Page 1

Jaú - Ano 7 | Edição 67 | Agosto 2016 Distribuição gratuita | Venda proibida

HVA CADA DIA MAIS COMPLETO GENTE FINA

Vera Lúcia de Toledo Pedroso

INTERNET

Celebridades na web


Alergia: Cuidar garante qualidade de vida


A

alergia é uma reação exagerada do sistema imunológico contra alguma substância que normalmente seria inofensiva. Algumas reações podem parecer simples, mas muitas vezes impactam diretamente na qualidade de vida das pessoas. E se não for tratada, pode virar um problema crônico.

Para a Dra Ana Marta C. Atique Piovesana, alergista e imunologista, é imprescindível detectar o tipo de alergia e acompanhar cada caso individualmente, para evitar o agravamento do quadro e melhorar a qualidade de vida do paciente. “Nem sempre um paciente alérgico precisará realizar todos os exames que existem”, afirma. Ela pontua que cada caso é analisado separadamente. “Um dos testes mais conhecidos é o chamado prick-test, ou teste de leitura imediato realizado no consultório”. Segundo a Dra Ana Marta, há outro teste, o de contato ou patch test, também feito em consultório e mais indicado para quadros de dermatite de contato, dermatites atópicas de difícil tratamento, alergias a medicações, a produtos de limpeza e de higiene, a cosméticos, entre outros.

Questionada sobre tratamentos e cuidados adequados, a médica esclarece: “Oferecemos a vacina para alergia, que muda o curso natural da doença dos pacientes que possuem rinite alérgica ou conjuntivite alérgica, asma, etc”. O alergista também acompanha os pacientes com alergia a alimentos, seja criança ou adulto; alergia a medicamentos; alergias pulmonares, de pele, coceiras e problemas de baixa resistência. A Dra Ana Marta C. Atique Piovesana possui residência médica pela USP-Ribeirão Preto na área de pediatria; especialização em alergia e imunologia pela USP-SP e especialização em alergia e imunologia pela USP-Ribeirão Preto. contato: alergoanamarta@gmail.com Ao lado da Dra Ana Marta, o Dr Tadeu Ravazi Piovesana, urologista, especialista em Urologia TiSBU; membro da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) e membro da American Urological Association – AUA, também atende na Clínica Ártemis, na Avenida das Nações 866 – Jaú/SP Tel: (14) 3418 4001 / 3418 4002


4 Revista Energia


Editorial Ano 7 – Edição 67 – Jaú, Agosto de 2016

A Energia que movimenta

Tiragem: 10.000 exemplares Revista Energia é uma publicação da Rádio Energia FM Diretora e Jornalista responsável Maria Eugênia Marangoni mariaeugenia@radioenergiafm.com.br MTb. 71286 Diretor artístico: Márcio Rogério rogerio@radioenergiafm.com.br

No dicionário, movimento é conjunto de ações de um grupo de pessoas mobilizadas por um mesmo fim

Edição e Revisão de textos: Heloiza Helena C. Zanzotti revisao@revistaenergiafm.com.br Criação de anúncios: Moinho Propaganda atendimento@moinhopropaganda.com.br

P

Fotografia: Daniel Jorjin

ara nós, da Energia, é bem assim. Aqui, todos estamos constantemente mobilizados em inovar, criar, mudar e fazer as coisas acontecerem para dar mais movimento à sua vida.

Diagramação Moinho Propaganda (14) 3416.7290 Projeto gráfico: Revista Energia

Através do movimento podemos progredir, aprender uns com os outros e construir grandes histórias de vida.

Colaboraram nesta Edição Débora Helena Barioto Heraldo Bello da Silva Júnior Letícia Koehler Regina Grossi Colunistas Alexandre Garcia Claudio Veneziano de Freitas Edson Copi Evelin Sanches João Baptista Andrade Jolsimar Garcia Sanchez Lilian Pellizzon Ribeiro Maira Cibele Espricigo Nathalia Savian Pessoto Paulo Sérgio de A. Gonçalves Professor Marins Ricardo Izar Junior Roberto Carlos Capelli Comercial Carlos Alberto de Souza Geraldo Pessutti Sérgio Bianchi Silvio Monari Impressão: GrafiLar Distribuição: Pachelli Distribuidora Revista Energia Rua Quintino Bocaiúva, 330 | 2º andar CEP: 17201-470 | Jaú - Fone: (14) 3624-1171 www.energianaweb.com.br Elogios, críticas e sugestões leitor@revistaenergiafm.com.br

Foto: Cláudio Bragga

Social Club social@revistaenergiafm.com.br

Tão grandes como as empresas que estampam nosso especial “Empresas que movimentam Jaú”. Reunimos aqui instituições de relevância para nossa cidade, tanto na participação do PIB quanto na geração de emprego. Em muitos casos administradas por famílias, elas movimentam a economia local e investem dinheiro, tempo e energia acreditando em um futuro promissor para a comunidade local. Qualidade de vida também está presente em nossa matéria de capa. Através do Hospital Veterinário Araújo, milhares de animais de Jaú e região resgatam sua saúde, e em muitos casos, suas vidas. A relação entre irmãos é colocada em pauta e mostra que mais que um fator biológico, é um afeto construído ao longo da existência. Eles são seguidos, venerados e atualmente influenciam multidões. Saiba como muitos youtubers viraram celebridades e estão ganhando muito dinheiro com a internet. Esclareça suas dúvidas sobre a psoríase, uma dermatose muito frequente, e que ainda é motivo de preconceito e vergonha. E como estamos comemorando mais um aniversário de Jaú, nada melhor que conhecer e relembrar fatos que marcaram a história da cidade. Aproveito a oportunidade para reiterar que nós, da Energia, não medimos esforços para ser, cada vez mais, a “Energia que movimenta Jaú”. Boa leitura.

Quero anunciar comercial@revistaenergiafm.com.br A Revista Energia não tem responsabilidade editorial pelos conceitos emitidos nos artigos assinados, anúncios e informes publicitários.

Maria Eugênia


NESTA EDIÇÃO 18 Relacionamento 24 Internet 39 Empresas que Movimentam Jaú 72 Saúde 96 Tradição

14 Gente Fina

SEMPRE AQUI 08 Perfil 10 Radar 11 Saúde Bucal 12 Pense Nisso 14 Gente Fina 21 Terapia Internet 22 Segurança 23 Glamour 28 Consultoria 29 Conheça Jaú 30 Capa 35 Direção Segura 36 Garota Energia 38 Vida Saudável 43 O Japão Sobre a Mesa 63 Tendência da Moda 67 Comportamento 68 Look de Artista Nossa Capa: HVA Hospital Veterinário Araújo 80 Profissões Dr. Giovani Fernando Araújo 84 Varal 86 Psicologia 87 Imóveis 88 Social Club 99 Vitrine Presentes 100 Guia da Gula HVA 101 Boa Vida CADA DIA MAIS COMPLETO 102 Legislação

24

ÍNDICE

68

Look de Artista

Jaú - Ano 7 | Edição 67 | Agosto 2016 Distribuição gratuita | Venda proibida

GENTE FINA

Vera Lúcia de Toledo Pedroso

INTERNET

Celebridades na web


Com o mercado cada vez mais exigente e as situações acontecendo com uma rapidez incrível, a informação deve ser o recurso mais importante em uma organização que deseja permanecer competitiva no mercado, e é um fator que pode determinar a sobrevivência ou não de um negócio. Com foco nessa necessidade, há 24 anos a GVM Sistemas desenvolve soluções para diversos segmentos, promovendo melhorias nos resultados das empresas e auxiliando nas tomadas de decisões. Agora, inovando mais uma vez, a GVM lança o CIM – Controle.Integração.Mobilidade, integrando os departamentos, coordenando as atividades da empresa e gerenciando todos os processos.

Com o CIM você nem precisa estar na empresa para saber tudo o que acontece a cada segundo. Com poucos cliques, através de aplicativos móveis e portal web, as informações podem ser acessadas em tempo real, e assim as decisões são tomadas de forma segura, o que permite sua competitividade em um mercado cada vez mais exigente. Com escritórios em Jaú e Ibitinga, a GVM Sistemas conta com uma equipe de colaboradores que mescla experiência e criatividade, acompanhando todas as mudanças do setor. Conheça o CIM da GVM Sistemas, tudo o que sua empresa precisa para um gerenciamento eficaz!

Rua Joaquim Gomes dos Reis, nº 335 - Centro Jaú/SP  (14) 2104 7800 www.gvmsistemas.com.br

Revista Energia 7


Perfil

Saltos para o futuro “Joga teu coração por cima do obstáculo, e o cavalo o seguirá” Texto Heloiza Helena C Zanzotti

E

sta frase define bem essa garota de 15 anos que estampa nossa coluna Perfil. Campeã em Hipismo Rural na modalidade salto, Juliana Terçariol Borin estabelece uma verdadeira relação de cooperação e confiança com seu cavalo, formando assim uma equipe onde ambos se tornam um só.

Entre Barbies e cavalos Atualmente cursando o 9º ano do Ensino Fundamental, Juliana nasceu em Jaú. Filha de Maria Venusta e Geraldo, irmã de Beatriz e Camilo, teve uma infância como qualquer outra menina, a não ser por um detalhe: sua paixão por cavalos. “Eu adorava sair na rua para brincar com meus amigos e, claro, não posso deixar de citar que todos os meus brinquedos e Barbies tinham que ter cavalos ao lado”, lembra a amazona.

8 Revista Energia

Paixão fulminante Foi aos seis anos de idade que essa paixão teve um desfecho. “Viajei com minha família para a cidade de Águas de São Pedro, onde minha irmã ia prestar o vestibular. Estávamos conhecendo o centro quando avistei uma tropa de cavalos parada, perto de uma trilha. Fiquei vidrada e pedi para minha mãe que me deixasse montar. De repente, meio receosa, eu estava montada em um cavalo alazão, e sozinha!”, recorda Juliana. Ela também lembra que uma moça chamada Mariana a ajudou no percurso da trilha. “Quando cheguei estava completamente apaixonada e queria fazer mais vezes. Alguns meses depois, minha mãe já havia notado a minha paixão pelos animais e decidiu me colocar para fazer aulas na Expo Jaú, com a professora Márcia Basso, que foi uma pessoa importante em minha vida”.


Hipismo Rural O Hipismo Rural nasceu no Brasil e é considerado um esporte muito versátil, onde cavalo e cavaleiro precisam vencer obstáculos naturais, corridas em terrenos diversos, além de provas com obstáculos como tambores e balizas, saltos e recuos. Com a finalidade de promover competições e incentivar jovens à prática do hipismo, a ABHIR - Associação Brasileira dos Cavaleiros de Hipismo Rural é uma entidade que, desde novembro de 1982, cuida de fortalecer, divulgar e regulamentar esse esporte por todo país. O salto Juliana explica que, dentro do Hipismo Rural, pratica a modalidade salto, onde o cavaleiro e seu cavalo devem transpor, em sua totalidade, de 10 a 15 obstáculos ordenados em uma pista que mede entre 700 e 900 metros. A altura dos obstáculos vai de 0,40 m a 1,65 m, dependendo da categoria. O vencedor é aquele que termina a prova o mais próximo possível do chamado tempo ideal. Os concorrentes recebem penalidades ao derrubarem obstáculos, diferença ao tempo pré-estabelecido, refugos, quedas e outros. “Minhas primeiras provas foram em fevereiro de 2008, começando no 0,40 m”, conta. Campeã brasileira O que começou como diversão virou coisa séria, e trouxe profissionalismo à amazona, que treina duro e já obteve grandes conquistas. “Uma das mais importantes aconteceu no ano passado, quando fui campeã brasileira na série 0,90 m, em campeonato regulamentado pela ABHIR. Meus treinos ocorrem duas vezes por semana, pois tenho um professor de uma cidade distante, o Renato Brandolise Vidotto, que me ensinou a ter coragem e acreditar em mim mesma”. A campeã sempre contou com o apoio da família, principalmente dos pais, que a acompanham nos treinos e competições. “O apoio e incentivo dos meus pais, todo o tempo, me ajudam a continuar. Por ser um esporte caro, sua prática é limitada. Há gastos com cavalos, viagens, transporte e muitos outros”. Sobre os momentos que antecedem as provas, ela esclarece: “Meus preparativos para as provas são descansar bem no dia anterior e conversar com meu cavalo, assim parece que não fico tão nervosa”. Grandes ídolos Nossa entrevistada sonha tão alto quanto salta, e tem grandes exemplos a seguir. “Eu não me inspiro em uma só pessoa, mas em grandes cavaleiros como Guega Foffanof , Doda Miranda, Renan Guerreiro e Rodrigo Pessoa, pois espero algum dia poder montar como eles e chegar a obter conquistas ainda maiores. Nunca desista Para quem pretende praticar o esporte, Juliana Borin dá uma grande dica: “Meu conselho é que a pessoa nunca duvide de si mesmo, confie em seu animal, tenha força de vontade e não desista nunca!”. Sobre o futuro, além de uma boa faculdade, ela tem planos definidos: “Meu sonho é viajar para o exterior para me aperfeiçoar nessa área, que é o que eu gosto”. E conclui: “Em toda minha vida sempre tive uma paixão especial por cavalos. Atualmente estou conseguindo resultados cada vez melhores, e cada dia mais feliz com o caminho que estou seguindo. No esporte, não existem milagres, mas sim treinamento”.


Radar

Por Alexandre Garcia

Projeto de ditadura Com as atenções voltadas para os casos de Jucá, Renan, Sérgio Machado, Ministério da Cultura, votação da meta fiscal, passou meio em branco o documento aprovado pela direção nacional do PT...

O

documento em questão faz uma análise dos acontecimentos de que o partido foi o sujeito principal. A “Resolução sobre Conjuntura”, da cúpula do PT, afirma que houve um golpe desfechado pelo imperialismo internacional com o apoio da burguesia nacional, das “classes dominantes” e dos “monopólios da informação”. E que é preciso resistir. À linguagem de militância revolucionária de antigamente, só faltou acrescentar a convocação de “proletários do mundo, uni-vos” - do manifesto comunista de Marx & Engels. O importante do documento é a confissão de que realmente tentaram atrelar o estado brasileiro à ideologia e ao partido, tal como fizeram Lênin e Stálin com o estado soviético. A “Resolução” lamenta não ter conseguido fazer um estado só de trabalhadores; reconhece que se descuidou no controle da Polícia Federal e do Ministério Público; que deveria ter modificado os currículos das escolas militares; que deveria ter promovido oficiais com “compromisso democrático e nacionalista”, que deveria ter valorizado a “ala mais avançada” do Itamaraty e que não deveria ter destinado verbas públicas de propaganda aos “monopólios de comunicação”. Nunca se viu melhor confissão de intenções para criar um modelo soviete no Brasil. Perto disso, o discurso do presidente da UNE, José Serra, em 13 de março de 1964, virou peça de aprendiz de feiticeiro. E já que se falou tanto de cultura, o Ministério da Cultura foi aparelhado para controlar conteúdo, fazer propaganda ideológica. No fundo, censura, sem “diversidade cultural”. Tentaram criar o Conselho Federal de Jornalistas, para patrulhar redações e cérebros, cassar a liberdade de opinião e de imprensa. Para isso, se aparelhou o estado brasileiro da mesma forma que a nomenklatura soviética. Nos livrarmos disso tudo foi, na verdade, mais um contragolpe registrado em nossa história

10 Revista Energia

contemporânea. Para isso, usaram-se os meios que a Constituição, as leis, o Supremo e o Congresso dispõem para salvar a democracia, sempre que ela corre perigo. É a democracia com seus próprios mecanismos de autoproteção. O documento do PT comprova que havia, nesses últimos anos, um processo de tomada de poder, com ideias de Lênin e Gramsci, via Foro de São Paulo. Esse projeto, agora confessado, estava nos levando para a catástrofe. Como Cuba, Venezuela, a Argentina de Kirchner. O maior rombo da história nas contas públicas: 170 bilhões; a destruição da maior estatal, a Petrobras; o fechamento de fábricas e lojas e o consequente desemprego de mais de 11 milhões de brasileiros, sem contar os milhões que não conseguem o primeiro emprego e uma crise moral sem precedentes, com corrupção em todos os níveis. Serviços públicos de saúde, educação, segurança desmontados. Num país com o potencial de riqueza que temos, a ideologia do início do século passado foi desastrosa. E resulta sempre em ditadura. 


Saúde Bucal Por Claudio Veneziano de Freitas Cirurgião Dentista / Implantodontista

Lipo na bochecha também pode ser feita no dentista Procedimento utilizado para afinar o rosto ficou popular depois que famosas como Angelina Jolie aderiram à técnica

S

e você é daquelas pessoas que ainda acredita que a ida ao dentista é motivada apenas pela famosa dor de dente, precisa conhecer mais de perto tudo o que seu dentista pode fazer por você. Além de reconstruir totalmente seu sorriso, os profissionais da Odontologia agora podem realizar alguns procedimentos dentro do consultório, que deixam a face ainda mais harmoniosa. Um deles é a Bichectomia. Técnica ainda pouco conhecida no Brasil, a Bichectomia, mais conhecida como lipoescultura facial, começa a ser realizada nos consultórios odontológicos. Mas, o que é a Bichectomia? É a retirada da bola de Bichat, um acúmulo de gordura localizado na região da bochecha, que dá aquele aspecto arredondado ao rosto. Nos Estados Unidos o procedimento já é realizado há mais de 40 anos, porém, a técnica ficou conhecida após celebridades como Angelina Jolie e Jennifer Aniston realizarem o procedimento para afinar o rosto. A Bichectomia é uma cirurgia relativamente simples, com duração de mais ou menos uma hora e anestesia local. O processo é feito com dois cortes, de 1 a 3 cm, na parte interna de cada lado da boca, para a tração e retirada da gordura. Na maioria dos casos, em apenas uma semana o paciente já está totalmente recuperado. Podemos dizer que o procedimento se assemelha muito ao de uma extração do dente do siso.

Embora a recuperação seja rápida, só é possível ver o resultado final depois de dois meses. Antes de realizar o procedimento, o dentista deve pedir alguns exames para verificar a quantidade de gordura a ser retirada, e analisar cuidadosamente se não há flacidez de pele junto à bochecha, que possa comprometer o resultado. Além disso, é preciso muito cuidado na quantidade de gordura retirada, para não deixar o rosto desigual. Como toda cirurgia, a Bichectomia também envolve riscos. O profissional precisa ter experiência, porque é possível cortar acidentalmente alguns nervos, causando paralisia facial. Outro risco é lesionar o ducto parotídeo, canal que transporta a saliva. Por essas razões é muito importante escolher bem o profissional. Então, se faz tempo que não visita seu dentista, por que não aproveita para checar como anda sua saúde bucal e conhecer as novidades do consultório? 

“A Bichectomia ou lipoescultura facial já é realizada em consultórios odontológicos, entretanto, é preciso ter cuidado na escolha do profissional”

Revista Energia 11


nisso

Pense

Por Professor Luiz Marins

LUIZ MARINS Antropólogo e escritor. Tem 26 livros publicados e seus programas de televisão estão entre os líderes de audiência em sua categoria. Veja mais em www.marins.com.br

Brilhante é quem pergunta Há um grande engano quando se pensa que uma pessoa brilhante é aquela que tem respostas para tudo

N

a verdade, brilhante é quem pergunta, pois existem mais respostas erradas do que perguntas erradas É uma pena que nós, brasileiros, não sejamos educados a perguntar. A maioria das pessoas tem vergonha de perguntar e com isso deixam de mostrar o quanto são inteligentes e brilhantes. Não sei de onde veio a ideia de que quem pergunta é ignorante. A verdade é quem não pergunta é que viverá na ignorância, e não o contrário. Quando mães falam de suas crianças de quatro anos, por exemplo, dizem que elas são “muito inteligentes” exatamente porque “perguntam tudo; querem saber tudo”. E porque perguntam são inteligentes. Essa é uma grande sabedoria! O que questiono é o que aconteceu no meio do caminho para que essas mesmas crianças, quando adultas, sejam consideradas pouco inteligentes quando perguntam. É preciso que fique claro que o maior sinal de uma pessoa inteligente é a sua vontade de saber e, portanto, de não ter vergonha ou medo de perguntar. Meu mais recente e trigésimo livro tem como título “73+1 Perguntas sobre Liderança, Gestão, Marketing, Vendas, Motivação e Sucesso”, publicado pela Editora Integrare. Nele eu faço uma homenagem às pessoas e às brilhantes perguntas que me fazem sobre esses temas. São perguntas muito inteligentes! Em minha opinião, o livro vale mais pelas perguntas do que pelas respostas que procurei dar às 73 perguntas que mais me fazem. A 74a. pergunta deixei para o leitor fazer (daí o título 73+1 perguntas) e eu procurarei responder àqueles que me escreverem. Fiz isso para estimular no leitor brasileiro o hábito de perguntar, questionar, cismar, inquirir, debater e com isso perder o medo de aprender, pois é só assim que se aprende e se cresce no conhecimento e na ciência.

12 Revista Energia

Quantas pessoas eu conheço que não sabem alguma coisa que gostariam de saber e, de medo ou vergonha de perguntar, vivem na ignorância! Não seja assim. Pergunte! Lembre-se que brilhante é quem pergunta!  Pense nisso. Sucesso!

