Issuu on Google+

Ano XVIII - N° 190 - Setembro/2013 - Distribuição Gratuita

A Leitura Orante da Palavra de Deus Pe. Agenor Girardi* Vivemos na intensa descoberta da Palavra de Deus (PdD) e da necessidade de formação permanente em nossas vidas e comunidades. PdD e vida caminham de mãos dadas. A PdD alimenta a vida e a vida dá luz à PdD. Em nossa formação cristã a PdD vai dando ritmo aos nossos tempos e vidas: ritmo diário, semanal, mensal, anual, os tempos fortes. A Leitura Orante da PdD dá o ritmo diário. O que é a Lectio Divina? - Não é fácil traduzir literalmente e com exatidão a expressão latina “Lectio Divina”. Habitualmente é chamada de Lição Divina ou leitura orante da PdD. Trata-se de uma leitura atenta e sem pressa. Cada dia é meditado e contemplado um texto escolhido e preparado de antemão. Ela tem como objetivo alimentar a vida de fé do cristão, fortalecer a união com Deus e animar o apostolado. O vaticano II, na Constituição Dogmática “Dei Verbum”, sobre a Revelação Divina diz que: - “A Lectio Divina é a escuta religiosa e piedosa da leitura sagrada da Escritura” (DV 10). Pressupõe sempre uma atitude de fé orante e abertura de coração. O encontro: - A leitura orante da Sagrada Escritura sempre tem sido o lugar preferido para o encontro com Deus. É a chamada “Lectio Divina”. Mas, “Lectio” não significa ler a Bíblia somente para adquirir conhecimentos ou obter informações. Trata-se de um encontro profundo e íntimo com Deus que se dirige a nós através da Palavra. É na Palavra que sentimos a unidade e a essência de Deus. No encontro com Deus encontro a mim mesmo de uma maneira nova. Santo Agostinho diz: - “A Palavra de Deus se opõe à tua vontade enquanto não te tornar artífice de tua salvação. Na medida em que tu mesmo fores o teu inimigo, também a Palavra de Deus o será. Torna-te amigo de ti mesmo e também a Palavra de Deus estará em harmonia contigo” (Sermão 110,3). Na medida em que compreendo a Palavra de Deus,

compreendo a mim mesmo de uma maneira nova. Compreender o texto bíblico é compreender os meus limites. O amor à Palavra: - Para a pessoa de fé, a Bíblia é o “Livro de Deus”. Quem segue a Cristo recorre sempre à Sagrada Escritura para encontrar a “Água viva da salvação”. É na escuta atenta da Palavra de Deus que o amor misericordioso e a compaixão vão sendo aprimorados. É sempre o Espírito Santo que suscita o amor e adesão à Palavra. Além do mais, a leitura atenta da Palavra sempre leva à oração e intimidade com o Senhor. É impossível compreender a leitura orante sem chegar à oração, em todas as suas formas e expressões. É uma assimilação lenta do texto bíblico, onde a pessoa orante escuta atentamente a voz do Pai e volta o seu olhar e o seu coração para ele. A escuta da Palavra: - No Antigo Testamento, uma das peculiaridades da religião hebraica é, sem dúvida, a escuta atenta da Palavra. Por um lado, Deus fala através dos textos Sagrados; por outro, o povo responde na escuta, acolhendo tal Palavra, impregnando assim da sabedoria divina. Para que o povo de Israel seja “propriedade exclusiva do Senhor, bem como um reino de sacerdotes e uma nação santa”, precisa escutar sua Voz e observar sua Aliança (Ex 19,5-6). A atitude mais digna do ser humano, perante seu Criador e Pai, sintetiza-se na escuta de sua Palavra. Esta requer ambiente de silêncio, recolhimento e abertura. Nosso Deus continua a falar a cada pessoa que escuta atentamente sua Palavra. Os quatro passos: - A leitura divina é dividida em quatro passos: - leitura – meditação – oração – contemplação. A leitura orante da Bíblia procura a união com Deus, à meditação o encontra, a oração o invoca e a contemplação o saboreia. Tal método acende o desejo ardente do coração para Deus. Contemplar é rezar sem palavras. É tornar-se um com Deus. Há uma conexão interna das quatro fases. O principal objetivo da lei-

