Page 1

Distribuição gratuita - Venda proibida

Jaú - Ano 5 | Edição 41 | Mensal - Janeiro 2014

Ellen Rocche Garota Corpo Ideal

Corpo

Ideal De Jaú para o Brasil

Perfil

Otávio Avante e Navarro

Tecnologia Encontros a partir de um click

gente fina

Juliana Cestari de Abreu


2 Revista Energia


Revista Energia 3


4 Revista Energia


Editorial

Ano 5 – Edição 41 – Jaú, Janeiro de 2014

Revista Energia é uma publicação mensal da Rádio Energia FM Diretora e Jornalista responsável Maria Eugênia Marangoni mariaeugenia@radioenergiafm.com.br MTb. 71286 Diretor artístico: Márcio Rogério rogerio@radioenergiafm.com.br Criação de anúncios: Well Bueno arte@revistaenergiafm.com.br

C

omeço o primeiro editorial de 2014 com Carlos Drummond de Andrade: “Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de ano, foi um indivíduo genial. Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão. Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos. Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui para adiante vai ser diferente”.

Revisão de textos: Heloiza Helena C. Zanzotti revisao@revistaenergiafm.com.br Repórteres Heloiza Helena C. Zanzotti heloiza@radioenergiafm.com.br Marcelo Mendonça marcelo@radioenergiafm.com.br Tamara Urias tamara@revistaenergiafm.com.br Diagramação Junior Borba (14) 99749.6430

Nós, da Energia, desejamos mesmo que seja diferente. E muito especial, como as próximas edições da RE que estamos preparando para você. Novos projetos, cadernos especiais, novas possibilidades. Inovar, estar à frente do tempo é o grande diferencial e nossa equipe não para. Matérias incríveis, gente que faz a diferença e os melhores parceiros estarão nas páginas da RE em 2014. Muita coisa boa está por vir, aguarde...

Projeto gráfico: Revista Energia Projetos Especiais, Fotografia e Produção Fotográfica: Leandro Carvalho foto@revistaenergiafm.com.br

Colaboraram nesta edição Matheus Raulli Comercial Jean Mendonça Joice Lopez Moraes Sérgio Bianchi Silvio Monari

Impressão: Gráfica São Francisco Distribuição: Pachelli Distribuidora Revista Energia Rua Quintino Bocaiúva, 330 | 2º andar CEP: 17201-470 | Jaú - Fone: (14) 3624-1171 www.energianaweb.com.br

Foto: Cláudio Bragga

Social Club social@revistaenergiafm.com.br Colunistas Alexandre Garcia Brenda Ruffo João Baptista Andrade Marcelo Macedo Professor Marins Ricardo Izar Jr. Wagner Parronchi

2014

promete...

Tiragem: 10.000 exemplares

Enquanto isso, aproveite esta edição que já começa com a belíssima Ellen Rocche, a garota Corpo Ideal 2014, estampando nossa capa. Que traz também mulheres que se destacam em profissões inusitadas, conquistando um espaço antes exclusivamente masculino: atrás do volante de um treminhão. No Gente Fina, a determinação de Juliana Cestari ultrapassando todas as barreiras e no Perfil, a trajetória de uma dupla que promete: Otávio Avante e Navarro. Saiba mais sobre aplicativos e relacionamentos e veja o que os alimentos funcionais podem fazer por sua saúde. Enfim, temos pela frente um ano inteirinho para trazer sempre o melhor conteúdo para você. Feliz 2014 e boa leitura!

Elogios, críticas e sugestões leitor@revistaenergiafm.com.br Quero anunciar comercial@revistaenergiafm.com.br A Revista Energia não tem responsabilidade editorial pelos conceitos emitidos nos artigos assinados, anúncios e informes publicitários.

Maria Eugênia Revista Energia 5


6 Revista Energia


Revista Energia 7


NESTA EDIÇÃO 18 Tecnologia 42 Bate-bola 44 Nutrição 60 Profissão 66 Ano Novo

ÍNDICE

SEMPRE AQUI 10 Perfil 12 Radar 14 Jurídico 16 Pense Nisso 22 Raça do Mês 24 Gente Fina 28 Garota Energia 30 Capa 36 Quem Fez Jahu 37 Look de artista 47 Varal 48 Fitness 50 Social Club 58 Vinhos 64 Guia da Gula 65 Boa Vida 68 Vitrine 70 Entre Aspas

30 Capa

8 Revista Energia

37 24 Look de Artista

Gente Fina: Juliana Cestari de Abreu

47

Varal Sugestões de presente

Distribuição gratuita - Venda proibida

Jaú - Ano 5 | Edição 41 | Mensal - Janeiro 2014

Ellen Rocche Garota Corpo Ideal

Corpo

Ideal De Jaú para o Brasil

PERFIL

Otávio Avante e Navarro

TECNOLOGIA Encontros a partir de um click

GENTE FINA

Juliana Cestari de Abreu

Nossa capa: Ellen Rocche Foto: Divulgação Produção Gráfica: Junior Borba


Revista Energia 9


Perfil

10 Revista Energia


Sonho

Planejado Otávio Avante e Navarro mal sabiam que uma brincadeira num bar mudaria toda sua trajetória artística. A dupla, que lançou seu primeiro CD recentemente, tem repertório contagiante e composições próprias

Texto Marcelo Mendonça

O

távio, 20, é o caçula da família Avante. Ele não tinha a vontade de ser empresário como o pai. Queria ser historiador. Cursou inglês, francês e espanhol, era dedicado aos estudos. Começou até a cursar faculdade de História em Franca, aos 17 anos, mas não gostou, voltou para estudar Administração em Jaú e foi aqui, através dos churrascos da faculdade, que descobriu o que gostava de verdade: a música sertaneja. Entre uma tocada e outra, as aulas da faculdade começaram a ficar para depois. Os compromissos da noite atrapalhavam as presenças em classe, já que as festas eram durante a semana. Otávio cantou pelos bares da vida e aprendeu muito, afinal, não há escola melhor para um músico do que a noite.

Foto: Arquivo Pessoal

Vozes que se completam Em um dia de folga Otávio resolveu passar em um dos bares da cidade onde encontrou a banda de Edson Navarro tocando, e como todo músico que se preze, é sempre bacana dar uma canja, ainda mais estando perto dos amigos. Ele subiu ao palco e naquele momento quem estava no local percebeu que as vozes se completavam. Na brincadeira do bar trocaram contatos e mal sabiam que ali nasceria um sonho. Edson, 26, que desde criança imitava cantores ouvindo o rádio, montou uma banda de rock na escola que não durou, pois ele insistia em cantar o estilo sertanejo em meio ao repertório. Entrou em outros projetos, cantou em bandas de baile que, segundo ele, foram essenciais na formação como músico. Depois da apresentação com Otávio, do tempo tocando

e cantando na noite, percebeu que era hora de montar algo mais sério. O pai de Otávio é o empresário da dupla. Apostou na ideia, pois sentiu que o talento dos meninos e a vontade de seguir carreira da dupla motivavam a família e amigos que acompanharam o começo dos dois.

“Nesse ano nossa intenção é tocar o máximo possível por todos os lugares, será um ano de muito trabalho“, diz Otávio. Primeiro sucesso e projetos futuros O planejamento começou com a gravação do primeiro CD, chamado “Arrasto tudo pro motel”, jingle que também virou clipe e sucesso de visualizações no Youtube. A programação diária da dupla hoje é toda planejada. Depois do lançamento do CD e do clipe, a ideia é gravar outro CD e o salto mais alto, um DVD para lançar a dupla nacionalmente. “Nesse ano nossa intenção é tocar o máximo possível por todos os lugares, será um ano de muito trabalho“, afirma Otávio. Pedro Pereira, produtor executivo, acompanha a dupla diariamente em compromissos de rádio e mídias em geral, tudo agendado previamente. “O trabalho da dupla é planejado, é como uma empresa, fazemos tudo pensando nos meninos”. Até o traje com chapéu, botas e fivela é parte da ideia da dupla. Com repertório dançante, Otávio Avante e Navarro não querem deixar ninguém parado. 2014 promete!  Revista Energia 11


Radar

Boa

Por Alexandre Garcia

2014 e 2015

C

ircula na internet um calendário de 2014 mostrando que janeiro, fevereiro e março estarão ocupados por férias e carnaval; abril por feriadões, como a Semana Santa e Tiradentes; maio com a preparação para a Copa; junho e julho pelo mundial de futebol. Diz o calendário da internet que agosto e setembro serão meses úteis e que outubro será ocupado pelas eleições; que novembro será mês útil e dezembro mês de festas de fim de ano e férias. Aos meus remetentes tenho respondido que estão muito otimistas, porque os “meses úteis” de agosto e setembro serão ocupados pela campanha eleitoral e o “mês útil” de novembro será ocupado pelo segundo turno e pelas movimentações pós-eleitorais. Quer dizer, o ano já acabou. Estive em férias nos Estados Unidos durante a copa de 1994 e num dia de jogo do Brasil tentei assistir pela televisão de algum bar, lanchonete ou restaurante. Em todos em que entrava, estavam assistindo ou golfe ou basquete ou beisebol. Para assistir ao Brasil, tive que alugar um quarto num hotel. A vida continuava e ninguém dava bola ao soccer. Em outra ocasião, passei a semana santa em Nova Iorque. A sexta-feira-santa foi um dia normal de trabalho. Só no domingo de Páscoa houve a tradicional caminhada pela Quinta Avenida. País sério não quer saber de futebol

12 Revista Energia

ou feriado. Quer trabalhar para ganhar dinheiro e ter abundância para viver tranquilo. Aqui, pelo jeito, vamos perder 2014 inteiro. E o pior: saímos mal de 2013, com a maior divida externa, a maior dívida pública, inflação além da expectativa do governo e crescimento pífio - o pior desempenho econômico entre os BRICS e entre os piores da América Latina. Isso sem falar da liderança mundial em homicídios e mortes no trânsito. Nossos hospitais públicos não atendem ao direito constitucional de saúde e a educação vai de mal a pior - o que não significa futuro. O ano que entra deveria ser o ano das correções de tudo o que está errado, para o que seriam necessárias medidas duras, severas, urgentes, na economia, nas leis penais, na Justiça, na saúde, na educação. Mas boa parte dessas medidas seriam impopulares. E quem vai adotar medida impopular se está em jogo a reeleição?  Assim, também para algum tipo de recuperação, 2014 será um ano inútil. Tudo indica que as providências serão empurradas para 2015. Então, um imenso baú de herança maldita vai cair no colo dos eleitos e dos reeleitos. Os eleitos vão reclamar. Os reeleitos vão enrolar. E tudo vai continuar. Não é o sol, o solo e águas abundantes que fazem um país. É seu povo.


Revista Energia 13


Jurídico Por Wagner Parronchi

Em casa, a melhor parte do frango é dos PAIS!