“O maior sinal de uma pessoa inteligente é a sua vontade de saber e, portanto, de não ter vergonha ou medo de perguntar”


Informe Publicitário

COMO VOCÊ IMAGINA, A ALUMIGLASS EXECUTA

A

Alumiglass inova o segmento de esquadrias de alumínio. Utilizando os mais modernos processos de fabricação e equipamentos de última geração, realiza projetos diferenciados e seguros, praticando os melhores preços do mercado. Janelas integradas - coberturas de vidro laminado - box para banheiros - portas de giro, pivotante e de correr - janelas basculantes e de correr - janelas Maxim-ar - portões de alumínio - piscinas de vidro - peles e fachadas de vidro - fachadas de ACM - vidros temperados em geral Sob a direção de Leonardo Vinícius Pereira, a Alumiglass possui uma equipe qualificada e preparada para atender as necessidades de cada projeto, investindo constantemente em tecnologia e na preservação do meio ambiente. Confie seu projeto à Alumiglass Jaú: sofisticação e respeito aos clientes, cumprindo prazos e oferecendo sempre os melhores produtos.

Leonardo (14) 9 9719-7082 Miguel (14) 9 9668-8875 Fixo (14) 4103-0552 Rua Ubaldo Damiano, 200 - Jaú, SP

Revista Energia 13


Gente Fina

Vera Lúcia de Toledo Pedroso “É preciso fazer valer a crença de que vale a pena ser íntegro e honesto, ter ética e manter a fé nos valores espirituais” Texto Heloiza Helena C Zanzotti

E

ncontramos Vera Lúcia de Toledo Pedroso, 69, nossa Gente Fina desta edição, em um local que não poderia expressar melhor toda a sua vida: uma livraria. Dona de uma elegância ímpar, ela nos deixa muito à vontade, e parece fazer parte do cenário. Seus olhos brilham quando relembra a infância e adolescência, entretanto, quando fala de sua carreira notamos a paixão e o orgulho que sempre pautaram suas ações no âmbito profissional. Quais lembranças mais marcaram sua infância? Nasci e me criei em Jaú. Nasci em casa, na época em que eram as parteiras que nos traziam ao mundo. Sou descendente de italianos, filha do Caetano, da Banda Marcial, e da dona Irma, da Cantina, que todos conhecem dos idos do Instituto de Educação. Tive uma infância boa, brincadeira de rua com as amigas, amizades sólidas, que permanecem até hoje. Jogávamos queimada, íamos à praça, à missa, à matinê. A escola era o grande foco da gente, trabalhávamos a criatividade com a imaginação. Nada de brinquedo eletrônico, internet, tudo era na base do faz de conta. Uma boneca só para a infância toda. Foi uma infância que gostaria que meus filhos tivessem tido, e como acho que deve ser: brincadeiras e jogos ao ar livre, sem perigo, sem medo, protegida. Teve apenas uma irmã? Sim, apenas a Cleide, quase oito anos mais velha, o que a fez minha segunda mãe, uma vez que cabia a ela ajudar a tomar conta de mim. Isso dificultou a convivência repleta de cumplicidade que caracteriza a irmandade. Hoje somos grandes parceiras e amigas. Ela me deu dois sobrinhos, Sandra e Cassiano, que considero como filhos. Por outro lado, ao me casar, ganhei uma família enorme, de dezesseis irmãos. Somando cunhados,

14 Revista Energia

sobrinhos, sobrinhos netos, já perdemos a conta... Considero a família Pedroso, do meu marido, como minha também. Como foi ser adolescente em plenos Anos Dourados? Minha geração foi extremamente privilegiada. Havia romantismo, poesia, Jaú tinha grandes orquestras, os grandes bailes que a gente tanto esperava. Tive o privilégio de crescer dentro do Instituto de Educação, então, tínhamos o grêmio estudantil, as brincadeiras dançantes, bailes de formatura. Íamos ao cinema, o cine São Geraldo, onde assistíamos a grandes dramas ou comédias. Não existia essa coisa de ficar até de madrugada, mas aquilo nos satisfazia, batíamos papo com amigos, flertávamos, uma coisa que preenchia o emocional. Foi uma juventude sonhadora, de grandes ideais. Nada parecido com o modismo de agora, não havia essa ânsia de colocar uma roupa diferente a cada momento. Encontrávamos emoção nas coisas pequenas, e isso nos fazia muito felizes. Como escolheu ser professora? Escola e família, para mim, sempre se completaram. Ambas construíram minha história de vida. O Instituto foi o local onde estudei, fiz carreira, onde meus pais e minha irmã trabalharam. Ali minha mãe, D. Irma, por 30 anos teve uma Cantina que deixou doces marcas em muitas memórias. Seu pão com molho e seu sonho recheado de creme, servido no término das aulas, continuam vivos entre as lembranças mais agradáveis dos ex-alunos. Meu pai já trabalhava na escola e minha mãe foi montar a Cantina ali. Como não tinha creche, fui para dentro da escola. Meus ídolos foram os professores. Na década de 50, 60, eles eram autoridades, pessoas respeitadas, que detinham o saber e que podiam mudar a vida da gente. Esse foi o grande espelho que eu tive. Cresci rodeada deles, dentro de uma escola, então, meu sonho sempre foi ser professora. Alfabetizar, educar. Foi uma coisa que acalentei, acho que nasceu comigo.


Revista Energia 15


mental e médio, aproveitando que o prédio, no período diurno, era ocioso. Assim foi criada a Escola de Comércio Cultural da Fundação Educacional. Fui convidada para fazer parte do corpo docente e tive o prazer de somar, ao formar o primeiro time do Colégio da Fundação, onde fiquei 34 anos. Na rede pública fiquei de 1967 a 1974, quando me aposentei. Trabalhei também no Maria de Lourdes Camargo Mello, Major Prado, Laudelino de Abreu, Domingos de Magalhães. Em 1990 a professora Daltira me convidou para trabalhar junto à Diretoria de Ensino, na Oficina Pedagógica, onde fiquei por quatro anos. Casou-se ainda jovem? Comecei a namorar meu marido, Moacyr Pedroso, em 1964, quando iniciei a escola Normal. Ele esperou eu me formar, terminar o curso de Artes e em 1970 nós nos casamos. Tivemos três filhos: Gustavo, Flávia e Leandro. Ele trabalhava na Secretaria da Agricultura e faleceu em um acidente, em 1976, quando nossos filhos já estavam na faculdade. E eu levei adiante o trabalho de terminar de educá-los.

Seu pai fundou a Banda Marcial? A existência da Banda Marcial do Instituto de Educação “Caetano Lourenço de Camargo” fez toda diferença, não só na minha adolescência e juventude, como em toda minha geração. Criada e dirigida por meu pai, Cassiano Pereira Pinto de Toledo, foi e é motivo de orgulho para nossa cidade, embalou nossos sonhos, incentivou o civismo, idealismo e amizade. Fez nossa vida mais colorida e vibrante. Participei diretamente por quatro anos, mas sigo até hoje preservando essa história e os frutos maravilhosos que ela legou. Estou organizando todo o material que tenho da Banda Marcial. São cerca de quinhentos artigos que saíram ao longo de toda a trajetória da banda, já digitalizados. Estamos trabalhando agora no material fotográfico, depoimento de amigos, para deixar tudo para o museu. Onde começou sua carreira profissional? O Instituto de Educação foi meu berço de formação e profissional. Quando terminei o curso Normal fiz aperfeiçoamento, tentando esticar um pouquinho minha vida escolar. Lembro que quando entrei na Igreja Matriz para a missa de formatura, eu despenquei em um choro, foi difícil controlar, porque aí caiu a ficha: acabou! Comecei como substituta, uma licença maternidade de quatro meses, então, foi criado em São Paulo um curso para professores de ginásio e a diretora na ocasião acabou me indicando. Fiz o curso de Artes Industriais, voltei, comecei a lecionar, depois fui fazer Educação Artística em Bauru. Complementei em Franca, fiz Pedagogia e prestei concurso. Fui efetivada, entrei em Santa Maria da Serra e mais tarde me transferi para o Instituto de Educação. Fiz também licenciatura plena em Educação Artística, Desenho e Pedagogia. Teve uma longa carreira no Colégio da Fundação... Em 1976 minha grande mestra, dona Isa Rosa Meireles Name, propôs ao Raul Bauab a criação de uma escola de ensino funda16 Revista Energia

Tem saudade da sala de aula? Foram 44 anos trabalhando com a educação. Até hoje sonho com a sala de aula, que foi o que mais me marcou realmente. Foram gerações que passaram por minhas mãos, e posso dizer com a consciência muito tranquila, tenho um carinho muito grande pelos meus alunos, e esse carinho é retornado. Recebo manifestações no cotidiano, pelo facebook. Às vezes você tem um aluno que tem uma situação financeira boa, mas uma família inteiramente desmoronada, pais distantes, que não dão atenção, o pai em outra situação de envolvimento, e notamos que esse filho está precisando de carinho; às vezes é um aluno que tem uma necessidade violenta na parte material. Tive alunos bolsistas na Fundação que ficavam para a aula da tarde e não tinham como se alimentar, então, foram muitas atuações. Algum fato marcou mais sua relação com os alunos? Lembro-me de um evento que o Durval Fiorelli fez enquanto secretário da educação, o Festin, Festival do Teatro Infantil, e montei uma peça chamada O Pirata. Meu reizinho, que era o Maurício Pedrini, tinha uns doze anos e estava tão nervoso para entrar em cena que segurou no meu braço e me deu uma mordida, fiquei com aquela marca no braço um tempão. Nós rezamos antes de entrar em cena, foi uma coisa tão bonita, eles se sentiram tão importantes! Outra coisa que marcou muito foi quando levamos as crianças à praia. Fizemos eventos, bazar da pechincha, e tinha aluno que nunca tinha visto o mar... Foi emocionante. Paramos na praia e um aluno perguntou: “O mar é assim, ele não para dia e noite?”, “Tem hora que fecha o mar?”. São alunos que nunca tiveram essa oportunidade. Fazíamos da escola uma porta para outro tipo de conhecimento. Procurava criar oportunidades para o aluno desenvolver-se? Sempre procurei desenvolver projetos sociais. Por exemplo, adoção de velhinhos do abrigo São Lourenço, não só para levar coisas materiais, mas visitar, pegar na mão, conversar, estar perto deles. Levar os alunos da rede pública a museus, bienais, muitos nunca saíram de Jaú. Dessa forma, eles saíam da escola conhecendo Portinari e grandes nomes da arte, conhecendo uma pinacoteca. Em Jaú temos uma arquitetura maravilhosa, saíamos pelas ruas observando nosso patrimônio arquitetônico. A educação tem que estar atenta a estes detalhes.


Mudou a relação aluno-escola? Mudou muito. A gente sempre dizia: estuda que vai dar certo. Não tinha essa história que tem que passar de qualquer jeito. Havia dignidade no trabalho que era feito. Agora a coisa ficou de tal maneira que não é mais valorizado o trabalho do professor. A escola era um reduto de saber, onde você valorizava a honestidade, o bom comportamento. O professor era respeitado. Eu nunca fui humilhada por alunos ou pais. Acho que a família hoje quer facilidades. Os pais têm sua parcela de culpa? Muitos pais não querem que chamem a atenção de seus filhos. Não se dá limite para a criança e criança sem limite é criança insegura, a educação faz parte da segurança. Somos um país de pessoas mal educadas. Não adianta você reclamar só do governo. Ele é um reflexo da população também. É gente que não respeita a vaga do idoso ou do cadeirante, que não respeita a faixa de pedestre, que joga lixo na rua, não respeita o livro que está exposto, a prateleira do supermercado, quer ter vantagem em tudo... Que sociedade estamos formando? Se eu fosse chamada a atenção na escola, meus pais jamais dariam razão para mim em detrimento do professor. Os alunos estão sem motivação atualmente? Você tem o seguinte aspecto: não está valendo a pena estudar. Quanto ganha um professor? Quanto ganha um profissional formado, que tem um bom currículo? Quem ganha dinheiro neste país? Artista, jogador de futebol, político. E não é preciso ter nenhuma formação. As pessoas que fazem uma boa faculdade, que têm uma pós-graduação, estão penando, muitos estão desempregados. Não vivemos em uma sociedade que valoriza a honestidade, o estudo. A escola não está sendo vista como um caminho que vale a pena. É preciso rever tudo isso. Não tem saída se não for pela educação. Realiza diversos trabalhos sociais? Sou voluntária da Apaja, aprendi que o animal nos dá um retorno maravilhoso. A Apaja faz um trabalho excelente. Eles não têm hora, não têm momento. Proteger o animal é proteger a saúde

pública. Sempre que posso também ajudo o abrigo São Lourenço, o Amaral Carvalho. Toda vez que tenho a oportunidade de atuar dentro da sociedade procuro fazer minha parte. Fale um pouco sobre seu amor pela história de Jaú Sou apaixonada pela minha cidade. Meu filho caçula está na Austrália e certo dia eu andava por lá, uma cidade muito limpa, calçadas ecológicas, muita segurança, então, eles me perguntaram se eu não gostaria de ir morar lá. Sinceramente, não. Porque a minha história está aqui. Eu saio, encontro as pessoas, eu sei quem é quem, cada cantinho da cidade. Eu choro com a demolição de um lugar, fico feliz com a remodelação de outro, minha vida está aqui. A cidade tem uma história e quem não preserva a sua história não tem identidade. O que faz em momentos de lazer? Eu gosto de música, gosto de estar com meus amigos. Tenho amigos que são irmãos para mim, com os quais eu sinto a paz do mundo em torno da gente. São pessoas que viveram a mesma vida que eu. Tenho o privilégio de ainda hoje conviver com alguns dos meus professores. Também leio muito sobre arte, pesquiso sobre o assunto. E tenho feito diversos cursos de culinária, adoro cozinhar, já fiz uns dez cursos ultimamente. Gosto de fazer novidades na cozinha. O que gostaria de deixar como mensagem final? Nessa fase da vida, diante da realidade atual, a mensagem à qual me apego é a da retomada de valores. É preciso fazer valer a crença de que vale a pena ser íntegro e honesto, ter ética e manter a fé nos valores espirituais. Se os homens públicos só nos dão péssimos exemplos, tenhamos coragem de lutar pelos bons exemplos e colocá-los em prática. Sejamos cidadãos cumpridores dos deveres, sem querer burlar as regras, quando isso nos convém; mas saibamos cobrar, rigorosamente, nossos direitos, em alto e bom som. E que cada um, dentro de seus dons e possibilidades, colabore com a sua parte para uma sociedade mais justa. Revista Energia 17


relação irmãos

A entre

Imagem: Internet

Relacionamento

Assim como não escolhemos nosso pai e nossa mãe, não escolhemos nossos irmãos. Somos obrigados a conviver, desde nosso nascimento, com alguém muito parecido ou muito diferente Texto Heraldo Bello da Silva Júnior 18 Revista Energia


S

eria essa uma excelente lição de tolerância? Uma relação necessária na formação do nosso caráter, para aprendermos a dividir e sermos solidários? A espécie humana é resultado de um longo e árduo processo de evolução ao longo da história, e um dos momentos mais importantes foi quando passamos a enterrar o nosso semelhante. Nesse instante verificamos que a preocupação não era mais apenas com a sobrevivência, mas também com a necessidade de dar significado e sentido às coisas e à nossa própria existência. O incesto A partir de então, o homem intensificou sua relação com seu semelhante. Os grupos se organizavam em pequenos clãs, que eram na verdade uma grande família. Uma das primeiras regras para essas organizações foi extremamente importante em nossa história: a proibição do incesto. Quando proibimos pessoas com laços sanguíneos diretos de relacionar-se sexualmente entre si, foi necessário que essas famílias tivessem contato umas com as outras para poder estabelecer relações e, assim, perpetuar (ou continuar) a espécie. Desse modo, passamos a dar um sentido para os irmãos, pois eram nosso laço afetivo mais forte depois dos pais, sem o elemento de desejo. Ainda assim o vínculo era menor, pois como as pessoas morriam muito cedo de inúmeras doenças e desastres, não havia tanta identificação. Era muito comum perder cinco ou seis irmãos, e ainda possuir outros cinco ou seis irmãos. A sociedade acima do individual Claro que isso tinha um sentido menos intenso do que hoje. Primeiro, porque as famílias tinham muitos filhos, sendo assim, tínhamos muitos irmãos. Segundo, porque o coletivo sobrepunha-se ao privado; a preocupação com a sociedade vinha na frente dos interesses privados da família. Nesse contexto, inventamos e desenvolvemos a política (nossa organização social), e criamos a democracia (poder do povo). Todas as pessoas da cidade se cumprimentavam na rua, como um símbolo de reconhecimento, no sentido de dizer um para o outro ao apertar as mãos: eu reconheço você igual a mim, com os mesmos direitos e deveres. A lição do perdão Esses valores foram mudando, e com o surgimento do cristianismo ocorreu uma revolução moral no mundo. Jesus deixou como principal mensagem o perdão. Isso é evidente na maioria de suas metáforas como, por exemplo, a do filho pródigo, que mostra a história de dois irmãos. O mais velho sai de casa com metade da herança e gasta tudo. Quando volta sem nada, pede para comer as sobras e é recebido pelo pai com uma festa. O irmão mais novo acha injusto, e questiona o pai dizendo que sempre havia feito tudo certo, e que nunca havia recebido uma festa. E o pai ensina o maior valor cristão: fazer tudo certo não basta, é preciso perdoar. É o perdão se sobrepondo à justiça. A salvação necessita do perdão e do arrependimento.

Guiar uns aos outros Dentro desses novos valores, todos nós nos tornamos irmãos, filhos de Deus. E a preocupação deixou de ser com o espaço público (que era delegada aos reis, à igreja, aos governantes) e passou a ser individual: cada um é responsável pela salvação da sua alma. É o início de certo individualismo, onde o espaço privado ganha maior destaque, uma vez que agora a família é responsável por educar, orientar e guiar uns aos outros para o caminho de Deus. Sendo assim, os irmãos são responsáveis por ajudar e guiar seus outros irmãos, sem deixar que se percam em pecados, principalmente depois da morte dos pais. É claro que esse conceito se estende aos irmãos da igreja, que também devem ajudar o rebanho para a salvação. O Capitalismo desconstruindo Dez séculos mais tarde surge o capitalismo no ocidente, e uma nova revolução moral. O conceito de felicidade passa a estar relacionado ao prazer do consumo, e as famílias começam a orientar e guiar os filhos para o trabalho e para o sucesso material. Os irmãos passam a sofrer com questões como comparação, quem tem mais sucesso material, e também com problemas futuros como herança. É muito interessante observar irmãos que sempre tiveram uma ótima relação, que sempre foram muito próximos, após a morte dos pais e quando já possuem outra família, sofrerem pressão dos cônjuges e disputarem a herança, desentendendo-se e perdendo a relação, ou até mesmo tornando-se grandes inimigos. São os valores do capitalismo desconstruindo valores como amor fraternal e misericórdia. O irmão passa a ser uma ameaça ao ter que dividir a herança dos pais. E grandes ciúmes surgem quando estes ajudam materialmente um irmão em detrimento do outro. Além do material A vida material passa a regrar as relações sociais e se estende dentro dos laços familiares. Emprestar dinheiro para o irmão pode ser o risco de perder o contato e gerar um desafeto. E é justamente aí que encontramos pessoas moralmente mais evoluídas. Irmãos que, mesmo sabendo a importância dos recursos materiais para nossa sobrevivência e identidade, conseguem sobrepor valores como cumplicidade e solidariedade. Ajudam o irmão, sem esperar nada em troca, abrem mão de algum recurso para vê-lo realizado, ou apenas para não gerar discórdia. Encontrarmos, então, esses dois extremos: os que se matam pelo poder e pelo dinheiro, e aqueles cujo afeto é infinitamente maior. Desse modo, o sentimento de irmão é algo construído socialmente, e não uma relação biológica. Ciúmes ou amizade A relação entre irmãos pode, desde a origem, tornar-se uma relação de conflito, quando percebemos que os pais costumeiramente direcionam mais atenção ao filho mais dependente. O outro, ao longo do tempo, vai construindo um sentimento de inveja e ciúmes, levando ao desprezo pelo próprio irmão, e quando a oportunidade surgir vai deixar isso claro, numa relação fria e distante com o próprio. Entretanto, em muitos outros casos, não aprendemos apenas a dividir, mas vamos construindo um dos sentimentos mais sublimes Revista Energia 19


da nossa espécie, a amizade. O filósofo Aristóteles chama a atenção para a amizade em seu livro “Ética a Nicômaco”, quando mostra que podemos classificar a amizade em três tipos distintos: a amizade segundo o prazer; a amizade por interesse ou segundo a utilidade; e a amizade segundo a virtude, ou a amizade perfeita. A amizade perfeita No terceiro tipo, Aristóteles ilustra aquilo que muitos constroem com seus irmãos, a forma mais elevada de amizade, quando desejamos o bem um do outro de modo idêntico, e sendo assim, caminhamos juntos rumo aos mistérios da vida, às incertezas e desafios da nossa existência, sempre guiando um ao outro no caminho do bem e da bondade. Esse caminhar junto é um sentimento incomensurável, não tem limites, não há como medir. A morte do amigo (irmão) é a morte de si próprio, é uma parte de si que se vai, ao mesmo tempo em que o outro que partiu permanece em nós como virtude, como identidade de um ser humano melhor pela relação recíproca. Filhos únicos Ser filho único depende de fatores como a casualidade, a infertilidade de um dos pais ou mesmo por opção deles. Esta situação de não possuir irmãos faz dessa relação um desafio ainda maior, pois filhos únicos escolhem alguém para ser seu irmão, e constroem ao longo do tempo essa relação que não foi imposta pela natureza, como nenhum sentimento também não o é, mas que foi escolhida para prosseguir por toda a vida, irmão para sempre. Irmãs e gêmeas Ana Paula de Carvalho, estudante de Jornalismo, e a irmã Ana Laura de Carvalho, vendedora, são gêmeas, estão com 24 anos e afirmam que o relacionamento entre elas é muito bom. “Somos super amigas, contamos tudo uma para outra, ela é a minha metade”, diz Ana Laura. A irmã concorda, e completa: “Como qualquer

outro irmão, temos nossas discussões, nossos ciúmes. Mas em tudo que eu preciso é a opinião dela que eu sempre peço, não me vejo sem minha irmã”. Ana Paula lembra que na infância as brigas eram mais constantes, mas logo tudo ficava bem. “Teve um ano na escola que caímos em classes diferentes, foi uma choradeira, até que minha irmã conversou na secretaria e conseguiu me colocar junto na sala com ela. Inseparáveis, né?”, diverte-se Ana Paula, e completa: “Acho um absurdo irmãos que não se falam, que se odeiam, eu não consigo entender como isso pode acontecer!”. E o que a Ana Laura pensa? “Acredito que a relação de irmão é única, ela sempre vai ser a melhor amiga para tudo. Nos momentos ruins e felizes. Ter uma irmã é maravilhoso, ainda mais uma igual a ela, me sinto presenteada por Deus”. O homem da casa Augustinho dos Reis Júnior, 47, autônomo, solteiro, tem quatro irmãs e é o caçula. Para ele, ter irmãs é muito bom. “Nossa relação é maravilhosa, minhas irmãs estão presentes na minha vida diariamente, me ligam a todo momento”. Ele afirma que nunca tiveram problemas. “Amo muito minhas irmãs Zilda, Clarice, Iracilda e Cleonice”. Augustinho diverte-se ao contar um fato que ocorreu quando tinha oito anos: “Meu pai foi embora de casa, minha irmã já era casada e meu cunhado me chamou e disse: ‘Júnior, agora são cinco mulheres e você é o homem da casa’. Um dia eu estava escutando uma música no quarto, minha irmã entrou e desligou o som. Então, eu dei um chute na perna dela. Minha outra irmã já ligou no serviço da minha mãe e contou tudo, dizendo que eu falei que agora era o homem da casa. Quando minha mãe chegou eu apanhei até, e ela perguntando: ‘Quem é o homem da casa, Juninho?’ E eu: ‘Não sei mãe, não sou eu’. Até hoje ela, aos 82 anos, chega e me pergunta: ‘Juninho, que é o homem da casa?’ E eu digo: Não sei, não quero saber e tenho raiva de quem sabe”.

