Issuu on Google+

. Olá. Já são dezanove (19) edições do nosso Jornal “Campo de Sol”!

Renascemos! Esta é a primeira edição do nosso jornal neste ano lectivo 2009/10. Apesar de serem já 19 as edições, esta detém um carácter especial pois nela falamos da inauguração da nossa escola. Talvez o termo certo seja “renascimento” e não inauguração... Apesar da nova imagem e das novas infraestruturas, a verdade é que o que faz da nossa escola o que sempre foi, são os que nela trabalham e os que nela estudam, e esses mantêm-se, com algumas excepções, fiéis a ela. São portanto muitas as mudanças. A escola parece outra. Nova, moderna, actual. Alguns colegas partiram, outros colegas chegaram. Alguns alunos continuam os seus estudos noutras instituições. Até a direcção tem agora outra face e outras ideias. Mas, independentemente de tudo isto, continuamos todos a trabalhar para que a EB1/PE do Campo de Baixo continue na sua demanda de fazer cada vez mais e melhor em prol das nossas crianças, da nossa comunidade, e do seu nome, de forma a que este seja sinónimo de respeito, valores e conhecimento, como foi desde sempre o seu objectivo. A todos os que dela fizeram parte, ou que de alguma forma com ela colaboraram, o nosso muito obrigado pois, sem o seu contributo, nunca teríamos chegado onde estamos hoje.

Prof. Cláudio Gonçalves Coordenador das Tecnologias de Informação e Comunicação e do Projecto Jornal Escolar online, “Campo de Sol”


.


.

“O presidente do Governo Regional inaugurou, ontem, no Dia do Professor, o redimensionamento da Escola Básica do 1.º Ciclo com Pré-Escolar do Campo de Baixo, no Porto Santo. Uma oportunidade para Alberto João Jardim prestar homenagem a todos os docentes na Região. Na sua intervenção, Alberto João Jardim disse ter tido a sorte de, «ao longo de mais de 30 anos, ter a Madeira, sempre, um excelente corpo docente. Professores que, na sua maioria esmagadora, não se limitaram a ser funcionários públicos. Foram verdadeiros educadores. Foram homens e mulheres que foram complementares do papel da família na educação das crianças», por isso endereçou a todos eles o seu «muito obrigado».

Governo da Madeira cumpre programa Sobre a remodelação da escola do Campo de Baixo, Alberto João Jardim afirmou que se trata, praticamente, de uma escola nova, dada a intervenção que ali foi feita. Uma obra que, conforme referiu, fazia parte do seu programa de Governo. Um compromisso que tinha assumido com a população do Porto Santo. Alberto João Jardim realçou também o grande empenho do presidente da Câmara Municipal do Porto Santo na concretização desta obra, que representou um investimento do Governo Regional superior a 1,4 milhões de euros. A obra, de acordo com o chefe do Executivo madeirense, era para ser feita em 2011. Mas, por insistência da autarquia, alegando que se tratava de uma infra-estrutura de grande prioridade, acabou por ficar concluída quase dois anos antes. Um facto que Alberto João Jardim disse ficar a dever-se à persistência de Roberto Silva. Já no final da sua intervenção, Alberto João Jardim felicitou também o actual presidente do Conselho Directivo da Escola do Campo de Baixo, bem como o seu antecessor, pelo empenho e dedicação de ambos ao Porto Santo, cujos contributos tornaram também possível a ampliação daquele estabelecimento de ensino.”


. A OBRA A empreitada de redimensionamento da Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-escolar do Campo de Baixo, na Ilha do Porto Santo, foi ontem inaugurada. A obra do Governo madeirense, contemplou a reformulação do edifício existente, criando novos espaços de convívio e novas salas de actividade curricular e extracurricular. A reformulação e ampliação da cozinha e do refeitório foram tidas em conta, bem como a substituição das instalações sanitárias existentes e a criação de novas instalações para pessoas com mobilidade reduzida e para os alunos do pré-escolar. A nível de arranjos exteriores, foi criado um novo campo de jogos com as dimensões oficiais de 44x22m, com espaço de bancada e respectivos balneários de apoio. Foi ainda considerado um espaço de parque infantil, amplas zonas de recreio coberto e descoberto e um estacionamento para 33 viaturas. O custo da obra foi de 1,4 milhões de euros.” Jornal da Madeira, 06 de Outubro 2009


.