F

oi-se o tempo em que a melhor parte do frango era do pai. Tempo em que a mãe vigiava atentamente os filhos durante a refeição para deixar ao pai a melhor “mistura”, época em que a educação dos filhos era rígida e primordial, objetivando a criação de homens

de bem. Lembro-me da rigidez com que minha mãe educou seus quatro filhos praticamente sozinha, pois meu pai passava dias, às vezes meses nas estradas para trazer o sustento de “seis bocas” e, mesmo assim, na sua escassez de tempo e limitada educação escolar, ele nos trazia ensinamentos que nunca receberíamos em escola alguma que não fosse a da vida, na sua mais eterna paciência e sabedoria digna de grandes mestres. Na vara da infância e juventude lá de casa, a juíza era minha mãe, que nos educou da forma como foi educada, e hoje posso dizer que somos o que somos pela educação que dela recebemos. Acredito que não foi fácil, pois ela teve QUATRO HOMENS, quatro meninos, moleques, já imaginou? Ainda assim, não perdeu as rédeas. Fico triste em ver a situação a que chegamos hoje, com pais

14 Revista Energia

dominados pelos filhos, ainda em tenra idade, e uma sociedade voltada a mimá-los em vez de educá-los, sem contar as inúmeras crianças abandonadas moralmente, criadas na rua e, mesmo tendo família, expostas a uma educação marginal. Não que eu seja favorável às varas de outrora, porém, quando se tem um filho a vida deve mudar radicalmente, e sua principal missão passa a ser torná-lo uma pessoa de bem. A criança não pode ser a estrela da casa, ela deve aprender coisas que não raras vezes nos cortam o coração ensiná-las. Em casa nunca faltou amor e carinho aos meus filhos, nós nos abraçamos, nos beijamos e dizemos “te amo” várias vezes por dia, porém, isso não impede a rigidez na educação. Pergunte aos meus filhos o quanto é difícil conquistar algo de seus pais. Isso mesmo, não se pode dar tudo que querem apenas por dar ou fazê-los feliz, importa fazê-los conquistar cada presente, cada pedido, repetindo em casa o que a vida lhe cobrará como cidadão. Por fim, o que isso tem a ver com jurídico? Se você não cuidar direito do seu filho, no futuro você saberá a resposta. Reflitamos e feliz ano novo para todos nós!. 


Revista Energia 15


nisso

Pense

Por Professor Luiz Marins

LUIZ MARINS Antropólogo e escritor. Tem 26 livros publicados e seus programas de televisão estão entre os líderes de audiência em sua categoria. Veja mais em www.marins.com.br

Foco

D

aniel Goleman, festejado guru da atualidade, autor de Inteligência Emocional e professor de Harvard, lançou agora, em outubro de 2013, seu novo livro “FOCUS - O condutor escondido da excelência”. Ao saber do lançamento desse livro de Goleman, um assinante e leitor que possui meu livro “15 anos de Motivação e Sucesso—780 mensagens” me enviou a seguinte mensagem: “Exatamente na semana de 24 a 30 de outubro de 1993, exatos 20 anos antes deste novo livro de Daniel Goleman, o senhor escreveu uma mensagem chamada “É Preciso ter Foco”. Novamente o senhor escreveu sobre o tema em 1998, 2003, 2006, sem falar da história do EMU contada pelo senhor há décadas para ilustrar o conceito de foco. Parabéns, professor!” Agradecendo ao leitor, atendendo a seu pedido e dada a atualidade do tema, aqui vai a mensagem escrita em 1993 para ser repensada hoje. “Um dos maiores problemas que tenho visto em empresas, empresários, executivos, gerentes, supervisores e mesmo funcionários em geral é a falta de foco naquilo que fazem ou deveriam fazer. A verdade é que a maioria das empresas e pessoas que nela trabalham em funções de chefia não sabem exatamente o que estão buscando, o que devem fazer prioritariamente. Ciscando o dia todo, como galinhas num galinheiro, o empresário, o executivo, termina o dia com a sensação de que nada fez de concreto, real ou palpável pelo seu negócio. É preciso ter foco. Sem foco, sem objetivos e metas claras, subordinados não podem ser seriamente avaliados. Lembro-me de um gerente que me disse estar cansado de ser avaliado sem objetividade pelos seus superiores. “A cada momento querem uma coisa diferente...”, dizia ele. Sem saber para onde ir, esse gerente estava desmotivado, desentusiasmado e perdeu toda a capacidade de lutar por alguma coisa concreta, séria e objetiva. Quando se fala em objetividade, lembra-se da “objetiva” de

uma câmera fotográfica - que é o que leva ao “foco”. Nas relações com os clientes, tenho visto empresas que também perderam o foco. Não sabem realmente o que vale a pena incentivar, propor, exigir, oferecer. Os programas de qualidade e produtividade têm perdido muito de seu sentido, exatamente por falta de foco. Afinal, o que vamos fazer primeiro? O que é Essencial, Importante e Acidental? Sem foco, as empresas perdem muito tempo com coisas acidentais e nunca têm tempo para o que realmente é essencial. Sem capacidade para decidir o que seja essencial, as empresas perdem tempo e energia que deveriam ser focados para o seu negócio principal ou “core business” como dizem os americanos. Nesta semana, gostaria de sugerir que você fizesse uma análise fria de sua empresa, juntamente com seus executivos mais graduados, e verificasse se realmente a sua empresa está empregando todo o seu talento, tempo e energia no seu negócio principal. Se a sua empresa tem foco. Se os seus executivos e subordinados são cobrados focadamente por coisas concretas, comportamentais, verificáveis, mensuráveis. Sem foco, a empresa de hoje perde competitividade, as pessoas ficam perdidas, os clientes não identificam valor à empresa e todo o negócio perde. Pense nisso.” Pense nisso novamente em 2014, agora com o “aval” de um dos maiores gurus do mundo. Sucesso! 


Revista Energia 17


Tecnologia

Encontros a partir de um

click

Criados para diversos pĂşblicos, os aplicativos de relacionamentos instigam o encontro entre pessoas prĂłximas, com perfil semelhante ao do usuĂĄrio, e com interesses comuns

Imagem: Internet

Texto Tamara Urias

18 Revista Energia


E

m um mundo cada vez mais virtual, os aplicativos para celular estão transformando o cotidiano das pessoas e, consequentemente, o modo como elas se relacionam e paqueram. Os programas de computadores foram substituindo os bloquinhos de notas, agendas pessoais, álbum de fotos, além dos contatos telefônico e pessoal. O professor e pesquisador da Universidade Federal do ABC na área de aplicativos móveis, computação em nuvem e jogos eletrônicos, Francisco Isidro Massetto, 35, explica que este panorama se dá por conta do período de transição que vivemos, saindo de uma era muito voltada para contatos e poucas facilidades de comunicação, e entrando em outra com muita facilidade de comunicação e pouca interação. Ou seja, se pararmos para analisar os últimos 10 anos, é assombroso o acréscimo de membros nas redes de relacionamentos devido a fatores tecnológicos e sociais. O professor destaca, ainda, que um dos fatores que contribuiu para isso foi que os tímidos podem se beneficiar deste tipo de recurso tecnológico para poderem se “esconder” no anonimato da internet e, assim, conseguir algum tipo de socialização evitando uma rejeição inicial. Além disso, muitos dos aplicativos ‘forçam’ a interação social não apenas com contatos e mensagens, mas também através de competições, rankings e desafios. “Um exemplo disso é quando uma pessoa que interage muito com o aplicativo ganha destaque, ocupa as primeiras posições nas buscas e assim por diante. Se você indica o aplicativo a um amigo e ele adere à rede social, isso também é revertido em pontuação e melhora em rankings”. Apesar de ser apresentado aos usuários como apenas uma rede social, por trás os administradores deste tipo de sistemas possuem uma base de dados riquíssima sobre perfis e comportamentos de usuários. Ele explica que tais informações são extremamente valiosas para uma empresa de marketing, por exemplo, segmentar seus anúncios a um determinado nicho de mercado, que tenha um comportamento mapeado nesta base de dados. O que todos estes aplicativos têm em comum é que procuram pessoas com base em afinidades e geolocalização. “Através da posição geográfica de seu celular, é feita uma busca em um raio de alcance limitado para encontrar pessoas que compartilhem as mesmas afinidades”. Massetto já desenvolveu muitos protótipos deste tipo, entretanto, nenhum tornou-se produto, pois a finalidade principal dos protótipos desenvolvidos é voltada à pesquisa. O profissional relembra que os aplicativos de paqueras sempre instigam o uso, independente de idade, profissão ou sexo. “Eu percebo mais

utilização entre meus alunos e os estudantes que precisam de um ‘facilitador’, em função da timidez e por terem um perfil mais recolhido. Alguns destes encontros acabam se concretizando e um ou outro caso prosperam, mas em média a maior parte das pessoas utiliza mais este tipo de recurso como um entretenimento rápido do qual logo enjoam, do que necessariamente uma ferramenta para encontrar sua ‘alma gêmea’”. Que tal, está a fim? Duego: Talvez um dos mais simples de todos, bastante restrito em relação aos interesses do usuário (amizade, namoro, sexo, entre outros) e com poucos recursos de adição de fotos. Ponto positivo: integração com redes sociais (Facebook). Grindr: O grande diferencial do Grindr é, sem dúvida, o seu nicho de mercado. Grindr é uma rede social de relacionamentos voltado ao público Gay. Com as mesmas características dos seus similares, permite que haja um maior grau de viabilidade de encontros dentre os membros da comunidade gay. Speed Date: Talvez o único que não tenha tradução para o português. O Speed Date é baseado em um conceito de festas para encontros rápidos. Muito usual no exterior, o conceito de “festas para encontros de pessoas” acabou se tornando um app que proporciona encontros rápidos entre pessoas, através de recursos como chat, busca por proximidade, afinidades, entre outros. MeetMoi: O MeetMoi é um aplicativo que tem uma proposta um pouco diferente dos demais. De acordo com seu próprio slogan, o MeetMoi é um app que tem por objetivo proporcionar encontros reais a partir de interesses e geolocalização. O usuário informa quais são suas afinidades e o MeetMoi procura quem está próximo a ele e compartilha destes interesses. A pessoa selecionada desta lista, aceitando o “convite”, pode iniciar um chat no próprio dispositivo móvel para, só então, evoluir para um encontro físico. Tinder: O mais popular dentre os aplicativos. Tinder permite que a partir das pessoas encontradas, cujas afinidades sejam compatíveis, um chat se abra para que ambos tenham uma conversa mais privativa. Além disso, com o Tinder é possível que uma pessoa facilite o encontro entre 2 amigos seus, o que torna o potencial de encontros muito maior. 

Revista Energia 19


Francisco Isidro Massetto

Foto: Leandro Carvalho

20 Revista Energia

“Os aplicativos sociais possuem características bastante marcantes e sempre buscam mecanismos para ‘fidelizar’ seus membros e instigálos a sempre interagir. Entretanto, seu uso não está restrito somente à interação”


A BBZ oferece o melhor para você se refrescar nesta estação Ventiladores de teto promovem uma maior circulação de ar no cômodo, além de serem eficientes e gastarem pouca energia.

C

om a chegada da estação mais quente do ano, os ambientes começam a ficar mais abafados e o desconforto na hora de dormir é inevitável. Uma alternativa para arejar o local e amenizar o calor sem gastar muito são os ventiladores de teto, que são práticos, eficientes, com bons preços e fazem o ar circular sem dificuldade. Atualmente, o mercado oferece inú-

meros modelos de ventiladores de teto, tudo para combinar com a decoração do cômodo. A BBZ comercializa diversas marcas, dentre elas a Venti-Delta, que lançou um modelo com pás transparentes e discretos detalhes cromados. A luminária no centro e as hélices arredondadas deixam o visual moderno e chique. O produto é silencioso, possui função ventilação e exaustão, e é ideal para casas e ambientes comerciais.


