__MAIN_TEXT__

Page 1

o Embaixador. Escola de MissĂľes


Eu os vejo todos ou bastante longos,

uma necessidade de Há quase um

:H"'~""L;"

cada olhar. Às vêzes, estão cito de paz.


o

EMBAIXADOR

RAPHAEL ZAMBROTTI Diretor-Editor W. ALVIM HATTON Diretor do Departamento MascuUno de Atividades Missionárias ~DSON J. MACHADO Diretor- ~ssistente SAMUEL RODRIGUES DE SOUZA Redator e Assistente da Divisão de Embaixadores: do Rei 3.° TRIMESTRE DE 1971 Páginas ARTIGOS E SEÇÕES Bate-Papo Resultados do oenamí conte a História da Sua Embaixada Curiosidades Correio da Amizade Você é Sabido? Responda se Puder! O Embaixador com a Palavra

2 e , • . • . •••••

•••••

••

•••

• • . •

3 4

18 24

30 . 36

ESPECIAIS Missões Nacionais (nove páginas) Zacarias Campêlo, o Missionário. dos Craôs Páginas do Conse-lheiro

:..

6 51 57

ESTUDOS E ATIVIDADES JULHO Organizando ° Calendário Trabalho nos Postos Trabalhemos Pelo Rei Serviço Real

15 17 19 23

AGõSTO

O Plano Cooperativo e Missões Trabalho nos Postos Nossa Parte em Missões .Serviço Real SETEMBRO A Função das Juntas Missionárias Serviço Real O Que Tem Feito as Nossas Juntas Missíonárias Dois He-róis Míssíonáríoa

;.................

:.... .... .................

25 29 31 35 37 41 43 47

A CAPA O Certame Nacional de Missões provou a capacidade de trabalho dos Embaixador,es do Rei. Que tôdas as embaixadas se disponham a' usar a sua energia em prol do reino de Deus. (Arte de SUas, inspirada numa foto da Embaixada Zacarias Campêlo, Campo Grande, GB.)·· 3~ TRIMESTRE

DE

1971

1


Bate-Papo:

o mundo ojerece-nos atrações variadas) querendo levar-nos em suas correntezas duvidosas. ~~Queadianta ao homem ,ganhar o mundo todo e perder a sua, alma?" Foi a pergunta com a qua; se deparou. certo dia o missionârío Guenther Oorloe Krieger. Dai por di«nte tudo mudou em sua vida. De relojoeiro ambicioso) tornou-se um dos mais humildes cristãos de ooS80S dias. Leia meste número !Uma excelente entrevista com êsse servo de Deus. Além disso, oferecemos alguns lançamento» para você: o "Correio da Amizade", muito solicitado) e uim. concurso. , Para ,a'sua embaixada) ihá o "Trabalho Missionário do Trimestre", Estomos certos de receber um brilhante relatório contando como foram estas atividades >fJ1m sua igreja. , Neste número pwblicamos opiniões de embaixadores que responderam à pesquisa da revista do 49 trimestre de 1970. Muitws outras chega-ram à nossa redação e serão publicadae oos próximos rnúmeros de «(O Embaixador". Agradecemos ae boas sugestões recebidas) bem como as sinceras palavras de incentivo. Esperemos que você, esteja orando pelo redator que estréia como responsável neste número. Êle precisa de suas intercessões. Fugimos lã rotina quanto à apresentação das uções. Temos possibilidades de varilar como sempre a apresentação dos estudas, acrescidos agora (jas atioidaâe« e das devocionais. Junto a cada lição aparecem ,divertidos testes. Que tal? >Gostou? Não deixe de responder poie- estará ,desenvolvendo a sua mente e ficando mais sabido em assuntos missionários. Deixamos de publicar as lições simplifioadas) atendendo a solicitação '4e um grande' número de leitores. Se) todavia) 'Você deseja que e1mJ :?JOlt6m}escreva-nos. . 2

o

EMBAIXADOR


-~

-

_ Gostaríamos que tõdas as embaixadas fizessem reg'litarrmente 08' TRABALHOS NOS POSTOS e os SERVIÇOS REAIS. 1iJlessoo essenc'iiaiS à 'Vidados embaixadores. No fim iJarevista estão as '((Páginas do Coneelheiro", Que ac~

delas!

1iJsteé o vigésimo ano do tradicional local de encontros dós embai:' «adores. Oompareça à grande festa no agradável Sítio do Sossêqo, o -1-29 ACAMPAMENTO

N AOION AL.

Lembre-se: o amor de Cristo é superior. a iôdas as atrações fugazes mundo. É algo de muito precioso. Seja um embaixador ativo e você experimentará as riquezas que Cristo mos dá.

do

Um abraço cordial fie de Souza.

Samuel Redrigues

Apresentamos a relação das embaixadas vitoriosas no I Certame Nacional de Missões, promovido pela Divisão' de Embaixadores do Rei, ao mesmo tempo as parabenizamos. Desejamos que muitas outras 'embaixadas estejam participando do Certame - 1971. Mande seus relatórios até o dia 31 de julho.

CAMPEÃ NACIONAL - Embaixada Alfon Kr.uklis - Araguari MG (493 pontos) -2~ LUGAR - Embaixada Tiago Lima Coelho da 'Rocha - RJ (463 pontos) 3ç LUGAR - Embaixada Guilherme Carey Fragoso RJ (441 pontos) 4'1 LUGAR Embaixada Antônio Ascendino Viegas - Ipupíara BA (439 pontos) 5~ LUGAR - Embaixada Zaearias Campêlo - Campo Grande - GB (428 pontos) 6~ LUGAR - Embaixada M. G. White - Mares - Salvador'BA (410,5 pontos) 89

TRIMESTRE

DE

1971

7~ LUGAR - Embaixada José de Miranda Pinto - JalJ:dim. Colégio - GB(398 pontos) Embaixada; Johnson João Neiva (283 pontos)

8~ LUGAR -

Carlos ES

CAMPEÃS ESTADUAIS GUANABARA rias Campêlo

Embaixada

Zaea-

ESTADO DO RIO DE JANEIRO Embaixada Tiago Lima: - Coelho da Rocha 1': BAHIA - Embaixada Antônio cendino Viegas - Ipupiara ESPíRITO SANTO Carlos Johnson -

As-

- Embaixada João Neiva " 3


@®onü@

ffiJ @

~

'Eã) [J{]D~Ü®[JDD([l

OIJ 00 ' [E DrnJ [ID ~ O % ~ cdJ E[l

Tôda embaixada tem sua história, com seus períodos altos e baixos, com belos momentos que devem ser narrados paro que outras sejam inspiradas pelos seus exemplos a continuarem a jornada.

Queremos ver os embaixadores

desenvolvendo os talentos que Ihes foram dados por Deus. Eis 'aqui uma oportunidode para os que gostam de escrever: contem a história de sua embaixada. As bases são as seguintes: 1. Poderão concorrer tôdas os embaixadas. 2. A embaixada

.pode ter uma reunião especial ~uando os embeixedores, munidos de todos os dados possíveis, escreverão a 'história da embaixada contendo o máximo de sessenta e o mínimo de tri:nta linhos da~ilogJlafa.das . 3. A embaixada deve escolher o melhor trabalho e enviá-Io à Divisão de Embaixcidores do Rei - Caixa Postal 320 ZCOO, Rio, GB, até o dia 30 de setembro de 1971. .

,

julgadora eseolheré os seis melhores trabalhos, os quais serão publicados em "O Embaixador". Os outros seis classificados seróo publicados ,,4..

4

Ilmeeemissê«

o

EMBAIXADOR


na "Yoz do Embaixador

ll

receberão

s.

trabalho

deve conter:

zação da embaixada, suas

tivas,

história

principais

atividades,

estudos

da organi-

com -o nome da

algo relacionado

reais, acampamentos, trabalhos

Os três primeiros colocados

prêmios especiais.

Cada

embaixada,

.

seus serviços

bíblicos e missionários,

nos postos, reuniões de oração, festas recrea-

viagens,

dos conselheiros

componentes

da embaixada,

trabalho

e futuros planos, bem como uma foto-

grafia que pOSSa ilustrar a publicação.

1.

3~

Embaixada

TRIMESTRE

Tiago

DE

Lima,

1971

~

colocada classificação

no Certame nacional.

Nacional

de

Missões

na

5


CAMPANHA

PRó

MISSõES

NACIONAIS

o assunto de setembro é missões nacionais. Mas, para os embaixadores, missões é o assunto de todos os meses. Utilizemos nossos conhe. cimentos missionários e cooperemos com a igreja em sua campanha especial. . Apresentamos baixada.

três sugestões que podem ser utilizadas em sua em-

1~ - APRESENTAÇÃO DA PEÇA MISSIONÁRIA CONVENCIONAIS» (ver página 9)

«ALô, SENHORES

Estudem com bastante antecedência tôda a peça. Ensaiem diversas vêzes . Todos devem ter as suas partes muito bem decoradas para que seja feita uma bela apresentação perante a igreja.

z- -

i

PARTICI~.AtÇÃO NA OFERTA DA IGREJA Tôdas as igrejas

levantam nessa ocasião as suas ofertas

de Missões Nacionais. Um alvo devem ter o seu próprio alvo'. trabalho de cada embaixador. vender garrafas vazias, capinar colocar asas em latas,etc.

para.a

Junta

é estabelecido. Os embaixadores também O dinheiro pode ser conseguido com o Poderão engraxar sapatos; lavar carros, quintais, vender doces, carregar malas"

Para que 'o alvo seja alcançado tomem as seguintes 'providências: 1. Iniciar a 'campanha com bastante possível.

antecedência.

Em julho. se

2. Estabelecer um alvo financeiro que esteja dentro das possibilidades da embaixada. 3. Realizar um estudo sôbre aJunta de Missões Nacionais, utilizando matéria da revista «A Pátria para Cristo». 6

o

EMBAIXADOR'


3~ -

CARTAS PARA OS MISSIONÁRIOS

Os embaixadores devem utilizar os nomes e endereços dos missionários publicados na revista, e corresponder-se com êles. Além dísso devem Ol-:arconstantemente pelos missionários.

MISSIONÁRIOS DO

ÀNIVERSARIANTES TRIMESTRE JULHO

2 4 -

5 6 9 11 12 13 17 20 -

'21 22 -

24 -

Francisca Carvalho de Oliveira Isabel Pereira Alves Alzira da Silva Carvalho Cosma Nunes Gosta Maria de Lourdes SOuza Izaura Olíveira Reis Josefa Bispo de Miranda Dora Dutra Brito Débora' A. Cunha Vanda Gabriel do Vale Noêmia de Santana dos Santos, Júlia Avila Olávio Damacena Marques Dalcy Dias Martins Maria Madalena Bispo Alexandre Gonçalves da Silva

Eliaci Amado dos Reis 26 28 -

31 -

Osmar Joaquim Pereira Zilah C, da Silva Jonas Alves Costa Nely Martins Duarte

- espôsa de pastor - Manaus, AM - professôra - Paraíso do Norte, ao -espôsa de pastor - Pôrto Franco, MA - professôra - Tocantinia, GO - espôsa de pastor - Nova Cruz, RN - espôsa de pastor - Itacajá, GO - professôra - Pedro Afonso, GO - professôra - Porangatu, GO - espôsa de pastor - Arapíraca, AL - enfermeira - Araguaína, GO - espôsa de pastor - Pombal, PB - protessôra - Ibotirama, BA - pastor - Barreiras, BA - protessôra - Filadélfia, GO - protessôra - Pedra Afonso, ao - pastor aposentado Sobradinho, DF ' - professôra - Imperatriz, MA - pastor --; Pôrto Nacional, GO - espôsa de evang, - Correntina, BA - pastor - V.alparaíso, SP - espôsa de pastor - S. Miguel do Araguaía, GO

AGôSTO 4 -

6 8 -

TIda Rodrigues de Carvalho Joaquim Ribeiro de Souza

-

espôsa de pastor

-

GO colportor -

Edmar Costa Silva

-

pastor -

Luzia Vieira da Roeha

-

protessôra -

'3~ TRIMESTRE

DE

1971'

-

Pôrto Nacional,

Riachão das Neves, BA

Sobral, CE Gurupi, GO 7


9 -

-

Ramão de Matos

Santa

pastor BA

-

Maria

da Vitória,

10 -

Lourêncio Antônio de Alcântara -

evangelista

11 -

Isalas Próspero Duarte

-

pastor -

Barra, BA

, 16 -

Terezinha Ferveira Silva

-

proressõra -

Barreira, BA

19 -

Amabilia Leite Monteiro

-

professôra AL

Santana do Ipanema,

23 -

Antenor Rodrigues Bispo

-

pastor -

S. Miguel do Araguaía, ao

ao

Araguatíns,

26 -

Jamim dos Santos Peixoto

-

professôra -

Miranorte,

28 -

Iracy Silvéria da Gosta

-

professôra -

Barra, BA

31 -

Joadyr Alves Arcanjo

-

espôsa

de pastor -

ao ao

Aragualna,

SETEMBRO

1.4 -

Dilene Nascimenyo Rodrigues

-

professôra -

Clarissa Macêdo Silva

-

espôsa

Estreito, MA

Maria Hilda Vieira

-

proressõra

-

Paralso, MA

Lulsa Herculano Batista

-

proressõra

-

B. Jesus da Lapa, BA

Valtemira da Silva Avelar

-

protessôra -

de Brito

-

pastor -

-

professôra -

de pastor -

Pôsto da Mata,

BA 5 12 -

13 -

Otaellio

16 -

Delza Costa

Pôsto da Mata, BA

Pedreiras, MA Capela, BA

18 -

Pedro Pereira do Nascimento

-

pastor -

Xique-Xique, BA

2Q-

Renirton Eustáquío dos Santos

-

pastor -

Pombal, PB

22 -

Eth Ferreira

-

espôsa de pastor -

23 -

Eunice da Cunha Xavier José Lacerda da Silva

-

enfermeira pastor

Maria Barbosa de Menezes

-

espôsa de pastor

Antenor Rodrigues Bispo

-

pastor -

Ceres Sepúlveda Pereira

-

espôsa de pastor -

Borges da Luz

-

Carolina, MA

ao

Araguatins,

Tocantinópo1Ís,

-

ao

Wanderlândia,

ao 25 -

Araguatlns,

ao Pôrto Nacional.

ao 27 -

Ely Silva Lacerda

.- pastor -

29 -

Vasni Pereira Silva

-

Ibotiramá,

professôra

-

BA

(Licenciada)

-

São

Paulo

Adquira 8

a nova Caderneta

do Secretário o

i

EMBAIXADOR


u ô,

S [ N HlU R [ S

c~N VE N C /O N ~ 15 Myrtes Mafhias

Personagens - Todos os embaixadores deverão sentar-se num ou mais banda frente. Os que irão à frente estarão de terno e gravata e levarão uma Bíblia -e umapa.sta de cartonna. Todos trarão na lapela sua identificação, como mensag-eiros de "verdade". Convidar com antecedência uma pessoa para reger os hinos e organizar um quarteto, solo, ou outro número musical. O pastor da igrej a ou outro deverá fazer a oração final. O conselheiro ou embaixador-chefe poderá anunciar, antes, a Igreja que se trata de uma Assembléia da Conv-enção Batista do Alto Tocantins. Cenário O próprio salão da igreja. Uma mesa e três cadeiras. Se possível, um micrôfone. Se houver uma cortina, tanto melhor; se não, o primeiro participante entrará e tomará lugar à mesa, enquanto o "apresentador" fala. Ao abrir a cortina, o "evangelista João Bispo" (usa óculos) 'estará de pé, terminando a devocional. JOÃO BISPO - ... ,e assim, irmãos, com o cântico da primeira e última estrofes do hino 430, estará com a palavra o irmão presidente, Pastor Osmar Joaquim Pereira (também usa óculos). (Volta-se para o diretor de músíca.) Nosso diretor de música, por favor. COS

(O hino será cantado por tôda a congregação.) PRESIDENTE - Declaro aberta a 16.110 sessão da XI Assembléia da Convenção Batista do Alto Tocantins, convidando os irmãos, 1.0 e 2.° secretários, para tomarem seus lugar€S à mesa. (O Pastor Raimundo Barros e o evangelista Cunegundes da Silva dirigem-se para a mesa. O Pastor Raimundo leva o livro de atas.) PRESIDENTE eeguínte:

1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. -

-

Conforme agenda já aprovada, corista de nossa sessão o

(Lê)

Expediente Número musical (quarteto) Mensag,em - Pastor Paulo de Souza Neto Número musical (solo ou outro) Arrolamento dos visitantes de honra Hino congregacíonal Agenda lPara a sessão seguinte Encerramento O irmão secretário queira proceder à leitura da ata.

