Page 1

Osteopatia

Estrutural Sacro-cranial Visceral

Escola de Medicinas Alternativas e Complementares

Rua Alexandre Herculano, 351, 4ยบ andar - 4000-055 Porto Portugal Tel: (+351) 225 105 910 / (+351) 917 458 292 Email: emac.medicinas.alternativas@gmail.com Site: http://emac-edu.com


OSTEOPATIA

2

Índice O que é a Osteopatia?

2

O que é a Osteopatia Estrutural?

2

O que é a Osteopatia Sacro-cranial?

3

O que é a Osteopatia Visceral?

4

O que é a Libertação Somato-emocional?

5

Quando se deve consultar um Osteopata?

6

Conteúdo programático resumido

6

Docente

6

O que é a Osteopatia? A Osteopatia é uma terapia recente que surgiu nos EUA através do Dr. Andrew Taylor Still (1828-1917) que enunciou os princípios desta terapêutica da medicina natural. Etimologicamente Osteopatia provém dos termos gregos Ostión (osso) e Pathos (efeitos que vêm do interior) cujo inverso é Ethos como simpatia e não como patologia médica que é o resultado das doenças. Por conseguinte, Osteopatia é uma denominação correcta que indica a influência da doença, as suas causas e os seus tratamentos manuais, e não uma lesão local de um determinado osso. A Osteopatia estuda os efeitos internos que vêm da estrutura.

Andrew Taylor Still Considerado o pai da Osteopatia

A Osteopatia deve ser desmistificada, estar baseada na Anatomia, Fisiologia e Semiologia. Não deve ser esotérica mas sim cartesiana, tanto quanto possível. Não existem receitas. O tratamento é baseado num exame clínico. Um diagnóstico Osteopático deve conduzir a um Acto terapêutico Osteopático. Através de técnicas manuais tem como objectivo restabelecer a mobilidade perdida e dar equilíbrio ao sistema musculoesquelético, sacro-cranial e visceral, mantendo a elasticidade do tecido conjuntivo em todos os seus sistemas. Qualquer mudança na mobilidade do aparelho locomotor no sentido da hipo ou hiper mobilidade conduz a um transtorno funcional que, por sua vez, pode dar lugar a um quadro “patológico”. A Osteopatia abarca três grandes ramos: estrutural, cranial e visceral.

O que é a Osteopatia Estrutural? É a osteopatia articular, a parte que ocupa-se do aparelho músculoesquelético e da postura, incide em toda a estrutura: osteotendinosa, muscular e fascial e que nos permite abordar numerosos problemas e desequilíbrios harmonizando as estruturas do corpo humano. Todas as estruturas do corpo têm mobilidade própria. Devem estar livres. Os movimentos devem respeitar regras precisas: eixos, amplitude, ritmo. Se um destes elementos falta, o conjunto da mecânica será perturbado até ao nível da célula. O corpo tenta adaptar-se. Se consegue, não há sintoma. Se não pode, aparece o sintoma da patologia. Em ambos os casos temos uma lesão osteopática reconhecível e tratável.


OSTEOPATIA

3

Em todos os casos o osteopata realiza um diagnóstico osteopático que consiste em estabelecer que estruturas estão bloqueadas ou em disfunção, sempre desde o ponto de vista do movimento e trata de detectar todas as lesões osteopáticas existentes, uma vez que o tratamento consistirá em eliminar estas lesões mediante técnicas de estiramentos, mobilizações e manipulações. Em muitos países, onde a Osteopatia está mais introduzida, é uma técnica de primeira eleição, revelando-se mais efectiva que o tratamento farmacológico e a fisioterapia. É bem tolerada e carece de efeitos adversos, sendo uma terapia natural que principalmente restabelece o equilíbrio biomecânico do indivíduo. A Osteopatia é o sistema de cura que dá ênfase principal à integridade estrutural do corpo. Esta integridade estrutural é o factor mais importante a manter. Rege a boa saúde do organismo e evita a doença. (Associação Americana de Osteopatia).

