Page 1

movimento Revista do Movimento Encontrão - Reencontrando nossos propósitos - Edição 01 - Ano 2011

Reencontrando nossos propósitos Em submissão ao Deus triúno e em seguimento a Jesus, o Movimento Encontrão cumpre a sua missão promovendo a evangelização, o discipulado e a edificação da igreja, visando ao serviço cristão no mundo.

movimento encontrão


3

Edificação da igreja

Geração Y: evangelizá-la?

por Mateus Pereira, professor, Curitiba -PR

Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Romanos 12.2

‘Para responder a esta pergunta primeiro é necessário saber do que isso se trata, certo? Geração Y ou Geração do Milênio (os millennials em inglês) é um conceito utilizado por sociólogos e antropólogos para referir-se a geração de pessoas nascidas entre 1980 e o início dos anos 90 aproximadamente (temos outros nomes para outras épocas, como Tradicionais, Baby Boomers, Geração X e Geração Z, por exemplo). Na área espiritual, esta geração vive ao mesmo tempo o paradigma “materialismo x necessidade de transcendência”, pois se considera espiritualizada. Mas a mesma busca por liberdade e a falta de certezas (visto que tudo é falível, inclusive a igreja) faz com que não se sinta motivada a colocar sua fé em nenhuma religião específica. Além disso, considera o fato de pertencer a uma religião a perda da liberdade. Assim, muitos desses que inclusive foram educados por famílias que seguem alguma tradição religiosa, conforme deixaram a adolescência tornaram-se livres para

escolher em o que depositar sua fé, explorando a espiritualidade de maneira geral, porém não se comprometendo com nada específico. Isto faz com que cada vez menos pessoas participem das igrejas, leiam a Bíblia ou orem sozinhos. Para compreendermos melhor os valores da Geração Y é interessante traçarmos um paralelo com a geração anterior. Portanto, se estamos interessados em alcançar esta parcela da população (cerca de 25%) precisamos saber que esta geração chegará a fé através de experiências que façam sentido para sua vida, isso se houver a possibilidade de espelhar-se em um testemunho coerente com o discurso baseado na palavra de Deus. Contudo, o que vemos é que muitas igrejas têm encontrado dificuldades em se adaptar, (quando falo aqui em adaptação não digo mudar a palavra do Evangelho para alcançar pessoas, mas sim mudar a forma como anunciamos as Boas Novas) lembrando que cada nova geração precisa ser evangelizada. Isto já serve para pensarmos no futuro, como alcançaremos a Geração Z e seguintes?

Geração X (entre 31 a 45 anos)

Geração Y (entre 15 e 30 anos)

Busca da individualidade sem a perda da convivência em grupo; Maturidade e escolha de produtos de qualidade; Ruptura com as gerações anteriores; Busca por seus direitos; Procura de liberdade; Dinheiro é o meio para um fim.

Estão sempre conectados; Procuram informação fácil e imediata; Preferem computadores a livros; Digitam ao invés de escrever; Vivem em redes virtuais de relacionamento; Estão sempre em busca de novas tecnologias; Dinheiro é o pagamento do aqui e agora.

Quando crises se instalam, falta conselho! Muito do que outrora escorava as pessoas está à deriva. Nem mais o amparo da família está garantido, desde que o divórcio campeia solto. Solidão profunda aflige adultos e jovens, e quem está em crise encontra pouca ajuda na igreja, pois esta também vive em crise. Preocupada com sua ‘qualidade’, seu ibope ou suas finanças não tem tempo para pessoas com problemas. Suas liturgias herdadas não respondem à desintegração que se alastra. Assim a solidão se potencia. O evangelho de Jesus pode fazer diferença nesta realidade? Jesus nos faz perceber é que sua intervenção na nossa vida não depende de instituições. Casamento, família ou igreja são andaimes que Deus pode usar para edificar vidas. Mas, se um andaime estiver, onde Deus não constrói, ele

Andaimes em crise

lhe é inútil. Deus lançará mão de outro recurso para sua obra, pois não depende de andaimes. A omissão e oposição das sinagogas e do templo não impediu Jesus de levar adiante sua obra. Recorreu às pedras à beira do caminho! As margens do lago, os montes, as campinas e casas lhe serviram para anunciar sua palavra! por Martin Weingaertner A obra de Deus não para quando nós Diretor da FATEV deixamos de fazer o que importa! Também hoje o evangelho continua a não depender de andaimes, pois Jesus prometeu que estaria “onde estiverem reunidos dois ou três em meu nome”. Por isso precisamos reaprender a perguntar: Senhor o que queres, construir andaimes ou edificar vidas? Queres que eu invista na qualidade de conforto das 99 ovelhas ou que vá atrás da que se perdeu? Como eu e minha casa podemos ser um andaime útil?


Somos Corpo: Quando o Espírito nos encontra,

reencontramos os propósitos de Deus por Airton Härter Palm, Diretor Executivo do Movimento Encontrão

expediente

Para mim, 2010 foi de muitos encontros. Encontros verdadeiros, são aqueles marcados pela visitação de Deus. Nós do ME, fomos agraciados pelo soprar do Espírito Santo. Abertos para Ele e ao seu mover, a decisão tem sido de obedecê-lo e o que se vislumbra é que reencontramos os propósitos de Deus. Embora entrelaçado, isso vai muito além dos eventos. A ainda recente e impactante passagem pela África me clareou muitas coisas nesse sentido. O fato é que aqueles dias trouxeram novos horizontes, apresentaram outras perspectivas, emocionaram pelos testemunhos e pelo que Deus falou; algo inesquecível, único e indescritível. Nossa motivação primeira para a viagem foi participar, em Cape Town, do III Congresso Lausanne para Evangelização Mundial. A referência teológica de tribos e nações estava ali representada; abnegadas missões também. Ouvimos algumas vezes que a força maior que move a igreja, em nossos dias, já não é mais do ocidente e que os africanos são cada vez mais referência da Verdade “pura e simples”, em contraposição com a crescente cultura religiosa da graça, sem Palavra. O congresso nos levou para além do nosso “mundinho”. Celebramos muito com o crescimento do Reino de formas inimagináveis até pouco tempo atrás. Em choque, quebrantamo-nos todos com a perseguição em curso mundo afora, por exemplo: os chineses das igrejas caseiras são a grande força evangelística desse século, mas são perseguidos e a saída do país é dificultada pelo governo.

