Page 1

Ano I – Nº2 – Agosto de 2009 www.peninsulanet.com.br

Revista

Península este exemplar é seu

E ainda: A relação de pais e filhos no século XXI. Mudou? Dicas, serviços, lazer, festas e muito mais para você

Arraiá do Matoso,

a festança tomou conta da Península


Morador da Península: conquiste o privilÊgio de trabalhar perto de casa. E o luxo de deixar o carro na garagem. AlÊm do desconto especial, você ganha uma bicicleta na COMPRADEUMAUNIDADEDO#%/  Vålido somente no dia do lançamento, 19/08.

" / 5 , % 6! 2 $ $ 2 ) 6 % s # / 2 0 / 2 !4 % s / & & ) # %

Morar e trabalhar de forma integrada

Muito mais tempo para a famĂ­lia

Muito mais qualidade de vida


Eugenio

,!.—!-%.4/ s   

Foto ilustrativa

MAJESTOSO LOBBY COM PÉ-DIREITO DE 8 METROS $%!,452!s·.)#/./2)/ LAJES CORPORATIVAS PADRÃO TRIPLE A SALAS COMERCIAIS DE 36 A 75 M2 JUNÇÕES DE ATÉ 1.268 M2 LOJAS DE ALTO PADRÃO

AMPLA INFRAESTRUTURA DE SERVIÇOS

DESIGN, CHARME E UM LIFESTYLE ÚNICO

VISITE AS 2 SALAS DECORADAS NO BARRA EXPERIENCE

AV. VIA PARQUE

AO LADO DA 2a ENTRADA DA PENÍNSULA

www.ceocorporate.com.br INFORMAÇÕES:

2173-3500 3539-5011


Editorial esta segunda edição da Revista Península, confirmamos que todo esse trabalho de comunicação é feito exclusivamente para você. Esse é mais um novo canal de interatividade, que precisa de sua participação e sugestão. O que acontece na Península, das festas aos delicados momentos de lazer em família, está em nossas páginas. Sorrisos, encontros, descontração. E, emoldurando este álbum, o verde e a proteção do meio ambiente. É um privilégio morar aqui, e percebemos isso numa simples caminhada. Mas o que é bom pode ser sempre melhor, porque a nossa busca pelo aprimoramento é real e diária. Assim, nós da Associação Amigos da Península pensamos, vivemos e colocamos em prática este conceito de oferecer administração e logística que atendam aos seus anseios.

N

E dentro desta visão macro, precisamos estreitar as relações, passar mais informação para você e para sua família, trocar ideias e buscar esse feedback tão almejado. A Península é um lugar especial, alicerçado no tripé: equilíbrio ambiental, sustentabilidade do planeta e responsabilidade individual. E quem busca um espaço assim para morar deseja, no presente, mais qualidade de vida e contribui para a construção de um futuro melhor. E tudo isso requer desejo, conhecimento, informação, troca. Assim, acreditamos que a nossa Revista é mais uma ferramenta de mudança e de transformação. Participe, ela foi criada para pessoas como você, gente antenada e de bem com a vida. ASSAPE

Revista Península é uma publicação da Editora Util Comunicação & Design

Presidente Carlos Felipe Andrade de Carvalho Vice-Presidente Sergio Lopes Gerente Administrativo/Financeiro Jorge Leone Gerente de Relacionamento Cláudia Capitulino www.peninsulanet.com.br revistapeninsula@peninsulanet.com.br 21 3325 0342

Diretora Administrativa Rebeca B. Maia Editora Responsável Tereza Dalmacio terezadalmacio@utilcd.com.br Colaboradores Karen Montenegro | Cláudia Silveira Fotografia Jorge Carvalho | Thiago Esteves | Bruno Leão Revisão Giselle Martins Design e Projeto Gráfico Rafael Carvalho rac.rio@gmail.com Comercial Victor Bakker victor@utilcd.com.br | Marcio Ayres marcio@utilcd.com.br | Bruno Faria bruno@utilcd.com.br Estrada da Barra da Tijuca, 3886 – Sala 222 - Itanhangá Barra da Tijuca – RJ contato@utilcd.com.br | utilcomunicacao.blogspot.com 21 3471 6799 | 7898 7386 | 7898 7623 | 7850 1489 | 7880 4914

4

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009 Painel_maio_2009.indd 20

18/5/2009 17:41:26


Sumário

16

24 8. Entrevista | Tiago Mohamed 12. Entrevista | Sandra Dias 14. Lançamento | Revista Península 16. Festa | São João 18. Blog do Sergio 20. Colônia de Férias 22. Porta-Retrato 24. É de casa | Fabrício Mamberti 30. Especial | Dia dos Pais 36. Regras | Quiosques 40. Saúde e Beleza | Pilates

08 REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

5


SALA DE ESTAR

Sala de estar Revista Península é um veículo de comunicação criado para você, morador, e por isso mesmo, é fundamental a sua participação para o sucesso deste lançamento. Sugira temas, nos envie sugestão de pautas, mande a foto que quer ver publicada, participe,

A

interaja, escreva pra gente. Essa sala de estar é para receber você e saber o que gostaria de encontrar na sua Revista Península. Aponte o tema, e nós vamos buscar as informações que você deseja. Até o próximo encontro, e sempre com a sua participação.

“Parabéns pela revista. Ótimas diagramação e apresentação, textos interessantes. Com certeza, uma ótima forma de divulgar e melhorar a área comum e os serviços da Península”. Felipe Donati

“Bom, pensei muito antes de dar essa sugestão. Então vamos lá. Gostaria de sugerir em uma de nossas páginas, um espaço para nós, "simples mortais", interagirmos com a revista através de receitas simples e deliciosas, para onde mandaríamos nossas receitas e a melhor da semana ou do mês seria selecionada e publicada”. Rita Biancamano

Obrigada pela participação, e a sugestão é muito bem-vinda e aceita, portanto, aguardamos as saborosas receitas para a Edição 03.

Recadinho:

Bem-vindos os moradores do mais novo condomínio da Península, o FIT. A Assembleia de Instalação foi dia 24 de junho e os novos vizinhos já estão chegando. Parabéns!

6

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009


ARMAZÉM

Armazém ocê sabia que, mais de 500 anos depois do descobrimento do Brasil, a mais antiga das práticas comerciais, o escambo, ganha força novamente no mercado? Segundo o International Reciprocal Trade Association (IRTA), a troca de produtos e serviços movimenta, informalmente, quase 800 milhões de dólares por ano no país. E nós vamos aumentar, mesmo que timidamente, essa cifra. Esse espaço aqui é o seu Armazém, para venda ou troca de objetos entre os moradores da Penín-

V

sula e também para os parceiros que prestam serviços aqui.Vamos funcionar como um pequeno classificado. Anuncie o seu produto ou serviço. Faça um bom negócio sem sair de casa. Maiores informações pelo telefone 3325 0342 ou pelo e-mail revistapeninsula@peninsulanet.com.br.

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

7


ENTREVISTA TIAGO MOHAMED

Rio de Janeiro, trabalho e dedicação para manter a cidade sempre maravilhosa //texto por Tereza Dalmacio //foto por Thiago Esteves

MUITA GENTE NÃO IMAGINA COMO É COMPLICADO ADMINISTRAR UMA CIDADE QUE, DE ACORDO COM O IBGE, TEM MAIS DE 6 MILHÕES DE HABITANTES. O RIO DE JANEIRO É UM DOS PRINCIPAIS CENTROS ECONÔMICOS, CULTURAIS E FINANCEIROS DO BRASIL. POSSUI O SEGUNDO MAIOR PIB DO PAÍS E O 30º DO MUNDO. MANTER A NOSSA CIDADE OPERANTE, MINIMIZAR A VIOLÊNCIA E OS PROBLEMAS URBANOS DE TODA GRANDE METRÓPOLE É UMA HIPERTAREFA PARA O PREFEITO EDUARDO PAES E TODA A SUA EQUIPE. PLANEJAMENTOS, ESTUDOS, PESQUISAS E, PRINCIPALMENTE, PROFISSIONAIS QUALIFICADOS TECNICAMENTE DIVIDEM ESSA RESPONSABILIDADE COM O CHEFE DO EXECUTIVO MUNICIPAL. município está dividido em 06 subprefeituras que englobam, ao todo, 34 regiões administrativas. São subdivisões que aproximam e tornam a administração municipal mais acessível aos cariocas. Uma forma de descentralizar e tornar as ações mais efetivas, resultando em bem-estar e melhoria da qualidade de vida para a população.

O

O RIO CONTINUA LINDO A subprefeitura da Barra da Tijuca tem realizado um trabalho significativo para essa área. No comando,Tiago Mohamed Monteiro, 31 anos, casado, pai de dois filhos, administrador de empresas, com pós-graduação em Marketing, um batalhador incansável quando o assunto é o crescimento sustentável de toda essa região. O subprefeito está afinado com o prefeito Eduardo Paes e conhece profundamente o direcionamento e os planos de governo da administração municipal. “Trabalho como assessor de Eduardo Paes desde 2000. Entre 2001 e 2003, fui assessor da subprefeitura da Barra e de Jacarepaguá. Tudo isso, hoje, me serve de bagagem para realizar um trabalho transparente, direcionado a essa comunidade.” Comenta o subprefeito Tiago Mohamed.