tura orante é encontrar-se com Deus. Na Lectio Divina, a alma percorre um itinerário espiritual em direção a um encontro sempre mais profundo com Deus. Ler a Palavra: - Há uma evolução lenta. Aos poucos se passa do ato de ler para escutar a Palavra. Assim, por exemplo, Moisés cumpre sua missão mediadora entre Deus e o povo, lendo a Palavra do Senhor, que estava escrita nas tábuas da Aliança (Ex 24,7). A Lei escrita em pergaminhos, passa a ser chamada de Escritura, que quer dizer exatamente isto: - Lei escrita para ser lida e proclamada. No Novo Testamento Jesus fala com pessoas que conhecem bem a Escritura: - “Nunca lestes o que fez Davi quando teve necessidade, e ele e os que o acompanhavam sentiram fome”? (Mc 2,25). Podemos ver nesta pergunta de Jesus já a origem da Lectio divina. Meditar a Palavra: - Já nos primeiros séculos do cristianismo, a Igreja, através dos Monges, fez uma grande descoberta: é preciso meditar as Escrituras, ou seja, “ruminar”. A leitura orante leva à meditação. É aí que o cristão percebe a força transformadora da Palavra, assim ele vai formando a consciência reta e clara dos apelos de Deus para poder agir perante a maldade do mundo. Meditar é parar. É tirar tempo para perceber as novidades de Deus. Meditar é mais do que ler. È colocar o ouvido e o coração à escuta. Rezar a Palavra: - Aquilo que é lido no Antigo Testamento encontra sua realização na vida e nos ensinamentos de Jesus. Os evangelhos constituem o coração de toda a Bíblia. Toda leitura orante tende a conduzir à oração. Rezar é, em primeiro lugar, um relacionamento amoroso e gratuito com Deus. A autêntica oração é sempre união com Deus. É sempre intimidade com o Criador. Os frutos da oração se manifestam ao longo da vida. A oração nos traz de novo a sensibilidade humana. Quem reza também se compromete. Quem reza entende a dor e o sofrimento do outro. É impossível rezar e ficar de braços cruzados. A

oração conduz a um apostolado fecundo. Contemplar a Palavra: - É necessário contemplar a Palavra, isto é, o Verbo que se encarnou, o Filho de Deus feito Homem. Quem contempla também vai se comprometer com os valores do Reino, vai sempre mais percebendo qual é a autêntica vontade de Deus sobre sua vida. A contemplação permite o discernimento em profundidade. O próprio Jesus manda examinar as Escrituras como fonte de vida: - “Examinai as Escrituras porque julgais ter nelas a vida eterna; ora são elas que dão testemunho de mim” (Jo 5,39). O verbo “examinar” tem aqui o sentido de contemplar. A contemplação brota espontânea de uma atitude orante. Não basta pensar em Deus, é preciso unir-se sempre mais a ele. É através da contemplação que a pessoa encontra o equilíbrio interior e um estado de harmonia e paz. Neste espaço de Deus as feridas do coração vão sendo curadas. Na contemplação precisamos estar dispostos a nos assumir do jeito que somos diante de Deus. Coração orante e contemplativo: Eis o segredo de toda força missionária. A Lectio Divina é a base necessária de toda a vida cristã. A vida espiritual do cristão é a Sagrada Escritura lida, meditada, rezada e contemplada. Isso é compromisso de cada dia. A leitura orante não é exercício isolado do cristão, pois ele está em comunhão com toda a Igreja. No dizer de São Jerônimo, “desconhecer a Escritura é desconhecer Cristo”. Também Santo Ambrósio pede que a leitura da Palavra de Deus seja contínua e diária: - “Tenham, diariamente nas mãos a Sagrada Escritura, a fim de adquirir o conhecimento de cristo”. Se você quer receber semanalmente a leitura orante da liturgia dominical por email, solicite para elocomunitario@redesaojose.org.br. *http://nssc3.misacor.org.br/index. php?option=com_content&view=artic le&id=113:espiritualidade-padre-agen or&catid=39:pubs&Itemid=61

