maioria delas não recebeu uma educação civilizada. Há pessoas a quem nunca foi ensinado sequer como pegar num garfo e faca, como se comportar

numa reunião social ou num ambiente de trabalho, e menos ainda como falar sem ofender. Ou mesmo a consciência de que seus direitos terminam onde começam os direitos das outras pessoas. É preciso fazer a caridade de ensiná-las. Muitos me dirão ser um absurdo que a empresa tenha que educar para a civilidade o que deveria ser uma atribuição da família e da escola. Concordo! Mas se quisermos ter sucesso e paz em nossas empresas e organizações, vamos ter que enfrentar mais esta!  Pense nisso. Sucesso!

“As pessoas hoje precisam e querem aprender o que seus pais e a escola não ensinaram”

Revista Energia 13


Medicina

Dra Ana Marta C. Atique Piovesana Alergista e imunologista (USP-SP e USP-Ribeirão Preto) alergoanamarta@gmail.com

As emoções e as alergias Frequentemente nos esquecemos de que o corpo e a mente são partes integrantes do ser humano, e talvez isso aconteça por se manifestarem em nosso organismo de modos muito diferentes

A

s alergias são respostas imunológicas causadas por vários fatores e talvez de uma forma muito mais constante, o emocional. Mas, o que é a alergia? É uma resposta exagerada do nosso sistema imunológico diante de alguma substância que o organismo reconhece como estranha. Por exemplo, um pelo de animal com o qual temos contato, a exposição à poluição, os produtos químicos, alimentos ou remédios que, mesmo que tenhamos um contato frequente, nosso corpo entende que naquele momento, perante vários acontecimentos internos ou externos, a situação de estresse pela qual você passou despertou o imunológico e então tudo passou a ser uma resposta exagerada para seu organismo. Aí entra o aspecto emocional, uma vez que ele atua como um GATILHO para as diversas reações, mas não simplesmente como a CAUSA. Você conhece uma pessoa que fica roxa de raiva? Ou uma pessoa que começa a se coçar ou a transpirar de nervoso? Aí entra o “estou com os nervos à flor da pele”. Outra manifestação é a própria asma brônquica, que é talvez a doença mais relacionada com a ansiedade e depressão. Essa relação acontece porque o estresse emocional gerado pela crise de falta de ar pode piorar os sintomas da doença, gerando mais ansiedade e assim tornando-se um ciclo vicioso. Dessa forma, vemos que as doenças alérgicas são causas im-

14 Revista Energia

portantes de afastamento nas escolas ou faltas no trabalho, porque às vezes acometem o corpo todo com inchaços, coceiras inconvenientes em locais inconvenientes, vergões que aparecem desde a face até os pés, tosse que não cessa ou até mesmo levando a internações constantes. A convivência social torna-se muito complicada. O alérgico é conhecido como “cheio de frescuras”, e aí se estabelece um novo ciclo vicioso, gerando um comportamento de ansiedade que pode interferir na evolução e até mesmo no resultado final do tratamento. Assim, logo se manifestem as alergias, o médico alergista deve ser consultado. Ele irá melhor diagnosticar, iniciar o tratamento adequado e ainda investigá-lo por inteiro para saber sobre seus problemas mais profundos! 

“As doenças alérgicas são causas importantes de afastamento nas escolas ou faltas no trabalho“


Revista Energia 15


Gente Fina

Braz Guelfi “Não somos ricos pelo que temos, e sim pelo que não precisamos ter” (Immanuel Kant) Texto Heloiza Helena C Zanzotti

16 Revista Energia


Revista Energia 17


N

a frase do filósofo prussiano encontro a inspiração para descrever minha entrevista com o Gente Fina desta edição. Provavelmente porque, nascido em uma modesta família de artesãos, Kant tinha profunda sabedoria acerca do mundo e da alma humana. Sabedoria que percebi na simplicidade do jauense Braz Guelfi, 78, sorveteiro, nascido e criado na fazenda João Ferraz, pertencente ao município de Jaú. Ali ele morou até os 26 anos, trabalhando nas lavouras de cana e café. Estudou até o terceiro ano, em uma escola rural na própria fazenda, e ali também casou-se com a Deise Aureliano Guelfi, 70. Como foi sua adolescência morando na fazenda? Foi muito boa. Naquela época tinha baile todo fim de semana, tinha festa, jogo de bola. Aos sábados e domingos nos divertíamos jogando futebol e indo a bailes. Cada fazenda tinha um time de futebol, as fazendas tinham muitas famílias. Quando chegava o fim de semana jogávamos contra os times das outras fazendas. A gente ia de carreta, era aquela festa, jogávamos, bebíamos pinga, voltávamos bêbados e no outro dia estávamos firmes no serviço. Depois que vim para a cidade parei de jogar, mas gosto de futebol, vou aos jogos do XV. Também fez parte de uma dupla sertaneja? Quando eu era solteiro cantava no rádio. A dupla chamava-se Mário e Seresteiro, o Mário era o meu parceiro. Cantei por muito tempo, ficamos seis anos juntos. Paramos porque ele era de Piracicaba e foi embora, então acabei não arrumando outro parceiro. Eu também tocava violão, mas agora esqueci tudo (risos). Conheceu sua esposa nessa época? Ela morava na mesma fazenda, tinha em torno de trinta casas lá. Namoramos apenas três meses e nos casamos porque ela mudou-se para outra fazenda, daí ficou difícil de eu ir lá. Um dia fui vê-la e falei para ela que se quisesse ir embora eu a levava, porque ali não dava para eu voltar mais. Ela concordou, foi embora comigo e estamos juntos até hoje. Tivemos quatro filhos: a Márcia, o Valdir, a Rejane e o Rafael. Quando resolveu vir para a cidade? Eu estava com 26 anos e nasceu a primeira filha, ainda na roça. Depois que ela nasceu viemos morar aqui. Naquele tempo tinha a Camargo Corrêa, que era uma firma grande, eu tinha um parente que trabalhava lá e arrumou um serviço para mim. Fiquei lá 14 anos e foi muito bom. A casa onde moro hoje era do meu falecido avô, viemos pagar aluguel aqui. Depois meu pai comprou, eu comprei dele e estou aqui até hoje. Desde que viemos para a cidade estamos na mesma casa. Como a máquina de sorvete entrou na sua vida? Faz 50 anos que eu faço sorvete. Antes de fazer sorvete, eu tinha um terreno vizinho onde plantava verduras, fiz isso muitos anos. Um dia eu fui ao centro da cidade e vi um homem vendendo sorvete com a máquina, fiquei olhando bem e falei: “Vou comprar uma máquina desta também”. Comprei a máquina, mas naquele tempo a cidade não era grande como é hoje. Eu fazia sorvete na sala de casa e a turma ia lá dentro tomar sorvete. Depois puxei a máquina para fora. Eu trabalhava também, chegava por volta das 17 horas e ia fazer sorvete. Depois da Camargo fui trabalhar como funcionário público na Estação Experimental, que era do governo. Trabalhei 28 anos ali e depois do serviço também ia fazer sorvete. Agora faz dez anos que aposentei e só faço sorvete.

18 Revista Energia

Como seu sorvete ficou famoso? Ficou famoso porque eu capricho muito, invento novos sabores, isso foi aumentando a minha freguesia. Coloco a máquina às 14h e recolho às 22h todos os dias, inclusive aos sábados e domingos. Vem muito freguês de fora aqui, de Bauru, Barra Bonita, de todo lugar. Passam aqui para tomar sorvete e me conhecer. E qual é o segredo do seu sorvete? O segredo é muito jeito, muita vontade de fazer, é caprichar. É um dom da gente. Sabe quando você nasce para alguma coisa? Eu nasci para isso. Eu gosto de fazer sorvete, gosto de caprichar, gosto de fazer as coisas bem feitas. Todos que vêm aqui falam que não tem sorvete igual. O segredo é o amor e o jeito de fazer. E conhecer muito, conhecer a máquina e muitas outras coisas. Não é só fazer não. Eu preparo lá dentro e o que você prepara lá sai aqui. Se preparar mal lá dentro, sai mal aqui. Não é para qualquer um. Quem tem a intenção de colocar uma máquina dessa aqui precisa de muito jeito, porque é complicado. Muita inteligência, vontade, porque senão não dá certo. Tem uma filha que abraçou sua profissão? Sim. Dos meus filhos, um trabalha com calçado; o outro em Ribeirão Preto, em uma loja de departamentos; uma filha é professora da prefeitura e a outra vende sorvete também. Ela vende na Rua Quintino Bocaiuva, tem uma máquina e aprendeu comigo. Se um dia eu parar ela continua. Quais suas lembranças mais felizes? Para falar a verdade é todo dia. Até hoje sempre fui feliz. O que você acha que é a felicidade? A felicidade eu acho que vem da cabeça da pessoa. Você é quem faz a felicidade. Você procura andar certinho para não ter problema, pagar as contas direito. A felicidade é isso. Quero contar uma coisa... Quando eu era moleque e morava na fazenda, naquele tempo soltavam muito balão e nós ficávamos correndo atrás para pegar, só que eu não conseguia pegar nenhum. Quando eu chegava num balão que caía, já tinha uns dez, doze pegando e eu ficava só olhando. Corria atrás de outro, já tinha mais dez, doze. E eu pensava: “Meu Deus, será que eu não pego nenhum balão?” Daí eu rezei e pedi para Deus, então veio um balão bem do alto, eu corri, corri, e ele desceu justo onde eu estava e não tinha ninguém ali. Assim que eu peguei o balão já rodeou de gente, mas eu já estava com ele. Quem pegava era dono do balão. Então podemos dizer que tudo o que você pede para Deus você consegue? Sim, tudo que eu peço eu consigo. Eu tenho fé em Deus. Trabalhei 14 anos na Camargo e às vezes você saber as coisas demais prejudica. Eu sabia algumas coisas de outras pessoas e com medo de que eu falasse fui mandado embora. Sem ter uma falta, nem nada. Aí fiquei sem emprego, só vendendo sorvete. Eu sempre sonhei em trabalhar na Estação Experimental porque eu vim da roça e lá é um tipo de roça. Após ter sido mandado embora da Camargo, fiquei sabendo que iam contratar três para a Estação Experimental, então fui imediatamente à casa de um parente que era chefe lá, e já tinham contratado dois, só tinha uma vaga e fiquei com ela. Foram 28 anos trabalhando na Estação Experimental.


Fale um pouco sobre sua fé. Eu sou católico, todo domingo vou à igreja. Posso contar um milagre que recebi para você? Porque às vezes você fala de religião e a pessoa não acredita. Eu tenho esse filho mais novo que tinha bronquite asmática, ele tinha 8 anos. Fomos ao médico, ele examinou e disse que não tinha cura. Mudava o tempo e meu filho ia para o hospital, ficava 15 dias lá. Fizemos simpatias, mas não deu em nada. Então passei na Igreja Matriz, onde tem uma Nossa Senhora ao fundo, e pedi para ela de coração. A partir desse dia e até hoje nunca mais ele teve nada. Eu agradeço a ela, oro todos os dias e fui a Aparecida uma vez. Tem o caso de um garotinho também... É uma coisa importante que aconteceu na minha vida. Um dia eu estava fazendo sorvete e chegou uma mulher com um menino de 5 anos que começou a cantar parabéns. Acontece que nesse dia eu estava fazendo aniversário. Ele cantava alto e eu só reparando. Pensei que a mãe dele sabia que eu estava fazendo aniversário e havia falado para ele cantar. A hora que eu terminei de fazer o sorvete, perguntei para quem ele estava cantando parabéns e a mãe disse que não sabia, que devia ser para os litros da máquina de sorvete. Aquilo me arrepiou até os pelos dos braços. Já teve que atender alguém fora de hora? Uma vez apareceu um homem com um menino à meia noite, a criança queria sorvete. O menino estava com febre e não dormia. Eu fiz o sorvete e acabou a febre do menino. Teve também uma mulher grávida que falou que fazia uma semana que estava com vontade tomar o sorvete e já era bem tarde da noite, mas eu puxei a máquina e fiz o sorvete para ela.

“A felicidade eu acho que vem da cabeça da pessoa. Você é quem faz a felicidade” O que você faz para se divertir? Viajo muito pouco, trabalho a semana toda, então, não saio muito. Graças a Deus eu como bem, tudo o que eu tenho vontade eu como. E eu preciso trabalhar para ajudar meus filhos, meus netos, que são cinco. E tem outra coisa, se eu ficar parado dois dias já não me sinto bem. E o que pensa sobre a juventude de hoje? Penso que vai indo mal e está piorando. Cada vez mais esse negócio de droga está dominando, aumentando. O jovem não sabe se defender, não tem aquela inteligência de dizer “não, não quero isso aí”. Hoje é muito diferente, no meu tempo de juventude a gente se divertia e hoje é só computador, televisão, muitos nem trabalham. Eu nem sei nem como funciona um celular. E não me faz falta nenhuma. Deixe sua mensagem final. Todas as pessoas precisam ter fé, seja em qualquer religião. Fazer tudo correto. Não adianta rezar e fazer as coisas erradas, porque vai tudo por água abaixo. Tem que fazer as coisas certas para não se arrepender amanhã. Porque nossa cabeça é um gravador, tudo de bom e ruim fica gravado ali. 