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO A Barra é formada por oito distritos - Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes, Vargem Pequena, Vargem Grande, Camorim, Grumari, Joá e

8

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

Itanhangá, e a população gira em torno de 220 mil habitantes. Sua área total é de 165,59 km², pouco maior que a cidade de Miami. É uma região considerada nova e classificada como de alto desenvolvimento pelo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH=0,959). Os dados demográficos indicam que a região foi a que mais cresceu no município na década de 1990: cerca de 44%, ou 124 mil novos moradores. O maior aumento populacional ocorreu na segunda metade da década, com uma taxa relativa de crescimento de 26%, ou 45.721 mil novos residentes.* Muitos poderiam dizer - uma pedreira para a administração -, mas na verdade, uma grande motivação para toda essa equipe jovem do subprefeito Tiago Mohamed.Vamos agora conhecer um pouco mais desse trabalho e saber quais foram as mudanças mais significativas e o que ainda está por vir. Revista Península: Qual é o direcionamento da subprefeitura para a Barra da Tijuca? Tiago Mohamed: A tônica adotada no início dessa gestão foi a ordem pública e a retomada da conservação da cidade. Nesse aspecto, a subprefeitura conseguiu avançar de forma expressiva, coordenando operações de poda de árvores e de revitalização de praças em diversos pontos da região. Revista Península: Quais os resultados já alcançados na sua gestão?


ENTREVISTA TIAGO MOHAMED

globa Barra, Recreio e Jacarepaguá, no mesmo período, totalizou 110 demolições. Revista Península: O prefeito Eduardo Paes acompanha de perto o trabalho realizado aqui. E como é esse acompanhamento? Tiago Mohamed: Uma das primeiras ações do prefeito Eduardo Paes foi reduzir o número de subprefeitos de 18 para 6. Essa redução promoveu uma aproximação entre prefeito e subprefeitos, que podem discutir as demandas e os anseios da população carioca. Eduardo Paes acompanha de perto as ações das subprefeituras. E pelo fato de já ter sido subprefeito, ele sabe como deve ser o trabalho e está sempre atento, orientando para que tudo seja feito da melhor forma possível. Revista Península: Quando o cidadão da Barra deve recorrer à Administração Regional, em que casos? Tiago Mohamed: O cidadão deve procurar a subprefeitura para todas as questões relacionadas à administração pública municipal. Isso porque, a subprefeitura funciona como um interlocutor entre o cidadão e os órgãos municipais, na busca de soluções para os problemas encaminhados. Tiago Mohamed: Uma demanda antiga da comunidade da Barra era a retirada das chamadas “ilhas de tráfego” da Avenida Lúcio Costa, em frente à Reserva, que prejudicavam o trânsito no local. Essa questão foi resolvida logo em janeiro. Vale destacar as operações de fiscalização nas boates da Avenida Armando Lombardi e da Avenida das Américas, que culminou com a interdição de duas delas. Além dessas ações, o principal resultado é a prefeitura estar voltando a exercer sua autoridade, coibindo as irregularidades em prol do ordenamento urbano. Outro exemplo são as demolições de construções irregulares. A área da subprefeitura é recordista nesse aspecto: de janeiro a junho, em toda a cidade, foram 220 demolições e a área que en-

Revista Península: O combate à desordem urbana é um ponto importante do governo de Eduardo Paes. Quais são as ações mais importantes realizadas na Barra? Tiago Mohamed: Na questão do ordenamento urbano, a subprefeitura tem atuado na repressão a irregularidades em toda área. Contamos com uma equipe de controle urbano que está nas ruas diariamente para combater a desordem, além do trabalho do “Barra Bacana”. Ainda no que se refere ao ordenamento urbano, a subprefeitura coordenou mais de 110 demolições de imóveis irregulares. Na área da Barra e do Recreio, destaque para a retirada de imóveis na Avenida Gilka Machado com Estrada do Pontal, e de uma

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

9


ENTREVISTA SERGIO LOPES

casa na Rua Poeta Martinho de Mesquita (próximo à Avenida do Canal) que estava obstruindo a rua. Futuramente, a prefeitura pretende abrir esse trecho para desafogar o trânsito da Avenida Lúcio Costa. Revista Península: A Península, situada na Barra, é uma área de 750 mil m², do tamanho do Leblon, um projeto inovador que conjuga crescimento consciente e sustentabilidade. Há uma demanda de ações da subprefeitura para o bom funcionamento desse espaço? E como é a relação com a ASSAPE? Tiago Mohamed: Toda e qualquer ação da subprefeitura na Península será de atendimento às solicitações dos moradores. Nossa relação com a ASSAPE é ótima. Participei de um encontro para discutir alguns problemas e, juntos, conseguimos avançar nas soluções como, por exemplo, o projeto de sinalização das ruas internas. Revista Península: Para finalizar, qual o seu maior objetivo como subprefeito da Barra da Tijuca?

Tiago Mohamed: Espero, até o final da minha gestão, ter conseguido que os serviços funcionem da melhor forma possível para atender plenamente ao cidadão carioca.

SAIBA EM QUE CASOS VOCÊ PODE RECORRER À SUBPREFEITURA DA BARRA DA TIJUCA. Av. Ayrton Senna, 2001 | 2431-1771 ·Acolhimento de população de rua ·Autorização para realização de eventos em logradouros públicos ·Comércio ambulante irregular ·Conservação de marquises e fachadas de imóveis ·Conservação de praças e de logradouros públicos ·Cumprimento de posturas municipais ·Danos ao meio ambiente ·Desobstrução de galerias de águas pluviais ·Desratização ·Estacionamento irregular ·Iluminação pública ·Infiltrações nos imóveis ·Limpeza de logradouros públicos ·Obras irregulares ·Poda e remoção de árvores ·Poluição do ar ·Poluição sonora ·Recapeamento asfáltico (Tapa-buraco) ·Remoção de entulho *Fonte de Pesquisa: Portal da Prefeitura do RJ, Wikipédia e IBGE.

10

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009


MERCADO DE TRABALHO NETWORKING

Networking Você pode não ter ouvido falar, mas sabe o que é //Texto por Andréa Corrêa

ustavo é irmão da Renata, que é amiga do Eduardo, que trabalha com a Paula, que é vizinha da Fernanda, que está procurando um profissional para trabalhar em sua empresa. Paula lembrou que, no aniversário do Eduardo, conheceu a Renata, que comentou que seu irmão, Gustavo, estava em busca de um emprego. Na hora, Paula indicou Gustavo para trabalhar com a Fernanda. A colocação de Gustavo no mercado de trabalho não é apenas fruto do velho conhecido – e muitas vezes mal interpretado – QI (quem indica). Hoje, mais conhecido como networking que, apesar do nome complicado, nada mais é do que a prática de desenvolver e explorar a sua rede de contatos e relacionamentos (network): amigos, colegas de escola e faculdade, colegas de trabalho, ex-empregadores, clientes, fornecedores e até mesmo parentes. Fazer contatos e manter uma boa relação com eles pode significar grandes passos na carreira. Pesquisa recente mostrou que quase 50% dos profissionais conseguem emprego graças à indicação de conhecidos.

G

O mais importante no networking não é quantos nomes você tem em sua agenda telefônica, mas quantas vezes você aparece na agenda das outras pessoas. E mais importante ainda: quantas vezes você é lembrado por essas pessoas. O networking é um dos patrimônios mais valiosos, tanto em aspectos profissionais quanto pessoais. Mas ele deve ser usado frequentemente e com bom senso. Só ligar para aquele colega quando está precisando de um emprego é chato demais. A pessoa pode ser vista como oportunista e denegrir sua imagem perante o mercado. Fazer uma lista com todas as pessoas que conhece; agrupar o nome de quem tem relação direta com a sua atividade profissional; localizá-las e saber as empresas em que trabalham e os cargos que exercem; manter contato com a rede, principalmente quando está empregado, e alimentá-la participando de eventos são as recomendações principais para ter sucesso com networking. DICAS DE NETWORKING • Procure sempre manter uma boa reputação, seja no pessoal e/ou profissional; • Demonstre disponibilidade e procure conhecer o maior número possível de pessoas; Evite forçar a barra com novos contatos. Respeite os limites dos outros; • Nunca ligue para alguém para simplesmente pedir emprego, por mais que isso seja urgente em sua vida. Com sutileza, peça dicas para pessoas que já conhecem o seu trabalho; • Seja solícito sempre. Lembre-se: hoje você ajuda e, amanhã, essa pessoa pode ajudá-lo; • Mantenha seus contatos com frequência. Não vale ligar só quando está precisando; • Faça cartões de visitas e procure trocá-los com outras pessoas sempre que puder. REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

11


PONTO DE VISTA

O individual que transforma o coletivo SANDRA DIAS, ADVOGADA, CASADA, MÃE DE DOIS FILHOS, ATIVIDADES QUE ENCHEM O DIA TODO DE QUALQUER PESSOA, MAS ELA AINDA ENCONTRA TEMPO E MUITA ENERGIA PARA COLABORAR COM O ESPAÇO EM QUE MORA, BUSCANDO MAIS ORGANIZAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE PARA O TODO. “É ATÉ CLICHÊ, MAS SE CADA UM FIZER A SUA PARTE, FICA MUITO MELHOR PARA TODO MUNDO”. Sandra Dias: A minha motivação sempre foi a de ter certeza de que as coisas correriam sempre para o bem. Eu queria poder participar das decisões dentro daquilo que eu acredito ser o melhor, não para mim efetivamente, mas para o local, para o todo. Porque eu sei que, sendo assim, eu também ganho mais qualidade de vida. Por exemplo, eu não uso o transporte da Península, mas passei a usar para poder entender a logística, já que participo da Comissão de Transporte. Então, comecei a ir ao Barra Shopping de ônibus com a minha filha, numa forma de detectar o que precisava melhorar e quais mudanças seriam necessárias para atender aos moradores. Conhecendo, é possível decidir melhor. E muitas mudanças ainda estão por vir. Revista Península: E na Comissão de Segurança, da qual acabou de se desligar, quais foram as mudanças mais marcantes?

esse pensamento permeia a vida de Sandra Dias, moradora da Península desde 2005, que participa da Comissão de Transporte, é Conselheira Comunitária, subsíndica do seu prédio e acaba de assumir também a Comissão de Laudêmio. Nos últimos seis meses, pertenceu também à Comissão de Segurança e deixa agora esta função para se dedicar mais às outras atividades dentro da ASSAPE.

