Issuu on Google+


LiVro PrĂŠmio mobis

entidades PortUgUesas


Para a Ângela, Francisco e Inês.


mensagem 4

Nos inais da década de 80 comecei (já vão uns largos anos que, inclusivamente, atravessaram o século) a ter contacto com este Sector. Nessa altura trabalhava com a Aquinos, S.A. na área da comunicação e contactei directamente com o Carlos Aquino, cuja honorabilidade e prestígio falam por si, não sendo por isso necessário qualquer outro comentário. Em 1996, lancei o Jornal Mobiliário em Notícia, porque constatei que faltava um importante elo de comunicação entre a indústria e o comércio. Sempre no sentido de engrandecer a alma e de dar novos mundos a um Sector tão importante para a economia nacional, desenvolvi em 1998 o Maior Sofá do Mundo, levando com essa iniciativa a comunicação social a ‘sentar-se’ junto da indústria nacional. Televisão, rádios e jornais nacionais renderam-se a este evento, dando-lhe uma nova projecção que, inclusive, ultrapassou as fronteiras nacionais. O Sofá, recordo com orgulho, foi visto por mais de 19 mil pessoas que visitaram o stand da Aquinos na Export Home, onde foi apresentado, antes de iniciar uma série de presenças em várias cidades do país. No ano seguinte, capitalizando a experiência adquirida, surge o Maior Quarto do Mundo, que teve a cobertura não só da comunicação social nacional mas, com inegável relevo mediático, também da estrangeira. Desta forma o mobiliário português foi referenciado internacionalmente, sempre com um cunho de credibilidade e de modernidade, factores decisivos para o prestígio que pretendia solidiicar e alargar. No ano de 2000 deu-se início aos trabalhos preparatórios para o Prémio Mobis, realizando-se uma sondagem sobre as grandes empresas do Sector e, em 2001 decorre a 1.ª edição do Prémio Mobis, na Exponor, para promover as marcas e as melhores empresas do país, de várias áreas de actividade ligadas à indústria e ao comércio de Mobiliário. Depois do sucesso do primeiro ano, mau grado as normais vozes dos Velhos do Restelo, realiza-se em 2002 a Gala no Casino da Póvoa de Varzim, já com a presença de 350 participantes, entre os quais muitos compradores estrangeiros. A internacionalização do Prémio Mobis começou nesse ano, muito antes da realização em Madrid, em 2006, quando a indústria portuguesa fazia um esforço notável para conquistar o mercado espanhol. A iniciativa reforçou esse esforço ao comunicar de forma eiciente e credível a marca Portugal junto de segmentos importantes da sociedade. No âmbito dessa estratégia, foram convidados para o evento os clubes de golfe, hipismo, ténis e vela. Resultou em pleno. Todos esses protagonistas ajudaram, como reconhecem os empresários nacionais, a promover o móvel português, assinando com a sua presença o ‘certiicado’ de qualidade que era fundamental.


Nesta Gala, a própria escolha do apresentador – o mágico de méritos reconhecidos internacionalmente, Luís de Matos, que na altura tinha um programa no canal de televisão espanhola, RTE – foi determinante para o reforço da imagem do mobiliário nacional. Na realidade, privilegiando a minha experiência em comunicação, sempre houve um cuidado muito grande com os apresentadores, escolhendo sempre comunicadores de referência que, diga-se, nunca deixaram os seus créditos por ‘apresentações’ alheias. Depois, foi no Casino do Estoril, com mais de 600 participantes, merecendo uma menção – também ela de antecipação estratégica – muito especial à juventude, homenageada em 2007 como fundamental para a criação de pontes para o futuro. Entretanto, o Prémio Mobis regressa ao Porto, e após realização da Gala na Póvoa, passa a marcar presença no emblemático Salão Nobre do Edifício da Alfândega do Porto, onde comemora o seu X Aniversário, precisamente em 2010. Nesta edição, foi dado um destaque especial aos empresários e empresas que mais vezes foram premiadas ao longo dos 10 anos anteriores, facto demonstrativo não só da eternidade do Sector como do próprio Mobis. Por esta altura, já o Prémio Mobis tinha traçado um longo percurso, marcado pelo alargamento do âmbito do prémio a outros sectores que contribuem para o conforto da casa, pela importância que as marcas e o Design foi assumindo e, pelo lançamento da revista Mobiliário em Notícia, que começa a ser distribuída em 2008 com o jornal Público e em 2011 passa a estar nas bancas. Não menos importante foi a Comissão de Honra, cuja composição foi sempre gratiicante e, reconheço, demonstrativa da credibilidade reconhecida ao evento como motor de um dos mais dinâmicos sectores da economia nacional. Não posso deixar de fazer uma referência especial ao Dr. Fernando Serrasqueiro, que marcou presença pela primeira vez na Gala realizada em Madrid, tendo sido posteriormente uma presença constante, prestando todo o seu apoio ao longo destes anos. Isto é o início do futuro!

Emídio Brandão, Director Geral do Prémio Mobis 5


6


Prefácio

09

Testemunhos

12

Entidades

30

Premiados 10 Anos

40

Galas Prémio Mobis

70

Agradecimentos

158

Índice


[...] Prémio Mobis, da autoria exclusiva do Mobiliário em Notícia, [...] convenceu todos os intérpretes maiores de um Sector económico rejuvenescido, que honra o país e dá garantias de um futuro promissor. Júlio Pinto da Costa

8


Poucos apostariam no sucesso do projecto, na sua mediatização ou na presença interessada e atenta de políticos; muito poucos acreditariam na sua internacionalização, na sua longevidade e na sua transformação em pólo aglutinador de iniciativas que prestigiam os Sectores do Mobiliário, da Iluminação e da Decoração. Mas o Prémio Mobis, da autoria exclusiva do Mobiliário em Notícia, venceu todas estas etapas e convenceu todos os intérpretes maiores de um sector económico rejuvenescido, que honra o país e dá garantias de um futuro promissor. O projecto tem uma assinatura gravada de forma indelével – Emídio Brandão. É à sua criatividade, capacidade de trabalho e tenacidade, que se deve a realização do evento e a ultrapassagem das inúmeras diiculdades que se ergueram, ou porque as circunstâncias assim o determinaram, ou porque outros, ciosos das suas prerrogativas e invejosos de sucessos alheios, assim o quiseram. As Galas do Prémio Mobis reúnem centenas de proissionais dos sectores já mencionados. A sua realização cabe a uma equipa pequena, mas eiciente; um grupo moldado à imagem do seu líder, que faz inveja à tradicional burocracia dos projectos no nosso país.

Prefácio

Um Novo Paradigma

Foi em Madrid, no ano de 2006, que a Gala teve, pela primeira vez, a honra da presença de um membro do Governo da República – o Dr. Fernando Serrasqueiro, Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor. Foi mais um passo, e este muito signiicativo, no reconhecimento do Prémio Mobis e dos eventos, enquanto factores de união das empresas do Sector, de dinamização dos negócios e de projecção do mobiliário português no estrangeiro. Sinergias que o Mobiliário em Notícia soube sempre direcionar no sentido correcto e que têm merecido os mais rasgados elogios de todos os quadrantes. Mas o verdadeiro segredo desta iniciativa, ou melhor, da sua aceitação e longevidade, tem sido a opção clara pela primazia atribuída aos empresários. São estes o centro das realizações, em torno do qual tudo gira. Este livro é também uma justa homenagem ao seu labor, ao seu empreendedorismo – o culminar de 10 anos vividos com intensidade, com a irme determinação de destruir os fantasmas do passado e reerguer o Sector em torno de projectos e actores que unem em vez de dividir e que apoiam ao invés de obstaculizar. Os eventos de entrega dos prémios são a sua montra maior. Madrid, em 2006, foi inesquecível, porque marcou deinitivamente a internacionalização das distinções. O Casino do Estoril, em 2007, bateu o recorde de presenças – cerca de 600 pessoas. A Alfândega do Porto, em 2010, foi a consagração da iniciativa e a memória de 10 anos de lutas e cansaços, em torno de um projecto de união de vontades, saberes e objectivos comuns, dinamizado pelo Mobiliário em Notícia, que venceu onde outros falharam, que marcou a diferença por ser caso único e, por isso, determinou um novo paradigma. 9


Prémio Mobis

O Prémio Mobis foi criado pelo Mobiliário em Notícia com o objectivo de celebrar a qualidade e a excelência do mobiliário fabricado em Portugal. A iniciativa de atribuir prémios às melhores marcas contou desde logo com o apoio de entidades como o ICEP, a Direcção-Geral da Indústria e das mais importantes associações sectoriais, com destaque para a APCM, com quem imediatamente se estabeleceu uma excelente relação de parceria. O evento, que rapidamente conquistou grande notoriedade no Sector, reúne a excelência dos empresários portugueses e estrangeiros ligados ao mobiliário. A Gala de entrega de Prémios Mobis é vista como a única circunstância em que se encontram os principais agentes do ramo, de montante a jusante. A I Gala Prémio Mobis teve lugar em Março de 2001, na Exponor, no Porto, com a presença de mais de duas centenas de empresários. O sucesso dessa primeira edição obrigou à mudança de cenário para as edições seguintes, com a Gala ser transferida para o Casino da Póvoa de Varzim. Em pouco tempo, o Prémio tornou-se apetecido pelas empresas e foi responsável pela mudança de comportamentos por parte das empresas: a procura pela qualidade de fabrico, pelo design, pela assistência, passam a ser preocupações maiores, o que fez com que a indústria portuguesa ganhasse competitividade face aos seus concorrentes europeus. A própria Presidência da República Portuguesa associou-se ao Prémio Mobis. Os Presidentes Jorge Sampaio, primeiro, e Aníbal Cavaco Silva, depois, presidiram à Comissão de Honra da Gala. Por outro lado, o carácter cada vez mais internacional dos participantes levou a procurar um palco mais central geograicamente. Em 2006, o Prémio Mobis internacionaliza-se deinitivamente e a Gala desse ano tem lugar em Madrid. 10

No ano seguinte, a Gala reúne mais de 500 empresários no Casino Estoril, numa cerimónia com o duplo atractivo de constituir uma homenagem às marcas que se destacam de uma forma continuada no âmbito da decoração de interiores – a essas foi entregue o Prémio Mobis Gold – e, simultaneamente, de sublinhar uma nova geração de empresários que são o futuro do Sector. Em 2008, o Prémio Mobis torna-se ainda mais abrangente e passa a distinguir também insígnias provenientes de outras áreas de actividades relacionadas com o conforto da casa. Já em 2012, foram particularmente destacadas, num acto solene que teve por palco a Embaixada de Portugal em Paris, empresas estrangeiras pelo facto de preferirem artigo fabricado em Portugal. Ao longo dos anos, o Prémio Mobis cresceu e implantou-se como Marca de referência. Mantem-se porém inalterado o seu objectivo primeiro: celebrar a qualidade e a excelência da indústria e do comércio português, dando-lhes maior notoriedade e prestígio.


M de Mobis Este objecto tenta representar um M da palavra Mobis, num material pesado, duro e difícil de trabalhar. Depois de cortado, recortado e dobrado, o metal adquire uma forma, um sentido, um uso disponível aos outros. Por analogia, também foi esse o trabalho das pessoas que o vão receber. Parabéns!!!

Eduardo Souto de Moura, Alvor, 15-08-2010

11


testemUnHos


13


Fernando Serrasqueiro

Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor *

Ter tido o privilégio de ter sido membro do Governo de Portugal numa área económica durante 6 anos permitiu-me ter um olhar mais largo sobre o país e também sobre os diferentes sectores da actividade económica. Esse tempo propiciou-me a proximidade com os proissionais das várias ileiras e melhor conhecimento da evolução diferenciada de cada sector. Impressionou-me, sobremaneira, a forma rápida como o sector ligado ao mobiliário e decoração se ia adaptando aos novos desaios, à concorrência, às exigências da qualidade, da inovação, do design, às novas tecnologias e do alargamento de mercados. Naturalmente muitos factores contribuíram para que fosse um Sector dinâmico, saltasse etapas e se posicionasse ao melhor nível europeu. A qualidade dos empresários e trabalhadores, a nossa tradição nesta área e a disposição do Sector para se renovar foram decisivos para essa caminhada. Mas não posso esquecer que os aspectos comunicacionais, associativos e de projecção para o futuro muito ajudaram.

Os Prémios são um reconhecimento do trabalho realizado, estimúlo à melhoria e descoberta de talentos. Em suma uma valorização e qualiicação das empresas e daqueles que ajudam a criar valor.

Realço a Revista Mobiliário em Noticia órgão do ramo que dá nota do que se faz e do envolvimento dos operadores. Esta Revista relecte e acompanha a evolução do Sector e é hoje um produto gráico de alta qualidade. Mas a Revista não é só um meio de promoção é também, e este aspecto quero valorizar, um promotor de entendimentos e congregação de esforços. Do que me fui apercebendo um Sector tão vasto e diversiicado com muitos actores e diferentes tipos de produtos não é fácil estarem todos de acordo. No entanto a Revista tem tido o condão de juntar, agregar e apaziguar. Os Prémios Mobis e a sua Gala são um resultado profícuo do trabalho persistente da Revista. A minha primeira presença foi em 2005 em Madrid aproveitando um evento que aí decorria. Logo este facto me impressionou porque revelava ousadia e era já uma orientação estratégica virada para o mercado global. Fui acompanhando, creio, todas as Galas posteriores e sou testemunha da boa organização e da evolução de formatos para juntar também mostras de produtos, a par de troca de informações. Os Prémios são um reconhecimento do trabalho realizado, estímulo à melhoria e descoberta de talentos. Em suma uma valorização e qualiicação das empresas e daqueles que ajudam a criar valor. Iniciei-me na Mobis de Madrid e na última falava-se numa próxima em Paris. Revela coragem numa conjuntura difícil mas cuja solução tem de ser o mercado externo. Se a Mobis é um marco para os proissionais da área seria injusto não destacar o homem da Mobis. Proissional impar da comunicação, devotado ao Sector, mobilizador que associa a sua modéstia à capacidade organizativa. Falo do Emídio Brandão presidente do Cluster e que dá vida à Gala que mostra o que melhor se faz nesta área já reconhecida no estrangeiro e com peso na economia nacional. Faço votos para que os próximos Prémios valorizem o incremento da qualidade, a inovação e relictam a dinâmica duma das principais ileiras do nosso país. Que a Mobis ponha o Sector a falar de si para o Mundo. 14

* cargo exercido na altura


15


Pedro Reis

Presidente da AICEP Portugal Global

O grande desaio que a generalidade das empresas portuguesas, nos mais diversos sectores, enfrenta actualmente é o de competir no mercado global. As empresas que actuam no importante Sector do Mobiliário incluem-se neste parâmetro. Este é um Sector que exporta mais de metade da produção e possui um peso de 2,5 por cento nas nossas exportações, posicionando-se Portugal como o 26.º fornecedor mundial. Nos últimos 5 anos o mobiliário enfrentou os constrangimentos sentidos pela generalidade dos sectores. Há que saber, pois, continuar a apostar nas exportações e na internacionalização das nossas empresas como forma de contornar as limitações existentes no mercado interno. Este Sector, na economia global, depara-se directamente com situações de elevado grau concorrencial: se, por um lado, a internacionalização coloca estas empresas num frente-a-frente directo com empresas de países menos desenvolvidos, onde o custo da mão-de-obra é expressivamente inferior, por outro, em países mais desenvolvidos, as empresas do sector enfrentam maiores níveis de produtividade e infraestruturas de suporte ao negócio bem superiores às que se encontram em Portugal. Esta realidade obriga a um grande foco estratégico por parte das empresas e a uma preparação exaustiva em relação aos mercados em que se pretende entrar. Adicionalmente, o research das empresas deve também orientar-se para as oportunidades potenciais que os nichos de mercado oferecem: desde o mobiliário urbano, passando pela hotelaria, de escritório e habitação, entre outros, as empresas têm que encarar o processo de exportação e de internacionalização, no actual contexto, com um nível adicional de exigência e proissionalismo. Ainda assim, é minha convicção, que o Sector do Mobiliário nacional tem provado como é possível fazer tanto apesar dos constrangimentos conjunturais. A AICEP acompanha este Sector de forma próxima e sente que a margem de progressão internacional é expressiva, assim exista vontade de desbravar novos mercados e arriscar além-fronteiras. No esforço de diversiicação de mercados que as empresas têm que fazer – procurando entrar em novos destinos para as nossas exportações, uma vez que o nosso principal mercado, o Europeu, se encontra também ele sob medidas de austeridade e em clima de retracção – podem contar com o apoio inequívoco da AICEP, que está, e estará, onde as empresas portuguesas estiverem. Estou convicto de que com a perseverança que o caracteriza e com o esforço de superação que já está a fazer, este Sector, que se tem destacado pela qualidade dos produtos, inovação na gestão e excelência no design, conseguirá airmar-se ainda com mais sucesso nos mercados internacionais. 16

[...] este Sector, que se tem destacado pela qualidade dos produtos, inovação na gestão e excelência no design, conseguirá airmar-se ainda com mais sucesso nos mercados internacionais.


