Issuu on Google+


Exemplares desta publicação podem ser adquiridos na: Embrapa Produtos e Mercado Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte Ed. Sede - Térreo. CEP: 70770-901 Fone: (61) 3348-4522 Fax: (61) 3448-1700 www.embrapa.br/produtos-e-mercado E-mail (SAC): www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Supervisão editorial e revisão de texto Jurema Iara Campos

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa

Finalização Gabriel Bittencourt B. Verçosa

Presidente Maurício Antônio Lopes

Projeto gráfico Jenigleison Santos de Oliveira

Diretores Executivos Vania Beatriz Castiglioni Ladislau Martin Neto Waldyr Stumpf Junior

Responsável técnico Rafael Vivian

Capa Pamella Silva de Souza 1° edição 1° impressão (2015)

Embrapa Produtos e Mercado Gerente-Geral Frederico Ozanan Machado Durães Gerente-Adjunta de Administração Mara Silvia Rocha Ribeiro Gerente-Adjunto de Produto Marcio Barbosa Guimarães Cota Junior Gerente-Adjunto de Mercado Rafael Vivian

Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação , no todo, ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n° 9.610).


Apresentação Na produção agrícola, três elementos são fundamentais: boa genética (da semente ou muda), um solo bem preparado e água pura e em abundância. A Embrapa desenvolve, a mais de 40 anos, cultivares que são melhoradas pela pesquisa e adaptadas às diversas regiões brasileiras, viabilizando a produção agrícola de Norte a Sul do país. A Embrapa Produtos e Mercado reuniu, em uma única publicação, as principais características das cultivares Embrapa que hoje estão sendo comercializadas no mercado. Apresentamos a você o Catálogo de Cultivares Embrapa 2015! Ele foi elaborado pela Embrapa Produtos e Mercado, Unidade de Serviço Especial da Embrapa responsável pela inserção no mercado dos ativos desenvolvidos pelos programas de melhoramento genético vegetal, além de outras tecnologias, produtos, processos e serviços resultantes do trabalho de P&DI da empresa. A Embrapa atua no mercado de ativos com o grande apoio e parceria de produtores de sementes e industriais do setor de insumos, que produzem, a partir dos insumos básicos fornecidos pela Embrapa, as sementes e mudas que são inseridas no mercado. Por meio desta parceria público/privada a Embrapa repassa ao setor agrícola materiais genéticos mais produtivos e saudáveis. As sementes básicas e os propágulos são oferecidos ao setor produtivo por meio de Editais de Oferta Pública, para os quais a Embrapa Produtos e Mercado concede ampla divulgação, procurando atingir todo o segmento de produtores de sementes e mudas, buscando os interessados em se tornarem parceiros da Embrapa no mercado de cultivares. Este Catálogo está estruturado em capítulos conforme o tipo de produto: Grãos, Forrageiras, Fruteiras, Hortaliças e Outras Cultivares. Nestes capítulos encontram-se todas as espécies com as quais a Embrapa participa hoje no mercado de cultivares. As cultivares estão descritas com informações sobre suas características agronômicas, ciclo de produção, abrangência, reação a doenças, entre outras informações importantes para que a sua produção seja feita com garantia de sucesso. Elas foram desenvolvidas nos últimos anos nas Unidades Descentralizadas da empresa e são inseridas no mercado pela Embrapa Produtos e Mercado. A Embrapa Produtos e Mercado conta hoje com cerca de 1200 parceiros privados, que produzem e comercializam no mercado suas cultivares. Para saber onde adquirir cada uma das cultivares Embrapa, entre na página embrapa.br/cultivares. FREDERICO OZANAN MACHADO DURÃES Gerente-Geral da Embrapa Produtos e Mercado


ARROZ BRS 358 Arroz tipo japonês para suprir nichos de mercado Produto para cultivo irrigado de alta produtividade, resistente ao acamamento. O desenvolvimento de cultivares com tipos de grãos especiais de boa qualidade e adaptadas às condições de cultivo do Brasil é uma grande oportunidade que a Embrapa oferece para agregar valor à produção do arroz irrigado. Restaurantes, empresas e importadores estão investindo em cultivares que apresentem grãos diferenciados para preparação de pratos da culinária internacional, como risoto, arroz aromático e da culinária japonesa. A cultivar visa atender, principalmente, a demanda interna composta especialmente por imigrantes asiáticos,em especial a colônia japonesa no Brasil, que é considerada a mais numerosa do mundo.

Ciclo: 108 dias. Densidade de semeadura: 100 Kg/ha de sementes. Abrangência: RR, TO GO, MS, SP, RJ, SC e RS.

Reação a doenças: Moderadamente resistente Resistente

Brusone da folha. Brusone na panícula, mancha parda, mancha de grãos.

BRS 901 Arroz vermelho para atender nichos de mercado Cultivar de pelicarpo vermelho pertencente à classe de grãos curto que para expressar o seu potencial genético de produção, em termos de umidade, requer um solo encharcado, com lâmina d’água de 20 cm. Peso de 1000 grãos em torno de 29g. Classe para indústria do tipo médio; rendimento de beneficiamento: 74,03% e rendimento de grãos inteiros: 60,74%. Reação a doenças: Moderadamente suscetível

Brusone da folha, brusone da panícula.

Moderadamente resistente

Mancha parda, mancha dos grãos, escaldadura da folha e mancha da bainha.

Ciclo: Médio. Densidade de semeadura: 200 a 300 sementes variáveis por m². Abrangência: PI, CE, RN e PB.


BRS 902 Arroz vermelho para cultivo irrigado Cultivar de grão meio alongado. Peso de 1000 grãos em torno de 32 g. Qualidade industrial: classe médio, rendimento do beneficiamento de 74,8% e rendimento de grãos inteiros de 68,39%. O arroz vermelho é o tipo de arroz mais antigo cultivado no mundo, desde antes do arroz branco. Ele é chamado de vermelho devido à coloração do seu pericarpo, coloração que pode variar desde o vermelho claro até o vermelho escuro. É um arroz muito consumido na culinária do Nordeste Brasileiro.

Ciclo: Médio. Densidade de semeadura: 100 Kg/ha de sementes. Abrangência: PI, CE, RN, PB e o Vale do Rio Paraíba correspondente aos Estados de SP e RJ.

Reação a doenças: Moderadamente suscetível

Brusone na folha, brusone da panícula.

Moderadamente resistente

Mancha parda, mancha de grãos, escaldadura e mancha da bainha.

BRS Esmeralda Alta produtividade com destacada qualidade de grãos e culinária Grãos tipo longo-fino com boa qualidade culinária e boa aceitação industrial. Persistência da coloração verde das folhas na fase de maturação de grãos (stay green). Essa característica está correlacionada à alta produtividade e boa resistência ao acamamento. Maior tolerância ao estresse hídrico e maior rusticidade. Reação a doenças: Resistente Moderadamente resistente

Mancha-parda, escaldadura-das-folhas e mancha-dos-grãos. Brusone nas panículas e nas folhas.

Ciclo: 105 a 110 dias. Densidade de semeadura: 70 kg/ha. Abrangência: GO, MA, MG, MT, PA, PI, RO, RR e TO.


BRS Pampa Ciclo: 118 dias. Excelente qualidade de grãos e rendimento de inteiros Plantas de alto perfilhamento, grãos longo-finos, do tipo agulhinha, com rendimento de inteiros superior a 62%, baixa incidência de centro-branco e textura solta e macia após a cocção, semelhante às melhores cultivares em uso no Rio Grande do Sul.

Densidade de semeadura: 100 Kg/ha de sementes. Abrangência: RS.

Reação a doenças:

Moderadamente resistente

Brusone nas folhas, brusone nas panículas, mancha de grãos, mancha parda e mancha estreita.

BRS Pampeira Potencial produtivo e adaptação a ambientes favoráveis Cultivar de arroz irrigado resistente ao acamamento. Grão longo-fino, baixa porcentagem de gessados e alta porcentagem de inteiros. Alto nível de tolerância à toxidez por ferro. Reação a doenças: Sem informações disponíveis.

Ciclo: 133 dias. Densidade de semeadura: 100 Kg/ha de sementes. Abrangência: RS, MS, GO, TO, PA, RR, MA, PI, CE, RN, PB, PE, AL e SE.


BRS Sertaneja Alto rendimento de grãos inteiros e translúcidos Plantas vigorosas, de porte médio, moderadamente perfilhadoras e com boa resistência ao acamamento. Suas panículas são longas, com elevado número de grãos.

Ciclo: 110 dias. Densidade de semeadura: 200 sementes variáveis por m². Abrangência: MG, GO, MT, RO, PA, RR, MA, PI, TO e DF.

Reação a doenças: Moderadamente resistente

Mancha parda e mancha de grãos.

Moderadamente suscetível

Brusone da folha e à brusone da panícula.

BRS Tropical Ampla adaptação para as várzeas tropicais

Ciclo: 140 dias. Densidade de semeadura: 100 sementes/m².

Arquitetura moderna de planta, adaptada ao plantio em regiões tropicais com resistência ao acamamento. Reação a doenças:

Resistente

Brusone nas folhas, brusone nas panículas, mancha de grãos, mancha parda.

Abrangência: GO, MS, PA, RJ, RR, TO e Região Nordeste.


BRSGO Serra Dourada Boa produtividade, precocidade, qualidade de grãos e tolerância à seca Cultivar de terras altas desenvolvida conjuntamente entre UFG, CAb-GO e Embrapa e adaptada a pequenas propriedades devido à sua rusticidade. Apresenta boa qualidade de grãos e é resistente ao acamamento.

Ciclo: 107 dias. Densidade de semeadura: 70 kg/ha. Abrangência: GO.

Reação a doenças: Moderadamente resistente

Brusone da panícula, mancha de grão e mancha parda.

Moderadamente suscetível

Brusone nas folhas.

BRSMA 357 Qualidade de grãos e resistência Apresenta arquitetura de planta moderna, resistência ao acamamento e grãos com boa qualidade industrial e culinária. Pode ser utilizado para plantio em várzea, com ou sem controle da lâmina d’água, com condições de plantio na Baixada Maranhense. Planta de porte baixo. Reação a doenças: Resistente

Brusone nas folhas.

Ciclo: 140 dias. Densidade de semeadura: 300 a 400 sementes viáveis por m². Abrangência: MA.


CENTEIO BRS Progresso Boa produtividade e estabilidade de produção Nova opção de cultivo para os diferentes sistemas de produção de inverno adotados no Sul e Centro-Sul do Brasil. Qualidade de grãos e peso do hectolitro de acordo com exigências do mercado. Os grãos da cultivar podem ser utilizados na alimentação humana e animal e a farinha pode ser usada na fabricação de pães, biscoitos e massas alimentícias.

Ciclo: 60 a 75 dias (espigamento), 125 a 145 dias (maturação). Densidade de semeadura: 200 a 250 sementes viáveis/m². Abrangência: MG, PR, RS, SC, SP.

Reação a doenças: Moderadamente resistente

Moderadamente resistente à ferrugem do colmo.

BRS Serrano Para alimentação animal, cobertura de solo e produção de grãos Pela grande rusticidade, adapta-se a solos de baixa fertilidade e ao pastejo. Pode ser usado para cobertura de solo em pomares; controle de ervas daninhas em cultivos subsequentes, como o milho e a soja; produção de palhada para semeadura direta; incremento de matéria orgânica do solo; ciclagem de nutrientes; melhorias na estrutura do solo. Cultivar altamente tolerante a solos ácidos, baixas temperaturas durante o desenvolvimento vegetativo e suscetível ao acamamento. Reação a doenças: tolerante

Vírus do nanismo amarelo (VNAC); a pulgões (afídeos); ao vírus do mosaico do solo; a bacteriose.

Resistente

Ferrugem da folha; às manchas foliares; ao oídio e ao carvão.

Altamente

Moderadamente resistente Moderadamente suscetível Suscetível

Mancha amarela.

Mancha marrom. Giberela; à ferrugem do colmo; à brusone.

Ciclo: 160 dias Densidade de semeadura: 200 a 250 sementes viáveis/ m². Abrangência: RS, SC, PR, MS (3) e SP (2 e 3).


CEVADA BRS Brau Alto potencial de rendimento e qualidade de malte Altura média de planta de 76 cm (baixa), o baixo porte confere um bom nível de resistência ao acamamento e qualidade de malte que atende às atuais especificações da indústria cervejeira.

Adubação Nitrogenada: até 80 kg N/ha (base + cobertura) Ciclo: Precoce – 88 dias (espigamento) e 132 dias (maturação). População de plantas: 300 plantas/m².

Reação a doenças: Suscetível

Ferrugem comum, ferrugem branca, ferrugem polissora e antracnose foliar.

Moderadamente suscetível

Mancha de diplodia, mancha branca e grãos ardidos.

Moderadamente resistente

Antracnose do colmo e mancha de bipolaris.

Resistente

Abrangência: RS, SC e PR.

Cercosporiose.

BRS Cauê Ampla adaptação e alta produtividade Altura média de planta de 70 cm (baixa), resistência ao acamamento e qualidade de malte que atende às atuais especificações da indústria cervejeira. Responde positivamente à adubação nitrogenada. Reação a doenças: Suscetível

Mancha marrom e giberela e oídio.

Moderadamente suscetível

Ferrugem da folha.

Moderadamente resistente

Mancha reticular.

Ciclo: Precoce – 87 dias (espigamento) e 125 dias (maturação). População de plantas: 300 plantas/m². Abrangência: RS, SC e PR.


BRS Itanema Precocidade, potencial produtivo e superior classificação comercial de grãos

Adubação Nitrogenada: até 60 kg N/ha (base + cobertura).

Altura média de 90 cm, moderadamente suscetível ao acamamento, malte atende as especificações estabelecidas pela indústria cervejeira, apresenta potencial de classificação comercial superior a 85%.

Ciclo: precoce – 65 dias (espigamento) e 125 dias (maturação).

Reação a doenças:

Abrangência: SP, MG, GO e DF.

Suscetível Moderadamente resistente

População de plantas: 280 a 300 plantas/m².

Oídio, mancha marrom e brusone.

Mancha reticular.

BRS Korbel Qualidade de malte e resistência Desenvolvida em parceria com a FAPA (Fundação Agrária de Pesquisa Agropecuária) e Ambev, é uma cultivar de cevada cervejeira de duas fileiras de grãos e porte baixo, que combina alto potencial produtivo e excelente qualidade de malte. Reação a doenças: Resistente

Oídio.

Ciclo: 125 a 135 dias. População de plantas: 280 a 300 plantas emergidas/m². Abrangência: Sul do Brasil.


BRS Sampa Rendimento e qualidade em cultivo irrigado com qualidade superior de malte Altura média de planta de 77 cm (baixa), resistência ao acamamento e qualidade de malte que atende às atuais especificações da indústria cervejeira.

Moderadamente resistente

Ciclo: Precoce – 75 dias (espigamento) e 135 dias (maturação). Densidade de semeadura: 250 e 300 sementes/m²

Reação a doenças: Suscetível

Adubação Nitrogenada: até 60 kg N/ha (base + cobertura)

Mancha marrom, oídio, ferrugem da folha, giberela e brusone.

Abrangência: SP e GO.

Macha reticular.

FEIJÃO

BRS Ametista Maior tolerância a doenças do feijoeiro e grãos graúdos Do grupo comercial carioca, apresenta arquitetura de planta semiereta e grãos graúdos superiores à maioria das cultivares comerciais. Reação a doenças: Resistente Moderadamente resistente

Mosaico comum. Antracnose, crestamento bacteriano, ferrugem e murcha de fusário.

Ciclo: 85 a 95 dias. População de plantas: 200 a 220 mil plantas/ha Abrangência: 1ª safra em AL, BA, CE, DF, GO, MA, PB, PE, PI, PR, RN, RS, SC, SE e SP; 2ª safra em BA, DF, GO, MS, MT, PR, RS, SC e SP; e 3ª safra em BA, DF, GO, MT, SP e TO.


BRS Esplendor Alta produtividade e estabilidade de produção Grupo comercial preto de arquitetura de plantas ereta e resistência ao acamamento. Boa sanidade e permite colheita mecânica direta. Reação a doenças: Suscetível

Mancha angular e mosaico dourado.

Resistente

Mosaico comum.

Moderadamente resistente

Ciclo: 85 a 95 dias Abrangência: SP, PE, SE e RS na safra das águas; em TO na safra de inverno; em MS e RO na safra da seca; em MT nas safras do inverno e da seca; em SC e no PR na safra das águas e da seca; e em GO nas safras das águas, seca e inverno.

Antracnose, crestamento bacteriano, ferrugem e murcha de fusário.

BRS Esteio Alta produção e excelente aproveitamento culinário Cultivar do grupo preto com resistência ao acamamento (adaptada à colheita mecânica direta). Possui excelentes qualidades culinárias com uniformidade de coloração e do tamanho de grãos, com massa média de 24 gramas por 100 grãos. Reação a doenças:

Resistente Moderadamente Resistente Suscetível Moderadamente suscetível

Vírus do mosaico comum e patótipos 65, 81, 89 e 453, agente causal da antracnose. Antracnose e ferrugem. Mancha angular, crestamento bacteriano comum e vírus do mosaico dourado Murcha de fusário

Ciclo: 85 a 90 dias. Abrangência: Para as épocas das águas, seca e inverno nos estados de GO, DF, MT, TO, MA, BA, ES, RJ; para as épocas das águas e seca nos estados do MS, PR, SC, SP e RS; e para a época das águas nos estados de SE, AL, PE, RN, PI, CE e PB.


BRS Estilo Porte ereto, alta produtividade e uniformidade de cor Grão comercial carioca, ideal para a colheita mecânica direta, possui uniformidade de coloração e de tamanho de grãos, massa média de 100 grãos de 26 gramas. Reação a doenças: Suscetível Moderadamente resistente Resistente

Ciclo: 85 a 95 dias. População de plantas: 200 a 220 mil plantas/ha. Abrangência: 1ª safra no DF, ES, GO, MG, PE, PR, RS, SC, SE e SP; 2ª safra no DF, ES, GO, MG, MS, MT, PR, RO e SC; e 3ª safra no DF, GO, MG, MT e TO.

Murcha de fusário.

Ferrugem. Mosaico comum e a oito patótipos causadores da antracnose.

BRSMG Realce Preferência do consumidor para pratos diferenciados Do grupo comercial rajado, apresenta arquitetura de planta ereta, cor da flor bicolor. Possui alto valor agregado na comercialização, grãos graúdos e excelente qualidade culinária com grande aceitação dos consumidores. Reação a doenças: Suscetível

Mosaico dourado.

Resistente

Mosaico comum.

Moderadamente resistente

Antracnose, crestamento bacteriano, ferrugem, mancha angular e murcha de fusário.

Ciclo: 75 a 85 dias. População de plantas: 200 a 220 mil plantas/ha. Abrangência: É indicada para as safras das águas em AL, BA, CE, DF, ES, GO, MA, MS, MT, PB, PE, PI, PR, RN, RS, SC, SE, SP, TO; de outono/inverno em BA, DF, ES, GO, MA, MT, RJ, SP, TO; e da seca em BA, DF, ES, GO, MA, MS, MT, PR, RS, SC, SP e TO.


MILHO BR 205 Híbrido precoce com alta produtividade e rusticidade Híbrido duplo precoce com tolerância à toxidez de alumínio e ao estresse hídrico. Altura da planta é de 234 cm e da espiga de 124 cm, empalhamento excelente, que protege os grãos contra o ataque de pragas, além de reduzir perdas causadas por podridão. Cor do grão amarelo-alaranjada, semidentado.