Movimento, Reencontrando nossos propósitos Revista de circulação interna do ME Edição 01 - Ano 2011 Tiragem: 4.000 exemplares Distribuição gratuita

Nós já tivemos muitos anos de crescimento no Movimento Encontrão, graças a Deus. A década que passou nos trouxe crises, desde a direção até as áreas geográficas e de ministérios. Estruturas decepcionam e desanimam. Uma instituição precisa reconhecer e confessar seus problemas. A nossa tradição pietista e encontrista não garante imunidade a crises, ao avanço da secularização e do nominalismo, mas a paixão pelo evangelho, sim. Assim é que olhamos para frente e sonhamos. O Fredy (presidente do ME) tem nos perguntado por 2014. O Encontrão Nacional 2012 já está sendo anunciado. A propósito, Corpo de Cristo, muito mais do que o tema deste evento é o nosso jeito de viver a fé agora, na perspectiva do Reino de Deus. Estudamos e vamos reestudar conforme Efésios 4.15-16: Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo. Dele todo o corpo, ajustado e unido pelo auxilio de todas as juntas, cresce e edificase a si mesmo em amor, na medida em que cada parte realiza a sua função. Nossa teologia é luterana e os contatos com luteranos evangelicais no mundo serão estreitados: Na Europa temos parcerias consolidadas; na América andina há indicativos muito bons e com a África, já temos algumas datas marcadas para quem vem e para quem vai. A relação com o “continente negro” terá de ser bidirecional porque dele temos muito o que aprender. Participar de um culto, num templo de adobe,

com gente palpérrima, em meio a uma multidão de órfãos e na oração do pastor ele encontrar muitos e muitos motivos de gratidão, é algo inexplicável. Temos oportunidade e o desafio de envolvimento missionário, com dimensão integral, em vários países. Vamos poder ajudar também com profissionais bi-vocacionados, professores de teologia, dons e talentos diversos. Em paralelo a tudo isso e na mesma linha nasce a Aliança Cristã Evangélica Brasileira e com esta já estamos comprometidos. A missão avança no exterior e no Brasil também. Em 2010 o MEC reconheceu a Fatev com nota 4 (sendo 5 a máxima), mas mesmo assim mudanças já estão em curso. Em 2011 publicaremos o livro Pequenos Grupos de Dietmar Wimmersberger, muito pertinente para as comunidades como proposta prática e contextualizada. Já falamos em 2010, 2011, 2012, 2014... Quem sonha alto comigo? Quem está disposto a este movimento de Deus? Somos corpo e temos propósitos santos.

Diretor Executivo ME: Airton Härter Palm Coordenação Editorial: Rodrigo Robinson Diagramação: Rodrigo Robinson Pré-edição: Joana Bauer Wulff Revisão: Bárbara Hochsprung Robinson

Movimento Encontrão Rua Francisco Caron, 630 CEP 82120-200 - Pilarzinho Curitiba/PR (41) 3302-5100 - mkt@me.org.br


5

Discipulado

Vivendo como discípulos: Três testemunhos dessa caminhada O Sítio Lagoa, local onde Deus nos colocou, é um desafio constante para nós. Temos tido a experiência de compartilhar nossas vidas e ministério com o casal de missionários Enio e Regina. A troca de experiências enriquece nossa caminhada de fé. No discipulado com eles, experimentamos um tempo precioso de aprendizagem. Em nossos encontros, há espaço para abrir o coração, de compartilhar as nossas lutas e problemas que nos angustiam. Há bons momentos de

1

3

comunhão e de compartilhar de alegrias. Tempo de oração e de ouvir a voz de Deus por meio das Escrituras. Também, espaço para compartilhar dos trabalhos realizados na Igreja e de traçar metas para a expansão do reino de Deus. Como colaboradores na seara do Senhor, experimentamos um crescimento tanto espiritual como de conhecimento bíblico. Em tudo isso, Deus tem trabalhado em nossas vidas, tirando as nossas dúvidas, ensinando e acrescentando aquilo que precisamos para fazer a Sua

“Vem pra cá, Alice!” foi o que eu ouvi em julho de 1999. Eu tinha 12 anos quando esse convite foi dirigido a mim. Quem disse isso foi uma artista plástica de 22 anos, chamada Aldria Horn. Ela me chamava para que eu fizesse parte de um pequeno grupo que conversava durante o tempo livre em um retiro em Juiz de Fora - MG. Aceitei o convite. A partir dali, eu participei das reuniões do grupo de adolescentes e da vida da comunidade, experimentando a comunhão, o amor e a responsabilidade. Com o tempo de convivência, a Aldria foi adquirindo minha confiança e amizade. Em cultos, reuniões, peças de teatro, ensaios do coral, pinturas da sala da juventude, estávamos sempre ali, Aldria e eu. Aprendi a ser transparente com ela e a expor minhas emoções, pensamentos, pecados, dúvidas. Ela, por sua vez, estava sempre disponível para conversar, orar, rir ou chorar comigo. E, nos anos turbulentos da adolescência, através dela, eu senti o amor incondicional de Deus, que é paciente e honesto a ponto de me aceitar como sou e de recusar a me deixar do mesmo jeito. Através dela, eu vi o que Deus precisava restaurar e transformar em minha vida e experimentei a aventura de colocar em prática o que Ele dizia. O Senhor usou essa artista plástica para começar uma obra de arte na minha vida: esboçar o caráter de Cristo em mim. Em 2004, a Aldria atendeu ao chamado que nosso Mestre a fez e mudou-se para Curitiba para estudar teologia. Eu fui desafiada a continuar no caminho do discipulado, porque aquele que começou a boa obra (de arte) há de completá-la até o Dia de Cristo Jesus. Alice Kappel Roque, 23 anos, farmacêutica, Juiz de Fora/MG

obra. Juntos, vivenciamos as maravilhas e sinais do amor e misericórdia de Jesus Cristo. Presenciamos milagres confirmados pela medicina, pois, para Deus não existe nada impossível. Somos gratos a Deus por aquilo que Ele tem feito em nossas vidas. Ele tem nos fortalecido como família e casal. Francisco Eugênio Soares (Dena), mecânico, Sítio Lagoa, Barbalha/CE

Sempre tive o desejo de ser discipulada, mas o fato 2 de não ter tido essa oportunidade, não me impediu de aceitar o chamado de Jesus, de pregar a Palavra e fazer discípulos. Senti que, de alguma forma, alguém precisava colocar esse mandamento em andamento. Acreditei que era hora de fazer algo. Confiando na capacitação do Senhor, surgiu a oportunidade de colocar o desejo que surgira no meu coração em prática. Comecei então a partilhar minha vida com outras meninas e descobri a grande responsabilidade que assumi. Saber que sou responsável por outras pessoas me motiva a manter em dia meu relacionamento com o Pai, aumentando o desejo de compartilhá-lo com as pessoas. Portanto, o grande ganho nesse processo é meu. O discipulado me ensinou a ser mais humana e mais amorosa. É emocionante ver, dia a dia, o caráter de Cristo sendo formado nessas jovens, ao mesmo tempo em que elas vêem o processo acontecendo em minha vida. Experimentamos a verdadeira comunhão. É sublime e é divino! Esse é o ministério que faz meu coração pulsar e meus olhos brilharem. É um privilégio! Fabiane Behling Luckow, 30 anos, musicista, Pelotas/RS