E

Revista Península: Dra. Sandra, qual foi a sua motivação para participar das Comissões?

12

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

Sandra Dias: A segurança em si é um dos fatores principais para vir morar aqui. É o grande chamariz. Mas ninguém acredita, efetivamente, que morar num condomínio vai te fazer a pessoa mais segura do mundo. Na verdade, quando se começou aqui, era tudo um pouco precário. Precisávamos criar um método de controle.Aí foi feito todo um trabalho de entender o processo. Sabíamos que eram 21 postos: 5 motociclistas, 6 vigias na trilha (a pé e de bicicleta), 1 em cada parque, 3 em cada portaria, motorista e supervisor. De tudo isso tínhamos conhecimento, mas, caso acontecesse alguma coisa, qual seria a forma de resolver a questão? Havia um procedimento específico para cada caso? Como a segurança vai


se portar diante de um morador num evento X ou Y? É pra chamar a polícia ou não chamar a polícia? Como abordar cada situação? Levantamos todas essas questões e criamos assim, um método, uma forma de resolver cada episódio. A minha experiência no Juizado Especial Criminal foi muito útil na elaboração desse padrão de procedimento para a atuação da equipe de segurança na Península. Revista Península: E como as queixas dos moradores chegam às Comissões? Sandra Dias: Na ASSAPE, tem um livro de registro de ocorrência. Tudo está anotado ali de forma bem clara: sugestões, críticas, reclamações. Em nossas reuniões, cada registro desses é avaliado, e as medidas tomadas para a resolução. É interessante dizer que há muita reclamação e o mais interessante é que os reclamantes são sempre as mesmas pessoas. Não seria muito mais interessante se, ao invés de apenas reclamar, as pessoas se engajassem em alguma comissão, que contribuíssem também para a melhoria da nossa comunidade? Fica a minha sugestão. “Escolha uma comissão, traga as suas ideias, suas sugestões, o seu esforço vai gerar mais qualidade de vida para você e para todos que aqui residem.” Revista Península: O que você diria ao morador da Península para que ele participe mais da vida da comunidade? Sandra Dias: Eu diria a eles o que eu penso efetivamente: quando você decide fazer um investimento alto aqui dentro - onde você está confiando a sua família, o que você tem de mais precioso, enfim, o que você trabalhou para ter – eu acho que você tem que participar. Muita gente diz que não tem tempo, tem gente que realmente não tem, mas você tem que fazer um esforço. Assim como você tem que encontrar um tempo para cuidar da sua saúde, da sua alimentação, para fazer uma atividade física, porque senão você pode enfartar. Se a gente quer,

a gente consegue. Essa é a verdade. Escolha uma comissão, traga as suas ideias, suas sugestões, o seu esforço vai gerar mais qualidade de vida para você e para todos que aqui residem. Revista Península: Como você vê o trabalho da equipe da ASSAPE? Sandra Dias: Como nós todos aqui, essa equipe também está aprendendo muito, com as comissões, com os moradores, é todo um processo de aprendizado. E é fácil observar que todos eles são extremamente esforçados, dedicados, que não há hora pra sair. Vejo que estão comprometidos, muitas vezes, até sobrecarregados. O trabalho deles é delicado por envolver moradores, cada um pensando de um jeito, sem falar das construtoras... E conseguir chegar a um denominador comum em extremos, em vontades, é difícil. Mas eles estão engajados, acertam muito mais que erram. Há informação, conhecimento e preocupação permanente em acertar. Infelizmente escutam muito mais críticas do que elogios, porque é muito mais fácil apontar erros do que reconhecer valores e acertos. Mas é uma turma afinada e comprometida com o bem-estar dos moradores da Península.

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

13


LANÇAMENTO REVISTA PENÍNSULA

Revista Península, feita para você A REVISTA PENÍNSULA FOI LANÇADA NO DIA 15 DE JULHO COM A PRESENÇA DE VÁRIOS MORADORES. A ALEGRIA E A DESCONTRAÇÃO MARCARAM PRESENÇA. NO CLICK DO FOTÓGRAFO THIAGO ESTEVES, ALGUNS MOMENTOS DA FESTA.

ara nós da Carvalho Hosken, que idealizamos o bairro Península há mais de 20 anos, foi uma grande satisfação acompanhar a “gestação” e o nascimento da sua Revista que, em seu primeiro número, revela alguns dos seus encantos e das atividades de seus encantadores moradores. Ao se elaborar este magnífico instrumento de comunicação e de relacionamento, estamos dando um importante passo na direção da socialização desta grande comunidade chamada Península. Uma comunidade alegre e consciente, que soube prestigiar, no último dia 15, o lançamento de sua revista. Foram momentos especiais vividos no estande de

P

vendas do FontVieille, onde se pôde saborear um bom vinho, encontrar os amigos e botar a conversa em dia. Parabéns a todos os felizes moradores da Península por mais esta conquista e, em especial, parabéns ao Sergio Lopes e a todos de sua equipe administrativa, Conselheiros Comunitários e Conselheiros Fiscais que, de forma tão profissional e carinhosa, receberam a todos os que estiveram presentes no evento.

Diretor de Marketing | Carvalho Hosken

Sergio Lopes, Vice-Presidente da ASSAPE, e Ricardo Corrêa, Diretor de Marketing da Carvalho Hosken

14

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009


RETROSPECTIVA RE RET ETR ET TROSP RO OSPE OSP SP PECTIV PE CT C CTI TIIIV TIV T VA FEST FESTAS F FE EST E ES ST S TA AS S E MUITA MUI M MU U UIIT TA A DESCONTRAÇÃO DE ESC ES ESCO SC SCO S CONT CO ONT NTR NTRA N TRA TR T RAÇÃO RA AÇ ÇÃO ÇÃ ÃO Ã O

do a nossa Revista

Rafael Dang e a namorada, conhecen

As estrelas da capa da 1ª Edição: Dan

iela Italiani e a pequena Emilie

A incansável equipe da ASSAPE

Ique, entrevistado da 1ª edição, distribuindo autógrafos

ícia Rocha

Rodrigo Otávio, Carmem Abreu e Patr

Marco Beraldo, Maria Lúcia Machens e Amélia Nunes Jardim REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

15


PORTA-RETRATO SÃO JOÃO

Óia o arraiá aí, gente! //Texto por Cláudia Silveira //Fotos Jorge Carvalho

uem disse que julho não é mês de festa caipira? No último dia 25, o som do forró do grupo Cassiano e o Trio Beijaflor invadiu a Península durante o 3º Arraiá do Zé Matoso, em uma festança que contou com a participação da quadrilha do Sampaio, e do animador Salsicha no comando das brincadeiras da garotada e o apoio das empresas, RJZ Cyrela e Carvalho Hosken. Isso, sem falar na cama elástica, no cotonete e alpinismo inflável e na piscina de bolas, brinquedos gratuitos que ficaram à disposição da turminha mirim no parquinho especialmente montado para ela, além das barraquinhas

Q

de 4000 pessoas, entre moradores e O frio não diminuiu a empolgação das cerca do Matoso, no último dia 25. convidados, que brincaram no 3º Arraiá

muitas brincadeiras com O animador da festa, Salsicha, com a turma mirim, depois de de sebo ao lado do pau até direito a brindes e a dança para meninos e meninas. Teve palco! 16

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

com pescaria, argola e bola na lata. Como não poderia deixar de ser, o Arraiá teve comida - e muita! -; delícias de várias partes do país e para todos os paladares em quase 30 barraquinhas; de caldos a churrasquinho, de crepe a produtos tipicamente nordestinos. Mas nada disso teria sentido se não fosse a participação de cada morador, motivo principal da nossa festa. A você, que deu sua contribuição para que mais esse evento fosse um sucesso e participou levando a família, o desejo de que possamos nos encontrar em breve. Até o 4º Arraiá!