PASTOR RAIMUNDO - (lendo) Ata da 15.110 sessão da XI Assembléia da -Convenção Batista do Alto Tocantins, realizada no templo da Igreja Batista de Pedro Afonso, Goíás, aos 12 dias do mês de setembro de 1971. Com a presença de todos os obreiros do campo e demais mensageiros em número de 100 pessoas. Após a devocional dirigida pela irmã Beatriz Silva, que a todos incentivou com breve e poderoso s-ermão sôbre a necessidade de maior dependência de Deus para 3~ TRIMESTRE

DE

1971

9


maiores resultados na evangelízação, o presidente declarou aberta a sessão, passando-se aos seguintes assuntos: Foi proposto e apoiado que se envie uma. mensagem de gratidão a todos os embaixadores do Rei que vêm dando do setl tempo, energia e dinheiro para a obra de missões nacionais. Foi aprovado por unanimidade o parecer do irmão evarige'líata Oswaldo Rodrigues de Carvalho,' de que se faz necessário intensificar a promoção da obra míssíonáría entre os jovens, com o objetivo de que maior número dêles se apresente para o ministério. Encerramento - Após aprovação da agenda para a sessão seguinte, com uma .oração pelo pastor João E'duardo da Silva, mensageiro de honra, foi encerrada a sessão. PRESIDENTE - Está diante da assembléia a ata; qualquer emenda a ser feita? Se não há, aguardo uma proposta para a sua aprovação. MENSAGEIRO-

Eu proponho.

OUTRO MENSAGEIROPRESIDENTE mão direita.

Eu

apóío .

Os que estiverem de acôrdo manifestem-se levantando a

(Todos os embaixadores levantam a mão direita.) PRESIDENTE -

Vamos ouvir o quarteto "Cantores de Sião".

PRESIDENTE - (depois que o quarteto volta ao seu lugar) Foi convidado, para orador oficial da XI Assembléia da oonvençêo Batista do Alto Tocantins, o pastor Paulo de Souza Neto, pastor e enfermeiro no Acre que, em virtude da. grande distância, só hoje pôde estar presente. Com imensa alegria, passamos-lhe' a palavra. PASTOR PAULO.- Prezados irmãos, agradeço .a honra que me foi concedida de falar a essa magna assembléia. O tema de nossa mensagem será "Missôes, uma obra de urgência" .. Abramos nossas Bíblias em João 4:35. (Osembaixadores ficam. de pé, enquanto êle lê. Depois que todos se sentam, pastor Paulo prosseguev) - Irmãos meus, a mensagem é clara. Em três itens veremos por que missões é uma obra de urgência. 1.0) A colheita tem data fixa. Os frutos se perdem se não são colhidos no tempo próprio. 2.°) Não sabemos de quanto tempo dispomos para trabalhar. 3.°) Cada dia que passa são 24 horas de sofrimento para milhões. Cada dia que passa a miséria aumenta, os homens morrem sem Deus. O Senhor nos está darido oportunidades. Vejamos a Transamazônica rasgando a selva e nos levando até a dezenas. de tribos, a milhares de sertanejos. Que Deus nos ajude a fazer o que estiver ao nosso alcance, seja orando, contribuindo ou entregando a própria vida. Amém. PRESIDENTE - Agradecemos a oportuna mensagem do pastor Paulo e oramos para que continue a ser uma bênção no reino 'de Deus. Ouviremos ainda um número musical. (Solo, conjunto ou instrumento.) PRESIDENTE - Peço ao irmão 2.° secretário para apresentar nossos convidados especiais, convidando-os para vir à frente. 2.° SECRETÁRIO - (chamando) Pr , Dario Peixoto Soares, pastor e enfermeiro em Boa Vista, Roraima, PI'. Benjamim Cardoso Reis. diretor do orfanato, pastare enfermeiro em Ltacaj á, Goiás, Pr. Marcos GOlfan, missionário aos judeus,em São Paulo, Pr. Joihann Bieri, missionário aos índios mundurucus, no Pará. Convidamos, também, a vir à frente o secretário executivo do nosso campo, Pr. Clóvis Lopes de Souza. 10

o

EMBAIXADOR


~

PRESIDENTE - (dirigindo-se a cada um de uma vez) Pastor Daria, quaís as maiores necessidades de seu campo? PASTOR DARIO - Precisamos de obreiros, de orações e de recursos financeiros para ajudar ao povo. Imagine que lá um quilo de batata custa Cr$ 4,50. PRESIDENTE - Obrigado, pastor. Pastor Benjamim, fale-nos sôbre seu trabalho. ' PASTOR BENJAMIM - Irmão, precisaria de muito tempo para falar do que Deus está realizando em Itacajá. São 60 crianças e trabalhamos para que o orfanato possa vir a sustentar-se a si mesmo. Nossa fazenda dá trabalho, mas produz bastante. Há falta de obreiros para realizar mais e melhor. PRESIDENTE - Obrigado, Pastor Benjamim. Pastor Marcos Golían, como está o trabalho entre os israelitas? PASTOR GOLFAN - Vamos fazendo o possível. Ainda nos reunimos em nossa casa, pois ainda não temos um templo. O trabalho entre os ísraelítas leva muito tempo para produzir frutos. Precisamos de oração e de obreiros. PRESIDENTE - Obrigado, Pastor Golfan. Agora, Pastor Bíerí, como veio para tão longe? . PASTOR BmRI - Caminhos de Deus, irmão. Aceitei a Cristo lá na Suiça e êle me mandou para o Brasil. Estou muito felíz' lá em Sai Cinza. Fica longe da cidade, mas perto de Deus. Os índios já estão cantando hinos em sua língua. PRESIDENTE - Qual a maior necessidade do seu campo, Pastor Bieri? PASTOR BIERI - Sem dúvida, muita oração e pessoas dedicadas ao trapalha. Sabe que numa distância de mil quilômetros ao longo do rio Tapaiós, sou o único pastor ? PRESIDENTE - É grande a necessidade, sem dúvida. Pastor Clóvis, gosta'ríamcs de ouvir sua palavra. PASTOR CLóVIS - Irmãos, em minhas viagens, como secretário executivo, tenho observado a grande necessidade de obreiros. Somos 15 ígrej as e apenas cinco pastôres. O· trabalho fica sôbre os ombros de nossas irmãs missionárias, sobrecarregando-as. Será que só as grandes cidades, as grandes igrejas precisam de pastõres, irmãos? Onde estão os moços? PRESIDENTE - Irmãos convencionais, através do sermão, através das respostas de nossos entrevistados, Deus nos mostrou a grande necessidade do campo: é de obreiros! Cantemos o hino 434, e que o Senhor fale ao coração dos jovens. (Tôda a congregação canta o hino.) PRESIDENTE - O 2.° secretário vai proceder a leitura da agenda para a sessão seguinte. ' 2.° SECRETARIO (lendo) Agenda para a sessão- permanente da XI Assenllbléia da COll'venç;;,oBatista do Alto Tocantin.s, a reanza.r-se tocos OS alas; 12 -

:3 4 -

5 6 7 -

Devocional - A busca da comunhão com Deus. Expedi·ente - Arroiamento de outros membros para o mesmo ideal. Orações diárias pelo trabalho missionário no Brasil e no mundo. Campanha para entrega' de uma oferta mais expressiva. Falar de Cristo a tôdas as pessoas. Ser um missionário onde estiver, no testemunho e na palavra. Encerramento - Quando o Brasil e o mundo forem ganhos para Cristo.

PRESIDENTE - Está em ordem uma proposta para aceitação da agenda. UM MENSAGEIRO - Proponho que seja aceita, tal como lida. OUTRO MENSAGEIRO - Eu apóio. PRESIDENTE - Proposto e apoiado. Os que estiverem de acôrdo !iquem de pé. (Levantam-se todos.) - O Pastor Raimundo Lima nos despedirá com uma oração. 39

TRIMESTRE

DE

1971

11

,


A

"UM

N AT A-l NA ~ l O E I ft

NOVO

Expe~iências do Missionário Guenther Carlos Krieger MINHA CONVERSãO

-'

Certo dia ouvi um sermão baseado em Marcos 8:36: "Que adianta ao ho.mem ganhar o mundo todo e perder a sua alma?" O texto começou a andar .:comigo. Analisei esta pergunta, Pensei ,no mundo e seus' prazeres, Comprei uma Bíblia e eomeçeí a lê-Ia sozinho. Eram altas horas da noite na pensão da rua Santa Efigênia, São Paulo, - quando entreguei meu coração a Jesus, -Não levantei minha mão em uma ígre-ja, mas minha conversão foi real. Eu tinha 17 anos. Hoje estou com 33.

cluí que devia largar tudo, "deixar às, rêdes". Isso significava que eu não po-deria pastorear no sul, nem _viver com meus parentes em Santa Oatarína, co-mo pensava até então, Orava bastante ,e queria estudar em um lugar que me preparasse' para ser _um missionário. Dentre os diversos, achei que "Peniel" era o indicado. Lá estava o Instituto Evangélico Missionário. A cidade era Jacutinga, no estado de Minas Gerais, Entre o curso bíblico e o missionário, escolhi o missionário. BATISMO

COMO DEUS ME CHAMOU PARA MISSÕES

Cheguei à conclusão, depois de-muito estudar as doutrinas da Bíblia, que deveria ser batista e, em 1953, fui batizado na Igreja Batista de Casa. Verde, em São Paulo'.

Procurando conhec-er mais as Escrituras, começei a freqüentar o movimento "Mocidade para Cristo" e a estudar no Instituto Bíblico do Brasil. Senti que deveria empregar minha vida em um trabalho que desse resultados transcendentaís, motivado pelo tipo de conversão que tivera. Foi assim que Deus começou a trabalhar em meu coração, Ganhava o suficiente para viver. Pensava em ser um pastor luterano, levando a realidade do evangelho para os luteranos. Era candidato ao Seminário Luterano, quando um missionário falou-me dos campos áridos e difíc-eis: "O evangelho tem que avançar, Há g-ente no sertão que nem conhece a Blblia. " Disse-me do "Ide por todo o mundo", Aquelas palavras tocaram em cheio o meu coração. Era Deus que novamente me falava, mas não era fácil decidir-me.

Os índios 'eram desconfiados comigo. Evidentemente, não poderiam ter certeza de sermos diferentes dos outros civilizados. Recebemos a resultante dos contatos perniciosos anteriormente mantidos com outros civilizados.

Ouvi um sermão a respeito da vocação dos primeiros discípulos. Con-

Robert Williams, missionário da outra América, membro da Missão das

3~ TRIMESTRE

DE

1971

UM ESTAGIO QUE MODIFICOU O RUMO DE MINHA VIDA

Uma vez completo o curso, o aluno fazia um 'estágio sob a observação de um tutor já experimentado no trabalho de missões. Oorrfor'rne o relatório do tutor, o aluno era ou não aprovado. Só depois havia a formatura. Assim, como aluno recém-saído dêsse Instituto, estagíeí entre as tribos dos índíos xerentes, próximas a Tocantlnia., estado de Goíás , CHEGANDO

À TRIBO


Novas Tribos, foi o meu tutor durante ,9 estágipi ~le mantivera os contatos iniciaiS cprri os índios da aldeia da ;"Baixi 1F,unda", Prometera-lhes um professor 'que, além de ensínar-Ihes as letras, haveria de ensinar-lhes as verdades da Palavra de Deus. UMA ESCOLA PARA OS íNDIOS

Os índios xerentes criam ser a supremacia do civilizado conseqüência direta ·do seu conhecimento das letras. Assim, estando êles desejosos de sair da sua posição de mreríonnaue, tinham gran-de interêsse na escola, UMA JUNTA E UM CASAMENTO

.Depois de um ano de trabalho

com

oS índios. xerentes, fui nomeado pela Junta de Missões Nacionais. Também houve um outro acontecimento muito importante em minha vida: casei-me com D. Wanda. DIFICULDADES

NA ESCOLA

.',Embora os índios aprendessem as lettils com:' relativa facilidade, o que se "eXplicá'Pelo senso de observação alta-mente 'desenvolvido nêles,notamos 'uma grande lacuna na comunicação da matérta-.apresentada . Embora o índio soubesse reunir as sílabas e enunciar os VOCábUlOS, tinha dificuldade em assímüar o..sentído das palavras,

A TRIBO HOJE

Primamos pelo trabalho .índtvíduat. Quando se faz um apêlo público, o Índio quer ser agradável àquele que o faz e levanta a mão. A decisão pública do índio não tem muita validade, pois êle "não está por dentro da mensagem" e nada lhe custa levantar a mão. Agora damos graças a Deus por vermos, produzido na gráfica, o Evangelho de Marcos na língua dos xerentes. Tivemos um nôvo natal na aldeia com a chegada dêsses evangelhos impressos .. Estamos muito felizes. PRÓXIMAS METAS

Enquanto o Pastor Rírialdo.de Matos, meu colega de lides entre os xerentes, se prepara para lançar êste ano uma série de cartilhas para o trabalho de alfabetização, pretendo, permitindo Deus, lançar em xerente um livro sôbre noções de higiene e medicina elemen tar. O campo é vasto. Necessitamos com urgência de uma hinologia mais rica. Também precisamos de uma seleta, isto é, textos escolhidos do livro de Gênesis. Cremos que os índios crentes seriam graridemente auxiliados na compreensão do Nôvo Testamento através dessa seleta. A RELIGIÃO DOS íNDIOS NÃO CRENTES

Os índios praticam o espiritismo nativo. Há atuação demoníaca entre êles, principalmente durante suas reuniões.

lIfOS CIJLTO,S '.No trabalho _religioso a dificuldade de comumcaçao era ainda muito maior .. Os índios vinham aos cultos, gô,stavam .das músicas, mas podíamos sentir claramente que a mensagem não era entendida,

NO FUTURO

Haverá a implantação da igreja indígena, à medida que as verdades cristãs se forem firmando entre êles, E OS EMBAIXADORES? I

~~FR:t<;NJ;f\NDO O PROBLEMA

I

,,,;.côns~~o~de' que só teríamos acesso ao coração do índio conhecendo-Ihe a ~úigua, lançamo-nos à tarefa de aprendê-Ia. ;Depois de algum tempó, conseguimos fazer uma cartilha xerente em caráter experimental. Também carinhos começaram a ser traduzidos. 14

Queremos ainda conclamar os embaixadores do Rei à oracão em favor dos índios crentes, que muitas vêzes enfrentam séria oposição por parte daqueles que ainda se acham mergulhados nas trevas do paganismo, Entrevista concedida a Samuel Rodrigues de Souza

o

EMBAIXADOR


1.a REUNIÃO DE JULHO Embaixada Zacarias Campêlo Campo Grande Guanabara exemplo de embaixada

ORGANIZANDO

I

,

O

CALE~DÁRIO')

DO, SÉGUN;DO~' :!

