Page 1

PRIMEIRA EPÍSTOLA AOS TESSALONICENSES 1 Endereço — 1 Paulo, Silvano e Timóteo à Igreja de Tessalônica, em Deus Pai, e no Senhor Jesus Cristo. A vós graça e paz! Ação de graças e felicitações — 2Damos graças a Deus por todos vós, sempre que fazemos menção de vós em nossas orações. 3É que recordamos sem cessar, aos olhos de Deus, nosso Pai, a atividade de vossa fé, o esforço da vossa caridade e a perseverança da vossa esperança em nosso Senhor Jesus Cristo. 4Sabemos, irmãos amados de Deus, que sois do número dos eleitos 5— porque o nosso evangelho vos foi pregado não somente com palavras, mas com grande eficácia no Espírito Santo e com toda a convicção. Assim, sabeis como temos andado no meio de vós para o vosso bem. 6Vós vos tornastes imitadores nossos e do Senhor, acolhendo a Palavra com a alegria do Espírito Santo, apesar das numerosas tribulações; 7de sorte que vos tornastes modelo para todos os fiéis da Macedônia e da Acaia. 8Porque, partindo de vós, se divulgou a Palavra do Senhor, não apenas pela Macedônia e Acaia, mas propagou-se por toda parte a fé que tendes em Deus. Não é necessário falarmos disso,9pois eles mesmos contam qual acolhimento que da vossa parte tivemos, e como vos convertestes dos ídolos a Deus, para servirdes ao Deus vivo e verdadeiro, 10e esperardes dos céus a seu Filho, a quem ele ressuscitou dentre os mortos: Jesus que nos livra da ira futura. 2 A atitude de Paulo durante sua estada em Tessalônica — 1Bem sabeis, irmãos, que não foi inútil a nossa estada entre vós. 2Sabeis que sofremos e fomos insultados em Filipos. Decidimos, contudo, confiados em nosso Deus, anunciar-vos o evangelho de Deus, no meio de grandes lutas. 3Pois a nossa exortação nada tem de intenções enganosas, de motivos espúrios, nem de astúcias. 4Uma vez que Deus nos achou dignos de confiar-nos o evangelho, falamos não para agradar aos homens, mas, sim, a Deus, que perscruta o nosso coração. 5Eu não me apresentei com adulações, como sabeis; nem com secreta ganância, Deus é testemunha! 6Tampouco procuramos o elogio dos homens, quer vosso quer de ou- trem, 7ainda que nós, na qualidade de apóstolo de Cristo, pudéssemos fazer valer a nossa autoridade. Pelo contrário apresentamo-nos no meio de vós cheios de bondade, como uma mãe que acaricia os seus filhinhos. 8Tanto bem vos queríamos que desejávamos dar-vos não somente o evangelho de Deus, mas até a própria vida, de tanto amor que vos tínhamos. 9 Ainda vos lembrais, meus irmãos, dos nossos trabalhos e fadigas. Trabalhamos de noite e de dia, para não sermos pesados a nenhum de vós. Foi assim que pregamos o evangelho de Deus. 10Vós sois testemunhas, e Deus também o é, de quão puro, justo e irrepreensível tem sido o nosso modo de proceder para convosco, os fiéis. 11Bem sabeis que exortamos a cada um de vós como um pai a seus filhos; 12nós vos exortávamos, vos encorajávamos e vos conjurávamos a viver de maneira digna de Deus, que vos chama ao seu Reino e à sua glória. A fé e a paciência dos tessalonicenses — 13Por esta razão é que sem cessar agradecemos a Deus por terdes acolhido a sua Palavra, que vos pregamos não como palavra humana, mas como na verdade é, Palavra de Deus que está produzindo efeito em vós, os fiéis. 14Irmãos, vós fostes imitadores das Igrejas de Deus que estão na Judéia, em Cristo Jesus; pois que da parte dos vossos conterrâneos tivestes de sofrer o mesmo que aquelas Igrejas sofreram da parte dos judeus.15Eles mataram o Senhor Jesus e os profetas, e nos têm perseguido a nós. Desagradam a Deus e são inimigos de toda gente.