Ciclo: Precoce. População de plantas: 55 mil plantas/ha. Abrangência: Regiões Sudeste e Centro-Oeste.

Reação a doenças: Resistente

Helminthosporiose e ferrugem polissora.

BR 206 Rusticidade e tolerância à toxidez Híbrido duplo precoce, de grãos semidentados amarelo-alaranjados e porte médio, que alia rusticidade e resposta ao uso de tecnologias. É tolerante à toxidez de alumínio e resistente à seca, o que possibilita boa estabilidade de produção. Apresenta bom empalhamento de espigas e elevada densidade, isto é, alto peso específico. Adequado para safra e safrinha e pode ser utilizado para grãos e silagem. Reação a doenças: Resistente

Quebramento do colmo, helminthosporiose e ferrugem.

Ciclo: Precoce. População de plantas: 55 mil plantas/ha. Abrangência: Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.


BRS 1010 Potencial produtivo e sanidade Híbrido simples que tem mostrado alta eficiência na utilização de fósforo, reduzindo os riscos causados pelos veranicos e contribuindo para maior estabilidade de produção. Essa cultivar tem boa resistência ao acamamento e ao quebramento, grãos laranja-avermelhados (coloração única no mercado) e espigas bem empalhadas.

Ciclo: Precoce. População de plantas: 55 a 60 mil plantas/ha. Abrangência: Regiões Sudeste e Centro-Oeste, norte do Paraná, sudoeste da Bahia e sul dos Estados do Maranhão e do Piauí.

Reação a doenças: Moderadamente resistente Resistente

Ferrugem polissora, ferrugem tropical ou ferrugem branca, enfezamento e cercosporiose. Phaeospheria.

BRS 1060 Elevada estabilidade de produção e ótima digestibilidade de matéria seca Híbrido simples com porte baixo. Elevada estabilidade de produção e excelente tolerância ao acamamento e quebramento. Para produção de silagem, as plantas, de porte médio, têm ótima produção de massa e digestibilidade de matéria-seca. Reação a doenças: Suscetível

Ferrugem comum, ferrugem branca, ferrugem polissora e antracnose foliar.

Moderadamente suscetível

Mancha de diplodia, mancha branca e grãos ardidos.

Moderadamente resistente

Antracnose de colmo e mancha de bipolaris.

Resistente

Cercosporiose.

Ciclo: Semi precoce. População de plantas: 55 a 65 mil plantas/ha na safra e 45 a 55 mil plantas/ha na safrinha. Abrangência: Norte, nordeste, centro-oeste, sudeste e Estado do Paraná (norte, noroeste e oeste do Estado) para plantios em safra e safrinha, sem restrições de altitude.


BRS 2020 Produtividade e estabilidade de produção Híbrido duplo, adapta-se a diversos ambientes e sistemas de produção, com excelente relação entre produtividade, custo e qualidade. Além disso, associa alta produtividade com estabilidade de produção, sendo bastante competitivo em relação aos melhores híbridos do mercado. Tem porte baixo, excelente empalhamento e grãos do tipo semi-duro, alaranjados e de ótima sanidade.

População de plantas: 55 mil plantas/ha. Ciclo: Precoce. Abrangência: Regiões Sudeste e Centro-Oeste do Brasil. Norte do Estado do Paraná e Estados da Bahia, Piauí, Maranhão e Tocantins.

Reação a doenças: Suscetível Moderadamente resistente Resistente

Ferrugem polissora, mancha branca, cercosporiose, mancha de diplodia, antracnose foliar e ferrugem comum. Ferrugem comum, helminthosporiose e mancha de diplodia. Ferrugem branca.

BRS 2022 Convencional de baixo custo de produção Híbrido duplo, de baixo custo, apropriado para a agricultura de baixo investimento, que reúne bons níveis de produtividade e boa tolerância ao acamamento e ao quebramento. Reação a doenças: Moderadamente suscetível Suscetível

Ferrugem polissora, ferrugem branca, mancha branca, cercosporiose e mancha de diplodia. Antracnose foliar e ferrugem comum.

Ciclo: Precoce População de plantas: 55 a 65 mil plantas/ha na safra e 45 a 55 mil plantas/ha na safrinha. Abrangência: Regiões Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Estado do Paraná (norte, noroeste e oeste do Estado) para plantios na safra, nos ambientes localizados acima de 700 metros de altitude.


BRS 2223 Competitivo também para a safrinha Híbrido duplo de porte baixo e com arquitetura moderna de planta, bom empalhamento e grãos que secam mais rapidamente no campo. Apresenta boa resistência ao acamamento e ao quebramento. Reação a doenças: Moderadamente suscetível

Phaeosphaeria.

Moderadamente resistente

Ferrugem comum, ferrugem polissora, ferrugem tropical ou ferrugem branca, helminthosporiose e enfezamento.

Ciclo: Super precoce. População de plantas: 50 a 55 mil plantas/ha na safra e 40 a 45 mil plantas/ha (safrinha). Abrangência: Regiões tropicais baixas .(com altitudes inferiores a 700 m) do Centro-Oeste e Sudeste, norte do Paraná e Estados da Bahia, Piauí, Maranhão e Tocantins.

BRS 4103 Produção, adaptação e estabilidade de produção Baixa altura de planta e espiga. É mais produtiva e uniforme, e apresenta porte mais baixo do que a maioria das variedades disponíveis no mercado. Reação a doenças: Resistente

Antracnose do colmo e cercosporiose.

Ciclo: Precoce. População de plantas: 50 a 55 mil plantas/ha. Abrangência: Regiões Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e norte, noroeste e oeste do Estado do Paraná.


BRS Sol da Manhã Alto potencial produtivo e eficiência no uso do nitrogênio Variedade criada para atender a agricultores que têm problemas com o estresse no solo relacionados ao nitrogênio, que é o nutriente mais requerido, limita a produtividade e que mais onera a cultura. Excelente adaptação a solos de baixa fertilidade natural. Altura de planta de 2,2 m, inserção da espiga 1,2 m.

Ciclo: Precoce População de plantas: 50 a 55mil plantas/ha Abrangência: Todas as regiões brasileiras

Reação a doenças: Sem informações disponíveis.

BRS Caimbé Excelente opção para agricultura familiar Opção de baixo investimento que apresenta excelentes características agronômicas, estabilidade de produção e adaptabilidade às principais regiões produtoras de milho do país. Apresenta boa resistência ao acamamento e ao quebramento. Reação a doenças: Suscetível

Puccinia polysora, cercospora e antracnose foliar.

Moderadamente suscetível

Physopela zea, mancha branca, mancha de diplodia e a grãos ardidos.

Moderadamente resistente

Antracnose do colmo e mancha de bipolaris.

Resistente

Ferrugem comum.

Ciclo: Precoce. População de plantas: 50 a 55 mil plantas/ha. Abrangência: Regiões Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Estado do Paraná (norte, noroeste e oeste).


BRS Gorutuba Superprecoce com produtividade Variedade de ciclo superprecoce, apropriada para regiões onde o período chuvoso pode não ser longo o suficiente para que as cultivares de ciclo precoce completem seu ciclo reprodutivo sem redução do potencial produtivo. Atinge o florescimento masculino 6 a 7 dias antes das variedades precoces, até a maturação fisiológica.

Reação a doenças: Moderadamente suscetível

Mancha de diplodia e puccinia polysora.

Moderadamente resistente

Mancha de bipolaris .

Ciclo: Superprecoce. População de plantas: 40 a 50 mil plantas/ha. Abrangência: Regiões onde o período chuvoso é curto, como no Semiárido Nordestino.


SOJA BRS 232 Alto rendimento e ampla adaptabilidade

Ciclo: 116 a 142 dias.

Excelente potencial produtivo, principalmente em altitudes elevadas. Tipo de crescimento determinado. Elevado peso de grão.

População de plantas: 10 a 20 plantas (espaçamento de 45 cm (depende da região edafoclimática e altitude)

Reação a doenças:

Abrangência: RS, PR, SP, SC e MS. Podridão radicular de fitóftora, nematoide de galha M. javanica e ao nematoide de cisto.

Suscetível Moderadamente suscetível

Oídio.

Moderadamente resistente

Nematoide de galha M. incognita. Cancro da haste, mancha olho-de-rã, podridão parda da haste e ao mosaico comum da soja.

Resistente

BRS 283 Alto rendimento e rusticidade Cultivar precoce de excelente potencial produtivo. Permite a semeadura antecipada, possibilitando a semeadura da segunda safra de milho na melhor época. Possui moderada resistência ao nematoide de galha M. javanica e à fitóftora. Resistente ao acamamento. Reação a doenças: Suscetível

Mosaico comum da soja, nematoide de galha M. incognita e ao nematoide de cisto.

Moderadamente suscetível

Oídio.

Moderadamente resistente

Podridão parda da haste, podridão radicular de fitóftora e ao nematoide de galha M. javanica.

Resistente

Cancro da haste e mancha olho-de-rã.

Ciclo: 100 a 134 dias. População de plantas: 12 a 22 plantas em espaçamento de 45. Abrangência: PR, SP, SC, MS, MG e GO.


BRS 284 Campeã em rendimento Cultivar precoce de excelente potencial produtivo. Permite a semeadura antecipada possibilitando a segunda safra de milho na melhor época. Possui moderada resistência ao nematoide de galha M. javanica e à fitóftora. Melhor desempenho em altitudes menores que 700 m.

Ciclo: 98 a 132 dias. População de plantas: 10 a 20 plantas/metro em espaçamento de 45 cm. Abrangência: PR, SP, SC, MS, MG e GO.

Reação a doenças:

Suscetível

Podridão radicular de fitóftora, mosaico comum da soja, vírus da necrose da haste, nematoide de galha M. incognita e ao nematoide de cisto.

Moderadamente suscetível

Oídio.

Moderadamente resistente

Nematoide de galha M. javanica, apresenta moderada resistência de campo.

Resistente

Cancro da haste, mancha olho-de-rã e à podridão parda da haste.

BRS 313 Convencional produtiva para abastecimento de nichos Cultivar convencional de crescimento indeterminado também conhecida por Tieta. Possui alto potencial de rendimento e sua semeadura no início da safra permite uma segunda cultura no mesmo ano. Pertence ao grupo de maturidade relativa 8.7 e apresenta resistência ao acamamento. Reação a doenças: Moderadamente resistente Resistente

Nematoide de galhas M. javanica. Pústula bacteriana, mancha olho-de-rã e cancro da haste.

Ciclo: 113 a 118 dias População de plantas: 260 a 300 mil plantas/ha Abrangência: Oeste do Estado da Bahia


BRS 314 Convencional com alto potencial de rendimento Cultivar de soja convencional também conhecida como Gabriela de crescimento determinado com alto potencial de rendimento. Pertence ao grupo de maturidade relativa 9.2.

Ciclo: 125 a 133 dias. População de plantas: 180 a 280 mil plantas/ha. Abrangência: Oeste do Estado da Bahia.

Reação a doenças: Resistente

Pústula bacteriana, mancha olho-de-rã e ao cancro da haste.

BRS 317 Excelente produção em baixas altitudes Excelente potencial produtivo, principalmente nas regiões abaixo de 700 metros e também em áreas com a presença do nematoide de galha M. incognita. Pertence ao grupo de maturidade relativa 6.6. Tipo de crescimento determinado, moderada resistência ao acamamento em altitudes de até 500 metros.

Ciclo: Em regiões de altitude de até 500 metros varia de 113 a 120 dias, em regiões de 500 a 700 metros varia de 122 a 128 dias. População de plantas: 10 a 18 plantas/m em espaçamento de 45 cm dependendo da região edafoclimática, época de semeadura e altitude. Abrangência: SP, PR e MS.

Reação a doenças:

Suscetível

Moderadamente resistente Resistente

Podridão radicular de fitóftora (apresenta resistência de campo), vírus da necrose da haste, nematoide de galha M. javanica e nematoide de cisto. Oídio e a podridão parda da haste. Cancro da haste, mancha olho-de-rã, mosaico comum da soja, ao nematoide de galha M. incognita.


BRS 326 Convencional com precocidade e elevado potencial produtivo Apresenta baixo fator de reprodução do nematoide das lesões radiculares Pratylenchus brachyurus. Possui crescimento determinado, cor da flor roxa e do hilo preta. Apresenta grupo de maturidade relativa 8.7 e moderada resistência ao acamamento.

Ciclo: Precoce. População de plantas: 200 a 250 mil plantas/ha. Abrangência: Estados do MA, sudoeste do PI e norte do TO.

Reação a doenças: Suscetível

Mosaico comum da soja, nematoide de galhas M. incognita e ao nematoide de cisto.

Moderadamente tolerante

Vírus da necrose da haste.

Moderadamente resistente

Pústula bacteriana e ao nematoide de galhas (M. javanica).

Resistente

Cancro da haste e à mancha olho-de-rã.

BRS 361 Alto rendimento e ciclo que possibilita a segunda safra de milho Soja convencional com ciclo e porte que facilitam a sucessão de culturas, a segunda safra de milho. Pertence ao grupo de maturidade relativa 74. Seu tipo de crescimento é indeterminado, flor roxa e hilo preto. Reação a doenças: Moderadamente resistente Resistente

Ciclo: Em regiões de altitude de até 500 m varia entre 105 a 110 dias, em regiões de 500 a 700 m varia entre 111 e 115 dias, e em regiões acima de 700 m varia entre 116 a 118 dias. População de plantas: 16 a 22 plantas/m em espaçamento de 45 cm. Abrangência: REC 301 - MS, GO, REC 302 - SP, MG, GO, REC 303 - MG, GO.

Oídio e tolerância ao vírus da necrose da haste. Cancro da haste, mancha olho-de-rã, podridão radicular de fitóftora e ao mosaico comum da soja.


BRS 7580 Produtividade com estabilidade Bom potencial produtivo com estabilidade, precocidade ideal para o sistema soja/milho safrinha e é pouco exigente em fertilidade de solo. Pertence ao grupo de maturidade relativa 7.5, apresenta tipo de crescimento determinado, resistência ao acamamento, flor de cor roxa e hilo preto.

Ciclo: 100 a 117 dias. População de plantas: 240 a 320 mil plantas/ha. Abrangência: GO, DF, MT, MG e BA.

Reação a doenças: Podridão radicular de fitóftora e nematoide de galhas M. incognita e M. javanica.

Suscetível Moderadamente resistente

Mancha olho de rã e crestamento bacteriano.

Moderadamente suscetível

Oídio. Pústula bacteriana, cancro da haste, vírus da necrose da haste, ao nematoide do cisto.

Resistente

BRS 7980 Ampla resistência a nematoides Potencial produtivo com estabilidade e precocidade - ideal para sistema soja/milho - safrinha. Pertence ao grupo de maturidade relativa 7.9, apresenta tipo de crescimento determinado, moderada resistência ao acamamento, flor de cor branca e hilo preto. Reação a doenças: Suscetível

Vírus da necrose da haste.

Moderadamente resistente

Podridão radicular de fitóftora e ao crestamento bacteriano.

Moderadamente suscetível

Oídio.

Resistente

Mancha olho-de-rã, pústula bacteriana, cancro da haste, nematoide do cisto, nematoide de galhas M. incognita e M. javanica.

Ciclo: 104 a 120 dias. População de plantas: 260 a 320 mil plantas/ha. Abrangência: GO, DF, MT, MG e BA.


BRS 8381 Produtividade aliada à estabilidade com arquitetura favorável aos tratamentos fitossanitários Altíssimo potencial produtivo com estabilidade e hábito de crescimento ereto, arquitetura arejada, auxiliando no controle das principais doenças: ferrugem, mofo branco e lagartas. Pertence ao grupo de maturidade relativa 8.3. Tipo de crescimento semi-determinado, possui resistência ao acamamento, flor de cor roxa e do hilo marrom claro.

Ciclo: 112 a 130 dias População de plantas: 220 a 320 mil plantas/ha. Abrangência: GO, DF, MT, MG e BA.

Reação a doenças:

Suscetível

Moderadamente resistente

Resistente

Vírus da necrose da haste, podridão radicular de fitóftora, oídio, nematoide de galha M. incognita e nematoide do cisto. Mancha olho de rã, crestamento bacteriano e ao nematoide de galha M. javanica Pústula bacteriana, cancro da haste.

BRS 8480 Produtividade, estabilidade e resistência Apresenta potencial produtivo com estabilidade e baixo fator de reprodução de Pratylenchus brachyurus. Pertence ao grupo de maturidade relativa 8.4, apresenta tipo de crescimento determinado, flor de cor roxa, hilo preto e resistência ao acamamento. Reação a doenças:

Suscetível

Vírus da necrose da haste, podridão radicular de fitóftora, nematoide de galha M. incognita e nematoide do cisto.

Moderadamente resistente

Crestamento bacteriano e nematoide de galha M. javanica.

Moderadamente suscetível

Oídio.

Resistente

Mancha olho-de-rã, pústula bacteriana e ao cancro da haste.

Ciclo: 110 a 130 dias População de plantas: 15 plantas/m Abrangência: GO, DF, MT, MG e BA.


BRS Pérola Excelente potencial de rendimento Pertence ao grupo de maturidade 8.8, possui excelente potencial de rendimento, é recomendada para solos de média a alta fertilidade e sua estabilidade na altura de plantas proporciona a sua utilização em áreas de baixa altitude. Apresenta alta resistência ao acamamento.

Ciclo: 108 a 118 dias. População de plantas: 200 a 250 mil plantas/ha. Abrangência: Estados do MA (sul e região de Chapadinha), PI e norte do TO.

Reação a doenças: Suscetível

Oídio, nematoide de galhas (M. incognita e M. javanica) e nematoide de cisto.

Tolerante

Necrose da haste.

Moderadamente resistente Resistente

Mancha olho-de-rã Cancro da haste, pústula bacteriana e mosaico comum da soja.

BRSGO 7960 Alto potencial produtivo e resistência Tipo de crescimento determinado, cor da flor roxa e hilo marrom clara. Apresenta alto potencial produtivo, grupo de maturidade 7.9 e boa resistência ao acamamento. Reação a doenças: Suscetível Moderadamente resistente Resistente

Pústula bacteriana. Oídio. Mancha olho-de-rã e cancro da haste.

Ciclo: 120 dias. População de plantas: 260 a 300 mil plantas/ha. Abrangência: MG, GO e MT.


BRSGO 8360 Elevado potencial produtivo e estabilidade de produção Com ampla adaptação, é ideal para solos bem corrigidos. Pertence ao grupo de maturidade relativa 8.1, apresenta tipo de crescimento indeterminado, resistência ao acamamento, flor de cor roa e hilo marrom claro.

Ciclo: 123 dias. População de plantas: 250 a 300 mil plantas/ha. Abrangência: MS, GO, MG, DF, BA e MA.

Reação a doenças: Moderadamente resistente

Resistente

Mancha “olho de rã” e oídio. Pústula bacteriana, mancha olho-de-rã (raças 1-14), cancro da haste e nematoide de galha M. javanica.

BRSGO 8660 Bom potencial produtivo e sanidade Pertence ao grupo de maturidade relativa 8.6, apresenta tipo de crescimento determinado, resistência ao acamamento, flor de cor branca e hilo marrom claro. Reação a doenças: Suscetível Moderadamente resistente

Resistente

Nematoide de galhas M. javanica. Pústula bacteriana, mancha olho-de-rã e nematoide de galhas M. incognita. Cancro da haste e nematoide do cisto.

*Não apresenta informações sobre resistência ao oídio e ao mosaico comum da soja.

Ciclo: 123 dias. População de plantas: 240 a 280 mil plantas/ha. Abrangência: MG, GO, DF e MT.