Raça do mês

São Bernardo Por Heloiza Helena C. Zanzotti | Foto Leandro Carvalho

U

ma das maiores raças do munBionda do, símbolo de força e abnegação, o São Bernardo ficou mais conhecido pelo filme Beethoven, e desperta a admiração incondicional do homem, que aprecia suas extraordinárias qualidades estéticas, sua fidelidade e inteligência. Natural dos Alpes suíços, sua função era encontrar vítimas soterradas e buscar auxílio junto aos monges, caso o acidentado não pudesse mover-se. De acordo com historiadores, andavam aos pares e ao encontrar alguém soterrado, um dos cães deitava-se ao lado dele para aquecê-lo, tentava reanimá-lo lambendo-o, enquanto o outro retornava ao monastério em busca de ajuda. É preciso pensar bem antes de adquirir um exemplar da raça, pois é comum as pessoas procurarem novos donos para o seu cão com a explicação: “Eu não sabia que ele ia ficar tão grande!”. O filhote de São Bernardo nasce com mais ou menos um quilo e cresce muito rápido em seu primeiro ano de vida. Pode demorar até três anos para que chegue à maturidade, quando os machos vão medir entre 60 e 70 cm e pesar entre 80 e 100 kg. As fêmeas serão um pouco menores e mais leves. O latido de um São Bernardo vai afastar qualquer intruso; mas ele reconhece a família e recebe os amigos muito bem, desde que não estejam desacompanhados. Dócil e amável, o São Bernardo é gentil e paciente com crianças, e pode dar a vida para proteger sua família. Cães desta raça precisam de exercícios diários para evitar problemas com obesidade. Gostam de clima frio e sofrem bastante no calor. Sua pelagem pode ser longa ou curta, em ambos os casos precisa de escovação semanal. E, é verdade, todos os São Bernardos babam consideravelmente.

A expectativa de vida desses cães é de aproximadamente 10 anos e as principais preocupações com relação à sua saúde são a displasia coxofemoral, torção gástrica, dermatites e, menos frequente, doenças cardíacas. Bionda é uma São Bernardo apaixonante. E quem conta mais sobre ela é a proprietária Milene Theodoro, 31, empresária: “Adquiri a Bionda em Porto Ferreira, aos 44 dias. Eu já morava sozinha e sempre gostei de cachorros de porte grande, então comecei a pesquisar e não resisti quando me deparei com essa cara de piedade que o São Bernardo tem”. Hoje com 8 anos, Milene diz que precisou adestrar Bionda porque a cadela fugia, saía correndo e ela tinha que correr atrás. “Uma vez a levei para Brotas, onde há uma pessoa que tem três São Bernardos. Mas ela se engraçou mesmo com um Yorkshire, nem quis saber dos grandões” conta, aos risos. E completa: “Até comprei uma Shitzu depois, e elas são muito companheiras”. Sobre como é a convivência com a Bionda, Milene diz: Converso com ela, todos gostam dela, é o amor da minha vida!”.

Tojo Polaris Charlie Haden

22 Revista Energia


Gente Fina

24 Revista Energia


Juliana

Cestari de Abreu “Eu sempre falo para os meus colaboradores: nunca acreditem que vocês são menos por estarem servindo alguém. Vocês são superiores, pois poucos têm garra para pegar no batente” Texto Tamara Urias | Fotos Leandro Carvalho

Revista Energia 25


“O

sucesso nasce do querer, da determinação e persistência em se chegar a um objetivo. Mesmo não atingindo o alvo, quem busca e vence obstáculos, no mínimo, fará coisas admiráveis”. Parafraseando o que José de Alencar escreveu, na vida a grande diferença entre o possível e o impossível está na coragem, autoconfiança e determinação. Independente das circunstâncias externas, se há desejo agregado ao trabalho, a vitória de alguma forma chega. Nossa gente fina desta edição tem muito desta citação de José de Alencar. Após um “estalo”, descobriu e reavivou seu verdadeiro dom. Será que tudo já estava predestinado? Talvez não seja por pura coincidência que o seu sobrenome significa cesta de pães. Apaixonada por trabalhos manuais, dona de um ótimo astral e bastante focada, Juliana Cestari de Abreu, 36, de advogada passou a chef de cozinha. Se você acha que foi fácil, engana-se. O apoio dos pais foi fundamental, já que família é a base de tudo. Durante a entrevista, a primeira citação é a lembrança do avô, que foi padeiro na cidade. Com nostalgia, a jovem se recorda das grandes batedeiras usadas na confecção dos pães. Durante o pensamento percorre a cozinha da padaria e vai para a entrega, que era feita por seu pai, um jovem determinado que ajudava a entregar os produtos naquela época. Passeia também pela infância e recorda que sempre gostou de acompanhar a mãe no preparo das refeições. É inevitável dizer que este amor é algo que sempre esteve no sangue. Juliana faz parte da primeira turma do curso de gastronomia do SENAC Águas de São Pedro, cidade onde permaneceu por dois anos antes de ir para São Paulo. Da capital seguiu para os Estados Unidos e quando retornou ao Brasil, após uma indicação, foi para Brasília trabalhar como chef colsultora e abriu mais de 30 restaurantes. A estadia que deveria ser curta se prolongou e ela recebeu um convite para lecionar em uma Universidade. Foi na capital brasileira que Juliana conheceu seu marido, Luiz. Após quase onze anos fora da terra de João Ribeiro de Barros, a jovem retornou cheia de planos. No início deste ano, em parceria com o marido e um casal de amigos montou seu próprio negócio, um bar grill, mas a cozinha ainda continua sendo seu local preferido. Convido você, amigo leitor, a se inspirar e fazer como Juliana, que via oportunidades em tudo o que lhe foi apresentado. Qual foi a reação das pessoas quando você decidiu embarcar na área da hospitalidade? Eu tive que quebrar paradigmas, muitos perguntavam: você vai pendurar seu diploma de advogada na cozinha? Algumas pessoas foram a favor e outras contra, porque trata-se da área de hospitalidade e serviço. Havia um estigma, e a grande maioria das pessoas via este tipo de trabalho com menosprezo e pensavam: você está me servindo, portanto, é inferior a mim. Antigamente a cozinha era um cômodo que ficava no fundo da casa, hoje ela se transformou em uma área de convivência. 26 Revista Energia

Além do que, na cozinha, os grandes chefs são homens e por eu ser mulher também tive que quebrar esta barreira. Quais foram as principais dificuldades? Na época em que trabalhava com a Renata Braune, uma das primeiras mulheres a atuar como chef no Brasil, com formação no Le Cordon Bleu, a academia da arte culinária de Paris, comecei a fazer produção culinária para a rede Pão de Açúcar. Não era todo dia, mas quando solicitada, era bastante corrido. Eu saia às 18h do trabalho, ia para casa e seguia em direção ao local da produção. Muitas vezes cheguei a sair 3h da madrugada e às 7h já tinha que estar no restaurante. O ganho com estes trabalhos era muito importante, já que complementava a minha renda. Na época, eu ganhava em torno de R$ 600 e cada produção que eu fazia eu ganhava R$ 200, ou seja, se eu trabalhasse três dias fazendo produção eu tirava o valor referente ao meu salário. Mas antes de trabalhar com a Renata, eu trabalhava em um restaurante na Vila Madalena; para eu ir embora tinha que pegar o metrô e este fechava às 00h. Era sempre uma correria, quando menos esperava já faltava cinco para a meia a noite, eu tinha que pegar as minhas coisas e sair correndo em direção ao metrô. Às vezes eu ia trabalhar em eventos no Jockey, saía bem tarde de lá e no seu entorno há muita prostituição. Eu tinha medo: mulher, jovem e sozinha no ponto de ônibus, então muitas vezes me travestia de menino para esperar o ônibus. Colocava moletom, camiseta, boné e ia. Eu tinha que trabalhar e tinha que pensar em meios de me proteger na noite paulistana. A área da hospitalidade está melhorando, mas as pessoas olham você de cima para baixo. Lembro-me de uma vez que teve um festival de frutos de mar e eu fiquei na mesa, abrindo as ostras e mariscos, as pessoas chegavam de Chanel, muito chiques, olhavam para a comida e nem me cumprimentavam. No começo até achei que era algo comigo, mas depois percebi que não, é algo de berço, de educação. Você está sempre “se arriscando”, nunca teve medo do novo? Não. Eu nunca fiquei parada, sempre busquei e abracei oportunidades. A primeira vez que fui dar aula na faculdade fiquei muito nervosa. Você olha à sua frente, aquele monte de alunos, alguns até da sua idade e mesmo tendo conhecimento, sempre terá alguém para nos alfinetar. Mas, aos poucos, eu os fui cativando e implantei várias coisas que a faculdade não fornecia. O mais bacana de tudo são os laços que ficaram, até hoje tenho contato com alguns ex-alunos que querem sair de Brasília e vir trabalhar aqui comigo. Trabalhar na Europa era seu sonho de consumo? Eu queria muito adquirir experiência na Europa, mas lá é um pouco complicado entrar no mercado de trabalho, eles têm uma mentalidade de que se você se não tiver a cidadania do país, estará tirando o ganha pão de um europeu. E como eu queria adquirir bagagem fora do país, decidi ir para os Estados Unidos. Fui trabalhar num resort, localizado no Mackinac


Island, localizada dentro dos grandes lagos, na divisa com o Canadá. Demorei mais de um dia para chegar até lá, foi uma verdadeira saga. Em Detroit embarquei em um teco teco (avião de pequeno porte) até chegar a uma cidadezinha de onde segui em uma van; depois embarcamos numa balsa até chegar nesta ilha. Ali, a única forma de chegar ao resort era de bicicleta, já que os veículos motorizados só eram posse da polícia ou emergência. Permaneci seis meses naquele local, longe de tudo e todos, mas a experiência foi ótima. Eu trabalhava de dia em um restaurante e à noite em outro. Aprendi muito, principalmente a entender que as pessoas são diferentes, lá eu convivia com gente de todas as nacionalidades e aprendi a respeitá-las com seus hábitos e culturas. Você vem de uma família tradicional e talvez não precisasse passar por todas estas dificuldades. Você, em algum momento, pensou em desistir? Nunca [enfática]. Tive que fazer algumas renúncias, abrir mãos de certas coisas, lidar com a saudade, com as dificuldades, o preconceito de ser mulher, o medo da cidade grande, mas o meu desejo por conquistar era maior, eu acreditava e sabia que aquele momento era preciso. Você aparenta ser bastante determinada, de onde vem toda esta força? Acho que vem do sangue. Meu pai teve tudo o que quis, sempre lutou para conseguir. Minha mãe, desde sua adolescência dava aula de piano no conservatório. Depois de casada chegou a dar aula em escola pública nos três períodos e só a víamos quando voltava do serviço. E também temos a Catarina, que sempre deu respaldo a ela. O que você pretende para o futuro? Demorei quase dois anos para montar meu estabelecimento. Estava agregando experiências e guardando economias. Preciso fazer as coisas conforme eu acredito, sou capricorniana, se a melhor fruta estiver no topo, será justamente esta que eu vou subir para comer. Eu tenho paciência, demoramos, mas acredito que inauguramos na hora certa. Quero que este estabelecimento seja um referencial de qualidade e bom atendimento, por isso estamos lá todo dia trabalhando. Quero que as pessoas, ao deixar o local, tenham tido uma experiência boa, de prazer. É com este objetivo que trabalho. E na vida pessoal, sou super realizada. Meu marido é maravilhoso e amo trabalhar com ele, sempre digo que ele é minha inspiração diária. 

