__MAIN_TEXT__

Page 1

                                                                                 

                                                                                         Avctoris     Parecer  técnico  sobre  a  viabilidade  de  proteção  por   direitos  autorais  mediante  registro  não-­‐público                              

 


1 –  Relatório   Trata-­‐se   de   pesquisa   a   fim   de   buscar   esclarecer   eventuais   dúvidas   em   torno   da   viabilidade   e   consistência   jurídica   do   sistema   denominado   Avctoris   para   registro  de  direito  autoral  sem  vínculo  com  o  condão  público/registro  oficial.   Tem-­‐se   tanto   a   abordagem   jurídica   quanto   a   operacional   em   torno   de   certificações  de  data/hora  sob  padrões  internacionais.       O   questionamento   se   dá   em   torno   do   respaldo   que   o   ordenamento   jurídico   brasileiro  contempla  dentro  das  características  do  sistema  mencionado.     2  –  Parecer     Breve  histórico  da  proteção  internacional  por  direito  autoral   No  final  do  século  XIX,  especificamente  em  1886,  países  envidaram  esforços   para  estabelecer  padrões  mínimos  de  direitos  autorais  sobre  obras  literárias  e   científicas  em  uma  tentativa  de  uniformizar  a  nível  global.   Os   acordos   inicialmente   havidos   em   09/09/1886   ficaram   conhecidos   como   Convenção  de  Berna.  Sofreram  diversas  modificações1  e  a  última  atualização   foi  em  1971  em  Paris.   Como   resultado   da   Associação   Literária   e   Artística   Internacional   de   1878,   assim  como  a  Convenção  de  Paris  (CUP)  para  marcas,  a  Convenção  União  de   Berna  (CUB)  focou  os  direitos  de  autor  e  o  que  lhe  são  conexos.   1

Houve  alterações  em  Paris  a  4  de  maio  de  1896,  posteriormente  em  Berlim  a  13  de  novembro  de  1908,   completada  em  Berna  a  20  de  Março  de  1914,  revista  em  Roma  a  2  de  Junho  de  1928,  em  Bruxelas  a  26  de   Junho  de  1948,  em  Estocolmo  a  14  de  Julho  de  1967  e  em  Paris  a  24  de  Julho  de  1971.   2  


Desnecessidade de  registro  de  direito  autoral  pela  CUB  e  pela  LDA   Ante   a   leitura   de   diplomas   norteadores   do   assunto,   é   notável   o   fato   de   não   ser   exigido   o   registro   da   obra   para   se   auferir   a   tutela   do   direito   autoral,   de   acordo  com  a  CUB.       O   mesmo   posicionamento   foi   seguido   pelo   legislador   brasileiro   ao   expor   na   LDA   que   a   proteção   independe   de   registro   (art.   182)   e   que   é   facultado   ao   autor  registrar  sua  obra  em  órgão  público  competente  (art.  193,  com  leitura   necessária   do   §   1º   do   art.   17   da   Lei   nº   5.988/734,   único   artigo   daquela   revogada  Lei  de  Direitos  Autorais).     Desse  modo,  o  legislador  brasileiro  seguiu  o  padrão  internacional  desde  a  lei   de  1973,  até  a  atual  (de  1998).  Por  não  ser  necessário  o  registro,  tampouco  

2

Art.  18.  A  proteção  aos  direitos  de  que  trata  esta  Lei  independe  de  registro.    Art.  19.  É  facultado  ao  autor  registrar  a  sua  obra  no  órgão  público  definido  no  caput  e  no  §  1º  do  art.  17   da  Lei  nº  5.988,  de  14  de  dezembro  de  1973.   4  CAPÍTULO  III  –  Do  registro  das  obras  intelectuais   Art.   17.   Para   segurança   de   seus   direitos,   o   autor   da   obra   intelectual   poderá   registrá-­‐Ia,   conforme   sua   natureza,  na  Biblioteca  Nacional,  na  Escola  de  Música,  na  Escola  de  Belas  Artes  da  Universidade  Federal  do   Rio   de   Janeiro,   no   Instituto   Nacional   do   Cinema,   ou   no   Conselho   Federal   de   Engenharia,   Arquitetura   e   Agronomia.   §   1º   Se   a   obra   for   de   natureza   que   comporte   registro   em   mais   de   um   desses   órgãos,   deverá   ser   registrada   naquele  com  que  tiver  maior  afinidade.   §  2º  O  Poder  Executivo,  mediante  Decreto,  poderá,  a  qualquer  tempo,  reorganizar  os  serviços  de  registro,   conferindo  a  outros  Órgãos  as  atribuições  a  que  se  refere  este  artigo.   3   3


