Page 1


EMBRIOLOGIA VETERINÁRIA

C0115.indd i

6/11/12 1:26:15 PM


C0115.indd ii

6/11/12 1:26:15 PM


EMBRIOLOGIA VETERINÁRIA Poul Hyttel University of Copenhagen, Denmark

Fred Sinowatz LMU Munich, Germany

Morten Vejlsted University of Copenhagen, Denmark Com a assistência editorial de Keith Betteridge Ontario Veterinary College, University of Guelph, Canada Introdução Eric W. Overström, Ph.D. Professor and Head Department of Biology & Biotechnology Director, Life Sciences & Bioengineering Center Worcester Polytechnic Institute Worcester, Massachusetts

C0115.indd iii

6/11/12 1:26:15 PM


© 2012 Elsevier Editora Ltda. Tradução autorizada do idioma inglês da edição publicada por Saunders – um selo editorial Elsevier Limited. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. Nenhuma parte deste livro, sem autorização prévia por escrito da editora, poderá ser reproduzida ou transmitida sejam quais forem os meios empregados: eletrônicos, mecânicos, fotográficos, gravação ou quaisquer outros. ISBN: 978-85-352-5195-1 Copyright © 2010 by Elsevier Limited. This edition of Essentials of Domestic Animal Embryology, First Edition by Poul Hyttel, Fred Sinowatz, Morten Vejlsted is published by arrangement with Elsevier Limited. ISBN: 978-0-7020-2899-1 Capa Folio Design Editoração Eletrônica Thomson Digital Elsevier Editora Ltda. Conhecimento sem Fronteiras Rua Sete de Setembro, n° 111 – 16° andar 20050-006 – Centro – Rio de Janeiro – RJ Rua Quintana, n° 753 – 8° andar 04569-011 – Brooklin – São Paulo – SP Serviço de Atendimento ao Cliente 0800 026 53 40 sac@elsevier.com.br Consulte também nosso catálogo completo, os últimos lançamentos e os serviços exclusivos no site www.elsevier.com.br

Nota Como as novas pesquisas e a experiência ampliam o nosso conhecimento, pode haver necessidade de alteração dos métodos de pesquisa, das práticas profissionais ou do tratamento médico. Tanto médicos quanto pesquisadores devem sempre basear-se em sua própria experiência e conhecimento para avaliar e empregar quaisquer informações, métodos, substâncias ou experimentos descritos neste texto. Ao utilizar qualquer informação ou método, devem ser criteriosos com relação a sua própria segurança ou a segurança de outras pessoas, incluindo aquelas sobre as quais tenham responsabilidade profissional. Com relação a qualquer fármaco ou produto farmacêutico especificado, aconselha-se o leitor a cercar-se da mais atual informação fornecida (i) a respeito dos procedimentos descritos, ou (ii) pelo fabricante de cada produto a ser administrado, de modo a certificar-se sobre a dose recomendada ou a fórmula, o método e a duração da administração, e as contraindicações. É responsabilidade do médico, com base em sua experiência pessoal e no conhecimento de seus pacientes, determinar as posologias e o melhor tratamento para cada paciente individualmente, e adotar todas as precauções de segurança apropriadas. Para todos os efeitos legais, nem a Editora, nem autores, nem editores, nem tradutores, nem revisores ou colaboradores, assumem qualquer responsabilidade por qualquer efeito danoso e/ou malefício a pessoas ou propriedades envolvendo responsabilidade, negligência etc. de produtos, ou advindos de qualquer uso ou emprego de quaisquer métodos, produtos, instruções ou ideias contidos no material aqui publicado. O Editor

CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ H999e Hyttel, Poul Embriologia veterinária / [Poul Hyttel, Fred Sinowatz, Morten Vejlsted] ; [tradução Antônio Chaves de Assis Neto ... et al.]. - Rio de Janeiro : Elsevier, 2012. 455p. : il. ; 25 cm Tradução de: Essentials of domestic animal embryology Inclui bibliografia e índice ISBN 978-85-352-5195-1 1. Animais domésticos - Embriologia. 2. Embriologia veterinária. I. Sinowatz, Fred, 1929-2008. II. Vejlsted, Morten 12-1874. CDD: 636.089264 CDU: 636.09:612.64

C0120.indd iv

6/8/12 8:49:30 PM


REVISÃO CIENTÍFICA E TRADUÇÃO

SUPERVISÃO DA REVISÃO CIENTÍFICA Antônio Chaves de Assis Neto Professor-doutor do Departamento de Cirurgia (Setor de Anatomia) da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da Universidade de São Paulo (USP) Mestre e Doutor em Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres pela USP Pós-doutor pela Universidade da Califórnia, Davis – Estados Unidos Felipe Perecin Professor-doutor do Departamento de Ciências Básicas da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA) da USP Médico Veterinário pela Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV) da Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho” (UNESP), Jaboticabal Doutor em Medicina Veterinária pela FCAV-UNESP, Jaboticabal Pós-doutor pela FZEA-USP

REVISÃO CIENTÍFICA Aline Adriana Bolzan (Cap. 11) Professora Doutora do Departamento de Cirurgia da FMVZ-USP Residência em Clínica Cirúrgica de Pequenos Animais pela FCAV-UNESP, SP Medica Veterinária pela FCAV-UNESP, Jaboticabal Mestre e Doutora em Cirurgia Veterinária (Oftalmologia) pela FCAV/UNESP, Jaboticabal Antônio Chaves de Assis Neto (Caps. 1, 9, 10, 12, 16, 17, 20, 21 e Índice - parte) Felipe Perecin (Caps. 3, 4, 5, 6, 7, 8, 13, 14, 15, 18 e Índice - parte) Flávio V. Meirelles (Cap. 2) Professor Associado Professor Livre-docente pela FZEA-USP, Pirassununga Médico Veterinário pela UNESP, Jaboticabal Mestre pela Universidade de Montreal Doutor pela FMRP-USP, Ribeirão Preto

C0125.indd v

6/13/12 2:19:38 PM


Revisão Científica e Tradução

Ricardo De Francisco Strefezzi (Cap. 19) Professor-doutor do curso de Medicina Veterinária da FZEA-USP Médico Veterinário Mestre e Doutor em Patologia Experimental e Comparada pela USP TRADUÇÃO Antônio Chaves de Assis Neto (Caps. 1, 9, 14 e Índice - parte) Cláudia Barbosa Fernandes (Cap. 6) Professora Doutora do Departamento de Reprodução Animal, FMVZ-USP Medica Veterinária pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) Mestre e Doutora em Reprodução Animal pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da UNESP, Botucatu Cláudia Lima Verde Leal (Cap. 4) Professora Livre-Docente do Departamento de Ciências Básicas da FZEA-USP, Pirassununga Médica Veterinária pela FCAV-UNESP, Jaboticabal Mestre em Zootecnia (Melhoramento Genético Animal) pela FCAV-UNESP, Jaboticabal Doutora em Medicina Veterinária (Reprodução Animal) pela FMVZ-USP Daniele dos Santos Martins (Cap. 15) Professora-doutora do Departamento de Zootecnia da FZEA-USP Médica Veterinária pelo Centro Universitário da Fundação de Ensino Octávio Bastos (UNIFEOB) Mestre em Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres pela FMVZ-USP Doutora e Pós-doutora em Ciências pela FMVZ-USP Érika Branco (Cap. 17) Professora Doutora da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), Belém Pesquisadora do Laboratório de Pesquisa Morfológica Animal da UFRA Médica Veterinária pelo UNIFEOB Doutora em Ciências pela FMVZ-USP Fabrizio Grandi (Cap. 19) Graduado em Medicina Veterinária pela FMVZ-USP Residência em Anatomia Patológica Veterinária pela FMVZ-UNESP, Botucatu Mestre e doutorando pelo Departamento de Patologia da Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB-UNESP) Revisor científico dos periódicos Veterinary Clinical Pathology, Comparative Clinical Pathology e Veterinary World. Felipe Perecin (Cap. 2 e Índice - parte) Fernando Yutaka Moniwa Hosomi, M.V., MSc. (Cap. 8) Prefeitura Municipal de São Paulo - PMSP Secretaria Municipal de Saúde - SMS Coordenação de Vigilância em Saúde - COVISA Centro de Referência Nacional de Controle de Zoonoses Urbanas - CCZ Subgerência de Vigilância e Controle de Animais Domésticos – SVCAD