Revista Energia 19


20 Revista Energia


22 Revista Energia

Foto: Internet

A forรงa estรก com elas

Sociedade


No século XVIII, período que abrangeu os anos de 1701 a 1800, a luta pelos direitos das mulheres começou a surgir Por Bárbara Milani

A

ntes, pessoas do sexo feminino eram vistas como seres inferiores aos homens e não possuíam o direito de expor opiniões e nem de ocupar cargos na sociedade. A sua função, naquela época, era servir ao sexo masculino. Após diversos protestos e anos de luta, atualmente a mulher tem uma condição de trabalho melhor. Entre todas as ações, surge o empoderamento feminino. Ao pé da letra, feminismo é uma doutrina que aprimora e amplia o papel e os direitos da mulher na sociedade, e empoderar é o ato de dar ou conceder poder a si próprio ou a outrem. RELEMBRANDO A HISTÓRIA Depois do surgimento do Iluminismo e da Revolução Francesa, que prezavam pela liberdade, igualdade e direitos, muitas mulheres começaram a produzir obras que defendiam a igualdade de direitos entre elas e os homens. Infelizmente, ainda existe quem visualize o sexo feminino como um ser humano “escravo”, que só pode servir ao homem. Os protestos e as greves em prol dos direitos das mulheres só se intensificaram após um incêndio que atingiu o prédio Asch Building em Nova York, em 1911, quando 129 mulheres morreram. O edifício não cumpria regras básicas de segurança e os últimos três andares do imóvel eram a sede de uma fábrica que comportava 240 máquinas de costura, cujas portas ficavam trancadas para que as funcionárias não roubassem nada.

cam o fortalecimento umas nas outras, e a partir disso trabalham no sentido de emancipação feminina”, ressalta Grasiela. Em seguida as mulheres conquistam o próprio desenvolvimento social, econômico e político. DIREITOS DA MULHER Segundo a advogada, professora universitária e diretora Nathália Mariah Mazzeo Issa Vieira, 31, a mulher tem todos os direitos fundamentais protegidos constitucionalmente. “São equiparados inclusive com respeito à condição feminina que, por vezes, demanda tratamento diferenciado”, ressalta. Esses tratamentos são, por exemplo, licença maternidade, intervalo antes de jornada extraordinária, aposentadoria com idade reduzida, estabilidade no emprego e poder familiar compartilhado entre o homem e a mulher. A feminista Simone de Beauvoir já dizia que “não se nasce mulher, torna-se mulher”, e Nathália acredita que a mulher não deve ter medo de lutar por si própria, após entender e reconhecer o seu papel e a sua importância no corpo social. “Isso é uma necessidade para o desenvolvimento de toda a sociedade, e os homens também ocupam um lugar muito ativo nessa tarefa”, afirma. Grasiela Lima

SOCIOLOGIA E EMPODERAMENTO A doutora em Sociologia e professora das Faculdades Integradas de Jaú, Grasiela Lima, 47, explica que o empoderamento da mulher assume um papel muito importante dentro das teorias feministas. “A partir daí, a Sociologia destaca em seus estudos o tema empoderamento/autonomia, tendo em vista uma perspectiva mais emancipadora para as mulheres, em especial as que se encontram em situações de vulnerabilidade social e violência”, afirma. Desde o momento em que a Sociologia aborda o empoderamento, há a criação de uma conscientização das mulheres. Em um primeiro momento a busca é individual, onde o ser do sexo feminino busca mudar a própria vida. “Ao mesmo tempo, as mulheres bus-

Revista Energia 23


CURSO LUTA PELO SEXO FEMININO Há 22 anos, o curso “Promotoras Legais Populares” já formou cinco mil promotoras com a proposta de estimular e criar condições para que as mulheres conheçam seus direitos, leis e mecanismos jurídicos que dão a elas condições práticas na sociedade. Formada no curso em 2015, Vanessa Mantovani Bedani, 37, ressalta que diariamente as mulheres têm a chance de dialogar entre si e com os homens, para fortalecer os direitos do sexo feminino e reconstruir as práticas sociais. “É mais do que urgente essa prática de luta e há diversos movimentos, organizações civis ou não que estão atuando, seja na proteção como na divulgação de nossos direitos e lutas”, explica Vanessa. O HOMEM EM DEFESA DA MULHER Partindo da concepção da advogada Nathália, de que o machismo só prevalece quando os homens e as mulheres se veem em lados opostos, o estudante de jornalismo Alan Tomaz de Andrade, 21, acredita que o papel do homem diante do empoderamento feminino é dar espaço para que as mulheres se organizem e descontruam a base machista em que foram criadas. “O machismo é um sistema de opressão, baseado em ódio e diversos privilégios que os homens têm contra as mulheres. Acredito que o simples fato de tentar descontruir esse sistema já é uma grande ajuda. A intenção não é fazer com que os homens tenham voz dentro do movimento, mas sim que descontruam seu machismo e façam o mesmo com os colegas”, ressalta.

“A mulher é livre para ser quem e o que quiser!” O escriturário de enfermagem do Hospital Amaral Carvalho e estudante de jornalismo João Antonio Ribeiro Neto, 23, acredita que empoderamento feminino seja a superação de estigmas e dogmas impostos pela sociedade. Segundo Neto, “a resistência contra uma sociedade machista é um dos movimentos mais indispensáveis e incessantes que vem demonstrando, ao longo do tempo, que as mulheres pertencem a um lugar muito específico: a revolução”.

24 Revista Energia

Alan Tomaz O escriturário tem amigas que fazem parte de coletivos e grupos muito importantes dos movimentos feministas. Apesar disso, Neto destaca que todo o conhecimento sobre o assunto aprendeu com a própria mãe: “Apesar de não ter esse envolvimento social, ela sempre me ajudou a enxergar o que vai além daquilo que faz parte do meu mundo”. COLETIVO FEMINISTA LABRYS Com o objetivo de explicar situações de machismo e assédio vivido diariamente por mulheres, alunos do quarto ano de Comunicação Social das Faculdades Integradas de Jaú resolveram criar o “Coletivo Feminista Labrys”. Formado por 33 garotas, o grupo se reúne na própria faculdade para discutir os assuntos relacionados ao empoderamento feminino, relação da mulher e o mercado de trabalho, além de assédios sofridos por alunas dentro da área acadêmica. Para Danielly Resaffe, 28, fundadora do “Coletivo Feminista Labrys”, os encontros dentro da faculdade são importantes porque a maioria das pessoas está em fase de amadurecimento e crescimento intelectual. “As garotas são chamadas carinhosamente de amazonas. Das 33 que compõem o grupo, 8 são de fora da faculdade Vanessa Mantovani Bedani

Imagem: Arquivo pessoal

Nathália Mariah M. I. Vieira


Imagem: Arquivo pessoal

Imagem: Arquivo pessoal João Antonio Ribeiro Neto e fazem parte de outros movimentos, o que forma um elo entre o nosso movimento e os externos”, ressalta. Com reuniões às quartas-feiras no horário do intervalo, o Coletivo Feminista Labrys pretende abrir um dia de conversa com a participação de homens. “O machismo é confortável e por vezes percebo que até mulheres têm atitudes machistas, e tudo isso por fazerem parte de uma sociedade que coloca a mulher em posição de inferioridade perante o homem. Por isso, acredito que eles devem fazer parte do movimento porque, infelizmente, a maioria é produto da sociedade machista”, finaliza. “NINGUÉM NASCE MACHISTA, MAS TORNA-SE” Uma das participantes do Coletivo Feminista Labrys, a estudante de jornalismo Neila Carolina Crespo, 34, conta que foi chamada pela fundadora Danielly para integrar o movimento e explicar o uso de manchetes machistas e estereotipadas das mulheres na mídia. “É um paradigma que precisa ser vencido, muitos jornais e sites renomados ainda tratam as mulheres como objetos. Esse molde se formou no início do jornalismo e isso precisa ser revisto urgente”, afirma. De acordo com a estudante, alguns termos da comunicação brasileira estão sendo modificados e adquirindo novo molde. “Um caso recente foi o da marca SKOL, que reviu suas publicidades antigas e partiu para comerciais empoderando a mulher, mostrando seu lado profissional como artista, educadora, entre outros”, finaliza.

Danielly Resaffe nada por um homem no Brasil, apenas por ser mulher. Por isso, o crime chama-se feminicídio. A lei foi sancionada em 2015 tornando o crime uma qualificadora do homicídio. De acordo com site especializado em feminicídio, em um período de dez anos (2001 a 2011), 50 mil homicídios foram causados por misoginia, quando o homem sente ódio da mulher por ela ser quem realmente é. Com esse dado, o Brasil torna-se o sétimo país que mais mata mulheres no mundo. Os números são chocantes, não? Infelizmente, a cultura brasileira do machismo se dá desde as nossas origens, quando negros da África foram trazidos para o Brasil para serem escravizados. A Lei Maria da Penha, criada em 2006 para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, faz com que as mulheres em situação de violência reflitam sobre sua realidade e as encoraja a denunciar os ataques que sofreram ou sofrem.  Você que conhece alguém que foi ou é vítima de violência contra a mulher, pode ajudar ligando para o 180. A Central de Atendimento à Mulher está disponível 24 horas todos os dias, e em todos os estados brasileiros.

Neila Carolina Crespo

BUSCA POR IGUALDADE No dado mais recente do Mapa da Violência sobre homicídios femininos publicados em 2015, o número de assassinatos de mulheres negras cresceu 54%. Infelizmente, as mulheres negras em geral ainda são vistas como seres inferiores aos homens. Com a grande luta do sexo feminino por seus direitos e igualdade, muitas mulheres se impõem a respeito de algo e, às vezes, essas atitudes terminam em tragédias pelo fato do homem não aceitar que a mulher pode se empoderar e assumir um papel dentro da sociedade atual. Com a ignorância de muitos, as agressões são válvulas de escape para os homens. Existem cinco tipos de violência contra a mulher: violência física, sexual, psicológica, patrimonial e moral. FEMINICÍDIO E LEI MARIA DA PENHA No âmbito da violência física, surge outro crime: o feminicídio. Imagine você, leitor, que a cada hora e meia uma mulher é assassiRevista Energia 25


Profissões

Medicina Veterinária

A Medicina Veterinária estuda, pesquisa, previne e trata doenças dos animais domésticos e silvestres Texto Heloiza Helena C Zanzotti

O

profissional desta área presta assistência clínica e cirúrgica, cuida da saúde, alimentação e reprodução dos animais, além de inspecionar a produção de alimentos de origem animal. Muitos estudantes confundem a medicina veterinária com a zootecnia, entretanto, o zootecnista tem conhecimentos focados na área de nutrição, melhoramento genético e administração.

O que você pode fazer A carreira oferece ao estudante ampla diversidade de atuação, como prestar atendimento clínico e cirúrgico a animais domésticos; desenvolver técnicas de aperfeiçoamento genético e reprodução; atuar em pesquisa de biotecnologias voltadas ao setor animal; acompanhar a produção e comercialização de rações, vacinas e medicamentos; prevenir e controlar doenças em propriedades rurais; atuar

na vigilância epidemiológica, sanitária e ambiental; estudar animais silvestres em cativeiro ou em seu habitat; entre muitos outros.

Mercado de Trabalho Como na maioria das profissões, o mercado de trabalho para os veterinários é escasso em alguns setores e saturado em outros. Sendo o Brasil o segundo maior mercado pet do mundo, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet), há boa procura pelo profissional, mas a concorrência é elevada. Geralmente, quem possui especialização costuma se destacar. O agronegócio é outra área aquecida, uma vez que o Brasil é o maior exportador de carne de frango e bovina, com oportunidades em empresas de medicamentos, centros de planejamento e consultoria em fazendas e frigoríficos.

Curso Com duração média de 5 anos, o estudante terá disciplinas como anatomia, microbiologia, genética, nutrição e produção animal, matemática e estatística, além de bioética. No último ano da graduação é obrigatório fazer estágio e um trabalho de conclusão de curso. Depois de formado, um programa de residência pode ser uma experiência valiosa.

Os melhores cursos Entre os cursos de Medicina Veterinária mais bem avaliados, três estão em instituições próximas a Jaú, como a UNESP (Universidade Estadual de São Paulo) em Botucatu, Jaboticabal e Araçatuba. Além destas, também a USP (São Paulo e Pirassununga), UnB (Brasília), UFMG (Belo Horizonte), UFV (Viçosa), UFG (Goiânia), Ufla (Lavras), UFRGS (Porto Alegre) e UFSM (Santa Maria) figuram entre as melhores. 

26 Revista Energia


Revista Energia 27


Capa

Safira

Semijoias Acessórios são fundamentais para compor qualquer look. São eles que dão o toque final a uma produção, marcando seu estilo e personalidade Por Safira semijoias Foto: nt/M

28 Revista Energia


Revista Energia 29


O

s acessórios são a chave de um guarda-roupa inteligente e conseguem dar uma cara diferente a qualquer peça de roupa. Um excelente colar, por exemplo, tem o poder de transformar aquela camisa branca básica em um look chique e descolado; e um maxi brinco brilhante com o cabelo preso em um coque dá um toque original e elegante ao clássico vestido preto. Dessa forma, os acessórios mudam o estilo de uma roupa e ajudam a transitar entre as diversas ocasiões, do dia à noite, do casual ao sofisticado. O acessório certo pode salvar um look. Sendo assim, na hora de comprar é essencial ficar atenta às opções, para fazer as melhores escolhas para sua coleção. SEMIJOIAS X BIJUTERIAS A principal diferença entre uma semijoia e uma bijuteria está na composição e na qualidade. Todas as semijoias recebem banho de materiais nobres como ouro e prata; algumas, dependendo do design, recebem a cravação de pedras preciosas – como zircônias – e são fundidas manualmente com o mesmo processo pelo qual é confeccionada uma peça de ouro; o resultado é uma peça mais resistente, com ótima durabilidade, acabamento refinado e antialérgico. Sendo assim, apresentam um excelente custo-benefício, pois ficam no meio termo entre a joia e a bijuteria, e são a escolha certa para quem deseja adquirir um acessório com aparência bem próxima à de uma joia. Ao contrário, as bijuterias são normalmente importadas da China, produzidas com metais menos resistentes; como não recebem banho de

30 Revista Energia

materiais nobres, são pintadas para aparentar a cor do ouro ou da prata, e normalmente usa-se plástico para assimilar uma pedra com cores que imitam as naturais. Por conta disso a durabilidade é muito pequena, e as peças ficam oxidadas rapidamente, resultando em pouco tempo de uso. Por não ter processos de qualidade, seu preço é bem inferior ao da semijóia. SAFIRA SEMIJOIAS Há 5 anos a Safira Semijoias está presente no comércio de Jaú com produtos de design e fabricação incomparáveis, e a qualidade indiscutível de quem fábrica há 25 anos peças exclusivas, com matéria prima de alto padrão. Com três lojas na cidade, sendo duas no centro e uma no Jaú Shopping, a empresa é líder no segmento em Jaú e região, com itens que atendem a todas as camadas sociais. CERTIFICADO DE GARANTIA DE QUALIDADE As semijoias comercializadas pela Safira são feitas com muita dedicação e carinho. Além do design moderno e diversificado, são produzidas com materiais de altíssima qualidade, com tecnologia avançada e sem causar danos ao meio ambiente. Submetidas ao banho em ouro 18k, são livres de níquel (que é o principal fator causador de reações alérgicas), possuem durabilidade surpreendente, motivo pelo qual são certificadas com DOIS ANOS DE GARANTIA. Já os itens em prata 925 e ouro 18k possuem GARANTIA PERMANENTE. Todo esse cuidado para que nossas peças, além de embelezar, deixem nossos clientes muito mais felizes e satisfeitos.