haver obrigação   de   sê-­‐lo   feito   perante   órgão   oficial,   qualquer   meio   que   comprove  lisura  e  padrões  de  credibilidade  técnica  pode  realizar  registro.     Não  sendo  aos  autores  obrigatório  o  registro,  vê-­‐se  que  ele  á ad  probandum   tantum,   ou   seja,   auxilia   a   comprovação   da   paternidade   anterior   sobre   determinada  obra.  Em  consonância  com  esclarecedora  comparação  de  Denis   Borges   Barbosa5,   “...ao   contrário   do   que   ocorre,   por   exemplo,   no   tocante   às   patentes  -­‐  o  direito  exclusivo  nasce  da  criação,  e  não  de  qualquer  declaração   estatal,  e  é  garantido  sem  exigência  de  qualquer  outra  formalidade  -­‐  como  a   marcação  com  o  “c”,  imposto  anteriormente  pela  legislação  americana.”     Importante  salientar  que  a  proteção  constante  naquele  acordo  internacional   não   abrange   apenas   os   direitos   patrimoniais,   como   também   os   morais   ao   assegurar   a   paternidade   e   a   integridade   sobre   a   obra   (art.   6   bis,   CUB6).   São   esses  direitos  que  perdurarão  ad  aeternum  garantindo  ao  autor  o  direito  de   sequestro  ainda  quando  não  houver  direta  repercussão  financeira,  cessando   apenas  com  o  término  da  proteção  ao  direito  autoral7.   5

a

BARBOSA,  Denis  Borges.  Uma  introdução  à  Propriedade  Intelectual.  2  edição.  Ed.  Jumen  Juris.  Disponível   em  www.denisbarbosa.addr.com/arquivos/livros/umaintro2.pdf,  acessado  em  24  de  março  de  2014.   6  Artigo  6bis,  CUB   1)   Independentemente   dos   direitos   patrimoniais   do   autor,   e   mesmo   depois   da   cessão   dos   citados   direitos,   o  autor  conserva  o  direito  de  reivindicar  a  paternidade  da  obra  e  de  se  opor  a  toda  deformação,  mutilação   ou   outra   modificação   dessa   obra,   ou   a   qualquer   dano   à   mesma   obra,   prejudiciais   à   sua   honra   ou   à   sua   reputação.  (...)   7  Artigo  6bis,  CUB  (...)   2)   Os   direitos   reconhecidos   ao   autor   por   força   do   parágrafo   1   antecedente   mantêm-­‐se,   depois   de   sua   morte,   pelo   menos   até   à   extinção   dos   direitos   patrimoniais   e   são   exercidos   pelas   pessoas   físicas   ou   4  


De acordo  com  o  professor  Denis  Borges  Barbosa8,  não  apenas  os  tradicionais   objetos  de  proteção  como  livros  e  obras  de  artes  plásticas  são  tutelados  pela   CUB.   Quaisquer   criações   redutíveis   à   noção   de   artísticas   ou   literárias,   estão   contempladas,  inclusive  se  utilizarem  tecnologias  futuras.     Importante   atentar   para   a   observância   à   soberania   nacional   dos   países   signatários  à  Berna,  pois  aquela  Convenção  respeita  legislações  nacionais  ao   decidirem  se  conferem  proteção  a  algumas  obras.  Para  o  tema  em  questão,  as   obras  que  não  ainda  não  houverem  sido  fixadas  em  algum  suporte  material9.     Fixação  em  suporte  físico   Por  meio  de  seu  Artigo  1,  parágrafo  2,  a  Convenção  de  Berna  explicita  que  a   proteção   por   direito   autoral   ocorre   após   a   fixação   da   obra   em   um   suporte   material,  o  que  pode  ser  compreendido  de  forma  exemplificativa.  O  aludido   material   pode   ser   físico   ou   intangível,   como   um   registro   que,   por   mais   que  

jurídicas a  que  a  citada  legislação  reconhece  qualidade  para  isso.  Entretanto,  os  países  cuja  legislação,  em   vigor   no   momento   da   ratificação   do   presente   Ato   ou   da   adesão   a   ele,   não   contenha   disposições   assegurando   a   proteção,   depois   da   morte   do   autor,   de   todos   os   direitos   reconhecidos   por   força   do   parágrafo   1   acima,   reservam-­‐se   a   faculdade   de   estipular   que   alguns   desses   direitos   não   serão   mantidos   depois  da  morte  do  autor.  (...)   8  “Assim,  não  só  os  livros  e  esculturas,  objeto  tradicional  de  proteção,  mas  o  multimídia,  produções  a  laser   ou  qualquer  outra  criação  com  auxílio  em  tecnologias  futuras,  cabe  no  âmbito  da  Convenção  -­‐  desde  que   redutíveis  à  noção  de  artístico  ou  literário.  “   9  Art.  2.,  2)  Os  países  da  União  reservam-­‐se,  entretanto,  a  faculdade  de  determinar,  nas  suas  legislações   respectivas,  que  as  obras  literárias  e  artísticas,  ou  ainda  uma  ou  várias  categorias  delas,  não  são  protegidas   enquanto  não  tiverem  sido  fixadas  num  suporte  material.   5  