vi

C0125.indd vi

6/13/12 2:19:38 PM


Revisão Científica e Tradução

Flávia Thomaz Verechia Pereira (Cap. 16) Professora adjunta da UNESP, Dracena Docente de Anatomia, Histologia e Embriologia Animal Médica Veterinária George Shigueki Yasui (Cap. 7) Zootecnista pela Universidade Federal de Viçosa (UFV) Mestre em Produção Animal pela UENF Mestre e Doutor em Fisheries Sciences pela Hokkaido University Juliana Lopes Almeida (Cap. 21) Médica Veterinária pela Universidade Federal de Pelotas Mestre em Ciências Agrárias (Reprodução Animal) pela Universidade de Brasília PhD em Patologia Comparativa pela Universidade da Califórnia, Davis – Estados Unidos Luciano Andrade Silva (Caps. 3 e 18) Professor Doutor do curso de Medicina Veterinária no Departamento de Zootecnia da FZEA-USP Médico Veterinário pela UFV PhD in Animal Molecular and Cellular Biology pela Universidade da Flórida, Gainesville – Estados Unidos Mestre em Medicina Veterinária (Reprodução Animal) pela UFV Luiz Felipe de Moraes Barros (Cap. 11) Médico Veterinário pela FMVZ-USP Mestre e Doutor em Ciências (Clínica Cirúrgica Veterinária) pela FMVZ-USP Lilian de Jesus Oliveira (Caps. 12 e 13) Médica Veterinária pela FMVZ-USP Mestre em Ciências (Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres) pela FMVZ-USP Doutora em Animal Molecular and Cellular Biology pela University of Florida, EUA Pós-doutoranda do Departamento de Ciências Básicas da FZEA-USP Nicolle Gilda Teixeira de Queiroz Hazarbassanov (Cap. 10) Especialista em laboratório do Laboratório de Farmacologia Aplicada e Toxicologia da FMVZ-USP Médica Veterinária formada pela FMVZ-USP Doutora em Ciências (Oncologia) pela Fundação Antonio Prudente - Hospital A. C. Camargo Ricardo José Garcia Pereira (Cap. 20) Professor-doutor de Reprodução de Aves do Departamento de Reprodução Animal da FMVZ-USP Simone Cristina Méo Niciura (Cap. 5) Pesquisadora da Embrapa Pecuária Sudeste, São Carlos Médica Veterinária pela FCAV-UNESP, Jaboticabal Mestre e Doutora em Medicina Veterinária (Reprodução Animal) pela FCAV-UNESP, Jaboticabal

vii

C0125.indd vii

6/13/12 2:19:38 PM


C0125.indd viii

6/13/12 2:19:38 PM


CAPÍTULO COLABORADORES

Diversos pesquisadores altamente qualificados demonstraram entusiasmo e prontidão em contribuir com este livro.

Keith J. Betteridge BVSc MVSc PhD FRCVS University Professor Emeritus Department of Biomedical Sciences Ontario Veterinary College University of Guelph, Ontario Canada Gry Boe-Hansen DVM Phd Lecturer School of Veterinary Science University of Queensland, Australia Henrik Callesen DVM PhD DVSc Research Professor Department of Genetics and Biotechnology Faculty of Agricultural Sciences, Aarhus University, Denmark Ernst-Martin Füchtbauer PhD Dr.habil Associate Professor Department of Molecular Biology Aarhus University Denmark Vanessa Hall PhD Post Doc Department of Basic Animal and Veterinary Sciences Faculty of Life Sciences, University of Copenhagen Denmark

Palle Serup Phd Director of Research Department of Developmental Biology Hagedorn Research Institute Denmark Fred Sinowatz Dr.med vet. Dr.med Dr.habil Professor Institute of Veterinary Anatomy, Histology and Embryology LMU Munich, Germany Gábor Vajta MD PhD DVSc Scientific Director Cairns Fertility Centre Australia Adjunct Professor, University of Copenhagen, Denmark Adjunct Professor, James Cook University, Australia Morten Vejlsted DVM Phd Assistant Professor Department of Large Animal Sciences Faculty of Life Sciences, University of Copenhagen, Denmark

Poul Hyttel DVM Phd DVSc Professor Department of Basic Animal and Veterinary Sciences Faculty of Life Sciences, University of Copenhagen Denmark

C0130.indd ix

6/8/12 9:23:23 PM


AGRADECIMENTOS

Escrever um livro de embriologia levou os autores para uma longa e sinuosa estrada. O projeto foi inicialmente proposto por Eric Overström em 2000. Na época, Eric ministrava um curso de biologia do desenvolvimento na Tufts University em Boston, EUA, e possuía um subsídio da Fulbright que permitia viagens regulares para Copenhagen, Dinamarca. Estou em débito com Eric pelo seu entusiasmo em dar início ao projeto do livro, o que resultou em muitos bons momentos juntos em Copenhagen. Sinto-me enormemente privilegiado por poder executar o projeto deste livro com cientistas de ponta e que compartilham da minha paixão pela vida escolar universitária. Meus coautores, Fred Sinowatz e Morten Vejlsted, ambos fizeram esforços extraordinários para escrever seus muitos capítulos. Em especial, a surpreendente amplitude embriológica de Fred, que vai do nível molecular até a anatomia macroscópica, foi indispensável para atingirmos nossas metas, e estou verdadeiramente grato pela permissão para utilizar os esquemas de alta qualidade do seu livro de embriologia publicado anteriormente na Alemanha com Imogen Rüsse. Outros colaboradores altamente qualificados, Gry Boe-Hansen, Henrik Callesen, Ernst-Martin Füchtbauer, Vanessa Hall, Palle Serup e Gábor Vajta, trouxeram, cada um em sua especialidade, o suporte aos demais capítulos garantindo que o texto fosse o mais atualizado possível. Estou muito agradecido a todos esses colegas que tão generosamente compartilharam seu tempo e suas ideias comigo. Os autores, cuja língua mãe não é o inglês, estão extremamente agradecidos à disposição de Keith Bet-

C0135.indd x

teridge, um dos pioneiros na transferência de embrião, de realizar uma edição linguística completa da obra toda. Devido à amplitude da visão científica de Keith, a preocupação linguística transformou-se em um diálogo inspirador sobre os muitos temas conceituais da embriologia. Foi um prazer aprender com a precisão extrema utilizada por Keith para abordar cada etapa do processo. Muitas pessoas qualificadas devotaram seu tempo e fizeram comentários extremamente valiosos ao texto. Eu gostaria de agradecer Marie Louise Grøndahl, Vibeke Dantzer e Kjeld Christensen pelos seus esforços. As imagens foram um ponto importante na produção do livro. Gostaria de agradecer Jytte Nielsen e Hanne Marie Moelbak Holm pelas suas hábeis contribuições no preparo de milhares de secções para microscopia eletrônica e de luz, ao longo dos anos, bem como pelo processamento digital das micrografias. Finalmente, gostaria de agradecer ao Danish Pig Production (União nacional de produtores de suíno da Dinamarca) pela colaboração frutífera que permitiu a coleta de milhares de embriões suínos ao longo dos anos. Os dados gerados desse material contribuíram significativamente para o livro e muitas das fotografias foram feitas desses embriões. Poul Hyttel Vidiekjaer Valby Dinamarca 3 de junho de 2009

6/8/12 9:29:48 PM


INTRODUÇÃO

Ao longo dos últimos 20 anos, os esforços da pesquisa científica moderna rapidamente aumentaram nossos conhecimentos acerca dos processos normais e anormais de desenvolvimento dos animais domésticos. À medida que o nosso profundo conhecimento sobre os mecanismos celulares e moleculares aumenta, também aumenta o reconhecimento do potencial de uso e da aplicação bem-sucedida desse conhecimento para incrementar a produção animal de alimentos e fibras. É durante o desenvolvimento embrionário e fetal, da formação dos gametas até o parto, que os poderosos avanços na manipulação genética molecular e nas tecnologias de reprodução assistida são empregados, levando a grandes impactos na produção animal ao redor do mundo. Como resultado desses avanços, continua a existir uma necessidade não atendida de um texto contemporâneo sobre o desenvolvimento dos animais domésticos para ser utilizado como base para a educação e treinamento dos veterinários, zootecnistas e biólogos do desenvolvimento. Embriologia veterinária preenche essa necessidade fornecendo aos estudantes, aos professores e aos veterinários uma apresentação aprofundada dos processos cronológicos elaborados que culminam com a formação de estruturas embrionárias funcionais, do desenvolvimento dos gametas até o período periparto. À medida que o nosso entendimento dos processos precisos e orquestrados do desenvolvimento animal avançam, e os genomas dos animais são desvendados e analisados, a importância do desenvolvimento animal torna-se central para entender e melhorar o crescimento animal, para a manutenção da saúde e para determinar as causas subjacentes das doenças. Embora uma quantidade razoável de textos de boa qualidade acerca da embriologia humana esteja disponível (como o Langman’s Medical Embryology), o foco em uma única espécie continua a ser uma séria limitação para veterinários e outros profissionais que trabalham com animais, não permitindo uma visão abrangente das amplas e distintas variações que existem entre as espécies domésticas, com referência especial