“Não escolhemos ter irmãos, mas escolhemos sermos irmãos. Podemos ter ou não irmãos, mas precisamos escolher sermos reciprocamente irmãos para alcançarmos o bem, a bondade e sermos verdadeiramente felizes, independentemente dos prazeres e dissabores da vida”  20 Revista Energia


Terapia Por Dra Nathalia U. Savian Pessoto Terapeuta de ThetaHealing

Mestre em Fisioterapia (UNESP), Especialista em Ortopedia e Traumatologia (UNESP), Especialista em Osteopatia e Técnicas Manipulativas (UENP), tem formação em Microfisioterapia, Reiki e formação em ThetaHealing DNA Básico e Avançado.

Ativando nosso Wi-Fi biológico o DNA além do físico Você sabia que nosso DNA (molécula que contém informações) funciona como um

É

biocomputador e tem capacidades antes consideradas místicas?

Isso mesmo, pesquisas recentes descobriram que nosso DNA apresenta grande importância no processo evolutivo do ser humano pela sua habilidade em hipercomunicação, telepatia e curas espontâneas. A constituição física do DNA é a famosa dupla fita em forma de hélice, estudada no Projeto Genoma na década de 90, no qual foram identificadas apenas 10% das suas funções no corpo físico, a partir dos estudos recentes feitos por Pjotr Garjajev (pesquisador russo); os outros 90% considerados como “DNA Lixo”, passaram a ser foco do entendimento das funções além do físico, e ainda foram considerados “novos” 10 filamentos energéticos. Portanto, nosso DNA é composto por 12 filamentos, e é isso que permite explicar as capacidades de receber, armazenar e transmitir as informações, como o Wi-fi que usamos para nos comunicar nos dias de hoje, porém, muito mais potente. O DNA capta as informações e transmite para cada célula do nosso corpo, que passa a agir de determinada maneira. Essa hipercomunicação realizada pelo DNA é além do espaço e do tempo, o padrão informacional gerado funciona como “pontes” ou “túneis” de conexões entre áreas totalmente diferentes no universo. Aqui podemos explicar a aplicação de energias e curas à distância, ou até mesmo as sensações que uma mãe tem em relação a seu filho, quando este não está presente. As palavras positivas, sons e vibrações elevadas também influenciam positivamente na ativação do DNA, que assume novos padrões, podendo regenerá-lo em alguns casos. Por isso as terapias quânticas

e de reprogramação biológica, que utilizam palavras positivas e a força do pensamento, vêm ganhando força nos últimos anos; nosso corpo e nossa mente estão passando por processos evolutivos importantes, tudo isso pela ativação do DNA antes “adormecido”. A técnica de Thetahealing (Cura da Alma) trabalha diretamente na ativação do DNA e seus genes, permitindo ganho de vitalidade e juventude a todas as estruturas físicas e energéticas do corpo. Essa ativação foi estudada pela Vianna Stibal, na mesma época em que o projeto Genoma estava acontecendo. Essa possibilidade de manter nossas estruturas com mais vitalidade tem transformado a vida das pessoas, que passam a ter 100% do seu potencial informacional em ação. Quando ativamos nosso DNA por ressonância, o DNA da pessoa que está próxima também se ativa e passa a ser mais saudável. A luz recebida por ele é armazenada e irradia formando “pequenos chacras”, agindo como um cristal quando faz a refração da luz, assim, o DNA mantém e irradia a luz que recebe. Todas essas descobertas nos levam a perceber nosso potencial de evolução, estamos caminhando para curas espontâneas e processos de autocura. Procure ativar seu Wi-fi biológico e irradiar saúde a todos à sua volta.

“O Thetahealing trabalha na ativação do DNA e seus genes, permitindo ganho de vitalidade e juventude”

Revista Energia 21


Segurança Por Edson Copi Diretor Geral da Ceintel Segurança Eletrônica

Dicas de segurança para o dia a dia Evitar que sua residência ou comércio sejam alvos das ações de bandidos é quase impossível, porém, você pode diminuir as probabilidades

C

omo? Tomando algumas atitudes com relação à segurança. Por exemplo: é preciso ficar atento ao horário de chegada e saída da residência. Os horários preferidos dos criminosos são pela manhã, entre 7h e 9h, e à noite, entre 18h e 20h. Nestes horários a atenção deve ser redobrada. Sempre é bom variar o caminho ao voltar para casa. Outra dica é verificar a presença de estranhos antes de abrir o portão. Em geral, os bandidos estudam o local antes de cometerem o delito. Se você perceber algo estranho, o ideal é alertar a polícia. Para o comércio, as dicas são as mesmas. A contratação de segurança patrimonial, quando realizada por profissionais gabaritados, pode minimizar esse fator risco a quase zero. Hoje, é possível encontrar uma gama de serviços de segurança, vigilância 24 horas por dia, alarmes monitorados, serviços de ronda, entre outros. O sistema de vigilância por vídeo (CFTV) representa a maior fatia do mercado de equipamentos de segurança eletrônica no país, e este setor apresenta uma grande evolução trazendo recursos que visam, sobretudo, à praticidade e mobilidade dos usuários. Diariamente nos deparamos com notícias assustadoras sobre a audácia de criminosos que perderam o medo de câmeras e outros sistemas eletrônicos. Chegamos até a questionar a eficácia destes equipamentos que, geralmente, envolvem um grande investimento por parte dos proprietários de residências e imóveis comerciais. Porém, na maioria das vezes, o erro não está no sistema, mas na falta de um estudo adequado do local e escolha de fornecedores especializados que atendam às necessidades específicas de cada imóvel. É fundamental ressaltar que segurança eletrônica não se compra no balcão. É necessário que o consumidor se conscientize que cada

22 Revista Energia

imóvel possui uma característica diferente e, consequentemente, precisa de um projeto específico, realizado por um profissional capacitado. Parece simples, mas muitos consumidores ainda adquirem segurança eletrônica sem a orientação correta, e acabam investindo em equipamentos e serviços que deixam o local vulnerável e sem a proteção adequada. Um simples sensor de presença mal posicionado pode comprometer a eficácia de todo um sistema de alarme. Antes da compra, alguns passos devem ser observados para evitar surpresas desagradáveis no futuro. O diagnóstico e análise de risco; o levantamento de variáveis externas e internas que podem impactar na segurança do imóvel e as vulnerabilidades da instalação. Após este estudo, o consumidor deve solicitar um projeto que permitirá a aplicação da tecnologia mais adequada ao local. Escolha a empresa com base no pacote de soluções oferecidas, afinal, o barato pode sair caro, e com segurança é bom não correr riscos. É imprescindível analisar o histórico do prestador de serviço e optar por uma empresa que ofereça garantia da procedência dos equipamentos e serviços pós-venda, como manutenção corretiva, preventiva e suporte técnico. Não se esqueça de exigir um contrato de prestação de serviços e manutenção dos equipamentos, que deve prever a garantia dos produtos e serviços, e o prazo de atendimento em caso de manutenção corretiva. Esses passos são importantes para que a tecnologia cumpra com os seus principais objetivos: detectar, comunicar e inibir ações criminosas. Existe uma grande logística por trás de um projeto de segurança eletrônica, e para cada imóvel existe um tipo de tecnologia adequada. Ou seja, informe-se, pesquise e faça um investimento de qualidade. Não coloque a segurança de seu patrimônio e das pessoas que você ama em risco.


Revista Energia 23


Internet

Celebridades na web Lançar um canal de vídeos, ser seguido por milhares de pessoas e ficar famoso é o sonho de muitos jovens que deixam de lado o medo de se expor e compartilham seu dia a dia, pensamentos e experiências na web Texto Heloiza Helena C Zanzotti

24 Revista Energia


Imagem: Internet Revista Energia 25


F

undado em fevereiro de 2005, o YouTube é um site que permite aos usuários o compartilhamento de vídeos. Através de uma interface simples, qualquer internauta pode postar um vídeo que milhões de pessoas visualizam em poucos minutos. Assim, cada vez mais pessoas começaram a publicar conteúdos no intuito de se tornarem conhecidos, fazerem sucesso e até mesmo ganharem dinheiro.

Youtubers famosos O que começou com alguns usuários que emitiam suas opiniões, falavam sobre moda, culinária e outros assuntos gerais virou febre e hoje muitos desses jovens são verdadeiras celebridades, ditando tendências, influenciando comportamentos e sendo venerados por uma legião de seguidores. Inclusive no Brasil, como é o caso de Kéfera Buchmann, PC Siqueira, Jout Jout, Chris Figueiredo, Isabela Freitas, Felipe Neto e muitos outros. A paranaense Kéfera Buchmann, por exemplo, do “5inco minutos”, tem mais de oito milhões de pessoas inscritas em seu canal, uma loja online com produtos exclusivos, além de ter lançado o livro “Muito Mais que Cinco Minutos”, contando sua história de vida e falando, inclusive, do bullying que sofreu na adolescência. O “Porta dos Fundos”, com mais de doze milhões de inscritos, passou por algumas modificações em 2015 com a saída de Letícia Lima, Júlia Rabello e Clarice Falcão, mas a atriz Thati Lopes ganhou lugar garantido no elenco, e alavancou o canal. No Brasil, PC Siqueira é um dos veteranos: começou em 2010 e é considerado uma das personalidades mais influentes da internet. Seu canal “MasPoxaVida” já lhe rendeu fama... e dinheiro. Felipe Neto também começou em 2010 com o canal “Não Faz Sentido”, com críticas a diversos temas. Atualmente com mais de cinco milhões de inscritos, Felipe percorre o país em apresentações lotadas de fãs. Faturar e fazer o que gosta Fazer vídeos e faturar muito é o sonho de quem se aventura pelo YouTube. E aqueles que agradam acabam ganhando muito

dinheiro. Pode até parecer fácil, mas para ganhar notoriedade é preciso muita dedicação, desenvolver pautas, roteiros, estudar os assuntos, ler muito, entender sobre o que fala e ser autêntico. O retorno é sempre imediato. O fã de um youtuber interage, opina, critica e compartilha com uma rapidez incrível. E com a fama vem a procura das marcas interessadas em divulgar seus produtos. Um estudo feito pela Zenith Optimedia revelou que o vídeo online será a mídia com maior crescimento em investimento publicitário entre 2015 e 2017, com média de 29% ao ano. Youtubers mirins Neste universo online, crianças também estão conquistando seu espaço. Cansadas dos programas monótonos e repetitivos das TVs, cresce significativamente o número de crianças e pré-adolescentes que estão se tornando fenômenos no YouTube. Um bom exemplo é a mineira Julia Silva, que aos 10 anos já tem mais de um milhão de inscritos em seu canal. Julia começou aos 6 anos, e faz vídeos falando sobre bonecas, personagens preferidos, brincadeiras, maquiagens, moda infanto-juvenil, passeios e viagens. Em maio último, Júlia lançou seu livro “Diário da Julia Silva”, em São Paulo. Careca TV Quem não conhece a jauense Lorena, do Careca TV? Diagnosticada com um tumor no cérebro em março de 2015, a garota contou com a ajuda da irmã Larissa e lançou o canal para con-

26 Revista Energia


Thuany Convidada para participar do programa Galera Energia, da Energia FM, Thuany Maiorali Agostino, 18, aluna do primeiro ano de Artes Cênicas, falou à RE sobre seu canal e expectativas. “Tive a ideia de fazer os vídeos aos 15 anos, mas só tive coragem de começar as gravações no ano passado. Minha família e amigos me incentivavam dizendo que tenho dom para câmera. Comecei pelo Facebook e só depois criei o canal no YouTube”. Thuany acredita que o sucesso aconteceu por causa da identificação de seus seguidores com seu jeito. “No fundo, todos nós temos momentos de loucura, vergonha de exibir, e eu mostro essa felicidade sem timidez”. Questionada sobre retorno financeiro ela se posiciona: “Viver da internet não é fácil, é preciso ter um diferencial para que se consiga notoriedade. Com o passar do tempo algumas propostas vão surgindo, fazendo com que eu fique mais conhecida. Primeiro foi o convite para ir ao quadro “Famosos da Internet”, depois alguns convites para participar de vídeos. Espero que, no futuro, eu consiga viver disso”. Ela também expressa seu reconhecimento aos fãs. “Fico feliz por tamanho carinho que os seguidores têm por mim e espero fazer com que todos esqueçam seus problemas e deem risadas a partir do momento em que apertam o play do vídeo”.

TitiTV O também jauense Tiago Massola, 15, estudante, aventurou-se e lançou o canal TitiTV, que ele mesmo confessa nunca ter levado a sério, a não ser há cerca de dois meses. Fã do LubaTV e da Kéfera Buchmann, ele afirma que seu esforço e talento são as principais peças que o movem, e com relação às centenas de pessoas que se identificam com ele, declara: “Vejo isso como algo muito especial. Já diverti pessoas que pensavam em se matar, outras depressivas, enfim, muita gente”. Tiago também teve seu dia de participação no Galera Energia, e como tantos outros acalenta o sonho de ser reconhecido e bem remunerado. “Pretendo ter um canal de sucesso, dar uma vida melhor para minha família, ter meu trabalho reconhecido e divertir milhões de pessoas!” Bienal Internacional do Livro A 24ª edição da Bienal Internacional do Livro, em São Paulo, será realizada entre os dias 26 de agosto e 4 de setembro e terá a participação de diversos youtubers, considerados influenciadores digitais. Entre os convidados estão Kéfera Buchmann, Jout Jout, Lucas Rangel, PC Siqueira, Maju Trindade, Malena e outros. Estão previstas rodas de conversa e os autores vão receber fãs para uma tarde de autógrafos. Para isso, é preciso pegar uma senha no site e Facebook do evento, mas atenção, o número é limitado. A Bienal será realizada no Pavilhão de Exposições do Anhembi, e os ingressos custam de R$ 20 a R$ 25. Quer experimentar? Para começar, você deve criar um canal público no YouTube no momento, isso não pode ser feito nos apps do YouTube para Android ou para iOS, mas você pode usar o site móvel ou um computador. A idade mínima é de 13 anos, e o YouTube informa que os canais infantis parceiros da plataforma são supervisionados pelos pais das crianças, e que todo o contato é feito com os responsáveis. Os youtubers possuem seguidores fiéis, que acompanham seus vídeos e todas as outras formas através das quais eles se expressam. Mas, para se destacar em um mercado tão competitivo é preciso ter conteúdo, paciência e regularidade.  Revista Energia 27

Imagem: Internet

tar sua história. Com mais de três milhões de seguidores, Lorena Reginato Defende, 12, lembra como tudo começou: “Eu sempre quis fazer vídeo, então, após saber da doença, resolvi começar logo para esquecer o câncer, e virou esse sucesso. O primeiro foi mais difícil. Quando falei para minha irmã criar um canal para mim, ela disse que iam me zoar por causa da minha voz tremida, mas eu disse: dane-se, cria aí. Então peguei o celular da minha mãe e comecei a gravar. Só que eu não sabia o que falar, e minha irmã escreveu um roteirinho que eu li, postei e foi um sucesso”. Lorena explica que o fato de ter que ir a Ribeirão Preto toda semana, por conta do tratamento, atrapalha um pouco a frequência das postagens. “Faço os vídeos no dia em que estou legal; por causa das quimios, tem dia que não estou muito bem”. E deixa um conselho para quem quer começar: “Se a pessoa quer ter um canal, vá em frente. Vergonha eu também tive no começo. Sempre tem aqueles que falam mal, mas é só não ligar e continuar”. Sobre os ataques que sofreu diversas vezes, inclusive de hackers, ela pontua: “Enfrentar pessoas maldosas para mim foi normal, já enfrentei um câncer, não vai ser isso que vai me detonar não”.


Consultoria

Por Paulo Sérgio de Almeida Gonçalves consultoria@revistaenergiafm.com.br

Paulo Sérgio de Almeida Gonçalves é administrador, contador, consultor, palestrante e professor universitário com MBA pela FGV – RJ em Gestão Estratégica de Pessoas; presidente  da AESC – Associação dos Escritórios e Profissionais da Contabilidade de Jaú e região - gestão 2004/2005; atualmente  diretor da AESC Jaú; proprietário do DinamCorp Corporação Empresarial e Contábil; proprietário da Prosol Unidade Jaú e consultor e orientador em desenvolvimento de softwares Prosol – São Carlos

E aí, não vai fazer nada? Frequentemente me perguntam se podemos ainda ter esperança e se as coisas irão melhorar para o Brasil. E, antes de dizer a resposta, vou fazer outra pergunta para que reflitam

V

ocê acredita nos políticos que estão governando? Pense um pouco… Uau, que coincidência, nem eu! Os anos 90 (Plano Real) nos trouxeram segurança e um lugar ao sol em um país com a inflação controlada, nossa moeda sendo respeitada, além de uma economia de certa forma estável em comparação com as do resto do mundo. Claro que tivemos certas dificuldades e crises pela caminhada. Mas, com a invasão dos companheiros a partir de 2002, apoderando-se do poder e transformando o país em uma baderna descontrolada, sem qualquer plano ou previsão de futuro, apenas nos trazendo o descontrole total perante o mundo, infelizmente só olharam e olham apenas para os próprios umbigos. Poderia ficar aqui descrevendo dezenas de linhas sobre essa avacalhação que temos assistido com mais frequência nos últimos dois anos. Mas não vou. Agora, quero retomar a pergunta que me fazem para dizer o que penso. Diga: por acaso, quando sonhou e pensou em abrir um negócio, você dependeu do governo? Quando se empolgou para montar suas prateleiras, colocar os estoques, ou mesmo quando atendeu seu primeiro cliente para lhe prestar serviços, lembra-se

28 Revista Energia

como foi prazeroso? E por acaso você levou em consideração o que ouviu pela televisão para ter aquele prazer em estar iniciando sua loja, sua indústria ou sua prestação de serviços? É, foi o que pensei, não né? Pois exatamente como foi na época tem que ser agora; esqueça o governo e bola para frente, não fique esperando não, não vale a pena... Claro que a situação não está para rasgar dinheiro ou sair por aí achando que pode fazer loucuras, mas caminhar é necessário. Dias atrás, parei em um semáforo na cidade de São Carlos, SP, daqueles que marcam o tempo regressivamente (24, 23, 22, 21...) e comentei com minha sobrinha, que estava comigo no carro: “Olha como a vida passa regressivamente perante nossos olhos, cada segundo que o semáforo está nos mostrando, é um segundo a menos que temos para curtir a vida”. Ela até ficou meio espantada, mas entendeu o recado. E você, vai ficar aí, esperando os seus segundos passarem sem fazer nada? 

“Quando atendeu seu primeiro cliente para lhe prestar serviços, lembra-se como foi prazeroso?”


