Page 1


O Modelo Francês e o Cowboy W.M. Kirkland Após um caso com um jogador de pólo profissional e modelo no set de um reality show, o peão de rodeio Dustin Gerke quer deixar seus arrependimentos e voltar na sela-romanticamente e profissionalmente. Determinado a lavar o francês fora de sua mente, ele agenda um encontro no 1NS ... Impossível esquecer seu caso com o peão Dustin, Pierre Anthony Archumbault III cortou para trás em sua agenda para acompanhar o circuito de rodeio ... e o cowboy que ele não conseguiu tirar de sua mente. Inscrevendo-se para um 1NS ele espera por uma nova oportunidade em um novo romance ... O que nenhum destes ex-amantes esperavam era o outro, mas eles têm uma noite para laçar os seus sonhos ...


Capítulo 1

O Cowboy . Dustin Gerke colocou sua sela no canto e jogou seu chapéu de cowboy na cadeira . Exaustão puxou-o para a cama e , se sentou , apoiou as empoeiradas botas sobre o edredom ou cobertor ou seja lá o que era. Ele não tinha visto Tony em meses, e agora duas vezes no mesmo dia, o que era foda. Ele arrastou os dedos pelos cabelos e pegou o controle remoto . Os e-mails entre ele e Madame Eva parecia que foram há muito tempo, antes de quase destruir seus músculo tríceps e ter fodido o menisco em seu joelho . Seu corpo doía . Latejava. Seria questionável se ele estivesse fazendo algo naquela noite. Seu pênis se contraiu com o pensamento de algum homem magro e sexy entrar pela porta a montá-lo duro e rápido . Ok, talvez conseguisse. Ele tinha que fazer aualquer coisa para tirar o seu pensamento de Tony e do que eles tinham compartilhado, para fora de sua mente . A lembrança do homem, o tinha preso a ele como uma rebarba o que afetou seu jogo. A sua classificação podia estar otima, mas ele com certeza não sentia como estivesse tão bem assim. Esta parada em Las Vegas o colocou fora da agenda para o fim


de semana. Ele não tinha tido um fora, desde antes dele participou do show . Um dos homens que trabalhava em rodeios, o comentarista havia lhe chamado. Ele competiu em apenas um evento, o que significava que sua bunda cairia ainda mais. Felizmente, por causa da sua liderança na classificação mundial, ele poderia descansar um fim de semana agora, mas o sexo compensaria a perda de massa. Ele descobriu o canal do GAC na programação e viu o replay de um rodeio no Texas. Dustin encostou-se na cabeceira da cama e seu corpo dolorido também queria tirar o fim de semana para descansar. . Oh! Caramba , se a verdade fosse dita, ele não podia deixar de admitir para o mundo. Claro, todo mundo podia imaginar que rodeio era um esporte difícil. Um de seus amigos tinha quebrado uma perna e foi dito a ele que tinha as articulações de um homem de 70 anos de idade. Ele estava com trinta e cinco anos, o que o deixava muito velho para este esporte. O corpo de Dustin se machucava o tempo todo. Lesões antigas , lesões novas , isso não importa . E, honestamente , se ele conseguisse a fivela de ouro naquele ano, ele poderia se aposentar. Usar suas economias guardadas e comprar uma fazenda em algum lugar. Talvez levantar algum roughstock , ou talvez levar pessoas para fazer trilha para o resto de sua vida. Ele poderia viver sem ter mil quilos de equinos putos, debaixo dele todo fim de semana ? Ele não tinha certeza se podia. E desejou que ele pudesse culpar sua queda em memória por se lembrar de Tony, mas ele não podia. Ele sempre havia se interessado pelo show de rodeios para que ele pudesse fazer algum dinheiro sem


machucar muito o seu corpo. Dustin riu alto com o pensamento. Sim, como se montar cavalos de xucros e ser jogado para fora deles com uma vara de madeira pontiaguda não machucava o seu corpo. Ele sorriu e de repente desejou ter uma cerveja. Encontro com o francês durante gravação do show não tinha estado em seus planos. Ele teria que voltar para o circuito, e ver Tony em seus anúncios de cuecas e camisas polo, não tinha ajudado também. Dustin era um Cowboy e fez o que precisava na televisão , e depois que seu contrato tinha acabado. Noites como essas, ele se perguntou porque que diabos ele tinha saído do negócio. Olhando em volta para o quarto elegante do hotel e para a borda do edredom ele passou as suas mãos sobre os lençóis super macios, e teve sua resposta. A chance de ter um encontro de uma noite só, era perfeito para ser muito bom e obter o seu mojo, e a sua carreira, de volta aos trilhos . Engraçado como ele poderia sentar-se lá como o melhor peão no mundo e não se sentir como se estivesse no caminho certo. Talvez ele tivesse perdido o seu curso , e precisava esquecer esse fato por algumas horas . Realmente desejando uma cerveja , ele deslizou suas pernas sobre a borda do colchão e foi cautelosamente, mancando até o minibar. Abriu-o e viu que ele estava abastecido com uma boa variedade de cervejas caras. Agarrando um rótulo que ele reconheceu , ele torceu a tampa . Quando conseguiu voltar para a cama e colocou a perna em repouso, ele já tinha bebido metade da cerveja e a colocou sobre o criado-mudo . Com um resmungo , se virou o suficiente para tirar as botas, e


então colocou o travesseiro debaixo do joelho. E tomou outro gole da garrafa. Ele não estava disposto a ter o seu caso de uma noite como um aleijado . Quando ele verificou a televisão novamente , os eventos tinham acabado então baixou o volume . Esses caras eram bons e tinham muito talento. De alguma forma, ele não achava tão emocionante quanto os oito segundos que os peões ficaram . Ele deu de ombros e terminou a cerveja. Um cartão chave clicou na fechadura. Bom , ele não tinha vontade de sair da cama. Deve ser seu encontro, ou sua foda , ou o que deveria ligar para ele. Por que ele não tinha pensado em pegar duas garrafas do mini-bar antes que se sentou? A porta se abriu . Seu coração disparou durante os poucos segundos antes da porta ser aberta e seu encontro entrasse. Ele segurou a posição, como segurar não ia adiantar se ele ficasse preso no portão e esperou seu encontro entrar no quarto . ― Tony ? O homem loiro deslumbrante , cujo penteado perfeito tinha de ter vindo de um salão de beleza , entrou no quarto . Ele se virou, olhou para a cama, e parou. ― Merda ― , ele sussurrou, e Dustin se assustou. Grandes palavras as de Tony , e não muito grosseiras as cinco letras que tinha acabado de dizer. Tony tinha a intenção de ser ouvido? A trava se fechou , o saco da noite que ele estava empurrando para dentro do quarto foi esquecido. O homem ficou ali parado . Sua mandíbula caiu , e clara surpresa encheu a sua expressão. Dustin não tinha chegado ao


topo de seu esporte por ser emocional. Onde outros cowboys batiam os pés ou pisavam em seus chapéus , ele permanecia impassível , tendo um bom passeio ou não. Esse talento serviu-lhe muito bem agora. O homem que tinha entrado pela porta foi a última pessoa que ele esperaria. Pierre Anthony Archumbault III , jogador de pólo profissional, apareceu como se estivesse em um de seus muitos comerciais de perfume caros ou relógios de luxo. A camisa branca , escondida num par de calças azul marinho caras e adaptados para aparecer a sua pele lisa, bronzeada. Os sapatos eram de couro italiano, e ele iria comer o chapéu se a sua mochila poderia ser comprada por menos de quatro dígitos. Ele tinha sido “Tony” pela semana que passaram num resort caro , montando cavalos xucros para um reality show. Tony tinha sido derrubado na primeira rodada, ele tinha caído no primeiro segundo. Ele provavelmente teria durado mais tempo, mas um certo sexy francês manteve-se invadindo seus pensamentos e sua cama. Se ele pensou que iria ficar fora de sua mente com Tony por ele ser o seu caso de uma noite.... Ele soltou um suspiro , que não tinha percebido que estava prendendo o ar , sabendo que não iria entender a causa das coisas desta noite. E, no entanto , talvez fosse isso que ele precisava exatamente, ter Tony mais uma vez , então ele poderia seguir em frente com sua vida. Sim, isso soava bem . Ele iria com essa teoria e , se alguma coisa mudasse , ele descobriria na parte da manhã . Ele trataria esse encontro como um passeio . Ficar ligado, chegar no relógio , obter uma


pontuação , e ir para a próxima cidade . ― Dustin ? ― Tony perguntou com a sua rica voz com sotaque. Claro que tudo sobre o homem era rico. Seu pai era dono de uma vinha famosa no mundo inteiro por seus caros , vinhos requintados . Dustin preferia suas bebidas com mais lúpulo e seus homens mais perto de seu círculo social. Ainda assim, eles tinham passado um inferno de uma semana juntos. Isso significava que esta noite seria um inferno de uma noite. ― Eu acho que Madame Evangeline tem um senso de humor estranho ― , ele falou. Inferno, ele realmente precisaria de uma segunda bebida. Balançando as pernas para fora da cama , ele se levantou , deixando uma sujeira na colcha de quando suas botas estavam lá antes. Ele abriu o frigobar , pegou uma garrafa de cerveja qualquer, e bateu a parte superior com o abridor de garrafas na frente da geladeira . ― Não é um algo assim? ― Ele tomou um gole . ― Eles dizem que Madame nunca está errada, eu lamentei a minha agenda agitada que me impediu de entrar em contato com você . ― Tony soltou a alça de sua bolsa e caminhou em direção a ele . ― Você está ferido. Você deveria estar na cama. Ele precisava de um bolsa de gelo , pelo menos, um par de garrafas de ibuprofeno, e algumas semanas de folga para se curar. Não que ele desejava obter os medicamentos ou o tempo de folga no momento, embora talvez ter uma bolsa de gelo seria o bastante . Ele deu de ombros , em seguida, fez uma careta quando seus tríceps


protestaram. ― Eu vou montar todo fim de semana . Duvido que poderiam ter chegado juntos. E correndo o risco de soar como um velho cowboy , esses dias eu estou geralmente ou tendendo a uma nova lesão ou fazendo os antigos se sentirem pior. Faz parte do jogo. ― As semanas que passaram juntos no ano anterior tinham sido divertidas, e a exposição na televisão lhe rendeu mais de um par de patrocinadores , mas não fez bem para os grandes rodeios que perdeu. Levando quase três semanas, incluindo viagens e preparação, mais o tempo limite de sua agenda lotada lhe custou o título mundial. Ele se recusou a deixar o título escapar novamente. Daí o seus e-mails para Madame Eva . Ele teria pensado que um encontro de uma noite iria colocar sua falta de uma vida amorosa para fora de sua mente, para que ele pudesse se concentrar nos negócios. No circuito , ele poderia ter uma noite de sexo quando quisesse. Os cowboys heteros tinham coelhinhos nas fivelas . Ele tinha que olhar um pouco mais difícil, mas ele nunca teve problemas para encontrar um parceiro quando ele queria um. Até Tony .... Dustin se sentou na cama novamente e pegou a sua cerveja na mesa de cabeceira . Ele começou a tirar as botas, depois lembrou-se de que já tinha feito isso. Uma de suas meias tinha um buraco no meio , ela não era exatamente projetada para seduzir. Ela serviu a outro propósito , porém, destacando a diferença no seu status social. Sua mochila surrada estava debaixo de sua sela. No início de


sua carreira , ele tinha aprendido a não deixar seu equipamento no caminhão. Depois de tiras cortadas em pedaços e seus pertences faltando, ele tinha passado por muita coisa. Alguns dos cowboys não gostavam dele , especialmente um tão bom quanto ele , ser gay . O vandalismo tinha parado quando o dinheiro por trás de seu nome se transformou em seis e sete números, mas os hábitos nunca são demais. ― Nós poderíamos ter descoberto alguma coisa. ― Tony foi para o outro lado da cama king-size e se estendeu ao lado dele . ― Somos homens engenhosos afinal de contas. ― Ele começou a tirar a camisa de Dustin . A ação foi tão natural, tão parecido com os dias que passaram juntos, que ele levou um momento para registrá-la. Um pouco de ar frio passou através de seus mamilos e o trouxe de volta para o momento com o homem na cama com ele. Tinham sido engenhosos, tudo bem. A equipe e os outros membros do elenco não tinham sido favoráveis ao seu relacionamento, a maioria dos caras tinham esposas ou namoradas esperando por eles e não estavam tão confortáveis com um homem gay vivendo entre eles. Assim , os momentos roubados no palheiro ou tarde da noite discutindo estratégias ou os eventos do dia seguinte tinha sido tudo o que eles poderiam ter. Nos fins de semana, onde os homens podiam sair para alguns R & R , tinha sido o indulto e eles tinham saído juntos a maior parte deles. Uma noite juntos pode ser a distração que ele precisava para limpar a cabeça da competição de amanhã. Exceto que Tony trouxe consigo alguns problemas. Porque agora , Dustin teria novas memórias , para colocar sobre as velhas


lembranças, lembranças que o manteve aquecido durante as noites frias sozinho . A diferença em seus estilos de vida incomodava Dustin. Não deveria, mas, incomodava. Sua conta bancária e os investimentos engordariam com os prêmios em dinheiro. Ele nunca teria o tipo de riqueza da família Archumbault. Mas ele também pode ter quatro figuras, e uma nova bagagem, se ele quisesse. Em vez disso, ele preferiu seu estilo de vida de poeira e jeans, pelo que ele podia dizer, Tony preferia Ralph Lauren e comprar na Rodeo Drive. Ainda assim, era bom deitar-se , deixar os dedos bem cuidados de Tony dançar através de sua pele quando ele terminou de desabotoar sua camisa . Ele puxou as pontas da camisa para fora do jeans de Dustin e franziu o cenho para as contusões em suas costelas , o cartão de visitas do casco de um cavalo indisciplinado. Gentilmente, ele traçou círculos em torno de seus mamilos. Tony inclinou-se e o beijou . O roçar suave de seus lábios pareceu como o reencontro de dois amantes de longa data. Então , o beijo se aprofundou. Dustin abriu a boca e gemeu e Tony preencheu o espaço , deslizando sua língua para dentro aumentando a pressão. Apenas dois pontos de contato , boca e peito , e ainda , o beijo balançou a sua medula . Ele estendeu a mão e agarrou o ombro de Tony e deslizou a outra mão no cabelo bonito do homem, alisando os fios com produtos caros . Flexionando os dedos , ele puxou Tony mais perto até que ele ficou por cima. Ele não se importou com o braço dolorido ou a pontada de dor do joelho. Quando ele montava um cavalo chucro, a adrenalina corria


através de seu sistema. Ele mudou de posição, usando o peso e velocidade para virar Tony sobre suas costas . Suas dores foram esquecidas por enquanto . Cobrindo-o, ele empurrou a fivela do cinto abaixo do umbigo de Tony. As pontas de sua camisa subia atrás dele como uma capa, e ele riu interiormente da imagem . Algum tipo de super-herói , batido e espancado . Seu pênis não se preocupa com seus ferimentos. ― Você está limpo? ― , ele perguntou se afastando em busca de ar . Melhor perguntar logo. O quão aquecido o seu sangue estava ficando , ele não estaria consciente o suficiente para perguntar em alguns momentos. ― Sim, mas você me conhece. ― Tony encolheu os ombros em direção a sua bagagem de mão . ― Eu não... ― , ele murmurou, não se importando com a segurança , mas , caramba, sentir o corpo quente de Tony apertando em torno de seu pênis nu iria explodir sua mente. Ele enfiou a mão no bolso de trás e puxou a lata vazia , em que ele escondeu seus preservativos e atirou-o na mesa de cabeceira . Ele nunca sucumbiu ao tabaco de mascar , foi desagradável . O anel branco revelado em seu bolso de trás era uma espécie de marca registrada de um cowboy , um ponto gasto em seus jeans como um distintivo de honra . Quando ele começou no circuito , ele tinha comprado alguns para levar no bolso de trás , pensando que iria ajudá-lo a se encaixar mais. Difícil de bater o cara gay , quando ele teve o mesmo anel Skoal como você fez , ou algo assim. Tony riu e pegou a lata . Ele abriu-a . ― Você é o único cara


que eu já vi que carrega seus preservativos numa lata Skoal . Acho que vamos conseguir usar tudo isso ? ― Ele colocou a tira de preservativos na mesa , em seguida, tirou a camisa . Dustin sentou para dar-lhe espaço , seu joelho estava gritando com ele . Tony revelou o seu físico de modelo . Suave e sem pelos, esculpido com músculos, mas não excessivamente volumoso, bronzeado e oh! tão palpável , seu corpo sintetizou a beleza masculina . Dustin abriu a fivela do cinto e puxou livre da calça. Ele deixoua cair no chão com barulho , em seguida, desabotoou as calças . Eles nunca tiveram problemas na cama. Fora dele, oh! inferno sim, mas nela, nunca . A química ainda estava entre eles, ele se levantou para remover sua calça jeans e as meias. Ele olhou para cima para encontrar o olhar de Tony, uma nova fome estava em seu olhar. Querer . Precisar . Luxúria. Ele tinha visto todas aquelas expressões inúmeras vezes. Mas a fome , como se vê-lo tirar a roupa fosse o próprio ar que o homem respirava. Isso assustou. Suas mãos se acalmaram , as roupas foram esquecidas. ― Isso não vai funcionar. ― Tony disse . Ele desabotoou o cinto e desabotoou as calças , empurrando -os e a cueca de grife para baixo de suas pernas. As meias unindo-se as roupas no chão que deviam ser caras , e mostrou um dos problemas . Quando o reality show foi ao ar com entrevistas de amigos e familiares , seus amigos brincaram sobre o modelo não ser viril o suficiente, e os amigos de Tony não conseguiam esconder o seu desagrado com os modos do cowboy muito ásperas. Dustin tirou os


jeans para impedir-se de pensar sobre esses insucessos extravagantes. Ele se deitou e rolou nas costas. ― Então, quem está no topo em primeiro lugar? Tony sorriu e rasgou um preservativo fora da faixa . ― Vou ser gentil , eu prometo. ― Tirando o preservativo , ele rolou em sua ereção , e depois inclinou-se para explorar a paisagem do abdomen de Dustin com os dedos. Ele fechou os olhos com o toque . Tony usava as mãos bem, por causa de ser um jogador de polo . Em seguida , sua boca assumiu, e Dustin não conteve um gemido. Seu pau se contorceu , suas bolas apertaram em antecipação de mais prazer. Ele agarrou o cabelo perfeito , os fios de seda, como se tivessem vindo de algum tipo de anúncio de revista . E talvez ele tinha. Ele segurou Tony, pensando que, se isso fosse um sonho , ele iria engarrafá-lo e guardá-lo para as noites solitárias no circuito . Depois de uma garrafa de Jack ou Budweiser é claro. Os lábios e a língua talentosa de Tony se moviam através de sua pele , tornando mais fácil para ele deixar sua mente ir dormente, ele se perdendo nas sensações . Tony sempre tinha fodido bem . Isso nunca tinha sido seu problema. Mesmo com as costelas doendo e o joelho, tudo deixou de atormentá-lo quando a mão de Tony fechou ao redor de seu pênis. Ele acariciou , apertando com a quantidade certa de pressão e usando o polegar para rodar as gotas de líquido pré-seminal . Dustin balançou os quadris. É, por isso, ele concordou com um caso de uma noite . Só para transar. Talvez alguns orgasmos fortes iriam explodir o lixo para fora de sua cabeça. Choque sugou o ar de seus pulmões.


Dustin perdeu-se no movimento , a sensação de dedos em seu pênis, a boca em sua pele . O cabelo de Tony fazendo cócegas em seu abdômen enquanto ele deslizava mais baixo, em seguida, seu hálito quente acariciando a base de seu pênis . Ele abriu um olho para ver Tony fazendo uma pausa longa o suficiente só para pegar um segundo preservativo , embainhar ele, e então começar a sugá-lo . ― Oh, sim ― , ele gemeu, sua respiração se saindo aos poucos com seu prazer sendo montado. Tony passou a língua contra a parte sensível do eixo. Através do preservativo , Dustin sentia-o, e desejou que poderia ser pele a pele mais uma vez. Ele escavava suas bochechas , massageando o eixo mais profundamente. Cada puxão de seus lábios puxou algo no fundo, seu gozo aproximava . Dustin tentou fechar os olhos de novo , queria se perder no prazer. Ele não podia. Ele concentrou-se nos dedos bronzeados de Tony brincando com seus cabelos encaracolados e suas bolas. Quando Tony chupou seu comprimento , Dustin puxou o cabelo de Tony, segurando-o no lugar. Oh Deus, ele queria gozar tão mal, ainda assim, ele se segurou. Tony cantarolava no fundo de sua garganta , as vibrações percorrendo o pau de Dustin . Ele mordeu o lábio inferior, as bolas dele estavam tão apertadas que ele temia que iam estourar. Em seguida , Tony chegou atrás delas para alisar a pele sensível. Oh merda, ele não conseguiria parar. Dustin gozou com um gemido áspero , bombeando semen dentro da camisinha . Ao mesmo tempo, Tony tinha engolido e lambeu-o limpo. Agora, ele simplesmente levantou a cabeça e sorriu.


― Faz um tempo ? ― Ele reuniu a camisinha e jogou-a na lata de lixo ao lado da cama . Dustin assentiu, incapaz de negar a verdade . ― Sim ― , disse ele. ― Você esteve ocupado no circuito. ― Ele mexeu suas pernas , fazendo uma careta quando o joelho reclamou. A desculpa esfarrapada não enganaria ele . Mas , talvez , daria a ele tempo suficiente para se lembrar desta noite, por que ele não teria que admitir que o único homem que queria transar numa base regular é Tony . Ele rolou para o lado dele . ― Qual é o seu prazer? Chupar ou transar ? Tony sentou-se e pôs as mãos atrás da cabeça. ― Chupar primeiro. Temos a noite toda para foder. Ele apontou para seu ainda duro pau e já com camisinha . Dustin mudou de posição um pouco , com cuidado para manter o joelho apoiado . Desejar sexualmente Tony era um tormento . Dustin pegou o pau de Tony em sua mão. Ele gostou do peso e , se lembrou como era enchendo-o e pensou que talvez ele não deveria ter oferecido nenhuma opção. Acariciando-o da base à ponta , tomando seu tempo e focando a paixão mostrada no rosto de Tony . Trazer o playboy até seu nível divertiu Dustin. Decidindo que ele tinha o suficiente, ele se aproximou de seu eixo e fez um show para envolver os lábios em torno da ponta . ― Seu filho da puta ― , Tony gemeu, sem qualquer malícia. ― Você vai me matar. ― Dustin adorava ouvir a linguagem grosseira. As palavras duras o faziam parecer mais humano, mais atingível. ― Hum mmm ― , ele murmurou, deixando o som vibrar no pênis do outro homem . Ele espalmou as bolas de Tony , sentindo o saco


na palma da mão . Caramba, o cara saboreava gostoso e Dustin não tinha certeza se era físico do modelo quase sem pelos ou por que ele não tinha feito a barba . As bolas sem pelos era novo , e ele não podia ajudar, mas se perguntar se eles foram para um amante do passado. Ele engoliu-o mais profundo em sua boca. Assim que a cabeça bateu no fundo de sua garganta, qualquer pensamento sobre outros homens desapareceu. Tornou-se os dois de novo, de volta para quando eles estavam juntos. Ele relaxou os músculos e engoliu , tendo Tony tão profundo, Dustin encontrou um ritmo com a sua sucção enquanto ele brincava com as bolas do homem , enquanto Tony fodia sua boca com a mão presa na parte de trás de sua cabeça. Dustin tocou o lugar sensível na parte inferior com a língua. Tony gemeu e estremeceu. Tentando não sorrir , ele trabalhou nele com mais diligência. Tony ficou tenso e pairou no precipício de liberação com um gemido irregular. Ele gozou, e Dustin perdeu a sensação de lamber para baixo cada única gota . Ainda assim, ele entendeu a necessidade de segurança . Fazia um tempo, afinal de contas, e nenhum deles tinham sido celibatários. Suas libidos corriam muito alto. Ou pelo menos a sua teve , até recentemente. Ele levantou a cabeça e tomou o cuidado de limpar seu amante , como antes. Tony descansou contra a cabeceira da cama , seu eixo suavizado caído ao longo da coxa. Escondendo seus estremecimentos de dor , Dustin moveu-se para a posição ao lado dele. A frase , e agora? , encheu sua mente. Demoraria um pouco para ele se recuperar , e Tony , provavelmente da mesma maneira. ― Nós provavelmente deveríamos conversar ― , disse Tony . ― Mas


eu não acho que qualquer um de nós veio aqui para isso. ― Não, nós não viemos ― , ele concordou. ― Não posso acreditar que você foi considerado o meu par perfeito. Parece um pouco conveniente. ― Não que ele se importasse . Nem um pouco. Estranho que os dois estavam querendo um gancho de uma noite ao mesmo tempo . ― O que há com as bolas sem pelos ? Tony deu risadas com a mudança abrupta de assunto. ― Eu tive uma sessão de fotos para uma nova linha de roupas íntima , não são tangas para homens , mas bem perto . Tive que raspar tudo e decidi que gostava de bolas lisas. Elas estão sensíveis . ― Ele fez uma pausa . Dustin pensou sobre as oportunidades para o prazer de sacos sem pelos pode apresentar. ― Eu tinha ouvido grandes coisas sobre Madame Eva, ― Tony admitiu. Ele não disse nada sobre o porquê dele ter procurado um caso de uma noite ou um parceiro . Talvez sua vida amorosa não estava muito emocionante. Pelo menos Tony não tinha raspado o seu saco por outro homem. O pensamento aliviou ele, só que ele não tinha nenhum direito de estar com ciúmes sobre quantos amantes Tony tinha tido desde que se separaram. Talvez ele pudesse mudar isso. Não, ele não tinha vindo por algo mais do que uma noite de sexo . Pensando em afundar as bolas profundas em Tony fez seu eixo endurecer novamente. ― Sim , eu também . ― Eu sinto muito que saí do reality show tão rapidamente ― , disse Tony. ― Quem teria pensado que ia demorar mais do que um


bom lugar e as mãos para cair de um corcel ? ― Ele sorriu com tristeza. Sua luta perdida tinha sido bastante dramática quando ele caiu de cabeça para fora do enorme corcel . Na verdade , os espectadores do show votaram na queda mais espetacular . ― Eu tive que voltar ao circuito . Acontece. Eu estou acostumado com isso , e seu esporte funciona da mesma maneira . ― Dustin não queria ir lá com pena e, e ele não sabia nada sobre polo . Francamente , ele queria ser fodido , sentir o pau grosso de Tony enchendo-o . Ele rasgou outro preservativo fora da faixa . Talvez se eles usassem proteção durante toda a noite isso iria impedir as lembranças , onde você esteve e que teve relações sexuais com outras pessoas, não deveria preceder qualquer gancho de uma noite. Ele não queria pensar sobre Tony transando com ninguém, exceto ele. ― Eu fiquei um par de meses fora ― , disse Tony repentinamente. Dustin jogou a camisinha no colo de Tony . Deixe que falem por ele. Uma imagem de Tony em sua caminhonete quando foi nos rodeios encheu sua mente. Tony sentado nas arquibancadas, vaiando e gritando com o resto da multidão parecia não combinar com o modelo suave, sentado ao lado dele na cama king-size . E se ele caiu, como geralmente acontecia? Às vezes, Dustin não poderia ficar em cima de um chucro muito tempo . Não muitas vezes , mas o que ocorreu, é que, Tony lidaria em vê-lo cair do cavalo , a centímetros de ser pisoteado por mil quilos de um puto equino ? ― Tudo bem ― , disse Tony , e apesar de decepção encher a sua voz , ele não parece ter perdido o seu ardor .


Seu pau estava ficando duro, e ele rapidamente o massageou . ― Nós não terminamos de falar sobre isso ainda . ― Eu não quero falar por um tempo. ― Ele virou-se e mostrou a sua bunda , disposta a seu pau numa posição mais confortável , em seguida, abriu as pernas e olhou por cima do ombro. ― O que você está esperando? Tony arqueou uma sobrancelha. ― Uma garrafa de lubrificante ? ― Ele sorriu e apontou para o criado-mudo. Provavelmente deveria pegar a garrafa , mas isso iria parecer muito óbvio. Claro, se inscrever para um serviço de encontros de uma noite, também podia parecer bastante óbvio . Tony se aproximou dele e abriu a gaveta , pegou a garrafa e abriu a tampa. Depois que ele tinha regado a palma da mão , Tony acariciou seu pênis. Embora o ângulo tornava difícil ver , Dustin adorava ver o outro homem tocar a si mesmo. Ele tirou os dedos lisos e acariciou a bunda de Dustin, e então trabalhou seus dedos em torno do anel apertado de músculos , deslizando um, depois dois dentro. Dustin gemeu e empurrou seu traseiro no ar, contra os dedos de Tony. Um hálito quente provocou sua pele. Ele fechou os olhos e saboreou a sensação de outro homem descansando ao lado dele . A perna suave de Tony roçou a sua , e a sensação de um quadril batendo seu o fez pensar em outras coisas tocantes. Tony deu um beijo de boca aberta nas suas costas, perto de um ombro, depois o outro, até que ele alternava entre eles. Ele empurrou lentamente para dentro e para fora, e Dustin moveu os quadris junto com ele. ― Você quer o meu pau? ― ,


perguntou Tony . ― Claro que sim ― , Dustin gemeu no travesseiro. ― Foda-me duro. Tony hesitou por um momento , o suficiente para fazê-lo se perguntar se talvez as palavras foram duras demais. Ele não tinha tempo para levá-las de volta , ou dizer qualquer outra coisa, porque Tony puxou seus dedos e pairou sobre ele. Seu pau bateu na bunda de Dustin e ele não pôde deixar de gemer novamente. Droga, sexo não tinha sido tão bom desde ... bem, da última vez que Tony havia compartilhado sua cama. A cabeça larga pressionando contra seu ânus. Ele relaxou , oferecendo-se para a penetração de Tony. Um breve momento de pressão, então felicidade quando o pau conseguiu passar pelo anel apertado músculos. Dustin murmurou algo incoerente e suspirou quando Tony enfiou ate as bolas profundamente. Por um momento, nenhum dos dois se moveu . Fazia muito tempo, muito tempo mesmo, desde que Dustin sentiu o delicioso prazer de ser preenchido por outro homem. Quase como se Tony lesse a sua mente , quando não aguentou mais , ele começou a se mover. As longas e lentas arremetidas de Tony enviou Dustin rapidamente para a borda. Seu pau pulsava . Cada nervo em seu corpo formigava com o prazer de ser preenchido . Acima dele , Tony dava murmúrios de foda sim , misturada com gemidos incoerentes , enchendo os ouvidos de Dustin . Uma das grandes mãos de Tony , ainda lisa do lubrificante tocou entre o estômago de Dustin e o colchão para acariciar seu pênis . Suas bolas apertaram. Montando um chucro não dava tanta adrenalina , e não quando o relógio marcava os oito


segundos. Às vezes, eles iam rapidamente, outras vezes , nem tanto. Mas , cada curso , cada carícia, aumentou a sua excitação ao ponto de se tornar quase dolorosa . ― Dustin ― , ele gemeu, seus lábios perto o suficiente do lóbulo da orelha. Ele deu um suspiro trêmulo duro e gozou , com Tony pulsando dentro dele. Montando em sua própria libertação , Dustin gozou. Tony suspirou e rolou para o lado . Um momento depois, Dustin virou, um pouco mais do que ele achava que conseguiria. A cama se moveu, e ele avistou a bunda gloriosa de Tony quando ele levou o preservativo para o banheiro para se lavar. Ele levantou-se lentamente , as dores do rodeio desta noite a começaram a ser uma cadela, ele se dirigiu ao banheiro. A Jacuzzi pareceu muito convidativa para deixar passar. ― Eu preciso de um banho . ― Ele abriu as torneiras . ― Parece ótimo ― , respondeu Tony . Ele pegou uma bola de banho efervescente de cortesia e deixou-a cair na água. O cheiro de algo semelhante a uma brisa do mar encheu o ar. Dustin entrou na banheira , sentou no banco moldado num canto e esticou as suas pernas. Descansando os braços ao longo da borda , ele se inclinou para trás e suspirou. O calor circulando em suas dores sentiu-se como no céu . Mesmo que ele não se encontrassem mais uma vez, ele se lembraria de seu encontro de uma noite por muito tempo. Ele sorriu para o homem de pé ao lado da banheira. ― Junte-se mim? ― Ele apontou para Tony entrar, e ele se aproximou e passou os dedos na água. Com um gesto de aprovação , ele balançou as pernas sobre a borda e se sentou. A fragrância do banho efervescente encheu o banheiro, e Dustin se


perguntou se era um pouco demais para um cowboy como ele. Pelo menos não havia bolhas. Tony fechou as torneiras , apertou o botão para os jatos . Água girou em torno dele e ele relaxou . Um homem bonito , um reconfortante banho, o que mais poderia um cowboy querer?

Capítulo 2 O Francês Tony assistiu Dustin relaxar na banheira. O corpo do cowboy estava coberto de contusões de sua profissão . Não há dúvida de que ele teve uma noite difícil no rodeio , não que ele jamais diria isso. O estado da caminhonete que Tony tinha passado na área de estacionamento , provavelmente testemunhou mais a vida de Dustin na estrada do que qualquer lesão que poderia ter. O para choque traseiro foi seguro com arame e ferrugem corroeu os para lamas . Ele fez dinheiro. Eles tinham brincado sobre fivelas e os prêmio em dinheiro , nas pausas durante as filmagens do reality show . Ele tinha dinheiro suficiente para comprar um caminhão novo . Exceto, que ele disse muitas vezes que ele não poderia ter um novo carro , ou roupas novas, insinuando que Tony o fazia o tempo todo. Tony amava a pompa de sua profissão. Ele admitiu. Sendo um modelo tinha algumas regalias realmente agradáveis e usar roupas de


grifes fosse uma delas . Se ele podia usar sapatos de couro caros feitos sob medida para seus pés e confortáveis , seu lema sempre foi , por que não? As roupas finas, os relógios de ouro, e o brinco de diamantes que usava em seu ouvido o fazia se sentir bem. Porque seus jeans custava algumas centenas de dólares não significa que eles não eram jeans, como o de Dustin. Quando ele fez o teste para o reality show , ele tinha estado mais em rótulos e seus símbolos de status . Desde então, Tony tinha mudado de muitas maneiras em ser menos chamativo sobre sua roupa. Ele também tinha chegado aos apertos que a profissão de Dustin fazia ao seu corpo. Tony soltou um suspiro e esperou relaxar . No set, eles fizeram amor no escuro , ou meio- vestidos. Ele estava muito preocupado sobre cada hematoma no corpo de Dustin . Lesões eram comuns. Vestindo nenhuma segurança , quando ele caia de um cavalo, machucados se tornou cotidiano . Um concorrente rasgou o músculo da virilha . Um par deles tinham ficado com narizes sangrando , e isso só na primeira semana . Quando eles não estavam lutando por riquezas, eles discutiam os seus esportes , e Tony tinha admitido que não tinha certeza se ele poderia lidar com as quedas e o perigo que vinha com o rodeio. Sua separação havia lhe dado tempo para pensar. A semana que passara com Dustin mudou todo o seu modo de ser. Ele vendeu o seu mercedes . Ele veio num carro alugado que ele pegou na locadora, se ele decidir não deixar nele. Parte dele esperava que quando a noite terminasse , Dustin iria pedir para andarem juntos . Mas , este era para ser um caso de uma noite . Ele tinha que pensar nisso dessa forma .


Suas roupas ainda podiam ser adaptadas e, principalmente, não usadas , por que jogar fora um perfeitamente bom guarda-roupa de qualquer forma? Mas ele não tinha comprado para si mesmo , porque era o mais recente equipamento de designer para quem ele costumava desfilar . O fotógrafo na última sessão havia comentado sobre a falta de um novo guarda-roupa inteiramente novo quando ele chegou para o trabalho numa semana. A questão de como transmitir essas alterações para o cowboy, sem derramar suas entranhas e soar como uma heroína insípida de um romance de filme B o assombrava. Dustin estava relaxado , com a cabeça pendendo para trás numa almofada. ― Aonde você vai depois daqui? ― , Perguntou Tony . ― Amarillo . Tenho uma chance de fazer muito dinheiro neste fim de semana . ― Ele sorriu , sem se mover de sua posição confortável na banheira de hidromassagem . ― Amarillo, então Forte Worth, então Houston, e depois circulando de volta através das Montanhas Rochosas e em direção a Montana. Se eu conseguir o dinheiro certo , então eu posso escolher o caminho até a final . ― Soa como um curso. ― Tony perguntou se picape de Dustin conseguiria leva-lo cima e para baixo por todo o oeste dos EUA antes de morrer . ― Tem um novo caminhão esperando por mim em Amarillo, se é isso que você está preocupado. Ganhei um Dodge Ram, uns dois rodeios atrás e eles estão finalmente indo entregá-la a mim. ― Dustin abriu um olho . ― Marquei mais de noventa e cinco no Saddle Bronc Horse no ultimo ano. O contratante disse que ia dar um caminhão para


quem conseguir a melhor pontuação. Eu ganhei. ― Ele sorriu . ― Droga, isso aqui é bom. Parecia bom , também, que iria soar clichê para ele dizer isso. Água rodou ao nível dos mamilos de Dustin , a superfície de espuma escondendo a sua parte inferior, e parecia como se ele pudesse adormecer ali mesmo. Não há dúvida de que ele teve um dia duro e difícil. Tony tinha ido para alguns rodeios e viu ele montar. Claro , Tony não tinha tido a coragem de dizer Olá ou nada, porque os seus problemas anteriores permaneciam ainda com ele. Isso e , se em um dos rodeios, Dustin não tivesse saido fora . Não muito de uma queda para os padrões de rodeio e Dustin tinha quase caido em pé . Ainda assim , vendo a queda de seu amante pelo ar assustou Tony e ele aplaudiu tão alto quanto qualquer um no meio da multidão quando o cowboy caminhou para fora da arena . Com sua agenda apertada, Tony pensou que poderia ser bom para eles darlhes uma chance. Para ele, o encontro era mais do que um caso de uma noite . Tony deslocou-se para sentar-se ao lado dele. Ele endireitou o braço , apoiando-o na parte de trás da banheira de água quente, por trás do pescoço de Dustin . Apesar do ângulo estranho ele massageou os ombros do homem. ― Isso é bom ― , disse Dustin , sua voz caindo quando Tony cavou um músculo especialmente apertado. A água parou de se agitar , o barulho dos jatos caindo no silêncio. Tony cutucou seu ombro. ― Ei, por que não muda de posição para que eu possa realmente chegar a esses músculos ? ― Dustin


percorreu a banheira para repousar a cabeça sobre os braços cruzados sobre a borda. Ele flutuava , deixando suas costas, e o glorioso traseiro apertado revelado. Tony bateu os jatos novamente em seu caminho para ficar em cima das pernas de Dustin , então se inclinou para frente , ambas as mãos em seus ombros e começou a massagear . ― Muito melhor. ― Tony massageou um músculo tenso. Dustin murmurou seu acordo. Os jatos de água pulsavam contra Tony . Suas coxas moveram os quadris de Dustin e, ocasionalmente , seu pênis iria bater em Dustin . O atrito aumentou sua excitação , o fez pensar sobre as maneiras que ele poderia fazer amor com ele aqui . Ele roçou os lábios do outro lado do ombro do outro homem . O que começou como um leve beijo se transformou em fome de boca aberta. Ele deslocou-se para a junção entre o pescoço e o ombro , sugando a pele em sua boca. Ele envolvendo seus braços em torno de Dustin , ele deslizou as mãos sobre o peito , até o seu abdômen marcado . Ele levou um momento para deleitar-se com a sensação do cabelo no peito , sua mão foi até abaixo do umbigo de Dustin . Os poucos amantes que ele teve desde que estiveram juntos tinham sido companheiros modelos , depilados. Tony não poderia chegar muito mais longe , não parecia importar . O pau de Dustin se mexeu e roçou a palma de Tony . Ele passou os dedos em torno do eixo inchado e acariciou . Nenhum desses amantes foi em comparação com seu cowboy. E nenhum deles tinha durado mais do que alguns dias. Ele apertou Dustin contra ele, puxou-os para o outro lado . Quando suas costas bateram na banheira, ele se sentou e puxou Dustin


até seu colo. Ele não se apressou . Cada momento na banheira acalmou os músculos doloridos de Dustin . E, francamente , acalmou o coração partido de Tony também, desde que ele e Dustin se separaram após o programa de televisão . Ele queria ficar , mas uma vez eliminado , os participantes foram mandados para casa , envolto em cláusulas de confidencialidade legais. A imagem do reality show de alguém sair com uma mala não estava muito longe da verdade . Ele tinha ido para a casa dos competidores que saíram compartilhavam, arrumou suas coisas e , depois de uma breve rodada de despedidas. Dustin tinha falado com o seu treinador sobre um assunto, e a reação negativa com a relação de Tony com ele havia atraído entre seus adversários o havia assustado o suficiente para que ele tivesse esperado apenas cerca de 15 minutos ou mais para dizer adeus a ele antes de sair. Quando Dustin não havia retornado , Tony tinha que ir. Regras eram regras , e ele não estava disposto a dobrá-las . Nos dias de hoje , ele poderia ter esperado . Alguns dos rapazes tinham ficado mais tempo para dizer adeus aos amigos ou aos cavalos. As cláusulas de confidencialidade o havia impedido de entrar em contato com Dustin até que o show fosse ao ar . Até então, ele estava num torneio de pólo na América do Sul e sua capacidade de se comunicar tornou-se esporádica. Ele não tinha nenhuma boa resposta do por que ele não entrou em contato com Dustin mais tarde. Talvez esta noite ele pudesse encontrar uma maneira de compensar isso . ― Você vai virar uma ameixa se ficar muito tempo aqui ― , disse Dustin , embora ele também não fizesse nenhum movimento para


sair. Em vez disso, ele enfiou na mão acariciando de Tony. Tony apertou seus dedos apenas o suficiente para fazer a pressão requintado. ― Eu ainda ficaria com você mesmo se virasse uma ameixa . ― Ele beijou a testa de Dustin , um gesto surpreendentemente suave para o momento. Sua aventura de uma noite foi rapidamente ficando sério , como ele tinha imaginado que seria o momento em que ele entrou no quarto do hotel e viu o cowboy. Dustin endureceu e não para o bem, o momento foi perdido antes que viesse um tipo de tensão , também. Droga! Ele tinha forçado demais e ele estava indo empurrar o outro homem para longe. Em seguida , ele relaxou , e Tony vagarosamente o liberou . Segurando o homem em seus braços, sentindo-o estremecer , criou um momento de ternura . Ele iria acalentar não importando como a noite terminasse . Os jatos acalmaram Dustin novamente. ― Ok , eu tenho que sair daqui . ― Dustin se sentou na beirada por um momento , com os pés balançando na água. E em seguida , ele pegou uma toalha e cuidadosamente mexeu as pernas até ficar de joelhos. ― Seu joelho está te incomodando? ― Tony abriu o ralo depois saiu da Jacuzzi . ― Yeah . Eu diria que estou ficando velho demais para esta merda , mas eu adoro isso. ― Ele deixou cair a toalha no chão e nu, andou para o quarto. Tony o seguiu . Dustin puxou as cobertas para trás e sentou-se sobre os lençóis , passando as mãos sobre eles. ― Cara, normalmente eu durmo no meu caminhão , ou se estou muito machucado em algum lugar com uma cama. Isso é bom . ― Ele se


reclinou nos lençóis. Tony entregou-lhe uma almofada . ― Para o seu joelho. ― Ele deslizou para a posição, e viu o sorriso do cowboy quando ele descansou o joelho contra ela. ― Você ficaria em lugares destes o tempo todo? Não posso imaginar você em alguma coisa por menos de $ 100 por noite. Você provavelmente desfrutaria de todos esses travesseiros macios. ― Ele pegou o controle remoto e mexeu nos botões , mas não ligou a televisão . ― Normalmente . Embora seja um ou outro o time ou um dos meus trabalhos de modelagem colocando-me, também. Não se preocupe . Eu já fiquei em minha parte de motéis . ― Talvez esta seria a conversa que precisavam ter . Tony prendeu a respiração por um momento, em seguida, liberou. Ele teve que apagar a imagem que Dustin tinha dele como um menino rico e mimado. O pau de Tony subiu meio- ereto. Dustin notou , mas não fez nada, e, francamente, depois do molho e do sexo , Tony duvidava que ele poderia ir para outra rodada. Pelo menos não por enquanto. O outro homem deve ter sentido o mesmo, porque ele ligou a televisão , dirigindo-se para um canal que normalmente mostrava reprises de rodeios. ― Estou um pouco surpreso com isso ― , Dustin disse. Ele não disse mais, e Tony apreciava sua contenção . Eles lutaram o suficiente sobre a sua educação e a sua vida rica , e ele estava contente que eles não estavam indo brigar novamente. Tony mudou, ficando mais confortável. ― Então, como é montar um chucro ? ― Galinha! Ele precisava terminar a conversa e, no entanto , não conseguia. Talvez ele


pudesse levá-lo a falar do rodeio , e ele realmente queria ouvir suas idéias , então eles poderiam falar de outras coisas . ― Você está interessado em rodeios ? ― Dustin baixou o volume com um par de cliques . ― Bem , é tudo sobre seus pés e entrar no ritmo com o cavalo. ― Ele não esperou por uma resposta à sua primeira pergunta , simplesmente começou a falar sobre como entrar no ritmo com o cavalo ajudou a continuar mesmo com os saltos e chutes , e desde que os pés estavam definidos com cada salto os juízes davam uma pontuação alta . Agarrar-se na rédea lhe dava alavancagem , apesar de um caubói de verdade andava com seu assento e pernas , nunca suas mãos. Apesar de ter sido completamente diferente do polo que Tony jogava , a mecânica parecia muito similar. Montando numa sela inglesa exigia o mesmo uso de assento e pernas , obviamente não tão vigorosamente. Balanço era chave para montar bem, especialmente em seu esporte com movimentos rápidos . Eles falaram sobre montar, esportes, sempre ficando longe do show, Tony percebeu nenhum deles estaria retornando quando fizeram o casting de novo, por cerca de uma hora. O rodeio na televisão terminou e outro começou, montaria em touro . ― Esses caras são loucos ― , Dustin comentou . ― Claro, um cavalo poderia pisar em você ou te chutar . Eu tive algumas quedas muito difícil. ― Ele não tem que apontar para suas contusões para provar seu ponto . ― Mas touros irá te encarar assim que olham para você . Eles são uns filhos da puta médios . ― Tony não poderia discordar . Cavalos de polo mesmo os bem treinados , por vezes, tem


um pouco de frescura e bufavam um pouco antes de uma partida. Alguns dos seus cavalos tinham sido muito frescos, talvez um pouco demais . ― Eu estou indo para Amarillo pela manhã. Eu não posso parar de andar no circuito ― , disse Dustin abruptamente. Ele desligou a televisão e rolou para o lado dele . O lençol caiu de seus quadris , revelando a seta de cabelo que levava até seu pênis. Por um momento, Tony queria perder-se no prazer da trilha prometida. Ele não podia. Não naquele momento, porque algo grande estava acontecendo com os dois. Assim como Dustin sobre aqueles cavalos , ele teve que montá-los até o fim , não importando o que aconteceu. ― Eu sei ― , respondeu Tony . ― Eu nunca lhe pedi para desistir dele , também. Eu tenho algum tempo de férias e poderia ir para Amarillo . Talvez Forte Worth e Houston. No momento em que você cruzasse a linha do estado do Texas , eu teria que voltar ao trabalho . Eu tenho um contrato de fotos em algumas semanas , e depois há alguns jogos de polo na Flórida. Minha agenda não mudou muito com a equipe. Eu abrandei na modelagem , então quando eu não estou jogando polo há mais flexibilidade. ― Dustin concordou, surpreso , esperança brilhou na sua expressão. Quando eles estavam juntos antes, Tony sido inflexível sobre ter um cronograma de modelagem apertado. Obtendo a sua agenda de fotos flexível se tornou como o ar para ele. Não tinha levado muito tempo depois de voltar para o cronograma e descobrir que não era para ele mais. Ele não tinha necessidade de aumentar a sua conta bancária. Ele não queria mas ser modelo, o aborrecia às lágrimas , ou pior, o frustrava com a superficialidade da indústria .


― Nós temos esta noite. ― Dustin olhou para o relógio de cabeceira de rádio. ― Ok, nós temos a manhã também . ― Ele sorriu . ― Quer fazer mais do mesmo ? ― Sim ― , Tony admitiu. ― Eu quero . ― Ele virou o lençol para revelar o corpo nu de Dustin . Para o inferno com todas as coisas que precisavam ser ditas , coisas que deveriam ser trabalhadas. Se sua agenda garimpou para fora , e eles podiam passar algum tempo juntos antes que ele tivesse que ir para o trabalho, então tudo estaria bem. O pênis ereto do cowboy forneceu todas as respostas que precisava. Tony fechou os dedos em torno do eixo. Ele acariciou delicadamente e fez um gesto para o frasco de lubrificante no criado-mudo . Dustin jogou para ele, e Tony fez uma pausa longa o suficiente para molhar um pouco a palma da mão , em seguida, voltou a tocar o eixo do outro homem . Ele se moveu lentamente, deixando seus dedos falarem por ele. Somente o zumbido do controle de temperatura e a respiração profunda de Dustin encheu a sala. A lâmpada de cabeceira lançava uma pequena luz acolhedora , foi momento íntimo que parecia fora do lugar para este caso de uma noite , e Tony empurrou o pensamento para fora de sua mente. Ele se aproximou e colocou um braço em volta dos ombros de Dustin . Ele segurou-o contra o peito , não embalando-o . As manchas mais escuras das suas contusões brilhavam no escuro, e Tony desejou que ele pudesse beijar cada um deles na sua pele. Era a vida de Dustin . Às vezes, depois de uma partida de polo especialmente difícil, suas pernas estavam machucadas dos toques


acidentais do taco . Os jogos ainda eram sua vida. Tony apertou e bombeou mais e mais rápido com a necessidade de trazer Dustin sobre a borda. Eles tinham pouco tempo . Em algum momento eles precisavam dormir e fazer o check-out ao meio-dia viria muito cedo. Querer, precisar, é algo que poderiam ter saudades, foram gravadas no corpo do cowboy . Oh sim . Ele queria também. Inclinando-se , Tony beijou Dustin , acrescentando lábios e língua para a sinfonia do desejo onde seus dedos estavam tocando . Dustin arqueou e Tony mergulhou sua língua na sua boca. Faminto , ele beijou-o , desejando como o inferno que eles estivessem em lugares diferentes em suas carreiras. Ele tinha pensado que poderia dar certo entre eles, e o fato de que eles não foram picados como o contrato Armani que tinha perdido no ano passado . Talvez não estariam nunca nos lugares certos para qualquer coisa além deste momento . Não! Todo o seu ser se rebelou contra o pensamento. Tinha que haver uma maneira de fazer funcionar entre eles, e ele teria que descobrir como. Dustin empurrou contra seu peito , fazendo-o cair de costas no colchão . ― Pare de pensar ― , ele sussurrou. Ele deslizou para os quadris de Tony e rapidamente embainhou-se nele. ― Como você sabe? ― Tony tentou falar mais, mas ele estava quase lá , circulando seu eixo, já levando-o em direção ao ápice do prazer. ― Porque seus dedos estão passeando . ― Dustin sorriu. ― O


que você está pensando não é para hoje. ― Abaixando a cabeça, ele pegou o pau coberto de látex em profundidade. Tony gemeu. Com cada chupada e com o redemoinho da língua do homem , os pensamentos fugiram. Ele levantou seus quadris , tentando não foder a boca de Dustin muito difícil. Sua respiração saia entre os dentes, Tony focou no quente e na sensação de molhado. Memórias de estar enterrado profundamente na bunda do cowboy até que ambos gozassem , encheu sua mente. Ele empurrou mais duro. Dustin acariciou as bolas de Tony. O mesmo toque suave que levou a usar as rédeas para dirigir um cavalo também pode mandá-lo para o nirvana mais rápido do que qualquer outra coisa. Um dedo sacudiu o lugar sensível atrás de suas bolas, e Tony lutou para não gozar. ― Dustin , por favor ― , ele rosnou. Ele riu, as vibrações corriam ao longo do comprimento de Tony. Os dedos de Dustin aumentaram seu ritmo , deslizando para trás em direção ao seu ânus. O prazer tornou-se muito e Tony atirou duro dentro da camisinha , o corpo dele gritando para liberação. Um único dedo violou-o, e em seguida, um segundo , transando com ele através do orgasmo. Dustin fez cócegas na sua próstata . Faíscas de relâmpago de excitação queimavam por ele e seu pênis começou a endurecer novamente. Dustin permitiu que seu pau escorregasse por entre seus lábios e com a pressão não tão suave em seu quadril , rolou sobre Tony . Ele precisou, estar no fim da recepção de Dustin, ele amava ficar ali e ser fodido , e não se preocupar com nada além do momento . Mudando a posição o tempo suficiente para remover o preservativo, Tony de alguma


forma conseguiu acertar o cesto de lixo ao lado da cama. Ele deslizou a mão entre o estômago e a cama novamente , trabalhando mais baixo para que ele pudesse colocar a camisinha em seu pênis. Ele olhou por cima do ombro para Dustin e levantou sua bunda. ― Você quer isso . ― Depois de rolar uma camisinha , Dustin ajoelhou-se atrás dele. ― Sempre ― . Foi o mais próximo de uma admissão que o homem daria, e ele encostou seu eixo na entrada de Tony, o prazer parou quaisquer palavras. A emoção dentro de Tony mudou a única palavra. Espelhando os seus próprios sentimentos , o fato de que ele não tinha sido capaz de obter o outro homem fora de sua mente desde que ele o deixou . Ele começou a planejar sua programação em torno de rodeios, com a crença de que Dustin compartilhasse seus sentimentos. Ele aceitou a presença , a pressão quando Dustin entrou nele. Ele estava bem preparado , liso o suficiente para que o cowboy deslizasse para casa sem qualquer resistência. Dustin agarrou seus quadris , ofegante. Suor escorria ao longo da espinha de Tony. Ele lutou para segurar, seu corpo já exigindo o pênis duro que Dustin poderia dar. Mais um para a estrada, eles costumavam dizer , antes de ir para a cama ou sair para as arenas na manhã seguinte. Desta vez , mais um para a estrada tinha um significado totalmente novo. ― Deixe-me ― disse Dustin , tomando o pau de Tony na mão. Isto tanto poderia facilmente ser uma promessa como um adeus, e quando o outro homem puxou de volta, Tony não poderia dizer o que o preocupava mais. Em seguida, Dustin pressionou para a frente mais uma


vez, e Tony perdeu-se no dar e receber de seus corpos, para o eixo grosso enterrado profundamente dentro dele. Fizeram amor lentamente , cada impulso e retiro prolongando o máximo o gozo . A respiração de Dustin aquecia a parte de trás do seu pescoço. O suor brilhava sobre Tony. O ritmo de Dustin acelerou , sua respiração ficou mais entrecortada , e com um gemido baixo , ele gozou . Seu orgasmo acionou o de Tony , um lançamento longo e lento que o deixou ofegante e mole. Ele não tinha certeza de qual deles se moveu primeiro , mas , em seguida, Dustin sentou encostando-se nos travesseiros novamente e Tony tinha rolado para o lado dele . Suas pálpebras caíram . O caso de uma noite estava chegando ao fim. Dustin olhou para o relógio . ― Eu tenho que pegar a estrada no início da manhã . ― Ele fez uma pausa . ― Eu tive um bom tempo. Fico feliz que você veio. Tony acarinhou as palavras, elas eram provavelmente tudo o que ele poderia obter por enquanto . ― Eu também. ― Ele se enfiou debaixo das cobertas . Afofando os travesseiros sob sua cabeça, ele se deitou. Alguns sinais sonoros anunciou que Dustin definiu o alarme . Tony se recusou a perguntar o quão cedo . Dustin saiu da cama , foi até o banheiro, em seguida, apagou as luzes . Uma noite aparentemente normal, exceto que não era. A cama rangiu quando o cowboy enfiou-se debaixo das cobertas . Será que ele iria dizer mais alguma coisa ? Ele não o fez e poucos momentos depois, seus roncos suaves encheram o quarto.


Tony lutou contra um suspiro e fechou os olhos. O momento era tão parecido com os do seu passado, que ele não conseguia manter-se de ouvir os outros concorrentes dos quartos vizinhos . O resort tinha paredes espessas ; ele não ouviu nada . Ele precisava dizer alguma coisa, para resolver as coisas, exceto que não é o que um caso de uma noite era para ser . Se as coisas podiam dar certo, o fariam. Eles haviam trocado as programações para as próximas semanas . Sem dúvida, não seria difícil ir para os rodeios, para encontrar uma maneira de conectarse com Dustin novamente. Logo em seguida, ele tinha um sono melhor. Mais tarde, ele poderia jogar com a noção de que deveria haver uma maneira de reivindicar o cowboy para o si próprio . Capítulo 3 Amarillo de Manhã Tony acordou com um sobressalto. Rolando , registrou duas coisas . Um deles, que estava quase na hora de sair do quarto , e dois, Dustin tinha ido embora. Ele gemeu e esfregou o sono de seus olhos . Sentando-se, ele deixou cair o lençol , em seguida, jogou as cobertas . Ele foi ao banheiro , tomou um banho rápido, antes de pegar uma roupa fresca de sua bolsa. A cama , pelo menos , parecia completamente utilizada, se o resto do quarto foi um pouco estéril. Tony verificou tudo , certificando-se que nenhum deles deixou nada. Um pequeno bloco de notas com o logotipo do resort chamou sua atenção. Seu coração batia quando ele o pegou e leu o rabisco de Dustin .


Super 8 Central. Rodeio começa às 19:00 . O Quarto está em meu nome.

Tony sorriu e enfiou a nota no bolso. Suas preces foram atendidas . Eles tiveram seu caso de uma noite . Na noite seguinte , eles teriam outro. Talvez , eventualmente , poderiam concordarem o suficiente juntos para realmente fazerem uma vida. Agarrando sua bagagem , dirigiu-se ao check-out. Ele pode não estar em Amarillo , pela manhã , mas ele estaria lá naquela noite na cama do seu cowboy. FIM


O Conto de Fantasma de Savannah Kali Willows

Savannah Teale tem uma obsessão com o sobrenatural, para refutála. Uma caçadora de fantasma com um segredo obscuro, ela não acredita em vida após a morte. Não mais. Sendo romanticamente desafiada desde a morte traumática de seu noivo, ela não tem interesse em namoro, mas a interferência amorosa de sua irmã a levou a aceitar um encontro pelo 1NS. Cameron Evans é um dos mais bonitos, carismáticos e sexy bacharéis de Savannah. Ele é um guia excepcionalmente talentoso, e um vidente, mas não aprendeu a desligar seus dons. Uma vez que suas conversas com os mortos são diretos para a maioria das mulheres-para dizer o mínimo, Cameron se virou para Madame Eva para encontrar uma mulher que pode aceitá-lo por si mesmo e tudo o que ele tem para dar. Eles podem ser um grande jogo, se um determinado, persistente fantasma simplesmente saísse de cena.


Capítulo Um

Gemidos de prazer enchiam o ar. —Oh meu Deus, ali mesmo, espere, não, eu não gosto disso. —Seja paciente. Tem que doer antes que fique melhor. Eu prometo, vou ser mais gentil. Apenas deixe-me terminar. Eu estou chegando perto. Eu posso sentir isso. —Não, espere, isso dói meu, oh sim, agora você tem isso. —Meu Deus, Vannah, você vai mantê-lo para baixo? Eu estou tentando me divertir, também. — O irritado tom cortante de sua irmã flutuou através da música de fundo suave. —Desculpe Stacia, ninguém fez isso comigo em um longo tempo. Vou tentar calar a boca. Ele só se sente tão-oh-ah... — Vannah escondeu o rosto no encosto de cabeça circular acolchoado. —Quando foi à última vez que teve uma massagem muscular profunda, Senhorita Teale? — A massagista morena colocou o lençol por cima do ombro de Vannah e mudou-se para o outro lado. —Já faz tanto tempo que eu não me lembro, Nadia, mas você está indo muito bem. Não pare, por favor... —Então, quando é o grande encontro? — A voz maliciosa de Stacia contraiu os músculos de Vannah novamente. —Droga, Stacia. Um riso sarcástico ressoou do outro lado da sala através quando ela se encolheu para amassar dolorosamente seu ombro. Enquanto a visita ao luxuoso spa do hotel, tinha vindo com a sua estadia, Vannah começou a


desejar que tivesse ficado na enorme banheira em seu quarto. —Ok Nadia, eu acho que é tão bom quanto ele vai ficar para mim. Obrigado. — Pelo seu tom de voz agudo, a mulher arrumou em uma corrida com as mãos trêmulas e se desculpou. Stacia suspirou. —Justine, muito obrigado. Nós temos que nos preparar para a turnê Ghost Walk em breve. — Sentando-se, ela agarrou a toalha e pulou fora da mesa de massagem, recolhendo sua bolsa e pegando algumas notas de sua carteira. — Por favor, compartilhe isso com Nadia, que tanto aprecia o grande mimo. —Como quiser, Sra. Leonard. — Quanto mais velha, mais experiente, a massagista aceitou o dinheiro e saiu da sala. —Bem, isso foi rude. — Stacia virou após a porta fechada, lançando um olhar de fogo em Vannah. —Sinto muito, mas pelo amor de Deus, você tem que contar o que estou fazendo? Merda. Ela passou por trás da tela de privacidade com painéis de mogno. O calor queimou em suas bochechas era insuportável. Com uma mandíbula tensa, ela colocou sua roupa. —A meu ver, Vannah, você está sensível demais sobre isso. Ninguém sabe por que você está aqui. As pessoas ficam em hotéis para todos os tipos de razões. Seu comportamento, no entanto, pode enviar uma dica ou duas sobre a sua agenda. —Meu comportamento? — Ela puxou a camisa de renda sobre sua cabeça, fazendo uma careta ao ouvir o som de um fio aparecendo na roupa rosa delicado. —Você sabe o que quero dizer. Você está rosnando e latindo para


quem tenta mostrar-lhe a boa e velha hospitalidade do sul. —Eu não estou brigando com ninguém. — Enfiando o pé recém feito em sua sandália, ela se encolheu quando a correia do calcanhar começou a rasgar. —Ah, é? E sobre o carregador? —Ele agarrou minha mão. —Ele estava pegando sua mala. —Stacia a advertiu em tom baixo. —Bem, ele não tem que fazer isso por mim. —Uh huh. —Ok, e o funcionário da recepção? —Eu sorri para ele quando chegamos aqui dentro. —Você cerrou os dentes e repreendeu-o por chamá-la de senhora. —Bem — Perturbada, ela procurou em seu cérebro uma desculpa por sua grosseria —. Eles não devem ser autorizados a chamar qualquer pessoa com menos de 80 anos de idade de senhora. —Ok, você quer ficar com fome ou precisa ficar presa. Stacia se olhou no espelho, ela usava um vestido de verão azul e sandálias, passando a escova por seus cabelos loiros perfeitos como sempre. Vannah caiu na elegante cadeira marfim atrás dela. O olhar penetrante de Stacia suavizou quando ela puxou um banquinho perto. Vannah pegou o reflexo de seus olhos vermelhos e seu lábio superior inchado no espelho de bronze na parede. Sua irmã era uma cópia de si mesma, os mesmos cachos de linho arrastando para baixo do peito, e as manchas de ouro dentro em seus olhos amendoados. Elas poderiam facilmente passar por gêmeas, embora Vannah fosse dois anos mais nova. Mas Stacia sempre parecia feliz, seus lábios carnudos enrolados em um sorriso


sensacional, o rosto iluminado com um brilho juvenil. Vannah parecia uma tensa e escura versão menor de sua irmã deslumbrante em seu próprio reflexo. —Querida, já faz três anos, não é infidelidade, ele está tornando sua vida o mais fácil possível. — O tom calmo de Stacia não acalmou-a neste momento. —Mais fácil? —Você, minha querida, é um forte, cheia de vida, bonita, apaixonada... Os lados da boca de Vannah começaram a recuar e suas sobrancelhas se arquearam um pouco. — … Amarga, irritada, uma mulher desolada. — Stacia terminou. As palavras cortavam como punhais através de seu coração partido. —Muito obrigado. —Eu vi você se trancar em uma cela emocional desde que perdeu Mark, mas já é o bastante. —É fácil para você dizer. Você tem um marido que te ama, você tem tudo que você precisa. — Sua cabeça rolou para trás enquanto ela exalava por entre os dentes. Chocado com sua própria insensibilidade, ela olhou para Stacia e suavizou seu tom. — Quase tudo. Sinto muito. Eu posso ser uma burra de verdade, às vezes. —Esses são apenas os cartões que eu estava tentando e você, de todas as pessoas, deve saber que tudo pode mudar num piscar de olhos. Você teve uma coisa boa com Mark, querida. Você vai encontrar isso de novo mais cedo do que pensa. —Bem, talvez eu não queira isso. Será que isso já lhe ocorreu? — Vannah levantou-se e andou por toda a sala. As profundezas azuis do rio


Savannah fora da janela aberta não fizeram nada para aliviar seu tormento interno. —Não, não me ocorreu. E eu vou te dizer o porquê, irmãzinha. Lágrimas escorriam pelo rosto aquecido de Vannah. —Quando você estava com Mark, você era a pessoa mais feliz que eu conhecia. Você se foi. Desde a noite em que ele morreu, eu nem sequer te reconheço mais. Você quer ser feliz novamente. Eu sei que você será. Você só está morrendo de medo de ser feliz novamente. —Você parece saber muito. Por que eu estou com medo de ser feliz? — As palavras nasaladas saíram de sua boca enquanto a umidade escorria pelo seu rosto e pescoço. —Porque você está com medo de se machucar outra vez. Ela se assustou com a ideia do mexer em seus ombros, Vannah tentou conter os soluços de cortar o coração que subiram por sua garganta apertada e lábios trêmulos. Stacia sempre soube como acessar suas emoções enterradas. Caramba. Com amorosos braços em volta, ela agarrou Vannah entrelaçando seus dedos, e a segurou firme enquanto ela quebrava Stacia lhe deu a força, foi sua salvação. —Você vai passar por isso, Vannah. Eu prometo. Um dia, em breve. Por agora, você vai começar com seu encontro. Madame Evangeline é conhecida por suas habilidades casamenteiras. —Tudo bem. — Ela fungou e se afastou, evitando o olhar de sua irmã. —Além disso, ficar no Plantation Castillo é bastante honroso, um novo hotel no sul de Savannah? Vamos, como é que podemos não fazer mais do mesmo? —Nós devemos agarrar algo para comer antes da caminhada do


fantasma. — Vannah correu os dedos trêmulos em seu rosto molhado enquanto ela reuniu seus pertences da cadeira. —Eu acho que você está certa. Vannah abriu sua bolsa Gucci de couro marrom e procurou através de seu arsenal eletrônico. —Oh Jesus, você não está fazendo isso hoje está? —Sim. —E se há famílias na caminhada? —E se há? —Você vai assustar elas. Isto era para ser supostamente divertido e leve. —Eu posso ser divertida. —Claro que você pode, em Ghouls e Goblins os Mais Procurados da América. —Oh, você é hilária. —Você vai me envergonhar de novo, não é? —Eu faria isso? Stacia seguiu para o outro lado da sala, zombando dela com um franzir sarcástico enquanto Vannah segurava a porta aberta. —Vamos? — Vannah deu sua irmã descontente um sorriso triunfante. —Claro e talvez eu vá te comprar uma bebida ou cinco. Você acha que pode tomar a borda fora de seu caça fantasma? — Suaves risadas soaram para baixo pelo corredor com painéis de madeira elaborado enquanto elas caminhavam até o elevador.


—Uh-Obrigado pelo jantar, Cameron. Foi-interessante. Sua última tentativa de encontro correu para o seu LeSabre e pulou. —Janet, eu sinto muito sobre a interrupção. Eu posso fazer isso com você outra vez? —A coisa é, Cameron, você é um cara atraente. Engraçado. Encantador. Mas eu não posso vê-lo novamente. — Ela virou a chave na ignição, evitando o olhar . —Mas Janet... —Não me chame, é muito estranho. — Ela clicou o cinto de segurança. —Sua mãe disse que ela não vai intrometer de novo — ele ofereceu com desespero. A mandíbula de Janet caiu. Ele podia jurar que ela ficou um pouco branca, também, antes do ronronar do motor tornou-se um estrondo e o som de pneus cantando o deixou em pé no meio-fio com o cheiro de borracha queimada ardendo no seu nariz. —Bem, isso foi melhor do que o último. Pelo menos ela não jogou nada para mim. Com os ombros pesados, ele estava em pé na beira da calçada, olhando para a fumaça e marcas de derrapagem na calçada. O zumbido abafado em seu ouvido não era nenhuma consolação.


—Desculpe Cameron, talvez eu devesse ter avisado que ela está com medo de fantasmas e toda a ideia de vida após a morte? — A voz suave de Doris encheu sua cabeça com um riso suave. Seu pedido de desculpas não ofereceu consolo. —Sim, sim, devia ter, podia ter. Eu sei você não quis. Quantas vezes eu já ouvi isso antes de todo espírito que cai em apenas um minuto? Eu poderia muito bem manter minha promessa de celibato para a igreja e me tornar um monge, enquanto vocês mortos mantem caras-e-senhoras por perto. — A presença de Doris evaporou quando o som abafado de risada de Vincent Price cantou fora de seu bolso. Soltando um suspiro, ele bateu o botão para falar. —Olá? Hey Samuel... Como foi? Oh, bem, isso foi muito melhor. Não há hematomas e a polícia não foi chamada.

Capítulo Dois —Isso foi incrível. Eu nunca experimentei tomates verdes fritos antes. — Stacia deu um suspiro e se acomodou em seu assento. — Pensando nisso, eu nunca comi larva e enguia também. — Ela franziu o cenho quando ela não obteve resposta. —Vannah! —O quê? —Guarde isso. Vannah continuou a vasculhar sua bolsa. —Eu tenho que deixá-lo pronto, o passeio é em uma hora.


—Você tem alguns sérios problemas. Quem vai para uma caminhada do fantasma divertida com um detector de EMF e uma câmera infravermelha? Sério? — Stacia atirou o guardanapo na mesa e lançou um olhar de questionamento e desaprovação. —Uma caçadora de fantasmas. Olá? —Uma caçadora de fantasma autoproclamada. —Ei, eu sou profissional agora. —Você é um profissional dor na bunda, meu amor. — Stacia rolou a cabeça para trás e bufou de frustração. —Você não se lembra do episódio de Ghost Hunters em que eu estava no ano passado? —Você quer dizer aquele em que você ficou do lado assistindo o elenco fazer leituras e rastrear objetos em papel? —Ei, eu não aprecio seu cinismo, muito obrigado. —Vannah, sua obsessão com os mortos ficou fora de controle. —Minha obsessão é provar que não há tal coisa. — Vannah mexia com seu detector de verificação . —Qualquer que seja. Basta não deixar as pessoas hoje à noite desconfortáveis. A maioria das pessoas vai para se divertir. Não estrague tudo para os outros como você fez da última vez. —Aquele casal nunca deveria ter estado lá, para começar. — Os ombros de Vannah subiram em direção as orelhas quando ela deu de ombros. —Parte da turnê da forca era para tirar fotos no celular, Vannah, não ficar trancado com as luzes apagadas, enquanto alguma aberração vai pela câmera infravermelha até você. —Eu me desculpei. Além disso, ela não precisa de pontos.


—Ugh! —Tudo bem, eu vou ser mais discreta desta vez. Stacia se acomodou em sua cadeira e sorriu para ela. —Então, quando é o grande dia, afinal? —O encontro, oh, não, é amanhã à noite. Nove horas. — Ela fez uma careta. —Talvez quando você descubra algo que você vai parar essa obsessão. Vannah olhou com raiva para ela. —Eu só estou dizendo. —Stacia, minha carteira não está aqui. — Vannah vasculhou sua bolsa, frenética. —Será que você a deixou no spa? —Eu não penso assim. —Podemos verificar que na parte da manhã, eu vou cobrir o jantar. — Stacia tirou seu cartão de crédito e colocou-o na bandeja de plástico com a conta. — Talvez, só para estar no lado seguro, devemos denunciar seus cartões em falta. —Eu vou para a recepção e entrar em contato com a empresa de cartão de crédito. Obrigado. As sobrancelhas de Vannah se apertaram juntas enquanto tentava descobrir o mistério. —O que é Vannah? —É só que eu tenho certeza que eu estava com ela quando começamos o jantar. — Ela inclinou-se, puxando o pano para cima e procurou debaixo da mesa.


—Obrigado por se juntar a nossa turnê. Meu nome é Cameron Evans. Vannah manteve a bolsa em seu ombro, puxou para perto como um cobertor de segurança. —Agora, este passeio é narrado pelo seu guia-uh-que seria eu — Ele deu um sorriso cheio de dentes, — Eu sou um historiador intuitivo, folclorista, mestre contador de histórias, e nativo da Geórgia que cresceu aprendendo as lendas — olhando para os membros do grupo, ele ofereceu uma voz sinistra com uma risada — que se encontram sob os contos de assombração de Savannah. —Sim, certo. — Vannah puxou a bolsa maior em seu ombro. —Shhh. — Stacia deu-lhe um empurrão. —Vamos explorar os tons em profundidade informativan a mais assustadora história assombrada desta linda cidade. Acreditamos que este é um passeio de arrepiar que até mesmo o mais cético vai gostar. — Seu olhar intenso lhe chamou a atenção juntamente com seu sorriso diabolicamente encantador. —Nossa assombrada Ghost Walk está repleta de histórias do passado espectral de Savannah. Você vai ouvir contos de fantasmas, sombra de pessoas, de vodu, e muito mais! —Isso é tudo baseada na pesquisa atual, ou você vai vir com essa porcaria inventada? — As palavras venenosas fazendo várias cabeças se virar em direção à ela. —Vannah. — Stacia deu uma cotovelada em seu lado direito. —Desculpe — Ela esfregou as costelas. —As pessoas... — Sua voz profunda chamou a sua atenção de volta para a frente. —Quero dizer, eu vou controlar você — Stacia lançou um olhar severo


para ela. — Comporte-se. —Tudo bem. —Savannah é frequentemente descrito como charmosa cativante e até mesmo sensual, mas também é bem conhecido por seu lado negro e misterioso. Vannah se inclinou para frente, inspecionando seus ombros largos e marcantes, características cinzeladas. —Nossa, ele é quente — Stacia ronronou. —Se você gostar desse tipo de coisa. — O olhar de Vannah caiu para as unhas bem cuidadas. —Claro, talvez seja seu cabelo grosso e loiro que você poderia bagunçar com seus dedos? Ou sua altura atlética tipo um Adônis que parece que ele poderia balançar a cama a noite toda? —Stacia! —O quê? Você conseguiu um vislumbre daquela bunda naqueles shorts, as pernas e os músculos sólido? E não deixa muito para a imaginação aquela regata apertada. Aqueles braços impecáveis, seus peitorais definidos, o abaulamento... —Pare com isso. —Mas que bonito bronzeado... —Chega, você quer conseguir um quarto com ele ou algo assim? —Melindrosa e sensível, eu acho você está protestando muito, querida irmã. — Stacia enfiou um dedo fazendo cócegas em sua cintura. —Já pensou em crescer? —Senhoritas, você ainda vão se juntar a nós? — A voz de veludo cantarolava sobre o ombro de Vannah, enviando calafrios na espinha.