Revista Energia 27


Por Pr贸 Modas

28 Revista Energia

Ana Caroline Barros

Energia Garota


Ficha técnica:

Fotos e Produção: Leandro Carvalho Looks: Pró Modas Fone: 3416 7779 Cabelo e make: Sim Beauty Salon Fone: 3416 7110 Locação: Sim Beauty Salon Joias: Érica Módolo Fone: 98128 1900 Quer ser Garota Energia? É super fácil e não custa nada! Vá até o Fena Foto na Edgar Ferraz, 171, agende um ensaio fotográfico gratuito e ganhe de presente duas fotos, uma delas é para você e a outra entregue na recepção da Energia FM para seleção. Aí, é só torcer! Revista Energia 29


Capa

30 Revista Energia


Corpo Ideal em um clique

A venda de suplementos alimentares ĂŠ um mercado em forte expansĂŁo. E ĂŠ cada vez mais vantajosa a compra desses produtos pela rede mundial de computadores

Texto Heloiza Helena C. Zanzotti

Revista Energia 31


32 Revista Energia


H

oje em dia a falta de tempo faz com que as pessoas optem pelo mais fácil e rápido, fazendo refeições em restaurantes ou lanchonetes, e consumindo produtos industrializados. Com a proposta de suprir a deficiência nutricional surgiram os suplementos alimentares, que auxiliam na construção de um corpo bem delineado, proporcionam uma melhor qualidade de vida, saúde e bem-estar.

Saúde em foco A busca por um estilo de vida mais saudável, por um desempenho melhor e pela estética passou a ser uma das principais preocupações do brasileiro. Profissionais de educação física, nutricionistas e muitos médicos já recomendam o consumo dos suplementos alimentares para aliar seus benefícios aos resultados das atividades físicas. Visando a essa necessidade do mercado, a Corpo Ideal atende hoje clientes de todas as idades, desde suplementos polivitamínicos, substitutos de refeição e até repositores de vitaminas, minerais e fitoterápicos como ômega 3, colágeno, cálcio, lubrificantes de articulações, inibidores de desejo do consumo de açúcar, antioxidantes, etc. Além de todos os outros campeões de procura por praticantes de atividades físicas como proteínas, queimadores de gordura e hipercalóricos. É importante salientar que a Corpo Ideal só trabalha com produtos nacionais e importados (com rótulos de tradução) legalizados pela ANVISA, o que garante procedência e qualidade. Além disso, você tem a certeza de que irá consumir suplementos que trarão benefícios, com a segurança de que não irão causar nenhum mal à sua saúde, diferente dos suplementos ilegais que percorrem o mercado, que são comercializados facilmente e que podem causar danos à saúde do consumidor.

Evolução tecnológica, produtos confiáveis e autorizados pela Anvisa, além de total segurança e entrega rápida colocam a Corpo Ideal no topo das melhores lojas de vendas online Corpo Ideal A história de sucesso da marca já foi contada em nossas páginas, quando as garotas Corpo Ideal Nicole Bahls (edição 15) e Carol Nakamura (edição 27) estamparam as capas da RE. De lá para cá a empresa investiu pesado em tecnologia, e hoje é referência no mercado de suplementos. À frente dos negócios, como diretor-presidente, João Cristiano Carignato busca oferecer aos clientes suplementos nutricionais de alta qualidade. Com duas lojas físicas (Jaú e Bauru) e mais de 40 marcas em suplementos alimentares e acessórios, a Corpo Ideal também investe em estratégias de comunicação para que tenha um contato cada vez mais próximo com seus clientes. Além de um centro de distribuição completo e que atende todo o Brasil. A força do e-commerce Se há alguns anos muita gente tinha receio de comprar online, esse cenário já mudou. As lojas ficaram mais conhecidas, a segurança das informações foram aperfeiçoadas e em muitos segmentos a internet passou a ser a melhor opção de compra, como é o caso dos suplementos. Segundo dados divulgados na revista IstoÉ Dinheiro, o mercado de suplementos alimentares quadriplicou nos últimos quatro anos, com previsão de crescimento para Revista Energia 33


700 milhões de reais em 2013 (novos resultados ainda não foram divulgados). Com o crescimento recorrente do mercado, foi necessária a implantação de novas tecnologias. Não é à toa que a loja virtual da Corpo Ideal está entre as cinco maiores do Brasil. Com uma plataforma inteligente e sistema de alta performance, aproxima-se cada vez mais dos primeiros lugares no mercado de lojas virtuais de suplementos alimentares. Possui um design atrativo e que se adapta também às plataformas móveis (celulares e tablets), apresentando informações precisas nos produtos, segurança de informação e entrega rápida. Se a loja física oferece vantagens como manusear e já sair com o produto na mão, pesa a favor da internet a facilidade de visualizar um número maior de itens, com mais rapidez e sem precisar sair de onde você estiver. Ellen Rocche, garota Corpo Ideal 2014 Dona de um corpo escultural e de uma beleza ímpar, Ellen

Nicole Bahls Garota Corpo Ideal 2011-2012

Rocche é a Garota Corpo Ideal 2014. Com um currículo extenso na TV e na mídia, atualmente é atriz global e recentemente viveu a Mulher Mangaba na novela Sangue Bom. No cinema, foi a Verônica em Muita calma nessa hora e atualmente está no Divertics, programa humorístico da Globo. 2014 Com o compromisso de fazer com que seus consumidores alcancem seus ideais e objetivos, a Corpo Ideal não para e 2014 será um ano de muitas novidades. Com uma equipe focada, experiente e que busca uma constante evolução, a Corpo Ideal ainda reserva muitas surpresas. Seus consultores esportivos estão prontos para atender os clientes de forma próxima, buscando sua satisfação sempre com a garantia do melhor atendimento possível. Precisa de suplementos alimentares com excelente preço, alta qualidade e entrega rápida? Conte com a Corpo Ideal, o seu ideal de saúde e qualidade de vida. Acesse www.corpoideal.com.br

Carol Nakamura Garota Corpo Ideal 2012-2013

Fotos Divulgação 34 Revista Energia


QuemfezJahu

Texto Heloiza Helena C. Zanzotti

Iolanda Cândido de Oliveira Mazzei

A

primeira vereadora de Jaú nasceu em 20 de julho de 1925 e foi uma das mulheres que mais se destacou na atividade política e social da cidade. Professora com formação em Letras, conheceu Tancredo Mazzei em uma das tardes de música na Praça de República. Alguns anos mais tarde casaram-se e tiveram cinco filhos. De espírito dinâmico, com uma visão adiantada para a época, Iolanda conseguiu transpor as barreiras do papel de ser apenas esposa, mãe e dona de casa. Consciente de seu papel na sociedade, tinha o dom de se relacionar com as pessoas e foi conquistando um espaço cada vez maior na comunidade. Desempenhou atividades importantes na área filantrópica e participou de diversas ações sociais. Preocupada com crianças que ficavam sozinhas em casa enquanto os pais estavam nas lavouras, expostas a diversos riscos, percebeu a necessidade de fundar uma creche, e assim nasceu o Lar Escola Hilarinho Sanzovo, que presidiu por cinco anos. Também foi sócia fundadora do curso Supletivo Ideal, presidiu a Associação das Senhoras Rotarianas e foi membro do conselho administrativo da Fundação Educacional Dr. Raul Bauab. Iolanda sempre lutou por melhorias na cidade e uma de suas ações de maior destaque foi a fundação da

36 Revista Energia

Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) em 1965, com a finalidade de atender portadores de necessidades especiais. A importância deste ato é representada em números: A APAE Jaú é a 3ª mais antiga do Estado de São Paulo e a 17ª do Brasil, o que ocasionou o atendimento a pessoas portadoras de deficiências provenientes de dezenas de cidades do interior, num raio de 200 quilômetros. Iolanda Mazzei a dirigiu por 30 anos. Mas foi na política jauense que exerceu seu papel de maior destaque, como a primeira mulher a ocupar uma cadeira na Câmara dos Vereadores. Eleita em 15 de novembro de 1972, ainda foi a mais votada entre todos os eleitos, com 1381 votos. Exerceu seu primeiro mandato de 1973 a 1977 tendo, inclusive, disputado a presidência da Câmara com Cândido Galvão de Barros França, que venceu Iolanda por apenas um voto, em uma articulação política. Iolanda Mazzei teve grande atuação na tribuna e abriu espaço para a mulher na vida política de Jaú. Nas eleições de 1996 foi novamente eleita para o legislativo, desta vez ao lado de mais duas mulheres, Alzira de Fátima Voltolim e Rita de Cássia Bertoncello Chacon. Por seu trabalho sempre ativo pela sociedade local, recebeu o título de cidadã jauense por um projeto de lei do Dr Ruy Pacheco de Almeida Prado. Iolanda Mazzei faleceu no dia 22 de julho de 2006, aos 81 anos, de causas naturais. Pelo Decreto de 21 de novembro de 2006, seu nome foi dado à Creche localizada no Jardim Nova Jaú.


Look de artista

Revista Energia 37


Look de artista

38 Revista Energia


Revista Energia 39


Look de artista

Fotografia Leandro Carvalho Modelos Gui Gomes e Mayara Cardoso Beleza Sim Beauty Salon Style Vestylle Megastore Acess贸rios Luciana Semijoias 40 Revista Energia


Revista Energia 41


Bate-bola

vida... Foto: Internet

da

No jogo

42 Revista Energia


Seja a favor ou contra, seja dentro ou fora das quatro linhas, uma coisa é fato: tudo acontece como uma partida de futebol

Texto Matheus Raulli

2

014, sem sombra de dúvidas, é um ano que promete. Em outubro elegeremos nossos representantes em Brasília. Em fevereiro, teremos as Olimpíadas de Inverno em Socchi, na Rússia, onde torceremos pela bela Isadora Williams, que será a única representante deste país tropical nas terras geladas do lado de lá do globo. Em junho, acabo de dar o maior passo da minha vida, que é a faculdade de jornalismo, que me trouxe até aqui. Mas, como um bom fã do esporte bretão, outrora conhecido como futebol, o que eu mais espero em 2014 é a Copa do Mundo, quando pretendo estar sentadinho no Itaquerão, no dia 9 de junho, acompanhando uma das semifinais. E com todo esse reboliço em 2014, resolvi escrever sobre isso. O que você lerá nas linhas a seguir não é uma matéria, muito menos uma reportagem. Uma crônica? Talvez... Na realidade, eu gosto de ver esse texto como um pensamento, uma vez que ele foi esqueletado naquela viajada que a gente sempre dá antes de realmente pegar no sono. Se tem uma coisa que é vero, e ninguém me tira isso da cabeça, é que existem apenas dois tipos de pessoas: as que gostam e as que não gostam de futebol. Se você é dos que não gostam, eu tenho certeza que tenta argumentar que os que gostam são alienados e tal. Mas pare um minuto para pensar. A vida é uma grande partida de futebol, você queira ou não. Pense assim: na vida sempre vai ter quem torça pelo seu sucesso, igualzinho a torcida de um time. Da mesma forma, sempre haverá aqueles que vão tentar atrapalhar o seu lado, igualzinho ao juiz e seus auxiliares. Agora, vamos para dentro das quatro linhas, onde é possível encontrar pessoas com características semelhantes para cada posição. Vamos começar pelo guarda-metas, o camisa 1, o goleiro. Esse é o tipo de pessoa que mais tem problema na vida. É aquele tipo que só toma pedrada. Dentro do campo, são dez contra ele e não me venham com o papo de que são onze contra onze. O fato é que são todos contra o goleiro e sempre que ele se dá bem, é por causa do fracasso do outro. A turma das laterais, tradicionais camisas 2 pela direita e 6 pela esquerda. O tipo de pessoa que tem a vida

