Issuu on Google+

Bonifrates

Cinco dias atrás, na noite de treze de agosto, nosso bonifrate T.002509 R, programado para ser conhecido como Ualdle, foi acionado pelo dono do setor 0EA02, em contrato assinado por Estevão Silva, para posse de três dias e meio, com devolução em 16 de agosto às 19:00pm. O bonifrate entregue às 16:16: 16pm, seria acompanhante do senhor Estevão Silva, em uma festa de premiação de melhores recursos da empresa utilizados para a evolução da tecnologia. Em nossos computadores centrais, porém, Estevão Silva, deu entrada no hospital Misericórdia de Todos com graves ferimentos internos, aonde veio a falecer às 05:26am, daquela madrugada. T.002509 R foi acionado para o comparecimento em nossa central, R00170 E, onde seus circuitos seriam verificados, sabendo-se assim, de forma precisa, o que de fato ocorrera com o humano denominado Estevão Silva. A autopsia do senhor falecido indicou que: Braço 0911 Out, Cabo 0520 Set e Fiação ME 2212 foram às armas que ocasionaram a total hemorragia e falência dos órgãos de Estevão Silva. Os equipamentos citados à cima fazem parte da composição de peças com número único e especifico, que constituem o bonifrate T. 002509 R, levandome a crer que ele seja o culpado de tal fatalidade. T.002509 R não compareceu a central para que pudéssemos apurar os fatos sucedidos e em nossas fontes de controle, seu número serial e sinal de localização; já não mais apontam sobre seu paradeiro. Cabe a mim, agente procurador de bonifrate infratores; encontra-lo e trazêlo para a Resolução, sendo que neste setor, T. 002509 R será expulso de seu cargo de Bonifrate Ualdle – acompanhante homossexual e heterossexual - para ser desfragmentalizado por seu ato de rebelia contra um humano.

1


Bonifrates

Existe uma área onde estão os destroços de prédios e qualquer coisa que tenha sido de concreto. A primeira área atingida no começo da Quarta Guerra Mundial, que fez o mundo se tornar o que é hoje. Os humanos vivem cercados de bonifrates, robôs com inteligência artificial, capazes de crerem que são humanos perfeitos, já que até mesmo DNA próprio eles possuem. São tão perfeitos que não há como distinguir a olho nu um bonifrate de um humano. Existe uma central, a Resolução, que comanda cada bonifrate feito, através de micro sensores instalados em seu cérebro. Já houve um tempo em que uma série de bonifrates saiu defeituosa. Os bonifrates, que estavam a serviço nas ruas, foram recolhidos. Eles estavam adquirindo a capacidade de anularem os efeitos dos sensores controladores, permitindo que tivesse autocontrole de toda e qualquer ação. Existe uma central, a 0EA02, que aluga bonifrates para acompanhamento. Essa central possui bonifrates de qualquer tamanho e tipo, desde as séries como bebês, adequada para qualquer jovem que queira tentar ser pai ou mãe, até a série de idosos, para quem quer ter um avô ou avó. Mas os bonifrates mais alugados são os homossexuais/heterossexuais. U 000601 M, ou Clabi era um desses. Ele foi um dos bonifrates defeituosos que não foi capturado pela Resolução, estando com capacidade plena de controle total sobre si, entre a humanidade, cada vez mais escassa no mundo hoje. Clabi foi programado para ser inteligente, galanteador e prazeroso. Quando percebeu a sua capacidade de anular o botão que o desligava, ele fugiu para a área, onde nenhum humano tem coragem de pisar. E foi lá que ele permaneceu até agora. Area 17.86.12.68 setor Z: Embaixo de um dos destroços, existe um longo túnel, que leva para um compartimento subterrâneo com muitos equipamentos antigos e peças inutilizadas, mais ou menos como um ferro-velho. Em um canto de todo o entulho, está Clabi com seu companheiro, o humano Jorge. Técnico em mecânica, especializado em qualquer tipo de eletrônico, capaz de fazer qualquer coisa com ferros.

2


Bonifrates Ele é foragido dos Preceitos. E não pretende voltar para o mundo além da Área 17.86.12.68, setor Z, onde escolheu para ser o seu refúgio, enquanto viver.