16

Querem impedir-nos de pregar aos gentios para que se salvem; e com isto enchem a medida dos seus pecados, até que a ira acabe por cair sobre eles. A preocupação do Apóstolo — 17Nós, porém, irmãos, privados por um momento de vossa companhia, não de coração mas só de vista, desejamos muito vos rever. 18 Quisemos ir visitar-vos — eu mesmo, Paulo, quis fazê-lo muitas vezes —, mas Satanás me impediu. 19Pois, quem é, senão vós, a nossa esperança, a nossa alegria, a coroa de glória, diante do Senhor Jesus no dia da sua Vinda? Sim, sois vós a nossa glória e a alegria nossa! 3 O envio de Timóteo a Tessalônica — 1Por isso, não podendo mais suportar, resolvemos ficar sozinhos em Atenas, 2e enviamos a Timóteo, nosso irmão e ministro de Deus na pregação do evangelho de Cristo, com o fim de vos fortificar e exortar na fé, 3 para que ninguém desfaleça nestas tribulações. Pois bem sabeis que para isso é que fomos destinados. 4Quando estávamos convosco já dizíamos que haveríamos de passar tribulações; foi o que aconteceu, como sabeis. 5Por isso, não podendo mais suportar, mandei colher informações a respeito de vossa fé, temendo que o Tentador? vos tivesse seduzido, inutilizando o nosso trabalho. Ação de graças pelas notícias recebidas — 6 Agora, porém, Timóteo voltou para perto de nós, da visita que vos fez, trazendo-nos boas notícias a respeito da vossa fé e caridade, afirmando que guardais sempre afetuosa lembrança nossa e que desejais ver-nos, assim como nós também a vós. 7Meus irmãos, a vossa fé nos consolou, em meio a muita angústia e tribulação. 8Agora estamos reanimados, porque estais firmes no Senhor. 9Como poderíamos agradecer a Deus por vós, pela alegria que nos destes diante de nosso Deus? 10Noite e dia rogamos com instância poder rever-vos, a fim de completarmos o que ainda falta à vossa fé. 11Deus, nosso Pai, e nosso Senhor Jesus aplainem o nosso caminho até vós. 12A vós, porém, o Senhor faça crescer e ser ricos em amor mútuo e para com todos os homens, a exemplo do amor que nós vos temos. 13Queira ele confirmar os vossos corações numa santidade irrepreensível, aos olhos de Deus, nosso Pai, por ocasião da Vinda de nosso Senhor Jesus com todos os santos, 4 Recomendações: santidade de vida e amor — 1Finalmente, meus irmãos, vos pedimos e exortamos no Senhor Jesus que, tendo ouvido de nós como deveis viver para agradar a Deus, e assim já viveis: todavia, deveis ainda progredir. 2Pois conheceis as instruções que vos demos da parte do Senhor Jesus. 3Porquanto, é esta a vontade de Deus: a vossa santificação,1que vos aparteis da luxúria, 4que cada qual saiba tratar a própria esposa com santidade e respeito, 5sem se deixar levar pelas paixões, como os gentios, que não conhecem a Deus. 6Nessa matéria ninguém fira ou lese a seu irmão, porque de tudo isso se vinga o Senhor, como já vos temos dito e assegurado. 7Pois Deus não nos chamou para a impureza, mas sim para a santidade. 8Portanto, quem desprezar estas instruções não despreza um homem, mas Deus, que vos infundiu o seu Espírito Santo. 9Não precisamos vos escrever sobre o amor fraterno; pois aprendestes pessoalmente de Deus a amar-vos mutuamente; 10e é o que fazeis muito bem para com todos os irmãos em toda a Macedônia. Nós, porém, vos exortamos, irmãos, a progredir cada vez mais. 11Empenhai a vossa honra em levar vida tranqüila, ocupar-vos dos vossos negócios, e trabalhar com vossas mãos, conforme as nossas diretrizes. 12Assim levareis vida honrada aos olhos dos de fora, e não tereis necessidade de ninguém. Os mortos e os vivos na Vinda do Senhor 13Irmãos, não queremos que ignoreis o que se refere aos mortos, para não ficardes tristes como os outros que não têm esperança. 14Se


cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também os que morreram em Jesus, Deus há de levá-los em sua companhia. 15Pois isto vos declaramos, segundo a palavra do Senhor: que os vivos, os que ainda estivermos aqui para a Vinda do Senhor, não passaremos à frente dos que morreram. 16Quando o Senhor, ao sinal dado, à voz do arcanjo e ao som da trombeta divina, descer do céu, então os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; 17em seguida nós, os vivos que estivermos lá, seremos arrebatados com eles nas nuvens para o encontro com o Senhor, nos ares. E assim, estaremos para sempre com o Senhor. 18Consolai-vos, pois, uns aos outros com estas palavras. 5 A vigilância aguardando a Vinda do Senhor 1

No tocante ao tempo e o prazo, meus irmãos, é escusado escrever-vos, 2porque vós sabeis, perfeitamente, que o Dia do Senhor virá como ladrão noturno. 3Quando as pessoas disserem: paz e segurança!, então, lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores sobre a mulher grávida; e não poderão escapar. 4Vós, porém, meus irmãos, não andais em trevas, de modo que esse Dia vos surpreenda como um ladrão; 5pois que todos vós sois filhos da luz, filhos do dia. Não somos da noite, nem das trevas. 6 Portanto, não durmamos, a exemplo dos outros; mas vigiemos e sejamos sóbrios. 7 Quem dorme, dorme de noite; quem se embriaga, embriaga-se de noite. 8Nós, pelo contrário, que somos do dia, sejamos sóbrios, revestidos da couraça da fé e da caridade, e do capacete da esperança da salvação. 9Portanto, não nos destinou Deus para a ira, mas sim para alcançarmos a salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo, 10que morreu por nós, a fim de que nós, na vigília ou no sono, vivamos em união com ele. 11Consolai-vos, pois, e edificai-vos mutuamente como já fazeis. Algumas exigências da vida comunitária — 12Nós vos rogamos, irmãos, que tenhais consideração por aqueles que se afadigam no meio de vós, e vos são superiores e guias no Senhor. 13Tende para com eles um amor especial, por causa do seu trabalho. Vivei em paz uns com os outros. 14Nós vos exortamos, irmãos: admoestai os indisciplinados; reconfortai os pusilânimes, sustentai os fracos; sede pacientes para com todos. 15Vede que ninguém retribua o mal com o mal; procurai sempre o bem uns dos outros e de todos. 16Ficai sempre alegres, 17orai sem cessar. 18Por tudo dai graças, pois esta é a vontade de Deus a vosso respeito, em Cristo Jesus. 19Não extingais o Espírito; 20não desprezeis as profecias. 21Discerni tudo e ficai com o que é bom. 22Guardai-vos de toda espécie de mal. Última oração e despedida — 23O Deus da paz vos conceda santidade perfeita; e que o vosso ser inteiro, o espírito, a alma e o corpo sejam guardados de modo irrepreensível para o dia da Vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. 24Quem vos chamou é fiel, e é ele que vai agir. 25Orai por nós, irmãos. 26Saudai a todos os irmãos com ósculo santo. 27 Conjuro-vos, no Senhor, que esta carta seja lida a todos os irmãos. 28A graça de nosso Senhor Jesus Cristo esteja convosco!

54 primeira  

documentos igreja