Edificação da Igreja

Os vínculos interpessoais e a igreja Por volta de 300 d.C. o imperador Diocleciano baixou um decreto permitindo a fé cristã, contudo não autorizou a comunhão dos cristãos. Lideranças cristãs da época logo disseram que isso não seria possível, pois iria contra a essência do cristianismo. Cristianismo é um corpo e membros amputados morrem. Mais tarde, Zinzendorf, um dos pais do Pietismo alemão viria a dizer: “sem comunhão não existe cristianismo”. Uma vida com o Senhor Jesus pulsa no corpo, do qual ele é o cabeça. “E sujeitou todas as coisas a seus pés, e sobre todas as coisas o constituiu como cabeça da igreja”- Ef 1.22. Jesus, o cabeça, diz: “Onde dois ou três estiveram reunidos em meu nome, ali estou no meio deles”. Mateus 18.20. Não é maravilhoso o Senhor da Igreja se doar ao ponto de dizer que a sua presença acontece na comunhão? Isso tem duas razões, uma porque esta condição nos arranca de nossa solidão e nos guarda do mal. Distanciar-se da comunhão e esconderse (Adão e Eva), isolar-se (Pedro seguindo sozinho a Jesus), afastar-se da comunhão (Tomé não estava entre os discípulos na primeira aparição como ressuscitado), romper com o grupo (Judas levantou, saiu e enforcou-se) normalmente nos coloca num terreno perigoso. Outra razão é que a comunhão não apenas é a essência do Cristianismo, mas faz parte da própria natureza divina. Temos ouvido bastante acerca da Trindade e que Deus é relacional, Ricardo Barbosa, por exemplo, trabalha muito bem este tema. Como Deus é amor, o amor somente acontece de uma pessoa em relação a outra, Deus Pai, Filho e Espírito Santo vivem este amor eterno. Mas ainda mais grandioso é que Deus estende este propósito de amar ao ser humano. “Eu lhes fiz conhecer o teu nome e ainda o farei conhecer, a fim de que ao amor com que me amaste esteja neles, e eu neles esteja.” João 17.26. Quando reconhecemos a dimensão deste desejo de Jesus para os seus seguidores,

conseqüências deste pedido, no qual somos convidados a nos aninharmos nesta amizade e amor eterno fazem nosso coração se emocionar de gratidão. Toda a motivação de Jesus para com os seus discípulos é vivenciar este amor na comunhão. Por isso, comunhão cristã é muito mais do que relacionamento, mas tem caráter sobrenatural do amor de Deus. O convívio de Jesus com os discípulos é algo magnífico que continua motivando nossa comunhão até hoje. Neste grupo estavam pessoas com diferentes profissões, jeitos diferentes, atitudes diferentes, por que não dizer, alguns até bem geniosos. João e Tiago chamados de Filhos do Trovão, ou Pedro com a espada na mão queria promover o Reino de Deus. Inclusive, neste grupo também houve traição, falcatrua financeira por parte de Judas. Se pensarmos que, naquela quinta-feira da paixão, um dos momentos mais pessoais e íntimos de Jesus com os seus, lemos em João 13.2 “Durante a ceia, tendo já o diabo posto no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão, que traísse a Jesus”, também nos faz pensar o quanto a comunhão pode ser alvo de destruição. Em contrapartida, a comunhão dos Santos, conforme a promessa de Jesus, é um dos lugares mais seguros para os crente. E justamente em relação a Pedro Jesus diz: “Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela;” – Mateus 16.18. Algo muito grandioso acontece na comunhão com o Senhor e o próximo, o divino e o humano se encontram. Jesus também diz que onde esta comunhão é vivenciada, o mundo vai crer que ele é o filho de Deus. “A fim de que todos sejam um, e como és tu, o Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste” João 17.21

dica de leitura

por William Bretzke, pastor, Jaraguá do Sul/SC

O Caminho do Coração Ensaios sobre a trindade e a espiritualidade cristã Ricardo Barbosa Encontro Publicações Para adquirir:

www.encontropublicacoes.com.br

ou ligue (41) 3302-5111


7

Edificação de Igreja

Mentoria, uma experiência:

Meu nome é Marília Gabriela, estou sendo mentoriada e posso dizer que a experiência tem sido rica e extremamente importante. A Mariana, que tem dedicado seu tempo e amizade em me mentoriar, é como se fosse enviada por Deus para ser minha boa amiga e para me ajudar na caminhada cristã. Com a Mariana nunca senti medo de me mostrar porque o compromisso dela com o Criador me deu a segurança e a confiança necessária. Ela me ouviu muitas vezes, sofreu e se alegrou comigo, compartilhou ensinamentos que me fizeram avançar. Mas, o que mais me agrada na mentoria é o tempo de oração e a tranqüilidade de saber que quem nos guia é o Senhor. Eu sou a Mariana e no começo fiquei um pouco assustada e ao mesmo tempo lisonjeada em saber que alguém me escolheu para compartilhar sua vida e que de alguma forma espera que eu também divida com ela minhas experiências. Espero que de alguma forma eu tenha sido usada por Deus para edificação da vida da minha mentoriada, assim como Deus a usou para edificar a minha vida Estamos sendo edificadas nesse tempo que nos proporcionou uma amizade comprometida com sinceridade e discrição,

> Mariana e Marília Gabriela

orações menos egoístas, desabafo e cuidado mútuo que ajudam na nossa reflexão de fé. A FATEV sabe como é importante dar uma ajuda e um esforço especial para os novos alunos que chegam. Muitos vem de outras cidades e talvez seja a primeira vez que vão morar sozinhos. A adaptação do interior para uma cidade grande também pode ser um desafio. Neste processo é importante ter alguém que caminhe junto, alguém mais experiente que já passou pela mesma coisa. No começo de cada ano temos um retiro com os alunos do primeiro ano junto com os alunos do último ano. A idéia, é criar duplas e facilitar uma mentoria entre os próprios alunos; os mais “velhos” da casa mentoreando os mais “novos”. Nem sempre a mentoria continua depois do retiro, mas às vezes nós alcançamos a nossa expectativa; como aconteceu no caso da Mariana com a Marília. Mona Dysjeland - Professora da FATEV

Faculdade de Teologia Evangélica em Curitiba Curso: Bacharelado em teologia com ênfase em missão urbana Duração: 3 anos Período: noturno Você pode contribuir com a FATEV depositando sua doação no Banco Santander Ag. 1270 CC. 13000115-5

Teologia: profissão ou vocação?