BRSMG 752S Estabilidade produtiva e resistência ao acamamento Tipo de crescimento indeterminado, cor da flor roxa e hilo marrom. Pertence ao grupo de maturidade 7.5 e apresenta resistência ao acamamento.

Ciclo: 100 a 125 dias. População de plantas: 240 a 340 plantas/ha. Abrangência: MT, MG, DF, GO e SP (norte).

Reação a doenças: Suscetível Moderadamente resistente

Resistente

Nematoide de galhas M. incognita e nematoide de cisto. Oídio e nematoide de galhas M. javanica. Pústula bacteriana, à mancha olho-de-rã e cancro da haste.

BRSMG 772 Estabilidade produtiva e tolerância à ferrugem Maior estabilidade de produção em presença de ferrugem asiática, possibilitando também redução no número de aplicações de fungicidas. Pertence ao grupo de maturidade relativa 7.7. Apresenta tipo de crescimento determinado, resistência ao acamamento, cor de flor roxa e hilo preta. Reação a doenças: Suscetível Moderadamente resistente

Resistente

Nematoide de galha M. incognita e nematoide de cisto. Mancha olho-de-rã, oídio e nematoide de galha M. javanica. Pústula bacteriana, cancro da haste, necrose da haste e ferrugem asiática.

Ciclo: 110 a 125 dias. População de plantas: 240 a 280 mil plantas/ha. Abrangência: MG.


BRSMG 810C Convencional para atendimento a mercados de nicho com resistência ao nematoide de cisto Tipo de crescimento determinado, cor da flor branca e hilo preto. Pertence ao grupo de maturidade 8.1 e apresenta resistência ao acamamento.

Ciclo: 115 a 140 dias. População de plantas: 220 a 340 mil plantas/ha. Abrangência: DF, GO, MT e MG.

Reação a doenças: Suscetível Moderadamente resistente

Resistente

Nematoide de galhas M. incognita. Oídio e ao nematoide de galhas M. javanica. Pústula bacteriana, mancha olho-de-rã, ao cancro da haste e nematoide de cisto (raças 1 e 3).

BRS 316 RR Resistente ao nematoide de galhas M. javanica Indicada especialmente para áreas com a presença de nematoides de galhas Meloidogyne incognita e Meloidogyne javanica. Pertence ao grupo de maturidade relativa 6.5. Tipo de crescimento determinado, resistência ao acamamento em regiões de até 500 metros de altitude e moderada resistência em regiões de 500 a 700 metros. Reação a doenças: Suscetível

Nematoide de cisto.

Moderadamente tolerante

Vírus da necrose da haste.

Moderadamente resistente

Nematoide de galha M. incognita.

Moderadamente suscetível

Oídio.

Resistente

Cancro da haste, mancha olho-de-rã, podridão parda da haste, podridão radicular de fitóftora, mosaico comum da soja e ao nematoide de galha M. javanica.

Ciclo: Em regiões de altitude de até 500 metros varia de 112 a 118 dias, em regiões de 500 a 700 metros varia de 120 a 128 dias. População de plantas: 12 a 20 plantas/m em espaçamento de 45 cm. Abrangência: SP, PR e MS.


BRS 334 RR Maior rentabilidade e ciclo que permite a segunda safra de milho Apresenta ciclo e porte que possibilitam a sucessão de culturas, com a segunda safra de milho. Pertence ao grupo de maturidade relativa 7.5. Apresenta tipo de crescimento determinado e resistência ao acamamento.

Podridão radicular de fitóftora, mosaico comum da soja, nematoides de galhas M. incognita e M. javanica e ao nematoide de cisto.

Moderadamente resistente

Podridão parda da haste.

Tolerância

Vírus da necrose da haste.

Resistente

População de plantas: 16 a 22 plantas/m em espaçamento de 45 cm. Abrangência: MS, GO, SP e MG.

Reação a doenças:

Suscetível

Ciclo: Em regiões de altitude de até 500 metros varia de 105 a 110 dias, em regiões de 500 a 700 metros varia de 111 a 115 dias e em regiões acima de 700 metros varia de 116 a 118 dias.

Cancro da haste, mancha olho-de-rã e ao mosaico comum da soja.

BRS 359 RR Cultivar precoce que permite a semeadura antecipada Crescimento indeterminado e alto potencial produtivo, também em áreas com altitudes acima de 600 metros. Permite a semeadura antecipada, que aliada à precocidade, favorece a melhor época da segunda safra de milho. Pertence ao grupo de maturidade relativa 6.0. Possui resistência ao acamamento em regiões de até 500 metros e de 500 a 700 metros e moderada resistência em regiões acima de 700 metros. Reação a doenças: Tolerância Moderadamente resistente

Resistente

Vírus da necrose da haste. Mancha olho-de-rã, oídio e ao nematoide de galha M. incognita. Cancro da haste, podridão parda da haste, podridão radicular de fitoftóra, mosaico comum da soja e nematoide Rotylenchulus reniformis.

Ciclo: Em regiões de altitude de até 500 m varia entre 104 a 114 dias, em regiões de 500 a 700 metros varia entre 116 a 124 dias, e em regiões acima de 700 metros varia entre 126 a 128 dias. População de plantas: 10 a 16 plantas/m em espaçamento de 45 cm. Abrangência: MS, PR e SP.


BRS 360 RR Cultivar precoce que permite a semeadura antecipada Crescimento indeterminado e alto potencial produtivo, com melhor desempenho em áreas com altitudes menores que 600 metros. Permite a semeadura antecipada que, aliada à precocidade, favorece a melhor época da segunda safra de milho. Pertence ao grupo de maturidade relativa 6.2. Reação a doenças: Tolerância Moderadamente resistente

Resistente

Ciclo: Em regiões de altitude de até 500 m varia de 106 a 116 dias, em regiões de 500 a 700 metros varia de 118 a 126 dias. População de plantas: 10 a 16 plantas em espaçamento de 45 cm. Abrangência: MS, PR e SP.

Vírus da necrose da haste. Mancha “olho de rã”, oídio e nematoide de galha M. incognita. Cancro da haste, podridão parda da haste, podridão radicular de fitóftora, mosaico comum da soja e nematoide Rotylenchulus reniformis.

BRS 378 RR Sanidade, grão graúdo e bom porte Soja transgênica com tolerância ao glifosato e tipo de crescimento indeterminado. Pertence ao grupo de maturidade relativa 5.3. Por ser precoce, sadia, possuir peso de grãos e bom porte, confere versatilidade nos sistemas de produção para a macrorregião sojícola 1. Esta solução tecnológica foi desenvolvida pela Embrapa em parceria com outras instituições. Reação a doenças: Moderadamente resistente

Podridão radicular de fitóftora, resistente ao mosaico comum da soja e tolerante ao vírus da necrose da haste.

Ciclo: Precoce População de plantas: 14 a 18 plantas/m de fileira até 700m de altitude, 14 a 16 plantas/m de fileira acima de 700m de altitude. Abrangência: REC 102 - SC, PR e REC 103 - SC, PR e SP.


BRS 388 RR Bom desempenho em diferentes épocas de semeadura e ambientes de produção Soja transgênica com tolerância ao glifosato, que apresenta tipo de crescimento indeterminado, arquitetura moderna e alto patamar de produtividade. Pertence ao grupo de maturidade 6.4. É uma soja com alto patamar de produtividade, apresentando estabilidade em diferentes épocas de semeadura e ambientes de produção. Reação a doenças: Resistente

Podridão radicular de fitóftora, mosaico comum da soja.

Tolerante

Vírus da necrose da haste.

Ciclo: Precoce. População de plantas (por metro de fileira): Até 500 m: 12 a 16 no REC 201, 12 a 16 no REC 202, 14 a 16 no REC 203, 14 a 16 no REC 204. De 500 a 700 m: 12 a 14 no REC 201, 12 a 16 no REC 202, 14 a 16 no REC 203, 14 a 16 no REC 204. Acima de 700 m: 10 a 12 no REC 201, 12 a 14 no REC 202, 12 a 16 no REC 203, 12 a 16 no REC 204. Abrangência: REC 201 - PR, SP; REC 202 - PR, SP, MS; REC 203 - SP e REC 204 - MS.

BRS 5601RR Potencial produtivo e precocidade Cultivar de tipo de crescimento indeterminado, aliando alto potencial produtivo e precocidade que, pertence ao grupo de maturidade relativa 5.6. Aspecto visual e arquitetura de planta moderna, tipo ereta, possui média estrutura de planta, características que a tornam resistente ao acamamento. Deve ser semeada, preferencialmente, entre 20 de outubro e 15 de novembro, em solos com alta fertilidade e corrigidos quanto à acidez. Reação a doenças:

Resistente

Moderadamente resistente

Podridão radicular de fitóftora, cancro da haste, cercosporiose e necrose da haste. Pústula bacteriana e podridão parda da haste.

Ciclo: precoce Densidade de semeadura: 10 a 15 sementes por metro de linha em espaçamento entre linhas de 45 cm, de acordo com a época de semeadura, a fertilidade do solo e a altitude. Abrangência: RS


BRS 8160 RR Resistência e produtividade Altura média de 74 cm, tipo de crescimento determinado e boa resistência ao acamamento. A exigência de fertilidade do solo é média a alta.

Ciclo: 123 dias. População de plantas: 250 a 300 mil plantas/ha. Abrangência: GO, MG, MS e DF.

Reação a doenças: Moderadamente resistente Resistente

Mancha olho-de-rã e nematoide de galhas M. javanica. Cancro da haste e nematoide de galhas M. incognita.

BRS 8180 RR Permite segunda safra em Mato Grosso Potencial produtivo com estabilidade e permite safrinha em Mato Grosso. Pertence ao grupo de maturidade relativa 8.1. Apresenta tipo de crescimento determinado, flor de cor branca, hilo marrom médio, moderada resistência ao acamamento. Reação a doenças: Suscetível Moderadamente resistente

Resistente

Podridão radicular de fitóftora e nematoide do cisto. Oídio e nematoide de galha M. incognita. Mancha olho-de-rã, pústula bacteriana, cancro da haste, vírus da necrose da haste, crestamento bacteriano e nematoide de galha M. javanica.

Ciclo: 107 a 136 dias. População de plantas: 220 a 320 mil plantas/ha. Abrangência: GO, DF, MT, MG e BA.


BRS 8280 RR Produção e resistência a nematoides, com garantia de segunda safra em MT

Ciclo: 108 a 126 dias. População de plantas: 220 a 320 mil plantas/ha.

Potencial produtivo com estabilidade e permite safrinha em Mato Grosso. Pertence ao grupo de maturidade relativa 8.2 e tem tipo de crescimento determinado, resistência ao acamamento, flor de cor roxa e hilo preto imperfeito.

Abrangência: GO, DF, MT, MG e BA.

Reação a doenças: Suscetível Moderadamente resistente

Resistente

Vírus da necrose da haste, podridão radicular de fitóftora, oídio e namatoide do cisto. Nematoides de galha M. javanica e M. incognita. Mancha olho-de-rã, pústula bacteriana, cancro da haste, crestamento bacteriano.

BRS 8560 RR Alto potencial produtivo e resistência Pertence ao grupo de maturidade relativa 8.5, tipo de crescimento determinado, resistência ao acamamento, flor de cor roxa e do hilo marrom claro. Reação a doenças: Moderadamente resistente

Resistente

Oídio e nematoide de galhas M. javanica. Pústula bacteriana, mancha olho-de-rã (raças 1 a 14 e 15), cancro da haste e nematoide de galhas M. incognita.

Ciclo: 120 dias. População de plantas: 200 a 280 mil plantas/ha Abrangência: MS, GO, MG, DF, MT, TO, BA e MA.


BRS 9080 RR Sob medida para regiões sojícolas da BA e MT Sanidade foliar e potencial produtivo com estabilidade. Pertence ao grupo de maturidade relativa 9.0, apresenta tipo de crescimento determinado, moderada resistência ao acamamento, flor de cor roxa e hilo marrom imperfeito.

Ciclo: 130 a 145 dias. População de plantas: 280 a 320 mil plantas/ha. Abrangência: MT e BA.

Reação a doenças:

Suscetível

Moderadamente resistente Resistente

Vírus da necrose da haste, podridão radicular de fitóftora, oídio, nematoide de galha M. incognita e namatoide do cisto. Mancha olho-de-rã e nematoide de galha M. javanica. Pústula bacteriana, cancro da haste e ao crestamento bacteriano.

BRS Tordilha RR Produtividade e precocidade que permite uso do milho na segunda safra

Ciclo: 106 a 133 dias. População de plantas: 200 a 250 mil plantas/ha

De ciclo precoce, é uma excelente opção para sistema soja/ milho safrinha. Apresenta flor de cor branca e hilo marrom claro. Pertence ao grupo de maturidade 6.2. Reação a doenças: Suscetível Moderadamente resistente

Resistente

Nematoide de cisto e nematoide de galhas M. incognita e M. javanica. Mancha olho-de-rã (raças 2, 4, 7, 9, 15 e 17), oídio e podridão parda da haste. Cancro da haste, mosaico comum da soja, à necrose da haste e podridão radicular de fitóftora.

Abrangência: MS, PR, SP, SC e RS.


BRSGO 6959 RR Superprecoce melhor opção para garantir a segunda safra Superprecocidade, que favorece a segunda safra de outra cultura, inclusive do milho e algodão. Pertence ao grupo de maturidade relativa 6.9, apresenta tipo de crescimento determinado, resistência ao acamamento, flor de cor branca e hilo marrom claro.

Ciclo: 100 dias. População de plantas: 360 a 400 mil plantas/ha. Abrangência: MS, GO e MG.

Reação a doenças: Resistente

Pústula bacteriana, mancha “olho de rã” e cancro da haste.

BRSGO 7460 RR Precocidade e alto potencial produtivo Precocidade com alto potencial produtivo, tipo de crescimento determinado, cor da flor branca e hilo marrom. Apresenta boa resistência ao acamamento e grupo de maturidade relativa 7.4. Reação a doenças: Resistente

Mancha olho-de-rã, cancro da haste, pústula bacteriana e nematoide de galhas M. incognita.

Ciclo: 108 dias. População de plantas: 300 a 320 mil plantas/ha. Abrangência: GO.


BRSGO 7950 RR Precocidade e alta produção Ideal para solos bem corrigidos, pertence ao grupo de maturidade relativa 7.9, apresenta tipo de crescimento determinado, resistência ao acamamento, flor de cor branca e hilo marrom.

Ciclo: 123 dias. População de plantas: 240 a 300 mil plantas/ha. Abrangência: MS e GO.

Reação a doenças: Resistente

Pústula bacteriana, mancha olho-de-rã e cancro da haste.

BRSGO 8151 RR Ampla adaptação e crescimento indeterminado Com ampla adaptação, favorece a safrinha em todo o Mato Grosso. Pertence ao grupo de maturidade relativa 8.1, apresenta crescimento indeterminado, resistência ao acamamento, flor de cor roxa e hilo marrom claro. Reação a doenças: Moderadamente resistente Resistente

Oídio e nematoide de galhas M. javanica. Pústula bacteriana, mancha olho-de-rã e cancro da haste.

Ciclo: 122 dias. População de plantas: 200 a 240 mil plantas/ha. Abrangência: MT, GO e MS.


BRSGO 8661 RR Resistência a nematoides Geneticamente modificada para tolerância ao herbicida glifosato. Recomendada para solos de média a alta fertilidade. Pertence ao grupo de maturidade relativa 8.6.

Ciclo: 120 dias. População de plantas: 200 a 280 mil plantas/ha. Abrangência: GO e TO.

Reação a doenças: Resistente

Nematoide de galhas Meloidogyne incognita e nematoide de cisto raças 1, 2, 3, 4, 5 e 14.

BRSMG 760S RR Alto potencial de rendimento e precocidade Tipo de crescimento indeterminado, cor da flor roxa e hilo preto. Pertence ao grupo de maturidade 7.6 e apresenta resistência ao acamamento. Tem alto potencial de rendimento e precocidade, o que permite sua utilização quando se pretende fazer “safrinha” em sucessão à soja. Reação a doenças: Suscetível Moderadamente resistente Resistente

Nematoide de galhas M. incognita e M. javanica e nematoide de cisto Oídio. Pústula bacteriana, mancha olho-de-rã e cancro da haste.

Ciclo: 105 a 125 dias. População de planta: 240 a 340 mil plantas/ha. Abrangência: DF, GO e MG.


BRSMG 811C RR Opção para produção em áreas infestadas por nematoides de cisto e galha Tipo de crescimento determinado, cor da flor roxa e hilo preto. Pertence ao grupo de maturidade 8.1 e apresenta moderada resistência ao acamamento. É uma ótima opção para semeadura em Chapadas e em áreas infestadas simultaneamente por nematoide de cisto e de galhas.

Ciclo: 115 a 145 dias. População de plantas: 200 a 320 mil plantas/ha. Abrangência: GO, MT e MG.

Reação a doenças: Moderadamente resistente

Oídio e nematoide de galhas M. javanica. Pústula bacteriana, mancha olho-de-rã, cancro da haste, nematoide de galhas M. incognita e nematoide de cisto (raça 3).

Resistente

BRSMG 850G RR Produção com resistência Alto potencial produtivo, tipo de crescimento determinado, cor da flor roxa e hilo preto. Pertence ao grupo de maturidade 8.2 e apresenta resistência ao acamamento. Reação a doenças: Suscetível Moderadamente resistente

Resistente

Nematoide de cisto. Oídio e nematoide de galhas M. javanica. Pústula bacteriana, á mancha olho-de-rã, cancro da haste e nematoide de galhas M. incognita.

Ciclo: 118 a 145 dias. População de plantas: 200 a 320 mil plantas/ha. Abrangência: DF, GO, MT e MG.


BRS 1001IPRO Precoce e excelente desempenho produtivo também em áreas com M. javanica

Ciclo: Precoce, o que viabiliza a segunda safra de milho.

Soja transgênica com tolerância ao herbicida glifosato e com a tecnologia Intacta RR2 IPRO, que controla um grupo de lagartas. Possui genética de campeã, da cultivar BRS 284, o que lhe confere excelente potencial produtivo. Grupo de maturidade relativa 6.3. A utilização do refúgio é primordial para a preservação da tecnologia Intacta RR2 PROTM. Seu crescimento é indeterminado.

População de plantas: 10 a 16 plantas/m linear, conforme altitude do local. Abrangência: REC 103 – SC (Centro-Norte e Serra Geral), PR (Centro-Sul), SP (Sul) e REC 204 - MS (Centro-Sul e Sudoeste).

Reação a doenças: Resistente Moderadamente resistente

Cancro da haste, mancha olho-de-rã, podridão parda da haste. Nematoide de galha, Meloidogyne javanica e oídio.

Suscetível

Podridão radicular de fitóftora, mosaico comum da soja, nematoide de galha, Meloidogyne incognita, nematoide de cisto.

Tolerante

Vírus da necrose da haste.

BRS 1010IPRO Produtividade elevada com estabilidade de produção Transgênica com tolerância ao herbicida glifosato e com a tecnologia Intacta RR2 IPRO, que controla um grupo de lagartas. Grupo de maturidade relativa 6.1. A utilização do refúgio é primordial para a preservação da tecnologia Intacta RR2 PROTM. Seu tipo de crescimento é indeterminado. Reação a doenças: Resistente Moderadamente resistente

Cancro da haste, mancha olho-de-rã, podridão parda da haste, Nematoide de galha, Meloidogyne javanica e Oídio.

Suscetível

Podridão radicular de fitóftora, mosaico comum da soja, nematoide de galha, Meloidogyne incognita, nematoide de cisto.

Tolerante

Vírus da necrose da haste.