A primeira reunião será dedicada

à elaboração do calendário de atividades para o segundo semestre. A embaixada deve procurar tirar proveito das experiências relativas à elaboração e execução das atividades do' primeiro semestre. O embaixador-chefe, junta:rnente com o 'conselheiro, avisará, pelo menos uma semana antes, aos relatores dos diversos comitês, para que se pensem' nas atividades a serem estudadas, Os .relatores são: embaixador-chefe - relator do comitê de programa: segundo assistente - relator do comitê de recreação; intendente - relator do comitê de serviço real; secretário relator do comitê de estudo missionário; tesoureiro - relator do comitê de mordomia; porta-voz - relator do comitê de publicidade. 39

TRIMESTRE

DE

1971

.:

"

É importante que '0 :êonselh~irôt . , ".,_.,"'" .,'''. consiga e traga a reurnao uma copia do calendário da igreja. Isto evitará que -a embaixada marque ati.:.\ vidades em datas' que já estejam, reservadas pela igreja. Por outro! lado, o calendário servirá para ai embaixada anotar as datas em que .a igreja realizará promoções especiais, possibilitando' planos para urnacooperação eficaz nessas atividades. "

Esta reunião proporcionará uma' excelente oportunidade para avaliação do que foi realizado no trímes-: tre anterior. O calendário foi cumprido integralmente? Houve bom resultado nas promoções? Que atividade não foi bem sucedida? Por quê? Eis algumas sugestões de ativida-, des que deverão ser estudadas pelos respectivos comitês:


Comitê de Recrutamento: Apresentar os resultados da campanha donovos membros realizada no priRiieiro semestre e traçar planos para f:!. eonservacão dos resultados. Êstes ~lanos podem incluir visitas, aos novos membros e uma festa social em cooperação com o comitê de recreação - em homenagem aos novos membros. CJ;onÍ't'tê de Recreação: Participação nos acampamentos nacional, e'ltadual, regional, bem como nos especiais .de janeiro no Sítio' do, Sossêge : escolher as datas Para uma ou mais festas sociais; sugerir nomes de embaixadas COmas quais poderão ser feitos intercâmbios e escolher as melhores datas; planejar .um torneio esportivo entre as em:l>aixadas da redondeza. , Comitê de Programa: Programas "especiais, planejamento da premo, ção especial de missões nacionais, -cerimônias de reconhecimento e de jiniciação', programas missionários, ' .. :Semana de Ênfase. , .Comitê de Estudo Missionário: Análise dos resultados dos estudos missionários realizados no semestre passado, escolha dos livros que poderão serestudados no semestre •

,t

I

Você é Sabido? Responda

Se Puder!

Respostas da póqino

'26

30

atual, escolha ,de datas para ÔS ~stu dos, sugestão de nomes de preleteres para a realização dos estudos. Comitê de Mordom~a: Traçar planos para a coordenação da parte financeira da promoção especial que os ER farão em prol de missões nacionais (ver pág. 6). Planejar campanhas de garrafas vazias, lavagem de carros, doação da mesada, ou outras. As ofertas levantadas deverão ser entregues ao tesoureiro da igreja para serem juntadas à oferta geral da igrej a para missões nacionais. Comitê de Publicidade: Planejar a publicidade das diversas premoções da embaixada: cartazes que deverão ser confeccionados, .volantes, boletins; organizar um jogr:al com os componentes do comitê e apresentar as diversas propagandas em forma de jograis . Os comitês se reunirão primeiramente em separado onde traçarão os seus planos. A seguir, juntar-seão e terão uma reunião geral. Nessa ocasião deve-se conferir bem as datas.escolhidas pela embaixada com, as do' calendário da igreja para que não haja superposição de atividades.

'Respostas: L, Dr. L, M: Bratcher; 2. 231 missionários; 3, Marcolina Magalhães'; 4. Itaoajã e Barreiras; 5, Marcos Golfan; 6. Amazonas, Maranhão, Pernarnbuco, Ptauí, Acre. GolAs e Pa.rã ; 7. Pastor Samuel Mitt; 8. Eth e .Tonas Borges da Luz. ' Se você acertou oito vêzes está ex-. celente. Sete, ótimo, Cinco, regular. Menos de quatro, leia mais "A Pátria Para Cris-

to".

o

EMBAIXADOR


2.a REUNIAO DE JULHO

TRABALHO

NOS. POSTOS

Ao estudar os requisitos que o capacitarão à subida de pôsto, o -embaíxador aprende bastante da Bíblia Sagrada. A reunião de hoje será dedicada ao estudo das partes bíblícas exígídas no manual de cada pôsto. Damos abaixo a relação dos postos e as respectivas explicações: CANDIDATOS: Estudar a parte «O Embaixador e Sua Bíblia» dos requisitos para alcançar o pôsto de arauto. Devem estudar bem as passagens bíblicas, cornpreendê-las e decorâ-las , Não se esqueçam de que ·devem aplicar o que aprenderam dessas passagens.

ARAUTOS: Devem estudar sôbre homens da Bíblia, a história de Jonas e decorar passagens bíblicas.

.

ESCUDEIROS: Devem estudar sôbre os tradutores -corar passagens bíblicas .

da Bíblia e de-

CAVALEIROS: Devem mencionar os deveres de um embaixador, tais como encontramos na Bíblia, recitando os versículos e dizendo onde se encontram; devem, também, responder inteligentemente à pergunta «Que significa ser cristão ?». POSTOS SUPERIORES: Ver instruções no «Guia dos Embaixadores do Rei», e usar o «Opúsculo para os Postos Superiores». í:ste opúsculo pode ser adquirido na Divisão de Embaixadores do Rei - Caixa Postal

320 ZC 00, Rio, GB. '3~

TRIMESTRE

DE

1971

. 17


e:

~~

1.

Existe na Ásia um réptil chamado cobra-cuspideira

que, quando

enraíveeída, abre a bôca e cospe à distância de três metros o veneno terrível. Filipinas.

O estranho

ofídeo é comum na China e nas

2.

Existe na índia um peixe de nome oficéfalo que muda de rio, «andando» ou arrastando-se até o nôvo habitat.

3.

Nos afluentes do Amazonas, vê-se um peixe curíosíssimo': a pírambõía , Sua respiração é feita pela bõca, o que o obriga a vir de quando em quando à tona. O rio seca e pirambóia, sem água, não morre.

4.

O burro é o animal de passo mais seguro; apóia a pata firmemente no chão. É produto do cruzamento de jumento com égua. 'suas orelhas rem o comprimento igual à metade da cabeça.

5.

Existe no, Egito um cobra chamada cerasta e é especialista morder patas de cavalos.

6.

Vampiros

são morcegos gigantes

em

que chegam a medir 80 cen-

tímetros de envergadura . Costumam sugar o sangue de animais

e' de homens adormecidos, mas alimentam-se insetos e de frutas podres.

principalmente

de

\

19

7.

A capívara é o maior dos mamíferos roedores. Tem o seu habítat em tôda a América do Sul. Atinge mais de 1 metro de comprimento e perto de 50 em de altura, e alguns têm pêso superior a 60 quilos. O nome capívara vem do tupi (caapi-guara) e significa «comedor de capim». .

8.

O gliptodonte (grande tatu, já extinto) tinha uma carapaça de 1,50m de comprimento por 1 metro de altura, e da cabeça à extremidade da cauda media 3 metros. Tinha a cauds, guarnecida por anéis móveis. O curioso animal vivia em terras da América.

o

EMBAIXADOR

\.


,

fabetismo. Quanto aos índios temos que falar-lhes em suas próprias lín-

nais, ouve pelo rádio e por tôda parte, o tornam desinteressado. Tan-

guas, Temos que traduzir a Bíblia

tas vêzes foi desafiado além de sua

para os seus idiomas. Há grande necessidade de pessoas' chamadas para pregar aos índios. Mas a maior necessidade é de igrejas dispostas a sustentar êsses missionários. As cidades pedem escolas, as igrejas pedem pastôres, os índios \pedem missíonâríos, as escolas pedem professôres. Os campos estão brancos no Brasil, e precisamos colhêr 'antes que seja tarde demais.

capacidade, tantas vêzes leu ou ouviu de fatos sensacionais, tantas vêzes foi enganado que não lhe importa nenhuma novidade. Não dá valor à mensagem que pregamos. Países em luta, ameaça de guerra, superpopulação e outras agitações fazem que a vida vá perdendo o vaIor. Vem a fome. Quase todos os países já se preocupam com ela. Povos atrasados quase não se alimentam. Qual é a solução?

o QUE

HÁ POR FAZER

NO MUNDO

o

mundo' é grande e apresenta muitos problemas: perseguição e falta de recursos, indiferença e guerra, fome e vícios. Ainda hoje existem países onde crentes são presos e às vêzes mortos. Por todos os lugares onde o comunismo passa, os templos são demolidos ou transformados em armazéns, ou simplesmente fechados; 'os crentes sofrem grandes perseguições. Não há liberdade para pregar. Os cultos são realizados às escondidas. Bíblias não podem ser vendidas ao povo. Em alguns lugares há apenas uma Bíblia e ela é lida em voz alta para todos. Alguns copiam trechos bíblicos para sua leitura pessoal. Sabemos que, se deixarmos de nos alimentar, morreremos; se deixarmos de trabalhar, passaremos fome. O mundo é como nós. Êle precisa da mensagem do evangelho. Se deixarmos de evangelizar, êle morrerá. A grande luta diária e as notícias confusas, que o homem lê nos jor3~ TRIMESTRE

DE

1971

Quando os soldados querem vencer uma batalha, têm que permanecer unidos e trabalhando. Consagremos nosso' trabalho ao nosso Rei. Unamo-nos na defesa do seu reino, e o mundo será transformado. TERMINANDO Por um pouco, paremos e' examinemos os que -estãd próximos de nós. Vemos um viciado no álcool, outro no cigarro, outro a proferirpalavras contra si mesmo, contra 0.3; outros e contra Deus, outro agitado e inseguro. Todos descontentes. Perguntamos: Por que existem homens desonestos? Por que existem homens que tiram a vida do seu semelhante? A resposta é: Porque desconhecem Jesus e o seu poder salvador. Nada mais além do evangelho' pode curar a humanidade de seus pecados. É bom que examinemos o mundo e a nós mesmos. Até onde estamos vendo estas necessidades? O reino de Cristo não pode estabelecer-se, a menos que os homens o conheçam como' salvador pessoal. Trabalhemos pelo nosso Rei. 21


PROVE

., I

i

A

SUA

CAPACIDADE

VERTICAIS

HORIZONTAIS

1, 2,

Missão de Jesus no mundo Existência Por quem devemos trabalhar Pronome obllquo Sentimento de Cristo para com perdidos

3,

4, 5, 13.

os

Advérbio de negação

'7, Enganar ~, Verbo voar (subi.) '9, Primeiro rei de Israel 10, 11,

1, 2, 3, 4, 5, 6,

Outro nome de JerU3além Ano Domini Casa de habitação Cidade em que Jonas pregou Domínio Mulher de Adão

7"

Irmão do pai

12, Alma vivente 15, Argola 16" Secretário Executivo da JMN

O que a missionária professôra. en-

17,

Outro nome de .Jacó

sina

18,

Verbo Ser (imperfeito)

Branco

12" Conjunção condicional 13, Artigo definido plural Um) 14, 1l,B letra do alfabeto

f)CL[![

'9 -

'D.Llll "8I oW?ay '51

-

oazv

"U

-

SON ''I -

lfJ'D.LS1'1.1 -

9CL1u~N

- . .l.97 "Of -

j,8Y '/: -

~AI

'Ir

lanW!Vg -

J/IY[

Zrl/1JS""6, ~

"Z -

'9I

'g -

90A

'8

-

av -

0llll '(;I -

. SI 'oms

.LfJg

'r

"(;lI Of.L "/., :gIVOI.LYlllA

.91111 'lrr sv 'gr .LwnU "/.. 'lU9N '9 -

JI1){~rvF11 'l :F1IV.LNO'ZIYOIl

-

-

9S V'lUV

";:r 'S

F1V.LF10Jf/!ilY

o

EMBAIXADOR


4.a REUNIÃO DE JULHO

SERViÇO

REAL

o conselheiro preparará duas sugestões de Serviço Real para cada embaixador eas colocará em um envelope, lacrando-os. Eis algumas das ordens que podem ser inseridas nos bilhetes: 1, Visita a uma pesso.a enfêrma ou escrever uma carta a um presidiário, 2. Ajudar o zelador na arrumação da igreja para o culto da noite ou convidar pessoas para o' culto evangelístico da igreja. 3. Preparar um brinquedo para uma criança órfã ou mandar balas e doces a um o-rfanato. 4, Distribuir folhetos ou conseguir assinatura de «A Pátria para Cristo» . Após receber o envelope, o embaixador escolherá uma das tarefas e a executará. Portanto, ninguém deverá ter as mesmas tarefas. Será um Serviço Real diferente dos já realizados até aqui pela embaixada, pois cada embaixador fará um trabalho. Depois de terminar o serviço, escolhido, o embaixador devolverá o envelope ao conselheiro com o relatório do que foi feito. 3'1 TRIMESTRE

DE'

1971

23


CORREIO

DA

AMIZADE Todo embaixador poderá participar da seção «Correio da Amizade». Basta enviar nome eenderêço completo, bem como os assuntos sôbre 'o's quais gostaria de trocar idéias através de cartas. Além disso, deve comprometer-se

a enviar cartas e responder àque-

las que lhe forem enviadas.