Até parecia o Clube da Luluzinha: Mar iana Neves (esq.), Michelle Gappo, Mar ina Cerqueira, Beatriz Masseli (convidada), Carolina Freitas (convidada) e Ana Carla Laviano, todas com 15 anos. “Aqui é muit o legal, porque você tem liberdade para trazer as pessoas”, comentou Ana Carla.

Cassiano e o Trio Beija-flor foram incansáveis. A animação do grupo de forró não deixou ninguém parado. A apresentação começou por volta das 16h e só terminou pouco antes da exibição da quadrilha do Sampaio, em torno das 22h30.


PORTA-RETRATO SÃO JJOÃO

e toda a festa, a cama elástica, uma das Felipe, de 4 anos, aproveitou durante quas u com brinquedos como cotonete e alpinismo atrações para a garotada, que também conto inflável no parquinho.

Lisie Sá com as irmãs gêmeas Bruna e Júli a, de 5 anos, ao lado da madrasta Bianca Rodrigues. “Antes mesmo do prédio (Vila Bella) ficar pronto, eu já vinha em todas as festas daqui com elas (as irmã s), como na anterior, a do meio ambiente”, conta Lisie.

Sr. Gustavo Ribeiro, membro da Comissão de Festa Julina, se divertindo com a família. Ana Luísa, de 1 ano e 2 meses, com a mãe Fabiana Brandão: “Sou de São Paulo, mas adoro morar aqui, aproveito as festas com ela (Ana)”

Patrícia Bastos com a filha Mell, de 4 anos, no jogo de argolas.

Patrícia de Moraes Rocha disse que “A intenção da Comissão de Festa Julina era organizar tudo, mass Fernandes, Ana Cristina e Rita o tempo foi curto, por isso, contratamos uma empresaa Trio animado da Comissão de Festa Julina – Carmem o dos moradores na Península (Lula Eventos) para nos ajudar. Os moradores sempre pre Biancamano –, que aponta como fundamental a integraçã esperam muito dessa festa."

Rodrigo Otávio Monteiro venceu a ansiedade depois que viu o sucesso da festa que ajudou a organizar. “Superou as nossas expectativas”, disse animado.

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

17


BLOG DO SERGIO PLANETA TERRA

Esse é um espaço democrático, onde colocarei a minha opinião sobre diversos temas e onde você pode participar, enviando sugestões de pauta ou deixando seu recado no meu blog. O único compromisso é com a ideia, com a expressão real, com o que penso e sinto. De qualquer forma, seja bem vindo e espero que goste.

Blog do Sergio PLANETA TERRA stamos sendo realmente responsáveis com o cuidado do meio ambiente? Nos colocamos assim, ou isso é apenas mais um clichê? Engraçado, muitos falam ‘vamos salvar o mundo’, ‘viva o verde’, ‘estes caras poluem e nós pagamos a conta’, mas o que fazem de fato? Quem vem da geração que, hoje, tem mais de 40 anos se viu com uma série de novas notícias e novas expressões como “a poluição chegou”, “resíduos sólidos”, “poluição atmosférica”, “mudanças climáticas”, “créditos de carbono”, “lixões”, “aterros sanitários”, “vazamento de óleo”, “praia contaminada”, “poluição hídrica”, “acidente ambiental”... Que coisa estranha, chato isto, ninguém cuidava do meio ambiente e, hoje, eu tomo todos os cuidados, leio nos jornais as noticias, participo de conversas com amigos, falo como o mundo deveria ser mudado, como as indústrias podem poluir menos, das políticas públicas que deveriam ser adotadas e de que nossos governantes deveriam fazer a sua parte.

E

VOCÊ PAROU PARA PENSAR SE EFETIVAMENTE VOCÊ FAZ A SUA PARTE? Reparou que, no colégio, quando estudava, você não tinha matérias como “ecologia”, ou “meio ambiente”, mas, hoje, seus filhos as têm e elas fazem algumas observações como “as cores da coleta seletiva”, falam em Protocolo de Kioto, “salvar a natureza”, “compostagem”, “destinação correta de resíduos” e, muitas das vezes, você pouco ou nada sabe sobre o tema? Façamos uma pequena reflexão do café da manhã em nossa casa num sábado. Aquele que gostamos de tomar com o dia calmo, uma mesa com um bom pão francês, café, leite, suco, frutas, presunto, queijo, peito de peru e um bolo - antes que falem “Cara pálida, quem toma este café

18

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

da manhã na Península com pão francês?” (risos), esclareço que é o café de nossos sonhos, com a tranquilidade e qualidade que merecemos. Mas, para este suposto café, alguém foi à padaria e/ ou ao supermercado e comprou pão, presunto, queijo, peito de peru, a fruta, o bolo ou o material do bolo, café, o leite, mas e o custo ambiental para se fabricar estes produtos? A emissão gasosa para se ir buscar estes produtos, as embalagens, sacos plásticos, lavagem com água e detergente dos pratos, enfim, qual o custo ambiental deste processo? Qual a destinação dos resíduos? Não, não sou alarmista nem tão pouco xiita, mas geramos individualmente tanto lixo diário que assusta ao contabilizarmos: cada habitante gera 1,5kg lixo/dia. Isoladamente é muita coisa. Agora multiplica isso pela população só do Brasil. Aterrorizante... não vale a pena nem pensar. Mas o que podemos fazer para usufruir de todo esse conforto sem atacar a nossa casa maior, o planeta Terra? Acredito que, nas ações do dia- a- dia, atingimos grandes objetivos. Que tal começarmos a segregar, reciclar o nosso lixo, ao invés de jogar tudo pelo duto do edifício? Que tal a carona solidária? E evitar pegar sacolas plásticas em excesso, e guardar as pilhas para devolver adequadamente? Separar o óleo de cozinha? Evitar iluminação e aparelhos de ar condicionado ligados desnecessariamente? Atitudes que eu, você, o nosso vizinho pode tomar. E é bom lembrar: cuidar do planeta, no mínimo, é cuidar da preservação dos filhos de nossos filhos.

Sergio Lopes é empresário da área de Meio Ambiente, pai de três filhos,Vice-Presidente da ASSAPE e um apaixonado por esse planeta. Comentários pelo blog: www.osergiolopes.com.br


COLÔNIA DE FÉRIAS PINTANDO O SETE

Colônia de Férias, pintando o sete A CRIANÇADA SE DIVERTIU MUITO NA II COLÔNIA DE FÉRIAS DA PENÍNSULA, REALIZADA DE 13 A 24 DE JULHO. A TURMA PARTIC PARTICIPOU DE ATIVIDADES E DE VÁRIOS PASSEIOS..

Turma unida

Descontração Clube da Luluzinha

É campeão 20

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

Concentração total Pose para a foto


Riscos e rabiscos

Todo mundo junto // Fotos por Thiago Esteves

Que delícia!

Bom de bola

Turma do barulho

Muito charme REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

21


PORTA-RETRATO

Porta-Retrato

O esporte é a paixão de Rodolfo e do filho Pedro, moradores do Edifício Quintas da Península.

Gustavo Ribeiro conta que comprou o carrinho depois que veio morar no Style, em junho. Os espaços livres foram um incentivo para a compra do brinquedo, que pode chegar a 80 quilômetros por hora.

Os moradores do Mandari m, Carlos Daniel, Roseane e Gabriele em momento de pura descontra ção.

Ana Lucia Alvares res, do Green Bay Bay, aprov ap eita it o fim fi de tarde para passear com Peter, de 2 anos.

As primas Caroline, 11 anos, e Julliane, 12, curtem

o sábado com a cadela Bianca

Aguardamos as suas crítica s ou sugestões pelo nosso email revistapeninsula@peninsulan et.com.br ta Península.

s amigos curtindo a Revis

Serginho do Paradiso e seu 22 2

REVISTA REV RE REVI EVI E EV V STA VI ST S TA TA PEN P PE PENÍ PENÍNSULA EN EN ENÍ NÍÍNS NS NSU NSUL SUL UL LA A AGOSTO AGOS AGO GO GOS G OS O TO TO 2009 200


PORTA-RETRATO

Emílio e Nathália, lazer de pai e filha no fim de sema

na.

O mascote da família, Nestor, send

o paparicado por Kilvia.

Veruska, Isabela e Cid, mo

radores do Excellence, apr oveitam o sol da manhã no parquinho.