seja externalizado   por   meio   de   documento,   in   re   ipsa,   é   imaterial.   Portanto,   o   suporte   é   o   corpus   mechanicus   sob   o   qual   a   obra   pode   ser   afixada,   diferentemente  da  obra  per  si  que  é  o  corpus  misticus  da  criação  intelectual10.     Robustecendo   essa   avaliação,   o   professor   Pontes   de   Miranda   já   pensava   dessa  forma,  pois  “...trata-­‐se  de  obra  literária,  artística  ou  científica  que  talvez   nunca  se  reproduza  (ainda  que  o  bem  incorpóreo,  que  nela  se  contém,  porque   nela  se  enforma,  nunca  se  encorpore  em  exemplares  concretos).”11     Reciprocidade  adotada  no  Brasil   Por   meio   da   reciprocidade   adotada   na   LDA,   é   conferida   proteção   aos   estrangeiros   domiciliados   no   exterior,   desde   que   seus   países   também   sejam   signatários   dos   acordos   que   o   Brasil   participa12.   Para   isso,   aqueles   países   devem  prever  o  mesmo  em  favor  dos  brasileiros  em  situação  idêntica.       No  Brasil,  os  direitos  e  as  obrigações  relativos  aos  direitos  de  autor  e  aqueles   que  lhe  são  conexos  são  regulados  pela  Lei  9.610/98  (Lei  de  Direito  Autoral  –   LDA).  Em  consonância  com  o  art.  7o  da  LDA,  “São  obras  intelectuais  protegidas   10

NUNES,   Simone   Lahorgue.   Direito   Autoral,   Direito   Antitruste   e   Princípios   Constitucionais   Correlatos,   pág.   51.  Ed.  Elsevier.   11  PONTES  DE  MIRANDA.  Tratado  de  Direito  Privado.  Tomo  XVII,  pág.  405.  Ed.  Borsoi,  1955.   12   Art.   2º,   LDA:   Os   estrangeiros   domiciliados   no   exterior   gozarão   da   proteção   assegurada   nos   acordos,   convenções  e  tratados  em  vigor  no  Brasil.   Parágrafo  único.  Aplica-­‐se  o  disposto  nesta  Lei  aos  nacionais  ou  pessoas  domiciliadas  em  país  que  assegure   aos   brasileiros   ou   pessoas   domiciliadas   no   Brasil   a   reciprocidade   na   proteção   aos   direitos   autorais   ou   equivalentes.   6  


as criações  do  espírito,  expressas  por  qualquer  meio  ou  fixadas  em  qualquer   suporte,   tangível   ou   intangível,   conhecido   ou   que   se   invente   no   futuro,   tais   como:  (...)”.  A  exegese  desse  dispositivo  introdutório  faz  coro  à  interpretação   de   Berna,   conforme   trecho   sublinhado   acima   que   está   em   sintonia   com   a   reflexão  de  Pontes  de  Miranda.  Sendo  assim,  uma  obra  é  passível  de  proteção   a  partir  do  momento  que  perpassa  o  corpus  misticus  e  se  consolida  através  de   um  corpus  mechanicus,  lhe  facultando  o  registro,  embora  aconselhável.     Nos   Estados   Unidos,   a   proteção   dos   direitos   autorais   se   dá   pela   Copyright   Law.   O   sistema   do   copyright   é   baseado   no   monopólio   do   direito   de   reprodução   da   obra,   ou   seja,   protege   a   obra   em   si,   enfatizando   sua   exploração  econômico-­‐patrimonial.     Diferentemente   da   propriedade   marcária   e   da   patentária,   que   se   adquirem   com   o   registro   validamente   concedido   pelo   Instituto   Nacional   da   Propriedade   Industrial  (INPI),  o  direito  autoral  se  adquire  com  a  fixação  da  obra  intelectual.     Diante  disso,  há  que  se  notar  que  tanto  Berna  quanto  a  Lei  n.  9.610/98  não   exigem   registro   do   direito   autoral.   A   fixação   em   suporte   (tangível   ou   não)   per   se   dá   início   à   proteção,   embora   sempre   seja   recomendado   fazê-­‐lo   a   fim   de   facilitar  a  prova  da  anterioridade  e  sua  respectiva  autoria.      