por Rachel Perobelli Coordenadora Pedagógica FATEV

A tensão entre vocação e profissão é constante para todo cristão. Até porque fomos acostumados a vincular a vocação à dedicação exclusiva ao serviço da igreja, como no caso de pastores e missionários. Também há a pergunta pelo chamado, se fui ou não chamado para tal coisa, ou lugar, ou função. De fato, Deus dá dons distintos a cada um conforme a necessidade do seu Reino, mas todos somos chamados a sermos seus filhos e a desempenharmos o papel de representantes deste seu Reino aqui. Nesse sentido é preciso entender que toda profissão é

bem vinda. Sendo eu médica, professora ou pastora, o que faço é para glória de Deus e manifestação visível de seu Reino. Surge então a pergunta, por que a necessidade da formação teológica? A formação é necessária para instruir-nos no conhecimento de Deus e pode se dar tanto de maneira formal como informal, nas reuniões caseiras ou nos programas de ensino formais dentro das igrejas. E porque não, na faculdade também. Com meus 14 anos de experiência com a formação teológica, estou cada vez mais convencida de que todo cristão precisa investir no

desenvolvimento de sua fé de forma sistematizada a fim de estar preparado para dar a razão dela, ou como está escrito em 1 Pedro 3.15: “Estejam sempre preparados para responder a qualquer pessoa que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês” (NVI, 2000, p. 976). A vocação é para sermos filhos. Se a ênfase é o “ser”, o que faço é sempre conseqüência disso. Sejamos bons filhos e filhas, glorificando a Deus com nossas ações e trabalhando para que Ele se torne visível nos corações dos ainda não crêem.


dica de leitura

O desafio de não caminhar sozinho por Lenira Camargo Lissaraça, Teóloga e Engenheira de Trânsito Curitiba/PR

Recentemente, participei de um curso onde estiveram presentes representantes de várias cidades do Brasil, todos empenhados acerca do tema “Gestão de Trânsito”. Foi unânime, que uma das principais causas do caos que estamos vivenciando nas vias públicas, é a extrema individualidade e egoísmo que estão afloradas de forma visível em várias cidades brasileiras. Cada pessoa fazendo o que acha melhor para si, sem considerar os muitos outros indivíduos afetados por uma ação irresponsável. Foram apresentadas várias estatísticas, problemas e soluções. No entanto, por mais brilhante que fosse a idéia apresentada, esbarrávamos em paradigmas estabelecidos pelos indivíduos, ditos pós-modernos, onde o ser humano advoga para si, o centro das decisões. O que estamos vendo no trânsito é o reflexo de uma sociedade profundamente adoecida em seus diversos segmentos, inclusive no âmbito religioso. No trânsito, belos veículos. Nas igrejas, belos shows. Uma sociedade com aparência de saúde, mas doente “... porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia!” (Mt 23.27) Se olharmos as estatísticas, as quais apontam que 90% da população no Brasil é cristã (católicos e protestantes), podemos afirmar que estamos vivenciando uma crise de valores. No entanto, a crise também é uma oportunidade de mudança!

Isso implicará em arrependimento (At 2.38), retorno aos fundamentos da fé cristã (At 2.42), à adoração ao Deus Trino (Pai, Filho e Espírito Santo), a uma espiritualidade pautada pela ética e fundamentada em Jesus Cristo como o centro de todas as coisas (Cl 1.20), ao temor a Deus (Pv 9.10), ao entendimento que ser e fazer discípulos de Cristo é um chamado constante de negar a si mesmo, tomar a cruz e segui-lo (Mc 8.34) e retorno a fazer discípulos (Mt 28.19-20). É no discipulado que somos chamados a romper paradigmas e estabelecermos, à luz das Escrituras Sagradas, uma nova forma de pensar e agir, a partir da nova vida gerada em nós pelo Espírito Santo, da comunhão com Deus e da comunhão com os irmãos. Juntos, sendo discípulos e fazendo discípulos, somos Corpo de Cristo e podemos fazer diferença na sociedade em que vivemos. Expressando ética e educação no trânsito. Cumprindo a incumbência de sermos proclamadores das virtudes de Deus. Testemunhando a salvação em Jesus Cristo. Não sozinhos, mas submissos a Deus que é Soberano, perdoados em Jesus Cristo, revestidos pelo poder do Espírito Santo e na companhia dos irmãos na fé!

Cremos Que Deus continua inspirando pessoas para colocarem no papel aquilo que a Igreja e o mundo necessitam com maior urgência! E com os livros do ALPHA é isto justamente que acontece: um presente do próprio PAI para os seus filhos! Pensemos em alguns dos livros desta coleção:

- “QUESTÕES DA VIDA”, que contém todas as palestras dadas no CURSO ALPHA. Um livro marcado pela pedagogia e pela capacidade de dizer em poucas palavras verdades tão profundas. - “MANUAL DO PARTICIPANTE”, o verdinho, que permite o acompanhamento das palestras de uma maneira altamente instrutiva. - “INSTRUÇÕES PRÁTICAS PARA O CURSO ALPHA, dando-nos uma ótima noção do que é o curso Alpha. - “MANUAL DE TREINAMENTO”, o azulzinho, com uma síntese do que devemos saber para implementar um bom curso Alpha. - “POR QUE JESUS” com passos didáticos muito bem colocados, ajudando-nos a entender o caminho da salvação. Pense em ler estes livros, mas sobretudo pense em praticá-los em teu curso Alpha!!! Douglas Wehmuth, Pastor, Porto Alegre-RS


Agenda 2011

Identidade visual

Participe dos programas nacionais do Movimento Encontrão em 2011 26 e 27/03: Assembléia Geral do Movimento Encontrão Curitiba/PR – CPM

1985 - Primeiro Logotipo

Por ocasião do Encontrão Nacional, desenvolveu-se essa marca com lema: Discípulos de Jesus ajudando pessoas a serem também discípulos de Jesus.

09 e 10/04: Escola de Líderes Ministério Jovem Curitiba/PR – CPM Tema: Comunicação do Evangelho Palestrante: Bill Crente – Ministério Sal da Terra / Pernambuco

1996 - Criação de uma nova marca

24 a 26/06: Encontro de Lideranças Florianópolis/SC Tema: Profissão & Vocação Palestrante: Lenira Lissaraça e Nicole Borchardt

A institucionalização do Movimento Encontrão motivou a criação de uma nova identidade visual. O símbolo representa o chamado e o envio do Espírito Santo para a missão.

06 e 07/08: Encontro de Ministros de Louvor Curitiba/PR – CPM

2000 - Reestilização No ano de 2002, o logotipo foi reestilizado, ganhando um ar mais moderno. Foi quando começou-se a utilizar a cor vinho.

15 a 18/08: Encontro de Obreiros Florianópolis/SC Tema: Igreja e Pastoreio nos planos de Deus Palestrante: Ricardo Agreste 16 e 17/08: Encontro de Mulheres Florianópolis/SC Tema: Preciosas de mais Palestrante: Rosangela Bieberbach

2010 - Nova identidade

27 e 28/08: Encontro de Profissionais Liberais e Empresários Cristãos Florianópolis/SC Tema: Espiritualidade no Mundo Corporativo Palestrante: Eduardo Rosa Pereira 17 e 18/12: Escola de Líderes Ministério Jovem Curitiba/PR – CPM Tema: Retiros e Acampamentos Palestrante: Samuel Scheffler

movimento encontrão 0

Você pode contribuir com o Movimento Encontrão depositando sua doação no Banco do Brasil Ag. 1622-5 CC 209878-4

Uma nova postura e a busca por reencontrar os propósitos de Deus para o ME, motivaram a mudança da marca que nos acompanhou por 25 anos. A nova identidade busca reunir características das duas marcas antigas. Discipulado, Ação do Espírito, Missão, Evangelismo e Serviço, são palavras que nos dão identidade desde o início.