Conheça Jaú Conheça Jaú Heloiza Helena C Zanzotti

Heloiza Helena C Zanzotti

O

ficialmente inaugurada na segunda gestão do prefeito Luiz Liarte, em 25 de outubro de 1955, a Piscina Municipal de Jaú era o local preferido dos jovens que ali se reuniam diariamente, principalmente os que pertenciam à classe mais abastada. A RE conversou com o Professor Ademar Francisco Moscheta, 76, treinador por muitos anos no local, que recordou com saudade a época em que o complexo era um cartão postal da cidade. “Falar da piscina hoje até me faz chorar. Vendo as fotos de como era antigamente, e vendo como está, dá muita tristeza”, afirma emocionado. Segundo Moscheta, a piscina semiolímpica possui seis raias, mede 25m x 14m, com profundidade de 3,82m na parte mais funda, devido às pranchas de salto (de 5m e 10m). “E era aquecida”, conta o professor. Com uma estrutura diferenciada e muito completa, com vestiários masculinos (adulto e infantil) e femininos (adulto e infantil), ele diz que grandes atletas passaram por ali: “Havia uma equipe de Saltos Ornamentais e a equipe de Aqualoucos, muito famosa em todo o estado de São Paulo. E exímios nadadores como Orlando Pavanelli, Roberto Curi, Doutor Péricles Pinheiro Machado, Antônio Carlos Marchesano e muitos outros. Havia também a equipe de revezamento mais veloz do Brasil, em 1968, com quatro nadadores nos 100m livres”. Ademar Moscheta explica que o trabalho de natação foi iniciado pelo professor Kroel Reder, que treinava uma equipe muito boa. “Depois ele foi transferido para Jaboticabal e o David Washington Paes assumiu a parte de natação, mas como ele também foi para o lugar do Reder no Instituto de Educação, acabou me convidando para ser auxiliar na modalidade, isso em

Piscina Municipal

1962”. Na época, a Piscina oferecia natação, caratê, judô, xadrez, damas, tênis de mesa, capoeira. Havia os horários abertos ao público e os específicos para treinamentos. “Qualquer cidadão podia frequentar, desde que fosse sócio e tivesse o atestado médico. Existia uma taxa mensal simbólica”, informou o professor. Mário Panucci, 61, publicitário e professor de Educação Física e Caratê, também foi técnico de natação na piscina e falou à RE: “Comecei a nadar aos 9 anos de idade e treinei regularmente até os dezenove anos. A Piscina Municipal já representou para Jaú um celeiro de formação de grandes atletas, tanto na natação, através da qual Jaú teve uma hegemonia em todo o estado de São Paulo, e também em outros esportes como judô, dama, xadrez, caratê”. Mário também lamenta o estado atual da piscina. “É uma pena que ela não esteja em seus melhores dias, e a gente torce para que haja uma saída, quem sabe uma parceria entre o poder público e empresas privadas, para resgatar e revitalizar aquele espaço que é nobre dentro da cidade”. Para Panucci, apesar de ser um prédio antigo, tem boa estrutura e até certo exagero de salas, que foram adaptadas para a prática de outras atividades. “A melhor lembrança que nós temos da piscina é da nossa infância e juventude, era ali que nos encontrávamos, treinávamos, reuníamos os amigos. Essa é a grande diferença. O nosso relacionamento, a nossa vida social era na borda da piscina, e isso gerava um comportamento diferente das gerações que não têm hoje um ambiente sadio para conviver com seus amigos, e acabam enveredando por outros caminhos não tão saudáveis”. Hoje o local abriga turmas de judô, ginástica para a terceira idade, tênis de mesa para a terceira idade, capoeira, zumba e uma escolinha de natação. 

- Toldos Retos

Painéis

- Cortinas de Rolo - Toldos Fixos em Vários Modelos - Reforma de Toldos em Geral - Cortinas de Rolo com visor Fone: (14) 3624.7331 (14) 99719.0790 - Rua Cônego Anselmo Valvekens, 51 - Jaú/SP

Revista Energia 29


Capa

A VIDA

do seu pet depende de VOCÊ “Nossos animais de estimação têm vida tão curta e, ainda assim, passam a maior parte do tempo esperando que voltemos para casa todos os dias” (Marley e Eu)

Texto Heloiza Helena C Zanzotti

V

ocê chega em casa depois de um dia de trabalho e tudo o que deseja é sentar-se e descansar. Entretanto, assim que entra, alguém está à sua espera. Abana o rabo, late, pula, enrosca-se em você e não descansa enquanto não tem sua atenção. E apesar de todo o cansaço logo você corresponde ao carinho dando afagos, mimos e petiscos. E essa relação enriquece sua vida e a de seu animalzinho. No entanto, possuir um animal de estimação requer muito mais que alimentá-lo e dispensar-lhe os cuidados básicos. Sua vida, bem-estar e felicidade dependem da responsabilidade de seus tutores, da sua consciência em satisfazer as necessidades de quem só pede amor e atenção. 30 Revista Energia

Uma relação benéfica Dados divulgados no ano passado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) apontam que há 52 milhões de cães e 22 milhões de gatos nos lares brasileiros. Com a mudança de comportamento da sociedade, casamentos acontecendo cada vez mais tarde, famílias com número reduzido de filhos, os pets têm sido uma opção de companhia para muitas pessoas. Além dos inúmeros benefícios à saúde que a companhia de um animal de estimação proporciona, estudos comprovam que donos de animais são mais propensos a fazer amizades e têm um melhor convívio social.


Revista Energia 31


Atenção é fundamental Um bom tutor deve estar sempre atento à saúde de seu animal. Muitas doenças podem vitimá-los e a falta de conhecimento e de cuidados adequados costuma ser uma das principais causas de morte de animais domésticos. Consultas preventivas são importantes para evitar doenças e suas complicações. Consulte sempre um veterinário para saber quais vacinas seu bichinho precisa tomar, mantenha a carteirinha dele em dia e não se esqueça dos vermífugos e remédios contra as pulgas e carrapatos. Estas medidas são indispensáveis e garantem o bem-estar do seu bicho de estimação. Hospital Veterinário Araújo Nos últimos anos multiplicaram-se os estabelecimentos que prestam serviços aos pets, entretanto, nem todos primam pela qualidade, o que pode comprometer a saúde e segurança dos bichinhos. Por isso, a escolha de uma clínica e profissionais de qualidade faz toda a diferença. Inaugurado em 6 de agosto de 2006, o Hospital Veterinário Araújo possui umas das estruturas mais completas do Estado de São Paulo, sendo referência em Jaú e toda a região. São quatro consultórios amplos, laboratório de análises clínicas, laboratório de exames de imagem, centro de controle de esterilização, centro cirúrgico completo com equipamentos de alta tecnologia, internação 24 horas, pet shop, banho e tosa, farmácia, transporte e hotel. Tudo pensado para garantir um tratamento de excelência em medicina veterinária. Referência em terapia com células tronco O HVA possui toda a estrutura necessária e uma equipe preparada para as mais modernas terapias, entre elas o transplante de células tronco, indicado para doenças progressivas e degenerativas, muitas vezes incuráveis. 32 Revista Energia

Os melhores profissionais O HVA investe constantemente em conhecimento. Seus profissionais são especializados e qualificados para resolver qualquer tipo de intercorrência em animais, sejam eles comuns ou exóticos. Possui serviço de emergência e cuidados intensivos eficientes 24 horas por dia, e estrutura para atender múltiplas especialidades, sendo referência na procura por especialistas. Dr Giovani Fernando Araujo: especialista em oncologia; diagnóstico e tratamento dos diferentes tipos de câncer em cães e gatos, doença que vem aumentando significativamente sua incidência. Através de procedimentos cirúrgicos, quimioterapias, laser, crioterapia e outras técnicas, grande parte dos casos são resolvidos, trazendo conforto e melhor qualidade de vida aos animais. Dra Kalinca Grombroni: atende a especialidade cardiologia veterinária. Com o avanço dos meios diagnósticos e preventivos, o número de animais idosos vem aumentando e, consequentemente, há mais problemas relacionados à idade. Tem formação ainda em radiologia, ecocardiografia, eletrocardiograma, oftalmologia, nefrologia, pneumologia. Dr Adelio G.Amaral Júnior: especializado em oftalmologia. Manutenção e restituição da visão dos animais a fim de garantir sua qualidade de vida. O diagnóstico precoce e tratamento adequado das doenças oculares são fundamentais para a manutenção da visão nos animais de companhia. Formado também em ortopedia, cirurgia geral, traumatologia, plástica. Dr Leonardo G. de Oliveira: atende a especialidade animais silvestres e oncologia. A medicina de animais silvestres abrange clínica e cirurgia de aves, répteis e pequenos mamíferos, respeitando as particularidades de cada espécie. Orientações sobre cuidados básicos, doenças nutricionais, manejo preventivo e sanitário, formas de contenção física e quí-


mica, legislação e tratamento das principais enfermidades. Formado ainda em clínica geral e medicina de emergência.

Especialidades

Dr Thiago de Oliveira Zamprogna: mestre em infectologia e doenças infecciosas. Estudo das doenças causadas por diversos patógenos como príons, vírus, bactérias, protozoários, fungos e animais. Formado em Acupuntura e Fitoterapia.

Acupuntura Animais Silvestres Cardiologia Chipagem Dermatologia Doenças infectocontagiosas Endocrinologia Fisioterapia Homeopatia Infectologia Intensivismo Medicina oriental Microbiologia Nefrologia Neurologia Odontologia Oftalmologia Oncologia Ortopedia Patologia Clínica Radiologia Traumatologia Ultrassonografia

Dr Moisés da Motta Pinheiro: especialista em doenças infectocontagiosas, tem formação em cardiologia, neurologia e clínica de pequenos animais. Dra Marina Frari: ultrassonografia Laboratório clínico O laboratório clínico disponibiliza diagnósticos precisos, e conta com uma equipe de médicos veterinários especializados e treinados para oferecer orientação na coleta e obtenção das amostras, além de assessoria e suporte na interpretação de resultados dos diversos tipos de exames e possíveis condutas terapêuticas. Dra Renata Formaggio P. Prezotto: especialista em patologia clínica e citopatologia. Dr Rafael Corradi Castilho: atende a especialidade de patologia clínica e microbiologia. Dra Lais Maria de Campos: atende a especialidade patologia clínica. Responsabilidade social Uma empresa que investe tanto em conhecimento, tecnologia e equipe qualificada para cuidar da saúde de tantos animais de estimação, não poderia ficar de fora quando o assunto é trabalho social. Por isso, o HVA leva essa questão muito a sério, prestando assistência gratuita a todos os animais silvestres trazidos pela polícia ambiental e bombeiros. Infelizmente, milhões de animais domésticos não contam com o carinho de um tutor. A Organização Mundial de Saúde estima que haja no Brasil 30 milhões de animais abandonados. De olho nesta realidade, o HVA dá todo apoio financeiro e técnico a diversas entidades da região, sempre fomentando iniciativas em prol dos animais de companhia. E a partir da próxima edição da RE, você vai poder conferir um pouquinho desse trabalho no projeto “Adote um Pet”, viabilizado pela parceria HVA e Energia FM. 

Revista Energia 33


Equipe HVA Hospital Veterinário Araujo

Telefone (14) 3626 5287 Avenida João Ferraz Neto, 430, Jaú/SP

34 Revista Energia


Direção Segura Por Roberto Carlos Capelli

Habilitação é coisa séria Os jovens não vêm a hora de completarem dezoito anos de idade para, então, tirar sua CNH e ficarem mais independentes, podendo ir a festas, bailes, faculdades, trabalho, etc

O

corre que, quando pretendem habilitar-se, procuram primeiro o Centro de Formação para Condutores, que providencia toda a documentação, encaminha os candidatos à CIRETRAN (Poupatempo) onde a documentação é conferida, são colhidas suas digitais, registrada a fotografia e, ao término do cadastro, ele será encaminhado para realizar exame médico e psicotécnico. Após toda essa jornada, o candidato frequentará curso técnico-teórico, onde receberá toda orientação sobre Legislação de Trânsito, Direção Defensiva, Noções de Primeiros Socorros, Noções Básicas sobre Mecânica e também sobre o Meio Ambiente e Cidadania no Trânsito. Somente após a conclusão do referido curso é que ele estará apto a ser submetido ao exame teórico, que é agendado e aplicado pela CIRETRAN. Ao final do Curso Teórico-Técnico, poderá agendar no CFC as aulas no simulador, as quais são obrigatórias. Enfim, após ser aprovado na prova teórica, será expedida pelo Centro do Formação de Condutores, após lançamento do resultado no sistema informatizado do DETRAN, a Licença de Aprendizagem de Direção Veicular (LADV), e a partir de então o candidato deverá iniciar suas aulas práticas, devidamente acompanhado pelo seu instrutor. É neste momento que acontecem algumas irregularidades por parte dos Centros de Formação de Condutores que não têm o compromisso com a verdadeira aprendizagem do candidato, visando apenas ao valor financeiro, pois oferecem a possibilidade de “passarem a digital” para abrir a aula, não realizarem a aula e depois, no horário de encerramento, voltarem ao CFC e “fecharem a aula”,

burlando o sistema informatizado do DETRAN. Assim o CFC recebe pela aula, que na verdade não foi dada, e o aluno fica com a impressão de que foi ajudado, quando na verdade foi induzido a burlar o sistema do DETRAN, o que é CRIME e pode levar o aluno e o instrutor a responderem processo na justiça. Agindo desta forma, o maior criminoso é o Centro de Formação de Condutores que não se preocupa em ensinar corretamente o candidato que, ao término do processo e sendo aprovado no exame prático, estará autorizado a transitar pelas vias públicas sem ter sido devidamente preparado, podendo envolver-se em acidente de trânsito de natureza gravíssima, causando ou sofrendo danos, às vezes irreparáveis. O candidato pode ter a impressão de que o instrutor ou o CFC está ajudando ao abreviar o tempo de espera pela tão sonhada habilitação, quando na verdade ele está sendo enganado, e futuramente, quando estiver no volante de um veículo sem ter sido corretamente preparado, poderá vitimar toda sua família, ou mesmo outra família inocente que esteja fazendo uso da mesma via de trânsito. O fato é que tanto no comércio de produtos como nos Centros de Formação de Condutores não existem mágicas; quando alguns apresentam preços muito fora da realidade, alguma coisa está errada, e o candidato deve estar atento para não ser enganado e fazer parte de alguma fraude que, no futuro, possa lhe prejudicar. Procure um Centro de Formação de Condutores que tenha o compromisso com a verdade, compromisso com o ensinamento, que queira não só ganhar dinheiro, mas formar condutores para mudar a história do trânsito. 


Energia Garota

Andresa Rafaela Xavier

Por Paula Mesquita

36 Revista Energia

Tel.: (14) 3626 3850 Rua Campos Salles, 256 - Centro JaĂş/SP Paula Mesquita Modas


Ficha técnica:

Fotos: Daniel Jorgin Looks: Paula Mesquita Cabelo: Jorgin Cabelo e Estética Local: Lolla Disco & Bar


Por Evelin Sanches Mestrado em Administração Pública e Governo MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Corrida de Rua ... a segunda paixão nacional! A corrida de rua é o único esporte em que atletas profissionais, amadores, simpatizantes, idosos, crianças, atletas internacionais, munícipes e vizinhos de cidades correm juntos, em uma só prova

C

om um crescimento incalculável, a corrida de rua vem ganhando espaço; unindo pessoas; descobrindo novas técnicas; lançando os mais diversos produtos como tênis, roupas e acessórios; explorando um novo segmento de mercado, não só nas diversas empresas de vestuário e calçadistas, como também na área de alimentação saudável e assessorias, agregando valores aos eventos e fazendo crescer a socialização e cultura, afinal, cada corredor traz sua marca, sua história, seu perfil e uma super equipe. No último dia 03 de Julho, domingo, tivemos um exemplo claro de todo o tópico citado acima: a 28º Corrida de São João, realizada tradicionalmente na cidade de Bocaina, SP, conhecida por seu percurso desafiador, tornando-se uma prova bastante técnica. Essa edição contou com a grandeza de atletas internacionais como os quenianos Edwim Kibet e Nelly Jepkurui, a colombiana Diana Castilho e muitas outras personalidades como João Batista Oliveira Santos, que nos mostrou a destreza e a superação de correr 10 km sob uma só perna. Contamos com diversas equipes que transformaram as ruas de Bocaina no maior evento da região. A corrida foi narrada através da locução de Betão Sangeroti, o locutor corredor que seguiu todo o trajeto, registrado com a precisão da empresa AMDRONES e sob as lentes nervosas do fotógrafo Wal-

ter Contessotti Jr, contando com uma platéia que visivelmente preencheu e acompanhou todo o percurso, com a finalidade de observar cada detalhe. Na arena uma equipe competente disputava atrações e profissionalismo, como a Mori Motors Toyota, Hyundai Top HMB, Alameda Quality Center, Grupo Rodoserv, Arezzo, M.Officer Jaú, Livraria Espaço União, H&S informática, Arena Games, The Tennis, além das mais diversas personalidades como a menina Lorena Reginato e demais atrações que fizeram do evento um grandioso show. Com o apoio e realização da Prefeitura de Bocaina, através da sua Secretaria de Esportes, organização da Alvo Run e Iserbem Assessoria em Corridas, e patrocínio de todos os corredores e equipes participantes, sem a presença de cada um dos atletas o evento não teria a grandeza e proporção que tomou ao longo de toda a preparação. Na Corrida de Rua, o fator mais importante é, sem dúvida nenhuma, o atleta. Corremos com pórticos ou somente com riscos no chão; corremos com isotônicos ou somente contando com a água, corremos com propagandas e grandes backdrops ou somente com a paisagem do local; mas de uma coisa não podemos abrir mão: para se ter uma grande e notável corrida, são necessários os amigos, as equipes, os profissionais, os amadores, os jovens, os idosos, as crianças, enfim, não existe prova alguma sem o verdadeiro corredor!l! Fotos: Arquivo Pessoal


Revista Energia 39


Óticas Precisão Atender as necessidades das pessoas e fazer com que elas se sintam felizes. Esta é a missão das Óticas Precisão, que desde 1985 figuram no cenário jauense como uma das empresas mais sólidas e respeitadas na cidade Texto Heloiza Helena C Zanzotti

40 Revista Energia


Loja I Lourenço Prado

A

s Óticas Precisão nasceram de um sonho pessoal. Ainda morando fora de Jaú, Alaélia Bassan, proprietária, interessou-se pelo ramo e começou a fazer cursos na área. Casada com um jauense cuja intenção era voltar para a terra natal, decidiram então abrir a empresa para depois se mudarem para cá. O empreendimento deu certo e a família veio de vez. A dedicação e amor pelo que se propuseram a fazer logo deu resultado, e foi necessário expandir o negócio. Da aquisição do terreno na esquina das ruas Lourenço Prado e Quintino Bovaiúva, à construção de um prédio inovador para a época, Alaélia Bassan, proprietária, resume sua trajetória para a RE: “Sonho não tem preço”. A realização desse sonho aliada ao comprometimento em atender seus clientes cada vez melhor fez com que a empresa se destacasse no mercado, contribuindo com o desenvolvimento do município. Qualificação e destaque Atualmente com três lojas e uma equipe composta por dezesseis funcionários, as Óticas Precisão trabalham com os melhores produtos, acompanhando todos os lançamentos e tendências da moda, com uma diversidade de itens que atende a todos os bolsos. Alaélia não abre mão de valores como humildade, ética e valorização das pessoas, por isso, seus colaboradores recebem semanalmente treinamento ministrado por profissionais especializados, para prestar sempre o melhor atendimento possível e passar as informações e orientações corretas. Também investe constantemente em tecnologia e no aperfeiçoamento dos serviços, mantendo um laboratório totalmente informatizado, com equipamentos de última geração. Compromisso social A preocupação com o bem-estar da sociedade está presente em inúmeras ações sociais que fazem parte do dia a dia de uma empresa que cumpre sua responsabilidade social, procurando alguma forma de melhorar a vida das pessoas. Através de campanhas beneficentes, atendimento gratuito a pessoas carentes e ações em escolas e instituições assistenciais, as Óticas Precisão atuam para promover a saúde e bem-estar dos menos favorecidos. O cliente em primeiro lugar Atendimento personalizado, profissionalismo, preços competitivos e respeito com relação aos prazos fazem com que as Óticas Precisão se mantenham em primeiro lugar na preferência dos clientes, por isso, desde 1989 é eleita por empresas de consultoria como a melhor ótica da cidade. Em ambiente familiar, onde impera a cortesia e bom atendimento, ali os clientes recebem informações e dicas, e a equipe está sempre pronta a ajudar na escolha do modelo que mais se enquadra no perfil de cada um, trazendo harmonia ao rosto e conforto à visão.

Loja II Lourenço Prado Revista Energia 41


Equipe

Para aqueles que não dispõem de tempo em horário comercial, as Óticas Precisão mantêm a loja no Jaú Shopping, com uma coleção diferenciada de óculos, além de relógios e joias. E pensando sempre na comodidade de quem procura seus serviços, as lojas do centro oferecem estacionamento exclusivo.