Não fique apenas esperando que alguém lhe escreva. tiva e mande uma carta a um companheiro'. aJO

Envie também uma fotografia, seu nome e enderêço ,

PRIMEIROS

para que possamos publicá-Ia junto

P ARTICIP ANTES

Damâsío S31ntiago da Silva -

Salvador -

Rua 1 de Maio, 21 Q

Jardim Cruzeiro -

Bahia

Clier da Silva Morais Rio de Janeiro

Rua Salgado' Filho, 3 -

Dímas Souza Gom.es-

Av. Fernando da Cunha, 29 -

-

Tome a inicia-

Cachoeiras do Macacu Mares -

Salvador

Bahia

Reginaldo Gonçalves dos Santos - Rua Nelson Vasconcelos de Almeida, 311 (fundos) - Rio - Guanabara

Jessé Pereira, Jr. - Rua São José, 214 -

João Neiva -

Sebastíão Batista de Souza ~ Av. Padre Wendel, 803 Goiânia - Goiás Esdras Valério do Rosário -

Irajá -

S. Aeroviário-

Avenida Monsenhor Félix, 1075, casa 34 -

Guanabara

Antônio Jeová da Silva Santos Santana - Bahia Leônidas Daniel Pereira Filho - Amazonas Adoniram Judson Pereira Santo' 24

Espírito Santo

Rua Francisco Mário, 5 -

Feira de

Rua Leonardo Malcher, 1667 -

Manaus

João Neiva -

Espírito

Rua São José, 314 -

o

EMBAIXADOR


l.a REUNIÃO DE AGôSTO ESTUDO: Faça um quadro de cartolina, com vinte e quatro quadrinhos numerados, como o que mostramos. Tome uma outra fôlha de cartolina, de côr diferente do quadro' e recorte vinte e quatro quadradinhos; na outra fôlha escreva; O PLANO COOPERATIVO E MISSõES (cada le- . sileira? 16. Qual o modo usado petra num quadrinho). Firme-os em la Convenção para dividir o dinhetordem numérica, no quadro, com os ro recebido das diversas igrejas? 17. números expostos. No término da Qual o setor de trabalho da Conpalestra faça algumas perguntas aos venção que recebe a maior parte das. embaixadores. À medida que focontribuições? 18. O que é missões. rem respondendo certo, vá virando nacionais? 19. O que é missões esos cartões, fazendo aparecer as le- trangeiras? 20. O que fazem as juntras. tas de. Evangelismo, Rádio e Televisão? 21. Qual o trabalho da AlianPerguntas que poderão ser feitas; ça Batista Mundial? 22. Dê um sinô1. O que é que nós pensamos nimo para Plano Cooperativo. 23. quando temos algum dinheiro? 2. Quem é o autor do estudo' de hoje? Como' você pode provar que o seu Você sabia que êle é o secretáriodinheiro pertence a Deus? 3. O que executivo da Junta Executiva da representa o dinheiro? 4. Por que C.B.B.? 24. Como pode você parDeus está interessado em seu ditícipar do Plano' Cooperativo? nheiro? 5. Como os missionários recebem o seu sustento? 6. Por que os ATIVIDADE: missionários pregam e trabalham Confecção de um cartaz alusivo ao para Cristo? 7. O que é que Deus assunto «Plano Cooperativo e Misfala ao missionário quando o chama sões». Colocá-Io em um lugar onde para o seu trabalho? 8. Como é que todos possam vê-lo . você pode viver missões? 9. Quanto cada crente deve dar do seu diDEVOCIONAL: nheiro para garantir o sustento dos O hino «Cuprimos o Dever». (14 missionários? 10. O que é o Plano do Hinário dos Embaixadores dOI Cooperativo? 11. Onde o' seu dízíRei) conclama-nos a participarmos. mo deve ser entregue? 12. O que do plano divino de redenção do hofaz o tesoureiro com o dízimo que mem. Se dermos os nossos dízímos, você entrega à igrej a? 13. Quanto estaremos cumprindo o"nosso dever .. a sua igreja manda para a convencão estadual? 14. Como é utilizado Oremos para que Deus coloque em .ó dinheiro que se manda à junta es- nossos corações o amor pelas almas tadual? 15. Como chega o seu di- perdidas. «Onde estiver o vosso eonheiro até a Convenção Batista Braração, aí estará o vosso tesouro .» 3g

TRIMESTRE

DE

1971

25


o

AUTOR: PR.

JOÃO FALCÃO

E MISSOES

você pode fazer com o «seu» dinheiro? Muita coisa: comprar um caderno, um lápis, uma bola, um sorvete; pagar o ônibus, etc. Ou então você pode guardâ-lo , Agora pense no seguinte: êsse dinheiro que você diz «meu dinheiro», que está no seu bôlso ou guardado em casa, na verdade não é seu. ~le pertence a Deus, saibe por quê? Veja: 19) Porque você pertence

a Deus

e, portanto, tudo o que você tem pertence ao Senhor: seu tempo, sua inseus cadernos, seu di-

, 2 Porque foi Deus quem deu vida e saúde para que alguém pudesse trabalhar e ganhar aquêle diiIlheiro. Assim, aquêle dinheiro é devido a Deus. Q)

Você sabia que Deus está interessado na maneira como você gasta o seu dinheiro? Sabe por quê? É porque o dinheiro representa a própria vida. Para ganhâ-lo, a gente emprega tempo, esfôrço, energia, vida. É isso mesmo: dinheiro representa a vida. Ao gastar o dinheiro, você está vivendo e Deus está interessado na sua vida. Há uma outra razão porque Deus está interessado no seu dinheiro -' é que êle precisa do dinheiro' para pagar o trabalho dos seus missionários. Os pastõres, as 26

COOPERATIVO

SOBRINHO

Quando você recebe algum dinheiro, 'logo pensa: «O que é que eu vou fazer com esta nota ?» O que é que

teligência, nheiro.

PLANO

professôras, as enfermeiras, os evangelistas missionários não podem trabalhar numa fábrica, na roça ou numa loja para ganhar dinheiro para comprar+alimento e roupa porque êles têm que dedicar todo o seu tempo à pregação e ao trabalho do Senhor. Então, alguém precisa aíudâ-los e, se cada crente ajudar um pouquínho, os missionários terão o suficiente para se manterem no seu trabalho. Veja o que acontece - você dá uma parte da sua vida, representada no seu dinheiro, para que Deus possa garantir os missionários. Assim, você está vivendo missões, tá sendo também missionário. A sua participação, sustentando missões co.mo seu dinheiro, é tão necessária como. a participação dos próprios missionários.

es-

Mas, quanto cada crente deve dar do seu

dinheiro

para

garantir

os

missionários? O ideal de Cristo é que o crente fique com o suficiente para continuar vivendo e trabalhándo e dê para missões o' máximo possível, porque Deus tem também o maior interêsse em salvar os perdidos e deu de si o máximo - que foi seu filho Jesus para salvar você e também os que ainda estão perdidos. O mínimo que cada crente deve dar é a décima parte de tudo quanto recebe. Essa décima parte se chama dízimo , De cada 10 cruzeiros, tira

um. o

EMBAIXADOR


Devo mandar meu dízimo para os missionários? Como fazê-lo ? Talvez você estej a perguntando isso. Vamos responder. Seria muito difícil você mandar sua contribuição diretamente para os missionáríos , E mesmo se cada um pudesse fazer isso, certamente um missionário iria ter mais recursos para o seu trabalho e outro menos. Então Deus orientou a sua igreja e as outras igrejas batistas para formarem o' Plano Cooperativo, que funciona assim: Você entrega o seu dízimo à sua igreja. O seu dizimo é juntado aos dízímos de todos os outros crentes de sua igreja. O tesoureiro da igreja pega o total dos dízímos dos crentes e divide conforme a igreja resolveu: uma parte fica para o trabalho local, da própria igreja. A outra parte é enviada pelo' tesoureiro para a junta da convenção estadual aí do seu estado.

1.

Missões Nacionais .. ,

2.

Missões

3.

Evangelismo

5,6%

4.

Rádio e TV

5,20/0

5.

Aliança Bat. Mundial

0,7o/c

EDUCAÇÃO TEOLóGICA

29)5%

Estrangeiras

6.

Seminário do Sul .,.

7,

Seminário

do

8.

Seminário

Equatorial

Norte

EDUCAÇÃO RELIGIOSA

22,3% 8,2%

11,4%

10,6% 7,5% 7,7%

Junta: da Mocidade ..

3,O%-

10,

União Feminina

.. _.

2,20/c

11.

Comissão de Ética. .

0,7%

12,

O Jornal Batista

....

1,2%

13.

Acampamento

Palma

0,6%

9,

COORDENAÇÃO. E PROMOÇÃO ... " .. _.. , ..... 10,8% . Algumas igrejas dão 20%, outras dão 15% e a maioria de apenas 1070 9,1.% 14. Junta Executiva CBB das suas contribuições para missões. 15 . Fundo Convencional . 1,20/0 A junta estadual soma o 'que recebeu da sua igreja com a contribui16, Associação Evangélica 0,5% ção de tôdas as outras igrejas do e8·· tado , Há muitas pessoas que preciBENEFIC1:NCIA sam de Cristo aí 'no' seu estado tam17. Junta de Beneficência 10,0'10 bém e assim. a junta estadual reserva uma parte do dinheiro para que SOMA 100% aquelas pessoas possam ouvir o evangelho. A outra parte a junta Veja quanta coisa Deus faz com estadual envia para a' Convenção o dizimo que você entrega à sua Batista Brasileira. igreja. Não é bom saber que uma parte do dinheiro da gente está senA contribuição do seu estado jundo usada para cada uma das fina, ta-se às ofertas enviadas pelas ouIidades do Plano Cooperativo? E tras juntas estaduais e é dividida pela convenção do seguinte modo I você notou qual é o setor do traba(porcentagens de 1971) : lho' da convenção que recebe mais: contribuição? Veja bem o quadro acima e verifique por si mesmo. MISSõES E EV ANGELISMO 3"

43~1c TRIMESTRE

DE

1971

(termina

na página 64) 27


A

PROVE

SUA

CAPACIDADE

.;

HORIZONTAIS

1, 2, 3, 4,

e" 5, '6,

VERTICAIS

União dos salvos (pU Campo da JME Missão de Jesus no mundo (subst.) 43% das ofertas vai para Missões ,

7, Objeto onde se carrega dinheiro 8, Missões no mundo 9, Aquêle que ajuda !O, . Verbo amar (subj,) 11. Advérbio de afirmação 12, O que está livre 13, Condutor de eletricidade

de Valniel!

Campo missionário Milhomens Coelho Missões no Brasil

O'!J 'gr -

"n -

'ar -

9'l.Ulf

rJ,19doOD

'6 -

~'D'I.W'WDN .lo'[J'VCI,'{DFf 't;

-

~'Dnfj'DJ/Dd

't -

.8 -

8rJJ,~9f5U'D.l48[![

8v{a.JJ.ÔI

,'(

'9

-

rJ819El -

n:J?l,/y

,'SIlf.LNOZnIOJ1:

oaz'DS

. gr

-

'l.U1S

'/., " SIlfDIJ/9:FlA

'g -, -

OW,8119f5U'Da:Fl

.

'r -

Slf.LSOdS:Fl'9

o

EMBAIXADOR


2.a REUNIÃO DE AGOSTO

TRABALHO

NOS

POSTOS

.'•

~

Sugerimos para esta reunião de trabalho surprêsa» .

nos postos um «programa

Conseguir uma caixa que será a «Caixa de Surprêsas». Escrever' em tiras de papel os requisitos do pôsto a ser alcançado. Dobrar as tiras e colocá-Ias dentro da caixa. Instruir os embaixadores, com a devida antecedência, todos os requisitos do pôsto que estão fazendo.

a estudarem

Na hora do programa, cada embaixador (um de cada vez) tirará um papel da «Caixa de Surprêsas» e apresentará, perante a embaixada, o requisito que estiver indicado.

Repetir 'o processo até que todos os requisitos tenham sido apresentados ou esgotado o tempo. O conselheiro marcará, no cartão de postos de cada embaixador, requisito ou requisitos que forem satisfeitos.

o

NOTA: Se a embaixada fôr composta de embaixadores nos diversos postos, o conselheiro deverá preparar uma «Caixa de Surprêsas» para cada

pôsto. As tiras poderão ser guardadas para serem usadas em outra oportunidade, ou mesmo para a segunda rodada. O embaixador que não souber o requisito que lhe coube, deverá esperar por urna segunda chamada, depois que todos os outros tiverem a sua vez. 39

TRIMESTRE

DE

1971

29


VOCE

RESPONDA SE

'"

E

SABIDO? 1.

PUDER!

O Apóstolo ido Sertão: Pastor Alexandre Silva Dr. L. M. Bratcher Benedito Profeta

.,

2.

Número de obreiros da Junta de Missões Nacionais: 58 missionários 231 missionários 300 missionários

3.

Primeira môça nomeada pela Junta de Missões Nacionais: Marcolina Magalhães

Dalva Baptista Luiza Herculano

4.

Local dos orfanatos da Junta de ·Missões Nacionais: Tocantínia

Itacajá e Barreiras Carolina 5.

6.

Missionário que trabalha com judeus Salomão Ginsburg Abraão Fergunson Marcos Golfan Os seguintes

Estados serão cortados pela Transarnazônica:

Roraima, Mato Grosso e Amazonas Amazonas, Maranhão, Pernambueo, Piauí, Acre, Goiá.s e Pará Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Amazonas e Acre I

7.

Atual secretário-executivo Pastor David Gomes

da Junta de Missões Nacionais:

Pastor João Falcão Sobrinho Pastor Samuel Mitt

8.

Casal que atualmente trabalha no Instituto

Teológico de Carolina,

Maranhão: Wanda e Guenther Carlos Krieger Eth e Jonas Borges da Luz Ivone e Edson Salles (Respestas na página 30

16)'

o

EMBAIXADOR,


a-

REUNIÃO DE AGôSTO

ESTUDO: Um embaixador fingirá estar com e sonhará com a dade no trabalho

entrará em cena, sono, adormecerá sua responsabilide missões.

o cônsul entra e diz ao embaixador: - Que tem feito você por missões? Creio, que nada! Mas, veja quanto há por fazer! Sinta a necessidade da sua, participação ... Outros embaixadores chegam, e apresentam os diversos tópicos do' estudo em, forma de conversa. Em uma sala anexa, um grupo de embaixadores cantará entre um tópico e outro, o hino «Dai-nos luz», como se fôsse uma multidão clamando. Os embaixadores podem apresentarse com alguns objetos como: um globo, para o primeiro tópico; mapas e revistas, para o segundo tópico; retratos de missionários que já partiram para a glória, para o terceiro tópico. Enquanto os embaixadores se retiram, um instrumento tocará uma música suave. Ao acordar, o embaixador exclama: Que sonho engraçado! Mostrou que nada tenho' feito por missões. De agora em diante farei tudo o que puder pela obra missionária! ATIVIDADE Os embaixadores utilizarão a rennião de hoje para escreverem as cartas aos mlssionârios, conforme sugestão do «Trabalho' Missionário do Trimestre» . :l~ TRIMESTRE

DE

1971

, Gue rrtb er Carlos missionário

Krieger,

de nossos dias.

DEVOCIONAL Leitura

Bíblica .Mateus

28 :,16-20

da seguinte forma: a narração será lida por todos; a parte em que Jesus fala, por um único embaixador escolhido pelo conselheiro; Oração' silenciosa pelos missionários que receberão as cartas dos embaixadores, bem como pelo despertamento missionário dos embaixadores. Cântico dos corinhos «Como é Bom Ser Embaixador» e «A Ordem deJesus», números 8 e 19 do Hinário dos Embaixadores do Rei. 31


NOSSA

PARTE EM MISSOES

AUTOR: PR.

ADER

ALVES

DE

ASSIS

Deus mesmo nos escolheu «uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastôres e doutôres, querendo o aperfeiçoamento dos sant?s» (Ef. 4:p-12 IBB, edição rev~sta e atualIz~da). É um prívílégIO poder participar na funcão que Deus escolheu para nós, más também é uma responsabilidade. Pois que acontecerá se falharmos'? Será como a máquina que perde um parafuso. .