Faça download da nova logomarca para usar no seu evento local em: http://www.me.org.br/5ajudar/logos.html


Vamos conservar a unidade? por Wolker Thom, pastor, Araçatuba/SP “ Façam todo o esforço para conservar a unidade do Espírito no vinculo da paz”. Ef 4.3 Conservar aquilo que Deus criou deve ser a tarefa de todo o cristão que leva a sério a sua vida de fé. Para o apóstolo Paulo, conservar a unidade requer esforço de todos aqueles que vivem em comunidade. Paulo destaca dois aspectos importantes no texto citado que ao serem vividos conservam a unidade. São eles: relacionamentos e confissão. Bons relacionamentos são característica marcante de uma comunidade que empenha-se em viver a unidade. Pois é necessário que todos “sejam completamente humildes e dóceis e sejam pacientes, suportando uns aos outros com amor”( v.2). Quando não há bons relacionamentos fica difícil conservar a unidade. Na carta aos Gálatas

(5.15), Paulo destaca que se eles, em suas relações, se mordem e se devoram uns aos outros a conseqüência de tais atitudes é a destruição. Quantos ministérios em nossos dias se complicam e se destroem por falta de relacionamentos saudáveis, que não se permitem considerar o outro, seja ministro ou membro, como irmãos na fé que lutam e batalham juntos pela fé evangélica (Fp.1.27); mas que se consideram mais como inimigo que precisa ser combatido e destruído. A confissão de fé é o segundo aspecto que Paulo destaca como elemento de conservação da unidade. A palavra “um(a) só” é utilizada pelo Apóstolo Paulo para destacar a confissão de uma comunidade que se esforça para conservar a unidade. “Há um só corpo e um só espírito, assim como a esperança para qual vocês foram chamados é uma só; há um só Senhor, uma só fé, um só

batismo, um só Deus e Pai de todos, que é sobre todos, por meio de todos e em todos.” (Ef 4.4-6). Conservar a unidade por meio da confissão exige um esforço considerável de nossa parte, principalmente no que se refere ao ensino e aprendizado das escrituras; pois é por meio das escrituras que conhecemos de forma apurada o conteúdo da nossa confissão. Portanto, eu não devo me preocupar tanto com o que os outros ensinam, mas devo me preocupar ao máximo com o que eu estou ensinando. Todo esforço para conservar a unidade que o Espírito gerou é valido, pois resulta em testemunho claro para o mundo mostrando que há um corpo unido de cristãos que se empenham para concretizar a oração que Jesus fez a nosso favor “para que todos sejam um” (Jo 17.21).

ENCONTRÃO NACIONAL 2012 ITUPORANGA-SC DE 18 A 21 DE FEVEREIRO DE 2012

www.me.org.br/en2012

Pequenos grupos, bazar missionário, encontro de voluntários, programação especial para jovens, adolescentes e crianças, louvor comunitário, testemunhos e imagens impactantes. Tudo isso e muito mais está sendo preparado para termos um grande encontro. E este encontro será o Encontrão Nacional 2012. Nele, importa reafirmarmos que somos TODOS POR UM. O corpo dirigido para e pelo Senhor. Participe desde agora e informe-se pelo SITE.


Você pode contribuir com o Ministério Jovem depositando sua doação no Banco do Brasil Ag. 1622-5 CC 209878-4

Vale a pena falar de Jesus?

Caça-palavras:

Quem já não passou em uma praça, ou uma parada de ônibus, e estava lá... o crente?! Falando alto, falando de Jesus, dizendo que todo mundo precisa se converter!, mesmo que aparentemente ninguém o dê bola. E quem já não sentiu, lá no fundinho pelo menos, aquela vergonha pela pessoa, pensando: ai, que mico!? Poderíamos entrar em uma discussão, com vários argumentos, para justificar nossa tendência a ter uma posição contrária a esse tipo de promoção de Jesus. Não é o ambiente; as pessoas não estão nem aí; quem olha pensa que crente “é tudo doido” e etc... Mas precisamos admitir duas coisas dignas de serem imitadas: nisso há coragem e uma certeza de que Deus age de forma sobrenatural, apesar das circunstâncias. Independente de formas, o certo é que o evangelho precisa ser proclamado. Precisa ser verbalizado para que aqueles que o ouvem tenham a oportunidade de crer. Ele não pode ser desmentido depois com as atitudes daquele que o proclamou... isto também é certo. As pessoas estão cada

por Andre Rodrigo Kohlrausch, Coordenador Ministério Jovem ME

vez mais tontas no meio do furacão de “verdades” que o mundo, as filosofias, a ciência, as religiões, apresentam. E com a globalização, como ficou mais fácil saber de quase tudo, e dar uma espiadinha no leque variado de religiões que estão a disposição para serem seguidas. Aqueles que pertencem a Cristo e sabem que estão na verdade (1 Jo 5.20), não podem ficar de fora olhando a tudo isso, sem que ergam a sua voz e falem da verdade. Nós, que experimentamos a realidade da salvação e da vida através de Jesus, como deixaríamos outros na morte, sabendo e tendo comprovado pelo Espírito Santo o caminho da vida? Temos que admitir que sempre há coisas que amordaçam a boca. O medo de ser rejeitado (Jesus disse que isso não seria novidade... ele também foi, Jo 15.18-27); de ser taxado como louco (isso é bem provável mesmo... a palavra da cruz é loucura para aqueles que estão na morte 1 Co 1.18); achar que não vai adiantar nada: “a(s)

Teste seus conhecimentos Bíblicos encontrando no quadro (horizontal ou verticalmente) as palavras que respondem as perguntas abaixo. 1- O livro bíblico onde está a citação: “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações”. 2- O lugar onde foi feito a primeira pregação evangelística depois do pentecostes 3- País que ocupa o 1º lugar na Classificação de Países por Perseguição (segundo Portas Abertas) 4- Primeiro mártir cristão que as escrituras registram 5- Complete: “Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome a sua (...), e siga-me” 6- “Substância” poderosa para purificar pecados. 7- No livro de Efésios está escrito que somos salvos pela (...) mediante a (...) 8- Nome da pessoa para quem Pedro pregou a gentios pela primeira vez, segundo o relato bíblico. 9- Complete: “Pois nem mesmo o Filho do Homem veio para ser servido, mas para (...) e dar sua (...) em resgate por muitos”. Mc 10.45

pessoa(s) é (são) dura(s) demais!” Creio que aí entra o que falei dos nossos irmãozinhos doidos das praças e dos pontos de ônibus: coragem e fé no agir poderoso de Deus. Por isso eu digo a ti: CORAGEM! Deixe de lado o medo da rejeição e da chacota. Teus amigos, familiares e colegas precisam de Jesus! Pense que Jesus sofreu muito mais para te dar a vida eterna que tens hoje. Além disso, o fez em amor. Portanto, também assim o faça. Outra coisa: Convencer os corações e gerar fé não é contigo, mano! Isso é coisa do Espírito. O tua responsabilidade é pregar e crer que Deus faz impossíveis! www.dirceuveiga.com.br

