Page 283

O garoto de cabelos escuros olhou para ele; seus olhos faiscaram por um instante, a cabeça balançando ligeiramente. Mas ele não respondeu. "Ele parece meio fora de si", pensou Thomas. Pior do que antes. A mulher inclinou a cabeça como se estivesse orgulhosa dele. - Um dia, vocês todos serão gratos pelo que fizemos por vocês. Só posso prometer isso, e confiar que suas mentes aceitem isso. Ou então a coisa toda terá sido um erro. São tempos tenebrosos, Sr. Newton. Tempos tenebrosos. - Ela fez uma pausa. - Há, é claro, uma Variável final. - Deu um passo atrás. Thomas concentrou a atenção em Gally. O corpo todo do garoto tremia, seu rosto estava branco leitoso, todo úmido, os olhos vermelhos destacando-se como manchas de sangue sobre um pedaço de papel. Estava com os lábios apertados; a pele ao redor deles se retorcia, como se estivesse tentando falar mas não pudesse. - Gally? - Thomas chamou, tentando eliminar a raiva absoluta que sentia por ele. Palavras brotaram da boca de Gally. - Eles... podem me controlar... eu não... - Os seus olhos incharam, a mão foi para a garganta como se estivesse sufocando. - Eu... tenho... de... - Cada palavra era como um acesso de tosse. Então ele se calou, a face se acalmando, o corpo relaxando. Era exatamente como Alby na cama, na Clareira, depois de passar pela Transformação. O mesmo tipo de coisa tinha acontecido com ele. O que será... Mas Thomas não teve tempo de terminar o pensamento. Gally estendeu a mão atrás de si, puxou alguma coisa comprida e brilhante do bolso de trás. As luzes da câmara se refletiram na superfície prateada - um punhal com um aspecto ameaçador, fortemente seguro pelos dedos dele. Com uma rapidez inesperada, ele recuou um pouco e atirou a faca em Thomas. Quando fez isso, Thomas ouviu um grito à sua direita, sentiu um movimento. Na direção dele. A lâmina girava como as pás de um moinho de vento, Thomas vendo cada uma das suas voltas, como se o mundo tivesse ficado em câmera lenta. Como se isso acontecesse assim com o único propósito de permitir-lhe sentir o terror de ver o que acontecia. A faca se aproximava, girando sem parar, direto sobre ele. Um grito estrangulado estava se formando na sua garganta; ele se apressou a se mover mas não conseguia. Então, inexplicavelmente, Chuck apareceu, mergulhando na frente dele. Thomas sentiu como se os seus pés estivessem congelados em blocos de gelo; só podia observar a cena de horror desenrolando-se à sua frente, totalmente impotente. Com um baque violento e oco, o punhal chocou-se contra o peito de Chuck, enterrando-se até o cabo. O garoto gritou, caiu no chão, o corpo já em convulsões. O sangue jorrava do ferimento, vermelho-escuro. Suas pernas se debateram contra o chão, os pés chutando sem

Maze Runner Correr ou Morrer - James Dashner  

Thomas acorda para uma realidade “insana” (insana para mim pelo menos, para ele nem tanto), ele está rodeado por meninos mais ou menos da id...

Maze Runner Correr ou Morrer - James Dashner  

Thomas acorda para uma realidade “insana” (insana para mim pelo menos, para ele nem tanto), ele está rodeado por meninos mais ou menos da id...

Advertisement