Ciclo: Precoce. População de plantas: 10 a 16 plantas/m linear conforme altitude do local. Abrangência: REC 103 – SC (Centro-Norte e Serra Geral), PR (Centro-Sul), SP (Sul) e REC 201 - PR (Oeste e Norte), SP (Médio Paranapanema); e REC 203 - SP (Centro-Sul e Oeste).


BRS 6970IPRO Superprecoce com excelente potencial produtivo Cultivar transgênica com tolerância ao herbicida glifosato e com a tecnologia Intacta RR2 IPRO, que controla um grupo de lagartas. Grupo de maturidade relativa: 6.9. A utilização do refúgio é primordial para a preservação da tecnologia Intacta RR2 PROTM. Crescimento indeterminado.

Ciclo: Superprecoce. População de plantas: 350 a 450 mil plantas/ha. Abrangência: REC 302 – SP (Norte), MG (Vale do Rio Grande) e GO (Sul); REC 304 – MG (Noroeste), GO (Leste) e DF.

Reação a doenças: Resistente

Moderadamente resistente

Nematoide de galhas Meloidogyne javanica.

Oídio.

BRS 706IPRO Precoce com elevada produtividade Cultivar transgênica com tolerância ao herbicida glifosato e com a tecnologia Intacta RR2 IPRO, que controla um grupo de lagartas. É do grupo de maturidade relativa: 7.0. A utilização do refúgio é primordial para a preservação da tecnologia Intacta RR2 PROTM. Tipo de crescimento indeterminado. Reação a doenças: Resistente Moderadamente resistente

Suscetível

Cancro da haste. Pústula bacteriana, mancha olho-de-rã, nematoide de galha Meloidogyne javanica Nematoide de galha, Meloidogyne incognita, nematoide de cisto.

Ciclo: Precoce, viabilizando a segunda safra de milho. População de plantas: 380 a 440 mil plantas/ha. Abrangência: REC 302 – SP (Norte), MG (Vale do Rio Grande) e GO (Sul); REC 303 – MG (Triângulo e Alto Paranaíba) e GO (Sudeste).


BRS 713IPRO Precoce com boa produção Transgênica com tolerância ao herbicida glifosato e com a tecnologia Intacta RR2 IPRO, que controla um grupo de lagartas. Possui tipo de crescimento ideterminado e é boa opção em áreas de renovação de canaviais. Grupo de maturidade relativa: 7.1. A utilização do refúgio é primordial para a preservação da tecnologia Intacta RR2 PROTM.

Ciclo: Precoce, o que viabiliza a segunda safra de milho e a abertura e fechamento de plantio. População de plantas: 280 a 360 mil plantas/ha. Abrangência: REC 303 – MG (Triângulo e Alto Paranaíba) e GO (Sudeste).

Reação a doenças: Resistente

Moderadamente resistente Suscetível

Pústula bacteriana, cancro de haste, mancha olho-de-rã, mosaico comum da soja. Nematoide de galha, Meloidogyne javanica.

Nematoide de cisto.

BRS 7170IPRO Precoce com excelente produção e ótima arquitetura de plantas.

Ciclo: Precoce.

Soja transgênica com tolerância ao herbicida glifosato e com a tecnologia Intacta RR2 IPRO, que controla um grupo de lagartas. Grupo de maturidade relativa: 7.1. A utilização do refúgio é primordial para a preservação da tecnologia Intacta RR2 PROTM. Crescimento indeterminado.

População de plantas: 350 a 450 mil plantas/ha.

Reação a doenças: Resistente Moderadamente resistente

Pústula bacteriana, cancro de haste, mancha olho-de-rã, mosaico comum de soja. Oídio.

Abrangência: REC 304 – MG (Noroeste), GO (Leste) e DF.


BRS 7270IPRO Estabilidade e excelente potencial produtivo Soja transgênica com tolerância ao herbicida glifosato e com a tecnologia Intacta RR2 IPRO, que controla um grupo de lagartas. Grupo de maturidade relativa: 7.2. A utilização do refúgio é primordial para a preservação da tecnologia Intacta RR2 PROTM. Tipo de crescimento indeterminado.

Ciclo: Precoce. População de plantas: 350 a 450 mil plantas/ha. Abrangência: REC 301 - MS (Centro-Norte) e GO (Sudoeste); REC 304 – MG (Noroeste), GO (Leste) e DF.

Reação a doenças: Resistente Moderadamente resistente

Pústula bacteriana, cancro de haste, mancha olho-de-rã. Oídio, nematoide de galha Meloidogyne javanica

BRS 729IPRO Crescimento indeterminado e bom potencial produtivo Soja transgênica com tolerância ao herbicida glifosato e com a tecnologia Intacta RR2 IPRO, que controla um grupo de lagartas. Grupo de maturidade relativa: 7.2. A utilização do refúgio é primordial para a preservação da tecnologia Intacta RR2 PROTM. Reação a doenças: Resistente Moderadamente resistente Suscetível

Cancro de haste. Mancha olho-de-rã, Meloidogyne javanica, pústula bacteriana. Nematoide de galha, Meloidogyne incognita, nematoide de cisto.

Ciclo: Precoce, o que viabiliza a segunda safra de milho. População de plantas: 380 a 450 mil plantas/ha. Abrangência: REC 303 – MG (Triângulo e Alto Paranaíba) e GO (Sudeste).


BRS 7470IPRO Excelente potencial produtivo A cultivar é transgênica com tolerância ao herbicida glifosato e com a tecnologia Intacta RR2 IPRO, que controla um grupo de lagartas. Grupo de maturidade relativa: 7.4. A utilização do refúgio é primordial para a preservação da tecnologia Intacta RR2 PROTM. Tipo de crescimento indeterminado.

Ciclo: 110 dias. População de plantas: 360 a 380 mil platas/ha. Abrangência: REC 302 – SP (Norte), MG (Vale do Rio Grande) e GO (Sul); REC 304 – MG (Noroeste), GO (Leste) e DF; REC 401 – MT (Sul) e GO (Centro-Oeste).

Reação a doenças: Resistente Moderadamente resistente

Pústula bacteriana, cancro de haste, mancha olho-de-rã. Oídio, nematoide de galha Meloidogyne javanica

BRS 7570IPRO Ciclo: 109 dias. Excelente estabilidade e produtividade elevada Soja transgênica com tolerância ao herbicida glifosato e com a tecnologia Intacta RR2 IPRO, que controla um grupo de lagartas. Grupo de maturidade relativa: 7.5. A utilização do refúgio é primordial para a preservação da tecnologia Intacta RR2 PROTM. Tipo de crescimento indeterminado.

Reação a doenças: Resistente Moderadamente resistente

Pústula bacteriana, cancro de haste, mancha olho-de-rã. Oídio.

População de plantas: 360 a 380 mil platas/ha. Abrangência: REC 301 – MS (Centro-Norte) e GO (Sudoeste); REC 302 – SP (Norte), MG (Vale do Rio Grande) e GO (Sul); REC 303 - MG (Triângulo e Alto Paranaíba) e GO (Sudeste); REC 304 – MG (Noroeste), GO (Leste) e DF; REC 401 – MT (Sul) e GO (Centro-Oeste).


BRS 7780IPRO Moderada tolerância ao nematoide de galhas M. incognita Transgênica que apresenta ciclo semi-precoce com tipo de crescimento determinado, resistência ao herbicida glifosato e oferece proteção contra as principais lagartas da cultura da soja: lagarta da soja (Anticarsia gemmatalis), lagarta falsa medideira (Chrysodeixis includens e Rachiplusia nu), lagarta das maçãs (Heliothis virescens) e broca das axilas ou broca dos ponteiros (Crocidosema aporema), além de supressão às lagartas do tipo Elasmo (Elasmopalpus lignosellus) e Helicoverpa (H. zea e H. armigera). Permite o plantio antecipado, proporcionando maior flexibilidade de época de semeadura, viabilizando o plantio de culturas em sucessão.

Ciclo: Semi precoce Abrangência: REC 301 - GO, 303 - GO e MG, 304 GO, MG e DF e 403 - MT.

Reação a doenças: Moderada tolerância

Nematoide de galhas M. incognita.

BRS 397CV Tecnologia Cultivance com alto potencial produtivo também em áreas com M. javanica Tolerância ao herbicida do grupo das imidazolinonas, tipo de crescimento indeterminado, sanidade e excelente potencial produtivo, inclusive em áreas com a presença do nematoide de galhas M. javanica. Sua semeadura antecipada, aliada à precocidade, favorece a melhor época da segunda safra de milho. O Sistema de Produção Cultivance oferece aos produtores oportunidade para rotacionar tecnologias OGMs, auxiliando no manejo de resistência de diversas plantas daninhas, inclusive as de difícil controle, possibilitando também maior longevidade das tecnologias. É uma nova ferramenta para auxiliar os agricultores a obter maior rentabilidade em sua atividade agrícola de forma sustentável. Reação a doenças: Moderadamente resistente Resistente

Oídio, podridão radicular de Phytophthora, nematoide de galha, Meloidogyne javanica Cancro da haste, mancha olho-de-rã, mosaico comum da soja.

Suscetível

Podridão parda da haste, nematoide de galha, Meloidogyne incognita, nematoide de cisto.

Tolerante

Vírus da necrose da haste.

Ciclo: Precoce. População de plantas: 12 a 18 plantas/m linear conforme altitude do local. Abrangência: REC 204 - MS e REC 202 - MS, PR e SP.


BRS 8082CV Tecnologia Cultivance com alto potencial produtivo Cultivar transgênica com tolerância aos herbicidas do grupo químico das imidazolinonas e tipo de crescimento determinado. A adoção desta cultivar associada aos herbicidas do grupo citado é capaz de manejar, de maneira eficaz, um grande número de plantas daninhas, incluindo folhas largas e estreitas, com uma única aplicação.

Ciclo: Médio. População de plantas: 8 a 15 plantas/m linear conforme altitude do local. Abrangência: REC 304 - GO e DF, REC 405 - BA e REC 501 - TO.

Reação a doenças: Resistente

Moderadamente resistente

Pústula bacteriana e cancro da haste. Crestamento bacteriano, mancha olho-de-rã e oídio

BRS 8482CV Tecnologia Cultivance aliada a resistência ao nematoide de galhas Cultivar transgênica com tipo de crescimento determinado e tolerância a herbicidas. A adoção desta cultivar associada aos herbicidas do grupo químico das imidazolinonas é capaz de manejar, de maneira eficaz, um grande número de plantas daninhas, incluindo folhas largas e estreitas, com uma única aplicação. Reação a doenças: Moderadamente tolerânte

Nematoides formadores de galhas radiculares Meloidogyne incognita e Meloidogyne javanica.

Ciclo: Médio. População de plantas: 8 a 15 planas/m conforme altitude. Abrangência: REC 402 - RO e MT, REC 304 - GO e DF, REC 405 - BA.


BRSMG 812CV Tecnologia Cultivance aliada a rusticidade e estabiliade de produção Apresenta tolerância ao herbicida do grupo das imidazolinonas, rusticidade e estabilidade de produção. Seu grupo de maturidade relativa é 8.1. Este Sistema oferece uma oportunidade para rotacionar tecnologias OGMs, auxiliando no manejo de resistência de diversas plantas daninhas, inclusive as de difícil controle, possibilitando também maior longevidade das tecnologias. É uma nova ferramenta para auxiliar os agricultores a obter maior rentabilidade em sua atividade agrícola de forma sustentável. Reação a doenças:

Resistente

Nematoides de galha Meloidogyne incognita e Meloidogyne javanica.

Ciclo: Médio. População de plantas: 8 a 14 plantas/m linear conforme altitude. Abrangência: REC 303 – MG (Triângulo e Alto Paranaíba) em extensão para a REC 402 – MT (Centro-Norte e Oeste) e RO (Sul).


SORGO BRS 304 Gramifero para sucessão a culturas precoces de verão Híbrido simples, produtivo, tolerante à podridão seca do colmo, causada pelo patógeno Macrophomina phaseolina, em condições de deficiência hídrica. Altamente recomendado para plantios em sucessão a culturas precoces de verão e para os plantios tardios.

Ciclo: Superprecoce - 115 dias. População de plantas: 180 mil plantas/ha. Abrangência: Regiões Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul, especialmente para as épocas onde a disponibilidade de chuvas é menor. 

Reação a doenças: Tolerante

Podridão seca do colmo.

BRS 310 Granífero para produção na safrinha Híbrido de sorgo granífero desenvolvida principalmente para o plantio no sistema de sucessão. É resistente ao acamamento, com boa tolerância à seca e à toxidade do alumínio do solo, além de alta capacidade de rebrota. Reação a doenças: Moderadamente suscetível

Míldio.

Moderadamente resistente

Antracnose, ferrugem e helmintosporiose.

Resistente

Cercosporiose.

Ciclo: 120 dias. População de plantas: 160 mil plantas/ha. Abrangência: Sudeste e Centro-Oeste e nas condições do Semiárido do Nordeste.


BRS 330 Granífero com alta estabilidade de produção Híbrido granífero sem tanino, resistente ao acamamento, com grão de cor vermelhos, altura de 127 cm. Possui alta estabilidade de produção. Sua tolerância ao alumínio tóxico no solo possibilita um bom desenvolvimento radicular, permitindo melhor absorção de nutrientes e extração de água em camadas mais profundas, o que garante maior resistência ao déficit hídrico.

Ciclo: 120 dias. Rendimento de grãos: de 5.000 a 6.000 kg /ha, em sistema de sucessão. População de plantas: Safra: 180 mil plantas/ha safrinha: 160 mil plantas/ha. Abrangência: Regiões Sudeste e Centro-Oeste.

Reação a doenças: Moderadamente resistente Resistente

Míldio. Antracnose, helmintosporiose, ferrugem e cercospora.

BRS 332 Granífero com alta produtividade e boa sanidade foliar Híbrido granífero sem tanino, resistente ao acamamento, uniformidade de lavoura, boa tolerância ao estresse hídrico, com grão de cor vermelha, altura de 123 cm. Possui teor de proteína superior a 10% nos grãos, produz palhada de boa qualidade, o que constitui um valor agregado importante para o sistema de plantio direto. Reação a doenças: Moderadamente suscetível

Míldio.

Moderadamente resistente

Antracnose, helmintosporiose, ferrugem e cercospora.

Ciclo: 120 dias. Rendimento de grãos: 4,5 a 6,0 t/ha (sucessão) População de plantas: 160 mil a 200 mil plantas/ ha. Abrangência: Regiões Sudeste e Centro-Oeste


BRS 511 Altos teores de açúcares para produção de etanol Alto potencial de produção de colmos e altos teores de açúcares fermentáveis no caldo, de 18 a 20 graus Brix, com ótimo padrão de fermentação. A cultivar reúne as principais características para a produção de etanol e surge como uma ótima opção para a indústria sucroalcooleira.

Ciclo: 110 a 130 dias. População de plantas: 120 a 140 mil plantas/ha. Abrangência: Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Reação a doenças: Moderadamente suscetível

Ferrugem.

Moderadamente resistente

Antracnose e helmintosporiose.

BRS 610 Especial para silagem, excelente sanidade foliar e resistência ao acamamento

Ciclo: 100 a 110 dias. População de plantas: 140 mil plantas/ha.

A alta digestibilidade de matéria seca confere qualidade à silagem, completando seu valor agronômico e tornando-o um dos mais atrativos híbridos de sorgo para no mercado. Seu potencial máximo de produção de matéria seca se expressa quando a semeadura é feita até meados de dezembro. Reação a doenças: Suscetível Moderadamente resistente Resistente

Míldio.

Antracnose e ferrugem. Cercosporiose e helmintosporiose.

Abrangência: Safra de verão nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.


BRS 655 Forrageira para alimentação animal de qualidade Híbrido forrageiro desenvolvido para produzir silagem de alta qualidade nutritiva e atender à crescente demanda por maior eficiência na alimentação de bovinos. Forragem para ensilagem com alta digestibilidade e alto teor proteico. Adapta-se a diversos sistemas de produção e tem resistência ao acamamento.

Ciclo: 100 a 110 dias. População de plantas: 120 mil plantas/ha. Abrangência: Regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul.

Reação a doenças: Moderadamente resistente Resistente

Antracnose, ferrugem e helmintosporiose. Míldio.

BRS 802 Forrageira para áreas de integração lavoura-pecuária-floresta com alta tolerância a estresse hídrico Híbrido de pastejo que se adapta a diversos sistemas de produção de forragem. É usado preferencialmente como forrageira para corte verde e pastejo direto, especialmente em sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta, pastejo rotacionado e plantio direto. Apresenta fácil estabelecimento, alta tolerância a estresse hídrico e temperaturas elevadas, alto valor nutritivo e excelente aceitação pelos animais, além de ser resistente ao acamamento. Reação a doenças: Moderadamente resistente Resistente

Antracnose, ferrugem e helmintosporiose. Cercosporiose e míldio.

Ciclo: 55 dias. População de plantas: 200 a 300 mil plantas/ha. Abrangência: Regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul.


BRS 810 Forrageira de alta digestibilidade e tolerante a seca Plantas de ciclo anual, que se desenvolvem durante a estação quente e alcançam de 1,5 até 3,7 metros de altura. Apresenta alta digestibilidade e conversão alimentar, excelente palatabilidade e alto valor nutritivo. As plantas possuem folhas abundantes, longas e delgadas, colmos finos e suculentos e grande capacidade de perfilhamento. Acamamento.

Ciclo: 55 dias. População de plantas: 200 a 300 mil plantas/ha. Abrangência: Regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul.

Reação a doenças: Moderadamente resistente Resistente

Antracnose, ferrugem e helmintosporiose. Cercosporiose, míldio e acamamento.

BRS Ponta Negra Forrageira de alta produção de biomassa Variedade de sorgo forrageiro resistente às principais doenças, principalmente antracnose, presença de caldo e açúcar no colmo, alta produtividade de massa e de grãos, tolerância à toxidade de alumínio e bom desenvolvimento em condições de dias curtos (período luminoso próximo de 12 horas). Grande adaptabilidade à região do semiárido nordestino, apresentando alta tolerância à seca. Tolerante ao fotoperiodismo. Reação a doenças: Moderadamente resistente Resistente

Helmintosporiose. Antracnose, ferrugem e cercosporiose.

Ciclo: 110 a 120 dias. População de plantas: Até 240 mil plantas/ha. Abrangência: Semiárido nordestino.


TRIGO BRS 331 Superprecocidade com elevada produtividade Resistente ao acamamento e moderadamente resistente à geada na fase vegetativa (queima de folha). Estatura média com até 80cm. Seu grão é extraduro, de coloração vermelha, sem ocorrência de mosqueado (pança branca). A necessidade de adubação nitrogenada para a cultura é: Região 1 – até 120 kg N/ha (base + cobertura) e Região 2 – até 100 kg N/ha (base + mais cobertura).

Ciclo: Superprecoce – espigamento em 75 dias. Densidade de semeadura: 300 a 330 sementes viáveis/m². Qualidade Tecnológica: Região 1 (RS, SC e PR) - trigo doméstico e; Região 2 (RS e SC) - trigo pão. Abrangência: RS (1 e 2), SC (1 e 2) e PR (1).

Reação a doenças: Moderadamente suscetível

Ferrugem da folha, manchas foliares, vírus do nanismo amarelo da cevada.

Moderadamente resistente

Giberela, mancha da gluma, vírus do mosaico, mosaico do trigo.

Resistente

Oídio.