Paloma dos Santos mostra seu talento em belos saques. REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

23


É DE CASA FABRÍCIO MAMBERTI

É de Casa NESTE ESPAÇO, VOCÊ VAI SEMPRE ENCONTRAR UMA CARA CONHECIDA, PODE SER O SEU VIZINHO, ALGUÉM QUE TENHA UM TRABALHO RELEVANTE, QUE SE DESTAQUE EM SUA ATIVIDADE E QUE RESIDA AQUI, NA PENÍNSULA. E QUEM APARECE NO É DE CASA DA 2ª EDIÇÃO É O DIRETOR E PRODUTOR DE NOVELAS DA REDE GLOBO, FABRÍCIO MAMBERTI. UM SUJEITO QUE, SE VOCÊ NÃO O CONHECE PESSOALMENTE, COM CERTEZA, JÁ ACOMPANHOU VÁRIOS DOS SEUS TRABALHOS NA TELEVISÃO BRASILEIRA. Fabrício é filho do ator Sérgio Mamberti, sobrinho de Claúdio Mamberti, também ator, e irmão de Duda Mamberti e de Carlos Mamberti, produtor e diretor de teatro. A arte é o oxigênio dessa família. Casado com Patrícia Abreu, pai de dois filhos, morador da Península, um refúgio depois de muitas horas de gravação. Hoje, ele está com a mão na massa, dirigindo os primeiros capítulos da próxima novela das oito que estreia em setembro: Viver a Vida. Uma obra de Manoel Carlos, com direção do núcleo de Jayme Monjardim e direção geral de Fabrício Mamberti. Vamos agora conhecer um pouco mais do cidadão, seus hobbys, prazeres, a família, a carreira desse morador da Península e seu vizinho. Revista Península: Você vem de uma família de artistas, esse berço é o responsável por você estar envolvido com a produção e direção de TV?

abrício Mamberti tem um vasto currículo na dramaturgia brasileira. Novelas como Páginas da Vida, Chocolate com Pimenta, Sabor da Paixão, Coração de Estudante, Porto dos Milagres e tantas outras, têm a assinatura de Fabrício Mamberti, o homem por trás das câmeras. Não podemos deixar de mencionar o programa TV Xuxa e outros trabalhos como Pecado Capital e Era Uma Vez.

F 24

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

Fabrício Mamberti: Meu pai é ator, meu tio também, então, desde os seis anos, eu frequentava as coxias do teatro, os estúdios para comerciais, novelas, filmes, enfim, um processo muito extenso e precoce do meu acompanhamento à carreira do meu pai. Aos oito anos de idade, eu já comecei a fazer comerciais de televisão, fazia também teatro infantil, então isso, naturalmente, já foi dando um gosto e um carinho por essa profissão de ator. Mas o mais engraçado é que, mesmo tendo começado assim, não era a atuação que me encantava. Os bastidores que me fascinavam, gostava


É DE CASA FABRÍCIO MAMBERTI

muito de ver o que estava acontecendo atrás das câmeras ou atrás das cortinas ali no palco. E, aos 13 anos, passei de ator para iluminador, fazendo luz dos primeiros espetáculos. Foram três anos nessa função e, até hoje uso no meu trabalho de diretor o que aprendi ali. Depois, fui para o cinema, em 1987, entrei como estagiário de produção para a Raiz Produções, uma grande produtora de São Paulo, e fiquei até 1990. Esse período também foi uma grande escola na minha vida, aprendi muito sobre longa-metragem e esse aprendizado se aplica a qualquer outro trabalho como minisséries, telenovelas, a dramaturgia em geral. Logo depois, ainda em 1990, recebi um convite de Walter Avancini (pai), que me chamou para ser assistente de direção numa novela do núcleo que criou no SBT e, a partir daí, passei da produção para direção e aí comecei uma série de projetos no SBT. Fui para Lisboa e, no retorno, recebi outro convite, agora do cineasta e diretor de TV, Luiz Fernando Carvalho, e fui para a Globo fazer a novela Renascer e já estou há 15 anos na emissora como diretor. Revista Península: Nesse período todo dirigindo, cita pra gente duas passagens que você considera importantes e muito interessantes na sua carreira? Fabrício Mamberti: Uma passagem muito interessante foi com o próprio Luiz que me trouxe. Eu tinha acabado de gravar com a TV espanhola um documentário sobre a teologia da libertação que se desenvolveu, inicialmente, na América Latina a partir dos anos 70 e que tem como ponto de partida de sua reflexão a situação de pobreza e de exclusão social à luz da fé cristã. Bom, enfim, fizemos várias tomadas em Serra Pelada, todo aquele garimpo, aquele formigueiro. Bom, três semanas depois desse trabalho, eu já estava fazendo, na Globo, uma cena que era exatamente recriar uma Serra Pelada em Minas Gerais. E foi um processo muito bacana, porque a gente envolveu ali 2 mil figurantes, 100 caminhões, 300 mulas, você imagina a dimensão que é realizar uma cena como

aquela. É um momento emblemático na minha carreira, um marco na televisão, uma cena muito forte da novela Irmãos Coragem em sua segunda versão de 1995. A primeira foi gravada em 1970. Outra cena muito importante pra mim, mais recente, de igual impacto, foi a realização de um arrastão para a novela Páginas da Vida (2006) em que envolvemos mais de 1500 figurantes, 400 profissionais envolvidos. Esse arrastão vinha pela praia do Leblon e invadia as ruas do bairro. Foi um desafio e algo muito prazeroso dirigir uma multidão dessa dentro de uma área urbana. Revista Península: Fantástica a sua trajetória, aprendeu fazendo mesmo. Mas, hoje, já existem no Brasil grandes escolas para esta formação? Fabrício Mamberti: No cinema, já temos muita coisa boa, principalmente em São Paulo. Já para a área de televisão, especificamente de telenovelas, estamos engatinhando. Temos já alguns cursos que falam desse processo da TV, que mostram a base, mas ainda está muito no começo. Hoje, as pessoas que fazem e dirigem novelas vieram desse processo – do aprendendo fazendo. Óbvio que hoje, dentro da dramaturgia, você vai buscar isso dentro da literatura, se informando, vai buscar isso participando de cursos que vão complementando.Você pega, por exemplo, um curso de fotografia, que se torna mais um elemento de apoio para a dramaturgia. E esse processo de fazer novela é um processo que veio assim: as pessoas começaram a fazer, os precursores, vindos da TV Excelsior, que foram para a Tupi, que chegaram à TV Rio, que virou TV Globo - aqui valeu mais a experiência do que a teoria. Revista Península: O que você diria para um estudante de Comunicação que deseja abraçar a carreira de diretor? Fabrício Mamberti: Ler, ler muito, se informar, buscar os melhores cursos separados. Se não temos um curso específico, vamos buscar

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

25


os complementares, e são muitos, como fotografia, arquitetura, história da arte. Televisão não é só a arte de fazer telenovelas, você, como diretor, traz um pouco da sua bagagem cultural. Então, ter informação é primordial, enriquece seu trabalho. O grande barato para você, como diretor, é estar aberto a toda e qualquer tipo de informação, seja ela tecnológica, artística, cultural, religiosa, porque isso tudo, em algum momento, nos fará falta como diretor de uma novela ou de um filme, por exemplo. Leitura e informação são sempre elementos muito fortes no aprendizado de qualquer diretor. Revista Península: Você é morador da Península. O espaço ajuda a recarregar as baterias? Funciona como um oásis, um refúgio dentro da cidade grande? Fabrício Mamberti: Meu primeiro contato com a Península foi no final de 2002. Tudo aqui estava no começo. Não tinha asfalto, não havia os parques, não tinha quase nada. Tinha sim um buraco e uma trilha numa inacreditável área verde de cara para a Pedra da Gávea. Naquele momento, eu falei – eu quero morar aqui. Comprei, então, um apartamento e as pessoas me chamavam de maluco. Mas isso, pra mim, foi fantástico. Hoje, se estou chateado,

26

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

precisando extravasar, me meto nessa trilha aqui e saio andando por aí. A Península, pra mim, é um oásis, é onde, sim, recarrego minhas baterias, onde me reequilibro, onde tem uma energização, pra mim, muito importante. E agora com meus filhos, uso ainda mais as trilhas, os parques. A Península é um refúgio fundamental para o meu bem-estar. Revista Península: Quais atividades você mais gosta de fazer nos seus momentos de lazer? Fabrício Mamberti: Gosto muito de cozinhar, amo vinhos, e adoro, principalmente, fotografar. A fotografia é o meu barato agora, cada vez mais. É o meu maior hobby. Revista Península: É um privilégio viver cercado pelo verde e ter uma equipe como a da ASSAPE – Associação Amigos da Península -, pensando e cuidando de cada recanto? Fabrício Mamberti: Sei que o trabalho deles é essencial para o bom funcionamento da Península, que graças a eles, tudo fica melhor dia a dia. Conheço muito o trabalho do Sergio, sua energia, sua dedicação, ele é um grande aficionado por tudo isso aqui. E isso tudo é muito bom.


CULINÁRIAReceitinha para uma noite fria Fondue pode selar um romântico encontro a dois, um divertido papo com os amigos e até mesmo uma confraternização em família. Para quem não sabe o primeiro registro da receita está num livro de cozinha escrito em 1699, em Zurique, maior cidade da Suíça. Os dois mais consumidos no Brasil são o tradicional de queijo e o de chocolate.

FONDUE DE QUEIJO

A

Ingredientes: - 1 dente de alho - 200 g de queijo gruyére e emmenthal - 100 g de queijo fundido - 100 g de queijo estepe ou gouda - 1/2 cálice de kirsh ou vodka - 1/2 copo de vinho branco - pimenta do reino - 1 pitada de noz moscada - 2 colheres de chá de maisena - pedaços de pão

Como preparar: Passe o dente de alho descascado por toda panela e depois descarte o alho. Em seguida, ponha o vinho e o queijo fundido na panela e leve ao fogo baixo. Acrescente o emmenthal, derreta um pouco, o gruyére, o estepe e deixe derreter mais. Dissolva a maisena no kirsh e volte ao fogo por uns 3 minutos para cozinhar a maisena. Coloque a noz moscada. Agora é só servir com pedacinhos de pão, batatas ou cenouras.