Rua Lourenço Prado, 555 - Fone: (14) 3624.5353 Rua Lourenço Prado, 536 - Fone: (14) 3622.6834 Jaú Shopping - Fone: (14) 3622.9090 Loja Jaú Shopping


Revista Energia 43


Materiais para Construção

Construindo com você! Caminhar lado a lado com o cliente, buscar sua satisfação e construir relacionamentos baseados em transparência e seriedade são os pilares de uma empresa que conquistou a preferência dos consumidores Texto Heloiza Helena C Zanzotti 44 Revista Energia


Elaine Cristina, Márcio Pizato e seus filhos Luiza e Mauricio

S

ob a direção dos amigos Olindo Ushiro, Antonio Aparecido Rossi e Antonio Edenilson Trevisan, a GF Materiais para Construção atua no mercado com lojas em Jaú e Dois Córregos, atendendo as cidades e toda região seja na hora de construir, ampliar ou reformar. Mais que uma loja de materiais de construção, a GF reflete em seu slogan exatamente aquilo que acredita ser imprescindível em uma parceria. Foco no Cliente Atender as reais necessidades de seus clientes e impactar positivamente na realização de seus sonhos. Para a GF, pessoas são mais importantes que bens materiais, e uma obra só se completa quando se transforma em um lar ou ambiente de trabalho onde as pessoas passarão grande parte de suas vidas. Uma empresa que prima pela excelência no atendimento, mantendo colaboradores em constante atualização e treinamento. Clientes satisfeitos Não é por acaso que a empresa conquista e fideliza cada vez mais clientes, buscando superar as expectativas dos mesmos, definindo essa postura como um dever, uma missão de todos os colaboradores. Seja para adquirir um pequeno item ou para negociar todo o material de uma obra, o cliente tem que ser atendido com o mesmo carinho e atenção. Para Elaine Cristina Cardinal Pizato, 39, psicóloga, um dos diferenciais da GF é o pronto atendimento. “Depois da decisão de construir, após todo planejamento, definição do projeto e viabilização financeira, nos deparamos com o pedreiro. Eles querem tudo de imediato, e a GF é a loja que sempre entregou os pedidos no momento em que precisávamos, sempre com materiais de qualidade”. O marido de Elaine, Márcio Pizato, 37, educador físico, concorda e vai além: “Escolhemos a GF, a princípio pela confiança, porque erámos amigos do Denilson, depois viemos a conhecer o Rossi e sabemos o quanto são pessoas honestas. Eles facilitaram bastante o processo de construção em todas as fases da obra, com muita proximidade com o construtor e fornecimento de materiais de excelente qualidade. Destaco aqui também as várias opções de pagamento à nossa disposição. Tudo que precisávamos sempre atendiam com prontidão, creio ser esse o grande diferencial da GF”. Melhores marcas A GF prima pela qualidade de seus produtos, oferecendo sempre o que há de melhor em seu portfólio. Produtos que se destacam no Brasil e no mundo pela qualidade reconhecida e comprovada. Empresas consagradas como: Votoran, Vent-Lar, Vedacit, Deca, Tigre, Suvinil, Gerdau, Brasilit, Lorenzetti, Fortlev, Quartzolit, Via Rosa, Delta, Duragress e tantas outras que fazem parte do grupo de fornecedores da GF Materiais para Construção. Equipe Preparada Parte do sucesso de uma empresa acontece graças ao potencial humano da organização, que se transforma no seu maior patrimônio. A equipe de colaboradores da GF está sempre pronta a orientar e contribuir na solução dos problemas que surgem nas obras em geral. Para isso, é constantemente treinada pela HRS Consultoria & Treinamento, e tem parceria com instituições como Senac, Sebrae, Fatec e outras que oferecem qualificação profissional. Preparada para acompanhar passo a passo todas as etapas da construção, desde a fundação até o toque final, com forte atuação também na área de lajes para forro e piso, através de uma parceria com a Tecnolaje.

Proprietários Srs. Rossi, Ushiro e Antonio Edenilson

Revista Energia 45


Equipe GF Jaú

A GF é minha família Maria Emília Oliveira, 60, faxineira, trabalha na empresa há 15 anos e afirma: “Me sinto muito bem aqui. Faço o melhor no meu trabalho e procuro me dedicar cada vez mais, porque o trabalho é nosso sustento e temos que dar valor, senão o que seria de nós? Aqui não tenho patrão e colegas de trabalho, mas uma segunda família. Já trabalhei também na residência dos proprietários e tenho estima e consideração por todos, pois são pessoas ótimas. Agradeço a Deus por estar aqui até hoje e só pretendo sair quando me aposentar. Na GF recebo apoio, tanto da empresa como das pessoas. Gosto muito de trabalhar aqui”. Segurança e estabilidade Para Carlos Henrique Gonçalves, 49, vendedor, na empresa há 21 anos, a GF é um lugar agradável, onde todos procuram manter um clima bem humorado, alto astral mesmo. “Aqui, apesar das dificuldades comuns a todos, procuramos estar sempre sorrindo, atendendo bem os clientes que se transformam em grandes amigos. Nossa equipe está sempre atualizada para colaborar com sugestões e orientações na área da construção. Gosto daqui por vários outros motivos também, como as amizades que a gente constrói e o companheirismo das pessoas. Posso dizer que nestes mais de vinte anos a empresa me proporcionou muitas coisas; uma boa parte do que tenho hoje devo a ela. Na verdade, os proprietários são amigos da gente. A GF me dá segurança e estabilidade”. Oportunidade Marcia Moura, 51, gerente financeira, está na empresa há 13 anos. Ela diz que gosta de trabalhar na GF porque também encontrou na empresa uma verdadeira família. “Neste tempo todo vi os filhos dos proprietários crescerem, al46 Revista Energia

guns casaram e formaram famílias. O clima aqui é muito bom, principalmente por causa do tratamento entre as pessoas. Eu era de São Paulo, vim para Jaú e aqui a empresa me deu a oportunidade de permanecer nesta cidade, pois vindo de fora sem conseguir arrumar emprego, seria complicado. Como fui acolhida pela GF pude mostrar meu trabalho. Sou muito grata a todos, diretoria e colegas de trabalho”. 25 Anos de História A GF Materiais para Construção foi fundada em 1990 por Carlos Roberto Guermandi e seus filhos. Desde 1991 está sob a atual direção, em processo constante de aprimoramento e inovações, movimentando as construções de Jaú e região com seriedade e dedicação. Nosso maior objetivo é a equipe comprometida com a satisfação dos clientes que na GF são tratados como grandes amigos. 

Ampliação e modernização da GF - Conclusão em 2016

Jaú: Av. João Franceschi, 2007 Tel: 14 3601 9300 Dois Córregos: Av. Gofredo Schilini, 146 Tel: 14 3652 9922 contato@gfconstrucao.com.br


Moda Por Espaço Luiza Autran Tel: 14 3418 3337 / 3418 3336 Rua Amaral Gurgel, 866 - Centro - Jaú/SP

Looks perfeitos para uma geração que foi criada para conquistar o mundo, que não espera acontecer, que assume responsabilidades e modela a sociedade. “...Que minha solidão me sirva de companhia. Que eu tenha a coragem de me enfrentar. Que eu saiba ficar com o nada e mesmo assim me sentir como se estivesse plena de tudo” Clarice Lispector Modelos: Regiane Marques e Jessika Del Cassale Local: Espaço Luiza Autran - Jaú/SP espacoluizaautranmad Vendas pelo WhatsApp (14) 99805-3336 Enviamos para todo o Brasil / Aceitamos todos os cartões de crédito Crediário próprio / Bolsas: Sambarilove bolsas Look total: Espaço Luiza Autran moda arte design Revista Energia 47


Pedras Decorativas

Carinhato

Requinte e sofisticação para todos os ambientes Texto Débora Helene Barbosa Barioto 48 Revista Energia


C

om mais de 40 anos de história, Pedras Decorativas Carinhato contribui para a realização de sonhos. Em cada obra, residencial ou comercial, em cada item de decoração, em cada produto de cimento ou pedra, é possível notar a dedicação e qualidade de seus produtos, tudo de acordo com os desejos e necessidades de seus clientes. Com importância fundamental para a cidade, Pedras Carinhato é sinônimo de empenho e exemplo de amor para Jaú e região. Um pouco de história Na década de 1970, a família Carinhato chegou a Jaú, vinda das áreas rurais de Pouso Alegre de Baixo. O patriarca da família, Sr. Higino Merecildo Carinhato, o “Pitcho”, vendeu suas terras e com a compra de uma nova área, distribuiu a seus filhos que iniciaram uma nova vida. Com a vontade de crescer e trazendo novas ideias, após assumir uma fábrica rudimentar de ladrilhos, um dos filhos, o empresário Arrigo Inácio Carinhato, adquiriu o terreno onde funciona a empresa até os dias de hoje. Seguindo o desenvolvimento e crescimento de Jaú, a empresa criou vínculos com a cidade e fez dela seu lar, além de se tornar exemplo no ramo, inclusive a nível estadual. Pedras Decorativas Carinhato conta com uma equipe profissional qualificada e arquiteto à disposição, tudo para criar ambientes que favorecem uma melhor utilização do espaço, além de embelezar ainda mais o local desejado. E é claro, sempre atenta às novas tendências do mercado. Produtos Com uma grande diversidade de produtos, inovação, qualidade, bom preço, a empresa oferece materiais para os mais diversos ambientes com requinte e sofisticação, valorizando formas arquitetônicas e trazendo personalidade ao projeto de construção. Pedras Decorativas Carinhato oferece, ainda, produtos em cimento para decoração como bancos, vasos de diversos tipos, balaústres, churrasqueiras, passarelas, pisos ecológicos e enfeites de jardim. Em seu showroom é possível encontrar também ampla variedade em móveis de pedras naturais em ardósia polida e envelhecida, além de produtos para manter a limpeza e impermeabilização de pedras e pisos.

Pedras Decorativas Carinhato, beleza e elegância para a sua obra Revista Energia 49


Av. João Sanzovo, 849 – 5º Dist. Industrial (14) 3622 4542 / (14) 99615 4542 – www.pedrascarinhato.com.br 50 Revista Energia


Revista Energia 51


Escola de Cabeleireiros Tide Preparar e formar profissionais diferenciados para o mercado de trabalho é a missão de uma empresa que é referência no setor em Jaú, Bauru e região Texto Heloiza Helena C Zanzotti 52 Revista Energia


Tide e família

N

o mercado há mais de 30 anos, a Escola de Cabeleireiros Tide é o melhor e mais completo centro de formação profissional na área da beleza formando, em média, mais de quatrocentos profissionais a cada ano. Nenhuma outra escola do ramo oferece a qualidade e os diferenciais que a Escola Tide possui por sua tradição, experiência e competência. A melhor estrutura Com três unidades em Jaú e uma em Bauru, a Escola de Cabeleireiros Tide possui todos os cursos na área de estética, formando profissionais que pretendem atuar em um mercado que não para de crescer, independente do momento econômico que o país atravessa. São estruturas completas, modernas e bem equipadas, contando com os melhores professores e uma equipe empenhada em proporcionar aos alunos a qualidade do ensino que só uma empresa que é referência no segmento da beleza pode oferecer. Na Escola Tide você encontra todos os cursos de formação, aperfeiçoamento, especialização e atualização na área da beleza. Cursos e especializações Com cursos apostilados e certificados reconhecidos em todo o país e no exterior, na Escola Tide você tem opções como estética corporal e facial, depilação, massagens, manicure e pedicure, maquiagem, design de sobrancelhas, visagismo, cortes e penteados, coloração, alongamento e a novidade: curso de formação de barbeiros. Escola de Barbeiros Tide, do retrô ao contemporâneo, sucesso total Em pleno funcionamento e com mais de 100 alunos, a Escola de Barbeiros Tide é a primeira escola oficial de formação de barbeiros no Brasil. A estrutura é de primeiro mundo, em um projeto único e diferenciado. A Escola de Barbeiros conta com cadeiras personalizadas e equipamentos de última geração como o vapor de ozônio, além da linha top de produtos, a Alpha Look e Garden Flowers. É grande a procura por parte das mulheres que desejam aperfeiçoar-se neste segmento. Importante salientar que a Escola de Barbeiros Tide também se faz presente na unidade de Bauru. Os educadores ministram aulas teóricas e práticas com as mais avançadas técnicas, do retrô ao contemporâneo. Os alunos são preparados para esse mercado tão competitivo, onde o homem sempre busca melhorar seu visual e autoestima. Dedicação e reconhecimento Clotilde Souza Silva de Freitas, a Tide, começou na profissão ainda menina, e mais tarde fundou a Escola de Cabeleireiros Tide, atuando como docente no curso de cabeleireiro profissional, penteado, cortes avançados, colorimetria, entre outros. Graduada em inúmeros cursos pela L’oreal (Paris), Academia Dessange (Paris), Pivot Point, Toni & Guy, Tide recebeu diversos prêmios por seu trabalho como o “Tesoura de Revista Energia 53


preendimento. Tide sempre contou com o apoio incondicional do esposo, Carlos Roberto de Freitas, 72 anos, economiário. O filho Ricardo Freitas, advogado, cuida da gestão administrativa da unidade de Bauru, ao lado da esposa Leticia Mendes Freitas, psicóloga, que é a educadora responsável pelo local. Atualmente, a filha da Tide, Suelen Souza Silva de Freitas, designer, e seu genro Gabriel Valença, também designer, assumiram a direção da Escola de Barbeiros, cuidando da imagem da empresa e fortalecendo cada vez mais a marca Tide. Confiança em ensinar Seriedade e transparência fazem da Escola de Cabeleireiro Tide um centro de formação diferenciado e completo, preparando profissionais com toda segurança e conhecimento profundo em sua área, pois são preparados por uma equipe altamente qualificada.  Unidade de Estética Tide Centro Técnico Avançado – Jaú/SP Rua Riachuelo 218 – centro contato@escolatide.com.br Centro de Formação – Jaú/SP Rua Marechal Bittencourt 578 - centro (14) 3621-5964 / 3625-5128 contato@escolatide.com.br

Ouro”, prêmio máximo para o profissional da beleza. E há 18 anos consecutivos a empresária recebe o prêmio Destaque Empresarial. Tide é muito grata à Jaú, onde foi possível crescer profissionalmente e formar seus filhos. Através de sua dedicação e trabalho social, pode retribuir todo o carinho com que foi acolhida, recebendo o Título de Cidadã Jauense e também a Comenda João Ribeiro de Barros, da qual se sente muito honrada, sendo um orgulho para seus familiares e amigos. Empresa Família Sempre colocando Deus à frente em tudo o que faz, esta guerreira nunca desiste diante de obstáculos, e confessou à RE o quanto está feliz por unir toda a família no mesmo em-

54 Revista Energia

Centro de Formação – Bauru/SP Rua Treze de Maio 8-63 - centro (14) 3223-2436 / 3234-1075 escolatide@hotmail.com Escola de Barbeiros – Jaú/SP Rua Marechal Bittencourt 637 - Centro (14) 3621-5964 / 3625-5128 escolatide@hotmail.com


Revista Energia 55


Jaú Shopping Quem pensa que shoppings são apenas locais onde as pessoas fazem compras, está enganado. Grandes empresas na área de gastronomia, cinemas e muita diversão fazem do local um grande centro de convivência, cultura e lazer Texto Heloiza Helena C Zanzotti 56 Revista Energia


Murilo Bergamo Contato: 99673 2677

O local destaca-se pela variedade e qualidade em diversos segmentos, entre eles moda, decoração, tecnologia, acessórios, livros, viagens, cinema e gastronomia. São lojas de marcas consagradas, além de atrações culturais. Opções não faltam. Estrutura Único empreendimento do gênero na cidade, o Jaú Shopping tem 12,5 mil metros quadrados de área construída em dois pavimentos, reúne 100 lojas, duas salas de cinema – únicas na cidade – ampla praça de alimentação e área de lazer, num mix estrategicamente elaborado para oferecer ao público consumidor a maior variedade possível de opções. O empreendimento conta com uma excelente infraestrutura de serviços de segurança, com circuito interno de TV (CFTV), ar condicionado central ecológico, estacionamento com 10.000 mil vagas rotativas por dia, escadas rolantes, internet grátis, sanitários e fraldário. Segurança e manutenção no Jaú Shopping O Coronel Américo Martins, Consultor de Segurança, afirma que a equipe de manutenção do Jaú Shopping tem a função primordial de garantir a qualidade dos equipamentos e instalações, de modo a atender os clientes gerando confiabilidade e segurança. Fundamental também a equipe de higienização, que garante um ambiente limpo e conservado para a utilização dos visitantes, com procedimentos estabelecidos criteriosamente, aliados à qualidade dos produtos utilizados no processo. Outro fator a considerar é a equipe de orientação e apoio, que age de forma ostensiva e preventiva na busca da proteção do cliente com procedimentos adequados e treinamento constante, flexibilizando os procedimentos para tranquilidade dos frequentadores do Jaú Shopping. Enfim, os profissionais comprometidos em cada um destes segmentos têm como objetivo principal o cliente, razão de ser do empreendimento.

S

hoppings são verdadeiras cidades para quem deseja encontrar tudo em um só lugar. Ali não há relógios, não há mudanças climáticas, não há sujeira e a segurança é fator primordial. Assim, é o local perfeito para o encontro de pessoas que compartilham os mesmos sonhos de consumo e os mesmos desejos, independente da classe financeira à qual pertencem. Jaú Shopping Inaugurado em novembro de 2001, o Jaú Shopping é o maior empreendimento comercial da região. Com um projeto arquitetônico moderno, localização privilegiada, fácil adequação a mudanças e conceito de projeto estruturado, o Jaú Shopping é um excepcional canal de comercialização de serviços e produtos. O fluxo médio de pessoas no Jaú Shopping é de 10.000 pessoas/dia, chegando a 20.000 em semanas que antecedem as principais datas do varejo.

A União faz a força Antônio João Castello, gerente da Espaço União Livraria, diz que com toda a mudança que ocorre atualmente no mercado, mudanças são observadas também no comportamento do consumidor. “Nossos clientes hoje têm menos tempo, então, a tendência é conveniência, ou seja, o cliente conseguir fazer mais em menos tempo, e em um lugar só, por isso, quando tomamos a decisão de vir para o Jaú Shopping, foi nesse conceito. O Jaú Shopping tem uma administração empenhada, que vem de encontro às nossas filosofias de inovação, de estar sempre se movimentando, fazendo eventos, pensando no cliente em primeiro lugar, que é quem gera a nossa sobrevivência. Aqui nos sentimos em casa, temos a oportunidade de conversar, encontramos uma verdadeira parceria. Nós, da Livraria Espaço União, enxergamos no Jaú Shopping a conveniência, a facilidade do mundo moderno que está aí”. Revista Energia 57


Equipe de segurança, manutenção e higienização

Para toda a região Fátima Previatello, proprietária da Lima Limão Baby, está feliz por estar no Jaú Shopping. “Um dos pontos básicos do lojista aqui no shopping é o atendimento que prestamos, não só ao pessoal de Jaú, como em todo seu entorno, cidades como Dois Córregos, Itapuí, Barra Bonita, Mineiros do Tietê, Igaraçu do Tietê, Bocaina, toda a região, então, ter uma loja aqui no shopping é interessante neste sentido. Este foi o motivo que me levou a fechar uma loja que eu tinha no centro e ficar somente aqui do shopping”. Parceria e apoio Diego Valentim, gerente do Rei do Mate, instalado na praça de alimentação do Jaú Shopping, afirma: “Este casamento começou há uns quatro anos mais ou menos. No começo foi mais difícil, tivemos altos e baixos, mas sempre lado a lado. O Jaú Shopping ajudou bastante no início e nesse momento de crise que atravessamos, temos bastante apoio e graças a Deus estamos aí, firmes e fortes, a loja crescendo cada dia mais. Esta parceria de poder sentar, conversar em nossas reuniões semanais, ajudando no que podem é fundamental, por isso a parceria é cada vez mais forte”. Empreendimento consolidado Valéria Cristina Gromboni, gerente da Ri Happy compartilha a opinião dos colegas lojistas. “Por ser a maior rede de loja de brinquedos do país, não existe nada melhor para nossa marca do que estar em um empreendimento tão consolidado quanto o Jaú Shopping. Fácil acesso, estacionamento e público diferenciado são os fatores pelos quais escolhemos o Jaú Shopping para ser a casa da Ri Happy em Jaú”, afirma. 58 Revista Energia

Visibilidade e resultados Estes são os pontos que o proprietário da Poltrona 1 Turismo, Alberto Jorge Ledo, acha fundamentais no shopping. “Por ser o único shopping da região, acho que a gente está mais visível aqui dentro, a marca fica mais propagada, enfim, acho que é bem melhor estar no Jaú Shopping que fora dele, uma parceria extremamente viável e que trouxe muitos bons resultados”. Novas parcerias vêm aí... O crescimento do Jaú Shopping nunca para, então, novas e grandes empresas sempre desejam fazer parte do seu rol de parceiros. Sushifan é uma rede de lojas de restaurante japonês fast food, que breve estará atendendo no Jaú Shopping. Com a marca firmada nas principais cidades do país, inaugura em agosto, como um presente para Jaú. 

Avenida Dr. Quinzinho, 511 Chácara Peccioli Jaú/SP (14) 2104-2300 www.jaushopping.com.br


Revista Energia 59


Equimetal Moenco O uso do aço gera maior eficiência e praticidade na obra

Texto Débora Helene Barbosa Barioto

60 Revista Energia


A

Equimetal Moenco é o resultado da fusão de duas empresas de Jaú, com mais de 30 anos de tradição e mercado, especializadas no segmento de construções metálicas. Com uma equipe de 19 funcionários diretos, os proprietários Jayme de Almeida Silva, Cridio Parro e Paulo Eduardo Panelli vêm investindo no ramo, criando soluções inovadoras no uso do aço na construção civil. Principais características O processo de produção do aço é caracterizado pelo uso de material 100% reciclável – o aço pode ser reciclado infinitas vezes, reduzindo assim os entulhos e desperdícios da obra. Ecologicamente correta, a industrialização do aço reduz o impacto ao meio ambiente e permite maior controle tecnológico. A fidelidade das normas técnicas nacionais garante rapidez, sem perda de qualidade. Com uma fabricação feita com embasamento técnico e acompanhada por profissionais especializados, é possível assegurar a melhor solução para o empreendimento ou projeto. Eficiência e responsabilidade Na Equimetal Moenco, os projetos são desenvolvidos e elaborados de acordo com as necessidades dos clientes, utilizando processos informatizados para cálculos, projetos e detalhamentos, o que garante eficiência e personalização nos trabalhos específicos. “Todas as etapas dos projetos realizados por nós têm responsabilidade técnica e acompanhamento de engenheiros”, ressalta o empresário e proprietário Paulo Eduardo. Infinitas possibilidades As possibilidades de projeto com as construções metálicas são infinitas. São estruturas completas para galpões, vigas, mezaninos, além de instalação de telhas, fechamentos e calhas. A Equimetal Moenco desenvolve projetos para as esferas pública, comercial, industrial e residencial. Seus principais clientes estão nos setores calçadista, metalúrgico, moveleiro, sucroalcooleiro, residenciais, redes de postos de combustíveis e supermercados. Proprietários Paulo, Jayme e Cridio

Qualidade de durabilidade A construção metálica garante durabilidade e resistência, gerando melhor custo benefício. Outra possibilidade interessante está no isolamento térmico e acústico, proporcionado por esse tipo de projeto. Na Equimetal Moenco, todo material utilizado é de alta qualidade e todo aço utilizado tem certificação. Soldas e parafusos de ligação passam por controle de qualidade e testes de superfície quanto à durabilidade, corrosão, além da utilização de pinturas especiais como epóxi e poliuretano para casos onde é necessária essa especificação. Inovação e investimento Com todas essas características e qualidades, o uso de aço na obra gera praticidade e economia, sendo a melhor escolha para a construção civil. 