O que é a Osteopatia Sacro-cranial? O Dr. William Garner Sutherland (1880 – 1954) foi aluno de Andrew Still (pai da Osteopatia). Sutherland estudou a anatomia do crânio durante mais de 30 anos. É o pai da Osteopatia Sacro-cranial. Demonstrou a particularidade de que, por causa das suturas, os ossos do crânio podem mover-se. É evidente que não se movem da mesma forma que a articulação do joelho ou de uma vértebra. No entanto, o osso vivo é flexível e permite um certo grau de deformação mínima na sua estrutura. É uma técnica subtil e manual para ajudar a detectar e corrigir os desequilíbrios do Sistema Sacro-cranial que podem ser a causa de disfunções intelectuais, motoras ou sensoriais. Existe um sistema situado entre os ossos do crânio e o cérebro, e que continua dentro da coluna vertebral até ao sacro, ao qual se chama de Crâniosacral ou Sacro-cranial. É um sistema hidráulico fechado, com o seu próprio ritmo fisiológico, onde por dentro destas estruturas flui o líquido cefalorraquidiano que banha, limitado externamente pela meninge dura-máter (cobertura de protecção), a medula e o cérebro. Esta flutuação do líquido através do seu percurso tem um ritmo de subida (flexão-abertura) e de descida (extensão-fecho) que se denomina Movimento Respiratório Primário (mrp), já que foi anterior ao movimento respiratório pulmonar, que não começa até nascermos, e que se pode perceber com a flutuação em forma de maré, criada pela potência do Alento de Vida. Este ritmo consiste em seis a doze pulsações por minuto, causadas pela rítmica produção e reabsorção do líquido cefalorraquidiano. O ritmo do Sistema Sacro-cranial pode-se sentir tão claramente como os ritmos cardiovascular e respiratório. Mas ao contrário dos outros ritmos, pode-se avaliar e corrigir. A terapia Sacro-cranial é realmente uma arte da escuta da linguagem do corpo humano, sentindo, entendendo e respeitando esta linguagem e respondendo de maneira apropriada como apoio no estímulo de autoregulação e equilíbrio do indivíduo e sua inteligência inerente para se auto-curar. A Osteopatia sacro-cranial utiliza-se para tratar uma grande variedade de problemas de saúde, incluindo dores de cabeça, pescoço e costas, disfunções da articulação tempero-mandibular, cansaço crónico, dificuldades de coordenação motora, problemas oculares, depressão endógena, fibromialgia, hiperactividade, problemas de concentração, disfunções do sistema nervoso e muitos outros transtornos. Devido à suavidade das suas manipulações e às suas características de estimulação dos recursos de saúde próprios do organismo, é uma técnica muito adequada para o tratamento de crianças desde o nascimento.