NOSSA PARTE NO QUE DEUS FAZ Por menores que sejamos Deus precisa de nós. Deus ensino~ a J eremias certa vez a sua função usan, do a figura de um oleiro. O oleiro' trabalh~ o barro e o acerta para construir a sua' peça. Existem vários .típos de barro que não se prestam para o trabalho do oleiro. ~les

se quebram fàcilmente. Existe, porém, o barro próprio para a olaria. Também nós temos uma tarefa para a qual devemos ser adequados. E assim como o barro, a qualidade que precisamos ter é a de sermos dóceis e aceitarmos o trabalho que Deus realiza em nós. Se Deus nos chamar para o seu trabalho não temos o direito de discutir. A salvação de todos os que crêem em Jesus já está realizada e não se pode anular o que Cristo fêz por nós. Todavia, isso será de nenhum 32

proveito para o mundo se não fizermos a nossa parte. Quando Maria Madalena encontrou-se com Jesus, logo após a sua ressurreição, recebeu dêle uma incumbência: «Vai a meus irmãos e díze-Ihes que eu subo para meu Pai e vosso Pai» (João 20:17). Cada vez que alguém se encontra com Cristo', ainda hoje, êle diz: Vai e dize. É como se, fazendo isto, completássemos a sua obra. . Cada crente que trabalha na pregação está ajudando na redenção do homem. Mas não deixará sua obra parar se falharmos. ~le consertará a engrenagem. Providenciará outro para o nosso lugar. E \.)8 mais prejudicados somos nós mes,mos que perdemos a grande oportunidade de ajudar na pregação. Quando nós saímos para pregar, os anjos bem gostariam de fazer o mesmo. Mas Deus reserva apenas para nós êste privilégio. Nós somos cooperadores de Deus. NOSSA PARTE NA TAREFA QUE OS OUJ'ROS FAZEM Uma certa 'usina hidrelétrica produzia uma péssima luz para a cidade. Empregou-se nela um técnico' capaz e perseverante. Cada dia êle trabalhava incansàvelmente verificando os defeitos e consertando-os. Anônimamente trabalhava sem ver os resultados. Um dia êle pôde pero

EMBAIXADOR


Venham Acampar Conosco!

Esperamos que vocês c ximos acampamentos esp zados no Sítio do semanas do mês de ja ro Gostaríamos q anali estamos lançando mente à Divisão participar do baixada não

Aqui

esrorernõ ta a respeito.

Um abraço. Samuel Rodrigu

COORDENADOR

D

ACAMPAMENTOS

ESPECIAIS

.SITIO DO SOSSEGO

JANEIRO DE 1972


UM

PLANO

FACILITADO

Estamos proporcionando, através de um plano facilitado, uma excelente oportunidade para sua embaixada levar um bom número de embai-

xadores aos acampamentos especiais do Sítio do Sossego, em janeiro de 1972. Para tanto, embaixador deverá depositar, a partir de 15 de julho de 1971, na Divisão de Embaixadores do Rei, Rua Paulo Fernandes, 24, Praça da Bandeira, Caixa Postal 320, ZC 00, Rio, GB, a quantia de Cr$ 5,00 mensais, no dia 15 de cada mês até 15 de dezembro de 1971.

°

A embaixada que depositar para (5) cinco embaixadores. terá uma inscrição grátis.

Pague

Pague 5 e leve 6

10 e leve 12

Os depósitos deverão ser enviados para a Divisão de Embaixadores do Rei, até o dia 15 de cada mês, começando em julho e terminando em 15 de dezembro de 1971. Observação: Quem não começar a pagar até 30 de agôsto não terá direito ao plano. Abaixo, uma tabela para melhor esclarecimento.

.>

----

---

--------------Mensalidades Quant. E. R.

Entrada .lul.

Agô .

Set.

OuL

Nov.

Dez .

Total

5

25.00

25.00

25,00

25,00

25.00

25,00

150,00

10

50.00

50,00

50,00

50,00

50,00

50.00

300,00

OU'DRAS

MODALIDADES: À

vista, até 16/12/711 -

Depois de 16/12/71

-

Cr$ 30,00, fora a passagem. Cr$ 36,00, fora a passagem.


CONSELHEIRO

TAMBÉM

ACAMPA

Membro de uma igreja hatrsta, credcnciado pelo pastor, poderá ter sua inscrição grátis, sob as seguintes condições:

1.

Levar' 6 ou mais

2. Possuir Acampamentos",

acampantes.

o certificado do "Curso de adquirido através do estudo

da 3~ parte do livro "Vamos Acampar". 3. Legalizar sua inscrição na Divisão de Embaixadores do Rei até o dia 16 de dezembro.

CON'CURSO

ENTRE EMBAIXADAS

~~,,~<r(iJ fi' (!":t.\ w ~~l ~

\0J

~

Atenção!

Leve sua embaixada a participar do concurso entre as embaixadas: Em cada acampamento será escolhida e premiada a melhor. Contagem 1.

2. 3. 4. 5. 6.

de pontos:

Presença Pr~senç~

de mais de cinco embaixadores d~ conselheiro

Uniformização

. .

15% 15%

.

15%

Reportagem sôbre o Sítio do Sossêgo (trabalho em conjunto) . As embaixadas deverão apresentar um, jogral, música ou outra parte que não deverá exceder a 7 minutos ., Apresentar-se-à também, em programa alegre, um "sketeh" (humorístico e inédito com, a duração máxima de 7 minutos) . Total

.

15% 20% 20%

100%

NOTAS 1. 2. 3.

A embaixada que quiser participar do concurso deverá comunicar-se com a Divisão de Embaixadores do Rei. até ] 6 de dezembro. U'm prêmio será dado à melhor embaixada. além da publicação de seu nome em "O Jornal Batista" e no "Voz do Embaixador". Haverá classificação de primeiro. segundo e terceiro lugares.


ceber que a luz começava a melho-

-rar. E daí por diante êle continuou trabalhando e a cidade cada vez se mostrava mais satisfeita com a sua iluminação. Que aconteceria se aquêle técnico resolvesse cortar a corrente que iluminava a cidade? Certamente que parariam tôdas as máquinas, as indústrias, e seria grande o prejuízo. Assim é a nossa participação no trabalho que outros estão fazendo no campo missionário'. Anônimamente oramos. Nossas orações são como a seiva que nutre as plantas, como a chuva que refresca os campos, como a energia que move a máquina. Qual o tipo de energ-ia que tem sustentado a nossa obra missionária? Às vêzes nos lembramos de orar por missões quando está próximo o dia éspecial . Esquecemo-nos de que missões são realizadas todos os dias em todo o mundo. Às vêzes oramos ràpidamente : péssima energia! Nossas ofertas são como os fios que conduzem a energia. Tôda vez que vemos o fio pensamos que . por ali corre a energia elétrica'. Também tôda vez que vemos uma boa oferta pana missões sabemos que Deus está abençoando a obra. Aquêle dinheiro trará sem dúvida muito resultado. É o meio pelo qual Deus manda o sustento para o missionário e promove as construções de templos, escolas, etc. Os que estão nos campos dependem de nós e das ofertas que entregamos. Todavia é bom lembrarmos que grandes ofertas sem oração assemelham-se 3<'> TRIMESTRE

DE

1971

ao fio sem energia. É de Deus que vem a fôrça para o trabalho.

NOSSA PARTE NA TAREFA QUE OS OUTROS JÁ FIZERAM Pesa em nossos ombros a continuação de tudo o que já foi feito'. Não podemos esmorecer. Somos participantes dos labôres de Cristo. E não somente de Cristo, \ mas também daqueles que entregaram suas vidas ao trabalho de Deus. Nós somos os continuadores. É como uma grande competição. Recebemos a missão da geração que nos antecede e corremos até passarmos a responsabilidade para os que virão' depois de nós. E êles continuarão também a corrida até entregarem ao nosso Deus multidões transfor, madas e salvas por Cristo. É g-rande a nossa tarefa porque grande o mundo que temos que ganhar para Cristo. É grande a nossa responsabilidade por causa dos que nos precederam. Os corredores que nos precederam eram verdadeiros atletas de Deus. Por nós mesmos pouco poderíamos fazer. Entretanto, não trabalharemos com as é

nossas próprias fôrças.

:Êle capaci-

tou OS que nos antecederam para fazerem o que fizeram e nos levará também à vitória.

TERMINANDO Deus não chama homens que não tenham amor pelos perdidos. Comecemos pela nossa embaixada. Vamos criar êste ambiente que inspire. Vamos falar e pensar mais em missões. Vamos colocar missões em lugar de relêvo em nossa vida, em nossa embaíxada., em nossa igreja. 33


PROVE

A

SUA

CAPACIDADE

VERTICAIS

HORIZONTAIS 1.

Devemos interceder por missões Ser tpres. ind.) Ir (pret. pert.) Caminho orlado de casas Azeitona Ordem dada por Jesus (Mat.

Aquêle que trabalha em olaria Andar Primeiro rei ungido por Samuel 9. Ofertar (imperat.) lI. Parte do vestuário feminino (pl.) 14. Está. vigilante 16. Ir (pres, ind.) 17. Indica lugar (prep.) 18. Parte do avião (pl.) 19. Profeta mencionado no estudo 24. Sétima nota da escala musical 26. Blpede que tem penas 27. Instrumento de sôpro .

15.

Cada um dos artigos de um regulamento Contração da preposição a com o artigo o (pl.) Estôjo onde se metiam as flexas Pessoa estimada fora de tamüta

30,

20,

A

21.

Monarca (pU

1. 7. 8.

31. 32.

34. 37. 38. 40. 41.

Ordem

dada

por

.Jesus

a

Maria

Madalena

3.

4. 5, 6. 7.

28:19) 10. 12. 14.

primeira

mulher

Sobrinho de Abraão

22: Pequeno rio da Sulça

Aquêle que não tem vida Conheço Dar (pres. índ.) Nono livro do Nôvo Testamento Ser criado à imagem e semelhança de Deus Interjeição que serve para animar

23,

28. 29, 31.

33 , 35.

36. 39.

Afirmação Nome de um pássaro

Preparas

(pl.)

a [terra

Ligação Pronome pessoal \ O eu Mistura de argna e água Regra

---------

'6S 'D1U/D'] '9S Vn "SI SV.l.V '6(;, SlVpO.L '8(; 'U~~s 'S(; VV ',,(; s!9'~ ','(5 va[[[ '0'(5 06~mv 'g, ----< 'vav{l1T 'I[, - svns 'S, - SOV '(J, - m9U '0, 9PI '/., vaHO '9 -, vn2:[ 'g ----j SVI 'I[ slfJ 'S J/D'.lO " :SIVOI.L2:[fiIA 'V?fiI . ,I[ m<mJ,0H trol1JZPf) .8S - syDa '!C Ol.lOliIf '($C 9'I "fê ~ ~'DAI 'OS - 'D11'Df) '!(J - aav '9a: - H1 'ta: - 8'D~'lU9.HJl' '6J - 8'D8V 'frf - 'lU[iJ 'u - ?tOA '9, - 'Dl.l91V 'lrr - 8V~VS 't t - ~'Da '6 - tmJS '8 - .lI . L - o.t~O "C :SIV.LNOZI'HOH - SV.LSOcISfiI'9 ~9']

-

05[[[

'SUl -

t.L1

·ss -

9UJ,

~as +e -

'ar -


l.a REUNIÃO DE SETEMBRO ESTUDO:

o programa de hoje será apresentado em forma de júri. O juiz estará em pé diante da tríbuna. Do lado esquerdo estarão os jurados (podem ser cinco embaixadores); do lado direito, duas cadeiras vazias com duas faixas onde se possa ler, respectivamente: Junta de Missões Nacionais e Junta de Missões Estrangeiras. ' Haverá ainda o advogado de defesa e o promotor que fará as acusações. De vez em quando, se houver conversa no auditório, o juiz baterá na campainha, dizendo: Silêncio! E logo que se fizer silêncio: Com a palavra o Excelentíssímo Sr. Promotor ou com a palavra o Sr. Advogado de Defesa. No final o júri decidirá se as juntas missionárias cumprem a sua finalidade ou se não precisamos delas. ARGUMENTOS: Promotor: Não há necessidade da existência das juntas missionârias , O trabalho feito por elas é insignificante! Advogado: Discordo, Sr. Promotor! , Só no Brasil temos 231 missionários trabalhando em escolas, ambulatórios, igrejas e orfanatos! Sempre que o povo batista aumenta as suas ofertas, as juntas f'a\ zem muito mais. E assim por diante, diversos assuntos podem ser tirados da lição. Antes dessa reunião o comitê de programa deve reunir-se e ensaiar 3~ TRIMESiRE

DE

1971

com os elementos participantes «sessão do tribunal».

a

ATIVIDADE: A embaixada será dividida' em seus consulados. Cada um desenhará Um ou alguns mapas dos países onde as juntas mantêm os seus trabalhos, como Portugal, África, Bolívia, Paraguai, Brasil; indicarão, também, as regiões de trabalho das juntas pintando-as de amarelo, significando essa côr a preciosidade que o evangelho constituí para os perdidos. DEVOCIONAL: Oração pelos secretários Pr. Samuel Mitt e Pr. Alcides Telles de Almeida, bem como pelos funcionários administrativos das juntas a fim de que todos tenham o devido díscernimento espiritual para o desempenho de suas tarefas. O conselheiro deve falar a respeito da carência de obreiros. Para que as juntas realizem o seu trabalho é preciso que muitos se disponham a marchar aos campos. Quem sabe, Deus chama algum membro desta embaixada para ser um missionário? Cantar o hino «Igreja, Alerta 1:. (450 do Cantor Cristão') . 37


l~ FUNÇÃO DAS JUNTAS

AUTOR: PR.