Atenção! A equipe do Elo Comunitário esclarece que não autorizou qualquer pessoa a pedir doações no comércio dos bairros Moradas do Vale I, II, III e Águas Claras em seu nome. Como diz no cabeçalho do nosso jornal, a distribuição é gratuita e, jamais alguém visitará o comércio pedindo doações ou vendendo o jornal. Como é de costume, todos os pedidos de doações feitos pela Paróquia Rede de Comunidades São José são através de ofício carimbado e assinado pelo pároco. Se você receber pedido de doação em nosso nome, sem um documento oficial da Paróquia, não doe nada e entre em contato imediatamente com a secretaria através do fone: 3497- 7741 para que possamos tomar as providências necessárias. Frei João Carlos Karling, pároco


2

Elo Comunitário - Setembro/2013

Fique Ligado

Missas e Celebrações

Festa em louvor ao padroeiro São Miguel Arcanjo

Setembro/2013

Tríduo 25/09 – 20h – Missa - Pe. Leo Hastenteufel 26/09 – 20h – Missa - Frei Benicio Warken 27/09 – 20h – Missa - Pe. Tarcisio Rech

Almoço festivo 29/09 – 12h – Salão comunitário

Procissão e Missa solene 29/09 – 10h – saída da procissão em frente ao “Colegião”, rua Lopes Trovão, MV-II.

Obs.: Levar talheres Convites à venda por R$ 18,00 com as coordenações das comunidades e na secretaria da Rede.

Programação do mês de setembro

Prestação de Contas Gastos de julho/2013 Rede de Comunidades São José Especificações

Saídas

ECAD

R$ 135,02

Taxa contabilidade da Cúria

R$ 115,00

Rateio assessoria jurídica/Cúria

R$ 66,00

Encargos sociais

R$ 350,00

Côngrua Frei João Carlos

R$ 272,13

Côngrua Frei Paulo

R$ 680,32

Côngrua Frei Cláudio Junior

R$ 680,32

Salário da secretária

R$ 977,89

Salário serviços gerais

R$ 576,00

Elo Comunitário

R$ 125,00

Seguro do Veículo

R$ 215,45

Telefone

R$ 150,00

Energia Elétrica

R$ 225,45

Combustível

R$ 100,00

Quota patronal

R$ 200,00

Suporte técnico Sistema Pastoral Água, luz e telefone - casa paroquial TOTAL

R$ 67,18 R$ 401,22 R$ 5.336,98

Contribuição das comunidades para as despesas Santa Rita de Cássia

R$ 2.245,00

São Miguel

R$ 829,97

Santa Clara

R$ 591,69

N. Senhora do Perpétuo Socorro

R$ 1.152,74

N. Sra. da Imaculada Conceição

R$ 46,10

São Francisco de Assis

R$ 23,05

São João Batista

R$ 23,05

Sede TOTAL

Tarde festiva/Baile 29/09 – 14h30 – Animação Banda Arte Show

R$ 425,38 R$ 5.336,98

1 - 18h - Festival de Corais - Santa Rita 4 - 14h - Palestra sobre saúde - CPS 5 - 20h - Reunião do CAE - CPS 12 - 20h - Reunião do Conselho de Pastoral da Rede - CPS 13 a 15 - Jornada de Formação Franciscana para Jovens das Paróquias Franciscanas - CPS 14 - 15h - Chá da Primavera Perpétuo Socorro 14 - 16h - Chá da Primavera - Imaculada Conceição 15 - 15h - Chá/Bingo das

Pastorais do Dízimo e da Liturgia - Santa Rita 19 - 20h30min - Reunião de Círculo do ECC - CPS 26 - 14h - Formação de Agentes da Pastoral da Saúde - Santa Clara 26 - 20h30min - Pós-encontro do ECC/Comunidade - CPS 28 - 8h30min - Encontro de Área dos Catequistas do Crisma - Igreja São Vicente de Paulo - Cachoeirinha 28 - 14h - Formação Catequético-Litúrgica - CPS

ATENÇÃO!

A data de fechamento da próxima edição do Elo Comunitário será dia 21 de setembro. Mande suas fotos e informações até esta data para a edição de outubro. E-mail: elocomunitario@redesaojose.org.br ou na Secretaria da Rede.