Composto expectativa: - Alguém... Ele está acordando... Por favor, alguém venha ver este bonifrate. - Eu já estou aqui Nec A 02 B, não se preocupe. – falou o bonifrate da linha mais atualizada que Nec A 02 B. Colocou a mão na testa do outro bonifrate caído sobre uma maca. – Como você está amigo? - Onde estou? Não me lembro de nada. - Você está em um lugar seguro. O Complexo Expectativa. - Na área 17.86.12.68? Em que setor? - Setor EH ao norte. - E como vim parar aqui? - Nosso amigo Huj 010 A o encontrou. – apontou para um bonifrate que ele não soube definir. O outro voltou a olhar para ele - Eu sou conhecido como Yul, da série JK 04 C. - Todos vocês são tão velhos. - Velhos não meu amigo, somos o começo... Sem nós não teriam feito você. Por falar nisso, qual a sua série? – perguntou o bonifrate Nec A 02 B - Y 0009 D. Mas sei que eles já começaram a série F. - Eles avançam... E já o jogaram fora? Ainda não vi a sua linha nas lojas de aluguel. - Eu fui feito por encomenda. - E o abandonaram? - Sei que meu companheiro conheceu um humano. Depois não me lembro de mais nada. - Eles apagaram o seu circuito de memória meu jovem. – falou Yul – Agora você é um foragido, porque se a Resolução te pegar, você vai virar ferramentas para a próxima geração de equipamentos. - Eu sei. Posso ficar aqui? - Claro, esse complexo foi fundado por mim, Nec A 02 B e meu amigo Mec B 01 B, íamos ser desmembrados, fugimos para cá, onde a Resolução não tem coragem de entrar.

3


Bonifrates - Se vocês serão meus companheiros a partir de agora, tenho que me apresentar: sou o bonifrate Bludy. - Seja bem vindo garoto. – falou uma outra série ao fundo que pelos conhecimentos de Bludy, foi da série Cec 001 AA. Centro local da cidade humana Ualdle abriu seus olhos. Olhando ao redor, notou estar em cima de um dos latões de lixo da cidade humana. Estava bem perto do setor de aluguel 0EA02, mas não voltaria para lá, pois sabia exatamente o que fariam com ele. Lembrava-se vagamente de ter feito algo errado. Lembrava das luzes chegando ao apartamento de Estevão e de seus pés se movimentando tão rápido e ele sem saber por quê. Saiu da lata de lixo, arrumou as roupas sujas, precisava trocá-las ou daquela maneira chamaria muita a atenção dos humanos. Entrou em uma loja de conveniências e avistou algumas roupas. A moça do balcão o olhou desconfiada e pegou o telefone. Com as roupas na mão, Ualdle entrou por uma porta, onde somente funcionários estavam permitidos. Rapidamente, tirou sua roupa imunda e colocou a roupa esporte. Avistou uma outra porta, por onde os funcionários deveriam entrar e saiu. Viu-se em um beco, andou um pouco seguindo um estranho som e quase foi atropelado por um dos carros que voavam no céu cinzento. O motorista deveria estar se preparando para estacionar, mas sem atenção alguma. Estava andando, sem chamar a atenção, quando virou a direita. Um outro jovem, igualmente belo como ele, corria desesperado em sua direção... Esbarrou nele o fazendo cair no chão, mas voltou para ajudá-lo. Ualdle não sabia por que corria com aquele outro jovem, mas tinha certeza de que se parasse para perguntar, algo de ruim aconteceria com ele. Passaram por um estranho portão de alambrados enferrujados, ainda correndo... Por cima de destroços e por um longo túnel, quase parecendo sem fim, quando finalmente pararam. - Vejam o que encontrei. – falou para os outros que o olhavam surpresos - Quem é esse ai? – Ualdle olhou confuso para a estranha peça de metal que perguntou - Eu sou Ualdle, bonifrate de aluguel. – respondeu sincero. - Eu o trouxe porque estava com problemas... Ouvi na central em que passei, uma jovem chamando a Preceitos para analisarem um freguês de estranha aparência. Fui descoberto na central em que estava e corri até lá para ajudá-lo. 4