Se tiver uma receita diferente envia pra gente. O nosso email é revistapeninsula@peninsulanet.com.br.

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

27


HIGIENE E SEGURANÇA ANIMAIS

O melhor amigo do homem... //Textos da Redação //Fotos Jorge Carvalho

DIZEM POR AÍ QUE O CACHORRO É O AMIGO MAIS FIEL DO HOMEM. TODOS NÓS CONHECEMOS VÁRIAS HISTÓRIAS DE ANIMAIS QUE SALVARAM SEUS DONOS, QUE SÃO PARTE DA FAMÍLIA. RECEBEM MIMOS, CARINHO, CUIDADOS, TORNAM-SE A ALEGRIA DA CASA, TANTO PARA AS CRIANÇAS COMO PARA OS ADULTOS. NA PENÍNSULA, COM TRILHAS, MUITO VERDE, JARDINS E PRAÇAS, PASSEAR COM O CACHORRO É UM GRANDE PRAZER, UMA ALEGRIA MESMO.

"Os cães são o nosso elo com o paraíso. Eles não conhecem a maldade, a inveja ou o descontentamento. Sentar-se com um cão, ao pé de uma colina, numa linda tarde, é voltar ao Éden, onde ficar sem fazer nada não era tédio, era paz." Milan Kundera

28

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009


HIGIENE E SEGURANÇA ANIMAIS

tudo muito bonito, muito gostoso, mas é importante também recolher as fezes do seu cachorro quando o levar para passear. Além de ser uma obrigação de qualquer cidadão, é uma proteção para a saúde de todos que frequentam as áreas externas da Península. Olhando para a foto da Carolina com Fred, o texto do escritor tcheco faz todo sentido. A paixão entre essa dupla é visível, eles se en-

É

tendem no olhar. A Carolina caminha sempre com o Fred, mas nunca se esquece de manter a área limpa. A sacolinha para recolher as fezes do animal vai presa à coleira. Isto é cidadania, é amor ao animal e também ao próximo. É isso gente, passeie com seu cachorrinho, mas não deixe para trás a sujeira dele. Leve a sacolinha, recolha, jogue na lixeira. É bom para você, para o seu vizinho e o universo agradece.

O Fred (ao centro) e o Titã não saem de casa sem coleira.

O Matoso sabe das coisas SEGURANÇA Além da saúde, a segurança também é muito importante. É recomendável que o proprietário conduza seus animais de estimação com responsabilidade. Passeie com seu cachorro preso à guia e à coleira. Muitas vezes, os animais soltos correm e acabam atropelando crianças pequenas e assustando os adultos. Lembre-se de que o seu direito acaba onde começa o do outro.

SAÚDE Você sabia que a larva migrans, ou bicho geográfico, é adquirida através das fezes dos cães, principalmente em praias, escolas, prédios ou casas onde possa haver areia contaminada com estas fezes? Caso você crie cães, não deixe que eles evacuem nas praias, recolha suas fezes de gramados, parques e calçadas e faça exames semestrais para tratar os animais doentes. Desta forma, você evita a contaminação de sua família e de outras pessoas.

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

29


ESPECIAL DIA DOS PAIS

Dia dos Pais, celebrando a vida //Texto por Tereza Dalmacio/Karen Montenegro //Fotos Jorge Carvalho /Karen Montenegro/Arquivo de família

N

o primeiro olhar, o Dia dos Pais parece apenas mais uma data de apelo comercial para aquecer as vendas. Mas a origem da celebração tem como pano de fundo o fortalecimento dos laços familiares e o respeito ao genitor. Conta a história, que em 1909, em Washington, Estados Unidos, Sonora Louise Smart Dodd, filha do veterano da Guerra Civil, John Bruce Dodd, ao ouvir um sermão dedicado às mães, teve a ideia de celebrar o Dia dos Pais. Ela queria homenagear seu próprio pai, que viu sua esposa falecer em 1898 ao dar a luz ao sexto filho, e que teve de criar sozinho o recém-nascido e seus outros cinco filhos.

30

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

Já no Brasil, a ideia de comemorar esta data partiu do publicitário Sylvio Bhering e foi festejada pela primeira vez no dia 14 de Agosto de 1953, dia de São Joaquim, patriarca da família. Sua data foi alterada para o 2º domingo de agosto por motivos comerciais, ficando diferente da americana e europeia. Apelo comercial, jogada publicitária, homenagem ao pai de família, o fato é que a data nos põe a pensar sobre a educação, sobre esse papel tão importante para formação de cada um de nós. Os tempos mudaram, os valores também, mas a relação PAI-FILHO, na maioria da vezes, nos serve de guia, como bússola, para as próprias escolhas da


vida adulta. Shakespeare dizia que sábio é o pai que conhece o seu próprio filho. E é esse conhecimento, esse olhar sobre o filho que percebemos em muitos lares. E são dessas casas que saem os adultos centrados, felizes e em total harmonia com a vida. É impossível determinar o resultado com precisão, mas quando encontramos pais dedicados- amigos sim, mas sem perder a sua autoridade de pai, de conduzir e orientar aquela criança- sabemos que a possibilidade de sucesso é bem mais clara e transparente. A nossa equipe foi buscar na Península duas famílias que pudessem representar a importância da relação Pai-Filho e servir de inspiração a todos. O nosso primeiro convidado é o auditor Márcio Câmara, também Conselheiro Fiscal da ASSAPE, casado há 14 anos com Ana Cláudia e pai de Gustavo de 10 anos. Um homem dedicado à família e ao trabalho, e com um olhar cauteloso na educação do filho. - Eu sou uma pessoa por formação totalmente direcionada à probidade. Sou aquele cara que piso no freio, que controla. A Ana Cláudia é pedagoga. Então nós somos conservadores mesmo. O Gustavo tem aqui uma educação conservadora, mas moderna. Como muito diálogo, carinho, mas com disciplina. Conta Márcio. O dia-a-dia do Gustavo é muito parecido com o das crianças da sua idade. Escola, dever de casa, brincadeiras, games, mas tudo com acompanhamento dos pais.Ana estuda com ele todos os dias e à noite o pai ainda ensina matemática. Regra e disciplina fazem parte da vida desse pré-adolescente, assim como a amorosidade, o afeto, as conversas e as idas ao Maracanã com o pai. Amigos sim, mas mantendo a hierarquia que toda criança precisa. - A gente explica tudo, não exageramos na dose, procuramos nunca errar com ele. E a referência do pai como provedor, de dar segurança, isso o Gustavo tem claro dentro dele. Diz Márcio. - É mais que isso, ele tem em você, Márcio, a imagem da paciência, da dedicação. Uma pessoa que passa tantas horas fora e quando chega em casa ainda tem energia para dar toda a atenção que ele espera. E você vê como ele o recebe, com

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

31


ESPECIAL DIA DOS PAIS

ceito, tudo isso, essa parceria de vida é fundamental na formação de um homem de bem, preparado para enfrentar a vida com maturidade, mas também com grandes realizações e alegrias. Afirma o pai. A segunda família convidada é do Dirceu de Castro, 59 anos; é marido de Célia há 36 anos; pai há 33 anos de Carolina (que faleceu subitamente aos 17 anos, em 1993), Soraya, 30 e Ricardo, 24 e há quase dois meses é avô de primeira viagem da pequena Maria Eduarda, a Duda. É também ‘pai’ adotivo do bulldog Tobias, hoje com 12 anos, seu companheiro em casa e nas quadras de tênis. Paulista como toda a família - inclusive Tobias - Dirceu, que apesar de formado em engenharia, sempre trabalhou no setor financeiro, trocou São Paulo pelo Rio de Janeiro quando, em 1983, a seguradora para qual trabalhava mudou a matriz para cá. Passados 26 anos, dos quais dois anos e meio morando na Península, não pensa em voltar. Às vésperas do dia dos pais, comemora a família e o seu primeiro dia dos pais como avô. Revista da Península - Como se descreve como pai?

abraços, sorrisos, demonstrando que estava aguardando a sua chegada com saudade e vontade de estar junto de você. Completa a Ana. Além da disciplina, de muito estudo, o lúdico também está presente na rotina da família Câmara: teatro, cinema, viagens, jogos, enfim, atividades que possam aproveitar em família. Gustavo tem nesse pai um amigo presente, uma pessoa que mostra os caminhos e segue ao seu lado sempre. Se observarmos a maneira que os dois se olham, se referem carinhosamente um ao outro, é fácil constatar como é saudável e bela essa relação desse pai amoroso com seu filho e vice-versa. - Acredito que estar presente na vida do Gustavo, atento às transformações e às mudanças que todo menino passa - adolescência, o despertar da sexualidade, as novas descobertas- discutir questões importantes como drogas, violência, precon-

32

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

Dirceu de Castro - Como um pai carinhoso, tento orientar meus filhos para cometerem o mínimo de injustiça possível no mundo. Gosto de música e de esportes e isso passei para eles. Mas o mais importante é que a gente pegue uma regra, apesar de que não tem regra estabelecida, mas uma regra de bom senso, de família, de pai e filho. Revista da Península - Sua experiência como filho foi a base para sua experiência como pai? Dirceu de Castro - Não. Apesar de ter um ótimo relacionamento com o meu pai, que já é falecido. Eu sou filho único. Quando eu casei, queria, justamente por ser filho único e ter sido criado pela avó, ter muitos filhos, queria uma mesa cheia, uma casa cheia. E eu alcancei esse objetivo. Revista da Península - E como é a relação com seus filhos?