ADER

ALVES'

DE

ASSIS

Você acha que pode haver duas coisas que sejam iguais e diferentes ao mesmo tempo? Pois assim são as juntas missionárias. Elas são iguais porque realizam a mesma obra: pregar o evangelho. Mas, sendo' elas iguais, como podem ser diferentes? São diferentes porque são formadas por pessoas diferentes e porque trabalham em setores diferentes. A Junta de Missões Nacionais, como o nome indica trabalha somente dentro do Brasil ~ A ·Junta de Missões Estrangeiras tem a responsabilidade de mandar seus missionários para outros países. Não é grande a diferença, mas é importante. JUNTA DE MISSõES NACIONAIS

o Brasil, com um território de 8 milhões e 500 mil quilômetros quadrados, ~em meios de trarosporte que at.ingissem a maior parte de suas terras, era um campo que desafiava. A condução' mais comum era o barco a remo e o cavalo. Locomotivas e automóveis eram privilégios de poucas cidades. As estradas eram uma verdadeira rêde de trilhos que se estendiam por montanhas e vales. Muita selva: para ser atravéssada, poucos obreiros para a pregação, pouco dinheiro para sustentá-los , Aqui as perseguições e ameacas, ali a falta de água potável e a febre, além da inexistência de estra38

MISSIONARIAS

das. Eram muitos os obstáculos. Entretanto, havia um grupo de obreiros e crentes, com seus corações cheios de fé, que não temeram nem .recuaram . Seu lema era a frase bíblica: «Dize aos filhos de Israel que marchem» (Êx. 14 :15) . A Junta de Missões' Nacionais foi criada no dia ,25 de junho de 1907. Esta junta teria a responsabilidade de levar o evangelho a tôdas as áreas do Brasil onde não houvesse alguém que pudesse pregar. Era grande a tarefa e muitos os obstáculos, mas a seara estava branca e pedia que i) trabalho se fizesse com urgência. JUNTA DE MISSõES ESTRANGEIRAS .A. si!u~ção

apelava

ao espírito

rmssionano do povo batista brasileiro. Havia países bem próximos de nós que nada sabiam de Cristo. Do Peru, da Bolívia, do Equador da ~olômbia e da Venezuela chegavam informações de que não havia ali sequer uma pessoa crente. No Chile havia cêrca de 900 pessoas convertidas e batízadas, que esperavam os missionários brasileiros para se uniren: a êl:s na pregação. Não se poderia deixar que êsses países continuassem em tão grande ignorância espiritual. Voltemo,s os nossos pensamentos para a Convenção Batista Brasileira em 1907. Todos os participantes da-

o

EMBAIXADOR


quela convenção estavam unidos. Eram inspirados pelo mesmo ideal e alimentavam o mesmo pensamento: «0 evangelho que nós pregamos é essencialmente uma religião missionária. Ide é a primeira palavra do grande mandamento de Cristo e ide é a primeira ordem dada a cada crente.» Decidiu-se então pela organização da Junta de Missões Estrangeiras.

tros países com ótimos resultados. Era tempo de experimentarmos também no Brasil. Sem elas o trabalho se tornaria muito difícil. Seria bom que cada embaixador decorasse, para não mais esquecer, os nossos dias especiais de missões: 2 domingo de marco - Missões Estrangeiras e 2 domingo de setembro - Missões Nacionais. Só assim poderemos estar preparados para dar a nossa contribuição e também participar. Q

Q

Foram levantadas ofertas e enviadas ao trabalho no Chile. Ainda para 'o trabalho no Chile a junta conseguiu ajuda de irmãos do Mé- TERMINANDO xico e da Argentina. Logo depois iniciou seu trabalho missionário em ' As juntas missionárias cresceram Portugal. Para lá foi enviado o nosconosco . Como alguém que deu os so primeiro missionário de missões primeiros passos, firmou-se e comeestrangeiras, o Pastor João Jorge çou uma caminhada cada vez mais , de Oliveira. AJunta de Missões Es~eloz. Disse o Dr , Bratcher: «Nuntrangeiras começava assim o seu trácà vi uma organização que tenha albalho com grande sucesso. cançado tantos resultados com tão poucos recursos!» Isso, náturalmente, é devido, em primeiro lugar, às PARA QUE AS JUNTAS bênçãos de Deus e, em segundo luMISSIONÁRIAS? ,gar, ao amor e consagração daqueAs juntas missionárias nasceram les que se têm dedicado a esta cauem bom tempo. E nasceram para sa. Se todos amassem tantos os que preencher uma lacuna que já podíanecessitam ouvir o evangelho e se mos sentir no trabalho batista no dedicassem a essa tarefa assim com) Brasil. Eram muitos países no munaquêles que trabalham nos campos, do sem ouvir do evangelho. No todos nós entregaríamos nossas viBrasil, naquela época com 21 estadas. Uns consagrariam a vida à predos, em apenas oito havia igrejas gação enquanto outros aconsagrariam a algum trabalho em que gabatistas. O vasto sertão brasileiro estendia-se por quilômetros e quinhariam dinheiro para o sustento 1ômetros, onde falar da Bíblia era de missões. Nossas juntas dependem uma das maiores novidades. Sem do nosso apoio estradas, sem escolas, às vêzes sem Não quer, caro embaixador, particasas, o sertão brasileiro estava cipar dêsse exército que luta pela cheio de pessoas nômades, ou molibertação do mundo, pela salvação? radores de humildes choupanas ou Consagre também a sua vida. Nospequenas vilas, abandonadas a uma sas juntas precisam andar mais detriste sorte. pressa porque o mundo é grande e o campo' já está branco para a ceifa. A. idéia das juntas missionárias já havia sido experimentada em ouApoiemos o trabalho de missões. :30

TRIMESTRE

D'E 1971

39


PROVE

A

9

1

I~

SUA

C,APACIDADE

--

11

I~

'5

,H

••

r±W

IS"

~;

L I ~"

8

1

-I

.HOSPITAL

+

+

11111111

1. 2,

HORIZONTAIS Area de atuação da JMN Pedra de moinho

3.

Décima segunda letra do alfabeto

4, 5, 6, 7, 8,

Casa de palha Lugar de doentes (pl.) In terj eição que expressa dor Trabalho que se deve realizar (pU Pronome pessoal

+t -

llV

'cr -

91.1'1/.0.''I -

VERTICAIS ,3, -Onde se estuda (pl.) , 4, Pais da América do Sul ajudado

'rr -

S~

'ntil 'D'UfIJiLno't[O

40

'V -

~flI'

'I: -

!>Jfl' 'íG -

'8' nSW.lg'

9.

Chefe muçulmano

11, Abreviatura de Rio Grande do Sul pelos batistas brasileiros 13. Interjeição que expressa alegria 14, Verbo amar (imperativo) 15, Tribo de lndios no Brasil 16, Conjunção condicional 17, Dar uma gargalhada (pretérito) n~~ '!..T 81J10aStil 'S' -

9f1 '9r .lf'lUtil

'6

~D 'gr :SlVDl.L~tilA

m.av

Sag88~Pil 'l.. - WI '9 Sf'lJ1f(LSOH 'g . r : f!IV.LNOZI'HOH - f!V.Lf!OJf!flI'H

o

EMBAIXADOR


2.a REUNIÃO DE SETEMBRO SERViÇO

REAL

o Departamento de Principiantes de nossas igrejas possui «o centro da natureza»; atividade em que os pequeninos aprendem a respeito do amor de Deus mostrado, aos homens por meio da natureza. Sempre é difícil e dispendioso adquirir o material necessário para o funcionamento ideal dessa organização infantil. A embaixada prestará um valioso auxílio às crianças de 4 e 5 anos da igreja, preparando um aquário de garrafa e ofer-ecendo-o ao centro da natureza. Damos aqui algumas orientações a êsse respeito. extraídas do livro «Ciências na Escola Moderna» de Maria José Berutti e Terezinha Nardelli. O embaixador poderá usar esta sugestão na construção de um aquário para a sua própria casa. MATERIAL 1.

Uma garrafa incolor (de preferência de bôjo bem largo)

2.

Barbante

3.

Alcool

4.

Conta-gõtas

3'1 TRIMESTRE

(grosso)

DE

1971

41


5. 6.

Fósforos Vasilha com água fria

PROCESSO 1.

2. 3. 4.

Amarrar o barbante na garrafa, no lugar em qu~ deverá ser cortado. Como conta-gôtas, ir pingando álcool no barbante até que fique bem umedecido. Riscar um 'fósforo e chegá-lo ao' barbante. Quando o barbante estiver quase todo queimado, mergulhar, imediatamente, a garrafa na água fria (a -garrafa se partirá no lugar exato em que fôr amarrado o barbante) .

Deve-se então lixar bem as bordas da garrafa, crianças se cortem. COMO PREPARAR

para evitar que as

O AQUÁRIO

Cobrir 10 fundo do aquário, depois de lavado, com uma camada de 4 cm de areia bem limpa. Pôr as plantas aquáticas submersas no fundo do aquário com suas raizes enterradas na areia, firmando-as, se necessário, com pedras. Essas plantas são indispensáveis para 'a oxigenação do aquário e poderão ser encontradas em ribeirões, lagos, etc , Neste particular, as plantas aquáticas flutuantes não poderão substituir as plantas submersas. Despejar água até 4 em antes das bordas. Ao fazer isto, colocar um pedaço de papel no fundo do aquário. Dêsse modo, a areia e as plantas não serão removidas. A água deve ser colocada no aquário por meio de um regador, para que fique bem arejada. Quanto mais ar misturar-se na água, tanto melhor p.ara ,os peixes. Os caramujos d'água são de grande valor num aquário, pois ajudam a mantê-lo limpo. Os peixes não devem ser tocados com as mãos, sendo, aconselhado fazer-se uma sacola de filó, prêsa a uma argola de arame e com um: cabo, para retirá-Ias do aquário, ao se trocar a água. Não misturar peixes grandes e pequenos, pois os maiores comem os 'menores. Os filhotes devem ser logo mudados 'para um vidro de bôca larga ou outro recipiente. O aquário deve permanecer em lugar que receba a luz solar durante duas horas por dia, mais ou menos. O excesso de Iuz -concor-ra para o desenvolvimento muito rápido de algas, prejudicando pei:x;es e plantas.

As palavras cruzadas dêste trimestre foram preparadas pela Jovem Delcinalva de Souza Lima, a quem agradecemos. 42

o

EMBAIXADOR'


s.a REUNIÃO DE SETEMBRO ESTUDO: Baseadas nas informações trazidas pela lição de hoje, serão tiradas pequenas notícias para a apresentação de um repórter. Na mesa haverá uma placa com os dizeres: «REPóRTER MISSIONARIO»." Um grupo de embaixadores será responsável pela pesquisa nas revistas «A Pátria para Cristo» e «O Campo é o Mundo», verificando o trabalho das juntas míssionárias, extraindo as notícias que serão lidas pelo repórter. " O responsável pelo programa deve escolher um embaixador que tenha voz boa e que saiba ler bem. Se desejar, pode haver mais de um repórter, tornando mais interessante a apresentação das notícias. Os repórteres simularão uma entrevista com os secretários-executi-

Pastor Samuel Junta de Missões 3~ TRIMESTRE

DE

Mitt Nacionais

1971

vos: Pr. Samuel Mitt e Pr. Alcides Teles de Almeida . Dois embaixadores farão o papel dêsses pastõres e responderão a perguntas a respeito da criação das juntas e seus problemas de manutenção. ATIVIDADE A embaixada poderá escrever cartas endereçadas às duas juntas missionárias agradecendo o trabalho que elas vêm realizando e comunicando-lhes que"está orando por elas. Também pode ser inserido nas cartas o resultado do «julgamentos feito no programa passado. DEVOCIONAL Diversas oracões serão feitas para encerramento da reunião. Os embaixadores elevem procurar nesta revista a relação dos missionários da Junta de Missões Nacionais que aniversariam em setembro, orando ne10 trabalho que êles realizam.

Pastor Junta

Alcides T. de Missõe's

de Almeida Estrangeiras 43


o

QUE TÊM FEITO AS NOSSAS JUNTAS MISSIONARIAS

AUTOR: PR.

ADER

ALVES

DE

ASSIS

As juntas rmssionarias vêm desenvolvendo suas atividades intensamente. A tarefa é difícil e os meios são poucos. O missionário faz tudo o que fôr necessário. Há, porém, três tipos de ministério que marcam todo o seu trabalho: ministério da medicina, ministério do ensino e ministério da pregação. MINISTÉ'RIO DA MEDICINA Eis um fato interessante: enquanto Jesus andava pregando, era sempre chamado para curar pessoas enfêrmas. Com Paulo e com outros apóstolos êste fato se repetiu. Ainda hoje os missionários são chamados a exercer a função de médico. Nossos missionários têm pouco conhecimento de medicina, mas o pouco que conhecem é consagrado a

Deus. E Deus abençoa o seu trabalho. Lá estão êles atendendo como podem às populações sertanejas. Há ocasiões em. que o Serviço de Malária do Ministério da Saúde lança mão dêles para a distríbuíção de comprimidos contra a febre que costuma atacaras regiões que ficam m ais próximas dos rios. Com isto êles ajudam a salvar cidades, vilas e aldeias indígenas. Grande parte das doenças é· ocasionada pela falta de higiene e de alimentação. Freqüentemente o po44

vo atribui as doenças a podêres de espíritos maus. Outras vêzes não compreende a necessidade de higiene e alimentação adequada para que haja boa saúde. O índice de mortalidade é muito alto. Morrem pessoas de doenças as mais simples. Temos cêrca de 20 ambulatórios espalhados por todo o nosso campo missionário no Brasil, no Paraguaí e na Bolívia. A necessidade é grande. Pessoas vêm de grandes distâncias para serem atendidas nos ambulatórios . O campo missionário precisa não só de pastôres e professôres, mas também, e com urgência, de médi-cos. Deus quer médicos a seu serviço. MINISTÉRIO DO ENSINO Antes de estender a mão para cumprimentar o sertanejo. o missionário sente a necessidade de colocar em suas mãos uma cartilha. Se quer dar um folheto, um evangelho ou uma Bíblia, tem antes que ensinar a ler. Para pregar o' evangelho ao sertanejo temos que alfabetizá10 também, a fim de que êle possa ler a Bíblia. No orfanato, o menino aprende não somente a ler e escrever, mas aprende a trabalhar e a viver. O problema do menor abandonado ou órfão é sério entre nós. E é muito mais sério nesses lugares atrasa-

o

EMBAIXADOR


dos, onde faltam compreensão e recursos financeiros. Mas no orfanato o menino recebe a instrução moral, cultural e religiosa. Uns aprendem a fazer sapatos., outros aprendem a construir, outros a cozinhar, outros a cultivar sàbiamente a terra. O seu trabalho é revertido em benefício do próprio orfanato. Temos também escolas priníârías e um ginásio, Díàriamente pessoas levam seus filhos de fazendas e lugares distantes para aprenderem a ler em nossas escolas . Nossas eseoIas são quase sempre as primeiras' e as melhores da região. São ao todo quase uma 'centena. Na Bolívia temos uma escola que já conta cêrca de 500 alunos. Assim o evangelho vai sendo semeado e o homem vai se desenvolvendo. As escolas teológicas procuram formar obreiros para o trabalho de Deus. Há lugares onde o evangelho é bem aceito. O número de igrejas cresce. Torna-se necessária 3consagração de novos obreiros. Um bom exemplo é a Bolívia, Quando o Pastor Waldomiro Motta deixou aquêle país já se sentia a grande necessidade de obreiros, Temos um seminário na Bolívia e dois institutos teológicos no Brasil: um em Carolina (Maranhão) e outro em Ibotirama (Bahia) , Cada ano que passa; mais pastôres e missionários .são preparados nessas escolas. MINISTÉRIO

DA PREGAÇÃO

itste éo principal, Não está exclusivamente no púlpito. Está em

3~ TRIMESTRE

DE

1971

tôdas as atividades do missionário: na escola, no ambulatório, na conversa informal, nas viagens, nas músicas que canta, nas decisões que toma. Vive para testemunhar de Cristo. Trabalha para enaltecê-lo e fazê-lo conhecido, No Paraguai e na Bolívia temos 17 igrejas. Em Portugal a convenção já antinge o número de 35 igrejas. A média atual de batismos realizados anualmente nos campos de missões nacionais é superior a 500. O principal objetivo de nossas juntas e a sua própria razão de ser é a pregação do evangelho. Desta forma, enquanto o missionário ensina a ler, ensina também a louvar a Deus; enquanto cura o' corpo das doenças, trabalha também para a salvação da alma; enquanto procura acolher a criança sertaneja no calor de um lar como o orfanato, leva até ela a luz do evangelho e o calor da presença de Deus, CONCLUSÃO: Nossas juntas têm feito muito', N ossos missionários abnegados e dedicados levam a obra avante . Já podemos olhar para o que tem sido feito e nos alegrar. Nosso dinheiro está sendo bem empregado, Sustentamos eêrca de 231 missionários. Temos escolas, igrejas, ambulató-' rios, orfanatos, missões entre índios e em grandes cidades. Mas falta muito, Há muita gente que ainda não ouviu o evangelho e que espera por nós. O que as juntas fizeram é muita coisa, mas o que ainda devemos fazer é bem mais,

45


PROVE A

SUA

HORIZONTAIS Embaixadores do Rei (abrev.) '2. Cidade onde está situado o Ginásio da .JMN '3. Parte imortal do homem ·4. Not1cias alvíssareíras 6. Pais onde Waldomiro Motta foi missionário 7. Nordeste (abrev.) 1.