A dupla fez uma pausa, e Vannah virou, percebendo que todos já tinham começado a caminhar. —Sim, ainda estamos chegando, quero dizer andando. — Vannah gaguejou, sentindo o calor em suas bochechas. —Isso é bom. Eu não quero que você se perca — Com uma piscada sedutora, ele acenou para a rua diante deles. —Depois de você, senhoras. Elas caminharam ao lado dele até que se juntaram com o resto. A lenta brisa soprava um sensual e arrebatador aroma de musk amadeirado para seu nariz. Pela primeira vez nesta viagem, Vannah emudeceu. Parando ao lado dela, ele continuou seu discurso. —Savannah é reconhecido por muitos como a cidade mais assombrada dos Estados Unidos. Embora ela nunca fosse admitir isso em voz alta, Vannah achou as sinuosas ruas de paralelepípedos longos cheios de uma sensação fascinante de passado. A elegância simples de uma época anterior, agravado pelo cheiro persistente de pavimento molhado da chuva que caiu mais cedo naquela noite, a fez sentir como se tivesse dado um passo para trás no tempo. Mansões apareciam das cercas, enormes e luxuosas com jardins coloridos. Eles passearam pelas últimas fazendas históricas da plantação, enquanto saboreavam o ar da noite. Passeando pelas praças da cidade pitoresca, ela admirava os troncos cobertos de musgo, majestosos carvalhos que ladeavam as ruas. Tudo parecia tão lunático, em uma espécie de escuro e triste caminho. Quando o divino aroma de rosas passou ao redor dela, Vannah inspecionou a folhagem que ela estava passando, e não viu flores de qualquer tipo. Os carvalhos de musgo ao seu lado eram acompanhados apenas por arbustos verdes. Ela virou-se com um toque em seu ombro, mas não viu ninguém atrás dela. Stacia estava ao alcance da mão, no entanto.


—Pare com isso. Isso não é engraçado. —O quê? — Stacia olhou para frente, com foco em seu guia. Vannah deu mais alguns passos e um som abafado vibrou em seu ouvido. Recuperando o fôlego, ela lançou um olhar de Stacia. —Eu estou falando sério. Pare com isso. —O quê? —Sim, certo. Não faça isso de novo. —Fazer o quê? — Stacia assobiou com aborrecimento. —Oh, não importa. Tremores leves rolou a pele aquecida de Vannah e uma corrida suave de felicidade percorreu seu núcleo por um breve momento. Seus músculos pélvicos se espremeram e lançou como se tivesse um movimento involuntário. Vannah estremeceu com a sensação, e em seguida, continuou sem dar-lhe outro pensamento. Na noite sombria, a aventura de seguir Cameron e a posse para baixo as velhas trilhas assombradas, ouvindo lendas da cidade, chamou sua atenção longe dos apetrechos em sua bolsa. Ela se distraiu em sua agenda para registrar a histeria espectral. —... Para os três lugares que marcam as passagens furtivas do conhecido para o desconhecido. A cativante voz do guia e suas histórias trouxeram uma curiosidade que não tinha esperado. Seus contos foram críveis, ela podia sentir a história, a presença ameaçadora sugerido de tempos passados, e sua abertura para isso foi inaceitável. Não, ela não iria perder de vista a razão para estar lá. Vannah aliviou os dedos pelo interior da bolsa, observando que Stacia estava preocupado olhando o Adônis que estava em um caminho de entrada de um cemitério, hipnotizando suas turistas.


A turnê tinha parado para outra lenda assustadora... yada yada yada. —Este secular cemitério é conhecido por ser frequentado pelos espíritos que, a Geechee-Gullah dizer, se destacam em suas sepulturas em um ritual da meia-noite. O Yamacraw indiana, irlandesa, e Geechee-Gullah, o povo acredita que o invisível pode tocar-nos sobre os nossos ombros e sussurrar em nossos ouvidos. Claro que pode. Vannah afastou-se com sua câmera na mão e escapou pelo portão lateral do cemitério. Ficando perto o suficiente para que ela ainda pudesse ouvi-lo divagar sobre túneis escuros e lápides misteriosas, Vannah ligou à câmera infravermelha e começou a digitalizar os túmulos antigos. Um mausoléu distante chamou sua atenção. Embora o dispositivo não mostrasse nada, ela estava certa de que pegou o movimento de alguma coisa na frente do prédio. Cauteloso de ser visto, ela prendeu a câmera pronta e avançou ao longo da cerca em direção ao monumento. A pequena pedra estruturada no estilo do Parthenon estava envolta com um desgrenhado e verde musgo e trepadeiras lenhosas. O coração de Vannah pulou uma batida quando ela observou que a porta estava entreaberta.

—Hey Cameron — Um sussurro no ouvido dele o distraiu de seu conto sobre o cemitério. —Ok, quem é você? Eu estou no meio de uma coisa aqui. — Cameron mentalmente repreendeu seu hóspede fantasmagórico não convidado enquanto os turistas começaram a se dispersar, tirando fotos das estátuas ao


longo da frente do cemitério antiquado. —Parece que você tem um gato enxerido. — A voz era do sexo masculino, mas não a identificou nesse momento. A pitoresca loira chamou sua atenção quando ela se escondeu atrás do muro de pedra fora do portão lateral do cemitério. —O que você acha que ela está fazendo lá? —Vá encontrá-la antes que ela se meta em problemas. — A voz desapareceu quando o irmão de Cameron se aproximou. —Caçador de fantasmas ? — Samuel suspirou. —Talvez, mas ela vai me manter ocupado hoje à noite, eu acho. Trabalho em equipe? —Claro, eu sei essa história de cor. — Samuel mudou-se para o chefe do grupo de excursão enquanto Cameron escapuliu para rastrear seu espectador renegado. Ela era mulher bonita em um cemitério escuro, o que poderia acabar mal. Alguns flashes do que poderia acontecer encheu sua cabeça, um pouco de aguilhão de sua ajudante assombrada.

Com passos lentos e deliberados, Vannah subiu as escadas até a porta, pronto para olhar para dentro. O odor de mofo, de decadência encheu o ar. A vibração explodiu em sua mão e seu coração esmurrou contra os limites de seu peito. A tela da câmera ficou em branco. —Bateria fraca? Mas eu carreguei hoje. Caramba.


O ar úmido e estagnado pareceu gelado. Arrepios subiram por suas pernas e braços nus. Mesmo seus mamilos endureceram raspando contra sua camisa com o ar frio. Ela agarrou sua máquina fotográfica e fotografou em torno dela, espantada ao ver seu ar exalado materializar em um estado gasoso nublado. Uma frente fria? Ela se esforçou para convencer a si mesma. A fragrância irresistível de rosas acariciou seu nariz novamente. Um rápido olhar mostrou que ainda não havia flores nas proximidades e, em seguida, um pano macio roçando seus mamilos endurecidos a assustou. Pressão invernal agarrou seus picos eretos. Ela fechou os olhos e balançou a cabeça para trás como uma força deliciosa começou a se condensar em torno de seus seios. Hipnotizado pela sensação requintada, os braços amoleceram com a câmera em seu aperto, permitindo que o frio consumisse sua carne. A pastagem gelado suave atravessou seus lábios, por toda a extensão de sua garganta, e ao longo do cordão de sua blusa. Arrepios de frio à tona sobre o couro cabeludo e espalhando nas costas de seu pescoço, rolando ao longo de todo o seu corpo. A sensação de zumbido começou em suas coxas e subiu para cima. Suas pernas começaram a participar beliscando o gélido despertar dela e seus músculos pélvicos se contraíram. Seu corpo empurrou-se para baixo, acolhendo a sensação, e um baixo gemido irrompeu de sua garganta. O som de sua própria voz a despertou do transe, e as batidas do seu coração voltou-a a consciência. Vannah empurrou a câmera na bolsa e tirou o detector EMF. Seus dentes batiam quando ela virou-se, segurando-a na frente dela como uma arma carregada. O medo do caçador de fantasmas aumentou quando a agulha voltou correndo para frente e para trás por alguns segundos e depois parou. Que diabos estava acontecendo? Uma sombra atravessou a soleira de pedra, assustando-a. Seu coração disparou e ela tropeçou descer os degraus,


com os olhos voando freneticamente para trás e para a frente, olhando para o movimento, mas não o encontrando. Seus pés ficaram desajeitados e ela tropeçou em uma pedra plana e caiu para trás. Um calor súbito a cercou e ela fez uma pausa em meados de queda, suspensa sobre o poço escuro de uma sepultura aberta. Sem ar e aterrorizada, ela levou um momento para perceber que o calor era braços fortes em volta dela. De volta a seus pés, ela virou-se para encontrar Cameron, o guia, observando-a com uma expressão divertida. —Você está bem? — Ele agarrou seus ombros que tremiam. —Eu estou bem, eu só vi, tropecei. — Vannah tentou recuperar o fôlego, sua mente correndo com a loucura. —Você deveria ver onde você está pisando em um cemitério. —Eu não esperava, eu não sabia que eles ainda enterravam pessoas aqui. —Você sabe, é reprovável estar explorando tumbas à noite em torno destas peças. —Eu não estava atacando nada. Ela empurrou-se para fora de seu controle e pegou sua bolsa do chão, enfiando seu detector para dentro. Ela não estava nada contente com o meu equipamento que falhou nesse túmulo. Ela arrancou a blusa torcida e a arrumou no lugar. —O que você viu? — Seu olhar penetrante enviou uma corrente através de seu peito. —Nada, Eu não-não há nada para ver, vamos. —Ei, ei, espere. Algo te assustou. Diga-me o que você viu. Se ela não estava pulsando com terror, agora, ela pode realmente ter desmaiado sob o seu olhar.


—Você é surdo? Eu disse que não vi nada. — Ela se virou para ir embora. —Quem é Mark? Com uma sacudida quente, seu estômago se afundou e seus pés congelaram no chão. —Quem é Mark e por isso ele não pode respirar? Suas queimaduras no peito. — Cameron entrou na frente dela, bloqueando sua saída e esfregando seu torso com uma expressão contorcida. —Onde você... Stacia. Eu vou matá-la. — Ela engoliu saliva, assustada com a umidade do ar. —Ele está aqui, você sabe. Isso é o que você viu. — Ele falou com uma voz suave. —Isso é uma piada horrível. Pare com isso. — Ela passou por ele, em seguida, saiu correndo para o grupo. —Você está bem? O que diabos você estava fazendo? — O tom de sua irmã tinha preocupação, mas ela não foi até explicar. —Eu vou lidar com você mais tarde. —O que eu fiz? — Stacia agarrou seu braço. —Eu disse mais tarde. —Que diabos você estava fazendo no cemitério, afinal? —Deixe pra lá. — Ela arrancou-se das mãos de Stacia e girou para longe, muito chateada para fazer qualquer coisa.


Cameron andou até Vannah e parou com o que parecia uma expressão de desculpas antes de continuar até os espectadores conversando e retomou a sua narração ao grupo. —Muita gente comprou fazendas aqui, há um tempo atrás, pensando que seria o lar ideal de verão, mas a maioria fez as malas e saiu depois de ouvir o riso das crianças nos corredores vazios, sentindo dedos invisíveis acariciar seus rostos, e vendo garotas pálidas que parecem flutuam através de seus jardins. Esta rua tornou-se conhecida por suas casas abandonadas até que a cidade entrou em cena e eles a preservaram. Ele continuou com essa farsa de um Ghost Walk sem sequer olhando o seu caminho novamente. Ele falou sobre folclore e lendas como ele acreditava em suas próprias histórias dos mortos. —Por que é atmosfera tão do velho Savannah carregado de energia paranormal? Por que parece chamar seus espíritos de volta para casa? — Os espectadores encantados eram um bando de idiotas estúpidos escutando os violentos contos de um egomaníaco. A aura misteriosa das ruas escuras estava rastejando para fora. Suas histórias foram apenas torná-lo pior. O que ela tinha visto? O que aconteceu com o corpo lá dentro? Ofegos repercutiu profundamente em seu núcleo. —Um cidadão famoso foi reverenciado por suas festas suntuosas... Você está brincando comigo? Este; almas solitárias vagando eternamente, procurando um amor não correspondido, falso estava ficando


fino, e por isso foi a paciência. —De acordo com o folclore, a Sala 204 do hotel é assombrada. Fantasma de um homem é frequentemente avistado andando pelos corredores e de pé no final da cama, mesmo correndo água do banho e vasos sanitários. Ela prometeu a Stacia não chamar mais atenção para si esta noite, os arrepios de medo remanescentes foram um lembrete para obedecer, mas ela queria dar-lhe um pedaço de sua mente. —... Rastejando em pátios misteriosos, à espera de ajuda para atravessar... —Vannah? —Eu não quero ouvir isso, Stacia. —Não, Vannah, eu ... —Sério, cale a boca. —Eu não me sinto bem. O rosto de Stacia foi liberado. Gotas de suor cobria sua testa e desceram as têmporas, e o decote de seu vestido de verão estava escuro com a saturação, como se um calor sufocante consumia. A raiva de Vannah evaporou quando sua irmã pegou o braço dela. —Ah, eu vou ficar doente. — Stacia cobriu sua boca, cambaleou para o lado da passarela, e vomitou por cima da cerca de piquete batendo na calçada. —Oh, Deus, foi a comida? — Vannah pairou, segurando o cabelo de Stacia enquanto ela vomitava. O vomito de Stacia diminuiu e depois parou. Ela deu um passo para trás e se agachou, ofegando por ar. —Tudo está ficando nebuloso.


Vannah lutou para segurá-la, mas Cameron pegou-a em seus braços, quando seu corpo ficou mole. —Desculpe, gente, uma dama em perigo. Meu sócio vai continuar a turnê. Samuel, você pode consultar para os nossos clientes? — Sem esperar por uma resposta do homem de cabelo bonito, justo ao pé da multidão, ele começou a caminhar para trás por onde eles vieram. Vannah ia atrás dele. —O que você está fazendo? —Ela precisa se deitar. Ela precisa de um pouco de água fria. —Espera, onde você vai? —Minha casa é virando a esquina. —Nós não devemos levá-la ao hospital? Vannah sufocou as palavras através de sua garganta apertada. Ela trabalhou para segurar as lágrimas nas bordas de seus olhos enquanto ela corria, tentando manter-se com ele. —Ela vai ficar bem. Confie em mim. —Mas e se é uma intoxicação alimentar? — Ela puxou a camisa dele. Cameron olhou para ela com olhos de safira brilhando. —Não é uma intoxicação alimentar. Vamos, precisamos deixá-la refrescar. — Ele continuou, focado e inflexível.


Vannah sentou no chão de pedra calcária dura, observando sua irmã arremessar e virar no sofá de Cameron. O medo correu em seu coração, e sua própria pele estava úmida do ar da noite úmida. Cameron transportou em uma bandeja e colocou-a sobre a mesa de vime ao lado deles. —Aqui está um pouco de água, um pano frio e um termômetro. —Termômetro? —Ela está queimando, mas ela vai ficar bem. — Ele se ajoelhou ao lado Vannah e colocou o dispositivo na boca de Stacia. Vannah assistiu com os lábios apertados e entrou em pânico embora ela visse ele pegar o termômetro e examiná-lo. —Cento e dois;. Temos que levá-la esfriar — Ele levantou a pequena toalha. — Refresque-a com isso enquanto eu preparo um banho. —Banho? Quando ele passou-lhe o pano úmido, o calor de seus dedos contra a palma da mão abalou seu coração e mandou um bando de borboletas que dançam em seu estômago.

Uma hora depois, Stacia estava sentada no sofá de vime branco, almofadas vermelhas e inchadas colocadas à sua volta. Ela segurava um copo de limonada e a mão de Vannah. —Você me assustou. —Sinto muito, garota. — Ela colocou o copo nos lábios pálidos e tomou um gole. —Então, como está a nossa paciente? — Cameron entrou carregando um prato de biscoitos e queijo.


—Melhor, muito obrigado, me desculpe se eu arruinei a turnê. —Bobagem, era quase o último lugar. Além disso, Samuel estava lá para terminar. A maioria deles eram moradores e já viram de tudo de qualquer maneira. —Samuel? —Sim, ele é meu irmão e sócio de negócios o mais velho parceiro na Ghost Walk assombrada. Nós nos revezamos levando os passeios e ele faz a maioria das coisas de negócios. Ele me chama de 'o talentoso’. — Cameron sorriu um pouco. —Obrigado por ajudar a minha irmã. —Foi um prazer, minha senhora. — Com olhos sorridentes, ele deu um pequeno aceno de cabeça e piscou. Vannah encolheu ao ouvir essa palavra de novo. —Então, Stacia, a quanto tempo você sabe? — Ele colocou a mão sobre sua barriga plana. Stacia engasgou. —Como você sabe? Ele sorriu e tirou a mão. —Sabe o quê? — Vannah exigiu. —Cerca de uma semana. Eu não disse a ninguém, exceto meu marido, nem mesmo — Ela encontrou o olhar de Vannah e encolheu os ombros —Saber o quê? Stacia sorriu enquanto esfregava as mãos sobre sua barriga. —Querida, como você se sente sobre estar sendo chamado de tia Vannah?


—O quê? Pensei que não poderia, após a última ... —Eu sei. É um milagre. — Stacia estava brilhante. Ela olhou para Cameron. —Como você sabia? —Eu ouvi... Uh... De um amigo. — Ele olhou por cima do ombro para arco da porta vazio. A voz de Stacia abaixou. —Quem? —Bem, eu acho que não há como evitar. — Ele suspirou — Mark. —O quê? — Vannah pulou. — Do que diabos vocês estão falando? —Eu recebo essa resposta de um monte de gente — lamentou ele, com uma careta. —O que você quer dizer? — A voz calma de Stacia enfureceu a Vannah. —Eu sou médium, ou vidente, ou psíquico, o que você quiser chamálo. Eu posso ver e ouvir os mortos. — Movendo-se para a poltrona marrom ao lado da janela, ele se sentou na beirada do banco voltado para Vannah. Ele manteve os olhos fixos nos dela. —Psíquico? — Ela cruzou os braços sobre o peito. —Sim, eu recebo essa resposta de um monte de gente, também. —Mark está aqui? — Stacia virou a cabeça para olhar nos cantos escuros da sala. —Mas que diabos? Isso é algum caminho perverso para me fazer seguir em frente? Ele está doente. Pare com isso, agora! — Vannah marchou em direção à porta. —Savannah Grace Teale. — Cameron se levantou e foi em direção a ela.


—Do que você me chamou? — Ela congelou. A fragrância de rosas voltou junto com arrepios em seu couro cabeludo e coluna vertebral. —Eu sei que você não quer acreditar em mim, mas eu estou pedindo, não, eu estou te implorando, por favor, sente-se e me ouça. —Vannah, ninguém te chamava pelo seu nome completo, exceto... — A voz de Stacia tremeu. —Por favor. Apenas cinco minutos e eu juro por Deus, eu nunca vou incomodá-la novamente. — Obrigado por sua voz suplicante — Vannah caminhou até o sofá de vime e sentou-se ao lado de Stacia. —Obrigado. — Ele tomou um assento no pufe de couro marrom enfrentá-los. Seu olhar fixo nela, cheio de empatia e remorso. —Vannah, este dom, eu tive a minha vida inteira, e eu não posso simplesmente desligá-lo à vontade. Mark tem se comunicado conosco, sem parar, a noite toda. —Nós? — Sua raiva e confusão estavam empatadas agora. —Ele está tentando chamar sua atenção, mas, ele diz que você está tão teimosa, como sempre foi. —Isso soa como Mark. — Os risos nervosos de Stacia caíram no silêncio. —O que você está falando? — Sua voz cresceu grossa, dificultando a pergunta. —O cheiro de rosas, o toque em seu ombro, o sussurrar em seu ouvido. Ele disse que ele mesmo mudou sua carteira hoje à noite para chamar sua atenção. Quando você se assustou no cemitério, no incidente no mausoléu? Era Mark, o ar frio, a sombra em movimento, os problemas


elétricos com seu equipamento, tudo era ele. —Eu perdi minha carteira. — Ela contornou o resto dos seus pontos indiscutível. A sugestão de que ele sabia o que lhe aconteceu no mausoléu mandou um abrasador calor através de suas faces e suas veias pulsando. —Verifique se ela está aí agora. — Ele acenou para a bolsa por seus pés. —Isso é ridículo. —Vannah, verifique. — Stacia concordou com o incentivo. Vannah bufou e pegou sua bolsa, vasculhando, então parou quando seu coração saltou para a garganta. Ela tirou a carteira que tinha sumido. —Eu não estou fingindo. Ele precisava dizer algo. —O quê? — A metade esperançosa dela esperou. —Ele disse que o seu encontro... Amanhã... Ele quer que você vá com ele. Madame Evangeline sabia o que estava fazendo quando ela o ligou a você. É hora de deixá-lo ir. Ele quer que você comece a viver novamente. —Uau. — Ela balançou a cabeça. Sentada, ela olhou para o teto abobadado. —O quê, querida? — Stacia apertou-lhe o pulso. —Uau, vocês são bons. —O quê? —Há quanto tempo você vem planejando isso, Stacia? O que você fez? Contratou um ator? — Vannah retirou a mão, olhando para Cameron. —Eu não fiz nada disso. — Stacia chegou novamente perto dela, mas ela resistiu, evitando qualquer contato. —Claro que você não roubou minha carteira antes e colocou-a de volta agora? Como você não me tocou no ombro antes? Você não me arrastou


para esse negócio todo dia? —Vannah? —Não, você cruzou a linha. —Há algo mais. — Cameron levantou-se e caminhou em direção a ela. —Ok, Cameron, se isso é mesmo seu nome verdadeiro, o que VOCÊS dizem que Mark tem a dizer? —Ele diz que você está carregando um segredo desde aquela noite. A onda de choque e medo misturados com a raiva e angústia correulhe tudo de uma só vez, colocando cada átomo de seu corpo em chamas. —Cale a boca. Nem mais uma palavra. — Levantou-se, agarrando a bolsa contra o peito. —Ok, sem mais palavras, mas eu quero que você faça algo para mim. — Ele se aproximou dela, olhando para o rosto dela. —Oh você fez, hein? O que é isso? —Eu quero que você pegue a sua câmera e os outros equipamentos. Eu quero que você veja as gravações e faça as leituras. Quando você voltar para o Hotel Castillo, tire um tempo para rever os dados. Decida por si mesma se isso é real ou não. —Vannah? — Stacia a chamou. Vannah ficou boquiaberta com a calma de sua irmã. —Faça isso. Para sua própria paz de espírito, eu te desafio. — Stacia sabia como empurrar seus botões. Um desafio para seu ceticismo foi o suficiente para ferver seu sangue. Vannah enfiou a mão na bolsa e sacou sua câmera. Ela ligou, esperando uma bateria morta, mas o indicador mostrava uma carga completa.


Pressionando o botão de gravação, ela esquadrinhou o quarto. Cameron apontou para as janelas abertas e Vannah apontou lá, também. Uma rajada de ar ártico correu através de seu corpo tremendo. Um toque em seu ombro a deixou cambaleando, mas ninguém estava atrás dela. Um sussurro inaudível no ouvido dela estourou novamente quando ela girou para trás, de frente para eles. — Stacia, vamos. — Ela falou baixo e firme, tentando manter a voz calma e segurar os gritos de angústia que queimavam dentro dela. Stacia a seguiu para sair do quarto.

—Hum, até que correu bem. — Cameron soltou um suspiro, quando a aparição passou por ele. —Eu não achei que seria tão difícil convencê-la com tudo o que você compartilhou. —De alguma forma, Mark, eu não imagino que isso seja uma grande surpresa para você? Ela me parece uma mulher obstinada, opinativa que adere a suas armas. —Você tem esse direito. Espetacular, não é? — Cameron podia sentir paixão persistente de Mark por ela. —Para dizer a verdade, ela é um pé no saco. Teimosa, irracional — Ele fez uma pausa. —E então? — O fantasma brincalhão incitou-o.


—Magnifica. A imagem vívida de seus profundos olhos marrons persistiam através de sua visão. —Tudo deu certo, Mark, pare com isso. Eu cheguei ao ponto. Cameron estava na porta vazia, o espírito se foi novamente. —Como se ela fosse voltar depois disso.

—Então, quanto tempo antes de falar comigo? — Stacia chamou pela porta do quarto do hotel. — Por favor, não deixe uma mulher grávida em perigo. Abra. Vannah girou a fechadura e abriu a porta, olhando para o chão. —Você dormiu? Você parece uma merda. — Stacia entrou no quarto. —Muito obrigado. — Ela andou e se sentou na sua desgrenhada cama. —Então, qual é o veredicto, caçadora de fantasmas? Ele é uma fraude? — Stacia ficou na frente dela com uma provocação em seu tom. —Stacia? —Sim? —Só vou perguntar uma vez, e eu quero a verdade, não importa o quê. Ajoelhando-se na frente dela, ela pegou as mãos de Vannah nas


delas. —O que é isso querida? Você sabe que eu nunca menti para você, eu não vou começar agora, eu prometo. —Será que você armou isso? Cameron, quero dizer, você lhe contou essas coisas? Você pegou a minha carteira e colocou-a de volta? —Claro que não. Eu nunca iria machucá-la assim. Será que você viu as imagens da noite passada? Vannah baixou a cabeça e suspirou. —Sim, eu fiz. —E então? —Leituras como eu nunca vi desde que eu comecei essa coisa estúpida. —Então foi realmente Mark? —Talvez, eu não sei, a menos que você me tocou, não há outra explicação. —Não fui eu. Você vai voltar e falar com Cameron? —Eu não penso assim. —Por quê? Você ainda não acredita nele? —Eu acho que acredito. Mas depois do meu comportamento na noite passada, estou muito envergonhada. Eu fui terrível com ele. —Tenho certeza que ele entende o quão difícil foi para você. —Talvez antes de sairmos. Eu não sei. —Você ainda vai continuar com o seu encontro hoje à noite? Tenho certeza de que Madame Evangeline iria entender se você desistisse, dadas às circunstâncias.


—Não. Está na hora. Mesmo que eu não me divirta, é o primeiro passo, que eu tenho evitado por muito tempo. —Essa é minha garota. — Stacia se levantou puxando Vannah com ela, e a abraçou com força. —Bem, talvez eu devesse tentar e tirar uma soneca ou algo assim. Estou exausta. — Raiva amainando de Vannah veio como um alívio. —Onde você vai encontrá-lo? Não importa. Divirta-se e ligue para o meu quarto, se precisar de mim. Stacia se dirigiu para a porta. —Onde você está indo? —Eu estou desejando um bocado de tomates verdes fritos que servem por aqui, e talvez alguns picles, sorvete .... Quem sabe? Eu estou morrendo de fome. — A pele de Stacia brilhava. —Há quanto tempo Charlie sabe sobre o bebê? Stacia parou segurando a maçaneta da porta com o olhar mais feliz que Vannah já tinha visto em seu rosto. —Olhamos o teste juntos antes de eu sair para encontrá-la. —Estou feliz por vocês dois Stacia, tem sido um tempo difícil para você. —Tem sido uma longa espera para a felicidade para você, também, garota. Basta lembrar uma coisa para mim, ok? —O que? —A vida é muito curta para se desperdiçar com arrependimentos. Você está tendo uma oportunidade de ouro para seguir em frente com sua vida. Use-a bem. —Eu vou fazer o meu melhor, Stacia. Obrigado.


—Eu te amo, garota. —Eu também te amo, mas você ainda é um pé no saco. — Um lado da boca de Vannah recuou quando ela lhe lançou um olhar meio bravo.

Vannah parou na frente da porta de cobertura carvalho-aparado e diminuiu sua respiração. Seus nervos estavam causando estragos em seu estômago e peito. Prendendo a respiração, ela bateu na porta do quarto 1213. O som de clique da fechadura girando causou um rebuliço em seu estômago. A porta se abriu, e um aroma amadeirado de musk envolveu seus sentidos. Vannah agarrou o quadro para ficar em pé quando viu quem abriu a porta. —O que diabos você está fazendo aqui? —Você não vai entrar, senhora? —Pare de me chamar de senhora. — Ela passou por ele. Fechando a porta, ele se virou com um sorriso envergonhado. —Você sabia que era eu? — Ela largou a bolsa no azul royal e branca seda e sentou-se. —Não é exatamente assim, além do fantasma me dizer, não era difícil de adivinhar. Eu duvido que haja muitos encontros definidos hoje, aqui em Savannah por Eve.


—Eu não acho que posso fazer isso, não com você. — Ela balançou a cabeça e apertou a mão úmida sobre o rosto. O vestidinho vermelho quente, com as alças finas e baixas era um pesar mais definido agora. Assim como a sexy e preta lingerie rendada por baixo. —Sim, eu recebo essa resposta de um monte de gente, também. — Ele riu e se estabeleceu na cadeira de cobalto na frente dela. —Você recebe? — Ela lançou-lhe um olhar interrogativo. —Sim, é incrível como fantasmas podem mexer com a sua vida amorosa ou torná-la inexistente. Na maioria das vezes eu não consigo passar do primeiro encontro em um restaurante sem algum espírito saltar com uma mensagem ou duas. —Portanto, esta não é a primeira vez que isso acontece com você? — Tomando cuidado com o decote revelador, Vannah cruzou os pés nos tornozelos e manteve as pernas pressionadas juntas, cruzando os dedos e colocando-os sobre os joelhos apertados. —Não, é por isso que concordei com o 1NS. —O que quer dizer que você concordou? —Bem, meu irmão mais velho, Samuel, pensou que eu precisava de uma pausa quando o ultimo encontro que falhou. Um silêncio constrangedor encheu a sala. —O que você encontrou no vídeo? — Um sorriso unilateral iluminou seu olhar confiante. —O que você acha que eu encontrei? — Vannah se inclinou para a frente, desafiando-o. — Você disse que eu estava carregando um segredo? —Uh, sim, sobre isso... — ele gaguejou.


—O quê? —Eu acho que não há nada a perder, esta noite mesmo, então eu vou contar. —Eu estou esperando. — Ela bateu em seu salto agulha. —Você tem certeza que quer fazer isso agora? — Preocupação encheu sua voz. —Sim. — Ela não tinha certeza, mas uma aparência era valente. A fragrância familiar de rosas soprava com uma suave brisa. Vannah olhou para a janela fechada e estremeceu. O cheiro de flor atraente permanecia sobre ela. —Por favor, Cameron. Diga-me. —Ok, aqui vai. Mark diz que você foi a caça fantasma para enterrar sua dor. Você sentiu... —Senti o quê? — As lágrimas começaram a se formar, mas ela manteve sua postura ereta. —Se você não pode encontrar a prova de que os fantasmas existem então ele não poderia ficar com raiva de você, ele não te culparia pelo fogo. —Por que eu acho que ele me culpa? —Ele diz que você tinha feito o jantar a luz de velas para surpreendêlo na noite em que morreu. Ondas de angústia tomaram conta dela quando ele deu a exata, nunca discutida antes, jogo pelo jogo daquela noite fatal. —Ele disse que estava chateado porque tinha chegado do trabalho tarde, e você foi para a cama. — Cameron a olhava com olhos arrependidos. — Mark diz que se esqueceu de apagar as velas. Você teria morrido. Ele a salvou do fogo. — Seu olhar horrorizado caiu no chão, ele a levantou assustando em


suas coxas e parte superior do braço direito. — Oh meu Deus, Vannah, não foi culpa sua. Ele morreu salvando-lhe porque ele te amava. Ele não culpa você. Ele correu para ela quando ela deslizou de joelhos, chorando de desespero. Ele aliviou-se, pegou-a nos braços e apertou-a enquanto ela chorava. —Foi minha culpa. Eu o matei. Sinto muito, oh Deus, eu não quero viver depois daquela noite. — Ela se agarrou ao seu pescoço. —Há algo mais. — Suas palavras sussurradas a acalmaram um pouco. — Ele quer uma noite com você. —O quê? — Seu rosto endureceu com o choque. — O que isso significa? —Oh, Deus, como posso dizer isso sem ser ganhar um tapa? — Ele soltou e deu um passo para trás, sentado na cama king-size. —O que ele quer dizer? O que Mark quer? —Não fique louca, ok? —O quê? — Ela correu os dedos trêmulos em seu rosto, limpando as lágrimas. —No mausoléu — ele deu de ombros quando ela se encolheu —era ele. Eu nunca fiz isso antes, e o pensamento de que assusta para caralho. —O quê? — Vannah se ajoelhou na frente dele. O cheiro de rosas ficou mais forte. —Eu posso canalizar espíritos. Ele quer usar o meu corpo, para mais uma noite com você. Vannah ficou dormente tentando absorver o que ele sugeriu, em reverência. —Cameron?


—Juro por Deus, eu não estou enganando você. —Eu sei que você não está. É confuso, no entanto. Você não se parece nada com ele. Eu não posso nem imaginar... —Eu vou fazer um acordo, ok? — Sua voz chamou a atenção dela. — Eu nunca canalizei antes, porque o pensamento de dar o controle a outro me assusta, mas o espírito de Mark, ele está doendo para você. Eu vou ser o canal e deixá-lo se comunicar através de mim, e você faz o que você precisa ou quer. Pelo menos, então ele vai ter a chance de dar-lhe o encerramento para que ele possa ir para a paz. —Eu não entendo. —Espíritos que perduram e assombram muitas vezes por causa de negócios inacabados, questões não resolvidas. Eles não vão para a luz branca e atravessam. Ele está esperando por você, todo esse tempo. Você é o seu negócio inacabado, Vannah. O seu remorso, sua culpa, ele quer aliviar a sua dor. —Eu não sei o que dizer. Ela estava rasgada. Qual era o único desejo que alguém tem quando perdeu um ente querido? Só mais uma vez, mais um abraço, mais um “eu te amo”. Acreditar em tudo que ele disse foi um dado adquirido. Ninguém sabia sobre seus sentimentos de culpa. A ideia de falar com Mark, de estar com ele, através do corpo de outro homem era louco e escuro, mas tentador. —Obrigado. — Ela assentiu com a cabeça. —Apenas para constar, no entanto... — Ele sorriu. —O quê? —Se tudo isso não tivesse acontecido, eu teria tido muito... Êxtase por ter tido esta noite com você eu mesmo. Você é linda. —Você não é tão ruim, Adônis. — Ela sorriu.


—Huh? —Não se preocupe. Cameron deu uma piscadela e deitou-se. Depois de alguns minutos, seu corpo ficou mole. Ele parecia dormir depois se sentou ereto com os olhos abertos. Seu rosto parecia diferente, de alguma forma, sua postura, ele não se parecia mais com o Cameron. —Savannah? — Lágrimas escorriam pelo seu rosto bronzeado. —Mark? — Vannah levantou-se de joelhos e se moveu em direção a ele. Suas íris tinham mudado, tinham manchas marrons e verdes agora, não mais azul-celeste. —Mark, é você? — Ela jogou os braços ao redor de seu pescoço, apertando firme. —Savannah. — Ele chorou e agarrou-a, não a deixando ir. —Diga algo que só você sabe sobre mim, por favor. Eu preciso ter certeza. —Boneca bebê, eu sinto falta de seus afagos com seus pés, e você faz um pão francês médio, moça bonita. Um riso histérico explodiu de seus lábios enquanto ela chorava e ria ao mesmo tempo. Vannah segurou suas bochechas e levou em seu rosto, era Mark e ainda não foi. —Sinto muito, Mark, eu deveria ter... —Silêncio agora, bebê. — Ele pressionou um dedo sobre os lábios. — Não foi culpa sua. É assim que as coisas deveriam acontecer. — Oh Deus. — Ela o puxou para perto, agarrando-se ao seu pescoço e beijou seu rosto. —Eu não tenho muito tempo, mas eu preciso te contar uma coisa. —


Ele agarrou seus braços e segurou-a para trás distante o suficiente para capturar o olhar dela. —O quê? —Eu preciso que você saiba, o tempo que passamos juntos foi a melhor parte da minha vida. Eu não poderia ter pedido mais. Eu estava feliz, e eu te amo muito. A garganta de Vannah se fechou e os músculos de seus lábios tremiam enquanto tentava conter os soluços se formando. —Querida, já teve lágrimas suficientes. — Ele correu seus dedos polegares em seu rosto, afastando a umidade. —Você derramou muitas por mim, por muito tempo. É hora de seguir em frente. —Seguir em frente? — Ela balançou a cabeça com descrença. — Você está aqui. —Savannah, você é uma mulher nova, bonita, com uma luz tão brilhante. Eu não posso suportar a causa do seu escurecimento. Eu preciso de você para me deixar ir. Deixe de lado a culpa, a vergonha e o remorso. Como num passe de mágica, ela recuperou o controle de suas emoções e seu corpo novamente. As lágrimas pararam, e sua garganta relaxou enquanto ela respirava um pouco mais fácil. —Eu não posso explicar como, mas esta noite, esta viagem, esse encontro, era tudo parte de ajudá-la a se curar. Eu não teria feito nada de diferente naquela noite, ou em qualquer outra noite com você. Eu não tenho arrependimentos, além de um... —O quê? — Ela o olhou. —Meu único arrependimento é não ser sido capaz de chegar até você, mais cedo, para que você saiba. —O quê? — Um gemido residual percorreu seus pulmões.


—Sua busca desde que eu morri. Suas expedições de caça a fantasma. Estava à procura de provas, conexões. Este homem... — Ele apontou para o corpo de Cameron. — Ele é a única pessoa que estava por perto que podia ouvir ou me ver. —Essas coisas que aconteceram ontem à noite, o frio, o som no meu ouvido... —O cheiro das rosas velhas do jardim que nós plantamos na frente da nossa casa? Sim, isso era eu tentando chamar sua atenção. Não foi fácil. Você ignorou tudo que eu fiz você sentir. —Bem, havia uma parte em particular que eu não podia ignorar. — As bochechas de Vannah ficaram quentes. —Eu não pude resistir. —Eu não me importo. — Uma onda de vertigem percorreu seu peito. —O que acontece agora, Mark? Consumida com sua presença, ele embalou o rosto dela entre as mãos. —Quero saborear cada último segundo com você. Ela fechou os olhos, ouvindo suas palavras, sentindo o calor de suas mãos em suas bochechas. —Beije-me. Sua boca quente e úmida desceu em um curso em um beijo lento e apaixonado que fez se enrolar os dedos dos pés. —Oh, Deus, é você. — Ela se concentrou nas sensações, a trilha de seu dedo sobre os lábios, ao longo do pescoço e abaixo do peito. Os músculos de seu corpo respondiam às carícias suaves com intensidade familiar. —Eu preciso que você saiba, eu estou bem com isso.


—Com o quê? — Ela olhou para ele, não mais perdida em seu toque. —Eu estou bem com você estar com ele agora, hoje à noite, durante o tempo que você quiser ou precisar. —Com ele? — Ela recuou, confusa e um pouco chateado que ele iria se sentir assim. —Bebê, ele estava disposto a me dar seu corpo para que eu pudesse estar com você. Ele é um bom homem. Não seria certo para eu ficar mais tempo ou tirar proveito do presente que ele oferece. Eu tenho dito e feito o que era necessário. —Você não vai ficar? Você não vai estar comigo mais uma vez? — Seus lábios tremiam com desespero. —Por mais que eu queira, seria errado. —Por quê? — Sua raiva começou a vir à tona. —Porque isso não vai ajudá-la a deixar ir, Savannah. Seria dar-lhe uma falsa esperança, deixando-a ainda agarrado à minha memória. Seria egoísta da minha parte conseguir o que eu quero e deixá-la sofrendo por mim mais uma vez. Não, é hora de ir. —Mark... —Eu te amo Savannah Grace Teale. Eu sempre vou te amar. Prometame alguma coisa? Com as sobrancelhas baixaram e os lábios franzidos, ela balançou a cabeça. —Prometa-me que você vai tirar o máximo de proveito desta vida? Você vai amar incondicionalmente, você vai rir, muitas vezes, e você vai abraçar a fé que você tem através dos tempos difíceis. Você passou três anos rejeitando a esperança e tentando provar algo que você nunca acreditou, para começar. A vida é muito curta para desperdiçar com pesar sobre as coisas que


não podemos mudar. O passado é longo e está feito. Viva o aqui e agora. A calma que não sentia desde a sua morte se espalhou através de sua mente corridas. —Eu prometo, Mark. Eu te amo muito. — Ela sufocou as palavras. — Obrigado por todo o amor que você me deu. Obrigado pela alegria. — Outra lágrima rolou por seu rosto. —Eu tenho mais um favor a pedir. —O quê? —Esse cara, Cameron, dê-lhe um tempo, ok? —O que você quer dizer? —Todos os fantasmas já causaram estragos em sua vida sexual. Este corpo está faminto por satisfação. — Ele riu e apontou para sua calça esticada. — Tão pronto como um adolescente. Eu não estou brincando. Vannah desatou a rir com alguns soluços entrincheirados. —Ok, bebê. Eu vou fazer o meu melhor. Ele recolheu a última lágrima com o polegar e a olhava com ternura. —É hora de eu ir agora. Ele a puxou para perto, e agarrou-a de uma forma desesperada e convincente. Ele tomou seus lábios uma última vez, inflexível quando ela derreteu. Saboreando cada sensação de bem-aventurança requintada e agridoce de seu momento final com o homem que ela pensava que iria passar o resto de sua vida, Vannah valorizou o sabor persistente de seu beijo, a suavidade de sua língua varrendo, e a última sensação dele segurando seu rosto. Perdido em seu abraço, ela engasgou quando seu corpo estremeceu e ele puxou de volta.


—Vannah? — O corpo de Cameron caiu, fora de seu controle. Ele sentiu como se sua espinha virasse gelatina. Agora eu sei por que eu nunca tinha canalizado antes, e por que eu nunca vou fazer isso de novo. —Está tudo bem. — Ela aliviou-o de volta na cama e colocou um travesseiro sob a sua cabeça. Do lado de sua visão, ele pegou um vislumbre rápido de branco e, em seguida, a sala ficou um pouco mais clara. Ele respirou fundo, tentando obter a sensação de volta em seu peito e pulmões. A fragrância de rosas que pairou toda a noite tinha desaparecido. —Ele já se foi. — Vannah deitou ao lado dele, descansando a cabeça em seu peito enquanto ela acariciava sua barriga em redemoinhos com os dedos trêmulos, um pouco atento para o único sinal de qualquer perigo. A pouca sensação que tinha, começou num formigueiro com o toque de seu dedo. —Obrigado, Cameron. Ele tentou sentar-se, mas sentia como se tijolos estivessem amarrados às costas e ele caiu para trás sobre o travesseiro. —Oh homem, meu corpo sente como ele pesa um milhão de quilos. — Ele deu um tapinha para baixo sua camisa e calça, enquanto inspecionava a si mesmo. Ele tinha desmaiado e não conseguia se lembrar de qualquer coisa, desde o instante em que ele deixou Mark em seu corpo até este momento.


—Será que ele... Eu quero dizer que fizemos...? — Ele procurou sua memória para qualquer noção dos acontecimentos que tinha acabado de se desenrolar. Sua mente era uma página em branco. E isso era frustrante. Seu corpo poderia ter estado em êxtase, mas ele nunca saberia. —Nós dissemos adeus. Não aconteceu nada. —Você aconteceu nada? — Ele gaguejou. A dica de alívio começou a definir seu tom. —Você me deu um presente, Cameron. — Vannah se apoiou em seu cotovelo direito e olhou-o nos olhos com o calor do seu olhar castanho consumiu-o. —O que foi isso? — A criatura deslumbrante parecia brilhar quando sorriu para ele. —Estou me sentindo em paz pela primeira vez desde a morte de Mark. Por causa do que você fez para mim esta noite, agora eu sei que eu posso seguir em frente, sem culpa. — Sorrindo, ela traçou os dedos em seus lábios. —Vannah, O que você está fazendo? — Um sentimento feliz tomou conta dele com seu leve toque, mas Cameron sabia que ela só soltou o amor de sua vida. Após três anos de luto, ele deve ainda considerar a obtenção de seus desejos? —Ok, eu menti, algo aconteceu. —O quê? — Ele verificou sua roupa novamente. Seu coração começou a bater forte, ele ainda não conseguia se lembrar de nada. —Quer dizer que tinha, quero dizer, você fez sexo? —Não, eu deixei-o ir, e eu prometi para seguir em frente e tirar o máximo proveito da vida. —Você fez? — O sentimento de controle começou a voltar um pouco


de cada vez, primeiro por entre os dedos, depois os dedos dos pés, os pés e as mãos... A sensação de alívio trouxe um sorriso ao seu rosto enquanto ele observava. —Sim, eu fiz — ela ronronou. — Ele pediu um favor pessoal, também. —O que? — Cameron afastou uma mecha do cabelo macio de seu rosto. —Ele me pediu para te dar uma folga, você sabe, por causa de todos os fantasmas atrapalhando seus encontros e tudo mais. Cameron sorriu, balançando a cabeça, e ele caiu para trás sobre o travesseiro. —Uau, agora o quê? — Com um sorriso, ele conseguiu sua resposta não-verbal. Ela sorriu e arrastou seu dedo ao longo de sua mandíbula, na garganta e no peito apertado. A sensação latejante profunda assumiu seu peito e ombros com um breve tremor. —O que é tão engraçado? — Ganhando o controle de seus braços, ele ergueu a mão e passou os dedos ao longo de seus ombros e os braços expostos, admirando sua pele lisa leitoso. —Eu não tenho tanta certeza de que o fantasma fez um grande favor. — Ela deu suas palavras um tom baixo e abafado. —Por que não? —Vamos apenas dizer, eu tenho três anos de sexualidade reprimida para arrumar. Você está em uma viagem atribulada, querido. Vannah inclinou-se e baixou os lábios contra os dele, roçando-os com uma provocação. Cameron subiu para encontrá-la e ela se afastou um pouco com um sorriso petulante. —Quanto peso o seu corpo sente agora? — Ela olhou para baixo de


sua cintura. —Uh... —Não se preocupe, eu posso trabalhar com ele. — Ela riu e desceu sobre os lábios acolhedores. Vannah mergulhou a ponta da língua para as profundezas de sua boca, varrendo o interior com ternura. As palmas das mãos de Cameron embalaram seu rosto quente, puxando-a para mais perto dele. A doçura deliciosa de seus lábios era inebriante. Um choque de alegria o atravessou como ela aliviou-se para cima, deslizando uma perna sobre seu torso e subiu em cima do seu pau duro. Beijando com fervor, ela moveu os quadris em movimentos circulares, esfregando contra a roupa que os separava, sentindo o calor de sua umidade em sua dureza empurrando para cima dela. Agarrando as mãos do rosto, ela guiou até seus seios voluptuosos, amassando e colocando-a neles. Ela agarrou a borda de seu decote e puxou-o para baixo, permitindo que seus arredondados seios perfeitos saíssem para sua adoração. Os dedos de Cameron pegaram seus picos eretos e os pressionou e girou-os em uma dureza enlouquecedora. —Oh, você é tão quente — ele gemeu, apertando os montes carnudos com intensidade crescente. —Cameron? —Sim. — Saudou seus beijinhos suaves, buscando mais com os lábios. —Diga-me o que você quer? — Ela cantarolou em seu ouvido, em seguida, abriu uma trilha de beijos esfomeados ao longo de sua garganta, encontrando seu caminho de volta para sua boca ávida. —Oh, eu quero começar dentro de você.


—Conte-me mais. — Ela cantarolou, chupando e lambendo seu queixo com redemoinhos delicados. —Eu quero sentir seu aperto em torno de mim. —Oh, sim. — Ela sentou-se e levantou os braços. Cameron sentou com ela no colo e puxou o zíper frágil nas costas do vestido. Ele avançou a roupa até as coxas, além de seus quadris curvilíneos, e puxou-a sobre a cabeça e fora de seus braços, jogando-o sobre a cama. —Oh, isso é bom. — Ele acariciou a renda preta que se agarrava a corpo firme e atlético. —Eu estou feliz que você goste. — Ele sugou ao longo de sua garganta e para baixo através de sua carne exposta. —Agora, tire-o, Cameron. Ela guiou uma das mãos para baixo em seu corpo ao calor entre as pernas. Sua respiração acelerou enquanto seus dedos tiraram a calcinha do caminho, revelando seu úmido e convidativo monte. Cameron puxou o material para cima, sobre a cabeça, jogando-o para o outro lado da cama e passou os braços ao redor de suas pequenas costas, puxando-a mais perto de sua boca enquanto seus lábios viajaram através de sua carne quente. Correndo as pontas de suas unhas sobre os planos da sua volta, Vannah agarrou a parte inferior de sua camisa, atirou-a sobre sua cabeça, e assistiu-o com um sorriso enquanto segurava-o para o lado e deixou cair. —Sente-se melhor agora? — Ela arrastou seus dedos ao longo de seus braços, ombros e no peito e no abdômen, avaliando seu corpo. Ela mexeu os quadris, empurrando para baixo como ela fundamentar sua pélvis contra seu pênis inchado. —Eu acho que eu estou me recuperando muito bem, obrigado. — Roçando seus lábios sobre o peito onde os mamilos se projetavam. Sua língua


questionadora rodou em torno de seus picos rosados enquanto ele agarrou seu rabo apertado entre os dedos. —Qualquer chance que você esteja sentindo um pouco aventureiro? — ele perguntou, levantando a boca da sua carne. Ela emaranhados os dedos em seus cabelos, empurrando seu peito mais profundo em sua boca. —Aventureira? O que você tem em mente? — Ela deslizou seus quadris para trás e para frente, esfregando seu clitóris contra sua dureza. Cameron aliviou Vannah. Eles estavam de frente para o outro lado da cama quando ele se libertou da restrição de sua calça e agarrou-a pela cintura, pressionando contra ela. Ele se deliciava com a sensação de seus mamilos endurecidos roçando seu peito nu. Ele puxou seu joelho contra seu quadril. Vannah bufou com a excitação, quando ele esfregou sua rigidez contra sua coxa tremendo. Ele aliviou seu sapato e lançou sua perna, pegando o outro e fazendo o mesmo. Ele agarrou-a pelo pulso, rebocou outra rodada correu de beijos na boca e pescoço, em seguida, levado para a porta do pátio. —O quê? — Ela engasgou quando ele deslizou a entrada de vidro aberta. Ele a pegou em seus braços e beijá-la passeando em todo o limite.

O ar quente de verão roçou contra sua carne formigante, pois a trouxe com ele, os sons noturnos requintados de sapos e grilos cantando enchendo o ar da noite. Vannah recuou e viu a luz brilhante da lua cheia cercada por estrelas brilhantes de todo o céu. O som de água correndo cresceu mais alto quando atravessaram o enorme pátio do telhado em direção a um gazebo extravagante com uma coluna intrigante de vapor subindo em direção ao céu. O telhado estava em chamas com luz de velas e trouxe uma serenidade de luxo para o seu corpo pulsante. —Oh, este é o céu — ela gemeu quando ele a colocou em seus pés


pela primeira vez na aquecida água borbulhando e ela agarrou seu pescoço apertado, o beijo mais profundo e mais duro a cada respiração. Seus lábios não deixavam os dela quando ele passou por cima da borda, abaixou-se para a banheira de hidromassagem, e guiou-a para cima dele. Esfregou a ponta de pau em todo o clitóris e ela tentou abaixar-se em cima dele, mas ele segurou seus quadris para cima, apenas provocá-la com a cabeça. Vannah recostou-se, examinando o seu sorriso sarcástico. —Então é assim que é? — Ela desafiou a rir. —Não, não é assim. — Ele puxou seu cabelo úmido e levou-a aos seus lábios, enquanto a outra mão aliviou entre suas coxas, massageando as dobras exteriores de sua carne palpitante. Ela sentiu seu caminho até o comprimento de seu estômago buscando a sua oferta e acariciou-o com facilidade. —Oh, você vai buscá-lo. —Estou contando com isso. — Ela mordeu o lábio inferior, em seguida, deslizou sua língua em sua boca e recuou novamente. O olhar de Cameron disparou ondas de grande expectativa por seu corpo. A respiração nervosa saiu de sua boca quando ele puxou seus quadris mais perto dele e trouxe-a para a cabeça de seu pênis. Vannah agarrou seu pênis e posicionou-o, facilitando suas dobras inchadas e abertas. Seu coração estava batendo e sua respiração trêmula enquanto descia, sentindo a ponta deslizar em seu aperto. Ele puxou-a com força, enchendo-a e empalando nela. O calor da água jorrando frio contra sua pele em comparação com o sangue pulsando correndo em suas veias. Seu rosto ficou quente enquanto ela ofegava com pura alegria. —Oh, Deus, você é tão apertada. Os músculos de suas coxas ficaram tensos enquanto ela se movia para cima e para baixo, divertindo-se com seu ultrassensível corpo inundada


por ondas de alegria. Cameron agarrou a curva de seus quadris enquanto seus dedos cravaram em sua carne, puxando-a para ele várias vezes selvagemente. Com cada impulso batendo, água espirrava para fora em torno deles para o chão e as ondas balançaram violentamente, impulsionadas por seu movimento frenético. Uma onda crescente de espasmos irrompeu em seu núcleo quaando seu pau grosso inchou contra a parede interna rígida. O repetido girando contra seu ponto G trouxe mais intensidade a cada estocada, seus músculos apertados, ela apertou seu monte em torno de seu pênis empurrando, enrijecendo e soltando. —Estou quase, não pare, não pare — ela empurrou mais e mais rápido em cima dele. —É isso aí, Vannah, goza para mim. — Ele bateu nela enquanto ele enfiou a mão entre as pernas dela com habilidade e precisão e massageou seu nó endurecido, enquanto o outro braço em volta de sua cintura, ainda guiando o ritmo forte de seu movimento em cima dele. A sensação de bem-aventurada ampliada com cada movimento do seu dedo. —Goza para mim. Vannah. —Sim, sim, estou-uh-estou-oh Deus — ela gritou. Os espasmos explodindo em uma onda vulcânica de tremendo êxtase. Seu corpo estremeceu de prazer e seus músculos rígidos, em seguida, liberado como ondas de esplendor correram através de seu núcleo, e se espalhou por seu corpo tremendo. —Ah, sim, eu posso senti-la gozar. — Sua voz soou triunfante, sua respiração irregular em seu ouvido enquanto ele colocou a cabeça para trás, girando seus quadris contra sua buceta pulsante. Seu clitóris latejante enviou mais espasmos quando ele agarrou seu montículo inchado. Vannah aliviou e puxou-se para fora de seu pau duro para


ficar na frente dele, com a cabeça roxa escura balançando na frente de seus lábios ofegantes. —Eu quero que você goze na minha boca. —Oh sim, chupe o meu pau — ele gemeu quando ela embrulhou sua mão tremendo em torno de seu eixo e levou sua ponta grossa entre os lábios. Um profundo gemido, masculino construído no fundo de sua garganta e rugiu. Ela levou-o profundamente em sua boca e devorou-o com desespero. Ela deslizou sua dureza pulsante dentro e fora de sua boca, acariciando suas bolas enquanto ela chupava loucamente. —Oh, você é incrível. A força de suas mãos segurando a cabeça dela excitou enquanto ele se empurrava em sua boca. Seus dedos encontraram seu caminho passado as bolas dele e massageou o lugar magia indescritível entre seu pau e sua bunda, pressionando em sua carne. —Puta merda Vannah, é tão bom. Ela trabalhava no local com o dedo, ainda massageando seu saco. Exultante com o som de sua respiração irregular, ela tomou o comprimento de seu pênis profundamente em sua garganta e deslizou para trás e para frente, bufando entre cursos e chupando com insistência. —Uh-Vannah, estou pronto para gozar. — Ele engasgou puxando a cabeça mais perto. — Uh uh sim, assim bebê, porra... Ela ansiosamente saudou o fluido quente, salgado, uma vez que ele tocou sua garganta. O corpo de Cameron endureceu na liberação. —Uh-uh — Vannah sentiu seu corpo estremecer. Cameron agarrou seu cabelo, puxando-a para fora de seu pênis. Ela levantou-se de frente para ele. Seu ardente e insaciável olhar enviou um espasmo através de seu


núcleo. Ela não resistiu quando ele a puxou para sua boca, e beijou-a com força e profundamente, ofegando entre beijos. —Você é incrível. — Ele se preparou, caindo de volta no banco da banheira de hidromassagem. Vannah sentou em seu colo novamente, beijando seu pescoço e rosto, em seguida, fazendo o seu caminho de volta para os seus lábios ofegantes. —Então, como é você esteve durante três anos de recuperação? —Oh, Cameron. — Ela balançou a cabeça. —O quê? — Ele deu um olhar preocupado. —Eu disse que tinha três anos de sexualidade reprimida. Querido, eu estou apenas começando, eu disse que você estava em uma difícil jornada — Ela riu, estendendo a mão e acariciando seu pênis semiereto novamente... —Uau, o que é uma mulher. — Ele sorriu. — Que tal uma ducha fria? Nós não queremos ter uma febre, não é? —Talvez um pouco de serviço de quarto trazendo chocolate... Temos a noite toda — Vannah traçou sua língua ao longo do lado de fora dos lábios de uma maneira sensual. —Vamos lá. — Cameron saltou para seus pés. —Tão pronto como um adolescente. — Ela riu, olhando seu pau. —O quê? —Nada Adônis, mas faça-me um favor? — Ela levantou-se e segurou seu rosto bonito. —O que, minha senhora? Uh, quero dizer desculpe? — Cameron deu um sorriso malicioso em seu olhar desafiador. —Uh huh. — Ela sorriu. —Você vai ter a certeza de apagar todas


essas velas? Por favor? — Ela olhou em volta para as dezenas de chamas bruxuleantes. Ela poderia ter sido sobre o passado, mas ela não iria esquecer as lições que ele deixou para futuro. —Com prazer, senhorita Savannah. Seu sotaque causou arrepios na espinha.

Fim


O Presente de Madame Eva A História de Nick e Kathryn Por Kate Richards Véspera de Natal está finalmente aqui e o pessoal de Nicholas Castillo está cortado as árvores e adornando pelos corredores para a noite de Gala. Tudo está em prontidão e até mesmo Kathryn, o piloto que é responsável por transportar os hóspedes do 1NS de Madame de Eva para o hotel remoto no Castelo Alaska em suas asas para o feriado. Ainda melhor, ela é o encontro de Nicholas para a noite. Porque ela perdeu uma aposta. Mas ele vai ter um encontro com ela de qualquer maneira ele pode obtê-lo, porque Nick tem esperança de que o espírito de Natal irá ajudá-lo a conquistar a mulher que ele desejava e ansiava desde a primeira vez que seu avião pousou fora de seu hotel. Se ela não pensasse nele como um amigo. Kathryn se pergunta quando Nick vai dar uma dica. Ela está mesmo disposta a deixar de lado suas confortáveis roupas de voo para vestir um vestido elegante e sapatos de salto alto por uma noite se vai fazê-lo perceber que ela é uma mulher e atraente. Mas nos anos que nos que conhecem um ao outro, ela nunca teve a coragem de dizer a ele que ela está interessada, e por que um rico, bonito hoteleiro, e membro da família Castillo, estará interessado em uma mulher que raramente está em terra mais de um ou dois dias antes de voar para as florestas do interior do Alaska. Ele vai tomar uma dose de um encontro de Natal mágico, ou talvez este será o 1º engano de Madame Eva!


Capítulo Um Nicholas Castillo desligou o telefone e sorriu. —Jackson mandou os relatórios. Madame Eva está satisfeita conosco nesta temporada de férias, Kathryn. —Então todos os seus clientes estão indo bem? Nada de reclamações ou pedidos de reembolso? Sua convidada favorita e melhor amiga descansava nas profundezas do seu sofá do escritório, botas de trabalho apoiados em sua mesa de café, como de costume. Ele agradeceu aos céus que a maioria dos homens só via sua aparência cotidiana como mato-piloto, calças jeans e camisa de flanela, jaqueta aviador usada, e cachos vermelhos exuberantes domesticados em uma longa trança pelas costas. Embora, mesmo assim, seus olhos verde-ouro, bochechas rosadas e boca desenhada lhe rendesse mais propostas do que ele estava totalmente confortável. —Bem? — Seu tom impaciente chamou-o de volta para o presente. — Como foi? —O que? Oh, os casais do 1NS. Percebi um pouco de caos em um ou dois casos, mas você sabe como Eva é, ela parece antecipar os problemas e


saber, de alguma forma, que eles vão resolve-lo. Kathryn sorriu e um brilho malicioso iluminou seus olhos. —Nem todo mundo percebe instantaneamente que eles pertencem um ao outro. Alguns dos meus passageiros esta semana eram impossíveis, irritadiços, e fiquei esgotada, e não eram como pessoas prestes a embarcar na aventura de suas vidas! —Kathryn, nem todo mundo olha para a vida como uma aventura. —Bem, eles deveriam! Quando penso em como eles gemiam e reclamavam no avião. Querendo saber quando eles chegariam aqui e por isso é o passeio de modo irregular e não estamos servindo bebidas... Eles estão indo para o Alasca para o Natal, e eles não poderiam ficar muito mais perto do Polo Norte, sem um convite do próprio Papai Noel. Claro que ele entendeu o que ela quis dizer. Os passageiros que se referia, provavelmente, não estavam pensando sobre a localização, tanto quanto na noite que estava à frente deles. Mas Kathryn nunca parecia interessada em romance. Ela transportou mais uma vez convidados de pé e outros turistas para o hotel. Romance era apenas negócio para a mulher que ele sonhava para as longas noites frias do Alasca. Ele absorveu cada centímetro dela. —Você está linda hoje. —Oh, não me provoque. — Ela franziu o cenho, um olhar que enfatizou a covinha na bochecha esquerda. — Pareço como sempre, embora hoje à noite eu vá estar arrumada para esse caso que você está me


arrastando. Você sabe que eu nunca iria de gala e tudo, exceto por perder uma aposta. —A melhor que eu já fiz. — Ele sorriu, apreciando a forma como a sua indignação levantava à cor em suas bochechas. —Eu deveria ter pensado melhor antes de apostar contra a véspera. Seus jogos são todos vencedores. Ninguém me pediu para levá-los para casa ainda! —Você quer. Ele observou seu rosto, pensando, talvez que ele devesse pedir ajuda a Eva. Ele pensou que se resignou há muito tempo com o fato de que Kathryn viu-o apenas como um amigo. Conversas entre corridas para uma refeição, uma noite no quarto de hóspedes de sua suíte, e para o céu novamente pela manhã. Um rápido sorriso era tudo o que ele tinha dela, embora ele se irritasse que ela nunca deixasse de abraçar seu tio Aaron Jackson ou deixava de visita-lo. Por que não ele? Ela agia como se ele tivesse piolhos! Ele estremeceu com sua mentalidade do ensino médio. Talvez seus sentimentos fossem apenas uma paixão. Ele só estava pensando em como levá-la em sua cama e sua vida por... três anos. —Provavelmente é só o espírito de Natal. Amanhã eles vão acordar e perceber que têm todos os mesmos problemas que eles sempre tiveram. —Talvez... — Ele rodeou sua mesa e se juntou a ela no sofá, atrevendo-se a sentar tão perto que seus ombros se tocavam, sentindo uma pequena picada de satisfação com o contato. — Mas, pelo que ouvi, esses encontros de Madame Eva tem uma tendência a tornar-se permanente. Olhe para Jackson e Leah. Eles — Uma batida na porta o interrompeu. — Entre.


Sua secretária enfiou a cabeça para dentro. —Sr. Castillo, é meio-dia. Eu vou começar a me preparar para a festa agora. A menos que você precisar de alguma coisa. —Não, eu acho que estamos livres o resto do dia, Mamie. Vou vê-la esta noite. — Ela desapareceu, o ruído rápido de seus saltos desaparecendo pelo corredor. Ele balançou a cabeça com espanto. — Kathryn, o baile é às nove horas da noite. Quanto tempo ela pode, possivelmente, levar para se vestir? Ela deu uma risadinha. —Você é um homem! Ela provavelmente tem uma tarde no salão de beleza planejada. Esses cartões de presente que você entregou para a equipe em sua festa na outra noite são bons para todos os serviços do hotel. E ela provavelmente gastou a gratificação natalina em seu vestido. Ele engoliu em seco. —Todo esse dinheiro por uma noite? —Bem, é claro! — Ela tinha uma expressão indulgente e tolerante. — Eu acho que nem todas as mulheres são práticas como você. — Ele se levantou e puxou-a de pé. — Vamos almoçar na suíte e talvez assistir a um pouco de televisão. Eu não tenho qualquer trabalho para esta tarde, para que possamos relaxar até as festividades. —Claro, porque não? — Ela suspirou. — Vou levar um tempo para ficar pronta de qualquer maneira. Tem certeza de que não posso ir assim?


Ele a olhou de cima a baixo. —Tão atraente quanto você está nesses jeans desbotados e essa camisa linda de flanela com o cotovelo gasto, não. Você não se parece com a Sra. Noel. —Sra. Noel! Mesmo que você pense em si mesmo como Papai Noel, e com aquela barba — ela cutucou a barriga e ele grunhiu — você teria um tempo difícil me convencendo do fato, eu não sou uma gordinha e velha senhora ainda! —Você é o meu encontro. —Só porque eu perdi uma aposta. — Ela sacudiu a cabeça e balançou sua longa trança sobre o ombro, com um jingle. Um pequeno sino no laço de cabelo na parte inferior brilhou na luz. Parecia que ela tinha um pouco de espírito de Natal. Ele armazenou o conhecimento, caso ele pudesse usá-lo a seu favor. Ele só esperava que ela não fosse confundir um gesto amigável para uma abertura e arruinar o que eles tinham. — E eu suponho que inclui usar o vestido que vi no armário. —E os sapatos. Ele ficou para trás e viu quando ela saiu da sala, seu passo livre que a levou até o elevador. Linda, inteligente e muito independente para querer estabelecer-se com um gerente de hotel, mesmo se ele fosse um dos Castillos de muito sucesso... Um primo de Jackson e Mick Jagger levantou em sua casa como um irmão. Seus pais insistiram que ele tivesse uma educação e vida americana, apesar de sua própria relutância em sair de Cuba. Engraçado que ele ia acabar no norte do Castillo resorts e cada bocado tanto no amor com os


seus magníficos arredores como seus pais estavam com a sua casa na ilha. Mas Kathryn não ficou impressionada com seu status ou dinheiro. Ela tratou-o como um amigo, e ele se esforçava para fazer com que isso fosse o suficiente. —Você vem ou não? — Sua voz flutuou de volta para ele e sacudindose ele a seguiu. Sem brigas com o que não poderia ser mudado, ele não aceitaria ver sua amiga de confiança ir em direção ao elevador, sua forma esguia e balançando os quadris fazendo até mesmo suas roupas desbotadas serem sexy. Será que amigos platônicos passavam os dedos através do cabelo um do outro? Será que eles tinham um acidente vascular cerebral ao imaginar longas mechas de seda e pressionar os lábios na pele de cetim de sua amiga com curvas delicadas? Será que ela vai usar seu cabelo solto hoje à noite? Seus passos desaceleraram quando ele veio por trás dela, mãos apertadas em seus lados para não descobrir o que aconteceria se ele agarrasse a cintura dela e a puxasse de volta contra ele. O elevador se abriu e ela entrou, segurando a porta com uma mão, enquanto ele e uma mulher impressionante com os cabelos longos, lisos e negros do local embarcou. Ele soltou um suspiro de alívio. Se eles tivessem sozinhos, ele provavelmente teria dito algo estúpido ou pior. O espírito de Natal era uma coisa perigosa, tornando-o muito determinado a colocar o seu coração para fora. Se ela percebesse quantas vezes ele se virou para que ela não visse sua excitação quando ela se mexia, apenas andando em uma sala, ela provavelmente iria se sentir tão desconfortável que nunca ficaria em sua suíte novamente. E, patético como ele era, aceitaria o tempo que com ela pudesse ter, nos termos que ela escolhesse.


Capítulo Dois Kathryn viu os números acima de suas cabeças acenderem um por um até chegar ao piso superior. Nick estava ao lado dela, a centímetros de distância, mas não se tocavam. Como de costume. O homem alto e elegante formando um nítido contraste com sua própria aparência desalinhada com o seu modelo de meticulosa preparação e perfeição. Ela cheirou seu perfume sutil, lembrando-lhe da floresta em um dia nevado. Ele a superou. Ela não queria estragar suas roupas com um abraço rápido. Ela provavelmente iria manchar sua camisa imaculada com o óleo do motor que deveria estar em algum lugar. Os outros Castillos, também elegantes, pareciam mais acessíveis de alguma forma, apesar de serem tão bem cuidados e caramente vestidos. De qualquer forma, apesar de sua completa falta de contato físico, Nick era seu melhor amigo. E se seus mamilos e lugares secretos chegavam a se umedecer, quando se sentava no sofá em sua suíte assistindo filmes de terror no final da noite... Ele não precisava saber. Sua acompanhante no elevador desceu na cobertura, virando à esquerda, enquanto eles iam para a direita pelo longo corredor. —Ela era bonita, não era? —Huh? Oh, sim, muito. — Ótimo, é claro que ele gostaria de ter uma mulher assim. Claramente pertence ao Alasca, mas com uma elegância para combinar com a sua. — Outra cliente da Madame Eva. Então... Você gosta do vestido que


eu escolhi para você? E a cor? Está boa? —Sim, está tudo bem. — Lindo, de fato, um material verde, brilhante com um brilho de ouro, quando ela segurou-o contra a luz. —Eu dei a costureira uma roupa sua do armário para ela trabalhar, por isso devem se encaixar. —Nick, você fez isso por mim? — Lágrimas picaram suas pálpebras. — Isso foi um monte de problemas e deve ter sido tão caro! — Horror a atingiu. — Deixei um velho par de jeans e uma camisa de flanela. O que ela pensa de mim? Ele deslizou o cartão-chave através da fenda para abrir a porta, rindo. —Ela não disse. Eu também lhe mostrei uma foto sua, porque eu queria que o vestido combinasse com seus olhos. Ela parou atrás dele. No topo, à frente do prédio, sua suíte se destacava, tetos inclinados vigas abertas e janelas altas que davam para a entrada. Ela adorava se enroscar no assento almofadado perto da janela para esperar o sol de inverno se rastejar, lançando longas sombras em toda a extensão do mar congelado. Alguns dias após o solstício, a escuridão era descartada, mas ela ainda gostaria de encontrar um momento para sentar-se lá, sentindo-se como se estivesse na proa de um navio, o silêncio profundo do Ártico fazia a noite mágica. —Não temos muito tempo, o que você quer fazer? Ele perguntou. Ela começou com a pergunta, quase surpresa em dizer-lhe a verdade. Eu quero cair em seus braços e implorar que você me


beije sem sentido. Eu quero passar à tarde em seu quarto, nessa grande cama onde eu sempre me preocupo que você pode estar passando as noites frias com outra pessoa, porque eu não tenho a coragem de descobrir se você gostaria que a mulher se aconchegasse sob seu edredom com você fosse eu. Ela respirou fundo. —Eu só preciso de uma hora ou mais para ficar pronta. —Eu poderia ter um banho na piscina que é a sua banheira. Junte-se comigo? Ela suspirou. —O quê? Você está cansada? — Preocupação encheu seu rosto bonito, seus olhos tão escuros quanto o céu do lado de fora. — Talvez você devesse ter um cochilo. Teremos uma noite de festa. —Não, na verdade eu estou bem. Um banho está bem. — Sempre tão atencioso, consciente dela, como ele não poderia saber o que ela sentia por ele? Ou talvez ele não quisesse reconhecê-lo porque ele não estava interessado. Ela desceu até o banheiro e encheu a banheira, deixando suas roupas no chão e pisando dentro. A água subiu acima dos ombros e ela suspirou, aproveitando o calor penetrando em seus músculos e ossos. No frio na maior parte do tempo, ela apreciava o calor. —Kathryn? —Sim? — Ela se esforçou para sentar-se ereta. —Está tudo bem? —Você ainda está vestida? Eu tenho algo que eu quero dar-lhe antes


de entrar no banho. —Espere. — Ela puxou a longa cortina de linho em torno da maior parte da banheira. —Pode entrar. — O que poderia ser um presente tão importante que não poderia esperar até que ela terminasse? Depois de um momento, uma mão apareceu ao redor da cortina. —Use isso. Ele abriu a mão e deixou cair uma bola dentro da água. Começou a piscar, cores através da superfície da água, verde e azul e vermelho streaming, e o cheiro de erva doce e cítrico subiu no ar húmido. Eram pequenas estrelas? —Ah, é lindo! Você tem que ver. — Sem pensar, ela puxou a cortina para encontrar seu olhar atordoado. — Ops. Sinto muito. Enquanto as cores vivas rolaram na água, ele olhou para ela, seus olhos encheram-se com a intenção. —É uma bomba de banho. —O que? Seus lábios se separaram. Ele nunca tinha visto alguém tão adorável. —O que é? — Seu cérebro recusou-se a formar um pensamento coerente. — Você disse algo sobre uma bomba? — Ela sentou-se ereta com seus lindos seios descansando sobre a superfície da água. Ele estava vagamente surpreso que ela não os tinha coberto, ou lhe pedido para sair. Sua


língua saiu para molhar os lábios e o vapor fez as mechas de seu cabelo se destacarem em volta de seu rosto. — Nick? — seu pênis cresceu, pressionando contra a parte da frente da calça. Ele corou o calor subindo para o rosto quando percebeu que ele estava a encarando. Olhando para a parte superior do corpo de sua melhor amiga. Os redemoinhos multicoloridos se agarravam a sua cintura, disfarçando o que estava abaixo. —Desculpe-me, eu deveria ir. — Ele se virou, pronto para fugir antes que ela gritasse por socorro. Deus, o que ele estava pensando em vir com a desculpa de um presente que ele comprou para ela? —A bomba? Ele congelou. Kathryn agia como se ele entrasse e conversasse enquanto ela se banhava em uma base regular. Como ele deveria reagir? Ele se virou para encará-la: —Sim, eu... — e seu pé se enroscou na pilha de roupas no chão. Braços acenando tentando recuperar o equilíbrio, ele caiu na banheira, aterrissando com um estrondo e um grito. Seu grito... Um muito feminino. E os sons que espirraram foram de Kathryn saltando para seus pés e aterrissando ao seu lado. — Você está bem? Você machucou alguma coisa? Ele fechou os olhos, completamente humilhado. Ele poderia desaparecer no chão, se ele o desejasse bastante? Suas mãos macias acariciavam seus braços e pernas, verificando se tinha lesões, verificando-o para...


—Kate... —Nick. Espreitando através de seus cílios, examinou seu corpo vendo que sua mão estava contra seu zíper. O constrangimento sumiu, substituído por uma excitação que enviou todos os pensamentos sensatos para fora de sua mente, enquanto o sangue corria para seu pau, o transformando em uma pedra dura e exigente. —Nick, isso é para mim? Para ela? Ele engoliu com a garganta inchada com emoção e luxúria. Ele estendeu a mão para tocar seu rosto e olhar nos olhos amados. —Estamos sozinhos aqui... Para quem mais seria? Ela deu um tapa em suas calças e ele resmungou. —Droga, por isso, se alguém estivesse aqui seria para ela? Ou ele? Ele alcançou seu rosto e envolveu os braços ao redor de seu pescoço, puxando-a para perto dele. —Você realmente acha isso? Mantendo-a imóvel, ele observou de perto para detectar quaisquer sinais de oposição antes de tocar os lábios nos dela. Ele provou o chiclete de hortelã que ela sempre carregava nos bolsos para compartilhar com os passageiros cujos ouvidos não iriam aparecer. Doce e fresco. Ele moveu os


dedos em seu cabelo, em sua trança, e inclinou a cabeça para um melhor acesso à boca. Quando seus lábios se separaram, ele aproveitou para enfiar a língua dentro, acariciando a dela e incentivando-a a participar. Ela suspirou e respondeu e, por alguns momentos, ele perdeu o controle de tudo a não ser do calor de sua boca e da seda de seu cabelo enrolada em seus dedos. Então ela apertou as palmas das mãos contra os ombros e quebrou o beijo. —Nick, pare. Ele se esforçou para sentar, subitamente consciente do ladrilho frio sob suas costas. O que ele fez? Ele puxou as mãos para trás e tentou não tocála, foi difícil, quando seu corpo nu e úmido estava no seu, mas, em seguida, ela se sentou sobre seus joelhos e descansou as mãos sobre suas coxas. —Sinto muito, Kathryn. Eu não sei o que deu em mim. —Pare de se desculpar. — Ela mordeu o lábio e parecia considerar suas palavras. —Você me quer ou não? —Eu acho que o meu desejo é óbvio. — Ele não sabia o que ela queria que ele dissesse. Ele respirou fundo e mergulhou à frente, além de se afastar mais. — Mas eu preciso saber como você se sente. Ela estremeceu. —Eu me sinto fria. Eu vou esquentar de novo nessa água quente e psicodélica, graças a essa coisa bomba que você jogou aqui dentro. Se você quiser continuar essa conversa, eu sugiro que você se livre dessas roupas e se junte a mim. — Ela se levantou e ergueu a perna para o lado da banheira,


dando-lhe um olhar para seus lábios inchados e cor de rosa. Com certeza, isso foi uma surpresa. — Você vem? Ele ficou de pé e tirou sua roupa o mais rápido possível. Agora não era o momento para perguntar por que... Ele tinha que ir para ela. Depois de um momento, ele mergulhou um dedo do pé e puxou-o de volta. —Está quente! —Mmmm, sim, assim como você. — Ela piscou para ele e deslizou mais para baixo para que apenas sua cabeça ficasse acima do nível da água. — E é tão, tão bom. Venha que a água está boa. Ela explodiu em uma risada musical e seu pau latejou, balançando contra sua barriga. Cerrando os dentes, ele entrou e sentou-se na frente dela, sibilando quando a água chegou a suas partes íntimas. —Como é que você aguenta isso, mulher? —Oh, você vai se acostumar com isso. — Ela sorriu. — Então... O que você estava me perguntando? —Não há mais o que falar. — Ele tinha sido um cavalheiro, conteve-se por anos, e se este era o momento que a guarda estava baixa e ela queria um encontro de férias, ele ia levá-la, e em seguida, tentar convencê-la de que ele queria mais. —Venha aqui. Ela arqueou uma sobrancelha.