Arlindo Cunha

Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte *

Em 2004 participei, no Casino da Póvoa, numa cerimónia de entrega dos Prémios Mobis, organizada pela Revista Mobiliário em Notícia. Desse acto deixo duas notas de testemunho que muito me sensibilizaram. A primeira foi o facto de o premiado ter sido um empresário da minha terra – Carlos Aquino –, a quem foi entregue o Prémio Empresário do Ano-Indústria. Não iquei sensibilizado apenas por ter tido a honra de entregar um prémio a um conterrâneo de mérito, apesar de isso já ser em si motivo de orgulho. Foi também, e muito especialmente, pela história de sucesso do Grupo Empresarial Aquinos. Um Grupo que se fez a pulso do trabalho da Família Aquino, sempre caracterizado pela modéstia, proissionalismo e qualidade. Um Grupo que permanece geneticamente familiar, tal como nasceu. Um Grupo empresarial que é hoje um exemplo de internacionalização e de demonstração de que Portugal pode continuar a ser competitivo, mesmo nos sectores tradicionais que tantos falsos sábios têm desvalorizado. E também exemplo de como tais sectores continuam a ser um factor determinante de criação de emprego e de riqueza nos nossos territórios. A segunda nota de testemunho refere-se ao proissionalismo e capacidade organizativa que observei por parte dos promotores do evento, do profundo conhecimento que tinham e têm do Sector e de como constituíam um elemento mobilizador do seu tecido empresarial. Está hoje em dia na moda dizer mal do nosso país e dos seus dirigentes. Infelizmente, não faltam razões para isso. Porém, essa é apenas uma parte da questão. A outra, quiçá bem mais relevante, tem a ver connosco, designadamente como estamos em matéria de cultura de valores fundamentais que marcam o destino das nações: modéstia, espírito de trabalho e de sacrifício, capacidade de poupança, grandeza de espírito para sermos os primeiros críticos de nós próprios e os primeiros a aplaudir o sucesso dos outros. Creio não estar muito equivocado, pela percepção que tenho da realidade em que vivo, que temos andado para trás nestes valores e que a situação económico-inanceira em que nos encontramos não é alheia a tal (in)volução. A Gala Mobis é, além de tudo o mais, um bom exemplo dessa cultura de saber reconhecer e premiar o mérito. Parabéns também por isso. * cargo exercido na altura

17


Pedro Oliveira Pinto

Presidente da Câmara Municipal de Paços de Ferreira

Ao assinalar os 10 anos do Prémio Mobis, importa, em primeiro lugar, cumprimentar os seus organizadores pela forma persistente e empenhada como procuram distinguir, ano após ano, as pessoas e entidades que mais se destacam no Sector do Mobiliário. Este décimo aniversário coincide com uma verdadeira encruzilhada na economia nacional e internacional, que não descobriu ainda como compatibilizar a defesa do Euro, a redução das dívidas públicas e o necessário crescimento económico gerador de riqueza e emprego. Vivemos momentos de incerteza e de preocupação que atingem também o Sector do Mobiliário. Mas é nestes momentos de incerteza que podem e devem surgir as transformações que garantam uma nova ambição de competitividade e internacionalização ao mobiliário. Os problemas estão identiicados há muito e as soluções estão perfeitamente deinidas. No entanto, tem faltado sintonia entre os diversos actores envolvidos e pouco evoluímos no que diz respeito à implementação de uma verdadeira estratégia sectorial. O Cluster do Mobiliário, tão ansiado e reivindicado, tarda em apresentar resultados concretos e efectivos. Não tem sido possível atingir consensos que permitam que o Cluster se estabeleça como uma verdadeira liderança institucional e técnica, capaz de prestar aos empresários o apoio que eles tanto precisam, especialmente neste momento de maior diiculdade. Este é um momento decisivo para o Sector. As empresas não podem icar sozinhas a lutar contra as adversidades. É tempo de se ultrapassarem as pequenas coisas e de se olhar para o mais importante: a competitividade do mobiliário português. Neste 10.º aniversário do Prémio Mobis, não quero deixar de expressar o meu desejo de que o Sector continue a justiicar, ano após ano, o reconhecimento que estes prémios lhe atribuem. E que a organização continue a empenhar-se de forma tão positiva na celebração do mobiliário português. 18


Francisco Ivo de Lima Portela

Presidente da Câmara Municipal de Tábua

Bem-haja o Prémio Mobis e todos aqueles, com destaque evidente para os empreendedores, que izeram do Mobiliário um dos sectores mais dinâmicos da Economia portuguesa.

É com muito agrado que respondo ao convite para escrever uma saudação para o livro comemorativo de 10 Anos de Prémio Mobis, cuja realização acompanho desde sempre, com o grato prazer de ver as empresas e um empresário de Tábua distinguidos entre os melhores de um sector de actividade tão importante para a economia do País. A satisfação advém também do facto de ter podido testemunhar ao longo dos anos e mais recentemente o crescimento dessas empresas – o Grupo Aquinos – que se tornou numa das maiores referências mundiais no fabrico de sofás e de colchões. Com este crescimento, TÁBUA já é o quarto maior concelho exportador do Distrito de Coimbra. Distinguir os melhores é simultaneamente atribuir prémios, mas também lançar desaios. Um deles é a Qualidade, muito valorizada pelo Prémio Mobis, e que as empresas portuguesas têm de assumir para se tornarem competitivas e conquistar mercados internacionais. O aumento da competitividade das empresas é um dos desígnios do Prémio, que tem o mérito de ter alterado mentalidades e promoveu a Qualidade, a Inovação, o Design. Bem-haja o Prémio Mobis e todos aqueles, com destaque evidente para os empreendedores, que izeram do Mobiliário um dos sectores mais dinâmicos da Economia portuguesa. 19


Celso Ferreira

Presidente da Câmara Municipal de Paredes

Como presidente de um Município que tem na indústria do mobiliário o seu principal sector de actividade, que concentra no seu território mais de metade das empresas nacionais da ileira do mobiliário e da madeira, é com natural satisfação que me associo à celebração dos 10 anos do Prémio Mobis. Desde a sua instituição em 1999, o Prémio Mobis tem tido o mérito de celebrar anualmente a excelência do mobiliário português, distinguindo a qualidade, a inovação e a criatividade de um dos sectores industriais mais importantes do país e com um peso cada vez mais relevante nas exportações portuguesas. Mas, num mercado cada vez mais global e concorrencial, agravado por uma conjuntura de retracção, há ainda muitos desaios a vencer e um longo caminho a percorrer, nomeadamente ao nível da inovação. Em Paredes, começámos já a trilhar esse caminho, através de um modelo económico que cruza as indústrias tradicionais com as indústrias e actividades criativas, colocando o design como principal factor de competitividade do tecido industrial local. Para o efeito, investimos num projecto estruturante, denominado de Pólo de Design de Mobiliário capaz de promover equipamentos e actividades em forte relação com a economia criativa, onde se destaca o Art on Chairs (grande evento internacional) com actividades que inserem designers na indústria local (More Design More Industry) e envolvem essas indústrias na prototipagem de peças de design únicas, como é o caso do Duets e do International Design Competition, até à criação de equipamentos que estimulam e alavancam o empreendedorismo criativo, através da Incubadora para o Design de Mobiliário e a Fábrica de Design, sempre em forte ligação com a indústria local. 20


Francisco Moita Flores

Presidente da Câmara Municipal de Santarém

É com grande orgulho que felicito a Revista Mobiliário em Notícia, pela comemoração da 10.ª edição do Prémio Mobis. A organização e realização de iniciativas tão nobres, como a de distinguir empresas, marcas, empresários e instituições, a nível Nacional, pelo seu contributo no desenvolvimento da economia portuguesa, em áreas como o Sector do Mobiliário,

da decoração e da casa em Portugal, que se distinguem pelas áreas em que operam e pelo apoio que dão ao desenvolvimento destas indústrias, são um orgulho para Santarém. Numa altura em que os mercados estão cada vez mais saturados e em que a sociedade atravessa uma crise sem igual, Santarém não baixa os braços e aposta no apoio aos agentes económicos do Concelho, prestando-lhes toda a colaboração que assegure a sua implementação e sucesso, promovendo a atractividade do Concelho e apoiando o processo de desenvolvimento sustentável do Município. O desenvolvimento local só é possível com o incremento de acções necessárias de apoio e acompanhamento a novas iniciativas e programas comunitários que criem dinâmicas sociais e de desenvolvimento, a par da criação de investimentos, fundamentais ao progresso do nosso concelho. O Município de Santarém aposta na criação de incentivos, absolutamente necessários à implementação de empresas que, através do empreendedorismo, se destacam e alcançam patamares de excelência, pela qualidade dos seus produtos, visível no modo de produção, colocando-se em patamares de competitividade pouco comuns, e cada vez mais determinantes para alcançarem bons resultados, nos dias de hoje. A Câmara de Santarém não baixa os braços quando a palavra de ordem é criar condições à ixação de empresas que apostem no capital humano e na criação de produtos que as tornam únicas entre os seus pares, pela qualidade dos seus produtos e dos seus serviços. Santarém orgulha-se da ixação, no seu concelho de empresas como a JJ Louro, que sobressai e lidera o mercado português no fabrico de mobiliário, sofás e colchões. Mentes empreendedoras buscam oportunidades e são agentes de motivação, ao mesmo tempo que criam nichos de mercado absolutamente fundamentais à sua rápida implantação. 21


Pedro Guimarães Decorador

Quarenta anos a idealizar e realizar sonhos para terceiros é um trabalho muito mais árduo do que se possa imaginar, mas plenamente gratiicante quando o objectivo é atingido.

Quarenta anos a idealizar e realizar sonhos para terceiros é um trabalho muito mais árduo do que se possa imaginar, mas plenamente gratiicante quando o objectivo é atingido. Quarenta anos em que os media nunca deixaram de me acariciar o ego reconhecendo o meu trabalho através de artigos publicados não só em revistas da especialidade como em jornais mais generalistas, sem esquecer a atenção dispensadas pelas três cadeias de televisão existentes que, sempre atentas, me deram preciosa projecção nacional. Se tudo isto foi importante para esta minha já longa carreira, mais ainda foi o apreço dos inumeráveis clientes que através de gerações me entregaram e entregam todos os dias as suas casas coniantes na minha imaginação, consenso e proissionalismo esperando sempre que os surpreenda positivamente. Receber ao im de tantos anos o Prémio Mobis de carreira foi sem dúvida um enorme incentivo para continuar, e não esquecer que atrás de ‘um grande decorador’ há sempre uma equipa de proissionais dedicados, cada um com a sua especialidade, que incansavelmente ao longo dos anos me tem ielmente acompanhado e ajudado a concretizar na perfeição – Os Sonhos Habitáveis. 22


Nini Andrade Silva

Designer de Interiores

Os Prémios Mobis são um dos eventos de excelência realizados em Portugal dedicados ao Sector do Mobiliário e da Decoração. Este galardão distingue os melhores proissionais da área, detectando casos de sucesso, empreendedorismo e dinamismo económico. Conferindo proissionalismo ao Sector, iniciativas como os Prémios Mobis distinguem pessoas, mas sobretudo ajudam a promover os factores de competitividade das suas empresas. Nos últimos anos, julgo serem de assinalar as grandes transformações que têm vindo a ocorrer no Sector do Mobiliário no nosso país. Com uma grande representação na economia nacional, o mobiliário traduz uma das principais receitas económicas e uma das maiores fatias da exportação económica portuguesa. A sua evolução e aposta ganha em produtos diferenciadores e de grande qualidade, nos quais o design surge como pedra de toque, marcam a economia e uma gestão estratégica criadora de valor! Incentivar a criatividade e estimular o espírito empreendedor nas pessoas e das organizações é a chave para o dinamismo das economias. Os Prémios Mobis cumprem na exacta medida com esta missão! Em 2010, na sua X Edição, tive a honra de ser distinguida com este galardão, facto que muito me honrou dada a sua importância e inluência crescente ao longo dos seus já dez anos de existência. A Comissão de Honra que encabeça os Prémios Mobis comprova a sua importância ao nível do Sector empresarial, uma vez que é constituída por personalidades do mundo dos negócios, da economia e da mais alta esfera nacional. A X Gala da cerimónia de entrega dos Prémios Mobis decorreu num ambiente descontraído, elegante e foi o culminar de uma iniciativa que, de ano para ano, se vem impondo e destacando o que de melhor se faz em Portugal. Os Prémios Mobis são o reconhecimento não só de um ano de trabalho, mas sobretudo de uma carreira proissional. São o reconhecimento de projecto de vida que continuamente se reinventa e se supera a si próprio. O meu obrigada pessoal aos Prémios Móbis e à sua comissão organizadora pela distinção que me concederam recentemente, aproveitando para fazer votos de sucesso e que esta iniciativa se perpetue ao longo dos anos, continuando um caminho traçado há 10 anos atrás, assumindo-se actualmente como uma referência no sector do mobiliário, da decoração e da casa. 23


Antónia Pintado Decoradora

A procura incessante pela peça de mobiliário e pelo objecto decorativo resultam naquele ‘toque mágico’ que transforma, a cada momento, um espaço incaracterístico num ambiente de sonho para ‘aquela’ pessoa.

Sou consultora proissional de arquitectura de interiores há 25 anos. A minha formação académica em pintura, na Escola de Belas-Artes do Porto, permitiu-me desde cedo compreender melhor as artes e apurar o sentido estético, aspectos determinantes para quem desempenha a actividade. A procura incessante pela peça de mobiliário e pelo objecto decorativo resultam naquele ‘toque mágico’ que transforma, a cada momento, um espaço incaracterístico num ambiente de sonho para ‘aquela’ pessoa. Na verdade, decoro como se fosse para mim, mas não decoro para mim. A minha decoração é sempre para alguém que vai usufruir do espaço, pelo que tem de ir ao encontro desse alguém. Também frequentei o curso de pintura da Árvore-Cooperativa de Actividades Artísticas do Porto. Fiz escultura e cerâmica no ateliê Galeria Espaço, do mestre Fernando Gaspar. E ainda lecionei na Escola de Comércio do Porto e na Cenatex, na área de vitrinismo e exposição. Para muitos, no entanto, o meu nome é de imediato reconhecido enquanto pintora. Muitas vezes, integro a minha própria pintura nas execuções de decoração, o que constitui uma assinatura. A distinção em 2009 com o Prémio Mobis, na categoria de decoração de interiores, constituiu naturalmente um reconhecimento mas também um orgulho por pertencer a esta galeria nacional.

24


Graça Viterbo

Designer de Interiores

Inovamos, criando. Por isso merecemos este Prémio, criado pela Mobiliário em Notícia!

Em 2007, fui contactada pela Mobiliário em Notícia para receber o primeiro Prémio Mobis, recém-criado na categoria Decoração de Interiores – senti-me lisonjeada pelo convite e honrada pela distinção, que considerei merecida, pelo meu trabalho, e para o Sector. Como proissional, congratulei-me sobretudo de existir inalmente um Prémio destinado a distinguir Artes Decorativas, nas quais se insere a Decoração de Interiores. É uma Arte que contempla, e toca, a Todos. Em Casa, no Trabalho, ou em Lazer – Hotéis, Restaurantes e Lojas, na Cidade, no Campo ou na Praia – todos nos habituamos a viver em Ambientes tratados, cada um para o seu im, cada um com o seu Estilo. Lidamos hoje com Interiores personalizados ou taylor-made; verdadeiros cenários com Assinatura. A Decoração de Interiores é um Sector de proissionais que proporciona um estilo de vida, ou um Lifestyle, palavra tão actual que expressa uma maneira de viver muito própria. Cada época vai sendo marcada por uma moda, por um Estilo e por Tendências. E a Nós, Decoradores de Interiores, cabe-nos a tarefa de tornarmos realidade os sonhos de cada um… Interpretamos e executamos pedidos que parecem inexequíveis. Surpreendemos, transformando um espaço vazio num ambiente rico – em Qualidade e Conforto, mas também com magia, reciclando e transformando todos os elementos. Os Decoradores de Interiores escolhem e elegem peças de mobiliário ou decorativas, estofos e outros, fazendo girar todo o Sector. Muitas vezes, somos nós quem concebe e desenha Colecções para serviços de mesa, cutelaria, lençóis, tapetes, revestimentos de paredes e pavimentos como azulejos e mosaicos, louças sanitárias, torneiras, puxadores, iluminação, peças decorativas e, sobretudo, mobiliário para o interior e para o exterior. Inovamos, criando. Por isso merecemos este Prémio, criado pela Mobiliário em Notícia!

25


Orlando Castro Jornalista

O Mobiliário em Notícia e o Prémio Mobis, bem como muito do que de bom se tem feito nos últimos anos em prol do mobiliário português, são para mim sinónimo de Emídio Brandão. O Emídio Brandão faz o favor de ser meu amigo. É daqueles que, mesmo estando ausente, está sempre presente. Não é dos que estende a mão quando eu caio. É dos que tira as pedras do caminho antes de eu passar, nunca disso fazendo alarde. Os amigos que tenho contam-se pelos dedos de uma mão. E o Emídio (ou o Patrão, como o trato) está nessa mão. Homem de acção, tem obra feita em muitos sítios e ao longo de muitos anos. A sociedade portuguesa ainda não o reconheceu como ele merece e já mais do que justiicou. E, ao não o reconhecer como tal, só mostra que, ainal, ele está no caminho certo. Se o Emídio Brandão quisesse ser reconhecido não fazia, diria apenas que ia fazer. Mas ele, com força, galhardia e honestidade não promete – faz. Não reage, – age. O sucesso de todas os Prémios Mobis revela que o ‘Patrão’ sabe o que faz. Revela, igualmente, que há muita gente (de fraca qualidade, diga-se em abono da verdade) que tem medo de todas as iniciativas que têm a chancela do Emídio Brandão. A forma como a dita grande imprensa (no seu mais lato sentido) passa ao lado do essencial mostra que só está preocupada com o acessório, com a aparência. E essas não são as preocupações ou prioridades do Emídio Brandão. Ainda bem que o Sector do Mobiliário tem ao seu lado o Mobiliário em Notícia (outro dos ‘ilhos’ do Emídio Brandão) e não se deixa enganar por aqueles para quem a obra-prima do Mestre a prima do mestre de obras são a mesma coisa. O Mobiliário em Notícia – através do Prémio Mobis, mas não só – tem trabalhado no sentido de valorizar o produto português, chamando a atenção para uma mão-cheia de empresas que se distinguem pela excelência e pela qualidade dos seus produtos e serviços. Assim continua, sem ambiguidades, a privilegiar o que é nacional, se bem que nem sempre seja compreendido. Com um Sector a caminhar para uma luta sem regras, procura evitar que com uma política de dente por dente, olho por olho, acabem todos desdentados e cegos. E se, o que é verdade, é difícil lutar de igual para igual com os gigantes que trabalham ao preço da chuva, importa apostar nos guarda chuvas, mesmo quando e sobretudo o tempo é de sol. Por outras palavras, potenciar a qualidade e a conjugação de esforços de modo a ter uma válida economia de escala. Quando há dez anos o Mobiliário em Notícia lançou o Prémio Mobis, estava – como continua a estar – a fazer a sua parte. Será que todos os outros agentes estão a fazer a deles? Não espero uma resposta imediata, mas desejo que todos pensemos na pergunta e nas respostas para que, um dia destes, não estejamos a dizer que na altura em que estávamos quase a saber viver sem comer… morremos. 26