BRS 327 Alta produtividade com farinha branqueadora Apresenta moderada resistência à geada na fase vegetativa (queima de folha), à debulha natural, germinação na espiga e ao crestamento. A cultura necessita das seguintes doses de adubo nitrogenado por região: Região 1 – até 60 kg N/ ha (base + cobertura) e Região 2 e 3 – até 50 kg N/ha (base + mais cobertura). Com o uso de redutor de crescimento adubação nitrogenada até 120 kg/ha. Reação a doenças:

Densidade de semeadura: 300 sementes viáveis/ m² para semeadura no início da época recomendada. 330 sementes viáveis/m² para semeadura no fim da época recomendada. Qualidade Tecnológica: Região 1 - trigo doméstico e; Região 2 - trigo pão e; Região 3 – trigo pão. Abrangência: RS (1e 2), SC (1 e 2), PR (1 e 2) e MS (3).

Moderadamente suscetível

Ferrugem da folha e giberela.

Moderadamente resistente

Giberela, oídio, mancha da gluma e manchas foliares.

Resistente

Ciclo: Precoce – espigamento em 80 dias.

Mosaico do trigo.


BRS 394 Trigo melhorador e de alta produção para o cerrado Ampla adaptação, elevado potencial produtivo, excelente qualidade de panificação, como trigo melhorador. Grão duro com estabilidade média de 28 minutos e 15% de proteína. Moderadamente resistente ao acamamento e resistente à debulha natural. Reação ao alumínio: suscetível. Força de Glúten média (W): 350 X 10-4 Joules. A cultivar foi desenvolvida pela Embrapa Cerrados e Embrapa Trigo para a região do Cerrado do Brasil central, devido ao bom potencial produtivo e excelente qualidade industrial.

Ciclo: Precoce com período da emergência ao espigamento entre 55 a 60 dias; e período da emergência a maturação de 115 a 120 dias (base + cobertura). Densidade de semeadura: 270 a 350 sementes viáveis/m². Abrangência: MG, GO e DF.

Reação a doenças: Suscetível Moderadamente resistente Moderadamente suscetível

Mancha amarela.

Mancha marrom e oídio.

Brusone.

BRS 404 Melhor alternativa para cultivo de sequeiro no Cerrado

Ciclo: Precoce/médio - 77 (espigamento) a 118 (maturação) dias.

Cultivar de trigo classe comercial tipo pão que apresenta cilco precoce a médio e média resistencia ao acamamento. Plantas com média de 77 cm e colmo largo.

Densidade da semente: 250 a 300 sementes viáveis/m².

Reação a doenças:

Abrangência: DF, GO e MG.

Suscetível Moderadamente resistente Moderadamente suscetível

Ferrugem da folha e giberela.

Mancha marrom . Brusone, mancha amarela e oídio


BRS Gaivota Ampla adaptação regional e ótima sanidade com destaque para brusone e oídio Resistente ao acamamento e à debulha natural e moderadamente resistente ao crestamento. Possui ampla adaptação regional e boa sanidade. Reação a doenças:

Densidade de semeadura: 250 a 330 sementes viáveis/m, com espaçamento entre linhas de 17 cm. Qualidade Tecnológica: Trigo pão. Abrangência: SC e PR.

Moderadamente suscetível

Ferrugem da folha e giberela.

Moderadamente resistente

Manchas foliares e vírus do nanismo amarelo da cevada.

Resistente

Ciclo: 128 dias.

Oídio, vírus do mosaico e Brusone.

BRS Gralha Azul Alta produtividade e sanidade Por sua alta força de glúten e tenacidade, é uma cultivar da classe pão/melhorador apta para um mercado cada vez mais exigente em farinha para a fabricação do tradicional pão “francês”. Além de produtiva, a cultivar apresenta estabilidade para qualidade industrial, boa resistência à germinação pré-colheita, garantindo a qualidade do grão, e boa resistência a doenças. Reação a doenças: Moderadamente suscetível

Giberela.

Moderadamente resistente

Ferrugem da folha, oídio, manchas foliares, vírus do mosaico, brusone e vírus do nanismo amarelo da cevada.

Ciclo: 124 dias. Densidade de semeadura: 250 a 300 sementes viáveis/m², com espaçamento entre linhas de 17 cm. Qualidade Tecnológica: Trigo pão/melhorador. Abrangência: SC (1 e 2), PR (1, 2 e 3), SP (2) e MS (3).


BRS Graúna Qualidade para panificação Da classe pão/melhorador, tem como principais qualidades a boa qualidade de panificação. Boa resistência à germinação da espiga e resistência ao acamamento com tolerância à germinação pré-colheita e ao crestamento. Além disso, a cultivar pode ser cultivada com uma população bastante baixa, diminuindo o custo de implantação da lavoura.

Ciclo: Tardio/precoce. Densidade de semeadura: 300 sementes viáveis/ m². Abrangência: PR (regiões 1, 2 e 3), SC (região 2), MS (região 3) e SP (região 2).

Reação a doenças: Tolerância Moderadamente resistente

Brusone. Vírus do mosaico e ao nanismo amarelo da cevada.

BRS Marcante Produtividade de grãos, perfil para panificação e resistência às doenças foliares do trigo. Possui estatura e ciclo médio além de alta capacidade de perfilhamento. Seu desempenho nos ensaios de competição e unidades de observação tem atendido as expectativas de produtores e técnicos sendo uma excelente opção de escolha para maior rentabilidade das lavouras de trigo na região sul do Brasil. Reação a doenças: Moderadamente suscetível

Acamamento, germinação na espiga.

Moderadamente resistente

Crestamento, geada na fase vegetativa, acamamento, debulha natural.

Ciclo: Médio. Densidade de sementes: 300 a 330 sementes viáveis/m². Qualidade tecnológica: Trigo melhorador. Abrangência: PR, SC e RS.


BRS Pardela Ampla adaptação e excelente qualidade para panificação Excelente qualidade de panificação, ampla adaptação, boa sanidade geral e moderada resistência à debulha natural. Grão extraduro, ampla adaptação, moderada resistência à debulha natural e boa sanidade geral. Excelente para a produção de pães, massas e biscoitos.

Densidade de semeadura: 250 a 300 sementes viáveis/m, com espaçamento entre linhas de 17 cm. Qualidade Tecnológica: Trigo melhorador. Abrangência: SC (1 e 2), PR (1, 2 e 3), SP (2) e MS (3).

Reação a doenças: Moderadamente suscetível

Giberela e ao vírus do mosaico do trigo.

Moderadamente resistente

Ferrugem da folha, manchas foliares, brusone e vírus do nanismo amarelo da cevada.

Resistente

Ciclo: 122 dias.

Ferrugem do colmo e oídio.

BRS Parrudo Trigo melhorador com alta produtividade Tipo de planta diferenciado, sanidade de folha e espiga, elevada resposta a adubação nitrogenada, resistência ao acamamento e moderada resistência à debulha natural, geada na fase vegetativa e ao crestamento. A necessidade de adubação nitrogenada para a cultura, conforme a região, é: Região 1 – até 120 kg N/ha (base + cobertura) e Região 2 – até 100 kg N/ha (base + mais cobertura).

Densidade de semeadura: 300 a 330 sementes viáveis/m². Qualidade Tecnológica: Região 1 (RS, SC e PR) trigo pão/melhorador e; Região 2 (RS e SC) - trigo pão/melhorador. Abrangência: RS (1 e 2), SC (1 e 2) e PR (1).

Reação a doenças: Moderadamente suscetível

Vírus do nanismo amarelo da cevada.

Moderadamente resistente

Giberela, manchas das glumas e manchas foliares e ferrugem da folha.

Resistente

Ciclo: Precoce/médio – espigamento 85 dias.

Oídio e ao mosaico do trigo.


BRS Sabiá Precocidade e produtividade no tom certo Possui boa resistência ao acamamento e estabilidade de rendimento. Tem ampla adaptação e pode ser semeado em qualquer época recomendada para a cultura. Também apresenta estabilidade para qualidade industrial e para rendimento de grãos. Boa tolerância ao crestamento e rápido arranque inicial.

Ciclo: 103 dias. Densidade de semeadura: 300 a 350 sementes viáveis/m, com espaçamento entre linhas de 17 cm. Qualidade tecnológica: Trigo pão. Abrangência: SC (2), PR (1, 2 e 3), SP (2) e MS (3).

Reação a doenças: Moderadamente resistente Resistente

Manchas foliares, vírus do mosaico e vírus do nanismo amarelo da cevada. Oídio.

BRS Tangará Sanidade, resistência à ferrugem da folha e estabilidade produtiva Trigo de ampla adaptação com boa sanidade e boa tolerância ao acamamento e germinação pré-colheita. Resistente à debulha. Glúten forte e bem balanceado, dando à farinha boa qualidade de panificação. Apesar de ser cultivar de ampla adaptação geográfica, o seu ‘pico de rendimento’ pode ser alcançado em locais com remperaturas mais amenas, onde possui ótimo potencial de produção. Reação a doenças: Moderadamente suscetível

Giberela, manchas foliares, vírus do mosaico e brusone.

Moderadamente resistente

Vírus do nanismo amarelo da cevada.

Resistente

Oídio, ferrugem da folha e ferrugem do colmo.

Ciclo: 123 dias. Densidade de semeadura: 250 a 300 sementes viáveis/m, com espaçamento entre linhas de 17 cm. Qualidade Tecnológica: Trigo pão. Abrangência: SC (1 e 2), PR (1, 2 e 3), SP (2) e MS (3).


BRS Tarumã Excelente perfilhamento e período vegetativo longo. Possui estatura baixa, de aproximadamente 79 cm e grão semiduro. Sua produtividade média é de 5.300kg/ha. Resistente à debulha natural e à geada na fase vegetativa e moderadamente resistente à germinação na espiga. Está classificado como trigo doméstico.

Ciclo: Tardio, com espigamento de 110 dias e maturação de 162 dias. Densidade de semeadura: 300 sementes viáveis/ m². Abrangência: RS e SC (regiões 1 e 2) e PR (região 1).

Reação a doenças: Moderadamente suscetível

Giberela, mancha da gluma e manchas foliares.

Moderadamente resistente

Ferrugem da folha (planta adulta), vírus do mosaico e ao vírus do nanismo amarelo da cevada (VNAC).

Resistente

Oídio.

BRS Saturno

TRITICALE

Triticale para regiões mais frias Ciclo médio e estatura de planta média, moderadamente resistente ao acamamento, elevado potencial de rendimento de grãos. Moderadamente sensível à germinação na espiga e moderadamente tolerante ao crestamento. Pode ser usado em misturas para a produção de biscoitos, bolachas e rações.

Ferrugem da folha e brusone.

Moderadamente suscetível

Vírus do nanismo amarelo da cevada (VNAC), bacteriose, septoriose e giberela.

Moderadamente Resistente

Mancha marrom, vírus do mosaico do trigo (VMT).

Resistente

Densidade de semeadura: 350 a 450 sementes/ m². Região de adaptação: RS, SC e PR (1).

Reação a doenças: Suscetível

Ciclo: Precoce – espigamento 75 a 85 dias e maturação 135 a 150 dias.

Oídio.


AVEIA PRETA BRS Centauro Alta produção de massa seca para cobertura de solo e pastejo Cultivar para cobertura de solo e pastejo. Destaca-se pela boa produção de massa seca, alta relação folha/colmo (maior produção de folhas em relação a colmos), excelente rebrote, uniformidade e tolerância ao crestamento.

Densidade de semeadura: De 200 a 250 sementes viáveis/m², visando a produção de grãos, e de 300 a 350 sementes viáveis/ m² para o aproveitamento forrageiro, duplo-propósito (forragem e grãos) ou cobertura de solo. Abrangência: MS, SP, PR, SC, RS.

Reação a doenças: Suscetível

Ciclo: Anual de ciclo médio.

Ferrugens da folha e do colmo.

BRS Madrugada Precoce para pastejo e cobertura de solo

A precocidade de espigamento e maturação, a tolerância ao crestamento (acidez do solo), a menor suscetibilidade ao vírus do nanismo (VNAC), a elevada uniformidade de plantas, e o bom tipo agronômico dão a esta cultivar aptidão para forrageira e para cobertura de solo. Reação a doenças: Suscetível

Ferrugens da folha e do colmo.

Ciclo: Anual de ciclo curto. Densidade de semeadura: De 200 a 250 sementes viáveis/m², visando a produção de grãos, e de 300 a 350 sementes viáveis/m² para o aproveitamento forrageiro, duplo-propósito (forragem e grãos) ou cobertura de solo. Abrangência: RS, SC, PR, MS e SP.


AZEVÉM BRS Ponteio Maior período de pastejo e melhor qualidade nutricional para o rebanho

Caracteriza-se por formar uma pastagem de maior qualidade e que rende até 30 dias a mais de pasto. Enquanto as cultivares comuns cobrem um período de alimentação para os animais até outubro, este azevém chega até novembro.

Ciclo: 160 a 170 dias. Densidade de semeadura: 20 kg/ha. Abrangência: RS, SC, PR, e MG.

Reação a doenças: Suscetível

Brusone.

BRACHIARIA BRIZANTHA BRS Paiaguás Ciclo: Perene. Melhor desempenho para regiões de clima seco

Excelente desempenho na seca, pois o acúmulo de forragem de melhor valor nutritivo proporciona maiores ganhos de peso animal. Excelente opção para plantio na safrinha (integração e palhada). Apta para produção de feno. Ganho médio estimado de peso na seca de 280 g/animal/dia. Reação a doenças: Moderadamente suscetível

Cigarrinha Notozulia entreriana.

Suscetível

Cigarrinha Mahanarva fimbriolata e ao Nematoide Pratylenchus brachyurus.

Densidade de semeadura: Acima de 20 plantas/ m². Abrangência: Cerrado.


BRS Piatã Alta taxa de crescimento e rebrota com qualidade e elevado valor nutritivo

Apropriado para solos de média fertilidade, produz forragem de boa qualidade e acumulação de folhas. Com porte médio e altura entre 0,85 m e 1,10 m, não tem pelos nas folhas e seus colmos são finos e verdes. É uma opção para a diversificação das pastagens, tendo produção de forragem de boa qualidade, maior acúmulo de folhas e maior tolerância a solos com má drenagem que outras cultivares de Brachiaria brizantha. Ganho de peso animal/área de 640 Kg/ha/ano. Alta produtividade de matéria seca, com 57% de folhas.

Ciclo: Perene. Densidade de semeadura: Acima de 20 plantas/ m², para uma boa formação de pastagem. Abrangência: Regiões de clima tropical e tropical úmido, podendo ser cultivado na pré-amazônia, zonas mais quentes da região Sul e em todos os Estados das regiões Centro-Oeste e Sudeste, além do Oeste Baiano de Mata Atlântica.

Reação a doenças: Resistente

Cigarrinhas típicas de pastagens (Notozulia entreriana e Deois flavopicta), resultando em baixa sobrevivência ninfal. 

BRACHIARIA HUMIDICOLA BRS Tupi Ciclo: Perene. Precocidade e produtividade, excelente opção na diversificação da pastagem

Densidade de semeadura: 5 a 10 plantas por m². Abrangência: Cerrado .

Própria para solos de baixa a média fertilidade e sujeitos ao alagamento temporário. É uma planta com porte mediano, atingindo uma altura vegetativa de 50 a 75 cm. Apresenta perfilhamento mais intenso e denso e lâminas foliares mais longas e estreitas do que a humidicola comum. Seu florescimento é mais precoce (primavera/verão), mas com produtividade de sementes semelhante à humidicola comum. Alta produtividade de matéria seca. Reação a doenças: Tolerância

Cigarrinhas Notozulia entreriana e Deois flavopicta.


CAPIM-ELEFANTE BRS Kurumi Ciclo: Perene. Capim- elefante anão de alta produção de forragem com excelentes características nutricionais

Caracteriza-se por apresentar touceiras de formato semiaberto; folha e colmo de cor verde; e internódio curto. Apresenta crescimento vegetativo vigoroso com rápida expansão foliar, intenso perfilhamento e porte baixo. Possui propagação vegetativa por meio de estacas e destaca-se por apresentar alto potencial de produção de forragem com excelentes características nutricionais, o que possibilita ao produtor intensificar a produção animal com menor uso de concentrado. Outra característica que chama a atenção e a elevada relação folha/ colmo e facilidade de manejo devido seu porte baixo.

Densidade de semeadura: 15.000 mudas/ha. Abrangência: Biomas Mata Atlântica, Amazônia e Cerrado

Reação a doenças: Suscetível

Cigarrinha-das-pastagens com boa tolerância na Região Sul.

CAPIM SUDÃO BRS Estribo Ciclo: Anual de ciclo longo. Alta produção de forragem para sistema rotativo de manejo

Indicada para pastejo e cobertura do solo, apresentando alta produção de forragem e perfilhamento, manejo flexível e semeadura precoce e boa rusticidade em relação a seca e as condições nutricionais do solo. Pode ser utilizado tanto em sistemas de pastejo rotativo quanto contínuo. Reação a doenças: Resistencia

Principais doenças, por ser cultivar rustica.

Densidade de semeadura: 25 kg/ha Abrangência: SC, PR e RS.


CORNICHÃO URSBRS Posteiro Para incrementar a qualidade das pastagens na Região Sul

Quando consorciado com gramíneas ou sobressemeado em campos naturais, o cornichão incrementa a qualidade dessas pastagens por possuir boa digestibilidade e elevados teores de proteína. Por meio de simbiose com bactérias do gênero Rhizobium, fixa nitrogênio atmosférico, reduzindo a necessidade de adubações nitrogenadas. A cultivar foi selecionada para produção de forragem, persistência e tolerância ao pastejo, sendo recomendada para sobressemeadura em campos naturais e consórcios com gramíneas forrageiras de inverno em áreas mais altas e bem drenadas de toda a região sul do Brasil.

Ciclo: Penene. População de plantas: 8 a 10 kg/ha. Abrangência: PR, SC e RS.

Reação a doenças: Sem informações disponíveis

FEIJÃO GUANDÚ BRS Mandarim Ciclo: Perene . Ampla aptidão para alimentação animal e também para adubação verde

Cultivar de fácil implantação e manejo, inclusive em solos de baixa fertilidade. Suas vantagens em relação às outras cultivares para produção animal são: boa tolerância à seca, maior produtividade (produção de forragem), descompactação do solo e longevidade. Já suas vantagens para adubação verde são: produção de matéria seca, reciclagem de nutrientes e a facilidade de manejo da massa verde. Reação a doenças: Moderadamente resistente

Macrofomina, fungo que ataca as raízes e mata a planta, problema comum nas outras cultivares.

População de plantas: 10 plantas/m². Abrangência: Pode ser cultivado em locais de clima tropical, desde os mais úmidos até os semiáridos.


MILHETO BRS 1503 Ciclo: 75 a 120 dias. Excelente para cobertura do solo, com alta capacidade de rebrota e controle de nematoide Adaptada para produção de massa em sistemas de plantio direto e com bom potencial de produção de grãos. Apresenta também boa capacidade de perfilhamento, com crescimento rápido e alta produção de biomassa, com sistema radicular profundo e abundante promove a ciclagem de nutrientes para a camada mais superficial do solo.

População de plantas: 200 mil plantas/ha. Abrangência: Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Reação a doenças: Resistente

Principais doenças da cultura.