—Nada de eu implorar seu perdão? —Você me tem onde você me quer... Agora vem aqui e aproveite. Estou completamente à sua mercê. — Ele tentou mantê-lo leve, temendo que se ela soubesse o quanto significava para ele, ela estaria fora da banheira e lá fora em cinco minutos. Basta ir devagar! —Bem, eu não sei. — Ela passou as mãos através da água, capturando pequenas estrelas de prata na palma da mão. —Eu não tenho o hábito de sentar-me no colo de cavalheiros estando nua em uma banheira. —Como é que você costuma sentar-se no colo de cavalheiros em banheiras? — Ele chegou e capturou-lhe o pulso fino, puxando, e ela permitiu que ele a puxasse para ele. —Eu... Bem, eu não costumo... Sua perda de razão o encantou. A senhorita piloto completamente no controle tremeu sob seu toque e sua boca ficou seca. Ele esperou tanto tempo por algum tipo de sinal, qualquer indicação de que ela o via como algo mais do que um bom amigo. Por que agora? Lembrou-se de suas palavras anteriores sobre os passageiros que tinha trazido. É provavelmente apenas o espírito de Natal. Amanhã eles irão acordar e perceber que eles ainda tinham os mesmos problemas que eles sempre tiveram. Será que ela realmente falava de si mesma? Ele quase se convenceu a impedi-la, antes que fosse tarde demais, quando seu escorregadio, corpo liso chegou ao seu lado da banheira. Já era tarde demais. —Beije-me, Kathryn.


Ela obedeceu. Mesmo que fosse só por uma tarde mágica, ela pretendia aproveitar ao máximo. Mais assustada do que esperava, capturou em seu olhar os olhos escuros. Quando ele pegou seu pulso, ela colocou os braços ao redor do pescoço e segurou-se. Ela montou seu colo, seu pênis empurrando contra as dobras de sua vagina. Seus lábios a devoravam, sua língua saqueando sua boca até que ela teve que fugir para respirar. —Eu quero você dentro de mim. —Kathryn, eu não estou usando a proteção. Nós não podemos... —Eu não me importo! Ela não conseguia pensar direito. Depois de ignorar e evitar seus sentimentos por tanto tempo, ela jogou a cautela ao vento. Ela balançou os quadris sobre seu pau, que era como o aço envolto em seda, até que ele se ergueu um pouco. —Eu me importo. Ele deslizou-a para baixo até que a ponta de sua ereção extremamente grande enfiou entre as pernas dela e ela deixou cair uma mão para esfregar em torno de sua cabeça, saboreando seu suspiro. Uma ânsia que ela nunca tinha experimentado antes a oprimiu. —Vamos lá! Eu quero você agora. Por favor.


Ele segurou-a para baixo com uma mão em cada quadril. —Eu quero você, também, mas em um momento. Eu não estou satisfeito com a parte do beijo ainda. Impaciente, ela saltou, mas ele se manteve firme. —Nós já nos beijamos. Podemos nos beijar mais na cama. Ele moveu suas mãos pelo corpo dela, apertando-lhe a cintura em seu caminho para seus seios. —Não, nós apenas começamos. Soltando sua cabeça, ele pegou um de seus mamilos em sua boca e ela engasgou. Com longas voltas de seus mamilos e língua afiada, ele começou a mostrar-lhe o que ele queria dizer com beijos. E quando esse pico estava vivo com a sensação, ele mudou-se para o outro, sugando duro e terminando com uma mordida afiada que a fez saltar na ligeira dor e prazer incrível. Ainda descansando a mão sobre seu pênis, ela baixou-o para tomar um aperto firme e dar-lhe um golpe duro. —Mmm, Nick. Você sempre foi tão grande? Calor inundou suas bochechas. Que porra há de errado comigo? Eu sou uma aberração! Ele soltou seu mamilo com um pop, olhando para ela, morrendo de vontade de rir em seu colo.


—Bem, na maior parte da minha vida, sim. Você sempre teve um gosto tão bom? Diversão borbulhava em seu peito e explodiu de seus lábios. Ela caiu contra seu peito, rindo impotente, o seu próprio barulho sacudindo-a. Completamente fora de sua profundidade, ela só era assim com ele. Eles sempre tinham conseguido agradar um ao outro... Mas ela nunca tinha imaginado que seria assim que funcionaria com ele nu. Depois de algum tempo eles se estabeleceram, abraçados na água e nos braços um do outro. O mesmo desejo trouxe a incrível sensação de conforto que sentia ali, como se nada pudesse penetrar, nem sua independência feroz e necessidade de provar-se melhor do que a maioria dos homens. Era possível sentir-se tão pequena e delicada e sem medo, tudo ao mesmo tempo? Ele segurou-a para longe dele e olhou de cima a baixo. —Você é tão linda. Eu imaginava, mas... eu nem sequer cheguei perto. —Você pensou nisso antes? —Uma ou duas vezes. — Ele piscou para ela e ela deu um tapa no seu peito. —Estou falando sério. Eu preciso saber. Ele acariciou as mechas soltas de cabelo de seu rosto.


—Eu nunca falei mais sério na minha vida. Eu penso em você todos os dias. Eu sinto sua falta quando eu não te vejo e quando se senta no meu sofá, a oceanos de distância, eu tento ter assunto apenas para mantê-la na sala. —Você tenta...? —Mas isso não é suficiente, Kathryn. — Ele a empurrou de seu colo e se levantou. Saindo da banheira, pegou uma toalha da barra aquecida. — Vamos, eu quero você na minha cama. Ela engoliu em seco e forçou seus pés debaixo dela, se endireitando em suas gelatinosas pernas bambas. Ele envolveu-a na toalha quente e levantou-a da água. —Nick, isso realmente vai acontecer? —Deus, eu espero que sim. Porque se eu acordar e descobrir que é apenas mais um sonho, isso vai me quebrar. Ele entrou no quarto enquanto ela se agarrava ao seu pescoço, escondendo as lágrimas em seu peito. Ele a deitou na cama, como se ela fosse feita de vidro e usou a enorme toalha para seca-la, em seguida, puxou os lençóis e cobertores de onde foram dobrados no pé da cama para cobri-la. Com uma massagem rápida se livrando das últimas gotas de água de seu próprio corpo, ele se juntou a ela, virando-se para o lado e puxando-a contra ele. Quando ele a beijou, foi suave no início, toques suaves na testa e nas bochechas, na ponta do nariz. Finalmente os lábios, e ele manteve-se lento,


apesar dela se contorcer contra ele. Perdida nas sensações, o calor em seu ventre lentamente construído como uma lareira, o lugar feminino entre as pernas se infiltrou de umidade. —Nick, eu não aguento. Eu preciso de você dentro de mim. —Ainda não, querida. Eu quero que isso dure. Nós temos horas e horas para nós mesmos. Não vamos nos apressar. — Ele puxou sua trança. — Você pode desfazer isso? —Sim, mas eu tenho que me sentar. Ela empurrou-se contra os travesseiros e puxou a trança com o seu sino de jingle bell do fundo, começando a soltar o apertado e dobrado em cinco partes penteado, mas ele cobriu a mão dela com a sua. —Deixe-me fazer isso. —Tudo bem. — Ela se afastou dele, enquanto ele começou com o fundo, onde a trança estava apertada, movendo-se para cima, alisando as ondas enquanto as soltava. — É um incômodo ter o cabelo longo, eu tenho que mantê-lo assim ou ele vai acabar preso em um rotor ou algo assim. Eu deveria apenas cortá-lo curto e deixa-lo de lado. Um puxão afiado forçou-a a encará-lo. Ele tinha o cabelo enrolado em torno de sua mão. —Não se atreva. — Seu tom feroz a surpreendeu. — Eu queria enfiar minhas mãos nesta massa de material lindo o ano todo. Se você cortá-lo, eu nunca vou falar com você de novo. — Ele não disse mais nada, apenas continuou soltando a trança com uma profunda concentração. Quando foi


desfeita, ele ajeitou o cabelo sobre os ombros. — Cobre todo o caminho até sua cintura. Você nunca o cortou? Ela deu uma risadinha. —É claro que cortei. Quando era criança eu o usava muito curto. Mas desde que cresci, só apararei as pontas para mantê-lo limpo. Você realmente gosta dele? Nick acariciou o comprimento, o seu cetim ondulado, com destaques de ouro no vermelho escuro brilhando à luz do abajur. Hipnótico, do jeito que o sentiu sob as palmas das mãos. E Kathryn arqueou em seu toque, tremendo de novo. —Você tem que perguntar? — Ele abriu o cabelo em duas partes, com foco na brancura perolada macia de suas costas. Ele queria sua boca em todas as partes dela e começou beijando seus ombros, em seguida, moveu-se para sua coluna. Sua cintura era fina e pequena, mas seus quadris eram arredondados e agradáveis. Ele segurou suas nádegas, apertando, e ela gemeu. Ele deslizou seus dedos em sua boceta, seu creme molhou seus dedos. Seu pau se contorceu, tão duro que era quase doloroso. — Eu vou pegar a proteção. —Volte muito rápido. Seu tom estrangulado o fez sorrir. Ele saiu da cama e caminhou até a sala, o pau balançando diante dele como uma varinha de condão pornográfico. Ele havia comprado uma caixa de preservativos, vários meses antes, na esperança de uma oportunidade dessas. Mas ele nunca tinha esperado que isso acontecesse e ele não queria que ninguém a não ser ela, então ele colocou-os em algum lugar. Mas onde? Código vermelho. Onde estavam as coisas do


caralho? Ele começou a refazer seus passos − ele trouxe de volta a partir de Anchorage em seu avião depois de um longo fim de semana passado em sua companhia. Lembrou-se de sentir-se culpado, enquanto ela pilotava para casa com sua carga de produtos ilícitos comprados com ela em mente. Ele também tinha comprado alguns brinquedos... Mas eles podiam esperar até a próxima vez, e ele faria o seu melhor para ter certeza de que usaria cada um deles. Se ele não encontrasse a caixa nos próximos dois minutos, ia explodir exatamente onde estava. Sabendo que ela estava nua em sua cama, molhada e esperando por ele... Uma batida o assustou e o enfureceu. Agora não! Provavelmente, seu assistente querendo uma aprovação final para a configuração de gala. Ele abriu porta e rosnou. —O quê? —Uh — o mensageiro uniformizado virou a cabeça de lado, estendendo um belo presente de Natal envolvido. — O conselho enviou isso, senhor. Ele veio no avião mais cedo, com instruções para entregar diretamente na sua suíte. Aparentemente, ninguém reparou nele com todo o trabalho sobre a festa, por isso só vi agora e trouxe-o imediatamente. O homem estava balbuciando. Nick pegou a caixa. —Obrigado. — Ele chutou a porta fechada e deixou o pacote no chão. Onde está o maldito... —Quem era? — Sua deusa estava na porta, nua, com os olhos arregalados. Ele a olhou de cima a baixo e gemeu.


—Era apenas um carregador com um pacote. Volte para a cama. Eu estarei lá assim que eu encontrar os preservativos. — Seus olhos a devoravam. Se ela não saísse, ele iria lidar com ela e enterrar-se dentro dela no calor do chão, com ou sem preservativo. Ela piscou. —E você abriu a porta... Assim? —Assim como? — Ele seguiu seu olhar. — Oh, meu Deus. Ela gargalhou, andou até o sofá e caiu sobre as almofadas. —Bem, isso deve virar assunto entre os funcionários em cinco minutos. A menos que ele esteja muito chocado para falar. —O que eu estava pensando? —Você não estava. — Ela segurou seu estomago e suspirou, com lágrimas escorrendo pelo seu rosto pelo riso. Ela apontou para seu pênis inchado, apenas um pouco menos duro por sua vergonha. —Ele estava. —Ótimo. — Se isso vazasse, ele teria que explicar ao tio e ao Jackson o por que todos os que trabalhavam para ele riam quando ele entrava em uma sala. Talvez ele devesse se transferir para o Chile. Isso deveria ser longe o suficiente... Não, uma história tão boa iria viajar por toda a empresa. Ele inalou e soltou um suspiro. —Eu sou uma piada agora. —Ahhh, vamos ver o que ele trouxe. Ver se valeu a pena. — Ela descansava contra o encosto do sofá, tão à vontade em sua nudez, tão perfeitamente linda.


—Não estou brincando. Ele tirou os olhos dela e desamarrou o arco, puxada para trás o papel. A caixa simples não deu nenhuma dica de seu conteúdo até que ele abriu a tampa. Dentro havia um envelope e dois pacotes menores igualmente embrulhados. — Um quebra-cabeça. — Ele levantou o envelope e o abriu. A nota dentro dizia: Você tem a sua chance. Pegue-a. Outra folha de papel dobrada caiu e ele leu a nota curta e balançou a cabeça. Como diabos...? Em estado de choque e fogo brando pela euforia, substituiu os dois e pegou os presentes. Ele estava pensando em pedir ajuda a ela e Madame Eva já estava agindo. —Vamos lá, vamos abrir estes na cama. — Ele caminhou de volta no quarto e levantou as cobertas. Quando ela deslizou entre os lençóis, ele a seguiu. —Aqui, você abre um presente. Ela pegou a caixa e desembrulhou. —Preservativos. Exatamente o que eu queria! Mas como... —Magia de Natal. Ele a puxou contra ele e beijou-a mais e mais, segurando seu corpo doce próximo ao dele, animado e nervoso. Finalmente, ela o empurrou de volta.


—Coloque um, Nick. — Ela puxou um pacote laminado para fora da caixa e entregou para ele. — Por favor, eu preciso de você dentro de mim. —Ainda não. —O quê? — Era a segunda vez que ele ouvia Kathryn gritar como uma menina. Ele sorriu. —Eu não abri o meu presente ainda. Ela olhou para ele. —Agora? Não pode esperar? —Eu não penso assim. Ele gostou de sua indignação quando ele levou mais tempo que o necessário para retirar o papel para revelar uma caixa de veludo preto. — Eu tenho que te pergunta uma coisa primeiro. O foco dela estava na pequena caixa em suas mãos. Ele não achava que ela estivesse respirando. Mas, então, nem ele estava. O homem nu e insano caiu de joelhos ao lado da cama. —Kathryn, eu me apaixonei por você na primeira vez que seu avião pousou aqui. Durante três anos, eu esperei uma chance para te dizer isso.


Ela agarrou o edredom até o peito. O ar parecia mais denso de alguma forma. Realmente difícil de inalar. Poderia Nicholas Castillo realmente estar prestes a... —Case-se comigo. Ele pegou a mão dela, mas ela não conseguia se mexer. Ele havia proposto. Ele realmente fez isso. Seu amor não correspondido e paixão eram... Correspondidos? Qual era mesmo a palavra? Ela não se importava. Ondas de alegria a deixaram tonta, o mundo nadou em sua visão, e sua voz soava distante. —Kathryn? Ela sacudiu a tontura. Podia ser magia do Natal, ou delírios de férias, mas ela iria agarrá-lo com ambas as mãos, mesmo que uma parte de seu lado pratico estivesse emergindo e se interpondo entre eles. —Nick, eu não sou mulher convencional. Mesmo se eu fizer do hotel minha base, eu vou ter que viajar muito. E eu não sei cozinhar, e eu sou uma pateta. Eu quase te matei com aquele monte de roupa que você tropeçou. Ele se levantou e sentou-se ao lado dela na cama. —Não importa se você está em Juneau na segunda-feira ou em Anchorage na quinta-feira, você está no meu coração todos os dias. Eu quero casar com você porque eu quero gritar meu amor por você para o mundo. Eu quero que todos saibam como estamos felizes e como eu te quero. Eventualmente, quando você estiver pronta quero ter um filho ou dois... Ela deu de ombros e soltou sua mão, dando as costas para ele. Sua


voz baixa e trêmula. —Eu provavelmente seria uma mãe terrível, Nick. Eu não quero desistir de voar! Você deve pedir a Eva para combiná-lo com um bom par. Talvez alguém com um grau de hospitalidade que seria capaz de ajudá-lo no negócio? Alguém cujas roupas não estão cheias de óleo. —Nunca. Eu não quero cortar suas asas. Se tivermos um bebê ou dois —, ele riu quando ela se virou para encará-lo, terror em seus olhos, — Eu estou aqui o tempo todo, um perfeito pai para ficar em casa. E não há nada que nossa equipe gostaria mais do que um pouco de Kathryn diariamente. Ela respirou fundo e soltou o ar, em seguida, afundou. —Oh, Nick. Ok, querido, eu estou farta de lutar com você. Se você pode aceitar um vôo livre, a mulher que quase nunca esta casa, que não sabe cozinhar, não limpa e só é realmente boa no quarto... Eu te amo demais para argumentar mais. Se você não sabe o que é bom para você, quem sou eu para impedi-lo? — Sua visão ficou turva e as lágrimas escorreram por suas bochechas —. Nick Castillo, eu me apaixonei por você na primeira vez que te vi. Eu ficaria orgulhosa e honrada em ser sua esposa. —Estenda a sua mão. Quando ela obedeceu, ele empurrou o anel de ouro decorado com uma grande esmeralda verde escura em seu dedo trêmulo e beijou-a. Ela olhou para o anel e para seu rosto, atordoada. —Quando você comprou isso? Ele deu de ombros.


—Mais de um ano atrás, mas alguém aparentemente pegou isso na minha caixa de segurança em Anchorage e enviou-o hoje. Ela esfregou a pedra e depois sorriu. —É realmente lindo, muito melhor do que simples e frios diamantes. —É exatamente a cor de seus olhos, e já que você não vai usá-lo quando estiver voando, por que não ter uma grande e linda esmeralda para quando você está em casa? — Ele puxou para perto e passou os braços em torno de ela. — Você me fez o homem mais feliz do mundo, sabia? —Espero que sim, porque eu tenho a melhor parte deste negócio. Eu amo você, Nick. — Mais lágrimas desceram pelo seu rosto —. Eu não acho que possa dizer o quanto. Ela fungou e ele sorriu. —Eu te amo, Kathryn. Eu sou o grande vencedor aqui. — Ele se inclinou para beijá-la. — Agora é oficial. —Nós podemos nos casar no verão, ou talvez no próximo outono... Ou daqui a um ano. — Ela lambeu os lábios e não conseguiu olhar em seus olhos. — Não se apresse. —Hmmm. Ele a empurrou de volta para a cama. —Eu acho que nós deveríamos ter uma vantagem sobre a lua de mel.


Seu desejo foi subjugado por alguns instantes por um excesso de emoção, rugiu de volta e ela enrolou as pernas em torno dele. —E sobre a camisinha? —Ah, certo. Ela o deixou livre o suficiente para ele embainhar seu pênis antes que ele se posiciona-se entre suas pernas novamente. Ela sempre esperou por este momento e quando ele deslizou para dentro, ela gemeu. —Eu te amo. Ele arquejou, empurrando mais profundo. —Eu também te amo. Eu não sei o que é mais surpreendente, dizendo isso ou quão apertada e quente você é. Ela balançou os quadris e ele afundou até as bolas profundamente. Empurrando uma e outra vez, ele a levou ao limite, chegando finalmente a esfregar o dedo contra o clitóris e enviá-la ao longo da borda direto para o clímax. Quando ela gritou o nome dele, ele acelerou e os gemidos dela aumentaram quando ele gozou em seu calor. Ela o abraçou, saciada e feliz, à deriva em um sono leve enrolada nos braços de seu melhor amigo, seu amante... Seu futuro marido.


—Apresse-se, Kathryn. Vamos chegar tarde e eu tenho que abrir a bola. Sua onda de risadas escorregou do quarto de hóspedes, onde ela tinha insistido em se arrumar sozinha. Levando em conta que tinha levado três tentativas para sair da cama após a sua tarde de cochilo e sexo, ela provavelmente estava certa. —Está pronto? —Claro que eu estou. Ele soava como um marido. Ele pegou o envelope da caixa e colocouo no bolso interior. Kathryn surgiu, seu cabelo caindo em ondas longas até a cintura, como ele pediu. O vestido de baile tomara-que-caia verde cintilante exibia os ombros brancos e as principais curvas de seus seios, sua cintura fina, então descia até o chão. —Olhe os meus sapatos. Ela estendeu um pé fino confinado em uma sandália de tiras de salto alto e ele ficou duro novamente. Engraçado, ele nunca foi um homem ligado em pés. Mas então, tudo sobre Kathryn tinha esse efeito sobre ele. Ele aproximou e tomou-lhe o braço. O espírito da época o enchia, a licença de casamento em seu bolso era um presente surpresa para sua esposa. Como Eva conseguiu um, ele não tinha ideia. Mas seria um feriado que ele nunca esqueceria, nem ela. A magia do Natal somada a de Madame Evangeline era uma força incapaz de ser impedida, mesmo que ele quisesse tentar.


Capítulo Três —Bem, está feito, Jackson. — A voz de Eva estava cheia da felicidade e malícia que sentia em um momento tão especial. —Eles pareciam tão felizes. —Leah vai ficar muito animada. Nick é particularmente o primo favorito dela. Ela vai ficar muito chateada por ter perdido o casamento de Nick. —Nós não poderíamos esperar já que Kathryn é muito escorregadia. Uma vez que ela disse sim, Nick arrastou-a até o altar. E quando eles se beijaram, fiz tudo que pude fazer para impedir-me de chorar. Eu gostaria que você pudesse estar aqui. —Bem, obrigado por nos avisar. Vamos enviar-lhes os nossos parabéns pela manhã. —É isso mesmo, a diferença de tempo. Eu espero que você não estivesse dormindo. Sua risada aqueceu o coração dela. —Não, apenas aproveitando uma garrafa de vinho, vamos comemorar o feriado. —Jackson, seu diabo. Bem, corra de volta para a sua adorável esposa e lhe dê meu comprimento. Você sabe, eu sempre quis ser a madrinha.


—Você é a fada madrinha de metade da população, deixe que seja o suficiente por agora! Não se apresse com a gente. —Leah será uma mãe maravilhosa. —Um dia... Como é que a festa está indo? —Mudando de assunto, mas é o melhor de sempre, eu acho. A música, as decorações... os casais felizes. —Talvez no ano que vem nós vamos acompanhá-los. Aproveite a festa. —Joyeux Noël1, Jackson. —O mesmo para você, Eva. Você fez Natais bastante alegres para outras pessoas. —O prazer é meu.

FIM

1

Feliz Natal em Francês.


O topo no Natal Christi Snow

Tudo o que ele quer para o Natal ... É hora de Mark Cummins sair do armário. Ele está pronto, mas ele nunca foi um passivo na cama. Perguntando a Madame Eva para o caso de uma noite de suas fantasias, ele espera que ela possa conceder o seu desejo de Natal.

Ele é um cavalheiro menos do que alegre ... O Parceiro de vida de Jason Wieland morreu em um crime de ódio terrível dois anos antes e ele não tomou um amante desde então. Ele sabe que é a hora, e ele estende a mão para o 1NS, um serviço de encontros para encontrar o homem certo para iluminar seu feriado. Mas quando Mark, um masculino, sexy e extremamente hetero mostra-se, ele não sabe o que fazer. É este 1NS uma piada cruel ou talvez tenha Madame Eva realmente trabalhado a magia de Natal?


Conto de Natal

—Molly , o que estou fazendo aqui ? Jason Wieland estremeceu com o desespero na voz dele e perguntou se ela podia ouvi-lo através do telefone celular . Ele olhou ao redor da entrada do hotel de Las Vegas ricamente decorado . Deus, ele não podia acreditar que ele já tinha considerado isto como uma boa ideia . O que ele estava pensando ? Seu estômago revirou de novo e ele considerou de ir até seu quarto de hotel e esquecer toda a idéia . — Jason , você está sendo um covarde .— Disse Molly . — Jon não iria querer que você se tornar-se um monge. Você merece isso. Você está com somente trinta anos de idade e já se passaram dois anos desde seu assassinato . Você já beijou outro cara desde então ? Ele encostou a testa contra a coluna de mármore frio que ele estava se escondendo atrás . — Não , eu não . — ele sussurrou. Sua voz baixou . —Bebê, é hora de deixar ir e seguir em frente . —Eu sei , mas eu não tenho certeza sobre isso . — Ele apreciava a preocupação de sua melhor amiga . —Um caso de uma noite , embora ? Isso não se parece ... eu não sei , desprezível para você ? Seu suspiro viajou facilmente através das linhas telefônicas . —Nós já conversamos sobre isso . Madame Eva tem uma reputação incrível para encontrar os casais certos e não é como se você está esperando um felizes para sempre depois daqui . Você só está recebendo um presente , por assim dizer . Esperemos que , para você , esse presente seja lindo e sexy . — Ela riu


da sua própria piada , mas o riso terminou abruptamente . Ele sabia o que aquilo significava e gemeu internamente , se preparando para sua próxima declaração . —Apesar de que faz pensar em uma pergunta que eu nunca pensei em perguntar antes. Eu suponho que você está procurando um garanhão , mas eu nunca perguntei . Você é o ativo ou o passivo quando você ... ? — Molly ! Eu não vou te dizer isso. — Ele revirou os olhos , exasperado , embora ela não podia vê-lo . — Algumas coisas , mesmo para os melhores amigos , estão fora dos limites . — Ok , ok , muita informação. Sinto muito . Não fique bravo . Eu estava apenas curiosa . — Sua risada flutuou através das linhas telefônicas. — Perdoe-me ? —Sempre. Se eu não te perdoar , quem mais poderia sair comigo nas noites de sábado ? —Exatamente , você nunca vai encontrar um melhor amigo com uma tão patética vida social como é a sua , você está preso comigo . Falando nisso , não se esqueça que você prometeu para vir a minha festa de Ano Novo . Talvez você possa trazer seu encontro . Ou melhor ainda , eu poderia encontrar um pra você ? Seu estômago deu outra volta . —Molly , por que você não me deixa passar por essa experiência humilhante primeiro antes de me empurrar para outro , ok ? —Tudo bem .Vai ter seu encontro quente , se não vai ser por você que seja pela simples razão que eu quero viver através de você . Ele riu suavemente. — Eu estou contente que eu possa servir como alimento para as suas fantasias . —Eu desejo . Você sabe o quanto seria mais fácil o nosso relacionamento você fosse hetero? Então, nenhum de nós teria que se


preocupar com isso . Nós poderíamos ligar e esquecer todos os outros problemas . — Infelizmente para você , eu não balanço dessa forma . —É uma pena . Mas é por isso mesmo que você deve fazer isso esta noite . Pelo menos , faça-o por mim e , em seguida , amanhã ligue-me para que eu possa fantasiar sobre como gostaria de ter um cara sexy na minha cama . —Você não vai estar na casa do seu pai para comemorar o Natal ? —Sim , mas eu posso fugir para ouvir sobre sua noite. Além disso , eu vou estar pronta para um intervalo . Mark se esquivou do Natal com a família este ano , então eu vou ser o foco dos esforços casamenteiros da minha mãe . Ligue e me de uma desculpa para escapar , mesmo que seja apenas por alguns minutos . —Ok , eu vou . — Ele ajeitou a gravata roxa e seu estômago deu uma cambalhota novamente. —Felizmente , eu vou ter algo de positivo para compartilhar . —Não se preocupe . Você vai. Você vai ter uma noite incrível . Feliz véspera de Natal , Jason . —Feliz Natal , Molly. Eu sei que não parece isso agora , mas eu estou feliz que você me empurrou para isso .

Mark Cummins olhou para o convite gravado mais uma vez. Madame Eva pede a sua presença no Castillo Resort & Hotel , Las


Vegas , dezembro de vinte e quatro , 17:30 PM no quarto Royale Bar & Dining , onde sua fantasia secreta ganhará vida . Preste atenção para o homem com uma gravata roxa .

Ele provavelmente cometeu um grande erro em vir , mas não pode resistir ao fascínio de sua fantasia secreta . —Você gostaria de um outro ? Olhou para do seu copo vazio para a bartender loira . Quando ele tinha bebido seu bourbon ? Ele deu um pequeno sorriso . —Claro , só mais um . — Ele empurrou o copo vazio para ela e olhou para o relógio novamente . —Você vai encontrar alguém ? — Seus olhos tinham mais do que um lampejo de interesse . Alguns anos atrás , ela teria sido o seu tipo , mas naquela época ele tinha estado em profunda negação sobre sua sexualidade. —Sim , e ele está atrasado . —Uma reunião de negócios na véspera de Natal ? — ela perguntou com curiosidade ousada . Ele balançou a cabeça e respirou fundo . — Não, isso é outra coisa . Se ele planejava ser aberto sobre o seu estilo de vida , ele precisava se acostumar a fazer isso . — É um encontro às cegas . Eu nunca conheci ele antes . — Ele olhou para ela , mas não viu nenhum ar de censura que ele estava há espera . Em vez simpatia aberto refletido ali . —Você está nervoso, não é ? Ele deu um aceno rápido . — Eu nunca fiz esse tipo de coisa antes e ter a cara a mostrar . A tarde não ajuda . —Ele deveria estar usando uma gravata roxa como a sua ? — Ela olhou para a entrada e sorriu.— Você provavelmente vai querer desculpa-lo pelo atraso .


—Por que você diz isso ? — O desejo de espreitar por cima do ombro o tentou . Ela encolheu os ombros com tristeza aparente. — Por que todos os caras mais bonitos são gay ? E ele parece ainda mais nervoso do que você . Por que você não vai lá tirá-lo de sua miséria ? — Ela inclinou a cabeça para a entrada . — Obrigado .— Ele pagou por suas bebidas , juntamente com uma generosa gorjeta . —E um Feliz Natal . De pé , ele observou o salão . Indo em direção a ele estava um homem que estava usando uma gravata roxa , igual a dele , dando início a sua curta analise , cabelo negro como carvão e queixo áspero. Não tão alto como Mark , ele ainda ficava acima da maioria dos homens e tinha uma pequena , qualidade predatória que enviou um arrepio de excitação pela espinha de Mark. O homem procurou atravéz do bar lotado ansiosamente. Quando sua vista avistou a gravata roxa de Mark , ele começou a sorrir em saudação , mas , quanto ele olhou para o rosto de Mark , sua marcha vacilou e ele fez uma careta . As esperanças de Mark despencou . Ele sempre foi considerado um cara razoavelmente bonito , mas parecia que este homem não concordava . A rápida mudança no comportamento não fazia sentido , mas ele não quis aceitar a rejeição antes mesmo de se falarem . Avançando para a frente , ele estendeu a sua mão direita . —Oi , eu sou Mark Cummins e eu acho que você é o meu par para esta noite . — O homem olhou para sua mão estendida e , em seguida , de volta em direção ao seu rosto , hesitando , sua expressão mostrava uma grande quantidade de emoções de raiva para confusão . Mark não sabia o que estava acontecendo aqui para estragar seu encontro antes mesmo de começar , mas ele queria descobrir isso . —Você foi enviado por Madame Eva , certo ?


Jason não podia acreditar nisso . Isso é algum tipo de piada cruel ? Por que o irmão de Molly iria se encontrar com ele ? Mark saia com mulheres , não homens . Mas o seu pau não recebeu o memorando lhe avisando , o endurecimento em questão de segundos mostrava isso , da mesma forma que sempre ocorreu em torno de Mark . Algo sobre o cara faz isso nele . E, de repente , ele se transformou de novo naquele rapaz de dezessete anos de idade com tesão e luxúria pelo o atleta da escola . Ele não o tinha visto desde o colegial , mas Molly teria dito a ele se seu irmão estivesse saido do armário . Não que isso iria acontecer . Mark não tinha um só osso gay em seu corpo ... quarterback do time de futebol , namorado da lider de torcida , ele era jogador de futebol americano , onde suas aventuras dentro e fora do campo viravam notícia . Agora , ele trabalhava como treinador para a equipe de futebol profissional de St. Louis. Não havia ninguém lá fora mais hetero do que Mark Cummins. Então, por que ele finge ser seu par ? Isso poderia ser algum tipo de piada gay cruel ? Mark nunca lhe tinha dado trabanho na escola , como alguns dos outros caras , mas depois do que aconteceu com Jon , ele queria ser cuidadoso . Ele ainda olhou para o homem surpreso . — Eu sinto muito . Você se parece com alguém que eu conhecia . Oi , Mark . Eu sou .... — Ele vacilou. Mark não agiu como se ele o reconheceu . E Jason não tinha intenção de mudar isso , não até que ele descobrisse o plano de Mark .


Jason limpou a garganta . —Desculpe , estou nervoso . Esta é a primeira vez que fiz esse tipo de coisa . Sou Sidney . — Ele conseguia responder ao seu nome do meio . Sua explicação fraca pareceu satisfazer Mark , que relaxou com um sorriso fácil . — Tudo bem . É bom conhecê-lo , Sidney. — Ele acenou com a cabeça em direção ao bar. — Você quer tomar uma bebida no bar ou gostaria de ir para a mesa ? — Eu adoraria pedir uma bebida , se estiver tudo bem com você. — Ele fez um gesto para baixo para a bebida na mão de Mark quando ele olhou sobre sua possível motivação. Ele parecia genuíno , mas isso não faz sentido . —Parece que eu preciso de um para alcançá-lo. Consiga-nos uma mesa e eu vou ate o bar . Quer outro ? —Não , obrigado . Mark caminhou em direção ao conjunto de mesas , seu olhar foi ate a bunda . Se apenas isso pudesse ser um encontro real . Mais musculoso do que os caras que ele normalmente considerava como sendo o seu tipo , Mark tinha o físico de um jogador de futebol típico. Jason gostava de observá-los flexionar sob o casaco enquanto se afastava . Ele tinha uma qualidade incrível sexy. Imaginando ele se inclinando para que Jason pudesse entrar em seu traseiro apertado, seu pau já estava implorando . Definitivamente sexy e quente , mas isso não muda o fato de Mark jogar para o outro time . Sem trocadilhos . A bartender se aproximou para tomar o seu pedido . Sutilmente puxando o paletó fechado , ele se escondeu sua ereção dela . Ela observou Mark também . — Você é um cara de sorte . Ele é quente . —Sim , ele é , mas , infelizmente, ele não é gay , o que significa que ele não é meu tipo . Ela arqueou uma sobrancelha . —Sim , ele é . Você deveria ter visto a


cara dele quando você entrou na sala . Ele está completamente caido por você . — Você acha ? — Como foi possível ? Como poderia Mark ser gay ? Mas Jason não podia negar que seu corpo queria que isso fosse verdade . O pênis de Jason pulsava com apenas a possibilidade. Fazia tanto tempo que ele não tinha esse tipo de reação instantânea a alguém . Não, desde que Jon morreu . Isso tinha que significar alguma coisa , certo ? — Definitivamente . O que posso fazer por você ? —Você tem Budweiser1 em uma garrafa ? — Ele considerou beber algo com mais álcool , mas ele ainda não confiava nos motivos de Mark . Ele queria manter sua inteligência e reflexos sobre ele. Além disso , sendo de St. Louis, beber uma Bud era igualado a água potável para ele. —Sim . — Ela chegou dentro da geladeira abaixo do bar, puxado para fora, e colocou no topo para ele. —Obrigado . — Ele entregou-lhe um dez. — Feliz Natal . — O mesmo para você . Aproveite a sua noite . — Ela enviou-lhe uma piscadela encorajadora . Realmente um encontro com Mark Cummins significava viver todas as suas fantasias adolescentes. No colegial , ele tinha passado muitas noites cobiçando Mark e seu físico atlético . Mesmo naquela época , ele tinha sido incrivelmente quente e o que Jason podia ver, ele só ficou ainda melhor com a idade . Com 1,95 metros , o cara ofuscava a maioria dos caras , mas ainda conseguiu relaxar graciosamente em uma das cadeiras. Ele encontrou o olhar de Jason do outro lado da sala com um brilho definido de interesse . Sentindo-se mais confiante , Jason trabalhou seu caminho em direção à pequena mesa redonda onde Mark estava sentado . Deus , Mark tinha 1 - Marca de cerveja


afrouxado a gravata um pouco e os dedos de Jason coçava para deslizar lentamente em sua pele , explorar da nuca ao queixo, e trilha ao longo de seu peito. Mark acenou para sua cerveja assim que chegou à mesa . — Budweiser , é uma escolha de cerveja. Alguma vez você já foi ver a turnê para a fábrica em St. Louis ? — Sim . Você consegue adivinhar a minha parte favorita ? —Essa é fácil . É a parte favorita de todos ... a degustação no final. Cerveja grátis , o que não é o amor ? — Ele avaliou . — Então , de onde você é e o que você faz para viver ? Jason odiava mentir e tudo sobre esta noite até agora parecia ser uma farsa . O que poderia motivar Mark para marcar um encontro às cegas com um cara ? Tinha que haver mais a sua história . Ele fez uma careta em sua cerveja. —Sidney , o que há de errado ? Ele balançou a cabeça , querendo sair antes que a noite se tornou um fiasco total . Mesmo que Mark fosse gay, Jason sempre foi o ativo e ele ficaria chocado se Mark alguma vez foi o passivo .—Olha , você parece ser um cara legal , mas acho que Madame Eva deve ter cometido um erro aqui. Eu não acho que somos compatíveis. — Ele começou a se levantar, mas a mão de Mark em seu braço o deteve . —Espere . Eu não sei o que eu fiz de errado , mas eu não acho que ela cometeu um erro. Estou incrivelmente atraído por você . Jason baixou em sua cadeira com um suspiro relutante. — Então , você está me dizendo que você é gay . — Ele fez uma careta . Ele não tinha a intenção de atacar o cara , mas ele também não seria feito de bobo . —Sim . Por que você iria pensar o contrário ? — Suas sobrancelhas franzidas. —Por que mais eu estaria aqui ?


Passando a mão pelos cabelos , Jason tentou obter uma leitura outro homem. Ele estava apenas entediado e quis tentar algo novo ? Isso não podia ser ele , não é ? — Trata-se de algum tipo de experiência sexual de vida para você ? Você já esteve com outro cara antes ? —Eu não sei onde você está tirando tudo isso . Eu certamente não tive este tipo de problema com outros caras . Normalmente, eles estão muito bem comigo querendo ficar com eles. O que você acha que isso foi ? Madame Eva arranja encontros de uma noite . Eu não estou à procura de um compromisso . — Ele estreitou os olhos . —Você sabe o que ... não importa , eu não deveria ter vindo. Eu nunca deveria ter aceitado o convite. Sempre que algo parece bom demais para ser verdade, geralmente é . Eu gostaria de poder dizer ' foi um prazer conhecê-lo , Sidney ', mas infelizmente agora eu gostaria de ter ficado em casa para as festas com a minha família . Jason não perdeu o brilho de mágoa e decepção que passou em seu rosto quando ele se afastou . Porra , apareceu genuíno. Um nó se formou em sua barriga . Se ele calculou mal a situação ? Ele olhou para trás ao longo da noite saindo em uma corrida atrás de Mark . Para conversar com ele do outro lado do lobby do hotel , Jason agarrou o braço dele e girou em torno dele . — Mark , espera . Sinto muito. Eu sou muito ruim nisso. Eu não tenho namorado ... ou qualquer coisa a alguns anos. Eu , obviamente , devo retocar em minhas habilidades sociais. É véspera de Natal . Por favor não me deixe louco. Talvez possamos começar de novo. A boca de Mark pressionou em uma linha sombria , mas talvez ele ainda estaria disposto a dar uma chance Jason para salvar a noite. Ele estendeu a mão e começou de novo. —Oi , eu sou Sidney . — Ele hesitou , mas isso exigia a divulgação completa . — Mas meus amigos me chamam de Jason . Jason Wieland . Eu sou um pediatra , moro também na área de St. Louis.


A expressão de Mark se transformou em descrença . —Ah , droga . — Ele passou a mão sobre a parte de trás do seu pescoço. —Como diabos isso aconteceu ? Me desculpe , eu não te reconheci . — Está tudo bem . Eu mudei um pouco desde o colegial. —Bem 1,83 metro de altura adicionado a cinqüenta quilos de músculo e osso , vale como uma mudança é tinha feito uma diferença significativa . —Eu vou dizer . Você não se parece em nada como a rainha do drama , ou o garoto emo que costumava sair com Molly o tempo todo .— Seu olhar escureceu com a excitação , pois arrastou lentamente sobre seu corpo. O sangue correu direto para o pau de Jason . Droga, Mark é realmente gay . —Obviamente , você sabe que eu não saí para a minha família , mas eu soube que eu era gay há alguns anos . Eu tenho uma etapa final para tomar e , em seguida , eu pretendo dizer-lhes . — Sua voz endureceu . —Mas eu não estou brincando aqui . Eu sei o que eu sou e o que eu quero . — Um passo final ? — Jason não tinha ideia do que poderia ser . Mark enfiou a mão no bolso de sua jaqueta , tirou o convite e o mostrou como se fosse uma criança . —Sim , meu convite disse que esta noite iria realizar a minha fantasia secreta . Eu estou desejando isso.Os caras simplesmente assumem , com o meu tamanho .... — Olhando ao redor do lobby para ver se alguém estava prestando atenção neles , ele baixou a voz . — Bem , eu nunca fui passivo . E eu realmente gostaria que isso acontecesse . O corpo de Jason apertou quando toda a força de suas palavras o atingiu. Com sua ereção entalada contra a costura da calça , ele agarrou o braço de Mark e empurrou-o atrás de uma das enormes árvores de Natal do lobby , longe dos olhares curiosos dos outros convidados. Concentrou-se no quadril de Mark , ele sentiu a força total de seu pênis duro contra ele. — Você tem certeza que é isso que quer , Mark ?


Suas pupilas dilataram de desejo. —Não há nada que eu queira mais que isso agora . Levando a mão livre de Jason , ele puxou-a para baixo para o seu pênis igualmente duro . —Eu sei que esta não é a forma certa , mas eu quero isso. Eu quero você. O olhar de Jason caiu para a boca cheia e ele não pôde resistir à tentação do mesmo. Ciente de que ainda estavam em um lugar muito público , ele roçou os lábios sobre Mark. Ele tinha sabor de bourbon , de sexo masculino , e desejo puro. —Porra , isso é quente. No seu quarto ou no meu ? As portas plateadas se abriram e Jason entrou e Mark atrás dele , olhando para seu físico musculoso. Entrando em um elevador lotado com outros hóspedes , ele não tinha sido capaz de tocar em Jason desde o primeiro beijo . Agora seus dedos coçaram para empurrá-lo contra a parede e explorar o seu corpo quente. Mesclando este homem sexy com o garotinho magricela , lembrou-se do ensino médio revelou-se difícil . Quem sabia o quão bem ele iria acabar ? Molly provavelmente nunca mencionou Jason em casa , porque ela não queria arriscar a ira de seu pai , uma vez que não aprovava o seu estilo de vida gay. Ele franziu a testa tentando lembrar alguma coisa que ela poderia ter dito sobre ele ao longo dos anos . Jason parou em frente a uma porta e abriu-a , olhando por cima de seu ombro. —Você não está tendo dúvidas sobre isto, está ? Ele teve que convencer Jason que nada iria impedi-lo agora . A urgência pulsou através de seu pênis , então ele empurrou-o para o quarto , fechou a porta , e rebocando-o contra a parte de trás da porta . Acariciando o pescoço de Jason , ele apertou o peito e a sua ereção contra ele . O aroma picante de loção pós-barba de Jason fez cócegas em seu nariz em sua boca molhada . Ele queria inalar tudo sobre este homem. Sua bunda apertou em necessidade . — Não .— ele murmurou , — definitivamente sem dúvidas aqui . Jason torceu, surpreendendo-o antes que ele prendesse Mark para a


porta com o corpo. —Bom , mas eu pensei que nós concordamos que eu seria o responsável aqui. — Sua voz tinha o domínio puro e aço , mostrando claramente quem detinha o controle. As palavras penetraram na espinha de Mark , diretamente para seu pênis, e ele estremeceu. Jason agarrou ambas as mãos e prendendo-as acima de sua cabeça . Embora fisicamente menor que Mark , ele dominou seu corpo com a palavra e vontade. Seus músculos tensos em antecipação e ele bateu a cabeça para trás , o desejo inundando-o . Ele queria isso. Um cara responsável , dizendolhe o que fazer. Jason sendo esse cara fez muito mais estimulante. O comprimento duro de Jason empurrou contra o seu próprio e Mark gemeu baixo . Beijaram-se com um desejo selvagem trovejando através de seu crânio . Uma reunião de dentes e língua, pressionando e explorando , Jason atacou seus lábios , em seguida , sua mandíbula antes de começar uma lenta descida para o lado de seu pescoço. A raspagem sensual de seus bigodes tinha os olhos rolando . Ele tentou puxar suas mãos das mãos de Jason . — Por favor ... — Sua voz soou baixa e desesperada até mesmo para seus próprios ouvidos . — Eu preciso sentir pele. Deixe-me desabotoar sua camisa. O aperto nas mãos de Jason se soltou , ofegante . —Mais de pele ? Acho que posso concordar com essa ideia . Ele tirou o paletó e Mark começou a fazer o mesmo , mas ele estendeu a mão para detê-lo. —Não , deixe-me fazer isso. Este é o meu presente de Natal e quero desembrulhá-lo corretamente . — Puxando a jaqueta de Mark fora , ele colocou as duas camadas por cima do sofá alguns passos para a suite de luxo. Uma rápida olhada na suíte revelou uma vista para as luzes brilhantes de Las Vegas, bem como uma lareira de pedra gigantesca , onde um fogo estalou e estourou.


Ele assobiou baixo . — Eu estou supondo que o salário de médico não é tão ruim assim hoje em dia. Jason sorriu e puxou Mark pela sua gravata para o quarto. —Eu estou supondo que é comparável ao salário de um treinador . — Ele encolheu os ombros . —Eu faço bem , especialmente uma vez que sou sozinho. — Quando eu viajo , eu vou as custas do clube . — Seu olhar nunca deixou de viajar sobre Mark deixando-o quente e sem fôlego. Ele empurrou Mark até suas coxas atingiu a parte de trás do sofá e puxou com impaciência a sua gravata para soltá-lo . Arrepios espalhavam por toda a pele de Mark quando seus dedos tocaram a pele nua em seu pescoço . Mark fez o mesmo para Jason , desatando o nó da seda púrpura abaixo do pombo-de-adão . —Roxo é a sua cor . Faz o seus olhos brilharem . Jason sorriu . —Você honestamente me disse que meus olhos são bonitos ? —Eu acho que eu fiz . — Ele riu , em seguida, deu-lhe outro beijo apaixonado duro e começou a se atrapalhar com os botões de sua camisa antes de desistir e rasgando a camisa aberta , espalhando botões. Jason rasgou a camisa de Mark em resposta . —Eu vou te comprar um novo mais tarde .— ele murmurou , pressionando sua boca sobre os cumes do peito de Marcos. Finalmente . Seus mamilos endureceram e as pernas tremiam . — Podemos ir às compras juntos , Mark concordou . — Então Jason trancou seu mamilo e mordeu de leve. Mark gemeu longo e duro , sem saber quanto tempo mais as pernas iria segurá-lo. — Cama . — Ele engoliu em seco . —Precisamos de uma cama . — O desespero e a impaciência reverberou através de sua voz , e ele queria que Jason a sentir o mesmo. Jason começou a trabalhar o cinto das calças de Mark , tendo tempo


para acariciar sua ereção pulsaste através do tecido . —Ainda não . — A pressão deu forma que ele tem o seu zíper aberto e levou-o na mão . Caindo de joelhos , ele encontrou o olhar de Mark quanto ele lentamente deslizou sua língua apenas em torno da borda da sua coroa . Seu pênis pulsava e uma gota de pre-sêmem apareceu . Jason rodou -o antes de sugar toda a extensão completa . Mark agarrou a cabeça de Jason para não afundar no chão. Arrepios percorreu por sua espinha quando a língua de seu amante rodou e brincou com o calor úmido . Ele resistiu ao impulso de bombear em sua garganta , sua respiração se tornando mais pesado com o esforço de não gozar. — Oh , fodase. Que isso é tão bom . Jason acrescentou um dedo para o pênis em sua boca e lubrificado então atingiu atrás para brincar com a borda do ânus de Mark. Este é o céu. Ele fechou os olhos em êxtase , gemendo quando a língua de Jason sugava e trabalhou em torno da cabeça sensível. Penetrando o ânus dele com um único dedo , ele continuou a chupar seu pênis em sua garganta . Os quadris de Mark avançou, suas bolas apertaram. O formigamento começou a queimar e ele deu um puxão de alerta para o cabelo de Jason . —Vou gozar. —Você não tem permissão para gozar ainda . — disse ele. Mark tentou controlar seu desejo . Jason levantou-se, puxando as calças com ele. Humor se escondia em seu olhar cheio de luxúria —Ah , droga . Você é um dominante com uma raia sádica , não é ? — Outro arrepio de excitação tremeu por meio dele. Jason riu. —Sádico Não . Você não disse algo sobre querer uma cama ? — Ele deu um passo para trás e pressionou uma mão firme em suas costas , empurrando-o em direção a uma porta que Mark assumiu levar para o quarto. Calor irradiava do corpo quente de Jason .


As pernas de Mark sacudiu com a força de seu desejo. Finalmente , eles estavam indo em direção a uma cama . Era uma cama totalmente masculina , dominando todo o quatro, postes de canto em madeira pesados com madeira escura e roupas de cama . Ele imediatamente enviou fantasias de cordas e ligações através de seu cérebro . Será que Jason estaria aberto a algo mais pesado ? Ele não tinha percebido que ele tinha parado na entrada do quarto até que Jason roçou atrás dele. —Não é tarde demais , se você está com dúvidas — ele sussurrou em seu ouvido . Mesmo que ele tinha segundas e terceiras intenções , ele definitivamente não iria forçar , mesmo estando tão duro, sua longa ereção moendo no quadril de Jason quando se inclinou para ele o teria convencido do contrário . Voltando-se , estendeu a mão para Jason e puxou os seus peitos nus juntos, deliciando-se com a sensação do cabelo no peito de Jason contra seus mamilos . —Não , não penso duas vezes — disse ele , sua voz profunda com a excitação . —Eu quero você . Dentro de mim agora . Pela primeira vez desde que a sua noite começou , Jason perdeu o controle , tateando Mark onde quer que ele pudesse tocar . Seus brilhantes olhos azuis escuros. —Tire suas calças e fique lá agora. Mark se deleitava com comportamento agressivo e exigente de Jason . Rapidamente , ele estava do outro lado da cama para ver Jason tirar suas roupas restantes. Seu corpo tinha desenvolvido músculos , sedoso cabelo escuro polvilhava sobre o peito , uma dica dela arrastando para baixo no meio do abdomen para tornar-se mais espessa direito acima de sua cintura . Jason pegou o prendedor em suas calças . A boca de Mark ficou seca e seu pênis flexionado. Jason lentamente tirava sua roupa . Foda-se . Como ele gostava disso . Ele deslizou as calças sobre seus quadris magros , sua ereção impressionaste balançando com a liberdade súbita de seus limites . A bunda de


Mark apertou quanto ele conseguiu seu primeiro vislumbre da grossura e do tamanho de Jason . Caramba , o cara é grande . A evidência de sua excitação saindo pela ponta da cabeça roxa . Ele não podia permanecer imóvel na cama por mais tempo. O desespero de tocar levou Mark a ficar na frente de Jason , pegando seu pênis. Ele acariciou da base à ponta , o pulsar do membro ao mesmo tempo , que o batimento cardíaco frenético de Jason . Os olhos de Jason fechou e ele agarrou o ombro de Mark . O poder intoxicava ele, sabendo que Jason estava tão ligado quanto ele. Ele queria sentir o gosto dele . Era necessário saboreá-lo . Mark dirigiu-se para a beira do colchão , em seguida , ele se ajoelhou entre suas coxas. Ele engoliu a cabeça , saboreando o sabor amargo do pre-sêmem em sua boca . —Sua boca é tão sexy . Mas não é onde eu quero estar agora . — Jason tirou a boca de Mark de sua ereção e puxou-o para cima da cama . —Levante-se de joelhos com as pernas afastadas — Jason instruíu com uma voz áspera e rouca, depois o redirecionou ele até que ele o tinha colocado em suas mãos e joelhos , seu traseiro no ar . Seu pênis marcava a coxa de Mark quando ele se inclinou sobre ele e espalhou suas grandes mãos sobre suas nádegas . Mark apertou em antecipação , fechou os olhos e deitou a cabeça sobre os braços , tremores rolando por sua espinha . O clique inconfundível de uma garrafa de lubrificante ecoou, em seguida , Jason acariciou com as mãos oleosas seu ânus , esfregando a frente todo o caminho até a ponta do seu pênis , em seguida , de volta. Sua respiração acelerou e seu coração ameaçou explodir em seu peito . Ele não iria durar muito. Jason espalhou ele e fodeu sua entrada com a língua. Puro êxtase . Ele estava desesperado para ter um homem para tomar conta de seu corpo para o prazer mútuo. Um dedo se juntou a língua e suas bolas apertaram . Um


segundo dedo juntou-se ao primeiro e Jason começou a tesourar eles, pegando sua próstata no local perfeito. O êxtase fluiu sobre ele e com um idiota, Mark gemeu profundamente com espasmos e tremores , com a força do mais poderoso orgasmo que já teve. Seu eixo parecia jorrar para sempre , instigados pelos golpes impiedosos dos dedos incríveis de Jason . —Porra , isso foi lindo — Jason murmurou em seu ouvido . Durante o nevoeiro do orgasmo que Mark estava , Jason se colocou um preservativo e lubrificante . Ele equilibrou em sua entrada e colocou mais lubrificante para a passagem . A antecipação deixou Mark sem fôlego. Já seu pênis mostrava sinais de vida novamente. Jason beijou seu pescoço.— Você está bem ? Pronto ? —Sim. Deus , sim . — ele suspirou , querendo a penetração mais do que ele já precisava de alguma coisa antes. Ele empurrou seus quadris para trás e Jason violou a primeira polegada. A queimadura tirou um suspiro de desejo de Mark. Isso era muito mais do que ele esperava quando Jason começou a enchê-lo . Como não poderia desfrutar da deliciosa e erotica dor ? Ele queria mais . Jason esfregou seu flanco e acalmou . — Shh , relaxe , vou dar-lhe um momento. — A tensão da voz dele mostrou que ele manteve-se firme em sua decição para permitir a Mark ajustar-se ao seu tamanho . Mark não quis esperar e empurrou de volta mais longe. Jason resmungou e segurou firme a seus quadris . — Porra , você é tão apertado e quente. — Por favor , se mova .— Ele não se importava se ele implorou. Ele precisava de algum movimento . Tão cheio e sim, queimado , mas era tão certo. Ele tinha que ter mais.


Jason se ajoelhou atrás de Mark , lutando para se controlar. Observando e sentindo-se flexível na bunda de Mark combinada com a carência em sua voz levou o seu desejo como nada mais poderia. Ele subiu e preso totalmente dentro de Mark . Sua bunda apertou com a intrusão repentina e Jason respirou . Mark se contorcia debaixo dele . — Mais . — ele suspirou . Jason envolveu um braço ao redor de seu torso musculoso , enquanto ele agarrou sua ereção . — Dê-me um momento , querido . Você tem que se ajustar ao tamanho antes de mover-se . — Ele acariciou pau endurecido de Mark . Bem . Se Mark pudesse relaxar , eles iriam desfrutar de cada momento . Uma gota de suor rolou atravez de Jason com o esforço que levou para ele impedir-se de empurrar. Ele continuou a esfregar o pau de Mark e Mark lentamente começou a relaxar contra ele. Ele começou a se mover novamente. — Você está bem ? — Perguntou Jason . — Oh sim . — Mark suspirou. Ele deslizou lentamente para fora , em seguida , avançou , ambos gemeram . Mark era simplesmente demasiado apertado e quente e os espasmos ondulando ao redor do pênis de Jason torturava-o . A ereção de Mark pulsou novamente em suas mãos. Ele torceu os quadris e Mark respirou asperamente. Em um rosnado profundo, ele disse : —


Foda-se , isso é bom . Jason sorriu . Ele retirou-se quase todo o caminho , em seguida , lentamente , entrou novamente. Mark apertou ao redor dele . Ele queria que isso fosse bom para Mark , mas quanto mais ele se contorcia debaixo dele , o mais perto Jason ficava de perder o controle. Deitado em volta de Mark, ele sentiu seu coração bater se misturar com as vibrações dos gemidos profundos de Mark . Ele deu um beijo demorado entre as omoplatas de Mark , seus músculos fortes tremendo sob a bainha apertada de Mark sugando-o, rasgando o seu ritmo. Fogo entrou em erupção na base de sua coluna vertebral e suas bolas formigavam em preparação para o orgasmo. Mark flexionou os quadris e Jason segurou-o , ainda assim, cada pequeno movimento deixando-o mais perto da borda . Ele tinha que ter um momento de silêncio para puxar a si mesmo de volta juntos. Mark torceu e os instintos de Jason assumiu. Êxtase levantou-se e ameaçou a tomá-lo, mas ele planejava levar Mark com ele. Ele colocou a mão sobre a cabeça do pênis de Mark e pediu : — Goza para mim novamente . Os impulsos pulsos balançou através do núcleo de Mark e Jason voou , gozando longa e profundamente dentro dele. Quando Jason desabou em cima dele , os joelhos de Mark não aguentou , e ambos caíram no colchão. Ele não tinha certeza de que ele seria capaz de se mover novamente. — Uau . — Mark disse ofegante como se tivesse corrido uma maratona . Jason lentamente se retirou , arrancando outro gemido baixo de Mark. Após a eliminação do preservativo , ele se estabeleceu na cama ao lado de Mark e passou a mão por suas costas brilhando de suor . — Você está bem ? Mark abriu um olho e lhe deu um sorriso preguiçoso.— Eu acho que você poderia ter me matado, mas não se preocupe. Tenho certeza de que eu morri feliz.


Jason riu baixo . — Da próxima vez , eu vou ser capaz de fazer isso durar um pouco mais. Tem sido um longo tempo pra mim . Os olhos de Mark iluminou de alegria. Mudando para o lado dele, ele jogou uma perna por cima do quadril de Jason . —Eu estou contente de ouvir que vai ter uma proxíma vez

, mas eu não entendo. Por que tem sido um

longo tempo para você ? Sério, você deveria estar fazendo isso o tempo todo. Na verdade, você pode querer desistir de praticar . — Então você está dizendo que eu deveria começar a sair profissionalmente ? — Não, isso não está certo. — Ele fez uma careta por um momento. — Eu só quero mantê-lo na minha cama . — Ele se inclinou sobre o peito de Jason e deu-lhe um beijo ardente que os deixou sem fôlego . Mark sentou-se . — Mas eu acho que eu vou deixar você me distrair. —Ele passou a mão ao longo do lado de Jason e falou mais suavemente. — Por que tem sido tão longo e por que você tem Madame configurando esse encontro para você ? Jason olhou para longe por um momento para se recompor . — Dois anos atrás , uma semana antes do Natal, meu parceiro, Jon, foi atacado . Ele passou uma semana em coma antes de morrer. Eu não tive a necessidade ou desejo de fazer qualquer coisa com mais ninguém desde então. Mark se esticou e puxou-o contra o peito para abraçá-lo . — Eu me lembro agora . Molly mencionou algo sobre alguém o atacanto porque ele era gay , certo ? Jason assentiu. — Espere, é por isso que você reagiu da maneira que você fez antes ? Você achava que eu vim aqui para fazer algum tipo de brincadeira intolerante ? — A magoa encheu os olhos de Mark quanto ele obviamente se lembrava sobre os eventos de mais ceto . — Eu vou admitir isso passou pela minha cabeça , porque eu sei que


você nunca saiu com homens antes. Mas você nunca foi esse tipo de cara na escola então por que você seria um fanático agora? — Isso simplesmente não fazia qualquer sentido. Sinto muito sobre mais cedo. Eu poderia ter arruinado tudo sobre esta noite para nós. — Eu sinto muito , também. Para registro, eu estou pensando em sair para a minha família assim que eu voltar. Eu não posso esconder isso. Eu não quero esconder isso. —Bom . — Jason sorriu. — Ocorre-me que perdemos o jantar mais cedo e eu quero que você mantenha sua força para mais tarde. Vamos pedir algum serviço de quarto e talvez tomar um banho enquanto esperamos ?

Mark respirou fundo. Ele precisava de coragem e fazer a coisa certa . Enquanto faziam amor na noite anterior , ele e Jason haviam se ligado em tantos níveis . Não podia permitir que esse segredo que ele tinha escondido de sua família por muito tempo ficasse entre eles. Havia chegado a hora de confessar , e ajudava ter alguém como Jason ao seu lado para apoiá-lo . Molly tinha sido amiga de Jason por um longo tempo e Mark rapidamente descobriu por que enquanto escutava mais e mais boatos sobre o homem . Sendo um amante incrível que culminou em uma maravilhosa noite . Pegou o telefone , olhou para Jason quando ele saia do banheiro,em uma nuvem de vapor que arrastava atrás dele. As gotas de água se agarrou ao seu peito esculpido e Mark passou de preocupado para distraido em


segundos. Ele lambeu os lábios . Jason levantou uma sobrancelha para ele e sorriu. — Nada disso . Você esta muito dolorido e de qualquer maneira , você tem uma chamada de telefone para fazer em primeiro lugar . Vou me vestir. Mark olhou para o telefone na mão , lembrando que ele começou a chamar a irmã. Jason riu baixo como Mark discou o número dela ... ele já o conhecia muito bem. — Diga a Molly eu mandei um “oi' e que eu irei chamá-la mais tarde. Muito mais tarde . Obviamente, facilmente distraídos , também, ele começou a beijar o comprimento da coluna de Mark antes de ele colocar a camisa . Muito ocupado apreciando os beijos de Jason .— Feliz Natal , Mark ! Molly o surpreendeu. — Feliz Natal, moleca. Ela gritou com indignação , odiava o apelido. — Primeiro você me deixa aqui para lidar com a mãe e sua mania de casamenteira e agora você tem a ousadia de me chamar por apelidos . Você está na minha lista de merda , irmão mais velho. — Bem, eu acho que eu tenho uma notícia que pode torná-lo melhor . Ele observou Jason entrar em seus , jeans gastos . Droga, ele parecia muito bem dentro deles . —O quê? — Suspeita soou através de sua voz . Ele riu baixo . — Gostaria de saber se estaria tudo bem se eu levar alguém comigo para sua festa de Ano Novo. — Bem , é claro . Quem é ela ? Alguém que eu conheço ? Ele cobriu o receptor e olhou quando Jason fez o seu melhor para puxar sua concentração para outros lugares do que a sua dolorida ereção novamente. Mark passou o telefone para ele. —Por que sou único a dizer a


ela ? Jason sorriu e murmurou , covarde . —É isso aí . — Mark concordou. Jason pegou o telefone , colocou no viva-voz , e disse calmamente : —Ei, Molly . — Jason ? — Ela fez uma pausa por alguns segundos , em seguida, confusão encheu sua voz. — Espere, o que você está fazendo com o Mark? Você deveria estar em Las Vegas para o seu encontro de uma noite ....— A linha ficou muda quando ela juntou os fatos .—Não! De jeito nenhum! — Ela gritou com alegria. Ela continuou até que Mark pegar o telefone dele e falou com ela .— Eu vou desligar agora , Mol . Nós todos vamos falar quando voltarmos para St. Louis. — Ele desligou e jogou o celular em cima da mesa , uma inquietação predatória enchendo-o quando ele percebeu a sensualidade de seu novo namorado. —É dia de Natal e eu acho que talvez você esquecido alguma coisa. Avistando o sorriso de Mark , os olhos de Jason se arregalaram. — Oh , sério? Ele disse lentamente. Ele se aproximou e acariciou os flancos de Mark. — O que eu poderia ter perdido ? Mark virou-se e agarrou as calças jeans de Jason pelo cinto e caminhou para trás em direção ao quarto . —Eu não sei se você percebeu ou não, mas a sua cama tem estes grandes pilares e nós dois só tivemos realmente agradáveis gravatas . Acho que poderia colocar as duas coisas em uso. Jason mordeu o lábio , olhando entre a cama e as gravatas que Mark sustentava . — Hmm, alguém está tentando entrar na lista impertinente este ano ? — Ah, não, eu acho que eu fui muito bom este ano. Na verdade, eu já


realizei o meu desejo de Natal . Na verdade o meu presente de Natal chegou, e ele é perfeito para mim. — Um sorriso travesso cobria o rosto de Mark . —Você sabe , eu acho que Madame Eva deve estar relacionada com o Papai Noel.

FIM


Para sentir de novo Quando Leah perde seu noivo, Mark, no Afeganistão, leva quase um ano para chegar ao ponto em que ela está pronta para viver novamente. Embora ela não queira um compromisso emocional, uma noite de sexo consensual, mesmo com um estranho, pode ajudar a trazê-la da depressão após a morte de Marcos. Solicitar os serviços de alta qualidade de Madame Evangeline serviço de namoro, online, 1NS, promete exatamente o que Leah está à procura, sexo com um homem que ela não tem que ver de novo, mas aquele que irá satisfazer suas necessidades físicas, agora que ela esta pronta para seguir em frente com a sua vida. Jackson Castillo não tem vontade de ir a um encontro com uma das clientes de Evangeline. A 1NS usa o seu hotel para os encontros dos seus clientes, mas de outra forma, ele nunca se envolve. Quando Eva ameaça a levar o seu negócio para outro lugar a não ser que ele a ajude com um caso em particular, ele não é bobo. Ele vai ao encontro. Mas ele não vai dormir com a mulher. Quando uma coisa leva a outra, suas boas intenções para ficar fora do quarto com Leah são quebradas. O sexo é fenomenal, mas há mais em Leah que ele quer explorar. Depois que ela sai na manhã seguinte sem um adeus, ele fica tanto decepcionado como fortemente chateado. Será que ele vai deixá-la ir ou vai encontrar uma maneira de convencê-la de que ela está pronta... para sentir novamente?


Prólogo ― Eu preciso de um favor, meu querido. ― Eva fez uma pausa enquanto a batida de um teclado sem parar do outro lado da linha ecoou em seu ouvido. Tal homem conduzido. Ele precisa encontrar uma saída. Algum alívio, ou, no mínimo, uma distração da sua programação, da sua agenda lotada. Uma voz profunda finalmente ressoou com resignada impaciência. ― O que eu posso fazer por você, Eva? ― Eu tenho um cliente com um... pedido muito especial. Gostaria da sua ajuda. ― Ela fez uma pausa, já sabendo qual seria a resposta do homem. Um grande e gordo nem fodendo. Não que a resposta iria dissuadi-la. Uma vez que


ela ajustou seus olhos em satisfazer seus clientes, nada a impedia com esse objetivo. Que fez dela a melhor no que fazia. Ele não se preocupou em esconder uma risada sarcástica. ― Eu tenho medo de perguntar. A última vez que você ligou com um “pedido especial”, eu tive que pagar caras horas extras para a minha manutenção para reforçar ganchos no teto. Eu ainda não quero saber do que se tratava. ― Não que eu diria a você de qualquer maneira. Mas, eu prometo sem ganchos no momento. ― Ela hesitou, consciente da necessidade de andar com cuidado. ― Jackson, o perfil desta mulher é muito triste. Ela perdeu seu noivo no Afeganistão há quase um ano. Ela sente falta dele desesperadamente e teve um momento difícil para seguir em frente. Mais

batidas.

Obviamente

distraído,

Jack

resmungou

um

não

comprometedor ― Uh, huh. ― Ela sente que uma noite com um homem semelhante ao seu noivo traria um encerramento. Uma pausa na batida rápida. ― Não teve aconselhamento? ― O que soava como o arrastar de um telefone sendo reajustado em outra orelha. ― E como transar com um estranho poderia ajuda-la no processo do luto? Eva perguntou. ― Honestamente, Jackson, que os americanos e suas vulgaridades sem corte.

É claro que ela teve aconselhamento.

Eu não

consideraria honrar o seu pedido de outra forma. Ele bateu um pouco mais. ― Seu ponto, Eva? Estou ocupado. Qual é o favor? Ela riu. Isso ia ser muito divertido. ― Eu estou olhando para o seu amante de uma noite perfeito. Ela enviou uma imagem do seu noivo, juntamente


com o perfil dela. Ele era alto, com cabelo preto curto, olhos escuros, da cor do Mediterrâneo... muito bonito. Um sósia de alguém que conhecemos. Silêncio se enrolou nas ondas entre eles por vários segundos de duração. Jackson era um homem inteligente, não levaria muito tempo para... ― De. Jeito. Nenhum. ― Jackson, este seria um grande favor. ― Você está fora da sua mente, Evangeline. Eu deixei você usar o meu hotel para o seu negócio casamenteiro, mas esse acordo não inclui a minha participação. ― Eu trouxe mais de um milhão de dólares em receita para o seu hotel no ano passado ― ela lembrou. ― Na verdade, mais perto de um milhão e meio. Eu posso levar esse dinheiro para outro lugar com um acordo tácito entre eles. ― Ela odiava puxar o cartão financeiro, mas negócio era negócio como seu mentor e parceiro, Simon, sempre dizia. Jackson não emitiu nenhum som por alguns instantes. Mas, o dinheiro fala, empresários experientes ouvem, e ela quase podia ouvir as rodas girando em sua cabeça. Uma cadeira rangeu, e ela imaginou ele girar em torno para olhar pela janela do seu escritório em Las Vegas e além para o panorama do deserto. Finalmente, ele suspirou, uma mistura de frustração e derrota. ― Isso é jogar sujo, mesmo para você, Eva. Você sabe que a economia esta uma merda agora. Bingo Ela queria bater palmas de alegria. ― Parece bom. ― Eu não vou dormir com ela.


Evangeline ignorou o protesto e rolou para baixo a tela do computador para a imagem da jovem no arquivo. Cristalinos olhos azuis, cabelo loiro natural, na altura dos ombros, bronzeado saudável, e uma figura curvilínea que gritava garota da Califórnia. Eva havia procurado a mulher perfeita para o solitário, Jackson, sobrecarregado por um tempo muito longo, e ela ficaria linda nos seus braços. E, em sua cama. ― Ela é muito linda. ― É melhor ela ser ― Sua voz baixou uma oitava. ― E, eu ainda não vou dormir com ela. ― Eva tentou interromper. ― Mas, para o bem da nossa relação comercial, eu vou fazer este favor para você. Uma vez. ― Mas, claro, meu querido. ― Ela inclinou para trás na cadeira, tentando manter o sorriso em sua voz. ― Isso é tudo que estou pedindo. O teclado bateu fortemente novamente no outro lado da cidade, a mente de Jackson, obviamente, passava para outras coisas mais importantes. Madame Evangeline compreendeu sua direção, e aceitou a dispensa silenciosa. Ela e o homem sobrecarregado eram pessoas muito semelhantes, ambas impulsionadas pelos negócios que eles amavam. ― Vou enviar o e-mail com os detalhes.


Jesus, com o que ele concordou? Jack Castillo atirou o telefone de volta em sua mesa e recostou-se na cadeira com uma maldição. A última coisa que ele precisava era de um encontro com uma das clientes de Evangeline. Ele não se importava quão bonita a mulher poderia ser, ele levava uma vida complicada, ocupada e não tinha tempo para passar a noite, para não mencionar uma noite inteira, com uma estranha. E gostava de encontrar suas próprias mulheres, muito obrigado. Mas Eva manobrou-o direito no acordo, com bastante facilidade, na verdade. Foi uma coisa que o levou a concordar em permitir que ela usasse seus hotéis para os encontros dela “Apenas uma noite serviços de relacionamentos”. Não que ele estivesse realmente ocupado. Ela forneceu aos seus hotéis um fluxo estável de renda em troca de um lugar seguro para os seus clientes se reunir para os seus encontros. O que eles escolheram fazer uma vez que eles chegaram lá não era diferente do que o que milhares de casais fazia todos os anos em Las Vegas. O que acontece em Vegas.... Ele simplesmente não conseguia entender como ele se tornou um cliente. Em seu próprio hotel. Maldição.


Capítulo Um

Leah deslizou o cartão de plástico na fechadura, entrou no quarto de hotel, e soltou um suspiro impressionado. Ela passou a mão ao longo do papel de parede de seda perto da porta. Hotéis de Luxo e Castillo eram sinônimos, e este quarto não decepcionou toda a parte da larga experiência da 1NS. Madame Eva prometeu apenas o melhor para seus clientes. Um caso de uma noite não... era algo que Leah experimentou, muito menos pagou. ― Você pode fazer isso ― ela sussurrou, lutando contra o desejo intenso de fazer uma corrida para o elevador e largar todo o encontro. Jogando o cartão-chave sobre a mesa de cabeceira mais próxima, ela tomou conhecimento da grande suíte. Marrons, creme, bege e chocolate, aconchegante e convidativo. Ela avistou um enorme banheiro por uma porta aberta à sua esquerda e apareceu para espiar dentro. Céus, a jacuzzi era grande o suficiente para nadar dentro dela. Voltando-se, ela encontrou as cortinas pesadas que se abriam para revelar toda a cidade de Las Vegas brilhante abaixo. Debaixo da TV de tela plana gigantesca na parede distante estava um bar totalmente equipado com pia. Perfeito. Talvez um coquetel ou dois poderiam persuadir as borboletas no seu estômago para a terra. O que ela estava pensando, inscrever-se para uma noite de sexo com um desconhecido? Se o seu


terapeuta soubesse o que ela tinha arranjado para a noite, ele provavelmente ia dispensa-la. Será que os terapeutas até mesmo faziam uma coisa dessas? O que ela não podia ignorar por mais tempo era o ponto focal do quarto, a Cama King Size, de um metro de altura. Tão grande quanto o quarto era, a cama tinha grandes colunas. E, em algum momento nas próximas horas, ela estaria na cama, rolando em um sexo quente, suado, com um homem que ela não conhecia. Inclinando-se, ela saiu de um dos sapatos de salto alto que ela antes achava que eram uma grande ideia usar. Tirando o outro, ela gemeu e mexeu os dedos dos pés no tapete de pelúcia. As coisas más não iriam tocar seus pés novamente antes de sair. Nem mesmo os saltos de dez centímetros escondiam a sua baixa estatura. Como as mulheres da sua família gostavam de chamar sua genética comum. E o que isso importava quando você passava a noite na horizontal? É assim que a noite iria acabar de qualquer maneira... horizontalmente. Ela estremeceu. De olho na cama novamente, ela se aproximou dela e franziu a testa. Como na terra ela graciosamente iria ficar nessa coisa? Tirou a bolsa grande fora do seu ombro, ela colocou-a no oceano do colchão e subiu. Suas pernas balançando sobre a borda e ela resistiu à vontade de se balançar como uma criança. Em vez disso, ela puxou mais o saco e abriu o zíper, olhando o conteúdo. Carteira, telefone, balas, passaporte. Preservativos.


