Issuu on Google+

ESCOLA MUNICIPAL ALTO JARDIM PROGRESSO

PAZ INTERIOR – Quem sou EU?

Verônica de Fátima da Costa

Junho/2011


1. INTRODUÇÃO A identidade de uma pessoa começa com sua identificação, nome, filiação e tantas outras coisas. A individualidade não deve ser o que mais importa no”EU”de uma pessoa. A autoestima é fator principal para o desenvolvimento emocional e pessoal do ser humano. Todo ser humano tem auto-estima, seja ela boa ou ruim. Tendo ela a ver com o ser e o agir. Conforme Poletti(2007) “Quanto mais uma pessoa se estima, mais ela pode usar sua criatividade no trabalho, mais ela constrói relações interpessoais positivas, mais trata os outros com respeito e menos ela se sente ameaçada por eles.” (p. 14) A verdadeira boa auto-estima permite uma vida saudável, fazendo com que a pessoa aceite críticas que podem se mostrar úteis. Ainda de acordo com a autora citando McGrane, “A autoestima é uma coisa bem simples: é o respeito que você tem e sente por você mesmo. (p.16). A pessoa com boa auto-estima consegue viver melhor procurando sempre se conhecer e se comunica melhor, gosta sempre de estar em contato com os outros. A autora cita ainda que “ existem problemas que contêm algum elemento da baixa auto-estima: ansiedade , depressão, alcoolismo,dependência de drogas ou de remédios, resultados escolares medíocres, abusos sexuais ou violência conjugal, imaturidade emocional ou suicídio.”(p.18). Sendo assim vale salientar que a escola além de assumir o papel de desenvolver a cognição deve assumir , um papel “educativo” como coloca Antunes (2007). Ainda de acordo com o autor, “ os laços entre alunos e professores se estreitaram e, na imensa proximidade desse imprescindível afeto, torou-se importante descobrir ações, estratégias procedimentos sistêmicos, reflexões integradoras que necessitam ir muito além de um singelo “sou seu professor e gosto muito de você” (p.12) Partindo da necessidade de trabalhar a auto-estima dos alunos da Sala de Recursos Multifuncionais surge a ideia de incentivá-los a escrever um livro , cujo título é: QUEM SOU EU? Propiciando ao aluno atividades programadas, iluminadas por objetivos claros, recursos matérias e tecnológicos previamente organizados e temas estruturados de acordo com a realidade de cada um. Livro este a ser apresentado e lançado na feira de conhecimentos da referida escola. Contemplamos a unidade do conhecimento, através da relação sujeito/objeto, tendo como objeto a auto-estima em que se afirma, ao mesmo tempo, a objetividade do mundo e a subjetividade, considerada como um momento individual de internalização da objetividade. Concluímos que nossa pratica pedagógica respeita a concepção de aprendizagem com foco em duas verdades: todo o conhecimento provém da pratica social e a ela retorna e que o conhecimento é produzido coletivamente, até porque ninguém vive isoladamente, e para viver


coletivamente é necessário auto-estima..

2. OBJETIVO GERAL •

Elevar a auto-estima dos alunos 3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

3.1 Refletir sobre o “EU” de cada um de forma que explore o seu potencial; 3.2 Envolver a família no processo de elaboração de cada livro; 3.3 Abordar questões que favoreça a elevação da auto-estima de forma coletiva produzindo conhecimento.

4. REFERENCIAL TEORÍCO A auto-estima é fator importante para o desenvolvimento do ser humano como afirma Poletti : “ Sem uma boa auto-estima não é possível uma vida de qualidade.” (2007, p.18) . Entendemos que um ambiente plural facilita o trabalho de ensino e de aprendizagem como coloca Mantoan (2003): “As crianças se desenvolvem, aprendem e evoluem melhor em um ambiente rico e variado” (p. 26) . Apostando no potencial de cada ser humano surgiu a ideia de incentivar os alunos a escreverem um livro que trate da identidade de cada um, numa perspectiva de elevar a auto-estima. Tanto o homem como o animal tem que se adaptar ao mundo. O animal essa adaptação é instintiva já para o homem o cérebro é responsável por este processo. Quanto mais desenvolvido for o cérebro de uma especie maior seu poder de aprendizagem. Para Antunes (2005): É claro que você perde para um animal quanto a capacidade de adaptação ao mundo, mas ganha, com sobras, por sua consciência de si mesma como entidade singularíssima, por sua compreensão em indicar e identificar objetos e atos por meio de símbolos, por sua razão para conhecer e analisar o mundo e, sobretudo, por imaginação e inteligência que pode dar graça e sentido até mesmo às lágrimas que, indesejadas, correm pelo rosto quando você se imagina desprotegido e isolado. ( p.9-10)

Podemos afirmar que o “EU” é desconhecido, cada um é singular e surpreendente. Para Giannetti (2008), “ O eu, esse limite sem fronteiras, que não conhecemos na sua magnitude nem o perscrutamos na sua profundeza é o que, no entanto, temos de nosso para examiná-lo na sua forma multifacetada. É onde mostramos aspectos particulares da nossa individualidade.” (p.15) É essa individualidade que oferece condições para as pessoas serem diferentes. Como coloca Schettini (1998), “A individualidade dá condições às pessoas de se expressarem de forma própria e intransferível.”( p. 26) Muitas vezes temos o desejo de despersonalizar acriança