C0140.indd xi

aos processos de blastogênese, implantação e placentação. Certamente, a obra referência de Bradley Patton, Embryology of the pig, publicada em inglês em 1927, proporcionou um maravilhoso relato descritivo e ilustrado deste modelo de desenvolvimento embrionário mamífero frequentemente utilizado. Uma publicação descritiva concisa do desenvolvimento em suínos, The embryonic pig: a chronological account foi posteriormente publicada por A. W. Marrable, em 1971. Em 1984, Drew Noden e Alexander de Lahunta, reconhecendo a falta de um texto adequado de embriologia dos animais domésticos que fosse útil para estudantes de veterinária, publicaram The embryology of domestic animals: developmental mechanisms and malformation. Este livro, uma importante contribuição para a bibliografia veterinária por muitos anos, apresentava um material descritivo tradicional, sistema a sistema, da anatomia do desenvolvimento dos animais domésticos, incluindo aves; os autores incluíram também muitos experimentos relevantes e casos clínicos de referência ao longo do livro. Infelizmente, uma edição revisada jamais foi produzida e a obra não está mais disponível. Mais recentemente, uma obra alemã primorosamente detalhada, Lehrbuch der Embryologie der Haustiere (1991), foi publicada por Imogen Rüsse e Fred Sinowatz (coautor desta obra). Ilustrações e micrografias excelentes caracterizam essa ampla obra de referência em embriologia dos animais domésticos. Impresso apenas em alemão, a disseminação internacional da obra foi limitada. Em 2006, McGaedy e colaboradores publicaram o livro Veterinary Embryology, uma obra que está voltada para os interesses específicos dos estudantes de veterinária. Nesse mesmo sentido, a publicação de Embriologia veterinária é especialmente oportuna uma vez que constitui uma fonte de consulta até então inexistente para aqueles que desejam compreender os processos fundamentais do desenvolvimento animal, sejam eles estudantes, professores, pesquisadores ou médicos veterinários. Fazendo uma reflexão, o projeto deste livro nasceu após uma conversa que Poul e eu tivemos durante um encontro científico no ano 2000. À medida que

6/8/12 9:36:53 PM


Introdução

compartilhávamos e comparávamos nossas experiências ao ministrar anatomia e embriologia animal para os estudantes de veterinária, houve uma percepção mútua de que uma obra moderna acerca do desenvolvimento dos animais doméstico era extremamente necessária para apoiar a bibliografia fundamental dos cursos de medicina veterinária e áreas afins no século XXI. Para atrair um público mais global, solicitou-se a contribuição de coautores reconhecidos internacionalmente como especialistas em seus campos. Seus capítulos foram ininterruptamente concatenados em uma obra de fácil leitura e muito informativa. Merece destaque a inclusão dos capítulos 1, 2, 20 e 21, cada um dos quais aborda um tópico específico, incluindo uma narrativa histórica do estudo da embriologia animal, uma discussão atual dos mecanismos celulares e moleculares que governam os processos relacionados ao desenvolvimento, a embriologia comparada de camundongos e galinhas, e um resumo sucinto do aparecimento, desenvolvimento e aplicação em larga escala das tecnologias de reprodução assistida para aumentar a produção dos animais domésticos, respectivamente. Autor principal, o professor Poul Hyttel é reconhecido internacionalmente como um pesquisador distinto e um educador apaixonado nas áreas de reprodução animal e biologia celular na Royal Veterinary and Agricultural University, e mais recentemente, na Universidade de Copenhagen. Ele coordenou os cursos de anatomia e histologia veterinária e de biologia celular

por muitos anos em Copenhagen, e recebeu reconhecimento e prêmios formais, bem como constantes elogios de seus estudantes, pelo seu compromisso dedicado e apaixonado pelo ensino. Nesse sentido, Poul reuniu um distinto grupo de colaboradores internacionais como coautores, incluindo o professor Fred Sinowatz (Munique) e o Dr. Morten Vejlsted (Copenhagen), entre outros. Keith Betteridge, professor eminente de reprodução animal na Universidade de Guelph, realizou completa revisão editorial do texto. A primeira edição apresenta uma visão lógica, contemporânea e abrangente do conhecimento atual sobre o tema. O formato propicia informações textuais sucintas muito bem apoiadas por ilustrações, fotografias e micrografias de qualidade. Acredito que tanto os estudantes, os professores e os veterinários irão adotar esta obra uma vez que ela se mostrará uma fonte de consulta inestimável para o aprendizado e para o conhecimento no campo da embriologia dos animais domésticos. Maio 2009

Worcester, Massachusetts, EUA

Eric W. Overström, Ph.D Professor e Chefe do Departamento de Biologia e Biotecnologia Diretor do Centro de Ciências da Vida & Bioengenharia Instituto Politécnico de Worcester Worcester, Massachusetts

xii

C0140.indd xii

6/8/12 9:36:53 PM


CAPÍTULO

Para mim, um dos mais excitantes e gloriosos momentos ensinando anatomia macroscópica dos animais domésticos aconteceu durante os dias compartilhados com os estudantes e rodeados por mesas de aço repletas de úteros gravídicos e fetos na sala de dissecção. Examinar aqueles espécimes fetais é como abrir um livro de anatomia; um livro no qual cada órgão e cada estrutura estão perfeitamente definidos e seu histórico de desenvolvimento está perfeitamente preservado – verdadeiramente uma situação ideal para uma memorável experiência anatômica tanto para alunos quanto para professores! A embriologia sempre foi um pré-requisito para o real entendimento da anatomia macroscópica e da teratologia resultante do desenvolvimento incorreto. Atualmente, entretanto, é isso e muito mais além; as pesquisas biomédicas contemporâneas requerem conhecimentos de embriologia (ou, preferencialmente, de biologia do desenvolvimento) para desempenhar um papel importante neste progresso – um papel com implicações importantes para a sociedade. As tecnologias de reprodução assistida, por exemplo, são tão utilizadas em animais domésticos como em humanos nos quais a fertilização in vitro tornou-se uma etapa ex soma comum na ligação de uma geração com a seguinte. Nos animais domésticos, técnicas como a clonagem por transferência nuclear de células somáticas tornaram possíveis modificações genéticas que abriram a possibilidade de modificar animais geneticamente de modo que eles produzam proteínas de interesse, sirvam como modelo de estudo de doenças humanas, ou, no futuro, forneçam órgãos para xenotransplantes. Todas essas possibilidades dependem de um conhecimento profundo de embriologia, muitos dos quais são con-

C0145.indd xiii

PREFÁCIO

troversos. A disciplina de embriologia é trazida à luz da ética, o que, na minha opinião, obriga os embriologistas contemporâneos a participar de debates de cunho científico com a sociedade. Por algum tempo, tecnologias de reprodução assistida cada vez mais sofisticadas transportaram a pesquisa embriológica “de ponta” para fora do corpo e para dentro do ambiente in vitro. No entanto, a expansão do campo da embriologia de modo a abranger as células-tronco embrionárias nos redirecionou para o embrião per se; o controle da diferenciação das células-tronco in vitro depende absolutamente do entendimento dos processos moleculares que regulam o desenvolvimento in vivo. O próprio embrião tornou-se a chave para o sucesso – o círculo está fechado! A investigação “de ponta” é atualmente formada por uma conjunção de embriologia convencional, genômica, transcriptômica e epigenômica aplicada à investigação dos mecanismos moleculares da biologia do desenvolvimento. A informação está aumentando exponencialmente, e combinar o conhecimento molecular avançado com a embriologia como um todo é um desafio – um desafio que se tornou claro ao escrever um livro sobre os fundamentos da embriologia dos animais domésticos! Durante anos, o ensino de embriologia veterinária era dificultado pela falta de livros sobre o tema, e livros sobre embriologia médica eram utilizados com baixo aproveitamento. Em 2006, quando McGaedy et al. publicaram seu bem-vindo livro sobre embriologia veterinária, nós já havíamos iniciado o projeto deste livro com o objetivo de transformar nosso próprio material de pesquisas, coletado ao longo de várias décadas, em algo palatável e estimulante para os estudantes. Trabalhar

6/13/12 2:26:34 PM


Prefácio

com esse intuito foi uma grande experiência para nós, e esperamos que você, leitor, considere que tenhamos realizado, ao menos em parte, aquilo que pretendíamos. As melhorias futuras, é claro, dependerão muito do retorno e opiniões recebidas, e serei grato em receber críticas construtivas.

Enquanto isso, é meu desejo sincero que a leitura deste livro possa levá-lo a pelo menos um “Aha-Erlebnis” no maravilhoso mundo da embriologia! Poul Hyttel Vidiekjaer Valby, Dinamarca 3 de junho de 2009

Minha pintura (2003) do horizonte de Skagen, Dinamarca, onde cresci e fui “imprinted”. Vejo a embriologia do mesmo prisma: uma vista com potenciais infinitos que estão apenas aguardando para serem realizados.

xiv

C0145.indd xiv

6/13/12 2:26:34 PM


SUMÁRIO

Revisão Científica e Tradução Colaboradores ix Agradecimentos x Introdução xi Prefácio xiii 1. 2.

12.

Desenvolvimento das células do sangue, do coração e do sistema vascular . . . . . . . . . 182 Poul Hyttel

13.

História da embriologia . . . . . . . . . .1 Poul Hytell e Gábor Vajta

Desenvolvimento do sistema imune . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208 Morten Vejlsted

14.