Com um pouco de sorte, se houvesse uma oportunidade, nós temos que estar preparadas! Leah estremeceu com o dom da sua irmã. Inclinando-se, ela puxou a gaveta do criado mudo aberto e jogou a caixa que pousou ao lado da Bíblia Gideão. Oh, a ironia. A música You Sexy Thing tocou do fundo da sua bolsa, quebrando o silêncio. Ela pulou, correu para o seu celular e apertou a tecla de liga. ― Desde que você respondeu, eu estou supondo que você está sozinha e ainda vestida. Leah teve que rir. Se alguém pudesse encontrar o humor nesta ridícula e completamente fora de lugar situação em que Leah se meteu, seria a sua irmã, Lana. ― Sim, em ambos os casos. ― Nenhum sinal do Príncipe Encantado ainda? Leah se soltou sobre a colcha espessa e olhou para o teto. ― Não. Mas, cheguei aqui mais cedo. A Hesitação de Lana ecoou sobre as ondas. ― Não é tarde demais para desistir, você sabe. Leah balançou a cabeça. ― Isto não vai acontecer. Eu preciso deixar Mark e seguir em frente com a minha vida. Isto é como eu optei por fazê-lo. Lana suspirou. ― Dormindo com um estranho não é a forma ideal, querida.


Deus, quantas vezes será que ela e sua irmã teriam essa conversa? Leah começou a escutar a mesma ladainha de todo dia e começou a contar o número de azulejos no teto. Perguntou por que havia ganchos de aço lá em cima. ― ...Medo de que isso vai doer mais do que ajudar ― Lana falou monotonamente. Uma batida firme na porta sacudiu Leah fora do seu estado distraído. Tocando sinos de alarme, ela deixou cair o telefone antes de sair sem graça fora da cama gigantesca. Droga. Ela tentou respirar em torno do martelar repentino do seu coração. A voz de Lana continuou em algum lugar debaixo da cama e Leah tateou as cegas em busca do telefone antes de localizá-lo perto da parede. Ela se agarrou a ele, perto do ouvido como uma tábua de salvação, e cortou sua irmã fora no meio da frase. ― Oh, meu Deus, Lana ele está aqui. Lana esperou um pouco antes de responder em uma corrida, ― Não é tarde demais. Diga a ele que você mudou de ideia. Outra batida soou e Leah pulou novamente. Pressionando a mão ao seu coração, ela sussurrou: ― Não. Eu preciso fazer isso. ― Não seja boba! Ele vai entender se você não... ― Eu tenho que ir, Lana. Eu ligo para você amanhã. ― Lançando desligou o telefone, ela mudou o volume para o mudo e colocou sobre a mesa de cabeceira. Então, no piloto automático, ela atravessou o quarto e abriu a porta.


Capítulo Dois

Puta merda. Evangeline tinha prometido uma mulher adorável, mas ela nunca deu a entender que seria uma Barbie de Malibu. Em uma fração de segundo, o cérebro de Jackson registrou cada detalhe perfeito da boneca que criou vida do cabelo longo, loiro, seios rosados e cintura de ampulheta, as pernas bronzeadas. Ele não sabia do problema que tinha se metido enquanto ele... sim, isso não ia acontecer. Mas caramba, a imagem não poderia ser mais agradável. Gema de olhos muito azuis, com as pupilas dilatadas, olharam para ele. Ele se via em seus olhos, a mulher tomou a palavra pequena para um nível totalmente novo. Normalmente, ele preferia sua mulher alta o suficiente para que uma escada não fosse necessária para beijá-lo... mas o que importa quando você esta na horizontal... não que na horizontal fosse acontecer. Mas ainda assim... Ele limpou a garganta. ― Olá, Leah. Ela assentiu com a cabeça e apoiou-se para deixá-lo passar. ― Você deve ser Jackson. Por favor, entre. Ao entrar no quarto, ele examinou-o, observando as amenidades com aprovação. A seu pedido, o pessoal da arrumação tinha tomado um cuidado extra com ele, e Juan fez bem, seu gerente do clube, abasteceu o minibar para suas especificações exatas. Ou melhor, Jackson tinha notado as preferências de Leah


na véspera, no perfil que tinham enviado a ele – Champagnhe argentino Riesling – servido gelado. Parando no meio da sala, ele viu quando Leah trancou a porta e fechou a barra de segurança. Usado para fazer ultrarrápidas observações em seus negócios, ele observou o leve tremor dos seus dedos. Interessante. Ela iniciou esta aventura de uma noite, pagou pelo privilégio, então ela obviamente não tinha um problema com a ideia de se entregar a um estranho. Mas quando ela se virou para ele, com uma expressão que era tanto de determinação e fragilidade, isso o surpreendeu. Seu olhar viajou sobre ele, breve, mas completo, e ele não perdeu o milissegundo extra de consideração que ela tinha dado a sua virilha. Pena que ela não estaria vendo de perto e pessoalmente com ele. Seu pênis endureceu em resposta, esperançoso de qualquer maneira. Ela encontrou seus olhos e corou, o rosa se espalhando em uma corrida adorável em suas maçãs do rosto. ― Obrigado por ter vindo. ― Uma mão, delicada nervosa brincou com um único fio de pérolas minúsculas descansando na base do seu pescoço. Jackson fez um gesto em direção à pequena área de estar perto da janela. ― Por que não nos sentamos? Foi então que notou seus pés descalços, pequenos como o resto dela, com unhas dos pés pintadas de cor de rosa como algodão-doce rosa. Ela deslizou graciosamente para a cadeira e uma vez instalada, empoleirada na borda do mesmo, como se pronta para sair correndo. Ele franziu a testa, e um desejo, não característico de proteção assumiu. Por mais que ele não estivesse de acordo com sua razão para tirar proveito dos serviços de Madame Eva, ele também não queria que Leah se arrependesse, ou pior, tivesse medo dele. Se o que Eva disse


a ele era verdade, o ano passado de Leah tinha sido nada menos do que trágico. Pior, ela usava a solidão como um distintivo.

Meu Deus. O homem era quente como o pecado, e sexy como o Mark era. Quadro de altura, cabelo preto, pele cor de oliva suave, olhos castanhos escuros em formato de amêndoa. Mas as semelhanças terminavam ali. A Aura de Mark sempre carregava um certo nível de garoto da casa ao lado, ainda que atraentemente sensual. Com essa aura doce, mas sexy, mulheres gravitaram em direção a ele. Sem dúvida, as mulheres gravitavam em torno de Jackson também. Mas ele exalava perigo, virilidade, bad-boy e um toque de raiva. Ele não queria estar aqui. Era intrigante. Todo suave e sofisticado, ele definitivamente não se parecia como um homem facilmente forçado ou persuadido a fazer algo que ele não queria fazer. Então por que ele concordou? Com a sua pressão sanguínea subindo para a zona vermelha, ela forçou uma expressão branda e avançou até sua bunda encontrar a parte de trás da cadeira acolchoada.


― Obrigado por ter vindo ― disse ela, de repente, sua língua muito grande na sua boca. ― Você já me agradeceu. ― Ele sorriu, o sorriso sincero atingindo os olhos, e fazendo com que o seu coração dançasse. ― Mas, você é bem-vinda. Em vez de sentar-se na cadeira em frente a ela, ele caminhou até o bar, pegou uma garrafa de vinho de um balde de gelo de prata esterlina, e serviu dois copos. Ele entregou-lhe um, em seguida, levantou a dele em um brinde. ― Para novos amigos. Aturdida, ela levantou a taça para a sua e do cristal cantou, um sinal sonoro rico. O primeiro gole do vinho, perfumado, gelado a surpreendeu. ― Isso é maravilhoso. Eu adoro um bom Riesling. ― Eu sei. ― O canto da sua boca se elevou quando ele admitiu: ― Você mencionou em seu perfil. Ele impressionou mais do que ela queria admitir, ele se deu ao trabalho de planejar e organizar com o gerente do hotel para que servisse o vinho que ela gostava. Mark nunca teria essa ideia de algo tão organizado, ou pensar em... Colocá-lo fora da sua cabeça, Leah. Hoje à noite é para avançar, e não reviver o passado. Ela limpou a garganta, e estalou a língua no céu da boca. ― Já faz tempo desde que eu preenchi esse perfil, eu realmente não me lembro muito do que eu escrevi. ― Mentirosa. Você agonizou cada palavra. E você olhou tudo de novo esta manhã. Jackson encontrou seus olhos sobre a borda do copo, e por uma fração de segundo, ela teve a sensação muito real de que ele leu os seus pensamentos, e concluiu que ela tinha mentido. ― Eu me lembro bem. Você disse que gostava


de viajar, e você tem estado em todo o mundo. Você era a única garota dos meninos da equipe de surf na escola. ― Ele rodou o vinho no copo por um momento, observando o movimento do líquido. ― Você come seus legumes, e você gosta do seu bife ao ponto. E, se bem me lembro, você tem um carinho especial por gatos, mas você viaja muito a negócios, assim você não pode ter um agora. Nossa! Ele prestou atenção, quase memorizou as informações pessoais em seu perfil. Madame Eva exigiu um questionário extremamente detalhado, bem como uma verificação de antecedentes para proteger os clientes. Mas enquanto ela usou essa informação para encontrar os melhores jogos para os clientes, ela também manteve a maioria das informações sobre o questionário confidencial, revelando apenas o básico para o casal, incluindo dados interessantes que dão visão sobre as personalidades individuais dos parceiros. Além desses princípios, de acordo com a página da 1NS, o que os parceiros escolhiam para divulgar um ao outro era com eles. ― Você sabe, Leah... ― começou o Jackson muito bonito quando ele se instalou em frente a ela, ― Madame Evangeline explicou o motivo do seu desejo... para uma noite como esta. Tanto para tirar o meu noivo morto da minha cabeça. Leah levantou a taça de cristal fino nos lábios, ganhando tempo antes de responder. Claro. O que ela disse, exatamente? “Ah, meu Deus! Aí vem o olhar compassivo e apologia macia sobre a sua perda.” Ela não acha que ela poderia suportar, mesmo mais uma menção condescendente sobre a morte de Mark. Ninguém se sentia à vontade para discutir isso, mas isso nunca impediu de tentar, que geralmente a obrigou a tentar fazê-los se sentir melhor em seu lugar.


O olhar firme de Jackson fixo no dela. ― Seu noivo está morto. Você precisa de algum fechamento, para seguir em frente, e você acha que dormir com um sósia irá fazer o truque. Ela congelou. E de repente perdeu a pena, desculpas e condescendência que ela esperava. Onde é que ele saia, colocando a necessidade de seguir em frente em termos tão grosseiro? E o que isso importava a ele, afinal? Ele sabia o que o seu negócio era, e isso ainda não o tinha impedido de aparecer. Abrindo a boca para dizer-lhe para enfiar a noite no rabo inegavelmente atraente, ela parou quando ele deslizou para a borda do seu assento. ― Perder alguém que você ama nunca é fácil, mas fica mais fácil de suportar. Com o tempo. A sinceridade em sua voz não foi fingida e se tivesse ouvido as mesmas palavras uma centena de vezes ou mais desde a morte de Mark, ouvindo-os de um estranho que não tinha razão para dizer-lhes a não ser que ele realmente quisesse dizer levou o vento de suas velas. Especialmente quando seus olhos escuros transmitiam mais que mera simpatia. Ele entendia exatamente o que ela tinha experimentado. ― Você já passou por isso também. Ele assentiu com a cabeça. ― Eu perdi alguém importante para mim há alguns anos atrás. ― Era isso, nenhuma explicação próxima e não há mais palavras necessárias. Ele tinha experimentado a negação, a raiva, a luta para aceitar o que estava fora do seu controle. ― Então talvez você possa entender que as pessoas precisam chegar a termos com a perda da sua própria maneira. ― Seus olhos se estreitaram com as palavras, mas ele não desviou o olhar. As borboletas levantaram voo novamente.


― Isto é como eu optei por fazê-lo, Jackson. Obrigando-me a deixar tudo o que tinha com Mark para trás. E, para fazer isso, eu preciso fazer novas memórias para substituir as antigas. Jackson estendeu a mão e pegou o copo da sua mão, colocando-a sobre a mesa ao lado da sua cadeira. Inclinando-se, ele segurou a sua nuca e puxou-a para frente até que os seus lábios pairaram uma fração dos dela. ― Você esta certa que é isso que você quer? Ele tinha os olhos mais incríveis, longos cílios negros enquadrando-os, mas não muito longo. Sua pele lisa teve uma leve insinuação de palha e de perto, o cheiro de um perfume caro persistia. Ele raspou muito recentemente e o pensamento a fez curiosamente feliz sabendo que ele provavelmente se preparou para o encontro, tanto quanto ela tinha. Bem, talvez não tanto. Ela duvidou que ele tivesse oito itens diferentes de roupas descartadas espalhadas na sua cama em casa. Independentemente disso, este estranho agitou as emoções que ela não tinha experiência em um longo tempo a excitação e luxúria. Parecia maravilhoso. E tão normal. Ela olhou fixamente para os seus lábios sensuais. O lábio inferior era um pouco mais cheio. Inclinando a cabeça uma fração, ela se inclinou para tocar seus lábios nos dele. Ele permitiu que ela tomasse o controle do beijo, e ela apreciava a sua sensibilidade. Senhor, ele cheirava bem e provou ainda melhor. Chegando, ela colocou uma mão em seu ombro. Olhando em seus olhos escuros, ela sorriu. ― Sim, Jackson. Isto é definitivamente o que eu quero.


Capítulo Três

Seu pênis não ia aceitar um não como resposta. Ele inchou e lutou contra o seu zíper, e abafando um gemido de frustração, Jackson se moveu para aliviar a pressão dolorosa. Ele nunca antecipou que o favor que ele tinha prometido a Evangeline causaria bolas azuis. ― Você está bem? A voz suave de Leah o puxou de volta para o presente. Inclinando-se para longe para colocar alguma distância entre eles, ele passou a mão pelo cabelo e assentiu. Ela o olhou, seus olhos azuis cheios de incerteza, e seu instinto de proteção queimado novamente. Jesus, ele nunca se envolveu com mulheres carentes, isso era o caminho mais seguro para o inferno. Ele não ia começar agora, mesmo que ele sentisse pena dela. Miséria pode amar essas coisas, mas ele gostava de estar sozinho, obrigado. Ele se levantou abruptamente, pegando a cadeira quando ele ameaçou derruba-la para trás. Tirando o paletó, ele jogou-o sobre a parte de trás e perguntou ― Você está com fome? ― Sem esperar por uma resposta, ele caminhou até a mesa para chamar o serviço de quarto. A última coisa que ele queria era comida, mas ele precisava ficar longe do seu cheiro e calor, sua total feminilidade. Comer pode ser apenas uma distração necessária para limpar a cabeça e domar a sua libido. Ele esperava.


De olhos arregalados, ela segurou os braços da cadeira e observou-o apunhalar os números para a cozinha. O gerente de cozinha respondeu ao primeiro toque. ― Ei, Marcus. Deixe-me falar com Gina. ― Quando o chef atendeu, Jackson não se incomodou com uma saudação. ― Quanto tempo vai demorar para obter uma refeição enviada aqui em cima? O chef riu. ― Eu estou bem, obrigado. Ele coçou o queixo e olhou por cima do ombro para Leah. Ela moveu-se para ficar na frente da janela, de costas rígidas. Seus dedos tateando o nó da gravata e apertou até que pairava como uma corda em seu pescoço. O que ha de errado com você? Ele nunca perdeu a calma, não com a sua equipe e definitivamente não com as mulheres. ― Eu peço desculpas, Gina. ― Ele soltou a mulher do outro lado da linha o conhecia melhor do que isso. ― O que está em seu menu de hoje à noite? ― Steak, esses purê de batatas que você gosta, e... ― Ela fez uma pausa. ― Onde você esta? Merda. Ninguém no hotel sabia que ele tinha um encontro. O máximo que sabiam era que ele pediu a melhor suíte pronta para um convidado especial, não era um pedido inédito em Las Vegas. Mas, ele tinha esquecido que a equipe tinha a capacidade de saber qual o quarto que a chamada era originada. ― Em cima. ― Ele espiou por sobre o ombro novamente e encontrou Leah segurando as cortinas com as duas mãos e continuava a tomar grande interesse no tráfego na rua abaixo. ― O que você está fazendo em um quarto de hóspedes? Por que não está no seu escritório?


Jackson estreitou os olhos. Ele não ia responder a esta questão, o maldito hotel todo saberia sobre Leah e a 1NS e o eu papel de dublê para ocupar o lugar de um morto... não, não responderia. ― Eu preciso de duas refeições. Você sabe para onde enviá-las. ― Há! O patrão tinha falado. Ele desligou antes que ela pudesse perguntar qualquer outra coisa. Ele voltou-se para Leah e sua respiração engatou. A luz dourada do sol que brilhava no deserto, criando um halo em torno do seu cabelo loiro... dandolhe um apelo quase de conto de fadas... uma fada muito sexy. E quando ela olhou para ele com um olhar questionador e tímido, seu coração disparou. Maldição. Ela estava completamente, vulnerável e bonita. Ele se juntou a ela na janela, de pé atrás, mas não tocando. Olhando por cima do ombro, viu o horizonte, um que tinha visto tantas vezes, sem nunca realmente perceber. Perguntou onde os pensamentos dela estavam e tentou não pensar sobre onde os seus próprios pensamentos estavam. ― Você quer ouvir uma coisa engraçada? ― Ela falou com uma voz suave. Suas imagens refletidas de volta para eles da janela e ele pegou o seu olhar no espelho. Mesmo no pálido reflexo, seus olhos eram de um azul estonteante. ― O que é isso? ― É irônico eu vim a Las Vegas tantas vezes, mas nunca joguei a minha vida inteira.


― Nunca Nem mesmo uma aposta? ― Ele se perguntou onde ela estava indo com a declaração. ― Não. Ele inclinou a cabeça. Entrar em contato com Evangeline tinha sido o comportamento de risco para ela então. ― Algo me diz embora que você nem sempre seguiu as regras. ― Bem, obviamente que não. ― Ela chamou a sua atenção na janela de novo e riu. ― Eu estou aqui, não estou? ― Sim. Ah, sim, ela estava definitivamente aqui. Ele sofria para tocá-la, senti-la novamente. Movendo-se para frente, ele colocou as mãos na cintura dela e puxou-a de volta contra o seu peito. Ela o surpreendeu moldando o corpo no dele, naturalmente, como se tivesse feito isso milhares de vezes. Sem pensar, ele passou os braços em volta da cintura dela. Ela se encaixou perfeitamente. Ah, inferno.

Era tão bom ser segurada por um homem. Ele era tão alto, muito alto. Braços fortes apertados contra um corpo duro muscular. Ela se perguntou se o


abraço inesperado foi pelo amor de Deus... até Jackson puxou o cabelo longe de seu pescoço e pousou uma trilha de beijos até o lado, focalizando a zona erógena loucamente atrás da orelha. Arrepios subiram pelo seu corpo inteiro em uma corrida. Qualquer noção do que era uma pena abraçar fugiu quando uma ereção insistente se pressionou contra ela através do fino tecido da sua saia. Olá? Jackson a surpreendeu, porém, quando ele não continuou a sedução, mas parecia contente em segurá-la. Ela olhou para baixo. Suas mãos eram grandes, com dedos longos e apenas uma leve pitada de cabelo escuro a espreita nos punhos da camisa, branca tão gritante em contraste com a sua pele bronzeada. ― O que você faz, Jackson? ― Ela inclinou a cabeça para olhar para ele. ― Da vida? ― Sua voz profunda vibrava contra as suas costas e ele arqueou uma sobrancelha preta. ― Ou para me divertir? Oh, meu Deus. Esse olhar, provocante e erótico, teve o seu estômago dando cambalhotas com as imagens mais deliciosas das coisas que Jackson provavelmente fazia por diversão capotou como flashs através da sua mente. ― Vamos começar com o seu trabalho. ― Vamos explorar a diversão com muito mais detalhes mais tarde. Ele franziu a testa. ― O que Eva disse sobre mim? Olhando para trás, Leah percebeu que Madame Eva não revelou muito sobre Jackson. Na verdade, ele sabia muito mais sobre Leah do que ela sabia sobre ele, até as suas preferências de estimação e como ela gostava dos seus


filés preparados. Leah, por outro lado, nem sequer sabia o seu sobrenome. ― Não é suficiente, evidentemente. ― Bem, para começar, eu possuo um negócio. Sem grande surpresa ai. Ela ouviu-o no telefone, ele sabia como mandar as pessoas ao redor. ― Pequeno ou grande? ― Começou como uma pequena empresa familiar. ― Ele apoiou o queixo em seu cabelo e apertou os seus braços. ― A família ainda é dona, mas agora é enorme. Mais do que eu posso lidar na maioria dos dias. Ela ouviu o orgulho em sua voz. ― Mas você não teria de outra maneira. ― É a minha vida. ― Ele deu de ombros para trás, o movimento lembrou-a do seu desejo, evidente premente. Ele tinha vindo para encontrá-la ainda vestido para o trabalho, traje de negócios em linha reta até o fim, até a sua gravata vermelha. Ela sempre foi uma otária para um homem em um terno, exalando poder. E não havia nada mais sexy do que um homem poderoso. ― O seu negócio é local? Ele riu. ― O mais local que você vai conseguir. Você está de pé nele. Sua mente correu. O que ele estava falando ab... Meu Deus. Lentamente, ela se virou em suas mãos. ― Você é Jack Castillo? O Jack Castillo que é dono da cadeia de Hotel Castillo? ― Ela não sabia muito sobre a sua vida pessoal, ele sempre manteve um perfil baixo, nunca aparecendo em tabloides, nunca tendo qualquer tipo de fofoca ligada ao seu nome. Mas qualquer um que seguisse o mundo dos negócios de hotel sabia quem os Castillos eram, e da enorme quantidade de dinheiro que a empresa fazia proporcionando um alto nível de alojamento, impecável e serviço. E, de repente,


a discrição da Madame Eva para não revelar o sobrenome de Jackson antes de sua reunião fez sentido. Isso, no entanto, levantou uma outra questão. Com sua riqueza e incrível boa aparência, ele com certeza não precisava dos serviços de uma empresa como a 1NS para obter um encontro. Ou obter um encontro para essa matéria. Em seguida, outro pensamento a golpeou, talvez o anonimato fosse a única maneira de garantir a distância das caça dotes. Ou talvez ele estivesse em algum relacionamento. Ou os dois. ― O que você faz aqui? ― Evangeline e eu somos amigos. Eu lhe devia um favor. Leah riu. ― Isso deve ter sido um grande favor. ― Como alguém tão movimentado como Jack Castillo teve tempo para um encontro às cegas. Ela engasgou quando ele a empurrou para trás até que ela bateu na janela. Calor do deserto irradiava através do vidro grosso e aquecido por trás dela. Sensual, o calor do corpo todo-macho aqueceu a sua frente. Seu pulso disparou. ― Até agora, não tem sido uma dificuldade. ― Ele sorriu. ― Mas não diga a ela que eu disse isso. Ele tinha a língua completamente presa. Tudo o que ela esperava para a noite foi um pouco de sexo consensual e a oportunidade de colocar Mark no passado, no aniversário da sua morte. Ela nunca em seus sonhos mais malucos, esperou passar a noite com um dos mais ricos hoteleiros do planeta. Aquele que parecia estar gostando. Uma batida discreta interrompeu seus pensamentos confusos e Jackson deixou cair as mãos da sua cintura com um olhar fugaz de arrependimento. ― Isso foi rápido.


Ela o viu caminhando a poucos passos da porta, apreciando a vista. Ele tinha uma graça animal, confiante e de certa forma predatória, o que fazia sentido. Um covarde não fazia um império de hotéis. Jackson murmurou algumas palavras para o pessoal de entrega na sala de serviço, então, rolou um carrinho de jantar no quarto. Levantando a tampa da cúpula de um dos dois pratos, ele inspecionou a refeição com o que Leah assumiu era o mesmo olho crítico que ele usou para todas as coisas no Castillo. Ele pareceu satisfeito e assentiu. ― Eu espero que você goste de coisas picantes. Um aroma inebriante de carne encheu o quarto. Ela não tinha comido muito em dois dias, em nervosa antecipação da noite que estava por vir. Seu estômago roncou e envergonhada, ela colocou a mão sobre ele. ― É um cheiro delicioso. Ele acenou para a comida. ― Eu tenho certeza que ele será. ― Puxando dois painéis escondidos debaixo do pano de linho cobrindo o carrinho, tornou-se uma mesa para dois. Depois de colocar as cadeiras que estavam mais cedo uma em frente a outra, ele estendeu a mão para ela. ― Vamos lá! Minha irmã preparou minha refeição favorita para nós. Leah se aproximou dele, ignorando a vibração em sua barriga quando ela tomou a sua mão. ― Sua irmã é o chef? ― Uma das melhores ― Ele sorriu. ― Se ela não fosse, eu ia deixar o Bellagio tê-la. ― Ele empurrou sua cadeira quando ela se sentou. Mark nunca teria feito isso. Leah mordeu o lábio em penitência por pensar mal dele. Não importa o que, ele não merecia pensamentos assim. Mesmo que fosse verdade.


Jackson esperou até que ela levantou um garfo e deu uma mordida antes dele começar a comer. Ela fechou os olhos em êxtase como o sabor celestial e o cheiro da carne primorosamente preparada encheu a sua cabeça. ― Oh, isso é... ― Ela deu outra mordida, incapaz de terminar o pensamento em torno da perfeição deliciosa. Ele assentiu com a cabeça. ― Eu te disse, eu só tenho os melhores chefs. ― Você estava certo. ― Leah tomou um gole de vinho. ― Mas, por favor, não mencione a eles que eu lambi o prato limpo quando eu terminei. Sua gargalhada a surpreendeu. Olhando para cima, ela corou, a diversão em seus olhos enquanto ele a olhava. ― conhecendo da minha irmã, Gina, ela estaria lisonjeada. Eles comeram por vários momentos, confortáveis no silêncio antes de Leah finalmente empurrar o seu prato. ― Agora que eu não posso dar outra mordida, diga-me o que era. ― Ela sentou-se e observou-o comer, o estilo europeu. A economia de movimento a fascinava. Ou talvez fosse simplesmente observando suas mãos fortes lidar com os utensílios com precisão e graça. Ela limpou a garganta e tentou ignorar outro flash mental de suas mãos, acariciando sua carne sensível. ― Fusão de Cuba. Minha irmã estudou com o chef Emilio Diaz, em Miami durante vários anos antes de voltar para casa. ― Impressionante. ― Chef Emilio, o talentoso, cubano arrogante que fez até mesmo Oprah desmaiar. ― Casa deve ser Las Vegas, e não Miami? ― Este é o nosso hotel emblemático, então sim, Vegas é a casa. A maior parte da família está aqui, apesar de um casal de irmãos e um primo


gerenciar resorts em outros lugares. ― Jackson se recostou na cadeira e cruzou um tornozelo sobre o joelho. Seu olhar intenso nunca saiu dela. Ela procurou algo para dizer. ― Sua família é cubana? ― Meus pais emigraram de Cuba antes da revolução. Nossa herança desempenha um papel em quase todos os aspectos das nossas vidas. ― Ele estendeu a mão e levantou a tampa de uma pequena tigela sobre a mesa. ― Incluindo a sobremesa. O cheiro de canela e baunilha flutuava entre eles. Deu água na boca de Leah, mesmo após a deliciosa refeição que tinham compartilhado. ― O que é isso? ― Prova que minha irmã me ama. ― Ele mergulhou uma colher e levantou-a em sua direção. ― Natilla Cubana ― As palavras latinas bonitas rolaram da sua língua. ― Creme cubano, a receita da minha mãe. Experimente. Mas, ele segurou a colher muito longe. Leah olhou para ele, esperando que ele chegasse a deixar que ela tivesse um gosto, mas ele não se mexeu. Ela lambeu os lábios e ele pegou o movimento diante dos seus olhos escuros levantou-se lentamente para chegar a dela. Ele se esticou para frente e ela o encontrou na metade, fechando os lábios sobre o metal, nunca os seus olhares se separaram. A tensão sexual entre eles queimando, quente e rápido e ela mal provou da sobremesa. Quando ela começou a sentar-se, ele balançou a cabeça. ― Venha aqui, Leah. O calor em sua voz imobilizando ela, fazendo-a esquecer-se sobre comida e conversa fiada, e se concentrar apenas sobre ele. A súbita mudança de conversa, jantar à luz ao desejo, ao mesmo tempo confundindo-a e a emocionou.


Ele colocou a colher para baixo e levantou-se, estendendo a mão para ela. Quando ela a pegou, ele puxou-a e beijou-a, seus lábios macios, mas determinado. Quando ele terminou o beijo, ela suspirou. ― Eu acho que o jantar acabou. ― Muito acabado ― ele murmurou contra a sua boca, sua língua buscando entrada. A invasão aumentou as batidas do seu coração até que ele tinha que sentir o bater contra o seu peito. Suas mãos agarraram o seu traseiro através do seu vestido e puxou suavemente até que ela ficou na ponta dos pés e sua ereção muito insistente pressionada diretamente contra o seu montículo. Ela estremeceu e empurrou para ele, pedindo mais. Seus dedos vagaram para a parte de trás do vestido e correram pela sua espinha. Puxando para trás, ele franziu a testa. ― Onde diabos está o zíper desta coisa? Ela riu de sua frustração. ― Não há. Ignorando sua diversão, ele a levou para trás até que ela esbarrou na cama. Levantando-a, colocou-a de costas e apoiou as mãos em cada lado da cabeça dela e inclinou-se para um beijo rápido de pé. Correndo as palmas das mãos para cima ao lado das coxas e sob o vestido, ele levantou a bainha, seus lábios roçando o tecido ao longo do caminho. O ar frio seguindo atrás do rastro quente das suas mãos, e arrepios subiram pela sua pele. No momento seguinte, ele expôs a sua calcinha. Inclinando-se, beijou a pele sensível acima do elástico. Calor inundou o seu núcleo no simples gesto, mas erótico e ela suspirou. Ela tinha sentido falta das carícias, da sedução de um homem, mais do que ela tinha imaginado. O toque de Jackson despertou a sexualidade que ela


pensou que tinha morrido com Mark. Mas seu corpo se lembrou de quanto tempo ela tinha ido sem a intimidade do sexo, ela não queria perder mais tempo. As mãos de Jackson se arrastaram até o interior do seu vestido e o tirou sobre a sua cabeça para lançá-lo de lado. Então, ele olhou para ela, sua expressão escura e séria. ― Diga-me isto é o que você quer. ― Quando ela acenou com a cabeça, mas não respondeu, ele disse: ― Eu preciso ouvir você dizer isso, Leah. Diga que você quer isso. ― Eu quero isso. ― Ela puxou a sua camisa até que ela tirou da sua calça. ― Eu quero que você faça isso. Isso parecia ser tudo o que ele precisava ouvir. Com um gemido, ele começou a despir-se, arrancando a gravata sobre a sua cabeça antes de se atrapalhar com os pequenos botões em seus punhos e da frente da camisa. Ela recostou-se nos cotovelos, observando-o lutar, sabendo que ele queria ela tanto quanto ela precisava dele. Sua calcinha estava encharcada com o seu desejo e expectativa. Quando o seu olhar viajou para baixo para ficar na tenda em suas calças, suas mãos empurraram e bateu em um botão. ― Deixe-me ― Ela empurrou suas mãos longe, os dedos pequenos trabalharam o resto dos botões através dos buracos, ela olhou para ele através do seu cabelo e sorriu. Em uma corrida, ele deu de ombros para fora da camisa, agarrou as mãos dela e deitou-se na cama novamente, fixando-se sobre ela. Seu peso mais um lembrete do quanto ela tinha sentido falta do sexo e a sensação de um homem pressionando-a no colchão. Ele acariciou seu pescoço com os seus lábios, e levantou as mãos dela unidas acima da cabeça. Duro e enorme, esfregou sua ereção contra a fina barreira da sua calcinha e a cueca dele e ela abriu as pernas


e arqueou novamente. Sua carência óbvia deveria envergonha-la, mas ela não estava. ― Enrole suas pernas em volta de mim. ― Ele pontuou a demanda com um beijo ardente e apertando o seu pênis contra ela. O início da liberação se concentrando em seu núcleo e ela arrastou a sua boca para a dele com um gemido. Ele levantou a cabeça e olhou para ela. Sua respiração engasgou no desejo e luxúria em seu rosto. Ele moveu os seus quadris novamente e os seus olhos se fecharam. Ela mordeu o lábio. Tão perto. Mais um movimento do seu pênis e ela gozaria. Quando ele não se moveu, ela abriu os olhos. Com uma voz áspera, ele disse, ― Camisinha? ― Gaveta de cima. Ele rolou para fora da cama, tirou as calças em tempo recorde e puxou a gaveta do criado mudo aberta. Puxando a caixa Lucky Stiff, ele leu e franziu a testa, mas não fez nenhum comentário. Um momento depois, ele a puxou em seus braços e lhe deu um beijo suave. ― Última chance de reconsiderar. Enquanto ela apreciava a sua consideração, ela pagou por um caso de uma noite. Desistindo do seu encontro não era uma opção, especialmente quando seu único desejo era ter ele enchendo-a e levá-la ao longo da borda. Em vez de responder, ela guiou a mão ao topo da sua calcinha. ― Você pode me ajudar com isso? Sem uma palavra, ele avançou e sobre os seus pés, então soltou seu sutiã. Seu coração trovejou e seus mamilos endureceram em resposta. Escarranchando encima dela, ele puxou o sutiã livre e abaixou a cabeça,


capturando um mamilo entre os lábios. Sua língua quente a acariciou, rolando-o suavemente, atirando faíscas de desejo direto para o seu clitóris. Ela se esforçou para cima para mais e ele riu, dando atenção igual ao outro peito. Agarrando seus bíceps, ela gemeu. ― Por favor, Jackson. Sua boca quente avançou o seu caminho até o seu peito e mordeu o seu pescoço, fazendo-a se contorcer debaixo dele em antecipação. Ele se mexeu para ficar entre as suas pernas, seu pau tocando a intimamente dela e ela se abriu para ele, tão pronta para a invasão. Polegada

por

polegada

agonizante,

ele

a

penetrou,

recuando

e

empurrando, até que ele a encheu. Ele parou. ― Tudo bem? Ela não podia falar e acenou com a cabeça no lugar. Tê-lo dentro dela, sentindo o peso dele sobre ela, quase a afligiu. Ela tinha esquecido o quanto maravilhoso fazer amor poderia ser quão maravilhoso se sentia. Sem dúvida, organizar esta noite tinha sido a coisa certa a fazer. Deixar Mark para trás não significa esquecer-se dele. Mas o tempo e novas experiências ajudavam a aliviar a perda. E Jackson Castillo definitivamente sabia como aliviar uma perda. Movendo-se, então, seus golpes lentos e fáceis. Ele era um homem grande, em todos os sentidos, e ela apreciava a sua gentileza, mas ela queria mais. Suas preliminares a impulsionaram quase até a borda e ela ansiava a conclusão de seu toque prometido. Ela enrolou as pernas em torno da cintura dele, seu peso empurrando seu pênis mais profundo. Seu grunhido satisfeito de prazer acompanhando o dela e ele respondeu, girando os seus quadris, esfregando o seu clitóris. Ele se apoiou em um braço e colocou a outra mão sob as suas costas para levantá-la,


inclinando a cabeça para trazer seus lábios ao peito. Sugando o mamilo tenso, ele nunca parou de se mexer lento e seguro entre as pernas dela. O prazer combinado da boca e pênis marcou uma batida direta, muito mais rápido do que ela esperava, e ela voou por cima da borda, o orgasmo segurando-a, furioso, rasgando o ar dos seus pulmões. Ele nunca parou de acariciá-la mais e mais e ela atingiu o pico de novo, o prazer mais intenso, ainda mais emocionante. A consciência voltou lentamente. Bem, isso nunca aconteceu antes. Ela não podia esperar para fazê-lo novamente.

Capítulo Quatro

Esqueça a resistência e desempenho e todas as coisas que um homem tinha orgulho. Leah se mexendo embaixo dele estava acabando com Jackson. Tendo suas pernas em volta do seu traseiro enquanto ele se dirigia para ela, ouvindo seus gritos, sentindo o seu aperto com prazer ao redor do seu pênis. Ela puxou o gatilho e ele explodiu. Não foi até depois que ela balançou o seu mundo que ele caiu livre junto com ela que ele se lembrou da sua promessa a Evangeline de não dormir com Leah. E chamou a si mesmo de um bastardo egoísta, mas, logo que ele tinha tido


um período de tempo adequado de recuperação, ele pretendia quebrar essa promessa tudo de novo. Apoiou-se nos cotovelos, e encontrou-a olhando para ele com a mesma expressão confusa, ele sabia que tinha que estar em seu rosto. Ele lutou contra a vontade de sorrir. Tentou pensar em algo romântico ou sexy ou inteligente para dizer, mas nada veio à mente. Ela estendeu a mão e segurou o seu rosto com as mãos. ― Isso foi ótimo. Posso levá-lo para casa comigo? ― Em seguida, ela riu. Ele riu com ela. Porra, isso foi ótimo. Ela era muito boa. Sentia-se como uma estrela de rock condenado. Dando-lhe um beijo rápido, ele rolou para longe e fez uma rápida visita ao banheiro. Ela tinha escorregado sob as cobertas e ele deslizou entre os lençóis, chegou ao seu lado para encará-la. Como se tivessem sido amantes há anos, em vez de minutos, ela relaxou ao lado dele. Ele colocou o seu braço ao redor dela, e ela se encaixou como uma luva... um ambiente aconchegante, feminino, sexy como o inferno. Ele não era um grande fã de conversa de travesseiro, mas quando ela não falou, ele fez. ― Você nunca me disse o que você faz para ganhar a vida. Ela trocou debaixo do braço e bocejou. ― Eu sou uma comissária de bordo da Vista Airlines. Ele conhecia o Gerente Executivo da Vista, Bobby Murphy, da comunidade de negócios de Las Vegas, já que a sua sede era no McCarran International. ― Eu conheço o seu patrão. Ela passou a mão em um padrão preguiçoso no seu peito. ― Todo mundo conhece o Bobby ― Outro bocejo e um pedido de desculpas murmurado.


― Eu tenho que estar no aeroporto as cinco. Estou programada para as seis horas um voo para Newark. ― Eu vou te levar. ― Ah, inferno. De onde esta oferta veio? Ele não levava qualquer um em qualquer lugar, isso é o que os motoristas e taxis limusines faziam. ― Deixe-me saber quando você quiser sair.

Uma língua, quente e úmida deslizou até o lado do seu pênis e para baixo, enquanto uma mão macia amassou as suas bolas. Ele arqueou seus quadris, esperando que ela o levasse em sua boca, e ela o fez, trabalhando a língua ao redor da fenda, raspando delicadamente com os dentes. Ele gemeu e forçou-se mais profundo em sua boca quente, colocou as mãos em seu cabelo, segurando firme. Envolvendo seus lábios ao redor da cabeça, ela trabalhou a magia erótica, provocando a glande com a língua e acariciando a base do seu eixo. O aperto inevitável do seu saco começou e ele gemeu com o prazer pendente. Jackson acordou, ele olhou ao redor, desorientado e sem fôlego. Luz fina se filtrava da Faixa abaixo da fresta nas cortinas do hotel, apenas o suficiente para ele perceber exatamente onde estava deitado de costas, sendo soprado por


um anjo com uma boca incrível e habilidosa, e até mesmo a um segundo de distância de um alucinante orgasmo. Jesus, este não era um sonho. Suas mãos repousavam sobre a cabeça dela, o cabelo loiro fazia cócegas em seu estômago e obscurecia o rosto de Leah até que ela sentou-se e inclinou a cabeça para ele. Quando ela sorriu, o seu coração se alojou em sua garganta e ele não se atreveu a considerar o que isso significava. Em vez disso, ele agarrou os pulsos dela e puxou-a até que ela estava deitada em cima dele. Ela fez beicinho. ― Eu não acabei. Ele arqueou uma sobrancelha. ― Você não tem ideia de quão perto você estava de acabar. ― Ela se mexeu com esforço contra o seu pênis, e ele agarrou a sua bunda para mantê-la imóvel. A última coisa que ele queria era uma bagunça sem os benefícios. ― Não está brincando aqui, querida. Sentando, ela se estendeu sobre a cama e puxou um preservativo fora da mesa de cabeceira. Ela segurou o fora do alcance dele quando ele tentou pegá-lo. Lançando-se para baixo, ela sentou-se nas pernas dele, seus dedos delicados facilitando o látex para baixo no eixo dele. Então ela se arrastou o seu caminho de volta até o seu corpo, beijando a sua barriga, depois o peito, seu sexo escorregadio com a sua necessidade, uma vez que deslizou ao longo do seu comprimento. Resmungando um juramento, ele agarrou os seus quadris e mergulhou, enchendo-a. Seus silvos de prazer combinavam com os dele.


Capítulo Cinco

Ela arqueou as costas e montou ele. Forte. Os dedos cravaram em sua pele quando ele se moveu com ela, um pouco de dor para adicionar ao prazer, algo que ela nunca pensou que ela iria gostar. Ela caiu para frente e as suas bocas se fundiram, acasalamento de línguas em uníssono com seus corpos. Ele afastou os lábios dos dela e gemia. ― Goze comigo. O comando, corajoso e sexy como o inferno, empurrou-a para cima. Com um grito, ele subiu uma última vez e bateu o seu próprio clímax através dela, fechando tudo para fora, consumindo-a. Ela se derreteu em cima dele, encostou o rosto contra o seu peito, sentiu as batidas do seu coração, ouviu a sua respiração irregular... feliz que ele não era menos afetado por sua vida amorosa. Ele passou uma mão levemente nas costas dela. ― Fiz bem? Ela assentiu. E fechou os olhos contra as lágrimas inexplicáveis e indesejadas.


Ela acordou antes do amanhecer, registrando o fato de um homem grande e nu abraçado ela, sua mão descansando no peito dela. Querendo nada mais do que ficar ali, e sabendo que seria satisfatório e perigoso para o seu coração, ela se afastou e caiu sobre a borda da cama. Os lençóis farfalhavam e ela olhou para cima para recolher o seu vestido do chão. Seus olhos, escuros e vigilantes, seguindo os seus movimentos, ela juntou o sutiã e a calcinha e procurou os sapatos debaixo da cama. Em pé, ela olhou quando ele levantou uma mão. ― Venha aqui, Leah. A última vez que ele exigiu isso, eles... o que? Tinham feito sexo... Amor... Fodido? Não que o termo correto verdadeiramente importasse. A noite acabou a manhã chegou e ela conseguiu o que ela tinha pagado. Um caso de uma noite. ― Eu tenho que me preparar para o trabalho. ― Afastando-se antes que ela mudasse de ideia e se juntasse a ele na cama quente, ela entrou no banheiro e fechou a porta atrás dela.

Jackson ouviu o tamborilar da água quando Leah entrou no banho, ouviu o estalo do frasco de xampu abrir e fechar. Na imagem, o cabelo longo e


esvoaçante pelas costas quando a água passou por cima da sua pele bronzeada. Perguntou-se se as suas mãos delicadas seguravam seus seios e ela virou o rosto na direção do spray, a sua expressão a mesma que o que ela tinha usado quando ela gozou... Merda! Duro como rocha, ele teve que forçar as pernas para ficar parado e não balançar para o lado da cama, exigir o seu direito de auto tesão no banheiro e se juntar a ela no chuveiro. Depois de algumas respirações profundas, ele se levantou e pegou a calça do chão. Puxando sobre os seus quadris, ele forçou a sua furiosa ereção em sua calça e a fechou. Ele tinha acabado de desligar o telefone do serviço de quarto quando a porta do banheiro abriu. Ar úmido e o cheiro de sabonete e xampu do hotel seguindo Leah para fora. Ela sorriu enquanto secava o cabelo com a toalha seca. ― Ele é todo seu. ― Ela soltou a toalha que ela se enrolou e ele abafou um gemido. Mamilos rosa franzidos em protesto no quarto com ar-condicionado, mas foi rapidamente escondido novamente pelo sutiã. Antes que ele se fizesse de bobo completo, ele disse: ― Eu não tinha certeza do que você gostava, então pedi café e chá completo. Ela assentiu com a cabeça e continuou seus agradecimentos ao se vestir. Não sabendo mais o que dizer para quebrar o silêncio desconfortável, ele deu um beijo rápido e foi para o chuveiro. Ele não estava surpreso ao encontrar o quarto vazio quando ele saiu. Ele olhou para a porta por alguns instantes antes de atravessar o quarto e procurar através do bolso de dentro do paletó o seu celular. Digitou um número familiar, ele esperou até que uma voz sonolenta respondeu e não perdeu tempo na emissão da ordem.


― Sou eu. Chame Bobby Murphy ao telefone. Diga a ele que preciso de um reserva.

― O homem do três B quer mais champanhe. Leah fez uma careta. ― Sério... Mas são 5:30 da manhã! ― Querida, a noite ainda é jovem para esse cara. ― O outro comissário tirou uma garrafa de espumante para fora do refrigerador e tirou a rolha. Ele olhou para ela e levantou uma sobrancelha. ― Você sabe que você pode me dizer para eu me meter com o meu próprio negócio, mas você parece uma mulher que passou a noite toda fodendo. E detalhes seria bom, se você quiser compartilhar. Ela ficou feliz por estar de costas para ele assim ele não podia ver o rubor subindo pelo seu pescoço e rosto, ela, no entanto, não conseguiu manter o tremor em sua voz. ― Ótimo, Eddie. Diga isso um pouco mais alto para a cabine inteira ouvir. O pequeno homem olhou em volta do seu ombro, e engasgou. ― Oh, meu Deus! Eu tenho razão. Apertando o botão de início em um pote de café, ela se encolheu. ― você não tem o que fazer? Além de me lembrar de um homem incrível e o melhor sexo da minha vida que acabou quase antes que começasse?


Eddie riu e saiu com o champanhe, cantarolando irritantemente. O pote de café bateu e parou seu gorgolejar alegre. Ligar e desligar não corrigiu o problema e ela franziu a testa. Ouvindo o retorno de Eddie, ela disse, ― A máquina de café está quebrada novamente. ― Quando ele não respondeu, ela olhou por cima do ombro e congelou. ― Olá, Leah. ― Jackson estava na entrada da cozinha, levando um cartão de embarque e uma atitude importante. Ela virou-se, cada grupo muscular se transformou em geleia. Com dedos trêmulos, ela se manteve ocupada, sem pistas para qualquer coisa, somente a presença inesperada do grande homem, muito irritado atrás dela. Ela se afastou quando um hálito quente veio atrás da orelha. ― A sua mãe não lhe ensinou que é rude ir embora sem dizer adeus? Seus olhos se fecharam. Seu corpo pressionado contra o dela no pequeno espaço, com as mãos descansando no balcão em frente a ela, ancorando-a no lugar. Seu aroma, já familiar, encheu a sua cabeça. Exausto da antecipação estressante do preparativo da noite e depois a satisfação erótica da noite em si, ela não conseguia parar as lágrimas. Mas ela que se dane se ela o deixaria ver. ― Vá embora, Jackson. Ele agarrou a cintura dela e a girou para enfrentá-lo. O fogo morreu em seus olhos, substituído pela preocupação. Ela inclinou a cabeça, não querendo que ele soubesse o quanto vê-lo novamente a desfazia. Ele inclinou o queixo dela para cima para encontrar os seus olhos. ― Por que você me deixou daquele jeito? Ela engoliu todo o nó na garganta. ― Em algum momento, nós teríamos nossos caminhos separados. Ele balançou a cabeça. ― Então, você acabou por sair.


Cansada demais para ser outra coisa senão honesta, ela disse ― Eu nunca deveria ter feito isso. Dormir com você não fez o que eu esperava que fizesse. Ele ficou em silêncio por um momento. Finalmente, ele levantou a mão e tocou o seu rosto. ― O que foi então, Leah? Droga, as lágrimas caíram, em seguida, e ele viu cada uma delas. ― Isso me fez sentir viva novamente. E isso me assusta. ― Não tenha medo. Será que ele tinha que parecer tão sincero? Ele não podia realmente estar sugerindo que eles deveriam se ver outra vez. ― Por que eu não estaria com medo? ― Ela olhou ao seu redor para se certificar de que estavam sozinhos, em seguida, baixou a voz para um sussurro. ― Tivemos um caso de uma noite. Não é exatamente a fundação para uma relação sólida. Ele fez uma careta. ― Pode ter começado assim, mas acabou como mais do que isso. ― Foi só sexo ― Deus, ela desejou que ele fosse embora antes que ela começasse a chorar novamente. Que ela prontamente fez de qualquer maneira. ― Por favor, vá embora. Você está fazendo isso muito mais difícil do que tem que ser. ― Fugir é mais difícil do que estar comigo? ― Ele balançou a cabeça como se soubesse melhor. ― Não fuja de mim, Leah. Seu coração saltou nas palavras doces. Ele estava certo. Fugir era inútil e desgastante. Depois de um ano de solidão, ela seria uma tola de negar a oferta. Ele tinha provado ser gentil, inteligente e sexy. Talvez não como uma fundação


ruim, afinal. Quando ele continuou a acariciar o seu rosto, ela se inclinou em sua mão forte. ― O que você quer? ― Eu quero ver onde isso nos leva. ― Ele abaixou a cabeça e gentilmente a beijou. ― Deixe-me ajudá-la a sentir novamente.

Fim


Q u erer 1


Comentário da Revisora Inicial: Uau. Que livro maravilhoso. Uma bela história de amor. A coragem de ir à luta pelas coisas que realmente queremos, derrubando barreiras que impedem a felicidade. Comentário da Revisora Final: Concordo plenamente com a revisora inicial. Este é um conto delicioso... planejar um encontro de uma noite para esquecer um colega de trabalho impossível, esta é a situação de Sam. Mas e se seu encontro é o cara dos seus sonhos e Sam desejar ter mais do que uma noite? O que fazer? Pegar o que puder ou impressioná-lo com uma noite memorável? Ou ambos rsrsrs.

2


O Chefe de construção Cody McPherson sempre se considerou um cara bem resolvido. Isso é até que ele encontra-se caindo para o pedreiro bonito, Sam Denham, que constantemente ocupa seus pensamentos. Ele quer Sam, mal, e não pode tirar o homem para fora de sua mente. Pior ainda, ele não está ainda certo se Sam é gay. Quando ele descobre que Sam se inscreveu em um serviço de namoro à procura de um cara que se parece exatamente com ele, Cody fica ainda mais ansioso e confuso do que antes. Sam não pode acreditar que ele desenvolveu uma grande paixão para seu chefe e obviamente, hétero. Pior ainda, o trabalho que lhe permitiu ver Cody numa base quase diária terminou e ele sente falta do amigo dele desesperadamente de uma maneira que vai muito além da simples amizade. Em um esforço para acalmar o seu coração dolorido e corpo, ele tenta conseguir um encontro com alguém parecido com Cody para que ele possa fingir por apenas uma noite que ele tem Cody em seus braços. Quando Cody se mostra como seu encontro as escuras, ele está ao mesmo tempo exultante e com medo de ter seu coração partido por um cara hétero apenas querendo experimentar a vida gay. Ele quer ser muito mais do que um aventura de 1 noite para Cody e se ele é dada a chance, Sam fará de tudo para provar que o amor não discrimina com base no sexo.

3


Série 1NS Esta é uma série de contos que gira em torno da empresa de encontros Chamada “Suporte de 1 Noite” ou “1NS”, coordenada pela Madame Evangeline “Eva” - arrumando encontros de 1 noite para todos – sejam humanos ou seres sobrenaturais. Uma Noite que pode ser o começo de muitas noites.

Capítulo Um

Cody McPherson puxou a manga do seu terno preto risca de giz e tentou ignorar o tremor leve das mãos. Com o coração batendo forte em seus ouvidos, ele tentou conseguir a coragem de abordar o homem bonito, numa das mesas de roleta que dominavam uma parte do Castillo Las Vegas Cassino e Resort. Enquanto assistia de seu ponto de vista parcialmente obscurecido por trás de um pilar esculpido de pedra calcária, imaginou que sua testa golpeava contra a rocha até botar algum sentido em sua cabeça dura. Ele deveria se virar, entrar em seu caminhão, e encontrar uma mulher disposta para a noite. Infelizmente não era uma mulher que assombrava seus sonhos, que deixou seu pau tão duro como pedra. Não eram as curvas suaves de uma mulher que estrelavam todas 4


as suas fantasias de masturbação nos últimos cinco meses e o deixou à beira de ficar louco de desejo. Era o homem mais incrível em toda a sala, Sam Denham, que abalou sua dúbia honra. Cody sempre se considerou macho como diziam, cem por cento heterossexual. Inferno, ele mesmo tinha sido casado há algum tempo só não paquerava mais por uma variedade de razões. Até conhecer Sam, ele nunca sequer pensou em um cara como alguém que não fosse um amigo. Tudo isso mudou há cinco meses, quando ele viu o pedreiro bonito em um canteiro de obras. Sam era dono de uma empresa de mármore e pedra e tinha um dos maiores estoques de mármore italiano em Las Vegas. Como capataz de construção, Cody o conheceu quando entregou o primeiro de muitos lotes de mármore, calcário travertino na construção de um novo spa de luxo. Ele podia ainda se lembrar do primeiro vislumbre do outro homem. Com cabelos escuros curtos escovados e um sorriso que aqueceu Cody até os dedos dos pés, imediatamente capturou sua atenção. Ele saiu de seu caminhão com uma graça quase felina, e pela primeira vez em sua vida, Cody percebeu como era belo o traseiro do subcontratante. Ele usava um par de jeans surrados que se apegavam a seus quadris magros e pernas fortes. Mesmo agora, ele tinha que admitir Sam tinha uma bunda de classe mundial. Quando eles apertaram as mãos, uma energia elétrica tinha viajado por todo seu corpo e se estabelecido em seu pênis. Na época ele culpou essa reação ao acaso, tendo ficado no sol o dia todo, mas essa desculpa se mostrou fraca muito rapidamente. Toda vez que eles se tocavam, ele tinha o mesmo choque sensual, e tinha um pressentimento que Sam 5


também sentia o mesmo. Não podia contar o número de vezes que pegou Sam olhando para ele, e como seu corpo endurecia quando os profundos olhos castanhos de Sam acariciavam-no. Sam olhou em todo o cassino e Cody correu para atrás do pilar, sentindo-se como um idiota. Toda a coragem e lisura que normalmente tinha com mulheres foram totalmente abandonadas em relação a Sam. Ainda assim, ele não resistiu a espreitar em torno do pilar de novo. Uma mulher idosa que passava deu-lhe um olhar desconfiado e ele corou, percebendo que deveria parecer um estranho sorrateiro esgueirando-se atrás da coluna para espionar. Ele tentou fazer seus pés se moverem para ir embora, mas eles permaneceram congelados no lugar. No trabalho, chegou a um ponto onde não poderia estar sozinho com Sam, com medo que um deles poderia finalmente quebrar a terrível e maravilhosa tensão sexual que aumentava cada vez que se encontravam. Graças a Deus, Sam era um pedreiro experiente e poderia ser confiável para trabalhar por conta própria e não atrapalhar. Embora quando Sam estava trabalhando no local, Cody muitas vezes foi almoçar com ele. Perdia a noção do tempo enquanto conversavam sobre tudo desde esportes até seus sonhos de construir suas próprias casas um dia. Apesar de que Sam nunca fez nada para livrá-los desse impasse, e ele ficou cada vez mais atraído pelo outro cara, e ele não poderia deixar de ficar em torno dele. Inferno, ele nem sabia se o outro tinha os mesmos sentimentos ou se era apenas sua imaginação. Sam, não se parecia com um desses caras gays efeminados que ele via ao redor de Vegas. Não, a boa aparência de Sam era áspera e distintamente masculina, as extremidades de suas mãos 6


eram tão calejadas e endurecidas pelo trabalho como as de Cody e uma de suas fantasias favoritas consistia em imaginar aquelas mãos fortes segurando seus quadris, enquanto Sam enchia seu traseiro com seu pênis. Na mesa de roleta, Sam sorriu e conversou com uma mulher bonita com a metade dos seus seios transbordando de um top apertado de couro. Vestido com um terno, ele lembrava James Bond. Sam tinha um fino verniz de sofisticação apenas mascarando uma perigosa aura interior. Ele quase partiu, com certeza Sam preferia passar a noite com a mulher curvilínea do que com ele. Só a vista da gravata pálida lavanda que ele usava o deteve. A gravata claramente marcava Sam como seu par no encontro era o sinal. Um mês atrás, Sam entregou o último carregamento de mármore para o spa que estava quase terminado. Como de costume, ele levou seu laptop e deixou em aberto na página com a ordem de serviço para Cody verificar se as suas faturas correspondiam. Enquanto Sam trabalhava em uma parte diferente do site, Cody usou seu computador para passar por cima das figuras, uma guia aberta na parte inferior da tela dizia: Sexo sem Compromisso. A curiosidade venceu e ele abriu a página. Para seu espanto, ela continha um formulário para um serviço de encontros detalhando o que Sam queria em seu encontro. Apesar de se sentir culpado como o inferno por invadir sua privacidade, Cody foi incapaz de desviar o olhar. Quanto mais ele lia a lista de desejo de Sam, mais ele percebia que se encaixava em todos aqueles requisitos, como se Sam estivesse procurando por Cody. Final dos trinta anos, confere, do sexo masculino, confere. Cabelos loiros e olhos cor de avelã esverdeado, confere. Masculino e robusto confere. Ele não poderia 7


ser a ferramenta mais afiada no galpão, mas tinha certeza de que Sam estava pensando nele quando preencheu o pedido de namoro. Naquela noite, depois de bater punheta, mais uma vez à ideia de Sam chupando seu pau, ele olhou para o serviço de suporte de namoro. Ele tinha lido o site provavelmente umas 40 vezes ao longo da semana seguinte, antes que arranjasse a coragem de se inscrever. A verificação de antecedentes levou uma semana até que ele finalmente fosse aprovado. Em seguida preencheu o requerimento e fez tudo o que podia para distorcer os resultados para se encontrar com Sam. Ele não conseguia se lembrar da última vez que tinha estado tão nervoso, ou animado sobre um encontro. Uma antecipação que ele não havia sentido em anos fazia seu sangue ferver enquanto respirou profundamente e saiu de trás da coluna. Uma garçonete que passava deulhe um olhar apreciativo e um sorriso sedutor que ele achou que a roupa que usava valeu a pena os quinhentos dólares que havia pago por ela. Em seu pescoço pendia uma gravata lavanda alguns tons mais escuros do que a gravata que Sam usava. Respirando fundo, ele mal percebeu que caminhava quando abordou a mesa de jogo onde o seu encontro às cegas riu de alguma coisa que a morena disse. Sentiu-se como se estivesse em uma das esteiras rolantes do aeroporto, quando seu corpo ficou imóvel e o mundo o levou junto a Sam. Antes que percebesse, estava ao lado do objeto de sua obsessão enquanto o crupiê virou a bola da roleta, o tique-taque delas mantinha o mesmo ritmo do seu coração acelerado.

8


Sam congelou quando uma voz familiar disse a sua esquerda: — Se importa se eu te espremer? Todo o seu corpo aqueceu em um instante, o seu sangue parecia gasolina. Levou uma grande quantidade de esforço para forçar o ar para os pulmões quando se virou para Cody, com um sorriso e se moveu um pouco para o lado da roleta. Ele queria pegar o rosto de Cody entre suas mãos e beijá-lo até o homem loiro áspero não conseguir mais enxergar direito. Pena que só iria receber um soco no queixo, se tivesse sorte. — Ei, Cody. — Ele roubou uma rápida olhada em seu queixo cinzelado e deslizou uma pouco mais de lado, depois sorriu, quando seus ganhos dobraram devido a aposta de sorte. — Eu não sabia que você gostava de jogar nos cassinos. Cody limpou a garganta, a voz baixa, mas com profundidade suficiente para lembrá-lo do seu desejo. — Ah, sim, eu bato as mesas de tempos em tempos. — Ele tirou algumas fichas do bolso da jaqueta e disse em voz baixa: — Na verdade, eu estou aqui porque, tenho um... uh, encontro. Um encontro às cegas. O tempo retardou enquanto Sam empurrou algumas fichas para um número aleatório. A expectativa o dominou, quando Cody jogou um par de fichas no quadrado ao lado dele. Os pelos dourados na parte de trás da sua mão brilharam sob as luzes do cassino entre a pulseira de cobre que 9


ele usava e a barra de sua camisa creme. Embora Cody certamente estivesse lá para encontrar alguém, ele não poderia deixar de olhar para a sua paixão proibida. O capataz totalmente bonito, totalmente hétero, que tinha virado seu mundo de pernas para o ar. Cody encontrou seu olhar por um momento, seus olhos cor de avelã verde escuro tinham uma emoção sem nome, antes de voltar sua atenção para a roleta. Ao invés de sua habitual roupa de trabalho gasta e capacete, o loiro usava um belo terno escuro que preenchia o corpo musculoso como uma luva. Quando Sam desviou os olhos dos ombros largos de Cody, quase se esqueceu de respirar quando viu sua gravata preta e lavanda. Um sinal exatamente como “Madame Eva” do serviço de Encontro de Sexo sem Compromisso 1NS disse que seu encontro às cegas estaria usando. As últimas apostas foram feitas e a mulher bonita ao lado dele fez algum comentário louco sobre um bebê precisando de um novo par de sapatos. Cody permaneceu em silêncio e alisou uma mão bronzeada sobre a sua gravata enquanto lançou um olhar para Sam. Engolindo em seco, ele tentou manter o tom casual. — Vou me encontrar com alguém aqui, também. — Mentalmente amaldiçoou sua falta de lisura e tentou novamente. — Um encontro às cegas. Cody manteve os olhos colados à mesa da roleta. — Gostaria de saber se ele vai aparecer. O coração de Sam acelerou quando percebeu que Cody tinha dito “ele”. Isso significava que Cody sabia que o encontro de Sam seria um homem. Quais eram as chances de Cody apenas aparecer ali, esta noite, vestindo gravata para se encontrar com ele?

10


Ou esta era a maior coincidência que o destino já tinha jogado em seu caminho, ou Cody era o seu encontro. “Puta merda, Cody é o meu encontro!” Sentindo-se incrivelmente desajeitado e animado, Sam mal percebeu quando perdeu no giro da roleta. Cody, por outro lado, ganhou e pegou seu prêmio. Sam molhou os lábios e pegou todas as suas fichas, ignorando a morena que continuou fazendo sugestões não tão sutis sobre ter um quarto só para ela no cassino. Ela poderia ter desfilado nua sobre saltos que não o faria desviar sua atenção para longe de seu encontro. As fichas tilintaram quando ele as colocou no bolso e afastou-se da mesa. Cody silenciosamente seguiu o exemplo, mas não olhou para ele. Poderia ser apenas uma coincidência ele passando por ali, naquele hotel, naquele momento, usando uma gravata lavanda. O mais provável era que no seu pensamento positivo o trabalhador da construção sexy como o inferno não fosse hétero. Inferno, Cody era um homem de verdade. Totalmente masculino, um puro alfa masculino. O tipo de cara que atraia mulheres como abelhas ao mel. Nada sobre ele deu qualquer indicação de que ele gostava de Sam como algo mais do que um amigo, um camarada. Nada, exceto a maneira como Cody o olhou. No canteiro de obras ele tinha pego o homem robusto olhando para ele, às vezes com uma expressão perplexa, mas a maior parte do tempo com uma intensidade que Sam só poderia classificar como sexual. Tinha chegado ao ponto que ele não podia estar na estar na mesma sala sozinho com Cody, com medo que ele caísse em tentação e fizesse algo que acabasse num passe para ele. Uma vez que suas empresas faziam negócios juntos, ele não precisava de uma reputação naquele meio hiper masculino que era a construção como um cara gay que 11


bate em caras heterossexuais. Injusto ou não, esse tipo de reputação poderia fazer com que ele perdesse dezenas de milhares de dólares em negócios. Os dois começaram a caminhar lentamente em direção aos elevadores, e ele se esforçou para pensar em algo para dizer. Geralmente ele não tinha nenhum problema em ser encantador e bem apessoado, o que fazia parte de ser um vendedor de sucesso. Ele também não tinha costume de ter nenhum problema para levar qualquer homem que ele queria para a cama. Mas Cody era diferente. Sam não queria apenas entrar em suas calças, ele queria entrar em seu coração. Eles chegaram à beira do cassino sem ter trocado uma palavra, e ele leu o desconforto crescente em seu rosto e através da sua forma dura de caminhar. Passando para o lado, Sam inclinou-se contra a parede e suspirou. Cody não o fitou, em vez disso manteve o seu olhar baixo no chão. — Estou muito feliz, e surpreso, por ver você. — Ele brincava com sua própria gravata. — Estou certo em supor que você é meu encontro às cegas? — Sim. — Cody estudou os sapatos e Sam teve que conter um sorriso. Pareceu-lhe um pouco estranho, mas era doce ver um homem alto e corpulento agindo tão timidamente. Cody se inclinou contra a parede ao lado dele e disse em voz baixa: — Eu... homem, eu não sei o que fazer. Se você fosse uma mulher, eu saberia como agir, o que dizer. Eu nunca tive um encontro com outro cara antes. — Sam viu um rubor queimando suas bochechas quando Cody soltou um suspiro de frustração. — Inferno, talvez isso seja um erro. Eu-Eu acho que queria ver se o que eu acho que eu 12


sinto é real, se, uh, você se sentia assim também. — Ele murmurou baixinho: — Deus, eu pareço um desses idiotas. O cheiro do perfume picante de Cody encheu o ar, ele deu um passo mais perto. A tensão deliciosa entre eles explodiu em chamas, e Sam enfiou as mãos nos bolsos das calças antes que agarrasse seu encontro e o apertasse contra a parede para beijá-lo. — Você não tem que dar um show para mim, Cody. O fato de você estar aqui me acanha e me excita. Cody olhou para cima, em seguida, de volta para seus sapatos. — Acanha você? — Bem, sim. — Ele tocou a ponta do sapato de Cody, em seguida, se afastou um pouco para trás. — Muitas pessoas não encontram a coragem para seguir suas paixões, não importa o que o resto do mundo pensa. Eu não consigo imaginar que isso seja fácil para você. Não foi fácil para mim a primeira vez que fui a um encontro com um cara há dezesseis anos. Ou o primeiro encontro em que eu fui, quando eu tinha quinze anos com uma menina. Minha mãe nos levou ao cinema em sua van, com seus cinco poodles no banco de trás. Discutindo com um humor assassino. Cody riu e olhou para ele. Deus, Sam amava seus olhos, seu sorriso. O loiro bonito era uma dessas raras pessoas que espelhavam suas emoções no rosto. E Sam apreciava sua honestidade. Isso o fez sentir estranhamente protetor em relação a Cody, apesar do fato de o cara ser mais pesado que ele, pelo menos, vinte quilos. — No meu primeiro encontro, descobri tarde demais que ela era alérgica a amendoins... depois que eu a beijei. 13


— O que aconteceu? — Bem, antes de eu sair comi um sanduíche com manteiga de amendoim e geleia, essa foi a causa. Eu estava sempre com fome depois de jogar futebol. Eu acho que eu tinha manteiga de amendoim o suficiente em minha boca, apesar de ter escovado os dentes, o que a levou a ter uma reação alérgica. Cody olhou para ele e piscou, enviando um raio agradável de calor através de seu sangue. — No dia seguinte na escola Sandy estava inchada como um baiacu e nunca mais falou comigo de novo. Ele tentou manter uma cara séria. — Isso seria desanimador... — É. Você pode apostar seu traseiro que agora tomo muito cuidado com meus encontros serem alérgicos a alguma coisa. Sam inclinou a cabeça e olhou diretamente em seus olhos. — Eu não tenho alergia a nada. Ele lambeu os lábios. — Tem certeza? — Ele olhou em volta rapidamente e se inclinou. — Então, você, uh, quer ir lá para cima ou algo assim? Rapaz, ele queria, mas desejava Cody muito e não queria ter seu coração partido por um cara heterossexual que iria pirar na manhã seguinte e deixá-lo alto e seco. Ele tinha tido essa experiência uma vez e não queria que ela se repetisse. Sim, ele se inscreveu para uma noite, mas tinha sido com um estranho. Cody definitivamente não caia nessa categoria de estranho acaso. — Mas vocês tem certeza sobre isso? Não é que eu vou forçar a barra com você ou qualquer coisa, mas precisa saber que eu realmente 14


gosto de você. Gosto de você já faz um tempo, mas eu não quero pressioná-lo em qualquer coisa que você não queira fazer. Cody riu e um pouco da tensão deixou seu rosto. — Cara, eu nunca estive tão a fim de receber e ir em frente antes. — Ele bateu o ombro contra Sam, então, deslizou a mão pelo braço de Sam, segurando a mão dele na sua. Cody manteve seu olhar nele e apertou sua mão antes de liberá-lo e voltar atrás. — Vamos subir e tomar um pouco de cerveja, então vamos falar sobre todas as coisas que eu quero pressioná-lo a fazer.

Capítulo Dois

A bravata de Cody, fugiu logo que se sentou no sofá de camurça cinza sua suíte. Ele cruzou as pernas e sentou-se, então descruzou e sentou-se para frente. A sala de estar bem equipada da suíte era muito clean, com linhas modernas com acentos de cromo brilhante. No bar pequeno e preto Sam abriu a geladeira e agachou-se fora de sua linha de visão quando ele disse:

15


— Hey, eles têm um pouco de cerveja aqui. Você quer um Bock Stout ou uma Amber? — Manda uma Bock Amber. — Cody tinha se acomodado automaticamente um assento no meio do sofá e agora ele se perguntou se deveria ter sentado em uma cadeira, ou no final do outro sofá. Será que seu encontro queria sentar ao lado dele? Ele queria que Sam se sentasse ao lado dele? Deus, ele parecia um adolescente esquisito. Ele jogou algumas almofadas azuladas e verde-limão para a outra extremidade do sofá, justo quando Sam subiu de trás do balcão. Não, agora ele podia ver que Cody tinha cancelado o espaço no sofá, se ele quisesse. Sam abriu a cervejas e atravessou a sala, seus polidos sapatos pretos mal fazendo um sussurro no carpete cinza e azul. Ele entregou a bebida para Cody e desabotoou o paletó antes de se sentar no sofá ao lado de Cody que ficou tenso e mal provou a cerveja quando a coxa de Sam casualmente roçou a sua própria. Dando mais um gole, ele repreendeu a si mesmo por agir como um virgem ruborizado em seu encontro. Ele tinha quase 40 anos de idade, já tinha passado a fase em que ele deveria estar se perguntando se seu encontro ia tocá-lo ou não. A garrafa marrom fez um som tinindo quando Sam colocou sua cerveja no vidro da mesa de café em frente ao sofá. Ele cruzou e descruzou as pernas em um gesto nervoso semelhante aquele que Cody que tinha feito momentos antes. Ele sentiu a oportunidade escorregar por entre os dedos, mas não sabia o que fazer, como agir. Desesperado para quebrar o silêncio cada vez mais tenso, ele deixou escapar: — Eu nunca fiz isso antes. — Sentar num sofá e beber uma cerveja com outro homem?

16


Cody bufou e cutucou a perna do homem de cabelos escuros com a sua própria. — Sim, isso eu já fiz, mas nunca quis beijar um dos meus companheiros de bebedeira antes. Sam lambeu os lábios e Cody sentiu seu pau inchar imediatamente. Tudo sobre o homem bonito confundido sua mente, mas seu corpo não estava em conflito. Sam inclinou-se e colocou a mão no joelho de Cody. O calor da palma da mão e os dedos queimando através do tecido macio da calça de marca. Sam lentamente esfregou o polegar sobre a parte superior da coxa de Cody quando ele disse: — Você quer me beijar? Quero dizer, você realmente quer me beijar? Tente limpar sua mente de todas as besteiras sobre o que você deve e não deve gostar e descobrir o que você realmente quer. Cody limpou a garganta e começou a falar, lutando para encontrar as palavras certas para fora do pântano confuso de sua mente. Ele colocou sua cerveja sobre a mesa com um tilintar alto. Quanto mais lutava, menos conseguia pensar em algo coerente. Ele sempre tinha sido um homem mais confortável com ações do que com palavras. — Ahh, foda-se. — Ele gastou um momento para se refazer da expressão de surpresa de Sam antes de fechar a distância entre eles e apertar os lábios contra ele antes de se mover. Porra, se ele não ficou vermelho como um garotinho quando Sam riu. Ele começou a pegar sua cerveja, mas Sam o impediu com um forte aperto em sua mão. — Cody, se você ficar mais tenso, vai quebrar em mil pedaços. Veja, por esta noite, deixe-me assumir a liderança. Por esta noite vou tentar 17


fazer tudo com que você quiser experimentar, explorar todas as suas fantasias e desejos. Vamos vá com calma e tente, tanto ou tão pouco como você quiser. — Ele fugiu para a frente, ainda segurando na mão de Cody e puxou os dedos à boca. Como Sam falou, seus lábios renderam contra a pele das pontas dos dedos de uma maneira que rebitada a sua atenção. — Na parte da manhã, se você decidir que essa não é sua praia, nós separamos, sem magoa ou ressentimento. — Ele lambeu a ponta do dedo de Cody, segurando seu olhar. — E se você decidir que pode estar interessado em algo mais, bem... Estaria mentindo se eu não disser que estou interessado em algo mais com você. Cody empurrou seu dedo indicador contra os lábios de seu encontro, observando-o antes de envolver sua pele e sugar delicadamente. Se ele fechasse os olhos, não se sentiria diferente do que ter uma mulher chupando o dedo, mas ele queria manter os olhos abertos, sabendo que Sam o tocava, vendo-o de bom grado levá-lo de tal maneira sensual, bateu, o inferno, em e qualquer de suas fantasias. Como Sam balançou sua língua contra ele, ele gemeu baixo em sua garganta. — Ok, vamos fazê-lo. Sam lançou seu dedo e sorriu para ele. Aproximou-se e segurou o rosto de Cody, juntando seus lábios até a respiração ficar misturada, mas sem tocar em sua pele. — Vamos tentar de novo. Feche os olhos. Assim com os olhos fechados, Sam roçou os lábios sobre ele, macios como penas e absolutamente incríveis. Cody lutou para permanecer impassível quando as mãos de Sam acariciaram seu rosto em uníssono com o pincel de lábios, cada passagem aprofundando até que ele respondeu: tentando fazer o beijo se intensificar. Sam acariciou a língua 18


contra os lábios de Cody e ele imediatamente se abriu. A língua de Sam deslizou contra sua despertando-lhe quase tanto quanto o deslizar suave da língua de Sam em sua boca, merda, ele realmente sabia como beijar. Inclinando a cabeça para um melhor acesso, Cody provou a pitada de cerveja em seu hálito e flexionou os quadris enquanto seu pau latejava. Ele não conseguia se lembrar da última vez que tinha sido tão difícil. Não querendo quebrar a magia do seu beijo, Cody correu lentamente suas mãos até as coxas de Sam, sentindo o músculo firme, assim como seu próprio e ainda assim diferente. O pano macio de suas calças deslizou facilmente sob as palmas das mãos, e logo ele encontrou seus dedos próximos a virilha de Sam. Ainda não estava pronto para ir lá, então Cody agarrou-o pela cintura, puxando-o para a frente sem quebrar o contato entre seus lábios. Sam recuou, deixando Cody arrastar os lábios ao redor da boca, apreciando a picada ligeira de restolho do homem. Ele amava a seda dos lábios de Sam, então a rugosidade da sua pele. Mais e mais ele iria beijar o homem que vinha assombrando seus sonhos, em seguida, vagar os lábios pelo seu rosto, seu pescoço, seu queixo. Sam segurou em seus ombros, inclinando a cabeça para trás com um gemido quando Cody lambeu ao longo do lado de seu pescoço, inalando um ligeiro toque da loção pósbarba que ele usou. Ele passou as mãos através dos pelos grossos de Sam, virando a cabeça para o lado para que ele pudesse aconchegar-se contra a pele atrás da orelha e mordiscar o lóbulo. Puxando para trás, Cody respirou fundo e sorriu. — Ok, então eu sei que gosto beijar você. E em seguida? Os lábios de Sam se curvaram em um sorriso que atirou um raio de luxúria direto para o seu já latejante pau. 19


— O que você gostaria de fazer? Várias coisas muito atrevidas lhe vieram à mente, mas ele não estava pronto para isso. No entanto, ele estava quase pronto para atirar a sua carga em suas calças, mas ele queria saborear essa experiência com Sam. Ele tirou os sapatos e jogou-os no canto enquanto seu encontro seguiu o seu exemplo. Ele se levantou e começou a desabotoar a camisa, então congelou quando as mãos de Sam agarraram seus quadris e o puxou para frente até que Sam se sentou na beira do sofá, logo no nível de seu pênis. Movendo-se lentamente, Sam correu a ponta do seu nariz sobre o quadril de Cody, em seguida, mais perto de sua virilha. Ele segurou o tecido das calças esticadas de Cody, claramente delineando sua furiosa ereção. Ele queria correr os dedos pelo cabelo de Sam, ter aqueles fios vertendo e arrastando sobre sua pele como a seda, mas temia que se se movesse ele iria parar. Deitou sua cabeça no quadril de Cody e traçou em torno de seu pênis latejante com a ponta de seu dedo mais e mais até Cody gemer e tentar empurrar os quadris para fazer Sam tocá-lo com mais intensidade. Com uma risada, ele sentou no sofá e tirou o paletó. Cody considerou arrancar o resto de suas roupas de seu corpo, mas isso poderia fazê-lo parecer um pouco desesperado. Inferno, ele estava desesperado. Agora ele faria qualquer coisa que Sam quisesse desde que conseguisse que o homem continuasse a tocá-lo. Ele encolheu os ombros de seu casaco e pendurou-o na cadeira atrás dele, o ritmo de seu coração parecendo bombear todo o sangue em seu corpo para sua virilha.