William Garner Sutherland

Considerado o pai da Osteopatia sacro-cranial


OSTEOPATIA O que é a Osteopatia Visceral? É o ramo da Osteopatia que se ocupa do tratamento de órgãos e vísceras, melhorando a função deles. A indicação das manipulações sobre o sistema digestivo é principalmente libertar aderências de podem dificultar a irrigação sanguínea dos mesmos, sequelas de cirurgias, sequelas de infecções e ptoses. Sobre a caixa torácica trabalha-se, principalmente, a mecânica respiratória, e as relações que esta tem com a coluna dorsal e cervical. A vida e o movimento estão intimamente ligados. Todo o ser vivo está em movimento. São de especial importância os movimentos geralmente não visíveis que têm lugar dentro do corpo humano. Estão relacionados com muitos níveis de actividade, desde pulsações celulares de origem desconhecida até contracções rítmicas do coração e do diafragma, o ritmo sacro-cranial, etc. O sistema visceral depende da sincronização entre os movimentos de todos os órgãos e as demais estruturas corporais. Quando a saúde está no seu nível óptimo, esta relação harmoniosa mantém-se estável dentro da grande variedade de movimentos do corpo. Como consequência da perda de mobilidade reduz-se a circulação sanguínea do tecido afectado. Esta hipoemia pode chegar a converter-se em isquémia. Desta forma, podem aparecer irritações, inflamações e infecções produzidas por problemas de irrigação. Quando um órgão não pode estar em harmonia com outra víscera devido a uma tonicidade anormal, aderências ou deslocamentos, trabalhará contra os outros órgãos e também contra as estruturas musculares, membranosas, fasciais e ósseas. Se a Osteopatia Estrutural e Cranial requerem uma habilidade e um saber fazer particular, a Osteopatia Visceral requer além disso muita perspicácia. O Dr. Still dizia que “o funcionamento do homem é uno e indivisível; qualquer que seja a alteração de um órgão, repercutirá necessariamente em todo o organismo”. Costuma-se dizer que as vísceras podem apresentar transtornos reversíveis (transtornos funcionais) ou irreversíveis (transtornos orgânicos) e que a osteopatia dedica-se aos transtornos funcionais. Mas de facto, é muito mais complexo que tudo isso, pois existem estados mistos onde transtornos funcionais e orgânicos se misturam. As investigações do Dr. Jean-Pierre Barral e o seu trabalho clínico com os movimentos rítmicos viscerais levaram-no ao desenvolvimento de uma forma de pressão manual focada nos órgãos internos e o seu entorno, sem esquecer a sua potencial influência sobre muitas das suas disfunções estruturais e fisiológicas. O termo com que denominou a sua terapia foi Manipulação Visceral. Esta manipulação baseia-se na palpação das forças normais e anormais do corpo. Através de uma palpação específica, o terapeuta pode avaliar como interactuam as forças anormais, como de sobrepõem e como afectam as forças normais que trabalham no corpo. O objectivo da Manipulação Visceral é assistir as forças normais do corpo para tirar os efeitos anormais, seja qual for a sua origem.

4


OSTEOPATIA

5

Para que o corpo humano funcione de uma forma óptima é necessário que os quatro sistemas principais do corpo estejam em harmonia:  Sistema Parietal: osteopatia estrutural, transtornos funcionais do aparelho locomotor.  Sistema Crânio-sacro: conjunção de movimentos das suturas do crânio e as articulações sacro-ílíacas.  Sistema Visceral: mobilidade e função dos órgãos internos.  Psique. Estes sistemas encontram-se num equilíbrio funcional. As fáscias asseguram a relação funcional entre o aparelho locomotor, o sistema visceral e os diferentes sistemas do corpo. Quando um sistema está alterado produz-se imediatamente um desequilíbrio pelo qual se vêem afectados outros sistemas. Nós, os osteopatas, temos de respeitar a regra de ouro da osteopatia: devolver a mobilidade à estrutura, tendo em conta o entorno anatómico, circulatório, hormonal e nervoso, dentro do contexto psicológico próprio de cada indivíduo.

Osteopatia Sacro-cranial e libertação somato-emocional As emoções marcam o corpo. Quando não podem ser integradas ou transferidas, somatizam-se e alojam-se, em forma de quistos energéticos, em determinados tecidos do organismo, provocando mudanças tanto físicas como comportamentais na pessoa que os tem. Esta terapia está baseada na escuta e localização destes pontos, ajudando a sua libertação espontânea por parte do paciente. A Libertação Somato-Emocional é um processo terapêutico que ajuda a libertar a mente e o corpo dos efeitos residuais causados por traumas passados. Segundo as investigações do Dr. John E. Upledger (1933 - …) e o biofísico Zvi Karni, o corpo por vezes, em vez de dissipar, retém e isola numa zona corporal o dano produzido por um acidente ou trauma emocional. A isto chamamos “Quisto energético”. O factor mais determinante para que se forme um quisto energético é o estado emocional da pessoa no memento do trauma. Ainda que um corpo razoavelmente saudável pode trabalhar e adaptarse a um quisto energético, requer energia extra para levar a cabo as funções corporais normais. Conforme os anos passam, a capacidade de adaptação do corpo vai perdendo efectividade e os sintomas e as disfunções começam a aparecer, sendo cada vez mais difícil de ignorar e suprimir. Um quisto energético pode conter no seu interior uma emoção. As emoções e os sentimentos afectam-nos mental e fisicamente. Mediante a Libertação Somato-Emocional e toda uma série de recursos apropriados, o terapeuta ajuda o paciente a libertar essas emoções e recordações que estavam a provocar-lhe a “doença”. O terapeuta que tenha concluído este tipo de especialização poderá prosseguir a sua evolução profissional neste campo tirando mais duas especializações:  Bio-aquática nível I e nível II (c/golfinhos)  Sistema imunológico