ALIANÇAS, OURO, PRATA Algumas datas especiais pedem artigos mais requintados, como em formaturas, dias das mães, dos namorados, casamentos, nascimentos, bodas de prata ou de ouro, entre outros. Para estes momentos a Safira possui uma linha de joias em ouro ou prata, além de lindas alianças para todos os estilos de noivos. Peças únicas, feitas sob encomenda ou disponíveis nas lojas, com detalhes que valorizam o visual e são ideais para presentear quem você mais ama. CARTÃO FIDELIDADE Na Safira semijoias o cliente sempre ganha. E para agradecer a preferência, a Safira criou o Cartão Fidelidade, sem prazo de validade. Com ele, além de adquirir produtos incríveis a preços justos, todas as compras geram pontos que poderão ser trocados por lindas semijoias. A cada 1 real o cliente ganha 1 ponto e quando completar 500 pontos ganha R$ 100,00 (cem reais) em semijoias à sua escolha. Viu como é fácil? ELES TAMBÉM VÃO ADORAR Acessórios já não são exclusividade das mulheres. Cada vez mais os homens procuram estes itens para completar um visual e passar a imagem de charme e elegância. Pensando neles, a Safira tem uma linha de relógios das melhores marcas como Orient, Lince, X Game, Technos, Mondaine e Speedo, todos com um ano de garantia; além de pulseiras, correntes e anéis com o banho em ouro, em prata 925, aço inox e em ouro 18 k (sob encomenda). São peças que certamente conferem personalidade e dão aquele toque a mais em qualquer ocasião. NA INTERNET Acompanhe a Safira semijoias pelas redes sociais e através do site www. safirasemijoias.com.br. Curta a página no Facebook e siga no Instagram. Você vai ver posts sobre tendências do mundo fashion e aprender a combinar os acessórios com os mais diversos estilos. São dicas de combinações que vão desde o look mais básico até os mais clássicos como festas de gala e grandes celebrações. A NOVA SAFIRA Nestes 5 anos em Jaú, a Safira semijoias firmou-se no mercado local oferecendo qualidade e um mix variado de produtos, acompanhando sempre as últimas tendências do mundo da moda. O crescimento da empresa reflete-se em consumidores fidelizados, que encontram peças lindas e de muito bom gosto para seu uso pessoal, além de presentes que agradam a todos os gostos e idades. A cada coleção a Safira surpreende com peças cuidadosamente confeccionadas, que transmitem requinte, elegância e sofisticação. Garantir a satisfação de seus clientes é a principal filosofia da empresa, que a todo momento inova, cria e reinventa a beleza. 

Jaú Shopping - Piso Superior Rua Major Prado, 390 Rua Lourenço Prado, 608-A Jaú/SP

Safira Semijoias safira_semijoias (14)

99779.3362

Revista Energia 31


Direção Segura Por Roberto Carlos Capelli

Férias escolares Durante as férias escolares, o máximo de cuidados com as crianças é necessário, seja em viagens ou mesmo nos passeios e brincadeiras do dia a dia

E

m especial nas viagens, cuidados com a manutenção do veículo e os equipamentos de segurança obrigatórios não podem ser esquecidos. Além destes, que são essenciais para um passeio tranquilo, é fundamental observar alguns fatores que garantem a segurança dos pequenos, como por exemplo, fazer com que utilizem corretamente itens como bebê conforto, cadeirinha e cinto de segurança, conforme o caso. De acordo com o art. 168 do Código de Trânsito Brasileiro, transportar crianças em veículo automotor sem observância das normas de segurança especiais estabelecidas é infração gravíssima, que gera multa e retenção do veículo até que a irregularidade seja sanada. É importante respeitar a capacidade máxima de pessoas do veículo e utilizar sempre o cinto de segurança Outros cuidados devem ser tomados, como não permitir que as crianças coloquem partes do corpo para fora dos veículos e nem joguem objetos pela janela do carro, o que pode ocasionar acidentes com os outros usuários das vias; além de ser infração de trânsito, é essencial para que o condutor do veículo não desvie sua atenção com conversas ou brincadeiras, o que pode causar sérios acidentes. Temos que levar em conta que em todo momento corremos riscos de acidentes de trânsito, e conhecer o local por onde estamos dirigindo não representa maior segurança, uma vez que dados estatísticos comprovam que a maioria dos acidentes de trânsito ocorre num raio de 20 km da residência do condutor, pois nesses locais o excesso de confiança acaba resultando em menos atenção e, consequentemente, mais condições de risco.

32 Revista Energia

Viajar à noite é outro comportamento que deve ser revisto. Além da questão de a visibilidade ser menor, dirigir durante a noite é mais cansativo e arriscado, pois aumentam as chances de assalto e, em caso de pane, o socorro é sempre mais lento. Fora do veículo, fique atento sempre que for atravessar ruas com crianças e adolescentes, pois elas se distraem facilmente com celulares e outros objetos que tiram a atenção. Manter a criança sempre longe do meio-fio e segurá-la pelo punho ao fazer a travessia das ruas, sempre em locais apropriados, respeitando a sinalização e com boa visibilidade é sempre mais seguro. Estudos comprovam que crianças não têm o mesmo campo de visão dos adultos, nem a noção exata de distância e velocidade. E atenção redobrada com brincadeiras próximo às vias como pega-pega ou soltar pipas, em especial essa última, que representa perigo para as crianças que correm olhando muitas vezes para o céu e esquecem de observar os movimentos de veículos. Outro fator que merece atenção com relação às pipas é o uso de cerol que representa grande perigo, em especial para os motociclistas, que muitas vezes são vitimados durante o percurso pelo uso desse tipo de linha que, além de irresponsabilidade, é crime.

“Respeite a sinalização, as leis de trânsito e tenha férias incríveis e tranquilas!”


Por Heloiza Helena C Zanzotti

U

m dos mais antigos e tradicionais bairros de Jaú desenvolveu-se às margens do Córrego da Figueira, com a chegada de muitas famílias de imigrantes que ali fixaram residência buscando tranquilidade e oportunidade. O bairro já foi conhecido também como Bairro do Sapo, devido à grande quantidade de sapos ali existentes pela proximidade com o córrego e minas d’água que havia no local. Por este motivo também surgiram inúmeras hortas, como conta Dejanira Mantovani, 68, aposentada, que mora no bairro há mais de 50 anos. “Lá embaixo não tinha ponte, corria o riozinho e tinha uma pinguelinha. Havia hortas ali de fora a fora, muitos viviam dessa renda. E

havia muitas flores também. Não existia floricultura, então, na época de finados ou quando tinha casamento, as flores eram compradas ali”. Dejanira lembra quando o bairro não era asfaltado, e as casas eram todas de madeira. “Não havia muros nas casas, apenas cercas também de madeira, mas não tinha perigo de assalto, as casas ficavam abertas, eram bem pouco protegidas e as famílias eram muito unidas”. Ela recorda que as crianças brincavam nas ruas, em total liberdade. “Havia a estação ferroviária; a padaria do Canhos; o armazém do Gabriel, que vendia secos e molhados. O senhor Vicente e a dona Irma Levorato tinham uma loja de enxoval e algumas roupas, todas as moças do bairro compravam enxoval deles”, conta. Quando o assunto é futebol, a comunidade tinha seus campeonatos, times, e até um Corinthians Jauense. Os olhos de Dejanira brilham quando fala sobre a igreja e as quermesses: “Existia a capelinha de Santo Antônio e o padre que vinha era o da São Benedito, padre Augusto Sani. Hoje está reformada, mas guarda as mesmas características. As quermesses eram maravilhosas, todo o pessoal da comunidade ajudava, tenho muita saudade dessa época”. Atualmente, quem responde pela igreja de Santo Antônio é o Padre Armando Rodolfo Valencise, que planeja a construção da Igreja Matriz de Santo Antônio, cuja pedra fundamental foi lançada em maio último. No bairro Santo Antônio também morou uma das figuras mais populares de Jaú, o Coriolando, que segundo relatos previa o falecimento das pessoas. Como Dejanira, muitos moradores viram o bairro crescer, modificar, mas ali continuam com suas famílias e lembranças. “Gostamos demais do bairro. É verdade que não há mais nenhum lugar tranquilo, mas morar aqui é muito bom” finaliza Dejanira. 

Revista Energia 33


Saúde Bucal

Por Maria Lúcia de Antonio Eleutério Madalena Cirurgiã Dentista/Ortodontia e Ortopedia Funcional dos Maxilares – CROSP 56.910 Membro Titular da Sociedade Brasileira de Toxina Botulínica e Implantes Faciais na Odontologia – SBTI - Pós-graduada em Odontologia do Sono

Relação entre a saúde bucal e as doenças do coração

É

Foi passar o fio dental e sua gengiva sangrou?

bom prestar muita atenção, pois o sangramento é o primeiro sinal de alerta. Ele pode indicar uma gengivite, inflamação da gengiva que compromete um ou mais dentes. A gengivite é causada pela placa bacteriana, também chamada de biofilme, uma fina película que adere à superfície dos dentes e deposita-se no sulco gengival, quando a higiene da boca não é realizada de forma adequada. No estágio inicial da doença, quando o osso e os tecidos responsáveis pela fixação dos dentes não foram afetados, os sintomas mais comuns são inchaço, vermelhidão ao redor do contorno dos dentes e sangramento espontâneo e/ou durante a escovação e uso do fio dental. Sem os cuidados necessários, a gengivite pode evoluir para a periodontite, uma forma mais grave da doença, que compromete todos os tecidos ao redor do dente (periodonto) que promovem sua sustentação, provoca reabsorção óssea, retração da gengiva e, consequentemente, mobilidade e até a perda dos dentes. Nesses casos, a inflamação da gengiva progride e determinadas substâncias presentes na saliva fixam-se na placa bacteriana intensificando o processo inflamatório e criando condições favoráveis para a formação da bolsa periodontal, que afasta a gengiva dos dentes, favorece a contaminação por bactérias e o desenvolvimento de tártaro (cálculo gengival). Essa inflamação também oferece riscos ao coração. Mas, o que uma escova de dente pode fazer pela saúde do seu coração? Muito.

34 Revista Energia

Estudos mostram que muitos doentes cardíacos têm um problema em comum: a periodontite. As bactérias instaladas nas bolsas periodontais podem disseminar-se na corrente sanguínea, alojando-se nas válvulas cardíacas causando a endocardite bacteriana, uma infecção do tecido interno do coração. Outra possibilidade é a inflamação da gengiva produzir substâncias que ativam a destruição do tecido e estimulam a formação de placas de gordura nas coronárias. Além disso, a inflamação diminui o calibre dos vasos e reduz o fluxo sanguíneo. Esses fatores podem causar doenças coronárias e levar a um maior risco de infarto! Portanto, cuidar bem da saúde bucal diminui o risco de doença cardiovascular. A escovação adequada dos dentes e o uso do fio dental, especialmente depois das refeições e antes de deitar, assim como passar por uma avaliação odontológica duas vezes por ano, evitar o consumo de açúcar e não fumar são medidas essenciais para prevenir a gengivite, a periodontite e suas complicações. Tão simples e barato, um belo sorriso ajuda também o nosso coração a bater melhor. 

“Cuidar bem da saúde bucal diminui o risco de doença

Rua Dr. Joaquim Gomes dos Reis, 436 - Jaú/SP Fone: 14

cardiovascular”

3621.2847


Revista Energia 35


Quando o assunto é qualidade a Toyota é imbatível, e vem conquistando mais e mais clientes com seus veículos perfeitos. Quem compra um Toyota dificilmente troca de marca.

Consórcio Mori Motors

A melhor opção para adquirir seu Toyota sem juros, entrada ou taxa de adesão. Contemplações mensais por lance ou sorteio, e você também pode utilizar sua carta de crédito na compra de qualquer veículo da marca. A Mori Motors possui, atualmente, uma carteira com 2500 consorciados ativos, o que demonstra a grande credibilidade da empresa.

Corolla 2017/18

Bonito, seguro e muito confortável, o novo Corolla é líder absoluto de emplacamento entre os sedãs da categoria. Melhor valor de revenda e maior índice de satisfação pós-venda no mundo.

Novo Etios Cross

Interessante, aventureiro, completo. O novo Etios Cross surpreende pela qualidade e economia de combustível. Perfeito para quem procura agilidade e segurança com muito conforto. Toda a linha Etios com taxa zero!

Pós-venda

O melhor pós-venda de Jaú e região estará na Mori Motors em poucos dias, garantindo que você tenha a melhor experiência possível ao adquirir um Toyota. E com inauguração prevista para o final do ano, as novas instalações da Mori Motors estão sendo preparadas com o maior cuidado, para atender seus clientes com o conforto que eles merecem.