Santa Rita de Cássia 01/09 – 10h Missa/Batizado 07/09 – 20h Missa 08/09 – 10h Missa/Dízimo 14/09 – 20h Missa/Dízimo 15/09 – 10h Missa/Batizado 21/09 – 20h Missa 22/09 – 10h Celebração 28/09 – 20h Celebração 29/09 – 10h Missa Todas as quartas-feiras atendimento de confissões às 19h e missa às 20h. São Miguel 07/09 – 19h Missa/Bênção 14/09 – 19h Missa/Dízimo 21/09 – 19h Celebração 28/09 – 19h Missa 29/09 – 10h Missa/Procissão/ Festa de São Miguel Santa Clara 01/09 – 19h Missa/Bênção 08/09 – 19h Missa/Dízimo 15/09 – 19h Missa/Batizado 22/09 – 19h Celebração 29/09 – 19h Missa

Perpétuo Socorro 01/09 – 8h30min Missa 06/09 – 20h Missa/Novena 08/09 – 8h30min Missa/ Dízimo 15/09 – 8h30min Missa/ Batizado 22/09 – 8h30min Celebração 29/09 – 8h30min Missa Toda 1ª sexta-feira de cada mês atendimento de confissões às 19h e missa às 20h. São Francisco 01/09 – 10h Celebração 08/09 – 10h Celebração 15/09 – 10h Celebração 22/09 – 10h Missa/Dízimo/ Batizado 29/09 – 10h Celebração Imaculada Conceição 01/09 – 9h Celebração 08/09 – 9h Celebração 15/09 – 9h Celebração 22/09 – 9h Missa/Dízimo/ Batizado 29/09 – 9h Celebração

Celebrando a Vida

Dízimo: como agente pastoral estou isento? Poder cooperar com a missão evangelizadora através de pastoral ou outro organismo vivo da paróquia, é uma honra. Mas não isenta de participar como dizimista na comunidade. Pelo contrário. Por estar mais envolvido entende que o testemunho é fundamental no processo de conversão das pessoas. Como poderemos dizer para as pessoas se envolverem na comunidade se não tivermos comprometidos com ela?

Conhecendo Francisco Neste mês de setembro o Elo Comunitário traz para a reflexão a 23ª Admoestação de São Francisco de Assis que aborda o tema da correção fraterna.

3 Bem-aventurado o servo que não procura logo escusar-se e com humildade suporta vergonha e repreensão por uma falta que não cometeu.

DA RETA CORREÇÃO 1 Bem-aventurado o servo que recebe as advertências, acusações e repreensões dos outros com tanta paciência como se proviessem dele mesmo. 2 Bem-aventurado o servo que, repreendido, de boa mente se submete, com respeito obedece, humildemente reconhece sua culpa, voluntariamente oferece reparação.

Para refletir: (Lc 6, 41-42a) – “Por que você fica olhando o cisco no olho do seu irmão, e não presta atenção na trave que há no seu próprio olho? Como é que você pode dizer ao seu irmão: ‘Irmão, deixe-me tirar o cisco do seu olho’, quando você não vê a trave no seu próprio olho?” (Mt 18,15-20) – “Se o seu irmão pecar, vá e mos-

tre o erro dele, mas em particular, só entre vocês dois. Se ele der ouvidos, você terá ganho o seu irmão. Se ele não lhe der ouvidos, tome com você mais uma ou duas pessoas, para que toda a questão seja decidida sob a palavra de duas ou três testemunhas. Caso ele não dê ouvidos, comunique à Igreja. Se nem mesmo à Igreja ele der ouvidos, seja tratado como se fosse um pagão ou um cobrador de impostos. Eu lhes garanto: tudo o que vocês ligarem na terra, será ligado no céu, e tudo o que vocês desligarem na terra, será desligado no céu. E lhes

digo ainda mais: se dois de vocês na terra estiverem de acordo sobre qualquer coisa que queiram pedir, isso lhes será concedido por meu Pai que está no céu. Pois onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estou aí no meio deles.”


