Page 77

Emiliano

Castro

KANIMAMBO

COTAÇÃO

89

33

“O que nós queremos, de verdade, é a independência”. A frase traduzida de Cunene, uma adaptação de canções revolucionárias moçambicanas, serve para exemplificar a carga de referências colocada por Emiliano Castro em seu primeiro trabalho autoral. O compositor, arranjador e violonista já pisou em vários palcos ao redor do mundo, atuou como instrumentista em mais de vinte discos e, agora, reúne toda sua experiência num registro intenso e comovente. Kanimambo, que conta com uma arte visual belíssima, traz canções que vão do xote (jazzy) ao frevo (nupcial), do samba (de pneu torto) à valsa (mundana), do choro (africano) aos tangos flamencos (enamorados). Castro também mostra sua voz privilegiada em vários pontos do disco, como em Tamborero, composição de Jorge Drexler. Com o intuito de agradecer aos que marcaram sua trajetória - uns duzentos nomes são citados no álbum - o músico acaba dividindo experiências valiosas com o ouvinte.

TEXTO: Ed Félix | FOTOS: Christian Madrigal/Divulgação

www.EMBRULHADOR.com

Os 100 Melhores Álbuns da Música Brasileira em 2011  

Um balanço do que aconteceu de melhor na música brasileira em 2011.

Os 100 Melhores Álbuns da Música Brasileira em 2011  

Um balanço do que aconteceu de melhor na música brasileira em 2011.

Advertisement