PANICUM MAXIMUM BRS Tamani Primeira cultivar híbrida lançada pela Embrapa

Planta cespitosa de porte ereto e baixo com folhas verde escuras, longas, finas e arqueadas. As folhas apresentam baixa pilosidade. Seu florescimento é precoce. Nos dois anos de avaliação no bioma Cerrado, em sistema de pastejo alternado com ciclo de pastejo de 56 dias (28 dias de ocupação e 28 de descanso) e adubação nitrogenada variando de 100 a 150 kg N/ha ano no período chuvoso, apresentou um desempenho individual dos animais 5,7% e 9,5% superior à cultivar utilizada para comparação. Reação a doenças: Resistente

Cigarrinhas típicas de pastagens (Notozulia entreriana e Deois flavopicta)

Ciclo: 56 dias (28 dias de ocupação e 28 de descanso). Densidade de semeadura: 3 a 4 kg/ha de sementes puras viáveis. Abrangência: Pastagens no bioma Cerrado.


BRS Zuri Ciclo: Perene de florescimento precoce. Resistente às cigarrinhas das pastagens

População de plantas: Acima de 20 plantas/m².

Porte alto com folhas largas, fácil manejo e alto grau de resistência ao fungo foliar Bipolaris maydis. Adaptada a solos leves de boa fertilidade e corrigidos, de média a alta fertilidade. Apresenta elevada resistência por antibiose às cigarrinhas-das-pastagens. Valores médios estimados nas águas de 540 g/animal/dia e nas secas de 520 g/animal/dia.

Abrangência: Biomas Amazônia e Cerrados, nos estados de MS, DF, RO, AC, RJ e RS, e sob pastejo em MS, DF e AC.

Reação a doenças:

Resistente

Antibiose às cigarrinhas-das-pastagens e com alto grau de resistência ao fungo foliar Bipolaris maydis, Notozulia entreriana, Deois flavopicta e Mahanarva fimbriolata.

TREVOS BRSURS Entrevero Ciclo: Perene. Persistência e adaptabilidade para a Região Sul

População de plantas: 4 kg/ha. Abrangência: PR, SC e RS.

A cultivar de trevo branco é recomendada para formação de pastagens cultivadas consorciadas e para sobressemeadura em pastagens naturais na região sul do Brasil. Selecionada para produção de forragem, persistência e adaptabilidade geral na região sul do Brasil, sendo recomendada para sobressemeadura em campos naturais e consórcios com gramíneas forrageiras de inverno em áreas mais baixas, planas e com bom teor de umidade. Reação a doenças: Sem informações disponíveis


BRS Resteveiro Leguminosa de trevo persa com adaptação a solos úmidos

Ciclo: Anual de ciclo longo. População de plantas: 6 a 8 kg de sementes/ha

Trevo persa que reúne a boa qualidade das leguminosas com excepcional adaptação a solos úmidos. Chega a produzir 30 toneladas de pasto verde por hectare. Sua forragem, além de ser de alta qualidade, possui grande aceitação pelos animais. A consorciação com gramíneas de inverno como o azevém e o capim-lanudo é recomendada, aumentando a produção por área. Também pode ser cultivada antes ou depois do arroz e na rotação agricultura-pecuária com este cereal.

Abrangência: PR, SC e RS.

Reação a doenças: Sem informações disponíveis

BRS Piquete Consorciação com gramíneas ou semeadura em campos naturais Esta cultivar de trevo vesiculoso é recomendada para formação de pastagens cultivadas consorciadas e para sobressemeadura em pastagens naturais, compondo consórcios com gramíneas forrageiras de inverno, em áreas mais altas e bem drenadas de toda a região sul do Brasil. A leguminosa pode fixar nitrogênio atmosférico, em simbiose com bactérias do gênero Rhizobium, reduzindo a necessidade de adubações nitrogenadas com o passar do tempo. Por ser anual, pode ser mais facilmente utilizada para compor sistemas de integração lavoura-pecuária, aportando qualidade à forragem produzida e incorporando nitrogênio ao sistema. Reação a doenças: Sem informações disponíveis

Ciclo: Anual de ciclo longo. População de plantas: 12 a 20 kg/ha. Abrangência: PR, SC e RS.


ABACAXI BRS Imperial Fruto doce, polpa amarelo-dourada, excelentes características organolépticas e resistente à fusariose

Plantas com folhas completamente lisas, o que facilita o manejo e os tratos culturais. Os frutos têm dupla aptidão, podendo ser destinados tanto para o mercado de consumo in natura, como para industrialização.

- Fruto cilíndrico; - Tamanho médio do fruto: 18,5 cm; - Peso médio do fruto: 1.600 a 1.800 gramas; - Cor da casca: amarela a laranja; - Elevado teor de sólidos solúveis totais, com média de 15,8 º Brix e moderada acidez titulável 0,62%; - Polpa amarelo-dourada; - Frutos com boa tolerância ao transporte e vida de prateleira mais longa do que a das variedades tradicionais.

Reação a doenças: Resistente

Fusariose.

BANANA BRS Platina Resistente ao mal-do-panamá e à sigatoka-amarela com frutos do tipo banana prata Apresenta bom perfilhamento, porte médio e características, tanto de desenvolvimento, quanto de rendimento, idênticas às ‘Prata Anã, com frutos que se assemelham em forma, tamanho e sabor. A resistência ao mal-do-panamá e à sigatoka-amarela, possibilita a redução de aplicações de fungicidas e consequentemente a redução do custo de produção e agressão ao meio ambiente, sendo uma possibilidade para produção orgânica e atendimento a protocolos de certificação. Reação a doenças: Resistente

Mal-do-panamá e sigatoka-amarela.

- Colheita mais precoce do que a Prata Anã, aproximadamente 90 dias após a emissão dos cachos; - Rendimento de frutas de primeira qualidade de aproximadamente 90%, o que representa maior lucratividade ao produtor.


CUPUAÇU BRS Carimbó Elevada produtividade e resistência à vassoura de bruxa

- Frutos médios a grandes, com peso médio de 1.622 g; -Potencial produtivo de 4,5 toneladas/hectare/ano de polpa e 1 tonelada/hectare/ano de sementes secas.

Ótima produção de frutos, com boa aceitação tanto para a agroindústria como para o mercado de fruta in natura. Sua elevada produtividade e resistência à vassoura de bruxa representa mais segurança para o produtor. Reação a doenças: Vassoura-de-bruxa.

Resistente

GUARANÁ BRS Marabitana Elevada produtividade e resistência a doen-

Recomendado para plantio comercial em todo o Estado do Amazonas, sendo indicado para aumentar a barreira à antracnose, principal doença do guaranazeiro. A resistência a antracnose, torna-a ideal para compor o plantio multiclonal e ás às hipertrofias da gema floral e da gema vegetativa. Reação a doenças: Resistente

Antracnose.

- Frutos de forma oval e coloração amarelada, produtividade elevada com cachos com alta densidade, variando de 1 a 1,5 kg de sementes secas por planta ao ano; - Teor de cafeína de 3,8%.


BRS Saterê Elevada produtividade e resistência a doenças

Recomendado para plantio comercial em todo o Estado do Amazonas, sendo indicado para aumentar a barreira à antracnose, principal doença do guaranazeiro. A resistência a antracnose, torna-a ideal para compor o plantio multiclonal e ás às hipertrofias da gema floral e da gema vegetativa.

- Frutos de forma globosa e coloração avermelhada, produtividade elevada com cachos com alta densidade, variando de 1 a 1,5 kg de sementes secas por planta ao ano; - Teor de cafeína de 4%.

Reação a doenças: Resistente

Antracnose

LIMA ÁCIDA TAHITI BRS Passos Produtividade elevada, inclusive na entressafra

Apresenta produtividade superior à média regional com tendência a florescimento ao longo do ano. A cultivar atende ao mercado de fruta in natura, produzindo frutos na entressafra na região Centro-Oeste do Brasil e é boa alternativa para a agricultura familiar. Além disso, ela pode ser produzida na forma de consórcio com outras culturas, tais como algumas hortaliças. Reação a doenças: Plantas básicas livres da clorose variegada dos citros (CVC).

- Responde à indução de florescimento por manejo da adubação, permitindo a produção na entressafra; - Maior tempo de prateleira e menor taxa de abortamento floral; - Floração durante todo o ano, sendo a principal em setembro; - Formato ovoidal com ligeira protuberância em volta do pedúnculo; - Tamanho pequeno a m édio; - Peso superior a 130 g, cerca de 36% de suco, sem sementes.


MARACUJÁ BRS Gigante Amarelo Frutos oblongos, alta produtividade e qualidade de frutos

- Boa capacidade de adaptação; - Cultivada em todos os Estados brasileiros para fornecimento à indústria de suco e para o consumo in natura; - Teor de sólidos solúveis médio de 14 ºBrix;

Frutos amarelos, de formato oblongo, com base e ápice ligeiramente achatados, pesando de 120 a 350 g e rendimento de polpa. Ampla adaptação e plantio em qualquer época do ano (quando irrigado) e em diferentes tipos de solo. Não se adapta a regiões sujeitas a geadas.. Reação a doenças: Antracnose e à bacteriose.

Tolerante

BRS Pérola do Cerrado Cultivar silvestre, sabor diferenciado

Produz fruto de formato, cor e sabor diferentes do maracujá-azedo. Suas belas flores brancas e sua ramificação densa evidenciam seu potencial ornamental para paisagismos de grandes áreas. Não se adapta a regiões sujeitas a geadas e solos sujeitos ao encharcamento. Cultivo em sistema orgânico. É indicada para indústrias de sucos, sorvetes e doces, assim como para consumo in natura. Reação a doenças:

Resistente

Virose, bacteriose, antracnose, verrugose e morte precoce.

- Polpa de coloração amarelo-creme e teor de sólidos solúveis variando de 15 a 18 °Brix; - Rendimento de polpa em torno de 35%; - Frutos com coloração verde-claro a amarelo-claro, com listras longitudinais verde-escuras; - Peso do fruto variando de 50 a 120 gramas.


BRS Rubi do Cerrado Tolerância às principais doenças do maracujazeiro e elevada produtividade Produz aproximadamente 50% de frutos de casca vermelha ou arroxeada com peso de 120 a 300 gramas. Adaptação para ampla faixa de altitude (376 a 1.100 m), permitindo plantio em qualquer época do ano, quando irrigado, em diferentes tipos de solo. Não se adapta às regiões sujeitas a geadas e a solos sujeitos ao encharcamento. Frutos podem ser usados tanto para indústria quanto para consumo in natura.

- Potencial para atingir produtividades superiores a 50 toneladas/hectare no primeiro ano de produção ( DF e MT). - Maior resistência ao transporte; - Coloração de polpa amarelo forte; - Maior tempo de prateleira; - Bom rendimento de polpa; - Teor de sólidos solúveis de 13 a 15° Brix - Média de peso do fruto: 170 g.

Reação a doenças: Boa tolerância

Virose, bacteriose, antracnose e verrugose.

PÊSSEGO BRS Fascínio Frutos grandes, doces e de baixa acidez Produz frutos grandes, de polpa branca, consistência firme e boa produtividade. Indicado para áreas com baixo acúmulo de frio. Necessita quebra de dormência em altitudes inferiores a 600 m. Reação a doenças: Não apresenta diferenças quanto às demais cultivares disponíveis no mercado.

- Floração em meados de agosto; - Rendimento médio de 50 kg/planta em idade adulta; - Frutos com formato redondo cônico e coloração vermelho marmorizado; - Peso médio dos frutos de 250 a 300 gramas; - Época de maturação em meados de novembro; - Caroço aderente; - Indicação de uso para mesa; - Frutos com polpa branca esverdeada e firme.


BRS Regalo Alta estabilidade de produção

Flor rosácea e polpa fundente. Indicada para o Sul do país, a floração acontece do final de julho a meados de agosto e a colheita nas primeiras semanas de dezembro.

- Polpa branca, com sabor doce e baixa acidez; - Estabilidade de produção; - Rendimento médio de 40 kg/planta na idade adulta; - Peso médio dos frutos de 90 a 130 gramas; - Fruto com formato redondo cônico e coloração vermelho-clara sólida.

Reação a doenças: Não apresenta diferenças quanto às demais cultivares disponíveis no mercado.

BRS Mandinho “ Bolachinhas” doces e saudáveis

Esta cultivar produz frutas de forma platicarpa (achatada), polpa amarela, com bom sabor, doce ácido, mas com predominância do sabor doce. A película é amarela com parte da área (40% a 50%, dependendo da insolação e tipo de adubação) coberta por vermelho sólido vivo. O tamanho é pequeno, variando de 4,5 cm a 6,5 cm de diâmetro. As flores são do tipo rosácea e a plena floração ocorre na terceira dezena de julho. Reação a doenças: Não apresenta diferenças quanto às demais cultivares disponíveis no mercado.

- A maturação, nas condições de Pelotas-RS, inicia geralmente na segunda quinzena de novembro. Em regiões mais quentes como SP, esta ocorre 20 a 30 dias antes, diferença que pode ser ainda maior com o tratamento antecipado para quebra de dormência.


BRS Rubimel Sabor doce e de baixa acidez

Frutos de formato redondo a redondo cônico, com película que apresenta 50 a 80% de vermelho sobre fundo amarelo, resultando muito boa aparência. A polpa é amarela, fundente, firme e semi-aderente ao caroço. Reação a doenças:

- O tamanho é médio a grande, ficando frequentemente entre 6 e 7 cm. Os frutos pesam em média 110 a 120g. - Ciclo de maturação: Outubro (regiões quentes) a início de novembro (regiões frias). Excepcionalmente a maturação pode retardar até o final de novembro, conforme as condições climáticas do ano ou da região. Estima-se a necessidade de frio entre 200 a 300 horas.

Não apresenta diferenças quanto às demais cultivares disponíveis no mercado.

BRS Kampai Frutas doces e de maturação precoce

Apresenta pele de cor creme esverdeado com mais de 50% de vermelho. Seu tamanho pode ser de médio a grande. A polpa é tipo fundente, firme e branca esverdeada. Os frutos pesam em média 110g a 120g. O sabor é doce com leve acidez. Reação a doenças: Suscetível

Gomose.

- Frutas saborosas, mesmo com a precocidade de maturação (quando as condições climáticas não são favoráveis à obtenção de alto teor de açúcar) é um dos diferenciais da cultivar. - Ciclo de maturação: precoce.


BRS Libra Sabor doce e de baixa acidez Apresenta pele de cor amarela. Os frutos são de tamanho médio, possui sabor doce-ácido, sua polpa é não-fundente, amarela e seu peso médio é de 120g.

- Ciclo de maturação: precoce (amadurece no sul do Brasil no fim de setembro a início de outubro) e baixa necessidade de frio hibernal (100-200 horas). -Sua produtividade é de 200 a 500 frutos por planta, antes do desbaste. - Cultivar indicada para industrialização.

Reação a doenças: Não apresenta diferenças quanto às demais cultivares disponíveis no mercado.

TANGOR Tangor Ortanique Híbrido de tangerina e laranja de excelente qualidade para mesa e suco

Os frutos apresentam aroma forte e rico, sendo de sabor bastante doce, muito bem balanceado com a acidez quando completamente maduros. Possuem quantidade abundante de suco, ao redor de 50% do peso total do fruto, sendo de sabor agradável e característico. Seus frutos não apresentam sementes em cultivos isolados. Reação a doenças: Suscetível

Mancha de alternaria e mancha-preta dos citros.

- Plantas vigorosas, de rápido crescimento, entrando precocemente na fase produtiva. - Indicada para as regiões com clima mais ameno por serem mais adequadas para a produção de frutas frescas. - Sua maturação é tardia, entre agosto e outubro. - Boa resistência ao transporte.


UVA BRS Magna Excelente opção para a produção de sucos de melhor qualidade

- Ampla adaptação climática na produção; - Peso médio do cacho de 200 gramas; - Vigor mediano, ciclo precoce a médio, possibilitando a obtenção de dois ciclos anuais; - Sabor aframboesado.

Para melhoria da cor, da doçura e do sabor do suco de uva. Suco de cor violácea intensa, que pode ser consumido puro ou em corte com outras cultivares. É indicada para locais de clima temperado e tropical úmido. O sabor e aroma são típicos de labrusca, com teor de açúcar entre 17° e 20° Brix, acidez de 90meq/L, pH de 3,6. Reação a doenças: Moderadamente resistente

Requeima das folhas.

BRS Vitória Uva preta sem semente com sabor especial para consumo in natura

Cultivar de mesa sem semente, com sabor aframboesado e agradável. Tem produtividade de 20 a 25 toneladas/ha com manejo conveniente, além de ser bem adaptada ao cultivo em regiões tropicais. Apresenta alta fertilidade, normalmente com dois cachos por ramo. A uva tem bagas com cor preta, bom equilíbrio entre açúcar e acidez, o que lhe confere ótimo sabor aframboesado, com potencial de sólidos solúveis (brix) chegando a mais de 20. Tem bom comportamento em relação ao rachamento de bagas. Reação a doenças: Resistente

Míldio.

- Ampla adaptação na produção; - Plantas vigorosas, ciclo precoce, adaptando-se bem ao esquema de duas podas/ano; - Elevada acidez e teor de açúcar (entre 20 e 22° Brix).


BRS Ísis Uva vermelha sem semente para consumo in natura

Cultivar de mesa cujas características atendem algumas das principais demandas deste segmento do setor vitícola no Brasil. Boa adaptação em condições de clima tropical úmido e tropical semi-árido.

- Plantas vigorosas e férteis, ciclo tardio, permitindo duas podas/ano; - Apresenta bagas com elevada aderência ao engaço, textura firme e sabor neutro; - Teor de sólidos solúveis totais de 17º a 19º Brix.

Reação a doenças: Resistente

Míldio.

BRS Núbia Uva preta e doce para consumo in natura

Cultivar de mesa com sementes, de coloração negra homogênea. Apresenta bagas de coloração bem definida, com textura crocante e naturalmente grandes. É uma boa opção para cultivo nas regiões do norte do Paraná, noroeste do estado de São Paulo, norte de Minas Gerais e Vale do Submédio São Francisco. Adapta-se bem em condições de clima subtropical, tropical úmido e tropical semiárido. Reação a doenças: Suscetível

Plasmopara viticola (Berk e Curt) Berl e oídio [Uncinula necator (Schw.) Burr.].

Tolerante

Ferrugem (Phakopsora euvitis Ono) e requeima das folhas.

- Plantas vigorosas e fertilidade mediana; - Apresenta bagas de tamanho grande, de 24 mm de diâmetro por 34 mm de comprimento, intensa presença de cera na película e teor de açúcar em 16 a 19º Brix, permitindo equilíbrio açúcar/acidez e boa qualidade para o consumo in natura.


ALHO BRS Hozan Alta produtividade sem vernalização As folhas são largas de cor verde clara e dobram-se logo acima da bainha. Os bulbos são de formato oval e apresentam túnicas brancas, finas e de aparência delicada. Possui bulbos com 15 bulbilhos (dentes), 35 g de peso, em média, e 70% da produção com bulbos de diâmetro superior a 42 mm. Os dentes são perfeitamente encaixados na estrutura do bulbo, são de formato alongado e película com coloração acastanhada.

Ciclo: 150 dias. População: 350 mil plantas por hectare (205 a 300 cm²/planta) utilizando-se espaçamentos de linhas simples ou linhas duplas. Abrangência: Regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste.

Reação a doenças: Moderadamente resistente

Mancha púrpura e ferrugem do alho.

ABOBORA-MENINA

BRS Brasileirinha A mais brasileira das abóboras Planta rústica possuindo hábito de crescimento prostrado, indeterminado e vigoroso. Apresenta plantas monoicas, com boa cobertura de flores femininas. A característica peculiar da cultivar é a coloração bicolor de sua casca, amarela na porção proximal e verde na porção distal. Os frutos apresentam formato periforme alongado, com casca lisa e brilhante quando jovens. Esta cultivar pode ser classificada dentro do grupo varietal do tipo ‘Menina’, muito popular no mercado brasileiro. Frutos com cerca 12-18 cm de comprimento e peso médio de 180-400 gramas. Para consumo seco, os frutos podem atingir cerca de 1,2 a 1,6 kg. A coloração da polpa é creme-clara em frutos colhidos imaturos. Reação a doenças: Resistente

Diferentes raças de oídio.