mais corrida e atribulada. A responsabilidade deles é ajudar na marcação, mas eles também têm que apoiar o ataque. Correm para lá, correm para cá e, na maioria das vezes, quando chegam na linha de fundo erram, e acabam atrapalhando o trabalho de todo mundo. A zaga, nossos camisas 3 e 4, são mais ou menos como o esquema do goleiro, só que esses têm um pouco mais de glamour pelo fato de não estarem limitados à grande área. Tem zagueiro que sabe a razão porque está ali, mas também tem aquele tipo mala, que pensa que é mais do que realmente é. Esse é o tipo de gente em que temos que ficar de olho. Os camisas 8 e 11 são aqueles do suporte, lá na linha de frente. São os que, no fundo, queriam ser o camisa 10, o que chega chegando, mas não o “Q” a mais que todo o 10 carrega. Este dispensa comentários. Ele sempre é “O cara” do time. É aquele que pode não fazer nada durante o jogo todo, mas em apenas um lapso de genialidade, decide a parada. Esse é o tipo de pessoa que nasceu para brilhar, para viver sob os holofotes e, querendo ou não, eles fazem por onde. E no comando do ataque, temos os camisas 9 e 7. O 7 sempre pelas beiradas, apoiando o 9 que, por sua vez, sempre tem a parte mais fácil, que é só para empurrar para a rede. Estando no lugar e no momento certo, é caixa. Feita nossa escalação chegamos à conclusão que... Não, espera aí! E o camisa 5? Este eu deixei por último por ser, na minha modesta opinião, o tipo de pessoa mais certa, no qual vejo semelhanças comigo mesmo. Para mim, ele tem que ser o típico volante sul-americano, de preferência argentino ou uruguaio, aquele que a cada enxadada arranca uma minhoca. É o cara que carrega o piano pelo time. Aquele que quando o jogo aperta, os outros jogadores têm a confiança suficiente para tocar a bola para que eu possa repensar e desenvolver a jogada. Todas as ações que tomamos na vida têm sua consequência. Eu escolhi ser o clássico camisa 5, e nunca me arrependi dessa escolha. E você, qual camisa você escolheu para ser na vida? Reescrevo o que eu já ouvi por aí, “Rola a bola e o relógio não para”. 

Revista Energia 43


Nutrição

Prato do dia

Foto: Internet

alimentos funcionais

Com benefícios comprovados, eles possuem poderosos nutrientes, resultando numa melhora da saúde e redobrando a disposição e o bem-estar Texto Tamara Urias 44 Revista Energia


C

omprovando o que já sabiam nossos antepassados e baseado em estudos científicos, uma das maneiras de melhorar a saúde é mudando os hábitos alimentares. Ao abandonar o sedentarismo e seguir uma dieta balanceada, que promova uma nutrição das células, o resultado será a diminuição das chances de se adquirir problemas degenerativos do sistema imunológico e em órgãos vitais. Pioneiro na produção e comercialização dos chamados alimentos funcionais ou nutracêuticos, o Japão inseriu um selo de aprovação do Ministério da Saúde e Bem-Estar. No Brasil, as regras foram instituídas em 1999, e a indústria segue a legislação do Ministério da Saúde que os define como “todos aqueles alimentos ou ingrediente que, além das funções nutricionais básicas, quando consumidos como parte da dieta usual produz efeitos metabólicos e/ou fisiológicos, e/ou benefícios à saúde, devendo ser seguro para consumo sem previsão médica”. Para obter o registro, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) estabelece normas e procedimentos, dentre eles um relatório técnico científico confirmando os benefícios e a segurança de uso do alimento. As propriedades destes alimentos podem ser provenientes tanto de constituintes normais como antioxidantes e fibras, presentes em frutas, verduras, legumes e cereais integrais, quanto da adição de ingredientes que alterem suas propriedades originais como ocorre em diversos produtos industrializados, tais como: leite fermentado e enriquecidos com minerais ou ácido graxo ômega 3, entre outros. De acordo com o Terapeuta Ortomolecular e Microseometista Irídeo Dalton Correa Leme, esses alimentos não fazem milagres, mas estudos científicos indicam que eles possuem nutrientes poderosos capazes de prevenir e até mesmo tratar doenças. “Um exemplo disso é a maçã e a banana. Denominadas alimentos do bem, a maçã por possuir triptofano e ácido fólico, e a banana, biotina. Além disso, a maçã também é recomendada para diabéticos, pois ajuda a controlar a glicemia”. A nozes e castanhas-do-pará, ricas em potássio e arginina (uma substância vasodilatadora) são responsáveis por reduzir a pressão arterial e, consequentemente, combater a hipertensão. Mas o seu consumo deve ficar na média de três a quatro unidades por dia, por causa do seu alto valor calórico. O terapeuta ressalta que o consumo regular dos alimentos funcionais pode ser uma alternativa para conter o avanço de doenças e fazer com que as pessoas se conscientizem que a alimentação tem um papel fundamental sobre a saúde do ser humano. “Não podemos dizer que apenas os alimentos funcionais seriam uma panaceia para cura de todos os males e doenças, mas o equilíbrio do químico, físico e mental, acompanhado de uma boa alimentação, esse sim promove a auto cura, como já citado em uma oportunidade por Hipócrates. Lembre-se, suas forças naturais que estão dentro de você e nunca saíram daí, precisam apenas de um equilíbrio como um todo, para que o próprio organismo promova a auto cura que se almeja”. Para surtir efeito, os alimentos funcionais devem estar presentes no consumo diário, sempre respeitando a variedade de

nutrientes. A indicação fica no maior uso de vegetais, frutas, cereais integrais na alimentação regular, já que grande parte dos componentes ativos estudados se encontra nesses alimentos. Outra dica é substituir em parte o consumo de carne de vaca, embutidos e outros produtos à base de carne vermelha por soja e derivados (especialmente carne de soja e isolados proteicos de soja), ou peixes ricos em ômega 3. Antes de adquirir os produtos processados pela indústria, é preciso ficar atento se sua eficácia é avaliada por pesquisas sérias. Mas lembre-se, estes alimentos somente funcionam quando fazem parte de uma dieta equilibrada.

Alimentos funcionais, conheça os benefícios e adicione-os à sua dieta Isoflavonas - ação estrogênica (reduz sintomas da menopausa) e anticâncer - Soja e derivados Proteínas de soja - redução dos níveis de colesterol - Soja e derivados Ácidos graxos ômega-3 - redução do LDL - colesterol; ação anti-inflamatória; é indispensável para o desenvolvimento do cérebro e da retina de recém nascidos - Peixes marinhos como sardinha, salmão, atum, anchova, arenque, entre outros Ácido a - linolênico - estimula o sistema imunológico e tem ação anti-inflamatória - Óleos de linhaça, colza, soja; nozes e amêndoas Catequinas - reduzem a incidência de certos tipos de câncer, reduzem o colesterol e estimulam o sistema imunológico - Chá verde, cerejas, amoras, framboesas, mirtilo, uva roxa, vinho tinto Licopeno - antioxidante, reduz níveis de colesterol e o risco de certos tipos de câncer, como de próstata - Tomate e derivados, goiaba vermelha, pimentão vermelho, melancia Luteína e Zeaxantina - antioxidantes; protegem contra degeneração macular - Folhas verdes (luteína). Pequi e milho (zeaxantina) Indóis e Isotiocianatos - indutores de enzimas protetoras contra o câncer, principalmente de mama - Couve flor, repolho, brócolis, couve de bruxelas, rabanete, mostarda Flavonoides - atividade anticâncer, vasodilatadora, anti-inflamatória e antioxidante - Soja, frutas cítricas, tomate, pimentão, alcachofra, cereja Fibras solúveis e insolúveis - reduz risco de câncer de cólon, melhora o funcionamento intestinal. As solúveis podem ajudar no controle da glicemia e no tratamento da obesidade, pois

Revista Energia 45


Dalton Correa Leme

dão maior saciedade. - Cereais integrais como aveia, centeio, cevada, farelo de trigo, etc; leguminosas como soja, feijão, ervilha, etc.; hortaliças com talos e frutas com casca Prebióticos - frutooligossacarídeos, inulina - ativam a microflora intestinal, favorecendo o bom funcionamento do intestino Extraídos de vegetais como raiz de chicória e batata yacon Sulfetos alílicos (alilsulfetos) - reduzem colesterol, pressão sanguínea, melhoram o sistema imunológico e reduzem risco de câncer gástrico - Alho e cebola Lignanas - Inibição de tumores hormônio-dependentes Linhaça, noz moscada Tanino - antioxidante, antisséptico, vasoconstritor - Maçã, manjericão, manjerona, sálvia, uva, caju, soja Estanóis e esteróis vegetais - Reduzem risco de doenças cardiovasculares - Extraídos de óleos vegetais como soja e de madeiras Probióticos - Bífidobacterias e Lactobacilos - Favorecem as funções gastrointestinais, reduzindo o risco de constipação e câncer de cólon - Leites fermentados, Iogurtes e outros produtos lácteos fermentados  Fonte: Ministério da Saúde

Foto: Leandro Carvalho

46 Revista Energia


Varal

Fotos Leandro Carvalho

BM - Brand Mark Jaú Shopping Piso Térreo Fone: (14) 3621.7002

Érica Módolo:

Fone: (14) 98128.1900

Anabanana

Território do Calçado Fone: (14) 3032.8888

Safira Semijoias

Rua Lourenço Prado, 608 A Rua Major Prado, 390 Fone: (14) 3621.8549 Revista Energia 47


Fitness

Por Marcelo Macedo “Tchelinho” crefito: 169450-F | cref: 044143-G/SP

Ação

Melhor

Idade em

48 Revista Energia

Foto: Divulgação

Foto: Internet

O exercício físico, além de promover a prevenção de doenças características da terceira idade, proporciona uma melhora na qualidade de vida e independência do indivíduo


L

evando em consideração o número de idosos no Brasil, e de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e da Organização Mundial da Saúde (OMS), percebemos que o nosso país tem 21 milhões de pessoas com idade igual ou superior a 60 anos estimando-se, assim, que no ano de 2025 sejamos o sexto país com o maior número de idosos, pois chegaremos a 32 milhões de pessoas com 60 anos ou mais. Estatística também dada pelo IBGE demonstra que a expectativa de vida aumentou e passou de 70,43 para 73,17 anos no período de 1980 a 2010. Porém, nota-se crescimento em algumas características “problemáticas” dessa fase. Atividade é fundamental A queda da capacidade funcional decorrente da idade pode provocar sensações de desamparo e falta de motivação para os idosos, além disso, a diminuição da autonomia faz com que o idoso se sinta impossibilitado de realizar as atividades de vida diária como lavar roupa, tomar banho, subir e descer escadas, entre outras. Para reduzir esses efeitos, combater a obesidade, evitar doenças como diabetes, hipertensão e a osteoporose, é necessário além de uma alimentação saudável, uma vida ativa. Por isso ressaltamos aqui a importância da prática regular de exercícios físicos em nossa vida. O exercício resistido (musculação) é o mais indicado e tem

papel fundamental na diminuição da gordura corporal, fortalecimento muscular e na elevação das capacidades físicas do idoso.