Mecanismos celulares e moleculares do desenvolvimento embrionário . . . . 13 Morten Vejilsted

Desenvolvimento do sistema gastropulmonar . . . . . . . . . . . . . 216 Poul Hyttel

15.

Desenvolvimento do sistema urogenital . . . . . . . . . . . . . . . . 252 Fred Sinowatz

16.

Sistema musculoesquelético . . . . . 286 Fred Sinowatz

17.

Sistema tegumentar . . . . . . . . . . 317 Fred Sinowatz

18.

Lista cronológica comparativa do desenvolvimento . . . . . . . . . . 330 Poul Hyttel

19.

Teratologia . . . . . . . . . . . . . . . . 338 Fred Sinowatz

20.

A galinha e o camundongo como modelos de embriologia . . . . 383 Palle Serup (galinha) e Ernst-Martin Füchtbauer (camundongo)

21.

Tecnologias em reprodução assistida . . . . . . . . . . . . . . . . . 402 Gábor Vajta, Henrik Callesen, Gry BoeHansen, Vanessa Hall e Poul Hyttel

3.

Reprodução comparativa . . . . . . . . 25 Morten Vejlsted

4.

Gametogênese . . . . . . . . . . . . . . 32 Poul Hyttel

5.

Fertilização . . . . . . . . . . . . . . . . 56 Fred Sinowatz

6.

Clivagem embrionária e blastulação . . . . . . . . . . . . . . . 68 Morten Vejlsted

7.

Gastrulação, dobramentos embrionários e formação do celoma . . . . . . . . . . . . . . . . . 79 Morten Vejlsted

8.

Neurulação . . . . . . . . . . . . . . . . 95 Fred Sinowatz

9.

Placentação comparada . . . . . . . . 104 Morten Vejilsted

10.

Desenvolvimento do sistema nervoso central e periférico . . . . . . 120 Fred Sinowatz

11.

C0150.indd xv

v

Índice remissivo 435

Olho e orelha . . . . . . . . . . . . . . 163 Fred Sinowatz

6/13/12 2:30:41 PM


C0150.indd xvi

6/13/12 2:30:41 PM


CAPÍTULO

1

Poul Hytell e Gábor Vajta

História da embriologia Embriologia, o estudo do desenvolvimento da fertilização até o nascimento sempre intrigou filósofos e cientistas. Ao longo dos anos o fascínio universal, entre os embriologistas, pela maneira pela qual a “vida” se desenvolve deu origem a diversas discussões acerca da complexidade deste processo. Em 1899, Ernst Haeckel (1834-1919) considerou que “a ontogenia é uma recapitulação da filogenia”. Em outras palavras, ontogenia (o desenvolvimento de um organismo do ovo fertilizado até sua forma madura) reflete, em questão de dias ou meses, a origem e evolução das espécies (filogenia), um processo contínuo que pode ser medido em milhões de anos. Esta afirmação não pode ser considerada totalmente verdadeira, pois, basta analisar um embrião ovino de 19 dias de idade para entender a perspectiva de Haeckel; como, por exemplo, os arcos faríngeos similares a guelras e os somitos (Fig. 1-1) são comuns aos embriões de todos os cordados. Embora formado como um médico, Haeckel abandonou a profissão após ler A origem das espécies de Charles Robert Darwin (18091882) publicado em 1859 (e disponível à época por quinze xelins!). Sempre desconfiado das explicações teológicas e místicas da vida, Haeckel utilizou a teoria de Darwin como munição para atacar dogmas religiosos arraigados bem como para elaborar seus próprios entendimentos. No entanto, ao projetar a filogenia na ontogenia, Haeckel cometeu um erro: o mecanismo de mudança requer que a formação de novos caracteres e diagnósticos de novas espécies ocorra da sua origem até o esquema básico de desenvolvimento. Por exemplo, devido à maioria dos metazoários passarem por um estágio de desenvolvimento chamado gástrula (um aglomerado de células com desdobramentos que, em seguida, formará o intestino) Haeckel considerou

C0005.indd 1

que em um determinado momento um organismo chamado “gastraea” tivesse existido, assemelhando-se com o estágio de gástrula da ontogenia. Nesta hipótese, o ancestral metazoário, pensou ele, deu origem a todos os animais multicelulares. A concepção de um “único segmento” da filogenia, ou seja, todos os seres antecedem uma única linhagem, foi abandonada; a filogenia divide-se em uma infinidade de linhas. A maioria dos antigos filósofos gregos se interessavam pela embriologia. De acordo com Demócrito (455–370 a.C.) o sexo de um indivíduo era determinado pela origem do espermatozoide: os machos proviam do testículo direito (Claro!) e as fêmeas do testículo esquerdo. Esta hipótese foi modificada por Pitágoras, Hipócrates e Galeno. No entanto, para a ciência, a definição do sexo sempre foi privilégio do homem; a maioria dos filósofos colocavam as fêmeas entre os homens e os animais, portanto, os machos eram originados de um forte espermatozoide do testículo direito. O primeiro embriologista conhecido foi o filósofo grego Aristóteles (384-322 a.C.). Na obra A geração dos Animais (350 a.C.) ele descreveu as diferentes formas que os animais nasciam: dos ovos (oviparidade, como os pássaros, sapos e maioria dos invertebrados), pelo nascimento (vivíparos, como em animais placentários e alguns peixes) ou por produção de ovos que eclodiam dentro do corpo (ovoviparidade, como ocorre em certos répteis e cobras). Foi também Aristóteles que observou os dois principais padrões de divisão celular do desenvolvimento: clivagem holoblástica na qual o ovo é dividido progressivamente em células menores (como em sapos e mamíferos) e o padrão meroblástico no qual a parte do ovo destinado à formação do embrião se divide, e o restante

6/5/12 9:10:46 PM


Embriologia Veterinária

Fig. 1-1: Embrião de ovelha no dia 19 do desenvolvimento.

tem a função de nutrição (como nas aves). Aristóteles descobriu que as membranas fetais e o cordão umbilical em bovinos possuíam funções importantes para a nutrição fetal. Ainda, fez a mais importante descoberta de estudos sequenciais de ovos fertilizados de galinhas. O embrião desenvolve seus sistemas de órgãos gradualmente – eles não estão pré-formados. Este conceito de nova (de novo) formação de estruturas embrionárias, o qual é denominado epigênese, permanece controverso por mais de 2.000 mil anos, antes de ser completamente aceito; Aristóteles estava muito a frente do seu tempo. O enigma da reprodução sexuada também o intrigava. Ele notou que ambos os sexos eram necessários para a concepção e percebeu que o sêmen do macho não contribuía fisicamente para a concepção, mas promovia uma desconhecida interação com o sangue menstrual no útero da fêmea e, desse modo, a materialização de um embrião. Neste caso, Aristóteles estava errado. Ironicamente, ao contrário de seu ponto de vista não aceito sobre a epigênese, seu erro acerca da concepção prevaleceu por 2.000 anos, e levou quase cem anos para ser corrigido! Durante esses 2.000 anos, a ciência da embriologia desenvolveu-se muito lentamente paralela à anatomia

descritiva. Uma das primeiras descrições anatômicas de útero prenhe de porcas foi feita por Kopho (ano de nascimento e morte desconhecidos) no início do século XIII em seu trabalho Anatomio Porci. Kopho trabalhou em uma famosa escola de medicina de Salerno usando porcos como modelos, pois cadáveres humanos não poderiam ser dissecados por questões religiosas. No início do renascimento, os famosos e incomparáveis estudos artísticos e anatômicos de Leonardo da Vinci (1452–1519) incluíram investigações de úteros prenhes de uma vaca. Seus desenhos de um útero bicórneo prenhe e de fetos e membranas fetais liberados do útero estão reproduzidos na Figura 1-2. Em um de seus desenhos, Leonardo evidencia um útero humano aberto e “revela” não uma placenta humana, mas uma placenta de ruminante multivilosa e vilosa (Cap. 9)! Certamente, para Leonardo, não foi possível estudar a gestação humana. As estruturas são descritas baseadas nas anotações de Leonardo, que trabalhou principalmente em Florença. Desde o século XIII ao XV, o Renascimento foi um grande momento para estudos anatômicos e, felizmente, coincidiu com a invenção da impressão de livros por Johann Gutenberg. Assim, a principal publicação importante em embriologia comparada

2

C0005.indd 2

6/5/12 9:10:46 PM


C0005.indd 3

B

Fig. 1-2: Desenhos de Leonardo da Vinci. A: Em cima: Um corno uterino gestante de vaca. Embaixo: Feto e membranas fetais mostrando os cotilédones da placenta (Cap. 9). B: Útero simples aberto de ser humano mostrando o feto e o cordão umbilical. Observe que a placenta é de um ruminante, do tipo multivilosa com vários placentônios desenhados no corte da parede do útero e, em cima do lado direito, um cotilédone simples desenhado em alta resolução mostrando as superfícies dos vilos.