Elo Comunitário - Setembro/2013

Patrocinadores

Vida na Igreja

Os frutos da Jornada Mundial da Juventude 2013 para a Rede Ademir Schneider e Lilian Martins A Jornada Mundial da Juventude (JMJ), realizada no mês de julho, no Rio de Janeiro, foi acompanhada de perto por um grupo de 15 pessoas da Rede de Comunidades. Foram 10 jovens, o frei Cláudio Júnior e quatro “tias”, que são mães e membros das comunidades. O grupo foi capa do Elo Comunitário de julho onde contou como foram os preparativos e as expectativas para o grande evento que teve com lema “Ide e fazei discípulos entre todas as nações” (Mt 28, 19). Agora, conversamos novamente com o grupo para saber o que experienciaram na JMJ. - Qual foi a parte que mais marcou você na Jornada Mundial da Juventude? Por quê? Para Marlene Berlitz Mendes, a parte mais marcante foi “ver o Papa Francisco passar bem perto de onde nós estávamos e a multidão reunida em um mesmo objetivo”. De acordo com Francine Gabriele de Oliveira, o mais marcante foi a peregrinação de 9 km, “porque eu vi milhões de jovens caminhando na mesma direção, com um mesmo sentido, aquilo me fez ver que eu, que nós não estávamos sozinhos e que na verdade nunca estivemos”, explica. Na opinião do frei Cláudio Júnior, a parte mais importante foi a sintonia dos jovens em momentos de silêncio, “mesmo os milhares de jovens de diversas culturas que compreendiam e rezavam juntos com toda a Igreja”. Para Dheniffer Rodrigues a via-sacra foi o momento mais marcante, “foi um momento em que todos aqueles milhares de jovens estavam completamente concentrados e muito emocionados, realmente aque-

la encenação do trajeto de Jesus carregando a cruz, a forma que eles representaram este momento foi muito emocionante”, declara. A via-sacra foi lembrada também por Felipe Isoppo, que destacou ainda o fato de “vivenciar a presença do Papa no Brasil, porque esse era meu sonho e, com a graça de Deus, pude realizar”. - Qual a mensagem que você traz da JMJ para os jovens da Rede de Comunidades? Na opinião de Janete da Rosa, a mensagem é “que Deus está vivo no coração de todos e ele quer que nós nunca percamos a esperança”. Para Marlene a mensagem é, “que os jovens da Rede tenham esta força contagiante que reuniu três milhões e meio de fiéis nas areias do Rio de Janeiro”. A mensagem trazida por Francine é a seguinte: “Que os jovens persistam na caminhada mesmo que ela seja difícil e que dêem valor a tudo aquilo que tem e não reclamem da vida, agradeçam por ela”. De acordo com o frei Cláudio, a grande frase que Papa Francisco disse com ênfase: "A Igreja deve ir às ruas". Esse convite que ele (Papa Francisco) fez à nós não foi somente naquele momento de JMJ; mas é o convite que ele quer de nós todos enquanto pertencentes a esta Igreja que vai ao encontro do outro”. Para Felipe a mensagem principal é “ter muita fé e muita oração por que esse é o caminho correto”. - Que Igreja Católica você quer e espera para o futuro? “Uma Igreja que acolhe a todos e principalmente os jovens, uma Igreja que vive o evangelho com muita fé, amor e caridade”, respondeu Marlene. “Uma Igreja unida e viva, que

traga as pessoas para perto de Deus, e estar perto de Deus não é só ir à missa todos os finais de semana, nos aproximamos de Deus quando estendemos a mão ao nosso irmão necessitado”, afirmou Francine. “Uma Igreja renovada na fé e mais jovem”, diz Janete. “Espero uma Igreja mais humilde, mais humana, mais próxima, tal como é o Papa Francisco, que vai ao encontro com alegria e sinceridade”, explica frei Cláudio. “Onde realmente os jovens tenham seu lugar dentro da comunidade. Onde o jovem possa mostrar toda a sua fé de uma forma diferente, uma forma jovem”, diz Dheniffer. “É preciso que os jovens se convertam e se conscientizem no poder de Deus”, acredita Felipe. - Como vocês pensam em repassar as experiências e vivências da JMJ para os demais jovens da Rede? “Mantendo-me animado e animando os jovens para que a fé, a força da verdadeira fé, que se difunda sobre os corações de todos aqueles que eu tiver contato”, respondeu Frei Cláudio. “Em cada evento, missas, a gente passa um pouco de nossas vivências, pois fomos tão abençoados que nosso olhar já demonstra, mas creio que em missas diferenciadas e nos grupos trabalhar toda a espiritualidade que tivemos”, afirma Dheniffer. “Com o testemunho, com a experiência”, simplifica Francine. Foi anunciado pelo Papa Francisco, na Missa de envio no Rio de Janeiro, que a próxima Jornada Mundial da Juventude será sediada em Cracóvia, na Polônia, em 2016.