Júlio Montenegro Jornalista

Há uns bons 12 anos atrás (estávamos no arranque de um novo século, um novo milénio), tive o meu primeiro confronto com a realidade do Sector do Mobiliário. A história conta-se em poucas palavras. Tinha, na altura, um programa de rádio, na RDP-Antena 1, que dava voz aos mais diversos sectores de produção, através de debates radiodifundidos. A ideia das emissões era saber (e divulgar para públicos de milhões de ouvintes) a forma como cada sector de actividade se tinha preparado para enfrentar o novo milénio e os desaios de um mercado global, competitivo, feroz. Chegada a vez de se falar da Indústria do Mobiliário, pedi à produção de Programa para iniciar os contactos formais a im de ter, em estúdio, algumas personalidades representativas, com quem pudesse debater, numa emissão a transmitir em directo, a situação do Sector do Mobiliário e os desaios dos mercados. Cerca de duas semanas depois, retiramos da sequência das emissões o Sector do Mobiliário, dada a diiculdade em encontrar interlocutores que quisessem abordá-lo. Os contactados dispunham-se a falar de si, da sua empresa em particular... mas não sobre a actividade, em geral. Remetiam-nos para os representantes associativos. Adiamos a data da emissão e reizemos os contactos. Depressa concluímos que, também por aí, não seria fácil transmitir, na Rádio, um tal debate. O convite foi aceite pelos responsáveis associativos, mas quando insisti que queria ter alguns empresários presentes, enfrentamos sensibilidades, tendências... pruridos. Com a ideia de que o Sector vivia de costas voltadas para si mesmo, abandonei a ideia de realizar a emissão. Ponto inal. Algum tempo depois, num almoço entre pares, relatei estes factos, por incríveis. Foi quando um amigo de longa data, e de outras tantas batalhas jornalísticas, me deu a dica: se ainda queres fazer o debate, indico-te a pessoa que juntará essa gente toda. E eu disse que sim. Levou-me, então, à presença do jovem responsável pelo Jornal Mobiliário em Notícia: Emídio Brandão. Pouco mais de uma semana depois, transmitia-se na Antena 1 um debate sobre a situação do Sector do Mobiliário, os seus desaios, o futuro... e, à volta da mesa, estavam empresários, designers, criativos... gente que sabia do que falava, é verdade, mas sobretudo gente que, ali mesmo, foi confrontada com a extemporaneidade das suas idiossincrasias. Tempos depois, soube que aquele jovem que ali juntara tanta gente de tantos tiques e sensibilidades, era o mesmo que, todos os anos, os juntava também à volta de uma Gala e lhes distinguia a ousadia, a iniciativa, a criatividade... enim, o trabalho de muitos. Hoje, ao pedirem-me este pequeno depoimento, apetece-me dizer que, mais do que o Prémio, o Mobiliário encontrou no Mobis o destino que andava a evitar: desaiar-se todos os dias, criar, inovar, remar para o mesmo lado. Graças (também) ao “M em N” e ao seu responsável, Ámen. 27


Lúcia Gonçalves Jornalista

Sou jornalista da SIC há 18 anos. Uma experiência rica e dinâmica que me tem permitido, enquanto cidadã e proissional, o contacto com as mais diferentes realidades da nossa vida social, económica e cultural. Acabei por trabalhar e conhecer aquilo que muitos chamam de país real. Infelizmente, na maioria dos casos, não fazem a mínima ideia do que estão a falar. Um dia, um colega de trabalho pôs-me em contacto com Emídio Brandão. Um homem incansável e esforçado que há vários anos elaborava e fazia sair das rotativas um jornal inteiramente dedicado ao Sector do Mobiliário. O Jornal Mobiliário em Notícia. Queria desaiar-me a apresentar uma entrega de prémios às empresas que, naquele ano, mais se tinham distinguido no Sector. Foi dessa forma que se, por um lado, as minhas capacidades proissionais auxiliaram a promoção de um evento prestigiante para a nossa indústria, por outro, me foi dado conhecer e admirar a pessoa de Emídio Brandão. Foi com orgulho que, como muitos outros, testemunhei em 2001 esta aventura pioneira no Sector. O Prémio Mobis ainda não era Gala como viria a acontecer anos mais tarde, mas foi recebido em ambiente de grande expectativa e exigência. Estávamos numa época de transição na indústria. Para vencer num mundo ferozmente competitivo e de fronteiras praticamente esbatidas, era necessário ser muito mais do que um autodidacta empenhado. Proissionalizar, arriscar, investir, foram verbos que permitiram novas oportunidades. Da cerimónia e do convívio na Exponor, em 2001, esta iniciativa ganhou a roupagem de gala. Os Prémios Mobis, ao longo dos anos, têm permitido separar o essencial do acessório. Porque da vontade à capacidade vai uma grande distância, esta selecção natural privilegia aqueles que conseguem conciliar esses dois factores e concretizá-los, muitas vezes, em quadros muito difíceis. Os empresários, as empresas, as marcas, os criativos, o design, são elementos de um circuito que já não dispensa aquele dia que é inteiramente dedicado a eles, num momento de festa que estimula e enaltece o trabalho. Mas o mundo está novamente em grandes convulsões e mudanças que não se compaginam com atavismos. É na expressão de Modernidade que os desaios se superam. Por isso, e para quem vê de fora esta área de actividade, ica a ideia de que é ainda na iniciativa Mobis que devemos encontrar a chave para enfrentar outros futuros: Mobi(s)lização. 28


Francisco Samuel Brandão

Jornalista

Tive o previlégio de acompanhar o nascimento do prémio Mobis como consequência de um projecto mais profundo que passava pelo desenvolvimento dum palco de discussão da temática ‘Mobiliário’, que abarcava os segmentos industrial e comercial, alicerçado no crescimento de um orgão de comunicação social da mesma especialidade intitulado Mobiliário em Notícia. Nunca tive dúvidas de que ideia ía para a frente, até porque o negócio do mobiliário se tornava apetecível mas a carecer de estímulos que o catapultassem ainda mais longe, e, as pessoas envolvidas no projecto eram garantia de a que a sua concretização era de facto uma realidade tornando possível o objectivo de premiar um sem número de intervenientes, desde os fabricantes ao comércio passando por todo um leque de actores directa ou indirectamente ligados a esta vertente sectorial que anualmente se íam destacando pela qualidade dos seus produtos ou serviços. Testemunha desde a primeira hora, vi como a importância e signiicado da atribuição deste prémio foi arregimentando cada vez mais participantes tendo a sua importância atingido a expressão maior desde que começou a contar com a presença constante de individualidades em representação dos mais altos poderes da administração pública. Assim, ano após ano, o ‘Mobis’ foi granjeando cada vez mais prestígio em encontros que passaram as fronteiras numa perspectiva de alargamento dos horizontes de mercado, pelo que se passeou por algumas capitais europeias em manifestações que icam para a história do Sector como uma mais-valia das capacidades dos operadores deste importante segmento da economia nacional. Tudo aponta para que no futuro outras acções associadas a esta importante marca, a Mobis, estejam nos horizontes dos seus responsáveis como forma de perpetuar a dinâmica sectorial que, mesmo num momento de contracção da economia, continua a crescer fruto do esforço tenaz dos seus intervenientes. Aos organizadores uma palavra de estímulo para que não claudiquem perante adversidades que a cada virar da esquina encontram resultantes da permamente mutação de vontades e das agruras económicas e inanceiras que o nosso país nos oferece. 29


entidades


Jorge Brito

Presidente da Direcção da APIMA *

A Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Ains – APIMA – foi fundada em 1984 pela mão de um grupo de industriais com o objectivo de defender os interesses da indústria portuguesa de mobiliário. Após um período de airmação, a APIMA, sob a presidência de Jorge Brito (Prémio Homenagem e Carreira, em 2003), teve nos primeiros anos do século XXI um papel de enorme importância para o desenvolvimento do Sector, sobretudo pelo trabalho realizado no campo da Formação Proissional, com diversos cursos dirigidos a várias áreas de actividade ligadas à indústria do móvel, e no da Internacionalização, com a promoção de participações colectivas de fábricas portuguesas em exposições e feiras internacionais. A APIMA foi distinguida com um Prémio Special Partner em 2007.

A Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Ains – APIMA – foi fundada em 1984 pela mão de um grupo de industriais com o objectivo de defender os interesses da indústria portuguesa de mobiliário.

* cargo exercido na altura

32


José Alberto Pescada

Presidente da Direcção da APCM

A Associação Portuguesa de Comércio Mobiliário - APCM deu os primeiros passos em Março de 2000 e constituiu-se formalmente em 2002, por um grupo de lojistas com o objectivo de defender os interesses dos proissionais do comércio de mobiliário e promover uma estratégia concertada para todo o Sector. Defender e promover o comércio nacional e internacional são outros objectivos da Associação. A associação é presidida por José Alberto Pescada desde 2007, data a partir da qual ganha grande dinamismo e projecção, sobretudo graças à criação da Etiqueta de Qualidade, que atribui a lojas suas associadas merecedoras dessa distinção. A APCM desenvolve igualmente trabalho meritório no Cluster das Empresas do Mobiliário de Portugal, de que é associação fundadora. Paralelamente promove congressos e seminários públicos destinados a discutir assuntos de interesse para o Sector, ao mesmo tempo que se assume interlocutor privilegiado do Governo quando toca a deinir o futuro do Sector. Em 2009 a APCM foi distinguida com o Prémio Mobis, na categoria Special Partners.

[...] o objectivo de defender os interesses dos proissionais do comércio de mobiliário e promover uma estratégia concertada para todo o Sector.

33


Maria Fernanda Carmo Secretária Geral da AIMMP *

Com mais de 50 anos de história, a AIMMP assume-se como uma associação de ileira[...].

A AIMMP – Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário de Portugal, foi fundada em 1995 e resulta da fusão de três associações criadas após o 25 de Abril de 1974 e que eram herdeiras do Grémio Nacional dos Industriais de Serração de Madeiras, criado em 1957 e que, também ele, teve diversas designações. Muito mais recentemente, em 2010, passou a incorporar também a Associação dos Fabricantes de Colchões e a Associação de Industriais de Madeiras do Centro. Com mais de 50 anos de história, a AIMMP assume-se como uma associação de ileira, representando empresas de Serração de Madeira e Embalagem, de Painéis Derivados de Madeira, de Carpintaria e outros Produtos de Madeira, de Mobiliário e de Importação e Exportação de Madeiras. Representar legalmente as empresas, nomeadamente na celebração de convenções colectivas de trabalho, na defesa e na promoção da defesa dos direitos empresariais e nas acções de formação proissional é o seu objecto social.

* cargo exercido na altura

34


Elsa Leite

Presidente da Direcção da AEParedes *

A Associação Empresarial de Paredes assumiu a presente denominação em 2007, substituindo a Associação Comercial e Industrial do Concelho de Paredes, herdeira, desde 1974, do Grémio do Comércio do Concelho de Paredes. A designação actual apresenta-se de acordo com os objectivos delineados, que se pretende abrangente, contemplando não só o comércio e a indústria, mas também as empresas da área de serviços. Foi na primeira década deste século, com Elsa Leite como Presidente, que a AEParedes ganhou maior dinamismo, assumindo-se como o impulsionador da indústria e do comércio do concelho. Entre os serviços prestados pela associação destacam-se o Atendimento ao Empresário, o Apoio ao Desenvolvimento Empresarial, a Formação e a Comunicação e Sistemas de Informação, geridos por departamentos próprios. Destaque ainda para o Centro Novas Oportunidades, operacional desde 2001. Em 2007, a AEParedes foi distinguida com o Prémio Mobis na categoria Special Partners.

Foi na primeira década deste século, com Elsa Leite como Presidente, que a AEParedes ganhou maior dinamismo, assumindo-se como o impulsionador da indústria e do comércio do concelho. * cargo exercido na altura

35


José Ribeiro

Secretário Geral da AEPF

A Associação Empresarial de Paços de Ferreira nasceu em 1995, substituindo a então Associação Industrial do Concelho de Paços de Ferreira, que havia sido criada em 1988 e começou por organizar apenas a feira Capital do Móvel. Em 2001 a AEPF torna-se na primeira associação empresarial em Portugal a obter a certiicação na área da qualidade e, em 2008, vê ser-lhe atribuído o estatuto de Utilidade Pública. Sob a presidência de Pedro Vieira de Andrade, a associação desenvolve profusa actividade na área, entre outras, da Formação Proissional e inicia um processo de internacionalização da feira Capital do Móvel, com a organização do certame em vários pontos da Galiza. Em 2009 foi-lhe atribuído o Prémio Mobis na categoria Special Partners. Com outras instituições, integra o grupo de fundadores do Cluster do Mobiliário, corporizado na Associação para o Pólo de Excelência e Inovação das Empresas de Mobiliário de Portugal (APEIEMP).

36


Exponor

Feira Internacional do Porto

A Exponor dispõe da maior área para eventos em Portugal, administrando a organização de feiras num total de 100 mil metros quadrados de superfície coberta de exposição.

A Exponor dedica-se à realização de feiras internacionais, com uma experiência na organização de eventos que remonta a 1856. Pertence à Associação Empresarial de Portugal, fundada em 1849. É membro da UFI - The Global Association of the Exhibition Industry e, também, membro fundador da Associação Portuguesa de Feiras e Congressos. Foi o primeiro organizador português de feiras certiicado no âmbito da Qualidade pela APCER e é um dos poucos a nível internacional a ostentar este reconhecimento. Possui delegações em diferentes pontos do globo e realiza mais de 50 feiras anuais na Europa, África e América do Sul. A Exponor dispõe da maior área para eventos de Portugal, administrando a organização de feiras num total de 100 mil metros quadrados de superfície coberta de exposição, incluindo o Europarque, em Santa Maria da Feira. É a promotora da única feira proissional de mobiliário em Portugal, a ExportHome, a que foi atribuído o Prémio Mobis em cinco ocasiões como a melhor feira do Sector. Em 2007 recebeu mesmo o Prémio Mobis Gold.

37


Exposalão

Centro de Exposições da Batalha

Constituída em 1992, a Exposalão é o maior centro de exposições ibérico privado, dinamizando cerca de 20 certames anualmente. Alguns são, actualmente, autênticas marcas-referência para os sectores de actividade que promovem. O espaço está também vocacionado para acolher eventos como congressos, apresentações empresariais e de produto, desiles ou festas de cariz institucional. Implantada numa área total de 120 mil metros quadrados, a Exposalão inclui uma área de exposição coberta de 22 mil metros quadrados, uma zona de multiusos e um auditório. No campo do Mobiliário e da Decoração, foram várias, ao longo dos anos, as feiras organizadas pela Exposalão. Entre as mais importantes, destaca-se a Expocasa e a Expodecor, certames que se tornaram motores do desenvolvimento da indústria portuguesa do Sector, razão pela qual lhe foi atribuído um Prémio Mobis, em 2008.

Constituída em 1992, a Exposalão é o maior centro de exposições ibérico privado, dinamizando cerca de 20 certames anualmente.

38

Entre as mais importantes, destaca-se a Expocasa e a Expodecor, certames que se tornaram motores do desenvolvimento da indústria portuguesa do Sector [...].


FIL

Feira Internacional de Lisboa

As actividades da FIL vão desde a organização de feiras, passando pelo aluguer de espaço para iniciativas de terceiros, até toda uma gama de serviços complementares à actividade feiral. O Parque de Exposições da Feira Internacional de Lisboa acolhe anualmente cerca de 40 eventos.

Promover o intercâmbio de experiências e desenvolver a inovação e o design dos agentes económicos participantes dos salões é um dos objetivos assumidos pela FIL, [...].

Com periodicidade anual, bianual e bienal, as feiras estendem-se aos mais variados sectores de actividade económica. No Mobiliário e Decoração assume particular destaque a organização da Intercasa, um dos certames mais antigos em Portugal, que festejou em 2010 a sua 35.ª edição, assumindo-se como um factor de promoção e divulgação da indústria e do comércio portugueses. Promover o intercâmbio de experiências e desenvolver a inovação e o design dos agentes económicos participantes dos salões é um dos objectivos assumidos pela FIL, que pretende também ser, através das suas feiras, uma plataforma privilegiada para o progresso económico global. A Intercasa, que recebeu por três vezes o Prémio Mobis como melhor feira do Sector, é uma das feiras mais antigas organizadas pela FIL.

39


40

Premiados 10 anos


41


Aquinos

Fruto de fortes investimentos, a empresa atingiu uma posição estratégica e tecnológica de topo o que lhe valeu ser eleita como parceiro privilegiado de grandes grupos mundiais de distribuição.

A Aquinos foi fundada em Tábua, em 1985, e desde logo atingiu grande notoriedade no mercado nacional. Depois do sucesso em Portugal airmou-se em Espanha, onde se tornou o primeiro grupo português a abordar o mercado com a criação de uma empresa local de distribuição. no presente é claramente uma empresa exportadora, pois exporta cerca de 80 por centro da sua produção. Fruto de fortes investimentos, a empresa atingiu uma posição estratégica e tecnológica de topo o que lhe valeu ser eleita como parceiro privilegiado de grandes grupos mundiais de distribuição. Em resultado dessa parceria, construiu, também em Tábua, a maior fábrica de sofás da Península ibérica, (uma das maiores da Europa) e uma fábrica de colchões cujo equipamento é o mais soisticado do Mundo. A Aquinos foi galardoada com o Prémio Mobis de uma forma constante ao longo da última década, e recebeu o Prémio Mobis Gold em 2008. Também o seu Presidente do Conselho de Administração, Carlos Aquino, viu ser-lhe atribuído o Prémio Homenagem e Carreira em 2009.

42


Carlos Aquino

Presidente do Conselho de Administração

43


MoViFLoR

A marca, que goza de grande notoriedade junto do consumidor, apresenta-se como um parceiro da indústria portuguesa com quem mantém um relacionamento privilegiado e preferencial.

A primeira loja do grupo Movilor surgiu em 1972 no Largo da Graça, em Lisboa. Hoje são 30 os pontos de venda da marca, cuja política de expansão levou à total cobertura do território português (Continente, Açores e Madeira) a também à abertura de uma loja em Angola. A marca, que goza de grande notoriedade junto do consumidor, apresenta-se como um parceiro da indústria portuguesa com quem mantém um relacionamento privilegiado e preferencial. A Movilor especializou-se no fornecimento de uma vasta gama de produtos para o lar (mobiliário e artigos complementares) com uma excelente relação qualidade/preço, satisfazendo o desejo de melhor qualidade habitacional da população portuguesa. A marca foi variadas vezes distinguida com o Prémio Mobis na categoria Marca, mas também a sua fundadora, Catarina Remígio, e o seu administrador, Carlos Ribeiro foram premiados como reconhecimento pela sua actividade empresarial.