Consultoria

Por Paulo Sérgio de Almeida Gonçalves consultoria@revistaenergiafm.com.br

Paulo Sérgio de Almeida Gonçalves é administrador, contador, consultor, palestrante e professor universitário com MBA pela FGV – RJ em Gestão Estratégica de Pessoas; presidente  da AESC – Associação dos Escritórios e Profissionais da Contabilidade de Jaú e região - gestão 2004/2005; atualmente  diretor da AESC Jaú; proprietário do DinamCorp Corporação Empresarial e Contábil; proprietário da Prosol Unidade Jaú e consultor e orientador em desenvolvimento de softwares Prosol – São Carlos

Ser diferente é pensar diferente Nos últimos anos temos assistido a uma crise sem igual para nós, brasileiros; nunca vimos a imagem do inferno com tanta nitidez e frequência na mídia brasileira, apontando corruptos e péssimos administradores do nosso dinheiro

T

udo isso nos causa várias sensações: ânsia, indignação, frustração, impotência, entre outros sentimentos que, às vezes, nos dá a impressão de que no fundo ser honesto é o mesmo que ser otário. Mas, opa, calma lá! Não tenho dúvidas que isso será para o bem do Brasil; durante anos e anos fomos passíveis e, em certos momentos, coniventes com o que ouvimos e assistimos. Alguns de nós até falamos frases que soam inocentes, mas que nos trouxeram até aqui, tipo: “Ele rouba, mas faz”, ou “Fazer o quê, não temos outra escolha mesmo, qualquer um que entrar vai roubar”. Trocando em miúdos, a corrupção foi aceita como coisa natural, demos o aval para o que temos hoje e já pagamos muito caro por isso. Agora, reflita: Na sua empresa você tem um colaborador que pega dinheiro do caixa e põe no próprio bolso? Você, por acaso diz: “Ele rouba, mas faz?”. Na sua casa, fica sabendo por fontes seguras que seu filho está tendo contato com traficantes. Você diz: “Ah, fazer o quê, não tenho outra escolha mesmo?”. Claro que não! E por que aceitamos o que fazem com o Brasil? Ouço muitas vezes empresários e pessoas indignadas, reclamando do imposto que pagam e dizendo: “Tem que sonegar mesmo!”. Aí eu pergunto: “Vai continuar nessa roda até quando mesmo?”. Você tem uma empresa de materiais de construção e ordena para os empregados que, ao fazerem a entrega do pedido de 1000 tijolos, entregar apenas 100 a menos para cada cliente. Já parou para refletir que acabou de abrir a porteira? Um grupo de jovens entra em seu bar ou lanchonete e, após a sex-

ta cerveja, você manda marcar uma ou outra a mais no pedido deles, afinal, estarão de fogo mesmo no momento de pagar a conta. E aí, está esperando qual atitude futura dos seus empregados? Algumas empresas deixam de demitir maus empregados no momento certo, por receio de saberem demais sobre atos não muito louváveis que ocorreram dentro dela. Você tem dúvidas de que isso virará notícia na rádio peão e que todos ficarão sabendo? Percebe que o mal só nos leva ao mal? E que se não consertar dentro da cabeça e da cultura, estaremos contaminando todo o resto, o que não nos dá o direito de reclamar depois. Por acaso, lembrei-me de trechos de um texto de Elisa Lucinda “Só de sacanagem”, lido pela cantora Ana Carolina e que lhe convido a assistir no YouTube: “Quantas vezes minha esperança será posta à prova? ... A luz é simples, regada ao conselho simples de meu pai, minha mãe, minha avó e os justos que os precederam: - Não roubarás! - Devolva o lápis do coleguinha! - Esse apontador não é seu, minha filha ... Pois bem, se mexeram comigo, com a velha e fiel fé do meu povo sofrido, então agora eu vou sacanear: mais honesta ainda eu vou ficar. Só de sacanagem! ... Dirão: É inútil, todo o mundo aqui é corrupto, desde o primeiro homem que veio de Portugal. Eu direi: Não admito, minha esperança é imortal. Eu repito, ouviram? Imortal! Sei que não dá para mudar o começo, mas, se a gente quiser, vai dar para mudar o final!”. O exemplo vem de cima, portanto, se deseja que sua equipe seja diferenciada e represente sua marca com dignidade, respeito, comprometimento e gere resultados, seja o espelho dos seus desejos. 

Revista Energia 37


Bem-estar


essa moda já pegou Malhar apenas para ter o corpo sarado faz parte do passado. As pessoas hoje buscam, além da forma física, qualidade de vida e equilíbrio emocional

Texto Heloiza Helena C Zanzotti

V

ocê, muito provavelmente, já ouviu o termo fitness em conversas sobre academias e atividades físicas. Traduzida do inglês, a palavra significa “boa forma física”, e foca realmente no condicionamento físico do indivíduo. Em meados de 1930 surgiram no Brasil as primeiras academias, que ofereciam basicamente ginástica, lutas e halterofilismo ou culturismo. A partir dos anos 50 as academias começaram a se expandir pelo país, ainda focadas nas práticas corporais, no entanto, os principais locais onde se praticavam atividades físicas eram nos clubes esportivos e nas escolas. O CINEMA IMPULSIONOU Mais tarde, no início da década de 80, tiveram início as competições de fisiculturismo e surgiram filmes que embalaram o sucesso das academias de musculação, principalmente com os atores

Arnold Schwarzenegger e Sylvester Stallone. Os homens eram, portanto, maioria absoluta neste universo. De meados dos anos 80 até o início dos 90, divulgada pela atriz Jane Fonda ao lançar o primeiro vídeo da série Workout, a ginástica aeróbica ganhou força levando o público feminino às academias, que rapidamente se adaptaram à nova realidade. Os profissionais procuraram maior qualificação e aumentaram as instituições de formação em educação física; empresas se voltaram para a produção de aparelhos específicos e surgiram novas tecnologias. REINVENTAR É PRECISO No final dos anos 90 chega ao Brasil a Body Systems, com aulas prontas, pré-coreografadas, trazendo mudanças no setor com uma grande diversificação das modalidades. A demanda por este tipo de serviço cresceu e academias começaram a surgir por todos os cantos.

Revista Energia 39

Foto: Internet

Welness:


“A promoção da integração entre mente e corpo promove bemestar, de modo que a vida fluirá positivamente em muitos aspectos” Também ganhou atenção a relação entre a prática da atividade física e a saúde, provocando transformações significativas como investimento em qualidade e foco em resultado. Assim, com o passar do tempo as academias passaram a perceber as necessidades individuais, e ampliar seu campo de atuação. WELLNESS: QUALIDADE DE VIDA A palavra wellness (do inglês, significa bem-estar) já faz parte do cotidiano das melhores academias. Impulsionadas pelo crescente número de pessoas que procura melhor qualidade de vida e saúde, elas estão se tornando espaços onde seus clientes podem relaxar, adquirir conhecimento, receber orientações sobre alimentação e também exercitar-se. Nas academias que adotam o wellness o condicionamento físico não deixa de ser importante, mas não é o foco principal, ele faz parte do processo que alia malhação a técnicas que melhoram o estado mental. UMA GAMA DE OPÇÕES Há poucos anos, o método Pilates começou a se tornar popular. A técnica integra corpo e mente, e é considerada uma das melhores opções para a melhora na respiração, diminuição do stress e equilíbrio corporal. Além do Pilates, atividades como Yoga, dança, shiatsu (terapia corporal que utiliza pressões com os dedos ao longo do corpo) e até meditação, além de lanchonetes com comidas balanceadas e supervisão de nutricionista. INTEGRAÇÃO ENTRE MENTE E CORPO Com relação à meditação, o Prof. Ricardo Rodrigues, 53, filósofo, teólogo e instrutor de Práticas Meditativas, esclarece: “A promoção da integração entre mente e corpo, obtida através da prática do autoconhecimento, promove bem-estar, de modo que a vida fluirá positivamente em muitos aspectos”. Segundo ele, A meditação é um veículo que nos proporciona autodescoberta e não pode ser confundida com crença. “Ela é uma forma de autoconhecimento. Ela não dá algo que não temos. É uma exploração que nos diz como somos”, afirma. Através do welness, mais que ganhar massa muscular ou emagrecer, as pessoas procuram adquirir equilíbrio emocional. Como explica o instrutor, “O autoconhecimento praticado e obtido naturalmente irá nos conduzir a sentimentos de liberdade e paz, em vontade de viver, desenvolvimento da solidariedade e em saúde, aumentando a autoestima, ajudando-nos na diminuição do estres-

40 Revista Energia

se, da ansiedade, dos sentimentos de perda, solidão, dor, frustação, raiva, desespero e até mesmo medo da morte, como têm comprovado as pesquisas nos últimos anos”. WELNESS E FITNESS O conceito do welness não significa que o fitness perdeu espaço, ao contrário, ambos se complementam na busca por qualidade de vida, afinal, a prática de exercícios físicos é fundamental para prevenir doenças e manter a saúde do corpo. Dessa forma, os resultados são inegavelmente melhores, assegurando condicionamento físico, saúde e bem-estar. Não é à toa que muitas academias estão revendo e ampliando seus negócios, especialmente com ganho de clientes, pois conseguem atingir além do público mais jovem, homens e mulheres com idades mais avançadas e que buscam outros fatores além da estética. UM MERCADO PROMISSOR Em algumas cidades de grande porte, as academias já enxergaram essa necessidade atual e investiram pesado em locais onde os clientes encontram praticamente tudo do mundo fitness e welness, com todo conforto e até certo luxo. São equipamentos de última geração como telas de LED e touch screen nas esteiras, espaços kids com monitores, programas específicos para gestantes e pessoas com doenças crônicas, atividades circenses, massagem e até área específica para maquiagem, com diversos produtos de beleza à disposição das mulheres. As mensalidades são altas, mas não faltam alunos dispostos a investir na saúde e no bem-estar. 


Revista Energia 41


42 Revista Energia


Revista Energia 43


Look de artista

Fotos: Daniel Jorjin Modelo: Jessika Del Cassale Looks: Vestylle Megastore Cabelo: Jorgin Cabelo e EstĂŠtica Local: Zona rural de JaĂş/SP 44 Revista Energia


Tel: 14 3622 8364 Av. Frederico Ozanan 770 - JaĂş/SP

Revista Energia 45


46 Revista Energia


Comportamento Por Lilian Pellizzon Ribeiro / lilian@1234voce.com.br Treinadora do Instituto Você/Master Practitioner em PNL Life and Executive Coach

A beleza da diversidade humana Obtenha resultados incríveis respeitando e entendendo que cada um tem o seu VALOR!

E

nquanto escrevo este artigo, faço uma profunda reflexão quanto aos nossos comportamentos e sobre como preferimos perceber o mundo! Você já parou para pensar na diversidade de reações de pessoas diferentes, mesmo que tenham vivenciado a mesma situação, ou recebido a mesma informação? Já refletiu sobre como alguns de seus comportamentos e preferências influenciam seus resultados? Nós somos naturalmente diferentes! Cada um de nós talvez venhamos de famílias diferentes, bairros diferentes, cidades diferentes! Estudamos em escolas diferentes! Até mesmo irmãos, criados pelos mesmos pais, na mesma casa, frequentando os mesmos lugares, tendem a ser diferentes. Cada um, único! Um talvez seja mais reservado, enquanto o outro, mais expansivo! Quantas vezes você talvez tenha questionado o comportamento de alguém? E quantas vezes teve seu jeito de pensar e agir julgado por alguém? Pense por alguns segundos como seria se todas as pessoas do mundo fossem exatamente iguais. Provavelmente, a humanidade não teria chegado aonde chegou, no que tange à tecnologia, saúde, entre outros aspectos, não é mesmo? Fazendo a mesma reflexão, pense agora em sua empresa e nos talentos de cada ser único que desempenha funções dentro do seu sistema! Como seria se todas as pessoas tivessem o mesmo perfil? Você, líder, como se relaciona com seus liderados? Indo agora para a

sua casa. Quantos desentendimentos poderiam ser evitados se você entendesse melhor como você e o outro funcionam, as características positivas, os pontos de melhoria e a maneira de pensar? Fazendo uma profunda reflexão, perceba se você realmente conhece a si mesmo, e se entende quais são seus reais potenciais e quais seus pontos de melhoria. Se sua resposta a isso foi no sentido de não saber exatamente quem é você ou onde pode melhorar, talvez seja mais difícil atingir suas metas, sonhos e objetivos! A Programação Neurolinguística nos auxilia a perceber e entender estas diferenças de forma positiva, fornecendo recursos para lidarmos com a diversidade, nos desenvolvermos e evoluirmos! Deseja saber quais são estes recursos que poderá utilizar para melhorar suas habilidades e realizar o que realmente deseja? Aproveite a oportunidade! Venha para o Treinamento DIAMOND. Venha lapidar seus recursos e realizar o impensável! 

O treinamento Diamond Training mapeia o perfil de seus participantes, os leva ao maior conhecimento das próprias habilidades e competências, trabalha capacidade de relacionamento, liderança, organização, comunicação, motivação, espírito de equipe, foco em resultados, vocabulário transformacional, influência da fisiologia e crenças possibilitadoras

Revista Energia 47


Vida Profissional Por Rachel Soares de Brito Gestora da Escola Profissionalizante CEBRAC Jaú

É possível aprender a empreender! A ideia de que empreendedores nascem feitos é a mesma coisa que afirmar que não temos mais oportunidades de desenvolvimento no decorrer da vida

M

uito se fala hoje em empreendedorismo, é não é à toa, o Brasil está no caminho para se tornar um país de empreendedores de sucesso e, diga-se de passagem, o aumento do desemprego impulsionou muito esse novo comportamento nas pessoas. Muitas se viram em situações onde foram obrigadas a deixar a empresa, outras perderam o emprego e não tinham outra opção a não ser trabalhar por conta, ou seja, empreender. Hoje já se fala em 6 milhões de empresas legalizadas e muitas vão sobreviver, porém, outras tantas não. E você, já pensou em se tornar dono do seu próprio negócio? Já pensou em tornar-se um intraempreendedor, ou seja, empreender dentro da empresa onde trabalha? Pois saiba que é possível, sim, aprender a empreender, desde que você busque recursos para aprimorar ou desenvolver alguns comportamentos que são imprescindíveis para que você obtenha êxito. É um mito achar que algumas pessoas nascem empreendedoras. Podem algumas terem mais aptidão para negócios, porém, achar que você não foi agraciado pelo dom do empreendedorismo e que nunca terá sucesso em um negócio é uma falsa ideia. Você pode desenvolver seu lado empreendedor sim, com mudanças de atitudes e comportamento, saindo de sua zona de conforto e buscando novos conhecimentos, fazendo disso um hábito que o conduzirá para o sucesso. Pois bem, vamos lá!