Notícia

Aniversário do grupo Junp Ronaldo Noguez, pelo Grupo JUNP Aconteceu, no dia 10/08, o aniversário de 08 anos do Grupo JUNP (Jovens unidos na Paz), com uma janta muito especial e

Cantinho Solidário Construindo solidariedade com a sua participação! Horário de atendimento: de segunda a sexta-feira, das 14h30 às 18h, no Centro de Pastoral e Solidariedade

após uma festa. Além de reunir integrantes do grupo atual e ex-participantes, este momento também proporcionou as lembranças deste último ano do grupo. Agradecemos a Deus aci-

Colabore com o Banco de Alimentos! Basta levar suas doações nas missas das comunidades ou na secretaria da Paróquia.

ma de tudo por esta caminhada abençoada, à comunidade São Miguel e a todos que foram nos prestigiar. PJ aqui, PJ lá, PJ em todo lugar!

Gráca GRUPO CG

Impressão de Jornais  3042-3372 Solicite orçamento luciano@grupocg.com.br

SUPERMERCADO BONALUME LTDA Av. Alexandrino de Alencar, 949 Morada do Vale 1 - Gravataí - RS CEP: 94080-430 Fone/Fax: (51) 3490-6100

Distribuidora de embalagens produtos de limpeza e bazar 51 9183.6162 51 9101.1142 51 9528.3116 Av. Alexandrino de Alencar, 594 - M. do Vale 1 - Gravataí/RS possamai.joao@hotmail.com

3


4

Elo Comunitário - Setembro/2013

Realidade

Espiritualidade

Jornada de formação Franciscana para jovens – JFF

Espiritualidade Ecológica Franciscana

Frei Malone Rodrigues, OFM

Introdução: a reflexão que segue aponta para três princípios fundamentais da Espiritualidade Ecológica Franciscana: O Sacramento do Mundo; O Universo é um todo; O Respeito à diversidade. 1. O Sacramento do Mundo Dos traços mais marcantes da espiritualidade de S. Francisco é o profundo sentido da presença de Deus na Criação e na História da Humanidade. Cada ser, cada coisa é um dom de Deus. Tudo nos fala de Deus nos remete a Deus. O universo em sua unidade, bem como em sua diversidade, é um sacramento de Deus, uma “escada” que nos leva até o Criador. Daí procede este amor inaudito que Francisco transmite aos seres e às coisas. Ele entrou em comunhão fraterna e respeitosa com tudo o que vive e com tudo o que é. Daí procede também este assombro, frequentemente expresso em cânticos de louvor e de ação de graça diante da diversidade e da gratuidade da criação que encontra sua origem na superabundância do amor trinitário. 2. O Universo é um todo Francisco tem uma visão global da vida. O universo criado na harmonia e para a harmonia é semelhante a grande família cujos elementos são independentes em sua variedade e formam uma única fraternidade universal. Esta concepção da unidade do mundo está profundamente enraizada na visão bíblica da criação. 3. O Respeito à diversidade Para Francisco, cada coisa e cada ser humano possui seu próprio valor intrín-

Em abril de 2008 aconteceu o Congresso Missionário – Ordem dos Frades Menores (OFM) da América Latina e Caribe – em Córdoba (Argentina) com o tema: “Carisma e Missão: Urgência e Audácia”. Entre outras provocações e estímulos se refletiu sobre o desafio da nossa presença franciscana junto aos jovens. Na sequência, a Conferência dos Frades Menores do Brasil (CFMB) também aprofundou o desafio: Evangelização das Juventudes. Como proposta encaminhou-se um encontrão de jovens em nível de Província, no RS, (2009) e outro em nível nacional. Este aconteceu em Canindé/CE (junho 2011), com o tema: “Juventude tua Vida é Missão”. Na avaliação posterior dos jovens participantes, representantes da nossa Província franciscana, ficou a proposta de que eles continuassem a se reunir, e que pudessem tornar o grupo mais representativo. Um grupo de representantes das juventudes, juntamente com um grupo de frades pensou em um curso de formação franciscana direcionado para a juventude. Em maio deste ano acontecia o primeiro encontro da Jornada de Formação Franciscana (JFF) para a juventude, em Daltro Filho.