Ministério Jovem

OBS: confira as respostas no blog do MJ: ministeriojovemme.blogspot.com


Evangelismo

Alguém se importou comigo e me contou as BOAS NOVAS! Leia os testemunhos: Era 1995, eu morava em Novo Hamburgo/RS e devido a várias circunstâncias na minha vida pedia p a r a Deus me tirar de lá e dos “amigos” com quem me relacionava na época. Foi quando surgiu uma proposta de trabalho: ir à Birigui/SP ajudar a montar uma empresa no ramo metalúrgico. Sendo um dos patrões luterano, aceitei por achar que seria um começo de mudança na minha vida. Em Birigui, recebemos o convite para irmos a um culto em Araçatuba. Acabamos conhecendo outros que também moravam em Birigui. Devido a distância de uma cidade a outra, surgiu a idéia de seis casais se unirem e começarem um ponto de pregação por lá, com o culto celebrado nas próprias casas pelo pastor Oziel. Foi então que surgiu a oportunidade de termos um missionário conosco para continuar o trabalho de discipulado e edificação de igreja. Foi assim que o Marco e a família chegaram para dirigir a missão. A partir daí, nossa caminhada foi se fortalecendo e criando vínculos com mais famílias em Cristo. Passamos seis anos morando em Birigui onde nasceram nossos filhos Rebeca e Vinicius, respostas de oração e bênçãos de Deus. Hoje, de volta ao sul, congregamos na Comunidade da Redenção em Novo Hamburgo, onde ocupo a função de vicepresidente no atual presbitério, e a Ingrid colabora no culto infantil. Aqui buscamos seguir atendendo o propósito de Deus para nossas vidas. Teríamos muito a falar desse Deus maravilhoso que atendeu e atende nossas orações, nos abençoando onde estamos e somos gratos a Ele antes de tudo. Além disso, lembramos com gratidão das pessoas que ajudaram na nossa conversão e na vida de fé. Luis Carlos Flores, 46 anos, empresário, Novo Hamburgo/RS

1

A minha caminhada de fé começou fui convidada pelas 2 quando minhas filhas para participar da evangelização na Tenda. Lá eu conheci duas pessoas que me convidaram para ir ao culto, e me falaram sobre Jesus. Neste momento, eu estava passando por problemas na família e me sentia desesperada. Conversei com o pastor e ele orou por mim e a partir daquele dia eu comecei a freqüentar a igreja. Passei por

3

Há dois anos fui convertido ao Evangelho de Jesus Cristo e, desde então, sou membro da Comunidade Evangélica Luterana Carandá Bosque, em Campo Grande/MS. Antes de conhecer o Evangelho participei brevemente das Testemunhas de Jeová e Santo Daime. Certo dia, minha esposa Nayara e eu decidimos visitar o templo da Igreja Luterana que ficava próximo da minha casa. Fomos acolhidos com muito amor e conduzidos a receber Jesus Cristo como Senhor e Salvador pessoal. Desde então a nossa vida recebeu uma nova direção, sendo imediatamente transformada em vários aspectos. Em outros, continua sendo transformada, dia-a-dia. Deus tem cumprido todas suas promessas e nos abençoado grandemente: física, emocional e espiritualmente. Deus abençoou meus estudos e conclui a Faculdade de Engenharia

algumas experiências bem difíceis: minha filha foi hospitalizada com problemas graves de saúde, a primeira vez com pneumonia e a segunda com problema de coração. Mas sempre tive apoio de pessoas amigas que me incentivavam a ter fé e a confiar em Deus. Felizmente, ela melhorou, mas no ano de 2009 tivemos outra luta pela frente: meu marido adoeceu gravemente e começou uma batalha para tratar o tumor: quimioterapia, hospitalizações, ele veio a falecer em junho de 2010, muito sofrimento. Mas Deus nunca me abandonou e, através do apoio sempre presente do pastor e das pessoas da igreja, eu e minha família enfrentamos esta perda com coragem. Hoje eu sei que, apesar de tudo, Deus se importa comigo e o meu consolo vem Dele através das pessoas que Ele colocou no meu caminho. Posso dizer: eu sou feliz com Jesus! Ele faz parte da minha vida! Ana Lúcia Reis Mereles, 46 anos, dona de casa e diarista, Navegantes-Pelotas/RS

Mecatrônica e ingressei no mestrado. Recebemos a bênção matrimonial, fui discipulado, me tornei presbítero da Igreja e integro o Ministério de Louvor da mesma. Nesse período também passamos por várias lutas e tribulações, sendo a principal a questão do trabalho. “Perdi” grandes oportunidades de emprego por causa do meu testemunho de fé em Jesus Cristo. Mas Deus não me abandonou em nenhum momento. Hoje tenho um bom trabalho, um casamento feliz, paz interior e alegria em servir a Deus. Quero desafiar os leitores a nunca, em momento algum e por qualquer motivo que seja, negar nosso Senhor Jesus e os princípios da Sua Palavra. Não murmurar quando circunstâncias adversas vierem, mas orar, clamar ao Senhor e confiar nEle, pois o melhor Ele fará por ti. Homero Rogério Siglinski, 24 anos, Professor, Campo Grande/MS


13

Missão transcultural

Onde estão os perdidos? por Maicon Steuernagel, missionário, Oslo-Noruega A imagem que me vem tem o aspecto envelhecido de uma foto pendurada em algum gabinete empoeirado. Um mapa do mundo com alfinetes vermelhos espetados nos lugares onde ainda há povos “não alcançados”, talvez também com uma infinidade de pontos verdes espetados nas Américas, Europa e uma parte da África. Os verdes somos nós, os “achados”. Fico pensando nessa geografia espiritual polarizada que tão facilmente organiza nossa mentalidade missionária. O problema, obviamente, é que pintar o mapa de verde não resolve a realidade espiritual de um povo ou país, da mesma forma que brincar de boneca não faz da menina uma mãe. Pintá-lo de vermelho tampouco descreve honestamente essa mesma realidade. Andando por Grønland, o bairro eminentemente imigrante aqui de Oslo, impressiono-me com a abundância de mulheres usando hajib (véu islâmico). O reflexo quase imediato é cravar um alfinete vermelho no fenômeno da imigração na Noruega. Os dados indicam, no entanto, que a grande maioria dos imigrantes que aqui chegam vêm de contextos cristãos, e por aqui perambulam até, na melhor hipótese, aterrissarem em alguma igreja imigrante que fale sua língua e linguagem espiritual. Enquanto isso a maioria maciça das igrejas européias segue seu modelo de igreja moldada para um povo, o europeu, que cada vez menos se relaciona com o alfinete que historicamente lhe cravaram na identidade. Oro para que, na realidade do dia a dia nas nossas cidades (e as do Brasil estão longe de serem uma exceção), saibamos ignorar os alfinetes e sentar para conversar, quer o outro seja uma mulher de hajib ou um loiro de esquis. Sentar e conversar sobre caminhar com Cristo. Afinal, é de discipulado que se trata o caminho estreito, e é nele que a Igreja cresce saudavelmente, como já nos ensinou, e que aprendamos, a vermelha China.