Suscetível

Diferentes espécies de Potyvirus, os frutos não apresentam as típicas deformações, bolhas ou manchas comumente observadas em outras cultivares suscetíveis.

Ciclo: Semi-tardio. População: 4 mil a 5 mil plantas/ha. Abrangência: Tradicionais regiões produtoras, devendo-se evitar épocas e/ou locais com ocorrência de geadas.


BRS Estrela Para alimentação e decoração de ambientes Representante da espécie Cucurbita pepo, seus frutos têm duplo propósito - podem ser usados na alimentação e também na decoração de ambientes. Apresenta casca de cor creme e polpa branca levemente fibrosa, adequada para o preparo de doce e sobremesas. O formato diferenciado lhe confere características estáticas adequadas para uso ornamental, na decoração de ambientes. Reação a doenças:

Ciclo: Planta anual com época de plantio no Sul do país começando em setembro e indo até novembro, e a colheita de fevereiro a abril. Nas demais regiões do país, o plantio pode ser realizado durante todo o ano. Plantio: Semeadura direta no campo ou com mudas pré-cultivadas, com espaçamento de um metro entre plantas e 2 m entre linhas. Abrangência: Todo o país.

Sem informações disponíveis.

BRS Linda Para decoração de pratos e ambientes internos

Ciclo: Anual, com ciclo de 90 dias.

Produto ornamental, da espécie Cucurbita pepo. Seus frutos têm tamanho pequeno, com cerca de 6 cm a 8 cm de comprimento. A cor principal da casca pode ser verde, amarela ou creme, apresentando cor secundária nestas mesmas cores em tons mais claros. Alguns frutos apresentam uma única cor, outros são bicolores, e alguns apresentam listras. A polpa não é apropriada para o consumo pelo fato de ser muito amarga, seca e fibrosa. Os frutos maduros mantêm características estéticas por vários meses depois de colhidos.

População: 20 a 30 frutos/planta.

Reação a doenças: Por ser cultivar muito rústica, apresenta boa resistência à maioria das doenças.

Abrangência: Todo o país.


BRS Tortéi Rica em carotenoides Variedade crioula muito produtiva da espécie Cucurbita maxima adequada para cultivo agroecológico. As abóboras são pequenas, com 10 a 15 cm de diâmetro, polpa alaranjada, de consistência firme e rica em carotenoides. A cor da casca dos frutos varia ao longo do tempo após a colheita, desde verde-acinzentado até rosado e alaranjado. A durabilidade pós-colheita dos frutos pode atingir 12 meses. O pequeno tamanho dos frutos é uma excelente opção para famílias pequenas. Também é indicada para o consumo do fruto inteiro, recheado, em porção individual.

Ciclo: Anual com época de plantio, no Sul do país, de setembro a novembro, e a colheita de fevereiro a abril. Nas demais regiões do País, o plantio pode ser realizado durante todo o ano. População: 20 a 30 frutos/planta. Abrangência: Todo o país.

Reação a doenças: Muito tolerante a doenças.

BATATA BRS Ana Para a moderna culinária de palitos pré fritos congelados Cultivas adequadas para fritura de batata palito, palha e produção de flocos. Destaca-se,ainda, na aparêcia, rendimento de tubérculos, alta matéria seca e qualidade de fritura. Os tubérculos têm película vermelha, levemente áspera, polpa branca, formato oval e olhos rasos. Seu potencial produtivo é alto. No ecossistema subtropical, apresentou maior produtividade e menor exigências em fertilizantes, além da tolerância à seca. Reação a doenças: Moderadamente resistente

Requeima e pinta preta.

Baixa degenerescência

Sementes por viroses, conferida pela resistência ao vírus Y da batata.

Baixa incidência

Vírus do enrolamento da folha da batata.

Ciclo: 110 a 120 dias. Dormência: Média. População de plantas: 15 a 20 hastes/m². Abrangência: Todas as regiões de cultivo de batata.


BRS Clara Alta produtividade de tubérculos comerciais e resistência à requeima

Ciclo: 100 a 105 dias. Dormência: Média a curta.

Tubérculos com conteúdo médio de matéria seca, apresentando textura firme na cocção, com uso preferencialmente para preparação de saladas e outros pratos afins. Em épocas mais quentes deve ser comercializada imediatamente após a colheita, devido à perda de qualidade da película.

População: 15 a 20 hastes/m². Abrangência: Todas as regiões de cultivo de batata.

Reação a doenças: Resistente

Requeima.

Moderadamente resistente

Pinta-preta.

Suscetível

Mosaico causado pelo vírus Y da batata e enrolamento da folha.

 BRSIPR Bel Ato teor de matéria seca própria para a indústria Foi desenvolvida para o processamento industrial nas formas de “chips” e de batata palha. Pode eventualmente ser utilizada para consumo fresco desde que sejam tomados os cuidados para prevenir o esverdeamento dos tubérculos. É uma cultivar que apresenta plantas medianamente vigorosas, com hábito de crescimento semi-ereto e porte médio, possui tubérculos de formato oval, olhos medianamente rasos; película amarela e lisa e polpa creme. Reação a doenças: Moderadamente suscetível

Requeima.

Moderadamente resistente

Pinta-preta.

Ciclo: 110 dias. Dormência: Relativamente longa. População de plantas: 15 a 20 hastes/m². Abrangência: Todas as regiões onde o cultivo de batata é recomendado.


BATATA-DOCE Beauregard Alta produtividade com dez vezes mais vitamina A Os altos rendimentos e o baixo custo de produção fazem dessa cultivar própria para produção por agricultores familiares, principalmente da Região Nordeste. Possui coloração alaranjada pela elevada quantidade de betacaroteno, que se transforma em vitamina A no organismo.

Ciclo: 120 a 150 dias. População: 33.000 plantas/ha. Abrangência: Principais regiões produtoras de batata-doce no Brasil, em qualquer época do ano, exceto em locais e períodos em que a temperatura mínima for inferior a 15ºC.

Reação a doenças: Por ser cultivar muito rústica, apresenta boa resistência à maioria das doenças.

Brazlândia Roxa Aparência uniforme e de destaque comercial, com baixo teor de fibras

Ciclo: 150 dias. População: 33.000 plantas/ha.

Película externa roxa, polpa creme, doce, com baixo teor de fibras. Após o cozimento, a polpa torna-se creme-amarelada. O formato é alongado, muito uniforme e com ótimo aspecto comercial. A polpa é bem seca. A planta é do tipo rasteira e as ramas desenvolvem-se lentamente, de comprimento médio, com diâmetro médio aproximado de 6 mm, de cor verde. As folhas são de cor verde, medindo de 11 a 15 cm de comprimento por 10 a 15 cm de largura na base. Raramente produz batatas graúdas. Cultivar resistênte a pragas do solo. Reação a doenças: Sem informações disponíveis.

Abrangência: Planalto Central.


BRS Amélia Mais doçura e qualidade para o consumidor Apresenta formato elíptico longo, casca de coloração rosa claro com pigmentação também rosada. Salienta-se pela cor da polpa (alaranjado intenso) e grande aceitação do consumidor devido ao sabor. Quando cozida ou assada, a textura é úmida e melada, macia e extremamente doce. A casca solta com facilidade da polpa, além de ser rica em pró-vitamina A, componente nutricional essencial para a população.

Ciclo: 120 a 140 dias. População: 25.000 plantas/ha. Abrangência: Região Sul.  

Reação a doenças: Por ser cultivar muito rústica, apresenta boa resistência à maioria das doenças.

BRS Cuia Excelentes qualidades para consumo doméstico e industrialização Apresenta plantas vigorosas, casca e polpa creme, mas em tonalidades diferentes. Muito produtiva, supera em muito as médias de produção nacional e a do Rio Grande do Sul. Embora seja excelente para consumo doméstico, devido ao tamanho relativamente grande de batatas, mostra boa adequação ao processo industrial, além disso, estudos preliminares indicam resistência ao mal do pé. Reação a doenças: Por ser cultivar muito rústica, apresenta boa resistência à maioria das doenças.

.Ciclo: 120 a 140 dias. População: 25.000 plantas/ha. Abrangência: Região Sul.


BRS Rubissol Produtividade, doçura e beleza, para pratos mais variados à mesa Possui excelentes características para consumo de mesa e também pode ser utilizada no processamento industrial. Apresenta forma redondo-elíptica com boa uniformidade. Com dimensões de aproximadamente 10 cm por 18 cm. Destaca-se, ainda por expressiva produtividade, com média muito superior à obtida atualmente nas regiões produtoras brasileiras, boa uniformidade e aparência das batatas. Tem como diferencial a coloração de casca em tonalidade púrpura e polpa levemente amarelada quando crua. É muito doce e com textura farinhenta após cozida ou assada.

Ciclo: 120 a 140 dias. População de plantas: 25.000 plantas/ha. Abrangência: Região Sul.

Reação a doenças: Por ser cultivar muito rústica, apresenta boa resistência à maioria das doenças.

BERINGELA Ciça Resistência a doenças e menor custo de produção Os frutos apresentam coloração roxo-escuro brilhante e formato oblongo-alongado, com 22 cm de comprimento por oito cm de diâmetro e cerca de 350 g de peso. As folhas, de coloração verde-escura, não possuem espinhos, o que facilita o manuseio durante a colheita. Além da resistência a doenças, apresenta boa adaptação a variações climáticas, uniformidade do fruto e planta, e boa conservação pós-colheita. Por ser mais rústica, necessita número menor de pulverizações na horticultura convencional, aumentando a sua sustentabilidade ambiental e diminuindo os custos de produção. Reação a doenças: Resistente

Antracnose e podridão-de-fomopsis.

Ciclo: 60 dias. População de plantas: 8.333 plantas/ha em espaçamento de 1,0 m entre plantas por 1,2 m entre linhas. Abrangência: Cultivo o ano todo, em locais onde não ocorram geadas.


CEBOLA BRS Alfa São Francisco Alto potencial produtivo para temperaturas elevadas e com chuva no Vale do São Francisco Cultivar amarela do grupo “Baia” desenvolvida para plantio na Região do Vale do Rio São Francisco no segundo semestre do ano, época de temperaturas elevadas e com chuvas. Possui folhas verde-escuras e cerosas; bulbos arredondados, firmes, pungentes e com teor de sólidos solúveis totais de 12,5° Brix. Elevado potencial produtivo de bulbos com grande padrão comercial e com boa conservação pós-colheita.

Ciclo: 160 dias (transplante de mudas) e de 130 dias (semeadura direta). População: 400 mil plantas/ha. Abrangência: Região Nordeste.

Reação a doenças: Tolerante

Mancha púrpura e mal-de-sete-voltas.

BRS Alfa Tropical Sabor pungente Seus bulbos são predominantemente globulares, firmes, de coloração amarela clara e sabor pungente e teor de sólidos solúveis em torno de 9° Brix. Para cultivo no verão nas latitudes de 9 a 23° Sul com semeio de novembro a janeiro. Reação a doenças: Tolerante

Mancha púrpura e mal-de-sete-voltas.

Ciclo: 160 dias (transplante de mudas) e de 120 dias (semeadura direta). População: 400 mil plantas/ha. Abrangência: Regiões Sudeste e Centro-Oeste.


BRS 367 Produtividade elevada com alta qualidade e padrão comercial Produto amarelo do grupo “Baia” com elevado potencial produtivo de bulbos pungentes com excelente padrão comercial. Apresenta boa conservação pós-colheita com época de brotação tardia em condições de temperatura ambiente.

Ciclo: 165 dias (transplante de mudas) e de 140 dias (semeadura direta). População: 600 mil plantas/ha Abrangência: Centro-Oeste e Sudeste, na faixa de latitudes entre 13 e 23º.

Reação a doenças: Tolerante

Mancha púrpura.

CENOURA Alvorada Alto teor de carotenoides totais e resistência a doenças Seu teor de carotenoides totais é cerca de 35% superior ao encontrado. Baixa incidência de ombro verde, formato de raiz predominantemente cilíndrico, com coloração externa alaranjada intensa e coloração interna alaranjada e uniformemente distribuída no produto. Reação a doenças: Resistente

Queima-das-folhas e aos nematoides formadores de galhas nas raízes.

Ciclo: 85 a 100 dias. População: 700 a 850 mil plantas/ha. Abrangência: Plantio no verão nas principais regiões produtoras de cenoura do Brasil.


Brasília Resistente a requeima de alternaria Apresenta folhagem vigorosa, com coloração verde escura e porte médio de 25 a 35 cm de altura. As raízes são cilíndricas, com coloração laranja-clara variável e baixa incidência de ombro verde ou roxo. As dimensões médias das raízes variam de 15 a 20 cm de comprimento por 2 a 3 cm de diâmetro. Apresenta resistência ao calor e resistência ao pendoamento nas semeaduras de outubro a fevereiro.

Ciclo: 85 a 90 dias. População de plantas: 700 a 800 mil plantas/ha. Abrangência: Semeadura entre os meses de outubro a maio nas regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste; e de dezembro a abril, nas regiões Sudeste e Sul do Brasil.

Reação a doenças: Tolerante

Queima-das-folhas, ao pendoamento precoce a aos nematoides das galhas.

Resistente

Requeima de alternaria.

BRS Planalto Uniformidade de produção com alto teor de beta-caroteno Rústica e com excelente qualidade de raízes, a cenoura BRS Planalto vem conquistando cada vez mais os produtores brasileiros, especialmente os orgânicos. As raízes são bastante uniformes e lisas, com ponta arredondada, formato cilíndrico, comprimento entre 18 cm e 22 cm e diâmetro em torno de 3 cm. Outra característica é a coloração alaranjada intensa, o que indica uma alta concentração de beta-caroteno, antioxidante que é convertido pelo organismo em vitamina A. Reação a doenças: Resistente

Queima-das-folhas e nematoides.

Produtividade: 50 a 60 t/ha. Ciclo: 90 a 100 dias. População: 750 a 850 mil plantas/ha. Abrangência: Pode ser cultivada no verão nas principais regiões produtoras de cenoura do Brasil.


ERVILHA BRS Sulina Rápido crescimento, precocidade e uniformidade Leguminosa indicada para adubação verde e para cobertura de solo, no inverno, preferencialmente antecedendo gramíneas, como milho. Diminui a dependência das culturas subsequentes em fertilizantes químicos, especialmente nitrogênio, bem como reduz custos de produção e impactos ambientais. A precocidade e uniformidade de desenvolvimento permitem reduzir o uso de herbicidas dessecantes em sistema de plantio direto. A aptidão dos grãos para a formulação de ração animal, principalmente suínos, pode ser também mais uma alternativa de utilização.

Ciclo: 141 dias. População de plantas: 800 mil plantas/ha. Abrangência: Região Sul.

Reação a doenças: Cultivar extremamente rústiva bastante resistente a doenças.

MANDIOQUINHA-SALSA

Amarela de Senador Amaral Aroma e sabor adocicado Coloração de polpa amarela intensa, precocidade de colheita e arquitetura de planta ereta, mantendo-se as características peculiares do material tradicionalmente cultivado, como o aroma típico e o sabor adocicado. Reação a doenças: Moderadamente resistente

Nematoides.

Ciclo: 8 meses. População: 32 a 50 mil plantas/ha. Abrangência: MG, PR, SC, RJ, SP e ES.


PIMENTA BRS Mari Alto potencial produtivo para pimenta calabresa com resistência ao Potyvirus Cultivar de polinização aberta do tipo dedo de moça com elevado potencial produtivo. As plantas e frutos apresentam alto grau de uniformidade. Possui potencial para produção de pimenta calabresa pelo alto conteúdo de capsaicina (90 mil SHU). É exigente em calor, sensível a baixas temperaturas e intolerante a geadas.

Ciclo: 240 dias (após o transporte). População: 6.666 plantas (1,0 m entre plantas por 1,5 m entre linhas). Abrangência: Regiões Centro-Oeste e Sudeste.

Reação a doenças: Moderadamente resistente Resistente

Oídio e mancha-bacteriana.

Potyvirus PepYMV.

BRS Moema Sabor sem ardor para saladas e pratos elaborados Cultivar de polinização aberta do tipo “biquinho” com elevada uniformidade de plantas e frutos sem ardume. A planta tem hábito de crescimento intermediário, com cerca de 0.60 m de altura e 1 m de diâmetro. É exigente em calor e sensível a baixas temperaturas. Os frutos apresentam coloração verde quando imaturos, alaranjada em fase de maturação e vermelho quando completamente maduros. Os frutos são aromáticos, crocantes e com potencial tanto para o mercado de frutos frescos como para processamento na forma de conservas. Reação a doenças: Resistente

Nematoide-de-galhas Meloidogyne javanica e ao Potyvírus PepYMV.

Ciclo: 270 dias (após o transporte). População: 10 mil plantas/ha (0,80 m entre plantas por 1,2 m entre linhas). Abrangência: Regiões Centro-Oeste e Sudeste.


BRS Seriema Aroma e sabor para culinária e conserva Cultivar de polinização aberta de pimenta do tipo “bode” vermelha (Capsicum chinense). As plantas apresentam elevada uniformidade e boa produtividade, enquanto que os frutos, picantes (90-100 mil SHU), são aromáticos e pequenos, próprios para o processamento em conservas. É exigente em calor e sensível a baixas temperaturas, devendo ser cultivada nos meses quentes do ano.

Ciclo: 270 dias (após o transporte) População: 10 mil plantas/ha Abrangência: Região Centro-Oeste.

Reação a doenças: Tolerante Baixa incidência

Nematoide-de-galhas Meloidogyne incognita raça 1. Campo de viroses do grupo vira cabeça (TSWV, GRSV e TCSV).

TOMATE BRS Couto Mini-italiano de sabor adocicado de alta resistência no campo Híbrido longa-vida estrutural, com mais tempo de prateleira na comercialização. Possui hábito de crescimento indeterminado e excelente cobertura foliar, reduzindo a incidência de escaldadura solar dos frutos. Apresenta frutos maduros de cor vermelha intensa, que ressalta sua riqueza no carotenoide licopeno. Os frutos são firmes e com formato elíptico. Possui película resistente, com boa tolerância a mancha do ombro e rachaduras, sendo apto ao cultivo de campo aberto e estufas. Reação a doenças:

Resistente

Tolerante

Nematóides-das-galhas (Meloidogyne incognita, M. javanica e M. arenaria). Fungos Cladosporium fulvum raça 2, Fusarium oxysporum f. sp. lycopersici raças 1 e 2 e Verticillium dahlie raça 1. Populações do pulgão Macrosiphum euphorbiae, biótipos da mosca-branca (Bemisia tabaci).

Ciclo: 80 dias (após o transplante). População: 14 mil plantas/ha Abrangência: Todas as regiões, incluindo aquelas onde as geminiviroses têm sido um problema severo.


BRS Imigrante Rústico, firme e com resistência a manchas no período chuvoso É muito rústico, possui hábito de crescimento do tipo “meia-estaca” ou semi-determinado e excelente cobertura foliar. A colheita se inicia em torno dos 80 dias após o transplante. Os frutos são firmes, de coloração externa vermelha escura e brilhante. Na maturação, a cor do fruto vai do verde direto ao vermelho. Os frutos não mancham durante o período chuvoso. Produz entre 13 e 15 pencas de frutos que atingem a massa média de 230 gramas.