Cerca de 50 jovens acolheram o convite, de se dedicarem, durante um final de semana, a uma grande jornada. Apresentar São Francisco a partir de músicas, dinâmicas e conversas, esta é o proposta da JFF. Dividido em três etapas, a primeira aconteceu no Convento São Boaventura, e a próxima acontece na Rede de comunidades São José, de 13 a 15 de setembro. Os jovens serão acolhidos como peregrinos, dormindo em famílias e conhecendo a realidade das comunidades locais. Com o tema “vai e reconstrói a Paz”, os jovens são motivados a mergulharem na espiritualidade franciscana sobre a paz. Nesta etapa os jovens serão convidados a serem instrumento de paz, no mundo contemporâneo. Agrademos à Rede de Comunidades São José, na pessoa do Pároco, Frei João Carlos Karling, que desde o primeiro momento esteve à disposição para acolher a etapa da Jornada de formação. Que a Rede possa viver durante este final de semana, irradiados pela energia e alegria dos jovens, um grande momento de graça. A equipe deseja que as bênçãos de Deus venham sobre todas as comunidades, em especial pelas famílias que irão acolher os peregrinos da JFF. Que a paz do Senhor esteja com vocês, Paz e Bem!

Cantinho da Saúde A verdade sobre os medicamentos que fazem parte da empurroterapia, fora do controle de qualidade Dr. Moisés Eli Magrisso – CREMERS 8708 Clínico Geral e Médico do Trabalho Você sabe aquele indivíduo que passa pelo pardal à 50 km por hora como se fosse um cauteloso e exemplar motorista, e depois passa a correr de forma irresponsável a 130 por hora porque não há mais a vigilância? Algo semelhante ocorreu quando surgiram os medicamentos genéricos, todos apresentando um festival de boa qualidade, com produtos iguais aos referências, altamente confiáveis e garantidos pelo governo. Com o relaxamento da vigilância, estes produtos começaram a perder a qualidade, alguns chegando a ter menos de 40% de eficácia. O pior é que muitos medicamentos de uso contínuo, principalmente a maioria dos antihipertensivos, e principalmente os da farmácia popular, com a redução da fiscalização, começaram a causar doenças hipertensivas, principalmente Acidentes Vasculares Cerebrais , e óbitos pela sua baixíssima eficácia. A qualidade de um produto se mede pelos testes de biodisponibilidade e de bioequivalência. Quando uma medicação é administrada pela via intravenosa, a sua disponibilidade é de 100%. Entretanto, quando é administrada por outras vias, como por exemplo a via oral que é a mais comum, a ação deste medicamento perde algum percentual de biodisponibilidade baseado em vários fatores, como por exemplo, a ação de ácidos no aparelho digestivo, chegando as vezes na circulação venosa com menos da metade de sua ação. Para corrigir esta situação, a substância ativa da medicação é acompanhada por substâncias chamadas de “veículos” cuja finalidade, é conduzir o medicamento ativo até a circulação sanguínea com o maior índice possível de aproveitamento. A economia de alguns laboratórios farmacêuticos, algumas vezes na qualidade da substância ativa, e outras vezes na qualidade dos veículos, é que torna alguns produtos menos eficazes, em pre-

juízo da população, principalmente os de uso contínuo. A bioequivalência é um termo utilizado para avaliar a equivelência biológica esperada em um paciente de duas preparações diferentes de um medicamento. Se dois medicamento são ditos ser bioequivalentes, isso significa que se espera que eles sejam para todas as intenções e propostas, exatamente iguais. Para o registro destes produtos ou para a renovação da licença de fabricação, estes testes são realizados por empresas terceirizadas, ou pelo próprio laboratório onde o papel aceita tudo. O ideal seria que fossem exigidos pelo menos a cada 2 anos, e não a cada 10 como ocorre atualmente, e que fossem realizados pelos órgãos fiscalizadores e não pelos próprios fabricantes ou pelas terceirizações. É obvio que isto favorece a ineficácia”, onde a economia irresponsável de alguns laboratórios, levam à funestas conseqüências anteriormente citadas. Na próxima renovação, mostrarão um exemplo de qualidade para que seus medicamentos sejam aprovados, mas logo voltarão a economizar substâncias na fabricação de seus produtos, voltando à condição anterior. A maioria dos medicamentos de postos de saúde e da farmácia popular, são de uso contínuo, sendo que os confiáveis, normalmente só se encontram em farmácias tradicionalmente confiáveis. Os das unidades de saúde, há bons produtos, mas também os de qualidade muito inferiores. Alguns chegam a se desmanchar nas mãos, perdendo por esta razão, pelo menos 30% da eficácia, sendo também estes medicamentos que podem oferecer danos à saúde do paciente. Não há dúvidas de que encontramos qualidade na maioria dos genéricos e na maioria dos similares, mas a única garantia que temos em maior eficácia, estão nos produtos dito referência, que são os dos laboratórios que pesquisaram e lançaram o medicamento, porém devemos estar preparados para pagar mais caro, o que muitas vezes não está ao alcance da população em geral.