Com a prática de exercícios físicos o idoso volta a desempenhar suas atividades de vida diárias de forma independente, aproveitando uma velhice mais feliz e saudável Grandes benefícios Além de proporcionar o aumento da força, melhora a mobilidade articular, o equilíbrio e a coordenação motora. Os exercícios que exigem força muscular combatem a perda de massa óssea, regulam a pressão arterial, fortalecem os músculos e os tendões, desenvolvem uma melhor amplitude de movimentos das articulações e auxiliam no equilíbrio corporal evitando, assim, os riscos de queda, principal fator de fraturas ósseas e, consequentemente, das incapacidades físicas dos idosos. Na prescrição dos exercícios é necessária uma atenção redobrada e o programa de treinamento deverá ser diferenciado e personalizado. Deverão ser realizados em pequenos grupos ou individuais, e devem ser prescritos por um profissional da área, focando sempre as reais necessidades de cada idoso, objetivando os melhores resultados e grandes benefícios ao praticante. 

Revista Energia 49


club

Fotos: Diego Maruschi e Leandro Carvalho

Social

social@revistaenergiafm.com.br

Vila Real Studio Fitness

1

Na noite do dia 20 de dezembro, um delicioso coquetel inaugurou a mais nova academia de Jaú: Vila Real Studio Fitness. Amigos, parceiros e clientes estiveram presentes prestigiando o lançamento. Com horário flexível e personalizado, o local é aberto ao público em geral. As aulas acontecem com no máximo quatro alunos por hora. O evento contou com som e iluminação especial da Sputnik Magazine.

2

4

3

5

1. Ricardo Santos e Rodrigo Massoni 2. Mayra Crepaldi, Luiza Barban, Ana Carolina Sanzovo, Mel Santini, Debora Massoni, Mônica Massoni, Mariana Almeida Prado e Vanessa Isola 3. Renan Turini e Ailton Joioso 4. Carla Floret Turini e Renan Turini 5. Rui Massoni, Mônica Massoni, Rodrigo Massoni, Débora Massoni e Belinha Massoni 6. Daniela Fernanda Moia e Dudú Moia

7. Rodrigo Massoni, André Vanni, Simone Vanni e Fernando Vanni 8. Carla Floret Turini, Luís Gustavo Silva e Laís Tajariolli Silva 9. Evandro Pullini, Thiago Pelegrina e Bruno Guarany 10. Paula Rett, Braulio Grizzo, Alex de Almeida Prado, Antonio José Izatto e Elen Grizzo Izatto 11. Edna Grizzo e Antonio Grizzo 12. Renato Prado Costa, Rubens Ferraz, Mariana Almeida Prado e Rodrigo Massoni 13. Convidados curtindo som da Banda Lady Jane


6

7

8

9

10

12

11

13

Revista Energia 51


club

Social

Fotos: Arquivo Pessoal

social@revistaenergiafm.com.br

1

Português Janeiro, mês de férias e de se reunir com os amigos para aquele chopinho gelado. Quando o assunto é ponto de encontro de casais e amigos, o Bar do Português é referência. Dentre as muitas opções de acompanhamento, que tal saborear a deliciosa porção de contrafilé?

2

1. Paulo Mangili e Márcia Cristini Mangili 2. Mara Valdo e Elaine Baldo 3. Reinaldo Quevedo e Alexandre Barbieri Junior 4. Evaldo de Arruda e Hilze Daniela Arruda

52 Revista Energia

4

3


Parabéns Miguel Molan Rodrigues comemorou 4 anos no salão de festas Algazarra, que estava todo decorado com o tema Angry Birds. Cercado de muito carinho dos pais Mikael G. Rodrigues e Juliana S. M. Rodrigues, amigos e familiares, os olhos do gatinho brilharam na hora dos parabéns.

Fotos: Arquivo Pessoal

1. Mikael G. Rodrigues, Miguel Molan Rodrigues, Juliana S. M. Rodrigues 2. Flavia Oliveira, Juliana S. M. Rodrigues, Miguel Molan Rorigues, Mikael G. Rodrigues, Cristina S. Molan, Rafael S. Molan, David Molan 3. Valdenir da Silva, Miriam G. Rodrigues, Juliana S. M. Rodrigues, Mikael G. Rodrigues, Miguel Molan Rorigues, Maria G. Rodrigues, Manoel Rodrigues

Revista Energia 53


club

Social

Blitz Energia

Uma das ações de maior popularidade em Jaú é a Blitz Energia, onde uma de nossas locutoras acompanhada da equipe promoções Energia vai até o ponto de venda para a inauguração ou divulgação, sorteios e promoções. De lá, Érika ou Mirella fazem flashes ao vivo. O resultado é certeiro: aumento do fluxo de pessoas e vendas!

Fotos: Arquivo Pessoal

social@revistaenergiafm.com.br


Fotos: Divulgação

Confraternização No dia 21 de dezembro, a equipe da Corpo Ideal Suplementos se reuniu para comemorar o fechamento de mais um ano e também os 7 anos de sucesso da empresa. Cristiano Carignato, Vitor Marcato, Daniele Rett, Vinicius Souza, Rafael do Rio, Katrina Gomes, Júnior Alexandre, Stéfani Miquelotti, Jonatas Moretto, Renan Bonfanti, Armando Auler, Yuri Magagnatto, Murilo Carignato, Charles Santos, Rejane Padula, Fábio Bressan, Ricardo Santos e Adilson Grigio

Ensaio A garota Corpo Ideal, Ellen Rocche com os empresários durante o ensaio na Academia Team Nogueira no Rio de Janeiro. Carla Carignato, Ellen Rocche, Cristiano Carignato

Ellen Rocche


club

Social

Impressora Brasil

Fotos: Arquivo Pessoal

social@revistaenergiafm.com.br

Em comemoração ao Natal, a Impressora Brasil presenteou com brinquedos os filhos dos seus funcionários e distribuiu cestas de Natal a todos os empregados de sua unidade em Jaú. Também receberam brinquedos e cestas de Natal os filhos dos internos do CR (Centro de Ressocialização) do município. A empresa ainda distribuiu brinquedos às crianças de creches municipais de bairros carentes e para projeto de entidade social de Jaú. Uma das cinco maiores empresas de embalagens do país no segmento duplex (papel cartão) e micro ondulado, a Impressora Brasil realiza ato solidário com seus empregados, garantindo uma Natal mais feliz a todos. “O Natal é uma data especial para todos nós da empresa. É uma enorme alegria para a Impressora Brasil esta doação de brinquedos às crianças e cestas aos nossos colaboradores”, ressalta o presidente da Impressora Brasil, Francisco Luiz Cassaro, o Fran Cassaro. Conheça mais da Impressora Brasil clicando no site: http://www.impressorabrasil.com.br/

56 Revista Energia


Vinhos Por Brenda Ruffo

Champanhe, Espumante e Prosecco Espumante Nem tudo o que parece é. Em regra, a confusão entre tais termos ocorre quando estamos diante de um vinho visivelmente gaseificado (presença de CO2). Primeiro, registremos a célebre frase: Todo champagne é espumante, mas nem todo espumante é champagne. Acrescento, ainda, outra: Nem tudo que não é champagne é prosecco. É chamado de espumante (ou sparkling wine) todo vinho que sofre duas fermentações naturais. A primeira é a fermentação alcoólica, comum de todos os vinhos, que transforma o açúcar da uva em álcool e que ocorre em tanques ou barris de carvalho. A segunda, onde o espumante adquire a efervescência, tanto pode ocorrer em tanques de aço inox pressurizados (método charmat) como podem ser feitas na própria garrafa (método champenoise ou tradicional/clássico).

Champanhe È um vinho branco espumante, produzido na região de Champagne, nordeste da França, através da fermentação da uva. É produzido na região administrativa de Champagne-Ardenne, cuja capital é Epernay. Foi próximo a Epernay, no povoado de Hautvillers, que os monges Dom Pérignon e Dom Ruinart se esforçaram muito para domar os vinhos que fermentavam novamente nas garrafas, fazendo-as explodir. Esta antiga província histórica produz igualmente os vinhos chamados “tranquilos” (não-espumantes), que levam denominações diferentes como tintos, brancos ou rosados e são produzidos nas cidades de Bouzy, Virtudes, Damery. No entanto, a região de Champagne produz, em grande maioria, vinhos espumantes ou chamados simplesmente de champanhe, sem mais especificações. Eles são produzidos obrigatoriamente à base apenas das uvas chardonnay, pinot noir e pinot meunier. A flûte é o tipo de taça comumente usada para saborear o champanhe. 

Foto: Internet

Prosecco Até então, era somente o tipo de uva (cepa) nativa da Itália, mais precisamente nas regiões de Valdobbiadene e Canegliano, no Vêneto. Então, não se poderia dizer que os proseccos fossem vinhos exclusivos da Itália, pois ao contrário dos champagnes, era permitido chamarmos de prosecco um vinho feito fora daquele país, desde que elaborado a partir da uva prosecco. No entanto, há cerca de dois anos a Itália, assim como fez a França no passado com seu champagne, editou lei alterando o nome da cepa Prosecco, chamando-a agora de “glera”. O termo Prosecco fica reservado para a região italiana produtora do vinho, que além do Vêneto agora também estão incluídas as áreas do Friuli. Dessa for-

ma, proíbe-se a utilização do termo prosecco para vinhos que não forem produzidos nessas regiões No entanto, parece que a lei por aqui não pegou, sendo fácil encontrar “proseccos” nacionais vendidos nos grandes mercados e lojas especializadas. Diferentemente dos champagnes e dos cavas, os proseccos são elaborados pelo método charmat, onde a segunda fermentação ocorre em grandes tanques de aço inox e não na própria garrafa.

58 Revista Energia


Sua sala em nossas mãos

C

om uma ampla experiência no ramo de móveis o jauense Francisco Emanuel Martinho, observando as necessidades do mercado, decidiu inaugurar o Espaço M Estofados no dia 4 de janeiro deste ano. Sempre prezando pelo bom gosto, na loja é possível encontrar tudo para deixar sua sala ainda mais aconchegante: estofados, poltronas, racks, painéis, tapetes, cadeiras, adornos e decorações em geral. O espaço dispõe de ótimas marcas, atendimento de qualidade e inovação. Faça uma visita à Espaço M Estofados e aproveite para remodelar a sua sala. Especializada em ambientes planejados, a empresa visa a contribuir para que você viva o melhor da vida, por isso reconhece a importância de que seus produtos tenham qualidade, conforto e beleza, para transformar a sua casa no melhor lugar para se estar.

Revista Energia 59


Profiss達o Elaine Aparecida dos Santos e Heliana Aparecida Felizari

60 Revista Energia


Sexo frágil? Nem pensar... Ver mulheres ao volante de táxis e caminhões é cada vez mais comum. No entanto, quando o veículo é um rodotrem (treminhão), elas surpreendem.

Texto Heloiza Helena C Zanzotti | Fotos Leandro Carvalho

F

Peso bruto Mais conhecido por Treminhão, o Rodotrem é composto por um cavalo mecânico e dois ou mais semirreboques. É usado para deslocar grandes quantidades de carga, seu peso bruto gira em torno de 74 toneladas e tem entre 25 e 30 metros de comprimento. Segundo dados da Folha de São Paulo, o peso deste veículo, carregado, pode chegar a 120 mil quilos, o equivalente ao peso de 80 carros populares de 1,5 tonelada.