A

História da embriologia

1

3

6/5/12 9:10:47 PM


Embriologia Veterinária

foi De Formato Foetu em 1600 pelo o anatomista italiano Hieronymus Fabricius de Acquapendente (1533-1619). Fabricius descreveu e ilustrou a anatomia macroscópica de embriões e suas membranas nesse livro, mas não foi o primeiro a fazer isso; outro anatomista italiano, Bartolomeu Eustáquio (15141574), tinha previamente publicado ilustrações de embriões de cães e ovelhas em 1552. Portanto, podemos reconhecer o nome de Fabricius, no termo bursa Fabricii (porção imunologicamente competente do intestino de aves), e de Eustáquio na trompa de Eustáquio. Os trabalhos de Eustáquio e Fabricius e outros autores forneceram uma ideia de como os órgãos desenvolvem a sua forma imatura para a maturidade, mas deixa sem resposta o enigma básico de como e onde os embriões mamíferos se originam. No entanto, o desenvolvimento do microscópio por Zacarias Janssen, fabricante de óculos holandês, em 1590, deu início a uma nova era da ciência embriológica para lidar com essa questão de 2.000 anos. O domínio holandês no campo óptico não foi apenas uma coincidência; as ambições navais de seu império necessitavam de excelentes telescópios e sistemas de lentes. O microscópio de Janssen em sua forma original, na verdade, não era apropriado para pesquisas com células e tecidos. O microscópio media 2 metros de comprimento, tinha uma resolução de apenas 10 a 20 vezes, e seu principal uso era atrair atenções em feiras de exposição! Em 1672, o médico italiano Doutor Marcelo Malpighi (1628-1694) publicou os primeiros relatos microscópicos do desenvolvimento de galinhas, identificando o sulco neural, os somitos e a circulação de sangue nas artérias e veias do vitelo. Malpighi observou ovos de galinhas não incubados consideravelmente estruturados, levando-o a acreditar que uma versão pré-formada residia no ovo. Mais tarde (1722), o oftalmologista francês Antoine Maître-Jan (1650-1730) demonstrou que embora o ovo examinado por Malpighi fosse tecnicamente “não incubado”, este foi deixado exposto ao sol de agosto da cidade de Bologna e, portanto, foi previamente “aquecido”. Consequentemente, as noções de Malpighi sobre o embrião pré-formado deram início a grandes debates em embriologia ao longo dos séculos XVII e XVIII. A questão era: os órgãos

de embriões eram formados de novo (epigênese), ou eles já estavam presentes em formato de miniatura no ovo (ou no espermatozoide quando estas células foram descobertas), um conceito referido como préformação. Iremos retornar a este debate em outro momento. A nova técnica de microscopia também propôs uma vigorosa pesquisa para os gametas de mamíferos. O ovo de galinha e suas transformações iniciais em pintos eram óbvias, como tinha descrito Aristóteles, mas o que intermediava a formação de embriões em mamíferos? Onde era encontrado o ovo nos mamíferos? Um dos maiores precursores e influentes nomes da fascinante história da descoberta do ovo de mamíferos foi William Harvey (1578-1657), médico particular dos reis ingleses James I e Charles I, e famoso por suas descrições da circulação sanguínea. Em 1651, Harvey publicou De Generatione Animalium (Discussões abordando a Geração de Animais) exibindo, na capa, Zeus libertando todas as criaturas de um ovo que trazia a inscrição Ex ovo omnia (Todas as coisas vem do ovo). Entretanto, deve-se, de fato, considerar que as observações de Harvey em alguns pontos impediram o progresso dos conhecimentos de reprodução e embriologia até o século XVII. Depois de ter estudado com Fabricius, Harvey foi imbuído com a visão de Aristóteles de que o sêmen provinha de forças que interagiam com o sangue menstrual para materializar-se como um embrião. Harvey também tentou entender estes processos analisando os materiais no início da concepção em fêmeas de cervos sacrificadas durante a estação de caça do rei Charles I em sua floresta e parques Reais por um período de mais de 12 anos. Nos veados e gamos estudados, verificou-se que a atividade sexual dos machos começava na metade de setembro, então, Harvey dissecou os úteros ao longo dos meses de setembro a dezembro. Acreditando, erroneamente, que a cópula coincidia com o início do cio, Harvey ficou confuso e nada encontrou ao que ele reconhecia como um embrião até metade de novembro, uns dois meses depois. Isso o induziu ao erro, exceto a conclusão absolutamente lógica que “nada após o coito foi encontrado no útero por muitos dias”. Quando ele encontrou o concepto, no qual, para Harvey, era

4

C0005.indd 4

6/5/12 9:10:49 PM


História da embriologia

o ovo: “A definição de Aristóteles para um ovo se aplica a ele, isto é, o ovo é aquilo que está fora da parte a qual animal é gerado e o restante é o alimento para que ele seja gerado.” Três fatores de interesse veterinário conduziram este brilhante homem para caminhos desnorteantes. Primeiro, ele não compreendeu que as fêmeas não entravam no cio até o início de outubro e então suas estimativas sobre os dados reprodutivos estavam erradas. Segundo, ele descartou os ovários (“testículo da fêmea”) como parte da concepção, pois eles não cresciam como os testículos dos machos durante a cópula. Terceiro, esperando encontrar um ovo com forma de concepto, ele confundiu a “substância purulenta… friável… e amarelada”, observada logo após o acasalamento, nitidamente descrita como o filamento de blastocisto característico dos ruminantes. Se Harvey tivesse utilizado o microscópio para realizar suas pesquisas em diferentes conceptos (como, coelho ou cavalo) a descoberta do verdadeiro embrião teria avançado consideravelmente! Certamente, é fácil criticar retrospectivamente os fatos, porém, é importante ressaltar que Harvey fez importantes contribuições para a Embriologia. Suas descrições do desenvolvimento inicial foram impecáveis: ele foi o primeiro a observar o blastoderma de embriões de galinhas (a pequena região do ovo continha gema livre de citoplasma que origina o próprio embrião), e a indicar que as ilhas de sangue formam-se antes do coração; ele descreveu o desenvolvimento gradual do embrião, subscrevendo a escola da epigênese como fez Aristóteles. As observações de Harvey e suas pesquisas sobre o ovo dos mamíferos continuaram com Regnier de Graaf (1641-1673) o qual promoveu estudos detalhados dos órgãos reprodutivos femininos, especialmente o ovário. De Graaf, como seu amigo Leeuwenhoek, trabalhou em Delft. Comparando os ovários de mamíferos com os de galinhas, De Graaf considerou o folículo ovariano antral de mamíferos como sendo os ovos. A suposição foi confirmada por degustação! Sua contribuição para a ciência foi reconhecida posteriormente pelo médico alemão doutor Theodor Ludwing Wilhelm Bischoff (1807–1882) que introduziu a nomenclatura “folículo de Graaf”. De Graaf também notou algumas conexões entre a

1

maturação folicular e o desenvolvimento de ovócitos, mas sem um microscópio apropriado, não foi possível afirmar tais fatos e suas observações foram por um bom tempo esquecidas. Provavelmente, se ele tivesse vivido um pouco mais (morreu tragicamente cedo, aos 32 anos de idade), a descoberta do ovo dos mamíferos poderia ter evitado um atraso de cerca de 150 anos! Na verdade, o primeiro cientista a ver o ovo do mamífero (o qual todos acreditavam existir, mas ninguém tinha visto) foi o médico estoniano doutor Karl Ernst von Baer (1792-1876). Ao abrir o “Ovo de Graaf”, como o folículo era conhecido naquele tempo, encontrou um pequeno ponto amarelo e o examinou sob um microscópio (Baer, 1827). A primeira vista, Baer ficou supresso e mal podia acreditar que tinha encontrado o que muitos cientistas famosos como Harvey, De Graaf, Purkinje e outros não conseguiram encontrar. Ele ficou tão entusiasmado que retornou ao microscópico uma segunda vez. O ovo dos mamíferos tinha sido identificado. E quanto ao espermatozoide? Anton van Leeuwenhoek (1632-1723), um comerciante holandês e cientista de Delft, foi o primeiro a relatar o espermatozoide em movimento. Ele construiu um microscópio de lente simples que tinha capacidade de aumentar 300 vezes. Tecnicamente, este microscópio foi uma conquista espantosa – era menor que um selo de correio e semelhante a um micromanipulador primitivo. Era usado perto dos olhos como uma lupa. Com esta inovação, Leeuwenhoek desenhou espermatozoides de diferentes espécies. Inicialmente, o interesse de Leeuwenhoek não era estudar os espermatozoides, mas sim escrever sobre sêmen e coito. Ao analisar, pela primeira vez, sob o microscópio, o sêmen, observou que estava tomado de glóbulos. Entretanto, não era de seu agrado discutir seus achados e rapidamente retomou a outros assuntos. Três ou quatro anos depois, em 1677, um estudante da escola de medicina em Leiden lhe trouxe uma amostra de sêmen na qual tinha encontrado pequenos animais com caudas, os quais Leeuwenhoek podia observar bem. Consequentemente, Leeuwenhoek retomou suas observações e, em seu próprio sêmen (adquirido não por profanação, mas como uma consequência natural do coito conjugal, salientou), observou uma