48 Revista Energia

Em primeiro lugar, conheça as habilidades que você tem, no que você se destaca, no que você é bom, mas, mais importante que isso, conheça as habilidades que você não tem e busque parcerias para suprir essa deficiência. Seja proativo e persistente, antecipe-se às necessidades do mercado, dos clientes e nunca pare na primeira dificuldade; tenha conhecimento técnico da área em que pretende atuar, conheça sobre tudo o que envolve seu novo negócio, aprenda a desenvolver um bom plano de negócios, aprenda a vender e para isso busque cursos ou recursos para garantir que você terá informação e conhecimento suficientes para tentar novamente de maneira diferente. Aliás, a grande riqueza desses cursos é ampliar sua rede de contatos e colocá-lo próximo de pessoas que estão na mesma sintonia que você, com os mesmos sonhos e com a mesma garra. Arrisque-se, seja ousado, pense fora da caixa e não tenha medo de correr riscos, que é diferente de correr perigo: você só estará em perigo, se estiver desinformado, caso contrário estará correndo um risco calculado, e esse é mais um dos comportamentos de quem pretende empreender. Divulgue a sua empresa, a sua ideia, utilize os recursos disponíveis para isso com baixo custo e longo alcance como as mídias digitais; temos hoje a internet como uma enorme vitrine de alcance mundial. E finalmente, acima de tudo, trabalhe duro! 


Revista Energia 49


Segurança Por Edson Copi Diretor Geral da Ceintel Segurança Eletrônica

Segurança em ambientes corporativos por meio de controle de acesso

P

O controle de acesso para ambientes corporativos, muito mais do que um mecanismo para identificar, permitir ou negar o acesso de pessoas a determinados ambientes, pode ser mais bem definido como uma ferramenta inteligente de gestão de espaços

ensando dessa forma, podemos dividi-lo em dois campos distintos: o controle de acesso físico e o lógico. O controle de acesso físico busca gerenciar o fluxo de pessoas com a ajuda de dispositivos como fechaduras, catracas, chaves, entre outros. É um sistema fortemente indicado para edifícios residenciais e comerciais, eventos e salas, bem como para áreas internas de empresas. Um sistema de controle de acesso físico é composto basicamente por uma barreira perimetral como um muro, cerca ou alambrado, e um ou mais pontos de acesso, controlados por dispositivos como portas e portarias que utilizem meios mecânicos ou eletrônicos como, por exemplo, portões automáticos, cancelas automáticas, catracas e fechaduras eletrônicas. Além disso, procedimentos adotados pela empresa são indispensáveis para o bom funcionamento desses equipamentos. O controle de acesso lógico, por outro lado, diz respeito às formas de prover segurança da informação, de permitir ou negar a usuários o acesso a um sistema, definindo limites para sua atuação nesse sistema e provendo meios de auditar os processos que esse usuário realizou no mesmo ambiente virtual. A validação é feita com a ajuda de login e senha, ou de identificação biométrica. A biometria é um dos sistemas mais confiáveis para controle de acesso, pois verifica características individuais que não podem ser falsificadas como a íris, a voz e a digital. Senhas são tecnicamente seguras, mas ficam armazenadas no cérebro. Ou seja, elas depen-

50 Revista Energia

dem fundamentalmente do que consideramos como o elo mais fraco na corrente de segurança: o fator humano. De acordo com o Fórum Biometria, estima-se que as pessoas tenham de 20 a 30 senhas para acessar sistemas diversos, e esse número pode crescer 20% ao ano tornando-se ainda mais difícil lidar com essa sobrecarga. Tanto o controle de acesso físico quanto o controle de acesso lógico necessitam de uma Política de Segurança, elaborada em articulação com a gestão dos recursos humanos da organização. Ou seja, antes de pensar em adotar recursos tecnológicos para melhorar a segurança de sua empresa, é preciso definir uma política que atenda suas necessidades. Dessa forma, percebe-se que a tecnologia e os procedimentos adotados são os principais fatores para a promoção da segurança de ambientes físicos e virtuais por meio do controle de acesso. Portanto, controlar ambientes, implantar sistemas de segurança eficientes e manter as pessoas que o utilizam treinadas têm se mostrado recursos altamente válidos no combate ao crime nos dias de hoje. Pensando nisso, devemos ser criteriosos ao escolher um sistema de controle de acesso para nossa organização, principalmente ao eleger a empresa que irá implantar essa tecnologia. Uma boa dica é procurar sempre empresas qualificadas, que tenham “know-how” no assunto, que apresentem projetos, que discutam com o cliente as melhores formas de implantação dessas tecnologias visando sempre, em primeiro lugar, à segurança das pessoas e seus patrimônios. 


Revista Energia 51


Direito

Por Jonas Coimbra Vicente Della Tonia Advogado especialista em Direito Tributário pela FGV. Formação em Engenharia Mecatrônica. OAB/SP 369.124 Tel: (14) 3621-5678 - (14) 99656-6969

Importância da Assessoria Jurídica na atividade empresarial e recuperação de valores Nos dias atuais, cada vez mais o serviço de assessoria jurídica é fundamental no cotidiano das empresas. Seja ela consultiva, preventiva, auditoria ou até mesmo contenciosa

C

om a crise que assola o país, a diminuição de custo é um diferencial de ponta para a atividade empresarial, de modo que permite ao empresário a diminuição do preço do produto final e, consequentemente, aumenta sua competitividade frente aos concorrentes. Assim, faz-se necessário uma análise minuciosa de toda a atividade empresarial, seja em uma análise contratual para prevenção de inadimplência, controle de jornadas, entregas de Equipamento de Proteção Individual-EPI, escolha do regime tributário adequado, compensação de tributos e inúmeros outros fatores que implicam e diminuem consideravelmente os gastos da empresa. Exemplo disso é análise do adicional de 10% das demissões sem justa causa recolhidas pelo empregador. Não é novidade para os empresários que nas demissões sem justa causa deve-se recolher, além das diversas verbas rescisórias, a multa de 40% sobre o valor do FGTS do empregado. Porém, o que a grande maioria dos funcionários desconhece, mas que todo empresário sabe, é que a multa de 40% na verdade é de 50%, sendo 40% destinada ao funcionário e 10% para o Fundo de Garantia. Esta obrigatoriedade do recolhimento de 10% sobre o FGTS do trabalhador foi instituída pela Lei Complementar nº 110/2001, que tem por objetivo a recomposição da inflação nas contas vinculadas no período de 01/12/1988 a 01/04/1990 oriundas dos planos Bresser, Verão e Collor. No entanto, o que poucas pessoas sabem é que em março de 2012 a Caixa Econômica Federal, administradora do FGTS, enviou ofício ao Conselho Curador do FGTS demonstrando que o pagamento do adicional de 10% não era mais necessário, uma vez que o desiquilíbrio deixado pelos planos Bresser, Verão e Collor já havia sido 52 Revista Energia

reestabelecido. Tal ofício foi comemorado e muito pelos empresários, pois teoricamente não era mais necessário o recolhimento dos 10%, mas somente dos 40% devidos ao empregado. Nesse cenário, pretendendo formalizar o cancelamento da cobrança, o Senado criou projeto Lei nº 200/2012 visando à extinção da contribuição do adicional dos 10%. Após a aprovação pela Câmara dos Deputados, o projeto lei foi encaminhado para a sanção da presidente. No entanto a presidente Dilma Rousseff vetou o projeto lei sob o argumento de que o não pagamento dos 10% representaria diminuição da arrecadação, e consequentemente prejudicaria as medidas de desenvolvimento social tal como o “Programa da Minha Casa Minha Vida”, deixando tudo como estava. Inconformados, os empregadores ajuizaram inúmeras demandas no judiciário pretendendo, além da recuperação dos valores pagos desde 2012, também o cancelamento do pagamento das demissões futuras. Embora ainda exista incerteza em relação ao tema, alguns tribunais já se mostraram favoráveis aos empresários, como é o caso do Tribunal do Paraná. Dessa forma, todos os empregadores que recolheram os 10% sobre o FGTS nas demissões sem justa causa no período de 2012 até hoje podem pleitear o ressarcimento perante a justiça. 

“Uma análise minuciosa de toda a atividade empresarial pode reduzir consideravelmente os gastos de uma empresa”


Revista Energia 53


club

Social

1

Adazy Moda Praia e Fitness Casual Um refinado coquetel marcou a reinauguração da Adazy Moda Praia e Fitness Casual. Realizado no dia 11 de maio, amigos, convidados e clientes foram carinhosamente recebidos no novo espaço mais confortável e cheio de boas energias. E, claro, puderam conferir todas as novidades da coleção outono-inverno.

2

1 - Aline Brancaglion e Thiago Massoni 2 - Aline Brancaglion, Tamires Pacheco, Eliana Sabio e Neiva Gonçalves 3 - Jessica Fernandes e Fran Suares 4 - Daniela Schimidt e Tamires Pacheco

3

5 - Renata Santana e Jaqueline Marques 6 - Marisa Burgo Basilio e Jessica Burgo Basilio 7 - Samira Zoghaibs 8 - Lucinete Franco Soares 9 - Juliana Santarem

4 5

6

54 Revista Energia

7

8

9


club

Social

1

Jaú Shopping O Dia das Mães no Jaú Shopping foi comemorado antecipadamente na noite de sábado, dia 13 de maio, com muitas emoções. As mães que estiveram presentes receberam uma rosa das mãos de personagens caracterizados especialmente para a ocasião. No Jaú Shopping é assim: sempre uma surpresa para cada data especial!

2

1 - Conceição Pereira de Souza 2 - Ísis Renata Fernandes 3 - Aline Bordin 4 - Marlene e Camile Flauzino 5 - Giovana Ressinette 6 - Fabiana dos Santos

3 4

5 6

Revista Energia 55


1

HVA - Hospital Veterinário Araujo Marcando presença no 38º Congresso Brasileiro da Anclivepa, o mais importante evento nacional da Medicina Veterinária, os doutores Giovani Araujo e Leonardo Gonçalves, do Hospital Veterinário Araújo. Realizado no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda, participaram os melhores palestrantes nacionais e internacionais. Destaque para o grande humorista Diogo Portugal, que abriu o evento com um espetáculo de standup comedy; e para os palestrantes Dr. Ronaldo Casimiro da Costa, Professor e Chefe do Serviço de Neurologia e Neurocirurgia Veterinária da The Ohio State University, em Columbus, EUA e Profª MSc. Michele Andrade de Barros, Doutora na área de Célula Tronco; sócia proprietária da empresa produtora de células troncos Regenera Stem Cells.

2 1- Dr. Giovani Fernando Araujo e Dr. Leonardo Gonçalves 2- Dr. Giovani Fernando Araujo, Diogo Portugal e Dr. Leonardo Gonçalves 3- Dr. Giovani Fernando Araujo, Profª MSc. Michele Andrade de Barros e Dr. Leonardo Gonçalves 4- Dr. Leonardo Gonçalves, Dr. Ronaldo Casimiro da Costa e Dr. Giovani Fernando Araujo 5- 38º Congresso Brasileiro da Anclivepa 2017

3

5

4

56 Revista Energia

Fotos: Arquivo pessoal

club

Social


Fotos: Arquivo pessoal

club

Social

1

Branco & Cia Comemorando 16 anos de sucesso, a Branco & Cia festejou no dia 13 de maio, reafirmando seu compromisso de manter sempre o bom atendimento e a qualidade total em seus produtos. Ao lado de familiares, amigos, clientes e parceiros, Luciana Cristina Collacite comemorou a data que marca a concretização de um sonho e de muita dedicação, além de mostrar a belíssima coleção outono-inverno. “Em 11 de maio de 2001 eu, com apenas 17 anos, realizava o meu sonho de adolescente: abrir uma loja! Desde criança quis ser comerciante e ali estava eu, começando a minha carreira. Muito perdida sim, mas com muita esperança de que tudo fosse dar certo. E não é que deu?” (Luciana) 1- Luciana Cristina Collacite, Silvia Helena Floret Magrini, Laís Floret Magrini e Elisangela Sinez Lopes 2- Elisangela Sinez Lopes, Luciana Cristina Collacite e Jennifer Fernanda Mariano 3- Simone Santille, Luciana Cristina Collacite, Elisangela Sinez Lopes e Micheli Fernandes 5- Elisangela Sinez Lopes, Thaís Almeida, Suelen Carretero, Luciana Cristina Collacite, Natalia Neto, Debora Carretero e Jennifer Fernanda Mariano 6- Maria Laura de Lima Musegante Collacite, Guilherme Collacite, Jorge Luiz Collacite, Ana Maria de Lima e Silva Collacite, Luciana Cristina Collacite e Ana Luiza Collacite 7- Sandra Garcia (C&S Bordados), Carmem Garcia (C&S Bordados), Luciana Cristina Collacite e Elisangela Sinez Lopes 8- Dr. Antônio Fernando Lima e Silva, Mara Varollo e Luciana Cristina Collacite 9- Luciana Cristina Collacite e Maria Odila Bertoldi Collacite

5

2

3

6

7 8

9

Revista Energia 57


club

Social

Posto Nacional 2 Amigos, clientes, imprensa e convidados prestigiaram a inauguração do Posto Nacional 2, que aconteceu no último dia 05 de maio e contou também com a bênção do Padre Armando Rodolfo Valencise. Localizado nos altos da Rua Rui Barbosa, o posto tem amplo espaço, equipamentos modernos e atendimento impecável. O Posto Nacional 2 também possui Loja de Conveniência Am Pm, com muitas opções em lanches e cafés.