Revista Energia 61


Equipe Equimetal Moenco

Instalações Equimetal Moenco

Instalações Equimetal Moenco

Recpção

Rua José Massucato, 1864 – 7º Dist. Industrial (14) 3622 4699 / (14) 3622 3794 – www.equimetalmoenco.com.br 62 Revista Energia

Operário em trabalho


Revista Energia 63


Clínicas de Repouso Bella Vitta e Bem Viver Quando o assunto são casas de repouso para idosos, muitas dúvidas surgem entre os familiares. Seria essa a melhor solução quando a família não tem a disponibilidade e os meios de cuidar? Texto Heloiza Helena C Zanzotti 64 Revista Energia


T

odos sabemos das dificuldades que envolvem os cuidados com um familiar idoso, principalmente quando este apresenta limitações físicas e psicológicas. Muitas famílias não possuem os recursos necessários, ou conhecimento sobre cuidados com a saúde e com a mente desses pacientes. E com as famílias cada vez menores e a necessidade de permanecerem ativos no mercado de trabalho, é comum faltar quem tenha tempo disponível para se dedicar aos idosos. A decisão, então, de internar um familiar idoso em uma clínica de repouso passa a ser a opção ideal, mas esbarra no estigma de que essas instituições são depósitos de velhinhos, e que tal atitude seria crueldade. Casa de repouso não é asilo Há muito tempo esse preconceito já se desfez. Acreditar que a vida do idoso será cruel é o mesmo que pensar que crianças serão infelizes em uma creche, e como nas creches, há serviços bons e ruins, é preciso saber escolher. Importante ressaltar que as instituições para idosos se profissionalizaram muito, oferecendo cuidados especializados, com acompanhamento e controle adequado de profissionais da área da saúde.

Foto: Arquivo pessoal

Orgulho e vaidade Muitas pessoas ainda não aceitam a internação de um parente idoso por vaidade e orgulho, afirmando que “nunca vou colocar meu pai/mãe num asilo”. Entretanto, é muito comum que essas mesmas pessoas se sintam sacrificadas, e acabem empurrando a tarefa para outros parentes, gerando situações de desconforto e de conflitos. Ainda assim, medos e dúvidas aparecem na hora de decidir se a atitude de internar será a mais correta para a qualidade de vida do idoso e seus familiares. De olho na regulamentação Com o aumento da população idosa, as instituições que oferecem este serviço aumentaram em número, e é importante verificar se as mesmas estão de acordo com o que pede a lei para evitar problemas futuros. Além de registro e alvará de funcionamento expedido pela vigilância sanitária do município, itens como corrimãos, pisos adequados, janelas com proteção, medicamentos para primeiros socorros devem ser observados. Vale lembrar que cada instituição tem regras e horários próprios para facilitar a vida do idoso e do cuidador. Atentas a esses detalhes, as famílias podem confiar nessas clínicas, sem deixar de estar sempre presentes oferecendo apoio, carinho e atenção ao familiar interno. Bella Vitta e Bem Viver Em Jaú, as clínicas Bella Vitta (mista) e Bem Viver (feminina) oferecem serviços especializados e de qualidade nos sistemas de internato (clientes de saúde), temporários ou para passarem o dia. Sob a direção dos proprietários Jefferson Tomé, Débora Mozela Tomé e Gustavo Mozela, ali os clientes de saúde recebem cuidados médicos, alimentação balanceada e controlada por nutricionista, serviços de fisioterapia, enfermagem 24 horas e terapia ocupacional. Os apartamentos acomodam no máximo quatro pessoas, com a opção por quarto individual. Todos os ambientes são limpos e adequados à situação dos idosos. Salas para lazer, refeitório, ambientes de descanso e outras atividades compõem a estrutura das clínicas. Ivan Sávio

Revista Energia 65


Instalações Bem Viver

Geriatra e Enfermeira A Dra Eliana Marangoni Guidugli, que responde pelo atendimento médico nas clínicas, possui graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, é especialista em Geriatria pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Concluiu mestrado em Geriatria em Ribeirão Preto - FMRP – USP e tem vasta experiência na área. Pelo setor de enfermagem, a responsável é a enfermeira Débora Mozela Tomé, graduada pelas Faculdades Integradas de Jaú, com experiência de dez anos na oncologia clínica do Hospital Amaral Carvalho e há quatro anos na direção das clínicas Bella Vitta e Bem Viver. Função social Sem dúvida, em uma clínica de repouso, o idoso possui uma equipe médica e de cuidados especializados durante 24 horas, fator determinante para uma boa qualidade de vida. Oferecendo um ambiente profissional, humanizado e acolhedor, ali os clientes de saúde sentem-se seguros e bem cuidados. E esta é uma função primordial para quem se preocupa com o bem-estar da sociedade local. Quem vive no local, aprova Maria Dinilda Gonçalves Silva, de Igaraçu do Tietê, conta que está na clínica há três anos devido a uma invalidez. “Aqui é ótimo, adoro este lugar. 66 Revista Energia

Agradeço muito ao Jefferson e à Débora por terem me recebido. Sou solteira e fico feliz por ter onde ficar. Aqui eles me apoiam, o que eu peço eles providenciam. Que Deus os abençoe. Minha filha até quer que eu vá para sua casa, mas eu acho que não vou, vou ficar por aqui mesmo, com essa família”. Antônio Aparecido Medina, 60, também acha o lugar muito bom para viver. “Estou gostando muito daqui, inclusive minhas irmãs estão muito contentes, elas vêm aqui e ficam satisfeitas. Eu como bem, durmo bem, as pessoas daqui são muito boas, ninguém desfaz de mim, o que eu peço eu como, bebo, estou muito feliz”. Ivan Sávio, 67, faz questão de dizer que a clínica é determinante em sua subsistência. “Meus filhos não podem tomar conta de mim, minha filha não vai aposentar tão cedo, isso vai demorar muito ainda, ela tem 34 anos e com a mudança na lei, isso vai acontecer aos 75 anos, então estou aqui, e estou muito satisfeito”. Visite as clínicas Devido aos cuidados e atenção específicos que os idosos recebem, muitos deles estão ali por opção, e recusam-se a deixar o local. Na verdade, a melhor forma de saber sobre o tratamento dispensado é a participação familiar cotidiana, além de informações de quem utiliza a instituição. Visite as clínicas Bella Vitta e Bem Viver, conheça suas instalações e o que elas oferecem ao seu familiar dependente. 

Fone: (14) 3032 2346 / 3032 8433 Rua Aristides Lobo Sobrinho, 120 - Centro - Jaú/SP


Comportamento

Por Lilian Pellizzon Ribeiro / lilian@1234voce.com.br Treinadora do Instituto Você/Master Practitioner em PNL Life and Executive Coach

Força 1, força 2 e força 3: a chave do sucesso!

J

Obtenha sucesso alinhando estas três forças

á parou para pensar em como você se comportava, como pensava e no que falava quando desejava vencer um desafio e realmente venceu? Tome alguns minutos para você. Faça esta breve viagem no tempo e lembre-se daquele momento em que desejava muito realizar algo e, quando foi em busca daquilo, estava verdadeiramente determinado a obtê-la. Quando encontrar, perceba no quê e em como você estava pensando. Tome um tempo fazendo isso, percebendo-se. Perceba, também, qual era o seu padrão de linguagem, como você se comunicava com você e com os que estavam ao seu redor. Perceba agora como estava seu corpo. Será que quando você venceu, seu corpo estava lento e preguiçoso? Ou será que você estava energizado, pronto para mais um desafio? A junção destas três forças é chamada TRÍADE! Ela é chamada de chave do sucesso, pois uma vez alinhadas, estas três forças podem proporcionar a você resultados tanto na vida pessoal quanto na vida profissional. A primeira delas, Força 1, que chamaremos F1, é a soma de duas ferramentas importantíssimas para alcançarmos os resultados que desejamos. São elas foco e crenças possibilitadoras. Quando alinhamos nosso foco ao que realmente desejamos, e colocamos ali 100% da nossa vontade para realizarmos aquilo, direcionamos nossa energia para, de fato, atingir aquele objetivo. Se seu foco estiver dividido, sua energia também estará! Além disso, devemos somar o foco às nossas crenças possibilitadoras. Por qual motivo? De que adianta saber sua meta, ter foco para chegar lá, mas pensar, por um minuto que seja, que não irá conseguir? Assim como apenas foco, sem a crença de que conseguirá, é insuficiente para realmente conseguir; crenças sem foco pode resultar naquela sensação de nadar contra a corrente, sem chegar a lugar algum, mesmo que confie em seu potencial.

A segunda, Força 2 ou F2, é o que você fala! Qual seu padrão de linguagem? Tudo o que falamos nossa máquina, a mente humana, registra, afinal, tudo o que falamos, ouvimos também. Nossa linguagem nos influencia! Ela pode nos alavancar ou nos puxar para baixo! Já esteve perto daquelas pessoas pessimistas, que só falam em tragédias? Como se sentiu com o que ouviu? Talvez já tenha se pegado dizendo: “Eu não consigo”, “Isso é difícil para mim”, “Eu tenho bloqueio”. Todas essas são programações perigosas que muitas vezes estamos habituados a fazer, e podem nos limitar em realmente conseguirmos nosso objetivo. Ao passo que se você muda essa linguagem e usa essa poderosa comunicação intra e interpessoal, pode produzir resultados muito úteis para você e para os que estão ao seu redor. Por último, mas com igual importância, Força 3 ou F3, corresponde à sua fisiologia! Lembra-se do exercício do início de nossa matéria? Pense em como estava seu corpo quando você venceu. Perceba como o seu corpo estar alinhado ao que você deseja faz a diferença ao vencer aquele desafio! Se nosso foco e crenças estiverem alinhados, nosso padrão de linguagem afiado, mas o nosso corpo estiver preguiçoso, sem vontade de agir, conseguiremos resultados? Nosso corpo fala! Se nossa fisiologia demonstrar o contrário do que nosso foco, crenças e padrão de linguagem mostram, o sistema será falho! Portanto, dê mais atenção à sua linguagem corporal. Ao tomar consciência de que a soma destas três forças resulta em um mundo de possibilidades, perceba em você o que pode ser realinhado! Qual dessas três forças talvez esteja faltando ou até mesmo deficiente? Lembre-se de que se uma força falha, todo o sistema falhará! Ao se deparar com um desafio, seja ele de que tamanho for, qual seu primeiro pensamento? Pensa mais nas dificuldades ou no sucesso? Perceba o que talvez esteja impedindo você de alcançar seus objetivos e mãos à obra! Tchau, tchau, zona de conforto! 

Revista Energia 67


Look de artista

68 Revista Energia


Tel: 14 3622 8364 Revista Energia 69 Av. Frederico Ozanan 770 - JaĂş/SP


Look de artista

70 Revista Energia

Fotos: Daniel Jorjin Modelo: Beatriz C. Camargo Antoniazzi e Luiza Iskandar Ă zar Beleza: Jorgin Cabelo e EstĂŠtica Style: Vestylle Megastore


Revista Energia 71


Saúde

Psoríase,

uma doença individual e multiforme Fatores genéticos, imunológicos e ambientais estão associados à dermatose Texto Regina Grossi

72 Revista Energia


Revista Energia 73


A

psoríase é uma doença imunológica crônica, eritematosa, de caráter inflamatório e que se manifesta na pele, podendo comprometer anexos cutâneos e articulações. Trata-se de uma dermatose frequente, tem base hereditária, é autoimune, não é contagiosa e pode ser recorrente.

Causas Embora a causa não esteja totalmente estabelecida, os estudos científicos sugerem que seja de origem genética, paterna ou materna. As pesquisas apontam que alguns genes podem estar alterados, ou seja, existe a predisposição geneticamente determinada, a pessoa pode ter uma diferenciação genética que provoca o turnover celular, uma renovação das células da camada epidérmica, em ritmo mais acelerado que o normal. Isso pode acontecer porque as células T, presentes no sistema imunológico, podem atacar células saudáveis da pele como se fossem combater uma infecção ou cicatrizar uma ferida, havendo dilatação de vasos sanguíneos e aumento de glóbulos brancos, que avançam rapidamente para camadas externas da pele provocando lesões avermelhadas, geralmente circulares, ou em placas e com descamação esbranquiçada. Sintomas e incidência A doença é cíclica e multiforme, pode passar por períodos de melhora e piora dos sintomas, que são mudanças na cor e textura da pele como rubor, inflamação, irritação, coceira, erupção, descamação, secura, facilidade para sangramento, além de eventual rigidez ou sensibilidade, e dor nas articulações ou costas. A pessoa pode ou não apresentar manifestação da doença ao longo da vida e isso pode acontecer em determinada idade ou em diferentes épocas. Pode haver uma única manifestação 74 Revista Energia

clínica ou nunca aparecer, ou seja, a pessoa tem a alteração genética, mas não necessariamente vai se manifestar. A incidência é igual em homens e mulheres, e acredita-se que até 10% da população em geral possa herdar um ou mais genes que predisponham ao desenvolvimento da psoríase, com prevalência mundial em torno de 2% da população, lembrando que formas mínimas de lesões podem passar despercebidas. Diagnóstico O diagnóstico é clínico, com análise dos sintomas, da região afetada e histórico familiar, sendo que a compatibilidade da lesão é confirmada pelo exame histopatológico (biópsia). “É uma doença extremamente individual, o paciente vai sofrer um processo clínico onde cada um vai desenvolver de um jeito, ter uma evolução completamente diferente”, define o dermatologista João B. Buoro Neto. Segundo ele, não é possível generalizar, depende da avaliação médica específica do paciente e de sua resposta individual ao tratamento. O aparecimento de lesões pode acontecer desde o primeiro até o último dia de vida, e a doença, em sua forma eritrodérmica, pode acometer áreas específicas ou alterar todo o tegumento (pele e anexos). Há as regiões tradicionais de predileção que são cotovelos e joelhos, mas pode atingir o corpo inteiro ou qualquer parte, inclusive couro cabeludo, interior da boca e áreas genital e anal, e a intensidade ser leve, moderada ou grave. Arsenal terapêutico Além da hereditariedade, existem ativadores ambientais que estão associados ao desenvolvimento ou agravamento das lesões como hábitos de vida, estresse emocional, obesidade, hipertensão, déficit de vitamina D e ômega 3, queimadura grave, uso excessivo de álcool ou tabagismo e de determinados


Além da hereditariedade, existem ativadores ambientais que estão associados ao desenvolvimento ou agravamento das lesões medicamentos como lítio, betabloqueadores, antimaláricos e anti-inflamatórios, mudança hormonal, infecções e trauma físico, químico, cirúrgico, inflamatório ou elétrico, além de variações climáticas, como os fatores de inverno. Existem três opções gerais de tratamento e controle: o tópico (cremes e pomadas, como produtos à base de cortisona ou alcatrão), o sistêmico (como os corticosteroides, derivados de vitaminas A e D) e a fototerapia, radiação ultravioleta para modificar a fisiologia cutânea. A apresentação das formas graves requer o uso de remédios como os imunossupressores, para diminuir a capacidade de o organismo atacar a ele mesmo; e os imunomoduladores biológicos, mais recentes, que são moléculas de natureza proteica, produzidas através da engenharia genética para tratar doenças autoimunes, sendo indicados nos casos de universalização das lesões, nos casos resistentes aos tratamentos convencionais e às lesões cursadas junto à artrite psoriásica, artrite associada à psoríase. Preconceito A ação preventiva mais importante é sempre procurar um especialista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, quando aparecer qualquer lesão na pele. Além dos sintomas incômodos, a doença costuma afetar a autoestima do paciente por causa da aparência, principalmente em casos mais severos, e acarretar danos psicossociais relevantes, causando problemas na qualidade de vida, levando a pessoa à depressão e ao isolamento social como não sair de casa, não frequentar praias nem piscinas públicas. Até mesmo pelo estigma das outras pessoas que olham com desdém e repelem o contato físico. Genética e superação De família numerosa, Margarida Maria Grossi Cristianini, 71, relata que é a única entre doze irmãos que teve a doença desencadeada, e acredita ser psoríase tanto as bolhas que a avó paterna tinha nas mãos enquanto viva; como as feridas no rosto da filha mais nova quando criança, e que sumiram naturalmente. “Eu também, quando menina, tinha feridas debaixo das narinas”, conta. A doença manifestou-se efetivamente há 10 anos, com uma lesão no polegar da mão direita e, com o tempo, espalhou-se por mãos, tornozelos e pés, que embora tenham sido a última área lesionada, teve melhora significativa, ao contrário das mãos que ainda continuam machucadas, provavelmente devido ao contato direto e constante com a água e ao uso diário de detergente e sabão. “Estou sempre lavando a louça, a pele chega a trincar, fica em

carne viva e até sangra”. Para melhorar, Margarida fabrica sabão caseiro e usa hidratante à base de óleo, spray de corticoide e óleo de macadâmia, com prescrição médica. Ela acha que o fator desencadeante, em seu caso, é o estresse emocional, que piora a região já afetada ou faz a mancha reaparecer. “Não chega a cicatrizar, melhora durante 15 ou 20 dias e volta”. O que mais a incomoda? “Além do desconforto dos sintomas, o aspecto físico das lesões”. Mas Margarida supera, é uma paciente exemplar, consulta-se quando necessário, segue orientações médicas, pratica ioga, pilates, hidroginástica e procura levar uma vida ativa e saudável. Aneurisma abdominal De acordo com o artigo acadêmico publicado em abril pelo Hospital Herlev og Gentofte, da Dinamarca, no jornal “Arteriosclerosis, Thrombosis and Vascular Biology”, a psoríase, principalmente a severa, aliada a fatores como idade e tabagismo, poderia aumentar o risco de o paciente sofrer um aneurisma da aorta abdominal. Segundo a pesquisa, a psoríase pode ser considerada uma doença de inflamação sistêmica, e não uma doença de pele isolada, sendo que a associação entre as duas doenças se daria em decorrência da inflamação dos vasos sanguíneos. O médico João B. Buoro Neto desconhece o estudo, e afirma que não há comprovação científica do nexo causal entre as patologias. Tipos de psoríase Em placa: o tipo mais comum, com eritemas cobertos por escamas secas brancas. Gutata: a segunda forma mais comum, em forma de gotas salientes, cobertas ou não com escamas de pele.

Revista Energia 75


Invertida: acomete áreas mais úmidas como virilha e dobras cutâneas, na forma de lesões lisas, brilhantes e em vermelho-vivo; agravada em caso de obesidade e sudorese excessiva. Eritrodérmica: a forma inflamatória da doença, caracterizada por rubor e descamação em lâminas; lesões generalizadas. Artrite psoriásica: sinalizada por inchaço ou dor em ligamentos, tendões e articulações, pode causar rigidez progressiva. Ungueal: afeta dedos e unhas de mãos e pés, a unha cresce de forma anormal, escama ou apresenta manchas ou depressões. Palmo-plantar: pontuada com fissuras ou bolhas na palma das mãos ou na sola dos pés. Pustulosa: a forma mais rara da doença, marcada por bolhas brancas com pus. Dicas de cuidados Evitar banho muito quente e esfoliação da pele; fazer atividades físicas que revigorem o corpo e aliviem o estresse; ter alimentação saudável que garanta o bom funcionamento do organismo e previna o sobrepeso e a obesidade; usar roupas confortáveis, de tecidos naturais, que absorvam a umidade, não causem atrito na pele e permitam ventilação e liberdade aos movimentos; hidratar bem a pele com produtos sem cheiro nem cor, indicados pelo médico; tomar sol de forma moderada e protegida; e ter cautela com depilação e cosméticos. Durante a crise, o paciente deve evitar se coçar, pois, além de impedir a melhora, causar estresse e piora os sintomas, pois inflama a pele e espalha as lesões, prejudicando o processo de cicatrização. 

O médico João B. Buoro Neto é membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia

76 Revista Energia


Informe Publicitário

A importância de um dente

Cárie: Um problema muito além da boca

A

cárie dental é a doença crônica mais comum na infância. E o que a maioria dos pais desconhece é que ela é uma doença que vai muito além da destruição ou perda total dos dentes. A cárie dentária resulta em complicações locais, sistêmicas, psicológicas e sociais na criança, como explica a odontopediatra Dra. Ana Paula: “Os pais devem entender que o não tratamento ou a não procura de um profissional trará consequências gravíssimas, tanto para o desenvolvimento físico como emocional do seu pequeno”. Estudos recentes têm demonstrado que crianças com cáries não tratadas e apresentando dor de dente têm afetadas suas atividades cotidianas como comer, dormir, brincar, além de apresentarem baixo rendimento escolar e interferência no padrão de crescimento, mostrando que a doença tem impacto na saúde geral da criança, o que é bastante preocupante. Além disso, a perda precoce dos dentes de leite prejudica o adequado desenvolvimento e crescimento dos arcos maxilares, organização correta da oclusão (mordida), função mastigatória e fonoarticulatória (fala), além de prejuízos na dentição permanente. Outro aspecto a ser considerado é a bacteremia nos casos de infecções dentárias, que é a presença de bactérias no sangue, podendo causar problemas sérios de saúde como a diabetes, endocardite, entre outros. Essa patologia é capaz ainda de refletir no comportamento e interação social da criança que, muitas vezes, torna-se motivo de zombaria pelos colegas e até ganha apelidos pejorativos na escola. Desta forma, Dra. Ana Paula ressalta que o desenvolvimento da criança depende e está interligado à saúde bucal que ela apresenta, por isso os pais devem cuidar, tratar e acima de tudo investir na prevenção da doença cárie, para que o desenvolvimento integral do seu filho não seja prejudicado.