20


Sam agarrou seus quadris novamente, suas mãos deslizando em torno de bunda de Cody, esfregando seu rosto e os dedos nos músculos tensos. Ele o olhou. — Não se mova. Sem saber o que ele quis dizer, Cody assentiu e puxou sua gravata para fora, e a jogou no canto do sofá. Sam correu as mãos para cima e para baixo no traseiro de Cody, puxando-o mais perto até suas canelas baterem na borda do sofá. Ele atou as mãos para trás das costas para esconder o seu tremor quando Sam infalivelmente encontrou a cabeça de seu pau e delicadamente o mordiscou, enviando-lhe raios de prazer. Ele não poderia conter o gemido que rasgou de sua garganta, e teve que forçar os olhos para ficarem abertos, para assistir o seu namorado soprar um hálito quente em seu eixo através do tecido, como ele continuou a executar os dentes sobre ele. Quando ele se afastou, as pupilas negras envolveram quase toda a íris dos olhos. Sem dúvida, a expressão do desejo tinha de ser uma das coisas mais eróticas que Cody já tinha visto. Sam lambeu os lábios e desafivelou o cinto de Cody. — Você está bem com isso? Cody limpou a garganta, o coração batendo em seus ouvidos tão alto que ele tinha certeza que Sam podia ouvi-lo. — Sim. Sam esfregou o pau lutando contra sua boca. — Tire sua camisa. Na pressa, Cody jurou que estalou alguns botões de sua camisa quando arrancou de seu corpo. Em contraste com sua corrida, Sam lentamente soltou seu cinto de couro preto e desenhou através dos laços 21


antes de deixá-lo cair no chão. No momento em que Sam tinha os dedos rastreando junto ao cós de Cody, ele estava nu da cintura para cima. Sam empurrou-o para trás e Cody cerrou os punhos em frustração: — Ei, cara, eu quero fazer isso. — Eu sei que quer, mas eu quero tocar esse corpo com o qual tenho sonhado. Sam correu as mãos sobre o peito peludo de Cody, acariciando sobre seus peitorais firmes, de trabalho, e para baixo de sua caixa torácica. A sensação das palmas das mãos calejadas de suas mãos deslizando sobre seu abdômen deixou Cody ofegante quando ele se abaixou, lambendo a ponta da orelha de Sam e dando um pequeno rosnado quanto seus dedos talentosos mergulharam em sua calça percorrendo a veia de seu pênis ao longo da linha de suas boxers. Levantando-se para puxar Cody para perto, Sam apertou seus pênis no dele, enquanto eles se beijavam, fundamentou sua pélvis contra ele. Recostou-se o suficiente para alcançar a sua mão entre eles antes que Sam pudesse protestar, ansioso para sentir o pau de Sam. Ele fez um ruído estrangulado, mas Cody aprofundou o beijo, o braço em torno da cintura de Sam e segurando-o enquanto ele examinou o outro homem. A sensação do pênis de Sam duro como uma rocha em sua mão foi incrível, e Cody encontrou uma sensação de conforto porque ele sabia o que fazer com ele. Oh, ele sabia que Sam provavelmente gostava de ser tocado de uma certa maneira, mas ele sabia o que gostava e sabia que era as mesmas sensações que experimentou de ter seu próprio pau acariciado. Ele apertou a base do eixo de Sam e, lentamente, passou a mão para cima, desejando que ele pudesse tocar sua pele, em vez das calças finas. Ele examinou duas pequenas protuberâncias duras de cada 22


lado do pênis de Sam logo abaixo da cabeça, mas antes que pudesse perguntar-lhe o que era Sam empurrou contra a palma da mão, sua língua mergulhando na boca de dele enquanto balançou os quadris, com pinceladas das mãos de Cody. Ele puxou de volta, bebendo na visão de luxúria de Sam que se intensificava a medida que ele continuou a acariciálo, descendo um pouco até suas bolas pesadas e as enrolou em torno de sua palma. Ele tinha certeza que Sam não usava qualquer roupa intima e o pensamento o excitou. O cheiro de colônia do homem de cabelo escuro o invadiu quando ele quebrou o beijo, quase dançando no lugar em que moíam seus pênis juntos. Enquanto seu corpo doía de tensão e desejo, sua mente voou enquanto ele se deliciava com a experiência de, finalmente, tocar-lhe. De uma forma estranha, ele se sentia como uma virgem que apenas passou a ter vinte anos de experiência sexual sob o seu cinto. Não fazia qualquer sentido, mas aquele pensamento se tornou a coisa mais próxima que ele poderia usar para descrever este momento em sua vida. Sam movimentou os quadris, ainda balançando suavemente enquanto esfregava seu pau sobre o quadril de Cody e em torno de sua bunda. Em vez de continuar com o movimento de moagem como ele esperava, Sam colocou beijos suaves sobre seus ombros. — Você sabe quão bonito é? O quanto você me deixou louco todos os dias no local de trabalho? Você se lembra de uma vez quando teve que chamar um táxi para mim depois que saímos para beber com a equipe? Eu quase beijei você. — Eu me lembro disso.

23


Ele se lembrava de uma noite há um mês atrás, quando colocou um Sam muito bêbado no banco traseiro do táxi. Sam tinha o braço em volta do pescoço de Cody e por um momento os seus rostos estavam perto, muito perto. Ele tinha quase caído na tentação depois de uma noite passada ao lado do belo subcontratante no bar, o roçar casual de suas pernas enviando fragmentos da luxúria por meio dele. Mas a chance foi uma oportunidade perdida quando o motorista do táxi perguntou para onde levar Sam e quebrou o encanto entre eles. — Eu me lembro de você fazendo um monte de jogadas com uma bonita garota loira. Foi quando eu realmente soube que estava caído por você. Lá estava aquela garota, de seios grandes e macios, de belos olhos azuis e em vez de tentar levá-la para a cama, tudo o que me preocupava era a ficar fora de sua. Sam bufou e beliscou seu ombro. — Oh, sim? A razão de eu estar embriagado é que eu tive que te ver dançar com a curvilínea latina durante a metade da noite. Eu queria pular na pista de dança e separá-los para ser o único em seus braços fazendo-o suar. Mas eu não podia e isso me deixou louco, então eu tentei acalmar a dor com Tequila. — Eu sinto muito. Desculpe eu fui tão covarde. — Eu quis dizer isso mesmo, Cody. Acho que você é incrivelmente corajoso por pegar a oportunidade de estar aqui comigo esta noite. Quando vi você lá embaixo no cassino, pensei que eu estava tendo algum tipo de episódio psicótico. Eu quero você tanto que pensei que a minha mente havia enlouquecido e colocado seu rosto no lugar do meu encontro às cegas. — Isso é meio doce, de um modo psicótico. 24


Idiota! Sam e atingiu com força um dos mamilos de Cody com força o suficiente para ele gritar. — Para vê-lo no local de trabalho, assumindo o controle da situação e que a todos ao redor encanta realmente me mostrou que um cara grande você é. Sua equipe acha que você anda sobre a água, e eu não queria fazer qualquer coisa para atrapalhar. Mas eu o queria, apesar de ter dito a mim mesmo que eu nunca poderia ter você, que você estava totalmente fora dos limites, eu o queria. A barba no rosto de Sam riscava Cody enquanto esfregava sua bochecha contra ele. Cody buscou sua mão e segurando-a apertada. — Merda, como você acha que eu me senti? Aqui estou eu, com trinta e nove anos de idade e, de repente, eu não posso estar na mesma sala que você sem sentir que minhas bolas vão explodir. Aposto que você não sabia que eu ia ficar todo tenso antes de você chegar. Eu gosto de ficar olhando enquanto seu caminhão esta chegando no local, e logo que vejo você chegar tenho esse sentimento quente por dentro, que só tinha tido com as mulheres. — Sam continuou a descansar em suas costas e ele achou mais fácil falar tocando-o, sentindo o seu calor, mas não tendo que olhar para o seu rosto. — Passei muitas noites tentando descobrir se eu era gay, ou bi, ou o que diabos estava acontecendo. Com um puxão suave, Sam envolveu Cody e enrolou ambos os braços em torno de sua cintura, pressionando sua ereção no traseiro de Cody, mas não fez qualquer outra coisa que além de segurá-lo firmemente. Sentimentos de estar salvo, seguro, e cuidado o envolveram deixando-o incrivelmente excitado e relaxado. Ele não queria intervir prematuramente e dizer um monte de coisas carinhosas e apaixonadas para Sam, mas porra, se o homem não o fazia sentir-se melhor do que já se sentira em muito 25


tempo. Sam lambeu ao longo de sua coluna, até chegar atrás do pescoço onde ele esfregou a bochecha contra seu cabelo. — E o que filosofar tanto até tarde da noite te disse? — Bem, eu estou aqui, não estou? — Cody deu de ombros e voltou nos braços de Sam, até o homem olhar para ele. — Eu não acho que seja gay, mas sei que sinto por você vai além de ser gay ou hétero. — Ele fez uma careta com sua incapacidade de colocar os seus pensamentos em palavras e tentou novamente. — Veja, se você tivesse sido uma menina, eu não teria tido você na cama, antes que você soubesse disso. — Eu não sou tão fácil. — Sam riu. Cody sorriu de volta, mais uma vez espantado como era fácil estar em torno de Sam. — Você sabe o que eu quero dizer. E o fato de que você não era assim, você sabe, abertamente gay, só me deixou mais confuso. Eu pensei que você gostava de mim, mas isso não é apenas o tipo de coisa que você pergunta a outro cara. Olhando através de seus cílios, Sam sorriu para ele. — Eu entendo, confie em mim. Quando eu cheguei, passei por alguns bares gays e agi em linha reta, então eu não ia me distanciar dos meus amigos que me conheciam antes de eu assumir que era gay. Decidi há muito tempo eu só vou ser eu mesmo. Não tenho mais 20 anos de idade, tão pouco sou um garoto que tem que chamar a atenção para si mesmo com um comportamento extravagante, nem sou um homem velho com medo do que meus companheiros de clube vão pensar. Cody segurou seu pescoço, puxando-o para um beijo. — Posso perguntar uma coisa?

26


— Mmmhmm. — Sam murmurou contra seus lábios, em seguida, recostou-se. De tão perto, Cody notou que seus olhos não eram de um sólido castanho, mas tinha manchas de ouro e âmbar. Olhos realmente bonitos. Ele ponderou que um cara poderia ser chamado bonito e não sem ser ofensivo, antes de Sam levantar uma sobrancelha chamando-o de volta à Terra. — Eu estava pensando se você tinha uh, bem, o inferno, nós dois estamos aqui e, obviamente, você não se importa que eu o toque, então eu queria saber se poderia fazer algo com você que estive pensando, muito. Sam inclinou a cabeça. — O que é? — Posso te chupar?

Capítulo Três

Custou cada grama do autocontrole de Sam para não deixar cair as calças direito até o chão. Ele queria que isso fosse bom para o seu antigo capataz. Não, não apenas bom. Ele queria que fosse a experiência sexual 27


mais alucinante que Cody já teve, algo que iria ficar para sempre em sua memória. Mas, oh Deus, a combinação de ansiedade e vulnerabilidade que preencheu o rosto de Cody, quando ele pediu para dar-lhe uma chupada tentou até um santo. Cody enrijeceu e deixou cair as mãos para os lados. — Ei, tudo bem se você não quiser. — Confie em mim, eu quero. Quero tanto, e mataria por isso. — Ele puxou o homem musculoso de volta para dentro do círculo de seus braços, correndo os lábios sobre o pulso do pescoço de Cody. — Mas quero que você goste também. E para ser honesto, o pensamento de lamber a cabeça de seu pênis como um sorvete de creme derretido por você vem se tornando uma das minhas maiores obsessões. Um gemido baixo retumbou no peito de Cody, quando ele enfiou as mãos pelos cabelos de Sam. — Quer jogar uma moeda? Sam riu e saiu de seus braços. Depois de tirar as garrafas de cerveja meio vazias, ele usou o pé para empurrar a mesa de café contra a parede. Jogou algumas almofadas do sofá no chão e sentou-se enquanto ele começou a desabotoar sua camisa. — Eu quero que você fique nu e no chão de costas, por favor. Cody corou e ele se perguntou se o tinha forçado muito, pedindo-lhe para fazer aquilo nas luzes brilhantes da sala de estar. Querendo aliviar o seu desconforto, Sam apagou as luzes do teto e acendeu as luzes âmbar e suaves sobre o bar, banhando o quarto em um brilho especial. Na meia luz, o corpo de Cody fez sua boca ficar seca. Embora ele não tivesse músculos do corte de um homem que passou todo o seu tempo na academia, seu corpo grande transmitia poder e força. 28


Quando seu encontro facilitou suas calças e boxers para fora, Sam não podia deixar de sussurrar: — Foda-me. Obviamente mexido com aquela reação, Cody jogou suas roupas no sofá lentamente acariciando o seu comprimento e a espessura de seu eixo. Incircuncisos, a cabeça de seu pênis muito grossa brilhava com o présêmen. Sam tirou suas calças tão rapidamente que seus pés ficaram amarrados neles e ele riu. — Espero que com essa jogada não tenha perdido muitos pontos com você. Cody recostou-se no tapete, enfiando um travesseiro sob sua cabeça. — Bem, você me tem onde quer. E agora? Ele se ajoelhou entre as pernas de Cody. Enquanto corria as mãos sobre os cabelos de ouro cobrindo a parte interna das coxas dele, gostou da forma como o seu pau deu um salto. O que ele queria fazer era manter Cody como o seu homem. Ele queria apresentá-lo aos seus amigos, para mostrar-lhe que o estilo de vida gay não era muito diferente de qualquer outro estilo. Mas logo depois, ele queria aquele pau dentro dele do jeito que só ele poderia fazê-lo. Abaixou os boxers o suficiente para revelar o piercing de prata grosso varava através de seu pau, onde encontrou a cabeça do eixo. Cody fez um assobio baixo, em seguida, disse: — Isso deve ter doído a valer. — É não foi uma cócega, mas eu adoro a forma como ele me faz sentir. — Inclinou-se para frente e lambeu ao redor do esboço do pênis de Cody, enquanto ele empurrou seus quadris para cima. Girando lentamente 29


montou o homem louro apoiando até seu pau pairar sobre os lábios de Cody. — Você está confortável com isso? Seu encontro inclinou-se para cima e passou sua língua sobre o piercing. — Sim, oh sim. Diga-me o que deseja, me diga como você quer. Sam estremeceu, o calor na voz de Cody acariciando seu desejo que já queimava como o inferno. — Faça o que você gosta de fazer para você. Jogue com a cabeça, chupa-me, foda-me, agora eu não me importaria se você apenas soprasse sobre mim. Eu te quero tanto porra. Puxando os quadris de Sam para baixo, ele segurou seu pau e acariciou. — Alimente-me com o seu pau. Incapaz de resistir a um comando assim, Sam baixou os quadris enquanto chupava a cabeça de pau de Cody em sua boca, segurando-o firme em sua mão. Quando seu encontro o engoliu em sua boca, seus dedos enrolaram de prazer nele. Sabendo que era Cody sugando-lhe adicionada uma vantagem emocional ao momento erótico. Cody soltava sons famintos no fundo da garganta o que fez a ferver o sêmen em suas bolas. Ansioso para distrair-se e gozar muito cedo, tomou o máximo que podia da ereção do seu encontro em sua boca de uma vez só, mostrando sua habilidade como garganta profunda. Relaxou os músculos de sua garganta, esforçando-se para tentar encaixar mais lá dentro com uma profunda e última respiração, ele conseguiu afundar Cody todo o caminho em sua garganta e ele engoliu,

30


sabendo que a contração dos músculos da garganta iria deixar Cody insano. Mesmo com a boca recheada de pau de Sam, Cody conseguiu um gemido, maldição, quando o inventivo Sam puxou para trás, depois foi todo o caminho novamente e novamente. Ele arqueou as costas, quando Cody agarrou o seu traseiro, tentando puxar seu pênis para dentro de sua garganta como Sam fez com ele. Em vez disso, ele moveu para trás até que apenas a ponta do seu pênis chegou a boca esticando de Cody. — Eu vou gozar, se você não parar. Ele passou o polegar sobre a cabeça do pau de Sam. — Bom, porque eu estou tentando me manter até que você o faça e se eu não gozar em breve as minhas bolas vão explodir. Sam sorriu e baixou o pau de volta na boca ávida de seu amante. Ele começou a empurrar, ofegando como Cody acariciou seu pênis ao mesmo tempo que seu saco. Embora não fosse o boquete mais qualificado que ele já teve, Cody substituía sua falta de técnica pelo entusiasmo. Ele chupou seu pau com um zelo na fronteira com a ganância, chegando com a outra mão para tocar ao longo da rachadura da bunda de Sam. Reunindo alguma saliva, Cody pressionou contra o ânus de Sam, lentamente execução seu dedo para cima e para baixo, todo aquela entrada apertada. Ele pairava a beira do prazer enquanto Cody trabalhou primeiramente um dedo molhado, depois dois em sua bunda. Incapaz de parar agora, ele tomou Cody tão profundo quanto podia, antes de pressionar o anel de músculo guardando seu ânus.

31


Cody gemeu longo e duro em torno da ponta do pênis de Sam, atacando o sensível eixo com a ponta de sua língua. Ele tremia e um momento depois, o primeiro jato de seu sêmen bateu na boca de Sam. Ele sugou avidamente cada explosão profundamente em sua boca, lambendo de cima a baixo seu pênis, querendo tirar o orgasmo para fora. Cody estremeceu e começou a dedilhar fodendo sua bunda. Ele balançou os quadris na boca desejosa de Cody, contrariando volta entre a sensação de seus dedos em sua bunda e a sucção apertada sobre seu pênis. Com o salgado gosto do sêmen de Cody ainda em sua língua, Sam finalmente gozou, enterrou seu rosto contra coxa de Cody e o primeiro jorro explodiu de seu pau. Em vez de se afastar, Cody lambeu a ponta, saboreando mais o sêmen dele até chupar e lamber cada gota que Sam tinha para oferecer. Ele retirou os dedos da bunda de Sam. Gemendo, Sam rolou de lado, os músculos do estômago continuaram a se contorcer com o poder de sua libertação. — Venha aqui. — Cody puxou-o até sua cabeça repousar em seu peito. O coração de Cody trovejou em seu ouvido e Sam alisou a mão nas costelas do homem loiro, aproveitando o calor vindo dele. Quando finalmente sua respiração desacelerou o suficiente para falar,disse: — Então, foi bom para você? O ronco profundo do riso de Cody vibrou em seu peito. — Sim, foi bom para você? Você sabe, eu ser virgem e tudo mais. O riso macio de Sam se transformou em um suspiro quando Cody correu os dedos pelos cabelos.

32


— Não demasiado gasto. — Lambeu os lábios e tentou manter seu tom leve. — Foi o que você esperava? — Sim e não. — Seus dedos pararam então ele continuou: — As mulheres são tão suaves e carinhosas, mas eu sempre tive medo de magoá-las, de fazê-lo áspero. Com você eu não precisei me preocupar. Você levou tudo que eu dei e queria mais. Foi como se... estivesse liberando um sentimento. Como se eu pudesse finalmente me soltar e fazer só o que eu quisesse. — Bem, você tem que ser um pouco cuidadoso com o seu grande pau de cavalo. — Ele acariciou um dedo sobre o membro semi rígido de Cody, sorrindo quando ele começou a inchar sob seu toque. — E eu tenho que dizer, você é bom pra cacete. Eu não acho que eu já gozei tão intensamente na minha vida. — Ele suspirou e traçou seus dedos ásperos pelo trabalho sobre a bochecha de Sam. — A maneira como você abriu a sua garganta, eu nunca tive uma menina... Desculpe, Eu não quis dizer, você sabe... merda. Sam sorriu e não parou sua exploração lenta do corpo de seu amante. — Você pode falar sobre as mulheres, está tudo bem. Eu não as odeio ou as vejo como o inimigo ou qualquer coisa assim. Inferno, eu já namorei e dormi com algumas na minha vida. — Você gosta de garotas, também? Ele inclinou-se sobre o cotovelo, olhando para Cody e sorrindo quando ele tentou esconder sua expressão de surpresa. — Sim, mas só quando realmente tem uma menina especial para ligar a minha cabeça. Pense nisso assim: se você alinhar dez rapazes

33


atraentes em uma linha e dez garotas atraentes, eu quero namorar sete dos dez rapazes e uma das dez meninas! Cody considerou colocando as mãos atrás da cabeça e o olhou. — Bem, para mim seria o oposto. Mas em vez de um em cada dez caras, seria um em cada dez mil caras. — Ele lançou um olhar para Sam, em seguida, voltou a examinar o teto. — Sim, ele teria que ser muito incrível para me fazer querê-lo. Sua mente girava conforme as palavras de Cody afundaram dentro dela. Será que ele realmente significa isso? Talvez ele só estivesse falando de sexo. No crepúsculo de um bom orgasmo, caras diziam todos os tipos de coisas. Não seria a primeira vez que esteve com um homem que disse todas as coisas certas enquanto eles estavam entre os lençóis para um minuto depois se transformar num idiota e sair pela porta. Embora ele não achasse que Cody era esse tipo de cara que poderia tratá-lo como merda, mas também não achava que Cody era o tipo de homem que podia andar de mãos dadas, enquanto caminhavam pela rua juntos. Era uma pena, porque é o que ele realmente queria. Alguém para segurar sua mão, alguém para compartilhar as coisas normais com vontade de ir ao cinema e celebrando as tradições do feriado. Sem querer ser brega ele queria um homem no qual pudesse se apoiar nos momentos bons e ruins. Conforme a ideia se firmava em sua cabeça criando raiz, percebeu que de uma forma ou de outra, Cody poderia ser só o seu caso de uma noite. Sem saber dos profundos pensamentos de Sam, Cody correu a ponta do seu dedo sobre o peito dele. Com uma intenção, a expressão curiosa em seu rosto, ele se inclinou para a frente e chupou o bico de Sam em sua boca e mordeu-o delicadamente. O parafuso de desejo erótico que 34


disparou através de seu corpo estalou-o para fora de seus pensamentos. Ele agarrou-o por de trás da cabeça e deu-lhe um beijo longo e profundo. Em vez do quase frenético beijo, que eles tinham compartilhado anteriormente, este tinha uma suavidade que o deixou derretido. Todo o seu corpo zumbia enquanto suas línguas se acariciavam. À beira de ser afastado pela crescente onda de paixão, ele empurrou para trás e deu ao pênis de Cody, agora totalmente ereto um olhar de saudade. Levantar-se foi uma das coisas mais difíceis que ele já tinha feito, mas precisava dar-lhe algum espaço para pensar. — Eu vou usar o banheiro e passar no chuveiro. Você é bem-vindo para se juntar a mim em poucos minutos. Cody silenciosamente olhou de cima a baixo, parando para olhar para o seu pênis antes de encontrar seus olhos. Ele balançou a cabeça, em seguida, rolou de costas, olhando para o teto novamente. Sam o deixou assim e tentou ignorar a dor em seu coração que se aprofundou com cada etapa e para sintonizar a necessidade de voltar ao lado de Cody, para não dar-lhe uma chance de sair. Só o seu sentido decrescente de autopreservação não o deixou ficar no quarto, passando a cama enorme, e acendendo as luzes do suntuoso banheiro principal. Quando ele olhou no espelho, teve que desviar do olhar da tristeza gravada em seu rosto.

35


Capítulo Quatro O zumbido baixo de água corrente mal penetrou as espessas paredes do quarto de hotel que separava o banheiro e a sala de estar quando o chuveiro foi ligado. Cody ociosamente desejou saber que tipo de material de isolamento acústico era usado, apenas momentos antes ele havia sido tentado a descobrir quanto tempo eles levaram para fazer a trilha intrincada da iluminação no teto. Não que ele estivesse tentando evitar pensar sobre Sam, em vez disso sua mente ficou à deriva em um estado de completo relaxamento. Ele não tinha perdido a tensão de Sam quando saiu do quarto, mas se sentia tão bem, ele precisava de um minuto para coletar o juízo. Mesmo que o seu pênis duro como rocha pedisse para ele ir encontrar seu amante e ver o que mais eles poderiam explorar juntos. Quando disse a Sam que ele tinha lhe dado o melhor orgasmo de sua vida, não estava brincando. O que ele não disse era como se sentia ligado a ele, como estar com ele fazia Cody se sentir incrível. A intensidade de suas emoções foi o que o fez ficar lá, no chão. Se ele não lidasse com isso com cuidado, eles poderiam acabar com um coração quebrado. Teve que se perguntar se poderia realmente segurar estar com outro cara, se pudesse vê-lo como algo diferente de um amigo de transa. Primeiro, como é que os caras no trabalho reagiriam. Ele tinha sido 36


encarregado da empresa há mais de dez anos, e na alta taxa de rotatividade do negócio da construção, que era como ter trabalhado 30 anos em um trabalho de escritório, então ele não precisava se preocupar em ser demitido. Com as piadas ele poderia lidar, mas a perda de respeito seria uma pílula difícil de engolir. Ele nunca tinha sido o tipo de homem que escondia quem ele era, e ele não estava disposto a começar agora. Especialmente se ele viesse a amar alguém, e com Sam aquilo estava se tornando uma boa possibilidade. Além disso, ele não conseguia insultá-lo assim, pedir-lhe para esconder como ele se sentia, como se fosse algo sujo. Então, teve de lidar com a sua boa saída do armário, por falta de um termo melhor. Em seguida, pensou no seu cotidiano, os encontros em que iriam, as viagens que fariam juntos. Ele queria que o resto do mundo tratasse eles como qualquer outro casal. O que ele faria quando as pessoas olhassem para ele, olhassem para Sam quando eles estivessem juntos, com nojo? Ele gostava das pequenas expressões físicas de amor, dar as mãos e sentar ao lado de seu amante em um restaurante. A ideia das pessoas dando-lhes a aparência suja ou tirando sarro dele e Sam azedou seu estômago. Então, novamente, ele se acostumou a ver sua prima lésbica, Beth, com a sua namorada. Quando elas estavam na cidade, ele saía com elas e elas não tinham problema em deixar o mundo saber que elas eram um casal. Claro, elas recebiam olhar de soslaio de bêbados quando iam aos cassinos juntos, mas Cody rapidamente pôs um fim a isso. Ele tinha até mesmo ido ao casamento delas no Havaí no ano passado, quando Rachel casou com ela. Sim, tinha havido alguns membros mais velhos da família

37


que tinha esnobado o casamento, mas na maioria das vezes a única coisa que importava era que ela estava feliz. Feliz? Sam o fazia feliz. Mesmo quando eles estavam apenas resolvendo um problema na construção, ficar em torno dele provocava um sorriso em Cody. O cara era brilhante, encantador, e tinha um senso de humor perversamente seco. E sexy, oh, tão filho da puta sexy. Se tivesse que fazer uma lista de todas as coisas que ele procurava em um parceiro, Sam tinha todos os itens. Ele rolou de lado e balançou a cabeça com um pequeno sorriso enquanto olhava para suas roupas espalhadas pelo quarto, em seguida, as recolheu. No quarto, a luz que vinha da porta banheiro iluminava o suficiente para ver por ela, e ele jogou suas roupas sobre a cômoda antes de dar um sinal de batida na porta e entrar. A iluminação embutida do banheiro grande Juno com o trabalho de mármore provocou um assobiou baixinho. Quem completou o trabalho tinha feito um ótimo serviço e ele queria saber se o proprietário lhe daria seu nome. Padrões alternados de azulejos foram dispostos a fluir como um rio de bronze e creme. Avançando para o chuveiro estava um enorme banheira cercada por pequenas garrafas e velas. Ele definitivamente teria que ter seu novo amante lá. O tapete do assoalho branco suave em frente ao chuveiro abafou seus passos quando ele atravessou a sala, seu pau levando o caminho para Sam como uma vara de condão. A voz de Sam veio do chuveiro gigante com suas portas foscas. — Há abundância de espaço aqui. Não precisou falar duas vezes. Abriu a porta e correu praticamente para Sam, prendendo-o à parede e segurando suas mãos acima da cabeça enquanto os chuveiros múltiplos batiam em seus corpos. O homem de 38


cabelos escuros rosnou e beijou-o por trás, suas línguas escorregando e deslizando umas sobre as outras enquanto seus corpos pressionavam-se. Quando Cody afastou, Sam sorriu, seus olhos escuros brilhando. — Eu senti sua falta, também. Cody suspirou e lançou as mãos, puxando-o para o centro do chuveiro. — Eu estive pensando... O cheiro de sândalo e algo picante enchia o ar enquanto Sam derramou algum sabonete liquido na palma da mão. — Sobre? Ele permitiu que Sam girasse em torno dele quando começou a ensaboar as costas em lentos círculos que pareciam fantásticos. — Bem, eu acho que perdi um passo ou dois com você. O movimento circular das mãos de Sam diminuiu, mas com sua voz firme, ele perguntou: — O que você quer dizer? — Eu gostaria de realmente dar o que quer que isso entre nós seja uma chance. — Ele virou-se até que as palmas do seu amante repousassem em seu peito. A vulnerabilidade em seus olhos escuros mexeu com coração de Cody. — Mas eu quero levar as coisas devagar entre nós, construir uma boa base sólida. Acho que estou lhe pedindo para sair, como um encontro real. Os lábios de Sam se contorceram. — Você vai me trazer flores e doces? — Sim, eu vou levar flores, mas eu não sei sobre o doce. Isso é geralmente o tipo de coisa para um segundo encontro.

39


Sam cantarolava baixo enquanto esfregava as mãos ensaboadas sobre seus ombros. — Não tento pular um passo aqui, mas se as coisas correrem bem, eu preciso saber como sua família vai reagir. Eu sei que isto é tudo teórico, e eu não vou parar de sair com você por causa disso, mas realmente me ajuda a saber se sua mãe vai gritar em horror quando você contar a eles. — Ele respirou fundo e passou as mãos para baixo nos braços de Cody, que entrelaçou seus dedos. — E isso é algo que eu gostaria de lhe pedir para fazer. Eu não escondo quem eu sou e não posso imaginar fingindo ser apenas um amigo para a família do cara que eu amo... você sabe... na teoria. Ele queria fazer uma piada para aliviar o clima, mas Sam merecia uma resposta honesta. — Bem, meu pai pode ser um pouco difícil de aceitar, mas eu não acho que teremos um problema. Minha mãe costumava me incomodar o tempo todo para me casar e dar-lhe netos, mas minhas três irmãs mais novas têm lhe dado mais netos do que ela sabe o que fazer com eles. Tudo que ela quer agora para mim é que eu encontre alguém e seja feliz. — Com meus pais é o mesmo, exceto que é meu irmão mais velho que tem filhos. Sam inclinou-se e roçou os lábios de Cody em um beijo insuportavelmente doce. Seu coração apertado e envolvendo os braços em torno de seu amante parecia ser a coisa mais natural em todo o mundo. Tempo deixou de importar quando ele lentamente beijou e tocou a construção longa e profunda que se instalou nas bolas de Cody com uma dor agradável.

40


Agarrando um punhado de sabão, Sam começou a lavar seu pau, puxando para trás o prepúcio e fazendo-o cerrar os dentes enquanto acariciava com dedos devastadoramente suaves. — Você quer levar as coisas devagar entre nós, certo? Ele fez uma careta e rezou por paciência. — Sim, quero tratá-lo bem. Sam se moveu para ensaboar suas bolas e ele achava que seus joelhos iriam começar a ceder. — Qualquer oportunidade de que poderíamos começar lento só amanhã? Caralho! Com uma risada, seu amante dirigiu um spray de água para o pau, em seguida, afundou-se em seus joelhos e lambeu suas bolas, até Cody praticamente foder a explosão da água vindo do chuveiro na parede com cada impulso de seus quadris. Quando o dedo de Sam rastreou até suas costas, ele se inclinou para a frente e apoiou as mãos sobre a parede do chuveiro, ansioso por seu amante penetrar-lhe. Para sua decepção, Sam tirou a mão, mas andou atrás dele e deslizando seu pau sobre sua bunda. Sua voz era uma grosa rouca enquanto ele sussurrava em seu ouvido: — Eu quero que você me foda. Ele pressionou a cabeça contra os azulejos e gemeu quando Sam empurrou a ponta de seu pênis contra os músculos tensos de seu ânus. — Vocês tem certeza? — Eu quero sentir o que seu pau grande pode fazer por mim. Olhar em seus olhos quando você gozar dentro de mim.

41


Com uma praga, ele agarrou o braço de Sam em um aperto forte o suficiente para machucar e arrastou o homem rindo do chuveiro. Toalhas rapidamente secaram ambos, então Cody arrebatou a toalha de Sam a distância e pressionou-o para baixo em suas mãos e joelhos para o grosso tapete de banho no chão em frente da banheira funda. Ele riu e Sam deu-lhe um sorriso interrogatório. — O quê? Cody estendeu a mão e tirou uma tigela de bronze cheia de preservativos e uma garrafa de lubrificante claro fora da borda da banheira. — Eu estou acostumado com xampu de cortesia... — Oh, eu trouxe isso. — Quando Cody riu um pouco mais, Sam disse em um tom defensivo: — Ei, eu não sabia que meu encontro ás cegas ia ser você! Eu pensei que eu seria capaz de foder um estranho que apenas se parecesse com você e assim tirar você da minha cabeça e do meu coração. Cody passou a mão para baixo nos flancos de Sam. — Bem, vamos ver se consigo foder a merda fora de você em vez disso e descobrir se eu posso ir mais fundo em sua cabeça e coração. — Moveu-se atrás dele e cutucou as pernas afastadas, até que ele tinha uma visão clara de seu ânus e sua bolas completas penduradas logo abaixo. Cody tinha comido muitos traseiros de garotas para aquecê-lo para o sexo anal e percebeu que as mesmas técnicas provavelmente funcionariam. Ele começou com lambidas lentas para cima e para baixo na rachadura de Sam, a partir da base de sua espinha todo o caminho até suas bolas e vice-versa. Pela maneira como ele gemia e balançava com os movimentos da boca, Cody tornou-se mais confiante. Passando a língua ao redor do anel do seu ânus, ele endureceu a ponta e empurrando quando 42


Sam relaxou para sua intrusão. Momentos depois, ele substituiu sua língua com o dedo e acariciou seu amante, tentando encontrar sua próstata. Sam arqueou com um latido. — Onde diabos você aprendeu como fazer isso? Em vez de responder, ele acrescentou um segundo dedo. Com a mão ainda está trabalhando em Sam, ele se inclinou e pegou o lubrificante. Chuviscando em sua mão, ele trabalhou um terceiro dedo dentro, movendo-os e alongando sua abertura. — Empurrando seu pênis. Sam descansou seu rosto sobre o tapete com seus quadris no ar e Cody se inclinou para trás para assistir as bolas de seu amante apertarem com cada golpe de seu pau. Incapaz de resistir, ele inclinou-se e lambeu as bolas de Sam, curtindo como elas elaboraram firme sob sua língua. Ele puxou levemente a pele com os lábios envolvidos sobre os dentes antes de passar nelas pinceladas de sua língua, enquanto mergulhava seus dedos dentro e fora da bunda de Sam. Seu ânus apertou os dedos dele. — Por favor, Cody, me fode. — Ofegou. Ele tirou os dedos com uma impressão lenta contra a próstata e beliscando o seu traseiro. Sam rapidamente rolou de costas e Cody amou como seu pau parecia quase dolorosamente duro. Verdade seja dita, ele estava perto de gozar apenas com a ideia de enfiar o pau no traseiro apertado que prendeu seus dedos momentos atrás e isso o fez se atrapalhar com o preservativo, ele agarrou a borda da banheira. Segurando as costas de suas coxas, as nádegas de Sam continuavam abertas. Cody esguichou na palma da mão lubrificante e esfregou-o sobre o preservativo. Seus olhos se encontraram e ele jogou as 43


pernas de Sam sobre os ombros. Prendendo seu olhar, lentamente começou a empurrar para dentro dele, desfrutando de todas as nuances de expressões de seu amante quando ele mordeu seu lábio inferior. — Você está ok. Se doer muito posso parar. Sam balançou a cabeça e para trás e soltou uma baforada de ar. — Dói um pouco, mas também é uma foda incrível. Continue, por favor, não pare agora. Cody olhou para baixo entre eles, observando o seu comprimento de látex revestido lentamente afundar no anel distendido da bunda de Sam. Ele sempre amou sexo anal, amando a sensação tão diferente de uma vagina e amava o pensamento de seu parceiro sofrer um pouco de dor para logo depois ter um prazer alucinante se ele fizesse o certo. Ele se inclinou para trás e fez movimentos curtos e suaves. — Deixe-me ver você trabalhar em seu pênis. Algum dia eu quero que você me foda como ele. Eu quero ser o único com seu pau enfiado dentro de mim. Sam lambeu os lábios e começou a puxar seu pau, movimentos lentos da base para o eixo que imitaram os seus impulsos. — Você não tem ideia de como isso é bom. Todos os nervos do meu corpo parecem ligados ao movimento do seu pau. Possua-me, forte, você não vai me machucar. Ele segurou coxas de Sam, levantando-o ligeiramente e começou a mover mais profundo, incapaz de tirar os olhos da vista do rosto do seu amante preenchido com prazer. Cada arrasto de seu pênis levando-o mais perto da borda. Ele soltou e moveu, enquanto Sam apertou sua bunda e colocou uma mão sobre sua cabeça, preparando contra a borda da banheira. 44


A voz de Sam era um gemido gutural. — Oh merda, sim, é isso, me fode, me fode mais... você vai me fazer gozar. Uma pressão de queima construída na base da coluna de Cody e moveu através dos seus quadris, Sam gritou e ele olhou para baixo para ver o sêmen de seu amante disparar quente de seu pênis duramente sobre o estômago e peito. Seu domínio sobre coxas de Sam apertaram e com alguns cursos descoordenados ele também gozou, assim, a sensação de bunda de Sam parecia ordenhá-lo a cada jato. Quando o último fluxo de esperma encheu o preservativo, ele gentilmente abaixou as pernas de Sam de seus ombros e puxou para fora. Após a eliminação da borracha, ele molhou um pano na pia e levantou as pernas de Sam, limpando-o aliviado por não tê-lo feito sangrar. Ele nunca tinha fodido ninguém tão duro, nunca, e não teria se surpreendido se tivesse rasgado algo dentro de Sam. Quando Sam gemeu, ele se amaldiçoou por ser tão egoísta. — Me desculpe, eu não quis... — Você não quis, o que, balançar meu mundo? — Sam tomou a toalha dele e jogou-a na pia. — Eu lhe disse que você não poderia me machucar e eu quis dizer isso mesmo. Aquilo foi incrível. Sam se levantou e estendeu a mão. — Eu não sei sobre você, mas eu estou morrendo de fome. — Quer pedir algum serviço de quarto? Cody respirou fundo e puxou seu amante em seus braços. Ele descansou a cabeça sobre o ombro de Sam e olhou para seu reflexo no espelho. Droga se não ficavam bem juntos. De alguma forma eles pareciam se encaixar. 45


— Que tal começar a se vestir e descer a um desses restaurantes cinco estrelas? Sei que a maioria deles deve permanecer abertos vinte e quatro horas. Os músculos do ombro de Sam ficaram tensos. — Tem certeza? Eu não importo de ficar aqui com você. Cody se inclinou para trás e segurou seu queixo com uma mão. — Sam, eu gosto da sua companhia, não apenas do seu traseiro apertado. — Estremeceu quando ele beliscou sua bunda. — Além disso, eu meio que gosto da ideia de pessoas nos vendo juntos, sabendo que você é o meu homem. Sam o beijou de novo, a suave pressão dos lábios derreteu Cody de dentro para fora. Enquanto mordiscava o lábio inferior de Cody, disse: — Eu gosto dessa ideia, também.

Epílogo Cody respirou fundo quando colocou seu jipe alugado no parque e admirava a vista da mina de mármore muito abaixo deles nas montanhas de Carrara, na Itália. Uma brisa quente de primavera arrepiou o cabelo escuro de Sam quando ele se virou para Cody com um largo sorriso. — Você está certo, valeu apena bater tanto os meus dentes nesse caminho, para fazer o passeio até fim e chegar aqui. 46


Com uma energia nervosa Cody pulou para fora do jipe e retirou sua cesta de piquenique cheia de guloseimas gourmet e uma excelente garrafa de vinho tinto. — Precisamos agradecer a Luciano por mostrar este lugar para nós. — Ele parou e olhou para o vale lá embaixo. — E eu preciso agradecê-lo por me arrastar para a Itália com você. Sam saiu do jipe e se esticou com um gemido baixo. — Levei dezoito meses para você deixar o seu antigo trabalho de construção para vir trabalhar comigo. Percebi que precisava mostrar as vantagens de ser meu parceiro de negócios. Cody riu baixinho e olhou ao redor da colina gramada procurando um bom lugar para o cobertor. Ele sacudiu uma colcha grossa e teve que lutar contra o vento para deixá-lo no lugar. Ao longe, um antigo aqueduto da época romana serpenteava o seu caminho sobre a encosta. — Nunca estive fora dos EUA, nunca tive um desejo de viajar, mas esta viagem foi incrível. — Ele limpou a garganta e definiu a cesta para baixo sobre a borda do cobertor. — Acho que nunca tive a pessoa certa para compartilhá-la. Em uma árvore próxima um pássaro vibrante e seu amante sorriram para ele. — Eu te amo. — Eu também te amo. — Ele brincava com o topo da cesta de piquenique, seus nervos tirando o melhor dele. — Eu sei que nem sempre sou fácil de amar, que você teve que lidar com um monte de besteira insegura minha, mas eu quero que você saiba que eu nunca poderia me

47


imaginar estar com ninguém além de você. Mesmo que tivesse que passar o resto da minha vida chutando bundas de caipiras ignorantes. Sam tirou as botas e se sentou ao lado dele sobre o cobertor. — Há sempre pessoas que odeiam o que não entendem. Estou feliz que você não está deixando-os chegarem até você. — Então, estava pensando... — Cody começou a desembalar a cesta, colocando um pedaço de pão doce e queijo ao lado de Sam. Ele engoliu em seco e limpou a garganta quando um suor irrompeu sobre seu corpo. — Eu estive pensando sobre nós. Os músculos em volta da boca de Sam apertaram, mas ele conseguiu um pequeno sorriso. — Por favor, não me diga que você me trouxe até este lugar bonito para me dar fazer o discurso: “eu acho que devemos ser apenas bons amigos.” Cody balançou a cabeça e enfiou a mão no fundo do cesto. — Não é bem isso. Virou-se para que ficasse de joelhos voltado para Sam. Levou uma grande dose de coragem para abrir a mão e exibir o anel espesso de ouro com uma faixa estreita de diamantes na palma da mão calejada. — Sam Dunham, quer se casar comigo? Sam ficou pasmo, e em qualquer outra situação, teria sido engraçado. — Você quer se casar comigo? Cody se esforçou para manter o olhar atônito de Sam. Ele nunca foi bom em falar sobre coisas emocionais, mas tinha que fazer aquilo direito.

48


— Amo você, Sam. Quero passar o resto da minha vida com você. Quero que nós envelheçamos juntos, para construir a nossa própria casa para vivermos. Quero cuidar de você e quero que você tome conta de mim. Ele traçou os dedos pelo rosto de Sam, queimado pelo forte sol italiano. — Eu quero que o mundo saiba que você é meu marido, minha outra metade, e que eu nunca vou amar outra pessoa como eu te amo. Os diamantes brilhavam na luz solar como estrelas quando Sam rastreou o dedo ao redor do círculo de ouro. — Eu também te amo. Sim, Cody, eu vou casar com você. Ele deu um grito alto o suficiente para assustar os pássaros das árvores ao seu redor. Sam riu quando ele rapidamente deslizou o anel em sua mão. Seus lábios se encontraram e a alma de Cody tocou de alegria com a sensação de completude. Ele quebrou o beijo e envolveu o rosto de Sam em suas mãos, tentando memorizar o momento perfeito, para manter na memória em detalhe nítido um dos melhores momentos da sua vida. Os olhos de Sam escureceram um pouco. — O que seu pai pensa sobre isso? — Bem, considerando que ele me perguntou quando eu ia fazer de você um homem honesto, eu acho que ele está bem com isso. Sam riu e abraçou Cody tão apertado que suas costas pareciam que iam rachar. — Preciso obter um anel também. Eu quero que todos saibam que você tem par, que é meu. — Meu coração tem sido seu desde o momento em que você saiu do caminhão de volta ao nosso antigo local de construção. — Ele segurou a 49


mão do noivo em sua própria, virando para que ele pudesse admirar o anel. — Você gostou? Se não, podemos obter uma outra. — Eu adoraria este anel, mesmo que você o tirasse de uma máquina de chiclete. — Seu amante puxou o cobertor para ele, para de forma que foram envolvidos... Abraçados. — Tenho muitos planos e tanto para fazer. O que você acha sobre um grande casamento? Ou você prefere se casar em alguma capela deliciosamente brega assim que voltarmos para Las Vegas? Cody segurou a parte de trás da cabeça, puxando-o mais perto até que seus lábios roçaram. — Mais tarde, falaremos sobre isso mais tarde. — Sim, mais tarde. — A voz de Sam aprofundou e ele pressionou seus quadris em Cody. — Nós temos todo o tempo do mundo, o resto de nossas vidas para descobrir isso. Ele mal podia esperar para começar.

50


Se Entregando ao Amor Sascha Illyvich


Para curar a temida rotina criativa que ela está, Livia termina em Las Vegas por sugestão de sua terapeuta. Ah, e há um problema. Livia foi indicada para ter uma noite só com um homem muito bonito que promete sua liberdade através da submissão. Ela

pode

render

mais

do

que

apenas

paixão?

Capitulo Um

— Eu quero ter a verdadeira liberdade. Estou cansada de viver essa vida que eu tenho, com medo o tempo todo eu não me sinto no controle. — Livia diz de sua cadeira, consciente do olhar intenso do terapeuta. Dra. Gena bateu a caneta sobre o seu bloco de anotaçõesl ao seu lado, mas não olhou para cima. — Como é que você se saiu com a mudança,


Livia? Ela estremeceu visivelmente. A Dra. Gena deve estar brincado? Livia olhou para o tapete bege e piscou, falando baixinho. — Eu não gosto disso. — Porque você não pode controlar as coisas. — Sim — Livia balançou a cabeça e olhou para o terapeuta. A camisa de cor creme esticada sobre a figura da médica, enquanto uma calça de terno cinza abraçou quadris arredondados. Seu cabelo estava preso por alfinetes, expondo um decote delgado. Um pouco de maquiagem ajudou a disfarçar sua idade, e o olhar frio que Dra. Gena deu a ela mostrou mais sabedoria do que amaioria das pessoas nesta idade. — Porque eu não tenho nenhum controle. Dra. Gena olhou por cima de suas notas e girou a caneta ao redor de seus dedos. — Você já considerou a idéia de que talvez você possa organizar as mudança, podendo levá-la a novas experiências, enquanto você controlar a forma como você se comporta e responde a isso? —

Estava sua terapeuta

ficando insana? Livia apertou as mãos. — Não. — Então, talvez seja hora de você se redefinir, reanalizar o que e quem você pensa que é. Se os mortos não te ajudam, então eles só servem para te lembrar.

— Sua repiração tornou-se mais difícil

de repente. Seu

passado não foi nada de especial, apenas era. Uma vida de medo de sair de casa, de estar perto de outras pessoas, e não ser compreendida. A Dra. Gena colocou os dedos no queixo de Livia e com um pouco de pressão, ela levantou seu rosto para encontrar com o seu olhar.

— Você

realmente é uma mulher forte. Você sobreviveu a muita coisa em sua vida. Tenho alguns amigos em Las Vegas que posso lhe recomendar. Vai ser um choque para o seu sistema, mas eu acho que você vai ajustar rapidamente, dado o que temos discutido em suas sessões ao longo dos últimos anos . Ela engasgou, exalando a respiração que não sabia que ela tinha


segurado. A idéia era ridícula! Ela? Sair da sua pacata cidade, para um antro de perversão? Ela começou a morder o lábio inferior. — Você está me pedindo para deixar toda minha vida para trás aqui em Colorado e ir para Las Vegas? A Dra. Gena assentiu. Com sua expressão pensativa ela inclinou a cabeça um pouco de lado, mostrando compaixão para Livia. — Algumas das coisas mais difíceis que eu já sugeri a você como minha paciente trouxeram resultados surpreendentes. Você fez uma casa para si mesma. Você é uma artista de sucesso. Meu secretário já não te assusta mais. Os cantos dos lábios de Lívia voltaram para cima. — Sim. — Há um brilho nos seus olhos. Aquele de quando você sabe que o que estou sugerindo é a coisa certa a fazer? — Uma sobrancelha se levantou. — Sim? A Dra. Gena acenou com a cabeça novamente. — Sim, indo para Las Vegas vai ajudar você a ganhar controle sobre sua vida. Como eu disse, eu tenho alguns amigos que podem ajudá-la. Eu vou fazer uma ligação amanhã e acertar as coisas. Além disso, o que você provavelmente precisa é de uma boa transa. Os olhos de Lívia se arregalaram de horror com o que foi dito. — Você sabe o que quer? — A Dra. Gena soltou o queixo de Livia e sentou-se. Seu tom ficou indiferente embora Livia detectou uma pitada de diversão em sua voz. — Você precisa descobrir o mundo adulto agora, você está pronta para isso. Ela não podia acreditar o quão indiferente a terapeuta tinha sido apenas com o que ela tinha proposto. — Você esta sugerindo que eu saia e encontre um homem. Eu nunca fiz algo parecido e … — Não, eu estou sugerindo que você faça algo que não esta no seu controle inteiramente, o estranho vai ter controle, assim como você terá. — a


boca da Dra. Gena franziu em uma linha fina. — Qualquer homem que você vai conhecer em Las Vegas vai ser um encantador, um canalha, um bêbado ou um trapaceiro. Pelo menos com isto em mente, você vai saber de antemão o que esperar. Você não é virgem, mas isso é novo para você. E essa experiência vai mudar sua vida. Seus olhos se estreitaram. Ela bateu o pé. — Eu não quero mudar. Eu quero o controle! A terapeuta se inclinou para trás e cruzou uma perna sobre a outra. Ela encontrou o olhar de Livia. — Você vai ter o controle total. Confie em mim. Livia continuou mordendo o lábio. Pensamentos giraram descontroladamente em sua cabeça. E

se

ela

errasse?

Ela

não

poderia

se

recuperar

desse

constrangimento. Ela nunca teve um bom amante. Os poucos que teve no passado tinha sido medíocre na melhor das hipóteses. Desde o último há dois anos, ela não teve outra experiência sexual. A Dra. Gena continuou:

— Não é a única maneira de recuperar o

controle sobre sua vida, e aprender a sair de si mesma. Mas é uma forma primitiva. O que ... — , ela fez uma pausa, bateu seu bloco, — eu quero dizer é que você é uma artista. Você não usa as experiências da vida para criar? E você

teve

qualquer

nova

experiência

ultimamente?

Livia balançou a cabeça lentamente. Ela viu que isso estava acontecendo e odiava a terapeuta por estar certa. — Não, mas algumas experiências que eu tenho sido capaz de imitar. Apartir de outras pessoas que contam sobre as suas experiências A Dra. Gena se inclinou para frente, colocando a mão no ombro de Livia. — Se você não se machuca no processo, você não aprende, você não cresce. Quem sabe? Você pode não se machucar com isso. O corpo de Livia ficou tenso. O toque de sua terapeuta aliviou um pouco do estresse dela. — Eu sei que você pode fazer isso.


Livia engoliu o nó em sua garganta. Ela poderia fazer isso. Ela poderia recuperar o controle de sua vida, começando com o sexo. Isso fazia sentido, certo? Em algum lugar no fundo de sua mente distorcida, ele tinha que fazer. Lentamente, a médica se afastou de Livia, passando a mão pelo grossos cachos castanhos de sua paciente antes de tirar ambas as mãos de seus ombros. Então, ela olhou diretamente nos seus olhos.

— Eu acho que você

está pronta para o mundo, docinho.

Dois dias depois, Lívia encontrou-se em Las Vegas. Depois de ter preenchido toneladas de papelada, ela levou a sua terapeuta para aprovação e, em seguida, descobriu que era para ser enviado para a Madame Eva, a mulher que possuía o serviço de encontros arranjados que ela tinha falado. Em poucas horas, um encontro tinha sido marcado e iria se reunir com Livia em seu quarto de hotel. Vegas era imensamente diferente de Colorado. Por um lado, a cidade nunca pareceu dormir. Descendo

a

calçada,

ela

observou

a

multidão

de

turistas,

acompanhantes, prostitutas, e, finalmente, aqueles que viveram em Las Vegas. Tudo se juntaram ao redor de um amontado que parecia ser o caos organizado e desorganizado de som, apesar de que poderia ser porque ela não estava acostumada com o volume proveniente dos vários casinos que


revestiam as avenidas. Pena que o ar seco estava matando. Calor sufocante se abateu como um peso pesado durante o dia e à noite não foi muito melhor. Em seu hotel, ela não podia se acostumar com o ar condicionado, a refrigeração estava ajustada para o que parecia ser abaixo de zero. Ajustar o termostato não ajudava, o quarto era ou muito quente ou muito frio. Ela fez seu caminho de volta para o hotel e com o enorme átrio, onde máquinas caça-níqueis e jogadores fizeram muito barulho. Pelo menos ela ficaria aqui apenas o tempo suficiente para encontrar uma residência permanente. Além disso, se o seu encontro desse errado, ele não teria seu endereço. Felizmente seu quarto era nos andares superiores longe o suficiente dos altos ruídos, uma vez que ela fechou a porta, ela estava livre para desfrutar de paz e tranquilidade. Seu estômago roncou. Ela suspirou, colocou a bolsa em cima da cama, tirou os saltos, e se jogou na poltrona. Serviço de quarto era uma aposta segura no Castillo Resort; foda, é melhor que seja! O dinheiro que tinha gasto em vir aqui para encontrar a si mesma e descobrir controle não incomodava. Sua terapeuta lhe ensinou que tudo tem o seu valor mas se o objeto trocado por dinheiro não vale a pena, então melhor guardar seu dinheiro e gastá-lo em outro lugar. Ela ainda não conseguia acreditar que a Dra. Gena tinha sugerido um caso de uma noite com um desconhecido. O pensamento a assustava, apesar da montanha de papéis que ela tinha que preencher sobre si mesma. Sua terapeuta assegurou-lhe que o encontrado de uma noite seria uma aventura agradavel e não um encontro com psicopata.


Pelo menos ela teria hoje para si mesma. Pode ser que no dia seguinte, o homem iria aparecer para o seu quarto e orquestrar um cenário que a Dra. Gena tinha planejado para ajudá-la mover-se através de suas inseguranças. Ela tinha trazido uma nova lingerie, embora ela não tinha idéia de como ela estava indo seduzir um homem. Ela não sabia muito sobre sexo, além do que ela aprendeu com porno. Isso tinha sido uma sessão interessante, com sua terapeuta, também. Ela provavelmente não deveria ter dito a Dra. Gena sobre o porno. Ela pegou o cardápio e uma carta caiu e sobre o tapete. Curiosa, ela pegou e virou de ponta cabeça. 1NS Escrita extravagante e continha um número de telefone. Livia pensou em cancelar o compromisso, mas ela já tinha gasto o dinheiro em seu 'encontro'. Algo

estranho

sacudiu

o

corpo

de

Livia,

causando

um

estremecimento. Foi emoção? Uma idéia? Como uma artista, a inspiração para pinturas veio, a dor de dentro afogando telas em branco em algumas vezes macabras, cores, às vezes lindamente tristes. Como o autor das crianças, ela tinha tomado toda aquela dor e usado para transformar horror em aceitação, dando todas as crianças algo para se relacionar com que os lembrou que eles eram inocentes e que o mundo nem sempre foi cruel. O problema com as suas saídas criativas era que elas nunca forçou-a para fora. A Dra. Gena havia dito em mais de uma ocasião que ela precisava sair do estúdio e ver o mundo. Vá em encontros, transar.


Livia tinha ignorado as idéias de sua terapeuta como imbecil. O medo de um outro homem ter o controle de seu corpo e fazer o que quisesse, sem ter em conta os seus sentimentos, pensamentos, ou aprovação, a assustava. Mas, se o consentimento foi dado .... Ela gemeu. Como ela iria saber se ia confiar nele ou não? Talvez mais tarde ela iria até o bar e tomaria uma bebida. Isso é o que ela precisava, algo para relaxar, após a sua fuga. Sua mente estava entorpecida. As últimas sessões de terapia se concentraram sobre o porquê ela estava desenhando espaços em branco, literalmente. — Você não tem experiência de vida. Você foi um artista da forma mais verdadeira ainda assim auto-destrutiva, possívelmente indo para Vegas vai te trazer um mundo de experiência porque vai forçá-la para sair encher essa sua bela mente . E ao contrário de seu estúdio novo, ele é cheio de pecado. Acho que vai despertar a sua raposa interior

— Foram as ultimas

palavras da Dra. Gena. Livia respirou fundo e se concentrou em verificar o menu. Muito nervosa para escolher a impressionante lista de pratos principais, ela foi para o seu favorito, um guisado espanhol requintado que ela tinha certeza de que a equipe do Castillo Resort poderia segurar. A meia garrafa de Rias Baixas Albariño iria acompanhar o prato, e ela estaria pronta para fazer seu pedido de comida e bebida. Antes de colocar seu cartão de crédito de volta em sua carteira, ela pegou o cartão para o encontro de uma noite e colocou-o em sua bolsa. Talvez ela ia perguntar ao redor. A parte criativa de sua mente assegurou-lhe que era para a pesquisa, para ajudá-la a criar. Sim. Certo.


Depois de uma refeição de reforçada e um copo e meio de vinho, Livia fez seu caminho até o bar do casino onde musica tocava e as pessoas se misturavam. A Dra. Gena tinha dito a ela para tentar ser mais social, de modo a estar perto do lobby era o melhor lugar, certo? Ela balançou a cabeça em frustração. Como foi que isso vai levá-la a mais liberdade? Os saltos de Livia soarram alto o suficiente contra o azulejo, apesar da quantidade de pessoas ao seu redor. Ela fez seu caminho através da multidão e caminhou até o bar, tirando mechas de cabelos longos e escuros do rosto. Mesmo que seu estômago estivesse cheio, os nervos dela apertaram. Sendo uma reclusa tinha suas desvantagens. Ela não interagia muito frequentemente , ela não se encontrava passeando do nada, muito menos em um bar para tomar uma bebida. — O que eu posso servi-la, senhora? — Disse um homem com um sorriso bonito lavando um copo, em seguida, colocando para trás. Cabelo loiro tingido tinha sido cortado e limpo. Seus olhos verdes olhou para ela com bondade, mas a forma como o casaco preto ajustado sobre o seu peitoral e ombros largos fez Livia pensar em trolls por algum motivo. Ele não saiu desagradável ou arrogante. Ela olhou para o bar, pegou seu cartão de crédito, e deslizou até ele. — Eu não sei. Eu normalmente não bebo. — E se a gente começar com algo mais fácil? Você se parece com um bebedor de vinho, mas não há bom vinho neste bar particular. Não sem um preço elevado. Que tal ... Eu vou preparar algo e você me diz se gosta. — Ele colocou a mão sobre seu cartão de crédito e deslizou de volta para ela. — O primeiro é por conta da casa. — Ele piscou. Livia assentiu com a cabeça e pegou o seu cartão de volta. Ela pegou a carteira e o cartão 'fique uma noite' caiu no chão. Rapidamente, ela se abaixou para pegá-lo e colocá-lo em sua bolsa, antes que alguém o visse.


O barman derramou o conteúdo de seu agitador em um copo alto. O líquido correu sobre cubos de gelo até alcançar a borda. — Mistura especial que eu proprio inventei. . .Experimente — Ele empurrou a bebida na frente dela, e avistou o cartão na mão dela. Uma sobrancelha grossa se levantou. — Eu vejo que você está aqui para algumas atividades extra-curriculares. Ela congelou. Ele ergueu as mãos em defesa.

— Eu não faço julgamentos. Os

Castillos são uma marca exclusiva de animais. Os ombros de Livia caiu e ela soltou um suspiro exasperado. — Me disseram que eu precisava sair mais, ver o mundo. — Vegas é o lugar, garota. Experimente a bebida. — Ele empurrou em frente ao bar para ela. Ela fez. Foi delicioso, frutas e especiarias, com apenas uma queimadura de álcool no fundo de sua garganta. Algumas bebidas depois, ela se encontrou rindo com o barman. Ele manteve uma distância respeitável, não fazendo um movimento em direção a ela. Sentia-se segura. Seu nome era James e ele estava em Las Vegas mais anos do que ela estava viva. Seus olhos brilharam com diversão.

— Você está me dizendo que

você foi uma reclusa todo esse tempo? Ela assentiu com a cabeça. mundo. Na verdade,

— Aham. Eu não tenho visto muito do

— ela sentiu um pouco de relaxada e risonha, —

Eu

ainda sou muito nova para um monte de coisas. — Ela colocou uma mão no balcão, com a palma para baixo e se firmou. Ela não estava acostumada a beber. De vez em quando ela tomava um pouco de vinho, mas muitas vezes não é suficiente para ensinar o seu corpo como lidar com licor. Livia cobriu a boca e bocejou. Ela teve o suficiente de tudo o que James fez para ela. Ele inclinou a cabeça ligeiramente, entregou-lhe um copo d'água. —


Talvez quando você acordar amanhã você pode segurar a vida pelas bolas e dar-lhe um bom chute, Livia. — Seu sorriso aqueceu seu coração. Seu corpo vibrava com uma energia que ela não conseguia entender. — Você provavelmente deve se recolher para noite. Eu fiz essas duas últimas bebidas um pouco mais forte — James sussurrou. Ela riu e enfiou a mão na bolsa. Ele levantou uma mão. — Não há necessidade. Amanhã, você pode pagar pelas bebidas. Vá para a cama. — Ela fez exatamente isso. Amanhã seria um dia assustador.

Capítulo Dois O bater na porta acordou Livia. Ela sonhou todos os tipos de coisas interessantes durante a noite e as memórias não desapareceu ainda. — Espere um momento — Ela sentou-se, esfregando o sono fora de seus olhos, e procurou o roupão. A peça de cetim roxo escuro que ela escolheu no Natal a manteve quente e fez sentir-se mais feminina, mais em sintonia com o que ela achava que deveria ser.


Claro, ela tinha saias e vestidos, mas ela raramente usava aqueles. Colorado não era o lugar para usar nada curto ou Glamouroso. A batida suave soou novamente. Ela deslizou para fora da cama, se cobriu com o manto, e amarrou firmemente em torno de sua cintura. Ela retirou a trava desbloqueado a porta e puxou a corrente de metal fora do gancho. Abrindo a porta revelou um homem vestido em um terno preto elegante. Longo cabelo escuro tinha sido puxado para trás em um rabo de cavalo. Seu corpo preenchendo o paletó o fez parecer maior do que ele provavelmente era. Uma camisa preta esticada em um peito musculoso. Calças pretas abraçou coxas poderosas. Ela olhou para baixo e quase podia ver seu reflexo em seus sapatos. Ele parecia intimidante, mas sorriu quando ele estendeu a mão. — Livia? — Parte dela queria encolher para longe, negar-lhe o nome, e se esconder debaixo das cobertas. Ela tinha que fazer isso embora. Ele era apenas uma pessoa. Uma muito alta e sexy pessoa. Ela engoliu em seco, com a boca seca de repente. — Sou eu, quem é você? — Eu sou Bruce. Seu encontro às cegas. — Olhos violeta percorriam seu corpo e os cantos de um par de lábios sensuais se curvaram. Calor subiu, fazendo-a corar. Ela notou a maneira como ele olhou para o seu corpo, seus olhos focando a exibição de um amplo decote. — Você tem uma pele muito linda. As palavras saíram de sua boca e sobre ela como um cobertor macio, uma carícia sobre suas partes mais íntimas. Ela estremeceu e pegou sua mão. — Eu sou Lívia. Eu .... Dando de ombros ele disse — Este foi, — ele colocou a mão livre na parte de trás do seu pescoço, — um pouco mais inesperado do que eu planejei — Vamos ...?


Ela tinha dificuldade em acreditar que ele estava nervoso, também. Será que os homens ainda ficavam nervosos? — Tente outra vez? — O brilho sedutor em seus olhos azuis do mar era tudo o masculino. Predatório, mas não assustador. Como ele fez isso? — Sim. Por favor. Entre. — Tudo bem. — Ele soltou a mão dela. Ela sentiu uma súbita irritação com a perda de contato. Livia entrou, virou e olhou por cima do ombro. Ele seguiu junto, mantendo uma distância segura dela. Sua presença fez a grande sala se sentir pequena. Ela engoliu o nó recém-formado em sua garganta. — Você tem alguma idéia de como isso deve funcionar? Eu nunca fiz isso antes. É usual para ... Ele parou apenas dentro da porta.

— Mostrar-se tão cedo? Na

maioria dos casos, um caso de uma noite significa exatamente isso. A atração sexual entre duas pessoas que acontece apenas por uma noite, geralmente à noite. Mas, isso era... — Ele limpou a garganta. — Algo que me disseram para manusear com cuidado. Ela se virou para ele e colocou as mãos nos quadris. — Eu não sou uma criança. — Eu sei. — Ele deslizou as mãos nos bolsos.

— Mas eu devo a

parte requerente este favor um grande negócio e uma vez que eles me checaram, eles me disseram que queriam que eu conhecesse você. Então eu percebi que a melhor coisa a fazer era conhecê-la. — Isso fazia sentido. Seus ombros relaxaram. Ainda precisando de uma certa distância, ela caminhou até a mesa e olhou para fora da janela, para baixo, para as ruas. Não que muitas pessoas circulavam, mas um olhar para o relógio lhe disse que era cedo. Ela se virou e olhou para ele. Seu tamanho a fez tremer, mas ela não tinha certeza se era medo ou excitação que a fez tremer. Bruce estudou, mudou seu peso de um pé para o outro. — Você é


uma mulher muito bonita. Calor correu até suas bochechas e sobrancelhas se levantou. Ela nunca tinha ouvido isso de ninguém. — Obrigada? — Eu sei que foi um movimento rápido para você e que provavelmente não é o caminho certo a percorrer. — O tom da sua voz soava como se ele controlava o impacto por trás de cada palavra. Ela engoliu em seco. Como será que seu cabelo se parece se solto? — Não. Eu sou .... — Antes que ela percebesse, ele estava de joelhos diante dela. Ele pegou a mão dela, capturado e apertou-a na sua. A enorme diferença de tamanho intimidava. Ásperos dedos calejados alisou por cima de sua mão em um movimento suave. Os lábios de Bruce pressionado contra sua pele. Arrepios apareceram nos braços e um arrepio percorreu-a. Ela não sabia o que fazer, mas ela não queria se afastar. Seu coração deu um baque duplo contra o peito. Seus olhos viajaram por seu corpo, parando brevemente no topo de seus seios. Ela percebeu então o quão nua estava. O manto púrpura se dividia o suficiente para mostrar-lhe a camisola no

meio da coxa chemise com fendas nas laterais. Mostrando suas curvas

muito bem. Embaixo dela, ela não usava nada. Os olhos de Bruce encontraram os dela. Ela olhou de volta para as profundezas do seu olhar, segurando-o por um momento. Olhos violeta ardia de desejo. — Você me acha atraente? — Eu acho. — Ele acenou com a cabeça. Ela se virou, ainda segurando sua mão. — Oh. Eu suponho que você precisa. — Seus dedos endureceu contra a palma da mão. — O que significa isso? —

Ela se virou para encará-lo, o farfalhar dos cabelos cobrindo os

ombros: — Isso significa que você é pago para seduzir. Eu conheço o seu tipo! Bruce limpou a garganta e começou a rir. Ele bateu seu joelho com a


mão livre. Livia puxou sua mão da dele e caminhou de volta para a mesa. — Veja! — Bruce levantou-se a sua altura máxima, baixando o olhar. — Não. Eu sou um encontro às cegas, e não um acompanhante. O 1 NS é um serviço de encontros as cegas, você sabe disso, né? Livia sorriu, bateu na mesa e inclinou-se para ele. Encontro arranjado é o mesmo que um serviço de adulto. Certo? Ela deveria flertar com ele? Não foi isso que o Dra. Gena queria que ela fizesse? Colocando as mãos nos quadris, ela olhou para Bruce. — Sim, mas .... — Madame Eva, a proprietária, é muito cuidadosa com seus clientes e muito atenciosa com as suas necessidades e desejos. Confie em mim. — Ele enfiou a mão no paletó e tirou um lenço, enxugou a testa. Então, ele dobrou-o de volta para um quadrado perfeito, enfiou-o em sua jaqueta, e continuou. — Eu passei por um inferno para usar seu serviço. Curiosa, ela relaxou a postura, apenas um pouco.

— O que você

quer dizer? Por que você precisa de um encontro às cegas ou serviço de encontros arranjados? Seu rosto ficou vermelho. — Bem — Bruce estendeu as mãos para os lados.

— Algum tempo atrás eu estava em um relacionamento que não foi

bem. Eu a amava, mas ela me deixou por uma outra mulher chamada Alexandria Rayne. Livia teve que cobrir a boca para abafar o riso que ameaçava escapulir. — Uma mulher te deixou por outra mulher? Eu acho isso difícil de acreditar! Ele sentou-se na beira da cama e sorriu nervosamente — Parece tipo de ridículo, não é? Mas essa mulher era uma poderosa autora de romance enfeitiçou todo seu público com as suas palavras. Parecia que até eu fiquei


seduzido por sua rede até que eu percebi que ela não queria nada comigo. Alexandria era egoísta, tinha eu e minha namorada amarrados juntos. Ela partiu meu coração. Livia realmente queria rir, mas ela tentou conter o riso. — Vá em frente, ria! — A voz de Bruce cresceu pelo quarto. Ela pensou que ele estava irritado até que viu os cantos de seus lábios cheios virar para cima em um sorriso. — É um pouco embaraçoso agora, mas eu não achei engraçado na época. Na verdade, com isso eu mergulhei de cabeça no trabalho o que me causou um grande extresse e acabei tendo um ataque cardiaco e indo parar no hospital.

— Sua voz caiu.

— Para tirar ela e Alexandria da minha mente.

Então um dia eu estava conversando com um colega de trabalho que quis sair para beber. Você sabe, como amigos. — Eu posso ver onde isso vai dar. — Ela apertou os lábios em uma linha fina. Ela cruzou os braços sobre o peito e se endireitou. — Não, não inteiramente. Eu não ia dormir com ela, se é isso que você esta pensando. — Ele se inclinou para a frente. — Nós fomos para um tipo diferente de clube. Ela me pediu para ir com ela e obedecer a todos os seus caprichos. Livia arqueou uma sobrancelha, — Isso soa suspeito. Ele acenou com a cabeça. — Sim, ele fez para mim também. Eu não tinha certeza do que estava acontecendo, mas eu não tinha deixado a casa ou escritório em vários meses. Eu tive um ataque cardíaco, e quando eu saí do hospital, ela estava lá esperando para me levar. Nós só nos víamos fora do trabalho que foi, quando ela me levou para o clube. — E você não questionou-a? Bruce balançou a cabeça e alguns fios se soltou de seu rabo de cavalo. Ela percebeu que seu cabelo tinha sido puxado para trás por um pedaço de couro preto, não uma faixa de borracha como ela pensava. — Eu estava apenas feliz por estar vivo. As próximas semanas com


Lilith foram interessantes Ele deveria seduzi-la? Livia tinha ouvido o suficiente.

— Deixe-me

adivinhar, ela lhe ensinou uma lição valiosa e depois acabou sendo deixado sozinha por Lilith apenas para perceber o que realmente precisava? Estou cansando desta História. Minha terapeuta me disse inúmeras vezes estas coisas. — Não. — Ele balançou a cabeça novamente. — Ela não termina bem assim. Por favor, deixe-me lhe contar o que eu aprendi. Lilith, me ensinou coisas que eu gostaria de compartilhar com você. Foi por sua sugestão de que eu me inscrevi para o 1 NS e me surpreendeu, não que eu ache que eles sejam muito completo. Não se preocupe.

— Ele tirou o paletó e colocou

perfeitamente na cama ao lado dele. — Eu sou apenas um homem que não sabia o que esperar. E eu não tinha uma parceira em um tempo muito longo. — Ele se levantou e aproximou-se dela, curvando-se em um joelho, enquanto pegava a mão dela.

— Por favor, deixe-me mostrar-lhe como é estar no

controle? Ela suspirou. A palavra que ela mais queria ter de volta tinha chegado a ela na forma de uma pessoa. Uma pessoa que vive de verdade que ... ela não sabia o quê. Livia acenou baixando a cabeça. Ela estava com um homem que poderia controlar todo o universo, dominá-la com seu grande corpo, e ainda tornar-se submisso à sua frente? O que poderia causar esse comportamento? Pior ainda, a maneira como ele se ajoelhou diante dela deu-lhe uma visão de ombros muito largos debaixo de sua camiseta preta. Seu cabelo caía grossa em um rabo solto que parou apenas na parte baixa das costas. Seu cheiro, tão masculino e potente chegou ao seu nariz. Alguma coisa apertou abaixo em seu estômago. Suas coxas ficaram úmidas.


— Tudo bem. Então, como é que isso funciona? Ele levantou os olhos do chão.

— Descobri que a liberdade, a

verdadeira liberdade vem quando o corpo está preso e estimulado — Em pé, ele se inclinou para a frente, pressionando os lábios nos dela.

— Forçado a

deixar a mente e o coração trabalharem em conjunto. — Ele roçou seus lábios contra os dela mais uma vez, as palavras ecoando como a seda sobre sua mente. Sua voz foi como uma caricia, causando alfinetadas descendo a sua espinha. Seus mamilos endureceram sob o cetim. Ela tentou se soltar de Bruce, mas a mesa e seu grande corpo prensando ela não permitiu. Lentamente, sua boca acariciava a dela, em seguida, sua língua percorreu o seu lábio inferior. Ela provou seus lábios macios. Eram frescos, como sândalo, com um leve toque de rosa e canela chegaram ao seu nariz, levando seus sentidos fora de equilíbrio. Sua mente ficou em branco com a imagem diante dela, um homem poderoso e disposto a fazer seus desejos e se concentrando apenas em seu prazer. Uma parte dela ainda estava um pouco confusa. Finalmente, Bruce afastou do beijo, ajustou suas mãos em cada lado de seu corpo, e voltou para a posição ajoelhada. Sua cabeça girava e ela teve que se firmar contra os seus ombros, apenas para descobrir que seu rosto estava ao nível de sua vagina. — Como você faria para imobilizar um corpo e estimulando-o? Ele enfiou a mão no bolso e tirou de dois feixes de corda azul escuro. — Seda ajuda para aqueles que têm medo de ferro. Uma sobrancelha se levantou. — A cadeira, um lugar perfeito para prendê-la — indicou com um aceno de cabeça.

— Você vai se sentar com seus quadris na borda, suas

pernas e braços serão amarrados levemente.