5

C0005.indd 5

6/5/12 9:10:49 PM


Embriologia Veterinária

grande quantidade, porém menor que um milhão, de “animalcules” do tamanho de um grão grosso de areia e com uma cauda fina, ondulante e transparente. Um mês depois, Leeuwenhoek descreveu estas observações em uma carta ao Lord Brouncker, presidente da Sociedade Real em Londres. Ainda preocupado sobre o assunto, ele pediu a Brouncker que não a publicasse, caso a considerasse uma ofensa. As observações de Leeuwenhoek promoveram fervorosos debates e controvérsias sobre o que significavam aqueles vivos objetos. Primeiro, pensava-se que as criaturas semelhantes a girinos eram parasitas. Leewennhoek pode ter sido tendencioso, uma vez que já estava engajado em estudos paralelos de parasitas, ele foi o primeiro a ver a giárdia, um parasita protozoário que infecta o trato gastrointestinal. Giárdias são flagelados e podem, em baixa resolução microscópica, ter a aparência de espermatozoides. Outros cientistas consideravam as ações giratórias dos objetos como uma forma do sêmen não sofrer solidificação. Na escola da pré-formação, entretanto, as observações de Leewennhoek incentivaram a ideia que a cabeça dos espermatozoides tivesse miniaturas de bebês, como potros, bezerros etc. Estes cientistas tornaram-se conhecidos como espermitas. Os dois gametas de mamíferos tinham sido identificados. No entanto, em vez de criar uma plataforma comum de novas ideias, este novo conhecimento provocou um delicado conflito, se o embrião originava do ovo ou do espermatozoide! Em paralelo com as pesquisas dos gametas dos mamíferos, as disputas entre a escola da epigênese e da pré-formação tornaram-se cada vez mais intensas. A última tinha o respaldo de 18 séculos de ciência, religião e filosofia por várias razões. Primeiro, se o corpo é pré-formado e apenas necessita desenvolver-se, nenhum mistério seria necessário para iniciar o desenvolvimento embrionário. Este foi um conveniente ponto de vista religioso e de respeito à criação da humanidade por Deus. Segundo, se o corpo era pré-definido nas células germinativas, as gerações seguintes já seriam pré-definidas nas células germinativas, semelhante a bonecas russas Matrioshcas. Este conceito também era conveniente, e assegurava que a forma das espécies seria permanentemente constante. O fato de que em certo ponto as bonecas Matrioshcas

não poderiam ficar menores seria uma objeção óbvia do conceito hoje em dia. Entretanto, não havia uma escala de tamanho biológico no momento daquelas argumentações, pois, a teoria celular de Theodor Schwann (1810-1882) apenas teria sido proposta em 1847. Assim, os preformistas poderiam alegar, como definido em 1764 pelo naturalista, filósofo e escritor suíço Charles Bonnet (1720–1793), que “A natureza trabalha o menor que deseja”. Basicamente, o preformismo foi uma teoria conservacionista, e foi incapaz de responder algumas questões suscitadas pelo limitado conhecimento da variação genética daquela época. Era sabido, por exemplo, que o cruzamento entre brancos e negros resultaria em bebês com cor de pele intermediária, um resultado incompatível com a pré-formação dos gametas. No final do século XVIII, Caspar Friedrich Wolff (1734-1794), um embriologista alemão que trabalhou em São Petersburgo, realizou observações detalhadas em embriões de galinhas que resultou no primeiro argumento forte para a epigênese. Ele demonstrou como o intestino originava-se de dobras de um tecido simples indiferenciado e interpretou seus achados como evidência da epigênese quando, em 1767, escreveu que “A formação do intestino foi devidamente ponderada, desta forma, não tenho qualquer dúvida da verdade da epigênese”. O termo “Ducto de Wolff” para os ductos mesonéfricos vem do nome de Caspar Friedrich Wolff. Apesar das contribuições de Wolff, a teoria do preformismo persistiu até 1820 quando novas técnicas de colorações de tecidos e microscopia permitiram um avanço na ciência da Embriologia. Três amigos, Christian Pander (1794-1865), Karl Ernst von Baer e Martin Heinrich Rathke (1793-1860), vindos da região Báltica, estudaram na Alemanha e formularam conceitos de grande importância para a embriologia contemporânea. Pander expandiu as observações de Wolff e também, apesar de estudar embriões de galinhas por apenas 15 meses antes de se tornar paleontologista, descobriu as camadas germinativas (Pander, 1817). A denominação geral “camada germinativa” foi derivada do latim germen (“brotar” ou “germinar”) onde as três camadas individuais são de origem grega: ectoderma do ectos (“fora”) e derma (‘pele”), mesoderma do mesos (“meio”) e endoderma do endon (“dentro”). Pander

6

C0005.indd 6

6/5/12 9:10:49 PM


História da embriologia

também notou que os órgãos não eram formados de uma única camada germinativa. Uma notável característica do livro de Pander de 1817 é a qualidade das ilustrações do anatomista e artista alemão Eduard Joseph d’Alton (1772–1840); ele retratou magnificamente detalhes que ainda não tinham sido definidos (Fig. 1-3). Este trabalho clássico realça as observações precisas e a habilidades em Embriologia. Rathke estudou comparativamente a embriologia de sapos, salamandras, peixes, aves e mamíferos e demonstrou similaridades no desenvolvimento entre todos estes grupos de vertebrados. Ele descreveu pela

Fig. 1-3: Desenho de um embrião de galinha de dois dias de Eduard Joseph d’Alton mostrado em Pander (1817).

1

primeira vez os arcos faríngeos comuns no desenvolvimento destes animais. A “bolsa de Rathke” – a contribuição ectodermal da glândula pituitária – o recorda. Além de identificar o óvulo de mamífero, von Baer ampliou as observações de Pander em embriões de galinhas e descreveu a notocorda pela primeira vez. Entretanto, von Baer novamente apreciou os princípios comuns que norteiam o desenvolvimento embrionário inicial independente da espécie. Em 1828, ele escreveu: “Tenho dois embriões pequenos conservados em álcool que me esqueci de marcar. No momento, sou incapaz de determinar o gênero ao qual eles pertencem. Eles podem ser lagartos, pequenas aves ou até mamíferos.” Técnicas de colorações e microscopias continuaram melhorando durante o século XIX, o que permitiu observações mais detalhadas nos estágios de clivagem pelo biólogo alemão Theodor Ludwig Wilhelm von Bischoff (1807–1882) em coelhos, e pelo anatomista e fisiologista suíço Rudolph Albert von Kölliker (1817– 1905) no homem e vários animais domésticos. Kölliker também publicou o primeiro livro-texto de embriologia do homem e animais superiores em 1861. Graças as contribuições de Pander, von Baer e Rathke, a escola preformista radical cessou suas atividades em 1820. Entretanto, o conceito desta escola persistiu por mais 80 anos devido a um grupo de cientistas o qual consideraram as células do estágio de clivagem de embriões como representantes das metades direita e esquerda do corpo quando formado. Isso significava que a construção do corpo tem origem na segregação do ovo. Em 1893, August Weismann (1834-1914) propôs a teoria celular germinativa como uma extensão dessa ideia. Baseado no escasso conhecimento de fertilização disponível naquela época, ele teve uma grande visão e propôs que o ovo e o espermatozoide contribuíam igualitariamente em termos cromossômicos, tanto qualitativa como quantitativamente, ao novo organismo. Ele afirmou que os cromossomos transportavam os potenciais herdados deste novo organismo, e foi considerado naquele momento que os cromossomos ainda não tinham sido identificados como transportadores de material genético. Entretanto, Weismann acreditava que nem todas as informações cromossômicas eram passadas para cada célula do embrião, mas que diferentes