Fone 3032.1808 Rua Paissandú, 314 Centro - Jaú - SP

A

perda dental até hoje é encarada como um processo fisiológico normal por um grande número de pessoas e a partir desse pensamento, medidas não são tomadas para reabilitar dentes perdidos, trazendo consequências sérias no que se refere ao pleno . funcionamento mastigatório e articular. O Dr. Frederico explica que, quando um ou mais dentes são perdidos, inicia-se um processo contínuo de desarmonia de todos os outros dentes, formando espaços entre eles e causando desalinhamentos severos, o que em longo prazo sobrecarrega a articulação dos maxilares, gerando sintomas como fortes dores de cabeça, estalidos ao mastigar, limitação da abertura de boca, entre outros. Quando exercemos a mastigação nos dentes molares, forças que variam entre 69 e 80 quilos são transmitidas aos dentes e aos ossos maxilares, porém, devido à harmonia e ao contato dente a dente, essas forças são dispersas, não causando nenhum prejuízo aos dentes nem à estrutura óssea. Porém, se o paciente apresenta alguma ausência dental, o impacto das forças mastigatórias passa a ser prejudicial, resultando numa perda óssea gradativa, inflamação gengival e consequente perda dos outros dentes. O doutor alerta que o tempo é crucial para que a reabilitação de um o mais dentes perdidos ocorra de forma simples e objetiva, pois quanto mais se espera, mais dentes são envolvidos no processo, resultando em tratamentos mais complexos e, consequentemente, mais caros. Com a evolução das técnicas odontológicas e a existência dos mais variados tipos de tratamento (próteses, implantes, coroas, etc.), toda e qualquer pessoa pode e deve realizar um tratamento reabilitador para que atividades como comer, sorrir e falar não sejam mais um problema, e sim um prazer.

Revista Energia 77


D

Débora Porto

ébora Porto realiza o sonho de ter sua loja de roupas e ousar com sua marca registrada “Trabalhar com moda é uma das minhas maiores realizações”, diz a jornalista formada nas Faculdades Integradas de Jaú. Apresentadora do programa de televisão que levava seu nome na TV Local de Jahu, Débora abordava os temas moda, beleza, saúde e entretenimento, e especializou-se em comunicação da moda, fazendo diversos cursos na área. Morou em São Paulo por três anos e adquiriu experiência profissional e pessoal, tendo protagonizado vários trabalhos e posado como modelo em umas das avenidas mais conhecidas do mundo, a Paulista. Entretanto, no meio artístico apaixonou-se por

assessoria de imprensa, e passou a assessorar grandes artistas e empresas. Atualmente, Débora voltou para sua cidade natal, e realizou mais um sonho: abrir sua loja cor de rosa na Rua Marechal Bitencourt. “Beleza é a força da vida”, diz Débora, utilizando-se de uma de suas frases preferidas. Assim pensando, Débora fez de sua loja um cantinho especial, onde é possível encontrar diversidade e bom gosto, da modinha casual à moda fashion e plus size. Seu lado fitness também se destacou e ganhou grande importância no espaço, que breve terá sua marca própria em moda Fitness. Os sapatos altos são um ponto forte de sua personalidade, e também leva seu nome nos pares! Confira a loja rosa da Marechal, repleta de elegância e personalidade.

dpFashionStore Débora Débora Porto OficialPorto Oficial DéboraPortoOficial Débora Porto Oficial

Débora Porto Oficial

Fone: (14) 99880-8482 Rua Marechal Bitencourt, 400 Jaú, SP

78 Revista Energia

dp dp dp FashionStore

FashionStore FashionStore

FashionStore


Revista Energia 79


Imagem: Internet

Profissões

Direito

O mercado de trabalho para os profissionais de Direito está mais amplo do que nunca. E não faltam excelentes oportunidades aos bons profissionais Texto Heloiza Helena C Zanzotti

E

disciplinas de formação específica. São obrigatórios o estágio e uma monografia para obter o diploma, mas para ser advogado é preciso passar em exame da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). Já o candidato a juiz, promotor ou delegado de polícia precisa prestar concurso público. Para se tornar juiz, é necessário ainda ter dois anos de inscrição como advogado na OAB.

O bacharel em Direito tem a função de zelar pela harmonia e aplicação das leis nas relações entre cidadãos, empresas e poder público. O bacharel pode atuar como advogado ou seguir a carreira jurídica. Como advogado, defende os interesses do cliente; como juiz, resolve desacordos entre indivíduos ou instituições, baseado na Constituição e regulamentado pelas leis. O curso dura, em média, cinco anos. Em geral, a carreira e a especialização começam a ser definidas no quinto ano, na escolha das

Criado em 1994, o exame da OAB é a avaliação a que se submetem os bacharéis em Direito, onde demonstram que possuem capacitação, conhecimento e as práticas necessárias ao exercício da advocacia. Apresentando um grande nível de dificuldade, o candidato precisa fazer duas provas, aplicadas em datas diferentes: uma com 80 questões objetivas (de múltipla escolha) e outra prático-profissional, que consiste em uma redação (de peça profissional) e quatro questões dissertativas, sob a forma de situações-problema.

sta é uma das carreiras mais tradicionais, figurando entre os cursos acadêmicos mais concorridos. Inserido dentro das Ciências Sociais e Humanas, o Direito cuida da aplicação das normas jurídicas vigentes em um país, procurando organizar as relações entre indivíduos e grupos na sociedade.

A carreira de Direito

80 Revista Energia

O difícil exame da OAB


Principais campos de atuação Há inúmeras possibilidades de atuação para o recém-formado. São mais de cinquenta possibilidades, entre as quais figuram o Direito Civil, Direito Administrativo, Direito Ambiental, Direito Comercial, Direito da Tecnologia da Informação, Direito do Consumidor, Direito Contratual, Direito Penal ou Criminal, Direito Trabalhista e Previdenciário, Direito Tributário e outros. Na carreira jurídica, é possível atuar em Advocacia Pública, Delegacia de Polícia, Magistratura ou Ministério Público.

Perfil do profissional Quem deseja seguir carreira em Direito deve gostar muito de ler. A profissão exige muito estudo e leituras bem específicas. Boa comunicação é outra característica importante, tanto na linguagem falada como na escrita. Um advogado precisa conhecer bem a Língua Portuguesa e saber comunicar-se de maneira clara e objetiva. Ética e responsabilidade social são fundamentais, pois as ações deste profissional impactam diretamente na vida de outras pessoas e é preciso ter senso de justiça e um entendimento correto da aplicação das leis vigentes. Além disso, bom conhecimento em informática é imprescindível.

As melhores escolas Classificadas pelo Guia do Estudante com 5 estrelas, entre as melhores universidades do país estão a USP (Ribeirão Preto e São Paulo), Universidade Federal do Ceará (UFC), Universidade de Brasília (UnB), PUC Minas, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal de Viçosa (UFV), Fundação Getúlio Vargas (Rio de Janeiro e São Paulo), PUC (São Paulo e Campinas), UNESP (Franca), Universidade Mackenzie.

Mercado de trabalho O mercado de trabalho para o profissional de Direito está sempre aberto, pois o simples fato de existir vida em sociedade implica na necessidade de aplicar normas e leis para garantir a ordem e segurança. O salário inicial de um advogado júnior varia entre R$ 3.000 e R$ 6.500, dependendo da cidade onde atua, de sua especialização e do porte da empresa para a qual trabalha. Não há limites de ganho para um bom profissional.

A ZEC entende de Direito Para quem deseja ingressar na área, um bom curso faz a diferença, como conta Gabrielli Duarte, atualmente cursando Direito na Universidade de São Paulo (USP). “Estar bem preparada era algo fundamental e a Zec me ajudou muito. Com conteúdos aprofundados, pude não só me preparar para o vestibular, mas também para a vida acadêmica. Hoje, na universidade, pude perceber o quão importante é a base. A universidade abre bastante espaço para o fomento de pesquisas, uma mentalidade trabalhada pelos competentes professores

da Zec, que sempre apostaram em seus alunos como cidadãos interessados em fazer algo mais para a sociedade através do conhecimento. As aulas de Redação me prepararam de forma ímpar para as provas da graduação que, em sua maioria, são longas dissertações argumentativas. Creio que também me servirão para o futuro profissional, seja na advocacia, seja na magistratura. Fazer Direito na USP era um sonho difícil de alcançar, mas a equipe incrível da Zec me ajudou a realizá-lo. Caminhada árdua, da qual hoje posso colher os frutos e agradecer a todos aqueles que estiveram ao meu lado, auxiliando-me a transportar barreiras que eu mesma julgava jamais conseguir”.

Análise de especialista Mauricio Tadeu, professor na Zec, explica que a formação em Direito o auxilia no magistério em Geografia, pois ambas as ciências, Direito e Geografia, são da área do conhecimento humano e social, logo, há uma interação entre elas. “Há uma grande conexão destas áreas com as provas do ENEM e dos vestibulares estaduais. A influência da Geografia no magistério em Direito aumenta meu poder de argumentação ou de formação de um raciocínio lógico sobre os fatos. Na ZEC, hibridez de conhecimento aliado ao comprometimento com o que se faz, à retidão diretiva, formam um diferencial no trabalho prestado aos alunos que chegam até nós. O desafio está em ampliarmos seus horizontes de interpretação e valorizar conceitos para que solucionem desafios em questões de vestibulares. Para nós, professores, o louro da vitória é vermos nossos alunos aprovados, alcançando seus objetivos nessa etapa da vida”.

Revista Energia 81


Informe Publicitário

Vidraçaria Brasil

U

ma das mais tradicionais empresas do ramo de vidros em Jaú, na Vidraçaria Brasil você encontra a melhor solução em vidros, espelhos, janelas e muito mais. Qualidade, preço e agilidade na entrega fazem da Vidraçaria Brasil a melhor opção, oferecendo solução completa e diferenciada em vidros, cristais e espelhos. Utilizando as mais modernas técnicas e equipamentos, o resultado é sempre um acabamento perfeito. Visite nosso showroom. Conheça o processo de produção do vidro Estágio 1: Forno de Fusão A mistura de areia com os demais componentes do vidro é dirigida até o forno de fusão através de correias transportadoras. Com temperatura de até 1.600ºC, a composição é fundida, afinada e condicionada termicamente, transformando-se numa massa pronta para ser conformada numa folha contínua. Estágio 2 : Banho Float A massa é derramada em uma piscina de estanho líquido, em um processo chamado “Float Bath”. Devido à diferença de densidade entre os materiais, o vidro flutua sobre o estanho. Essa é a condição para que a qualidade óptica superior do vidro float seja atingida. A partir desse ponto é determinada a espessura do vidro, através da ação do top roller e da velocidade da linha. Quanto maior a velocidade da linha, menor a espessura resultante. Estágio 3: Galeria de recozimento Em seguida, a folha de vidro entra na galeria de recozimento, onde será resfriada controladamente até aproximadamente 120ºC e, então, preparada para o corte. Estágio 4: Inspeção automática Antes de ser recortada, a folha de vidro é inspecionada por um “scanner”, que utiliza raio laser para identificar eventuais falhas no produto. Caso haja algum defeito decorrente da produção do vidro, ele será automaticamente refugado e posteriormente reciclado. Estágios 5, 6 e 7: Recorte, empilhamento e armazenagem O recorte é realizado em processo automático e em dimensões pré-programadas. As chapas de vidro são empilhadas automaticamente em pacotes prontos para serem expedidos e armazenados. (FONTE: Cebrace – Brasil)

Fone: (14) 3622.9266 / 3621.8204 Rua Rui Barbosa, 14 - Centro - Jaú/SP e-mail: vidracariabrasiljau@yahoo.com.br 82 Revista Energia


Informe Publicitário

Sorriprime

U

m dos fatores que leva as pessoas a desenvolverem algum problema em seus dentes é a falta de visitas periódicas ao dentista para avaliações necessárias e realizadas por profissionais preparados para atender as necessidades dos pacientes. Para ter um sorriso bonito e saudável, além de efetuar uma ótima higiene bucal diariamente, escovando os dentes após cada refeição e antes de dormir, fazendo uso constante do fio dental, é preciso visitar o dentista ao menos uma vez a cada três meses. E o melhor lugar para marcar essa visita é na Sorriprime, que há dois anos já devolveu muitos sorrisos à população de Jaú. O dentista responsável pela Sorriprime, Dr Luiz Fernando Relvas, especializado em ortodontia, ressalta que os problemas dentários surgem por falta de precaução. Ele ressalta que um sorriso esteticamente mais bonito, alinhado e saudável, surge como consequência do cuidado. A Sorriprime realiza, em média, mais de 90 atendimentos diários. Em sua equipe estão profissionais experientes e qualificados, que atuam em diversas áreas da odontologia. Dra Joyce Dias Ramos: clínica geral e ortodontia Dr. Gino Baraldi Gimenez: clínica geral e endodontia Dr. Luiz Otavio Rocha Maruno: clínica geral e ortodontia Dr. Leonardo Marx: implantodontia Larissa Masserano Milanez: protética Agende uma avalição e conheça a qualidade de atendimento que a Sorriprime proporciona a seus clientes. Seus dentes agradecem.

3418-6664

Fone: (14) R. Lourenço Prado, 478, Centro, 2º Andar Revista Energia 83


84 Revista Energia


Revista Energia 85


Psicologia Por Maira Cibele Espricigo Psicóloga Hipoterapeuta

A Hipnose no combate ao estresse O estresse vem causando inúmeros danos na vida e no cotidiano das pessoas. Danos, muitas vezes considerados irreversíveis, tanto na saúde física como na

O

saúde mental do indivíduo

fato é que o estresse não atinge apenas pessoas adultas e assoberbadas de responsabilidades, mas vem agregando crianças e adolescentes de todas as idades a esse grupo. Mas, o que é o estresse, afinal? O estresse, na verdade, é uma espécie de reação do organismo desencadeado em decorrência de diversos fatores psicológicos, físicos, mentais e hormonais diante de uma “necessidade” urgente. Essa reação pode ter características negativas ou positivas. O estresse só é considerado positivo quando o corpo produz o hormônio adrenalina no intuito de proporcionar vigor, ânimo, energia e até mesmo proteção para que o indivíduo se torne mais ativo e produtivo. No entanto, a proporção negativa é mais desastrosa quando não controlada, provocando diversos sintomas e enfermidades como tensão muscular, dores de cabeça, dores de estômago ou gastrite, pressão alta, herpes, taquicardia, problemas dermatológicos, aftas, retração das gengivas, resfriados, tonturas, infecções, etc. Podemos reconhecer os sintomas do estresse de forma simples, basta observar os sinais que nosso corpo emite como, por exemplo, queda de produtividade, confusão mental, apatia, dificuldade de concentração, sensação de desgaste ao acordar, autoestima baixa, dificuldade com a memória, depressão e irritabilidade sem explicação ou motivo aparente, entre outros. Em decorrência disso, as pessoas de um modo geral têm procurado

86 Revista Energia

métodos e mecanismos de tentar frear e/ou controlar o estresse e seus efeitos nocivos, e a hipnose é um desses mecanismos que vem sendo utilizado por diversas pessoas com resultados excelentes e muito válidos. A hipnose pode ser definida como um estado alterado de consciência ou percepção. Em termos simples, é um estado de profundo relaxamento, no qual o consciente e o inconsciente do paciente podem ser focalizados para ficarem mais receptivos à sugestão do terapeuta. Na psicologia, além de ser indicada para tratamentos clínicos como tabagismo, emagrecimento, fobia, depressão, ansiedade, problemas sexuais, alcoolismo, problemas de fala, terapia de regressão de idade, dores crônicas, autoestima, fortalecimento do ego, melhoras na concentração e memória, é também um método para tranquilizar a mente e relaxar o corpo, sendo, em essência, o treinamento sistemático da atenção. Ela tem como objetivo também desenvolver a capacidade de concentração da mente, do equilíbrio e enriquecer nossa percepção, fazendo com que o paciente possa tranquilizar a mente e também relaxar o corpo, aliviando dores físicas, bem como fortalecer o sistema imunológico, tornando-se um hábito o saber lidar com o estresse e eliminar os sintomas através da hipnose. Apesar de um uma vida moderna e a agitada, hoje em dia é possível ter equilíbrio respirando, relaxando e se concentrando, e a hipnose é uma nova técnica utilizada e indicada para isso. 


Imóveis

Por Jolsimar Garcia Sanchez Corretor de imóveis na IMCO Imóveis

Alugar um imóvel exige segurança Os frutos provenientes da locação de imóveis são a melhor forma de investimento e constituição de renda extra

T

odo o esforço que o investidor faz para adquirir seu bem imóvel não permite que ele erre na hora de oferecê-lo em locação. Para uma locação segura e com resultados satisfatórios, é de vital importância a prestação de serviços com qualificação profissional, responsabilidade e transparência, pois é complexo lidar com a legislação, contratos, análise de documentos e principalmente busca de efetivas garantias de pagamento. O proprietário pode ser a pessoa que mais conhece o próprio imóvel, mas a imobiliária conhece a lei e o mercado, fazendo uso dos meios mais adequados de divulgação e captação, o que traz resultados muito mais eficientes e seguros. É sempre importante frisar que encontrar um bom inquilino é uma tarefa que exige preparo e dedicação, e somente o profissional especializado pode reunir as melhores condições para atingir este objetivo.

Não é desejável o contato direto entre Locador e Locatário e a intermediação minimiza conflitos e confere maior força na exigência das melhores garantias. As importantíssimas vistorias inicial e final seguem uma metodologia específica, que dificilmente o leigo consegue obter, e o conhecimento profundo das normas legais impede que pequenos detalhes resultem em enormes prejuízos. O seu investimento merece total segurança e só com a atuação de um profissional corretor de imóveis é possível alcançá-la. 

O conhecimento profundo das normas legais impede que pequenos detalhes resultem em enormes prejuízos

Revista Energia 87


club

Social

1

Festa Junina do Caiçara é sucesso mais uma vez Mais de 24 horas de festa somados os quatro dias de evento; sucesso de público e crítica. Assim foi a Festa Junina do Caiçara edição 2016. Neste ano, o evento contou com a participação de doze entidades beneficentes, respeitando o caráter filantrópico da festa, uma vez que o Caiçara cede seu espaço sem custo algum para as entidades. As mais de três mil pessoas que circularam pelo salão do clube durante os quatro dias de festa puderam, além de se divertir com atrações e música ao vivo, ajudar ao próximo.

2

1- Edson Luiz Frabetti, Ângela Mandruzatto e Letícia Baccaro 2- Mariane Oliveira Chiachio Schujmann e Rafael Stripari Schujmann 3- Elisandra Stripari e Fernando Santo Olaia Jr 4- Silvana Simione e Josi Sanchez 5- Carolina Abdo e Taline Mello 6- Flávia Montagnoli e Vinícius Martins

3

4

5

6

88 Revista Energia


club

Social

1

Férias Animadas Jaú Shopping Durante todo o mês de julho, muitas atrações e brincadeiras divertiram a criançada na praça de eventos do Jaú Shopping, como a apresentação e animação dos Super Heróis, que encantaram os pequenos. E enquanto eles se divertiam, os pais aproveitaram tudo o que o Jaú Shopping oferece de melhor.

2

1- Sofia Zanatto Bott 2- Lucas e Lorenza Granai 3- Pedro de Melo Silva 4- Pedro de Gaspari Zanotti 5- Arthur Martins Kakoi e Matheus Vito Agostinho 6- Vagner Aparecido Souza Junior.

3

4

5 6

Revista Energia 89


club

Social

1

Mirante do Pouso Com música ao vivo e chope em dobro, no dia 22 de junho aconteceu mais uma noite de Feijoada no Restaurante Mirante do Pouso. Quem compareceu deliciou-se com a feijoada acompanhada de arroz com bacon, couve refogada, farofa, vinagrete e pururuca.

2 1- Vanessa Perez, Tiago Perez, Creso Pereira, Regina Mai, Alexandre Toda, Alessandra Sampaio 2- Silvana, Jairo Leandrin, Gabriel Leandrin E Gabrielle Nunes 3- Ayres Ferracini Neto, Luciana Cherri Ferracini, Naihara Gabrieli, Thiago Martins Barranco 4- Marcelo Dias, Fernando Fernandes, Daniela Dias, Juliana Dangió 5- Odair Salvador, Carlos Augusto Moretto, Maria Augusta Moretto Testa, Emily Moretto Testa, Rose Moretto, Hilda Salvador 6- Beatriz, Cezar Alves Pires, Otávio, Cláudia, Marcelo Furlanetto 7- Cláudia Farinelli e Maércio Farinelli

3 4

5

6

7

90 Revista Energia


club

Social

1

Mais Alegria Buffet João Victor Spatti recebeu amigos e familiares no dia 28 de maio, no Mais Alegria Buffet, para comemorar os seus 11 anos. Ao lado dos pais André Spatti e Daiana Sorienni, e da irmã Ana Júlia, João curtiu muito o cenário de faroeste, que encantou os convidados e divertiu a criançada. 1- Decoração Faroeste 2- Gabriel e Therezinha Zapatero, Maria Spatti, Odete Spatti, Fabrício Herrera, Beatriz Spatti, Aline Spatti, Daniel Oliveira e Maria Eduarda 3- Ana Penteado, Márcio José Costa, Robson Fernando Roda e Flávia Jorgin Roda 4- Milene Fachin e Rafaela, Osmar Rosenio Oliveira, José Paulo Altieri, Marina Altieri, Adriana Rizzato Altieri, Iracelia Oliveira, Vicente Oliveira 5- Beatriz dos Santos, Rosa Maria Sorienni, Beatriz Nalio, Joice Nalio, César Rodrigo da Silva e Antônio Carlos Sorienni 6- João Victor e os pais André Spatti e Daiana Sorienni

2

3 4

5

6

6

Revista Energia 91


club

Social

1

Sorveteria Marcheti Há 51 anos o casal Antônio Carlos e Ana Maria Marcheti iniciou em Dois Córregos a Sorvetes Artesanais Marcheti, produzindo de forma artesanal os melhores sorvetes da região. Preservando a tradição, Francisco Otaviano Marcheti continua fazendo os mais deliciosos sabores, até hoje batidos em máquinas italianas e na frente do cliente. Uma experiência única para quem aprecia produtos saudáveis e de qualidade ímpar. Breve, também em Jaú!