Bonifrates - Mas trouxe o que pedimos? - Sim, as baterias estão dentro da mochila. – Ualdle olhava confuso para o jovem que parecia tão humano. - Você é um bonifrate? - Sou assim como você. A minha série a é a mais antiga do que a sua; você é um T. R, certo? - Sim. Então você deve ser a série S. Q? - Isso mesmo. Vou levá-lo até Yul, ele cuidara de você. Passaram por um outro corredor, onde desceram por uma rampa. Ualdle olhava confuso para os destroços espalhados. Entraram por um buraco no meio dos destroços e Ualdle viu várias macas, como se aquilo fosse uma enfermaria humana. - Tenho mais um para você Yul. Vê se se cuida T. R. – falou o outro bonifrate, antes de voltar pelo mesmo lugar que vieram. Ualdle continuava a olhar confuso para os outros, que se levantaram para observá-lo. Passado algum tempo, Ualdle se considerava com sorte. Mesmo ficando distante dos outros e sempre com medo de se aproximar, ele se considerava entre amigos. Em sua mente, ele se lembrava da noite em que estava com Estevão. Como todas às vezes, foi bem arrumado para o encontro com o “namorado” e juntos, aproveitaram a noite, principalmente depois de Estevão ter ganhado o prêmio. Alugaram uma pequena cabine, igual essas de telefones europeus, uma ao lado da outra, mas não de vidro limpo e sim de um vidro fosco, deixando outros sabendo que tinha alguém lá dentro, mas sem verem o que estava acontecendo. Depois da cabine, Ualdle e Estevão foram para o apartamento do locatário, onde terminaram de apagar o fogo que tinha começado logo no momento em que Estevão pressionou sua digital na tela, sendo o responsável por Ualdle até o término de seu prazo de aluguel. Os dois estavam na cama... E apenas em flashs, Ualdle se via sujo de sangue, de repente correndo, caindo e logo em seguida acordando assustado. - Ualdle gostaria de saber o que você tanto faz quando fica sozinho. O que passa por sua cabeça. – falou um jovem tão belo que Ualdle ficou sem palavras. Já o tinha visto, ficado da mesma forma, mas parecia que toda vez que Bludy vinha falar com ele, era como se o estivesse vendo pela primeira vez. - Penso em meu parceiro. - Por isso você não se aproxima de ninguém? Tem medo de machucar-nos?

5


Bonifrates - Sim. Mesmo sabendo que todos vocês são bonifrates e somente a Resolução é que conseguiria destruí-los. Não estou seguro para ficar perto de ninguém. – Bludy ficou olhado para ele - Se prefere, então estou indo embora. - Obrigado Bludy. Ele não ficou sentado no canto por muito tempo. Segundos depois da saída de Bludy, Ualdle saiu andando. Sabia que a área atingida pela primeira vez era enorme, então deveria ter mais suspeitos e fugitivos por ali. De fato, andou e andou. Até que parou ao ver um homem carregando uns ferros. Ficou a olhá-lo por um longo tempo, sabendo que o conhecia de algum lugar... Quando por fim, o homem notou sua presença. - Olá. – falou finalmente para o estranho - Olá bonifrate. O que faz por estes lados? – Ualdle olhou, reconhecendo a voz, por fim perguntou: - Como assim? - Esta é a área dos humanos que querem viver longe dos Preceitos. Ou que fogem deles. Você deve ser do Complexo. – Ualdle continuava sem saber de onde conhecia o homem. Este, por sua vez, olhava com curiosidade para o jovem, e belo bonifrate. Cabelos escuros, olhos com um intenso brilho, claros. O corpo bem trabalhado. – Eu sou Jorge. - Ualdle. – disse com há voz um pouco mais baixa que o habitual. - Me lembrei... – falou Ualdle se levantando da cama no meio da madrugada. - O que foi? – murmurou Bludy, na cama ao lado. - O homem que eu falei que conheci hoje, fora do Complexo... Ele já me alugou uma vez, eu me lembro, foi o primeiro a fazer isso depois de Estevão. - Vá para a cama Ualdle, conversamos amanhã. - Você está tão quieto Jorge. O que aconteceu? - Eu revi um jovem bonifrate hoje. Tão lindo, parecendo um anjo. - Ah é? – falou o outro enciumado – Eu não basto para você? - Não é isso Clabi. Ele é bonito, realmente, mas em seu olhar, tem a inocência de uma criança. Como se não fosse um bonifrate. Ficou me olhando por algum tempo antes de manter contato. - E quem é ele? - Ora, qual o único bonifrate que conhecemos que tem essas características; homem? - Ualdle. - Ele mesmo. Esta morando no Complexo com os outros. 6