Da esq. para dir. Dirceu, a esposa Célia, o genro Rodrigo, a filha Soraya, grávida de Maria Eduarda, e o filho Ricardo

Dirceu de Castro - É uma relação muito boa. Parece demagogo, mas é uma relação de muito respeito. A gente (ele e a esposa Célia) sempre fez muita questão de mostrar o sentimento de família. Até hoje, quando tem aqui em casa um almoço ou um jantar, minha mulher serve todo mundo. Não tem cerimônia, há liberdade para cada um fazer o que quiser, mas é o costume de mostrar que a família tem raiz. Revista da Península - A mudança de São Paulo para o Rio fortaleceu a família? Dirceu de Castro - Muito. Naturalmente o casal se une mais. Apesar de que sempre fomos uma família muito feliz. Uma família que, tirando a dor da perda da minha filha, da Carolina, sempre mostrou muita felicidade. Meus filhos são muito apegados a mim e a minha mulher que é uma mãe e uma esposa espetacular. Revista da Península - O falecimento da sua filha deixou, claro, uma marca… Dirceu de Castro - Até hoje tem a marca, mas é uma marca adocicada. A gente hoje agradece a Deus por ter passado com ela 17 anos. Mas não há revolta em ninguém. Houve um período de maturação do que aconteceu, inclusive para os meus filhos, mas a gente tem que encarar a vida, não tem outro jeito.

Revista da Península - Para o dia dos pais, existe uma tradição familiar? Dirceu de Castro - Sim, tem. Geralmente tem um almoço, a Célia enfeita a casa. Ela sempre faz um discurso e sempre tem uma lembrança nossa que a gente mostra e compartilha com todos que estão à mesa. É um dia que a gente prepara com muita fartura. Vinhos, almoço especial, roupa para a ocasião. Não é só uma roupa de domingo que desce do sono para o almoço, mas uma roupa para um almoço especial. Revista da Península - Qual a expectativa para o primeiro dia dos pais com a neta, Maria Eduarda? Dirceu de Castro - Maravilhosa. É uma casa que ficou muitos anos sem criança e agora estou muito orgulhoso, muito contente. Ela vai estar com quase dois meses e estamos aguardando o primeiro sorriso dela. Vamos ver se até o dia dos pais ela dá. A família do Dirceu de Castro, assim como a família do Márcio Câmara comemoram em grande estilo o Dia dos Pais, o Dia das Mães, o Dia das Crianças e todas as outras datas importantes. E atrás de cada festa existe o respeito, a admiração e amor de um pelo outro. Assim eles celebram a vida, o amor e a união. Feliz Dia dos Pais, para todos aqueles que usam a família como base da construção e educação dos seus filhos.

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

33


Dia dos Pais na

Península NO SÁBADO, OITO DE AGOSTO, PAIS E FILHOS S CELEBRARAM O AMOR, COM CARINHO, BRIN-CADEIRAS, ESPORTE E ACIMA DE TUDO MUITA A ALEGRIA. MOMENTOS DE DESCONTRAÇÃO, REGISTRADOS PELO OLHAR ATENTO DO FO-TÓGRAFO BRUNO LEÃO.

Meu pai, meu m

elhor amigo.

Filhas, minha doce poesia.

34

REVISTA PENÍNSUL PENÍNSULA ULA AGOSTO 2009

Esse jeito moleque que me faz menino de novo. É o melhor presente do mundo.

Meu campeão, meu herói.


A vontade é de abraçar, brincar, estar ali, pertinho, pertinho...para sempre.

E às vezes o amor vem em dose dupla..

ueno e lindo que me Quem é esse menino peq nça novamente... cria deixa assim, meio

E a gente olha quase sem acreditar, que ser precioso Deus me deu.

Esse sorriso canta e me encanta..

REVISTA PENÍNS PENÍNSULA NSULA AGOSTO 2009

35


REGRAS QUIOSQUES

Sabendo usar... //Fotos Thiago Esteves

...não vai faltar um espaço de qualidade para receber você e sua família. Para utilizar a Área de Apoio na Península é preciso fazer reserva no site e dois dias antes do evento assinar um termo de compromisso diretamente na ASSAPE. Na Península, três quiosques são disponibilizados para a reserva. Cuidados simples como, por exemplo, com o local de apoiar a churrasqueira, garantem a durabilidade do piso.

Modelo da Autorização Eu, _______________________________, morador do apartamento _____ do Residencial ____________, declaro que receberei as instalações da Área de Apoio da Praça do Lagoon Park, contendo 01 freezer, 01 geladeira, 01 microondas e mobiliário de fibra, na presença do supervisor da ASSAPE, e me responsabilizo por qualquer dano ocorrido das 08h às 22h do dia ___ de ___________de 2009. Normas de utilização 1. A partir das 8h do dia do evento, a chave do Apoio poderá ser retirada na ASSAPE pelo autor da reserva. No fim do evento, a chave deverá ser devolvida ao supervisor da ASSAPE que poderá ser localizado através de qualquer membro da segurança. 2. É imprescindível a presença do proprietário durante todo o decorrer do evento. 3. Não é permitido qualquer tipo de comercialização nos eventos. 4. Não é permitida a utilização de caixas amplificadoras de som, podendo, apenas, ser utilizado um rádio portátil sem grandes proporções até as 20h. 5. A ASSAPE não recebe material nem pessoal de serviço contratado para o evento. Esta responsabilidade é inteiramente do autor da reserva. 6. Não são de responsabilidade da ASSAPE o transporte e a guarda de qualquer material referente ao evento. Todo material do evento deverá ser recolhido até as 22h. 7. É terminantemente proibida a colocação de gelo no freezer.

36

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

8. Qualquer ornamentação ou equipamento que venha a ser colocado no evento deverá ser comunicado à ASSAPE no momento da reserva para que a viabilidade seja avaliada pela administração. Caso autorizado, o equipamento não poderá ser colocado sobre o gramado, obstruir as vias de acesso, nem perfurar o solo ou alterar a estrutura da Área de Apoio. 9. Em caso de churrasco, o autor da reserva deve trazer churrasqueira própria, a qual só poderá ser colocada sobre a área de saibro.Após o evento, o carvão deverá ser recolhido e não poderá, em hipótese alguma, ser colocado ainda quente na lixeira. 10. Caso a lista com nome e sobrenome dos convidados (máximo de 80 pessoas) não seja entregue na ASSAPE até 02 (dois) dias antes do evento, a reserva será anulada.

Siga as normas, respeite o espaço de lazer, é bom para você e para toda a comunidade Península. Sabendo usar, não vai faltar.


ROTEIRO ÔNIBUS

Transporte coletivo DEPOIS DE MUITA NEGOCIAÇÃO, A COMISSÃO DE TRANSPORTE DA PENÍNSULA FECHOU O CONTRATO DE TRANSPORTE DE MORADORES E DE TRABALHADORES COM A EMPRESA ÚNICA, QUE JÁ OPERA DESDE 8 DE MAIO. HOJE, O NOVO SERVIÇO É FEITO COM ÔNIBUS MAIS CONFORTÁVEIS E, ATENDENDO A PEDIDOS DOS MORADORES, HOUVE AUMENTO DO NÚMERO DE LUGARES EM CERCA DE 52% . GRADE DE HORÁRIO - ÔNIBUS - FUNCIONÁRIOS De Segunda a Sexta HORÁRIO DE SAÍDA DA PENÍNSULA 6:00h 6:30h 7:00h 7:30h 8:00h 8:30h 9:00h 9:30h 10:00h 12:00h 14:00h 16:00h 16:30h 17:00h 17:30h 18:00h 18:30h 19:15h 21:15h 22:30h*

6:15h 6:45h 7:15h 7:45h 8:15h 8:45h 9:15h 9:45h 11:00h 13:00h 15:00h 16:15h 16:45h 17:15h 17:45h 18:15h 18:45h 20:15h 22:00h 23:00h*

OBS: Os ônibus da Península existem para atender os moradores. Foi dada uma permissão para que os funcionários utilizem esse transporte, com a exceção de um ônibus que é exclusivo para o morador. É obrigatória a apresentação da carteirinha para o embarque.

Sábados / Domingos / Feriados HORÁRIO DE SAÍDA DA PENÍNSULA 6:15h 7:15h 8:15h 9:15h 10:30h 12:30h 14:30h 16:15h 18:15h 20:15h 22:00h 23:00h*

6:45h 7:45h 8:45h 9:45h 11:30h 13:30h 15:30h 17:15h 19:15h 21:15h 22:30h*

ITINERÁRIO: PENÍNSULA » VIA PARQUE (ponto do Via Parque – Barra D’or) » AV. AYRTON SENNA (ponto Rio Sport Center – ponto depois do CEC – ponto Mercado do Produto) » ALVORADA (próximo ao ponto do 882) » AV. DAS AMÉRICAS (ponto depois do Banco Itaú, depois da Alvorada) » BARRASHOPPING (Totem verde em frente ao Unibanco, na Av. das Américas – Carrefour) » AV. AYRTON SENNA (Leroy Merlin – VIVO – ponto junto ao muro do Terra Encantada) » PENÍNSULA. Importante lembrar que, por motivo de segurança, o ônibus não irá parar na Av. Nelson Mufarej (muro do Terra Encantada).