44


EugĂŠnia Dias Directora de Marketing

45


inTERFER

[...] uma posição invejável na importação e distribuição para Portugal das melhores marcas europeias de ferragens e acessórios para a indústria do mobiliário, carpintaria, construção civil e bricolagem.

Fundada em 1979, a interfer consolidou rapidamente uma posição invejável na importação e distribuição para Portugal das melhores marcas europeias de ferragens e acessórios para a indústria do mobiliário, carpintaria, construção civil e bricolagem. A marca, que lhe viu ser atribuído o prémio PME Prestígio em 1995, assim como o PME Excelência em 1998, 1999, 2000 e 2001, conta com uma estrutura sólida, constituída por um grupo de cerca de 76 trabalhadores e uma força de vendas de 18 técnicos especializados. Tem distribuição por todo o país a im de responder adequadamente às necessidades do mercado. o fundador da interfer, Francisco António Malcato, profundamente respeitado pelos seus conhecimentos técnicos, foi distinguido com o Prémio Homenagem e Carreira em 2006 pelo enorme contributo dado à indústria portuguesa de mobiliário, nomeadamente com a introdução de soluções inovadoras no domínio das ferragens que levaram a que o móvel português ganhasse competitividade internacional. A interfer foi também distinguida com o Prémio Mobis Gold, a maior distinção do sector.

46


Francisco Malcato

Administrador

47


AnARiC

[...] a Anaric cumpre um dos desígnios que traçou desde a sua fundação, em 1988: airmar-se pelo fabrico de sofás originais e de qualidade.

Com um Departamento de Design a trabalhar a tempo inteiro no estudo e concepção de novos produtos e na aplicação de novos materiais, a Anaric cumpre um dos desígnios que traçou desde a sua fundação, em 1988: airmar-se pelo fabrico de sofás originais e de qualidade. A empresa, liderada por seraim Almeida, airmou-se no mercado nacional e internacional, investindo no design e na inovação. sedeada em são Pedro da Cova, Gondomar, a empresa ocupa uma área de implantação de cerca de seis mil metros quadrados e emprega cerca de uma centena de trabalhadores. A participação nas principais feiras do sector tem aumentado o seu prestígio. nos últimos anos, a Anaric reforçou a aposta na internacionalização, ao exportar para países como Espanha, inglaterra, suíça, Grécia, noruega, Chipre, Arábia saudita, Egipto e, mais recentemente, Angola. Foi galardoada com o Prémio Mobis em seis ocasiões e distinguida entre as quinze melhores empresas do sector nos últimos dez anos.

48


seraim Almeida

Administrador

49


MARJos

A sua estrutura organizacional está preparada e vocacionada desde a venda de equipamentos individuais, à realização de Projectos Industriais Chave na mão, com abrangência nacional e internacional[...]. A Marjos, opera no mercado há 30 anos, tendo como objectivo principal a venda de equipamentos industriais e o fornecimento de serviços de assistência técnica, formação e spare parts , essencialmente para as indústrias da Madeira e Cortiça, em Portugal, Brasil e África. A sua estrutura organizacional está preparada e vocacionada desde a venda de equipamentos individuais, à realização de Projectos industriais Chave na mão, com abrangência nacional e internacional, com foco nas seguintes operações: • Elaboração, juntamente com o cliente, do Estudo Técnico da Fábrica (deinição de: mix de produtos a fabricar, luxos de produção (eliminação de estrangulamentos fabris), sistema de produção (em linha, por célula, lote unitário), tipologia e coniguração das máquinas, software (design e gestão de produção), layout fabril e do orgânico de pessoal); • Elaboração do projecto de candidatura a Programas de incentivos (inovação, iDT, Proder); • Montagem de todo o equipamento, formação aos técnicos e operadores do cliente. numa lógica de parceria estuda com os clientes sistemas de inanciamento adequados à dimensão do projecto e peril do cliente: «Financiamento à medida». Para efectuar estas funções a Marjos conta além de Recursos Humanos qualiicados, de uma carteira abrangente de marcas de equipamento, criada ao longo de 30 anos, sendo composta pelas mais prestigiadas marcas a actuar nos vários sectores. Actualmente a Marjos Techonology está a reforçar as vendas no Mercado Externo, alargando ainda a sua área de actuação às industrias do vidro, pedra, metal, alumínio e novos materiais (compósitos, acrílicos, corian).

50


Amaro Martins

Presidente do Conselho de Administração

51


J. J. LouRo PEREiRA

O seu fundador, Joaquim Louro Pereira, a quem foi atribuído uma Comenda de Mérito Industrial, foi igualmente distinguido em diversas ocasiões com o Prémio Mobis na categoria de Empresário Indústria e, em 2008, recebeu o Prémio Mobis Homenagem e Carreira.

Fundada por Joaquim Louro Pereira em 1980, a J.J. Louro Pereira é das maiores empresa portuguesas do sector. inicialmente dedicava-se apenas ao fabrico de móveis, mas rapidamente integrou outras empresas para abarcar outros produtos: colchões (Lusocolchão), produtos em ferro (Camag), mobiliário de escritório (Lusomaple Íris) e cadeiras, cascos de sofás e outros componentes (Moita Móveis), além de duas outras empresas que se dedicam à construção civil e a obras públicas. Todas estas empresas constituem o universo do Grupo Louro, que emprega actualmente mais de mil trabalhadores. o Grupo foi por diversas ocasiões galardoado com o Prémio Mobis, através da Lusocolchão, como Fabricante de Colchões, e da Lourini, como Marca. o seu fundador, Joaquim Louro Pereira, a quem foi atribuído uma Comenda de Mérito industrial, foi igualmente distinguido em diversas ocasiões com o Prémio Mobis na categoria de Empresário indústria e, em 2008, recebeu o Prémio Mobis Homenagem e Carreira.

52


Joaquim Louro Pereira

Presidente do Conselho de Administração

53


AMBiTAT

[...] destacou-se no fabrico de mobiliário de estilo clássico. Foi um dos primeiros casos de sucesso de marcas portuguesas em Espanha e França onde no decurso da década ganhou grande notoriedade e prestígio.

Fundada em 1964, a Ambitat tem sede em Paços de Ferreira e destacou-se no fabrico de mobiliário de estilo clássico. Foi um dos primeiros casos de sucesso de marcas portuguesas em Espanha e França onde no decurso da década ganhou grande notoriedade e prestígio. A vocação exportadora da marca acentuou-se com a participação em algumas das principais feiras internacionais em Espanha, França, Bélgica, inglaterra, Holanda e Rússia. Fruto da forma como os mercados se transformaram, a Ambitat atravessa actualmente um período de restruturação. A marca coleccionou várias distinções, tendo sido galardoada pelo Centro Português de Design com o PME Design. no seu historial tem ainda vários Prémio Mobis, sendo também detentora de um Prémio Mobis Gold.

54


Pedro Barros

Administrador

55


ALDECo

A marca goza de uma grande notoriedade e prestígio sustentados pelo seu dinamismo, diversidade e alta qualidade das suas colecções de tecidos.

Fundada em 1993 por Alberto Dias, a Aldeco desenvolveu-se rapidamente e é actualmente um nome de referência no mundo da decoração, com show-rooms no Porto, Lisboa, Vilamoura, Madrid e também em Paris. A marca goza de uma grande notoriedade e prestígio sustentados pelo seu dinamismo, diversidade e alta qualidade das suas colecções de tecidos, criadas por uma equipa liderada por susana Dias. Actualmente exporta as suas próprias colecções para 49 países, 27 dos quais estão fora da Europa, o que mostra o crescimento, também internacional, que construiu. A marca tornou-se na primeira editora portuguesa a expor na conceituada Maison&Objet. na área do Contract, a Aldeco tem vindo a fornecer tecidos que decoram alguns dos melhores hotéis e empreendimentos turísticos. Em dez anos foi por sete vezes galardoada com o Prémio Mobis, inicialmente como Fornecedor e, nos últimos anos, também como Marca. A Aldeco viu também ser-lhe atribuído um Prémio Mobis Gold, a maior distinção no sector.

56


Alberto Dias Administrador

57


MoB

As cozinhas MOB são espaços de liberdade pensados ao pormenor, concebidos para valorizarem o tempo do utilizador e despertarem a criatividade e a interacção.

As cozinhas MoB são espaços de liberdade pensados ao pormenor, concebidos para valorizarem o tempo do utilizador e despertarem a criatividade e a interacção. Constituindo-se como um dos mais prestigiados fabricantes portugueses de mobiliário de cozinha, a empresa de Viseu consolidou a sua posição no mercado através de um aumento da capacidade de produção com equipamento de vanguarda. o controlo de qualidade é uma cultura da empresa MoB, o que leva a uma atenção permanente a todos os pormenores ao longo do processo produtivo. A empresa, que está ligada ao Grupo Visabeira, está a cimentar e a expandir a sua presença em mercados como Espanha, França e Angola. Além de vários agentes, em Portugal e no estrangeiro, tem lojas próprias em Viseu, Lisboa e Porto. o design e a ergonomia das cozinhas fabricadas pela MoB são responsáveis pelo grande sucesso da marca, que tem sido premiada com diversos Prémios Mobis, com destaque para o Prémio Mobis Gold, atribuído em 2007.

58


Manuel Maderia Director Comercial

59


LEViRA

Os padrões de qualidade dos seus produtos são elevados, sendo de realçar a preocupação com o factor ambiental.

A Metalúrgica do Levira, com sede em oliveira do Bairro, iniciou a sua actividade em 1971 como fabricante de mobiliário metálico para escritório. A empresa adoptou uma política de crescimento sustentado, investindo no soisticado parque tecnológico, na criação de infra-estruturas de protecção ambiental e na especialização dos seus recursos humanos. A grande parte da sua produção é exportada para todo o mundo, onde a Levira tem delegações estrategicamente implantadas em diversos países. os padrões de qualidade dos seus produtos são elevados, sendo de realçar a preocupação com o factor ambiental. A marca criou mesmo um conceito de EcoDesign para o desenvolvimento sustentável dos seus produtos. Já em 2011 a empresa foi adquirida pelo Grupo Prébuild e continua a trabalhar com os seus clientes para melhorar o espaço, a saúde e produtividade individual e colectiva. A Levira tem certiicados na área da Gestão Ambiental e na Gestão da qualidade e foi por diversas vezes galardoada com o Prémio Mobis na categoria de Mobiliário de Escritório.

60


Francisco silva

Director de unidade

61


sonAE inDúsTRiA

A empresa aposta, também, fortemente na consciencialização das pessoas para a sustentabilidade e para uma adequada gestão lorestal [...].

A sonae indústria é, a nível mundial, uma das maiores empresas industriais do sector dos derivados de madeira. Da sua gama de produtos destacam-se o aglomerado de madeira, o MDF, o osB, os painéis decorativos melamínicos ou folheados, os laminados decorativos e os pavimentos lutuantes, materiais destinados aos segmentos da decoração de interiores, fabrico de mobiliário, carpintaria e construção. Em 2011, a empresa conta com 27 unidades de produção em sete países e uma forte presença comercial em muitos outros, empregando cerca de 4.800 trabalhadores. o investimento em R&D é constante, o que faz com que a marca apresente regularmente propostas inovadoras, de que é exemplo o So Caring, uma superfície decorativa com propriedades anti-bacterianas. A empresa aposta, também, fortemente na consciencialização das pessoas para a sustentabilidade e para uma adequada gestão lorestal, tendo recentemente lançado uma campanha de sensibilização para a reciclagem de produtos de madeira. A marca foi distinguida em diversas ocasiões com o Prémio Mobis na categoria de Fornecedor de Matérias-Primas.

62


Pedro Figueira

Director de Marketing

63


o MóVEL DE ConDEiXA

A loja está ligada a diversos grupos, tanto portugueses como estrangeiros, de forma a garantir aos seus clientes uma relação qualidade /preço acima da média.

Criada em 1986 por Manuel Gonçalves, a loja o Móvel de Condeixa distingue-se pela sua grandeza – 7 mil metros quadrados de área de exposição – e por ter no seu interior um bairro composto por sete moradias completamente mobiladas e equipadas, além de duas boutiques de decoração. A loja dispõe de um gabinete técnico de design, liderado pela Arquitecta Tânia Ventura (vencedora do Prémio Mobis Designer, em 2008), um ateliê de costura e uma oicina de assistência e restauro. o Móvel de Condeixa aposta também na formação proissional dos seus colaboradores, quer na área de desenho, quer no atendimento e vendas. A loja está ligada a diversos grupos, tanto portugueses como estrangeiros, de forma a garantir aos seus clientes uma relação qualidade/preço acima da média. o Móvel de Condeixa foi considerada a melhor Loja em 2006 e Manuel Gonçalves viu ser-lhe atribuído o Prémio Mobis na categoria de Empresário de Comércio em três ocasiões.

64


Manuel Gonรงalves Administrador

65


HAuT DE GAMME

Inovadora e contemporânea, a Haut de Gamme fabrica em exclusivo peças de mobiliário com design clássico/moderno mas sempre funcional, e desde cedo se tornou mundialmente conceituada entre os melhores do seu segmento.

A Haut de Gamme dedica a sua actividade ao fabrico e comercialização de mobiliário e decoração. Fundada em 1997 por Fernando Lourenço, distinguido com o Prémio Mobis na categoria de Empresário de indústria em 2009, tem sede no Complexo industrial de Mira, no centro de Portugal. Apresentando-se como um projecto amigo do ambiente, tem vindo a consolidar a sua implementação em mercados emergentes. inovadora e contemporânea, a Haut de Gamme fabrica em exclusivo peças de mobiliário com design clássico/moderno mas sempre funcional, e desde cedo se tornou mundialmente conceituada entre os melhores do seu segmento. A Haut de Gamme foi dando lugar, nos últimos anos, a uma série de empresas e marcas relacionadas com a decoração e, sobretudo, também com à área de hotelaria. A World Hotel é responsável pela decoração de alguns dos melhores hotéis do Mundo e tem em fase de construção o primeiro hotel de super luxo no Continente, na Praia da Tocha.

66


Fernando Lourenço

Presidente do Conselho de Administração

67


MoLAFLEX

Actualmente é especialista em descanso aplicando diferentes tecnologias na produção de colchões de molas e espuma técnica.

Criada em 1951, em são João da Madeira, a Molalex foi pioneira no fabrico de colchões de molas em Portugal. Actualmente é especialista em descanso aplicando diferentes tecnologias na produção de colchões de molas e espuma técnica. Ao longo de 60 anos, a empresa consolidou a sua posição com investimentos constantes na área da qualidade e da inovação, o que lhe garante manter-se no topo do mercado e gozar de grande notoriedade pública. Entre os produtos fabricados e comercializados pela marca encontra-se uma gama variada destinada ao canal tradicional e à hotelaria, área em que a Molalex detém igualmente uma posição de destaque, beneiciando de sólidas relações de parceira com grupos internacionais, nomeadamente em Espanha. É certiicada no âmbito da qualidade pela AEnoR e detém o selo do ‘Compre o que é nosso’. Vários produtos seus foram eleitos pelos consumidores como Produto do Ano. Foi diversas vezes galardoada com o Prémio Mobis como melhor empresa de colchões.

68


Victor Marinheiro

Director Geral

69


gaLas PrĂŠmio mobis


Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Gala 2001

Gala 2001 Na noite de 2 de Março de 2001, a Sala Veiga Simão, na Exponor, tornou-se pequena. O propósito era reunir 120 dos principais empresários do Sector, mas foram mais de 200 os participantes na I Gala Prémio Mobis, com a organização a demonstrar uma capacidade mobilizadora que não passou despercebida mesmo aos mais desatentos. O objectivo era que a iniciativa constituísse «um importante estímulo à qualidade e à competitividade das empresas portuguesas» que se debatiam na altura com uma grande agressividade no assalto ao mercado nacional por parte de empresas estrangeiras.

Local: Exponor, Matosinhos

Apresentadora:

Enquanto promotor do Prémio Mobis, o Mobiliário em Notícia pretendia também «manifestar o reconhecimento a um Sector vital da economia portuguesa e que por vezes é esquecido pelos poderes públicos», lia-se na informação enviada à Comunicação Social.

Lúcia Gonçalves

Júri: DGI - Direcção Geral da Indústria ICEP Portugal APIMA - Associação das Indústrias de Mobiliário e Ains APCM - Associação Portuguesa de Comércio Mobiliário

72

Os elogios à organização foram muitos e vieram de vários quadrantes: dos proissionais do Sector em primeiro lugar, mas também por parte das associações e outras Entidades Oiciais que desde o início abraçaram este projecto, ainda que o izessem apenas de maneira institucional. Catarina Remígio (única mulher até hoje distinguida com um Prémio na categoria de Empresário) esteve em destaque numa cerimónia apresentada por lúcia Gonçalves. Orlando Castro, Cátia Rego, Domingos lima, Export Home, Marjos, aldeco, Interfer, Manuel Gonçalves, Catarino Mobiliário, Esquadria, Molalex, José Pedrosa, Fernando Rolin, ambitat, aquinos, Indulex, Moveme e Carlos Castro foram outros premiados.


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Indulex

Vítor Ribeiro

a Indulex iniciou a sua actividade de fabricação de sofás em 1980. Desde então, tem aliado os mais eicazes métodos de trabalho artesanais com um investimento permanente na procura e implementação dos mais recentes desenvolvimentos tecnológicos. Com sede em avintes (Vila Nova de Gaia), a empresa tem um gabinete de Investigação e Design constituído por designers e técnicos que têm por função a criação de novos produtos. Este gabinete colabora ainda com arquitectos e designers nacionais e internacionais, o que lhe permitiu conquistar uma elevada notoriedade, sobretudo ao nível do mercado da hotelaria. No processo de produção dos estofos, a Indulex tem como meta a qualidade pelo que cada modelo é cuidadosamente pensado e estudado. Há um controlo rigoroso desde a fase de concepção de cada produto até à sua execução de forma a responder às necessidades dos clientes. No seu historial, a marca conta com duas vitórias no Prémio Mobis.