7


Ainda atualmente,  não  é  raro  o  meio  de  prova  conhecido  por  carta  enviada  a   si   mesmo,   onde   o   autor   é   remetente   e   destinatário   da   correspondência   contendo   exemplar   de   sua   obra   que   permanece   lacrada   até   decisão   judicial   que   determine   sua   abertura   para   comprovar   a   anterioridade.   Contudo,   essa   medida  é  muito  frágil  diante  da  facilidade  de  ser  burlada.       Serviço  de  postagem  certificada   O  serviço  de  certificação,  instituído  em  1955  pelo  serviço  de  correspondências   dos  Estados  Unidos  (United  States  Postal  Service  -­‐  USPS),  é  um  modo  especial   de   postagem,   onde   o   remetente   tem   a   garantia   de   que   o   seu   envio   será   entregue   com   segurança,   partindo   de   algumas   premissas   como   a   disponibilidade  de  informações  sobre  o  trânsito  da  entrega  e  o  provimento  de   sua  respectiva  confirmação.  O  serviço  é  popularmente  conhecido  pelo  "proof-­‐ mailing".   O   remetente   pode   solicitar   serviços   adicionais,   como   o   "Return   Receipt"  ou  o  "Proof  of  delivery",  pagando  taxas  adicionais.     Como   esses   são   serviços   distintos   dos   comumente   utilizados   nas   postagens,   nos   Estados   Unidos   funciona   apenas   pelos   métodos   de   envio   "Priority   Mail"   e   "First  Class  Mail".     Diante   do   advento   tecnológico   e   prezando   por   maior   agilidade,   foi   criado   o   "Certified   Email",   que   tem   o   mesmo   escopo   do   serviço   de   Correspondência   8  


Certificada, embora   trate   de   um   serviço   virtual,   mais   célere,   garantindo   a   segurança   dos   envios   físicos   pretéritos.   Tal   serviço   registra   o   conteúdo,   a   entrega   e   a   leitura   de   emails   criptografados,   inclsusive   certificando   a   hora   oficial  de  sua  abertura/leitura  e  também  comprova  a  origem  e  a  integridade   de  conteúdo.     Ainda   há   outras   formas   de   certificação   com   elevada   credibilidade,   como   a   SHA  256,  o  Carimbo  do  Tempo  (UTC)  e  a  assinatura  digital,  conforme  a  seguir.       Hashcode  padrão  SHA  256   A  codificação   criptografada  SHA  (Secure   Hash13   Algorithm)   está   relacionada   com  as  funções  criptográficas  de  arquivos  reconhecida  internacionalmente.       Há  diversas  variantes  do  SHA  (como  o  SHA-­‐0,  SHA-­‐1,  SHA-­‐2,  etc).  Atualmente,   o   SHA-­‐256   (ou   SHA-­‐2)   é   considerado   um   dos   métodos   de   criptografia   mais   seguros  do  mundo,  pois  quase  não  há  chance  de  colisão  com  outro  hashcode,   ou   seja,   é   extremamente   improvável   existirem   dois   códigos   iguais   para   arquivos   distintos,   com   probabilidade   idêntica   à   de   duas   pessoas   com   o   mesmo   DNA.   Acrescente-­‐se   a   isso   o   fato   de   não   ser   possível   descriptografá-­‐lo  

13

Uma  função  hash  é  aquela  que  leva  um  bloco  de  dados  e  entrega  uma  seqüência  de  bits  (unidade  de   dados)  de  tamanho  fixo.   9  


de volta,   sendo   ideal   para   validação   de   senhas,   autenticações,   antivírus,   assinaturas  digitais,  dentre  tantos  outros.     De   acordo   com   especialistas   em   segurança   digital,   fraquezas   matemáticas   foram   identificadas   no   SHA,   o   que   levou   ao   desenvolvimento   do   SHA-­‐1   (já   com   probabilidade   de   colidência   de   1   a   cada   100   trilhões14,   mesma   de   um   meteoro   cair   no   telhado   da   casa   de   alguém)   e,   naturalmente,   ao   do   SHA-­‐ 2(56),   embora   assegurem   que   agora   está   blindado,   sem   necessidade   de   recorrer  a  novas  certificações  SHA.    