atribuindo rótulos e desvalorizando seu potencial. Ainda considerando o autor: “A essa altura , é oportuno uma referencia ao aspecto estimulador das diferenças individuais”.(p.28) As Inteligências Múltiplas deve ser trabalhada na escola de forma que favoreça um ambiente de descontração e de aprendizagem, reflexão e mudança de comportamento. Para Antunes( 2001), “As inteligências Pessoais _ Intra e Interpessoais_ se alteram, pois enquanto a primeira é a Inteligência do eu, e portanto do auto conhecimento, automotivação e auto-estima e, dessa, uma inteligência “interior”[...] (p.43) Um dos aspectos que eleva a auto-estima é a motivação, o ser humano motivado pode estimular a afetividade e a emoção. De acordo com Oliveira (1992) citando Vygotsky, coloca que: “o pensamento tem sua origem na esfera da motivação, a qual inclui inclinações, necessidades, interesses, impulsos, afeto e emoção.” (p.76) è relevante lembrar que devemos ensinar os nossos alunos a se olhar para dentro, refletindo , meditando e relaxando e respirando num exercício constante. Como afirma Telles ( 2003), citando Crema, “ Ninguém transforma ninguém e ninguém se transforma sozinho: nós nos transformamos no encontro, sobretudo quando podemos dar expressão a essa alegria de existir, a essa biodança do universo, ao mesmo tempo com o coração suficientemente sensível para também chorar.” (p.31) 5. METODOLOGIA Acreditamos que as crianças se desenvolvem , aprendem e evoluem em um ambiente rico e variado, portanto temos a convicção de que a escola necessita mudar para se adaptar aos alunos , para isso decidimos criar um projeto que valorize e explore o potencial dos alunos da ( SRM) Sala de Recursos Multifuncionais. Nossas ações educativas tem como eixo os recursos tecnológicos, tendo em vista que utilizamos os computadores para tornar mais atraente os trabalhos desenvolvidos com as crianças. Defendemos ainda uma educação plural, democrática e transgressora, ressignificando a identidade do aluno. Optamos por uma escola inclusiva, pois acreditamos que o aluno desta escola é outro sujeito, não tem uma identidade fixada em modelos ideais, permanentes, e/ou essenciais. Para tal optamos em trabalhar a auto-estima dos alunos de forma que reflita e valorize a história de vida de cada um, através de atividades que leve o aluno a pensar e/ou identificar atitudes e ações que poderão desenvolver ao longo de suas vidas e que já desenvolveram, expressando-se hora de forma oral, hora escrevendo , hora pintando ou desenhando como também se utilizando de recorte e colagem.


6. CRONOGRAMA MÊS

ATIVIDADES

Julho Setembro

à

• • • • • • • •

PESSOAL ENVOLVIDO Exposição • Alunos Construção • Pais de texto • Professores Desenho • Direção Colagem • Funcionários Trabalho • Família em grupo Trabalho individual Pesquisa Entrevista

OBS. As atividades serão vivenciadas paulatinamente de acordo com o envolvimento e desenvolvimento das pessoas envolvidas.

7. ORÇAMENTO 7.1- RECURSOS 7.1.1 HUMANOS • Alunos • Pais • Professores • Direção • Funcionários • Parceria com pessoas ligadas à Editoras 7.1.2 MATERIAIS • Som • Material de papelaria • Jornais • Revistas • Xerocópia • Livros

7.1.3 FINANCEIROS • Será necessário em média R$ 8. AVALIAÇÃO •

Avaliação processual, considerando a participação e o desempenho de todos os envolvidos no projeto, como também os resultados obtidos no decorrer do desenvolvimento das ações, levando em conta as metas definidas nos objetivos.


9.RESULTADOS ESPERADOS • • • • • • • • •

Elevação da auto-estima dos alunos; Elevação dos índices de desempenho dos alunos; Maior compreensão dos profissionais da educação em relação à inclusão escolar; Dinamismo e praticidade na prática pedagógica; Compreensão das diferenças; Reorganização dos espaços escolares; Melhor relação vincular entre escola e família; Maior aceitação da família em relação as diferenças; Comunidade escolar mais integrada e confiante nos trabalhos a serem realizados. 10.DESAFIOS

• • • •

Encontrar parceria(s) para patrocinar os custos do projeto; Entrega em tempo hábil dos materiais para impressão; Envolvimento da família e da comunidade escolar ; Conseguir sensibilizar toda a comunidade escolar no que se refere as diferenças.


11. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANTUNES, Celso. Como desenvolver conteúdos explorando as inteligências múltiplas. 12. ed. Petróplis,RJ: Vozes,2001. ANTUNES, Celso.A inteligência emocional na construção do novo eu. Fasc.3/5. ed._Petrópolis, RJ: Vozes, 2005. ANTUNES, Celso. Relações interpessoais e auto-estima: a sala de aula como um espaço do crescimento integral. Fasc. 16/ 5. ed. _ Petrópolis , RJ: Vozes, 2007. LA TAILLE, Yves de , 1995- Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão . São Paulo: Summus, 1992. MANTOAN, Maria Teresa Egler. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como Fazer? São Paulo: Moderna, 2003. POLETTI, Rosette. |a auto-estima : um bem essencial? Rosette Poletti, Barbara Dobbs. tratução de Stephania Matousek. _ Petrópolis, RJ: Vozes, 2007. SCHETTINI, Filho Luiz. Carão com carinho. 2 ed. Petrópolis , RJ: Vozes, 1998. SCHETTINI, Filho Luiz. A coragem de conviver: uma forma de organizar as relações interpessoais. 3. ed. Petrópolis , RJ: Vozes, 2008. TELES, Maria Luiza Silveira. Educação sem fronteiras : cuidando do ser. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.


Projeto Paz Interior