Evangelho: Poder ativo ou inativo? por Daniel Medeiros, missionário, Canguçu-RS

Herbicidas de contato. Sejam eles pré emergentes ou não, podem salvar sua plantação! Os pré emergentes já vão atuar na semente protegendo sua planta desde a germinação. Ervas daninhas não terão vez. Os seletivos farão distinção sobre qual tipo de folha atuar, seja larga ou estreita. Os herbicidas de contato são poderosamente destrutivos quando pulverizados sobre plantações que precisam do seu poder ativo pra se manterem sadias quanto à infestação de ervas daninhas. Seu modo de agir quando as toca garantirá uma boa colheita. Mas é interessante perceber que seu poder só terá efeito sobre as plantas que tocar. Se a pulverização não alcançar o inço, ele certamente permanecerá lá... Bom, deixando a parte técnica e desconsiderando a ecologia, vamos fazer um paralelo com nossa maior missão a cumprir, sejamos o herbicida de contato; o Espírito Santo e sua capacidade de nos convencer do pecado e despertar em nós o amor genuíno pelo mestre, seja o poder ativo; a erva daninha seja o mundo ao nosso redor e a plantação sadia seja a Noiva de Cristo. Dei uma espiada no tipo de contato que tenho exercido, no poder que é liberado através da minha vida, no quanto o mundo é atingido por Jesus através de mim e que tipo de noiva Jesus encontrará. (Suspiros...) Percebi que cada vez mais grita a necessidade de irmos em direção às pessoas, manter contato com elas, conquistar sua confiança, construir relacionamentos. Foi com isso que Jesus gastou boa parte do seu

tempo, com pessoas. A cada encontro aquelas vidas eram atingidas pelo seu poder, seu toque. Aliás, quantos não crentes estiveram presentes no seu último aniversário? E pra quantos vizinhos seus você já deu carona ou comeram à sua mesa? E quantos dos seus amigos mais chegados já vieram a Cristo por serem contagiados pelo que Deus faz na sua vida? Relacionamento é a chave! Florescer onde estamos plantados, ainda que esteja cercado de erva daninha, façamos contato! Deixemos que resplandeça o amor de Cristo através de nossas atitudes, de nossa vida de fé sadia, do agir do Espírito e de relacionamentos consolidados no firme propósito de ganhar almas e resgatar o perdido. Sejamos um jardim regado pelo Senhor! “Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos, ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós…” Efésios 3.20


Edificação de Igreja

Giro pelas nossas frentes de missão Aparecida do Taboado-MS: Estamos com muita esperança com o projeto que vamos ter na cidade, no meio do ano. Oremos por ele. Arroio dos Ratos-RS: Em 2011 queremos investir em grupos caseiros e treinar uma equipe de liderança para podermos investir mais nas crianças e jovens, bem como incentivar os membros a alcançarem mais pessoas com o evangelho. O sustento financeiro da Comunidade ainda será um desafio a ser vencido com a ajuda de parceiros. Araripina-PE: Estamos trabalhando na edificação da comunidade através do discipulado e dos ministérios. Além disso, no fortalecimento do Projeto Social e do trabalho nos Sítios. Birigui-SP: A Comunidade tem crescido em comunhão através do ministério em células e novas pessoas tem sido alcançadas. Pela frente, temos o envio de nosso atual missionário para seu novo campo, e o desafio da escolha de um novo obreiro. Butiá-RS: Enviamos um participante para o Projeto Missionário em Teresina. Com certeza teremos frutos no retorno. Crato/Seminário-CE: A comunidade de Crato-Seminário vive um momento de crescimento.Temos investido fortemente em missão integral e discipulado. Dois grandes desafios para a igreja são: O autosustento e a ampliação do templo (ou um novo ponto de pregação). Quanto à Casa de Recuperação, o desafio é conseguir

que ela tenha sede própria e a sociedade Santa Fé do Sul-SP: A Comunidade de cratense abrace este trabalho. Santa Fé do Sul está construindo seu templo. Faltam R$ 10.000,00 para colocar Crato/Muriti-CE: Através do trabalho de portas e janelas. Estamos fazendo um pequenos grupos, esperamos crescer planejamento para 2011. em relacionamentos, em conhecimento e prática da Palavra, bem como, atrair São José do Rio Preto-SP: Temos novas pessoas. Temos ainda o desafio visto o Reino de Deus acontecer: do pagamento da casa do obreiro. transformação de famílias, libertação dos vícios e crescimento da comunidade José de Freitas-PI: Realizar o primeiro na multiplicação das células. culto no templo próprio, este é nosso sonho. Porém, necessitamos de Teresina-PI: A comunidade tem R$6.000,00 para portas, janelas e piso enfrentado muitos desafios, incluindo bruto. a construção do novo templo e a reorganização da igreja, para que Juazeiro-BA: Estamos dando ênfase aos possamos alcançar mais pessoas ministérios, com capacitação através e acolher bem aqueles que estão de aulas de música (louvor), ETD e começando a caminhada com Jesus. discipulado, tempo de amadurecimento e novos desafios: Crescimento numérico Três Lagoas-MS: Estamos vivendo um da igreja e compra de terreno bom momento depois de construir o templo e termos nos reestruturado em Juazeiro do Norte-CE: Nosso maior células. desafio é a construção do templo no Sítio Lagoa. A Igreja toda está Ucrânia: Depois de chegar nesta terra, engajada nessa empreitada. Faltam R$ aprender a lingua e a cultura são desafios 6.000,00 para terminarmos o telhado. a serem enfrentados. Laguna-SC: Novos obreiros, novos Noruega: É com o passar dos dias que sonhos. Queremos continuar a crescer e nossa percepção aumenta e começamos a entender as relações entre as coisas e a discipular os membros. as pessoas daqui. Ouricuri-PE: Estamos vivendo um momento muito bom como Igreja. Nosso maior desafio é a compra do local para o templo.” Você pode contribuir com a Missão Zero Petrolina-PE: Um de nossos desafios é depositando sua crescer em discipulado e compromisso doação no como igreja e com aqueles que ainda não Banco do Brasil ouviram do Salvador. Despertar a igreja Ag. 1518-0 missionária para a causa missionária. CC 5655-3