Ciclo: 80 dias (após o transporte). População: 14 mil plantas/ha Abrangência: Todas as regiões, em campo aberto e estufa

Reação a doenças: Tolerante

Às principais espécies de begomovírus (geminivírus).

Resistente

Fungos Fusarium oxysporum f. sp. lycopersici raça 1; F. oxysporum f. sp. lycopersici raça 2, F. oxysporum f. sp. lycopersici raça 3, Verticillium dahliae raça 1, Stemphylium solani e Stemphylium lycopersici e a alguns patótipos do Tomato mosaic virus (ToMV).

BRS Iracema Cereja híbrido doce e rico em licopeno Híbrido indeterminado do tipo cereja redondo. Apresenta plantas rústicas com excelente cobertura foliar. Os frutos têm peso médio de 15g e é indicado para campo aberto e estufa. Seus frutos são vermelhos brilhantes ricos em licopeno e com elevado grau Brix. Reação a doenças: Resistente

Verticilium 1 e Fusarium 1 e 2.

Ciclo: 80 dias (após o transplante). População: 14 mil plantas/ha Abrangência: Regiões serranas do Espírito Santo e Rio Grande do Sul, Planalto Catarinense e Sul de São Paulo ou em regiões com condição de cultivo protegido em condições herméticas para controle da mosca branca.


BRS Kiara Longa-vida resistente a nematoides Pertence ao tipo ‘Santa Cruz’, de grande consumo no mercado brasileiro in natura. Apresenta planta rústica de crescimento indeterminado com excelente cobertura foliar, elevada produtividade. Seus frutos são do tipo longa vida, a coloração é vermelho escuro e brilhante. Possui peso médio de 180g a 200g. Reação a doenças:

Resistente

Tolerante

Ciclo: 85 a 90 dias (após o transporte) População: 14 mil plantas/ha Abrangência: Regiões serranas do Espírito Santo e Rio Grande do Sul, Planalto Catarinense e Sul de São Paulo ou em regiões com condição de cultivo protegido em condições herméticas para controle da mosca branca.

Nematoides-das-galhas (Meloidogyne incognita, M. javanica e M. arenaria).Também apresenta resistência aos fungos. Aos fungos causadores da murcha-de-fusário [Fusarium oxysporum f. sp. lycopersici raça 1; Fusarium oxysporum f. sp. lycopersici raça 2 e murcha-de-verticílo. Para populações do pulgão.

BRS Montese Saladete de alta produtividade, aroma e sabor Híbrido indeterminado saladete que apresenta alta produtividade, frutos alongados e firmes, que lhe confere longa vida estrutural, e excelente aroma e sabor. Possui coloração vermelha intensa e peso médio de 170g. Reação a doenças: Tolerante

Verticillium 1, Fusarium 1 e 2, Mancha de Estenfílio, Pinta Bacteriana, Vira Cabeça e Nematoide.

Ciclo: entre 75 a 80 dias (após o transporte) População: 14 mil plantas/ha Abrangência: Regiões serranas do Espírito Santo e Rio Grande do Sul, Planalto Catarinense e Sul de São Paulo ou em regiões com condição de cultivo protegido em condições herméticas para controle da mosca branca.


BRS Nagai Tolerância e resistência a doenças viróticas Os frutos possuem boa tolerância às rachaduras, formato de redondo a elíptico, são firmes e com coloração externa vermelha escura e brilhante.

Ciclo: 80 dias (após o transporte) População: 14 mil plantas/ha Abrangência: Todas as regiões.

Reação a doenças: Tolerante

Resistente

Principais espécies de Begomovirus (agentes causais das geminiviroses). A alguns patótipos do Tomato mosaic virus (ToMV). a diferentes espécies do complexo de Tospovirus pois possui ainda o gene Sw-5. E aos fungos causadores da murcha-de-fusário e murcha-de-verticílo.

BRS Portinari Salada longa-vida com produção o ano todo Com o aumento dos danos causados por begomovírus e nematoides-das-galhas, tornou-se necessário, em algumas regiões, o uso de cultivares tolerantes a esses dois grupos de patógenos. Esta cultivar é muito rústica, possui hábito de crescimento indeterminado e excelente cobertura foliar. Os frutos são arredondados, firmes e de coloração externa vermelha escura e brilhante. A presença do gene, prolonga a vida pós-colheita dos frutos. Os frutos, quando submetidos a transições do período seco para o período chuvoso, apresentam reduzida frequência de rachadura (cracking) radial ou em forma de estrela. Reação a doenças:

Resistente

Tolerante

Espécies de nematoides-das-galhas (Meloidogyne javanica, M. arenaria e M. incognita raças 1, 2, 3 e 4). E aos fungos Cladosporium raça 2 (gene Cf-2); Fusarium oxysporum f. sp. lycopersici raça 1 (gene I-1); F. oxysporum f. sp. lycopersici raça 2 (gene I-2) e Verticillium dahliae raça 1 (gene Ve). Populações do pulgão Macrosiphum euphorbiae e interfere na biologia de alguns biótipos de Bemisia tabaci.

Ciclo: 80 dias (após o transporte) População: 14 mil plantas/ha Abrangência: Todas as regiões.


BRS Sena Primeiro híbrido nacional para processamento industrial com resistência ao geminivírus Tem ótimo desempenho na colheita mecânica. Possui hábito de crescimento determinado, arquitetura ereta, com boa cobertura foliar que protege os frutos à exposição solar. É indicado para o plantio no período de fevereiro a meados de abril.

Ciclo: 125 dias (após o transporte). População: 33 mil plantas/ha. Abrangência: Todas as regiões de tomate industrial.

Reação a doenças:

Resistente

Geminivírus; bactéria Pseudomonas syringae pv. tomato (raça 0); nematoides-das-galhas Melodoigyne incognita e M. javanica; fungos Fusarium oxysporum f.s.p lycopersici (raças 1 e 2) e Vertcillium dahlie (raça 1).

Tolerância

Mancha-bacteriana causada por Xanthomonas spp.

BRS Zamir Híbrido com maior teor de licopeno para o segmento grape Híbrido enriquecido com elevados teores de carotenoide antioxidante licopeno que conserva as principais características sensoriais de aroma, sabor e textura típicas do segmento grape. Os frutos maduros são alongados, com média de 10 a 15 gramas, coloração externa vermelha intensa e brilhante, sabor adocicado e um balanço adequado de ácidos orgânicos. Apresenta cicatriz peduncular diminuta, garantindo uma boa conversação pós-colheita, em 15 a 18 dias. . Reação a doenças:

Resistente

Tolerância

Danos causados por espécies de begomovírus (geminivírus). Infecções tardias por esse grupo de patógenos causam, em geral, perdas reduzidas de vigor e produtividade. Fungos Fusarium oxysporum f. sp. lycopersici raça 1; F. oxysporum f. sp. lycopersici raça 2 e Verticillium dahliae raça 1.

Ciclo: 80 dias (após o transplante) População: 14 mil plantas/ha Abrangência: Em todas as regiões de tomate, para cultivo protegido e campo aberto no período das secas.


AÇAÍ BRS Pará Açaizeiro para produção de frutos em terra firme Primeira cultivar de açaizeiro desenvolvida pela Embrapa, selecionada para produção de frutos em condições de terra firme. Apresenta precocidade de produção, com os primeiros cachos colhidos aos três anos de plantio e produtividade estimada de 10 ton/ha/ano, aos oito anos de idade.

- Apresenta bom rendimento de polpa, entre 15% e 25%; - Tem por diferencial estatura de planta baixa, que contribui na eficiência operacional no processo de colheita dos frutos.

Reação doenças: Sem informações disponíveis

AMARANTO BRS Alegria A planta que veio do frio, agora será produzida no Brasil Possui hipocótilo com coloração rósea. As folhas, grandes e alongadas, são verdes, com coloração rósea na nervura, na face abaxial. O caule, ereto, apresenta coloração rósea. A inflorescência diferenciada, é terminal, compacta, apresenta coloração rósea, a qual permanece mesmo até a planta atingir a maturação fisiológica. Os grãos estão contidos em frutos do tipo pixídio, deiscente; são arredondados, de coloração bege. A planta apresenta estatura média de 180 cm, da qual a inflorescência ocupa 48 cm. A diferenciação floral ocorre aos 30 dias após a emergência e a antese, aos 45 dias. Reação a doenças: Por tratar-se de planta nova no sistema produtivo dos cerrados, cujo clima é bastante distinto da região onde foi domesticada, não apresenta as pragas e doenças típicas da espécie.

- Período entre a emergência e a maturação fisiológica é de 90 dias; - Plantas resistentes ao acamamento; - Os grãos prontos para o armazenamento, com umidade de 12%, apresentam peso médio de 0,68 g por 1.000 grãos e conteúdo de proteína de 15 g por 100 g; - O rendimento médio de grãos é de 2.359 kg/ha; - Pode ser cultivado em qualquer época do ano.


AMENDOIM BR-1 Cultivar para produção nos Tabuleiros Costeiros do Brasil A cultivar pertence ao grupo Valência, de porte ereto, possuindo haste principal com 35 cm, arroxeada, com seis ramos laterais. As folhas são de tamanho médio e coloração verde-escuro característico. As flores possuem estandarte amarelo ouro com enervações de coloração vinho ao centro. As vagens são de tamanho médio, com pouca reticulação e bico quase ausente, possuindo de três a quatro sementes vermelhas, de tamanhos médios e arredondados.

- Indicado para plantio nas regiões de tabuleiros costeiros do Estado de Sergipe, na Zona da Mata, Agreste e Vales irrigados de Pernambuco, na região do Recôncavo Baiano e no Agreste e Brejo da Paraíba. - Ciclo de 89 dias (após a emergência)

Reação a doenças: Moderadamente tolerante

Suscetível

Cercosporioses pinta preta e mancha parda. Tripes, cigarrinhas e lagartas.

BRS Havana Para produção de doces e paçocas Porte ereto, com altura da haste principal em torno de 44 cm. As hastes e os ginóforos são de coloração arroxeada. As vagens são de tamanho médio, com bico, constrição e reticulação leves. As sementes são de coloração bege, arredondadas e de tamanho médio. Reação a doenças: Moderadamente tolerante

Suscetível

Pinta preta e a mancha parda.

Tripes, cigarrinhas e lagartas.

- Para cultivo sob condição de sequeiro e irrigado no Nordeste brasileiro. Em regime de sequeiro, apresenta rendimento médio de 1.850 kg/ha em vagens. Em regime irrigado demonstra seu maior potencial de produção, em torno de 4.500 kg/ha. - O rendimento em sementes 70%. - Ciclo de 90 dias (após a emergência); - Por possuir baixo teor de óleo, é indicada para o mercado de alimentos, em especial, doces e paçocas.


BRS 151 L7 Cultivar tolerante ao estresse hídrico A cultivar pertence ao grupo Valência, é de porte ereto, medindo em torno de 45 cm. As hastes e os ginóforos são de coloração verdes-arroxeados. As vagens são de tamanho médio, com bico, constrição e reticulação moderados. As sementes são vermelhas, alongadas e grandes. Suscetível a Ataque de pragas como tripes, cigarrinhas, lagarta-do-pescoço-vermelho e gafanhoto. Reação a doenças: Moderadamente tolerante

- Tolerante ao estresse hídrico e é indicada para cultivo de sequeiro e irrigado no Nordeste brasileiro; - Em regime de sequeiro, apresentou rendimento médio em torno de 1.850kg/ha em vagens. Em regime irrigado, contudo, ela demonstra seu maior potencial de produção, em torno de 4.500kg/ha. O rendimento em sementes situa-se em 71%; - Ciclo de 87 dias (após a emergência); - Indicada para o mercado de consumo in natura e para indústria de alimentos.

Pinta preta e a mancha parda.

CAFÉ BRS Ouro Preto Alta produtividade e tolerância aos principais extresses climáticos

Ciclo: 270 dias após a florada principal Abrangência: RO, AC e AM e Norte do MT.

Cultivar clonal com ciclo de maturação intermediária, tolerante aos principais estresses climáticos observados nos polos de cafeicultura em Rondônia: alta temperatura, elevada umidade do ar e déficit hídrico moderado. Recomendada para o cultivo que inclua o uso de calagem, adubação química, poda de condução, controle de pragas, doenças e plantas daninhas. Possui grãos com maior uniformidade de maturação e peneira média acima de 15. Apresenta rendimento no beneficiamento acima de 52%. Reação a doenças: Moderadamente tolerante Moderadamente resistente

Ferrugem alaranjada.

Cercosporiose.


MAMONA BRS Paraguaçu Cultivar para melhorar a produção dos agricultores familiares Porte médio, com altura média de 1,6 m, caule de coloração roxa e coberto de cera, racemo oval, frutos semi-deiscentes e semente grande, de cor preta, pesando aproximadamente 0,71 g e contendo 48% de óleo.

- Desenvolvida para plantio em região semi-árida e para uso na agricultura familiar, com plantio e colheita manual (parcelada), ciclo longo (até 250 dias se houver disponibilidade de água) e boa tolerância à seca. - Em condições normais, com fertilidade do solo mediana, altitude superior a 300 m, tratos culturais adequados e pelo menos 500 mm de chuva pode produzir 1.500 kg/ha de sementes a cada ano.

Reação a doenças: Moderadamente suscetível

Mofo cinzento.

BRS Energia Produção de óleo para o biodiesel Cultivar precoce, com ciclo médio de 120 dias que tem mostrado adaptação a diferentes ecossistemas em que ocorram precipitações pluviais adequadas ao desenvolvimento e crescimento da planta (pelo menos 500 mm).

- Ciclo médio de 120 dias entre a germinação e a maturação dos últimos racemos; - Produtividade média de 1800 kg/ha em sequeiro; - Teor de óleo em média de 48%

Reação a doenças: Sem informações disponíveis.

BRS Nordestina Cultivar para produção no NE brasileiro Cultivar de porte médio, com altura média de 1,9 m, caule de coloração verde e coberto de cera, racemo cônico, frutos semi-deiscentes e semente grande, de cor preta, pesando aproximadamente 0,68 g e contendo 49% de óleo. Reação a doenças: Moderadamente suscetível

Mofo cinzento.

- Desenvolvida para plantio em região semi-árida e para uso na agricultura familiar, com plantio e colheita manual (parcelada), ciclo longo (até 250 dias se houver disponibilidade de água) e boa tolerância à seca. - Em condições normais, com fertilidade do solo mediana, altitude superior a 300 m, tratos culturais adequados e pelo menos 500 mm de chuva pode produzir 1.500 kg/ha de sementes a cada ano.


PALMA DE ÓLEO (DENDÊ) BRS Manicoré Resistência ao Amarelecimento Fatal (AF) Cultivar de palma de óleo com alta capacidade produtiva e resistência ao Amarelecimento Fatal - AF. A cultivar possui porte pequeno, facilitando o manejo e a colheita de cachos. A taxa de extração industrial de óleo é de 20%, taxa equivalente a da extração de óleo do dendezeiro.

- Média de produção de cachos de 25 a 30 t/ha/ ano. - Indicado para empresas produtoras de óleo de palma que podem utilizar a matéria-prima na indústria de cosméticos, na indústria alimentícia e na produção de biodiesel.

Reação a doenças: Resistente

Amarelecimento Fatal (AF).

QUINOA BRS Piabiru Primeira quinoa recomendada como cultivo granífero no Brasil Apresenta ciclo variável entre 80 e 150 dias (maturação fisiológica de 145 dias), estatura média de 190 cm e inflorescência de 45 cm. As plantas são resistentes ao acamamento e tem densidade de semeadura variando de 2,5 a 3,5 kg/ha (germinação entre 85 e 90%) e espaçamento de 40 a 50 cm. Apesar de não apresentar pragas ou doenças típicas da espécie, foram observadas formigas cortadeiras no plantio e coleópteros em grãos armazenados. Reação a doenças: Por tratar-se de planta nova no sistema produtivo dos cerrados, cujo clima é bastante distinto da região onde foi domesticada, não apresenta as pragas e doenças típicas da espécie.

-Abrangência: Região Centro-Oeste (GO e DF);


ESCRITÓRIOS Escritório de Campinas Avenida Dr. André Tosello, 209 - Cidade Universitária CEP 13083-970 -/886 Campinas, SP spm.ecpq@embrapa.br Telefone: (19) 3749-8888 - Fax: (19) 3749-8890

Escritório de Passo Fundo Rodovia BR 285 KM 294 CEP 99001-970- Passo Fundo, RS spm.epfb@embrapa.br Telefone: (54) 3311-3696- Fax: (54) 3311-3666

Escritório da Amazônia Rodovia AM 010,Km 29-Zona Rural CEP 69048-660 - Manaus, AM spm.emao@embrapa.br Telefone: (92) 3621-0397 - Fax: (92) 3621-0348

Escritório de Petrolina Rodovia BR 122 KM 50-Zona Rural CEP 56320-700- Petrolina,PE spm.epnz@embrapa.br Telefone: (87) 3862-2626- Fax: (87) 3862-1744

Escritório de Campina Grande Rua Oswaldo Cruz,1143-Bairro Centenário CEP 58107-720 – Campina Grande ,PB spm.ecpg@embrapa.br Telefone: (83) 3341-2314 - Fax: (83) 3322-7751

Escritório de Ponta Grossa Rodovia do Talco, KM 3-Distrito Industrial CEP 84001-970- Ponta Grossa,PR spm.epga@embrapa.br Telefone/Fax: (42) 3228-1500

Escritório de Canoinhas Rodovia BR 280 KM 219-Bairro Água Verde CEP 89460-000- Canoinhas, SC spm.ecan@embrapa.br Telefone: (47) 3624-0127- Fax: (47) 3624-2077

Escritório de Sete Lagoas Rodovia MG 424 KM 065 CEP 35701-970- Sete Lagoas,MG spm.eset@embrapa.br Telefone: (31) 3027-1100- Fax: (31) 3027-1133

Escritório de Capão do Leão Campus Universitário s/n° -Município Capão do Leão CEP 96001-970- Pelotas,RS spm.ecpl@embrapa.br Telefone: (53) 3275-9291-- Fax: (53) 3275-9199

Escritório do Triângulo Mineiro AV.Getulio Vargas ,1130-Centro CEP 38400-434- Uberlândia,MG spm.eudi@embrapa.br Telefone: (34) 3231-8555- Fax: (34) 3231-8555

Escritório de Dourados Rodovia Dourados-Caarapó,KM 6 CEP 79804-970- Dourados,MS spm.edou@embrapa.br Telefone: (67) 3425-5165- Fax: (67) 3425-5122

Escritório de Brasília Entrada Parque Contorno Taguatinga-Gama,KM 3 Fazenda Sucupira CEP 71701970- Brasilia,DF spm.ebsb@embrapa.br Telefone: (61) 3333-7878- Fax: (61) 3333-5181

Escritório de Goiânia Rodovia BR 153,km 4-Saída de Anápolis CEP 74001-970- Goiânia, GO spm.egyn@embrapa.br Telefone: (62) 3202-6000- Fax: (62) 3202-6020 Escritório de Londrina Rodovia Carlos João Strass –Acesso Orlando Amaral Distrito de Warta CEP 86001-970- Londrina, PR spm.eldb@embrapa.br Telefone: (43) 3371-6300- Fax: (43) 3371-6120

Escritório de Rondonópolis Rua Lauro Mello,n°14-Bairro Parque Real CEP 78740-240 – Rondonópolis,MT spm.ernd@embrapa.br Telefone: (66) 3422-9009- Fax: (66) 3422-5625


Saiba onde encontrar cultivares Embrapa www.embrapa.br/cultivares



Catálogo de Cultivares Embrapa Produtos e Mercado