1- Beatriz, Otavio, Claudia, Marcelo, Maria Aparecida, Leonildo, Caroline, Paulo, Ana, Matheus e Diego 2- Nelson Ricardo Rizzo, Alexandre Santinelli, Gilson, Julio Crepaldi e Glaucio Bonato 3- Major Pistori e Sra, Charles Bussab e Sra. 4- Caroline Furlanetto, Matheus Furlanetto, Rafaela Conte, Valentina Conte e Newton Conte 5- Diretores Ipiranga, Leonildo Furlanetto e filhos Paulo e Marcelo 6- Barbara Baccarin, Fabio Furlantto, Leonildo, Celia Furlanetto e Paulo 7- Leonildo Furlanetto 8- Mauro Rafani Filho, Mauro Rafani, Pedro Redi e Ivone Redi 9- Caroline, Matheus, Maria Aparecida, Leonildo, Paulo, Ana e Diego 10- Jose Luiz Monteiro e Marcia Monteiro 11- Fabiaba Franceschi, Edvania Soares e Messila Calore 12- Marcelo Giglioti, José Furlanette e Maria Aparecida Furlanette 13- Marcelo Redi, Miro Marques e Pedro Redi 14- Pedro Barbosa e Solange Barbosa

1

2

4

58 Revista Energia

3

5


6

7

8 9

10 11

1

12

13

14

Revista Energia 59


club

Social

Caiçara Clube Em cerimônia realizada dia 20/04 no Salão Social do Clube, foi empossada a Diretoria 2017-2019, presidida pelo Dr. Maurício Tamura Aranha. O evento contou com a presença de mais de 400 pessoas que, além de prestigiar a posse, curtiram um grande jantar dançante noite afora. Parabéns aos novos Diretores!

1

2

3

60 Revista Energia

1- Fernando Barbieri, Mauricio Tamura Aranha e Sigefredo Griso 2- Diretoria 2017-2019 - Maurício Dalpino Franco (Diretor da Infancia e Juventude), Paulo Sérgio Macacari (Diretor Social), Antonio Carlos de Oliveira (2º Tesoureiro), Dr. João Roberto Piccin (1º Secretário), Maurício Tamura Aranha (Presidente do Clube), Jaime Roscani (Diretor de Patrimônio), Dr. Helcius Aroni Zeber (2º Secretário), Pedro Quatiguá (VicePresidente do Clube), Gilberto Luiz Tavares (Diretor de Esportes) e César Augusto Mantovanelli (Diretor de Comunicação) 3- Conselho 2017-2019, juntamente com alguns membros da Diretoria 2017-2019. Dejair Aparecido Palácio, Antonio Carlos de Oliveira (Diretor 2º Tesoureiro), Emerson Cano, Emerson Henrique Datilo, José Luiz Goettlicher, Ricardo Ragazzi de Barros (Presidente do Conselho Deliberativo), Maurício Tamura Aranha (Presidente do Clube), João Mantovani, Pedro Aparecido Lopes Totene “Pedro Quatiguá” (Vice-Presidente do Clube), Danilo Sérgio Grilo, Tadeu Aparecido Rossanese, José Roberto Felippe Jr., Fabrício Mark Contador (Vice-Presidente do Conselho Deliberativo), Mizaki Toshio Mitiue, Maurício Spina, Luiz Carlos Masiero, Gustavo de Lima Cambauva, André Spatti 4- Carina Quevedo G Aranha, Mauricio Tamura Aranha, Antonio Luiz Cremasco e Lucia Gasparotto Cremasco 5- Família Tamura Aranha - Lia Tamura Aranha, Mateus Tamura Aranha, Natalia Grossi Aranha, Carina Quevedo G Aranha, Mauricio Tamura Aranha, Morela del Valle Alfonzo Arrivillaga, Giuliano Tamura Aranha e as crianÁas: Maite Gasparetto Aranha, Enzo Gasparetto Aranha, Gianpaolo Aranha e Gianluca Aranha 6- Pedro Quatiguá, Antonio Carlos de Oliveira e Gustavo de Lima Cambauva 7- Maurício Tamura Aranha assina o Termo de Posse assistido pelo Presidente do Conselho, Dr. Ricardo Ragazzi de Barros e pelo ex-Presidente Antonio Sebastião Grizo 8- Artur Tavares e César Macacari 9- Elza Mendonça, Marcelo Mendonça, Maurício Tamura Aranha, Carina Quevedo G Aranha, Arlete Vieira, Dr Mauricio Vieira 10- Lia Tamura Aranha e Vera Lotto Galvanini 11- José Luiz Macacari, Paulo Sérgio Macacari e Dejair Aparecido Palácio 12- Maurício Tamura Aranha, Gustavo Cambauva, Antonio Luiz Cremasco, Ricardo Ragazzi de Barros e Dr. Carlos Alberto de A. Falcão 13- Edna Grizo, Antonio Sebastião Grizo, Mauricio Tamura Aranha e Carina Quevedo G Aranha


6

Fotos: Saigon e Eduardo Frabetti

4

5

7

8

9

10 11

12

13

Revista Energia 61


club

Social

1

Bar do Português Mais uma tarde de pura descontração no Bar do Português. Confira quem curtiu bons momentos saboreando deliciosas porções, chope em dobro e música ao vivo. E com aquele atendimento diferenciado da equipe!

2

1 - Marina Zanatto, Luana Campos, Natália Zanatto 2 - Bruno Frazon e Adriano Alves 3 -Regina Ormelezi, Ariadni Mamede, Raquel Fuentes 4 - Caio Santos e Aline Romano 5 - Maria Adelia Barbieri Musardo, Alceu Musardo, Nivaldo Canal e Marisa Della Coleta Canal 6 - Otávio Chacon , Bruno Sanchez, Vinícius Ferreira

4

5

62 Revista Energia

3

6


club

Social

1

Mirante do Pouso Excelente opção para quem não abre mão de saborear uma deliciosa comida caseira, o Restaurante Mirante do Pouso oferece aos clientes cardápio variado, preparado com toda a tradição e com produtos frescos e selecionados. Que tal reunir a família e aproveitar o almoço especial da casa?

2

1 - David Teixeira, Milton Peresin Filho e Paulo Eduardo 2 - José Carlos Zanatto e Maria Elizabete 3 - Amalia, Anesia, Vitor, Daniela e Junior 4 -Maria Joze Thomavi e José Roberto Thomavi 5 - Alessandra Blasioli, Zenilde Anbrosio, Carla Blasioli, Giovana Blasioli e

3

Carlos Alexandre Blasioli 6 - Avani Zorzeto, Cleide Caseres, Larissa, Lais Casedes, Cleuza Caseres 7 - Otavio Michelin, Isabela de Oliveira, Andréia Michelin e Maria das Dores Michelin 8 - Maria Augusto Testa, Wagner Testa e Emily Testa 9 - Daniela Ereno, Paulo Bressanim, Fábio Barros e Paula Barros

4

5

6

7

8

9

Revista Energia 63


Ter um lindo sorriso, dentes saudáveis e poder mastigar sem medo nem dor... Agora, na Sorriprime, você encontra todos os tratamentos disponíveis na área. Além de cuidar dos seus dentes, a Sorriprime cuida também da sua beleza, com a aplicação de toxina botulínica.

Implantes dentários

Totalmente equipada com a melhor tecnologia, materiais de alta qualidade e profissionais experientes, a clínica realiza implantes com total segurança. Com a colocação de pinos de titânio presos ao osso maxilar ou mandibular, o dente implantando ficará no lugar daquele que foi extraído ou quebrado, garantindo a sua função e a estética. E vale lembrar que colocar implantes dentários não dói. Dos casos mais simples aos mais complexos, a tecnologia utilizada pelo especialista Dr Rafael Gonzalez Camargo proporciona um tratamento seguro, rápido e muito eficiente.

Botox – Toxina Botulínica

Cuidar da aparência, atualmente, é fundamental para mulheres e homens que desejam prolongar a juventude. Cada vez mais comum, a aplicação da toxina botulínica evita, previne e trata o aparecimento de rugas nas áreas onde é aplicada (a testa, entre os olhos, pés de galinha, etc). São aplicações minimamente invasivas e o tratamento é seguro, trazendo comprovadamente bons resultados, que são notados em poucos dias. O importante é você realize o procedimento com um profissional experiente. A Dra Joyce Dias Ramos, habilitada em aplicação de toxina botulínica e preenchimento facial, realiza o procedimento para fins estéticos e também para problemas bucais como bruxismo, sorrisos assimétricos, dores orofaciais de origem muscular e muitos outros.

Dra Joyce Dias Ramos

Graduada em Odontologia Unesp/ Araçatuba; Especialização em Ortodontia e Ortopedia facial no Centro Odontológico Rodrigues de Almeida, Bauru/SP; Curso de toxina botulínica e preenchimento facial pela IOPG/Bauru.

Dr Luiz Fernando Relvas dos Santos Graduado em Odontologia Unesp/ Araçatuba; Especialista em Ortodontia e Ortopedia pela Universidade Cruzeiro do Sul, Porto Alegre/RS; Coaching pela Dale Carnegie Coach, Porto Alegre/RS; cursando MBA em Gestão Empresarial na Fundação Getúlio Vargas, Bauru/SP

Dr Rafael Gonzalez Camargo

Cirurgião dentista com graduação em Odontologia pela UNESP; Curso de Cirurgia Oral Menor; Especialista em Implantodontia; Curso de Cirurgia Ortognática pelo Instituto de Ensino e Pesquisa em Cirurgia Bucomaxilofacial; Curso de Cirurgia da ATM pelo Instituto de Ensino e Pesquisa em Cirurgia Bucomaxilofacial; Residência em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial pelo Ceddar; Implantes.


Seguros e Previdência Por Luciano Tane

seguroseprevidencia@revistaenergiafm.com.br

Especialista em Previdência Privada, Seguros de Vida, Seguros de Sucessão Empresarial, Proteção de Renda

Seguro de vida, um gesto de amor incondicional

S

Antes de começarmos o assunto quero fazer você pensar sobre os três riscos sociais e como eles podem impactar as nossas vidas

ão eles: 1) Ter a vida interrompida prematuramente e deixar dependentes: na sua falta, como seus dependentes se manterão financeiramente?; 2) Comprometer a capacidade de gerar renda: sua família está preparada financeiramente (e fisicamente) para assumir mais um dependente financeiro?; 3) Viver além da possibilidade (ou desejo) de trabalhar: você poderá depender da Previdência Social para se aposentar? Ou, então, o quê você está fazendo hoje para garantir seu padrão de vida no futuro? Estas perguntas são as mesmas que utilizo em minhas consultorias, e têm o intuito de sensibilizar as pessoas sobre a necessidade de uma proteção financeira e familiar. É aí que entra um dos melhores instrumentos de proteção já criados: o seguro de pessoas. Consultores financeiros, contadores, economistas, administradores, todos são unânimes em relação à necessidade das pessoas e empresas se protegerem financeiramente em caso de morte daquele que mantem os rendimentos da família, ou dos sócios de uma empresa. Segundo o físico e estatístico Emerson Cruz, de Bauru, não ter um seguro de vida chega a ser uma agressão para si e para a família. O seguro de vida, no Brasil, foi durante muito tempo tratado como moeda de troca por instituições financeiras. Quem nunca recebeu uma ligação do gerente pedindo para fechar um ‘segurinho’ com ele? Com isso, os seguros de vida passaram a ser vistos de forma pejorativa, afinal, eram produtos básicos e simplificados empurrados para você, e nem de longe atendiam as reais necessidades das pessoas. É comum algumas pessoas me dizerem que já possuem um seguro de vida, mas, quando questionadas sobre quais coberturas elas têm, dificilmente sabem responder. Fica claro e evidente que a contratação foi feita sem um critério adequado, baseado simplesmente nas metas que o banco tem que bater. Em países como Estados Unidos e Japão, por exemplo, cerca de 85% das pessoas estão protegidas com algum tipo de seguro de vida individual; aqui, nas terras de Cabral, esse percentual não chega a 8%. Contratar

um seguro de vida pode, mediante contribuição mínima e acessível, garantir, por exemplo, a formação dos filhos, a manutenção financeira de uma família durante vários anos ou até a perpetuação de uma empresa. Até aqui, abordei somente casos de falecimento, mas quero falar também sobre invalidez e doenças graves. A sua família está preparada financeiramente para assumir mais um dependente financeiro? E se você fosse acometido por uma invalidez em virtude de um acidente ou uma doença, sabe quanto custa proporcionar um tratamento digno para uma pessoa acamada, necessitando de cuidados especiais 24h por dia? É muito dinheiro e geralmente toda a família acaba arcando com estas despesas a duras penas, muitas vezes dilapidando todo o patrimônio da família. É aí que entram em cena os seguros de invalidez. Estes são contratados em forma de Renda Vitalícia (dedutível no IR), indenização única ou uma combinação de ambos. Existem também produtos que garantem indenização em caso de doença grave como câncer, AVC, infarto, paralisia, perda de visão, fala ou audição, etc. Este produto tem um dos melhores custos-benefícios do mercado. Imagine se você tivesse um diagnóstico de câncer, e só pelo diagnóstico tivesse direito a uma indenização de até R$ 1 milhão na sua conta. Tranquilizador, não acha? O intuito deste produto é que você foque apenas na cura da doença. Ter uma apólice de seguro de vida é uma das maiores provas de amor para si e para com as pessoas que você ama. É deixar um legado de respeito e tranquilidade, é deixar seu nome cravado para a posteridade. Quantas e quantas pessoas têm a vida interrompida prematuramente, deixando além da perda emocional, uma catástrofe financeira. Muitas vezes damos mais valor ao seguro de um celular ou de um carro do que à própria vida. Concluo com uma frase de Winston Churchill: “Se me fosse possível escreveria a palavra SEGURO no umbral de cada porta, na fronte de cada homem, tão convencido estou que o seguro pode, mediante um desembolso módico, livrar famílias e empresas de catástrofes irreparáveis”. 