Dr. Upledger e Dr. Arturo Farina


Quando se deve consultar um Osteopata? Lesões das costas (cervicais, lombares, hérnias, contracturas), lesões desportivas (entorses, luxações, sobrecarga muscular), patologia músculoesquelética (artroses, artrites, fibromialgia, osteoporose), transtornos da esfera crânio-cervical (cefaleias, enxaquecas, vertigens, tonturas), transtornos digestivos, circulatórios, respiratórios, transtornos nervosos, transtornos psicossomáticos. É bom receber um tratamento osteopático após um período difícil durante o qual fomos mal tratados tanto física como moralmente. É nesses períodos que o nosso corpo acumula tensões. Libertar essas tensões uma vez ultrapassada a dificuldade permite uma recuperação rápida em todos os planos. A seguir são enumeradas alguns exemplos de situações nas quais um osteopata é uma ajuda eficaz: durante a gravidez e depois do parto, ainda que tenha decorrido sem problemas,depois do nascimento e durante a infância, depois de um grande traumatismo, intervenção cirúrgica, durante ou depois de um período particularmente stressante ou de esgotamento físico e/ou intelectual ou de um período emocional difícil, antes da colocação de um aparelho dental, durante todo o tratamento e depois da retirada do aparelho , etc.

Conteúdo programático resumido Osteopatia Estrutural e Periférica - Conceitos de Medicina Osteopática; Coluna cervical; Tecido conjuntivo e A.T.M.; Coluna dorsal.; Coluna lombar; Pélvis – Ilíacos; Pélvis – Sacro; Hérnias Discais - Costelas – Escolioses; Ombro; Anca – Joelho; Pé - Cotovelo – Mão; Lesões mecânicas. Osteopatia Sacro-craniana e Visceral - Fundamentos da Osteopatia Sacro-Craniana; Base Craniana; Occipital e Sacrolombar; O sistema Sacro-craniano; Ossos temporais; Pontos de Quietude; Articulação Tempero-mandibular; Esfenóides; Osteopatia Crânio-facial; A Cara; Sacro-craniana em Pediatria. - Fígado; Estômago e linhas de tensão; Intestino Grosso e Esfíncteres; Duodeno - Intestino Delgado; Rins/Escuta local; Bexiga, Aponeurose e Epíploo; Baço – Pâncreas; Órgãos sexuais; Vesícula Biliar; Diafragma Cervical; Pulmões.

Docente Dr. Arturo Farina (Espanha) Osteopata, Homeopata, especialista em Medicina Ortomolecular e Microimunoterapia, Terapeuta Sacro-Cranial e psicossomático. Vasto curriculo como professor universitário.

Dr. José Seco (Portugal) Osteopata, professor assistente de Dr. Arturo Farina no Porto. Formação em Osteopatia Estrutural e Periférica, Sacro-Craneal e Visceral pela EMAC (Porto), formação em Biomagnetismo pelo Instituto de Magnetismo Holístico Celular Hispanoamericano (México). Segue a EMAC no FACEBOOK https://www.facebook.com/emac.edu

Brochura de Osteopatia  

Tudo sobre as varias especialidades da Osteopatia