73


Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Gala 2001

Gala

Exponor

José Ferraz e Christophe Smits (Lusoverniz) com José Pedrosa (Móveis Pedrosa) e Francisco Malcato (Interfer) Joaquim Mendes (MTM), Duarte Rodrigues e Mário Leite (Fenabel)

José Luís Nicolau (Pinhodecor), Cândido Ferreira (Antali), Carlos Castro (Marjos) e José Rocha (Fétex)

Rui Cunha e esposa (Indulex), com convidados

Vítor Ribeiro (Indulex), Paulo Morais (Eurospuma) com José Brandão e esposa

Carlos Aquino (Aquinos) e Paulo Morais (Eurospuma) José Pedrosa (Móveis Pedrosa), com José Ferraz e Christophe Smits (Lusoverniz)

74

Abílio Oliveira (Ezarte), Manuel e Jorge Silva (Atrium) e Alípio Dias (Joal)


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Gala

Manuel Gonçalves (O Móvel de Condeixa) e Navazali Nurali (Grupo Saira)

José Caldelas (SIC) e Emídio Brandão

Jorge Matias e esposa (Moverel), Joaquim Mendes e esposa (MTM) com Mário e Elsa Leite (Fenabel)

José Luís Magalhães e esposa (Lousapinhos) José Rocha e esposa (Época) e Avelino Couto

Joaquim Moreira e Pedro Duarte (Colmol) Nuno Bernardo (Exponor) e José Neves (Neves & Santos) José Saurin (Muebles Saurin), Domingos Lima (Filipe & Henriques) e convidadas

Carlos Freire de Oliveira (Ventil Aqua) [à direita]

75


Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Gala 2001

Premiados

Pedro Barros (Ambitat) e Francisco Malcato (Interfer)

Carlos Ribeiro (Movilor) e Seraim Almeida (Anaric)

José Catarino (Catarino Mobiliário) e Henrique Eichmann (Agol)

Cátia Rego (designer)

Tiago Dias da Silva (Molalex) e Celso Paiva (Mindol)

Lúcia Gonçalves, apresentadora

Francisco Malcato (Interfer) e José Pedrosa (Móveis Pedrosa)

76


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Premiados

David Tomás (Esquadria) e Vítor Ribeiro (Indulex) Orlando Castro (Jornal de Notícias) e Emídio Brandão

Vítor Ribeiro (Indulex) e Alberto Dias (Aldeco)

Carlos Castro (Marjos) Jorge Brito (APIMA) Manuel Gonçalves (O Móvel de Condeixa) e Vítor Seco de Oliveira (Climax)

77


Gala 2001

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Gala 2002

Gala 2002 «O Prémio Mobis cresceu! Já vai ao Casino». Foi desta forma, bem-humorada, que Francisco Malcato, cuja Interfer viria a ser novamente premiada, se referiu à Gala que decorreu a 1 de Março de 2002, no Salão D’Ouro do Casino da Póvoa de Varzim. a forte capacidade mobilizadora do Mobiliário em Notícia, levou mais de 350 convidados, vindos de Portugal e do estrangeiro, a participar na II Gala, que prestou homenagem ao dirigente associativo Jorge Brito, distinguido com o Prémio na categoria Homenagem e Carreira.

Local: Casino da Póvoa de Varzim

Nesta segunda edição do Prémio Mobis criou-se uma categoria de Mobiliário de Escritório – seria a Haworth a ganhar – e estabeleceu-se a distinção entre Matérias-Primas principais (categoria ganha pela Sardinha & leite) e Matérias-Primas Subsidiárias (onde ganhou a agratil).

Apresentadora: Lúcia Gonçalves

Júri: DGI - Direcção Geral da Indústria ICEP Portugal APIMA - Associação das Indústrias de Mobiliário e Ains APCM - Associação Portuguesa de Comércio Mobiliário

78

a organização aproveitou a presença de muitos estrangeiros para celebrar a qualidade e a excelência do mobiliário português, numa cerimónia que serviu para promover em termos nacionais e internacionais este Sector de actividade em todas as suas vertentes. Foi aqui que começou a internacionalização do Prémio Mobis, que se acentuaria nos anos seguintes. Palma Ferreira, Maria João Guerreiro, Ildebrando lourenço, Export Home, SMl, Vítor Catarino, Cerne, Howarth, MOB, Colmol, Rui Moutinho, ambitat, aquinos e Filipe & Henriques foram outros premiados. a Gala voltou a contar com a apresentação da jornalista lúcia Gonçalves.


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Móveis lusíadas Paulo Pereira

Estávamos no ano de 1988, quando ocorreu um violento incêndio no Chiado em lisboa, Rosa Mota vence a maratona nos Jogos Olímpicos de Seul, trazendo para Portugal a segunda medalha de ouro ganha em Jogos Olímpicos. Este também foi o ano que Móveis lusíadas, a paixão e a criatividade dos fundadores deram à empresa uma qualidade notável, o mobiliário produzido passou a merecer a conianaça dos portugueses e do mercado internacional. Paixão e a criatividade serão sempre a visão dos Móveis lusíadas... ... casas com personalidade!

79


Gala 2001

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2002

Gala

Casino da Póvoa do Varzim

O Casino da Póvoa de Varzim encheu-se de convidados

Amélia Silvério e João Gouveia (Lancel)

Henrique Eichmann (Agol) com convidados

Emídio Brandão e Mário Costa

80

Joaquim Moreira e esposa (Flávio Mobiliário) e Sandra Coelho

Gala 2005


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Gala

José Manuel Cheinho (Madeivilar), Carlos Batista (Movéis Batista) e Carlos Oliveira (FCM)

Manuel Gonçalves (O Móvel de Condeixa) com Luís Romariz

Compradores Estrangeiros

Seraim Soares Lopes (ICEP)

Carlos Aquino e esposa (Aquinos) com Carlos Ribeiro (Movilor)

Rogério Faria e esposa (Vilarmóvel) e António Chaves (O Marceneiro)

Vitor Oliveira (Cotecin) e Manuel Lopes (Interfer)

Cetelem Osvaldo e Valter Ribeiro (Sofamóvel) com convidados

81


Gala 2001

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2002

Premiados

82

Carlos Henriques (Filipe & Henriques)

Emídio Brandão, Mário Costa e Jorge Brito (APIMA)

José Manuel Quelhas Dias (Agratil)

José Pedrosa (Móveis Pedrosa) e Rui Moutinho (Moveme)

Júlio Magalhães (Antena 1) e Francisco Malcato (Interfer)

Francisco Malcato (Interfer)

Luís Paiva (MOB)

Maria João Guerreiro (designer)

Navazali Nurali (Grupo Saira)

Gala 2005


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Premiados

Pedro Barros (Ambitat)

Pedro Duarte (Colmol)

Silvino Lindo (SML)

Grupo de Premiados

Rui Rocha (Cerne)

VĂ­tor Catarino (Catarino MobiliĂĄrio)

83


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2004

Gala 2005

Gala 2003

Gala 2003 a data: 21 de Fevereiro de 2003. O palco mantém-se. Mas a participação dos empresários continua a crescer: são agora mais de 400 convidados, que enchem por completo o Salão d’Ouro do Casino da Póvoa de Varzim.

Local:

O número de votantes, leitores do Jornal Mobiliário em Notícia, atinge os seis mil. Os votos continuam a ser contados e veriicados por um Júri composto pela Direcção Geral da Indústria, pelo ICEP, pela associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e ains (aPIMa) e pela associação Portuguesa de Comércio Mobiliário (aPCM), que se assume pela primeira vez como parceira da iniciativa, tal como a Exponor.

Casino da Póvoa de Varzim

Apresentadora: Lúcia Gonçalves

O destaque desta edição vai por inteiro para a atribuição, inédita, de prémios a compradores estrangeiros de mobiliário português. «Numa altura em que o nosso país é invadido por mobiliário estrangeiro, vastas vezes de qualidade muito duvidosa, é importante distinguir quem procura no estrangeiro mobiliário português», justiica a organização, acentuando a internacionalização do Prémio Mobis.

Júri: DGI - Direcção Geral da Indústria DGCC - Direcção Geral do Comércio e da Concorrência ICEP Portugal APIMA - Associação das Indústrias de Mobiliário e Ains APCM - Associação Portuguesa de Comércio Mobiliário Mobiliário em Notícia

84

É também a primeira vez que se atribui um Prémio na categoria Campanha de Imagem, Publicidade e Marketing, ganho pela O.a.T.. Júlio Montenegro, Francisco Cardoso, Joaquim Cordeiro, Export Home, Marjos, aldeco, Sardinha & leite, Interfer, Navazali Nurali, Movilor, levira, MOB, Molalex, Carlos aquino, ambitat, anaric, Moveme e antónio Coelho (a título póstumo) são outros premiados.


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Navazali Nurali

Navazali Nurali é um dos mais destacados empresários portugueses sobretudo na vertente do comércio, estando ligado a vários projectos que trouxeram valor acrescido ao Sector. Com um forte dinamismo empresarial, foi um dos maiores impulsionadores do design na indústria portuguesa de mobiliário, fruto da sua frequente participação em diversas feiras internacionais. Destacou-se por ter sido dos primeiros a aperceber-se de que Espanha iria ser um mercado preferencial para os lojistas portugueses e potenciou o intercâmbio de ideias entre empresários de diversas proveniências. É cofundador da associação Portuguesa de Comércio Mobiliário. Nascido em Moçambique em 1955, dirigiu várias exposições ligadas ao comércio de mobiliário e é consultor não remunerado de outras empresas, tanto industriais como comerciais.

85


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2004

Gala 2005

Gala 2003

Gala

86

Casino da Póvoa de Varzim

Mesa da OAT, com João Rôlo

António Manuel e esposa, Carlos Faria e esposa (Opostos) com José Luís Nicolau e esposa (José Luís Interiores)

Jorge Aquino e esposa, António José Aquino e esposa com convidados da Aquinos

Compradores Estrangeiros

José Matias e esposa (Moverel) com convidados

Aldeco e Indulex, em convívio Movéis Carla e Anaric Susana e Henrique Eichmann (Agol), Carlos Barros (Ambitat) e convidados


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Gala

Ramon Corominas (Banco Cetelem) Jorge Nunes (Hip贸lito M贸veis), Carlos Ribeiro (Movilor), com Carlos Aquino e esposa (Aquinos) e representantes

Maria Alberta Canizes, M谩rio Costa, Maria Lu铆sa Fernandes, Jorge Brito e Isabel Costa Pereira

Francisco Malcato (Interfer) Seraim Almeida (Anaric) e Celso Paiva (Mindol)

87


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2004

Gala 2003

Premiados

88

Alberto Dias (Aldeco)

Carlos Aquino (Aquinos)

Carlos Castro (Marjos)

Carlos Ribeiro (Movilor)

Joaquim Cordeiro

Júlio Montenegro (Antena 1)

Manuel Madeira (MOB) e José Manuel Fernandes (Frezite)

Márcia Estima (Levira)

Miguel França (OAT)

Gala 2005


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Premiados

Navazali Nurali e Ana Faria (Lustrarte)

Pedro Barros (Ambitat)

Teresa Coelho (ATC)

Grupo de Premiados

Seraim Almeida (Anaric)

Compradores Estrangeiros Premiados

89


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2005

Gala 2004

Gala 2004 Desta vez foi a 5 de Março, mas manteve-se o Casino da Póvoa de Varzim como palco. Continuando a apoiar as empresas portuguesas nos seus esforços de internacionalização, aumentou o número de convidados estrangeiros e multiplicaram-se as distinções a compradores de mobiliário português. Estiveram presentes grandes cadeias internacionais de distribuição que viram publicamente expresso o agradecimento da indústria nacional.

Local:

Simultaneamente, o Prémio inicia uma viragem para olhar para a Decoração e não apenas para o Mobiliário propriamente dito. Nesse contexto passa a ser atribuído um Prémio numa nova categoria: Decoração de Interiores, cuja premiada é amélia Silvério.

Casino da Póvoa de Varzim

Apresentadora: Susana André

abílio Ribeiro (a título póstumo) e antónio Ribeiro, são homenageados com o Prémio na categoria Carreira. a organização pretende, através deles, homenagear toda uma região que se assume com um pólo importante da indústria de mobiliário: Pataias, vértice de um triângulo completado pela região do Vale do Sousa e por Ourém – Vilar dos Prazeres.

Júri: DGI - Direcção Geral da Indústria DGCC - Direcção Geral do Comércio e da Concorrência ICEP Portugal APIMA - Associação das Indústrias de Mobiliário e Ains APCM - Associação Portuguesa de Comércio Mobiliário

90

NTV, José Ramos, Export Home, O.a.T., Marjos, aldeco, Sonae Taibra, Interfer, Manuel Gonçalves, Movilor, levira, MOB, Molalex, Joaquim louro Pereira, ambitat, aquinos e Moveme foram outros premiados. Desta vez o júri foi composto pelo ICEP, pela Direcção Geral do Comércio e da Concorrência, pela aPIMa e pela aPCM. Pelo segundo ano consecutivo, a gala voltou a contar com o patrocínio do Banco Cetelem. a apresentação esteve a cargo da jornalista Susana andré.


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Sofamóvel Valter Ribeiro

a fundação da Sofamóvel, de Pataias, alcobaça, data de 1956, primeiro como empresa em nome individual, e depois, já em 1974, como sociedade por quotas, à qual corresponde uma mudança de instalações. a empresa inícia então um processo de crescimento acelerado tornando-se numa das primeiras do Sector a dispor de uma produção planiicada, com luxos racionais, segundo um plano integrado que cobre todas as áreas da fábrica. Na viragem do século inicia-se o processo de sucessão, fase que coincide com uma aposta acentuada ao nível do Design e da Comunicação. Em 2002, a Sofamóvel começa a exportar, primeiro para França, depois para angola, Rússia, Espanha, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Congo. aos fundadores da sociedade foi atribuído o Prémio Mobis Homenagem e Carreira. abílio e antónio Ribeiro representam a geração de pioneiros que fez da zona de Pataias, um importante pólo da indústria nacional de mobiliário.

91


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2005

Gala 2004

Gala

Casino da Póvoa do Varzim

Recepção

José Alberto e Lídia Pescada (APCM)

Emídio Brandão e António José Batista (Movéis Batista)

Compradores Estrangeiros

Manuela e Júlio Pinto da Costa com Arlindo Cunha

Jorge Queirós (Centrum), Manuel Gonçalves (O Móvel de Condeixa), João Gouveia (Lancel) Emídio Brandão com Carlos Batista (Móveis Batista) e Mário Pereira (Unânime) José Caldelas (SIC), Dinis Sottomayor (RTP N), Júlio Magalhães (Antena 1) e Emídio Brandão

92


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Gala

Paulo Correia (Antaix)

Carlos Caetano (Pedrosas) e esposa

Vista geral da sala

Sérgio Monteiro (Jomotex) e Pedro Paiva (Mindol)

Rui Ramos (APIMA) e esposa

Manuel Moreira, Governador Civil do Porto

Joaquim Louro Pereira (JJ Louro) e esposa Isabel Brissos

Rita Rocha (Antarte), João Gouveia (Lancel) e Manuel Gonçalves ( O Móvel de Condeixa)

93


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2005

Gala 2004

Premiados

94

Amélia Silvério (Lancel)

Alberto Dias (Aldeco)

Carlos Aquino (Aquinos) e Arlindo Cunha (CCDRN)

Dinis Sottomayor (RTP N)

Joaquim Louro Pereira (JJ Louro)

Compradores Estrangeiros

Francisco Malcato (Interfer) e Mário Rocha (Antarte)

Júlio Pinto da Costa


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Premiados

Manuel Madeira (MOB)

Ramon Corominas (Cetelem) e Teresa Albuquerque (Movilor)

Manuel Gon莽alves (O M贸vel de Condeixa)

Teresa Coelho (ATC)

Carlos Castro (Marjos)

Grupo de Premiados

Filomena Trigo Reto (ACICP), J煤lio Pinto da Costa e Maria Alberta Canizes (ICEP) Valter Ribeiro (Sofam贸vel)

95


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Gala 2005 Cinco anos de Prémio Mobis, celebrados no dia 5 de Março de 2005. Pela primeira vez, o evento conta com o apoio institucional do Presidente da República, Dr. Jorge Sampaio, que aceita encabeçar a Comissão de Honra da V Gala Prémio Mobis. a capacidade do Salão d’Ouro do Casino da Póvoa de Varzim atinge um novo máximo com a presença de um número de convidados que excede largamente a lotação. O sucesso é total.

Local: Casino da Póvoa de Varzim

Apresentadores: Susana André Júlio Montenegro

Júri: DGI - Direcção Geral da Indústria DGCC - Direcção Geral do Comércio e da Concorrência ICEP Portugal APIMA - Associação das Indústrias de Mobiliário e Ains APCM - Associação Portuguesa de Comércio Mobiliário

96

Nesta edição, o destaque vai para o Engenheiro José Manuel Fernandes, distinguido com o Prémio na categoria de Homenagem e Carreira pelo seu contributo decisivo para o desenvolvimento do Sector do Mobiliário em Portugal. O Prémio Mobis continua entretanto a alargar a sua área de inluência a outros aspectos da Decoração do lar. É criada a categoria de Fabricante de artigos de Iluminação, que vê a lustrarte ser premiada. Surge, também pela primeira vez, a categoria Marca, cujo Prémio é atribuído à O.a.T.. Notícias lusófonas, João Rôlo, Ilídio Porto, Export Home, P.S.I. Mobiliário, Marjos, aldeco, Sonae Taibra, Interfer, antónio Morais, Movilor, levira, MOB, lusocolchão, Carlos aquino, ambitat, anaric, Indulex e Moveme são outros premiados. Diversas empresas estrangeiras, importadoras de mobiliário português, são igualmente premiadas. a Gala é apresentada pelos jornalistas Susana andré e Júlio Montenegro.