— Não vai doer? — Ela olhou para a cadeira, um pedaço de couro e madeira de alta qualidade, estes móveis poderiam ser usados para segurar as mãos para baixo se ele foram amarrados a ele. — Se você se sentir desconfortavel, eu vou soltar as cordas. Basta você pedir. Esse era o problema. Será que podia confiar nele, ela sentia um pouco segura com um homem que parecia estar no total controle de si mesmo. Ele poderia facilmente machucá-la, mas ela não tinha a sensação de que Bruce a machucaria. Era estranho, mas ela realmente achou que valia a pena pelo menos uma tentativa. Livia nunca pediu nada em sua vida. Ela sempre conseguiu as coisas por si mesma ou ficava sem. A sua vida tinha sido difícil, mesmo depois que sua renda aumentou. Ainda assim, ela queria coisas novas e temia consegui-las. A pergunta saltou da parte traseira de sua mente aos lábios antes que ela pudesse detê-la. — E se eu ficar com medo? Bruce olhou em seus olhos e sorriu.

— Você simplesmente diz

Bluetooth. — Bluetooth? — Suas sobrancelhas franziram. — Sim. Essa é a sua palavra de segurança. Se você se sentir com medo e quer que eu pare, basta dizer e todo o jogo de qualquer espécie acaba. O pensamento de todas as coisas que ela gostaria de perguntar-lhe passou como uma corrida em sua cabeça assim como o tom de sua voz. As palavras mais uma vez parecia envolver em torno de suas orelhas, em uma sinfonia de sedução que enrolava como a fumaça sobre sua pele nua. Sua vagina se apertou com o pensamento de ele tocá-la. Seu corpo vibrava com a excitação. — Você começa a tomar o controle de si mesmo. Você já fez isso. —


Bruce colocou uma mão sobre sua coxa exposta. Um formigamento subiu correndo em linha reta até as suas costas. Antecipação de como isso poderia acontecer vibrando em seu estômago como borboletas. Ela queria esse homem. — Tudo bem. E agora? —

Satisfaça-me, para que eu possa entrar em você. Sente-se na

cadeira, apóie as mãos sobre os braços. Tirer o manto. Lentamente, Livia aproximou-se da cadeira. Ela deixou o robe escorregar antes de jogá-la na cama. — Aqui? Bruce piscou os olhos, olhou para a cadeira, a janela, e então de volta para Livia.

— Bem, nós poderíamos movê-lo para longe da janela, se

quiser, mas, francamente, se eu fosse olhar para cima e vê-lo em toda a sua glória nua, eu gostaria de saber seu nome. Eu gostaria de devorar seu corpo todas as partes com imensa paixão. Eu gostaria de me certificar de que tenha prazer de forma contínua, sexualmente ou não. — Ele se levantou e estendeu as cordas em suas mãos. Ela sentiu-se corar novamente. O rico timbre de sua voz fez coisas para seu interior. Depois do beijo, ela se sentia vazia. Ela queria mais um sabor de Bruce, mas não sabia como pedir. — Amarre-me de frente para a janela.


Capítulo Três

Seus olhos se arregalaram como se um choque o havia atingido. Bruce endireitou os ombros e deu um simples aceno. — Muito bem. Ela estudou-o, a expressão em seu rosto deu uma pista sobre seus pensamentos. Foi isso precipitado? Suas sobrancelhas franziram, em seguida, suavizou e o vapor sensual voltou para o seu olhar. Ele definitivamente a queria. Se a protuberância em sua calça era qualquer indicativo, ele não estava brincando com certeza. Livia tentou relaxar os ombros. Ela não conseguia entender como sendo amarrada a uma cadeira estava indo lhe dar controle, mas ela estava mais disposta a ouvir Dra. Gena que ninguém antes desse momento. Além disso, ele não tinha feito nada mais do que cobiçá-la com um olhar muito intenso e beijá-la, a ponto de deixar sua cabeça em branco. Um segundo olhar para ele revelou olhos ardentes.

— Se você vai

fazer. — Ele segurou as cordas para ela ver. — A cadeira? — Sua boca se contorceu. Lentamente, ela mudou-se para enfrentar a janela. Em seguida, ela passou por ele, roçando-lhe com força suficiente para fazê-lo saltar. Ela sentou-se, apoiando as mãos sobre os braços. Suas mãos, coçaram para começar a tirar as camadas de suas roupas fora. Então o quê?


Era melhor fazer uma pergunta, para distrair seus hormônios. — Por que você está nervoso? — Bruce mudou e deu a volta para enfrentá-la. Ajoelhando-se diante dela, ele colocou uma mão na sua, esfregou o polegar sobre a palma da sua mão, e olhou em seus olhos. — Porque você é uma mulher linda e eu fui treinado para servir. Mas .... — A aspereza em sua voz traiu a confiança que ela tinha visto um momento atrás. Ela acenou a mão com desdém e, acidentalmente, roçou seu rosto. Pele bem barbeada, suave e macios lábios pediu outro beijo. Gentilmente, ele colocou sua mão sobre o braço da cadeira e colocou a corda em torno dele. — Isso é muito apertado? Ela engoliu o nó em sua garganta. — Não. Está tudo bem. — Com a sua indicação podemos fazer os nós das amarras de forma segura. — Bom. Você me dizer se estiver muito apertado.

— Ele repetiu o

gesto com a outra mão, levando a palma da mão na sua, massageando suavemente a com a ponta do polegar. Um formigamento juntou com as borboletas no seu estômago. Ela se contorceu com luxúria. Bruce não tinha olhado para ela, enquanto ele amarrou o outro lado da cadeira, mas quando ele terminou, ele levantou a cabeça e piscou. — Você está confortável? —

Livia estava tão confortável como uma mulher poderia

estar com uma espécime de macho tão perto que podia sentir o cheiro dele. O leve aroma de sua colônia chegou as suas narinas com facilidade. Ela testou os nós, descobriu que ela não podia escapar deles, se quisesse, mas a própria corda era suave e não causaria muito desgaste, se houver alguma fricção.

— Eu estou bem. Você está fazendo o mesmo as

minhas pernas? — Eu pretendia, originalmente, mas acho que há mais coisas que podem ser feitas com elas soltas, agora. — Sua voz baixou alguns graus. — Quer que eu te mostre?


Ela concordou, — Por favor . Seus olhos brilharam. — Muito bem. Bruce ajoelhou-se e tomou uma perna delicadamente em suas mãos, acariciando-a musculatura da panturrilha com o mais leve dos toques. Dedos massageava o estresse seguindo em direção a parte interna da coxa. Tensionando, Livia se contorcia com seu toque. Ele se inclinou para frente e pressionou os lábios na parte inferior do seu joelho. Ela mexeu mais, curiosa sobre o que ele planejava. Ela riu até que ela sentiu o calor quente de sua língua deslizando sobre suas dobras em um movimento circular, arrastando para cima em direção a parte interna da coxa. Cada movimento da sua língua para sua buceta pulsou mais rápido, o sangue foi para o sul em excesso de velocidade. Ele nem sequer chegou perto de tocar os lábios inferiores com a boca, língua, ou os dedos, mas a antecipação continuou a aumentar sua consciência dele. Bruce roçou a outra coxa com a cabeça e os ombros antes de alcançar sua cintura. Com dedos colocados em torno de suas coxas enquanto ele pressionou um beijo em sua perna, gemendo. As vibrações de seus gemidos enviou um pequeno tremor através dela. Os olhos de Lívia lentamente fecharam e relaxou a cabeça um pouco. Quanto mais pressão Bruce aplicava em sua pele com a boca molhada, mais as mãos de Livia enrolavam em torno dos braços da cadeira. Ela finalmente quebrou o silêncio com um gemido. — Você está me deixando louca. A cabeça de Bruce mudou-se de entre as pernas.

— Bom. Mas se

você quer mais do que apenas isso, você vai ter que pedir. Ela não estava acostumada a pedir coisas, especialmente no quarto. Seu último namorado foi inexperiente, rápido para obter o seu orgasmo e quando ele tentou agradá-la, ele falhou. Miseravelmente.


Mas Bruce ... Bruce levou o seu tempo. Ele assumiu o controle e fez parecer que era dela, apesar da diferença de tamanho. Ou poder. Ele era a força bruta. E ele ajoelhou-se entre suas pernas, beijando-os delicadamente. Arrepios subiu por ela. — Pedir por ele? —

Ele espalmou uma coxa e seus dedos

descansaram logo abaixo da bainha da camisa preta que ela usava. Espalhando seus dedos largos em toda a sua pele pálida enviou outro tremor através dela. — Sim. Você tem que pedir. O olhar em seu rosto registrava o quanto ele queria ir mais longe com a sua exploração, mas sua hesitação fez se pergunta por que ele queria continuar. Pálpebras semicerradas escondeu os olhos de vista, mas ela sentiu, mais que viu o desejo que ele tinha por ela. Seus beijos aumentou de intensidade, enquanto ele continuava se movendo para cima e para baixo de suas pernas. Ela realmente poderia se acostumar com isso. Só que o aumento da sua excitação ficou insuportável, uma vez que ela se deu conta do tamanho total do seu corpo contra o dela. Como ele se sentiria ao entrar nela? Ou ... quais seriam as diferentes posições para ter sexo em que ela poderia manter o controle? Seus mamilos doíam para sentir sua boca úmida sobre eles, o redemoinho de sua língua. Assim como ele fez com as coxas atualmente. Primeiro, ele beijou uma, rodou sua língua em torno de um ponto fraco no interior da sua coxa esquerda, em seguida, afastou a boca para baixo em toda a perna até que ele chegou ao seu joelho, antes de trocar as pernas e repetir o mesmo gesto no sentido inverso. Livia estava, com os braços tensos contra o aperto das cordas que lhe prendiam. Ela se contorceu na cadeira ao seu toque. — Você só precisa me dizer o que você gostaria que eu fizesse. — Sua voz cortou o ar como uma navalha, exceto sem a nitidez.


O que ela tinha a perder? — Eu quero que você. —

Ela lambeu os lábios secos

— me beije

mais para cima. Só isso. Bruce obedeceu, movendo-se mais dentro de suas pernas. Ele agarrou seus quadris e puxou-os para a frente, de modo que sua bunda praticamente ficou pendurado para fora da cadeira. Com longas, lentas lambidas, ele arrastou aquecer suas coxas até que ele parou apenas na junção onde perna e quadril juntavam. — Mais pra cima — Ela se contorceu, ofegante, quando suas pernas foram jogados sobre os ombros. — Como quiser, mulher bonita. — Bruce usou as mãos para mover a camisola, expondo sua buceta para o ar fresco do quarto de hotel. Seus olhos se arregalaram. Um único pensamento passou por sua mente. Ele não encontrá-la atraente, lá em baixo. — Tem alguma coisa errada? — Não. — Seus olhos violeta brilhavam com luxúria e os cantos de sua boca se curvou para cima. — Você é muito bonita lá, também. Pele lisa. — Ele avançou os dedos para cima as pernas, acariciando sua pele com cuidado. — Depilada — Ele respirou fundo. — Você tem um cheiro fresco, limpo e de sexo. Como é maravilhoso. — Seus dedos deslizaram suavemente sobre seu montes, em torno de seus lábios, por cima do osso púbico, antes que ele se inclinou e deu a sua buceta um beijo. Seus movimentos causada seus quadris para empurrar contra seu rosto. — Sinto muito! — Shh — , ele sussurrou e soprou ar fresco contra ela. Outro arrepio correu por sua espinha e para baixo novamente. Seu clitóris palpitou. Ela balançou os quadris para a frente. A respiração dele em seus lábios frescos, lisos fez seu aperto nos braços da cadeira mais fortes. Ela jogou a cabeça para trás de prazer. Ele beijou sua buceta novamente, desta vez enfiando a língua


profundamente dentro de suas dobras. Ela gemeu, fechou os olhos, ele apertou a boca com seu sexo. Varreu de cima a baixo de um lado para o outro, enquanto seus dedos espalharam e puxou seus lábios. Suas terminações nervosas acordaram. Seu clitóris saiu de seu capus. Ele tomou o pequeno broto entre os lábios e

beijou-a,

assim

como ele tinha feito as

coxas,

lentamente,

delicadamente. Faíscas elétricas arqueou através de seu corpo, de sua buceta para seus mamilos. Sua mente tentava processar tudo, mas descobriu que não podia, graças ao ataque sensual de Bruce. Se ele continuasse assim, ela não sabia o que ela faria. Um pequeno tremor de desejo fez com que ela se contorcer na cadeira. Ele se afastou, sacudindo seu clitóris mais uma vez com a língua firme. — Você está bem? —

Um choque de prazer eletrocutando-a. Ela

ofegante, olhou para baixo o comprimento do seu corpo, seus mamilos estavam duros e sensiveis pressionados contra o tecido irritante de sua camisola, em direção a ele. O sorriso que ele usava a agradou muito. — Eu estou — ela soltou um suspiro, — Sou nova para tudo isso. Ele girou os dedos ao redor de suas coxas, esfregando as unhas levemente sobre a junção entre quadril e coxa.

— Eu sei. Foi-me dado

algumas informações sobre você. Uma sobrancelha se levantou. — Você foi? — De fato. Para conseguir fazer o que fui enviado, eu tinha que ter algumas informações para trabalhar . — Eu sabia! Você é um deles!

— Ela não conseguia esconder a

brincadeira em sua voz, apesar do fato de que por dentro ela estava balançando no fio da navalha do orgasmo. — Heh — ele riu baixo, o som muito macho perto de sua buceta


enviando vibrações esvoaçantes através dela. — Livia, tão leve e de espírito livre. Eu amo isso. Diga-me, o que você mais gosta? — Ela nunca tinha visto a si mesma como a luz ou de espírito livre. Ela era um artista no armário reclusa que nunca saia de casa. Como ela poderia ser de espírito livre? Seus

dedos

interrompeu

seus

pensamentos,

continuando

suas

carícias torturantes, enviando pequenos tremores através dela. Sua respiração presa na garganta. Ainda assim, ela queria mais. — Explore mais de mim com a sua boca. Mas em primeiro lugar, como é que isto me mostra no controle? Ele riu de novo e olhou para ela. O brilho de desejo em seus olhos mostravam que ele tinha uma raia travesso. — Você vai ver. Eu prometo. — Antes que ela pudesse responder, ele enfiou a cabeça entre as pernas novamente e espetou-a com sua língua. Suas pernas contrairam, apertando e com os calcanhares contra a extensão de seus ombros largos. Ela achou que ela tivesse machucado ele, mas não conseguia se importar com nada além língua balançando dentro e para fora, acariciando seu clitóris. — Você tem que me dizer — , ele murmurou contra ela — , se você estiver chegando ao orgasmo. — Eu vou ter que pedir permissão? —

Sua voz tremeu com a

necessidade. — Para algo que eu nunca tive? Como vou saber se-Oh deusa! Ele pegou o clitóris entre os lábios e chupou mais forte.O calor se precipitaou e espalhou por ela. A tensão que vinha crescendo em seu estômago finalmente veio à tona e bateu, obrigando os músculos a tensionar e seu aperto sobre a cadeira foi tanto que os nós dos dedos estavam brancos. Bruce continuou a volta dela, chupando seus sucos para cima enquanto ela se contorcia na cadeira. A corda não estava cortado em sua carne, mas causou uma leve dor de sua aperto.Ele agarrou sua mão direita e estendeu os dedos nos seus, enquanto ele lambia e chupava ela, colocando beijos carinhosos em torno de suas dobras inchadas.


Ela cavou em seus calcanhares contra a sua volta, mas parou quando ele se afastou. Ela prendeu a respiração, seu coração batia rapido em seu peito ecoando em seus ouvidos. — Você está bem? — Seus olhos brilharam com a excitação, o rosto brilhante de seus sucos. — Eu estou —

ela ofegou, forçando os músculos a relaxar

novamente. Bruce deslizou para trás, colocou as pernas no chão. — Gostaria mais do que isso? — — Bem, nós deveríamos ... mas na cadeira é possível? ... —

Ele

levantou a cabeça e olhou para ela com olhos penetrantes. — Para quê, Livia? Você só tem que pedir. Excitação escorria de sua voz. Ela estudou-o, percebendo que ele ainda se ajoelhou diante dela, completamente vestido. Como ele parecia debaixo dessas roupas que lhe caem tão bem? — Você não pode me foder, enquanto eu estou amarrada à cadeira? — Oh, eu provavelmente poderia, mas seria um pouco estranho comigo sendo tão alto e a cadeira .... — Ele sorriu. O corpo de Lívia não parecia se importar. Seus seios doíam. Sua pele coçava a sentir o peso de seu corpo pressionando-a contra o colchão. Ela pode ter sido nova para o sexo, mas ela não era virgem total. Ela queria sentir algo mais do que uma língua grossa, molhado dentro dela. — Solte-me. Bruce endureceu, voltou para sua posição diante dela e encontrou o olhar dela. — Não.


Capítulo Quatro

Surpreendida, o queixo de Livia caiu. — Você disse que eu poderia conseguir o que eu queria. E eu quero ser desatada!

— Ela se contorceu

contra suas amarras e começou a levantar um pé em direção a Bruce. Ele deu um passo para trás, pegou a perna em um movimento suave. — Você não consegue o que quer. Mas você me disse que queria aprender o controle. Então, eu vou lhe mostrar. — Ele lambeu os lábios. — Usando seu corpo delicioso. — Eu não entendo — , ela gaguejou.

— Como isso é? —

De

repente, ele ficou na frente dela com um joelho entre suas coxas. Ele moveu os lábios nos dela. Ela engasgou, inalada para o beijo, na macia, lisa sensação de sua língua separando os lábios, enquanto uma única mão dela contra a sua boca. Dedos se enredaram na bagunça de seus cachos enquanto Bruce mordeu o lábio inferior. Confusa e despertada ainda mais do que antes, ela gemeu e deixou a acariciar a língua dentro da boca. Provou-se, em sua boca, junto com o doce


aroma, um pouco de terra de Bruce. Ele explorou como um homem faminto por uma refeição, ele não tinha comido em dias, que era a sensação de que ela tirou antes de uma mão segurou um seio e um polegar deslizou sobre o mamilo tenso, enviando um choque de prazer através de seu sistema. Quando ele se afastou, ela piscou os olhos e olhou para ele. Ela definitivamente sentia um pouco fora de ordem depois daquele beijo. Ninguém nunca tinha beijado assim, ninguém jamais fez dela a peça central de qualquer coisa. Bruce colocou as duas mãos sobre as coxas abertas, lambeu os lábios.

— Você tem um gosto doce ... divino. —

Calor subiu seu corpo e

atingiu seu rosto já quente. — Obrigada. — Sim. O prazer é meu, querida.

— Ele olhou para o chão, em

seguida, de volta para ela. — O que você gostaria a seguir? Com o corpo em chamas, ela queria seu pênis entrando em sua abertura. Ela queria seu corpo pressionando o dela contra o colchão, mas ... ele não iria ceder. — Eu não entendo como me manter presa é suposto para me dar controle. — Diga-me, Livia. —

Sua voz caiu novamente, tornando-se mais

profundo. — Como você se sente agora? — Seu corpo ardia, doía por mais de seus toques. Mais do prazer que ele lhe causou. Ela testou seus membros, sim. Ainda estva preso no lugar. Mas uma vez que ela parou de lutar, teve um orgasmo alucinante. Ela olhou para seus pulsos, onde as marcas se mostraram. Ela gostava disso. — O meu corpo está em chamas. E mesmo o mais leve toque e eu iria explodir. — Esse é o ponto. Alguma vez você já quis tanto algo, você pode prová-lo? Precisava de algo tão mal que você faria qualquer coisa para obtê-lo? Ela balançou a cabeça.


Nada que tivesse valido a pena lutar tão duro. Nem mesmo isso. Mas ainda assim .... — Você não tinha muita experiência fora das quatro paredes de sua casa, não é? Ela olhou para ele: — Como você sabia? Sua mandíbula marcou, um gesto tão masculino. — Eu disse que eu estava aqui por uma razão. Ela empurrou para a frente. — Não, você não fez. Você disse que era meu encontro as cegas. — Sim. Eu disse isso, também. Mas esse não é o ponto. Sua mente é o que controla as coisas, Livia. Se sua mente tem um desejo, qualquer desejo, você só precisa dizer isso. Ela cerrou os punhos e tentou bater os braços, apenas para encontrar-se ainda amarrada. — Eu tenho! Eu quero que você me foda! Ele estreitou os olhos, parecendo muito predadora. — Quanto? Ela encolheu os ombros. Como ela deveria responder a essa pergunta? Havia uma escala de quão ruim alguém queria transar? — Eu não sei! Ele sorriu, — O tom choroso na sua voz é bonito. Ela olhou com raiva. — Eu não vou choramingar. — Claro. — Ele acenou com a cabeça. — E se você pudesse, você iria cruzar os braços sobre o peito e virar a cabeça para longe de mim. Ela bufou. — Como você sabe? Ele riu. — Eu costumava fazer a mesma coisa até que eu aprendi que eu estava sendo uma criança mimada. Eu acho que a punição seria mais adequado para uma criança mimada, não é?

— Seu comportamento tinha

mudado, de forma clara de submisso a dominador. Isso, ela não gostou. — Por que eu iria ser punida? Seus lábios se curvaram em um sorriso sensual.

— Algo tem que


tirar sua mente longe de seus pensamentos. — Ugh! —

Ela bateu a cabeça para trás.

— Você quer quebrar a

minha mente, mas você quer ela focada no que ela quer. Pelo menos estava, até cerca de três minutos atrás. Então você quer me punir e empurrar o meu foco para o que eu fiz para merecer. É por isso que eu não namoro! Os homens são tão confusos! — Não. — Ele riu de novo, um som que não deveria ter despertadola ainda mais, não deveria tê-la feito molhada novamente .... — Nem todos nós. — Bem. —

Ela fechou os olhos, mas ainda viu Bruce que pairava

sobre ela. Como ele se pareceria sem a camisa, sem o seu controle? — Você é, no mínimo, confuso. — Eu já fui confuso. — Ele fugiu de volta dela, dando-lhe a distância e espaço para respirar. Abrindo os olhos, ela não conseguiu mais sentir seu cheiro que estava tão perto dela, nem ele pairar mais sobre ela como se ela quisesse. O espaço parecia vazio. Livia franziu a testa com o pensamento. Ele estendeu a mão para ela, tocando-lhe o queixo e inclinando-o para cima. — Eu estava perdido, confuso, eu não estava nem um pouco certo sobre quem eu era. Minhas ações contradizia meus pensamentos, meu comportamento refletia muitos dos meus problemas. Eu só tinha visto uma visão de mim mesmo e do mundo.

— Assim como o dela. Ela pintou a

violência do lado de fora, só tinha visto a vida de uma maneira. — Mas eu tinha que fazer uma mudança. Quando me encontrei com

Lilith, ela

rapidamente corrigiu a maioria dos meus problemas comportamentais e foi direto à raiz do problema em mim. Sabe o que isso era, Livia? — Ele baixou os olhos. Ela engoliu o nó recém-formado em sua garganta. — Eu estava com medo que você ia perguntar. Mas, não dizer. — Ela suspirou, tentando o seu


melhor para atuar entediado. Ele não apareceu acreditar. Suas mãos se moviam para cima e para baixo em suas coxas, esfregando, acariciando delicadamente. Mantendo a tensão sexual em sua vida e trazendo de volta seu foco para o seu corpo. Embora ela queria que ele parasse, não havia realmente nada que pudesse fazer para detê-lo. Ele não a tinha prejudicado. E ele não o faria. — Eu não estava confortável com quem eu era. Seus olhos reviraram. Ela bocejou. — Desculpe, o quê? Suas mãos tinham ido de acariciar suas pernas nuas a fazer pequenos círculos na parte interna de suas coxas que se separaram. Ela não tinha percebido que ela tinha mantido as pernas abertas para ele. Quanto mais ele a tocava, mais ela queria. A pressão dentro de seu estômago voltou, fazendo-a recuperar o fôlego quando seus dedos deslizaram mais para cima em direção a seu lugar doce. Ainda assim, o que ele fez ao seu corpo mantinha no limite. Ela tentou manter o silvo de sua voz quando ele deslizou os dedos perto de sua buceta. — Você está me esperando para ter uma conversa civilizada depois de ter meu primeiro verdadeiro alucinante orgasmo? E você continua a tocarme, mas eu tenho que ter controle de alguma forma? Como é que isso faz algum sentido? — Você está reagindo ao toque do meu corpo, Livia. — O jeito que ele disse o nome dela fez seu coração pular uma batida. — Você está reagindo às minhas palavras. No entanto, eu quero que você responda a ambos. Ela não entendeu. Deve ter mostrado porque Bruce inclinou a cabeça, um pouco de sua excitação parecia desaparecer de volta. Ela fez uma pausa, seus lábios se


abriram para falar, mas ela avistou a enorme protuberância em suas calças. Claramente, seu corpo não tinha esquecido dela. Em vez de falar, ela esperou. — Eu quero que você se abra comigo, não lute contra si mesma, mas dê a si mesma permissão para desfrutar. Ela virou a cabeça. — Eu não sei como. — Ela deixou as palavras em um sussurro. — Você ainda tem a sua palavra de segurança. Ela tinha tudo, mas tinha esquecido disso. — Sim. Eu tenho. Mas .... Ele baixou o olhar: — Sim? — Estamos parando se eu dizer? Ele deu de ombros. — Parando é uma palavra que se pode usar. Mas cabe a você. Eu disse que esta é a sua palavra. Pessoalmente, eu gostaria de te soltar para explorar você na cama.

— Ela lambeu os lábios. Ela poderia

estar livre para explorar seu corpo, talvez. Isso poderia ser divertido. Tanta deliciosa e plana de carne masculina, mas .... — Então, se eu usar a minha palavra de segurança, estamos a fazer o quê? Ele arqueou uma sobrancelha. — O que você gostaria? Ela observou os olhos, cheio de esperança e ansiosos. Seus lábios se separaram, como se quisesse falar, mas nada saiu. Ele simplesmente esperou pacientemente. Ela não podia suportar isso. Ele permaneceu frio e calmo, enquanto ela ... ela afundou? Não, isso não era bem o que ela fez. Livia nadou em um mar de emoções e pensamentos, de

'como faço para obter controle' para

descobrir como fazê-lo na cama e em seu interior. — Bem — Ele ergueu o queixo ligeiramente. — O que você quer, princesinha? — Eu quero .... — Sua boca ficou seca. Ela lambeu o lábio inferior, umedecendo-a, observando seus olhos segui-la cada movimento.


Por um momento, seu olhar vagou sobre a extensão de seu corpo, de como o seu cabelo tinha sido puxado para trás todo o caminho para a ampla inclinação de seus ombros até a cintura da guarnição. E uma ereção que ela tinha certeza de que precisava ser enterrado dentro dela. Ela tinha um pouco de alívio, mas vê-lo estudá-la com tal desejo em seus olhos era uma volta completa . — Levanta-te, Bruce . — Como quiser. —

Em um rápido movimento gracioso, ele se

levantou em toda sua estatura. Grande, bonito, poderoso, ele estava com os braços ao lado do corpo, palmas para ela. — Solte o seu cabelo. —

Ela encontrou um lugar dentro de sua

mente que se sentia segura. Sentia-se bem. Com a mesma graça, ele chegou por trás de sua cabeça com a mão direita, puxando seu cabelo livre do pedaço de couro e deixando-a cair sobre os ombros. Mechas escuras caíram em cascata em riachos no peito, cobrindo suas costas e ombros. — Tire o seu casaco e camisa. Eu quero ver o que ... com que eu estou jogando. — Seu desejo é uma ordem, doce Livia. — Ele retirou sua jaqueta, dobrou e colocou ao lado e, em seguida, estendeu a mão para a bainha de sua camisa. Ele puxou-o livre de suas calças, expondo a pele bronzeada, um conjunto de tanquinho de seis que imploravam para serem beijados e lambidos lentamente, retirando a camisa ele colocou juntamente com o seu casaco. O queixo dela caiu. Bruce tinha o corpo bem definido. Seu estômago,ombros e peito era o exemplo perfeito do que cada homem deveria ter. Ou pelo menos os homens em suas fantasias. Eles eram fortes. Eles poderiam proteger suas mulheres, eles poderiam amá-las e nunca deixá-las.


Será que Bruce iria deixá-la uma vez que estivesse tudo terminado? Ela engoliu o nó em sua garganta. Não, não podia. Ela se sentia segura com ele, mesmo nos confins de sua cadeira. — Próximo. —

Ela deixou seus olhos vagarem sobre a extensão

desse peito muscuoso, para baixo após seu abdômen ao cinto e calça. Preto, que não escondeu nada. — Tire seus sapatos e calça. Como se tivesse praticado, Bruce saiu de seus sapatos, chutou para o lado. Em seguida, ele desfez a fivela do cinto e do botão da calça, em seguida, puxou o zíper para baixo num movimento lento excruciante, deixando cair as calças até os tornozelos. Sua respiração presa na garganta. Ele parou diante dela completamente nu. Bem, ela viu um rápido vislumbre de meias pretas, ou eram azulmarinho? Ela não sabia, seus olhos apenas focados na ereção olhando para ela. A grande ereção, pingando pré semen. Para ela. — Eu tenho feito da forma que você quer, Livia. O que você gostaria a seguir? — Ela lambeu os lábios novamente. Inclinando-se para frente, ela começou a levantar só para lembrar das cordas amarradas em torno de suas mãos. Se ela pudesse libertar-se. Se ela pudesse tocá-lo. — Posso ...? — O que, senhorita Livia? O que você deseja? — Sua voz pingava com promessa, doce mel. Ele inclinou a cabeça um pouco de lado, com o cabelo mudando ao longo dos músculos do peito. Mamilos estendido, assim como o dela. — Eu quero provar você. Venha aqui. Seus lábios se curvaram em um sorriso. — Como quiser. — Ele deu


dois passos mais perto, seu pênis se projeta orgulhosamente diante dela. Ela poderia inclinar-se para ele, mas ele ainda estaria fora de alcance. — Se aproxime — Sem dizer nada, ele deu mais um passo e ficou entre as coxas. Sua vagina coçava, pingava o orvalho sobre suas dobras como ela se inclinou para saboreá-lo. Lentamente, ela roçou os lábios sobre a superfície lisa e cremosa de sua cabeça de cogumelo antes de abrir a boca e selar os lábios em torno dele. Gemendo, ele manteve as mãos em seus lados. Ela olhou para cima, viu as pálpebras semi-aberta. Guiando mais dele em sua boca, ela trabalhou os lábios em torno de sua espessura. Ele se sentia como aço e veludo em sua boca. Relaxando os músculos da garganta, ela engoliu mais de seu delicioso pau. Fechando os olhos, ela se concentrou apenas no prazer de saborear ele. Ele gemeu mais alto a cada polegada que deslizou em sua boca. — Tão quente, tão molhada. —

Ele encheu completamente a sua

boca, ainda restavam dois centímetros dele que não tinha tomado ainda. Lentamente, ela retirou, fazendo pressão ao redor dele. Mesmo o cheiro dele lembrava a coisas sensuais, coisas que lembrou de algumas das mais deliciososas pinturas que ela ja tinha feito. Tons escuros de floresta misturada com a pureza da luz solar e uma pitada de doçura salgada de seu pré semem agrediram seus sentidos. Ela fechou os olhos, deslizou-o novamente, desta vez levando seu pau em um ritmo lento. Bruce chegou para ela, ambas as mãos apoidas em seus ombros. Lentamente, as tiras de sua camisola escorregaram, deixando seus ombros nus. Seus dedos poderosos massagearam-na enquanto ela continuou a chupalo. Com cada movimento, ela relaxou sua garganta mais até que ela sentiu o suave balanço de suas bolas contra o queixo. Suas bolas raspadas roçou-lhe o queixo com cada impulso suave. Ela


se afastou, deixando-o sair de sua boca apenas o suficiente para que ela pudesse alcançar a ponta dele com a língua. Rodando-a ao redor da cabeça de seu pênis, ela se inclinou para frente, elevou-o em sua boca. Seu pênis saltou, quadris se sacudiram. Agarrando sua cadeira, ela olhou para cima a linha de seu estômago, viu a tensão em seu rosto. — Você está se segurando, não é? Os olhos de Bruce abriu sua mandíbula se abriram. — Sim. Você está aquei para me provar, tudo de mim. Não vou durar muito mais. Ela chupou mais dele em sua boca, passando sua lingua na parte inferior do seu pênis. Ele rosnou, — Eu vou gozar! Mesmo mais suave agora, ela se afastou e deixou-o sair de sua boca, lambendo a corda fina de pré semem, que ficou preso à ponta do seu pênis e a seus lábios. Seus dedos continuaram a tirar tensão fora dela, massageando o pescoço dela e agora a base do crânio. Cada pedacinho de estresse parecia desaparecer, substituída por uma tensão que não tinha nada a ver com a preocupação e tudo a ver com a necessidade. Era hora de dar o que ela queria. Ela olhou para íris violeta de Bruce, viu

a

bondade

enterrado

sob

chamas

da

luxúria.

Vendo

desencadeou algo dentro dela que ela não sabia que ela tinha. Era hora de agir com seus instinto. — Bluetooth .

seus

olhos


Capítulo Cinco Os olhos de Bruce se arregalaram de espanto. De pé diante dela, o suor cobrindo sua pele, sua respiração tinha crescido irregular. — Sim, Lívia. — Com dedos ágeis, ele desatou os nós e tirou a corda de volta. — Você está bem? Balançando a cabeça, ela esfregou os pulsos dela e deslizou para fora da cadeira, chegou a uma posição ereta. — Eu quero continuar a explorar seu corpo. Vá para cama. Ele sorriu mais amplo, em seguida, deu um passo para trás até os joelhos baterem na cama. — Sente-se. — Ela quase não reconheceu o tom de sua própria voz. Tornou-se sensual, quase se encaixava com o ar Vegas. Bruce fez o que ela pediu. Seu pênis se projetava para cima entre as coxas poderosas. Uma leve camada de cabelo cobriam as suas pernas, panturrilhas, mas parou em seu pau. Que, assim como suas bolas havia sido totalmente raspados. Um brilho fino de suor cobria seu corpo. Pulmões empurrando ar dentro e fora de seu peito musculoso. Ele colocou as mãos para os lados e se inclinou para trás. — Estou pronto para ser explorado.


Livia se aproximou dele, retirando a camisola descendo pela sua cintura. Ela balançou os quadris, fazendo a camisola terminar de deslizar por suas pernas, e se viu sendo o foco sobre seu comportamento erótico. Deixando de lado sua camisola, ela caminhou mais perto de Bruce e subiu na cama, sentindo seu pau roçar sua barriga. O mais fraco dos toques enviou uma sacudida de desejo correndo por sua espinha. — Você quer entrar em mim? Sua cabeça balançou a cabeça fracamente.

— Sim. Existem

preservativos na minha jaqueta. Eu trouxe. Eu quero você por cima me montando, minha rainha. — Mãos circularam seus quadris, dedos seguravam com firmeza. Ele se inclinou para a frente, roçou seus lábios contra os dela. A respiração de Lívia ficou presa na garganta. — Deuses, você diz as coisas mais bonitas. —

Rapidamente, ela

pegou um pacote de sua jaqueta antes de envolver seus braços em volta de seu pescoço, ainda de joelhos, em seguida, puxou para mais perto para beijálo. Sua língua invadiu sua boca, quente e úmida e escorregadia, explorando cada canto e fresta, como se fosse uma nova sensação, uma boa refeição. As ministrações de sua língua e os dedos juntos enviou mais calor correndo em direção a sua buceta. Doce satisfação formado em seu intestino. Ainda saboreando-se misturado com sua masculinidade fez bombear o sangue mais rápido. Seus mamilos roçaram o peito dele, duro e macio ao mesmo tempo. Uma mão segurou-lhe o peito, pesando na palma da mão. Gentilmente, ele apertou um mamilo, rolando-o entre os dedos. Ela riu, gemendo no beijo, consciente das vibrações entre eles. Seu pênis colidia contra sua vagina, provocando a consciência de seu tamanho. Ela engasgou em outro beijo que roubou o fôlego. Ele pegou a camisinha dela e abriu. Deslizando-a sobre seu pau, ele voltou sua atenção para ela. Os dedos de Bruce puxou seus cachos. Uma mão


deslizou por sua cintura, segurando sua bunda e dando-lhe um aperto firme. Ela gemeu, enterrou a cabeça em seu ombro. Mãos alisaram suas costas e bunda. — Eu quero estar dentro de você, se você deixar, Livia. — A mão livre,

pegou

seu

pênis,

roçando-o

entre

os

lábios

lisos.

A dor do prazer se tornou requintado com cada curso, mas não senti nada como a língua tinha antes. Sua voz caiu para um sussuro que surpreendeu até ela. — Faça isso. — Livia — , ele balançou a sobrancelha: — Você só precisa se sentar. Você controla isso. — Seu rosto mostrava tensão, com os olhos semi-abertos com a luxúria, sua boca se abriu, inchada. Ela segurou-o, consciente do seu tamanho em suas pequenas mãos. Colocando-o em sua entrada, ela se perguntou brevemente como ele ia caber todo dentro dela. Respirando fundo, ela fechou os olhos e sentou-se em seu pênis. Ambos suspirarram e gemeram de prazer. Seus músculos o agarrou-se ao pênis que a enchia. — É isso aí, linda. Agora é só se mover para cima e para baixo em mim. — Suas mãos em torno de seus quadris, segurando-a. Guiando-a. Balançando os quadris para trás e para a frente com ele, Livia sentiu sua plenitude, quando ela subia, odiava o vazio sobre o movimento ascendente. Mas cerrando os músculos ao seu redor se sentiu bem, estava se aproximando de um orgasmo estelar. A tensão em seu corpo foi construíndo, espalhando-se para todos os músculos enquanto se movia para cima e para baixo. Bruce caiu na cama. Ela caiu para a frente, ainda sentindo seu pênis em sua passagem escorregadia.


Carne batendo carne, ecoaram no grande quarto. Sua boca caiu na dele, mordendo, chupando. Seus seios esmagados contra seu peito. Mãos em volta dela por trás, alisando os ombros, e descendo de volta, finalmente para sua bunda. Seus dedos abriram sua bunda, quadris bombeado, mais rápido ainda. Euforia se espalhou por todo seu corpo, e Livia não conseguia parar de gritar o nome de Bruce. Lágrimas escaparam de seus olhos, mas não de tristeza. Emoções contidas nadou em sua cabeça, todo o desejo, energia, raiva e emoções reprimidas que ela vinha segurando. Seus beijos acalmou cada lágrima que caiu. Carinhosamente, ele a segurou, manteve bombeando dentro dela como se ela fosse o ar ao seu fogo. Ele bateu em seguida. Todo o acúmulo de seu orgasmo explodiu em uma inundação torrencial tão poderosa ela balançou com prazer tão intenso que ameaçou desmaiar. Bruce continuou bombeando, ajudando-a. Dedos cavados em sua bunda. Dor cravado a sensação de balançar seus quadris. Cada vez que ela bateu contra ele, desencadeou uma nova onda de algo mais profundo, mais quente. A espessura de aço de veludo de seu pênis pulsando dentro dela deixá-la saber que ele estava quase lá. Ela continuou, com a cabeça enterrada em seu ombro. Ela beliscou a pele, desfrutando de seus gritinhos. Seu cabelo deslizou sobre sua pele agora encharcada de suor. Finalmente, os dois gozaram, uma cacofonia de sexo e grunhidos, gritos e alegria. Seu corpo tensionou. — Lívia, minha deusa! —

Ele gozou dentro dela, jorrando duro e

rápido várias vezes enquanto sua respiração ficou fora de controle. Braços em volta de seu corpo e suas investidas se tornou quase de natureza mecânica até


que ela drenou-o seco. Com as coxas em torno dele, Livia empurrado para trás, ordenhandoo, ainda sentindo pequenos tremores do orgasmo de apenas um momento atrás. Ela olhou para ele, viu os olhos dele apertados. Ela limpou a garganta. Estava tudo bem com ele? Ela prendeu a respiração, colocou a mão no peito e sentiu gotas de suor na sua testa. — Bruce? Você está bem, Bruce? Suas

mãos

grandes

alisou

as

costas

novamente,

desta

vez

estabelecendo uma nos cachos de seu cabelo enquanto a outra segurou sua bunda.

— Sim. Eu estou bem. Eu só ....

— Seu coração se afundou. Ela

percebeu que era apenas um pouco antes do meio-dia e eles tinham o seu pequeno encontro. — Eu suponho que termina aqui, não é? — Não, se você não quer que seja. — Sua voz tornou-se rouca de gritar seu nome. — Eu .... eu não acho que eu queira. — Nem eu. Foi-me dito para conferir o encontro de uma noite enquanto eu pago uma bolada, acho que aprendi lição muito bem. Ela se levantou, tirando-o e deslizando-o para fora, para seu desgosto. — O que você quer dizer? — Bem, o serviço é um serviço de encontro as cegas, certo? Ela assentiu com a cabeça. — Aham. Mas eu não usei-o. — Não, não exatamente. Sua amiga, a terapeuta fez. Em seu nome. Ela apresentou informações para preencher o questionário que Madame Eva exige, cuidou da taxa em seu nome, e definiu as coisas. Ela devia ter percebido. Rolando para o lado dela, ela estava ao lado Bruce, olhando para fora da janela para a luz do sol que se derramava no quarto. Calor.


Comforto. Aquelas palavras me veio à mente. Ele alcançou entre eles e agarrou-lhe a mão, os dedos entrelaçados. — Foi-me dado algumas informações básicas sobre você, Livia. Ela bufou. — Não foi dada qualquer coisa sobre você. — Livia virou a cabeça, embora secretamente feliz para o conforto de sua mão na dela. — Não, isso foi um pouco de magia por parte de Madame Eva. Ela sabe o meu passado e sabia que eu ia precisar de alguém que poderia .... Sua voz tornou-se áspera com anseio ...? — Cuidar de seu coração? — É verdade. — Ele acenou com a cabeça. Livia olhou para ele, inalou, e soltou uma respiração lenta. — Então, o que vamos fazer? Ele mudou então ele estava ao seu lado, apoiando a cabeça com um braço. — Nós poderíamos nos entregar ao amor. Paixão. Vida. Então isso não tem que acabar. Pelo menos não hoje. A promessa de um futuro de segurança e controle. E a liberdade do medo de viver, é o que Bruce lhe ofereceu. Ela percebeu isso agora. Ela só podia dizer uma coisa. — Sim.

FIM


Sedução celestial Jessica E. Subject No final de seu compromisso ao Serviço Espaço, Frey Berger decide ficar na Terra para experimentar mais emoções humanas ao invés de voltar para Ginnun onde sua intenção será acasala com o outro. Procurando pelo amor verdadeiro e alguém a aceitá-lo pelo que ele é, Frey pede um encontro no serviço 1NS de Madame Evangeline. Embora ele não entende o conceito de 1 noite, ele espera encontrar o seu par perfeito. Se ele falhar, ele corre o risco de ficar sozinho na Terra, para o resto de sua vida. O marido de Carrie Cooper divorciou-se dela para uma outra mulher que pudesse fornecer-lhe com os filhos, deixando-a com pouca auto-confiança e nenhum desejo de deixar um homem machucá-la novamente. Quando sua melhor amiga a convence a entrar em um serviço de encontros, Carrie decide uma noite de paixão é inofensiva desde que não há nenhum compromisso depois que a noite acabe. Apesar de vários mal-entendidos quase inviabilizálos antes mesmo do encontro começar mesmo, Frey e Carrie acabam mais perto do que eles poderia imaginar ser possível. Ainda assim, Frey precisa convencer Carrie que seu companheiro perfeito não é humano em tudo, e que uma noite pode levar a um amor para sempre.


Capitulo Um

— O que quer dizer, você quer ficar? Frey cerrou os punhos e observou o rosto do Comandante da Missão ir de azul para roxo ao vermelho. Mas ele se recusou a entrar na nave. — Exatamente isso. Eu não quero voltar para Ginnun. Passei uma rotação em torno do sol aqui, me estabeleci em sua cultura, e vivi como um deles. E eu vou continuar a fazê-lo. Esta é a minha casa agora. — Uma rotação é quase o suficiente para chamar este lugar de lar. Além disso, você jurou sua vida ao serviço no Espaço.

Os olhos de seu

comandante endureceu ainda mais, Frey percebeu todas as rugas no rosto uma vez mais azul do homem. Seus cabelos brancos numa cabeça de grandes dimensões. Se ele permaneceu no Serviço Espacial, o estresse do trabalho, ele estaria exatamente da mesma forma. — Esta é a minha última missão. Eu vou sair quando eu voltar. — Frey não receberia qualquer compensação por esta missão, mas créditos no serviço espacial não tinham nenhum uso na Terra. — A única maneira de sair do serviço é o acasalamento. Tandee não está esperando o seu retorno?

Seu estômago se apertou ao ouvir seu

nome. — No dia em que sai, ela confessou que já acasalou com Brand, meu suposto melhor amigo. O comandante só ergueu a sobrancelha. Frey não esperava nenhuma compaixão dele.

Ouch! É por isso que você não conseguiu manter suas

emoções sob controle na viagem para a Terra. —

Ele desviou o olhar. Mesmo


depois de seu tempo neste planeta, a memória daquele dia ainda doía. Ela admitiu sua traição sem um pingo de arrependimento. —

Há muitas outras mulheres em Ginnun que iria levá-lo como

companheiro. Frey olhou para trás para o Comandante da Missão e balançou a cabeça.

Eu não quero um relacionamento sem emoção. Quando eu

escolher uma parceira, eu preciso querer estar com ela. Eu quero um companheiro mais do que apenas para a procriação. Eu quero amar —

.

Emoções apenas ficam no caminho de sua vida. —

comandante bateu com o punho contra a nave.

Seu

Você é o nosso melhor

informante em campo! Se você está deixando o serviço, você pode facilmente encontrar-se no Conselho Superior. Você não quer jogar fora seu futuro pelas mulheres excessivamente sensíveis aqui na Terra. —

Não são apenas as mulheres. Tenho amigos aqui, não apenas

conhecidos, como todo mundo é para mim em Ginnun. — Muitas pessoas em que confiava em Ginnun acabou esfaqueando-o pelas costas, como o seu melhor amigo que dormiu com sua parceira sem qualquer culpa. Voltar a um planeta com emoções mortas há muito tempo, não tinha nenhum apelo, depois de viver na Terra. Ele se recusava a esconder seus sentimentos de novo, e havia muitos mais que ele queria experimentar. O Comandante da Missão sinalizou ao piloto para iniciar os motores. — Pare com essa bobagem e entre na nave. — Não. —

Ele pegou o saco e sem remorso, virou as costas para

sua herança Ginnuniana.


Capítulo Dois

Carrie procurou o bar do hotel mais uma vez. Depois de duas horas, ela teve que assumir seu encontro largou-a. Heck, não era mesmo um encontro. O acordo com Madame Eva incluía apenas um caso de uma noite sem garantias de nada depois. Ela deixou o bar. Deus, por que eu concordo com isso? Eu estou tão desesperada? A verdade? Sim. Mas seu primeiro encontro depois de seu divórcio falhou, assim como o seu casamento. Ela se casou com seu namorado da escola. Quando ele a deixou, com o coração despedaçado. Já era ruim o suficiente que ela nunca poderia ter filhos, mas quando Peter pediu o divórcio, há três anos, sua vida desmoronou. Entender que a sua segunda esposa estava grávida a levou ao desespero. Sem


nenhuma experiência real de namoro, a única noite em que ela fez ir a um bar com os amigos, ela ouviu a palavra divorciada sussurrada mais e mais e ela prometeu nunca ir novamente. Como uma enfermeira pediátrica, ela não tinha muita oportunidade de conhecer muitos homens disponíveis de qualquer maneira. Suas opções eram limitadas. A noite, ela descobriu que seu ex-marido havia se tornado um pai, sua melhor amiga, Tamara, tinha vindo a partilhar uma tijela de Ben & Jerry brownies com sorvete. — Carrie, você realmente precisa sair e se divertir um pouco. Pare de ficar de bobeira.

Ela apontou a colher para ela.

Agora, eu vou

conseguir um encontro para você. Através de um muito popular serviço de encontros que muitos dos meus amigos recomendaram. A proprietária, Madame Eve, pede que todos preencham um formulário antes de combiná-los com outras pessoas.

Leah se casou quando ela teve um encontro alguns

meses atrás. Tamara ajudou a preencher todos os formulários on-line, mas ela se trancou no banheiro para escrever a carta a respeito do porque ela queria usar o serviço de namoro. Aterrorizada com o pensamento do que Tamara teria dito a Madame Eva, o que ela esperava de seu encontro, ela bateu enviar. Não poderia fazer nenhum mal ter esse encontro. Dois meses depois, ela recebeu um e-mail revelando seu par perfeito. — 1 noite ? —

ela perguntou a Tamara sobre o telefone. — Eu

pensei que eu me inscrevi para um serviço de namoro, não uma conexão de sexo de uma noite. — Acalme-se, é um serviço de encontros. Você está garantida para uma noite de diversão, algo que você precisa desesperadamente.


— Mas eu esperava ter sexo no primeiro encontro? —

Antes mesmo

de concordar com o encontro, seu estômago se contorceu em nós. — Eu não acho que posso fazer isso. — Sim! Você está tão tensa, você precisa de um bom sexo, mas é claro que ninguém vai obrigar você a fazer qualquer coisa que você não queira. Estática crepitava por telefone. Se ela tivesse perdido a recepção? — Espere, eu estou indo ajudar a organizar sua mala. —

Antes que ela pudesse

protestar, Tamara desligou. Ela pensou sobre o envio de uma mensagem de não venha, de volta, mas quando ela deu uma olhada mais de perto o perfil no computador dela, ela decidiu esperar por Tamara. 1,90, seu par era dono de uma empresa de construção bemsucedida, e a imagem .... Ele parecia com cada homem que ela já fantasiou. Com cabelos castanho escuro, ondulado que parecia perfeito para correr os dedos e seus olhos ... Ela nem sequer começou a descrever como eles eram atraentes. Ela ficou molhada só de olhar para eles na foto. Oh, ela precisava vê-los de perto. — Meu Deus, ele é lindo — disse Tamara. Carrie piscou. Desde que assumiu que Tamara precisaria de vinte minutos para vir até o lugar de Carrie, ela estava olhando para a imagem todo esse tempo. Ela corou, tentando fechar seu laptop, mas Tamara o manteve aberta.

Não tão

rápido. Quero ver. Qual o nome dele? O que ele faz? — O nome dele é Frey; estranho, mas eu posso viver com isso. — Ela leu o perfil dele impressionante Tamara.

— Uau, Madame Eva certamente

trabalhou sua mágica aqui. Ele é perfeito para você. — braços e fez beicinho.

Tamara cruzou os

Eu só queria que meu encontro tivesse sido tão

perfeito para mim. —

Você usou este serviço para namorar? Por que você não me

contou? — Ela teria sido menos relutante se Tamara revelasse isso antes.


Porque eu não queria que a minha experiência ruim impedi-la de deixar Madame Eva encontrar seu par perfeito. — Ela não encontrou a sua? — Eu pensei que ela fez. Quero dizer, Josh e eu.. Gostei da nosso primeiro encontro e continuamos vendo um ao outro depois, mas dois meses depois, nós seguimos nossos caminhos separados para o trabalho. Agora, o namoro é muito mais fácil para mim. Você viu como a minha auto-confiança melhorou. Ela tinha notado a mudança em Tamara. — Sim, eu acho. —

Eu

vou realmente fazer isso? Ela não planejava jogar como a sua melhor amiga embora. Carrie queria encontrar seu verdadeiro amor.

Apertando-lhe o ombro, Tamara

interrompeu seus pensamentos. — Então, vamos organizar sua mala. Talvez você vá conhecer seu futuro marido ou apenas ter uma boa postura para começar a sair e melhorar o seu estado de espírito. — Tamara! — computador.

Sua amiga riu quando ela se sentou em frente ao


Capítulo Três

Depois de e-mails trocados entre Frey, Madame Eva e Carrie, eles finalmente concordaram em ter um encontro no Resort Castillo em Ottawa. Carrie teria preferido se encontrarem num café. Estar sozinha com um homem estranho, num quarto de hotel a deixou nervosa, mas ela teria o quarto só para ela, já que ele não apareceu. Frustrada, ela subiu as escadas para a suíte de luxo, ao invés do elevador, tentando atrasar a solidão quando ela entrou no quarto. Passando o hall de entrada, qualquer sentimento de desânimo fugiu quando ela olhou para a cama king-size, a lareira e a banheira de hidromassagem. Mesmo sem um par quente, ela poderia gostar de ficar neste quarto. Ela planejava ter uma longa imersão na banheira no canto do quarto, seguido de uma boa noite de sono numa cama que ela não compartilhou com seu ex-marido. Enquanto a água corria, ela procurou em sua bolsa de viagem por algo para dormir, Tamara insistiu em embalar o saco de manhã e incluiu alguns trajes negros destinados só a cobrir os seios e a virilha, mas não havia material suficiente para cobrir qualquer outra coisa. Isso não importa. Ela não iria usá-las de qualquer maneira. Decepção agarrou seu estômago. Seu primeiro encontro desde o colégio e ela se decepcionou. Talvez o homem de suas fantasias mais loucas não existia. Deus!


Eu tenho que parar de pensar, neste encontro que falhou e no meu casamento fracassado. Não, eu estou indo me divertir. Ela começou a procurar roupas para vestir. Em seguida, ela derramou um copo de vinho de cortesia que tinha encontrado na cozinha e colocou-o ao lado da banheira junto com uma taça de morangos da geladeira. Ela deslizou para dentro da banheira, desligou a água e ligou os jatos. Relaxamento total.

Capítulo Quatro

— Frey, eu insisto que você retorne de uma vez. — nos olhos ferozes de seu ex-comandante da missão.

Ele fixou-se

— Você tinha que me

raptar para dizer isso? Mesmo depois de dois anos, a resposta ainda é não. — Se eu sair agora, você não terá escolha. —

Ele ouviu a ameaça

nas palavras Ginnunianas mais velhas em sua raiva. — E se você fizer isso, eu vou sequestrar uma nave e voltar para a Terra. Você sabe que eu posso fazer isso. — Mas, o Chanceler .... — Ele pode beijar a minha bunda. —

Todo o controle deslizou para

longe. O Comandante encontrou o local dolorido.

A filha do chanceler

deixou-me em primeiro lugar. Eu não me importo se Mark morreu e agora ela não tem ninguém para lhe dar um herdeiro. Tandee pode encontrar alguém para transar com ela.


Seu ex-comandante vacilou. — Você não pertence aqui. Você pode fazer coisas que as pessoas na Terra não podem. Você não precisa nem parecer como eles. Esta imagem humana que você está se escondendo é apenas isso: uma imagem. — Seu rosto ficou vermelho.

— Você não é um

deles. Esqueça-os! Se eles descobrirem .... — Eles não vão. Este é o lugar a qual eu pertenço, agora deixe-me sair fora desta nave. — Frey não se arrependeu nem uma vez da sua decisão de permanecer na Terra. Ele teve o suficiente do espaço, do seu excomandante e da sua conversa. Com questões mais prementes, ele precisava sair. — Estou atrasado para uma reunião. Os olhos do Comandante estreitaram. — Que tipo de reunião? Por um segundo, ele hesitou.

Um encontro. —

Esse tipo de

confraternização foi expressamente proibido pelo Serviço do espaço, mas já não tinham qualquer controle sobre ele. O Comandante tropeçou para trás. Ele empurrou uma mão contra a parede para recuperar o equilíbrio. —

Você escolheu um terráqueo como companheiro? —

Ele

claramente entendeu a implicação. — Eu fiz. —

Ele ainda tinha que conhecer a mulher, mas a imagem

que tinha visto dela fez seu coração bater mais rápido, o seu sangue fluiu para lugares que só são usadas no acasalamento. Ele examinou a nave por possíveis saídas para que ele pudesse chegar até ela. A nave balançou quando ele caiu numa elevação. Em poucos minutos ele desembarcou e abriu a porta da rampa. — Saia! — nave.

Seu ex-Comandante da Missão, empurrou-o para fora da

— Você não merece Tandee. Eu vou informar ao chanceler que você

está morto —

Embora o velho Ginnunian dizia estas palavras para ferir, Frey


sorriu enquanto descia a rampa. Olhando através do milharal recentemente colhido, ele avistou o carro estacionado ao lado da estrada. Apressou-se em andando pelos talos de milho em direção ao carro, com a luz refletida da lua iluminando seu caminho. Ele finalmente assegurou que ninguém de Ginnun voltaria por ele.

Capítulo Cinco

A maçaneta da porta para o quarto de hotel moveu-se. Carrie parou de ler e esperou.

Ela não pediu serviço de quarto, eles iriam bater de

qualquer jeito. Ela deu um pulo quando Frey, o homem que ela reconheceu pelo seu perfil, entrou no quarto.

Desculpe o atraso. Eu teria chamado

você, mas eu não conseguia recepção. — Com os olhos arregalados, ele olhou para ela, com um leve sorriso em seus lábios quando ela ficou nua na frente dele. Ela jogou as toalhas a partir da borda da banheira para ele. — Vire-se! —

Tentando cobrir-se com as mãos, calor espalhou-se a

partir de suas bochechas para os ouvidos e para baixo no pescoço.

Ele se

virou e pegou algo do chão. Indo em sua direção, ela se encolheu. — Eu só vou entregar-lhe o roupão de banho. Você pode se sentir mais confortável usando-o por agora. Por agora? Sim, o caso de uma noite.


Nervos a atacou novamente. Pegando o roupão, ela enrolou-o firmemente em torno de seu corpo. Ele estendeu a mão para ajudá-la a sair da banheira, mas ela só olhou para ele. Este homem que a deixou esperando por horas queria que o encontro fosse em frente? Sem nenhum pedido de desculpas? Então ela encontrou seus olhos, lembrando-a das águas tropicais que cativaram sua alma. Ela estendeu a mão para ele, sem qualquer pensamento consciente. — Por que não vamos sentar junto à lareira? —

Ele a levou para

uma das namoradeiras na frente dela. Ela queria gritar com ele, colocá-lo em seu lugar por desrespeitá-la, por despojar-se de sua auto confiança, mas ela não conseguiu formar as palavras. Seu coração batia forte. Ele é ainda mais bonito pessoalmente. Com sua mão firmemente presa, sua raiva esvaiu-se com cada passo. Talvez a noite ficasse melhor do que ela esperava, contanto que ele não a desapontasse novamente. Uma noite, na presença deste homem como deus não poderia machucar. Ela queria ver cada centímetro dele, para guardar sua imagem na mente para as noites em ela decidisse satisfazer-se a si mesma. Ela poderia se arrepender de manhã, mas ela não tinha nenhum desejo de deixá-lo fora de sua vista aquela noite. Ela esperava que ele se sentasse ao lado dela e sussurrasse palavras doces antes que ele se familiarizasse com seu corpo. Ele sentou-se no sofá em frente a ela.

Aquele gesto tirou-a fora de seu transe, e tornou-a mais

confortável. Talvez seus instintos tinham algum mérito. Ela poderia passar a noite com esse homem cativante. — Você é muito bonita, exatamente o que eu esperava quando me candidatei ao serviço de Madame Eva.


— Obrigado. —

Corando, ela parou-se de dizer que ele é que era

lindo de morrer, que ela de repente não importava se o encontro durou apenas uma noite. Mas não podia dizer mais nada, sua capacidade de falar fugiu. Seus olhos cativaram-na, sua cor uma mistura de azul-esverdeado, que ela não conseguia parar de olhar. — Então, quanto tempo você teve que esperar antes que Madame Eva encontrasse seu par perfeito? — Eu .... —

Ele riu, o som profundo e suave. — Você sabe, eu

estou tão nervoso quanto você.

Eu temia que você iria embora sem me

conhecer. Eu realmente sinto muito por ser tão tarde. Ela não queria ir para casa. Seria apenas para lembrá-la de outro relacionamento fracassado. Ele continuou: — Eu tive que esperar seis meses para encontrar meu par perfeito. Seis meses? Ela não podia imaginar procurar um encontro tanto tempo. Não olhando para tudo se tornou muito mais fácil. Ela ficou de costas para ele e encontrou sua voz, muito curiosa para não dizer nada. — Porque tanto tempo? — Vamos apenas dizer que eu tenho gostos muito particulares. Não se preocupe, não é nada estranho, mas eu preciso de uma parceira que tenha .... a mente aberta. Ela não sabia como ter a mente aberta uma vez que teve a idéia de um caso de uma noite, ela ficou em pânico com o pensamento de couro e correntes a fez estremecer. Eu sou tão inexperiente. Talvez eu devesse ter seguido o conselho de Tamara há muito tempo e sair da minha zona de conforto. Mas, ela arrumou o encontro e iria tentar permanecer tão aberta quanto possível.


— Eu li em seu perfil que você é divorciada. —

Sua voz soou tão

suave, gentil. Ele não a fez se sentir como um fracasso. — Você vai me dizer o que aconteceu com o seu casamento? Ele a pegou de surpresa. Ela achou difícil se concentrar em qualquer coisa na sua presença. — Eu .... wow, você com certeza é franco. — Eu realmente quero saber o máximo que puder sobre você. Será que ele realmente se importava tanto assim? — Vai demorar mais do que uma noite para me conhecer. Ele deixou o sofá e sentou-se ao lado dela, colocando a mão sobre sua coxa. — Eu entendo, mas estamos aqui agora. —

Ele passou um dedo

em seus lábios. Ela só pode suspirar, desejando a sua atenção mais do que qualquer coisa. — Por favor, diga-me — , ele pediu. — Então vou falar primeiro. Minha noiva .... me deixou pelo meu companheiro de quarto. Eu entendo a dor de um relacionamento rompido. —

Ela olhou em seus olhos, querendo dizer-

lhe toda a sua história de vida por causa da compaixão que ele mostrou a ela. — Eu não posso ter filhos. Meu ex-marido me deixou para ficar com alguém que podia. Poderíamos ter adotado, mas .... Ele passou um braço em volta dos ombros. — Shhh, não me diga mais nada. Eu vejo que este assunto lhe causa dor, mas pelo que entendi do seu perfil, você é uma enfermeira pediátrica. Como você é capaz de enfrentar os dias, cuidando de crianças, mas sabendo que você não pode ter o seu próprio? — Eu acho que é a minha maneira de lidar com isso. Nessas longas horas

no hospital me sinto bem no meu local de trabalho é mais como a

minha casa. Mas sempre me senti assim, mesmo antes de saber que não podia conceber uma criança. —

Ela nunca tinha pensado em sua vida dessa


maneira, mas tornou-se a sua realidade. Ela voltava para o seu apartamento para dormir e tomar banho, mas nunca podia esquecer todos os filhos que ela deixava em seu próximo turno. — Se você encontrasse uma maneira de ter o seu próprio filho, você ainda queria? Com o seu braço ao redor dela, ela queria deitar contra seu peito. Era tão íntimo, tão reconfortante, mas seu instinto falou mais alto. Ela tinha acabado de conhecê-lo.

Eu não posso mais pensar assim. Cheguei à

conclusão de que eu nunca vou dar a luz a um filho meu, mas não descarto a possibilidade de adotar no futuro . Ele a puxou para mais perto, pressionado-a contra o seu corpo. — Eu aprecio que você respondeu a essas perguntas pessoais. Agora, pergunteme qualquer coisa. É justo que você saiba mais sobre mim. Eu não quero que você pense em mim como um estranho. Carrie se afastou. Não importa o quão duro ela tentou não pensar nisso, Frey nunca seria mais do que um estranho, que ela foi para ter relações sexuais com ele. Fazer um par de perguntas sobre ele não mudaria isso. — Eu .... eu não acho que eu posso fazer isso. —

Ela levantou-se, correu para o

banheiro e trancou a porta. Esperando que ele iria cumprir todas as suas fantasias, ela ainda queria ter relações sexuais com ele. Mas não no primeiro encontro. Seu coração não estava totalmente reparado. Ela precisava de mais tempo. Quando ela sentou-se no assento do vaso sanitário, as lágrimas escorriam. Por que ela achou que pode lidar com isso? Ela não era Tamara. Ela precisava de mais do que apenas sexo. Peter machucou-a demais para dar-se a alguém tão livremente. Ela não podia separar o sexo do amor, numa relação. Tamara deveria ter vindo nesto encontro em vez dela. Sua amiga poderia facilmente ir embora na manhã seguinte.


Ele bateu na porta. — Carrie, você está bem? — Sinto muito Frey, mas eu não posso ter sexo com você. Seu par perfeito não deu certo. — Sexo? Você acha que isso é apenas sobre sexo? — Sim, não foi para que você se inscreveu? — lágrimas.

Ela enxugou as

Isso é o que este encontro era, o encontro em que você

apareceu com três horas de atraso. —

Eu disse que sentia muito. Eu tive uma reunião que demorou

muito. Quando eu tentei ligar, eu não conseguia recepção. —

Essa reunião foi no meio do nada? —

Ela só ouviu desculpas

esfarrapadas dos homens. Seu ex tinha dado a ela o suficiente quando ele presenteou-a com os papéis do divórcio. —

A reunião teve lugar num avião particular e nós literalmente

pousamos num aeroporto no meio do nada. Até o momento que eu tive recepção, eu estava a apenas cinco minutos. Seus olhos se estreitaram. Ela não sabia se acreditava nele. — Você tem reuniões com seus clientes em jatos particulares? Que tipo de empresa de construção que você tem? —

Esta foi a primeira vez. Agora, você poderia sair e fazer as

perguntas neste lado da porta? Além disso, eu realmente preciso usar o banheiro. Ela teria que sair do banheiro, eventualmente, já que suas roupas ainda estavam lá fora. Então, era a porta da sala de hotel. Ela abriu a porta e passou correndo por ele, usando o curto período de tempo que ele entrou no banheiro, para colocar o máximo de roupa possível. Infelizmente, ela não conseguia encontrar o sutiã e só conseguiu sua calcinha e a camisola.


Ele saiu e pegou o resto de suas roupas e sua bolsa durante a noite, com um sorriso divertido no rosto. — Eu vou dar isso de volta, desde que você prometa passar a noite aqui comigo. Nós não temos de ter relações sexuais, eu vou até dormir no chão, mas eu não quero que você saia. —

Ela

mordeu o lábio. Será que ela realmente concordaria em ficar com esse estranho lindo pelo resto da noite e a manhã? Se ela tivesse experimentado quaisquer vibrações ruins dele, ela não iria concordar em ficar. Ela ainda estava preocupada com o sexo. Tamara disse a ela sobre tantas posições e lugares onde ela tinha feito isso, mas o ex de Carrie só tinha conhecido uma maneira. Essa é a única maneira que sabia, também. Mas com o sexo fora do caminho, ela poderia se divertir. Ela já tinha pago o quarto mesmo. — Eu prometo . Ele largou suas roupas e a bolsa, e em seguida, pegou a mão dela. — Vamos nos sentar novamente. Podemos pedir serviço de quarto, porque eu estou realmente com fome. A reunião anterior não envolvia qualquer comida. —

Eles voltaram para as namoradeiras em frente à lareira e acabaram com o

resto da garrafa de vinho. O serviço de quarto chegou vinte minutos depois. Durante

duas

horas,

eles

comeram,

conversaram

e

riram,

conhecendo um ao outro, até que ele já não se sentia como um estranho para ela. A tristeza tomou conta dela quando ela percebeu que só iriam gastar mais algumas horas juntos antes de se separarem, para nunca mais se verem outra vez. — Qual é o problema? — Perguntou Frey. —

Nada, só estou me sentindo cansada. —

Ela se recusou a

lembrar da sua partida. Ela se inscreveu para um encontro com muitas oportunidades para fazer sexo. Ela iria desfrutar o resto de seu tempo juntos. — Se você gostaria de ir dormir, sinta-se livre. Vou descansar aqui mesmo.


— Não, eu não posso fazer isso com você. O sofá não é grande o suficiente para que você possa deitar-se confortavelmente. — Talvez pudéssemos compartilhar a cama. Tenho certeza de que há espaço suficiente para nós dois, sem qualquer tipo de pressão. —

Carrie riu.

A noite inteira cobriu-a com pressão, pressão para dormir com o homem lindo diante dela, e em seguida, deixá-lo na parte da manhã, sem amarras. Além disso, ela não achava que ela poderia descansar com seu corpo tão perto do dela. — Eu posso estar cansado, mas eu não acho que eu posso dormir. — Então você vai me deixar fazer algo por você? Você confia em mim? Confiar nele? — Eu .... Depende do que você quer que eu faça. — Toda a ansiedade de antes voltou correndo. — Eu quero que você se deite. Não se preocupe, isso não é nada sexual eu não vou te causar nenhuma dor. Seus olhos pediam para ela confiar nele. Ela queria, ela realmente fez. Ele não tinha feito nada ainda para fazê-la pensar que ele iria machucá-la. — E o que você vai fazer? Ele sorriu um sorriso compassivo, um compreensivo sorriso, que ela gostaria de ver na parte da manhã, quando ela acordasse. — Deite-se e eu vou lhe mostrar. —

Ela deixou no sofá e ele ficou

de pé ao lado da cama. Frey esperou que ela se deitasse antes que ele se aproximasse dela. — Agora eu quero que você abaixe sua calcinha. — Tirar fora a calcinha? Eu pensei que você disse que isso não era sexual. — Sua ansiedade voltou e ela considerou saltar para fora da cama e se trancar no banheiro novamente. Ele manteve a distância dela, foi a única


coisa que a impedia de entrar em pânico. — Não, não tirá-las. Apenas abaixeas para baixo de sua barriga. — Sua voz se aprofundou para um tom quente e sedutor e, de repente, ela queria que suas intenções fossem sexuais. Abaixando a calcinha, ela considerou a tirá-la fora.

Não agora. —

Ele

colocou sua mão sobre a dela e antes que ela pudesse levantar os quadris para seguir adiante.

Capítulo Seis

Frey queria ver a calcinha sair. Ela acendeu algo de primitivo dentro de si que nenhuma outra fêmea da Terra ou Ginnun poderia desencadear. Mas ele teve que realizar o procedimento em primeiro lugar. Manteve-se com a principal razão do porque ele tinha escolhido Carrie de todos os perfis que Madame Eva, mandou por e-mail para ele numa base regular. Evangeline parecia mágica em suas comunicações, levando-o a quase revelar seu segredo para ela com a esperança de encontrar a mulher certa mais rapidamente. Tinha o perfil de Carrie não em seu caminho, ele poderia ter visto. Mas com sua estrutura sólida e curvas luxuriosas, ele sabia que ela seria capaz de lidar com seu corpo alienígena verdadeiro. Se o encontro foi bem, ele iria revelar a sua forma Ginnunian para ela. Vendo-a não confirmou se ela não iria desaparecer debaixo dele. Ele também encontrou a confiança que ele achava que ela deixou escapar depois que seu casamento acabou. Ele iria trazê-la de


volta, fazê-la perceber seu valor e fornecê-la com um presente que ninguém mais podia. — Fique quieta. Isto não vai doer, mas você vai sentir um calor em minhas mãos.

Ela parecia insegura, mas não com medo quando ele

colocou as mãos abaixo do umbigo. — Apenas relaxe. Seus olhos se fecharam. — Eu não posso acreditar que eu confio em você tanto. Eu não posso acreditar que eu ainda concordei com esto encontro, mas seus olhos .... eles são tão atraentes, mas eles me fazem sentir calma. Eles são contatos? Ele sorriu. — Asseguro-lhe, meus olhos não são de contato eu não tenho necessidade de contatos. —

Olhando para sua barriga, ele viu o brilho

azul debaixo de seu toque. Cura transferiu-se através de suas mãos para o seu interior. Ele ficou com um imenso prazer com a capacidade de dar-lhe o presente. Mesmo que ele nunca mais a visse depois daquela noite, ele iria desfrutar sabendo que ele tinha dado a ela alguma coisa para fazer a sua felicidade. Ela abriu os olhos e levantou-se nos cotovelos. — Isso é realmente estranho. O que você está fazendo? —

Ele se preparou para a reação dela.

Seus olhos se arregalaram quando ela percebeu o brilho azul. Ela lutou debaixo dele tentando rolar para longe. — Saia de cima de mim! —

As mãos dela

batiam contra o peito dele, mas ele agarrou-os e segurou-a com seu corpo. — Eu não vou te machucar. Eu só estou tentando ajudar. Você vai me deixar continuar? Sua cabeça balançou violentamente, suas palavras saindo como uma ameaça ao invés de medo.

— Sai fora! —

Sua intensidade aumentava, mas

ele precisava encontrar uma maneira de mantê-la calma. Ela recusou-se a olhar em seus olhos. Sua boca caiu sobre a dela, absorvendo suas próximas


palavras. Ela se opôs no início, mas depois sua língua se estendeu para ele, um gesto apaixonado e inédito em Ginnun. Ele combinava a força de seu beijo e o toque das mãos pelos seus braços para descansar em seus lados perto de seus seios. Ela já não lutava. Seus braços subiram em volta dele, mantendo-o perto. Quando ela soltou a boca para respirar, ele sentou-se. Ela arfava debaixo dele.

— Isso foi incrível.

Eu .... Eu senti como se estivesse voando pelo espaço. Tantas cores e estrelas brilhantes. Ele experimentou algo diferente. Com esse beijo, ele finalmente tinha encontrado alguém que poderia mantê-lo aterrado na Terra e reprimindo qualquer arrependimento por não retornar a Ginnun. Ele roçou o polegar ao longo de sua bochecha.

Eu gostaria de continuar, se você me deixar. —

Ele se inclinou e colocou beijos leves em seu rosto. Um suspiro escapou de seus lábios e seus músculos relaxaram debaixo dele. Ele deslizou seu corpo para baixo em suas pernas, suas mãos voltando para sua barriga. — Eu pensei que você estava indo para continuar a coisa — , ela sussurrou. Seu pênis pressionava contra suas calças. Seu súbito interesse em sexo se tornou doloroso. —

Eu quero, mas eu preciso terminar dando-lhe este presente. —

Seu corpo se movia, mas ela não lutou ou tentou fugir. —

O que exatamente você está fazendo comigo? O que é esse

presente? Por que meu estômago está brilhando? Ele respirou fundo e soltou o ar um pouco mais rápido e mais alto do que ele queria. Ele sabia que a resposta levaria a mais perguntas. Enquanto preparava-se para respondê-las, ele não queria assustá-la. Sua resposta exigia palavras cuidadosamente escolhidas para garantir que ele deu a ela o presente antes que contasse a ela sobre suas origens.


Eu vou curar você. —

O brilho azul voltou em sua barriga,

enquanto suas mãos aqueciam. — Você vai ser capaz de ter um filho quando eu acabar — Seus olhos se arregalaram. Ele sentiu o medo dela, mas ela não se moveu. — Um filho? — Não, eu não estou dando-lhe um filho. Isso só pode ser feito da maneira usual. Estou simplesmente fazendo seu corpo capaz de engravidar e levar uma criança. Carrie apoiou-se nos cotovelos. Ela olhou para sua barriga, mas manteve a calma.

Como? Nenhum médico poderia fazer isso por mim.

Como você pode? Você é algum tipo de sacerdote vodu ou algo assim? — Não. —

Ele precisava continuar e manter sua mão nela por tanto

tempo quanto possível. —

Um fanático religioso que acha que eu estou possuída por

demônios? Frey riu. — Não — Ele estava quase terminando. Apenas um pouco mais. A cicatriz tinha tudo devolvido voltando tecido normal, saudável. Ele só precisava estimular a maturação e a liberação de ovos em seus ovários. — Como é então? Eu sei que você está fazendo algo para mim. Eu posso sentir isso. — Lembra que eu disse que eu precisava de um parceiro de mente aberta? —

Ela assentiu com a cabeça, seus olhos dando-lhe um rápido olhar

antes de retornar para seu estômago. Apenas mais um par de minutos e estaria acabado. Ele se preparou para segurá-la caso ela surtasse quando ele lhe disse que ele veio do espaço.