Pré Os nossos pequenos da Pré-escolar foram os primeiros a experimentar sensações fortes. Aqui estão algumas...


.

É tempo de castanhas. “Quentes e boas!”


.


.

O Grupo Xarabanda Fizeram-nos uma visita. E trouxeram muita mĂşsica com eles...


.

Visitas de estudo Apesar de pequena, a nossa ilha tem muito para descobrir… E foi o que fizemos!

O Grupo Xa O Museu Casa Colombo oferece uma realidade há muito esquecida. Este ano comemora 20 anos de existência. Os nossos alunos dos 2º e 3º ano fizeram uma viagem no tempo e divertiram-se muito!


.


.


.


.


.

A Central Dessalinizadora ĂŠ uma infraestrutura essencial no Porto Santo. Os alunos do 4Âş ano foram perceber como funciona.


.


. O intercâmbio entre escolas é importante. Numa dessas iniciativas, os nossos alunos do 4º ano foram convidados a assistir, e a participar, no hastear da bandeira Eco-Escolas no Externato Nossa Senhora da Conceição.


.

O 3º ano resolveu aventurar-se um pouco por toda a ilha e fez uma visita turística. Mas não foram sozinhos! Com eles foram os amigos do 3º ano da Escola do 1º Ciclo da Camacha e da Escola do 1º Ciclo do Porto Santo.

O Sr. Idalino, pai do nosso Tomás Alexandre, deu boleia a todos no autocarro da sua agência “Dunas”, e ainda foi o gui

turístico desta pequenada bem animada! Aqui ficam algumas recordações da visita à Calheta, ao Campo de Golfe, às Capelas ao Miradouro da Portela, à Serra de Fora e à Serra de Dentro, e ao obrigatório Pico do Castelo.


.


.


.


.

A foto do grupo.


. O Museu Cardina já é um local de visita emblemático do Porto Santo. Quem se interessa pela história desta ilha e do seu povo tem que o conhecer. E os nossos alunos não fogem à regra! No âmbito do estudo do tema “O Passado do Meio Local”, os alunos do 3º ano foram saber mais sobre os usos e costumes da sua terra.


.


.

As visitas à Ecoteca são habituais para os nossos alunos. De cada visita trazem novos conhecimentos, ideias, experiências. Desta vez foi o 4º ano a visitar e a participar em jogos iterativos.


.

A base da Força Aérea da NATO no Porto Santo também gosta de se envolver com a comunidade e com as crianças em particular. Aqui foram os nossos alunos do 4º ano que aceitaram o convite que foi feito à nossa escola para visitarem as instalações militares.


. Hora do lanche.


.


.

Festividades São muitas as datas e os momentos para festejar ao longo de um ano lectivo. Gostamos de participar em todas e de guardar boas recordações. O Pão-por-Deus é especial para todos. A partilha e a generosidade são apenas algumas das lições a retirar deste momento festivo. Todos os anos participamos activamente, e este não foi excepção! E para mostrarmos que a escola é para todas as idades, aqui estão alguns dos nossos alunos do Recorrente que, tal como os mais pequeninos, também gostam de conviver e animar todas as actividades da nossa escola.

É claro que nada disto seria possível sem o apoio, sempre pronto, do nosso pessoal auxiliar.


.


.

Halloween O Dia das Bruxas não é uma festa nossa, mas como também ensinamos usos e costumes de outros países, em disciplinas como o Inglês e o Clube Eurolândia, ele também tinha que ser celebrado. O Professor Telmo, e as suas turmas de Inglês, empenharam-se nas abóboras (que até ficaram bem giras!). “Watch and learn how we do our Jack o’ Lanterns”


.