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Frezite

José Manuel Fernandes

a Frezite, que comercializa ferramentas de alta tecnologia e precisão destaca-se no Sector do Mobiliário desde a sua fundação, em 1978. Tem uma fábrica na Trofa e duas sucursais em Espanha e no Brasil. Quase 70 por cento da produção destinase à exportação. a empresa já ganhou o Prémio Mobis por duas vezes. O seu administrador, José Manuel Fernandes, também foi distinguido com o Prémio na categoria Homenagem e Carreira, como reconhecimento pelo seu contributo para o desenvolvimento do Sector em Portugal. além da actividade proissional, José Manuel Fernandes envolveu-se profundamente no movimento associativo, exercendo cargos directivos na União dos Industriais Portugueses de Máquinas para Trabalhar Madeira, na associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e ains de Portugal, na associação Industrial Portuense e na associação Empresarial de Portugal, entre outros.

97


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Gala

Casino da Póvoa de Varzim

António Pescada e José Pescada (PSI Mobiliário) com Elsa e Mário Leite (Fenabel)

Vítor Moreira (Futurocol) Alberto Rocha e esposa (ARC) Albertina e João Albuquerque (Candibambú)

98

Benjamim Aguiar e Carla Faria (Representações Benjamim Aguiar)


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Gala e Premiados

Equipa Aleal

Hildebrando Lourenço e esposa (Almondina)

Vítor Ribeiro (Indulex)

Júlio Montenegro e Susana André, apresentadores

Nuno Carreira (Cortimóveis)

Sérgio Gomes (Moveme)

99


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Premiados

Pedro Pinto (Câmara Municipal de Paços de Ferreira) Maria José Vicens (El Sector) e Nuno Portugal (Azemad)

100

Ivo Portela (Câmara Municipal de Tábua)

Henrique Barreira (Acrópole Móveis) e Emídio Brandão Jorge Brito (APIMA)


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

aRC

alberto Rocha

a aRC - Indústria de Mobiliário, S.a. foi fundada em 1971 por antónio da Rocha Carneiro, pai dos actuais administradores. O seu carácter determinado e a vontade de trabalhar foram a chave do sucesso para vencer no negócio, que foi crescendo com o apoio dos ilhos empreendedores – armando e alberto Rocha – que asseguram a gestão da empresa desde 2001. a marca aRC com position slogan Mestres em Mobiliário é reconhecida pela sua qualidade e design exclusivo em Portugal e no estrangeiro. a empresa está sedeada em Rebordosa (Porto) numa renovada e ampliada unidade produtiva com cerca de 12 mil metros quadrados repartidos em fábrica, show room e escritórios. Trata-se de uma empresa modernizada, competitiva e equipada com a mais alta tecnologia aplicada ao Sector do Mobiliário. a empresa detém o estatuto de PME líder e está certiicada, desde 2002, no âmbito da Qualidade segundo a NP EN ISO 9001:2000 e emprega 90 colaboradores. No seu percurso de internacionalização a aRC marca presença nos mercados: alemanha, França, Áustria, Espanha, Bélgica, entre outros.

101


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Premiados

102

Orlando Castro e Francisco Samuel Brandão

José Ramos (Cerne) e Ilídio Porto (Cortimóveis)

José Alberto Pescada (APCM) e António José Batista (Móveis Batista)

Miguel França (OAT) e Navazali Nurall

Ana Faria (Lustrarte) e Ilda Pires (AIPI)

João Rôlo (estilista)

Miguel Comporta (FIL) e Graça da Fonseca (Câmara Municipal de Paredes) Ilda Pires (Serip) e Júlio Montenegro Alberto Dias (Aldeco), Alexandre Barbosa (Macedo Barbosa Mobiliário) e David Catarino (Câmara Municipal de Ourém)


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Premiados

Pedro Figueira (Sonae) e Alexandre Barbosa (Macedo Barbosa Mobiliário)

Amaro Martins (Marjos)

Francisco Malcato (Interfer)

António Morais (Móveis Kol) e José Luís Nicolau (José Luís Interiores)

Teresa Albuquerque (Movilor) e Representante do Banco Cetelem

Márcia Estima (Levira)

Manuel Madeira (MOB)

Joaquim Louro Pereira (JJ Louro)

Seraim Almeida (Anaric) e João Gouveia (Lancel)

103


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Gala 2006 a 28 de abril de 2006, Madrid assistiu a um espectáculo de som, luz e cor. a internacionalização deinitiva do Prémio Mobis aconteceu na presença de mais de 400 convidados – entre os quais perto de uma centena de lojas espanholas compradoras de mobiliário português – conirmando a capacidade mobilizadora do Mobiliário em Notícia em Portugal mas igualmente em Espanha. Foi também a primeira vez que o Governo de Portugal esteve presente na Gala, através do Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, Dr. Fernando Serrasqueiro, que esteve acompanhado do Embaixador de Portugal em Madrid.

Local: Feira de Madrid

Apresentador: Luís de Matos

Júri: ICEP Portugal APIMA - Associação das Indústrias de Mobiliário e Ains APCM - Associação Portuguesa de Comércio Mobiliário AIPI - Associação dos Industriais Portugueses de Iluminação

104

Francisco Malcato foi o homenageado da noite, distinguido com o Prémio Homenagem e Carreira. Mas houve mais premiados: RTP, João Coelho, abílio Reis, Intercasa, Movilor, OaT, Candibambú, lustrarte, Mário J. Pires, Frezite, Marjos, aldeco, Materlis, Sardinha & leite, Sonae Taibra, Interfer, Carlos Ribeiro, Manuel Gonçalves, Navazali Nurali, antarte, Catarino Mobiliário, O Móvel, Guialmi, Haworth, levira, Jamor, J. Dias, MOB, Climax, Futurocol, Carlos aquino, Joaquim louro Pereira, Rui Moutinho, ambitat, atrium, anaric, aquinos, Indulex, agol, Belar, aleal, Moveme e Opostos, além de três dezenas de lojas espanholas. Foi a primeira vez que houve mais do que um premiado em determinadas categorias: «é preciso que o mercado espanhol entenda que há não apenas uma, mas várias empresas de cada área de negócio com quem podem trabalhar se optarem pela qualidade», disse a organização. a Gala foi apresentada por luís de Matos.


Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Gala 2006

Móveis Jogapau Narciso Rego

Fundada em 1984, a Móveis Jogapau estava inicialmente vocacionada para o fabrico e revenda de mobiliário de cozinha e de casa de banho, mas depressa alargou a sua actividade para a comercialização de artigo diversos e peças soltas, em pinho. Com um crescimento sustentado, a empresa abriu dois pontos de venda directa ao público, com uma oferta variada de mobiliário em vários estilos com uma elevada relação qualidade / preço. Paralelamente, desenvolve o negócio da revenda, que funciona a partir da fábrica, em Barroselas, Viana do Castelo, e de dois armazéns em Serra Casal de Cambra (Belas) e alcantarilha (Silves). Dirigida com mestria por Narciso Rego, a empresa encontra-se entre as mais competitivas do Sector no alto Minho, onde é considerada como uma referência.

105


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Gala

Ifema Júlio Pinto da Costa e Pedro Pinto (Câmara Municipal de Paços de Ferreira)

Embaixador José Filipe Moraes Cabral, Abel Cubal de Almeida (AICEP), Rui Ramos e Jorge Brito APIMA

Francisco Sousa (Atrium) e Abílio Oliveira (Ezarte) Lojistas de Espanha José Filipe Moraes Cabral - Embaixador de Portugal em Madrid, Fernando Serrasqueiro - Secretário de Estado do Comércio e Júlio Pinto da Costa e esposa

106

Manuel Ferreira e esposa (Larforma) e João Paulo Martins e esposa (Paularte)

Rui Batista (Móveis Batista) com Luís de Matos Luís de Matos, apresentador


Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Gala 2006

acrópole Móveis

alcina Barreira Henrique Barreira

a acrópole Móveis conta com quase trinta anos de actividade, período durante o qual se tornou numa das maiores referências no comércio de mobiliário e na decoração de interiores no alto Minho. a empresa tem a sua origem em Melgaço, mas ganhou projecção com a abertura de uma loja em Valença, com uma área de exposição de 2.100 metros quadrados. a loja, que é detentora da Etiqueta de Qualidade atribuída pela associação Portuguesa de Comércio Mobiliário, tem a direcção técnica de alcina e Henrique Barreira. Conta com um atendimento proissional e personalizado e um serviço organizado de pós-venda para uma maior comodidade do cliente. O espaço está decorado com ambientes criados com diversos estilos de mobiliário, sendo a conjugação entre estética e funcionalidade uma característica comum a todos eles.

107


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Premiados

Jesus Gonzalez entrega prémio a lojista espanhol Miguel Cabaça (Cetelem)

Vidal da Costa (Brasão) e Narciso Rego (Jogapau)

Isabel Costa (Haworth) e Jorge Brito (APIMA) José Filipe Moraes Cabral - Embaixador de Portugal em Madrid Vítor Moreira (Futurocol) e Manuel Ferreira (Larforma)

108


Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Gala 2006

Premiados

Navazali Nurali (Movipreço) e Isabel Costa Pereira

João Hernani (Guialmi) e Jorge Brito (APIMA)

Vítor Ribeiro (Indulex) e João Gouveia (Lancel)

Susana Eichmann (Agol) e João Paulo Martins (Paularte) Duarte Rodrigues (Euroconfort) e Agostinho Moreira (Jetclass)

Manuel Madeira (MOB) Nuno Gorgulho (Levira) e Jorge Brito (APIMA) Fernando Serrasqueiro, Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor

109


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Premiados

110

Carlos Aquino (Aquinos) e João Gouveia (Lancel)

Abílio Reis (Nós Mobiliário) e Mário Costa

Mário Silva (AM Classic) e Lojas Espanholas - Argentea Diseño

Miguel Comporta (FIL) e Mário Costa

João Coelho (ATC) e Pedro Pinto (Câmara Municipal de Paços de Ferreira)

António Castillo (Sonae Indústria) e Luís de Matos

Alberto Dias (Aldeco) e José Figueiredo (Móveis Lusíadas)

Ana Paula Sardinha (Sardinha&Leite) e José Ferraz (Lusoverniz)


Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Gala 2006

Premiados

João Albuquerque (Candibambú) e José Luís Nicolau (José Luís Interiores)

Manuel Gonçalves, Luís de Matos e Isabel Costa Pereira

Seraim Almeida (Anaric) e João Gouveia (Lancel)

Francisco Malcato (Interfer)

Mário Leite, em representação da Antarte

Luís Marques (Catarino Mobiliário) e Miguel Cabaça (Cetelem)

111


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Gala 2007 O regresso a Portugal faz-se através de um grande palco: a 30 de Julho de 2007, o Casino Estoril, cujo Salão Preto e Prata acolheu perto de 600 convidados. O Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, Dr. Fernando Serrasqueiro volta a estar entre eles. Realizar a Gala na região de lisboa corresponde ao desejo da organização de aproximar o Prémio Mobis do cliente inal, reconhecendo a capital como o grande centro de consumo do país.

Local:

É o ano em que são entregues os primeiros Prémios Mobis Gold, atribuídos a quem, em edições anteriores, ganhou por três vezes consecutivas ou cinco intercaladas. Estão nestas condições a O.a.T., ExportHome, aldeco, Sonae Taibra, Interfer, Marjos, levira, MOB, ambitat e Moveme.

Casino Estoril

Apresentador:

arménio Pereira, ex-autarca de Paços de Ferreira e criador da marca Capital do Móvel, é alvo de uma distinção especial, ao ser-lhe atribuído o Prémio Homenagem e Carreira.

Jorge Gabriel

Júri: ICEP Portugal APIMA - Associação das Indústrias de Mobiliário e Ains APCM - Associação Portuguesa de Comércio Mobiliário AIPI - Associação dos Industriais Portugueses de Iluminação AEPF - Associação Empresarial de Paços de Ferreira AEParedes - Associação Empresarial de Paredes

112

a Gala ica igualmente marcada pela juventude. Numa iniciativa inédita, os ilhos dos empresários são chamados ao palco e apontados como o Futuro do Sector. «É neles que coniamos para ultrapassar os desaios dos próximos anos», diria Emídio Brandão. Jornal de Notícias, Graça Viterbo, Emanuel José, Pedro Santos, Intercasa, laskasas, antarte, Candeeiros Castro, Ilhão, Probos, Carlos Ribeiro, Movilor, Iduna, Jamor, lusocolchão, Carlos aquino, Haut de Gamme e aquinos foram igualmente distinguidos. a aPIMa e a associação Empresarial de Paredes receberam o Prémio Special Partner. a Gala foi apresentada por Jorge Gabriel.


Gala 2006

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Gala 2007

Ilhão & Ilhão Carlos Ilhão luís Ilhão

a Ilhão foi fundada em 1991 e dedicou-se durante os últimos 20 anos à comercialização de equipamentos para a transformação de madeira e derivados para a indústria de carpintaria e mobiliário. Paralelamente à venda de máquinas e equipamentos, a empresa, que tem a sua sede em Famalicão, distinguiu-se também por fornecer aos seus clientes um serviço de aconselhamento em soluções técnicas que permitissem a obtenção de resultados rentáveis. No âmbito da estratégia de crescimento, a empresa liderada por Carlos e luís Ilhão, criou, em 2001, outras áreas de negócio complementares alargando a oferta de serviços. Nos últimos anos, a Ilhão ganhou também vantagem competitiva ao organizar ciclos de conferências para divulgar avanços tecnológicos na área da maquinaria e equipamento para trabalhar a madeira e debater com os clientes temas de interesse comum. Este percurso consolidado da empresa, valida agora um novo ciclo de desaios que se traduzem numa oferta qualiicada para a total cadeia de valor do seu cliente, conirmando-se assim como o sólido parceiro na proposta de soluções iáveis para o Sector.

113


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Gala

Casino Estoril José Pereira e Carla Pereira (Jamor Móveis) com convidados Emídio Brandão, Joaquim Carneiro (APIMA) e Arnaldo Moreira Rodrigues (APIMA)

114

Antunes Mendes, com Joaquim Mendes, esposa e convidados Luís Vicente (Tema) e Joaquim Ferreira (Sicromóvel) Equipa da Probos, com Clara Cruz e Joaquim Vieira

Pedro Castro Silva e Isabel Costa Pereira Emídio Brandão, Domingos Silva e Isabel Silva (Móveis Carla) António Arcos dos Reis e Fernando Serrasqueiro, Sercretário do Estado do Comércio, Serviço e Defesa do Consumidor


Gala 2006

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Gala 2007

Paularte

João Paulo Martins

Com mais de 45 anos de actividade, a Paularte é reconhecida a justo título como uma referência maior no mundo do mobiliário e também na escola da talha. Fundada por João Paulo Martins, a marca distingue-se pelo seu pioneirismo na mudança, sendo grandemente responsável pela introdução da disciplina do design, a partir dos anos 90, no universo do mobiliário português. a marca, que assenta numa unidade fabril onde cada trabalhador é um artíice a trabalhar a madeira e a dar-lhe forma, desenvolve o seu mobiliário em estreita colaboração com uma equipa de arquitectos de renome, responsável pelo desenvolvimento das suas colecções. Os produtos da Paularte encontram-se à venda na sua loja de Braga e numa rede de agentes rigorosamente seleccionados, tanto em Portugal como no estrangeiro.

115


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Distinção - lojas de Qualidade (entregue por José alberto Pescada)

116

António José Batista (Móveis Batista)

Beatriz Chão (A Janela do Oriente)

Fernando Nunes (Mobilato)

José Matias (Montejuntolar)

Carmo Costa (Angelus Mobiliário)

Cristóvão Vala (Crismóvel)

João Paulo Martins (Paularte)

Pedro Batista (Galerias Primor)

Cristina Rijo (Móveis Rijo)

Gala 2005


Gala 2006

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Gala 2007

Distinção - lojas de Qualidade

João Gouveia (Lancel)

Manuela Leal (Moreira Leal)

César Guedes (F. Guedes)

Lojas de Qualidade

Domingos Silva (Móveis Carla)

Alcina Barreira (Acrópole Móveis)

117


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Gala e Premiados

118

Jorge Gabriel, apresentador

Nuno Teixeira (Exponor)

Mariana Monteiro (actriz)

Jaime Andrez e Júlio Pinto da Costa

Anabela Martins, Secretaria de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor


Gala 2006

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Gala 2007

Móveis Batista antónio José Batista Carlos Batista Rui Batista

aquilo que em 1976 eram apenas 300 mil metros quadrados de exposição, divididos em dois espaços comerciais, é hoje uma moderna e soisticada loja de 8 mil metros quadrados dedicada à decoração e ao mobiliário. a Móveis Batista cresceu e tornouse uma referência marcante no comércio de artigos decorativos não apenas na região do Oeste, mas de toda a Grande lisboa. Com sede em São Pedro da Cadeira, nas proximidades de Torres Vedras, a loja acompanha as tendências do mercado e dá resposta às novas necessidades dos consumidores com uma oferta alargada de mobiliário em vários estilos, posicionando-se na vanguarda na qualidade e da inovação. Com uma equipa de 16 proissionais, a Móveis Batista destacase no mercado nacional pela grande variedade de escolha e dá continuidade à ilosoia adoptada desde a abertura do estabelecimento: Qualidade, Variedade, Inovação e Preço.

119


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Premiados

120

Pedro Jorge Santos (Cortimóveis)

Graça Viterbo (Designer de Interiores)

Nasser Nurali (Movipreço) e Marina Calheiros (FIL)

José Dias (Esquadria) e Jorge Gabriel

Emanuel José (Anaric) e Pedro Pinto (Câmara Municipal de Paços de Ferreira)

Celso Lascasas (LasKasas) e Teresa Coelho (ATC)

Jorge Matias (Moverel) e Joaquim Vieira (Probos)

Abílio Faria (Farimóvel) e Luís Ilhão (Ilhão & Ilhão)

Beatriz Chão (A Janela do Oriente) e Carlos Ribeiro (Movilor)


Gala 2006

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Gala 2007

Mocape

Daniel Moreira

a Mocape dedica-se ao fabrico de mobiliário clássico, para exportação. Os móveis da marca distinguem-se pela qualidade da sua construção artesanal e pela procura de soluções que respondam cabalmente às exigências do consumidor. Os principais mercados de exportação são França, Espanha, alemanha, Bélgica, Rússia e Estados Unidos, onde a Mocape tem agentes comerciais exclusivos. Com o seu próprio design, os produtos da marca estão em constante evolução e todos os anos são apresentadas novidades nas feiras internacionais em que a empresa participa. a vontade de alargar a actividade a outros mercados levou à criação de uma nova marca, a aldo Manzoni, cujo mobiliário, de estilo contemporâneo e com linhas puristas, se dirige ao segmento da alta decoração. a elegância no conceito, a versatilidade nas formas e o rigor nos acabamentos proporcionam ambientes de charme e bem-estar que tornam os móveis da marca uma companhia eterna.