Bonifrates - Acho que vou visitá-lo amanhã, talvez. Agora Jorge, - falou o abraçando – faça-me aquela massagem que somente você sabe fazer em um bonifrate. - Então é isso Ualdle? Ele o alugou, vocês ficaram juntos e no outro dia ele o deixou sozinho para que voltasse ao seu setor de aluguel? - É. - Talvez seja melhor você ficar apenas no Complexo. Ir falar com um dos fugitivos do Preceito não é uma boa. Ok? - Ok Bludy e obrigado por me ouvir. - Tá bom. Agora posso ir dormir? - Pode. – Mas ao contrário de Bludy, Ualdle não conseguiu dormir, porque pela primeira vez em sua memória, sabia que era um bonifrate e como máquina, não tinha sono. Pedido para a preceitos Venho por meio desta comunicar-lhes meu desejo em nome de meu trabalho que tanto prezo, de entrar na Área 17.86.12.68, a procurar do infrator T. 002509 R, acusado de homicídio de um ser humano. Consta em nossos registros que seu número serial foi apagado, assim como seu sinal de localização, danificado, nos impossibilitando de encontrá-lo da maneira mais fácil e adequada com nossos sistemas. Levando-me, assim como uma pequena equipe, a utilizarmos o meio mais antigo: um transmissor manual. Utilizaremos este recurso na Área, a fim de encontrá-lo, trazendo-a para o setor da Preceitos, responsável pelos bonifrates infratores, a Resolução. Area 17.86.12.68 setor C O agente procurador de bonifrates entrou junto com sua equipe, depois da aprovação de seu pedido, na primeira Área atingida. Verificavam o setor C, depois de tentativas frustradas nos setores anteriores, quando viram o jovem musculoso e atraente, mexendo em alguns escombros. O caçador de bonifrates foi chamado para o reconhecimento da máquina. - Você aqui? Vejo que está traindo a nós. – falou o agente procurador de bonifrates para a mais recente série: Y0009 D, ou Bludy. - Eu não estou traindo-os, pois vocês não fazem parte da minha raça. – o caçador o olhou e ordenou: - Podem colocar os circuitos paralisantes neste bonifrate. Acabo de ver que nós estamos apenas começando. 7


Bonifrates Area 17.86.12.68 setor EH ao norte Complexo Expectativa - Alguém viu o Bludy por ai? – perguntou Ualdle desesperado - Não. Mas está tudo bem com você? – perguntou Yul - Estou, mas preciso falar com Bludy. Por favor, Yul, se o vir fale que eu me lembrei do que aconteceu naquela noite, ele vai entender. - Eu o vi Ualdle... – começou o bonifrate da série S.Q, o mesmo que o tinha encontrado -...Ele falou que ia até o setor C procurar respostas nos escombros. - Respostas para o quê? - Não sei, mas deve ser para o passado dele. Disse que nos escombros estariam as memórias de sua vida com Bianco. - Bianco? - Foi o companheiro que o encomendou e o jogou fora depois que conheceu um humano. - Obrigado S.Q. - Disponha Ualdle. – falou, mas o bonifrate já estava longe. Quando Ualdle chegou ao setor C, era um pouco tarde. A nave voadora, já levava Bludy, desacordado. Outros bonifrates olhavam tudo, sem medo do agente procurador, porque ali era o lar deles e nada do que o agente fizesse os deixaria com medo. Ouviu o caçador começar a falar para os bonifrates mais a frente... - Não queremos atrapalhar a vida pacata de vocês neste lugar, mas há um de vocês aqui, que matou um de nós... Precisamos recuperá-lo. Pode parecer estranho a nossa preocupação para recuperá-lo, mas ele é defeituoso assim como vocês. Não temos o seu controle e, além disso, ele consegue matar bonifrates, tem a capacidade para isso. Ualdle se surpreendeu. Era dele que estavam falando? Mas se era, como sabiam que ele podia fazer isso? Saiu correndo. Já que não pôde salvar Bludy, salvaria a si mesmo... Correu para o norte, ia sair do Complexo, ia para a área Z, encontrar Jorge, tirar a história a limpo, depois pensaria nas palavras do agente procurador. Quando chegou, olhou para o outro homem parado. Os cabelos cacheados, como os de anjo, olhos claros, os músculos sintéticos, como os seus, definidos. Trajava roupas de esporte e tinha uma bola de basquete na mão.