“A vela na abóbora provavelmente tem a sua origem no folclore irlandês. Um homem chamado Jack, um alcoólatra grosseiro, num dia 31 de Outubro bebeu excessivamente e o diabo veio buscar a sua alma. Desesperado, Jack implora por mais um copo de bebida e o diabo concede. Jack estava sem dinheiro para o último copo e pede ao Diabo que se transforme numa moeda. O Diabo aceita. Mal vê a moeda sobre a mesa, Jack guardaa na carteira, que tem um fecho em forma de cruz. Desesperado, o Diabo implora para sair e Jack propõe um contracto: libertá-lo em troca de ficar na Terra por mais um ano inteiro. Sem opção, o Diabo concorda. Feliz com a oportunidade, Jack resolve mudar o seu modo de agir e começa a tratar bem a esposa e os filhos, vai à igreja e faz até caridade. Mas a mudança não dura muito tempo…


. … No ano seguinte, na noite de 31 de Outubro, Jack vai a caminho de casa quando o Diabo aparece. Esperto como sempre, convence o diabo a pegar numa maçã de uma árvore. O diabo aceita e quando sobe no primeiro galho, Jack pega um canivete em seu bolso e desenha uma cruz no tronco. O diabo promete partir por mais dez anos. Sem aceitar a proposta, Jack ordena que o diabo nunca mais o aborreça. O diabo aceita e Jack liberta-o da árvore. Para seu azar, um ano mais tarde, Jack morre. Tenta entrar no céu, mas sua entrada é negada. Sem alternativa, vai para o inferno. O diabo, ainda desconfiado e humilhado, também não permite a sua entrada. Mas, com pena da alma perdida, o diabo lança-lhe uma brasa para que Jack possa iluminar seu caminho pelo limbo. Jack põe a brasa dentro de um nabo para que dure mais tempo e sai. Os nabos na Irlanda eram usados como "lanternas do Jack" originalmente…

… Mas quando os imigrantes foram para a América, descobriram que as abóboras eram muito mais abundantes que os nabos. Então Jack O'Lantern (Jack da Lanterna) na América passa a ser uma abóbora, iluminada com uma brasa. A sua alma penada passa a ser conhecida como Jack O'Lantern (Jack da Lanterna). Quem presta atenção vê uma luzinha fraca na noite de 31 de Outubro. É Jack, procurando um lugar.”


.

O Natal O Natal é a época mais esperada por todas as crianças do Mundo. Os nossos alunos começam a vivê-lo muito antes da sua data nas mais variadas actividades que a nossa escola lhes propicia. Mas é claro que o culminar de tudo é a festa de Natal. Os preparativos, os ensaios, o espectáculo, o público, os presentes… Tudo isto, e mais, fazem com que todo o trabalho valha a pena. E a festa foi espectacular! Mas antes, é preciso escrever ao Pai Natal e pedir o que se desejou durante um ano inteiro!

Os meninos e meninas da Pré visitaram os Correios e não perderam a oportunidade de enviar umas cartinhas. Ninguém se esqueceu da sua!


.

A Educadora Merita e a Professora Licínia levaram o 2º ano até aos correios para também eles enviarem as suas cartinhas com pedidos e cumprimentos ao Pai Natal. E aproveitaram para visitar outro símbolo do Natal: o presépio. Foi uma tarde bem animada!


.

Depois dos pedidos ao Pai Natal, ĂŠ tempo de preparar a festa. Muitas horas de trabalho e empenho para que tudo corresse bem e a nossa festa ficasse bonita. E ficou.


.

Até as autoridades que convidámos tiveram uma atenção especial. Convites de Natal!


.

A nossa Festa de Natal A Festa de Natal é o momento pelo que todos anseiam. Todos vestem as suas personagens. Os textos decoram-se e as cantigas ficam bem afinadas, e com as coreografias ensaiadas, tudo ganha um colorido especial. É o momento das nossas crianças brilharem. E todos se aplicaram e divertiram muito. O nosso refeitório transformou-se em teatro, e os nossos alunos em estrelas.


.

Festa que se preze tem que ter uns apresentadores à altura. E o Lino e a Carla, do 3º ano, estiveram impecáveis!

O Auto de Natal.


.

A Professora NazarĂŠ trouxe um coro bem afinado (e bem janota!).


.


.

O 2ยบ ano teve os seus prรณprios apresentadores. Mas nรฃo se ficaram atrรกs. O Pedro e a Shiman nem olharam para as cรกbulas. Verdadeiros profissionais!


.


.


.

O Sr. Director agradeceu o esforรงo de todos e a presenรงa dos familiares e amigos na nossa festa.


.