Elas levam vantagem Os números não mentem: as mulheres dirigem melhor que os homens. Pesquisa divulgada pelo Departamento de Trânsito (Detran) indica que os índices de acidentes de trânsito envolvendo mulheres são menores do que as taxas de acidentes com homens. Tecnicamente, elas têm uma vantagem de quase 3% a menos de infrações cometidas em relação aos homens. E isso vem desmistificar aquela velha frase conhecida: mulher ao volante, perigo constante. O que acontece, na verdade, é que eles passam mais tempo ao volante, o que permite uma prática maior. Segundo avaliação de empresas de transporte de cargas, mulheres carreteiras são mais cautelosas, têm mais paciência no trânsito e cuidam melhor dos veículos que dirigem.

O que pensam as empresas O transporte de cana-de-açúcar é um dos segmentos em que as mulheres têm se destacado, conduzindo composições que pesam dezenas de toneladas e que exigem muita perícia e atenção. As usinas já enxergaram todas essas vantagens, e têm contratado cada vez mais mulheres para executar o transporte de cana-de-açúcar e operar máquinas agrícolas. Para isso, oferecem treinamento e condições especiais, como explica Renata Della Coletta Morales, 42, gerente de RH da Della Coletta Bioenergia: “Tivemos que reestruturar a empresa antes de treinar as mulheres. Isso significa banheiros masculinos e femininos e outras adequações. Oferecemos a escolinha e há uns sete anos temos mulheres nesta função. Antes de ir para campo elas operavam apenas no pátio, depois fizemos a estrutura no campo também. Esta iniciativa foi pensada pela delicadeza que elas têm. Não que os homens não cuidem , mas as

oi-se o tempo em que a profissão de caminhoneiro era exercida exclusivamente por homens. Com o avanço das novas tecnologias inseridas aos veículos pesados, tornando-os mais fáceis de serem conduzidos, o ingresso do sexo feminino no setor ganhou força e as mulheres estão conquistando cada vez mais espaço e assumindo papel de destaque na profissão. Elas já representam 43% da força de trabalho brasileira e movidas pelo gosto de dirigir, pela capacitação profissional e pelo incentivo da família, começam a destacar-se nesse cenário de conduzir veículos pesados, muito pesados.

Revista Energia 61


mulheres têm atenção total, são mais pacientes e acredito que, pelo fato de serem mães, elas pensam mais em quem está na frente de um treminhão”. Oportunidade Elaine Aparecida dos Santos, 43, casada e mãe de dois filhos dirige rodotrem e está na empresa há 7 anos. Ela conta que entrou como faxineira e quando a usina começou a oferecer escolinha, ela se interessou. “Aprendi primeiro no reboque do pátio. Já venho de uma tradição de família, meu pai tem caminhão e minha mãe arava, gradeava, dirigia trator, caminhão. Quando surgiu a oportunidade, agarrei com as duas mãos”, diz. Questionada sobre a reação do marido e filhos, ela explica que a princípio o marido ficou meio enciumado porque ia trabalhar no meio de homens, mas isso passou. Os filhos ficaram orgulhosos. Heliana Aparecida Felizari, 53, casada e também mãe de dois filhos é outra feliz motorista desses veículos enormes. “Sempre gostei de dirigir”, diz. Heliana era açougueira e quando ficou sabendo que a usina ia dar oportunidade para mulher, fez o teste na “Tiazinha”, que é como chamam o Rodotrem do pátio. Ela conta: “Meu marido falou que eu era meio louca para pegar um serviço desse, que era só de homem, mas aceitou na boa. Meus filhos adoraram. Hoje somos doze mulheres nesta função e há mais em treinamento”.

62 Revista Energia

Renata Della Coletta Morales


A rotina Elas trabalham no esquema 5 por 1, ou seja, cinco dias trabalhados e 1 de folga, 6 a 7 horas por dia, dependendo um pouco da troca de turno. Pegam o caminhão na usina ou no campo, verificam todo o veículo, esperam o carregamento e retornam para a usina. Ali desengatam a carga, engatam o cavalo em outra carreta e voltam para campo. Elas afirmam prestar atenção em tudo, barulho de motor, água, óleo e têm noção de mecânica. Qualquer problema detectado, chamam pelo rádio e a logística providencia o socorro. Elaine explica: “Quando chegamos na roça, já descemos e vamos bater pneu para ver se não tem nenhum furado. O Rodotrem é muito pesado, mas o serviço não. A gente pega prática, não faço força nenhuma”. Mas e a casa, como fica? Sobre conciliar a vida profissional e serviços domésticos, Heliana diz: “Dá tempo de cuidar da casa, de fazer tudo o que qualquer mulher faz. Entro 6h e saio por volta das 14h, então, chego cedo em casa”. Território masculino Trabalhar em um ambiente onde há predominantemente homens não é problema para estas motoristas. Elas garantem que não há preconceito, embora no começo alguns tenham achado meio estranho uma mulher nesta função, mas foram se acostumando, como conta Heliana: “Os nossos colegas nos respeitam, o relacionamento com eles é ótimo, nunca tivemos problemas com ninguém”. E Elaine completa: “As pessoas estranham mais fora daqui. Muitas que cruzam com a gente na estrada dizem: nossa, é uma mulher!”. Sobre incidentes elas respondem, orgulhosas: “Até hoje não tivemos nenhum incidente com mulher ao volante. Já com os homens... (risos)”. Remuneração e futuro Elaine e Heliana estão muito satisfeitas com a profissão que escolheram. “Adoro o que faço e quero continuar até quando Deus me permitir”, afirma Elaine. Sobre a remuneração, ambas acham justa: “Dá para viver tranquilo”, dizem. A gerente de RH confirma: “A produtividade delas é a mesma dos homens, elas fazem tudo exatamente do mesmo jeito. Na entressafra vão carpir, pegar pedra, plantar, o mesmo serviço que eles fazem e no mesmo tempo, assim, a remuneração é igual”. Renata diz que a empresa pede a contratação de mais mulheres. “Já temos mulheres na indústria, no transbordo, em diversos setores e estamos treinando mais, a satisfação com elas é de 100%. São muito dedicadas”. Questionada sobre a faixa etária das motoristas, ela conta que há moças na faixa dos 20 anos em treinamento, atualmente. Buscar a realização pessoal, vencer barreiras e preconceitos sem perder o charme de ser mulher é possível em qualquer profissão. E se você, leitor, encontrar com algumas dessas mulheres pelas estradas, não se preocupe: elas são bem capacitadas e muito profissionais. 

Heliana Aparecida Felizari e Elaine Aparecida dos Santos

Revista Energia 63


guia da gula

guia gastronômico

sabores para todos os paladares

Sodiê Capaz de conquistar todos os paladares, com ingredientes de altíssima qualidade e também na versão zero açúcar, os bolos da Sodiê vão surpreender você. Além das delícias tradicionais, há também uma grande variedade para clientes com alergia à lactose, glúten e ovo. Faça uma visita e comprove porque a Sodiê Doces é irresistível até o último pedaço! Alpes suíços: pão de ló de chocolate, recheio trufado de chocolate e mousse branca, cobertura de chantilly e calda de chocolate. Rua Lourenço Prado 112 - Centro - Jaú - SP (14) 3621 2090

Padaria e Confeitaria Vienense A Padaria e Confeitaria Vienense tem tradição na elaboração de pães e doces. Diariamente saem do forno pães crocantes dos mais diversos tipos, tortas deliciosas e doces confeccionados com o maior capricho. Além disso, lá você encontra sanduiches, salgados, bebidas nacionais e importadas. Deu água na boca? Visite a Padaria e Confeitaria Vienense e se delicie. Na foto, Mousse de doce de leite, mais uma delícia da Vienense. Fotos: Leandro Carvalho

Rua Tenente Lopes 266 – Centro – Jaú – SP (14) 3621 6003

64 Revista Energia


vida

Boa

Por João Baptista Andrade

Comidas de férias

D

iz a lei trabalhista brasileira e o senso comum que um sujeito precisa parar trinta dias por ano para gozar (o verbo é esse mesmo) das suas mais que merecidas férias. Ah, as férias... Que invenção maravilhosa, aliás, divina: o Senhor descansou no sétimo dia da criação. Foi o primeiro período oficial de férias no universo judaico-cristão (no sentido histórico, não religioso). Mas cada um de nós tem lá as suas preferências para esses dias de ócio criativo. Quem tem filhos pequenos costuma sair de férias em sincronia com os calendários escolares. Tem coisa melhor que curtir os filhos enquanto eles ainda preferem a companhia dos pais? Duvido muito. Mesmo porque os filhos crescem e vão para o mundo, deixando pais e mães em segundo plano. Fazer o quê? Ao redor do planeta o verão costuma ser a principal estação de férias. No Brasil, as férias se concentram em janeiro. Talvez avancem um pouco sobre fevereiro. No caso dos parlamentares, vão até abril/maio. Está bem, não vamos discutir por causa de deputados e senadores. Aliás, acho que é melhor quando eles ficam de férias; a tentação de desviar algum dinheiro público fica menor. Logo depois que passa o Natal, a chamada “temporada” está aberta e nós, feito uma manada sem controle, nos atiramos para fora de casa. Ô vida boa. Estar de férias torna imperativo que sejamos felizes, tranquilos e relaxados. Não interessa que seja um frango com farofa na praia lotada ou, para usar uma expressão politicamente correta, uma excursão popular, em companhia de acepipes galináceos. São as férias! Nessa época eu geralmente estou meio de ressaca de toda aquela comida típica do final do ano. Ressaca da comida, não da tonelada de champagne e vinhos que tomei para acompanhar os alimentos. Ô povo que adora falar mal da vida alheia. Mas o calor do verão aqui no chamado “interior” é feito oxigênio na atmosfera: tem todos os dias e tem muito mais do que um vivente precisa. Então eu prefiro fugir para o frio do sul do continente. Abaixo dos paralelos 50 e 60 (furious fifties and screaming sixties) a temperatura é amena (às vezes, gelada) e a duração dos dias enorme. Dá até gosto estar vivo quando se tem entre dezesseis e vinte horas de luz natural diária. Assim é que pouco antes do Natal que acabou de acontecer eu me aboletei num avião rumo a Punta Arenas, no Chile. Fui encontrar a minha segunda família e (re)viver dias de glória. Muito para ler e nada para escrever. E a comida? Fácil: Centollas, siris, merluzas negras, calamares, queijos, cordeiro patagônico (sim, existe uma Patagônia chilena) e vinho. Muito vinho bom. Sabe do que mais? Tem pão feito em casa (no caso, barco), algo que eu simplesmente amo. Acredito que sou capaz de trocar um banquete régio por um pedaço de pão de verdade, com aquele aroma impagável de fermento natural. Desgraçadamente para os leitores da coluna (será que eu ainda tenho algum?) não muda nada. Volto ao batente antes do fechamento da próxima edição. É provável que eu fale das coisas que comi e bebi durante essa estada. Quem sabe eu me apaixonei por uma cozinheira especial (eu tenho um fraco por mulheres que cozinham bem). Ou então que eu tenha me afogado numa barrica de Carmenére. Talvez a preguiça absoluta tenha me transformado num vagabundo absoluto. Faz diferença? Claro que não. Fui até ali na ponta da América do Sul chutar o balde e já volto. Boas férias e até a próxima.  Revista Energia 65


Ano Novo

Feliz

2014

Fim de ano é época de confraternização, festas, solidariedade, mas também de consumo Texto Ricardo Izar |Colaboração Luís Filipe Nazar