8


Bonifrates - Sabe, os humanos acham que nós somos brinquedos que eles ligam e desligam quando querem. - Quem é você? – perguntou Ualdle confuso - Sou Clabi. – disse estendendo a mão. – E continuando a minha teoria, os humanos, apenas acham que são inteligentes, criam máquinas, mas às vezes elas saem de seu controle, como nós. Temos micro sensores instalados, para não termos nosso próprio autocontrole, porque isso é de uso exclusivo deles, mas algo saiu errado e mesmo com isso instalado em nós, nos controlamos, os deixando com medo de sua própria criação. - Aonde você quer chegar com isso? - Eles nos criaram Ualdle, para sermos suas marionetes, não é a toa que nós somos chamados de bonifrates... Nos deram DNA próprio, vida própria e até sentimentos... Mas saímos com defeito, como venho ressaltando. - Eu sei disso; série U 000601 M. - Você me reconhece então? - Eu o substitui no setor humano 0EA02. O setor de aluguel... - Então você já sabe o que aconteceu? - Eu sei o que aconteceu comigo quando estava com Jorge. Mas ao certo, o que ele fez quando eu apaguei, está confuso... - Você foi alugado por Jorge a meu pedido. Foram para um quarto alugado, pelo próprio setor. Você achava que teria uma noite maravilhosa com ele, mas depois de abraçá-lo e sentir o seu perfume, viu sua visão ficar turva e perdeu os sentidos. Certo? - É. - Bom... O perfume dele foi desenvolvido por mim, faz o mecanismo de qualquer bonifrate desligar por minutos. – Clabi fez uma pausa. Olhava para o bonifrate com cabelos arrepiados – Sabe até que você é bonitinho. Estão se superando a cada criação. – Ualdle continuava quieto. De repente, Jorge entrou correndo pelo buraco. - Eles estão procurando... Você? – estava assustado olhando para Ualdle. – Estão te procurando bonifrate. Venha Clabi, precisamos ir. - E por quê? – em sua voz tinha autoridade. - Porque caso tenha se esquecido eu sou um fugitivo da Preceitos. Eles estão deixando os bonifrates livres, bom, menos os que eles procuram, mas os humanos, esses estão indo a maioria. Mas Clabi continuava sentado. Brincando com a bola de basquete, olhando para Ualdle, parado a sua frente, o olhando da mesma forma, com curiosidade para saber o que tinha acontecido. Por fim, Clabi se levantou, segurou a bola nas mãos. - Seja feliz Ualdle. Agora que tudo está terminado. 9


Bonifrates Ualdle queria saber... Precisava saber e foi o que fez. Jorge já estava lá fora, alguns humanos o esperavam. Clabi ainda perto. - Sabe o que eu ouvi do caçador antes de vir até aqui procurando Jorge? – perguntou com curiosidade na voz - É claro que não, ou você não estaria me perguntando. - Que eu... – Ualdle atrás de Clabi penetrou sua mão mecânica nas costelas artificiais do outro bonifrate. -... Que eu sou defeituoso em dois aspectos e posso machucar bonifrates como você, além de controlar a minha vontade. Ualdle estava sentado, no mesmo entulho que Clabi tinha se sentado. A bola de basquete na mão, o bonifrate com a cabeça esfacelada e os circuitos no chão. O agente procurador de bonifrates entrou. - Ora, ora, vejamos quem temos aqui. - disse parado de frente para o bonifrate - Ualdle. - Olá Bianco. - disse o bonifrate olhando na direção dos olhos do agente Acho que seu medo humano pela Área se foi. - Tudo por você Ualdle. - Que estranho... Até outro dia achava que você era louco por Estevão. Será que é por isso que quis me culpar? – Bianco não entendia. – Podemos fazer um trato. Eu não conto o que sei, nem entrego esta memória em minha mão, se você fizer com que tudo seja retirado. E traga Bludy de volta. - Isso eu não posso fazer. Bludy já foi desfragmentalizado. Recebi a informação agora mesmo, antes de passar por este buraco e vê-lo com esta bola na mão. Ualdle o olhou com ódio. Nunca saberia a verdade sobre Bludy, mas podia salvar aquela camada de tecido sintético que o recobria e que ele conhecia como pele. E se Bianco fosse tão esperto como demonstrava, certamente faria o mesmo por sua própria carcaça, afinal ele trabalhava para a Preceitos e conhecia muito bem a penalidade que era cometida com seres humanos que infringiam as ordens. Relatorio oficial Cacador de bonifrates Bianco Antunes Para a preceitos; setor Resolucao Em minha recente visita a área 17.86.12.68, em todos os setores, juntamente de minha equipe, encontramos apenas um dos bonifrates defeituosos, a recente e inédita série para locação, Y0009D, já desfragmentalizada. Outro bonifrate encontrado, aparentemente destruídos por 10