Seguros de Vida e Previdência Dúvidas, agendamentos de palestras, consultoria personalizada O nosso propósito é ajudar as pessoas a assumirem a responsabilidade pelo seu futuro

14 99835.7300

lucianotane

lucianotane

contane

Alameda Dr. Octávio Pinheiro Brizolla 13-10 - Vila Cidade Nova Universitária - Bauru/SP Revista Energia 65


Saúde

Cirurgia Bariátrica: alta procedimento está em

Em meio a tecnologias e processos que melhoram a qualidade de vida das pessoas, a cirurgia bariátrica vem ganhando espaço como solução para quem está muito acima do peso Texto Letícia Koehler 66 Revista Energia


Q

uando a pessoa com obesidade já não consegue perder peso e as atividades físicas não surtem mais efeito, é preciso que a cirurgia interfira na vida do paciente. Segundo o novo balanço da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), as cirurgias cresceram 7,5% em 2016 comparando com 2015, com 100.512 cirurgias bariátricas realizadas no Brasil, neste período. ORIGEM DO PROCEDIMENTO Em 1954, Kremer e Liner foram os pioneiros ao realizar a primeira cirurgia bariátrica no mundo. O objetivo era reduzir o peso desviando o intestino do paciente, de onde se retirava 90% de componentes do intestino fino. Já em 1963, através do Dr. Payne, a cirurgia promovia um desvio de parte do intestino delgado e grosso, e não necessitava de mudanças nos hábitos alimentares. Entretanto, esse procedimento causava complicações graves como cirrose, artrite, deficiências metabólicas, entre outras. Por fim, na década de 90, a cirurgia foi compilada por dois mecanismos, associando a restrição alimentar por meio da redução do estômago. O desenvolvedor foi o médico colombiano Raphael Capella, e mais tarde a técnica foi modificada em algumas partes por Mathias Fobi. O QUE É? “A cirurgia bariátrica é o todo o procedimento cirúrgico que tem como objetivo a perda de peso de maneira significativa e sustentada, associado ao controle das comorbidades relacionadas à obesidade”, explica o Dr. Celso Roberto Passeri, 55, cirurgião do aparelho digestivo, com título na área de atuação em Cirurgia Bariátrica pela Associação Médica Brasileira. Ele é o responsável técnico pelo serviço de cirurgia bariátrica do Hospital Amaral Carvalho de Jaú. Dentro da legislação vigente no país, a cirurgia bariátrica pode ser indicada para todas as pessoas com índice de massa corporal (IMC= peso (kg) / altura (m²)) ≥ 40 kg/m2 ou entre 35

e 39,9 kg/m² quando associado a comorbidades relacionadas à obesidade tais como hipertensão arterial, diabetes mellitus, dislipidemia, artroses, apneia obstrutiva do sono, doença do refluxo gastroesofágico, etc. OS TIPOS DE CIRURGIA Existem inúmeras técnicas de cirurgia bariátrica. No Brasil, podemos citar como as principais: bypass gástrico (gastroplastia redutora com desvio intestinal), gastrectomia vertical (Sleeve), derivações bileopancreáticas (Scopinaro e Duodenal Switch). “A cirurgia contem múltiplos mecanismos envolvidos na perda de peso após a realização do procedimento cirúrgico, como a diminuição da ingesta alimentar (mecanismo restritivo), diminuição da absorção (mecanismo dissabsortivo), modificações nos mecanismos de interação neuroendócrina entre o tubo digestivo e o cérebro, modificação da microbiota intestinal, etc.”, explica o Dr. Celso. BENEFÍCIOS E COMPLICAÇÕES Como todo procedimento cirúrgico existente, a bariátrica também tem benefícios e complicações para os pacientes. Os benefícios são inúmeros, segundo o Dr. Celso: “Vão desde a melhora da qualidade de vida, expectativa de maior tempo de vida pelo controle das comorbidades relacionadas à obesidade, assim como a melhora da autoestima, com incremento nas relações pessoais e profissionais”. Já as complicações podem ser diversas. Uma delas é em relação ao tempo da cirurgia, que são denominadas como precoces até 30 dias após o ato cirúrgico, e tardias, após este período. “As precoces são aquelas que colocam a vida do paciente em risco imediato, como por exemplo, infecções, embolias pulmonares, sangramentos, etc. Em contraponto as tardias, que são mais relacionadas a deficiências nutricionais, podem advir do procedimento e também pela falta de seguimento do paciente, como inadequadas reposições de microelementos e vitaminas”, explica Dr. Celso.

Revista Energia 67


NECESSIDADE DA NUTRIÇÃO Segundo pesquisa realizada pelo instituto Vigitel, cerca de 18,9% da população brasileira está obesa. Esse dado só reforça a importância de um nutricionista na vida das pessoas. Importância que aumenta na vida daquelas que se preparam para a cirurgia bariátrica. “A cirurgia não é o fim do tratamento da obesidade, mas o início de um período de mudanças de comportamento e de hábitos alimentares”, comenta Ana Elisa de Paula Brandão Anjos, 31, nutricionista clínica. A avaliação nutricional no pré-operatório objetiva identificar se o paciente está apto a realizar a cirurgia ou não, e prepará-lo para as mudanças alimentares e comportamentais. Já no pós-operatório é imprescindível, pois garante a perda de peso saudavelmente, previne complicações e deficiências nutricionais, além de preservar a massa muscular. Ana Elisa explica que é necessária a prescrição de vitaminas, minerais e outros nutrientes após a cirurgia: “A prescrição deve ser individualizada, dependendo do tipo de cirurgia e a necessidades de cada paciente”.  NECESSIDADE DA PSICOLOGIA O papel na avaliação das condições emocionais do paciente para passar por uma cirurgia bariátrica cabe ao psicólogo ou profissional da área. Ellen Cristiane Gomes, 34, psicóloga especialista em transtornos alimentares e obesidade, explica a importância do acompanhamento no pré e pós-operatório: “No pré-operatório é importante desmistificar crenças e analisar as expectativas do paciente. Já no pós-operatório, é ajudar na adaptação das mudanças dos hábitos alimentares, no esquema corporal e no estilo de vida, assim, o suporte emocional é extremamente necessário”. A avaliação psicológica não é uma tarefa que o profissional faz para liberar ou não o paciente para a cirurgia, mas para avaliar, preparar e conscientizar para mudanças que deverá enfrentar. “É realizada uma anamnese inicial para levantar dados sobre

68 Revista Energia

o histórico familiar, genético, emocional, doenças psiquiátricas e vivências traumáticas do paciente. Também para averiguar tendências genéticas para transtornos do humor e uso de substâncias, bem como uma bateria de testes para rastrear psicopatologias e, se necessário, encaminhar para tratamento e terapia”, esclarece a psicóloga. A cirurgia bariátrica impõe mudanças significativas no estilo de vida do paciente, e é de suma importância que ele esteja comprometido com tais mudanças para que o tratamento seja eficiente. PREPARADA E CONFIANTE Desde a infância, Fabiana Cecilia Vitor Milani, 43, se considerava a “gordinha” da família. Conforme os anos foram passando, a obesidade começou a mostrar as suas consequências: pressão alta, diabetes, dores no corpo, inchaço nas pernas, fadiga. Entretanto, seu maior problema foi a pressão arterial, que a levava constantemente ao pronto socorro. “A cirurgia foi realizada no dia 17 de junho do ano passado. Eu estava consciente de que era uma cirurgia de alto risco e invasiva, e que eu teria que mudar meus pensamentos, minha alimentação, ter uma vida saudável e incluir atividade física”, destaca Fabiana. Fabiana conta que não teve medo pelo fato de estar bem preparada e muito bem assistida pela equipe médica que sempre passou confiança e segurança. Sua única preocupação era a de não conseguir emagrecer “O fato da persistência e do apoio da minha família contaram muito”. INTENSA BATALHA Chegando a pesar 115 quilos, Ana Claudia Gabarrão Muriano, 44, sente-se realizada por ter alcançado o que almejava. Desde a adolescência Ana já lutava contra a balança fazendo regimes malucos e utilizando remédios que hoje são proibidos. Procurando ajuda médica, ela foi submetida a tratamento para emagrecer


“A cirurgia bariátrica impõe mudanças significativas no estilo de vida do paciente, e é de suma importância que ele esteja comprometido para que o tratamento seja eficiente” 30 quilos e obteve a resposta de que a cirurgia, no seu caso, não era necessária. Após o tratamento, Ana engordou tudo de novo. Entretanto, ela não desistiu e foi atrás com o apoio de seu marido. “Quando fui chamada no Hospital Amaral Carvalho para iniciar o processo foi uma alegria muito grande. Passei pelo médico, nutricionista, psicóloga, dentista, ginecologista, cardiologista, além de participar de reuniões com todos os profissionais envolvidos, tudo isso durante 4 meses para o dia da tão sonhada cirurgia” conta Ana. CONTENTE COM OS RESULTADOS A comerciante Adriane Cristina Cavalheiro, 47, começou a perceber a necessidade de realizar cirurgia bariátrica quando engordou 36 quilos em 4 meses, durante um período em que sua filha começou a ter convulsões, “Depois disso só ganhei peso,

de 70 quilos fui a 140 quilos. Andar era um problema, vestir uma calça, então, era um terror, estava diabética”. No caso de Adriane, ela pode dispensar a preparação psicológica, pois acompanhava uma amiga na cidade de Americana que já havia feito o procedimento, sem contar que estava muito determinada e pesquisou bastante sobre os prós e contras. Perdendo 74 quilos ao longo de quinze anos pós-cirurgia, Adriane enfatiza: “Em nenhum momento tive medo, a vontade de me livrar daquele peso todo era muito maior que qualquer medo”. APOIADO PELA FAMÍLIA Alexander José de Azevedo, 33, chapeiro de lanchonete, conta que seu peso máximo foi de 147 quilos. Sentindo muitas dores nas articulações, fadiga e perdendo as roupas, percebeu o quanto estava obeso: “Isso foi me chateando e prejudicando muito, e também minha esposa me cobrava bastante por causa da saúde”. Inseguro, uma vez que o processo era uma experiência nova, Alexander enfatiza o que foi fundamental: “Os cuidados são vários, mas quando você tem o apoio da sua família, acaba tirando de letra”. Muitas pessoas, ao longo do processo pré-operatório acabam desistindo por medo e falta de conhecimento sobre a cirurgia: “Encorajo a todos que me perguntam como estou, porque só quem vive a obesidade sabe o que é esse sofrimento”, finaliza. 

Revista Energia 69


Um brinde à propaganda!

Tem coisa melhor para comemorar com amigos ou brindar a vida do que com uma boa cerveja? É por isso que o Empório Cervisia é um parceiro tão especial para a Moinho. O Empório Cervisia é um comércio de cervejas artesanais e importadas, localizado no Jaú Shopping. Muito mais que simplesmente vender cerveja, lá você encontra uma equipe que vai dar uma verdadeira aula sobre estilos de cerveja, harmonizações, gostos e muito mais. Parceiro da Moinho desde 2014, o Empório Cervisia tem um trabalho completo com a gente, que envolve planejamento estratégico, planejamento de mídia, fotografia e criação de todas as campanhas de comunicação, além de um site que estará disponível em breve. Além disso, elaboramos ações de marketing objetivas e que chegam de maneira clara e descontraída para seus clientes, como o Saint Patrick’s Day, onde rolou chope e salgados na cor verde, e também o dia dos namorados com uma parceria especial, onde um cliente sorteado ganhou um jantar para comemorar com seu amor na Osteria Contadina, outro cliente Moinho.

Nós escolhemos a Moinho Propaganda pela competência do trabalho. A agência possui ótimos profissionais, que desenvolvem toda a parte de propaganda e marketing da nossa empresa. Estamos juntos há três anos, desde que abrimos a loja, e além da área de propaganda e marketing, eles também são um elo entre a loja e nossos clientes. (Gabriel Trovão) Escolhemos a Moinho pela excelente qualidade no serviço prestado. São profissionais sérios, com ideias inovadoras e opinião própria. Em três anos de loja eles se tornaram tão parceiros que até nos ajudam com alguns conselhos. Eu recomendo a Moinho! (Rodrigo Trovão)

Existem muitas outras coisas super legais que fazemos para o Empório Cervisia. Se você ficou curioso e percebeu que sua empresa também precisa do nosso trabalho é só entrar em contato. Será muito legal trocarmos ótimas ideias! 70 Revista Energia


Por Evelin Sanches Mestrado em Administração Pública e Governo MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Vem aí a 29º Corrida de São João Com um crescimento incalculável, a corrida de rua vem ganhando espaço; unindo pessoas; descobrindo novas técnicas

A

lém disso, também vem lançando os mais diversos produtos como tênis, roupas e acessórios; explorando um novo segmento de mercado, não só nas diversas empresas de vestuário e calçadistas, como também na área de alimentação saudável e assessorias, agregando valores aos eventos e fazendo crescer a socialização e cultura, afinal, cada corredor traz sua marca, sua história, seu perfil e uma super equipe. No próximo dia 24 de junho, sábado, teremos um exemplo claro de todo o tópico citado acima: a 29º Corrida de São João, realizada tradicionalmente na cidade de Bocaina, SP, conhecida por seu percurso desafiador, tornando-se uma prova bastante técnica. A edição anterior contou com a grandeza de atletas internacionais como os quenianos Edwim Kibet e Nelly Jepkurui, a colombiana Diana Castilho e muitas outras personalidades como João Batista Oliveira Santos, que nos mostrou a destreza e a superação de correr 10 km sob uma só perna. Contamos com diversas equipes que transformaram as ruas de Bocaina no maior evento da região. A corrida este ano será narrada através da locução de Betão Sangeroti, o locutor corredor que seguiu todo o trajeto, registrado com a precisão da empresa Eternity Sport, contando com uma plateia que visivelmente preencherá e acompanhará todo o percurso, finalizando com um super show do Sam. Na arena uma equipe competente disputará atrações e profissionalismo como a MRV, Renault Proeste, Alameda Quality Center, Grupo Rodoserv, Acquamix Soda, Marmoraria São Pedro, H&S informática. Com o apoio e realização da Prefeitura Municipal de Bocaina, através da sua Secretaria de Esportes, organização Sport + Saúde e Alvo Run, e participação brilhante de todos os corredores e equipes, sem os quais o evento não teria a grandeza e proporção que tomou ao longo de toda a preparação. Na Corrida de Rua, o fator mais importante é, sem dúvida nenhuma, o atleta. Corremos com pórticos ou somente com riscos no chão; corremos com isotôni-

cos ou somente contando com a água; corremos com propagandas e grandes backdrops ou somente com a paisagem do local; mas de uma coisa não podemos abrir mão: para se ter uma grande e notável corrida, são necessários os amigos, as equipes, os profissionais, os amadores, os jovens, os idosos, as crianças, enfim, não existe prova alguma sem o verdadeiro corredor!