seco, uma individualidade que é preciso respeitar e amar. Pedras, plantas, aves do céu, vermes da terra, leprosos e mendigos de rua... todas as criaturas têm direito à existência e nenhuma delas nos pertence completamente, são “diferentes”, “outras”, distantes e, por conseguinte, não sujeitas ao nosso domínio. Concluindo: Espiritualidade ecológica franciscana nos coloca frente ao permanente desafio de ultrapassarmos a nós mesmos para entrarmos na comunidade universal de todos os seres. Nossa vida, assumida nos seus complexos relacionamentos com o universo, alargará nosso sentido de responsabilidade para com nós mesmos e para com os demais. Isso exige uma atitude inclusiva de todos os seres que encontramos em nosso caminho, incluídos os do mundo natural, e, ao mesmo tempo, uma visão contemplativa e de assombro diante da diversidade e a singularidade misteriosa de cada um deles. A espiritualidade franciscana, centrada numa visão integral da vida, na dignidade da terra e no valor intrínseco de cada ser no universo, recusa ver no mundo natural e no humano um puro e simples capital a ser explorado. É preciso, desta forma, afastar qualquer sacramentalismo irresponsável, desencarnado e privado de todo impacto social e, ao mesmo tempo, a ideia dum progresso ilimitado que a terra e seus sistemas já não mais suportam. Fonte: Subsídio Franciscano sobre Justiça, Paz e Integridade da Criação – Instrumentos de Paz pp. 130-133

Notícias

Rede de Comunidades na Romaria Vocacional A Rede de Comunidades marcou presença na 10ª edição da Romaria Vocacional que reuniu centenas de fiéis, no dia

18 de agosto. A procissão iniciou na Igreja Matriz da Paróquia Nossa Senhora dos Anjos até o Seminário São José onde

foi celebrada a Santa Missa presidida por Dom Jaime e concelebrada pelos padres das paróquias do Vicariato.

Animação Vocacional na Rede A Equipe do Serviço de Animação Vocacional (SAV), da Rede de Comunidades São José, realizou, durante o mês de agosto, mês das vocações, palestras para os catequizandos. Os assuntos abordados são: o cuidado pela

vida; o chamado de Jesus que nos convida e diz: Vem e segue-me e a explicação sobre as diferentes formas de como cada qual pode viver e responder ao chamado que o Senhor lhe faz. Aconteceram em dois momentos: num momen-

to para catequizandos do Crisma e outro para os da eucaristia. No dia 17 de agosto os encontros aconteceram na Comunidade Santa Rita e no dia 31 nas comunidades São Miguel e Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

Curso de Noivos na Rede

Estão abertas as inscrições para o 3º Curso de Noivos que acontecerá dia 27 de outubro. Maiores informações na secretaria da Rede ou pelo fone 3497-7741.

EXPEDIENTE - ELO COMUNITÁRIO / Órgão Formativo e Informativo da Rede de Comunidades São José Local: Secretaria - Rua Antônio Ficagna, 451 - Morada do Vale I - Gravataí/RS Fone: 3497-7741 E-mail: elocomunitario@redesaojose.org.br | Serviço de Comunicação da Rede Equipe Responsável: Ademir Schneider, Aldomiro Schirmann Filho, Berenice Zucchetto, Frei João Carlos Karling, Imgart Schmidt, Joeci Schirmann, Maria Margarida Maciel, Renato Noguez | Jornalista Responsável: Lilian Martins - Reg. Prof. 12566 Impressão: Grupo CG - Fone: 3042-3372| Tiragem: 2.000 exemplares.


Edição nº 190 - Setembro/2013