Bonifrates humanos foragidos da Preceitos, foi um dos primeiros defeituosos, o bonifrate da série U 000601 M, ou Clabi como conhecido no setor 0EA02 de aluguel. Quanto ao infrator Ualdle, série T. 002509 R, nada foi informado ou encontrado. Outros bonifrates alegam que ele fugiu juntamente como os humanos foragidos. Como caçador de bonifrates, acredito que seu sistema não se adaptará em outros climas fora desta cidade, como previsto na programação dos bonifrates. Memoria de Ualdle depois do ocorrido Bonifrate linha: recente Y0009 D. Nome: Bludy. Defeito: sim, Resolução sem controle de seu autocontrole. Relato: foragido da Resolução. Características: alto, 1.83, 90kg, músculos sintéticos definidos, inteligência notável. Olhos verdes, cabelos escuros, simpático. Profissão: bonifrate programado para a satisfação humana. Categoria do pedido: Caseira. Pedinte: Bianco Antunes, humano branco, 1.92, 100kg, homossexual. Esses dados acima fazem parte do único bonifrate com quem pude confiar os dias no Complexo. O único que me ouvia e ia além do que eu pedia para me ajudar. Deve estar confuso para você, mas vou clarear suas idéias, como clareei as minhas ao implantar as memórias de Clabi em meus circuitos, antes de exterminá-lo: Quando estava com Jorge e apaguei... Ele e Jorge copiaram alguns de meus equipamentos, para causarem a morte de Estevão. Bludy era o bonifrate próprio do agente procurador de bonifrates, Bianco Antunes, que com seu trabalho e dinheiro, sabia que ter um bonifrate significava a satisfação máxima no ato sexual. Já Estevão, como pobre mortal sem muito dinheiro para obter o seu próprio bonifrate, alugava sempre Clabi, o melhor que já tinha levado para casa. O setor 0EA02 estava trocando os seus bonifrates, levando os defeituosos ou muito antigos para a Resolução e eu fui colocado no lugar de Clabi. Que conseguiu fugir para a área 17.86.12.68, onde conheceu o humano Jorge, que o ajudou em sua vingança, lá no setor Z. Bianco conheceu Estevão e mandou Bludy para a Resolução, alegando seu defeito de autocontrole total, o que o fez fugir. Antes de enviá-lo Bianco 11


Bonifrates apagou as suas memórias o que causou seu estado de desligamento temporário, quando o outro bonifrate o encontrou. Ressaltando, eu me apaixonei por Bludy e fiquei muito chateado com a sua desfragmentalização. Ainda mais quando descobri que Clabi era apaixonado por Estevão o que o fez planejar mata-lo por ter sido substituído por mim, colocando a culpa em minha memória com a ajuda de Jorge. O que de fato Clabi não sabia é que Jorge gostava dele e acabou me ajudando a eliminá-lo, já que tão próximo Clabi não soubera reconhecer o sentimento dele, o que o fez se exaltar. Jorge fugiu com outros humanos para outro setor que não posso contar aqui. Já este bonifrate aqui, descobriu que tem a capacidade de terminar com outros bonifrates, mas não sou o único. Sou o primeiro da nova série com defeito, que pode acabar com os mesmos de sua raça, e ter autocontrole total de seus sentimentos, emoções e ações. Sou o primeiro, o que está deixando a Resolução sem ter o que explicar para a Preceitos. Música para ouvir junto: Portishead - Roads

12


Bonifrates ok