Fonte:  www.preshing.com/20110504/hash-­‐collision-­‐probabilities/   14

De  acordo  com  www.preshing.com/20110504/hash-­‐collision-­‐probabilities/,  acessado  em  03/04/2014,  às   14:39.   10  


Carimbo do  tempo  padrão  UTC   É   um   instrumento   que   visa   certificar   a   autenticidade   temporal   de   arquivos   eletrônicos  e  protocoliza  com  base  no  Tempo  Universal  Coordenado,  ou  UTC   (Universal   Time   Coordinated),   também   conhecido   como  tempo   civil,   que   é   o   fuso  horário  de  referência  a  partir  do  qual  se  calculam  todas  as  outras  zonas   horárias  do  mundo.       Dessa  maneira,  a  integridade  do  conteúdo  e  do  momento  exato  de  transações   eletrônicas  ficam  comprovadas  com  robusta  segurança  de  informações.  Todo   material  é  passível  de  auditoria  e  confirmação  de  autenticidade.         Assinatura  Digital  (EUA)   É   mais   uma   forma   segura   de   certificar   a   autenticidade   de   informações   contidas   em   documento   eletrônico;   permite  a   troca   de   documentos,   com   autenticação,   sigilo   e   integridade   de   conteúdo.   Apenas   usuários   devidamente   autorizados  podem  realizar  modificações.             11  


Conclusão Como  exposto,  segundo  a  Convenção  de  Berna  sobre  os  direitos  do  autor  e  a   lei  brasileira,  o  registro  de  direito  autoral  não  é  obrigatório.  No  entanto,  ainda   que   a   obra   intelectual   não   necessite   ser   registrada   para   que   o   autor   tenha   seus   direitos   protegidos,   o   mesmo   virá   a   servir   como   prova   da   autoria   para   demonstrar  quem  a  exteriorizou/fixou  primeiro.     Já   a   propriedade   de   marca   ou   de   patente   têm   o   objetivo   de   distinguir   uma   empresa  no  mercado  consumidor,  visto  que  garantem  ao  seu  titular  o  direito   de  uso  exclusivo  em  todo  o  território  nacional  mediante  concessão  pública.     Deste   modo,   ao   nosso   entendimento,   o   sistema   denominado   Avctoris   pode   servir  para  registrar  uma  obra  por  direito  autoral  sem  prejuízo  jurídicos  pela   desnecessária  intervenção.     Dessa   forma,   concluímos   pela   viabilidade   do   sistema   Avctoris,   na   forma   como   nos   foi   apresentado:   mediante   a   chancela   de   certificação   de   envio/recebimento   de   emails   certificados,   bem   como   de   confirmação   de   data   horário  por  padrões  internacionais.     3  –  DATA  DE  REALIZAÇÃO   Recife,  03  de  abril  de  2014.     12  


4 –  PROFISSIONAL  RESPONSÁVEL  POR  ESTA  PESQUISA   Ticiano  Tôrres  Gadêlha  –  OAB/PE  29.088     5  –  BIBLIOGRAFIA   BARBOSA,  Denis  Borges.  Apostila  III.  Signos  Distintivos.  IBMEC.   BIANCHINI,   Hudson   Carvalho.   O   contexto   social   da   proteção   do   Direito   Autoral.  Disponível  em:  <http://nit.unifenas.br/?p=141>.   DI  BLASI,  Gabriel.  A  Propriedade  Industrial.  3ª  Edição.  Editora  Forense.  2010.   LEI  Nº  5.988,  DE  14  DE  DEZEMBRO  DE  1973  (Antiga  Lei  de  Direitos  Autorais).   LEI  Nº  9.610,  DE  19  DE  FEVEREIRO  DE  1998  (Lei  de  Direitos  Autorais  –  LDA).   OMPI.  A  Criação  de  uma  Marca.  Série  sobre  A  Propriedade  Intelectual  para  o   Comércio  e  a  Indústria.  Número  1.   SCHMIDT,  Lélio  Denicoli.  A  Distintividade  das  Marcas.  Editora  Saraiva.  2013.   WIPO.  OMPI.  INPI.  Módulo  3:  Direitos  Autorais.  DL  101P  BR.   www.digicert.com/sha-­‐2-­‐ssl-­‐certificates.htm   www.freeformatter.com/sha256-­‐generator.html#sha256-­‐explained   www.preshing.com/20110504/hash-­‐collision-­‐probabilities/  

13

Profile for E-Marcas

Avctoris Parecer 03 04 14  

Parecer jurídico sobre o sistema Avctoris de registro de Direito Autoral

Avctoris Parecer 03 04 14  

Parecer jurídico sobre o sistema Avctoris de registro de Direito Autoral

Profile for emarcas
Advertisement