7

C0005.indd 7

6/5/12 9:10:49 PM


Embriologia Veterinária

informações iam para diferentes células, explicando sua diferenciação. Weismann claramente entendeu os princípios de como as características eram herdadas através da fertilização, mas ele estava errado sobre os mecanismos da diferenciação. A teoria de diferenciação de Weismann foi posta à prova praticamente pelo embriologista alemão Wilhelm Roux (1850-1924), que já havia publicado os resultados de seu experimento em 1888, no qual as células individuais de embriões de sapos com 2 a 4 células foram destruídas com uma agulha quente. Como previsto pela teoria de Weismann, Roux observou a formação de embriões nos quais somente um lado desenvolveu normalmente. Estes resultados inspiraram outro embriologista alemão Hans Adolf Eduard Driesch (1867-1941) a realizar experimentos usando células separadas em vez da técnica de destruição de Roux. Para sua enorme surpresa, Driesch obteve resultados que foram bastante diferentes daqueles de Roux. Usando células separadas de diferentes estágios de clivagem de ouriço-do-mar ele demonstrou que cada uma das células era capaz de desenvolver pequenos embriões e larvas (Driesch, 1892). Ele repetiu o mesmo experimento com embriões de 4 células e obteve resultados similares; as larvas eram menores mas em compensação pareciam completamente normais. A evidência final contra a teoria de Roux-Weismann foi realizada pelos elegantes experimentos publicados por outro embriologista alemão, Hans Spemann (1869-1941). Originalmente, como Driesch, sua teoria experimental foi estabelecida em salamandras. Portanto, separando as células nos estágios de clivagem por meio de uma ligadura (um fio de cabelo retirado de seu filho recém-nascido), ele demonstrou que as células separadas eram capazes de formar pequenos embriões – e eram totipotentes. Em 1928, Spemann conduziu o primeiro experimento com transferência nuclear: transferiu o núcleo de células de embrião de salamandra para uma célula sem núcleo. Usando um fio de cabelo, como tinha feito em 1902 ao separar embriões de salamandra, Spemann dividiu a célula ovo fertilizada, forçando o núcleo para um lado e o citoplasma para o outro. Ele esperou o núcleo dividir e crescer até a um embrião de 16 células. Em seguida, desamarrou o fio de cabelo e possibilitou que o núcleo do embrião se dividisse

no citoplasma. Spemann apertou completamente o laço, separando fisicamente a esfera citoplasmática e seus novos núcleos permaneceram longe do resto do embrião de 16 células. Desta célula simples cresceu um embrião de salamandra normal, provando que o núcleo de células embrionárias seria capaz de conduzir o desenvolvimento completo da salamandra. Spemann criou o primeiro clone por transferência nuclear. Ainda, publicou seus resultados em 1938, no seu livro Embryonic Development and Induction, o qual ele chamou de “fantástico experimento” de clonagem das células diferenciadas ou adultas e teoricamente preparou o caminho para os conhecimentos de hoje. Infelizmente, Spemann não via nenhuma saída prática para realizar tais experimentos na época. O pesquisador foi vencedor do prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina em 1935 devido a sua descoberta, agora conhecida como indução embrionária – influência exercida por várias partes do embrião conduzindo ao desenvolvimento de grupos de células em determinados tecidos e órgãos. Os trabalhos de Driesch e Spemann finalmente puseram fim ao conceito de que informações hereditárias eram divididas entre as células durante o desenvolvimento embrionário. A localização do material genético não tinha sido determinada entre o final do século XIX e inicio do século XX quando um grupo de embriologistas americanos descobriu que a hereditariedade residia no citoplasma ou no núcleo do ovo fertilizado. Edmund Beecher Wilson (1856–1939) acreditava que o material genético estava no núcleo; enquanto, Thomas Hunt Morgan (1866–1945) acreditava que o citoplasma era o responsável por abrigá-lo. Wilson e o biólogo alemão Theodor Heinrich Boveri (18621915) trabalharam na Estação Zoológica de Nápoles. Boveri contribuiu para a hipótese cromossômica da hereditariedade dos ovos fecundados do ouriço-do -mar com dois espermatozoides. Na primeira clivagem, os ovos produziram quatros polos mitóticos e dividiram-se em quatro células em vez de duas. Posteriormente, Boveri separou as células e demonstrou que elas desenvolviam anormalidades, de uma maneira particular, devido ao fato de carregarem diferentes cromossomos. Assim, Boveri afirmou que cada cromossomo era diferente e controlava diferentes processos vitais. Wilson e Nettie Maria Stevens

8

C0005.indd 8

6/5/12 9:10:49 PM


História da embriologia

(1861–1912), uma das primeiras mulheres americanas a ser reconhecida por suas contribuições à ciência, continuaram os trabalhos de Boveri. Eles demonstraram a relação entre o cromossomo e o sexo: o desenvolvimento de embriões XO ou XY em machos e embriões XX em fêmeas (Wilson, 1905; Stevens, 1905a,b). Pela primeira vez, uma característica fenotípica particular tinha sido correlacionada como uma propriedade dos núcleos. Por fim, Morgan encontrou mutações correlacionadas com o sexo e com o cromossomo X. Isto o convenceu que suas observações sobre a hereditariedade no citoplasma estavam erradas e que os genes estavam ligados uns aos outros no cromossomo. Sendo assim, um grupo de embriologistas realizou um grande marco ao descobrir que os cromossomos alojados nos núcleos de células eram os responsáveis pelo desenvolvimento e características hereditárias. No início do século XX, a Embriologia e a Genética não eram consideradas ciências separadas. Elas divergiram no final dos anos 1920 quando Morgan redefiniu Genética como a ciência que estuda a transmissão de características hereditárias, enquanto que a Embriologia estuda a ciência da expressão destas características. Esta divisão não ocorreu sem hostilidade; geneticistas consideravam os embriologistas antiquados, enquanto embriologistas olhavam os geneticistas como desinformados sobre como o organismo na verdade se desenvolve! Felizmente, hoje em dia, observa-se uma reaproximação de geneticistas e embriologistas em várias situações profícuas de simbiose. Dois cientistas defenderam o sinergismo entre embriologistas e geneticistas na atualidade: Salome Gluecksohn-Schoenheimer (agora Gluecksohn-Waelsch; 1907-2007) e Conrad Hal Waddington (1905-1975). Gluecksohn-Schoenheimer recebeu seu doutorado no laboratório de Spemann, no entanto, fugiu da Alemanha de Hitler para os Estados Unidos. Sua pesquisa corajosa demonstrou que as mutações no gene Brachury de camundongos causava desenvolvimento anormal na porção posterior do embrião, ela localizou o defeito na notocorda (Gluecksohn-Schoenheimer, 1938, 1940), promovendo exemplos da proximidade entre a Embriologia e a Genética. O interessante é que passaram-se 50 anos para seus resultados serem confirmados pelo

1

método de hibridização do DNA após a clonagem do gene Brachyury (Wilkinson et al., 1990). Wadington, por sua vez, abordou a conexão casual entre a Embriologia e a Genética pelo isolamento de genes que causavam malformação em moscas da fruta. Além do mais, suas interpretações e conceitos visuais sobre o “cenário epigenético” afetaram a diferenciação celular no embrião ainda presentes nas conferências contemporâneas de células-tronco embrionárias e suas diferenciações (Waddington, 1957, Fig. 1-4).

Fig. 1-4: Em cima: Descrições do cenário epigenético feita por C. H. Waddington com uma esfera representando a célula e os vales representando as diferentes vias de diferenciação. Embaixo: Descrição pouco comum do cenário epigenético ilustrando como a tensão de diferentes genes controlam o destino da bola. De Waddington (1957).

9

C0005.indd 9

6/5/12 9:10:49 PM


Embriologia Veterinária

A questão da totipotência, inicialmente abordada por Driesch e Spemann, foi posteriormente revista em níveis mais detalhados. Embora, Driesch e Spemann tivessem demonstrado a totipotência das células nos estágios embrionários iniciais de clivagem, experimentos realizados nos anos de 1950 por Robert Briggs (1911-1983) e Thomas King (19212000) testaram a totipotencialidade do núcleo, ou melhor, do genoma. Seu modelo de transferência nuclear foi exatamente a realização exata do “fantástico experimento” proposto por Hans Spemann, embora nunca tivessem ouvido falar sobre as suas ideias. Para atingir seus objetivos eles tinham desenvolvido métodos pelos quais removeriam o genoma de um ovo sem destruí-lo (enucleação), retiravam um núcleo doador de uma outra célula, e transferiam este núcleo para o ovo enucleado. Como suas abordagens eram extremamente não ortodoxas, os primeiros projetos submetidos ao Instituto Nacional de Câncer foram recusados com uma ideia “tresloucada”. Entretanto, eles por fim obtiveram algum apoio, e após meses de experimentos eles produziram o primeiro blastocisto por transferência nuclear. O sucesso inicial foi temporário. No entusiasmo, eles se reuniram aos funcionários do instituto para lhes mostrar os blastocistos. Após várias observações no microscópio, seguidas de aplausos e parabéns, eles reavaliaram as placas e encontraram somente embriões destruídos. Felizmente, embora os primeiros embriões estivessem mortos, o sistema de transferência nuclear funcionou; em 1952, Briggs e King demonstraram com sucesso que o núcleo doador no estágio de blástula de sapos poderia direcionar o desenvolvimento de girinos completos quando transferidos em ovos enucleados. Esta pesquisa prepara o caminho para transferência nuclear de células somáticas que hoje são usadas para a clonagem de mamíferos. Briggs e King também descobriram que quando as células de estágios mais avançados (girinos com caudas, por exemplo) eram usadas como núcleos doadores, o desenvolvimento normal não ocorria a menos que o núcleo viesse de células germinativas. Assim, as células somáticas pareciam perder sua habilidade para conduzir o desenvolvimento com o seu grau de diferenciação aumentado. Este ponto mais tarde