8. 9.

Oamírihos

Ofertai

. rr 'Ir

46

-

'lJ'W/lMpoqr

t»alV

'C -

CAPACIDADE

1. 2. 7.

VERTICAIS Instituições mantidas pela JMN Exercer o seu oficlo Capital do Rio Grande do Norte

10. Cidade da Bahia onde está um lDII· tituto da JMN Cidade onde está o Instituto Teológico da JMN 12. Beira 13. Ver (imperativo) 14. Missão de Jesus em relaç~o aos I homens

11 .

'/'VCIJ[V&, +t ap<1A 'sr - V1..l0 '($r - fJull0./,va 'JV~VN '1.. '/'V1J.1'lJqv'/',L. g v10:JS[il . r : FlIVaI,L'H{![A ~fJa . 6 S'Dl02I . 8 [ilN '1.. 'lJ1ctHog . 9 S'lJaoN 8'008 fJ1,unuooo,L ''l ~ 2Ifil 'r :f1IV,LNOrztHOH - SV,LfJOdSlll'H

. or

-

o

EMBAIXADOR


4.a REUNIÃO DE SETEMBRO

ESTUDO: Em muitas ocasiões Deus necessita de homens que se disponham a realizar tarefas não muito fáceis. A missão dêsses é uma seqüência de verdadeiros atos de heroísmo. Verificaremos hoje o que Deus fêz na vida de dois servos seus, o.Squais cognominamos «heróis missionâ.rioss . ATIVIDADE (Veja

pág,

58)

A embaixada

deverá ser dividida em dois grupos. Cada um será responsável pela ampliação do retrato de um dos heróis da lição. de hoje. Uma comissão julgadora composta de elementos convidados pelos embaixadores julgará os trabalhos, vendo quem fêz a melhor ampliação. MATERIAL Os membros da embaixada serão avisados com antecedência para que tenham o material à mão. :tnles poderão trazer de casa: lápis crayon, lápis de côr, tinta guache ou aquarela, borracha, apontador, compasso, régua, uma fôlha de papel em branco (grande) e os retratos dos missionários.

2. Numerem os quadrículos do. original e da fôlha onde se fará a ampliação'. Olhando o quadrado número um da figura será possível desenhar o que ali está no quadrado' um da outra fôlha, e assim por' diante. NARRAÇÃO: Quando a primeira parte se encerrar, alguém previamente avisado narrará a vida dos dois heróis míssionários , O narrador deverá treinar bastante antes de apresentar as histórias, para que elas tenham um sabor diferente - drarnático.emocionante - para que o embaixador seja capaz de visualizar a vida queestá sendo narrada.

CONFECÇÃO:

DEVOCIONAL:

1. Apanhar a fôlha em branco e traçar o mesmo' número de quadrados da figura original. Os quadrados da fôlha onde se fará a cÓa pia devem ser maiores. Se no original medem um centímetro, aqui devem medir dez ou O que desejarem.

O hino .«Onde os Obreiros» (434 do Cantor Cristão) poderá ser cantado. Deverá ser feito um períodode oração' silenciosa quando serãolembrados aquêles que ainda hoje dedicam as suas vidas aos camposmissionários.

3~ TRIMESTRE

DE

1971

47


DOIS HEROIS

AUTOR:

PR. ADER ALVES

MISSIONÁRIOS

DE ASSIS

Há dois grandes vultos na história das missões batistas brasileiras que não, podem ser esquecidos. Um no campo das missões estrangeiras e outro no campo das missões nacionais. Destacam-se como pioneiros e desbravadores. Eram homens de fé e de coragem dignas de seu Mestre. Seus ministérios marcaram época e determinaram rumos para o que aconteceria depois. São dignos de nossa admiração. LEWIS MALLEN BRATCHER Nasceu em um lar cristão, no dia 7 de junho de 1888, num sítio próximo' à cidade de Black Block, no estado de Kentucky, norte dos Estados Unidos. Aprendeu no próprio lar a amar e defender a mensagem da Bíblia e a imitar Cristo no amor aos perdidos. Enfim, o' seu espírito missionário' começou a formarSe em sua própria casa.

Deter, que levava muitas experiencias do Brasil e que amava o povo brasileiro, falou-lhe das necessidades espirituais do nosso país. Bratcher sentiu a chamada especial. Casou-se com Artie Amanda Porter e foi morar no seminário. Lá se formou, recebendo os graus de Mestre em Teologia e Doutor em Teologia. Era hora de decidir definitivamente para onde iria o' missionário recém-formado. No dia 6 de fevereiro de 1919 o Brasil o recebia juntamente com a espôsa.

o

Missionário

Bratcher

contato que teve com a Bíblia e a própria tendência que tinha de valorizar as coisas espirituais levaram-no aos 15 anos a aceitar a Jesus Cristo e aos 18 anos a sentir a chamada de Deus.

Foi êle um dos obreiros estrangeiros mais apaixonados pelo trabalho da evangelização do Brasil. Durante alguns anos trabalhou como educador, mas o seu coração pedia outro trabalho. Em suas conversas com Salomão Ginsburg êste o inspirou a uma viagem ao sertão. Nessa viagem Bratcher andou a cavalo, de canoa e a pé; passou sêde, dormiu em choupanas, ao relento. em rêdes. Conheceu mais de perto o sertão brasileiro.

Filho de pais pobres, teve que enfrentar grandes lutas para estudar. Durante uma competição esportiva na escola onde estudava, encontrouse- com o missionário A. B . Deter.

Seu nome foi encaminhado para fazer parte da Junta de Missões Nacionais. Um pouco mais e seria êle eleito o seu secretário-executivo e tesoureiro.

o

48

O

I:.MBAIXADOR


Pouca coisa havia sido feita. Bratcher lançou mão à obra e conseguiu empolgar a mocidade. Seus sermões, seus artigos, seus folhetos 'começaram a encontrar resposta. Os jovens começaram a atender aos seus apelos. As ofertas das igrejas começaram a aumentar. A junta começou a crescer. O sonho de Bratcher era ganhar todo o Brasil para Cristo'. Durante 14 anos lutou pela idéia fixa de atingir os vales do Tocantins, do S. Francisco e do Araguaia. Essa idéia marcou o 'trabalho da junta até os nossos dias. No dia :16 de dezembro de 1953 faleceu. Sem recuar do seu pôsto, sem mudar de. idéia, êle recitava uma mensagem para as gerações futuras: «Fica muita terra para possuir. » WALDOMIRO MOTTA Nasceu numa cidadezinha pacata no interior do Estado de São Paulo. Seu pai era católico e dado ao vício do álcool. Logo aos quatro anos Waldomiro começou a trabalhar. Bra raquítico, arteiro e inteligente. Terminou o curso primário com distinção, mas parou de estudar.

para poder combatê-Ia. Mas aconteceu o' contrário. Ao final do culto a igveja tôda cantava: «Oh l quão cego eu andei e perdido vaguei, longe, longe do meu salvador.» Era o retrato da sua vida. Seu coração foi tocado e êle decidiu aceitar a Cristo'. Tornou-se pregador. Estava sempre presente nos cultos ao ar livre, nas congregações e pontos de pregação. Através dêste trabalho sentiu a chamada de Deus para um ministério especial. A partir de então dobraram as provações. Às vêzes faltava dinheiro e alimento. Nesses. instantes amargos de provação' e tentação, orava de joelhos e lia as cartas de Paulo. Enfim, a vitória. A Primei .. ra Igreja Batista de São Paulo decidiu pagar as suas passagens e recomendá-Ia ao Seminário Teológico Batista do .Sul do Brasil onde fêz o curso' de Ba'charel em Teologia. Quase ao final do seu curso no seminário conheceu D. Lígia Lobato .de Souza e com ela se casou.

Seu Ministério Waldomiro Motta começou seu ministério como Pastor da Igreja Batista de São Caetano do Sul (São Paulo).

Conversão, e Chaena.da

A firma onde êle trabalhava resolveu dispensá-lo . Partiu para a cidade de São Paulo à procura de ernprêgo. Começou trabalhando num bar e morando com seus parentes. Certo dia recebeu a visita de um tio, senhor Crístiníano Rocha, que trazia uma Bíblia consigo. Era batista. No domingo' convidou todos para irem ao culto. O jovem WaJdomiro aceitou o convite com a intenção de conhecer a religião tio

do

ftste pastorado,

(a conclusão '39

T~IMESTRE

DE

1971

no entanto,

foi apenas mais um período preparatório para aquêle que realmente seria o seu ministério'. Na convenção em 1946, houve um programa sôbre missões estrangeiras. Foi feito um apêlo , De cabeça baixa, Waldomiro orava para que Deus chamasse outro. Mas Deus "o queria no campo e êle se decidiu para o trabalho na Bolívia. Começou seu trabalho pregando aos empregados e proprietários do hotel onde se hospedou. Em segui-: se ,encontra

na pág.

60)

49


PROVE A

SUÁ

CAPACIDADE

VERTICAIS

HORIZONTAIS

1. 6. 7. 8. 9. 10. 11.

1. O" Apóstolo do Sertáo"

Area de trabalho da JMN Capital da Itália Um dos profetas menores Companhia (abrev.)

2. 3. 4.

5. Espôsa do Pastor Waldornlro Motta

Argola

12. Oposto de cá 13. . Livro missionário do Nôvo Testamento 14. Embaixadores do Rei (abrev.)

Dilacerar Irmão do pal

. 70r -

Apêlo de Jesus Verbo Amar (subj.) Primeiro rei de Israel

'9{f[ 'l)'!6n

.9 -

lnv8

.t

-

mDV

. 1.,;-

muoêll

amy

.g -

'!IP6o'N . <:

-

.

+t -

J1a1JJJ1V./,El .

O!-.L . TT -

50

1JrD' '8

-

.9 -

Zrsv,l;[{'

. J : 'S'IV.LNOZI'NOH

so~y . sr

.J,'()D&V'N

-

-

r : 8IVDI.L'N[f[Á •

or -

01{f[

'VI

•6

SV.L80cI8t!I<I

o

EMBAIXADOR


ZACARIAS CAMPÊLO

,

- U MISSIUNARIU

1\

DOS

CRAUS

(Continuação)

I

.3~ TRIMESTRE

DE

1971

51


62

o

EMBAIXADOR


MEU PATRÃO PRECISAVA ENVIAR 8EU F'lLHO .4. BEL:gM PARA TRATAR-SE. MAS NÃO PODIA IR. OFERECI-ME PARA O TRABALHO. DE

HOSPEDe;T·ME EM RECIFE FUI AO COU;GIO

AMERICANO

APOS A Cr;RA DO FILHO

APRESENTEI-ME E,vTREGUEI·LHE

AO A

COMPREI

PARA

UMA

PASSAGEM

DE MEU PA PARA

O SEMINARIO.

COM UMA FAMILIA.

PRESBfTERIANA. DR. L. CARTA

BATISTA

FI

L.

DO PR. ERN ESTO.

~.

SR. DIRETOR. EU CREiO QUE O SR. TOMARÁ AS MEDIDAS NECESSÁRIAS.

ZACARIAS ESTÁ TUBERCULOSO.

ANDÁ. LO PARA CARUARU. ELE DERA SE RECUPERAR. E VAMOS PEDIR AS ORAÇÕES POR ELE 3q

TRIMESTRE

DE

1971

53


PAPAi.

SE

ÊLf

MUDASSE

DE

PLANOS. EU PERDERIA O INTERESSE NÊLE. DESEJO UM MÓCO QUE TENHA UM GRANDE IDEAL ELE O TEM

o

54

\

EMBAIXADOR


~<1 TRIMESTRE

DE

1971


VAMOS

EMBARCAR

NAQUELE VAPOR FLUVIAL

-E;

56

SUBIR

O

RIO

MEARIM

o ..EMBAIXADOR


(. r

PAGINAS· DO CONSELHEIRO

, ;

,

.. ;: ,

. [

t

3~ TRIMESTRE

DE

1971

57'


1'-

ALO

I'

CONSELHEIRO \I Estamos muito preocupados com você. Sabemos que seu trabalho não é fácil. E" preciso disposição, paciência, firmeza e muita dependência de Deus. Ficamos conhecendo um conselheiro paulista (Igreja Batista de Ferreira) , Foi uma inspiração visitar a sua embaixada com 32 componentes. Também foi muito bom verificar os resultados do trabalho dêsse irmão. O côro apresentava uma canta ta naquela noite. Lá estavam aproximadamente trinta mocos cantando. Todos ex-embaixadores , E êle disse com satisfação: «Os que vêem êsses jovens firmes no evangelho não imaginam o trabalho que me deram na embaixada.» Prezado conselheiro, depende do seu cuidado a conversão de muitos meninos e rapazes e a permanência dêles na igreja. Trabalhe com afinco para que isso ocorra em Sua embaixada. Não se canse de ser conselheiro, mas aprimore cada vez mais as suas atuações perante os embadxadores , Estas páginas iniciam uma jornada de ajuda. Seu objetivo é orientá-Io. Mande-nos suas críticas e sugestões. Que Deus o inspire em seu trabalho. 'Um abraço amigo de Samuel Rodrigues de Souza.

'.t:ste é Waldorniro Motta. Bratcher. está na página 47. Êste é um subsídio para a 4~ reunião de setembro. Leve sua embaixada a executar as atividades

sugerrdas

pela redação

desta revista.

o

EMBAIXADOR


SÚPLICA

.