121


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Premiados

122

Teresa Albuquerque e Eugénia Dias (Movilor)

Alberto Carvalho Araújo (Iduna)

Manuel Gonçalves (O Móvel de Condeixa) e Joaquim Louro Pereira (JJ Louro)

Mafalda Lourenço (Haut de Gamme) e António José Batista (Móveis Batista)

Carlos Aquino (Aquinos) e Celso Paiva (Mindol)

Jorge Nunes (Hipólito Mobiliário) com a equipa da TemaHome

Alice Teles (TemaHome)

Miguel Castro (OAT) e Eduardo Arcos dos Reis

Jaime Andrez (IAPMEI) e Alberto Dias (Aldeco)


Gala 2006

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Gala 2007

Móveis Carlos alfredo

Móveis Carlos alfredo é uma empresa familiar criada em 1964 por Carlos alfredo Barros da Silva, com um vasto know-how no fabrico de mobiliário em madeira maciça. actualmente dedica-se sobretudo à exportação, para os mercados de França, Espanha, Inglaterra, Bélgica, alemanha, Rússia e Brasil. Com o intuito de completar ainda mais o seu portfólio, a Carlos alfredo lança uma nova marca. Wewood – Portuguese Joinery é o nome da marca que resulta de uma plataforma de parcerias com conceituados designers, arquitectos e jovens talentos. a marca tem por base a produção de mobiliário de design de alta gama, desenvolvida pelas experientes mãos de artesãos aliada à mais soisticada tecnologia. a empresa também adquiriu a Dada, marca internacional de mobiliário infantil de alta gama.

123


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Premiados

124

Representante da Sonae

Francisco Malcato (Interfer)

Fernando Serrasqueiro, Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor

Pedro Pinto (Câmara Municipal de Paços de Ferreira), Arménio Pereira (ex-autarca da Câmara Municipal de Paços de Ferreira) e Emídio Brandão

Amaro Martins (Marjos)

Gala 2005


Gala 2006

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Gala 2007

O Futuro do Sector

José Manuel Fernandes (Frezite) e Márcia Estima (Levira)

Manuel Madeira (MOB)

Rui Batista (Móveis Batista)

O Futuro do Sector

125


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Gala 2008 a Gala de 2008, que teve lugar a 16 de Outubro, ica marcada por dois factores: por um lado, o regresso ao Casino da Póvoa de Varzim, como ponto de passagem para uma etapa que só icaria concluída no ano seguinte; por outro lado um reforço acentuado da vontade em alargar o Prémio Mobis a outras áreas de actividade relacionadas com o conforto da casa. Nesse sentido, a categoria Marca foi dividida em vários segmentos, nomeadamente Tecidos de Decoração (com a aldeco a ser premiada), artigos de Iluminação (Candibambú), Têxteis lar (Casa alvarinho), Mobiliário (Dimensão), alumínios (Navarra) e Tableware (Vista alegre).

Local: Casino da Póvoa de Varzim

Apresentador:

Contudo, o objectivo da iniciativa mantém-se: premiar o compromisso das empresas que contribuem para o crescimento e desenvolvimento no Sector, investindo claramente na inovação e no progresso sustentado.

Luís de Matos

Júri: AICEP - Portugal Global APIMA - Associação das Indústrias de Mobiliário e Ains APCM - Associação Portuguesa de Comércio Mobiliário AIPI - Associação dos Industriais Portugueses de Iluminação AIMMP - Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário de Portugal AEPF - Associação Empresarial de Paços de Ferreira AEParedes - Associação Empresarial de Paredes

126

O Comendador Joaquim louro Pereira foi o grande premiado da noite, tendo-lhe sido atribuído o Prémio na categoria Empresário, além de ter sido homenageado com o Prémio Homenagem e Carreira, numa Gala em que a aquinos e o seu Presidente do Conselho de administração, Carlos aquino, receberam o Prémio Mobis Gold. O jornal Público, Pedro Guimarães, Tânia Ventura, Rui Pires, Exposalão, antarte, Sonae Taibra, Frezite, Carlos Ribeiro, Colonial Docas, levira, Jamor, Colmol, Jetclass, anaric e a. Brito foram também premiados. a Gala voltou a ser apresentada pelo mágico luís de Matos.


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2009

Gala 2010

Gala 2008

Navarra

avelino Gonçalves do Carmo

a Navarra - Extrusão de alumínio, S.a. data de 1991. a Navarra, marca que integra o Grupo Navarra, dedica-se à extrusão, tratamentos de superfície, comercialização de peris de alumínio e acessórios. asseguram ainda a montagem de peris de ruptura de ponte térmica e a mecanização e corte de precisão de peris para as mais diversas aplicações. O desaio da marca é contribuir de forma sustentada com inovação e qualidade no desenvolvimento de produtos em alumínio com base na capacidade tecnológica. a internacionalização do Grupo conta com representações em Espanha, França, alemanha, Holanda, Inglaterra e Áustria, e duas unidades comerciais, angola e Moçambique. as exportações representam 60 por cento da produção. actualmente, a Navarra é líder no seu Sector de actividade em Portugal.

127


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Gala

128

Casino da Póvoa do Varzim

Graça, Arminda e Manuela Brandão com Arménio Belo e esposa

Isabel Costa Pereira e convidadas

Vista parcial da sala

Luís de Matos, apresentador

Mário Costa

A chegada de Fernando Serrasqueiro, Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor Abílio Faria (Farimóvel) e convidados Pedro Rodrigues (AICEP)


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2009

Gala 2010

Gala 2008

Jetclass

agostinho Moreira

a Jetclass é uma Empresa de mobiliário de estilo neoclássico, com um design único e exclusivo. Com presença em todo o mundo, o seu mobiliário abrilhanta casas e palácios ilustres de países como Rússia, angola, Reino Unido, Espanha, Nigéria, Médio Oriente, Benelux, entre outros. Inspiradora, icónica e tradicional: é assim que a Jetclass se deine desde a sua origem, em 2001. Cada peça da sua colecção é um novo capítulo num livro de histórias no qual se cruzam peças de beleza única, com a qualidade artesanal do passado. ao longo do tempo, a Jetclass tem levado o seu mobiliário a todas as partes do mundo, expressando um modo de vida tradicional e a alma na marca. ao calor da madeira junta-se o calor de um trabalho manual, produzindo verdadeiras obras de arte e peças autênticas. a paixão da marca pelo detalhe, visível nos acabamentos ancestrais, não esquece também a preocupação pelo ambiente. a inovação inerente à alma da marca surpreendeu o mercado com a apresentação de móveis ‘inteligentes’ nos quais incorporou domótica e tecnologia de ponta, permitindo que várias funcionalidades possam ser comandadas à distância. Cada pormenor das suas peças transforma-se num mistério por desvendar, arrebatando paixões pela marca. 129


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Premiados

Rui Pires (Anaric) e Orlando Castro (Jornalista) Emídio Brandão e Joaquim Louro Pereira

Abílio Faria (Farimóvel) e Seraim Almeida (Anaric)

Arminda Brandão e Alberto Dias (Aldeco) Arminda Brandão e Álvaro Palhares (Casa Alvarinho) Pedro Figueira (Sonae) e Aprígio Costa (Estofal)

130

Gala 2005


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2009

Gala 2010

Gala 2008

Premiados

Arminda Brandão e Albertina Albuquerque (Candibambú) João Gouveia (Lancel) e Catarina Marcão (representante da Colonial Docas) Luís Costa (Muebles de Portugal) e Agostinho Moreira (Jetclass)

Manuel Gonçalves (O Móvel de Condeixa) e Luís Liz (Frezite) Francisco Malcato (Interfer) e Manuel Couto (Levira) Arminda Brandão e António Sá (Vista Alegre)

Stephan Morais (TemaHome) e Raul Soares (representante de Carlos Ribeiro - Movilor) Manuel Madeira (MOB) e Pedro Duarte (Colmol) Pedro Guimarães (Decorador) e Pedro Castro Silva (Arquitecto)

131


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Premiados

132

Flávio Aquino (Aquinos) e Emídio Brandão

Arminda Brandão e Marília Batista (Dimensão)

Francisco Samuel Brandão e José Frazão (Exposalão)

Grupo de Premiados

Luís Silva (Estofos Luís Silva) e Mário Brito (Brito’s)

Pedro Pinto (Câmara Municipal de Paços de Ferreira) e Tânia Ventura (O Móvel de Condeixa)


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2009

Gala 2010

Gala 2008

Premiados - lojas de Qualidade

Ant贸nio Jos茅 Batista (M贸veis Batista)

Grupo de Lojas de Qualidade

133


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Gala 2009 Gala marcada desta vez para o dia 16 de Outubro, no Salão Nobre do Edifício da alfândega, no Porto, com o rio Douro como pano de fundo. Novamente a presença de Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, Dr. Fernando Serrasqueiro, que recebe, em nome do Governo da República, o Prémio Mobis Gold atribuído como reconhecimento do trabalho do Executivo em prol do Sector do Mobiliário.

Local: Edifício da Alfândega, Porto

Apresentadora: Rita Ferro Rodrigues

Júri: AICEP - Portugal Global IAPMEI - Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação APIMA - Associação das Indústrias de Mobiliário e Ains APCM - Associação Portuguesa de Comércio Mobiliário AEPF - Associação Empresarial de Paços de Ferreira AEParedes - Associação Empresarial de Paredes

134

De realçar o facto de, pela primeira vez, todas as associações sectoriais estarem presentes e terem participado na sua organização. Sinal de que o Prémio Mobis tinha deixado de ser apenas do Mobiliário em Notícia, passando a ser um activo de todo o Sector. À associação Empresarial de Paços de Ferreira e à associação Portuguesa de Comércio Mobiliário é mesmo entregue o Prémio na categoria Special Partners. Na categoria Carreira, o Prémio é atribuído a Carlos aquino, presidente do Conselho de administração da aquinos, um dos maiores exportadores portugueses do Sector. antónia Pintado, Olga leite, TemaHome, Joaquim Cordeiro, Opostos, Molalex, aldeco, Barbot, Dimensão, lamerinho, lourini, Poliface, Serip, SPal, Sonae Taibra, Marjos, lusoverniz, Interfer, Carlos Ribeiro, Colonial Docas, levira, MOB, Colunex, Fernando lourenço, ambitat, anaric e Brito’s também recebem prémios. a apresentação da Gala esteve a cargo de Rita Ferro Rodrigues.


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2010

Gala 2009

Grupo lusoverniz José Ferraz

Composto por seis áreas de negócio, nomeadamente duas em Paredes, e as restantes em Viana do Castelo, Sever do Vouga, Batalha e Funchal, e com o seu centro operacional de gestão em Paredes, o Grupo lusoverniz tem uma experiência de mais de 20 anos em tintas e vernizes para decoração e protecção das madeiras e do mobiliário. Na lusoverniz Norte e na lusoverniz Centro, o Grupo fornece aos seus clientes a tecnologia, a moda e a segurança de processos que embelezam e protegem as suas criações. O Grupo lusoverniz adoptou como princípio uma atitude permanente de criação de valor. Para o conseguir, incentiva as suas pessoas a adquirirem, continuamente, conhecimentos nas diversas áreas de saber da empresa. a inovação em produtos, em tecnologia e em gestão permite ao Grupo, por consequência, acrescentar valor também àqueles a quem serve: Os seus clientes. O investimento contínuo de uma parte dos seus recursos em investigação e desenvolvimento permite-lhe uma constante e renovada gama de produtos e serviços que servem as necessidades do mercado. Desde 2002, possui uma unidade de produção no centro do País - Rikor, cuja actividade se centra na investigação e produção de inovadoras soluções de revestimento. a unidade possui um moderno e bem equipado laboratório industrial, que lhe permite atender às mais diversas e exigentes necessidades especíicas de acabamento, seja qual for a natureza do substrato ou a sua forma. a gestão por valores, a actualidade dos seus produtos, a inovação, as tecnologias aplicadas e o know-how da equipa liderada por José Ferraz, fazem do Grupo um parceiro privilegiado da indústria, o que lhe valeu já a atribuição do Prémio Mobis em várias ocasiões. 135


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala

Alfândega do Porto (fotograia © Arquivo AMTC) Emídio Brandão e Carlos Aquino (Aquinos)

136

Emídio Brandão e Jorge Brito (APIMA)

Isabel e Domingos Silva (Móveis Carla) Pedro e Carla Castro Silva

Gala 2005


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2010

Gala 2009

lBF Mobiliário® lino leal de Barros Daniel Barros

Fundada em 1968, a empresa apostou cedo numa estrutura técnica sólida que lhe permitiu atingir rapidamente elevados padrões de design e qualidade no mobiliário que fabrica, o que se traduziu na conquista de um grande prestígio e notoriedade em Portugal. Fazendo da inovação uma preocupação constante, a lino Barros & Ferreira, lda. ofereceu sempre uma gama alargada de soluções aos seus clientes. Na viragem do século, com a chegada à empresa da segunda geração, foi criada a marca lBFMobiliário® iniciando-se a aposta na internacionalização elegendo Espanha, França, Rússia, África e américa do Sul como mercados alvo. O estabelecimento de acordos estratégicos com parceiros espanhóis possibilitou um crescimento acelerado da empresa, originando o aparecimento da marca europeia Calgari®, reconhecida como referência no mobiliário internacional.

137


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala

Júlio Pinto da Costa, Marlene Pereira, Arminda e Graça Brandão

Sandra Lau (Movelau)

José Carlos Coutinho e Nuno Teixeira (Exponor)

Fernando Serrasqueiro e Emídio Brandão

Rita Ferro Rodrigues, apresentadora

138

Carlos Barbosa (Delicat) e Aprígio Costa (Estofal)

Gala 2005


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2010

Gala 2009

Colonial Docas ana Roque Júlio Costa

a Colonial Docas é uma das lojas mais soisticadas de lisboa. localizada naquele que icou conhecido por Santos Design District, a loja é dirigida pela decoradora ana Roque, que nos últimos anos ganhou destaque no meio pela capacidade para desenvolver projectos personalizados com base nas mais recentes tendências e com recurso a materiais de excelente qualidade e com acabamentos de topo. a marca assenta a sua estratégia na qualidade e requaliicação dos recursos humanos, atenta aos novos valores proissionais, e nas parcerias estratégicas com fabricantes e outros fornecedores especializados, nomeadamente na área da Hotelaria. a Colonial Docas aposta num design que conjuga o prazer estético com a funcionalidade e conforto obrigatório nas suas propostas. Nos últimos anos a marca estendeu a sua actividade a angola, onde possui uma loja em luanda e onde tem desenvolvido diversos projectos de decoração. a loja de lisboa foi condecorada com o Prémio Mobis em duas ocasiões, e o seu administrador, Julio Costa, foi distinguido como melhor empresário do ano em 2010.

139


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Premiados

Antónia Pintado (Decoradora) e Pedro Castro Silva (Arquitecto) Carlos Aquino (Aquinos), Emídio Brandão e Ivo Portela (Câmara Municipal da Tábua)

Stephan Morais (TemaHome)

Alberto Dias (Aldeco) e Graça Brandão João Ribeiro (AEPF) e Carlos Faria (Opostos) Arminda Brandão e Rui Gomes (Dimensão)

140

Gala 2005


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2010

Gala 2009

Premiados

Maria João Almeida (Molalex)

José Ferraz (Lusoverniz)

Isabel Brissos (JJ Louro) e Graça Brandão

Amaro Martins (Marjos) e Abílio Faria (Farimóvel)

António Sousa Correia (SPAL) e Arminda Brandão

José Ribeiro (AEPF), Carlos Natal (AEV) e José Alberto Pescada (APCM) Pedro Figueira (Sonae) e Mário Costa

141


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Premiados

142

Nelson Pereira (MOB)

Cristina Veríssimo (Tintas Barbot) e Arminda Brandão

José Luís Almeida (Levira)

Mário Brito (Brito’s)

Fernando Lourenço (Haut de Gamme) e Aprígio Costa (Estofal)

Alfredo Peixoto (Lameirinho)

Celeste Ribeiro da Costa (Colunex)

António José Batista (Móveis Batista) e Seraim Almeida (Anaric)

Gala 2005


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2010

Gala 2009

Premiados

Júlio Costa (Colonial Docas) e António Amaral (Iduna)

Francisco Samuel Brandão e Olga Leite (Câmara Municipal de Paços de Ferreira)

Representante da Poliface e Graça Brandão

Grupo de Premiados

143


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Gala 2010 Dez anos de Prémio Mobis, celebrados de novo no Salão Nobre do Edifício da alfândega, no Porto. Desta vez, porém, não foram apenas distinguidas as marcas que mais se destacaram no decurso do último ano. Todas aquelas que ao longo de uma década deram provas de sustentabilidade e se demarcaram continuadamente pela qualidade foram premiadas de uma forma particular. Um total de quinze empresas estavam nestas ciscunstâncias: aldeco, anaric, ambitat, aquinos, Haut de Gamme, Interfer, J.J. louro, levira, Marjos, MOB, Molalex, Moveme, Movilor, O Móvel e Sonae Taibra receberam uma peça especialmente desenhada por Eduardo Souto de Moura.

Local: Edifício da Alfândega, Porto

Apresentadora: Sónia Araújo

Mas lúcia Gonçalves, Nini andrade Silva, Undo, luís Ferreira, Pedroso & Osório, Tintas CIN, Recer, Cutipol, lusoverniz, K-lightning, Colonial Docas e lasa, também tiveram razões para sorrir pelos Prémios que lhes foram atribuídos. O Cluster Hi.Global recebeu o Prémio na categoria Special Partners, enquanto as Câmaras Municipais de Paços de Ferreira, Paredes e Tábua tiveram reconhecido o importante papel de apoio às empresas locais e o forte contributo para o desenvolvimento do Sector em Geral.

Júri: AICEP - Portugal Global IAPMEI - Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação APIMA - Associação das Indústrias de Mobiliário e Ains APCM - Associação Portuguesa de Comércio Mobiliário AEPF - Associação Empresarial de Paços de Ferreira AEParedes - Associação Empresarial de Paredes

144

Na categoria Homenagem e Carreira, o Prémio foi atribuído ao Comendador antónio Rocha. No inal do evento, Emídio Brandão rememorou o percurso de dez anos de Prémio Mobis e anunciou que Paris vai acolher a próxima Gala, decisão justiicada pela importância do mercado francês para as empresas portuguesas.