14

Serviço cristão

Vivendo voluntariado

por Susan A. Pfeiffer - Coordenadora do projeto - Florianópolis/SC

dica de leitura

A “oficina” surgiu a partir da idéia-sonho de um grupo de amigos da Comunidade Luterana da Trindade em Florianópolis, sentindo a necessidade de oportunizar a adolescentes de nossas famílias uma vivência com um trabalho voluntário, doando, por exemplo, um pouco do seu tempo, habilidades, criatividade e solidariedade, beneficiando crianças menos privilegiadas que elas. Surgiu assim um projeto que coleta brinquedos usados e os restaura para serem doados adiante como “semi-novos”. A oficina tem como principais objetivos: • exercitar-se na prática de valores cristãos a exemplo do amor ao próximo, partilhar e compartilhar, preservar, cultivar relacionamentos; • ensinar pré-adolescentes e adolescentes a desenvolverem atividades conjuntas, sistematizadas, com objetivos definidos, metas, trabalho criativo e com resultados práticos. Desde 2005 a “Oficina do Brinquedo” tem servido inclusive de apoio para vários trabalhos missionários, sociais e diaconais

conduzidos por várias igrejas e instituições em vários estados do Brasil. Todos os anos são doados no dia da criança, natal ou outros eventos várias centenas de brinquedos restaurados, embalados individualizadamente para meninas e meninos em faixas etárias definidas. Brinquedos de maior porte tem sido restaurados também para equiparem um “cantinho do brinquedo” ou brinquedotecas em creches, escolas e projetos infantís. Ano a ano o número de voluntários tem crescido, e temos como certo que muitas vezes a oficina tem sido também uma porta de entrada do adolescente para conhecer o Evangelho e estabelecer vínculos com a Comunidade. Atualmente além dos adolescentes (90%), adultos e voluntários da terceira idade também estão se engajando mais e mais. Nosso pensamento tem sido: “Deus tem se doado a nós e nos restaura. Nós, em retribuição ao seu amor, restauramos brinquedos e os doamos a outros”. Buscamos desta forma expressar de forma prática nossa gratidão e amor, ... e tem sido uma experiência muito valiosa! www.comunidadetrindade.org.br

No livro VIVENDO DIACONIA - edificando a igreja através do cuidado pessoal e social, o autor Alf B. Oftestad, pastor e Professor da Escola de Teologia e Ministério Diaconal em Oslo-Noruega, fornece subsídios suficientes para o serviço diaconal, muitas vezes negligenciado ou mal interpretado pela igreja, inclusive a brasileira. Nas palavras do autor, que por mais de trinta anos tem trabalhado com questões diaconais, tanto de forma teórica quanto prática: “A congregação, a exemplo do bom samaritano, tem que prestar ajuda, apoio e assistência a quem quer que deles necessite. De ninguém mais sobre a terra se espera apoio como o que é oferecido pela igreja, porque ela é uma comunhão santa, única no mundo... O futuro da igreja depende da concentração em sua qualidade especial, que é o serviço para Deus”. De fácil compreensão, o livro apresenta propostas e idéias sobre a formação de uma comunidade diaconal em pelo menos quatro temas principais:

Em primeiro lugar, VIVENDO DIACONIA esclarece o papel da igreja no processo de ajudar pessoas; as diferentes concepções de Diaconia e seu conceito teológico. Em segundo lugar, o livro procura visualizar o que “o ser humano é”. No lugar da obediência fiel ao Deus e Criador, o homem tornou-se pecador e preferiu (e ainda hoje prefere) tomar suas próprias decisões, o que altera consideravelmente o seu relacionamento com o próximo e com o próprio Deus. Em terceiro lugar, aborda a sociedade em que vivemos. De um lado o domínio do estresse, a corrida ao consumo e sucesso profissional. De outro lado, os doentes, idosos, incapacitados, crianças sem lar, alcoólicos, desempregados, enfim, todos os que não são considerados “produtivos” pela sociedade de consumo. E por último, o autor propõe alguns métodos de como, por exemplo, formar redes e grupos, e como promover o engajamento de voluntários.


Edificação da igreja

“Muito dinheiro no bolso, saúde pra dar e vender...” por Wilgor Caravanti, empresário, Curitiba-PR

“Adeus ano velho, feliz ano novo, que tudo se realize, no ano que vai nascer, muito dinheiro no bolso, saúde pra dar e vender” é o refrão mais cantado na virada de ano. Isso não é formidável? Imagine que, em 2011, terá muito dinheiro no bolso. Para quê? Para satisfazer seus desejos? Será esse o propósito de quem caminha com Cristo? Pela fé não deixamos de agir por ambição egoísta ou por vaidade? Não nos propomos a considerar os outros superiores a nós mesmos e servir-lhes (Fp 2.3)? Essa atitude não produz uma alegria abundante? Davi desenvolveu todo o projeto do templo do Senhor, mas seu filho Salomão pode construí-lo. Ainda assim Davi tinha paixão para iniciar o projeto e, no povo, alegria em financiar essa obra. Quando Davi perguntou quem estava disposto a ofertar ao Senhor, a resposta foi extraordinária. A Bíblia relata que o povo se alegrou e, de coração íntegro, fez ofertas voluntárias (1Cr 29.9). Consagrar nossos ganhos ao Senhor é um ato de fé. Expressa gratidão a Deus, pois tudo o que temos vem do Senhor (v.14). Assim ao contribuir generosamente respondemos à graça de Deus em nossas vidas. Abençoar a vida de outros é um privilégio de quem está em Cristo. Participamos na manutenção da igreja, contribuímos para o sustento de um missionário e ajudamos a necessitados para

que outros desfrutem do amor de Deus. Não é uma obrigação e, sim, expressão de amor a Deus e ao próximo. O Movimento Encontrão está voltado para as pessoas. O investimento que você faz nele colabora para que pessoas cheguem a Cristo, por meio das comunidades identificadas com a Missão Zero; ajuda pessoas a serem edificadas pelos livros da Encontro Publicações; ampara quem é chamado a dedicarse ao ministério da Palavra, estudando na FATEV. Sua oferta ajuda os jovens a crescerem na fé através do Ministério Jovem. Assim as ofertas permitem que continuemos

sendo um movimento a serviço da Palavra do Senhor, que discipula e edifica, vidas pelo Brasil afora. Por isso, repito a pergunta de Davi: Quem hoje está disposto a ofertar dádivas ao Senhor? Sim, convido você a abençoar muitos, por meio do ME. Desejo que em 2011 você realmente tenha saúde para dar e vender e muito dinheiro no bolso para ofertar espontaneamente e abençoar a vida de outros. Minha oração é que o Senhor conserve essa alegria de dar sempre no coração do seu povo, e mantenha o nosso coração leal a Ele (1 Cr 29.18).

Como posso contr

ibuir? Temos buscado alt ernativas para facil itar sua doação, estamos co locando à disposiçã o os seguintes recursos : > Transferência em nossa conta corren te, no Banco do Brasil e Bradesco; > Boletos do Banc o do Brasil pagáve is em qualquer banco – remessa via correio s; > Via depósito banc ário; Para mais inform ações, faça contat o conosco! Nossas contas banc árias são: Banco do Brasil Ag. 1622-5 / CC . 209878-4 Banco Bradesco Ag. 1342 / CC. 02 9868-9 Você também pode utilizar as contas bancárias destacadas nas pá ginas anteriores em cada departam ento.


Revista Movimento 2011  

Revista anual do Movimento Encontrão

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you