foi seguido por John B. Gurdon que trabalhou com outras espécies de sapos, Xenopus, em vez de Rana de Briggs e King. Gurdon et al. (1975) observaram que quando núcleos de células cultivadas de pele de sapos adultos foram transferidos para ovos enucleados, o desenvolvimento de clones nunca progredia além da formação do tubo neural. Entretanto, quando eram realizadas transferências nucleares seriadas dos embriões clonados para outros ovos enucleados, era possível gerar numerosos girinos; a totipotência genômica das células somáticas estava então comprovada. Convém, contudo, salientar que o experimento com sapos nunca conseguiu fechar o ciclo do desenvolvimento pela produção de um organismo adulto por transferência de células somáticas de outros organismos adultos. O fechamento do ciclo não aconteceu até a transposição da técnica de transferência nuclear aos mamíferos, pelo veterinário dinamarquês Steen Malte Willadsen, em Cambridge, durante os anos 1980. Willadsen (1986) conseguiu transferir não apenas o núcleo, mas a célula inteira de um embrião ovino no estágio de mórula para ovos enucleados por fusão celular elétrica. Seu trabalho resultou no primeiro mamífero clonado nascido após clonagem por transferência nuclear. Em 1996, esta tecnologia foi um passo importante para Keith H. Campbell trabalhar no Instituto Roslin na Escócia no grupo de pesquisa liderado por Ian Wilmut. Campbell et al. (1996) conseguiram produzir ovelhas após a transferência de núcleos de células cultivadas, e coletadas da massa celular interna, para ovos enucleados. O segredo para esse sucesso foi a meticulosidade de Campbell na experimentação do ciclo celular que demonstrou a necessidade de certo grau de sincronismo do ciclo celular entre o núcleo doador e o citoplasma receptor. A capacidade das células cultivadas dos clones mamíferos representou um grande avanço em ciências biomédicas, facilidade na manipulação de células antes da transferência nuclear e abriu um caminho para a produção de animais transgênicos (animais nos quais um gene diferente, o transgênico, foi adicionado). Assim, Angelika Schnieke, que trabalhou no mesmo grupo de pesquisadores, foi capaz de anunciar o nascimento da ovelha transgênica Polly, uma ovelha clonada de cultivos de fibroblasto

10

C0005.indd 10

6/5/12 9:10:50 PM


História da embriologia

fetais de ovelhas na qual o gene humano para o fator de coagulação IX foi inserido como um promotor que possibilitou a expressão da transgênese na glândula mamária (Schnieke et al., 1997). Com este evento surgiu o conceito de “biofármacos” (produção de proteínas valiosas na transgênese animal). O relato de Polly foi precedido por outro do grupo de Rolin; uma publicação que surpreendeu não somente a comunidade científica, mas todas as leis da sociedade mundial: a notícia do nascimento da ovelha clonada Dolly (Wilmut et al., 1997). Dolly foi criada por Wilmut e seu grupo por transferência de células cultivadas da glândula mamária de uma ovelha de 6 anos de idade em óvulos enucleados. Novamente, o sucesso dependeu do controle do ciclo celular; as células doadoras nucleares da glândula mamária foram mantidas em cultivo, o que suprimiu sua atividade mitótica, provocando um estado de senescência celular, bloqueando até o estágio G1 do ciclo celular ou G0. Pesquisas, desde então, resultaram na clonagem de muitos animais (incluindo bovinos, camundongos, caprinos, suínos, gatos, coelhos, equinos, cães e ratos) e, também, foi demonstrado que “silenciar” o núcleo das células doadoras não é necessário. Em associação da genética, a embriologia é uma ciência em desenvolvimento exponencial. A forma como continuará a se desenvolver somente o tempo poderá dizer. A embriologia fez seu caminho no currículo de Medicina Veterinária na metade do século XIX quando se tornou incorporada ao ensino da Anatomia. Em 1924, o primeiro livro-texto de Embriologia publicado por Zeitzschmann e outros (embora poucos) surgiu. A obra Embryology of the Pig de Bradley M. Patten merece especial atenção, pois é uma fonte admirável de inspiração para os autores deste livro. Do mesmo modo, “a bíblia” da Embriologia Comparada Biologia do Desenvolvimento de Scott F. Gilbert é admirável por sua representatividade e pelo seu estilo imitável. Como a Embriologia foi originalmente baseada na tradição da Anatomia Descritiva e nos currículos de Medicina e Veterinária, a nomenclatura é baseada no latim e no grego. Para facilitar a leitura, “anglicamos” alguns termos mais usados na forma latina ou grega.

1

LEITURAS ADICIONAIS Aristotle (ca. 350 BC): The generation of animals. A.L. Peck (trans.). eBooks@Adelaide, 2004 (see http://etext.library. adelaide.edu.au/a/aristotle/generation/). Baer, K.E.V. (1827): De ovi mammalium et hominis genesi. Voss, Leipzig. Bonnet, C. (1764): Contemplation de la Nature. Marc-Michel Ray, Amsterdam. Briggs, R. and King, T.J. (1952): Transplantation of living nuclei from blastula cells into enucleated frogs’ eggs. Proc. Natl. Acad. Sci. USA 38:455–464. Campbell, K.H., McWhir, J., Ritchie, W.A. and Wilmut, I. (1996): Sheep cloned by nuclear transfer from a cultured cell line. Nature 380:64–66. Darwin, C. (1859): On the Origin of Species by Means of Natural Selection, or the Preservation of Favoured Races in the Struggle for Life. John Murray, London. Fabricius, H. of Aquapendente (1600): De formato foetu. Pasquala, Padova. Gilbert, S.F. (2003): Developmental biology. 7th edn.. Sinauer Associates, Sunderland, Massachusetts. Gluecksohn-Schoenheimer, S. (1938): The development of two tailless mutants in the house mouse. Genetics 23:573–584. Gluecksohn-Schoenheimer, S. (1940): The effect of an early lethal (t0) in the house mouse. Genetics 25:391–400. Gurdon, J.B., Laskey, R.A. and Reeves, O.R. (1975): The developmental capacity of nuclei transplanted from keratinized cells of adult frogs. J. Embryol. Exp. Morphol. 34:93–112. Harvey, W. (1651): Excitationes de generatione animalium. Elzevier, Amsterdam. Kölliker, A. (1881): Entwiklungsgeschichte des Menschen und der höhere Thiere. Engelmann, Leipzig. Maître-Jan, A. (1722): Observations sur la formation du poulet. L. d’Houdry, Paris. Malpighi, M. (1672): De formatione pulli in ovo (London). Reprinted in HB Adelmann ‘Marcello Malpighi and the evolution of embryology’. Cornell University Press, Ithaca, NY, 1966. Pander, H.C. (1817/18): Beitrage zur Entwiklungsgeschichte des Hühnchens in Eye. Brönner, Wüzburg. Patten, B.M. (1948): Embryology of the pig. 3rd edn.. Blakiston Company, New York, Toronto. Roux, W. (1888): Contributions to the developmental mechanisms of the embryo. On the artificial production of half embryos by destruction of one of the first two blastomeres and the later development (postgeneration) of the missing half of the body. In B.H., Willier, J.M., Oppenheimer, (eds.) 1974 ‘Foundations of experimental embryology’, Hafner, New York, pp. 2-37. Schnieke, A., Schnieke, A.E., Kind, A.J., Ritchie, W.A., Mycock, K., Scott, A.R., Ritchie, M., Wilmut, I., Colman, A. and Campbell, K.H. (1997): Human factor IX transgenic sheep produced by transfer of nuclei from transfected fetal fibroblasts. Science 278:2130–2134.

11

C0005.indd 11

6/5/12 9:10:50 PM


Embriologia Veterinária

Schwann, T. and Schleyden, M.J. (1847): Microscopical researches into the accordance in the structure and growth of animals and plants. London, Printed for the Sydenham Society. Stevens, N.M. (1905a): Studies in spermatogenesis with special reference to the ‘accessory chromosome’. Carnegie Institute of Washington, Washington. D.C. Stevens, N.M. (1905b): A study of the germ cells of Aphis rosae and Aphis oenotherae. J. Exp. Zool. 2:371–405, 507–545. Waddington, C.H. (1957): The strategy of the genes. Geo Allen & Unwin, London. Weismann, A. (1893): The germ-plasm: A theory of heredity. Translated by W. Newton Parker and H. Ronnfeld. Walter Scott Ltd., London.

Wilkinson, D.G., Bhatt, S. and Herrmann, B.G. (1990): Expression pattern of the mouse T-gene and its role in mesoderm formation. Nature 343:657–659. Willadsen, S.M. (1986): Nuclear transplantation in sheep embryos. Nature 320:63–65. Wilmut, I., Schnieke, A.E., McWhir, J., Kind, A.J. and Campbell, K. (1997): Viable offspring from fetal and adult mammalian cells. Nature 385:810–814. Wilson, E.B. (1905): The chromosome in relation to the determination of sex in insects. Science 22: 500–502. Wolf, K.F. (1767): De formatione intestorum praecipue. Novi Commentarii Academine Scientarum Imperialis Petropolitanae 12:403–507.

12

C0005.indd 12

6/5/12 9:10:50 PM


e-sample-Hyttel  

http://elseviersaude.com.br/wp-content/uploads/2012/09/e-sample-Hyttel.pdf

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you