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Viriato Hotel Concept

antónio Rocha

a Viriato foi fundada em 1952 e é hoje uma empresa líder em Portugal e uma referência mundial no mercado do equipamento hoteleiro. Na verdade, trata-se de uma das poucas empresas à escala mundial a fabricar móveis e a fornecer serviços integrais de decoração, personalizados e versáteis, com conceitos diferenciados. até aos anos 80, a Viriato dedicou-se principalmente ao fabrico de mobiliário doméstico, mas o crescente aumento de clientes na área da hotelaria levou à especialização neste mercado. Desde então, a marca trabalha para os principais players hoteleiros mundiais produzindo ambientes que transformam a arquitectura em espaços com vivências únicas através dos objectos que cria, dos equipamentos que produz e dos materiais que equipa, traduzidos na decoração de centenas de hotéis de gama média / alta e de luxo em todo o mundo. a Viriato Hotel Concept viu o seu administrador, antónio Rocha, ser distinguido com o Prémio Mobis Homenagem e Carreira em 2010.

145


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala

Alfândega do Porto (fotograia © Arquivo AMTC)

Francisco, Inês, Ângela e Emídio Brandão

Carmo e Ângelo Costa (Angelus Mobiliário)

Representante da Pedroso & Osório, Alexandre Teixeira Lopes e Pedro Guimarães (Decorador)

Avelino Gonçalves do Carmo (Navarra) e esposa com Emídio Brandão

Jorge Antunes e esposa (Damaceno & Antunes)

Emídio Brandão e Alberto de Sousa Martins (Ministro da Justiça) Manuel e Isabel Faria (Almonda Móveis)

146

Gala 2005


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Fenabel

Elsa leite Mário leite

Prestes a completar 20 anos de actividade, a Fenabel é uma empresa de cariz familiar, especializada no fabrico de cadeiras em madeira direccionadas para quem procura o design inovador e a lexibilidade do serviço tailor made. a fábrica, que tem sede em Rebordosa, Paredes, é detentora da marca Fenabel – The heart of seating e está vocacionada para a exportação fornecendo essencialmente o canal hotelaria – restauração – cafetaria. a Fenabel exporta mais de 60 por cento da sua produção e marca presença em várias exposições internacionais, sendo a primeira empresa portuguesa a participar na feira de mobiliário de Xangai, que é considerada o maior evento internacional do género e que atrai dezenas de milhares de visitantes de todo o mundo. O constante investimento na internacionalização faz com que opere em vários países da Europa, África, américa e Ásia. O sucesso deve-se igualmente a uma aposta constante no desenvolvimento de produto, com um departamento de design próprio e parcerias com universidades e outras instituições de formação, na inovação e nas novas tecnologias de informação. a nova aposta da Fenabel passa por integrar inovação, sustentabilidade ambiental, conforto e design. a linha Eco Hotel Collection é o mais iel exemplo do futuro da empresa em prol da ecologia, da saúde e do bem estar.

147


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala

148

Luís Silva e Joaquim Martins (Estofos Luis Silva)

Mário Silva, Maria João Almeida e Victor Marinheiro (Molalex)

Fernando Costa com esposa Mirene

Emídio Brandão e Fernando Serrasqueiro

Angela Brandão e Francisco Brandão

Sónia Araújo, apresentadora

Arménio Belo e esposa

António Silva (AICEP)

Carlos Barbosa (Delicat) e Navazali Nurali (APCM)

Gala 2005


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Recer

antero Calvo

a Recer, fundada em 1977, é uma das mais importantes empresas portuguesas do sector de pavimentos e revestimentos cerâmicos. a Recer protagonizou ao longo da sua história um conjunto de iniciativas inovadoras, que moldaram a sua imagem. Desde logo a preocupação ambiental, o apoio ao desporto e o lançamento de produtos de assinatura. ana Salazar, Graça Viterbo, Teresa Salgueiro foram algumas das parcerias na área do design, decoração e imagem. a presença da Recer nos mercados internacionais é igualmente signiicativa, vendendo as suas soluções decorativas em mais de 70 países. Certiicada ao abrigo das normas europeias da qualidade, que regem a produção e os serviços a jusante, a Recer é uma referência de coniança para os seus parceiros na distribuição, em todo o mundo, com especial destaque para a União Europeia e para o espaço lusófono. a investigação e o desenvolvimento de novos produtos, nomeadamente para a renovação urbana, é uma das prioridades da empresa, que dispõe de um laboratório de nível internacional e de um gabinete de apoio na decoração e aplicação de materiais. Com obras de referência, um pouco por todo o mundo, a Recer é hoje uma marca global, que valoriza a sua origem portuguesa e as riquíssimas tradições da arte da azulejaria no nosso País. 149


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Premiados

Luís Silva (Estofos Luís Silva) e Alberto Dias (Aldeco) Celso Ferreira (CM Paredes), Pedro Pinto (CM Paços de Ferreira), Ivo Portela (CM Tábua) e Mário Costa

Victor Marinheiro (Molalex)

Graça Brandão e Pedro Figueira (Sonae) Luís Silva (Estofos Luís Silva) e Manuel Madeira (MOB) Alice Teles (TemaHome) e José Ferraz (Lusoverniz)

150

Gala 2005


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Premiados

Carlos Leal (Levira)

Colectivo Undo, com Pedro Pinto (Câmara Municipal de Paços de Ferreira)

Antero Calvo (Recer) e Sónia Araújo

Arminda Brandão e Amaro Martins (Marjos)

Luís Ilhão (Ilhão & Ilhão) e Beatriz Barros (Ambitat)

Isabel Costa Pereira e Fernando Lourenço (Haut de Gamme)

151


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Gala 2005

Premiados

Maria José Faria (Maria José Faria Interiores), Tiago Vilaça, Américo Páscoa (Móveis Páscoa), Navazali Nurali (APCM) João Paulo Martins (Paularte) e Navazali Nurali (APCM) Celso Ferreira (Câmara Municipal de Paredes) e Nini Andrade Silva (Designer de Interiores)

152

Carlos Manuel Amoedo (Amoedo Interiores) e Navazali Nurali (APCM)

José Carlos Coutinho (Exponor) e Seraim Almeida (Anaric)

Helder Moura ( AEPF) com João Costa da Lasa

Patrícia Oliviera (4U Decor) e Representante da Pedroso & Osório


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Móveis Costa Pereira Joaquim Costa Pereira

a Móveis Costa Pereira é uma empresa de referência do Sector em Portugal. Iniciou a sua laboração em 1990 apenas com uma secção de acabamentos e de expedição. Hoje tem novas instalações, para onde se mudou há cerca de dois anos. Numa área de 14 mil metros quadrados, a unidade fabril corporiza um investimento de 3,5 milhões de euros e está equipada com a mais recente tecnologia. O investimento gerou o aumento da capacidade de resposta da empresa, capaz de alargar a sua base de implantação para além das fronteiras de Portugal: Espanha, França, lituânia, Moçambique e angola são agora mercados onde a marca opera também. Para aumentar as exportações, a empresa optou por criar produtos especíicos para cada mercado, ao mesmo tempo que revelou um grande dinamismo na criação de uma rede comercial e na presença em feiras internacionais. a Móveis Costa Pereira tem um departamento próprio de desenvolvimento de produto que deine todo o processo produtivo da empresa.

153


Gala 2001

Gala 2002

Gala 2003

Gala 2004

Premiados

Nuno Ferreira da Silva e Carlos Aquino (Aquinos)

Francisco Samuel Brandão e Lúcia Gonçalves (SIC)

José Carlos Coutinho (Exponor) e Francisco Malcato (Interfer)

António Rocha (Viriato Hotel Concept)

Nuno Ferreira da Silva e Carla Pinto (Movilor)

154

Representante da JJ Louro

Gala 2005


Gala 2006

Gala 2007

Gala 2008

Gala 2009

Gala 2010

Premiados

Premiados 10 Anos

Luciana Duarte (Expressões Decorativas), Ricardo Silva (Móveis Carla) e Navazali Nurali (APCM)

Mário Brito (Brito´s) e Júlio Costa (Colonial Docas)

155


Em Setembro de 2010, paralelamente à décima edição do Prémio Mobis, surgiu o Mobis Gallery, com uma exposição realizada na baixa do Porto em que participaram vinte marcas de mobiliário. A iniciativa tinha por objectivo sensibilizar a população residente e os turistas para o design, qualidade e marca do mobiliário fabricado em Portugal. O próprio nome Mobis Gallery foi pensado para cativar potenciais futuros compradores estrangeiros. O director do Prémio Mobis, Emídio Brandão, airmou na altura que «queremos que eles saibam que além do Vinho do Porto, do Fado e do Futebol, Portugal pode igualmente ser conhecido internacionalmente pela qualidade e pelo design dos seus móveis que em alguns casos são verdadeiras peças de arte, podendo facilmente ser apresentados numa galeria.» As marcas participantes nesta acção de divulgação foram seleccionadas pela qualidade dos seus móveis quer pela capacidade de produção como pelo seu potencial exportador. Pouco tempo depois da estreia, no Porto, o Mobis Gallery deu um passo importante na prossecução dos seus objectivos ao promover a sua primeira exposição fora de Potugal, tendo eleito Espanha (Vigo, mais precisamente) para servir de montra ao mobiliário português. Assumindo um caminho independente do Prémio Mobis, prevê-se que o Mobis Gallery leve a outros pontos do planeta a qualidade e o design dos móveis fabricados em Portugal.

156


agradecimentos

158


Empresas

4U Decor; A. Brito; A.D.C. – Américo Dias Campos; A.F. Mobiliário; A.M. Colchões; AM Móveis; AM Móveis – Armando Ferreira da Silva; ARC; ATC; Abílio Reis; Abolini; Abstracto; Acrópole Móveis; Agol – Eichemann & Gomes; Agostinho Ferreira Leal; Agratil; Alberto Santos – Comércio de Ferragens; Alcino Ferreira dos Santos & Filhos; Aldeco; Aleal; Alexana; Alidata; Alma Mater; Almonda Móveis; Almondina; Altamira Mobiliário; Alumínios Navarra; Ambitat Móveis; Amélia Silvério; Amoedo Interiores; Anaric; Angelus - Ângelo da Costa Martins; Animóvel; Antaix; Antarte; Antena 1; Antónia Pintado; António Loureiro Mendes; Aquinos; Argentea Diseño; Artedi; Artimol; Atrium; Avelino Couto; Azemad; Azioni; Balbino & Faustino; Beco – Ferramentas de Corte; Belar – Fernando Santos; Big Sofá; Boca do Lobo; Bolas – Máquinas e Ferramentas; Brasão; Bronzes Super; Burmester; Candibambu; Cardoso Leal Mobiliário; Carlos Caetano; Carlos Castro; Carlos Valente Interiores; Casa Alvarinho; Castro Lighting; Catarino Mobiliário e Decoração de Interiroes; Cátia Rego; Celar; Centrum Mobiliário; Cerne; Cetelem; Círculo Mobiliário; Classic Móvel; Colchões Climax; Colmol; Colonial Docas; Colunex Portuguesa; Comercial del Mueble; Comovar; Conceição Vasco Costa; Cortimóveis; Cotecin; Crismóvel – Cristóvão Matias Vala; Cutipol; Damaceno & Antunes; Delicat – Móveis Pinto Barbosa; Demovave; Dicarmo; Dikasa; Dimensão; Disarte Móveis; Domingos Lima; Duarte da Rocha; Ducalvo; Ducampus – Campos & Filhos; Ecomódulos; Eduardo A. Morais - Chateau d’Ax; Emanuel José; Época; Esquadria; Estofal; Estofos Luís Silva; Estofos Ramos Pinto; Euroconfort; Eurospuma; Eurotábua; Ezarte; F.C.M.; F. Costa; F. Guedes; Fábrica de Tintas Isolaca; Fabulis; Famac; Famo; Farimóvel; Fenabel; Fetex; Fiaga; Filipe & Henriques; Firmino Rino, Flávio Mobiliário; Flex 2000; Frama; Francisco Cardoso; Frezite; Friso Mobiliário; Futurocol; Galerias Impacto; Galerias Primor; Gamamobel; Gerber Technology; Globaldis; Graça Viterbo; Grupo Saira; Grupo Ventura; Guialmi; Handy; Haut de Gamme; Haworth; Hip 1; Hiper Centro do Móvel; Hipermóveis; Homes In Heaven; Icomatro; Iduna; IKEA; Ildebrando Lourenço; Ilhão & Ilhão; Ilídio da Mota; Ilídio Porto; Indulex; Integratu; Interfer; Interforma; Irmãos Correia; Irmãos Leal; J.A.P. – José Agostinho Pereira; J. Dias; J.J. Louro Pereira; J. Moreira da Silva; J.O.M. – Joaquim Oliveira Mendes; J. Pinto Leitão; Jamor Móveis – Pereira e Rebouço; Janela do Oriente; Jetclass; João Coelho; Joal – Mobiliário Clássico; João Rôlo; Joaquim Cordeiro; Jodicar; Jomar; Jomotex; Jorge de Brito; Jornal de Notícias; José Luís Interiores; José Ramos; Jovem 4; Júlio Montenegro; K-Lighting; KA Internacional; Kaza Design; Kibuc; Konforto – Alice Malheiro; L.B.F. – Lino Barros & Ferreira; Lameirinho; Lampião; Lan Mobel; Lancel; Larforma; Las Kasas; Lasa; Levira; Lismade; Lourini; Lousapinhos; LR Moveis; Luant; Lúcia Gonçalves; Luciana Duarte Expressões Decorativas; Ludicenário; Luís Ferreira; Lusocolchão; Lusorustik; Lusoverniz; Lustrarte; M. Vieira; M.J.G.; MOB Cozinhas; MR Mobiliário; M.T.M.; Macedo Barbosa; Madeicávado; Madeivilar; Manuel Duarte & Paiva; Maple Quadrado; Maria José Faria Interiores; Marjos; Martimaia; Materlis; Melix; Merkamueble; Mescal; Mida; Mindol; Minuit; Mobilão; Mobilatto; Mobiramos; Mocape; Molalex; Molarte; Molibel; Moments of Youth; Montejuntolar; Mota & Teixeira; Móveis Alcaide; Móveis Alviela; Móveis Batista – Batista & Brás; Móveis Cantes; Móveis Carla; Móveis Carlos Alfredo; Móveis Costa Pereira; Móveis Feliciano; Móveis Fernandes; Móveis Fijô; Móveis Floresta; Móveis Gonzaga; Móveis Graça; Móveis Jogapau; Móveis Lusíadas; Móveis Nobre; Móveis Oliveira; Móveis Páscoa; Móveis Pedrosas; Móveis Pinto; Móveis Reina; Móveis S. Matos; Móveis Tralhão; Móveis Viriato; Móvel Asil; Movelantigo; Moveltor; Moverel; Movicôr; Movilor; Movior; Movipreço; Muciforme; Muebles de Portugal; Muebles Eva Yecla; Muebles La Unión; Must; NTV; Nervura; Neves & Santos; Neves Roupeiros; Nini Andrade Silva; Nortinteriores; Nós Mobiliário; Notícias Lusófonas; O.A.T.; O Marceneiro; O Móvel de Condeixa; Olga Leite; Oliface; Opostos; Orlando Castro; Oscar & Cª; Osnofa; P’ra Miúdos; Palma Ferreira; Paralux; Paularte; Paulo Coelho – Iluminação; Pedro Guimarães; Pedro Santos; Pedroso & Osório; Persantos; Pescada, Santos & Irmão; Pikolin Lusitana; Plano Sequencial; Probos; Projecta; Provence; Público; Puro Móvel; RTP; Rall; Recer; Regedor; Representações Benjamim Aguiar; Roupeiros Neves; Rui Pires; S.M.L. – Silvino Lindo; Sallony; Sardinha & Leite; Secamo; Secarte; Serip; Sicromóvel – Joaquim da Luz Ferreira; Sofahouse; Sofamóvel; Sofavip; Sonae Industria; Spal; Stoffus; Styleline Mobiliário; T.G.V.; Tânia Ventura; Temahome; Teresa João Interiores; Tinhamóvel; Tintas 2000; Tintas Barbot; Tintas CIN; Unânime; Undo; Unique; Ventil Acqua; Vicaima; Vilarmóvel; Vilarplaca; Vista Alegre; VitaForm; Volume Estético; Z.S. Mobiliário.

159


Emídio Brandão

160

Isabel Costa Pereira

Mário Costa


Marlene Pereira

Norberto Pereira

Sandra Coimbra

São estas cinco pessoas que há mais tempo fazem parte da equipa que dá corpo ao Prémio Mobis, preparando a Gala, e tudo o que ela envolve, sob a orientação de Emídio Brandão. O trabalho, que para muitos é visível apenas na noite da própria Gala, começa muitos meses antes: formar a Comissão de Honra, convidar instituições oiciais e demais parceiros, formar o Júri, estabelecer os critérios de votação, apreciação e análise dos resultados, organizar a votação, garantir a presença dos vencedores são apenas algumas das tarefas. Com espírito de entreajuda e de solidariedade, as peças de um grande quebra-cabeças começam a ser postas no lugar para que na grande noite, tudo esteja preparado para a festa. No im, certamente cansados, têm a recompensa da enorme satisfação de ter tudo corrido conforme planeado…

161


162


EDITOR Emídio Brandão AUTOR Mobiliário em Notícia PARTICIPARAM NESTE LIVRO Emídio Brandão Mário Costa Isabel Costa Pereira Patrícia Pinho Norberto Pereira Arminda Brandão Marlene Pereira Sandra Coimbra FOTOGRAFIA António Azevedo Américo Gomes Jaime Machado Nuno Silva Orlando Fonseca DESIGN The Zayners PROPRIEDADE Emibra, Lda IMPRESSÃO Multitema Soluções de Impressão S.A. ISBN 978-989-20-2991-7 Depósito Legal 342202/12 Março 2012

163

Este livro não pode ser vendido nem reproduzido de alguma forma sem autorização escrita do Autor | Todos os direitos reservados | Porto 2012


164


Livro Prémio Mobis