"

DO

•••••••

..... -'J

~

~

.••

~

EMBAIXADOR

AO

~

yú:J\ ~ •

~

,;•

CONSELHEIRO

'fJ

CONSELHEIRO: Tu que haverás de orientar minoo. 'V1da e moiâa» rmeu coração) compClXlece-teda minha fragilidade. Não me fites com. semblante cerrado se não te compreendo) ?n(l.8 tem paciêncUx.. Que minha aZegria barulhenta mõo te moleste)' associa-te a ela. Não fartes minha débiZ inteligência com noções supérfluas. Ensina-me o útil, o verdadeiro) o belo. Ajuaa-me para que meus olhos aprendam. a ver e minha alana pOO8<1i 86'ntir. TratQ,l'fM com doçura agora que sou pequeno e quando as dores que me aguardam chegarem) as lembranças de tua õonãaâe serão para mim um estimulo benfeitor. Não me repreendas injustamente; examina primeiro a causa da minha falta e verás) via. de regra) atenuada a minoo culpabilidade. Estima-me) assim como o pai estima os filhos; mesmo que eu não saiba mostrar-te) te estimarei muito. Se me ensinas com amor) tuas lições serão proveitosas; mas se não, me estimas) não poderei numca te compreender. Cultiva-me) da mesma forma como o jardineiro faz com as plantas que lhe alegram a vida; eu também alegrarei tua existência com o incenso perene M. lembrança e da gratidão. Conselheiro) bom conselheiro, que deseja dar luz aos meU8 olhos) bondade ao meu coração) beleza à minha alma) verdade às minhas palavras. . . ouvirás minha súplica r I

(Traduzido do EL EMBAIXADOR CUBANO por Camilo Caldas.) I

3'1 TRIMESTRE

DE

1971

59


o

conselheiro é a «alma» da emSe sua liderança é falha, 'o seu trabalho está fadado' ao fracasso. Uma embaixada, mesmo tendo tôdas as condições favoráveis, se não tiver um bom conselheiro, não terá meios de subsistência. Ela não é sômente uma reunião formal dos meninos da igreja; não é também um grêmio recreativo, nem tampoueo um agrupamento cívico. A embaixada tem o seu objetivo bem de-

baixada.

finido:

desenvolver o caráter

CONSELHEIRO IE A ORAÇÃO Edson Machado

dos

meninos de tal maneira, que se tornem no futuro crentes ativos, consagrados e possuidores de um espírito' intensamente evangelístico e missionário . A oração é fator preponderante na vida do conselheiro. Todos os problemas relacionados com a embaixada devem ser resolvidos em

Orar é um privilégio do crente. Saber orar é uma virtude que capacita o conselheiro a levar a sua embaixada a alcançar os propósitos da organízação. Tem o irmão sabido aproveitar êsse maravilhoso recurso na pro-

moção do seu trabalho?

oraçãd. (Continuação

o

da

pág.ina

49)

da deu início a um ponto de pregação em um quartinho onde também a família passou a residir. Ali viu os primeiros resultados do seu trabalho. Começou um programapelo

rádio

e fundou o jornal «Batista Boliviano». ftsses dois acontecimentos marcaram o comêço de uma nova fase no seu ministério.' Tal era a importância do trabalho, que moveram uma campanha violenta contra êle, de que resultou o espancamento e a prisão do corajoso missionário. Foi organizada a primeira igreja. Daí por diante nada mais irnpediu o crescimento da obra. As experiências se sucederam, novas igrejas se organizavam. Os ini-

migos sempre existiram, mas as igrejas continuavam a crescer e se espalhar por tôdas as cidades. Depois de dez anos de trabalhos, lutas contra tôda sorte de inimigos, retornou ao Brasil com a família. Deixou na Bolívia cinco igrej as organizadas com pastôres à frente e um jornal em circulação. TERMINANDO Os: nossos heróis foram uma vez meninos. Mas um dia despontaram como verdadeiros exemplos de fé e trabalho. Isto aconteceu porque entregaram suas vidas a Deus. O Senhor pode fazer-nos grandes homens quando, através da nossa pregação e da nossa vida, quisermos fazê-lo conhecido como grande Deus.

o

.EMBAIXADOR


FESTA DOS AMIGOS EDNA ELBERT ADAPTADA

Lo.PES -

Apostilas de festas do IBER

POR S. R. DE SOUZA

ORNAMENTAÇÃO

PERfODO DEVOCIONAL

Uma grande figura de mãos entrelaçadas poderá ser fixada na porta de entrada. N o salão poderão ser colocadas, de espaço em espaço nas paredes, figuras idênticas à da porta em tamanho' menor. Ligando-as, serão feitas guirIandas com elos, significando união e amizade. À frente, deverão ser colocados os' emblemas

Um adulto lerá Provérbios 18 :24,' fazendo um ligeiro 'comentário. Os participantes da festa cantarão o hino «Laços Benditos» (379 do Cantor Cristão). :êste hino poderá ser escrito com letras grandes e legíveis numa fôlha de cartolina para que todos possam cantá-lo sem dificuldades.

ciedade Cooperadora de Homens, unidos por elos desenhados em cartolina.

A última parte do período devocional será de agradecimento a Deus pelo' encontro tão bom entre a sociedade cooperadora de homens e a embaixada. Um menino e um senhor devem orar no final ..

RECEPÇÃO:

PROGRAMA

Dois embaixadores estarão à porta para receber e cumprimentar, COm um apêrto de mão, os adultos que vão chegando. Os meninos terão na lapela um distintivo que constará do desenho de mãos entrelaçadas e «elos» com o seu nome.

O objetivo desta festa é criar um espírito de confraternização entre os garôtos e os homens da igreja. Se a sua igreja não tiver SCH, faça O convite à classe de homens da Escola Bíblica Dominical para participar desta festa.

dos Embaixadores do Rei e da So-

3~ TRIMESTRE

DE

1971

SOCIAL

,

61


REVEL.ttÇÃO DOS AMIGOS OCULTOS Previamente deverá ser feito o sorteio dos nomes dos participantes para que cada um tenha a quem oferecer uma lembrança nesta noite.

que um dêles se vira para a turma e pergunta: «Mas, afinal, o que é que' vocês estão procurando 1» Ao que todos respondem: «Estamos procurando o que VaJITlO's apresentar neste programa» (saem do palco).

I

Todos devem esforçar-se por tornar esta hora bastante' divertida. Para não ficar muito' monótona, essa revelação será suspensa por algumas vêzes, dando lugar a outras partes como «sketch» e números especiais.

RECONHECENDO FANTASMAS Os adultos estarão assentados em local apropriado e diante dêles haverá o «Desfile dos Fantasmas». Cada embaixador (um total de 8011 10) desfilará o mais exoticamente possível, de modo a não deixar transparecer sua aparência pessoal. Os adultos que estarão com lápis e papelna mão tomarão nota do nome que êles Julgam ser do desfilante que por êles passarem. Finalmente, o adulto que tiver acertado maior número de nomes receberá um brinde.

PROCURANDO O QUE APRESENTAR Aparece um embaixador e começa a fazer de conta, que está procurando alguma coisa. Olha para um lado' e para 'Outro, andando para lá e para cá e oontinua na busca, Chega outro jovem e o que já estava no palco anteriormente cochicha alguma coisa ao ouvido do que chegar. Êste finge que também diz algo e .começam os dois a procurar a coisa perdida. Chega 'o terceiro, o quarto, o quinto' jovem, sempre repetindo a mesma cena, até 62

QUEM ADIVINHA? São colocadas algumas caixas, umas dentro das outras e na última se coloca um brinde. O embrulho formado por elas é entregue a cada participante (adulto) para que diga o' que contém. Quem acertar ganha, rá um brinde.

ENCERRAMENTO

Os homens oferecerão aos embaixadores um lanche composto de bolinhos «espera amigos»; pastelzinho «bem querer», sanduíches «sempre unidos», croquetes «estreita laço», e refresco da «amizade». , Enquanto lancham, os homens e os meninos permanecerão batendo um agradável papo, para que se conheçam e permaneçam para sempre amigos. NOTA: Êste lanche poderá ser oferecido pela sociedade cooperadora de homens como parte das comemorações do «Dia do Homem Batista», conforme orientação da revista «O Cooperador» dêste trio mestre.

o

EMBAIXADOR


ESBOÇO DE UMA

PALESTRA

PALAVRAS CHAVES DO BOM EMBAIXADOR TRADUZIDO

DE EL

ESCUDO

POR

NELlTA

BRASIL

FIDELIDADE

DOMfNIO PRóPRIO

É uma característica das pessoas de quem podemos depender. Se você promete a um companheiro estar presente na reunião de embaixadores do Rei, não deve faltar, a menos que seja por uma razão de fôrça maior. Você deve ser fiel em seu trabalho._

Domínio próprio significa controlar seus impulsos, desejos físicos e mentais. Seu corpo e sua mente devem manter-se limpos e saudáveis. Talvez você queira fumar. :tste é um hábito indesejável e que prejudicará o seu crescimento e desenvolvimento ,

VIRTUDE

PACH:NCIA

A virtude inclui fortaleza moral. É o oposto de debilidade moral. É de fortaleza moral que uma pessoa precisa para lutar contra Satanás. A fortaleza moral ajuda-o a vencer a tentação. Quando' você fôr tentado por Satanás, deve exercitar a fôrça moral e não ceder. CONHECIMENTO

o conhecimento está ligado à sabedoria. Sabedoria é mais que um acúmulo de coisas aprendidas. É a união de coisas aprendidas e mais a experiência: O resultado será um alicerce que o ajudará a decidir sàbíarnente em tôdas as circunstâncias. Você adquire sabedoria ao ler a Bíblia e ao experimentar, em sua vida diária, as verdades que aprende. 3~ TRIMESTRE

DE

1971

Paciência também implica constância. Constância é a qualidade de uma pessoa que sabe defender suas convicções, sem acomodá-Ias à qualquer circunstância. A paciência aj fidou a José a fazer frente à inveja, aos ciúmes e à tentação. REVEMNCIA Se você é reverente terá atitude de respeito e amor para COm Deus . Se você é reverente para com Deus. participará dos cultos de sua igreja. AMOR Amor verdadeiro foi o que teve Cristo pelo mundo, amor que o levou a dar a sua vida na cruz. Talvez Cristo não peça que você morra por êle lYl~s,com tôda certeza lhe pedirá que viva para êle.


COISAS QUE ACONTECEM DOMINGOS

Era um menino pobre. Sua mãe, viúva, tinha que lavar roupa o dia inteiro para sustentar a família. Qle, apesar de ter apenas seis anos de idade, carregava pedras numa pedreira para ajudar no sustento de seus quatro irmãozinhos mais novos. Êleera o filho mais velho'. Escola? Êle não teve tempo para pensar nisso', O trabalho duro absorvia todo o seu tempo. Quando cresceu, tornou-se um exímio pedreiro. Em pouco tempo era o líder da turma. Sentiu a necessidade de adquirir alguma cultura. Aprendeu a ler, escrever e calcular com um de seus empregados. Logo fazia suas próprias escritas, calculava como ninguém e resolvia todos os problemas .relativos

(Continuação

da

página

SILVA

JR.

a orçamento que antes eram solucionados por outros; Os que o conheciam usavam dizer: «Êsse homem é um gênio ! Já: pensou o que não faria se tivesse tido oportunidade de estudar?» Ficamos alegres ao ver exemplos de pessoas que apesar de não terem tido muitas oportunidades, conseguem sobrepujar Os obstáculos e realizar alguma coisa digna. Entretanto, existe também o Iado triste. É o caso das pessoas que têm tôdas as oportunidades da vida e as desperdiçam. Quantos jovens há que matam aula, «colam» (como se não estivessem enganando a si próprios) e desprezam as possibilidades de aprender para construir. Infelizmente, , . são coisas que 'acontecem!

V)

Viu? A maior parte do' seu dízimo entregue à Convenção Batista Brasileira vai para missões e para os seminários onde os obreiros rocebem o preparo necessário, Missões Nacionais é a evangelízação das pessoas que vivem nos ser-

des . Aliança Batista Mundial é a organização que reúne os batistas do mundo inteiro. Está vendo'? O Plano Cooperativo leva o seu dinheiro para ajudar a obra do Senhor no mundo inteiro. É um plano missionário. Você já

tões - índios e sertanejos, imigran-

sabia disto? Então agora, quando

tes e trabalhadores da 'I'ransamazônica , Missões Estrangeiras é a obra missionária em outros países como a Bolívia, Paraguai, Portugal e África. Evangelismo, Rádio e TV é a evangelização nas grandes cida-

receber algum dinheiro, seja pelo seu trabalho ou de presente, lembre-se de que deve entregar pelo menos o dízimo à sua igreja para ser usado por Deus na obra míssionária.

64

o

EMBAIXADOR


ÁLBUM MISSIONÁRIO Johann Bieri "O môço que veio de longe" seria um bonito título para a história que nosso míssíonárío aos índios mundurucus está escrevendo lá nas florestas do Pará. Pastor Johann Bieri nasceu em Bütschuil, uma vila da Suíça, no dia 24 de março de 1933. Seus pais eram crentes e assim êle recebeu uma boa influência no lar. O pai do pequeno Hans (Joãozinho, em língua alemã) era fazendeiro, mas mandou seu filho para uma boa escola, onde êle estudou durante 10 anos. Aos 16 anos, Johann aceitou a Jesus como seu Salvador, em um retiro realizado nas altas montanhas de sua terra. Uma semana depois dessa maravilhosa experiência foi para a Suíça Francesa estudar francês e lá recebeu um folheto intituIado "Por que não és um missionário?" Viu nessa interrogação uma chamada para a obra de missões, mas precisou voltar à. fazenda para substituir o pai que estava muito doente. Três anos depois, matriculou-se no seminário, estudou quatro anos e foi ser pastor na "Evangelisch Oesellchaft". Sentindo que Deus o queria no campo missionário foi à Inglaterra para aperfeiçoar sua educação, estudando a língua ínglêsa. Fêz o curso de lingüística e veio para o Brasil, indo trabalhar em Para ti-Mirim, no Estado do Rio, onde pregava a índios e a civilizados e onde chegou a realizar muitos batismos e construir um templo. Mas Deus o chamava para uma tarefa ainda mais dificil e assim, em 1964, apresentou-se à Junta de Missões Nacionais e seguiu para Sai Cinza a fim de trabalhar com os índios mundurucus. Os mundurucus são índios de pequena estatura e suas mulheres usam as orelhas e o lábio inferior furados, e o rosto pintado. Apenas alguns poucos homens da tribo entendem um pouquínho de português. 1!:lee sua espôsa, D. Edith, ficaram morando em um quarto, enquanto construíam uma casa e ali 'os índios se reuruam, às vêzes até mais .de 70 pessoas, para ouvir o pastor Bieri tocar acordeão e D. Edith contar histórias com figuras em umas poucas palavras Que já havia aprendido na língua déles. Em pouco tempo já havia traduzido vários cormhos para a língua mundurucu e podia cantar com os índios: "Topagá o' íu cabe be kipat cicã, tiporo 'i um tíetapon". (Com Cristo no barco tudo vai muito bem.) Realmente tudo ia muito bem.' Nem os "piuns" (mosquitos) durante o dia, nem os "carapanãs" (pernilongos) durante a noite, conseguiam diminuir seu entusiasmo diante da grande obra que Deus lhe entregara. Construiu, com o auxílio dos índios, uma grande casa na aldeia; construiu outra em Jacareacanga para congregação, efetuou batismos, organizou uma .escola e já alguns índios estão lendo o Evangelho de Marcos; realizou visitas ao longo do majestoso rio Tapajós, onde é o único pastor num percurso de aproximadamente mil quilômetros. Realmente, com Cristo tudo vai muito bem. ./\.té dois filhos Deus lhe deu para alegrar mais ainda o coração agradecido, Elizabeth e Haroldo. . É certo que, às vêzes, êle leva até três meses para poder enviar uma carta, que- os ataques de malária são Quase insuportáveis e que muitos índios ainda acham que batismo é só para civilizado, mas se alguém lhe perguntar, na língua dos índios que êle ama tanto: - Xípat tu (como vai), pastor Bieri? - êle responderá, como o fêz em sua primeira . carta. depois da volta das férias na Europa: - Agora estou perfeitaInente feliz. Meus pés já percorreram de nóvo tõda a terra de Sai Cinza. Esse é um resumo da história do môço que veio de longe para levar muitos brasileiros para perto de Deus. Myrtes Mathias


À GENTE RECONHECE

DE LONGE A EMBAIXADA ORGANIZADA!.

EM QUAL DAS DUAS A SUA SE ENQUADRA?

à venda nas lojas da

CASA PUBLICADORA BATISTA ou pelo reembôlso postal RUA PAULO FERNANDES 24/RIO

GB/CX. J

POSTAL 320 ZCOO

Profile for Embaixadores do Rei

O EMBAIXADOR 1971 3T  

Revista O Embaixador - 3º Trimestre de 1971

O EMBAIXADOR 1971 3T  

Revista O Embaixador - 3º Trimestre de 1971

Advertisement