O

Natal e os preparativos para a passagem de final de ano passaram, portanto, nada melhor do que falar sobre Defesa do Consumidor para exercer seus direitos agora, se necessário for. Sou Vice-Presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados e autor de diversos projetos de lei, que não apenas atualizam o Código de Defesa do Consumidor com as realidades de consumo que não existiam por ocasião da sua promulgação, como o comércio virtual, mas também estabelecem novos institutos e meios de proteção que facilitarão a vida das pessoas quando o assunto for relação de consumo. Sou um defensor contumaz dos consumidores, até porque todos somos consumidores antes de qualquer profissão ou interesse profissional. Luto para que a atualização do Código de Defesa do Consumidor não seja um pretexto para desvirtuar o seu texto original, que protege o consumidor. Não podemos tolerar que a influência de interesses escusos ou lobbies de empresas dentro do congresso façam direitos e garantias regredirem, não se pode aceitar o retrocesso. Dentro da Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados, tenho condições de acompanhar todos os projetos que visam a alguma alteração na legislação vigente, sempre me certificando de que se trata de um projeto à luz daquilo que a Constituição Federal preconiza, ou seja, a Defesa do Consumidor e proibição do retrocesso, sempre opinando pelo arquivamento ou alteração dos projetos que assim não o façam. Por falar na nossa Constituição Federal, chamada por Ulysses Guimarães de Constituição Cidadã, temos que enfatizar a proteção ao consumidor que ela traz em seu bojo, não apenas como um direito fundamental realizado no seu capítulo referente aos direitos e garantias individuais, mas também 66 Revista Energia

como um valor ou um princípio geral que rege a atividade econômica em nosso país, senão vejamos: art. 170, Caput e inciso V, da CF – “A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes princípios: (...) V – defesa do consumidor”. Nessa linha estabelecida pela Lei Maior é que venho desempenhando minha função parlamentar quando o assunto é proteção ao consumidor, de maneira que sou autor do Projeto de Lei que vai regulamentar as garantias contratuais de bens duráveis, assegurando ao consumidor que ele não ficará desamparado no caso de falência, fim das operações, mudança de ramo ou mero fechamento da empresa que forneceu um serviço ou colocou um produto no mercado. Não poderia deixar de fornecer aos leitores uma informação muito útil nesse começo de ano, conhecido pelas trocas dos presentes recebidos no Natal. Informo que o estabelecimento comercial não é abrigado a realizar trocas de forma imotivada, mas se informarem ao público que realiza, não poderá deixar de fazê-la, e não poderá criar empecilho à troca da mercadoria. Outra nota relevante é que no caso de defeito ou vício do produto (como a lei chama) o prazo para trocas é de 30 dias para bens não duráveis e de 90 dias para bens duráveis. Importante ressaltar que durante esses prazos tanto o comerciante como o fabricante são responsáveis pelo defeito. Essa é uma informação importante, pois os lojistas gostam de informar um famigerado e inexistente prazo de 7 dias para troca na loja em caso de defeitos. Não caiam nessa mentira. Por fim, quero desejar a todos os leitores um ano de 2014 com muita saúde, que é o que mais importa, mas também cheio de prosperidade e presentes, esses sim, amparados pela nossa atuação em prol da defesa do consumidor. 


Fotos: divulgação

Deputado Federal Ricardo Izar Economista, coordenador para o Sudeste da Frente Parlamentar em Defesa do Consumidor de Energia Elétrica e membro da Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara Federal, Presidente da Frente Parlamentar de Habitação e Desenvolvimento Urbano, Presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Animais, Membro do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados

Revista Energia 67


Vitrine

Sua melhor

opção de compra! O que você vai ver nas ruas em 2014, você vê aqui!

Texto Marcelo Mendonça

Golf O melhor da Volkswagen em um único carro

Avenida Antonio Henrique Gallerani Pelegrina 315 Fone 14 3601 30000

A sétima geração do Golf chega para balançar o segmento de hatchs médios. A meta é alcançar a liderança na categoria. O Golf geração VII vem em duas versões: Highline, manual e automática, e a envenenada GTI . A primeira é alimentada por um motor 1.4 TSI (turbo) de 140 cv. São 11 cores disponíveis. De série, o modelo tem rodas liga leve de 17 polegadas, faróis e lanterna traseira de neblina, volante multifuncional e manopla de câmbio com revestimento em couro, ar-condicionado digital dual zone, controle automático de velocidade, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, vidros elétricos, central multimídia com tela de 5,8 polegadas sensível ao toque, start-stop, freios ABS com EBD,

68 Revista Energia

controle eletrônico de estabilidade, assistente para partida em rampa, sete airbags (dois frontais, um de joelhos para o motorista, dois de cortina e dois traseiros), entre outros. O câmbio é manual de sete marchas ou automático DSG de sete velocidades, que é opcional em todos os pacotes. Já a versão GTI turbo tem 220 cv com câmbio automático de 6 marchas, detector de fadiga, teto solar panorâmico, central multimídia com GPS, comandos de voz e tela de 5,8 ou 8 polegadas, park assist com câmera de ré, banco do motorista com regulagem elétrica, faróis de xenônio com luz diurna de LED, sistema de som premium Dynaudio Confidence, kessey, sistema pré-crash e seletor de perfis de condução.


Bros Acelere em qualquer terreno

Rua Prudente de Moraes, 375 Fone 14 3601 2000

A Honda esta lançando mais uma novidade para 2014. Líder de vendas no mercado, a marca promete surpreender mais uma vez. A inovação é do modelo Honda Bros, a primeira moto on-off Road que usa a tecnologia flex de biocombustível, com todo o seu conforto e fácil pilotagem. A Bros 2014 tem linhas agressivas, aliando características tanto para asfalto como para estradas de chão. Todo o investimento foi para deixar a moto ainda mais confortável e versátil, sem perder a característica forte e robusta, e ainda assim ter um preço acessível. O motor

possui 150 cilindradas e 5 marchas de transmissão; tanque de combustível com capacidade de 12 litros e 3 de reserva, chassi do tipo berço semiduplo, com suspensão dianteira de 180 mm e traseira de 150 mm. O freio traseiro é a tambor, com o dianteiro na versão ES a tambor e na versão ESD a disco. O sistema elétrico é composto por uma bateria de 12V -5Ah e farol de 35W. Outro ponto forte é o motor, com 4 tempos e arrefecido a ar. As cores disponíveis dessa edição são: verde, preta e vermelha. Conheça a nova Bros na Taiko Motos .

Clio O popular que todo popular gostaria de ser

A marca destaca que o Novo Clio é o carro mais econômico do país, de acordo com o Inmetro. Na linha 2014, o compacto ganhou o Gear Shift Indicator (GSI), um indicador de troca de marcha que passa a ser item de série em todas as versões. Com ele, uma luz indicadora no painel avisa o momento em que o condutor deve reduzir ou aumentar a marcha, levando-se em conta sempre a economia de combustível e o estilo de condução. O computador de bordo também passa a ser item de série em todas as versões. Equipado com o propulsor 1.0 16V Hi-Power, de 80 cv (5.750 rpm) ,abastecido

com etanol, a versão equipada com ar-condicionado e direção hidráulica registra 9,1 km/l (ciclo urbano) e 9,6 km/l (estrada). Com gasolina, a média fica em 13,1 km/l (cidade) e 14,3 km/l (estrada). O modelo sem ar e direção obtém 9,5 km/l (ciclo urbano) e 10,7 km/l (estrada). Com gasolina, são 14,3 km/l (cidade) e 15,8 km/l (estrada). Disponível nas versões Authentique (2 ou 4 portas) e a Expression (4 portas) o Clio ainda tem à disposição três kits de personalização. A garantia é de 3 anos, com revisões programadas a cada 10.000 km. Faça um test-drive na Viviane France.

Revista Energia 69

Fotos: divulgação

Avenida Totó Pacheco, 595 Fone 14 3602 3010


Entre Aspas

É o que dizem por aí...

Por Leandro Carvalho

2014 chegou, e?

N

ascer, crescer, aprender a andar, a falar, entrar na escola, tirar boas notas, passar no vestibular, ser contratado por uma boa empresa, comprar um carro, comprar uma casa, abrir o próprio negócio, casar, ter filhos, fazer com que eles cresçam, tenham uma boa educação, entrem numa boa escola e assim vai. A vida é feita de planos e projetos, mas e quando não sai como o esperado? Você fica desesperado, entra em pânico? Calma, isso acontece e já adianto, você não é o único a passar por isso. E saiba que nem sempre para se atingir um objetivo o percurso sai como traçamos. E aí, como diria Lenine, “a gente espera do mundo e o mundo espera de nós um pouco mais de paciência”. Tempo ao tempo, este é o segredo. Eu sempre fui motivado por meus sonhos, querer parar de fumar, beber menos, malhar, entrar num programa de TV famoso, fazer um filme, ir para a Tailândia, fazer um mochilão pela África. Sonhos, planos e desejos que por um motivo ou outro foram trancados na gaveta, mas eu me pergunto, até quando? Depois do banquete de Natal ou Ano Novo, somos contagiados pela vibração de mudança, ou se preferir, de renascimento. Uma nova lista surge ou a antiga é readequada. Quer um exemplo? Bom, vamos lá. Todos querem emagrecer, mas o projeto fica sempre para a próxima segunda, ou seja, tudo colocamos num futuro distante. Mas até quando? Até quando vamos esquecer na gaveta a listinha que fizemos para a virada do ano? Perguntas e mais perguntas sem respostas. Não há argumentos plausíveis. Proponho fazer algo diferente: agir! Tente, se não der certo

70 Revista Energia

de uma forma, com certeza de outra dará! Afinal, toda ação tem sua resposta pela reação, seja ela boa ou ruim, mas para saber se vale a pena é preciso ter de enfrentar os medos e se arriscar. Talvez, este ano, eu pense menos e faça mais, ou pense mais e faça muito mais. O porquê não mudar de emprego, de casa, de vida ou de cabelo? Fazer uma nova tatuagem ou mudar meus conceitos sobre religião e política? Mudar é sempre bom, eu mudo sempre e tenho uma preguiça tremenda de gente que acha que personalidade tem a ver com ser regrado e politicamente correto em tudo, que todos devem ser e ter uma opinião do dia que nasce até morrer. Quando entenderemos o verdadeiro sentido da vida? Você acha mesmo que veio para cá somente para comer, beber e dormir? Outro fato que me irrita: por que trocar o certo pelo duvidoso? Será que o duvidoso não pode virar o certo para sempre? É, o medo. Tente, reinvente, quebre a cara e aprenda, faça valer a pena cada segundo, cada partícula que respira, deite a cabeça no travesseiro e reflita se sua vida transcorre da forma que realmente gostaria. Viver é bom, mas do jeito que as pessoas querem, acredito que não! Chega de máscaras. Viva do seu jeito, conforme a sua teologia e torne os seus dias mais interessantes. Afinal, você quer ou não ser feliz? Eu pretendo alcançar pelo menos uma meta este ano. Posso não ir pra Tailândia, posso não comprar um carro ou uma casa, posso não ter filhos, mas, olha, eu serei feliz custe o que custar! Novos projetos e sonhos sejam bem-vindos ao meu 2014. 


72 Revista Energia

Revista Energia 41  

A Revista Energia é uma publicação mensal da Rádio Energia FM. Garanta seu exemplar, gratuitamente, nos pontos de retirada: Posto São João e...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you