Revista Energia 71


72 Revista Energia


Revista Energia 73


74 Revista Energia


Educação

Por Maria Ceci Toffano Educadora, Psicóloga, Diretora do Colégio NIE, MBA em Gestão Escolar e em Gestão de Pessoas, pós-graduada em Psicologia da Educação

Como aprender mais e melhor

A

Você sabia que exercitar o cérebro nos ajuda a mantê-lo jovem e eficiente por mais tempo?

tualmente, a neurociência avançou muito em suas pesquisas sobre o funcionamento do cérebro. Sabe-se, inclusive, que as pessoas que possuem uma atividade constante de estudo e exercício do cérebro ao longo da vida têm a possibilidade de prevenir a doença de Alzheimer. Neste artigo, comentarei algumas dicas e técnicas baseadas nessas novas descobertas, que podem ajudar os estudantes e os profissionais a aprenderem mais e melhor. Quando queremos aprender um assunto de forma aprofundada e não esquecê-lo, devemos dividir esse estudo em vários dias, pois do ponto de vista da fixação, não é a mesma coisa estudar seis horas na véspera de uma prova ou dividir essas horas ao longo da semana. Isso acontece porque o sono tem um papel fundamental no processo de memorização: quando dormimos, o conteúdo passa da memória de trabalho para a memória de longo prazo, que nos permitirá lembrar esse assunto depois de bastante tempo. Um dos problemas que enfrentam as pessoas para começar a estudar ou ler algo de que precisam para o trabalho é a vontade de sempre deixar para começar um pouco mais tarde (procrastinar). Isso acontece porque o nosso cérebro tem a tendência de buscar sempre o mais fácil e fugir de tudo que lhe causa alguma dificuldade. Inclusive descobriu-se que, quando estamos pensando em começar a estudar e estamos fazendo algo gostoso e que não exige esforço do nosso cérebro – como, por exemplo, ver televisão – as zonas que são ativadas em nosso cérebro correspondem às mesmas áreas que trabalham quando sentimos uma dor física. Passar da zona de conforto para a zona de esforço requer decisão e força de vontade. Mas a boa notícia é que, após alguns segundos que a tarefa foi iniciada, a sensação ruim vai embora. As pessoas mais disciplinadas também enfrentam essa dificuldade para dar início ao

estudo ou à tarefa que têm para fazer; a diferença é que costumam pensar: vamos lá, é só começar que fica interessante! Se tenho que fazer, que seja logo! E dessa forma enfrentam logo esse desconforto inicial, pois deixar para depois vai dificultar mais ainda (“a dor será maior”). Outra técnica bastante interessante é dividir o estudo em partes. Quando pensamos no livro inteiro que temos para ler ou no trabalho difícil que o professor deu, causamos mais desconforto ao nosso cérebro do que quando decidimos ler, por exemplo, por 25 minutos e dar uma pequena pausa, e depois mais 25 minutos de grande concentração e outra pausa de 5 minutos para olhar as mensagens no celular ou algo que nos dê prazer. Dar-se pequenas recompensas por ter cumprido a tarefa ajuda muito! A leitura de um conteúdo muitas vezes seguidas pode nos dar a falsa ideia de que estamos sabendo o assunto. Para ter certeza de que isso realmente está acontecendo devemos testar-nos. Essa checagem pode ser realizada de várias maneiras: ler um trecho e, em seguida, tentar lembrar-se do que leu; fazer exercícios a respeito do que estudou ou explicar para outra pessoa o que aprendeu. Usando essas estratégias haverá segurança em saber se realmente o assunto está dominado. No próximo artigo, continuarei abordando esse tema: os estilos de aprendizagem, a melhor forma de realizar uma prova – começar pelo mais fácil ou pelo mais difícil? – e o porquê, baseado nas recentes pesquisas sobre o assunto. Para saber mais: Livro Aprendendo a Aprender - Como Ter Sucesso em Matemática, Ciências e Qualquer Outra Matéria, da autora Bárbara Okley. Vídeo sobre a prevenção do Alzheimer, que pode ser acessado neste link: https://www.ted.com/talks/lisa_genova_what_you_can_do_to_prevent_alzheimer_s 

Revista Energia 75


O

inverno está chegando e com ele vem a vontade de estarmos em casa, curtindo com a família e vivendo bons momentos. Para que as noites frias sejam mais aconche-

gantes, nada melhor que vestir um pijama super divertido, quentinho e com toque bem suave. E quando o sono bater, a hora de dormir vai ficar ainda mais gostosa e confortável!   Confira também todas as novidades da coleção de inverno, para curtir as viagens de meio de ano na maior elegância.

76 Revista Energia


Legislação

Existem bons políticos? Neste turbulento contexto político o questionamento se faz presente, mas, acreditem, ainda existem bons políticos neste país Texto Luís Filipe Nazar

O

Deputado Federal Ricardo Izar Junior acredita que a política é fundamental para mudar a vida das pessoas: “Meu pai sempre dizia que a política é o instrumento mais poderoso para se fazer o bem, para a transformação. Se a usarmos para isso, o resultado acontece”. Em seu segundo mandato na Câmara dos Deputados, Ricardo Izar foi eleito o melhor deputado federal entre os 70 representantes do Estado de São Paulo. Esta avaliação é do site Ranking dos Políticos, uma organização sem fins lucrativos que compara e divulga informações de todos os parlamentares do país. Entre todos os 513 deputados do Brasil, Ricardo Izar é o 4° melhor. O ranking leva em conta a atuação parlamentar, a presença nas sessões, os gastos com cotas e verbas indenizatórias de gabinete, a participação pública no mandato e eventuais processos judiciais. Formado em economia, o Dep. Federal Ricardo Izar passou pelo Partido Verde (PV), Partido Social Democrático (PSD) e hoje integra o Partido Progressista (PP). A troca de legenda também conta ponto no ranking. Sobre a colocação no ranking, Izar afirma: “É muito recompensador. Ano passado ficamos em segundo lugar, agora em primeiro no Estado. Em 2015, a revista VEJA já havia nos colocado entre os cinco melhores parlamentares. Também fui, no ano passado, o parlamentar com maior número de projetos aprovados na Câmara dos Deputados. Mostra que temos o apoio das pessoas, que o voto é com consciência, não por indicação partidária, isso é reflexo de uma política limpa e transparente”. Ademais, quando o assunto são as doações de campanha em época de pleito eleitoral, a história se repete. Em tempos de propinas e escândalos de corrupção, a ética e retidão de conduta são pontos a serem destacados.

DEPUTADO FEDERAL RICARDO IZAR Economista, coordenador para o Sudeste da Frente Parlamentar em Defesa do Consumidor de Energia Elétrica e membro da Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara Federal, Presidente da Frente Parlamentar de Habitação e Desenvolvimento Urbano, Presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Animais, Membro do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados

Segundo informações do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a Friboi teria doado 5 milhões a Aécio Neves e mais 5 milhões a Dilma Roussef, praticamente a metade da verba de campanha destes candidatos. Alvo de críticas, o financiamento de campanhas milionárias por empresas foi proibido pela atual legislação eleitoral. O Deputado Federal Ricardo Izar chegou a recebeu uma verba no valor de R$ 200.000,00 (duzentos mil reais) do partido político que fazia parte, na época do último pleito eleitoral. Ocorre que, segundo o a legislação vigente à época, ainda que o dinheiro viesse do partido político, as campanhas tinham que informar a fonte de toda receita, ou seja, de onde o partido conseguiu a verba. Após constatar que a polpuda importância recebida era advinda da empresa JBS S.A., que tinha doado ao partido, o ex-presidente do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados e da Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos Animais, Dep. Ricardo Izar, foi até o diretório regional do Partido Social Democrático (PSD) em São Paulo e através de cheque e ofício devolveu a quantia recebida. É com alegria que vemos, por fatos e atos, que ainda é possível acreditar na política e em alguns políticos. Além disso, em uma democracia a política não é apenas importante, é necessária, de maneira que temos que escolher bem nossos representantes. 

“Em tempos de propinas e escândalos de corrupção, a ética e retidão de conduta são pontos a serem destacados” Revista Energia 77


vida

Boa

Por João Baptista Andrade Diretor da Mentor Marketing e AMA Brasil

Comida e Obesidade Por questões de ofício (trabalhar para empresa multinacional) eu viajei muito por vários anos. Especialmente para os EUA e o oeste europeu

V

iajar, mesmo que a trabalho, é algo que abre a cabeça da gente; observar outras culturas; obter novas referências (gustativas, visuais, olfativas e estéticas) e, mais que tudo, recuperar a nossa capacidade de pasmar-se diante do novo ou inusitado. Algumas leis e costumes são particularmente esquisitos. Você não pode dizer ao barman que está altinho, senão ele é obrigado a parar de vender bebida para você (New York). Tampouco pode sair da faixa de areia da praia se estiver sem camisa (Itália). Recordome das pessoas chegando completamente vestidas em praias do Caribe e, cheias de recato, se embrulharem em toalhas de banho e cangas para tirarem as roupas e ficarem nuas na areia. Para ir embora elas também se embrulham para vestir as roupas. Numa dessas muitas idas e vindas aos EUA, passei uma temporada em Seattle. Só para recordar a geografia básica, o estado de Washington fica na costa oeste, bem ao norte do país. Faz esquina (desculpem o trocadilho infame, mas eu não pude resistir) com o Alaska, mas fica separado dos demais estados por causa do Canadá. Como todo viajante, o meu olhar para as coisas é meio ingênuo, pois tento compreender a realidade evitando, na medida das minhas poucas capacidades intelectuais, fazer juízos de valor. Mas voltemos à Seattle. Os norte-americanos comem quase o tempo todo em quase todos os lugares imagináveis. Para eles, comer não parece ser um ritual complexo, mas sim uma função biológica. Acontece que morar num lugar de clima temperado, quase frio, aumenta a nossa ingesta diária. Pior, se a oferta de alimentos for ampla e variada, como sói acontecer nos países chamados desenvolvidos, as pessoas tendem a engordar. E para a tristeza do erário hoje comandado pelo senhor Trump, um terço da população sofre de obesidade, a um custo anual com saúde na casa dos 147 bilhões de dólares americanos, ou aproximadamente 403 milhões de dólares por dia! 78 Revista Energia

Eu não quero falar dos transtornos (físicos e emocionais) decorrentes do excesso de peso. Posso imaginar o quanto sofrem as pessoas que precisam de assentos especiais nos transportes públicos porque não cabem nos assentos convencionais; ou aquelas que precisam de carrinhos elétricos, muletas ou bengalas para poder se deslocar com segurança. É muito triste ver gente padecendo desse jeito. Mas o hábito de comer mal é extremamente difundido pelo globo terrestre. Especialmente para quem come comida industrializada (ultra processada). Lá na minha Monte Alto de criança não haviam muitas pessoas com sobrepeso. Não, não era uma sociedade miserável ou famélica. Era uma coisa “normal” alimentar-se bem. Tinha o café da manhã (frutas, pão, bolos, biscoitos, sucos, leite, queijos, manteigas, etc.), o almoço (arroz, feijão, algum tipo de carne, saladas e legumes), o lanche da tarde (um outro café da manhã, só que mais simplesinho), o jantar (sopas, saladas ou um lanche leve) e toca a repetir tudo outra vez no dia seguinte. Com receitas diferentes para aquilo que podia ser modificado sem muito esforço. Mas temos um detalhe fundamental: De onde vinha essa cornucópia de comilanças? Da cozinha. Mas hoje em dia é tudo moderno e diferente. Todo mundo correndo para os mais diferentes lados, lutando para pagar as contas e sustentar esse (des)governo que tanto nos aflige. Cozinhar? Nem pensar. E assim os resultados já se fazem sentir. Segundo o Vigitel (Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), 20% das mulheres e 18% dos homens já são obesos doentios aqui mesmo, no Patropi. Preparem os bolsos porque esta conta vai estourar no sistema de saúde (o tal do SUS). Ou então, comam comida de verdade, por favor.  Até a próxima.


Revista Energia 79


80 Revista Energia


Revista Energia 81


82 Revista Energia


Revista Energia 83


84 Revista Energia

Revista Energia 72  

Aproveite mais uma edição da Revista Energia com muita informação, gente bonita, dicas de moda, boa comida e empresas que se destacam em Jaú...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you