— Eu não sou exatamente como você e a maioria das pessoas na Terra. Eu sou .... diferente. — Como um demônio ou um anjo da guarda? Ele riu. Soou forçado, mas ele precisava manter o foco na cura de Carrie ao invés de acasalar com ela. — Não, você está pensando paranormal. Tente ficção científica. Ela começou a se contorcer debaixo dele, mas ele não tinha necessidade de contê-la. — Um clone ....? A inteligência artificial? Ele terminou a cura dela e se deitou ao lado dela. Seu polegar correu os lábios, querendo saboreá-los novamente, mas sabendo que ele provavelmente não o faria. — Tente alienígena. Sua boca se curvou num sorriso. — Alien. Acho que não. Você está perdendo a cabeça grande olhos, pele verde, membros esguios . Ele tocou com as pontas dos dedos o lado de sua cabeça. Gostou? —

Ele mostrou uma imagem que os terráqueos esperavam que os

alienígenas fossem, sempre esperados para chegar do espaço. — Sim, mas como você fez isso? —

Medo brilhou em seus olhos.

Saindo da cama, ele se sentou numa das namoradeiras. A noite acabou. Num segundo, ela se vestiria o mais rápido possível e sairia correndo da sala.

Eu te disse, eu sou um alien do espaço. —

devesse ter dito a ela. Ele iria passar o resto da noite sozinho.

Talvez ele não


Capítulo Sete

Suas mãos voaram para seu estômago. Ele ainda formigava de seu toque. E se ele tivesse dito a verdade? Ele era realmente um alien? E ela podia agora ter um filho? Ela passou meses desejando por algum milagre para ajudá-la a engravidar, mas nada funcionou. Médicos disseram que ter um filho era impossível. E agora, com o simples toque de suas mãos, ele acreditava que tinha feito todos os seus sonhos se tornarem realidade. Ela queria acreditar nele. Ela levou uma mão aos lábios. O beijo mágico que revelou a beleza invisível do espaço. E a profundidade infinita de seus olhos. Mas ela poderia acreditar nele? Não, aliens não existem. Ou não é? De que outra forma poderia explicar a luz azul que saíram de suas mãos e as sensações resultantes que sentiu? E como ele poderia fazer as coisas que os médicos não poderiam? Se suas palavras eram verdadeiras, ela deveria fugir, ficar o mais longe possível dele, antes que ele começasse a experimentar com ela. Ou será que ele já? Mas nenhuma de suas ações trouxe-lhe qualquer dano. Ele só


segurou-a e beijou-a para mantê-la calma. E talvez até mesmo lhe dado a chance de se tornar uma mãe. Mas oh, aquele beijo. E agora, ele sentou-se no outro lado da sala, dando-lhe espaço e tempo para pensar sobre as coisas. Mas ele não se parecia com um alien! Por que ele iria dizer isso se ele não era? O que ele iria ganhar? — Frey? —

Ele olhou, seus olhos estavam vazios, ocos. Ela nunca

tinha visto alguém olhar tão triste sem derramar uma lágrima, muito diferente do ser humano confiante que ela tinha visto entrar no quarto horas antes. Culpa subjugou por querer respostas para as perguntas na cabeça dela, mas ela queria de qualquer maneira. —

É com isso que você realmente se parece? Quero dizer, você é

como o espécime masculino perfeito.

Ela esperava que ele pudesse

responder com um sorriso, mas ele apenas balançou a cabeça, os olhos baixos. —

É apenas uma ilusão criada para nos ajudar a nos encaixar na

Terra. Ela escondeu o pânico, mas a sua mente correu com pensamentos de uma invasão alienígena. — Somos? Há mais como você? — Havia mais de nós, mas todo mundo voltou para Ginnun. Eu sou o único que sobrou na Terra. Ufa! — Ginnun, o que é isso? — Meu planeta. — Oh, mas por quê? Por que você veio aqui e por que você decidiu ficar?


Ele olhou para ela. Seus olhos já não tinham qualquer cor, sua negritude aparecia molhado. — Viemos aqui para aprender. O disfarce é para evitar o medo e a violência com a nossa chegada. Nós não queremos fazer nenhum dano, mas como o meu tipo tem viajado através do espaço ao longo dos séculos, nunca fomos recebidos com a paz.

Ela podia entender o

porquê. A maioria das pessoas na Terra acredita que aliens só viria para o planeta para assumir. Sem saber no que ela acreditar, ela confiava que Frey não tinha intenção de machucá-la, ele teve muitas oportunidades. — Mais uma vez, por que ficar? Seus olhos piscaram lateralmente. Ela tentou esconder seu suspiro, mas não conseguiu e ele desviou o olhar. — Como eu te disse, a minha pretendida acasalou com o meu examigo. Eu não tinha ninguém para voltar. Ela deslizou para o pé da cama, querendo se aproximar dele.

Você não tem família, amigos? Os seres humanos realmente são tão interessantes?

Ela caminhou em direção a ele, curiosa para saber e ver

mais. —

Ninguém importante. —

Ele fez uma pausa, notando a

aproximação. — Em Ginnun, somos ensinados a partir de uma idade jovem que exibir emoções são proibidos, não que esses ensinamentos são sempre bem-sucedidos. Os pais não devem amar seus filhos, maridos não podem mostrar alguma afeição por suas esposas. Quando Tandee deu-se a outro, me rasgou em pedaços, mas eu não tinha permissão para me sentir assim. Depois de apenas um mês aqui, eu sabia que não queria voltar para Ginnun. Eu queria sentir. —

Ela ficou na frente dele e, em seguida, estendeu as mãos. Seus

olhos negros encontraram os dela quando ele passou-lhe as mãos. tudo bem com o que eu disse a você?

— Está


Não, mas eu estou tentando manter a mente aberta. —

Ela

tentou manter suas mãos de tremer, mesmo quando ela lhe mostrou que poderia lidar com a informação. — Eu não sinto que você quer me machucar. Ele apertou levemente as mãos, formando um sorriso nos lábios. — Eu nunca iria fazer mal a você. —

Levantando uma mão, colocou-a

suavemente no lado de sua face. — Você vai me mostrar como você realmente se parece? Eu posso ver seus olhos de verdade, mas eu quero ver o resto. — Você não vai fugir? —

Ela estremeceu vendo toda a confiança

que ele tinha no início da noite indo embora, o que a fez confiar nele ainda mais. — Faça o que fizer, por favor, não grite. — Eu prometi ficar a noite toda, não foi? E não se preocupe, eu não vou gritar, a menos que alguém corra para cima de mim, ou se eu vejo uma aranha. Você não se parece com uma aranha, não é? enviou um calafrio através de seu corpo.

O pensamento

Ele sorriu, um pouco de sua

confiança de volta, enquanto a sua imagem humana piscou por alguns segundos antes de desaparecer completamente. Sem saber o que esperar, ela tentou não julgar até que ela pôs os olhos em toda a sua figura. Longo, espigado dedos entrelaçados com os dela. Ele tentou se soltar, mas ela segurou firme. Seu corpo parecia mais alto e mais magro do que antes. Ela viu os mesmos olhos negros, um nariz menos proeminente e orelhas pouco visíveis. Seu cabelo era preto e pareceu mais longo e encaracolado do que antes. Com escamas luminescentes, sua pele brilhou com uma luz azul.

— Então, o que você acha? —

Sua boca se

curvou, revelando sua incerteza. Exceto por sua cor, seus lábios eram a única coisa que não mudou. Ela se inclinou em direção a ele, seb perguntando se eles ainda sentem o mesmo. Ela tinha que ficar nas pontas dos pés para alcançá-lo, mas


envolvendo os braços ao redor do seu pescoço ajudou. A sensação de sua pele a surpreendeu. Talvez ele não tivesse escamas, mas o padrão estava sob sua pele. Ele era lindo. Seus lábios estavam mais suaves, mais quentes. Quando Frey respondeu ao seu beijo, produziu uma urgência dentro dela que afastou qualquer medo persistente ou hesitação. Suas mãos embalaram sua bunda e levantou-a para mais perto dele. Ela envolveu suas pernas ao redor de sua cintura. — Por que não tiramos essas roupas para eu ver como o resto de você se parece?

Capítulo Oito

Ele a levou para a cama. Frey não esperava que ela ficasse tão calma depois de ver a sua aparência. E o beijo dela o surpreendeu e agitou seu desejo por ela mais uma vez. Tinha valido a pena cada minuto que passou esperando.

Antes de

chegarem à cama, ela teve sua camisa, já rasgada de seus ombros, e ela começou a correr os dedos pelo peito dele. — Seu corpo é mais macio do que eu imaginava. —

Sua boca deu beijos em todo o seu pescoço e no peito,

preparando seu corpo para o acasalamento. Ele tinha visto o ato realizado nos vídeos instrutivos, mas não incluíam o tocar como a maneira que Carrie tocava. O homem no vídeo sempre levava muito mais tempo para estar pronto para acasalar. Quando ele a colocou no chão, ela se ajoelhou em frente


a ele, puxando o cinto. — Eu quero fora essas roupas. —

Suas mãos foram

rápidas. Suas calças caíram no chão e as mãos tocaram o seu pênis, antes que ele pudesse se preocupar com o que ela estava pensando. Enquanto seu eixo era liso como o de um ser humano masculino, a cabeça tinha vários nódulos que lançavam fluidos de acasalamento. Ela olhou para ele e sorriu enquanto seu polegar roçava a extremidade do pênis. Tandee nunca havia o tocado lá. Quando o nosso tempo para o acasalamento chegar, vou ferrar você, ela sempre dizia. Até então, é uma ação desnecessária que vai fazer você agir de forma inadequada. Desnecessário ou não, o seu corpo estava cheio de necessidade. Ele queria mergulhar dentro de Carrie e soltar a sua semente. Seus joelhos se dobraram enquanto ela tomava seu pênis na sua boca. Quem se oporia e pedir-lhe a finalizar o ato, ele perdeu todo o pensamento, tentando manter-se de pé. Então ele lembrou-se dos vídeos instrutivos dos humanos para o sexo. Isso acontecia o tempo todo. Ele nunca entendeu por que até agora. Sua língua moveu sobre seus nódulos e ela puxou-o para dentro e fora da boca, enviando impulsos por todo seu corpo. Ele não podia ter muito mais. Devo acasalar. Com um pouco de pressão, ele empurrou de volta em seus ombros. — Você tem que parar com isso. — Você não gostou? —

Ela olhou para longe, acabando com sua

confiança recém-descoberta. — Sinto muito. Eu nunca pensei que você não iria encontrar o mesmo prazer que um ser humano. —

Frey se sentou na

cama ao lado dela. Ele trouxe sua cabeça para descansar contra seu peito.


— Isso foi incrível, mas eu estava pronto para lançar. Eu tive que pará-la. — Ele levantou o queixo de Carrie e encontrou os lábios com os seus. As sensações correndo através de seu corpo e em sua alma. Seu desejo por ela dominou seus pensamentos. Ela aceitou-o sem reservas. Ele deslizou as mãos sob sua camisa, com a necessidade de remover sua roupa antes que pudessem acasalar. Ela levantou os braços, e em seguida, os quadris, permitindo-lhe acesso ao seu corpo nu. Ele mal conseguiu parar as mãos irem para os seios. Sua pele lisa parecia tão convidativa, mas seios femininos sempre estiveram fora dos limites em Ginnun, era apenas para as crianças se alimentarem. Ela deve ter sentido sua hesitação. O corpo dela montou o seu e ela tomou sua mão, levando-a para os seios. — Está tudo bem, você pode tocálos. Você pode usar sua boca, também. —

Ele decidiu ignorar tudo o que

tinha aprendido sobre o acasalamento em Ginnun. Carrie era humana. Ela esperava coisas diferentes. Ela guiou suas mãos para seus seios, e em seguida, agarrou seu pênis. Os lábios dela caíram sobre sua boca.

Ele se

afastou, ofegando por ar. — Estou pronto, você precisa parar com isso. Ela soltou e deitou-se na cama, o cheiro de seu sexo revigorou seus sentidos. Em Ginnun, o homem se aproximava da mulher por trás, mas ele queria ver o rosto dela enquanto ele fazia amor com ela. Ele queria ter o apego emocional. Ele deslizou seu corpo sobre o dela e se preparou para acasalar. Seus músculos se apertaram e ela o impediu de entrar nela. — Eu não estou pronta ainda. —

Ele congelou, sem idéia do que

fazer a seguir. Tentando recordar os vídeos de sexo da Terra por alguma pista, sua mente ficou em branco. Pegando sua mão, ela sorriu para ele. Ela separou dois de seus dedos e os guiou em direção a seu calor. Um gemido escapou entre seus lábios macios quando ele deslizou seus dedos dentro. Seus músculos se apertaram ao redor deles como sua umidade.


Capítulo Nove

O corpo de Carrie ficou ainda mais tenso quando ele a trouxe para mais perto do orgasmo. As preliminares começaram com alguma relutância, ela suspeitava que sexo era apenas para a procriação em seu planeta natal. Ele aprendia rápido e ela não tinha medo de lhe ensinar. Seu corpo gritava deus sexual. Ela tomou como sua responsabilidade mostrar a ele como fazer. Fazer sexo com um estranho nunca entrou em sua mente antes, mas nunca tinha imaginado um alien ser tão viril. Ela queria sentir cada centímetro dele. Ele tirou os dedos e sentiu o gosto dela em sua língua, que era tão longo quanto o resto de seu corpo. Ela se esforçou para se segurar, com ele tocando em cada ponto sensível dentro dela. —

Eu não esperava .... —

Ele colocou três dedos dentro dela,

juntos como um pênis e levou suas palavras para longe. Encontrando seu clitóris, ele aprendeu que esfregar a levava selvagem. — Você gosta disso? — Ela ouviu toda a volta da confiança em sua voz. Quando ela tentou assentir, ele mergulhou seus dedos ainda dentro, ela só podia dizer: —

uh huh —

com um gemido, sem querer passar por medo de

perder as sensações. Seus gemidos se tornaram mais agudos enquanto ele dirigia mais e mais rápido, esfregando o polegar em direção êxtase. Ela gritou de prazer quando o orgasmo rasgou através de seu corpo. Frey tirou os dedos dela e se afastou. — Eu machuquei você? —

Seu corpo tremia.


— Não, —

ela arquejou. — Isso foi incrível ...

Ele relaxou e levou as mãos de volta para ela, seu polegar apertando um mamilo ereto enquanto sua boca sugava o outro. Sem hesitar, ele deslizou dentro dela, enviando-a para outro orgasmo. A cabeça de seu pêmis batia no ponto G em cada impulso. Pressão continuou a construir e sua boca desceu sobre a dela. Tão perto. Ela não conseguia pensar direito. Ele agarrou seus quadris e levou-a cada vez mais duro, trazendo-a a novos prazeres, de muitas formas. Um rugido gutural encheu o quarto quando o corpo de Frey se esticou em cima dela. O spray de seu semen lhe enviou sobre a borda mais uma vez. Ela segurou-o para dentro, aproveitando o orgasmo contínuo e o pulsar em torno de seu pênis alienígena. Desabando ao seu lado, o brilho de seu suor fez a sua pele azul brilhar mais intenso. Ela enrolou-se ao lado dele e roçou seu corpo. — Eu nunca esperava experimentar qualquer coisa assim. — Ele apertou ainda mais ao seu redor. — Sim, eu estou feliz que organizei este encontro de uma noite. E lá estava ela, a lembrança do objetivo desta noite. Ela queria esquecer a idéia da noite de sexo descompromissado, até que ela fosse embora. Queria permanecer em seus braços por tanto tempo quanto possível, mas ela não podia. Alien ou não, ela esperava algo mais dele. Ele

adormeceu,

e

afrouxou

a

aderência.

Ela

aproveitou

a

oportunidade para sair da cama e correr para o banheiro. Ela se recusou a chorar. Vestindo-se o mais rápido que podia, ela manteve a verificação para certificar-se de que ele permaneceu dormindo. Embora ela nunca esqueceria esta noite, ela não queria passar pelo adeus. Foi melhor assim. Ela pegou sua bolsa, saiu do quarto e deixou seu cartão chave na recepção.


Capítulo Dez

O

calor

Frey

tinha

gostado

quando

ele

adormeceu

tinha

desaparecido. Carrie. Para onde ela foi? Seu estômago roncou com fome. Talvez ela tivesse ido até o restaurante do hotel para conseguir algo para comer. Ele iria se juntar a ela depois que ele aliviou-se e se vestiu. Virando-se para lavar as mãos na pia, ele avistou no espelho, sua verdadeira forma. Ele manteve seu corpo alienígena escondido na imagem humana em caso de necessidade. Mesmo quando sendo sequestrado ontem, ele recusou-se a mudar. Mas ela o fez confortável sem a sua imagem humana. Ela não teve medo dele. Ele se concentrou a aparecer humano, mais uma vez, andando ao redor do hotel como um Ginnunian lhe traria atenção que ele não precisava nem queria. À procura de suas roupas ao redor da cama, ele percebeu que as dela sumiram, sua bolsa, tudo. Ela o tinha deixado. Ele procurou no quarto por uma nota, algo para indicar que ela voltaria a contatá-lo, mas ele voltou com as mãos vazias. Ele gritou em angústia.


Sua única amante o abandonou depois de seu primeiro acasalamento. Sentou-se na cama, com a cabeça entre as mãos. Ele deveria ter se preocupado com ela contando seus segredos para os outros, mas seu coração doía muito. Sua rejeição machucou muito pior do que quando Tandee selecionou Mark como seu companheiro. Talvez arranjar um caso de uma noite tinha sido uma má idéia. Madame Eva só garantiu-lhe uma noite. Mas ele estava tão certo que Carrie iria ficar com ele depois. Eles haviam ligado em tantos níveis. Ela só precisava de um impulso de confiança para se abrir, ser ela mesma. E ela mostrou-se mais através de seu acasalamento do que durante toda a conversa. Em seguida, ela o deixou. Agora, sem ela, ele não tinha nada. Toda a esperança de ter uma companheira e uma família na Terra desapareceu, sem nenhuma chance para ele experimentar o amor. Ele poderia muito bem se dedicar a sua vida ao serviço no espaço, mas ninguém de Ginnun voltaria para ele. Ele estava morto em seu planeta natal e destinado a viver na Terra, para sempre sozinho. Mesmo com uma hora antes do check out, ele teve de sair do quarto. Cada incrível memória de sua noite com ela trouxe a percepção de que ele nunca iria vê-la novamente. Ele não poderia mesmo enviar um e-mail para ela. Todos os emails vieram encaminhados por Madame Eva, despojado de qualquer informação de contato. Depois que ele terminou de se vestir, ele pegou seu cartão e foi para a recepção. —

Será que você aproveitou a sua estadia, Sr. Berger? —

recepcionista apareceu de muito bom humor.

O


Sim, muito obrigado. — Com o seu recibo impresso, um

pensamento lhe ocorreu.

A mulher que ficou comigo, quanto tempo ela

fez o check-out? — Seis horas da manhã, senhor. Disse que tinha uma reunião cedo — Ele acenou com a cabeça, embora ele soubesse que era uma mentira. — Obrigado. —

Ele tomou o seu recibo e virou-se para sair.

— Sr. Berger? Você estará vendo senhorita Cooper ainda hoje? — Eu espero. —

Se suas palavras fossem verdadeiras.

— Você poderia retornar o telefone para ela? Ela correu para fora daqui tão rápido que eu não vi que ela o esqueceu até que ela tinha ido embora. —

Ele não poderia ter pedido uma melhor maneira de entrar em

contato com ela. O hotel só tinha informações de Madame Eva. — Claro, eu vou ter certeza que ela o tenha de volta. —

Ele correu

para seu carro com o telefone dela, percorrendo sua lista de contatos. Vários números foram listados como trabalho, mas ele encontrou apenas dois outros números: seus pais e sua melhor amiga, a amiga que a encorajou a ir para o encontro. Ele nunca iria dizer a seus próprios pais sobre o encontro, mas esta foi a Terra. Será que Carrie discutiu isso com alguém?

Capítulo Onze

Carrie pensou em ir para casa, mas ela não podia ficar sozinha. Ela precisava de alguém para conversar, e a única pessoa que a entendia era Tamara. Querendo chamá-la para se certificar que sua melhor amiga estava em casa, Carrie descobriu que ela tinha perdido seu celular. O pensamento de


voltar para o hotel para procurá-lo fez seu estômago se retorcer. Talvez mais tarde, quando ela soubesse que Frey tinha ido. Ela não podia encará-lo. Ela se recusou a dizer adeus. No hall de entrada do prédio de Tamara, ela tocou. — É Carrie. Você está sozinha? — Sim, meu encontro acabou de sair. Venha para cima. Ela subiu as escadas para o segundo andar, esperando que o movimento constante iria manter suas lágrimas na baía. Ela não deveria ter esperado tanto sair de seu caso de uma noite. Quando a amiga abriu a porta, as comportas estouraram.

— Oh, Querida, foi tão ruim assim? —

Tamara

colocou um braço em volta de seus ombros e guiou-a para dentro do apartamento. — Não, foi ótimo. Eu não queria que acabasse. Tamara parou e olhou para ela como se ela tivesse crescido outra cabeça.

Então por que você está aqui? Por que não está ainda no seu

encontro? Ela se jogou no sofá. — Eu não queria ter de dizer adeus. Sua amiga se dirigiu para a cozinha. — Eu não entendo. Se ambos tinham um bom tempo, por que não poderia saírem de novo? Por que você tem que dizer adeus? Ela voltou com um pote de sorvete e duas colheres.

— Sorvete, tão

cedo? — Sempre é um bom momento para tomar sorvete. Carrie levou uma colher.

Este é exatamente por isso que vim

aqui. Você sempre parece saber o que eu preciso. — Sim, bem, eu preciso de detalhes.


Ela deu uma colherada de sorvete na boca. — Nós nos encontramos. Depois nós .... tivemos relações sexuais, ele deixou claro que foi apenas uma noite. Então, ele adormeceu. Encarei isso como minha deixa para sair. Eu não queria que as coisas fossem estranhas quando ele acordasse. — Eu sinto muito. —

Tamara inclinou-se e abraçou-a. — Eu sei

que você estava esperando mais, mas pelo menos você teve uma noite de muito sexo. Carrie assentiu, enxugando as lágrimas. — Tudo sobre a noite tinha sido ótima, até o fim. — Então me diga sobre o assunto. Como ele era? —

A memória

trouxe um sorriso ao seu rosto. Não apenas o sexo, mas as suas horas de conversa, o aprendizado de suas origens, e seu presente para ela. Seu presente. Eu realmente posso engravidar agora? Suas mãos se moviam sobre seu estômago enquanto Tamara olhou para ela em antecipação.

Foi .... cósmica, fora deste mundo. —

Ela

nunca diria a Tamara que o encontro veio de outro planeta. Quem iria acreditar nela, afinal? —

Bem, exceto pelo fim, estou feliz que você tenha gostado do

encontro porque o meu foi uma droga. Ela estava tão envolvida em sua própria tristeza, que tinha esquecido de perguntar a Tamara sobre seu encontro. Agora ela se sentia como uma amiga horrível. — Sinto muito, o que aconteceu? — Não se preocupe. Eu sei que você esperava muito mais a partir do encontro. Eu, nem tanto. —

Carrie olhou para o relógio, confusa. — Se

seu encontro foi tão ruim, como é que você acabou de chegar em casa? — Os olhos de Tamara se iluminaram. — Eu conheci alguém no restaurante e passei a noite com ele.


— Você passou a noite com um desconhecido? —

Ela tinha feito a

mesma coisa, mas o encontro aconteceu depois de semanas de planejamento. Não foi por capricho. Então, novamente, Tamara ficou aberta para um namoro fora do seu tipo habitual, e tinha sido desinibida sexualmente desde que ela voltou de Las Vegas. — Não é estranho, recorda do meu caso de uma noite que eu te falei? —

Ela assentiu com a cabeça. Sua amiga irradiava entusiasmo.

Bem, eu estava escondida no banheiro por causa do meu encontro. Ele continuou balbuciando sobre mosca de frutas e acasalamento. A única vez que ele calou a boca foi para conferir todas as outras mulheres no restaurante. Quero dizer, Olá, eu tenho muito para ele olhar. Enfim, quando eu finalmente tive coragem suficiente para voltar para a mesa, saindo do banheiro eu corri para a direita e tropecei em Josh. Ele está aqui a negócios. Ele disse que sua reunião de negócios estava quase no fim e perguntou se eu queria jantar com ele depois. Ela encontrou um vislumbre de esperança. Ela nunca poderia ver Frey novamente, mas ela podia sair e namorar como Tamara, e encontrar o cara certo e ter a família que ela sempre sonhou. — Então o que você fez sobre o seu encontro? — Eu paguei pela minha parte da conta e deixei-o sentado ali. Josh encontrou-me no café, uma hora mais tarde e voltamos para seu quarto de hotel. A amiga dela brilhava, o mesmo brilho que ela teve após o sexo com Frey. — Você vai vê-lo de novo? — Eu não tenho certeza, mas quando eu lhe disse que estaria lá no próximo mês, ele disse que eu poderia ficar com ele. Trocamos nossos números. Eu acho que isso significa que não há nenhuma mulher em sua vida agora.

Seu humor iluminou devido a felicidade de Tamara. Elas se


sentaram no sofá e assistiram reprises de Firefly no canal sci-fi, enquanto terminavam o pote de sorvete. Suas pálpebras ficaram pesadas de uma noite sem dormir. Ela levantou-se. — Eu estou indo para casa. — Você pode ficar aqui, —

Tamara ofereceu. Seu telefone tocou

uma canção de rock antes de Carrie pudesse responder. Sua amiga agarrou-o da mesa e olhou para ela. — Espere. —

Ela foi até a cozinha para falar, em

seguida, colocou a cabeça para fora e sussurrou:

É Frey. —

Seu

estômago se contorceu. Por que seu encontro estava chamando Tamara e como foi que ele obteve o número?

— Gostaria de falar com ela? —

Tamara

perguntou para ele. Quando Tamara voltou para a cozinha, ela assumiu que a resposta foi não. Grande! Agora meu encontro de 1 noite está tentando marcar um encontro com minha melhor amiga. Talvez ele pensava que as meninas da Terra fossem realmente fáceis. Ela foi até a cozinha para dizer adeus a Tamara, mas viu sua melhor amiga escrever no bloco de notas da geladeira.

Ela

engoliu o nó em sua garganta. Eles não estavam fazendo isso por atrás de suas costas, eles estavam planejando um encontro na frente dela. Pelo telefone dela. Deve ter sido como ele encontrou o número de Tamara. E ela falou de sua melhor amiga, para ele, também. Depois de pegar a bolsa na sala de estar, ela correu para a porta. Tamara entrou na frente dela. — Ah, não, você não. Você não está saindo como você fez com Frey. — Eu não vou ficar aqui enquanto você marca um encontro com a minha aventura de uma noite. — deixou cair.

Lágrimas se formaram, mas sua raiva não


— Oh, Querida, eu sinto muito que Peter roubou tanto a sua autoconfiança que você pensaria que eu consideraria, namorar alguém que tinha estado com você. —

Ela colocou os braços ao redor dela. — Eu nunca faria

isso com você. Carrie queria se esconder debaixo de uma pedra. Ela realmente disse isso a sua melhor amiga?

— Eu sinto muito. Eu estava tão decepcionada com

a forma como meu encontro terminou. Nenhuma desculpa iria compensar sua acusação.

— Sim, bem Frey

também estava. Ele esperava que você estivesse lá quando ele acordasse. É por isso que ele não iria falar com você, ele estava com medo que você desligaria na cara dele. Ele não sabia o que ele tinha feito de errado. Ela deu um passo para trás. Se ela tivesse interpretado mal tudo? Tamara entregou-lhe um pedaço de papel.

Ele quer que você

passe em sua casa. Você tem que ir lá de qualquer maneira, pois ele tem o seu telefone. —

Ela devia fazer as coisas direito com Tamara, mas a exaustão

oprimia ela. Cansada demais para lidar com Frey, ela queria chegar em casa e ir para a cama antes que ela dissesse alguma coisa, ou ela ia se arrepender. — O que ele quer? —

Além de lhe dar o telefone de volta? Ele quer falar com você.

Tenho a sensação de que ele estava procurando por mais do que um caso de uma noite, também.

Capítulo Doze


Com a sua imagem humana, Frey estava tão ansioso que ele não conseguia parar de passear em frente à janela. Será que Carrie apareceria e se o fizesse, ela iria apenas levar seu telefone e deixá-lo de novo? Ele deu uma olhada ao redor de seu pequeno bangalô. Com o telefone dela na mão ele sentou-se no balcão que dividia a sua sala de estar da cozinha. Isso lhe daria a chance de convidá-la para entrar, nada parecia estar fora do lugar, mas assim mesmo ele andou pela casa para certificar-se, sentar-se se revelou impossível. Quando ele saiu do banheiro depois de limpar a pia, pela quinta vez, ele ouviu um carro parar na sua garagem. Quando ela saiu de seu carro, ele decidiu deixá-la tocar a campainha antes de abrir a porta. Ele não queria parecer muito ansioso. —

Oi — Sua garganta estava apertada. Seu sorriso fraco não fez

nada para esconder seus olhos inchados e vermelhos. Ele involuntariamente tinha causado dor a ela e agora ele precisava fazer tudo melhorar. Ele queria puxá-la em seus braços e absorver toda a sua dor. Em vez disso, ele esperou pela resposta dela. Ela olhou para seus pés. — Você tem meu telefone? Bem, ele se recusou a deixá-la ir tão facilmente dessa vez. — Sim, venha enquanto eu busco-o para você. —

Ele voltou para o hall de entrada

com seu telefone e encontrou-a apenas alguns passos dentro da porta.

Carrie, precisamos falar sobre a noite passada. Lágrimas se formaram em seus olhos.

Estou muito grato pelo

presente .... que você me deu. Eu sempre vou lembrar de você por isso, e a noite maravilhosa que passamos juntos.


Incapaz de segurar por mais tempo, ele colocou o telefone em cima da mesa e puxou-a em seus braços. Ele beijou sua testa, em seguida, beijos do seu rosto aos lábios. Ela respondeu brevemente antes de se afastar. — Eu não posso fazer isso. —

Seu coração estava rasgado, mas

seus braços não iriam deixá-la ir. — Por quê? Você tem medo de quem eu realmente sou? Será que estar com um alienígena enoja você? Sua expressão mudou para chocada.

Não, a noite passada foi

muito especial. Eu não tenho problemas com o que você é. Eu nunca vou te esquecer. Ele baixou as mãos até a sua cintura e a manteve na frente dele. — Então por quê? Porque você não pode ficar comigo? — Eu entendo porque você quer experimentar outras mulheres, mas eu não quero ser jogada fora quando você estiver satisfeito. Eu não posso lidar com isso de novo. É mais fácil te deixar agora e lembrar-me da nossa aventura de uma noite. —

Descansando a mão sob o queixo, seu polegar roçou sua

bochecha. Seu coração ainda estava tão frágil depois do que o seu marido tinha feito, mas ele não podia deixá-la ir embora. — Há uma razão que eu levei tanto tempo para encontrar meu par perfeito. Relacionar-se com eu sendo um alien, mas há muito mais envolvido. — Por que, então? —

Mesmo à beira das lágrimas, suas palavras

frias a traspassaram. — Por que eu deveria me sentir especial que você me escolheu para ter sexo?


Ele se inclinou para beijá-la no pescoço, e em seguida, moveu os lábios em sua orelha. — Não só eu queria encontrar uma mulher linda para compartilhar o meu presente, porque eu estava procurando por mais do que um caso de uma noite. Ginnunians procuram por companheiros para a vida.

Ela engasgou. Ela tivesse ouvido corretamente? — Para a vida? Seus beijos leves no pescoço enviaram sensações emocionantes através de seu corpo, chegando ate entre suas pernas. Ela resistiu à tentação. Ela não queria passar por toda essa dor novamente. — Por que eu deveria acreditar em você? —

Ele ficou em pé. Suas

mãos descansaram em seus braços e ele a segurou com seu olhar. As piscinas negras de emoção voltaram. Ela viu seu medo, seu desespero.

Eu não posso fazer você acreditar em qualquer coisa, mas

Carrie, você é minha única companheira. Eu nunca terei outra e nunca vou estar com outra. Se você não ficar comigo, eu vou viver e morrer sozinho . Depois de apenas uma noite, olhando em seus olhos alienígenas reveladores, ela sabia que ele não estava mentindo. Eles diziam tudo. Ela inclinou-se em seu peito e ele a rodeou. Seu corpo deu lugar ao cansaço e as lágrimas corriam. Ele beijou-as, ela perguntou: — Então o que


vamos fazer agora? Será que vamos namorar? Será que vamos morar juntos logo? Como se tivesse lido sua mente, sua boca esmagou a dela, seu beijo entorpeceu seus pensamentos. Ele a pegou em seus braços. — Não vamos nos preocupar com o futuro ainda. Parece que você precisa dormir. — Ele a levou para o seu quarto e a deitou na cama. Ele deitou atrás dela, moldando seu corpo ao dela, ele mudou para a sua forma alienígena. Este é o meu Frey agora. Seus azuis, dedos alongados pentearam levemente seus cabelos, trazendo-lhe uma sensação de paz. Então ele colocou a mão em sua barriga. Ela fechou os olhos e ouviu-o sussurrar: — Descanse agora, meu amor, porque em nove meses o nosso bebê vai nascer.

Fim


O Cowboy da Marinha Sempre um fuzileiro naval - Livro 7 Heather Long Recusando o lugar de Mike Dallas, o sargento AJ Turner deixou o Iraque por livre arbítrio, para ir ao Wyoming com um objetivo em mente e esquecer os últimos cinco anos. Trocando seus MARPATS para jeans e sua capa por um chapéu de cowboy, ele planeja trabalhar em seu rancho e orar para a grama verde, árvores altas, e as montanhas doces lavar o gosto do deserto. A última coisa que ele esperava era uma lembrança de uma promessa feita a seus amigos: uma noite para ajudá-los a começar tudo de novo. Sheri Vaughn deixou o emprego corporativo, vendeu a casa e mudou-se por um capricho. Seis meses depois de seu divórcio, ela está quase pronta para colocar o pé nas águas do namoro novamente. Uma garrafa de vinho mais tarde, porém, ela se inscreve para o serviço de encontros 1NS da Madame Eva e enumera um conjunto muito particular de qualidades que ela quer em um homem, ele deve ser honrado, corajoso, sincero, solteiro, ter servido como fuzileiro naval, mas ser um cowboy no coração. Se ela quiser sonhar, pelo menos ela pode sonhar grande. Mas quando o herói local AJ Turner chega em casa, Madame Eva entra em contato e Sheri tem de encontrar a coragem para tornar seu sonho uma realidade ... Pode uma noite, até mesmo uma noite organizada por Madame Eva, cumprir tanto uma promessa e um sonho?


Série – Sempre Um Fuzileiro Naval 01 – Uma Vez seu homem, Sempre seu homem 02 – Retire-se inferno! Ela acabou de chegar 03 – Diga para o Fuzileiro 04 -Orgulho de Servi-la 05 -Seu Fuzileiro 06 – Sem Arrependimentos, nenhuma rendição 6.5 – Feliz Natal Fuzileiro, Sempre fiel & Boa Noite 07 – O Cowboy da Marinha - postado 08 -Os Dois Orgulhosos 09 – O Fuzileiro e o Cavalheiro 10 - Whiskey Tango Foxtrot 11 – A barbie Combatente 12 – O Caso do fuzileiro 13 – Que parte de FUZILEIRO você não compreende? 14 – Fuzileiro para Sempre 15 – Fuzileiro ao Vento 16 – Um Fuzileiro com Benefícios

Nota : A Série não tem uma sequência, por este motivo será postada fora de ordem. Postadas conforme forem ficando prontos.


Capítulo Um

Com os freios sibilando, o ônibus rodou até parar. A.J pegou a mochila do assento ao seu lado e fez seu caminho até o corredor da Greyhound. O motorista deu um sorriso amigável e um aceno quando passou em seu caminho, então o sol o atingiu quando ele entrou no ar livre. O antigo depósito, cerca de uma milha fora, Wyoming, era cercado por grama verde até a beira do velho asfalto da estrada de duas pistas. Ele inclinou a cabeça para trás, bebendo o ar fresco, o sol quente, e o silêncio. Deus abençoe o silêncio. Nenhum homem ia aproximar-se do que aconteceu no relógio. No tiroteio. No murmúrio de vozes estranhas. Nada para irritar os nervos em carne viva, depois de cinco anos, com poucas pausas no calor escaldante e desolações do Iraque. Abrindo os olhos, ele observou as montanhas ao longe, uma vista ininterrupta de beleza, verde e de liberdade. Tomando três respirações profundas do ar fresco e puro da montanha e quase se sentia como um novo homem. Ele ergueu a mochila sobre um ombro e começou a andar. A forma exterior da cidade ficava mais visível a cada passo que dava. Ele empurrou a porta para a Lua Azul Café e entrou com o tilintar do sino. Bud Gaines olhou de trás do balcão e lhe atirou um sorriso de boas vindas.


— Bem, eu vou ser um filho da puta! Olha o que o vento arrastou para dentro. A.J. atravessou a sala e pegou a mão estendida do homem mais velho em um aperto firme. —Ei, Bud. —Ei você aí, você mesmo. Por que você não me avisou que estava vindo para casa? As palavras carregavam uma década de castigo. A.J passou metade de sua juventude em conflito ou sendo elogiado pelo proprietário do café, um grande amigo de seu pai. Quando o pai dele morreu há 10 anos, Bud entrou até a placa e deu AJ um ombro amigo quando ele precisava e deixou-o sozinho, quando ele não o queria. —Não queria fazer barulho. É café fresco? Ele sentou sobre um tamborete e deixou sua bolsa no chão a seu lado. Bud respondeu com uma expressão sinistra, que dizia “claro” e encheu uma caneca nova para ele. —De licença? —Não... Estar em casa é bom. Ele olhou ao redor do café. A calmaria no meio da manhã estava em pleno vigor. Seu olhar pegou um monte feminino de cabelos escuros em uma cabine próxima a janela. Ela lia um livro e nem sequer olhou para cima. Definitivamente, uma recém-chegada. Todos os veteranos deram-lhe um aceno amigável ou pelo


menos o reconheceram com o olhar. Ele se virou para Bud, olhando por cima da borda de sua xícara de café. —Haverá barulho tão logo Mattie saiba. Bud podia não ser tão apaixonado por seus irmãos, mas AJ era um dos favoritos de Mattie. Ele trabalhou no Rancho Misbegotten Gaines durante todo o ensino médio e, dois anos em seus estudos na faculdade comunitária. Antes que ele conversasse com um recrutador. Antes dele sair para Parris Island. Nos sete anos seguintes, ele não esteve em casa, nem uma vez. Mas ele viu os postais presos ao quadro de cortiça de Bud na parede de trás, todos enviados por AJ desde a sua formação até a implantação. —Bem, espero que eu esteja em casa antes dela ficar sabendo disso. Quantos cavalos me restam? Tinha havido um rebanho de mais de uma dúzia, todos treinados por ele. Dois garanhões, éguas e duzentos hectares espalhados, demarcado por seu pai que eles tinham compartilhado até a morte do homem. Não era muito, mas era sua casa. Bud limpou o balcão e deu-lhe um sorriso torto. —Resta? Tente cerca de cinquenta cabeças na última contagem de Jamie. Brady foi cuidar deles. Ele joga de MGR1 quando o tempo vira, mas por outro lado, eles ainda estão em execução na propriedade Turner. Você teve quatro novos potros nesta primavera. Cinquenta. A.J sorriu, o movimento desconhecido para sua boca, relaxando-o pela primeira vez desde que ele assinou os documentos de quitação e aceitou os parabéns de seus colegas. Ele acreditava que precisava disso para começar 1

Pelo que eu pesquisei é uma sigla para gerencia.


do zero. Cinquenta significava que ele estaria trabalhando de sol a sol. Quente, suando, um trabalho honesto. —Eu vou lhe fazer uma chamada e deixá-lo saber que eu estou em casa. Ele terminou o café e abaixou a xícara. Bud deslizou um chaveiro com a moeda de ouro que servia de relógio. Escavando-o, ele se levantou. —Obrigado por tudo, amigo. —Você precisa de uma carona? —Não, senhor. Acho que vou andando. Dezesseis quilômetros não iriam demorar muito tempo e ele poderia utilizar o trecho. Ele havia tomado ônibus por todo o caminho de Dallas depois de recusar a oferta de trabalho do capitão Dexter e estava saudoso dos locais familiares das montanhas e vales de sua casa. Ele apreciou o que o homem construiu com Mike Place. Ajudar os veteranos e suas famílias era um trabalho honroso, mas AJ precisava ficar longe de tudo isso, estar de volta onde ele pertencia. —Não seja tímido, rapaz. Você sabe onde eu estou, se precisar de mim. —Sim, senhor. Ele pendurou a bolsa no ombro e encontrou a mulher com o livro o olhando, quando se virou. Ele encontrou doces olhos castanhos, com um sorriso amigável e levou a mão à cabeça, como se ele usasse um chapéu. —Minha senhora. Seu sorriso espontâneo perfurou a consciência através dele. Ele viu a solene expressão pensativa se transformar em algo fresco e ensolarado. Um homem poderia apreciar um sorriso como aquele.


Mas ele colocou pensamentos da nova garota fora de sua mente quando deixou o café e cruzou a rua. Ele conhecia o caminho para a sua fazenda como a palma da sua mão e estava ansioso para vê-la novamente. Sheri tomou um gole rápido de seu frio café para cobrir os soluços que dispararam através dela quando o estranho robusto olhou diretamente para ela. Santo inferno em uma cesta de mão. Seu olhar o seguiu quando ele deixou o café e cruzou a rua. O jeans que ele usava não tinha sido pintado com tinta spray em sua bunda, mas eles definitivamente davam uma grande visão do músculo duro e da confiança masculina. Ele andava como se fosse dono da cidade, mas sem qualquer indício de ser pretensioso. Era um homem que valorizava seu livre arbítrio. Ela não sabia quem ele era. Ela pensou que depois de seis meses, conhecia a maioria dos moradores, mas ela teria se lembrado dele. —A.J. Turner. Bea derramou café fresco em seu copo, aquecendo-o. Sheri gastou quase todas as manhãs no café lendo antes de andar um quarteirão abaixo para abrir a biblioteca. Negociações de seu trabalho como um executivo em uma empresa da Fortune 500 para ser uma bibliotecária de uma cidade pequena não sugeriam trajetória ascendente, mas a cidade pequena curou seu quebrado interior vazio deixado por seu ex-marido e outras coisas. —O herói de guerra? — Ela piscou e olhou para a janela, mas ele já tinha desaparecido. —Esse mesmo. O menino não veio para casa desde que se foi e não contou a ninguém que estava voltando também. Bea estalou a língua e assinou sua conta. O café preferia o velho


método do papel e caneta, e desde que Sheri comia frutas e bebia café todas as manhãs, o preço era sempre o mesmo. —Ele serviu o que? Curiosa, ela olhou para a garçonete. Bea tinha nascido, casado, dado à luz a seus filhos, e enterrou seu marido, em Livre Arbítrio2. Ela era fixa na cidade e não ia a lugar nenhum. Ela também tomou Sheri debaixo de sua asa desde o dia que ela chegou, tratando-a como uma velha amiga ou uma filha. —A marinha, querida. Aquele jovem é definitivamente um dos mais orgulhosos de Livre Arbítrio. — Ela piscou e voltou a trabalhar. Um fuzileiro naval. Um tremor correu sobre ela e seu estômago parecia querer sair do corpo. A mensagem em espera no seu e-mail naquela manhã de Madame Eva fez muito mais sentido. Mordendo o lábio, ela se esforçou para olhar para baixo na rua. Ela desejou ter prestado mais atenção quando ele entrou, mas ela só tinha um bom vislumbre de seu rosto quando ele se virou e a pegou o olhando. Suas bochechas se aqueceram com a memória. Ele chamou sua atenção no momento em que entrou no café. Ela tinha percebido o fio muscular em seus braços, tensos e bem definidos, mesmo enquanto bebia uma xícara de café. O homem era lindo e usava sua masculinidade como uma segunda pele. Mas seu sorriso... Seu coração se apertou. O sorriso educado vincando seu rosto robusto o transformou de bonito para um galã completo. Seu corpo cantarolava em reação. Tudo com um sorriso. 2

Nome da Cidade. Deixarei em maiúsculo para fácil entendimento.


Uau. Ele apenas voltou para casa, Sheri. Segure seus hormônios. Nem mesmo uma palestra mental poderia diluir o efeito do homem. Ela fechou o livro e contou algumas notas para pagar a conta. Acenando para Bea e Bud, ela saiu. Ainda faltava uma hora para abrir a biblioteca, mas ela queria usar o computador para responder o e-mail de Madame Eva.

Senhorita Vaughn, Depois de uma análise cuidadosa e de uma pesquisa, o seu pedido para á 1 Stand Night foi aprovado e uma partida para suas necessidades específicas identificada. Por favor, responda a esse e-mail, se você ainda estiver interessada.

Era isso. Sem assinatura, nenhum número de telefone para chamar e as perguntas para mulher. Ela tinha recorrido ao serviço de namoro com uma lista excepcionalmente específica de requisitos. Excepcionalmente. Na verdade, tão específica que Sheri pensou que ninguém poderia cumpri-las. As chaves tremeram em sua mão quando ela abriu a porta e se deixou entrar no edifício silencioso. Seu escritório e a recepção ficavam ao lado da porta. As pilhas eram silenciosas e escuras, com cerca de vinte e cinco linhas curvas ao redor da mesa de canto. Ela iniciou o computador e deixou sua bolsa, chaves e livro ao lado dele. —Vamos — ela insistiu. A máquina ligava com a velocidade de um modem de 300 mb. O ritmo mais lento geralmente não a irritava. Após o login, ela abriu uma página e digitou em seu e-mail as informações.


Três minutos depois, ela leu a nota da Madame Eva novamente. Ela ainda perguntava se ela estava interessada. Clicando no e-mail acima, reviu a sua candidatura.

Estou à procura de um homem único, aquele que é ao mesmo tempo herói e de uma cidade pequena. Ele deve ser honrado, corajoso e franco em suas atividades. Ele deve ser único. Tudo bem se ele for divorciado, mas não se o divórcio foi por culpa dele. Sem homens adúlteros. Ele deve ter servido o seu país como um fuzileiro naval, mas ser um cowboy em seu coração. Este é o homem que eu quero passar meu encontro de uma noite.

Ela bebeu uma garrafa inteira de vinho para escrever essa lista e ela não tinha enviado até lê-lo sóbria na manhã seguinte. Ela queria um herói de bolso, um homem igual ao dos romances, e ela queria encontrá-lo na pequena cidade de Livre Arbítrio. Certa de que o serviço nunca seria capaz de cumprir essa fantasia, ela o enviou. E então ela se esqueceu, porque ela nunca esperou que algo acontecesse. O pedido caprichoso veio de um momento de fraqueza e profunda solidão. Ela queria um homem que iria beijá-la, como ele queria, abraçá-la como se ela importasse, e fazer amor com ela como se ela fosse a única mulher para ele. Mordendo o lábio, ela voltou a sua questão. Uma imagem de A.J e seu sexy sorriso encheu sua mente e seu estômago revirou. Ela olhou para o pequeno búfalo de pelúcia sentado em cima do monitor, como se ele fosse dar-lhe a resposta que precisava. Com dedos trêmulos ela digitou uma palavra.


Sim. E clicou em enviar antes que ela pudesse mudar de ideia.

Capítulo Dois

Uma semana depois...

A.J pregou a placa com três batidas rápidas do martelo e se moveu para a próxima parte. No geral, o Rancho Cavalo Manchado não era mesmo um quinto do tamanho do lugar de Gaines, mas ele estava em casa. Seu avô, e mais tarde seu pai, o ensinaram, ele cresceu trabalhando tanto quanto um corpo podia suportar. Eles não tinham empregados ou contratados, preferindo fazer os trabalhos por si próprios. Ele tirou a camisa suada uma hora antes. Um cinto de ferramentas estava baixo em seus quadris, o peso era confortável. As luvas de trabalho abraçavam suas mãos, e o chapéu de cowboy que ele usava cobria seus olhos, mantendo o sol de fora. Subindo antes do amanhecer, ele estava determinado


a terminar o novo cercado para que ele pudesse trazer os filhotes para iniciálos. Um relincho do pasto puxou seu olhar para cima. Um caminhão atravessava a longa estrada. Ele suspirou seus dias de silêncio feliz, a cerveja com Brady, não obstante, estava prestes a ser interrompido. A década de idade do caminhão bateu lentamente ao longo dos sulcos na estrada. Ele precisava dar um grau na estrada antes do inverno. —AJ — Mitch Cramer, o antigo carteiro da cidade acenou da janela aberta do veículo. As rugas no rosto do homem eram uma prova de sua longevidade. — Como você está garoto? Para ele, assim como muitos dos veteranos, AJ sempre seria apenas um menino. Pendurando o martelo em seu cinto, ele tirou as luvas de trabalho e foi até o caminhão. —Estou bem, Sr. Cramer. Muito bem. Como está a Sra. Cramer? Rosey Cramer estava ensinando no jardim de infância na escola local há quase 45 anos e, na última contagem, não parecia ter quaisquer planos de parar. —Aposentando-se. — Cramer sorriu amplamente. —Nós trouxemos nossos bisnetos de Jackson Hole e ela quer passar mais tempo com eles. Isso era novidade para ele. Ele tinha ido para a escola com Veronica e Chet, os netos de Cramer. —Sério? —Ronnie teve trigêmeos. — O sorriso do homem parecia crescer dos pés. — Duas meninas e um menino. Muitas fraldas e tricô a serem feitos. —Parabéns. — Ele apertou a mão do homem novamente. — Por favor,


passe minhas felicitações para Ronnie. —Vou passar. Ah, e antes que eu me esqueça... — Ele pegou um pacote de correio no assento ao lado dele. Amarrado por uma corda grossa, o pacote mostrou uma carta de Allen, Texas, endereço de retorno. — Eu não estaria trazendo isso aqui, mas a letra aqui foi marcada como urgente. Você se lembre de vir para a cidade aos sábados, para pegar sua correspondência. Minha Rosey ainda faz no sábado. Aceitando a pilha, ele acenou com a cabeça. —Sim, senhor. Vou me lembrar. Tarefa feita, o Sr. Cramer lhe deu uma outra olhada e foi embora. Ele não se demorou a ser social, ele levava seu trabalho como um trabalhador postal a sério. Dirigir todo o caminho para o rancho foi um favor, e que ele provavelmente não iria repetir a não ser por outra entrega "urgente". Limpando o suor do rosto com um lenço, AJ se dirigiu até a varanda com o telhado inclinado. Ele pegou uma garrafa de água da geladeira e tomou um longo gole, em seguida, cortou a fita segurando as cartas juntas. Reconhecendo a escrita do capitão, ele cortou sua carta primeiro. O resto podia esperar. Uma folha de papel saiu com uma única linha.

Ligue o maldito telefone. - L.

A.J suspirou. Ele desligou o telefone celular em seu primeiro dia de volta à cidade. Ele não tinha perdido tempo. Na verdade, salvo duas viagens para a cidade para pegar suprimentos e uma cerveja com Brady, ele evitou falar com todos. Nem mesmo a bibliotecária cujo nome ele descobriu ser Sheri. Potts da mercearia lhe disse muito sobre as mudanças em Livre


Arbítrio quando ela o pegou olhando para ela sobre o produto. Guy Wilks da estação de gás a mencionou. Seu carro precisava de uma mudança de óleo e ela estava lá, também. Na verdade, ambas às vezes em que ele tinha ido para a cidade, ele a tinha visto por toda parte. Talvez ele passasse pela biblioteca e pegasse um livro em sua próxima viagem. Ele colocou a carta sobre a mesa da varanda e sentiu-a como uma pedra. O telefone celular estava no interior, jogado em uma gaveta no hall de entrada e esquecido. Ele seguiu a sujeira no chão de entrada, mas ele poderia varrer mais tarde. O interior da casa precisava de mais trabalho do que o exterior. Mas o inverno chegava mais cedo em Wyoming, e ele poderia esperar e repintar os andares quando a neve caísse profunda demais para se fazer qualquer outra coisa. Mantendo pressionado o botão de energia, ele levou o celular de volta para fora, e se sentou no balanço da varanda. Um bocejo esticou seu queixo. O telefone vibrou com uma mensagem de texto depois a mensagem apareceu na tela. O nome de Logan apareceu. Depois James. Em seguida, Lucas três ou quatro vezes. Ele tinha perdido mais de uma dúzia de chamadas e quase o mesmo em mensagens de voz. Fazendo uma careta para a tela, ele lutou contra a tentação de guardar a maldita coisa de novo. Mas o capitão não iria enviar uma carta se ele não precisava de alguma coisa. Todas as mensagens de voz eram de Lucas. Bebendo mais um gole de água, ele verificou as mensagens de texto em primeiro lugar. Lucas era simples.


Atenda o telefone ou ligue de volta. Escolha um.

Elas eram mais curtas e mais concisas para o fim, mas, essencialmente, a mesma mensagem. Um número desconhecido enviou duas mensagens de texto também.

Seu encontro de uma noite foi arranjado. Por favor, reveja o e-mail para mais detalhes.

Seu o quê? Ele discou o número de Lucas da memória e secou a garrafa de água quando o telefone tocou na outra extremidade. —Dexter. —Capitão. O que está acontecendo? —Você ligou o telefone. Bom. Madame Eva vem tentando falar com você. Ele ouviu uma mulher rir e murmurar alguma coisa e uma resposta igualmente abafada do capitão. Provavelmente falando com sua noiva. —Quem? —Madame Eva-Evangeline, a senhora que executa o serviço de 1NS. Empurrando o chapéu para trás, AJ coçou a cabeça. —Não quero soar estúpido, mas do que diabos você está falando? Lucas riu. —Não se faça de idiota. Nós conversamos sobre isso, cerca de dezoito


meses atrás agora. Nós todos nos inscrevemos. Ele não estava se fazendo de bobo. Jogando a garrafa vazia na lixeira, pegou outra no refrigerador e pressionou a garrafa fria na parte de trás do seu pescoço. —Sério capitão? Dezoito meses atrás, eu estava atravessando munições e suprimentos entre Mosul e Bagdá. —Perkins queria se inscrever para um serviço que correspondia casais que procuram uma noite juntos. Ele queria o encontro, mas não acho que ele estava pronto para fazê-lo. Quando ele voltou atrás na ideia, disse que faríamos isso, toda a unidade. Uma vaga lembrança coçava na parte traseira de sua mente. Algo como que... —Encontros? —Soa familiar agora? O fácil humor de Lucas relaxou a tensão nos ombros de AJ. —Vagamente. Mas eu ainda estava na caixa de areia. Ele se inscreveu, mas não pensou em nada disso. Ele foi embora, sem uma data de licença à vista, mas a solidariedade os mantinha juntos. —Eu sei. Nós colocamos isso na sua aplicação e quando você mandou dizer que tinha assinado os papéis de dispensa, eu atualizei o perfil ativo. Se qualquer outro homem lhe disse-se isso, AJ seria duramente impulsionado a quebrar seu nariz. —Você fez o quê? — Sua voz estava suave e tranquilo. —Eu te marquei como ativo. Você concordou A.J. Com tudo o que fizemos.


O humor suave fugiu, substituído pelo tom duro de um comandante, que ele tinha seguido durante anos. —Luke, eu aprecio isso. Mas eu só cheguei em casa agora. Eu tenho muito trabalho aqui, e eu não tenho tempo para voar de volta para Dallas. Talvez ele levasse um fora depois de tudo. —Você não precisa. Verifique suas mensagens. Madame Eva está tentando entrar em contato com você. Parece que alguém em Livre Arbítrio pode estar procurando um pouco de amor descompromissado. Uma imagem da bibliotecária sexy surgiu em sua cabeça. Ele tinha conseguido uma boa olhada em um par de pernas longas e magras na mercearia e seios ainda mais generosos quando ele a tinha visto no posto de gasolina. Seu cabelo castanho-avermelhado se recusava a ficar confinado a uma trança e fugia em pequenos cachos que ele queria ver espalhadas sobre um travesseiro, enquanto ele se afundava em seu corpo. —Você não está se retirando, sargento? — A voz de Luke fazendo um desafio em que ele sabia que AJ não rejeitaria. —Não, senhor. Eu não estou. Vou checar as mensagens. Por alguma razão ele tinha feito um compromisso com a sua unidade, ele se lembrasse disso ou não. Outra imagem da curva doce da bunda da bibliotecária se afastando dele se solidificou em sua cabeça. —Aproveite, A.J. Desfrute de estar vivo e em casa. É apenas uma noite, certo? —Sim, senhor. Ele desligou um par de minutos depois e ficou olhando para o telefone. Pensou em desligá-lo, mas ele era um homem de palavra. E foi bom conversar com Luke, para acompanhar o que os outros estavam fazendo. Ele


ainda não podia acreditar que o capitão foi contratado. Ele verificou o texto a partir do número desconhecido. Ele perguntoulhe sobre a sua disponibilidade. Era quarta-feira agora. Ele olhou para o cercado e os catorze seções onde ainda era necessário colocar tábuas. Se ele terminasse hoje e tivesse um encontro no fim de semana, ele poderia ir ver a bibliotecária depois da igreja. Será que ela vai à igreja? Sábado. Tarde ou à noite de preferencia, ele digitou. Isso lhe daria tempo para obter um corte de cabelo e alimentar os cavalos antes de ir. Ele hesitou. Era realmente justo com seu encontro que ele estivesse interessado em outra mulher? É apenas uma noite, A.J. O que pode acontecer em uma noite? Ele clicou em enviar e jogou o telefone em cima da almofada, em seguida, empurrou-se para fora do balanço da varanda e voltou ao trabalho. As placas de vedação não iam se martelar sozinhas.

Sábado à tarde? Pânico prendeu o ar em seus pulmões com um ataque de alergia. Ela agarrou o pacote marrom com seu lanche e jogou a comida fora antes de pegar o papel para ela respirar dentro dele. Ele amassou e sacudiu a cada inspiração e expiração forçada.


Por que ela disse sim? O que ela estava pensando? Seus dentes morderam sobre o lábio inferior, enquanto o bater de seu coração finalmente desacelerou. Ela deu uma olhada ao redor da biblioteca. A conversa de crianças brincando na parte de trás com suas mães era o único ruído do dia. Felizmente, não havia ninguém perto o suficiente para vê-la ou ouvi-la. Perto de uma aberração recostou-se na cadeira e olhou para o teto. Sábado à tarde, ela tinha um encontro para transar. Deveria acrescentar isso a sua agenda de compromissos? Ela riu descontroladamente do seu pensamento impróprio. Isso supondo que seu encontro fosse com A.J. Turner... Mas e se não for? Era Livre Arbítrio, quantos cowboys você viu nesta cidade? O som a sufocou e ela engoliu em seco. Mas não militares. Só A.J. Era o único da Marinha que ela sabia, uma boa correção, o único da Marinha sob a idade de sessenta anos. O ding em seu computador sinalizou um novo e-mail. Ela clicou para abri-lo. O encontro foi definido para quatro horas em uma cabana privada no Rancho Misbegotten Gaines. O calor penetrou em suas bochechas. O local ainda não tinha ocorrido a ela. A cabine privada significava que ela poderia evitar a casa principal e talvez qualquer sussurro de seu encontro. Mas era Livre Arbítrio... Como discreto poderia ser? Oh, meu Deus. O que ela devia vestir?


Capítulo Três

Antes das três A.J estava no chuveiro. Depois de uma ducha rápida para enxaguar o suor e um shampoo em primeiro lugar, ele tirou um tempo para fazer a barba. Ele se empurrou para terminar o cercado e guiou a primeira dos três novilhos lá uma hora antes. O celeiro tinha tinta fresca e todas as placas danificadas foram substituídas. Na primeira hora de segunda-feira, ele iria começar a trazer os novilhos para fora, levando-os usando um peso leve e muito mais. Quando ele raspou a barba por fazer, ele considerou encomendar um andador quente. Ele poderia construir um, mas isso iria reduzir seu tempo com os cavalos. Lavando os vestígios de creme de barbear, ele lavou seu cabelo mais uma vez e, em seguida, desligou o chuveiro. Quinze minutos depois, ele tirou as botas e colocou um Stetson preto na cabeça. Nada que um pouco de água e sabão não pudessem limpar. Ele repassou sua lista mental de tarefas. Cavalos alimentados. Bebedouros cheios. Garanhão jovem no celeiro para se acostumar ao seu novo espaço de treino. Luzes da casa desligadas. Chaves do caminhão na mão, ele considerou ir montando um dos cavalos para a cabine MGR onde ele deveria encontrar o seu “encontro”, mas um caminhão exigia menos cuidado e preocupações.


Não que ele se importasse se Gaines percebesse sua presença ou não, mas a senhora em questão podia. Livre Arbítrio oferecia muita liberdade aos seus residentes. Infelizmente, a ausência de fofocas não era uma dessas liberdades. Ele deixou a porta da frente destrancada e caminhou até a clássica caminhonete 1950. Ele se sentou no estacionamento da estrada em forma de U na frente da casa principal. O veículo pertencia a seu avô e seu pai antes dele. Um dia depois que ele chegou, ele foi até o motor para um pente fino, substituindo ligas podres e fazendo uma troca de óleo, contente de que Guy saísse a cada temporada para aquecê-la, colocando algum combustível fresco através de suas linhas e ajustando as correias. Ele a lavou naquela manhã em primeiro lugar, mandando para longe sete anos de poeira e testando o motor. Ele gostava das linhas suaves e de um passeio confortável. Ele também gostava de repará-lo e havia uma mais pesada SUV e picape moderna na garagem, se ele precisasse delas. O carro não possuia um CD ou fita, muito menos em qualquer lugar para a ligação de um telefone com MP3, apenas um rádio velho que pegava duas estações, país ou notícias. A.J não escolheu nenhuma delas. Ele abaixou a janela, colocou seu chapéu e saiu do carro para o longo e acidentado cascalho da estrada às três e meia. Ele chegaria cedo, mas isso lhe convinha muito bem, também. O passeio para a cabana levava menos de 15 minutos. Ele estacionou o carro e correu para dentro para verificar a configuração da terra. O jantar frio que tinha solicitado estava embalado cuidadosamente em sacos num pequeno bar que separava a cozinha da sala principal. Lenha empilhada no chão iria deixá-lo acender o fogo se eles


quisessem isso. O tapete de pele de urso estava convidativo na frente da lareira de pedra. Os lençóis da cama king foram trocados na espera e havia uma garrafa de champanhe, vinho e uma caixa de cerveja gelada na geladeira. Todas as bases foram cobertas. Ele não ouviu um pio do serviço, uma vez concordando com a noite, para salvar reconhecendo os planos que ele fez. Empurrando seu chapéu para trás, ele ignorou a cerveja por um momento e saiu para a varanda para esperar. A brisa veio das montanhas. O cheiro de pinho, grama verde, e uma pitada de água flutuaram pelo ar. À distância, os cavalos relincharam, mas as árvores amorteciam o som. Se ele não conhece a velha cabana sentia-se em uma das áreas mais exclusivas e cobiçadas da MGR, quase podia acreditar que ele estava sozinho. Os sons da natureza tomaram conta dele, dos nervos que, mesmo depois de uma semana em casa e no trabalho de quebrar as costas no rancho, permaneceram tentando relaxar. Um motor ronronou através do silêncio, mas não virou para a estrada de terra que levava até a cabine. Às 03:59, um galho estalou, e ele abriu os olhos para olhar para sua esquerda. Ele ia ser condenado. A bibliotecária estava ao lado de uma das árvores à beira da clareira da cabine, seu sorriso tímido e os óculos escuros empurrados para cima para revelar olhos arregalados e quase nervosos. Ela usava um vestido cereja, desnudando ombros brancos cremosos e braços longos. A saia roçava os joelhos, e onde ele esperava sandálias, ela usava um par de botas resistentes, de salto baixo. Ele aprovou. Feminino, mas inteligente. Sexy, mas sensata. Arrastando o seu olhar de volta para cima, ele viu doces olhos castanhos com um sorriso.


—Boa tarde, minha senhora. —Oi. Sua voz era doce. Engraçado, ele a viu por toda a cidade e esta era a primeira vez que ele realmente ouvia sua voz. Atravessando o pátio, lentamente, ela se verificava onde colocava seus pés. Ela deve ter descido de um ponto principal na propriedade. Se ele soubesse que ela precisava de um, ele teria oferecido uma carona. Inferno, se ele soubesse que ela era seu encontro, ele teria feito um esforço maior no planejamento. Este prometia ser muito mais interessante do que tentar vê-la depois da missa. —Sou A.J. Turner. Ele tirou o chapéu e estendeu a mão. Encontro de uma noite ou não, e ele preferia mais de uma, ela era uma dama. —Eu sei. — Ela deslizou a mão contra a dele, acariciando a palma de sua mão brevemente antes de fechar a mão e aceitar o aperto. — Sheri Vaughn. —Você é a bibliotecária. Ele sorriu. Sua pele era macia, quente e quase tão doce quanto o seu sorriso. Ele fechou seu aperto em sua mão e a segurou. Ela levantou as sobrancelhas, mas não protestou. —E você é da Marinha. —É um prazer finalmente conhecê-la. Estou muito feliz por ter religado meu celular. Um bonito, rosa pálido impregnou suas bochechas, e ela baixou o


olhar, escondendo seus olhos castanhos. —Eu sinto muito. Ela riu e puxou a mão. Ele a soltou, relutante. Ela passou a mão por cima do vestido e, em seguida, tocou seu cabelo. O nervosismo estranho era cativante. —Cheguei em casa e desliguei meu telefone. Eu tinha um monte de trabalho a fazer na fazenda e gostei da ideia do silêncio. Quase esqueci sobre o encontro. — Ele piscou, apreciando o rubor que se aprofundou em seu rosto. — Você gostaria de se juntar a mim na varanda? Que tal um drink? — Eu gostaria, muito obrigado. Ela caminhou em direção à cabana, com as mãos cruzadas atrás das costas. —Acho que isso explica por que demorou uma semana para responder. Ele colocou o chapéu de volta na cabeça e puxou uma das cadeiras de carvalho artesanais para ela se sentar. Felizmente, a varanda era grande o suficiente para se dar ao luxo de ter uma pequena mesa e cadeiras. —Minhas desculpas, minha senhora. — Ele passou os dedos em seu ombro enquanto ela estava sentada. —Se eu tivesse percebido, eu teria respondido muito mais cedo. Ela olhou para ele. —Por quê? Era muito cedo. Eles tinham acabado de se conhecer, pelo menos oficialmente. Mas a vontade de beijá-la atingiu seu sistema como um martelo implacável. Ele se inclinou e roçou sua boca contra a dela. Sua respiração tinha


gosto de hortelã e os lábios eram como pétalas. Sua inspiração rápida o encorajou, e ele massageava seus lábios lentamente, provocando-os separando-os até que sua língua pode sentir o gosto dela. Apoiando as mãos na cadeira, ele se concentrou apenas no beijo e a doce hesitação dela que se evaporou com um baixo gemido. Ela o beijou como uma brisa de verão, quente e convidativa. Desejo o partiu ao meio, e ele queria se afundar nela e passar o tempo assim, mas ele lhe prometeu uma bebida. Com relutância ainda maior do que sentiu quando soltou sua mão, ele recuou. Seus olhos castanhos estavam escuros e sonhadores quando ela encontrou seu olhar. —Porque eu queria fazer isso desde que eu a vi pela primeira vez no café.

O coração de Sheri parou e voltou a bater em seu peito. Os aromas de banho e perfume masculino a envolviam. A.J. piscou quando se levantou e desapareceu na cabana. Deu-lhe tempo para reunir suas células cerebrais dispersas para tentar ter algum pensamento coerente. Querido Deus, o homem sabia beijar. O calor correu através dela, em cascata com a consciência do formigamento que ele deixou. Ela esfregou o


polegar contra o lábio inferior. Era como se ela ainda pudesse senti-lo tocá-la. —O que você quer beber? — Sua voz flutuou para fora através da porta aberta. —Hum... — Ela virou na direção do som de sua voz, tentando encontrar sua compostura novamente. —Uma cerveja está bem, se você tiver. O pop de uma tampa de garrafa a fez saltar. —Eu definitivamente tenho isso. Excitação patinou sobre seus nervos. Ela não tinha sido capaz de pensar em qualquer coisa a não ser nos detalhes para a noite que chegaram em sua caixa de entrada. Ela passou o dia todo na biblioteca super concentrada nos comentários sobre o sinal que ela postou afirmando que a biblioteca iria fechar as três no sábado e não reabrir até segunda-feira. Mas não tinha, nem uma palavra. As botas de AJ bateram no chão de madeira da varanda enquanto ele caminhava de volta para fora e colocou a garrafa na frente dela. Ele começou a sentar-se e fez uma careta. —Será que você quer um copo? —Não. Na garrafa está bem. Ela tomou um longo gole para demonstrar o quão bem ela estava com ele. Ele se sentou e esticou as pernas na frente dele. Arrastando o seu olhar para cima a partir do jeans moldado nos músculos de suas coxas grossas, ela o encontrou olhando para ela com uma pitada de diversão. —Boa noite. —Boa noite. — Uma risada autoconsciente borbulhava. O hábito era


um de seus menos favoritos, a incapacidade de controlar a risada nervosa. — Bem vindo ao lar. —Obrigado. Bem-vinda a Livre Arbítrio. — Ele sorriu, inclinando a garrafa em sua direção. — Obrigado. Eles tocaram os gargalos juntos e ela seguiu sua batida com outro gole. Ela era um encontro barato, o álcool da cerveja relaxando as borboletas batendo em seu estomago. —Há quanto tempo você está aqui? — Ele mudou de posição na cadeira e cruzou um tornozelo sobre o outro, estabelecendo-se para o longo curso. Tudo sobre ele tocou seu desejo. Deus, até o seu preto Stetson complementou sua pele bronzeada e os verdadeiros olhos azuis. —Fez seis meses, a mais ou menos uma semana. Cheguei no meio do inverno. Uma época desagradável para se mudar, considerando a profundidade da neve que tinha sido, mas ela não encontrou nenhuma escassez de mãos úteis, e não demorou muito para encontrar um apartamento na cidade e conseguir o trabalho na biblioteca. Na verdade, o conselho da cidade ficou emocionado de ter a biblioteca aberta seis dias por semana. —Você parece bem em casa aqui. Ele inclinou a garrafa para outro gole. —Eu gosto daqui. Gosto muito. Eu pensei que depois de Los Angeles, eu não gostaria de viver no meio do nada. Mas é tranquilo. Não há tiros no meio da noite. Não me preocupo com roubo de carros. Sem muitos estabelecimentos funcionando à noite.


Ela fez uma careta. Ela não tinha a intenção de falar assim. —A maioria da cidade se encerra às nove. O silêncio era confortável. A ênfase que ele colocou na questão parecia significativo. —Você cresceu aqui? —Nascido e criado. Ela relaxou mais, inclinando-se para trás na cadeira e brincando com sua garrafa de cerveja. A.J tinha uma sensualidade masculina definitiva, mas pacífica, também. Todos os nervos e preocupações pareciam se suavizar. Umas centenas de perguntas diferentes rolavam em sua mente, mas qual a sua posição sexual favorita pode não ser adequado. Ainda. —Há quanto tempo você foi embora? —Você não sabe? — Ele ergueu as sobrancelhas, o ceticismo solto em suas palavras. —Bem, sim, eu sei. Sete anos. Você se alistou logo após a faculdade, e serviu no exterior a maior parte do seu contrato. Você se tornou um sargento bem cedo e se mostrou uma grande promessa. Você é um cidadão de Livre Arbítrio, e eles são extremamente orgulhosos de você. — Ela torceu o nariz. — Mesmo se você não tenha avisado que estava voltando para casa e não os deixou preparar um desfile. Ele jogou a cabeça para trás e riu, um som aconchegante, o som gutural enviou arrepios por todo o caminho de seus seios até os dedos dos pés e voltou aos seus seios. —Não há muitos segredos em Livre Arbítrio. —Verdade. Eu tinha notado isso. Bea no café teve a história da minha


vida toda antes do Natal. — Ela é boa nisso. Bud também é e Brady e Jamie e Guy... — Ele piscou novamente. — Somos todos muito bons em saber dos segredos de todo mundo. —Isso é doce. Em uma cidade como Livre Arbítrio, seu ex-marido não teria sido capaz de fugir de caso após caso. Na verdade, ele não teria fugido com um interesse passageiro sem sua audição sobre isso. —Doce é uma coisa, incômodo é outra. — Ele se sentou à frente e puxou o chapéu para cima, sua expressão séria e sombria. —Esta noite, por exemplo. As pessoas conhecem o meu caminhão. Você desceu da casa grande. Eles vão saber. Eles podem não dizer nada a você diretamente, mas vão saber que estivemos aqui, juntos. Isso é um problema para você? A ideia lhe ocorrera quando ela estacionou no MGR. Ela não sabia que o caminho direto e as estradas menores, que torciam e viravam no rancho a confundiriam. Andar parecia mais simples, e ela não tinha nenhuma razão para se envergonhar de sua atração pelo homem sentado à sua frente. Inferno, ela só se arrependia deles ainda não estarem nus. Seu corpo cantarolava com antecipação e ela percebeu que tinha que ser com o homem que Madame Eva a combinou. —Não... E para você? — Ela o olhou, procurando uma reação, algo que pudesse sugerir que ele tinha algo a esconder. —Eu não me importo nem um pouco. Mas eu tenho duas perguntas, e eu gostaria de respostas honestas, se isto for mais longe. Sua expressão ficou séria.


—Tudo bem. — Ela se sentou, endireitando a postura e apertou as mãos ao redor da garrafa. —Há quanto tempo você se divorciou? — Ele não se moveu, mas a firmeza de seu olhar lhe disse que ele não iria perder uma nuance de sua resposta. —Oito meses, quatro dias, 10 horas e 15 minutos talvez. Não que ela tenha contado. Mas todos os dias que ela permaneceu casada com o crápula depois de saber a verdade, um pequeno pedaço de sua alma morria. Os trabalhos finais foram cortar os laços e recolher as ruínas dela mesma. Graças a Deus. A.J balançou a cabeça lentamente, levantando a garrafa e olhando para ela enquanto tomava um longo gole. —Você ainda está apaixonada por ele? Ela franziu a testa, até mesmo o pensamento era de mau gosto. —Não. —Bom. Ele se inclinou para trás de novo, ainda olhando para ela. Cada olhar aquecia sua pele como uma carícia física. —Por quê? — Onde ele estava indo com isso? Adultério era definitivamente um gatilho para ela, talvez por isso, seja o mesmo para ele. — Porque eu não roubo e eu não compartilho. — Um sorriso se curvou num canto de sua boca firme. — E hoje, eu pretendo beijar cada centímetro do seu corpo, descobrir o que faz com que seus mamilos se apertarem, e quantos orgasmos eu posso conseguir entre suas coxas. Se eu fizer meu trabalho direito, você não vai lembrar o nome dele amanhã.


Seu estômago deu voltas. Desejo a cercou como um exército invasor. Ela umedeceu os lábios, a boca seca e o coração batendo. —Nós temos que esperar até à noite?