O dia foi de festa. E ela continuou na rua…

… onde aproveitámos o momento festivo para também presentear a nossa escola com a bandeira de Escola Modelo do Trânsito, conquistada no ano lectivo passado. ~


.

Todos foram convidados a lanchar, e a nossa escola ficou animada um pouco por todo o lado.

O nosso PresĂŠpio.


.

Mas festa de Natal, sem Pai Natal, não é festa. E ele apareceu por cá, para alegria de todos. Como sempre, trouxe muitos presentes e felicidade para todas as crianças, que há muito ansiavam pela sua vinda. Ficou a promessa de voltar, para o ano.


.


.

Este ano foi inesquecível! Para o ano, há mais.


.

Outras Festividades

O 3º ano mascarou-se para o Dia de Reis.

E o 4º ano, com o apoio da Professora Nazaré, fez questão de ir cantar a Janeiras a todas as salas.


.

Santo Amaro

O Santo Amaro é o momento em que os festejos de Natal se prolongam por mais um pouco. O convite é feito pelas mais variadas instituições, e todos aceitam e voltam a reunirse à volta de mesas cheias de coisas boas para voltar a cantar e a celebrar.


.


.


.

Trabalhos Ao longo do ano lectivo fazem-se muitos e variados trabalhos, sobre os mais variados temas. Aqui ficam alguns exemplos de pequenas obras realizadas pelos nossos alunos.


.


.


.


.


.


.

Um amor

Levou-me um amor a fazer loucuras que por onde andasse eram puras, Corri a praia, o planeta e nunca mais havia meta. P`ra falar verdade eram doçuras. Com um amor cruzei fronteiras e apesar de tudo pessoas batoteiras. Com Africanos e Espanhóis andava Portugueses e Mongóis. P`ra falar verdade eram pessoas matreiras. Andei num amor a sofrer e quase a morrer. Por países devastados via só o “Homem” isolado. P`ra falar verdade parecia só ser. António 4º ano


. Artigo para o Jornal: O Mensageiro do Recorrente A turma do Ensino Recorrente da Escola Básica do 1.º Ciclo com Pré-escolar de Campo de Baixo – Porto Santo revelou-se muito dinâmica e entusiasmada em todas as actividades que se realizaram neste primeiro período lectivo. O diálogo foi uma constante entre todos os alunos e o professor. Fizeram-se muitas visitas de estudo virtuais a vários locais do mundo, nomeadamente aos vinte e sete países da União Europeia, utilizando o YouTube e a projecção desses vídeos no projector multimédia. As visitas virtuais aos países dos nossos alunos estrangeiros possibilitaram aos outros alunos um melhor conhecimento da realidade cultural desses mesmos locais. Situámo-los no mapa e as trocas de saberes culturais foram muito enriquecedoras para todos. A comunicação por via electrónica também foi fomentada visto os alunos praticarem a mesma na turma e com os seus familiares emigrados em todos os continentes. Recorreu-se a material reutilizável para elaborar construções matemáticas, realizar a concretização de aprendizagens e fazer a sistematização de conhecimentos. O Ensino Recorrente participou também para a Festa de Natal da escola com a elaboração de dez postais de Natal para serem enviados pela Direcção da Escola às várias entidades do meio local, elaborou elementos de decoração das paredes com papel metalizado e realizou casinhas de papel para serem colocadas na lapinha da escola. Os alunos sentiram-se, profundamente, entusiasmados com todas estas actividades. Concomitantemente, realizámos um espaço de diálogo diário alusivo a todos os temas tratados nas aulas. Os alunos elaboraram também um postal de Natal para enviar aos seus familiares, formulando votos de umas Festas Felizes. Todos se sentiram empenhados na partilha dos seus conhecimentos e experiências de vida. Foram actividades cativantes para todos. Os alunos do Ensino Recorrente da EB1 c/ PE de Campo de Baixo – Porto Santo e o seu professor formulam votos de um Feliz e Santo Natal e de um Ano Novo repleto de prosperidade, saúde, Amor e muita Paz para todos.

O Professor do ER José Raimundo Vasconcelos


.

Esta foi a nossa 19ª edição. A 20ª vai trazer mais surpresas e mais momentos para recordar. Até à próxima!


Jornal Escolar 19