Alteração do itinerário para os horários em negrito: Devido ao engarrafamento diário na rua ao lado do Shopping Via Parque, o ônibus, ao sair da Península pegará o primeiro retorno a esquerda, passando em frente a Estácio, após entrará na rua ao lado do hospital Lourenço Jorge, em direção ao Terminal Alvorada. O itinerário para volta à Península não será modificado. * Saída do terminal Alvorada. REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

37


ROTEIRO ÔNIBUS

GRADE DE HORÁRIO - ÔNIBUS – EXCLUSIVO PARA MORADORES

PONTOS DE EMBARQUE: - Ponto Final - próximo à saída de serviço, onde os ônibus permanecerão quando não estiverem circulando. - Jardim da Trilha - Alameda das Aroeiras

QUEBRA-MAR De Domingo a Domingo

ALVORADA De Segunda a Sexta

HORÁRIO DE SAÍDA DA PENÍNSULA

HORÁRIO DE SAÍDA DA PENÍNSULA

6:00h 9:00h 12:30h 15:30h 19:00h 22:00h

7:15h 10:45h 14:00h 17:00h 21:00h

ITINERÁRIO: PENÍNSULA » VIA PARQUE » CEC (ponto depois do Colégio) » AV. DAS AMÉRICAS (Infobarra) » RIO DESIGN » NOVO LEBLON » MANDALA » AV. DAS AMÉRICAS (logo depois da Alvorada, ponto do posto ESSO) » BARRA SQUARE » BARRA GARDEN » ANGLO AMERICANO » LAND ROVER (em frente às torres) » EUROBARRA » AV. MIN. IVAN LINS (ponto do Porcão) » PARMÊ » PONTO DA IGREJA » RETORNO QUEBRA-MAR » PASSARELA DO LARGO DA BARRA » BARRA POINT » UNIMED » CITTÀ AMÉRICA » EXTRA 24 HORAS » FREEWAY » BAY SIDE »MARIO HENRIQUE SIMONSEN » BARRASHOPPING (totem Barra Shopping) » CARREFOUR » LEROY MERLIN » VIVO » TERRA ENCANTADA » PENÍNSULA

38

- Jardim das Esculturas - Jardim Zen - Em frente ao Acesso do Lagoon Park, Rua dos Jacarandás (ao lado da Aquarela)

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

6:00h 7:00h 8:30h 16:30h 18:00h 19:20h

6:30h 7:45h 9:15h 17:15h 18:45h 20:00h

ITINERÁRIO: PENÍNSULA » VIA PARQUE (ponto do Via Parque – Barra D’or) » AV. AYRTON SENNA (ponto Rio Sport Center – ponto depois do CEC – ponto Mercado do Produto) » ALVORADA (próximo ao ponto do 882) » AV. DAS AMÉRICAS (ponto depois do Banco Itaú, depois da Alvorada) » BARRASHOPPING (Totem verde em frente ao Unibanco, na Av. das Américas – Carrefour) » AV. AYRTON SENNA (Leroy Merlin – VIVO – ponto junto ao muro do Terra Encantada) » PENÍNSULA.

Importante lembrar que, por motivo de segurança, o ônibus não irá parar na Av. Nelson Mufarej (muro do Terra Encantada).


SAÚDE E BELEZA PILATES

//Texto da Redação //Foto Divulgação

método Pilates, criado por Joseph Pilates, na década de 20, foi desenvolvido a partir de seis princípios: centro de força (abdome – power house), concentração, controle, precisão, respiração e fluidez de movimento. Para a mente, a atividade estimula a concentração e o equilíbrio. Para músculos e articulações, dá força e flexibilidade. Para a coluna, melhora a postura e evita lesões. Uma saída para os que sofrem de hérnia de disco. Os exercícios tonificam e alongam as articulações, fortalecem os músculos, aumentam a flexibilidade, corrigem a postura, combatem o estresse e a ansiedade, melhoram a capacidade de respiração e são eficientes no tratamento de lesões e no alívio das dores. É a modalidade física mais indicada para prevenir e tratar problemas da coluna vertebral, já que permite aos praticantes, realizar suas atividades diárias com perfeição. Em três semanas de prática, é possível perceber os benefícios.A postura mental, física e emocional das pessoas muda radicalmente, garante o fisioterapeuta Sérgio Machado. Segundo a Organização Mundial de Saúde, a hérnia de disco lombar é uma das doenças que mais provoca incapacitação para o trabalho. Nos países industrializados, 80% da população trabalhadora têm dores nas costas e muitas outras são acometidas por algum problema osteomioarticular relacionado a trabalho, estresse, má postura, sedentarismo, obesidade - algumas das principais causas da hérnia de disco- e

O

40

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

Pilates: mais saúde, mais disposição a outros fatores. Dos 7 milhões de casos novos, 5 milhões ficarão parcialmente inválidos e 2 milhões ficarão incapacitados para o trabalho. Por conta disso, a busca por exercícios especializados cresce, não só no Brasil, mas em todo o mundo. No Brasil, a lombalgia afeta 80% da população adulta segundo dados da Previdência Social. A grande novidade em relação à disfunção é a eficiência do tratamento fisioterapêutico, mesmo nos casos considerados mais graves. Seguindo corretamente as indicações, os especialistas afirmam que a cirurgia pode ser evitada em 80% dos casos. No Rio de Janeiro, os fisioterapeutas Sérgio Machado e Michel Salgado, apontam a prática de pilates como a proposta de saúde mais completa para qualquer idade. Para os jovens, por exemplo, a prática é ideal para desenvolver a concentração (o que facilita o aprendizado) e o equilíbrio (aumento da autoestima), ganhar e fortalecer os músculos. Para quem quer conseguir resultados mais rápidos, eles recomendam a prática dos exercícios 3 vezes por semana. A prática do pilates tem sido uma das atividades mais recomendadas por médicos para o tratamento de diversas patologias, incluindo correção da má postura, sedentarismo, estresse e outros problemas de coluna, devido, principalmente, ao baixo impacto dos exercícios nas articulações afirma o fisioterapeuta Michel Salgado.


ASSAPE RESPONDE

Você pergunta e a ASSAPE responde ENVIE SUAS DÚVIDAS, A EQUIPE DA ASSAPE TERÁ O MAIOR PRAZER EM RESPONDER. O NOSSO E-MAIL, REVISTAPENINSULA@PENINSULANET.COM.BR

Existirá uma balsa ligando a Península ao BarraShopping? É verdade, teremos essa balsa sim. O projeto foi aprovado na última AGO, realizada no dia 28 de abril de 2009. O serviço está previsto para ser iniciado no próximo mês. Importante ressaltar que o valor da balsa só começará a ser cobrado na contribuição associativa em maio de 2010, ate lá seu custo será suportado pela ASSAPE. Há algum controle da proliferação de mosquitos na Península? A ASSAPE tem contrato com a ECOLAB, empresa que faz o controle de pragas e vetores na Península há 7 anos. Este serviço é realizado na área comum (Ruas, Parques, Jardins e Trilha), na garagem e nos plays dos Condomínios, nos canteiros de obra e lotes vazios. A experiência mostra que no verão estas pragas se multiplicam, portanto são intensificados os combates tão logo inicie a primavera. Necessário salientar que este trabalho da ECOLAB não elimina a necessidade de cada Condomínio combater internamente estas pragas.

Existem muitos gatos na Península, há algum projeto para esse controle? A ASSAPE e a Comissão de Meio Ambiente, consultaram especialistas e já começou o projeto de castração dos felinos. Os gatos que ficam na área comum serão capturados, em seguida serão levados à clínica veterinária para a realização do procedimento.Vale lembrar que não existirá custo para o serviço. Apenas os moradores pagam a contribuição associativa da ASSAPE? Não. As contribuições Associativas Ordinárias são rateadas de acordo com o estabelecido no Estatuto da ASSAPE, por todos os sócios, Condomínios, canteiros de obras e lotes vazios. As demais contribuições (Meio Fio, Ônibus de Operários) são pagas exclusivamente pelos Incorporadores. Como consigo uma cópia do Estatuto? Toda documentação da ASSAPE (Estatuto, Atas, Orçamentos e Balancetes) é encaminhada ao Conselheiro Comunitário de cada Condomínio, e a este cabe a distribuição, bastando portanto, solicitar ao mesmo.

No próximo mês estará no ar o Novo Portal da ASSAPE e nele estará disponível toda esta documentação além de outras novidades.

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009

41


Em Setembro:

• A primavera vai invadir a sua casa! • A Casa do Matoso, um espaço para brincadeira e educação ambiental. Vem aí o novo site da Península. Mais interatividade para você. Aguarde: 15 de setembro - a 3ª edição da sua Revista Península.

42

REVISTA PENÍNSULA AGOSTO 2009


Revista Península - Agosto 2009  

Revista de Agosto

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you