Capítulo Quatro Envolvendo seus braços ao redor de sua cintura, ele se levantou da cadeira. Seus lábios estavam nos dela antes da sílaba final da sua pergunta. A chama lenta em seu sangue que acendeu na primeira vez que ele a tinha visto, rugiu com força total. Suas bocas se fundiram e sua língua se lançou entre seus lábios, lambendo o simples gosto dela, mais doce que o mais doce. Seus joelhos se enroscaram em torno de seus quadris, e ela entrelaçou os braços ao redor do pescoço dele. Seu chapéu caiu enquanto seus dedos passaram por seu cabelo e ficou na cadeira que ele tinha abandonado. Ele não liberou sua boca, aproveitando o curso experimental de seus lábios com sabor de cereja. Ela não permaneceu passiva sob o assalto, graças a Deus. Usando o punho, os dedos em seus cabelos, ela puxou a cabeça e inclinou o beijo. Ele cruzou para dentro da cabana e bateu na porta com o calcanhar para fechá-la. Contra ela, seu corpo se transformou em um disco, quente de necessidade. Seu pênis endureceu dolorosamente atrás do zíper, implorando por liberação. Um baixo gemido vibrou em sua garganta, e ele riu do som de puro desejo que combinava com o seu próprio. Na borda da cama, ele passou suas mãos pelas costas dela tocando sua bunda. Seu suspiro atirou sua cabeça para


trás. Seus olhos estavam selvagens com o calor, a doce menina de olhos castanhos transformada na sedutora amante faminta. Ele traçou a coluna de sua garganta com uma série de beijos de boca aberta, batendo no ponto onde seu pulso corria. Massageando o arredondamento de sua bunda, ele amava como as curvas enchiam suas mãos, macias e sensíveis. Como os primeiros fortes ventos da primavera, ela o afastou da solidão fria que ele mal notava mais. Viva e selvagem em seus braços, ela afastou qualquer pensamento de fazê-lo lento, conhecê-la e facilitar a relação sexual. Quando ela puxou a camisa dele, ele a tirou e pegou sua boca novamente antes que ela pudesse fazer mais do que aspirar uma lufada de ar. O desejo de deixá-la nua, deslizar para baixo em seu corpo e lamber cada parte dela, até que ela pedisse para gozar rolou por ele como uma tempestade implacável. Estes foram os momentos que o fizeram abandonar seu serviço, a liberdade de estar no lugar onde ele queria, quando queria, e por Deus, estar com quem ele queria. —AJ... Seu nome saiu de seus lábios em um gemido e ela espalhou beijos em sua mandíbula. Seus dentes roçaram o ponto fraco atrás da orelha e um gemido baixo vibrou sua garganta. Ele baixou-a para a cama. Com outras provocações de seus lábios, ela chupava o nódulo de sua orelha, e uma onda de prazer passou através dele. Ele se afastou, olhando para os cabelos despenteados, os olhos dilatados e a boca doce, inchada por seus beijos. —Eu estou bem aqui, querida. Ele foi para os botões de sua camisa, os desabotoando, porque ele não queria mais interrupções.


O olhar dela queimava a pele que ele desnudava, e caramba, ele deveria ter ficado nu mais rápido. Ele tirou os jeans, tirou o preservativo do bolso de trás e sorriu para seus olhos arregalados quando ele caiu na cama. —Não se preocupe querida. Eu tenho muito mais no caminhão. Sheri jogou a cabeça para trás e riu. Suas mãos estavam sobre a fivela do cinto, quando ela estendeu a mão para desamarrar seu vestido. —Não, minha senhora. — Ele a parou com um olhar. — Você deixe o meu presente embrulhado. Eu vou cuidar dele em um momento. Diversão brilhou sob o fogo em seus olhos. —Sabe, meu senhor, eu acredito que você diz as coisas mais provocativas. Ela tocou os seios através do vestido, e seus dedos deslizavam onde ele imaginou que seus mamilos escuros estavam. Seu pau endureceu como o aço. Se ele ficasse mais duro, ele se arriscaria a estar com uma lesão permanente. —Você tem um traço perverso, bibliotecária. O deslizamento do zíper lhe deu um alívio momentâneo, mas seu pau vibrava contra o seu ventre quando ele tirou os jeans. Seu assobio de apreço acariciou seu orgulho masculino. —Você está prestes a se tornar uma fantasia real. Eu não acho que estou sendo perversa o suficiente. Sua confissão atirou faíscas através dele. Ele empurrou suas mãos para o lado, substituindo-as pelas suas. Seus seios eram cheios, um pedaço duro, e ele os massageava através do vestido. Com certeza, seus mamilos


estremeceram em suas palmas. —É isso mesmo? Ele continuou a traçar sua forma, quase discutindo consigo mesmo sobre por onde começar. Puxando a bainha de seu vestido, ele revelou uma linda tatuagem de lua crescente sobre a curva de seu quadril direito. Esfregando o polegar sobre a figura, ele olhou para ela. —Sim, é definitivamente isso. Minha outra decisão impulsiva. —Qual foi à outra? Curiosidade o encheu. Ela estendeu a mão e o acariciou através de seu abdômen, os músculos se contraindo com o toque leve. —Este encontro. —Bom. Prazer jorrou dentro dele. Continuando sua busca para cima, ele brincou com o monte suave de seu sexo através da calcinha úmida. Graças a Deus, ela parecia tão excitada quanto ele. Sua respiração vinha em suspiros rápidos enquanto ele explorava seu corpo. Ele aumentou a pressão, em busca de seu clitóris. Ela pegou seu pênis em um punho gentil quando ele rodou o polegar. —Eu quero estar nua. —Você vai estar. Ele deslizou sua mão para debaixo do tecido e mergulhou os dedos entre suas dobras lisas. Ela agarrou seu pênis e acariciou para cima e para


baixo. Seus olhos juntos. Com relutância, ele pegou a mão dela e levou-a para longe dele. Ele não queria gozar muito cedo. Ela rosnou, quase arreganhando os dentes em sua ação e ele riu. Maldição, ela era divertida. Ele pegou a lateral da calcinha, logo na costura e a rasgou. Seus olhos se arregalaram com o rasgar do tecido, mas ela arqueou seus quadris e os puxou livres. —Bem melhor. Ele murmurou, cutucando as coxas mais distantes para que ele pudesse apreciar a vista da carne rosa, macia e úmida. Sua buceta raspada quase o fez gozar. Ele gemeu, ela deixou uma tira de cachos quase como uma flecha. Ela fez isso só para ele? Havia muito mais em sua pequena bibliotecária sexy do que ele sabia. —Quase. — Jogando sua cabeça para trás, ela levantou os quadris em súplica novamente. — Mas eu acho que estou vestida de acordo com a ocasião. —Eu também acho. De repente, sentiu-se muito agradável. Brincar com ela era uma alegria, mas ele a queria nua e todas aquelas deliciosas curvas suaves, debaixo dele. Ele nem se importou quando ela puxou o vestido para cima em um longo movimento sensual e atirou-o no chão. —Sem sutiã. — Ele aprovou. —É um vestido de verão. Ela chamou com um dedo para ele e ele caiu em cima dela, pegando sua boca em outro beijo quente e úmido. Ele deixou suas mãos percorrem para baixo em seu corpo, acariciando a pele sedosa e macia e aproveitando o calor quando seu pênis roçou em seu calor úmido. Ela era açúcar e especiarias e


tudo que uma mulher prometia ser. Ele se afastou, pegando a camisinha e colocando-a. Deitado ao lado dela, ele se virou para olhar para ela, a inteligência afiada em seus olhos castanhos. —Você se lembra do que eu disse na varanda? Sua voz, firme com a necessidade, não subiu mais alta que um sussurro. Com seu aceno lento, A.J tentou controlar seu corpo para satisfazêla. —Bom. Considere-se avisada. Se inclinando, ele beijou um caminho até os seios. Ele tinha esquecido o quanto ele perdeu sem tocar uma mulher, explorar seu corpo, alimentar seu prazer. Por mais que ele quisesse ficar sozinho, quando ele voltou a Livre Arbítrio, ele desejava o contato com ela, com Sheri. Ele rodou sua língua em torno de um mamilo com a ponta dura e aumentou a pressão do polegar contra seu clitóris. As duas ações enviaram sua respiração em pequenos picos irregulares. Ela agarrou os lençóis em suas mãos. Já imaginando a sensação de sua buceta ao redor seu pênis, ele lutou para essa etapa final, atormentando-se na doce sensação de prazer. Fechando a boca sobre um ponto inchado, ele deslizou um dedo dentro dela, pedindo sua libertação. Seu primeiro grito estimulou-o a adicionar um segundo dedo. Ele mergulhou no calor sensual, emocionado com a resposta selvagem e aumentando a pressão com a língua até que seu corpo se apertou em espasmos em torno dele. Ela gritou quadris balançando em sua direção, e ele abandonou seu seio para tomar seus gritos de prazer. Ela soltou os lençóis da cama para enfiar os dedos no cabelo dele, e


ele levou a mão livre para ajustar seus quadris. Ele gemeu, lutando para controlar seu ritmo e ele entrou lentamente, centímetro por centímetro, seu calor doce envolvendo-o enquanto ele empurrava. Erguendo a cabeça, ele parou e esperou que seus olhos se abrissem. —Eu vou chegar duro e eu vou gozar rápido. Ele queria que ela soubesse o que ela fazia com ele, como se sentia ao ter sua buceta o envolvendo tão apertado em torno de seu pênis que ele viu estrelas. Ele queria voar até a borda com ela e gozar até que ele esvaziasse toda a paixão reprimida em suas bolas tensas. Ele não costuma favorecer a conversa suja. Alguns dos rapazes mencionavam isso de vez em quando, mas ele gostava de tratar uma mulher como uma dama. Estranho que ele queria falar sujo para Sheri, a bela bibliotecária com doces olhos castanhos. Sua menina de olhos castanhos. Ela apertou sua mão sobre ele, envolvendo as pernas em torno de sua cintura, seu sorriso selvagem brilhando com desafio. Seu corpo cansado de pensamentos. —Faça-o soldado. Ela não teve que falar duas vezes. Ele avançou, prometendo a si mesmo que iria mais devagar da próxima vez. Ele bateu dentro dela, seu pau afundando cada vez mais com cada curso. A luva de veludo de seu sexo trancando e o apertando com mais força. Ela fazia doces ruídos, todos os suspiros e gemidos, e acariciando suas costas, levando-o para mais perto da borda. Eles se contorciam juntos e não havia como parar seu orgasmo. Ele o abateu, inchando até que cada célula de seu corpo se contraiu e explodiu com prazer. Ela se sacudiu contra ele e mordeu seu ombro. —A.J.


Ele gozou em uma explosão de liberação líquida quente e dura. Sheri tremia contra ele, a pele trêmula, sua buceta apertando e soltando. Ele puxoua para mais perto, rolando para o lado e a segurou firmemente, a apertando contra ele. Aos poucos, seu pulso se acalmou e ele voltou a respirar quase a um ritmo normal. Olhando para o relógio, ele sorriu. Eles ainda tinham varias horas. Varias horas para brincar.

Dois orgasmos. Dois. E ela estava cheia, esticada, e com dor em todos os lugares certos. Ela não conseguia superar a sensação dele, a firmeza dura de seus músculos e o contraste de sua paixão e sua gentileza absoluta. Com a cabeça apoiada em seu ombro, ela esfregou a palma da mão contra o peito dele. Seu coração acelerado e sua mente solta. A.J. Turner foi feito para o sexo. Ela não conseguia se lembrar da última vez que se sentiu tão bem. O curso suave de sua mão subindo e descendo em seu braço ajudou a acalmar os tremores de prazer formigando através dela com cada respiração. Ela se levantou em um cotovelo, estudando seus corpos entrelaçados. Um pequeno sorriso pairou contra seus lábios.


—Hey. — Ele exalou a saudação suave, lenta e sexy como o inferno. —Oi de novo. Ela correu dois dedos através dos músculos abdominais firmes e alisou a palma da mão contra o peito, meio explorando, meio acariciando. Raios de prazer irradiavam de todo lugar para sua buceta, inferno, até mesmo seus dedos dos pés pareciam tremer com satisfação. —Obrigado. — Ele riu, continuando a acariciar seu braço, seu lado e para baixo até o osso de seu quadril. —Você é bem-vinda e muito obrigado. Seu estômago roncou no silêncio e os dois riram. Doía se afastar e sentir o último centímetro dele escorregar livre, mas quando seu estômago roncava quase tão alto quanto o dele, o riso atacou novamente. Ele arrastou uma carícia até sua coxa e a olhou com solenes e quase brilhantes demais, olhos azuis. —Eu pedi um jantar para nós. É uma ceia de sanduíches, bebidas e salada de batata. Ela voltou sua atenção para a cozinha, vendo os sacos brancos com o logotipo da MGR ao lado. —Com fome? Ele segurou seu peito e rolou um polegar calejado em seu mamilo. Ele se endureceu e prazer vibrou em todos os lugares. —Muita fome. Desejo correu por seu corpo e ela suspirou por A.J. Sentou-se e beijou um caminho preguiçoso em cada mamilo, parando apenas para beliscar e chupar cada mamilo distendido. Ela deslizou suas unhas em seu couro cabeludo, dividida entre os impulsos de puxar a sua escura


cabeça para trás e para frente e empurrando-o para trás até que ela pudesse empalar-se em seu pênis novamente. Ela queria estar por cima da próxima vez. Suas coxas tremeram ante as imagens surgindo em sua cabeça. Ele deslizou a mão ao redor da parte de trás do seu pescoço e alimentou sua fantasia erótica com um beijo longo e persistente. Deus, o homem sabia como beijar. Ele assumiu o controle, inclinando sua boca contra a dela, exigindo o acesso com a língua, e entrelaçando-a sensualmente com ela própria. Com as testas juntas, ele quebrou o beijo. Era quase intimidade demais. Eles se tocavam em todos os lugares. Não era apenas o contato físico, mas a forma como todo o seu ser parecia derramar-se dela, procurando, buscando de forma cativante. —Eu quero me levantar e alimentá-la. Mas isso significa que eu tenho que parar de tocá-la e me deleitar com isso. A admissão gutural transformou seu interior em geleia. Era uma linha quase piegas, mas a emoção crua na voz dele ecoava com sinceridade. —Nós podemos fazer as duas coisas. — Ela sorriu um traço de malícia passando através dela. —Você pode se limpar. Vou pegar a comida. Nós encontramos aqui em dois minutos. —Aqui? — Ele passou a olhar para baixo, onde seu pênis estava aninhado entre suas pernas e os joelhos entre suas coxas. Surpreendendo a si mesma, ela empurrou-se e beijou-o, lambendo o canto de seus lábios até que ele permitiu a ela tomar posse de sua boca. Ele provava um pouco de sal e cerveja e totalmente homem. Seu perfume encheu suas narinas. —Certo. Aqui. — Ela murmurou.


—Tudo bem. — Ele massageou sua bunda, explorando suas curvas. O calor de seu corpo deixava marcas em sua alma. Em todos os lugares que ele a tocava, um novo incêndio florestal de sensação surgia. Suas bocas se separaram e se uniram a cada frase. —Mas nós temos que ir para fazer isso. —Eu sei. — Ele passou a mão por sua espinha, prendendo-a em seus cabelos, e enfiou a língua em sua boca. Ele assumiu o controle do beijo, buscando a língua e a afirmando. Ela gemeu e umidade inundou entre suas pernas. Os tremores voltaram e ela o queria, agora. —Diga-me — ela deixou escapar entre rajadas de ar, saboreando-o com cada curso de seus lábios contra os dela — Quando. Ele subiu, a segurando em seu colo. Sugando seu peito, o atrito aumentado a cada ponto em que seus corpos se tocavam. —Tudo bem. — Droga, ele sabia como beijar. A inclinação de sua boca exigia, prometia, entregava, e segurou-a à sua mercê. Ela se agarrou a ele, faminta pelo contato. A 1NS ofereceu-lhe um novo começo, uma pagina em branco, e entregou muito mais. Sua mente girava com as possibilidades. O endurecimento lento do seu pau empurrou entre eles e ela se afastou, o riso borbulhando. — Ok, dois minutos. — Ele sorriu e passou o polegar contra seu lábio inferior, mas não fez nenhum movimento para deixá-la ir. —Dois minutos — ela concordou, com o coração batendo rápido em suas costelas. E ainda assim, eles não se mexeram. Se alguma coisa os seus joelhos apertaram os dele, e ela queria se esfregar em cima dele como uma


gata no cio. Agarrando seus quadris, ele roubou um beijo e murmurou contra sua boca. —Em três... —Espere — Beliscando o lábio inferior entre cada palavra, ela perguntou: — No três ou depois de três? —Hmm. — Ele flexionou os dedos contra sua pele, o toque a queimando, como se a marca atravessasse sua carne. Era como se ela pudesse senti-lo em todos os lugares, cada lugar que ele acariciava com os dedos ou beijava com a boca, a sensação de formigamento continuava. — No três. —Ok. — Ela suspirou, abrindo a boca para sua língua. Os músculos de seu peito deslizaram sensualmente em seus mamilos quase sensíveis demais. Arrastando as palmas das mãos contra as costas dele, ela explorou os músculos, enrijecendo e brincando com eles. —Um... — ele murmurou, arrastando beijos quentes em sua bochecha. Sua língua traçando espirais em sua orelha e chupando o lóbulo. —Dois. Ondas de prazer se apertaram em sua barriga, enrolando-se como um brinquedo antigo clicando além do ponto onde ela precisava gozar, a tensão mantendo-a cativa. —Três. Ele a levantou para fora dele como se ela não pesasse mais que uma pluma e a colocou na cama. Seu corpo gritou com a ausência dele, mas ele próprio se alavancou para cima e fez uma pausa longa o suficiente para lhe dar uma mão. —Vamos.


Sua mente cantarolava com erotismo. Levou um momento para se lembrar do que eles deveriam fazer no três. Ele caminhou até o banheiro, os músculos de seu traseiro se esticando a cada passo. Suas entranhas estremeceram como a promessa da sua bunda em um jeans na rua naquele dia foi entregue em espadas. Sacudindo sua autoindulgência e seu estupor carnal, ela andou até os sacos na mesa. Abriu um de cada vez, ela descarregou os sanduíches, bebidas frias e lata de salada de batata. Ela mal desembrulhou um sanduíche quando ele encostou seu corpo masculino contra o dela, a rígida longitude de seu pênis pressionado contra sua bunda e suas mãos escorregaram para cobrir e massagear os seios. Ela estremeceu faminta por ele mais uma vez, a necessidade de senti-lo a encheu. —Você gosta? — Ele riu suavemente. Como ele poderia não saber o que fazia com ela? —Sim. — Ela suspirou. Mas isso não era o lugar onde ela o queria. O assalto através de seu sistema apagando qualquer pensamento coerente. —Você mencionou fantasias mais cedo. — Ele mordeu a junção suave entre o ombro e o pescoço. —Você tem outras? Oh. Você. Você. E mais uma boa dose de você. A selvagem necessidade impenitente correndo através dela devia ser embaraçosa. Alguma pequena parte racional pediu a ela para lembrar que era apenas uma noite, nada mais, nada menos. Ela desligou a vozinha diabólica e recusou-se a pensar nisso. Seu único momento era o agora e amanhã poderia muito bem cuidar de si mesma. —Eu tenho muitas. — E era verdade. Ela queria fazer contra uma parede, no chão, tomar seu pênis em sua boca e engoli-lo quando ele gozasse.


Ela queria que ele empurrasse dentro dela, montá-la até que ela ficasse mole. Ela não queria que ele parasse. —Diga-me — ele ordenou e continuou sua tortura sensual. —Leve-me agora, assim. — Calor queimou em seu rosto, e ela se esfregou contra ele. Ele cutucou as pernas mais afastadas, e os dedos mergulhando entre suas pernas. O atrito doce contra suas dobras sensíveis era quase demais. Eu vou morrer assim, dissolvendo-me em puro desejo... —Assim? — Ele perguntou sua voz rouca a arrasando de dentro para fora. Seu polegar roçou sobre seu clitóris, a sensação de luz aumentou a pressão dentro e ela se arqueou. Se ela fosse um gato, ela ronronaria com o prazer. Ela lambeu os lábios e apoiou-se no balcão. —Assim... — Mas ele empurrou suas coxas mais ainda e guiou seus quadris para trás até que ela se esticou, os dedos fechados em cima do balcão. —Hmm... isso parece ser bom o suficiente para comer. — O prazer em suas palavras ameaçou fazê-la gozar aqui e agora. Ela apertou seu bumbum, lutando contra o desejo de esfregar as coxas. — Não se mova. Eu já volto. — Ele abandonou-a, recuando em direção à cama. Suas coxas tremeram e os pés dela se mexeram. —Fique assim mesmo... — A ordem pulsava através dela. A promessa de seu toque quebrou seu controle. Seu controle? Com quem você está brincando? Risos se levantaram dela novamente. Ela torceu ao som de uma camisinha sendo aberta. A.J parou ao lado da cama e rolou o preservativo para baixo em seu pênis. Ele olhou para cima, encontrando seus olhos com um sorriso lento. —Eu mencionei que é um verdadeiro prazer conhecê-la, senhora? —


O lento e lânguido sotaque cowboy sussurrando da boca de um homem da marinha. Todas as suas fantasias sexuais em uma só, vivendo, respirando e agradecendo a Deus por esse homem. —Você pode ter pulado essa parte. Essas coisas só acontecem em livros de romance e a vida real era mais confusa que isso... Por que diabos ela estava analisando? Suas sobrancelhas levantadas enquanto ele caminhava em sua direção, propósito e determinação irradiando de cada passo. Ele guiou seu pau para a entrada de seu sexo e empurrou cada polegada tentadora. —Então me deixe corrigir isso agora. Ela não precisava de nada pedindo para inclinar o tronco para frente e empurrar para trás até que ele a encheu. Seu interior tremeu com o tamanho dele. —É um prazer genuíno — ele brincava com ela, empurrando com cada palavra. — Conhecê-la. Ele refez o caminho até sua frente e encontrou seu clitóris, e ela esqueceu qualquer coisa quando ele a levou ao longo da borda em um clímax.


Capítulo Cinco

—Então, por que os fuzileiros navais? — Ela se sentou de pernas cruzadas na cama, comendo um sanduíche. Suas bochechas estavam rosadas, um belo tom contra sua pele cremosa. A.J pensou que eles tinham acabado após o bar, mas ela o empurrou de volta para a cama, a comida esquecida e provocou seu pênis com a boca, até que gozou em legítima defesa. Três rodadas em cinco horas e ele a queria novamente. Ele estendeu a mão para limpar uma mancha de mostarda no canto de sua boca com o polegar e chupou o sabor picante entre os lábios. —Foi à coisa certa a fazer — Ele deu de ombros. — Meu avô serviu, e seu pai e seu pai antes dele. Até onde eu sei, tem sido uma tradição da família desde as guerras francesas e indianas. A única razão pela qual meu pai não serviu foi sua asma. A comida espalhada entre eles, como um piquenique na cama. E ambos estavam nus, e ele apreciou a liberdade descarada de olhar para seus seios. Eles subiam e desciam a cada respiração. Seus totalmente escuros mamilos o chamavam, mas ele se obrigou a deixá-la comer antes que ele tomasse seu tempo explorando cada reação. Ela mencionou fantasias, e ele tinha o desejo inexplicável de cumprir


cada uma delas. —Isso é doce, ter um legado da família assim. — Ela se inclinou para o lado, se esticando para alcançar a garrafa de água. Seu pênis se contraiu, despertando lentamente. Ela era uma mulher linda, suave e curvilínea em todos os lugares certos. —É o que é, Sheri. Era a coisa certa a fazer. Eu me alistei, eu treinei, eu servi, e agora eu estou em casa. E isso resumia sua vida militar. Com certeza, ele não mencionou os caras ou as amizades, mas seu avô lhe disse uma vez que os homens que serviram com a Coréia eram homens que ele poderia confiar. Ele poderia chamá-los a qualquer hora que ele precisava de alguma coisa, se era um favor ou apenas companhia e eles estariam lá. A.J havia participado de uma reunião com seu avô no início dos anos noventa. Todos os homens, com seus sessenta e setenta anos bebiam cervejas, rindo, relembrando, e pegar a direita onde eles haviam deixado 40 anos antes, como se fosse ontem, em vez de décadas no passado. Muitos irmãos, seu avô lhe disse, não terminou com uma guerra ou uma dispensa honrosa. Ele não tinha apreciado verdadeiramente o que isso significava até agora. Mas, como seu avô, A.J sabia que os homens de sua unidade estavam a um telefonema de distância. Se necessário, eles viriam. O mesmo era verdade para ele. —E você o fez. É por isso que você voltou para casa? —Mais ou menos. Deixei esta forma de vida para servir e agora estou em casa para me divertir. Trabalhar no meu rancho, consertá-lo e voltar a treinar cavalos. Se os caras precisarem de mim, eles sabem onde eu estou. — Ele aceitou a garrafa de água que ela lhe ofereceu, lavando a sua própria


refeição. Satisfeito, ele deitado ao seu lado e apoiou a cabeça na mão, estudando-a. —Posso lhe fazer uma pergunta? — Timidez rodeava a questão, ela poderia perguntar-lhe qualquer coisa que ela queria. Ele teria que mostrar isso a ela. —Qualquer coisa. —Como foi? Afeganistão... Iraque? —Difícil. Monótono na maioria dos dias, e só, e tudo pode mudar num instante. Você poderia ir de uma rotina infernal ao espaço em alguns segundos. Estranho pensar no que ele perdeu a rotina dos tiroteios inesperados. Mas não perdeu as lesões ou a onda de adrenalina do medo em seu sistema, sabendo que só uma bala perdida e um passo em falso, e ele estaria no caixão ou em uma maca fora do campo. Ele foi um dos sortudos. Suas cicatrizes eram todas do lado de dentro. —Você esteve em ambos? —Principalmente no Iraque. Eu fiz um monte de pistas de abastecimento, trabalho chato, mas necessário. Bem, chato, até que não era. Ele abriu a garrafa de água e bebeu um gole. —Eu sinto muito que você teve que ir. Tampando a garrafa, ele pôs de lado e lhe pegou a mão, entrelaçando seus dedos, ele os apertou confortavelmente. —Eu não sinto. Eu conheci ótimas pessoas, eu aprendi um pouco. Eu aprendi o que é verdade e não como manter a família unida, apesar da


turbulência política e militante em toda parte. Tristeza estava gravada nas linhas ao redor dos olhos. Ele não queria que ela só pensasse no mal, ele tinha algumas boas histórias do exterior. Eles mal notavam a superfície da vida cotidiana. Levando os dedos nos lábios, ele os beijou. —No ano passado, eu estava correndo suprimentos de Bagdá para Mosul. Na rota, há essa cidade muito pequena, quero dizer, pequena, tipo cinco casas e algumas cabras. Eles não tinham quaisquer empresas ou mesmo uma estrada real, além do trecho principal que dirigimos. Mas cada vez que passamos, vimos às crianças brincando lá fora. Eles tinham esta bola de futebol realmente maltrapilha, e chutavam, riam, e brincavam. Eles sempre limpavam a estrada quando passamos pelo meio, olhando para nós com olhos solenes. Exceto o garoto com a bola, ele acenava. Eu me acostumei a vê-lo. — Ele quase podia sentir o calor escaldante, os cinquenta quilos de equipamento e provar a areia e sol, como o grão em sua língua. —Nós nem sempre dirigíamos pela mesma rota, melhor evitar os insurgentes nos mantendo imprevisíveis, mas passamos por muitas vezes, eu reconheci o garoto. Cerca de sete meses atrás, talvez oito, nós estamos passando um dia e eu não vi as crianças lá fora, eles não estavam brincando como o normal. Tudo estava muito quieto e entramos em alerta. Fora do comum é um aviso. Do nada, eu vejo o garoto com a bola, ele corre para fora de uma das casas e coloca a bola no meio da estrada e só se senta sobre ela. Temos três opções, parar, dar a volta, ou continuar. Ele ficou tenso, vivendo naquele momento novamente, lembrando a crueza de maravilha quando eles olharam para o garoto. Sheri apertou a mão dele. —O que aconteceu?


—Nós seguimos com nosso destino, o carro da frente se mudou à nossa volta e atrasou o comboio. Eu saí com outras quatro pessoas e um dos caras que falavam a língua, disse-lhe para se mover. —AJ riu um pouco. — O garoto diz que não. Diz-nos que os homens vieram à noite anterior e fizeram muito barulho na estrada, eles estavam cavando e mudando e eles eram estranhos. Nem americanos, nem amigáveis para a aldeia. Eles atiraram em outras crianças é por isso que as crianças não estavam brincando. Eles estavam de luto, mas o garoto com a bola, ele não queria que a gente fosse até a estrada. —Oh meu Deus. O que você fez? —Chamei-o, ele recuou, e deixou que passássemos pelos varredores, eles encontraram cinco talvez oito bombas, todas plantadas em nossa rota. A criança salvou nossas vidas. A.J sorriu para ela, sua tensão se aprofundou e ele queria que ela visse que esse era o tipo boa de história com um final decente. —Então, eu dei a esse garoto uma nova bola e dei a ele e sua família dinheiro suficiente para deixar essa pequena aldeia suja se quisessem, também. —Ohhh ... — Ela arrastou a palavra e lágrimas brilharam em seus olhos. —Será que eles se foram? —Não sei. Mas eles poderiam. A criança não tinha que nos ajudar, nós éramos apenas os caras dirigindo a cada poucos dias ou algo assim. Ele poderia ter ficado quieto, bloqueando nosso caminhão dessa maneira, mas ele teve uma chance e fez o que achava que era certo. As crianças gostam dele e sua família, eles fazem valer a pena. —Você é incrível.


Ele ficava um pouco desconfortável com elogios, então deu os ombros. —Eu sou apenas um fuzileiro naval que fez o seu trabalho. —Ninguém na minha família serviu, eu acho. Eu não sei os meus avós, mas o pai da minha mãe tinha um pé torto. Ele trabalhou como mecânico, o equipamento construído, fornecimentos, e ofereceu-se. Minha mãe passou um tempo estudando para ser enfermeira, mas, em seguida, ela se casou e preferiu cuidar dos bebês. Sheri fez uma careta, soltando a mão dele para enxugar o rastro de lágrimas em seu rosto. Ele não tinha entendido porque a história a deixou triste. —Não há nada de errado com os bebês. — Ele não pôde resistir a passar o dedo por sua coxa. Ele gostava do vermelho em suas bochechas. —Eu sei. Eu estava pensando que você tem um grande legado e eu não tenho nada disso. Simplesmente sou comum, gente que fica em casa. —Hey, nós gostamos das pessoas comuns que ficam em casa, eles dão-nos alguma coisa para defender e melhor, a alguém para voltar para casa. — Ele apertou-lhe a perna. —Eu não posso acreditar que você é real. — Ela baixou o olhar para o sanduíche nas suas mãos. — E isso que você está aqui... Em Livre Arbítrio... Comigo. —Por quê? — Ele desenhou um padrão contra a sua pele, círculos preguiçosos, girando mais e mais em sua coxa. —Eu disse que era divorciada. — Seu sorriso era autodepreciativo. — Bem, o casamento não foi definitivamente um dos meus melhores momentos. Eu casei com ele enquanto ainda estávamos na faculdade, mas nós dois


estávamos ocupados. Eu queria ser advogada, e ele também. Quando eu fui aceita em Direito de Stanford, e ele não, eu deveria ter visto isso chegando, mas eu não vi. Nós vivemos além, visitando apenas nos finais de semana durante todo o tempo da faculdade de direito. Eu batia os livros, ele batia os lençóis. — Ela mudou sua expressão escurecendo, e AJ tinha o desejo de ir e socar o filho da puta. —É estúpido, eu quero dizer todos os sinais estavam lá, mas eu não queria acreditar. É fácil ser cega para as falhas de alguém, especialmente se admitir que tê-los faz você questionar o seu próprio julgamento. Claro, eu não poderia ignorar, quando o processo de paternidade entrou e ele não tentou negar. — Sua boca se torceu. — O pior é que ele não só tinha uma mulher o processando porque tinha o seu filho, mas ele tinha outros dois. Eu acho que ele tinha assuntos sobre isso. Eu não achei que eu tinha sido tão humilhada em toda minha vida, só que eu estava errada. Porque uma das mulheres que ele engravidou trabalhava em meu escritório de advocacia. Ela era uma das investigadoras que eu usava e ela saia com ele o tempo todo. —Eu sinto muito. Ele soa como um idiota real. — A.J ficou feliz por ter descarregado os resíduos do ar. —Ele estava no inferno, ele provavelmente ainda está. Ele realmente não queria o divórcio. Ele pensou que nós tínhamos uma situação ideal e realmente pareceu surpreso quando eu quis terminar tudo. Mas assim que o divórcio foi finalizado, eu simplesmente não podia ficar mais lá. Eu precisava de um novo começo. Um limpo, longe de todas as mentiras que eu disse a mim mesmo para atravessar os dias. —E agora você está aqui, em Livre Arbítrio. — Ele poderia desejar que seu ex não tivesse feito isso com ela, mas ele não poderia criticar o resultado. Se ela não tivesse chegado à sua cidade Wyoming, ele não poderia


ter conhecido a bibliotecário mais sexy que ele já tinha visto. E isso teria sido uma vergonha. —Sim, agora eu estou aqui com você... Em um caso de uma noite. — Seu sorriso apagou as sombras persistentes em seus olhos. — E eu tenho que perguntar, talvez não seja comum, mas por que você se inscreveu? Quero dizer, você é lindo, doce, e beija muito bem. Por que você precisa de um serviço para encontrar uma mulher? —Todos os homens solteiros em minha unidade se inscreveram. Nem todo mundo fez a transição facilmente e eles tiveram um tempo difícil de se reconectar com sua vida civil, assim, o capitão nos encorajou a nos comprometer com um caso de uma noite. Ele ajudou nossos amigos que realmente precisavam de ajuda a apenas ir. Eu meio que esqueci que eu o fiz. — Fez uma pausa para a confissão. — É por isso que o Capitão teve de me chamar. —Ops. —Yeah. Ops. Ele provavelmente não vai me deixar viver sem isso, mas está tudo bem. Eu merecia isso. Ele não se importava com a agitação amigável e que ele devia ao homem uma caixa de cerveja por tomar o tempo por lhe enviar essa nota. —Mas eu planejei para te convidar para sair depois da missa no domingo de qualquer maneira. —Oh? — Ela levantou as sobrancelhas e para seu imenso prazer, com o rosto vermelho novamente. —Hmm-hmm. — Ele acariciou a curva de seu joelho. — Eu ficava vendo você pela cidade toda vez que eu tive que correr para pegar suprimentos. Então, eu prometi a mim mesmo depois que eu terminasse de


fixar o celeiro e o cercado que eu precisava para o treinamento, que veria sobre a compra de algum frango frito e uma cerveja gelada. Então me diga senhorita Sheri, se eu visse você depois da igreja no domingo e te convidasse para sair para um jantar e uma cerveja, o que você diria? —Eu não sei. Por que você não me pergunta, no domingo, e descobre? AJ sorriu e deixou a comida de lado para rolar sobre suas costas e acariciar sua bochecha. Seus olhos se arregalaram, e ele tinha prazer em sua maravilha inocente. —Acho que vou ter que fazer isso, mas agora, eu quero sobremesa... Com seu suspiro ecoando em seus ouvidos, ele beijou um caminho para baixo seus seios, sua barriga e suas coxas se espalharam obedientemente. Caramba, é bom estar em casa...

Fim


Sรณ por essa noite Natalie Dae


Após inúmeros relacionamentos fracassados, Dahlia Singleton descobre a 1NS, uma agência de encontros que promete combiná-la com o amante perfeito para uma noite. Depois de um mês sem jogo, Dahlia começa a pensar que ela nunca vai encontrar o amor, até que a proprietária da agência, Madame Evangeline, telefona para dizer que o encontro de Dahlia está esperando no Hotel Castillo. Animado e nervosa, Dahlia atende Connor, um sexy como o inferno homem com um sotaque britânico que derrete os joelhos. E isso não é tudo ! Dahlia tem o passeio de sua vida, percebendo a possibilidade de que ela pode apenas ter encontrado sua alma gêmea.


Série 1NS

Esta é uma série de contos que gira em torno da empresa de encontros Chamada “Suporte de 1 Noite” ou “1NS”, coordenada pela Madame Evangeline “Eva” arrumando encontros de 1 noite para todos – sejam humanos ou seres sobrenaturais. Uma Noite que pode ser o começo de muitas noites.

Conto

O toque do seu celular explodindo numa melodia operística que trouxe Dahlia Singleton de um sonho que envolvia um homem que ela nunca havia conhecido dando-lhe mais de um bom tempo na cama. Ele era um sonho, alto, moreno e bonito, estava mais úmido do que uma chuva de Abril britânico. Ela suspirou e olhou para o relógio, chateada como o inferno para ver 11:00 em brilhantes números verdes. Ela só tinha dormido por uma hora?


— Inferno. Tanta coisa para mudar, no início da minha noite de folga. — Ela pegou o telefone, murmurando, — Seja você quem for, eu gostaria de dizer: O que poderia ser tão importante que você precisa me ligar a esta hora da noite?A menos que alguém morreu, eu não quero saber. Uma mensagem brilhou vinda do 1NS .Se ela não estava totalmente acordada quando o telefone tocou, ela estava agora. Porra, isso era tudo que precisava. Alguns sustentava amplamente que ela tinha um comportamento francês quando ela não estava de bom humor para lidar. Madame Evangeline prometeu ligar se encontrasse alguém para a sua noite. Dahlia não tinha tido nem um único telefonema no mês desde que ela se inscreveu, que só consolidou o fato de que ela não era adequada a qualquer pessoa. Ela era teimosa, nervosa e propensa a crises de mau humor. Ah, e estar atrasada. Um homem queria uma mulher assim? E por que Evangeline estava enviando mensagens de qualquer jeito? Ela não tinha funcionários que faziam esse tipo de coisa? Mentalmente trabalhar fora se sua inscrição realmente passou por tudo afinal, o chefe da 1NS não poderia entrar em contato com ela por qualquer outro motivo Dahlia ler a mensagem. Eu te encontrei alguém, minha querida. Puta merda! Ele está esperando por você no Hotel Castillo. O quê? Agora? Dahlia sentou-se, arrastando os pés até a borda da cama. Ela passou a mão pelos cabelos embaraçados. Seu telefone tocou novamente o som de mensagem.


Ele é um cavalheiro. Eu não posso imaginar ele me ouvindo pedir para marcar outra hora. Mas não há mais cavalheiros disse ela para si mesma. Vá tomar banho, se vestir e ficar bem. O telefone não tocou de novo, deixando Dahlia com um sentimento de dor em seu intestino.

Se seu estômago doesse mais uma vez, Dahlia ia vomitar. Ela estava dentro do Hotel Castillo, tendo caminhado através das portas de vidro duplo com as pernas trêmulas vestida de preto meias ¾ até o alto das coxas. O que ela estava pensando? Seu vestido preto era pequenino, que ela nunca tinha usado, comprado por um capricho quando foi às compras sozinha no mês passado, e sua jaqueta de couro preta justa a fez se sentir como uma garota motociclista má. Ela estava acostumada a jeans, camisetas largas, e seu cabelo preto enfiado em um rabo de cavalo. Hoje à noite, ela tinha tomado banho de banheira, se depilado e passou tanto tempo quanto ela ousou em seu cabelo, enrolando-o em um coque mantido no lugar por um grampo de brilhante preto. Quem era que ela estava tentando enganar? Ninguém além de mim mesmo. Com o nervosismo ameaçando deixá-la insana, ela respirou fundo e vagou pelo hall de entrada, se perguntando se este homem misterioso estaria na seção do casino ou no bar.


Evangeline não conseguiu dar-lhe detalhes específicos, e Dahlia estava, tentando manter um exterior calmo, equilibrado, enquanto seu interior se enfureceu. Louca, isso é o que você é. Louquinha, saindo sem saber a fundo sobre esse cara. Ele poderia ser um assassino. Um pervertido. Alguma novidade? Você estava sonhando. Tem que ser. Você sonhou que recebeu o convite, e aqui está você, fechada para outra parte do sonho onde você está em uma situação que você não gosta, com um resultado que vai fazer você acordar gritando. Ela respirou fundo e optou pelo bar, caminhando em direção a ele como se ela tivesse nascido uma modelo de passarela. Enquanto escondesse o que ela realmente sentia, tudo deveria correr bem. Seu encontro não poderia ser um assassino afinal de contas. Empurrando a porta do bar para abrir, ela entrou. O lugar estava lotado. Inferno, ele poderia ser qualquer um. Alguns homens estavam no bar, sozinhos e outros em pequenas mesas redondas. Alguns casais ocuparam estandes na parte de trás, e Dahlia olhou com inveja. Se ela fosse honesta, ela não queria uma só noite. Não, ela queria o que eles tinham. As mãos cruzadas sobre mesas especiais e o olhar que só os casais conheciam o significado. Segredos compartilhados e carinho que transcendiam o ato sexual. Uma noite só não daria para ela. Ela suspirou, deixando o ar sair lentamente, e colando em um sorriso, como se fizesse esse tipo de coisa o tempo todo? Inferno, ela era Dahlia Singleton, uma criatura extraordinária. Avaliando rapidamente a sala de novo, ela encontrou um espaço no bar e esperou ser atendida. Foi estranho, sem música, não muita conversa, e sem vibração. Onde estava a vida maldita aqui? Algo puxou seu interior, o conhecimento que ela tinha escolhido errado o local, porque, merda, nenhum homem se virou para vê-la entrando. A menos que ele se cansou de esperar. Que merda de sorte a sua.


Ela se virou e caminhou em direção à porta, furiosa consigo mesma por se sentir uma idiota. Por ter fixado suas esperanças em algum encontro estúpido que daria a ela o que ela ansiava. O que ela esperava? Um cara vir correndo até ela e varrê-la fora de seus pés? Se ela fosse honesta, sim. Mas isso só acontece nos livros e filmes, mulher, assim comece a pensar maldita! Empurrando a porta, ela bufou quando seu temperamento encontrou sua resistência. Ela empurrou-o novamente, mais forte, então em um acesso de raiva, seu rosto ficou vermelho, ela forçou-se através do pequeno espaço, com a intenção de ir para casa e voltar para sua cama, o único lugar que a recebia de bom grado, sem quaisquer estipulações. E deu de cara com um homem de terno mais alto do que ele tinha o direito de ser com um rosto de uma estrela de cinema. Agora, ela sabia que ela estava dormindo, porque esse era o cara tinha que aparecido em seu sonho muito recente, antes do telefonema a ter acordado. Oh, Jesus Cristo. Eu vou desmaiar. Algo que ela não precisava era cair no chão como um tomate maduro. Tudo na frente deste homem sexy-como-inferno-oh-meu-Deus. Ele olhava para ela com um sorriso sarcástico no rosto. — Umm, desculpe. Eu estava ... — Dália Singleton, correto? Evangeline disse que era uma beleza. — Se ela não soubesse melhor, Dahlia pensou que ele disse o nome dela. O Nome de Evangeline. E que ela, Dahlia, era uma beleza. Em um sotaque maravilhoso britânico. — Hum, sim?


— Eu estava esperando na outra sala — disse ele, levando o cotovelo em sua mão de dedos finos que causou arrepios de prazer em todo seu corpo. Ele guiou-a através do hall de entrada para um sofá vazio. — Mas eu pensei que eu iria verificar para ver se você estava no bar. — Ele esperou por ela se sentar antes de sentar ao lado dela, sua coxa, quente muscular tocando a dela. Sua coxa, quente muscular tocando a minha! Oh meu Senhor, este homem, este homem esta sentado ao meu lado. — E aqui estamos nós — completou, inclinando a cabeça para considerá-la com olhos castanhos profundos, com o braço apoiado no encosto do sofá, e sua cabeça apoiada na mão. — Sim — ela disse sem fôlego, tão diferente de sua voz real. Seu cabelo preto e ondulado, deu-lhe a vontade de correr os dedos por ele. — Aqui estamos. — Ela sorriu e olhou para ele de baixo dos cílios, não por ser tímida ou sedutora, mais porque ela estava envergonhada como o inferno e completamente fora de sua mente. Caras como ele não iam para as mulheres como ela. Eles escolhiam mulheres lindas e chiques, não mulheres comuns como ela . — Como eu disse, Evangeline estava certa. — Ele colocou a mão livre em sua coxa e esfregou distraidamente. O que ela não daria para ter a mão fazendo isso em seu lugar. — Ah. De que maneira? — Você é bonita. Dahlia abafou um sorriso. Ele havia sido pago para dizer isto, certamente. Evangeline tinha percebido que ela não poderia arranjar para Dahlia qualquer homem e pagou esse cara para bajular ela. Sim, isso é o que tinha acontecido. Envergonhada ela juntou-se à


agência de namoro, vergonha que ela até se atreveu a sonhar que pudesse encontrar um homem por causa disso, ela se levantou para sair. — Acho que cometi um erro. Sinto muito, mas eu vou ter que ir para casa. — Ele se levantou rapidamente, diante dela, tão alto que ela tinha que olhar para cima para ver seu rosto. — Para quê? Nós só nós conhecemos a pouco tempo. — Seu estômago rolou novamente. Por favor não me deixe ficar doente. Ainda não. Não até que eu sair. — Hum, eu realmente não devia ter recorrido a agência. Eu ... você ... você não é meu tipo. — Deus me perdoe por ter mentido. — Não sou o seu tipo? Evangeline assegurou-me que eramos uma combinação perfeita, e você é meu tipo. — Eu sou? — Na verdade você é. Por favor, sente-se comigo por um tempo. Pelo menos me deixe passar algum tempo com você antes de ir correndo fora como a Cinderela — Ele olhou para seus sapatos de salto alto pretos. — Apesar da Cinderela não usar um par tão encantador de estiletes. Um Príncipe Encantado, ele era todo perfeito, o tipo de homem que Dahlia jamais se atreveu a andar antes. Ela nunca se aproximou de um deus, como ele, por medo de receber um não como resposta e se sentir rejeitada . Ela não gostava de corar de vergonha nem pouco. — Tudo bem. Talvez eu possa falar com você por alguns minutos. Mas então eu realmente tenho que ir para casa. — Ela sentou-se novamente, seu casaco de couro chiando, e seu rosto ainda mais aquecido. E se ele achava que ela tinha feito esse som? E se ele pensou que ela iria longe ... — Couro, você tem que amar os ruídos que faz — disse ele, sentado ao seu lado novamente. — Especialmente a partir de peças específicas. — Ela riu baixinho, sua mente


processando o que ele disse. Se ele tivesse implícitas, em trajes específicos, que gostava de couro em que forma? Dália era parcial para ela mesma, sempre imaginou vestindo um corpete de couro e botas altas, mas ela tinha certeza que ela não tinha posto isso em seu perfil. Por que faria isso? Esse tipo de informação era ... privada. — Você gostaria de uma bebida? — ele perguntou, indicando a porta do bar com uma onda elegante de sua mão. — Eu prometo que vai ser apenas um, e você pode ter um refrigerante, se você preferir. Ela gostaria de uma bebida, uma Coca-Cola, mas a coisa fazia arrotar, e ela não achava que esse Deus grego, porque é isso que ele parecia ser, iria apreciar isso. Ela concordou e permitiu-lhe conduzi-la em direção ao bar. Ele parou na porta e sorriu para ela. — Eu vou sempre lembrar disso como quando nos conhecemos. O brilho em seus olhos fixados fez o coração de Dahlia disparar, e mais uma vez os joelhos enfraqueceram. Nesse ritmo, ela seria uma pilha no chão em algum momento, envergonhando-se como de costume, e ele iria correr para as montanhas. — Hum, eu sinto muito por bater em você com a porta. E qual é seu nome? Evangeline não me disse nada. — Ela baixou o olhar, se olhasse para seu rosto por muito mais tempo, ela poderia levantar-se na ponta dos pés e pressionar seus lábios nos dele. E isso não faria. Ela pareceria atirada, e ela estava longe de ser isso. No entanto, alguma coisa sobre ele deu-lhe um sentido de querer se libertar, fazer coisas que ela nunca tinha feito, antes que fosse tarde demais e ela corresse para longe de casa. Estupida. Você está sendo estúpida. Tome uma bebida, converse um pouco, e veja onde ele vai a partir daí. — Eu sou Connor. E Evangeline não lhe disse nada, porque eu pedi para ela. Ela teve feito isso no passado, e as mulheres se mostraram bajuladoras, usando tipos e performance


que não detêm o meu interesse em tudo. Mas você ... — Ele se inclinou para baixo, roçando os lábios na parte superior da sua cabeça. — Tem muito longe disto. Oh, Senhor! Se ele fizesse isso de novo, ela derreter. Ela reconheceu a maneira como seu estômago embrulhou, como suas bochechas ficaram ainda mais coradas, ela teve que se distrair, e como ela ficou molhada entre as pernas. O que diabos estava acontecendo com ela? Sua resposta a um roçar simples em sua cabeça era ridícula. Sua garganta apertou, ela abriu a boca para falar, mas descobriu que não conseguia dizer nenhuma coisa. Agora, ele vai pensar que você é uma estúpida. Fantástico. Ela conseguiu um fraco sorriso que teria que servir por agora, e ele deu uma volta, mostrando retos dentes brancos que algum dentista de alta classe devia estar muito orgulhoso. Ele ficou em pé e inclinou a cabeça como se estivesse prestes a pedir-lhe algo, mas mudou de ideia. Pegando no braço dela, ele a levou para o bar, e desta vez todos os olhos voltaram a sua direção. Música filtrada nos alto-falantes que não tinha tido conhecimento da última vez, e todos conversaram e fizeram uma festa na mesma cena que tinha encontrado antes. O que diabos estava acontecendo? Que tipo de bar, à meia-noite, estava quieto num minuto, em seguida, pulando o próximo? — Ah, a calma parece sempre ir quando eu chego. Brilhante, não acha? — ele perguntou, sorrindo para ela. — Sim! Estupendo! — Estranho. É como ... Como o que? Algum tipo de mágica que ocorria? Oh, não seja tão estúpida. Talvez a vida noturna da maldição deste lugar começa às 00:00 .Talvez você tenha vindo aqui antes das músicas. Talvez — O que você gostaria de beber? — Ele acenou para o garçom, em seguida, voltou sua atenção para ela, olhos penetrantes que procuram os dela como se ele visse alguma coisa neles, visse sua alma e o que ela realmente era.


Ela estremeceu, mas que a ondulação subindo sua espinha não era desagradável. Não, aquecia-a em lugares que não deveriam ser aquecidos em um bar cheio de pessoas. Esse tipo de calor pertencia ao quarto. Ele baixou a cabeça e disse em seu ouvido: — Eu tenho uma suíte aqui, se é isso que está em sua mente. — Se afastando, ele olhou para ela , como se tivesse lido seus pensamentos e sabia o que estava acontecendo entre suas pernas. Ela corou de novo, engoliu em seco. — Eu estou ….uh... para responder à sua primeira pergunta, eu gostaria de um copo de vinho branco, e para o seu segundo comentário ... você vem sempre aqui? Dahlia amaldiçoou a si mesma quando ele riu . Grande. Você vem aqui muitas vezes não era apenas uma das conversas mais esfarrapadas que já tinha ouvido falar, mas a inferência de que a fazia parecer uma cadela sedenta de sexo. Ela apostou, ele era britânico, ele não veio aqui muitas vezes, e se ele fez, com quem ele viria era uma mulher de sorte. — Não. — Ele estendeu a mão para pegar um cacho de seu cabelo que havia caído de lado. — Eu raramente venho aqui . Ela escondeu um som estrangulamento de surpresa . — Certo. — Porque eu só venho com mulheres que têm alguma afeição por alguns ... conhecimento de que estamos aptos a desempenhar. Mas eu ainda tenho que encontrar uma mulher que eu me sinta completo com ela. Até agora. Que diabo ele estava batendo na cerca? Ou ele estava sendo sincero ou ele tinha passado algum tempo criando cantadas com a intenção de impressionar mulheres para caírem nessa. Dália era um monte de coisas, mas ela não era uma cabeça oca . Ela teria esta bebida , apesar da forma como ele a fez tremer em seus saltos altos.


O barman veio para atendê-los, e enquanto Connor deu a sua ordem, Dahlia pegou a informação nova que ela tinha recolhido. Um cara de boa aparência como ele teria as mulheres caindo em cima dele, mas ele alegou que não fez ... bem, ele alegou que não dormia com mulheres muito frequentemente. Ela pensava, a partir de seus olhares e outros enfeites, que ele teria utilizado-os a sua vantagem. Qualquer outro cara que ela conhecia, e que tinha o seu carisma e rosto bonito tinha dormido no mínimo com uma centena ou mais mulheres. Ou então eles mentiam. Talvez ele esteja mentindo. Talvez ele tenha mais entalhes em sua cabeceira que o indivíduo normal. Talvez porque ele acha que eu me inscrevi para um encontro de uma noite, que eu sou para qualquer coisa. Eu não sou, e eu nunca devia ter entrado, nunca deveria ter pensado que poderia passar por algo assim. Mas eu não poderia encontrar um Porfavor-MeAme-Para-Todo-o-sempre.com. O barman trouxe uma garrafa de vinho branco, trazendo-a para fora para sua apreciação. Connor agradeceu, oferecendo o pagamento, e Dahlia supos que ele tinha uma conta. Observando sua aparência, ele parecia se portar como se ele soubesse o que a fazia, não é? Os gestos dele davam uma pista sobre a forma como as pessoas como ela viviam. — Eu fui pobre, uma vez — disse ele, parecendo novamente pegar seus pensamentos. E se ela murmurou em voz alta? Ela estava tão acostumada a viver sozinha, que falando para si mesma havia se tornado uma ocorrência frequente de forma alarmante. Ah, certo. Ela se sentiu estúpida para não dizer mais nada, mas o que poderia dizer? Se ela mencionasse sua riqueza óbvia, ele pode pensar nela como uma cavadora de fortuna.


— Mas tudo mudou quando eu … — Ele sorriu para ela, nem um pouco perturbado por ter parado no meio da frase, e sacudiu a cabeça, indicando que ela devia segui-lo até uma das mesas. As mesas dos casais ocupadas. — Mas eles são todos cheios — disse ela, olhando para ele. Ele segurou duas taças em uma mão e a garrafa de vinho no outro. — Sério?— Seu sorriso chegou aos seus olhos, e ele seguiu em frente, andando no meio da multidão. Dahlia permaneceu onde estava, observando a influência do paletó, sem saber se devia seguir ou virar as costas e correr. Ela queria fazer as duas coisas na mesma medida e, frustrada, trocando de pé para pé, decidindo qual a opção a tomar. Virando-se então olhando para ela com uma sobrancelha torcida, era como se seus pés tivessem uma mente própria, ela deu um passo adiante. Ele parou em frente a uma mesa vazia, e ela olhou de lado a lado, observando que todas as mesas estavam vazias. Onde os casais que estavam aqui foram? — Ah, foda-se! — ela bufou e caminhou na direção dele. Um copo de vinho não faz mal, e além disso ela tinha pago por esta introdução, e era um bem danado conseguir pelo menos uma hora e meia do seu tempo para fazer o pagamento valer a pena. Se ela poderia executá-lo, agindo como alguém que ela não era, não sabia, mas ela ia tentar ser sofisticada e todas as coisas que ele estava obviamente esperando de uma mulher. Até agora, ela mostroulhe que ela poderia possivelmente ser mais denso do que a madeira no departamento de cérebro e alguém que deu respostas estúpidas a perguntas completamente normais. Falta de auto confiança era uma cadela. Sua jaqueta de couro rangeu novamente, e ela estava na cabine fechada, e quando ele situou-se ao lado dela, sua coxa mais uma vez pressionando contra a dela, ele sorriu um


sorriso tão diabolicamente encantador que ela sabia que tinha algo a ver com aquele som. O que na terra ele era, apreciador de couro? Antes que ela pudesse se conter, ela perguntou: — Então. Você gosta de couro? — Ah, sim! — Ele piscou, então se concentrou em servir o vinho. — E você também. — E você sabe disso como? — Ela estendeu a mão e pegou um copo, tomando um longo gole de vinho. O líquido frio queimou em seu estômago vazio. Se ela não tomasse mais cuidado, ela ia ficar bêbada em algum momento. Ela olhou para ele por cima da borda do vidro. — Eu sei muitas coisas — disse ele, misteriosamente, com uma pitada de perigo sexy ela nunca sonhou. Muitas das coisas que ele queria fazer com ela.

A garrafa de vinho tinha acabado, e também a outra. Agora embriagada, Dahlia vacilou na porta da suíte de Connor. Oh, ela concordou em vir até aqui, o álcool dando-lhe coragem, e disse a si mesma que se uma pessoa se inscreveu para uma noite, então, que é o que ela devia começar. Connor era um sonho para olhar, tinha modos impecáveis, e parecia realmente achá-la divertida e alguém que ele queria passar o tempo. Eles falaram sobre tudo e qualquer coisa e muito mais no meio, e Dahlia o conhecia


como se fossem conhecido de muito tempo. Parecia que ela tinha conhecido durante mais de duas horas que ela passou em sua companhia, e é incrível a ela que isso tivesse acontecido. Como tinha Evangeline sido capaz de encontrar alguém se dava com Dahlia tão perfeitamente? Se ela não soubesse melhor, ela diria que a dona da 1NS era uma bruxa. Ao invés de dissecar os porquês, e como ele parecia saber um inferno de muito sobre ela, caramba, ela havia desistido de pensar os dois copos de vinho atrás. Dahlia respirou fundo e prometeu a si mesma uma noite de paixão. Merda, ela nunca teria a chance de novo, não com alguém tão divino como Connor, de modo que ela poderia muito bem ir para ele. Pelo menos ela teria algo a sonhar para o resto de sua vida solitária. Sua garganta inchou com a emoção. Não comece, mulher. As lágrimas são para mais tarde. Connor caminhou até a grande janela da sala enquanto ela estava balançando na porta. Ele virou-se agora, um sorriso torto no rosto, e fez sinal com a cabeça que ela se juntar a ele. Ela fechou a porta, sentindo-se desajeitada em seus sapatos, e considerou retirá-los, mas perderia o efeito. — Por mais que eu adoro aqueles saltos, tire-os. Seu estômago rolou de novo, meu Deus, ele ia mandá-la para a terra da loucura e de calcinha encharcada onde ela estava, se ele ordenasse assim de novo. — E venha aqui ! Eu estou lá. Na Terra da loucura. Com calcinha molhadas. Ela tirou os saltos, concentrando-se em não cair, enquanto fazia isso, e tentou um passeio sexy quando ela fez seu caminho em direção a ele. Ela pensou que fez bem o suficiente, e se ela levasse o brilho em seus olhos como resposta, ela definitivamente tinha.


Em pé, diante dele, com seu coração tamborilando muito rápido e os joelhos enfraquecendo sob o olhar ardente, Dahlia esperou, querendo mais comandos para derramar de seus lábios. Por favor, me diga o que fazer. Eu não tenho nenhuma ideia de como agir, como fazer algo parecido isso ... Então eu vou te ensinar. Mostrar-lhe. Assustada, porque ela teria jurado que seus lábios não se moveram e ela tinha ouvido a sua voz, ela engoliu profundamente para combater os seus nervos. O vinho estava brincando com ela, com certeza. Você fez ? Sim, mas não questione. Só por esta noite, aceite que isso está acontecendo, e amanhã cuidaremos do resto. O que era ele, uma espécie de mago? Um ventríloquo? Tudo o que ele era, no entanto, como ele falou com ela desse jeito, ela não poderia recusá-lo. Nem quando ele olhou para ela como estava fazendo agora, os olhos de um semi Deus castanhos e um sorriso que faria o encanto dos pássaros das árvores. Ele a prendeu no primeiro copo de vinho, e se ela fosse honesta, ele encantou no segundo e completamente quando empurrou-a para a porta. Amor à primeira vista não acontecia, não com Dahlia, mas desejo à primeira vista sim. Ela poderia reconhecer essa situação exatamente o que era, o que ela se inscreveu. Uma noite só. Oh, mas é muito mais do que isso, Dahlia Singleton. Muito, muito mais do que isso. Não se lembra? Eu não venho aqui muitas vezes.. — Sim — ela sussurrou.— Você disse isso, mas eu ...


— Não acredita em mim?— Ele puxou-a em seus braços, uma mão na bunda dela, a outra em seu cabelo. — Eu sei que você não fez, mas eu prometo a você, eu não venho aqui muitas vezes. Para este reino. — O quê? — Eu sou … Eu sou ... Porra, ele cortou novamente. O que ele quis dizer, ele não veio a este reino, muitas vezes? Onde diabos ele vivia, então? Marte? — Alguma coisa assim, Dahlia. — Oh, você é engraçado! — Ela golpeou o ar, indo junto com sua brincadeirinha. O que era uma esquisitice quando apresentado com um homem como ele? Se pensasse em um alien ou o que quer que seja, ela não se importava. Não, ela pegava o que ele ofereceu e desfrutaria de sua própria maldição. — Você não acredita em mim ... — afirmou, — … mas você pode me ouvir quando eu não estou falando, o que me diz que você é ... Ele fez isso novamente, parou no meio da frase. Ela abriu a boca para perguntar porque ele fez isso, mas ele colocou um dedo torto sob o queixo, inclinou a cabeça para cima, e desceu para cobrir sua boca com a dele. Aquele beijo, que explodiu com a promessa de tudo que Dahlia queria de um beijo. Leve, especial, suave e perfeito, tão perfeito que os joelhos enfraqueceram e seu coração acelerou. Ela retribuiu o beijo, amando a sensação de sua língua roçando na dela, a forma como as pontas dos dedos massageavam seu couro cabeludo. Se ela morresse esta noite, ela ia morrer uma mulher feliz a partir de hoje. E eu morreria um homem feliz. Um gemido soou, e levou um momento para ela perceber que tinha vindo dela. Ela abraçou-o, alisando as mãos para cima e para baixo em suas costas, e ela arriscou uma jogada ousada e segurou os globos de sua bunda. Ele endureceu contra ela, um gemido surdo no peito,


vibrou transferindo para a dela. Oh, Deus, ele era delicioso, gosto de uma boa noite vindo com um monte de sensualidade, e ela empurrou-se para ele, memorizando o que sentiu ao estar perto de alguém tão masculino, tão bonito. Ele a ergueu então, em seus grandes braços fortes, no mais quente abraço que ela já teve, e quebrou o beijo de olhar para ela. Ele virou-se, levando-a para a janela, e ela descansou a cabeça em seu ombro, segurando firme com as mãos ao pescoço. Pela primeira vez em sua vida, ela não se sentia envergonhada de estar segurada como um bebê, como se ela fosse preciosa, era uma experiência nova, que ela iria guardar para sempre. Olhe para as luzes lá fora, Dahlia. Não são lindas? Ela olhou pela janela, tendo diante dos olhos uma Las Vegas iluminada, a multidão de brilhos em cores diferentes de tirar o fôlego. Ela se sentia tão segura, tão querida aqui desse jeito, que foi duramente pressionada a lembrar de uma época que rivalizava com ele. Dahlia parou para pensar, e lembrou que na maioria de sua vida ela esteve sozinha, sentindo indesejada, no caminho de todos, alguém que não se encaixava. Ela viera para Las Vegas para começar de novo, o glamour e o brilho da cidade que ela não tinha sido capaz de ignorar. Afinal, ela poderia perder-se em Las Vegas, tem que conhecer tantas pessoas diferentes, e trabalhando no Planet Hollywood a tinha feito sentir-se como a estrela que ela não era. Você vai sempre sentir como uma estrela comigo, Dahlia. Ela engoliu o nó na garganta e se atreveu a olhar para ele, deixando uma lágrima escorrer por seu rosto. Ela estava cansada. Connor abraçou facilmente em um braço e alisou a lágrima, limpando até que todos os vestígios de que se foi, e ela se perguntou, por um momento, em como seria estar com ele para sempre. — Você pode descobrir, se você quiser — disse ele. — E eu sei que você tem muitas perguntas sobre o que eu sou, de onde eu venho, e como eu posso querer alguém como


você, mas pode esperar até amanhã. A noite? Bem, eu vou levá-lo em meus braços e te amar. E você quer ser amada, não é? — Ela assentiu com a cabeça, e ele deixou a janela, levando-a através da sala e num quarto que veio direto de seus sonhos. Candelabros tremulavam velas longas em cada superfície e dois conjuntos de criados mudos, um aparador, uma mesa. Ela rapidamente se perguntou quem tinha acendido-os e quando. — Eu fiz — disse ele, baixando-a para o chão de carpete. — Como? — Com a minha mente. Ele disse isso tão casualmente, tão facilmente, que ela aceitou a explicação, como se ouvisse essas loucuras todos os dias. O vinho … Teria de ser o vinho. Ou o sonho que ela disse a si mesma que ela estava tendo. — É um sonho, Dahlia, mas só se você quiser. — ele estendeu a mão e tirou sua jaqueta de couro para baixo os braços, segurando-a contra o seu estômago enquanto ele estudava. — Agora, tire esse vestido. Sua voz tinha autoridade, e cenas de sexo carregados de visões piscaram em sua mente. — Observe-os todos, Dahlia. Quem é nessas visões? Você? Eu? — Ela assentiu com a cabeça, pega assistindo-se e Connor em poses sexuais que ela nunca pensou serem possíveis. — E você vê onde estamos? Ela balançou a cabeça novamente. — Em uma cama, no que parece ser um quarto em um castelo. — É isso mesmo. Minha casa. Em algum lugar longe. Em algum lugar que eu vou levá-la, para que possa entender quem eu sou.


Sua respiração ficou presa, e ela balançou a cabeça, mantendo o contato visual quando deslizou para fora do vestido. Ela deixou ele no chão e saiu dele, surpresa com sua falta de vergonha em ficar de pé diante dele de calcinha preta, sutiã e meias. — Agora o resto. Leve tudo fora. Eu quero ver você nua. — Agora, o constrangimento veio na forma de um rubor aquecido que cresceu a partir de seu peito, até seu pescoço, e se estabeleceu em seu rosto. Ela ficou imediatamente preocupada que o seu rosto ficasse o de um vermelho brilhante. Ele sorriu, então riu, um estrondo sexy que sua buceta molhou e seu clitóris ficou latejante. — Você parece mais bonita quando você se envergonha. Por favor, tire o resto. Depois de respirar fundo, ela escorregou as tiras do sutiã para fora de seus ombros e soltou uma banda, descartando a renda de seu corpo e deixando-a cair na cama. Ainda olhando para ele, ela deslizou os polegares no cós da calcinha e puxou para baixo das pernas, jogando com o sutiã. Com uma onda de coragem, que veio do nada, ela levantou uma perna e descansou-o na borda do colchão, em seguida, rolou para baixo sua meia. Ela repetiu a ação na sua outra perna, nunca tão agradecida que ela tinha se depilado antes de sair hoje à noite. — Muito bom, tão bonita. Vire-se. Deixe-me ver você. — Dália tirou o pé da cama e plantou-a firmemente no chão. O álcool que tinha nadado tão recentemente através de suas veias havia desaparecido, deixando parte dela, vulnerável e corajosa. Ela girou, empurrando sua vulnerabilidade longe e saudando sua valentia, abraçando-a para que ela pudesse passar por isso sem se fazer de tolo. Não se preocupe, Dahlia. Seja você mesma. Ela encarou-o novamente, propositadamente não cobrindo os seios ou buceta, sentindo que ele desejava a inspecionar toda. Surpreendentemente, ela não se sentia sob o exame minucioso no sentido de que ela estava desconfortável, mais que ela se sentia adorada,


como se ele olhasse para ela como alguém de incrível beleza. Sua expressão, algo que ela não tinha visto em qualquer homem antes, o espanto de olhos arregalados e sorriso preguiçoso, disse-lhe que por algum milagre do destino, este homem, este pedaço, lindo de um homem, encontrou-a desejável. E eu faço. E muito. Agora, na cama. Ela estremeceu em seu tom, amando as espirais de desejo que saltou de seu núcleo para o clitóris, e obedeceu. Deitando a cabeça sobre os travesseiros fofos, ela esperou o que ele iria fazer em seguida. Ele jogou sua jaqueta de couro na cama ao lado dela. — Ponha isso novamente.— Oh, Senhor! Oh, Deus, isso é tão quente. Tão quente. É, Dahlia, e você está me deixando louco. Ela podia ouvir a própria tagarelice. Dahlia mudou o seu olhar de seu rosto, no peito musculoso, e veio a uma parada em sua pélvis. Sua ereção escavando sob o tecido da calça, e ela respirou por admirar que ela tinha causado isso. Rapidamente, ela colocou seu casaco e fezse confortável de novo, vendo como ele despiu o paletó e deixou-o cair ao chão. Sua camisa seguido junto, e ela engasgou com os músculos de seu corpo, a maneira como os músculos do estômago desapareciam sob a sua cintura. Seus bíceps grandes gritou para ela tocá-los, e sua buceta ficou mais úmida, o seu clitóris latejando mais duro. Queria tocar-se a aliviar a pressão lá, mas resistiu, Connor faria um trabalho melhor do que ela jamais poderia. Chutando os sapatos, ele tirou as calças e as meias, revelando que ele não usava cueca . Ele ficou ao pé da cama, seu pau duro saliente de seu corpo, um rabisco de pelos escuros que cercavam sua base. Não havia nenhum sinal de insegurança sobre ele, mas ao mesmo tempo, não era porque ele sabia que ele parecia bem. Não, não era outra coisa, como ele estava orgulhoso de ter o seu olhar para ele e encontrar-se querendo tanto quanto ele, mais do que ela sempre quis alguém.


Ele sabia, sim, ele sabia exatamente o que ela pensava, ele tinha provado lendo sua mente. Com movimentos lentos e lânguidos, ele arrastou-se na cama, descansava sobre os pés, depois levantou-a, colocando-a em seu colo. Ela enrolou as pernas em torno dele, os braços ao pescoço, e a jaqueta de couro rangeu novamente. Eles gemeram, ao mesmo tempo, e ele deslizou suas mãos por baixo da jaqueta para apertar a cintura. Suas mãos, Deus, elas eram tão grandes e quentes, e o contato arrepiou sua pele e uma onda de luxúria para sua buceta. Gentilmente, ele levantou-a, e a ponta de seu pênis alinhou-se em sua entrada. Ela prendeu a respiração, olhando para ele, então, afundou-se, deixando-o preenchê-la, estirando seus limites. A sensação dele dentro dela intensificou sua vontade e levou o instinto de montá-lo duro e rápido. Ele ergueu as sobrancelhas e sorriu, então inclinou a cabeça para beijá-la, ao mesmo tempo usando seu aperto na cintura para definir o seu balanço. Ela cravou os joelhos no colchão e se afogou em seu beijo, permitindo-lhe acesso total a sua boca. Sua língua saqueada, procurou todo o espaço interior, como se quisesse possuir cada centímetro dela. E, Deus, ela se sentia bonita, desejada, e por isso muito especial. Calor queimava dentro dela, do tipo que cresceu rapidamente em intensidade e lhe pediu para trabalhar mais rápido. Ela aumentou sua velocidade, elevando, em seguida, forçando para baixo em cima dele, um frenesi a atormentando. Cavando as unhas em seus ombros, ela arranhou a sua pele, curtindo o som do seu gemido apreciativo. Ela arrancou a boca fora, querendo provar sua pele, fazendo um caminho com a língua de sua clavícula ao seu ouvido. Ele esfregou a bochecha contra a dela, e ela amamentou o lóbulo da orelha, a pele macia na sua língua. Paixão acendeu dentro dela, tão rápida e urgente que ela sabia que não demoraria muito para que ela explodisse. Ela raspou as unhas pelas costas novamente e apertado as mãos sobre seus ombros, empurrando para baixo para alavancar, enquanto ela cavalgava ele.


Ele procurou a boca para outro beijo, lambendo a costura onde seus lábios se encontraram, e mudou as mãos da cintura para cruzar os braços sobre as costas e trazê-la mais perto. Sua pele, exposta onde a jaqueta não se encontrava, aqueceu quando ele a abraçou em seu peito, e uma fita de excitação rodou através de sua parte inferior do corpo, espalhando-se para aquecer o seu. Um flash de ousadia bateu nela, e ela relaxou e ele virou-se, afundando-a em seu pênis. Ela se inclinou para trás, o peito largo pressionado contra suas costas, e preparou as mãos nas coxas. Subindo e descendo sobre o seu eixo, ela sorriu enquanto suas mãos serpenteavam sob sua jaqueta para segurar seus seios. Isso é tão bom, Dahlia. Eu posso te tocar aqui ... Ele estava mexendo em um mamilo. E aqui ... Ele passou uma das mãos para baixo nas suas linhas suaves, dois dedos deslizando sobre o clitóris molhado. Ela chupou uma respiração forte, os seus nervos sensíveis zumbido de seu toque. Ele aplicou pressão, circulando seu cerne, a força de seus golpes lançando uma onda de sensação de lá direto para sua buceta. Dahlia agarrou suas coxas mais duro, unhas escavando em sua carne, e assobiou por entre os dentes. Ela se esforçou para atingir o pico, incapaz de se concentrar em qualquer sensação de seus dedos em seu mamilo, os dedos em seu clitóris, seus beijos quentes no lado do pescoço. Respirações leves saiam dele, aquecendo a pele dela, e ela estremeceu de prazer. Eu quero que você goze, Dahlia. Deixe ir . Ela trabalhou mais duro, mais rápido, empurrando para baixo em cima dele. Puxando de volta, deixando apenas a ponta dentro dele, ela esperou uma batida antes de mergulhar em cima dele novamente. Ela repetiu o movimento, ganhando velocidade, e ele gemeu o seu prazer. Dália se juntou a ele, lançando um gemido abafado quando seu clímax desceu, caindo sobre ela com grandes ondas de desejo. Ela sentiu seu pau endurecer ainda


mais, então pulsar, e então o calor doce de sua ejaculação embebeu suas paredes internas e ajudaram seus movimentos. Ela deslizou para cima e para baixo, cerrando os dentes, quando seu quadril sofreu um espasmo da força de seu orgasmo. Seu mamilo ereto, alterado pelas carícias suaves, e acalmou os dedos em seu clitóris. Sua mão derivou de lá para coxa, e ela abaixou a cabeça para trás, virando o rosto para o lado para olhar para ele. Ele baixou a cabeça, tirando a mão do peito para fazer uma trilha de cima e para baixo do braço em couro, e um sopro leve do ar chegou a boca um pouco antes de seus lábios. Beijou-a docemente, um toque que fez seu latejante clítoris pedir mais de seu tratamento especializado. Como ela quase foi embora? O que ela teria perdido se tivesse ido para casa! Há muitas mais horas ainda esta noite, Dahlia. Quer compartilhá-las comigo?

Dahlia despertou, mas não abriu os olhos. Suas pálpebras internas estavam vermelhas pelo sol entrando em sua janela, e ela sorriu com a lembrança desse sonho incrível com o Connor incrível. O barulho da cortina soou, e ela franziu a testa, se perguntando se ela tinha deixado a janela aberta à noite passada e as cortinas estavam esvoaçando. Mas não havia brisa, e ela claramente sentia um corpo sobre ela , um braço estendido sobre o seu estômago ...


Ela deu um pulo, girando ao redor para ver que o inferno estava em sua cama. Connor? — Bom dia, Dahlia. Oh, Senhor! Ela sabia que ele não era um sonho, na verdade, só havia estado brincando com si mesma que era, porque essa coisa estranha que ele fez, falando em sua mente não era normal, não poderia realmente acontecer. E agora a realidade cruel bateu nela. Ela devia estar uma bagunça, com os cabelos emaranhados de um arbusto, seu preto grampo Deus sabia onde, e, sem dúvida, a maquiagem manchada. Olhos de panda não eram tão em moda, e ela não fez estas da manhã depois de rituais com rapazes. — É isso mesmo? — ele perguntou. — Uma manhã, depois do ritual? Certamente você não acredita nisso. Ela se virou e se aconchegou no peito contra o dele. Um pouco mais de carinho não fazia mal, não é? — Eu disse a você ontem à noite, e tudo que eu disse é verdade. Eu vou te mostrar a minha casa, o reino onde eu moro, e explicar exatamente por que eu posso falar com a minha mente, porque você pode me ouvir. — Ele girou o dedo ao redor de seu mamilo. — Mas é tudo tão ... tão estranho. Esse tipo de coisa não acontece para mim. — Que tipo de coisa? —Ele beijou a testa dela. — Isso. Conhecê-lo. Depois de falar na minha cabeça. Você fala de outros reinos. — Fez uma pausa. — Você me deu a droga, não deu. No vinho. Você me deu alguma coisa. — Ela sorriu, sem acreditar numa palavra do que ela disse, mas parecia a melhor maneira de racionalizar o que tinha acontecido entre eles. — Eu vou mostrar a você, e então você vai entender. Você não tem que sair daqui para vê-lo. Eu posso te mostrar, como eu fiz ontem à noite, com imagens.


Ela fechou os olhos e lhe permitiu preencher a mente com visões. E depois ela entendeu e aceitou, que ela tinha passado a noite com um alguém muito especial que nunca quis deixar ir. Vozes na sua cabeça ou não, ela queria ele como nenhum outro. Ela tinha dúvidas, mas suas respostas não parecia importar. Nada fez, exceto ele. Só por hoje, aceite que isso está acontecendo, e amanhã e o resto de nossas vidas para cuidar do resto, minha Dahlia.

Fim

Série 1ns vol 03  
Série 1ns vol 03  
Advertisement