2

1- Clara Marcheti, Fabrício Marcheti, Ana Marcheti, Antônio Carlos Marcheti, Francisco Otaviano Marcheti, Janaína Marcheti, Vitório Marcheti e Enzo Marcheti 2- Janaína Marcheti Andrea Chaddad 3- Geraldo e Maria Lúcia Mazziero Ursulino 4- Ana Marcheti, Antônio Carlos Marcheti 5- Pedro E Julia Mazziero Ursulino 6- Ana Calacina, Maurício Ricardo Ferreira Calacina, Anselmo Calacina

3

4

5 5

92 Revista Energia

6


club

Social

1

Sumirê Fashion Show 2016 Aconteceu nos dias 19 e 20 de junho o evento que une conhecimento, beleza e solidariedade. O “Beleza do Bem Sumirê Fashion Show 2016” reuniu cerca de 20 mil pessoas em dois dias no Palácio das Convenções Anhembi, em São Paulo. Com mais de 100 stands e muitos lançamentos, a feira reúne as melhores marcas do setor, proporcionando um encontro impar entre profissionais e expositores. Nesse ano, o evento contou com a participação de blogueiras e famosos como o ator Bruno Gissoni, Bruno Boncini (ex Banda Malta) e show com o grupo Pixote. Quem encerrou com chave de ouro foi a cantora Ludmilla. O Beleza do Bem destina parte de seus lucros para o Graac (Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer).

2

Facebook - www.facebook.com/belezadobem Instagram - www.instagram.com/beleza_do_bem/ Site - http://belezadobem.com Perfumaria Sumirê Jaú Rua Major Prado 443 – centro Jaú/SP

3

1- Visitandes participando da programação do Palco Alternativo 2- Grupo Pixote 3- Equipe Sumirê Jau 4- Bruno Gissoni 5- Ludmila 6- Bruno entregando a doação para o Graac.

4

5 6

Revista Energia 93


club

Social

1

Tide

No último dia 25 de julho aconteceu a inauguração da Escola de Barbeiro Tide. Em um espaço diferenciado e especializado no ensino da profissão de barbeiros, Tide e a família receberam amigos e convidados para um coquetel. Um dos mais completos centros de formação do estado, a Escola de Barbeiros fica na Rua Marechal Bittencourt 637, no centro de Jaú, e já está em pleno funcionamento.

1- Escola de Barbeiro Tide 2- Ricardo, Tide, Suelen e Carlos Roberto de Freitas

2

3- Pedro Teixeira, Márcia Sabatino, Gabriel Valênca, Tide, Carlos, Letícia e Ricardo 4- Tide e pastor João Carlos 5- Letícia Freitas, Ricardo Freitas, Tide, Suelen, Gabriel Valência e Carlos Roberto 6- Daniela Navarro, Carlos Storion e esposa, Diego Cainelli, Amanda Carneiro, Tide, Isabel e William Garcia, Nereide, Luiz Lima, André Filho, Erica Mattos e Nelson Mattos

3

4

5 6

94 Revista Energia


Revista Energia 95


Tradição

Jaú:

mitos, verdades e curiosidades Jaú tem seus fatos, suas lendas, personagens e histórias que o tempo não apaga. Sua cultura se faz presente em manifestações de poesia, música, esporte e muita vida! Texto Letícia Koehler

96 Revista Energia


N

esta edição, a RE traz algumas curiosidades sobre nossa cidade, que comemora 163 anos de puro encanto e magia.

Começando pelo nome

O nome Jaú (Ya-hu), na linguagem Tupi-Guarani-Kaingangue, quer dizer peixe guloso, um bagre comedor, porém, pode significar também “o corpo do filho rebelde”, segundo a lenda do peixe. A lenda conta que Ya-hu, um jovem guerreiro Kaingangue, provavelmente por causa de uma moça a quem talvez amasse, manifestou-se contra o pai, perseguindo os Coroados (o mesmo que Kaingangue) até a Serra de São Paulo, onde iniciou uma guerra, causando muitas mortes. Depois desse feito, o jovem voltou para casa, mas estava ferido e foi seguido pelos Coroados. Percebendo que estava encurralado e seria morto, tendo sua cabeça cortada e exibida como troféu, o guerreiro pulou em um ribeirão e afogou-se, ressurgindo depois na forma de um peixe que apresentava no dorso uma mancha irregular vermelha, igual a que usava o jovem guerreiro. O professor de História, Júlio Cesar Polli, 41, defende que essa lenda não tem coerência alguma, mesmo porque não existe nenhum documento que comprove sua existência. “Dizem que o relato dessa lenda foi encontrado em um arquivo em Campinas, escrito em 1895, porém, nunca foi encontrada a cópia desse arquivo. São coisas que as pessoas vão inserindo e não citam as fontes, informações referentes a determinadas coisas que não passam do imaginário, e que vão constituindo uma história à parte”, destaca Polli.

Religiosidade de Criolando Coriolando Rodrigues de Lima, popularmente conhecido em Jaú como Criolando, foi figura marcante na cidade, e até hoje seu túmulo recebe flores e objetos, especialmente cavalinhos de madeira. Portador de uma deficiência mental, Criolando andava pelas ruas montado em um cavalinho de pau, e sua figura está sempre ligada à morte pelo fato de anunciar e consolar as famílias que iriam perder algum ente querido, antes mesmo de ocorrer. No entanto, a religiosidade que Criolando possuía era enorme,

sendo um frequentador assíduo de missas. O que pouca gente sabe é que ele até já realizou batizado na rua. O fato aconteceu com dona Romilda Durante Guerra, 85, aposentada. “Eu era bem criança quando ele perguntou para a minha mãe se eu era batizada, ela respondendo que não, ele foi logo me batizando” conta. O casal de aposentados Elza Chiodi João Pedro, 80, e Vicente João Pedro, 86, defendem que Criolando era um verdadeiro anjo, um ser abençoado. “Baixinho, atrapalhado e moreno, ele era inocente, santo e religioso”, ressalta seu Vicente. Dona Elza recorda uma frase que as crianças falavam toda vez que o viam, quando passava com seu cavalinho de madeira: ‘Criolando guia guia, rouba pão da padaria’; assim elas cantavam, para chamar sua atenção”, conclui.

O “Santo” jauense Muitos jauenses não sabem, mas já tivemos um aspirante a santo. Miguel Pacífico, um carpinteiro que veio da Itália, viveu em Jaú no fim do século XIX e início do século XX, e queria ser uma celebridade. Tanto que decidiu, em 1905, fazer a sua própria estátua. Pacientemente, esculpiu sua figura em tamanho real, em uma enorme tora de cabreúva, e queria colocá-la no jardim da cidade. É claro que as autoridades não permitiram. Ele, então, desejando ser imortalizado, comprou um pequeno terreno na Rua Saldanha Marinho, construiu um nicho e lá deixou sua estátua. Entretanto, ali perto havia uma casa de prostituição, e sua imagem acabou sendo apadrinhada pelas meretrizes, causando revolta em cidadãos religiosos que não aceitavam aquela situação. Muitas vezes, à noite, a estátua de Miguel Pacífico era alvo de disparos de carabina, mas como a cabreúva possui alta resistência, não chegava a estragar a obra. A história teve tanta repercussão que até virou notícia no jornal norte americano The New York Times, conforme tradução: “Busto de brasileiro provoca sua fama ... na cidade de Jaú está uma estátua de um humilde carpinteiro reverenciado como santo e homem vudu...” Turistas que visitavam a cidade paravam para tirar fotos e perguntavam: ‘’Quem é o santo?’’ Mas não havia santo, apenas alguém que desejava ficar famoso. E conseguiu. Tanto é que figura aqui, nas páginas da RE.

Revista Energia 97


“Muitas histórias vão sendo construídas no imaginário das pessoas, e passam a fazer parte do cotidiano popular” Sanches, 29, publicitário, conta que após muito trabalho o navio foi retirado por uma empresa de transportes em um grande veículo: “Talvez ele tenha sido levado até o Rio Tietê, depois de ter ficado por algumas horas encalhado em plena avenida”, diverte-se.

Testamento de Thereza

Cartão vermelho ao juiz O grande XV de Jaú, time da cidade, já lançou moda e produziu muitas curiosidades ao longo de sua trajetória. Quem sabe e entende muito bem do assunto é o José César Cardoso, 56, comerciante - o Célio do bar. Célio conta sobre um jogo inusitado contra o Corinthians, em 1986. “XV de Jaú contra o Corinthians, no Pacaembu, foi o primeiro caso de cartão vermelho para o árbitro. Dimas, o volante do XV, pegou o cartão vermelho das mãos do árbitro Antônio Carlos Saraiva e o expulsou do jogo”. Isso, na verdade, foi uma forma de protesto do volante Dimas. Mas, na sequência, muitos outros jogadores copiaram a “técnica” e a incluíram em outros jogos.

Revelando jogadores japoneses O XV de Jaú, também conhecido como “O Galo da Comarca”, foi o primeiro clube brasileiro a fazer intercâmbio com o Japão. “Através disso os japoneses vieram para cá, revelando o Kazu (ex-Santos e maior ídolo do futebol japonês, que aprendeu a jogar bola no XV) na década de 80”, salienta Célio. Importante lembrar que alguns jogadores famosos já passaram pelo XV de Jaú, como Walter Leandro (que está no Corinthians atualmente); Eduardo Schmidt; Edmílson Moraes; França (São Paulo e Seleção); Marolla (goleiro Santos e Seleção; Leandro Castán (jogando atualmente no Unione Calcio Sampdoria), entre tantos outros.

Navio na avenida Todos nós sabemos que a cidade de Jaú não fica no litoral, mas, sim, já tivemos navios. Um estranho acontecimento fez com que um navio encalhasse na cidade. E a embarcação estava ancorada no meio da Avenida Netinho Prado, em pleno dia. Esse fato ocorreu devido a uma serralheria que existiu na avenida e que fabricou a carcaça do navio. Não tendo um lugar suficientemente grande para comportá-lo, ele acabou parando na avenida. André Ximenez 98 Revista Energia

Em um período em que o papel da mulher na sociedade era apenas o de gerar e criar filhos, surge a figura de Thereza de Assis Bueno. Solteira e herdeira de uma das famílias mais tradicionais do município, a personagem rompeu com todos os padrões vigentes e aceitáveis na época, ao deixar uma parte de sua herança aos sete filhos de seu ex-escravo, Jonas de Assis Bueno. Como seria normal em qualquer família, o fato gerou muito espanto. Inconformados, alguns integrantes da família contestaram, afirmando que ela era louca e analfabeta, não conseguindo, assim, produzir seu testamento. Porém, no dia da leitura no tribunal, 14 pessoas testemunharam a favor da vontade de Thereza, segundo depoimento da historiadora Norma Botelho. Thereza de Assis Bueno é considerada uma mulher à frente de seu tempo, que atuou de acordo com sua própria vontade na busca de seus princípios. Como estes, muitos outros fatos reais ou da imaginação popular fazem parte de uma cidade que acolhe seu povo e os visitantes de modo ímpar, oferecendo hospitalidade, diversão e cultura. 


Revista Energia 99


guia da gula

guia gastronômico

sabores para

todos os paladares UPII Batata Belga Chicken Upii: Porção com 28 pedaços do delicioso frango crocante + 1 molho à sua escolha Combo Upii: Cone de Batata Belga + 1 molho à sua escolha + 1 acompanhamento + Parmesão ralado ou bacon ralado. Fish Crisp Upii: Porção de peixe empanado divinamente crocante + 1 molho à sua escolha Opções de molho: Catchup, Maionese, Cheddar, French, Honey Mustard, Barbecue Jaú Shopping - Praça de Alimentação

- Tel: 14 3622 2676

Estilo Mineiro Há 17 anos oferecendo a melhor comida caseira e mineira, com os mais saborosos pratos quentes e frios. Localizado no centro de Jaú, o Restaurante Estilo Mineiro serve também as opções marmitex, self-service por quilo e à vontade. Cervejas, refrigerantes e suco natural de laranja também estão à disposição do cliente. O horário de funcionamento é das 11h às 14h30. Rua Edgard Ferraz, 762 - Centro - Jaú - Tel: 14 3624 2194 Rua 7 de Setembro, 1090 – Centro - Bariri – Tel: 14 3662 0849

GELATERIA Di Famiglia Produzidos com os mais nobres ingredientes, cuidadosamente selecionados e preparados dentro do mais alto padrão de qualidade, na Di Famiglia você encontra gelatos incríveis. Descubra você também o prazer de experimentar sabores fascinantes e irresistíveis. Gelateria Di Famiglia Rua 13 de maio, 729 - Jaú/SP

100 Revista Energia


vida

Boa

Por João Baptista Andrade Diretor da Mentor Marketing e AMA Brasil

Comida e Zinco Entre Parêntesis Se você pensou no elemento químico de massa atômica 30, segundo a tabela de classificação periódica dos elementos do Mendeleiev (sem pânico, nada de relembrar aulas de química), errou

A

palavra zinco vem do alemão zink, e essa história tem relação direta com a colonização alemã no Brasil. O Zinco do título é um local no chamado Vale Europeu, Santa Catarina, onde fica a pousada do Egon e da Margarete. Explico: Tina tem uma turma de amigas bikers. Coisa de anos. Vira e mexe elas organizam uma viagem para pedalar em algum lugar diferente. Já fizeram a Croácia, o Chile (lembra do vulcão Vila Rica? Explodiu três semanas depois delas saírem de lá...) e por aí afora. Clube da Luluzinha total, onde os machos não costumam ser aceitos. Acontece que este ano elas resolveram pedalar pelo Vale Europeu, onde existe um circuito de ciclo turismo muito bem montado. Eu acabei virando o motorista de apoio para o grupo. Dez mulheres juntas dão muito o que falar. Entre elas, é claro. Eu só fazia era ouvir. Pois então que um dos pernoites das meninas foi lá no Egon. Apesar de descendente de alemães, ele é bem brasileiro. Achei até que merecia um diploma de caipira honorário, de tão boa que é a prosa dele. A pousada é uma graça. Para dizer a verdade, é a antiga casa de campo da família, que foi levemente adaptada para receber pessoas. Lembra quando você ia passar um final de semana na fazenda de não-sei-quem? Então. É igual. Mas íamos eu e Egon trocando ideias e comentários durante o jantar (os donos jantam e tomam o café da manhã com os hóspedes) quando ele disse algo como: “Estava eu conversando com a Xica...”. Interrompi na hora. Dona Célia, senhora minha mãe, que me perdoe a falta de delicadeza e senso de momento. Virei-me para trás e chamei em voz alta: “Xica, dá um pulo aqui, por favor?”. Vieram as duas, Margarete e Tina. E nós quatro caímos na risada. Muita coincidência, não é não? Quem me lê sabe que eu não faço merchandising. Nunca sequer mencionei o nome do restaurante da Tina aqui na coluna. Mas a dica é boa demais para não passar adiante. Se o leitor for no Google (o oráculo moderno dos deuses) encontra-

rá a pousada com facilidade. Mas já vou avisando: não é lugar para qualquer um. Só vai gostar do local (e dos donos) quem tiver a alma sensível e o coração tranquilo. Lá não tem Internet, telefone ou quaisquer outras formas de comunicação moderna. Também não aceitam cartões de crédito e não recebem visitantes; só quem tem reserva. Complicado, não é? Não é. É uma delícia. Fazia muito tempo que eu não passava uma noite tão agradável, comendo, bebendo e sendo paparicado pelos donos da pousada. A Margarete/Xica tem uma irmã (a Xuxa) que cozinha muito bem. Deve ser algo de família, porque a comida da Xica é de arrasar. Pois então que a Xuxa tem um pequeno restaurante em Timbó, chamado Entre Parêntesis. Não tem cardápio. Ela vem à mesa e pergunta o que você não come. Depois sai pensando em opções que vai oferecendo a cada um. Também não tem carta de vinhos. Você não sabe o quanto vai gastar até a hora da conta. Também não atende gente que não fez reserva. O resultado? Eu e Tina derrubamos duas garrafas de vinho (estava frio na região) e várias rodadas de sobremesas (creme brulée servido sobre uma compota de gengibres). Entretanto, o que mais chamou a minha atenção nos dois estabelecimentos não foi a comida ou as instalações (que em ambos os casos são ótimas). Foi a recepção. Os três personagens (Egon, Xica e Xuxa), são bastante circunspectos e muito modestos. Preferem não alardear o que vem pela frente ao cliente. Eles simplesmente entregam mais do que prometeram, pois não prometem nada. Fórmula do sucesso. Mas em comum eles todos têm o hábito de abraçar (de verdade!) quem chega. Você parece ser alguém da família, mas não apenas mais um componente do clã. Você parece um membro querido, de quem todos sentiam muitas saudades, até o exato instante da sua chegada. Abraço com “A” maiúsculo. Escreve aí: Eu e a minha Xica voltaremos.  Até a próxima. Revista Energia 101


Legislação

Terrorismo & Brasil A presença de atletas do mundo todo nos Jogos Olímpicos atrai a atenção dos terroristas e, portanto, a nossa também. O Brasil nunca foi considerado possível alvo de ataques, mas agora as autoridades de segurança precisam estar atentas

Deputado Federal Ricardo Izar Economista, coordenador para o Sudeste da Frente Parlamentar em Defesa do Consumidor de Energia Elétrica e membro da Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara Federal, Presidente da Frente Parlamentar de Habitação e Desenvolvimento Urbano, Presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Animais, Membro do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados

Texto Ricardo Izar |Colaboração Luís Filipe Nazar

A

vida é uma equação onde, para não haver conflito, o resultado precisa sempre ser o equilíbrio. Tudo que fere o eixo da balança, a ponderação, o razoável, o proporcional, tende a gerar problema. Veja que quando eu falo em equilíbrio, me refiro a qualquer aspecto relacionado à vida humana, pois até a água, se consumida em excesso, pode fazer muito mal. O extremismo religioso tem sido uma bigorna que está tirando a balança da paz do equilíbrio que deveria ter ou, no mínimo, que se busca ter. Essa forma covarde e deturpada de combate, se é que assim podemos chamar os ataques terroristas, tem sido a expressão baixa de grupos religiosos extremistas, que deturpam a interpretação de textos religiosos segundo suas próprias conveniências escusas, e persuadem jovens para sua chamada causa “purificadora”. Nós todos testemunhamos, por reportagens, diversos ataques do autointitulado Estado Islâmico a países ocidentais, notadamente a Estados Unidos e França, por sua forte e firme atuação no combate ao terror. Na visão tresloucada desses extremistas, os ataques são uma forma de punir os chamados “impuros” e “infiéis”, já que na visão deles são pessoas que não merecem nem a vida. Consideram-se verdadeiros enviados de Deus cumprindo sua missão sagrada na Terra. Os ataques são sempre voltados contra civis e, de preferência, com uma simbologia marcante. A forma de atuação desses grupos terroristas torna qualquer ação de prevenção complicada, pois é muito difícil rastreá-los. Os serviços de inteligência estão se modernizando, mas estão sempre correndo um passo atrás. Na época de Osama Bin Ladem e a “al qaeda”, ainda que não houvesse um comando central, haviam as chamadas células terroristas, que tinham a

102 Revista Energia

missão de programar, organizar e executar os atos terroristas, isso eventualmente possibilitava a prevenção de suas ações pela investigação e monitoramento através dos órgãos de inteligência. Hoje o aliciamento é muito mais simples, feito pela internet, apenas com a utilização do poder de persuasão, com a propagação de ideais tresloucados a pessoas psicologicamente suscetíveis a esse tipo de ataque psicológico. Os líderes desses grupos utilizam a chamada “deepweb”, teoricamente impossível de ser rastreada, para aliciar adeptos, os chamados “lobos solitários”, e os ataques são realizados sem nenhum tipo de ação anterior preparatória que permita a investigação e prevenção desses atos. Temos que ressaltar que o Brasil está na rota de possíveis ataques durante a realização dos jogos olímpicos, o que torna a discussão desse tema ainda mais importante. Não resta dúvida que é necessário o ataque militar aos locais sabidamente dominados por grupos terroristas, mas a força bruta não vai vencer essa guerra. Os serviços de inteligência, nacional e internacionais precisam estar mais atentos e preparados para rastrear possíveis ameaças e impedir que aconteçam. De outro lado, os governantes precisam instituir programas de propagação de psicologia reversa, assim teremos menos pessoas ludibriadas e menos soldados aliciados para o terror. Quanto menos os jovens ou quem quer que eventualmente se sinta atraído por esses ideais houver, mais fracos eles ficam. Precisamos estar atentos, o Brasil já recebeu avisos de outros países e de serviços de inteligência internacionais de que os jogos olímpicos podem ser o próximo alvo de grupos terroristas. Esperamos que as autoridades de segurança, polícia e exército estejam prontos para proteger o evento.


Revista Energia 103


104 Revista Energia

Revista Energia 67 - Especial  

A Revista Energia é uma publicação da Rádio Energia FM. Garanta seu exemplar, gratuitamente, nos pontos de retirada: Posto São João e na sed...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you